You are on page 1of 1

Profa.

Nádia Carolina / Prof. Ricardo Vale

HIERARQUIA DAS NORMAS


1) Na Constituição, há normas constitucionais originárias e normas constitucionais derivadas. Normas
constitucionais originárias são fruto do trabalho do Poder Constituinte Originário (poder que elabora uma
nova Constituição). Normas constitucionais derivadas resultam da manifestação do Poder Constituinte
Derivado.

2) Não existe hierarquia entre normas constitucionais originárias. Também não existe hierarquia entre
normas constitucionais originárias e normas constitucionais derivadas.

3) Segundo o STF, as normas constitucionais originárias não podem ser declaradas inconstitucionais. Não
há antinomias reais dentro da Constituição. As antinomias são apenas aparentes. Não se aceita no Brasil a
tese de Otto Bachof, que concebia a existência de normas constitucionais originárias inconstitucionais.

4) Tratados internacionais de direitos humanos: Quando forem aprovados na forma do art. 5º, § 3º, CF/88
(em dois turnos, em cada Casa do Congresso Nacional, por 3/5 dos membros), serão equivalentes às
emendas constitucionais. Quando forem aprovados pelo rito ordinário, terão status supralegal. Os tratados
internacionais de direitos humanos, qualquer que tenha sido o quórum de aprovação, servem como
paradigma para o controle de convencionalidade.

5) Leis complementares, leis ordinárias, leis delegadas, medidas provisórias, decretos legislativos,
resoluções legislativas, tratados internacionais (comuns) e decretos autônomos são atos normativos
primários e estão no mesmo nível hierárquico.

6) Leis federais, estaduais e municipais estão no mesmo nível hierárquico. A solução de conflitos entre elas
dependerá da repartição constitucional de competências.

7) A Constituição Federal está em patamar hierárquico superior ao das Constituições Estaduais que, por sua
vez, são hierarquicamente superiores às Leis Orgânicas.

8) Leis complementares estão no mesmo nível hierárquico das leis ordinárias. A CF/88, porém, reserva
certas matérias para a lei complementar (ex: normas gerais de direito tributário).

9) Leis complementares podem tratar de tema que a CF/88 reservou às leis ordinárias. No entanto, as leis
ordinárias não podem tratar de tema que a CF/88 reservou às leis complementares, sob pena de
inconstitucionalidade formal.

10) Lei complementar pode ser revogada ou modificada por lei ordinária, desde que trate de tema
reservado pela CF/88 às leis ordinárias. Isso porque a referida lei será formalmente complementar, mas
materialmente ordinária.

11) Decretos regulamentares, portarias e instruções normativas são normas secundárias, infralegais.

Resumos – Direito Constitucional 1


www.estrategiaconcursos.com.br