Sie sind auf Seite 1von 16

BIOSEGURIDAD HOSPITALARIA

DEFINICION:

 Son las medidas destinadas a establecer un mecanismo de barrera que


impida la transmisión de infecciones en todas aquellas actividades relacionadas
con la salud.

OBJETIVOS:

 Prevenir, combatir y/o gestionar los riesgos para la vida y la salud, cuando proceda,
para un sector particular de la bioseguridad.
 Dictar normas, desarrollar procedimientos y promover el uso de instrumentos que
permitan evitar accidentes, considerando el riesgo real que enfrenta los trabajadores en la labor
con distintos microorganismos o con material biológico potencialmente infeccioso para
determinar el nivel de bioseguridad con el que debe trabajar.

Objetivos sectoriales de la bioseguridad

 Proteger la vida y salud humanas: (incluida la inocuidad de los alimentos)


 Proteger la vida y salud de los animales (incluidos los peces)
 Proteger la vida y salud de las plantas (incluidos los bosques)
 Proteger el medio ambiente

LA BIOSEGURIDAD EN LOS SERVICIOS DE LA


SALUD

 La Bioseguridad intenta disminuir el daño producido al paciente mientras permanece en


Establecimientos de Salud.
 Trata de proteger al personal de salud. Por tal motivo la salud ocupacional ha ido
evolucionando desde una actitud correctiva a una actitud preventiva, participativa y dinámica
que ha favorecido el interés por el desarrollo de enfoques integrales para el mejoramiento de la
calidad de los trabajadores y de su entorno.
 Las Instituciones son responsables y deben velar por el adecuado control de la
transmisión de infecciones y proteger o asistir al personal que trabaja en alguna institución de
salud en el eventual caso de que ocurriera un accidente laboral, en especial con la exposición
biológica dada la naturaleza de los riesgos propios de la actividad hospitalaria.
 Los límites entre el accidente y la prevención pasan por el cumplimiento de las normas
básicas de bioseguridad hoy en día consideradas universales.
Bioseguridad Hospitalaria

 La bioseguridad hospitalaria a través de medidas científicas organizativas define las


condiciones de contención bajos las cuales los agentes infecciosos deben ser manipulados,
con el objetivo de confinar el riesgo biológico y reducir la exposición potencial de: personal de
laboratorio y/o áreas hospitalarias críticas y áreas no críticas, pacientes y público general y
medio ambiente.

Principios de Bioseguridad

 Universalidad.
 Barreras de protección.
 Medidas de eliminación.

Tipos de residuos más importantes


 Residuos municipales :
La generación de residuos municipales varía en función de factores culturales asociados a los
niveles de ingreso, hábitos de consumo, desarrollo tecnológico y estándares de calidad de vida
de la población.

 Residuos industriales:
La cantidad de residuos que genera una industria es función de la tecnología del proceso
productivo, calidad de las materias primas o productos intermedios, propiedades físicas y
químicas de las materias auxiliares empleadas, combustibles utilizados y los envases y
embalajes del proceso.

 Residuos mineros:
Los residuos mineros incluyen los materiales que son removidos para ganar acceso a los
minerales y todos los residuos provenientes de los procesos mineros. En el Perú y en el mundo
las estadísticas de producción son bastante limitados.

 Residuos hospitalarios :
Lo que hace la bioseguridad es analizar el accidente o incidente para elaborar normas y
procedimientos que permitan evitarlos, promoviendo el uso adecuado de instrumentos,
materiales, espacios, etc. Esto permite pensar a la bioseguridad como una disciplina
“preventiva e integral".

Clasificación por tipo de manejo.


 Residuo peligroso :
Son residuos que por su naturaleza son inherentemente peligrosos de manejar y/o disponer y
pueden causar muerte, enfermedad; o que son peligrosos para la salud o el medio ambiente
cuando son manejados en forma inapropiada.

 Residuo inerte :
Residuo estable en el tiempo, el cual no producirá efectos ambientales apreciables al
interactuar en el medio ambiente.

