Sie sind auf Seite 1von 5

1) Discuta as condições de equilíbrio no modelo clássico, ou seja, o que ocorre com o salário

real, o produto e o emprego de equilíbrio:


a) Em virtude de melhor treinamento, os operários tornam-se mais produtivos;
b) Por conta de uma guerra, ocorre uma redução no estoque de capital na economia;
c) Novas máquinas mais produtivas são desenvolvidas e incorporadas no processo produtivo;
d) As preferências dos trabalhadores mudam, e eles querem trabalhar mais por qualquer
salário;
e) Os trabalhadores de um país vizinho migram para o seu país;
f) O salário real é fixado acima do nível de pleno emprego;
g) As preferências do público sejam alteradas de modo que o lazer venha a ser mais desejável
que as mercadorias.
2) Quais são os principais fatores determinantes do produto e do emprego segundo a visão
clássica? Como os clássicos avaliam o papel da demanda para a determinação do produto e do
emprego?
3) Qual é a função da moeda, segundo a análise clássica, para a determinação do emprego, do
produto real, do nível de preços e da taxa de juros? (explique teórica e graficamente)
4) Como os clássicos avaliam o papel da demanda agregada, bem como, as políticas que
procuram estimulá-la (políticas fiscais e monetárias), na determinação do emprego, do
produto e do salário real?
5) Como a taxa de juros é determinada no modelo clássico?
6) Com base no modelo clássico, explique como funciona o mecanismo de ajuste da taxa de
juros para estabilizar a demanda agregada em face de mudanças autônomas dos seus
componentes (investimentos e gastos do governo).
7) Utilizando como referência a teoria quantitativa da moeda explique algébrica e
graficamente como é derivada a função da demanda agregada no modelo clássico. Explique os
fatores que contribuem para o deslocamento da curva de demanda agregada.
8) Qual a visão clássica acerca do desemprego? Como procuram explicar a existência do
desemprego?
9) No modelo keynesiano simples, um aumento unitário nos dispêndios autônomos promovem
um aumento na renda de equilíbrio por um múltiplo do aumento nos gastos autônomos.
Explique o processo pelo qual este fenômeno ocorre.
10) Se a função consumo é dada por C = C0 + cY, derive a função poupança e demonstre ambas
graficamente.
11) Considere uma economia simples, sem governo, onde a função consumo é dada por
C=100+0,8Y, enquanto os investimentos são de I = 50.
a) Determine o nível de renda de equilíbrio.
b) Qual o nível de poupança de equilíbrio.
c) Se a produção estivesse no nível de 800, o que estaria acontecendo com o nível de estoques,
quando comparado ao produto de equilíbrio?
d) Se I for aumentado para 100, qual seria o efeito sobre a renda de equilíbrio?
e) Qual é o valor do multiplicador da renda?
12) Suponha que, para uma dada economia, durante um dado momento, os investimentos
foram de R$ 100 bi, os gastos do governo foram R$ 75 bi, os impostos líquidos foram fixados
em R$ 100 bi, e que o consumo seja expresso pela função C=25+0,8Yd Onde Yd representa a
renda disponível e Y o produto.
a) Encontre a renda de equilíbrio.
b) Encontre o valor do multiplicador dos gastos autônomos.
c) Suponha que os investimentos tenham aumentado em R$ 20 bi, qual a nova renda de
equilíbrio?
13) Suponha que o consumo é dado por C = 100 + 0,8Yd, e que I = 50, e que a política fiscal se
resume por G=200, Tr = 62,5 e t=0,25. Encontre:
a) A renda de equilíbrio;
b) O multiplicador da renda;
c) Calcule o superávit orçamentário;
d) Qual o valor do superávit orçamentário quando I = 100;
14) Considere uma economia descrita pelas seguintes funções:
C = 50 + 0,8Yd; I0 = 70; G0 = 200; Tr0 = 100; T = 0,2
a) Calcule o nível de equilíbrio da renda e o multiplicador;
b) Calcule o superávit orçamentário;
c) Suponha que t aumente para 0,25. Qual será o novo ponto de equilíbrio da renda? E o novo
multiplicador?
d) Calcule o novo superávit orçamentário.
e) O que ocorre com o nível de equilíbrio da renda, com o multiplicador e com o superávit
orçamentário se c = 0,9?
15) Considerando o modelo IS completo:
C = C0 + cYd; I = I0 – bi; G = G0; Tr = Tr0; T = tY
a) Com base nas informações acima, encontre a expressão analítica para a renda de equilíbrio
e para o multiplicador.
b) Derive a expressão analítica para a curva IS.
c) Demonstre graficamente as condições de equilíbrio representada pela curva IS, e explique o
as condições necessárias para estabelecer as condições de equilíbrio no mercado de bens.
16) Considerando as condições necessárias para estabelecer o equilíbrio no mercado de bens
representados pela curva IS, explique:
a) Que fatores interferem na inclinação da curva IS?
b) Quais fatores interferem na posição da curva IS?
c) O que acontece quando a taxa de juros e a renda não estão nos níveis de equilíbrio
expressos pela curva IS?
17) As seguintes equações descrevem o comportamento da economia:
