Sie sind auf Seite 1von 10

Estudo dirigido de Biofísica, para P2.

Aula 8. - Radioatividade

1) Quais os tipos de força que estão em jogo no núcleo de um átomo? Elas se equilibram
naturalmente? Sempre?

Resposta: Dois tipos de forças. A força de repulsão entre os prótons e a força de atração nuclear. Elas
se equilibram sempre em alguns elementos, mas nem sempre em outros.

2) O que é a radioatividade?

Resposta: Radioatividade consiste na emissão espontânea de partículas (alfa e beta) ou energia


gama pelo núcleo de um átomo devido ao desequilíbrio entre as forças presentes no núcleo atômico.

3) Explique como surge a radioatividade?

Resposta: No núcleo, os prótons, carregados positivamente, são mantidos juntos com os nêutrons.
Essa união se deve ao equilíbrio entre a força de repulsão entre eles e a força de atração nuclear.
Quando, por alguma razão, esse equilíbrio é quebrado, o núcleo do átomo emite uma considerável
quantidade de energia na forma de partículas aceleradas ou de onda eletromagnética. Tem-se, então, o
fenômeno da radioatividade. Sendo assim, a radioatividade é apresentada por aqueles elementos cujos
núcleos muito energéticos se tornam instáveis por causa do excesso de partículas ou de cargas. Sob tais
circunstâncias de instabilidade, esses núcleos buscam estabilidade.

Por isso que os elementos que apresentam isótopos são fortes candidatos a se incluírem entre
aqueles radioativos. Um átomo pode roubar elétrons de seu isótopo para tentar se estabilizar, tornando
esse isótopo, um átomo instável, quebrando o equilíbrio que existia entre as forças de atração e repulsão
presente no núcleo. Esse isótopo, por ter perdido elétrons, tem no seu núcleo, um excesso de carga
positiva, o que faz esse núcleo emitir energia devido a aceleração das suas partículas.

4) Defina resumidamente radioatividade e diga por que é dita um fenômeno nuclear.

Resposta: A radioatividade é a emissão espontânea de partículas carregadas ou de radiação


eletromagnética pelos átomos de alguns elementos. Ela ocorre, naturalmente ou artificialmente, quando
se rompe, dentro do núcleo dos átomos, o equilíbrio entre as forças de repulsão entre os prótons e a força
de atração nuclear. É um fenômeno nuclear, porque ele se origina no núcleo dos átomos de um elemento.

5) O que são Isótopos? Quantos tipos de isótopos existem?

Resposta: São átomos de um mesmo elemento químico, cujos núcleos têm diferentes quantidades
de nêutrons. Existem dois tipos. Os estáveis, cujos núcleos não emitem energia e nem partículas de forma
espontânea. E os instáveis, cujos núcleos emitem espontaneamente partículas ou energia. São
denominam Radioisótopos. Podem emitir partículas alfa e beta ou radiação gama.

6) Como se explica a estabilidade dos núcleos atômicos? Qual fenômeno ocorre quando essa
estabilidade é rompida? Discuta as diferenças entre os tipos de radiação alfa e beta. (AP2 2006-1)

Resposta: Quando as forças presentes no núcleo atômico são desequilibradas, o átomo se torna
instável. O átomo instável de um elemento radioativo, para atingir um estado mais estável, pode emitir
partícula beta, partículas alfa ou radiação gama.

o Partículas alfa  o átomo ejeta do seu núcleo uma partícula chamada alfa, constituída de dois
prótons e dois nêutrons. A emissão de uma partícula alfa, acontece em elementos muito pesados, como o
urânio, o tório e o rádio. Os núcleos de seus átomos têm muito mais nêutrons do que prótons. Com a
emissão de uma partícula alfa, o átomo perde dois prótons e dois nêutrons, transformando-se em outro
elemento mais leve. Em razão de sua massa e carga, as partículas alfa emitidas interagem fortemente
com a matéria que elas encontram à sua frente – mesmo com o ar – produzindo ionização (remoção de
elétrons) em distâncias curtas.

Isso quer dizer que as partículas alfa possuem uma grande capacidade de choque, colidem
fortemente com a matéria e perdem energia rapidamente. Seu poder de penetração, ou alcance, é muito
pequeno, o que leva essas emissões a serem bloqueadas por uma folha de papel ou papelão, assim como
pelas camadas mais superficiais da pele. Por esta razão, as radiações alfa não são usadas em
radioterapia.

o Partículas beta  Para alcançar a estabilidade, um átomo também pode emitir radiação beta, que
consiste na emissão de elétrons. Essa emissão resulta da transformação de um nêutron num próton,
quando existe um excesso de nêutrons em relação a prótons. Quando no núcleo existe um excesso de

Isabel Titoneli – Pólo Itaperuna


prótons em relação a nêutrons, a estabilização se dá pela emissão de uma partícula positiva de massa
igual ao do elétron, chamada pósitron ou beta +, pela conversão de um próton em um nêutron. TUTORIA
EXPLICA MELHOR PLATAFORMA.

Nas radiações BETA, o elétron (ou o pósitron) é sempre acompanhado de uma outra partícula,
chamada neutrino, que não tem carga e cuja massa é muito pequena. Assim como nas radiações alfa, na
emissão beta, com a transformação de próton em nêutron, verifica-se o decaimento para outro elemento
de número atômico mais baixo. Por exemplo, o berílio 7, pela emissão de pósitron, decai no lítio 7.