 Residuo no peligroso :
Ninguno de los anteriores

Manejo de residuos sólidos hospitalarios

 Todo establecimiento donde se practique cualquiera de los niveles de atención de salud


humana o animal, con fines de prevención, diagnóstico, tratamiento y rehabilitación, así como
de investigación.
 Los centros de atención de salud son los encargados de reducir y prevenir los
problemas de salud de la población.
 Estos establecimientos generan residuos que presentan riesgos potenciales de
peligrosidad y cuyo inadecuado manejo puede tener serias consecuencias para la salud de la
comunidad hospitalaria, del personal encargado del manejo externo de los residuos y de la
población en general.

Objetivos del manejo de los residuos sólidos


hospitalarios
 Disminuir el riesgo asociado al trabajo en el laboratorio por todos aquellos eventos
“accidentales”, que puedan afectar a la salud de quienes trabajan en él.
 Minimizar el riesgo de contaminación o alteración del ambiente.
Clasificación de los residuos sólidos en los centros
de atención de salud
 Residuos infecciosos :
Se generan en las diferentes etapas de la atención de salud (diagnóstico, tratamiento,
inmunización, investigación, etc.) y contienen patógenos en cantidad o concentración suficiente
para contaminar a la persona expuesta a ellos. Pueden ser materiales provenientes de salas de
aislamiento de pacientes, materiales biológicos, sangre humana y productos derivados,
residuos anatómicos patológicos y quirúrgicos, residuos punzocortantes y residuos de
animales.

 Residuos especiales:
Se generan principalmente en los servicios auxiliares de diagnostico y tratamiento y
usualmente no han entrado en contacto con los pacientes ni con los agentes infecciosos.
Constituyen un peligro para la salud por sus características agresivas tales como corrosividad,
reactividad, explosividad, toxicidad, inflamabilidad o radiactividad. Pueden ser, entre otros,
residuos químicos y peligrosos, residuos farmacéuticos y residuos radiactivos.

 Residuos comunes:
Los residuos comunes son aquellos generados por las actividades administrativas, auxiliares y
generales, no considerados en las categorías anteriores. No representan peligro para la salud y
sus características son similares a las de los residuos domésticos comunes. Se incluye en esta
categoría a los papeles, cartones, cajas, plásticos, restos de la preparación de alimentos y
desechos de la limpieza de patios y jardines, entre otros.

Peligros y riesgos en el manejo de los residuos


sólidos hospitalarios
Los problemas identificados en América Latina y el Caribe respecto al manejo de residuos de
hospitales son :

 Las lesiones infecciosas provocadas por objetos punzocortantes del personal


hospitalario de limpieza y del personal que maneja los residuos sólidos.
 Los riesgos de infección fuera de los hospitales para el personal que maneja los
residuos sólidos, los que recuperan materiales de la basura y el público en general.
 Las infecciones de los pacientes hospitalizados debido al manejo deficiente de
desechos.
 Entre los problemas técnicos se puede mencionar la separación inadecuada de los
desechos peligrosos en el punto de origen debido a la poca formación del personal encargado.
Además, no se almacena adecuadamente los objetos punzocortantes, lo que explica las
numerosas lesiones del personal que manipula los desechos. Recipientes para
punzocortantes.

Etapas en el manejo de los residuos de hospitales


 Segregación:
La segregación de residuos es la clave del manejo debido a que en esta etapa se separan los
desechos y una clasificación incorrecta puede ocasionar problemas posteriores. Durante esta
etapa interviene personal que en su mayoría está encargado de la atención del paciente,
muchas veces en condiciones de urgencia y bajo presión. A menos que haya recibido una
buena capacitación, dicho personal podría considerar el manejo de los desechos como un
asunto de poca importancia, pues desconoce lo que ocurre con ellos una vez retirados del
pabellón o quirófano.

