Sie sind auf Seite 1von 39

COLÉGIO POLITÉCNICO BENTO QUIRINO

ANATOMIA E FISIOLOGIA

Prof.ª VINICIUS MAZZO

 PERTES DO CORPO HUMANO


 TECIDOS DO CORPO HUMANO
 SISTEMAS DO CORPO HUMANO

BRUNA EPPRECHT FURLANETTO – 1º MEDC


SAMIR TANNURI CERVEIRA – 1º MEDC

CAMPINAS-SP / JUNHO DE 2018


1-DIFERENCIE AS PARTES DO CORPO HUMANO.
O corpo humano pode ser estudado em três partes distintas, para facilitar sua
compreensão, são elas: cabeça, tronco e membros.
Cada parte do corpo humano é formada por diversas estruturas e sistemas,
onde cada um tem sua função específica: sistema ósseo, muscular,
circulatório ou cardiovascular, digestório, nervoso, endócrino, imunitário ou
imunológico, respiratório, urinário e reprodutor.

Cabeça
A cabeça é formada pelo crânio e pela face. No interior do crânio encontra-
se o cérebro. Na face estão os olhos, o nariz, a orelha e a boca.
O cérebro é o órgão mais importante do sistema nervoso. É a sede dos atos
conscientes e inconscientes, da inteligência, da memória, do raciocínio e das
imaginações. Os olhos, o nariz, a orelha e a boca fazem parte dos órgãos dos
sentidos, responsáveis por levar informações ao cérebro.

Tronco
O tronco é formado pelo pescoço, a nuca, o tórax, o dorso, a região glútea, o
abdômen e o quadril. A maior parte dos órgãos que compõem o corpo
humano situa-se no tronco, entre eles a laringe, a glândula tireoide, o
coração, pulmões, fígado, pâncreas, estômago, intestino grosso e intestino
delgado. No tórax estão localizados o coração, que é um órgão muscular que
bombeia o sangue para as diversas partes do corpo, e os pulmões, órgão
esponjoso responsável por oxigenar o sangue.

2|Página
Membros
Os membros dividem-se em superiores e inferiores. Os membros superiores
são formados pelo ombros, braços, cotovelo, ante braços, pulso e mãos.
Os membros inferiores são formados pela pelves, coxas, joelhos, pernas,
tornozelos e pés. Os membros são responsáveis por toda a mobilidade do
corpo humano.

Membros Superiores
 Braços: O corpo humano é formado por dois braços (esquerdo e direito),
sendo o úmero o único osso presente nesses membros.
 Antebraços: Localizados entre os cotovelos e os punhos, os antebraços são
formados por dois ossos: rádio e a ulna (cúbito).
 Ombros: Os ombros, chamados também de cintura escapular, são formados
por dois ossos: a clavícula e a escápula.
 Mãos: O corpo humano é formado por duas mãos, constituídas de 5 dedos
cada. Assim, os ossos que compõem as mãos são: ossos do carpo (oito ossos),
ossos do metacarpo (cinco ossos) e ossos do dedo ou falange (três ossos).
Saiba mais sobre os ossos da mão.

Membros Inferiores
 Quadril: O quadril (pelve, bacia ou cintura pélvica) é a região de transição
entre a região do tronco e dos membros inferiores. É formado pelos ossos:
ílio, ísquio, sacro, púbis e nas mulheres essa região é mais larga a fim de
facilitar no parto.
 Coxas: As coxas estão localizadas acima dos joelhos e atuam na sustentação
do corpo. Elas são formadas pelo maior osso do corpo humano: o fêmur.
 Pernas: as pernas possuem a função de sustentação do corpo e estão
localizadas entre os joelhos e os tornozelos. Elas são formadas pelos ossos:
tíbia e fíbula.
 Pés: O corpo humano é composto por dois pés, sendo que cada um deles
possui 26 ossos, a saber: tarsos (07 ossos), metatarsos (05 ossos) e os ossos
dos pés ou falanges (14 ossos).

Curiosidades
Os membros inferiores são considerados maiores, mais fortes e mais
resistentes, na medida em que atuam na sustentação, locomoção e no

3|Página
equilíbrio do corpo. Os membros inferiores são formados por 30 ossos de
cada lado, os quais 26 estão localizadas em cada pé.

2-QUAIS SÃO OS TECIDOS DO CORPO HUMANO? E SUAS


FUNÇÕES?

O corpo humano é formado por 4 tipos de tecidos, a saber: tecido


epitelial, tecido conjuntivo (adiposo, cartilaginoso, ósseo e
sanguíneo), tecido muscular (liso, esquelético e cardíaco) e tecido nervoso.

Tecido Epitelial

As funções do tecido epitelial são de revestimento do corpo, sensibilidade e


secreção de substâncias. Para tanto, esse tipo de tecido é composto por um
agrupamento de células justapostas em diferentes formas: cilíndricas,
achatadas ou cúbicas. Curioso notar que nos tecidos epiteliais não há
4|Página
presença de vasos sanguíneos. Um exemplo notório de tecido epitelial é a
pele humana, formada pela epiderme (tecido epitelial) e a derme (tecido
conjuntivo).

Tecido Conjuntivo

O tecido conjuntivo possui as funções de sustentação, preenchimento e o


transporte de substâncias; suas fibras são formadas por dois tipos de
proteínas: colágeno e elastina.
De modo que suas células são bem diversificadas quanto à forma, tamanho
e funções, o tecido conjuntivo é dividido em:
 Tecido Adiposo: Composto de células adiposas que acumulam gordura
(adipócitos), esse tipo de tecido tem como principal função o isolamento
térmico do corpo, sendo assim, o maior depósito corporal de energia. A partir
disso, basta notar que uma pessoa magra sente mais frio que uma pessoa
gorda, uma vez que esta possui mais tecido adiposo que a outra (magra).
 Tecido Cartilaginoso: Possui consistência firme, contudo flexível; sua
função é de sustentação e revestimento, por exemplo, a orelha, o nariz,
a traqueia. Além disso, a cartilagem amortece o impacto dos movimentos na
coluna vertebral.
 Tecido Ósseo: Tecido rígido, rico em sais minerais, cálcio e colágeno o que
torna os ossos rígidos e resistentes. Além disso, é inervado e irrigado por
sangue, sendo sua principal função a sustentação do corpo, uma vez que
compõe o esqueleto humano.
 Tecido Sanguíneo: Formado por diversos tipos de células, esse tecido possui
as funções de defesa do organismo e transporte de nutrientes. Vale lembrar
que o sangue é um tecido líquido, composto
de hemácias, leucócitos, plaquetas e plasma.

