You are on page 1of 7

UNIVERSIDADE

 FEDERAL  DE  MINAS  GERAIS                  _PRÓ-­‐REITORIA  DE  PESQUISA    


PROGRAMA  INSTITUCIONAL  DE  BOLSAS  DE  INICIAÇÃO  CIENTÍFICA  
PIBIC/CNPq,  PIBIC  AF/CNPq  e  PROBIC/Fapemig    
 

EDITAL  PRPq      _05/2017  


 
Subprojeto  de  Pesquisa  1      _PLANO  DE  TRABALHO  E  DE  ORIENTAÇÃO  1  
 

Prof.  Dr.  José  Augusto  Martins  Pessoa    


DEPARTAMENTO  DE  URBANISMO,  ESCOLA  DE  ARQUITETURA  
 
SUBPROJETO   DE   PESQUISA   1       _QUAIS   IMAGENS?     QUAIS   CORPOS?   QUAIS   TOPIAS?                                                          
TRABALHADORES-­‐USUÁRIOS-­‐OPERADORES   DO   TELEMARKETING   E   TRABALHADORES-­‐MANIFESTANTES-­‐
URBANOS  NA  RUA.      LEITURAS  A  PARTIR  DA  TOPOLOGIA  URBANA  NA  GRANDE  BELO  HORIZONTE,  MINAS  GERAIS.  
 
PROJETO   DE   PESQUISA       _DA   (RE)PRODUÇÃO   NO/DO   ESPAÇO   À   EXPERIMENTAÇÃO   DO   DIREITO   À   VIDA   URBANA                    
(À  CENTRALIDADE)  :  QUAIS  IMAGENS?    QUAIS  CORPOS?  QUAIS  TOPIAS?  
 
ÁREA  DE  CONHECIMENTO      _Ciências  Sociais  Aplicadas  
SUB-­‐ÁREA  DE  CONHECIMENTO      _Fundamentos  de  Arquitetura  e  Urbanismo  
GRUPO  DE  PESQUISA      _Uponto  _Utopias  Urbanísticas  Experimentais  
 
