Sie sind auf Seite 1von 43

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA

SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA


DEPARTAMENTO DE ENSINO, PESQUISA, ANÁLISE DA INFORMAÇÃO E
DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL EM SEGURANÇA PÚBLICA
COORDENAÇÃO GERAL DE ENSINO

Rede Nacional de Educação a Distância em Segurança Pública

Rede EaD- Senasp

PROJETO DO MÓDULO ACADEMIA PARA APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL - MAAP

Versão 7 – Junho 2017

1
ÍNDICE

Descrição Pag.
1 - Apresentação 3
2 - Objetivo 4
3 - Público-Alvo 4
4 - Metodologia 4
5 - Desenvolvimento
5.1 Cronograma 5
6 - Regras Gerais para execução do MAAP 6
7 - Estrutura do MAAP por Instituição 7
8 – Organização Operacional do MAAP 9
9 – Considerações Gerais 10
10 – Regras de Funcionamento MAAP 11
ANEXO “A” - Distribuição dos Cursos ofertados pela Rede EaD – Senasp - 13
MJSP
ANEXO “B” - Ementas dos Cursos/Disciplinas por Instituições utilizados no
MAAP 15
ANEXO “C” - Termo de Compromisso do Gestor do Órgão de Ensino 40
ANEXO “D” - Instruções para solicitação do MAAP. 41

MARÇO - 2017

2
MÓDULO DE ACADEMIA PARA APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL - MAAP

1. APRESENTAÇÃO
O Estado e a sociedade exigem um corpo de servidores qualificados para o devido
cumprimento de suas atribuições; o que implica em uma nova cultura de se estruturar o
serviço público, ou seja, uma cultura empreendedora, que valorize não apenas a
polivalência do agente público, mas também as competências específicas que o setor
exige.
Nesse sentido, um novo modelo de segurança pública, direcionado para a
qualificação do serviço público, requer um novo perfil de profissional, o qual valoriza a
concepção de educação para o servidor público, mostrando a relevância do processo de
ensino e aprendizagem para a valorização profissional.
Diante desta perspectiva, o reconhecimento de práticas cognitivas individuais
expandiu-se do método tradicional, ou seja, do ensino presencial para um processo de
ensino motivado pelo próprio indivíduo, que necessita aprender por meio da exploração
autônoma e independente. Para tal, foram apresentadas novas propostas de aprendizado
autônomo e independente. Ato que fora facilitado através das novas mídias e tecnologias
na educação.
Assim, a Rede Nacional de Educação a Distância em Segurança Pública - Rede
EaD - SENASP apresenta a proposta do Módulo de Academia para Aperfeiçoamento
Profissional - MAAP, visando a valorização profissional não somente dos agentes de
segurança pública do País, mas também das Instituições que se preocupam em atender
as necessidades da população, no tocante a prestação de um serviço público de
qualidade aos cidadãos.
Esta nova ferramenta vai possibilitar aos Tutores Masters oferecer as instituições
de segurança pública a oportunidade de realizar um aperfeiçoamento sem custos para os
seus profissionais.

2. OBJETIVO

Promover o aperfeiçoamento dos profissionais de segurança pública, por meio de


um processo educativo que contribua para o nivelamento de competências, considerando
não apenas os aspectos contidos na Matriz Curricular Nacional para Formação de

3
Profissionais de Segurança Pública, mas também as peculiaridades de cada instituição.
Destacando que as ações da Rede EaD-Senasp se pautam nas seguintes diretrizes:
flexibilidade curricular, gestão integrada participativa, garantia das condições de acesso e
permanência, atualização e qualificação profissional, processos educativos transversais
e/ou instrumentais para enfrentar os novos desafios decorrentes da administração
pública.

3. PÚBLICO – ALVO

Profissionais de Segurança Pública das seguintes instituições: Polícia Militar (PM),


Polícia Civil (PC), Corpo de Bombeiros Militar (CBM), Perícia ou Polícia Técnica (PT) e
Guardas Municipais (GM).

4. METODOLOGIA

A metodologia adotada está alinhada com a interdisciplinaridade, com a


contextualização do conteúdo, envolvendo a relação teoria-prática, objetivando a
otimização profissional dos servidores da segurança pública. Nesse diapasão, os tutores
serão orientados a fazer uso de estratégias de ensino que envolvam o estudo de casos e
a problematização dos conteúdos, incentivando o discente a utilizar a pesquisa como
princípio educativo, criando temas geradores, com o suporte das Tecnologias de
Informação e Comunicação (TIC) e o uso da Plataforma EaD/Senasp.
O MAAP será desenvolvido através da utilização dos cursos/disciplinas da Rede
EaD-Senasp, sendo que os cursos/disciplinas que compõem cada desenho curricular
institucional foram selecionados de acordo com o perfil e as competências de cada
instituição de Segurança Pública, devendo o discente realizar os 05 (cinco)
cursos/disciplinas selecionados na malha curricular disponível para sua instituição, ou
seja, durante o período de um ciclo. Os cursos/disciplinas serão divididos em grupos fixos
para um melhor aproveitamento por parte do aluno, esta informação está descrita no item
8.

No exemplo abaixo podemos visualizar a organização da execução do MAAP:


a) 03 cursos/disciplinas no primeiro grupo. (1º período dentro do ciclo)
b) 02 cursos/disciplinas no segundo grupo. (2º período dentro do ciclo)
OBS. Lembrando que cada aluno só poderá cursar 03 cursos/disciplinas
simultaneamente.

4
A avaliação do discente será processual, cumulativa e contínua, privilegiando os
aspectos qualitativos sobre os quantitativos; sendo compreendida como reflexão crítica
sobre o cotidiano do profissional de segurança pública, toda dinâmica metodológica
deverá ser explicitada no Plano de Tutoria.

5. DESENVOLVIMENTO

Para atender ao objetivo proposto, considerando a Matriz Curricular Nacional para


Ações Formativas dos Profissionais da Área de Segurança Pública, a Rede EaD-Senasp
apresenta os seguintes eixos de ensino:

Eixo Sujeito e Interações no Contexto da Segurança Pública


Eixo Sociedade, Poder, Estado, Espaço Público e Segurança Pública
Eixo Ética, Cidadania, Direitos Humanos e Segurança Pública
Eixo Diversidade Étnico-Sociocultural, Conflitos e Segurança Pública

No anexo “A” estão expostos os quadros demonstrativos dos cursos oferecidos


pela Rede EaD-Senasp, considerando os parâmetros formativos acima descritos. Tais
eixos estão organizados, de acordo com as especificidades das ações da administração
pública.
5.1 Cronograma
Ord. Atividades Datas
1 Apresentação da proposta no VII Encontro dos Tutores Masters e 18/11/2015
10 Anos da Rede EaD/Senasp.
2 Montagem dos cursos para as instituições, junto com os 19/11/2015
participantes do evento.
3 Ajustes na plataforma da Rede EaD-Senasp para as novas 30/12/2015
demandas
4 Gestão (por meio dos Tutores Masters) junto aos Centros de 14/12/2015
Formação e Academias para utilização do Módulo de Academia
para Aperfeiçoamento Profissional da Rede EaD-Senasp.
5 Disponibilização do MAAP no AVA no ciclo 38. 23/08/2016
6 Retirada do MAAP do ar para reavaliação do projeto 01/02/2017
7 Revisão do projeto do MAAP 17/03/2017
8 Disponibilização do MAAP no AVA 18/05/2017

5
6. REGRAS GERAIS PARA EXECUÇÃO DO MAAP:

6.1.O MAAP será composto de 05 cursos/disciplinas para cada categoria profissional que
é público-alvo da rede, os cursos/disciplinas foram definidos pela Coordenação da Rede
EaD-Senasp, após consulta aos 84 (oitenta e quatro) participantes do VII Encontro
Nacional dos Tutores Máster da Rede Nacional de Educação a Distância, que aconteceu
em novembro de 2015 e contou com a participação de profissionais das Policias Militares,
Policias Civis, Corpo de Bombeiros Militares, Perícias ou Policias Técnicas e Guardas
Municipais que foram distribuídos em 13 (treze) grupos temáticos e que após debates e
discussões fizeram a indicação de como deveriam ser compostas os desenhos
curriculares de cada instituição.

6.2. O aluno poderá ter pendência (desistência, evasão, reprovação) em no máximo 03


cursos/disciplinas, ultrapassando esse número será desligado do evento, a resolução das
pendências ocorrerá obrigatoriamente no ciclo subsequente.

6.3. Em caso de pendências o aluno será matriculado automaticamente nos


cursos/disciplinas pendentes no ciclo subsequente, podendo cursá-las em turmas
específicas de MAAP ou em turmas regulares, conforme deliberação da Coordenação da
Rede EaD-Senasp.

6.4. Caso o aluno não consiga concluir na primeira etapa do ciclo um curso/disciplina que
seja pré-requisito para outro curso/disciplina da segunda etapa do ciclo, será
automaticamente matriculado na mesma disciplina na segunda etapa do ciclo, ficando o
curso/disciplina que necessita de pré-requisito obrigatoriamente para ser cursado no ciclo
subsequente.

6.5. Caso o aluno ainda tenha curso/disciplina pendente ao final do ciclo subsequente ao
do MAAP, será desligado do Aperfeiçoamento Profissional, fazendo jus apenas aos
certificados de cada curso concluído, não recebendo da SENASP-MJ a certificação de
concluinte do Módulo de Academia para Aperfeiçoamento Profissional.

6.6. A opção pelo Módulo de Academia para Aperfeiçoamento Profissional – MAAP, só


poderá ser solicitada pelas Academias, Escolas e Centros de Formação, que serão
responsáveis, não somente pelas indicações dos discentes, mas também pela interação

6
com os mesmos acerca do calendário dos cursos, além de auxiliar os tutores na
localização e contato com estudantes. Desse modo, a Instituição ao solicitar o módulo
Academia referente ao aperfeiçoamento em objeto, deve assinar via plataforma um termo
de compromisso (ver Anexo “C”).