 Manipulación y almacenamiento.
Las bolsas y recipientes de desechos deberán ser selladas y llevadas a un lugar especial de
almacenamiento donde se colocarán en pilas separadas de acuerdo al color de las bolsas, dos
veces al día o más en quirófanos y unidades de cuidados intensivos. El lugar de
almacenamiento deberá ser seguro y contar con instalaciones que permitan su limpieza en
caso de derrames de desechos. Se debe colocar el símbolo universal de residuo biológico en la
puerta del área de almacenamiento, en los contenedores de residuos y en congeladores o
refrigeradoras usados para tal fin. Los desechos comunes pueden ser llevados directamente a
un recipiente exterior que podrá ser recogido por el servicio municipal. Símbolo de Riesgo
Biológico Símbolos de Riesgo Radiactivo

Referencia Linkografica

http://www.slideshare.net/NANPENO/bioseguridad-hospitalaria

Antibiótico
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Teste de suscetibilidade a antibióticos. Cada pastilha possui um antibiótico diferente e são colocados
sobre uma colônia de bactérias para verificar quais são mais ou menos eficientes contra essa
colônia.
Antibiótico (do grego αντί - anti + βιοτικός - biotikos, "contra um ser vivo") é qualquer
remédio capaz de combater uma infecção causada por microrganismos que
causam infecções a outro organismo. Não destroem vírus. [1]
O termo antibiótico tem sido utilizado de modo mais restrito para indicar substâncias que
atingem bactérias, embora possa ser utilizado em sentido mais amplo contra outros
parasitas (protozoários, fungos ou helmintos). Ele pode ser bactericida, quando tem efeito
letal sobre a bactéria ou bacteriostático, se interrompe a sua reprodução ou inibe seu
metabolismo mas também causa efeitos significativos em doenças causadas por vírus
como a gripe.[2]
As primeiras substâncias descobertas eram produzidas por fungos, como a penicilina.
Atualmente existem também antibióticos sintetizados ou alterados em laboratórios
farmacêuticos para evitar resistências e diminuir efeitos colaterais

Índice
[esconder]

 1Classes de antibióticos

 2Resistência antibiótica

 3Prescrição

o 3.1No Brasil

o 3.2Em Portugal

 4História

 5Ver também

 6Referências

 7Ligações externas

Classes de antibióticos[editar | editar código-fonte]


Os antibióticos podem ser classificados em bactericidas e bacteriostáticos, dependendo se
o fármaco causa diretamente a morte das bactérias ou se apenas inibe sua replicação,
respectivamente. Na prática, esta classificação se baseia no comportamento do
antibiótico in vitro e ambas as classes podem ser eficazes no tratamento de uma infeção. [3]
Classes de antibióticos agrupados por estrutura
[Esconder]

Nome [4] [4]


Nome Possíveis Mecanismo de
comer Aplicação
genérico efeitos adversos ação
cial

Aminoglicosídeos

Amiki Infeções severas causadas por bactérias gram-negativas, Une-se à unidade


Amicacina
n como Escherichia colie Klebsiella.  Ototoxi 30S do ribossoma,
cidade provocando una
Garam
Gentamicina (especialme alineação e
icina
nte quando reconhecimento
Kantre combinado anormal
Canamicina
x a diuréticos pelo ARN,
de alça) inibindo assim a
Neosp
Neomicina síntese de
orin
proteínas.
Netro  Toxicid
Netilmicina ade
micina
do nervo
Estreptomici vestibuloco
na clear)
Tobramicina Nebci
n

Paromomici Humat
na in
 Nefrotoxi
cidade (espec
ialmente
Ansamicinas

Geldanamici
na  Toxicid
ade
gastrointesti
nal leve
A geldanamicina
 Alteraç impede a
ões de incorporação da
Herba Experimental: antineoplásico exames HSP23 ao trímero
Herbimicina micina laboratoriai 90/90 - Imph; que
A s de sangue, bloqueia a
compatíveis formação HER-2.
com nefro e
hepatotoxic
idade
(reversíveis
)[5]

Carbacefem

Ocasionalmente
Lorabi Infeções respiratórias e infeções Inibição da parede
Loracarbefe trombocitopenia.
d urinárias. [6] celular bacteriana.