5|Página
Tecido Muscular

O tecido muscular é formado por células alongadas e especializadas em


contração (proteínas contráteis: miosina e actina); apresentam grande
inervação e vascularização, e são divididos em:
1. Tecido muscular liso (não-estriado): Caracterizado por movimentos
involuntários, seu nome corresponde à ausência de estrias transversais, são
exemplos, o útero, a bexiga e o intestino.
2. Tecido muscular esquelético: Recebe esse nome, pois a maior parte desse
tecido está junto ao esqueleto; possui células longas, presença de estrias
transversais e movimentos voluntários.
3. Tecido muscular cardíaco: Encontrado no coração, esse tipo de tecido
possui movimento involuntários sendo formado por células longas e
cilíndricas além de possuir estrias transversais.
Tecido Nervoso

O tecido nervoso é formado principalmente por células nervosas


denominadas neurônios. Apresenta células longas e estreladas que possuem
a capacidade de transmitir impulsos nervosos. São exemplos os nervos,
o cérebro e a medula espinhal.

6|Página
3 - SISTEMAS QUE FORMAM O CORPO HUMANO:
O corpo humano tem por sua composição Sistemas de funcionamento
fisiológico, sendo estes:

Cada um sendo de fundamental importância para o funcionamento do


organismo. Todos de alguma forma se interagem entre si no organismo.

Sistema Cardiovascular
O sistema cardiovascular ou sistema circulatório humano é responsável pela
circulação do sangue, de modo a transportar os nutrientes e o oxigênio por
todo o corpo. O Sistema Cardiovascular é formado pelos vasos sanguíneos e
o coração.

7|Página
Vasos Sanguíneos
Os vasos sanguíneos constituem uma ampla rede de tubos por onde circula
o sangue, distribuídos por todo o corpo. Existem três tipos de vasos
sanguíneos: as artérias, as veias e os vasos capilares.
Artérias
As artérias são vasos do sistema cardiovascular, por onde passa o
sangue que sai do coração, sendo transportado para as outras partes
do corpo.A musculatura das artérias é espessa, formada de tecido
muscular bastante elástico. Permite, dessa maneira, que as paredes
se contraiam e relaxem a cada batimento cardíaco.
As artérias se ramificam pelo corpo e vão se tornando mais finas,
constituindo as arteríolas, que por sua vez se ramificam ainda mais
formando os capilares.
Veias
As veias são vasos do sistema cardiovascular que transportam o
sangue das diversas partes do corpo de volta para o coração. Sua
parede é mais fina que a das artérias e, portanto, o transporte do
sangue é mais lento. Assim, a pressão do sangue no interior das
veias é baixa, o que dificulta o seu retorno ao coração. A existência
de válvulas nesses vasos, faz com que o sangue se desloque sempre
em direção ao coração.
Importante destacar que a maior parte das veias (jugular, safena,
cerebral e diversas outras) transporta o sangue venoso, ou seja, rico em gás
carbônico. As veias pulmonares transportam o sangue arterial, oxigenado,
dos pulmões para o coração
Coração
O coração é um órgão do sistema cardiovascular que se localiza na caixa
torácica, entre os pulmões. Possui a função de bombear o sangue através dos
vasos sanguíneos para todo o corpo.
É oco e musculoso, envolvido por uma membrana denominada pericárdio, e
internamente as cavidades cardíacas são revestidas pela membrana chamada

8|Página
endocárdio. Suas paredes são constituídas por um músculo, o miocárdio,
sendo o responsável pelas contrações do coração.

O miocárdio apresenta internamente quatro cavidades: duas superiores


denominadas átrios (direito e esquerdo) e duas inferiores denominadas
ventrículos (direito e esquerdo). Os ventrículos possuem paredes mais
grossas que os átrios.
O átrio direito comunica-se com o ventrículo direito e o mesmo acontece do
lado esquerdo. No entanto, não há comunicação entre os dois átrios, nem
entre os dois ventrículos.

Sistema Respiratório
O sistema respiratório é o conjunto dos órgãos
responsáveis, basicamente, pela absorção do
oxigênio do ar pelo organismo e da eliminação do
gás carbônico retirado das células.
O sistema respiratório é formado pelas vias
respiratórias e pelos pulmões. Os órgãos que
compõem as vias respiratórias são: cavidades
nasais, faringe, laringe, traqueia e brônquios.

9|Página
Órgãos do Sistema Respiratório
Cavidades Nasais
Cavidades nasais são dois condutos paralelos revestidos de mucosa,
separados por um septo cartilaginoso, que começam nas narinas e terminam
na faringe.
No interior das cavidades nasais, existem pelos que atuam como filtro de ar,
retendo impurezas e germes, garantindo que o ar chegue limpo aos pulmões.
A membrana que reveste as cavidades nasais contém células produtoras de
muco que umidifica o ar. É rica em vasos sanguíneos que aquecem o ar que
entra no nariz.
Faringe
Faringe é um tubo que serve de passagem tanto para os alimentos quanto
para o ar, portanto, faz parte do sistema respiratório e do sistema digestório.
Em sua extremidade superior se comunica com as cavidades nasais e com a
boca, na extremidade inferior se comunica com a laringe e o esôfago. Suas
paredes são musculosas e revestidas de mucosa.
Laringe
Laringe é o órgão que liga a faringe à traqueia. Na parte superior da laringe,
está a epiglote, a válvula que se fecha durante a deglutição. A laringe é
também o órgão principal da fala. Nela estão localizadas as cordas vocais.
Traqueia
Traqueia é um tubo situado abaixo da laringe e formado por quinze a vinte
anéis cartilaginosos que a mantêm aberta. É revestida por uma membrana
mucosa, e nela o ar é aquecido, umidificado e filtrado.
Brônquios
Brônquios são duas ramificações da traqueia formadas também por anéis
cartilaginosos. Cada brônquio penetra em um dos pulmões e divide-se em
diversos ramos menores, que se distribuem por todo o órgão formando os
bronquíolos. Cada brônquio se ramifica subdividindo-se várias vezes,
formando a árvore brônquica.