6.7. O aluno que estiver realizando o MAAP não poderá ser matriculado em outro curso
livre da Rede EaD-Senasp, salvo os casos em que o curso seja obrigatório para ascensão
funcional ou outra obrigação descrita em lei ou regimento próprio de cada Instituição,
nesta situação o pedido será avaliado pela Coordenação do EaD/Senasp.

6.8. Não haverá aproveitamento de disciplinas no MAAP, sendo obrigatório o aluno cursar
todas as disciplinas previstas no seu módulo.

6.9. Os alunos que concluírem com êxito todos os 05 cursos/disciplinas do MAAP


receberão um certificado, contendo carga horária total do aperfeiçoamento que é de
300h/a, registrando a conclusão com êxito do Módulo em referência, porém não
receberão nenhum título.

6.10. O aluno que ao término do período de ciclos disponibilizado para conclusão do


MAAP, e não conseguir aprovação em todas os cursos/disciplinas componentes da malha
curricular, só fará jus ao(s) certificado(s) individual(is) do(s) curso(s)/disciplina(s) que não
possuir em seu histórico, evitando assim a duplicidade de certificados.

6.11. O discente passa a ser considerado evadido quando:


 Após o início das aulas, deixar de acessar o ambiente pelo menos uma vez a cada
20 dias para os cursos de 40 h/a, e a cada 30 dias para os cursos de 60 h/a;
 Deixar de realizar qualquer das atividades obrigatórias dos cursos em que estiver
matriculado, tais como: leitura dos módulos, participação mínima em 03 fóruns de
conteúdo e avaliação final.

7
7. ESTRUTURA DO MAAP POR INSTITUIÇÃO:

7.1. POLÍCIA MILITAR


CURSOS/DISCIPLINAS
1. Atuação Policial Frente aos Grupos Vulneráveis (APGV - VA) – 60h/a
2. Filosofia dos Direitos Humanos Aplicados à Atuação Policial (FDHAP - VA) – 60h/a
3. Gerenciamento de Crises (GDC) – 60h/a
4. Preservação de Local de Crime (PLC-VA) – 60h/a
5. Aspectos Jurídicos da Atuação Policial (AJAP - VA) – 60h/a

7.2. POLÍCIA CIVIL


CURSOS/DISCIPLINAS

1. Segurança Pública Sem Homofobia (SPSH) – 60h/a


2. Investigação Criminal 1 (IC1 - VA) – 60h/a

3. Aspectos Jurídicos da Atuação Policial (AJAP - VA) – 60h/a


4. Enfrentamento da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (ESCA - VA) –
60h/a
5. Investigação Criminal 2 (IC2 - VA) – 60h/a

7.3 . CORPO DE BOMBEIROS MILITAR


CURSOS/DISCIPLINAS
1. Tópicos em Psicologia Relacionados à Segurança Pública e Defesa Civil (TEP) –
60h/a
2. Sistema de Comando de Incidente 1 (SCI 1) – 60h/a

3. Intervenção em Emergências com Produtos Perigosos (IEPP) VA – 60h/a

4. Bombeiro Educador (BOED) – 60h/a

5. Psicologia das Emergências (PDE) – 60h/a

8
7.4 . PERÍCIA OU POLÍCIA TÉCNICA
CURSOS/DISCIPLINAS

1. Perícia Papiloscópica em Identificação Humana 1 (PPIH1) – 60h/a


2. Necropapiloscopia (NECRO) – 60h/a
3. Crimes Cibernético – Procedimentos Básicos (CCPB) – 60h/a
4. Identificação veicular 1(IDV 1 - VA) – 60h/a
5. Balística (BFA) – 60h/a

7.5 . GUARDA MUNICIPAL - Ênfase na Lei nº 13.022/14


CURSOS/DISCIPLINAS

1. Atuação Policial Frente aos Grupos Vulneráveis (APGV - VA) – 60h/a


2. Filosofia dos Direitos Humanos Aplicados à Atuação Policial (FDHAP - VA) – 60h/a

3. Aspectos Jurídicos da Atuação Policial (AJAP - VA) – 60h/a


4. Mediação de Conflitos (MC) VA – 60h/a

5. Políticas Públicas de Segurança Pública (PPSP) – 60h/a

8. ORGANIZAÇÃO OPERACIONAL DO MAAP.

Para o seu bom funcionamento, o MAAP foi organizado em dois grupos de


execução:

a) Um grupo com 03 cursos/disciplinas na primeira etapa dentro do ciclo e outro com


02 cursos/disciplinas na segunda etapa dentro do ciclo.
b) Esta divisão levou em consideração a necessidade de adequar a execução em
função de cursos/disciplinas que necessitam de pré-requisitos.
c) Os 03 cursos/disciplinas da primeira etapa dentro do ciclo serão prioritariamente
aqueles que servirão de pré-requisito para outros que compõem a malha curricular
do MAAP de cada instituição.
d) O MAAP possui calendário próprio e execução diferenciada, sendo disponibilizado
aos tutores master com antecedência de no mínimo 30 dias.

9
8.1. Execução MAAP – Polícia Militar

Curso/ Disciplina 1º Etapa do Ciclo 2ª Etapa do Ciclo


APGV - VA X
FDHAP - VA X
GDC X
PLC - VA X
AJAP - VA X

8.2. Execução MAAP – Polícia Civil

Curso/ Disciplina 1º Etapa do Ciclo 2ª Etapa do Ciclo


SPSH X
IC 1 - VA X
AJAP - VA X
IC 2 - VA X
ESCA - VA X

8.3. Execução MAAP – Corpo de Bombeiros Militar

Curso/ Disciplina 1º Etapa do Ciclo 2ª Etapa do Ciclo


TEP X
SCI1 X
IEPP – VA X
BOED X
PDE X

8.4. Execução MAAP – PERÍCIA OU POLÍCIA TÉCNICA

Curso/ Disciplina 1º Etapa do Ciclo 2ª Etapa do Ciclo


PPIH 1 X
CCPB X
IDV 1 - VA X
NECRO X
BFA X

8.5. Execução MAAP – GUARDA MUNICIPAL

Curso/ Disciplina 1º Etapa do Ciclo 2ª Etapa do Ciclo


APGV X
FDHAP X
AJAP X
MC X
PPSP X

10
9. CONSIDERAÇÕES GERAIS

9.1. Não serão geradas despesas extras para a implantação do MAAP (PM, PC, BM, GM
e PT), sendo aproveitados os cursos/disciplinas já oferecidos na Rede EaD-Senasp e o
quadro de tutores existentes;
9.2. Não serão criadas vagas extras para a implantação do MAAP, sendo aproveitadas as
vagas já oferecidas pela plataforma;
9.3. Os tutores serão escolhidos, sempre que possível, pelo Tutor Master, de modo a
favorecer o contato com os discentes das instituições. É recomendado que os tutores
sejam da mesma Instituição dos discentes indicados para os cursos, pertencente ao
citado Módulo; no caso da indisponibilidade de tutores, a Coordenação da Rede EaD-
Senasp ficará encarregada da designação dos mesmos, considerando a totalidade de
tutores habilitados na Rede EaD-Senasp;
9.4. Os certificados serão emitidos pela Coordenação da Rede EaD - Senasp, assinados
pela Secretaria Nacional de Segurança Pública e pela Direção do Departamento de
Ensino, Pesquisa, Análise da Informação e Desenvolvimento de Pessoal (DEPAID); e
9.5. Casos Omissos serão resolvidos pela Coordenação da Rede EaD/Senasp, após
consulta ao Coordenador-Geral de Ensino, Análise e Desenvolvimento de Pessoal.

10. REGRAS DE FUNCIONAMENTO DO MAAP


10.1. O MAAP é um curso destinado ao aperfeiçoamento profissional dos servidores das
Policias Civis e Militares, Corpo de Bombeiros Militares, Guardas Municipais, Perícias e
Policias Técnicas. E tem as seguintes características:
a) Bloqueio Inscrição - O aluno de MAAP não poderá se inscrever através da ficha de
inscrição, nem fazer um curso livre normalmente. Salvo em situações que sejam
de cursos/disciplinas obrigatórias para cursos de promoção.

b) O processo de matrículas será automático, sendo que, caso o aluno fique


pendente em no máximo de 03 cursos/disciplinas terá que obrigatoriamente cursar
no ciclo subsequente, sendo que esta matrícula também será realizada de maneira
automática.

c) O aluno que ao término do período de ciclos disponibilizado para conclusão do


MAAP, e não conseguir aprovação em todas os cursos/disciplinas componentes
da malha curricular, só fará jus ao(s) certificados individuais dos cursos/disciplinas
que não possuir em seu histórico, evitando assim a duplicidade de certificados.