1      _CARACTERIZAÇÃO  E  DELIMITAÇÃO  DO  PROBLEMA            
 
Temos  por  pressuposto  que  no  serviço  de  telemarketing  seus  trabalhadores,  apesar  da  
materialidade   que   encerram,   se   realizam   no   limite   como   sujeitos   sociais   ocultos,   quando  
esboçam,   insones,   linhas   contingentes   de   uma   ininterrupta   circulação   urbana   da   qual   é   possível  
cartografias   do   invisível;   visto   que   se   relacionam   à   distância,   estabelecendo   renovados   usos-­‐
trocas   em,   e   de,   fluxos   diversos,   e   assim   vivências,   percepções   e   representações   atualizadas.  
Tais   experiências,   devido   a   sutileza   de   seus   registros,   não   são   vistas   nem   estudadas   como  
prática   espacial   ou   cultural   e   sim   toleradas/incentivadas   como   prática   comercial   do   sub-­‐
segmento  de  mercado  do  “teletrabalho  terceirizado”,  onde,  segundo  estatisticas  (extra-­‐oficiais,  
empresariais),   emprega   hoje   cerca   de   173   mil   pessoas   no   Brasil,   sendo   destas,   somados   as  
empregadas  só  nas  quatro  maiores  empresas,  33.500  em  Belo  Horizonte.    
De   outra   parte,   os   usuários   do   serviço   de   telemarketing,   apesar   da   materialidade   que  
encerram,  igualmente  se  realizam  como  sujeitos  sociais  ocultos,  indicam  trajetórias  mutantes  de  
uma  difusa  circulação  urbana  da  qual  é  possível  cartografias  do  invisível;  pois  aqui  também  se  
relacionam   à   distância,   de   forma   mediata   com   outros   sujeitos   igualmente   ocultos,  
estabelecendo   usos-­‐trocas   duplamente   abstratas   em/de   fluxos   diversos   -­‐   o   “cliente”   busca  
atendimento   direto,   enquanto   obtém   a   impessoalidade   do   atendimento   remoto   e   digital  
através   de   máquinas   e   atores   falantes,   em   neodialetos   provenientes   de   anglicismos  
informacionais.   Estas   experiências,   tomando   a   desconcertante   efemeridade   de   seus   registros,  
não  são  vistas  como  prática  espacial  ou  cultural  no  âmbito  do  neocapitalismo  e  sim  divulgadas  
como  indicador  da  última  modernidade  em  ato  no  país.  Neste  sentido,  Belo  Horizonte,  terceira  
maior   metrópole   do   Brasil,   dentro   do   serviço   de   “call   center   terceirizado”   tem   como   foco   de  
atendimento  “vendas”  de  serviços  vários  para  todos  os  “clientes”  no  território  brasileiro;  o  que  
não  quer  dizer  que  as  demais  sete  “bases  fixas”  da  maior  empresa  sediada  no  país  não  operem  
também  “vendas”.    
Nosso   interesse   tem,   por   fim,   acento   na   discussão   e   cartografação   da   renovação   das  
relações   sempre   atuais,   porém   hoje   desfocadas,   entre   o   trabalho   e   a   habitação   na   produção   do  
espaço,   sobretudo   quando  se  põe   como  última  modernização  o  trabalho  “digital”  na  “cidade”  
atual.  
!  JPessoa_SubProjPesq  1_BIC'ufmg2017_proj+pltrab  1.doc      1  |  7  
Este  subprojeto  integra  o  Projeto  de  Pesquisa  supracitado,  e  é  um  desdobramento  do  Projeto  
de  Pesquisa  “Operadores,  usuários  e  prática  espacial  a  partir  do  telemarketing  na  Grande  Belo  
Horizonte,   MG.   Trabalho,   tempos   e   sujeitos:   (in)visibilidades   em   trânsito   na   produção   do  
espaço”   (em   andamento).   Insere-­‐se   nos   campos   do   cotidiano,   do   trabalho   e   da   topologia  
urbana,  focando  a  re-­‐produção  e  a  re-­‐apropriação  contemporâneas  no/do  lugar-­‐tecido  urbano.  
Propomos  a  este  Edital  para  prosseguir  nas  pesquisas  citadas,  reunindo  docentes  doutores  do  
Dep.   de   Urbanismo   e   de   outros   departamentos   acadêmicos   da   EA   UFMG,   bem   como  
pesquisadores  externos.  
 
