You are on page 1of 37

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO GONÇALVES DIAS

Avenida Monte Castelo, 395 – Bairro Jardim dos Migrantes – fone: 3421-4197 –
Ji-Paraná / RO

PLANO DE CURSO

ÁREA DE CONHECIMENTO: CIÊNCIAS DA NATUREZA

E SUAS TECNOLOGIAS

DISCIPLINA: QUÍMICA

1º ANO DO ENSINO MÉDIO

NOME DO PROFESSOR

Nivaldo de Souza Júnior

JI-PARANÁ, FEVEREIRO DE 2019.


PLANO DE ENSINO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO:

AREA DE CONHECIMENTO: Ciências da Natureza e Suas Tecnologias

DISCIPLINA: Química

ENSINO MÉDIO

“ANO ESCOLAR: 1º Ano”

TURMAS: D/E

CARGA HORÁRIA: 40 h/a

PROFESSOR: Nivaldo de Souza Júnior


1. Finalidade

O Plano de Curso é um instrumento de trabalho, amplo, genérico, sintético,


que serve como marco de referência às operações de ensino-aprendizagem que se
desencadearão durante o curso, derivadas dos fins a serem alcançados.
Representando assim, o trabalho de previsão do ano letivo desta escola para as
atividades da disciplina de Química, incluindo sua dependência com os anos
anteriores e posteriores, e sua coordenação com outras disciplinas afins ou não,
tendo em vista tornar o ensino mais eficiente, mais orgânico e como sentido de
continuidade.
2. Justificativa

O papel fundamental da educação no desenvolvimento das sociedades


amplia-se no limiar do novo milênio e aponta para a necessidade de se construir
uma escola voltada para a formação de cidadão.

A missão do professor, educador, é acolher aqueles que buscam o saber


encaminhando-os em direção ao aprimoramento contínuo, tendo maior respeito
como a mística das relações.

Esta proposta pedagógica se apóia num propósito claro a formação de


cidadãos autônomos e conscientes de seu papel no mundo.

Vale lembrar que os assuntos da atualidade serão trabalhados paralelamente


aos conteúdos dados sempre que houver necessidade de sair dos conteúdos
programáticos para trabalhar o assunto que está em pauta.

O projeto é flexível, podendo ser modificado assim que houver necessidade.


3. Caracterização do Componente Curricular

O ensino de Química caracteriza-se pela sua importância na descrição,


compreensão e possibilidades de relações com a natureza, devido a seu conjunto de
conhecimentos e técnicas, que contribuem para a construção, ampliando a
capacidade de analisar, refletir, agir, e consequentemente promover mudanças no
comportamento através na resolução de problemas que interferem na qualidade de
vida, favorecendo a inclusão do ser humano na sociedade moderna e tecnológica. A
partir do momento em que o indivíduo perceber que o conhecimento científico é
imprescindível para a compreensão das transformações ocorridas em sua volta, ele
passa a ver a Química como uma ciência presente no seu cotidiano e não como um
produto de laboratório.

A Química é uma ciência que se ocupa basicamente do conteúdo dos


materiais e de suas transformações. O desenvolvimento desta ciência tem permitido
ao homem não só controlar certas transformações conhecidas, tornando-as mais
lentas ou mais rápidas, como também obter um número cada vez maior de novos
materiais.

O desenvolvimento da Bioquímica, campo da Química responsável pelo


estudo dos processos químicos que ocorrem nos organismos vivos, tem permitido
não só conhecer certos mecanismos de funcionamento do organismo, como influir
neles, o que tem possibilitado o desenvolvimento da Biologia Molecular e da
Farmacologia, fundamentais ao progresso da Medicina.

Os combustíveis utilizados em indústrias e veículos são muito importantes na


obtenção de várias formas de energia. No entanto, o lançamento de certos produtos
da combustão no ar, traz sérios problemas para o ambiente e para a vida em geral.

Asseguramos que os conhecimentos da Química contribuem para uma


melhor formação geral da população, de forma que sejam utilizados a serviço de um
mundo com melhores condições de vida. Isto inclui com certeza, a preservação do
meio ambiente e a sustentabilidade da manutenção da vida no planeta.
4. Objetivos
4.1. Objetivos Gerais

Promover a autonomia em relação ao aprendizado, tendo como ponto de


partida a reflexão, o raciocínio, a organização e a consolidação de hábitos de
estudos. Propiciar a compreensão da evolução do pensamento científico com a
ampliação de conceitos e modelos. Fornecer embasamento científico para a tomada
de decisões, utilizando a análise de dados. Estimular a análise crítica mediante o
pensamento crítico. Desenvolver a cidadania por meio de uma mudança de hábito
e/ou de postura diante dos problemas ambientais, sociais e econômicos. Ampliar as
possibilidades de representações servindo-se da linguagem química, exercitando a
representação simbólica das transformações químicas e traduzindo, para esta
linguagem, os fenômenos e as transformações químicas da natureza. Desenvolver a
capacidade do uso da matemática como uma ferramenta nos dados quantitativos
químicos, tanto na construção quanto na análise e na interpretação de gráficos e
tabelas.

4.2. Objetivos Específicos

• perceber que a Química está sempre presente em seu dia-a-dia;

• entender que a Química é uma ciência que estuda os materiais e os


processos pelos quais eles são retirados da natureza e/ou são obtidos pelos seres
humanos;

• perceber que a energia sempre acompanha as transformações materiais;

• compreender que a energia não pode ser criada, mas sim transformada.

• notar a maior ou a menor uniformidade que existe nos materiais que ele vê
diariamente;

• perceber a relatividade que existe nos conceitos de homogêneo e


heterogêneo, já que eles dependem do instrumento (lente, microscópio, etc.)
utilizado na observação;

• entender a importância do conceito de fase para se caracterizar o sistema


em estudo;

• constatar quando há uma mistura;

• diferenciar os estados físicos da matéria;


• identificar as mudanças de estado físico da matéria;

• perceber e classificar fenômenos químicos e físicos presentes em seu dia-a-


dia;

• notar que o principal “laboratório” especializado em transformações é a


própria natureza;

• diferenciar uma substância pura de uma mistura, caracterizando-a por meio


de suas propriedades físicas;

• entender os conceitos de densidade e temperaturas de fusão e ebulição;

• interpretar e construir gráficos de aquecimento e resfriamento de uma


substância;

• calcular densidade;

• interpretar e construir gráficos de densidade;

• identificar os equipamentos mais comuns em um laboratório químico;

• perceber a importância das regras de segurança em um laboratório químico;

• compreender como separar os componentes constituintes de uma mistura;

• realizar processos de separação de misturas.

