Sie sind auf Seite 1von 17

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

RAM.RevistadeAdministraçãoMackenzie On­lineversion ISSN
RAM.RevistadeAdministraçãoMackenzie On­lineversion ISSN
RAM.RevistadeAdministraçãoMackenzie On­lineversion ISSN
RAM.RevistadeAdministraçãoMackenzie On­lineversion ISSN
RAM.RevistadeAdministraçãoMackenzie On­lineversion ISSN
RAM.RevistadeAdministraçãoMackenzie On­lineversion ISSN

On­lineversionISSN1678­6971

RAM,Rev.Adm.Mackenzie(Online)vol.11no.5SãoPauloOct.2010

http://dx.doi.org/10.1590/S1678­69712010000500002

GESTÃOHUMANAESOCIAL

Oimpactodosvaloresorganizacionaisno

estresseocupacional:umestudocomprofessores

deensinomédio

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupational

stress:astudywithsecondaryschoolteachers

KarlaRejaneCanova I ;JulianaBarreirosPorto II

I MestreemPsicologiapeloDepartamentodePsicologiadaUniversidade CatólicadeBrasília(UCB).ProfessoradaSecretariadeEstadodeEducação

doDistritoFederal.SecretariadeEducaçãodoDF,607Norte,Brasília–DF

–Brasil–CEP70272­060E­mail:karlaplan@bol.com.br

II DoutoraemPsicologiapeloDepartamentodePsicologiadaUniversidade

deBrasília(UnB).ProfessoradoProgramadePós­GraduaçãoemPsicologia

Social,doTrabalhoedasOrganizaçõesdaUniversidadedeBrasília.

CampusUniversitárioDarcyRibeiro–InstitutoCentraldeCiênciasSul

InstitutodePsicologia,PST,salaA1­045–Brasília–DF–CEP70910­900E­mail:porto.juliana@gmail.com

RESUMO

Esteestudotevecomoobjetivoidentificaropoderpreditivodosvaloresorganizacionaissobreonívelde estresseocupacionalentredocentesdoensinomédio.Utilizaram­seaescaladeestressenotrabalhoeo

inventáriodeperfisdosvaloresorganizacionais.Participaramdapesquisa321professores.Aanálisefatorial

paraestresseapontouparadoisfatores,eoescalonamentomultidimensionaldoinventáriodevalores

organizacionaisindicou5tiposmotivacionais:éticaepreocupaçãocomacoletividade;domínio,prestígioe

realização;autonomiaebem­estar;conformidade;etradição.Aregressãomúltiplasugerequequantomaiso

professorpercebevaloresorganizacionaisdeautonomiaebem­estareéticaepreocupaçãocomacoletividade,

menoselerelataestresseocupacional.Atividadesfísicaselicençasmédicastambémapresentaramimpacto.

Concluiu­sequeosvaloresorganizacionaisinfluenciamsignificativamenteoestresseocupacionalequeagestão

daculturaorganizacionalpodemelhoraroníveldeestresse.

Palavras­chave:Estresseocupacional;Valoresorganizacionais;Professoresdeensinomédio;Saúdeno

trabalho;Culturaorganizacional.

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

Thisstudysoughttodeterminetheorganizationalvaluesaspredictorsoftheoccupationalstresslevelamong secondaryschoolteachers.TheWorkStressScaleandtheOrganizationalValuesProfileInventorywereusedas

tools.321teachersparticipatedinthesurvey.Thestressfactoranalysispointedouttwofactorsandthe

multidimensionalscalingoftheOrganizationalValuesProfileInventorypresented5motivationaltypes:ethics

andconcernwiththecommunity;domain,organizationalprestigeandaccomplishment;autonomyand

employees'well­being;conformity;andtradition.Themultipleregressionsuggeststhatthemoretheteacheris

awareofautonomyandemployees'well­beingandethicsandconcernwiththecommunity,thelesshereports

occupationalstress.Physicalactivitiesandsickleavealsopresentedanimpactonoccupationalstress.In

conclusion,organizationalvaluessignificantlyinfluenceoccupationalstressandorganizationalculture

managementcanreducethestresslevel.

Keywords:Occupationalstress;Organizationalvalues;Secondaryschoolteachers;Healthatwork;

Organizationalculture.

1INTRODUÇÃO

Oserhumanodedicagrandepartedoseutempoaotrabalho,eesteconverte­seemumaáreacentralnavida dosindivíduos.Essacentralidadetrazconsequênciasparadoxaisparaaintegridadefísica,psíquicaesocialdos

trabalhadores(MENDES;CRUZ,2004),pois,àmedidaque,noscontextosorganizacionais,otrabalhopode

proporcionarmuitasrealizações,podetambémserumelementodecontraçãodeproblemasaodesencadear prejuízosàsaúdedotrabalhador,comonocasodoestresseocupacional.Nessesentido,háindíciosdequeum estadoprolongadodeestresseinterferenobem­estarpsicológicoenaqualidadedevidadaspessoas(KAPLAN,

1995;LIPP,1997).Outrasrazõesquejustificamaimportânciadepesquisasnessaárearecaemno

funcionamentodaorganizaçãocomoumtodo,poisenvolvemperdaseconômicas,altarotatividadede

profissionaisebaixaprodutividade,oquepodecontribuirparaobaixodesempenho.

Osprofessorestêmsidomuitopesquisadosnessaárea.Aprincípio,oestressedoprofessor,noBrasil,parece estarassociadoaosbaixossalários,àprecariedadedascondiçõesdetrabalho,àsatribuiçõesburocráticas desgastantes,aoelevadonúmerodealunosporsaladeaula,aodespreparodoprofessordiantedasnovas situaçõeseemergênciasdaépoca,àspressõesexercidaspelospaisdosalunosepelasociedadeemgeral,à

violênciainstauradanasescolas,entreoutroselementos(ESTEVE,1999;CODO,2004).Entretanto,sem

desconsiderartodasessaspossibilidades,oestresseocupacionaltambémpodeestarrelacionadoaoutros

aspectosdeordempsicossocialquemerecemanálisesobaóticadapesquisacientífica.

Estudosrealizados,comoodePeiró(1990),mencionam,entreasfontesdeestresserelacionadasafatores

organizacionais,oclimaorganizacional.Cabeenfatizarqueoclimaorganizacional,paraocitadoautor,éuma

manifestaçãodaculturaorganizacional.Assim,pode­seconcluirqueoestresseocupacionaléumconstrutoque

estáassociadoàculturaorganizacional,sendoestaumconstrutomaiscomplexoeabrangente.

Aculturaéutilizadacomovariávelparaexplicarcomportamentos,porém,segundoTamayo,LimaeSilva

(2004),sãopoucasaspesquisasempíricasqueconseguemboaelucidaçãoemfunçãodaformadesedefinire

operacionalizaroconstruto.Essesautoresafirmamqueháváriasformasdeestudararelaçãodaculturacom

reaçõesecomportamentosdaspessoasdentrodecontextosorganizacionais.Aformamaismodestaéverificar

oimpactodefatoresisoladosdaculturaorganizacionalsobreocomportamento.Dentreosfatoresculturais

existentes,osvaloresorganizacionaisconstituemonúcleodaculturaorganizacionale,portanto,formamum

indicadorcentralparacompreendercomoaculturaorganizacionalseconfiguracomoantecedentede

comportamentosnasorganizações.

Osvalores,aliadosaospapéiseàsnormassociais,formamosprincipaiselementosdeumaorganização(KATZ;

KAHN,1978).Porseremfundamentaiseconsideradosonúcleodaculturaorganizacional,osvalores,segundo

Tamayo,LimaeSilva(2004),norteiamofuncionamentodasorganizaçõeseexprimemcrençasbásicas,

reproduzindoafilosofiadoambientedetrabalho.Assim,valoresespecíficosàvidaorganizacionalsão denominadosvaloresorganizacionaiseexerceminfluênciasobreoambienteorganizacionalporquesão compartilhadospelamaioriadosmembrosquenelaatuam.Elesregemdireçõescomunsaosempregadose

orientamcomportamentosdiários(TAMAYO;LIMA;SILVA,2004).Dentrodessaperspectiva,osvalores

organizacionaissãopercepçõescompartilhadaspelosmembrosdamesmaorganizaçãoeexpressamcrenças

compartilhadas.

Opresentetrabalhopretendeidentificaropoderpreditivodosvaloresorganizacionaissobreoníveldeestresse

ocupacionalentredocentesdoensinomédio.Aseguirseráapresentadooreferencialteóricoparaasvariáveis

doestudo:estresseocupacionalevaloresorganizacionais.

2ESTRESSEOCUPACIONAL

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

Historicamente,estudossobreobem­estarcomeçaramaserabordados,nasegundametadedoséculoXIX, pelofisiologistafrancêsClaudeBernard,oqualdefendeuqueumdosaspectosfundamentaisparaamanutenção dobem­estaréahabilidadedoorganismoparamanteraconstânciadoseuambienteinterno,mesmocomas

mudançasqueocorremexternamente(DUTRA,2001).

