Sie sind auf Seite 1von 20

REGIMENTO INTERNO DA POLICIA MILITAR DO ESTADO DO PARA (MAPA MENTAL)

ARTIGO 1 AO 13

ART 1 e 2 - OBJETIVOS E DIRETRIZES NORTEADORAS


DISPOSIÇÕES GERAIS
ART 1 - A Polícia Militar do Pará – PMPA
(PARTE GERAL)
 é instituição permanente, força auxiliar e reserva do Exército,
 organizada com base na hierarquia e disciplina militares,
 subordinada ao Governador do Estado,
 cabendo-lhe a polícia ostensiva e
PRINCIPIOS A SEREM OBSERVADOS  a preservação da ordem pública, atividade-fim da Corporação, para a
PELA POLICIA MILITAR (ART 3) incolumidade das pessoas e do patrimônio.

ART 2 - A Polícia Militar do Pará compõe (COMO ELA É COMPOSTA E ALGUMAS


CARACTERISTICAS BASICAS)

 O Sistema de Segurança Pública do Estado,


 É vinculada à Secretaria Especial de Estado de Defesa Social, nos termos
da legislação estadual em vigor,
 I - a hierarquia;
 Atua de forma integrada com os demais órgãos de defesa social do
 II - a disciplina; Estado, em parceria com os demais órgãos públicos, privados e a
 III - a legalidade; comunidade, de maneira a garantir a eficiência de suas atividades.
 IV - a impessoalidade; LIMPE
ATENÇÃO: Parágrafo único. A PMPA é órgão da administração direta do Estado,
 V - a moralidade
com dotação orçamentária própria, autonomia administrativa e funcional.
 VI - a publicidade;
 VII - a eficiência;
 VIII - a promoção, a garantia e o respeito à dignidade e aos direitos
 humanos;
 IX - o profissionalismo;
 X - a probidade;
 XI - a ética.
 planejar, organizar, dirigir, supervisionar,
coordenar, controlar e executar as ações de polícia
COMPETENCIA ostensiva e de preservação da ordem pública que
devem ser desenvolvidas prioritariamente para
assegurar a incolumidade das pessoas e do
patrimônio, o cumprimento da lei e o exercício dos
Poderes constituídos;

