Sie sind auf Seite 1von 19

O trabalho de José

Delgado, uma estrela


pioneiro

A Era de Forgotten BRAINCHIPS


By John Horgan
diretor do centro
para escritos ciência no Instituto Stevens
de Tecnologia em Hoboken, N.J.,
foi um escritor pessoal para Scientific American
a partir de 1986-1997 e, em seguida, até
recentemente, Um escritor freelance. Seus livros
incluir The End of Science, The Undiscovered
Mente e Misticismo Racional.
O AUTOR
Na pesquisa de estimulação cerebral,
quatro décadas atrás, vai em grande
parte não reconhecida hoje. O que
aconteceu?
Eun da década de 1970, José Manuel Rodriguez
Delgado, professor de fisiologia na Yale Universidade,
Foi um dos mais aclamados do mundo-e controverso
neurocientistas. Em 1970, o New York Times Magazine
saudou-o em uma reportagem de capa como o "profeta
apaixonado de um novo 'psychocivilized sociedade
cujos membros possam influenciar e alterar as suas
próprias funções mentais. "acrescenta o artigo, porém,
que alguns dos colegas de Delgado de Yale viu"
potencial assustador "no seu trabalho.
Delgado, afinal, foi pioneira que mais enervante de
tecnologias, o chip do cérebro-um dispositivo
eletrônico que pode manipular a mente de receber
sinais de e transmiti-las para os neurônios. Longo do
McGuffins da ficção científica, a partir de O Homem
Terminal para The Matrix, chips do cérebro estão
sendo usados ou testados como tratamentos para a
epilepsia, doença de Parkinson, paralisia, cegueira e
outros distúrbios. Décadas atrás Delgado realizou
experimentos que foram mais dramática em alguns
aspectos do que qualquer coisa que está sendo feito
hoje.
ELÉTRICA DO
CÉREBRO-
estimulação
DISPOSITIVOS
(acima),
Inventou por
José Delgado
por suas
pesquisas
em
comportamen
to e controle
motor, foram
implantados
em macacos,
macacos
(esquerda),
Bois, gatos e
seres
humanos.
Eletrodos
poderia
permanecer
implantado
por mais de
dois anos

Ele matrizes de eletrodos implantados equipados com rádios,


que ele chamou de "stimoceivers", em gatos, macacos,
chimpanzés, gibões, touros e até seres humanos, e ele
mostrou que podia controlar as mentes dos sujeitos e
entidades com o premir de um botão. No entanto, após
Delgado mudou-se para Espanha em 1974, sua reputação no
E.U. desbotada, não só da memória do público, mas da mente
e listas de citações de outros cientistas. Descreveu seus
resultados em mais de 500 artigos revisados por especialistas
e amplamente comentado em um livro 1969, mas estas
raramente são citados por pesquisadores modernos. De fato,
alguns familiares com seus primeiros trabalhos supor que ele
morreu. Mas Delgado, que recentemente se mudou com sua
esposa, Caroline, de Espanha para San Diego, Califórnia, É
muito vivo e bem, e ele tem uma perspectiva única sobre os
esforços modernos para tratar vários transtornos,
estimulando áreas específicas do cérebro.