OutrofisiologistadeHarvard,WalterB.Cannon,em1915,deuonomedehomeostaseàforçaparaaconstância

dobem­estarouhabilidadeparamanterumequilíbrioestático.Foidadaênfaseàestimulaçãodosistema nervososimpático,durantesituaçõesdeemergência,taiscomodorouraiva,cujoresultadoéumadescargadas glândulasadrenaise,consequentemente,oprocessoautônomoinduzmudançascardiovascularesquepreparam

ocorpoparareagiroufugir(CANNON,1900).Selye(1956),aoampliarosestudosrealizadosporCannon,

definiuoestressecomoumareaçãoinespecíficadocorpoaqualquerdemanda.Em1936,afimdeinterpretar

asrepercussõesfisiológicasdoestresse,descreveuasíndromedeadaptaçãogeral(generaladaptation

syndrome–GAS)ousíndromedoestressebiológico,comoumareaçãodefensivafisiológicadoorganismo,que

surgecomorespostaaqualquerestímuloaversivo.Essemodeloincluitrêsestágios:reaçãodealarme,

resistênciaeexaustão.

Todasaspessoasexperimentam,nomínimo,osdoisprimeirosestágiosemváriosmomentosdavida.Porém,o terceiroestágio,denominadoexaustão,éomaissevero.Diantedelongasecontinuadasexposiçõesaomesmo estressor,aoqualocorpotentaseajustar,ossinaisdealarmereaparecem,masagorasãoirreversíveiseo

indivíduonãoresisteefalece(SELYE,1956).

AposiçãodeSelye(1956)sobreaassociaçãodoconceitodeestresseaumarespostafisiológicanãoespecífica

foimuitocriticada,apesardetersidoamplamenteaceita.LazaruseFolkman(1984)nãodiscordamtotalmente

daideiadoestressecomorespostafisiológicaaoestressor,entretanto,acrescentamumaversãopsicológicaao

conceito,defendendoaideiadequeexisteumareaçãoemocionalconcomitanteàssituaçõesquesãoavaliadas

comoestressantes,istoé,respostanãoespecíficaepsicologicamentemediada.

Aliteraturaapontaparaadistinçãodetrêstiposbásicosdeestresse:sistêmicooufisiológico(distúrbiodos sistemasetecidoscorporais),psicológico(fatorescognitivos)esocial(comprometimentodeumaunidadeou

sistemasocial).EssastrêsabordagenslevaramCostaeMcCrae(1998)aquestionarseoestresseéuma

característicadoindivíduoouumainteraçãoentreesteeoambiente,salientandoqueofenômenoaindanão

estádevidamenteelucidado.

Codo,SorattoeVasques­Menezes(2004)lembramquesomenteapósaSegundaGuerraMundialpesquisasna

psicologiaepsiquiatriasobreestressetornaram­sevisíveisecomeçaramaapareceremtrabalhoscientíficos–

muitosdeseusautoresestimuladosjustamentepelaexperiênciadaguerra,comoKahnetal.(1964apudCodo;

Soratto;Vasques­Menezes,2004),queestudaramestressecombaseemfatorescomoambiguidade,conflitode

papéisesobrecarga.

Grandepartedaliteraturaespecíficadescrevequeestresseocupacionalsejaresultantedeumcomplexo conjuntodefenômenosenãoconsequênciadeapenasumúnicofatorexternoqueagesobreotrabalhador, sendoentendidocomoreaçãotensionalexperimentadapelotrabalhadordiantedeestímulosestressoresque

surgemnocontextodetrabalhoesãopercebidoscomoameaçasàsuaintegridade(KAHN;BYOSIERE,1992;

COHEN;KESSLER;GORON,1995;JONES;KINMAN,2001).Limongi­FrançaeRodrigues(2002,p.34)

acrescentamaindaqueessasreaçõespodemprejudicar"ainteraçãodapessoacomotrabalhoecomo

ambientedetrabalho,àmedidaqueesseambientecontémdemandasexcessivasaela,ouqueelanãocontém

recursosadequadosparaenfrentartaissituações".

Asconceituaçõessobreestresseocupacionalparecemconvergirnosentidodeajuste,quernarelaçãoindivíduo­ ambientedetrabalho,quernademanda­recursos,sendooestresseoresultadodeumestadodedesequilíbrio. Combasenosestudosrelatados,constata­sequeestresseenvolve:umestímuloexternoproduzidoapartirdas situaçõesdetrabalho,respostaspsicológicasanteesseestímuloeumagamadeconsequências,nasquaiso bem­estardoindivíduoestáenvolvido.Alémdisso,háumaconcordânciaparcialcomaideiadequearelação entreestímulosexternoseestressepodesermoderadaporcaracterísticasindividuaisesituacionais(KAHN;

BYOSIERE,1992;COHEN;KESSLER;GORDON,1995;JONES;KINMAN,2001;LIMONGI­FRANÇA;RODRIGUES,

2002).

Nota­se,portanto,que,deacordocomadefiniçãoanteriormentepriorizada,osestudossobreoestresse organizacionalestãobaseadosnosestressoresorganizacionais,nasrespostasdoindivíduoaessesestressores

ounasdiversasvariáveispresentesnoprocessoestressor­resposta.Paschoal(2003)afirmaque,demodo

geral,háumatendênciaparaconsideraroestresseocupacionalcomoumprocessodeestressores­respostas,já

queesteconsistenoenfoquemaiscompletoeenglobaaquelebaseadonosestressoreseobaseadonas

respostas.Entretanto,aautoraenfatizaqueessatendêncianãosignificaquehajaconsensosobreadefiniçãodo

construtoeamelhorformadeavaliá­lo.

ParaTamayo,LimaeSilva(2004),aabordagemquecolocaofoconoprocessotemcontribuídosobremaneira

paraacompreensãodoestresse,particularmentenoquedizrespeitoàsuadinâmicaeàssuasformasde enfrentamento.Éfundamentalconsiderarasrelaçõesestressantesexistentesentreostrabalhadores,seu ambientedetrabalhoeasformascomoelesenfrentamassituaçõesdeestresseocupacional.Cooper,Dewee

O'Driscoll(2001)salientamqueoestressenãoéumfatorqueresidenotrabalhador,nemnoambientede

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

trabalho,maséumfatorqueestápresentenoprocessoresultantedasrelaçõesdoempregadocomseu

ambientedetrabalho.

Assim,esteestudoestáfundamentadonapropostadePaschoal(2003,p.18)quedefineo"estresseocupacional

comoumprocessoemqueoindivíduopercebedemandasdotrabalhocomoestressores,osquais,aoexceder

suahabilidadedeenfrentamento,provocamnosujeitoreaçõesnegativas".

Naliteraturainternacionalsãoenfatizadososseguintespreditoresdeestresseocupacional(FRONE,1990;

KAHN;BYOSIERE,1992;SPECTOR;JEX,1995;KOSLOWSKY,1997):naturezadatarefaedopapelocupacional

(sobrecarga,relacionamentosinterpessoais,autonomia,controle,desenvolvimentodacarreira),características

pessoais(autoestima,comportamentotipoAelocusdecontrole)evariáveisdenaturezasituacionalepessoal

(suportesocial,conflitoentrepapéis,ambiguidadedopapel).

Apósanálisesistemática,realizadanasáreasdepsicologiaeadministração,detrabalhoscientíficospublicados

emperiódicosnacionaissobreestresseocupacional(quantidadedeartigosentreparênteses),comoRausp(2);

RAC(1);Psicologia:reflexãoecrítica(2);RevistaPsicologia:organizaçõesetrabalho–rPOT(2);Psicologia:

ciênciaeprofissão(1);Psicologia:teoriaepesquisa(3);EstudosdePsicologia,Natal(1);Estudosde

Psicologia,Campinas(1);PsicoPUC­RS(1)ePsicologiaemEstudo(2),foramidentificados15artigosque

tratamdetemasmicroemcomportamentoorganizacional,relacionadosaoestresseocupacionaleàs

estratégiasdecoping.Emrelaçãoaoperíodoanalisado,verificou­seque,de1996a2007,osanosde2002e

2004registraramummaiornúmerodepublicações.

Aanáliseaindaindicouqueasamostrasocupacionaisforamdiversificadas,nãohavendoevidênciade predominânciaemnenhumaáreaespecífica;aênfasedométododecoletadedadoscentrou­senapercepção dostrabalhadoreseháumavariedadedeinstrumentossendoutilizadosnaáreadeestresseocupacional. Quantoaosresultados,observa­sequeoestresseestárelacionadoaosseguintesfatores:sobrecargade

trabalho(LIPP;TANGANELLI,2000;COELHO,2004),interferênciafamília­trabalho(LIPP;TANGANELLI,2000;

PASCHOAL;TAMAYO,2005),climaorganizacional(TAMAYO;LIMA;SILVA,2002;COELHO,2004),gênero(LIPP;

TANGANELLI,2000;TAMAYO,2001;PINHEIRO;GÜNTHER,2002;AREIAS;GUIMARÃES,2004),práticade

atividadefísica(TAMAYO,2001),valorespessoais(TAMAYO,2001),baixograudeautonomianotrabalho,

esforçofísicoe/oumentalexigidoemaltograu,faltadeparticipaçãonoprocessodetomadadedecisão,

exposiçãoariscosàsegurançapessoalouprejuízos,faltadeclarezadastarefas(PINHEIRO;GÜNTHER,2002),

suportesocial(TAMAYO;LIMA;SILVA,2002;AREIAS;GUIMARÃES,2004)eintervençõesparaomanejode

estresse(MURTA;TROCCOLI,2004).Alémdessaspesquisas,apenasumestudonacionaldesenvolveuevalidou

escalaparaavaliaroestresseocupacional:aescaladeestressenotrabalho–EET(PASCHOAL;TAMAYO,2004).

