You are on page 1of 95

Traduzido do original em inglês: Whatever Happened to Worship?

Título em Português: O que Aconteceu com a Adoração?

© 1985, 2012 Revised Edition by Zur Ltd


Including Worship: The M issing Jewel in the Evangelical Church

Compiled and edited by Gerald B. Smith

Previously published by Christian Publications, Inc.


First Christian Publications Edition 1985
First WingSpread Publishers Edition 2006
Revised WingSpread Publishers Edition 2012

Primeira edição brasileira: Setembro de 2014

Supervisão Editorial:
Fernando Jerônimo dos Santos Júnior
Silas Quirino de Carvalho
Carlos Elias Alexandrino Bernardo

Tradução:
Jorge Camargo

Revisão:
João Rodrigues Ferreira
Nataniel Gomes

Capa:
Wellington Carvalho

Diagramação:
Clara Simas

Exceto em caso de indicação contrária, todas as citações foram extraídas


da Bíblia Nova Versão Internacional (NVI).
Outros textos foram extraídos de versões conforme as abreviaturas que seguem: ACRF (Almeida Corrigida e Revisada Fiel), ARIB (Almeida
Revisada da Imprensa Bíblica) e NVI (Nova Versão Internacional).
Por razoes teológicas e não linguísticas, os termos “satanás” e “diabo” são escritos com minúsculas.
Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610, de 19/02/1998.
Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida ou transmitida, sob qualquer forma ou meio, ou armazenada em base de dados ou
sistema de recuperação, sem a autorização prévia por escrito da Editora Faz Chover.
Publicado no Brasil com todos os direitos reservados reservado por:
FAZ CHOVER PRODUÇÕES
Sumário
Prefácio ............................................................................. 7
Introdução ........................................................................ 9
1. Adoração na Igreja cristã ........................................... 11
2. A verdadeira adoração requer um novo
nascimento ................................................................. 23
3. Muito do que é chamado de adoração não é
adoração ..................................................................... 35
4. Nascido para adorar ................................................... 47
5. Devemos adorar somente ao Deus eterno ................. 57
6. Impressionado com a presença de Deus ..................... 67
7. A adoração genuína envolve sentimento .................. 79
8. As Igrejas que se esquecem de Deus também se
esquecem da adoração ................................................ 91
9. O cristão normal adora a Deus ................................ 103
10.Se você adora no domingo, o que acontece na
segunda-feira? ........................................................... 115

Adoração: a joia perdida na Igreja evangélica ............. 129


Adoração aceitável ....................................................... 139
Adoração: a atividade normal de seres morais ............. 147
Prefácio
S into-me constrangido em prefaciar um livro do A. W. Tozer. Isto, por tudo aquilo que
Deus fez na vida dele, e ainda faz, através do seu legado.
Fiquei impactado com as primeiras páginas que li. Em um tempo em que muitos
gerenciam suas “carreiras” ministeriais para estar em um lugar de destaque, “Serem
grandes”, “Serem vistos”, A. W. Tozer nos desafia a voltarmos os nossos olhos para o
que Deus está procurando, conforme o Seu Filho nos fala: “o pai procura verdadeiros
adoradores...” (João 4.21-23).
A verdade de que a “adoração não é música e sim vida” é antiga, mas parece que a
cada dia nos distanciamos mais e mais deste estilo de vida que reflita Cristo em nós.
A adoração não é para “músicos” (a palavra bíblica é SALMISTA), não está
reservada para quem exerce funções na igreja nesta área. A adoração é para todo
aquele que tem fôlego; para todo aquele que nasceu de novo; para todo aquele que
“nasceu do Espírito” e não da carne (João 3.5-6). É a resposta que damos ao que Ele é,
a tudo o que Ele fez, faz e ainda vai fazer.
Não vivemos sem adorar. O ex-Lúcifer não se cansa de tentar desviar nossa atenção,
criando seus ídolos, tanto estátuas de barro como colocando homens no foco das
atenções (incitando-nos a adorar pessoas e até servos de Deus).
Nos dias relatados em Atos, os apóstolos Paulo e Barnabé foram vítimas deste desvio
por parte de outras pessoas (Atos 14.11-15); hoje, outros servos de Deus podem estar
no mesmo quadro. Temos, também, homens como o “rei do pop” Michael Jackson, o
“rei do rock” Elvis Presley e muitos outros. O fato é que, um dia, estes “pops” terão de
se curvar diante do Rei dos reis e Senhor dos senhores... Hoje (antes daquele DIA
FINAL), neste momento, temos o oportuno privilégio de nos prostrar em resposta ao
Seu amor, DIANTE DAQUELE “QUE ERA, QUE É E QUE HÁ DE VIR” (Apocalipse
1.4). Isto é ADORAÇÃO.
Fomos criados para isto: “Louvor de Sua glória“ (Efésios 1.12), e Cristo, Filho de
Deus, é o único digno de recebê-la (1Timóteo 1.17).
A. W. Tozer, de forma maravilhosa, nos abençoa através deste livro, a fim de
vivermos de tal forma, que sejamos achados por Ele, POIS O PAI PROCURA POR
TAIS ADORADORES (João 4.23).
Que o Deus Vivo o abençoe nesta leitura.
Que sua vida seja moldada pelo Espírito Santo, e que todos ao seu redor possam ver
os frutos desta Obra dEle em você.
Paz seja sobre sua vida!
— Fernandinho
Introdução
Antes de sua morte em 1963, o Dr. A. W. Tozer disse que “a adoração aceitável a
Deus é a joia perdida no cristianismo evangélico”. Ele desejava escrever mais um
livro, um texto sobre atitudes na adoração cristã.
Em 1962, pregou uma série de sermões, “Adoração: o grande objetivo do homem”, de
seu próprio púlpito na Avenue Road Church, em Toronto. Em uma dessas mensagens,
ele disse à sua congregação:

A volta do Senhor se aproxima. Tento fazer todas as minhas pregações tendo isso em mente. Qualquer texto que eu
escreva é tendo essa possibilidade em mente.
Quero escrever mais um livro sobre o tema da adoração a Deus. Se não conseguir escrevê-lo, tudo bem. Preferia
que Jesus voltasse a escrever o livro.
Certa vez perguntaram a John Wesley como ele reagiria se soubesse que Cristo estaria voltando naquela noite.
Sua resposta imediata foi: “Não acho que eu mudaria nenhum dos meus planos.”

Gerald B. Smith teve o enorme cuidado de compilar, organizar e editar esses sermões
para que as preocupações do Dr. Tozer fossem expostas de maneira clara, mesmo ele
tendo-as compartilhado em 1962. Os temas que ele pregou mais de vinte anos atrás
ainda parecem atuais, e seus apelos são ainda mais urgentes do que foram à época.
Nesta nova edição de O que aconteceu com a Adoração? está também incluída outra
série popular de sermões: “Adoração: a joia perdida na Igreja evangélica”. Esses
sermões, pregados em 1961 a pastores da Associated Gospel Churches of Canada, têm
sido impressos desde que o próprio Tozer os editou para a publicação da associação,
Advance. Em 1965, os artigos foram publicados na The Alliance Witness (que mais
tarde tornou-se Alliance Life), revista na qual Tozer trabalhou como editor de 1950 até
sua morte, em 1963, e posteriormente em uma forma muito popular de panfleto.
Capítulo 1

Adoração na
Igreja Cristã
Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você
fosse frio ou quente!
Assim, porque você é morno, nem frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da
minha boca.
Você diz: Estou rico, adquiri riquezas e não preciso de nada. Não reconhece,
porém, que é miserável, digno de compaixão, pobre, cego e que está nu.
Dou-lhe este aconselho: Compre de mim ouro refinado no fogo e você se tornará
rico; compre roupas brancas e vista-se para cobrir a sua vergonhosa nudez; e
compre colírio para ungir os seus olhos e poder enxergar.
Repreendo e disciplino aqueles que eu amo. Por isso, seja diligente e arrependa-se.
Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei
e cearei com ele, e ele comigo.
Ao vencedor darei o direito de sentar-se comigo em meu trono, assim como eu
também venci e sentei-me com meu Pai em seu trono.
Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.

(Apocalipse 3.15-22).

AsTrata-se
Igrejas cristãs têm vivido os dias perigosos que foram preditos muito tempo atrás.
de uma época em que podemos dar tapinhas nas costas uns dos outros, nos
cumprimentarmos e nos unirmos no refrão alegre, que diz: “Estamos ricos, adquirimos
riquezas e não precisamos de nada!”
É verdade que quase nada falta às Igrejas de hoje, exceto o mais importante.
Necessitamos da oferta genuína e sagrada de nós mesmos e de nossa adoração a Deus,
Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.
Na mensagem do Apocalipse, o anjo da Igreja em Laodiceia fez esta advertência e
este apelo: “Você diz: Estou rico, adquiri riquezas e não preciso de nada... repreendo e
disciplino aqueles que eu amo. Por isso, seja diligente e arrependa-se” (3.17, 19).
Minha lealdade e meu compromisso são e serão sempre com as Igrejas
verdadeiramente evangélicas, que creem na Bíblia e honram a Cristo. Nós temos sido
ousados. Temos construído grandes templos e formado enormes congregações.
Gloriamo-nos de padrões elevados e falamos muito sobre avivamento.
Mas tenho uma pergunta, e ela não é apenas retórica: O que aconteceu com a nossa
adoração?
A resposta, dentre muitas, é: “Estamos ricos e não precisamos de nada. Isso não diz
algo sobre a bênção de Deus?”
Você sabia que o famoso filósofo Jean-Paul Sartre descreve seu interesse pela
filosofia e pela desesperança como um distanciamento de uma Igreja secularista? Ele
diz: “Não reconheci no Deus moderno que me ensinaram a acreditar Aquele que estava
esperando pela minha alma. Eu precisava de um Criador, e me entregaram um grande
homem de negócios!”
Nenhum de nós está preocupado como deveria quanto à imagem que realmente
projetamos para a comunidade em que vivemos. Ao menos não quando professamos
pertencer a Jesus Cristo e ainda assim falhamos em demonstrar Seu amor e Sua
compaixão como deveríamos demonstrar.
Nós, que somos os cristãos fundamentalistas e “ortodoxos”, temos tido a reputação de
sermos “tigres”, grandes guerreiros em prol da verdade. Nossas mãos estão
machucadas de tanto batermos nos liberais. Por causa do significado de nossa fé cristã
para um mundo perdido, somos obrigados a defender a verdade e a lutar pela fé quando
necessário.
Contudo, há um caminho melhor, mesmo em nosso trato com os que são liberais na fé
e na teologia. Podemos fazer muito mais por eles sendo semelhantes a Cristo do que
espancá-los, figurativamente.
Os liberais nos dizem que não conseguem acreditar na Bíblia. Não conseguem
acreditar que Jesus Cristo foi o Filho único de Deus. Ao menos a maioria deles é
honesta em relação a isso. Além disso, tenho certeza de que não faremos com que
dobrem os joelhos amaldiçoando-os. Se somos guiados pelo Espírito de Deus e se
demonstramos o amor de Deus que este mundo necessita, nos tornamos “santos
atraentes”.
O que é estranho e maravilhoso sobre santos atraentes e amáveis é que eles sequer
sabem de sua atratividade. Os grandes santos de eras passadas não sabiam que eram
grandes santos. Se alguém lhes tivesse dito não teriam acreditado, mas os que os
cercavam sabiam que Jesus estava vivendo Sua vida neles.
Penso que nos unimos aos santos atraentes quando os propósitos de Deus em Cristo se
tornam claros para nós. Unimo-nos a eles quando começamos a adorar a Deus por quem
Ele é.
Os cristãos evangélicos às vezes parecem confusos e inseguros sobre a natureza de
Deus e de Seus propósitos na criação e na redenção. Nesses casos, os pregadores quase
sempre são os responsáveis. Ainda há pregadores e mestres que dizem que Cristo
morreu para que não bebêssemos, não fumássemos e não fôssemos ao teatro.
Não é de admirar que as pessoas fiquem confusas, nem que tenham o hábito de se
desviar quando tais coisas são sustentadas como a razão para a nossa salvação.
Jesus nasceu de uma virgem, sofreu sob Pôncio Pilatos, morreu na cruz e ressuscitou
dentre os mortos para transformar rebeldes em adoradores! E fez tudo isso por
intermédio da graça. Nós somos os recipientes.
Isso talvez não soe dramático, mas é a revelação de Deus e a maneira que Ele
escolheu de fazer as coisas.
Outro exemplo de pensamento equivocado sobre Deus é a atitude de muitos que fazem
Dele uma mala de donativos. Ele seria um tipo de capataz frustrado, que não consegue
ajuda suficiente e fica em pé, na calçada, perguntando quantos virão para serem
resgatados por Ele, e começarão a fazer a Sua obra.
Ah, se tão somente nos lembrássemos de quem Ele é! Na verdade, Deus nunca
precisou de nenhum de nós, de ninguém. Mas fingimos que Ele precisa, e fazemos
alarde quando alguém concorda em “trabalhar para o Senhor”.
Todos deveríamos estar dispostos a trabalhar para o Senhor, mas esta é uma questão
de graça da parte Dele. Acho que não deveríamos nos preocupar em trabalhar para
Deus até que aprendêssemos o significado e o prazer de adorá-lo.
Um adorador pode trabalhar com qualidade eterna em sua obra. Mas um trabalhador
que não adora está apenas empilhando madeira, feno e palha para quando Deus for
queimar o mundo (1Coríntios 3.10-15).
Temo que haja muitos que se professem cristãos e que não desejam ouvir essas
declarações sobre sua “agenda lotada”, mas é verdade. Deus está tentando nos chamar
de volta para o que Ele nos criou, para adorá-lo e nos alegrarmos Nele para sempre!
E é então, como resultado de uma profunda adoração, que fazemos a Sua obra.
Ouvi um diretor de faculdade dizer que a Igreja está “sofrendo de um acesso de
amadorismo”. Qualquer pessoa sem treinamento, despreparada, vazia espiritualmente
pode começar algo religioso e encontrar muitos seguidores que irão escutar, sustentar e
promover essa iniciativa. E pode ficar evidente que nunca ouviram de Deus em
primeiro lugar.
Essas coisas acontecem ao nosso redor porque não somos adoradores. Se estivermos
verdadeiramente entre os que adoram, não gastaremos nosso tempo com projetos
religiosos carnais ou mundanos.
Todos os exemplos que temos na Bíblia ilustram que a adoração alegre, dedicada e
reverente é a atividade normal de seres morais. Todo vislumbre que nos é dado do céu
e dos seres criados por Deus é sempre um vislumbre de adoração, alegria e louvor
porque Deus é quem Ele é. O apóstolo João em Apocalipse 4.10-11 nos dá um retrato
claro de seres criados, ao redor do trono de Deus. João fala da atividade dos anciãos
dessa maneira:

Os vinte e quatro anciãos se prostram diante daquele que está assentado no trono e adoram aquele que vive para
todo o sempre. Eles lançam as suas coroas diante do trono, dizem:
“Tu, Senhor e Deus nosso, és digno de receber a glória, a honra e o poder, porque criaste todas as coisas, e por
tua vontade elas existem e foram criadas”.

Posso dizer com segurança, com a autoridade de tudo que está revelado na Palavra de
Deus, que qualquer um sobre esta terra que esteja entediado ou desinteressado pela
adoração não está pronto para o céu. Mas quase posso ouvir alguém dizendo: “Tozer,
você está ignorando a justificação pela fé? Não ouvimos sempre que somos justificados
e salvos e que estamos a caminho do céu pela fé?
Eu lhe asseguro que Martinho Lutero nunca acreditou na justificação pela fé com mais
força do que eu acredito. Creio na justificação pela fé. Creio que somos salvos por
termos fé no Filho de Deus como Senhor e Salvador. Mas atualmente ser salvo é ter
uma qualidade mortal e automática que me incomoda muito.
Digo qualidade “automática”: “Coloque uma moeda no valor da fé, puxe a alavanca e
retire o pequeno cartão da salvação. Ponha-o dentro da mala e estará pronto para
partir!” Depois disso, é possível dizer: “Sim, estou salvo.”
Como saber?
“Eu coloquei a moeda na máquina. Aceitei Jesus e assinei o cartão.”
Muito bem. Não há nada intrinsecamente errado em assinar um cartão. Pode ser algo
útil para que saibamos quem perguntou.
Mas de fato, meu irmão (ou minha irmã), somos levados até Deus, à fé e à salvação
para que possamos adorá-lo. Não chegamos até Deus para que possamos ser cristãos
automáticos, cristãos formatados, cristãos marcados a ferro.
Deus nos proporcionou Sua salvação para que pudéssemos ser, individual e
pessoalmente, filhos vibrantes de Deus, amando-o com todo o nosso coração e
adorando-o no “esplendor do Seu santuário” (Salmo 29.2).
Isso não quer dizer, e não estou dizendo, que devamos adorar igual. O Espírito Santo
não opera por meio de nenhuma ideia ou fórmula pré-concebida. Mas de uma coisa eu
tenho certeza: quando o Espírito Santo de Deus se manifesta em nosso meio com a Sua
unção, nós nos tornamos pessoas que adoram. Talvez seja difícil para alguns admitir,
mas quando estamos adorando verdadeiramente ao Deus de toda graça, de todo amor,
de toda misericórdia e de toda a verdade, talvez não fiquemos em silêncio o bastante
para agradar a todos.
Recordo a descrição de Lucas sobre a multidão naquele domingo festivo:
Quando ele já estava perto da descida do monte das Oliveiras, toda a multidão dos discípulos começou a louvar a
Deus alegremente, em alta voz, por todos os milagres que tinham visto. Exclamavam:
“Bendito é o rei que vem em nome do Senhor!” “Paz no céu e glória nas alturas!”
Alguns dos fariseus que estavam no meio da multidão disseram a Jesus: “Mestre, repreende os teus discípulos!”
“Eu digo a vocês”, respondeu ele, “se eles se calarem, as pedras clamarão.”

Deixe-me dizer duas coisas aqui.


Primeira, não creio ser necessariamente verdade que adoramos a Deus quando
fazemos muito barulho. Mas não raro, a adoração é audível.
Quando Jesus chegou a Jerusalém apresentando-se como Messias, havia uma grande
multidão e houve um grande barulho. Sem dúvida, muitos dos que se uniram à cantoria e
ao louvor nunca haviam conseguido cantar no tom certo. Quando você tem um grupo de
pessoas cantando em qualquer lugar, sabe que alguns não cantarão no tom.
Mas esse é o ponto de sua adoração: eles estavam unidos nos louvores a Deus.
Segunda, eu advertiria os que são cultos, silenciosos, reservados, equilibrados e
sofisticados que se ficarem constrangidos na igreja quando alguns cristãos felizes
disserem “Amém!”, talvez estejam necessitados de alguma iluminação espiritual. Os
santos adoradores de Deus no corpo de Cristo têm, com frequência, sido um pouco
barulhentos. Espero que você tenha lido algumas devocionais escritas pela antiga santa
inglesa Julian de Norwich, que viveu há mais de seiscentos anos.
Ela escreveu que um dia, enquanto estava pensando em como Jesus era elevado e
sublime e ao mesmo tempo em como Ele vem de encontro à parte mais humilde do
nosso desejo humano, recebeu tamanha bênção dentro de seu ser que não conseguiu se
controlar e deu um brado, louvando a Deus em voz alta, em latim.
Traduzido para o português, sua frase seria: “Bem, glória a Deus!”
Agora se isso lhe incomoda, amigo, talvez seja porque você não conheça o tipo de
bênçãos espirituais e de prazeres que o Espírito Santo reserva para oferecer aos santos
adoradores de Deus.
Você notou o que Lucas disse sobre os fariseus e seu pedido para que Jesus
repreendesse Seus discípulos por louvarem a Deus em voz alta? Suas regras rituais
provavelmente permitiam a eles que sussurrassem as palavras “glória a Deus!”, mas
doía neles ouvir alguém as pronunciando em voz alta.
Jesus disse aos fariseus, com efeito: “Eles estão fazendo a coisa certa. Deus meu Pai,
eu e o Espírito Santo devemos ser adorados. Se homens e mulheres não me adorarem,
as pedras gritarão os meus louvores!”
Aqueles fariseus religiosos, polidos, discretos e contidos teriam morrido ali mesmo
se ouvissem uma pedra louvando ao Senhor.
Bem, temos grandes igrejas e lindos santuários e nos unimos ao coro que diz “Não
necessitamos de nada”. Mas tudo indica que temos carência de adoradores.
Temos muitos homens dispostos a sentar-se à mesa de nossos conselhos na igreja, que
não têm nenhum prazer na alegria e no entusiasmo espirituais e que nunca aparecem na
reunião de oração da comunidade. Esses são homens que quase sempre tomam decisões
sobre o orçamento e as despesas da igreja e sobre onde irão os ornamentos no novo
edifício.
Eles são os companheiros que administram a igreja, mas você não pode contar com
eles para a reunião de oração porque não são adoradores.
Talvez você não ache que isso seja uma coisa importante, mas isso, até onde consigo
entender, lhe coloca do lado oposto ao de uma verdadeira adoração.
A mim me parece sempre ter sido uma incongruência terrível que homens que não
oram e não adoram estejam dirigindo muitas das Igrejas e determinando a direção que
elas irão tomar.
Isso vem muito de encontro à nossa própria situação, e devemos confessar que em
muitas igrejas “boas” permitimos que as mulheres conduzam o tempo de oração e os
homens votem no conselho.
Por não sermos verdadeiros adoradores, gastamos muito tempo nas congregações
fazendo a roda girar, queimando combustível, promovendo barulho, mas sem chegar a
lugar algum.
Meu irmão e minha irmã, Deus nos chama à adoração, mas em muitos momentos
estamos no entretenimento, gastando tempo com o que não importa.
Eis onde estamos, mesmo nas Igrejas evangélicas, e eu não me importo de lhe dizer
que a maioria das pessoas que dizemos estar tentando alcançar nunca virá à igreja para
ver um monte de atores amadores fazendo uma apresentação simplória.
E também lhe digo que, com exceção da política, não há outro campo de atividade que
tenha mais palavras e menos obras, mais vento e menos chuva.
O que faremos com relação a essa adoração incrível e bela que Deus nos chama a
oferecer? Prefiro adorar a Deus a fazer qualquer outra coisa que eu conheça nesse
mundo imenso.
Eu sequer tentaria lhe dizer quantos hinários estão empilhados em meu escritório. Não
sei cantar nada, mas ninguém tem nada com isso. Deus acha que sou uma estrela da
ópera! Deus escuta enquanto canto para Ele os antigos hinos franceses traduzidos, os
velhos hinos latinos traduzidos. Deus escuta enquanto canto os antigos hinos gregos da
Igreja oriental, bem como os belos salmos metrificados e algumas das canções mais
simples de Watts e Wesley, e de todos os outros.
Falo sério quando digo que prefiro adorar a Deus a fazer qualquer outra coisa. Você
talvez responda: “Se você adorar a Deus, não fará mais nada.”
Mas isso só revela que você não fez sua lição de casa. A parte bonita da adoração é
que ela lhe prepara e capacita a concentrar-se nas coisas importantes que devem ser
feitas para Deus.
Agora me escute! Praticamente toda grande obra realizada na Igreja de Cristo desde o
apóstolo Paulo foi feita por pessoas que resplandeciam a adoração radiante de seu
Deus.
Uma pesquisa na história da Igreja irá provar que aqueles que adoravam com anseio
foram também os que realizaram grandes obras. Aqueles grandes santos, cujos hinos
cantamos com tanto afeto foram ativos em sua fé a ponto de nos perguntarmos como
conseguiram fazer tudo o que fizeram.
Os grandes hospitais brotaram no coração de homens que adoravam. As instituições
para deficientes mentais brotaram no coração de homens e mulheres adoradores e
compassivos. Devemos também dizer que sempre que a Igreja saía de sua letargia,
erguendo-se de seu sono e aproveitando as marés do avivamento e da renovação
espiritual, tinha os adoradores em sua retaguarda.
Estaremos cometendo um erro se retrocedermos e dissermos: “Mas se nos
dedicarmos à adoração, ninguém fará nada.”
Ao contrário, se nos entregarmos ao chamado de Deus à adoração, todos faremos
mais do que está sendo feito agora. Pois o que fizermos terá importância e significado.
Terá a qualidade da eternidade, será ouro, prata e pedras preciosas, e não madeira, feno
e palha (veja 1Coríntios 3.10-15).
Por que deveríamos nos silenciar diante das maravilhas de Deus? Deveríamos nos
unir com alegria a inúmeros compositores em seus hinos de adoração.
Não posso falar por você, mas quero estar entre esses que adoram. Não quero apenas
ser parte de alguma grande máquina eclesiástica, onde o pastor puxa a manivela e ela
passa a funcionar, onde o pastor ama a todos e todos amam ao pastor e ele tem de agir
assim porque é pago para isso.
Eu gostaria que pudéssemos retornar à adoração. As pessoas então, quando entrassem
na igreja, sentiriam instantaneamente que estão entre gente santa, o povo de Deus. E
poderiam testemunhar “de uma verdade: Deus está neste lugar”.
Capítulo 2