Quando Lobotomies
Eram os Rage
nascido em 1915 em Ronda, Espanha, Delgado passou a
ganhar um diploma de medicina do Universidade de Madri na
década de 1930. Embora ele tenha sido há muito tempo
perseguido por rumores de que ele apoiou o regime fascista
de Francisco Franco, na verdade ele serviu no corpo médico
do Exército Republicano (que opôs durante Franco EspanhaÉ
a guerra civil), enquanto ele era um estudante de medicina.
Após Franco esmagou os republicanos, Delgado foi detido
num campo de concentração durante cinco meses antes de
retomar seus estudos. Ele pretendia tornar-se um doutor de
olho, como seu pai. Mas uma restrição em um laboratório de
fisiologia-exposição de mais para os escritos do grande
neurocientista espanhol Santiago Ramón y Cajal-deixou-o
encantado com "os muitos mistérios do cérebro. Como pouco
se sabia então. Como pouco se sabe agora! "Delgado estava
particularmente intrigado pelos experimentos de fisiologista
suíço Walter Rudolf
Hess. Começando em 1920, Hess demonstrou que poderia
provocar comportamentos tais como a raiva, a fome e
sonolência em gatos, ao estimular eletricamente pontos
diferentes de seus cérebros com fios. Em 1946, Delgado
ganhou uma bolsa de um ano em Yale. Em 1950, ele aceitou
um cargo em seu departamento de fisiologia, em seguida
dirigido por John Fulton, que desempenhou um papel crucial
na história da psiquiatria. Em uma palestra em 1935 Londres,
Fulton relataram que um violento chimpanzé "neurótica
chamada Becky tinha-se tornado calma e complacente após a
destruição cirúrgica de seus lobos pré-frontal. Na platéia
estava Português psiquiatra Egas Moniz, que começou a
realizar lobotomias em pacientes psicóticos e alegou
excelentes resultados. Após Moniz ganhou o Prêmio Nobel em
1949, tornou-se uma lobotomia tratamento cada vez mais
popular para a doença mental. Inicialmente perturbado que
seu método de pacificar um chimpanzé tivesse sido aplicada
aos seres humanos, Fulton mais tarde se tornou um defensor
cauteloso de psicocirurgia. Delgado discordou da posição de
seu mentor. Eu pensei Fulton e Moniz idéia de destruir o
cérebro era absolutamente horrível, "lembra Delgado. Ele
considerou que seria "muito mais conservador" para tratar a
doença mental, aplicando os métodos de estimulação elétrica
foi pioneira por Hess-que dividiu o prêmio 1949 com Moniz.
"Minha idéia era evitar lobotomia ", diz Delgado," com a ajuda
de eletrodos implantados no cérebro. "Uma das chaves para o
sucesso científico Delgado foi sua habilidade como um
inventor, um colega de Yale, uma vez que o chamou de"
assistente tecnológico. "Em seus experimentos iniciais, os fios
correndo a partir de eletrodos implantados através do crânio
e da pele de volumosos dispositivos eletrônicos que os dados
registados e entregues pulsos elétricos. Esta configuração
restrita movimentos dos sujeitos e os deixou propensos a
infecções. Por isso, Delgado projetado stimoceivers rádio
equipado tão pequeno como meio de dólares que poderiam
ser totalmente implantado em pacientes. Suas outras
invenções incluíram uma versão inicial do pacemaker
cardíaco e implantável "chemitrodes"Que poderia liberar
quantidades precisas de drogas diretamente em áreas
específicas do cérebro. Em 1952, Delgado, co-autor do
primeiro trabalho peer-reviewed descrevendo a longo prazo
implante de eletrodos nos seres humanos, estreita batendo
um relatório por Robert Heath, da Tulane Universidade.
Durante as próximas duas décadas Delgado eletrodos
implantados em cerca de 25 seres humanos, a maioria deles
esquizofrênicos e epilépticos, em um hospital mental no
extinto Rhode Island. Ele operou, diz ele, apenas
desesperadamente doentes cujos distúrbios tinham resistido
a todos os tratamentos anteriores. No início, a sua colocação
de eletrodos em seres humanos foi orientada pelas
experiências em animais, estudos de pessoas com danos
cerebrais e os trabalhos do neurocirurgião canadense Wilder
Penfield, começando nos anos 1930, Penfield estimulou
cérebro epiléptico "com eletrodos antes da cirurgia para
determinar onde ele deve operar .

CAROLINE DELGADO, mostrado acompanhamento leituras


encephalographic de um macaco, ajudou seu marido desde a
sua reunião em Yale Universidade na década de 1950.