Tambémcombasenessaanálise,noqueserefereaosprincipaispreditoresdeestresse,observa­seuma predominânciadasvariáveispsicossociais,havendoumforteimpactodaspráticasorganizacionais.Entretanto, nãoforamencontradosnoBrasilestudosquerelacionassemaculturaorganizacionalaoestresse,apesarde

Limongi­FrançaeRodrigues(2002)alertaremparaessarelação.

Tamayo,LimaeSilva(2004),aoconsideraremosvaloresorganizacionaiscomonúcleodacultura,citamque,

quandoseconhecemosvaloresdeumaorganização,hácomosefazerprediçãodecomoelafuncionaecomoé

ocomportamentodeseusmembros.Nessaperspectiva,essesvalorespodem,então,ofereceruma

compreensãoglobaldaformacomoasorganizaçõesinfluenciamoníveldeestresseocupacional.

2.1VALORESORGANIZACIONAIS

Osvaloresorganizacionaissetornaramumconstrutocentralnasciênciassociaisenacompreensãodos fenômenosorganizacionais,principalmenteapartirdaintroduçãodotemaculturaorganizacionalnofinalda

décadade1970.Entretanto,asuafracaoperacionalizaçãoeaproliferaçãodeinstrumentosnãopermitiramo

acúmulodeconhecimentosobreotema(AGLE;CALDWELL,1999).Ultimamente,observa­seuminteressepelo

desenvolvimentodeteoriaseinstrumentosquepermitamavaliarosvaloresorganizacionais,comoostrabalhos

deQuinn(1988),O'Reilly,ChatmaneCaldwell(1991)eKabanoffeDaly(2002).

Abuscaporumaestruturadosvaloresorganizacionaistambémfoialvodaspesquisasnacionaiscoordenadas porTamayoecolaboradores,vanguardistasnoBrasilnosestudossobrevaloresorganizacionais,quetiveram

comobaseomodelodevaloresbásicoseculturaispropostosporSchwartz(1992,1999).Osprimeirosestudos

quantitativosdesenvolvidosnoBrasilcomopropósitodemensurarapercepçãodosvaloresorganizacionais

foramrealizadosporGondimeTamayo(1996).Posteriormente,otrabalhodessesautoresfoiaprimoradoe

novasescalasforamdesenvolvidas,comooinventáriodevaloresorganizacionais–IVO(TAMAYO;MENDES;

PAZ,2000)eoinventáriodeperfisdevaloresorganizacionais–IPVO(OLIVEIRA;TAMAYO,2004).Adiferença

básicaentreessasversõesserefereaomodeloteóricousadocomobaseparaainterpretaçãodosvalores

organizacionais:nocasodoIVO,utilizou­seateoriaculturaldevaloresdeSchwartz(1999),já,noIPVO,

adotou­seateoriapessoaldevaloresdeSchwartz(1992).Essadiferenciaçãoimplicaestruturasdiferenciadas,

porém,OliveiraeTamayo(2004)defendemquedevehavercorrespondênciaentreasmetasorganizacionaise

pessoais,e,porisso,essemodelosejustifica.Porcausadaadequaçãodoinstrumentoaospropósitosda pesquisaedaatualidadedoinstrumento,epelofatodesuaestruturapossibilitarumaintegraçãocomateoria

devalorespessoais(OLIVEIRA;TAMAYO,2004),essefoiomodeloutilizadonapesquisaeseráexplicitado

adiante.

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

Valoresorganizacionaissãodefinidoscomo

[ ]princípiosoucrenças,organizadoshierarquicamente,relativosacomportamentosoumetas

organizacionaisdesejáveisqueorientamavidadaorganizaçãoeestãoaserviçodeinteresses

individuais,coletivosoumistos(GONDIM;TAMAYO,1996,p.63).

GondimeTamayo(1996)postulamaindaquetaisvaloresexpressamafilosofiadaempresa,suavisãodoque

funcionaounãonumaorganização,alertandoparaadiferençaexistenteentrevalorespessoaise

organizacionais.

TamayoeBorges(2006)afirmamquearealidadeorganizacionalérepresentadapelopensamentocoletivo,isto

é,pormodelosmentaiscompartilhadospelosmembrosdaorganização.Sendoassim,apartirdofuncionamento

dasorganizaçõesedasuaprópriamissão,modelosmentaisvãosendoconstruídospelosempregados.

Entretanto,modelosmentaisdiferentesproduzempercepçõesdiferentesdaempresa,docomportamento

organizacionaledamaneiracomootrabalhodeveserrealizado.Osvaloresorganizacionaiscompartilhados

assumemafunçãodecriar,nosmembrosdaorganização,modelosmentaissemelhantes,estabelecendo,

inclusive,elementosimportantesparaaconstruçãodaidentidadesocialdaorganização,indicandocomoelaé,

valendo­sedapercepçãodeseusempregados.

ParaOliveiraeTamayo(2004),aspessoas,aoingressaremnasorganizações,trazemosseusvalorespessoais

desenvolvidosnomeiosocialaquepertencem.Emrelaçãoaosvaloresorganizacionais,asorganizações,ao

seremcriadas,desenvolvemumsistemadevalorespróprioqueapareceemfunçãodeproblemas

característicosdopróprionegócio.Sendoassim,aexistênciadessesvaloresorganizacionaisantecedeo

ingressodaspessoasnaorganização,maselesnãosãoestáticosesealteramcomaentradadeseusnovos

membros.

Nãohácomoosvaloresorganizacionaisseremidênticosaosvaloresdosmembrosdaorganização(valores pessoais).Essesvaloresmuitasvezespodemserconflitantes,considerando­sequeaprioridadedadaàsmetas organizacionaispodeserdiferentedaprioridadedasmetaspessoais,poistrata­sedesistemasdevalores

distintos,apesardeapresentaremumaestruturaçãoemcomum.Sendoassim,paraOliveiraeTamayo(2004),

essesdoissistemasdevaloresconsolidadospossuemcaracterísticasgeraiscomuns,apesardeaprioridade

dadaacadasistemaserdiferenciada.

Tamayo(2005,p.167)descreveoparalelismomotivacionalentrevalorespessoaisevaloresorganizacionais:

Valorespessoaisexpressammetasdapessoa,osvaloresorganizacionaisreferem­seametasda

organização.Tantoosvaloresorganizacionaisquantoosvalorespessoaissãoprincípiosque

orientameguiamavidadepessoasegrupos.

Conceitualmente,ambosapresentamcomponentesmotivacional,cognitivo,hierárquicoesocial.Asexigências internasdeumaorganizaçãosão,emgrandeparte,decorrentesdasnecessidadesemotivaçõesdeseus membros.Portanto,osvaloresorganizacionaisseconstituemapartirdaquiloemqueaspessoas,comseus valorespessoais,creemepensam,circunscritasàssuasnecessidadeseconcepçõesprioritárias(TAMAYO,

2005).

CombasenaestruturadosvalorespessoaisdesenvolvidaporSchwartz(1992),OliveiraeTamayo(2004)

testaramempiricamenteahipótesedequeasmotivaçõesquesustentamossistemasdevalorespessoaise

organizacionaiséamesma.Schwartz(1992)propôsumaestruturaparaosvalorespessoaiscompostapordez

tiposmotivacionais:hedonismo,autodeterminação,estimulação,realização,poder,tradição,conformidade,

segurança,benevolênciaeuniversalismo.Ateoria,segundoSchwartz(1992),apesardedistinguirostipos

motivacionaisdevalores,pretendebasicamenteformarumacontinuidadedemotivaçõesinter­relacionadas.

Essecontinuumcaracterizasuaestruturacirculardeformaaevidenciarocompartilhamentodemetasportipos

adjacenteseosconflitosentretiposemposiçãooposta.

OliveiraeTamayo(2004)desenvolveramitensapartirdasmetasespecíficasdecadaumdostipos

motivacionaisdosvalorespessoais,fazendoatransposiçãoparaoambienteorganizacional.Osresultados evidenciaramopressupostodequeasmotivaçõesquesustentamosvaloresorganizacionaiseosvalores pessoaisparecemserasmesmas.Aestruturafatorialécompostaporoitofatores:realização,conformidade, domínio,prestígioorganizacional,bem­estardoempregado,tradição,autonomiaepreocupaçãocoma

coletividade.Essesfatoresapresentamumparalelocomosvalorespessoais,conformedemonstraoQuadro1.

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

Assimcomoosvalorespessoais,sãoesperadasrelaçõesdecompatibilidadeeconflitoentreostipos motivacionais,ouseja,osvaloresseorganizamaolongodeumcontínuo,eaquelesqueapresentam motivaçõescomunsencontram­seunsaoladodosoutrosevãoseafastandoàmedidaqueasmotivaçõesse diferenciamatéchegaremaumpontoemquesetornamincompatíveis.Porexemplo,oestímuloàcriatividade einovaçãoéincompatívelcomapromoçãoderespeitoàsregraseconformidadeàsnormas,assim,esses valoresdevemestarempolosopostos.Caberessaltar,entretanto,queessasuposiçãoteóricanãofoitestada

porOliveiraeTamayo(2004).