11
d) Não haverá em hipótese nenhuma, aproveitamento de estudos, ficando ciente o
aluno que aceitar participar do MAAP que deverá cursar todas as disciplinas
componentes de seu modulo profissional, esta informação deverá constar no
termo de aceite do MAAP que o aluno deve dar ciência antes de iniciar o curso.

e) O aluno com pendências será automaticamente matriculado nos cursos pendentes


no ciclo subsequente, caso o discente ainda assim, não consiga concluir o MAAP
será desligado do curso, fazendo jus somente aos cerificados dos
cursos/disciplinas concluídos com aproveitamento.

f) Será disparada uma mensagem para o máster informando sobre a matrícula


automática dos discentes com pendências no MAAP, para que mesmo faça o
acompanhamento da situação dos discentes.

g) O certificado será similar aos certificados dos cursos livres, porém com conteúdo
diferenciado e cujo modelo já está disponibilizado no AVA.

h) A indicação de tutores para o MAAP será preferencialmente das academias,


instituições e escolas solicitantes, esta ação tem como objetivo facilitar a gestão
local na administração dos alunos.

i) Após a conclusão do processo de credenciamento de tutores a indicação de


tutores vai obedecer aos novos critérios estabelecidos pela Coordenação.

j) A autorização para a execução de solicitações de MAAP pela Coordenação só


será realizada mediante apensamento do TERMO DE COMPROMISSO DO
GESTOR DO ÓRGÃO DE ENSINO devidamente assinado.

k) Os alunos deverão obrigatoriamente antes de iniciar as disciplinas dar o aceite no


MAAP, ficando cientes que não haverá aproveitamento de disciplinas.

l) Qualquer dúvida sobre o MAAP deve ser encaminhada para o e-mail


ead.senasp@mj.gov.br

12
ANEXO A

Distribuição dos Cursos ofertados pela Rede EaD da SENASP-MJ

Eixo Diversidade Étnico-Sociocultural, Conflitos e Segurança Pública


1.Segurança Pública Sem Homofobia (SPSH)
2.Atendimento as Mulheres em Situação de Violência (AMSV)
3.Atuação Policial Frente aos Grupos Vulneráveis (APGV)
4. Mediação de Conflitos (MC - VA)

Eixo Sociedade, Poder, Estado, Espaço Público e Segurança Pública


1.Planejamento Estratégico (PES)
2.Gerenciamento de Projetos (GP - VA)
3.Português Instrumental (PTI - VA)
4.Redação Técnica (RDT - VA)
5.Sistema e Gestão em Segurança Pública (SGSP)
6.Aspectos Jurídicos da Atuação Policial (AJAP - VA)
7.Preservação de Local de Crime (PLC) - VA
8.Técnicas e Tecnologias Não Letais de Atuação Policial (TNL)
9. Busca e Resgate em Estruturas Colapsadas (BREC)
10.Segurança Contra Incêndio (SEGCI)
11.Intervenção em Emergências com Produtos Perigosos (IEPP) - VA
12.Sistema de Comando de Incidentes 1 (SCI 1)
13.Sistema de Comando de Incidentes 2 (SCI 2)
14.Perícia Papiloscópica em Identificação Humana 1 (PPIH1)
15. Necropapiloscopia (NECRO)
16.Relatório de Local de Crime (RLC)
17. Identificação Veicular 1 - VA
18. Balística

13
Eixo Sujeito e Interações no Contexto da Segurança Pública
1. Saúde ou Doença de Qual Lado Você Está? (SOD)
2. Tópicos em Psicologia Relacionados à Segurança Pública e Defesa Civil (TEP)
3. Formação de Formadores (FFSP)
4. Libras (LBS)
5. Bombeiro Educador (BOED)
6. Psicologia das Emergências (PDE)
7. Emergencista Pré-Hospitalar (EPH 1)
8. Emergencista Pré-Hospitalar (EPH 2)
9. Gerenciamento de Crises (GDC)
10. Polícia Comunitária (PCO)
11. Análise Criminal 1 (AC1) - VA
12.Análise Criminal 2 (AC2)
13.Investigação Criminal 1 (IC1) - VA
14.Investigação Criminal 2 (IC2) - VA
15. Investigação de Estupro (IDE)
16.Investigação de Homicídios 1 (IH 1)
17. Investigação de Homicídios 2 (IH 2)
18. Crimes Cibernéticos Procedimentos Básico (CCPB)

Eixo Ética, Cidadania, Direitos Humanos e Segurança Pública


1.Políticas Públicas de Segurança Pública (PPSP)
2. Filosofia dos Direitos Humanos Aplicados à Atuação Policial (FDHAP - VA)
3.Concepção e Aplicação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)
4. Enfrentamento da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (ESCA - VA)

14
ANEXO B

Ementas dos Cursos/Disciplinas por Instituições utilizados na MAAP.

MAAP – POLICIA MILITAR


CURSOS/DISCIPLINAS
1. Atuação Policial Frente aos Grupos Vulneráveis (APGV - VA) – 60h/a
2. Filosofia dos Direitos Humanos Aplicados à Atuação Policial (FDHAP - VA) – 60h/a
3. Gerenciamento de Crises (GDC) – 60h/a
4. Preservação de Local de Crime (PLC-VA) – 60h/a
5. Aspectos Jurídicos da Atuação Policial (AJAP - VA) – 60h/a

Ementa do Curso: 1. Atuação Policial Frente aos Grupos Vulneráveis – APGV - VA


MAAP – POLÍCIA MILITAR
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática VII – Cultura, cotidiano
e prática reflexiva.
Apresentação: Este curso visa fornecer subsídios para a prestação de atendimento de
qualidade a grupos vulneráveis (grupos mais suscetíveis à violação de
seus direitos devido a questões ligadas a gênero, idade, condição social,
deficiência e orientação sexual) a partir dos conhecimentos básicos sobre
os dispositivos legais referentes a cada um destes grupos.
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Requisitos: Este curso não exige que tenham sido realizados cursos anteriores na
REDE EAD.
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para leitura dos módulos e materiais complementares,
pesquisas, realização de exercícios e interação com tutor e demais
estudantes.
Conteúdo Módulo 1- Introduzindo a questão
Programático: Módulo 2 – Conceituando o tema: grupos vulneráveis e minorias
Módulo 3 - Atuação policial e grupos vulneráveis: pessoas idosas
Módulo 4 – Segurança pública e população em situação de rua
Módulo 5 – Atendimento policial às pessoas com deficiência
Módulo 6 – Atendimento policial às crianças e adolescentes
Referências: AMAS. Caderno de formação para o enfrentamento da violência
sexual contra crianças e adolescentes. Belo Horizonte: 2007.
CERQUEIRA, Carlos Magno Nazareth. Polícia e gênero. Rio de Janeiro:
Editora Freitas Bastos, 2001.
POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS (PMMG). Diretriz para a
produção de serviços de segurança pública Nº 08: atuação da
Polícia Militar de Minas Gerais segundo a filosofia dos Direitos
Humanos. Belo Horizonte: Seção de Emprego Operacional, 2004.
SILVA, Maria Lúcia Lopes da. Mudanças no mundo do trabalho e o
fenômeno da população em situação de rua no Brasil: 1995-2005.
Brasília: UNB - Curso de Serviço Social, 2006. (Dissertação de Mestrado)

15
Ementa do Curso: 2. Filosofia dos Direitos Humanos Aplicada à Atuação Policial -
VA – FDHAP - VA
MAAP – POLICIA MILITAR
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática III – Conhecimentos
Jurídicos.
Apresentação: Com base nos princípios éticos da Matriz Curricular Nacional, o curso
aborda questões fundamentais sobre Direitos Humanos que o
profissional da área de segurança pública deve conhecer e promover
para bem desempenhar suas funções. O curso cria condições para que o
participante relacione as Convenções, Pactos, Tratados e Princípios
Orientadores de Direitos Humanos, com a Constituição Federal e com
ornamentos jurídicos internos das atividades de segurança pública.
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Requisitos: Não há.
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para leitura dos módulos e materiais complementares, audição
dos áudios, pesquisas, realização de exercícios e interação com tutor e
demais estudantes.
Conteúdo Módulo 1. Arcabouço jurídico
Programático: Módulo 2. Premissas básicas na aplicação da lei
Módulo 3. Responsabilidades básicas da atividade policial
Módulo 4. Poderes básicos da aplicação da lei
Módulo 5. Comando, gestão e investigação de violações de direitos
humanos.
Referências: ALVES, A. A.; CANEDO, V.; CORREIA, R. A. B; MEIER JUNIOR, E. ;
SOARES, M. F.; VIANNA, A. L. R.; XAVIER, F. M. Cartilha para o
programa de integração das normas internacionais de direitos
humanos e princípios humanitários aplicáveis à função policial.
CICV, 2007.
ROVER, Cees De. Para servir e proteger: Direitos humanos e direito
internacional humanitário para forças policiais e de segurança. Trad.
Sílvia Backes e Ernani S. Pilla. 4. ed. BSB, 2005.
PIOVESAN, F. Anais da V conferência nacional dos direitos da
criança e do adolescente. Brasília: 2003. Disponível em:
www.mj.gov.br/sedh/ct/conanda/anais.pdf.
VIANNA, A. L. R. O uso da força e de armas de fogo na intervenção
policial de alto potencial ofensivo sob a égide dos direitos humanos.
CAES/PMESP, 2000.

16
Ementa do Curso: 3. Gerenciamento de Crise – GDC
MAAP – POLICIA MILITAR
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática IV – Modalidades de
gestão de conflitos e eventos críticos.
Apresentação: Um dos primeiros recursos a ser usado por qualquer policial, na maioria
das ocorrências em que se envolve, é a Mediação de Conflitos. As
polícias do Brasil vêm se preocupando em criar e treinar grupos táticos e
tropas de choque, treinando seus policiais para atuar sempre nas
situações mais complexas. O curso visa dotar o profissional da área de
segurança pública que não é um Gerente de Crises treinado, a fazer uso
de conhecimentos básicos, que possam auxiliá-lo na primeira resposta
em ocorrências que, mesmo complexas, possam ser solucionadas sem o
uso da força física. O policial dotado de tais conhecimentos facilitará a
atuação do grupo responsável pela gerência da crise.
Público de O curso se destina a Policiais Federais, Rodoviários Federais, Civis,
Interesse: Militares, Perícia Técnica, Guardas Municipais e Servidores do Sistema
Prisional.
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para a realização das atividades.
Conteúdo Módulo 1- A crise e seu gerenciamento: conceitos fundamentais
Programático: Módulo 2- Doutrina de gerenciamento de crises: aspectos conceituais
Módulo 3- Doutrina de gerenciamento de crises: aspectos operacionais
Módulo 4- As fases do gerenciamento de crises
Referências: BASSET, Donald A. Tactical concepts. Quantico, VA, FBI NACIONAL
ACADEMY, SOARU, 1983.
COSTA, Geraldo Luiz Nugoli. Gerenciamento de crise: curso de
formação para candidatos ao cargo de Agente Penitenciário Brasília:
Polícia Civil do Distrito Federal. Academia de Polícia Civil. CESPE.
Universidade de Brasília,2002.
DE SOUZA, Wanderley Mascarenhas. Gerenciamento de crises:
negociação e atuação de grupos especiais de polícia na solução de
eventos críticos. SP: Monografia do Curso de Aperfeiçoamento de
Oficiais-11/95. PMESP. Centro de Aperfeiçoamento e Estudos
Superiores, 1995.
MONTEIRO, Roberto das Chagas. Manual de gerenciamento de
crises. 7ª Edição. Brasília: Ministério da Justiça-DPF- ANP, 2004.

