Sie sind auf Seite 1von 60

Ícones: o maestro americano Eugene Ormandy • Editor’s choice: os melhores CDs

u JUNHO 2017

Guia mensal de música clássica www.concerto.com.br

Canto Coral
Em um mês de várias atrações dedicadas ao gênero, relembramos a história
dessa prática no Brasil e alguns dos grupos que marcaram época

contraponto Jorge Coli


Estreia o filme fermata Os descaminhos do
Filhos de Bach Marcelo de Jesus, maestro Theatro São Pedro

r$ 16,90
ISSN 1413-2052 - ANO XXII - Nº 239

FESTIVAL DE MÚSICA DO PARÁ emmanuel pahud


Evento completa 30 edições com Em entrevista, flautista suíço fala sobre
homenagem a Heitor Villa-Lobos novo CD e das apresentações no Brasil
u EDITORIAL

Prezado leitor,
Você tem em mãos a edição nº 239 da Revista CONCERTO, o guia da música
clássica no Brasil. Aqui você se informa sobre tudo o que se passa no mundo musical
e consulta os eventos que acontecem nas principais cidades do país.
Aproveitando uma intensa agenda de eventos corais ao longo de junho, a jornalista
Camila Frésca pesquisou a história desse gênero, cuja tradição se manifesta com força e
vitalidade até hoje. Camila conversou com alguns maestros especializados no canto coral
para redigir a matéria de capa desta edição da Revista CONCERTO (página 20).
Em junho, acontece o 30º Festival Internacional de Música do Pará. Durante
uma semana, destacados artistas estrangeiros e brasileiros estarão em Belém para
concertos, cursos e oficinas. A presente edição do evento, que tem direção artística
de Marcelo Jardim, homenageará Heitor Villa-Lobos, como você pode ler na seção Foto: divulgação / Natália kikuchi
Brasil Musical (página 16).
Emmanuel Pahud é um dos mais importantes músicos da atualidade. Primeira flauta COLABORARAM NESTA EDIÇÃO
da Filarmônica de Berlim, desenvolve também intensa atividade como solista e camerista.
Camila Frésca, jornalista e pesquisadora
Neste mês, o virtuose estará em São Paulo para apresentações com a Potsdam Chamber
Irineu Franco Perpetuo, jornalista
Orchestra dirigida por Trevor Pinnock, promovidas pela Cultura Artística. Leia na página
e crítico musical
14 a entrevista que Emmanuel Pahud concedeu ao editor executivo João Luiz Sampaio.
João Luiz Sampaio, jornalista
O regente norte-americano Eugene Ormandy, “conhecido pelo som de cordas que e crítico musical
extraía de suas orquestras e pelo amplo repertório”, é o destaque da seção Gramophone João Marcos Coelho, jornalista
desta edição (página 22). Da prestigiosa revista inglesa publicamos também a “escolha do e crítico musical
editor”, com os principais lançamentos do mercado fonográfico internacional (página 51). Jorge Coli, professor e crítico musical
Estreia em junho, em cinemas de todo país, o filme Filhos de Bach, produção Júlio Medaglia, maestro
teuto-brasileira dirigida por Ansgar Ahlers (página 7). O filme conta a história de um
professor de música aposentado, na Alemanha, que herda uma partitura original de um
dos filhos de Bach. A busca do material, que está na cidade mineira de Ouro Preto,
dá início a uma comovente história que envolve pessoas em um contexto de superação
de dificuldades.
O maestro Marcelo de Jesus está no foco da seção Fermata desta edição. Artista de
intensa atividade em Manaus – onde é titular da Orquestra de Câmara do Amazonas
e diretor artístico adjunto do Festival Amazonas de Ópera –, Marcelo fala de sua
formação e sua trajetória profissional (página 56). Muitos outros assuntos são destaque
desta edição da Revista CONCERTO, como os artigos dos colunistas João Marcos
Coelho (sobre o compositor norte-americano Virgil Thomson), Júlio Medaglia (sobre a
simbologia da cultura) e Jorge Coli (sobre os descaminhos do Theatro São Pedro).
Em mais um ato da incompreensível política de cortes de verbas na cultura do memória musical
governo do estado de São Paulo – segundo dados oficiais, o percentual do orçamento Há 20 anos na Revista CONCERTO
total destinado à cultura recuou de 0,71% em 2010 para 0,40% em 2016! –, a secretaria Em Conversa: Gilberto Mendes,
da Cultura do Estado de São Paulo decidiu incorporar o Theatro São Pedro ao projeto compositor
educacional da Emesp, Escola de Música de São Paulo, e reduzir a orquestra da casa “Desenvolvi várias maneiras de fazer
a uma formação de apenas 33 músicos. Com isso – a despeito do importante trabalho música. Fiz música para coral e canções
para canto e piano. Aí vem à cabeça uma
realizado pela Emesp e da certamente boa utilização que fará do espaço –, São Paulo melodia bonita e eu trabalho em cima,
perde um teatro profissional dedicado ao canto e à ópera (página 6). Como escrevi há dentro da minha linguagem. Mas tem
alguns meses, não há no mundo atividade musical clássica que se sustente sozinha no as obras mais elaboradas, altamente
“mercado”. Sempre há apoio público, da subvenção direta (como na Europa central) estruturadas, calculadas, trabalhadas.
aos modelos de patrocínios incentivados por renúncia fiscal (como ocorre na América É uma coisa que não dá para explicar
em três palavras. Esse negócio de pura
do Norte). inspiração é conversa. Sinto que sou no
Esperamos que novos ventos retomem os importantes mínimo dois compositores: tenho uma
impulsos que esse mesmo governo promoveu no fim da década índole tonal de origem clássica muito forte
e tenho também uma índole de pesquisa.”
passada, com investimentos no até há pouco exitoso modelo das
organizações sociais de cultura. Roteiro musical de junho de 1997
Desejamos a todos um ótimo mês, com muitas emoções • Vladimir Ashkenazy rege a Orquestra
musicais! Sinfônica Alemã no Theatro Municipal
de São Paulo
• Kurt Masur volta a São Paulo com
a Filarmônica de Nova York
Nelson Rubens Kunze • Radu Lupu é solista da Orquestra
diretor-editor de Câmara Orpheus

2 Junho 2017 CONCERTO


u ÍNDICE @RevistaConcerto ConcertoRevista concerto.com.br

u junho 2017 nº 239

2 Editorial
52 19
4 Cartas

6 Contraponto
20 As notícias do mundo musical

10 Atrás da Pauta
Júlio Medaglia escreve sobre a simbologia da cultura

12 Notas Soltas
Theatro São Pedro: o testemunho de um desmonte, por Jorge Coli

14 Em Conversa
O flautista Emmanuel Pahud fala sobre novo CD e os concertos
no Brasil, por João Luiz Sampaio

16 Brasil Musical
Festival Internacional de Música do Pará completa 30 edições

18 Música Viva
João Marcos Coelho escreve sobre Virgil Thomson
16
19 Repertório
A danação de Fausto, de Hector Berlioz

20 Capa
Canto coral, por Camila Frésca

25 Abertura Roteiro Musical


Destaques da programação musical no Brasil
14
26 Roteiro Musical São Paulo

40 Roteiro Musical Rio de Janeiro


22 44 Roteiro Musical Brasil

52 Lançamentos de CDs e DVDs


Consulte os novos lançamentos e os títulos à venda

Uma seleção exclusiva do melhor 54 Livros


da revista Gramophone
54 Outros Eventos
22 Ícones
O maestro Eugene Ormandy 55 Classificados

51 Editor’s Choice 56 Fermata


Os melhores lançamentos do mês Marcelo de Jesus: encontro com a voz

Junho 2017 CONCERTO 3


u CARTAS

Norma em Belo Horizonte Pratas da Casa


No dia 27 de abril, tive a felicidade de assistir Em momentos de crise, nada como sentir a Clássicos Editorial Ltda.
à apresentação da Norma, de Bellini, no Palácio qualidade e valorizar os “nossos artistas”. Nelson Rubens Kunze (diretor)
das Artes, em Belo Horizonte. O elenco foi de Em São Paulo, a Orquestra de Câmara L’Estro Cornelia Rosenthal
primeira (Eiko Senda, Fernando Portari, Denise Armonico fez um ótimo concerto no Clube Mirian Maruyama Croce
de Freitas e Savio Sperandio). A Orquestra Athlético Paulistano, tendo como solista, no
Sinfônica de Minas Gerais e o Coral Lírico de Concerto para violino de Mendelssohn, o
Minas foram regidos pelo maestro Silvio Viegas. violinista Rommel Fernandes, spalla associado
O conjunto estava magnífico e foi ovacionado da Filarmônica de Minas Gerais. No Palácio
pelo público, que lotou as dependências do das Artes, em Belo Horizonte, uma Norma,
teatro. Por que não levar esta produção tão de Bellini, de deixar saudades: cantores e
especial para outros teatros do Brasil? montagem de alto nível. Voltando para São
Tarciso Filgueiras, por e-mail Paulo, a Orquestra Experimental de Repertório Guia mensal de música clássica
e a Cia. Imago fizeram inesquecível uma www.concerto.com.br
manhã de domingo no Theatro Municipal,
Jorge Antunes onde centenas de crianças, seus pais e bem JUNHO 2017
grandinhos como eu nos encantamos com Ano XXII – Número 239
Com alegria recebemos a edição de maio da música e teatro negro de altíssimo nível! No Periodicidade mensal – ISSN 1413-2052
Revista CONCERTO trazendo o compositor Jorge Theatro São Pedro, tão querido, a ópera Gianni Redação e Publicidade
Antunes na capa (Revista CONCERTO nº 238). Schicchi, de Puccini, fechou com chave de ouro Rua João Álvares Soares, 1.404
É realmente uma edição histórica, para ser lida, o mês de abril. Bravo! 04609-003 São Paulo, SP
relida e guardada. Antunes nos legou pesquisa Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046
Regina Vilela, por e-mail e-mail: concerto@concerto.com.br
e obra no universo da música de concerto e da
experiência eletrônica. Seus livros lançam luzes diretor-editor
sobre temas pouco abordados na esfera da Nelson Rubens Kunze (MTb-32719)
música. Ativista social, cultural e político em um ue-mail: cartas@concerto.com.br editor executivo
só artista e cidadão brasileiro. Há alguns anos, Cartas para esta seção devem ser remetidas por João Luiz Sampaio
suas óperas de rua vêm ganhando noticiários e e-mail: cartas@concerto.com.br, fax (11) 3539-0046 coordenação editorial
causando grande repercussão. Parabéns a Jorge ou correio (Rua João Álvares Soares, 1.404 – CEP Cornelia Rosenthal
Antunes por seus 75 anos e à Revista CONCERTO 04609-003, São Paulo, SP), com nome e telefone. coordenação de produção
por valorizar o compositor brasileiro! (Em razão do espaço disponível, reservamo-nos Vanessa Solis da Silva
o direito de editar as cartas.) revisão Thais Rimkus
Aldo Moraes, maestro e compositor, por e-mail editoração e produção gráfica
Lume Artes Gráficas / Guilherme Lukesic
execução financeira
Mirian Maruyama Croce
apoio de produção
Priscila Martins, Vânia Ferreira Monteiro
Participe dos Cursos CLÁSSICOS
CLÁSSICOS

atendimento ao assinante

da Revista CONCERTO Tel. (11) 3539-0048


Cursos

Datas e programações de concertos são


na Sala São Paulo / Loja CLÁSSICOS fornecidas pelas próprias entidades promotoras,
não nos cabendo responsabilidade por alterações
e/ou incorreções de informações.
Programação de JUNHO de 2017 Inserções de eventos são gratuitas e devem ser
enviadas à redação até o dia 10 do mês anterior
COMO OUVIR A MÚSICA CLÁSSICA CRIATIVAMENTE ao da edição, por fax (11) 3539-0046 ou e-mail:
concerto@concerto.com.br.
por Sérgio Molina
Caminhos para uma escuta que aprofunde a relação do ouvinte com o repertório Artigos assinados são de respon­sa­bi­li­dade de
seus autores e não refletem, neces­sariamente, a
n Sábados, dias 3, 10 e 17 de junho e 1º de julho, das 11h às 13h opinião da redação.

Todos os direitos reservados.


A MÚSICA EUROPEIA E AS FORMAS CLÁSSICAS Proibida a reprodução por qualquer meio
por João Paulo Nascimento sem a prévia autorização.
Uma introdução à escuta de modelos formais consagrados da música de concerto
n Segundas-feiras, dias 5, 12, 19 e 26 de junho, das 18h30 às 20h30
Todos os textos e as fotos publicados na seção
O VIOLINO: TRADIÇÃO, REPERTÓRIO E INTÉRPRETES Gramophone são de propriedade e copyright de
por Camila Frésca Mark Allen Group, Grã-Bretanha.
www.gramophone.co.uk
As origens do violino moderno, os grandes concertos e os principais violinistas
Distribuição em Bancas e Redes de Livrarias
n Terças-feiras, dias 6, 13 e 20 de junho, das 14h às 17h
Total Publicações (Grupo Abril)
Edicase Gestão de Negócios
Preço do curso: R$ 420 (em até 3 vezes no cartão de crédito) www.edicase.com.br

n Consulte descontos especiais

Informações e inscrições
n www.concerto.com.br/cursos n tel (11) 3539-0048

CTP, impressão e acabamento


Prol Editora Gráfica Ltda.
4 Junho 2017 CONCERTO
u CONTRAPONTO Notícias do mundo musical

Brasileiros vencem concurso de piano em Miami


Os pianistas Ronaldo Rolim e Lucas Thomazinho foram premiados

divulgação
divulgação / Wasin Prasertlap
no Concurso Internacional de Piano Teresa Carreño, realizado no
início de maio, em Miami, nos Estados Unidos, com o primeiro e o
segundo lugar, respectivamente. Rolim também recebeu o prêmio
de melhor intérprete de música ibero-americana e de música
de câmara. Thomazinho, por sua vez, foi escolhido pela plateia
para receber o Prêmio do Público.
Radicado nos Estados Unidos, Ronaldo Rolim, de 30 anos, iniciou
os estudos na Fundação Magda Tagliaferro e tem desenvolvido
importante carreira, em especial na música de câmara – foi criador
do Trio Appassionatta; como solista, já atuou com grupos como
a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, a Orquestra Sinfônica
Brasileira e a Orquestra Tonhalle de Zurique.
Lucas Thomazinho, nome promissor do piano brasileiro, também
passou pela Fundação Magda Tagliaferro e, aos 22 anos, já tem
Lucas
no currículo vitórias em certames importantes, como o Concurso
Ronaldo Rolim Thomazinho
Internacional Santa Cecília, realizado em Portugal.

Santa Marcelina Escola de Música da Rocinha


comemora aniversário
Cultura assume o A Escola de Música da Rocinha, no Rio de Janeiro, completa este mês 23

Theatro São Pedro


anos de trabalho com uma série de atividades, incluindo audições de alunos,
apresentações de conjuntos formados no projeto, como o Grupo 5Pi, o Quarteto
de Cordas, a Orquestra de Câmara da Rocinha e a Camerata de Violões, além da
A Secretaria de Estado da Cultura decidiu não criação do Grêmio de Alunos da EMR e a realização de cursos especiais como os
prorrogar o contrato de gestão do Theatro São Pedro de Editoração de Partituras e o de Ferramentas de Acessibilidade.
(e de seus corpos estáveis), que mantinha com a A escola foi criada em 1994 por Hans Koch e logo se consolidou como
Organização Social Instituto Pensarte. O equipamento importante centro de formação musical, se integrando à vida na comunidade.
passou às mãos da Organização Social Santa Marcelina Atualmente, 18 jovens que passaram pelo projeto cursam faculdade de
Cultura, que já é responsável pela gestão da Emesp (Escola Música e quatro discos foram produzidos – um deles pelo Coro Infantojuvenil,
de Música do Estado de São Paulo) e do Projeto Guri dois pela BanDaCapo e um pelo grupo Chorando à Toa (2009, produção
Capital e Grande São Paulo. Segundo o secretário independente). A escola oferece cursos de canto coral, flauta doce, violão,
adjunto Romildo Campello, a Procuradoria do Estado cavaquinho, piano/teclado, percussão, violino, viola, violoncelo, contrabaixo,
não aprovou uma nova prorrogação do contrato com o flauta, clarinete, trompete, trombone, trompa, prática de conjunto, teoria e
Instituto Pensarte, que gerenciava o teatro há cinco anos percepção e musicalização.
e cujo contrato já havia sido prorrogado emergencialmente
uma vez. “Uma nova prorrogação poderia caracterizar
improbidade administrativa”, explicou.
Campello garantiu que será mantido o mesmo plano Em agosto, Festival Vermelhos
de metas para o teatro, com o mesmo número de óperas,
récitas, apresentações de música de câmara e demais em Ilhabela fará grande edição
atividades previstas no contrato original do Instituto
Pensarte. A Orquestra do Theatro São Pedro, contudo, Acontecerá entre os dias 4 e 13 de agosto a terceira edição do Festival
foi reduzida a 33 músicos, o que gerou protestos no Vermelhos – Música e Artes Cênicas, em Ilhabela, no litoral de São Paulo.
meio musical. O orçamento para o ano de 2017 será de Além dos concertos e shows, esta edição, que tem curadoria do criador
R$ 7,4 milhões. do evento, Samuel Mac Dowell de Figueiredo, e de Éser Meneses,
também terá cursos e uma residência para artistas plásticos.
Em comunicado distribuído à imprensa, a Organização
Entre as atrações deste ano estão, além de artistas locais, o pianista
Social Santa Marcelina Cultura esclareceu que assumiu
Cristian Budu e a São Paulo Companhia de Dança, a Orquestra Jovem
o teatro “a pedido da Secretaria da Cultura”. Para das Américas sob regência de Carlos Miguel Prieto, Egberto Gismonti,
compensar a demissão dos músicos, a SMC informou Ute Lemper e a Jazz Sinfônica, Yamandu Costa, Livia e Arthur Nestrovski,
que formará uma orquestra de bolsistas do Theatro São Fabio Zanon, Ricardo Castro, Leo Gandelman e o duo formado pelo
Pedro, com 22 alunos selecionados por meio de processo pianista André Mehmari e o violoncelista Antonio Meneses.
seletivo, nos mesmos critérios adotados para outros grupos Um dos pontos altos da programação será a Orquestra Jovem do Estado
jovens da entidade. de São Paulo, que, sob direção de Cláudio Cruz e acompanhada de um
A Jazz Sinfônica, grupo que havia restado no contrato coro jovem e das cantoras Luciana Bueno e Camila Titinger, apresentará
do Instituto Pensarte após a Secretaria ter liquidado as a Sinfonia nº 2, Ressurreição, de Gustav Mahler. Mais informações
atividades da Banda Sinfônica no início do ano, será podem ser consultadas no site www.vermelhos.org.br.
realocada para o Memorial da América Latina.

6 Junho 2017 CONCERTO


‘Filhos de Bach’ propõe diálogo musical
Estreia em junho no Brasil o filme alemão de longa metragem que se passa em Ouro Preto

U m metódico professor de música alemão se aposenta e re-


cebe uma notícia inesperada: herdou uma partitura original
de um dos filhos de Johann Sebastian Bach. A partitura está no
Ao chegar no Brasil, Marten, o professor, vai se deparar com
uma cultura bastante diferente da sua e tem que lidar com epi-
sódios como o sumiço da partitura. Mas será ajudado por jovens
Brasil, em Ouro Preto, e é para lá que ele então parte – dando brasileiros, com os quais começa a trabalhar e trocar experiên-
início à trama do filme “Filhos de Bach”, de Ansgar Ahlers, que cias musicais. Para o diretor alemão, trata-se de um ponto de
estreia no dia 8 de junho nos cinemas brasileiros. partida para que se discuta o encontro transformador da música
com pessoas de culturas e histórias de vida muito diferentes,
com a convicção de que a arte pode ser usada como poderoso
divulgação

instrumento de superação das dificuldades.


O encontro entre culturas está representado também na tri-
lha sonora do filme. A música é construída a partir de célebres
partituras de Bach – como a Ária na corda sol, a Ave Maria e
Jesus, alegria dos homens –, que são relidas à luz de gêneros
como o chorinho, o samba e o jazz (leia mais sobre a trilha, que
está sendo lançada em CD, na página 53).
“Filhos de Bach” é uma coprodução entre a Alemanha e
o Brasil e traz no elenco o alemão Edgar Selge, como Marten,
jovens talentos brasileiros como Pablo Vinicius e Aldri Assun-
ção, além dos atores Stepan Necerssian, Thais Garayp e Marília
Gabriela. O filme já participou de festivais internacionais e re-
cebeu, no Festival Emden, o prêmio de melhor filme do públi-
co, além do prêmio de diretor revelação para Ansgar Ahlers.
O filme estará em cartaz no Brasil a partir de 8 de junho.
u CONTRAPONTO Notícias do mundo musical

divulgação / Wilian Aguiar


Karin Fernandes ganha prêmio
A pianista Karin Fernandes foi a vencedora do Prêmio
Profissionais da Música 2017, destinado a “expor e
reconhecer a contribuição de todos os profissionais
envolvidos na construção de uma obra musical, da produção
à disseminação dos legados e desenvolvimento deste setor
econômico”. Professora da Emesp, Escola de Música do Estado
de São Paulo, Karin é uma das mais destacadas artistas
de sua geração, dedicando atenção especial ao repertório
contemporâneo, inclusive com encomendas de obras a
compositores brasileiros. Este mês, ela se apresenta em
recital solo no Espaço Cultural CPFL, em Campinas (leia mais

São Paulo Companhia de Dança na página 47).

abre o ano com três programas Programação celebra os 250


A São Paulo Companhia de Dança abre este mês, no Teatro Sérgio anos de Padre José Maurício
Cardoso, sua temporada 2017. “Elegemos como tema Pássaro de fogo, Uma programação especial no Rio de Janeiro vai celebrar,
símbolo de luz. Uma ave lendária, mítica e imortal, capaz de se regenerar, a partir de junho, os 250 anos de nascimento de Padre
de encontrar potência para sua existência pelo encorajamento e superação. José Maurício Nunes Garcia. Batizado de Ano José Maurício
Este tema vem ao encontro das observações, reflexões e transformações do na Antiga Sé, o projeto tem como destaque um ciclo de
Brasil dos dias atuais”, explica Inês Bogéa, diretora artística da companhia. conferências dedicado à obra do autor.
Nos dias 1º, 2, 3 e 4 de junho, o programa é composto pela estreia No dia 20 de junho, na Capela do Senhor dos Passos
de Suíte Raymonda, a partir do original de 1898 de Marius Petipa, da Antiga Sé, o musicólogo Vasco Mariz apresenta a
remontada por Guivalde de Almeida, e de Primavera fria, de Clébio conferência As Relações Profissionais de José Maurício com a
Oliveira. Também são apresentadas Pivô, de Fabiano Lima, e Ngali..., de Coroa Portuguesa e com o I Reinado Brasileiro. E, no dia 6 de
Jomar Mesquita, com colaboração de Rodrigo de Castro. setembro, no mesmo espaço, será realizada uma mesa-
O segundo programa, nos dias 8, 9, 10 e 11 de junho, traz as estreias -redonda com a participação de Jésus Figueiredo, André
de Pássaro de fogo, de Marco Goecke, remontada por Giovanni Di Palma, Cardoso e Maria Alice Volpe. O moderador será o compositor
Ricardo Tacuchian.
e 14’20”, de Jirí Kylián, remontada por Nina Botkay, além de Suíte para
A programação também contemplará concertos. No dia 7
dois pianos, de Uwe Scholz, e Indigo Rose, de Kylián.
de agosto, Ernani Aguiar rege a Abertura em ré maior e as
Já nos dias 16 a 18 e 22 a 25, a companhia apersenta o balé La Sylphide,
Matinas de Santa Cecília. E, no dia 20 de dezembro, Jésus
de Mario Galizzi a partir do original de 1836 de August Bournonville. A Figueiredo comanda a interpretação das Matinas de Natal.
obra é um marco do balé romântico no qual a dupla aparição feminina –
sensual e etérea – simboliza a dualidade do corpo e do espírito.
Lilian de Almeida, in memoriam
A pianista e administradora cultural Lilian de Almeida Farinha
morreu no dia 25 de abril, no Paraná. Lilian foi uma das
Rádio e TV Cultura fundadoras da Associação de Amigos do Festival de Música
de Londrina, vice-presidente do Conselho Municipal de
Confira os destaques da programação de junho
Cultura, coordenadora do 1º Festival de Música da Paraíba,
RÁDIO CULTURA FM 103,3 coordenadora do 1º Festival de Música de Cascavel, professora
Intérprete, com Jamil Maluf do Curso de especialização em Música Performance em Piano
[Dias 10 e 17 de junho, às 15 horas] Programas sobre vencedores do na Universidade Estadual de Londrina e diretora artística e
Concurso Tchaikovsky: no primeiro, o pianista russo Dmitri Masleev e o pedagógica do Conservatório Musical Carlos Gomes.
violoncelista armênio Narek Haksnazaryan; no segundo, o pianista russo Lilian, que era também amiga e apoiadora da Revista
Daniil Trifonov e o violoncelista romeno Andrei Ionita. CONCERTO, atuou, nos últimos cinco anos, como diretora
executiva do Festival Internacional de Música de Londrina
Passeios da Memória, com Paulo Bonfim e Presidente da Associação de Amigos do Festival de
[Quintas, às 9h e às 18h] Crônica semanal apresentada pelo poeta Paulo Música de Londrina.
Bonfim, que revisita personagens, histórias e lugares.
Radio Metrópolis, com Fabio Malavoglia
[De segunda a sexta-feira, das 9 às 12h] Mescla de serviços (agenda Morre o barítono Leonardo Páscoa
diária de espetáculos, exposições, concertos e happenings), quadros
O barítono Leonardo Páscoa, protagonista de diversas
culturais, reportagens, entrevistas e uma fina seleção musical, do barroco
produções líricas e membro do Coro do Theatro Municipal do
ao contemporâneo.
Rio de Janeiro, morreu no dia 7 de maio, aos 42 anos, vítima
TV CULTURA de um infarto. O artista deixa a mulher, Rose Provenzado
Clássicos Páscoa, também membro do coro do teatro, e um filho.
[Dia 10 de junho, às 21h35] H.U.L.D.A., espetáculo de dança dirigido por Páscoa formou-se em canto pela Universidade Federal do
Jorge Takla para homenagear os 40 anos da Cisne Negro Companhia de Rio de Janeiro e trabalhava no Theatro Municipal carioca há
Dança, gravado no Teatro Santander em abril. Com coreografias de Dany mais de 20 anos. Sua última atuação como solista deu-se na
Bittencourt e Rui Moreira, trilha sonora de André Mehmari e participação da ópera Lo schiavo, de Carlos Gomes, realizada no ano passado,
primeira-bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Ana Botafogo. onde fez o papel do feitor Gianfera. Sua morte comoveu a
comunidade musical.

8 Junho 2017 CONCERTO


u Atrás da pauta Por Júlio Medaglia

...e Beethoven empossou Macron!


A França, um dos mais importantes países da antiga e sanguinária Europa, vai encarar
o futuro sob as bênçãos de um dos maiores gênios da história, Beethoven

H á exatos 20 anos, fui convidado pelo governador Amazoni-


no Mendes, do Amazonas, para criar uma orquestra sinfô-
nica para o belíssimo teatro de Manaus, que, depois de quase um
parece que um espírito gregário e de paz começou a motivar sua
unificação, fazendo surgir a União Europeia. Vinte e oito países
eliminaram as fronteiras e foi implantada uma moeda única.
século de abandono e usos indevidos, teve seu glamour restaura- Alguns movimentos xenófobos recentes, porém, têm amea­
do em sua gestão. Como a ideia era a de criar uma orquestra de çado o ideal de harmonia entre essas nações. A Grã-Bretanha,
nível internacional e não tendo encontrado na cidade músicos com sua habitual arrogância étnica, se desligou da UE e, na Fran-
com a suficiente qualificação para tal, fui a diversos países em ça, surgiram movimentos nacionalistas que pretendiam seguir
busca de instrumentistas, com a ajuda de Clemente Capella, vio- no mesmo caminho. Por sorte, dois terços da população teve a
linista que, por 40 anos, foi spalla do Theatro Municipal de São lucidez de escolher um jovem político não contaminado pelos
Paulo, e do trompetista e professor da USP, Dr. Sérgio Cascapera, antigos vícios da profissão. Logo de início, algumas ações simbó-
que infelizmente nos deixou recentemente. Trouxemos músi- licas por ele praticadas mostraram para o que viera. Sua visita,
cos da Rússia, Bielorrússia, República Tcheca, Bulgária, Estados no segundo dia de mandato, à chanceler alemã Angela Merkel,
Unidos, Uruguai, Venezuela e também alguns brasileiros. uma europeísta convicta, já provocou alívio na mente daqueles
Para a solenidade de inauguração da Amazonas Filarmôni- que temiam um retrocesso no caminho de uma Europa unificada.
ca, foi promovido um evento com todo o grupo no Teatro Ama- Mas, sua atitude mais importante, acompanhada pelo mun-
zonas. Diante do público, o governador fez um emocionante do através dos meios de comunicação de massa, foi a cerimônia
discurso, tendo atrás de si aquela “liga das nações” musical. Em de comemoração de sua vitória. Macron poderia ter se apresen-
seguida, Amazonino me passou o microfone para algumas pala- tado à população e ao mundo como novo líder francês desfilando
vras. Dirigi-me aos músicos postados na orquestra e ao público ao som da Marselhesa no Arco do Triunfo ou na Torre Eifel,
e disse: “Governador. Parece que tudo no mundo foi feito para monumentos do orgulho nacional. Ou, talvez, no parlamento,
separar pessoas. O senhor mesmo, para prestar serviços a seu es- para exibir seu apreço às instituições democráticas. Poderia ir
tado, teve que se filiar a um partido, que vem de ‘partir’, ou seja, à Notre Dame agradecer aos deuses por sua eleição, ou, quem
dividir pessoas em comunidades políticas diversas. As religiões sabe, à Praça da Bastilha, onde ocorreu a Revolução Francesa
foram criadas para unir pessoas para o cultivo do bem e do divino que tantos exemplos de paz e solidariedade deu à nação e ao
e, no entanto, alguns veem Deus de uma maneira diferente de mundo. Mas não. Macron escolheu um dos símbolos e acervo
outros. Isso já é motivo para desuni-las e até de lutas entre cren- mais representativos da inteligência e da sensibilidade humana
ças. Alguns chegam a crer no mesmo Deus, através da figura de universais como palco de seu périplo, a praça do museu do Lou-
Cristo. Uns o contemplam de um jeito, outros de outra, como vre. E caminhou por ela com passos sincronizados com a Ode
na Irlanda do Norte, se digladiando como bárbaros. O esporte foi à alegria da Nona sinfonia de Beethoven – fragmento musical
feito para as pessoas se divertirem coletivamente, em estádios. escolhido como o hino oficial da União Europeia.
O fato de alguns torcerem para um clube e outros para outro, já Se aqui no Brasil assistimos hoje à desintegração moral e
é motivo para brigas e até assassinatos. Existe um país em nosso institucional do país pelas mãos de políticos que foram pagos
continente, tido como civilizado, o mais rico do mundo, culto e para nos governar e, ao contrário, nos destroem, temos, pelo me-
criativo, pois abocanhou mais da metade dos prêmios Nobel dis- nos, o consolo de ver que na antiga e sanguinária Europa, um de
tribuídos. No entanto, por alguns de seus cidadãos terem a cor seus mais importantes países vai encarar o futuro sob as bênçãos
da pele mais escura que a de outros, presenciamos preconceitos, de um dos maiores gênios da história, Ludwig van Beethoven. t
perseguições, enfrentamentos e mortes. Os idiomas foram feitos
para as pessoas se comunicarem. Mas, uns falam uma língua,
outros outras, e isso é motivo para não se entenderem. Esses
músicos que vemos aqui no palco não se conhecem, aqui se
encontram pela primeira vez, mas não podem conversar, pois
cada um fala uma língua diferente. No entanto, vão ver que a
um simples sinal meu, todos vão interagir e se entender como
se fossem de uma mesma família, filhos de uma mesma mãe, a
‘mãe’ música”.
Fui então ao pódio e, a partir de um gesto de regência, eles
tocaram, impecavelmente, a Quinta sinfonia de Beethoven.
Se a política, a economia, as línguas, o esporte, as religiões, a
cor da pele e tudo mais têm a capacidade de separar seres huma-
nos, a música, com seu condão de falar o idioma da emoção, de
colocar beleza em nossas almas, prova que somos todos absoluta-
mente iguais. Apesar disso, a Europa, mesmo sendo um manan-
cial musical e berço da mais civilizada e criativa comunidade do
planeta, possui em sua história capítulos de desavenças entre pes-
soas e povos de fazer inveja ao Estado Islâmico. Mas, em 1993,

10 Junho 2017 CONCERTO


u NOTAS SOLTAS Por Jorge Coli

O testemunho de um desmonte
Recomeçar a cada vez, como se propõe com o Theatro São Pedro, é não chegar, nunca, a nenhum lugar

I mpossível não escrever sobre a desmontagem do trabalho que


se fez no Theatro São Pedro. Tudo estava dando muito certo
ali. Mais certo que os projetos culturais costumam dar em nosso
ma função. De início, as pessoas que tinham mais experiência
nessas passagens e transferências diziam, com calma: “Nada vai
mudar. A atual gestão licencia todos os participantes, que serão
país. Era efetivamente formador. Permitiu a jovens cantores, jo- depois contratados pela nova. É assim que costuma acontecer”.
vens instrumentistas e jovens maestros que avançassem muito Desta vez, não foi assim. Tudo se passa em segredo de con-
nos caminhos de arte, a ponto que vários começaram uma car- vento, circulando informações que, por vezes, se desencontram.
reira internacional. Com um orçamento irrisório, muitas óperas No momento em que escrevo este texto, dia 17 de maio (o fatí-
foram montadas, abrangendo um repertório variado, obrigando dico 17 de cada mês, data em que devo entregar minha coluna
a juventude a cantar em russo, francês, alemão, italiano e sei lá para a Revista CONCERTO), pelo que sei, a única coisa certa é
mais qual língua. Os participantes tinham que se confrontar com que 19 dos 52 músicos da orquestra foram demitidos, postos
épocas musicais diversas, estilos muito diferentes. porta afora, sem mais aquela. A vida é assim mesmo: não é fácil,
Criou-se, pela primeira vez, um verdadeiro corpo estável, virem-se, vão correr atrás de cachê em casamentos, batizados e
um elenco permanente. A qualidade era tão alta que Dom Qui- funerais – ao menos aqueles que tocam instrumentos apropria-
xote, de Massenet, recebeu o prêmio máximo da APCA, como dos a essas cerimônias. “Seja como for, não é problema nosso”,
melhor ópera de 2016. Isso, em concorrência com as produções dizem os mandachuvas que nos governam.
milionárias do Theatro Municipal. Falou-se que o restante seria substituído por alunos bolsis-
Acrescente-se que, no irracionalismo ambiente deste Brasil, tas, o que significaria uma vertiginosa queda de qualidade em re-
não se faziam nunca coproduções nem retomadas de produções lação à precedente orquestra. Agora, as Marcelinas desmentem,
de ópera de um teatro para outro. Ora, dois títulos dados no São dizendo que haverá uma orquestra de bolsistas. Quanto à outra,
Pedro foram reapresentados: Dom Quixote, no Municipal do não se sabe muito bem.
Rio, e Adriana Lecouvreur, no Teatro Amazonas, em Manaus. O resto, são promessas. Esperar para ver.
Era o início de uma racionalização de custos que deveria, para o Pode-se levantar um argumento: quem sabe as Marcelinas
bem de todos, ampliar-se. farão tão bem, ou melhor, que os precedentes.
O Theatro São Pedro recebia quase nada do poder público. Pondo minhas sérias dúvidas de lado, o fato objetivo é que
Para dar uma ideia: a última ópera, um admirável Gianni Schicchi, recomeçar a cada vez em tabula rasa é não chegar, nunca, a
que encerrou com chave de ouro esse período áureo, revelando nenhum lugar. A orquestra do São Pedro foi concebida sob o
uma orquestra brilhante e cantores formidáveis – nada menos governo Serra e implantada no início da gestão Alkmin. Desen-
que 16, mais um ator –, custou em torno de R$ 60 mil. Isso não volveu-se, tornou-se uma das fortes orquestras no país. Agora, é
seria suficiente sequer para pagar o figurino de quaisquer óperas podada até o toco. Brotarão algumas folhinhas, decerto, mas seu
montadas pelo Theatro Municipal de São Paulo no ano passado. crescimento foi tolhido de modo irremediável.
Óperas estas que atingiam a faixa de R$ 1 milhão a R$ 2 milhões. Os projetos culturais – e não apenas eles – nunca vão para
Nascia, desse modo, no Theatro São Pedro, uma plantinha frente nesta Pindorama. Mário de Andrade, quando houve o
artística nova e forte, destinada a tornar-se a mais bela e frondosa desmonte do Departamento de Cultura da prefeitura de São
árvore. Paulo, em 1938, afirmou que, com isso, havia perdido a felicida-
Se não fosse a praga dos governantes, esses Átilas que não se de. Mudou-se para o Rio, teve depressão.
incomodam em deixar terra arrasada por onde passam. A gestão Esse é o maior exemplo de desmando no coronelismo que
do São Pedro era feita por uma OS, o Instituto Pensarte. Do dia nos governa até hoje. O que ocorre com o Theatro São Pedro é
para a noite, decidiu-se, de cima para baixo, sem conversa nem similar: um crime contra a cultura. Por razões de politicalha, ou
aviso, que a Santa Marcelina Cultura se encarregaria da mes- por diversos outros obscurantismos, tudo trava e nada muda. t divulgação

Cena da ópera Dom Quixote (2016)

12 Junho 2017 CONCERTO


u EM CONVERSA

Patrimônio
vivo
Entrevista com
o flautista
Emmanuel
Pahud
Por João Luiz Sampaio

divulgação / Josef Fischnaller under licence to EMIClassics

E ntrar para uma orquestra como a Filarmônica de Berlim é


um sonho para poucos – ainda mais quando se tem apenas
22 anos. E foi exatamente o que aconteceu com o flautista suíço
Você interpreta em São Paulo concertos
de Mozart e Devienne. Como é possível
o diálogo entre esses dois autores e as
peças escolhidas?
Emmanuel Pahud. Nascido em Genebra, em 1970, ele começou O programa gira em torno de uma era de ouro
a estudar música influenciado por vizinhos flautistas. Aos 17 do concerto para flauta. Bach, Vivaldi e Tele-
anos, entrou no Conservatório de Paris e, cinco anos depois, mann já haviam escrito para o instrumento,
mas Mozart tinha uma predileção especial,
foi chamado por Claudio Abbado para integrar o conjunto traduzida não apenas nos três concertos, como
alemão. O trabalho na orquestra, no entanto, não o impediu nos quatro quartetos com flauta. O Concerto
de desenvolver uma das mais brilhantes carreiras de solista nº 2 é uma peça adorável. É tipicamente mozar-
do cenário atual. É nessa condição que ele desembarca neste tiana no que diz respeito ao diálogo que propõe
mês em São Paulo para concertos com a Potsdam Chamber entre solista e orquestra, como vemos sempre
em suas óperas. Devienne, por sua vez, é cons-
Orchestra e o maestro inglês Trevor Pinnock, figura lendária tantemente tratado nos livros de história da mú-
da interpretação da música barroca e do classicismo, pela sica como o Mozart francês. Foi um virtuose da
temporada da Cultura Artística. Juntos, eles vão interpretar flauta e, mais do que isso, criou uma série de apre-
concertos de Mozart e Devienne, trazendo na bagagem um sentações em Paris dedicada não aos nobres, mas
sim ao público, além de ter escrito diversos con-
disco em que registram os concertos de Carl Philipp Emanuel certos. O nº 7 é extremamente dramático, no que
Bach, lançado agora no Brasil. Sobre o trabalho com Pinnock, estabelece um contraponto a Mozart, dentro do
que ele define como fundamental, sobre seu início na música contexto do programa que vamos apresentar.
e sobre a atuação na filarmônica, ele falou por telefone, da Más é interessante perceber também os contras-
Bósnia, à Revista CONCERTO. tes internos da peça, entre uma orquestra de tons
escuros e um solista que precisa acreditar a todo
instante na força do cantabile.
AGENDA
Potsdam Chamber Orchestra Você faz referências às óperas de Mozart.
Trevor Pinnock – regente / Emmanuel Pahud – flauta O maestro inglês Trevor Pinnock, em uma
Sala São Paulo, dias 6 e 7 de junho entrevista recente, me disse que não é