A Verdadeira
Adoração Requer Um Novo Nascimento
Vocês estavam mortos em suas transgressões e pecados, nos quais costumavam viver,
quando seguiam a presente ordem deste mundo e o príncipe do poder do ar, o espírito
que agora está atuando nos que vivem na desobediência.
Anteriormente, todos nós também vivíamos entre eles, satisfazendo as vontades da
nossa carne, seguindo os seus desejos e pensamentos. Como os outros, éramos por
natureza merecedores da ira.
Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou,
deu-nos vida juntamente com Cristo, quando ainda estávamos mortos em
transgressões — pela graça vocês são salvos.
Deus nos ressuscitou com Cristo e com ele nos fez assentar nos lugares celestiais
em Cristo Jesus, para mostrar, nas eras que hão de vir, a incomparável riqueza de
sua graça, demonstrada em sua bondade para conosco em Cristo Jesus.
Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de
Deus; não por obras, para que ninguém se glorie.
Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas
obras, as quais Deus preparou antes para nós as praticarmos.

(Efésios 2.1-10)

H ásubstitutos
muitas ideias estranhas sobre Deus hoje em dia e, portanto, há todos os tipos de
para a verdadeira adoração.
Frequentemente tenho ouvido um ou outro na Igreja cristã confessar com tristeza:
“Acho que não sei muito sobre Deus.”
Se essa for uma confissão verdadeira, quem a fez deveria então ser honesto o bastante
para fazer uma confissão necessária e paralela: “Acho que não sei muito sobre
adoração.”
Na verdade, crenças básicas sobre a pessoa e a natureza de Deus têm mudado tanto
que há agora entre nós homens e mulheres que gostam de contar vantagem dos
benefícios que recebem de Deus, sem sequer pensarem sobre ou desejarem conhecer o
verdadeiro significado da adoração!
Eu reajo imediatamente a esses equívocos extremos quanto à verdadeira natureza de
um Deus santo e soberano.
A primeira delas é crer que a última coisa que Deus deseja é ter cristãos mundanos e
de mente rasa contando vantagem por causa do seu relacionamento com Ele.
A segunda é que não me parece estar claro para muitos que o maior desejo divino é o
de que todos os Seus filhos crentes O amem e O queiram tanto que estejam
continuamente em Sua presença, em Espírito e em verdade.
Isso é, de fato, adoração.
Algo maravilhoso, miraculoso e transformador ocorre dentro da alma humana quando
Jesus Cristo é convidado a entrar e tomar o lugar que Lhe é de direito. É exatamente
isso o que Deus antecipou quando traçou o plano da salvação. Ele desejou tornar
rebeldes em adoradores; desejou restaurar a homens e mulheres o espaço da adoração
que nossos primeiros pais conheceram quando foram criados.
Se experimentarmos essa realidade abençoada em nossa própria vida, então ficará
evidente que não estamos apenas esperando pelo domingo chegar, para então “irmos à
igreja e adorarmos”.
A verdadeira adoração a Deus deve ser uma atitude e uma condição mental constante
e consistente dentro do crente. Ela sempre será um reconhecimento bendito de que
devemos amar e cultuar, sujeita nesta vida a diferentes níveis de perfeição e de
intensidade.
Agora, o lado negativo da ideia comum sobre o que é adoração precisa ser
mencionado. Ao contrário de muito que se tem dito e praticado nas igrejas, a
verdadeira adoração a Deus não é algo que “fazemos” na esperança de parecermos ser
religiosos!
Não há como negar que muitas pessoas, cujo maior desejo é apenas serem
reconhecidas entre os que são “sensíveis à religião”, colocam sua ênfase semanal na
fidelidade à frequência “ao culto de adoração”.
O que as Escrituras cristãs têm a nos dizer, quando consideramos a realidade da
comunhão entre Deus e Seus filhos remidos? O que aprendemos é muito direto e
encorajador. Fomos feitos à Sua imagem, temos dentro de nós a capacidade de conhecer
a Deus e o instinto de adorá-lo. No momento em que o Espírito nos vivificou para a Sua
vida por meio da regeneração, todo o nosso ser sente seu parentesco com Deus e salta
de alegria por esse reconhecimento!
Essa resposta dentro do nosso ser, uma resposta ao perdão e à regeneração, sinaliza o
milagre do nascimento celestial, sem o qual não podemos ver o reino de Deus.
Sim, Deus deseja e tem prazer em se comunicar conosco através das vias da nossa
mente, da nossa vontade e de nossas emoções. O intercâmbio contínuo e desimpedido
de amor e de pensamento entre Deus e a alma de homens e mulheres remidos está no
cerne da religião do Novo Testamento.
Na verdade, é impossível considerar esse novo relacionamento sem confessar que a
obra principal do Espírito Santo é restaurar a alma perdida à comunhão íntima com
Deus por meio da lavagem da regeneração.
Para realizar isso, Ele primeiro revela Cristo ao coração penitente: “Por isso, eu lhes
afirmo que ninguém que fala pelo Espírito de Deus diz: “Jesus seja amaldiçoado”; e
ninguém pode dizer: “Jesus é Senhor”, a não ser pelo Espírito Santo”. (1Coríntios 12.3)
Considere então as palavras de Cristo a Seus discípulos sobre os raios mais
brilhantes de Seu ser que irão iluminar a alma recém-nascida: “Mas o Conselheiro, o
Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ensinará a vocês todas as coisas e fará
vocês lembrarem tudo o que eu disse.” (João 14.26)
Lembre-se de que conhecemos a Cristo somente quando o Espírito nos capacita a
conhecê-lo. Como devemos ser gratos por descobrir que é desejo de Deus conduzir às
profundezas e às alturas do conhecimento divino e da comunhão todo coração que assim
o desejar.
Assim que Deus envia o Espírito de Seu Filho ao nosso coração, dizemos “Aba”, e
adoramos, mas provavelmente não no pleno sentido da palavra no Novo Testamento.
Deus deseja levar-nos mais profundamente para dentro Dele mesmo. Teremos muito a
aprender na escola do Espírito.
Ele quer conduzir-nos em nosso amor por Ele, que nos amou primeiro. Ele quer
cultivar dentro de nós a adoração e a admiração das quais Ele é digno. Ele deseja
revelar a cada um de nós o elemento bendito da fascinação espiritual na verdadeira
adoração. Ele quer nos ensinar como é bom estarmos cheios de entusiasmo moral em
nossa adoração, e ficarmos extasiados com o conhecimento de quem Deus é. Ele deseja
que fiquemos perplexos diante da grandeza, da magnitude e do esplendor do Deus
Todo-Poderoso!
Não pode haver nenhum substituto humano para esse tipo de adoração e para esse tipo
de resposta dada pelo Espírito ao Deus que é o nosso Criador, Redentor e Senhor.
Há, no entanto, em torno de nós, um substituto muito evidente e contínuo da adoração.
Falo da tentação, envolvente entre os crentes, de estarem constantemente engajados em
atividades religiosas durante todas as horas em que estão acordados.
Não podemos negar que ela seja definitivamente uma ideia “igrejeira” de culto.
Muitos de nossos sermões e muito do nosso ensino na igreja apoiam-se nessa ideia de
que, com certeza é plano de Deus que estejamos ocupados, ocupados e ocupados,
porque estamos envolvidos com a melhor de todas as causas do mundo.
Mas se houver alguma honestidade em nós, em nossos momentos mais silenciosos ela
nos persuadirá de que a verdadeira adoração espiritual está em baixa lamentável entre
cristãos professos.
Ousaríamos perguntar como alcançamos essa condição?
Se você estiver disposto a perguntar, estou disposto a tentar responder.
Na verdade, responderei fazendo outra pergunta óbvia. Como a nossa abordagem à
adoração pode ser mais vital do que é quando tantos que nos conduzem, tanto no púlpito
quanto nos bancos, dão pouca indicação de que a comunhão com Deus seja uma fonte
de prazer indescritível?
Pense um momento em seu conhecimento do Novo Testamento e você terá de
concordar que é exatamente essa a argumentação de Jesus com os fariseus rígidos e
presunçosos sobre a adoração verdadeira em seus dias.
Eles eram religiosos em sua vida cotidiana. Tinham uma piedade exterior e eram bons
conhecedores das formas de adoração, porém por dentro havia atitudes, falhas e
hipocrisias que fizeram com que Jesus os descrevesse como “sepulcros caiados” (veja
Mateus 23.27).
A única justiça que eles conheciam e compreendiam era a sua própria forma exterior
de justiça, baseada na manutenção de um nível razoavelmente alto de moralidade
externa.
Porque pensavam que Deus fosse severo, austero e implacável como eles eram, seu
conceito de adoração era necessariamente ruim e indigno.
Para um fariseu, o culto a Deus era uma escravidão que ele não amava, mas da qual
não podia escapar sem uma perda grande demais de suportar. Deus, como os fariseus o
viam, não era um Deus fácil de se conviver. Assim sendo, sua religião cotidiana
tornara-se penosa e dura, sem qualquer traço de amor verdadeiro nela.
Pode-se dizer de nós, humanos, que tentamos ser como o nosso Deus. Se Ele é
concebido como sendo severo, exigente e duro, assim seremos nós!
A beleza bendita e convidativa é que Deus é o mais atraente de todos os seres, e, em
nossa adoração a Ele, devemos encontrar prazer indescritível.
O Deus vivo tem se disposto a revelar-se ao nosso coração que anseia por Ele. Deus
faria com que soubéssemos e entendêssemos que Ele é todo amor e que os que confiam
Nele jamais precisam conhecer outra coisa a não ser esse amor.
Deus faria com que soubéssemos que Ele é justo e que não admite pecado. Deus tem
tentado deixar extremamente claro para nós que através do sangue da aliança eterna Ele
é capaz de agir conosco exatamente como se nunca tivéssemos pecado.
Sem que um fariseu possa entender, Deus tem comunhão com Seus remidos em um
relacionamento fácil e desinibido que é tranquilo e saudável para a alma.
O Deus que nos redimiu em amor pelos méritos do Filho Eterno não é irracional. Não
é egoísta, nem temperamental. Nós o encontraremos amanhã, e no dia seguinte, e no
outro como Ele é hoje.
O Deus que deseja a nossa amizade e comunhão não é difícil de ser agradado, embora
seja difícil de ser satisfeito. Ele espera de nós somente o que nos ofereceu. Ele se
apressa em destacar todo esforço simples que é feito para agradá-lo e do mesmo modo
se apressa em relevar nossas imperfeições quando sabe que desejamos fazer Sua
vontade.
Essa é a melhor das boas notícias: Deus nos ama pelo que somos. Valoriza nosso
amor mais que valoriza galáxias de mundos recém-criados. Lembra-nos do que somos
formados, e que somos pó (Salmo 103.14).
O Deus que nos ama pode às vezes nos repreender, é verdade. Mas mesmo isso Ele
faz com um sorriso, o sorriso terno e orgulhoso de um Pai que vibra de prazer com um
filho imperfeito, porém promissor, que a cada dia fica mais parecido com Aquele de
quem é filho.
Deveríamos nos alegrar muito por acreditar que Deus é todo paciência e a verdadeira
essência da bondade e da boa vontade. Nós damos a Ele mais prazer não quando
tentamos freneticamente ser bons, mas quando nos lançamos em Seus braços com todas
as nossas imperfeições, acreditando que Ele entende tudo, e ainda assim nos ama.
A parte gratificante de tudo isso é que temos consciência pessoal do relacionamento
entre Deus e a alma redimida.
Trata-se de uma consciência que não se dá através dos crentes coletivamente, mas que
é individual, e que se dá no corpo através dos indivíduos que o compõem.
E sim, é consciente. Não fica para além do limiar da consciência e atua ali sem que a
alma a perceba.
Essa comunicação, essa consciência não é um fim, e sim um começo. Há na realidade
o momento quando iniciamos nossa comunhão e nossa amizade com Deus. Mas onde
paramos, nenhum homem ainda descobriu, pois esse ponto está nas profundezas
misteriosas do Deus triuno que não tem limite nem fim.
Quando experimentamos esse doce relacionamento, começamos a aprender sobre a
reverência estarrecida, a adoração sem fôlego, a fascinação imensa, a admiração
elevada pelos atributos de Deus e algo do silêncio total que vivenciamos quando Ele
está próximo.
Você talvez nunca tenha percebido isso antes, mas todos esses elementos em nossa
percepção e em nossa consciência da Presença divina acrescentam ao que a Bíblia
chama de “temor de Deus”.
Podemos experimentar milhares de medos em nossas horas de dor, diante das
ameaças do perigo, ou na expectativa da punição ou da morte. O que precisamos
reconhecer claramente é que o temor de Deus que a Bíblia elogia nunca poderá ser
produzido por ameaças ou punições de nenhum tipo.
O temor de Deus é aquela “reverência estarrecida”, sobre a qual escreveu o grande
Faber1. Eu diria que ele pode ser classificado a partir de seu elemento básico, o terror
da alma culpada diante de um Deus santo, até o êxtase fascinante do santo adorador. Há
poucas coisas absolutas em nossa vida, mas creio que o temor reverente a Deus,
misturado com amor, fascinação, assombro, admiração e devoção seja a condição mais
agradável e a emoção mais pura que a alma humana possa conhecer.
Em meu ser, eu não poderia existir muito tempo como cristão sem essa consciência
interior da presença e da proximidade de Deus.
Penso que haja algumas pessoas que se sintam fortes o bastante para viver dia após
dia com base na ética, sem qualquer experiência espiritual íntima.
Dizem que Benjamin Franklin foi um homem assim. Ele era deísta, e não cristão.
Whitefield orou por ele e disse a ele que orava, mas Franklin respondeu: “Acho que
isso não está fazendo bem algum, porque ainda não fui salvo.”
Eis o que Franklin fazia. Mantinha um gráfico diário, que representava virtudes como
honestidade, fidelidade, caridade e provavelmente uma dúzia de outras. Ele as
trabalhava em um tipo de calendário, e quando violava uma delas, anotava o ocorrido.
Quando passava um dia ou um mês sem transgredir os mandamentos que impunha a si
mesmo, ele considerava que estava indo muito bem como ser humano.
Senso de ética? Sim.
Algum senso do divino? Não.
Nenhum enfoque místico. Nenhuma adoração. Nenhuma reverência. Nenhum temor de
Deus diante de seus olhos. Tudo isso conforme seu próprio testemunho.
Não pertenço a esse grupo de homens. Só posso me manter íntegro mantendo o temor
de Deus em minha alma e tendo prazer no encanto fascinante da adoração. Fora disso,
não conheço nenhuma regra.
Lamento que esse senso intenso de temor espiritual seja uma qualidade rara nas
igrejas atuais, e sua ausência é um presságio e um sinal.
Ele deveria pairar sobre nós como a nuvem sobre Israel. Deveria repousar sobre nós
como um manto doce e invisível. Deveria ser uma força a moldar a nossa vida interior.
Deveria fornecer significado extra a todo texto das Escrituras. Deveria fazer de cada
dia da semana um dia santo e de cada centímetro de chão que pisamos, lugar santo.
Continuamos a tremer com todo tipo de medo: medo do comunismo, medo do colapso
da civilização, medo até mesmo da invasão de algum outro planeta. Os homens acham
que sabem o que significa ter medo.
Mas estamos falando de assombro e de reverência diante de um Deus amoroso e
santo. Esse tipo de temor de Deus é algo espiritual e pode ser gerado somente pela
Presença de Deus.
Quando o Espírito Santo desceu em Pentecostes, houve um grande temor em todas as
pessoas, embora elas não estivessem com medo de nada! Um filho de Deus,
aperfeiçoado no amor, não tem nenhum tipo medo, porque o perfeito amor lança fora o
medo. No entanto, dentre todas as pessoas, ele é o que mais teme a Deus.
Tome o apóstolo João como ilustração. Quando Jesus foi preso no jardim, João estava
entre os que fugiram. Provavelmente teve medo de ser preso e de ficar na prisão. Teve
medo do perigo, da punição e da humilhação.
Porém mais tarde, o mesmo João, exilado em Patmos por causa do testemunho de
Jesus Cristo, viu um homem incrível entre candelabros de ouro, vestido de branco, com
um cinturão de ouro. Seus pés eram como bronze polido e uma espada saía de Sua
boca. Seu cabelo era branco como a neve e Seu rosto brilhava como o sol em plena
força. O assombro e a reverência, a fascinação e o temor de repente concentraram-se
tão completamente sobre João que ele caiu desacordado no chão (veja Apocalipse
1.12-17).
E então esse Sacerdote santo que ele mais tarde descobriu tratar-se do próprio Jesus
Cristo, segurando as chaves da morte e do inferno, veio, ergueu João e lhe trouxe de
volta à vida.
E João não ficou com medo, não se sentiu ameaçado. Estava experimentando um tipo
diferente de medo, um medo espiritual. Tratava-se de algo santo, e João sentiu isso.
A presença de Deus em nosso meio, trazendo um senso de temor e de reverência
espirituais, é algo muito raro hoje em dia.
Você não pode induzi-la com música suave ao órgão ou raios de luz que atravessam
janelas com decoração bonita. Não pode induzi-la segurando um biscoito e afirmando
que ele seja Deus. Não pode induzi-la com nenhum tipo de baboseiras.
O que as pessoas sentem na presença desse tipo de paganismo não é o verdadeiro
temor de Deus. É apenas a indução de um pavor supersticioso.
O verdadeiro temor de Deus é algo belo, pois é adoração, é amor, é veneração. É uma
elevada felicidade moral por quem Deus é.
É um prazer tão grande que, se Deus não existisse, o adorador também não desejaria
existir, e poderia orar facilmente: “Meu Deus, Tu continuas sendo quem és, ou deixa-me
morrer! Não consigo pensar em nenhum outro Deus senão Tu!”
A verdadeira adoração deve estar tão pessoal e irremediavelmente conectada a Deus
que a ideia de uma transferência de afeto jamais será cogitada.
Esse é o significado do temor de Deus.
Porque a adoração anda muito em falta, você sabe o que estamos fazendo? Estamos
fazendo o nosso melhor para costurar aquele véu que se rasgou no templo (veja Lucas
23.45). Usamos meios artificiais para tentar produzir algum tipo de adoração.
Acho que o diabo no inferno deve estar rindo, e que Deus deve estar triste, pois não
há nenhum temor de Deus diante dos nossos olhos.
1 N. T. Frederick William Faber (1814-1863) foi um famoso compositor e teólogo inglês.
Capítulo 3

Muito do Que É Chamado de Adoração


Não É Adoração
Disse a mulher: “Senhor, vejo que é profeta.
Nossos antepassados adoraram neste monte, mas vocês, judeus, dizem que
Jerusalém é o lugar onde se deve adorar.”
Jesus declarou: “Creia em mim, mulher: está próxima a hora em que vocês não
adorarão o Pai nem neste monte, nem em Jerusalém.
Vocês, samaritanos, adoram o que não conhecem; nós adoramos o que conhecemos,
pois a salvação vem dos judeus.
No entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros
adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que o
Pai procura.
Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em
verdade.”