10 | P á g i n a
Pulmões
O sistema respiratório é composto por dois pulmões, órgãos esponjosos,
situados na caixa torácica.
Cada pulmão é envolvido por uma membrana dupla, chamada pleura.
Internamente, cada pulmão apresenta cerca de 200 milhões de estruturas
muito pequenas, em forma de cacho de uva e que se enche de ar, chamados
de alvéolos pulmonares.

(Detalhes dos Brônquios, Bronquíolos e Alvéolos e das trocas gasosas.)

Cada alvéolo recebe ramificações de um bronquíolo. Nos alvéolos realizam-


se as trocas gasosas, denominada hematose, entre o ambiente (o ar) e o
organismo (através do sangue), graças às membranas muito finas que os
revestem e abriga inúmeros vasos sanguíneos bem finos, os capilares.

11 | P á g i n a
Sistema Digestório
O Sistema Digestório (antes Sistema Digestivo ou Aparelho Digestivo) é
formado por um conjunto de órgãos cuja função é transformar os alimentos,
por meio de processos mecânicos e químicos.

Componentes do Sistema Digestório


O Sistema Digestório (nova nomenclatura) divide-se em: Tubo
digestório (propriamente dito) e os Órgãos anexos.
O tubo digestório (antes conhecido por tubo digestivo) divide-se
em: alto, médio e baixo:
Tubo digestório alto: boca, faringe e esôfago.
Tubo digestório médio: estômago e intestino delgado (duodeno, jejuno e
íleo).

12 | P á g i n a
Tubo digestório baixo: intestino grosso (ceco, cólon ascendente, transverso,
descendente, a curva sigmoide e o reto).
Órgãos anexos: glândulas salivares, dentes, língua, pâncreas, fígado e
vesícula biliar.
Veja aqui como funciona a digestão.
Tubo Digestório Alto
Formado pela boca, faringe e esôfago.

Órgãos e
anexos do Trato Digestório Alto

BOCA
A boca é a porta de entrada dos alimentos no tubo digestivo. Corresponde a
uma cavidade forrada por mucosa, onde os alimentos são umidificados pela
saliva, produzida pelas glândulas salivares.
Com isso, durante a mastigação os alimentos passam primeiro pelo processo
da digestão mecânica, ação dos dentes e da língua. Posteriormente, passam
pela atividade enzimática da ptialina (amilase salivar). Sendo assim, na
rápida passagem dos alimentos pela boca, a ptialina começa a atuar sobre

13 | P á g i n a
o amido (encontrado na batata, farinha de trigo, arroz) transformando-o em
moléculas menores de maltose.
Leia mais sobre a Saliva.
FARINGE
A faringe é um tubo muscular membranoso, que se comunica com a boca,
através do istmo da garganta e na outra extremidade com o esôfago. Para
chegar ao esôfago, o alimento, depois de mastigado, percorre toda a faringe,
que é um canal comum, para o sistema digestório e o sistema respiratório.
No processo de deglutição, o palato mole é retraído para cima e a língua
empurra o alimento para dentro da faringe, que se contrai voluntariamente e
leva o alimento para o esôfago. Nesse momento a epiglote fecha o orifício
de comunicação com a laringe, impedindo a penetração do alimento nas vias
respiratórias.

ESÔFAGO
O esôfago é um conduto musculoso, controlado pelo sistema nervoso
autônomo. Assim, por meio de ondas de contrações, conhecidas
como peristaltismo ou movimentos peristálticos, o conduto musculoso vai
espremendo os alimentos e levando-os em direção ao estômago.
Tubo Digestório Médio
Formado pelo estômago e intestino delgado (duodeno, jejuno e íleo).

14 | P á g i n a
ESTÔMAGO

Anatomia de
Estômago Sadio e de Estômago com Úlcera
O estômago é uma grande bolsa que se localiza no abdômen, responsável
pela digestão das proteínas. A entrada do órgão recebe o nome de cárdia,
porque fica muito próxima ao coração, separada dele somente pelo
diafragma.
Possui uma pequena curvatura superior e uma grande curvatura inferior. A
parte mais dilatada recebe o nome de "região fúndica", enquanto a parte final,
uma região estreita, recebe o nome de "piloro".
O simples movimento de mastigação dos alimentos já ativa a produção
do ácido clorídrico no estômago. Contudo, é somente com a presença do
alimento, de natureza proteica, que se inicia a produção do suco gástrico.
Este suco é uma solução aquosa, composta de água, sais, enzimas e ácido
clorídrico.
A mucosa gástrica é recoberta por uma camada de muco, que a protege de
agressões do suco gástrico, que é bastante corrosivo. Por isso, quando ocorre
um desequilíbrio na proteção, o resultado é uma inflamação da mucosa
(gastrite) ou o surgimento de feridas (úlcera gástrica).
A pepsina é a enzima mais potente do suco gástrico sendo regulada pela ação
de um hormônio, a gastrina.
A gastrina é produzida no próprio estômago no momento que moléculas de
proteínas dos alimentos entram em contato com a parede do órgão. Assim, a
pepsina quebra as moléculas grandes de proteína e as transforma em
moléculas menores. Estas são as proteoses e peptonas.

15 | P á g i n a
Por fim, a digestão gástrica dura, em média, de duas a quatro horas. Nesse
processo o estômago sofre contrações que forçam o alimento contra o piloro,
que se abre e fecha, permitindo que, em pequenas porções, o quimo (massa
branca e espumosa), chegue ao intestino delgado.