As partículas beta são mais penetrantes, isto é, têm alcance maior do que as partículas a . Por serem
menores, reduz-se a probabilidade de se chocarem com os átomos do meio. As partículas beta
conseguem penetrar até a camada seminal da pele, ou de um a dois centímetros na água, mas são
totalmente absorvidas por uma folha de alumínio de alguns milímetros de espessura.

o Radiação gama  Quando, após uma emissão alfa ou beta, átomo ainda está com excesso de
energia, este excesso é liberado na forma de uma onda eletromagnética, o raio gama. A radiação gama é
energia eletromagnética, e portanto sem carga elétrica.

Devido a suas altas energias, a radiação gama é fortemente ionizante. Tem um grande poder de
penetração, bem maior que o das outras duas. Um raio gama atravessa facilmente o corpo humano, bem
como uma espessa camada de água, conseguindo até mesmo uma penetração considerável numa parede
de concreto.

7) O que significa alcance de uma partícula?

Resposta: O alcance, ou poder de penetração, da partícula alfa é a distância que ela atinge até
parar, perdendo toda a energia. Ele depende basicamente de dois fatores: da energia com que a partícula
é emitida e da densidade do meio ou do material com o qual ela interage. Assim, para partículas de dada
energia, o alcance será tanto menor quanto maior for a densidade do material que elas encontrarem em
sua trajetória.

8) Como você explica o fato de os átomos dos elementos que apresentam isótopos serem fortes
candidatos a apresentarem fenômenos radioativos?

Resposta: O núcleo atômico é fortemente agregado pela força nuclear. Quando um ou mais neutrons
são incluídos no núcleo, mantendo-se o número atômico( isótopos), tem-se uma diminuição na energia de
empacotamento nuclear, o que acaba decaindo por outro tipo de força- a força nuclear fraca,
representada pela radioatividade. Dependendo da forma como o núcleo precisa decair para alcançar a
estabilidade, ele gerará partículas ( alfa e beta) acompanhadas ou não de radiação eletromagnética (raios
gama).

9) O que é decaimento radioativo? É correto afirmar que só há decaimento radioativo quando há


emissão de radiação alfa? (AP2 2006-1)

Resposta: Decaimento radioativo é a seqüência de transformações do átomo de um elemento em


átomo de outro elemento pela emissão de partículas alfa e beta. Podemos dizer, em outras palavras, que
decaimento radioativo é o processo da diminuição da atividade de um elemento radioativo, que o
transforma um elemento químico em outro menos instável.

Também há decaimento radioativo por meio de radiação beta, pois a emissão de elétrons ou
prósitons também modifica o núcleo atômico e diminui a atividade do elemento radioativo,
transformando-o em outro elemento.

10)O que é meia vida? Entre dois elementos radioativos, qual terá meia vida maior, o que tem
constante de decaimento maior ou aquele que tiver constante de decaimento menor? (AP2 2006-1)

Resposta: O decaimento radioativo é a taxa em que o elemento se transforma em isótopo não


radioativo. Portanto quanto maior esta taxa menor o tempo de meia-vida

11)Qual a inconsistência (incoerência, contradição) do modelo do átomo de Rutherford em relação a


eletrodinâmica?

Resposta: O modelo atômico não prevê a existência de nêutrons, e os elétrons possuíam órbitas bem
precisas, onde mais tarde foi provado que não se pode ter alta precisão na localização de um elétron em
um átomo. Born, mais tarde, resolveu essa inconsistência e formulou 2 leis:

Primeira Lei: os elétrons podem girar em órbita somente a determinadas distâncias permitidas do
núcleo.

Isabel Titoneli – Pólo Itaperuna


Segunda Lei: um átomo irradia energia quando um elétron salta de uma órbita de maior energia para
uma de menor energia.

Em outras palavras, os elétrons saltam de uma órbita permitida para outra à medida que os átomos
irradiam ou absorve energia. As órbitas externas do átomo possuem mais energia do que as órbitas
internas. Por conseguinte, se um elétron salta da órbita 2 para a órbita 1, há emissão de luz, por outro
lado, se luz de energia adequada atingir o átomo, esta é capaz de impelir um elétron da órbita 1 para a
órbita 2. Neste processo, a luz é absorvida.

Aula 9 -

12)Qual a diferença de radiação corpuscular para radiação eletromagnética?

Resposta: Radiação corpuscular: (tem massa)energia transportada por uma partícula. Essas
partículas são dotadas de massa. Radiação alfa, a beta e a radiação de nêutrons. As partículas alfa e
os prótons têm carga positiva, e a beta, negativa, enquanto os nêutrons, não têm carga alguma. A
partícula alfa distingue-se do próton por ter sua carga e sua massa maiores que as correspondentes do
próton.

Radiação eletromagnética: (não tem massa)energia transportada por uma onda eletromagnética,
livre de matéria. Ex: luz, raio x, raios gama, ondas elétricas de rádio e microondas.

13)O que é ionização e como ocorre?