CONTINUAÇÃO(COMPETENCIA)  executar, com exclusividade, ressalvadas as


missões peculiares às Forças Armadas, o
 exercer a polícia administrativa do meio ambiente, policiamento ostensivo fardado para prevenção e
nos termos de sua competência, na constatação de repressão dos ilícitos penais e infrações definidas
infrações ambientais, na apuração, autuação, em lei, bem como as ações necessárias ao pronto
perícia, e outras ações legais pertinentes, quando restabelecimento da ordem pública;
assim se dispuser, conjuntamente com os demais
órgãos ambientais, colaborando na fiscalização das  atender à convocação do Governo Federal em caso
florestas, rios, estuários e em tudo que for de guerra externa ou para prevenir ou reprimir
relacionado com a fiscalização do meio ambiente; grave subversão da ordem ou ameaça de sua
irrupção, subordinando-se ao Comando do
 participar, quando convocada ou mobilizada pela Exército no Estado do Pará, em suas atribuições
União, do planejamento e das ações destinadas à específicas de polícia militar e como participante
garantia dos poderes constitucionais, da lei e da da defesa territorial, para emprego nesses casos;
ordem, e à defesa territorial;
 IX - proceder, nos termos da lei, à apuração das  atuar de maneira preventiva ou dissuasiva em
infrações penais de competência da polícia locais ou áreas específicas em que se presuma ser
judiciária militar; possível e/ou ocorra perturbação da ordem pública
 X - planejar e realizar ações de inteligência ou pânico;
destinadas à prevenção criminal e ao exercício da  - atuar de maneira repressiva em caso de
polícia ostensiva e da preservação da ordem perturbação da ordem, precedendo eventual
pública na esfera de sua competência, observados emprego das Forças Armadas;
os direitos e garantias individuais;  - exercer a polícia ostensiva e a fiscalização de
 XI - realizar correições e inspeções, em caráter trânsito nas rodovias estaduais, além de outras
permanente ou extraordinário, na esfera de sua ações destinadas ao cumprimento da legislação de
CONTINUAÇÃO – COMPETENCIA  gerenciar as situações de crise que envolva reféns;
 apoiar, quando requisitada, o Poder Judiciário
 autorizar, mediante prévio conhecimento, a realização de
Estadual no cumprimento de suas decisões;
reuniões ou eventos de caráter público ou privado, em locais
 apoiar, quando requisitada, as atividades do
públicos que envolvam grande concentração de pessoas, para fins
Ministério Público Estadual;
de planejamento e execução das ações de polícia ostensiva e de
 realizar, em situações especiais, o policiamento
preservação da ordem pública;
velado para garantir a eficiência das ações de polícia
ostensiva e de preservação da ordem pública.
 emitir, com exclusividade, pareceres e relatórios técnicos relativos
à polícia ostensiva, à preservação da ordem pública e às situações
de conflitos e de pânico no âmbito de sua competência;
ATENÇÃO : Parágrafo único. Para o desempenho das
funções a que se refere o inciso IX deste artigo, a
Polícia Militar requisitará exames periciais e adotará
 fiscalizar o cumprimento dos dispositivos legais e normativos
providências cautelares destinadas a colher e
pertinentes à polícia ostensiva e à preservação da ordem pública,
resguardar indícios ou provas da ocorrência de
aplicando as sanções previstas na legislação específica;
infrações penais no âmbito de suas atribuições, sem
prejuízo da competência dos demais órgãos policiais.
 - realizar pesquisas técnico-científicas, estatísticas e exames
técnicos relacionados às atividades de polícia ostensiva, de
preservação da ordem pública, de polícia judiciária militar e de
situações de pânico, e outras pertinentes;

 DIFERENCIE SEGURANÇA PUBLICA COM SEGURANÇA NACIONAL


 acessar os bancos de dados existentes nos órgãos de segurança  POLICIA MILITAR ATUA DE FORMA OSTENSIVA PARA PROMOVER A
pública e defesa social do Estado do Pará e, quando assim se MANUTENÇÃO DA ORDEM PUBLICA
dispuser, da União, relativos à identificação civil e criminal, de  A PM TAMBEM ATUA COMO AGENTE ADMINISTRATIVO NO QUE
armas, veículos, objetos e outros, observado o disposto no inciso X TANGE A FISCALIZAR, REALIZAR PESQUISAS ,EMITIR PARECERES
do art. 5° da Constituição Federal;  ELA ATUA EM ALGUNS CASOS COM AS ATIVIDADES DO MINISTERIO
 realizar a segurança interna do Estado; PUBLICO
 proteger os patrimônios histórico, artístico, turístico e cultural;  ELA ATUA EM CARATER DE PREVENÇÃO E REPRESSÃO CONTRA A
 realizar o policiamento assistencial de proteção às crianças, aos CRIMINALIDADE
adolescentes e aos idosos, o patrulhamento aéreo e fluvial, a  EM CASO DE GUERRA A POLICIA ATUA EM CARATRE COMPLEMENTAR
guarda externa de estabelecimentos penais e as missões de SOB A SUBORDINAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS
segurança de dignitários em conformidade com a Lei;

XXI - apoiar, quando requisitada, o Poder Judiciário Estadual no


cumprimento de suas decisões;
ESTRUTURA
DA ORGANIZAÇÃO BÁSICA DA POLÍCIA
MILITAR

ÓRGÃOS DE EXECUÇÃO.

