Sie sind auf Seite 1von 2

8 quINta-feira, 27 DE JANEIRO DE 2011 Diário Regional

Especial

De Getúlio Vargas a Castello Branco


Clássico de historiador norte-americano, que compreende a política nacional de 1930 ao Golpe de 64, ganha reedição primorosa
Fotos: Acervo Iconographia

 Fernando de Oliveira examinar as origens desse sis- em livro. Brasil: De Getúlio Skidmore é um trabalho de Federal do Rio Grande do Sul.
Repórter tema”. Elas desembocavam a Castelo (1960-1964) - cha- excelência, que “ainda é uma É um ótimo texto para estudan-
fernando@diarioregionalrs.com.br “na década seguinte à Revo- mado Politics in Brazil nos obra, no geral, muito atual”, tes – mas também para leigos e

N
lução de 1930, e no processo EUA - se tornou logo um clás- já que “continua tendo valor interessados em geral pela His-
a década de 60, o de redemocratização que pôs sico, recebendo por aqui uma como um grande esforço bem tória brasileira –, pois oferece
norte-americano fim à ditadura de Vargas”, que calorosa recepção da crítica construído de síntese do pro- uma visão de síntese e uma nar-
Thomas Skidmo- durou de 1937 a 1945. e do público. Agora, 43 anos cesso histórico em tela”. “De- rativa bem encadeada do pro-
re, então um “jovem professor Decidido a ir até o fim de pois de sua publicação, muitas cesso histórico em tela, vazada
universitário” do Departamen- seu projeto, o jovem Skid- foram as monografias escritas, em escrita fina e fluente. Voltei
A síntese que a
to de História de Harvard, se- more mergulhou na história no Brasil e no exterior, sobre ao livro anos mais tarde, quan-
quer sabia que “a língua fala- brasileira. Para tanto se de- obra propõe para o assunto, aprofundando di- do estava fazendo meu pós-
da no Brasil era o português”. bruçou sobre inúmeras fon- o horizonte versos aspectos de sua abor- doutorado na Fundação Getúlio
No entanto, como o interesse tes como jornais, periódicos macroeconômico é dagem”, lembra Gunter. Vargas, no Rio de Janeiro, já,
dos acadêmicos norte-ameri- e revistas, dados estatísticos Na entrevista a seguir, então, com outro olhar. Pude
canos se voltava para o país, e arquivos governamentais.
de grande utilidade concedida ao Diário Regio- confirmar a excelência do tra-
ele entrou no mesmo barco e Contudo, ainda contou com nal, por e-mail, do gabinete balho, pelos aspectos já men-
resolveu entender as circuns- a colaboração de intelectuais depois, a obra inaugural de de seu apartamento, no Bairro cionados, mas também pelo
tâncias do Golpe de 64, que proeminentes como Fernando Skidmore, hoje considerado Trizteza, em Porto Alegre, o razoável domínio das fontes e
depôs João Goulart da presi- Gasparian, Caio Prado Júnior um dos maiores brasilianistas historiador fala das ressonân- da bibliografia, bem como pelo
dência da República em 1ª de e Hélio Jaguaribe entre outros do século XX, ganha relança- cias causadas pelo livro. pertinente poder interpretativo.
abril daquele ano. Primeiro, tantos, que lhe davam ou em- mento no país pela Compa- Skidmore resolveu escrever um
escreveria um artigo a respei- prestavam livros e o coloca- nhia das Letras, que colocou Diário Regional - Quando livro para explicar a queda do
to. Por fim, decidiu escrever vam nas rodas de discussão nas livrarias no fim do ano o senhor leu livro de Skidmo- Governo João Goulart em 1964
um livro. da política nacional da épo- passado uma edição com nova re pela primeira vez? Que im- e logo percebeu que precisava
Porém, logo nas primeiras ca. “Li tudo que me caia em tradução e com caderno de fo- pacto lhe causou? retroceder à Era Vargas, para
pesquisas para a obra se deu mãos”, recordou o historiador tos e cronologia. Gunter Axt - Eu o li em compreender o sistema político
conta de que “seria impossí- anos depois. Para o historiador e doutor princípio dos anos 1990, quan- com o qual Jango lidava. Ame-
vel explicar o sistema político Enfim, em 1967 Skidmore em História Social pela USP, do ainda cursava a Faculdade ricano que é, preocupou-se es-
em que Jango governara sem lança seu ambicioso projeto Gunter Axt, o livro de Thomas de História, na Universidade pecialmente com a relação entre
Diário Regional quINta-feira, 27 DE JANEIRO DE 2011 9

Especial
Livro: Brasil: De Getúlio
a Castello (1930-1964),
de Thomas Skidmore; Ed.
Companhia das Letras;
483 páginas
Tradução: Berilo Vargas
Preço: R$ 55,50
Outros livros do autor:
A editora prevê para
setembro o lançamento
do livro Preto no Branco.
E para 2012, outra obra
de Skidmore, porém sem
título definido.