São   objetivos   gerais   do   subprojeto:   cartografar-­‐infografar-­‐sonografar,   espacializar   e   aclarar  
correlações  entre  as  recentes  metamorfoses  da  re-­‐produção  no/do  trabalho  e  do  planejamento-­‐
gestão   trabalhista,   de   um   lado,   e,   de   outro,   da   re-­‐produção   no/do   tecido   urbano   e   do  
planejamento-­‐gestão  urbanística,  examinando  a  diversidade  e  a  profusão  contemporâneas  dos  
fluxos  informacionais  e  presenciais  cegados  no  momento  atual  da  produção  no/do  espaço,  na  
periferia   do   capitalismo,   difundidas   via   metrópole.   Especificamente,   no   caso   do   subprojeto  
proposto,   são   objetivos:       i.   identificar   os   diversos   sujeitos   trabalhadores-­‐operadores   e/ou  
trabalhadores-­‐usuários   do   telemarketing,   dentro,   e   para   além,   de   seus   postos   de   trabalho,  
formais   e   informais,   ou   na   posição   “sem   trabalho”;       ii.   datar,   localizar   e   situar   seus   locais   de  
permanência,   situações   de   passagem   e   deslocamentos   na   “cidade”   (domicílios   explodidos   de  
trabalho,   moradia,   estudo,   distração,   alimentação,   etc.),   discutindo   as   noções   e   conceitos   de  
centro,   bairro,   e   centralidade,   de   (des)centralização,   de   acessibilidade   e   periferia   urbana,   de  
cidade,   tecido   urbano   e   lugar   [tópos],   de   tempos   cíclico   e   linear   (sub-­‐dividido   nos   tempos  
obrigatório,   ou   do   trabalho,   livre   e   imposto),   de   ambiente,   [país-­‐]paisagem   [topos-­‐topio   ?-­‐?]   e  
paisagem   cotidiana,   de   ‘tele-­‐’/telemarketing   e   segregação   sócio-­‐espacial,   de   ‘-­‐flig-­‐’/conflito   e  
desigualdade   sócio-­‐espacial,   e   por   fim,   de   re-­‐produção   programada   no/do   desencontro   e  
consumo  sócio-­‐espacial;  e      iii.  espacializar  cartografias,  infografias  e  sonografias  do  (in)visível,  
inventariando   na   prática   espacial   o   que   se   refere   ora   a   re-­‐produção   das   relações   (sociais)   de  
produção,  ora  a  apropriação  social  e  individual  do  tempo,  do  espaço  e  do  corpo,  elucidando  a  
atual,   híbrida   e   mutante,   divisão   técnica,   social   e   territorial   do   trabalho.   Julgamos   que,   ao  
investigar-­‐espacializar   novas   e   antigas   subjetivações,   acontecimentos,   apropriações,  
territorialidades,   linhas   de   fuga,   (re)ativadas   pelos   trabalhadores-­‐operadores   e/ou   pelos  
trabalhadores-­‐usuários  do  (segmento  de  mercado  dos  serviços,  ou  não,  de)  telemarketing,  seja  
possível   entender   e   delinear   um   novo   registro   do   momento   atual   do   modo   capitalista   de  
produção,  ou,  melhor  dito,  do  modo  de  produção  de  segregações-­‐desigualdades  sócio-­‐espaciais,  
suas   línguas,   logísticas,   e   vastas   redes   (in)visíveis   e   subjetivas   de   relações   humanas   e   de  
(des)encontros  rítmicos  e  topológicos  (ou  “polifônico-­‐poliorâmicos”).  A  partir  de  leituras  da  vida  
cotidiana  nessas/dessas  multifacetadas  redes  de  sujeitos  (e  de  não  mais  sujeitos?!)  sociais,  das  
suas  microritualizações  espaço-­‐temporais,  pretendemos  contribuir  para  uma  transformação  de  
paradigma  baseada  na  coexistência  conflitiva      de  (no  movimento  conflituoso  entre)  visões  de  
mundo,  interesses  e  resistências  diversas  (“resíduos  irredutíveis  ao  domínio  da  lógica,  da  razão”  
/  “a  insurreição  do  uso”),  assim  sensível  e  inquieta,  contraditória  e  politizada  de  corpos/vozes,  
de  ritmos  e  de  lugares/topias  [topoi].  
 
 
 
 
 
 

!  JPessoa_SubProjPesq  1_BIC'ufmg2017_proj+pltrab  1.doc      2  |  7  


“CINEMA  DE  URGÊNCIA”  NA  MOSTRA  CINEBH  2017.  QUAIS  IMAGENS?  QUAIS  CORPOS?  QUAIS  
TOPIAS?  TRABALHADORES-­‐MANIFESTANTES-­‐URBANOS  NA  RUA.  LEITURAS  A  PARTIR  DA  
TOPOLOGIA  URBANA  NA  GRANDE  BELO  HORIZONTE,  MINAS  GERAIS.  
 