Carbapenem

Ertapeném Invanz
Finiba  Descon
Doripeném forto
x
abdominal
Imipeném/C Prima Bactericida para bactérias gram- e diarreia
ilastatina xina positivas e gram-negativas, usada
empiricamente devido ao seu amplo  Náusea Mecanismo
espectro de ação. betalactámico:
(Nota: MRSA resistente a esta previne a divisão
classe.) Imipenem é combinado  Convul celular bacteriana
com a cilastatina para reduzir a sões inibindo a síntese
Merre toxidade renal. Ertapenem possui da parede celular.
Meropeném melhor atividade  Cefalei
m
contra enterobactérias.[7] a

 Irritaçã
o cutânea e
alergias

Cefalosporinas (de primeira geração)


Durice
Cefadroxila
f  Descon
Cefazolina Ancef Como as penicilinas, as forto
abdominal Como outros
cefalosporinas possuem um anel
Cefalotina Keflin e diarreia beta-lactâmicos:
betalactâmico, sendo então
interrompem a
Cefalexina Keflex classificadas como antibióticos
síntese
bactericidas. Cocos Gram-positivos,  Náusea de peptidoglicano.
Escherichia coli e Klebsiella.
Verace
Cefradina  Reaçõe
f
s alérgicas

Cefalosporinas (de segunda geração)

Cefaclor Ceclor
Mand  Descon
Cefamandol forto
ol Geralmente mais eficazes que a Assim como
penicilina frente aos bacilos gram- abdominal outros beta-
Mefox e diarreia
Cefoxitina negativos. Haemophilus lactâmicos:
itin
influenzae, Enterobacter, Neisseria, interrompem a
Cefprozila Cefzil Proteus, Escherichia  Náusea síntese
coli e Klebsiella. de peptidoglicano.
Ceftin
Cefuroxima a,  Reaçõe
Zinnat s alérgicas

Cefalosporinas (de terceira geração)

Supra
Cefixima
x
Omnic
Cefdinir
ef
Cefditoreno Meiact
Cefoperazon Cefobi  Descon
a d As cefalosporinas são geralmente forto Assim como
empregadas no tratamento de abdominal
Clafor outros beta-
Cefotaxima infeções por micro-organismos e diarreia
an lactâmicos:
resistentes a outros antibióticos
interrompem a
Cefpodoxim betalactâmicos e também na
Vantin profilaxia prévia à cirurgias  Náusea síntese
a de peptidoglicano.
ortopédicas e abdominais.
Ceftazidima Fortaz  Reaçõe
Ceftibuteno Cedax s alérgicas

Cefizo
Ceftizoxima
x
Rocep
Ceftriaxona
hin

Cefalosporinas (de quarta geração)

Maxip
Cefepima
ime Maior cobertura  Similar Interrompem a
contra Pseudomonas e micro- a outras síntese
Cefcli organismos gram-positivos. cefalospori de peptidoglicano.
Cefaclidina
din nas

Cefalosporinas (de quinta geração)


Zevter
Atividade adicional  Similar Interrompem a
Ceftobiprol contra Staphylococcus aureus a outras síntese
a
resistente à meticilina cefalospori de peptidoglicano.
nas

Glicopeptídeos

Teicoplanin Targoc
a id  Atuam
inibindo a
 Alergia síntese
, dor de peptidogli
cano.
Pacientes em estado grave e com  Nefroto
hipersensibilidade a antibióticos xicidade  Alteram
Vancomicin Vanco betalactâmicos a
a cina permeabilida
 Neutro
de
penia
da membrana
plasmática e
 Surdez inibem a
síntese
de ARN

Macrolídeos

Zitrom Une-se à unidade


ax, ribossomal 50S
Azitromicin Suma inibindo a síntese
a med, de proteínas.
Zitroci
n
Claritromici Klarici
na d
Diritromicin Dynab
a ac  Náusea
Eritoci Infeções por estreptococo, sífilis, s, vômito, e
na, infeções respiratórias, infeções diarreia
Eritromicina
Eritro por Mycoplasma, Doença de Lyme
ped  Icteríci
Roxitromici Roxitr a
na ol
Tylan,
Tylosi
Tilosina n,
Pharm
asin
Troleandomi
(TAO)
cina
Telitromicin Ketek Pneumonia[8] Transtornos
a visuais,
toxicidade
hepática.
Espectinomi Trobic Antimetabólito, antineoplásico ativ
cina in o contra gonococos[9]