Resposta: A ionização é o processo de transformação de átomos e moléculas em íons, pela


arrancada de um elétron do seu orbital. Nesse processo, o átomo íntegro é transformado, produzindo um
íon positivo e um elétron livre. Para que ocorra a ionização, é necessário que uma quantidade de energia
suficiente seja transferida ao elétron, a fim de que ele consiga vencer a atração coulombiana que o
mantém girando em torno do seu núcleo.

14) Por que a ionização tem grande importância para o estudo dos processos biológicos? (EP4)

Resposta: A perda de elétrons produz alterações no comportamento químico das substâncias. Como
conseqüência tem-se, entre outros, a formação de radicais livres, mudanças estruturais de moléculas,
quebra de ligações químicas, dentro das células que podem comprometer o funcionamento delas e até
causar a sua morte. Além disso, as radiações ionizantes têm aplicações muito importantes na área de
Saúde tanto do ponto de vista diagnóstico, quanto terapêutico, além de serem ferramentas poderosas na
pesquisa básica e aplicada da matéria e sistemas biológicos.

15)O que são radiações ionizantes? Em qual faixa do espectro eletromagnético se encontram
radiações ionizantes?

Resposta: São aquelas que possuem altas energias e, na interação com a matéria, provocam a
arrancada de elétrons em átomos e moléculas, produzindo íons. No espectro eletromagnético, elas são
encontradas na faixa de altas freqüências (curtos comprimentos de onda), logo acima das radiações
ultravioletas. Ex: raios X e gama.

16)Cite outras radiações que não sejam eletromagnéticas mas que também provocam ionização da
matéria por onde atravessam.

Resposta: Aquelas produzidas pela radioatividade, de natureza corpuscular, as radiações alfa, beta e
de nêutrons, por exemplo, são ionizantes.

17)O que são radiações não ionizantes? (AP 2 2006-1)

Resposta: São aquelas de baixas energias e que por isso não conseguem arrancar elétrons dos
átomos com que interagem.

A radiação infravermelha provoca vibrações nas moléculas das substâncias. A radiação de


microondas, por sua vez, provoca a rotação de moléculas e íons que existam no meio. A luz visível
provoca a excitação de elétrons dos átomos do meio, deslocando-os para órbitas mais afastadas do
núcleo. Todas as três radiações têm como efeito o aquecimento do material com o qual elas interagem,
mas não são fortes o suficiente para arrancar um elétron de um átomo.

18)As radiações alfa, devido a seu curto alcance ou ao poder de penetração, bem como aos danos
extensivos que provocam, não são usadas em radioterapias de tumores, normalmente, pois compromete
células sãs, tornando inócua ou agravante a sua utilização. Mas, algumas técnicas já estão sendo

Isabel Titoneli – Pólo Itaperuna


desenvolvidas para permitir o uso de partículas pesadas nesses tratamentos. Comente sobre essa
técnica.

Resposta: Essa técnica ainda está em desenvolvimento, chama-se radioimunoterapia. Baseia-se em


colocar fontes de radiação alfa diretamente dentro do tumor e sem qualquer contato com tecidos sãos.

Ela faz uso de anticorpos ao quais a fonte radioativa é quimicamente ligada. Os anticorpos
escolhidos são aqueles reconhecíveis pelo antígeno na superfície do tumor. Esses anticorpos etiquetados
com o radioisótopo utilizado como fonte da radiação são injetados diretamente no tumor para minimizar
os efeitos da radiação nos tecidos não atingidos pelo câncer.

19)Diferencie a emissão de partículas alfa da emissão beta.

Resposta:

o A emissão de partículas alfa  verifica-se quase que exclusivamente entre elementos pesados.
Por terem maior massa, as partículas alfa também te menor velocidade. Por serem maiores, tem maior
probabilidade de interagir com mais partículas do meio (elétrons e núcleos).

Por causa do grande número de interações coulombianas com os elétrons do meio, e depois com os
núcleos, as partículas pesadas perdem rapidamente sua energia, dentro de uma distância muito menor
que as partículas leves, como a radiação beta. A principal conseqüência disso, é que as partículas
pesadas perdem sua capacidade de produzir ionizações, rapidamente e a curtas distâncias. Por isso
dizemos que as radiações alfa, possuem curto alcance e pequeno poder de penetração.

o Emissão de partículas beta  São partículas leves. Por terem massas muito pequenas, quando
têm energia cinética alta, sua velocidade se aproxima da velocidade da luz. Por esse motivo, o alcance
da radiação beta é cerca de 600 vezes maior do que a radiação alfa.

20)Diferencie radiação x da radiação gama.

Resposta: Os raios X se originam de fenômenos e processos que ocorrem fora do núcleo atômico, ao
passo que a radiação gama é resultado de processos que ocorrem no núcleo dos átomos.

21)O que são raios x? como são gerados? (EP4)

Resposta: Os raios X são ondas eletromagnéticas de comprimento de onda muito pequeno,


produzidas quando elétrons em deslocamentos são submetidos a uma desaceleração muito brusca, que o
faz perder toda sua energia ou uma parte significativa dela quase de uma vez. Por isso, os raios X são
também chamados radiação de frenagem. Outro processo de produção dos raios X é o chamado emissão
da camada K.

22)Como se dá a absorção de raios x pela matéria?