• perceber que a Ciência está em constante evolução;

• entender os passos da metodologia científica;

• entender a importância de um modelo em Ciência;

• compreender o aspecto microscópico da matéria;

• conceituar elementos químicos e simbologia química;

• conceituar átomo e molécula ou aglomerado iônico;

• entender os conceitos de substâncias simples e composta sob o aspecto


microscópico;

• classificar misturas, considerando o aspecto microscópico;

• identificar e diferenciar os estados físicos da matéria microscopicamente;


• perceber os fenômenos de absorção e liberação de energia em uma
transformação.

• entender o modelo de Thomson, admitindo a divisibilidade do átomo e


reconhecendo a natureza elétrica da matéria;

• perceber como as pesquisas científicas se entrelaçam, tendo como


consequências novas teorias e modelos;

• entender o modelo de Rutherford;

• identificar um elemento químico por meio do número atômico;

• caracterizar um átomo por meio do número atômico (Z), do número de


massa (A) e do número de nêutrons (N);

• interpretar e escrever a notação geral de um átomo (símbolo, A e Z);

• reconhecer semelhanças entre átomos (isótopos, isóbaros e isótonos), tendo


como base os conceitos de A, Z e N;

• perceber a diferença na estrutura de um átomo e seu íon;

• entender o modelo atômico de Rutherford-Bohr, relacionando matéria e


energia;

• perceber que novas observações e novas ideias produzem um outro modelo


para o átomo, que, por sua vez, explicará melhor os fenômenos da natureza (níveis
e subníveis de energia explicam melhor o aparecimento dos espectros
descontínuos);

• representar, simbolicamente, o elétron em um átomo;

• distribuir os elétrons dos átomos e dos íons de um determinado elemento


químico por camadas e pelo diagrama de Linus Pauling;

• interpretar uma dada configuração eletrônica.

• entender a importância da reunião e da análise dos dados científicos que


levaram à determinação das propriedades químicas dos elementos, o que
possibilitou a organização desses elementos em uma sequência lógica;

• perceber como os elementos estão organizados na Tabela Periódica atual;

• notar e relacionar a variação da configuração eletrônica dos elementos ao


longo da Tabela Periódica;
• identificar grupo (ou família) e período na Tabela Periódica;

• diferenciar propriedades periódicas e aperiódicas;

• definir e comparar o comportamento dos elementos por meio das


propriedades periódicas.

• entender o que é uma ligação química;

• entender, diferenciar e caracterizar as ligações iônica, covalente e metálica;

• prever o tipo de ligação que ocorrerá entre determinados elementos


químicos;

• representar as ligações iônicas e covalentes pela notação de Lewis;

• representar as ligações covalentes pelas fórmulas estrutural e molecular;

• diferenciar e caracterizar compostos iônicos de compostos moleculares;

• interpretar as propriedades dos metais como consequência da ligação


metálica.

• perceber a disposição espacial das moléculas;

• aplicar o conceito de eletronegatividade em ligações químicas;

• interpretar a polaridade da molécula como uma associação entre a


geometria molecular e a polaridade da ligação;

• prever o tipo de interação existente entre as moléculas por meio da


polaridade delas;

• relacionar as propriedades das substâncias com o tipo de interação


existente entre as partículas formadoras dessas substâncias;

• interpretar gráficos e tabelas de propriedades das substâncias;

• entender o que é número de oxidação;

• definir e identificar o que é oxidação e redução – partindo do conceito de


ligação química –, assim como agente redutor e oxidante;

• calcular o número de oxidação de um elemento em uma espécie química.

• entender a necessidade em classificar substâncias com propriedades


funcionais semelhantes e reuni-las em grupos ou famílias;

• definir eletrólito e classificá-lo como forte ou fraco, por meio do grau de


dissociação (ou ionização);

• identificar, formular e nomear um ácido;

• compreender a importância de alguns ácidos em nosso dia-a-dia;

• identificar, formular e nomear uma base;

• compreender a importância de algumas bases em nosso dia-a-dia;

• comparar e diferenciar as propriedades dos ácidos e das bases;

• medir e interpretar o caráter ácido e básico mediante alterações de cores de


alguns indicadores químicos e de escalas de pH;

• identificar e diferenciar uma reação de neutralização total e parcial;

• equacionar neutralização total e parcial;

• identificar, formular e nomear um sal;

• compreender a importância de alguns sais em nosso dia-a-dia.

• identificar, formular e nomear um óxido;

• compreender a importância de alguns óxidos em nosso dia-a-dia;

• relacionar as semelhanças dos elementos situados em um mesmo grupo da


Tabela Periódica com as propriedades químicas que possuem.

• entender que a linguagem das fórmulas e das equações é a maneira mais


prática e lógica de representar os fenômenos químicos;

• compreender a importância do balanceamento das equações químicas do


ponto de vista quantitativo;

• interpretar, escrever e balancear uma equação química;

• aplicar alguns critérios para classificar uma reação química;

• entender o que é necessário para que duas substâncias reajam


quimicamente.
• perceber a necessidade de escolher um padrão e de utilizar uma unidade
compatível com a grandeza a ser medida para pesar átomos e moléculas;

• definir, diferenciar e aplicar os conceitos de unidade de massa atômica e


massa molecular;

• entender o significado de mol e relacionar ao significado de massa molar;

• efetuar cálculos envolvendo massas atômicas, massas moleculares, mol e


massas molares.