ÓRGÃOS DE DIREÇÃO
ÓRGÃOS DE APOIO
O COMANDO GERAL DA
POLÍCIA MILITAR,
CONSTITUÍDO PELOS
ÓRGÃOS DE DIREÇÃO GERAL,
Os órgãos de apoio destinam-se ao atendimento
REALIZA O COMANDO, A ÓRGÃOS DE DIREÇÃO das necessidades de pessoal, logística, ensino e
GESTÃO, O PLANEJAMENTO GERAL instrução e saúde, executando, por meio de
ESTRATÉGICO E A diretrizes e ordens, as atividades meio da
CORREIÇÃO, VISANDO À
corporação para cumprimento de suas missões
ORGANIZAÇÃO E O EMPREGO ÓRGÃOS DE DIREÇÃO
DA CORPORAÇÃO PARA O e destinação.
CUMPRIMENTO DE SUAS INTERMEDIÁRIA E SETORIAL.
MISSÕES, ACIONANDO, POR
MEIO DE DIRETRIZES E
ORDENS, OS ÓRGÃOS DE Os órgãos de execução são as UNIDADES
DIREÇÃO INTERMEDIÁRIA OU OPERACIONAIS DE POLÍCIA OSTENSIVA, que
SETORIAL, DE APOIO E DE executam, por meio de diretrizes e ordens, a
EXECUÇÃO,
Os órgãos de direção intermediária são OS COMANDOS
OPERACIONAIS INTERMEDIÁRIOS e os órgãos de direção setorial atividade-fim da corporação para cumprimento
SUPERVISIONANDO,
COORDENANDO, SÃO AS DIRETORIAS E O CORPO MILITAR DE SAÚDE. de suas missões e destinação.
CONTROLANDO E
FISCALIZANDO A
ATUAÇÃO DESSES 4º OS ÓRGÃOS DE DIREÇÃO INTERMEDIÁRIA OU SETORIAL estão no mesmo
ÓRGÃOS nível hierárquico e se destinam à realização das atividades de gestão setorizada
da polícia ostensiva, de pessoal, de logística, de finanças, de ensino e instrução,
de polícia comunitária, de direitos humanos e de saúde, supervisionando,
coordenando, controlando e fiscalizando, por meio de diretrizes e ordens
emanadas dos órgãos de direção geral, a atuação dos órgãos de apoio e
execução subordinados.
ATENÇÃO :

 OS ÓRGÃOS DE DIREÇÃO, DE APOIO E DE EXECUÇÃO SÃO SUBORDINADOS AO


COMANDANTE GERAL DA CORPORAÇÃO.

 AS FUNÇÕES DOS ÓRGÃOS DE DIREÇÃO, DE APOIO E DE EXECUÇÃO


SÃO INERENTES AO PESSOAL DA ATIVA DA CORPORAÇÃO.

ATENÇÃO

Sempre que a escolha não recair


DOS ÓRGÃOS DE DIREÇÃO I -COMANDANTE GERAL;( o comandante geral equiparasse a no oficial mais antigo da
GERAL secretario do estado , sendo nomeado pelo governador do Corporação, terá o Comandante-
COMPOSIÇÃO estado dentre os oficiais da ativa da cooporaçãodo último Geral precedência hierárquica e
posto do quadro de oficiais policiais militares combatentes, funcional sobre os demais
não convocado da reserva, possuidor do curso superior de oficiais.
polícia, nos termos da legislação vigente.)

II -Alto Comando da Polícia Militar

III - Estado Maior Geral;

IV - Corregedoria Geral;

V - Departamento Geral de Administração;

VI - Departamento Geral de Operações;

VII - Centro de Inteligência;

VIII - Gabinete do Comandante-Geral;

IX - Ajudância Geral;

X - Consultoria Jurídica;
I - o comando, a gestão, o emprego, a supervisão e a coordenação geral das
atividades da Corporação, assessorado pelos órgãos de direção e de execução;
COMPETENCIA DO COMANDANTE GERAL
II - a presidência do Alto Comando da Polícia Militar, da Comissão de Promoção de
Oficiais e do Conselho do Mérito Policial-Militar;

III - encaminhar, ao órgão competente, o projeto de orçamento anual referente à


Polícia Militar e participar, no que couber, da elaboração do plano plurianual;