INTESTINO DELGADO

Órgãos Anexos que participam do Processo Digestivo no Intestino


O intestino delgado é revestido por uma mucosa enrugada que apresenta
inúmeras projeções. Está localizado entre o estômago e o intestino grosso e
tem a função de segregar as várias enzimas digestivas. Isto dá origem a
moléculas pequenas e solúveis: a glicose, aminoácidos, glicerol, etc.
O intestino delgado está dividido em três porções: o duodeno, o jejuno e
o íleo.
Assim, o duodeno é a primeira porção do intestino delgado a receber o quimo
que vem do estômago, que ainda está muito ácido, sendo irritante à mucosa
duodenal.
Logo em seguida, o quimo é banhado pela bile. A bile é secretada pelo fígado
e armazenada na vesícula biliar, contendo bicarbonato de sódio e sais
biliares, que emulsificam os lipídios, fragmentando suas gotas em milhares
de micro gotículas.
Além disso, o quimo recebe também o suco pancreático, produzido no
pâncreas, contendo enzimas, água e grande quantidade de bicarbonato de
16 | P á g i n a
sódio, de maneira que favorece a neutralização do quimo. Assim, em pouco
tempo, a “papa” alimentar do duodeno, vai-se tornando alcalina e gerando
condições necessárias para ocorrer a digestão intra-intestinal.
Já o jejuno e o íleo é considerada a parte do intestino delgado onde o trânsito
do bolo alimentar é rápido, ficando a maior parte do tempo vazio, durante o
processo digestivo.
Por fim, ao longo do intestino delgado, depois que todos os nutrientes foram
absorvidos, sobra uma pasta grossa, com detritos não assimilados e com
bactérias, já fermentado, que segue para o intestino grosso.
Leia também sobre o Intestino Delgado.
Tubo Digestório Baixo
Formado pelo intestino grosso (ceco, cólon ascendente, transverso,
descendente, a curva sigmoide e o reto).

INTESTINO GROSSO

O intestino grosso mede cerca de 1,5 m de comprimento e 6 cm de diâmetro.


É local de absorção de água (tanto a ingerida quanto a das secreções
digestivas), de armazenamento e de eliminação dos resíduos digestivos. Está
dividido em três partes: o ceco, o cólon (que se subdivide em ascendente,
transverso, descendente e a curva sigmoide) e reto.
No ceco, a primeira porção do intestino grosso, os resíduos alimentares, já
constituindo o “bolo fecal”, passam ao cólon ascendente, depois ao
transverso e em seguida ao descendente. Nesta porção, o bolo fecal
permanece estagnado por muitas horas, preenchendo as porções da curva
sigmoide e do reto.
O reto é a parte final do intestino grosso, que
termina com o canal anal e o ânus, por onde são
eliminadas as fezes.
Para facilitar a passagem do bolo fecal, as
glândulas da mucosa do intestino grosso secretam
muco a fim de lubrificar o bolo fecal, facilitando
seu trânsito e sua eliminação.
Note que as fibras vegetais não são digeridas
nem absorvidas pelo sistema digestivo, passam
por todo tubo digestivo e formam uma
porcentagem significativa da massa fecal. Sendo
portanto importante incluir as fibras na
alimentação para auxiliar a formação das fezes.

17 | P á g i n a
Sistema Nervoso
O sistema nervoso representa uma rede de comunicações do organismo.
É formado por um conjunto de órgãos do corpo humano que possuem
a função de captar as mensagens, estímulos do ambiente, "interpretá-los" e
"arquivá-los".
Consequentemente, ele elabora respostas, as quais podem ser dadas na forma
de movimentos, sensações ou constatações.

Nervos que compõem o sistema nervoso


O Sistema Nervoso está dividido em duas partes fundamentais: sistema
nervoso centrale sistema nervoso periférico
Sistema Nervoso Central

18 | P á g i n a
O Sistema Nervoso Central é constituído pelo encéfalo e pela medula
espinhal, ambos envolvidos e protegidos por três membranas
denominadas meninges.
Encéfalo
O encéfalo, que pesa aproximadamente 1,5 quilo, está localizado na caixa
craniana e apresenta três órgãos principais: o cérebro, o cerebelo e o tronco
encefálico;
Cérebro
É o órgão mais importante do sistema nervoso. Considerado o órgão mais
volumoso, pois ocupa a maior parte do encéfalo, o cérebro está dividido em
duas partes simétricas: o hemisfério direito e o hemisfério esquerdo.
Assim, a camada mais externa do cérebro e cheia de reentrâncias, chama-
se córtex cerebral, o responsável pelo pensamento, visão, audição, tato,
paladar, fala, escrita, etc.
Ademais, é sede dos atos conscientes e inconscientes, da memória, do
raciocínio, da inteligência e da imaginação, e controla ainda, os movimentos
voluntários do corpo.
Cerebelo
Está situado na parte posterior e abaixo do cérebro, o cerebelo coordena os
movimentos precisos do corpo, além de manter o equilíbrio. Além disso,
regula o tônus muscular, ou seja, regula o grau de contração dos músculos
em repouso.
Tronco Encefálico
Localizado na parte inferior do encéfalo, o tronco encefálico conduz os
impulsos nervosos do cérebro para a medula espinhal e vice-versa.
Além disso, produz os estímulos nervosos que controlam as atividades vitais
como osmovimentos respiratórios, os batimentos cardíacos e os reflexos,
como a tosse, o espirro e a deglutição.
Medula Espinhal
A medula espinhal é um cordão de tecido nervoso situado dentro da coluna
vertebral. Na parte superior está conectada ao tronco encefálico.
Sua função é conduzir os impulsos nervosos do restante do corpo para o
cérebro e coordenar os atos involuntários (reflexos).

19 | P á g i n a
Sistema Nervoso Periférico
O sistema nervoso periférico é formado por nervos que se originam no
encéfalo e na medula espinhal.
Sua função é conectar o sistema nervoso central ao resto do corpo.
Importante destacar que existem dois tipos de nervos: os cranianos e os
raquidianos.
Nervos Cranianos: distribuem-se em 12 pares que saem do encéfalo, e sua
função é transmitir mensagens sensoriais ou motoras, especialmente para as
áreas da cabeça e do pescoço.
Nervos Raquidianos: são 31 pares de nervos que saem da medula espinhal.
São formados de neurônios sensoriais, que recebem estímulos do ambiente;
e neurônios motores que levam impulsos do sistema nervoso central para os
músculos ou para as glândulas.
De acordo com a sua atuação, o sistema nervoso periférico pode ser dividido
em sistema nervoso somático e sistema nervoso autônomo.
Sistema Nervoso Somático: regula as ações voluntárias, ou seja, que estão
sob o controle da nossa vontade bem como regula a musculatura esquelética
de todo o corpo.
Sistema Nervoso Autônomo: atua de modo integrado com o sistema nervoso
central e apresenta duas subdivisões: o sistema nervoso simpático, que
estimula o funcionamento dos órgãos, e o sistema nervoso parassimpático
que inibe o seu funcionamento.
De maneira geral, esses dois sistemas têm funções contrárias.Enquanto
o sistema nervoso simpático dilata a pupila e aumenta a frequência cardíaca,
o parassimpático, por sua vez, contrai a pupila e diminui os batimentos
cardíacos.
Enfim, a função do sistema nervoso autônomo é regular as funções
orgânicas, para que as condições internas do organismo se mantenham
constantes.