Domando um touro bravo

Delgado mostrou que a estimulação do córtex motor pode


provocar reações físicas específicas, tais como o movimento
dos membros. Um paciente cerrou o punho quando
estimuladas, mesmo quando ele tentou resistir. "Acho, doutor,
que a sua energia é mais forte que minha vontade",
comentou o paciente. Outro assunto, virando a cabeça de um
lado para o outro em resposta à estimulação, insistiu que ele
estava fazendo isso voluntariamente, explicando: "Estou
procurando meus chinelos". Ao estimular diferentes regiões
do sistema límbico, que regula a emoção, Delgado também
pode induzir medo, raiva, desejo, alegria, tagarelice e outras
reacções, algumas delas surpreendentes em sua intensidade.
Em um experimento, Delgado e dois colaboradores da
Harvard
Universidade estimuladas do lóbulo temporal de uma mulher
de 21 anos de idade com epilepsia, enquanto ela estava
calmamente tocando uma guitarra, em resposta, ela voou em
uma raiva e quebrou sua guitarra contra a parede, faltando
estreita cabeça de um investigador. Talvez a descoberta mais
promissora foi medicamente que a estimulação de uma região
chamada sistema límbico do septo pode provocar euforia,
forte o suficiente em alguns casos, para neutralizar a
depressão e até mesmo dores físicas. Delgado limitou sua
pesquisa com seres humanos, entretanto, porque os
benefícios terapêuticos dos implantes não eram confiáveis, os
resultados variaram muito de paciente para paciente e pode
ser imprevisível, mesmo no mesmo assunto. De fato, lembra
Delgado afastando mais pacientes do que ele tratados,
incluindo uma jovem que foi sexualmente promíscuo e
propensos à violência e tinham sido repetidamente
confinados em prisões e hospitais psiquiátricos. Embora a
mulher e seus pais pediram Delgado para implante de
eletrodos no seu, ele se recusou, sentindo que a estimulação
elétrica era muito primitiva para um caso que envolve
nenhuma desordem neurológica discernível. Delgado fez uma
pesquisa muito mais extensa em macacos e outros animais,
muitas vezes centrada sobre as regiões neurais que
estimulam e inibem a agressão. Em uma demonstração, que
explorou os efeitos da estimulação na hierarquia social, ele
implantou um stimoceiver em um bully macaco. Ele então
instalou uma alavanca na gaiola que, quando pressionado,
pacificou o bully fazendo com que o stimoceiver estimular
núcleo caudado do macaco, uma região do cérebro envolvida
no controle dos movimentos voluntários. Uma fêmea na
gaiola logo descobriu o poder da alavanca e puxou-lo sempre
que o homem ameaçou-a. Delgado, que nunca se esquivou de
interpretações antropomórficas, escreveu: "O velho sonho de
uma pessoa irresistível a força de um ditador por controle
remoto tem sido cumprida, pelo menos em nossas colónias de
macaco." Experimento mais famoso Delgado teve lugar em
1963, com um touro -criação na fazenda Cordoba, Espanha.
Depois de inserir stimoceivers no cérebro de vários "touros",
ele estava em uma arena com um touro em um tempo e,
pressionando os botões em um transmissor de mão,
controlada ações de cada animal. Em um exemplo, capturado
em uma fotografia dramática, Delgado forçou um touro a
derrapar para uma parada apenas alguns metros de distância
dele, estimulando o seu núcleo caudado. O New York Times
publicou um frontpage reportagem sobre o evento,
chamando-lhe "a demonstração mais espetacular já realizado
da modificação intencional do comportamento animal através
do controle externo do cérebro." Outros artigos saudado
transformação Delgado de um animal agressivo em uma
versão da vida real de Ferdinando, o touro, o herói gentil de
uma história popular entre as crianças. Em termos de
importância científica, Delgado acredita que sua experiência
em um chimpanzé chamado Paddy merecia mais atenção.
Delgado programado stimoceiver Paddy's para detectar sinais
distintivos, chamados cones, emitido espontaneamente por
sua amígdala. Sempre que o stimoceiver detectou um eixo,
que estimulou a região central cinzenta do cérebro Paddy's,
produzindo uma "reação aversiva"-isto é, uma sensação
dolorosa ou desagradável. Depois de duas horas do feedback
negativo, a amígdala Paddy's produziu 50 por cento menos
fusos, a freqüência diminuiu em 99 por cento num prazo de
seis dias. Paddy não era exatamente um retrato da saúde: ela
se tornou "mais quieto, menos atentos e menos motivados
durante os testes de comportamento", escreveu Delgado. Ele,
no entanto especularam que esse aprendizado "automático"
técnica poderia ser usada para reprimir ataques de epilepsia,
ataques de pânico ou outros distúrbios caracterizados por
sinais cerebrais específicas. investigação Delgado foi apoiado
não só por agências civis, mas também por outros militares,
como o Office of Naval Research (mas nunca, Delgado insiste,
pela Agência Central de Inteligência, como alguns teóricos da
conspiração têm cobrado). Delgado, que se chama um
pacifista, diz que sua Pentágono patrocinadores visto o seu
trabalho de pesquisa básica e nunca levou-o para aplicações
militares. Ele sempre negou as especulações de que os
implantes poderiam criar cyborg soldados que matam no
comando, como o assassino de uma lavagem cerebral na
novela e no filme versões de The Manchurian Candidate. (O
assassino era controlada por métodos psicológicos no filme
original de 1962 e por um chip no cérebro remake de 2004). A
estimulação do cérebro pode "aumentar ou diminuir o
comportamento agressivo", ele afirma, mas não podem
"dirigir o comportamento agressivo a qualquer alvo
específico."