17
Ementa do Curso: 4. Preservação de Local de Crime – PLC – VA
MAAP – POLICIA MILITAR
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática VIII – Funções,
técnicas e procedimentos em segurança pública.
Nota: O curso PLC foi atualizado e recebeu as letras VA (Versão
Atualizada). Os alunos que já fizeram este curso em ciclos anteriores não
precisam fazê-lo novamente.
Apresentação: O curso tem por objetivo criar condições para que o profissional da área
de segurança pública possa: reconhecer a sensibilidade e peculiaridades
do local de crime; analisar a legislação pertinente ao tema; identificar
elementos básicos pertinentes ao tema; listar as primeiras providências a
serem executadas no local de crime; enumerar sequência de
procedimentos para isolar e preservar o local; identificar procedimentos
gerais da investigação; identificar os procedimentos gerais dos exames
periciais e policiais; reconhecer a importância da prova material para
comprovação da autoria do crime.
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Conteúdo Módulo 1 - Noções gerais de local de crime e investigação policial
Programático: Módulo 2 - Tarefas do primeiro profissional de segurança pública no local
de crime
Módulo 3 - Tarefas da autoridade policial ao chegar ao local de crime
Módulo 4 - Exame pericial
Referências: CAVALCANTI, Ascendino. Criminalística básica. Porto Alegre: Sagra -
Luzzatto, 1995.
ESPINDULA, Alberi. Perícia criminal e cível. Porto Alegre: Sagra-
Luzzatto, 2002.
RABELLO, Eraldo. Curso de criminalística. Porto Alegre: Sagra-
Luzzatto, 1996.
ZARZUELA, José Lopes. Temas fundamentais de criminalística. Porto
Alegre: Sagra- Luzzatto, 1996.

18
Ementa do Curso: 5. Aspectos Jurídicos da Atuação Policial – AJAP - VA
MAAP – POLICIA MILITAR
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática III – Conhecimentos
Jurídicos.
Apresentação: O processo de conscientização de direitos e deveres fez com que os
membros de nossa sociedade exigissem a mudança de paradigmas na
atuação do Estado, de seus poderes e de seus órgãos. Esse contexto é
nitidamente sentido na área de segurança pública, que inspira a proposta
de conduzi-lo, a essa realidade, para que sua atuação seja apta a
produzir os efeitos esperados pelo cidadão, uma prestação de serviço
público adequada, eficiente e em consonância com direitos e garantias
fundamentais.
Público de Interesse: O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Conteúdo Módulo 1- As normas constitucionais, a legislação internacional e a
Programático: atuação policial
Módulo 2- Aspectos jurídicos relacionados à abordagem policial
Módulo 3- Parâmetros Jurídicos que balizam a ação policial diante de
alguns tipos de crime.
Referências: BONAVIDES, P. Curso de direito constitucional. São Paulo: Malheiros,
2007.
MORAES, A; SMANIO, G. P. Legislação penal especial. 8ª ed. SP:
Editora Atlas, 2005.
NUCCI, G. S. Código penal comentado. 7ª ed. São Paulo: Editora Rev.
dos Tribunais, 2007.
TOURINHO FILHO, F. C. Manual de processo penal. São Paulo:
Saraiva, 2008.

19
MAAP – POLÍCIA CIVIL
CURSOS/DISCIPLINAS
1. Segurança Pública Sem Homofobia (SPSH) – 60h/a
2. Investigação Criminal 1 (IC1 -VA) – 60h/a
3. Aspectos Jurídicos da Atuação Policial (AJAP - VA) – 60h/a
4. Enfrentamento da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (ESCA - VA) – 60h/a
5. Investigação Criminal 2 (IC2 - VA) – 60h/a

Ementa do Curso: 1. Segurança Pública Sem Homofobia – SPSH


MAAP- POLICIA CIVIL
Informações gerais: Modalidade: a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática VII – Cultura, cotidiano
e prática reflexiva.
Apresentação: Este curso reúne diversas informações e reflexões destinadas à
articulação e ao desenvolvimento de estratégias visando o enfrentamento
à discriminação e à violência contra a comunidade GLBT (gays, lésbicas,
bissexuais, travestis e transexuais), promovendo o respeito à diversidade,
pautado nos princípios dos Direitos Humanos. Permite o acesso a
informações sobre os diferentes grupos sociais, suas necessidades e
anseios, para viabilizar, na atividade profissional, a defesa e promoção
da cidadania de todos, sem distinção de cor, gênero, orientação sexual,
classe social, religião ou etnia.
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Requisitos: Este curso não exige que tenham sido realizados cursos anteriores na
REDE EAD.
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para a realização das atividades.
Conteúdo Módulo 1- Conceitos e contextualização histórica
Programático: Módulo 2- A homossexualidade no contexto jurídico: amparo legal sobre
o tema
Módulo 3- O papel do profissional de segurança pública no
enfrentamento à homofobia.
Referências: ABRAMOVAY, M., CASTRO M.G e Silva, L.B. Juventudes e
sexualidade. Brasília: UNESCO Brasil, 2004
BALESTRERI, R.B. Direitos humanos, segurança pública e promoção
da justiça. Passo Fundo: Berthier, 2004.
BARBOSA, Bia. Movimento equilibra diálogo e confronto para
conquistar direitos. Revista Carta Maior. Disponível em:
http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia
id=14327. Acesso em: 15 jun 2007
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde.
Programa Nacional de DST e Aids. Projeto Somos Desenvolvimento
Organizacional, Advocacy e Intervenção para ONGs que trabalham
com GAYS e outros HSH/ Ministério da Saúde, Secretaria de
Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e Aids. Brasília:
Ministério da Saúde. 2005.

20
Ementa do Curso: 2. Investigação Criminal 1 - VA - IC1 VA
MAAP – POLICIA CIVIL
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática VIII – Funções,
técnicas e procedimentos em segurança pública.
Nota: O curso IC1VA foi atualizado e recebeu as letras VA (Versão
Atualizada). Os alunos que já fizeram este curso em ciclos anteriores não
precisam fazê-lo novamente.
Apresentação: A ideia de investigação criminal como mecanismo de produção da prova
de um crime, diante do atual Estado Democrático de Direito, já não é
mais suficiente para explicar a sua finalidade. Mais do que produzir
provas de um crime, os integrantes da equipe de investigação criminal
possuem responsabilidade social, pois são atores sociais que possuem,
por força constitucional, o poder/dever de realizar a atividade
investigativa, e de produzir, por meio de uma eficiente persecução
criminal, a tão almejada justiça. O curso tem como propósito criar
condições para que os integrantes da equipe de investigação criminal
possam contribuir na reconstrução científica de fatos delituosos.

Público de Interesse: O curso se destina a Policiais Federais, Rodoviários Federais, Civis,


Militares e Perícia Técnica, mas seu conteúdo tem relação direta com os
profissionais das polícias civis.
Requisitos: O curso se destina aos profissionais da Polícia Federal, Polícia
Rodoviária Federal, Polícia Civil e Polícia Militar.
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para a realização das atividades.

Conteúdo Módulo 1- A Investigação criminal como instrumento de defesa da


Programático: cidadania
Módulo 2- Investigação criminal: aspectos conceituais
Módulo 3- Investigação criminal: princípios fundamentais
Módulo 4- Fundamento legal da investigação criminal
Módulo 5- A lógica aplicada à investigação criminal
Módulo 6- Perfil profissional do investigador
Módulo 7- A interdisciplinaridade da investigação criminal
Módulo 8- Valorização da prova
Referências: BALESTRERI, Ricardo Brisola. Direitos humanos: coisa de polícia. 2.
ed. Passo Fundo: Capec, 2002.
CABETTE, Eduardo Luiz Santos. O papel do inquérito policial no
sistema acusatório: o modelo brasileiro. Revista Brasileira de Ciências
Criminais, 2003.
CALABRICH, Bruno. Investigação criminal pelo Ministério Público:
fundamentos e limites constitucionais. São Paulo: Revista dos
Tribunais, 2007.
RIBEIRO, Luiz Julião. Investigação criminal: homicídio. Brasília:
Fábrica do Livro, 2006.

21
Ementa do Curso: 3. Aspectos Jurídicos da Atuação Policial – AJAP - VA
MAAP – POLICIA CIVIL
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática III – Conhecimentos
Jurídicos.
Apresentação: O processo de conscientização de direitos e deveres fez com que os
membros de nossa sociedade exigissem a mudança de paradigmas na
atuação do Estado, de seus poderes e de seus órgãos. Esse contexto é
nitidamente sentido na área de segurança pública, que inspira a proposta
de conduzi-lo, a essa realidade, para que sua atuação seja apta a
produzir os efeitos esperados pelo cidadão, uma prestação de serviço
público adequada, eficiente e em consonância com direitos e garantias
fundamentais.
Público de Interesse: O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Conteúdo Módulo 1- As normas constitucionais, a legislação internacional e a
Programático: atuação policial
Módulo 2- Aspectos jurídicos relacionados à abordagem policial
Módulo 3- Parâmetros Jurídicos que balizam a ação policial diante de
alguns tipos de crime.
Referências: BONAVIDES, P. Curso de direito constitucional. São Paulo: Malheiros,
2007.
MORAES, A; SMANIO, G. P. Legislação penal especial. 8ª ed. SP:
Editora Atlas, 2005.
NUCCI, G. S. Código penal comentado. 7ª ed. São Paulo: Editora Rev.
dos Tribunais, 2007.
TOURINHO FILHO, F. C. Manual de processo penal. São Paulo:
Saraiva, 2008.