(João 4.19-24)
odo o conteúdo da Bíblia nos ensina que Deus não precisa de nada, mas deseja a
T adoração de Seus filhos.
Esta conclusão é mais que uma questão de textos que a comprovem. Nosso Senhor
mesmo disse claramente e com firmeza quando esteve sobre a terra. “Adore o Senhor, o
seu Deus, e só a ele preste culto.” (Lucas 4.8)
Não há uma tribo sequer em todo o mundo que não tenha algum tipo de religião e
alguma forma de adoração. Homens e mulheres têm um instinto para adorar.
Certa vez escrevi um editorial no qual expus meu sentimento de que quando um
homem se coloca de joelhos e estende as suas mãos dizendo, “Pai nosso que estás nos
céus”, está fazendo o que é natural para ele.
Um senhor de idade, quando leu o editorial, discordou veementemente dele e
escreveu que “somente um editor completamente liberal” diria que a adoração é uma
coisa natural para a humanidade.
O fato é que Deus nos fez para adorá-lo, e se não tivéssemos caído com Adão e Eva,
a adoração seria, para nós, a coisa mais natural do mundo.
Pecar não foi algo natural para Adão e Eva, mas eles desobedeceram e caíram,
perdendo seu privilégio de comunhão perfeita com Deus, o Criador. O pecado é algo
antinatural; Deus nunca desejou que ele fosse parte de nossa natureza.
O breve resumo dessa questão importante é que Deus ainda deseja adoração, mas
devemos aprender que não podemos viver à nossa maneira e adorar a Deus como
quisermos.
Você já observou as palavras de nosso Senhor Jesus Cristo quando se referiu a certo
grupo de religiosos em Seus dias com o comentário: “Eles adoram o que não
conhecem?” (veja João 4.22).
Ouso dizer a você que Jesus estava enfatizando uma verdade contundente sobre
adoração. É totalmente possível para seres humanos reconhecer formas de adoração
separadas de Cristo e da salvação que Ele oferece.
Preciso ir um pouco mais adiante dessa declaração para destacar uma verdade
semelhante e paralela. A experiência religiosa autêntica é completamente possível
separada de Cristo. No entanto, espero que você não esteja me interpretando mal e
acusando-me de heresia.
Sim, eu disse que pode haver adoração apartada de Cristo, e disse que pode haver
experiência religiosa autêntica apartada de Cristo. Mas eu não disse, e não creio, que
essas experiências religiosas ou formas de adoração sejam aceitáveis a Deus. Há certos
tipos de adoração que Deus não aceita, embora possam ser oferecidas e dirigidas a Ele.
Está registrado que quando Jesus estava ensinando aqui na terra, Ele afirmou a seus
ouvintes que viria o dia quando as pessoas diriam a Ele: “Não fizemos milagres em Teu
nome? Não falamos por Ti nas esquinas das ruas?”
Você se lembra da gravidade e da nitidez de Sua resposta? “Não os conheço, nem sei
de onde são vocês. Afastem-se de mim!” (Veja Lucas 13.26-27; veja também Mateus
7.22-24).
Homens e mulheres nesta terra nunca deveriam se enganar sobre a realidade da
verdadeira adoração que sempre deve ser em espírito e em verdade. É plenamente
possível se ter experiências religiosas e formas de adoração que não sejam aceitáveis
diante de Deus.
O apóstolo Paulo escreveu algo muito nítido, claro e definitivo para a Igreja Primitiva
em Corinto. Ele sabia com certeza que homens e mulheres poderiam ter uma
experiência de adoração e ainda assim não adorar conforme a vontade de Deus e não
ter sua adoração aceita por Ele.
Veja o que Paulo declara: “Quero dizer que o que os pagãos sacrificam é oferecido
aos demônios e não a Deus, e não quero que vocês tenham comunhão com os
demônios.” (1Coríntios 10.20)
Paulo com certeza estava ensinando que toda forma de idolatria é detestada por Deus.
E é detestada pelo fato de ser real. Formas de idolatria podem se tornar muito reais
para os que se engajam nelas, mas isso não as torna aceitáveis diante do Deus vivo.
Essa é uma das razões pelas quais Jesus falou de determinado grupo, “Eles adoram o
que não conhecem”. É possível ter alguns dos elementos da adoração, talvez
admiração, auto-humilhação, entrega, conexão e não se estar entre os remidos.
Penso que vale a pena notar que Thomas Carlyle1, em seu On Heroes and Hero-
Worship (Sobre heróis e a adoração a heróis) e The Heroic in History (O heroico na
história), nos advertiu para que não cometêssemos o erro de pensar que as grandes
religiões pagãs do mundo são todas falsas. Carlyle declarou que, a partir de sua
investigação, essas grandes formas de religião não são falsas. Elas são reais, e o terror
delas é justamente o fato de que são reais.
Anos atrás no, México, fui atraído pela vista de uma igreja muito velha. Entrei nela
depois de tirar meu chapéu e descobri que a igreja não possuía piso, exceto o próprio
chão.
Parei para olhar ao redor as estátuas e as esculturas e então notei que uma velha
senhora mexicana havia entrado no edifício, carregando consigo uma pequena sacola de
compras.
Ela não prestou atenção em mim e caminhou direto até o altar. Tive a impressão de
que ela conhecia tão bem aquele corredor que poderia ter caminhado de olhos
fechados.
Ela se ajoelhou diante da imagem da Virgem Maria, olhou para o rosto da estátua
inanimada com devoção profunda, um anseio imenso, um desejo enorme. E pensei:
“Esse é o tipo de anseio e de desejo que eu gostaria de ver em relação ao Senhor!”
Não há dúvida em minha mente de que ela teve uma experiência de adoração. E creio
que tenha sido muito real para ela, que não estava fingindo. Ela queria adorar, mas a
sua adoração estava sendo dirigida a uma estátua sem vida, que era apenas obra das
mãos de alguém.
Há muitos tipos de adoração que Deus não pode aceitar. A adoração de Caim no
Antigo Testamento não foi aceita porque ele não reconheceu a necessidade de uma
expiação pelo pecado no relacionamento entre Deus e o homem caído.
Caim esperou agradar a Deus em adoração, mas não trouxe sacrifício de sangue. Veio
com uma oferta “do fruto da terra”, provavelmente flores belas e um cesto de frutas
(veja Gênesis 4.1-8).
Quando Deus reprovou sua oferta, a atitude e a resposta de Caim parecem ter sido
“não conheço nada sobre essa ideia pecado-e-expiação”. A rejeição de Deus à sua
oferta e a aceitação Dele aos “primogênitos do rebanho” de Abel deixaram Caim com
tanta raiva que ele saiu e matou o próprio irmão.
O tipo de adoração que Caim ofereceu a Deus tem três defeitos graves:
Primeiro, a ideia equivocada de que Deus é um tipo diferente de Deus, daquele que
Ele de fato é. Isso tem a ver com a pessoa e o caráter do Deus soberano e santo. Como
alguém pode adorar a Deus de modo aceitável sem saber que tipo de Deus ele
realmente é? Caim com certeza não conhecia o verdadeiro caráter de Deus. Ele não
acreditava que a questão do pecado do homem era eternamente importante para Deus.
Segundo, é o pensamento equivocado de que o homem tem um relacionamento com
Deus que de fato não tem. Caim supôs que era merecedor de aceitação pelo Senhor sem
qualquer intermediário. Recusou-se a aceitar o juízo divino de que o homem havia se
alienado de seu Deus por causa do pecado.
Terceiro, Caim, no registro do Antigo Testamento e com ele uma multidão incontável
de homens e mulheres desde então, supôs equivocadamente que o pecado é muito menos
sério do que realmente é. O registro é claro, se homens e mulheres simplesmente
olhassem para ele e o considerassem. Deus abomina o pecado porque é um Deus santo.
Ele sabe que o pecado encheu o mundo de tristeza e dor, privando-nos de nosso
principal propósito e alegria na vida, a alegria de adorarmos o nosso Deus!
O tipo de adoração oferecido por Caim é inadequada, sem significado real.
Observando a questão em nossos dias à luz do Novo Testamento, eu lhe asseguro que
não gastaria sequer uma hora em qualquer Igreja que se recusasse a ensinar a
necessidade do sangue da propiciação pelo pecado por intermédio da cruz e dos
méritos da morte de Nosso Senhor Jesus Cristo!
Outro tipo de adoração inaceitável é simbolizado pela atitude dos samaritanos na
Bíblia. A história do Antigo Testamento revela que Jeroboão, o primeiro rei de Israel,
depois de ter-se tornado o Reino do Norte, estabeleceu dois locais para adoração. Ele
queria ter certeza de que seu povo abriria mão de seu hábito de adorar em Jerusalém e
instalou dois bezerros de ouro para serem adorados em lugares apropriados, Betel e
Dã.
A heresia do samaritanismo, a prática de escolhermos o que desejamos para adorar e
rejeitarmos o que não gostamos, está espalhada por toda parte.
Na verdade, ela abriu todo um novo campo para a psicologia aplicada e para o
humanismo sob uma variedade de disfarces religiosos. Nesse contexto, homens e
mulheres se colocam como juízes daquilo que o Senhor disse. Em vez de se porem de
joelhos e deixar que o Senhor os julgue, eles ficam com orgulho e julgam o Senhor.
Tenho o relato de um encontro de jovens realizado em uma grande e famosa igreja de
Toronto. O palestrante convidado foi trazido à cidade para que pudesse dar o seguinte
conselho aos jovens da Igreja moderna: “Não acreditem em nada na Bíblia que não
combine com a sua própria experiência!”
Se você está entre os que são seletivos, talvez tenha escolhido as belezas da natureza
como o meio pelo qual se concentra para adorar. Ou talvez seja da opinião de que a
adoração vem através da música, e converse sobre música que eleva a mente e conduz
a alma para perto de um êxtase.
Agora que mencionamos a natureza e a inclinação de alguns para deixar que a
adoração comece e termine ali, eu gostaria de introduzir algo neste ponto.
Se você realmente se dedicar ao estudo, descobrirá que o Antigo Testamento é uma
maravilhosa rapsódia sobre a criação natural.
Comece com Moisés, e quando passar da ordem levítica, o encontrará em sua
consciência nítida da presença de Deus em toda a criação. Prossiga até o livro de Jó, e
nas partes finais ficará impressionado com a sublimidade da linguagem que descreve o
mundo ao nosso redor. Então vá até os Salmos, e encontrará Davi literalmente dançando
com enorme prazer ao contemplar as maravilhas do mundo de Deus.
Leia Isaías e encontrará as imagens mais sublimes. Não se trata nem de fantasia, nem
de capricho, mas de uma apresentação das maravilhas da criação à medida que o
profeta as observava.
Esses homens, que foram alguns dos mais santos e consagrados da antiguidade,
revelaram em seus escritos que estavam intensamente apaixonados por toda beleza
natural ao seu redor. Mas sempre viam a natureza como obra de um Criador todo-
poderoso, todo sábio e glorioso.
Permita-me agora mais uma observação sobre nossa civilização e nossa sociedade.
Considero um fato triste e lamentável que homens e mulheres hoje sejam como leões
de zoológico nascidos em cativeiro. Eles nascem em hospitais, andam sobre calçadas
de concreto, respiram muito ar poluído e são finalmente levados de volta ao hospital
para morrer. Nunca têm a oportunidade de colocar seus pés no solo.
Com que frequência vivemos uma situação onde podemos sentir os impulsos da
natureza comunicados ao nosso ser? Raramente erguemos nossos olhos para olhar para
o céu de Deus, exceto quando um avião passa ou quando nos perguntamos se
deveríamos calçar nossas botas. Em meio às muitas maravilhas criadas ao nosso redor,
quase que inconscientemente temos perdido a capacidade de nos maravilharmos.
Se o Espírito Santo viesse novamente sobre nós como no passado, visitando
congregações com o sopro doce e ao mesmo tempo ardente de Pentecostes, seríamos
cristãos melhores e almas mais santas. Além disso, também seriamos melhores poetas e
artistas, e melhores amantes de Deus e de Seu universo.
Homens e mulheres continuam tentando convencer-se de que há muitas formas e
maneiras que parecem corretas na adoração. Mas Deus, em Sua revelação, nos disse
que Ele é espírito e aqueles que O adoram devem adorá-lo em espírito e em verdade.
Deus tira a questão da adoração das mãos dos homens e a coloca nas mãos do Espírito
Santo.
É impossível para qualquer um de nós adorar a Deus sem a participação do Espírito
Santo. É a atuação do Espírito de Deus dentro de nós que nos capacita a adorar a Deus
de modo aceitável por meio daquela pessoa que chamamos Jesus Cristo, que é Ele
mesmo Deus.
Portanto, a adoração tem origem em Deus, retorna a nós e é refletida a partir de nós,
como em um espelho. Deus não aceita nenhum outro tipo de adoração.
Vivemos em um tipo de mundo misto, no qual muitas, muitas pessoas não estão certas
em que crer ou em que não crer. Quase todas elas se desculpam nos dizendo que são
“pessoas que buscam a verdade”.
Algumas Igrejas fazem a seguinte propaganda: “Você não tem de acreditar em nada;
apenas seja alguém que busca a verdade”.
Quem não reconhece o novo nascimento ou a direção do Espírito Santo reconhece o
impulso antigo de “adorar alguma coisa”. Se não tiver estudo, talvez mate uma galinha,
coloque penas em sua cabeça e dance em torno de um pequeno círculo. Nós
chamaríamos essa pessoa de bruxa. Se tivesse estudo, talvez escrevesse poesia, e teria
um texto como o poema de Edwin Markham2, “I Made a Pilgrimage to Find the Gods”
(Fiz uma peregrinação para encontrar os deuses).
Muitos estão preparados para dizer como Markham, que “viram sua mão brilhante
enviando sinais do sol”. Eu, ao contrário, nunca tive nenhum desses sinais. Moramos
em uma terra onde Bíblias estão por toda parte, e o Evangelho está sendo pregado
fielmente. No entanto, homens e mulheres buscam a Deus em altares e sepulcros
antigos, em lugares escuros e empoeirados. Eles finalmente concluem acreditando que
Deus está enviando sinais do sol.
Há pessoas que ficam indignadas comigo quando digo que esse tipo de busca pela
“verdade” precisa ser exposto. Precisamos redobrar nossos esforços para contar ao
mundo que Deus é Espírito, e aqueles que O adoram devem adorá-lo em espírito e em
verdade (veja João 4.23).
A adoração acontece pelo Espírito e pela verdade. Não podemos adorar no espírito
somente, pois o espírito sem verdade é impotente.
A adoração deve ser em espírito e em verdade!
A verdade e o Espírito divinos devem estar juntos. Quando uma pessoa, entregando-
se a Deus e acreditando na verdade divina é cheia com o Espírito de Deus, até mesmo
seu sussurro mais leve será adoração.
O fato gritante, trágico, é que os esforços de muitas pessoas para adorar são
inaceitáveis diante de Deus. Sem a infusão do Espírito Santo, não pode haver
verdadeira adoração. Isso é sério. É difícil, para mim, descansar tranquilamente à noite
sabendo que milhões de pessoas cultas e religiosas estão apenas mantendo tradições
eclesiásticas e costumes religiosos e que, na verdade, não estão se chegando a Deus.
Devemos adorar humildemente a Deus em espírito e em verdade. Cada um de nós está
diante da verdade para ser julgado. Será que agora ficou claro que a presença e o poder
do Espírito Santo de Deus, longe de ser um luxo opcional na vida dos cristãos, são uma
necessidade?

1 N. T. Thomas Carlyle (1795-1881) foi um escritor, historiador, ensaísta e professor escocês, adepto da ideia de que a
história poderia ser interpretada através da vida dos heróis.
2 N. T. Edwin Markham (1852-1940), poeta norte-americano.
Capítulo 4

Nascido Para Adorar


E ao homem declarou: “Visto que você deu ouvidos à sua mulher e comeu do fruto da
árvore da qual eu lhe ordenara que não comesse, maldita é a terra por sua causa;
com sofrimento você se alimentará dela todos os dias da sua vida.
Ela lhe dará espinhos e ervas daninhas, e você terá que alimentar-se das plantas
do campo.
Com o suor do seu rosto você comerá o seu pão, até que volte à terra, visto que
dela foi tirado; porque você é pó e ao pó voltará.”
Adão deu à sua mulher o nome de Eva, pois ela seria mãe de toda a humanidade.
O Senhor Deus fez roupas de pele e com elas vestiu Adão e sua mulher.
Então disse o Senhor Deus: “Agora o homem se tornou como um de nós,
conhecendo o bem e o mal. Não se deve, pois, permitir que ele também tome do fruto
da árvore da vida e o coma, e viva para sempre.”
Por isso o Senhor Deus o mandou embora do jardim do Éden para cultivar o solo
do qual fora tirado.
Depois de expulsar o homem, colocou a leste do jardim do Éden querubins e uma
espada flamejante que se movia, guardando o caminho para a árvore da vida

(Gênesis 3.17-24)