14 Junho 2017 CONCERTO


possível pensar a música sinfônica do ca saberemos. Sabemos, no entanto, que essa essa experiência a outro patamar. Mas, para en-
compositor sem ter em mente o canto, música é vida, não apenas conhecimento. tender a experiência de entrar para a orquestra,
a voz. Você concorda? é preciso entender o momento específico que o
Com certeza. Desde Bach, com as cantatas ou Você utiliza um instrumento moderno grupo vivia. Depois de décadas, diversos músi-
mesmo as paixões, há a proposta de um diálogo em suas interpretações. Como enxerga a cos que haviam chegado após a Segunda Guerra
entre voz e instrumento, e muitas vezes a flauta questão da autenticidade, à luz da pesquisa Mundial estavam se aposentando. Por isso, além
conversa diretamente com a soprano ou a con- da música historicamente informada? de mim, havia novos chefes em outros naipes,
tralto. O que Mozart faz é levar essa ideia a outro Eu aprendi o valor das pesquisas históricas des- oboé, clarinete, harpa, violinos. Claudio Abba-
patamar. De certa forma, o canto sempre será de meus primeiros estudos formais. Essas infor- do, ao repor essas posições com novos músicos,
um referencial importante para o flautista. Apro- mações me sugerem elementos específicos de fez com que tivéssemos a sensação de criarmos
ximar-se de uma peça desse repertório atento ao interpretação, mas precisamos reconhecer que algo juntos, buscando uma nova linguagem
aspecto cantabile é o que vai ensinar a respirar, as práticas e os valores musicais mudavam de comum em consonância com os aprendizados
a definir a qualidade do som que você produz. uma corte para outra e que havia uma diversi- da velha guarda. E isso foi uma experiência defi-
dade difícil de definir ou fechar. A utilização de nidora, incrível mesmo. Porque, veja, tocar com
Também com Trevor Pinnock, e a Potsdam um instrumento moderno em tudo o que faço Berlim é uma experiência acima de tudo física
Chamber Orchestra, você gravou concertos vem da necessidade que tenho, em meio a uma e não intelectual, você é parte de um todo e se
de Carl Philipp Emanuel Bach, que são agenda intensa de concertista, camerista e mú- move em conjunto e precisa pensar seu conheci-
lançados agora no Brasil. sico de orquestra, de certa constância. Seria im- mento à luz dessa percepção.
Esse é um projeto muito fascinante. O disco, na possível para mim trocar de instrumento a cada
verdade, encerra um ciclo que começamos em apresentação. Eu, por exemplo, tenho flautas Houve algum momento, ao longo desses
2011, dedicado ao repertório de flauta da corte antigas, com as quais gosto de estudar quando anos de orquestra, particularmente
de Frederico, o Grande, ele próprio um flautista. preparo certo repertório, como um elemento especial para você como músico?
A música de Carl Philipp Emanuel Bach merece de pesquisa, servindo de ponto de partida. No No primeiro ano, toquei com o maestro Car-
enorme atenção. Ao conhecê-la, fica clara a sen- entanto, ter um instrumento antigo não basta, los Kleiber, e era um programa com a Abertu-
sação de descoberta de algo novo, de rompimen- senão Maxim Vengerov (que toca um violino ra Coriolano de Beethoven e a Sinfonia nº 4
to, de epifania com relação a caminhos futuros. Stradivarius de trezentos anos de idade) seria de Brahms. Entender aquela música à luz das
E isso se dá pelo tipo específico de expressivi- um intérprete de época (risos). ideias de um gênio como ele foi inspirador. As-
dade que ele pede do intérprete. Há contrastes sim como um Concerto tríplice de Beethoven
constantes entre leveza e sombras. E isso, acho, Sua carreira está dividida entre atuações com Yo-Yo Ma, Itzhak Perlman e Daniel Baren-
tem a ver com a própria biografia de Bach, com como solista, camerista e como músico de boim. Com Abbado, era sempre inacreditável
o fato de que ele precisou lidar com Frederico, orquestra. Essa diversidade, assim como a o resultado que ele obtinha em projetos como
músico, mas também alguém que se tornaria amplidão de seu repertório, foi algo que a integral sinfônica de Brahms ou então aonde
conhecido pelo autoritarismo e pelas conquistas lhe interessou desde cedo, um objetivo ele nos levava com as sinfonias de Mahler. E
militares. inicial, ou simplesmente aconteceu? Simon Rattle, quando nos propôs projetos de
Eu comecei muito cedo, criancinha ainda, por encenação das paixões de Bach, com o diretor
Pinnock, falando de seu trabalho, afirma conta de vizinhos flautistas. Demorei dez anos, Peter Sellars, nos apontou outra dimensão da
que você é um artista que faz música com no entanto, para fazer os primeiros concertos música. E há ainda Seiji Ozawa, Zubin Mehta,
“toda a existência”. Como você interpreta e decidir de fato virar um profissional. Aos 17 que você ganha a chance de conhecer, nos en-
esse comentário? anos, quando terminei a escola, fui para o Con- saios, como seres humanos, cujo trabalho surge
Os concertos de C. P. E. Bach têm versões para servatório de Paris. Lá, logo montei três ou qua- de um diálogo pessoal com a música.
outros instrumentos, como o cravo, que é a tro programas de recitais, era algo que precisá-
especialidade de Trevor Pinnock. Então você vamos fazer. E comecei, aqui e ali, a substituir Como você definiria seu momento atual
pode imaginar quão especial foi gravar esse re- professores em orquestras. No conservatório, como intérprete?
pertório com ele. O conhecimento que ele tem as aulas nos levavam da música antiga ao con- Eu acredito ter chegado a um equilíbrio entre a
dessa música vem de dentro e com certeza foi temporâneo, com a ideia de que o classicismo juventude, a energia e a experiência. Isso tem
fundamental para aprofundar minha percepção e o romantismo eram apenas parte do universo sido marcante em meu trabalho, em especial
das partituras. Ouvir que ele pensa isso com formativo de um músico. Por causa disso, ainda como camerista, o que tem me levado a outro
certeza é algo especial, porque não posso dimi- estudante, tive contato com novos criadores. tipo de contato, mais seguro, com os grandes
nuir a importância que trabalhar com ele teve Com 19 anos, eu me vi dando 45 concertos mestres da literatura musical. Ao mesmo tem-
e ainda tem para mim, desde que, há dez anos, por ano e entrei para uma orquestra em Basel. po, tenho sentido o desejo de me apresentar
gravamos as sonatas de Bach. Eu me lembro, Enfim, o que quero dizer é que tudo aconteceu mais sozinho, só eu e a flauta, uma situação
na ocasião, de ele me pedir a todo instante para ao mesmo tempo, e minha atuação em meio a em que preciso “ser” a música. E há também o
não abrir mão da expressão e de me dizer que isso acho que foi apenas nunca decidir entre interesse cada vez maior em novas obras. Isso
para isso eu não poderia confiar apenas em meu esses vários aspectos possíveis. começou em 2006, quando se homenagearam
intelecto. Pinnock me mostrou um caminho. os 250 anos da morte de Mozart, e todo mundo
Muitos músicos, quando interpretam esse re- Com 22 anos, você entrou para a Orquestra tocou seus concertos. Eu boicotei os concertos
pertório, atuam como observadores distantes, Filarmônica de Berlim, o que, imagino, e me dediquei apenas à música de câmara. Ali
frios, tentando recriar a música por meio de deve ter sido uma experiência marcante. também me veio a ideia de encomendar novos
um conhecimento enciclopédico. Isso não é Qual é a lembrança desse momento? concertos para autores como Dalbavie ou Elliott
suficiente. Estamos falando de autores que são Foi um crescimento profissional enorme, mas Carter. Ao todo, já são doze. E, até 2020, espero
marcos da cultura, que ajudaram a definir quem que não aconteceu do dia para a noite. Os anos aumentar essa lista, torcendo para que até lá eu
nós somos. E precisamos, por isso, mantê-los em Basel me ajudaram muito a entender o que continue tocando bem o suficiente para isso.
vivos. Podemos passar muito tempo discutindo é a qualidade de um conjunto, o que significa
se o que fazemos é ou não autêntico, mas nun- soar como uma orquestra. E Berlim, claro, levou Obrigado pela entrevista. t

Junho 2017 CONCERTO 15


u brasil musical

Festival de Música do Pará


comemora 30 edições
Evento presta homenagem a Villa-Lobos e recebe João Guilherme Ripper como compositor residente

Por João Luiz Sampaio

A história é conhecida. No final da vida, o compositor Carlos


Gomes, maior nome da ópera nacional no século XIX, foi
convidado para ir ao Pará, com o objetivo de dirigir um novo
responsável por integrais, como a dos próprios quartetos de Villa-
-Lobos, que estabelecem novos paradigmas de interpretação; ou
a orquestra Johann Sebastian Rio, que tem explorardo novos
conservatório que pretendia ser um polo de referência no ensino formatos de apresentação e combinações de repertório e se apre-
musical brasileiro. O autor de O guarani aceitou o convite. Mas senta em Belém sob o comando do maestro e violinista Felipe
chegou a Belém já muito doente, morrendo pouco tempo de- Prazeres. Entre os solistas, o fagotista estoniano Martin Kuusk-
pois, no dia 16 de setembro de 1896. O conservatório, no entan- mann, cuja atuação se dá tanto no âmbito do repertório tradicio-
to, havia sido criado. E segue em atividade até hoje, comandado nal como na encomenda de novas obras para o instrumento; o
pela Fundação Carlos Gomes, que realiza este mês a 30ª edição violinista alemão Linus Roth, vencedor do prêmio Echo Klassik;
do Festival Internacional de Música do Pará, entre os dias 4 e 11. o Duo Halász, formado pela pianista Débora Halász e o violo-
Chegar a trinta edições é motivo de celebração – e o evento nista Franz Halász; ou a jovem violinista Matilde Loureiro e a
escolheu unir às comemorações uma homenagem a outro au- soprano Carla Caramujo, ambas vindas de Portugal.
tor que, como Carlos Gomes, é símbolo da música de concerto “Durante uma semana, o que nos move é a intensa transpi-
brasileira, Heitor Villa-Lobos, de quem se lembram, em 2017, ração artística entre os artistas brasileiros e internacionais, que
os 130 anos de nascimento, com concertos em todo o Brasil. congregam energias em prol da música, do desenvolvimento
Justificativas não faltam, como explica o diretor artístico Mar- humano e da formação pedagógica educacional e artística”, diz
celo Jardim. Villa-Lobos é tido como o maior autor da história Jardim, lembrando dos objetivos do trabalho da Fundação Car-
do país, deixou uma obra vasta, que conta tanto com sinfonias los Gomes, que se propõe a “difundir a educação musical como
monumentais como obras para violão solo, seu instrumento. instrumento de socialização e inclusão e promover o ensino mu-
“Este ano temos homenagens múltiplas e todas, claro, com sical de qualidade”.
grande ênfase nos 30 anos do festival, tendo no compositor Villa- Além da homenagem a Villa-Lobos e da presença de dois
-Lobos o foco na música brasileira e de concerto. Dele, serão autores portugueses, Fernando Lapa e Alexandre Delgado, o fes-
apresentadas inúmeras obras, desde as escritas para grande or- tival terá a figura de um compositor residente, o brasileiro João
questra sinfônica até aquelas compostas para apenas um instru- Guilherme Ripper, um dos mais prolíficos criadores do cenário
mento, como o piano ou o violoncelo. Teremos, por exemplo, atual, com especial atenção à música vocal. Diversas obras suas
as Bachianas brasileiras nº 4, muitas peças de câmara, o Choros serão interpretadas ao longo do evento. Assim, já no dia 4, no
nº 6, o Quinteto em forma de choro e os principais movimentos Theatro da Paz, no concerto de abertura, André Cardoso rege a
dos quartetos de cordas”, diz Jardim. Orquestra Sinfônica Carlos Gomes na estreia mundial da suíte
O time de artistas convidado para a programação chama a orquestral Navidade. No dia 9, é a vez da Orquestra Sinfônica
atenção. Entre os conjuntos, está por exemplo o Quarteto Rada- Jovem do Fimupa, com Marcelo Jardim, interpretar o Concerto
més Gnattali que, apesar do pouco tempo de estrada, tem sido a cinco, obra para quinteto de sopros e cordas encomendada
pelo Quinteto Villa-Lobos. Um dia depois, a Banda Sinfônica Jo-
vem do evento, com Marcos Sadao Shirakawa, toca as Variações
divulgação / ag pará - secult

acadêmicas, encomenda de 2008 da Nicholls State University,


nos Estados Unidos, onde Ripper passou um período. E, no con-
certo de encerramento, Tobias Volkmann comanda os músicos da
Orquestra Sinfônica do Fimupa nos Cinco poemas de Vinicius
de Moraes. O ciclo de canções foi escrito a pedido da Orquestra
Sinfônica do Estado de São Paulo. “Romântico, místico, moder-
no, sonetista ímpar, autor teatral, letrista prolífico, autor de gran-
des clássicos da música popular: que poeta deveria ser o Vinicius
de meus Cinco poemas? Foram necessários vários mergulhos
em sua antologia poética para descobrir que, a despeito dos dife-
rentes estilos, métricas ou técnicas, em toda a sua poesia pode-se
identificar a voz clara e inconfundível de quem escreve com a
própria vida”, explica o compositor sobre a gênese da obra. t

AGENDA
Theatro da Paz, em Belém do Pará Festival Internacional de Música do Pará
Belém, de 4 a 11 de junho

16 Junho 2017 CONCERTO


GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, SECRETARIA DA CULTURA,
PREFEITURA DE SÃO PAULO, SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA
E THEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO APRESENTAM

Marcelo Bratke
e Camerata Brasil

Série quartas musicais no


Theatro Municipal de São Paulo
DIA 14 DE JUNHO, 20H

CÉU • TERRA • MAR


Debussy • Villa-Lobos • Caymmi
Brasil Plural lll
COORDENAÇÃO PRODUÇÃO

YOYOGI
PRODUÇÕES ARTÍSTICAS

EXECUÇÃO REALIZAÇÃO

Cursos CLÁSSICOS
CLÁSSICOS
CURSOS

da Revista CONCERTO
na Sala São Paulo / Loja CLÁSSICOS

PROGRAMAÇÃO DE JUNHO DE 2017

COMO OUVIR A MÚSICA CLÁSSICA CRIATIVAMENTE


por Sérgio Molina
Caminhos para aprofundar a relação do ouvinte com a música.
n Sábados, dias 3, 10 e 17 de junho e 1º de julho, das 11h às 13h

A MÚSICA EUROPEIA E AS FORMAS CLÁSSICAS


por João Paulo Nascimento
Introdução à escuta de modelos consagrados da música.
n Segundas-feiras, dias 5, 12, 19 e 26 de junho, das 18h30 às 20h30

O VIOLINO: TRADIÇÃO, REPERTÓRIO E INTÉRPRETES


por Camila Frésca
Os grandes concertos do repertório e os principais violinistas.
n Terças-feiras, dias 6, 13 e 20 de junho, das 14h às 17h

Preço do curso: R$ 420 (em até 3 vezes no cartão de crédito)


n Consulte descontos especiais

Informações e inscrições
n www.concerto.com.br/cursos
n tel (11) 3539-0048
u MÚSICA VIVA Por João Marcos Coelho

Virgil Thomson crítico musical


Produção intelectual do compositor, reunida em livros, é fascinante, más não deve servir de modelo

A profissão de crítico musical parece (e pode)

reprodução
estar destinada a desaparecer; a partir dis-
so, alguém terá de assumir esse trabalho sim-
ples, irritante, absolutamente necessário. Ou
seja, o profissional que no futuro vai exercer a
crítica musical poderá até não ser chamado de
crítico, mas fará o mesmo que fazem hoje os
críticos ainda atuantes.
Modifiquei e reforcei a frase original com
que Alex Ross, crítico da revista New Yorker,
inicia o artigo “The Fate of the Critic in the
Clickbait Age” [“O destino do crítico na era
do clique”], de março passado. Hoje as pessoas
amam ou odeiam, não existem meias-tintas,
nuances. Com um clique, condenam ou exal-
tam. A realidade não é tão simples.
Por isso, a frase do primeiro parágrafo é
verdadeira. Afinal, como diz A. O. Scott, críti-
co de cinema do jornal The New York Times, Virgil Thomson
citado por Ross em seu artigo, “Virgil Thomson
definiu de modo imortal a crítica como ‘único
antídoto que temos para a publicidade paga’”. cante de pianos, editor de partituras e editor da grande influência francesa nas texturas har-
Chegamos, assim, ao assunto deste artigo: de publicações especializadas em música. Ele mônicas (sobretudo de Milhaud), são criações
Virgil Thomson (1896-1989). Ele foi compo- lançava suas composições e depois fazia as rese- musicais típicas deste hemisfério. Soam como o
sitor, mas se notabilizou mesmo como crítico nhas sobre elas. Melhor dos mundos? Brasil – o que é, aliás, intenção do compositor”.
musical – o mais poderoso nos Estados Unidos Depende do ponto de vista. Para os adep- Sobre Choros nº 8: “Soa para mim como o
nos anos 1940/1950. Há três anos, a Library of tos do pensamento único, é o nirvana. Há al- Brasil rural, como rios e planícies, montanhas,
America publicou um volume de quase 1.200 guns anos, uma orquestra americana montou aldeias indígenas e selva”. Sobre o nº 9: “É mais
páginas com suas críticas feitas entre 1940 e um departamento de publicações que passou a urbano. Tem música de dança e um bocado
1954; e, no final de 2016, outro volume, de fazer resenhas de seus concertos e suas grava- mais de sentimento à Hollywood (...). Mesmo
1.100 páginas, com seus ensaios mais longos ções, porque se indispôs com um crítico local que muitos possam ter se sentido turistas que
originalmente publicados em livros hoje esgo- (cito de memória). viram muito, mas participaram de pouco, ainda
tados, desde The State of Music, de 1939, até Mas há o lado positivo de Thomson. Entre assim a viagem foi gratificante. Dá até para ima-
o derradeiro, Music with Words, de 1989, ano outras façanhas, ele empregou como crítico- ginar a voz do guia turístico dizendo ‘Now we
de sua morte. -assistente o escritor Paul Bowles (1910-1999), are leaving beau-u-u-tiful Brazil’”.
É um caso raro de compositor que se sempre lembrado pelo romance O céu que Em 16 de janeiro de 1946, ressaltou
tornou mais importante como crítico. Ferino, nos protege, levado às telonas por Bertolucci. uma peça curta de outro brasileiro, Cantiga
agudo, de escrita elegante, Thomson dominou Quando não queria fazer a crítica de concertos lá de longe, num recital de violino e piano no
a cena musical norte-americana, abortando car- em que figuravam suas obras, mandava Bow- Carnegie Hall: “Guarnieri representa o Brasil
reiras e incentivando a “dos amigos”. Foi um les, que também foi compositor. poético, contrastante com o Brasil turístico de
crítico maravilhoso e tão parcial quanto Ber- Mesmo assim, vale a pena passear pelas Villa-Lobos e os maneirismos de salão de Mig-
nard Shaw, mas que jamais pode servir de mo- críticas de Thomson. Fico nos exemplos só none. É de fato uma bela peça”. Não deixa de
delo, afirmou há pouco o politicamente correto com música brasileira. Em crítica de 9 de fe- ser reconfortante – para quem, como eu vive,
Anthony Tommasini, atual crítico do jornal The vereiro de 1945 em que Villa-Lobos e Arthur uma vida de crítico musical – constatar que Vir-
New York Times e “cria” de Thomson. Rodzinsky se alternaram na regência da Phil- gil Thomson está vivo e presente muito mais
Ele não hesitava em ajudar os amigos no harmonic Symphony Orchestra no Carnegie em sua obra crítica de jornal que por sua cria-
jornal New York Herald Tribune entre 1940 e Hall, ele exalta o brasileiro, que regeu seus ção musical. Ainda bem que existe o crítico, o
1954. Logo os organizadores de concertos e os Choros nº 8 e nº 9, como “um dos mais prolífi- chato que desafina “no coro dos contentes”. t
maestros/dirigentes das orquestras percebe- cos compositores do mundo. E também um dos
ram que bastava programar uma obra de Thom- mais talentosos. Suas obras são inumeráveis e Para ler:
son que ele não apenas divulgava, como fazia a cheias de ideias brilhantes. As excelentes me- • Thomson Music Chronicles 1940-1954
crítica das próprias peças. Pecado sem perdão. lodias, a instrumentação multicolorida, a abun- (Library of America, 2014).
Não é um comportamento novo. O ita- dância de extravagâncias em geral e a fluida, mas • Thomson: The State of Music & Other Writings
liano Muzio Clementi (1752-1832) construiu perfeitamente real modernidade de pensamen- (Library of America, 2016)
uma carreira múltipla na Inglaterra dos 34 anos to, as tornam universalmente aceitáveis como • Thomson: Composer on the Aisle
em diante, como compositor, pianista, fabri- criações musicais válidas deste século. Apesar (Norton, 1997)

18 Junho 2017 CONCERTO


u repertório

A danação de Fausto Hector Berlioz

Baseada em um dos mitos mais revisitados da história


ocidental, A danação de Fausto, “lenda dramática”
do compositor francês Hector Berlioz, é atração do
Theatro Municipal de São Paulo

Por Camila Frésca

F austo, a história do homem que vende sua alma ao diabo em


troca de riquezas e prazeres proibidos, é uma das mais po-
pulares lendas ocidentais e baseia-se num personagem que teria
existido: o médico e alquimista alemão Johannes Georg Faust
(1480-1540). A primeira obra literária inspirada em Fausto apa-
receu em Frankfurt, em 1587, e de lá para cá a história foi re-
contada inúmeras vezes e nos mais variados suportes. A versão

reprodução
mais famosa é a de Goethe, que trabalhou durante décadas em
poemas dramáticos publicados em duas partes (1808 e 1832).
O Fausto de Goethe mostra um homem torturado pelo amor e
que deseja transcender a humanidade.
A lenda de Fausto inspirou não apenas Goethe, como ou- Marcha húngara, satisfazendo a audiência local num dos con-
tros literatos. Por sua vez, a obra do escritor despertou uma ver- certos dedicados a sua obra. O sucesso foi tão grande que o com-
dadeira febre pelo tema entre os compositores do século XIX: positor decidiu incluí-la em A danação de Fausto, uma vez que
Liszt escreveu A sinfonia Fausto; Mahler utilizou o tema em sua ele situou a primeira parte do drama naquele país.
Sinfonia nº 8; Schumann compôs Cenas do Fausto de Goethe; Como outros artistas haviam feito antes, Berlioz moldou
e Gounod, uma ópera homônima. Já no século XX, música e a lenda de Fausto de acordo com os próprios anseios artísticos.
literatura se uniram na obra-prima de Thomas Mann, Doutor Com relação à obra de Goethe, ele condensou radicalmente a
Fausto – a vida do compositor alemão Adrian Leverkühn nar- trama, eliminando personagens e priorizando a paixão de Fausto
rada por um amigo. por Margarida em detrimento das questões filosóficas da obra
original. O Fausto de Berlioz não é um grande estudioso; antes,
Fausto e Berlioz vive em busca de grandes emoções. Se o final da obra de Goethe
Em agosto de 1845, a cidade de Bonn promoveu festejos reserva um triste fim para Margarida, no drama de Berlioz o
em homenagem a Beethoven, erigindo uma estátua do composi- próprio Fausto se sacrifica, descendo até o inferno para que ela
tor. O evento reuniu boa parte dos principais músicos europeus, possa chegar ao paraíso. A música se destaca pelo exuberante
incluindo o francês Hector Berlioz (1801-1869). Envolto pela brilho orquestral, pelo ritmo dramático e por melodias notáveis.
atmosfera goetheana, ele retomou um grande projeto inspirado Berlioz esperava que A danação de Fausto fosse um suces-
pelo Fausto de Goethe e iniciado quase vinte anos antes. so e não mediu riscos para a estreia: alugou a Opéra-Comique,
Berlioz é um autor tremendamente importante para o encarregou-se dos gastos e assumiu a regência da orquestra nas
romantismo francês, com obras inovadoras e até mesmo revo- duas apresentações de dezembro de 1846. Mas o que deveria
lucionárias. Músico tipicamente romântico, se interessava por ter sido um grande evento musical passou completamente des-
literatura e artes plásticas e era amigo dos grandes artistas de percebido pelo público parisiense. “O bom público de Paris ficou
sua época. Em 1828, já havia composto música para trechos da em casa, desinteressado em minha nova partitura, como se eu
primeira parte do poema de Goethe. As Oito cenas de Fausto fosse o mais obscuro dos alunos do Conservatório... Nada em
não contavam uma história contínua e foram publicadas sob o toda minha carreira artística me feriu mais do que aquela ines-
Opus 1. Nos anos que se seguiram, Berlioz se notabilizaria como perada indiferença”, escreveu o autor. “Fiquei arruinado. Devia
compositor de dramas, diluindo fronteiras entre formas musicais uma razoável quantia de dinheiro e não tinha. Imaginei que uma
em obras como a Sinfonia fantástica, de 1830, e Romeu e Julieta viagem à Rússia pudesse ser o jeito de livrar-me daquela embru-
(1839), descrita pelo autor como “sinfonia dramática com coro, lhada.” A conselho de Balzac, Berlioz empreendeu uma longa
solos vocais e prólogo dramático em recitativo”. Apesar de ter viagem na primavera de 1847, alcançando grande sucesso na
tomado as Oito cenas de Fausto como ponto de partida, Berlioz Rússia. Ainda seriam precisos trinta anos para que A danação
logo se sentiu insatisfeito e passou a escrever uma nova obra de Fausto se recuperasse desse primeiro fracasso na França. No
– em relação não apenas ao conteúdo, mas também à forma. século XX, a obra seria fundamental para o estabelecimento do
A danação de Fausto, que ele chamou de “lenda dramática”, prestígio internacional do compositor. t
é por vezes comparada a uma cantata ou uma ópera de concerto.
A música inovadora de Berlioz muitas vezes era recebida AGENDA
com frieza em Paris e, por isso mesmo, ele se dedicava a turnês A danação de Fausto, de Hector Berlioz
pela Europa para promover suas obras. Grande parte de A dana- Orquestra Sinfônica Municipal, Coral Lírico e solistas
ção de Fausto foi escrita no curso de uma viagem por Áustria, Roberto Minczuk – regente
Boêmia e Silésia. Foi na Hungria que ele compôs a conhecida Theatro Municipal de São Paulo, dias 30 de junho e 1º de julho

Junho 2017 CONCERTO 19


u capa

Música ao alcance de todos

Em mês de várias atrações dedicadas ao canto coral, relembramos um pouco da


história dessa prática no Brasil e alguns dos grupos que marcaram época
Por Camila Frésca

N a década de 1930, após voltar de sua segunda estadia em


Paris, Villa-Lobos, já internacionalmente conhecido e res-
peitado, dedicou esforços a promover o canto coletivo, visto por
e 2012. Hoje reconhecido como referência quando se trata da
obra do padre José Maurício Nunes Garcia (ele estará à frente
do Coro da Osesp no dia 18, regendo a Missa de réquiem do
ele como o meio mais simples e eficaz de educação musical e compositor), Carlos Alberto afirma que deve seu aprendizado na
social da juventude. O projeto, denominado Canto Orfeônico, área à associação e à convivência com Cleofe.
acabou encampado pelo governo de Getúlio Vargas a partir de
1932. A ideia era a de que o canto coletivo estivesse presente em Da descoberta da música antiga às vanguardas
todas as escolas públicas do país. Periodicamente, eram realiza- O maestro Samuel Kerr, que ao lado de Cleofe é uma das
das grandes concentrações desses coros, que chegavam a reunir maiores personalidades do canto coral no país, chama atenção
40 mil pessoas. A iniciativa não pode ser vista descolada do pro- para outro nicho importante da música coral em meados do sé-
jeto ideológico da época. De qualquer maneira, foi a primeira culo XX: as igrejas. Samuel Kerr conta que nasceu no ambiente
experiência de um grande projeto de musicalização no país, coral, já que seus pais cantavam no grupo da igreja presbiteriana,
utilizando a porta de entrada mais eficaz para o universo em São Paulo. Ele, que já foi diretor da Escola Municipal de
musical: o canto coletivo. Em comparação com a prática ins- Música, regente do Coral Paulistano e da Orquestra Jovem Mu-
trumental, que a grande maioria não mais possui, o canto nicipal, além de ter sido um dos fundadores do Departamento
coral é uma atividade bastante difundida e que aproxima as de Música da Unesp e do Coro da Unesp, não esconde seu amor
pessoas do fazer musical, permitindo que vivenciem a música pelo canto coral e não tem dúvidas dos inúmeros benefícios que
não apenas como ouvintes ou consumidoras. essa atividade propicia. “É uma grande experiência que envolve
Foi também ao longo da década de 1930 que se criaram sociabilidade, comunhão. É terapêutico.”
os primeiros coros profissionais do país. Em 1933, o Coro do Outro fenômeno iniciado na década de 1950 foi o de coros
Theatro Municipal do Rio de Janeiro fazia sua estreia, com a dedicados à música antiga. Se na experiência do Canto Orfeônico
ópera Andrea Chenier. Em 1936, como primeiro diretor do se cantava em português (a partir do trabalho de harmonização de
recém-criado do Departamento de Cultura de São Paulo, Mário melodias folclóricas feito por Villa-Lobos), esses grupos interpreta-
de Andrade fundou o Coral Paulistano e, três anos depois, o vam obras originais, sem arranjos e na língua em que haviam sido
Coro Lírico – ambos no Theatro Municipal de São Paulo. escritas. E, em vez das grandes massas sonoras, surgiram conjun-
Em 1941, outro importante passo para a música coral no tos menores e mais sofisticados. Um dos pioneiros foi o Conjunto
Brasil seria dado com a criação, no Rio de Janeiro, da Associação Coral de Câmara de São Paulo, fundado por Klaus-Dieter Wolff,
de Canto Coral, organização civil sem qualquer apoio estatal. Ten- em 1951 (dez anos depois, ele ainda formaria o Madrigal Ars
do como diretora artística a maestrina Cleofe Person de Mattos, Viva de Santos). Outro conjunto importante surgido na época foi
a associação nasceu com o objetivo de divulgar o patrimônio o Madrigal Renascentista. Criado em 1956, em Belo Horizonte,
musical brasileiro. Cleofe, pioneira na pesquisa da vida e da e liderado por Isaac Karabtchevsky, era formado por estudantes
obra do compositor José Maurício Nunes Garcia, formou-se em que queriam se dedicar à pesquisa e à difusão de um repertório
regência e composição pela UFRJ e focou seu trabalho na música até então pouco explorado por aqui. Cinco anos depois, nas-
coral. Profissional respeitada internacionalmente, tem papel fun- cia o Collegium Musicum de São Paulo, fundado por Ronaldo
damental na história da música coral brasileira, tanto no âmbito Bologna, também com o objetivo de interpretar a música medie-
da pesquisa como no da promoção de obras de seu tempo. O val, renascentista e do início do barroco. O grupo tinha quatro
maestro Carlos Alberto Figueiredo se iniciou na música cantan- vozes femininas e quatro masculinas (entre elas, as de Samuel
do na Associação de Canto Coral, a qual ele dirigiu entre 1995 Kerr e Klaus-Dietter Wolff), além de trio instrumental. Já em

20 Junho 2017 CONCERTO


1964, Carlos Alberto Pinto Fonseca, jovem regente que havia “O padrão mudou, houve uma melhora na leitura e no solfejo dos
participado do Madrigal Renascentista, fundou outro grupo que cantores, o grupo passou a ter condições de enfrentar repertórios
marcaria época: o Ars Nova, coro vinculado à UFMG. Além de re- desconhecidos”, explica. Tiago é um dos regentes do Coralusp
alizar estreias nacionais e mundiais, o Ars Nova revelou o trabalho e, desde 2015, vem fazendo uma pequena revolução no Coral
de Carlos Alberto como destacado compositor de música coral. Jovem do Estado como regente titular, ao lado da preparadora
No final da década de 1960, outro marco na música coral vocal Marília Vargas. Integrado por cantores de 18 a 28 anos, o
brasileira teria lugar com a criação do Coralusp, em 1967. Um grupo reúne jovens de formação sólida, segundo Tiago. “Junto
grupo de alunos da Escola Politécnica e da Escola de Enferma- com a técnica e um ótimo preparo, há uma disposição enorme,
gem manifestou a vontade de criar um coral, e os compositores uma energia muito bacana.”
Damiano Cozzella e Rogério Duprat sugeriram o nome de um Na opinião de muitos profissionais da área, a partir da déca-
jovem regente: Benito Juarez. A intenção foi criar um grupo da de 1980 há um arrefecimento do movimento coral no Brasil.
coral intermediário entre os profissionais e os de igreja. Institu- A partir da década de 1990, no entanto, começam a ser criados
cionalizado pela USP na década de 1970, o Coralusp é aberto coros em empresas, uma vez que são comprovados os benefícios
a qualquer um que se disponha a participar; há ensaios, aulas da prática para a vida das pessoas, seja pela satisfação musical
e cursos gratuitos. O repertório é abrangente, indo da música propriamente dita, seja pela sociabilidade – ou mesmo como fer-
antiga à contemporânea, passando pela popular. As centenas de ramenta terapêutica. Ao mesmo tempo, os grupos profissionais
cantores estão divididas em mais de dez grupos, cada um com atingem níveis de qualidade até então inéditos. Tanto os corais
seu próprio regente. Com estrutura e funcionamento parecidos, de empresa (uma vez que os regentes são profissionais) quanto
seriam criados tempos depois os coros da Unesp (1979) e da os coros profissionais representam importantes postos de traba-
Unicamp, o Zíper na Boca (1985), formando uma importante lho para os cantores. “Somando os corais Lírico, Paulistano e da
rede coral que percorre o estado de São Paulo. Osesp, eu diria que temos cerca de duzentas vagas estáveis para
O maestro Samuel Kerr nota que todos esses grupos passa- cantores profissionais em São Paulo”, calcula Tiago Pinheiro.
ram por uma transformação na década de 1970, envolvendo-se “Esses espaços são um meio de subsistência fundamental, uma
com diferentes linhagens da música brasileira. De um lado, os vez que viver apenas como cantor solista é muito difícil.”
dedicados à música antiga começaram a colaborar com autores Entre as iniciativas mais recentes, vale ainda assinalar a cria-
contemporâneos de vanguarda, ligados ao movimento música ção, em 2002, da Associação Coral da Cidade de São Paulo, pelo
nova, o que fez a produção vocal de autores como Gilberto Men- maestro Luciano Camargo; do Coro Sinfônico Jovem de Goiás,
des ser aplaudida na Europa por meio de performances do Ma- em 2014; da Academia de Canto Coral de Trancoso, realiza-
drigal Renascentista e do Coralusp. Por outro lado, os grandes da pelo Mozarteum Brasileiro desde 2015; e do recém-criado
coros abertos à comunidade, que reuniam maioria de amadores Observatório Coral Carioca, que procura reunir e difundir inicia-
(como o próprio Coralusp), motivaram a criação de uma série tivas na área. Entre altos e baixos, pode-se dizer que, no Brasil,
de arranjos, tanto para adaptar o repertório tradicional às capa- a música coral possui uma trajetória rica e diversificada e que,
cidades dos cantores como para levar um repertório do universo além de difundir um valioso repertório, os conjuntos corais di-
popular para o canto coral. Assim surgiram arranjos importantes minuem o fosso entre plateia e palco, oferecendo a oportunidade
de canções da MPB, muitas vezes feitos por nomes da vanguar- de prática musical a qualquer interessado. t
da, como Damiano Cozzella. Com isso, segundo Kerr, houve um
impulso no canto em português e na criação de uma verdadeira
linguagem coral brasileira. “Venho de um tempo em que os co- AGENDA (Confira detalhes no Roteiro Musical, a partir da página 25)
ros cantavam em outros idiomas e, quando se cantava em por- • Coral Paulistano Mário de Andrade
tuguês, havia afetação vocal. Hoje já temos uma forma brasileira Theatro Municipal de São Paulo, dias 2, 3 e 18 de junho
de cantar, não fazemos fonemas em alemão. Está se criando uma Sala Mário de Andrade, dia 13 de junho
linguagem coral brasileira, é muito bonito isso.” • Diversos corais na série Música no Museu
Outros conjuntos importantes criados na década de 1970 Rio de Janeiro, de 4 a 25 de junho
foram: o Coral Lírico de Minas Gerais (surgido em 1971 como • 2º Festival Coralusp
Coro do Palácio das Artes e oficializado em 1979); o Coral da Centro de Difusão Internacional da USP, de 5 a 11 de junho
Sociedade Pró-Música Sacra de São Paulo (1971); o Coro da • Coral Lírico de Minas Gerais
Palácio das Artes (Belo Horizonte), dias 6, 7, 13, 14 e 22 de junho
Camerata Antiqua de Curitiba, fundado em 1974 pelo maestro
Roberto de Regina; o Coro de Câmera da Pró-Arte (1976) do Rio • Coro Infantil, Coro Juvenil e Coro Acadêmico da Osesp
Sala São Paulo, dia 11 de junho
de Janeiro, hoje regido por Carlos Alberto Figueiredo; e o Coral
• Concentus Musicum de Belo Horizonte e Orquestra
Jovem do Estado de São Paulo (1979).
Filarmônica de Minas Gerais
Em 1993, surgiu no Rio de Janeiro o Coro Calíope, dirigido Sala Minas Gerais (Belo Horizonte), dia 17 de junho
por Julio Moretzsohn; no ano seguinte, foi criado o Coro Sinfônico • Coro da Osesp
do Estado de São Paulo, que em 2001 passou por uma grande re- Sala São Paulo, dia 18 de junho
formulação e se tornou o Coro da Osesp. Nas mãos de Naomi Mu- • II Semana de Canto Coral Henrique de Curitiba
nakata, outro grande nome da regência brasileira, o Coro da Osesp Capela Santa Maria (Curitiba), de 20 a 25 de junho
eleva significativamente o padrão dos coros brasileiros e se torna, • Coral Jovem do Estado de São Paulo
tal qual a própria orquestra, um marco em nossa vida musical. Teatro Polytheama (Jundiaí), dia 23 de junho
Naomi, como Samuel Kerr (de quem foi aluna, por sinal), nasceu Museu de Arte de São Paulo, dia 24 de junho
em meio à música coral e conta que seu pai organizou e passou a • Coro Lírico Municipal e Orquestra Sinfônica Municipal
ensaiar um conjunto vocal durante a longa viagem de navio que Theatro Municipal de São Paulo, dias 30 de junho e 1º de julho
os trouxe do Japão ao Brasil, quando ela tinha 2 anos de idade. • Florilegium Musicum e Orquestra de Câmara de Curitiba
O regente e cantor Tiago Pinheiro, que foi integrante do Coro Capela Santa Maria (Curitiba), dia 30 de junho
da Osesp, destaca a importância do grupo na realização de obras • Academia Canto em Trancoso
pouco executadas e na prioridade dada à formação dos cantores. Teatro L’Occitane (Trancoso), de 2 a 8 de julho

Junho 2017 CONCERTO 21


Eugene Ormandy
Philip Clark celebra o regente norte-americano nascido na Hungria, conhecido
pelo som de cordas que extraía de suas orquestras e pelo amplo repertório