• caracterizar o estado gasoso e considerar suas grandezas fundamentais:


volume, pressão e temperatura;

• perceber a influência da pressão e da temperatura no volume de um gás;

• identificar as unidades utilizadas para expressar volume, pressão e


temperatura de um gás;

• transformar unidades de pressão;

• transformar unidades de volume;

• transformar unidades de temperatura;

• entender, interpretar e aplicar as leis físicas experimentais nas


transformações gasosas em exercícios, fórmulas e interpretação de gráficos;

• associar as leis físicas dos gases à equação geral dos gases;

• caracterizar as condições normais de temperatura e pressão;

• entender a estrutura interna dos gases por meio da teoria cinética dos
gases;

• definir e diferenciar gás ideal (ou perfeito) de gás real;

• entender a diferença entre leis físicas e leis volumétricas;

• perceber que as leis volumétricas complementam as leis ponderais das


reações;

• aplicar as leis volumétricas na resolução de exercícios;

• entender o significado de volume molar;


• aplicar a equação geral dos gases na resolução de problemas;

• compreender o comportamento dos gases em uma mistura gasosa;

• estabelecer relações entre os gases iniciais e a mistura gasosa final;

• entender o significado de pressão total e parcial em uma mistura gasosa,


relacionando-as e aplicando esse conhecimento na resolução de problemas;

• entender o significado de volume total e parcial em uma mistura gasosa,


relacionando-os e aplicando esse conhecimento na resolução de problemas;

• entender o significado de massa molecular aparente de uma mistura gasosa;

• definir e diferenciar densidade absoluta e densidade relativa de um gás,


aplicando os conceitos na resolução de exercícios;

• entender difusão e efusão gasosa tomando como base o estudo da teoria


cinética dos gases.

• perceber a importância do uso de fórmulas para facilitar a escrita química;

• entender o significado de fórmula centesimal e aplicar esse conhecimento na


determinação da composição porcentual, em massa, dos elementos formadores de
determinada substância;

• entender o significado de fórmula mínima e aplicar esse conhecimento na


determinação da proporção, em número de átomos, dos elementos formadores de
determinada substância;

• entender o significado de fórmula molecular e aplicar esse conhecimento na


determinação dos elementos e do número exato de cada átomo dos elementos
formadores de determinada substância;

• associar, por meio de cálculos, as fórmulas percentual, mínima e molecular.

• notar a importância no cálculo das substâncias químicas que são utilizadas


ou produzidas nas reações e definir esse cálculo como cálculo estequiométrico;

• perceber que, ao se fazer uma reação em ambiente aberto, o oxigênio


presente no ar é, em vários casos, um dos reagentes;

• aplicar o cálculo estequiométrico na resolução de problemas envolvendo


quantidade de reagentes e/ou produtos participantes de uma reação química.
5. Competências e habilidades a serem desenvolvidas em Química

Representação e comunicação

Descrever as transformações químicas em linguagens discursivas.


Compreender os códigos e símbolos próprios da Química atual.

Traduzir a linguagem discursiva em linguagem simbólica da Química e vice-


versa. Utilizar a representação simbólica das transformações químicas e reconhecer
suas modificações ao longo do tempo.

Traduzir a linguagem discursiva em outras linguagens usadas em Química:


gráficos, tabelas e relações matemáticas.

Identificar fontes de informação e formas de obter informações relevantes


para o conhecimento da Química (livro, computador, jornais, manuais etc.).

Investigação e compreensão

Compreender e utilizar conceitos químicos dentro de uma visão macroscópica


(lógico-empírica).

Compreender os fatos químicos dentro de uma visão macroscópica (lógico-


formal).

Compreender dados quantitativos, estimativa e medidas, compreender


relações proporcionais presentes na Química (raciocínio proporcional).

Reconhecer tendências e relações a partir de dados experimentais ou outros


(classificação, seriação e correspondência em Química).

Selecionar e utilizar idéias e procedimentos científicos (leis, teorias, modelos)


para a resolução de problemas qualitativos e quantitativos em Química, identificando
e acompanhando as variáveis relevantes.

Reconhecer ou propor a investigação de um problema relacionado à Química,


selecionando procedimentos experimentais pertinentes.

Desenvolver conexões hipotético-lógicas que possibilitem previsões acerca


das transformações químicas.

Contextualização sócio-cultural

Reconhecer aspectos químicos relevantes na interação individual e coletiva


do ser humano com o ambiente.
Reconhecer o papel da Química no sistema produtivo, industrial e rural.

Reconhecer as relações entre o desenvolvimento científico e tecnológico da


Química e aspectos sócio-político-culturais.

Reconhecer os limites éticos e morais que podem estar envolvidos no


desenvolvimento da Química e da tecnologia.

De uma forma geral:

 Compreender cientificamente a química presente nas situações do


cotidiano, apropriando-se da linguagem química;
 Relacionar a linguagem do senso comum com a linguagem química e
compreender os códigos e símbolos próprios da química;
 Compreender o conceito de modelo e perceber sua validade para
explicação dos fenômenos em química.
6. Conteúdos a Serem Ministrados

6.1. 1° bimestre

Eixo Temático Conteúdos Habilidades


• Transformações
químicas no dia-a-dia: • Diferenciar uma transformação
Transformações química de um fenômeno físico;
• Reconhecer as transformações
químicas e fenômenos
químicas por meio de diferenças
físicos;
entre os seus estados iniciais e
transformações
finais;
rápidas e lentas e
• Descrever transformações químicas
suas evidências
em diferentes linguagens e
macroscópicas;
• Reagentes, produtos e representações, traduzindo umas
nas outras;
suas propriedades:
• Reconhecer transformações
mudanças de estados
químicas que ocorrem na natureza e
físicos;
• O ciclo da água na em diferentes sistemas produtivos ou
tecnológicos;
natureza;
Reconhecimento • Buscar informações sobre
• Caracterização de
e Caracterização transformações químicas que
materiais e
das ocorrem na natureza em diferentes
substâncias que
Transformações sistemas produtivos e tecnológicos;
constituem os
Químicas e Suas • Identificar, utilizar e visualizar as
reagentes e produtos
Tecnologias reações químicas no cotidiano
das transformações
experimentalmente e por meios
em termos de suas
multimídias;
propriedades; • Identificar as mudanças no estado
• Separação e
físico da matéria;
identificação das • Identificar a participação do ciclo da
substâncias;
água nas mudanças de estados;
• Relações quantitativas
• Identificar uma substância, reagente
de massa:
ou produto, por algumas de suas
Conservação da
propriedades características:
massa nas
temperatura de fusão e de ebulição;
transformações
densidade, solubilidade,
químicas (Lavoisier);
condutividade térmica e elétrica;
proporção entre as • Utilizar as propriedades para
massas de reagentes caracterizar uma substância pura;
e de produtos (Proust).