CAT levantou sua perna em resposta à estimulação por um


eletrodo implantado em seu cérebro.
O gato, diz Delgado, não apresentava sinais de desconforto
neste experimento feito no início dos anos 1950.

Resumo /Brain Implantes


• José MR Delgado, pioneira na tecnologia de
implante cerebral, é talvez o mais famoso para
travar um touro por apenas pressionando um botão
em um dispositivo que envia sinais ao cérebro do
animal.
• No início dos anos 1970 Delgado deixou de ser
aclamado para ser criticado. Em 1974, mudou-se da
E.U. para Espanha e então gradualmente
desapareceu da consciência pública e nas listas de
citação dos neurocientistas.
• Suas realizações, entretanto, ajudou a pavimentar o
caminho para a tecnologia de implante cerebral
moderna, que está desfrutando um ressurgimento
de hoje e está melhorando a vida de pacientes com
epilepsia e distúrbios do movimento, como
Parkinson e distonia.
• Delgado, agora 90, retornou recentemente ao
E.U.Completa, com opiniões fortes sobre a
promessa e os perigos do trabalho em curso.

Tourada com stimoceiver em seu cérebro (abaixo)


Cobrado Delgado em uma arena espanhola em 1963
(média duas fotografias) E depois parou e voltou em
resposta a um sinal de rádio de Delgado (extrema-
direita). Críticos argumentaram que a estimulação não
dominar o instinto agressivo do touro, como Delgado
sugeriu, mas foi obrigado a virar à esquerda. Delgado,
que cresceu em Ronda, Espanha, Um bastião da tourada,
admite que se sentiu "assustado" pouco antes de seu
sinal fez o touro abandonar a perseguição.
Prevendo um "Psychocivilized Sociedade "

FEMALE macaco (Muito esquerda na primeira fotografia)


