Sie sind auf Seite 1von 141

Ficha Técnica

Ascensão de um Bilionário
Ruth Cardello

Direitos de autor Ruth Cardello 2012

Todos os direitos reservados

Este livro ou parte dele não pode ser reproduzido ou utilizado de qualquer forma sem a
permissão expressa por escrito do proprietário dos direitos autorais, exceto para o uso de
breves citações em uma resenha do livro.

Esta é uma obra de ficção. Qualquer semelhança com pessoas reais, lugares, eventos,
estabelecimentos comerciais ou lugares é mera coincidência.

website: RuthCardello.com
e-mail: Minouri@aol.com
FB: Autor Ruth Cardello
Twitter: @ RuthieCardello
Sou muito grata a todos que fazia parte do processo de criação de Rise of the Billionaire.
Obrigado a:
Calista Taylor para desenhar as capas para a minha série.
Meus muitos pacientes leitores betas: Karen Lawson, Heather Bell, Marion Archer, Yeu
Kue, e Kathy Dubois-que ler várias versões dos mesmos capítulos até que eu senti que eles
estavam certos.
Meus editores: Karen Lawson, Janet Hitchcock, e Nina Pearlman.
Melanie Hanna, por me ajudar a organizar o lado comercial da publicação.
Brendan Hanna e Tony Archer, para ajudar com a linguagem do computador de Jeremy.
Tory Alyson McCord, por me ajudar a escolher um estilo de terno para Jeremy.
Meus Roadies, cuja bondade e apoio, muitas vezes trazer para fora meu lado sloppily
grato e às vezes lágrimas.
E, finalmente, aos meus leitores: Há dois anos, quando o meu trabalho de ensino foi
novamente cortado por causa de questões de orçamento, eu estava com medo. Desde então,
a publicação de meus romances não só tem me dado mais tempo com meus filhos, mas
também me deu um meio mais estável para sustentar minha família. Eu não posso
agradecer o suficiente.
Ah, e por último, mas não menos importante. . .
Obrigado ao meu marido, Tony, que ouve a história tantas vezes ele sonha com os
personagens. Eu te amo, querida.
Epílogo

Sonhando com Alethea deram a Jeremy Kater a força para sobreviver a uma infância
difícil. Agora que ele tem amigos influentes que lhe devem a alguns grandes favores, ele
está determinado a se tornar o tipo de homem Alethea estaria interessado em: rico e
perigoso. Jeisa Borreto foi contratado para ajudar a Jeremy se transformar em que o
homem. É um trabalho que ela iria gostar, se não fosse rasgar seu coração em pedaços.

Como ela pode ajudá-lo a mudar, uma vez que ela percebeu que ela caiu no amor com o
homem que ele sempre foi?

Dica: dormir com ele não ajuda.


Epílogo .

Antes de sair de casa dos Andrades, Lil entrou no corredor para ligar para sua melhor
amiga. Alethea tinha mandado uma mensagem para ela de manhã cedo, mas com tudo o
que tinha acontecido, ela não tinha tido tempo para fazer mais do que responder que ela
ligaria para ela mais tarde. Não poderia ter sido um dia fácil para Al sabendo que Lil estava
em outra função da família onde ela não era bem vinda. Ainda assim, Alethea tinha enviado
uma bela babá eletrônica de ursinho de pelúcia que Abby tinha graciosamente aberto e
certamente enviado um cartão de agradecimento.
Levaria tempo, mas os rachas entre Abby e Alethea poderiam ser consertados. Lil estava
certa disso.
- Al?
Sua amiga parecia aliviada ao ouvi-la - Lil, eu estou feliz que você ligou. Eu percebi que
você pode estar muito ocupado hoje.
Lil sorriu tristemente. Ele quebrou o coração dela que duas das mulheres que ela mais
amava no mundo não podiam estar na mesma sala - Eu sempre vou ter tempo para você.
Abby gostou do seu presente.
- Eu estou contente.
Lil não gosta do tom de voz da amiga. Ela sabia muito bem - Seu texto é vago nesta
manhã. Está tudo bem?
- Lil, eu tenho que te contar uma coisa, mas eu não quero que você fique chateado.
Lil sentiu o aumento da pressão sanguínea - Então diga isso rápido.
- É apenas um sentimento que eu tenho.
Lil balançou a cabeça com veemência - Não, Al. Não faça isso. Você já está na lista
negra de todos aqui. Jake e eu estamos planejando nosso casamento para o início de maio e
você me prometeu que ia tentar obter junto com Abby até então. Ela vai ser minha dama de
honra. Como é que você vai ser uma das minhas damas de honra se vocês dois não estão
falando? Estou trabalhando em cima dela. Ela está suavizando em direção a você. Este não
é o momento para uma das suas teorias da conspiração.
Alethea disse que mais apaixonadamente - Eles não são teorias. Eles são palpites com
base nos dados que recolhem a partir de um grande número de fontes. E eu estou sempre
certo.
- Você se lembra de pensar Jake era um criminoso e Abby estava em perigo?
- Eu poderia ter tido os detalhes do cenário errado, mas Jake estava com problemas,
como era Dominic. Eu recebo algum crédito por ser parte da razão pela qual eles ainda têm
uma empresa?
Lil verificado ao redor da sala para se certificar de que ela ainda estava sozinha - Você
faria, Al, se atenuado um pouco mais baixo. Apenas colocar baixo por um tempo. Deixá-los
sobre o que aconteceu no dia de Ação de Graças. Sorrir quando você vê-los. Você sabe,
coisas normais.
Em um tom que revelou que ela discordou, Alethea disse - Então, você quer me fazer de
conta que eu não sei alguma coisa, mesmo que põe em risco as pessoas que se preocupam?
Lil olhou para o teto.
Merda. Merda. Merda.
Lil pediu mesmo que ela não queria ouvir a resposta - Quão confiável é a sua informação
dessa vez?
Alethea continuou - Eu já ouvi isso de várias fontes. Eu iria lidar com isso sozinho, se eu
pudesse, mas eu não posso. Vou precisar da sua ajuda.
Oh, meu Deus, eu não posso acreditar que estou mesmo considerando isso. Tenho Jake.
Eu fiz com Abby. Tudo está indo muito bem. Tudo o que tenho a fazer é não se mexer.
Merda.
Lil balançou a cabeça, acenou com telefone para o céu com raiva e, em seguida, em
resignação disse - É melhor você estar certa, Al.
Ameaçadoramente, Alethea respondeu - Não, é melhor eu estar errado. . .

Fim.
Capítulo Um

Pensando bem, não pertencem a um ringue de boxe.


Jeremy Kater manteve-se firme, mesmo quando sua cabeça se volta sob o punho com
luvas do homem que ele havia contratado para ensinar-lhe os fundamentos do boxe. O que
parecia ser um componente essencial da sua transformação estava provando ser mais
doloroso do que ele havia previsto.
Ele apenas levantou as luvas para tentar bloquear o próximo hit de seu rosto quando o
seu adversário aproveitou o movimento e punidos seu abdômen desprotegido com
entusiasmo. Ray Denton era uma lenda no mundo do boxe. Não só ele reinou como o
campeão mundial de boxe dos pesos pesados por vários anos durante a sua juventude, mas
depois de sua aposentadoria, ele tinha ido para treinar mais de um lutador que ganhou o
mesmo título.
Você acha que um homem como ele ficaria feliz em dar aulas para iniciantes para uma
taxa generosa. No entanto, Ray convincente para trabalhar com um amador tinha sido nada
fácil. Mas Jeremy não era um desistente. Ele rebateu cada recusa com uma oferta de mais
de compensação até que ele chegou a um número que Ray não tinha sido capaz de ignorar.
Anos de jogar Poderoso Punch Out em seu console de videogame do vintage não havia
preparado para a realidade de um profissional treinado. Nem teve sua única briga real
durante seu último ano do ensino médio deu-lhe alguma habilidade quando ele veio para
romper as defesas do homem que atualmente estava dançando em torno dele, facilmente
bloquear seus golpes, e pousando quase cada uma de suas réplicas físicas.
Outro balanço, outra falta, outra tentativa frustrada de bloquear o que parecia ser uma
marreta para seu crânio. Jeremy sacudiu a cabeça para limpá-la. O quarto girou e inclinou.
Ele deu um passo para trás para se firmar.
Eu provavelmente deveria ter esperado até depois da primeira aula a pagar-lhe, Jeremy
pensou. Pelo menos ele teria tido incentivo para me certificar de que ele sobreviveu.
Ele esperava que sua primeira lição para incluir o trabalho agilidade, talvez alguns
sombras dos boxes. Tinha lido como boxeadores e utilizados sacos e sacos de velocidade
para trabalhar resistência. Ele sequer olhou para frente a uma luz jogo treino introdutório.
Isso era algo totalmente diferente.
O próximo hit bem colocado mandou Jeremy de joelhos. Ele sentou-se nos calcanhares,
se preparou, e engasgou para o ar. O rosto de Ray torcido com satisfação, e Jeremy viram a
feia verdade em seus olhos.
Ele quer que eu falhe.
Ele acha que eu não pertenço aqui.
Ele está errado.
Recuperar o equilíbrio, Jeremy ajustou sua chapelaria, cerrou os dentes para baixo em
seu queixo, levantou as mãos e balançou, um pouco grosseiramente, em seu oponente. Mas
Ray foi muito rápido para ele. Dois socos rápidos e uma cruz enviada Jeremy tropeçando
para trás contra a corda do ringue. Seja qual for a força hercúlea que ele esperava vir à tona
em resposta a essa surra foi, infelizmente ausente. Mesmo a dor dos golpes diminuído à
medida que se tornou mais grave e seu corpo enfraquecido. Seu novo desafio não era mais
seu adversário, mas um torpor crescente.
Antes que ele pudesse puxar-se fora das cordas, um borrão de fúria feminina passou por
ele e tomou uma postura protetora na frente dele.
Jeisa. Quase tão alto quanto os ombros do pugilista e chicly vestido com um suéter preto
sem mangas, óculos grandes demais, e sapatos de salto alto, seu consultor de imagem
pareciam ridiculamente fora de lugar no ringue. Ela virou sua espessura, juba de cabelos
escuros sobre um ombro e acenou com a mão agressivamente em Ray, que parecia
momentaneamente surpreendido pela inércia. Seu normalmente leve sotaque brasileiro
engrossou como ela disse - Pare! Ele teve o suficiente.
Jeremy empurrou-se fora das cordas. Apesar de ter apreciado a sua preocupação, ele não
queria que ela no ringue. Este foi entre Ray e ele. Jeisa pode ter sido capaz de aconselhá-lo
em muitas outras áreas de sua transformação em curso, mas não neste.
Ele não esperava que ela entendesse por que ele precisava estar aqui.
Ele não esperava que ninguém.
Ray olhou Jeisa mais, assobiou em apreciação, e disse - Você é um sortudo.
Jeisa aproximou-se do ringue e rosnou - E você é um mau exemplo de um treinador.
Como a mandíbula de Ray apertou em sua avaliação, Jeremy rapidamente interveio. Ele
colocou uma mão enluvada em um dos ombros de Jeisa e virou-a gentilmente - Eu lhe disse
para não vir, Jeisa. Não se trata de você.
Jeisa girou totalmente em Jeremy. Ela agarrou seu braço e disse com urgência - Se você
quer aulas de auto defesa, posso inscrevê-lo para karate ou algo menos violento.
Em um tom de zombaria, Ray disse - Você deve ouvir a sua namorada.
- Ela não é minha namorada - Isto é para Alethea.
A sobrancelha do instrutor se levantou quando ele avaliou Jeisa pela segunda vez. Ele
piscou para ela e falou pausadamente - Então, talvez ela vai ser minha.
Algo no tom de voz do homem fez Jeremy endireitar a sua altura. A descarga de
adrenalina queimada por ele. Ele conheceu e manteve os olhos de raio. Sem olhar para
baixo, Jeisa, Jeremy ordenou - Jeisa, sai do anel.
- Mas. . . - Disse ela.
- Saia.
Com óbvia relutância, Jeisa deslizou entre as cordas de volta para a área em torno do
anel - Tudo bem - ela disse – pode matar a si mesmo se você quiser. Você tem razão, eu
não deveria ter vindo. Eu estou saindo - Mas ela não fez. Ele sabia que ela não iria.
A emoção escura ele não tomar o tempo para identificar subiu dentro dele, e ele passou a
Ray com força renovada. Ray viu chegando, mas ele subestimou o ímpeto adversário quase
batido tinha reunido. Jeremy conseguiu uma punição atingiu o rosto do boxeador.
Os dois círculos um ao outro. Jeremy conheceu agressão do boxeador com a sua própria.
Ray pode nocauteá-lo, mas ele não quis forçá-lo a recuar. Ray deu um soco no abdômen de
Jeremy. Jeremy surpreendeu, bloqueando-o e em seguida retaliar. Seu soco conectado e
configure o boxeador um passo para trás.
Então, tudo mudou.
O rosto de Ray ficou vermelho de raiva. Treinador virou lutador, e Jeremy se preparou
para o que ele sabia que ia ser uma refutação muito dolorosa. Arfando por ar, Jeremy
plantou os pés com determinação. Tinha havido vezes no passado, quando ele permitiu que
as opiniões dos outros para segurá-lo.
Este não era um desses momentos.
Jeisa Borreto agarrou a parte de trás de uma cadeira de madeira na sujo Boston ginásio
do Sul para se parar de pular de volta ao ringue. O homem que se um treinador chamado
estava claramente em uma viagem de ego sádico, e Jeremy parecia não só para reconhecer
esse fato, mas também a aceitá-la.
Ainda assim, o cheiro de suor e ao som de exalações ferozes eram incrivelmente
intimidante e perturbadoramente excitante ao mesmo tempo. Sua própria adrenalina estava
correndo por ela, tornando-se impossível para ela desviar o olhar, mesmo quando ela sabia
que a luta foi só vai se tornar mais doloroso de assistir.
Ela saltou quando soco de Jeremy conectado e cabeça de Ray retrucou. Normalmente ela
não tolera a violência, e ela definitivamente não era um fã deste esporte em particular, e
ainda assim seu coração estava acelerado e ela sentiu como se o triunfo de Jeremy era o seu
próprio. Foi esta a alta dos romanos tinha procurado quando confrontado homem contra a
besta? Embora a chance de Jeremy para a sobrevivência parecia tão fina quanto a de um
gladiador, ele bloqueou próximo hit de Ray e caiu outra de sua autoria.
Jeisa se surpreendeu por aplaudiu em voz alta. Qual seria o meu pai dizer que se ele
pudesse me ver agora? Um fantasma de um sorriso cruzou os lábios com o pensamento. Ele
acha que eu finalmente perdi a cabeça. Ele já estava sofrendo com o que ele considerava
seu vinte e poucos anos rebelião. Ela realmente não podia culpá-lo. Ela tinha ido para as
escolas particulares que ele mandou para sem problema. Ela até se formou em Relações
Internacionais da Universidade de São Paulo. Ela tinha sido criada para seguir as regras,
manter uma pessoa pública sem mácula, e mistura para o fundo como uma bela pintura
acalentada, mas em silêncio.
Era errado querer mais do que a vida confortável que lhe tinha dado? Se o pai dela tinha
tido o seu caminho, ela estaria casada com algum rico empresário brasileiro, passando o
resto de sua vida de ser mimado e protegido.
Abrigada.
Sufocada.
Eu não quero que minhas únicas decisões girem em torno de quem vai sentar-se juntos
nas festas que eu hospedar por algum marido altamente bem sucedido e igualmente chato.
A vida tem que ser mais do que isso.
Ela decidiu começar um trabalho e mostrar a seu pai que ela era perfeitamente capaz de
sustentar-se, mas encontrar emprego após a influente Romário Borreto fez saber que ele
não queria que sua filha de trabalho não foi fácil. Fora de desespero, ela olhou para além
das fronteiras do Brasil e fora do seu fundo educacional. Ninguém estava disposto a dar
uma chance a um estrangeiro desconhecido, até que encontrou uma maneira de apoiar por
meio de um anúncio internacional. Não seu trabalho ideal, mas uma maneira de pagar as
contas até que encontrou algo melhor.
Com as malas prontas e com uma parte igual de entusiasmo e ingenuidade, ela voou para
Boston, imaginando a parte mais difícil de sua nova vida seria aclimatação ao frio da Nova
Inglaterra a tempo. Ela fez muitos amigos americanos na escola, mas tinha perdido o
contato com a maioria deles, quando se mudou de volta para os Estados Unidos. Ainda
assim, ela sonha em viver nos Estados Unidos desde que ela era pequena em Boston em
particular. Foi tão romântico e exótico para ela como Paris.
Ninguém saberia dela. Pela primeira vez em sua vida, ela pode ser simplesmente Jeisa.
Ela não se preocupe em estar sozinho desde que ela estaria vivendo com uma família
americana.
Uma maneira ideal para conhecer a cultura, enquanto a caça de um emprego melhor.
Exceto por um pequeno detalhe.
Reese David, o homem que a contratou como babá para sua família, não tinha
mencionado que ele não era casado. E, oh sim, ele não tem filhos.
Encalhado em Boston e dispostos a chamar de lar para ajudar, Jeisa tinha feito o que
muitos jovens fazem quando se aplicam para o primeiro emprego. Ela tinha mentido.
Mentiu bem, aparentemente, porque ela conseguiu um emprego de secretária de nível de
entrada nas Empresas Corisi. Mas, mesmo com quilômetros entre eles, seu pai a deixou
pouco espaço para respirar. Ele chamou uma vez por dia. Então, não querendo falar com ele
sobre a inexistência de seu primeiro emprego, ela tinha mentido uma vez por dia, as
histórias crescendo como ervas daninhas entre ela e seu pai até que ela já não podia ver
uma forma em torno deles.
Tarde demais para confessar.
Eu deveria ter derramado a verdade antes que eu nomeei os filhos imaginários.
Definitivamente antes eu dei-lhes hobbies e personalidades.
Se mentiras eram tostões, ela certamente ganhou seu caminho para o inferno algumas
vezes já.
Eu não sou melhor do que Reese. Bem, eu não sou um predador sexual tentando tirar
vantagem das mulheres que eu atraí longe de suas famílias com falsas promessas, por isso,
talvez eu sou um pouco melhor.
Ainda assim, eu sou um mentiroso, e há sempre um preço a pagar por ser desonesto.
Jeisa estremeceu o mais breve sucesso de Jeremy enfureceu o velho lutador. A culpa
pesava sobre ela. É minha culpa que ele está aqui. Um profissional não teria permitido que
ele viesse. Mas eu não sou um profissional, eu menti sobre isso, também. Se a vida fosse
como um Etch A Sketch que poderia ser abaladas e apagadas quando você desenhou-se em
uma verdadeira bagunça.
Eu não quero mais mentir. Eu não quero fingir ser alguém que não sou. Eu pensei que
era melhor do que este, mais forte do que isso.
Será que eu nunca te disse sobre como meu primeiro cliente morreu? Sim, ele tinha essa
idéia ridícula que aprender a caixa iria fortalecê-lo, então ele contratou um treinador e foi
morto durante a sua primeira lição.
Por que eu não o impedi?
Bem, essa é uma história engraçada. . . que levou Jeisa momentaneamente de volta à
forma como ela tinha conseguido o que alguns poderiam chamar de seu terceiro trabalho
nos Estados Unidos.
- Eu não sei nada sobre ser um consultor de imagem - Jeisa lembrado dizendo claramente
Sra. Duhamel. No entanto, negar a matriarca da Empresas Corisi foi tão produtiva quanto a
dizer que o vento não soprar. Sempre impecavelmente vestido, ela era uma força maternal
da natureza. Ela sabia os nomes de todos na construção de Boston da empresa, e eles
certamente conhecia. Todo mundo ficou um pouco mais reto, sorriu um pouco mais
agradável, e digitou um pouco mais rápido quando a Sra. Duhamel entrou na sala.
Toda essa informação teria sido útil saber a primeira semana no cargo, quando Jeisa
tinha entrado no corredor durante uma pausa no que foi uma discussão particularmente
dura, embora merecida, em relação ao seu desempenho no trabalho.
Tendo papéis datilografados e passou seus cursos universitários, Jeisa tinha descoberto
que ela poderia lidar facilmente com um trabalho de escritório. E os programas de
computador que eles perguntaram se ela sabia como usar? Pode uma pessoa ser acusada de
otimismo acreditando que ela seria capaz de dominá-los antes que alguém notasse sua
completa falta de exposição a eles?
Realmente, o que era mais uma pequena mentira quando estava banhando-se em um
oceano deles já?
Era um motivo para a demissão, pelo menos na medida em que seu supervisor estava
preocupado. Ele começou uma conversa que provavelmente havia levado a sua rescisão,
quando ele tinha sido cortado por uma chamada de telefone, e ela foi enviada para o
corredor fora de seu escritório, enquanto ele tomou.
Se pudesse voltar no tempo e dizer a si mesma para não oferecer ajuda para a mulher
mais velha que ela tinha visto carregando um pacote em um elevador. Eu deveria ter sido
demitido, chamou meu pai com uma confissão, e trabalhei minha maneira de sair desta má-
fé.
Em vez disso, eu estou aqui, assistindo a um bom homem obter uma surra porque eu não
trabalhei até a coragem de lhe dizer a verdade ainda.
Por que a senhora Marie Duhamel, Jeisa corrigiu-se meio em pensamento escolher para
ajudar a Jeremy? Por que eu disse sim? A segunda questão é fácil de responder. Ninguém
recusou um pedido de Marie, nem mesmo quando a mulher formidável pediu para ser
tratado pelo primeiro nome. E ninguém mentiu para ela. Com esses olhos castanhos afiados
e algumas questões pontuais, ela torceu história de vida de Jeisa e toda última verdade
embaraçosa fora dela. Até ao mentir sobre suas qualificações profissionais. Em vez de
demiti-la, Marie tinha colocado uma mão solidária no chá dela e ordenada, e uma amizade
nasceu.
Uma amizade que tinha mudado tudo, mesmo coisas que ela não tinha queria mudar.
Seu supervisor não se importava quando ela não conseguia concluir um projeto, em vez
disso, ele iria pedir a outros para inserir os arquivos que ele atribuiu a ela, substituindo que
trabalham com digitação. Por um lado, foi um alívio para ser dado um trabalho que podia
fazer. Por outro lado, ele distanciou-a de seus colegas de trabalho, cujas brincadeiras, uma
vez amigáveis tinha evaporado em resposta ao tratamento preferencial ela agora recebido.
Ele nunca expressou seu ressentimento de imediato, no entanto, e Jeisa duvidava que
jamais faria. Marie exercido mais influência com suas visitas amigáveis do que a maioria
dos homens fizeram quando explodiu ordens.
Caso contrário, sozinho, Jeisa encontrou conforto na amizade de Marie. Eles começaram
a almoçar juntos sempre que ela estava na cidade. Com o apoio da Marie, Jeisa comecei a
pensar que ela seria capaz de mudar as coisas. Ela poderia fazê-lo. Ela não tinha feito nada
tão horrível que não pode ser reparado. Ela só precisava de um pouco mais de tempo.
Então, quando Marie pediu Jeisa ajuda, recusando-se não se sentia como uma opção.
Tudo o que ela tinha a dizer era que ela era um consultor de imagem. Uma pequena
fabricação de mais e ela teria uma chance real de ser independente. Um enorme aumento de
salário, uma oportunidade de viajar e construir um currículo que não foi baseado em uma
história de emprego fictício. Ah, sim. . . e não mais a digitação.
Até agora, Jeisa não se sentia mal por enganar Jeremy. Ela se sentiu qualificada. Sua
formação tinha preparado para ensiná-lo a se misturar com os ricos. E até hoje ela estava
orgulhosa de sua transformação.
Momentos como esse eram de retorno para o destino tentador com a pergunta.O que
poderia dar errado?
Desculpe, Marie, eu quebrei o primeiro cliente que você enviou-me ao lado, por favor?
Jeisa agarrou a parte de trás da cadeira com tanta força que os nós dos dedos
embranqueceram. Ela saudou o desconforto. Marie me contratou para ajudá-lo e olhar para
mim, apenas assistindo ao invés de fazer o que eu sei é certo e colocar um fim a isso.
Jeisa encolheu-se como o treinador parou de brincar com o seu cliente e seu próximo hit
amassado Jeremy ao chão almofadado do anel.
- Abaixem-se - disse o treinador gritou, mas Jeremy já estava empurrando-se do chão e
de volta para os joelhos.
Jeisa nervosamente mordeu o lábio inferior. Ele vai ser morto. Por que ele não fique para
baixo?
Jeisa prendeu a respiração quando, com esforço comovente, Jeremy lutou para ficar de
pé. Ele cambaleou. Ele vacilou. Eventualmente, ele endireitou-se e ergueu as mãos
enluvadas na frente dele novamente.
Ray puxado para trás, como se estivessem prestes a entregar, um golpe mortal final.
Jeremy balançou, mas não disse nada. O sangue escorria de seu nariz sobre o tapete abaixo
como os dois homens olharam um ao outro.
Jeisa deu um passo em direção ao anel. Uma quantidade indelicado da ira encheu. Se ele
acerta Jeremy mais uma vez, que o velho tinha melhor correr, porque eu vou matá-lo.
- Você não desistiu - disse Ray em reconhecimento e expeliu uma respiração áspera. Ele
baixou as mãos e começou a tirar as luvas.
Jeremy baixou sua própria e tropeçou enquanto suas pernas cederam um pouco abaixo
dele. Alívio inundou Jeisa. Ela pegou uma toalha branca e limpa de um saco perto do anel e
correu para o lado de Jeremy. Ela deslizou abaixo de um de seus braços e tomou o seu peso
sobre os ombros, limpando o sangue de seu queixo com a toalha. Jeremy pegou a toalha
dela e segurou-a ao nariz.
Jeisa olhou para o treinador - O que você estava pensando?
Ray fez uma careta para ela - Ele está bem. Nada que um pouco de gelo não vai resolver
- Ele encontrou os olhos de Jeremy e disse - Volte na próxima semana e eu vou treiná-lo.
Um leve sorriso esticado nos lábios inchados e divisão de Jeremy. Jeisa disse - Não se
atreva a olhar satisfeito consigo mesmo. Você tem sorte se você não tem danos cerebrais
com isso.
O treinador avaliou os dois novamente e perguntou - Tem certeza que não é sua
namorada?
Jeisa disse algumas palavras bem escolhidas em rápido Português.
O treinador realizou uma das cordas de modo que Jeisa poderia manobrar Jeremy para
fora do ringue com mais facilidade. Ele disse para Jeremy - Seja nesta terça-feira de manhã
às oito - Jeremy assentiu - Mas deixá-la em casa.
Jeremy riu e gemeu - Eu vou tentar.
Jeisa olhou para ele como ela ajudou a tirar as luvas e embalagens.
Homem.
Juntos, eles fizeram o seu caminho em todo o ginásio em direção à saída. Olhos azuis
escuros de Jeremy estavam dançando com o triunfo e uma onda de atração atingiu como
um soco. Quando eles se conheceram, a descrição que veio à mente foi seriamente
adorável. Se tivesse sido realmente apenas alguns meses desde que ela o conheceu? Lá se
foram as roupas velhas, o esfregão rebelde de cabelos castanhos, e as expressões infantis.
Mesmo seu moletom cinza e camiseta correspondente eram de um designer de modo
atlético moderno que Jeisa tinha descoberto.
Não que a moda tinha feito muito para ajudar Jeremy este dia.
Ele fez uma pausa e abanou a cabeça. Jeisa deslizou abaixo de um de seus braços mais
uma vez para ajudar a estabilizá-lo. O calor de seu corpo se espalhou como fogo através de
seu próprio país. Jeremy era homem agora, e Jeisa podia sentir o quanto ele tinha mudado
em todos os lugares que seus corpos se tocaram. Os braços forte envoltos em seus ombros
já não sentiam que pertencia a um homem que passou a vida atrás de um computador. O
boxe foi apenas uma pequena parte do plano de Jeremy para transformar-se fisicamente.
Ele começou a correr e levantar pesos muito logo depois que eles se conheceram. Jeisa não
tinha pensado que era necessário. . . Mas, oh, os resultados foram bons.
Ele tropeçou enquanto caminhavam. Sua mão voou para firmá-lo, chegando a um
descanso no meio de seu peito duro, e ela sentiu que ele recuperar o fôlego.
Será que ele está pensando o que eu estou pensando?
Não, não, não, pensou freneticamente.
Ao contrário de mim, Jeremy sempre foi dolorosamente honesto.
Lembre-se que ele está fazendo tudo isso para conquistar o coração de uma mulher.
Outra mulher.
Como, não a mim.
Seu corpo não se importava. Ela olhou passado o inchaço e o sangue e tudo o que ela
podia ver eram seus belos olhos azuis sensuais. Eles fizeram uma pausa para o que pareceu
uma eternidade, e ela não conseguia desviar o olhar.
Qual seria a sensação de ser amada por um homem que está disposto a fazer qualquer
coisa para ganhar seu coração?
Você pode ser você mesmo com um homem assim.
Amor como o que não segue as regras.
É suado, e apaixonado, e as coisas que romances são feitos.
Uma expressão estranha entrou olhos de Jeremy e ele se endireitou longe dela,
quebrando o contato – Jeisa - disse ele em uma voz rouca - vamos para casa.
- Sim - ela disse, e se castigou para entreter tais pensamentos sobre o seu empregador.
Ela fazia parte da vida de Jeremy.
Só não da maneira que ela queria ser.
Capítulo Dois

Jeremy abriu a porta de seu apartamento de cobertura na parte alta da cidade de Boston.
Normalmente, ele levou um momento para apreciar o mobiliário branco, ultramoderno e
poderosa visão do horizonte. Gostava de pensar que representava suas mudanças internas.
Desta vez, porém, ele não conseguia pensar além da dor reverberando a partir de uma
variedade de locais, em sua parte superior do corpo, e sua visão foi impedido por expansão
em torno de um de seus olhos.
Tanto quanto as primeiras sessões de ir, hoje está tivesse sido mais doloroso do que o
esperado, mas ele conseguiu o que ele se propôs a fazer. Ele agora tinha um treinador de
boxe, um dos melhores. Ao contrário da maioria dos clientes de Ray, ele não esperou para
ganhar alguns jogos, pelo menos não em um anel. O que ele queria era muito mais
primitiva do que isso. Ele queria que o olhasse. Essa qualidade quase indescritível que faz
com que um outro homem passo para trás e olhar de uma mulher ficar.
- Você precisa de um médico - Jeisa disse, interrompendo seus pensamentos.
- Preciso de um sofá - Ele tocou o olho inchado ternamente como ele vasculhou o foyer
em direção à sala de estar - E uma aspirina.
Jeisa seguiu - Você precisa ter sua cabeça examinada, se você está mesmo pensando em
ir lá para trás - disse ela em um tom muito mais duro do que ele estava acostumado a ouvir
dela.
Uma coisa de cada vez.
Ele abaixou-se cautelosamente em seu sofá, não tendo o cuidado de proteger sua
superfície intocada. Ele apoiou os pés de um lado, com a cabeça do outro, e disse - Eu vou
dobrar o seu salário se você parar de gritar.
O silêncio que se seguiu seu comentário foi pior.
Ele abriu seu olho não inchado e avaliou a mulher de pé sobre ele. Seus braços estavam
cruzados sobre o peito e os lábios vermelhos brilhantes estavam franzidos com irritação. O
que é que a linha ridículo que os homens dizem que as mulheres? Você é linda quando você
está com raiva? Ele podia ver, bem, ele podia ver-metade que elas significavam. Ele tinha
certeza de que, quando o outro olho estava em pleno funcionamento novamente, estaria de
acordo.
Jeisa era uma mulher deslumbrante em um dia ruim. Usava o cabelo escuro longo dos
ombros e indomável. Seu toque feminino adicionou uma sensualidade até mesmo as roupas
simples que usava. A ponte preta que ela usava hoje revelou clivagem apenas o suficiente
para elevar a pressão arterial de um homem com apenas um olhar.
Agora, peito arfando de raiva e os lábios franzidos, enquanto tentava manter sua opinião
para si mesma, ela era o material dos sonhos noturnos.
Mesmo o meu.
Eu sou apenas humano.
Duvido que mesmo os homens casados podem olhar para ela e não se perguntar - e se -
Não que ela aprecia.
Ele fechou os olhos e disse - Diga.
Jeisa pediu um pouco inocentemente - Dizer o quê?
- Tudo o que está comendo com você.
- Você poderia ter sido gravemente ferido hoje - ela emocionou-se, e a profundidade da
emoção em sua voz surpreendeu Jeremy em sentado. Ele podia lidar com pensando que ela
estava zangada com ele, mas ele não estava preparado para ela estar magoado com o que
ele tinha feito.
Eu sou um idiota, ele pensou. Aqui eu estou imaginando-a nua e ela está genuinamente
preocupada comigo. Eu realmente tenho que começar tudo sob controle. E eu vou. Quando
estou com Alethea, eu vou ser capaz de olhar para Jeisa e não imaginar os seios fartos em
minhas mãos, e aqueles deliciosos lábios em volta do meu pau. Eu vou parar de querer
deslizar as alças do seu macacão sobre os ombros, solte-o para o chão, e saborear o que
seria definitivamente um pedaço do céu na terra.
Ele estremeceu e virou-se de lado para esconder como seu corpo estava respondendo às
imagens dela nua sua imaginação estava fornecendo em abundância. Este tipo de excitação
indesejável e mal cronometrado em breve ser uma coisa do passado.
Jeisa foi o tipo errado de distração na hora errada. Não conheço nenhum Marie
consultores de imagem hediondos?
Eu não posso vacilar agora. Estou tão perto de ser o homem que eu jurei que iria tornar-
se tão perto de ter tudo isso. Eu não quero Jeisa. Quero Alethea. Jeisa está aqui e quente. É
claro que eu estou tentado.
Mas Jeisa merece algo melhor do que isso.
Ela era mais do que um empregado, ela era um amigo. Um amigo que estava sofrendo
porque ele tinha sido tolo o suficiente para deixar o seu testemunho a parte menos saborosa
de sua transformação. A mudança não vem sem um pouco de dor. Ele era tão usado para
deixá-la em todos os cantos de sua vida que ele não considere como hoje poderia perturbá-
la - Jeisa, eu estou bem. Parece pior do que é - Quando ela não parecia convencida, ele
tentou humor - Além disso, eu pretendo dizer às pessoas que você e seu temperamento
brasileiro fez isso.
Ela quase sorriu, mas, em seguida, seu belo rosto apertado novamente - Estou falando
sério. Não vá lá.
Ele queria aliviar sua preocupação, mas nada, nem mesmo os seus apelos, o impediriam
de seguir com a sua formação. Ele havia chegado longe demais para voltar agora - Na
próxima semana não será assim - assegurou ela.
- Como você sabe disso?
- Porque nós chegaríamos a um acordo hoje.
- Sério?
Ele compartilhou seus pensamentos abertamente com Jeisa - Ele queria provar que eu
não pertenço a ele.
- Você não sabe. Assim como ele não pertence em seu escritório. Deus, Jeremy, as
pessoas enviam jatos particulares para você. Eu acho que você pode pagar a sua própria
segurança.
Ela não entendia, e ele não esperava que o fizesse. Este não era o que ele podia pagar.
Dinheiro tinha deixado de ser um problema tão logo ele saiu das sombras de hackers e
ofereceu seus serviços a quem pagar mais. Ele foi rapidamente acumular mais dinheiro do
que ele seria capaz de gastar em dez vidas, mas a riqueza era apenas parte do que ele
procurava. Ele ainda tinha um longo caminho a percorrer antes que ele ordenou o mesmo
respeito que os homens que o contrataram para trabalhar em seus problemas de segurança
de software - Você sabe por que isso é importante para mim.
- Alethea - Jeisa disse baixinho e se levantou.
Há que olhar novamente, ela não aprova, mas ela não precisa.
Ninguém faz.
Jeremy recostou-se no sofá e fechou os olhos – Sim - disse ele. Uma imagem da mulher
ruiva que ele passou grande parte de sua vida sonhando era estranhamente difícil imaginar.
Jeremy não deixou que diminuir sua resolução. Alethea não era qualquer mulher. Ela era a
única que tinha puxado-o através das horas mais sombrias de sua adolescência. Ela era a
meta que tinha feito nos anos de cuidar de seu pai e, em seguida, lamentando sua perda
suportável.
Uma meta que tinha mantido sã quando nada mais na sua vida fazia sentido.
Um que de repente estava agora ao seu alcance.
Se eu não estrague tudo.
- Basta ir - disse ele, cansado.
Ele ouviu o clique recuando de saltos altos de Jeisa em seu piso de ladrilho. Ele queria ir
atrás dela e explicar suas razões novamente, mas ele lutou e venceu contra esse impulso.
Não havia nada a dizer que já não tivesse dito.
Alguns momentos depois, ele ouviu o seu regresso, e então ele sentiu o toque frio de um
saco de gelo contra um lado de seu rosto. Ele cobriu o saco com uma das mãos, sentindo-se
miserável de uma forma que não estava ligado à sua dor física. Tê-la ali fez sentir melhor e
pior ao mesmo tempo, e as emoções conflitantes frustrado ele. Com os olhos ainda
fechados, ele disse - Obrigado. Eu deveria estar bem amanhã. Eu vou chamá-lo de manhã.
Basta ir.
O som de Jeisa estatelando em uma de suas poltronas foi seguido pelo baque suave de
seus sapatos descartados - Você poderia ter uma concussão. Eu não acho que você deveria
dormir.
Por favor, me dizer que ela não vai ficar.
- A internet diz que é um mito.
Ela soltou um longo suspiro - Se eu sair agora, vou passar o resto do dia se perguntando
se você está bem.
Se você ficar, eu vou passar o resto da noite de sofrimento, e não vai ser pelas razões que
você pensa. Ele rosnou - Então você está indo só para sentar lá e olhar para mim enquanto
eu dormir?
- Sim.
Ele odiava como seu sangue bateu no pensamento dela cuidar dele. Pairando ao lado
dele.
Fechar.
Tentador.
Tortura.
Jeremy perguntou o que ela diria se ele colocar o gelo na sua região inferior, onde ele
aparentemente precisava mais. Ela provavelmente iria chutar a minha bunda.
No exterior, Jeisa estava calmo e sofisticado, mas ele vislumbrou seu fogo interior. A
imagem de sua posição entre ele e o treinador de boxe, como uma leoa protetora, o encheu
de uma emoção que não podia definir.
Ela é linda.
Feroz.
O tipo de mulher que um homem se casa.
Outro homem, ele se corrigiu.
Pouco antes de Jeremy adormeceu, ele sentiu o calor reconfortante de um cobertor que
está sendo estendida sobre ele e ele sorriu de novo.
Jeisa.

Jeisa embebido no silêncio do apartamento de Jeremy e o ritmo suave de sua luz roncar.
Idiota, pensou. Ninguém vale o que você está fazendo para si mesmo. Chamar-lhe um
nome em sua mente, desde a sua única o mais breve conforto, antes de uma verdadeira
tristeza caiu sobre ela.
A não ser que você os ama o suficiente para que você está disposto a fazer qualquer
coisa. Mesmo ficar quando lhe disse para sair e culpar uma concussão. Então, eu acho,
todas as regras estão desligados. Jeisa colocou as pernas debaixo dela e observou Jeremy
tenta escapar de sua dor através de um sono profundo. Ela revive o medo que tinha enchido
quando ela tinha visto Ray galo a mão para um golpe final.
Para milionésima vez, ela lamentou não manter sua relação de trabalho puramente
profissional, mas onde ele estava preocupado que ela tinha jogado todo o senso comum de
lado.
Ela pensou em voltar para a primeira vez que se encontraram. Ele chegou na porta da
casa dela em um terno que tinha claramente pertencia a outra pessoa, cerca de vinte anos
atrás, e timidamente a presenteou com um sistema de som surround para a televisão.
Embora ela recusou o presente, ele rapidamente tirou o casaco e estava no meio de instalá-
lo antes que ele parou, colocou os fios que estava no processo de organização, e disse -
Você disse que não quer isso?
Ela assentiu com a cabeça.
Ele sentou-se nos calcanhares e sorriu timidamente para ela - Sinto muito. Eu acho que
eu estou nervoso.
Ali mesmo ela sabia que ela estava em apuros. Ela não tinha certeza do que esperar da
descrição de Marie: um gênio do computador socialmente desajeitado prestes a ganhar uma
quantidade substancial de dinheiro. Ela certamente não tinha considerado que poderia ter os
olhos tão azuis e quentes como o primeiro dia do verão, e um sorriso tão
surpreendentemente sexy que o seu estado geral de desordem não importava.
- Não, eu sinto muito - ela disse, e se juntou a ele no chão, colocando a bainha de seu
vestido de verão sob os joelhos - Que presente generoso. E eu nem sequer perguntar se
precisava de ajuda.
Seu sorriso se alargou - Possivelmente porque você disse que não.
Ela sorriu de volta para ele - Possivelmente, mas parece incrível.
- Marie me disse para lhe trazer alguma coisa. Desde que você não esteve aqui muito
tempo, eu achei que você não teria um desses - Seu rosto se avermelhou um pouco como
ele disse - Foi mais fácil do que flores - De repente sério, ele olhou diretamente em seus
olhos e disse - Eu realmente quero que isso funcione, e eu vou fazer o que for preciso - E
ele tinha. Ele tolerado um dia de spa, vários acessórios, e até mesmo aulas de etiqueta em
que garfo usar com o curso em um restaurante fino. No espírito de mudança, ele incluiu em
suas viagens, seus eventos sociais e quase todos os aspectos de sua transformação, até
agora.
Ela expressou sua opinião antes, durante e depois de sua aula de boxe, mas seus
sentimentos sobre o assunto não tinham influenciado sua decisão. Ela não tinha percebido
até agora o quanto ele já tinha mudado. Logo, ele não precisaria dela em tudo. Não importa
o quão perto ela sentiu a ele, no final do dia, ela trabalhava para ele.
Este é um trabalho.
Apenas um trabalho.
Algum dia, Jeremy não será nada mais do que um nome no meu currículo.
O pensamento trouxe um peso pesado para o coração de Jeisa. O único idiota nesta sala é
comigo. Ele sabe o que quer, e nada vai impedi-lo de conseguir. O que seria minha vida
como se eu tivesse a mesma coragem?
Jeremy gemeu e rolou para o lado, cobrindo o rosto com um braço machucado.
Eu vou sentir falta dele.
Vou sentir falta do sorriso privado ele me dá quando se misturam em uma festa e só eu
sei que ele praticou tudo o que ele vai dizer.
Vou sentir falta dos telefonemas da meia-noite quando algo dá muito bem para ele em
uma reunião e ele quer compartilhar a maravilha de quão rapidamente a sua vida mudou.
Como posso continuar a ajudá-lo a se tornar o homem que ele pensa que ele quer ser
quando eu já estou no amor com o homem que ele sempre foi?
Capítulo Três

- Eu tenho muita segurança na minha folha de pagamento, se você precisa pedir algum -
disse Dominic Corisi com algum humor quando Jeremy entrou no escritório do magnata
computador infame. Piada de Dominic faltava o calor que se qualificaria como nervuras
amigáveis. Em vez disso, foi outro lembrete de que Jeremy fornecido trabalho para a
empresa de Dominic e operado dentro de seu reino, porque ele era útil, não porque ele era
um igual ou um amigo.
Jeremy disse - Sobre o servidor na República Demor, você tinha razão para me enviar lá
fora. Ninguém tinha acesso ainda, mas ela já teria sido fácil se alguém quisesse.
Dominic estudou Jeremy, batendo um dedo cuidadosamente em sua mesa. Ele sentou-se
e acenou com a cabeça.
Jeremy disse - Eu estou fazendo malabarismos alguns projetos agora, então se não há
nada de importante que você precisa de mim, eu vou estar dentro e fora do país para as
próximas duas semanas.
- Isso é bom - disse Dominic. Então ele sacudiu a cabeça como se encontrar humor em
seus próprios pensamentos - Parece que você perdeu uma luta em um beco. Eu tenho que
saber, se era um apostador? Será que você foi pego na cama com a mulher de alguém?
Jeremy encontrou os olhos do homem mais velho e disse - Não é da sua conta.
Um lento sorriso se espalhou pelo rosto de Dominic - Eu deveria aceitar isso, mas eu vou
precisar de uma dica ou isso vai me incomodar durante todo o dia. Eu não gosto de
mistérios.
Em vez de dar Dominic o que ele queria, Jeremy respondeu com uma pergunta de sua
autoria - Se os nossos papéis foram invertidos, você me diria?
Uma sobrancelha subiu em concessão - Não.
Você tem que lhe dar um crédito por ser honesto, até mesmo brutalmente assim - Então
sobre as próximas três semanas. Você pode alcançar-me por e-mail, se aparecer alguma
coisa. Eu não tenho certeza se meu celular irá funcionar em todos os lugares que eu vou.
- Onde não faria seu trabalho de telefone celular?
Ele não precisa saber, então Jeremy não compartilhar seus planos - Jake tem minhas
informações de contato. Eu agradeceria se você usá-lo apenas para emergências.
Se Dominic queria fazer outra pergunta, ele manteve seus pensamentos para si mesmo.
Jeremy virou-se e estava se preparando para deixar o cargo quando o sócio do Dominic,
Jake Walton, entrou e viu o rosto de Jeremy - Que diabos aconteceu com você? - Ele olhou
rapidamente para Dominic uma explicação.
A última coisa que Jeremy precisava era que Jake se envolver. Com um pouco de
estratégia, Dominic era bastante fácil de manobrar, mas Jake era diferente. E nenhum deles
precisava saber sobre seus projetos no exterior. Jeremy foi rapidamente ganhando clientes
que estavam dispostos a pagar qualquer preço para ele fazer o que ele sempre fez por
diversão.
Dominic estava - Ei, não olhe para mim. Eu não tinha nada a ver com isso.
Jake não parecia totalmente convencido - Você está com algum tipo de problema,
Jeremy?
Jeremy sacudiu a cabeça.
Jake persistiu - Dominic vai mandar você para as situações mais perigosas, sem
hesitação, mas você pode dizer não.
- Dominic não tinha nada a ver com isso - Jeremy respondeu suavemente.
Um olhar de preocupação genuína encheu o rosto de Jake - Desde que você não é
tecnicamente um empregado, Dominic não pode realmente demiti-lo. Você não precisa ter
medo dele.
- Eu não tenho medo dele.
Dominic se aproximou e deu um tapa Jeremy nas costas. Jeremy fez uma careta, ainda
sentindo uma ressaca corpo de sua aula de boxe no dia anterior. O apoio da Dominic
segurou o aguilhão da vingança. Ele sorriu para Jake e disse - Estranhamente, ele não é. Eu
devo estar ficando mole.
Retorno de Jeremy foi interrompida pela chegada de assistente de Dominic, Marie. Ela
correu para o mix, e quando ela viu o rosto de Jeremy virou-se, com as mãos nos quadris, e
olhou para ambos Dominic e Jake.
Jake foi o primeiro a afirmar a sua inocência - Marie, descobri-los assim.
Marie virou-se para Dominic e levantou uma sobrancelha em questão.
Dominic de repente parecia mais um menino culpado pego com a mão na botija do que o
bilionário notório que ele tinha fama de ser - Eu não tinha nada para fazer. . .
Ceder à tentação, Jeremy caiu de seus ombros e disse com uma voz fraca - Ele não queria
que isso acontecesse, Marie. Não se preocupe, eu estou bem.
Dominic girou sobre os calcanhares e estendeu a mão para Jeremy, que o conhecia bem o
suficiente para ter dado um passo para trás para fora de seu alcance - Seu merdinha.
A risada de Jake cresceu.
Sábio demais para ser usado como um peão, Marie castigou o grupo - Vocês, rapazes,
são o suficiente para me dar palpitações cardíacas. Um de vocês tem de me dizer o que
aconteceu com Jeremy.
Depois de uma breve pausa o desajeitado, Jeremy murmurou - Estou tendo aulas de
boxe.
Domingos soltou uma gargalhada, provando mais uma vez o que ele pensava de Jeremy.
- O boxe?
Jeremy disse - Eu tenho certeza que você está em sua parte de lutas, Dominic.
Dominic assentiu - Mesmo se o meu traseiro chutado algumas vezes.
Marie pulou dentro - Dominic. . .
Dominic disse - Desculpe, Marie. Eu simplesmente não posso acreditar que alguém iria
pagar alguém para fazer isso.
Jake acrescentou seus dois centavos com humor - Isso é porque com você, muitas
pessoas terão prazer em fazê-lo de graça.
Dominic virou-se para seu parceiro sorridente e rosnou - Eu deixei você me bateu uma
vez e agora você acha que você é um badass, Jake.
Jake deu de ombros - Se bem me lembro, você não me deixou fazer nada, e que era
muito mais do que um hit.
Jeremy exclamou - Vocês dois precisam ficar sozinhos?
Os olhos de Dominic se estreitaram quando ele disse - Sua inteligência deve ser a razão
para o entusiasmo de seu treinador.
Marie dirigida Jeremy - Jeisa me disse que você seria dentro e fora do país, em
novembro.
Jeremy assentiu.
Marie perguntou - Você vai passar o feriado com sua família?
Jeremy encolheu os ombros - Minha mãe trabalhou quase todas as graças que me lembro.
Ela provavelmente está trabalhando neste.
- Sua mãe ainda trabalha? - Jake perguntou, surpreso.
- Ela não acredita que o que eu estou fazendo é uma fonte confiável de renda.
Dominic perguntou - E o que exatamente você quer fazer? Quando você não está
trabalhando por nós, o que você faz.
Jeremy disse - Você sabe que minhas habilidades.
Dominic disse - Um homem pode morrer fazendo isso para a pessoa errada.
- Ou ele poderia fazer uma fortuna rápida - Jeremy respondeu.
Jake disse - Eu tenho que concordar com Dom em um presente. Eu não acho que você
sabe o quão rápido ele pode ficar perigoso - Seus olhos se estreitaram ligeiramente - Ou
você? É este ainda sobre o amigo de Lil?
Marie cortou dentro - Jeremy, estamos celebrando Ação de Graças com os Andrades este
ano. Tenho certeza de que os pais de Jake vai estar lá e gostaria de vê-lo. Se a sua mãe não
pode vir, pelo menos, trazer Jeisa. Vai ser a primeira de Ação de Graças nos Estados
Unidos, e que ela não deveria gastá-lo sozinho.
- Eu vou ver ... - Jeremy coberto.
Marie continuou - Todos nós gostaríamos que você viesse. Será que não temos,
Dominic? - Quando Dominic não disse nada, Marie colocou a mão em um de seus quadris e
olhou fixamente para ele - Jeremy fez mais por nós do que nós poderíamos ser capazes de
pagar.
Dominic cerrou os dentes e disse - Você pode vir.
Jake brincou - Isso é tão bom quanto o convite é teu, Jeremy.
Quando Jeremy não falou, Marie tocou a manga da camisa e disse - Significaria muito
para mim se você veio.
Um rolo compressor de veludo. Ela pode parecer suave do lado de fora, mas não, não era
uma palavra que ela reconheceu.
Jeremy evitou os olhos dos outros dois homens no quarto e disse - Eu vou ver o que
posso fazer.
Com isso, um sorriso despreocupado voltou ao rosto de Marie e ela de braços dados com
Jake - Agora, Jake, o que está acontecendo com seus planos de casamento com Lil? Eu
pensei que você ia se casar por agora.
- Queremos mantê-lo pequeno. Pensamos que janeiro seria bom - Jake disse que ele saiu
do escritório com Marie.
Dominic voltou ao seu lugar atrás de sua mesa, apoiado seus pés e disse - Marie parece
gostar de você.
- Isso é um problema?
- A não ser que desapontá-la.
- Você está me ameaçando se eu não vir a Ação de Graças com você?
- Eu não faço ameaças - Eu faço promessas, seu tom implícita.
Jeremy não pôde conter sua resposta. Ele sorriu e disse - Isso é incrível! Eu tenho que
dizer que alguém algum dia, exatamente naquele tom. Eu amo isso. Você soa como um
padrinho moderno da máfia.
Dominic balançou a cabeça - Você é um filho da puta louco.
Jeremy sorriu mais uma vez, virou-se para sair, e disse por cima do ombro - De você,
isso é um elogio.
Ele ouviu Dominic rosnar uma maldição para ele como ele saiu. Não muitas pessoas se
levantaram para Dominic. Ele levava consigo não só a sua reputação, mas a de seu pai sem
escrúpulos. As pessoas temiam, e com razão.
Que fez zombando dele que muito mais divertido.
Como Jeremy caminhou pelo corredor, ele repetiu a cena do escritório em sua cabeça.
Sim, ele estava escolhendo um caminho perigoso. Qualquer número de conexões que ele
estava atualmente cultivando poderia virar mortal se azedou, mas a alternativa era
inaceitável.
Se isso me deixa mortos, é melhor do que passar um dia como o homem que eu era.
Então, ameaçar longe, Dominic, você não me assusta.
Eu não tenho nada a perder.