20 | P á g i n a
Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino é o conjunto de glândulas responsáveis pela produção
dos hormônios que são lançados no sangue e percorrem o corpo até chegar
aos órgãos-alvo sobre os quais atuam.
Junto com o sistema nervoso, o sistema endócrino coordena todas as funções
do nosso corpo. O hipotálamo, um grupo de células nervosas localizadas na
base do encéfalo, faz a integração entre esses dois sistemas.
Glândulas do Sistema Endócrino
As glândulas endócrinas estão localizadas em diferentes partes do
corpo: hipófise, tireoide e paratireoides, timo, suprarrenais, pâncreas e
as glândulas sexuais.

Hipófise
A hipófise está localizada no centro da cabeça, logo abaixo do cérebro.
Produz diversos hormônios, entre eles, o hormônio do crescimento.
É considerada a glândula mestre do nosso corpo, pois estimula o
funcionamento de outras glândulas, como a tireoide e as glândulas sexuais.
O excesso da produção desse hormônio causa o gigantismo (crescimento
exagerado) e a falta provoca o nanismo.

21 | P á g i n a
Outro hormônio produzido pela hipófise é o antidiurético (ADH), substância
que permite ao corpo economizar água na excreção (formação da urina).
Tireoide
A tireoide está localizada no pescoço, produz a tiroxina, hormônio que
controla a velocidade do metabolismo celular, na manutenção do peso e do
calor corporal, no crescimento e no ritmo cardíaco.
O hipertireoidismo, funcionamento exagerado da tireoide, acelera todo o
metabolismo: o coração bate mais rápido, a temperatura do corpo fica mais
alta do que o normal, a pessoa emagrece por gastar mais energia.
Esse quadro favorece o aparecimento de doenças cardíacas e vasculares, pois
o sangue circula com mais pressão. Se não tratada pode provocar o
surgimento do bócio (inchaço no pescoço), e também a exoftalmia (olhos
saltados).
O hipotireoidismo é quando a tireoide trabalha menos e produz menos
tiroxina. Assim, o metabolismo se torna mais lento, algumas regiões do
corpo ficam inchadas, o coração bate mais vagarosamente, o sangue circula
mais lentamente, a pessoa gasta menos energia, tende a engordar e as
respostas físicas e mentais tornam-se mais lentas e se não tratada pode
ocorrer o bócio.
Paratireoides
As paratireoides são quatro pequenas glândulas, localizadas atrás da tireoide,
que produzem o paratormônio, hormônio que regula a quantidade de cálcio
e fósforo no sangue.
A diminuição desse hormônio reduz a quantidade de cálcio no sangue e faz
com que os músculos se contraiam violentamente.
Esse sintoma é chamado de tetania, pois é semelhante ao que ocorre em
pessoas com tétano. Por sua vez, o aumento da produção desse hormônio,
transfere parte do cálcio para o sangue, de modo que enfraquece os ossos,
tornando-os quebradiços.
Timo
O timo está situado entre os pulmões. Produz um hormônio que atua na
defesa do organismo do recém-nascido contra infecções.

22 | P á g i n a
Nessa fase, apresenta um volume acentuado, crescendo normalmente até a
adolescência, quando começa a atrofiar. Na idade adulta diminui de
tamanho, pois tem suas funções reduzidas.
Suprarrenais
As glândulas suprarrenais situam-se acima dos rins e produzem a adrenalina,
hormônio que prepara o corpo para a ação. Os efeitos da adrenalina no
organismo são:
Taquicardia: o coração dispara e impulsiona mais sangue para as pernas e
braços, aumentando a capacidade de correr ou de se exaltar em situações
tensas;
Aumento da frequência respiratória e da taxa de glicose no sangue, liberando
mais energia para as células;
Contração dos vasos sanguíneos da pele, de modo que o organismo envia
mais sangue para os músculos esqueléticos e, por isso, ficamos “pálidos de
susto” e também “gelados de medo”.
Pâncreas
O pâncreas é uma glândula mista pois além de hormônios (insulina e o
glucagon) produz também o suco pancreático, que é lançado no intestino
delgado e desempenha importante papel na digestão.
A insulina controla a entrada da glicose nas células (onde será utilizada na
liberação de energia) e o armazenamento no fígado, na forma de glicogênio.
A falta ou a baixa produção de insulina provoca o diabetes, doença
caracterizada pelo excesso de glicose no sangue (hiperglicemia).
O glucagon funciona de maneira oposta à insulina. Quando o organismo fica
muitas horas sem se alimentar, a taxa de açúcar no sangue cai muito e a
pessoa pode ter hipoglicemia, que gera a sensação de fraqueza, tontura,
levando, em muitos caso, ao desmaio.
Nesse caso o pâncreas produz o glucagon, que age no fígado, estimulando a
"quebra" do glicogênio em moléculas de glicose. Por fim, a glicose é enviada
para o sangue normalizando a hipoglicemia.
Glândulas sexuais
As glândulas sexuais são os ovários e os testículos, que fazem parte
do sistema reprodutor feminino e do sistema reprodutor
masculino respectivamente.
23 | P á g i n a
Os ovários e os testículos são estimulados por hormônios produzidos
pela hipófise. Assim, enquanto os ovários produzem o estrogênio e
a progesterona, os testículos produzem diversos hormônios, entre eles
a testosterona, responsável pelo aparecimento das características sexuais
secundárias masculinas: barba, voz grave, ombros volumosos etc.