o sistema de poder da época, as mark. Voltou-se para o Brasil na


instituições políticas brasileiras esteira de um boom no interesse
e a dinâmica da economia de dos acadêmicos norte-america-
um país que atravessava impor- nos pelo País. Nos anos 1960, Collection Brown University
tantes transformações, urbani- em plena Guerra Fria, temia-se sua participação no golpe. Por até então nenhum brasilei-
zando-se e industrializando-se. nos meios governamentais dos outro lado, num contexto for- ro havia se debruçado sobre
A síntese que propõe para o Estados Unidos que o Brasil se temente ideologizado, parte da aquele período da história
horizonte macroeconômico é tornasse uma segunda China, esquerda universitária brasilei- política nacional?
de grande utilidade. O papel do do ponto de vista político. Além ra acolheu com frieza um livro Gunter - Bem, já existiam
Estado na economia, desde Ge- disso, a institucionalização do escrito por um pesquisador nor- trabalhos de brasileiros sobre
túlio, merece destaque em sua regime militar no Brasil contou a era Vargas e sobre a demo-
abordagem, que também perce- com apoio dos Estados Unidos. cracia pós-Constituição de
be a dificuldade do povo brasi- Esta evidência ampliou a de- Thomas Skidmore foi 1946, embora se tornassem
leiro em se organizar como for- manda por estudos brasileiros, diligente e metódico bem mais escassos quanto
ça atuante. Ainda é uma obra, que arrefeceu nos anos 1980, mais se aproximava a narra-
no geral, muito atual. mas que, agora, volta a se cor- tiva do Governo Castello. O
porificar, em face da conjuntura te-americano. Skidmore, com que realmente não existiam
DR - Sua primeira edição atual vivida pelo País. efeito, não produzira uma obra eram esforços de síntese sobre
foi lançada em 1967. Por que O livro de fato contou com engajada. Mas é precisamente todo esse período. Nesse sen-
teve uma recepção tão calorosa, boa acolhida em círculos inte- aí que reside a sua força de per- tido, o trabalho de Skidmore Thomas Skidmore publicou outros sete
“de público e crítica”, naquela lectuais, bem como do grande manência. Ele, por exemplo, foi pioneiro. Além disso, o li- livros sobre o Brasil e a América Latina
época? Trata-se realmente de público. Mas esteve longe de sinaliza nas entrelinhas a cola- vro foi escrito e publicado no
uma narrativa pioneira sobre ser uma unanimidade. Setores boração norte-americana para o calor da hora, com um olhar síntese do processo histó-
o período abordado? governistas, tanto no Brasil, Golpe de 1964, da mesma for- relativamente descompromis- rico em tela. Depois de sua
Gunter - Skidmore era ori- como nos Estados Unidos, re- ma em que aponta os erros da sado das paixões que embala- publicação, muitas foram as
ginalmente germanista, tendo agiram azedamente: militares esquerda petebista. vam corações e mentes. monografias escritas, no Bra-
se doutorado em Harvard, em brasileiros repeliram a acusação Thomas foi beneficiado sil e no exterior, sobre o as-
1960, aos 28 anos de idade, com golpista e americanos constran- DR - Como o senhor con- por competentes mecanismos sunto, aprofundando diversos
um elogiado trabalho sobre Bis- geram-se com a exposição de sidera esta obra, uma vez que de financiamento a pesquisas, aspectos de sua abordagem.
quase inacessíveis aos brasi- Portanto, muito mais do que
leiros da época. Conseguiu, rever o que ele escreveu, tra-
também, consultar fontes, ta-se aprofundar.
como algumas produzidas
nos Estados Unidos, estranhas DR - O senhor concorda
aos brasileiros. Foi diligente e que Thomas Skidmore seja
metódico. considerado um nome de
Na época, finalmente, referência entre os especia-
publicava-se relativamente listas norte-americanos na
pouco sobre história do Brasil história brasileira do século
e os arquivos nacionais eram passado?
notadamente mal estrutura- Gunter - Sem dúvida. Sua
dos. A visibilidade conquista- obra, aliás, vai bem além des-
da pelo livro de Skidmore aju- se livro. Posteriormente, ele
dou a chamar a atenção para escreveu “De Castello a Tan-
este quadro melancólico. credo”. Já em “O Brasil visto
de fora”, publicado em 1994,
DR - Algum aspecto de reúnem-se diversos artigos e
Brasil: De Getúlio a Castello ensaios, originalmente publi-
deveria ser revisto em decorrên- cados em revistas acadêmicas,
cia do tempo que fora escrito? com destaque para a reflexão
Qual o valor deste livro hoje? em torno de temas relaciona-
Gunter - O livro continua dos à identidade cultural bra-
tendo valor como um grande sileira e ao tipo peculiar de
esforço bem construído de racismo existente no Brasil.