Eixo Temático Conteúdos Habilidades


• Representar informações
experimentais referentes às
propriedades das substâncias em
tabelas e gráficos e interpretar
tendências e relações sobre essas
propriedades;
• Elaborar procedimentos
experimentais baseados nas
propriedades dos materiais,
objetivando a separação de uma ou
mais substâncias presentes em um
sistema (decantação, filtração,
flotação, destilação, recristalização,
sublimação e entre outras);
• Identificar e avaliar as implicações
dos métodos de separação de
substância utilizados nos sistemas
produtivos da região;
Reconhecimento • Compreender e utilizar a
e Caracterização conservação da massa nas
das transformações químicas;
Transformações • Compreender e utilizar a proporção
Químicas e Suas de reagentes e produtos nas
Tecnologias transformações químicas;
• Representar e interpretar
informações sobre variáveis nas
transformações químicas por meio
de tabelas;
• Fazer previsões de quantidades de
reagentes, de produtos e energia
envolvidos em uma transformação
química;
• Buscar informações sobre as
transformações químicas que
ocorrem na natureza e nos sistemas
produtivos;
• Associar dados e informações sobre
matérias-primas, reagentes e
produtos de transformações
químicas que ocorrem nos sistemas
produtivos, com suas implicações
ambientais e sociais.
6.2. 2° bimestre

Eixo Temático Conteúdos Habilidades


• Primeiras ideias ou
modelos sobre a
constituição da
matéria: • Representar as substâncias e as
representação das transformações químicas a partir dos
substâncias, rearranjo códigos, símbolos e expressões
dos átomos nas próprios da Química;
transformações • Traduzir a linguagem simbólica da
químicas, símbolos, Química, compreendendo seu
fórmulas e equações; significado em termos microscópicos;
• Ideias de Dalton sobre • Utilizar fontes de informações para
transformação química conhecer símbolos, fórmulas e
e relações entre nomes de substâncias;
• Compreender e utilizar as ideias de
massas (Lavoisier e
Dalton para explicar as
Proust); Modelo de
transformações químicas e suas
Rutherford sobre a
relações de massa;
matéria com carga
Modelos • Compreender e utilizar as ideias de
e elétrica Modelo
Explicativos Rutherford para explicar a natureza
atômico de Thomson;
Representativos elétrica da matéria;
• Modelo atômico de
da Constituição • Compreender os modelos
Rutherford e a
da matéria explicativos como construções
radioatividade, modelo
humanas num dado contexto
atômico de Bohr;
histórico e social;
• Número de massa,
• Reconhecer que o conhecimento
número de prótons e
químico é dinâmico, portanto,
numero de nêutrons;
provisório;
isótopos, isóbaros e • Identificar, utilizar e visualizar os
isótopos; íons. modelos atômicos através de meios
• Noções mais
multimídias;
detalhadas da • Compreender e utilizar o modelo
estrutura atômica: atômico de Bohr e identificar suas
Modelo atômico de aplicações no cotidiano;
Bohr, aplicações do • Utilizar os níveis e subníveis de
modelo de Bohr no energia e sua distribuição eletrônica
cotidiano, modelo de nos átomos.
subníveis de energia e
a distribuição
eletrônica.

Eixo Temático Conteúdos Habilidades


• Compreender e identificar a estrutura
e os elementos contidos na tabela
A classificação dos periódica;
elementos químicos: • Identificar os elementos químicos
através de sua distribuição
• Estrutura da tabela eletrônica;
periódica; distribuição • Compreender o parentesco e a
eletrônica e a tabela classificação dos elementos
periódica, químicos e seus compostos por meio
classificação periódica de suas propriedades periódicas;
dos elementos • Identificar, utilizar e visualizar a
químicos. classificação dos elementos
químicos através de meios
multimídias.
Ligações químicas
interatômicas e a
estrutura dos
Articulação dos
elementos químicos: • Compreender as ligações químicas
Símbolos,
Códigos e como interações eletrostáticas entre
• Gases nobres e a átomos, moléculas e íons;
Estrutura de
regra do octeto, • Compreender e identificar o tipo de
Ciência e
ligações iônicas, ligação química que ocorre em
Tecnologia
ligações covalentes e átomos, moléculas e íons;
ligações metálicas dos • Demonstrar o tipo de ligação química
elementos químicos. que ocorre em substancias presentes
no cotidiano;
Geometria molecular e • Identificar a geometria molecular das
ligações químicas moléculas;
intermoleculares: • Compreender a polaridade das
ligações e das moléculas;

• Geometria molecular; Identificar o tipo de ligações
polaridade das intermoleculares que ocorrem nas
ligações; polaridade substâncias;
das moléculas; • Demonstrar experimentalmente a
• Polaridade e polaridade das substâncias presente
solubilidade; no cotidiano.
• Força de interações
moleculares e o ponto
de ebulição.

6.3. 3° bimestre

Eixo Temático Conteúdos Habilidades


Condutividade elétrica
das soluções
aquosas:
• Identificar a condutividade elétrica
das soluções aquosas;
• Algumas soluções que
• Compreender e demonstrar
conduzem corrente
experimentalmente a dissociação
elétricas; dissociação
iônica, ionização e suas forças
iônica e ionização;
eletrolíticas e não eletrolíticas.
• Soluções eletrolíticas
e soluções não
eletrolíticas.
• Identificar e compreender a força dos
ácidos e das bases;
• Identificar experimentalmente a
diferenciação de ácidos e bases;
• Compreender e identificar quais são
os principais ácidos, bases, sais e
óxidos presentes no cotidiano;
Símbolos, • Identificar os compostos inorgânicos
Códigos e presentes no cotidiano;
Nomenclatura • Identificar experimentalmente os
das Principais compostos inorgânicos condutores
Ácidos, bases, sais e
Funções de corrente elétrica utilizados no
óxidos:
Inorgânicas cotidiano;
• Reconhecer os principais grupos
• Conceituação de
funcionais da química inorgânicas ao
ácidos, bases, sais e
observar as formula dos mesmos;
óxidos; • Nomear alguns dos exemplos mais
• Nomenclatura e
significativos de compostos
condutividade elétricas
inorgânicos por meio das regras mais
dos ácidos, bases,
recentes da IUPAC;
sais e óxidos. • Buscar informações sobre a
produção de substâncias químicas
inorgânicas;
• Compreender a função sais como
resultante da neutralização de um
ácido por uma base, ou vice-versa;
• Relacionar a presença da química
inorgânica no cotidiano;
• Identificar, utilizar e visualizar as
principais funções inorgânicas
através de meios multimídias.
6.4. 4° bimestre