 
A   partir   das   discussões   contemporâneas   em   torno   da   renovação,   da   reprodução   e/ou   da  
reapropriação   nas   e   das   dinâmicas   topológicas   encontradas   em   diferentes   locais   e   lugares   no  
tecido   urbano,   focando   “cidades”   e   “metrópoles”   na   periferia   do   capitalismo   (melhor   dito,   do  
modo   de   produção   de   segregações   e   desigualdades   socioespaciais),   desdobrando   de   pesquisa  
anterior,   estamos   a   recortar   um   outro   conjunto   articulado   de   temas   que   nos   possibilite   ampliar  
materiais   e   instrumentos   do   pensamento-­‐ação   urbanístico   quanto   a   profusão   atual   das   redes  
técnicas   ou   informacionais,   e,   sobretudo,   das   redes   presenciais   de   relações   sociais   ou  
topológicas.  Nos  entrelaçamentos  dos  campos  da  vida  cotidiana,  da  luta  política  e  da  topologia  
urbana,  objetivamos  identificar,  cartografar,  espacializar  e  aclarar  correlações  em  movimentos  
que  vão  da  re-­‐produção  do  desejo,  do  espaço  e  do  tempo  à  experimentação  do  direito  à  vida  
urbana.  Com  os  dados  primários  construídos  no  subprojeto  de  pesquisa  anterior  um  rico  acervo  
fotográfico   e   de   entrevistas   transcritas   foi   produzido,   do   qual   pudemos   espacializar   e   aclarar  
correlações  entre  imagens,  corpos  e  topias  presentes  nos  diversos  níveis  de  leituras-­‐ações  na  e  
da   produção   (social,   material   e   mental)   do   espaço,   do   tempo   e   do   corpo/da   sociedade.  
Constatamos  a  potência  da  área  central  da  metrópole  belo-­‐horizontina,  e  de  suas  imediações  e  
tentáculos,   tanto   como   um   conjunto   de   locais   (re)vividos   e   representados   em   imagens   a  
disputar  narrativas  e  circulação  hegemônicas  e  identitárias,  quanto  um  universo  de  lugares  de  
(des)encontros  de  corpos  dóceis  e  úteis,  diversos  e  (in)diferentes,  ordeiros  ou  em  manifestações  
conflituosas   e   ruidosas.   Essa   potência   se   liga   à   noção   de   centralidade   adotada   por   Henri  
Lefebvre,   como   um   confluir   de   lugares   e   instantes   no   espaço-­‐tempo   onde   coexistem   as   iso-­‐
topias,  as  hetero-­‐topias,  e  as  u-­‐topias.  O  que  nos  leva  agora  à  reorientação  dos  encontros  com  
os   pesquisados,   não   mais   trabalhadores-­‐usuários-­‐operadores   do   “telemarketing”,   e   sim   como  
trabalhadores-­‐manifestantes-­‐urbanos  na  rua.  Quais  imagens?  Quais  corpos?  Quais  topias?  Esta  
tríade   de   questões   desdobra   cada   um   dos   termos.   Estamos   envolvidos   com   nova   revisão  
bibliográfica.   Também   escolhemos   outra   fonte   de   pesquisa(s),   a   funcionar   com   o   quarto   campo  
no  entrelaçamentos  dos  campos  supracitados:  a  arte,  com  suas  linguagens  coletivas  na  e  de  rua  
–   o   cinema,   o   teatro,   a   dança.   Pela   oportunidade   apresentada   estamos   lidando   com   e  
analisando  o  acervo  da  11ª  Mostra  CineBH  –  Mostra  Internacional  de  Cinema  de  Belo  Horizonte  
2017,  acontecida  nos  dias  22-­‐27  de  agosto,  com  a  temática:  “Cinema  de  Urgência”.  Segundo  os  
curadores,   “pensar   o   mundo   [...]   guiados   pela   urgência   serena   de   resistir   ao   fluxo   torrencial   das  
imagens-­‐clichês   também   produzem   [os   autores]   uma   forma   de   resistência   imensamente  
potente”.   Filmes,   mostras,   rodas   de   conversas,   catálogos,   são   parte   das   fontes   específicas   a  
des(a)fiar  nossos  antigos  e  novos  instrumentos  do  pensamento-­‐ação  urbanístico.  
 
palavras-­‐chave    
Quais   corpos,   imagens,   e   topias?;   Re-­‐produção   no   e   do   espaço;   Experimentação   do   direito   à  
vida  urbana  (à  centralidade);  Topologia  urbana  
 