22
Ementa do Curso: 4. Enfrentamento da Exploração Sexual de Crianças e
Adolescentes – ESCA - VA
MAAP – POLICIA CIVIL
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática VII – Cultura, cotidiano
e prática reflexiva.
Apresentação: Os temas relacionados à violência contra a criança e o adolescente
começaram a ganhar peso a partir da Declaração Universal dos Direitos
Humanos em 1948. Em 1959, surge a Declaração Universal dos Direitos
das Crianças, mas foi só nas duas últimas décadas que o assunto
passou a aparecer nas agendas do governo brasileiro. Em 2000, adotou-
se um Plano de enfrentamento da Violência contra a Criança e o
Adolescente que tendo sido revisto no ano passado, constatou a falta de
capacitação específica dos vários atores envolvidos com o tema, entre
eles, as polícias. E é buscando apresentar conceitos e ampliar a
problemática sobre o assunto que se desenhou o presente curso, que
pretende sensibilizar e fornecer conhecimento teórico-básico aos policiais
e aos demais profissionais envolvidos na prevenção e o combate à
violência e exploração sexual de crianças e adolescentes.

Público de Interesse: O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
profissionais administrativos que atuam nessas instituições.

Requisitos: Este curso não exige que tenham sido realizados cursos anteriores na
REDE EAD.
Recomendações:
Conteúdo Módulo 1 – Conceitos sobre a temática
Programático: Módulo 2- Atuação policial e ações de prevenção

Referências: BRASIL. Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual


Infanto-Juvenil. Brasília: Ministério da Justiça. Secretaria Especial de
Direitos Humanos, 2001.
BRASIL. Fundamentos e políticas contra e exploração e abuso
sexual de crianças e adolescentes: relatório de estudo. Brasília: Centro
de Referência de estudos e ações sobre crianças e adolescentes, 1997.
UNICEF. Abuso sexual doméstico: atendimento às vítimas e
responsabilização do agressor. São Paulo: Cortez, 2002.
FALEIROS, E. T. S.; CAMPOS, J. O. [pesquisadoras]. Repensando os
conceitos de violência: abuso e exploração sexual de crianças e
adolescentes. Brasília, 2000.

23
Ementa do Curso: 5. Investigação Criminal 2 - IC2 - VA
MAAP – POLICIA CIVIL
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática VIII – Funções,
técnicas e procedimentos em segurança pública.
Apresentação: A investigação criminal é uma ferramenta de conexão dos fundamentos
constitucionais de cidadania e respeito à dignidade da pessoa humana à
realidade da busca de provas da prática de um delito, daí a necessidade
de que seja tratada com a devida lealdade científica. Na unidade 2 do
curso foram estudados os principais aspectos relacionados a prática do
processo de execução da investigação, ou seja, o planejamento, a coleta
de dados, a análise de dados e a elaboração do relatório.
Público de Interesse: O curso se destina a Policiais Federais, Rodoviários Federais, Civis,
Militares e Perícia Técnica, mas seu conteúdo tem relação direta com os
profissionais das polícias civis.
Requisitos: Este curso exige aprovação anterior no Curso Investigação Criminal 1.

Recomendações: Não se aplica


Conteúdo Módulo 1- Planejamento da investigação criminal
Programático: Módulo 2- Coleta de dados e informações na investigação criminal
Módulo 3 – Análise de dados e gestão do conhecimento produzido pela
investigação
Módulo 4 – Elaboração de relatório
Módulo 5 – A Transversalidade da ética e dos direitos humanos na
investigação criminal
Módulo 6 – Estudos de caso
Referências: CERQUEIRA, Sonia. Técnica de entrevista no inquérito
administrativo: um verdadeiro manual de procedimentos. Rio de
Janeiro: Temas e Ideias, 2000.
COBRA, Coriolano Nogueira. Manual de investigação policial. 3. ed.
São Paulo: Escola de Polícia de São Paulo, s.d.
CORDEIRO, Bernadete M. P; SILVA, Suamy S. Direitos humanos: uma
perspectiva interdisciplinar e transversal. 2ªd. Brasília: CICV, 2005.
E. BONILLA, Carlos. La pericia en la investigación: informe técnico.
Buenos Aires: Editorial Universidad, 1996.

24
MAAP – BOMBEIRO MILITAR
CURSOS/DISCIPLINAS
1. Tópicos em Psicologia Relacionados à Segurança Pública e Defesa Civil (TEP) – 60h/a
2. Sistema de Comando de Incidentes (SCI1) – 60h/a
3. Intervenção em Emergências com Produtos Perigosos (IEPP) VA – 60h/a
4. Bombeiro Educador (BOED) – 60h/a
5. Psicologia das Emergências (PDE) – 60h/a

Ementa do Curso: 1. Tópicos em Psicologia Relacionada à Segurança Pública –


TEP
MAAP – BOMBEIRO MILITAR
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática V – Valorização
profissional e saúde do trabalhador.
Apresentação: No curso “Tópicos em Psicologia Relacionada à Segurança Pública e
Defesa Civil” serão tratados temas da área de Psicologia que mantém
estreita relação com as atividades de Segurança Pública e Defesa Civil.
O objetivo é fazer com que essas áreas possam dialogar, proporcionando
uma reflexão sobre as experiências vivenciadas no decorrer da carreira
profissional.
Público de O curso se destina a Policiais Federais, Rodoviários Federais, Civis,
Interesse: Militares, Perícia Técnica, Bombeiros Militares e Guardas Municipais.
Requisitos: Este curso não exige que tenham sido realizados cursos anteriores na
REDE EAD.
Recomendações: Não se aplica
Conteúdo Módulo 1 – Relações interpessoais no contexto laboral
Programático: Módulo 2- Estresse e atividade de segurança pública
Módulo 3 – Pós-trauma
Referências: BROMBERG, Maria Helena Franco. A Psicoterapia em situações de
perdas e luto. Campinas: Editorial Psy II, 1994.
DEJOURS, C; ABDOUCHELI, C; JAYET. Psicodinâmica do trabalho:
contribuições da escola de jouriana à análise da relação prazer,
sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994.
FREUD, Sigmund. Luto e melancolia. Edição Standard Brasileira das
Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, Vol.14. Rio de
Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1917), 1980.
LIPP, Marilda Novaes. Como enfrentar o stress. São Paulo: Ed. Ícone,
1998.

25
Ementa do Curso: 2. Sistema de Comando de Incidentes 1 – SCI 1
MAAP – BOMBEIRO MILITAR
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática IV – Modalidades de
gestão de conflitos e eventos críticos.
Apresentação: O curso cria condições para o estudo dos principais conceitos e métodos
envolvidos nesse modelo de gerenciamento desenvolvido para comando,
controle e coordenação, em resposta a situações de emergência. O
Sistema de Comando de Incidentes (SCI) é uma metodologia que tem
como objetivo a estabilização do incidente e a proteção da vida, da
propriedade e do meio ambiente
Público de O curso se destina aos Bombeiros Militares.
Interesse:
Requisitos: Este curso não exige que tenham sido realizados cursos anteriores na
Rede EAD-Senasp.
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para leitura dos módulos e materiais complementares, audição
dos áudios, pesquisas, realização de exercícios e interação com tutor e
demais estudantes.
Conteúdo Módulo 1- Visão geral do Sistema de Comando de Incidentes
Programático: Módulo 2- Estruturação do Sistema de Comando de Incidentes
Módulo 3- Aspectos operacionais do Sistema de Comando de Incidentes
Módulo 4- Aspectos visuais
Módulo 5- Exemplos práticos de utilização do Sistema de Comando de
Incidentes
Referências: BRUNACINI, Alan V. Mando de incendio. Benemérito Cuerpo de
Bomberos de Costa Rica, segunda edição.
DEAL, Tim. Beyond initial response: using the national incident
management system’s. Incident Command System. Disponível em:
http:/training.fema.gov/IS/ Incident Management Handbook .
USCG.disponívelem:http://www.uscg.mil/hq/nsfweb/docs/FinalIMH18AUG
2006.pdf.
PAIXÃO, Lisandro. O Sistema de comandos de incidentes. Monografia
para o curso de Aperfeiçoamento de Oficiais. Brasília: CBMDF, 2006.

26
Ementa do Curso: 3. Intervenção em Emergências com Produtos Perigosos –
IEPP-VA
MAAP – BOMBEIRO MILITAR
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática IV – Modalidades de
gestão de conflitos e eventos críticos.
Nota: O curso IEPP foi atualizado e recebeu as letras VA (Versão
Atualizada). Os alunos que já fizeram este curso em ciclos anteriores não
precisam fazê-lo novamente.
Apresentação: O Curso de Intervenção de Produtos Perigosos tem como finalidade criar
condições para que você saiba como agir quando estiver dentre os
primeiros a chegar em locais de ocorrências envolvendo produtos
perigosos em áreas públicas. O escopo do CIPP é facilitar e orientar as
ações da assistência especializada, minimizar os danos ao meio
ambiente e os efeitos decorrentes de vazamentos, explosões e incêndios
nas comunidades e o devido gerenciamento do local sinistrado.
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Requisitos: Este curso não exige que tenham sido realizados cursos anteriores na
REDE EAD.
Recomendações: Não se aplica
Conteúdo Módulo 1 – Conhecimento da emergência e análise preliminar de riscos
Programático: Módulo 2 – Plano de ação em emergência: comunicação e notificação
Módulo 3 – Gerenciamento da emergência e/ou passagem do
gerenciamento aos especialistas
Módulo 4 – Identificação e classificação de produtos perigosos
Módulo 5 - Guias de atendimento da emergência e divisão do trabalho
Módulo 6 - Encerramento da intervenção em emergência
Referências: ABIQUIM. Manual para o atendimento de emergências com produtos
perigosos. 5ª ed. São Paulo: Departamento Técnico, Comissão de
Transportes, 2006.
ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 17505; NBR
7501; NBR 7503; NBR 14064; NBR 14095; NBR 14725 e NBR 15481.
BRASIL. Sistema de comando e operações: guia de campo. Marcos
de Oliveira. Florianópolis: Secretaria Nacional de Defesa Civil,
Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Universitário de
Estudos e Pesquisas sobre Desastres, 2010.
CASTRO. A. L. C. e outros. Manual de redução dos desastres
tecnológicos de natureza focal. Brasília: Ministério da Integração
Nacional, Brasília, 2001.

