Sie sind auf Seite 1von 10

QUESTÕES SOBRE LEI 2.

912/2011 QUE

INSTITUI O REGIME JURÍDICO ÚNICO


DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO
MUNICÍPIO DE GRAMADO, E DÁ
OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Queridos colegas, a ideia aqui é ir artigo por artigo até


fecharmos a Lei, depois desta de 50 virão quantas mais forem
necessárias para chegarmos ao fim, a menos que no edital
venha elencado artigos específicos.

Dica: Leia a Lei com calma e depois resolva as questões.

Tripé da aprovação: Ler as Leis, Assistir às aulas e Resolver


exercícios.

Boa sorte!!

Gostaria que postassem no grupo as questões, se cada um


postar uma vamos poder dividir as dúvidas sobre o assunto e
justificar a resposta correta apontando o erro ou enfatizando
o que está de acordo com a Lei.

Cristina
1-Cargo público é o criado em Lei, em número certo, com denominação
própria, com vencimento padronizado, remunerado pelos cofres
municipais, ao qual corresponde um conjunto de atribuições e
responsabilidades cometidas ao servidor público.

2-Os cargos públicos serão de provimento efetivo ou em comissão.

3-A investidura em cargo público depende da aprovação prévia em


concurso público de provas ou de provas e títulos, inclusive as nomeações
para cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e
exoneração.

4-A investidura em cargo público do magistério municipal poderá será por


concurso de provas e títulos.

5-Somente poderão ser criados cargos de provimento em comissão para


atender encargos de direção, chefia e assessoramento.

6-O FG é instituído por lei para atender encargos de direção, chefia ou


assessoramento, sendo privativo de servidor detentor de cargo de
provimento efetivo estável ou não, observados os requisitos para o
exercício. FG é a sigla para a função gratificada que o servidor efetivo e
estável poderá exercer.
7-É permitido cometer ao servidor atribuições diversas das de seu cargo,
desde que por necessidade da Administração inclusive encargos de FG e
comissões legais.
8- São requisitos básicos para ingresso no serviço público municipal:

I – ser brasileiro nato

II - ter idade mínima de dezoito anos;

III - estar quite com as obrigações militares e eleitorais;

IV - gozar de boa saúde física e mental, comprovada mediante exame


médico;

V - ter atendido as condições prescritas em lei para o cargo


VI- Ter obtido classificação no Concurso Público.

9-Os cargos públicos serão providos por:


I - nomeação;

II - recondução;

III - adaptação;

IV - reversão;

V - reintegração;

VI - Reaproveitamento.

10-As normas gerais para realização de concurso serão estabelecidas em


regulamento.

Além das normas gerais, os concursos serão regidos por instruções


especiais, que deverão ser expedidas pelo órgão competente, com ampla
publicidade.
11-O prazo de validade do concurso será de dois (2) anos, prorrogáveis,
uma vez, por igual prazo.

12- A posse é o ato de investidura em cargo público e será feita:

I - Em comissão, quando se tratar de cargo que, em virtude de lei, assim


deva ser provido;

II - Em caráter efetivo nos demais casos.

13-A posse em caráter efetivo obedecerá à ordem de classificação dos


candidatos em concurso público.

14- Posse é a aceitação expressa das atribuições, deveres e


responsabilidades inerentes ao cargo público, com o compromisso de bem
servir, formalizada com a assinatura do termo pela autoridade
competente e pelo compromissando.

15- A posse dar-se-á no prazo de até 5 (cinco) dias, prorrogáveis pelo


mesmo período, contados da data da publicação do ato de nomeação,
comprovado mediante "A.R" ou publicação de edital.

16- No ato da posse, o servidor apresentará, espontaneamente,


declaração sobre o exercício de outro cargo, emprego ou função pública,
declaração de bens e valores que constituem seu patrimônio.

17-O Exercício é o desempenho das atribuições do cargo pelo servidor,


que deverá sob pena de tornar sem efeito a nomeação, ocorrer em dez
(10) dias contados da data da posse.

18- O exercício será dado pelo Chefe do Executivo Municipal responsável


pela pasta a qual o servidor for lotado.

19-Será anulado o ato ou nomeação se não ocorrer à posse ou exercício


nos prazos legais.

20-Nos casos de reintegração, reversão e aproveitamento, o prazo de


será contado da data da publicação do ato
21-A promoção, a readaptação, e a recondução, interrompem o
exercício.

22- O início, a interrupção e o reinicio do exercício serão registrados na


carteira de trabalho do servidor.

23-O servidor, ao entrar em exercício, apresentará os documentos do


início, da interrupção e do reinício para a área de Recursos Humanos.

24-Adquire a estabilidade, após o período probatório de dois (02) anos de


efetivo exercício, o servidor público nomeado por concurso público.

25- O servidor estável só perderá o cargo:

I - em virtude de sentença judicial

II - mediante processo administrativo em que seja assegurada ampla


defesa;

III - mediante procedimento de avaliação especial de desempenho, na


forma de lei específica, assegurada a ampla defesa e o contraditório.