Q
uando se mudou para a América, em 1921, o violinista algum lugar. Bernstein – citado no livro Dinner with Lenny (Oxford
húngaro Jeno Blau imediatamente mudou de nome. Dado University Press, 2012), de Jonathan Cott – ridicularizava o que
que Jeno era o equivalente húngaro de Eugene, ele não teve chamava de “gene Ormandy e suas cordas de veludo”. Bernstein
que procurar muito o novo prenome; já a fonte de “Ormandy” é menos perguntava quem quer ouvir cordas de veludo “em Haydn, na Missa
certa – alguns sugeriram que era um antigo sobrenome familiar do em si menor, de Bach, ou no scherzo de uma sinfonia de Mahler?”.
meio. Fato é que Eugene Ormandy Logo após sua chegada
nasceu uns 22 anos depois de aos Estados Unidos, Ormandy
sua mãe dar à luz Jeno Blau,
Cada obra que ele tocava era caracterizada conseguiu emprego remunerado
cujo nome o pai escolhera em por um som de cordas amadurecido, em como membro da orquestra que
homenagem ao grande violinista acompanhava filmes mudos no
húngaro Jeno Hubay. torno do qual o resto da orquestra podia luzir Capitol Theatre, em Nova York.
A relação de Ormandy com Após uma semana no cargo, já
o violino continuou sendo o centro nervoso de tudo que ele alcançou foi nomeado spalla e, subsequentemente, recebeu tarefas ocasionais
como músico. Quando perguntado, em uma entrevista de 1960, a de regente, de modo que a progressão, até substituir às pressas Arturo
respeito do som distinto da Orquestra de Filadélfia, que ele dirigiu Toscanini, doente, na Orquestra de Filadélfia, apenas dez anos depois, em
de 1936 a 1980, afirmou que o esplendor opulento era sinônimo de 1931, foi rápida e indolor. Antes de substituir o regente mais carismático
seu entendimento enorme do violino. “Qualquer regente reflete o do planeta, a experiência de Ormandy era mínima. Tinha regido um
instrumento que tocou”, declarou Ormandy; mais ainda: “O som da concerto ao ar livre em Filadélfia e um concerto de verão da Filarmônica-
Orquestra de Filadélfia – sou eu!” Diferente dos diretores musicais Sinfônica de Nova York no Estádio Lewisohn, mas o programa
da Filarmônica de Nova York com os quais seu mandato em Filadélfia exigente de Toscanini, com Brahms, Weinberger e Till Eulenspiegel,
coincidiu – Dimitri Mitropoulos, Leonard Bernstein e Pierre Boulez de Richard Strauss, caía diretamente em seus pontos fortes. Os anos de
–, Ormandy nunca foi um maestro ideológico; não havia conferências formação no Capitol Theatre conectaram o poema sinfônico de Strauss
sobre o valor relativo da tonalidade contra a atonalidade, nem questões profundamente à alma de Ormandy. Quando o regente regular do teatro
prementes especulando “para onde vai a música”. De Bach a Mahler, ficou doente, Ormandy assumiu a batuta; em uma entrevista para a
Tchaikovsky a Nielsen, Mozart a Orff, Gershwin a Shostakovich, e Gramophone, em abril de 1970, ele disse a Alan Blyth: “Frequentei
Delius a Penderecki, a gama de aulas de regência em Budapeste,
repertório de Ormandy, tanto mas nunca subi ao pódio. No
ao vivo quanto gravado, cobria Momentos decisivos entanto, passei pela Quarta de
o espectro estilístico. Hoje, Tchaikovsky, Till Eulenspiegel e
provavelmente, nenhum regente • 1921 – Mudança para os Estados Unidos Coppelia... sem partitura”. Logo
receberia tamanha liberdade em O jovem Jeno Blau muda-se para Nova York, troca o nome para Eugene Ormandy foi nomeado diretor
estúdio, e cada obra que Ormandy Ormandy e ganha a vida como violinista em uma orquestra de teatro. musical da Orquestra Sinfônica de
tocava era caracterizada por um • 1931 – Avanço Minneapolis (precursora da atual
som de cordas amadurecido, em Substitui Arturo Toscanini, que estava doente, com a Orquestra de Orquestra de Minnesota) e, quando
torno do qual o resto da orquestra Filadélfia, e é sucesso instantâneo. Assume um posto permanente com chegou a Filadélfia, inicialmente
a Orquestra Sinfônica de Minneapolis.
podia luzir. dividiu seus deveres com Leopold
Para alguns, porém, essas • 1936 – A história de Filadélfia Stokowski, antes de assumir como
Começa dividindo as tarefas com Leopold Stokowski e, dois anos depois,
cordas incansavelmente suntuosas diretor musical da orquestra em
assume as rédeas da Orquestra de Filadélfia. Permanece por quatro
representavam problemas. O décadas, até 1980. tempo integral, dois anos depois.
argumento era que qualquer Supondo que ele não
• 1965 – Mahler pioneiro
regente que apontasse esse Faz a primeira gravação da finalização de Deryck Cooke da Décima de
afirmasse “fatos alternativos”,
brilho rico e apropriado para Mahler – um momento de destaque, ao lado de outras primeiras gravações a habilidade de Ormandy
uma sinfonia de Rachmaninov notáveis de música de Prokofiev, Shostakovich, Hindemith e Penderecki em dominar uma obra tão
na direção de Schönberg, para (e Pedro e o Lobo, com David Bowie, em 1977). estruturalmente labiríntica
não falar em Haydn ou Mozart, • 1985 – Ritos finais como Till Eulenspiegel sem a
provavelmente estava fazendo Ormandy tem uma aposentadoria ativa, com uma agenda carregada como ter visto antes, e sem partitura,
um desserviço a alguém, em regente convidado. Morre em Filadélfia, em 12 de março. nos diz muito a respeito

22 Junho 2017 CONCERTO


ícones

dos instintos de regente que ele aplicaria em seu novo emprego, Em 1965, Ormandy fez a primeira gravação da Sinfonia nº 10,
em Filadélfia. Stokowski deixou a orquestra em um nível bem de Mahler, na versão de Deryck Cooke (Sony) – uma gravação
alto, mas Ormandy manteve os fundamentos do método de seu de forte concentração dramática, que fez muito para consolidar a
antecessor, moldando-os, de forma habilidosa e gradual, na direção reputação da finalização de Cooke. A Patética de Tchaikovsky de
de seus próprios fins. Uma Música aquática, de Händel, de 1946 1968 – em particular, a leitura desconsolada do final, centrado nas
(Columbia), soa desastradamente além do ponto para os ouvidos cordas – também mostra Ormandy em seu melhor, e suas gravações
modernos, treinados nos estilos de Gustav Leonhardt ou Trevor das sinfonias de Nielsen e das últimas de Shostakovich são profundas,
fotografia: Pictorial Press Ltd/Alamy Stock Photo

Pinnock, e suas primeiras gravações com Filadélfia – incluindo o performances urtext de um material que então não era familiar. Sempre
Duplo de Brahms para a RCA, com Jascha Heifetz tive um carinho pela gravação de Ormandy do
e Emanuel Feuermann (1939), a Rhapsody in Concerto para piano em fá, de Gershwin, com
Blue, de Gershwin, com Oscar Levant, para a A gravação essencial Philippe Entremont, para a CBS (1967). Os
Columbia (1945), e Sheherazade, de Rimsky- Eugene Ormandy ritmos motorizados, as explosões dos metais de
-Korsakov (1962) – têm tendência a uma conducts Tchaikovsky big band, as lâminas de som enérgicas providas
determinação positivista de terminar o trabalho, Philadelphia Orchestra pelos solistas orquestrais – tudo impressionante
com Levant acrescentando o ouropel necessário e / Eugene Ormandy para quaisquer padrões. E Ormandy realmente
RCA Red Seal
Heifetz e Feuermann soando como se estivessem parece desfrutar da jornada. [Tradução: Irineu
em um duelo. Franco Perpetuo]

24 Junho 2017 CONCERTO


u ABERTURA Roteiro Musical

fotos: divulgação

Meng Su
(São Paulo, dia 19)

Vadim Repim
Trevor Pinnock (São Paulo,
(São Paulo, dias 6 e 7) dias 20 e 21)

Nelson Freire
Rebekka Hartmann Stephen Hough (Goiânia, dia 17;
(Rio de Janeiro, dia 22) (São Paulo, dias 15, 16 e 17) Belo Horizonte, dias 22 e 23)

Junho 2017
u ROTEIRO MUSICAL São Paulo (página 26)
u ROTEIRO MUSICAL Rio de Janeiro (página 40)
u ROTEIRO MUSICAL Brasil (página 44)
As programações
são fornecidas pelas
próprias entidades
promotoras. Confirme
antes de sair de casa.

Junho 2017 CONCERTO 25


u ROTEIRO MUSICAL São Paulo

u 1 QUINTA-FEIRA 20h00 Liederstudio. Marcelo Amaral


divulgação / Elias Photography

Stephen e Ricardo Ballestero – pianos, Natália


Hough Áurea – soprano, Josani Pimenta – me-
10h00 Orquestra Sinfônica do
Estado de São Paulo. Ensaio aberto. zzo soprano, Daniel Umbelino – tenor
Enrique Mazzola – regente. Louis e Homero Velho – barítono. Participação:
Lortie – piano. Programa: Jacques Ibert Marcelo Amaral – piano. Programa:
– Bacanal; Ravel – Concerto para piano Jenner – Sete quartetos vocais com piano;
em sol maior; e Debussy – Images. Fauré – Suíte Dolly para piano a quatro

divulgação / Andrew Crowley


Sala São Paulo. R$ 10. Apresentação às 21h,
mãos; e Brahms – Liebeslieder Walzer
dia 2 às 21h e dia 3 às 16h30. op. 5 e 18 Valsas românticas para quarte-
to vocal e piano a quatro mãos.
21h00 Orquestra Sinfônica do Espaço Cachuera!. R$ 40.
Estado de São Paulo. Enrique Mazzola
– regente. Louis Lortie – piano. Programa: 21h00 Orquestra Sinfônica do
Louis Lortie Jacques Ibert – Bacanal; Ravel – Concerto Estado de São Paulo. Enrique Mazzola
para piano em sol maior; e Debussy – – regente. Louis Lortie – piano. Veja
Images. Leia mais ao lado. detalhes dia 1º às 21h.
Sala São Paulo
Sala São Paulo. R$ 46 a R$ 213.
21h00 Antinomies I, de Rogério
Osesp tem programa francês e Reapresentação dia 2 às 21h e dia 3 às 16h30.
Duprat. Alex Braga – violino, Amilcar
21h00 Nádia Figueiredo – soprano e Rodrigues – trompete, Anna Tréa, Cris
recebe grandes solistas em junho Plácido Domingo Jr. – barítono. Turnê Miguel e Roberto Gava – vozes, Cássia
Juntos. Participação: João Carlos de Assis Carrascoza – flauta, Eron Guarnieri – tecla-
A Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo abre a programação Brasil – piano, Antón Carballo – violino, dos, Flávio Faria – trompa, Layla Köhler
de junho sob o signo da música francesa. Enrique Mazzola, o regen- Alexandre Ito – contrabaixo e Ary Dias – – oboé, Lidia Bazarian – piano, Luiz Amato
te convidado, é italiano – mas dirige desde 2013 a Orquestra Nacional percussão. Programa: clássicos Italianos, – violino, Luís Ramoska – fagote, Maria
franceses e música popular brasileira; Luiza Cameron – violoncelo, Mário Manga
d’Ile de France, em Paris. E o solista é o pianista Louis Lortie, de origem
e duetos das canções: Dorothy Fields/ – guitarra, Paulo Bira – baixo, Ricardo
canadense e francesa. Ele vai interpretar um dos pilares do repertório Jerome Kern – The way you look tonight; Bologna – vibrafone e outros. Programa:
pianístico do século XX, o Concerto em sol maior, de Ravel, que aparece Tom Jobim/Vinícius de Moraes – Garota Duprat – Sequência inicial da trilha sonora
nos programas dos dias 1º, 2 e 3 ao lado do Bacanal, de Jacques Ibert, e de Ipanema; Luiz Bonfá/Antônio Maria do filme Noite vazia, Panis et Circenses, Eric
de Images, de Claude Debussy. – Manhã de carnaval; Édith Piaf/Louis Dolphy Memorial Barbecue e Antinomies I
Gugliemi – La vie en Rose; Hubert Giraud/ (primeira montagem e audição mundial).
Mazzola também comanda a Osesp no dia 4, na série Concertos
Jean Drejac – Sous le ciel de Paris; e Nino Auditório Ibirapuera. R$ 20.
Matinais, com um dos vencedores do Concurso Jovens Solistas da Osesp, Rota – Parla più piano.
o trompetista Thiago Araújo, formado pelo Instituto Baccarelli e que in- Teatro J. Safra. R$ 80 a R$ 300. Reapresentação 21h30 Nádia Figueiredo – soprano e
terpreta o concerto do armênio Alexander Arutiunian (a apresentação dia 2 às 21h30. Plácido Domingo Jr. – barítono. Turnê
Juntos. Veja detalhes dia 1º às 21h.
tem ainda as peças de Ibert e de Debussy). Outro dos vencedores do 21h00 Alberto Kanji – violoncelo e
Concurso Jovens Solistas também se apresenta este mês com a Osesp: o Shen Ribeiro – flauta. Série Bach: Tema 21h30 Balés Suíte Raymonda,
violoncelista Luiz Fernando Venturelli, que sola, no dia 25, o Concerto & Contratema. Programa: Bach – Suíte Ngali..., Primavera Fria e Pivô.
nº 1, de Shostakovich, sob regência de Neil Thomson. nº 3 e Suíte nº 2 para violoncelo solo São Paulo Companhia de Dança.
e Partita para flauta em lá menor. Veja detalhes dia 1º às 21h.
Após Lortie, outra grande estrela do piano internacional se junta à
Espaço Cachuera!. R$ 30.
orquestra, nos dias 15, 16 e 17. Trata-se do britânico Stephen Hough.
Com uma discografia que hoje contempla boa parte do amplo repertório 21h00 Balés Suíte Raymonda, u 3 SÁBADO
para o instrumento, ele lançou sua trajetória com registros da obra para Ngali..., Primavera Fria e Pivô. São
piano e orquestra de Rachmaninov. Paulo Companhia de Dança. Inês Bogéa 11h00 Orquestra Sinfônica
– direção. Suíte de Raymonda (estreia), Infantojuvenil da Escola Municipal
E é com o compositor que ele volta a São Paulo, para interpretar coreografia de Marius Petipa – coreografia de Música. Daniel Cornejo – regente.
a Rapsódia sobre um tema de Paganini. A regência é do maestro e e remontagem de Guivalde de Almeida. Programa: obras de Mussorgsky, Rimsky-
compositor israelense Omer Meir Wellber e o programa tem ainda o Música de Alexandre Glazunov. Primavera -Korsakov e John Williams.
Capricho para violino de Paganini, som solos de Emmanuele Baldini, Fria (estreia), coreografia de Clébio Praça das Artes – Sala Mário de Andrade.
Oliveira. Música de Matresanch. Pivô, co- Entrada franca.
e a Sinfonia Manfred, de Tchaikovsky, que é repetida no dia 18, nos
reografia de Fabiano Lima. Música: Carlos
Concertos Matinais. Gomes – Quem sabe? e Bailado dos índios 12h00 Opera Studio. Meu Primeiro
O diretor da Orquestra Filarmônica de Goiás, Neil Thomson, assume da ópera O guarani. Ngali..., coreografia Municipal. Gabriel Rhein-Schirato – direção
o grupo nos dias 22, 23 e 24. Os concertos contam com a presença do de Jomar Mesquita. Músicas: Tom Jobim/ musical. Programa: Léhar – A viúva alegre.
clarinetista Sérgio Burgani, músico homenageado da temporada 2017, Vinícius de Moraes – Por toda minha vida; Theatro Municipal. R$ 30.

que vai interpretar o Concerto, de Gerald Finzi. Thomson também rege Jonny Hookker – Segunda chance; Lupicínio
Rodrigues – Volta; entre outros. 16h00 Banda Sinfônica Juvenil
Sospiri, de Elgar, e dois autores brasileiros: Camargo Guarnieri (Abertura do Guri. Marcos Sadao Shirakawa
Teatro Sérgio Cardoso. R$ 20 a R$ 40.
concertante) e Francisco Mignone (Festa das Igrejas). Reapresentação dia 2 às 21h30, dia 3 às 21h – regente. Programa: obras de James
Marin Alsop volta a comandar a Osesp nos dias 29 e 30 de junho e 2 e dia 4 às 18h. Barnes, Satoshi Yagisawa; Franco Cesarini,
de julho. O programa é todo dedicado à música das Américas. Começa Gershwin; Bert Appermont, Villa-Lobos,
Joaquim França e Dámaso Pérez Prado.
com um diálogo interessante: as Variações concertantes, do argentino u 2 SEXTA-FEIRA Teatro Paulo Machado de Carvalho.
Alberto Ginastera, e, em seguida, as Variações concertantes, do brasilei- Entrada franca. Reapresentação dia 4 às
ro André Mehmari. Na segunda parte, dois americanos: Leonard Bern- 20h00 Orquestra Sinfônica 11h no Masp Auditório.
stein e seu Fancy Free e George Gershwin com a Rhapsody in blue, que Municipal de São Paulo e Coral
Paulistano Mário de Andrade. 16h00 Orquestra Sinfônica
contará com os solos do pianista Makoto Ozone. Concertos Sinfônicos. Esteban Gantzer – Infantojuvenil do Guri. Juliano Dutra
O Coro da Osesp também se apresenta este mês. No dia 18, são regente. Naomi Munakata – regente – regente. Participação: Cantores do
interpretadas obras de Bach, Nunes Garcia, Lésbio e Esteves, sob re- do coro. Programa: Mozart – Sinfonia Ópera Estúdio Emesp. Programa: obras
gência de Carlos Alberto Figueiredo e a participação de Alessandro nº 41 K 551; e Brahms – Rinaldo de Verdi, Puccini, Mascagni, Lehár, Villa-
op. 50. Leia mais na pág. 31. -Lobos e Ernani Aguiar.
Santoro (órgão) e Marialbi Trisolio (violoncelo). (Leia mais sobre coros
Theatro Municipal. R$ 35 a R$ 100. Masp Auditório. Entrada franca. Reapresentação
na reportagem da capa, na página 20.) Reapresentação dia 3 às 16h30. dia 4 às 15h no CEU Rosa da China.

26 Junho 2017 CONCERTO


16h00 Orquestra Arte Barroca. 11h00 Banda Sinfônica Juvenil Theatro Municipal
Paulo Henes – direção. Programa: do Guri. Marcos Sadao Shirakawa –
obras de Vivaldi e Telemann. regente. Veja detalhes dia 3 às 16h. Ópera de Berlioz inspirada em
Santuário e Convento São Francisco. Masp Auditório. Entrada franca.
Entrada franca. Reapresentação dia 4 às 12h
na Igreja Luterana da Paz, dia 6 às 20h30 na 12h00 Orquestra Sinfônica
Fausto ganha versão em concerto
Casa de Portugal e dia 23 às 20h na Sociedade Heliópolis. Isaac Karabtchevsky – regen-
Antroposófica do Brasil.
A Orquestra Sinfônica Muni-
te. Lívia Nestrovski – cantora. Programa: cipal apresenta em junho três pro-
16h30 Orquestra Sinfônica do Schubert – Ständchen D 920 e Nacht und
Träume D 827; Schumann – Ich grolle nicht;
gramas no Theatro Municipal de
Estado de São Paulo. Enrique São Paulo. O primeiro, nos dias 2 e Roberto
Mazzola – regente. Louis Lortie – e Bizet – Habanera (Ato I) e Suítes nº 1 e
piano. Veja detalhes dia 1º às 21h. nº 2, de Carmen. Leia mais na pág. 37. 3, tem a Sinfonia nº 41, de Mozart, Tibiriçá
Theatro Municipal. R$ 10. e uma peça pouco conhecida de

divulgação / paulo lacerda


16h30 Orquestra Sinfônica Brahms: a cantata Rinaldo, inspirada
Municipal de São Paulo e Coral 12h00 Orquestra Arte Barroca.
Paulo Henes – direção. Veja detalhes em um poema de Goethe. A regên-
Paulistano Mário de Andrade.
Concertos Sinfônicos. Esteban Gantzer – dia 3 às 16h. cia é do maestro Esteban Gantzer.
regente. Veja detalhes dia 2 às 20h. Igreja Luterana da Paz. Entrada franca. Nos dias 9 e 10, o maestro Ro-
berto Tibiriçá assume a orquestra,
18h30 Jayana Paiva – soprano e 15h00 Quarteto de Cordas do
Instituto Baccarelli. Concertos na
tendo a seu lado o pianista Eduardo
Elosande Camondá – piano. Série
Concertos. Árias de Óperas. Programa: árias Garagem. Morrison Souza e Viviane Monteiro, que interpreta o Concer-
de Händel – Giulio Cesare; Gluck – Alceste; Rezende – violinos, Igor Borges – viola to nº 19, de Mozart. O programa tem ainda a Congada, de Francisco
Mozart – As bodas de Fígaro; Rossini – O bar- e Tayná Santos – violoncelo. Mignone, e a Sinfonia nº 2, de Rachmaninov. A peça volta a ser tocada,
beiro de Sevilha; Cilea – Adriana Lecouvreur; Choque Cultural – Garagem. Entrada franca. ao lado da Congada, mas sem o concerto, em apresentação no dia 11 e
Puccini – La bohème e Turandot; e Gershwin
15h00 Orquestra Sinfônica
no dia 18, em teatros de bairro ainda não definidos.
– Porgy and Bess.
Sesc Vila Mariana – Auditório. R$ 17. Infantojuvenil do Guri. Juliano Dutra O terceiro programa, com participação do spalla Pablo de León, tem
– regente. Participação: Cantores do tons camerísticos, com a Pequena serenata noturna e a Sinfonia nº 29,
19h30 Banda Sinfônica das Ópera Estúdio Emesp. Veja detalhes de Mozart, e as Danças antigas, de Respighi – as apresentações, nos dias
Fábricas de Cultura. Projeto Musicando. dia 3 às 16h.
Ênio Antunes – direção artística. Marcelo
23 e 24, acontecem em teatros de bairro. E então a orquestra volta a
CEU Rosa da China. Entrada franca.
Corrêa e Moisés Inácio – direção musi- contemplar a ópera, em versão de concerto, com A danação de Fausto,
cal e regentes. Programa: José Ursicino 16h00 Alessandra Feris – piano. de Berlioz. A obra foi escrita em 1846 e em suas Memórias Berlioz fala
da Silva – Suíte Nordestina e Suíte Recitais de Piano do MuBE. Programa: a respeito do impacto que a leitura de Goethe provocou em sua mente
Pernambucana de bolso; Pixinguinha – Debussy – Images II; e Brahms – Sonata – tanto que, no começo da carreira, ele chegou a escrever uma peça cha-
Carinhoso; John Williams – Star Wars, Bill op. 5.
Conti – Gonna Fly Now; Luiz Evaristo Bastos
mada Oito cenas de Fausto, que mais tarde renegaria. (Leia artigo sobre a
Auditório MuBE. R$ 30.
– Dobrado saudades de minha terra; e obra na página 19). A regência será do maestro Roberto Minczuk, titular
Hermeto Pascoal – Bebê; entre outras. 18h00 Balés Suíte Raymonda, da Sinfônica Municipal dias 30 de junho e 1º de julho.
Fábrica de Cultura Sapopemba. Entrada franca. Ngali..., Primavera Fria e Pivô. O teatro também abriga outras apresentações, que integram as suas de-
São Paulo Companhia de Dança. mais séries. No dia 14, o pianista Marcelo Bratke leva às Quartas Musicais
20h00 Marcelo Amaral (Alemanha) Veja detalhes dia 1º às 21h.
e Ricardo Ballestero – pianos e um programa com o qual já percorreu diversas cidades: Céu, Terra, Mar,
Quarteto Vocal. VII Festival Alphaville 19h00 Orquestra Sinfônica Carlos com obras de de Debussy, Villa-Lobos e Dorival Caymmi. Já na Meu Primei-
de Música de Câmara. Camila Titinger – Gomes. Comemoração dos 90 anos ro Municipal, o Opera Studio apresenta A viúva alegre, no dia 3, e João de
soprano, Josani Pimenta – mezzo sopra- Glesp. Ricardo Rossetto Mielli – regente. Barro para Criançal no dia 10; e, no dia 17, a Orquestra Experimental de
no, Daniel Umbelino – tenor e Homero Participação: As Galvão. Programa: obras
Velho – barítono. Programa: Jenner – Sete
Repertório encena Pedro e o lobo, de Prokofiev, e o Guia orquestral para a
de Vivaldi, Händel, Bizet, Ivanov, Saint-
quartetos vocais com piano; Fauré – Suíte -Saëns e Denza, entre outros.
juventude, de Britten. Já na série Domingo no Municipal, no dia 11, o grupo
Dolly para piano a quatro mãos; e Brahms Teatro Lauro Gomes. Entrada franca. faz a estreia da Fantasia para violão, de Alexandre Guerra; e o Coral Paulista-
– Liebeslieder Walzer op. 52. no, no dia 18, interpreta Brahms, Schubert e Schumann.
Auditório Alphaville. R$ 140.
u 5 SEGUNDA-FEIRA
20h00 Trio São Paulo Ensemble.
Sesi Música. Rodrigo Nagamori – oboé, 20h30 12º Festival Coralusp.
Domingos Elias – clarinete e Marcos Coralusp 12 em Ponto. Eduardo Dia 11, Theatro Municipal
Fokin – fagote. Fernandes – regente. Grupo Acordavocal.
Teatro do Sesi Mogi das Cruzes. Entrada franca. Déborah Rossi – regente. Coral do Colégio Trechos de sinfonias de Mahler
Jardim São Paulo. Vera Novack – regente.
21h00 Balés Suíte Raymonda,
Ngali..., Primavera Fria e Pivô.
Centro de Difusão Internacional da USP –
Auditório. Continuidade até dia 11.
são atração da Bachiana
São Paulo Companhia de Dança. A Bachiana Filarmônica Sesi-SP apresenta no dia 11, no Thea-
Veja detalhes dia 1º às 21h.
tro Municipal de São Paulo, um programa intitulado “The Best of
u 6 TERÇA-FEIRA Mahler”, com trechos de sinfonias do compositor. O primeiro, sob
u 4 DOMINGO 20h00 Ópera Il trovatore, de Verdi. regência do maestro João Carlos Martins, é o Adagietto da Sinfonia
Royal Opera de Londres. nº 5. A peça é uma das mais conhecidas e queridas criações mahle-
11h00 Orquestra Sinfônica do Cinemark. R$ 50. Verificar horário e endereços
Estado de São Paulo. Concertos
rianas, símbolo de seu amor por Alma Mahler, tornada famosa pela
em www.cinemark.com.br.
Matinais. Concurso Jovens Solistas. sua utilização no filme A morte em Veneza, de Lucchino Visconti.
Enrique Mazzola – regente. Thiago 20h30 12º Festival Coralusp. Em seguida, Edson Beltrami comanda o grupo na interpretação
Araújo – trompete. Programa: Jacques Coralusp Feminino. Paula Christina do Rondó, movimento final da Quinta sinfonia. João Carlos Martins
Ibert – Bacanal; Alexander Arutiunian Monteiro – regente. Coralusp Zimana. volta ao pódio para o Sturmisch bewegt, da Sinfonia nº 1 do com-
– Concerto para trompete; e Debussy – Alberto Cunha – regente. Collegium
Images. Leia mais na pág. 26. Musicum. Nibaldo Araneda – regente.
positor, obra que inaugura, de forma enérgica, sua aventura pelo
Sala São Paulo. Entrada franca, quatro ingressos Centro de Difusão Internacional da USP – gênero sinfônico, pela qual entraria para a história.
por pessoa. A partir de cinco ingressos, R$ 2. Auditório. Continuidade até dia 11.

Junho 2017 CONCERTO 31


u ROTEIRO MUSICAL São Paulo

Dias 6 e 7, Sala São Paulo 20h30 Orquestra Arte Barroca. 20h30 12º Festival Coralusp.
Paulo Henes – direção. Veja detalhes Coralusp Azul. André Juarez – regente.
Emmanuel Pahud se une ao inglês dia 3 às 16h. XI de Agosto. Eduardo Fernandes –
Casa de Portugal. Entrada franca. regente. Coralusp Todo Canto. Paula
Trevor Pinnock para dois concertos 21h00 potsdam chamber
Christina Monteiro – regente.
Centro de Difusão Internacional da USP –
O flautista francês Emmanuel orchestra. Cultura Artística. Trevor Auditório. Continuidade até dia 11.

divulgação
Trevor Pinnock – regente. Emmanuel
Pahud tinha apenas 22 anos quan-
Pinnock Pahud – flauta. Programa: Haydn – 21h00 potsdam chamber orchestra.
do lhe foi oferecida uma das vagas Cultura Artística. Trevor Pinnock –
Sinfonia nº 47 em sol maior; Mozart
mais disputadas da música clássica – Concerto para flauta nº 2 K 314; regente. Emmanuel Pahud – flauta.
mundial: um lugar na Orquestra Devienne – Concerto para flauta Veja detalhes dia 6 às 21h.
Filarmônica de Berlim, onde logo se nº 7; e Mozart – Sinfonia nº 29 K 201.
transformaria em primeira flauta. O Leia mais ao lado.
Sala São Paulo. R$ 50 a R$ 430.
u 8 QUINTA-FEIRA
trabalho no grupo, no entanto, não Reapresentação dia 7 às 21h.
diminuiu sua atuação como solista. 12h00 Trio Pró-Música Antiga.
E é nessa condição que ele desem- Bernardo Toledo Piza – flauta traverso,
barca este mês em São Paulo, para u 7 QUARTA-FEIRA Abel Vargas – viola da gamba e Sérgio
Carvalho – cravo e curadoria. Programa:
duas apresentações na temporada Bach – Sonatas.
18h00 Quarteto de Cordas da Cidade
da Cultura Artística (leia entrevista de São Paulo e Ricardo Kanji – flauta. Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin –
com o músico na página 14). Série Convidados. Ensaio aberto.
Sala de Música Villa-Lobos.
Nos dias 6 e 7, ele será acompanhado da Potsdam Chamber Orches- Betina Stegmann e Nelson Rios –
20h00 Quarteto de Cordas da Cidade
tra, com regência do maestro e cravista Trevor Pinnock. Eles já atuaram violinos, Marcelo Jaffé – viola e
de São Paulo e Ricardo Kanji – flauta.
juntos em outras ocasiões e, no final do ano passado, lançaram um ce- Alberto Kanji – violoncelo.
Série Convidados. Betina Stegmann e
Praça das Artes – Sala Mário de Andrade.
lebrado disco dedicado aos concertos para flauta de Carl Philipp Emma- Entrada franca. Apresentação dia 8 às 20h
Nelson Rios – violinos, Marcelo Jaffé –
nuel Bach, que chega agora ao Brasil (leia mais sobre o CD na página 52). na Sala Mário de Andrade. viola e Alberto Kanji – violoncelo.
Praça das Artes – Sala Mário de Andrade.
Em São Paulo, o repertório é formado por dois concertos importan-
tes: o nº 2 de Mozart e o nº 7 de Devienne, compositor do final do século 19h30 Coro Sinfônico e orques-
tra de cordas das Fábricas de 20h00 Gilberto Matté – piano.
XVIII que, ao longo do século XX, foi recuperado como uma referência Cultura. Projeto Musicando. 1ª parte: Série Perspectivas Musicais. Concerto
importante no repertório para flautistas de todo o mundo. Além dos Coro Sinfônico. Ênio Antunes – direção com texto. Jolanda Gentilezza –
concertos, a orquestra – fundada em 2011 – toca a Sinfonia nº 29, de artística. Vladimir Zolnerkevic – direção texto. Programa: obras de Bach,
Chopin, Schumann e Nazareth.
Mozart, e a Sinfonia nº 47, de Haydn. musical e regente. Programa: Pachelbel
– Canon; Vivaldi – Concerto Alla Rustica Instituto de Engenharia – Auditório. Entrada
franca, reservas www.iengenharia.org.br.
RV 151, Concerto para dois violoncelos
RV 531, Concerto para orquestra RV 121
20h30 12º Festival Coralusp.
e Concerto para quatro violinos nº 7;
Coralusp Yayá. Mauro Aulicino – regen-
Beethoven Cunha – Miniatura pernam-
Dias 27 e 28, Sala São Paulo te. Coralusp Sulfiato. Paula Christina
bucana nº 8; e Santoro – Mini concerto
Monteiro – regente. Grupo Mosaico.
Julian Rachlin comanda músicos grosso. 2ª parte: Orquestra de Cordas.
Ênio Antunes – direção artística e re-
Eduardo Fernandes – regente.
Centro de Difusão Internacional da USP –
gente. Geraldo Matias e Pedro Gobeth
britânicos e atua como solista – direção musical e regente. Programa:
Auditório. Continuidade até dia 11.

Valdemar Henrique – Boi bumbá; Jaime 21h00 Balés Suíte para dois pianos,
Depois de Isabelle Faust, em
divulgação

Ovalle – Azulão; Pixinguinha – Carinhoso; Pássaro de Fogo, 14’20’’, e Indigo


Julian
maio, e Vadim Repim, no início e Villani-Côrtes – Papagaio azul; entre Rose. São Paulo Companhia de Dança.
Rachlin
de junho (leia mais na página outros. Inês Bogéa – direção. Pássaro de Fogo,
35), mais um grande violinista Fábrica de Cultura de Sapopemba. coreografia de Marco Goecke e remon-
Entrada franca.
da atualidade desembarca em tagem de Giovanni Di Palma. Música:
São Paulo: desta vez, o lituano Stravinsky – Bercuse e final. 14’20’’,
20h00 Quinteto de Metais da Osesp.
coreografia de Jirí Kylián e remontagem
Julian Rachlin. Após um início Osesp na Pinacoteca. Fernando Dissenha
de Nina Botkay. Música: Dirk Haubrich.
de trajetória dedicado exclusi- e Marcelo Matos – trompetes, José Costa
Suíte para dois pianos, coreografia de
vamente ao instrumento, nos Filho – trompa, Darcio Gianelli – trombo-
Uwe Scholz. Música: Rachmaninov – Suíte
ne, e Darrin Coleman Milling – trombone
últimos anos ele tem se dedicado baixo. Programa: Victor Ewald – Quinteto
para dois pianos. Indigo Rose, coreo-
também à regência. E é nessa condição dupla que ele se apresenta grafia de Jirí Kylián. Músicas de Robert
de metais nº 1 op. 5; Osvaldo Lacerda
Ashley, Couperin, John Cage e Bach.
na temporada da Cultura Artística, com a Royal Northern Sinfonia. – Fantasia e Rondó e Invenção para
Teatro Sérgio Cardoso. R$ 20 a R$ 40.
O grupo foi criado em 1958 e, recentemente, passou a desen- trompa, trompete e trombone; Fernando Reapresentação dia 9 às 21h30, dia 10 às
volver um trabalho conjunto com o Sage Gateshead, centro de difu- Morais – Bossa Nova; Stanley Friedman – 21h e dia 11 às 18h.
Solus: Fanfare; Fernando Morais – Gedeão
são musical no norte da Inglaterra. Entre os artistas que já atuaram e Irrequieto; Raimundo Penaforte – 46th 21h00 Duo Tiago Paganini – violino
com a orquestra estão os brasileiros Antonio Meneses e Cláudio Street; e Alexandre Brasolim – Sons de e José Roberto Capel – piano.
Cruz, com quem gravaram versões de excelência de peças como o São Paulo. Programa: obras de Mozart, Kreisler,
Concerto para violoncelo de Elgar. Pinacoteca do Estado de São Paulo. Elgar e Fauré.
Entrada franca.
Na Sala São Paulo, nos dias 27 e 28, serão apresentados dois Teatro UMC. R$ 50.
programas distintos. O primeiro tem a Valse triste, de Sibelius; o 20h00 Camila Titinger – soprano,
Concerto para violino e a Sinfonia nº 4, de Mendelssohn, e a Música Luciana Bueno – mezzo soprano, u 9 SEXTA-FEIRA
fúnebre para viola e orquestra de cordas, de Hindemith. O segundo, Daniel Umbelino – tenor e Flavio
por sua vez, inclui o Concerto nº 3, a Sinfonia nº 40 e a abertura da Lago – piano. Noites Musicais. 12h30 Orquestra Sinfônica da USP.
Programa: árias de Mozart, Puccini, Ensaio aberto no CDI. Marcelo Lehninger
ópera As bodas de Fígaro, de Mozart; e Lachrymae, de Britten.
Rossini, Bizet, Verdi e Gounod. – regente. Sônia Goulart – piano.
Sociedade Hípica Paulista. R$ 40. Programa: Ravel – Pavane pour une