Sistema Urinário
O Sistema Urinário ou Aparelho Urinário é responsável pela produção e
eliminação da urina, possui a função de filtrar as "impurezas" do sangue que
circula no organismo.
O Sistema Urinário é composto por dois rins e pelas vias urinárias, formada
por dois ureteres, a bexiga urinária e a uretra.
Rins
Os rins são órgãos que se situam na parte posterior da cavidade abdominal,
localizados um em cada lado da coluna vertebral. São de cor vermelho -
escuro e têm o formato semelhante ao de um grão de feijão e do tamanho
aproximado de uma mão fechada.
Os rins se ligam ao sistema circulatório através da artéria renal e da veia
renal, e com as vias urinárias pelos ureteres. As artérias renais são
ramificações muito finas que formam pequenos emaranhados
chamados glomérulos. Cada glomérulo é envolvido por uma estrutura
arredondada, chamada cápsula glomerular ou cápsula de Bowman.
Detalhe de um Rim, mostrando em detalhe o Néfron.
Por conseguinte, a unidade básica de filtragem do sangue é chamada néfron,
que é formada pelos glomérulos,
pela cápsula glomerular e pelo
túbulo renal.
Forçado pela pressão sanguínea,
parte do plasma (água e partículas
pequenas nela dissolvidas, como
sais minerais, ureia, ácido úrico,
glicose) sai dos capilares que
formam os glomérulos e cai na
cápsula glomerular. Em seguida
passa para o túbulo renal.

24 | P á g i n a
Substâncias úteis como água, glicose e sais minerais, contidas nesse líquido,
atravessam a parede do túbulo renal e retornam à circulação sanguínea.
Assim, o que resta nos túbulos é uma pequena quantidade de água e resíduos,
como a ureia, ácido úrico e amônia: é a urina, que segue para as vias
urinárias. Observe no esquema a seguir as fases de formação da urina dentro
no néfron.

Vias Urinárias
As vias urinárias são formadas por bexiga, ureteres e uretra.

Bexiga Urinária
Órgão muscular elástico, uma espécie de bolsa, que está situada na parte
inferior do abdome com a função de acumular a urina que chega dos ureteres.
Portanto, a bexiga recebe e armazena temporariamente a urina e quando o
25 | P á g i n a
volume chega a mais ou menos 300 ml, os sensores nervosos da parede da
bexiga enviam mensagens ao sistema nervoso, fazendo com que tenhamos
vontade de urinar.
Na parte inferior da bexiga, encontra-se um esfíncter - músculo circular que
fecha a uretra e controla a micção. Quando a bexiga está cheia o esfíncter se
contrai, empurrando a urina em direção a uretra, de onde então é lançada
para fora do corpo. A capacidade máxima de urina na bexiga é de
aproximadamente 1 litro.
Ureteres
São dois tubos de aproximadamente 20 cm de comprimento cada, que
conduz a urina dos rins para a bexiga.
Uretra
Tubo muscular, que conduz a urina da bexiga para fora do corpo. A uretra
feminina mede cerca de 5 cm de comprimento e transporta somente a urina.
A uretra masculina mede cerca de 20 cm e transporta a urina para fora do
corpo, e também o esperma.
Sistema Urinário Masculino

Anatomia Masculina
mostrando os órgãos do sistema urinário e reprodutivo.
O sistema urinário masculino, difere do feminino na medida em que a uretra,
canal que conduz a urina da bexiga para o exterior, também é utilizado para
liberação do esperma no ato da ejaculação. Dividida em três partes:
prostática, cavernosa e membranosa, a uretra masculina mede
26 | P á g i n a
aproximadamente 20 cm e estende-se do orifício uretral interno na bexiga
urinária até o orifício uretral externa na extremidade do pênis.
Sistema Urinário Feminino

Anatomia
feminina mostrando órgãos do sistema urinário e reprodutivo.
O canal da uretra no sistema urinário feminino, que estende-se da bexiga ao
orifício externo no vestíbulo, é bem menor que o masculino, medindo
aproximadamente 5 cm. Essa característica da anatomia feminina, canal da
uretra curto, facilita a ocorrência de infecções urinárias nas mulheres.

Sistema Esquelético
O sistema esquelético é constituído de ossos e cartilagens, além dos
ligamentos e tendões. O esqueleto sustenta e dá forma ao corpo, além
de proteger os órgãos internos e atua em conjunto com os sistemas muscular
e articular para permitir o movimento. Outras funções são a produção de
células sanguíneas na medula óssea e armazenamento de sais minerais, como
o cálcio. O osso é uma estrutura viva, muito resistente e dinâmica pois tem a
capacidade de se regenerar quando sofre uma fratura.
Se quiser leia também: sistema muscular.

Estrutura dos Ossos


A estrutura óssea é constituída de diversos tipos de tecido conjuntivo (denso,
ósseo, adiposo, cartilaginoso e sanguíneo) e de tecido nervoso.
Tecido ósseo
27 | P á g i n a
Os ossos longos são formados de camadas, a
saber:
 Periósteo: a mais externa, é uma membrana fina
e fibrosa (tecido conjuntivo denso) que envolve
o osso, exceto nas regiões de articulação
(epífises). É no periósteo que se inserem os
músculos e tendões.
 Osso compacto: O tecido ósseo compacto é composto de cálcio, fósforo e
fibras de colágeno que lhe dão resistência. É a parte mais rígida do osso,
formada por pequenos canais que circulam nervos e vasos, entre estes
canais estão espaços onde se encontram os osteócitos.
 Osso esponjoso: o tecido
ósseo esponjoso é uma
camada menos densa. Em
alguns ossos apenas essa
estrutura está presente e pode
conter medula óssea.
 Canal medular: é a cavidade
onde se encontra a medula
óssea, geralmente presente
nos ossos longos.
 Medula óssea: A medula
vermelha (tecido sanguíneo)
produz células sanguíneas,
mas em alguns ossos deixa de
existir e há somente medula
amarela (tecido adiposo) que
armazena gordura.
Estrutura de um osso longo
Veja um resumo sobre
os ossos e o esqueleto.
O esqueleto humano é
composto por 206 ossos com
diferentes tamanhos e formas,
podem ser longos, curtos,
planos, suturais, sesamoides
ou irregulares. Pode ser
dividido em esqueleto axial e
apendicular.

28 | P á g i n a
Principais ossos do esqueleto humano
Esqueleto Axial

Os ossos do esqueleto axial estão na parte central do corpo, ou próximo da


linha média, que é o eixo vertical do corpo. Compõem essa parte do
esqueleto: a cabeça (crânio e ossos da face), a coluna vertebral e as vértebras,
o tórax (costelas e esterno) e o osso hioide.

Crânio e Ossos da Face


A cabeça é formada por 22 ossos (14 da face e 8 da caixa craniana) e há ainda
6 ossos que compõem o ouvido interno. O crânio é extremamente resistente,
seus ossos intimamente ligados e sem movimentos. Protege o cérebro e
contém os órgãos do sentido.