Monobactamas

Igual que los otros


Irritação
beta lactamáticos:
cutânea,
Ativo contra bactérias gram- disrompen la
alterações de
negativas aeróbias, como síntesis
funções
as enterobactérias e Yersinia, Plesio de peptidoglicano,
Azacta hepáticas.
Aztreonam monas, Aeromonas e Neisseria.[10] I una capa de
m Seguro para
nativo frente a cocos gram- la parede celular.
grande parte dos
positivos, anaeróbios Preferencia por
pacientes
e Acinetobacter.[7] la enzima PBP-3
alérgicos
de bacterias Gram
à penicilina.[7]
negativas.[7]

Penicilinas

Nova
mox,
Amoxicilina
Amoxi
l
Unasa
Ampicilina
yn
Securo
Azlocilina
pen
Carbenicilin Pyope
a n
Anacl
Cloxacilina
osil
Dicloxacilin Diclor
a an  Náusea,
vômito e Atuam inibindo a
Flucloxacili Floxap Ampla gama de diarreia síntese
na en infeções, sífilis e Doença de Lyme
de peptidoglicano.
Baype  Reaçõe
Mezlocilina
n s alérgicas
Staphc
Meticilina
illin
Nallpe
Nafcilina
n
Prosta
Oxacilina
filina
Penicilina
Piprac
Piperacilina
il
Timen
Ticarcilina
tin

Antibióticos polipeptídicos

Bacitracina Infeções oculares, otológicas e Dano renal Inibe a síntese de


urinárias. componentes pept
idoglicanos da par
ede
celular bacteriana[
11]

Colistina Interage com


a membrana
Polimixina plasmática bacteri
B ana, alterando sua
permeabilidade.

Quinolonas

Cipro,
Ciprox
Ciprofloxaci
in,
no
Ciprob
ay
Enoxi
Enoxacino
n
Enrofl
ox,
Rosax
cin,
Enrofloxaci Spectr
na on, Inibe
Enroxi Infeções do trato a topoisomerase,
na, Náusea (raro),
urinário, prostatites bacterianas, dia ADN girase e
Acroli pode ocasionar
rreia causada por infeções outras enzimas
n acúmulo
bacterianas, infeções bacterianas,
de teofilina quan
Gatifloxacin por mycoplasma, gonorreia. Pouca inibindo suas
Tequin atividade frente a organismos do administrado
o replicações e a
conjuntamente.[7]
anaeróbios.[7] transcrição de
Levofloxaci Tavani ADN.
na c
Lomefloxaci
Loflox
no
Moxifloxaci Avelo
no x
Norfloxacin Norox
a in
Ocuflo
Ofloxacino
x
Trovafloxaci Trova
no n

Sulfonamidas

Mafenida Infeções urinárias, salmonelose, Inibição da


colibacilose  Náusea, síntese de ácido
Sulfadiazina
vômito e fólico, entre
sulfadimeto diarreia outras funções
xina inibitórias da
síntese
Sulfamidocr Pronto  Reaçõe
de ADN e ARN.
isoidina sil s alérgicas
Sulfacetami
da  Cristais
Sulfametizol
Sulfanilami
da
Sulfasalazin
a
Sulfisoxazol
Trimetoprim
Trimetoprim na urina
a-
Sulfametoxa
Bactri  Insuficiê
zol (Co-
m ncia renal
trimoxazol)
(TMP-
SMX)  Redução
na contagem
Tetraciclinas

Demeclocicl
ina  Náusea,
Vibra vômito e
Doxiciclina diarreia
micina
Minoc
Minociclina
in  Hiperse
nsibilidade
Oxitetracicli Terra à luz solar
na micina Une-se à unidade
Sífilis, infeções
ribossomal 30S
por Chlamydia, Mycoplasma e Rick  Manch inibindo a síntese
ettsia. Acne. as dentárias de proteínas.[12]
em crianças

