Sie sind auf Seite 1von 39

Circuitos Trifásicos

 Motivações.
 Introdução.
 Geração em corrente alternada.
 Sequência de fases.
 Ligações triângulo e estrela.
 Relações entre os valores de fase e linha.
 Ligações domiciliarias
 Transformação triângulo – estrela.
 Sistemas trifásicos simétricos e equilibrados.
 Sistemas trifásicos simétricos e desequilibrados.
 Potência em sistemas trifásicos.
Motivações

 Por que precisamos estudar este tópico?


 Atualmente o sistema trifásico é o padrão para a geração, transmissão e
distribuição de energia elétrica em corrente alternada.
 Aprender o cálculo e a relação existente entre as grandezas elétricas
(tensão, corrente e potência) nos circuitos trifásicos.
Introdução (1/3)

 As primeiras linhas de transmissão de energia elétrica surgiram no


final do século XIX.
 Destinavam-se exclusivamente ao suprimento do sistema de
iluminação, pequenos motores e sistema de tração (railway) e
operavam em corrente contínua a baixa magnitude de tensão.
 A geração e transmissão usando os mesmos níveis de tensão das
diferentes cargas restringiu a distância entre a planta de geração e
os consumidores.
 A tensão da geração em corrente contínua não podia ser
facilmente aumentada para a transmissão a grandes distâncias.
 Classes diferentes de cargas exigem diferentes níveis de tensões, e
diferentes geradores e circuitos eram usados especificamente para
cada conjunto de carga.
Introdução (2/3)

Ruas da cidade de New York


em 1890. Além das linhas de
telégrafo, múltiplas linhas
elétricas foram exigidas para
cada tipo de carga, que
trabalhavam a diferentes
níveis de tensões.

http://en.wikipedia.org/wiki/Electric_power_transmission
Geração em corrente alternada (Monofásico) (1/5)
Eixo magnético do
 enrolamento de armadura B
Caminho
de fluxo

0 π 2π 

-a

a
e ea
Enrolamento
de armadura
0 t
Estator

 Se o enrolamento de campo é excitado por uma corrente continua


e o rotor gira a uma velocidade constante, então a tensão induzida
(e) será proporcional à magnitude da densidade de fluxo (B).
 Desvantagem: um espaço significante não é utilizado no estator e
a existência de uma potência pulsante.
 Sugestão: usar sistemas polifásicos.
Geração em corrente alternada (3/5)

 Porque usar um sistema trifásico?


 Um gerador trifásico aproveita melhor o espaço físico, resultando em um
gerador de tamanho reduzido e mais barato, comparado com os geradores
monofásicos de igual potência.
 Um sistema monofásico precisa de dois condutores; e um sistema trifásico
(perfeitamente balanceado) precisa de três condutores, porém conduz três
vezes mais potência. Na prática, devido a pequenos desequilíbrios
inevitáveis, os sistemas trifásicos contam com um quarto condutor, o
neutro.
 Duas alternativas de distribuição: monofásico e trifásico, permitindo o
fornecimento a consumidores domiciliares e industriais.
 Os motores trifásicos são superiores aos motores monofásicos em
rendimento, tamanho, fator de potência e capacidade de sobrecarga.
Geração em corrente alternada (Trifásico) (2/5)
Eixo magnético do
 enrolamento de armadura B
Caminho
de fluxo c
-b
0 π 2π 

-a

a
e ea eb ec
Enrolamento
de armadura
b 0 t
-c Estator

 Três bobinas defasadas em 120 graus elétricos no espaço geram


um conjunto de três tensões de mesmo valor máximo, defasadas
de 120 graus elétricos no tempo.
 As três tensões são conhecidas como FASES.
 No caso de conexão em Y, há dois valores de tensões distintas:
tensão de fase e tensão entre duas fases qualquer.
Geração em corrente alternada (4/5)
a a

ea ec
ea
n
eb
b b
ec eb
Ic
c c

 Denominação: os condutores a, b e c são as fases o condutor


conectado no ponto n é o neutro.

