Sie sind auf Seite 1von 10

PORTUGUÊS 7º ANO – JANEIRO/FEVEREIRO

ESCOLA_______________________________________________ DATA ____/ ____/ 20___

NOME_____________________________________________________ Nº_____ TURMA______

Grupo I – COMPREENSÃO DA ORAL

Para responderes aos itens que se seguem, vais visionar um pequeno vídeo no qual se fala
de uma das mais importantes zonas de circulação e nidificação de aves da Europa, a Lagoa de
Albufeira, em Sesimbra: “Silêncio... vamos observar pássaros na Lagoa de Albufeira”.
http://ensina.rtp.pt/artigo/silencio-vamos-observar-passaros-na-lagoa-de-albufeira/

Antes de iniciares, lê as questões. Em seguida, ouve, atentamente, duas vezes e responde


ao que é pedido.

1. Para cada item (1.1. a 1.4.), seleciona a opção que completa a frase, de acordo com o
sentido do texto.

1.1. A área da Lagoa de Albufeira deve a sua importância


(A) à presença de uma grande diversidade de aves selvagens.
(B) ao facto de ser uma área protegida.
(C) ao seu interesse internacional.

1.2. Esta área é administrada através de uma parceria entre


(A) o Instituto de Conservação da Natureza, a Quercus e a Câmara Municipal de
Sesimbra.
(B) o Instituto de Conservação da Natureza e a Quercus.
(C) o Instituto de Conservação da Natureza, a Quercus, a Câmara Municipal de
Sesimbra e a Cimpar Sul.

1.3. Os visitantes podem observar


(A) apenas aves.
(B) qualquer espécie de animais.
(C) aves e algumas outras espécies de animais aquáticos.

1.4. O horário das visitas é


(A) todos os dias, durante uma parte da manhã e uma parte da tarde.
(B) três dias por semana, durante uma parte da manhã e uma parte da tarde.
(C) três dias por semana a qualquer hora.

©Edições ASA | 2018-2019 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 1


PORTUGUÊS 7º ANO – JANEIRO/FEVEREIRO

Grupo II – LEITURA

A arca fotográfica de Joel Sartore

Durante muitos anos, Joel Sartore, fotógrafo da National Geographic, trabalhou longe de
casa, documentando a vida selvagem do Parque Nacional de Madidi, na Bolívia, escalando os
picos mais altos da Grã-Bretanha ou aproximando-se de ursos-pardos no Alasca. Enquanto isso,
a sua mulher, Kathy, permanecia na cidade de Lincoln, no estado de Nebrasca, junto dos filhos.
5 Em 2005, foi diagnosticado um cancro a Kathy. Joel Sartore não teve escolha: com três
filhos, de 12, 9 e 2 anos, não podia prosseguir com as campanhas fotográficas que tinham
construído a sua carreira. Nessa altura, recorda agora, “tive um ano para ficar em casa a
pensar”. Pensou em John James Audubon, o ornitólogo1 americano do século XIX. “Ele pintou
várias aves que hoje já estão extintas”, diz. No verão de 2006, Joel apresentou a ideia ao seu
10 amigo John Chapo, presidente e diretor-geral do zoológico Lincoln Children’s. Pediu autorização
para fotografar alguns dos animais daquela infraestrutura. John Chapo autorizou o projeto,
embora pensasse então que o objetivo era excessivamente ambicioso. Ao chegar ao zoológico,
Joel pediu apenas duas coisas ao curador2 Randy Scheer: um fundo branco e um animal que
permanecesse quieto. “Que tal um rato-toupeira-pelado?”, retorquiu Randy. Pode parecer
15 estranho que uma criatura tão humilde conseguisse inspirar aquilo que viria a tornar-se a obra
de Joel Sartore: a missão de fotografar as espécies cativas do mundo e levar o público a
preocupar-se com o seu destino. Joel calcula que serão necessários 25 anos, ou mais, para
fotografar a maioria das espécies em cativeiro.
Na última década, ele fotografou mais de
20 5600 animais para o seu projeto entretanto
cunhado como Arca Fotográfica (Photo Ark). Joel
captou retratos de animais que podem ser
salvos, mas também de animais condenados. No
verão passado, no zoológico de Dvůr Králové, na
25 República Checa, fotografou um rinoceronte-
-branco-do-norte, um de apenas cinco
remanescentes3 no mundo.
Joel cresceu perto de Lincoln – em Ralston, no Nebrasca. Os seus pais adoravam a
Natureza. O pai levava-o a colher cogumelos na primavera, a pescar no verão e a caçar no
30 outono. A mãe ofereceu-lhe aos oito anos um livro sobre aves editado pela Time-Life que
poderá ter-lhe mudado a vida.