Resposta: A absorção de raios X depende do meio que ele atravessa. Os elementos mais pesados,
como cálcio e bário, absorvem os raios X bem mais que aqueles leves, como carbono, oxigênio ou
hidrogênio.

23)Que grandezas características das radiações ionizantes são determinantes do tipo de interação
que eles tem com a matéria que atravessam?

Resposta: No caso das radiações corpusculares, as grandezas características que são determinantes
do tipo de interação que acontece, são a carga (alfa e beta) e a massa. No caso das carregadas, o tipo de
interação predominante é coulombiana. Já no caso das radiações eletromagnéticas, a grandeza
característica é a freqüência, em termos da qual são especificadas as energias. As interações que
ocorrem com essas radiações são de natureza bem diversa da daquelas provocadas pelas corpusculares;
elas se dão por efeito foto-elétrico, efeito Compton ou produção de pares, dependendo das energias da
radiação incidente.

24)Qual o fenômeno que está na base da técnica da radiografia por raio X? (AP2 2006-1)

Resposta: A absorção da radiação, a qual depende do meio por onde ele atravessa. A intensidade do
raio x diminui de acordo com a densidade da matéria em que ele penetra.

25)Como são formadas as imagens das radiografias? Como se explica as diferenças nas tonalidades
da imagem obtida na radiografia? (AP2 2006-1)

Resposta: Ao atravessar diferentes partes do corpo, pele, osso, cartilagem, tendão etc., os raios
serão atenuados pela absorção que ocorre em cada material desses. Quando saem do outro lado, suas
intensidades se tornam diferentes. Elas foram diminuídas. Ao atingirem o anteparo, os raios produzirão na

Isabel Titoneli – Pólo Itaperuna


emulsão marcas claras e escuras que são determinadas pela intensidade dos raios que chegam. Os raios
que saem com maior intensidade, porque foram menos absorvidos por determinado material do corpo,
produzirão marcas mais escuras e os que foram mais absorvidos produzirão manchas mais claras.

Na chapa, os ossos, por serem constituídos de material mais denso, absorverão mais os raios, que
produzirão sobre o anteparo imagens mais claras, ao passo que os órgãos, que são menos densos
produzirão imagens mais escuras.

26)Discuta sobre o impacto da descoberta do raio x na medicina. (AP2 2006-1)

Resposta: Pouco tempo após a descoberta do raio x por Röntgen, a Medicina, em todo o mundo,
adotou a técnica que se tornou uma das mais imprescindíveis armas auxiliares do diagnóstico de diversas
doenças pela capacidade de, através de imagens, produzir informações que podem revelar muito sobre o
funcionamento, constituição, estrutura e estado anatômicos dos órgãos. Uma técnica cuja grande
vantagem é não ser invasiva, pois torna possível a produção de imagens de órgãos internos, úteis à
avaliação médica, com a extraordinária vantagem de dispensar procedimentos invasivos drásticos, como
cirurgias.

Depois dessa grande descoberta, foram feitas inúmeras pesquisas que permitiram o
desenvolvimento de tecnologias para os mais diversos usos. Aliada aos avanços proporcionados pela
eletrônica e por técnicas de processamento computacional cada vez mais potentes, a radiação x está até
hoje sendo usada nos mais diferentes tipos de exames e tratamentos.

27)Explique como o dano provocado pelo raio x foi revertido em benefícios para a saúde, ou a vida,
da humanidade. (EP4)

Resposta: Verificou-se, com o uso intensivo dos raios X, que ele produzia danos diversos no tecido
biológico, provocando inclusive, danos nas células, chegando a causar a sua morte. Este fato foi usado
baseado no raciocínio: se os raios X provocavam a morte celular de exemplares sadios, eles também a
deviam causar em células doentes de tumores malignos. Logo, poderiam ser usados para matar tais
células, ou danificá-las impedindo a sua proliferação.

28)Comente sobre a radiação gama.

Resposta: As radiações gama é uma onda eletromagnética produzida pelo núcleo de átomos
radioativos durante os decaimentos. São altamente penetrantes, e conforme a energia atravessam
paredes de chumbo de vários centímetros de espessura. Elas são as menos ionizantes das radiações, mas
seu perigo reside justamente na dificuldade de proteção.

29)Comente sobre os detectores de radiações ionizantes.

Resposta: São dispositivos que servem para medir a quantidade destas radiações num meio. O
princípio de funcionamento deles é baseado nos efeitos que as radiações ionizantes provocam na sua
interação com a matéria que atravessam.

30)Explique como a radiação ionizante, incidindo sobre as moléculas de água que se encontram nos
organismos vivos, pode promover danos.

Resposta: A molécula de água é partida, produzindo um radical OH- e um H+, que são muito reativos
e funcionam como agentes químicos oxidantes e redutores, que reagem com outras moléculas orgânicas,
provocando-lhes alterações.

31)Quais os principais efeitos biológicos das radiações?

Resposta: AÇÃO DIRETA : A radiação choca-se e age diretamente sobre as moléculas biológicas como
DNA, proteínas, lipídios e outras. O choque resulta na inativação de enzimas, quebra de ligações,
formação de radicais complexos, etc, que impedem o funcionamento natural dessas moléculas. Resulta
danos para o sistema biológico.