26-Ao entrar em exercício, o servidor nomeado para cargo de provimento


efetivo ficará sujeito a estágio probatório por período de 24 (vinte e
quatro) meses, durante o qual a sua aptidão, capacidade e desempenho
serão objeto de avaliação pela comissão Permanente de Gestão da
Qualidade (CPGQ), com vista à aquisição da estabilidade, observados os
seguintes quesitos:

I - assiduidade;

II - pontualidade;

III - disciplina;

IV - eficiência;
V - responsabilidade;

VI - relacionamento.

27-A avaliação do estágio probatório será realizada ao servidor no efetivo


exercício do cargo para qual foi nomeado.

28- É condição para a aquisição da estabilidade a avaliação das funções


no estágio probatório

29-A avaliação será realizada por semestre, mediante coleta de dados a


um competente boletim.

30-Os afastamentos decorrentes de gozo de férias legais não prejudicam


a avaliação semestral.

31- Quando os afastamentos, no período considerado, forem superiores


a sessenta dias, a avaliação do estágio ficará suspensa até o retorno do
servidor às suas atribuições, retomando-se a contagem do tempo anterior
para efeito do semestre.

32- Ao término do período de estágio probatório, a homologação na


condição de estável, deverá ocorrer pela autoridade competente,
mediante desempenho de no mínimo 70 (setenta) pontos na média das
avaliações semestrais, apuradas pela Chefia imediata com o
acompanhamento da Comissão Permanente de Gestão da Qualidade
(CPGQ), conforme especificações a serem definidas em Regimento
Interno.
33-Em todo o processo de avaliação, o servidor deverá ter vista de cada
boletim de estágio, podendo se manifestar sobre os itens avaliados,
devendo apor sua assinatura.

34- O servidor que obtiver desempenho inferior a 50 (cinquenta) pontos


em pelo menos 02 (duas) avaliações semestrais sucessivas ou 03 (três)
intercaladas ao longo do período de estágio probatório poderá ser
exonerado mediante processo administrativo, assegurada a ampla defesa
e o contraditório, oportunidade que lhe será assegurada vista do
processo, pelo prazo de dez dias úteis, para apresentar defesa e indicar as
provas que pretenda produzir.

35-O relatório conclusivo da CPGQ será encaminhado à autoridade


competente para decisão final.

36-O servidor não aprovado no estágio probatório será exonerado e


reconduzido ao cargo anteriormente ocupado, se era estável, observados
os dispositivos pertinentes.

37- O servidor não estável, quando convocado, poderá participar de todo


e qualquer curso específico referente às atividades de seu cargo.

38- Recondução é o retorno do servidor estável ao cargo anteriormente


ocupado

39-A recondução decorrerá de:

a) inabilitação em estágio probatório em outro cargo de provimento


efetivo;
b) reversão do anterior ocupante.

40- Readaptação é a investidura do servidor em cargo de atribuições e


responsabilidades compatíveis com a limitação que tenha sofrido em sua
capacidade física ou mental, verificada em inspeção médica.

41- A readaptação será efetivada em cargo de padrão de vencimento


igual ou inferior.

Realizando-se a readaptação em cargo de padrão inferior, ficará


assegurado ao servidor a irredutibilidade do valor total da remuneração já
incorporada, correspondente ao cargo ocupado.

Inexistindo vaga serão cometidas ao servidor as atribuições do cargo


indicado, até o regular provimento.

O servidor que for readaptado não poderá ter prejuízo na remuneração,


gratificações e demais vantagens permanentes, incluindo período de
férias.

42- Reversão é o retorno do servidor aposentado à atividade no serviço


público municipal.

43- A reversão far-se-á somente a pedido, condicionada sempre a


existência de vaga.

44- Em nenhum caso poderá efetuar-se a reversão sem que, mediante


inspeção médica, fique provada a capacidade para o exercício do cargo.
45- Somente poderá ocorrer reversão para cargo anteriormente ocupado
ou, se transformado, no resultante da transformação

46-Será tornada sem efeito a reversão e cassada a aposentadoria do


servidor que dentro do prazo legal não entrar no exercício do cargo para o
qual haja sido revertido, salvo motivo de força maior, devidamente
comprovado.

47- Não poderá reverter o servidor que contar com setenta (70) anos de
idade.

48-A reversão dará direito à contagem do tempo de que o servidor


esteve aposentado, exclusivamente para nova aposentadoria.

49-Reintegração é a investidura do servidor estável no cargo


anteriormente ocupado, quando invalidada a sua demissão por decisão
judicial, com ressarcimento de todos os direitos e vantagens determinadas
na sentença.

50- Reintegrado o servidor e não existindo vaga, aquele que houver


ocupado o cargo será reconduzido ao cargo de origem, com direito à
indenização, aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade,
sem prejuízo da remuneração.

Gabarito
1c 2c 3e 4e 5c 6e 7e 8e 9e 10c
11e 12e 13e 14c 15c 16e 17e 18e 19e 20c
21e 22e 23c 24e 24e 26e 27c 28c 29c 30c
31e 32c 33c 34e 35c 36c 37e 38c 39e 40c
41c 42e 43e 44c 45c 46c 47c 48c 49c 50e