Dominic Corisi despojado de sua cueca e se juntou a sua esposa sob o edredom de seda
grossa de sua cama. Ela virou de costas e sorriu para ele, cumprimentando-o com um beijo
quente que normalmente teria lhe despir ainda mais. Em vez disso, ele encontrou conforto
em seu beijo, em seguida, sentou-se ao lado dela, colocou-a em seu lado, e colocou a mão
em toda a pequena protuberância de seu estômago.
Abby levantou a mão e colocou-a na bochecha - O que há de errado?
Dominic balançou a cabeça e forçou um pequeno sorriso. Tudo desde o momento em que
ele se encontrou com Abby tinha sido melhor do que ele jamais imaginou sua vida poderia
ser – Nada.
- Então por que você está amarrado em mim?
Um sorriso terno se espalhou por todo o seu rosto, o tipo só ela inspirou. Ela o conhecia
tão bem - Você sabe que eu não gosto de trazer questões de trabalho em casa.
Abby passou a mão carinhosamente pelo pescoço, abaixo do braço, e estabeleceu-se no
topo da mão em seu estômago - Somos uma equipe, Dom. Você não tem que me proteger.
Você está autorizado a ter dias ruins. Ele não vai estragar a felicidade que encontramos. Na
verdade, ele vai fazer o que temos ainda mais forte.
Dominic distraidamente esfregou seu estômago enquanto ele refletia suas palavras. Ele
ainda estava se acostumando a partilha-se com alguém, mas Abby não se contentar com
menos do que tudo. Ainda assim, desconfortável, uma vez que, por vezes, era, ela tinha um
jeito de olhar para os cantos mais sombrios de seu coração e aliviar as dores que ele tinha
muito tempo tentaram negar.
- É Jeremy - disse ele com um aceno de nojo de sua cabeça.
Abby inclinou a cabeça para um dos lados em questão - Jeremy Kater? Amigo de Lil? O
hacker? Eu pensei que você disse que estava fazendo grandes coisas para as Empresas
Corisi.
- Eu não gosto dele.
Apoiando-se num cotovelo, Abby disse - Ele parece ser um cara legal. Toda vez que eu o
conheci, ele foi educado. Marie diz que ele veio realmente fora de seu escudo uma vez que
ele está trabalhando com o consultor de imagem que ela contratou para ele.
Dominic resmungou.
Abby sorriu suavemente e beijou mandíbula de seu marido - Oh, eu vejo. Marie levou-o
como um projeto, e você não gosta de compartilhar dela.
- Isso não é nada disso - Dominic negou bruscamente - Ela não o vê pelo o que ele é -
Quando sua esposa não disse nada, ele acrescentou - E ela o convidou para Ação de Graças,
pelo amor de Deus.
- Ação de graças, hein? Bem, certamente haverá comida suficiente para os Andrades -
Então, qual é ele? Diga-me.
Ele não devia ter falado nisso. Tentando dizer Abby sobre falhas de alguém era como
tentar contar uma chuva passar para não fazer um arco-íris ao menor sinal de sol. Ela viu
bem em todos. Normalmente, era algo que ele admirava sobre ela, mas agora ele
simplesmente queria que ela concordasse com ele - Ele é um burro arrogante, que é o que
ele é. Ele não tem nenhum respeito pela autoridade. Ele não vai assinar um contrato porque
ele diz que não trabalha para ninguém, mas a si mesmo. Eu não confio nele. Ninguém sabe
o que ele é capaz. Se ele não era tão bom no que faz, eu soltá-lo, mas meus instintos me
dizem que é melhor tê-lo trabalhar para nós e não contra nós.
Abby riu, o que só irritava Dominic mais.
- Não é engraçado. Ele é imprevisível, e isso é perigoso. Ele está cobrando velocidade
máxima em alianças internacionais, muitos dos quais ele não vai divulgar, sem levar em
conta o perigo que poderia trazê-lo e qualquer um associado com ele.
- Ele me lembra - disse Abby, como ela parou de rir para colocar a mão no ombro de seu
marido - de alguém que eu conheço.
- Ele não é nada como eu. Ele acha que só porque ele nunca perdeu no mundo virtual que
ele é invencível na vida real. Esse tipo de arrogância pode obter um homem morto.
Abby respondeu gentilmente - Então, parece que ele poderia usar um mentor.
- Não.
Abby simplesmente olhou pacientemente para ele.
Dominic admitiu outra verdade incômoda - Ele zomba de mim na minha cara. Se não
fosse por Marie, eu lhe daria um soco que ele está pedindo.
Abby esperou um momento, então disse - Marie levou sua mãe para fora algumas vezes.
Eu sei por que Marie quer ver Jeremy sucesso.
Dominic franziu a testa para baixo, para a sua esposa - Não há nada que você possa dizer
que me faria como aquele garoto.
Ela deu-lhe aquele olhar teimoso que ele tinha se apaixonado por sua primeira semana
juntos - Eu acho que você está errado, Dom. Ele cresceu em um lar com pai e mãe, mas seu
pai estava acamado para a maioria de sua vida. Jeremy cuidou dele a partir de uma idade
jovem, muito jovem, por isso sua mãe pudesse trabalhar. Eles tiveram os enfermeiros, mas
nada de tempo integral. Jeremy foi educado para que seu pai nunca estaria sozinho. Sua
mãe disse Jeremy era o seu rock. Como as contas médicas empilhadas, Jeremy usou esse
mundo on-line para ajudar a pagar as contas médicas de seu pai. Seu pai faleceu no início
do que teria sido seu último ano do ensino médio. Você pode imaginar o que sua vida era
como? Se ele está com raiva do mundo, não é que ele tem o direito de ser? Você sabe o que
a raiva pode fazer para um homem jovem.
- Pare. Eu odeio quando você faz isso - Ele sentiu uma pontada de compaixão indesejável
para Jeremy e sua infância roubada.
Sua esposa sentiu o rachar em sua armadura e fui para o matar - Eu estou falando sério,
Dom. De tudo que ouvi sobre ele, ele é um bom homem. Com a sua ajuda, ele pode se
tornar um grande homem. Marie olhou por sua reputação e vi que eram realmente. Talvez
você deve confiar em seus instintos com Jeremy.
Ele estava começando a concordar com sua esposa, mas ele ainda não estava pronto para
admitir isso.
Abby disse - Deve haver alguma coisa que você gosta sobre ele.
Dominic admitiu - Às vezes ele me faz rir. Ele é um merda, é engraçado.
Abby sorriu e acenou com a aprovação - Veja. Você tem algo em comum.
Voltando o sorriso de sua esposa, Dominic admitiu - Ele está tendo aulas de boxe com
alguém que ele está pagando para vencê-lo sem sentido. É muito divertido.
Rapidamente causa, Abby disse - Ele está bem? Por que ele faria isso?
Dominic encolheu os ombros - Eu acho que ele quer endurecer.
Abby beijou o marido levemente nos lábios e disse - Você acha que ele não tem respeito
por você, mas eu aposto que ele admira.
Dominic deu a sua esposa um sorriso arrogante - O que não é de admirar? Eu sou bonito,
rico e casado com a mulher mais incrível do planeta.
Isso lhe valeu uma segunda chance na recepção calorosa que ela lhe ofereceu antes. Ela
puxou sua cabeça para baixo para encontrar seus lábios novamente - E humilde. . . - Ela riu
entre beijos.
Ele levantou a cabeça, olhando sério por um momento, e corrigiu - Agradecido.
Seus olhos se encontraram e realizada. Abby disse - Nós dois temos muito a agradecer.
Será que feri-lo para ajudar a Jeremy encontrar o seu caminho?
Ele correu o polegar pensativo levemente sobre os lábios rosados de sua esposa, que
naquele momento estavam transformou-se em um sorriso - Será que eu vou ser capaz de
dizer não para você?
- Não quando você sabe que eu estou certo - Ela sentou-se e colocou a camisola de cetim
sobre sua cabeça, revelando seus seios incríveis, que estavam crescendo ainda maior
quando seu corpo mudou com a gravidez - Como agora, eu acho que você está vestindo
muita roupa.
Dominic rapidamente tirou sua cueca e rolou de costas, puxando sua esposa nua com ele
para que ela montou sobre ele. Ele correu um dedo polegar apreciativo em um círculo lento
em torno de um de seus mamilos - Diga-me o que você quer, mulher.
Ela sorriu para ele, com os olhos cheios de amor, e disse - Você, Dom. Esta noite.
Amanhã. Para sempre.
Sua ereção inchou contra seu centro úmido - Vamos trabalhar hoje à noite pela primeira
vez. Eu não acho que você poderia ficar mais bonito ou mais sexy, mas sabendo que tudo
isso também tem nos dado - ele colocou a mão suavemente em seu estômago de novo - uma
família. Eu não tenho palavras para dizer o que isso significa para mim.
Abby inclinou-se, beijou o marido, e disse contra seus lábios - Então, me mostrar.
E ele fez.
Ternamente.
Alegremente.
Reverentemente.
Durante toda à noite.
E, em seguida, novamente na manhã seguinte, quando tomava banho juntos.
Capítulo Quatro

Duas semanas mais tarde, o telefone de Jeisa tocou no meio da noite. Ela virou-se e
escondeu a cabeça debaixo do travesseiro, mas o telefone não parava de tocar.
Eventualmente, ela desistiu e respondeu, com a voz rouca de sono - Alô?
- Inglês Jeisa - Jeremy disse alegremente. Maneira muito alegremente quando ela abriu
os olhos pesados e gemeu quando viu que eram três horas da manhã - Desculpe acordá-lo,
mas eu tenho que te perguntar uma coisa.
Jeisa caiu para trás em seus travesseiros e resignou-se à conversa. Não era a primeira vez
que ele a chamava de outro fuso horário. Para um homem com tal QI elevado, ele teve
dificuldade em entender que só porque ele estava acordado, não significa que o resto do
mundo compartilhado nesse estado - O quê?
- Eu preciso de sua opinião. Devo alugar um avião ou um jato?
- Você está brincando comigo?
- Não, eu estou falando sério. Os aviões são enormes. Você deverá ver alguns dos que
eles estão me mostrando aqui. Alguns deles têm dois andares e de teatro. A sala de cinema
do caralho em um avião. Você pode acreditar nisso?
- Jeremy, eu vou voltar a dormir agora.
- Espere, eu tenho que tomar a decisão hoje de manhã. Os jatos são igualmente
surpreendentes. Você pode começar em qualquer lugar em cerca de metade do tempo. Qual
deles você acha que me faz parecer mais. . . Perigoso?
- Você já pensou em um avião de combate - ela brincou.
Muito a sério, Jeremy respondeu - Eles não deixam civis tem aqueles.
Jeisa gemeu - Eu sei. Podemos olhar para as opções quando você voltar?
- Não, eu preciso dele para esta viagem. Avião ou jato. Qual deles você prefere voar?
Resignando-se à conversa, Jeisa disse - Conte-me sobre o avião outra vez.
- Eles têm que costumava ser de propriedade de um velho antes que a economia deu um
mergulho. Ele tem três quartos e um escritório. Eles sugerem que você contratar uma
limpeza e esperar o pessoal para ele se você comprá-lo.
- Parece incrível.
- Mas o jato é exatamente como o que você vê nos filmes. É um pequeno de seis lugares,
elegante, poderoso, rápido. Pode ser mais impressionante.
- Para quem? - Quando Jeremy não respondeu, Jeisa se sentou na cama - Você vai ver
Alethea nesta viagem?
- Eu a convidei para se juntar a mim na República Tenin. Com seu governo cortar
ataques rebeldes altamente sofisticados, eles querem a sua rede para ser o mais seguro
possível.
Parece perigoso, Jeisa pensou, mas ela sabia que era o ponto. De tudo o que ela tinha
ouvido falar Alethea, ela seria atraída para a área como uma mariposa para uma chama.
Jeisa tentou permanecer neutro. Isto é o que ele trabalhou tão duro para - Então, eles
querem seu próprio hacker.
- Exatamente. Houve falhas em uma de suas bases militares, que pode ter sido um ataque
aéreo teleguiado. Eu posso garantir que isso não aconteça novamente. Pode ter sido um
trabalho interno, embora, por isso realmente faz sentido trazer Alethea em um presente.
Ela queria gritar - Não! É muito perigoso. Muito em breve. Eu não estou pronto para
perdê-lo ainda - Mas ela se conteve. Perdê-lo? Ele já foi. Obrigou-se a parecer favorável.
- Parece que a oportunidade que você estava esperando.
- É - ele disse, mas ele não parecia tão animado como ele deve ter.
Ela deu um palpite sobre o porquê e perguntou - Mas você não tem certeza que você está
pronto? - Quando ele não disse nada, ela passou por seus próprios sentimentos sobre o
assunto e disse-lhe o que ele precisava ouvir - Você é. Eu não tenho nenhuma dúvida de
que você vai conquistar seu coração. Você sabe por quê? Porque eu vi você chegar a
qualquer objetivo que você se deu ao longo dos últimos meses. Você definir sua mente para
algo, e você fez isso acontecer. Não existem muitos homens que podem dizer isso. Ela vai
ficar impressionada, não importam quais as aeronaves que você chega dentro.
- Obrigado Jeisa. Eu não sei o que eu faria sem você.
Agora há um verdadeiro pontapé nas calças. Um homem finalmente diz o que eu sempre
quis ouvir, e é só porque eu estou ajudando-o a conquistar o coração de outra mulher.
- Boa noite, Jeremy.
- Oh, antes que eu esqueça. Marie convidou-nos a Ação de Graças na casa dos Andrades.
Os Waltons provavelmente estará lá. Eu gostaria de ir.
- Então, vai.
- Eu quero você lá comigo.
Não, não, não - Eu não acho que é uma boa idéia - É hora de colocar alguma distância
entre nós antes de fazer papel de bobo.
- Você sabe como eu sou em situações sociais como essa. Eu preciso de você lá.
- Ação de graças é de duas semanas. Você poderia estar com Alethea até então. Confie
em mim, você não vai precisar de mim.
- Pressa não é parte do meu plano com esta viagem. Esta semana vai ser tudo sobre o
negócio e deixá-la ver o novo mim.
- Não havia nada de errado com a sua idade, Jeremy.
- Você sabe o que quero dizer. Ela não me viu desde a festa de noivado de Dominic. As
coisas são diferentes agora.
Eles com certeza são.
Ela ouviu o sorriso na voz dele enquanto ele brincou - Vai levar o seu tempo para
mergulhar na minha nova grandiosidade.
Apesar do peso de seu coração, Jeisa não pode deixar de rir com ele - Ela pode não
reconhecê-lo, agora que sua cabeça ficou tão grande.
- Felizmente para mim, eu tenho em torno de você para manter o meu ego sob controle.
Não por muito tempo.
Nem uma única vez Alethea percebe como você é maravilhoso.
- Venha comigo para a casa dos Andrades comemorar o dia de Ação de Graças, Jeisa. Eu
preciso de você.
Suas palavras trouxeram lágrimas inesperadas aos olhos. Ela afastou-los com
impaciência e disse - Estou cansado, Jeremy. Vamos falar sobre isso quando chegar em
casa.
- Eu deveria estar de volta sexta-feira. Vou trazer-lhe os trufa de chocolate coisas que
você ama.
- Brigadeiros - ela perguntou, com a boca de rega - Você já está perdoado por me
acordar.
Sua profunda risada enviou um arrepio de prazer pelas costas - Eu vou direto para o seu
lugar quando eu voar de volta em alguns dias e dizer-lhe como foi a viagem.
Como um balde de água fria, suas palavras mudou seu foco de volta para a realidade do
que a viagem significaria para eles – Claro - disse ela com muito menos entusiasmo. Por
que não? Nada que uma mulher ama mais do que ouvir um homem falar de outra mulher.
- Veja você sexta-feira. E obter a jato, Jeremy. Alethea vai amá-lo - disse ela e desligou.
Ela deveria ter lhe desejado boa sorte, mas as palavras tinham prendido em sua garganta.
Rolando para o lado, ela abraçou um travesseiro contra o peito e lutou contra um
redemoinho de emoções confusas.

Alethea Niarchos saiu da limusine Jeremy Kater havia enviado para ela e para a pista do
aeroporto privado do governo da República Tenin. O calor subindo para fora da pista fez
Alethea momentaneamente queria que ela tivesse esperado dentro interior refrigerado do
veículo, mas a paciência nunca foi uma de suas virtudes. Ela concordou em se encontrar
Jeremy parte porque trabalhar com um governo estrangeiro tomaria sua carreira para um
nível totalmente novo, e em parte porque sua participação aqui intrigava. No papel, era um
país democrático parlamentar, mas na prática era essencialmente uma ditadura. O primeiro-
ministro Akia Alvo começou seu reinado como um herói, ser votado depois de um golpe de
Estado 15 anos mais cedo. Alguns disseram que o poder tinha ido a sua cabeça. Ele encheu
o armário com aqueles leais a ele, e embora ele e seus partidários haviam sido reeleito, a
imprensa tinha chorado falta sobre o processo antes que ele silenciou-os internamente e
proibiu imprensa estrangeira.
O Jeremy ela sabia desde o colegial cedo nunca teria colocado a si mesmo ou suas
habilidades no mercado tão publicamente. Revelando-se provavelmente ser tão perigoso
para ele como era, obviamente, financeiramente lucrativo.
O que você está realmente fazendo aqui, Jeremy?
Se o dinheiro era tudo que ele procurou, ele poderia ter encontrado que apenas pela
extensão de sua associação com as Empresas Corisi. Sua obra em Najriad para a família
real havia lhe dado o reconhecimento internacional de que ele poderia ter apostado em
qualquer número de grandes contratos e por uma bolada. Por Tenin? Por que se envolver
em um governo vacilante?
A resposta veio com ela enquanto ela esperava a porta da escotilha do jato para abrir.
Porque o dinheiro não é objeto, quando a própria sobrevivência está em jogo. Um governo
em crise é tão rico quanto ele é volátil.
Nós poderíamos ser mortos aqui.
Ou fazer uma fortuna rápida.
Ambas as possibilidades foram igualmente emocionante. Ultimamente ela tinha
encontrado a rotina do que ela fez um pouco deprimente. Se ela tivesse que sentar em mais
uma reunião de avaliação de desempenho empresarial, onde se concentrou mais em
controle de danos do que a prevenção, ela roer fora de suas unhas feitas. Eventualmente,
eles iriam vender-se sobre a importância da segurança apertada, sem dar-lhe uma visão
geral tediosa de sua empresa em primeiro lugar. Mais de uma vez ela tinha sido tentado a
esfaquear um CEO com um de seus sapatos de salto alto só para ver se ela poderia e, em
seguida, fazê-lo fora do prédio vivo.
Mate-me, só não me aborrecer.
Graças à sua recente filiação com Dominic Corisi, o desafio de encontrar novos postos
de trabalho desapareceram, juntamente com todo o prazer que ela encontrou para testar os
sistemas de segurança do edifício. Ela tinha mais clientes potenciais que ela teve tempo
para trabalhar, mas o quão divertido é invadir um prédio, se você está convidado a?
A escotilha do jato aberto, e levou Alethea um momento para reconhecer Jeremy. Onde
estava o homem branco pastoso que se parecia exatamente com o que ele tinha sido: um
nerd que morava no porão da casa de sua mãe? Suas bochechas levemente arredondadas
foram agora cortadas em linhas fortes, acentuando os olhos azuis penetrantes. Alexander
Amosu em seu terno escuro listrado que foi feito sob medida para a sua nova estrutura
musculosa. Quando ele parou para conversar com o piloto antes de descer as escadas, a
mandíbula de Alethea caiu de surpresa. O corte moderno de seu cabelo castanho espesso foi
curto, mas nervosa. Ele falou do poder da juventude. Passar, pai, seu filho está tomando
conta da empresa.
Não que Jeremy tinha necessariamente uma empresa ou mesmo um pai, para essa
matéria.
Honestamente, Alethea não tinha idéia de que ele tinha. Ela nunca tinha prestado muita
atenção à sua vida pessoal. Ele sempre tinha sido seu amigo hacker, de uma fonte confiável
de informações não se poderia obter legalmente.
Ela balançou a cabeça na maravilha. As pessoas não mudam, que dramaticamente, não é?
Você não gasta a sua vida em um porão e, de repente, se transformar em um modelo
masculino com uma aeronave que grita - Ponha-me na primeira página da Forbes.
Ele começou a descer as escadas, viu, e sorriu.
Ela surpreendeu-se por sorrir de volta.
Jeremy, hein? Eu nunca teria acreditado.
Ela esperava que ele se aproximasse dela sem jeito, já que ele sempre teve, com aquele
olhar que dizia que ele desejava abraçá-la em saudação. Em vez disso, ele caminhou
confiante para ela e estendeu a mão, como se ela fosse uma colega de trabalho dele –
Alethea - disse ele suavemente - Eu estou feliz que você fez na hora. Nosso encontro é em
vinte minutos no composto de Alvo.
Sua mão forte se fechou sobre a dela, e ela esqueceu o que ia dizer.
Jeremy?
Isto não pode ser Jeremy.
Ele era o único que quebrou o contato e fez um gesto para o detalhe jipe armado que
cercou a limusine que ele tinha enviado para ela - Eu sei que você gosta de manter um
perfil baixo, mas com as revoltas recentes, estes são necessários.
Alethea balançou a cabeça, deslizou de volta para a limusine, e reuniu seus pensamentos.
Uma centena de perguntas girava em sua cabeça, mas nenhum delas parecia lisonjeira,
então ela segurou e esperou por ela filtro para a superfície - Jato agradável - ela disse, e
chutou-se mentalmente. Desde quando eu não sei o que dizer para um homem?
Seu sorriso virou-se para um sorriso satisfeito que se espalhou pelo seu rosto, e por um
momento ela vislumbrou o menino que ela tinha conhecido há muito tempo. Ele costumava
sorrir assim quando ele cortou com sucesso em um site que alguém lhe tinha dito que era
impossível o acesso - Eu estou feliz que você goste - disse ele em uma voz profunda, que
era ao mesmo tempo familiar e completamente estranha para ela.
Ele se sentou em frente a ela e abriu uma pasta em seu colo - Eu trouxe uma cópia do
layout do composto estaremos hoje, bem como o da base que foi atacada.
- O que aconteceu com a quebra nos primeiros e serem contratados mais tarde - ela
brincou.
Uma de suas sobrancelhas arqueadas em reconhecimento sutil de seu humor - Você pode
tentar isso, mas em Tenin eles tendem a matar mais do que aprisionar. Este é o grande
momento, Alethea. Você começa com este governo e você pode definir o seu preço com os
países em vez de as empresas.
Droga, Jeremy. Eu quero tomar todas as vitaminas que você está.
- Eu aprecio você me trazer aqui - Alethea disse, e ela fez. Esse era exatamente o tipo de
aventura a sua vida havia faltado. Ela pegou os papéis dele.
Ele deu de ombros - Você foi uma escolha natural. Nós nos conhecemos há muito tempo.
Não é verdade, Jeremy, Alethea pensou. Se este é você, eu nunca soube que você em
tudo. Deixando de lado os papéis, ela estudou-lo novamente e balançou a cabeça em
perplexidade. Você estava sempre presente bonito e eu não percebi? Ou será que, pela
primeira vez desde que o conheci, ele não parecia nem um pouco interessado nela? Ela
sentou-se, cruzou as pernas, e viu a reação dele por baixo de seus longos cílios.
Ela escolheu um vestido de cor bloqueado azul e preto tanque. Ela estava totalmente
ciente de como o material moldado ao corpo como uma segunda pele, e ela nunca tinha
estado acima usando seus recursos naturais como alavanca. Os homens eram mais fáceis de
manusear quando eles estavam um pouco fora de equilíbrio, algo que ela sempre tinha
encontrado decepcionante fácil de fazer. Os olhos de Jeremy derivou para as pernas, de
volta para o ponto de vista na janela atrás dela, em seguida, voltou para a sua face.
Casualmente, descartando seu movimento paquera.
A sensação de excitação percorreu Alethea. Jeremy, você pode fingir, mas eu sei que
você está em mim. Você sempre esteve em mim. Ela agraciou-o com o sorriso mais sexy
que ela tinha em seu arsenal. O calor inundou seu rosto quando ele parecia estar se
divertindo em vez de nervosa.
Com uma voz perfeitamente calma e surpreendentemente desinteressada, Jeremy disse -
Se você tem alguma dúvida sobre os planos, só temos cerca de mais dez minutos antes de
chegarmos - Ele puxou um tablet de sua pasta e começou a ler sobre um documento.
Oh, eu tenho perguntas, mas não sobre os planos.
Que diabos aconteceu com você, Jeremy, e por que de repente eu quero provar a você
que eu sou muito mais interessante do que qualquer coisa que você pode tirar dessa pasta?

Jeremy ouviu o zumbido primeiro-ministro sobre o clima político de seu país e foi
tentado para verificar o relógio. Ele não queria ouvir justificativas ou de propaganda. Ele
queria colocar as mãos em sua rede de computadores para ver por si mesmo se tivesse sido
violada.
A expressão cuidadosa de interesse no rosto de Alethea sugeriu que ela era igualmente
impaciente, mas foi sabiamente manter seus pensamentos para si mesma. Ela o pegou
olhando para ela e sentou-se um pouco mais reto em sua cadeira.
Quando Jeremy tinha percorrer este cenário em sua cabeça, ele tinha sido quase certeza
que ficaria aquém de sua fantasia. Mas isso não aconteceu. Não julgar pelo sorriso sensual
que ela escapou dele quando o primeiro-ministro olhou para longe. Ela nunca encontrou
seus olhos por tanto tempo quando falavam nem escolheu para se sentar tão perto dele,
quando dada a oportunidade de fazer o contrário.
Se ele fosse um pescador, ele teria dito que ela estava circulando a isca.
Quando o primeiro-ministro saiu da sala por um momento para fazer uma chamada de
telefone, Alethea disse - Nós fazemos uma bela equipa, Jeremy. Ele está babando em cima
de nós.
Jeremy deliberadamente manteve sua voz fria - Ele parece ser.
- Você tem outros países alinhados - ela perguntou, excitação evidente em sua voz e a luz
dançando em seus olhos. Ele sabia que esse projeto iria interessá-la, especialmente porque
seu trabalho recente que parecia de rotina, por comparação.
Tudo estava se unindo exatamente como ele tinha planejado. Ele ainda antecipou esta
questão e praticou a sua resposta na frente de um espelho muitas vezes. Ele esperava que
soasse natural, quando ele falou - Vamos ver como este vai primeiro.
Bam.
Lá estava ela, a certeza de real interesse em seus olhos.
Ela nunca foi capaz de passar um desafio, e eu só fiz em um.
Eu não posso esperar para contar Jeisa que ele trabalhou.
Capítulo Cinco

Eu não estou aqui porque Jeremy está com Alethea.


Estou aqui porque é a coisa certa a fazer.
Jeisa seguido Marie através do foyer de sua Beacon Hill condomínio de luxo. Estava
repleta com uma mistura de bom gosto de antiguidades americanas e europeias, a coleta de
que era um hobby bem conhecido de Marie. Se Jeisa lembrado corretamente, ela possuía
uma casa perto de cada um de sede da Corisi e amada enchendo-os de móveis que
encontrou em lojas próximas. A esposa de Domingos, Abby, uma vez brincou sobre a
paixão de Marie para encontrar peças de valor inestimável em pequenas lojas
desconhecidas maioria das pessoas teria demitido.
Hoje tinha sido o primeiro convite de Jeisa para a casa de Maria, e ela desejou que ela
não tivesse concordado. Esta foi uma conversa que ela teria preferido ter no escritório de
Marie. Na casa de Marie, sua fala preparada sentiu como se estivesse renegar algo pessoal.
Mas eu não sou.
Eu não decepcioná-la.
Esta é mais uma visita de missão cumprida.
Marie acenou para o espaço ao seu redor e disse - Não importa o quão pequeno é o lugar.
Eu costumava possuir uma grande casa. Vendi-o quando meu marido faleceu.
- Eu sinto muito em ouvir isso - Jeisa murmurou.
- A não ser - Marie continuou - Vai por oito anos. Eu ainda sinto falta de Stan todos os
dias, mas a dor tem crescido suportável. Tempo faz isso. Eu mais uma vez encontrei a
felicidade, mas a minha perspectiva mudou. As coisas materiais não importam muito para
mim. Minha casa é onde meus filhos estão.
- Jake e Dominic - perguntou Jeisa, sentindo-se de repente, não tem certeza se ela deveria
ter se referido a eles como informalmente como ela tinha.
Marie se virou e sorriu - Sim, aqueles garotos. Eu não sei o que eu faria sem eles.
Do pouco que Jeisa sabia deles, ela sentiu-se confiante quando ela disse - Eu tenho
certeza que eles sentem o mesmo sobre você.
- É um alívio vê-los se estabelecer com boas mulheres - Marie encontrou os olhos de
Jeisa com significado - Os homens se perderiam se deixado lá por conta própria. As
mulheres os cultivam.
O mundo de acordo com a Sra. Duhamel.
- É lindo como você tudo chegado tão perto. Você tem seus próprios filhos - perguntou
Jeisa. Ela sabia o básico da vida da mulher mais velha, mas tão aberto quanto eles tinham
sido, o tema do passado de Marie ainda tinha que vir para cima.
Os olhos de Marie derrepente perderam um pouco de seu brilho - Eu tinha um filho de
uma só vez. Ele faleceu no berço antes que ele virou um. Os médicos nunca encontraram a
causa. Ele estava simplesmente com a gente um dia e passou a próxima. Meu marido era
um homem forte, mas ele nunca se recuperou disso. Um pedaço dele morreu junto com
nosso filho e ele nunca voltou.
Não há palavras de conforto parecia adequada, de modo Jeisa apenas balançou a cabeça.
Marie cheirou, depois pareceu sacudir as memórias - Kevin teria a idade de Dominic
agora se tivesse vivido. Você nunca substituir aqueles que você amou e perdeu, mas se
você tiver sorte e que você mantenha seu coração aberto, às vezes você tem uma segunda
chance em uma família.
- Que bela maneira de olhar a vida.
- Há muitas coisas que não podemos mudar, Jeisa, mas podemos escolher como nós e
nossas decisões afetamos. A vida é muito preciosa e curta. Preenchê-lo com todo o amor
que você pode e saborear cada momento maldito dele - Ela cativou a um bloqueio errante
no seu caso contrário perfeitamente preparado bob loira em camadas - Bem, chega disso.
Tenho certeza que você não veio aqui para me ouvir tagarelar sobre o passado. Vamos
sentar para que possamos conversar.
Como se na sugestão, uma mulher de meia-idade muscular, seu cabelo castanho puxado
para trás em um coque severo que acentuava seu queixo quadrado, saiu da cozinha com um
uniforme de empregada azul. Ela perguntou se eles gostariam de ser servido o chá com uma
voz profunda que tinha Jeisa verificação para ver se ela tinha uma maçã de Adão.
- Gostaríamos de alguns, Alice - Marie disse calorosamente. Quando a empregada saiu
da sala, Marie sussurrou - Não deixe que a roupa o engane, ela carrega uma arma em seu
avental e eu tenho certeza que ela é uma espécie de especialista em artes marciais - Sua voz
ficou ainda mais suave - Seu chá é horrível, mas eu não iria falar isso.
A sobrancelha de Jeisa disparou e seus olhos voaram para a porta da cozinha.
Marie sorriu e acenou para longe a preocupação de Jeisa como ela a levou a duas nozes
almofadadas cadeiras banheira Bernhardt estabeleceu-se perto de uma lareira apagada em
sua sala de estar - Dominic se preocupa comigo. Eu assegurei a ele que eu não vou a lugar
nenhum, mas ele se sente mais seguro com alguém me vigiando - Um brilho voltou ao seu
olho - Se ele iria contratar um guarda-costas para mim, eu não me importo em cozinhar
para os pobres. Acho que eu deveria ser grata. Eu fico aguardando com a Miss Brown
porque eu nunca quero pouco.
BOLO DE CARNE? Jeisa tinha uma dupla tomar a descrição do seu amigo de seu
guarda-costas tipo preferido. Marie agiu assim matronal que era fácil esquecer que ela
estava apenas em seus apenas sessenta anos. Olhando o passado excessivamente modesto
decote da blusa e as linhas retas de sua saia longa, Jeisa percebeu que Marie estava
realmente muito adequado para a idade dela. Ao contrário das mulheres brasileiras Jeisa
estava acostumado, Marie tinha escolhido para esconder ao invés de acentuar sua beleza
natural - Isso é horrível - Jeisa disse, fazendo referência a culinária de ambos senhorita
Brown e uma crescente suspeita de que a mulher que guiou muitas pessoas podem estar
precisando de um pouco de ajudar a si mesma. Se eu não estivesse aqui para dizer adeus.
Lendo o comentário de Jeisa como se referindo apenas ao tópico em questão, Marie riu e
sussurrou - Você gostaria de experimentar seus biscoitos para que você possa ver o que eu
quero dizer?
Jeisa balançou a cabeça com um sorriso - Meu pai me ensinou a nunca provocar uma
dona de casa armada.
Marie assentiu - O homem sábio, seu pai. Ele ainda está no Brasil? Ele deve perder muito
de você.
- Eu acho. Falamos todos os dias - Se eu quero ou não.
- O que ele pensa de você trabalhar com Jeremy?
Jeisa encolheu os ombros.
- Você ainda não disse a ele?
- Para dizer a ele sobre Jeremy, eu teria que dizer a ele sobre Reese, e que a história teria
ele no primeiro avião aqui para me pegar.
- Então, ele acha que você ainda é casada? - Jeisa assentiu - Oh, querida, quando
descobrir que você está mentindo para ele, só vai ser pior.
- Eu vou dizer a ele. Eu só não encontrei o momento certo para fazê-lo.
- Não existe hora errada para a verdade.
- Você não entende. Esta foi a minha chance de mostrar que ele está errado sobre mim,
que eu sei o que estou fazendo. Dizendo-lhe que eu vim aqui para um trabalho que nunca
existiu só vai provar tudo o que ele pensa sobre mim é certo.
- Quantos anos você tem, Jeisa?
- Vinte e quatro.
- Jeisa, os pais amam seus filhos. Eles podem não amá-los da maneira que a criança
deseja que ela era amada. Eles podem ter falhas. Eles podem decepcionar seus filhos de
novo e de novo. Mas eu nunca conheci um pai que não ama a seu filho. Você não é a
primeira pessoa a sentir-se mal interpretado, ou a temer que seu pai não vai se orgulhar de
você de verdade. Mas ele nunca terá a chance de provar o quanto ele ama você, se você não
é honesto com ele.
Ela fez parecer tão fácil.
Marie aliviaram o humor novamente com um sorriso - E não há outro assunto que eu
tenho certeza que você não veio aqui para discutir. O que você quer falar comigo sobre,
Jeisa?
Jeisa muito agradecido aceitou uma xícara de chá da dona de casa, embora ela
normalmente preferida de café. O pires e a xícara ocupariam as mãos e dar-lhe algo para
olhar enquanto ela deu a notícia para a mulher mais velha - Sra. Duhamel - começou Jeisa.
- Desde quando você não me chamar Marie? Sra. Duhamel me faz parecer tão abafado -
acrescentou com um sorriso.
- Marie - Jeisa começou de novo - é sobre a minha posição atual.
Marie colocou seu próprio copo para o lado e cruzou as mãos no colo, sua linguagem
corporal o oposto polar do que Jeisa sabia sobre ela. Ela poderia esperar pacientemente por
uma explicação, mas isso não significava que ela iria aceitá-lo. No entanto, desta vez, era
importante que ela fez.
Jeisa hesitou.
Odeio desapontá-la.
Mas eu não sou. Este é o melhor, e ela vai ver isso.
Jeisa mentalmente revisado o que ela tinha planejado dizer uma última vez antes de falar.
- Aconteceu alguma coisa? - Marie perguntou, inclinando-se com preocupação.
Sim.
Não.
Isso é metade do problema.
- Não - Jeisa disse apressadamente - É hora de me mudar para outro cliente.
Os olhos de Marie ampliaram - Você já tem uma fila?
- Não - Jeisa admitiu.
- Você está encontrando dificuldades para viver o seu salário atual?
- O salário foi mais do que generoso - Jeisa levado às pressas para explicar.
- Então, é que você não gosta do trabalho?
- Não, estes últimos meses têm sido surpreendentes - Jeisa suspirou. Nada disso estava
saindo tão eloqüentemente como ela tinha planejado - Jeremy não precisa mais de mim.
- Oh - Marie sentou-se e cruzou as mãos no colo, mais uma vez - Eu vejo.
- Você me contratou para ajudá-lo com a sua imagem. Ninguém pensaria que ele é nada
além de um rico empresário. Ele pode se misturar em eventos sem nenhum problema. Ele é
a rede agora com pessoas muito poderosas, e seu sucesso vai continuar.
- Será que Jeremy sugeriu que você já não era mais necessária - perguntou Marie.
- Não, nós não conversamos sobre nada disso. Eu queria falar com você primeiro. Esta
foi uma oportunidade incrível para mim e eu não quero que você pense por um momento
que eu não aprecio isso. Eu faço.
- Então, você gostaria de deixar o cargo, mesmo que você não tem outros alinhados -
perguntou Marie. Ela falou baixinho, ainda Jeisa ainda sentia como se estivesse em uma
inquisição.
- Sim? - Jeisa respondeu sem jeito, querendo chutar a si mesma. Sem vacilar. Eu vim
aqui para lhe dizer que eu vou desistir. Não há nenhuma cláusula no meu contrato sobre o
aviso prévio. Jeremy não precisa mais de mim. É simples assim. Por que estou tendo
dificuldade em dizer que eu sou feito e eu não quero trabalhar com Jeremy mais?
Porque é quase impossível olhar para essas amáveis, olhos sábios e mentira, mesmo que
seja uma mentira que eu tenho uma meia-me convenceu é verdade.
- Será que Jeremy fazer um passe indesejável em você - perguntou Marie.
Jeisa riu um pouco de uma maneira autodepreciativa. Desejo - Jeremy não é assim. Ele é
um cavalheiro.
Marie bateu seus dedos juntos como ela refletia a resposta de Jeisa - Ele convidou você a
passar a Ação de Graças com a gente?
- Sim.
- Bom - disse Marie.
- Mas eu não vou - Jeisa adicionou em uma corrida - Por favor, entenda que,
normalmente, eu gostaria de acompanhá-lo. Você, Abby, Lil, os Andrades. . . todo mundo
foi tão gentil comigo. Eu adoraria dizer que sim, mas eu não pertenço aqui.
Marie apenas encontrou seus olhos e esperou.
Esperei pela verdade.
Quando Jeisa poderia prendê-lo de volta não, ela desabafou - Jeremy vai se encontrar
com Alethea nesta viagem de negócios. Ele vai mostrar-lhe o novo dele e eu não podemos
imaginar que ela vai transformá-lo para baixo. Ele é brilhante, bonito, engraçado, leal a
uma falha. . . - Jeisa parou quando ela percebeu o quanto de seus próprios sentimentos, ela
estava revelando em sua descrição.
- Soa como um homem que qualquer mulher poderia se apaixonar - Marie acrescentou.
- Nenhuma mulher com todo o sentido - Jeisa resmungou para si mesma - Ele tem o seu
conjunto de coração em Alethea.
Marie perguntou - Diga-me, você acha que ela é uma boa escolha para Jeremy?
Se você não pode dizer algo agradável, é melhor dizer algo vago. Jeisa coberto - Não é o
meu lugar para dizer.
Marie levantou-se e disse - Bem, então que seja meu - Ela atravessou a ficar mais Jeisa -
Alethea é uma egocêntrica, egoísta, adrenalina em busca de drogada que prioriza o seu
vício de excitação sobre a segurança dos amigos que ela reivindica para cuidar.
Bem, Marie, como você realmente se sente sobre Alethea? Jeisa sufocou uma risada de
surpresa - Eu não a conheci - disse Jeisa.
Marie virou-se e se acomodou em sua cadeira - Eu tenho - disse ela com um tom de
desprezo - Ela vem usando Jeremy desde que eram adolescentes. Ela veio de dinheiro, mas
tinha sido expulso de todas as escolas privadas de qualquer posição. Então, ela freqüentou a
escola pública e fez o seu melhor para fazer uma paródia de seu tempo lá também. Quando
Jeremy mais precisava dela, ela não fez nada por ele. Ela seria o primeiro a dizer-lhe que
ele é um alvo fácil de manipular. Você realmente quer que ele acabe com alguém como
ela?
- É a sua escolha a fazer, não minha.
- Você está certo sobre isso? Eu vi você e Jeremy juntos. Obviamente, ele cuida de você.
Com um pouco de incentivo, ele poderia simplesmente esquecer sua obsessão ridícula
infância.
Ou ele poderia quebrar meu coração.
- Eu vim para os Estados Unidos para me encontrar, não um homem.
- Encontrar-se? - Marie deu um suspiro delicado - Ninguém nunca se encontraram por
fugir do que eles querem. É quando você decide lutar por algo em que acredita que você
descobre o que você está realmente feito. O que você acredita, Jeisa?
A franqueza da pergunta trouxe uma confissão espontânea de Jeisa. Além de Jeremy?
- Eu sempre quis trabalhar na próxima geração do design e da distribuição vaso sanitário.
- Desculpe-me? - As sobrancelhas de Marie pinçados em uma pequena linha de confusão
em sua testa.
- Quando eu estava na universidade, eu li um artigo sobre um bilionário americano que
estava hospedando concursos mundiais para projetar o sistema de coleta de resíduos
perfeito. Ele viu isso como uma maneira de trazer água potável, possivelmente até mesmo
uma fonte de energia, para áreas isoladas em países do terceiro mundo. Foi um gol tão
básico que eu não conseguia parar de pensar nisso. Como é que nos dias de hoje ainda
existem pessoas que não têm acesso a água limpa ou meios sanitários de eliminação de
resíduos? Falamos sobre as doenças, mas não gosto de falar sobre o que contribui para eles.
Eu gostaria de ser parte de um movimento para mudar isso.
Aqui vem. No silêncio que se seguiu, Jeisa teve tempo suficiente para se arrepender de
sua decisão de compartilhar essa aspiração particular. Assim como meu pai, ela não vai ver
o passado a impopularidade do tema para a gravidade da necessidade.
Jeisa lembrou da única outra vez que ela fez esta confissão em voz alta. A resposta de
seu pai havia sido - Você não está ligando seu nome publicamente com a eliminação de
resíduos. Não enquanto você é minha filha - Ela ainda não estava inteiramente certo o que
isso significava, mas tinha sido inteligente o suficiente para não empurrar o problema ainda
com ele.
Quando Marie falou, Jeisa quase deixou cair a xícara e o pires - Jeisa, eu gosto de você
mais a cada vez que falamos. Eu posso ver porque você não quer passar o resto de sua vida
como um consultor de imagem. Você tem projetos mais importantes esperando por você -
Outra mulher poderia ter dito aquelas palavras em um tom sarcástico, mas Marie sabia o
que elas significavam - Agora, minha única pergunta é: O que é que você parar de fazê-lo?
Normalmente, eu teria dito – Pai - mas ela está certa. Ele negou-lhe uma idéia boba, mas
como ele saberia o quanto é importante para mim quando eu não fiz nada para esse
objetivo? Eu estive pensando muito ocupado com as maneiras que ele me decepcionado
que eu não considero que eu possa ter me deixar para baixo. Eu preciso parar de se
concentrar sobre o porquê eu não posso fazer alguma coisa, e começar a fazer as coisas
acontecerem.
Como Jeremy faz.
De repente, o treinador de boxe fez sentido para Jeisa.
Assim como eu, ele precisa provar algo para si mesmo.
- Espere - Jeisa disse - Eu pensei que você estava tentando me convencer a ir atrás de
Jeremy.
- Uma pessoa nunca deve ser exclusiva do outro. Se você tiver que escolher entre seus
sonhos ou o seu homem. . . sempre escolher os seus sonhos. O homem certo vai amar a sua
força e sua paixão. Ele vai se juntar a sua causa ou animá-lo do lado de fora. O homem que
deixa provavelmente teria deixado de qualquer maneira, ele só teria escolhido outra razão.
Medo disparou através dela enquanto ela considerava Jeremy como uma possibilidade
séria. Era uma coisa a lua sobre um homem que sabe que nunca vai ter. Era uma coisa
totalmente diferente de decidir a ir atrás dele.
Não. Ele já fez a sua escolha.
E isso não é comigo.
Jeisa pousou o copo, suspirou e se levantou - Eu aprecio o seu conselho, Marie. Eu
realmente fazer. Isso não muda o que eu sei que tenho que fazer, mas obrigado pela
compreensão.
Marie levantou-se e acenou com a cabeça - Siga seu coração, Jeisa. As coisas tendem a
trabalhar para o melhor quando você faz.
Jeisa se virou para sair, então parou. Algures durante a conversa ela tinha mudado de
idéia. Não, não seria fácil, mas ela não queria perder Marie, assim como Jeremy - Eu não
vou estar a trabalhar para as Empresas Corisi mais depois de hoje, mas eu gostaria de voltar
a vê-lo de vez em quando, se está tudo bem.
Marie sorriu - Eu ficaria magoado se você não o fez - Jeisa estava prestes a sair do quarto
quando Marie disse - Vou pedir ao redor e ver se tenho conexões com esse projeto de água
que você está interessada de pegalas.
Jeisa abriu a boca para dizer que não era necessário, mas foi cortado por um tsk, tsk da
mulher mais velha.
Ela disse - Faça uma velha feliz e deixe-me fazer isso por você.
Jeisa sorriu - Você joga sujo.
O sorriso de Marie brilhou - Às vezes.
A empregada encontrou Jeisa na porta, em seus enormes ombros praticamente preenchê-
lo. Jeisa sorriu docemente para ela e foi recompensado com um olhar firme. A mulher
virou-se e Jeisa seguiu para fora. Pouco antes de ela saiu da sala, Jeisa fez uma pausa e
disse - Obrigado, Marie. Por tudo.
Marie assentiu e acenou um adeus, mais uma vez olhando cada pedacinho do modesto
doce senhora fingia ser. Você não pode me enganar mais, Jeisa pensou, e riu para si mesma.
Marie seria muito gracioso para nunca recusar um presente, e Jeisa decidiu usar esse fato
para sua vantagem. Eles não me um consultor de imagem para chamar nada.

Na manhã seguinte, Jeremy cumprimentou o porteiro quando entrou prédio de Jeisa às


sete e meia - Bom dia, Tim. Como vão Carol e as crianças?
O sorriso do homem mais velho, a quem adivinhou Jeremy estava em seus trinta e tantos
anos, era fácil e aberto - Bom, muito obrigado. Como foi a viagem?
Jeremy pensado ao longo dos últimos dias e disse - bem sucedida. Eu realizei o que me
propus a fazer. Você conseguiu esse projeto científico feito para o seu mais novo?
Tim riu - Eu fiz. Eu acho que o professor desconfia que eu a ajudei, apesar de tudo.
Talvez eu não devesse ter soldadas as peças.
Jeremy riu - A aprendizagem é claro, não é? Dê a sua esposa lhe enviar um cartão de
presente para tomar um café ou algo assim. Ela poderia deixar passar.
Balançando a cabeça, Tim disse - Você não sabe a Sra. Dubois. Ela corre um navio
apertado terceiro grau. Eu vou ter sorte se eu sair com um aviso.
Lembrando de algo, Jeremy enfiou a mão no bolso do peito interior de seu terno e tirou
um envelope - Eu quase me esqueci. Alguém me deu ingressos para a temporada para o
Boston Celtics. Eu não sou um grande fã de esportes. Você quer que eles?
- Você está falando sério? Quero dizer. . . Eu não poderia aceitá-los.
- Considere isso uma dica para todas as vezes que você me deu conselhos sobre a mosca.
Jeremy abriu o envelope e estendeu os bilhetes - Há quatro aqui. Você poderia levar toda
a sua família - Quando Tim hesitou, Jeremy disse - Ei, se eu mantê-los eles vão acabar não
utilizado e esquecido. Se você não quer que eles, pelo menos, levá-los e encontrar-lhes um
novo lar. É uma pena vê-los ir para o lixo.
Tim os embolsou relutantemente - Obrigado.
Jeremy assentiu com a cabeça e começou a caminhar em direção ao elevador, então
decidiu tomar as escadas. Quanto mais ele funcionou, mais vivo que ele sentia, e hoje ele
estava voando alto em seu mais recente sucesso com o governo Tenin, e com Alethea.
A vida é boa!
- Parece ótimo. Ok, eu estou indo para cima. É cedo, portanto, Jeisa vai ser mal-
humorado, mas eu trouxe uma oferta de paz - Ele levantou um saco de brigadeiros
brasileiros de sua padaria favorita.
Ele subiu as escadas de dois em dois até quatro andares para o apartamento de Jeisa.
Depois de alguns momentos de bater cada vez mais forte, ela respondeu, e meia que se
inclinou contra a porta ela segurou aberta para ele, vestida de short rosa e uma camiseta
branca. Era óbvio de seus olhos pesados de sono que ele tinha acordado ela, e era
igualmente óbvio dos mamilos que ele podia ver claramente através do tecido fino da blusa
que ela rolou para fora da cama para atender a porta.
A imagem de acertá-lo como um soco. Ele lutou contra o impulso de enterrar a mão em
tanto tempo, emaranhado de cabelo escuro e levá-la com ele para um beijo de manhã.
Agora não, ele mentalmente dirigiu seus lombos errantes. Não Jeisa.
O cheiro dela enviou uma corrida pulsante de sangue para o sul. Ele ficou apenas na
frente dela, contente de que o casaco era longo o suficiente para esconder os efeitos de sua
libido momentaneamente errada.
O que há de errado comigo?
Eu não sinto isso quando eu estava com Alethea.
Ela fez sinal para ele entrar e, embora seus pés não se moveram, uma parte de sua região
inferior certamente o fez, com um entusiasmo surpreendente.
Merda, eu não me sentia assim em tudo com Alethea.
Jeisa empurrou uma mecha de cabelo atrás de um dos seus deliciosos ouvidos e disse -
Você vem ou não? - Sua voz causou arrepios inesperados de prazer por sua espinha.
Você sabe que está em um lugar ruim quando apenas a palavra – vinda - é suficiente para
limpar a cabeça de todo o pensamento coerente. Ele tomou uma segunda olhada em como
ela estava vestida. Nenhuma mulher deve procurar que o bem direto da cama.
Seus olhos se encontraram e ela corou levemente, mas ela não desviou os olhos. Seria
possível que tudo o que a loucura o havia superado era algo que ela se sentia muito?
Ele se inclinou até que seus lábios quase se tocaram e respirou o perfume dela. Seu
coração batia em seu peito. Em uma tentativa de recuperar algum controle, ele levantou a
bolsa que tinha na mão e disse - eu trouxe. .
Ela pegou o saco dele, rapidamente se virou, e re-entrou no apartamento. Ele seguiu,
soltando um suspiro trêmulo.
Puta merda.
Ela liderou o caminho para a pequena cozinha e se ocupou de fazer café para os dois.
Jeremy se sentou em uma banqueta de bar no balcão, grato pela forma como ele escondeu a
evidência de sua excitação.
- A viagem foi bem sucedida - ela perguntou, sem olhar para ele.
Ele tentou responder, mas ficou momentaneamente perdido na longa extensão de pernas
bronzeadas que seus shorts e revelou o cuzinho apertado que mal coberto - Eu tenho
contrato - disse ele, com a boca seca de repente.
- Isso é ótimo - Jeisa disse, ainda não virar da máquina de café - Você viu Alethea?
Sua releitura entusiasta de sua viagem morreu antes que ele pronunciou uma palavra. Era
sua imaginação ou foi Jeisa chateado? Uma miríade de emoções giravam dentro de Jeremy.
Ele esforçou-se para fazer as coisas de volta ao normal entre eles - Sim, e ela adorou a jato.
Você estava certo sobre isso.
- Estou feliz - Jeisa disse e se virou, inclinando-se para trás em suas mãos, que agarrou a
borda do balcão do lado oposto da pequena cozinha. A pose levantou os seios e apertou
ainda mais firmemente contra o material de sua fina camiseta.
Jeremy engoliu em seco.
Vendo Alethea deveria ter diminuído sua atração por Jeisa. Em vez disso, ele tinha feito
o oposto, e que ele estava lutando para entender o que isso significava.
- O que ela acha do novo você - perguntou Jeisa.
O triunfo que ele sentia por finalmente ganhando o interesse de Alethea se sentiu fora de
lugar com Jeisa. Ainda assim, ele não estava disposto a mentir para ela. Ele tentou aliviar o
clima com uma brincadeira - Eu abalou seu mundo.
Jeisa derramou o café, puxou a mão. Ela jurou em Português como ela enxugou o líquido
quente fora de suas pernas nuas. Quando ela olhou para cima, seus olhos estavam cheios de
mágoa que não tinha nada a ver com o vazamento.
Não, Jeisa não se sente assim em relação a mim. . . ela faz?
- Você quis beijá-la? - Jeisa perguntou como se a questão estava rasgada dela.
- Não - disse Jeremy. Ele poderia ter. Ela tinha-lhe dado a oportunidade quando ele a
deixou em seu avião. Sua relutância não fazia sentido para ele até agora - Isso não fazia
parte do plano.
Nem era isso.
- Mas agora que vocês dois vão trabalhar em estreita colaboração neste projeto, você não
vai - ela perguntou.
- Sim - ele respondeu, e odiava que ele se sentia culpado. Ela sabia que isso era o que ele
estava trabalhando. Nada disso foi uma surpresa. A única parte inesperado foi o quão vazia
de seu sucesso agora sentia.
- Estou feliz por você - ela disse, com voz embargada de emoção - Você fez isso, Jeremy.
Você lutou por aquilo que você queria e você conseguiu.
Será que eu?
Jeisa continuou - Eu acho que agora é um momento tão bom quanto qualquer outro para
lhe dizer que eu não vou estar indo para a Ação de Graças com você. Na verdade, eu já
renunciei ao meu cargo, com efeito, imediato.
Seja qual for Jeisa esperava, não foi para Jeremy a vaga fora de seu assento e canto-a
contra o balcão. Ele disse - O que você está falando? Você não pode parar.
Sua proximidade teve um efeito imediato sobre a sua capacidade de se concentrar. Ela
tentou deslizar para longe, mas ele bloqueou seu retiro, colocando uma mão sobre o balcão
ao lado dela. Ela lambeu os lábios repentinamente secos - Eu já fiz. Marie entende meus
motivos.
- Bem, eu não - ele explodiu com uma emoção que ela não tinha visto ele antes - e você
trabalha para mim.
Jeisa balançou a cabeça - Tecnicamente eu trabalho, ou melhor, eu fiz o trabalho para as
Empresas Corisi.
Ele passou a mão frustrada por seu cabelo - Você não pode parar. Eu preciso de você.
Ah, como eu gostaria que fosse verdade.
Assim como seu coração começou a amolecer um pouco, abrindo-se ligeiramente para
permitir que um raio de esperança em, Jeremy disse - Você disse que iria vir comigo para
Ação de Graças na próxima semana. Eu não posso ir sozinho ao dos Andrades.
É claro que ele precisa de mim para escolher seus ternos, prepará-lo com temas para
discussão luz. O que vem depois, pegar os preservativos em caso Alethea se junta a eles?
De jeito nenhum. Eu sou feito - Eu nunca concordei em ir com você.
Sua carranca se aprofundou - Por que você está fazendo isso Jeisa? Eu não entendo.
Algo em seu estalou. Ela levantou-se em bicos de pés, puxou sua cabeça para baixo e se
estabeleceram seus lábios nos dele, usando um beijo para dizer-lhe que ela ainda não pode
colocar em palavras.
Como um jogo para secar gravetos, o calor estourou o beijo de ambos os lados. Suas
mãos estavam imediatamente em sua cintura, puxando-a contra sua ereção saliente. Sua
boca a acolheu como se fosse o beijo centésima vez de seu primeiro. Ela esfregou-se
corajosamente contra ele e foi recompensado por senti-lo estremecer de prazer contra ela.
Facilmente, ele ergueu-a sobre o balcão atrás dela e ela se inclinou para trás, sem fazer
nenhum esforço para parar uma de suas mãos de deslizar sob a bainha de sua camisa e se
estabelecer em seu peito. Suavemente, quase com reverência, brincando e explorando suas
dicas excitadas. De pé entre as pernas abertas, ele aliviou a outra mão dentro do material
solto de seus shorts, deslizando-a por baixo da calcinha de seda e reivindicando um lado de
seu traseiro, esfregando-o deliciosamente e facilitando sua frente no balcão até a sua dureza
estava lutando contra ela umidade.
Sua cabeça caiu para trás com o prazer dela, e seus lábios começaram a adorar seu
pescoço. Seu hálito quente fez cócegas em seu ouvido. Ele provou-la como se ela fosse um
vício que ele tinha lutado muito para negar, mas finalmente cedeu.
Com uma mão, ele levantou a camisa, quando sua boca afirmou um de seus seios estava
perdida com a intensidade do mesmo. Por apenas um momento, não importava que o seu
coração pertencia a outra mulher. Tempo e razão caiu, deixando apenas uma necessidade
furiosa dentro de ambos.
Seu telefone tocou no bolso de sua jaqueta, rangendo Jeisa volta à realidade.
O que estou fazendo?
Ela colocou a mão no ombro de Jeremy e empurrou contra ela. Ele levantou a cabeça, os
olhos azuis ardendo com o mesmo desejo que ela ainda sentia pulsar dentro dela. Ainda
assim, a sanidade foi rastejar dentro - Pare, Jeremy. Nós não podemos fazer isso.
Suas mãos se acalmaram, mas não retirou. Sua respiração era irregular testamento
suficiente para como mútuo o encontro tinha sido. No entanto, ele parou quando ela
perguntou. Muitos homens teriam sido ressentido ou com raiva. Jeremy era nenhum dos
dois. Ele apoiou a testa em seu ombro e respirou calmante. Suas mãos voltaram a cintura,
mantendo um contato, mas facilitando a intimidade de seu abraço.
O toque parou quando seu telefone provavelmente foi para o correio de voz.
A questão a incomodava. Ela tinha que perguntar - Quem chamou?
Sua cabeça se endireitou - Quem se importa?
Ela não queria, mas ela fez - Eu faço.
Ele se afastou dela e olhou para o telefone. Ele não tem que dizer quem havia chamado.
Ela sabia. Quando ele não disse nada, Jeisa pulou o balcão, ajeitou a roupa e disse - Você
deve ir, Jeremy.
Antes de me tornar um idiota ainda maior de mim mesmo.
Seu rosto corou e repente, ele parecia um pouco defensiva - Eu não sabia até agora que
você gostava de mim. Você nunca disse nada.
- Alguns homens não são tão alheios como você é - Jeisa disse, sabendo que ela estava
realmente com raiva de si mesma.
Mandíbula com raiva, ele disse - Você deveria ter dito alguma coisa.
Suas palavras cortam através dela como uma faca rasgando seu coração em pedaços
desgastados - Por quê? Você já fez a sua escolha bem clara - sua voz quebrou um pouco
enquanto falava.
Jeisa viu seu rosto como confusão substituiu sua raiva. Ele levantou a mão para tocá-la,
mas ela se afastou dele e em direção à porta. Ele a seguiu. Na porta, ele disse - Eu nunca
quis te magoar. Eu me importo com você.
Não se preocupe com o amor.
- Por favor, vá, Jeremy - Ela abriu a porta para ele.
Ele deu um passo por ele, mas parou em frente a ela - Eu quero dizer-lhe que ela não
significa nada para mim, mas eu não vou mentir para você.
A teoria de Marie na honestidade não se sustenta quando testado.
Há definitivamente um momento errado para a verdade.
- Adeus, Jeremy.
Ele não se mexeu. Ele abriu e fechou a boca várias vezes, como se ele começou a dizer
alguma coisa e então decidiu contra ela. Finalmente, ele disse – Vai comigo para o dia de
Ação de Graças.
Jeisa balançou a cabeça - Eu não posso.
Ele acrescentou - Precisamos de tempo para descobrir isso.
- O que é que eu vou fazer, passar uma semana com você e espero que no final dela você
ira me escolher? - Dar-lhe mais uma chance de quebrar o meu coração se você não faz?
Jeremy se inclinou e reclamou seus lábios com os seus, como se testar alguma coisa. Ela
balançou contra ele. Não havia como negar o calor instantâneo que abalou os dois. Quando
ele interrompeu o beijo, ele sussurrou - Uma semana, a partir de segunda-feira.
Seu estômago virou quando ela perguntou - Por que segunda-feira?
Ele não respondeu, em vez disso, ele deu um passo para trás e disse - Vou mandar um
carro para você. Já possui uma mala lotada.
Ela balançou a cabeça - Eu não vou dormir com você para ajudá-lo a descobrir isso.
Com um sorriso confiante de que era uma mistura do homem que ele sempre foi e o
homem que ele estava se tornando, Jeremy piscou para ela. Ela prendeu a respiração.
- Quem falou em dormir?
O telefone de Jeremy tocou novamente, mas desta vez quando ele verificou que ele
parecia aliviado - Esse é o ginásio me lembrar que eu tenho uma sessão com Ray, esta
manhã. Estou em muito menos dor no dia seguinte, se eu não fazê-lo esperar - Com um
rápido beijo final, ele disse - Eu te vejo segunda-feira.
Ele já estava dentro do elevador e fora do alcance da voz pelo tempo Jeisa reuniu uma
resposta - Eu não disse que sim.
Oh, que eu estou brincando?
Que tipo de mulher concorda em dar a um homem uma semana para escolher entre ela e
alguém que passou a última década desejando mais?
Apenas uma mulher apaixonada seria tão estúpida.
Marie, que se você estiver errado?
Jeisa fechou a porta de seu apartamento e se inclinou contra ele.
Ou se enquanto luta para o que você quer, você descobre que você não gosta de quem
você é? Eu passei muito tempo evitando o confronto e se perguntando por que eu nunca
consigo o que quero. Eu corro. Eu me escondo. Eu faço desculpas para a minha fraqueza.
Mas eu posso mudar.
Quando tem qualquer coisa maravilhosa vem para aqueles dispostos a arriscar algo para
ele?
O caminho de volta para mim mesmo respeitando começa aqui. Eu vou dar Jeremy essa
semana ele pediu porque se eu não fizer eu vou sempre me pergunto o que poderia ter sido.
Isso não é algo que eu estou dando a ele, é algo que eu estou dando a mim mesmo.
E se ele quebra o meu coração?
Eu vou sobreviver, porque é isso que as mulheres fortes fazer. Eles escolhem-se para trás
e seguir em frente.
Uma imagem de Marie passou pela mente de Jeisa como um lembrete de algo que ela
precisava resolver.
Eu deveria ligar para o meu pai e dizer-lhe tudo.
Jeisa pegou o telefone e tão rapidamente substituiu. Ele não estava indo para ser feliz.
Vou dizer a ele após o feriado.
Capítulo Seis