2      _OBJETIVOS  E  METAS  
 
2.1.  Objetivos  
 
De   forma   geral   com   a   pesquisa   visamos   identificar   correlações   entre   as   recentes  
metamorfoses  na  reprodução  do  trabalho  e  no  planejamento  e  gestão  trabalhista,  de  um  lado,  
!  JPessoa_SubProjPesq  1_BIC'ufmg2017_proj+pltrab  1.doc      3  |  7  
e,   de   outro,   na   reprodução   do   tecido   urbano   e   no   planejamento   e   gestão   urbanística,  
examinando  a  diversidade  e  a  profusão  contemporâneas  dos  fluxos  informacionais  e  presenciais  
cegados  no  momento  atual  da  produção  no/do  urbano  na  periferia  do  capitalismo,  difundidas  
via  metrópole.    
Neste   recorte,   especificamente,   são   objetivos   identificar   os   diversos   trabalhadores   ou  
“operadores”  do  telemarketing  e  seus  postos  de  trabalho,  dentro  e  além  destes,  e  os  diversos  
usuários   ou   “clientes”   do   telemarketing,   seus   postos   de   trabalho   formais   e   informais,   ou   na  
posição   “sem   trabalho”;   recompor   seus   deslocamentos,   locais   de   permanência   e   situações   de  
passagem   na   “cidade”   (domicílios   explodidos-­‐expandidos   de   trabalho,   moradia,   estudo,  
distração,  alimentação,  etc.),  discutindo  as  noções  de  centro,  bairro,  centralidade,  acessibilidade  
e  periferia  urbana,  de  tempos  cíclico,  obrigatório  (do  trabalho),  livre  e  imposto;  e  inventariar  em  
suas   práticas   espaciais   o   que   se   refere   ora   a   reprodução   das   relações   de   produção,   ora   a  
apropriação  social  e  individual  do  tempo,  do  espaço  e  do  corpo.  
Ao   investigar   e   cartografar   novas   e   antigas   espacialidades,   temporalidades   e  
territorialidades  (re)ativadas  pelos  trabalhadores  e  pelos  usuários  do  serviço  de  telemarketing  
imaginamos  delinear  um  novo  registro  do  funcionamento  discreto  do  momento  atual  do  modo  
capitalista  de  produção,  ou,  melhor  dito,  do  modo  de  produção  de  desigualdades  espaciais,  suas  
logísticas,   e   vastas   redes   invisíveis   e   subjetivas   de   relações   humanas   e   de   interconexões  
topológicas.   A   partir   de   leituras   da   vida   cotidiana   destes   diversos   sujeitos   sociais,   das   suas  
microritualizações   espaciais,   pretendemos   contribuir   para   uma   transformação   de   paradigma  
baseada  na  coexistência  sensível,  conflitiva  e  politizada  de  corpos/vozes,  de  ritmos  e  de  topos.  
 
2.1.  Metas  
 
  a.  Elaboração  de  um  banco  de  dados  interdisciplinar  impresso  e  digital;  e  
b.   Espacializações   do   acervo   impresso   e   digital   de   textos,   sons,   imagens   e   demais   figuras  
recolhidos   e   co-­‐produzidos   pelo   grupo   e   pelos   sujeitos   representativos,   construindo   uma  
espécie  de  acervo  multidimensional  de  cartografias  subjetivas  e  artesanias  científicas.  
 
2      _Objetivos  gerais  
Buscando  prosseguir  com  pesquisas  em  andamento,  mantemos  os  objetivos  gerais,  quais  sejam,  
cartografar-­‐infografar-­‐sonografar,   espacializar   e   aclarar   correlações   entre   as   recentes  
metamorfoses   da   re-­‐produção   no/do   trabalho   e   do   planejamento-­‐gestão   trabalhista,   de   um  
lado,   e,   de   outro,   da   re-­‐produção   no/do   tecido   urbano   e   do   planejamento-­‐gestão   urbanística,  
examinando  a  diversidade  e  a  profusão  contemporâneas  dos  fluxos  informacionais  e  presenciais  
cegados  no  momento  atual  da  produção  no/do  espaço,  na  periferia  do  capitalismo,  difundidas  
via  metrópole.        Tomamos  aqui  como  o  objeto  principal  do  subprojeto  de  pesquisa  abordar  a  
vida   cotidiana   dos   diversos   sujeitos   trabalhadores-­‐operadores   e/ou   trabalhadores-­‐usuários   do  
(segmento   de   mercado   dos   serviços,   ou   não,   de)   telemarketing,   dentro,   e   para   além,   de   seus  
postos   de   trabalho,   formais   e   informais,   ou   na   posição   “sem   trabalho”,   na   Grande   Belo  
Horizonte.  
 