Texto de Rachel Hartigan Shea; fotografias de Joel Sartore,


In https://nationalgeographic.sapo.pt/natureza/grandes-reportagens/657-arca-fotografica (com supressões).

1 2 3
ornitólogo: pessoa que se dedica ao estudo das aves; curador: administrador, zelador; remanescentes:
restantes, sobrantes.

©Edições ASA | 2018-2019 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 2


PORTUGUÊS 7º ANO – JANEIRO/FEVEREIRO

1. Relaciona, considerando as informações do texto, as figuras cujos nomes constam da


coluna A com a sua respetiva profissão indicada na coluna B.

Coluna A Coluna B

A. Joel Sartore 1. Ornitólogo


B. John James Audubon 2. Fotógrafo
C. John Chapo 3. Diretor

2. Para cada item (2.1. a 2.3.), escolhe a opção que completa corretamente as afirmações que
se seguem.

2.1. O objetivo do atual projeto de Joel Sartore é


(A) trabalhar longe de casa a documentar a vida selvagem.
(B) fotografar animais no seu habitat.
(C) fotografar animais em cativeiro.
(D) fotografar apenas animais em vias de extinção.

2.2. A ideia para o projeto Arca Fotográfica surgiu porque Joel Sartore
(A) estava cansado de viajar pelos vários continentes.
(B) andava preocupado com os animais em via de extinção.
(C) foi convidado pelo seu amigo John Chapo.
(D) teve de prestar assistência à família.

2.3. A paixão de Joel Sartore pela vida selvagem e pela Natureza surgiu
(A) durante as suas viagens pelo mundo.
(B) na sua infância.
(C) quando começou a fotografar os animais.
(D) quando começou a trabalhar para a revista National Geographic.

©Edições ASA | 2018-2019 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 3


PORTUGUÊS 7º ANO – JANEIRO/FEVEREIRO

Grupo III – EDUCAÇÃO LITERÁRIA

Lê o excerto que se segue. Em caso de necessidade, consulta as notas.

Ladino é um pardal muito velho, muito cuidadoso e mais esperto do que qualquer outro animal