Aprenderam que puxar uma alavanca na gaiola que ela
pudesse escapar encontros com um macho alfa. A alavanca
enviado um sinal para um stimoceiver em seu cérebro,
pacificando-lo. O macho alfa está no estado pacificado na
extrema-direita na imagem esquerda e tornou-se agressivo na
captura de outros. Delgado realizadas várias pesquisas, como
esta no início dos anos 1960, sobre os efeitos da estimulação
cerebral em interações sociais.
Em 1969, Delgado pesquisa descrita estimulação do cérebro e
discutidas suas implicações no Controle físico do Mente: Para
um Psychocivilized Sociedade, que foi ilustrado com
fotografias de macacos, gatos, um touro e duas mulheres
cujos turbantes stimoceivers escondido. (Pacientes do sexo
feminino "demonstraram a sua capacidade de adaptação às
circunstâncias feminino", observou Delgado, "vestindo
chapéus ou perucas atraente para esconder seus chapéus
elétrica"). Spelling as limitações da estimulação do cérebro,
Delgado minimizou as possibilidades "orwelliano", em que
escravizam os cientistas do mal pessoas através da
implantação de eletrodos em seus cérebros. No entanto,
alguns de sua retórica tinha um tom alarmante evangélica.
Neurotechnology, Declarou ele, estava à beira de "conquistar
a mente" e criar "uma menos cruel, mais feliz e melhor
homem." Numa análise em Scientific American, o físico Philip
Morrison tarde chamado Físico
Controle "Um pensativo, conta up-to-date" de experiências de
estimulação elétrica, mas acrescentou que as suas
implicações eram "de alguma forma sinistra." No campo 1970
Delgado foi envolvido em um escândalo provocado por Frank
Ervin e Mark Vernon, dois pesquisadores Harvard Médico
Escola Delgado, com quem trabalhou brevemente. (Um dos
alunos Ervin foi Michael Crichton, que escreveu O Terminal
Homem. best-seller, sobre um experimento que deu errado
biônico, foi inspirado pela pesquisa de Ervin, Mark e Delgado.)
Em seu livro, Violência eo Cérebro, Ervin e Mark sugeriu que a
estimulação cerebral ou psicocirurgia pode sufocar as
tendências violentas dos negros tumultos em cidades do
interior. Em 1972, Heath, da Tulane psiquiatra, levantou mais
dúvidas sobre a investigação do cérebro-implante, quando ele
relatou que ele havia tentado alterar a orientação sexual de
um homossexual masculino, estimulando a sua região septal,
enquanto ele tinha relações sexuais com uma prostituta do
sexo feminino. O maior adversário de implantes cerebrais era
psiquiatra Peter Breggin (Que nas últimas décadas tem-se
centrado sobre os perigos das drogas psiquiátricas). Em
depoimento apresentado no Congressional Record, em 1972,
Breggin lumped Delgado, Ervin, e Mark Heath, juntamente
com os defensores da lobotomia e os acusou de tentar criar
"uma sociedade na qual todos os que se desvia da norma
será" cirurgicamente mutilados ". Cotação liberalmente Físico
Controle, Breggin Delgado destacou como "o grande
apologista do totalitarismo tecnológico." Em seu livro 1973
Cérebro Controle, Elliot Valenstein, Um neurofisiologista no
Universidade de Michigan em Ann Arbor, Apresentou uma
crítica detalhada da investigação científica do cérebro
implante por Delgado e outros, alegando que os resultados da
estimulação eram muito menos precisas e terapeuticamente
benéfico proponentes que muitas vezes sugerido. (Notas
Delgado que, em seus próprios escritos que ele fez muitos dos
mesmos pontos que Valenstein.) Entretanto estranhos
começaram Delgado acusando de ter stimoceivers
secretamente implantados em seus cérebros. Uma mulher
que fez essa afirmação processou Delgado e Yale
Universidade por US $ 1 milhão, embora ele nunca a havia
encontrado. No meio deste burburinho, Villar Palasi, O
ministro da Saúde espanhol, pediu Delgado para ajudar a
organizar uma nova escola médica na Autônomo Universidade
em Madri, E ele aceitou, movendo-se com sua esposa e dois
filhos para Espanha em 1974. Ele insiste que ele não estava
fugindo das disputas em torno de sua investigação; oferecer o
ministro era bom demais para recusar. "Eu disse, 'Eu poderia
ter as facilidades que tenho em Yale?" E ele disse:' Oh, não,
muito melhor! "Em Espanha, Delgado mudou seu foco para os
métodos não-invasivos de afetar o cérebro, o que ele
esperava ser mais do que os implantes clinicamente
aceitável. Antecipando técnicas modernas, tais como a
estimulação magnética transcraniana, ele inventou um
halolike dispositivo e um capacete que podia entregar os
pulsos eletromagnéticos de determinadas regiões neurais.
Testando os gadgets em animais e humanos voluntários-
incluindo ele próprio e sua filha, Linda-Delgado descobriu que
podia induzir a sonolência, estado de alerta e de outros
estados, ele também teve algum sucesso tratar tremores em