32 Junho 2017 CONCERTO


u ROTEIRO MUSICAL São Paulo

infante défunte; Chopin – Concerto para de obras de Carl Orff, Ravel, John Williams, 11h00 Orquestra de Câmara L’Estro 18h00 12º Festival Coralusp. Grupos
piano nº 2; e Beethoven – Sinfonia nº 5. Bernstein, Anacleto de Medeiros, Hudson Armonico. Concerto Dominical. Sérgio do Coralusp. Homenagem ao compositor
Leia mais na pág. 35. Nogueira e Allan Silvestri, entre outros. Borgianni – regente. Miguel Anicchino e arranjador Damiano Cozzela. Programa:
Centro de Difusão Internacional da USP – CEU Perus. Entrada franca. – piano. Programa: Bach – A pequena Cozzela – Cantata brasileira.
Auditório. Entrada franca. Apresentação dia fuga BWV 578; Mozart – Marcha Alla Centro de Difusão Internacional da USP –
10 às 21h na Sala São Paulo. 16h00 Quinteto de Cordas da Turca e Concerto para piano nº 9; Auditório.
Orquestra Jovem do Estado. Música Granados – Intermezzo da ópera
18h00 Orquestra Experimental de de Câmara. Programa: Carlos Gomes – Goyescas; Rachmaninov – Vocalise;
Repertório. Série Happy Hour. Thiago Sonata para cordas; e Dvorák – Quinteto. e Wagner – Uma folha de álbum. u 12 SEGUNDA-FEIRA
Tavares – regente. Chrystian Dozza Pinacoteca do Estado de São Paulo. Entrada Sociedade Filarmônica Lyra.
– violão. Programa: Alexandre Guerra – franca. Reapresentação dia 12 às 16h no Abrigo 16h00 Quinteto de Cordas da
Fantasia para violão e orquestra (estreia); da Morada São João; dia 13 às 15h na Emesp
11h30 Fábio Presgrave – violoncelo Orquestra Jovem do Estado. Música
e Sibelius – Sinfonia n° 1 op. 39. Tom Jobim e dia 17 às 16h no Museu de Arte de Câmara. Veja detalhes dia 10 às 16h.
Sacra. e Max Uriarte – piano. Série Concertos.
Praça das Artes – Vão Livre. Entrada franca. Abrigo da Morada São João. Entrada franca.
Programa: Neukomm – Seis variações em
Reapresentação dia 11 às 12h no Theatro
16h30 Orquestra Sinfônica ré menor sobre um tema de Kozeluch;
Municipal, pela série Domingo no Municipal.
Municipal de São Paulo. Concertos Beethoven – Sonata op. 17; Popper
– Concerto Polonaise op. 14; Cassadó –
u 13 TERÇA-FEIRA
20h00 Orquestra Sinfônica Sinfônicos. Roberto Tibiriçá – regente.
Municipal de São Paulo. Concertos Eduardo Monteiro – piano. Veja Requiebros; e De Falla – Suíte popular 15h00 Quinteto de Cordas da
Sinfônicos. Roberto Tibiriçá – regente. detalhes dia 9 às 20h. espanhola. Leia mais na pág. 38. Orquestra Jovem do Estado. Música
Eduardo Monteiro – piano. Programa: Fundação Maria Luisa e Oscar Americano. de Câmara. Veja detalhes dia 10 às 16h.
18h00 12º Festival Coralusp. R$ 50.
Mignone – Congada. Mozart – Concerto Emesp Tom Jobim – Saguão. Entrada franca.
para piano nº 19 K 459; e Rachmaninov Coralusp Jupará. Alberto Cunha – Reapresentação dia 17 às 16h no Museu de
regente. Trato no Tom. Valter Satomi 12h00 Orquestra Experimental Arte Sacra.
– Sinfonia nº 2. Leia mais na pág. 31.
– regente. Cuca – Coral da Pontíficia de Repertório. Domingo no Municipal.
Theatro Municipal. R$ 35 a R$ 100.
Reapresentação dia 10 às 16h30. Universidade Católica. Thiago Tavares – regente. Chrystian 19h30 Percusivo USP. Música
Centro de Difusão Internacional da USP – Dozza – violão. Programa: Alexandre na Biblioteca. Ricardo Bologna –
20h00 Música Vocal e Auditório. Continuidade até dia 11. Guerra – Fantasia para violão e orquestra direção. Christopher Alex Vieira
Instrumental de Câmara. Programa: (estreia); e Sibelius – Sinfonia n° 1 op. 39. de Souza, Débora Vieira de Sousa,
obras de J. Strauss, Schumann, Brahms, 18h30 Adélia Issa – soprano e Marco Theatro Municipal. R$ 6. Fernando da Mata, Renan Ladislau
E. Dell’Acqua, Poulenc e Escalante. Bernardo – piano. Série Concertos. Santos, Renan Proença, Renato
Souza Lima Music Hall. Entrada franca. Árias de Óperas. Programa: Kurt Weill – 15h00 Aline Viana – flauta, Raul dos Santos, Rommel Barbosa
Alabama-Song, Was die Herren Matrosen Mariandeceia Silva – violino e Nicoli Monteiro e Vinícius Batista.
20h30 12º Festival Coralusp. sagen e Barbara-Song; Sondheim – Send Martins – viola. Instituto Baccarelli. Memorial da América Latina – Auditório
Coralusp Sestina e Coralusp Tarde in the Clowns, Green Finch and Linnett Concertos na Garagem. da Biblioteca Latino-Americana. R$ 2.
Feminino. Marcia Hentschel – regente. Bird; Piazzolla – Yo soy Maria; Bernstein – Choque Cultural – Garagem. Entrada franca.
I am easily assimilated e What a Movie!; 20h00 Coral Paulistano Mário de
Coralusp Tendal. Mauro Aulicino – regente.
e Gershwin – Of thee I sing, Summertime 16h00 Orquestra Jovem do Estado Andrade. Programa: Banchieri – Barca
Coral Masculino de Alumínio. Marcelo
e Strike up the Band. de São Paulo. Cláudio Cruz – regente. di Venetia per Padova; e madrigais de
Recski – regente.
Sesc Vila Mariana – Auditório. R$ 17. Gravação do terceiro CD. Programa: Monteverdi e Gesualdo.
Centro de Difusão Internacional da USP.
Bartók – Danças romenas e Mandarim Praça das Artes – Sala Mário de Andrade.
21h30 Balés Suíte para dois pianos, 20h00 Sylvia Maltese – piano, maravilhoso op. 19; Flo Menezes –
Clarissa Cabral – cantora e Ronaldo Laçoentrelaço; e Kódaly – Danças de 20h30 Academia osesp. Concerto
Pássaro de Fogo, 14’20’’, e Indigo
Modolo Jr. – violino. Cultura aos Sábados. Galanta. Leia mais na pág. 37. de encerramento do semestre.
Rose. São Paulo Companhia de Dança.
Programa: Nilcéia Barroncelli – Elegia, Sala São Paulo. R$ 40. Sala São Paulo. Entrada franca.
Veja detalhes dia 8 às 21h.
Convidativa, Tocata em choro e Ouvir
estrelas, entre outras. Produção: Musicalis. 16h00 Carla Cottini – soprano
u 14 QUARTA-FEIRA
u 10 SÁBADO Centro Brasileiro Britânico – Sala Cultura e Daniel Gonçalves – piano.
Inglesa. Entrada franca. Recitais de Piano do MuBE. 20h00 MARCELO BRATKE – piano e
11h00 Coral de Familiares do Guri. Auditório MuBE. R$ 30.
camerata Brasil. Série Quartas Musicais.
Lidiana Mincov – regente. Programa: 20h00 Raphael Tavarez – violão.
Projeto Brasil Plural III. Céu, Terra e Mar.
obras Chiquinha Gonzaga, Lamartine Concertos Triade Vioesp. Participação: 16h00 Madrigalchor Humboldt. Programa: obras de Debussy, Villa-Lobos e
Babo e Vinicius de Moraes, entre outros. Leticia Alcantara – cantora. Programa: Sergio de Souza – regente. Leonardo Dorival Caymmi. Leia mais na pág. 31.
CEU São Rafael. Entrada franca. obras de Luys Narváes, Santiago de Fernandes – piano. Programa: Haydn Theatro Municipal. R$ 20.
Murci, Fernando Sor e De Falla. – Missa Sti Aloysii; e canções alemãs
11h30 Coral Infantil do Guri. Ana Triade Instituto Musical. R$ 18h. do tema Paisagem e Amor, de Fanny 20h30 Academia osesp. Concerto
Yara Campos – regente. Programa: Mendelssohn, Felix Mendelssohn, Rolf de encerramento do semestre.
canções de Schumann, Federico García 21h00 Orquestra Sinfônica da USP. Schweizer e Strohbach, entre outros. Sala São Paulo. Entrada franca.
Lorca e Waldemar Henrique. Marcelo Lehninger – regente. Sonia Igreja Luterana da Paz. Entrada franca.
CEU São Rafael. Entrada franca. Goulart – piano. Programa: Ravel –
Pavane por une infante défunte; Chopin 17h00 Orquestra Sinfônica u 15 QUINTA-FEIRA
12h00 Opera Studio. Meu Primeiro – Concerto para piano nº 2; e Beethoven Municipal de São Paulo. Roberto
Municipal. Gabriel Rhein-Schirato – – Sinfonia nº 5. Leia mais na pág. 35. Tibiriçá – regente. Programa: Mignone – 10h00 Orquestra Sinfônica do
regente. Programa: João de Barro. Sala São Paulo. R$ 20 a R$ 70. Congada; e Rachmaninov – Sinfonia nº 2. Estado de São Paulo. Ensaio aber-
Theatro Municipal. R$ 30. Local a definir. Reapresentação dia 18 às 17h. to. Omer Meir Wellber – regente.
21h00 Balés Suíte para dois pianos, Informações: www.theatromunicipal.org.br. Emmanuele Baldini – violino e Stephen
15h00 Ópera O jogador, de Pássaro de Fogo, 14’20’’, e Indigo Hough – piano. Programa: Paganini –
Prokofiev. Ópera Comentada. Orquestra Rose. São Paulo Companhia de Dança. 17h00 Bachiana Filarmônica Capriccio nº 24 para violino; Rachmaninov
e Coro da Staatsoper de Berlim. Daniel Veja detalhes dia 8 às 21h. Sesi-SP. João Carlos Martins e Edson – Rapsódia sobre um tema de Paganini
Barenboim – regente. Misha Didyk, Beltrami – regentes. Programa: Mahler – op. 43; e Tchaikovsky – Manfred op. 58,
Kristine Opolais e Vladimir Ognovenko. Adagietto e Finale rondó da Sinfonia nº 5 Sinfonia em quatro quadros.
Comentários: João Luiz Sampaio. u 11 DOMINGO e Sinfonia nº 1. Leia mais na pág. 31. Sala São Paulo. R$ 10. Apresentação às
Centro Brasileiro Britânico – Sala Cultura Theatro Municipal. R$ 50. 21h, dia 16 às 21h e dia 17 às 16h30.
Inglesa. Entrada franca. 11h00 Coro Infantil da Osesp, Coro
Juvenil da Osesp e Coro Acadêmico 18h00 Balés Suíte para dois pianos, 15h00 Quinteto de Sopros da
15h00 Banda Sinfônica da Osesp. Concertos Matinais. Pássaro de Fogo, 14’20’’, e Indigo Orquestra Jovem do Estado.
Infantojuvenil do Guri. Natália Sala São Paulo. Entrada franca, quatro ingressos Rose. São Paulo Companhia de Dança. Programa: Haydn – Quinteto; Ligeti – Seis
Larangeira – regente. Programa: trechos por pessoa. A partir de cinco ingressos, R$ 2. Veja detalhes dia 8 às 21h. bagatelas; Júlio Medaglia – Suíte popular

34 Junho 2017 CONCERTO


brasileira; e Ronaldo Miranda – Fernando Dutra – narração. Programa:
Variações sérias sobre tema de Prokofiev – Pedro e o lobo; e Britten –
Anacleto de Medeiros. Guia orquestral para a juventude. Vadim Repim
Emesp Tom Jobim – Saguão. Entrada franca. Theatro Municipal. R$ 30.
Reapresentação dia 16 às 15h na Funsai e
dia 22 às 15h na Emei Dorina Nowil. 15h00 Ópera La Rondine, de Puccini.

divulgação / gela megredlidze


Ópera Comentada. Orquestra e Coro do
21h00 Orquestra Sinfônica do Teatro La Fenice. Carlo Rizzi – regente.
Estado de São Paulo. Omer Meir Graham Vick – direção cênica. Fernando
Wellber – regente. Emmanuele Portari, Fiorenza Cedolins e Emanuelle
Baldini – violino e Stephen Hough – Gianinno. Comentários: João Luiz
piano. Programa: Paganini – Capriccio Sampaio.
para violino nº 24; Rachmaninov – Centro Brasileiro Britânico – Sala Cultura
Rapsódia sobre um tema de Paganini Inglesa. Entrada franca.
op. 43; e Tchaikovsky – Manfred Dias 20 e 21, Sala São Paulo
op. 58, Sinfonia em quatro quadros. 16h00 Quinteto de Cordas
Leia mais na pág. 26.
Sala São Paulo. R$ 46 a R$ 213.
da Orquestra Jovem do Estado. Violinista Vadim Repim sola com
Música de Câmara. Veja detalhes
Reapresentação dia 16 às 21h e dia 17
às 16h30.
dia 10 às 16h.
Museu de Arte Sacra. Entrada franca.
orquestra turca criada em 1827
Em 1827, Giuseppe Donizetti – irmão do famoso compositor de
u 16 SEXTA-FEIRA 16h30 Orquestra Sinfônica
do Estado de São Paulo.
óperas – foi convidado pelo sultão Otomano Mahmutt II a criar um
conjunto sinfônico. Nascia assim a Orquestra Imperial Otomana,
15h00 Quinteto de Sopros da Omer Meir Wellber – regente.
Emmanuele Baldini – violino que ele comandou até 1856. Com a fundação da República da Tur-
Orquestra Jovem do Estado.
Veja detalhes dia 15 às 15h. e Stephen Hough – piano. Veja quia, em 1923, o grupo passou a se apresentar na capital Ankara e,
Funsai. Entrada franca. Reapresentação detalhes dia 15 às 21h. em 1945, foi rebatizado como Orquestra Sinfônica de Istambul. Isso
dia 22 às 15h na Emei Dorina Nowil. até 1972, quando tornou-se finalmente Orquestra Sinfônica Estatal
18h30 Camila Rabelo – sopranista de Istambul – grupo que se apresenta este mês em São Paulo, nos
20h00 Balés cacti e paraíso per- e Marcus Vinícius Vieira – piano.
dias 20 e 21, pela temporada do Mozarteum Brasileiro, sob regência
dido. Balé da Cidade de São Paulo. Série Concertos. Árias de Óperas.
Cacti. Alexander Ekman – coreografia. Programa: árias de Charpentier – do maestro croata Milan Turkovic.
Programa: Haydn – Sonata As sete últimas Louise; Bellini – I Capuletti e O repertório das apresentações da tradicional orquestra tem Telli
palavras de Cristo na Cruz; Beethoven – I Montecchi, e I puritani; Händel – Turna Suite, do compositor turco Nevit Kodalli, e as Sinfonias nº 7
Andante, do Quarteto de cordas nº 9; e Giulio Cesare; Puccini – La bohème; e nº 8, de Dvorák. Mas o grande destaque é a presença do violinista
Schubert – Presto, do Quarteto de cordas Massenet – Thais; Mozart – Così fan
russo Vadim Repim como solista. No dia 20, ele toca o Concerto, de
A morte e a donzela. Alexander Ekman tutte; e Dvorák – Rusalka.
e Tom Visser – cenografia e figurinos. Sesc Vila Mariana – Auditório. R$ 17. Sibelius, e no dia 21, o de Max Bruch. Repim é um dos grandes virtu-
Paraíso Perdido. Andonis Foniadakis – oses de nosso tempo, definido por Yehud Menuhin como “o melhor e
coreografia. Programa: música e partitura 20h00 Balés cacti e paraíso per- mais perfeito violinista que eu já tive a oportunidade de ouvir”. Após
original de Julien Tarride. Andonis e Julien dido. Balé da Cidade de São Paulo. vencer concursos como o Rainha Elisabeth e o BBC, registrou grava-
Tarride – concepção cenográfica e vídeo. Veja detalhes dia 16 às 20h. ções de referência de todo o grande repertório para violino e orquestra,
João Pimenta – figurinos.
Theatro Municipal. R$ 35 a R$ 100.
além de ser aclamado como exímio intérprete de música de câmara.
20h00 Orquestra de Cordas
Reapresentação dias 17, 21, 23 e 24 às 20h, Laetare. Centro de Música Brasileira.
dias 18 e 25 às 17h e dias 20 e 22 às 16h.
Muriel Waldman – regente. Celina
Charlier – flauta transversal. Joias Dia 9, Centro de Difusão Internacional / Dia 10, Sala São Paulo
20h00 II Concurso Movimento Brasileiras em Cordas. Programa:
Violão. Paulo Martelli – direção e ideali-
zação. Juliana Oliveira – coordenação.
Henrique Oswald – Dois minuetos;
Glauco Velasquez – Suíte; Mignone –
Marcelo Lehninger rege Osusp
Provas semifinal e final e premiação.
Unibes Cultural. Continuidade dia 17. Favor
Elegia; Antonio Ribeiro – Miniaturas
para flauta transversal; Silvia de Luca
em programa com grandes obras
confirmar horário. Informações: www.
movimentoviolao.com.br.
– Suíte Sun d’Oro; Santoro – Ponteio; O maestro brasileiro Marcelo Leh-

divulgação
Lacerda – Quarteto; e Chiquinha
Gonzaga – Atraente, Variações sobre ninger comanda os dois concertos que a
21h00 Orquestra Sinfônica do
o Gaúcho. Orquestra Sinfônica da USP apresenta este
Estado de São Paulo. Omer Meir
Wellber – regente. Emmanuele Baldini Centro Brasileiro Britânico. Entrada franca. mês, nos dias 9 e 10. Ao seu lado, estará sua
– violino e Stephen Hough – piano. Veja mãe, a pianista Sônia Goulart, que vai solar
detalhes dia 15 às 21h. 20h00 Carlos Vogt – piano. Recitais no Concerto para piano e orquestra nº 2,
Eubiose. Programa: Beethoven – Sonata
nº 2, Ao luar; Schumann – Cenas de
de Chopin. O programa tem ainda a Pava-
21h30 Balé La Sylphide. São Paulo
infância op. 15; e Liszt – Fantasia quasi ne pour une infante défunte, de Ravel, e a
Companhia de Dança. Inês Bogéa –
direção artística. Coreografia de Mario una sonata: Après une lecture de Dante. Sinfonia nº 5, de Beethoven.
Galizzi. Música de Herman Severin Sociedade Brasileira de Eubiose. R$ 30. Lehninger iniciou seus estudos no Bra-
Lovenskjold. sil e, mais tarde, mudou-se para os Estados
20h00 II Concurso Movimento Marcelo Lehninger
Teatro Sérgio Cardoso. R$ 20 a R$ 40. Unidos. Lá, atuou como regente adjunto
Reapresentação dias 17, 22 e 24 às 21h, Violão. Paulo Martelli – direção
dias 18 e 25 às 18h e dia 23 às 21h30. e idealização. Juliana Oliveira – de James Levine na Orquestra Sinfônica de
coordenação. Provas semifinal e final Boston, comandando o grupo em palcos celebrados como o Carnegie
e premiação. Hall e o Festival de Tanglewood. Atualmente, é diretor artístico e regente
u 17 SÁBADO Unibes Cultural. Favor confirmar horário. titular da Orquestra Sinfônica do Novo Oeste, em Los Angeles.
Informações: www.movimentoviolao.com.br.
12h00 Orquestra Experimental de
Já a Camerata Osusp, grupo de câmara da orquestra, se apresenta em
Repertório. Meu Primeiro Municipal. 21h00 Balé La Sylphide. São Paulo junho, nos dias 22 (Biblioteca Brasiliana Mindlin), 25 (Sesc Santo André)
Thiago Tavares – regente. Cia. Imago e Companhia de Dança. Veja detalhes e 28 (Instituto de Ciências Biológicas). O destaque do programa, repetido
Fernando Anhê – direção e criação. Luiz dia 16 às 21h30. em todas as datas, são as Quatro estações de Vivaldi.

Junho 2017 CONCERTO 35


u ROTEIRO MUSICAL São Paulo

u 18 DOMINGO Programa: músicas lusitanas dos séculos


XVI e XVII; e Mira Nero – Marinículas e
21h00 Orquestra Sinfônica
Estatal de Istambul. Mozarteum
u 23 SEXTA-FEIRA
11h00 Orquestra Sinfônica do Venid a Sospirar, entre outras. Realização: Brasileiro. Milan Turkovic – regente. 12h00 Orquestra de Câmara da ECA/
Estado de São Paulo. Concertos Sesc Carmo. Leia mais na pág. 38. Vadim Repin – violino. Programa: USP – OCAM. Gil Jardim e Filipe Fonseca
Matinais. Omer Meir Wellber – regente. Santuário e Convento São Francisco. Nevit Kodalli – Telli Turna Suite, Parts – regentes. Donizeti Fonseca – trombone.
Entrada franca. TBA; Max Bruch – Concerto para violino
Programa: Tchaikovsky – Manfred op. 58, Programa: Santoro – Ponteio; Nino Rota
Sinfonia em quatro quadros. nº 1; e Dvorák – Sinfonia nº 8. Leia – Concerto para trombone; e Brahms –
16h00 Balés cacti e paraíso per- mais na pág. 35.
Sala São Paulo. Entrada franca, quatro ingressos Sinfonia nº 3. Leia mais na pág. 37.
por pessoa. A partir de cinco ingressos, R$ 2.
dido. Balé da Cidade de São Paulo. Sala São Paulo. R$ 160 a R$ 500. Centro de Difusão Internacinal da USP –
Veja detalhes dia 16 às 20h. Auditório. Entrada franca. Reapresentação
12h00 Coral Paulistano Mário dia 25 às 12h no Theatro Municipal e dia 30
de Andrade. Domingo no Municipal. 19h30 Orquestra de violões. Música u 22 QUINTA-FEIRA. às 21h no Auditório Ibirapuera.
Naomi Munakata – regente. Programa: na Biblioteca. Luís Stelzer – coordenação.
Programa: Vivaldi – Concerto em lá RV 21h00 Orquestra Sinfônica do 19h00 Quarteto de Contrabaixos
Brahms – Quartetos; Schubert – Quartetos;
356; Chiquinha Gonzaga – Corta-jaca; Estado de São Paulo. Ensaio aberto. da Orquestra Jovem do Estado.
e Schumann – Quartetos.
Tom Jobim – Chovendo na roseira; Paulo Homenagem a Sérgio Burgani. Neil Veja detalhes dia 21 às 15h.
Theatro Municipal. R$ 6.
de Tarso Salles – Bartók na cozinha; Thomson – regente. Sérgio Burgani Livraria Cultura Conjunto Nacional.
Luiz Roveran – Orangotango; Piazzolla – clarinete. Programa: Elgar – Sospiri Entrada franca. Reapresentação e dia
15h00 Grupo de Trompetes do 24 às 11h na Emei Dorina Nowill.
Instituto Baccarelli. Concertos na – Verão portenho; Jacob do Bandolim op. 70; Gerald Finzi – Concerto para
Garagem. Alisson Aragão, Cristiano – Santa Morena; Pieter Van der Staak clarinete op. 31; Guarnieri – Abertura
– Concertino; e Tom Jobim – Águas de 20h00 Orquestra Sinfônica
Miranda, Fernando Mattos, Jairo Feitosa, Concertante; e Mignone – Festa das
março. Municipal de São Paulo. Concertos
Jonas Ricarte, Murilo Anghinoni e Rafael igrejas. Leia mais na pág. 26.
Memorial da América Latina – Auditório
Sinfônicos. Pablo de Leon – spalla.
Negrini – trompetes. Sala São Paulo. R$ 10. Apresentação às
da Biblioteca Latino-Americana. R$ 2. 21h, dia 23 às 21h e dia 24 às 16h30.
Programa: Mozart – Pequena serenata
Choque Cultural – Garagem. Entrada franca. noturna e Sinfonia nº 29; e Respigh –
21h00 Orquestra Sinfônica Estatal 12h00 Henrique Castro – espineta. Danças antigas. Leia mais na pág. 31.
16h00 Coro da Osesp. Carlos Alberto Local a definir. R$ 35 a R$ 100.
de Istambul. Mozarteum Brasileiro. Programa: Couperin – Les Barricades
Figueiredo – regente. Alessandro Reapresentação dia 24 às 16h30.
Milan Turkovic – regente. Vadim Repin Mystérieuses e La Ménetou; Scarlatti –
Santoro – órgão e Marialbi Trisolio – vio- Informações: www.theatromunicipal.org.br.
– violino. Programa: Nevit Kodalli – Telli Sonatas K 466 e K 82; Mozart – Sonata
loncelo. Programa: Johann Ludwig Bach –
Turna Suite, Parts TBA; Sibelius – Concerto K 281; e Frescobaldi – Toccata nº 9. 20h00 Balés cacti e paraíso per-
Unsere Trübsal; Pe. José Mauricio – Missa
para violino; e Dvorák – Sinfonia nº 7. Universidade Presbiteriana Mackenzie – dido. Balé da Cidade de São Paulo.
de Réquiem; António Lésbio – Pois sois
Leia mais na pág. 35. Capela. Entrada Franca Veja detalhes dia 16 às 20h.
mãe da flor do campo; e João Rodrigues
Sala São Paulo. R$ 160 a R$ 500.
Esteves – Missa a oito vozes. Reapresentação com outro programa dia 21 12h30 Camerata de Cordas Osusp.
Sala São Paulo. R$ 48.
20h00 Fabio Caramuru – piano. Série
às 21h. Série BBM. Programa: Vivaldi – Concerto Sesi. Participação: Alexandre Barros – DJ.
Alla Rustica em sol maior e As quatro Teatro do Sesi Mauá. Entrada franca.
16h00 Olga Kiun – piano. Recitais de
estações op. 8.
Piano do MuBE. Programa: Tchaikovsky – u 21 QUARTA-FEIRA Biblioteca Brasiliana Guita e José 20h00 Orquestra Arte Barroca.
12 Estações; e Rachmaninov – Peças Mindlin. Entrada franca. Reapresentação
para piano op. 3. Paulo Henes – direção. Veja detalhes
15h00 Quarteto de Contrabaixos dia 25 às 12h no Sesc Santo André e
dia 3 às 16h.
Auditório MuBE. R$ 30. da Orquestra Jovem do Estado. dia 28 às 11h no Instituto de Ciências
Biológicas. Sociedade Antroposófica do Brasil.
Programa: Joseph Lauber – Quarteto; Colin Entrada franca.
17h00 Orquestra Sinfônica Brumby – Suíte; Daryl Runswick – Strauss
Municipal de são paulo. Roberto in the Doghouse, da Suite and low; Sizão 15h00 Quinteto de Sopros da
Orquestra Jovem do Estado. 21h00 Orquestra Sinfônica do
Tibiriçá – regente. Veja detalhes dia Machado – Coral Benção; Piazzolla –
Veja detalhes dia 15 às 15h. Estado de São Paulo. Neil Thomson
11 às 17h. Contrabajeando; Bach – Coral Wachet auf; – regente. Sérgio Burgani – clarinete.
Mozart – Ave Verum Corpus; e canções Emei Dorina Nowil. Entrada franca.
Veja detalhes dia 22 às 21h.
17h00 Balés cacti e paraíso per- dos Beatles, Luiz Gonzaga e Depp Purple.
dido. Balé da Cidade de São Paulo. Emesp Tom Jobim – Saguão. Entrada franca. 16h00 Balés cacti e paraíso per- 21h30 Balé La Sylphide. São Paulo
Veja detalhes dia 16 às 20h. Reapresentação dia 23 às 19h na Livraria Cultura dido. Balé da Cidade de São Paulo. Companhia de Dança. Veja detalhes
Conjunto Nacional e dia 24 às 11h na Emei Veja detalhes dia 16 às 20h. dia 16 às 21h30.
18h00 Balé La Sylphide. São Paulo Dorina Nowill.
Companhia de Dança. Veja detalhes 20h00 Quarteto de Cordas da
dia 16 às 21h30. 16h00 Projeto Em Preto e Branco.
Recital de piano do Departamento de
Cidade de São Paulo. História u 24 SÁBADO
do Quarteto de Cordas. Betina
Música da ECA-USP. Eduardo Monteiro Stegmann e Nelson Rios – violinos, 11h00 Quarteto de Contrabaixos
u 19 SEGUNDA-FEIRA e Luciana Sayure – coordenação. Marcelo Jaffé – viola e Alberto Kanji da Orquestra Jovem do Estado.
Auditório Olivier Toni. – violoncelo. Programa: Schubert Veja detalhes dia 21 às 15h.
12h00 CMA-USP. Programa: Bach – – Quarteto op. 125; e Mendelssohn – Emei Dorina Nowill. Entrada franca.
Cantatas nº 92 e nº 209. Curadoria: 18h00 Quarteto de Cordas da Quarteto op. 13.
Sérgio Carvalho. Cidade de São Paulo. Ensaio aberto. Praça das Artes – Sala Mário de Andrade 11h00 Vagner Ferreira – piano.
Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin – História do Quarteto de Cordas. Betina Programa: Bach – Partita nº 2 BWV 826;
Sala de Música Villa-Lobos. Stegmann e Nelson Rios – violinos, 21h00 Orquestra Sinfônica do Guarnieri – Sonatina nº 4; e Villa-Lobos –
Marcelo Jaffé – viola e Alberto Kanji – Estado de São Paulo. Homenagem Alma brasileira, Impressões seresteiras
21h00 Meng Su (China) – violão. violoncelo. Programa: Schubert – Quarteto a Sérgio Burgani. Neil Thomson – e Dança do índio branco. Curadoria:
Cultura Artística. Leia mais na pág. 38. op. 125; e Mendelssohn – Quarteto op. 13. regente. Sérgio Burgani – clarinete. Samuel Kerr.
Auditório MuBE. R$ 70. Praça das Artes – Sala Mário de Andrade. Programa: Elgar – Sospiri op. 70; Gerald Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo
Entrada franca. Apresentação dia 22 às 20h. Finzi – Concerto para clarinete op. 31; – Sala das Artes Paulistanas. Entrada franca.
Guarnieri – Abertura Concertante;
u 20 TERÇA-FEIRA 20h00 Balés cacti e paraíso per- e Mignone – Festa das igrejas. 15h00 Ópera TOSCA, de Puccini.
dido. Balé da Cidade de São Paulo. Leia mais na pág. 26. Ópera Comentada. Orquestra e Coro
13h00 Capela Ultramarina. Projeto Veja detalhes dia 16 às 20h. Sala São Paulo. R$ 46 a R$ 213. New Philharmonia. Bruno Bartoletti
Sons das Igrejas do Centro. A cantar uma Reapresentação dia 23 às 21h e dia 24 – regente. Gianfranco de Bosio – dire-
cantiga. Regiane Martinez – soprano, 20h30 Ópera in Corso. Carmo às 16h30. ção cênica. Elenco: Plácido Domingo,
Patrícia Nacle – contralto, Fábio Vianna Barbosa – direção artística. Daniel Raina Kabaivanska e Sherrill Milnes.
Peres – tenor e guitarra barroca, Marília Gonçalves – piano. Programa: obras de 21h00 Balé La Sylphide. São Paulo Comentários: João Luiz Sampaio.
Macedo – flautas doces e Guilherme Händel, Mozart e Giordano, entre outros. Companhia de Dança. Veja detalhes Centro Brasileiro Britânico – Sala Cultura
de Camargo – guitarra renascentista. Musicalis Núcleo de Música. dia 16 às 21h30. Inglesa. Entrada franca.

36 Junho 2017 CONCERTO


16h00 Coral Jovem do Estado. 11h00 Camerata de Violões Dia 11, Sala São Paulo
Panorama Medieval e Renascentista. Infantojuvenil do Guri. Paulo Porto
Tiago Pinheiro de Souza – regente. Alegre – regente. Programa: obras de Orquestra Jovem do Estado toca e
Marília Vargas – preparação vocal. Bach, Gismonti, John Lennon e Paulo
Participação: Corina Marti – clavicímbalo,
organeto e flautas, Mario Orlando
Porto Alegre; e Daniel Murray – Trans-
Formações nº 2 (primeira audição mun-
grava CD dedicado à música nova
Guimarães – viele e viola da gamba dial – encomenda feita pelo Guri Santa Depois de aclamados discos dedicados

divulgação / caroline bittencourt


e Hiram Santos – dulciana e percussão. Marcelina). a autores como Shostakovich, Villa-Lobos
Programa: obras de Paulo Diácono, CEU Três Pontes. Entrada franca.
e Berlioz (integrantes da coleção Música
Hildegard von Bingen, Guillaume de
Machaut, Josquin Des Prez, Juan Del 12h00 Orquestra de Câmara de CONCERTO, álbuns distribuídos como
Encina, Gesualdo da Venosa, Monteverdi da ECA/USP – OCAM. Domingo no presente para os assinantes da Revista CON-
e Thomas Tomkins; entre outros. Municipal. Gil Jardim e Filipe Fonseca – CERTO), a Orquestra Jovem do Estado de
Masp Auditório. R$ 20. regentes. Donizeti Fonseca – trombone. São Paulo grava este mês seu terceiro CD,
Veja detalhes dia 23 às 12h.
desta vez dedicado a criações do século XX e
16h00 Wilson Nogueira – piano. Theatro Municipal. R$ 10. Reapresentação
Programa: Bach – Duetos BWV 802 a BWV dia 30 às 21h no Auditório Ibirapuera. século XXI. A regência é do maestro titular e
805; Beethoven – Sonata nº 2; e Chopin – diretor artístico Cláudio Cruz e a semana de
12h30 Camerata de Cordas Osusp. Cláudio Cruz
Improvisos nº 2 op. 36 e nº 4 op. 66. registros culmina com uma apresentação no
Aronne Pianos. Entrada franca, reservas pelo Veja detalhes dia 22 às 12h30. dia 11, na Sala São Paulo.
tel. (11) 5549-6898. Sesc Santo André. R$ 17. Reapresentação dia
28 às 11h no Instituto de Ciências Biológicas. O programa tem duas obras de Bartók, as Danças romenas e o Man-
16h30 Orquestra Sinfônica do
darim maravilhoso, uma das peças responsáveis pela fama do compo-
Estado de São Paulo. Neil Thomson – 12h30 Coralusp – Grupos Jupará sitor. De Kodály, o grupo faz as Danças de Galanta. E, completando o
regente. Sérgio Burgani – clarinete. e Zimana. Alberto Cunha – regente. concerto, um dos mais importantes criadores do cenário brasileiro atual,
Grupo Jupará. Projeto De corpo e alma.
Veja detalhes dia 22 às 21h.
Programa: composições sacras e secu-
Flo Menezes, de quem a Orquestra Jovem toca laçoentrelaço, obra apre-
lares. Grupo Zimana. Projeto Mapa da sentada pelo grupo em sua temporada 2016.
16h30 Orquestra Sinfônica
Municipal de São Paulo. Concertos Música Coral. Programa: música coral
Sinfônicos. Pablo de Leon – spalla. de diversas épocas e estilos.
Veja detalhes dia 23 às 20h. Igreja São Luiz Gonzaga.
Dia 4, Theatro Municipal / Dias 4, 11, 18 e 25, Choque Cultural
20h00 Balés cacti e paraíso per- 15h00 Orquestra de Cordas
dido. Balé da Cidade de São Paulo.
Veja detalhes dia 16 às 20h.
Infantojuvenil do Guri. Thibault
Delor – regente, contrabaixo, voz
Sinfônica Heliópolis investiga
20h00 Eder Giaretta – piano.
e violão. Participação: Leonard
Delor – contrabaixo e voz e Juliette
relação entre texto e música
Série Sesi. Delor – violão e voz. Programa: A Orquestra Sinfônica Heliópolis dá continuidade, no dia 4, a sua
Teatro do Sesi Osasco. Entrada franca. Albioni – Concerto grosso a cinco;
Sergei Koussevitzky – Concerto para
série no Theatro Municipal de São Paulo, mais uma vez sob regência
21h00 Balé La Sylphide. São Paulo contrabaixo; Quincy Jones – For Lena do maestro Isaac Karabtchevsky. O programa investiga as relações en-
Companhia de Dança. Veja detalhes and Lennie; e Temas de óperas. tre texto e música, com a participação da cantora Lívia Nestrovski. Na
dia 16 às 21h30. Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora. primeira parte, ela interpreta três canções: Ständchen e Nacht und
Entrada franca.
träume, de Schubert, e Ich grolle nicht, de Schumann. Em seguida,
oferece a sua versão para a Habanera, da Carmen, de Bizet. A orques-
u 25 DOMINGO 15h00 Gabriel Géglio e Gabriel
Pereira – violinos, Luan Costa – viola tra, então, toca as duas suítes escritas a partir de temas da ópera.
11h00 Orquestra Sinfônica do e Larissa Rosa – violoncelo. Instituto Outros grupos do Instituto Baccarelli também se apresentam em
Estado de São Paulo. Concertos Baccarelli. Concertos na Garagem. junho, na série Concertos na Garagem, com recitais no Choque Cul-
Matinais. Concurso Jovens Solistas. Choque Cultural – Garagem. Entrada franca.
tural, na Vila Madalena: no dia 4, a atração é o Quarteto de Cordas
Neil Thomson e José Soares –
regentes. Luiz Fernando Venturelli 16h00 Camerata Cantareira. do instituto; no dia 11, um trio de flauta, violino e viola; no dia 18, o
– violoncelo. Programa: Guarnieri – Marcelo Jaffé – direção. Giuliano Grupo de Trompetes; e, no dia 25, um quarteto de cordas formado
Abertura Concertante; Shostakovich Dal Medico e Vitor Oliveira – por Gabriel Géglio, Gabriel Pereira, Luan Costa e Larissa Rosa.
– Concerto para violoncelo nº 1; e violoncelos; Lucas Braga, Jonathan
Mignone – Festa das Igrejas: Excertos. Barbosa, Elvio Iscuissati e Mathews
Sala São Paulo. Entrada franca, quatro Alves – violinos. Programa: Vivaldi
ingressos por pessoa. A partir de cinco – Concerto para dois violoncelos e
ingressos, R$ 2. quatro violinos. Dia 23, Auditório do Centro de Difusão Internacional da USP /
Pinacoteca do Estado de São Paulo – Dia 25, Theatro Municipal / Dia 30, Auditório Ibirapuera
11h00 Quinta Essentia – quarteto Auditório Alfredo Mesquita. Entrada franca.
de flautas. Música no MCB. Gustavo
16h00 Orquestra Jovem Tom Jobim.
Ocam propõe diálogo entre autores
de Francisco, Renata Pereira, Vinícius
Chiaroni e Erick Fernandez – flautas Nelson Ayres – regente. Participação: A Orquestra de Câmara da Universidade de São Paulo faz três apre-
doces. Programa: obras de Bach, Villa- Letiéres Leite – regente e saxofone. sentações em junho. No dia 23, toca no auditório do Centro de Difusão
-Lobos, Guerra-Peixe e Daniel Wolff. Programa: Dorival Caymmi – Suíte dos Internacional da USP; no dia 25, no palco do Theatro Municipal de São
Museu da Casa Brasileira. Entrada franca. pescadores; e Letiéres Leite – Repertório
orquestral elaborado especialmente para
Paulo; e, no dia 30, no Auditório Ibirapuera.
11h00 Orquestra Filarmônica este concerto. O programa é o mesmo, propondo um diálogo interessante entre au-
Santo Amaro. Silvia Luisada – regente. Masp Auditório. R$ 20. tores. A começar pelo brasileiro Claudio Santoro, de quem é interpretado
John Charles Teh Cheng Wang – spalla e o Ponteio, símbolo da fase nacionalista do compositor, sob regência do
violino, Anna Beatriz Gomes – soprano e 16h00 Luiz Gustavo Pontes – piano. maestro Filipe Fonseca. Em seguida, agora com o maestro titular Gil Jar-
Ricardo Dbrothers – guitarra. Programa: Recitais de Piano do MuBE. Programa:
obras de Thiago Spada, Mendelssohn, Beethoven – Sonata op. 27 nº 2; Marcelo
dim, o grupo toca o Concerto para trombone, de Nino Rota, mais conhe-
Strauss, Suppé, Offenbach, Freddie Delta – Choro; Scriabin – Sonata nº 2 op. cido pelas trilhas que escreveu para grandes diretores do cinema italiano,
Mercury e Luiz Gonzaga. 19; e Chopin – Polonaise Fantasia op. 61. como Federico Fellini. O solista será Donizeti Fonseca. O programa se
Teatro Paulo Eiró. R$ 20. Auditório MuBE. R$ 30. encerra com a Sinfonia nº 3, de Brahms, marco da história do gênero.

Junho 2017 CONCERTO 37


u ROTEIRO MUSICAL São Paulo

Dia 19, Auditório MuBE 16h00 Grupo Tons de Floradas.