Ladino

Mas como havia de lhe dar o lampo1, se aquilo era uma cautela, um rigor!… E logo de
pequenino. Matulão, homem feito, e quem é que o fazia largar o ninho?! Uma semana inteira
em luta com a família. Erguia o gargalo2, olhava, olhava, e – é o atiras dali abaixo!… A mãe,
coitada, bem o entusiasmava. A ver se o convencia, punha-se a fazer folestrias3 à volta. E falava
5 na coragem dos irmãos, uns heróis! Bom proveito! Ele é que não queria saber de cantigas.
Ninguém lhe podia garantir que as asas o aguentassem. É que, francamente, não se tratava de
brincadeira nenhuma!
Uma altura! Até a vista se lhe escurecia… O pai, danado, só argumentava às bicadas, a picá-
-lo como se pica um boi. Pois sim! Ganhava muito com isso. Não saía, nem por um decreto. E,
10 de olho pisco, ali ficava no quente o dia inteiro, a dormitar. Pobre de quem tinha de lho meter
no bico…
Contudo, um dia lá se resolveu. Uma pessoa não se aguenta a papas toda a vida. Mas não
queiram saber… Quase que foi preciso um paraquedas.
Mais tarde, quando recordava a cena, ainda se ria. E deliciava-se a descrever as emoções
15 que sentira. Arrepios, palpitações, tonturas, o rabinho tefe-tefe. E a ver as coisas baças,
desfocadas. Agoniado de todo! Valera-lhe a santa da mãe, que Deus haja.
– Abre as asas, rapaz, não tenhas medo! Força! De uma vez!
Tinha de ser. Fechou os olhos, alargou os braços, e atirou o corpo, num repelão… Com mil
diabos, parecia que o coração lhe saía pelos pés! Ar, então, viste-o.
20 Deu às barbatanas, aflito.
– Mãe!
Mas afinal não caía, nem o ar lhe faltava, nem coisíssima nenhuma. Ia descendo como uma
pena, graças aos amortecedores. Mais que fosse! No peito, uma frescura fina, gostosa… Não há
dúvida: voar era realmente agradável! E que bonito o mundo, em baixo! Tudo a sorrir, claro e
25 acolhedor…
A mãe, sempre vigilante e mestra no ofício, aconselhou-lhe então um bonito antes de
aterrar. Dar quatro remadas fundas, em cheio, e, depois, aproveitar o balanço com o corpo em
folha morta, ao sabor da aragem…
Assim fez. Os lambões4 dos irmãos nem repararam, brutos como animais! A mãe é que disse
30 sim senhor, com um sorriso dos dela…
E pousou. Muito ao de leve, delicadamente, pousou no meio daquela matulagem 5 toda, que
se desunhava ao redor duma meda6 de centeio.
Terra! Pisava-a pela primeira vez! Qualquer coisa de mais áspero do que o veludo do ninho,
mas também quente e segura. Deu alguns passos ao acaso, a tirar das cócegas nos dedos um

©Edições ASA | 2018-2019 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 4


PORTUGUÊS 7º ANO – JANEIRO/FEVEREIRO
35 prazer de que ainda tinha saudades. Depois, comeu. Comeu com fome e com gula7 os grãos
duros que o sol esbagoava8 das espigas cheias. Numa bicada imprecisa, precipitada, foi a ver,
engolira uma pedra. Não lhe fez mal nenhum. Pelo contrário. Ricos tempos! Desde o
entendimento ao estômago, estava tudo inocente, puro. Fosse agora, e era indigestão pela
certa. Arrombadinho9 de todo! Por isso fazia aquela dieta rigorosa…

Miguel Torga, “Ladino” in Bichos. 6ª ed., Lisboa: BIS-LeYa, pp. 63-65.

1 2 3 4 5
dar o lampo: morrer; gargalo: pescoço; folestrias: pândega, farra; lambões: comilões; matulagem:
6 7 8
bando de vadios; meda: montão cónico de feixes de palha; gula: excesso de gosto de comer; esbagoar: tirar
9
os bagos; arrombadinho: arruinado.

1. Compara as atitudes da mãe e do pai face ao medo de voar sentido por Ladino.
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

2. O que levou Ladino a voar?


_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

3. As palavras seguintes permitem caracterizar o comportamento de Ladino antes e durante


o primeiro voo (linhas 12-30).

Amedrontado Apreensivo Corajoso

3.1. Seleciona uma destas palavras e explica por que razão ela é, na tua opinião,
adequada para caracterizar o comportamento de Ladino.
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

4. Seleciona a opção que completa corretamente a afirmação.


4.1. Ao afirmar “Mas afinal não caía, nem o ar lhe faltava, nem coisíssima nenhuma.”
(linha 22), o narrador mostra
(A) que Ladino continuava a ser medroso.
(B) aquilo de que acusavam Ladino.
(C) os medos que impediam Ladino de voar.
(D) que Ladino voou muito mal.

©Edições ASA | 2018-2019 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 5


PORTUGUÊS 7º ANO – JANEIRO/FEVEREIRO

5. “Os lambões dos irmãos nem repararam, brutos como animais!” (linha 29).
Para cada item (5.1. e 5.2.), seleciona a opção que completa corretamente cada
afirmação.

5.1. A caracterização que, na frase, se faz dos irmãos de Ladino


(A) é negativa, porque mostra que estes apenas se preocupam com a comida.
(B) é positiva, porque justifica a sua atitude com a necessidade de comer.
(C) é negativa, porque mostra que eles gostavam de lutar como se fossem animais.
(D) é positiva, porque mostra que eles estavam distraídos com uma luta.