27
Ementa do Curso: 4. Bombeiro Educador – BOED
MAAP- BOMBEIRO EDUCADOR
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática VII – Cultura, cotidiano
e prática reflexiva.
Apresentação: O conteúdo deste curso foi elaborado com base no Caderno Guia do
Bombeiro Educador, hoje, já empregado no Estado de São Paulo e em
como contexto principal a atividade de educação pública nos serviços de
bombeiros.
Este curso criará condições para que você possa, frente às demandas de
ações educacionais do dia-a-dia de sua corporação, planejar e atuar
atividades educativas, tais como, visitas, palestras e apresentações para
o público externo, bem como, trabalhar os temas de prevenção de forma
estruturada e padronizada, estabelecendo rotinas e processos para as
atividades educacionais.
Público de O curso se destina exclusivamente aos Bombeiros Militares.
Interesse:
Requisitos: Este curso não exige que tenham sido realizados cursos anteriores na
Rede EaD-Senasp.
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para leitura dos módulos e materiais complementares, audição
dos áudios, pesquisas, realização de exercícios e interação com tutor e
demais estudantes.
Conteúdo Módulo 1 – A educação pública nos serviços de Bombeiros
Programático: Módulo 2 – A preparação de palestras e apresentações
Módulo 3 – O caderno guia do bombeiro educador – Parte 1
Módulo 4 – O caderno guia do bombeiro educador – Parte 2
Módulo 5 – O caderno guia do bombeiro educador – Parte 3
Referências: BRASIL. Caderno Guia nacional do bombeiro educador. SENASP.
2013.
DOS SANTOS, Mauro Lopes. Expansão ordenada das atividades de
educação pública do Corpo de Bombeiros no Estado de São Paulo:
modelo de gestão estratégica. São Paulo, 2012. 206 f. Trabalho de
Conclusão de Curso (Doutorado) – CAES, São Paulo, 2012.
DOS SANTOS, Mauro Lopes. O Bombeiro Educador como fator de
sucesso na atividade de educação preventiva do Corpo de
Bombeiros. São Paulo, 2009. Artigo científico (Mestrado) – CAES, São
Paulo, 2009.
DOS SANTOS, Mauro Lopes. Análise de cenários para a estratégia da
atividade de educação pública nos serviços de bombeiros. São
Paulo, 2012. Artigo científico (Doutorado) – CAES, São Paulo, 2012.

28
Ementa do Curso: 5. Psicologia das Emergências – PDE
MAAP – BOMBEIRO MILITAR
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática II – Violência, crime e
controle social.
Apresentação: O assunto psicologia das emergências vem adquirindo novos
significados, considerando principalmente os acontecimentos sociais
recentes. O trauma psicológico é uma experiência que explode a
capacidade de suportar um revés, traz a perda de sentido,
desorganização corporal e paralisação da consciência temporal, pode
deixar marcas que influenciam a criatividade e a motivação para a vida.
Lidar com situações de emergência exige, sobretudo, uma ótima
capacidade de lidar com mudanças. Como está a sua capacidade de
lidar com mudanças? Muitas vezes, se diz que a maior causa do
sofrimento humano é a impermanência. Você concorda? Nas situações
limites, o desafio é a superação da impotência e o desamparo que, quase
sempre, podem “colar” nas vítimas e também nas pessoas envolvidas.
Como profissionais é de nossa competência apresentar alternativas nas
situações com responsabilidade. Neste curso RESPONSABILIDADE é
entendida como uma resposta habilidosa diante de situações de crise, as
situações-limite que encontramos nos desastres.
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Requisitos: Este curso não exige que tenham sido realizados cursos anteriores na
REDE EAD.
Conteúdo Modulo 1- Psicologia das emergências: importância e necessidades
Programático: atuais
Modulo 2 – Primeiros auxílios psicológicos
Modulo 3 – O profissional de Segurança Pública: auto estima, papel nos
desastres e síndrome de Burnout;
Referências: AUBERT, Nicole. A neurose profissional. In: CHANLAT, J. F.(Org.). O
indivíduo e a organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas,
1993.
BACHELARD, G. O direito de sonhar. São Paulo: Difel, 1986.
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. São Paulo: Difel, 1989.
BRASIL. Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília:
Ministério da Saúde, 2006.

29
MAAP – PERÍCIA OU POLÍCIA TÉCNICA
CURSOS/DISCIPLINAS
1. Perícia Papiloscópica em Identificação Humana 1 (PPIH1) – 60h/a
2. Necropapiloscopia (NECRO) – 60h/a
3. Crimes Cibernético – Procedimentos Básicos (CCPB) – 60h/a
4. Identificação veicular 1(IDV 1 - VA) – 60h/a
5. Balística Forense Aplicada (BFA) – 60h/a

Ementa do Curso: 1. Perícia Papiloscópica em Identificação Humana 1 – PPIH 1


MAAP – PERÍCIA OU POLICIA TÉCNICA

Informações gerais: Modalidade: Curso a distância


Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática VIII – Funções,
Técnicas e Procedimentos em Segurança Pública.
Apresentação: O presente curso abrange informações básicas sobre a identificação
humana, principalmente no que diz respeito à ciência intitulada
“Papiloscopia” e detalhes técnicos da perícia papiloscópica. O conteúdo
foi trabalhado visando contribuir para a formação dos profissionais de
segurança pública, tendo por foco a sua atuação para o sucesso do
processo investigativo baseado na produção da prova. As principais
áreas envolvidas são os documentos de identificação, as perícias em
locais de crime e em laboratórios, as quais visam a determinação da
autoria delitiva, e a perícia Necropapiloscopia, que tem por objetivo a
identificação cadavérica.
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública.
Interesse:
Requisitos: Este curso não exige que tenham sido realizados cursos anteriores na
REDE EAD.
Conteúdo Módulo 1 - Identificação humana e a perícia papiloscópica
Programático: Módulo 2 - Métodos científicos de identificação humana
Módulo 3 - Sistemas biométricos
Módulo 4 - Perícia Papiloscópica: exercício dos Direitos Humanos à
persecução penal
Módulo 5 - Legislação aplicada à Papiloscopia.
Referências: ACUITY: Market intelligence, biometrics market development: ega
trends and meta drivers, 2007. Disponível em: http://www.acuity-
mi.com/hdfsjosg/ euyotjtub/Biometrics%202007%20London.pdf. Acesso
em: 12/03/2015.
ALMOG, J., Fingerprint development by ninhydrin and its analogues.
In Advances in fingerprint technology. LEE, H. C., GAENSSLEN, R.
E., EDS.; CRC Press: Boca Raton, FL, 2001.
BARROS, R.M., MARIA, B.E.F., KUCKELHAUS, S.A.S. Morphometric
of latent palm prints as a function of time. ; 53: 402-408. 2013.
BARROS, R. M. Análise morfométrica de impressões palmares
latentes em função do tempo: uma contribuição para a prática
forense. Dissertação (Dissertação de Mestrado). Universidade de
Brasília, 2013.
BRENNER, J. C. Forensic science: an illustrated dictionary. Boca

30
Raton: CRC Press, 2004. p. 282.
DEL SARTO, R. P., FARIA, H., PAULINO, M. A., MARINHO, J. C.
Apostila de perícia papiloscópica em local de crime e em
laboratório. APC/PCDF. 2013. 25 P.

31
Ementa do Curso: 2. Necropapiloscopia – NECRO
MAAP – PERÍCIA OU POLÍCIA TÉCNICA
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática VIII – Funções,
técnicas e procedimentos em segurança pública.
Apresentação: Ao estudar e compreender a função da Necropapiloscopia, espera-se
que essa atividade pericial especializada seja mais aproveitada. Muitas
vezes, a perícia necropapiloscópica não é requerida pelas autoridades
competentes, as quais não conhecem sua aplicabilidade. A aplicação
deste método de identificação deve ser excluída antes da utilização de
outros mais dispendiosos.
Assim, o propósito deste curso é divulgar, para os agentes da Segurança
Pública no Brasil, o trabalho desenvolvido pelos profissionais da
Papiloscopia que realizam essa perícia de identificação humana post
mortem, e discutir questões ligadas à identificação cadavérica e seu
importante destaque na comprovação ou esclarecimento de identidade
de pessoas.
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Requisitos: Este curso exige aprovação anterior no curso de Perícia Papiloscópica
em Identificação Humana 1 (PPIH1).
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para a realização das atividades.
Conteúdo Módulo 1 – Conceitos gerais e aplicações da Necropapiloscopia
Programático: Módulo 2 – Biossegurança na Necropapiloscopia
Módulo 3 – Identificação de cadáveres em morte recente e condições
especiais
Módulo 4 – Identificação de vítimas em desastres.
Referências: BRASIL. Procedimento operacional padrão: perícia criminal. Brasília:
Ministério da Justiça: Secretaria Nacional de Segurança Pública, 2013.
CDC. CENTERS OF DISEASE CONTROL AND PREVENTION.
Laboratory risk assessment: what, why and how. Study Booklet.
Atlanta, 1998.
CROCE, D.; CROCE Jr., D. Manual de medicina legal. 8.ed. São Paulo:
Saraiva, 2012.
DANTAS, M. L. Laudo pericial e a obrigatoriedade de sua
fundamentação: Doutrinas. Disponível em:
http://www.jurisite.com.br/doutrinas/administrativa/doutadm40.html.
Acesso em: 5 jul. 2014.