Mais tarde naquela manhã, depois de uma aula de boxe uma hora de duração com Ray e
um funcionamento prolongado, Jeremy se dirigiu para a sede Corisi em Boston. Seu terno
feito sob medida azul marinho da Caffrey era confortável, mas ousado. Ele gostaria de
poder dizer o mesmo de seu estado mental. Nem as milhas extras que ele acrescentou à sua
corrida matinal, nem o tempo, chuveiro quente ele haviam praticado depois desacelerou
seus pensamentos de corrida. Jeisa. Alethea. E um beijo que abalou tudo o que ele achava
que sabia. Jeremy procurou a um homem que ele sabia que poderia ajudá-lo e ventou pelo
secretário que normalmente teria o deteve.
Dominic Corisi estava no telefone quando Jeremy entrou em seu escritório. Jeremy
caminhou até sua mesa e se sentou em uma das cadeiras apenas na frente dele.
- Eu vou chamá-lo de volta - Dominic disse ao telefone e desligou. Jeremy não se
ofendeu com o olhar o outro homem lhe deu. Isso foi Dominic.
Jeremy direto ao motivo pelo qual ele estava lá - Eu preciso de sua ajuda.
Uma sobrancelha escura subiu em dúvida, mas Dominic permaneceu em silêncio.
Nunca ter sido bom em sutilezas, Jeremy se esforçou para encontrar a maneira para a
conversa que ele queria ter direito - Somos uma espécie de amigos, não somos nós,
Dominic?
- Não, não realmente - Dominic disse em um tom um pouco seco.
Jeremy encolheu os ombros - Eu poderia merecer isso. Eu gosto de experimentar para te
chatear.
Dominic expeliu uma respiração áspera - Existe um ponto para isso?
- É possível se apaixonar por alguém enquanto você cobiçar alguém? Ou assim que você
perceber que você cobiçar alguém, isso significa que você nunca foi apaixonado?
Nem um músculo se moveu no rosto de Dominic, e seu silêncio continuou até o ponto de
embaraço. Eventualmente, Dominic disse - Sai fora do meu escritório.
Jeremy não se moveu. Ele nunca tinha conseguido nada de recuar - Estou falando sério.
Eu respeito a sua opinião. O que você acha?
- Eu acho que você escolheu a pessoa errada para dar-lhe o discurso de pássaros e
abelhas.
Balançando a cabeça, Jeremy persistiu - Eu não penso assim. Você tem sido associada a
inúmeras mulheres na imprensa. Eu presumo que eles estavam todas as mulheres que você
queria estar com sexualmente. Como você sabia que Abby era a mulher certa para você?
Jeremy pensou que Dominic estava indo para dizer-lhe para deixar de novo, ou talvez até
mesmo chamar a segurança, mas a expressão de Dominic suavizado com a menção de sua
esposa - Eu percebi que quando eu estava com ela eu era um homem melhor - Um pequeno
sorriso esticou os lábios e acrescentou - Por exemplo, ela é a razão pela qual você ainda
está vivo.
Jeremy assentiu enquanto refletia a resposta de Dominic.
Se ele baseou sua decisão na qual a mulher fez querer ser um homem melhor, Jeisa
ganhou mãos. Ela foi paciente e solidária. Ela não julgar suas fraquezas e, portanto, ele
nunca tinha escondido deles dela. Eles compartilhavam uma honestidade que ele não
poderia imaginar que algum dia conseguir com alguém como Alethea.
Quero Jeisa, e se eu não fizer algo rápido, eu vou perdê-la.
Dominic inclinou-se sobre um cotovelo e disse - Agora sai.
Apesar da dureza da ordem de Dominic, Jeremy levantou-se e sorriu. Ele tinha
conseguido a resposta para o que ele tinha vindo - Obrigado, Dom. Eu sei o que fazer
agora.
Quando ele estava saindo, ele disse por cima do ombro - Veja você quinta-feira no
Andrades.
Ele ouviu Dominic jurando que ele fechou a porta e deu uma risadinha.
Estou crescendo com ele, Jeremy pensou como ele caminhou pelo corredor.
Um milhão de coisas para fazer nesse dia, mas o primeiro e mais importante, Jeremy
tinha um encontro com o plano.
Onde você levar alguém quando você pode dar ao luxo de levá-la em algum lugar?

Poucas horas depois, Jeremy estava sentado em seu escritório no edifício Corisi, estando
longe de ser produtivo. Ele ouviu as mensagens de voz de dois senadores, um punhado de
caçadores de talentos, e um repórter que ele não tinha a intenção de chamar de volta. Ele
ainda ouviu uma mensagem de Alethea. Ela estava voltando para Tenin para checar alguma
coisa e ela queria saber se ele poderia se juntar a ela. Ela sugeriu que celebram Ação de
Graças no estrangeiro, enquanto olhando para algo que ela não queria falar no telefone.
Houve um momento em que ele teria dado qualquer coisa para tal uma mensagem de
Alethea. Hoje, ele o deixou frio. Tudo o que ele conseguia pensar era Jeisa e como ele
queria passar a semana tentando conhecê-la melhor.
Planos ousados para um homem que não tinha nenhuma experiência em tais coisas.
Por que diabos eu digo que eu buscá-la na segunda-feira? Eu deveria ter me dado mais
tempo para chegar a algo incrível. Ainda sentado em sua mesa, ele estava olhando para fora
da janela de seu escritório, quando Marie bateu de leve na porta e entrou. Ele se levantou
para cumprimentá-la.
Marie estudou seu rosto - Fico feliz em ver que você está ostentando menos contusões
nos dias de hoje.
Jeremy sorriu. A visita de Marie sentiu como o sol depois de uma tempestade o
agradável calor quente e uma alegria simples - É bom ver você, Marie - Ele estendeu uma
cadeira para ela e sentou-se em frente a ela - O que o traz aqui?
- Você já viu Jeisa desde que você voltou?
Ele sentiu seu rosto corar - Sim.
- Então, você sabe que ela está parando?
- Eu falei para ela ficar por mais uma semana. Ela e eu vamos estar na casa dos Andrades
com você de Ação de Graças.
- Isso é maravilhoso! Como você convencê-la?
Seu rosto esquentou ainda mais.
Um enorme sorriso iluminou o rosto de Marie - Você não sabe como isso me faz feliz.
Jeremy limpou a garganta e advertiu - Marie, não torná-lo mais do que é. Nós ainda não
tivemos o nosso primeiro encontro ainda.
- Bem, o que você está esperando?
Ele se recostou na cadeira e cobriu o rosto com uma das mãos - Eu disse a ela que eu ia
buscá-la na segunda-feira de manhã e ter uma mala pronta.
- Você fez isso? - Perguntou Marie com surpresa feliz.
Jeremy sorriu, incapaz de esconder o orgulho que sentia em sua forma confiante - Eu fiz
- Então ele ficou sério - Agora eu tenho que descobrir para onde levá-la. Onde é que
Dominic levar Abby em seu primeiro encontro?
De repente séria Marie debruçou-se e colocou a mão sobre Jeremy - Não importa para
onde eles foram. Esta viagem é tudo sobre você e Jeisa.
Jeremy encolheu os ombros, desconfortável com sua correção - Eu não quero desapontá-
la.
Marie levemente apertou a mão dele - Quando um homem planeja algo especial para
uma mulher que se preocupa, não há espaço para a decepção. Escolha algo que você sabe
que ela gosta de fazer.
Sentindo-se um peso resolver em seu peito, Jeremy admitiu - Isso é um problema, então,
porque passamos a maior parte do nosso tempo junto, conversando sobre os meus objetivos
e o que eu quero. Eu realmente não sei o que ela gosta.
Marie sorriu novamente - Ela gosta de você. Mesmo eu sei disso. Um homem inteligente
como você vai descobrir o resto fora.
Jeremy ficou de pé, súbita inspiração bater nele - Eu tenho isso - Ele voltou para sua
mesa e começou digitando em seu laptop - Você é um gênio, Marie. Eu sei como descobrir
o que ela gosta.
Marie ficou de pé atrás dele – Jeremy - Ela estendeu o seu nome como um aviso.
Jeremy estava muito animado com o que ele estava descobrindo a deixá-la preocupação
atrasá-lo - Ela nem utiliza números ou símbolos em suas senhas. Esse foi o código mais
fácil de quebrar. Vou ter que conversar com ela sobre isso.
Marie colocou a mão em seu ombro - Não foi isso o que eu quis dizer, Jeremy.
Jeremy apontou para a tela e disse - Marie, você disse que eu preciso saber o que ela
gosta. Bem, qual a melhor maneira de fazer isso do que para conferir suas recentes
pesquisas on-line? - Ele bateu a tela quando uma florista local veio à tona - Ela tem uma
ordem permanente para a entrega semanal de um buquê de flores nativas do Brasil, mas ela
afirma que quer que seja diferente a cada semana - Ele levou um momento para digerir o
que isso significava - Então, ela perde o Brasil e gosta de surpresas - Ele continuou a
percorrer as informações, os dedos furiosamente levá-lo de link em link. Ele parou em uma
página e disse - Ei, ela procurou informações sobre mim enquanto eu estava fora - Ele
sorriu para Marie, que simplesmente sacudiu a cabeça para ele.
Sua leveza caiu como suas pesquisas revelaram mais. Ele cobriu a página com a mão
quando se deparou com uma compra pessoal. Calor encheu seu rosto. Ele disse - Eu amo
que ela tem, mas você não deve ver isso, Marie.
Marie se afastou do computador e advertiu Jeremy - Só porque é fácil para você fazer,
Jeremy, não faz a coisa certa.
Jeremy a tranquilizou - Eu não vou ler mais do que eu preciso. Eu prometo. Assim que
eu encontrar algo que faz uma data perfeita, eu vou parar.
Marie inclinou-se e fechou o laptop em seus dedos - Levá-la para a Califórnia. Há uma
universidade lá fora, que está trabalhando em um protótipo de um banheiro que dizem que
vai melhorar as condições de vida nos países do terceiro mundo. Jeisa está muito
interessado em que a pesquisa. Interessado o suficiente para considerar se mudar para lá
para fazer parte do projeto.
Jeremy aliviou os dedos de seu laptop. Sua própria mãe nunca tinha tentado controlá-lo,
talvez porque ela sempre se sentiu culpado por quanto ela lhe pedia. Marie não tinha tais
escrúpulos. Ele tinha um grande respeito por ela e seu relacionamento com Dominic agora
que ele já tinha visto esse lado dela.
Banheiros?
Marie nunca foi errado, mas Jeisa não tinha dado qualquer indicação de ser interessado
neles.
Banheiros, hein? Ele não pôde reprimir o sorriso. É possível que, sob sua fachada sexy
não bate o coração de um nerd?
Enquanto cautelosamente observando Marie com o canto do olho, ele lentamente reabriu
seu laptop e fiz uma pesquisa rápida para o projeto que ela mencionou. Depois de ler o
artigo da universidade sobre o assunto, ele disse - Estes protótipos são incríveis! E energia
solar. Isso é tão legal. O site fala sobre salvar o mundo e posso ver como podiam.
Simplesmente fantástico.
Ele fechou o laptop e olhou para Marie dúvida - Posso realmente construir uma viagem
romântica em torno de visitar uma instalação de eliminação de resíduos?
Marie sorriu, seu bom humor voltar - Normalmente, eu diria que não, mas é uma paixão
de Jeisa. Você sabe como eles dizem que o caminho para o coração de um homem é pelo
estômago? O caminho para o coração de uma mulher é através de apreciar tudo o que ela
ama. Deixe-me fazer alguns telefonemas. Vou definir tudo. Tudo que você tem a fazer é
entrar na limusine que eu envio para você.
Jeremy atravessou a sala e abraçou Marie. Ela protestou levemente e escovado-lo, mas
ela estava sorrindo como ela fez isso.
- Eu não sei o que eu faria sem você, Marie.
Seu sorriso era tipo quando ela disse - Eu tenho muito isso.
Jeremy olhava distraidamente pela janela muito tempo depois Marie tinha deixado seu
escritório. Seu telefone tocou várias vezes, mas ele não respondeu ele. Seu corpo ainda
poderia ter sido no escritório, mas seu coração e mente já estavam imaginando Califórnia
com Jeisa.

Na segunda-feira de manhã, pronta na ponta de seu sofá, Jeisa começou o texto Jeremy,
mas depois excluiu a mensagem parcialmente escrita. Em vez disso, ela reler o texto antes,
ele havia enviado a ela.
- Vejo você às oito.
Não - eu te amo.
Não - eu não consigo parar de pensar em você.
Assim - Vejo você às oito.
Oh, meu Deus, e se ele realmente não quer dizer que cerca o saco durante a noite? Ou ele
pode ter mudado de idéia. E se ele reuniu-se com Alethea no fim da semana?
Eu não sou dezesseis anos. Eu sei as regras.
Regra número um no livro de como proteger seu coração: Não vá embora com um
homem que ama outra mulher. Ele só leva ao sofrimento.
Regra número dois: Não passar o fim de semana de compras e ter seu cabelo feito em
uma data em que você não está indo a. Se você esquecer por isso, consulte a regra número
um.
Regra número três: Não se sentar no seu sofá, vestida para impressionar, por uma hora,
antes dessa data, com um saco de noite perto da porta e, em seguida, pensar demais a
situação. Se você decidiu jogar a precaução ao vento e fazer algo que você sabe que é
errado, pelo menos, tentar se divertir.
Jeisa pulou do sofá na primeira batida. Ela alisou a saia de seu vestido e abriu a porta.
Sua respiração ficou presa na garganta quando viu Jeremy.
Vestida com um dos ternos de grife que ela tinha escolhido para ele, ele estendeu um
buquê de begônias vermelhas. Jeisa levou as flores. Linda e ímpares, ao mesmo tempo.
Apenas Jeremy. Ela disse - Eu provavelmente deveria colocar estes na água.
Nenhum deles se moveu.
Jeremy disse - Você está maravilhosa.
Jeisa sorriu e disse - Assim como você.
Que lhe valeu um sorriso em troca.
Jeremy tomou-a pela mão e disse - Não se preocupe com as flores. Vamos apenas pegar
sua mala e ir embora.
Antes de nós dois mudar nossas mentes. Ele não tem que dizer isso.
Jeisa olhou para aqueles olhos azuis profundos e tomou uma decisão.
Quero Jeremy.
Para hoje à noite, se isso é tudo que podemos ter.
Parafuso jogar pelo seguro.
Com isso, ela jogou o buquê de flores sobre o ombro e em seu apartamento com
abandono.
Jeremy riu de surpresa e puxou-a para ele para um beijo de esmagamento, que limpou a
cabeça de quaisquer dúvidas remanescentes e substituiu-os com um zumbido de
necessidade. O beijo se aprofundou como seus braços a envolveu e ela afundou-se a bem-
aventurança de seu abraço.
Quando os dois estavam tremendo de necessidade, Jeremy interrompeu o beijo, apoiou a
testa na dela, e disse - É melhor a gente ir.
- Onde? - Ela sussurrou.
Ele endireitou-se e segurou a mão dela em um de seus braços e sua bolsa na outra - É
uma surpresa, mas eu acho que você está indo realmente amá-lo.
Seu coração se apertou em seu peito. Eu já faço. Isso nunca foi o problema.

Jeremy seguido Jeisa na parte de trás da limusine Hummer que a Sra. Duhamel tinha
arranjado para a data. Suave, música romântica encheu o interior mal iluminado. Jeisa
parecia incerto onde sentar-se e, finalmente, escolheu o canto de trás. Jeremy escolheu o
assento ao lado dela, mas deixou um espaço entre eles.
Ela estava nervosa, e ele se sentiu ridículo.
Obter um controle.
Nós já andamos em dezenas de limusines juntos.
Desta vez foi diferente e ambos sabiam disso. Como eles tiraram no tráfego seu telefone
tocou. Droga, eu devia ter desligado. Ele decidiu ignorá-la.
Jeisa olhou para ele - Você não vai responder?
- Não.
Ele parou de tocar por um instante, em seguida, começou a subir novamente.
Jeisa disse - Alguém realmente quer falar com você.
Com um suspiro de resignação, Jeremy pegou seu telefone e verificou o identificador de
chamadas. Ele gemeu - É minha mãe.
Jeisa relaxou um pouco e acenou com a mão - Ela só vai se preocupar se você não
responder.
- Você está certo - disse ele e bateu a tela do telefone com o polegar. Maneira de matar
um estado de espírito - Oi, mãe. Posso te ligar amanhã? Eu sou do tipo ocupado agora.
- Você está sempre ocupado ultimamente - disse sua mãe, sem intenção de desligar - Eu
sinto sua falta.
Jeremy olhou pela janela e falou baixinho, esperando que as suas palavras não eram
audíveis para Jeisa - Eu sinto falta de você também.
- Bem, tudo que eu queria dizer é que eu mudei meu horário de trabalho em torno então
agora eu vou ser capaz de passar o feriado com você e seus amigos.
Oh, rapaz.
- Será que Jeisa vai estar lá - perguntou sua mãe.
- Sim - disse Jeremy e imediatamente se arrependeu compartilhar essa informação. Pela
expressão de satisfação no rosto de Jeisa, ele achou que ela tinha ouvido a pergunta de sua
mãe.
- Fantástico! Da próxima vez que você vê-la, diga a ela que eu perguntei sobre ela. Ela é
tão doce. Esse é o tipo de mulher que eu gostaria que você se casasse um dia.
Oh, o universo tem um senso de humor.
- Mãe, eu tenho que ir.
- Quero dizer que, Jeremy. Você já perdeu muito tempo com aquela ruiva louca. Você
precisa de uma garota legal. Vocês fariam as mais belas crianças.
É de se admirar que eu ainda sou virgem?
- Tchau, mãe. Eu te ligo quando eu voltar.
- Voltar de onde? Onde você está indo?
- Eu te ligo amanhã - repetiu ele, e desligou.
Uma pitada de auto dúvida começou a insinuar-se e azedar o humor de Jeremy. Não
importa o que eu usar terno ou quanto dinheiro eu faço. Estou enganando a mim mesmo a
pensar que eu pertenço aqui? E pensar que alguém tão culta e bela como Jeisa poderia
realmente quer um homem como eu?
O calor da mão de Jeisa em uma de suas coxas o sacudiu. Ele virou-se e descobriu que
ela tinha fechado a distância entre eles e estava sorrindo docemente para ele.
- Eu acho que é bonito que você está perto de sua mãe - ela disse e deu sua coxa um
aperto de apoio.
Ele colocou sua mão sobre a dela em sua perna e disse - Sinto muito. Isto não é como eu
imaginava no início de nosso primeiro encontro iria.
Um olhar surgiu nos olhos de Jeisa que ele não tinha visto antes, e a intensidade dele
sacudiu para o núcleo. Ela disse - Eu não quero ir a um encontro com o homem que você
pensa que você precisa ter para me impressionar. Eu amo o homem que você é.
- Amor? - Jeremy engoliu duro.
Jeisa assentiu.
Quando ele não disse nada, uma dor escureceu os olhos. Ela disse - Eu sei que você não
está no mesmo lugar que eu sou, mas eu pensei que você deveria saber - Sua voz estava
cheia de emoção.
Amor.
Merda.
As palavras se enraizaram em seu coração e um calor se espalhar por meio dele. Jeisa me
ama.
Então pânico roubaram a sua respiração. Jeisa me ama. Nenhuma das aulas de etiqueta
que lhe tinha dado o havia preparado para o que dizer quando ele não podia sinceramente
papagaio as palavras de volta. Você agradece a alguém por sua honestidade? Você finge
que não ouviu isso?
Oh, olhe para seu rosto.
Ela realmente quer me dizer isso de volta.
Mil emoções selvagens correndo por ele.
Na semana passada, eu ainda pensei que eu queria estar com Alethea.
Eu não estou pronta para o amor.
Eu me preocupo com Jeisa.
Eu quero estar com ela esta noite.
Isso não é amor.
Eu não posso dizer algo que eu não me refiro apenas ao entrar em suas calças. Ela
merece mais do que isso.
Ela merece honestidade.
Ele limpou a garganta sem jeito e disse - Eu não sei o que eu sinto, Jeisa, ou onde isso
vai dar. Se você quiser me para deixá-lo de volta ao seu apartamento, eu posso fazer isso.
Aqueles olhos castanhos dela se escureceu ainda mais quando ela perguntou - É isso que
você quer?
Ele apertou-lhe a mão por baixo dele e disse - Não. Eu quero passar esta semana você -
Como ele disse as palavras, a sua confiança no que ele queria dela cresceu. Sim, ele
gostaria de explorar seu corpo incrível e descobrir o que é a afundar no quente, acolhedor
centro de uma mulher, mas ele queria algo ainda mais - Nós não temos de ter relações
sexuais. Quero conhecê-lo. Eu quero saber o que você gosta e o que você odeia. Os últimos
meses têm sido de mim. Eu quero que esta semana seja com você.
Ela encontrou seus olhos e parecia estar debatendo algo - Eu vou dar-lhe uma semana.
Mas se você não sabe como você se sente por Ação de Graças, eu estou saindo e não vou
querer vê-lo novamente. Prometa-me que você vai respeitar isso.
Jeremy considerado seu belo rosto, seus olhos bondosos, e puxou para mais perto. Ele a
abraçou em seu peito e enfiou a cabeça debaixo de seu queixo. Ele tentou aliviar o clima
com uma brincadeira - Vai ser embaraçoso se eu tiver que devolver o valor do pacote de
camisinhas à farmácia.
Ela sentou-se, um pouco de sua tristeza se dissipando, e deu um tapa nele - Pacote de
valor?
Ele a puxou de volta para seu lado e disse - Um não parece ser o suficiente, temos uma
semana inteira.
Ela riu em seu peito - Você é um idiota.
Ele a abraçou com mais força.
Eu sou, mas espero que seja uma condição temporária.
Capítulo Sete

Quando a limusine parou em um aeródromo privado fora Boston e parou ao lado de um


jato jumbo 757, a conversa luz Jeisa e Jeremy tinha mantido durante os últimos 20 minutos
veio a um fim abrupto quando seu queixo caiu. Ela olhou para o jato através de Jeremy, e
depois voltar para a grande aeronave - Oh, meu Deus!
Jeremy guiou-a para fora da limusine e subir as escadas para o jato. Os atendentes
ficaram para trás, presente e acolhedora, mas discreto. A sala dentro da aeronave estava
equipada com cadeiras de couro de cor creme e sofás que cercavam uma mesa de madeira
escura. As paredes estavam cobertas com seda e os acentos com ouro.
- Gostaria de uma turnê? - Uma mulher em um terno bege formal, perguntou. Ela, então,
levou-os através do plano, descrevendo o conteúdo de cada quarto opulento como eles
passaram por isso.
Jeremy pegou a mão de Jeisa em seu e corou um pouco - É aqui que eu confesso que
Marie me ajudou a planejar os detalhes da viagem? O jato eu aluguei era cerca de um
quarto deste tamanho.
Uma onda de alívio inundou Jeisa. Isso não é o que ele alugou para Alethea.
Jeisa tinha crescido no conforto de uma família brasileira de classe média alta, mas este
tipo de riqueza foi além de qualquer coisa que ela estava acostumada. O jato fez uma
declaração, e que era uma ousada.
Ela e Jeremy seguiram o atendente através de uma sala de jantar, passando pelo quarto de
hóspedes, e em uma suíte master que foi um exercício de excesso de luxo. Acessórios
banhados a ouro no banho mestre. Móveis mohair bordado com emblemas que foram
repetidas nas almofadas do acento em todo o quarto. Uma cama king size foi o ponto focal
da suíte.
De mãos dadas, Jeisa e Jeremy estava ao pé dele. O atendente disse - Nós deixamos em
cerca de dez minutos. Fiquem à vontade. Você vai ter privacidade absoluta, a menos que
você gostaria de algo, nesse caso, basta pressionar o botão na tela. Temos uma cozinha
totalmente equipada e um bar.
Jeremy foi o primeiro a falar após o atendente a esquerda. Ele disse - Eu aposto que este
é um dos Domingos.
Jeisa assentiu. Fazia sentido.
- Isso faz com que esta seja sua cama - disse ele com uma risada em sua voz. Ele passou
a mão sobre o rosto - Mesmo se você atirar-se para mim, não podemos usar esta sala.
Jeisa olhou para Jeremy debaixo de cílios longos - O que faz você pensar que eu vou me
atirar em você?
Jeremy virou em direção a ele e pôs as mãos nos quadris - Um homem pode esperar, não
pode? - E ele abaixou a boca para a dela. Entre beijos ele disse - Nós não temos de levá-la
ainda mais, mas eu não posso me ajudar. Já pensou em beijar-te todo o dia.
Razão recuou como paixão explodiu entre eles. Sua língua avidamente procurada dela, e
ela era impotente diante da resposta de seu corpo. Quando ele a tocou, nada mais
importava. Ela colocou os braços ao redor do pescoço, segurando-o com ela, esfregando-se
desenfreadamente contra ele de uma forma que ela nunca ofereceu-se para outro homem.
Ele tinha razão para ser otimista.
Não havia como negar que ela queria.
A voz do piloto veio pelo interfone - Você pode querer proteger-se. Estamos prestes a
decolar.
Jeremy relutantemente terminou o beijo, mas ele não a colocou de volta. Ele sorriu para
ela - Você acha que Marie nos colocar esse jato, porque ela pensou que iria nos impedir?
Jeisa respirou fundo e sorriu para o homem que oscilou entre amigo e amante em
potencial com facilidade. O humor seco que ele usou quando ele compartilhou seus
pensamentos com ela foi uma das muitas qualidades que fizeram ela se apaixonar por ele. A
maioria dos homens se esconderia por trás de algumas pessoas o macho mesmo a pessoa de
Jeremy estava tentando apresentar ao resto do mundo. Mas quando ele estava com ela, ele
era simplesmente Jeremy. Ele não se proteger ou engana-la.
Às vezes, ela desejou que ele fizesse.
Se ele quebra o meu coração, eu não tenho ninguém para culpar além de mim mesmo.
Ela sabia que tudo o que tinha a fazer era dizer Jeremy que ela estava desconfortável e
ele iria parar. Pare a data. Pare sua semana juntos. Pare aqueles beijos fabulosos que a
abalaram para o núcleo.
E o quê?
Eu deixei isso se torne mais um sonho que eu não era corajoso o suficiente para tentar?
Não, eu não vou viver metade de uma vida mais.
Minha mudança começa aqui.
Jeremy puxou para mais perto e sussurrou em seu ouvido - Quanto mais você olhar para
mim desse jeito, a menos que eu me importo quem é dono desse jato.
O piso passou debaixo deles como o jato começou a descer a pista. Jeremy preparou-se
contra a borda da cama e sentou-se, eventualmente, puxando Jeisa até sentar-se de lado em
seu colo.
Por um longo momento, o único som na sala era o leve zumbido do motor do jato,
enquanto o avião acelerou pela pista. Quando ele saiu do chão, Jeisa e Jeremy foram
empurrados de volta para reclinar no lado da cama ao lado. Todo lugar de seus corpos
tocou pulsava com necessidade quente.
Ela olhou para ele e disse as primeiras palavras que vêm à sua mente - Sempre há o
quarto de hóspedes.
Ele estremeceu contra ela. Uma mão surgiu para tocar seu queixo, levantando-o até que
ela foi forçada a olhar diretamente em seus olhos - Você tem certeza? - Ele perguntou com
a voz rouca.
Talvez ele não a amava.
Talvez ele nunca faria isso.
Mas o homem que olhou para ela com tanta ternura e preocupação com seus sentimentos
era um que ela queria compartilhar com ela mesma.
Ela assentiu com a cabeça e sussurrou - Sim.
O avião estabilizado. Jeisa poderia ter facilitado se fora Jeremy, mas ela não fez. Ela
tomou sua decisão e, agora, esperou por ele.
Ele se levantou, virou-a em seus braços e levou-a pelo corredor até o quarto de hóspedes.
Ele a colocou no meio do cachecol de seda, como se ela fosse a mais delicada de tesouros.
Nunca quebrando o contato visual, ele deslizou para fora de sua jaqueta e sapatos terno e
se juntou a ela. Ela esperava uma corrida frenética, e que ela não sabia o que pensar quando
ele não beijá-la imediatamente.
Em vez disso, ele se apoiou com um cotovelo e olhou para ela, enquanto sua mão livre
traçou o decote de seu vestido. A parte de trás de seus dedos roçaram a curva de seus seios
através do tecido do vestido, e depois continuou abaixo da cintura e do quadril. Ele colocou
uma onda atrás da orelha e, com um dedo, traçou a linha do queixo antes levemente
acariciando seus lábios.
Jeisa não conseguia respirar. Seu corpo derreteu sob seu toque. Ela umedeceu e apertou
com o pensamento de que suas mãos adorando iria seguir. Ele traçou a linha de seu ombro e
ela fechou os olhos, arqueando as costas, instintivamente, oferecendo-lhe acesso a mais.
O calor de sua respiração se espalhou em seu pescoço levemente, provocando-a com
carinho como ele retido o toque de sua língua.
- Tire seu vestido para mim - ele ordenou em voz baixa, e seus olhos se abriram.
Ela se sentou, levantou o vestido por cima da cabeça, e ele caiu no chão ao lado da cama.
Mudando para a frente de joelhos, ela deslizou um dedo sob ambos os lados da calcinha de
seda e aliviou-los, juntamente com seus sapatos. Ela virou-se totalmente para ele, nus e sem
vergonha, sabendo que o que eles estavam prestes a ação teria significado para ambos.
Ele rolou de costas, puxando-a com ele a fim de que ela estava sentada em cima de sua
cintura ainda vestida. Sua ereção tensa contra o material da calça do terno, pronto para ela,
mesmo enquanto ainda está sendo contido. Ela esfregou-se contra a sua excitação e jogou a
cabeça para trás.
Ambas as mãos de Jeremy foi atrás dela, colocando suas nádegas e incentivando-a a
continuar a sua carícia íntima. Suas mãos fortes subiram nas costas, puxando-a para baixo
até que seus lábios ficaram pouco acima dele - Eu quero você, Jeisa. Eu nunca quis
ninguém tanto quanto eu quero você agora.
Suas palavras deram Jeisa a confiança que ela nunca tinha sentido durante o sexo. Os
poucos homens em sua história sexual tinha tomado mais do que tinha dado. Ela não tinha
percebido até então, apenas o pouco controle que tinha sentido com os outros. Mesmo
agora, mesmo que ela estava nua contra sua óbvia necessidade, ele estava dando a ela o
poder de definir o ritmo.
Ela alegou que os seus lábios com todo o edifício paixão dentro dela. Sua língua brincou
e invadiu sua boca, convidando-o a aprofundar a sua ligação. Ela arqueou-se para trás, e
não quebrar o beijo, para permitir espaço para desfazer o cinto e desabotoar sua calça. Ela
puxou sua camisa desabotoada e livre-lo de baixo para cima, com fome passando as mãos
sobre o peito que tinha exposto.
Ele deslizou para fora de debaixo dela, derramando rapidamente suas roupas antes de
voltar a ela. Desta vez, eles estavam lado a lado, cada um explorando o corpo do outro
enquanto se beijavam. Ele aliviou-a de costas e lentamente, dolorosamente devagar,
acariciando cada centímetro dela.
Nada escapava seu toque adoração. Seus lábios traçaram a curva de sua cintura, na curva
do braço. Ele provou a baixa de suas costas com um entusiasmo quente que poucos homens
exibiram mesmo durante uma ligação mais íntima. Sistematicamente, ele estava
aprendendo onde ela estava mais sensível ao seu toque, e quando ele descobriu as manchas,
ele permaneceu ali, gemendo de desejo cada vez que ela estremeceu a partir do puro prazer
que abalou através dela.
Ele a trouxe para a beira do êxtase e depois parou. Jeisa tomou sua sugestão dele e
passou as mãos sobre cada um de seus músculos rígidos que ela pudesse alcançar. Ela
pensou que ela tinha tido um bom sexo antes, mas por comparação dessas experiências é
sentido ser apressado. Jeremy não só queria conhecê-la, ele a queria conhecê-lo.
Em sua própria exploração, ela aprendeu tanto sobre o que agradou como o que o
excitava. Havia uma nova alegria que veio lambendo apenas o ponto certo e observando
seus olhos perto do prazer. Ela lhe deu mais de si mesma, porque ela sabia que em apenas
um momento em que a dança se deslocaria novamente e ela seria a única tremendo
desamparada sob sua atenção.
Jeisa engasgou quando uma de suas mãos procurou mais intimidade. Sua primeira carícia
era uma mão aberta escavação e esfregar seu montículo. Em seguida, o polegar mergulhou
entre seus lábios e reivindicou seu clitóris. Ele interrompeu o beijo e estudou sua expressão
enquanto ele começou uma massagem suave, aumentando a pressão e o ritmo até que ela
estava se contorcendo debaixo de sua mão.
Ele deslizou outro dedo entre suas dobras e enterrado dentro dela, buscar e encontrar um
local que teve sua segurando a cama de seda em volta dela. Enquanto seus dedos
trabalhavam la de dentro, Jeisa não podia conter os gemidos de prazer. Ela mordeu o lábio
em pura paixão como o calor começou a construir e difundir através dela. Começou onde
seus dedos jogaram e caíram sobre ela até que ela estava arfando e gritando seu nome como
ela gozou.
Ela ainda estava tremendo como onda após onda balançou quando ela ouviu o som do
abrir suaves de um pacote de camisinha sendo aberta. Seus olhos se encontraram e segurou
enquanto ele se posicionou entre as coxas ela abriu grande para ele.
Ele afundou-se ela, fechando os olhos por um momento com um olhar de puro êxtase em
seu rosto. Então, mantendo-se acima dela, com os braços musculosos, ele viu sua expressão
quando ele começou a mover-se dentro dela. Lentamente no início e depois com mais força.
Agarrou-se a sua volta e encontrou seus impulsos com a sua própria, amando como ele
encheu.
Ele se inclinou, beijando os lábios de novo enquanto ele balançava dentro dela. Sua boca
quente mudou-se para adorá-la no pescoço e na curva de seu ombro. Ela sentiu uma onda
de êxtase começar a construir de novo. Cada impulso trouxe perto que pensou era
impossível ter um segundo orgasmo.
Seu corpo se apertou quando dela disparou e eles vieram com ela quase soluçando a
partir da intensidade do mesmo. Com um beijo final, ele deslizou para fora dela e rolou
para o lado por um momento. Em segundos, ele estava de volta, levantando seu corpo nu e
passou de volta em seus braços, jogando para trás o cobertor e colocando-a sob ele antes de
se juntar a ela e envolvendo seus braços ao redor dela por trás.
Ele sussurrou em seu ouvido - Eu espero que você tenha gostado tanto quanto eu. Foi a
minha primeira vez, mas eu fiz um monte de leitura sobre o assunto, então eu sinto que
acertou em cheio.
Jeisa girou em seus braços e quase gritou - Você era virgem?
Ele parecia satisfeito consigo mesmo - Se você não pode dizer, então todos os artigos da
internet estavam bem. Conheço um casal de outros movimentos que eu não usar esse tempo
porque eu percebi que poderia deixar algo para a próxima vez.
Oh, meu Deus. Ele era virgem.
Ele provavelmente estava salvando a si mesmo por Alethea.
Eu vou para o inferno.
- Não haverá uma próxima vez - Ela se afastou dele, cobrindo-se com o cobertor e
cruzando os braços sobre ele - Você tem vinte e cinco anos - disse ela, no que soou como
uma acusação.
Seu bom humor desapareceu um pouco como ele disse - Será que isso importa? Porque
eu não me importo se você não fosse virgem. Você não foi, não é?
A pergunta que cada mulher gosta de responder.
- Não - ela disse com os dentes cerrados - Eu não estava.
Ele balançou a cabeça em confusão - Então qual é o problema?
Jeisa jogou para trás o cobertor e agarrou seu vestido do chão, sentindo-se menos
vulnerável quando ela mergulhou sua roupa de volta - O problema é que, quando Marie me
contratou para ensinar-lhe tudo o que você precisava saber para que você possa obter
Alethea, eu não esperava que as aulas para incluíssem isso.
Ela sabia que sua raiva era equivocada.
Não foi culpa de Jeremy, de repente senti sujo e barato.
Isso é o que acontece quando você jogar a precaução ao vento. Você bater nas rochas.
- Eu não entendo - disse ele lentamente como ele se sentou na cama, a folha que cai no
seu colo.
Jeisa não quer, mas ela não conseguia parar de se retirando e jogando palavras duras para
ele como ela foi - Essa coisa toda foi um erro. Você. Mim. Esta data. Eu nunca deveria ter
dito sim.
Ela abriu a porta, percebendo como ela fez isso realmente não havia qualquer lugar que
ela poderia funcionar em um vôo para Deus sabe onde.
- Você pode pelo menos me dizer se era bom? - Ele perguntou em seu estilo seco
clássico.
Sua resposta foi o bater da porta atrás dela enquanto ela se retirou para outra parte do
jato.

Jeremy lutou e venceu contra o impulso de persegui-la. Em vez disso, ele se volta para os
travesseiros, vinculada com as mãos atrás da cabeça, e olhou para o teto. Ele precisava de
tempo para processar o que tinha acontecido. Sua instintiva reversão de humor não tinha
feito nada para aliviar a angústia de Jeisa. Sem nada para comparar, ele teve que enfrentar a
possibilidade real de que não poderia ter sido tão bom para ela como tinha sido para ele.
Ela parecia que ela estava gostando e, a menos que ele estava totalmente errado, ele
poderia jurar que ela tinha dois orgasmos. Talvez ela estava acostumada a mais. Algumas
mulheres foram, pelo menos de acordo com os sites que ele tinha lido.
Ele repetiu o cenário em sua cabeça. Ele assumiu que as frases que ela gritou de
Português eram indicativos de clímax, mas agora ele não tinha tanta certeza. Eu deveria ter
tido mais tempo. Que idiota eu sou de poupança que poderia ter sido o melhor para ela por
mais um tempo. Eu nunca posso ter outra vez com ela. Não, se o nosso primeiro foi uma
lavagem completa.
Ele pensou sobre o quão bonita ela estava em pé na porta do quarto, com os cabelos
despenteados do sexo e suas bochechas rosa com emoção. Eu deveria ter dito a ela para
voltar para a cama. Eu não deveria ter brincou quando soube que ela estava chateada.
Estou muito confortável com ela. Eles tinham uma amizade diferente do que ele havia
conhecido antes. Ele não esperava que ela ficasse com raiva quando ele tinha
compartilhado a verdade sobre sua experiência sexual limitado.
Não fazia sentido para ele. Por que ela não quer ser o primeiro? Ele desejou que ele
pudesse ter sido dela.
Mas eu tenho de melhor eu vou ser o seu último.
O pensamento assustou em sentado.
Eu não quero outro homem a tocasse.
Um diabo de um pensamento desafiou sua declaração interior.
Isso significaria que Jeisa seria a única mulher que eu sempre ia dormir com ele. Estou
pronto para isso?
Ele caiu de costas na cama. Uma imagem de seu rolar e cumprimentá-lo com um beijo
todas as manhãs cócegas sua imaginação. Ele fechou os olhos para saborear a colagem
sensual sua mente estava conjurando. Jeisa rindo com ele enquanto ele praticava saudação
dignitários. O leve aroma de seu perfume quando ela se inclinou para ajustar o nó da
gravata. A voz de Jeisa rouca de sono. Ele endureceu como as imagens tornaram-se menos
inocente. A língua de Jeisa encontro com seu entusiasmo. O sabor de sua pele. A sensação
de seu centro molhado acolher os dedos, fazendo com que ele de repente queria que ele
tivesse ido a passo a mais para saboreá-la.
Sim.
Ele estava totalmente ereto e latejante com um desejo de perder-se nos braços de Jeisa
novamente quando ela abriu a porta. Ele rolou para o lado e rapidamente apanhado a folha
de uma maneira que ele esperava escondeu sua ereção.
Seus dedos estavam brancos na mão que segurava a maçaneta da porta dela, o único sinal
de que ela estava mais chateada do que queria deixá-lo ver ao lado. Ela disse - A maioria
dos homens teria me seguido e pediu desculpas.
Ele encontrou os olhos dela e disse-lhe a verdade - Eu não sinto muito.
Ela respirou um suspiro irritado.
Ele acrescentou - Foi incrível. Você foi incrível.
Seu rosto ficou vermelho - Isso não era o que eu estava falando.
- Você quer que eu me desculpe por não ter dormido com uma centena de outras
mulheres?
Ela olhou com raiva para o teto e, em seguida, de volta para ele - Isso não é o que estou
dizendo.
- Então, eu não tenho nenhuma idéia do que eu deveria se desculpar.
Seu rosto amassado e com resignação, ela disse - Você está certo. Eu não sei o que eu
quero. Talvez não há nada que você possa dizer.
Exceto aquelas três palavras que você precisa ouvir.
Ele queria mais do que qualquer coisa a dizer, mas quando ele os tentou penduraram dito
em seus lábios. Ele não era um jogador e Jeisa não era apenas uma mulher. Seus
sentimentos eram ainda muito fresco a confiar. Ele não queria dizer nada até que ele sabia
que poderia oferecer a ela para sempre.
Ele saiu da cama e tomou-a nos braços. Ela ficou rígida dentro de seu abraço nu - Volte
para a cama, Jeisa.
Ela olhou-o nos olhos e sussurrou - Eu pensei que eu poderia fazer isso, mas agora eu
não sei.
Seu coração batia em seu peito. Ele colocou um passo para trás, mantendo contato,
segurando suas mãos, e respirou calmante. Não havia nenhuma maneira de esconder como
seu corpo estava respondendo a estar tão perto dela, e ele não tentou. Ela estava arriscando
tudo para estar com ele, ele não esconde sua própria vulnerabilidade - Então, o que você
quer fazer?
Seus grandes olhos castanhos procuraram a dele e ela encolheu os ombros, impotente.
Jeremy virou, deslizou em sua cueca e, em seguida, calças. Ele queria que ela mal, mas
mais do que isso, ele queria confortá-la. Ele a beijou suavemente nos lábios e tomou-lhe a
mão, levando-a para fora do quarto e na área principal do jato - Vamos ver o que Dominic
tem uma seleção de filmes.
Jeisa se juntou a ele em um sofá, e ele colocou-a em seu lado enquanto ele navegou o
controle remoto da televisão high-tech. Seu pênis ainda estava meio armado e pulsando
apenas a partir de sua proximidade, mas Jeremy não se importava. Jeisa deitou a cabeça no
ombro dele e ele beijou o topo de sua cabeça. Ele a teria de novo, de que ele estava certo.
Por agora, era o céu puro apenas para abraçá-la.
Filme de ação.
Filme de guerra.
Filme de máfia.
Thriller.
Realmente não importa o que eles escolheram para assistir que Jeremy duvidou nenhum
deles seria capaz de se concentrar nele. Ele passou a mão levemente em seu braço nu e
sentiu tremer contra ele. Ele estava começando a reconsiderar sua decisão de trazê-la para
fora do quarto quando ela perguntou - Se você realmente estudando em casa toda a sua vida
para que você possa cuidar de seu pai?
Sua mão parou - Sim.
Como ela sentiu seu humor escurecendo, ela disse rapidamente - Eu sinto muito. Se você
não quer falar sobre isso, eu entendo.
Ele a abraçou apertado e surpreendeu-se por querer compartilhar outra primeira
experiência com ela. Ele nunca falou sobre seu passado, mas esta foi Jeisa, e ele queria que
ela conhecesse - Você pode me perguntar qualquer coisa.
- Diga-me o que Alethea fez para ajudá-lo durante esse tempo. Diga-me por que passou
tantos anos de amá-la.
Seu pedido socou o ar para fora de seus pulmões. Ele fechou os olhos e escolheu suas
palavras com cuidado - Ela era a minha fuga.
Jeisa recostou-se um pouco para que ela pudesse ver seu rosto e empurrou gentilmente.
- Diga-me.
De repente ele queria. Ele olhou nos olhos quando ele disse - Quando eu era muito jovem
e meu pai ainda pode dar a volta um pouco, eu adorava estar com ele. Ele era um bom
homem, mas seu corpo lentamente o traiu. No início tudo o que eu tinha a fazer era ser em
torno de caso teve um dia ruim, mas como ele ficou mais fraco, ele precisava mais de
cuidado extensivo. Sua mente ainda estava lá, mesmo quando ele não podia mais falar ou
controlar suas funções corporais. Eu não acho que haja uma melhor definição de inferno na
terra do que ficar preso dentro de si mesmo. Eu fiz o que pude para tornar mais fácil para
ele. Ele estava envergonhado de sua fraqueza na frente das enfermeiras, mas não comigo,
então eu fiz o que precisava ser feito a maior parte do tempo.
- Você era tão jovem - Jeisa disse suavemente.
Jeremy encolheu os ombros - A responsabilidade não esperar até que você tem idade
suficiente para lidar com isso. Amigos da minha mãe disse que deveríamos colocá-lo em
uma unidade de cuidados, mas pelo tempo que ele estava em sua pior que eu já estava na
minha adolescência, e minha mãe e eu decidi deixá-lo ter a dignidade de morrer em casa.
Jeisa enxugou as lágrimas que começaram a escorrer pelo seu rosto.
Uma vez que Jeremy começou a falar, a história saiu dele como água sobre uma represa
que tinha retido muito por muito tempo. "Ele faleceu durante o que teria sido o meu último
ano do ensino médio.
- E então?
- E eu descobri que a escola não era tudo o que eu sonhei que seria. Eu assisti por cerca
de uma semana antes era dolorosamente óbvio que eu não caber dentro.
- Oh, Jeremy - Jeisa disse, sua voz cheia de emoção.
Ele não desviou o olhar. Ele não precisa. Este foi Jeisa, seu melhor amigo - Nós somos o
que nós sabemos. Tive pequenos hábitos estranhos que eu não estava mesmo ciente na
época. Alguns deles eu já erradicada, alguns ainda surgir de vez em quando. Alimentos
Entesouramento é um deles. Minha mãe trabalhava em dois empregos para pagar as
enfermeiras e medicamentos meu pai precisava. Às vezes a gente não tinha dinheiro para as
compras. Eu costumava roubar comida de qualquer lugar que visitamos. Às vezes eu ainda
me pego enchendo os bolsos, se eu estou em algum lugar Eu não me sinto confortável.
Jeisa acenou com a compreensão - Isso é muito comum em crianças que foram
negligenciadas.
A cabeça de Jeremy batido para trás e raiva quente à tona - Eu não estava negligenciada.
Minha mãe é uma das mulheres mais fortes que eu conheço. Ela poderia tê-lo deixado
quando as coisas ficaram difíceis, mas ela não o fez.
O toque da mão de Jeisa no rosto de Jeremy acalmou. Ele não tinha percebido até então
apenas como suas matérias e emoções ainda estavam em alguns tópicos.
Ela disse - Não, mas você paga um preço alto por essa decisão.
Ele não concordava, ou era que ele nunca se permitiu considerá-lo? - Quando você ama
alguém, você faz o que tem que fazer, não o que é fácil. Nós fizemos o trabalho. Quem sabe
o que eu seria hoje se tivesse escolhido outro caminho? Eu usei esse tempo em casa para
aprender sobre computadores e aperfeiçoar uma habilidade que é mais comercial do que
qualquer diploma universitário teria sido.
- E Alethea?
Ele não queria discutir ela, não agora, não com Jeisa, mas ele fez porque sabia que ela
precisava entender - Eu a conheci online quando eu tinha quinze anos e mantivemos
contato desde então - Ele pensou em voltar para a primeira vez que ele conheceu Alethea
em pessoa, alto e magro, com uma profusão de cabelo vermelho sofisticado e um brilho
perigoso em seus olhos - Ela era tudo o que eu não era. Ela era popular, rico e louco o
suficiente para fazer qualquer coisa para o direito de se gabar de dizer que ela fez isso. Eu
costumava dizer a mim mesmo se não fosse para o meu pai, eu teria sido o mesmo.
- Mas você nunca namorou?
Jeremy sacudiu a cabeça - Você viu o jeito que eu era. Eu estava tão longe de sua liga é
incrível que ela costumava visitar-me em tudo.
Jeisa abraçou seu peito - Não, não é.
O coração de Jeremy aquecido com as palavras de Jeisa. Com outros olhos, ele olhou
para os tempos que ele passou com Alethea. Ele percebeu que as memórias que ele tinha
dela foram amarrados mais ao seu desejo de se sentir digno dela do que realmente querer
estar com ela fisicamente. Ele nunca tinha visto seu relacionamento dessa forma antes, mas
quando comparado como se sentia sobre Jeisa a seus sentimentos por Alethea, não havia
comparação.
Alethea era um sonho de infância.
Jeisa é a mulher que eu amo.
Todos os músculos do corpo de Jeremy apertada como a realização bateu dura.
Eu amo Jeisa. Ela é a primeira pessoa que eu quero compartilhar uma boa notícia, com, e
o único que eu me sinto realmente confortável compartilhando minhas deficiências com. Eu
sou uma pessoa melhor, porque ela entrou na minha vida. Ele olhou para o rosto virado
para cima e sorriu. E ela me ama.
Por que diabos estamos fingindo assistir a este filme?
Ele tinha que dizer a ela – Jeisa.
Ela colocou um dedo sobre os lábios e silenciou suas palavras com o dela, dizendo -
Estou cansado de falar sobre Alethea.
Eu também, Jeremy pensou Jeisa e puxou para o seu colo.
A capacidade de falar o deixou quando ela levantou o vestido pela cabeça, enchendo sua
visão com seus belos seios fartos. Haveria tempo de sobra para contar a ela sobre suas
revelações.
Mais tarde.
Por enquanto, tudo o que podia pensar era como ele estava indo para empregar todas as
técnicas que ele tinha lido sobre até que ela estava gritando seu nome como ela se
aproximou outra vez. E então, quando ela estava tremendo e quase passei, ele ia afundar-la
e tomá-la como ele a trouxe para mais um orgasmo.
Ele não tinha certeza de quantas vezes uma mulher poderia culminar em uma sessão, mas
ele sempre gostava de empurrar os limites do que era considerado possível. Era como ele se
tornou tão bom em hacking. Você não se pergunta se algo pode ser feito. Você escolhe o
seu caminho e fazer o que for preciso.
Uma e outra vez.
Durante todo o dia.
Como muitas vezes e como criativamente como necessário.