Tensões trifásicas
http://www.youtube.com/watch?v=22434JHXYjs
Geração em corrente alternada (5/5)

 Sistemas de tensões trifásicas


Representação temporal Representação fasorial
ea (t )  2E cos(t ) E a  E0
2 E b  E  120o
eb (t )  2E cos(t  )
3
E c  E120o
2
ec (t )  2E cos(t  )
3
 Em que, ea(t), eb(t) e ec(t) são os valores instantâneos das tensões
trifásicas, E é o valor eficaz das tensões e ω é a freqüência
angular; e
 E a , E b e E c são os fasores das tensões trifásicas.
 A tensão a é a origem (ou referência) das fases.
Definições (1/3)

 Sistema de tensões trifásico simétrico: Três tensões senoidais de


mesma magnitude, defasadas entre si de 120º ;

e ea eb ec

0 t

 Sistema de tensões trifásico assimétrico: Sistema trifásico em que


não atendem a pelo menos uma das condições acima ;
Definições (2/3)

 Linha (ou rede) trifásica equilibrada: Linha (ou rede) constituída


por 3 ou 4 fios (incluído o neutro ou retorno), com:
 impedâncias próprias iguais
 impedâncias mútuas iguais

Um circuito trifásico esta em equilíbrio se as três tensões senoidais


tiverem a mesma magnitude e freqüência e cada tensão estiver
120o fora de fase com as outras duas. As correntes na carga
também devem estar em equilíbrio.
Definições (3/3)

 Linha (ou rede) trifásica desequilibrada: Linha (ou rede) trifásica


em que não se verifica alguma das condições de equilíbrio ;

 Carga trifásica equilibrada: Carga trifásica constituída por três


impedâncias iguais ligadas em estrela (Y) ou triângulo (Δ). ;

 Carga trifásica desequilibrada: Carga trifásica em estrela (Y) ou


triângulo (Δ) em que não se verifica pelo menos umas das
condições de equilíbrio.
Ligações triângulo e estrela (1/4)

 Nos sistemas trifásicos podem ocorrer dois tipos de ligações:


 Ligação em triângulo (Δ)
 Ligação em estrela (Υ)
Desequilibrada
Equilibrada
a Rede Trifásica A  Carga Trifásica
 Gerador Trifásico
b B
 Triangulo  Triângulo
c C
 Estrela  Estrela
n
 Quando a carga e o gerador estão conectados em
estrela.
 Na carga trifásica é medida:
 A potência trifásica.
 As tensões de linha (entre duas fases) ou tensões de fases (entre uma fase e o neutro).
 As correntes de linha (percorrendo a linha) ou corrente de fases (percorrendo a carga).
Padronização de sub índice duplo
Definições

1. Tensão de fase: medida entre qualquer terminal do gerador ou


carga e o centro-estrela;

2. Tensão de linha: medida entre quaisquer dois terminais do


gerador ou da carga, nenhum deles sendo o centro-estrela;

3. Corrente de fase: corrente que percorre cada das bobinas do


gerador ou da impedância da carga

4. Corrente de linha: corrente que percorre os condutores que


conectam o gerador á carga, excetuado o neutro.
Ligações triângulo e estrela – Geração

Ligação em Estrela Ligação em Triângulo


a a

Ia Vab Ia Vab


Van Ica
Iab
n Vbn
Ibc
Ib Ib
b b
Vcn Ic Vbc Vca Ic Vbc Vca
c c

 n é o neutro (centro-estrela) do gerador.


 Para um sistema trifásico simétrico:

Va  Vb  Vc


Va  Vb  Vc  0
Ligações triângulo e estrela - Carga

Ligação em Estrela Ligação em Triângulo


A A
VAB IA VAB IA
VAN Z A IAB
  ICA
Z AB Z CA
Z B N VCN
IB IB IBC
B VBN ZC B
VCA VBC IC 
VCA VBC IC Z BC
C C

 n é o neutro (centro-estrela) da carga.


 Para uma carga trifásica equilibrada:
Z A  Z B  Z C
Z AB  Z BC  Z CA
Relações entre os valores de fase e linha (1/12)

 Tensão de fase – tensão medida em cada um dos ramos


monofásicos de um sistema trifásico.

Ligação em Estrela Ligação em Triângulo


A A
VAB IA VAB IA
VAN Z A IAB ICA
VCN Z AB ZCA
Z B N

IB IB IBC


B VBN ZC B
VCA VBC IC  
VCA VBC IC Z BC
C C
Relações entre os valores de fase e linha (2/12)

 Tensão de linha – tensão medida entre dois condutores terminais


de fase.