pacientes de Parkinson. Delgado ainda não podia fugir
inteiramente a controvérsia. Em meados da década de 1980
um artigo na revista Omni e os documentários da BBC e CNN
já trabalho Delgado como prova circunstancial de que a E.U. e
União Soviética poderia ter secretamente desenvolveu
métodos para modificar remotamente os pensamentos das
pessoas. Observando que a potência e precisão de pulsos
eletromagnéticos diminuem rapidamente com a distância,
Delgado rejeita estas alegações de controle da mente como
"ficção científica". Exceptuando estas cinzas fl de publicidade,
no entanto, o trabalho de Delgado não recebeu a atenção que
teve uma vez. Embora tenha continuado a publicação de
artigos-especialmente sobre os efeitos das radiações
electromagnéticas na cognição, comportamento e
crescimento embrionário-muitos só apareceu nos jornais
espanhóis. Além disso, os estudos de estimulação cerebral,
uma vez na E.U. atolado em controvérsias éticas, bolsas
secou, e os investigadores deslocou-se para outros campos,
nomeadamente psicofarmacologia, o que parecia ser um
caminho muito mais seguro, mais eficaz para tratar distúrbios
do cérebro do que a estimulação cerebral ou cirurgia.
Somente na última década a investigação do cérebro-
implante reviveu, impulsionado pelos avanços na
computação, eletrodos, microeletrônica e tecnologias de
digitalização do cérebro e por um crescente reconhecimento
dos limites de drogas para tratar a doença mental. Delgado,
que parou de fazer a pesquisa no início de 1990, mas ainda
segue o campo de estimulação cerebral, acredita que os
investigadores modernos não citar os seus estudos não
porque ele era tão controverso, mas simplesmente por
ignorância, afinal, mais modernos bancos de dados não
incluem as publicações da seu auge nas décadas de 1950 e
1960. Ele está entusiasmado com o ressurgimento da
pesquisa sobre estimulação do cérebro, porque ele ainda
acredita em seu potencial para nos libertar de doenças
psiquiátricas e nossa agressão inatas. "No futuro próximo",
diz ele, "acho que vamos ser capazes de ajudar a muitos
seres humanos, especialmente com os métodos não-
invasivos."
sucessores Delgado enfrentaram algumas das mesmas
perguntas que ele fez sobre possíveis abusos de
neurotechnology. Alguns analistas expressaram preocupação
de que os chips do cérebro poderia permitir uma organização
de "controlar" a "hackear" o wetware entre nossas orelhas ",
como Novo New York Times colunista William Safire colocá-lo.
Um editorial no Natureza recentemente expressaram
preocupação de que funcionários da Defense Advanced
Research Projects Agency, uma das principais financiador de
pesquisas sobre o cérebro-implante, abertamente
consideradas implantação chips cerebrais em soldados para
reforçar as suas capacidades cognitivas. Entretanto, alguns
tecno-entusiastas, como o cientista da computação britânico
Kevin Warwick, afirmam que os riscos de chips do cérebro são
compensados pelo potencial benefícios, Que irá incluir de
imediato, "download" de novas linguagens ou outras
habilidades, controlando os computadores e outros
dispositivos com nossos pensamentos, e se comunicar
telepaticamente com o outro. Delgado estima que
neurotechnologies nunca pode avançar na medida em que
muitas pessoas o medo ou a esperança. As aplicações
imaginadas por Warwick e outros, Delgado aponta, exigem
saber o quão complexo informação está codificada no
cérebro, uma meta que os neurocientistas estão longe de
alcançar. Além disso, a mecânica quântica de aprendizagem
ou uma nova linguagem envolve "mudando lentamente
ligações que já existem", diz Delgado. "Eu não acho que você
pode fazer isso de repente." Estimulação cerebral, acrescenta,
só pode modificar as habilidades e capacidades que já
possuímos. Mas Delgado olha com desconfiança para a
sugestão do Conselho da Casa Branca sobre Bioética e outros
que alguns objetivos científicos-especialmente aquelas que
envolvem a natureza humana-não deve sequer ser
perseguido. Para ter certeza, diz ele, a tecnologia "tem dois
lados, para o bem e para o mal", e devemos fazer o possível
para "evitar as consequências negativas." Devemos tentar
impedir que tecnologias potencialmente destrutivo de ser
abusados por governos autoritários para mais poder de ganho
ou por terroristas para causar destruição. Mas a natureza
humana, Delgado afirma, repetindo um dos temas de Físico
Control, não é estática, mas sim "dinâmico", mudando
constantemente como resultado de nossa compulsivo auto-
exploração. "Você pode evitar o conhecimento?" Delgado
pergunta. "Você não pode! Você pode evitar tecnologia? Você
não pode! As coisas estão indo ir adiante, apesar da ética,
apesar de suas convicções pessoais, apesar de tudo. "