Uma das maiores tragédias que constatamos, mesmo nesta era mais iluminada que
todas as outras, é o fracasso completo de milhões de homens e de mulheres em
descobrir por que nasceram.
Negue isso se puder, e alguns negarão, mas onde quer que haja humanos neste mundo,
haverá pessoas sofrendo de desesperança e de um tipo depressivo de amnésia,
forçando-as a clamar, quer em silêncio para consigo mesmas ou quase sempre com
frustração audível: “Nem sequer sei por que nasci!”
Como ilustração, quero compartilhar uma história com vocês, uma história que
poderia ter acontecido em qualquer lugar. Ela fala sobre um homem que perdeu sua
memória e sua identidade.
Tendo de encontrar um amigo na Prefeitura, eu o estava esperando, sentado em um
banco próximo à calçada. De repente, um homem vestido elegantemente apareceu e
sentou-se ao meu lado. Ele sorriu para mim com um sorriso bem confuso.
— Nós nos conhecemos? — ele perguntou.
— Não. Acho que não — respondi.
Ele então acrescentou:
— Acho que estou com algum tipo de confusão mental. — E continuou. — Algo me
aconteceu. Acho que tropecei e cai em algum lugar na cidade, e bati minha cabeça. Não
consigo me lembrar de nada. Quando acordei, havia sido roubado. Minha carteira e
todos os meus cartões e papéis foram levados. Não tenho nenhuma identificação e não
sei quem sou.
— Você deve ter uma família em algum lugar; não consegue se lembrar de nada?
— Provavelmente tenha, mas não consigo me lembrar.
Eu estava para dizer a esse cidadão confuso que ele teria de ir à polícia porque eu
não tinha como ajudá-lo, quando notei um cavalheiro distinto próximo de nós, na
calçada. Ele também parecia bem confuso e inseguro, mas ao olhar na direção do
banco, deu um brado repentino e alegre, quase um grito.
Ele correu ao nosso encontro e chamou meu amigo perplexo pelo nome, agarrou-o
rapidamente e apertou sua mão.
— Onde você esteve, e o que andou fazendo? Todos na orquestra estão muito
preocupados com você.
O homem perdido ainda estava confuso.
— Perdoe-me, senhor, mas não lhe conheço. Não lhe reconheço.
— O quê? Não me conhece? Viemos juntos para Toronto três dias atrás. Não sabe que
somos membros da filarmônica e que você é o primeiro violino? Cumprimos nosso
compromisso sem você, e temos lhe procurado por toda parte!
— Então esse sou eu, e essa é a razão de eu estar aqui! Mas ainda não sei se consigo
tocar violino.
Incidentes semelhantes a este ocorrem entre pessoas no mundo inteiro. A polícia
continua a procurar por vítimas de amnésia, e médicos enfrentam este problema com
muitos pacientes.
Agora, por que contei esta história? Para lembrá-lo de nossos primeiros pais na raça
humana: o homem chamado Adão e a mulher chamada Eva.
Adão sofreu uma queda e recebeu um terrível impacto; sua esposa Eva envolveu-se
com ele na catástrofe. E então, quando tentaram se recompor olhando um para outro,
perceberam que não sabiam mais quem eram, e não sabiam por que estavam vivos. Não
sabiam o propósito para a sua existência.
Desde então, homens e mulheres alienados de Deus e tentando existir em um planeta
adoentado e caído têm implorado: “Nem sequer sei por que nasci!”
Os que têm seguido a revelação dada pelo Deus Criador têm aceito que Deus nunca
faz nada sem um propósito. Nós acreditamos, portanto, que Deus teve um propósito
nobre em mente quando nos criou. Acreditamos que Deus deixou claro sua vontade de
que homens e mulheres criados à Sua imagem desejassem comunhão com Ele acima de
tudo o mais.
Em Seu plano, Ele concebeu uma comunhão perfeita, baseada na adoração ao Criador
e Mantenedor de todas as coisas.
Se você conhece o Livro da Oração Comum, sabe que ele faz uma pergunta antiga e
inquietante: “Qual é o fim supremo e principal do homem?”
A reposta simples, porém profunda, fornecida pelo Livro é baseada na revelação e na
sabedoria da Palavra de Deus: “O fim supremo e principal do homem é glorificar a
Deus e gozá-lo para sempre.” Para alguém que pensa, a frase não precisa de
explicação. Adorar e glorificar a Deus, esse é o fim supremo e principal de todo
homem e mulher.
Por que tantos não entenderam isso? Por que tantos permanecem a vida inteira
ignorantes ao amor de Deus e ao Seu plano? Por que tantos amaldiçoam todas as
situações ruins em sua vida, por fim clamando em desespero: “Nem mesmo sei por que
nasci neste mundo!”?
Como a vontade do Criador para todos os filhos e filhas de Adão foi frustrada e
descartada tão completamente?
Nestes dias de pecado, violência e transgressão excessivos, devemos destacar que há
uma negação quase universal à queda intencional e pecaminosa da raça humana,
fielmente registrada no livro de Gênesis.
Deixe-me lhe assegurar que é somente pela revelação de Deus em Sua Palavra que
somos capazes de aprender as coisas que precisamos saber sobre nós mesmos.
A Palavra de Deus nos conta francamente do grande ferimento que sofremos e que
resultou em nossa amnésia entorpecedora. Ela é o triste registro da queda do homem e
da perda de sua condição original de perfeição. Quando Adão e Eva decidiram naquela
manhã que tinham direito de fazer valer sua vontade acima da vontade de seu Deus
Criador, experimentaram uma terrível queda. A consequência: perderam sua identidade
dada por Deus.
Tentaram se recuperar, mas ao olharem um para o outro, perceberam que não mais
conheciam o propósito de sua existência. Eles haviam sido repentinamente afligidos por
uma estranha amnésia, precipitada por seu pecado deliberado de desobediência. Eles
não sabiam mais precisamente onde estavam. Não mais preservavam aquele senso
divino do por que haviam sido criados.
Que tragédia! Criados para ser um espelho do Todo-Poderoso, Adão e Eva perderam
a glória de Deus. Feitos à Sua imagem, Adão e Eva eram mais semelhantes a Ele que os
anjos do céu.
Deus havia criado o homem para olhar para ele e ver refletida nele mais de Sua
própria glória do que poderia estar refletido nos céus estrelados.
Mas o espelho agora estava apagado e borrado. Quando Deus olhava para um homem
pecador, não podia mais ver a Sua glória. O homem desobediente havia se tornado um
homem pecador. Havia fracassado em cumprir o propósito de sua criação, adorar seu
Criador na beleza de Sua santidade.
Homens e mulheres em nosso tempo, cansados, culpados e perdidos estão envolvidos
demais com as tragédias de suas próprias famílias e suas próprias sociedades para
olhar de volta para a grande e terrível tragédia que chamamos de Queda do homem.
Trata-se de uma tragédia composta, porque Deus havia dito com prazer: “Façamos o
homem à nossa imagem” (Gênesis 1.26). E então, abaixando-se, Deus tomou barro e
formou nele o homem, soprando o hálito de vida em suas narinas. O homem de Deus
havia se tornado uma alma vivente.
O Criador então pediu ao homem que olhasse ao redor, para o restante da criação.
“Isso tudo é seu, e eu sou seu”, Deus disse. “Vou olhar para você e ver em seu rosto o
reflexo de Minha própria glória. Esse é o seu propósito. Você foi criado para Me
adorar, para Me glorificar e para Me ter como seu Deus para sempre.”
Mas quando Deus se retirou por um momento, o maligno, o dragão que é chamado de
satanás, envenenou a mente do homem e de sua noiva. E eles pecaram contra Deus.
Quando Deus retornou, veio como se não soubesse da tragédia. E chamou:
— Adão onde você está? — Adão saiu do esconderijo, sabendo plenamente bem de
sua culpa e de sua vergonha.
Deus disse:
— Adão, o que você fez?
Adão confessou:
— Comemos do fruto da árvore que o Senhor nos proibiu de comer, mas foi esta
mulher quem me seduziu!
Deus disse à mulher:
— O que você fez?
E ela disse:
— Foi a serpente quem me atraiu!
Naquele breve momento, nossos primeiros pais haviam aprendido a arte de culpar um
terceiro. Esta é uma das maiores e mais traiçoeiras evidências de pecado, e nós a
aprendemos direto com nossos primeiros pais. Não aceitamos a culpa do nosso pecado
e da nossa iniquidade. Responsabilizamos o outro.
Se você não é o homem que deveria ser, provavelmente irá culpar sua esposa, seus
ancestrais ou talvez o lugar onde você trabalha. Se não é o jovem que deveria ser,
sempre poderá culpar seus pais. Se não é a esposa ou a mulher que deveria ser, você
talvez culpe seu marido, ou seus filhos.
Por causa do pecado nós preferimos colocar a culpa nos outros. Nós culpamos,
culpamos e culpamos. É por isso que estamos onde estamos. É por isso que a doença se
apega a nós e nos arrasta para a morte. É por isso que os acidentes acontecem. É por
isso que há prisões, hospitais psiquiátricos e túmulos. Sim, tudo por causa da grande
tragédia e do grande desastre que chamamos de Queda do homem.
Esse será o fim? Isso é tudo?
Não e não! Esta é a nossa resposta para todos na raça humana inteira: nós temos
notícias maravilhosas para vocês! São as boas notícias de que o Deus que nos criou não
desistiu de nós. Ele não disse aos anjos: “Risque-os do Meu livro e apague-os da
Minha memória.” Antes, Ele disse: “Ah, eu ainda os desejo! Ainda quero que sejam um
espelho no qual eu possa olhar e ver a Minha glória. Ainda quero ser admirado pelo
Meu povo. Ainda quero que o Meu povo desfrute de Mim e Me tenha para sempre.”
Deus então enviou Seu único Filho por intermédio do milagre da Encarnação. Quando
Jesus andou sobre a terra, Ele foi a glória refletida de Deus. O Novo Testamento diz
que Ele é o resplendor da glória de Deus e a expressão exata de Seu ser (veja Hebreus
1.3). Quando Deus olhou para o Filho de Maria, Ele viu a Si mesmo refletido.
O que Jesus quis dizer quando falou às pessoas de seu tempo, “Quem me vê, vê o Pai”
(veja João 14.9).
Ele estava na verdade dizendo: “Quando você Me vê, está vendo a glória do Pai
refletida. Eu vim para concluir a obra que Ele me deu para fazer.”
Deus foi glorificado em Seu Filho, embora quando de Sua morte a glória foi
terrivelmente manchada. Homens pecadores arrancaram Sua barba, machucaram Seu
rosto, puxaram Seus cabelos. Eles fizeram grandes caroços roxos em sua testa e então O
pregaram na cruz. Ali Ele gemeu, suou e sofreu por seis horas antes de finalmente
entregar o Seu espírito e morrer.
Os sinos no céu tocaram porque o homem perdido agora havia sido redimido. O
caminho do perdão havia sido aberto para os pecadores.
Ao terceiro dia, Jesus ressuscitou dentre os mortos. Desde então, Ele tem estado à
direita de Deus, que tem estado ocupado, redimindo pessoas para Si, trazendo-as de
volta ao propósito original de serem espelhos de Sua glória.
Sim, a adoração ao Deus amoroso é a principal razão para a existência. É por isso
que nascemos, e é por isso que nascemos de novo do alto. É por isso que fomos criados
e é por isso que fomos recriados. É por isso que houve um gênesis no princípio, e é por
isso que há um novo gênesis, chamado de regeneração.
É por isso também que há uma Igreja. A Igreja cristã existe em primeiro de tudo para
adorar a Deus. Tudo o mais deve vir em segundo, terceiro, quarto ou quinto lugares.
Na Europa, muitas gerações atrás, o querido santo de Deus Irmão Lawrence1, já
idoso, estava em seu leito de morte. Perdendo rapidamente seu vigor físico, ele
testemunhou aos que estavam reunidos ao redor dele:
— Não estou morrendo. Estou apenas fazendo o que tenho feito nos últimos quarenta
anos, e fazendo o que espero estar fazendo por toda a eternidade!
— O que é? — perguntaram a ele. E ele respondeu rapidamente:
— Estou adorando o Deus a quem amo!
Adorar a Deus era prioridade para o Irmão Lawrence. Ele também estava morrendo,
mas isso era secundário. Ele sabia por que havia nascido neste mundo, e sabia por que
havia nascido de novo.
Sim, e o Irmão Lawrence ainda está adorando a Deus. Ele morreu e teve seu corpo
sepultado em algum lugar, porém sua alma está viva porque foi criada à imagem de
Deus. Portanto, ele ainda está adorando com todos os santos ao redor do trono de Deus.
Tristes de verdade são as lágrimas de muitos hoje que nunca descobriram por que
nasceram. Isso me faz lembrar a descrição do poeta Milton, da patética perdição e da
solidão de nossos primeiros pais. Expulsos do jardim, ele diz: “Eles deram-se as mãos
e fizeram sua caminhada solitária pelo vale.”

1 N. T. Irmão Lawrence da Ressurreição, nome religioso adotado por Nicolas Herman (1614-1691), padre carmelita
de origem francesa, admirado por sua santidade e humildade.
Capítulo 5

Devemos Adorar Somente Ao Deus


Eterno
Vocês não sabem que são santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em
vocês?
Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; pois o santuário de
Deus, que são vocês, é sagrado.
Não se enganem. Se algum de vocês pensa que é sábio segundo os padrões desta
era, deve tornar-se “louco” para que se torne sábio.
Porque a sabedoria deste mundo é loucura aos olhos de Deus. Pois está escrito:
“Ele apanha os sábios na astúcia deles”;
e também: “O Senhor conhece os pensamentos dos sábios e sabe como são fúteis.”
Portanto, ninguém se glorie em homens; porque todas as coisas são de vocês, seja
Paulo, seja Apolo, seja Pedro, seja o mundo, a vida, a morte, o presente ou o futuro;
tudo é de vocês, e vocês são de Cristo, e Cristo, de Deus.

(1Coríntios 3.16-23)

tecnologia é primordial nesta geração. Muito do nosso pensamento sobre adoração


A reflete uma disposição de trocar uma visão elevada da eternidade de Deus por um
conceito de curto prazo chamado “aqui e agora”.
Minhas ministrações na Palavra de Deus não têm sido marcadas por nenhuma
controvérsia contínua com a verdadeira ciência. Tenho levantado minhas suspeitas
sobre uma variedade de visões que podem ser definidas como pseudociência, visões
que geralmente tentam jogar Deus para fora da janela do Seu universo. Eu jamais
conseguiria adorar um Deus que não estivesse interessado em nossas eternidades.
Por outro lado, as respostas que a ciência nos dá são respostas de curto prazo. O
cientista talvez consiga nos manter vivos por mais alguns anos, mas os cristãos sabem
de algumas coisas que Einstein não sabia.
Por exemplo, sabemos por que estamos aqui. Podemos dizer por que nascemos.
Também sabemos no que acreditamos, em se tratando do valor das coisas eternas.
Confesso que costumava tentar ler as teorias sobre coisas como a quarta dimensão.
Mas anos atrás desisti de tentar entendê-las. Não tenho nada contra a ciência e sua
reivindicação de buscar o significado das coisas e sua relação e interação. Não
tenciono refutar o cientista de modo ignorante.
Esta é a minha posição: que o cientista fique em sua área, e eu na minha. Estou
satisfeito e grato como qualquer outra pessoa pelos benefícios da pesquisa, e espero,
por exemplo, que os cientistas descubram em breve a cura para as doenças cardíacas,
pois perdi muitos bons amigos que tiveram ataques cardíacos súbitos.
Mas veja agora a diferença de significado entre as questões de curto prazo de nossos
seres físicos e o relacionamento eterno entre o crente e seu Deus.
Se você salva uma pessoa de difteria quando ela ainda é um bebê, ou a salva de
varíola na adolescência ou a salva quando está na faixa dos cinquenta, de um enfarte, o
que você fez?
Se esse homem vive até os noventa e ainda está sem Deus e não sabe por que nasceu,
você simplesmente perpetuou a vida de uma tartaruga marinha. Esse homem que nunca
encontrou a Deus e nunca nasceu de novo é como uma tartaruga, só que com duas pernas
em vez de quatro e sem casco nem cauda, porque ele ainda não conhece o sentido de
sua vida.
Sou grato por ter encontrado uma promessa do Deus de toda graça que lida com o
longo prazo e o eterno. Pertenço a um grupo de pessoas que acredita na verdade
revelada na Bíblia. O grupo de pessoas que acredita que Deus no princípio fez os céus
e a terra e tudo o que neles há. Cremos que foi Deus quem fez o homem à Sua imagem e
soprou nele o sopro da vida e lhe disse: “Agora viva em Minha presença e Me adore,
pois para isso você foi criado. Cresça e se multiplique, e encha a terra de adoradores.”
Sim, essas pessoas simples, essas pessoas que creem lhe dirão que Deus criou as
flores para serem belas e os pássaros para cantar a fim de que os homens e as mulheres
pudessem desfrutar deles. O cientista, com um tipo totalmente diferente de perspectiva,
nunca admitiria esse fato. O cientista argumenta que o pássaro canta por uma razão
totalmente diferente. “É o macho que canta, e canta somente para atrair a fêmea e assim
se acasalarem e procriarem”, ele nos diz. “É uma questão puramente biológica.”
É a essa altura que pergunto ao cientista: “Por que o pássaro simplesmente não range,
geme ou pia? Por que tem de cantar e trinar e fazer harmonias como se estivesse
afinado como uma harpa?”
Penso que a resposta seja simples: é que Deus o fez para cantar.
Se eu fosse um pássaro macho e quisesse atrair uma fêmea, poderia fazer um
malabarismo ou alguns truques. Mas por que o pássaro canta tão lindamente?
Porque o Deus que o criou é o Principal Músico do universo. Ele é o Compositor do
cosmos. Fez a harpa naquelas pequenas gargantas e as penas em torno delas e disse:
“Vão e cantem”.
Agradecidos, os pássaros obedeceram e têm cantado e louvado a Deus desde que
foram criados.
O homem científico protesta e diz: “Não, não!”. Mas o meu coração me diz que é
assim, e a Bíblia declara que é assim. “Ele fez tudo apropriado a seu tempo.”
(Eclesiastes 3.11)
E Deus fez as árvores frutíferas para dar fruto para a raça humana. Mas o cientista dá
de ombros e diz: “É claro que as árvores dão fruto para que haja sementes e assim a
reprodução de mais frutos.” Temos o direito de responder: “Por que é tão necessário
que a árvore dê fruto se tudo o que está envolvido nesse processo é a reprodução, sem
qualquer bênção ou benefício para ninguém?”
Deus fez o fruto e disse à humanidade: “Desfrutem dele.”
Deus também fez os animais selvagens a fim de que a humanidade pudesse se vestir.
Deus criou a ovelha com seu casaco de lã para que ela fosse tosada e fornecesse blusas
e capas que nos mantêm aquecidos.
Deus criou o humilde e pequeno bicho-da-seda, fornecendo folhas de amoreira para
sua alimentação, para que ele pudesse tecer seu casulo. E os homens descobriram como
desfazer casulos e produzir belas sedas que admiramos tanto.
Não sou exatamente um dos dez homens mais elegantes do mundo, mas gosto de uma
boa gravata de seda, mais que todas essas sintéticas, saídas do tonel de um fabricante
qualquer.
Ah, é tão mais prazeroso e satisfatório crer no que Deus diz sobre todas essas coisas
que Ele nos deu para desfrutarmos, tudo tendo o seu propósito.
Na verdade, a pessoa mais sábia no mundo é a que conhece mais sobre Deus. O único
sábio verdadeiro digno do nome é aquele que percebe que a resposta à criação, à vida
e à eternidade é uma resposta teológica e não uma resposta científica.
Você deve começar com Deus. E então começa a entender tudo no seu próprio
contexto. Todas as coisas se encaixam quando você começa com Deus.
Pergunto-me se você me entenderá quando eu disser o que vou dizer. Alguns cristãos
evangélicos têm adquirido um hábito bastante ruim de serem indevidamente
influenciados pelas graduações e honras concedidas àqueles que consideramos “os
letrados”.
Essa deferência indevida ao conhecimento e à realização intelectual tem de ser
equilibrada. Como homens e mulheres cristãos, respeitamos o estudo e a pesquisa.
Apreciamos as longas horas investidas no progresso acadêmico. Mas sempre mantemos
em mente a sabedoria e as admoestações de Deus.
Não importa quanto estudo e quanto treinamento possamos receber em determinada
área de conhecimento, descobriremos que aprendemos apenas fragmentos dispersos da
verdade. Por outro lado, o mais simples dos cristãos, que entrou no reino há apenas
alguns anos, já aprendeu muitas coisas maravilhosas no contato com a verdade. Esse
crente está apto a confessar que conhece a Deus. Conhecer a Deus é potencialmente
mais do que todos esses mestres no mundo poderiam transmitir, porque eles, se estão
sem Deus, estão do lado de fora, olhando para dentro.
Há um milagre envolvido nisso. Esse novo crente, que dias atrás era um pecador
perdido e carente de perdão, é agora pela fé e através da graça um filho de Deus, e do
lado de dentro, olhando para fora!
Não menosprezamos as muitas realizações dos que têm estudo e são capazes neste
mundo do conhecimento. Mas estudar e labutar por este mundo apenas não é o bastante.
A chave é Deus. Ele está legitimamente presente em meio a todas as nossas iniciativas.
Todas as portas serão enfim abertas, por meio da fé, com a chave chamada Deus.
Se você deseja ter alguma compreensão satisfatória e duradoura da vida, ela há de ser
concedida divinamente. E isso começa com a confissão de que de fato o Deus que se
revelou a nós é verdadeiramente a grande coluna central que sustenta o universo.
Crendo nisso, nós então seguimos adiante para reconhecer que descobrimos Seu
grande propósito eterno. Deus nos fez como homens e mulheres à Sua imagem. Ele
agora nos redimiu e nos restaurou através do Seu plano de salvação para O amarmos e
adorarmos para sempre.
Deus disse: “Fiz o homem à Minha imagem e ele deve estar acima de todas as outras
criaturas. Ele deve estar acima das feras da terra, dos pássaros no ar e dos peixes no
mar (veja Gênesis 1.26). O homem redimido deve estar até mesmo acima dos anjos nos
céus. Deve entrar em Minha presença perdoado e sem constrangimento. Deve Me
adorar e contemplar a Minha face à medida que as eras avançam.”
Deus é o único alicerce seguro. A alegria da certeza pertence aos que creem. Eu me
associei a eles quando me converti aos dezessete anos de idade. Até então, não
conhecia nada do amor, da esperança, da confiança ou da fé em Deus. Há milhões hoje
que estão tão perdidos quanto eu estava. Ainda estão sem Deus, confusos nesta vida e
sem conhecimento da vida futura.
Os cristãos sobre quem estou falando são os santos e os místicos, o povo de Deus.
Eles têm uma visão simples e mais bela do mundo que a dos cientistas. É simplesmente
isso: “Nós sabemos no que cremos. Sabemos que estamos neste mundo para adorar e
para desfrutar de Deus. Sabemos o que Deus tem preparado para fazer por todos os que
O amam, por toda a eternidade.”
Assim, eles sabem de algumas coisas de longo alcance. Essas coisas estão ocultas de
outros homens e mulheres que estão tentando encontrar suas respostas na reserva
comum do saber relacionada a este mundo presente.
A pessoa comum no mundo atual, sem fé, sem Deus e sem esperança está engajada em
uma busca pessoal desesperada por toda a vida. Ela não sabe onde tem estado. Não
sabe o que está fazendo aqui e agora. Não sabe para onde vai.
O triste comentário é o de que ela está fazendo isso tudo com um tempo, um dinheiro e
uma força que lhe são emprestados, e já sabe que no final irá, com certeza, morrer! Isso
leva à confissão perplexa de muitos, de que “perdemos Deus em algum lugar ao longo
do caminho”.
O que acontece às pessoas quando elas perdem Deus? Parece bem óbvio que ficam
muito ocupadas tentando adorar alguma outra coisa.
O homem, feito à imagem de Deus mais que qualquer outra criatura, tornou-se menos
como Deus que qualquer outra criatura. Criado para refletir a glória de Deus, ele tem se
restringido soturnamente ao espaço de sua caverna, refletindo somente sua própria
pecaminosidade.
Certamente esta é a maior de todas as tragédias neste mundo: o homem, feito com uma
alma para adorar, louvar e cantar a glória de Deus, fica aborrecido e silencioso em sua
caverna. O amor se foi de seu coração. A luz se foi de sua mente. Tendo perdido Deus,
ele cegamente tropeça por esse mundo escuro, restando-lhe somente encontrar um
túmulo ao fim.
Em uma entrevista de rádio, um brilhante e famoso autor canadense estava sendo
questionado sobre o mundo moderno e ouviu a seguinte pergunta: “O que você
considera o erro mais alarmante que estamos cometendo em nossa sociedade e nossa
civilização atuais?”
Sua resposta foi rápida e objetiva: “Considero nosso maior erro ter a crença de que
nós, humanos, somos bichos de estimação especiais do Deus Todo-Poderoso; que temos
mais valor que outras coisas no mundo; que Deus tem um carinho especial por nós
como pessoas.”
Ah, irmão!
O homem como foi criado originariamente é amado por Deus. O homem é o amado do
universo.
Desde que eu soube que Cristo Jesus veio ao mundo para ser meu Salvador (veja
1Timóteo 1.15), tenho baseado toda a minha vida na revelação de Deus nas Escrituras.
Não importa quão brilhante possa ser a mente de um homem, ele não poderá me
confrontar no que tange às coisas de Deus. Ele lançará suas objeções e suas conclusões
terrenas sobre mim sem qualquer efeito.
Na verdade, as diferenças entre incredulidade e fé, entre desesperança e certeza, entre
o ponto de vista do homem e o de Deus frequentemente vêm à luz à medida que o crente
encara a morte.
Dizem que quando John Wesley estava morrendo, ele tentou cantar, mas havia
praticamente perdido sua voz. Ele já estava com quase noventa anos. Havia viajado
centenas de milhares de quilômetros sobre a cela de um cavalo, pregando três ou quatro
vezes por dia, fundando uma grande Igreja. Ele era claramente arminiano em sua
teologia, mas enquanto sua família cristã e seus amigos se reuniam em torno de sua
cama, ele estava tentando cantar as palavras de um velho hino calvinista:

Louvarei meu Criador enquanto tiver fôlego,


E quando minha alma se perder na morte,
O louvor usará minhas forças mais nobres.