Ligação em Estrela Ligação em Triângulo


A A
VAB IA VAB IA
VAN Z A IAB ICA
VCN Z AB ZCA
Z B N

IB IB IBC


B VBN ZC B
VCA VBC IC  
VCA VBC IC Z BC
C C
Relações entre os valores de fase e linha (3/12)

 Corrente de fase – corrente que percorre cada ramo monofásico de


um sistema trifásico.

Ligação em Estrela Ligação em Triângulo


A A
VAB IA VAB IA
VAN Z A IAB ICA
VCN Z AB ZCA
Z B N

IB IB IBC


B VBN ZC B
VCA VBC IC  
VCA VBC IC Z BC
C C
Relações entre os valores de fase e linha (4/12)

 Corrente de linha – corrente que percorre por cada condutor de


linha.

Ligação em Estrela Ligação em Triângulo


A A
VAB IA VAB IA
VAN Z A IAB ICA
VCN Z AB ZCA
Z B N

IB IB IBC


B VBN ZC B
VCA VBC IC  
VCA VBC IC Z BC
C C
Relações entre os valores de fase e linha (5/12)

 Em uma ligação em estrela, as correntes de fase coincidem com as


correntes de linha.
 Em uma ligação em triângulo, as tensões de fase coincidem com
as tensões de linha.

Ligação em Estrela Ligação em Triângulo


A A
VAB IA VAB IA
VAN Z A IAB ICA
VCN Z AB ZCA
Z B N

IB IB IBC


B VBN ZC B

VCA VBC IC 
VCA VBC IC Z BC
C C
Relações entre os valores de fase e linha (6/12)

 Sistema trifásico simétrico com seqüência de fase positiva ligado


em estrela. a
V   V  1
I a Vab an an
       
Van Vbn    Van   Van   
 Vcn  Van   
n V bn    
Ib
Vcn I
b
Ilinha  I fase
c

Vbc Vca
c
 As correntes de linha são iguais as correntes de fase.
 As tensões de linha
Vab  Van  Vbn  1   1    330 o 
             
            V  330 o  
V V V
 bc   bn   cn  Van   Van   Van   an  
Vca  Vcn  Van     1     1   330 o  
       
Exemplo 3

Como fica, em notação fasorial, o sistema do exemplo 1

Seq. - VA  220190 o V

VA   VA  1 1


          
V  
 B   AV  V 
A   220 190  
VC  VA     
   

 10   220 190   220 190 


 220 190  1120  220 310  220   50 V
1  120   220 70   220 70 
Relações entre os valores de fase e linha (7/12)
 Van
Vcn Vab
Vca  Vbn
Vab  1
  o   
Vbc   330 Van   
Vca 
    30 o
Van
Vbn

 Vcn Vbc
 A tensão de linha é a tensão de fase multiplicada por √3 e
adiantada 30º.
Relações entre os valores de fase e linha (8/12)

 Considerando um sistema trifásico simétrico com seqüência de


fase negativa ligado em estrela.

Van   Van  1  Vcn Vbc


V    V   V   
 bn   an  an
 2
Vcn   Van 
2
 
Vbn

Vab  1 Van


 30o
V   3  30o V   
 bc  an
 2 Vca  Vbn
Vca   
Vcn Vab
 Van
 A tensão de linha é a tensão de fase multiplicada por √3 e atrasada
de 30º.
Relações entre os valores de fase e linha (9/12)

 Sistema trifásico simétrico com seqüência de fase positiva ligado


em triângulo. a
I a Vab  Iab   Iab  1
       
I ca
I ab  I bc    I ab   I ab   
 Ica  Iab   
I bc    
Ib
b
Vlinha  Vfase
Ic Vbc V
ca
c
 As tensões de linha são iguais as tensões de fase.
 As correntes de linha
 Ia   Iab   Ica  1    1   3  30 o 
             
          I  3  30 o  
I I I I
 b   bc   ab  ab   ab   ab I 1 I 1  ab  
 Ic   Ica   Ibc            3  30 o  
             
Relações entre os valores de fase e linha (10/12)

 Ibc Ic
 Ia  1
 I   3  30o I  2 
 b ab
  Ica
 Ic    
Iab
 30o

Ib  Ica
Ibc Ia
 Iab
 A corrente da linha é a corrente de fase multiplicada por √3 e
atrasada de 30º.
Relações entre os valores de fase e linha (11/12)

 Considerando um sistema trifásico simétrico com seqüência de


fase negativa ligado em triângulo.

