Sie sind auf Seite 1von 60

Visão Geral sobre Óptica

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 1
O que é luz?

• Luz é uma forma de energia eletromagnética – detectada através de seus efeitos, ex.
aquecimento de objetos iluminados, conversão de luz para corrente, pressão mecânica
(“Força de Maxwell”), etc.
• A energia da luz é conduzida através de partículas “fótons”
- comportamento balístico, ex. sombras.
• A energia da luz é conduzida através de ondas.
- comportamento de onda, ex. interferência, difração
• Mecanismos de quantificação reconciliam os dois pontos de vista, através da declaração
de “dualidade onda/partícula”.

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 2
Propriedades da partícula de luz

Foton = partícula elementar da luz

Massa = 0
Velocidade c= 3 x 108 m/s

De acordo com a Relatividade Especial, uma partícula de massa de lente viajando a


velocidade da luz, ainda pode transportar o momento!

Energia E=hv =======Î Relacionado à natureza dual em partícula & onda da luz.

h= constante de Planck
= 6,6262 x 10-34 J seg.
v é a frequência de oscilação temporal das ondas de luz.

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 3
Propriedades da onda de luz

λ = extensão da onda (período


espacial)

k = 2π/λ
número de onda

ν: frequência temporal

ω = 2πν
frequência angular

E: campo elétrico

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 4
Dualidade onda/partícula para luz

Fóton = partícula elementar da luz

Massa = 0
Velocidade c = 3x108 m/s

Energia E=hv (se mantém no vácuo somente)

h = constante de Planck
= 6,6262x1034 J seg.

v = frequência (sec-1 )
λ = extensão de onda (m)

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 5
Luz na matéria

Velocidade c = 3x108 m/s Velocidade c/n


n: índice refrativo (ou índice de refração)

Coeficiente de absorção = 0 Coeficiente de absorção a


Coeficiente de queda de energia, após distância L: e2aL

Ex. o vidro tem n = 1,5, fibra de vidro tem a = 0,25dB/Km=0,0288/Km


Luz na matéria

Luz no vácuo [inserir figura] light in matter = luz na matéria

Velocidade c = 3x108 m/s Velocidade c/n


n: índice refrativo (ou índice de refração)

Coeficiente de absorção = 0 Coeficiente de absorção a


Coeficiente de queda de energia, após distância L: e2aL

Ex. o vidro tem n = 1,5, fibra de vidro tem a = 0,25dB/Km=0,0288/Km

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 6
Classificação de Materiais

• Dielétrico
- tipicamente isoladores elétricos (ex. vidro, plástico)
- coeficiente de baixa absorção
- índice refrativo arbitrário
• Metais
- condutividade Î grande coeficiente de absorção
• Varias exceções e casos especiais (ex. “dielétrico artificial”)
• Índice de absorção e refração são relacionados através da Relação de Kramers-Kronig
(imposta pela casualidade)

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 7
Visão geral das fontes de luz

Não Laser Laser


Térmica: policromática, espacialmente Onda contínua (ou cw): estritamente
incoerente (ex.: lâmpada elétrica) monocromática, espacialmente coerente (ex.:
HeNe, Ar+, diodos laser)

Descarga de gás: monocromática, Em pulso: quase monocromática,


espacialmente incoerente (ex.: lâmpada de espacialmente coerente (ex.: Q-switched,
Na) mode-locked)
~nsec para poucos fse
~psec para poucos fsec
duração do pulso
Diodos de emissão de luz (LEDs):
monocromático, espacialmente incoerente.

Mono/policromático = uni/multicolor

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 8
Luz monocromática espacialmente coerente

• boa, sinusóide regular


• λ, v bem definidos
• boa aproximação do laser HeNe estabilizado
• a maioria dos outros laseres cw (onda contínua) é de difícil aproximação
• fontes de laseres em pulso & não laseres precisam de descrição mais complexa.

Incoerente: formato de onda irregular, aleatória.

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 9
O conceito de um “raio” monocromático

Em meio homogêneo, a luz se propaga


em caminhos retilíneos.

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 10
O conceito de um “raio” monocromático

Em meio homogêneo, a luz se propaga


em caminhos retilíneos

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 11
O conceito de um “raio” policromático

Em meio homogêneo, a luz se propaga em caminhos retilíneos.

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 12
O Princípio de Fermat

((também conhecido como Princípio de Fermat)

Consequências: lei da reflexão, lei da refração

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 13
A lei da reflexão

a) Considere a fonte virtual P”


ao invés de P
b) Caminho alternativo P”O”P”
é maior do que P”OP”
c) Desta forma, a luz segue o
caminho simétrico POP’

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 14
A lei da refração

n sen θ = n’ sen θ Lei da Refração de Snell

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 15
Reflexão Interna Total (TIR)

n > n’ Î θ’ se torna imaginário quando

Î feixe refratado desaparece, toda a energia é refletida

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 16
Prismas

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 17
Dispersão

Índice refrativo n é função da extensão de onda

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 18
Reflexão Interna Total Frustrada (FTIR)

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 19
Sensor de Impressão Digital

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 20
Guia de onda óptica

• Versão plana: óptica integrada


• Versão cilindricamente simétrica: fibra óptica
• Permite a criação de “chips de luz” e “cabos de luz”, respectivamente onde a luz é
guiada em volta com poucas restrições
• Pesquisa de material tem produzido vidros com perdas muito baixas (< 0,25 dB/Km)
• Base para telecomunicações ópticas e algumas formações de imagem (ex. endoscópios)
e sistemas sensores (ex. pressão)

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 21
Refração em uma superfície esférica

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 22
Formação de imagem de um ponto de origem

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 23
Modelo para uma lente fina

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 24
Modelo para uma lente fina

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 25
Tipos de lentes

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 26
Princípio de Huygens

Cada ponto na frente de onda age como


uma fonte secundária de luz emitindo
uma onda esférica.