IV - celebrar convênios e contratos de interesse da Polícia Militar com entidades de


direito público ou privado, nos termos da lei;

V - nomear e exonerar policiais militares no exercício das funções de direção,


comando e assessoramento, nos termos desta Lei Complementar;

VI - autorizar policiais militares e servidores civis da Corporação a se afastarem do

Estado;

VII - ordenar o emprego de verbas orçamentárias ou de créditos abertos em favor


da Polícia Militar e de outros recursos que esta venha a receber, oriundos de
A COMPETENCIA DO COMANDANTE GERAL É BASICAMENTE
quaisquer fontes de receitas;
ADMINISTRATIVA
VIII - expedir os atos necessários para a administração da Polícia Militar;

IX - incorporar praças e praças especiais;

X - promover praças e declarar aspirantes-a-oficial;

XI - conceder férias, licenças ou afastamentos de qualquer natureza;

XII - instaurar e solucionar procedimentos e processos administrativos, disciplinares


ou não, aplicando as penalidades previstas na legislação vigente.

XIII - criar, desenvolver e gerenciar programas de prevenção da violência e


criminalidade que visem à melhoria da qualidade de vida do cidadão.
ATENÇÃO

2§ O Comandante-Geral poderá delegar competência para a expedição de atos administrativos, visando à agilização da gestão da
Corporação.

§ 3º Nos impedimentos ou ausências do Comandante Geral, responderá pelo Comando Geral o Chefe do Estado-Maior Geral e, no
impedimento ou ausência deste, seguirá a seguinte ordem de prioridade: o Corregedor Geral, o Chefe do Departamento Geral de
Administração, o Chefe do Departamento Geral de Operações e o Comandante de Policiamento Regional mais antigo na Região
Metropolitana de Belém.

§ 4º Para efeito do previsto no § 3º não será considerado o Oficial que estiver respondendo pela função;

Alto Comando da Polícia Presidente: Comandante Geral;


COMPOSIÇÃO
Militar
II - Membros Natos: a) Chefe do Estado-Maior Geral;
É o órgão colegiado, com b) Corregedor Geral;
atribuições deliberativas e
c) Chefe do Departamento Geral de Administração;
consultivas
d) Chefe do Departamento Geral de Operações;

III - Membros Efetivos: dez oficiais do último posto da Corporação, designados


pelo Comandante Geral, podendo ser reconduzidos, individualmente, salvo o
previsto no § 4º do art. 8º-B.
ATRIBUIÇÕES DO ALTO COMANDO DA manifestar-se sobre:
POLÍCIA MILITAR, NO ÂMBITO DA ATRIBUIÇÃO DE CARATER a) orçamento anual da Polícia Militar;
CORPORAÇÃO CONSULTIVO
b) outros assuntos de interesse da
Polícia Militar.
ATENÇÃO
§ 1º O Alto Comando da Polícia Militar reunir-se-á , manifestar-se sobre:
semestralmente em caráter ordinário e, extraordinariamente,
a) elaboração de reforma ou projeto
mediante convocação de seu presidente ou de dois terços de
de lei que envolva a Polícia Militar;
seus membros. ATRIBUIÇÃO DE
CARATER b) expedição de atos normativos
DELIBERATIVO provenientes de suas deliberações;

c) propostas referentes ao aumento


§ 2º O funcionamento do Alto Comando será definido em do efetivo e criação e extinção de
regimento interno, elaborado e aprovado por seus membros, cargos, a serem encaminhadas ao
sendo suas decisões tomadas por maioria relativa de votos, Governo do Estado;
garantida a maioria absoluta na sessão
d) conflitos de atribuições entre os
órgãos de direção, de apoio e de
execução;

§ 3º O presidente do Alto Comando não votará, salvo no e) proposta referente à remuneração,


caso de haver empate dos votos, cabendo-lhe o voto de a ser encaminhada ao Governador do
desempate. Estado.