Espetáculo Ecos de Inverno – canto,
u 29 QUINTA-FEIRA
Premiada violonista chinesa, dança e poesia. Janete Ribeiro – 20h30 Estúdio PANaroma.
direção musical. Diana Victória e Studio PANaroma. Concerto
Meng Su faz recital solo no MuBE Susana Miranda – direção-geral.
Apresentação: Francisco Luz. Diana
comemorativo de aniversário de
Flo Menezes, Jorge Antunes e François
Nascida em Qingdao, na China, Meng Su começou seus estudos Victoria, Marlene Caprino e Susana Bayle. Flo Menezes – direção musical.
de violão aos 5 anos idade – e não demorou muito para que vencesse Miranda – sopranos, João Albertavicius Programa: Flo Menezes – MetaScriptios
– tenor, Lúcia e Waldir Giusti – cantores,
seus primeiros prêmios, entre eles o Christopher Parkening, um dos mais para orquestra de 24 alto-falantes;
Janete Ribeiro e Otilia de Olivieira – Jorge Antunes – Contrapunctus contra
prestigiados do mundo. Em seguida, ela mudou-se para os Estados Uni- pianos, Flávio Araújo – violino e Elaine, contrapunctus e Carta Athenagorica;
dos, onde passou a estudar com Manuel Barrueco. Tadeu, Cledi e Oswaldo – bailarinos. e François Bayle – Rein n’est Réel.
Desde então, ela não parou mais: já se apresentou em palcos como o Centro Musical Santa Cecília. Leia mais ao lado.
Carnegie Hall e suas gravações já foram indicadas ao Grammy, com desta- Instituto de Artes da Unesp – Teatro
que para a primeira gravação mundial das Oito memórias em aquarela, de 17h00 Balés cacti e paraíso per- Maria de Lourdes Sekeff. Entrada franca.
dido. Balé da Cidade de São Paulo.
Tan Dun. Este mês, no dia19, ela toca em São Paulo, na série da Cultura Veja detalhes dia 16 às 20h. 21h00 Orquestra Sinfônica do
Artística dedicada ao violão – o repertório ainda não foi definido.
Estado de São Paulo. Marin Alsop –
18h00 Balé LA Sylphide. São Paulo regente. Makoto Ozone – piano.
Companhia de Dança. Veja detalhes Programa: Ginastera – Variações
dia 16 às 21h30. Concertantes op. 23; André Mehmari –
Concerto homenageia eletroacústicos Variações Concertantes; Bernstein –

Compositores que se dedicaram à música eletroacústica serão


u 26 SEGUNDA-FEIRA Fancy Free; e Gershwin – Rhapsody
in Blue. Leia mais na pág. 38.
homenageados em uma apresentação especial no dia 29, no Instituto 19h00 Rogério Urquizas – tenor Sala São Paulo. R$ 46 a R$ 213.
Reapresentação dia 30 às 21h e dia
de Artes da Unesp. A direção musical é de Flo Menezes, que completa e Vinicius Guedes – piano. Projeto 2/7 às 16h.
55 anos em 2017 e de quem é interpretada MetaScriptios. De Jorge Apreciarte. Recital de canções brasileiras.
Programa: Santoro – O ciclo canções;
Antunes, que acaba de completar 75 anos, serão tocadas duas peças: e árias de óperas de Verdi, Rossini e
21h00 Espetáculo O compositor
Contrapunctus contra contrapunctus e Carta Athenagorica. Para delirante. Inspirado na vida e obra de
Gounod, entre outros.
Beethoven. Daniel Kronenberg – con-
terminar, uma obra de François Bayle, que foi professor de Antunes e Conservatório Musical Beethoven. Entrada
cepção, texto e violino. Gabriel Bodstein
está completando 85 anos: Rien n’est réel, de 2010. franca, mediante reservas www.beethoven.
– preparação cênica e corporal. Felipe
art.br/apreciarte.
Scalzaretto – iluminação. Barzilay
Grupo toca repertório do séculos XVI e XVII e Daniel Kronenberg – produção.
u 27 TERÇA-FEIRA InBox Cultural. R$ 40. Apresentação
às quintas-feiras às 21h, até dia 27/7.
A Capela Ultramarina, grupo formado em 2000, apresenta-se
no dia 20, na Santuário de São Francisco, em concerto promovi- 19h30 Duo Razim. Música na
Biblioteca. Monique Traverzim – flauta
do pelo Sesc Carmo. O grupo vai interpretar composições lusitanas
e Paulo Henrique Raposo – guitarra. u 30 SEXTA-FEIRA
dos séculos XVI e XVII, além de exemplos da música executada na Programa: Villa-Lobos – Distribuição
mesma época no Brasil, refletindo sobre nossa identidade cultural. de flores e Bachianas brasileiras nº 5; 20h00 Orquestra Sinfônica
Milhaud – Saudades de Brasil; Satie – Municipal de São Paulo e Coro
Gymnopedies; Bartók – Danças folclóricas Lírico Municipal de São Paulo.
Duo de cello e piano atravessa os séculos romenas e Gnossiennes; e Piazzolla – Ópera em concerto. Roberto
História do tango. Minczuk – regente. Mário Zaccaro
O pianista Max Uriarte e o violoncelista Fábio Presgrave se – regente do coro. Programa: Berlioz
Memorial da América Latina – Auditório
unem em um duo para recital no dia 11, na Fundação Maria Luisa e da Biblioteca Latino-Americana. R$ 2. – A danação de Fausto op. 24. Leia
Oscar Americano. Eles tocam um repertório que vai do século XVIII mais na pág. 31.
Theatro Municipal. R$ 35 a R$ 100.
ao século XX: uma seleção de peças de Sigismund Neukomm (com 21h00 Royal Northern Sinfonia.
Reapresentação dia 1º/7 às 16h30.
destaque para as Seis variações em ré menor), além da Sonata em Julian Rachlin – violino e direção
artística. Programa: Sibelius – Valse
fá maior, de Beethoven, e de peças de Popper, Cassadó e De Falla. triste; Mendelssohn – Concerto para 21h00 Orquestra Sinfônica
violino e Sinfonia nº 4, Italiana; e do Estado de São Paulo. Marin
Alsop – regente. Makoto Ozone –
MuBE recebe Olga Kiun e Carla Cottini Hindemith – Música fúnebre para
viola e orquestra de cordas op. 48, piano. Programa: Ginastera – Variações
Trauermusik. Leia mais na pág. 32. Concertantes op. 23; André Mehmari
Quatro recitais compõem a programação do Museu Brasileiro
Sala São Paulo. R$ 50 a R$ 430. – Variações Concertantes; Bernstein –
de Escultura em junho. No dia 4, a pianista Alessandra Feris toca a Reapresentação com outro programa dia Fancy Free; e Gershwin – Rhapsody
Sonata op. 5 em fá menor, exemplo do refinamento da escrita para 28 às 21h. in Blue. Leia mais na pág. 38.
piano de Brahms. Uma semana depois, o piano de Daniel Gonçalves Sala São Paulo. R$ 46 a R$ 213.
Reapresentação dia 2/7 às 16h.
se une ao canto da soprano Carla Cottini. Olga Kiun toca autores
russos no dia 18. E, no dia 25, Luiz Gustavo Pontes une Beethoven,
u 28 QUARTA-FEIRA
21h00 Orquestra de Câmara da
Scriabin e Chopin ao brasileiro Marcelo Delta. 11h00 Camerata de Cordas Osusp. ECA/USP – OCAM. Gil Jardim e Filipe
Veja detalhes dia 22 às 12h30. Fonseca – regentes. Donizeti Fonseca
Instituto de Ciências Biológicas. Entrada – trombone. rograma: Santoro – Ponteio;
Ópera é tema de série no Sesc Vila Mariana franca. Nino Rota – Concerto para trombone; e
Brahms – Sinfonia nº 3.
Três recitais de canto e piano ocupam o Sesc Vila Mariana. O 21h00 Royal Northern Sinfonia. Auditório Ibirapuera. R$ 20. t
primeiro é no dia 3, quando a soprano Jayana Paiva e o pianista Elo- Julian Rachlin – violino e direção artísti-
sande Camondá interpretam de Händel a Gershwin. No dia 10, a ca. Programa: Mozart – Abertura de
soprano Adélia Issa eo pianista Marco Bernardo se voltam a operetas As bodas de Fígaro, Concerto para
A Revista CONCERTO
violino nº 3 K 216 e Sinfonia nº 40
e musicais. E, no dia 17, a sopranista Camila Rabelo canta Charpen- continua aqui:
K 550; e Britten – Lachrymae op. 43.
tier, Mozart, Puccini, Bellini e Massenet com Marcus Vinícius Vieira. Leia mais na pág. 32. www.concerto.com.br
Sala São Paulo. R$ 50 a R$ 430.

38 Junho 2017 CONCERTO


Endereços São Paulo
Abrigo da Morada São João – Choque Cultural – Garagem – Rua Memorial da América Latina – Sociedade Hípica Paulista – Rua
Av. São João, 1214 – Campos Medeiros de Albuquerque, 250 – Biblioteca Latino-Americana Quintana, 206 – Brooklin – Tel. (11)
Elíseos – Tel. (11) 3224-9151 Vila Madalena – Tel. (11) 3061-4051 (120 lugares), Biblioteca Victor 97246-9162 (300 lugares)
Civita (200 lugares) e Sala dos
Aronne Pianos – Sala Giovanni Conservatório Musical Beethoven – Espelhos (100 lugares) – Av. Auro Souza Lima Music Hall – Espaço
Aronne – Rua Doutor Amancio de Auditório Geraldo Mangini – Rua Soares de Moura Andrade, 664 – Metrô de Eventos do Conservatório e
Carvalho, 525 – Vila Mariana – Bento Frias, 135 – Pinheiros – Barra Funda – Tel. (11) 3823-4600 Faculdade Souza Lima – Rua José
Tel. (11) 5549-6898 Tel. (11) 3031-9057 Maria Lisboa, 745 – Jardins –
Museu da Casa Brasileira – Av. Brig. Tel. (11) 3884-9149 (90 lugares)
Auditório Alphaville – Calçada Flor Emei Dorina Nowill – Rua Públio Faria Lima, 2705 – Jardim Paulistano –
de Lótus, 78 – Centro Comercial Pímentel, 500 – Americanópolis – Tel. (11) 3032-3727 (220 lugares) Teatro do Sesi Mauá – Av. Presidente
Alphaville – Tel. (11) 4196-6585 Tel. (11) 5623-9837 Castelo Branco, 237 – Mauá –
(262 lugares) – Sem acesso para Museu de Arte Sacra – Av. Tiradentes, Tel. (11) 4542-8950 (132 lugares)
deficientes Emesp Tom Jobim – Largo General
676 – Luz – Tel. (11) 3326-5393
Osório, 147 – Luz – Tel. (11) 3585- Teatro do Sesi Mogi das Cruzes – Rua
Auditório Ibirapuera – Av. Pedro 9888 (85 lugares) Valmet, 171 – Brás Cubas – Mogi das
Musicalis Núcleo de Música –
Álvares Cabral – Portão 3 do Parque Rua Dr. Sodré, 38 – Itaim Bibi – Cruzes – Tel. (11) 4723-6900 e 4727-
Espaço Cachuera! – Rua Monte Alegre,
Ibirapuera – Tel. (11) 3629-1075 Tel. (11) 3845-1514 (80 lugares) 1777 (166 lugares)
1094 – Perdizes – Tel. (11) 3872-8113
(Plateia interna: 800 lugares, Plateia
(60 lugares)
externa: 15 mil lugares, Foyer: Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora Teatro do Sesi Osasco – Av. Getúlio
300 lugares) – Rua Três Rios, 75 – Bom Retiro – Vargas, 401 – Tel. (11) 3602-6200
Fábrica de Cultura Sapopemba – Rua
Tel. (11) 3227-6023 (233 lugares)
Augustin Luberti, 300 – Fazenda da Juta –
Auditório MuBE – Av. Europa, 218 –
Sapopemba – Tel. (11) 2012-5344
Jardim Europa – Tel. (11) 2594-2601 Pinacoteca do Estado de São Paulo – Teatro J. Safra – Rua Josef Kryss, 318 –
(298 lugares)
(192 lugares) Auditório Alfredo Mesquita – Praça Barra Funda – Tel. (11) 3611-3042
Fundação Maria Luisa e Oscar da Luz – Luz – Tel. (11) 3229-9844 (633 lugares). Estacionamento: R$ 25.
Auditório Olivier Toni – Av. Prof. Americano – Av. Morumbi, 4077 – (140 lugares)
Luciano Gualberto, Trav. J, s/n° – Butantã – Tel. (11) 3742-0077 Teatro Lauro Gomes – Rua Helena
Cidade Universitária – (107 lugares) Estacionamento: R$ 15 Praça das Artes – Auditório e Escola Jacquey, 171 – Rudge Ramos – São
Tel. (11) 3091-4137 (90 lugares) de Música de São Paulo (80 lugares), Bernardo do Campo – Tel. (11)
Funsai – Fundação Nossa Senhora Sala Mário de Andrade (200 lugares) 4368-3483 (526 lugares)
Biblioteca Brasiliana Guita e José Auxiliadora do Ipiranga – Rua Arcipreste – Av. São João, 281 – Centro –
Mindlin – Rua da Biblioteca, s/nº – Andrade, 503 – 1° andar – Ipiranga – Tel. (11) 4571-0401 Teatro Paulo Eiró – Av. Adolfo
Cidade Universitária – Tel. (11) 3388 5600 Pinheiro, 765 – Santo Amaro –
Tel. (11) 3091-3930 (Coralusp) Sala São Paulo – Sala de Concertos Tel. (11) 5686-8440 (600 lugares)
Igreja Luterana da Paz – Rua Verbo (1500 lugares), Sala do Coro
Casa de Portugal – Av. Liberdade, Divino, 392 – Granja Julieta – (140 lugares) e Sala Carlos Gomes Teatro Paulo Machado de Carvalho –
602 – 3º andar – Liberdade – Tel. (11) 5181-7966 (200 lugares) (120 lugares) – Praça Júlio Prestes – Alameda Conde de Porto Alegre, 840
Tel. (11) 3273-5555 Campos Elíseos – Tel. (11) 3223-3966. – Santa Maria – São Caetano do Sul –
Igreja São Luís Gonzaga – Av. Paulista, Tel. (11) 4220-3924 (1122 lugares)
Ingressos: tel. (11) 4003-1212 e
Centro Brasileiro Britânico 2378 – esquina com a Rua Bela Cintra –
www.ingressorapido.com.br.
– Sala Cultura Inglesa – Rua Tel. (11) 3231-5954 (500 lugares) Teatro Sérgio Cardoso – Rua Rui
Estacionamento: R$ 28
Ferreira de Araújo, 741 – Barbosa, 153 – Bela Vista – Tel. (11)
Pinheiros – Tel. (11) 3039-0575 InBox Cultural – Rua Teodoro Sampaio, 3288-0136 (das 15h às 19h) (856
2355 – Pinheiros – Tel. (11) 98266-4896 Santuário e Convento São Francisco –
(157 lugares) lugares). Ingressos: tel. (11) 4003-
(320 lugares) Largo de São Francisco, 133 – Centro –
1212 – www.ingressorapido.com.br
Tel. (11) 3291-2400 (110 lugares)
Centro de Difusão
Internacional da USP – Instituto de Artes da Unesp – Teatro Teatro UMC – Av. Imperatriz
Auditório – Rua Professor Lúcio Maria de Lourdes Sekeff (280 lugares) Sesc Santo André – Rua Tamarutaca, Leopoldina, 550 – Vila Leopoldina –
Martins Rodrigues – Travessa 4 e Teatro de Música (40 lugares) – Rua Dr. 302 – Vila Guiomar – Tel. (11) 4469- Tel. (11) 3476-6403 (300 lugares)
– Bloco B – Cidade Universitária – Bento Teobaldo Ferraz, 271 – Barra Funda 1200 (302 lugares)
Tel. (11) 3091-3000 – Tel. (11) 3393-8530 Theatro Municipal de São Paulo –
Sesc Vila Mariana – Teatro (608 Sala principal (1500 lugares) e Salão
Instituto de Ciências Biológicas – lugares) e Auditório (128 lugares)
Centro Musical Santa Cecília – Nobre (150 lugares) – Praça Ramos
Av. Prof. Lineu Prestes, 2415 – Cidade – Rua Pelotas, 141 – Vila Mariana –
Rua Ana Cintra, 282 – Campos de Azevedo, s/nº – Centro – Tel. (11)
Universitária – Tel. (11) 3091-7444 Tel. (11) 5080-3000
Elíseos – Tel. (11) 3662-1293 3397-0327. Ingressos: tel. (11) 2626-
0857 – www.compreingressos.com/
Instituto de Engenharia – Av. Sociedade Antroposófica no Brasil –
CEU Perus – Rua Bernardo José de theatromunicipaldesaopaulo
Dr. Dante Pazzanese, 120 – Vila Mariana Espaço Cultural Rudolf Steiner – Rua
Lorena – Perus – Vila Malvina –
– Tel. (11) 3466-9200 (170 lugares) da Fraternidade, 156 – Alto da Boa Vista –
Tel. (11) 3915-8753 (450 lugares) Triade Instituto Musical – Rua João
Telelfones (11) 5687-4252 e 5523-0537 Leda, 79 – Santo André –
Instituto Histórico e Geográfico de São
CEU Rosa da China – Rua Clara (190 lugares) Tel. (11) 2831-4832 (60 lugares)
Paulo – Sala das Artes Paulistanas –
Petrela s/ nº – Vila Prudente – Rua Benjamin Constant, 158 – Centro –
Tel. (11) 6701-2319 Sociedade Brasileira de Eubiose – Unibes Cultural – Rua Oscar Freire,
Tel. (11) 3242-8064 (50 lugares)
Av. Lacerda Franco, 1059 – Aclimação – 2500 – Sumaré – Tel. (11) 3065-4333
CEU São Rafael – Av. Ragueb Chofhi, Livraria Cultura Conjunto Nacional – Telefone (11) 3208-9914. (296 lugares)
1400 – Tel. (11) 6752-1023 Av. Paulista, 2073 – Consolação – Estacionamento no nº 1074 (201 lugares)
(400 lugares) Tel. (11) 3170-4033 Universidade Presbiteriana
Sociedade Filarmônica Lyra – Rua Mackenzie – Capela (90 lugares) e
CEU Três Pontes – Rua Capachós, Masp – Auditório (374 lugares) e Pequeno Otávio Tarquínio de Sousa, 848 – Auditório Ruy Barbosa (900 lugares)
s/nº– Jardim Célia – Tel. (11) 2025- Auditório (72 lugares) – Av. Paulista, 1578 Campo Belo – Tel. (11) 5041-2628 – Rua Itambé, 135 – Higienópolis – Tel.
8346 (450 lugares) – Bela Vista – Tel. (11) 3251-5644 (250 lugares) (11) 2114-8746

Junho 2017 CONCERTO 39


u ROTEIRO MUSICAL Rio de Janeiro

Sala Cecilia Meireles


u 1 Quinta-feira u 6 Terça-feira
Sala apresenta renascentistas, 12h30 Kristina Augustin e Mario 18h30 Alexandre Rachid – órgão.
Orlandio – viola da gamba e Eduardo Série Internacional de Órgão da UFRJ.
românticos e contemporâneos Antonello – espineta. Série Música de Escola de Música da UFRJ – Salão Leopoldo
Câmara na ABL. Programa: John Ward – Miguez. Entrada franca.
A diversificada série de apre- Air I, IV e VI; Mathew Lock – Fantazie 10 e
sentações da Sala Cecília Meireles 11 e Sarabande; Benjamim Helly – Sonata 19h00 Marina Considera – sopra-
começa, no dia 2, com a visita da VI; Marin Marais – Chacone; e Miuchel no, Luciana Costa et Silva – mezzo
Corrette – Concert le Phénix. soprano, Fernando Portari e
Camerata Sesi do Espírito Santo. O Geilson Santos- tenores, Rafael
Academia Brasileira de Letras – Teatro
grupo, acompanhado de seu titular R. Magalhães Jr. Entrada franca. Thomas – baixo, Eliara Puggina e
Leonardo David, da violinista Ga- Katia Ballousier – pianos. Série Unirio
briela Queiroz e do pianista Aleyson 15h00 XII RioHarpFestival. Música Musical. Homenagem à Eliane Sampaio.
Scopel, interpreta um programa no Museu. Concerto de encerramento. Programa: obras de Beethoven, Bellini,
Camerata do Uerê. Participação: Edith Duparc, Gomes, Haydn, Korngold, Mozart,
todo dedicado a Mendelssohn, com
divulgação

Gasteiger (Áustria) – harpa. Programa: Schubert e Toldrá.


a Sinfonia nº 7 para cordas e o Con- clássicos internacionais. Instituto Villa-Lobos – Sala Villa-Lobos.
Ricardo Castro
certo para violino, piano e cordas. Aquario. Entrada franca. Entrada franca.
Outra orquestra a subir ao pal-
19h30 Orquestra Sinfônica
co da Sala este mês é a Sinfônica de Barra Mansa, no dia 11, com o u 2 Sexta-feira Nacional UFF. OSN Popular. Mateus
violinista e maestro Daniel Guedes comandando a interpretação de obras Araujo – regente. Yuri Reis – violino
de Saint-Saëns (Concerto para violoncelo nº 1) e Schumann (Sinfonia 20h00 Camerata Sesi. Série Sala e Daniel Silva – violoncelo. Programa:
nº 4). A solista será a sérvia Maja Bogdanovic, vencedora do Concurso Orquestras. Leonardo David – regente. obras de Piazzolla.
Aldo Parisot e presença constante em palcos como o Carnegie Hall. Gabriela Queiroz – violino e Aleyson Teatro da UFF. R$ 30. Reapresentação
Scopel – piano. Programa: Mendelssohn – dia 7 às 19h30.
A música de câmara também está bem representada na programação. Sinfonia para cordas nº 7 e Concerto para
A começar pelos recitais dos pianistas Paula da Mata (dia 6), ex-aluna de violino, piano e cordas. 20h00 Paula da Mata – piano. Série
Menahem Pressler, com um programa dedicado a autores brasileiros e Sala Cecília Meireles. R$ 40. Sala Recitais de Guiomar. Programa:
clássicos de Liszt e Chopin; e de Sergio Monteiro (dia 14), que em sua Leopoldo Miguez – Noturno nº 1 op. 20
e Valsa op. 28, Faceira; Nepomuceno –
investigação da música francesa interpreta peças de Lully, Ravel, Poulenc
u 3 Sábado Devaneio nº 1 op. 27 e Improviso nº 2
e Debussy. Outro participante da série é o pianista Evgeni Mikhailov, op. 27; Chopin – Noturno nº 1 op. 9,
que fará um recital russo, com destaque para peças de Rachmaninov e 18h00 Luiz Carlos Moura Castro Valsa op. posth e Barcarolle op. 60;
Tchaikovsky, no dia 20. Também está prevista uma apresentação de Le – piano. Música no Museu. Programa: e Liszt – Consolação nº 3, Revê d’Amour
marteau sans maître, de Pierre Boulez, no dia 10, na série Vertigens, com clássicos internacionais. nº 3, Paráfrase de Morte de amor,
Palácio São Clemente. Entrada franca. de Tristão e Isolda e Rapsódia húngara
a soprano Manuela Freua, o violonista Fabio Zanon, o violista Peter Pas e nº 13. Leia mais ao lado.
um conjunto de percussão regidos por Ricardo Bologna. 20h00 Orquestra de Sopros Pro Sala Cecília Meireles – Espaço Guiomar
A série Sala de Música, que tem como objetivo apresentar, mês a mês, Arte. Série Sala Jazz. Apresentação do Novaes. R$ 10.
a evolução da história da criação musical, chega em junho ao Romantis- CD “Duas sanfonas e uma orquestra.
Kiko Horta e Marcelo Caldi – sanfonas. 20h00 Ópera Il trovatore, de Verdi.
mo, com recitais dedicados a Schubert. No dia 23, o pianista Ricardo
Programa: obras de Kiko Horta, Sivuca, Royal Opera de Londres.
Castro, nome de destaque do piano brasileiro e idealizador do Neojiba, se Marcelo Caldi, Raimundo Nicioli, Djavan Cinemark. R$ 50. Verificar horário e endereços
une ao pianista Jean Louis Steuerman e a músicos da Orquestra Sinfônica /Dominguinhos, Luiz Gonzaga/Hervê em www.cinemark.com.br.
Brasileira para peças como a Sonatina em ré maior, o Rondo a quatro Cordovil, Tom Jobim, Djavan e
mãos e o Quinteto A truta. Já no dia 24, sobem ao palco a pianista Sonia Gilberto Gil.
Rubinsky, o violoncelista Marcus Ribeiro e a violinista Ana de Oliveira, Sala Cecília Meireles. R$ 40. u 7 Quarta-feira
além de artistas da OSB, que tocam o Octeto em fá maior. 12h30 Monica Tessitore – piano.
Por fim, o Renascimento é tema de duas apresentações. No dia 28, u 4 Domingo Música no Museu. Programa: obras
Emilio Bezzi se propõe a descobrir, por meio da sonoridade do alaúde, o de Beethoven, Liszt, Copland, Gershwin
10h30 Música Antiga da UFF. Música e Octávio Maul.
ambiente das principais cidades italianas do período. E, em seguida, no
de Câmara no Centro de Artes UFF. Centro Cultural Banco do Brasil. Entrada franca.
dia 30, o Ensemble San Carlino, da Itália, explora o universo da música Participação: Circo do Porto. Programa:
vocal, com autores como Monteverdi, Kapsberger e Piccinini. cantos e danças da renascença. 18h00 Sahaja Yoga. Música no Museu.
Cine Arte UFF. R$ 14. Anandita Basu, Anjana Basu, Aninda
Bose (Índia), Kinga Malek, Anand Malek
11h00 Maria Josephina Mignone – (Polônia) e Andres Alarcon e Sol Zapata
Vários locais piano. Domingos Clássicos Internacionais. (Colômbia). Programa: música, dança e
Lançamento do livro “Cartas de amor”. meditação indiana.
Semana olha para o século XX Programa: valsas de Francisco Mignone.
Sala Municipal Baden Powell. R$ 20.
Clube Hebraica. Entrada franca.

A programação da edição deste ano da Semana Internacional de 18h30 Alexandre Gismonti – violão.
11h30 Coral Strattner. Música Série Talentos UFRJ.
Música de Câmara do Rio de Janeiro será realizada entre os dias 17 e
no Museu. Gabriel Szántòo – regente. Escola de Música da UFRJ – Sala da
26 de junho, em Volta Redonda e no Rio, na Sala Cecília Meireles e na Programa: clássicos brasileiros. Leia Congregação. Entrada franca.
Cidade das Artes. O foco é a música do século XX. Entre as atrações mais na pág. 41.
estão o Abstrai Ensemble (dia 21), com peças de Roberto Vittorio Museu de Arte Moderna. Entrada franca. 19h00 Música Antiga da UFF.
Circuito UFF de Música de Câmara.
e Piazzolla; o trio formado pelo pianista Cristian Budu, o violinista
Daniel Guedes e o violoncelista Fábio Presgrave (dia 24), com a Suíte
u 5 Segunda-feira Programa: Cantos carnavalescos.
Espaço Cultural BNDES. Entrada franca.
de Alceo Bocchino; e o Quarteto de Jovens Residentes, formado por 12h30 Marcelo Saldanha – violão
estudantes de música, ao lado de Simone Leitão e outros convidados, e voz e Gilmar Santoro – pandeiro. 19h30 Orquestra Sinfônica
interpretando Villa-Lobos e Prokofiev e Brahms (dia 25). Programa: clássicos brasileiros. Nacional UFF. OSN Popular.
Biblioteca Nacional. Entrada franca. Veja detalhes dia 6 às 19h30.

40 Junho 2017 CONCERTO


u 9 sexta-feira da Cintia Graton. Programa: obras de
Brahms, Saint-Saëns, Massenet e Argento. Dia 22, Theatro Municipal
15h00 Luiz Bomfim – voz e Regina Instituto Villa-Lobos – Sala Villa-Lobos.
Lacerda – piano. Música no Museu.
Entrada franca. Orquestra turca faz concerto único
Programa: obras de Saint-Saëns, Reynaldo 20h00 Orquestra Sinfônica de
Hahn, Massenet, Fauré e Nepomuceno. Nos últimos anos, as sin-

divulgação
Barra Mansa. Série OSBM pelo mun-
Centro Cultural Justiça Federal. Entrada franca. fonias do compositor finlandês
do. Daniel Guedes – regente. Maja
Bogdanovic – violoncelo. Veja detalhes Jean Sibelius têm sido cada vez
mais interpretadas, reforçando
u 10 Sábado dia 11 às 11h.
Igreja Matriz de São Sebastião. Entrada franca. a importância que o autor tem
20h00 Grupo Artesanato Furioso. para a música do século XX.
Série Sala Vertigens. Ricardo Bologna
u 14 Quarta-feira Seu Concerto para violino e
– regente. Manuela Freua – voz, Cláudia orquestra, no entanto, não
Nascimento – flauta, Peter Pas – viola,
Fábio Zanon – violão, Eduardo Gianesella,
12h30 Coro Lírico Feminino da precisou ser alvo de um processo
Associação de Canto Coral. Música Rebekka
Ruben Zúñiga e Carlos dos Santos – per- de “renascimento”: a peça logo
no Museu. Programa: clássicos internacio- Hartmann
cussão. Programa: Debussy – Syrinx; Peter nais.
se tornou pilar do repertório e foi
Mawell Davies – Hill Runes; Takemitsu
Centro Cultural Banco do Brasil. Entrada escolhida pela violinista Rebekka
– Toward The Sea; e Pierre Boulez – Le franca. Hartmann para seu concerto no Theatro Municipal do Rio de Janei-
marteau sans maitre.
Sala Cecília Meireles. R$ 40.
ro, no dia 22, pela série da Dell’Arte.
19h00 Camerata Fukuda. Série
Quartas Instrumentais. As Quatro
Hartmann, vencedora do prêmio Echo Klassik de 2012 com
Estações. Ugo Kageyama – regente. Elisa seu álbum de estreia, será acompanhada pela Orquestra Sinfônica
u 11 Domingo Fukuda e Wellington Rebouças – violinos. Estatal de Istambul, grupo criado em 1827 por Giovanni Donizetti,
10h30 Quarteto de Cordas da UFF.
Programa: obras de Vivaldi, Villa-Lobos e irmão do famoso compositor. A regência fica a cargo do maestro
Santoro. Milan Turkovic. Com Vadim Repim como solista, o grupo também
Música de Câmara no Centro de Artes UFF. Espaço Cultural BNDES. Entrada franca.
Tomaz Soares e Ubiratã Rodrigues – vio- se apresenta em São Paulo. (Leia mais na página 35.)
linos, Nayran Pessanha – viola e David 20h00 Sergio Monteiro – piano. Série
Chew – violoncelo. Programa: Mozart Sala Brasil-França. Programa: Lully – Suíte
– Quarteto K 458, A caça; e Schubert – em mi menor; Ravel – Valses nobles et
Quarteto D. 804. sentimentales; Poulenc – Melancholie; e Dia 24, Theatro Municipal
Cine Arte UFF. R$ 14. Dutilleux – Sonata. Leia mais na pág. 40.

11h00 Orquestra Sinfônica de


Sala Cecília Meireles. R$ 40. Alexandre Dossin solo no Concerto
Barra Mansa. Série Sala Orquestras
Jovens. Daniel Guedes – regente. Maja u 15 Quinta-feira para piano de Aram Khachaturian
Bogdanovic – violoncelo. Programa:
Entre 1936 e 1946, o compositor armênio Aram Kachaturian es-
Debussy – Préludes à l’après-midi d’um 18h00 RIO EM CANTO. Música no
faune; Saint-Saëns – Concerto para vio- Museu. Marcelo Saldanha – regente. creveu três concertos para músicos que integravam um trio então em
loncelo nº 1; e Schumann – Sinfonia nº 4. Programa: clássicos brasileiros. atividade na União Soviética: o pianista Lev Oborin, o violinista David
Leia mais na pág. 40. Centro Cultural Justiça Federal. Entrada franca. Oistrakh e o violoncelista Sviatoslav Knushevitsky. As peças são símbolo
Sala Cecília Meireles. R$ 20. Reapresentação da evolução da escrita do compositor. E o concerto para piano acabaria
dia 13 às 20h na Igreja Matriz de São Sebastião.
u 16 Sexta-feira sendo sua porta de entrada para a história da música do século XX, com
11h00 Trio Versátil. Domingos um embate constante entre solista e orquestra.
Clássicos Internacionais. Harold Emert 15h00 Giuseppe Mauro e Belkiss A peça é o destaque do programa que a Orquestra Petrobras Sinfônica
– oboé, Carlos Ratto – flauta e Claudio Campos – canto e Dilia Costa – piano. apresenta no dia 24, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, com solos do
Vetori – piano. Programa: Trios do período Música no Museu. Programa: árias de pianista gaúcho Alexandre Dossin, primeiro prêmio do Concurso Martha
clássico, romântico e contemporâneo. óperas.
Sala Municipal Baden Powell. R$ 20. Centro Cultural Justiça Federal. Entrada franca.
Argerich de 2003. A regência fica a cargo de Felipe Prazeres, que comanda
o grupo também no Episódio sinfônico, de Francisco Braga, nas Danças
11h30 Coral Cantada. Bianca de Galanta, de Kodály, e nas Danças húngaras nº 1 e nº 6, de Brahms.
Malafaia – regente. Música no Museu. u 17 Sábado
Programa: clássicos brasileiros.
Museu de Arte Moderna. Entrada franca. 17h00 Thiago Tavares – clarone.
Vários locais
Música no Museu. Programa: Fala clarona.

u 13 Terça-feira
Clube Hebraica. Entrada franca.
Música no Museu coloca o foco
20h00 VI Semana Internacional de
18h30 Jésus Figueiredo – órgão e Música de Câmara. Concerto de pré- na música vocal solista e coral
Trio Gravidade. Série Internacional -abertura. Simone Leitão – piano, Maja
de Órgão da UFRJ. Bogdanovic (Sérvia) – violoncelo, Daniel Após apresentar mais de 120 concertos em maio, dentro da progra-
Escola de Música cda UFRJ – Salão Leopoldo Guedes e Thierry de Lucas – violinos. mação do RioHarpFestival, a série Música no Museu tem como foco em
Miguez. Entrada franca. Programa: obras de Piazzolla, Bocchino junho a música vocal, tanto com recitais de cantores solistas como com
e Beethoven. Leia mais na pág. 40.
corais. No dia 4, por exemplo, apresenta-se o Coral Strattner, no Museu
19h00 Linus Roth – violino. Local a confirmar. Continuidade até dia 27.
Série Música no Palácio. de Arte Moderna, com autores brasileiros, que também formam o pro-
Centro Cultural do Poder Judiciário – grama do Coral Cantada, no dia 11, no mesmo espaço. O Coro Lírico
Sala Multiuso. Entrada franca. u 18 Domingo Feminino da Associação de Canto Coral, por sua vez, apresenta-se no
dia 14 no Centro Cultural Banco do Brasil. No dia 16, a atração é Belkiss
19h00 Cintia Graton – mezzo sopra- 11h00 Paula da Matta – piano
no, Erika Ribeiro e Jorge Potyguara e Aloisyio Fagerlande – fagote. Campos, com árias de ópera ao lado da pianista Dilia Costa. O repertório
– pianos, Ayran Nicodemo – violino e Domingos Clássicos Internacionais. operístico também é o foco da apresentação que os alunos de canto da
Jocelynne Huiliñir Cardeñas – viola. Homenagem a Noel Devos. UniRio fazem no dia 21, no CCBB. A série tem ainda a participação, em
Série Unirio Musical. Recital de Formatura Sala Municipal Baden Powell. R$ 20. recital solo, do pianista Luiz Carlos Moura Castro, sábado 3 de junho.

Junho 2017 CONCERTO 41


u ROTEIRO MUSICAL Rio de Janeiro

11h30 Coral Seresta. Música no


Museu. Paulo de Tarso Medeiros –
– regente. Rebekka Hartmann – violino.
Programa: Mozart – Abertura de Le nozze
u 24 Sábado 11h30 ABSTRASSOM. Música no Museu.
Marcelo Saldanha – regente. Programa:
direção. Programa: clássicos brasileiros. di Figaro; Sibelius – Concerto para violino; 16h00 Orquestra Petrobras clássicos brasileiros.
Museu de Arte Moderna. Entrada franca. e Dvorák – Sinfonia nº 7. Leia mais na Sinfônica. Concerto Portinari II. Felipe Museu de Arte Moderna. Entrada franca.
pág. 41. Prazeres – regente. Alexandre Dossin
Theatro Municipal. R$ 50 a R$ 420. 12h00 Coro A Palo Seco.
u 20 Terça-feira – piano. Programa: Francisco Braga
– Episódio sinfônico; Khachaturian – Fundação Cultural Avatar. Ingressos: doação de
20h30 Trio Porto Alegre. Concerto para piano; Kodály – Danças
alimentos não perecíveis e material de limpeza.
19h00 Quarteto Atlântico. Série Concertos de Eva. Ney Fialkow – piano, de Galanta; e Brahms – Danças húngaras 17h00 Orquestra Sinfônica
Música no Palácio. Ivan Scheinvar e Cármelo de Los Santos – violino e nº 1 e nº 6. Leia mais na pág. 41. Nacional UFF. Série Villa-Lobos 130
Rafael Dias – violinos, João Senna – Hugo Pilger – violoncelo. Programa: Theatro Municipal. R$ 20 a R$ 96.
viola e Lauro Lira – violoncelo. obras de Breno Blauth, Guerra-Peixe, anos. Tobias Volkmann – regente. Sonia
Centro Cultural do Poder Judiciário – Guarnieri e Villa-Lobos. Rubinsky – piano. Programa: Villa-Lobos
Sala Multiuso. Entrada franca. 17h00 Sérgio Monteiro – piano. – Bachianas brasileiras nº 3 e nº 7 e
Casa Museu Eva Klabin. R$ 40 a R$ 50.
Sociedade Artística Villa-Lobos. Programa: Naufrágio de Kleônicos.
19h00 Alessandra Quintes e Luisa 21h00 VI Semana Internacional Lully – Suíte de Armide; Mendelssohn – Theatro Municipal. R$ 10.
Pimenta – sopranos, Andrea Vizzotto de Música de Câmara. Camerata Fantasia op. 28; Duttilleux – Sonata para
e Julia Requião –mezzo sopranos e Curitiba: Wilson Ramalho e Francisco piano op. 1; e Prokofiev – Sonata para 17h00 Ópera Viva la Mamma,
Gabriel França – piano. Série Unirio Freitas Jr. – violinos, Alexandre Razera piano nº 9 op. 103, Visiões fugitivas op. de Donizetti. Veja detalhes dia 22 às 19h.
Musical. Programa: Pergolesi – Stabat – viola e Faisal Hussein – violoncelo 22, e Toccata op. 11.
Mater. e Simone Leitão – piano, Giora Theatro D. Pedro. R$ 80. 20h00 VI Semana Internacional de
Instituto Villa-Lobos – Sala Villa-Lobos. Schmidt (Isarael/EUA) – violino, Música de Câmara. Simone Leitão –
Entrada franca.
Fabio Presgrave e Maja Bogdanovic 17h00 Ópera Viva la Mamma, de piano, Giora Schmidt (Israel/EUA), Daniel
(Sérvia) – violoncelos. Programa: Donizetti. Veja detalhes dia 22 às 19h. Guedes e Winston Ramalho – violinos,
20h00 Evgeni Mikhailov – piano. Série Maja Bogdanovic – violoncelo, Alexander
Arensky – Quarteto de cordas com
Piano na Sala. Programa: Rachmaninov 18h00 VI Semana Internacional Bruck – viola e Quarteto Jovem Residente.
dois violoncelos op. 35; e Schumann –
– Études-tableaux nº 1 op. 39, nº 5 op. de Música de Câmara. Christian Programa: Prokofiev – Sonata para dois
Quinteto com piano op. 44.
39 e nº 9 op. 39, Prelúdios nº 5 op. 32 e Budu – piano, Daniel Guedes – violino e violinos; Villa-Lobos – Quarteto nº 5; e
Cidade das Artes – Teatro de Câmara. R$ 30.
nº 12 op. 32 e Variações sobre um tema Fabio Presgrave – violoncelo. Programa: Brahms – Quarteto com piano em sol
de Corelli; Glinka – Chernomor, da ópera Bocchino – Suíte para violoncelo e piano; menor op. 25.
Ruslan e Ludmila; Liszt – Valsa Mephisto;
e Tchaikovsky/Pletnev – Cinco peças do
u 23 Sexta-feira e Dvorák – Trio para piano nº 4 op. 90.
Cidade das Artes – Teatro de Câmara. R$ 30.
Cidade das Artes – Teatro de Câmara. R$ 30.

balé O quebra-nozes. 21h00 Nádia Figueiredo – soprano e


14h30 Orquestra Petrobras
Sala Cecília Meireles. R$ 40. 18h00 José Staneck – gaita. Plácido Domingo Jr. – barítono. Turnê
Sinfônica. Ensaio aberto 3. Felipe
Prazeres – regente. Alexandre Dossin Concertinhos de Eva. Juntos. Participação: João Donato e João
20h00 Aline Driade – voz. Música no Carlos de Assis Brasil – piano, Antón
– piano. Programa: Francisco Braga Casa Museu Eva Klabin. Entrada franca.
Museu. Programa: clássicos brasileiros. Carballo – violino, Alexandre Ito –baixo
– Episódio sinfônico; Khachaturian –
Iate Clube. Entrada franca. acústico e Ary Dias – percussão. Programa:
Concerto para piano; Kodály – Danças 20h00 Sonia Rubinsky – piano,
de Galanta; e Brahms – Danças húngaras Marcus Ribeiro – violoncelo, Ana clássicos Italianos, franceses e música
popular brasileira; e duetos das canções:
u 21 Quarta-feira nº 1 e nº 6.
Fundição Progresso. Entrada franca.
de Oliveira – violino e Octeto da OSB.
Dorothy Fields/Jerome Kern – The way
Série Sala de Música. Anna Zelianodjevo
Apresentação dia 24 às 16h no Theatro e Vladimir Yosifov – violinos, Victor you look tonight; Tom Jobim/Vinícius de
12h30 Cantores alunos do
Municipal.
Botene – viola, Lisiane de los Santos Moraes – Garota de Ipanema; Luiz Bonfá/
Bacharelado em Canto da UNIRIO.
– violoncelo, Waldir Bertipaglia – contra- Antônio Maria – Manhã de carnaval; Edith
Música no Museu. Alessandra Quintes e 19h00 Ópera Viva la Mamma, de
baixo, Márcio Costa – clarinete, Thiago Piaf/Louis Gugliemi – La vie en rose;
Luisa Pimenta – sopranos, Julia Requião e Donizetti. Veja detalhes dia 22 às 19h.
Rodrigues – trompa e Felipe Destéfano Hubert Giraud/Jean Drejac – Sous le ciel
Andrea Vizzoto – mezzo sopranos, Jeison
– fagote. Programa: Schubert – Trio para de Paris; e Nino Rota – Parla più piano.
Riveros e Flavio Mello – barítonos e David 20h00 Ricardo Castro e jean louis
piano D. 898 e Octeto D. 803. Leia mais Cidade das Artes. R$ 80 a R$ 180.
Azevedo – baixo. Programa: árias de steuerman – pianos, Ana de Oliveira
óperas. – violino e Músicos da OSB. Série Sala na pág. 40.
Sala Cecília Meireles. R$ 40.
Centro Cultural Banco do Brasil. Entrada
franca.
de Música. Nikolay Luiz Rodrigues e u 26 Segunda-feira
Wagner Luís Rodrigues – violinos, André
Ferreira – viola, Emilia Ivova Valova – vio- 20h00 VI Semana Internacional de 10h00 VI Semana Internacional de
21h00 VI Semana Internacional de Música de Câmara. Abstrai Ensemble:
loncelo e Waldir Bertipaglia – contrabaixo. Música de Câmara. Concerto didático
Música de Câmara. Abstrai Ensemble: Pedro Bitencourt – saxofone e direção,
Programa: Schubert – Sonatina para piano especial com músicos internacionais e
Fabio Adour – regente. Simone Leitão – Andrea Ernst Dias – flauta, Batista Junior
e violino D. 384, Rondó a quatro mãos jovens artistas brasileiros.
piano, Giora Schmidt (Israel/EUA) – violino – clarone, Mariana Salles – viola, Fabio
D. 951, Quartettsatz D. 703 e Quinteto Cidade das Artes – Teatro de Câmara. R$ 30.
e Maja Bogdanovic (Sérvia) – violoncelo. Adour – guitarra – Daniel Serale –
com piano D. 667, A truta. Leia mais
Programa: Roberto Vittorio – Quatro mun- percussão e Giora Schmidt (Israel/EUA)
na pág. 40.
dos; Kollias – Experiência auto-referencial;
Bach – Prelúdio e fuga nº 6; Bach/Busoni
Sala Cecília Meireles. R$ 40. – violino, Philip Doyle – trompa,
e Cristian Budu – piano. Programa:
u 27 Terça-feira
– Chaconne para piano solo; Brahms – Didier Marc Garin – Da Caccia para viola
21h00 VI Semana Internacional 18h00 Grupo Molho Inglês.
Scherzo; e Piazzolla – Inverno portenho e e saxofone; Rodrigo Lima – Sopro de
de Música de Câmara. Jovens Música no Museu. Crismarie Hackenberg
Primavera portenha. Leia mais na pág. 40. câmara para flauta, saxofone e clarone;
residentes. Giora Schmidt (Israel/ – direção musical. Programa: clássicos
Cidade das Artes – Teatro de Câmara. R$ 30.
EUA), Daniel Guedes, Thierry de Pauxy Gentil-Nunes – Trio para saxofone, internacionais.
Lucas e Carol Santa Rosa – violinos, guitarra e percussão; e Brahms – Trio Forte de Copacabana – Museu do Exército.
u 22 Quinta-feira Ramon Feitosa, Alexandre Razera
e Alexander Bruck (México) – violas
para trompa, violino e piano op. 40.
Cidade das Artes – Teatro de Câmara. R$ 30.
Entrada franca.