De volta ao quarto do jato, Jeisa acordou lentamente, sem abrir os olhos. Cada músculo
em seu corpo estava relaxado, cada centímetro de seu saciado. Um sorriso de satisfação
curvou os cantos de sua boca enquanto ela se lembrava de como ela e Jeremy passara os
últimos várias horas.
Puta merda.
A maneira como ele havia explorado ela, adoraram cada canto dela com a língua e as
mãos eram gloriosamente loucos. Ela pensou que ela sabia a diferença entre sexo bom e
sexo ruim. . . ou, pelo menos, sexo medíocre. Ela não tinha idéia de seu corpo era capaz de
atingir orgasmos múltiplos e outra vez. Como as dietas da moda que prometem resultados
malucos, ela sempre assumiu como os artigos eram todas as sensações e muito pouco a
realidade.
Até Jeremy.
O que lhe faltava em experiência, ele mais do que compensava em entusiasmo e atenção
aos detalhes. Eu realmente não me importo onde ele me leva. Eu nunca posso ter a energia
para se mover novamente.
Como se sentisse seus pensamentos, ele mudou em suas costas. Seu braço forte puxou
mais apertado contra ele, mas ele não acordou. Sua farra aparentemente o deixou tão gasto.
Isto é o que eu recebo por não ter contado a ele que ele era incrível pela primeira vez.
Jeremy vê fracasso como um desafio. I melhor dar-lhe algumas boas notícias sobre seu
desempenho após isso ou ele vai ser assim o tempo todo.
Jeisa sorriu com o pensamento.
Que pode não ser uma coisa tão ruim, pensou e riu.
- Você está bem? - Uma profunda voz masculina perguntou em seu ouvido antes de ele
acariciou-o e relaxou novamente.
Fora da montanha-russa emocional que eu estou?
Claro.
Jeisa rolou em seus braços e colocou uma dela debaixo de sua cabeça. Nada em sua
experiência a havia preparado para Jeremy, e ela não quis dizer o seu talento sexual. O
pensamento de perdê-lo agora era inimaginavelmente doloroso, e ela não era alguém que
normalmente lamentou o fim de um relacionamento.
Porque eu nunca estive apaixonado antes. O que ela pensou que era amor agora parecia
tão superficial e juvenil para ela. Uma parte dela estava com medo de como seu semana
juntos acabaria. Ele não podia compartilhar tudo isso comigo e, em seguida, escolher o seu.
Ele se preocupa comigo. Por favor, deixe que seja o suficiente.
Ela tocou seu rosto com uma mão - Estou mais do que bem.
Ela sentiu seu sorriso antes de vê-lo.
Seus olhos se encontraram e mantido por um momento de suspense por muito tempo. Ele
balançou as sobrancelhas sugestivamente e com uma risada, ela admitiu - Você é incrível. É
isso que você quer ouvir?
Seu sorriso diminuiu um pouco e os seus olhos revelaram a gravidade de sua resposta -
Só se é verdade.
- Porque você quer ser melhor do que ninguém?
Ele colocou sua mão sobre a dela em seu rosto – Quando se trata de você, sim.
O jeito que ele estava olhando para ela a tinha quase acreditando que ele poderia ser in-
Não, não faça isso com você mesmo.
Lendo mais sobre o que ele está dizendo ou tentando apressá-lo só vai levar a dores de
cabeça. Dê-lhe sua semana e apenas tentar aproveitar isso enquanto dura.
No caso de isso não acontecer.
Ele ainda estava olhando para ela.
Ainda estou esperando.
Comentário pós-sexo não era confortável para ela. Ela olhou para seu peito enquanto ela
falava - Nunca foi assim para mim antes. Eu tive um bom sexo, mas até você, eu nunca tive
muito sexo.
Ele ergueu o queixo e sorriu para os olhos - Eu estava com medo de que eu poderia ter
ficado um pouco levado, mas depois da primeira vez que eu queria ter certeza.
Deus abençoe a sua dedicação à maestria.
Ele rolou de costas, puxando-a com ele, então ela estava meio drapeado sobre o peito,
uma vez que retumbou com humor embaixo dela. Ele olhou para o teto enquanto
distraidamente correndo um dedo para baixo suas costas nuas - Jeisa, precisamos
conversar...
A voz do piloto veio pelo interfone - Temos cerca de 20 minutos antes de começar a
descida. Você vai querer assegurar-se para o pouso naquela época.
Jeremy assentiu com a cabeça e beijou a testa de Jeisa, facilitando longe dela e jogando o
edredom de volta. Jeisa sentiu a separação física como uma perda. Ela sentou-se sem pensar
em cobrir-se.
Ela tinha que perguntar - Jeremy, o que você vai dizer?
Ele já estava puxando as calças para cima sobre sua cueca. Depois ele pegou a camisa no
chão, ele se inclinou e deu seus lábios um beijo rápido - Isso pode esperar. Agora eu vou
tomar banho mais rápido do mundo na outra sala. Nós convidamos você a se juntar a mim,
mas nunca tinha que fazer isso para o nosso encontro na hora certa, e eu não posso esperar
para ver o que você pensa.
O que eu acho?
Nós dois sabemos o que penso.
Você é o imprevisível aqui.
Ele reuniu as meias e os sapatos e saiu correndo da sala. O avião inclinou, e Jeisa um
vislumbre de si mesma no espelho do outro lado da sala e atirou para fora da cama.
Felizmente, o avião teve dois chuveiros. Era uma coisa de se envolver em uma maratona
de sexo ardente e outra coisa bem diferente para sair em público parecendo que você fez.
Sob o spray de água quente, Jeisa fechou os olhos em paz com o universo e
completamente satisfeito. O avião caiu a seus pés, chocando-la em ação.
Ok, ok.
Ela correu pelo resto do seu chuveiro e jogou em um formulário-encaixe vestido laranja
em tempo recorde. Os leves toques de maquiagem, uma escova rápida em seus cabelos, e
foi o que ela fez para ficar no assento ao lado de Jeremy com muito pouco tempo de sobra.
Ele entregou-lhe o cinto de segurança e, em seguida, garantiu ele.
A aterrissagem foi um lembrete de que nem tudo dura para sempre. Não seu vôo. Talvez
não seja juntos o seu tempo.
- Você parece. . . - A voz de Jeremy sumindo como as palavras lhe escapavam.
- Espero que a palavra que você está procurando é belo - brincou Jeisa, mas o calor em
seus olhos substituiu seu humor com uma emoção tão pungente que Jeisa repente senti
incerto - Para onde estamos indo?
Com algum alívio, Jeremy recuperou a compostura - Eu disse a você, é uma surpresa.
Você vai ter que esperar e ver.
Jeisa olhou pela janela como o jato aterrissou com algumas colisões leves e decidiu que
surpresas foram superestimada. Em um momento ela sentiu uma alegria diferente de
qualquer outro que ela tinha imaginado possível, então o seu humor tinha virado e ela
queria correr de volta para Boston. Por mais que tentasse, ela não se sentia que havia muita
chance de que ela estava indo para desfrutar desta surpresa, considerando que os nervos já
estavam começando a se desgastar.
Quando o avião parou, Jeremy entrelaçou os dedos por Jeisa, e ela virou-se para encará-
lo. Com a mão livre, ele desfez a fivela e depois dela, e puxou-a para fora de sua cadeira em
seus braços - Confie em mim - disse ele, confundindo o seu humor como ansiedade
relacionada com a sua saída.
- Eu faço - ela sussurrou e significava que, encontrando o seu beijo pela metade.
Eu só não sei como vou sobreviver se você me diga que isso não é o que você quer.
Capítulo Oito

Saindo do limo e no estacionamento da faculdade, do Instituto de Tecnologia de Watts,


Jeisa foi tomado pela emoção. Não só foi uma das escolas mais prestigiadas do país, mas
também era a casa do Projeto Global Water mesma iniciativa concessão financiada ela
disse Marie era seu sonho para se trabalhar. Ela estava familiarizada com o edifício que eles
estavam prestes a entrar porque ele foi destaque em quase todos os documentários que ela
tinha visto no projeto. De todos os lugares Jeremy poderia ter levado em seu primeiro
encontro, trazendo-a para a porta da ambição de sua vida senti um pouco surreal e tomou a
sua excursão para um nível totalmente novo. Ela se agarrou a sua mão, muito
sobrecarregada de falar.
Olhando um pouco desconfortável Jeremy confessou - Acho que possível digo agora.
Marie me disse que estava interessado em um determinado projeto para ajudar os países do
terceiro mundo. Olhamos em que estava trabalhando nisso e Marie cuidou do resto. Achei
que você gostaria de ver uma demonstração e conheça a equipe.
- Você pode configurar uma turnê do Projeto Global Water? - Dela era um retórico,
pedido cheio de admiração para a confirmação e não uma questão real.
Ele levantou a mão aos lábios e beijou-lhe os dedos, antes de responder com humor - A
menos que você está abrigando um outro fascínio de eliminação de resíduos que você não
disse a Marie sobre?
Seus olhos se encheram de lágrimas instantâneas, provavelmente espalhando um pouco
de seu rímel recém aplicada. Jeisa limpou-a mesmo quando ela olhou para Jeremy em
reverência. Ela estava tão feliz que ela começou a chorar novamente - Eu não posso
acreditar que você fez isso.
Ele empalideceu e perguntou - Você está dizendo isso porque você está feliz que estamos
aqui, certo?
Ela jogou os braços ao redor dele e enterrou o rosto molhado em seu pescoço enquanto o
abraçava - Eu amo isso! Eu absolutamente amo isso!
Depois de apenas a menor das hesitações, ele passou os braços em volta da cintura e
segurou seu corpo tremendo com ele. Ele murmurou em seu cabelo - Eu só queria ter a
certeza.
Ela inclinou a cabeça para trás e puxou a para baixo para que ela pudesse expressar em
um beijo exatamente o quanto a surpresa tinha agradado. Com um movimento provocante
da língua, ela aprofundou o beijo e se deleitava na forma como a sua língua encontrou a
dela com uma fome o tempo juntos antes deveria ter aliviado, mas não tinha. Se tivessem
sido em algum lugar privado, ela teria arrancado a roupa dele e agradeceu-lhe de uma
forma que ele não iria esquecer tão cedo.
A voz de um homem jovem falou ao lado deles, suavemente no início e, em seguida,
com aumento de volume até que nem ela nem Jeremy podiam ignorar a interrupção. Jeremy
interrompeu o beijo, mas em vez de abordar imediatamente o outro homem, ele olhou nos
olhos de Jeisa, e o fogo que ela viu queimando lá tentado a dizer que se deve esquecer
sobre a turnê e passar o resto do dia no avião.
O homem pigarreou alto e, em um tom que revelou seu imenso desconforto com a cena
que acabara de testemunhar, disse - Desculpe-me, Sr. Kater?
Com um aceno de cabeça, Jeremy virou-se e estendeu a mão para cumprimentar o
homem, mesmo quando ele puxou Jeisa próximo ao seu lado. Jeisa não podia ajudar a si
mesma, ela colocou os braços ao redor da cintura de Jeremy e o abraçou apertado, então
enxugou uma lágrima perdida de uma de suas bochechas.
Jeremy riu ao ver a expressão do homem - Ela realmente gosta de banheiros.
O homem tinha cabelos castanhos, era de compleição média, e parecia estar em seus
vinte e poucos anos. Seus óculos redondos de aro cor de mel fez parecer um pouco de olhos
esbugalhados, e sua camisa xadrez e argyle camisola lhe deu um olhar nerd. Ele sorriu com
o comentário de Jeremy - Ninguém aqui seria considerar que estranho. É uma das nossas
obsessões. Meu nome é Henry. Eu sou um dos alunos de pós-graduação que trabalham no
projeto e Dr. Wheaton me pediu para ser seu guia turístico hoje.
Jeisa arrancou-se da embreagem de Jeremy e também apertou a mão do homem.
- Obrigado por nos receber em suas instalações. Meu nome é Jeisa. Você não tem idéia
do quanto isso significa para mim.
Henry apertou a mão dela e ficou mais confuso quanto mais tempo ela olhou para ele.
Ele rapidamente interrompeu o contato com ela e voltou sua atenção para Jeremy - Fomos
informados de que um de vocês pode estar interessado em se juntar a nós no lado de pós-
produção.
Jeremy assentiu com a cabeça em direção a Jeisa - Isso seria Jeisa.
Jeisa respirou um suspiro sonhador - Eu adoraria ajudar de qualquer forma que pude.
Jeremy olhou para ela e perguntou - Você acredita no projeto tanto assim?
O que ela poderia ter protegido a partir de um outro homem, que não sentia que ela
precisava para se esconder de Jeremy. Ele disse que queria conhecê-la e ele foi honesto a
uma falha. Ela assentiu com a cabeça lentamente - Sim, eu faço.
Ele tomou-lhe a mão e deu-lhe um aperto de apoio - Então, por isso, Eu. Vamos ver o
que faz com que esses banheiros tão incríveis.
Durante a turnê que se seguiu, Jeisa tinha certeza de que Jeremy iria perder o interesse,
mas ele não fez. E ela mesma foi absolutamente absorta. Periodicamente, ela iria perceber
que ela estava pedindo pergunta após pergunta sem realmente dar Henry tempo para
responder. Ela ponderou a decisão da equipe para manter o protótipo simples e barato em
vez de usar uma tecnologia mais de ponta. Sim, as unidades necessárias para ser fácil de
manter e teve de ser rentável, mas alguns dos materiais mais caros possam sobreviver em
condições extremas mais exteriores. Ela perguntou se suas decisões foram influenciadas por
preocupações orçamentárias, e é claro que tinha sido parcialmente.
Eu poderia mudar isso. O pensamento a ecoou.
Muito em breve, Henry concluiu a turnê na área de escritório do departamento. Jeremy
avaliou a variedade de computadores sendo usados, tudo a partir de desktops para tablets
bem finos foram espalhados nas cinco mesas que compartilhavam uma sala grande. Sem
perguntando Jeremy sentou numa das escrivaninhas e virou o computador - Você se
preocupa que alguém pode mexer com seus registros ou roubar suas idéias?
Henry correu para onde Jeremy estava sentado. Sua voz subiu algumas oitavas - A maior
parte do que fazemos aqui é muito transparente, pois esperamos que a tecnologia que está
projetando vai ser utilizada por muitos países no futuro. Mas nós temos algumas
informações confidenciais sobre o nosso servidor que salvaguarda.
- O que você usa? A rede fechada? - Jeremy digitado algo no mesmo como Henry
protestou.
De repente, suado, Henry disse - Eu realmente não sei. Nossa cara de TI define-se por
nós.
Jeremy continuou escrevendo - Você quer testar o quão seguro é?
Henry empalideceu um pouco e resmungou - Não. Eu não estou autorizado a bem isso.
Jeremy continuou, independentemente da falta de permissão de Henry - Pegue a sua cara
la no telefone. Eu vou perguntar a ele.
Jeisa colocou a mão no braço de Jeremy em cautela - Jeremy, o que você está fazendo?
Jeremy fez uma pausa por um segundo - Este projeto é importante para você. Isso faz
com que seja importante para mim. Você sabe quantos dados os Waltons tinha roubado
deles porque não protegê-lo corretamente? Um dia você está projetando um Projeto Global
Water humanitária, o próximo que você vê sua invenção alimentar mísseis teleguiados. É
isso que você quer?
- Não - Jeisa admitiu com relutância.
Henry pegou um telefone sem fio e disse - Ted, você pode vir para o escritório do GWP?
Há alguém aqui que gostaria de conhecê-lo.
- Dá-me o telefone - Jeremy instruído. Ele é preso entre a orelha e o ombro e começou a
digitar novamente - Ted? Você não me conhece, mas eu quero lhe mostrar uma coisa - Seus
dedos voaram como ele navegou sistema da universidade com facilidade - Eu só te trancou
para fora do sistema, Ted. No momento em que você chegar aqui, eu poderia ter todo
mundo bloqueado também, e enviou os dados para Viber do Cypress antes de limpar este
limpo. Você precisa de um firewall melhor.
Jeremy desligou. Jeisa e Henry encarou-boquiaberto. Como se estivesse fazendo algo de
rotina, ele disse casualmente - Ele disse que ia descer.
Aposto que ele vai, Jeisa pensava. Tomara que não seja com a polícia.
Ted chegou em poucos minutos e ele não estava sozinho, mas sua comitiva mais parecia
um Geek Squad tiete de segurança.
Uma mulher andrógina vestida com cabelo louro curto, espetado e retro óculos escuros
quadrados adiantou-se, estendeu a mão em saudação - Eu li sobre você em alguns blogs
sobre quem assistir em design de software - disse ela - É verdade que você trabalhou lado a
lado com os Waltons?
Jeremy levantou-se e apertou a mão dela. Seu sorriso largo revelou seu próprio culto do
herói do casal mais velho - Eu fiz, e eles eram tudo o que você imaginar que seria. A merda
que eles estão trabalhando agora é muito além do que qualquer outra pessoa acha que é
possível, é alucinante.
A mulher praticamente derreteu a seus pés em adoração aberta.
Oh, por favor, Jeisa pensava.
A mulher continuou a jorrar - Tenho certeza de que sentia o mesmo sobre como trabalhar
com você. Seu avatar é uma lenda na comunidade de jogos Lindar, bem como no
ciberespaço em geral. A maneira como você o usou como um carimbo de assinatura sempre
que você bloqueou Sliver era gênio. Quando ele tentou desligar Rycom e você fechou-lo
apenas para se divertir, você tornou-se um ícone. Ele deve odiá-lo, mas o resto de nós
adorou ver você e vencê-lo. Você é praticamente um super-herói online.
Oh, pelo amor de cripes. O que ela vai fazer a seguir, bata abrir sua camisa e pedir-lhe
para assinar sua lingerie Supermulher?
Claro, Jeremy estava comendo-o, e Jeisa quis chutá-lo na perna. Mas ela absteve-mal.
Felizmente, Ted redirecionado a conversa para o assunto em questão - Sobre o servidor. . .
Jeremy estava instantaneamente sério - Se eu puder ganhar controlar isso rapidamente,
você está vulnerável a muitas pessoas.
Ted balançou a cabeça, triste acordo - Eu fui avisando sobre isso há anos, mas não temos
o financiamento para atualizá-lo. Quando se trata de criar, os patrocinadores estão dispostos
a escrever grandes cheques. Eu não posso convencê-los de que a proteção da infra-estrutura
é tão vital.
Jeremy voltou ao assento atrás do computador que ele tinha usado como um ponto de
acesso e acenou para o pequeno grupo de homens e mulheres se reúnem atrás dele. Ele
disse - Eu vou adicionar alguns códigos de bloco que você pode mudar e criptografar
depois que eu me for, e pelo menos você sabe que vai bloquear alguém de ter acesso
remoto ao seu sistema. Eu também posso construir o equivalente a obstáculos por isso, se
alguém fez quebrar seu código, eles só teriam acesso a uma área limitada antes de encontrar
outra criptografia. Isso, pelo menos, comprar-lhe tempo para detê-los.
Ted procurou o acordo de um homem alto e magro na parte de trás e, em seguida,
assentiu - Faça isso.
Havia uma beleza para a facilidade com que Jeremy fechou a distração de sua audiência
e executou a tarefa complexa. Jeisa sempre soube que Jeremy era inteligente, mas ali estava
ele, rodeado por algumas das mentes mais brilhantes do país, e eles estavam em temor dele.
Ele escreveu alguns códigos em um pedaço de papel que encontrou ao lado do
computador e entregou-os a Ted - Isso vai permitir que você atualize os outros. Mudá-los
tão logo eu vou embora. I fez tão apertado que eu não deveria ser capaz de quebrá-las, se
você fizer isso direito.
O homem nas costas andou para frente, em seguida, deu-lhe um sorriso largo - Se você
precisa de um emprego, você pode ter Ted.
Ted não parecia incomodado com a ameaça. Ele respondeu com - Se você decidiu vir
trabalhar aqui, Jeremy, eu tenho certeza que eles também iria oferecer-lhe o seu trabalho.
O sorriso do homem alto esmaecido. Ele parecia estar preste a dizer algo mais, mas a
mulher que estava jorrando sobre Jeremy entrou na conversa - Ou você pode iniciar a sua
própria universidade. Eu transferir para você.
Jeisa revirou os olhos. Eu posso vomitar.
Jeremy se levantou e caminhou até colocou seu braço ao redor Jeisa - Eu tenho mais no
meu prato do que eu posso lidar com já, mas eu agradeço a oferta.
Jeisa olhou para ele, não tenho certeza se ele estava se referindo ao emprego ou a oferta
sedutora flagrante de uma mulher loira.
Mais do que ele pode manipular?
Era melhor estar se referindo a mim e só a mim.
Ele piscou para ela e Jeisa relaxado, inclinou-se em seu abraço, e por um momento
esqueci que eles não estavam sozinhos. Ele perguntou a ela por uma semana para que ele
pudesse resolver seus sentimentos. Uma semana estava começando a se sentir como
sempre. Ela levantou-se nas pontas dos pés e beijou-o com toda a emoção reprimida
correndo por ela. Ele se perdeu no beijo, aparentemente tão alheio aos que o rodeiam, como
ela era.
Um dos homens disse - Ele é o bastardo mais sortudo do planeta – e o clima foi
quebrado.
- Eu diria que ela é - disse o estudante de pós-graduação adorando respondeu com um
suspiro.
Outro homem desviou-se pela tangente - Eu não acredito em sorte. Implica uma
aleatoriedade que é refutada como padrões de comportamento erradicar incógnitas.
Entusiasmado com o debate de improviso, um outro homem acrescentou -
Desconhecidos nunca pode ser totalmente erradicada, de modo algum acaso sempre vai
existir, e, portanto, assim que sorte.
Jeremy terminou o beijo com uma risada e cochichou no ouvido de Jeisa - Eu acho que
nós devemos ir antes de decidir nos manter em observação - Ele puxou para trás, ainda
segurando a mão de Jeisa na dele, e disse - Obrigado pela visita e por me deixar jogar um
pouco com o seu servidor - Ele entregou o homem alto seu cartão – Me chame se você tem
problemas.
Eles fizeram uma fuga precipitada, de mãos dadas, e não diminuindo, até que chegou à
porta exterior, onde o motorista se encontrou com eles. Eles caíram na limusine, rindo uns
contra os outros.
Jeisa disse - Eu pensei que eles estavam indo para pedir-lhe um autógrafo.
Jeremy recostou-se, satisfeito, e segurou-a contra o peito, admitindo - Foi divertido ser o
cara legal pela primeira vez.
Jeisa traçou o queixo com o dedo indicador - É isso que você quer, Jeremy?
Ele tomou-lhe a mão, segurando-o junto ao peito - Eu costumava pensar que era tudo que
eu queria.
Jeisa prendeu a respiração - E o que dizer agora?
A boca de Jeremy fechou sobre a dela e do calor instante inundou. Quando tocado, as
perguntas que atormentavam foram lavados pela urgência de seu desejo. Ele deslizou os
lados para o seu colo, colocando-a na evidência de sua necessidade para ela - Agora eu
quero você.
Oh, Deus.
Suas palavras dispararam através dela, apagando o último dos seus pensamentos
coerentes e substituindo-os por uma necessidade tão intensa que ela seguiu seu impulso e
caiu no chão entre seus pés. De joelhos, ela empurrou as pernas afastadas e beijou-o
enquanto desabotoar o cinto. Suas mãos avidamente procuraram e libertaram sua ereção.
Ela sentou-se sobre os calcanhares e encontrou seus olhos, amando como eles
queimaram por ela. Ela sentiu-se pulsando e umedecendo com entusiasmo, e de repente ela
compreendeu quão agradável alguém poderia ser tão emocionante como estar satisfeito.
Ela se inclinou para baixo, levou-o em sua boca, e dessem com a mesma quantidade de
atenção que lhe tinha mostrado anteriormente. Ela lambeu-o, segurou-o, recebeu-o
profundamente em sua boca. Quando ele estava gemendo de prazer, ela levantou-se, deixou
cair sua calcinha no chão, embainhou-lo no preservativo que ela sentiu no bolso mais cedo,
virou-se e abaixou-se para ele. Nesta posição semi-sentada, ela encontrou o êxtase de
controle. Suas mãos deslizaram até seu vestido e segurou seu traseiro nu. Ela sentou-se e
com as mãos deu a volta à sua frente e segurou seus seios enquanto ela levantou e abaixou-
se de novo e de novo em cima dele. Ela balançou a cabeça freneticamente de um lado,
expondo o pescoço para ele e amar como ele saqueou com sua língua quente.
Quando ela pensou que não poderia ficar melhor, ele aliviou-a para frente e colocou a
mão nas costas dela para firmá-la. Juntaram-se novamente e, novamente, em um ritmo que
eles criaram.
Retirando-se ela por tempo suficiente para mudar a sua posição, ele virou-se para que ela
pudesse preparar-se para o bar na parede oposta da limusine. Firmando-se, colocando uma
mão ao lado dela, ele segurou-a ainda com a outra e empurrou dentro dela outra vez,
enviando uma onda de calor através dela. Inclinou-se sobre como eles eram, sua respiração
estava quente em suas costas como a intensidade de seus impulsos aumentou e mandou-a
sobre a borda em um estado chorando de felicidade.
Ele fez uma pausa, depois, lentamente, começou a se mover novamente, mais profunda e
mais poderosa do que antes. Ela mal se recuperou, e a sensação era quase demais para
suportar. Ela olhou para cima e pegou seus olhos, quente de desejo, no espelho na frente
dela e não conseguia desviar o olhar. Desta vez, ele estava no controle, revirando os quadris
e chegar ao ponto que causou arrepios de prazer através dela.
Deus deixe o aeroporto estar mais longe do que eu me lembro. Eu não quero parar.
Eu não quero que isso nunca termine.
Ele chegou ao seu redor e procurou o clitóris com os dedos talentosos de sua. Ele alargou
sua protuberância com os dedos, esfregando com uma velocidade cada vez maior quando
ele tomou-a por trás. Ela engasgou para o ar, gritou seu nome, e eles se reuniram com um
final, tremendo impulso.
A limusine parou suave na entrada do aeroporto. Ela e Jeremy rapidamente colocaram
suas roupas descartadas e com isso eliminados da prova da sua união. Jeisa alisou o cabelo,
esperando que ela não parecia tão desenfreadamente selvagem como ela se sentia.
Nem mudou mesmo quando viu o jato através da janela, um lembrete de que os dias mais
incríveis da vida até chegar a um fim. Escondido no seu lado, Jeisa olhou para cima em
Jeremy e disse - Obrigado.
Jeremy beijou sua testa - Eu acho que você já me agradeceu.
Ela deu um tapa de brincadeira sua coxa - Eu quero dizer isso. Isso foi maravilhoso.
Jeremy ergueu o queixo com a mão e disse - Ele só vai ficar melhor, eu prometo.
O motorista muito experiente estacionado na frente do jato, mas não fez nenhum
movimento para interrompê-los.
Jeisa deitou a cabeça no ombro de Jeremy e tentou simplesmente saborear a sua
proximidade, mas sua mente correu em impiedosamente. Segure-se em um pequeno pedaço
de seu coração, ela avisou, mas ela sabia que era tarde demais para isso.
Ele tem que me amar, ele só tem que.

Voltar no jato após a decolagem, Jeremy abraçou Jeisa para o seu lado na área principal
sofá. Embora a decolagem só tinha tomado momentos, a dor física de sentar-se
separadamente em suas próprias cadeiras fez-se sentir como uma eternidade e ele a levou
ansiosamente volta em seus braços assim que ele estava seguro. A intensidade de sua
ligação era mais do que um pouco inquietante.
Ele trabalhou até a sua coragem por ensaiando mentalmente o que ele ia dizer.
Jeisa, eu deveria ter dito isso antes, mas eu tinha que ter certeza que eu realmente não
amo Alethea.
Não, não mencioná-la.
Jeisa, eu sou um idiota, porque eu te amo.
Quer dizer, eu fui um idiota, eu te amo.
Ele esfregou o queixo no cabelo e respirou o perfume de seu xampu, maravilhado que ele
nunca tinha sentido nada tão maravilhoso. Eu deveria deixar a palavra idiota fora.
O telefone vibra no bolso era uma interrupção indesejada. Ele trocou Jeisa um pouco de
lado e verificou o identificador de chamadas.
Alethea.
Ele desligou o telefone e colocou-o de volta no bolso. Jeisa tenso em seus braços.
- Você poderia ter respondido - ela disse devagar, ajeitando longe dele.
- Não era importante - disse ele, observando expressão apertar de Jeisa com emoção.
- Foi Alethea?
Ele não se incomodou em negá-lo - Sim.
- Existe uma razão para você se sentir que você não pode falar com ela na minha frente?
- Jeisa virou no sofá e abraçou as pernas contra o peito.
Apenas cerca de um milhão - Eu pensei que agora era um momento ruim.
- Eu sei que você ainda trabalhar com ela. Eu não sou um idiota. Eu sei que isso significa
que você tem que falar com ela. Ignorando seu telefonema não fazê-la ir embora.
Jeremy pegou a mão de Jeisa, mas ela fugiu para trás, para longe dele - Eu posso chamá-
la de volta, se quiser.
Jeisa levantou-se e virou-se de costas para ele - Não, eu não quero que você chamá-la de
volta.
Jeremy ficou de pé atrás dela - Então, eu estou confuso.
Ela virou-se, com as mãos nos quadris, e disse - E como você acha que eu me sinto? -
Ela fechou os olhos e respirou fundo - Eu não posso fazer isso. Eu pensei que eu poderia
fazer isso, mas eu não posso. Eu estou perdendo minha mente.
Ele estendeu a mão para ela, mas ela recuou - Jeisa. . .
- Não, não me toque. Quando você me tocar eu esquecer o quanto o resto deste dói.
Ele embolsou suas mãos e rolou para trás em seus calcanhares. A última coisa que ele
queria fazer era machucá-la. Ele pensou que eles estavam tendo o tipo da primeira data
pessoas compartilharam um sorriso secreto sobre juntos em seu cinqüentenário. Se ele
tivesse interpretado mal a situação que mal? - Eu não entendo.
Ela cobriu os olhos com uma mão, abraçando-se com o outro braço - Eu não posso ter
mais sexo com você. Não gosto disso.
O que ela quis dizer assim? - Eu pensei que você disse que era maravilhoso.
Ela baixou a mão, os olhos agora brilhantes de lágrimas - Foi maravilhoso. Muito
maravilhoso. Eu vim aqui porque eu amo você. Hoje foi incrível, tudo isso. Você me
mostrou o quão bom ele poderia estar entre nós. Eu não posso ajudar, caindo cada vez mais
apaixonada por você, e isso me assusta.
- Porque você acha que eu não te amo - ele perguntou com alívio. Isso foi fácil de
corrigir - Jeisa, eu faço.
Ele não estava preparado para a sua negação com raiva de sua admissão - Não faça isso.
Não diga isso agora. Não quando eu te disse que eu não vou fazer sexo com você mais se
você não fizer isso. Como é que eu vou acreditar em você? Eu sempre me pergunto se você
só disse isso porque eu forcei você.
- Mas eu te amo.
- Veja, eu não acredito em você. Você só está dizendo isso porque eu encurralado você
para ele.
Homem, as mulheres são um enigma. Jeremy pediu esclarecimentos antes de decidir
como proceder - Então, deixe-me ver se entendi. Você dormiu comigo porque você me
ama. Foi tão bom que fez você me ama mais, mas você não quer dormir comigo
novamente. Ever?
O rosto de Jeisa ficou vermelho de raiva - Eu não quis dizer que nunca. Não torça isso
tudo.
Estou tentando destorcer-lo, pensou - Ok, então o problema é que você não acha que eu
te amo.
- Não, o problema é que eu me deixei perder-se em uma situação que era errada para
mim desde o início. Eu não deveria ter aceitado aquele emprego nas Empresas Corisi. Eu
nunca deveria ter mentido sobre minhas habilidades de digitação. Eu deveria ter chamado o
meu pai e disse-lhe a verdade. Então, eu não teria conhecido a Sra. Duhamel e começou a
trabalhar com você - Ela acenou uma mão com raiva em sua direção - Eu vim aqui porque
eu queria ser uma mulher forte e independente. E olhe para mim. Estou deitado como um
adolescente e praticamente implorando um homem que me ame quando eu tentar sair mais
um trabalho que eu não estou qualificado para o mesmo.
Jeremy pegou na única parte de seu discurso que fazia sentido para ele - O que você está
mentindo?
- Vocês. Mim. Tudo. Meu pai acha que eu sou uma au pair.
O divertimento fez os lados da boca tique de Jeremy como ele reprimiu um sorriso.
- Você disse que você está me babá?
- Não - ela suspirou com raiva - É uma longa história e um que eu não quero entrar
agora.
- Você tem certeza que não ajudaria se eu lhe disser mais uma vez que eu te amo? - Ele
imediatamente lamentou falta de humor no meio de um confronto. Ela olhou para ele e
começou a xingar em Português.
Ela respirou fundo e se acalmou - Tudo bem. Piada sobre isso. Eu deveria ser grato a
você para tomar a decisão mais fácil.
Jeremy passou a mão pelo cabelo - O que decisão? Jeisa, eu não quis dizer. . .
Com os lábios apertados em uma linha de raiva, ela anunciou - eu não vou estar indo
para a Ação de Graças com você. Eu não preciso esperar até lá para saber que não podemos
resolver isso.
Jeremy andava na frente dela, odiando como sua inexperiência com as mulheres foi
provavelmente o motivo foi a situação vai de mal a terminar. WWDD: O que Dominic
fazer? Perguntando a si mesmo essa pergunta tinha guiado com sucesso pelo resto de sua
transformação. Talvez tivesse sido errado para não aplicá-lo em sua relação com Jeisa.
As mulheres não respeitam os homens fracos.
Seja ousado.
- Você chegará na Ação de Graças comigo - Ele sentiu uma onda de orgulho quando o
seu tom dava apenas uma dica de um aviso.
Jeisa inclinou a cabeça em surpresa - Você está me ameaçando?
- Eu não faço ameaças - ele imitou o que ele tinha ouvido uma vez Dominic dizer.
Ela jogou o cabelo sobre um ombro e avançou para ele. Ainda com raiva, mas,
inegavelmente, também animado com o que ele tinha dito - Depois de hoje, eu não vou a
lugar nenhum com você.
Dominic realmente sabe o que está fazendo. Eu não posso acreditar que esta merda
funciona.
- Vamos ver sobre isso - disse Jeremy vagamente, tentando o seu melhor para olhar
intimidador.
Jeisa virou-se com um mau humor e se mudou para o outro lado da cabine. Ela se sentou
em uma cadeira, ligando a televisão e virou a costa para ele.
Jeremy quase riu.
Ela era adorável lá, fazendo uma produção de dar-lhe o tratamento do silêncio.
Ele sabia o suficiente para não dizer isso a ela. Ele relaxou no sofá e colocou os pés em
cima da mesa na frente dele. Este quebra-cabeça particular, estava indo para exigir algumas
estratégias.
Como você começa uma mulher que já te ama de começar a falar com você de novo o
suficiente para convencê-la de que você está destinado a passar o resto de suas vidas junto?
Como você começa a acreditar que você a ama?
Você propor!
Agora que ele tinha a solução, ele estava menos preocupado com seu estado de espírito
atual. Jeremy cruzou os braços sobre o peito e sorriu.
E eu sei exatamente quando fazê-lo!

A única coisa pior do que ignorar um homem para um vôo de seis horas e meia de uma
limusine carona estava verificando periodicamente para ver se o seu silêncio estava
incomodando e sendo golpeado com a dura realidade de que não era. Mesmo agora, Jeremy
parecia perfeitamente contente em ler seus e-mails em seu tablet e fazer chamadas
telefônicas como se estivesse sozinho.
Provando bastante claramente que meus instintos estão corretos e que ele não tem
sentimentos por mim. Ele provavelmente está contando os minutos até que ele me
colocasse nessa limusine e fosse embora, provavelmente para nunca mais me ver
novamente.
O que é bom.
Pelo menos, então eu tenho a minha resposta e eu possa voltar a centrar-se sobre o real
motivo que eu vim para os Estados Unidos em primeiro lugar. Para mim.
Eu não preciso de um homem para me fazer feliz e bem-sucedido. Eu posso não ser um
funcionário de escritório bom, mas eu vou encontrar meu caminho.
Seu emprego de sonho no WIT agora estava entrelaçada com muitas lembranças de
Jeremy. Mas não é a única universidade trabalhando em uma doação humanitária. Eu sou
bom com os políticos e misturando-se com os gigantes corporativos. Eu poderia ser um
arrecadador de fundos profissional em qualquer lugar.
Há um monte de coisas que posso fazer.
Eu não tenho me dado tempo suficiente para descobrir onde eu pertenço.
Ela estudou o perfil de Jeremy enquanto ele lia sobre um outro documento em seu tablet.
Só que eu não faço.
A limusine parou na frente de seu prédio e o motorista abriu a porta para ela. Ela hesitou.
Esta pode ser a última coisa que eu dizer para Jeremy. Eu não quero que isso acabe com
esta nota azedo.
Ele largou seu tablet - Eu vou buscá-lo por volta das dez da manhã na quinta-feira. Os
Andrades ter solicitado todos estar lá por dois.
Os olhos de Jeisa voaram para o seu, tentando lê-lo, mas encontrar nada lá, mas fria
determinação - Eu te disse que eu não vou.
- E eu lhe disse que você é.
- Não é como você pode ameaçar a me demitir. Eu já desistiu. Eu não estou trabalhando
sob contrato, de modo legalmente você não pode me forçar a ir.
- Esteja pronto em dez.
- Ou o quê? - Perguntou Jeisa, confusa com a forma como ela poderia ser tanto irritado e
animado por sua recusa em aceitar a sua resposta.
Ele inclinou-se, deslizou uma mão sob seu cabelo, e puxou o rosto para ele. Ele saboreou
avidamente, puxando-a para fora do seu assento, e Jeisa perdeu a batalha contra a sua
própria limitação. Ela estava ajoelhada entre as pernas, se afogando no calor de seu beijo,
tentando lembrar de todas as razões que ela não pertencia àquele lugar. Ele beijou sua
mandíbula e sussurrou em seu ouvido - Ou eu vou fechar a porta e fazer amor com você
aqui até você dizer sim.
Jeisa mal podia ouvi-lo sobre a sua própria respiração ofegante. Ele quer isso.
E eu quero.
Ela sacudiu-se mentalmente.
Dizer sim apenas iria prolongar a dor da incerteza.
Dizer não ganharia a ela um prazer imediato que não provaria nada mais do que aquilo
que ela já sabia, ela estava perdidamente, irremediavelmente apaixonada por ele.
Ela sentou-se sobre os calcanhares e implorou - Apenas me deixe ir, Jeremy.
Sua mandíbula se apertou e seus olhos escureceram com a emoção - Não. Você me
prometeu que iria comigo e com você, mesmo se eu tiver que encontrá-lo e arrastá-lo para
lá - Ele correu um dedo sobre os lábios - Embora possamos desfrutar tanto essa opção,
também.
Jeisa ficou com as pernas trêmulas e saiu da limusine, temporariamente atordoada
demais para responder.
- A verei na quinta-feira - disse Jeremy e se juntou a ela na calçada, tomando sua bolsa
durante a noite longe do motorista e entregá-lo ao seu próprio porteiro.
Jeisa agarrou seu saco do porteiro - Eu não trabalho para o Sr. Kater, Tim. Eu
agradeceria se você não deixá-lo entrar mais.
- Sim, senhora - Tim disse.
Em um tom de aço, Jeremy disse - Ninguém vai me impedir de te levar comigo na
quinta-feira.
- Não há nada atraente sobre um homem dominador - Jeisa estalou.
Ele se inclinou e sussurrou em seu ouvido - Então por que você olha como você adoraria
me convidar lá em cima?
Sua cabeça recuou em negação - Eu não sei.
Ele traçou o queixo com o polegar, movendo-se a uma parte de seus lábios ávidos. Sua
respiração veio em respirações curtas e animadas contra sua mão - Sim, você faz.
Ela deu um tapa na mão dele - Um homem com mais experiência do que entender a
diferença entre raiva e desejo.
Os cantos de seus olhos enrugados com humor - Então parece que eu preciso de mais
experiência.
Com um fluxo de palavras portuguesas a escolha, Jeisa se afastou dele e se dirigiu para o
seu prédio.
Tim vencê-la até a porta e abriu-a para ela, em seguida, voltou para o lado de Jeremy e
perguntou - viagem difícil?
- A melhor da minha vida - Jeremy respondeu com um sorriso, então assobiou quando
ele reentrou na limusine.
Capítulo Nove

No dia seguinte, Jeremy não respondeu o telefonema de Alethea - Jeremy, graças a Deus.
Comecei a me preocupar quando você não estava pegando.
Jeremy recostou-se na cadeira do escritório no edifício Corisi e apoiou os pés sobre a
mesa - Eu estava ocupado.
- Bem, se desocupe e volte para Tenin porque nós temos um problema.
- O que é isso?
- Você sabe como eu fico sentimentos sobre as coisas, certo? Bem, meus instintos me
dizem que algo está muito errado aqui.
Seria possível que ela tinha ouvido falar Jeisa e estava com ciúmes?
A resposta importava tão pouco para Jeremy como o projeto lá fora fez.
- Eu não vou a lugar nenhum. Não, esta semana, pelo menos.
- Você não ouviu o que eu disse?
- Eu ouvi você. Você está me ouvindo?
Alethea suspirou com raiva - O que diabos está errado com você, Jeremy? Este é o seu
projeto. Você não se importa se desmorona?
Não quando ele estava lutando por algo muito mais importante – Me chame se você
encontrar algo de concreto. Caso contrário, eu vou voar na próxima semana e verificar tudo
sozinho. Lidar?
- Não, isso não é aceitável. E se...
- Bye, Alethea. Vamos conversar na próxima semana.
- Não fique em cima de mim, Jeremy.
Ele fez. Alethea prosperou em drama. No passado, ele teria deixado a arrastá-lo para
qualquer louco esquema era chocar-se para combater uma crise que, as chances eram, na
verdade não existe. Não desta vez.
Ele finalmente tinha algo a perder.
E ele foi condenado se ele ia.
Ele pegou o telefone do escritório e liguei para a recepção no térreo no prédio da Jeisa.
- Tim, você tem um minuto para conversar?
- Mr. Kater?
- Sim, sou eu, Tim. Preciso de ajuda e você é a única pessoa que eu posso pensar em
perguntar. Posso enviar um carro para buscá-lo?
- Eu estou trabalhando, o Sr. Kater.
- Quando é que o seu fim turno?
Após uma breve pausa, Tim respondeu - Duas horas.
- Ótimo. Vou mandar meu motorista, então.
- Mr. Kater, eu tenho uma esposa e filhos. Eu não posso fazer nada ilegal.
Que parou Jeremy curto - Tim, eu quero ir para escolher um anel para Jeisa e eu preciso
de uma segunda opinião. O que você achou que eu estava pedindo para fazer?
Tim riu com alívio aparente - Eu não sei.
Jeremy continuou - Eu só percebi que você é casado, assim você escolheu corretamente
uma vez. Posso pagar-lhe o tempo, se você quiser.
Tim respondeu em um tom um pouco ofendido - Você não tem que me pagar.
Jeremy baixou o tom arrogante, ele se conteve usando mais agora - Tim, eu sinto muito.
Deixe-me começar de novo. Eu realmente quero escolher o anel certo para Jeisa e valorizo
sua opinião. Você se importa de me encontrar quando você sair do trabalho? Eu quero
comprar o anel de hoje. E não me chame, o Sr. Kater. Eu sou Jeremy.
- Ok, Jeremy. Eu vou, mas eu não sei sobre anéis. Minha esposa pegou o seu próprio.
Hmm - Você acha que ela viria com a gente?
Tim riu - Você está falando sério?
- Nunca mais.
Tim disse lentamente - Nós teríamos que ter uma babá.
Dinheiro pode não resolver todos os problemas, mas certamente fez muitos mais fáceis
de lidar - Eu posso pagar por isso. É o mínimo que eu poderia fazer. Hey, e depois de
escolher um anel que eu te empresto a limusine com motorista para a noite. Você poderia
levar sua esposa para um bom jantar ou algo assim.
- Ela adoraria isso - Tim disse, e depois acrescentou com mais entusiasmo - Ela
provavelmente amo tudo sobre isso - Ele riu - Eu vou chamá-la e tê-la me encontrar aqui.
Ela pode ter sua irmã cuidar das crianças.
Inspiração bateu Jeremy - Melhor do que isso, eu vou ter uma limusine buscá-la e trazê-
la para você. Você pode tanto me encontre no joalheiro - Ele sorriu para o telefone, e
acrescentou - Eu vou ter o meu livro secretário um quarto para você no Ritz-Carlton, caso
ela realmente ama. Não se preocupe em pagar. Este é para mim.
- Você tem certeza?
- Sim, a menos que você não me quiser.
Sem hesitar, Tim disse - Não, eu estou dentro Eu não consigo lembrar a última data que
eu tive com a minha esposa. Se eu tiver sorte eu vou ter que chamar amanhã doente.
Jeremy sacudiu a cabeça. Tim era honesto e engraçado, e começando a sentir como algo
que seus anos de isolamento tinha enganado-o de um Amigo.
- Aqui está esperando que você faça, Tim. Vê-lo em duas horas.
- Obrigado Jeremy. E, ah, desculpe, eu pensei que você estava me pedindo para ajudar
em um seqüestro.
Jeremy riu. Aposto Dominic recebe esses comentários o tempo todo. Isso é tão incrível.
Ele se forçou a parecer sério - Não tem problema. Nos vemos na joalheria.
- Sim - Tim disse – Te vejo depois.
Jeremy ainda estava rindo, dez minutos depois, quando ele entrou no escritório de
Dominic para deixar um relatório. Dominic olhou para cima de sua mesa e fez uma careta
para Jeremy - Que diabos é tão engraçado?
Jeremy sacudiu a cabeça e reprimiu uma risada - Você não iria buscá-la.
Que só aprofundou a carranca. Jeremy soltou uma gargalhada. Ele sabia que deveria
parar, mas ele não se conteve. Ele retirou-se da sala antes de Dominic perdeu a paciência e
saltou de sua mesa para pegá-lo.
Algum dia eles podem estar em um lugar onde ele poderia dizer Dominic toda a história,
mas eles não estavam lá ainda.