Eixo Temático Conteúdos Habilidades


• Compreender e identificar os
principais tipos de reações
inorgânicas;
• Demonstrar experimentalmente os
principais tipos de reações que
ocorrem no cotidiano;
• Algumas reações
• Reconhecer transformações
inorgânicas de
químicas inorgânicas que ocorrem na
importância:
natureza e em diferentes sistemas
• Quatro tipos
produtivos ou tecnológicos;
importantes de • Desenvolver no aluno conhecimento
reações;
teórico sobre equações químicas e
• Reação de
balanceamento de equações
deslocamento e
químicas.
reações de dupla • Compreender as propriedades e
troca; equações
Ciência e usos de rochas e minerais (óxidos,
químicas na forma
Tecnologia na sulfetos, sulfatos, fosfatos,
iônica.
Atualidade carbonatos e silicatos), como
• A litosfera como fonte
matérias de construção e como
de recursos naturais:
fontes de obtenção de outros
Obtenção das
materiais, nos sistemas produtivos,
principais rochas;
• Reações de obtenção agrícola e industrial;
• Compreender os processos de
de minérios e minerais
mineração e produção dos metais,
e seus usos;
• Implicação como ferro, alumínio e cobre e suas
ligas e seus usos na sociedade;
socioeconômica dos
• Avaliar a produção, os usos e
principais minerais.
consumo pela sociedade de
materiais e substâncias obtidas pela
mineração;
• Identificar, utilizar e visualizar os
principais minerais na região através
de meios multimídias.
6.5. Conteúdos e Estimativas dos números de aulas:

Nº DE AULAS
CONTEÚDOS CONCEITUAIS
(estimativas)
Primeira Visão da Química
1. Observando a natureza
2. As transformações da matéria
1
3. A energia que acompanha as transformações da matéria
4. Conceito de Química
5. A Química em nosso cotidiano
Conhecendo a Matéria e Suas Transformações
1. Como a matéria se apresenta: Homogênea? Heterogênea?
2. Fases de um sistema 1
3. Como a matéria se apresenta: Pura? Misturada?
4. Transformações da água
5. As observações e as experiências na ciência
5.1. Medições: o cotidiano e o científico
5.2. Uma medição importante: a densidade 1
5.3. A importância dos gráficos no dia-a-dia
6. Substância pura (ou espécie química)
7. Processos de separação de misturas 1
7.1. Filtração
7.2. Decantação
7.3. Destilação
7.4. Cristalização
7.5. Outros processos de desdobramento de misturas
8. Aprendendo mais sobre o laboratório de Química
1
9. A segurança nos laboratórios de Química
Explicando a Matéria e Suas Transformações
1. Vale a pena explicar (entender) os fatos do cotidiano (e da
ciência)?
2. As tentativas de explicar a matéria e suas transformações
1
3. O nascimento da Química
3.1. A lei de Lavoisier
3.2. A lei de Proust
4. A hipótese de Dalton
5. Os elementos químicos e seus símbolos 1
6. Explicando a matéria — As substâncias químicas
6.1. Substâncias simples
6.2. Substâncias compostas ou compostos químicos
7. Explicando a matéria — As misturas
8. Explicando as transformações dos materiais 1
8.1 As transformações físicas
8.2 As transformações químicas
• É fácil reconhecer uma transformação química?
• Misturar ou reagir?
9. As propriedades das substâncias
10. Explicando as variações de energia que acompanham as
transformações materiais 1
11. Segunda visão da Química
12. Como a ciência progride
A Evolução dos Modelos Atômicos
1. O modelo atômico de Thomson 1
2. A descoberta da radioatividade
3. O modelo atômico de Rutherford 1
4. A identificação dos átomos
4.1. Número atômico
4.2. Número de massa
1
4.3. Elemento químico
4.4. Íons
4.5. Isótopos, isóbaros e isótonos
5. O modelo atômico de Rutherford-Bohr
5.1 Introdução
5.2 Um breve estudo das ondas 1
5.3 As ondas eletromagnéticas
5.4 O modelo de Rutherford-Bohr
6. O modelo dos orbitais atômicos 2
7. Os estados energéticos dos elétrons
7.1 Níveis energéticos
7.2 Subníveis energéticos
7.3 Orbitais
7.4 Spin
7.5 A identificação dos elétrons
8. A distribuição eletrônica
8.1 Distribuição eletrônica em átomos neutros 2
8.2 Distribuição eletrônica nos íons
A Classificação Periódica dos Elementos
1. Histórico
2. A classificação periódica moderna
Classificação periódica dos elementos 2
2.1. Períodos
2.2. Colunas, grupos ou famílias
2.3. Os nomes dos elementos químicos
3. Configurações eletrônicas dos elementos ao longo da
1
classificação periódica
4. Propriedades periódicas e aperiódicas dos elementos
químicos
4.1 Introdução
4.2 Raio atômico
4.3 Volume atômico 3
4.4 Densidade absoluta
4.5 Ponto de fusão e de ebulição
4.6 Potencial de ionização
4.7 Eletroafinidade ou afinidade eletrônica
As Ligações Químicas
1. Introdução
2. Ligação iônica, eletrovalente ou heteropolar
1
2.1. Conceitos gerais
2.2. A ligação iônica e a Tabela Periódica
2.3. O tamanho do íon
3. Ligação covalente, molecular ou homopolar
3.1. Ligação covalente
3.2. Caso particular da ligação covalente
1
3.3. Fórmulas de compostos covalentes
3.4. Compostos moleculares e compostos iônicos
3.5. Exceções à regra do octeto
4. Ligação metálica
4.1. Estrutura dos metais
1
4.2. A ligação metálica
4.3. Propriedades dos metais
A Geometria Molecular 2
1. A estrutura espacial das moléculas
1.1. Conceitos gerais
1.2. Moléculas com pares eletrônicos ligantes e não-ligantes
1.3. Teoria da repulsão dos pares eletrônicos da camada de
valência
1.4. Macromoléculas covalentes
1.5. Alotropia
• A alotropia do carbono
• A alotropia do fósforo
• A alotropia do enxofre
2. Eletronegatividade/polaridade das ligações e das moléculas
2.1. Conceitos gerais
2.2. Ligações polares e ligações apolares 2
2.3. Momento dipolar
2.4. Moléculas polares e moléculas apolares
3. Oxidação e redução
3.1. Conceitos de oxidação e redução
3.2. Conceito de número de oxidação 2
3.3. Números de oxidação usuais
3.4. Cálculo dos números de oxidação
4. Forças (ou ligações) intermoleculares
4.1. Forças (ou ligações) dipolo-dipolo
4.2. Ligações por pontes de hidrogênio
2
4.3. Forças (ou ligações) de Van der Waals (ou de London)
4.4. Relação entre as ligações e as propriedades das
substâncias
Ácidos, Bases e Sais Orgânicos
1. Introdução
1
1.1. Dissociação e ionização
1.2. Grau de ionização
2. Ácidos
2.1. A definição de ácido de Arrhenius
2.2. Classificação dos ácidos
a) De acordo com o número de hidrogênios ionizáveis
b) De acordo com a presença ou não de oxigênio na molécula
c) De acordo com o grau de ionização
2.3. Fórmulas dos ácidos
2.4. Nomenclatura dos ácidos 2
a) Hidrácidos
b) Oxiácidos
2.5. Ácidos importantes
a) Ácido sulfúrico — H2SO4
b) Ácido clorídrico — HCl
c) Ácido nítrico — HNO3
d) Ácido fluorídrico — HF
3. Bases ou hidróxidos
3.1. Definição de base de Arrhenius
3.2. Classificações das bases
a) De acordo com o número de hidroxilas (OH–)
b) De acordo com o grau de dissociação
c) De acordo com a solubilidade em água
3.3. Fórmulas das bases
3.4. Nomenclatura das bases 2
a) Quando o elemento forma apenas uma base
b)Quando o elemento forma duas bases
3.5. Bases importantes
a) Hidróxido de sódio — NaOH
b) Hidróxido de cálcio — Ca(OH)2
c) Hidróxido de amônio — NH4OH
4. Comparação entre ácidos e bases
4.1. Propriedades funcionais 1
4.2. A medida do caráter ácido e do básico
5. Sais
5.1. Conceituação dos sais
5.2. Reação de neutralização total/Sais normais ou neutros
a) Fórmula geral dos sais normais
b) Nomenclatura dos sais normais
c) Solubilidade dos sais normais
5.3. Outros tipos de sais
a) Sais ácidos ou hidrogeno-sais
b) Sais básicos ou hidroxi-sais 2
c) Sais duplos ou mistos
d) Sais hidratados ou hidratos
e) Sais complexos
5.4. Sais importantes
a) Cloreto de sódio — NaCl
b) Carbonato de sódio — Na2CO3
c) Hipoclorito de sódio — NaOCl
d) Carbonato de cálcio — CaCO3
Óxidos Orgânicos 3
1. Definição de óxido
2. Fórmula geral dos óxidos
3. Óxidos básicos
3.1. Nomenclatura dos óxidos básicos
4. Óxidos ácidos ou anidridos
4.1. Nomenclatura dos óxidos ácidos
5. Óxidos anfóteros
6. Óxidos indiferentes ou neutros
7. Óxidos duplos, mistos ou salinos
8. Peróxidos
9. Óxidos importantes
9.1. Óxido de cálcio — CaO
9.2. Dióxido de carbono — CO2
10.As funções inorgânicas e a classificação periódica
As Reações Químicas
1. Introdução 1
1.1. Equações iônicas
2. Balanceamento das equações químicas
3. Classificações das reações químicas
3.1. Reações de síntese ou de adição
3.2. Reações de análise ou de decomposição
2
3.3. Reações de deslocamento ou de substituição ou de simples
troca
3.4. Reações de dupla troca ou de dupla substituição
4. Quando ocorre uma reação química?
4.1. Reações de oxirredução
a) Comportamento dos metais
b) Comportamento dos não-metais
4.2. Reações que não são de oxirredução
2
a) Quando um dos produtos for menos solúvel que os reagentes
b)Quando um dos produtos for mais volátil que os reagentes
c) Quando um dos produtos for menos ionizado que os
reagentes
5. Resumo das principais reações envolvendo as funções
inorgânicas
5.1. Reações entre os opostos
5.2. Outros tipos de reação
2
a) Reações com o oxigênio
b) Reações com o hidrogênio
c) Reações com a água
d) Comportamento diante do calor
Massa Atômica e Massa Molecular
1. Unidade de massa atômica (u)
2. Massa atômica
2.1. Massa atômica dos elementos químicos
2.2. Determinação moderna das massas atômicas 3
2.3. Regra de Dulong-Petit
3. Massa molecular
4. Conceito de mol
5. Massa molar (M )
Estudo dos Gases 1
1. Introdução
2. O estado gasoso
3. O volume dos gases
4. A pressão dos gases
5. A temperatura dos gases
6. As leis físicas dos gases
6.1. Lei de Boyle-Mariotte
2
6.2. Lei de Gay-Lussac
6.3. Lei de Charles
7. Equação geral dos gases
8. Condições normais de pressão e temperatura (CNPT) 2
9. Teoria cinética dos gases
10.Gás perfeito e gás real
11.Leis volumétricas das reações químicas (leis químicas dos
gases)
2
11.1. Leis volumétricas de Gay-Lussac
11.2. Hipótese ou lei de Avogadro
12.Volume molar
13.Equação de Clapeyron 2
14.Misturas gasosas
14.1. Conceitos gerais
a) Relação entre os gases iniciais e a mistura final
1
b) Situação dentro da mistura final
c) Relacionando valores parciais com o valor total
14.2. Massa molar aparente de uma mistura gasosa
15.Densidade dos gases
15.1. Densidade absoluta
1
15.2. Densidade relativa
16. Difusão e efusão dos gases
Cálculos de Fórmulas
1. As fórmulas na Química
2. Cálculo da fórmula centesimal
3. Cálculo da fórmula mínima 3
4. Cálculo da fórmula molecular
4.1. Cálculo da fórmula molecular a partir da fórmula mínima
4.2. Cálculo direto da fórmula molecular
Cálculo Estequiométrico
1
1. Introdução
2. Casos gerais de cálculo estequiométrico 2
2.1. Quando o dado e a pergunta são expressos em massa
2.2. Quando o dado é expresso em massa e a pergunta em
volume (ou vice-versa)
2.3. Quando o dado e a pergunta são expressos em volume
2.4. Quando o dado é expresso em massa e a pergunta em
mols (ou vice-versa)
2.5. Quando o dado é expresso em massa e a pergunta em
números de partículas (ou vice-versa)
2.6. Havendo duas ou mais perguntas
3. Casos particulares de cálculo estequiométrico
3.1. Quando aparecem reações consecutivas
3.2. Quando são dadas as quantidades de dois (ou mais)
reagentes
3.3. Quando os reagentes são substâncias impuras
2
3.4. Quando o rendimento da reação não é total
3.5. Quando há participação do ar nas reações químicas
a) Cálculo do volume do ar necessário à combustão
b) Cálculo do volume total dos gases no final da reação
3.6. Quando os reagentes são misturas
6.6. Conteúdos procedimentais (atividades-Estratégias Pedagógicas)