19h00 Ópera Viva la Mamma, e Maja Bogdanovic (Sérvia), Fábio 19h00 MÚSICA E CINEMA. Série
de Donizetti. Presgrave e Lucas Barros – vio- Música no Palácio. Marcelo Coutinho –
Escola de Música da UFRJ – Salão Leopoldo loncelos e Simone Leitão – piano. u 25 Domingo coordenação.
Miguez. Entrada franca. Reapresentação Programa: Händel/Harvolsen – Centro Cultural do Poder Judiciário –
dia 23 às 19h e dias 24 e 25 às 17h. Passacaglia; Turina – Quarteto com 11h00 Coro de Câmara da EMVL. Sala Multiuso. Entrada franca.
piano op. 67; e Mendelssohn – Domingos Clássicos Internacionais. José
20h00 Orquestra Sinfônica de Octeto para cordas op. 20. Assumpção – regente. Programa: obras 19h00 Flavio Mello, Luisa Pimenta,
Istambul. Série O Globo/Dell’Arte Cidade das Artes – Teatro de Câmara. de Milton Nascimento. Daniel Rangel, Mario Sampaio,
Concertos Internacionais. Milan Turkovic R$ 30. Sala Municipal Baden Powell. R$ 20. Glaise Valvano, David Monteiro, Julia

42 Junho 2017 CONCERTO


Requião, Alessandra Quintes e Jeilson 14h00 Ensemble Berlim.
Andrés Riveros – cantores e Katia Escola de Música da UFRJ – Salão Leopoldo
Balloussier – piano. Série Unirio Musical. Miguez. Entrada franca. Série recebe Maria Josephina Mignone
Ópera na Unirio. Programa: Eli-Eri Moura –
Trechos da ópera Dulcinéia e Trancoso. 18h30 Banda Sinfônica da A série de música da Sala Baden Powell traz quatro atrações em
Instituto Villa-Lobos – Sala Villa-Lobos. Polícia Militar do Estado do junho. A primeira é a pianista Maria Josephina Mignone que, no dia
Entrada franca. Rio de Janeiro. Major Ronaldo de 4, faz recital dedicado a obras de Francisco Mignone, de quem é
Almeida – regente.
viúva: a apresentação marca também o lançamento do livro “Cartas
19h30 Quinteto Lorenzo Fernandes. Escola de Música da UFRJ – Salão Leopoldo
Música de Câmara no Centro de Artes UFF. Miguez. Entrada franca. de amor,” com leitura de algumas cartas feira por Lauro Gomes. No
Kayo Yoshimura – flauta, Juliana Bravim – dia 11, apresenta-se o Trio Versátil, com peças para oboé, flauta e
oboé, César Bonan – clarinete, Alessandro 20h00 Emilio Bezzi – alaúde. piano. A pianista Paula da Matta e o fagotista Aloysio Fagerlande
Jeremias – trompa e Jeferson Souza – fago- Série Sala Música de Câmara.
fazem, no dia 18, uma homenagem a Noel Devos. E, no dia 25, o
te. Programa: Villa-Lobos – Melodia senti- Programa: obras de Joan Ambrosio
Dalza, Francesco Spinacino, Vincenzo Coro de Câmara da EMVL faz apresentação dedicada a músicas de
mental; Rafael Bezerra – Arrebol; Liduino
Pitombeira – Ajubete Jepê Amô Mbaê; Capirola, Francesco di Milano e Petro Milton Nascimento.
Lobo/Capinam – Viola fora de moda; Benny Paulo Borrono.
Wolkoff – Choro; Nazareth – Odeon; Isaias Sala Cecília Meireles. R$ 40.
Ferreira – Valsa Antiga; Lorenzo Fernandez –
Camerata Fukuda toca no Espaço BNDES
Suíte para quinteto; e outros. 20h00 Orquestra Sinfônica de
Barra Mansa. Anderson Alves – re-
A Camerata Fukuda faz apresentação no dia 14 de junho no
Teatro da UFF. R$ 14.
gente. Programa: Wagner – Abertura de Espaço Cultural BNDES. Baseado em São Paulo, o grupo é um dos
20h00 VI Semana internacional de O navio fantasma; Grieg – Peer Gynt Suíte mais tradicionais conjuntos de câmara em atividade no país e vai
música de câmara. Simone Leitão nº 1; A. Alves – Fantasia para orquestra mostrar ao público carioca o programa intitulado As quatro esta-
– piano, Giora Schmidt (Israel/EUA), sinfônica; e Gershwin – Um americano ções, com obras de Antonio Vivaldi, Heitor Villa-Lobos e Claudio
Daniel Guedes – violinos, Alexander em Paris.
Santoro. A regência é de Ugo Kageyama.
Bruck (México) – viola, Maja Bogdanovic Instituto Cultural Municipal. Entrada franca.
(Sérvia) – violoncelo e jovens residen-
tes do festival. Programa: Prokofiev
– Quinteto; Schumann – Quarteto com u 29 Quinta-feira
piano op. 47; e Dvorák – Serenata para
sopros e cordas op. 44 19h00 Ensemble Modern. 19h00 Duo SÉRGIO Barrenechea – 20h00 Ensemble San Carlino (Itália).
Sala Cecília Meireles. R$ 40. Escola de Música da UFRJ – Salão Leopoldo flauta e Clayton Vetromilla – violão. Série Sala Música de Câmara. Ciro Aroni –
Miguez. Entrada franca. Série Musicâmara. Programa: Mignone tenor, Teo Aroni – tenor e percussão, Pedro
– Passarinho está cantando, Céo do rio Alcacer – chitarrone e violão barroco, Emilio
u 28 Quarta-feira claro, Valsa choro, Canção sertaneja, Num Bezzi – arciliuto e Silvia de Rosso – viola da
u 30 Sexta-feira vorto a pé, Aquela modinha que Villa não gamba. Programa: obras de Monteverdi,
12h30 José Carlos Vasconcellos escreveu e Valsas brasileiras nºs 1, 2 e 3; Sigismondo d’India, Giovanni Kapsberger,
– piano. Música no Museu. Programa: 18h30 Música Sacra de Todos os Guarnieri – Valsa nº 9 e Improviso nº 3; Girolamo Frescobaldi, Alessandro Piccinini,
clássicos brasileiros. Tempos. Valéria Matos – coordenação. Guerra-Peixe – Mãe d’água; Pixinguinha – Johannes Kapsberger e Giovanni Battista
Centro Cultural Banco do Brasil. Escola de Música da UFRJ – Salão Leopoldo Urubatã; e Benedito Lacerda – Cheguei. Vitali.
Entrada franca. Miguez. Entrada franca. Teatro Municipal Ziembinski. R$ 20. Sala Cecília Meireles. R$ 40. t

Endereços Rio de Janeiro


Academia Brasileira de Letras Cidade das Artes – Av. das Américas, Fundição Progresso – Rua dos Arcos, Sala Cecília Meireles – Largo da
– Teatro R. Magalhães Jr. – Av. 5300 – Barra da Tijuca – Tel. (21) 3325- 24 – Centro – Tel. (21) 2220-5070 Lapa, 47 – Centro – Tel. (21) 2332-
Presidente Wilson, 203 – Castelo – 0102. Ingressos: Tel. (21) 4003-2051 – (110 lugares) 9223 (835 lugares)
Tel. (21) 3974-2500 (288 lugares) www.ingressorapido.com.br ou Tel.
(21) 4003-5588 – www.ticketsforfun. Iate Clube do Rio de Janeiro – Av. Sala Cecília Meireles – Espaço
Aquario – Porto do Rio – Armazém com.br (1238 lugares) Pasteur, 333 – Urca – Tel. (21) 3223- Guiomar Novaes – Rua Teotonio
6 – VLT Estação Aquário – Tel. (21) 7200 (200 lugares) Regadas, 26 – Lapa – Tel. (21)
3613-0700 Cine Arte UFF – Rua Miguel de Frias, 2332-9223 (150 lugares)
9 – Icaraí – Niterói – Tel. (21) 2629-5030 Igreja Matriz de São Sebastião –
Biblioteca Nacional – Av. Rio Branco, (292 lugares) Rua Monsenhor Costa, 97 – Centro – Sala Municipal Baden Powell – Av.
219 – Centro – Tel. (21) 3095-3879 Barra Mansa – Tel. (21) 2722-3709 Nossa Senhora de Copacabana, 360
(120 lugares) Clube Hebraica – Rua das Laranjeiras, – Copacabana – Tel. (21) 2548-0421
346 – 4º andar – Laranjeiras – Tel. (21) Instituto Cultural Municipal – Rua (500 lugares)
Casa Museu Eva Klabin – Av. Epitácio 2557-4455 (200 lugares) Juiz Antônio Cianni, 92 – Centro – Barra
Pessoa, 2480 – Lagoa – Tel. (21) 3202- Teatro da UFF – Rua Miguel de Frias 9
Escola de Música da UFRJ – Rua do Mansa – Tel. (24) 3323-8509
8550 (80 lugares) – Icaraí – Tel. (21) 2629-5205 e 2629-
Passeio, 98 – Lapa – Tel. (21) 2240-1391
Instituto Villa-Lobos – Sala Villa-Lobos 5206 (346 lugares)
Centro Cultural Banco do Brasil (800 lugares)
– Rua Primeiro de Março, 66 – – Av. Pasteur, 436 – Urca – Tel. (21) Teatro Municipal Ziembinski – Rua
Espaço Cultural BNDES – Av. República do 2542-3326
Centro – Tel. (21) 3808-2020 Heitor Beltrão, s/nº – Tijuca – Tel.
Chile, 100 – Centro – Tel. (21) 2172-7447
(155 lugares) (21) 3234-2003 (108 lugares)
(300 lugares) Museu de Arte Moderna –
Centro Cultural do Poder Av. Infante Dom Henrique, 85 – Theatro D. Pedro – Praça dos
Forte de Copacabana – Museu do
Judiciário – Rua Dom Manuel, Parque do Flamengo – Tel. (21) Expedicionários – Centro – Petrópolis –
Exército – Praça Coronel Eugênio Franco,
29 – Centro – Tel. (21) 3133-3366 3883-5600 (200 lugares) Tel. (24) 2235-3833 –(480 lugares)
1 – Posto 6 – Copacabana – Tel. (21) 2521-
(60 lugares) 1032 (150 lugares) Palácio São Clemente – Consulado Theatro Municipal do Rio de Janeiro
Centro Cultural Justiça Federal – Fundação Cultural Avatar – Rua Doutor de Portugal – Rua São Clemente, 424 – Praça Marechal Floriano – Centro –
Av. Rio Branco, 241 – Centro – Tel. Pereira Nunes, 141 – Niterói – Tel. (21) – Botafogo – Tel. (21) 2544-3570 (200 Tel. (21) 2332-9191 – www.ingresso.
(21) 3212-2550 (142 lugares) 2621-0217 (55 lugares) lugares) com (2350 lugares)

Junho 2017 CONCERTO 43


u ROTEIRO MUSICAL Brasil

Sala Minas Gerais


u ARACAJU, SE Pixinguinha – Carinhoso.

Filarmônica de Minas Gerais tem 01/06 20h30 Orquestra Sinfônica


10/16h00: BANDA SINFÔNICA. Marcos
Sadao Shirakawa – regente. José Milton
de Sergipe. Série Cajueiros IV. Concerto – trombone, Valentin Garvie – trompete e
grandes pianistas como convidados em homenagem aos 500 anos da Philip Doyle – trompa. Programa: Hudson
Reforma Protestante. Helder Trefzger Nogueira – Abertura festiva; Carl Wittrock
A Orquestra Filarmônica de

divulgação
– regente. Programa: Alexandre Guerra – Lord Tullamore; Philip Sparke – The four
Minas Gerais recebe, nos dias 22 – Conto para cordas nº 2, A cidade e as noble truths; Joseph Turin – Fandango;
e 23 de junho, o pianista Nelson serras; Bizet – L’Arlésienne, suíte nº 2; Ripper – Variações Acadêmicas; Otto
Freire para duas apresentações nas e Mendelssohn – Sinfonia nº 5, Da Schwarz – Cape Horn; Villa-Lobos – O
Reforma. Leia mais na pág. 49. trenzinho do caipira; e Duda – O pacificador.
quais ele vai interpretar o Concerto
Teatro Tobias Barreto – Tel. (79) 3179-1496. 10/20h30: ORQUESTRA SINFÔNICA.
para piano e orquestra de Grieg,
Tobias Volkmann – regente. Martin
uma de suas especialidades. Freire 08/06 20h30 Orquestra Sinfônica Kuuskmann – fagote e Carla Caramujo
é o grande nome do piano brasileiro de Sergipe. Guilherme Mannis e Daniel – soprano. Programa: Carlos Gomes – O
atual, dono de uma carreira que o Nery – regentes. Programa: música regio- guarani, Protofonia; Villa-Lobos – Ciranda
nal dedicada aos festejos juninos. das sete notas e Choros nº 6; e Ripper
tem levado aos principais palcos do Teatro Tobias Barreto – Tel. (79) 3179-1496.
Caio Pagano – Cinco poemas de Vinicius de Moraes.
mundo – recentemente, participou Reapresentação dia 9 às 20h30; e no dia 30
Reapresentação dia 11 às 20h30.
de uma série de concertos come- às 20h no Arraiá do Povo – Praça de Eventos
da Orla de Atalaia, s/nº. Entrada franca.
morativos com o maestro Valery Gergiev na Rússia. Além da peça de Fundação Carlos Gomes – Sala
Grieg, a filarmônica, regida por seu diretor artístico e maestro titular Ettore Bósio – Tel. (91) 3201-9450
Fabio Mechetti, interpreta a Sinfonia nº 3 do austríaco Anton Bruckner. u ARARAQUARA, SP 05/12h30: COLÓQUIO DE MÚSICA
Em sua série de assinaturas na Sala Minas Gerais, o grupo também ANTIGA. Canto Gregoriano. Juan Carlos
23/06 20h00 Quinteto Bachiana
apresenta um programa com dois convidados: o maestro Wagner Polist- Sesi-SP e Giovanna Maira – cantora.
Asensio (Espanha) – regente. Programa:
chuk e o pianista Caio Pagano, que vai interpretar o Concerto nº 26, Schola Gregoriana “Ad Te Levávi”. Às
Sesi Música.
Coroação, que Mozart escreveu em 1788 e, mais tarde, tocou na coro- 16h30: Camara Bassa e Duo de viola
Teatro de Sesi – Tel. (16) 3337-3100.
da gamba e violoncelo barroco.
ação de Leopoldo II, em Frankfurt. O repertório, nos dias 8 e 9, conta Entrada franca.
06/12h30: COLÓQUIO DE MÚSICA
ainda com a Abertura concertante, de Camargo Guarnieri, e a Sinfonia
ANTIGA. Grupo Experimental de Música
em mi menor, Renascer, de Karlowicz. u BELÉM, PA Antiga. Às 16h30: Professores do
Sob regência de Marcos Arakaki, a orquestra também faz mais um Colóquio de Música Antiga. Programa:
concerto de sua turnê pelo interior do estado, desta vez em Nova Lima, XXX Festival Internacional Homenagem à Telemann.
de Música do Pará
no dia 3, com peças curtas de autores como Tchaikovsky, Carlos Gomes, 07/12h30: Música de Câmara do IECG.
30 anos de música e cultura
Berlioz, Bizet e Elgar. E, no dia 17, também com Arakaki, na série Fora Homenagem a Heitor Villa-Lobos
Continuidade dias 8 e 9 às 12h30.
de Série, a orquestra presta homenagem ao Padre José Maurício Nunes De 4 a 11 de junho 09/16h30: Franz Halasz – violão
Garcia, de quem é interpretado o Réquiem. Participam do concerto um Direção artística: Marcelo Jardim e Orquestra de Violões do IECG.
time de solistas composto pela soprano Lina Mendes, a mezzo soprano Realização: Fundação Carlos Gomes 10/18h00: Quinteto Villa-Lobos
Informações: www.fcg.pa.gov.br e Quinteto Carlos Gomes. Música
Edineia de Oliveira, o tenor Flávio Leite e o baixo Carlos Eduardo Mar-
Entrada franca de Câmara.
cos, além do Coral Concentus Musicum de Belo Horizonte. Leia mais na pág. 48
11/16h00: Grupo de Metais e
Grupo de sopros.
Theatro da Paz – Tel. (91) 4009-8766
04/11h00: Banda Sinfônica da
Igreja de Santo Alexandre –
fcg. Almicar Gomes, Douglas Lopes,
Praça Frei Caetano, s/nº – Cidade Velha.
Rodrigo Moraes e Marcelo Jardim –
Goiânia, dias 4, 17, 22 e 25 05/18h30: Quarteto Radamés
regentes.
Filarmônica de Goiás recebe 04/20h30: Orquestra Sinfônica
Carlos Gomes. Concerto oficial de
Gnattali e Quinteto Villa-Lobos.
06/18h30: Grupo Toy Ensemble.
piano de Nelson Freire abertura. André Cardoso – regente.
Matilde Loureiro (Portugal) – violino.
Destino. Christina Margotto e Jed
Barahal – direção musical. Programa:
Com regência do britânico Programa: João Guilherme Ripper – obras de João Guilherme Ripper,
divulgação

Navidade, Suíte Orquestral (estréia); Alexandre Delgado, Fernando Lapa


Neil Thomson, seu diretor artís- e Villa-Lobos.
Mendelssohn – Concerto para violino; e
tico e maestro titular, a Orquestra Villa-Lobos – Bachianas Brasileiras nº 4. 07/18h30: DUO HALÁSZ: Débora Halász
Filarmônica de Goiás apresenta- – piano e Franz Halász – violão.
05/20h30: Orquestra Sinfônica do
-se no dia 17, no Centro Cultural Theatro da Paz. 08/18h30: Recital de Professores. Toy
Oscar Niemeyer, com um convi- 07/20h30: Johann Sebastian Rio. Ensemble, Quinteto Villa-Lobos, Linus Roth
dado especial: o pianista Nelson Felipe Prazeres – direção musical. – violino, Martin Kuuskmann – fagote e
Nelson Freire
Freire, que será o solista no Con- Linus Roth – violino e Vanessa Rocha – Paulo José Campos de Melo – piano.
certo para piano e orquestra de narração. Programa: Vivaldi – As quatro
Grieg. Em seguida, o grupo interpreta duas importantes obras do estações. Teatro Waldemar Henrique –
repertório nacional: as Variações sobre um tema brasileiro, de Fran- 08/20h30: FIMUPA 30 ANOS. Concerto Tel. (91) 3110-8650
cisco Braga, e a Sinfonia em sol menor, de Alberto Nepomuceno. de aniversário. 07/19h00: Grupo de Percussão da
09/20h30: orquestra sinfônica Fcg. Ricardo Aquino e Marcos Matos–
Já no dia 22, no Teatro Goiânia, assume o grupo o violinista e
jovem e Quinteto Villa-Lobos. direção musical. Bach Pará.
maestro Emnanuele Baldini. Ele sola o Concerto para violino nº 3,
Marcelo Jardim – regente. Linus Roth 08/19h30: CORAL CARLOS GOMES.
de Mozart e, em seguida, rege a Sinfonia nº 7, de Beethoven. Bal- – violino e Julia Barahal – violoncelo. Maria Antônia Jimenez – regente.
dini também se une a músicos da orquestra no dia 25, para um Programa: Tchaikovsky – Variação sobre Programa: obras de Pe. José Maurício,
programa de música de câmara. A filarmônica faz ainda, no dia 4, um tema Rococó; Wieniavsky – Concerto João Guilherme Ripper, Ernani Aguiar,
um Concerto para a Juventude, com obras de Schönberg e Brahms. para violino (2º e 3º movimentos); João Ronaldo Miranda, Villani-Côrtes, Krieger
Guilherme Ripper – Concerto a cinco; e e Villa-Lobos.

44 Junho 2017 CONCERTO


09/19h00: Johann Sebastian Rio. 13/06 12h00 Orquestra Sinfônica
Felipe Prazeres – direção musical. Sarau. de Minas Gerais. Série Sinfônica ao
10/19h00: LUCIA CARPENA – flauta Meio-Dia. Sérgio Gomes – regente.
doce e CONJUNTO FLAUTAS DA Participação: Coral Lírico de Minas

Digital Concert Hall


AMAZÔNIA. Acácio Cardoso – direção Gerais. Programa: Sibelius – Trechos
musical. de Finlândia e da Sinfonia nº 2. Leia
mais na pág. 48.
Mep – Museu do Estado do Pará – Palácio das Artes – Grande Teatro – Tel.
Tel. (91) 4009-9830 (31) 3236-7400. Entrada franca. Apresentação A Filarmônica de Berlim em sua casa.
09/18h30: Recital da Oficina de da versão integral, dia 14 às 20h30, pela
Ópera. Participação: Carla Caramujo – série Sinfônica em Concerto. R$ 30.
cantora.
Espaço Cultural São José Liberto –
17/06 18h00 Orquestra
Filarmônica de Minas Gerais e
Acesse pelo Site CONCERTO
Tel. (91) 3344-3500 Coral Concentus Musicum de Belo e ganhe 10% de desconto.
11/10h30: Oficina Suzuki para Horizonte. Série Fora de Série. Barroco
Crianças. Finalização da oficina. Simone Mineiro. Marcos Arakaki – regente. Iara www.concerto.com.br/dch
dos Santos, Luciana Arraes, Susan Hagar Fricke Matte – regente do coro. Lina
e Thais Carneiro. Mendes – soprano, Edineia de Oliveira
– contralto, Flávio Leite – tenor, Carlos
Eduardo Marcos – baixo. Programa:
Marcos Portugal – Abertura II Duca
Filarmônica de Berlim
u BELO HORIZONTE, MG di Foix; Dias de Oliveira – Magnificat; PROGRAMAÇÃO DE
03/06 21h00 NÁDIA FIGUEIREDO
Lobo de Mesquita – Te Deum; e JUNHO DE 2017
Pe. José Maurício – Requiem. Leia
– soprano e Plácido Domingo Jr. – mais na pág. 44.
barítono. Turnê Juntos. Participação: Sala Minas Gerais – Tel. (31) 3219-9000.
João Carlos de Assis Brasil – piano,
Antón Carballo – violino, Alexandre Ito
R$ 40 a R$ 105.
SÁBADO • 3 DE JUNHO • 14H
– baixo acústico e Ary Dias – percussão. 20/06 20h30 Simone Leitão – piano. Simon Rattle – regente / Imogen Cooper – piano
Programa: clássicos Italianos, franceses Concertos Bradesco. Programa: Bach – Obras de Thomas Adès, Mozart e Stravinsky
e música popular brasileira; e duetos das Partita nº 2 BWV 826; Ravel – Une bar-
canções: Dorothy Fields/Jerome Kern – que sur l’ocean; Bach/Busoni – Chacone;
The way you look tonight; Tom Jobim/ e Ginastera – Sonata nº 1 op. 22. Celina SEXTA-FEIRA • 9 DE JUNHO • 15H
Vinícius de Moraes – Garota de Ipanema; Szrvinsk – direção artística. Leia mais na
Luiz Bonfá/Antônio Maria – Manhã de pág. 49.
Gustavo Dudamel – regente
carnaval; Édith Piaf/Louis Gugliemi – La Teatro Bradesco – Tel. (31) 3516-1360. R$ 20.
Obras de John Adams e Dvorák
vie en Rose; Hubert Giraud/Jean Drejac –
Sous le ciel de Paris; e Nino Rota – Parla
più piano.
22/06 19h30 Coral Lírico de
Minas Gerais. Série Lírico Sacro. Lara
SÁBADO • 17 DE JUNHO • 14H
Palácio das Artes – Tel. (31) 3236-7400. Tanaka – regente. Fred Natalino – pia- Yannick Nézet-Séguin – regente
R$ 160 a R$ 200. no. Programa: obras de Mozart, Rossini Joyce DiDonato – mezzo soprano
e Casals, entre outros compositores do Obras de Ravel, Berlioz e Stravinsky
06/06 12h00 Coral Lírico de Minas período Barroco ao Contemporâneo e
Gerais. Série Lírico ao Meio-Dia. Ângelo trechos de óperas.
Fernandes – regente. Programa: trechos Igreja São Sebastião – Rua Paracatu, 166 – DOMINGO • 18 DE JUNHO • 18H
de obras de Villa-Lobos, Webber, Luiz Barro Preto. Entrada franca. Reapresentação
Gonzaga, Humberto Teixeira, Dorival dia 29 às 16h30 na Igreja de São José – Rua Simon Rattle – regente / Vocal Heroes – coral
Caymmi e Edu Lobo, entre outros. Tupis, 164 – Centro. A trip to the moon, de Andrew Norman
Palácio das Artes – Grande Teatro – Tel. (31)
3236-7400. Entrada franca. Apresentação da 22/06 20h30 Orquestra
versão integral, dia 7 às 20h30, pela série Filarmônica de Minas Gerais. SÁBADO • 24 DE JUNHO • 14H
Lírico em Concerto. R$ 30. Série Presto. Fabio Mechetti – regente. Simon Rattle, regente
Nelson Freire – piano. Programa: Obras de Dvorák, Turnage e Brahms
08/06 20h30 Orquestra Grieg – Concerto para piano; e Bruckner –
Filarmônica de Minas Gerais. Série Sinfonia nº 3. Leia mais na pág. 44.
Presto. Wagner Polistchuk – regente.
Caio Pagano – piano. Programa: Guarnieri
Sala Minas Gerais – Tel. (31) 3219-9000.
R$ 40 a R$ 105. Reapresentação dia 23 às
SÁBADO • 1º DE JULHO • 15H15
– Abertura concertante; Mozart – Concerto 20h30, pela série Veloce. Concerto no Waldbühne de Berlim
para piano nº 26 K 537, Coroação; Gustavo Dudamel, regente
e Karlowicz – Sinfonia op. 7, Renascer. 27/06 12h00 Orquestra Sinfônica Obras de Schumann e Wagner
Leia mais na pág. 44. de Minas Gerais. Sinfônica ao Meio-
Sala Minas Gerais – Tel. (31) 3219-9000. Dia. Sílvio Viegas – regente. Programa:
R$ 40 a R$ 105. Reapresentação dia 9 às Mahler – Trechos da Sinfonia nº 1.
20h30, pela série Veloce. ©MONIKA RITTERSHAUS / BERLIN PHIL MEDIA
Palácio das Artes – Grande Teatro – Tel.
(31) 3236-7400. Entrada franca. Apresentação
11/06 11h00 Orquestra da versão integral, dia 28 às 20h30, pela
Filarmônica de Minas Gerais. série Sinfônica em Concerto. R$ 30.
Concertos para a Juventude. Era uma vez
o Macabro. Marcos Arakaki – regente.
Programa: Mussorgsky – Uma noite no u BIRIGUI, SP
Monte Calvo; Offenbach – Abertura de
Orfeu no inferno; Saint-Saëns – Dança 23/06 20h00 Trio São Paulo
macabra op. 40; Mussorgsky/Ravel – Ensemble. Sesi Música. Rodrigo
Quadros de uma exposição: IX. Baba Nagamori – oboé, Domingos Elias –
Yaga e A grande porta de Kiev; e Dukas clarinete e Marcos Fokin – fagote.
– O aprendiz de feiticeiro. Teatro do Sesi – Tel. (18) 3642-7044.
Sala Minas Gerais – Tel. (31) 3219-9000. R$ 6. Entrada franca.
u ROTEIRO MUSICAL Brasil

u BRASÍLIA, DF Agnes Magalhaes/Lola Malique –


Três canções. Curadoria: Thais Nicolau.
16/06 19h00 Sebastião Teixeira
– barítono e Antonio Luiz Barker –
u CURITIBA, PR
06/06 20h00 Orquestra Sinfônica Leia mais na pág. 47. piano. Toriba Musical. Programa: Trechos 01/06 14h30 Ópera João e Maria,
do Teatro Nacional Claudio Espaço Cultural CPFL – Auditório Umuarama – das óperas As bodas de Fígaro e Don de Humperdinck. Luiz Néri
Tel. (19) 3756-8000. Entrada franca. Giovanni, de Mozart; La traviata, de Verdi;
Santoro. Homenagem dos 170 anos Pfutzenreuter – direção musical e piano.
de morte de Felix Mendelssohn. De Don Pasquale, de Donizetti; O barbeiro de Jul Leardini – direção cênica.
12/06 12h30 Projeto em Preto Sevilha, de Rossini; e Carmen, de Bizet.
Fillipi – regente. Marcos Cohen e Centro Cultural Teatro Guaira – Guairinha
e Branco. Recital da classe de piano USP. Hotel Toriba – Sala da Lareira – Tel. (12)
Renata Menezes – clarinetes. Programa: – Tel. (41) 3304-7914. DE R4 10 a R$ 30.
Projeto Intercâmbio entre universidades. 3668-5000.
Mendelssohn – Abertura Os Hebreus, Reapresentação dia 4/6 às 16h.
Eduardo Monteiro e Luciana Sayure –
Concertos para dois clarinetes n 1º e
coordenação. 17/06 20h30 Ópera O elixir do 02/06 20h00 Camerata Antiqua
nº 2 e Sinfonia nº 3, Escocesa.
Instituto de Artes da Unicamp – Auditório – amor. Coro Ópera Studio do Vale e de Curitiba. Música brasileira. Mara
Cine Brasília – Tel. (61) 3244-1660. Rua Elis Regina, 50 – Cidade Universitária.
Entrada franca.
Balé Cia. Lua Bailarina. Mere Oliveira Campos – regente. Programa: Henrique
– direção artística e cênica. Juliana de Curitiba – Evocação das montanhas;
24/06 20h00 Orquestra Sinfônica Christmann – direção musical. Elisangela
10/06 17h30 Orquestra Sinfônica Danilo Guanais – Missa de Alcaçuz;
Municipal de Campinas. Vitor Hugo Akazawa e Patrícia Teixeira (Andina),
do Teatro Nacional Claudio Santoro. Osvaldo Lacerda – Provérbios; e Davi
Toro – regente. Gabriel Marin – viola. Gabriel Marinelo (Nemorino), Yuri
Iate in Concert. La Dolce Vita. Claudio Sartori – Encomenda da Camerata Antiqua
Programa: Mendelssohn – Abertura de Jaruskevicius (Dulcamara), Miler Ezequiel
Cohen – regente. Patrizia Cigna – so- de Curitiba. Leia mais na pág. 47.
Ruy Blas; Bruch – Romance para viola; (Belcore) e Patrícia Bessa (Gianeta).
prano e Pierluigi Ruggiero – violoncelo. Weber – Andante e rondó hungarese;
Capela Santa Maria – Espaço Cultural –
Programa: obras de Nicola Piovani, Nino Ricardo de Souza – piano, Quarteto de Tel. (41) 3321-2846. R$ 30. Reapresentação
e Schubert – Sinfonia op. 140 D 812. cordas e banda com metais, palhetas dia 3 às 18h30.
Rota, Luís Bakalov e Ennio Morricone. Teatro Municipal José de Castro Mendes –
Iate Clube – Tel. (61) 3329-8700.
e percussão.
Tel. (19) 3272-9359. R$ 30. Reapresentação 10/06 18h30 Ensemble de Cordas
Auditório Claudio Santoro – Tel. (12) 3662-
dia 25 às 11h.
2334. R$ 60. da Camerata Antiqua de Curitiba.
16/06 20h00 Orquestra Sinfônica
Winston Ramalho – direção musical.
do Teatro Nacional Claudio 24/06 20h00 Karin Fernandes –
Programa: Glière – Octeto para cordas;
Santoro. Concerto Sinfônico. Tulio
Colacioppo – regente. Marcos Cohen e
piano. Série Mosaico. Tirando uma self
da(s) música(s) contemporânea(s).
u CARATINGA, MG e Shostakovich – Duas peças op. 11.
Capela Santa Maria – Espaço Cultural –
Renata Meneses – clarinetes. Programa: Programa: Frederic Rzewski – 36 30/06 19h00 Francisco Manuel da Tel. (41) 3321-2846. Entrada franca.
Beethoven – Sinfonia nº 5; Liszt – Variações sobre The People United Will Silva – flauta transversal e Marcos
Os prelúdios; Stamitz – Concerto para Never be Defeatead!. Curadoria: Thais Leite, Alefy Santos e Ronaldo Rocha 13/06 20h00 Benedicte Maurseth
dois clarinetes; e Ravel – Bolero. Nicolau. Leia mais na pág. 47. – pianos. Homenagem aos 130 anos (Noruega) – hardanger fiddle e
Teatro Pedro Calmon – Tel. (61) 3325-6171. Espaço Cultural CPFL – Auditório Umuarama – cantora. Série Solo Música.
de nascimento de Heitor Villa-Lobos.
Entrada franca. Tel. (19) 3756-8000. Entrada franca.
Projeção do documentário “Villa-Lobos: Caixa Cultural – Tel. (41) 2118-5111. R$ 20.
Um índio de casaca”. Marcos Leite – Antes do recital, às 19h30 haverá um workshop.
20/06 20h00 Orquestra Sinfônica 26/06 19h00 Festival Internacional
coordenação.
do Teatro Nacional Claudio de Regência Sergio Chnee. Orquestra 20/06 20h00 Coro da Camerata
Praça São Domingos das Dores – Tel. (33)
Santoro. Concerto Sinfônico. Sinfônica Comunitária da Unicamp, Antiquade Curitiba e Coros do
3315-8055. Entrada franca. Reapresentação
Claudio Cohen – regente. Coralistas do SEA Lapland Oratorium dia 1/7 às 19h na Praça São Geraldo Homem Projeto Nosso Canto. II Semana
Cine Brasília – Tel. (61) 3244-1660. Choir (Finlândia), Instrumentistas da de Faria, de Inhapim/MG; dia 2/7 às 19h na de Canto Coral Henrique de Curitiba.
Entrada franca. Wasa Sinfonieta (Finlândia) e Coro Praça Geralda Rosa, de São José do Batatal/ Homenagem aos 90 anos de Roberto de
Contemporâneo de Campinas. MG, e dia 3/7 às 19h Casa de Cultura Ziraldo, Regina. Concerto de abertura. Roberto de
27/06 20h00 Orquestra Sinfônica Espaço Cultural Casa do Lago – Unicamp – de Caratinga.
Regina – regente. Mara Campos – direção
do Teatro Nacional Claudio Tel. (19) 3521-7017. Entrada franca. artística e regente. Programa: Tom Jobim –
Santoro. Concerto Português. Cesário Informações: www.firsc.com.br.
Costa – regente. Programa: Carlos Seixas u CAXIAS DO SUL, RS Canta mais; e Clément Janequin – Le chant
des oiseaux e La guerre.
– Abertura em ré; Francisco Antônio de
Almeida – Abertura de La Spinalba; Sousa u CAMPOS DO 15/06 20h30 Orquestra Sinfônica Capela Santa Maria – Espaço Cultural –
Tel. (41) 3321-2846. Entrada franca.
da UCS. Quinta Sinfônica. Manfredo
Carvalho – Abertura L’amore Industrioso; JORDÃO, SP Schmiedt – regente. Participação: Coro
Marcos Portugal – Il Dulca di Foix; 25/06 18h30 Coro da Camerata
Domingos Bomtempo – Abertura; Antônio da UCS. Anita Campagnolo – regen- Antiqua de Curitiba. II Semana de
03/06 20h45 Daniel Guimarães –
Fragoso – Nocturno; Alfredo Keil – Donna te. Cibele Tedesco, Tita Sachet, Mozer Canto Coral Henrique de Curitiba. Concerto
violino e Antonio Luiz Barker – piano.
Bianca, ballo e prelúdio do 1º ato. Oliveira e Rafa Gubert – cantores. Nivaldo de encerramento. Mara Campos – dire-
Toriba Musical. Programa: Rachmaninov
Cine Brasília – Tel. (61) 3244-1660. Pereira – narração. Programa: obras de ção artística e regente. Clenice Ortigara
– Vocalise; Vivaldi – Inverno, de As quatro
Entrada franca. Edu Lobo, Vinicius de Moraes, Caetano – piano e Aglaê Frigeri – percussão.
estações; Brahms – Dança húngara nº 5;
Veloso e Gilberto Gil, entre outros. Programa: Tom Jobim – Canta mais;
Villa-Lobos – Ária das Bachianas brasilei-
UCS – Teatro – Tel. (54) 3218-2610. R$ 10. Monteverdi – Cantate domino a 6; Chico
ras nº 5 e nº 2, Tocata e O trenzinha do
u CAMPINAS, SP caipira; Paganini – Capricho para violino César – Beraderô; Henrique de Curitiba
nº 9, La chasse; Bellini – Casta Diva, de – Nossa Senhora da Glória; Eric Whitacre –
03/06 20h00 Orquestra Sinfônica Norma; Puccini – Vissi D’arte; Fauré – u Cubatão, SP Kalá Kallá e Alleluia; Dorival Caymmi – O
Municipal de Campinas. Vitor Hugo Après un rêve; e Schubert – Serenata. vento; Antônio Vaz – Mulungu fuloriô;
Toro – regente. Programa: Liszt – Os 07/06 19h00 Projeto em Preto Antonio Ribeiro – Oficina irritada; Osvaldo
Hotel Toriba – Sala da Lareira – Tel. (12)
prelúdios; Saint-Saëns – Danse macabre; 3668-5000. e Branco. Recital da classe de piano Lacerda – Poema da necessidade; e
e Grieg – Peer Gynt. Leia mais na pág. 49. USP. Eduardo Monteiro e Luciana Sayure Guarnieri – Agnus Dei.
Teatro Municipal José de Castro Mendes – 10/06 19h00 ADRIANA BERNARDES – coordenação. Capela Santa Maria – Espaço Cultural
Tel. (19) 3272-9359. R$ 30. Reapresentação – soprano e Antonio Luiz Barker – Escola Técnica de Música e Dança Ivanildo – Tel. (41) 3321-2846. Entrada franca.
dia 4 às 11h. piano. Toriba Musical. Programa: árias e Rebouças – Av. Nações Unidas, 168 – Vila Nova.
canções de Puccini – La Bohème e Gianni 30/06 20h00 Orquestra de Câmara
10/06 20h00 Michelle Agnes Schicchi; Bizet – Carmen; Händel – Ombra da Cidade de Curitiba e Florilegium
Magalhães – compositora e eletrônica mai fu; Verdi – Rigoletto; Offenbach u CUIABÁ, MT Musicum. Luís Otávio Santos – regente.
e Lola Malique – violoncelo e cantora. – Os contos de Hoffmann; Brahms – Programa: Georg Muffat – Florilegium
Série Mosaico. Tirando uma self da(s) Wiegenlied; Bach/Gounod – Ave Maria; 09/06 20h00 Coro Experimental Musicum, Gratitudo e Sonata nº 2,
música(s) contemporânea(s). Ouvido sus- Villa-Lobos – Ária das Bachianas brasi- da Orquestra do Estado de Mato Armonico tributo; Geminiani – Concerto
penso: conto e poesia, gestos instrumen- leiras nº 5; Jaime Ovalle – Azulão; Arlen Grosso. Concertos Oficiais. 130 anos grosso, L Follia; e Leclair – Suíte Ecylla
tais, dispositivos e canto no contexto de – Over the rainbow; e Tom Jobim – Eu de Heitor Villa-Lobos. Programa: obras et Glaucus. Leia mais na pág. 47.
criação musical atual. Programa: Michelle sei que vou te amar. de Villa-Lobos. Capela Santa Maria – Espaço Cultural –
Agnes Magalhães – O ouvido suspenso; Hotel Toriba – Sala da Lareira – Tel. (12) Cine Teatro Cuiabá – Tel. (65) 3017-1824. Tel. (41) 3321-2846. R$ 30. Reapresentação
Kaija Saariaho – Sept Papillons; e Michelle 3668-5000. R$ 20. Reapresentação dias 10 e 11 às 20h. dia 01/07 às 18h30.