Dois dias depois, Jeisa ainda não tinha deixado sua casa. Ela não se preocupou em trocar
de bermuda e camiseta que usara para a cama na primeira noite, já que ela não tem um
trabalho de informar. Ela jogou o cabelo para trás em um rabo de cavalo, pegou uma caixa
apropriadamente chamada de Terapia sorvete de Chocolate e uma xícara de café preto, e
arrastou um cobertor grosso do armário para fazer um ninho confortável em seu sofá.
O segundo dia da festa de piedade.
Ela abriu a caixa e ligou a TV.
Notícias? Não, muito deprimente.
Daytime talk show? Muito feliz.
Documentário? Muita dificuldade para encontrar um bom.
Ela pensou em chamar seus amigos em Santo Amaro, mas não tinha entendido o seu
desejo de se mudar para os Estados Unidos em primeiro lugar. Por que trabalhar quando
você não tem que? Por que deixar uma vida onde tudo é dado para você? Porque eu estou
cansada das regras. Seja bem. Ficar quieto. Ser bonita. Basta não ser você mesmo.
Ela escolheu uma estação que tocava música suave, sem palavras. A última coisa que ela
precisava era de ouvir alguém cantar sobre amor e perda. Ela colocou o meio comido
sorvete na mesa de café na frente do seu sofá e se enfiou debaixo do cobertor.
O que estou fazendo?
Escondendo.
Chafurdar.
Odiando-me por cuidar que Jeremy não me chamou.
Não importava que ela tinha ensaiado exatamente o que dizer quando ele fez a chamada,
ou que cada versão incluída dizendo-lhe que tinha acabado. Durante quase tão rapidamente
como começou. Memórias de dois deles, curtindo um ao outro intimamente e
maravilhosamente, manteve esgueirando-se e ameaçar o que era caso contrário uma anti
Jeremy auto conversa estimulante. Ok, eu sou terrível em relacionamentos. Eu fiquei em
pânico e quis correr. Não admitir isso me traz mais perto para a recuperação?
Uma batida leve na porta ecoou seu apartamento. Ela desligou o canal de música. Ela
jogou para trás o cobertor e pensei, eu não estou pronto para ver alguém. Normalmente Tim
chamado em cima para os hóspedes. A única pessoa que ele já tinha deixar passar sem
aviso prévio era Jeremy. Usado para deixar passar, ela salientou a si mesma. Eu disse a Tim
não o admitir.
Jeisa correu para o espelho e gemeu. Oh, meu Deus, estou horrível. Ela não estava
usando nenhuma maquiagem, e as sombras sob seus olhos eram proeminentes. E o cabelo
dela estava tomando o elástico como uma sugestão e não uma restrição, desafiadoramente
saindo aqui e ali. Ela olhou rapidamente ao redor da sala. Havia ainda uma pilha de tecidos
no balcão da cozinha deixou de quando ela tinha quebrado em lágrimas ao olhar para um
lanche da meia-noite. Dois dias de pratos sujos estavam empilhados no balcão.
Eu acho que eu não tenho que olhar bom quando eu digo a ele para o tempo final que eu
não quero vê-lo novamente.
Jeisa abriu a porta devagar e quase bateu de novo quando viu quem estava lá.
Marie, em toda sua glória perfeitamente preparado, sorriu educadamente para ela como
se fosse atender Jeisa para o seu almoço semanal ao invés de visitar seu apartamento pela
primeira vez - Jeisa! Estou tão feliz que você está em casa. Tentei ligar para você, mas você
não atendeu ao telefone, então eu pensei que eu iria aparecer e verifique se você está bem.
Eu espero que você não se importe.
Que lembrou Jeisa que ela virou telefone desligado durante a turnê da universidade.
Merda! Como eu poderia ter esquecido de ligá-lo novamente?
Porque você tinha outras coisas em sua mente, ela a zombou.
Talvez Jeremy ligou.
Eu não me importo, declarou ela para si mesma.
- Posso entrar? - Marie perguntou.
Jeisa balançou a cabeça para limpá-la - Claro, Marie. Sinto muito. Entre - Ela deu um
passo para trás para permitir a entrada de mulher mais velha.
Marie passou por ela, olhou ao redor, então voltou sua atenção para Jeisa, que estava se
contorcendo de vergonha. Jeisa correu para colocar alguns pratos na pia - Não se preocupe
com a bagunça - Ela pegou o cobertor no sofá e atirou-a no quarto, fechando rapidamente a
porta atrás dela - Você gostaria de se sentar? - Perguntou Jeisa, então gemeu quando Marie
escolheu o local ao lado da caixa de derretimento de sorvete.
- Você está doente? Eu tenho um médico fabuloso que realmente faz chamadas de casa.
Ninguém mais faz isso, mas eu sou antiquado assim - Marie disse com preocupação.
Jeisa sentou em frente a ela em uma cadeira e abraçou um travesseiro para seu estômago.
- Não. Não. Eu estou bem. Gostaria de algo para beber?
Marie deu outra olhada rápida ao redor da sala e sacudiu a cabeça - Jeisa, cheguei a pedir
desculpas.
O aperto de Jeisa no travesseiro apertado enquanto ela esperava.
- Eu não deveria ter incentivado Jeremy para levá-lo para São Francisco. Eu não deveria
ter empurrado, mas a partir do momento em que te conheci, pensei que seria perfeito para
ele. Você é sofisticado, bem educado e gentil, exatamente o que Jeremy necessário. E, até
certo ponto, eu estava certo. A diferença entre ele antes de conhecer você e agora é
indescritível. Você não apenas dar-lhe uma melhorada, você lhe deu confiança.
Dei-lhe mais do que isso, Jeisa pensou ironicamente.
- Obrigado - disse Jeisa grossa, com a boca seca de nervos.
- Ele é um bom homem.
- Eu sei que ele é.
- Mas ele não teve muita experiência com o namoro.
Estou intimamente consciente de que também, Jeisa pensou, mas não disse nada.
- Um homem assim não pode saber como se expressar bem. Ele pode ser tímido sobre as
coisas que outro homem não seria.
Menos tímido e eu não teria sido capaz de andar fora do avião, Jeisa pensava e abafou
uma risadinha que originou mais de nervosismo do humor real.
Marie continuou - Eu tinha certeza de que vocês dois iriam voltar de sua viagem como
um casal. Você pode me dizer que não é da minha conta, mas foi horrível?
Jeisa pôs as mãos sobre ambos as faces coradas e disse - Foi maravilhoso. Ele foi
maravilhoso - Ela fechou os olhos por um momento, reunindo suas forças. Quando os
abriu, Marie estava olhando para ela com tanta simpatia que Jeisa quase quebrou em
lágrimas.
- Então por que você parece tão triste, querida?
Uma lágrima escapou pelo rosto de Jeisa e ela rapidamente limpou - É o fim.
- Porque é mais fácil de acabar com ela agora que o risco de perdê-lo para Alethea?
Ela odiava que Marie sabia exatamente o que havia passado os últimos dois dias tentando
negar para si mesma. Jeisa assentiu e outra lágrima derramada por diante - Isso me faz
fraca?
- Não, querida, faz você humano. O amor é, por vezes, aterrorizante. Para experimentá-lo
totalmente, você tem que se dar a ele e confiar que ele não vai pisotear a sua oferta. Será
que você siga o meu conselho e dar-lhe um pouco de incentivo?
Jeisa corou. Mais do que um pouco - Sim.
- E então?
Abraçar o travesseiro para ela novamente, Jeisa confessou - Ele disse que me ama.
- Mas você não acreditar nele.
- Não.
- Você colocá-lo em uma posição de um interessante em que um homem ou decide
provar a si mesmo ou a pé.
Com a garganta cheia de emoção, Jeisa perguntou - Será que ele falar com você sobre a
viagem?
- Ele não disse uma palavra sobre isso, então eu sabia que algo deu errado. O que ele fez?
- Não era ele, era eu - Jeisa admitiu - Entrei em pânico. Eu disse a ele que eu não quero
vê-lo de novo e que eu não vou para Ação de Graças.
- E o que ele tem a dizer sobre isso?
Jeisa sorri com a lembrança - Ele disse que ia me arrastar para lá se necessário.
Marie parecia satisfeito com a ameaça de Jeremy - Bom para ele. É bom vê-lo ir atrás do
que ele quer.
Jeisa corou de um vermelho profundo. Ela abriu a boca para dizer alguma coisa e depois
se fechou quando nada me veio à mente. Finalmente, ela disse - Não é tão simples,
Marie.Tomar uma respiração instável, Jeisa perguntou - Como posso competir com alguém
que passou toda sua vida querendo?
- Você não sabe. Você confia-o a tomar a decisão certa, e você ir com ele para Ação de
Graças. Qual é a alternativa? Sentado aqui e acabamento que o cartão só?
Jeisa imaginou o encontro de fim de semana: os Andrades, o Corisis, possivelmente, até
mesmo a mãe de Jeremy - Eu não sei se eu posso fazer isso. Eu não tenho um grande
currículo com os homens. Eu tendo a acreditar neles, mesmo quando as evidências por que
eu não deveria se acumula, e então eu acabar em uma situação pior. Quantas vezes eu tenho
que estar errado antes de eu aprender a confiar em minha cabeça em vez do meu coração?
Marie estava - Eu espero que você nunca aprenda com isso - Eu certamente não tenho.
- Marie - Jeisa levantou-se e começou a dizer algo, mas Marie a interrompeu.
- Não, eu sinto muito. Eu vim aqui para pedir desculpas por interferir e lá vou eu,
batendo em seu negócio de novo. Lil diz que eu sou tão ruim como Abby, e eu não estou
totalmente certo de que é um elogio.
Jeisa tomou uma das mãos de Marie na dela e disse - Eu não sei como eu tive sorte o
suficiente para entrar na lista de pessoas que se preocupam, Marie, mas eu sou grato que eu
fiz. Mesmo quando eu não concordo com o que você está dizendo.
Marie apertou a mão de Jeisa levemente, em seguida, pegou a bolsa do sofá - Você
poderia me fazer um favor?
Jeisa duvidava que houvesse uma pessoa no planeta que poderia recusar a Sra. Duhamel
quando ela colocou em sua expressão velha senhora doce e usado esse tom despretensioso.
- Eu vou tentar.
- Vá para fora para hoje uma caminhada. As respostas que você está procurando não
estará em seu sofá.
- Eles estão na trilha atrás da minha casa? - Jeisa brincou.
Marie foi até a porta, depois parou - Não, mas o sol é. Tudo o que o ar fresco que
esperamos lembrá-lo que você é jovem e saudável, com um mundo de oportunidades antes
de você. Se ele funciona com Jeremy ou não, a vida é muito curta e preciosa demais para
desperdiçar. É uma pena que muitas vezes não percebem que, até que seja tarde demais.
Jeisa correu para frente - Marie, você está bem?
Marie ajustado a bolsa no ombro - Eu estou bem, querida. Às vezes eu perca o que eu
costumava ter. Eu tento não pensar sobre isso, mas até eu ficar sozinha - Quando Jeisa teria
dito mais, Marie disse - Não é um assunto que quero discutir mais. Apenas lembre-se de
que nada é para sempre. Nem a confusão você se sente hoje, e não o seu tempo neste
planeta. Não dê desculpas para não viver a vida que você quer. Se você quiser fazer a
diferença por se envolver num movimento, não espere por um tempo perfeito ou a situação
perfeita, apenas fazê-lo. Amor como você está com os dias contados. Se você esperar para a
família perfeita, amigo ou relacionamento, pois você passa a vida esperando em vez de
viver. Falei com o presidente da WIT e ele disse que gostaria de encontrar um lugar para
você no projeto de água quando estiver pronto. Mas, antes de fazer isso, ligue para o seu
pai. Ah, e quando Jeremy vem para buscá-lo, entrar naquele limo.
Jeisa jogou os braços em torno de Marie e deixar o abraço dizer o que ela não podia
expressar. Sra. Duhamel devolveu o abraço e então disse - Ok, chega disso. Eu preciso
voltar para o escritório. Dominic e Jake partiram para Nova York na noite passada. Eu
gosto de espreitar de vez em quando para se certificar que tudo está indo bem na sua
ausência.
Tenho certeza que você faz. Jeisa sorriu com o pensamento.
Enquanto Jeisa banho e transformado em uma roupa de jogging, ela pensou sobre o que
Marie tinha dito. Jeisa não costumam pensar sobre sua própria mortalidade ou a de outros,
mas Marie estava certo. A vida era frágil. Sua própria mãe faleceu inesperadamente, sofre
de uma doença fatal que ceifou sua vida em poucos dias.
Não é de admirar o pai se preocupa tanto.
Ele amou e perdeu.
Assim como Marie disse, alguns homens nunca mais voltar a partir daí.
Eu tenho que ligar para ele.
Não há mais pô-lo fora. Ele merece saber a verdade.
Quando ele não respondeu seu primeiro anel, Jeisa chamado a sua casa e falou com a
empregada. Sonia estava com sua família durante o tempo que ela conseguia se lembrar e
era um juiz muito bom de humor de seu pai. Se alguém sabia onde seu pai era e se este era
o melhor momento para falar com ele, seria ela.
Sonia respondeu - Jeisa, onde você esteve? Seu pai foi tentando chamá-lo por alguns
dias. Ele voou ontem à noite para ir encontrá-lo em Boston.
Oh, meu Deus - Papai está vindo para cá?
Em rápido Português, Sonia disse - Se 'aqui' é a casa de David Reese, então sim. Ele já
deveria estar lá.
Por favor. Por favor. Por favor. Não deixe que ele encontrar Reese antes de mim - Eu
tenho que ir, Sonia. Vou ligar para ele agora.
Quase sem respirar, ela discou o telefone de seu pai e começou a andar enquanto ele
tocava. Pegar. Pegar.
- Jeisa? - A voz de seu pai, cresceu através do telefone.
- Pai! Onde você está? - Jeisa perguntou em Português.
A resposta de Romário cresceu através do telefone em sua língua nativa - Onde eu estou?
Onde você está? Estou na casa de algum imbecil e ele está tentando me dizer que ele não
sabe que você. Ele diz que não tem uma esposa ou filhos e que eu devo estar confuso sobre
onde você trabalha.
Jeisa se sentou em uma cadeira enquanto suas pernas cederam sob seus pés. Não
importava que o pai vestido com a roupa mais fina e falou vários idiomas, ele abriu
caminho para o topo do governo brasileiro e lutaria tão impiedosamente pela honra de sua
filha - Você pode colocá-lo no telefone por um minuto?
É claro que ele não iria. Ele nunca tinha feito uma única coisa que ela lhe pedisse. Você
teria que valorizam a opinião de sua filha para isso.
- Onde está você? - Seu pai exigia.
- Estou segura, pai. Eu não trabalho para Reese e eu nunca tenho. Eu não moro lá. Eu
tenho um grande apartamento na parte alta da cidade de Boston. Apenas deixe-me falar
com ele por dois segundos para lembrá-lo como ele me conhece. Eu posso limpar esse mal
entendido para cima.
Com um pouco de um grunhido, seu pai entregou o telefone para Reese. Jeisa não perder
tempo com uma saudação. Em Inglês, ela disse apressadamente - Você precisa dizer ao
meu pai que era um grande mal-entendido e que você está arrependido. Gostaria de
começar rastejando agora. Você pode até querer chorar. Confie em mim.
- Eu não vou pedir desculpas a um homem que só quebrou minha porta. Eu vou chamar a
polícia.
Eles nunca chegar lá a tempo - Eu tenho duas palavras para você considerar antes de
fazer a imunidade neopolítico. Ele vai sair, mesmo que ele te mata. E se você vive, você
quer a notícia para saber por que ele veio atrás de você? Porque eu vou dizer-lhes de bom
grado - Ela deixou a ameaça afundar-se dentro
Depois de um momento, Reese praguejou baixinho e começou a se desculpar com
Romário. Seu pai tomou a parte de trás do telefone - Diga-me você não namorar esse
homem. Ele é um idiota chorão.
Embora Reese merecia o castigo que seu pai provavelmente queria dar a ele, Jeisa não
podia deixar isso acontecer. Ela sabia o que má imprensa poderia custar a carreira de seu
pai. Ter uma reputação de ser duro com questões não é a mesma coisa que ser presa por
invadir a casa de um homem e espancá-lo até a morte. Os jornais norte-americanos teriam
um dia de campo com a história, se ela não fizesse algo rápido - Pai, eu nunca fui a sua
casa. Eu estive trabalhando em um prédio de escritórios como um consultor de imagem
desde a minha segunda semana aqui. Honestamente, eu falei com esse cara uma vez no
telefone quando cheguei pela primeira vez e decidiu não trabalhar para ele. Eu nem sequer
reconhecê-lo em uma linha.
Seu pai ficou em silêncio por um longo momento. Pelo que Jeisa ouvido no fundo,
parecia que ele tinha deixado a casa de Reese e tinha ficado para trás em um carro - Então
você está mentindo para mim há meses? - A calma em sua voz revelou a profundidade de
sua raiva.
- Sim - Jeisa disse sem convicção, sabendo que ela esperou muito tempo para dizer a
verdade - Eu não queria decepcioná-lo.
- E isso não é decepcionante? Arrumem as malas, você está voltando para casa.
Jeisa respirou fundo. Não desta vez - Não, pai. Eu não sou.
- Você não tem escolha - ele ralado.
Pela primeira vez, Jeisa viu que ela fez. Ela realmente fez. Marie foi direito como foi seu
pai nunca vai vê-la como um adulto, se ela continuou a agir como uma criança? Era hora de
tomar uma posição, e não contra o seu pai, mas para si mesma - Pai, me desculpe te
preocupado. Sinto muito que eu menti para você, mas eu não estou indo para casa - Ela lhe
deu o endereço dela - Eu tenho uma vida aqui e agora e, se você vai me ouvir, eu vou te
dizer sobre isso.
Para os próximos 30 minutos, sobre o som do GPS dirigindo seu pai cada vez mais perto
de sua casa, Jeisa contou a seu pai sobre o trabalho que ela tinha tomado as Empresas
Corisi e como isso levou a trabalhar com Jeremy como seu consultor de imagem. Ela parou
na parte onde ela foi parar e eles haviam namorado. Não haveria tempo para explicar essa
parte, uma vez que ele se acalmou.
O pai dela não parecia feliz, mas não interrompê-la como ela tinha medo que ele o faria.
Ele deve ter ouvido algo em sua voz quando ela mencionou Jeremy, porque ele disse -
Apenas me diga que esse Jeremy não é nada como o norte-americano choramingando que
eu acabara de conhecer.
Jeisa lembrado como Jeremy se levantou para o pugilista profissional durante o que ele
ainda ligou para sua primeira lição. Jeremy não choramingar - Não, eu acho que você
realmente gosta dele.
- Eu vou te dizer o que eu penso depois que eu conhecê-lo.
- Conhecê-lo? - Perguntou Jeisa, sua voz subindo uma oitava em perigo.
- Eu quero ver essa vida que você fez para si mesmo e eu vou. Existe alguma coisa que
você quer me dizer sobre esse Jeremy?
- Não - Jeisa coberto, como muitas vezes ela teve no passado. Lamentou imediatamente
fazê-lo, mas velhos hábitos são difíceis de quebrar. Com seu pai, menos ela disse que o
melhor.
- Então, primeiro vai sentar e conversar sobre a importância da honestidade em uma
família. Depois disso, você vai me apresentar a este homem que você diz que trabalhar.
Ele não acredita em mim, e eu realmente não posso culpá-lo - Pai, isso não é um bom
momento para isso. Amanhã é um feriado americano de Ação de Graças. Nós estávamos
indo para Nova York para comemorar com alguns colegas de trabalho e amigos, mas eu
vou dizer a ele que eu não posso ir.
- Não, não. Eu vou com você. Soa como a maneira perfeita para me para conhecer as
pessoas nesta nova vida você diz que tem feito por si mesmo.
Sim, perfeito.
Isso é o que de Ação de Graças foi-se tornando um desastre perfeito.
Capítulo Dez

Jeremy distraidamente verificado no bolso do smoking preto para as caixas de anel como
o limo navegado as movimentadas ruas de Boston. Anéis. Confira. Ele tinha comprado o
seu próprio helicóptero privado, que agora foi alimentado e esperando por eles no prédio
Corisi, uma opção muito mais perto do que o aeroporto. Transporte. Confira.
Normalmente, ele não teria feito sua mãe, Therese, viajar sozinho, mas ele tinha planos
especiais, para esta curta viagem que ele havia confessado a sua mãe, quando ela soou mal
que ele queria viajar sozinha com Jeisa - Mãe, precisamos de privacidade, porque eu vou
pedir para ela se casar comigo.
Depois de elogiar os poderes acima, ela exclamou - Você pretende propor em um
helicóptero? Jeremy, uma menina espera que só receba uma proposta. Isso não soa muito
romântico. Como é que você vai ficar de joelhos, se você está precisando com fones de
ouvido?
Ele explicou sua escolha - Não se preocupe, este é um helicóptero de luxo. É tão bom e
com isolamento acústico no interior de qualquer veículo. Vai ser preenchido com rosas. Eu
até pediu champanhe para que possamos comemorar. Confie em mim, vai ser perfeito.
Sua mãe soltou uma risada alegre - Eu vou ter netos!
- Calma mãe. Ela tem que dizer sim em primeiro lugar.
- Que mulher sã consciência iria dizer não a você, Jeremy?
Mais do que você pensa, ele pensou, mas apenas uma importava.
Sua mãe emocionou - Eu deveria vir e tirar uma foto de você e Jeisa naquela manhã.
Você nunca foi a um baile. Eu não tenho nenhuma foto desse tipo.
- Mãe, pare.
Tão rapidamente como ela começou a rir, ela começou a chorar - Você deu-se tanto por
mim e seu pai. Eu quero que você seja feliz.
O peso de sua dor rasgou-o, como sempre teve. Ele a tranqüilizou, assim como ele tinha
feito milhares de vezes antes, quando eles falaram-se em um lugar desconfortável - Estou
feliz, mãe. E você vai fazer a melhor avó do mundo.
Sniffing, Therese disse - Não importa o que Jeisa diz, eu quero que você saiba como
estou orgulhoso de você. Você é um homem incrível e eu espero que ela veja isso.
Tinha sido um alívio para acabar com aquele telefonema, mesmo que suas palavras
tinham aquecido o seu coração - Tchau, mãe. Nos veremos nos Andrades - Tente não
chorar todo Jeisa quando nós fazemos o nosso anúncio.
- Eu não posso prometer nada - sua mãe havia dito, rindo.
Pisando fora da limusine em frente ao edifício da Jeisa, Jeremy olhou para o chão de seu
apartamento estava ligada. Ele tomou uma respiração profunda, fortificante e deu um passo
em direção à entrada. Tim abriu para ele.
- Bom dia, Sr. Kater - Tim disse em uma corrida.
- Jeremy - ele corrigiu.
Tim concordou e seguiu para dentro - Jeremy, antes de você ir lá em cima há algo que eu
tenho que te dizer.
Jeremy parou dentro da sala de estar - Será que ela o instruiu para chamar a polícia ou
algo assim, se eu aparecer?
Balançando a cabeça, Tim disse - Pior. Seu pai está lá em cima.
Que limpou o sorriso do rosto de Jeremy - O pai dela? - Por que Jeisa chamar o pai dela?
Porque ela quis dizer isso quando ela disse que não queria me ver de novo?
Não, ela está chateada comigo, mas ela me ama. Por que ela não me contar que seu pai
estava aqui?
Talvez ela teria se eu a tinha chamado.
Droga, eu sabia que não deveria ter deixado nossas últimas palavras pendurar entre nós
até agora. Eu queria jogar com calma como Dominic teria, mas eu deveria ter colocado o
meu orgulho de lado e ligou para ela.
Jeremy procurado algumas respostas de Tim - O que ele é?
Tim assobiou - Enorme. Vestido como ele vive em ternos. E não é feliz.
- Você deve zumbir seu apartamento neste momento.
Jeisa respondeu interfone.
Tim disse - Sr. Kater está aqui para vê-lo.
- Me ver - disse ela, sem fôlego.
- Sim, senhora - disse Tim e desligando o interfone - Boa sorte.
Jeremy endireitou os ombros e se preparou - Quão ruim pode ser?
Tim deu-lhe um tapinha no ombro e disse - Os pais são complicados, Jeremy. Eles são
programados para não gostar do homem sua filha escolhe. Vai ser como caminhar por um
campo minado com duas pessoas assistindo para ver se você pode navegar por ele. Eles
sabem onde estão os explosivos, mas eles não vão te dizer. Ao lidar com potencial sogros,
tudo que você pode fazer é pisar levemente e orar. Confie em mim, a menos que você diga
o melhor.
Jeremy assentiu - Obrigado, Tim. Eu vou manter isso em mente. Ela disse que eu poderia
ir para cima, porém, assim que estou me sentindo otimista sobre isso. Ela poderia ter tido
tempo para repensar suas últimas palavras para mim. Inferno, talvez seu pai está aqui
porque quer conhecer o homem que fez sua filha tão feliz.
- Eu adoro seu senso de humor, Jeremy.
Jeremy se dirigiu para as escadas resmungando para si mesmo. Eu não estava brincando.

Quando viu Jeisa traje formal de Jeremy, ela ficou feliz por ter escolhido um vestido
longo e incentivou o pai a usar um smoking. Os Andrades foram casual em sua maneira uns
com os outros, mas gostava de se vestir para impressionar e Ação de Graças,
provavelmente não será diferente. Embora o seu evento começou na parte da tarde, eles se
vestiam nas horas finais da festa se estenderia em. Jeremy esperou na porta para ser
convidado, e Jeisa estava agradecido por seu desconforto incomum.
Isto pode funcionar. Tudo o que tenho que fazer para evitar esta crise é convencer dois
homens que, hoje, não é uma boa idéia.
- Mr. Kater, obrigado por me oferecer uma carona para Nova York, mas como você pode
ver o meu pai está aqui para uma visita - Quando Jeremy pareceu confuso por sua saudação
formal, Jeisa instantaneamente sentiu pena de mantê-lo no escuro sobre seu pai visitar. Eu
deveria tê-lo chamado ontem à noite e disse-lhe que o meu pai está aqui. Mas eu não sabia
o que dizer. Por que eu sempre acredito que se eu fingir algo que não está acontecendo, ele
vai embora?
Jeremy encontrou seus olhos por um minuto e pareceu chegar a uma decisão. Ele olhou
para além dela - Mr. Borreto, é um prazer finalmente conhecê-lo - Ele estendeu a mão para
o pai. Seu pai apertou sua mão com o que parecia um aperto de punição que Jeremy meio
que sorriu.
- Então, você é o homem o qual minha filha trabalha atualmente.
Quando Jeremy olhou por cima do ombro, Jeisa implorou-lhe silenciosamente para ir
junto com ele. Voltando-se para seu pai, ele disse - Tecnicamente ela trabalha comigo -
Jeisa prendeu a respiração – Sou contratado das Empresas Corisi, mas ela está me ajudando
com um projeto recente.
- Eu vejo - o pai disse friamente - E este projeto envolve levá-la para Nova York hoje?
- Hoje não se trata de trabalho. É Ação de Graças, um dia, quando as maiorias dos
americanos se reúnem com a família e amigos.
- Será que sua família estar lá?
- Minha mãe vai ficar. Meu pai não está mais entre nós.
O pai de Jeisa deixou seu interrogatório tempo suficiente para dizer - Eu sinto muito em
ouvir isso.
- Obrigado.
Jeisa foi para ficar ao lado de Jeremy - A visita do meu pai foi um pouco inesperado - Ou
eu teria dito a você, seu tom implícita - Eu não espero que você tenha espaço para ele no
seu carro.
Jeremy encolheu os ombros - Eu vim em uma limusine e os assentos de helicóptero seis.
Tomara que não seja o limo. Jeisa lembrou sua última viagem muito vividamente. Ela
não achava que ela poderia se sentar em frente a seu pai e não morrer de vergonha se fosse.
- Parece que você vive um estilo de vida caro - disse Romário, seu tom insinuando que
ele era um que ele não aprovava.
Jeremy encontrou os olhos do homem - Ambos são opções práticas. Um me permite
começar o trabalho feito enquanto eu me sento no trânsito e outro nos permitirá voar sobre
o congestionamento da estrada de férias. Podemos descer em Nova York, em um pouco
mais de uma hora.
Será que Jeremy não ver o quanto isso pode ir? - Eu não acho que devemos. . .
Falando sobre ela, como sempre fazia, Romário disse - Eu espero que a minha presença
não seja uma inconveniência.
Jeisa queria chutar Jeremy quando ele respondeu - Claro que não, senhor. Estou feliz em
conhecê-lo.
Quando o pai de Jeisa não disse nada em resposta, Jeisa tentou trazer a troca a uma
conclusão - Pai, agora que você já conheceu o Sr. Kater, você não acha que é uma idéia
melhor se cancelar a viagem? A família Andrade gentilmente me convidou para se juntar a
eles para o dia, mas eu não perguntei se eu poderia levar um convidado.
Romário dirigiu sua pergunta a Jeremy - O que você acha, Sr. Kater? Será que vai ser um
problema?
Trás-me aqui, Jeremy. Tudo que você tem a dizer é sim.
Após um pouco de uma pausa, Jeremy disse - O encontro Andrade é um grande evento.
Tenho certeza que eles gostariam de conhecê-lo. Eles adoram Jeisa.
- Está resolvido, então - disse o pai com determinação.
Jeisa silenciosamente abriu o caminho para fora da porta e para o corredor. A viagem de
elevador foi igualmente silencioso e estranho. No foyer, Jeremy tiro Tim um polegar para
cima enquanto eles passavam. Jeisa ouviu seu pai fazer um som gutural atrás dela e percebi
que ela não era a única que tinha testemunhado o que Jeremy tinha feito.
Como Jeisa deslizou na limusine, ela encontrou os olhos de Jeremy. Ele piscou para ela e
sorriu. Por um breve momento ela esqueceu de se preocupar com o que o pai estava
pensando ou como o dia iria acontecer. O tempo estava suspenso, e tudo o que importava
era Jeremy e a intimidade de sua conexão.
Jeremy perguntou ao pai - Você está aqui a negócios ou em férias?
- Nem uma coisa nem outra - disse o pai secamente.
Jeremy estudou seu pai como se fosse um quebra-cabeça a ser resolvido. Jeisa queria
avisá-lo para deixá-lo sozinho, mas não havia nenhuma maneira de fazer isso. E então um
pensamento repentino veio para ela. Ela deslizou a mão em sua bolsa e encontrou o seu
telefone.
Ela escreveu - Ele não sabe que namorei.
O telefone de Jeremy tocou no bolso. Ele disse - Desculpe-me - para seu pai e olhou para
o telefone.
- Algo importante? - Seu pai perguntou.
- É difícil dizer - Jeremy respondeu como ele mandou uma mensagem de volta.
O telefone de Jeisa tocou para anunciar que ela tinha um novo texto. Seu pai olhou para
ela. Ela sorriu através de seu embaraço. Eu não acho que um meio muito bem. Merda. Ela
queria ver a sua mensagem, mas não se atreveu ainda.
- Então, o que você faz para as Empresas Corisi? - O pai perguntou.
- Eu sou uma espécie de consultor de tecnologia.
- Isso geralmente não é tão lucrativo como você parece ter encontrado.
- Pai - Jeisa cortou - Mr. Kater trabalha para várias empresas grandes.
- Surpreendente quando se considera que ele não ir para a faculdade - seu pai estimulado.
Jeisa ligado seu pai e perguntou - Você já deve ter investigado?
- Eu tive que descobrir a verdade de alguma forma - disse o pai irritado - Você
certamente não vai me dizer.
- Por que eu deveria dizer-lhe alguma coisa? Não é como você vai me ouvir - Ela
colocou os braços sobre o peito.
Jeremy interveio - Eu tenho certeza que seu pai só fez isso porque ele se preocupa com
você.
Romário ralado - Isso não é da sua conta.
Uma discussão mais aprofundada foi adiada quando a limusine parou em frente do
edifício principal Corisi. Jeremy saiu da limusine primeiro.
Sozinho por um momento com Jeisa, seu pai se refere ao famoso edifício - Eu deveria
ficar impressionado - ele perguntou sarcasticamente.
Jeisa saiu da limusine, sem lhe responder. Ela olhou para o telefone. Jeremy respondeu a
ela - Ele vai em breve.
O que significa isso? Esperemos que a última troca entre ela e seu pai lhe havia mostrado
por que isso não foi uma boa idéia.
Eles pegaram o elevador até o topo do edifício, sem dizer uma palavra. Quando as portas
se abriram para o teto, Jeisa tropeçou em surpresa. Jeremy pegou seu cotovelo para firmá-
la. Ela olhou para ele e depois de volta para a cena diante deles.
Branco e pétalas de rosas vermelhas foram espalhadas sobre um tapete branco que levou
a um helicóptero. Um homem em um smoking estava ao lado do helicóptero com uma
bandeja que segurava duas taças de champanhe. Com pés de chumbo, Jeisa andou com
Jeremy até a aeronave e engasgou quando viu que ele tinha enchido o interior com centenas
de rosas brancas. Ela não sabia se ria de alegria ou chorar de horror. Ela só podia imaginar
o que o pai estava pensando.
Jeremy referenciada a bandeja de champanhe e perguntou ao pai - Será que você. . .
O pai de Jeisa emitia algo semelhante a um grunhido, e Jeremy acenou com a bandeja de
distância - No caminho de volta, talvez.
Jeisa quase riu. Seu pai estava calmamente virando um tom profundo de roxo, mas
Jeremy estava fingindo não perceber.
Jeremy entrou no helicóptero e mudou jogando fora às flores de um assento adicional no
lado oposto. Jeisa tomou um assento e seu pai tomou o assento ao lado dela. Não dando
seus pensamentos, Jeremy tomou o lugar do outro lado da pequena nave deles.
Uma vez que eles estavam voando, Romário perguntou - Você dá a todos os seus colegas
de trabalho este nível de tratamento?
Jeremy olhou seu pai nos olhos - Só os que eu amo.
O coração de Jeisa começou a bater o dobro do tempo em seu peito. Ele não me ama.
Como eu pude ser tão estúpido? Eu quase joguei tudo isso fora, porque eu estava com
medo.
- Algumas coisas são mais importantes do que como você acha que se sente - disse o pai
dela, matando-a fruição do momento.
Deixe isso para o meu pai até mesmo encontrar falhas em uma declaração de amor.
Perguntou Jeisa - O que é mais importante do que o amor?
Romário realizou olhos de Jeremy e disse - Integridade. Lealdade. Viver uma vida que
você pode se orgulhar.
- O que você está dizendo, pai?
- Vamos falar sobre isso mais tarde.
Jeremy disse - Não tenho nada a esconder de Jeisa. Mr. Borreto, você pode dizer isso
agora.
Romário se inclinou para frente de forma agressiva - Eu não gosto de você, Jeremy. Eu
não gosto de como você faz o seu dinheiro, e eu não quero você perto da minha filha,
depois de hoje.
Jeisa virou em seu assento, com o coração acelerado – Pai . . .
Jeremy também se inclinou para frente e disse, com algum sarcasmo - Eu sinto muito que
você se sinta assim, senhor. Vai fazer férias estranhas.
- É pouco. . . - O pai dela começou a subir a partir de seu assento.
Jeisa perdeu o controle e gritou - Pare com isso. Os dois. Parem com isso. Jeremy, eu
quero ir para casa.
Ela esperava que ele sinalizasse ao piloto, mas ao invés disso ele sentou-se, parecendo
mais determinado do que antes - Não. Eu tenho algo que eu quero mostrar o seu pai.
O quê? Sua afiliação com os Corisis? Os Andrades? Mais de sua sagacidade não tão
sutil? Assim como seu pai, ele rejeitou o que queria porque ele não se encaixava com o seu
plano para o dia. Ela sempre Jeremy considerado o oposto de seu pai, mas agora eles
pareciam almas gêmeas.
- Eu odeio tanto você - ela anunciou infantilmente e se virou para olhar pela janela.
- Jeisa - Jeremy começou a dizer alguma coisa, mas mudou de idéia.
Como de costume, o pai não disse nada em resposta a sua raiva.
O resto do vôo foi gasto em um impasse em silêncio, que durou até o helicóptero pousou
na longa entrada do Andrade. Jeisa saiu, seguido por seu pai e, em seguida, Jeremy.
A mãe de Jeremy correu ao encontro deles com uma câmera.
Jeremy acenou para ela colocá-lo para fora - Agora não, mãe.
Sua mãe procurou o rosto de seu filho - Mas eu pensei que você disse. . .
Ele balançou a cabeça com desdém - Eu vou explicar mais tarde.
Jeisa estava muito chateado com os dois Jeremy e seu pai para cuidar que a mãe de
Jeremy estava esperando para pegar uma foto. Ela se segurou algum tempo junto o
suficiente para dizer - É bom vê-la, a Sra. Kater.
Therese Kater estudou o rosto de Jeisa com crescente preocupação - Está tudo bem?
Aconteceu alguma coisa?
Jeisa olhou por cima do ombro de seu pai e, em seguida, balançou a cabeça. Ela tentou
manter a compostura, mas enquanto as lágrimas ameaçavam transbordar, ela deixou
escapar - Me desculpe, eu não posso. . . - Ela virou-se e correu para longe antes que ela fez
um idiota ainda maior de si mesma.

Mr. Borreto seguiu sua filha, deixando Jeremy na situação desconfortável de explicar a
troca de sua mãe. Therese quebrou o silêncio pesado em primeiro lugar. Ela brincou - Acho
que você não propôs.
Humor era o que ambos usavam quando eram desconfortáveis, e seu uso dele voltou sua
atenção para o seu rosto preocupado - Está tudo bem, mãe. Seu pai não gosta de mim, isso é
tudo.
Therese ajustado empate de seu filho - Ele não te conheço. Quando ele faz, ele vai te
amo.
Jeremy riu com um pouco de autodepreciação - Você sempre diz isso.
Com um puxão final sobre a gravata, a mãe afirmou - E eu estou sempre certo. Eu sei
que você quer ser como essas pessoas, Jeremy, mas você já tem algo que o dinheiro não
pode comprar. Você tem um bom coração. Jeisa é uma mulher de sorte por ter vencido ele.
Não deixe que ninguém lá convencê-lo de outra forma - Quando ele não disse nada, Teresa
acrescentou - Além disso, eu comprei um vestido novo para hoje, por isso não podemos sair
agora.
Pela primeira vez, Jeremy notou que sua mãe tinha feito um maior esforço do que o
normal em sua aparência. Não que ela não era normalmente bem vestido, era simplesmente
que ele estava acostumado a vê-la em seu uniforme de enfermagem ou na roupa casual que
ela usava em casa. Tanto quanto podia se lembrar, esta foi a primeira vez que ela já tinha
usado um vestido. Em uma inspeção mais próxima, ele achou que ela tinha o cabelo feito
para o dia também. Ele olhou para a mansão atrás dela e de volta para os olhos incertos de
sua mãe e de repente se sentiu culpa que ele não tinha considerado como intimidar o evento
pode ser para ela - Eles são apenas pessoas, mãe. Não é diferente do que você ou eu.
Ela apertou as mãos nervosamente em frente a ela - Marie me apresentou a Katrine e
Elise. Eles parecem agradáveis.
Jeremy colocou um braço em torno da cintura da mãe e guiou-a para a casa - Eles são
bons. E eles vão te amar, ainda mais, uma vez que conhecê-lo melhor.
Com um sorriso, sua mãe deu um tapa nele - Você não poderia escolher um grupo menos
famoso para sair com? - Quando Jeremy encolheu os ombros, Therese disse lentamente -
Esse helicóptero de vocês parece muito caro.
- Foi.
Colocando a mão no rosto de seu filho, Therese implorou - Diga-me que você não está
envolvido em algo perigoso.
Desde sua mais tenra infância, Jeremy podia se lembrar de sua mãe salientando a
importância da honestidade. Ela nunca tinha escondido a verdade dura dele, mesmo quando
ele pode ter sido mais gentil que ela tinha - Você sabe que eu odeio mentir, mãe.
O rosto de sua mãe amassou um pouco - Eu não sei o que eu faria se algo acontecesse
com você.
Pela primeira vez desde que ele pôs-se neste curso, sentiu-se um verdadeiro sentimento
de vergonha. Ele nunca tinha considerado uma vez como seus negócios afetaria sua mãe.
Ela já tinha sofrido uma perda grande. Depois Tenin, estou feito. Eu já sabia que teria de
ser por causa de Jeisa, mas agora eu sei que tenho mais a perder do que eu pensava.
Ele tranquilizou a mãe dele o melhor que podia - Nada vai acontecer comigo. Eu sei o
que estou fazendo. Agora animar, mãe. É Ação de Graças, e se alguém sabe como colocar
em uma festa, é a Andrades.
Capítulo Onze

Jeremy e sua mãe entrou na grande mansão e foram recebidos imediatamente pelo seu
proprietário, Alessandro Andrade, enquanto sua equipe teve seus casacos. A esposa de
Alessandro, Elise, varrido para conversar com Therese, que Jeremy tinha que admitir que
era mais do que um pequeno alívio. Seja qual for Elise disse Therese provocou uma risada
tímida do que a realizada em toda a sala e fez Jeremy se sentir melhor sobre tê-la trazido.
Fora do alcance da voz dos outros, Alessandro colocou a mão nas costas de Jeremy.
- Estamos esperando por você. É verdade que temos mais um motivo para comemorar
hoje?
Como ele poderia saber?
Mãe.
Jeremy sacudiu a cabeça, e o sorriso de Alessandro caiu. Jeremy procurou e encontrou
Jeisa olhando para ele a partir de uma das salas adjacentes. Assim que seus olhos se
encontraram, ela desviou o olhar.
Alessandro seguiu a direção de seu olhar e referenciou o homem ao lado de Jeisa - Será
que ela. . . ?
- Pai? - Jeremy terminou para ele - Sim, é.
Alessandro deu o ombro de Jeremy um aperto simpático - Ah, como o destino provoca
os amantes. Você sabia que ele estava vindo?
Jeremy embolsou com as mãos e com um pouco de sarcasmo, disse - Nós não teríamos
voado para baixo em um helicóptero cheio de rosas, se eu tivesse.
Depois de uma gargalhada, Alessandro perguntou - Então você não propõe?
- Ainda não.
- Então, ainda há esperança.
Jeremy olhou para Jeisa, que estava apresentando seu pai para Jake e Lil. Ele disse - Eu
não sei. Ela disse que me odeia.
Alessandro moveu as mãos para cima e para baixo como uma balança - Amor e ódio são
amigos próximos e são facilmente confundidos. Dê-me uma mulher que me odeia mais
aquele que é indiferente para mim qualquer dia. O sexo é sempre melhor.
A cabeça de Jeremy virou. Será que ele realmente disse isso?
Alessandro deu de ombros e sorriu - Não diga a minha mulher, mas às vezes eu fico com
raiva dela apenas para combiná-lo - O homem mais velho demitido olhar surpreso de
Jeremy - Você vai entender depois que você se casou algum tempo - Ele jogou o queixo
para Romario e disse - Papai não parece muito feliz com você, meu amigo.
Jeremy não poupou o pai de Jeisa um olhar - Eu não me importo com o que ele pensa de
mim.
A voz de Alessandro aprofundou como ele disse - Sim, você faz. E o mesmo acontece
com Jeisa. Você é um bom homem, Jeremy. Não tenho dúvidas de que você vai conquistá-
lo como eu fiz pai de Elise. Mostre a ele que você vai ser bom para sua filha e ele vai
esquecer muitas coisas.
Um peso tirado de peito de Jeremy. Ele e Alessandro falaram longamente durante várias
funções no passado e Jeremy se sentiu confortável com ele. Ele era exatamente o que
parecia ser: um grande homem que amava sua família muito. Alessandro e seu irmão,
Victor compartilharam um prazer das pessoas que fez todo mundo se sentir como uma parte
de sua família, independentemente da duração de seu conhecimento. Do outro lado do hall
de entrada, sua mãe estava encolhida com Elise e parecia ter descoberto a mesma qualidade
nela. Foi bom para ver sua mãe rir de novo, e ele lamentou não fazer mais para remover
suas preocupações antes. Isso tudo vai dar certo.
A ausência de uma geração mais velha fez Jeremy perguntar - Você ainda está próximo
ao pai de Elise?
Uma sombra passou pelo rosto do homem mais velho - Ele nos deixou cerca de oito anos
atrás. Um bom lembrete de por que não manter um rancor, não? Nenhum de nós está
destinado a ficar aqui para sempre. Quando você se lembrar disso, é muito mais fácil de
resolver o importante do que deve ser esquecido. Pai de Jeisa está aqui para proteger a sua
menina. Respeitar isso. É o seu amor por ela que vai sobreviver a ele, e não o que ele diz
hoje.
Jeremy assentiu - Você é um homem muito sábio, você sabe disso, Al?
O sorriso de Alessandro ampliou e deu as costas de Jeremy um tapinha no final - Eu
sempre pensei assim, mas não diga Victor. Ele gosta de pensar que ele é o único inteligente
- Depois de verificar o progresso dos outros, Alessandro disse - A maioria dos homens
estão no solário e no pátio. Venha, parece que meu irmão é pastorear o seu papa futuro
dessa maneira.
Jeremy hesitou. Ele queria dizer algo para Jeisa, mas não sabia por onde começar.
Observando a direção da atenção de Jeremy, Alessandro disse - Coma primeiro, e depois
falar com ela. Temperamento de cada um é melhor com o estômago cheio.
Jeremy não tinha certeza de peru iria amolecer o humor de Jeisa, mas ele não estava
disposto a ignorar o conselho sábio de um homem com um casamento feliz e uma família
amorosa. Evidências de sua experiência em assuntos de família se espalhou por toda a casa
em forma de múltiplas gerações.

Jeisa assistiu Victor Andrade levar seu pai, deixando-a com a mulher de Victor, Katrine,
uma loira norueguesa alta que parecia que ela ainda pode enfeitar a capa de uma revista de
moda - Todo mundo vai ser feliz que você chegou, Jeisa - disse Katrine - Venha, eles se
reuniram na cozinha.
A cozinha Andrade infame. Noiva de Jake, Lil, havia descrito com ela uma vez, mas era
maior do que ela imaginava e um pouco esmagadora na primeira. Jeisa olhouem toda parte,
as mulheres estavam vestidas com vestidos de alta-costura e diamantes suficientes para
apoiar uma nação pequena. Sua nua seda Carlos Miele vestido de alcinhas era simples e se
encaixam perfeitamente com o que as outras mulheres tinham usado.
Através de seu tempo com Jeremy, Jeisa tinha chegado a conhecer cada uma das
mulheres na sala. A esposa de Alessandro, Elise, foi com um elegantemente vestido,
pequena, mulher de cabelos castanhos na casa dos cinquenta, que graciosamente
compartilhou seu papel de anfitriã com ela muito mais alto e igualmente primoroso vestido
da cunhada, Katrine. Embora Alessandro e Elise dono da casa, eles carinhosamente
compartilhou com Victor e Katrine quando eles visitaram. Era difícil não invejar a
proximidade do grupo.
Embora as mulheres haviam escolhido a cozinha como uma área de reunião, ficou
evidente a partir do vinho em suas mãos e seus trajes que sua escolha não teve nada a ver
com culinária. Um alto francês estava latindo ordens para o pessoal da cozinha como ele
orquestrou os inúmeros pratos que estavam cozinhando em cada superfície aquecida.
Lil delimitada para frente em uma forma adequada Mouret vestido azul-escuro com sua
filha recém-nascida, Colby estava com um vestido de algodão azul-claro complementar e
camisola em seu quadril. Outra mulher poderia ter entregado a filha para fora de uma babá,
com medo de que a criança pode estragar a perfeição de seu vestido, mas Lil parecia
despreocupado - Então, vamos ver.
Sua irmã, Abby, foi igualmente elegantemente vestida com um Oscar de la Renta
maternidade vestido tomara que caia de cor melão em tons com seu cabelo varrido por um
estilo que parecia ao mesmo tempo fácil e moderno. Ela correu para o lado de sua irmã e
disse - Lil, dar-lhe um minuto para resolver dentro.
Sentindo-se como ela entrou no palco e esqueceu a próxima linha, Jeisa olhou ao redor e
notou que todos os olhos estavam sobre ela, esperando que ela dissesse alguma coisa. Ela
dirigiu sua pergunta para a fonte mais confiável de verdade não filtrada - Veja que, Lil?
Com o canto do olho, ela viu a mãe de Jeremy sacudindo a cabeça e acenando para eles
pararem.
Lil olhou para a mão esquerda de Jeisa, em seguida, de volta para seu rosto, e ficou
vermelho - Ooh. . .
Abby repente também parecia bastante desconfortável - Lil, não pretende alterar Colby
antes do jantar? Nós provavelmente deveríamos fazer isso agora.
Lil olhou para a irmã - Vamos lá, como eu ia saber?
Abby suspirou - Eu não estou dizendo que é culpa sua, eu sou apenas. . .
O temperamento de Jeisa rosa - Será que alguém, por favor, me diga o que está
acontecendo?
A filha de Elise, Maddy, entrou no grupo. Sua forma lúdica tornou impossível fazer
qualquer coisa, mas um sorriso quando a viu. Ela disse - Não se preocupe com eles, eu
tenho certeza que eles estão mergulhando no vinho de cozinha.
Therese disse baixinho - Eu sinto muito, Jeisa. Eu não deveria ter dito nada. É que
Jeremy estava tão animado e eu tinha certeza que estaríamos cumprimentar um casal
recém-contratado.
A crescente compreensão fez o quarto giro. Jeisa realizada na parte de trás de uma das
cadeiras - Um o quê?
Lil falou para a sala em geral - Eu realmente não acho que ela sabe.
Em um tom mais suave, Abby sugeriu - Talvez devêssemos dar Jeisa um minuto a sós
com Therese.
Ninguém se mexeu.
Jeisa sentiu o dreno rosto de cor e sua boca secou. Ela procurou os rostos das mulheres
ao seu redor e sussurrou - Jeremy ia me pedir para casar com ele, não era?
Sua mãe concordou.
De repente, o helicóptero de rosas fazia sentido. Oh, meu Deus. E eu trouxe o meu pai.
Ela começou a rir e chorar ao mesmo tempo.
Lil virou-se para Maddy e disse - Leve-a para tomar um pouco de vinho que você estava
brincando sobre antes que ela desmaia.
Jeisa desabou no assento Katrine ofereceu-lhe, deixando os acontecimentos do dia correr
pela sua cabeça novamente. O que ela pensou que tinha sido parte de uma cena de sedução
tinha um significado totalmente novo, agora que ela sabia que sua verdadeira intenção era.
Ad pétalas de rosa sobre o tapete branco, o champanhe, tudo fazia sentido agora - Ele ia me
pedir para casar com ele.
Maddy entregou-lhe um copo de vinho tinto - Este é o próprio rótulo do meu marido.
Cuidado, ele tem um chute.
Jeisa bebeu de um gole só, quase prová-lo. Tudo que o planejamento para me dar a
proposta perfeita e ao invés disso ele fica grelhado por meu pai e eu digo-lhe que eu o
odeio. Eu não o odeio - Eu o amo - disse ela em voz alta.
Lil riu e saltou para o seu bebê - Estamos todos muito bem imaginado essa parte. O que
aconteceu com a proposta?
Abby advertiu - Algumas coisas são da nossa conta, Lil.
Maddy fez coro com a opinião dela - Eu tenho que concordar com Lil em um presente.
Eu não vou ser capaz de comer menos que eu saiba. Eu tenho que agitação nervosa no meu
estômago outra vez.
Elise abraçou a filha - Você provavelmente está apenas grávida de novo.
Maddy revirou os olhos - Eu acho que eu gostaria de saber se eu estava grávida - Ela
olhou para o teto e começou a contar nos dedos - Oh, meu Deus, eu poderia ser. Pensei que
não poderia engravidar enquanto estiver a amamentar.
Um observador quieto até então, a irmã de Dominic, Nicole Corisi, adiantou-se e brincou
- Se você for, Maddy, eu não vou a lugar nenhum com você até que o bebê nasce.
Jeisa olhou interrogativamente para Nicole.
Lil explicou - Nicole entregou o filho de Maddy, Joseph, em uma limusine. Eu não posso
acreditar que nunca te contei essa história. Isso foi quando Nicole fingiu que estava noiva
de Stephan, mas eles não estavam mesmo namorando. Ele estava com tanta raiva quando
ele descobriu. Levou uma eternidade para descobrir que eles foram feitos um para o outro.
Nicole corou - Eu pensei que nós estávamos falando sobre Jeisa e Jeremy.
Com isso, a atenção de todos se voltou para Jeisa, que estava se sentindo um pouco
doente por causa do vinho que ela bebeu - O que eu posso dizer? Ele não me pediu - Ela
fechou os olhos por um momento de vergonha e admitiu - É claro, ele não sabia que o meu
pai iria se juntar a nós para a viagem.
A Maddy sempre otimista bateu palmas alegremente - É isso aí, todos nós temos que
fazer é dar a vocês dois um pouco de tempo juntos e ele vai aparecer a pergunta.
Os olhos de Jeisa se abriram e ela admitiu seu erro. Ela se levantou e abraçou os braços
ao redor da cintura dela - Eu disse a ele que eu o odeio.
Elise riu e acenou com a mão no ar para dar ênfase - Eu digo a Alessandro que o tempo
todo. Às vezes, esse homem sabe exatamente como me irritar. Isso não significa nada.
Jeisa coberto - Eu não sei. . .
A mãe de Jeremy, Therese, disse - Talvez a gente não deve empurrar. . .
Abby acenou com a cabeça em concordância - Jeisa, estamos aqui para você. Você pode
dizer-nos à mente o nosso próprio negócio e nós vamos - Ela olhou diretamente para Lil,
que sorriu de volta para sua irmã, prometendo nada. "Mas se você quer se casar com ele,
você tem alguns dos melhores casamenteiros do mundo aqui. Eu não consigo descobrir
como fazê-lo, mas de alguma forma as estrelas se alinham e seus esquemas malucos
trabalhar.
Com um grito de surpresa, Lil agarrou sua irmã e a abraçou - Abby, que é a coisa mais
legal que você já disse sobre minhas idéias.
Abby abraçou de volta, um sorriso triste no rosto - Eu não disse que eles não eram
loucos, eu só disse que eles tendem a dar certo.
Maddy estalou os dedos no ar - Eu tenho isso. Depois do jantar, Richard pode pedir
Jeremy para vir para a cozinha e nós vamos garantir que ninguém, mas Jeisa está aqui.
Seu marido francês se aproximou por trás dela, deslizou ambos os braços em volta da
cintura, e acariciou seu pescoço - É tudo o que eu sou para você? Um bode expiatório?
Franzindo o nariz para Richard, Maddy brincou - Você sabe que você o ama, Richard.
- Eu vou te dizer o que eu amo - ele rosnou sugestivamente e sussurrou algo em seu
ouvido que a fez corar.
O sorriso de Maddy realizou uma promessa atrevida - Só se você conseguir Jeremy aqui
depois do jantar.
Richard riu, golpeou sua esposa na garupa com uma toalha, e cruzou de volta para onde o
pessoal estava criando a refeição do feriado. Ele disse - Eu vou cobrar isso de você.
Assistindo sua exibição aberta de amor deixada Jeisa desejo de que para si mesma. Ela e
Jeremy poderiam chegar a esse lugar?
Lil virou para Elise e perguntou - Você tem velas? Podemos ter o pessoal limpar cedo,
diminua as luzes, e encher a cozinha com eles para torná-lo mais romântico. Isso poderia
funcionar.
Praticamente dançando com entusiasmo, Maddy, declarou - Lil, você é um gênio.
Abby sacudiu a cabeça e confidenciou a Nicole - Os dois me assustam quando estamos
juntos.
Nicole riu - Os gêmeos separados no nascimento?
Abby brincou - Graças a Deus, porque eu não teria sobrevivido levantar os dois.
Therese tocou o braço de Jeisa. Ela não estava rindo junto com as outras mulheres -
Jeisa, não se sinta pressionado. Esta é uma grande decisão e que ninguém deve se apressar.
Eu só quero te dizer que eu não consigo imaginar uma mulher melhor para Jeremy. Eu
adoraria a honra de chamar a minha filha - As lágrimas começaram a correr pelo rosto de
Jeisa. Therese abraçou e repreendeu - Não vá chorar agora e estragar sua maquiagem. Eu
quero fotos.
Jeisa endireitou-se e enxugou as lágrimas. Ela olhou ao redor da sala e perguntou - Onde
está Marie?
Maddy apontado para o teto e disse - Ela levou Joseph cima para colocá-lo para baixo.
Espero que ele não cuspa para cima em seu vestido. Ela parece impressionante.
Ha, eu aposto que ela usava o vestido que eu mandei. A sensação de triunfo era
passageira em face de todas as outras emoções assalto dentro Jeisa - Será que ela sabe -
perguntou Jeisa.
Lil riu e girou, arrancando risos de sua filha quando ela disse - Sabendo Marie, ela
provavelmente tem sua lua de mel planejado.
A mãe de Maddy encanada e pegou a mão de Jeisa - Falando de lua de mel - Elise disse -
Sente-se, Jeisa. Precisamos conversar.
Maddy deu um gemido de rir - Mãe.
Sorrindo, Nicole perguntou - Esta é a teoria do biquíni?
Katrine balançou a cabeça e balançou o dedo para a mulher que um dia seria sua nora -
Não, seu noivo derramou os feijões em que um.
Elise riu - Eu não me importo se Alessandro conhece as regras. Ele ainda trabalha para
nós.
Maddy tapou os ouvidos no momento da internação da mãe - Por favor, não. Você está
me cicatrizes.
Fascinada Abby se sentou à mesa e disse - Eu não sei a teoria de biquíni.
Lil jogou um guardanapo para a irmã - Veja o que tudo isso sofisticação engana-lo fora
de? Até eu sei a história do biquíni. Eu acho que todas as figuras que eu fiz foi pior - Ela
ligado braços com Maddy e acenou para Nicole se juntar a eles - Vamos escapar enquanto
podemos - Para a filha mais nova em seu quadril, ela disse - Seja grato que você é muito
jovem para a conversa.
Nicole sorriu simpaticamente a Jeisa como ela fugiu - Desculpe, Jeisa. Às vezes, é toda
mulher por si mesma. Você vai saber para executar a próxima vez.
Depois que as três jovens mulheres à esquerda, Therese, Elise, Katrine, e Abby se sentou
à mesa com Jeisa. Elise saltou para a direita e perguntou - Quanto é que sua mãe falar com
você sobre os homens?
Os olhos de Jeisa arredondada - Minha mãe faleceu antes que ela tivesse uma chance.
Colocando a mão sobre Jeisa de sobre a mesa, Elise disse - Eu sinto muito em ouvir isso,
mas não se preocupe, conosco vamos enchê-lo dentro.
Jeisa afundou mais na cadeira - Isso não será necessário. Eu percebi isso por minha
conta.
A esposa de Victor, Katrine, riu - Nós não estamos falando de sexo, querida. Bem, não é
o ato em si. Um casamento feliz é cheio de uma sexualidade saudável. As pessoas
confundem sexualidade com a mecânica do ato em si. O bom sexo é como plantar um
jardim na primavera. Você coloca uma semente no chão e chamar isso de um jardim? Você
esperaria viver felizes para fora algo que você colocar muito pouco esforço? Ou será que
você tende jardim? Regá-la. Weed ele. Vê-lo crescer, sabendo que quanto mais você
colocar, mais prazer você sair dela. Existem técnicas que você pode usar que vai ajudar
você a manter o seu jardim, e muitos deles devem acontecer fora do quarto.
Jeisa olhou desesperadamente para sair da cozinha e, em seguida, de volta ao redor da
mesa das mulheres. Não há escapatória para aqueles que ficaram, não é?
Therese olhou para as duas mulheres mais velhas com crescente admiração - O que uma
visão incrivelmente saudável da sexualidade.
Baixinho Abby murmurou alguma coisa e começou a se levantar de seu assento - Como
uma mulher casada, eu deveria ser isento desta.
Jeisa agarrou a mão dela e puxou-a de volta para a posição sentada. Oh, não, se eu vou
ficar, você vai ficar. Ela disse - Eu aposto que ela se aplica a todos nós - Abby encontrou
seus olhos com um sorriso que prometia um futuro retorno, mas Jeisa não soltou de sua
mão. Não havia nenhuma maneira que ela ia sentar-se com a conversa sozinho.
Elise mergulhou na direita e começou a dar dicas de relacionamento Jeisa que nenhuma
mulher deve ouvir na frente de sua futura mãe-de-lei. Quando Jeisa pensou que não poderia
ficar mais mortificante Teresa disse - Isso me lembra do que eu costumava fazer com meu
marido quando éramos recém-casados - e os detalhes que definem as bochechas de Jeisa
chamas compartilhada.
- Jeisa olhou através da mesa e encontrou os olhos de Abby, e os dois a rir. Naquele
lugar, com aquelas mulheres, o coração de Jeisa cheio de esperança.
Jeremy vai me pedir para casar com ele.
Esta noite.
Neste muito cozinha.
E ela sorriu.
Capítulo Doze