Sumyc  Potenci
Tetraciclina
in almente
tóxico para
mãe e feto
durante a
gravidez
Lincosamidas
Diarreia causada Possui ação
por Clostridium bacteriostática por
Infeções por bactérias difficile, inibição da síntese
Clindamicin Cleoci
anaeróbias, acne e profilaxia para podendo de proteínas no
a n
cirurgias. ocasionar colite nível ribossômico
pseudomembran por união à
osa. unidade 50S.[13]
Similar
aos macrolídeos,
Colite,
Lincoc unindo-se a
Lincomicina Acne, profilaxia cirúrgica ocasionalmente
in subunidade
letal.
ribossomal
bacteriana 50S.

Outros

Arsfenamin Salvar Infeções por espiroquetas Intoxicação Liberação


a san por arsênico contínua do
composto
RAs(OH)2,
especialmente
tóxico
ao Treponema
pallidum.
Toxicidade
dose-dependente
Une-se de
da medula
Ativo contra bactérias gram- maneira reversível
Chloro óssea podendo
Cloranfenic positivas e gram-negativas, bem à unidade
myceti ocasionar anemi
ol como grande parte de ribossomal 50S,
n a aplásica,
microorganismos anaeróbios [14] inibindo a síntese
que em casos
de proteínas.
raros pode ser
irreversível.
Inibe a formação
Myam Principalmente
Etambutol Antituberculoso da parede celular
butol neurite óptica]].
bacteriana.
Inibe a formação
Monur Geralmente é
Fosfomicina Infeções urinárias da parede celular
ol bem tolerado.
bacteriana.
Icterícia, urina
Bactérias gram-positivas como de cor escura,
Inibição da
Ácido Fucidi certas espécies ambas
síntese de
fusídico n de Staphylococcus, Streptococcus e reversíveis
proteínas.
Corynebacterium. quando suspenso
o tratamento.
Diarreia e enterite causadas por interferência
Furazolidon Furox Trastornos
bactérias ou no ADN bacterian
a one gastrointestinais
por protozoários, cólera e giardiose. o.
Bloqueio da
Laniaz Inúmeros efeitos
Isoniazida Antituberculoso biosíntese de
id adversos
ácidos graxos
Geralmente bem
Infeções por bactérias gram- Inibição da
Zyvox tolerada em
Linezolida positivas resistentes a outros síntese de
id tratamentos de
antibióticos. proteínas.
curto prazo.
Protozoários e microorganismos Atua nas
Alteração da cor
anaeróbios incluindo Bacteroides proteínas que
da urina. O uso
fragilis, Fusobacterium, transportam
Metronidazo prolongado pode
Flagyl Veillonella, Clostridium elétrons na cadeia
l causar
difficile e C. respiratória das
neuropatia
perfringens, Eubacterium, Peptoco bactérias
periférica.
ccus, Giardia e Peptostreptococcus. anaeróbias.
Bacteriostático em baixas Frequente Inibição da
Bactro
Mupirocina concentrações e bactericida em resistência síntese de
ban
concentrações elevadas. bacteriana. proteínas.
Macro
dantin
Nitrofuranto Dano ao ADN
a, Infeções urinárias. Náusea, vômito.
ína bacteriano.
Macro
bido
Platensimici Droga experimental Desconhecidos Inibição da
na biosíntese de
ácidos graxos.
Inibição da
Pirazinamid
Antituberculoso Artralgia. biosíntese de
a
ácidos graxos.
Quinupristin Artralgia, mialgi Inibição da
Synerc Estafilococos e Enterococcus
a/Dalfopristi a, náusea, síntese de
id faecium resistentes a vancomicina.
na vômito, cefaleia. proteínas.
Une-se à
Alterações de
Rifaldi Bactérias gram-positivas subunidade β
Rifampicina cor do suor,
n e micobactéria da ARN-
lágrimas e urina.
polimerase.
Produção de
Tontura,
radicais livres
Tinidazol Uretrite e vaginite cefaleia,
tóxicos para os
sonolência.
microorganismos.