Coluna Vertebral
A coluna é formada por vértebras ligadas entre si por articulações, o que
torna a coluna bem flexível. Possui curvaturas que ajudam a equilibrar o
29 | P á g i n a
corpo e amortecem os choques durante os movimentos. É constituída por 24
vértebras independentes e 9 que estão fundidas.
 Cervicais: são 7 as vértebras do pescoço, sendo que a primeira (atlas) e a
segunda (áxis) favorecem os movimentos do crânio;
 Torácicas ou dorsais: são 12 e articulam-se com as costelas;
 Lombares: essas 5 vértebras são as maiores e que suportam mais peso;
 Sacro: essas 5 vértebras são chamadas sacrais, estão separadas no
nascimento e fundem-se mais tarde formando um só osso. É um importante
ponto de apoio para a cintura pélvica.
 Cóccix: são 4 pequenas vértebras coccígeas que, como as sacrais, se tornam
unidas em um osso único no início da idade adulta.

Tórax
Constituído por 12 pares de costelas ligadas umas às outras pelos músculos
intercostais. São ossos chatos e encurvados que se movimentam durante a
respiração. As costelas são ligadas às vértebras torácicas na sua parte
posterior. Anteriormente, os sete primeiros pares de costelas (chamadas
verdadeiras) ligam-se ao esterno, os três seguintes (falsas) ligam-se entre si
e os dois últimos pares (flutuantes) não se ligam a nenhum osso. O esterno é
um osso plano que se liga às costelas por meio de cartilagem.

Osso hioide
É um osso em forma de U que atua como ponto de apoio para os músculos
da língua e do pescoço.

Esqueleto Apendicular
O esqueleto apendicular inclui os "apêndices" do corpo; são os ossos dos
membros superiores e inferiores e ossos que os ligam ao esqueleto axial, as
chamadas cinturas escapular e pélvica, além de ligamentos, juntas e
articulações.

Cintura Escapular
É formada pelas clavículas e escápulas. A clavícula é longa e estreita, se
articula com o esterno e na outra extremidade com a escápula, que é um osso
chato e triangular articulado com o úmero (articulação do ombro).
Para saber mais: articulações

Membros Superiores
O úmero é o osso mais longo do braço, articula-se com o rádio, que é o mais
curto e lateral, e também com a ulna, osso chato e bem fino. Os ossos da
mão são 27, divididos em carpos(8), metacarpos(5) e falanges (14).

30 | P á g i n a
Cintura Pélvica
É formada pelos ossos do quadril, os ossos ilíacos (constituído pelo ílio,
ísquio e púbis fundidos) e são firmemente ligados ao sacro. A união dos
ossos ilíacos, do sacro e do cóccix formam a pelve, que nas mulheres é mais
larga, menos profunda e com a cavidade maior; isso permite a sua abertura
no momento do parto para a passagem do bebê.

Membros Inferiores
São os ossos responsáveis pela sustentação do corpo e movimentação, para
isso têm de suportar o peso e manter o equilíbrio. O fêmur é o mais longo
osso do corpo, tem a cabeça arrendondada para encaixar na pelve. A patela é
um osso sesamoide, articulado com o fêmur. A tíbia suporta quase todo o
peso na parte inferior do corpo. A fíbula é um osso mais fraco, ligado com a
tíbia ajuda a mover o pé. Os pés têm 26 ossos divididos
em: tarsos (7), metatarsos (5) e falanges(14).

Ossificação e Remodelação Óssea


O processo de formação óssea se inicia por volta das primeiras 6 semanas de
vida e termina no início da vida adulta. No entanto o osso sofre
continuamente um processo de remodelação, em que parte do tecido
existente é reabsorvido e novo tecido é formado.
No embrião o esqueleto é basicamente formado de cartilagem, mas essa
matriz cartilaginosa vai sendo calcificada e as células cartilaginosas morrem.
Células jovens denominadas osteoblastos agem produzindo colágeno e na
mineralização da matriz óssea, são formadas no tecido conjuntivo e ocupam
a matriz cartilaginosa. No entanto, nesse processo são produzidas lacunas e
pequenos canais, que aprisionam os osteoblastos na matriz óssea,
transformando-os em osteócitos, são essas células que estão presentes no
osso já formado. Outro tipo de células ósseas, os osteoclastos, são
responsáveis por absorver o tecido ósseo formado. Os osteoclastos agem na
porção central da matriz óssea e formam o canal o medular.
Se quiser leia também o artigo: cartilagem

Fraturas
Em situações em que os ossos são submetidos à pressão maior do que a sua
resistência podem se romper. As fraturas podem acontecer também por
estresse, quando pequenas pressões atuam repetidamente no local, ou ainda
por doença por exemplo a osteoporose, condição em que o osso sofre
desmineralização perdendo cálcio para o sangue.

31 | P á g i n a
Na superfície do local em que ocorreu a fratura é formado um coágulo de
sangue, morrem células e a matriz óssea é destruída. Uma intensa
vascularização toma conta do local e há proliferação de células precursoras
das células ósseas originando um tecido reparador, nessa região é formado
um calo ósseo. Dependendo do tratamento e das atividades realizadas pela
pessoa, com o passar do tempo o calo será substituído pelo osso esponjoso e
mais tarde pelo osso compacto reconstituindo o tecido como era antes.

Sistema Muscular
O sistema muscular é composto pelos diversos músculos do corpo humano.
Note que os músculos são tecidos, cujas células ou fibras musculares
possuem a propriedade de contratilidade e de produção de movimentos. As
fibras musculares são controladas pelo sistema nervoso, encarregado de
receber a informação e respondê-la.