§ 4º O Comandante Geral que for exonerado do cargo e não tiver


§ 6º A decisão do Alto Comando da Polícia § 5º O ex-Comandante Geral na situação
tempo de serviço para transferência à inatividade, conforme a
Militar, instituída por meio de resolução, prevista no parágrafo anterior, ao
lei, ficará classificado no Alto Comando da Polícia Militar,
será publicada em Diário Oficial do Estado, completar o tempo de serviço para a
ocupando vaga de membro efetivo, pelo período de até dois
após homologação do Governador do inatividade antes dos dois anos previstos,
anos ininterruptos, podendo ser reconduzido por igual período,
Estado. será transferido ex-officio para a reserva
salvo opção em contrário
remunerada.
O ESTADO-MAIOR GERAL É o órgão de direção geral responsável, perante o
Comandante Geral, pelo planejamento, organização,
direção e controle das atividades da Corporação,
elaborando diretrizes e ordens de Comando, em
consonância com a missão institucional e a política de
segurança pública do Estado.

Gabinete Chefe do Estado-Maior


CHEFIA DO ESTADO-MAIOR Geral;
Assistência
(COMPOSIÇÃO) Seções do Estado
Maior Geral; Ajudância de ordens.

Secretaria
Subseção de Planejamento de Pessoal;
1ª Seção (PM/1):
Política de Gestão de Subseção de Planejamento da Saúde
Pessoas Biopsicossocial;
As Seções do Estado-Maior serão assim Subseção de Legislação;
constituídas
2ª Seção (PM/2): Política
e Planejamento de Subseção de Pesquisa e Análise Criminal;
Inteligência
Subseção de Estatística Institucional;

Subseção de Inteligência Estratégica;


3ª Seção (PM/3): Política Subseção de Metodologias de
e Planejamento de Integração e Mobilização Social;
Preservação da Ordem
As Seções do Estado-Maior serão assim Pública
constituídas ( CONTINUAÇÃO) Subseção de Metodologias
Preventivas e Repressivas
4ª Seção (PM/4): Política
e planejamento de Subseção de Formação Inicial e
Logística: Continuada;

Subseção de Tecnologia da
Informação e Comunicações.
Subseção de Estudo e
Administração de Material Bélico

Subseção de Logística

6ª Seção (PM/6): Planejamento e Orçamento:

a) Subseção de Planejamento Orçamentário Institucional;

b) Subseção de Projetos e Captação de Recursos;


Subseção de Comunicação Interna
c) Subseção de Planejamento Estratégico;
5ª Seção (PM/5):
7ª Seção (PM/7) Seção de Gestão pela Qualidade:
Comunicação Subseção de Relações Públicas
Organizacional a) Subseção de Gerenciamento de Processos;
Subseção de Integração Comunitária.
b) Subseção de Planejamento da Qualidade;

c) Subseção de Controle Estatístico e Avaliação de Resultados.


SUBCOMANDANTE GERAL(passa a I - substituir o Comandante Geral nos seus impedimentos ou
denominar-se Chefe do Estado-Maior Geral com ausências, respondendo pelo Comando Geral da Corporação;
remuneração prevista no Parágrafo Único da Lei nº II - assessorar o Comandante Geral na coordenação e supervisão
7.519, de 10 de maio de 2011, indicado pelo geral das atividades da Corporação por meio do controle das
Comandante Geral e nomeado pelo Governador do atividades dos órgãos de direção setorial;
Estado dentre os
III - coordenar a elaboração do planejamento estratégico;
oficiais da ativa da Corporação e do último posto do IV - assessorar o Comandante Geral na formulação da doutrina de
Quadro de Oficiais Policiais Militares Combatentes, nos preparo e emprego da tropa e na definição das políticas de
termos da Lei, comando;

V - assegurar a atuação convergente e dinâmica dos órgãos de


COMPETÊNCIA direção, apoio e execução;