2      _Objetivos  específicos  
2.1   -­‐   selecionar   e   discutir   referências   bibliográficas,   noções   e   conceitos   dentro   dos   temas   e  
recortes  específicos  do  objeto  empírico  deste  subprojeto  de  pesquisa;  

!  JPessoa_SubProjPesq  1_BIC'ufmg2017_proj+pltrab  1.doc      4  |  7  


2.2   -­‐   identificar   os   diversos   sujeitos   trabalhadores-­‐operadores   e/ou   trabalhadores-­‐usuários   do  
telemarketing,   dentro,   e   para   além,   de   seus   postos   de   trabalho,   formais   e   informais,   ou   na  
posição  “sem  trabalho”;    
2.3   -­‐   datar,   localizar   e   situar   seus   locais   de   permanência,   situações   de   passagem   e  
deslocamentos  na  “cidade”  (domicílios  explodidos  de  trabalho,  moradia,  estudo,  distração,  
alimentação,   etc.),   por   meio   das   técnicas   e   tecnologias   da   cartografia,   da   infografia   e   da  
sonografia;  
2.4   -­‐   espacializar   estas   cartografias,   infografias   e   sonografias   do   (in)visível,   considerando   e  
apresentando   a   atual   divisão   técnica,   social   e   territorial   do   trabalho,   híbrida   e   mutante,  
especialmente  entre  trabalho  terceirizado  e  trabalho  não-­‐terceirizado;  
2.5   -­‐   apropriar-­‐se   de   procedimentos   metodológicos   quantitativos   e   qualitativos   de  
levantamento  e  análise  de  dados,  e  de  síntese  de  informações;  
2.6   -­‐   familiarizar-­‐se   com   procedimentos   da   análise   urbana,   e   da   cartografia   temática,   da  
infografia   e   da   sonografia,   tanto   manuais   ou   artesanais   de   criação   de   imagens,   sons   e  
outros   dados,   quanto   digitais   ou   matemáticas   de   captação,   geração/processamento   e  
edição  de  imagens,  sons  e  outros  dados  geo-­‐referenciados  ou  não;  e  
2.7   -­‐   familiarizar-­‐se   com   procedimentos   da   reunião   e   catalogação   de   materiais,   do  
referenciamento  bibliográfico  e  iconográfico,  e  da  redação  de  textos  científicos.  
 
3      _METODOLOGIA  
 
  O   trabalho   aqui   tem   natureza   exploratória,   a   partir   da   investigação   dos   diversos  
trabalhadores  ou  “operadores”  e  dos  usuários  ou  “clientes”  do  serviço  de  telemarketing  na  Grande  
Belo  Horizonte,  e  deverá  ser  desenvolvido  através  das  seguintes  atividades:  
1.   Revisão   bibliográfica   sobre   os   principais   conceitos   relativos   ao   estudo   da   temática  
proposta  e  sobre  os  estudos  empíricos  existentes;  
2.   Seleção   e   visita   guiada   às   empresas   deste   ramo   econômico   encontradas   na   Grande  
Belo  Horizonte;  
3.   Levantamentos   de   campo,   identificando   quanti   e   qualitativamente   os   diversos  
trabalhadores   ou   “operadores”   e  dos  usuários  ou  “clientes”  do   serviço   de   telemarketing   na  
Grande  Belo  Horizonte;  
4.  Elaboração  de  roteiros  e  aplicação  de  entrevistas  e  outras  técnicas  audiovisuais  com  
sujeitos   representativos   da   diversidade   encontrada,   buscando   tanto   recompor   seus  
deslocamentos   físicos,   locais   de   permanência   e   situações   de   passagem   na   “cidade”,   quanto  
inventariar  e  espacializar  suas  práticas  espaciais;  
5.  Trabalhos  de  gabinete  utilizando  procedimentos  da  análise  urbana  e  da  cartografia  nas  
espacializações   do   acervo   impresso   e   digital   de   textos,   sons,   imagens   e   demais   figuras  
recolhidos  e  co-­‐produzidos  pelo  grupo  e  pelos  sujeitos  representativos;    
6.  Sistematização  final  das  espacializações;  e  
7.  Elaboração  do  Relatório  Final.    
 