Pesquisasemvaloresorganizacionaisapontamparaasuaprediçãosobreocomportamentoeasreaçõesdas

pessoasnoambienteorganizacional(TAMAYO,1999;BORGESetal.,2002;PORTO;TAMAYO,2005),assim,

supõe­sequeosvaloresorganizacionaistambémterãoumimpactosobreoníveldeestresseocupacional.

Combasenessereferencialteórico,desenvolveu­seumapesquisacorrelacionaldescritaaseguir,comvistasa

investigaroimpactodosvaloresorganizacionaissobreoestresseocupacional.

3MÉTODO

Apesquisafoirealizadaemescolasdoensinomédiodeumainstituiçãoeducacional.Aamostrafoicomposta

por321professoresregentesdeensinomédiodeumtotalde2.790,quecorrespondea11,5%dototalde

professores,sendo42,2%dogêneromasculino,48,1%possuemnívelsuperior,43,8%têmespecialização,

6,8%possuemmestradoe0,9%doutorado.Areligiãopredominantedospesquisadoséacatólica(51,9%)e

maioriaécasadaouestáemumauniãoestável(60,2%).Aidadedosprofessoresvarioude22a65anos,

sendoamédiade39,49anos(DP=8,88).Otempodeserviçocomoprofessorteveumavariânciadeno

mínimo1anoamáximade32anos,comumamédiade13,48anos(DP=7,20).Amaiorpartedaamostra

(52,2%)possuide11a20turmasdealunos.Emrelaçãoàresponsabilidadefamiliar,208professores(64,6%)

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

declararamteraresponsabilidadefinanceiradafamília.Amaioria(34,8%)possuirendafamiliarentreR$

4.001,00e6.000,00.Somente6,5%dospesquisadosrecebemmenosdeR$2.000,00.

Esteestudoutilizouumquestionáriocompostocombaseemdoisinstrumentos–escaladeestressenotrabalho

(ETT)einventáriodeperfisdevaloresorganizacionais(IPVO)–eumapartededadosdemográficos/funcionais:

Escaladeestressenotrabalho(ETT):desenvolvidaevalidadaporPaschoaleTamayo(2004),écomposta

por13itens.Navalidaçãoinicial,aETTobtevealfadeCronbachde0,85eestruturaunifatorial.Cadaitem

daEETaborda,aomesmotempo,tantoumestressorquantoumareação.Éumaescaladeconcordância

decincopontos:de1–"discordototalmente"–a5–"concordototalmente".

Inventáriodeperfisdevaloresorganizacionais(IPVO):desenvolvidoevalidadoporOliveiraeTamayo

(2004),éuminstrumentodenaturezamultifatorialcom48itens,que,naanálisefatorialoriginal,obteve

8fatoresquerepresentamtiposmotivacionaisdevaloresorganizacionais,comcoeficientesdeprecisão

quevariamentre0,75e0,87.Essesfatoressão:1.realização,com5itens;2.conformidade,com7

itens;3.domínio,com6itens;4.prestígioorganizacional,com4itens;5.bem­estardosempregados,

com6itens;6.tradição,com5itens;7.autonomia,com8itens;e8.preocupaçãocomacoletividade

(ética),com7itens.Aperguntafundamentalaserrespondidafoi:"Quantoestaorganizaçãoaquidescrita

separececomaquelaemquevocêtrabalha?".Aescaladerespostaspossui6pontos,quevariamde

"Muitoparecidacomaminhaorganização"a"Nãosepareceemnadacomaminhaorganização".Nesse

instrumento,inseriram­semaistrêsitensafimdecontemplaralgumasespecificidadesdocontextoda

educação:

49."Estaorganizaçãobuscasedestacar.Eladesejaseraprimeiranorankingdosestabelecimentosde

ensino."

50."Estaorganizaçãobuscainfluenciaroutrasorganizações.Eladesejaserumestabelecimentodeensino

padrão."

51."Estaorganizaçãoachaimportanteestaracimadasdemais.Eladesejaaprovarummaiornúmerode

alunosnovestibular."

Assim,aescalafinalficoucompostapor51itens.

Aofinaldoquestionário,foramtambémapresentadasaosrespondentesquestõessobredadospessoais:sexo,

idade,graudeescolaridade,estadocivil,religião,tempodeserviçocomoprofessor,tempodeserviçona

instituição,quantidadedeturmasparaasquaislecionam,áreadeatuação(disciplina),residência,

responsabilidadeerendafinanceira,dependentesfinanceiros,entreoutrosaspectos.

Osquestionáriosforamaplicadosem39escolasdeensinomédiodeumtotalde75.Realizaram­sedois

encontroscomoscoordenadorespedagógicosdasescolas.Oprimeirotevecomoobjetivosortearasescolas participantesdapesquisa,repassarasorientaçõesparaaplicaçãodosinstrumentosedefiniroprazoparaa

coleta.Assim,realizou­sesorteiode50%dasunidadeseducacionaisdeensinomédio.Oscoordenadores

pedagógicosforaminstruídosaaplicarosquestionáriosemsuasrespectivasescolas,emhoráriode

coordenaçãocoletivadeprofessores.Osprofessores,apósresponderemaosquestionários,deveriamcolocá­los

emurnas,afimdegarantirosigilodasrespostas.Osegundoencontrofoiparacoletarasurnas,encaminhadas

pelasescolas.

Paraanálisedosdados,inicialmentefoifeitaaanálisefatorialparaaescaladeestresseedevalores organizacionaiseanálisedeescalonamentomultidimensional(EMD)paraoinventáriodevalores

organizacionais,utilizando­seoprogramaSPSSv.16.Aanálisedaestruturadosinstrumentosfoirealizadano

nívelindividual,ouseja,osdadosnãoforamagregadosporescola,emfunçãodaquantidadepequenade respondentesemalgumasescolas,oqueinviabilizariaumaanálisecomoestaetambémporqueoobjetivodo estudofoiodeinvestigartodasasvariáveisnonívelindividual,ouseja,oimpactodapercepçãoindividualde valoresorganizacionaissobreoestresseocupacional.Emseguida,realizaram­seregressõesmúltiplaspadrão pararelacionarasvariáveisdoestudo.Combasenodiagnósticodecasosextremospararegressões,foram

retirados6casosparaavariáveldependenteestresseocupacionalnosdoismodelosanalisados,enquantopara

osvaloresorganizacionaisutilizaram­seasmédiascentralizadas.Ousodasmédiascentralizadasé recomendadonasmedidasdevaloresparacontrolaroefeitodamaneiracomoosindivíduosusamaescala

(SCHWARTZ,2005b).

4RESULTADOSEDISCUSSÃO

Osresultadosserãoapresentadosemduasseções.Naprimeira,relatam­seosresultadosdevalidadede

construtodaETTedoIPVO,e,nasegunda,apresentam­seosresultadosdasregressõesmúltiplas.

4.1ESTRUTURADASESCALAS

Paraaescaladeestresseocupacional,foirealizadaaanálisefatorial(KMO=0,87).Osresultadosdaanálise

paralelaindicaramapresençadedoisfatores.Assim,procedeu­seàanálisefatorialpelométododefatoração

doseixosprincipaiscomrotaçãooblíqua.Osfatoresforamassimdenominados:

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

Fatoresestressoresrelacionadosàescola:referem­seaosaspectosrelativosàsatividadesdos professoresnadimensãolocal,noâmbitoescolar,como:compreensãosobreresponsabilidadesdo trabalho,competiçãonoambientedetrabalho,relaçõesdeconfiançadossuperiores,tarefasdeacordo comacapacidade,autonomianotrabalho,distribuiçãodetarefaseisolamentonaorganização.Ascargas

fatoriaisvariaramde0,48a0,69,eoalfadeCronbachfoide0,80.Essavariávelserádenominada

estresseocupacional1(EO1).

Fatoresestressoresrelacionadosàinstituiçãodeeducação:correspondemàsdemandascentraisda instituiçãoeàsaçõesderesponsabilidadedagestãocentral,queenfatizamoentendimentoda organizaçãocomoumtodo,taiscomo:perspectivasdecrescimentonacarreira(planodecarreira), valorizaçãoporsuperiores,deficiênciadetreinamentos,deficiêncianadivulgaçãodeinformaçõessobre decisõesorganizacionais,tempoinsuficientepararealizartrabalho(atividadesburocráticas)etrabalhar emtarefasabaixodoníveldehabilidade(possivelmenterelacionadocomquestõesdevalorização).As

cargasfatoriaisvariaramde0,34a0,72,eoalfadeCronbachfoide0,71.Essavariávelserádenominada

estresseocupacional2(EO2).