AÇÃO INDIRETA : A radiação é absorvida pela água, que forma radicais muito reativos. Esses radicais
é que agem sobre as biomoléculas, lesando-as.

Aula 10, – As radiações ionizantes e suas aplicações.

32)Quais os princípios da tomografia?

Resposta: Técnica de obtenção, por raios X, da imagem de um corpo segundo um plano de corte
definido previamente. Muito parecida com a radiografia convencional, mas com algumas mudanças. As
chapas fotográficas foram substituídas por detectores mais sofisticados, como os cintiladores. Em lugar
de se fazer a tomada de apenas quatro imagens irradiando-se toda uma face do corpo, são feitas cerca

Isabel Titoneli – Pólo Itaperuna


de 300 ou 400 ao longo de cortes preestabelecidos. Os feixes de raio x fazem as radiografias de finas
camadas do objeto, obrigando-se um feixe estreito de raios paralelos a incidir ao longo do plano de corte
da camada escolhida. Em síntese, a tomografia é uma técnica de reconstrução da imagem de um objeto a
partir da suas projeções sobre vários planos, sendo essas projeções conseguidas pela absorção de raios X
incidindo sobre o corpo de vários ângulos.

33)Quais as vantagens e desvantagens da tomografia sobre a radiografia convencional? (AP2 2006-


1)

Resposta: A vantagem diagnóstica da tomografia computadorizada sobre a radiografia convencional


é que as imagens construídas por algoritmos matemáticos pelo computador possibilitam enxergar
detalhes estruturais e de constituição da região radiografada, o que não é possível com a outra. Com a
radiografia convencional, as imagens dos corpos tridimensionais que os raios atravessam ficam todas
superpostas numa única chapa plana; elas mascaram a realidade. Com a tomografia computadorizada,
por meio do algoritmo matemático, o computador interpreta as “sombras” produzidas nos diversos
detectores pelos raios incidindo sobre os mesmos objetos a sua frente sob diversos ângulos e constrói a
imagem. A grande desvantagem da tomografia é que o paciente recebe mais radiações que na
radiografia convencional.

34)O que são radiofármacos? Explique como eles são usados em técnicas de diagnósticos? (AP2
206-1)

Resposta: Radiofármacos são traçadores radioativos que podem ser usados em diagnóstico ou
terapia, porem sem ação farmacológica. Isótopos radioativos são incorporados como marcadores em
compostos químicos. Os radiofármacos são produzidos artificialmente em aceleradores nucleares,
usando-se principalmente radioisótopos de iodo. O radioisótopo ou a molécula a que ele se liga deve
apresentar alguma afinidade química com moléculas biologicamente ativas.

No uso diagnóstico, a natureza química do radioisótopo ou da molécula química a que ele está ligado
altera a distribuição do agente no órgão em questão determinando um acúmulo que é controlado por
condições fisiológicas ou patológicas. As radiações emitidas são, portanto, função da distribuição
topográfica do radiofármaco.

A imagem produzida numa gama-câmara é plana, como na radiografia convencional. Porém, a


utilização de vários detectores, arranjados espacialmente com possibilidade de girar em torno do corpo e
associados a um computador, à semelhança da tomografia computadorizada por raios X, tornou possível
a produção de imagens 3-D da distribuição do radiofármaco no órgão. Chama-se cintigrafia ou
cintilografia o exame diagnóstico que se faz com esse procedimento.

35)Explique como funciona a radioterapia.

Resposta: Seu princípio de ação básico é provocar, com o auxílio de radiações, a ionização em
átomos e moléculas de células malignas visando a sua destruição, ao mesmo tempo que se preservam as
células sadias na sua vizinhança. Com o advento da Medicina Nuclear, por meio do emprego de
radiofármacos, a possibilidade de direcionar e concentrar as radiações para as regiões atingidas foi
ampliada; concomitantemente, os danos colaterais foram reduzidos.

36)Cite algumas técnicas que utilizam radiações ionizantes como ferramentas de radiodiagnóstico e
alguma de radioterapia.

Resposta: Podemos citar como ferramenta de diagnóstico as tomografias computadorizadas, as


técnicas da Medicina Nuclear, como a tomografia SPECT, além da radiografia convencional, é claro; como
terapias, podemos citar exemplos de radioterapias que usam radiação X ou gama (cobaltoterapia,
betaterapia etc.), mais convencionais, e algumas da Medicina Nuclear que usam radiofármacos.

Aula 11, - Radiações não ionizantes

37)Cite exemplos de radiações não ionizantes. Explique sua atuação.

Resposta: As radiações ultravioleta, luz visível, infravermelho, microondas e radiofreqüências e


radiações de freqüência muito baixa. Apesar de não serem capazes de provocar a emissão de elétrons
dos átomos e moléculas, as radiações não-ionizantes interagem fortemente com a matéria e podem
causar a excitação dos orbitais atômicos e moleculares ou, ainda, provocar o surgimento de correntes
elétricas nas células ou tecidos. Essas correntes elétricas levam ao aquecimento ou a outras alterações
bioquímicas e fisiológicas nos organismos.

38)Quais os efeitos biológicos das radiações não ionizantes nos organismos vivos?