32
Ementa do Curso: 3. Crimes Cibernéticos Procedimentos Básicos - CCPB
MAAP – PERÍCIA OU POLÍCIA TÉCNICA
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática III – Funções, técnicas
e procedimentos em segurança pública.
Apresentação: Os profissionais de segurança pública e justiça necessitam de
ferramentas e conhecimento para enfrentar o desafio de oferecer à
sociedade a resposta esperada quanto à questão da aplicação da lei no
espaço cibernético. A SENASP está disponibilizando este curso com
objetivo de auxiliar os profissionais de Segurança Pública a identificarem
os recursos tecnológicos mais utilizados no cometimento de crimes
cibernéticos e a terem conhecimento sobre como proceder a sua
investigação. Assim, contribuirá para que os agentes de segurança,
notadamente aqueles que não são da área específica de tecnologia da
informação, possam lidar com situações onde a tecnologia esteja
envolvida em delitos rotineiros, bem como para orientar as vítimas e a
população em geral a defender-se e prevenir-se em relação a esse tipo
de crime
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Requisitos: Este curso não exige aprovação anterior.
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para a realização das atividades.
Conteúdo Módulo 1 – O crime e os recursos tecnológicos
Programático: Módulo 2 – Legislação de informática e crimes digitais
Módulo 3 – Internet e serviços de redes de comunicação
Módulo 4 – Investigação usando fontes abertas
Módulo 5 – Preservação da prova digital
Módulo 6 – Investigação de fraudes com serviços digitais
Referências: COLLI, Maciel. Cibercrimes: limites e perspectivas à investigação
policial de crimes cibernéticos. Curitiba: Ed. Juruá, 2010.
MALAQUIAS, Roberto Antônio Darós. Crimes cibernéticos e a Prova: a
investigação criminal em busca da verdade. Curitiba: Ed. Juruá, 2012.
QUEIROZ, Claudemir. Investigação e perícia forense computacional.
Rio de Janeiro: Ed. Brasport, 2010.
WENDT, Emerson. JORGE, Higor. Crimes cibernéticos: ameaças e
procedimentos de investigação. Rio de Janeiro: Ed. Brasport, 2012

33
Ementa do Curso: 4. Identificação Veicular 1 – IDV 1 - VA
MAAP – PERÍCIA OU POLÍCIA TÉCNICA
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática VIII – Funções,
técnicas e procedimentos em segurança pública.
Nota: O curso IDV 1 foi atualizado e recebeu as letras VA (Versão
Atualizada). Os alunos que já fizeram este curso em ciclos anteriores não
precisam fazê-lo novamente.
Apresentação: O roubo e a adulteração de veículos destacam-se entre os principais
problemas enfrentados pelas polícias, atualmente. Este curso tem como
propósito auxiliar nas tarefas de reconhecimento e investigação desses
tipos de crime.
Ao concluir o curso o profissional deve ser capaz de: compreender a
importância e as informações contidas no número de identificação
veicular; analisar a legislação pertinente à identificação veicular e
documental; utilizar técnicas que possibilitem a identificação veicular e
documental; reconhecer que as técnicas e os procedimentos utilizados
na identificação veicular e documental auxiliam na prevenção e na
investigação dos crimes relacionados à adulteração e roubo de veículos.
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Requisitos: Este curso não exige aprovação anterior.
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para a realização das atividades.
Conteúdo Módulo 1 - Identificação de veículos de passeio
Programático: Módulo 2 - Leis e resoluções que dispõem sobre a identificação veicular
e aspectos relacionados
Módulo 3 - O sistema RENAVAM
Módulo 4 - O examinador e os exames veicular e documental
Módulo 5 - Classificação do VIM quanto à sua essência e fraudes mais
comuns
Referências: MIZIARA, Arnaldo N. & BARROS, Gersioneton de A. Manual de
técnicas de identificação veicular. Brasília: ABDETRAN, 1999.
MIZIARA, Arnaldo N. & BARROS, Gersioneton de A. Manual de
técnicas de identificação veicular. Brasília: ABDETRAN, 2011.

34
Ementa do Curso: 5. Balística Forense Aplicada – BFA
MAAP – PERÍCIA OU POLÍCIA TÉCNICA
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática VIII – Funções,
técnicas e procedimentos em segurança pública.
Apresentação: Assim como no curso “Identificação de Armas”, o foco desse curso
continua sendo as armas de fogo, só que agora, será estudado os efeitos
desses impactos contra superfícies metálicas, alvenarias, vidros,
ricochetes e, principalmente, sobre o tecido vivo, ou seja, as lesões
provocadas pelos projéteis de armas de fogo. Além disso, terá a
oportunidade de compreender questões essenciais para o perito como o
disparo acidental, aspectos básicos do trajeto e trajetória e naturalmente,
estudará, mesmo que sucintamente sobre os exames de identificação
indireta das armas de fogo, ou seja, os exames de confronto balísticos,
que dentre os exames de identificação realizados em balística,
certamente são os de maior interesse
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Requisitos: Este curso não exige aprovação anterior.
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para a realização das atividades.
Conteúdo Módulo 1 – Noções de confronto balístico
Programático: Módulo 2 – Acidentes com armas de fogo
Módulo 3 – Lesões por projéteis por armas de fogo (PAF)
Módulo 4 – Exames em vidros
Módulo 5 – Exames de locais
Referências: Rabello, Eraldo. Balística forense 3.ed. Porto Alegre: Sagra Luzzato,
1995.
SWAN, Kenneth G. e SWAN, Roy C. Princípios de balística aplicáveis
ao tratamento das feridas por armas de fogo. Clínica Cirúrgica da
América do Norte. Volume II, 1991.
TOCHETTO, Domingos. Balística forense: tratado de perícias
criminalísticas. Porto Alegre: Sagra Luzzato, 1995.

35
MAAP – GUARDA MUNICIPAL
CURSOS/DISCIPLINAS
1. Atuação Policial Frente aos Grupos Vulneráveis (APGV - VA) – 60h/a
2. Filosofia dos Direitos Humanos Aplicados à Atuação Policial (FDHAP - VA) – 60h/a
3. Aspectos Jurídicos da Atuação Policial (AJAP - VA) – 60h/a
4. Mediação de Conflitos (MC – VA) – 60h/a
5. Políticas Públicas de Segurança Pública (PPSP) – 60h/a

Ementa do Curso: 1. Atuação Policial Frente aos Grupos Vulneráveis – APGV - VA


MAAP – GUARDA MUNICIPAL
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática VII – Cultura, cotidiano
e prática reflexiva.
Apresentação: Este curso visa fornecer subsídios para a prestação de atendimento de
qualidade a grupos vulneráveis (grupos mais suscetíveis à violação de
seus direitos devido a questões ligadas a gênero, idade, condição social,
deficiência e orientação sexual) a partir dos conhecimentos básicos sobre
os dispositivos legais referentes a cada um destes grupos.
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Requisitos: Este curso não exige que tenham sido realizados cursos anteriores na
REDE EAD.
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para leitura dos módulos e materiais complementares,
pesquisas, realização de exercícios e interação com tutor e demais
estudantes.
Conteúdo Módulo 1- Introduzindo a questão
Programático: Módulo 2 – Conceituando o tema: grupos vulneráveis e minorias
Módulo 3 - Atuação policial e grupos vulneráveis: pessoas idosas
Módulo 4 – Segurança pública e população em situação de rua
Módulo 5 – Atendimento policial às pessoas com deficiência
Módulo 6 – Atendimento policial às crianças e adolescentes
Referências: AMAS. Caderno de formação para o enfrentamento da violência
sexual contra crianças e adolescentes. Belo Horizonte: 2007.
CERQUEIRA, Carlos Magno Nazareth. Polícia e gênero. Rio de Janeiro:
Editora Freitas Bastos, 2001.
POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS (PMMG). Diretriz para a
produção de serviços de segurança pública Nº 08: atuação da
Polícia Militar de Minas Gerais segundo a filosofia dos Direitos
Humanos. Belo Horizonte: Seção de Emprego Operacional, 2004.
SILVA, Maria Lúcia Lopes da. Mudanças no mundo do trabalho e o
fenômeno da população em situação de rua no Brasil: 1995-2005.
Brasília: UNB - Curso de Serviço Social, 2006. (Dissertação de Mestrado)

36
Ementa do Curso: 2. Filosofia dos Direitos Humanos Aplicada à Atuação Policial -
FDHAP- VA
MAAP – GUARDA MUNICIPAL
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática III – Conhecimentos
Jurídicos.
Apresentação: Com base nos princípios éticos da Matriz Curricular Nacional, o curso
aborda questões fundamentais sobre Direitos Humanos que o
profissional da área de segurança pública deve conhecer e promover
para bem desempenhar suas funções. O curso cria condições para que o
participante relacione as Convenções, Pactos, Tratados e Princípios
Orientadores de Direitos Humanos, com a Constituição Federal e com
ornamentos jurídicos internos das atividades de segurança pública.
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Requisitos: Não há.
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para leitura dos módulos e materiais complementares, audição
dos áudios, pesquisas, realização de exercícios e interação com tutor e
demais estudantes.
Conteúdo Módulo 1. Arcabouço jurídico
Programático: Módulo 2. Premissas básicas na aplicação da lei
Módulo 3. Responsabilidades básicas da atividade policial
Módulo 4. Poderes básicos da aplicação da lei
Módulo 5. Comando, gestão e investigação de violações de direitos
humanos.
Referências: ALVES, A. A.; CANEDO, V.; CORREIA, R. A. B; MEIER JUNIOR, E. ;
SOARES, M. F.; VIANNA, A. L. R.; XAVIER, F. M. Cartilha para o
programa de integração das normas internacionais de direitos
humanos e princípios humanitários aplicáveis à função policial.
CICV, 2007.
ROVER, Cees De. Para servir e proteger: Direitos humanos e direito
internacional humanitário para forças policiais e de segurança. Trad.
Sílvia Backes e Ernani S. Pilla. 4. ed. BSB, 2005.
PIOVESAN, F. Anais da V conferência nacional dos direitos da
criança e do adolescente. Brasília: 2003. Disponível em:
www.mj.gov.br/sedh/ct/conanda/anais.pdf.
VIANNA, A. L. R. O uso da força e de armas de fogo na intervenção
policial de alto potencial ofensivo sob a égide dos direitos humanos.
CAES/PMESP, 2000.