No solário da casa Andrade, Jeremy estava terminando um acalorado debate com os pais
de Jake, sobre suas últimas experiências com operações computacionais quânticos e a
viabilidade de seu sucesso, quando notou pai de enfermagem da Jeisa uma bebida e
olhando para ele. Ele podia sentir antipatia do homem do outro lado da sala. Ele desculpou-
se do casal mais velho e fomos para Romário. O homem endireitou como a abordagem de
Jeremy, e seus olhos se estreitaram com Jeremy se aproximava.
Com as palavras de Alessandro ecoando em sua mente, Jeremy disse - Eu sei que nós
começamos com o pé errado, mas acho que você entendeu mal o que você viu
anteriormente. . .
- Não perco meu tempo com mentiras.
Jeremy endureceu - Eu não tenho nenhuma razão para mentir. Eu simplesmente quero
explicar. . .
O rosto do homem mais velho apertou com raiva - Suas intenções para a minha filha
eram pateticamente óbvio. Uma mulher jovem, sozinho em um país estrangeiro. Você
pensou que seria fácil de aproveitar.
- Não, eu estou falando sério sobre sua filha.
Romário se inclinou de forma agressiva - Vamos ser claros sobre uma coisa. Depois de
hoje, você nunca vai vê-la novamente, então eu realmente não me importo como você se
sente sobre ela.
Jeremy lutou contra a raiva que estava construindo dentro dele. Este era o pai de Jeisa.
Alguém que ela amava, mesmo que ela lutou com ele. Se Alessandro pode conquistar o pai
de sua esposa e viver para contar a história, então que assim poderia Jeremy. Ele engoliu
seu orgulho e disse - Tenho a intenção de casar-se com Jeisa. Gostaria de sua bênção, mas
eu não preciso disso - Ele tirou os três anéis de diamante do bolso, cada um ao longo de
cinco quilates, mas com diferentes cortes - Um deles teria sido em seu dedo se tivéssemos
tomado essa passeio de helicóptero sozinho hoje.
Romário soltou uma risada áspera - Você acha que eu iria deixá-la se casar com alguém
como você?
A voz profunda se juntou a conversa. Dominic castigou o diplomata - Hey, aliviar-se
sobre o garoto. Ele ama sua filha.
Romário girou sobre os calcanhares e saiu cara a cara com o intruso - Fique fora disso,
Corisi. Não é da sua conta.
Dominic rosnou - Você fez o meu negócio, quando você trouxe aqui.
Isso não era como Jeremy imaginou ganhar Romário acabou. Ele disse - Dominic, eu
tenho isso.
Dominic persistiu - O que faz você pensar que Jeremy não é bom o suficiente para sua
filha?
Romário fez um gesto para Dominic - Talvez o que ele faz companhia com ele.
- Você não me conhece - Dominic assobiou.
- Não, mas eu sabia que o seu pai, e isso era o suficiente.
Os punhos de Dominic se apertaram ao seu lado.
Stephan Andrade entrou na conversa com seu sorriso fácil Califórnia - Senhores, parece
que estamos sendo chamados para o jantar - Quando nenhum dos homens respondeu,
dirigiu seu próximo comentário do pai de Jeisa - Mr. Barreto fizeram um lugar para você ao
lado de sua filha. Tenho certeza de que essa discussão pode esperar até depois do jantar.
Depois de um momento tenso, Romário disse - Eu acredito que todos nós dissemos o que
precisava ser dito.
Jeremy bloqueado o caminho de Romário - Não, nós não. Sinto muito que você não
gosta de mim ou meus amigos, mas eu vou pedir a sua filha em casamento, e se ela diz que
sim, não há nada que você possa dizer ou fazer que vai nos parar.
Lacônico Romário disse - Vamos ver sobre isso, não é?
Nunca um a recuar a partir de um desafio, Jeremy afirmou - Eu acho que nós vamos.
Quando Romário afastou-se com Stephan, Jeremy deixou escapar um longo suspiro de
alívio. Ele encontrou os olhos de Dominic e disse - eu vou conquistá-lo, apenas,
provavelmente, não esta noite.
Dominic jogou a cabeça para trás e riu - Eu não quero gostar de você, mas você é o filho
da puta mais louca que eu sei - Enquanto caminhavam juntos em direção a sala de jantar,
Dominic perguntou - E por que você tem três anéis?
Jeremy pegou uma princesa corte diamante verde ajustada em ouro branco - Este me
lembrou da roupa que ela usava a primeira vez que eu a conheci - Ele estendeu uma lágrima
de diamante claro, maior que o anterior - A esposa de um amigo me disse que a maioria das
mulheres adoraria um presente - O último anel que ele estendeu o dobro do tamanho dos
outros, um branco almofada de corte cercada por diamantes de um quilate em um cenário
de platina - O joalheiro disse que nenhuma mulher poderia resistir a este.
- Vá com o verde e dizer a ela o porquê - Dominic sugeriu rispidamente.
Jeremy colocar os outros dois no bolso da calça - Obrigado, Dom. Você é realmente bom
neste relacionamento material.
Impassível, Dominic disse - Não me faça bater em você - A sugestão de um sorriso
curvou um canto de sua boca.
Apesar de como ele tinha trabalhado, Jeremy era grato pelo que Dominic tinha tentado
fazer - Obrigado pelo que você disse antes. . . ao pai de Jeisa.
- Não foi nada - disse Dominic. Então ele franziu a testa - Sério, não conte a ninguém.
Jeremy apenas sorriu. Seu segredo está seguro comigo.
Capítulo Treze

Em uma impressionante exibição de hospitalidade, mesa de Ação de Graças a Andrade


sentou trinta pessoas, trinta e quatro se contar as crianças em cadeiras altas. Victor Andrade
tomou seu lugar na cabeça de um lado, ladeado por sua esposa, Katrine, seu filho Stephan,
noiva de seu filho, Nicole, Dominic, e Abby. Alessandro Andrade, o dono da casa, sentou-
se na outra ponta com a sua mulher, Elise, sua filha Maddy, seu marido, Richard, e seu
filho, Joseph. Jeisa tomou seu lugar entre a Jeremy determinada aparência e seu pai furioso.
Uma vez que todos estavam sentados, Victor Andrade levantou-se e levantou um copo
para brindar - Ação de graças é sobre a gratidão e da família. Nossa mesa cresce a cada ano,
e eu quero agradecer ao meu irmão para sempre graciosamente definir um outro lugar como
ele faz - Do outro lado da sala, Alessandro ergueu a taça para o seu irmão mais velho - Este
foi um ano bastante para todos nós, não? Temos que superar nossas diferenças e cresceu
mais forte por causa disso. Quando eu olho em volta desta mesa, eu estou tranqüilizou
sobre o legado que vai deixar para trás. A vida vai te jogar muitos desafios, mas se você se
lembrar que isso é o que é importante, seu cônjuge, seus filhos, seus bons amigos, você
sempre vai encontrar o seu caminho de volta para a felicidade.
Em vista de todos, Jeremy corajosamente pegou a mão esquerda de Jeisa na sua. Jeisa
virou-se para olhar para ele e se perdeu na emoção que ela viu em seu rosto. Ele murmurou
- Eu sinto muito.
Ela sussurrou de volta - Eu também.
Em um ato impulsionado pela emoção do momento, Jeisa virou-se e pôs a mão direita
sobre seu pai sobre a mesa. Ele olhou para ela e um pouco da raiva em seu rosto diminuiu.
Ele soltou um longo suspiro, como se libertar alguma tensão. Com uma voz suave alto o
suficiente apenas para o pai ouvir, ela disse em Português - Eu sei que você está com raiva
de mim, mas tento aproveitar hoje. Estes são meus amigos e isso é a vida que eu estou
esperando para ter.
Seu pai não disse nada, mas ele esfregou a testa na forma como ele sempre fazia quando
estava reconsiderando sua posição sobre alguma coisa.
Jeisa voltou para Jeremy e sussurrou - Eu acho que ele está começando a gostar de você.
Jeremy tossiu dúvida. Sua resposta foi mais séria do que ela esperava - Talvez ainda não,
mas ele o fará.
Como brinde de Victor Andrade terminou, Jeisa sussurrou para Jeremy novamente -
Você viu que eles se sentaram em seu outro lado?
Jeremy recostou-se na cadeira para ver, em seguida, sussurrou - Seu pai era melhor se
comportar.
Jeisa riu em sua mão - Ele vai - Observando o pai curvar a cabeça para ouvir Marie
melhor, Jeisa sentiu orgulhoso da mulher mais velha. Quando ela recebeu um educado nota
de agradecimento para o vestido, Jeisa se perguntava se Marie seria realmente usá-lo. Mas
lá estava ela, olhando elegantemente sexy drapeado na manga, até o chão vestido dourado,
salpicado com apliques de prata, e um xale de pura complementar.
E seu pai estava pendurado em sua cada palavra.
Jeremy interrompeu sua observação, perguntando - Podemos conversar depois do jantar?
Com o coração palpitando no peito, Jeisa perguntou - Então, você fez a sua decisão?
Ele se inclinou para beijar sua bochecha - Não havia nada para decidir, apenas loucura
para esquecer - Ele acariciou seu ouvido.
A respiração de Jeisa ficou presa na garganta. Ela assentiu com a cabeça.
Ele não me ama.

Dominic resmungou no ouvido de sua esposa enquanto ele observava o casal na mesa
conversando - Olhe para ele falando ouvido de Marie fora. Ela não pode esperar para esta
refeição a ser mais.
Olhos dançando com humor, Abby disse - Eu não tenho certeza que é o que ela está
pensando.
- Se ele disser uma palavra rude com ela, eu estou jogando-o para fora da porta da frente.
Abby colocou uma mão suave na coxa tensa de Dominic - Ele é um diplomata. Tenho
certeza que ele sabe como se comportar em uma reunião social.
Dominic olhou para Romário - Você não pensaria assim, se você tinha ouvido falar de
Jeremy.
Abby esfregou a coxa de seu marido sob a mesa até que a sua atenção reorientada para
ela - Diga-me você não se envolver em sua disputa familiar.
Instantaneamente atencioso Dominic abaixou a cabeça e sussurrou sugestivamente -
Mova a mão um pouco mais alta e eu vou te dizer o que você quer ouvir.
Abby deu um tapa no estômago de brincadeira - Estou falando sério.
Dominic beijou o pescoço de sua bela esposa, sabendo que não havia maneira de evitar a
sua palestra, mas desfrutando de um delicioso rosa que trouxe para suas bochechas - Assim
como eu.
Apesar do desejo que iluminou os olhos dela, Abby castigou o marido de brincadeira.
- Você é incorrigível.
Ele beijou seu pescoço novamente, mas também ofereceu-lhe o que ele sabia que ela
estava esperando - Eu posso ter trocado algumas palavras duras com Romário.
A cabeça de Abby inclinou para o lado em dúvida - Pode ter?
Era impossível ficar chateado quando sua mulher sorriu para ele dessa forma. Ele
admitiu - Ele não acha que Jeremy é bom o suficiente para Jeisa.
Língua na bochecha, Abby perguntou - É um homem bom o suficiente para um pai?
- Não se uma mulher zombar - disse ele, mas não houve mordido para suas palavras.
Em vez de continuar abaixo da linha provocação, Abby pegou a mão de Dominic e pô-lo
em seu pequeno solavanco barriga - Não deve ter sido fácil para o pai de Jeisa para vir aqui
hoje. Ele não sabe qualquer um de nós, e pelo que eu ouvi, Jeisa não foi totalmente honesta
com ele sobre o que ela estava fazendo aqui nos Estados Unidos. Ele voou para cá porque
ele estava preocupado com ela e ele encontrou um pretendente que ele tinha anteriormente
nunca ouvi uma palavra sobre. Você pode culpá-lo por ser protetor? Como você se sentiria
se fosse Jeisa nossa filha?
Dominic balançou a cabeça tristemente - Eu quero matar o filho da puta.
- E então? - Abby empurrado.
Com um gemido, Dominic admitiu - E talvez eu não quero que ela anda com pessoas que
estiveram no noticiário por tantas razões questionáveis como temos sido - Ele fechou os
olhos por um segundo de dor - Não me peça para ser simpática com ele. Eu sou apenas
humano.
Abby sorriu para o marido - Sabe o que eu acho?
Olhando para o belo, o rosto preocupado de sua esposa, Dominic disse - Não, mas eu
tenho certeza que você vai me dizer.
- Você sabe que Jeremy olha para você.
Dominic agitou uma mão no ar frustrado em ênfase - Ele é exatamente assim. . . ingênua.
Ele não entende como funciona o mundo.
Lágrimas de emoção encheram os olhos de Abby e ela disse com voz rouca - E você quer
protegê-lo. Oh, Dominic, você passou pelo inferno e forma como você vê famílias. Mas
este não é o mesmo, e Jeremy precisa resolver isso por conta própria. Ele vai ficar bem. Ele
sabe amar com a adversidade. Romário não é como o seu pai. É muito fácil para julgá-lo
pelo que vemos hoje, mas ele está tentando protegê-la. Hoje deve ser difícil para ele. Não
há nada pior do que ver seu filho fazer exatamente o oposto do que você considera seguro
para eles. Ele perturba mesmo a pessoa mais legal.
Dominic passou a mão carinhosamente sobre a nuca de sua esposa - Existe alguém que
você odeia?
Seus lábios se apertaram - Sim. O homem que roubou sua infância de vocês.
Dominic beijou a testa de Abby. Pela milionésima vez desde que ele a conheceu, ele se
perguntava como ele ganhou essa segunda chance. Dado o tempo, ela poderia ter resgatado
mesmo seu pai.
- Eu já te disse o quanto eu te amo? - Ele adorava a maneira como seus olhos se
encheram de lágrimas novamente, mas desta vez com a emoção feliz.
- Desde esta manhã - disse ela descaradamente. Como sobremesa foi servido, Abby disse
- Jeremy não preciso de você, mas não como seu defensor. A sua opinião é importante para
ele. Mostre-lhe que você respeita o seu tipo de força, também.
Dominic olhou para a mesa onde Jeremy foi mais uma vez a tentativa de envolver o pai
de Jeisa em uma conversa educada e teve que admitir que Abby estava certo. Qualquer
outro homem teria chegado em uma competição de gritos com Romário, mas Jeremy tinha
um olhar estoicamente determinado em seu rosto.
Aquele garoto não desiste.
Capítulo Quatorze

Depois do jantar, os convidados derramado para o pátio e gramado. O sol, neste dia mais
quente do que o usual novembro, foi corajosamente entregar a sua última hora de luz, e
alguns dos Andrades jovens derramaram suas jaquetas e estavam jogando uma bola de
futebol em torno de o que parecia ser uma tentativa de letárgico no esporte.
Embora Jeisa tinha falado com pessoas de todo o jantar, ela não conseguia se lembrar de
uma única conversa. Tudo o que podia pensar era o que aconteceria quando ela e Jeremy
estavam finalmente em paz.
E se ele não me pergunta?
Claro que ele vai. Por que ele iria dizer a sua mãe que ele não estava falando sério?
Talvez meu pai assustou.
Ela examinou a sala para Jeremy e o encontrou envolvido em uma conversa com Jake
Walton e seus pais. Ele pode lidar com o meu pai.
Maddy e Lil se aproximaram, e todos os músculos do estômago de Jeisa apertou em
antecipação.
O sorriso de Lil era contagiante - Você está pronto?
Maddy disse - É melhor nos apressarmos. Acendemos muitas velas que pode
desencadear um alarme de incêndio.
Jeisa foi meio que levada, meio arrastada para a cozinha, as duas mulheres excitadas. Ela
prendeu a respiração diante da beleza do que tinham feito. Cada mesa estava coberta com
uma toalha branca e velas de todos os tamanhos, espalhados em todas as direções. Na luz
fraca do dia, a grande cozinha poderia ter passado por um restaurante romântico. Jeisa
abraçou as duas mulheres que lutavam para transformar o espaço - É perfeito - disse ela.
Maddy avaliado o seu trabalho com um olhar crítico - Não é sutil, mas que ele ia pedir-
lhe de qualquer maneira, você é apenas dar-lhe o lugar perfeito para fazer isso.
Lil confidenciou - Jake me disse Jeremy comprou três anéis, porque ele queria ter certeza
de que você tinha que você amou - Ela suspirou sonhadora - Isso é tão romântico.
Ou indecisa Jeisa pensou, então se odiou por pensar isso.
Jeremy fez a sua decisão e que sou eu.
Lil Maddy pegou pela mão - Nós não podemos ficar. Eu já disse Richard para obter
Jeremy assim que nos viu sair. Ele deveria estar aqui a qualquer momento.
Cada um deles abraçou Jeisa uma última vez.
- Boa sorte - disse Maddy.
- Ela não vai precisar de sorte - Lil declarou - Ele a ama. Nós estaremos brindando seu
noivado antes de escurecer.
Jeisa acenou para eles como eles deixaram-na. Ela ficou no meio do chão, sua respiração
ficando mais curtos como sua excitação e nervosismo cresceram.
E ela esperou.

Jeremy lamentou mencionar seu projeto Tenin na frente de Jake. Embora os pais de Jake
não pareciam perturbados por seu deslize, Jake trouxe o assunto novamente, logo que saiu
da conversa.
- Você está trabalhando um acordo com o Alvo? Seu tempo no poder está chegando a um
fim rápido.
Jeremy rejeitou sua preocupação com um encolher de ombros - Então eu vou ajudar o
outro lado.
- Você soa exatamente como Dominic acostumado.
Jeremy inchado de orgulho - Obrigado.
Sacudindo a cabeça em desgosto, Jake disse - Isso não foi um elogio.
Jeremy escondeu a confusão atrás de uma acusação - Quem é você para julgar minha
ética?
Calmamente levantando a mão apaziguadora, Jake disse - Eu não estou te julgando.
Estou advertindo-lhe que você está indo por uma estrada escura.
A estrada escura você abriu-se - Não foi tão ruim quando você e Dominic fizeram a sua
fortuna fazendo algo muito similar.
Antes que Jake pudesse responder, Dominic entrou na conversa e disse - Jake, me dê um
minuto com Jeremy.
Depois de Jake estava fora do alcance da voz, Jeremy disse - Esse cara é.
Dominic cortou - Sempre repugnantemente direito quando se trata de coisas como esta.
Ele colocou a mão no ombro de Jeremy e advertiu - Antes de você seguir muito de perto os
meus passos, Jeremy, você precisa saber que mesmo que eu não quero ser eu.
Em estado de choque, Jeremy perguntou - O que é que isso quer dizer?
- Eu fiz o meu dinheiro por se aliar com quem teve a carteira maior. Eu não me importo
com quem se machucou enquanto eu ganhei. Mas mesmo quando eu pensei que era a forma
como o mundo funcionava, eu pago um preço por esse estilo de vida. Quando o dinheiro se
torna uma obsessão, existe um vazio que se infiltra em você como um veneno. Nada pode
preenchê-lo. Nada do que eu construído ou comprado me trouxe felicidade, porque eu me
odiava. Eu ainda faço às vezes, apesar de Abby me traz conforto - Havia tanta dor nos
olhos de Dominic que Jeremy não questionar a sua sinceridade.
Não tenho certeza o que fazer com a confissão de seu ídolo, Jeremy perguntou - Por que
você está me dizendo isso, Dom?
- Eu não posso desfazer o que eu fiz, mas você não tem que repetir meus erros. Ajudar
um ditador reprimir seu povo vai mudar, mas não da maneira que você procura. Você é
brilhante, Jeremy. Não venda sua alma para fazer a sua fortuna.
Jeremy colocou as mãos nos bolsos das calças e se balançou sobre seus calcanhares. É
tarde demais - Eu não posso desistir do negócio agora.
- Se você não fizer isso, Jeremy, ele vai destruir tudo o que você ama.
A tristeza nos olhos de Dominic era testemunho da verdade em suas palavras. Foi
também um sinal de que Jeremy não era mais um outsider. O que você quer dizer quando
seu ídolo descobre suas cicatrizes como um aviso para você? Nada.
Um dos funcionários da casa interrompeu e disse - Desculpe-me, Sr. Kater?
- Sim - disse Jeremy.
- Existe alguém no hall de entrada que gostaria de falar com você.
Jeremy seguiu o homem uniformizado em direção à entrada principal. Richard conheceu
no meio da sala e disse - Jeremy, você pode vir para a cozinha por um minuto?
Jeremy falou enquanto ele continuou andando - Eu não posso agora, Richard - Ele não
esperou para ouvir a resposta do francês. Tudo o que ele precisava, ele poderia esperar.
Agora ele tinha uma boa idéia de quem estava esperando para falar com ele, e quanto mais
rápido ele se dirigiu a sua preocupação e lhe deram para deixar o melhor.

Alethea andava na enorme sala de estar de mármore, impaciente. O clique de seus


camurça preta Rupert Sanderson bombas ecoou pelo espaço vazio. Ela precisava de Jeremy
para vir com ela para que ela tinha usado um revelador vestido Versace vermelho-cereja
para seduzi-lo ainda mais. Ela correu quando viu Jeremy e disse - Eles não me deixou
entrar você pode acreditar nisso? A única vez que eu decidir me anunciar, e eu não sou
bem-vindo.
- O que você está fazendo aqui, Alethea? - Ele não parecia feliz em vê-la, nem se
apresentam quaisquer sinais de estar impressionado com seu traje. Sua falta de atenção a
irritava, mas também não valia a pena perder tempo com, considerando o direness da
situação que ela e Jeremy tinham se metido.
- Eu fui chamá-lo, mas você não está respondendo às minhas chamadas ou textos. Tentei
alcançá-lo através do escritório e a recepcionista disse que você estava fora. Você
conseguiu nenhuma das minhas mensagens?
- Eu disse que ia chamá-lo de volta na próxima semana - A mesma confiança que tinha
impressionado a primeira vez agora era nada mais do que uma lombada irritante.
Desculpe incomodar a sua festa com a realidade - Isto não pode esperar até a próxima
semana.
- Ele vai precisar. Pela primeira vez, você vai ter que ser paciente.
Se ela não ouviu o tom frio, indiferente com seus próprios ouvidos ela não teria
acreditado que ele fosse capaz disso. Em qualquer outro momento, ela teria prazer aceitou o
desafio, mas a sua razão para bater a celebração Andrade era grave - Isto não é sobre mim.
É sobre o nosso projeto em Tenin. Temos pessoas infiltradas no composto. Lembre-se o
que você configurar a rede de comunicação para?
- É claro que eu me lembro.
- Bem, alguém me bloqueou de fora. Eu não consigo contato com o nosso povo.
Finalmente, ela tinha a atenção de Jeremy, mesmo se ele estava dando a ela
relutantemente - Eu posso olhar para ele, o mais cedo amanhã de manhã.
- Nós não temos o luxo do tempo, Jeremy. Eu tê-lo de uma boa fonte que o próximo
ataque contra Alvo vai ser um militar que limpa-lo e que vai acontecer amanhã. Temos que
ter o nosso povo de lá e sair do negócio. Isso é maior do que aquilo que eu pensava que era.
Estamos no meio de uma guerra lá. Temos que avisar o alvo, mas primeiro tem que chegar
em nosso pessoal. Você tem o seu laptop com você? Você pode trabalhar a sua magia a
partir daqui?
Jeremy esfregou a testa em frustração - Eu não quis trazê-lo.
A mandíbula de Alethea caiu - Você nunca ir a lugar nenhum sem ele.
Jeremy disse - Hoje foi diferente - Ele olhou para o teto como se pudesse ver através dele
o que estava lá em cima - Os Andrades não terá um computador aqui com a capacidade de
fazer o que eu preciso. Se estiver trancado por fora, eu poderia precisar pegar carona em um
servidor do governo. Eu vou precisar de tanto as minhas coisas ou. . . Eu poderia usar o que
está no edifício Corisi de Nova York. Eu tenho acesso.
- Então, vamos fazer isso.
- Eu tenho que dizer Jeisa que eu vou embora.
- Seu consultor de imagem? Será que ela terá em rédea curta?
Pelo menos uma parte de Jeremy não havia mudado. Ele não proteger a verdade. Ele
disse - Eu a amo, Alethea. Hoje eu estava indo para propor a ela.
Merda, não temos tempo para isso. Em um instante, ela teve um ângulo que ela poderia
usar - Ela não é a filha de um diplomata?
Jeremy disse – Sim.
Alethea levou seu ponto de origem - Será que ela sabe que você está fazendo o seu
dinheiro, escorando um ditador? - Quando seu rosto ficou vermelho, ela disse - Eu diria que
tão pouco para ela quanto possível sobre isso enquanto tentamos chegar-nos o inferno fora
desta situação. Você acha que seu pai vai deixar sua filha casar com você se Tenin torna-se
um massacre que tem o seu nome ligado a ele? Vai ser em todos os noticiários, um hacker
norte-americano envolvido em uma guerra civil estrangeira. A imprensa vai crucificá-lo e
qualquer um associado com você.
Tão convincente quanto Alethea era, Jeremy sabia o que tinha que fazer. Ele pensa em
alguma coisa, espero que antes ele veja Jeisa, o que facilitaria a situação acabou - Eu não
posso sair sem dizer alguma coisa para ela.
- Tudo bem. Dois minutos. Diga-lhe tudo o que você precisa, mas não diga a ela o
suficiente para prejudicar o nosso povo. Isso é ruim, Jeremy. Esta realmente é ruim. Você
tem um carro aqui?
- Eu tenho um helicóptero - Cheio de porra de rosas, ele pensou com desgosto.
- Ótimo. Vamos levar isso. Diga a sua namorada estaremos de volta antes de a festa
acabou.
Jeremy assentiu com a cabeça e afastou-se, o ritmo aumentando à medida que ele
procurou o solário para Jeisa. Quando ele viu Lil, ele perguntou a ela - Você já viu Jeisa?
Olhando um pouco confuso, Lil olhou para a mulher ao lado dela quando ela respondeu.
- Maddy e eu a deixamos na cozinha cerca de 15 minutos atrás.
Maddy esquadrinhou o quarto e perguntou - Não Richard pedir-lhe para ir para a
cozinha?
Frustração de montagem, Jeremy ralado - Eu acho que sim. Eu não sei. Eu não podia ir.
Alethea está aqui e ela precisa de mim para fazer alguma coisa. Mas eu não posso deixar
até eu ver Jeisa.
Os olhos de Lil arregalaram - Alethea está aqui?
- Quem está aqui? - Abby perguntou como ela se juntou ao grupo.
Lil gemeu - Alethea.
- Lil, me diga que você não convidá-la. . .
Jeremy cortou - Eu estou indo para a cozinha. Talvez Jeisa ainda esteja lá.
Com uma onda selvagem de um lado, Maddy perguntou - Para lhe dizer que você está
saindo com Alethea? Eu não acho que é uma boa idéia. Ela provavelmente não está mais lá.
Certo, Lil? Por que você não marque a cozinha e eu vou levar Jeremy no pátio para ver se
ela está lá fora.
- Eu estou aqui - disse Lil.
Como Jeremy seguido Maddy para o pátio, sua mente estava correndo. Ele queria dizer
Jeisa tudo. Inferno, normalmente ele teria levado com ele e até lhe pediu sua opinião sobre
a forma de resolver a situação. Mas Alethea estava certo. Se houve um massacre em Tenin
amanhã, haveria uma investigação, e sua afiliação com Alvo estaria em todos os jornais.
Pela primeira vez desde que ele tinha cobrado para frente para este esforço, ele teve que
encarar o fato de que ele pode ter se metido em uma situação muito mais perigosa do que
ele poderia suportar.
Um mês atrás, quando ele sentiu que não tinha nada a perder, ele era insensível ao
aguilhão do medo. Mas agora que ele tinha começado a imaginar uma vida com Jeisa, que
incluía não só sua família, mas a dela. . . ele podia ver as conseqüências de longo alcance
que isso pode ter. Ele pode se tornar um passivo para a carreira política de Romário, e as
conseqüências disso seria ele perderia Jeisa, mesmo que ela encontrou uma maneira de
perdoá-lo.
Se eu não resolver isso.
De algum modo.

Dez minutos arrastados para quinze. Alguns o brilho de antecipação desapareceu do


rosto de Jeisa. Quanto tempo você espera para o homem que você ama para chegar até
você? Quanto tempo você ficar lá, dividido entre ser o mais feliz que você já foi e ceder ao
medo crescente de que você está fazendo papel de bobo?
Ele não vem.
Ele mudou de idéia e não pode enfrentar-me para me dizer.
Não, se ele não me ama, por que ele iria dizer ao meu pai o que ele faz?
Apenas dois minutos mais.
Dê-lhe mais dois minutos.
Mas, ainda assim, ele não veio.
Como grande parte da minha vida que eu vou passar esperando a felicidade de vir
comigo? O que Marie tinha dito-lo a descobrir quem você realmente é, quando você está
disposto a lutar por aquilo que você quer? Eu estou indo para ir lá fora para encontrar
Jeremy e dizer a ele que eu sinto muito.
Eu não vou esconder mais.
Jeisa respirou fundo e deu um passo para fora da cozinha e no corredor. Seu passo
vacilou quando, pelo canto do olho, ela viu algo que enviou um calafrio pelas costas.
Embora ela nunca conheceu, não havia dúvida que o ritmo da ruiva impaciente no hall de
entrada da casa de Andrade. Seu desejo de encontrar Jeremy foi esquecido como seus pés a
levavam para um de seus maiores medos.
Alethea parou e balançou a cabeça como Jeisa se aproximou, olhando para ela como se
ela fosse um inconveniente.
Incapaz de ajudar a si mesma, Jeisa perguntou - O que você está fazendo aqui?
- Você deve ser consultor de imagem do pequeno Jeremy - Alethea disse
sarcasticamente.
A decepção de esperar por um homem que nunca veio rodou e malha com desconfiança.
- E você deve ser a mulher que só vem para vê-lo quando ela precisa de alguma coisa.
Alethea revirou os olhos - Não vão conseguir sua calcinha em um maço. Eu não estaria
aqui se não fosse importante. Vou ter Jeremy volta em um par de horas.
Oh, não, você não. Você não consegue vir aqui e estragar tudo. Ele me ama, e toda a
arrogância do mundo não vai mudar isso. Jeisa disse as palavras que ela queria
desesperadamente acreditar - Ele não vai sair com você.
Alethea suspirou com impaciência - Eu vou deixá-lo explicar isso para você.
Jeisa aproximou em pânico, real, fazendo seu coração disparar - Por que você veio aqui?
Você não pode deixá-lo ser feliz? Ou você está com medo que você vai perder o seu ticket
refeição? Todo mundo sabe que você construiu uma carreira inteira em suas habilidades de
hacker, mas ele não quer que você. Ele me quer. Então o que você pedir para ele fazer, ele
não vai escolher você.
Com a propagação vermelha sobre o rosto de Alethea, e suas garras saiu como ela
retrucou - A única razão pela qual você o teve em tudo é porque eu não queria que ele até
agora. Mas eu só poderia levá-lo de você para provar que eu posso.
- Isso é o suficiente - a voz autoritária de Abby tocou para fora através do foyer. O clique
de seus saltos ecoou no silêncio pesado que tinham envolvido o quarto - Alethea, você
precisa sair.
Quando Alethea percebeu que seu comentário tinha sido testemunhado por uma multidão
crescente, ela tinha esvaziado um pouco - Eu não sei por que eu disse isso.
Abby ficou entre Jeisa e Alethea - Você disse isso porque você não se importa quem
você machucar enquanto você ganha. Mas desta vez você não verificar para ver se você
estava sozinho.
Alethea olhou em volta e procurou o apoio de sua melhor amiga - Lil, você sabe que eu
não quis dizer isso. Você ouviu o que ela disse para mim. Eu só perdi a calma.
À beira das lágrimas, Lil juntou a sua irmã e ficou ao lado Jeisa de apoio - Você deve ir,
Al. Falaremos mais tarde.
Jeremy veio correndo para a sala de estar - Jeisa, aí está você! - Ele estendeu a mão para
ela, mas ela recuou.
Tempo congelou e por um momento toda a gente desapareceu, deixando apenas Jeremy e
uma pergunta que não pode ser negado - É verdade, Jeremy? Você está saindo com ela?
Apesar da audiência de pessoas, ele manteve seu foco sobre ela como ele disse - Sim,
mas apenas por um par de horas. Eu estarei de volta.
O estômago de Jeisa capotou dolorosamente - Isso é tudo que eu preciso saber - Por um
momento ela pensou que poderia desmaiar, e as vozes ao seu redor cresceram fracas e
distantes. Seu maior pesadelo tornou-se realidade e uma humilhação em público para isso -
Vá. Não me deixe pará-lo.
Ele pegou a mão dela - Jeisa, se eu pudesse explicar isso para você que eu faria. Eu juro
que eu faria.
Ela arrancou a mão dele e foi imediatamente envolvido nos braços protetores de seu pai,
que disse - Você bastardo. Saia antes de eu torcer o seu pescoço com minhas próprias mãos.
Entrando no meio, Marie disse - Romário, tem que haver uma razão.
Acima da cabeça de sua filha, Romário rosnou - Você tem filhos? - Marie balançou a
cabeça lentamente, infelizmente, e deu um passo para trás - Se você fez, você entenderia
por que eu não me importo com o que as suas razões são. Eu estou recebendo minha filha
daqui e longe deste lugar tóxico.
Ainda em estado de choque, Jeisa entorpecida se deixou levar por seu pai.

Dominic xingou e disse - Eu vou matá-lo.


Jake perguntou - Qual deles? - Dominic olhou para o Romário partida e Jake disse - Eu
estou com você sobre isso.
Em poucos passos largos, Dominic atravessou a sala ao lado de Marie e puxou-a em seus
braços. Pela primeira vez, a mulher, que geralmente mexia ao ser tocado, congratulou-se o
abraço, sabendo que isso significava a Dominic o amava.
Abby entrou agressivamente para Alethea - Você terminou aqui, ou há alguém que você
gostaria de virada antes de ir?
A determinação fria caiu sobre o rosto de Alethea - Vamos lá, Jeremy.
Therese se agarrou a antebraço de seu filho - Não vá com ela, Jeremy.
Jeremy olhou ao redor da sala, impotente, tirou suavemente a mão de sua mãe, e
endireitou os ombros - Eu vou estar de volta logo que eu puder.
À medida que se afastava, Jake correu atrás deles e disse - Eu espero que o que você está
fazendo vale a pena, Jeremy. Você precisa de ajuda?
Jeremy olhou para Alethea, que sacudiu a cabeça com veemência - Não, isso é algo que
eu tenho que fazer sozinho.
Com isso, Jeremy saiu com Alethea e fez sinal para o piloto do helicóptero para o
arranque do motor. Ele deu-lhe instruções para dirigir a sede Corisi e ajudou Alethea no
compartimento principal. Uma vez que ambos foram resolvidos nos assentos de flores
cheias e tinha deixado no chão, Alethea disse - Você não poderia dizer-lhes, Jeremy.
- Eu não quero falar sobre isso - Jeremy se afastou dela para assistir a Andrade mansão
desaparecer rapidamente atrás deles. Será Jeisa esperar por ele? Pela primeira vez desde
que se conheceram, ele não tinha certeza.
- Nós vamos corrigir isso - Disse Alethea - Você vai ter uma mensagem para o nosso
povo. Vamos avisar o alvo para que ele possa viver mais um dia, e depois vamos sair dessa
coisa. Ninguém precisa saber o que fizemos se cobrir nossos rastros bem o suficiente. Jeisa
está bravo com você agora, mas ela vai te perdoar.
- Eu espero que você esteja certo - disse Jeremy cansado, olhando pela janela do
helicóptero.

Durante o passeio em silêncio para a cidade, Alethea teve muito tempo para lamentar
suas palavras impulsivas. Jeisa tinha razão em parte. Quando Jeremy havia anunciado seu
amor por outra mulher, que tinha sacudido. Não porque ela amava Jeremy, mas porque ela
sempre assumiu que ele estaria lá para ela.
Egoisticamente. Doía admitir que para si mesma.
Palavras duras de Abby não tinha doído tanto quanto o olhar nos olhos de sua melhor
amiga tinha. Lil deveria ter me defendido. Quem ficou com ela quando ela descobriu que
estava grávida? Que arriscou tudo para se certificar de Abby foi seguro quando os motivos
de Dominic tinham sido questionável?
Eu fiz isso.
Mas, sentado em frente de Jeremy, em meio a evidências de seu amor por outra mulher,
sabendo que ela poderia ter arruinado sua chance com ela, Alethea foi atingido por um
verdadeiro sentimento de vergonha que ela nunca havia sentido antes.
Eu usei esse homem.
Aproveitei os sentimentos que ele teve uma vez para mim.
Eu arrisquei sua vida mais de uma vez sem dar-lhe um segundo para pensar.
Que tipo de pessoa eu sou?
Eu poderia ter tranqüilizado Jeisa. Ela poderia ter vindo junto.
Mas eu não me importo sobre como esta machucá-lo ou ela.
Eu queria o que eu queria.
Talvez eu sou exatamente a pessoa Abby sempre disse que eu sou.
Sua voz rouca de emoção, Alethea disse - Sinto muito, Jeremy - Por mais que eu pudesse
sequer começar a se desculpar.
Ele não reconheceu suas palavras, e ela não as repetiu. Ela acabou de deixá-los cair no
meio, ar-rosa perfumado de uma viagem que mudaria para sempre como ela se viu.

Sozinha com seu pai na biblioteca, Jeisa se esforçou para encontrar o equilíbrio
emocional dentro de um abraço tão apertado que mal conseguia respirar. Não importa
quantas vezes ela correu a cena do foyer mais em sua cabeça, parecia surreal. Por que
Jeremy ir a tantos problemas para convencê-la de que ele queria que ela só escolhesse
Alethea?
- Pegue sua bolsa, Jeisa. Estamos saindo. Vou pegar um carro para nos levar direto para
o aeroporto. Nós estamos indo para casa.
- Não - Jeisa puxou dos braços de seu pai. Sua mente ainda estava girando com o que
tinha acontecido, mas ela não ia correr de volta para o Brasil.
- Não?
- Eu vou voltar para Boston.
- Não posso permitir.
Suas palavras ardiam como um balde de água fria. Normalmente, este era o lugar onde
ela recuar e desprezá-lo por não entendê-la. Nunca mais - Pai, você está piorando as coisas.
Desacostumado a críticas de sua filha, Romário ficou com raiva - Pior? Pior do que o que
eu acabara de testemunhar? Essas pessoas não são boas para você.
A dor causada dirigiu suas palavras Jeisa para ser honesto - E você acha que é melhor?
Você só insultou uma mulher que não tem feito nada, mas me ajuda desde que cheguei
aqui. Marie não merecia o que você disse a ela.
Romário desviou o olhar, sua mandíbula apertada com emoção. A visão de seu pai
orgulhoso em uma perda de palavras, ainda que temporariamente, tocou o coração de Jeisa.
Ela criou esta situação, era hora de ela assumir a responsabilidade e tentar explicá-lo a ele.
- Eu sei que você não acha que eu estou seguro aqui. Você acha que alguém vai tentar
me machucar, mas essas pessoas são meus amigos. Eu fiz o erro de confiar em alguém que
eu não deveria ter e que você conheceu. Reese é um homem terrível que ataca as mulheres
gostam de mim. As mulheres que foram protegidos tanto que eles são vulneráveis. Eu não
quero ser mais aquela pessoa, pai.
Romário esfregou as têmporas - Eu só queria mantê-la segura.
Como posso fazê-lo entender? - Eu sei, papai, e que estava tudo bem, quando eu era uma
garotinha. Mas eu sou uma mulher agora. Eu não posso mais viver assim. Eu quero que a
minha própria vida.
Com os olhos atormentados, Romário disse - Eu não posso te perder, também.
Jeisa tocou o rosto de seu pai. Não desde o dia em que sua mãe morreu ela tinha visto
seus olhos brilham de emoção não derramadas. Ela estava tão acostumada a vê-lo tão forte
e inflexível, que muitas vezes ela se esqueceu que ele também era um homem que tinha
sofrido uma grande perda. Ela colocou os braços ao redor da cintura e apenas segurou-o.
Quando ela levantou a cabeça, ela fungou alto e disse - Você não vai me perder, pai.
Ele enterrou o queixo em seu cabelo e admitiu - Eu estava com medo quando você parou
de atender o telefone. Eu pensei que algo tinha acontecido com você. Eu não teria sido
capaz de viver comigo mesmo se tivesse - Jeisa abraçou mais apertado - E então, quando eu
descobri que era mentira. . . que tinha feito tudo o que você me disse para os últimos meses.
. . Eu estava com raiva.
- Eu sei - disse Jeisa. Vendo os eventos através de seus olhos encheram-la com tanto
pesar e uma compreensão mais profunda de quanto seu pai a amava - Eu estava errado. Eu
deveria ter dito a você assim que eu descobri que Reese era um mentiroso. Eu só não quero
que você...
- Venha aqui, como eu fiz.
Jeisa assentiu. Diga a ele. Diga-lhe como você se sente - Eu vou me machucar, pai. Eu
vou cometer erros. Mas você tem que me deixar fazê-las.
Ele gentilmente a empurrou de volta dele e perguntou - Você está bem?
No passado, ela teria mentido e disse que ela era. Desta vez, Jeisa soltou um longo
suspiro e escolheu a verdade - Com o que aconteceu com Jeremy? - Ele balançou a cabeça
tristemente - Eu não sei, pai. Eu continuo indo a cena na minha cabeça e eu não entendo
isso. Esse não foi o Jeremy eu sei. Ele nunca iria deliberadamente me machucar.
Romário se esticou um pouco - Você acha que ele está em algum tipo de problema?
- Eu gostaria de saber - Jeisa disse e virou-se para olhar pela janela.
Ela estava muito emocionalmente passou a dizer mais, ou se importar quando ela ouviu
seu pai sair da sala.

Só a mão de Abby em seu braço parou de Dominic de cruzar a sala e estrangulando o


homem que, em um dia, fez a sua pequena lista daqueles que vale a pena o tempo de prisão
arriscar a doer.
Sem sequer um olhar para Dominic, Romário cruzou diretamente para onde Marie estava
de pé. Abby parou Dominic de intervir, dizendo baixinho - Marie pode lidar com isso,
Dom, e ela sabe que não está sozinho.
Romário estava diante de uma Marie de boca fechada como todos na sala, realizada
coletivamente a respiração - Eu não tive a intenção de atacar em você antes.
Marie respirou fundo e repreendeu em voz baixa - Foi maneiras bastante cruel e mau
para um homem que deveria saber melhor.
Ele inclinou a cabeça na concessão de seu ponto de vista.
Relaxando um pouco, Marie admitiu - No entanto, eu sei que você estava preocupado
com sua filha e que pode fazer um homem dizer coisas que ele não quer dizer - Ignorando o
fato de que eles se tornaram o centro das atenções, Marie perguntou - Como é Jeisa?
A mandíbula de Romário cerrados - Compreensivelmente chateado.
Marie assentiu - Meu pai gostava de velejar. Ele sempre disse que as crianças são como
barcos, eles não podem alcançar seu potencial enquanto amarrado ao cais.
Olhando menos do que satisfeito Romário rebateu - Como muito Americana de você.
Minha família fez seu dinheiro de mineração. Eu diria que quando você tem algo tão
precioso como uma criança, você deve protegê-lo tão diligentemente como se fosse um
diamante.
Marie ergueu o queixo, olhou diretamente nos olhos e disse - Você pode ter esperado um
diamante, mas você nasceu de um barco. Negar isso não vai mudar a verdade.
Romário endireitou os ombros e olhou para baixo, para Marie - Não me diga como
educar minha filha.
Marie aproximou-se, com as mãos indo para os quadris - Ela é uma mulher adulta. A
parte elevando está terminado. O que ela precisa de você agora é a aceitação de quem ela é.
Romário rosnou para ela - Isso não é da sua conta.
Marie realizada com os olhos, com o rosto corado de emoção - Sim, é. Eu me preocupo
com sua filha e sua felicidade. Ela te ama. Eu odiaria ver você perdê-la só porque você é
teimoso demais para ouvir o que ela está tentando lhe dizer.
Jake murmurou para Dominic - Diga-lhe, Marie.
Dominic fez um som gutural em seu peito.
Abby pegou a mão de seu marido na dela - Eu nunca vi Marie olhar para um homem
como esse antes. Eu acho que ela gosta dele.
Dominic jurou sob sua respiração quando Jake concordou.
- Isso significa que não pode socá-lo? - Jake perguntou suavemente.
Dominic resmungou - Não neste segundo.
Abby inclinou-se e perguntou - Sobre o que vocês dois estão conspirando?
- Nada - disse Dominic rapidamente. Muito rapidamente. Abby olhou para ele com
desconfiança.
Quando Romário virou para Jake e Dominic, ele falou com a autoridade calma de um
diplomata - Minha filha acha que Jeremy pode estar em apuros. Você sabe por que ele saiu
com essa mulher?
O temperamento de Dominic queimado - Esperando que alguém vai tirá-lo de modo que
você não precisa?
Jake injetado - Nada disso faz sentido, a menos que Alethea disse-lhe algo que ele sentiu
que não podia compartilhar com a gente.
A mãe de Jake entrou na conversa e disse - Talvez algo a ver com seu trabalho em
Tenin?
- O que ele estaria fazendo naquele país? - Romário exigiu - Eles estão à beira de uma
guerra civil.
Sempre a voz da razão, Jake sugeriu - Tudo está acontecendo, sugiro que descobrir onde
ele foi.
Dominic fez sinal para um de seus homens de segurança para abordagem quando ele
perguntou Jake - Você trouxe o seu helicóptero?
- Nunca saia de casa sem ele.
Dominic conferida com sua segurança por um momento, então disse - Vamos embora.
Acho que sei onde ele foi.
Os pais de Jake se juntaram a eles - Estamos indo, também.
Como Dominic começou a recusá-los, o pai de Jake disse - Jeremy tem nos ajudado mais
do que ninguém no nosso campo. Se o problema que ele está não tem nada a ver com
pirataria, você vai precisar de nós.
- Eles estão certos. Podemos precisar deles - Jake acrescentou.
Romário flexionou os ombros de forma decisiva - Eu também estou indo.
- De jeito nenhum - respondeu Dominic.
Nariz com nariz com Dominic, Romário disse - Minha filha ama esse homem. Se houver
a chance mais fino que ele não é tão ruim como eu acho que ele é, eu preciso saber. Isto
envolve a minha família. Vou quer salvá-lo ou matá-lo. Você pode me dizer que você faria
de forma diferente? - Quando Dominic não vacilou, ele acrescentou - Além disso, se esta é
uma questão política, eu possa ter alguma influência.
Dominic ficou tenso. Deus, eu odeio esse homem. Eu o odeio ainda mais quando ele está
certo.
Victor Andrade colocou a mão no ombro de Dominic e disse - Força também é mostrado
na contenção, amigo. Leve-o com você.
Sabendo que é a coisa certa a se fazer não faz o intragável mais desejável. Dominic
olhou nos olhos confiantes de Abby e jurou sob sua respiração em concessão - É alguém
que vem?
- Eu vou ficar aqui. Jeisa vai precisar de alguém - disse Abby.
Lil Jake deu um rápido beijo nos lábios - Eu também.
Victor Andrade curvou-se graciosamente - Eu posso esperar para ouvir como fica. Estou
ficando velho demais para tudo isso.
Therese adiantou-se e, com um toque de desespero na voz dela, disse - Jeremy é um bom
garoto. Se ele está em apuros, você tem que levá-lo de fora.
Marie pegou a mão da mulher na dela para confortá-la - Se alguém puder, serão esses
meninos.
Abby encontrou Dominic meio caminho para uma persistente, beijo de despedida.
- Tenha cuidado, Dom. Você não sabe com que você está se metendo. Eu sei que você
tem que ir, mas... - ela deu um passo para trás e colocou a mão na barriga dela - lembre-se
de todas as razões que você tem que voltar para casa.
Ele puxou a esposa para ele e lhe deu um longo beijo que prometia mais do que apenas o
seu retorno. Marie pigarreou atrás dele e disse - Chega disso, temos que ir.
Dominic riu e relutantemente lançou sua esposa - Eu vou estar de volta antes que você
perceba.
Abby assentiu e se abraçaram.
Com isso, Dominic, Jake, os pais de Jake, e Romário, juntamente com alguns de
Dominic segurança embarcou helicóptero de Jake e se dirigiu após a Jeremy indescritível.
Capítulo Quinze

A vantagem de ser parte integrante da infra-estrutura tecnológica fortalecendo as