VI - elaborar e estabelecer ordens, instruções, diretrizes, planos e


orientações pertinentes à implementação das políticas do
Comandante Geral, visando à consecução dos objetivos e metas
Atenção estabelecidos;
§ 4º Se a escolha do Chefe do Estado-Maior Geral não recair no oficial mais antigo, este terá precedência
VII - supervisionar a execução das diretrizes, planos e ordens;
hierárquica e funcional sobre os demais oficiais.
VIII - orientar e dirigir os trabalhos do Estado-Maior Geral,
§ 5º Na ausência do Chefe do Estado-Maior Geral responderá por esta Chefia o Corregedor Geral, o Chefe do
praticando os atos necessários ao seu funcionamento;
Departamento Geral de Administração ou Chefe do Departamento Geral de Operações.

§ 6º Os Chefes de Seção do Estado-Maior serão oficiais no posto de Tenente Coronel do Quadro de Oficiais
IX - realizar inspeções periódicas;
Policiais Militares. X - desempenhar outras atribuições delegadas pelo
§ 7º Os Chefes das Subseções e da Secretaria do Estado-Maior serão oficiais no posto de Major do Quadro de Comandante
Oficiais Policiais Militares.

§ 8º A Assistência de Gabinete do Chefe do Estado-Maior Geral será exercida por oficial no posto de Tenente
Coronel do Quadro de Oficiais Policiais Militares;

§ 9º A Ajudância de Ordens do Chefe do Estado-Maior Geral será exercida por dois oficiais no posto de
Capitão do Quadro de Oficiais Policiais Militares, por ele indicados e nomeados pelo Comandante Geral.
Departamento Geral de Administração
é o órgão de direção geral, responsável pela supervisão,
coordenação, controle e fiscalização dos órgãos de direção setorial
e de apoio, que realizam a atividade-meio da Corporação

Chefe do Departamento Geral


de Administração;
Estrutura
Subseção de Modelagem, Análise e Melhoria de Processos;
Seção de Controle da Qualidade
Subseção de Programa de Qualidade na Gestão.

Seção de Planejamento; Subseção de Informação e Análise;

Subseção de Avaliação de Resultados.

Assistência

Secretaria

Assessoria Técnica
ATENÇÃO

§ 1º O Chefe do Departamento Geral de Administração será oficial no posto de Coronel, do Quadro de


Oficiais Policiais Militares, de livre escolha do Comandante Geral, que terá precedência hierárquica e
funcional sobre os Diretores dos órgãos de direção setoriais.

§ 2º Na ausência do Chefe do Departamento Geral de Administração responderá pela referida Chefia o


Diretor de órgão de direção setorial mais antigo dentre os Oficiais do Quadro de Combatentes;

§ 3º Os Chefes de Seção do Departamento Geral de Administração serão oficiais no posto de Tenente


Coronel do Quadro de Oficiais Policiais Militares;

§ 4º Os Chefes das Subseções do Departamento Geral de Administração serão oficiais no posto de Major do
Quadro de Oficiais Policiais Militares;

§ 5º O Assistente do Chefe do Departamento Geral de Administração será oficial no posto de Tenente


Coronel do Quadro de Oficiais Policiais Militares;

§ 6º A Secretaria será chefiada por 1º Tenente do Quadro de Administração.

é o órgão de direção geral, responsável pela supervisão,


O DEPARTAMENTO GERAL DE OPERAÇÕES
coordenação, controle e fiscalização dos órgãos de direção
intermediária e de execução da atividade-fim da
Corporação
DEPARTAMENTO GERAL DE OPERAÇÕES

Chefe do Departamento Geral de Operações;

Subseção de Planejamento;
Seção de Policiamento Preventivo

Subseção de Avaliação de
Resultados.

Seção de Policiamento Repressivo: Subseção de Planejamento;

Subseção de Avaliação de
Resultados

Assistência;

Secretaria.
ATENÇÃO
§ 1º O Chefe do Departamento Geral de Operações será oficial no posto de Coronel, do
Quadro de Oficiais Policiais Militares, de livre escolha do Comandante Geral, que terá
precedência hierárquica e funcional sobre os Comandantes dos órgãos de direção
Intermediária.