37
Ementa do Curso: 3. Aspectos Jurídicos da Atuação Policial – AJAP - VA
MAAP – GUARDA MUNICIPAL
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática III – Conhecimentos
Jurídicos.
Apresentação: O processo de conscientização de direitos e deveres fez com que os
membros de nossa sociedade exigissem a mudança de paradigmas na
atuação do Estado, de seus poderes e de seus órgãos. Esse contexto é
nitidamente sentido na área de segurança pública, que inspira a proposta
de conduzi-lo, a essa realidade, para que sua atuação seja apta a
produzir os efeitos esperados pelo cidadão, uma prestação de serviço
público adequada, eficiente e em consonância com direitos e garantias
fundamentais.
Público de Interesse: O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Conteúdo Módulo 1- As normas constitucionais, a legislação internacional e a
Programático: atuação policial
Módulo 2- Aspectos jurídicos relacionados à abordagem policial
Módulo 3- Parâmetros Jurídicos que balizam a ação policial diante de
alguns tipos de crime.
Referências: BONAVIDES, P. Curso de direito constitucional. São Paulo: Malheiros,
2007.
MORAES, A; SMANIO, G. P. Legislação penal especial. 8ª ed. SP:
Editora Atlas, 2005.
NUCCI, G. S. Código penal comentado. 7ª ed. São Paulo: Editora Rev.
dos Tribunais, 2007.
TOURINHO FILHO, F. C. Manual de processo penal. São Paulo:
Saraiva, 2008.

38
Ementa do Curso: 4. Mediação de Conflitos – MC - VA
MAAP – GUARDA MUNICIPAL
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática IV – Modalidades de
gestão de conflitos e eventos críticos.
Apresentação: Este curso foi elaborado a partir do material didático do Curso de
Mediação e Resolução Pacífica de Conflitos em Segurança Cidadã,
desenvolvido no âmbito do Projeto de Cooperação Técnica Internacional
Segurança Cidadã, executado pela SENASP, em parceria com o PNUD.
A Mediação de Conflitos é um dos instrumentos metodológicos
desenvolvidos para a prevenção da violência e a construção de uma
Cultura de Paz. Deve ser compreendida como um mecanismo mais
amplo de desconstrução de conflitos, destinado a transformar padrões de
comportamento e a estimular o convívio em ambiente cooperativo, no
qual os conflitos possam ser tratados sem confrontos e de modo não
adversial.
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Requisitos: Este curso não exige que tenham sido realizados cursos anteriores na
REDE EAD.
Recomendações: Recomenda-se que você tenha disponibilidade de 5 a 7 horas por
semana para a realização das atividades.
Conteúdo Módulo 1 – Conflitos e violência
Programático: Módulo 2 – Meios de resolução pacífica de conflitos
Módulo 3 – Mediação de conflitos
Módulo 4 – O mediador
Módulo 5 – Ética e confidencialidade do mediador
Referências: BRASIL. Ministério da Justiça. Curso de mediação e resolução
pacífica de conflitos em segurança cidadã. Brasília: Secretaria
Nacional de Segurança Pública, 2007.

SEIDEL, Daniel [org.]. Mediação de conflitos: a solução de muitos


problemas pode estar em suas mãos. Brasília: Vida e Juventude, 2007.

39
Ementa do Curso: 5. Política Públicas de Segurança Pública – PPSP
MAAP – GUARDA MUNICIPAL
Informações gerais: Modalidade: Curso a distância
Carga Horária: 60h/aula
Área da Matriz Curricular Nacional: Área temática I – Sistemas,
instituições e gestão integrada em segurança pública.
Apresentação: O enfrentamento da criminalidade na sociedade brasileira exige um saber
técnico que supere os 'achismos' que caracterizam o debate cotidiano
sobre o tema. E o presente curso pretende preencher essa lacuna de
conhecimento, objetivando capacitar gestores e profissionais das
instituições de Segurança Pública na temática de formulação,
implementação e avaliação de políticas públicas, com enforque
especificamente no campo da segurança pública.
Público de O curso se destina aos profissionais da área de segurança pública e aos
Interesse: profissionais administrativos que atuam nessas instituições.
Requisitos: Este curso não exige que tenham sido realizados cursos anteriores na
REDE EAD.
Recomendações: Não se aplica.
Conteúdo Módulo 1 – Estado e segurança pública em um contexto de mudança
Programático: Módulo 2 – A União, os estados, municípios e as comunidades na
construção da segurança pública
Módulo 3 – Políticas públicas de segurança pública
Módulo 4 – Planos, programas e projetos de segurança pública
Módulo 5 – Espaços, mecanismos e instrumentos para a prevenção.
Referências: AMABILE, Antônio Eduardo de Noronha. Política pública. In: Dicionário
de políticas públicas. CASTRO, Carmen Lucia Freitas; GONTIJO,
Cynthia Rubia Braga; AMABILE, Antônio Eduardo de Noronha.
(Organizadores). UEMG. 2012.
AQUINO, Luseni. et al. Juventude e políticas de segurança pública no
Brasil. In: ANDRADE, Carla; AQUINO, Luseni; CASTRO, Jorge. (Orgs.)
Juventude e políticas sociais no Brasil. Brasília: IPEA, 2009.
SAPORI, Luis Flávio. Segurança pública no Brasil: desafios e
perspectivas. Rio de Janeiro: FGV. 2007
WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da violência 2014: os jovens do
Brasil CEBELA, FLACSO BRASIL. 2014.

40
ANEXO “C”

TERMO DE COMPROMISSO DO GESTOR DO ÓRGÃO DE ENSINO

Declaro para os devidos fins que eu, ___________________________________,


nacionalidade, profissão, endereço, nº de CPF, gestor de órgão de ensino do
(a)__________________________________, conforme designação registrada no
_______________________________, tenho ciência das obrigações inerentes a
efetivação das matrículas dos servidores da ____________________________ no
Módulo de Academia para Aperfeiçoamento Profissional - MAAP da Rede Nacional de
Educação a Distância da Secretaria Nacional de Segurança Pública/MJ, e nesse sentido,
comprometo-me a respeitar as seguintes cláusulas:
I- Encaminhar a relação (com nome completo, CPF, cargo, e-mail, telefone pessoal e
funcional) dos profissionais da instituição que atuarão como discentes do Módulo
Academia de Capacitação para Profissionais de Segurança Pública;
II- Acompanhar a participação dos discentes matriculados no Módulo Academia de
Capacitação para Profissionais de Segurança Pública;
III- Informar aos discentes inscritos acerca das datas de início e término de cada ciclo de
cursos, através de documento público e oficial da instituição;
IV- Proporcionar irrestrito apoio aos tutores dos cursos, no tocante a localização e contato
com os discentes;
V- Disponibilizar estrutura física para possíveis encontros presenciais entre tutores e
discentes da instituição;
VI- Acompanhar a emissão do relatório final de cada curso, elaborada pelo tutor máster
do Estado, visando averiguar as justificativas dos discentes evadidos; e
VII- Designar um profissional, de preferência tutor da rede, pertencente ao quadro da
instituição, para fazer a interlocução entre a Instituição e o tutor máster.
A inobservância dos requisitos citados acima implicará não somente no cancelamento do
vínculo da instituição, ora representada, com a Rede Nacional de Educação a Distância
da Secretaria Nacional de Segurança Pública/MJ, mas também na responsabilidade
administrativa e disciplinar da instituição, representada pelo seu gestor educacional.

Assinatura e carimbo do Gestor da Instituição solicitante: ______________________

Local e Data: _____________________________

41
ANEXO “D”

Instruções para solicitação do MAAP.

Solicitar Academias do Módulo Aperfeiçoamento Profissional - MAAP

Ambiente Tutor Master

1. Menu Administração > Academias

2. Selecionar Aba “Módulo Aperfeiçoamento Profissional - MAAP” e clicar em Solicitar

3. Inserir as informações para a solicitações conforme orientações descritas abaixo

42
4. Instruções para a solicitação do MAAP.

 O módulo completo (5 cursos) deve ser solicitado para ocorrer dentro do período
de um ciclo.

 As grades já estão definidas na base de dados, conforme descrito neste Manual, e


são divididas em 2 etapas (também já definidas).

 O período de aulas de cada etapa não pode ser menor que 20 dias.

 A data de início da segunda etapa deve ser maior que a data de término da etapa
1.

 O master deverá obrigatoriamente fazer o upload do arquivo do Termo de


Compromisso, assinado pelo gestor da instituição, no momento da solicitação da
academia.

 O master deverá encaminhar o arquivo do “Termo de Compromisso” para a


instituição solicitante, a qual deve preencher e assinar o documento e deve envia-
lo de volta ao master, que por sua vez fará a digitalização do documento e o
devido apensamento ao pedido de academia.

 Deve ficar bem claro que a responsabilidade de comunicar os alunos e acompanhar


seu desenvolvimento durante o MAAP é da instituição solicitante através do seu
setor competente, cabe a gestão local da Rede EaD-Senasp disponibilizar o MAAP e
fornecer as informações solicitadas pela instituição em relação ao andamento dos
cursos por parte dos discentes.

 A solicitação será no mesmo modelo das academias normais, quando o master


finalizar a solicitação, será enviado para a Coordenação da Rede EaD-Senasp uma
notificação de que há uma nova solicitação de Modulo Academia Aperfeiçoamento
Profissional - MAAP para análise da Coordenação.

 O aluno deve dar o aceite ao MAAP, onde será informado que deve cursar
obrigatoriamente todas as disciplinas do módulo profissional.

 O tutor master deverá programar provas presenciais para todos os


alunos matriculados no MAAP.

 Qualquer dúvida deve ser encaminhada ao e-mail ead.senasp@mj.gov.br ou pelo


telefone: 061 2025-8955 (SECEAD-SENASP)

Coordenação da Rede EaD-Senasp/MJ

43