A frente de onda após uma breve


distância de propagação é o resultado da
superimposição de todas aquelas
pequenas ondas esféricas.

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 27
Por quê sistemas de formação de imagem são
necessários

• Cada ponto em um objeto dispersa a iluminação incidente em uma onda esférica, de


acordo com o Princípio de Huygens
• A poucas micra de distância da superfície do objeto, os raios que emanam de todos os
pontos do objeto se tornam embaçados, tirando o aspecto local dos detalhes do objeto.
• Para recolocar o aspecto local dos detalhes do objeto, um método deve ser encontrado
para atribuir novamente (“foco”) de todos os raios que emanaram de um objeto de
ponto simples para outro ponto no espaço (a “imagem”)
• A última função é o tópico da disciplina Formação de Imagem Óptica

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 28
Condição de formação da imagem: traçado por raio

• O ponto da imagem está localizado na interseção comum de todos os raios que emanam
a partir do ponto do objeto correspondente.
• Os dois raios passam através dos dois pontos focais e o raio chefe pode ser diretamente
traçado por raio.
• A imagem real é invertida e pode ser ampliada ou reduzida.

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 29
Condição de formação da imagem: traçado por raio

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 30
Condição de formação da imagem: traçado por raio

• O feixe de raio que emana do sistema é divergente; a imagem virtual está localizada na
interseção dos raios anteriores estendidos.
• A imagem virtual é ereta e está ampliada
• Ao usar uma lente negativa, a imagem é sempre virtual, ereta e reduzida.

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 31
Objeto inclinado: a condição de Scheimpflug

O plano do objeto e o plano da imagem se cruzam no plano da lente fina.

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 32
Formação de imagem baseada em lente

• Olho humano
• Câmera fotográfica
• Lente de aumento
• Microscópio
• Telescópio

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 33
O olho humano

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 34
Defeitos dos olhos e suas correções

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 35
A câmera fotográfica

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 36
A lente de aumento

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 37
O microscópio composto

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 38
O telescópio
(instrumento afocal = lente de aumento angular)

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 39
A câmera Pinhole

• A câmera pinhole permite somente que um raio por ponto de objeto alcance o espaço da
imagem Î uma imagem é formada (isto é, cada ponto no espaço da imagem
corresponde a um ponto simples do espaço do objeto).
• Infelizmente, a maior parte da luz é desperdiçada neste instrumento
• Além disto, a luz difrata caso ela tenha que passar através de pequenos orifícios
(pinhole) conforme veremos posteriormente; a difração introduz artefatos que ainda não
temos ferramentas para quantificar.

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 40
Campo de Visão (FoV)

FoV = ângulo em que o raio chefe a partir de um objeto, pode subtender em


direção de um sistema de formação de imagem.

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 41
Abertura numérica

θ: metade do ângulo subtendido pelo sistema de formação de imagem de um objeto axial.

Abertura numérica
(NA) = n senθ

Velocidade (f/#) = ½ (NA)


Pronunciado número f, ex. f/8 significa (f/#) = 8

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 42
Resolução

A que distância devem estar dois objetos em pontos distintos


antes que suas imagens deixem de ser distinguíveis?

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 43
Fatores de limitação de resolução em um sistema de
formação de imagem

• Difração
• Aberrações
• Ruído

- ruído eletrônico (térmico, Poisson) em câmeras


- ruído multiplicativo em filme fotográfico
- luz vagante
- ruído manchado (somente sistemas de formação de imagens coerentes)
• Amostragem no plano da imagem
- tamanho de pixel da câmera
- tamanho do grão do filme fotográfico

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 44
Função de Ponto Difuso

O extensão finita do PSF causa borrões na imagem

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 45
Resolução limitada de difração

intensidade da luz (unidades arbitrárias)

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 46
Natureza de onda da luz

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 47
Grade de difração

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 48
Dispersão de grade

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 49
Fórmula da Difração de Fresnel

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 50
Difração de Fresnel
como um sistema de deslocamento constante, linear

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 51
O sistema 4F

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 52
O sistema 4F

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 53
O sistema 4F com diafragma FP

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 54
O sistema 4F com diafragma FP

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 55
Formação de imagem coerente x incoerente

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 56
Formação de imagem coerente x incoerente

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 57
Formação de imagem coerente x incoerente

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 58
Aberrações: geométricas

• Origem das aberrações: não linearidade da lei de Snell (n senθ = constante, enquanto
que a relação linear deveria ter sido nθ = constante)
• Aberrações fazem com que os sistemas práticos se saiam pior do que a difração
limitada.
• Aberrações são melhor tratadas com o uso de programa de design óptico (Code V, Oslo,
Zemax), sistemas aprimorados geralmente resolvem –3-5λ (~1,5-2,5 µm visível).

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 59
Aberrações: onda

MIT 2.71/2.710
Palestra de Revisão p - 60