Nome [4] [4]


Nome Possíveis Mecanismo de
comer Aplicação
genérico efeitos adversos ação
cial

Resistência antibiótica[editar | editar código-fonte]


Ver artigo principal: Resistência antibiótica
A resistência antibiótica é a capacidade dos microrganismos de resistir aos efeitos de um
antibiótico ou antimicrobiano. O uso inadequado de antibióticos (na terapia humana e na
utilização como promotor de crescimento em animais que fazem parte da alimentação
humana) conduz ao aparecimento de resistências, tornando os agentes antimicrobianos
menos eficazes.[15] A resistência pode ser adquirida
via: transformação, conjugação, transdução e mutação.

Prescrição[editar | editar código-fonte]


Segundo a Organização Mundial de Saúde, mais de 50% dos antibióticos
são prescritos de forma inadequada[16], o que vem causando resistência à ação dos
medicamentos. Em um encontro de especialistas, realizado
em março de 2012 na Dinamarca, a diretora-geral da OMS, Margaret Chan alertou para o
desafio que isso representa para os países em desenvolvimento, que são os principais
afetados por diversas enfermidades. "Muitos países estão incapacitados pela falta de infra-
estrutura, incluindo laboratórios, diagnósticos, confirmação de qualidade, capacidade de
regulação, monitoramento e controle sobre a obtenção e a utilização de antibióticos", diz
Chan[17].
No Brasil[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Restrição à venda de antibióticos no Brasil
Para evitar o uso indiscriminado de antibiótico pela população e conter o avanço dos casos
de contaminação por superbactérias começaram a valer novas regras a partir de 28 de
novembro de 2010 para a venda de antibióticos nas farmácias e drogarias brasileiras
(resolução RDC 44 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária[18]). Os medicamentos só
podem ser vendidos com a apresentação de duas vias da receita médica, sendo que uma
delas ficará com o estabelecimento e outra com o consumidor. A regra vale atualmente
para 93 tipos de substâncias antimicrobianas que compõem todos os antibióticos
registrados no Brasil. Estão de fora da lista os antibióticos usados exclusivamente em
hospitais.[19]
Em Portugal[editar | editar código-fonte]
Em Portugal, os antibióticos são classificados como medicamentos sujeitos a receita
médica (MSRM). Orgão regulador e fiscalizador é o instituto público Infarmed.[20][21] A
legislação portuguesa prevê penalidades semelhantes às leis brasileiras, entre outras
definidas no Decreto-Lei nº 48547 de 1968 que regulamenta o exercício da atividade
farmacêutica[22] — mesmo assim, a venda ilegal de antibióticos sem receita médica é,
como no Brasil, problemática.[23]
A Direção-Geral da Saúde do Ministério da Saúde considera a resistência aos
antibióticos "uma das maiores ameaças à Saúde Pública" atuais. Portugal é um dos países
da Europa com taxas elevadas de resistência aos antibióticos.[23] O Programa Nacional de
Prevenção das Resistências aos Antimicrobianos (PNPRA), introduzido no âmbito
do Plano Nacional de Saúde 2004-2010[24] e concretizado em novembro de 2009 prevê
diminuir até 2015, a nível nacional, as resistências aos antibimicrobianos estimulando o
uso racional dos antibióticos e monitorizando as resistências atravês da implementação de
um sistema informático de vigilância, entre outros.[25]

História[editar | editar código-fonte]