É por isso que não posso me empolgar para discutir em prol de um lado teológico ou
outro dessa questão. Se Isaac Watts, um calvinista, pôde escrever um louvor assim a
Deus e John Wesley, um arminiano, pôde cantar com entusiasmo, e ambos podem se
encontrar e se abraçar na glória, por que eu deveria permitir que alguém me forçasse a
confessar, “Não sei quem sou!”? Por que alguém me incomodaria com uma questão
dessas?
Fui criado para adorar e louvar a Deus. Fui redimido para adorá-lo e gozá-lo para
sempre.
Essa é uma questão primordial, meu irmão e minha irmã. É por isso que convidamos
com seriedade a todos os homens e mulheres para que se convertam, recebendo Jesus
Cristo como seu Salvador e Senhor.
Deus não está pedindo a você que venha a Cristo apenas para obter paz de mente ou
fazer de você um empresário ou empresária melhor. Você foi criado para adorar. Deus
quer que você conheça Sua redenção para que deseje adorá-lo e louvá-lo.
Capítulo 6

Impressionado Com A Presença De Deus


No ano em que o rei Uzias morreu, eu vi o Senhor assentado num trono alto e
exaltado, e a aba de sua veste enchia o templo.
Acima dele estavam serafins; cada um deles tinha seis asas: com duas cobriam o
rosto, com duas cobriam os pés, e com duas voavam.
E proclamavam uns aos outros: “Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos, a
terra inteira está cheia da sua glória.”
Ao som das suas vozes os batentes das portas tremeram, e o templo ficou cheio de
fumaça.
Então gritei: Ai de mim! Estou perdido! Pois sou um homem de lábios impuros e
vivo no meio de um povo de lábios impuros; e os meus olhos viram o Rei, o Senhor
dos Exércitos!”
Então um dos serafins voou até mim trazendo uma brasa viva, que havia tirado do
altar com uma tenaz.
Com ela tocou a minha boca e disse: “Veja, isto tocou os seus lábios; por isso, a
sua culpa será removida, e o seu pecado será perdoado.”
Então ouvi a voz do Senhor, conclamando: “Quem enviarei? Quem irá por nós?” E
eu respondi: “Eis-me aqui. Envia-me!”

(Isaías 6.1-8)

C om o passar dos anos, tenho ouvido com muita frequência gente culta e inteligente
dizendo: “Deixe-me lhe dizer como descobrir a Deus.”
Se esses descobridores passaram a adorar a Deus com humildade e devoção, não
posso dizer. O que sei, no entanto, é que todos nós estaríamos em apuros e ainda longe
de Deus se Ele não tivesse se revelado a nós graciosa e amorosamente.
Fico um pouco irritado ou entristecido com a esperança insistente de tantas pessoas
de que conseguirão compreender a Deus, alcançar a Deus, ter comunhão com Deus por
intermédio de suas capacidades intelectuais. Quando elas irão perceber que se
pudessem “descobrir” a Deus com o intelecto, seriam iguais a Ele?
Devemos nos apoiar no tipo de descoberta de Deus descrito pelo profeta Isaías: No
ano da morte do rei Uzias, vi também o Senhor assentado sobre um trono, alto e
sublime, e a aba de sua veste enchia o templo (6.1).
O que Isaías viu foi algo totalmente distinto e completamente diferente de qualquer
coisa que houvesse visto antes. Até aquele ponto em sua vida, Isaías havia se
familiarizado com as coisas boas que Deus havia criado. Mas nunca havia sido
apresentado à presença Daquele que não foi criado.
Para Isaías, então, o violento contraste entre o que Deus é e o que não é foi tamanho,
que sua linguagem sofre sob o esforço de expressar o que via.
De forma significativa, Deus estava se revelando ao homem. Isaías poderia ter
tentado por um milhão de anos alcançar Deus por intermédio do seu intelecto, sem
qualquer chance de ser bem-sucedido. Toda inteligência no mundo inteiro não
conseguiria alcançar Deus.
Contudo, o Deus vivo pode revelar-se ao espírito desejoso de um homem no espaço
de um simples segundo. Somente então, Isaías, ou qualquer outro homem ou outra
mulher, pode dizer com humildade, porém com segurança: “Eu O conheço.”
Diferentemente dos homens, Deus nunca age sem propósito. Ali Deus estava se
revelando a Isaías com propósitos eternos. Isaías tentou nos dar um registro verdadeiro,
mas o que de fato aconteceu é maior do que Isaías escreveu, assim como Deus é maior
que a mente humana. Isaías confessa que nunca viu o Senhor antes sentado sobre um
trono.
Críticos modernos desse registro de Isaías nos advertem do perigo do
antropomorfismo, a tentativa de conferir a Deus certos atributos humanos.
Nunca tive medo de grandes palavras. Chamem isso do que quiserem, eu ainda creio
que Deus está assentado sobre um trono, investido de uma soberania dada a Si próprio.
Também creio que Deus está assentado sobre um trono determinando todos os eventos
de acordo com o propósito que Ele estabeleceu em Cristo Jesus antes da fundação do
mundo.
Por estarmos lidando com adoração, vamos considerar as alegrias e os prazeres das
criaturas celestiais, os serafins, ao redor do trono de Deus. Este é o registro de Isaías:
Acima dele estavam serafins; cada um deles tinha seis asas: com duas cobriam o rosto, com duas cobriam os pés, e
com duas voavam. E proclamavam uns aos outros: “Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos, a terra inteira está
cheia da sua glória.” (6.2-3)

Sabemos muito pouco sobre esses seres criados, mas fico impressionado com sua
atitude de adoração extrema. Eles estão próximos do trono, e estão cheios de amor
extasiante por Deus, absorvidos em seu canto responsivo, “Santo, Santo, Santo”.
Sempre me pergunto por que rabinos, santos e compositores de hinos da antiguidade
não vieram a conhecer a Trindade apenas por meio da frase dos serafins, “Santo, Santo,
Santo”. Eu sou trinitário, creio em um Deus Pai Todo-Poderoso, criador do céu e da
terra. Creio em um Senhor, Jesus Cristo, Filho do Pai, unigênito, antes de todas as eras.
Creio no Espírito Santo, o Senhor e doador da vida, que com o Pai e o Filho juntos é
adorado e glorificado.
Trata-se de uma cena muito emocionante: os serafins adorando a Deus. Quanto mais
leio minha Bíblia, mais creio no Deus Triúno.
Na visão de Isaías, os serafins estavam cantando seus louvores à Trindade oitocentos
anos antes de Maria chorar de alegria e seu bebê chorar na manjedoura de Belém,
quando a segunda pessoa da Trindade, o Filho eterno, veio a terra para habitar entre
nós. As palavras-chave à época e a nota dominante de nossa adoração ainda hoje o
devem ser, “Santo, Santo, Santo!”
Tenho percebido que muitos cristãos não se sentem confortáveis com os atributos de
Deus. Em tais casos, sou forçado a questionar a qualidade da adoração que eles tentam
oferecer a Ele.
A palavra santo é mais que um adjetivo dizendo que Deus é um Deus santo, é uma
atribuição extasiada de glória ao Deus Triúno. Não estou certo de que saibamos
realmente o que ela significa, mas acho que deveríamos tentar uma definição.
A pureza moral completa só pode descrever a Deus. Tudo que parece ser bom entre
homens e mulheres deve ser ignorado, porque somos humanos. Nenhum de nós é
moralmente puro. Abraão, Davi e Elias, Moisés, Pedro e Paulo, todos foram homens
bons. Foram incluídos na comunhão divina. Mas cada um deles teve suas falhas e
fraquezas como membros da raça de Adão. Porque Deus conhece o nosso coração e as
nossas intenções, Ele é capaz de restaurar seus filhos sinceros e crentes que estão na fé.
Boa parte do nosso problema para continuar em comunhão com um Deus santo é que
muitos cristãos se arrependem somente do que fazem, em vez de se arrependerem de
quem são.
Preocuparmo-nos com a qualidade de nossa adoração deveria ajudar-nos quando
consideramos que a reação de Isaías foi um sentimento de absoluto abandono por estar
na presença de um ser divino tão moralmente puro. Considere que Isaías foi um jovem
digno de elogios, culto, religioso e primo do rei. Daria um bom diácono em qualquer
igreja. Hoje seria convidado a servir em um de nossos conselhos missionários.
Entretanto, naquela cena, Isaías era um homem estarrecido. Ao ser tomado de espanto,
todo o seu mundo de repente se viu dissolvido em um brilho vasto e eterno. E ele foi
colocado diante desse brilho vermelho e preto, as cores do pecado.
O que havia acontecido? Isaías, apenas humano, tinha vislumbrado Aquele cujos
caráter e natureza sinalizavam perfeição. E ele conseguiu apenas verbalizar o
testemunho: “Meus olhos viram o Rei.”
A definição de “Santo, santo” deve por certo ter espaço para “mistério” se, em nossas
tentativas de adorar, tivermos um apreço verdadeiro pelo nosso Deus.
Há líderes em vários círculos cristãos que sabem tanto sobre as coisas de Deus que
oferecerão resposta a toda pergunta que possamos fazer. Podemos ter esperança de
responder perguntas de forma útil o máximo que pudermos, mas há um senso de
mistério divino percorrendo todo o reino de Deus, muito além do mistério que os
cientistas descobrem percorrendo o reino da natureza.
Há os que fingem conhecer tudo sobre Deus, que fingem poder explicar tudo sobre
Deus, sobre Sua criação, sobre Seus pensamentos e sobre Seus juízos. Eles se uniram
aos evangélicos racionalistas. Acabaram tirando o mistério da vida e o mistério da
adoração. Ao fazerem isso, também tiraram Deus da vida.
O tipo de atitude “sabe-tudo” sobre Deus que observamos em alguns mestres hoje os
deixa em situação muito difícil. Eles podem criticar e condenar abertamente qualquer
outro homem que tome posição ligeiramente diferente da deles.
Nossa inteligência, desenvoltura e fluência podem muito bem trair nossa falta dessa
perplexidade divina sobre o nosso espírito, silenciosa e maravilhosa, que sopra um
sussurro “Ó, Senhor Deus, Tu sabes”.
Em Isaías 6, vemos um retrato claro do que acontece a uma pessoa no mistério da
Presença. Isaías, repleto de assombro, só pode confessar humildemente: “Sou um
homem de lábios impuros.”
Lembro a você que Isaías reconheceu a “estranheza”, algo do mistério da pessoa de
Deus. Nessa Presença, Isaías não encontrou espaço para brincadeira, ou para cinismo
inteligente ou familiaridade humana. Ele encontrou uma estranheza em Deus, ou seja,
uma presença desconhecida do ser humano pecador, mundano e autossuficiente.
Uma pessoa que sentiu o mesmo que Isaías nunca conseguirá brincar dizendo “o
Homem lá em cima” ou “o Cara lá em cima gosta de mim”.
Uma das atrizes de cinema que ainda perambulava pelas casas noturnas depois de sua
suposta conversão a Cristo teria dito a alguém: “Você deveria conhecer a Deus. Sabe,
Deus é como uma boneca de carne!” Eu li que outro homem teria dito: “Deus é um cara
legal.”
Confesso que quando ouço ou leio essas coisas, sinto uma grande dor dentro de mim.
Meu irmão ou minha irmã, há algo sobre o nosso Deus que é diferente, que está além de
nós, que está acima de nós, que é transcendente. Devemos estar humildemente dispostos
a escancararmos o nosso coração e implorar: “Deus, ilumina meu entendimento, pois,
caso contrário, nunca Te encontrarei.”
O mistério, a estranheza, está em Deus. Nosso Senhor não espera de nós que nos
comportemos como zumbis quando nos tornamos cristãos. Ele espera que tenhamos a
nossa alma aberta para o mistério, que é Deus. Penso que nos seja apropriado dizer que
um cristão genuíno deveria ser um mistério ambulante, porque com certeza é um milagre
ambulante. Por meio da direção e do poder do Espírito Santo, o cristão está envolvido
com vida e hábito cotidianos que não conseguem ser explicados. Um cristão deve ter
sobre ele um elemento que está para além da psicologia, além de todas as leis naturais
e dentro das leis espirituais.
“Deus é fogo consumidor” (Veja Deuteronômio 4.24). Lemos que “Terrível coisa é
cair nas mãos do Deus vivo!” (Hebreus 10.31). Você se lembra do primeiro capítulo de
Ezequiel? O profeta, abatido, viu o céu aberto. Recebeu uma visão de Deus e então
testemunhou criaturas com quatro rostos saídas do fogo.
Penso que em nosso testemunho e em nosso ministério, nós, cristãos, deveríamos ser
homens e mulheres saídos do fogo. Porque Deus é santo, ele é ativamente hostil ao
pecado. Deus e o pecado estarão em conflito para sempre. Em outra passagem, Isaías
perguntou: “Quem de nós pode conviver com o fogo consumidor? Quem de nós pode
conviver com a chama eterna?” (33.14)
Isaías não estava pensando nos que estariam separados de Deus. Estava pensando em
um grupo que viveria para Deus e habitaria com Ele. Ele responde sua própria
pergunta: “Aquele que anda corretamente e fala o que é reto, que recusa o lucro injusto,
cuja mão não aceita suborno, que tapa os ouvidos para as tramas de assassinatos e
fecha os olhos para não contemplar o mal, é esse o homem que habitará nas alturas; seu
refúgio será a fortaleza das rochas; terá suprimento de pão, e água não lhe faltará”.
(33.15-16)
O Exército de Salvação sempre teve como seu slogan a frase “Sangue e Fogo”. Eu
penso assim em relação às coisas de Deus. Nós sabemos da purificação pelo sangue de
Cristo. As referências às ações divinas quase sempre têm a ver com uma chama santa.
João Batista destacou a vinda de Cristo e disse: “Eu os batizo com água para
arrependimento... Ele os batizará com o Espírito Santo e com fogo.” (Mateus 3.11)
Quando Isaías gritou “Estou perdido!”, foi um grito de dor. O grito revelador da
consciência impura. Ele experimentara a perdição da criatura diante da santidade do
Criador.
O que deveria acontecer na conversão genuína? O que um homem ou uma mulher
deveriam sentir ao nascer de novo?
Deveria haver aquele grito real e genuíno de dor. É por isso que não gosto do tipo de
evangelismo que tenta convidar pessoas à comunhão de Deus por meio da assinatura de
um cartão.
Deve haver um nascimento do alto e de dentro. Deve haver o terror de vermos a nós
mesmos em contraste violento com o Deus santo, santo, santo. A menos que cheguemos
a esse lugar de convicção e de dor, não tenho certeza do quanto o nosso arrependimento
será profundo e verdadeiro.
Hoje, não se trata de termos a pureza de Isaías, e sim de termos sua consciência. Ele
era impuro e, graças a Deus, teve consciência disso. Mas o mundo atual é impuro e
parece estar quase que totalmente inconsciente disso. Impureza com inconsciência terão
consequências terríveis. Eis o que está errado com a Igreja cristã e com o nosso
protestantismo. Nosso problema é a depravação entre os justos, entre os que são
chamados para serem santos, entre os que afirmam serem almas nobres.
Nós gostamos da visão e da consciência de Isaías. Mas não gostamos de pensar na
brasa viva que é colocada nos lábios do profeta.
Purificação pelo sangue e pelo fogo. Os lábios de Isaías, símbolo de toda a sua
natureza, foram purificados pelo fogo. Deus então pôde dizer a ele: “A sua culpa será
removida” (Isaías 6.7).
Foi assim que Isaías, impressionado e dolorido, foi capaz de genuinamente sentir que
a sua inocência moral tinha sido restaurada e instantaneamente percebeu que estava
pronto para a adoração e também pronto e ansioso para o serviço de acordo com a
vontade de Deus.
A cada um de nós, se tivermos essa certeza do perdão e da inocência moral
restaurada, o fogo da graça de Deus deve tocar. Somente através das profundezas do
amor divino que perdoa é que homens e mulheres poderão ser restaurados e preparados
para servi-lo.
Nesse mesmo sentido, há alguma outra maneira através da qual nós, criaturas de Deus,
poderemos ser preparados para adorá-lo?
Posso apenas lembrá-lo de nossas grandes necessidades nestes dias terríveis, quando
homens e mulheres estão tentando ao máximo adaptar Deus às suas conveniências.
Muitos também acreditam que é possível obter controle sobre o Deus soberano e
colocá-lo em determinado patamar onde possam usá-lo conforme desejarem.
Mesmo em nossos círculos cristãos, estamos propensos a depender de técnicas e
métodos na obra que Cristo nos deu para realizar. Sem uma dependência completa do
Espírito Santo, estamos fadados a fracassar. Se fomos iludidos a crer que podemos
fazer a obra de Cristo nós mesmos, ela nunca será feita.
O homem que Deus usa deve estar perdido. Deve ser um homem que viu o Rei em Sua
beleza.
Nunca nos consideremos acabados, meu irmão e minha irmã.
Sabe quem me dá mais problemas? Sabe por quem mais eu oro no meu trabalho
pastoral? Por mim mesmo. Não digo isso para parecer humilde, pois tenho pregado a
vida inteira para pessoas que são melhores que eu.
Digo-lhe novamente que Deus nos salvou para sermos adoradores. Que Deus nos
mostre uma visão de nós mesmos que nos desvalorize por completo. A partir daí, Ele
poderá nos erguer para adorá-lo, para louvá-lo e para sermos Suas testemunhas.
Capítulo 7

A Adoração Genuína Envolve


Sentimento
Enquanto isso, Saulo ainda respirava ameaças de morte contra os discípulos do
Senhor. Dirigindo-se ao sumo sacerdote,
pediu-lhe cartas para as sinagogas de Damasco, de maneira que, caso encontrasse
ali homens ou mulheres que pertencessem ao Caminho, pudesse levá-los presos para
Jerusalém.
Em sua viagem, quando se aproximava de Damasco, de repente brilhou ao seu
redor uma luz vinda do céu.
Ele caiu por terra e ouviu uma voz que lhe dizia: “Saulo, Saulo, por que você me
persegue?”
Saulo perguntou: “Quem és tu, Senhor?” Ele respondeu: “Eu sou Jesus, a quem
você persegue.
Levante-se, entre na cidade; alguém lhe dirá o que você deve fazer.”
Os homens que viajavam com Saulo pararam emudecidos; ouviam a voz mas não
viam ninguém.
Saulo levantou-se do chão e, abrindo os olhos, não conseguia ver nada. E eles o
levaram pela mão até Damasco.
Por três dias ele esteve cego, não comeu nem bebeu

(Atos 9.1-9).