Conhecimentos Procedimentos Didáticos


1- Introdução ao estudo da As aulas terão interatividades com os alunos
Química tendo discussão em grupo.
a) Fenômenos
b) Misturas Mostrando a necessidade de exercitar os
c) Substâncias Químicas cálculos da matemática na química.
d) Separação de misturas
e) Densidade Aulas experimentais.
2 - Estrutura Atômica As aulas serão expositivas, interatividades com
os alunos textos de revistas, jornais e
a) Modelo dos Filósofos gregos
discussão em grupo.
b) Modelo de Dalton
c) Modelo de Thomson Atividade em grupo para explicar a química do
d) Modelo de Rutherford cotidiano.
e) Distribuição de elétrons
Mostrando a interação da química sobre o meio
f) Tabela Periódica ambiente.
As aulas terão ênfase na pratica para melhor
3 – Ligações Químicas
entendimento da teoria.
a) Ligação iônica
Mostrando a importância dos cálculos de
b) Ligação Covalente equação de 1° grau, experimentos sobre a
c) Ligação Covalente Dativa interação do meio ambiente.

d) Ligação Metálica Aulas experimentais.


As aulas terão interatividades através de textos,
4 - Funções Químicas jornais e discussão em grupo.

Utilizando os cálculos matemáticos para melhor


a) Ácidos aprendizagem.

b) Bases As aulas serão expositivas, interatividades com


os alunos textos de revistas, jornais e
discussão em grupo.
c) Sais
Atividade em grupo para explicar a química do
d) Óxidos cotidiano.

As aulas serão expositivas, interativas com os


5 - Reações Químicas
alunos, textos de revistas, jornais e discussão
em grupo.
a) Reações de simples troca
b) Reações d dupla troca

c) Reações de decomposição

Atividade em grupo para explicar a química do


cotidiano.

Atividade em grupo para explicar a química do


d) Reações de Adição
cotidiano.

Mostrando a interação da química sobre o meio


ambiente.

Aulas experimentais.
7. INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA PROCESSUAL E RECUPERAÇÃO

7.1. IPP – Intervenção Pedagógica Processual

Aos estudantes que ainda não apresentaram domínio de conteúdos


necessários à continuidade do percurso escolar serão oferecidos Estudos Contínuos
de Recuperação por meio de Intervenções Pedagógicas Processuais – IPP,
durante todo o período letivo, com o seguinte procedimento:

• Ocorrerá em sala de aula sobre os conteúdos ministrados,


proporcionando minimizar ou superar as dificuldades apresentadas;
• Propor novas situações de aprendizagem, através de atividades
diversificadas.
• Oportunizar reavaliação nas avaliações escritas, quando mais do que
trinta por cento da turma apresentaram dificuldades nos conteúdos abordados nas
avaliações. A reavaliação será aplicada após o término da ultima prova escrita do
bimestre. O resultado da reavaliação substituirá os resultados parciais, das duas
avaliações escritas do bimestre, prevalecendo a maior nota obtida.

7.2. Recuperação Anual

Além dos Estudos Contínuos de Recuperação, através do IPP, a escola


oferecerá a Recuperação Interperíodos na forma Anual. A Recuperação Anual
será oferecida para os alunos que não alcançaram média anual.

Ao término do ano letivo, serão oferecidos estudos de recuperação – aulas de


revisão e avaliação escrita valendo de zero a dez, com horário específico a ser
divulgado pela coordenação pedagógica.

7.2.1. OBJETIVOS: (atitudinais)

Rever os conteúdos não fixados através de aulas expositivas e exercícios


complementares.

7.2.2. CONTEÚDOS: (conceituais)

Estrutura atômica; Tabela Periódica e Ligações Químicas.

Funções inorgânicas e comportamento físico dos gases.

7.2.3. AVALIAÇÃO

A avaliação da recuperação de estudos será apenas escrita. Exceto quem


tiver necessidades comprovadas fazer avaliação oral.
8. Métodos Avaliativos

Avaliação é um processo contínuo de aprendizagem no qual se deve manter a


interação entre professor e aluno. Segundo Perrenoud (1999), a avaliação da
aprendizagem, no novo paradigma, é um processo mediador na construção do
currículo e se encontra intimamente relacionada à gestão da aprendizagem dos
alunos. Na avaliação da aprendizagem, o professor não deve permitir que os
resultados das provas periódicas, geralmente de caráter classificatório, sejam
supervalorizados em detrimento de suas observações diárias, de caráter
diagnóstico.

Quando um professor fala em avaliação muitos alunos ficam com medo e


apreensivos quanto ao que vai ser cobrado na prova, pois esse é um momento
muito tenso e de muita pressão para os alunos.