§ 2º Na ausência do Chefe do Departamento Geral de Operações responderá por esta


Chefia o Comandante de órgão de direção intermediária mais antigo na Região
Metropolitana de Belém;

§ 3º Os Chefes de Seção do Departamento Geral de Operações serão oficiais no posto


de Tenente Coronel do Quadro de Oficiais Policiais Militares;

§ 4º Os Chefes das Subseções do Departamento Geral de Operações serão oficiais no


posto de Major do Quadro de Oficiais Policiais Militares;

§ 5º O Assistente do Chefe do Departamento Geral de Operações será oficial no posto


de Tenente Coronel do Quadro de Oficiais Policiais Militares;"

§ 6º A Secretaria será chefiada por 1º Tenente do Quadro de Oficiais de


Administração".

Vinculada
Órgão correicional da Polícia
Corregedoria-Geral Comandante-Geral Militar de orientação, prevenção e
fiscalização das atividades funcionais
e da conduta profissional, visando ao
aprimoramento da ética, da
disciplina e da hierarquia entre os
integrantes da Corporação, com sede
na capital do Estado, em imóvel
distante e isolado de outras unidades
policiais-militares e de fácil acesso ao
público.

§
Um oficial do último posto do Quadro de Oficiais Policiais
CORREGEDORIA-GERAL
chefiada Militares, preferencialmente bacharel em Direito um oficial do
último posto do Quadro de Oficiais Policiais Militares,
preferencialmente bacharel em Direito, designado pelo
Comandante Geral e submetido à aprovação do Conselho
Estadual de Segurança Pública.
Corregedor-Geral;

Comissão Permanente de Correição-Geral,


constituída por um Presidente, que acumulará a
função de Subcorregedor-Geral, e quatro oficiais-
composição membros;

Comissões Permanentes de Corregedoria dos


Comandos Operacionais Intermediários,
constituídas por um presidente e três oficiais-
membros.

ATENÇÃO

§ 3º As comissões permanentes serão presididas por oficiais no posto de TenenteCoronel do Quadro de Oficiais Policiais-Militares, preferencialmente bacharéis em
Direito, competindo-lhes a realização da correição no âmbito de suas circunscrições.

§ 4º Os membros das comissões permanentes serão oficiais do Quadro de Oficiais Policiais-Militares.

§ 5º Funcionará na Comissão Permanente de Correição-Geral uma Seção de Inteligência Disciplinar.

§ 6º As Comissões Permanentes de Corregedoria dos Comandos Operacionais Intermediários deverão ser sediadas em local de fácil acesso ao público, em imóvel
distante e isolado de outras unidades policiais-militares.
coordenar a integração das atividades
administrativas entre as divisões e as
Comissões Permanentes de Corregedoria Corregedoria geral
dos Comandos Operacionais
Intermediários que compõem a COMPETENCIA
Corregedoria-Geral da Polícia Militar do
Pará

exercer as atividades de polícia judiciária


militar no âmbito da Polícia Militar, em aplicar as prescrições das normas
conformidade com o Código de Processo disciplinares da Polícia Militar, em
Penal Militar; realizar a gestão dos recursos relação a processos administrativos
humanos e materiais da disciplinares, sindicâncias e
Corregedoria-Geral; inquéritos policiais-militares;
instaurar e solucionar
processos administrativos
disciplinares, sindicâncias e
- prestar e solicitar informações inquéritos policiais-militares,
legalmente permitidas a órgãos e assim como determinar
entidades públicas ou diligências, quando julgar
particulares, necessárias à necessário; A) na instauração e solução de Conselho de Disciplina,
instrução de processos ou na proposição ao Governador do Estado, para
procedimentos administrativos nomeação, de Conselho de Justificação e ainda na
disciplinares ou de interesse apreciação de recurso relativo a Conselho de
assessorar o Comandante-Geral: Disciplina;
daqueles;
B) na adoção de providências diante de indícios de ato
de improbidade administrativa apontados a partir
de tomadas de contas especiais realizadas pela
Comissão Permanente de Controle Interno;