C = 0,8(1-t)Y; t = 0,25; I = 900-50i; G0 = 800; L=0,25Y-62,5i; M/P = 500
a) Qual a equação que descreve a curva IS? Qual a definição geral da curva IS?
b) Qual é a equação que descreve a curva LM? Qual a definição da curva LM?
c) Quais são os níveis de equilíbrio da renda e da taxa de juros?
d) Descreva em palavras as condições que são satisfeitas na intersecção das curvas IS e LM e
explique por que este corresponde a um ponto de equilíbrio.
18) Explique por que o multiplicador e a sensibilidade relativa ao juro da demanda agregada
afetam a inclinação da curva IS.
19) Explique por que as sensibilidades relativas à renda e ao juro da demanda por encaixes
reais afetam a inclinação da curva LM.
20) Considerando as condições necessárias para estabelecer o equilíbrio no mercado
monetário representados pela curva LM, explique:
d) Que fatores interferem na inclinação da curva LM?
e) Quais fatores interferem na posição da curva LM?
f) O que acontece quando a taxa de juros e a renda não estão nos níveis de equilíbrio
expressos pela curva LM?
21) Analise teórica e graficamente as condições necessárias para estabelecer o equilíbrio
macroeconômico, bem como, as forças que atuam em circunstâncias em que a economia
encontra-se fora do equilíbrio para restabelecê-lo.
22) Considerando as seguintes equações:
C = C0+c(1-t)Y; I = I0-bi; G = G0; L=kY-hi; M/P = M*/P
a) Determine a expressão que assegura o equilíbrio no mercado de bens (curva IS), e
interprete os resultados;
b) Determine a expressão que assegura o equilíbrio no mercado monetário (curva LM), e
interprete os resultados;
c) Determine a expressão que assegura o equilíbrio simultâneo no mercado de bens e
monetário (modelo IS-LM), interprete os resultados;
d) Determine as expressões para os multiplicadores dos gastos autônomos (C0, I0, G0), saldos
monetários reais e transfrerências governamentais. Interprete os resultados.
23) Considerando as seguintes equações:
C = C0+cYd; Yd=Y+Tr0-tY; I = I0-bi; G = G0; L=kY-hi; M/P = M*/P
a) Considere que o governo mantenha seu orçamento equilibrado (BS = tY-G0-Tr0 = 0), e
derive as condições de equilíbrio no mercado de bens e monetários;
b) Derive a expressão para o multiplicador dos gastos do governo para a nova condição
de equilíbrio.
24) Prove que o saldo orçamentário equilibrado não é neutro em relação à atividade
econômica.
25) Suponha que certa economia pode ser descrita pelas seguintes equações:
C = 100+0,8Yd; T=15+0,25Y; I = 150-20i; G0 = 125; L=0,2Y-40i; M = 50; Tr = 60;
P = 1.
a) Determine as expressões para as curvas IS e LM e diga qual o seu significado.
b) Calcule os valores de equilíbrio do rendimento, taxa de juros, consumo, investimento
e saldo orçamentário.
c) Determine os valores para os multiplicadores dos gastos autônomos (C0, I0, G0),
saldos monetários reais e transfrerências governamentais.
d) Se os preços aumentarem, o que sucederá à taxa de juros e ao rendimento de
equilíbrio? Ilustre graficamente. Calcule o efeito sobre o nível de rendimento de um
aumento de 25% no índice de preços.e) Suponha que o Estado resolva aumentar os gastos e os
impostos autônomos em 20
u.m. Qual seria o efeito destas medidas sobre o rendimento de equilíbrio e sobre o
saldo orçamentário?
f) Se a função investimento passar a ser I=150-20i+0,1Y, que acontecerá aos
multiplicadores? Justifique. Comprove a sua afirmação, calculando o valor do
multiplicador dos gastos em relação ao rendimento.
26) Explique teórica e graficamente a eficiência da política monetária e fiscal considerando
os casos clássico e keynesiano.
27) Considere as seguintes informações sobre uma economia:
C = 55+0,7Yd; I = 200-15i; t = 0,3; G0 = 300; L=100+0,5Y-10i; M/P = 570; Tr = 0.
a) Encontre o nível de renda e a taxa de juros de equilíbrio;
b) Encontre o consumo, o investimento e a demanda por moeda de equilíbrio;
c) Encontre a nova condição de equilíbrio da renda e da taxa de juros quando a
oferta monetária aumenta em 130 u.m. O que ocorre com o nível de consumo e
de investimentos, na nova condição de equilíbrio?
d) Encontre a nova condição de equilíbrio da renda e da taxa de juros quando os
gastos do governo aumentam em 200 u.m. O que ocorre com o nível de consumo
e de investimentos, na nova condição de equilíbrio?
e) Demonstre os resultados obtidos em c e d graficamente, e compare os
resultados.
28) Considere uma economia descrita pelas seguintes equações:
C = 50+0,85Yd; I = 160-18i; T=10+0,2Y; G0 = 250; L=0,3Y-30i; M = 300; Tr = 60;
P = 1.
a) Encontre as expresses para as curvas IS e LM;
b) Determine os valores de equilíbrio para o rendimento, a taxa de juros, o
consumo, o investimento e o saldo orçamentário;
c) O governo resolveu aumentar seus gastos em 50 u.m. Qual seria o efeito dessas
medidas sobre o produto e sobre o saldo orçamentário.
d) Em relação ao item “c”, existe algum efeito de “crowding-out”? Em caso
afirmativo, quantifique-o.