3      _Roteiro  metodológico  
O  trabalho  proposto  dá  continuidade  a  pesquisa  em  andamento,  tem  natureza  exploratória,  e  
investiga   a   (partir   da)   vida   cotidiana   dos   diversos   sujeitos   trabalhadores-­‐operadores   e/ou  
trabalhadores-­‐usuários   do   (segmento   de   mercado   dos   serviços,   ou   não,   de)   telemarketing,  
dentro,   e   para   além,   de   seus   postos   de   trabalho,   formais   e   informais,   ou   na   posição   “sem  
!  JPessoa_SubProjPesq  1_BIC'ufmg2017_proj+pltrab  1.doc      5  |  7  
trabalho”,  na  Grande  Belo  Horizonte.  Deverá  ser  construído,  pelo  menos,  por  meio  dos  seguintes  
passos:  
3.1   -­‐   Revisão   bibliográfica   tanto   sobre   as   principais   noções   e   conceitos   relativos   ao   estudo   da  
temática   proposta,   quanto   sobre   as   leituras   e   análises   já   elaboradas   sobre   recortes  
específicos  do  objeto  empírico  deste  subprojeto  de  pesquisa;  
3.2   -­‐   Identificação   e   reunião   de   fontes   secundárias   e   primárias   sobre   os   diversos   sujeitos  
trabalhadores-­‐operadores   e/ou   trabalhadores-­‐usuários   do   (segmento   de   mercado   dos  
serviços,   ou   não,   de)   telemarketing,   dentro,   e   para   além,   de   seus   postos   de   trabalho,  
formais  e  informais,  ou  na  posição  “sem  trabalho”  no  Brasil  e  na  Grande  Belo  Horizonte;  
3.3   -­‐   Levantamentos   de   campo   para   datar,   localizar   e   situar   a   gênese,   as   atualizações   e  
mutações   de   seus   locais   de   permanência,   situações   de   passagem   e   deslocamentos   na  
“cidade”  (domicílios  explodidos  de  trabalho,  moradia,  estudo,  distração,  alimentação,  etc.),  
por  meio  das  técnicas  e  tecnologias  da  cartografia,  da  infografia  e  da  sonografia;  
3.4  -­‐  Elaboração  de  roteiros  e  aplicação  de  entrevistas  com  sujeitos  representativos,  privados  e  
públicos,   “responsáveis”   e/ou   vivenciando   a   condição   de   trabalhadores-­‐operadores   e/ou  
trabalhadores-­‐usuários  do  (segmento  de  mercado  dos  serviços,  ou  não,  de)  telemarketing  
na  Grande  Belo  Horizonte;  
3.5   -­‐   Trabalhos   de   gabinete   utilizando   procedimentos   da   análise   urbana,   e   da   cartografia  
temática,  da  infografia  e  da  sonografia,  na  espacialização  das  leituras  e  sínteses;    
3.6  -­‐  Sistematização  parcial  e  final  das  espacializações;  e  
3.7  -­‐  Elaboração  do  Relatório  Final.  
 
X.  RECURSOS  NECESSÁRIOS  
 
Espaço  físico  para  nucleação  do  grupo,  que  consta,  como  interessados  até  o  momento,  1  
professor   do   Departamento   ACR,   1   professor   do   Departamento   PRJ,   1   professor   do  
Departamento   URB   (autor   da   proposta),   1   professor   da   UFV   e   UNIPAC,   1   mestrando   em  
Administração,   professor   das   Faculdades   Promove   e   3   alunos   dos   cursos   de   graduação   em  
Arquitetura  e  Urbanismo  (diurno  e  noturno),  e  para  instalação  e  guarda  do  material  permanente  
e   de   consumo   solicitado   em   anexo   (1   computador,   1   impressora,   1   câmara  
fotográfica/filmadora),   do   acevo   bibliográfico   específico   e   do   acervo   impresso   e   digital   de  
textos,   sons,   imagens   e   demais   figuras   recolhidos   e   [co-­‐]produzidos   pelo   grupo   [e   pelos   sujeitos  
representativos].  
 
 
 
 
 
4      _PLANO  DE  ORIENTAÇÃO  DO  BOLSISTA  
 
Breve   descrição   de   como   serão   efetuados   o   acompanhamento   e   a   orientação   das   atividades   do  
bolsista,   com   definição   do   responsável   direto   pela   supervisão;   definição   de   periodicidade   de  
reuniões   para   discussão   dos   trabalhos;   previsão,   no   cronograma,   de   redação   de   artigos   e   de  
relatório  técnico,  participação  em  eventos  científicos;  etc.    
 