OsresultadosencontradosparaaescaladeestressediferemdavalidaçãoinicialrealizadaporPaschoale

Tamayo(2004)queapontavaparaumaestruturaunifatorial.Adiferençaobservadapodeserdecorrentedo

contextodeestudo.Asescolasestãosubmetidasàsmesmaspolíticaspúblicaseducacionaisediretrizesde

órgãossuperioresdogovernodoDistritoFederal,porém,háumasériedeaspectosdogerenciamentoqueestão

acargodosgestoreslocais.Assim,osprofessorespercebemdeformadistintaosestressoresrelacionadosa

outroníveldaorganização.Provavelmente,essamesmadiferenciaçãosejafeitaporfuncionáriosdegrandes

empresasemqueháumaadministraçãocentraleváriasadministraçõeslocais.Estudosfuturosdeverão

observarseessesresultadosseaplicam.

Paraosvaloresorganizacionais,realizaram­seaanálisefatorialeoescalonamentomultidimensional(EMD).

Inicialmente,foirealizadaaanálisedecomponentesprincipaisqueapresentouumKMOde0,96,indicandoa

fatoriabilidadedamatriz,eográficodesedimentaçãoindicouapresençadecincofatores.Assim,procedeu­se

àanálisefatorialextraindocincofatores.Osfatoresexplicaram59%davariância,entretanto,24dos51itens

apresentaramcargafatorialsuperiora0,30emmaisdeumfator.Ofator2ficoucomapenas3itens,eofator

4,comquatroitens,apósaretiradadessesitenscomplexos.Assim,aescalaperdeumuitodasua

representatividade.Nestaanálise:ofator1reuniuositensreferentesapreocupaçãocomacoletividade,bem­

estardoempregadoeautonomia;fator2agrupouitensdedomínio,ofator3reuniuitensrelativosa

conformidadeetradição;ofator4reuniuitensdeprestígio;eofator5misturouitensdetodososfatores

inicialmentepropostosporOliveiraeTamayo(2004).Diantedessasevidências,optou­sepelousodoEMDque

nãopressupõelinearidadedecorrelaçõesentreositensequepermiteavaliarcadaitemnocontinuum dimensionalaoinvésdedimensõessubjacentesaoagrupamentodasvariáveiscomoéocasodaanálisefatorial

(BORG;GROENEN,1997).

OEMDéumatécnicanãométricaquemapeiaositensquecompõemcadainstrumentocomopontosemum espaçomultidimensional.Cadadistânciaentreospontosreproduzasinter­relaçõesentreositens.Asrelações conceituaisentreositenssãoobservadasemfunçãodadistânciaentreospontos,quantomaispróximosno

espaçomultidimensional,maisrelacionadosessesitensestão(BORG;GROENEN,1997).

AFigura1apresentaosresultadoscomoEMDparaos51itensdevaloresparaumaamostrade321

professoresdeensinomédiodaredepúblicadeensinodoDistritoFederal.Osíndicesdeajustedomodelo

forambons(S­Stress=0,14,DAF=0,93,coeficientedecongruênciadeTucker=0,96).Ositensquenão

apareceramnoespaçocompatívelcomaproposiçãoteóricaforamexcluídos.Aseguir,sãoelencadosositens excluídos,e,entreparênteses,indicam­seotipomotivacionalatribuídoaoitempelateoria,otipomotivacional

encontradonapresentepesquisaeofatoraquepertenceoitemnoestudodeOliveiraeTamayo(2004):

7."Estaorganizaçãoinfluenciaoutrasorganizações.Elatemmuitoprestígio."(Poder/autonomiaebem­

estar/prestígio.)

14."Nestaorganizaçãoosservidoressãopremiados.Asatisfaçãodelescomaorganizaçãoéumameta

importante."(Hedonismo/domínio,prestígioerealização/bem­estardoempregado.)

22."Paraestaorganização,éimportantemanterclubesdestinadosaolazerdosservidores.Elaconsidera

queadiversãoéumaparteimportantedavidadosservidores."(Hedonismo/domínio,prestígioe realização/bem­estardoempregado.)

35."Estaorganizaçãoteminfluêncianasociedade.Elaachaimportanteserrespeitadaportodos."

(Poder/autonomiaebem­estar/prestígio.)

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

OsresultadosencontradosporesteestudovãoaoencontrodospressupostosteóricosdomodelodeSchwartz

(1992)queserviudebaseparaoestudodeOliveiraeTamayo(2004).Entretanto,ositensnãoseagruparam

conformeosoitofatoresobtidospelaanálisefatorialdeOliveiraeTamayo(2004).Tampoucoaanálisefatorial

realizadacomosdadosdapresentepesquisaencontrouosoitofatoresoriginais,oquepodeindicarqueessa

estruturanãoseaplicaatodosostiposdeorganizações.

AorganizaçãodositensespecíficosedostiposmotivacionaisbásicosnoEMDsugeresemelhançacomomodelo

teóricodeSchwartz(1992),umavezqueosdadoscorroboram,deformageral,acategorizaçãodateoria.O

modeloteóricodeSchwartz(1992)propõequeháapossibilidadedevaloresdetiposmotivacionaisadjacentes

misturarem­se,emvezdeseapresentarememregiõesdistintamenteespecificadas.Porém,énecessárioque

itensetiposmotivacionaisqueexpressammotivaçõesopostasfiquemclaramentedistantesediferenciadosuns

dosoutros,principalmentenoqueserefereaosvaloresdeordemsuperior:aberturaàmudança(autonomiae

bem­estar)versusconservação(conformidadeetradição),eautotranscendência(éticaepreocupaçãocoma

coletividade)versusautopromoção(domínio,prestígioerealização).IssoficouclaramentevisívelnoEMD

apresentado.Assim,essesresultadostambémdãoindíciosdequeasrelaçõesdecompatibilidadeeconflito

tambémseaplicamaosvaloresorganizacionais.Pesquisasfuturasdeverão,porém,reveroinstrumentode

medida,umavezqueseobservamespaçosembranconomapadoEMD,emespecialentredomínioeprestígio

etradição.Esseespaçoindicaqueesseconteúdoestásub­representadopelositens.

4.2RELAÇÃOENTREVALORESORGANIZACIONAISEESTRESSEOCUPACIONAL

Análisesderegressõespadrãoforamrealizadasnesteestudoafimdeidentificaroimpactodosvalores

organizacionais(VO)sobreoestresseocupacional(EO).Concebendoqueessemodelotemporobjetivo

estabelecerrelaçõesentreVOeEO,utilizou­se,emprimeirolugar,aanálisederegressãohierárquicapadrão

comoobjetivodeverificarquaisasvariáveisindependentes(VO)predizemavariáveldependente(EO),uma

vezcontroladososefeitosdasvariáveisdemográficasefuncionais.

NaregressãoparaoEO1,asvariáveisquemaissecorrelacionaramforamatividadefísica,licençamédicae

valoresorganizacionaisrelativosaéticaepreocupaçãocomacoletividade.ATabela1apresentaoresultadoda

regressãodasvariáveisdemográficasedosvaloresorganizacionaissobreavariáveldependenteEO1.As

regressõesforamrealizadasemdoisblocos:noprimeiro,introduziram­seasvariáveisdemográficas,e,no

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

segundo,indicaram­seosvaloresorganizacionais.Porcausadaaltacorrelaçãoentreasvariáveis independentes,foidetectadoumefeitodesupressão.Dessaforma,retirou­seotipomotivacionalconformidade

daanálise,umavezqueessavariávelapresentouacorrelaçãomaisbaixacomEO1.

AvariáveldemográficaestadocivilsobreoEO1eEO2foitransformadaparaconsiderarapenasduassituações

–casadosversusnãocasados–paraigualarotamanhodosgrupos.

AregressãoparaEO1,conformeTabela1,apontouqueasvaráveisdemográficasapresentamumacontribuição

fraca(R=0,277;R 2 =0,077)paraaexplicaçãodavariáveldependente.Contribuíramsignificativamente apenasapráticadeatividadefísicaeofatodeapessoaterentradodelicençamédicapormotivosdedoenças ocupacionais.Comainserçãodosvaloresorganizacionais,háumaumentosignificativonaexplicaçãodomodelo (R 2 mudança=0,106,p<0,001).Apenasosvaloresorganizacionaisdeéticaepreocupaçãocomacoletividade apresentaramcoeficientesignificativo,e,quandoofuncionáriopercebemaisapresençadessesvalores,menos

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

elesenteestressenotrabalho.OR 2 ajustado=0,161indicaquecercade16%davariabilidadeemEO1é explicadapeloconjuntodasvariáveis.

OsresultadosemrelaçãoàvariávelatividadefísicaconvergemcomapesquisadeTamayo(2001),que

investigouoimpactodasprioridadesaxiológicas,dogêneroedaatividadefísicaregularsobreoestresseno

trabalho.Apesquisarevelouqueaatividadefísicaregulartemimpactosobreoestresseocupacional,istoé,o

níveldeestresseésuperiorparaaquelesquenãopraticamatividadefísicaregularmente.Dessaforma,a

atividadefísicapodeserummecanismodeenfrentamentoparaminimizaroseventosestressantesnaescola,

caracterizadacomovariávelrelacionadaàatividadecotidianadoprofessor.