C) com exclusividade, na aprovação de instruções


normativas das atividades de polícia judiciária
militar e disciplinar, bem como das atividades
operacionais e administrativas, de forma a reduzir a
prática de atos de indisciplina e de ações que
dificultem a apuração de responsabilidades no
âmbito da Corporação;
Comissão Permanente de Correição-Geral a) aplicação das prescrições contidas em
normas disciplinares da Corporação, em
COMPETENCIA relação aos inquéritos policiais militares,
assessorar o Corregedor-Geral nas processos administrativos disciplinares e
seguintes situações: sindicâncias no âmbito da Polícia Militar;
b) instauração dos procedimentos
referidos no inciso anterior nas Comissões
proceder à correição de
permanentes de Corregedorias de
sindicâncias, processos
Comandos Operacionais Intermediários;
providenciar o cumprimento de cartas fiscalizar o emprego de administrativos e
c) atendimento de solicitação ou
precatórias, de ordem disciplinar ou policiais militares dentro inquéritos policiais-
determinação legal relativa a processo ou
criminal, no âmbito da Polícia Militar; dos limites legais e dos militares, sugerindo ao
procedimento disciplinar que esteja sob a
princípios que Corregedor-Geral, quando
guarda da Corregedoria-Geral;
disciplinam a atividade for o caso, a realização de
policial-militar; novas diligências ou a
avocação da decisão.

coordenar as Comissões Permanentes de Corregedoria de Comandos Operacionais Intermediários quanto à: a) fiscalização ostensiva de fato que
envolva policial militar da Corporação;

b) realização de diligências que visem esclarecer a consistência de denúncia que envolva policial militar;

c) produção de informes, informações e estatísticas acerca de fato que envolva policial militar na violação de norma civil, administrativa ou
penal; d) coleta de indícios de infrações disciplinares ou criminais praticadas por policiais militares ou contra estes;

e) instauração e realização de procedimentos e processos que apurem responsabilidade

civil, administrativa ou criminal em fato que envolva policial militar;

f) realização de escolta ou de custódia provisória de vítimas e testemunhas, ou de seus familiares, com potencial risco a sua integridade física;

g) avaliação da consistência de denúncias contra policiais militares


Comissões Permanentes de Corregedoria apresentar relatórios periódicos ao
dos Comandos Operacionais Intermediários Corregedor-Geral, através da
Comissão Permanente de Correição-
COMPETENCIA Geral, sobre os problemas
encontrados em sua circunscrição,
sugerindo medidas saneadoras
julgadas necessárias

fiscalizar ostensivamente, em
realizar proteção - realizar diligência para produzir informações e
caráter preventivo e, quando
provisória e escolta de esclarecer a consistência de estatísticas acerca de fatos que
necessário, repressivo, fatos que
vítimas e testemunhas denúncia que envolva policial indiquem a violação de norma
envolvam policiais militares,
ameaçadas; militar, inclusive auxiliando civil, administrativa ou penal
visando garantir legalidade e
legitimidade em tais autoridade policial ou resultante de ato que envolva
acontecimentos, assim como a judiciária, quando requisitado policial militar;
observância dos princípios que ou solicitado oficialmente;
norteiam o exercício da
atividade policial;
aplicar, no âmbito de sua
circunscrição, as prescrições
contidas nas normas disciplinares determinar a instauração ou realizar, de
supervisionar processos e procedimentos da Polícia Militar; oficio, processo e procedimento com o
disciplinares ou judiciais instaurados por fito de apurar responsabilidade civil,
autoridades de unidades policiais-militares administrativa ou criminal em fato que
sob sua circunscrição, encaminhando-os à envolva policial militar;
Comissão Permanente de Correição-Geral,
quando concordar com a conclusão do
respectivo encarregado ou autoridade
delegante, ou avocando tal decisão, antes do
citado encaminhamento, inclusive
determinando novas diligências, se entender
necessário;