Q uanto tempo você acha que irá levar, se Jesus demorar a voltar, para que algumas
igrejas novas e impressionantes como aquelas no primitivo Vale de Baliem, em
Irian Jaya, Indonésia, enviarem missionários ao Canadá e aos Estados Unidos?
Se esse pensamento lhe perturba, você precisa desesperadamente ler este capítulo.
Eu tenho uma razão para sugerir isto como uma possibilidade em algum tempo futuro.
Em Chicago, fui apresentado a um irmão cristão muito sério, que viera de sua terra
natal, a Índia, com um testemunho contagiante da graça de Deus em sua vida.
Perguntei a ele sobre seu histórico na Igreja, é claro. Ele não era pentecostal, nem
anglicano ou batista. Não era presbiteriano, nem metodista. Não sabia sequer o que
significava o rótulo “interdenominacional”. Ele era simplesmente um irmão em Cristo.
Esse indiano nasceu na religião hindu, mas se converteu e se tornou discípulo de
Jesus Cristo lendo e estudando seriamente o registro do Novo Testamento sobre a morte
e a ressurreição de nosso Senhor.
Ele falava inglês bem o bastante para expressar suas preocupações cristãs com o
mundo e com as Igrejas. Pedi a ele que pregasse em meu púlpito.
Naquele encontro, percebi que a menos que despertássemos espiritualmente e que
voltássemos ao amor genuíno e à adoração, nosso candelabro poderia ser removido.
Talvez precisemos de fato receber missionários. Talvez precisemos que eles nos
mostrem o cristianismo genuíno e vital!
Nunca deveríamos esquecer que Deus nos criou para sermos adoradores alegres, mas
o pecado nos atraiu a tudo, menos à adoração. Então, no amor de Deus e na
misericórdia em Cristo Jesus, fomos restaurados à comunhão divina através do milagre
do novo nascimento.
“Vocês foram perdoados e restaurados”, Deus nos lembra. “Eu sou o Criador, o
Redentor e o Senhor, e tenho prazer em sua adoração.”
Não sei como você se sente, mas sinto que devo dar a Deus uma resposta de todo o
coração. Sou feliz por ser considerado um adorador.
Bem, essa palavra “sentir” foi introduzida aqui, e sei que você talvez tenha uma
reação instantânea contra ela. Na verdade, pessoas têm me dito dogmaticamente que
nunca permitirão que “sentimento” tenha qualquer parte em sua vida e experiência
espirituais. E respondo: “Que ruim para você!” Digo isso porque tenho manifestado
uma definição muito real do que creio ser a verdadeira adoração: adoração é sentir no
coração!
Na fé cristã, devemos ser capazes de usar a palavra “sentir” com ousadia e sem
apologia. O que poderia ser dito de pior sobre a Igreja cristã, senão que somos um
povo sem sentimento?
A adoração deve sempre vir de uma atitude interior. Ela incorpora vários fatores,
incluindo-se o mental, o espiritual e o emocional. Você, em algumas ocasiões, talvez
não adore com o mesmo nível de encanto e de amor que em outras, mas a atitude e o
estado mental serão consistentes se estiver adorando ao Senhor.
Um marido ou um pai talvez não demonstre amor e cuidado por sua família com a
mesma intensidade se estiver desanimado, cansado por causa das muitas horas no
trabalho ou quando circunstâncias fizerem com que se sinta deprimido.
Ele talvez não demonstre externamente tanto amor por sua família, mas ele está
presente, pois o amor não é apenas um sentimento. É uma atitude e um estado mental. É
um ato sustentado, sujeito a níveis variados de intensidade e de perfeição.
Eu entrei no reino de Deus com alegria, sabendo que estava perdido e fui achado. Sei
algo da vida emocional que acompanha a conversão a Cristo.
No entanto, lembro-me bem de que no início de minha vida cristã houve os que me
advertiram sobre os perigos do “sentimento”, citando o exemplo bíblico de Isaque, que
sentiu os braços de Jacó e pensou que eram os de Esaú. Desse modo, o homem que se
deixasse guiar por seus sentimentos estaria errado!
Isso soa interessante, mas não é algo sobre o qual você possa construir uma doutrina
cristã.
Pense naquela mulher na narrativa do Evangelho que tinha uma hemorragia havia doze
anos e sofrera na mão de muitos médicos.
Marcos registra que quando ela ouviu sobre Jesus, entrou na multidão e simplesmente
tocou Suas vestes. No mesmo instante, “cessou sua hemorragia e ela sentiu em seu
corpo que estava livre do seu sofrimento” (Marcos 5.29).
Sabendo o que havia sido feito dentro dela pelo Salvador, ela “aproximou-se,
prostrou-se aos seus pés e, tremendo de medo, contou-lhe toda a verdade” (5.33). Seu
testemunho se deu em adoração e louvor. Ela sentiu em seu corpo que havia sido
curada.
Aqueles dentre nós que foram abençoados interiormente não tomariam parte em
nenhuma cruzada para “seguir seus sentimentos”. Por outro lado, se não há nenhum
sentimento em nosso coração, então estamos mortos!
Se você acordar amanhã de manhã e seu braço direito estiver totalmente adormecido,
sem nenhuma sensibilidade, você vai ligar logo para o seu médico com sua mão
esquerda.
A verdadeira adoração é, entre outras coisas, um sentimento sobre o Senhor nosso
Deus. Ela está em nosso coração e devemos estar dispostos a expressá-la de maneira
apropriada.
Podemos expressar a nossa adoração a Deus de muitas maneiras. Mas se amamos ao
Senhor e somos guiados pelo Espírito Santo, nossa adoração sempre trará um
sentimento prazeroso de encanto admirador e de humildade sincera de nossa parte.
O homem orgulhoso e altivo não consegue adorar a Deus de modo mais aceitável que
o demônio orgulhoso. Deve haver humildade no coração da pessoa que adora a Deus
em espírito e em verdade.
O modo como muitos modernos pensam na adoração me incomoda. A verdadeira
adoração pode ser construída ou manipulada? Você consegue antever comigo o tempo
quando as Igrejas poderão chamar o pastor de “engenheiro espiritual”?
Tenho ouvido psiquiatras sendo chamados de “engenheiros humanos” e, é claro, eles
se ocupam de nossas mentes. Temos reduzido tantas coisas à engenharia ou a termos
científicos ou psicológicos que a chegada dos “engenheiros espirituais” é uma
possibilidade. Mas isso nunca substituirá o que tenho chamado de encantamento
estarrecido, sempre que adoradores são descritos na Bíblia.
Encontramos muito de encantamento e de assombro no livro de Atos. Você sempre
encontrará esses elementos presentes quando o Espírito Santo dirigir homens e
mulheres crentes. Por outro lado, você não encontrará encantamento estarrecido entre
homens e mulheres quando o Espírito Santo não estiver presente.
Engenheiros podem fazer muitas coisas grandiosas em suas áreas, mas nenhuma força
ou direção humana é capaz de entender os mistérios de Deus entre os homens. Se não há
encantamento, nenhuma experiência de mistério, nossos esforços para adorar serão
fúteis. Não haverá nenhuma adoração sem o Espírito.
Se Deus pode ser entendido e assimilado plenamente por qualquer meio humano,
então não pode ser adorado. Uma coisa é certa: nunca dobrarei os meus joelhos e direi
“Santo, Santo, Santo” ao que fui capaz de decifrar e de entender! O que posso explicar
nunca me levará a um lugar de temor e de respeito. Nunca poderá me encher de
encantamento, assombro ou admiração.
Os filósofos chamavam o mistério antigo da pessoalidade divina de mysterium
conundrum. Nós, que somos filhos de Deus pela fé, O chamamos de “Pai nosso que
estás nos céus”. Nos setores da Igreja onde há vida, bênção e encantamento na
adoração, há também um sentimento de mistério divino. Paulo nos resumiu isso na
expressão “Cristo em vocês, a esperança da glória” (Colossenses 1.27).
O que acontece, então, em uma Igreja cristã quando uma ação nova e vital do Espírito
de Deus traz avivamento? Em meus estudos e em minhas observações, um avivamento
geralmente resulta na concessão repentina de um espírito de adoração. E isso não é
consequência de engenharia, nem de manipulação. É algo que Deus concede às pessoas
famintas e sedentas Dele. Com a renovação espiritual virá um espírito bendito de
adoração amorosa.
Esses crentes adoram com alegria porque têm uma visão elevada de Deus. Em alguns
círculos, Deus tem sido resumido, reduzido, modificado, editado, mudado e emendado
até não ser mais o Deus que Isaías viu, alto e exaltado. Por estar reduzido na mente de
tantas pessoas, nós não temos mais aquela confiança ilimitada em Seu caráter que
costumávamos ter.
Ele é o Deus a quem vamos sem dúvidas, sem temores. Nós sabemos que Ele não irá
nos iludir nem enganar. Não irá romper Sua aliança nem mudar de ideia.
Temos de estar convencidos, a fim de podermos ir até a Sua presença com confiança
absoluta. Em nosso coração está este compromisso: “Seja Deus verdadeiro e todo
homem mentiroso” (Romanos 3.4).
O Deus de toda a terra não pode fazer nada errado! Ele não precisa ser resgatado. O
conceito inadequado do homem em relação a Deus, esse sim é que precisa ser
resgatado.
Felizmente, quando Deus nos fez à Sua imagem, Ele nos deu a capacidade de apreciar
e de admirar Seus atributos.
Certa vez ouvi o Dr. George D. Watson, um dos grandes mestres da Bíblia de sua
geração, destacar que os homens podem ter dois tipos de amor por Deus: o amor à
gratidão ou o amor à excelência. Ele conclamou que passássemos da gratidão ao amor a
Deus apenas porque Ele é Deus e por causa da excelência de Seu caráter.
Infelizmente, os filhos de Deus raramente vão além das fronteiras da gratidão. Quase
nunca ouço alguém adorando em oração, admirando e louvando a Deus por Sua eterna
excelência.
Muitos de nós somos estritamente cristãos “Papai Noel”. Pensamos em Deus armando
a árvore de Natal e colocando nossos presentes debaixo dela. Esse é apenas um tipo
elementar de amor.
Precisamos ir mais além. Precisamos conhecer a bênção de adorar na presença de
Deus sem o pensamento de querer sair logo. Precisamos ter prazer na presença da
excelência suprema e infinita.
Uma adoração assim terá o ingrediente da fascinação, do elevado entusiasmo moral.
Objetivamente, alguns dos homens e algumas das mulheres na Bíblia conheceram esse
tipo de fascinação em sua comunhão com Deus. Se Jesus, o Filho, deve ser conhecido,
amado e servido, o Espírito Santo deve ter permissão para iluminar nossa vida humana.
Essa personalidade então será capturada e introduzida à presença de Deus.
O que faz com que um ser humano clame:

Ó Jesus, Jesus, querido Senhor


Perdoa-me se eu disser
Por puro amor, Teu nome sagrado
Mil vezes ao dia.

Queima, queima, ó amor, dentro do meu coração,


Queima intensamente noite e dia,
Até toda impureza dos amores terrenos
For queimada e consumida.

Essas expressões vieram do coração adorador de Frederick W. Faber1. Ele ficou


completamente fascinado por tudo que havia experimentado na presença e na comunhão
de um Deus e Salvador amoroso. Com certeza ele foi preenchido por intenso
entusiasmo moral. Foi tomado por encantamento diante da magnitude indescritível e do
esplendor moral do Ser a quem chamamos de Deus.
Tal fascinação com Deus deve necessariamente ter um elemento de adoração. Você
talvez me peça uma definição de adoração nesse contexto. Direi que quando adoramos
a Deus, todos os belos ingredientes da adoração se manifestam por intermédio do fogo
do Espírito Santo. Adorar a Deus significa amá-lo com todas as forças do nosso
interior. Nós O amamos com temor, encantamento, anseio e assombro.
A admoestação de “amar o Senhor seu Deus de todo o seu coração... e de todo o seu
entendimento” (Mateus 22.37) pode significar somente uma coisa: adorá-lo.
Eu uso a palavra adore com moderação, pois ela é uma palavra preciosa. Amo bebês
e pessoas, mas não posso dizer “adore-os”. Adoração eu guardo para Aquele que é o
único que a merece. Em nenhuma outra presença e diante de nenhum outro ser eu posso
me curvar em temor, encantamento, anseio e senso de posse que clama, “meu, meu!”
As expressões nos hinários podem mudar, mas sempre que alguém estiver envolvido
em adoração, clamará: “Ó Deus, tu és o meu Deus, eu te busco intensamente” (Salmos
63.1). A adoração se torna uma experiência de amor completamente pessoal entre Deus
e o adorador. Foi assim com Davi, com Isaías, com Paulo. É assim com todos cujo
desejo tem sido o de possuir Deus.
Esta é a verdade que alegra: Deus é o meu Deus.
Irmão ou irmã, a menos que você possa dizer Deus e eu, não poderá dizer nós com
significado. A menos que você tenha conseguido se encontrar com Deus na solidão de
sua alma, apenas você e Deus, como se não houvesse mais ninguém no mundo, nunca
saberá o que é amar as outras pessoas no mundo.
Consagração não é difícil para quem se encontrou com Deus. Onde há adoração e
fascinação genuínas, o filho de Deus não deseja outra coisa senão a oportunidade de
derramar seu amor aos pés do Salvador.
Um jovem conversou comigo sobre sua vida espiritual. Ele era cristão havia vários
anos, mas estava preocupado de não estar fazendo a vontade de Deus para sua vida. Ele
falou da frieza do seu coração e da falta de poder espiritual. Constatei que estava
desmotivado e com medo da dureza do coração.
Compartilhei com ele uma expressão útil, que veio dos escritos de Bernardo de
Claraval2: “Meu irmão, somente o coração que é duro não sabe que é. Somente quem
está endurecido não sabe que está. Quando nos preocupamos com a nossa frieza, é por
causa do anseio que Deus plantou em nós. Ele não nos rejeitou.”
Deus coloca o anseio e o desejo em nosso coração, e não se afasta nem zomba de nós.
Ele pede que busquemos a Sua face em arrependimento e amor, e então encontramos
toda a Sua plenitude graciosa à nossa espera. Na graça de Deus, essa é uma promessa
para todo o mundo.
Blaise Pascal, o famoso cientista francês do século 17, é frequentemente classificado
como um dos seis maiores pensadores de todo o tempo. Ele foi considerado um gênio
em matemática, e sua pesquisa científica foi ampla. Também foi filósofo e escritor. Mas
melhor que tudo, ele certa noite experimentou um encontro pessoal e irresistível com
Deus que mudou a sua vida.
Pascal escreveu em um pedaço de papel um breve relato de sua experiência, dobrou-o
e o manteve em um bolso próximo do seu coração, aparentemente como um lembrete do
que havia sentido. Os que foram ao seu velório encontraram o papel amarrotado. De
próprio punho, Pascal escreveu:

Por volta das dez e meia da noite até aproximadamente meia-noite, fogo! Ó Deus de Abraão, Deus de Isaque, Deus
de Jacó, não o Deus dos filósofos e dos sábios. O Deus de Jesus Cristo que pode ser conhecido nos caminhos do
Evangelho. Segurança, sentimento, paz, alegria, lágrimas de alegria. Amém.

Essas palavras foram de um fanático, um extremista? Não. A mente de Pascal esteve


entre as maiores que já existiram. Mas o Deus vivo se fez sentir para além de tudo que
era humano, intelectual e filosófico. O perplexo Pascal só conseguiu descrever em uma
palavra a visitação em seu espírito: “Fogo!”
Entenda que essa não foi uma declaração em frases para outros lerem. Foi uma
afirmação extasiada de um homem entregue durante duas horas incríveis na presença do
seu Deus.
Não houve nenhuma engenharia ou manipulação humana ali. Houve somente
encantamento, assombro e adoração promovidos pela presença do Espírito Santo de
Deus enquanto Pascal adorava.
O que necessitamos entre nós é de uma visitação genuína do Espírito. Precisamos de
uma concessão repentina do espírito de adoração entre o povo de Deus.

1 N. T. Frederick William Faber (1814-1863) foi um compositor e teólogo inglês, convertido do anglicanismo ao
catolicismo romano.
2 N. T. Bernardo de Claraval (1090-1153) Abade, santo e Doutor da Igreja. Monge cisterciense, foi uma das
personalidades mais influentes do século 12.
Capítulo 8

As Igrejas Que Se
Esquecem De Deus
Também Se Esquecem Da Adoração
Até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e
cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo. O propósito é
que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas,
nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza
de homens que induzem ao erro. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em
tudo naquele que é a cabeça, Cristo. Dele todo o corpo, ajustado e unido pelo auxílio
de todas as juntas, cresce e edifica-se a si mesmo em amor, na medida em que cada
parte realiza a sua função.
Assim, eu digo a vocês, e no Senhor insisto, que não vivam mais como os gentios,
que vivem na inutilidade dos seus pensamentos. Eles estão obscurecidos no
entendimento e separados da vida de Deus por causa da ignorância em que estão,
devido ao endurecimento do seu coração.

(Efésios 4.13-18)