46 Junho 2017 CONCERTO


u FORTALEZA, CE u JOÃO PESSOA, PB Curitiba, dias 2, 3, 30 de junho e 1º de julho

11/06 19h00 NÁDIA FIGUEIREDO 01/06 20h30 Orquestra Sinfônica Capela Santa Maria convida
– soprano e Plácido Domingo Jr. – da Paraíba. Concerto Oficial. Luiz Carlos
barítono. Turnê Juntos. Participação: Durier – regente. Raiff Dantas Barreto Mara Campos e Luís Otávio Santos
João Carlos de Assis Brasil – piano, – violoncelo. Programa: Villani-Côrtes –
Antón Carballo – violino, Alexandre Ito Concerto para violoncelo nº 1 e Concerto A Camerata Antiqua de Curitiba, um dos mais tradicionais conjuntos
– baixo acústico e Ary Dias – percussão. para violoncelo e cordas nº 2; e Schubert do cenário nacional, inicia o mês de junho, nos dias 2 e 3, com um progra-
Programa: clássicos Italianos, franceses – Sinfonia nº 9, A grande. Leia mais na ma dedicado a autores brasileiros. De Henrique de Curitiba, é interpretada
e música popular brasileira; e duetos das pág. 49. a Evocação das montanhas; de Danilo Guanais, a Missa de Alcaçuz; de
canções: Dorothy Fields/Jerome Kern – Fundação Espaço Cultural da Paraíba –
The way you look tonight; Tom Jobim/ Sala de Concertos Maestro José Siqueira –
Osvaldo Lacerda, Provérbios; e de Davi Sartori, uma nova obra, enco-
Vinícius de Moraes – Garota de Ipanema; Tel. (83) 3211-6228. R$ 4. mendada pelo grupo, que faz assim um panorama de diferentes gerações
Luiz Bonfá/Antônio Maria – Manhã de de autores do país. A regência é da maestrina Mara Campos, que tem
08/06 20h00 Orquestra Sinfônica
carnaval; Édith Piaf/Louis Gugliemi – La desenvolvido importante trabalho com o grupo. As duas apresentações
vie en Rose; Hubert Giraud/Jean Drejac – da Paraíba. Concerto Oficial. Projeto
OSPB nos Bairros. Luiz Carlos Durier – re- acontecem na Capela Santa Maria.
Sous le ciel de Paris; e Nino Rota – Parla
più piano. gente. Programa: Maestro Duda – Seleção E é no mesmo local onde, nos dias 30 de junho e 1º de julho, a
Teatro São Luiz – Tel. (85) 3231-9461.
de Ari Barroso; Clóvis Pereira – Aboio e Orquestra de Câmara da Cidade de Curitiba apresenta, ao lado do Flo-
Dança; Bernstein – Seleção de West Side rilegium Musicum, um programa inteiramente dedicado à música dos
Story; Rogério Duprat – Músicas do festi-
séculos XVII e XVIII, de autores como Georg Muffat e Jean-Marie Leclair.
u FRANCA, SP val; Zimmer/Elton John – O rei leão.
A regência é do maestro e violinista Luís Otávio Santos, um dos principais
Paróquia Santíssima Trindade – Tel. (83)
02/06 20h00 Fábio Caramuru – 3237-2339. Entrada franca. especialistas do país na interpretação do repertório antigo e diretor do
piano. Série Sesi. Participação: Núcleo de Música Antiga da Escola de Música do Estado de São Paulo.
14/06 20h30 Orquestra Sinfônica
Alexandre Barros – DJ.
Jovem da Paraíba. Concerto Oficial. Luiz
Teatro do Sesi – Tel. (16) 3721-1444.
Entrada franca. Carlos Durier – regente. Erivaldo Silva –
trombone. Programa: Debussy – Marcha
escocesa; Ewazen – Concerto pra trombo-
u GOIÂNIA, GO ne; e Nepomuceno – Série Brasileira. CPFL Cultura apresenta duas atrações
Fundação Espaço Cultural da Paraíba –
04/06 11h00 Orquestra Sala de Concertos Maestro José Siqueira – Uma apresentação da compositora Michelle Agnes e da violon-
Tel. (83) 3211-6228. Entrada franca. celista e cantora Lola Malique abre a programação da série de mú-
Filarmônica de Goiás. Concertos para
a Juventude. David Rabinovich – regen- sica contemporânea do Espaço Cultural CPFL, em Campinas. No
te. Programa: Schönberg – Sinfonia de
câmara nº 1; e Brahms – Sinfonia nº 2.
u JUNDIAÍ, SP dia 10, elas realizam o concerto Ouvido suspenso, no qual propõem
um diálogo com a poesia do escritor marroquino radicado na França
Teatro Goiânia – Tel. (62) 3201-4685. 03/06 20h00 Orquestra Municipal Abdellatif Laâbi. Michelle Agnes é uma das mais interessantes artis-
de Jundiaí. Claudia Feres – regente.
17/06 20h30 Orquestra Cleber Albuquerque – violino. Programa:
tas da composição brasileira atual e dela o programa inclui, além de
Filarmônica de Goiás. Concertos Vittorino Giannini – Concerto grosso para O ouvido suspenso, Três canções. O compromisso seguinte da série
Especiais. Neil Thomson – regente. cordas; Albinoni – Adágio; Tomaso Vitali é um recital da pianista Karin Fernandes. Especializada no repertó-
Nelson Freire – piano. Programa:
Massenet – Phédre; Grieg – Concerto
– Chaconne em sol menor; e Respighi – rio contemporâneo, ela vai interpretar, no dia 24, as 36 variações
Danças e Árias antigas para alaúde. sobre “O povo unido jamais será vencido!”, em que o compositor
para piano; Francisco Braga – Teatro Polytheama – Tel. (11) 4586-2472.
Variações sobre um tema brasileiro; Entrada franca. norte-americano Frederic Rzewski une música e política.
e Nepomuceno – Sinfonia em sol menor.
Leia mais na pág. 44. 10/06 20h30 Orquestra Sinfônica
Centro Cultural Oscar Niemeyer – Tel. e Coros Sinfônicos do Conservatório
Duo Graffiti toca na Série do Sesc São Carlos
(62) 3201-4901. de Tatuí. João Maurício Galindo – Formado pela flautista Cássia Carrascoza e o percussionista
regente. Programa: Carl Orff – Carmina
22/06 20h30 Orquestra Burana. Ricardo Bologna, o Duo Graffiti é a atração de junho da série Em
Filarmônica de Goiás. Quinta Clássica. Teatro Polytheama – Tel. (11) 4586-2472. Concerto, do Sesc São Carlos. O grupo vai se apresentar no dia 8,
Emmanuele Baldini – regente e violino. R$ 10. com um programa que tem como foco obras dos séculos XX e XXI.
Programa: Mendelssohn – Abertura Die
schöne Melusine; Mozart – Concerto
O recital começa com Villa-Lobos e um arranjo de Bologna para a
23/06 20h00 Coral Jovem do Estado.
para violino nº 3 K 216; e Beethoven – Tiago Pinheiro – regente. Marília Vargas ária das Bachianas brasileiras nº 5. Em seguida, Syrinx, de Debussy,
Sinfonia nº 7. Leia mais na pág. 44. – preparação vocal. Participação: Corina e After Syrinx 2, de Richard Rodney Bennet. De John Cage, duas
Teatro Goiânia – Tel. (62) 3201-4685. Marti – clavicímbalo, organeto e flautas, peças: Music for two e Seis melodias para violino e piano. E, para
Mario Olando Guimarães – viele e viola terminar, Figures in a landscape, de Peter Klatzow, e Pretensioso,
25/06 11h00 Emmanuele Baldini da gamba e Hiram Santos – dulciana e
e Monique dos Anjos – violinos,
choro de concerto do brasileiro Edmundo Villani-Côrtes.
percussão. Programa: Paulo Diácomo –
Cleverson Cremer e Jader Cruz – vio- Ut queant laxis; Hildegard von Bringen –
las e Emerson Nazário – violoncelo.
Concertos de Câmara da OFG. Programa:
O frondesn virga; Cicconia – Uma pantera; Programação do Sesi tem piano e DJ
Monteverdi – Quel augelin che canta;
Mozart – Quarteto de cordas nº 4 K 157; e Des Prez – Mille regretz, entre outros. Quem abre a série do Sesi-SP, no dia 2, em Franca, é o pianista
e Brahms – Quinteto de cordas nº 2 Teatro Polytheama – Rua Barão de Jundiaí, Fabio Caramuru, que toca ao lado do DJ Alexandre Barros (o duo vai
op. 111. 176 – Centro. Entrada franca.
Centro Cultural da UFG – Tel. (62) 3209-6251.
ainda a São José do Rio Preto, no dia 3, e a Mauá, no dia 23). O pia-
24/06 20h00 Orquestra Jovem Tom nista Eder Giaretta faz recitais em Itapetininga (dia 2), Sorocaba (dia
Jobim. Nelson Ayres – regente. Letiéres 3) e Osasco (dia 24). Formado por oboé, clarinete e fagote, o Trio
u ITAPETININGA, SP Leite – saxofone. Programa: Dorival São Paulo Ensemble é a atração nos dias 3 (Mogi das Cruzes), 23
Caymmi – Suíte dos pescadores; e Letiéres (Birigui) e 24 (Marília). As outras duas atrações do mês são o Grupo
02/06 20h00 Eder Giaretta – piano. Leite – Repertório orquestral elaborado
Série Sesi. para o concerto. Les Folies (dia 23, em São José dos Campos, e dia 24, em Santos); e
Teatro do Sesi – Tel. (15) 3271-7144. Teatro Polytheama – Rua Barão de Jundiaí, a cantora e compositora Giovanna Maira, em Araraquara, no dia 23.
Entrada franca. 176 – Centro. Entrada franca.

Junho 2017 CONCERTO 47


u ROTEIRO MUSICAL Brasil

Belém
u LAMBARI, MG u NATAL, RN
Festival Internacional de Música 17/06 20h00 Duo Alma 28/06 20h00 Orquestra Sinfônica
Brasileira. Juliana Starling – do Rio Grande do Norte. Movimento
do Pará celebra Villa-Lobos soprano e Miguel Laprano – piano. Sinfônico. Projeto Quartas Clássicas.
Participação: Sandro Bodilon Linus Lerner – regente. Marie-Luise
Entre os dias 4 e 11 de junho, – barítono. Programa: obras de Villa- Neunecker, Greg Helseth, Abel Pereira,

divulgação
será realizada em Belém a trigésima Carla Caramujo Lobos, Osvaldo de Souza, Waldemar Frank Lloyd, Kristina Mascher-Turner
edição do Festival Internacional de Henrique e Mignone, entre outros. e Jeff Nelsen – trompas. Programa:
Música do Pará, promovido pela Centro Cultural Vagão 98 – Tel. (35) Reinhold – Russian Sailor’s Dance;
3271-1848. R$ 40. R. Strauss – Concerto para trompa e
Fundação Carlos Gomes. Ao todo, Concerto para trompa nº 2; Wagner –
estão previstos cerca de 50 concer- Cavalgada de As Valquírias; Schumann
tos, além de atividades pedagógicas. u LORENA, SP – Concerto para quatro trompas;
A direção artística é do maestro Mar- e Tchaikovsky – Abertura 1842.
25/06 19h00 Ópera O elixir do Teatro Riachuelo – Tel. (84) 4006-3424.
celo Jardim e, ao longo de toda a pro- amor, de Donizetti. Coro Ópera Entrada franca.
gramação, concertos farão homena- Studio do Vale e Balé Cia. Lua
gem pelos 130 anos de nascimento Bailarina. Mere Oliveira – direção
de Heitor Villa-Lobos – o Quarteto Radamés Gnattali, por exemplo, vai artística e cênica. Juliana Christmann u NOVA LIMA, MG
– direção musical. Elisangela
apresentar uma seleção de trechos dos quartetos de cordas do compositor.
Akazawa e Patrícia Teixeira (Andina), 03/06 20h00 Orquestra
Entre as atrações estão ainda o Quinteto Villa-Lobos, o Duo Halász, o Gabriel Marinelo (Nemorino), Yuri Filarmônica de Minas Gerais.
fagotista Martin Kuuskmann, a orquestra Johann Sebastian Rio, o violinista Jaruskevicius (Dulcamara), Miler Turnê Estadual. Marcos Arakaki –
Linus Roth e o trompetista Valentin Garvie. João Guilherme Ripper será o Ezequiel (Belcore) e Patrícia Bessa regente. Programa: Elgar – Pompa e
compositor residente, com diversas obras apresentadas no festival, como (Gianeta). Renan Branco – piano, Circunstância, Marcha militar op. 39
Quarteto de cordas e banda com nº 1; Berlioz – A danação do Fausto,
Cinco poemas de Vinicius de Moraes, com a soprano Carla Caramujo e
metais, palhetas e percussão. Marcha Húngara; Schubert – Abertura
a Orquestra Sinfônica do Festival dirigida pelo maestro Tobias Volkmann. Teatro da Unifatea – Av. Peixoto de Castro, de Rosamunde; J. Strauss Jr – Tik-Tak
O concerto de abertura do evento, no dia 4, no Theatro da Paz, vai 539 – Vila Celeste. R$ 60. Vendas na Polka op. 365; Carlos Gomes – Abertura
contar com a Orquestra Sinfônica Carlos Gomes, com regência do ma- bilheteria ou pelo www.aloingressos.com.br. de Condor; Tchaikovsky – Eugene Onegi,
estro André Cardoso e solos da violinista portuguesa Matilde Loureiro. Valsa; Liszt/Müller-Berghaus – Rapsódia
Húngara nº 2; e Bizet – Carmen,
Leia mais na pág. 16. u MANAUS, AM prelúdio. Leia mais na pág. 44.
Espaço de Caminhada – Tel. (31)
XX FESTIVAL AMAZONAS DE ÓPERA 3541-9635. Entrada franca.
De 7 de maio a 2 de junho
Manaus Direção artística: Luiz Fernando
u PINHAIS, PR
Ópera infantil de Oliver Knussen Malheiro e Marcelo de Jesus
Direção geral: Robério Braga
Leia mais ao lado
encerra 20º Festival Amazonas 21/06 20h00 11ª Mostra de
Dança de Pinhais. Apresentações
01/06 20h00 Isabelle Sabrié – e workshops com Eliane Fetzer e
Após apresentar, em maio, uma nova produção da ópera soprano e Marcelo de Jesus – piano. Wanderley Lopes, entre outros.
Tannhäuser, de Richard Wagner, o Festival Amazonas de Ópera en- Recital Ambev VI. Je Suis Paris. Ginásio Poliesportivo Tancredo de Almeida
cerra sua vigésima edição com récitas, nos dias 3 e 4 de junho, da Teatro da Instalação – Tel. (92) 3622-2840. Neves – Tel. (41) 3912-5250. Entrada franca.
Entrada franca. Apresentações dias 23 e 24. Workshops de
ópera Onde vivem os monstros, de Oliver Knussen, com direção 21 a 24/6. Edital, informações e inscrições:
de Caetano Pimentel e regência do maestro Marcelo de Jesus (leia 02/06 19h00 MADRIGAL DA CASA www.pinhais.pr.gov.br. Favor confirmar
mais sobre o músico na página 56). A obra é dedicada ao público DE MÚSICA IVETE IBIAPINA. Pedro horários.

infantojuvenil e a produção foi estreada no ano passado, no Theatro Panilha – piano.


Teatro da Instalação – Tel. (92) 3622-2840.
São Pedro, em São Paulo, com sucesso de público e de crítica. Entrada franca. u PIRACICABA, SP
O festival tem ainda uma programação de recitais, no Teatro
da Instalação: Marcelo de Jesus acompanha, ao piano, no dia 1º, a 03/06 11h00 Ópera Onde vivem os 08/06 19h30 Quarteto de Cordas
monstros, de Oliver Knussen. Ópera Ernst Mahle. Samuel Lima e Cláudio
soprano francesa radicada em Manaus Isabelle Sabrié no programa Gatto – violinos, Edmur Mello – viola e
Bradesco. Amazonas Filarmônica.
Je suis Paris; e, no dia 2, acontece o recital da classe de canto da Marcelo de Jesus – direção musical e David Scanavi – violoncelo. Programa:
professora Natalia Sakoura, com Pedro Panilha ao piano. regente. Caetano Pimentel e Giorgia Haydn – Quarteto nº 3 op. 33; e Mahle
Massetani – direção cênica original. – Quarteto 1975 e Suíte Viajando pelo
Roseane Soares e Isabelle Sabrié Brasil nº 1.
– sopranos, Andreia Souza – mezzo Escola de Música de Piracicaba Maestro
Belo Horizonte, dias 13, 14, 27 e 28 soprano, Juremir Vieira – tenor, Moisés Ernst Mahle – Sala de Concertos Dr. Mahle –
Tel. (19) 3422-2464. Entrada franca.
Rodrigues – barítono, Murilo Neves e
Sinfônica de Minas Gerais faz Emanuel Conde – baixos.
10/06 18h00 Gerelmager
Teatro Amazonas – Tel. (92) 3622-1880.
sinfonias de Sibelius e Mahler R$ 60. Reapresentação às 17h e dia 4
às 11h e às 17h.
Gonçalves – violão e Luís Gustavo
Dellagracia – piano. Concertos ao
cair da tarde. Programa: obras de
Dois programas sinfônicos são os destaques da programação do Palá- Mendelssohn, Nazareth e Tárrega.
cio das Artes, em Belo Horizonte. Nos dias 13 e 14, a Orquestra Sinfônica u MARÍLIA, SP Escola de Música de Piracicaba Maestro
de Minas Gerais e o Coral Lírico de Minas Gerais apresentam, sob regên- Ernst Mahle – Tel. (19) 3422-2464. R$ 10.
cia de Sérgio Gomes, um programa dedicado ao finlandês Jean Sibelius, 24/06 20h00 Trio São Paulo
Ensemble. Sesi Música. Rodrigo 11/06 10h00 Orquestra de
com a versão integral de Finlândia e a Sinfonia nº 2. Já nos dias 27 e
Nagamori – oboé, Domingos Elias – Câmara da Empem. Raphael Harder
28, quem assume a batuta é o titular do grupo, o maestro Silvio Viegas. clarinete e Marcos Fokin – fagote. – regente. Eliana Asano – piano, Julia
O programa traz a Sinfonia nº 1, de Gustav Mahler, obra que inaugura Teatro do Sesi – Tel. (14) 3417-4500. Jorge – flauta doce, Fhelipe Serafim
o corpo sinfônico do compositor, fundamental para a história do gênero. Entrada franca. – violino e Juliana Mantovani –

48 Junho 2017 CONCERTO


violoncelo. Programa: Bach – Concerto 15/06 21h00 NÁDIA FIGUEIREDO – so-
para piano e orquestra em ré menor; prano e Plácido Domingo Jr. – baríto-
Mahle – Concertino 1974 para oboé no. Turnê Juntos. Participação: João Carlos Pianista Simone Leitão faz recital solo
e cordas; e Vivaldi – Concerto grosso de Assis Brasil – piano, Antón Carballo
nº 11 op. 3. – violino, Alexandre Ito – baixo acústico e Além de coordenar a Semana Internacional de Música de Câ-
Escola de Música de Piracicaba Maestro Ernst Ary Dias – percussão. Programa: clássicos mara do Rio de Janeiro (leia mais na página 40), a pianista Simone
Mahle – Tel. (19) 3422-2464. Entrada franca Italianos, franceses e música popular Leitão também se apresenta, no dia 20, na série de concertos or-
brasileira; e duetos das canções: Dorothy ganizada por Celina Szrvinsk no Teatro Bradesco, em Belo Hori-
24/06 20h30 Orquestra Sinfônica Fields/Jerome Kern – The way you look
de Piracicaba. Erica Hindrikson – tonight; Tom Jobim/Vinícius de Moraes – zonte. Em recital solo, ela vai interpretar peças de Bach (Partita
regente. Guido Sant’Anna – violino. Garota de Ipanema; Luiz Bonfá/Antônio nº 2 BWV 826), Ravel (Une barque sur l’ocean), Bach/Busoni
Programa: Humperdinck – Abertura de Maria – Manhã de carnaval; Édith Piaf/ (Chacone) e Ginastera (Sonata nº 1 op. 22).
João e Maria; Grieg – Peer Gynt, Suíte Louis Gugliemi – La vie en Rose; Hubert
nº 1; e Lalo – Sinfonia espanhola.
Teatro Municipal Erotídes de Campos – Tel.
Giraud/Jean Drejac – Sous le ciel de Paris; Erika Hindrikson rege Sinfônica de Piracicaba
e Nino Rota – Parla più piano.
(19) 3413-5212. Entrada franca. Às 16h30 Teatro de Santa Isabel – Tel. (81) 3355-3326. O violinista Guido Sant’Anna é o solista da apresentação que
haverá a palestra “O meu concerto de hoje”, Reapresentação dia 16 às 21h. Favor confirmar
e às 17h ensaio geral aberto. a Orquestra Sinfônica de Piracicaba faz no dia 24, no Teatro do
horário.
Engenho. Ele vai interpretar a Sinfonia espanhola de Edouard Lalo,
21/06 20h00 Orquestra Sinfônica símbolo do interesse da música francesa pela cultura da Espanha
u PORTO ALEGRE, RS do Recife. Concerto Oficial. – Carmen, de Bizet, por exemplo estreou um mês após a sinfonia,
Marlos Nobre – direção musical e re-
06/06 20h30 Orquestra Sinfônica escrita para violino e orquestra. O grupo, regido pela maestrina Eri-
gente. Programa: Villa-Lobos – Bachianas
de Porto Alegre. Série Igrejas. Martin brasileiras nº 9; e Mozart – Sinfonia nº 41, ka Hindrikson, interpreta ainda a Suíte nº 1, de Peer Gynt, criada a
Garcia (Uruguai) – regente. Wilthon Júpiter K 551. Leia mais ao lado. partir da música escrita por Grieg para a peça de mesmo nome de
Matos – tuba. Programa: Glinka – Teatro de Santa Isabel – Tel. (81) 3355-3326. Ibsen, e a Abertura da ópera João e Maria, de Humperdinck.
Abertura de Ruslan e Ludmila; Vaughan Entrada franca.
Williams – Concerto para tuba; e Mozart
– Sinfonia nº 41, Júpiter. Campinas recebe violista Gabriel Marin
Igreja da Ressurreição – Rua Nilo Peçanha, u RIBEIRÃO PRETO, SP
1521. Entrada franca. O maestro Victor Hugo Toro comanda os programas da Orques-
10/06 20h00 Orquestra Sinfônica tra Sinfônica Municipal de Campinas em junho. O primeiro acon-
08/06 20h30 Orquestra de Câmara de Ribeirão Preto. Série Concertos tece nos dias 3 e 4, no Teatro Castro Mendes, e tem como tema a
Theatro São Pedro. Antônio Borges- Internacionais. Concerto comemorativo
Cunha – regente. Diego Grendene do aniversário da cidade de Ribeirão
relação entre poesia, teatro e música. Para tanto, o repertório inclui
– clarinete, André Golbert – piano e Preto. Reginaldo Nascimento – regente. os Prelúdios, de Liszt; a Danse macabre, de Saint-Saëns, e trechos
Madrigal Presto. Programa: Bruno Kiefer Programa: Wagner – Abertura de Os mes- da música incidental de Grieg para a peça Peer Gynt, de Ibsen. Já
– Divertimento nº 2 (primeira audição) e tres cantores de Nurembergue; J. Strauss nos dias 24 e 25, também no Teatro Castro Mendes, o grupo recebe
In Memorian, versos de Luís de Camões; – Abertura de O morcego; Tchaikovsky como solista o violista Gabriel Marin, que sola no Romanze para
e Beethoven – Concerto para piano nº 2. – Polonaise, de Eugene Onegin e Valsa
Theatro São Pedro – Tel. (51) 3227-5100. das flores; Offenbach – Orfeu no inferno;
viola, de Max Bruch.
Villa-Lobos – O trenzinho do caipira;
13/06 20h30 Orquestra Sinfônica
de Porto Alegre. Série Theatro São
Mignone – Congada; Verdi – Aida, Marcha
triunfal; Puccini – Turandot, Coro final; Ary
Sinfônica de Sergipe toca Mendelssohn
Pedro. José Luiz Gomes (Venezuela) – Barroso – Aquarela do Brasil. A Orquestra Sinfônica de Sergipe faz, no dia 1º, no Teatro Tobias
regente. Helena Berg (Alemanha) – vio- Theatro Pedro II – Tel. (16) 3977-8111. R$ 40
lino. Programa: Prokofiev – Concerto para
Barreto, em Aracaju, um concerto especial para marcar os 500 anos
e R$ 60. Reapresentação dia 25 às 10h30, pela
violino nº 2; e Glazunov – Sinfonia nº 4. série Juventude tem Concerto. Entrada franca. da Reforma Protestante, com a Sinfonia nº 5, de Mendelssohn – a
Theatro São Pedro – Tel. (51) 3227-5100. obra foi composta para celebrar os 300 anos da reforma. A regência
R$ 20 a R$ 50. 14/06 20h30 Orquestra Sinfônica de é do maestro Helder Trefzger, diretor da Orquestra Sinfônica do
Ribeirão Preto. Concerto Instrumental.
25/06 16h30 Orquestra Sinfônica Teatro Minaz – Tel. (16) 3941-2722.
Espírito Santo. Já nos dias 8 e 9, no teatro, e no dia 30, no Arraiá do
de Porto Alegre. Música no Museu. Povo, a orquestra faz concerto com música regional.
Museu de Arte do Rio Grande do Sul – 24/06 20h30 Musical Hair, de Galt
Tel. (51) 3227-2311. Entrada franca. MacDermot. Cia Minaz. Mítia D’Acol
– direção musical – regente. André Cruz – Dantas Barreto interpreta Villani-Côrtes
27/06 20h30 Orquestra Sinfônica direção cênica. Participação: Coral Adulto
de Porto Alegre. Série Concertos
O violoncelista Raiff Dantas Barreto apresenta, no dia 1º,
da Cia Minaz. Isabela Pessoti – coreo-
UFRGS. Manfredo Schmiedt – regente. grafia. Elenco: Fernanda Marx, Mariana ao lado da Orquestra Sinfônica da Paraíba regida pelo maestro
Guigla Katsarava (Geórgia) – piano, Cunha, Rafael Stein, Ozório Christovam, Luiz Carlos Durier, os Concertos para violoncelo nº 1 e nº 2 do com-
Natália Gonçalves e João Ferreira Filho Alexandre Galante, Sasha Ganade, Eunice positor Edmundo Villani-Côrtes, um dos compositores mais líricos e
– cantores. Participação: Coro Sinfônico Cruz, Gabriela Francheck, Luana Liaw, atuantes do cenário atual da composição brasileira. A apresentação
da Ospa. Programa: Scriabin – Concerto Pedro Coelho e Isabela Mestriner.
para piano e Sinfonia nº 1. R$ 30.
acontece na Sala de Concertos Maestro José Siqueira, em João
Teatro Minaz – Tel. (16) 3941-2722. R$ 40.
UFRGS – Salão de Atos – Tel. (51) 3308-4303. Reapresentação dia 25 às 19h. Pessoa, e tem ainda no programa a Sinfonia nº 9, de Schubert.
R$ 30.

u SALVADOR, BA Marlos Nobre homenageia Villa-Lobos


u RECIFE, PE A Orquestra Sinfônica de Recife presta uma homenagem, no dia
10/06 21h00 NÁDIA FIGUEIREDO
03/06 18h00 Orquestra Criança – soprano e Plácido Domingo Jr. – 21, no Teatro Santa Isabel, aos 130 anos do compositor Heitor Villa-
Cidadã. Concerto Oficial. Nilson Galvão barítono. Turnê Juntos. Participação: -Lobos. O grupo vai interpretar, sob regência de Marlos Nobre, as
Jr. – regente. Fernando Júnior – violon- João Carlos de Assis Brasil – piano, Bachianas brasileiras nº 9, a última do ciclo em que o autor propõe
celo. Programa: Josef Suk – Serenata para Antón Carballo – violino, Alexandre Ito
o diálogo entre a música brasileira e a criação de Bach. O programa
cordas; Haydn – Concerto para violoncelo – baixo acústico e Ary Dias – percussão.
em dó maior; e Mozart – Sinfonia nº 40. Programa: clássicos Italianos, franceses tem ainda a Sinfonia nº 41, de Mozart, parte do série que a orques-
Igreja Batista em Casa Amarela – Rua Paula e música popular brasileira; e duetos das tra está dedicando ao compositor ao longo desta temporada.
Batista, 348 – Casa Amarela. canções: Dorothy Fields/Jerome Kern –

Junho 2017 CONCERTO 49


u ROTEIRO MUSICAL Brasil

The way you look tonight; Tom Jobim/ Maurílio Duduch Silva – sopro e percussão 18/06 19h00 Marcel Montini da 11/06 11h00 Orquestra Camerata
Vinícius de Moraes – Garota de Ipanema; e Marco Crepaldi – percussão e sopros. Silva – tuba. Recital de formatura. Sesi-ES. Série Concertos Didáticos.
Luiz Bonfá/Antônio Maria – Manhã de Teatro do Sesi – Tel. (12) 3936-2611. Juliano Kerber – piano. Salão Villa- A sinfonia dos brinquedos. Helder
carnaval; Édith Piaf/Louis Gugliemi – La Entrada franca. Lobos. Entrada franca. Trefzger – regente. Programa: A sinfonia
vie en Rose; Hubert Giraud/Jean Drejac – dos brinquedos de Josef Haydn, Mozart,
Sous le ciel de Paris; e Nino Rota – Parla 19/06 08h00 I Mostra de Canto Michael Haydn ou Edmund Angerer.
più piano. u SOROCABA, SP Coral. Cristine Bello Guse – coordena- Teatro do Sesi Jardim da Penha – Tel.
Teatro Castro Alves – Tel. (71) 3535-0600. ção. Salão Villa-Lobos. Entrada franca. (27) 3334-7307. R$ 10.
R$ 140 a R$ 200. 03/06 20h00 Eder Giaretta – Continuidade até dia 23, das 8h às 19h.
piano. Série Sesi. 14/06 20h00 Orquestra Camerata
Teatro do Sesi – Tel. (15) 3271-7144. 21/06 20h00 Orquestra Sinfônica. Sesi-ES. Série Sesi-ES. Música
u SANTA MARIA, RS Entrada franca. João Maurício Galindo – regente. R$ 12. Clássica. Os compositores violinistas.
Helder Trefzger – regente. Marcello
29/06 12h30 Orquestra Sinfônica 08/06 20h00 Orquestra Sinfônica 22/06 15h00 2ª Semana de Prática Guerchfeld, Gabriela Queiroz e
de Santa Maria. Momento Musical de Sorocaba. Eduardo Ostergren – re- de Conjunto. Camerata Infantojuvenil, Thamyris Nascimento – violinos.
Orquestral. Alexandre Eisenberg – re- gente. Rafael Nini – clarinete. Programa: Juvenil e Jovem de Violões. Márcia Braga Programa: Bach – Concerto para três
gente. Graupner – Sinfonia em ré maior; Gerald – regente. Às 20h: Grupo de Saxofones. violinos BWV 1064; Mozart – Adágio
Universidade Federal de Santa Maria – Espaço Finzi – Cinco bagatelas para clarinete; Marcos Pedroso – coordenação. Dia 23 às e Rondó para violino K 261; e Suk –
Multiuso – Tel. (55) 3220-9223. Entrada franca. e Mozart – Sinfonia nº 35 K 385. 20h: Grupo de Percussão Jovem. Agnaldo Serenata para cordas op. 6.
Sala Fundec – Tel. (15) 3233-2220. R$ 20. Silva – coordenação. Dia 24 às 11h: Teatro do Sesi Jardim da Penha – Tel.
Reapresentação dia 11 às 19h. Banda Sinfônica Infantojuvenil. Marco (27) 3334-7307. R$ 10.
u SANTOS, SP Almeida – regente. Às 20h: Orquestra de
10/06 15h00 Quintal Brasileiro. Cordas Juvenil. Dario Sotelo – regente. 22/06 20h00 Orquestra Camerata
11/06 18h00 Orquestra Sinfônica Schaeffler Música. Luiz Amato e Esdras Dia 25 às 11h: Orquestra de Cordas Sesi-ES e Grupo Moxuara. Série
Carlos Gomes. Comemoração dos 90 Rodrigues – violinos, Emerson de Infantil e Infantojuvenil. Concerto especial Camerata Pop. A música regional
anos Glesp. Ricardo Rossetto Mielli – re- Biaggi – viola, Adriana Holtz – violon- Música que Aquece. Eduardo Augusto – Capixaba. A tradição Capixaba!.
gente. Participação: As Galvão. Programa: celo e Ney Vasconcelos – contrabaixo. regente. Ingressos: um agasalho. Às 20h: Leonardo David – regente.
obras de Vivaldi, Händel, Bizet, Ivanov, Programa: Ney Vasconcelos – Baião para Orquestra Sinfônica Jovem. Juliano Arruda Teatro do Sesi Jardim da Penha – Tel.
Saint-Saëns e Denza, entre outros. cordas; Guinga – Nítido e obscuro; Bartók – regente. Dia 27 às 16h: Grupo de Choro (27) 3334-7307. R$ 10.
Teatro Municipal Brás Cubas – Tel. (13) – M153; Jacob do Bandolim – Assanhado Jovem. Altino Toledo – coordenação.
3203-4966. Entrada franca e Noites cariocas; Nazareth – Apanhei-te Salão da Unidade 2. Às 18h: Jazz Combo 27/06 20h00 Orquestra
cavaquinho; Garoto – Desvairada; Caito Jovem e Big Band Jovem. Paulo Malheiros Camerata Sesi-ES. Série Sesi-ES.
24/06 20h00 Grupo Les Folies. Marcondes – Miguel de carrinho novo; Música de Câmara. Chopin e Schumann:
e Joseval Paes – coordenação. Salão da
Marcio Guedes – direção cênica, cordas André Mehmari – Passanoite; Villani- os mestres do piano. Intérpretes: Flávio
Unidade 3. Às 20h: Grupo de Performance
e percussão Raul Brabo – gaita de fole, Côrtes – Choro Patético; e Villa-Lobos – Augusto – piano, Gabriela Queiroz
Histórica Jovem. Débora Ribeiro – coorde-
rabeca, flauta, cornamusa e percussão; Embolada. e Thamyris Nascimento – violinos,
nação. Dia 28 às 20h: Banda Sinfônica
Maurílio Duduch Silva – sopro e percussão Ciclo Ecológico – Parque Chico Mendes – Renato Bandel – viola e Fabrício
Jovem. José Antonio Pereira – regente. Dia
e Marco Crepaldi – percussão e sopros. Av. Três de Março, 1025 – Alto da Boa Vista. Moura – violoncelo. Programa: Chopin –
Entrada franca. 29 às 20h: Conjunto de Metais. Edmilson
Teatro do Sesi – Tel. (13) 3203-4966. Entrada Noturno nº 1, nº 2 e nº 3 op. 9, Grande
franca. Baia – coordenação. Dia 30 às 20h:
Camerata Jovem de Cordas e Camerata Valsa Brilhante nº 1 op. 34, Valsa
nº 7 op. 64 nº 2 e Scherzo nº 2 op. 31;
u TATUÍ, SP de Violoncelos. Elen Ramos Pires e Tulio
u SÃO CARLOS, SP Padilha – coordenação. e Schumann – Quinteto op. 44.
Teatro do Sesi Jardim da Penha – Tel.
CONSERVATÓRIO DE TATUÍ Teatro Procópio Ferreira – Tel. (15) 3205-8444.
Entrada franca. (27) 3334-7307. R$ 10.
08/06 20h00 Duo Graffiti – flauta Teatro Procópio Ferreira – Tel. (15) 3205-8444
e marimba. Série Em Concerto. Cássia
26/06 09h00 II Semana de Música de 28/06 20h00 Orquestra Sinfônica
Carrascoza – flauta e Ricardo Bologna 03/06 11h00 Banda Sinfônica
Câmara. Miriam Braga – coordenação. do Estado do Espírito Santo. Série
– marimba. Programa: Villa-Lobos – Ária Jovem. Projeto Música na Praça. José
Salão Villa-Lobos. Entrada franca. Continuidade Pré-Estreia. Brahms e sua primeira sin-
das Bachianas brasileiras nº 5; Debussy Antônio Pereira – coordenação.
até dia 30, nos horários das 9h, 11h, 14, 16h fonia. Helder Trefzger – regente. Rafael
– Syrinx para flauta; Richard Rodney Praça da Matriz. Entrada franca. e 19h. Schmidt – clarinete. Programa: Spohr
Bennet – After Syrinx nº 2 para marimba;
– Concerto para clarinete nº 1; e Brahms –
John Cage – Music for two e Seis melodias 06/06 19h00 Alessandro Ramos 30/06 14h30 Coro Sinfônico. Sinfonia nº 1.
para violino e piano (adaptação Ricarfo – tuba. Recital de formatura de aperfei- Robson Gonçalves Pinto – regente. Teatro Carlos Gomes. R$ 2. Reapresentação dia
Bologna); Peter Klatzow – Figures in a -çoamento. Juliano Kerber – piano. Fórum da Comarca de Tatuí – Av. Virgílio 29 às 20h, pela série Concertos Sinfônicos. t
landscape; e Villani-Côrtes – Pretencioso, Salão Villa-Lobos. Entrada franca. de Montezo Filho, 2009. Entrada franca.
choro de concerto. Curadoria: Camila
Frésca. Leia mais na pág. 47. 07/06 20h00 Gala Lírica. Entrada
Sesc – Tel. (16) 3373-2300. Entrada franca. franca. u TIRADENTES, MG
08/06 20h00 Jazz Combo. Rodrigo
ópera NO CINEMA
02/06 20h00 Elisa Freixo – órgão.
u SÃO JOSÉ DO Ursaia – coordenação. R$ 12. Participação de artistas convidados. Cinemark
RIO PRETO, SP 10/06 20h30 Banda Sinfônica.
Música Barroca.
Igreja Matriz – Tel. (32) 3355-1676. R$ 35.
www.cinemark.com.br

Dario Sotelo – regente. R$ 12. Apresentações sextas-feiras às 20h.