Staphylococcus aureus.
O primeiro antibiótico identificado pelo homem foi a penicilina. Alexander Fleming, médico
microbiologista do St. Mary's Hospital, de Londres,[26] já vinha há algum tempo
pesquisando substâncias capazes de matar ou impedir o crescimento de bactérias nas
feridas infectadas, pesquisa justificada pela experiência adquirida na Primeira Grande
Guerra 1914 - 1918, na qual muitos combatentes morreram em consequência da infecção
em ferimentos e mal-tratados por falta de um tratamento adequado.
Em 1928 Fleming desenvolveu pesquisas sobre estafilococos, quando descobriu a
penicilina. A descoberta da penicilina deu-se em condições muito peculiares, graças a uma
sequência de acontecimentos imprevistos e surpreendentes.
No mês de agosto de 1928 Fleming tirou férias e, por esquecimento, deixou algumas
placas com culturas de estafilococos sobre a mesa, ao invés de guardá-las na geladeira ou
inutilizá-las, como seria natural. Ao retornar ao trabalho, em setembro do mesmo ano,
observou que algumas das placas estavam contaminadas com mofo, fato este
relativamente frequente. Colocou-as então, em uma bandeja para limpeza e esterilização
com lisol. Neste exato momento entrou no laboratório um seu colega, Dr. Pryce, e lhe
perguntou como iam suas pesquisas. Fleming apanhou novamente as placas para explicar
alguns detalhes ao seu colega sobre as culturas de estafilococos que estava realizando,
quando notou que havia, em uma das placas, um halo transparente em torno do mofo
contaminante, o que parecia indicar que aquele fungo produzia uma substância
bactericida. O assunto foi discutido entre ambos e Fleming decidiu fazer algumas culturas
do fungo para estudo posterior.
O fungo foi identificado como pertencente ao gênero Penicillium, de onde deriva o nome
da penicilina dado à substância por ele produzida. Fleming passou a empregá-lo em seu
laboratório para selecionar determinadas bactérias, eliminando das culturas as espécies
sensíveis à sua ação.
Foi o primeiro teste de reação penicilínica realizado em laboratório. Por outro lado, a
descoberta de Fleming não despertou inicialmente maior interesse e não houve a
preocupação em utilizá-la para fins terapêuticos em casos de infecção humana até a
eclosão da Segunda Guerra Mundial, em 1939. Nesse ano e em decorrência do próprio
conflito, a fim de evitarem-se baixas desnecessárias, foram então ampliadas as pesquisas
a respeito da penicilina e seu uso humano.
Em 1940, Sir Howard Fleorey e Ernst Chain, da Universidade de Oxford, retomaram as
pesquisas de Fleming e conseguiram produzir penicilina com fins terapêuticos em escala
industrial, inaugurando uma nova era para a medicina denominada a era dos antibióticos.
Alguns anos mais tarde, Ronald Hare, colega de trabalho de Fleming, tentou, em vão,
"redescobrir" a penicilina em condições semelhantes às que envolveram a descoberta de
Fleming. Após um grande número de experiências verificou-se que a descoberta da
penicilina só tornou-se possível graças a uma série inacreditável de coincidências, que
foram:

 O cogumelo que contaminou a placa, como se demonstrou posteriormente, é um


dos três melhores produtores de penicilina dentre todas as espécies do
gênero Penicilium;

 O cogumelo contaminante teria vindo pela escada do andar inferior, onde se


realizavam pesquisas sobre fungos;

 O crescimento do cogumelo e dos estratococos se fez rapidamente, condição para


se evidenciar a lise bacteriana;

 No mês de Agosto daquele ano, em pleno verão, uma inesperada onda de calor
em Londres, que proporcionou a temperatura ideal ao crescimento lento da cultura;

 A providencial entrada do Dr. Pryce no Laboratório permitiu que Fleming


reexaminasse as placas contaminadas e observasse o halo transparente em torno do
fungo, antes de sua inutilização.
Apesar de todas essas felizes coincidências, se Fleming não tivesse a mente preparada e
avançada não teria valorizado ou mesmo notado o halo transparente em torno do fungo e
descoberto a penicilina.

Bioseguridad hospitalaria
(Redirigido desde «Bioseguridad Hospitalaria»)

Este artículo o sección


necesita referencias que aparezcan en
una publicación acreditada. Este aviso
fue puesto el 7 de agosto de 2014.
Puedes añadirlas o avisar al autor
principal del artículo en su página de
discusión pegando: {{sust:Aviso
referencias|Bioseguridad