32 | P á g i n a
Tipos de Músculos
Os músculos apresentam diferentes tamanhos, formas e funções, por isso,
são classificados em três tipos:

33 | P á g i n a
Músculo Liso ou Não estriado: músculos de contração involuntária,
localizados nas estruturas ocas do corpo, ou seja, estômago, bexiga, útero,
intestino, além da pele e dos vasos sanguíneos. Assim, sua função assegura
a movimentação dos órgãos internos.
Músculo Estriado Cardíaco: músculos de contração involuntária, presentes
no coração (miocárdio). Esses músculos asseguram os vigorosos batimentos
cardíacos.
Músculo Estriado Esquelético: músculos de contração voluntária, ou seja, os
movimentos são controlados pela vontade do ser humano. São conectados
com os ossos e cartilagens e, através das contrações, permitem os
movimentos, as posições corporais, além de estabilizarem as articulações do
organismo.
Grupos Musculares
O corpo humano é formado por aproximadamente 600 músculos, que
trabalham em conjunto com ossos, articulações, e tendões para permitir que
façamos diversos movimentos. São agrupados nos seguintes grupos
musculares:
34 | P á g i n a
Músculos da Cabeça e do Pescoço

Contem mais de 30 pequenos músculos que ajudam a exprimir os


sentimentos, mover os maxilares ou manter a cabeça erguida. Por exemplo:
para enrugar a testa usamos o frontal, para mastigar ou morder são
os masseteres que movimentam as mandíbulas. Já
o esternocleidomastoideo é que faz a cabeça girar ou se inclinar para frente
e para trás.
Músculos do Tórax e do Abdômen
Esses músculos permitem a respiração, impedem o corpo de se curvar e ceder
ao próprio peso, entre outros movimentos. Para fazer levantamento de peso,
por exemplo: a pessoa precisa usar os músculos peitorais e os deltoides. Os
músculos intercostais funcionam em conjunto com o diafragma para levarem
o ar até os pulmões.

35 | P á g i n a
Músculos dos Membros Superiores
São músculos capazes de fazer a pressão exata e permitem flexibilidade e
precisão para tarefas delicadas ou que exigem muita força. O bíceps ligado
aos ossos omoplata e rádio, ao se contrair faz o braço se dobrar. O polegar é
a parte mais móvel da mão, para o mover são necessários músculos do
antebraço e da mão, como o oponente do polegar, o curto flexor (flete) e
o curto adutor (move para fora).

Músculos dos Membros Inferiores


Esses são os músculos mais fortes do corpo, graças aos músculos das pernas
podemos ficar de pé e manter o equilíbrio. O costureiro (ou sartório) é o mais
longo músculo do corpo, ao se contrair dobra a perna e gira o quadril, é o
músculo das costureiras, por isso o nome. Os flexores dorsais do pé fazem
os dedos levantarem. O tendão de Aquiles é o tendão mais forte do corpo,
inserido no osso calcâneo, está ligado aos músculos flexores plantares (o
sóleo, o plantar delgado e o gastrocnêmio); é responsável pelo movimento
das bailarinas de ficar na ponta dos pés.
Funções do Sistema Muscular
Estabilidade corporal
Produção de movimentos
Aquecimento do corpo (manutenção da temperatura corporal)
Preenchimento do corpo (sustentação)
Auxílio nos fluxos sanguíneos
36 | P á g i n a
Sistema Linfático
O sistema linfático é o principal sistema de defesa do organismo, constituído
pelos nódulos linfáticos (linfonodos), ou seja, uma rede complexa de vasos,
responsável por transportar a linfa dos tecidos para o sistema circulatório.
Além disso, o sistema linfático possui outras funções, a saber: proteção de
células imunes (atua junto ao sistema imunológico), absorção dos ácidos
graxos e equilíbrio dos fluidos (líquidos) nos tecidos.

Componentes do Sistema Linfático


Linfonodos (gânglios linfáticos): Chamados de nódulos linfáticos, os
linfonodos são pequenos órgãos (com até 2 cm) presentes no pescoço, no
tórax, no abdômen, na axila e na virilha. Formados por tecido linfoide e
distribuídos pelo corpo, os linfonodos são responsáveis por filtrarem a linfa
37 | P á g i n a
antes dela retornar ao sangue, além de atuarem na defesa do organismo,
impedindo a permanência de partículas estranhas no corpo.
Linfa: a linfa é um líquido transparente e alcalino semelhante ao sangue, que
circula pelos vasos linfáticos, todavia não possui hemácias e, por isso,
apresenta um aspecto esbranquiçado e leitoso. Responsável pela eliminação
das impurezas, a linfa é produzida pelo intestino delgado e fígado, sendo
transportada pelos vasos linfáticos num único sentido (unidirecional),
filtrada pelos linfonodos e lançada no sangue.
Vasos Linfáticos: Os vasos linfáticos são canais, distribuídos pelo
organismo, os quais possuem válvulas que transportam a linfa na corrente
sanguínea num único sentido, impedindo assim o refluxo. Atuam no sistema
de defesa do organismo visto que retiram células mortas do organismo e
transportam os linfócitos (glóbulos brancos) que combatem as infecções no
organismo.
Baço: Maior dos órgão linfáticos, o baço é um órgão de ovalado, localizado
abaixo do diafragma e atrás do estômago. Ele é responsável pela defesa do
organismo, na medida em que suas funções são: produção de anticorpos
(linfócitos T e B) e hemácias (hematopoiese), armazenamento de sangue e
liberação de hormônios.
Timo: órgão localizado na cavidade torácica, próximo do coração. Além de
produzir as substâncias como a timosina e a timina, o timo produz anticorpos
(linfócito T), atuando, dessa maneira, na defesa do organismo. Curioso notar
que o timo é um órgão que ao longo da vida diminui de tamanho.
Tonsilas Palatinas: Popularmente, esses dois órgãos localizados na garganta,
são conhecidos como amídalas ou amígdalas palatinas responsáveis pela
seleção dos microrganismos que penetram no corpo, principalmente pela
boca. Nesse caso, auxiliam no processo de defesa do organismo visto que
produzem linfócitos.
Algumas Doenças do Sistema Linfático
Elefantíase: A filaríase ou filariose é conhecida como “doença tropical
infecciosa” e corresponde à inflamação dos vasos linfáticos transmitida por
inseto (mosquito culex). Seu nome está associado com a retenção de líquido
ou o inchaço dos membros, fazendo com que as pernas dos doentes tenham
aspecto de elefante.
Linfedema: caracterizada pela inflamação e obstrução dos vasos linfáticos, a
linfedema leva ao inchaço excessivo dos membros.

38 | P á g i n a
Curiosidades
Outras doenças associadas ao sistema linfático são a celulite (acúmulo de
gordura), amenizada com o tratamento da drenagem linfática; a íngua
(inchaço dos gânglios linfáticos) e alguns tipos de câncer (linfoma), por
exemplo o câncer de mama.
No corpo humano, a linfa é mais abundante do que o sangue.

39 | P á g i n a