03/06 20h00 Fábio Caramuru – Royal Opera House de Londres
piano. Série Sesi. Participação: Il Trovatore, de Verdi
11/06 20h00 Orquestra Sinfônica
Alexandre Barros – DJ.
Teatro do Sesi – Tel. (17) 3224-6611.
e Coros Sinfônicos do Conservatório u VITÓRIA, ES Terça-feira, dia 6 de junho
de Tatuí. João Maurício Galindo –
Entrada franca. Transmissão às 19h30 nas cidades
regente. Programa: Carl Orff – Carmina 01/06 20h00 Orquestra Camerata
de: Belo Horizonte/MG, Brasília/DF,
Burana. R$ 12. Sesi-ES. Série Sesi-Es. Música Clássica.
Campinas/SP, Curitiba/PR,
u SÃO JOSÉ DOS 14/06 15h00 Camerata de Violões.
Mendelssohn 170 anos de Morte.
Leonardo David – regente. Aleyson
Porto Alegre/RS, Recife/PE
e Vitória/ES. Ingressos: R$ 40.
CAMPOS, SP Edson Lopes – regente. Salão da Scopel – piano e Gabriela Queiroz – vio-
Unidade 2. Entrada franca. lino. Programa: Mendelssohn – Sinfonia Transmissão às 20h nas cidades de:
23/06 20h00 Grupo Les Folies. para cordas nº 7 e Concerto para violino, Rio de Janeiro/RJ, São Caetano do
Marcio Guedes – direção cênica, cordas 17/06 20h00 Banda Sinfônica do piano e cordas. Sul/SP e São Paulo/SP. Ingressos:
e percussão Raul Brabo – gaita de fole, Exército. Eduardo Pereira – regente. Teatro do Sesi Jardim da Penha – Tel. (27) R$ 50.
rabeca, flauta, cornamusa e percussão; Entrada franca. 3334-7307. R$ 10.

50 Junho 2017 CONCERTO


Edição Maio 2017 Todos os textos e fotos publicados na seção Gramophone são de propriedade e copyright de Mark Allen Group, Grã-Bretanha. www.gramophone.co.uk

Gravação do mês
Baseado nas Música altamente comovente para
resenhas deste MacMILLAN
esse texto antigo – a partitura
Stabat mater
mês, Martin The Sixteen; Britten de James MacMillan encarna
Cullingford Sinfonia / Harry o pesar e a dor de Maria com
Christophers
apresenta Coro poder extraordinário. The Sixteen
as melhores responde a ela com canto de
gravações intensidade lancinante.

Clementi ELGAR Cello Concerto ‘The Italian Job’


Symphonies Tchaikovsky La Serenissima /
Salzburg Mozarteum Rococo Variations Adrian Chandler
Orchestra / Ivor Bolton Johannes Moser vc Suisse Avie
Sony Classical Romande Orchestra /
Andrew Manze
Pentatone

“Muita coisa para intrigar e deliciar”, Tivemos ultimamente uma quantidade de Com um espírito delicioso e cheio de
escreve o crítico Richard Wigmore, capturando discos muito bons do Concerto para violoncelo vitalidade, essa gravação impressionante dos
perfeitamente o porquê de este lançamento de Elgar, e o de Johannes Moser é um deles. especialistas em Barroco do La Serenissima
de sinfonias de Clementi ser tão digno de ser passa uma sensação palpável da emoção do
explorado e apreciado. fazer musical colaborativo.

Beethoven BRUCH JS BACH


Violin Sonatas Two String Quintets. ‘Bach Reimagines Bach’
James Ehnes vn String Octet William Carter alaúde
Andrew Armstrong pn The Nash Ensemble Linn
Onyx Hyperion

James Ehnes, um dos mais profundos e Uma urgência atraente – tanto em termos William Carter traz uma profundidade
consistentes dos ótimos violinistas solistas de de performance quanto do vívido som gravado artística notável a qualquer instrumento de
hoje, e o pianista Andrew Armstrong, em forma – permite a esse disco fazer uma defesa forte cordas dedilhadas, bem como a qualquer
igualmente brilhante, apresentam seu primeiro da música de câmara de Bruch. compositor, que toca: aqui é o alaúde, e Bach,
disco com as sonatas para violino de Beethoven. e uma bela audição.

Beethoven Haydn ‘Heroines of Love


Piano Sonatas The Seasons and Loss’
Sunwook Kim pn Gabrieli Consort Ruby Hughes sop
Accentus & Players / Mime Yamahiro
Paul McCreesh Brinkmann vc
Signum Jonas Nordberg teorba
BIS

O familiar vira impressionante nessas Paul McCreesh pega as forças musicais A jovem soprano britânica Ruby Hughes traz
performances de algumas das obras mais substanciosas aqui reunidas, acrescenta interpretações de beleza dolorida dessas peças
famosas do repertório de piano; um disco energia e um sentido seguro da grandeza da do século XVII, com cada canção soando muito
que confirma Sunwook Kim como um grande obra, momentos de beleza, e nos oferece algo pessoal e comunicativa.
artista, de verdade. realmente bastante especial.

DVD/Blu-ray RELANÇAMENTO/ARQUIVO Em associação com


Verdi Un ballo in maschera MICHAEL GIELEN EDITION,
Sols; Chorus of the Bavarian State Opera; Vol 4
Bavarian State Orchestra / Zubin Mehta SWR Music
C Major Entertainment www.qobuz.com
“Ainda mais revelador
Um conceito de encenação incomum, porém do que os primeiros três Ouça diversas das
intrigante, junto com boas performances, fazem volumes”, sugere Rob Cowan, gravações da Escolha
com que esse vídeo seja considerado “fortemente a respeito do último item do Editor online em
recomendado” pelo crítico Mike Ashman. dessa série de Michael Gielen. qobuz.com

Junho 2017 CONCERTO 51


u CDs e DVDs

BAROQUE MOMENTS NEW SOUTH AMERICAN WORLD OF PERCUSSION HAYDN: PIANO CONCERTOS
Amadeus Guitar Duo DISCOVERIES Thierry Miroglio – Andreas Staier – fortepiano
Lançamento Naxos. Importado. Orquestra da Rádio percussão solo Freiburger Barockorchester
R$ 35,30 Norueguesa Lançamento Naxos. Importado. Gottfried von der Goltz –
Não é de hoje que a atuação de Miguel Harth-Bedoya R$ 46,10 regente
grandes violonistas se dá não – regente O percussionista francês Thierry Lançamento Harmonia Mundi.
apenas às voltas com o repertório Lançamento Harmonia Mundi. Miroglio, que atuou como solista Importado. R$ 54,60
escrito para o instrumento, Importado. R$ 77,50 da Osesp em 2014, foi aluno do Em abril passado, o pianista alemão
mas também por versões e Compositores da América do Sul, compositor Iannis Xenakis e, desde Andreas Staier fez concertos
arranjos de grandes obras – que, desde o século XIX, atuaram tendo a juventude, demonstrou fascínio memoráveis com a Orquestra
por meio da sonoridade do a tradição europeia como modelo. pela música de nosso tempo. Basta Sinfônica do Estado de São
violão, acabam redescobertas Com o passar do tempo, surgiu olhar a lista de autores com que Paulo. Com o grupo, ele tocou
pelos ouvintes. Esse aspecto uma questão: era possível pensar colaborou ao longo de sua carreira: Mozart, Haydn e Beethoven, três
tem feito parte da trajetória em uma música clássica com Luciano Berio, John Cage, Kaija compositores que estão entre
do Amadeus Guitar Duo, cores latinas? A primeira resposta Saariaho, Marlos Nobre, Unsuk suas especialidades. Staier elegeu
formado por Dale Kavanagh e veio na mistura de elementos Chin, Gérard Grisey, e assim por o período clássico como foco de
Thomas Kirchhoff. O conjunto regionais e folclóricos com as diante. Toda essa experiência se uma carreira que já o levou aos
completou recentemente 25 anos formas herdadas do velho mundo, traduz agora na primeira gravação principais palcos do mundo. Ouvi-
de atividades, já tendo dedicado tão bem sintetizada por Villa- mundial de obras compostas nas -lo nesse repertório é ter contato
álbuns a autores como Händel, -Lobos. A ela, se deu uma reação, últimas décadas, que revelam com interpretações construídas
Telemann e, claro, Joaquín de caráter mais cosmopolita, a diversidade da escrita para a artesanalmente, que revelam
Rodrigo. Para isso, como parte que propôs o diálogo com as percussão, tão importante na intimidade com tudo o que o
das celebrações, lança agora o vanguardas europeias. Hoje, o criação dos séculos XX e XXI. Em classicismo nos oferece em termos
CD Baroque Moments, em que quadro é ainda mais múltiplo: Le grand jeu, por exemplo, de de sonoridade, forma e estilo.
revisita o repertório barroco de importam menos as escolas Bruno Mantovani, ela se combina Características presentes também
forma muito original. De Händel, estéticas e mais a individualidade com sons eletrônicos, obtendo em seu mais novo disco, em que
tocam Chacona HWV 435, de cada compositor. Apostando efeito bastante distinto da mesma interpreta os Concertos nº 4, nº 6
escrita para teclado; de Vivaldi, nisso, a Orquestra da Rádio combinação na inventividade e nº 11 de Haydn. Haydn não foi
Concerto em dó maior, um Norueguesa faz um panorama de Marco Stroppa, em Auras, um virtuose, como Mozart, mas
dos mais populares, composto da composição sul-americana, em que a sonoridade metálica é seus concertos são prova não apenas
para violinos e alaúde; de Bach, com obras de oito autores de o mais importante. Já nos Trois da familiaridade com o teclado,
Concerto italiano BWV 971 diferentes personalidades, como petites études, o compositor como da capacidade do autor de
(para cravo) e duas releituras: o o colombiano Diego Vega, que Philippe Hersant evoca a música buscar novas formas de expressão.
arranjo de Feruccio Busoni para revê, à luz da arte atual, a música de Berlioz, Schubert e Gounod Basta ouvir a dramaticidade do
Chacona BWV 1004 e Prelúdio, da antiguidade pré-colombiana inspirada em Fausto, de Goethe. Andante cantabile do nº 4 ou a
fuga e variações, de César (em Música muisca), ou Jorge Com os Three caprices, por sua riqueza de contrastes do nº 11, obra
Franck, inspirado no compositor. Villavicencio Grossmann, peruano vez, René Leibowitz tornou-se um da maturidade que revela toda a
O resultado é a experiência que dá, em Wayra, forma musical dos primeiros autores a explorar inspiração do autor – ainda mais na
prazerosa de reconhecer peças ao vento e à importância simbólica a sonoridade solista do vibrafone. leitura de Staier, acompanhado de
que fazem parte do imaginário de que ele tinha para os incas. Tudo Essa riqueza de propostas faz do especialistas como os músicos da
ouvintes em leituras diferentes, isso com a inspirada regência do disco uma viagem fascinante pela Freiburger Barockorchester e o
inovadoras e muito bonitas. maestro peruano Harth-Bedoya. percussão e pela nova música. maestro Gottfried von der Goltz.

C. P. E. BACH: CONCERTOS PARA FLAUTA vez, é uma lenda da música historicamente informada. E
Emmanuel Pahud – flauta quem quiser uma amostra do que eles são capazes de atingir
Kammerakademie Potsdam juntos pode se preparar com a audição desse lançamento
Trevor Pinnock – regente com os Concertos para flauta de Carl Philipp Emanuel
Lançamento Warner Classics. Nacional. Preço a definir Bach. O compositor trabalhou durante quase três décadas
Primeira flauta da Orquestra Filarmônica de Berlim, o suíço na equipe musical de Frederico, o Grande, da Prússia, que,
Emmanuel Pahud vem neste mês ao Brasil acompanhado também era flautista. Suas peças para o instrumento são
da Kammerakademie Potsdam e do maestro Trevor referências importantes do repertório, e a interpretação de
Pinnock para concertos da temporada da Cultura Artística Pahud, cuja expressividade e leitura nascem acima de tudo
(leia entrevista com o artista na página 14). Pahud é um da clara noção de arquitetura sonora proposta por Bach,
dos grandes virtuoses de sua geração; Pinnock, por sua revelam o porquê.

52 Junho 2017 CONCERTO


Compre pelo telefone (11) 3539-0048 ou www.lojaclassicos.com.br

LUDWIG A LENDA DO PIANISTA DO MAR


De Luchino Visconti De Giuseppe Tornatore
Versátil. 2 DVDs. 247 minutos. R$ 65,50 Versátil. 170 minutos. R$ 53,20
O rei Ludwig II da Baviera é uma das mais Diretor do clássico Cinema Paradiso,
fascinantes figuras da história europeia do Giuseppe Tornatore se voltou ao universo
século XIX. Admirador de Richard Wagner, da música neste filme que narra a história
foi tema deste grande filme de Lucchino de um menino que nasce em alto-mar e
Visconti. A edição traz quase duas horas é abandonado pelos pais. No navio, onde
de extras, com entrevistas com o diretor e o passa toda a juventude, torna-se um exímio
elenco, assim como imagens e informações pianista. O filme traz ainda uma das mais
sobre os bastidores das filmagens. interessantes trilhas de Ennio Morricone.

ITALIAN ORCHESTRAL WORKS ORIGINAIS E TRANSCRIÇÕES PAISAGENS CARIOCAS FILHOS DE BACH


Filarmônica de Würzburg Ana Cecília Tavares e Marcelo Duo Santoro – violoncelos Knabenchor Hannover
Enrico Calesso – regente Fagerlande – dois cravos Lançamento A Casa Discos. Nacional. Barok Orchester L’Arco
Lançamento Naxos. Importado. Lançamento independente. Nacional. R$ 31,20 Lançamento Biscoito Fino. Nacional.
R$ 46,10 Preço a definir Os violoncelistas Ricardo Santoro Preço a definir
O meio musical costuma eleger Em 2010, os cravistas Ana e Paulo Santoro, irmãos gêmeos, Marten é um professor de
obras específicas da produção de Cecília Tavares e Marcelo mantém um duo que, ao longo música alemão que desembarca
um compositor – e é a partir daí Fagerlande uniram forças pela das décadas, tornou-se símbolo da em Ouro Preto, no interior de
que, em geral, definimos nosso primeira vez para gravar A arte defesa da música brasileira. Obras Minas Gerais, para resgatar
conhecimento a respeito dele. da fuga, de Bach, um marco da foram escritas para os dois, que ao uma partitura original composta
De vez em quando, no entanto, discografia brasileira dedicada ao mesmo tempo estiveram abertos por um dos filhos de Johann
alguns artistas resolvem garimpar instrumento. Desde então, ambos sempre à música do passado, Sebastian Bach. Ao chegar no
peças menos conhecidas, que têm se apresentado juntos e o em (re)leituras originais. Essa Brasil, acaba conhecendo jovens
revelam facetas desconhecidas. resultado é o lançamento deste faceta é reforçada ainda mais com como Candido, que o ensinam
Quantos de nós sabíamos, por novo disco. Nele, os músicos Paisagens cariocas, em que os sobre a realidade do país e que se
exemplo, que Verdi escreveu no interpretam uma transcrição do músicos elegem o Rio de Janeiro transformam em seus alunos de
início de sua vida profissional Concerto de Brandemburgo nº 6 como eixo para um painel da música. É esse o enredo do filme
um Capriccio para fagote? E que e a versão original do Concerto composição nacional, propondo Os filhos de Bach, que estreia este
Rossini dedicou ao instrumento em dó maior para dois cravos de o diálogo sem preconceitos entre mês no Brasil depois de carreira
um concerto, em uma época em Bach; a Apoteose de Corelli, de o erudito e o popular – a começar em cinemas e festivais da Europa.
que já estava aposentado dos Couperin; e uma transcrição da pela obra que dá nome ao CD, de O roteiro tem como tema, de
palcos de ópera? Ou que Puccini Chacona da ópera Dom Quixote, Oswaldo Carvalho, compositor certa forma, o encontro entre
compôs, ao chegar a Milão para de Boismortier. A interpretação goiano radicado no Rio, que duas culturas, entre duas formas
estudar, um Prelúdio sinfônico, de Tavares e Fagerlande já seria recria musicalmente com técnicas de ver o mundo – e esse mesmo
inspirado em Wagner? Todas essas suficiente para tornar o disco atonais o lundu e o jazz. Outro espírito está nesta trilha sonora.
obras estão presentes neste disco, fundamental, mas a escolha destaque é Aos santos oro, de O repertório tem algumas das
que conta com a interpretação de repertório também serve Sergio Roberto Oliveira, produtor obras mais célebres de Bach, como
da Orquestra Filarmônica de como ponto de partida para do CD, que vai a Bach antes de Jesus, alegria dos homens; a Ária
Würzburg e com a regência do um olhar a respeito da relação chegar à música brasileira, o que da Suíte orquestral; o Prelúdio
italiano Enrico Calesso, jovem entre obras originais e suas nos remete de alguma forma à em dó maior; a Pequena fuga em
maestro que acaba de fazer sua transcrições. Isso porque, nas trajetória de Heitor Villa-Lobos, sol menor; e a Partita nº 3, entre
estreia no Teatro La Fenice, em palavras dos intérpretes, as versões com Melodia sentimental, faixa outras. Elas ganham interpretações
Veneza. O álbum traz ainda dois escolhidas “ilustram a liberdade que conta com a participação e arranjos que estabelecem
solistas: o fagotista italiano Patrick de transmissão dessas criações, o especial da harmônica de José uma ponte com as sonoridades
De Ritis e o trompista espanhol que tanto ocorria na época em Staneck. O disco traz ainda da música brasileira, com a
José Vicente Castelló, que toca que foram compostas como hoje”. releituras de Tom Jobim (Dindi, participação de artistas como
Concertino para fagote, trompa Sempre com a crença em uma das com atuação sensível e delicada Henrique Cazes, no cavaquinho,
e orquestra de Paganini, que máximas de Couperin, para quem da harpista Cristina Braga) e e Gilvan de Oliveira, no violão.
completa o repertório ao lado do o cravo possuía “um brilho e uma obras de autores atuais como Uma celebração do poder da
balé La boutique fantasque, que clareza que não se encontram Ricardo Tacuchian, Dimitri música para unir pessoas por meio
Respighi escreveu inspirado em em outros instrumentos” – ideia Cervo, Leandro Braga e Ronaldo de uma linguagem que é única e
Rossini. reforçada pelo resultado do CD. Miranda. universal ao mesmo tempo.

Junho 2017 CONCERTO 53


u LIVROS

CARTAS DE AMOR MÚSICA É COISA SÉRIA...… MAS NEM SEMPRE


Francisco Mignone e Maria Josephina Mignone Causos contados por Bohumil Med
De Maria Josephina Mignone Bohumil Med
Lançamento independente. 416 páginas. R$ 98. Desconto de 10% para assinantes Lançamento MusiMed. 264 páginas. R$ 69,00. Desconto de 10% para assinantes
Com o relançamento de gravações Bohumil Med nasceu em 1939 na
históricas dedicadas à obra de Francisco Tchecoslováquia. Formou-se músico,
Mignone, a pianista Maria Josephina trompista, em Praga. Mas sua carreira se
Mignone, sua viúva, tem feito importante desenvolveu no Brasil, onde desembarcou
trabalho de resgate, que sem dúvida será em 1968 para tocar na Orquestra Sinfônica
decisivo para o conhecimento do legado Brasileira. Anos depois, passou a dar aulas
do compositor. Agora, porém, ela nos na Universidade Federal de Brasília. Foi um
oferece uma outra faceta de sua relação dos fundadores da Orquestra Sinfônica do
com Mignone, por meio do lançamento Teatro Nacional Claudio Santoro. E a lista
da correspondência trocada entre os de feitos precisa incluir ainda a criação da
dois. São cartas que jogam luz sobre a editora MusiMed, responsável por preciosas
vida íntima do compositor, revelando edições de livros e partituras da música
impressões sobre o meio musical, o brasileira, como Teoria da música, de sua
carinho que tinha pela família, discussões sobre música e assim autoria. Ao longo de décadas de experiência e dedicação, Med
por diante. Na apresentação, Maria Josephina explica a decisão não apenas acompanhou de perto o desenvolvimento da área
de lançar o livro, que, em uma edição cuidadosa, traz dezenas musical no Brasil, fosse em performance, fosse na educação,
de fotos, além das reproduções das cartas originais. “Após sua como colecionou histórias, anedotas e, segundo ele mesmo
morte, senti-me perdida. Foi um período difícil. Mas a arte e define, “causos”. É essa mistura de relato ensaístico e biográfico
sua tão presente lembrança ajudaram-me a querer captar toda a com memórias bem-humoradas que compõe o livro Música é
formosura da vida, envolvida pelos sons e pela harmonia de suas coisa séria... mas nem sempre. Alunos e professores de música,
obras. Assim, resolvi trazer a público nossas cartas de amor por os virtuoses, o comportamento dos instrumentistas, o mundo da
pensar que Francisco Mignone nelas deixa transparecer toda ópera, a profissão de maestro, de compositor e os caminhos da
a riqueza de sua alma de músico genial e de sua personalidade apreciação musical: os temas abordados são muitos, sempre com
generosa e excepcional”, escreve, na apresentação do livro. um texto leve – sem que leveza signifique falta de conteúdo.

u OUTROS EVENTOS

u SÃO PAULO CURSOS CLÁSSICOS. Cursos de música. 1) Como concertos. Aulas ilustradas com gravações e DVDs.
ouvir a música clássica criativamente, por Sérgio Sábado, das 16h15 às 18h45. Dia 3 de junho:
I CONCURSO ITAMARATY DE COMPOSIÇÃO MUSICAL.
Molina. Caminhos para uma escuta que esclareça e Debussy – Prélude à l´après-midi d´un faune. Valor:
Para compositores brasileiros, residentes ou não no
aprofunde o repertório de concerto. Sábados, dias R$ 110 por aula; 50% de desconto para estudantes
Brasil. Prêmios para categoria “dobrado” (R$ 20 mil)
3, 10 e 17 de junho e 1º de julho, das 11h às 13h. e alunos novos. Local e informações: Espaço Cultural
e “fanfarra” (R$ 15 mil). Inscrições até 30 de junho
2) A música europeia e as formas clássicas, É Realizações – Rua França Pinto, 498 – Tel. (11)
em://www.abmusica.org.br/noticia.php?n=i-
por João Paulo Nascimento. Introdução à escuta 5572-5363 – www.erealizacoes.com.br/eventos.
concurso-itamaraty-de-composicao-musical&id=83.
de modelos formais consagrados da música de
concerto. Segundas-feiras, dias 5, 12, 19 e 26 de SÃO PAULO COMPANHIA DE DANÇA. Temporada
CONSERVATÓRIO MUSICAL BROOKLIN PAULISTA.
junho, das 18h30 às 20h30. 3) O violino: tradição, 2017. Programação: veja no Roteiro Musical.
Oficina: Improvisação, dias 3 e 4 de julho. XVI
repertório e intérpretes, por Camila Frésca. As Palestras: Por dentro do espetáculo: apresentação
Oficina de Rítmica de Dalcroze, de 6 a 8 de julho,
origens do violino moderno, os grandes concertos sobre o programa do dia, com Inês Bogéa. Todos
com Iramar Rodrigues (Suíça). www.cmbp.com.br.
e os grandes intérpretes. Terças-feiras, 6, 13 e 20 os dias de espetáculo, no balcão do Teatro Sérgio
CURSO: Entendendo a ópera – Comédias e de junho, das 14h às 17h. Preço por curso: R$ 420; Cardoso, 45 minutos antes do início, participação
tragédias no teatro de ópera. Com Sergio Casoy. R$ 399 para inscrições até 10 dias antes do início; gratuita. Informações: tel. (11) 3224-1389.
Dia 6 de junho: Moïse et Pharaon, de Rossini. Dias R$ 378 para assinantes da Revista CONCERTO e da
13 e 20 de junho: Samson e Dalila, de Saint-Saëns. Temporada 2017 da Osesp. Local: Loja CLÁSSICOS u BRASIL
Dias 27 de junho e 4 de julho: O morcego, de Sala São Paulo – Tel. (11) 3337-2719. Inscrições: tel. Americana, SP / MASTER CLASSES DE REGÊNCIA.
Johann Strauss. Terças-feiras, das 14h30 às 16h30. (11) 3539-0048 – www.concerto.com.br/cursos. Com Sergio Chnee e Ville Mankkinen (Finlândia).
Local: Espaço Cultural Augôsto Augusta – Rua Augusta, Participação de orquestra e coral. Quarta-feira, 28
2161 – Tel. (11) 3082-1830 – www.augosto.com.br. MASTER CLASSES OSESP. Para estudantes de música
de junho, das 19h às 22h. Inscrições abertas. Infor-
e músicos profissionais. Quinta-feira 8 de junho,
CURSO: Musicar a vida: jogos musicais para mações e inscrições: sergio@sergiochnee.com.br
das 10 às 13h: Emmanuel Pahud – flauta. Quinta-
todos. Com Luciana Rosa. De 1º a 29 de junho, – www.firsc.com.br.
-feira 23 de junho, das 10 às 13h: Neil Thomson
quintas-feiras, das 19h às 21h30 (exceto dia 15) e – regente. Inscrições gratuitas para executantes e Belém, PA / XXX FESTIVAL INTERNACIONAL DE
de 3 de junho a 1º de julho, sábados, das 10h30 ouvintes: academia@osesp.art.br. Local: Sala São MÚSICA DO PARÁ. Da Fundação Carlos Gomes.
às 13h (exceto dia 17). R$ 80. Local: CPF Sesc – Rua Paulo – Tel. (11) 3367-9619 – www.osesp.art.br. Fimupa: 30 anos de música e cultura. De 4 a 11
Dr. Plínio Barreto, 285 – Bela Vista – Tel. (11) 3254-
PALESTRA E MASTER CLASS: O pianismo atual: de junho. Homenagem a Villa-Lobos. Compositor
5600. Informações e inscrições: www.sesc.org.br/
escrituras, práticas e implicações performativas. residente: João Guilherme Ripper. Concertos, recitais,
cpf ou nas unidades do Sesc.
Com Alexandre Zamith. Quarta-feira 14 de junho, master classes e cursos. Mais de 100 atividades
CURSO: Semestre das óperas raras. Com Sergio às 10h. Local: Auditório Oliver Toni do CMU-ECA-USP pedagógicas para capacitação de estudantes e
Casoy. Exibição de óperas completas em DVD, com – Av. Prof. Luciano Gualberto, Travessa J – Cidade professores. Locais dos cursos, oficinas, palestras e
comentários. Sextas-feiras das 14h às 16h. Até 23 Universitária – Tel. (11) 3091-4137. workshops: Instituto Estadual Carlos Gomes, Escola
de junho. Local: Condomínio The First Full – Rua de Música da Universidade Federal do Pará e Museu
Batataes, 308. Inscrições tel. (11) 3887-1243 e PALESTRAS DE DEGUSTAÇÃO MUSICAL. Com Sérgio do Estado do Pará. Informações e programação
99973-4079 – www.litaprojetosculturais.com.br. Molina. Palestras preparatórias para audição de completa: www.fcg.pa.gov.br.

54 Junho 2017 CONCERTO


Belo Horizonte, MG / FESTIVAL TINTA FRESCA. julho: Momentos brilhantes de Mendelssohn. Local: Mucugê, BA / IX FESTIVAL DE CORAIS – VOZES NA
Da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Para Solar do Rosário – Rua Duque de Caxias, 4 – Tel. CHAPADA. De 3 a 6 de agosto. Inscrições abertas.
compositores brasileiros, sem limite de idade, com (41) 3225-6332. Informações: tel. (71) 3451-4900 – reservas@
obras sinfônicas inéditas com duração máxima terraverdeturismo.com.br.
de 15 minutos. Prêmio: execução da obra pela Curitiba, PR / II SEMANA DE CANTO CORAL HENRIQUE
orquestra e encomenda de uma nova obra a ser DE CURIIBA. Do Coro da Camerata Antiqua de Pelotas, RS / CFP – I SIMPÓSIO INTERNACIONAL
executada na Temporada 2018. Inscrições até 3 de Curitiba. Homengem aos 90 anos de Roberto de MÚSICA E CRÍTICA. De 23 a 25 de outubro. Do Grupo
junho. Informações: tel. (31) 3219-9028 – www. Regina. De 20 a 25 de junho. Programação: veja de Pesquisa Estudos Interdisciplinares em Ciências
filarmonica.art.br/festival-tinta-fresca. no Roteiro Musical. Oficinas: Técnica vocal para Musicais do Centro de Artes da UFPel. Submissões
coros, com Lúcia Passos; Regência de coros mistos, de trabalhos: até 10 de julho. Informações: https://
Brasília, DF / 1º CONCURSO NACIONAL DE com Mara Campos; Voz em movimento, com simposiomusicaecritica.wordpress.com.
COMPOSIÇÃO JORGE ANTUNES. Da Orquestra Reynaldo Puebla e Ana Abe. Sábado 24 de junho
Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro. Em às 16h: lançamento do livro: Roberto de Regina
Rio de Janeiro, RJ / ANO JOSÉ MAURÍCIO NA ANTIGA
comemoração ao 75º aniversário de Jorge Antunes. ou memórias de um argento de malícias. Direção
SÉ. 250 anos de nascimento. Concertos: veja no
Inscrições: até 20 de agosto. Informações: www. artística: Mara Campos. Local: Capela Santa Maria
Roteiro Musical. Terça-feira 20 de junho às 14h:
jorgeantunes.com.br/concurso-ostncs. Espaço Cultural – Tel. (41) 3321-2846. Entrada franca.
Conferência: as relações profissionais de José
Camboriú, SC / III FESTIVAL INTERNACIONAL Fortaleza, CE / I FESTIVAL INTERNACIONAL DE Maurício com a coroa portuguesa e com o I reinado
DE CORAIS. Dias 10, 11 e 12 de novembro. CORAIS. Dias 18, 19 e 20 de agosto. Realização: brasileiro. Com Vasco Mariz. Local: Capela do Senhor
Mostra de música coral de diversos estilos, Grupo Maestro Gil Gonçalves. Informações e dos Passos da Antiga Sé – Rua Sete de Setembro,
grupos das categorias infantil, jovem e adulto, inscrições: www.festivalfortaleza.com.br. 14 – Tel. (21) 2221-0501. Informações e inscrições:
corais de empresas públicas, privadas, órgãos telefones (21) 2242-7766 e (21) 2221-0407 –
governamentais, religiosos, instituições de ensino Gramado, RS / I FESTIVAL DE INVERNO DE CANTO antigase@gmail.com. Entrada franca.
musical e universitário ou grupos independentes. CORAL. Dias 30 de junho e 1º e 2 de julho. Realização:
Inscrições até 1º de outubro. Informações e Grupo Maestro Gil Gonçalves. Informações e Rio de Janeiro, RJ / IX CONCURSO JOVENS
inscrições: www.festivalcamboriu.com.br. inscrições: www.festivalcoralgramado.com.br. MÚSICOS – MÚSICA NO MUSEU. Para candidatos
Ituiutaba, MG / 24º concurso de piano Prof. até 28 anos de idade. Para instrumentistas de
Campinas, SP / MASTER CLASSES DE REGÊNCIA.
abrão calil neto. De 25 a 30 de setembro. cordas, metais, madeiras, harpa, piano, percussão
Com Sergio Chnee e Ville Mankkinen (Finlândia).
Compositor homenageado: Liduino Pitombeira. e canto solo. Prêmios em concertos (com cachê) e
Participação de orquestra e coral. Segundas-feiras
Inscrições até 25 de agosto. Três categorias: uma bolsa de estudos para mestrado na James
5, 12 e 19 de junho, das 19h às 22h. Local: Casa
I – Solo de piano (subdividido em 7 grupos); Madison University. Provas em outubro/novembro.
do Lago – Unicamp. Inscrições abertas. Informações
II – Piano a 4 mãos (subdividido em 6 grupos) e Inscrições até 30 de junho. Informações e inscrições:
e inscrições pelo e-mial: sergio@sergiochnee.com.
III – Música de câmara. Informações e inscrições: www.musicanomuseu.com.br.
br – ou pelo site www.firsc.com.br.
www.conservatorioituiutaba.com.br.
Curitiba, PR / IV CANTORITIBA – Festival Rio de Janeiro, RJ / VIII CONCURSO NACIONAL DE
Internacional de Corais de Curitiba. De 17 a 20 de João Pessoa, PB / XV FESTIVAL PARAIBANO DE VIOLÃO FRED SCHNEITER. Dias 10 e 11 de outubro.
agosto. O evento reúne, em diversos palcos, grupos COROS. De 14 a 18 de novembro. Da Universidade Prêmios em dinheiro, acessórios e um violão do
de canto coral de vários estilos musicais e de todas Federal da Paraíba (UFPB). Oficinas e palestras. Luthier Wellington Polegário da Silva. Inscrições de
as regiões, envolvendo profissionais e amadores Coordenação: Eduardo Nóbrega. Inscrições abertas 14 a 21 de agosto. Local: Sala Cecília Meireles –
em mostras competitivas e não-competitivas. até 6 de agosto. Informações e inscrições pelo site: Espaço Guiomar Novaes. Informações e inscrições:
Prêmios em dinheiro. Inscrições até 30 de maio. www.festivalparaibanodecoros.com. www.mostrafred.com.
Informações e inscrições: www.cantoritiba.com.br. 
Lajes, SC / FESTIVAL INTERNACIONAL MÚSICA NA
Sorocaba, SP / OFICINA: Como ouvir música
Curitiba, PR / XXXVI CONCURSO LATINO-AMERICANO SERRA. De 16 a 22 de julho. Concertos e master
clássica. Com Sérgio Molina. Schaeffler Música. 8ª
ROSA MÍSTICA. Provas de piano solo, violão solo, classes. Direção artística: Jean Reis. Informações:
Temporada de música clássica. Sábado 1º de julho,
duos e grupos de câmara. Dias 7 e 8 de outubro. www.musicanaserra.com.br.
das 15h às 17h. Tema: Debussy – Prélude a l´aprés
Inscrições até 11 de setembro. Informações e
Londrina, PR / 37º FESTIVAL INTERNACIONAL DE mdi d´un faune, Outras harmonias: um caminho para
inscrições: tel. (41) 3253-4409 e (41) 3085-4409 –
MÚSICA DE LONDRINA. Paixão pela música. De a música moderna. Local: Conservatório Rogerio
www.escolarosamistica.com.br.
9 a 22 de julho. 4º Encontro de Composição Koury – Rua Pernambuco,154 – Centro. Inscrições
Curitiba, PR / ENCONTROS DE MÚSICA CLÁSSICA. Musical – EnCom. Composição musical: diversidade gratuitas: tel. (15) 3211-1360 (MdA International).
Com Liana Justus. Sempre segunda-feira, às 14h30. e diálogos. De 12 a 14 de julho. Orquestra
Dia 5 de junho: A originalidade de Chopin. Dia 12 Academia: inscrições para bolsas até 15 de junho. Tiradentes, MG / CURSO: A música na América
de junho: Piazzolla – a revolução do tango. Dia Direção artística: Marco Antonio de Almeida. portuguesa. De 15 a 18 de junho, total de 14
19 de junho: A música de Rigoletto. Dia 26 de Direção pedagógica: Magali Kleber. Informações e horas. Com Elisa Freixo. Dirigido a leigos e músicos.
junho: Maravilhas da música francesa. Dia 3 de inscrições: www.fml.com.br. Informações: efreixo@terra.com.br. t

u CLASSIFICADOS Para anunciar ligue (11) 3539-0045 ou envie e-mail para concerto@concerto.com.br

Junho 2017 CONCERTO 55


u FERMATA

Encontro com a voz

divulgação
Maestro e pianista, Marcelo de Jesus fala sobre
sua trajetória e sua relação com a ópera

Por João Luiz Sampaio

E
“ ntão, fui procurar outro professor e passei a estudar com Homero de Magalhães. Ali
começa minha formação de fato, surge a questão da ópera. Depois, fui para a Unesp...”
Não há como não interromper. A relação com a ópera tem sido um marco fundamental
na trajetória do maestro e pianista Marcelo de Jesus, um dos principais especialistas no
gênero da história recente no Brasil. E surge assim, en passant, na conversa? Ele ri com
o comentário. Então, de volta ao começo de tudo. Com calma.
Marcelo de Jesus nasceu em São Paulo. A primeira relação com a música se deu aos
5 anos de idade. “Foi logo com o piano, que eu descobri na casa de uma amiga da minha
mãe. Quis brincar e tomei gosto”, lembra. Foi estudar, então, no Conservatório Bartók.
Aos 13 anos, no entanto, estava na hora de ampliar o estudo. Foi quando conheceu
Homero de Magalhães. E surgiu “a questão da ópera”. “Meu pai levava aquelas coleções
de banca para casa. Eu ouvia tudo, então já existia uma relação. Mas, estudando música, o
interesse mudou. Passei a ir atrás das óperas inteiras. Não existia o acesso que temos hoje.
Então, eu me enfiava no Centro Cultural São Paulo, com as partituras na mão, ouvindo as
gravações. Era fascinante o casamento da música com o texto. E a cada coisa que ouvia,
ficava mais curioso por outros títulos e saía procurando.”
Na Unesp, o gosto pessoal se combinaria com o profissional. “Lá estudei com Pietro
Maranca, Martha Herr, Peter Dauelsberg e aprendi a acompanhar outros músicos, não
apenas cantores. Até que fizemos uma apresentação das Bodas de Fígaro, de Mozart, que
foi assistida pelo maestro Luiz Fernando Malheiro. Ele me pediu que fosse procurá-lo no
Theatro Municipal de São Paulo. Eu fui. E, entre 1993 e 1994, atuei lá como pianista. Foi
uma grande escola. Éramos eu e a Vania Pajares, praticamente morávamos no teatro.”
A formação de Marcelo de Jesus continuou na Academia Santa Cecília de Roma. Em
seguida, de volta ao Brasil, passou mais uma vez pelo Municipal de São Paulo e, depois,
pelo Municipal do Rio. Até que, em 2003, Manaus surgiu em sua vida. “Malheiro assumiu
a Amazonas Filarmônica e me chamou para ser adjunto. Depois, assumi a Orquestra de
Câmara do Amazonas.” Há 15 anos na cidade, o maestro desenvolveu enorme repertório,
que tem desde a integral das sinfonias de Beethoven até peças de Luciano Berio, com
atenção ao barroco e à música brasileira. No Festival Amazonas de Ópera, por sua vez,
regeu de A flauta mágica, de Mozart, a Yerma, de Villa-Lobos – neste mês, por exemplo,
rege récitas de Onde vivem os monstros, de Oliver Knussen.

Fetiche
O interesse pela diversidade de repertório é uma característica própria ou uma
necessidade quando se está à frente de dois grupos com temporadas regulares? “Minha
curiosidade sempre foi enorme e sem preconceitos, quero sempre algo novo, diferente.
Mas com certeza a rotina da temporada exige essa amplitude. E tanto a filarmônica quanto
a orquestra de câmara são grupos muito adaptáveis em termos de repertório.”
No universo da ópera, há alguns compositores fundamentais na trajetória do
maestro. Mozart, por exemplo, o acompanhou em estreias em teatros brasileiros e latino-
-americanos. Mas ele tem o que chama de “ópera-fetiche”: Norma, de Bellini. “Já tentei
explicar os motivos, mas é difícil. O bel canto é o período com o qual mais me identifico.
Nele, tudo tem uma razão de ser. E a construção de Norma é de uma perfeição tanto
musical quanto teatral, com tudo aspirando à beleza, o que para mim é fundamental.”
E como definiria o regente de ópera ideal? “90% do que sei eu aprendi com Malheiro.
Um exemplo é o modo como se deve conceber a ópera: conhecer o texto, os personagens,
aprender a música bem quadradinha e, só então, criar uma interpretação”, explica. “E
também ter algum tipo de relação com o canto.” Marcelo estudou com Leila Farah e
AGENDA Lenice Priolli, chegou a cantar em um recital de alunos, ao lado de Denise de Freitas, “uma
Onde vivem os monstros, de Oliver Knussen vergonha”. Não importa: o foco era aprender o mecanismo da voz. E o resto veio no palco.
Amazonas Filarmônica e solistas “É preciso saber acompanhar, quando ir junto com o cantor, antes, depois. Certa vez, regendo
Marcelo de Jesus – regente Eliane Coelho, eu disse: ‘A gente não tá muito junto’. E ela: ‘A gente chega lá’. É isso. É estar
Teatro Amazonas (Manaus), dias 3 e 4 de junho junto, mas dar liberdade ao cantor. E o cantor, ao sentir isso, responde à mão. É uma troca.” t

56 Junho 2017 CONCERTO