5.2. Na frase acima transcrita está presente uma


(A) enumeração.
(B) metáfora.
(C) comparação.
(D) antítese.

6. A mãe de Ladino tinha motivos para se sentir orgulhosa do filho? Justifica a tua opinião.
________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

7. Ladino diz que ter engolido uma pedra quando comeu grãos pela primeira vez não foi um
problema, mas se isso lhe acontecesse hoje tudo seria diferente.
Justifica as diferenças, segundo a opinião de Ladino.
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

Grupo IV – GRAMÁTICA

1. Associa as palavras sublinhadas em cada frase da coluna A à sua classe e subclasse na


coluna B.

Coluna A Coluna B

A. Ele era o pardal mais preguiçoso. 1. Advérbio


B. O preguiçoso não voava. 2. Nome
C. O seu voo foi calculado. 3. Pronome
4. Adjetivo
D. O melhor voo foi o seu. 5. Preposição
E. A aterragem foi tão suave. 6. Determinante

©Edições ASA | 2018-2019 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 6


PORTUGUÊS 7º ANO – JANEIRO/FEVEREIRO

2. Substitui o constituinte sublinhado pelo pronome pessoal adequado. Faz as alterações


necessárias.

Nunca tinha comido grãos até àquele dia.

_________________________________________________________________________

3. Completa os espaços em branco com as formas dos verbos conjugados nos tempos e
modos indicados entre parênteses.

a) A mãe queria que Ladino ___________ (pôr, pretérito imperfeito do conjuntivo) os pés
no chão.
b) Ladino respeitou o que a mãe lhe _____________ (dizer, pretérito mais-que-perfeito
composto do indicativo).
c) – Hoje, eu ______________ (voar, presente do indicativo), disse Ladino.

4. Identifica a única opção cujo constituinte sublinhado desempenha a função sintática de


complemento direto.

(A) A mão dava aos filhos os melhores grãos.


(B) Ladino esperava pelos melhores grãos.
(C) Na quinta, estavam os melhores grãos.
(D) Ladino atirou-se aos melhores grãos.

5. Forma frases complexas que incluam uma oração do tipo indicado entre parênteses.

a) Ladino teve medo.


Ladino ficou com a vista turva. (oração coordenada explicativa)
_________________________________________________________________________

b) A mãe dava-lhe bons conselhos.


Ladino não queria voar. (oração coordenada adversativa)
_________________________________________________________________________

c) Ladino voava.
Ladino seria alvo da troça de todos. (oração coordenada disjuntiva)
_________________________________________________________________________

©Edições ASA | 2018-2019 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 7


PORTUGUÊS 7º ANO – JANEIRO/FEVEREIRO

Grupo V – ESCRITA

“Depois, comeu. Comeu com fome e com gula os grãos duros que o sol esbagoava das
espigas cheias. Numa bicada imprecisa, precipitada, foi a ver, engolira uma pedra. Não lhe fez
mal nenhum. Pelo contrário. Ricos tempos! Desde o entendimento ao estômago, estava tudo
inocente, puro. Fosse agora, e era indigestão pela certa. Arrombadinho de todo! Por isso fazia
aquela dieta rigorosa…” (linhas 35-39)

Na sociedade atual, a promoção da saúde da população é um dos aspetos mais


importantes.
Apresenta um texto expositivo no qual apresentes dois aspetos que contribuem para a
boa saúde da população.

O teu texto deve ter um mínimo de 150 e um máximo de 200 palavras.

Segue o esquema apresentado:

Introdução:
‒ Importância da promoção da saúde para a população em geral.
‒ Apresentação de dois aspetos a tratar ao longo do texto.
Desenvolvimento:
‒ Aspeto 1: descrição e consequências positivas para a saúde.
‒ Aspeto 2: descrição e consequências positivas para a saúde.
Conclusão:
‒ Síntese das ideias principais.