Hoje implantes cerebrais


DELGADO, prendendo dois dos
implantes de seu cérebro em
uma foto tirada em agosto,
escreveu uma vez que a
humanidade deve mudar a sua
missão desde o antigo ditado
"Conhece te"Para" Construir a ti
mesmo. "

KARI WEINER foi confinado a uma


cadeira de rodas (esquerda) Durante
sete anos pela distonia, uma doença
que provoca espasmos musculares
incontroláveis. Agora (direito) Anda
sem ajuda, graças a bateria powered
eletrodos que foram implantados em
seu cérebro quando ela tinha 13 anos-
e cirurgias que, em seguida, reparados
os músculos alongados sua torcida e
tendões.

Quando José Delgado e alguns outros


cientistas intrépido começou a
explorar os efeitos da implantação de
eletrodos no cérebro de meio século
atrás, eles não podiam prever quantas
pessoas beneficiaria um dia a partir
desta linha de pesquisa. De longe a
forma mais bem sucedida do
implante, ou "prótese neural", é a
cóclea artificial. Mais de 70.000
pessoas foram equipados com estes
dispositivos, o que restaurar pelo
menos rudimentar audição,
alimentando os sinais de um
microfone externo para o nervo
auditivo. estimuladores cerebrais
foram implantados em mais de 30 mil
pessoas que sofrem de doença de
Parkinson e outros distúrbios do
movimento (incluindo o 17-year-old
Kari Weiner, mostrado à direita).
Aproximadamente o mesmo número
de epilépticos são sendo tratados com
dispositivos que estimular o nervo
vago do pescoço. Trabalhar em outras
próteses é processo mais lento. Os
ensaios clínicos estão em andamento
para testar cérebro e estimulação do
nervo Vago para tratar distúrbios
como depressão, transtorno
obsessivo-compulsivo, ataques de
pânico e dor crônica. retinas
artificiais-chips sensíveis à luz que
simulam a capacidade de
processamento de sinais do olho e
estimulam o nervo óptico e córtex
visual-foram testados em um punhado
de indivíduos cegos, mas eles
normalmente "ver" nada mais do que
fosfenos, ou pontos brilhantes. Vários
grupos têm mostrado recentemente
que os macacos podem controlar
computadores e braços robóticos
"apenas pelo pensamento", como
mídia contas sempre colocá-lo não
telekinetically mas por meio de
eletrodos implantados captando sinais
neurais. O potencial de capacitar os
paralisados é óbvio, mas até agora
poucos experimentos com seres
humanos foram realizadas, com
sucesso limitado. Chips que podem
restaurar a memória dos afligidos com
doença de Alzheimer ou outras
doenças ainda são um ou dois anos
longe de testes em ratos. O mercado
potencial para próteses neurais é
enorme. Estima-se que 10 milhões de
americanos lutam com depressão
maior, 4,5 milhões sofrem de perda de
memória causada pela doença de
Alzheimer, mais de dois milhões foram
paralisadas por lesões na medula
espinhal, esclerose lateral amiotrófica
e acidentes vasculares cerebrais e
mais de um milhão são legalmente
cegos. -J.H.

MAIS E X-plore

Controlando robôs com a mente. Miguel A. L.


Nicolelis e John Chapin no K. Científico
Americana, Vol. 287, n º 4, páginas 46-53, outubro de
2002.

Reconstruído: Como Tornar-se parte computador


Made Me More Human. Michael Chorost.
Houghton Miffl em, 2005. (A história pessoal sobre os
prós e contras de implantes cerebrais).

O Presidente do Conselho de Bioética do site é a


www.bioethics.gov
Uma visão geral da estimulação do cérebro moderno
pode ser encontrada em
www.bioethics.gov/transcripts/june04/session6.ht
ml

Outros sites exaltar as possibilidades utópicas de


estimulação cerebral,
www.wireheading.com

ou lamentam-lo como um plano do governo de controle


da mente
www.mindjustice.org/