M uitas pessoas que sentem terem “nascido na igreja” e muitas que se acostumaram
às suas tradições religiosas nunca param de perguntar: “Por que fazemos o que
fazemos na igreja e chamamos isso de adoração?”
Parece que elas conhecem muito pouco e provavelmente apreciem ainda menos o tipo
de crentes que Pedro descreve como “sacerdócio real, nação santa, povo de
propriedade exclusiva de Deus.” (1Pedro 2.9)
Deixe-me fazer, então, a pergunta que tantos com histórico religioso nunca chegam a
perguntar. Qual é a verdadeira definição de Igreja cristã? Quais são os propósitos
básicos para a sua existência?
Agora me deixe responder.
Creio que uma igreja local existe para fazer comunitariamente o que cada cristão
deveria estar fazendo individualmente: adorar a Deus. É expor as excelências Daquele
que nos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz (veja 1Pedro 2.9). É refletir as
glórias de Cristo sempre brilhando sobre nós através dos ministérios do Espírito Santo.
Vou dizer-lhe algo que vai soar estranho. Soa estranho para mim à medida que digo,
porque não estamos acostumados a ouvir isso em nossos encontros. Somos salvos para
adorar a Deus. Tudo o que Cristo fez por nós no passado e tudo o que está fazendo
agora cumprem esse propósito.
Se negamos essa verdade e dizemos que a adoração não é realmente importante,
podemos culpar nossas atitudes pela grande onda de marasmo em nossas comunidades
cristãs.
Por que a Igreja de Jesus Cristo deveria ser uma escola espiritual onde quase
ninguém passa do primeiro ano?
Você conhece a velha piada sobre o homem que respondeu se era bem educado? “Eu
deveria ser. Passei cinco anos no 4º Ano.”
Não há graça nenhuma na confissão de nenhum crente de que deveria ser um bom
cristão tendo passado os últimos dezenove anos no 2º e 3º Anos da comunhão cristã.
Quando alguém leu nas Escrituras que a Igreja cristã é dedicada à premissa de que todo
mundo deveria permanecer estático?
De onde veio a noção de que, se você é um cristão, não precisa nunca crescer? Como
não nos preocuparmos com a maturidade cristã e o desenvolvimento espiritual?
Pergunte às pessoas na Igreja por que elas se converteram e terá a resposta: “Para
que pudéssemos ser felizes, felizes, felizes! Todos os que são felizes digam ‘Amém!’”
Essa situação não é isolada. É a mesma por toda a América do Norte e muito além.
Suponho que ao redor de todo o mundo estejamos muito ocupados evangelizando e
fazendo mais alunos de 1º Ano.
Parece ser uma ideia brilhante e aceita que possamos manter os convertidos no 1º
Ano até que o Senhor volte, e então Ele lhes dará domínio sobre cinco cidades.
Agora, você que me conhece bem sabe que não tenho dito essas coisas sobre a Igreja
para dar uma de esperto ou zombar dela. E certamente não as disse no esforço de
parecer “superior”.
Vivemos em um tempo em que o Espírito de Deus tem nos perguntado: “Suas
preocupações para com os perdidos são genuínas? Suas orações de preocupação pela
Igreja de Cristo e seu testemunho ao mundo são reais? Quanta agonia de alma você
sente em relação às pressões desta vida e à sociedade moderna à medida que elas se
relacionam ao bem-estar espiritual de sua própria família?”
Causaremos grande dano à Igreja e àqueles por quem temos amor e preocupação se
não reconhecermos os dias terríveis em que vivemos. Você é tolo o bastante para
acreditar e esperar que tudo permaneça como está, semana após semana, mês após mês,
ano após ano?
Provavelmente estejamos todos mais familiarizados com a história canadense,
americana e britânica do que com a do resto do mundo. Mas é bom lembrar a história
do destino de Roma. Um dos impérios mais civilizados que o mundo conheceu, Roma
sucumbiu como uma enorme árvore podre. Ainda tinha poderio militar e o expunha
exteriormente, mas havia desmoronado por dentro. Roma enamorou-se da fartura de
alimentos e bebidas, com os circos, o prazer e, é claro, com a luxúria desenfreada e
com a imoralidade.
Que grande exército derrotou Roma?
Roma caiu diante das hordas bárbaras do norte, os lombardos, os hunos e os
ostrogodos, povos que não eram dignos sequer de cuidar dos sapatos dos romanos.
Roma havia engordado, enfraquecido e se descuidado. E Roma morreu. O Império
Romano no Ocidente acabou quando o último imperador, Rômulo Augusto, foi deposto
em 476 d.C..
A tragédia que aconteceu à Roma por dentro é o mesmo tipo de ameaça que pode
danificar e colocar em perigo uma Igreja complacente e mundana por dentro. É difícil
para uma Igreja orgulhosa e desinteressada agir como uma Igreja espiritual, madura e
adoradora. Há sempre o perigo iminente do fracasso diante de Deus.
Muitas pessoas leais à Igreja e às formas e tradições negam que o cristianismo esteja
demonstrando algum ferimento em nossos dias. Mas é o sangramento interno que gera
morte e deterioração. Talvez sejamos derrotados na hora em que sangrarmos demais
internamente.
Lembre-se das expectativas de Deus em relação à Igreja cristã, aos crentes que
formam o corpo invisível de Cristo.
Nunca esteve nos planos revelados de Deus que as Igrejas cristãs degenerassem a
ponto de começarem a funcionar como clubes sociais. A comunhão dos santos que a
Bíblia aconselha nunca dependerá da variedade de conexões sociais sobre as quais as
Igrejas se apoiam nesses tempos modernos.
A Igreja cristã nunca tencionou funcionar como um fórum de eventos atuais. Deus não
tencionou que uma revista popular servisse como exemplo, fornecendo a plataforma a
partir da qual uma discussão secular possa se iniciar e se manter.
Você talvez tenha me ouvido falar sobre drama e encenação, de faz de conta e de
hipocrisia. Se afirmativo, não é de surpreender quando declaro sem equívocos que a
Igreja de Jesus Cristo nunca tencionou tornar-se um teatro religioso. Quando
construímos um santuário e o dedicamos à adoração a Deus, estamos então obrigados a
fornecer um lugar na Igreja para apresentadores exporem seus talentos amadores?
Não consigo crer que o Deus santo, amoroso e soberano que nos deu um plano de
salvação eterna baseado nos sofrimentos e na morte de nosso Senhor Jesus Cristo possa
se agradar quando Sua Igreja se torna uma dessas coisas.
Não somos nem santos nem sábios o bastante para argumentarmos contra as muitas
declarações na Bíblia que expõem as expectativas de Deus em relação ao Seu povo, à
Igreja, o corpo de Cristo.
Pedro nos lembra de que se somos cristãos que apreciam a obra de Cristo em nosso
favor, somos uma geração escolhida, um sacerdócio real, uma nação santa, um povo
especial e peculiar aos olhos de Deus (veja 1Pedro 2.9). Paulo disse aos atenienses
que um crente efetivo, obediente e filho de Deus vive se move e existe em Deus (veja
Atos 17.28).
Se estivermos dispostos a confessar que fomos chamados das trevas para manifestar a
glória Daquele que nos chamou (veja 1Pedro 2.9), devemos também estar dispostos a
dar os passos que forem necessários para cumprir como Igreja do Novo Testamento o
propósito e o chamado elevado que recebemos.
Fazer menos que isso é fracassar completamente. É esquecer-se do nosso Deus. É
esquecer nosso Senhor Jesus Cristo que nos redimiu. É esquecer-se de nós mesmos e de
nossos filhos. É também esquecer miseravelmente do Santo Espírito de Deus que veio
do coração de Jesus para fazer em nós as obras que só podem ser realizadas para Deus
por um povo santo e separado.
Nesse conceito abrangente de Igreja cristã e dos membros que a compõem, há duas
maneiras de esquecermos a Deus. Podemos decepcioná-lo como Igreja perdendo nosso
testemunho comunitário. Geralmente ligado a isso está nosso fracasso individual como
cristãos.
Olhamos ao redor uns dos outros e usamos um dos argumentos mais antigos de todos:
“Bem, esse tipo de fracasso certamente não poderia acontecer aqui, entre nós.”
Se formos cristãos preocupados e dedicados à oração, iremos lembrar-nos de um
padrão. Quando uma Igreja enfraquece em qualquer geração, fracassando em levar
adiante os propósitos de Deus, perde a fé por completo na próxima geração.
É assim que acontece o declínio na Igreja. E é assim que a apostasia chega. É assim
que os fundamentos da fé são negligenciados. É assim que as visões liberais e incertas
acerca da sã doutrina cristã vêm à tona.
Trata-se de um assunto sério e trágico o fato de uma Igreja fracassar. A causa da falha
aparecerá quando ela não for mais uma Igreja cristã. Os crentes que permanecerem
saberão que a glória se foi.
Nos dias da peregrinação de Israel, Deus deu a eles uma nuvem durante o dia e uma
coluna de fogo à noite como testemunhos e evidência de Sua glória e proteção
constantes. Se Deus ainda estivesse dando esses mesmos sinais de Sua Presença
duradoura, me pergunto quantas igrejas teriam a nuvem de aprovação durante o dia e a
coluna de fogo à noite.
Se você tiver qualquer percepção espiritual, não preciso dizer que em nossa geração
e em toda comunidade, grande ou pequena, há Igrejas funcionando meramente como
monumentos do que costumavam ser. A glória se foi. O testemunho de Deus, de
salvação e de vida eterna é agora apenas um ruído incerto. O monumento está ali, mas a
Igreja fracassou.
Deus não espera que desistamos, que cedamos, que aceitemos a Igreja como está e
que nos conformemos com o que está acontecendo. Ele espera que Seus filhos crentes
comparem a Igreja aos padrões e às bênçãos prometidas na Palavra de Deus. E então,
com amor, reverência, em oração e sob a orientação do Espírito de Deus iremos
silenciosa e pacientemente tentar alinhar a Igreja à Palavra de Deus.
Quando isso começar a acontecer e a Palavra de Deus receber seu lugar de
prioridade, a presença do Espírito Santo irá novamente começar a se manifestar com
intensidade na Igreja. É isso que o meu coração anseia ver.
A segunda coisa é a questão dos indivíduos que estão se esquecendo de Deus.
Deus teve seus propósitos na criação de todo homem e de toda mulher. Deus quer que
nós conheçamos o novo nascimento do alto. Ele quer que saibamos o significado de
nossa salvação. Quer que sejamos cheios do Seu Espírito. Quer que conheçamos o
significado da adoração. Quer que reflitamos a glória Daquele que nos chamou para a
Sua maravilhosa luz.
Se falharmos quanto a isso, teria sido melhor que não tivéssemos nascido! Os fatos
são claros: não há retorno. Depois de nascermos do alto, não há volta. Nós somos
responsáveis. É totalmente trágico ser uma figueira estéril, ter folhas e crescer, porém
jamais produzir frutos! (veja Mateus 21.19). Como é terrível saber que Deus tencionava
que espelhássemos Sua bela luz, e termos de confessar que estamos perdidos e somos
inúteis, sem refletir coisa alguma!
Tenho certeza de que estaremos conscientes de nossa perda, meu amigo. Estaremos
cientes dela. A coisa mais alarmante e terrível sobre nós como seres humanos é a
consciência eterna que Deus nos tem dado. Trata-se de uma percepção, uma leitura, uma
sensibilidade dada a nós pelo próprio Deus. Um dom à humanidade, uma habilidade de
sentir.
Se não tivéssemos recebido essa habilidade, nada nos causaria dano, porque nunca
teríamos consciência Dele.
O inferno não seria inferno se não fosse a consciência que Deus deu a homens e
mulheres. Se os humanos fossem dormir no inferno, o inferno certamente não seria
inferno.
Meu irmão cristão, agradeça sempre a Deus pelos dons benditos da sensibilidade e da
consciência e pela escolha humana que Ele lhe concedeu. Você tem sido fiel, como
crente, onde Ele lhe colocou?
Se Deus o chamou das trevas para a Sua luz, você deve adorá-lo. Se Ele lhe mostrou
que você deveria manifestar as excelências, as virtudes, as belezas do Senhor que o
chamou, então você deve adorá-lo humilde e alegremente com o brilho e a bênção do
Espírito Santo em sua vida.
É triste que nós, humanos, nem sempre sirvamos alegremente a Deus no lugar que Ele
determinou que estivéssemos. Chegamos até mesmo a permitir que coisas triviais e
pequenos incidentes perturbem nossa comunhão com Deus e nosso testemunho espiritual
sobre Aquele que é o nosso Salvador.
Certa vez tive uma oportunidade de pregar em outro púlpito, e depois do culto fui a
um restaurante com o pastor. Um homem se aproximou de nossa mesa com sua esposa, e
parou um momento para conversar.
“Gostei de ouvi-lo hoje, Sr. Tozer”, ele disse. “Foi como nos velhos tempos”.
Havia lágrimas em seus olhos e uma suavidade em sua voz à medida que ele
relembrava um pequeno incidente em nossos anos passados de Igreja. “Eu larguei a
Igreja tolamente, e hoje recebi um lembrete do que tenho perdido”, ele disse. Então
pediu desculpas e saiu.
O homem estava plenamente consciente das consequências de escolhas ruins e de
julgamentos precipitados, distantes da direção do Espírito de Deus. Sei muito bem que
ele não estava falando do meu sermão ou de minha pregação. Ele estava falando sobre a
fidelidade à Palavra de Deus. Estava falando sobre a comunhão doce e prazerosa entre
os que amam o Senhor. Estava falando sobre a perda de algo essencial e belo que
somente chega a nós quando obedecemos à verdade revelada de Deus.
Devemos ter também consciência do que o pecado e a impureza estão fazendo ao
nosso redor. O pecado não reconhece nenhum tipo de fronteira ou limite. Não opera
exclusivamente em guetos. Onde quer que você esteja, nos subúrbios ou no campo,
pecado é pecado. E onde quer que o pecado esteja, o diabo grassa e os demônios ficam
à solta.
Neste tipo de mundo pecaminoso, o que você está fazendo com a luz espiritual e a
consciência que Deus lhe deu? Onde você inclui Deus em suas amizades, em seus
prazeres, nas complexidades de sua vida cotidiana?
Os psicólogos nos têm dito, já faz algum tempo, que não teremos tantos problemas se
chegarmos ao ponto de não permitir que a nossa religião nos “incomode”. Somos
orientados a nos desfazer da maioria de nossos problemas renunciando aos nossos
complexos de culpa.
Sou grato por Deus nos ter feito com uma consciência eterna, e por Ele saber como
nos dedicar o cuidado de que necessitamos.
Pessoas me procuram para orientação e aconselhamento espiritual, mas não posso
fazer muito por elas. Quando uma pessoa se submete e obedece, Deus promete que dará
a ela todo o consolo de que necessita.
Depois de minha chegada a Toronto, uma jovem culta e atraente marcou uma conversa
em meu escritório. Quando ela chegou, conversamos por alguns momentos para nos
conhecermos melhor e então ela foi ao ponto. Disse que estava incomodada com suas
relações homossexuais com sua colega de quarto. Contou-me que já havia conversado
com outros profissionais sobre isso. Tive a impressão clara de que ela esperava que eu
lhe assegurasse de que estava fazendo o que era permitido em nossos dias.
Eu a encarei bem nos olhos e disse:
– Moça, você é culpada de sodomia e Deus não irá lhe dar nenhuma aprovação ou
consolo até que você abandone seu pecado conhecido e busque Seu perdão e Sua
purificação.
– Acho que tinha de ouvir isso – ela admitiu.
Como ministro e conselheiro cristão, não houve jeito de consolar aquela garota e
aliviar a dor da culpa que ela estava sentindo dentro de si. Ela teria de enfrentá-la até o
momento da decisão, quando confessaria seu pecado e mergulharia, pela fé, naquela
fonte purificadora cheia com sangue das veias de Emanuel.
Esse é o remédio, esse é o consolo e a força necessária que Deus prometeu àqueles
cujas consciência e sensibilidade os levam ao arrependimento, ao perdão e à
restauração.
Deus nos assegura de muitas maneiras que Seu povo adorador será um povo
purificado, um povo que tem prazer nas disciplinas espirituais de uma vida que agrada
a Deus.
Nenhuma pessoa que encontrou as bênçãos da pureza e da alegria no Espírito Santo
poderá jamais ser derrotada. Nenhuma Igreja que descobriu o prazer e a satisfação da
adoração que brota automaticamente do amor e da obediência a Deus poderá perecer.
Capítulo 9

O Cristão Normal
Adora A Deus
Há muito tempo Deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos
antepassados por meio dos profetas, mas nestes últimos dias falou-nos por meio do
Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem fez o
universo.
O Filho é o resplendor da glória de Deus e a expressão exata do seu ser,
sustentando todas as coisas por sua palavra poderosa. Depois de ter realizado a
purificação dos pecados, ele se assentou à direita da Majestade nas alturas,
tornando-se tão superior aos anjos quanto o nome que herdou é superior ao deles.
Mas a respeito do Filho, diz: “O teu trono, ó Deus, subsiste para todo o sempre;
cetro de equidade é o cetro do teu Reino.
Amas a justiça e odeias a iniquidade; por isso, Deus, o teu Deus, escolheu-te dentre
os teus companheiros, ungindo-te com óleo de alegria.”
E também diz: “No princípio, Senhor, firmaste os fundamentos da terra, e os céus
são obras das tuas mãos.
Eles perecerão, mas tu permanecerás; envelhecerão como vestimentas.
Tu os enrolarás como um manto, como roupas eles serão trocados. Mas tu
permaneces o mesmo, e os teus dias jamais terão fim.”

(Hebreus 1.1-4, 8-12)

“Q uemerece
tipo de cristão deveria ser considerado um cristão normal?” Esta pergunta
mais discussão do que hoje tem suscitado.
Algumas pessoas alegam ser cristãos normais quando na verdade querem dizer que
são cristãos nominais. Meu antigo dicionário dá esta definição de nominal: que existe
somente no nome; que não é real nem verdadeiro; portanto, tão pequeno, tão fino ou
coisa semelhante que mal vale o nome.
Com isso como definição, os que sabem que são cristãos no nome apenas jamais
deveriam ter a pretensão de ser cristãos “normais”.
O Senhor Jesus Cristo é seu tesouro mais precioso neste mundo? Se é, você pode se
incluir entre os cristãos normais.
A beleza moral que se encontra somente em Jesus Cristo lhe inspira constantemente ao
louvor e à adoração? Se afirmativo, você está de fato entre aqueles que a Palavra de
Deus identifica como cristãos normais, crentes e praticantes.
Mas quase posso antecipar uma objeção. Se alguém está assim tão encantado e
ocupado com a pessoa de Jesus Cristo, não seria um extremista em vez de um cristão
normal?
Os cristãos professos teriam chegado ao ponto, em sua inclinação humanista e
secularista, de poder negar que o amor dedicado a Jesus Cristo com todo o seu coração,
toda a sua alma e toda a sua força seja cristianismo normal? Não devemos estar lendo e
estudando a mesma Bíblia!
Como alguém pode dizer que é um seguidor e um discípulo de Jesus Cristo e não ser
influenciado por Seus atributos? Esses atributos divinos atestam que Ele é de fato
Senhor de tudo, totalmente digno de nossa adoração e de nosso louvor.
Como cristãos, gostamos de dizer que O temos “coroado Senhor de tudo”, mas
achamos difícil expressar o que isso realmente significa.
Sempre gostei da letra de um dos nossos grandes hinos:

Senhor de todo ser, de um trono distante,


As chamas de glória do sol e das estrelas;
A adoração cristã normal a Deus como centro e
Espírito de todos os seres,
Ainda mais próxima de cada lar amoroso.

O Senhor de todo ser é muito mais que o Senhor de todos os seres. Ele é o Senhor da
própria existência. Ele é o Senhor de todos os tipos de ser: espiritual, natural e físico.
Portanto, quando adoramos apropriadamente a Ele, incluímos todos os que vivem.
Quando jovens começam a compreender essa verdade da posição mais elevada no
universo concedida a Jesus Cristo como Senhor de tudo, também começam a sentir a
importância do Seu chamado para toda uma vida de serviço amoroso.
Muitos jovens se entregam totalmente à ciência, alguns à tecnologia, e outros à
filosofia, à música ou às artes. Quando adoramos ao Senhor Jesus Cristo, no entanto,
abraçamos e incluímos todas as ciências, filosofias e artes possíveis. Esta é a nossa
resposta aos que, em outras tradições religiosas, estão dispostos a aceitar que Jesus foi
um homem, mas que não aceitam Sua afirmação de que é Um com o Pai como o Filho
eterno de Deus.
Esses outros religiosos argumentam que quando prestamos adoração ao homem Jesus
Cristo, somos culpados de idolatria, porque nós também temos confessado que Ele foi
um homem. Acreditamos que Jesus veio entre nós como o Filho do Homem, mas
acreditamos em toda a narrativa. Essa narrativa nos informa que Ele foi o unigênito do
Pai. Assim, Jesus também foi Deus.
Por meio do mistério da Encarnação, Jesus Cristo foi plenamente unido aos homens e
mulheres da raça humana. O plano eterno não foi trazer Deus ao nível do homem, mas
sim levar, através do Filho, a humanidade a Deus. Desse modo, devemos ser unidos à
beleza e ao encanto da união teantrópica, Deus e homem em um.
O resumo desse mistério único envolvendo Deus e homem é este: o que quer que
Deus seja, Cristo é. Quando você adora ao Senhor Jesus, não está desagradando ao Pai.
Jesus é o Senhor de todo ser, e é o Senhor de toda a vida.
O apóstolo João disse claramente em sua primeira epístola que nenhum de nós
conheceria nada sobre o significado da vida se Jesus não tivesse vindo da parte do Pai
para nos mostrar o verdadeiro significado da vida eterna. Mas Ele veio, e como
consequência, João nos assegura que a “nossa comunhão é com o Pai e com Seu Filho
Jesus Cristo” (1João 1.3).
O fato de que Cristo é agora a fonte da vida para homens e mulheres redimidos e
adoradores foi expresso simplesmente no importante hino de John Wesley, “Jesus,
Amado de minha alma”:
Plena graça em Ti se encontra
Graça para cobrir todo o meu pecado;
Que as correntes de cura proliferem;
Faz-me e mantém-me puro por dentro.
Tua da vida a fonte é
Livremente; deixa-me tomar de Ti;
Brota dentro do meu coração,
Erga-te por toda a eternidade.

Sabemos que há muitos tipos de vida, e podemos ter certeza de que Jesus é o Senhor
de todas elas. Na primavera, observamos novos brotos nas árvores e nos arbustos. Eles
estão prontos para desabrochar e se desenvolver.
Em breve esperamos que os pássaros retornem. Não os perdoo facilmente, eles são
muito amigos do bom tempo. Nos dias escuros e nublados quando mais precisamos
deles, eles estão na Flórida. Mas retornam a cada primavera, expressando seu estilo de
vida peculiar enquanto trinam.
Começamos a ver os coelhos e os outros animais. Eles têm seu jeito próprio de viver.
Cristo é o Criador e o Senhor de todos eles. Para além destas manifestações de vida
está a vida intelectual, por exemplo, a vida da imaginação e dos sonhos.
Sabemos algo também sobre a vida espiritual. “Deus é espírito, e é necessário que os
seus adoradores o adorem em espírito e em verdade” (João 4.24). O Filho eterno de
Deus é nosso Senhor. Ele é o Senhor dos anjos, e é o Senhor dos querubins e serafins. E
este mesmo Jesus é o Senhor de todo tipo de vida.
Em nossos dias é importante que saibamos que Jesus Cristo é o Senhor de toda
sabedoria e o Senhor de toda justiça.
A somatória da sabedoria profunda e eterna dos séculos se encontra em Jesus Cristo,
como um tesouro escondido. Não há nenhum tipo de sabedoria verdadeira que não
possa ser encontrado Nele. Todos os propósitos eternos de Deus residem Nele porque
Sua sabedoria perfeita O capacita a planejar bem adiante. Toda a história se torna o
desenvolvimento inevitável de Seus propósitos eternos.
Deus em Sua sabedoria está fazendo com que os homens maus e os homens bons, as
coisas adversas e as favoráveis, trabalhem em prol de Sua glória no dia em que tudo se
cumprirá Nele.
As Escrituras nos dão muitos conceitos encantadores do modo no qual Cristo é o
Senhor de toda justiça.
Justiça não é uma palavra aceita facilmente por homens e mulheres perdidos em um
mundo perdido. Alguém dirá: “Ah, ficarei satisfeito se puder me indicar um bom livro
que trate de ética.” Fora da Palavra de Deus, não há nenhum livro ou tratado que possa
dar-nos uma resposta satisfatória sobre a justiça porque somente Aquele que é o Senhor
de toda justiça é o nosso Senhor Jesus Cristo. Um cetro de justiça é o cetro do Seu
reino. Ele é o Único em todo o universo que amou a justiça e detestou a iniquidade de
modo perfeito.
No período do Antigo Testamento, o sistema de adoração do templo apontava para a
justiça divina. O sumo sacerdote era instruído a entrar no Santo dos Santos uma vez por
ano para oferecer sacrifícios (veja Levítico 16.32-34). Ele usava uma mitra sobre a
testa, e as palavras hebraicas gravadas na mitra eram “Santidade ao Senhor” (veja
Êxodo 28.36-38). Nosso Grande Sumo Sacerdote e Mediador é Aquele que é justo e
santo, Jesus Cristo, nosso Senhor ressurreto.
Ele não é somente justo, Ele é o Senhor de toda justiça (veja Hebreus 9.11-12).
Então, também, Ele é o Senhor de toda misericórdia. Quem mais estabeleceria Seu
reino sobre rebeldes, rebeldes que Ele redimiu e em quem tem renovado um espírito
reto?
Pense comigo sobre beleza, e Neste que é o Senhor de toda beleza. Sabemos por
nossas próprias reações e pelo nosso prazer que Deus tem depositado algo dentro do
ser humano que é capaz de entender e de apreciar a beleza. Deus tem colocado dentro
de nós o amor pelas formas harmônicas, o gosto e a apreciação pela cor e pelos sons
bonitos.
O que muitos de nós não entendemos é que todas as coisas belas, tão agradáveis aos
olhos e ouvidos, são somente as contrapartes externas de uma beleza mais profunda e
mais duradoura que chamamos de beleza moral.
Em relação a Jesus Cristo, é a singularidade e a perfeição de Sua beleza moral que
têm encantado até mesmo os que afirmaram ser Seus inimigos por séculos na história.
Não temos nenhum registro de Hitler dizendo nada contra as perfeições morais de
Jesus. Um dos grandes filósofos, Nietzsche, ele mesmo um instrumento das forças
anticristãs neste mundo, morreu finalmente batendo sua testa no chão e gemendo:
“Aquele homem Jesus eu amo. Não gosto de Paulo.”
Nietzsche fazia objeções à teologia de Paulo sobre a justificação e a salvação pela fé,
mas era estranhamente tocado pelas perfeições da beleza moral encontradas na vida e
no caráter de Jesus, o Cristo, o Senhor de toda beleza.
Observamos essa perfeição de Jesus, mas quando olhamos bem de perto para este
sistema e para esta sociedade, enxergamos as cicatrizes terríveis e feias do pecado. O
pecado tem marcado e deformado este mundo de modo obsceno, tornando-o dissonante,
assimétrico e feio, de modo que até o inferno está repleto de feiura.
Se você ama coisas belas, é melhor ficar fora do inferno, pois ele será a quintessência
de tudo que é imoralmente feio e obsceno. O inferno será o lugar mais feio de toda a
criação. Quando homens de fala rude dizem algo que é “feio feito o inferno”, empregam
uma comparação apropriada e válida. O inferno é aquela realidade a partir da qual toda
feiura é medida.
Trata-se de uma imagem negativa. Agradeça a Deus pela promessa positiva e pela
perspectiva de que o céu seja o lugar da beleza suprema. O céu é o lugar dos números
harmoniosos. O céu é o lugar da formosura graciosa. Aquele que é todo belo está lá.
Ele é o Senhor de toda beleza.
Meu irmão e minha irmã, a terra se encontra entre tudo que é feio no inferno e tudo
que é belo no céu. Enquanto vivermos neste mundo, teremos de considerar os extremos.
Luz e trevas. Beleza e feiura. Muito que é bom e muito que é ruim. As coisas que são
agradáveis e as que são trágicas e duras.
Por quê? Por causa do sentimento de que nosso mundo se encontra a meio caminho
entre a beleza do céu e a feiura do inferno.
Diante dessa reflexão, deixe-me relatar uma pessoa que me chamou para fazer uma
pergunta: “Sr. Tozer, o senhor acha que uma pessoa que seja realmente cristã pode ferir
outro cristão?”
Eu fui forçado a dizer: “Sim, eu acho.”
Por que um homem pode estar de joelhos em um dia, orando intensamente, e no dia
seguinte ser culpado de ofender ou de machucar outro cristão?
Creio que a resposta é porque estamos a meio caminho entre o céu e o inferno. Porque
as sombras e a luz caem sobre nós.
A melhor resposta é que estamos sendo salvos de tudo isso. O Senhor de toda beleza
está salvando Seu povo da feiura do pecado. Nosso Senhor Jesus Cristo veio até este
mundo feio, egoísta e violento para que pudesse salvar-nos e libertar-nos para um céu
lindo.
Nunca conseguiremos compreender o preço terrível, péssimo que o Senhor de toda
beleza pagou para ganhar a nossa redenção. O profeta disse do Messias que viria: “Ele
não tinha qualquer beleza ou majestade que nos atraísse” (Isaías 53.2). Não creio que
os artistas tenham criado um conceito apropriado de Jesus, o homem. Eles O pintam
como um homem bonito, com um rosto terno, feminino. Eles ignoram a declaração de
que “Ele não tinha qualquer beleza ou majestade que nos atraísse”.
Jesus foi plenamente um de nós, um Homem forte entre homens. Ele aparentemente era
tão parecido com Seus discípulos que Judas Iscariotes teve de fazer um arranjo
especial para ganhar suas trinta moedas de prata. “Aquele a quem eu saudar com um
beijo, é ele” (Marcos 14.44).
Poderíamos muito bem dizer que quando o Filho eterno tomou a forma de um homem,
apenas a Sua alma era bela. Apenas quando foi repentinamente transfigurado no monte
“sua face brilhou como o sol, e suas roupas se tornaram brancas como a luz” (Mateus
17.2). Somente então Seus discípulos mais próximos realmente viram o quanto Ele era
belo. Enquanto caminhou entre os homens, Sua beleza perfeita foi encoberta.
Há uma ilustração impressionante nos tipos e figuras do Antigo Testamento que nos
lembra dos adornos da graça e da beleza que marcarão o corpo de Cristo, a Igreja,
sendo preparada como a Noiva celestial. Trata-se da história memorável de Isaque e
Rebeca em Gênesis 24. Abraão enviou seu servo de confiança à sua terra natal para
selecionar uma noiva para seu filho. E é claro que Rebeca passou em todos os testes
que o servo realizou. Não há nenhuma declaração sobre a beleza de Rebeca, mas
presumivelmente ela era muito bonita.
O adorno de sua beleza constituía-se de joias e de vestimentas que vieram como
presentes de amor do noivo que ela ainda não havia visto.
Trata-se de um lembrete do que Deus está fazendo em nosso meio agora mesmo.
Abraão tipifica Deus Pai; Isaque, nosso Senhor Jesus Cristo, o noivo celestial. O servo
que foi com seus presentes a uma terra distante para escolher uma noiva para Isaque
representa o Espírito Santo, nosso Mestre e nosso Consolador.
Então eu pergunto: Qual é a nossa beleza verdadeira à medida que somos chamados
um a um para assumir nossos lugares pela fé no corpo de Cristo e esperarmos Sua
vinda? Deus trata essa questão com a máxima seriedade. Ele nos dá um a um as belezas,
os dons, as graças do Espírito Santo, tipificadas de modo imperfeito por aquelas joias e
pedras preciosas que o servo deu de presente em nome de Isaque. Do mesmo modo
seremos preparados, e quando encontrarmos Jesus Cristo como nosso Senhor e Rei que
virá, nossos adornos serão as graças e os dons dados por Deus. E assim será possível
estar diante Daquele que é o Senhor de toda beleza!
Se você não O conhece nem O adora, se não anseia estar onde Ele está, se a sua alma
nunca experimentou encanto e êxtase por causa de Sua crucificação e ressurreição, sua
afirmação de que é cristão é infundada. Não pode estar relacionada à verdadeira vida e
experiência cristãs.
Entretanto, creio que nós, como cristãos, devemos estar dispostos a permitir que tudo
que é feio em nossa vida seja crucificado. Devemos adorar verdadeiramente ao Senhor
de toda beleza, em espírito e em verdade. Isso não é algo popular, pois muitos cristãos
insistem em que devem ser entretidos enquanto são edificados.
Há muito tenho estudado a vida e o ministério de Albert B. Simpson, fundador da The
Christian and Missionary Alliance (Aliança Cristã e Missionária). Passo adiante a
você esta advertência de que não nos enamoremos pelos bons dons divinos a ponto de
deixar de adorar o Doador deles.
Dr. Simpson certa vez foi convidado a pregar em uma conferência bíblica na
Inglaterra, com o seguinte tema: “Santificação”. Ao chegar lá, descobriu que deveria
estar na plataforma com outros dois mestres da Bíblia. Todos os três haviam recebido o
mesmo tema: “Santificação”.
O primeiro palestrante usou seu tempo para deixar clara sua posição de que a
santificação significava erradicação. “A pessoa santificada teve sua natureza carnal
removida, como você removeria uma erva daninha do seu jardim.”
O segundo se levantou e expôs sua visão de santificação como sendo a repressão à
velha natureza. “A vontade do velho homem sempre estará presente”, disse ele, “e a sua
vitória é sentar-se, mantê-lo sob controle e vencê-lo com suas próprias armas. Ele deve
ser contido.”
Não era uma situação confortável para o Dr. Simpson, agendado para ser o terceiro e
último palestrante.
Ele disse à plateia que poderia somente apresentar o próprio Cristo como resposta de
Deus. “Jesus Cristo é quem nos santifica. Ele é a sua santificação, seu tudo em tudo.
Deus quer que vocês tirem os olhos dos dons, das fórmulas, das técnicas. Ele quer que
vocês contemplem o Doador, o próprio Cristo. Ele é o seu Senhor; adorem-no.”
Essa é uma palavra maravilhosa para os que desejam adorar corretamente.