Isabel Titoneli – Pólo Itaperuna


Os efeitos são classificados em térmicos e não-térmicos. Os efeitos térmicos podem causar danos
secundários, tais como morte celular ou catarata. Os efeitos não-térmicos são controversos, mas supõe-
se que possam incluir alterações nos sistemas imunológico, nervoso e cardiovascular.

39)Quais os possíveis danos podem ser causados pela exposição a freqüências de microondas,
celulares e transmissores de rádio?

As radiações de microondas e radiofreqüências não são somente absorvidas pela pele, pois possuem
maior poder de penetração.

Entre os efeitos térmicos mais importantes, que são causados por essas radiações, está a catarata,
que é a opacidade da lente dos olhos, e geralmente é irreversível. O aumento da temperatura desnatura
proteínas presentes no cristalino, essas proteínas serão depositadas no próprio cristalino, tornando-o
opaco. Esse aquecimento no olho é causado pelo uso de telefone celular e outros aparelhos
transmissores.

40)Comente sobre aplicação benéficas das radiações não ionizantes.

A fototerapia - consiste na exposição à luz, utilizando-se diferentes faixas de comprimentos de onda.


Tem se mostrado eficaz no tratamento de inúmeros distúrbios, tais como: acne, Icterícia neonatal,
distúrbios do sono, câncer e Psoríase.

Aplicações forenses - Fluidos corporais como saliva, fluidos vaginais e sêmen são naturalmente
fluorescentes quando iluminados com luz ultravioleta. Como o sangue absorve fortemente na faixa do
azul, seus resíduos aparecem como manchas escuras quando iluminados com luz azul, mesmo após
tentativas de eliminação que os tornem invisíveis quando iluminados com luz branca.

Ressonância magnética nuclear está baseada na medida de absorção da radiação eletromagnética


na região de rádio-freqüência de cerca de 4 a 900MHz. Os núcleos dos átomos estão envolvidos na
absorção de radiações nessas freqüências.

Aula 12 – hidrodinâmica

41)Comente sobre o princípio de arquimedes.

Segundo este princípio, todo corpo mergulhado num líquido, inteiramente ou parcialmente, sofre a
ação de uma força vertical, dirigida para cima, que é igual ao peso do volume do líquido deslocado pelo
corpo. Tal força recebe o nome de empuxo.

42)mente sobre o princípio da Hidrostática, enunciado por Blaise Pascal.

Segundo ele, qualquer outra pressão exercida sobre um líquido em repouso é transmitida por todo o
fluido; em cada ponto do líquido a pressão hidrostática aumenta do mesmo valor daquela pressão.

O empuxo, que é a força que equilibra o peso de um corpo, permitindo que ele fl utue dentro de um
líquido, é conseqüência da diferença de pressão que o fluido exerce sobre as partes do corpo.

O corpo real flutua, imerso num líquido a dada altura, porque a atração gravitacional da Terra,
dirigida para baixo, seu peso, é equilibrada pelo empuxo, que, portanto, é dirigido para cima. O empuxo
é a força resultante da diferença de pressões, acima e abaixo do corpo;

43)O que é pressão atmosférica?

A pressão que a camada de ar da atmosfera exerce sobre os objetos e sistemas, nela imersos e
sobre a superfície da Terra.

44)Sabendo-se que a densidade do sangue vale 1,05x103kgm-3, determine a diferença da pressão


sangüínea entre a ponta da cabeça e a planta dos pés de um homem de 1,7m de altura em pé. Por que,
ao se medir a pressão arterial de uma pessoa o aparelho deve estar à altura do coração?

A diferença da pressão sangüínea entre a cabeça e os pés deve ser igual a P.g.h. Logo, fazendo os
cálculos, 1,05x103kgm-3x9,8ms-2x1,7m, temos 1,7x104Pa.

Ao medir a pressão arterial, o esfigmomanômetro deve ser colocado na altura do coração para que
as pressões medidas sejam próximas às da aorta. Se o colocássemos muito acima ou muito abaixo do

Isabel Titoneli – Pólo Itaperuna


coração, as pressões medidas seriam menores ou maiores que as da aorta, dada a altura dos
correspondentes pontos em relação ao coração. A pressão num líquido depende da altura do ponto
considerado neste líquido.

Aula 13 – Biomecânica

Aula 14 – Biofísica do sistema circulatório

45)Qual a função mecânica do coração?

A função da bomba direita é gerar a energia mecânica necessária para levar ao pulmão o sangue
venoso que chega ao coração, vindo das diversas partes do corpo, e a da bomba esquerda é levar, pelas
artérias, o sangue reoxigenado do pulmão para as diversas partes do corpo.

46)Faça uma correlação entre a estrutura da parede com a função das artérias, veias e capilares.

Resposta: ARTÉRIAS: possuem a parede bem espessa e composta por 3 camadas. Na aorta, e nas
artérias de maior calibre, a camada mais espessa é a camada elástica, ao passo que nas arteríolas, a
camada mais espessa é a camada muscular. Isso faz com que a aorta seja muito elástica, funcionando
com uma espécie de bomba ao se distender com a passagem do sangue e logo se retrair com a
diminuição da pressão. Assim, as artérias de maior calibre ajudam o coração a ejetar o sangue. Já as
arteríolas, como tem uma acentuada camada muscular, são capazes de ajustar o tônus dessa
musculatura, regulando a pressão arterial. As arteríolas tem a capacidade de regular todo o seu diâmetro.
É o que chamamos de vaso-constrição e vaso-dilatação. Quando elas se dilatam, a pressão exercida pelo
sangue cai e quando elas se contraem a pressão aumenta.