Empresas Corisi, foi que a segurança do edifício não era incômodo para Jeremy. Ele
simplesmente mostrou seu distintivo de alto nível, atestou Alethea, e caminhou para uma
área do edifício que muito poucos já vi. Por trás das portas de segurança com acesso
controlado era uma sala cheia de linhas de racks negros. O zumbido dos ventiladores e o
piscar de luzes eram familiares e calmantes para Jeremy. Ele e Alethea desceram uma das
linhas até que encontrou o servidor que ele estava procurando.
Alethea não havia dito muito durante a viagem acabou e ele foi grato por isso. Ele não
quer saber se ela tivesse seguido o seu comportamento habitual e piorou a situação ao invés
de melhorar. Ele já estava tendo dificuldade de concentração. Ele puxou uma prateleira
para fora do rack e virou um monitor. Ele sentou-se na frente do console e começou a
digitar códigos.
Rompendo firewalls era algo que ele normalmente fazia com facilidade. Mas Alethea foi
direito eles haviam sido bloqueados da rede de comunicação que ele tinha construído.
Alguém tinha deliberadamente os bloqueando. Ele tentou obter acesso por meio de um
túnel SSH, mas não conseguiu. Ele tentou de novo e, quando isso falhou, ele sabia que
quem lhe tinha bloqueado tinha antecipado como ele iria tentar quebrar seus códigos.
Este não era o governo Tenin. Este foi pessoal.
Uma fibra solta, sabotagem.
Ele tinha feito algo semelhante ao seu rival on-line de uma centena de vezes antes e
rimos sobre isso. Mas a vida nunca tinha sido na linha naquela época. Sliver tinha feito um
nome para si mesmo na comunidade hacker seqüestrando os sites de grandes empresas.
Embora sua verdadeira identidade era um segredo, muitos sentiram sua presença on-line
tinha sido sentida em suas carteiras. No passado, quando Jeremy tinha conseguido uma
lufada de uma das picadas planejadas de Sliver, ele trancou-a apenas para se divertir. Sliver
ameaçou retaliar, mas Jeremy sempre manteve um passo à frente dele.
Razão pela qual alguns se referiam a Jeremy como um super-herói cibernético.
E isso foi vingança por esse título.
E se eu não posso consertar isso? As pessoas estão confiando em mim para salvar suas
vidas.
Se eu perdê-los. Eu perco Jeisa. Tudo.
Ele não conseguia afastar a imagem do assombro de Jeisa como ela disse-lhe para ir com
Alethea. Ela não parecia tão irritada como ela demonstrava. . . e sim derrotada. O que não
faz muito sentido para Jeremy desde que ele passou o dia dizendo que a amava. Por que ela
não acredita nele? O que aconteceu para colocar essa mágoa profunda em seus olhos?
Quando ele percebeu que tinha parado de escrever por completo, ele jurou. Isso é muito
importante para eu estragar. Mais importante do que Jeisa e eu. Há pessoas que dependem
de mim para salvá-los. Concentre-se. Porra foco.
Ele fez uma pausa para enviar um apelo aos céus. Deixe-me descobrir esta questão e vou
mudar meu jeito. Eu juro.
Quando sua próxima tentativa falhou, ele bateu a mão na mesa perto do teclado - Eu não
posso romper - disse ele em frustração.
Alethea andava atrás dele - Continue tentando.
Ele tentou outro código. Tentei outro ponto de acesso. Cada tentativa havia sido
antecipado e bloqueado.
- Você nunca conheceu um código que você não pode quebrar. Não desista - Palavras de
encorajamento de Alethea o deixou frio.
Jeremy sacudiu a cabeça. Mesmo quando ele tentou limpar seus pensamentos sobre a
terrível situação que ele e Alethea tinha colocado as pessoas, sua mente continuava
correndo. Imagens de Jeisa, de seu pai, de sua mãe com a câmera idiota esperando para tirar
fotos do que deve ter sido um dos melhores momentos de sua vida.
Mas eu estraguei tudo.
Eu estraguei tudo.
Jeisa nunca vai me perdoar.
Não quando ela vê o que eu fiz, não tenho quando tudo isso explode e atinge a notícia.
Ela e seu pai vão correr tão rápido e tão longe quanto possível de mim, e quem poderia
culpá-los?
Ele parou de digitar novamente quando a mensagem apareceu na tela em sua frente. Uma
mensagem instantânea enviada através de um site que ele estava tentando ganhar acesso
através. Ele dizia - Pronto para desistir? ~ S.
Ele escreveu de volta - Este não é um jogo, Sliver. Há vidas em jogo aqui.
- Então você deve realmente deseja acessar esta rede.
Conversa on-line de perceber Jeremy, Althea perguntou - Quem é esse?
- É Sliver. Lembre-se do cara Stephan contratado para plantar um vírus no servidor de
Dominic? Eu acho que ele ainda está chateado que eu o parei.
- Merda. O que ele quer?
- Vingança. . . é ser conhecido como o melhor.
Alethea disse - Talvez possamos usar isso.
Jeremy pensou, olhou para o teto por um momento, então digitou - Deixe-me voltar e eu
nunca vou mexer com você on-line novamente.
- Você realmente está desesperado - respondeu Sliver. Depois de um momento Sliver
escreveu novamente - Dá-me os códigos de acesso ao servidor de Dominic e eu vou dar-lhe
sua rede de volta.
O que ele quer com Dominic? Isso não era como Sliver normalmente operado. Este
sentiu pessoal. Jeremy parado - O que faz você pensar que eu tê-los?
- Você escreveu.
Merda.
Ele olhou por cima do ombro para Alethea - Ele diz que vai me dar os códigos se eu dar-
lhe acesso ao servidor do Dominic. Eu não posso trair Dominic, mas eu não posso deixar o
nosso povo morrer em Tenin, também.
Atrás dele, o pai de Jake, Jim, disse - Quando forçada a escolher entre dois cenários
impossíveis, a solução é muitas vezes uma terceira e mais criativa opção.
Jeremy girou em sua cadeira. A sala já estava vazia enchimento com quase todo mundo
que ele tinha a esperança de manter isso em segredo de, juntamente com o que parecia ser
uma equipe da SWAT privada que foi estacionando-se por toda a sala. Apenas Jeisa estava
faltando. Em seu lugar, o pai com cara de pedra estava em julgamento.
Jake ladeado lado direito do Jeremy e disse - Nós não podemos ajudá-lo a menos que
você nos dizer o que exatamente você se meteu.
Alethea voltaram a ambos pais de Jake adiantou paira sobre Jeremy. Espero que surja
através Jeremy. Com os dois Waltons infames e seu filho gênio do seu lado, eles tiveram
que ser capaz de vencer Sliver. Não foi fácil admitir a extensão do seu erro para eles, mas
era necessário - Eu fui para Tenin para o dinheiro rápido. Alethea trabalhou em sustentar a
sua segurança das instalações. Eu cuidei do lado do software. Nós plantamos as pessoas do
lado de dentro para nos manter informados das mudanças, mas Alethea ouvido conversas
de um ataque militar, o mais cedo amanhã - Ele olhou para o pai de Jeisa e disse - Meu
nome é todo isso se ele vai mal. Esperávamos para enviar palavra para alertar o nosso povo
a sair antes de informar Alvo do ataque. Eu não considero como as consequências desta
situação poderia afetar ninguém. Acabei de ver o dinheiro fácil. Agora eu estou trancada
para fora da rede de comunicação e não posso quebrar códigos de Sliver.
Jake puxou uma cadeira de uma estação vizinha e sentou-se ao lado de Jeremy - Nós
estamos falando sobre o mesmo hacker de que Stephan teria usado? O que ele quer?
Jeremy olhou por cima do ombro e encontrou os olhos de Dominic - Ele quer que o
acesso ao servidor Corisi das empresas.
Judy, a mãe de Jake, perguntou - Stephan não teria contratado-lo novamente, ele iria? Ele
parece ser um menino tão bom.
O rosto de Dominic clareados com raiva, mas sua voz era calma mortal quando ele falou.
- Se ele é inteligente, ele não tinha nada a ver com isso.
Jeremy rapidamente interrompeu seu pressentimento sobre o assunto - Dom, eu conheço
Sliver um longo tempo. Bem, não pessoalmente, mas através dos nossos confrontos online.
Ele normalmente não levá-lo tão longe. No começo eu pensei que era sobre a nossa
história, mas este é o seu segundo furto em você e ele está aumentando a cada ataque. Você
pode conhecê-lo. Existe mais alguém que gostaria de sabotar você? - Jake e Domingos
trocaram um olhar toda a sala. Certo. Pergunta estúpida - Eu não sei ao certo, mas isso
parece mais uma vingança do que uma de suas acrobacias.
Dominic se aproximou até que ele ficou bem atrás da cadeira de Jeremy - Há apenas uma
maneira de lidar com um inimigo covarde. Atraí-lo para fora e esmagá-lo.
Jake concordou - A força da Sliver é o seu anonimato.
Como Jeremy mudou seu objetivo de quebrar o código, a inspiração bater. A mãe de
Jake leu como ele digitou e exclamou - Oh, isso é bom.
Jake observou a tela - Isso definitivamente vai detê-lo em suas trilhas.
- O que você está fazendo? - Alethea perguntou em uma corrida.
Jeremy digitado como ele mesmo respondeu - Eu estou dando-lhe o acesso, mas ele é
limitado. Assim que ele tenta usá-lo, vamos localizá-lo de volta para seu buraco e, em
seguida acender a Internet com sua identidade e localização. Eu não me importo quantos
endereços de IP falsos que ele usa, vamos encontrá-lo, e, em seguida, assim que todos os
outros.
Jake virou-se para Dominic e explicou - Vai ser como entregar a alguém uma arma
carregada com espaços em branco que tem um mortal sair pela culatra. Ele não vai
machucá-lo a menos que ele usa.
Alethea caminhou para trás e atrás da equipe encolhida - Mas então como é que vamos
obter os códigos de rede?
Jeremy fez uma pausa. Pergunta difícil - Vou fazer uma depende da outra, como uma
coreografia hand-off.
Alethea balançou a cabeça - Você precisa de um engodo. Ele vai esperar que você para
tentar detê-lo. Coloque um código fraco na vanguarda. Deixe que ele romper isso e acho
que ele é mais esperto do que você. Use seu ego contra ele. Então ameaçam ligá-lo ao
desastre Tenin então ele vai querer que a crise evitada. Você tem que dar-lhe uma razão
para querer salvar o nosso povo. Ele vai fazê-lo se ele acha que ele tira o seu trunfo.
Jake colocou a mão no ombro de Jeremy em apoio - Essa é uma boa estratégia.
- Claro que é - Alethea disse impaciente - O meu povo está lá dentro. Isso tem que
trabalhar.
- Não use os métodos de criptografia padrão - o pai de Jake aconselhou – Assim ele vai
ser muito fácil para eles. Ele vai saber o que você está fazendo. Ele precisa do desafio de
quebrar um 256-bit cifra. Ainda não levará muito tempo, mas se ele é tão egocêntrico como
você diz que ele é, ele vai pensar que você está enganado. Envie-lhe as informações de
autenticação para o servidor de Dom. Uma vez que ele está, empurre o módulo
criptografada 256 para ele. Deixe-o executar. Dentro disso, esconder o seu código de call-
home em um protocolo muito mais vigoroso. Nós estamos trabalhando em um novo tipo de
criptografia de arquivos que é tão forte quanto 1028 bits de criptografia de nível militar,
mas não mostra quaisquer sinais de realmente ser codificado. Ele não vai saber que você
está executando um ataque de Trojan. Nesse arquivo, o código irá chamar de volta para nós
sobre servidores proxy variáveis, distribuindo as informações sobre HTTPS e SSH túneis,
mantendo a criptografia. Uma vez que ele recebe de volta aqui, vamos ser capazes de usar
nossa decrypter e estabelecer o controle total sobre o sistema. Ele levará décadas para
quebrá-lo, se ele já faz.
- O que vai impedi-lo de usar outro computador? - Dominic perguntou abruptamente.
Tudo, Jeremy pensou - Sliver construiu uma vida online. Estamos prestes a bloqueá-lo
para fora de tudo isso.
Romário adiantou-se e perguntou - E então expô-lo?
Agora eles estão recebendo a idéia - No momento em que estamos a fazer com ele, não
haverá um lugar que ele pode se esconder online. . . Possivelmente não neste planeta,
também. Vamos ter seu nome real e acesso a tudo ligado a ele.
Judy balançou a cabeça tristemente - É uma pena que alguém tão talentoso como ele
parece ter terminado em uma estrada tão escura.
Seu marido, Jim, concordou e acrescentou - É por isso que a ciência é melhor manter
isolado da sociedade. Muitas tentações.
- Espere um minuto. Jake são os seus pais os Waltons? - Nível de surpresa de Romário
era quase divertido.
Jake admitiu secamente - Esse é o nosso sobrenome.
Como toda a magnitude de quem ele estava de pé ao lado afundado em, Romário
perguntou aos ícones do computador - o que você está fazendo aqui?
Judy respondeu a ele - Nós viemos para ter umas férias com nosso filho, mas estes
meninos estão sempre em algum problema - Ela olhou para Jeremy e disse - Jeremy é uma
das maiores mentes da sua geração. Ele só não encontrou o seu nicho ainda. Quando ele
fica sério, ele vai mudar o mundo.
- Tentamos dizer a Jake que buscar dinheiro em vez de pesquisa foi um desperdício de
seu potencial, também, mas você sabe que as crianças - Jim sacudiu a cabeça com a perda.
Apesar da brincadeira acontecendo atrás dele, Jeremy completou a tarefa dos Waltons
havia esboçado - Está feito. Eu usei todas as suas idéias. Parece que ele vai morder a isca.
- E agora? - Dominic exigido.
- Agora vamos esperar - respondeu Jeremy - Se ele acreditava que eu disse sobre Tenin
ele vai abrir a rede, porque ele não quer que a gente tenha essa influência sobre ele.
Alethea tentou acessar a rede através de seu telefone um momento depois, e exclamou.
- Eu estou dentro Eu apenas enviou uma mensagem alertando-os para sair. Vou dar-lhes
uma hora e então eu vou avisar Alvo. Você fez isso, Jeremy.
Não desta vez - Não, não fui eu quem descobriu isso.
Jake deu um tapinha no ombro - Ninguém faz com que seja muito longe sozinho,
Jeremy. É a rede que construir off-line que garante o sucesso online.
Jeremy encontrou os olhos de Dominic e disse - Como uma família.
- Não force a barra - Dominic disse secamente, mas os cantos de sua boca se contrairam
com um sorriso reprimido. Em um flash, ele estava falando sério novamente - Quanto
tempo vai demorar em expor esse desgraçado?
Jeremy assentiu com a cabeça em direção ao console - Depende de quão rápido ele
quebra o código de Tróia e como ele está ansioso para levá-lo para baixo.
Com os dentes cerrados, Dominic disse - Eu quero o seu nome assim que você tem.
Jake ofereceu um plano mais calmo - Dom, você não vai precisar ir atrás desse cara. Ele
compilou uma lista bastante de si mesmo inimigos. Uma vez que sua identidade é
conhecida, ele não vai durar muito tempo.
Implacável, Dominic afirmou - Eu ainda quero saber quem ele é.
No silêncio desconfortável que se seguiu, Jeremy arriscou um olhar para Romário - Eu
sei o que você deve pensar de mim.
- Você acha? - Romário perguntou suavemente.
- Eu realmente confuso. Eu me envolvi em algo que estava fora do meu alcance.
Em vez de concordar, Romário perguntou - Por que você não disse a Jeisa sobre nada
disso? E se você tivesse todas essas pessoas como um recurso, por que não lhes pedir
ajuda?
Com um encolher de ombro estranho, Jeremy admitiu - Esse foi o meu erro. Eu não
queria pôr em perigo a ninguém. Se tivesse ido a público, ele teria arruinado sua reputação.
Eu não queria ter ninguém para baixo comigo - Ele manteve os olhos do homem mais velho
e disse - Eu não disse Jeisa pela mesma razão que eu não quero que você saiba. Eu queria
que você me respeite. Fiz alguns grandes erros com a minha vida ultimamente, e com a sua
filha, mas eu a amo.
Romário cruzou os braços sobre o peito - Eu acredito em você, mas eu duvido que ele vai
ser o suficiente.
Tem que ser. Eu não vim até aqui para desistir agora - Eu sei que ela está com raiva de
mim, mas espero que ela vai ouvir porque eu tive que deixar o partido. Estávamos bem no
jantar.
Depois de uma entrada de ar audível, Jake perguntou - Então você não sabe sobre o
cenário da cozinha?
Jeremy sacudiu a cabeça em confusão - A cozinha - Ele se lembrava vagamente para
Richard pedindo-lhe para ir até lá - Lil disse algo sobre Jeisa estar na cozinha, mas por que
isso é importante?
- Lil me disse que as mulheres tinham preenchido a cozinha com velas para dar-lhe um
lugar para propor. Ela estava esperando por você lá - As palavras de Jake atravessou a
confusão de Jeremy com precisão dolorosa.
Jeremy sentou-se com um baque - Oh, meu Deus. E eu não aparecer - O que eu fiz?
Da parte de trás da sala, as palavras seguintes de Alethea adicionado ao pesadelo de
Jeremy - E eu fiz.
Um silêncio pairava pesado na sala.
Com a intenção de limpar seu nome, Alethea continuou a falar - Não é à toa que ela não
estava feliz em me ver - Ela olhou para Dominic, cujo desagrado era evidente em seu rosto.
- Eu não sabia o quão sério Jeremy e Jeisa eram. Eu certamente não sabia que eles
estavam ficando noivos. Eu disse algo estúpido quando ela me incitou, mas eu não teria que
se eu soubesse de nada disso - Ela olhou para Jeremy - Você tem que acreditar nisso.
Ainda digerindo a enormidade de como ele tinha ferido Jeisa, Jeremy perguntou - O que
você disse?
Chin erguida, Alethea não me esquivei de seu erro - Eu disse a ela que eu poderia ter se
eu queria que você.
Agora triste pergunta de Jeisa fazia sentido para ele. Ela estava pedindo-lhe para fazer a
sua escolha. O rosto de Jeremy drenado de cor - E então eu deixei com você.
Alethea assentiu.
Jeisa acha que eu escolhi Alethea. Ácido agitado em seu estômago, como ele se lembrava
de como ela aceitou sua decisão e voltou-se para seu pai para o conforto. Ele dirigiu suas
palavras tanto para a mulher, uma vez que ele tinha considerado um amigo e pai de uma
mulher que ele poderia ter perdido para sempre - Eu nunca teria deixado sua posição lá, se
eu soubesse disso.
Alethea encolheu um pouco abaixo de sua acusação e sua própria culpa - Eu sei.
Não é bom o suficiente. Jeremy esfregou a testa com raiva e perguntou - Por que você
diz isso, Al? Por que você iria ficar parado e assistir me machucar uma mulher que você
sabe que eu amo?
Os ombros de Alethea vieram um pouco impotente, pois mesmo que ela não poderia
defender suas ações - Eu não sei.
Romário interveio e buscou respostas para suas próprias perguntas - Então você não sabe
nada sobre o que tinha acontecido?
Jeremy sacudiu a cabeça tristemente - Eu não tinha idéia. Eu pensei que a pior parte do
dia foi que você não gostava de mim.
- Esse é o menor dos seus problemas - respondeu Romário.
Jeremy ficou. E se é assim que termina? E se esse é o preço que devem pagar por terem
acreditado que não haveria conseqüências para as minhas ações? Jeisa é uma boa pessoa.
Talvez ela merece coisa melhor do que eu - Eu vejo isso agora. Ela nunca vai me perdoar.
A mãe de Jake consolá-lo da única maneira que sabia – Nunca é uma quantidade
incalculável e irrealista de tempo.
Dominic virou-se para Jake e tentou aliviar o clima com humor - Eu vejo como você se
tornou o homem que você é.
- Vamos manter o foco em Jeremy - disse Jake, mas o humor seco em sua voz soou
forçado.
Eu me recuso a aceitar isso. Deve haver algo que eu não tenha pensado, Dominic - O que
você faria? - Jeremy pediu ao homem que ele ainda admirava muito.
Antes Dominic respondeu, Jake disse - Ele chamaria Marie.
- Eu não a chamo para tudo - Dominic negou com veemência.
Romário olhou para Dominic surpresa - Você toma o conselho do relacionamento de seu
assistente?
Dominic ficou reto e rosnou - Eu estou procurando um motivo para bater em você. Não
me dê um.
Em vez de recuar tantos homens teriam, Romário se endireitou em toda sua altura e
olhou para o nariz para o jovem, que era apenas um toque mais curto do que ele era.
Dominic estava em seu auge, mas Romário tinha envelhecido bem, e Jeremy não tinha
certeza de que o homem viria a ser o vencedor, se eles vieram para golpes. Em um tom
suave, mas mortal, Romário emitido uma oferta - Talvez você deve tomar o seu melhor tiro
e ver se você vive.
Em uma tentativa de apaziguar a situação, Jake brincou com Jeremy - Veja por que
Dominic não tem que pagar por aulas de boxe? Pessoas voluntárias para bater nele.
- Isso não é mesmo engraçado - Dominic disse secamente, e a tensão do momento caiu.
Jake deu de ombros, imperturbável pela correção de seu amigo - Humor é uma questão
de perspectiva.
- Eu não sei se eu aprovo você passar tanto tempo em torno de Dominic se esta é a sua
abordagem para a resolução de conflitos - O comentário de Judy tirou uma risada de vários
homens, incluindo alguns da equipe de segurança, que muito sabiamente se tornou pedra
com cara de novo sob o olhar de Dominic.
Com um pouco de vermelho com destaque para as bochechas, Jake disse - Mãe, você
tem que falar comigo como se eu tivesse doze anos? - Seu apelo suscitou várias tosse como
aqueles ao redor dele realizou seu riso dentro
Jim tentou defender o filho - Ele está certo, Judy. Jake é perfeitamente capaz de escolher
seus próprios amigos. Se ele quer cercar-se com aqueles que são menos intelectualmente
desafiadores, que é o seu negócio.
Jeremy começou a rir e não parou, mesmo quando a mandíbula de Dominic começou a
apertar. Era simplesmente muito tentador para resistir, dizendo - Eu não sei, Dom, eu acho
que eles só te chamaram de estúpido - Ele deu seu ídolo um apoio tapa nas costas.
O pai de Jake rapidamente recuou - Oh, não, não. Foi sem intenção. Dominic tem um
tipo diferente de inteligência.
- Eu pararia enquanto você está na frente - Romário interrompeu com uma risada.
Dominic resmungou - A menos que você também está ostentando um QI de 180, eles não
pensam muito mais de você do que eles de mim.
- Eu estou indo para ir agora. Jake, diga Lil para me chamar - Alethea parou à porta e
disse - Jeremy, eu sei que eu disse isso antes, mas eu quero que você saiba como estou
arrependido. Se precisar de mim para dizer algo a Jeisa...
Muito pouco, muito tarde. Jeremy não era de guardar rancor. Ele sabia que a vida era
curta demais para isso, mas ele tinha perdido muitos anos acreditando Alethea se
preocupava com ele perdoá-la por isso. Com a clareza da visão retrospectiva, ele viu a
realidade do que eles tiveram. Ela o usou. E eu a deixei. Eu pensei que o seu amor de
perigo foi emocionante e legal. Agora eu vejo que tem lhe custado mais do que nunca a
levou, e eu espero que ela vê que um dia e encontra a felicidade. Eu vou fazer tudo o que
puder para garantir que eu corrigir isso e recuperar a minha própria - Você já disse o
suficiente. Bom tchau, Alethea.
Alethea saiu calmamente.
Quebrando o silêncio depois de sua partida, Jake brincou - Sério, devemos chamar a
Marie?
Erguendo as mãos em sinal de anular a sugestão de Jake, Dominic disse - Não, nós temos
isso. Eu posso não ser um membro do clube Maçom aqui, mas eu entender como funciona a
mente feminina.
- Oh, menino, lá vem ela - Jake disse com um sorriso crescente. Jeremy adorava assistir
os dois homens costela outro. Eles muitas vezes soou mais como brigar irmãos do que
parceiros de negócios.
- Quando você errar tanto quanto você tem, Jeremy, você tem que voltar com algo
igualmente incrível para o seu pedido de desculpas - explicou Dominic, não se preocupando
em reconhecer a piada de Jake.
- A parcimônia da sua solução é quase elegante - Judy disse com entusiasmo.
Seu marido continuou sua observação - Como diretor da navalha de Occam, não há valor
na forma mais simples.
Olhando um pouco irritada, Dominic virou-se para Jake e perguntou - Será que eles
apenas me insultar de novo?
A risada de Jake cresceu - Não, isso foi um elogio das sortes.
Jeremy entrou na conversa com os Waltons e disse - Um processo estocástico realmente,
porque embora a condição inicial é conhecida, há alguma indeterminação de como ele vai
evoluir - Os pais de Jake sorriu, concordando. Jeremy sorriu e continuou: "Embora, eu
tenho uma idéia - Ele olhou para o pai de Jeisa e anunciou - Eu sei o que sua filha se
preocupa, e se a minha idéia funciona poderíamos ambos estar de volta em suas boas
graças.
- Será que isso envolve computadores? - Romário perguntou em dúvida.
- Nem um pouco.
- Então me diga sobre o plano.

De volta ao lar Andrade na galeria fora do foyer, risos e brincadeiras família ainda soou
alto, grade sobre os nervos de um Jeisa em estado de choque. Victor Andrade tinha
oferecido graciosamente voar de sua casa, mas ela chamou um serviço de limusine em vez
e se retirou para um canto da mansão que esperar para seu passeio.
Ela olhou ao redor da sala e lutou sua inclinação a correr a partir da preocupação que ela
viu nos rostos de seus amigos. Tinha sido um longo dia, que tinha drenado seu de um
desejo de falar com ninguém. Eu só quero ir para casa. . . onde quer que seja.
- Tem certeza que você não quer esperar por Jeremy para voltar - perguntou Lil, torcendo
as mãos.
Jeisa deixar a sua expressão cansada ser sua resposta. Uma parte dela seria sempre grato
com as mulheres ao seu redor. Eles haviam ficado com ela, mesmo depois que ela lhes
disse que preferia ficar sozinha. Lembrou-se de sua mãe fazendo o mesmo quando ela era
muito jovem, e sua persistência tocou seu coração. É fácil encontrar um amigo para rir com
ele. É mais difícil encontrar um para chorar com ele. Mais difícil ainda encontrar alguém
que sabe que você precisar deles, mesmo quando você tenta afastá-los.
Abby apontou para a porta com uma mão - Nós podemos andar para trás com você, se
você precisar de companhia.
- Não, eu estou bem - A mentira ficou presa na garganta, revelando o quão longe ela foi a
partir desse estado.
A mãe de Jeremy deu um passo adiante, parecendo que queria jogar os braços ao redor
Jeisa e abraçá-la contra o peito. Felizmente, ela não fez. Jeisa não tinha certeza de quanto
tempo ela seria capaz de lutar contra as lágrimas como era. Therese disse - Eu me sinto
terrível sobre como virou hoje para você. Eu sei que não vai fazer você se sentir muito
melhor, mas eu não acho que Jeremy sabia que você estava esperando por ele na cozinha.
Jeisa senti pena para a mulher que estava dividida entre seu amor por seu filho e a
preocupação com a mulher que ele tinha machucado. Ela teria feito uma maravilhosa sogra,
Jeisa pensou, e então queria chutar a si mesma por que lembrete desnecessário do que ela
tinha perdido.
Marie teve uma das mãos de Jeisa na dela - Ele não a ama. Ele te ama.
Uma lágrima correu pelo rosto de Jeisa. Sua forte fachada senti tão frágil que ela temia
uma palavra errada teria ela chorando nos braços de uma dessas mulheres. E o que isso
faria? Só me dê um motivo para estar envergonhado hoje. Não, é melhor ficar com raiva.
- Então, por que ele foi embora com ela?
- Jeremy pode ter uma explicação - Abby disse timidamente.
Jeisa enxugou o rosto e endireitou os ombros - Sinto muito. Sei que estamos todos
tentando ajudar, mas eu realmente não me importo com o que os seus motivos. Eu nunca
vou esquecer o que sentiu ao ficar lá, esperando que ele venha a mim, e depois vê-lo
escolher o seu.
- Sim, foi horrível - Lil concordou plenamente.
- Lil - Marie advertiu.
- Desculpe - disse Lil - Estou apenas reconhecendo que eu não quero ouvir suas
desculpas, também.
- Você não está ajudando - Abby disse suavemente, dando Lil um olhar que teria
silenciado muitos, mas nunca tinha conseguido conter a língua de sua irmã.
- Não, o que não ajudou foi Alethea - Marie disse com alguma repugnância.
- Eu não sei por que Al fez isso. Não é como se ela - Lil protestou apaixonadamente.
Expressão normalmente doce de Abby torceu um pouco com raiva longo purulenta - Não
faça isso. Não defendê-la. Isso foi Alethea clássico.
Lil jogou as mãos para cima em frustração - Isso não é verdade. Eu não posso defendê-la
neste momento, mas isso não quer dizer que eu a amo menos. Ela esteve lá para mim toda
vez que eu precisava dela, e isso significa mais para mim do que um erro. Ela estava errada
hoje, mas ela não é uma pessoa ruim.
- Nós podemos ter que concordar em discordar nesse ponto - Jeisa disse calmamente. Em
mais de uma ocasião Lil tinha dito a ela que Abby precisava deixar de ir ao passado e
perdoar Alethea. Lil poderia ser bastante persuasivo, e Jeisa haviam se aliado com Lil. Até
hoje, quando Alethea tinha provado ser exatamente o que Abby a acusara de ser.
A mãe de Jeremy perguntou - O que você quer nos dizer Jeremy quando ele voltar?
Jeisa respirou fundo. Ele fez a sua escolha. Não há nada a dizer - Diga a ele que eu
preciso de tempo para curar a partir de hoje. I pode se sentir diferente em uma semana ou
um mês, mas por agora, eu não quero nunca mais vê-lo novamente. Diga a ele que se ele
realmente está arrependido, ele deveria me dar tempo. Eu preciso. . .
Com uma voz que de repente estava autorizada em vez de consoladora, Marie disse -
Você precisa de uma mudança de cenário. Vou ligar para o Instituto de Tecnologia de
Watts. Eu tenho ligações lá. Eles estavam interessados em ouvir de você. Você deve ir lá e
ver como você se encaixaria em sua equipe - Seu sorriso era gentil como ela brincou - E
deixe o sorvete em Boston.
Piscar rapidamente para longe de uma onda de lágrimas frescas, Jeisa jogou os braços ao
redor Marie, sentindo-se um pouco ridículo, como ela fez. Ela se afastou e disse - Eu sei
que não tenho nada do que reclamar. Minha vida é maravilhosa. Tudo que você tem sido
tão bom para mim. Eu preciso estar trabalhando em algo parecido com o projeto de água
para que eu possa lembrar o que é realmente importante. Há pessoas que estão vivendo em
um estado de sofrimento a cada dia. Em comparação, os meus problemas são ridículas.
- Califórnia soa como uma boa escolha para você - Abby disse - mas dar a si mesmo
permissão para estar triste com o que aconteceu hoje. Você está certo, estamos
incrivelmente felizes e devemos lembrar que todos os dias de nossas vidas, mas isso não
significa que não se machuque - Abby deu um abraço caloroso Jeisa - Você não está
sozinho. Nicole e Stephan gastar metade do seu tempo na Califórnia. Maddy vem tentando
convencer Richard abrir um restaurante lá fora. Todos nós somos apenas um telefonema de
distância.
Lil estendeu a mão até a orelha como um telefone e disse - Se você precisa sair, ficar
bêbado e estúpido para esquecer tudo isso. . . - Sua oferta chegou a um impasse lento sob o
olhar de desaprovação do equivalente a três mães. Ela largou a mão dela e mudou o seu
discurso na mosca - Não faça isso. Porque beber é ruim.
Abby cobriu o rosto com a mão e riu.
Marie balançou a cabeça e abraçou Lil. Ela disse - Você deve ter sido um inferno sobre
rodas em sua adolescência.
Abby gemeu, mas suas próximas palavras demonstravam tanto humor e amor - Você não
tem idéia.
Suas brincadeiras trouxeram um sorriso relutante em lábios de Jeisa - Eu vou perder
todos vocês.
A empregada entrou e anunciou a chegada do carro de Jeisa. Therese perguntou - Então,
você está indo para São Francisco?
Jeisa assentiu – Sim - Ela olhou para as mulheres de apoio em torno dela e prometeu -
Mas eu vou manter contato.
Depois de um abraço final para cada mulher, Jeisa desceu as escadas e entrou na
limusine que prometeu levá-la para longe do que tinha sido um dia muito ruim.
Capítulo Dezesseis

Uma semana depois, Jeisa estava de volta em seu apartamento em Boston, arrumando
suas coisas em caixas de papelão. Levou alguns dias, mas seu pai tinha finalmente a levado
de volta para o Brasil para se tranquilizar. Ele prometeu chamá-la semanalmente em vez de
diariamente, de modo que eles estavam fazendo progresso. Por seu pedido, eles não tinham
falado de Jeremy, e não uma vez.
Era uma regra cobertor que tinha emitido para todos. Não mencionar o seu nome ou
naquele dia. Apenas deixe-me curar.
As únicas lembranças dolorosas que permaneceram foram as mensagens deixadas
Jeremy periodicamente em seu telefone celular pedindo que ela ligue para ele. Mas ela não
podia. Ainda não. Ela ainda estava tão irritada com ela mesma enquanto ela ainda estava
com ele. Que mulher sã dorme com um homem que claramente ama alguém? A um
desesperado.
E isso não é comigo.
Não mais.
Foi muita sorte de ter uma mulher como me preocupo com ele em tudo. Ao contrário de
Alethea, eu queria que ele do jeito que ele era.
Alethea. Foi difícil não se deixe intimidar por uma mulher que parecia e agia como se ela
pertencia a um filme de James Bond. Claro Alethea tinha vencido. Ela lutou, e cruelmente,
pois o que ela queria.
E eu não queria lutar em tudo.
Como de costume.
Bem, isso não é inteiramente verdade, eu lutei por isso. Jeisa chutou uma das caixas de
papelão já embalados e imediatamente se arrependeu, como dor atravessou seu pé. Com
renovada determinação, ela disse a si mesma - Este é um novo começo. Sem mais mentiras.
Não há mais desculpas. Não há mais homens. De agora em diante, é só me e o trabalho que
eu possa fazer sobre o projeto de água.
Se tudo correr bem, segunda-feira iria encontrá-la em seu novo escritório no campus
WIT, ajudando a angariar fundos GWP para começar a produção. Havia bastante trabalho
para mantê-la ocupada, espero tão ocupado que ela poderia esquecer o quão triste ela era.
Ela saltou quando o telefone tocou. Ou era Jeremy, caso em que ela não quer responder,
ou se foi outra pessoa e ela não tem a energia para conversa fiada. Ela olhou para o
identificador de chamadas.
Alethea?
Não respondê-la.
Eu não posso deixar de responder. Eu quero saber o que ela tem a dizer.
Não, eu não faço.
Sim, eu faço.
Jeisa respondeu seu telefone em um tom mais alto do que ela gostaria - Olá?
A linha ficou em silêncio por um momento e, em seguida, Alethea disse - Jeisa, eu sei
que eu sou provavelmente a última pessoa que você quer falar, mas...
Mas você quer tripudiar? Você quer me dizer como as coisas são maravilhosas, agora
que você tem Jeremy? Ou pior, fingir que me importa que você me machuque?
- Você é - Jeisa disse friamente.
Alethea começou tudo de novo - Eu quero pedir desculpas pelo que eu disse a você no
Andrades.
- Por que pedir desculpas? Você conseguiu o que queria.
Alethea ficou em silêncio por um momento. Então ela disse - Eu não estou com Jeremy.
Eu nunca fui e nunca vou ser. Eu disse algo estúpido, porque eu estava frustrado que queria
vê-lo antes de sair e irritado com o que você me disse - Quando Jeisa não disse nada,
Alethea acrescentou - Ele nunca se importou comigo do jeito que ele se preocupa com
você.
Mágoa e raiva percorreram Jeisa. Ela não queria ouvir falar de Jeremy em tudo, e
certamente não a partir desta mulher em particular - Realmente não importa se você ainda
está com ele ou não. Ele escolheu você naquele dia.
- Não, ele foi comigo, porque ele queria protegê-lo a partir do que tinha feito e eu disse-
lhe que envolve você colocaria em risco a você.
Não. Não. Não. Não vacile. Só vai doer mais se você fizer. Jeisa soltou um suspiro - Por
que eu deveria acreditar em você?
Houve uma humildade surpreendente resposta de Alethea - Jeremy e eu éramos amigos
de uma espécie. Bem, ele era um amigo para mim. Eu não era muito de um amigo dele.
Demorou vê-lo sofrendo por ter perdido você para entender quão egoísta eu fui. Ele é um
homem bom e ele merece alguém melhor do que eu. . . Alguém como você.
Jeisa limpou a garganta da emoção que a entupiu - Eu fui ingênua, mas não sou estúpido.
Você não faz nada a não ser que haja alguma coisa para você. Eu não vou deixar você me
usar para corrigir a situação que você criou quando apareceu no Andrades - Então, muito
obrigado para o pedido de desculpas, mas você vai ter que encontrar outra forma de
redenção - Com a força silenciosa, Jeisa clicado seu telefone.
Como tensão pulsava através de seu corpo, Jeisa sentou-se pesadamente sobre uma pilha
de caixas atrás dela. E se Alethea estava dizendo a verdade?
E se eles não estão juntos?
E se ele me ama?
Será que ele realmente sair naquele dia, porque ele queria me proteger?
Ela correu as cenas em sua cabeça uma e outra vez. Uma vez que ela colocou de lado a
humilhação esmagadora do dia, ela não sabia o que pensar.
Como seria o dia ter terminado, se meu pai não tivesse aparecido? Se eu não tivesse
mentido sobre onde eu trabalhava? Se eu tivesse levantou-se para o que eu queria? Se eu
não tivesse esquecido de ligar o meu telefone depois de nossa viagem? Se eu tivesse
chamado Jeremy para avisá-lo sobre a visita do meu pai? Se eu tivesse confiado nele? As
listas de – se – de perguntas eram infinitas.
Os cenários alternativos não eram tão significativos como o que tinha realmente
acontecido. Eu não avisá-lo. Eu não confio nele. Eu não acreditava que ele me amava.
Onde isso nos deixa?
Quebrado e irreparável.

Jeremy passeou no que seria em breve deixará de ser seu escritório no edifício dos Corisi
de Nova York. Ele já tinha esvaziado o seu escritório de Boston. Dezessete dias, nove horas
e 43 minutos desde que ele tinha deixado Jeisa de pé no foyer da casa de Andrade, e ela
ainda não estava respondendo a seus telefonemas. Felizmente, seu pai era.
- Alô? - Jeremy disse em que ele esperava que fosse um sotaque brasileiro.
Romário respondeu rispidamente em Inglês - Sim?
- Como Vai, gatinha? - Jeremy perguntou alegremente.
Com um grunhido impaciente, Romário disse - Eu não sou um gatinho e eu estou prestes
a entrar em uma reunião. O que você precisa?
Jeremy pôs Romário no viva-voz para que ele pudesse procurar o telefone dele para
algumas frases que ele estava observando desde que ele decidiu aprender Português para
Jeisa - Merda, me desculpe. Devo ter olhado para a lista errada, esta manhã. Como você diz
que seu futuro pai-de-lei em Português?
- Não vamos apressar o seu bilinguismo, ou a sua relação com a minha filha. Existe algo
que você precisa neste exato momento?
Jeremy ouviu falar, mas não se intimidou com o tom brusco de Romário - Eu queria que
você soubesse que tudo está no lugar de WIT. Eu já instruí o líder do projeto para mantê-lo
em segredo até eu chegar lá. Eu voar para fora esta noite, mas eu vou tentar vê-la amanhã.
- Você me disse isso ontem - Romário lembrou-lhe não muito gentilmente.
- Sim, mas você disse que iria falar com Jeisa hoje e eu queria perguntar.
Com um suspiro, Romário disse um pouco mais gentilmente - Não, ela não mencionou
você, Jeremy.
Jeremy sentou-se pesadamente na cadeira atrás de sua mesa - Eu amo a sua filha e vou
reconquistá-la.
- Eu não tenho dúvida de como você se sente, Jeremy, desde que você proclamou que
todos os dias desde que voltei para o Brasil. Tenha em mente, no entanto, que, se ela me diz
que ela não quer vê-lo depois de amanhã e você persistir, vou ter que voltar caçá-lo e
garantir que ninguém nunca ouve de você novamente.
Jeremy fez uma pausa na ameaça. Ele não tinha certeza se Romário estava falando sério
ou não, mas ele decidiu tranqüilizá-lo de qualquer maneira - Isso não será necessário,
porque isso vai funcionar. Eu sei que posso levá-la para me perdoar.
- Eu espero que sim, porque ela se preocupa com você. Essa é a única razão que eu estou
indo junto com tudo isso. Ela é o lugar onde ela disse que queria ser, trabalhar no que ela
disse que queria fazer, mas ela ainda soa triste.
- Isso vai mudar amanhã. Nós vamos mesmo nome do nosso primeiro filho depois de
você - brincou Jeremy prometeu. Quando Romário fez um pouco de um som de assobio,
Jeremy alterada rapidamente - Uma vez que estamos casados, é claro.
- Até logo - disse Romário. No entanto, em vez de desligar, como normalmente fazia, ele
acrescentou - Seja bom para a minha filha, Jeremy.
O pedido baixinho expressou Jeremy levou de surpresa e falou volumes do amor de
Romário para sua filha. Que confiava Jeremy com seu coração era uma honra humilhante, e
que Jeremy levou a sério - Eu vou - ele jurou - Eu vou te dizer como vai ser - Como ele
disse as palavras, ele imaginou como ele esperava que o dia fosse acabar e correu para se
corrigir - Não de imediato, e não tudo. Apenas o que é apropriado para lhe dizer. Não que
alguma coisa imprópria vai acontecer.
Com um gemido de dor, Romário disse - Talvez você deve deixá-la me contar. Boa sorte.
Poucos minutos depois, Jeremy ainda estava sentado em sua cadeira olhando para o teto,
como ele repetiu a conversa em sua cabeça. Liguei para o pai de Jeisa e disse gatinho.
Ele cobriu o rosto com uma das mãos.
Eu provavelmente deveria manter o meu pedido de desculpas a Jeisa estritamente em
Inglês.
Sentado em frente, Jeremy tirou as três caixas de anel do bolso. O que parecia ser uma
boa idéia, há algumas semanas agora se sentia tolo. Ele não precisa de três anéis de noivado
para conquistar o coração de Jeisa, e ele não estava mais confuso sobre qual ela deseja.
Os seis quilates de diamantes que o joalheiro havia sugerido agora pareciam exagerado
em comparação com os outros dois. Jeisa bem vestidos, mas ela não ostentar sua riqueza.
Ela não gostaria de usá-lo, especialmente quando ela trabalhou em projetos de caridade. A
esposa claro diamante de Tim tinha escolhido era uma beleza clássica, mas qualquer mulher
iria adorar e qualquer homem pode ter comprado ele. Ele não falou com a beleza específica
de quem Jeisa era. O diamante de corte verde princesa continha um toque de azul nele, o
que Jeremy tinha lido era raro porque as circunstâncias necessárias para transformar um
diamante azul verde eram quase impossíveis. A presença de boro com um baixo nível de
nitrogênio produzido um diamante azul, enquanto a radiação havia feito um diamante se
tornar verde um pouco além da superfície. Para ele, Jeisa era um diamante azul-verde:
bonita na superfície, complexa e precioso por causa do seu núcleo.
Ele estava olhando para o anel de noivado escolhido quando Dominic e Jake entraram
em seu escritório. Dominic sentou-se na cadeira em frente à sua mesa e Jake tomou o
assento em frente a ele.
- Então, é isso. Seu último dia aqui - disse Dominic em uma maneira longa que Jeremy
tomou como prova de que ele desejava que não fosse.
- Você ainda pode chamar-me para solucionar problemas para você, no entanto - Jeremy
ofereceu sinceramente. Seu lugar era na Califórnia com Jeisa, mas ele perderia esses
homens. Ele pode ter levado um tempo para ganhar o seu respeito, mas ele valorizou ainda
mais porque não tinha sido dado livremente.
Jake fez uma oferta generosa de sua autoria - Se ele não sair do jeito que você planejou,
você pode voltar.
Os lábios de Jeremy diluído com determinação - O fracasso não é uma opção.
Dominic sorriu com orgulho, como se Jeremy tinha atingido seu primeiro home run.
- Esse é o espírito. Não aceite um não como resposta.
Sempre a voz da razão, Jake balançou a cabeça e respondeu - Se ela diz que não, e então
essa é a sua resposta. Considere a possibilidade de que ela está ignorando o telefone chama,
porque ela realmente não quer falar com você.
- Jake, você nasceu um desmancha-prazeres ou fez internato fazer isso para você? -
Dominic perguntou sarcasticamente.
- Me desculpe se eu preferia não ter de recomendar um bom advogado para ele, porque
ele tomou o seu conselho ao pé da letra.
Desfrutar plenamente o tênis-como brincadeiras, Jeremy recostou-se na cadeira e sorriu.
Dominic esclareceu sua sugestão com uma camada pesada de ironia em sua voz.
- Jeremy, não atacar a pobre moça. Limpar o suficiente?
- Mas o seqüestro é aceitável? - Jeremy não poderia deixar de se referir à forma
controversa Dominic tinha cortejado sua esposa.
Apesar de suas pálpebras baixaram, em resposta, um pequeno sorriso apareceu nos lábios
de Dominic. Ele balançou a cabeça com humor.
- Eu vou ficar com meu plano original - Jeremy tranquilizou Jake.
- Como você está sendo recebido por aí - perguntou Jake, voltando a um tema menos
volátil.
- Marie disse que ela gostaria de encontrar algo para mim. Mandei de volta o jato eu o
arrendei e é realmente muito longe para o helicóptero. Ele ia perder Marie, também. Em
pouco tempo, ela o fez se perguntar como ele tinha chegado bem sem ela. Não era de
admirar que os dois homens antes dele eram tão leais a ela. Ela era a cola que mantinha
juntos.
Dominic interrompeu seus pensamentos com uma oferta incomum - Eu tenho um plano
adicional particular eu não uso freqüentemente. Você pode pedir o que você quiser. É muito
bom. Eu só compro o melhor.
Eu sei. Calor cheio o rosto de Jeremy como ele se lembrou de como intimamente
familiarizado ele e Jeisa já estava com aquele avião - Eu estou bem com o que Marie
encontrado para mim - Tempo para uma mudança de assunto - A palavra na rua é que
Sliver passou à clandestinidade após a sua identidade foi exposta. Seu verdadeiro nome é
Stanley Parker. Não admira que ele passou por Sliver online. É difícil para temer um
Stanley - Run, Stanley está chegando! Veja, ninguém se importaria - Enquanto Jake e
Dominic riram de sua piada, Jeremy mudou-se para um assunto mais sério - Não confie
nele para ficar fora, no entanto. Sliver é mais perigoso agora do que era antes. Ele não tem
nada a perder e todo o tempo do mundo para planejar sua vingança. E ele vai tentar nos
pagar de volta para o passeio ele. Eu me sinto terrível sobre o envolvimento com ele.
Instantaneamente, o humor de Dominic dissipado. Por um momento, ele era o homem de
seus inimigos temido, cruel e enrolado para atacar - Você não fez. Stephan fez isso.
Jake continuou em um tom racional destinado a acalmar o amigo - Temos pessoas de
rastreamento Sliver. Saberemos de imediato, se ele tentar qualquer coisa de novo.
- Eu espero que sim – Jeremy queria ser correto.
- Então, você se matriculou na WIT? - Jake perguntou em mais uma tentativa de
redirecionar a conversa para longe da desagradável.
Jeremy sorriu - Sim. Você ficaria surpreso com a rapidez com que pode processar a
papelada quando você dá a sua escola uma doação substancial.
- Eu tenho certeza.
Dominic esticou os braços para fora e referenciada a construção em torno dele - Você
pode se afastar de tudo isso? Sua renda anual potencial, mesmo se mantido apenas aos
projetos nacionais mais seguras, teria trazido mais do que muitos CEOs fazer.
Para Jeisa, eu posso. Minha transformação ainda está em andamento, mas desta vez eu só
poderia ter direito - Eu ainda vou fazer malabarismos alguns trabalhos freelance para
manter a minha mão nele, mas a coisa toda Tenin me ensinou alguma coisa, eu tenho muito
a aprender antes de eu jogar no nível mundial novamente. Por agora, eu vou estudar ética e
relações internacionais - Ele se inclinou em sua cadeira e disse - Dom, você estava certo.
Eu estava no caminho errado.
- Eu acredito que eu disse isso primeiro - afirmou Jake, alegando que o seu devido
crédito.
- Mas você não é o seu herói - Dominic bateu no peito o orgulho-inchado - Eu sou o
único que olha para cima.
Um pensamento bateu Jeremy e ele compartilhou isso espontaneamente - Eu sei que
vocês dois, Alessandro e Victor me lembraram.
Jake franziu a testa - Ele nos chamou de velho.
Acenando com as mãos, Jeremy riu e correu para esclarecer - Não, eu quero dizer isso.
Victor faz com que todos os discursos, mas Alessandro tem sempre as costas. Você é como
Batman e Robin, mas menos ambiguamente orientado.
Dominic levantou-se abruptamente - Eu não vou perguntar o que isso significa, porque
eu não quero ter que te machucar.
Jake também se levantou e, em um tom seco, brincou - Eu deveria explicá-lo, Dom,
mesmo porque ele me fez Robin nessa analogia.
Marie entrou no quarto, assim como a brincadeira começou a azedar - Há tudo o que
você é. Jeremy enviei o seu itinerário para o seu telefone. Você checou isso?
Jeremy se levantou e gratidão olhou para o seu telefone - Legal, um Citation X. Esses
jatos podem ir 700 milhas por hora. Onde você encontrou isso?
Dominic resmungou baixinho. Muitas vezes, era melhor não perguntar a ele se repetir.
Sua expressão fez a sua escolha de palavrões fáceis o suficiente para adivinhar.
Jeremy decidiu focar no positivo e disse - Obrigado, Dom. Eu não sabia que avião que
você estava me oferecendo. Eu adoraria tentar essa.
- Minha generosidade me espanta mesmo, às vezes - Dominic disse, e olhou diretamente
para Marie, que não parecia incomodado por seu comentário.
- Um homem só corre atrás da mulher dos seus sonhos, uma vez em sua vida, ele deve
fazê-lo em grande estilo - Ela sorriu sua aprovação em Jeremy.
Não está pronto para aceitar o que ele estava começando a ver pode ser a ponta de um
iceberg muito maior de generosidade, Dominic resmungou - Você emprestar qualquer outra
coisa fora da mina, Marie?
Suas bochechas ficaram rosadas quando ela respondeu de forma inteligente - Só quando
eu quiser.
A risada de Jake cresceu através do escritório e no corredor.
Olhando para cada bit a inocente, mulher gentil que ela fingiu ser, Marie docemente
acrescentou - Por que temos tantos brinquedos, se você não está indo para compartilhá-los?
Despenteando a compostura era quase tão divertido como alfinetar Dominic. Com o que
ele esperava que fosse tão inocente de uma expressão, Jeremy sugeriu - Você deve usar
uma delas para voar até lá para ver o pai de Jeisa.
Rosa se espalhar para baixo do pescoço de Marie com o pensamento. Por um momento,
ela olhou para uma perda para o que dizer, o que só torna a situação muito mais divertido.
Finalmente, ela alisou o cabelo já perfeitamente preparado e disse - Por que eu faria isso?
Eu realmente não deveria provocá-la, mas talvez ela precisa de um pouco de improviso
de vez em quando. Na medida em que Jeremy tinha ouvido falar, Marie não tinha
namorado desde que seu marido faleceu anos atrás. Ela merecia tanta felicidade em sua
própria vida como ela ajudou outros bem na deles. E realmente, ela poderia fazer pior do
que Romário. Como Dominic, seu rugido era pior do que sua mordida - Ele pergunta sobre
você às vezes.
- Ele - perguntou Marie, tentando, mas não conseguindo soar como desinteressado.
Aha! Ela gosta dele - Sim, eu falo com ele diariamente e ele mencionou que pelo menos
cinco vezes.
Alheio ao corrente da conversa, Dominic focado no que ele achou divertido - Você
conversa com Romário diária? Ele deve adorar.
Marie castigado Dominic na forma maternal que ela sempre fazia - Não seja cruel,
Dominic. Você sabe que Jeremy quer realmente o pai de Jeisa a gostar dele.
Dominic encolheu os ombros como o filho petulante ele se tornou quando ela o corrigiu.
- Cruel? Dois minutos atrás, ele questionou a minha orientação.
- Ninguém gosta de um dedo-duro - Marie disse com um tsk, tsk, então piscou, e os três
homens invadiram o riso. Ela andou até Jeremy e fixou o empate, limpando a garganta
como ela fez - Nós vamos sentir sua falta.
Ele a abraçou, sabendo que mesmo que ela não era uma pessoa de demonstrar, ela
brilhava no rosto de afeto daqueles que importava - A Califórnia não é tão longe. Vamos
voar de volta para ver vocês tão frequentemente quanto possível.
Em tom serio, mas sorrindo, Marie deu um passo atrás e acenou com a aprovação - Eu
não posso acreditar no quanto você mudou desde que nos conhecemos.
Jeremy corou sob sua atenção.
Marie escovou um pontinho de fiapos do ombro de Jeremy - Basta lembrar que uma
mulher apaixonada não importa qual plano você mostrar-se ou quanto você gastou em seu
terno - Marie pousou a mão sobre o coração de Jeremy e disse - Jeisa ama o homem bom
que todos nós sabemos que você é. Tudo que você tem que fazer para reconquistá-la é ser
esse homem.
- Não se preocupe, eu tenho um plano - assegurou ela.
Marie deixou cair sua mão e deu um passo para trás, mas segurou seus olhos - Espero
que este plano envolve dizendo a ela que você a ama e que você sente muito - Ela olhou
para os outros dois homens no quarto e avisou - Se alguma coisa der errado, me ligue antes
deles.
Dominic cobriu o coração como ele fingiu lesão - Isso dói, Marie.
Jeremy pegou a mão dela em seu por um momento e expressou algo que ele quis dizer a
muito tempo - Eu sempre serei grato a você, Marie. Você foi bom para mim quando todo
mundo me via como uma brincadeira.
Com seus olhos embaçados de emoção, ela deu a mão um aperto de apoio - Você nunca
foi uma piada, Jeremy. Você foi um herói em um mau exemplo.
Jake estremeceu - Muito mau mesmo - Seu humor bem cronometrada aliviaram o humor.
Todos os três homens sorriram para a memória do que me senti como uma outra vida.
Jeremy voltou para sua mesa e tirou um papel. Ele entregou a Jake - Eu escrevi este
currículo para um amigo meu. Eu não vou ter um negócio capaz de empregar a ele por um
tempo, mas eu estava esperando que você poderia encontrar-lhe uma boa posição de
pagamento nas Empresas Corisi.
Jake ao ler o currículo de forma rápida, virou de ponta cabeça, e então olhou para Jeremy
com alguma confusão - Este é um currículo. Tudo o que diz é que ele tem sido um porteiro
durante os últimos dez anos.
Jeremy assentiu - Sim, tanto quanto eu sei que isso é tudo que ele fez.
- E você quer que ele funcione como um homem de segurança aqui - perguntou Jake.
- Não, eu gostaria de vê-lo em uma posição de escritório com um bom salário - Qual é a
boa sorte se você não compartilhá-lo com as pessoas que o apoiaram ao longo do caminho?
- Fazer o quê, exatamente? - O tom de Jake fez pouco para esconder seus pensamentos
sobre o assunto.
Não se preocupe, Tim. Ninguém acreditava em mim, também - Eu não sei, mas eu tenho
certeza que ele pode aprender mais rápido. Ele é um homem inteligente.
Jake balançou a cabeça e explicou pacientemente - Business não funciona dessa maneira,
Jeremy. Ele tem que ter algum tipo de habilidade para eu recomendá-lo a um de nossos
departamentos.
- Você deve a este homem alguma coisa? - Dominic cortou Jake.
- Só gratidão. Eu gostaria de ver algo de bom acontecer para ele.
Sempre a voz da razão, Jake perguntou - Você já perguntou? Talvez ele não aceite.
Dominic falou sobre ele de novo - Mande-o para mim. Eu vou encontrar alguma coisa
para ele.
Sim! - Obrigado Dom.
Dominic foi até seu parceiro de negócios se vangloriando e lhe deu um tapa nas costas.
- É por isso que eu sou o Batman.
Jake revirou os olhos e apelou aos poderes acima para ajudar, então riu. Jeremy se
juntaram, seguido por Marie e Dominic.
Marie voltou sua atenção para Jake e perguntou - Jake, como é o casamento que vem
junto? Eu pensei que você estava atirando para um casamento do inverno, mas agora parece
que você está esperando para a Primavera. Devo dar uma chamada em Lil? Você está tendo
dificuldades para encontrar locais?
Dominic apontou para a porta - Vamos lá, Jeremy. Parece que vai ser um tempo.
Enquanto caminhavam para a porta juntos, Jeremy ficou impressionado com o quanto
tinha mudado entre eles ao longo das últimas semanas. Virou-se para Dominic e disse.
- Obrigado por me ajudar a quebrar os laços com Tenin, e para tudo o resto. Cada um de
nosso povo chegou em casa com segurança. Eu não sei se isso teria acontecido sem a sua
ajuda.
Dominic balançou a cabeça lentamente. Ele não era um homem que aceitou a gratidão, e
Jeremy adivinhou que era porque ainda era uma experiência nova para ele. Em sua jornada
para encontrar a si mesmo, Jeremy tinha aprendido que ele não estava sozinho nessa busca.
Mesmo seu ídolo tinha perdido e abriu caminho de volta, fato que fez Jeremy admirá-lo
mais em vez de menos. As pessoas ao redor de Dominic não compartilharam muito sobre
sua vida privada, mas os antigos artigos de jornal que Jeremy encontrou on-line descreveu
uma infância dolorosa que Jeremy não podia sequer imaginar. Sua própria experiência tinha
sido um cheio de tristeza ao invés de violência. Ainda assim, ele sentiu a necessidade de o
homem. A mesma parte dele que tinha cuidado de seu próprio pai por tanto tempo,
estendeu a mão e ofereceu consolo para um homem que, se solicitado, teria negado precisar
dele - Eu sei que você não é muito mais velho do que eu, mas eu tenho que dizer alguma
coisa. Eu costumava imaginar o que meu pai seria como se ele não tivesse sido tão mal. Eu
gostaria de pensar que ele teria sido como você.
A mandíbula de Dominic apertou e ele desviou o olhar - Peço a Deus que eu faço melhor
do que o meu fez - Mais uma vez, Jeremy foi dado um vislumbre do homem torturado sob a
fachada de durão. Então Dominic disse - Sai daqui, Jeremy, eu tenho uns telefonemas para
fazer.
Como Dominic se afastou, Jeremy disse - Você vai ser um pai incrível, Dom.
Dominic não parou, mas Jeremy sabia que ele tinha ouvido falar dele, e isso era
suficiente.
Capítulo Dezessete