Emrelaçãoàvariávellicençamédica,observa­sequeosprofessoresquemaistiramlicençasmédicastambém

apresentamníveismaisaltosdeestresse,oquepodeindicartantoqueaslicençasmédicasestãoassociadasao

níveldeestressedosprofessoresquantoquealicençapodefuncionarcomoumaestratégiadeenfrentamento

paraosprofessoresmaisestressados.

NoqueconcerneaosvaloresorganizacionaisrelacionadosaoEO1,aquelesquemaisinfluenciamessetipode

estressesãoosrelacionadosaéticaepreocupaçãocomacoletividade,quetêmcomometasapromoçãode

justiça,deigualdadenotrabalho,detolerância,dehonestidadeesãomaisvoltadosparaocoletivismo.Assim,

oprofessor,consideradoumprofissionalcomaltapredisposiçãodeajudarosoutros,decuidardosseusalunos

comoobjetivodeformá­loseintegrá­losnasociedade,quantomaispercebequeaorganizaçãovalorizao

coletivoe,portanto,háumaconsonânciacomosseusdesejos,menoselepercebeestresseocupacional.

Percebe­seque,apesardeesteestudoapresentarassociaçõesdasvariáveisdemográficasaoEO1,elassão

consideradasfracasenãoconfirmaramogêneroouestadocivilcomopreditoresdeestresse.Essesachados

contradizemestudosanteriores(LIPP;TANGANELLI,2000;TAMAYO,2001;PINHEIRO;GÜNTHER,2002;AREIAS;

GUIMARÃES,2004),provavelmenteemrazãodasdiferentesanálisesestatísticasutilizadas,jáque,na

regressão,aoseanalisaroconjuntodasvariáveis,apenasaquelasdemaiorinfluênciasãoretidas.Conclui­se

queasvariáveisdemográficasexplicampoucooestresse,oquenoslevaacrerqueainfluênciadocontexto

explicamelhorofenômeno.Nessaconjuntura,osvaloresorganizacionaismanifestam­secommaiorpoderde

predição.

ParaindicarasvariáveisquepredizemoEO2,aTabela2apresentaosresultadosdaregressãorealizada.

Analisaram­seasvariáveisdemográficaseosvaloresorganizacionaissobreoEO2.Porcausadaalta

correlaçãoentreasvariáveisindependentes,detectou­seumefeitodesupressão.Dessaforma,foiretiradoo tipomotivacionaldomínio,prestígioerealização,umavezqueessavariávelapresentouacorrelaçãomais

baixacomEO2.

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

ComalgumassimilaridadesderesultadosobtidosnaregressãoparaoEO1,asvariáveisquemaisse

correlacionaramcomoEO2foramatividadefísicaevaloresorganizacionaisrelativosaéticaepreocupação

comacoletividadeeautonomiaebem­estar.

AregressãoparaEO2,conformeTabela2,apresentacomoprimeiraanáliseresultadosignificativoparao

componentelicençamédica,comfracacontribuição(R=0,178;R 2 =0,019;b=–0,140).Apósainserçãodos valoresorganizacionaisdeéticaepreocupaçãocomacoletividadeeautonomiaebem­estar,háumaumento noscoeficientesdesignificância.OR 2 ajustado=0,197indicaquecercade20%davariabilidadeemEO2é explicadapeloconjuntodasvariáveis.

Verifica­seque,combasenoscoeficientesbeta,oimpactodosvaloresorganizacionaisdeautonomiaebem­

estarsobreoEO2émaiordoqueosvaloresdeéticaepreocupaçãocomacoletividade.Acontribuiçãodesses

valoresparaexplicarEO2émaisfortedoqueosvaloresdeéticaepreocupaçãocomacoletividade.Esse

resultadoindicaquequantomaiorapercepçãodosvaloresdeautonomiaebem­estar,menoroníveldeEO2.

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

AteoriadosvaloresdeSchwartz(2005b),alémdeorganizarosvaloresemumaestruturauniversal,emque

apresentaosprincípiosdecongruênciaeconflitosentrevalores,aindasugereoutroprincípioorganizador:as

relaçõesdevalorescomaansiedade.Osvaloresdepoder,conformidadeetradiçãoservemparaqueselide

comaansiedadederivadadaincertezadomundo(socialefísico).Aspessoastendemaevitarconflitos(com

conformidade)emanteraordematual(comtradição,segurança)oucontrolarativamenteasameaças(com

poder).Universalismo,benevolência,autodeterminação,estimulaçãoehedonismosãotiposmotivacionaisque

sesituamnotopodaestruturaeexpressammotivaçõeslivresdeansiedade.

Aamostradocontextopesquisadousufruideestabilidadefuncional.Essasituaçãopermiteaosprofessorescerta

autonomiaemsuasações.Aelevadapercepçãodevaloresdeautonomia,comosendoimportanteparaa

evitaçãodoestresse,podeestarassociadaànaturezadotrabalhodocente.Aatividadedoprofessorrequer

criatividade,curiosidade,especulação,inovação,aspectosfundamentaisnoatodeensinar,poisestimulao

desenvolvimentointelectualdaspessoas,podendotornaroaprendizadodosalunosmuitomaisprazeroso.

Assim,ateoriadosvalorese,maisespecificamente,osprincípiosorganizadoresdaestruturaembasamos

resultadosobtidos,umavezqueostiposmotivacionaisqueexpressamliberdadeforamosvalorespreditores

nessemodelo.Assim,pode­serelacionar:maisliberdadeeautonomia,menosestresse.

EstressoresnomodelodoEO2dizemrespeitoàascensãodacarreiraevalorizaçãodosprofessores.Osvalores

depreocupaçãocomacoletividadeapontamparaaimportânciadapromoçãodejustiçanotrabalho,alémdos

demaisaspectosmencionadosanteriormente.Nesseenfoque,supõe­sequeaspectosrelacionadosa

tratamentosbaseadosnaausênciadeequidadepossampromoverestresseocupacional.Osistemautilizado

pelasescolasestudadaspromovetodososdocentesdeformaigualitária.Asperspectivasdeascensãonoplano

decarreiraproporcionamigualdadededireitosparaostrabalhadoresqueapresentamdesempenhosdiferentes.

Porexemplo,seodocentedesempenharcomqualidadeinferiorsuasatividades,eleteráosmesmosdireitos

queaqueleprofessorqueteveumdesempenhoexcelente.Aascensãoprofissionalnãoficacomprometidapara

ninguém.Entretanto,éprecisoavaliarquecritériodejustiçaédesejadopelosprofessores,poiselespodem

preferirumsistemaequitativoenãodeigualdade.Tratamentosigualitáriospodemgerarsentimentosnegativos

dedesvalorizaçãoebaixaautoestimanaquelesqueseesforçammais.

Osvaloresdeautonomiaebem­estarestãoassociadosàsmetasdosvaloresorganizacionaisdeautonomia,

desafios,variedadenotrabalho,estímuloàcuriosidade,criatividadeeinovação,emconjuntocomapromoção

dasatisfaçãoedobem­estarecomaqualidadedevidanotrabalho.Sendoassim,realizaratividades

burocráticas,denaturezainferioràsuacapacidadeehabilidade,comtempoinsuficiente,faltadecomunicação

dagestãosuperior,faltadetreinamentoadequadocolidecomessesvalores.Afaltadeatençãodaorganização

nodesenhodasatividadesdoprofessorpodegerarelementosestressores.Essesvalorestambémapontampara

aimportânciadaautonomianareduçãodoestresse,aspectobastantetratadonaliteratura.

Schwartz(2005a),aofazerreferênciasobreavalidadeeaplicabilidadedateoriadosvalores,menciona

algumascircunstânciasdavidacomovariáveisqueinfluenciamasprioridadesaxiológicas.Essasvariáveis foraminvestigadaseapresentaramresultadosdiferenciados,sendodenominadasvariáveishistóricas­chave. Sãoelas:educação,idadeegênero.Aeducaçãoéumavariávelqueserelacionapositivamentecom autodeterminação.Quantomaioréaescolaridade,maisprovavelmenteseexperimentaliberdadedeação, demandasporpensamentosindependentes,questionamentodeverdadesaceitaseoencorajamentode flexibilidadeintelectual.Aeducaçãopermitedesenvolverconhecimentosehabilidadesquefortalecema confiançaeaeficáciadosindivíduosaolidarcomincertezas.Aeducaçãotambémsecorrelacionapositivamente comestimulação,possivelmenteporqueelatrabalhacomovalordeideiaseatividadesnovasenãorotineiras. Houvetambémcorrelaçãopositivacomhedonismo,provavelmenteporquepessoasmaisestudadastêmmais oportunidadedeseengajarematividadesquesatisfaçamseusdesejoseporquesentemmenos constrangimentosconvencionaisaofazê­lo.Nessaperspectiva,aeducaçãosecorrelacionoucompouca consistênciacompoder,benevolênciaeuniversalismo.Aanalogiadessespressupostoscomestapesquisaestá

nofatodequetodososprofessorespesquisadospossuemcursosuperior,e44%tambémpossuem

especialização.Assim,osresultadosapresentadospodemseassociaraosdadosdevalorespessoais,umavez

queessaspessoasdevemdesejarmaisosvaloresdeautonomiaebem­estar.Assim,aquelesquepercebem

queaorganizaçãoapresentamaisoportunidadesderealizaressesvalorestêmmenosestresse.