CAPILARES: são vasos de pequeno calibre que ligam a extremidade das arteríolas à extremidade das
vênulas. Sua parede possui uma única camada de células endoteliais, o que permite a troca de
substâncias e gases com as células próximas.

VEIAS: sua parede é fina e composta por 3 camadas. Possuem uma menor quantidade de tecido
elástico em relação as artérias, suportando um grande volume de sangue, sem que ocorra variação de
pressão.

47)Descreva o comportamento das valvas durante o ciclo cardíaco.

1. início da diástole, coincide com a abertura das válvulas tricúspide e mitral e enchimento
ventricular;

2. fechamento das válvulas de entrada, final da diástole;

3. contração ventricular, abertura das válvulas pulmonar e aórtica–sístole ventricular;

4. final da sístole ventricular, fechamento das válvulas pulmonar e aórtica;

48)A atividade funcional integrada do coração depende de propriedades físicas que determinam sua
auto-ritmicidade, condutividade e contratibilidade. Comente sobre essas propriedades.

São estas propriedades que definem a seqüência das etapas do ciclo cardíaco. Para ativar tais
propriedades, o coração dispõe de regiões com tecidos de morfologias próprias.

A auto-ritmicidade é determinada pelos marca-passos. O feixe de His e a rede de Punkinje de tecidos


especializados encarregam-se da condutividade, garantindo a transmissão destes impulsos elétricos,
célula a célula, até as regiões de musculatura comum, a qual, recebendo o sinal, responde com sua
contratibilidade.

49)Comente sobre a viscosidade do sangue.

A viscosidade do sangue não é a mesma ao longo do sistema circulatório. Ela é função,


predominantemente, da concentração das células em suspensão. Uma medida da concentração dessas
células é expressa pelo hematócrito, que é a relação entre o volume dos glóbulos vermelhos e o volume
total de sangue.

50)O que é preciso para que o sangue se movimente.

Considerando que as bombas cardíacas estejam desligadas, em cada ponto do sistema circulatório,
existe sobre o líquido sanguíneo, uma pressão dependente apenas da sua densidade e da sua altura, pois
cada elemento de volume do fluido estaria sujeito a uma força resultante nula. Lembrando que essa força
resultante sobre cada elemento de volume do fluido é dada pela soma das forças devidas às pressões

Isabel Titoneli – Pólo Itaperuna


acima e abaixo dele com o peso. Para fazer o sangue circular nas suas vias, torna-se necessário, portanto,
alterar esse estado de resultante nula. Como não podemos alterar a força peso, temos que produzir
alterações nas forças devidas às pressões. Este é o papel das bombas cardíacas: exercer pressões sobre o
sangue que se encontra nas suas câmaras, de forma a garantir o seu movimento por todo o circuito.

51)Que razão física você daria para explicar a diferença nas potências da bomba direita e da
esquerda? Em outras palavras, por que a bomba direita pode/deve ser menos potente que a esquerda?

Potência é uma medida de energia produzida por unidade de tempo. Ser menos potente, portanto,
significa produzir menos energia por unidade de tempo. Assim, se consideramos um intervalo de tempo, a
energia produzida pela bomba direita é aquela necessária para levar o sangue do coração ao pulmão, que
estão muito mais próximos entre si do que as demais partes do coração que são servidas pelo sangue
levado pela ação da bomba esquerda, ou seja, um menor trabalho é exigido do coração para levar um
dado volume de sangue ao pulmão do que para levar igual volume a outras regiões mais distantes.

52)Comente sobre a velocidade do sangue nos diferentes trajetos.

Você observa que o comportamento da velocidade é oposto ao da área das secções transversais. A
velocidade é mais alta nas artérias e cai em direção aos capilares. A partir destes, ela volta a aumentar
na circulação venosa, mas sem atingir o mesmo valor verificado nas artérias. Na aorta, o valor da
velocidade é de cerca de 30cm/s; nos capilares, é da ordem de 1mm/s e, na veia cava, de 5cm/s.

Como se explica o comportamento da velocidade, se, à primeira vista, a diminuição da área


transversal do vaso, pela aplicação da equação da continuidade, nos levaria a esperar justamente o
comportamento oposto, isto é, que a velocidade aumentasse com o estreitamento do tubo? A resposta é
que não podemos, na nossa análise hidrodinâmica, considerar cada ramificação isolada, centrando nossa
observação na parte do fluxo que atravessa para um dos ramos mais estreitos, mas, no fluxo total, que se
subdividiu em vários. Então, se um fluxo, que antes atravessava um tubo de determinada área A, dividiu-
se em dois outros, ele passa a atravessar, na nova situação, uma área que é a soma das áreas dos dois
ramos. Logo, sua velocidade se altera, conforme a nova área. Se ela for maior, então, pela equação da
continuidade, teremos uma redução da velocidade. É o que acontece no sistema circulatório.

53)Comente sobrea variação da pressão sanguínea ao longo do sistema circulatório.