A avaliação é um processo natural que acontece para que o professor tenha


uma noção dos conteúdos assimilados pelos alunos, bem como saber se as
metodologias de ensino adotadas por ele estão surtindo efeito na aprendizagem dos
alunos. Há muito tempo atrás avaliar significava apenas aplicar provas, dar uma nota
e classificar os alunos em aprovados e reprovados. Ainda hoje existem alguns
professores que acreditam que avaliar consiste somente nesse processo. Contudo,
essa visão aos poucos está sendo modificada.

Avaliação não deve ser somente o momento da realização das provas e


testes, mas um processo contínuo e que ocorre dia após dia, visando a correção de
erros e encaminhando o aluno para aquisição dos objetivos previstos. Nesse
sentido, a forma avaliativa funciona como um elemento de integração e motivação
para o processo de ensino-aprendizagem. A avaliação é um processo atualmente
entendido não só como o resultado dos testes e provas, mas também os resultados
dos trabalhos e/ou pesquisas que os alunos realizam.

Existem inúmeras técnicas avaliativas como, por exemplo, a prova de


consulta, trabalhos e pesquisas, resolução de soluções problemas, entre muitas
outras técnicas, as quais permitem ao professor avaliar o desempenho dos alunos e
fugir da tradicional prova escrita, essas técnicas apresentam algumas características
como:

 Possibilidade de professor e aluno dialogarem buscado encontrar e


corrigir possíveis erros, redirecionando o aluno para a aprendizagem;
 A motivação para a correção e o progresso do educando, sugerindo a
ele novas formas de estudo para melhor compreensão dos assuntos abordados
dentro da classe.

O importante é entender que avaliar não consiste somente em fazer provas e


dar nota, avaliar é um processo pedagógico contínuo, que ocorre dia após dia,
buscando corrigir erros e construir novos conhecimentos. (Marco Aurélio da Silva -
Equipe Brasil Escola)

Os alunos serão avaliados utilizando os seguintes métodos:

 Avaliações escritas (2,5 + 2,5) – 5,0:


 Objetivas; e
 Dissertativas.
 Atividades Extraclasse – 3,0:
 Pesquisa;
 Apresentação oral;
 Relatórios.
 Atividades de Classe – 2,0:
 Resolução em classe;
 Autoavaliação.
 Simulado – pontuação extra – 1,0

Plano de Avaliação de Competências

Instrumento(s) e
Indicadores de Critérios de Evidências de
Competência Procedimentos
Domínio Desempenho Desempenho
de Avaliação1
1 – Reconhecer e
compreender
símbolos, códigos
e nomenclatura Dado um
própria da determinado
Clareza, precisão;
química e da exercício Observação,
domínio de:
tecnologia. 2 – identificar as demonstração de
Saber interpretar fórmulas,
Identificar e fórmulas para cálculos, saber
e dominar as conceitos,
relacionar resolver a partir reconhecer,
fórmulas criticidade,
unidades de da leitura do texto organizar e
interesse e
medidas usadas saber organizar interpretar.
interpretação.
para diferentes os dados para
grandezas, como solucioná-los.
massa, tempo,
volume,
densidade...
3 – Ler e Organizar e Através de Clareza, precisão; Observação,
interpretar relacionar os cartazes domínio de: demonstração de
informações e dados desenvolverem fórmulas, cálculos, saber
dados atividade em conceitos, reconhecer,
apresentados grupo pesquisa e criticidade, organizar e
como símbolos, avaliação. interesse e interpretar.
fórmulas. interpretação.
4 – Analisar e
interpretar
diferentes tipos de
textos e
comunicações
referentes ao
conhecimento.
5 – Elaborar e
utilizar e modelos
para interpretar Dado um
transformações. determinado
Clareza, precisão;
exercício Observação,
domínio de :
6 – Adquirir uma identificar as demonstração de
fórmulas,
compreensão do Estratégia fórmulas para cálculos, saber
conceitos,
mundo do qual a diversificada resolver a partir reconhecer,
criticidade,
química é parte da leitura do texto organizar e
interesse e
integrante, saber organizar interpretar.
interpretação.
através dos os dados para
problemas que ele solucioná- los.
consegue
resolver.
7 – Identificar
transformações
químicas pela
percepção de
mudanças na
Argumentar com
natureza. Clareza, precisão;
clareza os dados Observação,
Dado texto fazer a domínio de:
observados e demonstração de
8 – Compreender leitura pesquisar e fórmulas,
refletir com cálculos, saber
e avaliar a ciência organizar os conceitos,
responsabilidade reconhecer,
e a tecnologia dados para criticidade,
para colaborar organizar e
química sob ponto solucioná-los. interesse e
com o meio interpretar.
de vista ético para interpretação.
ambiente
exercer a
cidadania com
responsabilidade,
integridade e
respeito.

9. Recursos
9.1. Pincel e Apagador
9.2. Quadro Branco
9.3. Tabela Periódica
9.4. Livros de Autores diversos (Referências Bibliográficas)
9.5. Data-show
9.6. Aulas Práticas de Laboratório

10. Referencial Bibliográfico


CARVALHO, Geraldo Camargo de. Química Moderna. Volume único, Ed.
Scipione.

FELTRE. Ricardo. Química. Volume 1, 2 e 3, Ed. Moderna.

LEMBO, Antônio. Química - Realidade e Contexto. Volume único, Ed. Ática.

PERRENOUD, Philippe. Avaliação: Da Excelência à Regulação das


Aprendizagens. Porto Alegre: Artmed Editora (trad. em português de L'évaluation des
élèves. De la fabrication de l'excellence à la régulation des apprentissages.
Bruxelles: De Boeck, 1998).

PERUZZO, Tito Miragaia e CANTO, Eduardo Leite do. Química na


Abordagem do Cotidiano. Volumes 1, 2 e 3. Ed. Moderna.

REFERENCIAL CURRICULAR DE RONDÔNIA, 2013. Secretaria de Estado


da Educação de Rondônia.

SARDELLA, Antônio. Química. (Série Novo Ensino Médio) Volume único, Ed.
Ática.

SILVA, Edson Braga da e SILVA, Ronaldo Henriques da. Curso de Química.


Volumes 1, 2 e 3, Ed. Harbra.

USBERCO, João e Salvador, Edgard. Química. Volume único, Ed. Saraiva.

VICTOR, Nehmi. Química. Volumes 1, 2 e 3, Ed. Ática.

______________________________________________________________

Professor

______________________________________________________________

Supervisora