5CONCLUSÕES

Oobjetivoprincipaldestetrabalhoconsistiuemidentificaropoderpreditivodosvaloresorganizacionaissobreo

níveldeestresseocupacionalentredocentesdoensinomédio.Osresultadosdaamostrapesquisadaindicaram

queosvaloresorganizacionaistêmimpactonoestresseocupacional,eavariáveldependentefoianalisadasob

doisaspectos:estresseocupacionalrelativoàescolaeestresseocupacionalrelativoàinstituiçãodeeducação.

Conclui­seaindaqueocontextoorganizacional,avaliadopormeiodosvalores,épreditormaisrelevantedoque

asvariáveisdemográficas.

Verificou­seque,dentreasvariáveisindependentes,osvaloresorganizacionaisdeéticaepreocupaçãocoma

coletividadeeosdeautonomiaebem­estarconstituem­secomovalorespreditoresdoestresseocupacional

paraesteestudo,bemcomoasvariáveisdemográficas/funcionaisatividadefísicaelicençasmédicas.Os

resultadosobtidosestãorelacionadoscompesquisasanteriores,porém,esteestudoavançouaorelacionaros

valoresorganizacionais,comoaspectosdaculturaorganizacional.Sendoassim,osresultadosobtidostrazem

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

novasinformaçõesquepodemorientararealizaçãodepesquisasfuturaseintervençõesorganizacionaisno

contextoestudado.Noquedizrespeitoàorganizaçãopesquisada,umaculturaqueprivilegieaautonomiaea

preocupaçãocomacoletividadeimpactamdeformapositivaoníveldeestressedosseusprofissionaise

deveriamserfocodassuaspolíticas.

Considerandoqueaculturaorganizacionaltraduzopensamentodeseustrabalhadores,elatorna­sereferência paraapromoçãooufaltadesaúde.Aculturaécompostaporumintrincadomundocomplexodefatoresquea constituem,dentreeles,osvaloresorganizacionaisformamseunúcleocentral,poisreferem­seafenômenos

queorientamavidadaorganizaçãoeguiamocomportamentodosempregados(PAZ;TAMAYO,2004).Dessa

forma,acompreensãodoestresseocupacionalassociadoaosvaloresorganizacionaiscontribuiparaapromoção

deaçõesquepossibilitemamelhoriadasaúdedosempregados.

Osresultadosdestapesquisacontribuem,emparte,paraacompreensãodaetiologiadoestresseocupacional, apontando­ocomoumprocessomultidimensional,identificandofatoresqueseassociamaele,bemcomopara

corroborarolastrodeestudosdosvaloresorganizacionais,conformepropostadeOliveiraeTamayo(2004).

Apesardosresultadospositivos,cabesalientarqueasrelaçõesdessemodeloforammoderadas,sendo

necessáriosmodelosmaiscomplexosparacompreendermelhoroefeitodaculturasobreoestresse.

Estetrabalhotambémapresentoualgumaslimitações.Trêsprincipaispontospodemserdestacados.Oprimeiro refere­seaotamanhoextensodoquestionárioquereuniudoisinstrumentos(EEOeIPVO),adicionando­sedados

demográficosefuncionais,totalizando81itenspararespostas.Esseaspectofoisalientadoporvários

professoresepodeterinfluenciadonaqualidadedasrespostasrecebidas.Ooutropontodizrespeitoàbaixa quantidadedeparticipantesemalgumasescolas,oquepodeterprejudicadoarepresentatividadedos

resultados.Apesardisso,cabedestacaroméritodeestapesquisateralcançadoumpoderestatísticode0,99

(FAUL;ERDFELDER;LANG,2007),oqueindicahaverumachancebaixadecometeroerrotipoII.Umterceiro

pontodizrespeitoaométodoadotadodepesquisa.Abordagensmultimetodológicassãodesejáveisparauma

compreensãomaisaprofundadadosresultadosencontrados.Apesardetersidoabertoumespaçono

questionárioparaoprofessorsemanifestarquantoaaspectosestresssores,deixou­sedecaptarinformações

complementaresquepoderiamcontribuiraindamaisparaacompreensãodofenômenoinvestigado.

Osresultadosobtidoscorrespondemaumsetoreducacional,compostoporváriossubsetores(escolas pesquisadas).Estetrabalhoassumeotermo"organizações",poisadotaaabordagemconceitualdeSmirciche

Stubbart(1985apudBASTOSetal.,2004,p.66),queconsideram"organizaçõesumconjuntodepessoasque

compartilhamcrenças,valoresepressupostosqueosencorajamafazerinterpretaçõesmutuamentereforçadas

dosseusprópriosatosedosatosdeoutros".

Essaperspectivaconceitualépertinenteaqualquersistemadetrabalhoeconsideraapercepçãodosindivíduos sobreosaspectosorganizacionais,oqueencontrarespaldonospressupostosapresentadosporTamayoe

Borges(2006),queenfatizamofatodeaspessoasnãoperceberemdeformaigualaspráticasvivenciadas,

havendodiversidadenamaneiradecompreenderavidaorganizacional.

Éimportanteaindasalientaranecessidadedeserealizarempesquisasfuturasparainvestigarseosresultados

encontradosnestetrabalhorepetem­seemoutrasamostras.Porexemplo,investigarprofessoresdeoutras

etapasdeensino.

Porfim,apesardosavanços,umasériedeperguntasaindaficacomoumconviteaospesquisadoresnaárea.

Entreessasquestões,destacam­se:

Medidasdeestressequeconsideremestressoresorganizacionaisespecíficosdecadaáreaprofissional gerariamresultadosdiferentesemaisaprofundados? Acompatibilidadeentrevalorespessoaiseorganizacionaisaumentariaaprediçãodosvaloressobreo estresseocupacional? Dequeformaajustiçaorganizacionalimpactaoestresse? Aslicençasmédicaspodemsercompreendidascomoumaestratégiadeenfrentamentodoestresse? HaveriavaloresorganizacionaisnãoapreendidospeloIPVO?

AestruturadoIPVObaseadanateoriadeSchwartz(1992)seaplicaaoutrasorganizações?

REFERÊNCIAS

AGLE,B.R.;CALDWELL,C.B.Understandingresearchonvaluesinbusiness:alevelofanalysisframework.

Business&Society,Aiken,SouthCarolina,v.38,n.3,p.326­387,Sept./Nov.1999.

[Links]

AREIAS,M.E.Q.;GUIMARÃES,L.A.M.Gêneroeestresseemtrabalhadoresdeumauniversidadepúblicado

estadodeSãoPaulo.PsicologiaemEstudo,Maringá,v.9,n.2,p.255­262,maio/ago.2004.

[Links]

BASTOS,A.V.etal.Conceitoeperspectivasdeestudosdasorganizações.In:BASTOS,A.V.(Ed.).Psicologia,

organizaçõesetrabalhonoBrasil.PortoAlegre:Artmed,2004.

[Links]

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

BORG,I.;GROENEN,P.Modernmultidimensionalscaling:theoryandapplications.NewYork:Springer­Verlag,

1997.471p.

[Links]

BORGES,L.O.etal.Asíndromedeburnouteosvaloresorganizacionais:umestudocomparativoemhospitais

universitáriosdoRN.Psicologia:reflexãoecrítica,PortoAlegre,v.15,n.1,p.189­200,jan./mar.2002.

[Links]

CANNON,W.B.ThecasemethodofTeachingSystematicMedicine.BostonMedicalandSurgicalJournal,Boston,

v.142,p.31­36,jan.1900.

[Links]

CODO,W.Otrabalhoenlouquece?Umencontroentreaclínicaeotrabalho.Petrópolis:Vozes,2004.

[Links]

CODO,W.;SORATTO,L.;VASQUES­MENEZES,I.Saúdementaletrabalho.In:ZANELLI,J.C.;BORGES­

ANDRADE,J.E.;BASTOS,A.V.B.(Ed.).Psicologia,organizaçõesetrabalhonoBrasil.PortoAlegre:Artmed,

2004. [Links]

COELHO,C.L.M.Climaorganizacionalestressnumaempresadecomérciovarejista.rPOT,Florianópolis,v.4,

n.1,p.11­36,jan./jun.2004.

[Links]

COHEN,S.;KESSLER,R.C.;GORDON,L.U.Measuringstress.Oxford:OxfordUniversityPress,1995.

[Links]

COOPER,C.L.;DEWE,P.J.;O'DRISCOLL,M.P.Organizationalstress:areviewandcritiqueoftheory,research

andapplications.London:Sage,2001.

[Links]

COSTA,P.T.;MCCRAE,R.R.Sixapproachestotheexplicationoffacet­leveltraits:examplesfrom

conscientiousness.EuropeanJournalofPersonality,BognorRegis,UK,v.12,n.2,p.117­134,Mar./Apr.1998.

[Links]

DUTRA,L.H.A.EpistemologiadeClaudeBernard.Campinas:CLE/Unicamp,2001.

[Links]

ESTEVE,J.M.Omal­estardocente:asaladeaulaeasaúdedosprofessores.Bauru:Edusc,1999.