!  JPessoa_SubProjPesq  1_BIC'ufmg2017_proj+pltrab  1.doc      6  |  7  


5      _CRONOGRAMA  DE  EXECUÇÃO  
 
Mês   1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12  
Atividades  
5.1  –  Revisão  bibliográfica                          
5.2  –  Identificação  e  reunião  de  fontes                          
5.3  –  Levantamentos  de  campo                          
5.4  –  Elaboração  de  roteiros  e  aplicação  de                          
entrevistas  
5.5  –  Trabalhos  de  gabinete                          
5.6  –  Sistematização  parcial  e  final                          
5.7  –  Relatório  Final                          
 
6      _REFERÊNCIAS  BIBLIOGRÁFICAS  
 
ANTUNES,   Ricardo;   BRAGA,   Ruy   (orgs.).   Infoproletários.   Degradação   real   do   trabalho   virtual.   São   Paulo:  
Boitempo,  2009.  
CARLOS,  Ana  Fani  A.  O  lugar  no/do  mundo.  São  Paulo:  HUCITEC,  1996.  
CARLOS,   Ana   F.   A.;   DAMIANI,   Amélia   Luisa;   SEABRA,   Odette   Carvalho   de   Lima   (Orgs).   O   espaço   no   fim   do  
século  -­‐  a  nova  raridade.  São  Paulo:  Contexto,  1999.  
HONÓRIO,   L.   M.,  PESSOA,   José   Augusto   Martins,  COSTA,   J.  R.   S.  Difusão  da  modernização  pelo  tecido  urbano  
e  reprodução  socioespacial.  Uma  análise  da  prática  socioespacial  a  partir  da  prestação  do  serviço  de  tele-­‐
entrega  em  Viçosa,  Minas  Gerais.  Viçosa,  2009.  (Relatório  de  pesquisa)    
LEFEBVRE,   Henri.   A   reprodução   das   relações   de   produção.   Trad.   Antônio   Ribeiro   e   M.   Amaral.   Porto:  
Escorpião,  1973.  
LEFEBVRE,  Henri.    A  revolução  urbana.  Trad.  Sérgio  Martins.  Belo  Horizonte:  Ed.  UFMG,  1999.  
LEFEBVRE,   Henri.   A   vida   cotidiana   no   mundo   moderno.   Trad.   Alcides   João   de   Barros.   São   Paulo:   Ática,  
1991.  
LEFEBVRE,  Henri.  La  production  de  l’espace.  4.ed.  Paris:  Anthropos,  2000.  
MARTINS,   José   de   Souza.   A   Sociabilidade   do   Homem   Simples:   cotidiano   e   história   na   modernidade  
anômola.  São  Paulo:  Hucitec,  2000.  
PESSOA,   José   Augusto   Martins.   O   estabelecimento   do   regime   do   hotel:   apontamentos   para   um   debate  
sobre  as  novas  práticas  sócio-­‐espaciais  e  a  vida  cotidiana.  In:  CARLOS,  Ana  Fani  Alessandri;  LEMOS,  Amália  
Inês  Geraiges  (orgs).  Dilemas  Urbanos:  novas  abordagens  sobre  a  cidade.  São  Paulo:  Contexto,  2003,  p.  
386-­‐397.    
PESSOA,   José   Augusto   Martins,   COSTA,   J.   R.   S.,   HONÓRIO,   L.   M.   Tecido   urbano,   vida   cotidiana   e  
hospitalidades  contemporâneas.  Campos  de  prática  e  temas  de  pesquisa  em  Viçosa,  Minas  Gerais.  Belo  
Horizonte,  2010.  (Relatório  de  pesquisa)    
SANTOS,   Boaventura   de   Sousa.   Para   além   do   pensamento   abissal:   das   linhas   globais   a   uma   ecologia   de  
saberes.  Eurozine.  Viena,  14  de  fev.  2008.    
SANTOS,  Milton;  SILVEIRA,  Maria  Laura.  O  Brasil:  território  e  sociedade  no  início  do  século   XXI.  2.ed.  Rio  de  
Janeiro:  Record,  2001.  
VILLAÇA,  Flávio.  O  que  todo  cidadão  precisa  saber  sobre  habitação.  São  Paulo:  Global,  1986.    
 
 
 

!  JPessoa_SubProjPesq  1_BIC'ufmg2017_proj+pltrab  1.doc      7  |  7  

Related Interests