A pressão sangüínea não é a mesma em todos os vasos por onde o sangue flui. Ela varia ao longo do
sistema. A partir da aorta, em direção aos capilares, há uma acentuada queda da pressão. É preciso,
então, entender a causa desse comportamento.

54)Comente sobre a viscosidade do sangue.

A viscosidade de um fluido é a grandeza que expressa a sua resistência a mover-se. Quanto maior a
viscosidade, maior é a força de atrito que se opõe ao movimento.

O atrito consome parte da energia útil, transformando-a em energia térmica. A viscosidade é uma
propriedade do fluido que depende, entre outros fatores, da temperatura; a do sangue aumenta com a
diminuição da temperatura. A viscosidade do sangue é função do hematócrito (volume glóbulos
vermelhos/volume do sangue); ela aumenta quando o hematócrito aumenta. Aí você pode ver a
importância de dois fatores que influenciam a circulação sangüínea, porque interferem na viscosidade,
impondo alterações ao fluxo. O aumento da viscosidade pode ser responsável por muitas doenças
cardiovasculares.

Uma pessoa com anemia está com uma deficiênia de glóbulos vermelhos no sangue, isto é, com o
hematócrito abaixo do valor normal, enquanto uma com policitemia, ao contrário, está com o hematócrito
elevado. Conseqüentemente, como a viscosidade aumenta com o hematócrito, o sangue de uma pessoa
com anemia é menos viscoso e o daquela com policitemia é mais viscoso.

Com o sangue mais viscoso, o coração precisa produzir pressões mais altas para levar a mesma
quantidade de sangue pelas partes do corpo.

55)Como são formados os potenciais elétricos que leva à contração do músculo cardíaco?

Os potenciais elétricos das membranas são formados devido a difusão de íons entre os meios extra e
intracelulares. Através desse mecanismo, as células cardíacas produzem os sinais elétricos que
determinarão a contração, acionando as bombas que produzem pressão para manter o sangue em
movimento. Os principais íons que participam desse processo são K+, Na+, e Ca+.

56)Comente sobre o eletrocardiograma.

É o registro, ao longo do tempo, das variações do potencial elétrico das membranas das células do
músculo cardíaco em atividade. Esse registro não é realizado diretamente, medindo-se o potencial das

Isabel Titoneli – Pólo Itaperuna


membranas das células cardíacas, mas pela medida da diferença de potencial elétrico entre pontos
padronizados da superfície cutânea. Esta diferença de potencial decorre da propagação das ondas de
despolarização e repolarização daquelas células, ou seja, é devida ao campo elétrico gerado pelo dipolo
elétrico cardíaco ao longo do ciclo cardíaco.

57)Comente sobre os sons do coração.

O sistema circulatório em funcionamento produz sons que podem ser ouvidos mais claramente com
o auxílio de um estetoscópio. Esses sons são produzidos pelas vibrações das válvulas cardíacas, pelas
vibrações das paredes do coração, durante as contrações, e pela aceleração e desaceleração do sangue
no coração e vasos sangüíneos.

Os principais sons, na forma de um “lub-dub”, são produzidos no fechamento das válvulas, quando
da entrada do sangue nos ventrículos e de sua saída, respectivamente. O “lub” marca, portanto, o início
da contração do ventrículo – a sístole, e o “dub” o começo da sua relaxação – a diástole.

Da mesma forma como os sinais elétricos, os sinais sonoros são fontes de informações sobre o
comportamento da nossa superbomba. Por meio da análise das propriedades e comportamentos dos
sons, podemos obter informações sobre as condições sob as quais são produzidos, bem como sobre os
meios por onde ele atravessa.

O espectro de freqüências dos sons produzidos pelo coração carrega informações sobre as vibrações
mecânicas da dinâmica cardíaca. Em regime de normalidade, os sons do sistema circulatório têm
características típicas e próprias. A detecção de sons cujas características fogem daquelas apresentadas
pelo sistema naquele regime é a primeira indicação da existência de problemas no seu funcionamento. É
por isso que a primeira coisa que um cardiologista faz numa consulta médica é a ausculta cardíaca.

58)Comente sobre o ecocardiograma.

Os ecos importantes do coração, contudo, não se restringem às informações que nos fornecem os
sons que ele próprio produz no seu interior e envia para fora. Importa também saber como ele responde a
sons que lhe são enviados do exterior. Por este lado é que se inscreve uma outra técnica de diagnóstico
cardiológico, chamada ecocardiografia.

A ecocardiografia é a técnica de obtenção de imagens do coração, a partir do registro dos ultra-sons


que o coração reflete.

O ecocardiógrafo é um equipamento capaz de gerar sons com freqüências superiores a 20.000Hz


(ultra-som) e de, também, registrar a sua reflexão nos meios sobre os quais elem incidem. Esse duplo
papel do ecocardiógrafo é feito pelo transductor. Ele consiste em um cristal piezo-elétrico, material que
tem a propriedade de alterar o seu tamanho quando recebe uma corrente elétrica, produzindo um som, e,
vice-versa, produzir uma corrente elétrica, se atingido por um som.

Quando uma onda ultra-sônica incide sobre um meio material, parte dela é refletida e parte é
transmitida de forma atenuada. A onda refletida recebida, que contém informações sobre o meio, é então
utilizada para gerar imagens.

Isabel Titoneli – Pólo Itaperuna