[Links]

FAUL,F.;ERDFELDER,E.;LANG,A.­G.G*Power3:aflexiblestatisticalpoweranalysisprogramforthesocial,

behavioral,andbiomedicalsciences.BehaviorResearchMethods,NotreDame,v.39,p.175­191,May/July

2007. [Links]

FRONE,M.R.Intoleranceofambiguityasmoderatoroftheoccupationalrolestress­strainrelationship:ameta­

analysis.Journaloforganizationalbehavior,BognorRegis,UK,v.11,p.309­320,1990.

[Links]

GONDIM,M.G.C.;TAMAYO,A.Escaladevaloresorganizacionais.RevistadeAdministraçãoContemporânea,

Curitiba,v.31,n.2,p.62­72,abr./jun.1996.

[Links]

JONES,F.;KINMAN,G.Approachestostudyingstress.In:JONES,F.;BRIGHT,J.(Ed.).Stress:myth,theoryand

research.London:PrenticeHall,2001.

[Links]

KABANOFF,B.;DALY,J.P.Espousedvaluesoforganisations.AustralianJournalofManagement,Sidney,v.27,

p.89­104,2002.

[Links]

KAHN,R.L.;BYOSIERE,P.Stressinorganizations.In:DUNNETE,M.D.;HOUGH,L.M.(Ed.).Handbookof

industrialandorganizationalpsychology.PaloAlto,CA:ConsultingPsychologistsPress,1992.v.3.

[Links]

KAPLAN,R.M.Qualityoflife,resourceallocationandtheU.S.health­carecrisis.In:DIMSDALE,J.E.;BAUM,A.

(Ed.).Qualityoflifeinbehavioralmedicineresearch.Hildsdale,NJ:LawrenceErlbaum,1995.

[Links]

KATZ,D.;KAHN,R.L.Psicologiasocialdasorganizações.SãoPaulo:Atlas,1978.

[Links]

KOSLOWSKY,M.Commutingstress:problemsofdefinitionandvariableidentification.AppliedPsychology:an

internationalreview,BognorRegis,UK,v.46,p.153­173,Apr./June1997.

[Links]

LAZARUS,R.S.;FOLKMAN,S.Stress.Appraisal,andcoping.NewYork:Springer,1984.

[Links]

LIMONGI­FRANÇA,A.C.;RODRIGUES,A.L.Stressetrabalho:umaabordagempsicossomática.3.ed.São

Paulo:Atlas,2002.

[Links]

LIPP,M.E.N.PesquisassobrestressnoBrasil.Campinas:Papirus,1997.

[Links]

LIPP,M.N.;TANGANELLI,M.S.StressequalidadedevidaemMagistradosdaJustiçadoTrabalho:diferenças

entrehomensemulheres.Psicologia:reflexãoecrítica,PortoAlegre,v.15,n.3,p.537­548,jul./ago.2000.

[Links]

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

MENDES,A.M.;CRUZ,R.M.Trabalhoesaúdenocontextoorganizacional:vicissitudesteóricas.In:TAMAYO,A.

(Ed.).Culturaesaúdenasorganizações.PortoAlegre:Artmed,2004.

[Links]

MURTA,S.G.;TROCCOLI,B.T.Avaliaçãodeintervençãoemestresseocupacional.Psicologia:teoriae

pesquisa,Brasília,v.20,n.1,p.39­47,jan./abr.2004.

[Links]

OLIVEIRA,A.F.;TAMAYO,A.Inventáriodeperfisdevaloresorganizacionais.RAC,Curitiba,v.39,n.2,p.129­

140,abr./jun.2004.

[Links]

O'REILLY,C.A.;CHATMAN,J.A.;CALDWELL,C.B.Peopleandorganizationalculture:aprofilecomparison

approachtoassessingperson­organizationfit.AcademyofManagementJournal,BriarcliffManor,NY,v.34,p.

487­516,July/Sept.1991.

[Links]

PASCHOAL,T.Impactodosvaloreslaboraisedainterferênciafamília­trabalhonoestresseocupacional.2003.

Dissertação(MestradoemPsicologia)–InstitutodePsicologia,UniversidadedeBrasília,Brasília,2003.

[Links]

PASCHOAL,T.;TAMAYO,A.Validaçãodaescaladeestressenotrabalho.EstudosdePsicologia,Natal,v.9,n.1,

p.45­52,jan./abr.2004.

[Links]

Impactodosvaloreslaboraisedainterferênciafamília:trabalhonoestresseocupacional.Psicologia:

teoriaepesquisa,Brasília,v.21,n.2,p.173­180,maio/ago.2005.

[Links]

PAZ,M.G.T.;TAMAYO,A.Perfilculturaldasorganizações.In:TAMAYO,A.(Ed.).Culturaesaúdenas

organizações.PortoAlegre:Artmed,2004.

[Links]

PEIRÓ,J.M.Organizaciones:nuevasperspectivaspsicosociológicas.Barcelona:PPU,1990.

[Links]

PINHEIRO,F.A.;GÜNTHER,I.A.Estresseocupacionaleindicadoresdesaúdeemgerentesdeumbancoestatal.

rPOT,Florianópolis,v.2,n.2,p.65­84,jul./dez.2002.

[Links]

PORTO,J.B.;TAMAYO,A.Valoresorganizacionaisecivismonasorganizações.RAC,Curitiba,v.9,n.1,p.35­

52,jan./mar.2005.

[Links]

QUINN,R.E.Beyondrationalmanagement:masteringtheparadoxesandcompetingdemandsofhigh

performance.SanFrancisco,CA:Jossey­Bass,1988.

[Links]

SCHWARTZ,S.H.Universalsinthecontentandstructureofvalues:theoreticaladvancesandempiricaltestsin

20countries.In:ZANNA,M.P.(Ed.).Advancesinexperimentalsocialpsychology.SanDiego:Academic,1992.

v.24.

[Links]

Atheoryofculturalvaluesandsomeimplicationsforwork.AppliedPsychology:aninternational

review,BognorRegis,UK,v.48,n.1,p.23­47,Jan./Mar.1999.

[Links]

Validadeeaplicabilidadedateoriadevalores.In:TAMAYO,A.;PORTO,J.B.(Ed.).Valorese

comportamentonasorganizações.Petrópolis:Vozes,2005a.

[Links]

Valoreshumanosbásicos:seucontextoeestruturaintercultural.In:TAMAYO,A.;PORTO,J.B.(Ed.).

Valoresecomportamentonasorganizações.RiodeJaneiro:Vozes,2005b.

SELYE,H.Thestressoflife.NewYork:McGraw­Hill,1956.

[Links]

[Links]

SPECTOR,P.E.;JEX,S.M.Developmentoffourself­reportmeasuresofjobsstressorsandstrain:interpersonal

conflictatworkscale,organizationalconstraintsscale,quantitativeworkloadinventory,andphysicalsymptoms

inventory.JournalofOrganizationalBehavior,BognorRegis,UK,v.16,p.59­35,Jan./Feb.1995.

[Links]

TAMAYO,A.Valoreseclimaorganizacional.In:PAZ,M.G.T.;TAMAYO,A.(Ed.).Escola,saúdeetrabalho:

estudospsicológicos.Brasília:EditoradaUnB,1999.

[Links]

Prioridadesaxiológicas,atividadefísicaeestresseocupacional.RAC,Curitiba,v.5,n.3,p.127­147,

jul./ago.2001.

[Links]

Impactodosvalorespessoaiseorganizacionaissobreocomprometimentoorgtanizacional.In:TAMAYO,

A.;PORTO,J.B.(Ed.).Valoresecomportamentonasorganizações.Petrópolis:Vozes,2005.

[Links]

TAMAYO,A.;BORGES,L.O.Valoresdotrabalhoevaloresdaorganização.In:ROS,M.;GOUVEIA,V.V.(Ed.).

Psicologiasocialdosvaloreshumanos.SãoPaulo:Senac,2006.

[Links]

TAMAYO,A.;LIMA,D.;SILVA,A.V.Impactodoclimaorganizacionalsobreoestressenotrabalho.In:

ENCONTROANUALDAASSOCIAÇÃONACIONALDEPÓS­GRADUAÇÃOEPESQUISAEMADMINISTRAÇÃO,26.,

2002,Salvador.Anais

Salvador:Anpad,2002.

[Links]

Climaorganizacionaleestressenotrabalho.In:TAMAYO,A.(Ed.).Culturaesaúdenasorganizações.

PortoAlegre:Artmed,2004.

[Links]

15/02/2017

Theimpactoforganizationalvaluesonoccupationalstress:astudywithsecondaryschoolteachers

TAMAYO,A.;MENDES,A.M.;PAZ,M.G.T.Inventáriodevaloresorganizacionais.EstudosdePsicologia,Natal,

v.5,n.2,p.289­315,maio/ago.2000.

[Links]

,Natal, v.5,n.2,p.289­315,maio/ago.2000. [ Links ]

Allthecontentsofthisjournal,exceptwhereotherwisenoted,islicensedunderaCreativeCommonsAttributionLicense

RuadaConsolação,896

EdifícioRev.ModestoCarvalhosa Térreo­CoordenaçãodaRAM

Consolação­SãoPaulo­SP­Brasil­cep01302­907

Consolação­SãoPaulo­SP­Brasil­cep01302­907 revista.adm@mackenzie.br