 Iab   Iab  1  Iab


Ibc Ia
 I    I   I    Ib  Ica
 bc   ab  ab  
 Ica   2 Iab   2 
30 o
Iab
 Ia  1 Ica
 I   330o I   
 b ab
 2
 Ic   
 Ibc Ic

 A corrente da linha é a corrente de fase multiplicada por √3 e


adiantada de 30º.
Relações entre os valores de fase e linha (12/12)

 Resumo

Seqüência positiva Seqüência negativa


Ilinha  I fase Ilinha  I fase
Ligação em

Vab  Van  Vab  Van 


estrela

V   330o V  V   3  30o V 


 bc   bn   bc   bn 
Vca  Vcn  Vca  Vcn 
Vlinha  Vfase Vlinha  Vfase
Ligação em
triângulo

 Ia   Iab   Ia   Iab 


 I   3  30o  I   I   330o  I 
 b  bc   b  bc 
 Ic   Ica   Ic   Ica 

Conexões Residenciais na Rede Elétrica


http://www.youtube.com/watch?v=ettHn5GRbgI
Ligações domiciliarias (1/3)

 Nas áreas de concessão das empresas do estado de São Paulo,


tem-se três tipos de atendimento:

Fase e Neutro
Ligações domiciliarias (2/3)

 Nas áreas de concessão das empresas do estado de São Paulo,


tem-se três tipos de atendimento:

2 Fases e Neutro
Ligações domiciliarias (3/3)

 Nas áreas de concessão das empresas do estado de São Paulo,


tem-se três tipos de atendimento:

3 Fases e Neutro
Sistemas trifásicos simétricos e equilibrados (1/3)

 Com carga equilibrada


circuito monofásico equivalente
a A

Ia Z L Ia
Van VAN Z
In
n N VCN
Ib Z L Ib Z
b B
VBN Z
Vcn Vbn Ic Ic
c C
Z L

 Os centros-estrelas n – N estão ao mesmo potencial.


 A corrente pelo condutor neutro
In  Ia  Ib  Ic  0
 Um circuito monofásico equivalente.
Sistemas trifásicos simétricos e desequilibrados (2/3)

 Com carga desequilibrada


a A

Ia Z L Ia
Van VAN Z AN In

Z CN
N
Z BN
n

Ib Z L Ib Z n
Vcn Vbn
b B
VBN VCN
Ic Ic
c C
Z L
Van  Ia ( Z L  Z AN )  In Z N
Vbn  Ib ( Z L  Z BN )  In Z N
 Um sistema de equações lineares
Vcn  Ic ( Z L  Z CN )  In Z N
In  Ia  Ib  Ic
Sistemas trifásicos simétricos e desequilibrados (3/3)

Carga Trifásica em Estrela Desequilibrada


http://www.youtube.com/watch?v=8cbQnWLZCxM
Potência em sistemas trifásicos (1/7)

 A potência aparente complexa monofásica e dada por:

S  VI

 Nos circuitos trifásico, a potência aparente toral é a soma das


potências aparente individual das três fases:

S3  3VF IF

Esta expressão nos dá a potência trifásica em função dos


valores de fase
 Em termos retangulares temos:

S3  P3  Q3


Potência em sistemas trifásicos (2/7)

 Em corrente alternada, definem-se as seguintes potências:


 Potência aparente S  3Van I a (VA)

 Potência ativa P  3Van I a cos (W )

 Potência reativa Q  3Van I a sin  (VAr )

 Em termos retangulares temos:

S3  P3  Q3


Potência em sistemas trifásicos (3/7)

 Usando os valores de tensão e corrente de linha.

Ligação em Estrela Ligação em Triângulo


VAB IA
I AN  I A ; VAN  I AN  ; VAN  VAB
3 3
S  3VAB I A S  3VAB I A
P  3VAB I A cos  P  3VAB I A cos 
Q  3VAB I A sin  Q  3VAB I A sin 

 Num sistema simétrico e equilibrado com carga equilibrada


(qualquer que seja o tipo de ligação) as fórmulas de potência
ativa, reativa e aparente são as mesmas.
 O fator de potência de uma carga trifásica equilibrada é o cosseno
do ângulo de defasagem entre a tensão e a corrente numa fase.