COTAÇÃO DO TESTE

Item
Grupo
Cotação (em pontos) Total
Grupo I
Compreensão 1.1. 1.2. 1.3. 1.4.
do Oral 3 3 3 3 12
Grupo II
1. 2.1. 2.2. 2.3.
Leitura
3 3 3 3 12
Grupo III
Educação 1. 2. 3.1 4.1. 5.1. 5.2. 6. 7.
Literária 3 3 3 3 3 3 4 4 26

Grupo IV 1. 2. 3. 4. 5.
Gramática 5 3 4.5 3 4.5 20
(1.5+1.5+1.5) (1.5+1.5+1.5)
Grupo V Item único
Escrita 30
Total 100

©Edições ASA | 2018-2019 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 8


PORTUGUÊS 7º ANO – JANEIRO/FEVEREIRO

PROPOSTAS DE CORREÇÃO

Grupo I – Compreensão do Oral


1.1. (A)
1.2. (C)
1.3. (C)
1.4. (B)

Grupo II – Leitura
1. A – 2; B – 1; C – 3
2.1. (C)
2.2. (D)
2.3. (B)

Grupo III – Educação Literária


1. A atitude de ambos é oposta: a mãe tentava motivá-lo a voar, mostrando-se positiva e confiante,
procurando pô-lo bem-disposto e dando-lhe o exemplo dos irmãos. O pai, por seu lado, mostrava-se
negativo e zangado e tentava forçá-lo a voar, dando-lhe bicadas.
2. Ladino concluiu que não podia viver o resto da vida com a comida – as «papas» (linha 12) – que a mãe
lhe dava. Decidiu, então, ir em busca de outro tipo de alimentos.
3. Amedrontado: Ladino mostra, no início do voo, estar dominado pelo medo, daí ter palpitações, visão
turva ou ter ficado agoniado.
OU
Apreensivo: antes de começar efetivamente o seu voo, Ladino teve dificuldade em começar a voar por
estar com receio do que lhe pudesse acontecer, pelo que só depois de a mãe o ter incitado, ele se
lançou em voo.
OU
Corajoso: embora estivesse cheio de medo, Ladino conseguiu vencer o receio de voar, o que revelou
coragem.
4.1. (C)
5.1. (A)
5.2. (C)
6. Sim, porque o filho tinha conseguido vencer o medo e voara pela primeira vez. Para além disso, ainda
tinha conseguido fazer uma bela aterragem, seguindo os conselhos que a mãe lhe tinha dado.
7. Ladino não se importava com o facto de ter comido uma pedra no passado, pois o seu corpo era
jovem e resistia a tudo. Agora, como já era velho, tinha receio de comer uma pedra, pois se tal
acontecesse teria uma indigestão.

Grupo IV – Gramática
1. A – 4; B – 2; C – 6; D – 3; E – 1
2. Nunca os tinha comido até àquele dia.
3. a) pusesse; b) tinha dito; c) voo.
4. (A)
5. a) Ladino teve medo, pois ficou com a vista turva.
b) A mãe dava-lhe bons conselhos, mas Ladino não queria voar.
c) Ladino voava ou seria alvo da troça de todos.

©Edições ASA | 2018-2019 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 9


PORTUGUÊS 7º ANO – JANEIRO/FEVEREIRO

Grupo V – Escrita

A promoção da saúde é muito importante para que as pessoas possam viver mais tempo e com
qualidade, ou seja, sem problemas de saúde que a tornem debilitadas ou dependentes de outros. Entre
os fatores que estão diretamente relacionados com a promoção da saúde, podemos destacar a
alimentação e o exercício físico.
Em primeiro lugar, a alimentação é um aspeto muito importante para uma vida saudável. Ingerir
vegetais e frutas, evitar alimentos com excesso de sal ou de açúcar e consumir de forma equilibrada
alguns alimentos como as carnes vermelhas são atitudes muito importantes para manter o organismo
saudável.
Em segundo lugar, o exercício físico deve complementar a alimentação. O combate ao
sedentarismo por meio de atividades físicas diárias, como caminhadas, corrida, natação ou mesmo
ginásio corresponde a uma atitude que evitam doenças muito perigosas, como é o caso dos problemas
cardíacos.
Para concluir, a promoção da saúde exige atitudes conscientes da parte de todos ao nível da
alimentação e o exercício físico.

(163 palavras)

©Edições ASA | 2018-2019 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 10

Verwandte Interessen