Devido ao próximo feriado de inverno, o campus estava estranhamente vazia quando


Jeisa chegou WIT, e que tinha trabalhado bem para ela. Com a maioria do corpo discente
foi, ela foi capaz de se reunir com a cabeça no projeto várias vezes. Ela alugou um pequeno
apartamento em uma área tranquila, a curta distância da universidade e passou suas noites
fornecimento do modesto quarto.
Era impossível não se perguntar como Jeremy era, ou sentir alguma tristeza ao perceber
que as coisas tinham realmente acabado entre eles. Suas freqüentes tentativas de chamá-la
tinha diminuído para uma vez por dia e, em seguida, finalmente parou completamente.
As coisas acontecem para o melhor, não é isso que todo mundo diz?
Talvez eu precisava ter meu coração partido para me encontrar.
Jeisa entrou no edifício principal que abrigava o GWP e usou seu código de acesso para
entrar nos escritórios administrativos ao lado do laboratório. Ela não esperava um escritório
próprio. A maioria das pessoas do departamento receberam um canto do grande escritório-
central, algumas mesas ainda compartilhadas. Talvez eles pensaram ser a filha de um
conhecido político fez um membro valioso da equipe. Ainda assim, foi um pouco de
surpresa, considerando a honestidade que ela exibiu durante a entrevista sobre sua falta de
experiência real.
Tudo em tudo, todos tinham sido muito bom, um pouco estranho às vezes, mas
agradável. A estudante de graduação loira pico de cabelos que tinha adorado Jeremy
durante sua primeira visita suspirou dramaticamente cada vez que ela viu Jeisa. No segundo
dia de Jeisa no departamento, ela caiu em seu escritório e perguntou - O que é que gosta de
ser você?
Não é bem certo que a mulher estava pedindo a ela, Jeisa tinha referenciado o quarto em
torno dela e disse - Eu sou grato pela oportunidade que me foi dada, e eu pretendo trabalhar
meu rabo fora para mostrar a todos que eu mereço.
A mulher olhou para o céu, balançou a cabeça, disse algo sob sua respiração, depois à
esquerda.
Jeisa abriu a porta de seu escritório agora e sorriu quando viu a cesta de frutas em sua
mesa. Ela se aproximou e releu a carta - Por favor, venha se juntar a nós para o jantar neste
fim de semana. Vamos mandar um carro. Nicole e Stephan.
Estavam chegando presentes diariamente e tinha-se tornado uma espécie de piada no
escritório. Abby tinha enviado um pacote de cuidados completo de material de escritório,
tudo a partir de papel de carta personalizado para um agrafador muito prático. Em cada
canto do seu escritório estavam cheios de flores dos Andrades, chocolates de Maddy, e
cartões de ambos os seus amigos americanos e brasileiros. O apoio esmagador que ela
recebeu foi humilde e fez um pouco de vergonha que ela não confiou-los a apoiar o seu
sonho.
Mesmo que seu pai havia mudado sua postura. Ele enviou-lhe uma cadeira de couro
ridiculamente caro para colocar atrás de sua mesa. Ela queria dizer - Eu estou trabalhando,
não morrendo - Mas ela não fez.
Eu não preciso de simpatia, eu preciso de um pontapé na bunda.
Ela olhou para fora da janela de seu escritório e viu um casal a pé, de mãos dadas, rindo
de alguma piada secreta. Ela queria abrir a janela e avisá-los para saborear cada segundo
dele no caso, não durou muito.
Marie tinha dito você se encontra quando você luta por algo que é importante para você.
Você perde a si mesmo quando você não faz? WIT era tudo o que ela tinha sonhado que
seria, mas estar lá não tinha feito tão feliz quanto ela pensava que seria.
Porque quando se importava, eu corri.
A vista da janela de seu escritório turva como Jeisa voltou seus pensamentos para dentro.
Ela encontrou-se de volta nos Andrades, à espera de Jeremy por vir. A cena da cozinha
desapareceu quando ela se lembrou de como seu helicóptero parecia repleto de rosas. Se eu
tivesse sido mais corajoso, ele teria proposto. Se eu tivesse esperado que ele voltasse para
mim naquela noite, ainda podemos ficar juntos.
Mas eu estava machucado.
E com raiva.
E medo, muito medo de arriscar a abrir meu coração novamente para o tipo de dor que eu
senti quando ele saiu com Alethea.
Jeisa pegou seu celular e ligou para seu pai. Em Português, ela disse - Papai, você está
ocupado?
- Jeisa? O que há de errado? - Ele parecia preocupado, e ela imediatamente se sentiu
culpada por nunca ligar para ele. Em vez de dizer ao pai o que ela precisava dele, ela
sempre evitou confrontá-lo. Ela estava começando a ver um padrão no comportamento
dela, e não era que ela gostava.
- Eu estou bem, pai. Se você tiver um minuto, eu quero pedir a sua opinião sobre alguma
coisa.
Ela ouviu seu pai dizer a sua secretária para realizar suas chamadas e, em seguida, fechar
a porta de seu escritório - Fale comigo, Jeisa. Você sabe que eu vou te ajudar com tudo o
que isso é.
Os olhos de Jeisa encheram de lágrimas. Ela sufocou uma pergunta que ela estava
perguntando-se muitas vezes recentemente - Você acha que eu sou um covarde?
Com uma voz profunda, com emoção, o pai dela disse - Oh, querida.
Chorosa, Jeisa persistiu - Não, eu estou falando sério. Eu minto quando eu não quero
aborrecer alguém. Eu fujo do que eu não quero enfrentar. E se isso é o que eu sou? Como
faço para parar? O que eu faço?
Seu pai não disse nada no começo, depois limpou a garganta e disse - Só você sabe as
respostas para essas perguntas, mas a minha filha não é um covarde. Minha filha saiu de
casa para seguir seus sonhos e ela está fazendo a diferença no mundo. Ela é uma jovem
corajosa e bela. Parte do crescimento, Jeisa, é assumir a responsabilidade pelo papel que
desempenham em seus próprios erros e seu próprio destino. Talvez você não estava pronto
para fazer isso antes, mas você está pronto agora. As coisas melhoram quando você torná-
los melhor.
Enxugando uma lágrima perdida, Jeisa disse com crescente determinação - Eu vou, pai.
Eu realmente vontade - Não há mais desculpas. Sem perder mais tempo tentando descobrir
o que estava errado ou porque eu fiz os erros que eu tenho. Você está certo, a única forma
de as coisas podem melhorar é se eu assumir a responsabilidade pela minha felicidade.
Talvez seja tarde demais para Jeremy para me perdoar. Talvez eu tenha duvidado que ele
estava certo de me amar, mas ele merece ouvir o meu pedido de desculpas. Nosso amor
merece uma chance e eu vou dar-lhe um. Não vou esconder mais atrás de raiva ou medo.
Eu vou ser o tipo de coragem que Jeremy sempre foi, e se estamos destinados a ser, ele vai
me perdoar.
Depois de uma breve pausa, ela disse - Eu tenho a próxima semana fora para as férias de
inverno. Você gostaria de me encontrar em Boston?
- Boston? - Seu pai perguntou rapidamente.
- Eu decidi voar para lá, pai - Como Jeisa disse as palavras, ela se tornou cada vez mais
certeza de que era a coisa certa a fazer. O que está me impedindo de voar para fora esta
noite? Nada. Ela disse - Eu vou encontrar Jeremy e pedir desculpas a ele. Eu preciso fazer
as coisas entre nós. Eu não vou comprometer o que eu tenho aqui, mas eu deixei meus
medos nos manter separados por muito tempo. Eu o amo, papai, e se ele ainda me ama Eu
vou me casar com ele.
O pai de Jeisa fez um som borbulhante - Não deixe a Califórnia ainda.
O que ele não me contou? - Eu pensei que você gostava do Jeremy.
Com um gemido, Romário disse - Eu sei, mas você tem uma surpresa chegando e você
tem que estar na Califórnia para recebê-lo.
A surpresa? Trata-se de mais móveis? - Pai, eu te disse que eu não preciso de mais nada.
- Só me prometa que não vai sair até amanhã à noite - A força do seu pedido dissolvido
restantes protestos de Jeisa. Esperar não seria fácil, mas seu pai nunca pediu para algo
como isso, então ela concordou.
- Ok, eu vou reservar um vôo para o dia seguinte e eu te ligo quando eu chegar o pacote.
Romário respondeu vagamente - Me ligue quando você receber uma chance. Não há
pressa.
- Eu vou - Pouco antes de ela desligou, ela disse - Eu te amo, papai.
- Eu também te amo, querida - Romário disse, e desligou.
A estudante de graduação loira veio correndo solta no corredor - Jeisa, parece que você
tem uma outra entrega.
Já?
Antes que ela reuniu seus pensamentos sobre o assunto, quatro homens mais velhos
vestidos com camisas brancas, calças brancas e colete com listras vermelhas, entrou em seu
escritório. Atrás deles, a tripulação esqueleto do departamento se reuniram. Um dos
cantores se apresentaram como WIT é um grupo a capela. Eles dispararam para harmonizar
e começou a cantar:

Jeisa, Jeisa, você está aqui


Desejo que você não se moveu até agora
Não fique triste, você não está sozinho
Estamos tão perto como o seu telefone
Espero que você gosta de seu novo trabalho lá
Chame-me se você quer uma cerveja
Abby disse que odiaria essa atenção
Então, se ela chama por favor, não mencione
Jeisa, Jeisa, não ser azul
Espero que você riu
Nós te amamos
De Lil e Jake
Lágrimas de felicidade se reuniram nos olhos de Jeisa. Nunca em sua vida ela tinha
imaginado que tantas maravilhosas, pessoas que cuidam que a cercam.
Um dos cantores perguntou sem graça - Devemos cantar de novo ou ir embora?
Jeisa sorriu em meio às lágrimas e enfiou a mão na bolsa, entregou um deles uma gorjeta
generosa e disse - Não, obrigado. Você foi ótimo, apesar de tudo.
A estudante de graduação loira permaneceu depois que os outros tinham deixado. Jeisa
se esforçou para lembrar o nome dela e odiava que ela tivesse perdido tanto tempo
lamentando o que ela tinha perdido, em vez de apreciar o bem que tinha entrado em sua
vida.
A mulher disse - Você vai perder muitos velhos amigos.
E o nome veio a ela, finalmente - Eu faço, em Genebra. Eu faço.
A mulher parecia vacilar entre recuando sem dizer mais, como ela normalmente fazia, e
continuar a conversa - Nós todos nos deixou algo para trás para estar aqui, mas é um
projeto importante.
Suas palavras tocaram Jeisa ainda mais por causa do quão desconfortável a mulher
parecia que ela expressou-los. Genebra estava colocando seu próprio desconforto de lado
na tentativa de animar Jeisa. E funcionou - É, não é? O projeto de água pode afetar um
terço da população do mundo.
- E você é parte deste momento. Você é parte da solução - Genebra, disse que com
sinceridade calma.
Jeisa ergueu o queixo como as palavras que a encheu de orgulho - Eu estou, não estou?
Eu vou fazer a diferença aqui - Decidindo a compartilhar mais de si mesma, Jeisa adicionou
- Eu vou voltar para Boston em breve, mas eu vou estar de volta logo após os feriados. Eu
adoraria sair para tomar um café com você quando eu voltar.
A mulher sorriu - Eu gostaria que isso. Você está indo de volta para Boston para celebrar
o Natal com sua família?
Jeisa se virou e olhou para fora da janela novamente - Não, eu vou voltar a fazer algo que
eu deveria ter feito semanas atrás. Tive o homem perfeito e eu deixei meu medo entre nós.
Ele era gentil. Inteligente. Engraçado. Quente como o inferno, mas não sabia disso. . . - Ela
parou quando ela percebeu como sua descrição tinha oscilava muito pessoal.
- Quente como o inferno, não é? Eu gosto disso.
Jeisa virou quando ouviu a voz de Jeremy atrás dela - O que você está fazendo aqui? -
Ela olhou em volta e notou que os outros tinham deixado e eles estavam sozinhos.
Ele fechou a porta atrás dele e atravessou a sala lentamente em sua direção - Eu estou
longe de ser perfeito, no entanto. E não tão inteligente quanto eu pensei que eu era, porque
eu te machuquei e eu nunca quis - Ele passou as mãos pelos braços e levou as duas mãos na
dele.
Surpresa e completamente realizada, Jeisa ficou imóvel.
Ele veio!
Jeremy puxou para mais perto, trazendo-a contra o seu corpo a eliminar e colocando as
mãos atrás das costas. Sua respiração quente se espalhou em sua bochecha, enviando um
arrepio de consciência através dela - Eu estava errado - disse ele a abraçou como sua contra
ele, seus olhos queimando com uma mistura de desejo e emoção - Errado para não ver o
que tínhamos. Errado para que você possa acreditar que eu estava escolhendo entre duas
mulheres, porque a partir do momento em que você me beijou, era tudo sobre você, só você
- Ele soltou as mãos e levantou um dos seus para acariciar sua bochecha - Eu tinha que
ajudar Alethea naquela noite nos Andrades, mas se eu soubesse o que ela disse para você,
eu teria trazido você com a gente. Eu pensei que estava protegendo você.
Com um estremecimento, Jeisa disse - Eu deveria ter lhe dado a chance de explicar. Eu
deveria ter confiado em você.
Os olhos de Jeremy escureceram com a dor - Eu não quis lhe dar uma razão para isso. É
uma coisa boa você não respondeu meus telefonemas, Jeisa, porque você me deu tempo
para processar o que eu tinha feito. Estes últimos meses foram tudo sobre mim. O que eu
queria. O que eu precisava. Eu não parei para perguntar o que você queria.
- Eu não tenho certeza se eu poderia ter dito a você, se você teve. Estou só agora resolver
a questão.
- Vamos descobrir isso juntos, então - O coração dela disparou em sua sugestão. Será que
ele realmente perdoá-la tão facilmente?
Mesmo que o coração de Jeisa começou a acelerar de emoção, ela tentou conter os seus
sentimentos o suficiente para perguntar - O que você está dizendo?
- Eu já me matriculei na WIT como um estudante em tempo integral.
Será que isso quer dizer. . . ?
Ela não se atreveu a permitir-se a acreditar que ele estava dizendo o que ela esperava que
ele estivesse dizendo - Por quê?
- Eu quero ficar com você - Ele puxou-a suavemente contra ele novamente, desta vez
apoiando as mãos levemente nos quadris. A cabeça inclinada e os seus lábios explicou o
que ele lutava para encontrar as palavras para expressar. Ela hesitou apenas o menor de
segundo antes de seus braços enrolado ao redor de seu pescoço e ela se perdeu em seu
beijo. Quando ele parou, eles foram liberados, e sua respiração irregular era o único som no
escritório de outra forma tranqüila - Nós não temos pressa. Podemos começar de novo e
agora se você quiser.
Seu corpo estava vivo e anseio por ele. Ela esfregou-se contra ele e o amava como
instantaneamente, ele estava duro e pronto para ela.
Com os olhos em chamas com fome por ela, ele emendou com voz rouca - Ou podemos
pegar de onde paramos.
Mesmo quando ela começou a afogar-se no prazer de sua proximidade, ela perguntou.
- Será que você realmente se inscrever aqui só para ficar comigo?
Ele estendeu a mão ao redor para desabotoar o topo de sua blusa e disse - Sim e não -
Sua mão parou - Na minha corrida para ganhar dinheiro, eu fiz algumas escolhas ruins. A
noite eu deixei você, foi porque eu tinha começado me envolvi em uma situação que
prometia ser rentável, porque era muito perigoso. Antes de você, eu não me importava se
alguma coisa aconteceu comigo. Senti que não tinha nada a perder. Mas você mudou tudo
isso. Eu não poderia deixar você e seu pai pagar o preço por um erro que eu tinha feito.
Vejo agora que eu tenho muito para aprender ainda.
- Oh, Jeremy. Eu não sabia.
- Eu deveria ter explicado a você.
Jeisa lembrado o estado que tinha sido naquela noite e admitiu - Tudo o que eu podia ver
naquela noite foi que o meu maior medo foi se tornando realidade.
Ele se abaixou e pegou as duas mãos na dele - Eu não tinha idéia de que você estava me
esperando na cozinha. Se eu soubesse disso, nada poderia ter me impediu de ir com você.
- Eu acredito em você - ela sussurrou - Eu tinha decidido apenas hoje para vir encontrá-lo
e pedir desculpas.
- Você não fez nada de errado - disse Jeremy apaixonadamente, mas Jeisa discordou.
- Eu fiz tudo errado. Você nunca mentiu para mim, Jeremy. Você foi honesto em cada
passo do caminho, e eu deveria ter acreditado em você quando você disse que me amava.
Eu estava com medo. Eu não estou mais com medo.
- Bom - ele sussurrou contra seus lábios - Mas você pode ficar com raiva de mim um
pouco mais se você gostaria. Ouvi dizer que o sexo maquiagem é fantástico - O brilho em
seus olhos era irresistível. Seus lábios se encontraram em uma expressão de fome na qual
eles já não podiam negar.
Ele virou-a em seus braços e atravessou a sala para o sofá, com um sorriso sexy no rosto.
Voltando aos pés dela, ele se apressou rápida de botão de sua saia e zíper. Ele escorregou
para o chão a seus pés. Ela saiu de seus sapatos e chutou a roupa de lado. Sem tirar os olhos
dela, ele soltou e tirou a gravata. Eles continuaram a retirar suas roupas, um por um, até que
ambos estavam nus e sua necessidade por ela estava ereta e pulsante entre eles.
Ele beijou seu caminho através de sua bochecha, o pescoço dela, e segurou os dois seios
com as mãos, tomando um momento para apreciá-los antes que circunda um de seus
mamilos franzidos com sua língua quente. Ele parou brevemente para soprar antes de
deslocar sua atenção para o outro. Quando Jeisa estava arfando de prazer com as formas
criativas com o dedo e sua língua estava trabalhando junto para aumentar sua excitação,
Jeremy fez uma pausa e disse - Eu estive lendo sobre como fazer isso melhor. Unidades de
informação engenhosidade - disse ele e se inclinou para beijar seu pescoço novamente.
A cabeça de Jeisa caiu para trás e ela gemeu com euforia - Eu não estou reclamando.
A porta de seu escritório se abriu e um flash de uma cabeça feminina cutucou,
rapidamente seguido por um grito familiar de uma voz que dizia - Oh, meu Deus, eu sinto
muito! Eu queria ter certeza de que você estava bem - A porta se fechou. Antes de qualquer
Jeisa ou Jeremy pudesse reagir, a porta se abriu novamente um pouco, uma mão deu a volta
ao cabo, trancou-a, em seguida, bateu a porta novamente.
- Eu gosto das pessoas com quem trabalha - Jeremy comentou com algum humor.
Rindo meio de mortificação e metade fora da pura alegria de estar nos braços de Jeremy,
Jeisa respondeu - Eu também.
Agora, onde estávamos?

Mais tarde, com jaqueta de Jeremy que ele colocou ao seu lado, Jeisa foi se acomodando
perto de Jeremy com sono, quando ele exclamou - Merda, me esqueci de lhe pedir para
casar comigo.
Jeisa sorriu contra seu peito - Você escreveu isso? - Ela sabia que ele só fez isso agora,
quando ele estava nervoso, e que a fez amá-lo ainda mais.
Ele sorriu um pouco triste - Eu não quero esquecer nada, mas você estava tão linda que
eu esqueci tudo.
Você poderia perdoar a um homem qualquer coisa com essa desculpa. Ela apoiou-se no
cotovelo e beijou-o levemente - Nem tudo.
Um ligeiro rubor em suas bochechas. Ele chegou por trás dela e sentiu-se em torno dos
bolsos de sua jaqueta até que ele encontrou o que estava procurando. Ele colocou-a sobre o
peito na frente dela e disse - Jeisa Barreto, eu te amo e eu pretendo me casar com você.
Hoje, amanhã, ou o tempo que leva para você estar pronto - Ele bateu a caixa do anel com
um de seus dedos - Você não tem que abrir isso agora. Você pode pensar sobre isso, se
você.
Ela parou suas palavras com um beijo, que realizou todo o calor de sua união anterior,
mas também algo muito mais importante: a sua resposta. Ela sussurrou contra seus lábios
quando ela interrompeu o beijo - Sim, Jeremy. Sim. Sim. Sim.
Seu sorriso não poderia ter sido mais amplo como ele sorriu para ela - Vai ser bom, Jeisa.
Você vai ver. Você vai ser o grande diretor de subvenções e de produção e eu vou obter o
grau minha mãe sempre me disse que eu deveria.
Fez uma pausa e inclinou a cabeça para um lado - Isso não é o meu título. Eu sou
realmente um estagiário glorificado apoiar o departamento de captação de recursos.
- Não, desde que a doação Barreto e Kater subiu o calendário de produção e abriu uma
nova posição. Ou foi o Kater ou a doação Borreto? Suponho que isso não importa.
Jeisa acalmou sua mão com a dela - Você fez uma doação para a universidade?
- Sim, e seu pai combinando.
Porque quando se está certo você não tem que escolher.
- Quando você falar com o meu pai?
- Todos os dias. Ele não gostava de mim no começo, mas eu queria que ele soubesse o
quão sério eu estava com você. Eu disse a ele o quanto este projeto significa para você e ele
acreditou em mim. Espero que eu esteja certo, porque ele poderia ter usado sua herança.
Você pode ser pobre agora, por isso parece que você está preso a mim - De repente sério,
ele colocou a mão sob o queixo e levantou o rosto para olhar para ele - Eu quero sempre
com você. Eu vi o tipo de amor que perdura mesmo quando a intimidade não é mais
possível, e eu quero isso - Quando ela não conseguia pensar no que dizer, ele corou e
rapidamente acrescentou - Eu quero isso, também. Eu só quero dizer. . . - Ele olhou para
baixo quando ele procurou outra maneira de dizê-lo.
Com lágrimas nos olhos, Jeisa levantou a mão para acariciar seu rosto enquanto falava.
- Eu sei exatamente o que você quer dizer, e eu quero isso também.
Com um pouco de manobras, ele abriu a pequena caixa e deslizou o anel em sua mão
esquerda. Ela estendeu a mão em frente dela e admirava a pedra incomum.
Jeremy disse - É um diamante azul-esverdeado. Incrivelmente raro. Um conjunto de
circunstâncias quase impossível precisa ocorrer no momento certo para ele se formar.
Quando eu vi, eu pensei em você e o vestido que usou no primeiro dia que nos
conhecemos. Estávamos quase impossível, você e eu, mas parece que a natureza tinha
outros planos para nós. Eu não posso imaginar minha vida sem você nela.
Jeisa tomou seu rosto entre as mãos, grato e humilhado por seu amor, mas não tem mais
medo - Você nunca vai ter, porque eu não vou a lugar nenhum - Um pensamento repentino
bateu nela e ela disse - Eu disse a meu pai que eu estava indo para Boston e pediu-lhe para
me encontrar lá.
As sobrancelhas de Jeremy dispararam - O que ele disse?
A conversa mais cedo voltou para ela, mas agora em uma luz totalmente nova. Ela disse.
- Ele me disse para ficar aqui mais um dia, porque ele me enviou uma surpresa. Que
pouco mentiroso. Ele sabia que estava vindo para cá, não foi?
Sorrindo, Jeremy disse - Absolutamente.
Ela balançou a cabeça com espanto - Eu não posso acreditar que ele não me disse - Ela
bateu a mão no peito de Jeremy - Ele gosta de você.
Com um encolher de ombro adorável, Jeremy disse - O que há para não gostar? Ele sabe
o quanto eu amo a sua filha.
- Meu pai nunca aprovou qualquer dos homens que eu namorei. Honestamente, ele
intimidava a maioria deles. Ele não assustá-lo em tudo, não é?
Com uma expressão de dor, brincando, ele admitiu - Claro, ele pode ter ameaçaram me
eliminar da face do planeta se eu te machucar, mas não é isso que os pais dizem aos
potenciais genros?
Jeisa não duvidou por um segundo que o seu pai iria aprender a amar Jeremy tanto como
ela fez. Bem, talvez não tão grande, mas Jeremy tinha um jeito de conquistar até mesmo os
mais relutantes. Seu pai não tinha a menor chance - O Natal é na próxima semana.
Poderíamos convidá-lo para vir para a visita? Poderíamos perguntar a sua mãe, também.
- Eu vou ter certeza de sua limusine está cheio de rosas brancas - disse Jeremy, sem
perder uma batida.
Jeisa riu - Você é tão ruim! Só você consideraria provocando meu pai. Você tem medo
de alguma coisa?
Ele apertou seu abraço em resposta, esfregando o queixo em sua testa - Sim. Você me
aterrorizar. Eu tinha a minha vida meticulosamente planejada antes de te conhecer. Eu
achava que sabia exatamente o que queria. Você mudou tudo isso. Eu sou realmente bom
no que faço, mas você me fez perguntar a mim mesmo se era importante. E se não é, o que
eu deveria estar fazendo? Eu estou esperando que tendo aulas aqui vai me ajudar a
descobrir isso.
Jeisa deitou a cabeça no peito dele e simplesmente absorveu a magnitude do que ele
estava compartilhando. Ela muitas vezes achava que ela era a única pessoa que se esforçou
por encontrar o seu caminho. Ele tocou-lhe que Jeremy não só perguntou a si mesmo as
mesmas perguntas, mas que ele compartilhou que lado se livremente com ela - Você vai
perder a pirataria?
Jeremy esfregou as costas, distraído - Eu ainda vou levar trabalhos freelance de vez em
quando, mas eu vou escolhê-los com mais cuidado. Eu já fiz mais dinheiro do que eu
poderia sequer começar, a saber, como gastar. O trabalho que eu fiz para Rachid e Zhang
era bastante lucrativo. Nada atrai novos clientes como uma referência real.
Erguendo a cabeça, Jeisa falou a verdade que foi brotando dentro de seu coração - Eu
não me importo com o dinheiro, Jeremy.
Ele estendeu a mão e colocou uma onda perdida atrás da orelha - Porque eu estou tão
quente?
Jeisa empurrou seu lado brincalhão - Você não deveria ouvir isso.
Ele beijou seu nariz suavemente - Você deve dizer isso com orgulho desde que eu sou a
sua criação.
Com um aceno de cabeça, Jeisa disse - Tudo que fiz foi adicionar um pouco de geada
para um já delicioso bolo.
Ele acariciou o rosto em seu pescoço e rosnou - Eu gosto do jeito que você me descrever
- Ele lambeu sua pele, enviando ondas de prazer quente através dela - E por falar em
delicioso. . . - Rolou então ele estava em cima dela e suas mãos aqueceram o local onde
seus lábios logo iria tocar.
Capítulo Dezoito

No final de março, no topo de um longo caminho fechado, um motorista manteve a porta


de Jeisa e Jeremy da limusine aberta. Jeisa não se mexeu. Jeremy segurou a mão dela na
sua - O que é, Jeisa?
Do lado de fora da janela traseira matizada, a casa Andrade apareceu diante deles, tanto
uma visão bem-vinda e um lembrete de quão perto ela tinha chegado a perdê-lo. Não foi a
primeira vez lá, e Jeisa não poderia imaginar ser mais feliz do que ela. Ela e Jeremy havia
se mudado para um grande apartamento perto do campus WIT, onde passara os últimos
meses construindo uma vida juntos e compartilhá-lo com os novos amigos que tinha feito
através do projeto de água. Ela se sentia culpada por ter hesitado em tudo no rosto de
lembranças de um dia que já não importava. Ela olhou para os olhos preocupados de seu
noivo - Você já pensou sobre o quão perto chegamos a perder um ao outro?
- Não - respondeu Jeremy facilmente como ele a puxou em seus braços e beijou-a na
testa - Lembre-se de minha primeira aula de boxe?
Jeisa riu apesar de suas emoções eram altas - Como eu poderia esquecer?
- Eu não me permito pensar sobre o que poderia dar errado. Há muito na vida que pode.
Tudo o que eu pensava sobre aquele dia era o que eu queria e o que estava entre mim e
consegui-lo. E então eu fiz a única coisa que eu podia fazer, eu mantive minha posição.
Ele a beijou levemente e disse - Eu posso ter alterado o meu caminho, mas não os meus
métodos. Não há nada no passado ou no futuro, que poderia mudar o que sinto por você.
Jeisa jogou os braços ao redor do pescoço e lhe deu um beijo que lhe mostrou
exatamente o quanto suas palavras tinham a moveu. Ela nunca teria imaginado por seu
primeiro encontro estranho que ela iria aprender muito com ele. Os problemas são melhores
resolvidos quando confrontado por completo. Corra para o que você quer, não longe do que
você tem medo. E defender seu território.
Quando ela interrompeu o beijo, suas bochechas estavam coradas e seus olhos ardiam de
desejo por ela - Você sabe, poderíamos deixar o nosso presente com o porteiro e voltar
mais tarde.
Com uma risada, Jeisa abrandou ele e disse - Não, Abby nunca iria me perdoar por ter
perdido o seu chá de bebê, e ela ficou mais emocional, como sua data de vencimento se
aproxima.
Jeremy saiu da limusine e tomou-lhe a mão para ajudá-la - O que significa que Dominic
vai ser um acidente de hoje.
Jeisa advertiu - Se você provocá-lo, não reclame se você voltar para casa com um olho
roxo.
- Não se preocupe. Eu sou mais novo, mais rápido, e eu aprendi a bob e tecem como um
profissional.
Seus olhos se encontraram e caiu na gargalhada. Eles ainda estavam rindo quando a porta
se abriu e Alessandro cumprimentou os dois com um abraço de urso. Ele ficou para trás e
deu-lhes uma aprovação mais uma vez - Jovem amor é uma coisa linda, não?
Sua esposa Elise correu para frente e cumprimentou os dois com um beijo em cada
bochecha - Alessandro, você não pode dizer olá sem espancar os convidados?
Com um encolher de ombros, disse que o comentário de sua esposa não se incomodava
com isso, Alessandro disse - Estes dois não são os hóspedes mais, eles são família.
Elise de braços dados com Jeisa a levou para a festa - Você vai ter que perdoar o meu
marido, ele está ficando sentimental na velhice. Vamos lá, há tanta coisa para falar antes de
Abby chega. Todo mundo está na cozinha já.
Render-se a ser levado, Jeisa olhou por cima do ombro para Jeremy, sabendo que ela
provavelmente não iria vê-lo novamente até que a festa começou oficialmente. Ele piscou
para ela, como se tivesse pensado a mesma coisa.
Nicole saudou com um abraço caloroso, logo que Jeisa entrou na cozinha - Será que você
e Jeremy apenas entrar?
Jeisa aliviado fora da camisola luz que ela tinha usado por cima do vestido florido com
ousadia - Sim, nós voamos em cerca de uma hora em um vôo de passageiros. Com todo o
trabalho que estamos fazendo para purificar a água, é difícil justificar a poluição de voar
um avião e voltar só para nós.
- Agora você soar como Stephan - Nicole disse com um sorriso - Voamos ontem em uma
companhia aérea, pela mesma razão. Não fazê-lo começou com a diminuição de
combustíveis fósseis.
Lil delimitada para frente e abraçou Jeisa - Vocês dois são muito admirável, mas que
você não perca a privacidade? - Quando ninguém disse nada, Lil balançou as sobrancelhas
e disse - Vamos lá, eu não posso ser o único membro do clube dos milionários aqui.
Nicole e Jeisa coraram. Maddy deu uma gargalhada. Elise acenou para a mãe de Stephan
outro lado da sala e disse - Oh, querida, nós fundamos o clube.
Lágrimas de riso eram manchas mascara das mulheres quando a princesa de Zhang
Najriad entrou na cozinha - Não vejo nada mudou por aqui desde que eu fui embora.
Lil aparafusado ao seu lado – Zhang - e jogou os braços em torno de sua amiga - Você
veio!
Voltando abraço de Lil por um momento antes facilitando com isso, Zhang disse - Eu
não perderia isso por nada.
Com um sorriso travesso, Lil perguntou - Zhang, me diga uma coisa. Você sobrevoar em
um avião público ou privado?
- Privado é claro - disse Zhang, e as mulheres caíram na gargalhada novamente - Eu
sempre preferi privacidade e agora eu estou casada com um Sheik - Quanto mais ela falava,
mais as mulheres riram – Porque o desejo de voar em nosso próprio avião realmente é
divertido?
Limpando as bochechas, a mãe de Stephan, Katrine, disse – Foi depois que Lil nos
contou sobre por que ela prefere voar dessa forma.
Um ligeiro rubor matizado bochechas de Zhang, mas ela disse com orgulho - Eu tenho
certeza que eu teria concordado com o seu raciocínio.
Todo mundo caiu na gargalhada novamente.
- Oh não, o que eu perdi? - A Abby muito grávida perguntou da porta.
Elise correu para cumprimentá-la - Alessandro era para me dizer quando você chegou.
Eu teria encontrado você na porta.
Abby alegremente recebido seus beijos duplo bochechas - Com toda a diversão que as
senhoras estão tendo, ele pode ter tentado a chamar-se, mas não se preocupe, eu estou bem.
Lil deu a sua irmã um grande abraço - Você viu quem veio?
Abby trocaram um abraço de luz com a princesa - Obrigado, Zhang, eu aprecio você vir
até aqui para a festa. Sei que é um longo vôo.
Zhang sorriu e deu um passo atrás - Um vôo muito longo. Graças a Deus.
Lil riu tanto que ela estava com falta de ar, como ela disse - Oh, meu Deus, pare, meu
rosto está começando a doer.
Abby olhou ao redor da sala para obter ajuda - Eu não entendo.
Nicole cumprimentou Abby com um beijo na bochecha e disse - Nós vamos explicar
mais tarde, embora eu suspeito que você também é um membro.
Abby virou-se para outra fonte de informação - O que elas estão falando?
Jeisa não tinha certeza de por onde começar. Em vez disso, ela se juntaram à festa e disse
- Nós emprestado um dos aviões de Dominic, então eu tenho que concordar com Nicole.
Ele tem camas em todos os lugares.
Abby corou e repreendeu as mulheres ao seu redor, mesmo quando ela começou a sorrir.
- Eu não posso deixar vocês sem supervisão por dois minutos. . .
Sua irmã brincava com ela um pouco mais - Não adianta fingir que não ter ido lá com
Dominic. Eu vou ficar surpreso se você não nomear seu bebê após um de seus planos.
Isso tinha Abby rindo alto até que ela parou e segurou seu lado - Não me faça rir. Tenho
tido contrações de Braxton Hicks durante a última semana e eles só estão piorando.
De repente séria Nicole olhou para uma das novas mães na sala e perguntou - Maddy,
não era isso que você disse que você estava tendo no dia em que entregou seu bebê na
minha limusine?
Abby correu para tranquilizá-la - Não se preocupe, eu fui ao médico, estas não são as
contrações reais. Bem, sinto muito, mas eu não estou em trabalho de parto. Eu tenho mais
duas semanas antes eu estou mesmo a minha data de vencimento e as mães de primeira
viagem, muitas vezes passar essa data.
Nicole empalideceu - Tudo isso soa dolorosamente familiar.
Abby se moveu para sentar em uma cadeira Katrine estendeu para ela e disse - Eu não
estou nem tendo contrações, agora, é só que parece que nada pode colocá-las fora
recentemente. Eu não devia ter falado nisso.
Não olhando particularmente tranquilizados, Nicole acenou com a mão na direção do
estômago de Abby - Eu quero deixar claro que ter um bebê era uma bela experiência, pelo
menos uma vez na vida para mim e eu quero mantê-lo assim, como só aquela vez.
- Por que não vamos mudar de assunto antes de eu começar a ficar nervoso? - Abby
sugerido - Jeisa, eu não vi Jeremy lá fora, ele veio com você?
Zhang respondeu em seu lugar - Rachid perguntou sobre ele quando chegamos. Acredito
Alessandro disse que tinha entrou na biblioteca para falar com alguém.
Lil e Abby olhos se encontraram - Não é Alethea - desabafou Lil então instantaneamente
parecia contrito - Oh, meu Deus, Jeisa, eu não quis dizer o nome dela.
Todos os olhos se voltaram para Jeisa, que sorriu, porque ela percebeu que Jeremy estava
certo, não havia nada no passado ou o futuro que poderia ameaçar seu amor - Você pode
dizer o nome dela, Lil. Ela é sua amiga. Eu deveria ter confiado Jeremy naquele dia. Ele
teria me poupado muita dor de cabeça. Eu não vou cometer esse erro novamente.
Lil torceu o nariz para Abby - Veja, eu disse que não seria mais um problema. Isso
significa que eu posso convidar!
- Não - Abby disse em um tom que sugeria que era o fim dessa discussão particular.
Marie entrou com Colby, a menina de Lil, que dava seus primeiros passos com orgulho,
como ela agarrando em ambas as mãos de Marie que lhes dava de apoio - Parece que quase
todo mundo está aqui. Como é a nossa mãe segurando?
Abby empurrou-se desajeitadamente em pé - Pronta para acabar com isso.
Lil inclinou-se para descansar um joelho no chão para que sua filha, Colby, poderia dar
alguns passos independentes em seus braços. Ela abraçou a filha para ela, mesmo que ela
falou com a irmã acima de sua cabeça - Oh, vamos lá, Abby. Isso vai ser ótimo. Imagine os
presentes que você vai conseguir.
Abby apoiou suas costas com uma mão - Realmente, não havia necessidade de se
inscrever para qualquer coisa. Nós temos mais do que precisamos. Na verdade, eu pedi para
doações para a maternidade do hospital, em vez de presentes.
Colby levantou as mãos avidamente na direção de uma mulher que nunca tinha sido
confortável com as crianças, mas que agora também caiu de joelhos para cumprimentar o
filho - Ni Ni! - Nicole não pareceu se importar com as mãozinhas cobertas de baba que
mancharam sua blusa de seda. Ela se levantou e girou com a menina no colo e, depois de
tanto parou de rir, ela disse - Stephan e eu demos uma doação, mas não poderia ajudar a nós
mesmos, nós também compramos um presente.
Marie acrescentou - Pelo olhar da crescente pilha de presentes no pátio, eu diria que
todos fizeram o mesmo.
- Você finalmente diz a Dominic o sexo? - Nicole perguntou a sua cunhada.
Abby revirou os olhos para o céu - Eu queria manter isso em segredo até o final, mas que
o homem é inabalável quando se trata de qualquer coisa relacionada à saúde desse bebê. Ele
já contratou um guarda-costas para ela. Você pode imaginar, ela não é nem mesmo ainda, e
ela tem a sua própria segurança.
Com um sorriso de aprovação, Marie disse - Você sabe que ele faz isso por amor.
Abby pôs a mão em cima de sua barriga arredondada - Eu não quero nem pensar no que
ele vai ser como na sala de parto.
Lil passou um braço em torno de sua irmã e esfregou sua barriga brincadeira, ganhando
um golpe não tão brincalhão de Abby, o que só se divertindo Lil mais - É por isso que você
me convidou para acompanhá-lo. Eu vou lidar com ele.
Nicole virou-se para Jeisa e num sussurro disse - Agora que é algo que eu pagaria para
ver.
Eu também, Jeisa pensava - Se ela é inteligente, ela vai ter Jake como backup.
De um canto da cozinha, o marido de Maddy provocou elas lá dentro - Meu dinheiro está
em Lil.
Maddy virou-se com seu filho nos braços e o advertiu alegremente - Richard, o que eu te
disse sobre ficar escutando as coisas daqui de dentro?
Seu sorriso largo era descaradamente sem remorso - Você pode me punir mais tarde.
Marie balançou a cabeça, enquanto as outras mulheres cederam ao riso - Na minha época
não eram liberais como esta nova geração é.
Elise e Katrine trocaram um olhar e, em seguida, perguntou Elise - Você não tem a nossa
idade?
Marie parecia um pouco confuso com a pergunta. Com o queixo erguido, ela disse – Sim.
Como Jeisa olhou com simpatia, ela notou o belo vestido Marie tinha escolhido para
vestir. Era um que tinha enviado seus meses atrás, como um agradecimento. O top azul-
escuro equipada levou anos fora de sua idade, assim como a maquiagem adicional ela tinha
escolhido. Marie, seu cão astuto - Não é muito velha para ter chamou a atenção do meu pai.
Você foi o motivo pelo qual ele concordou em vir aqui para o Natal do ano passado. Ele
ainda pergunta sobre você.
Marie corou de um vermelho brilhante, mas não disse nada.
Lil interrompeu sua própria marca de sabedoria - Na sua idade, provavelmente você não
deve fazê-lo esperar muito tempo. A esperança de vida dos homens é menor do que para as
mulheres. No entanto, graças ao Viagra, pelo menos você sabe tudo ainda funcionará.
Abby colocou a mão na testa dela - Lil!
- O quê? - Perguntou Lil, imperturbável - Você acha que Marie é velha demais para
querer um pedaço desse garanhão brasileiro?
Jeisa engasgou com o riso borbulhante quando ela imaginou a reação de seu pai se ele
tivesse ouvido essa conversa. Garanhão brasileiro. Você e o papai.
Maddy apertou as mãos de excitação - Eu nunca tentei minhas habilidades de encontros
em um casal de idosos. Isso poderia ser divertido.
Apesar da inutilidade dela, Abby advertiu - Ou, poderia ser da nossa conta.
Lil e Maddy se entreolharam e rejeitaram o conselho de Abby em uníssono - Nah, Marie,
você vai agradecer-nos.
Marie limpou a garganta e disse - Chega dessa loucura. Temos hóspedes que chegam e
apresenta a abrir - Com isso, ela abriu o caminho para a porta.
Jeisa falou baixinho para a Marie partida não quiseram ouvir - Nós devemos convidar o
meu pai para o seu casamento, Lil.
Maddy recuperou seu filho alegremente em seu quadril - Isso é perfeito. Ele vai ser
irresistível em um smoking.
Lil dançaram com entusiasmo ao seu lado - Podemos descobrir uma maneira de dar-lhes
algum tempo sozinho e deixar a natureza seguir seu curso.
- Falando da natureza, eu tenho que fazer xixi de novo - disse Abby quando ela recuou.
- Então, as senhoras podem traçar longe e vou gingado de volta para encontrá-lo no
pátio.

Ser convocado para a biblioteca Andrade para falar com Dominic e Jake deu a Jeremy
um momento de apreensão. Ele correu por uma lista rápida do que poderia ter dado errado,
que teria exigiu a privacidade que tinham solicitado. Tinha Sliver rompido? Se ele tivesse
sido ingênuo acreditar que um ditador como Alvo iria deixá-lo viver, se ele desistiu das
negociações?
Se alguma coisa ruim tinha acontecido, não tinha parado Jake ou Dominic de desfrutar
de Alessandro um escocês Macallan de 1939 e seus charutos da Nicarágua. Ainda assim,
esses homens poderiam enfrentar o apocalipse com a mesma indiferença, então Jeremy
sentiu-se compelido a perguntar - Tem alguma coisa errada? O que aconteceu?
Domingos soltou uma baforada de fumaça e perguntou - Será que alguma coisa tem que
estar errada?
Não, mas eu normalmente não sou convidada a menos que algo é, Jeremy pensou, mas
em vez disso perguntou com algum sarcasmo - Ah, então você me perdeu? Eu vi você no
Natal.
Dominic sacudiu as cinzas do charuto em uma bandeja e apontou para a cadeira vazia em
frente a ele - Sente-se.
Jake derramou um terceiro copo de uísque e entregou a Jeremy - Queremos falar com
você sobre algo.
Jeremy tomou o lugar aberto e da bebida - Eu não preciso de mais conselhos. Jeisa e eu
estamos bem.
Dominic revirou os olhos para o teto, mas parecia estar se divertindo.
Jake soprou em seu próprio charuto antes de dizer - Nós não temos muito tempo antes
que as mulheres vêm nos procurar. Jeremy temos uma proposta de negócio para discutir
com você.
Tentador que a idéia era, Jeremy tinha preparado o seu curso e não ser levado facilmente
a partir dele - Eu não terminei o meu primeiro curso de ética. Eu preciso de algum tempo
antes de eu tentar jogar no seu nível novamente.
Dominic sacudiu as cinzas de seu charuto na bandeja em cima da mesa ao lado dele - Eu
tenho um mestrado em negócios. Esses cursos de ética nunca me ajudaram.
Jake se engasgou com o gole que ele estava tomando, em seguida, reagiu - Eles podem
ter se você tivesse tomado menos sucessos no campo de rugby.
Dominic olhou para seu melhor amigo por um momento antes de voltar sua atenção para
Jeremy - Eu respeito o que você quer uma educação formal, mas não subestime o seu
talento natural. Duvido que alguém no WIT pode fazer o que puder.
Jake acrescentou a abertura de Dominic - É hora de ramificar em um novo campo da
tecnologia. No passado nós trabalhamos principalmente na concepção de infra-estruturas e
integração de software. Nós recentemente em posse de um protótipo de algo que acho que
você estaria interessado em ajudar-nos a desenvolver.
Jeremy tomou o primeiro gole de uísque e engasgou quando o líquido queimou toda a
superfície interna que tocava. Ele tossiu até que seus olhos lacrimejaram, em seguida,
substituiu o vidro e ignoraram as expressões nos rostos divertidos os outros dois homens.
Quando pôde falar novamente, ele disse - Eu nunca criou nada. Minha habilidade é invadir
o que os outros têm.
- Você não se dá crédito suficiente - disse Jake. Ele entregou-lhe um tablet que exibia as
especificações para o projeto que ele estava pedindo Jeremy a considerar - Tome um
minuto para olhar sobre nosso projeto antes de tomar sua decisão.
Como Jeremy estudou os planos, seu queixo caiu - Você sabe o que isso significa para o
mundo dos jogos? Poderíamos finalmente estar dentro do jogo. Não há mais teclados,
joysticks, ou avançar visual. Isto seria imersão completa. A realidade virtual da ficção
científica. Um programa que aprende a ler sua linguagem corporal melhor do que uma
pessoa pode. Isso é possível? Que muitas biossensores exigiriam enorme poder de
processamento. Agora você precisa de um servidor do tamanho de uma fazenda no Kansas.
Jake sentou-se em sua cadeira e disse - Obviamente, existem problemas com o chip de
silicone atual conjuntos disponíveis. No entanto, meus pais fizeram progressos com o
aumento do poder de processamento utilizando arquiteturas baseadas biologicamente. Nós
não estamos lá ainda, mas estamos perto. Dominic tem conexões com alguém que está
desenvolvendo uma geração S sistema de computação quântica para uma universidade. O
governo acabou de cortar o financiamento, então ele está maduro para se juntar a nós.
Precisamos de alguém que pode projetar os códigos para suportar as interfaces de sensores
de bioinformática.
Dominic apagou o charuto e perguntou impaciente - Então, você está?
Jeremy entregou o tablet de volta para Jake e parado - É um projeto tentador, mas não
posso deixar WIT. Eu fiz uma casa na Califórnia e promete Jeisa. Quero terminar a minha
educação.
Jake não parecia surpreso com a hesitação de Jeremy - Podemos trabalhar em torno de
suas classes e sua localização.
- Eu aprecio a oferta de emprego, mas. . .
Sentado em frente na sua cadeira, Dominic disse - Não considero isso um trabalho,
considerá-lo uma parceria. Seria um desdobramento das Empresas Corisi, mas de
propriedade independente. A Califórnia é o lugar perfeito para basear essa empresa de
entretenimento focada. Nós vamos mesmo mudar Tim. Ainda não encontrou seu nicho
ainda. Até agora, ele é muito bom em pé na porta de seu escritório e falar com as pessoas.
Com um olhar divertido, Jake colocou a culpa para que, onde ele pensou que pertencia.
- Ele ainda pode estar em estado de choque da maneira que você contratou. Nem todo
mundo recebe o seu humor, Dom.
Jeremy riu - Foi hilário, mas, sim, Tim estava com medo, quando quatro homens pararam
em uma Suburban preta e levou-o para a construção Corisi. Ele diz que gosta de seu
trabalho, mas eu não sei se ele nos diria se ele não o fez.
O sorriso no rosto de ampliação Dominic revelou como divertido ele ainda era pela
forma como ele tinha contratado amigo de Jeremy - Abby não gostou, mas valeu a pena.
Jake balançou a cabeça, mas ficou claro que ele tinha desistido sobre este assunto
particular. Olhando para trás e para a frente entre dois dos homens mais poderosos do
planeta, Jeremy finalmente entendeu que eles respeitavam as partes dele que não tinha
mudado nada. Sua aceitação dele não tinha nada a ver com a roupa que ele usava, ou o
quanto ele poderia supino. Eles valorizaram a sua inteligência e a sua honestidade.
Eventualmente, eles podem até ter seu humor seco.
Trabalhar com eles poderia ser uma oportunidade inacreditável. Jeisa tinha encontrado a
sua paixão pelo WIT. Poderia esta ser a segunda chance que ele pediu? E se fosse, ele
estava pronto para isso? A lição que ele aprendeu na Tenin ainda estava fresca em sua
mente. Foi com verdadeira humildade que ele admitiu para si mesmo que ele ainda tinha
muito a aprender - Eu não sei nada sobre o funcionamento de uma empresa.
Dominic deu de ombros e acenou com a cabeça em direção a Jake - Nunca me parou.
Jake lida com o lado legal. Trata-se de pioneiro e isso é um ponto forte da mina.
Completamente de acordo, Jake disse - Você não seria isso sozinho. E seria uma renda a
todos legítima.
Essa idéia pareceu agradar Dominic acima de tudo. Ele disse - Abby vai ser feliz. E
quando ela é, eu sou.
Com uma risada, Jeremy perguntou a Jake - O que se faz parece a um feliz Dominic?
Jake se juntou a ele em nervuras seu mesmo amigo mal humorado principalmente, mas
com menos palavrões.
Houve uma última área de preocupação de que Jeremy sentiu precisou ser dublado, e que
poderia facilmente ser um bom negócio para estes homens - Eu não estou sofrendo por
dinheiro, mas eu apenas ter um enorme sucesso com a doação de WIT. Eu não vou ser
capaz de igualar o seu investimento.
Dominic sorriu e disse - Jake lhe emprestar o dinheiro.
Após a oferta de seu amigo com uma de sua autoria, Jake acrescentou um pouco
alegremente - E Dominic lhe dará o seu Citation X para agilizar sua viagem bicoastal.
Embora o seu tom de voz era brincadeira, Jeremy sabia que suas ofertas eram sinceras.
Ele perguntou - Por que você faria isso?
De repente sério Jake disse - Meus pais não estavam brincando quando disseram que
você é uma das maiores mentes da sua geração. Queremos você em nossa equipe.
Como as palavras de Jake afundado em Jeremy ele sabia que ele nunca iria esquecer esse
dia. Não mais o gênio trapalhão porão eles tolerado e ridicularizado, ele era um deles.
- Ok, eu estou dentro - Depois de um momento Jeremy perguntou - Qual é o nome desta
nova empresa?
Mais uma vez, tomando seu uísque, Dominic respondeu - Estamos lançando em torno de
idéias. Nós consideramos CWK para as Empresas Corisi, Walton e Kater.
Uma idéia agradou a Jeremy e ele deixou escapar - Seríamos como Batman, Batman e
Robin.
Balançando a cabeça, Dominic corrigiu - Há apenas um Batman.
Jake jogou as duas mãos no ar em frustração falsa e perguntou - Por que ainda estou
Robin?
- Eu não me importo com o que nomeá-lo ou o que você me chamar, isso vai ser incrível
- disse Jeremy com confiança.
Eu não posso esperar para contar Jeisa.
Talvez ela deixe-me começar a usar as minhas cuecas do Superman novamente.

Quando a montanha de presentes do bebê começaram a ser abertas por familiares e


amigos mais uma vez espalhadas por toda a casa Andrade nos bolsos tagarelas, Jeremy
procurou Jeisa. Ele calmamente se aproximou por trás dela, deslizou seus braços ao redor
dela por trás, e beijou sua bochecha. Ela se inclinou para trás em seus braços e sorriu, o
conteúdo dentro de seus braços.
Espiando para ele, ela perguntou - Está tudo bem? Como foi sua conversa ir?
- Tudo bem. Melhor do que bem - Estar tão perto de Jeisa estava enviando arrepios de
desejo por ele. Haveria tempo de sobra depois de dizer a ela sobre como ele estava indo em
breve para ser capaz de financiar todo e qualquer tipo de projetos humanitários que ela
encontrou interesse dentro Por enquanto, tudo o que importava era como ela se encaixava
perfeitamente contra ele e como sua respiração acelerada juntamente com o seu, prova de
que ela estava passando por uma reação semelhante à sua proximidade.
Ela perguntou com voz rouca - Você está pronto para ir para casa?
Sua respiração fez cócegas em sua orelha e sussurrou - Eu já estou lá.
Procurando por mais da Coleção Legado?

Livro 1 Coração de Bilionário (download gratuito em todos os grandes varejistas)


Livro 2 Amor por Interesse
Livro 3 Dormindo com o Bilionário
Livro 4 Salvando o Sheik
Livro 5 Ascensão de um Bilionário
Livro 6 Rompendo a Bilionário (próximo outono 2013!)

Nova Série Cowboy de Ruth é Coming Soon!

Gentling a Cowboy: Livro 1 do texano Nights Series (Verão 2013)

Tony Carlton sabe apuros quando ele vê-lo, especialmente quando se trata, na forma de
uma linda, inocente e muito nu loiro estranho dançando em seu chuveiro. Quando as
circunstâncias forçar seu hóspede não convidado para passar a noite, Tony decide que
existem algumas invasões de casas que ele pudesse se acostumar.

Sarah Dery é um escritor frustrado que leva seu vigésimo quinto aniversário como uma
chamada wake-up. Ela sai para Texas pensar que um verão em uma fazenda trabalhando
finalmente inspirá-la. Quando uma curva errada leva a nos braços de Tony, ela vai
descobrir a sua voz interior picante.

Ele é uma musa vapor, mas isso será o suficiente para mantê-los juntos quando o seu
passado é revelado?

Assine a lista de discussão em RuthCardello.com para ser notificado assim que

Gentling o Cowboy está disponível.