Outrora ele foi a bênção;


Agora é o Senhor.
Capítulo 10

Se Você Adora No Domingo, O Que


Acontece Na Segunda-Feira?
Moisés pastoreava o rebanho de seu sogro Jetro, que era sacerdote de Midiã. Um dia
levou o rebanho para o outro lado do deserto e chegou a Horebe, o monte de Deus.
Ali o Anjo do Senhor lhe apareceu numa chama de fogo que saía do meio de uma
sarça. Moisés viu que, embora a sarça estivesse em chamas, esta não era consumida
pelo fogo.
“Que impressionante!”, pensou. “Por que a sarça não se queima? Vou ver isso de
perto.”
O Senhor viu que ele se aproximava para observar. E então, do meio da sarça Deus
o chamou: “Moisés, Moisés!” “Eis-me aqui”, respondeu ele.
Então disse Deus: “Não se aproxime. Tire as sandálias dos pés, pois o lugar em que
você está é terra santa.”
Disse ainda: “Eu sou o Deus de seu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, o
Deus de Jacó.” Então Moisés cobriu o rosto, pois teve medo de olhar para Deus.

(Êxodo 3.1-6)

VocêNãobaixa a sua cabeça silenciosamente em reverência quando entra em uma igreja?


ficarei surpreso se a sua resposta for não.
Há uma tristeza em meu espírito quando vou a uma igreja, pois nos tornamos uma
geração que perdeu rapidamente todo senso de sacralidade divina em nossa adoração.
Muitos dos que criamos em nossas Igrejas não pensam mais em termos de reverência, o
que parece indicar que duvidam que a Presença de Deus esteja ali.
Em muitas de nossas congregações, você pode detectar a atitude do “vale tudo”.
Minha avaliação é de que perder a consciência de Deus em nosso meio é uma perda
incalculável.
Boa parte da culpa pode se dever à aceitação crescente de um secularismo mundano,
que parece muito mais atraente em nossos círculos eclesiásticos que qualquer fome ou
sede de vida espiritual que agrade a Deus. Nós secularizamos a Deus, secularizamos o
Evangelho de Cristo e secularizamos a adoração.
Uma Igreja assim não produzirá nenhum homem de Deus de expressão ou forte
espiritualmente, nem um grande movimento espiritual de oração e de avivamento. Para
que Deus seja honrado, reverenciado e verdadeiramente adorado, ele talvez tenha de
dar cabo de nós e começar tudo de novo em outro lugar.
Há uma necessidade de verdadeira adoração entre nós. Se Deus é quem diz que é e se
nós somos o povo de Deus que afirmamos ser, devemos adorá-lo. Não creio que
teremos prazer verdadeiro de adorar a Deus se não O encontrarmos através de uma
experiência pessoal e espiritual por meio do novo nascimento do alto, produzido pelo
próprio Espírito Santo de Deus!
Temos maneiras tão suaves e secularizadas de falar às pessoas do reino de Deus que
não conseguimos mais encontrar homens e mulheres dispostos a buscar a Deus através
da crise do encontro. Quando os trazemos às nossas Igrejas, eles não têm ideia do que
significa amar e adorar a Deus porque na rota em que os trouxemos não houve nenhum
encontro pessoal, nenhuma crise pessoal, nenhuma necessidade de arrependimento,
somente um versículo da Bíblia com uma promessa de perdão.
Ah, como eu gostaria de poder expor a glória Daquele que é digno de ser objeto de
nossa adoração! Eu creio que, se os nossos novos convertidos, os bebês em Cristo,
pudessem ver Seus milhares de atributos ou compreender mesmo que parcialmente o
Seu ser, eles seriam tomados por um desejo ardente de adorar, de honrar e de
reconhecê-lo, agora e para sempre.
Sei que muitos cristãos desencorajados não creem verdadeiramente na soberania de
Deus. Nesse caso, não estamos cumprindo nosso papel como seguidores humildes e
confiáveis de Deus e de Seu Cristo.
E, no entanto, é por isso que Cristo Jesus veio ao nosso mundo. Os antigos teólogos
chamaram isso de teantropismo, a união nas naturezas divina e humana em Cristo. Este
é um grande mistério, e fico admirado diante dele. Tiro meus sapatos e me ajoelho
diante dessa sarça ardente, desse mistério que não entendo.
A teantropia é o mistério de Deus e do homem unidos em uma pessoa, não duas
pessoas, mas duas naturezas.
Assim, a natureza de Deus e a natureza do homem estão unidas Neste, que é nosso
Senhor Jesus Cristo. Tudo que é Deus e que é homem estão em Cristo, fundidos eterna e
inseparavelmente.
Considere a experiência de Moisés no deserto ao contemplar o fogo que ardia na
sarça sem consumi-la. Moisés não hesitou em ajoelhar-se diante dela e adorar a Deus.
Ele não estava adorando a sarça; ele adorou a Deus e Sua glória que habitaram nela.
Trata-se de uma ilustração imperfeita, pois quando o fogo partiu da sarça ela se
tornou em sarça novamente.
Mas este Homem, Cristo Jesus, é eternamente o Filho. Na plenitude desse mistério,
não houve jamais qualquer interrupção, exceto aquele momento terrível quando Jesus
clamou: “Meu Deus! Meu Deus! Por que me abandonaste?” (Mateus 27.46). O Pai virou
Suas costas por um momento quando o Filho tomou sobre Si a massa apodrecida dos
nossos pecados e da nossa culpa, morrendo na cruz não pelo Seu próprio pecado, mas
pelo nosso.
A deidade e a humanidade nunca se separaram. E até hoje elas permanecem unidas
naquele Homem. Quando nos ajoelhamos diante Dele e dizemos “Meu Senhor e meu
Deus, Teu trono, ó Deus, é para sempre e sempre”, estamos conversando com Deus.
Penso que os profetas de Deus viram muito mais longe os mistérios de Deus através
dos séculos, mais do que podemos ver planetas e galáxias com os nossos telescópios
modernos e instrumentos eletrônicos de medida de anos-luz.
Os profetas viram o Senhor nosso Deus. Eles O viram em Sua beleza, e tentaram
descreve-lo. E O descreveram como um ser atraente, irradiando beleza e justiça.
Disseram que Ele era nobre e gracioso. E O descreveram como um ser majestoso; e
notaram a Sua mansidão. Eles O viram como justo e repleto de verdade. E tentaram
descrever Seu modo de amar, com sua felicidade, alegria e fragrância.
Quando os profetas tentam descrever para mim os atributos, as graças, a dignidade do
Deus que apareceu e conviveu com eles, sinto que posso me ajoelhar e seguir sua
admoestação: “Ele é teu Senhor, adora-o.”
Ele é justo, nobre e gracioso no sentido de não perder em nada a Sua majestade.
Ele é manso, mas é o tipo de mansidão que também não diminui em nada a Sua
majestade.
A mansidão e a majestade de Jesus. Eu gostaria de poder escrever um hino sobre isso
ou compor uma música a respeito. Onde mais podemos encontrar majestade e mansidão
juntas?
A mansidão era a Sua humanidade. A majestade era a Sua deidade. Você as encontra
unidas para sempre Nele. Tão humilde que mamou no peito de Sua mãe, chorou como
um bebê e precisou dos cuidados humanos que toda criança necessita.
Mas ele também foi Deus, e em Sua majestade esteve diante de Herodes e de Pilatos.
Quando Ele voltar, descendo do céu, estará em Sua majestade, a majestade de Deus. No
entanto, também estará na majestade do Homem que é Deus.
Este é o nosso Senhor Jesus Cristo. Diante de Seus inimigos, Ele se posiciona em
majestade. Diante de Seus amigos, vem em mansidão.
Aos homens e mulheres é dada a escolha, uma pessoa pode optar por ambos os lados.
Se não quiserem o lado manso de Jesus, conhecerão Seu lado majestoso.
Na terra, as crianças vieram para vê-lo. Os doentes e os pecadores vieram para vê-lo.
O endemoninhado veio para vê-lo. Os que conheciam suas necessidades vieram de toda
parte e O tocaram, encontrando-O tão manso que Seu poder ia de encontro a eles e os
curava.
Quando Ele aparecer aos homens novamente, será em majestade. Em Sua majestade
real Ele confrontará o orgulho, a prepotência e a autossuficiência da humanidade, pois a
Bíblia diz que todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Ele é Senhor e Rei.
Conhecê-lo verdadeiramente é amá-lo e adorá-lo.
Como povo de Deus, ficamos tantas vezes confusos que poderíamos ser conhecidos
como o povo de Deus pobre, vacilante e desastrado. Isso é verdade para muitos de nós,
pois sempre achamos que a adoração seja algo que fazemos quando vamos à igreja.
Nós a chamamos de casa de Deus. Nós a dedicamos a Ele, e assim continuamos com a
ideia confusa de que ela deve ser o único lugar onde podemos adorá-lo.
Vamos à casa do Senhor, feita de tijolos e de madeira, acarpetada. Estamos
acostumados a ouvir um chamado à adoração: “O Senhor está no Seu santo templo,
ajoelhemo-nos diante Dele.”
Isso é no domingo, e essa é a igreja. Muito bem!
Mas a segunda-feira de manhã chega logo. O leigo cristão vai para o seu escritório. O
professor cristão vai para a sala de aula. A mãe cristã se ocupa das tarefas de casa.
Na segunda-feira, ao sairmos para os nossos compromissos e obrigações, estamos
conscientes da Presença de Deus? O Senhor ainda deseja estar em Seu santo templo,
onde quer que estejamos. Ele quer o amor, o deleite e a adoração contínuos de Seus
filhos, onde quer que trabalhem.
Não é admirável quando um homem de negócios entra em seu escritório na segunda de
manhã com um chamado interior para adorar: “O Senhor está em meu escritório, que
todo o mundo se cale diante Dele.”?
Se você não pode adorar ao Senhor em meio às suas responsabilidades na segunda-
feira, provavelmente não poderá adorá-lo no domingo!
Na verdade, nenhum de nós tem a capacidade de enganar a Deus. Portanto, se
estivermos ocupados em nossos passatempos e longe de Sua presença e do senso de
adoração no sábado, não estaremos em boa forma para adorá-lo no domingo.
Suponho que muitas pessoas imaginam ter Deus em uma caixa. Ele está no santuário
da igreja, e quando vamos embora e nos dirigimos para casa, temos a leve impressão
de que estamos deixando Deus nessa grande caixa.
Você sabe que isso não é verdade, mas o que está fazendo a respeito?
Deus não está confinado a um edifício, assim como não está confinado ao seu carro, à
sua casa ou ao escritório onde você trabalha.
A exortação mais séria de Paulo aos cristãos de Corinto é tão válida para a nossa
vida como foi ao ser expressa:
Vocês não sabem que são santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vocês?
Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; pois o santuário de Deus, que são vocês, é sagrado
(1Coríntios 3.16-17).

Se você não reconhecer a presença de Deus em seu escritório, em sua fábrica ou em


sua casa, então Deus não estará na igreja que você frequenta.
Eu me converti a Cristo quando era um jovem trabalhando em uma das fábricas de
pneus em Akron, Ohio. Lembro-me do meu trabalho ali. Lembro também de minha
adoração nesse mesmo local. Eu tinha muitas lágrimas de adoração em meus olhos.
Ninguém nunca me perguntou sobre elas, mas eu não teria hesitado em explicá-las.
Você pode aprender a usar certas habilidades até que elas se tornem automáticas. Eu
fiquei tão habilidoso que podia fazer o meu trabalho e adorar a Deus enquanto minhas
mãos estavam ocupadas.
Tenho chegado à conclusão de que quando estamos adorando, e isso poderia
acontecer bem ali, em meio ao barulho da fábrica, se o amor de Deus estiver em nós e o
Espírito de Deus soprar louvor dentro de nós, todos os instrumentos musicais no céu
irão nos acompanhar.
Bem, tenho experimentado que nossa vida como um todo e todas as nossas atitudes
pessoais devem estar voltadas à adoração a Deus.
Em que você se empenha em adorar? Fé, amor, obediência, lealdade, conduta de vida,
tudo isso aspira a adorar a Deus. Se há algo em você que se recusa a adorar, não há
nada em você, portanto, que adore a Deus muito bem.
Você não está adorando a Deus como deveria se departamentalizou sua vida para que
algumas áreas adorem e outras não.
Isso pode ser uma grande ilusão, que a adoração só aconteça na igreja ou em meio a
uma tempestade perigosa ou na presença de alguma beleza incomum e sublime da
natureza ao nosso redor. Tenho estado com alguns companheiros que ficaram muito
espirituais quando se viram diante de uma curva assustadora no alto de um penhasco!
Ocasionalmente enfrentamos situações assim, e uma pessoa começa a gritar “Um viva
para Jesus!” ou alguma outra expressão cafona.
Meu irmão e minha irmã, se somos filhos crentes de Deus, em quem o Espírito Santo
promove alegria, prazer e encantamento contínuos, não precisaremos de uma
tempestade na montanha para nos mostrar como nosso Senhor é realmente glorioso.
É uma ilusão pensar que, por nos sentirmos repentinamente à vontade e inspirados
diante de tempestades, estrelas ou do espaço, sejamos espirituais. Preciso apenas
lembrá-los de que bêbados, tiranos ou criminosos também podem ter esses sentimentos
“sublimes”. Não imaginemos que eles constituam adoração.
Não posso oferecer nenhuma adoração totalmente agradável a Deus se sei que estou
cultivando elementos em minha vida que O desagradam. Não posso adorar em verdade
e com alegria a Deus no domingo e não adorá-lo na segunda-feira. Não posso adorar a
Deus com uma canção alegre no domingo e conscientemente desagradá-lo em meus
negócios na segunda e na terça.
Repito minha visão de adoração: nenhuma adoração é totalmente agradável a Deus
enquanto houver algo em mim que O desagrade.
Essa visão lhe parece muito desanimadora?
Deixe-me dizer que se você me escutar tempo o bastante, receberá encorajamento no
Espírito, mas eu nunca tive a inclinação de encorajar pessoas na carne.
Nunca tive muita fé em pessoas, como pessoas. Respeito as boas intenções que elas
têm. Sei que querem fazer o bem. Mas na carne, elas não conseguem realizar suas boas
intenções. Isso porque somos pecadores e estamos todos em apuros, até que
encontremos a fonte da vitória, da alegria e da bênção em Jesus Cristo.
Não há nada em nós que possa tornar-se bom até que Jesus Cristo venha e nos mude,
até que Ele viva em nós e una a nossa natureza a Deus, o Pai Todo-Poderoso. Só depois
disso poderemos nos chamar bons.
Por isso digo que a sua adoração deve ser total. Deve envolver você como um todo. É
por isso que você deve se preparar para adorar a Deus, e essa preparação nem sempre
é agradável. Talvez haja mudanças revolucionárias que precisam ocorrer em sua vida.
Para haver adoração verdadeira e abençoada, algumas coisas em sua vida devem ser
destruídas, eliminadas. O Evangelho de Jesus Cristo é, com certeza, positivo e
construtivo. Mas deve ser destrutivo em algumas áreas, eliminando certos elementos
que não podem permanecer em uma vida que agrada a Deus.
Sempre houve cristãos professos que argumentaram: “Eu adoro em nome de Jesus.”
Eles parecem crer que a adoração a Deus seja uma fórmula. Eles parecem pensar que
haja algum tipo de mágica ao se dizer o nome de Jesus.
Estude a Bíblia detalhadamente com a ajuda do Espírito Santo e você descobrirá que
o nome e a natureza de Jesus são um. Não basta saber como pronunciar o nome Dele. Se
passarmos a ser como Ele em natureza, se nos tornarmos aptos a pedir de acordo com a
Sua vontade, Ele nos dará as coisas boas que desejamos e necessitamos. Não adoramos
apenas no nome. Adoramos a Deus como consequência de um nascimento do alto. Deus
tem se alegrado em nos dar mais que um nome. Ele nos tem dado uma natureza
transformada.
Pedro expressou essa verdade da seguinte maneira: “Dessa maneira, ele nos deu as
suas grandiosas e preciosas promessas, para que por elas vocês se tornassem
participantes da natureza divina e fugissem da corrupção que há no mundo, causada
pela cobiça.” (2Pedro 1.4)
Por que deveríamos nos iludir quanto a agradarmos a Deus na adoração? Se eu vivo
como um vagabundo mundano e carnal o dia todo e então passo por uma crise à meia-
noite, como orar a um Deus que é santo? Como abordar Aquele que me pediu que O
adorasse em espírito e em verdade? Fico de joelhos e clamo o nome de Jesus porque
acredito que haja alguma mágica no seu nome?
Se ainda sou o mesmo vagabundo mundano e carnal, ficarei decepcionado e
desiludido. Se não estou vivendo sob a influência do verdadeiro significado de Seu
nome e de Sua natureza, não posso orar apropriadamente.
Como esperarmos adorar a Deus de modo aceitável quando esses elementos malignos
permanecem em nossa natureza indisciplinada, incorrigível e impura? Mesmo
considerando-se que um homem com ingredientes malignos em sua natureza conseguisse
em parte adorar a Deus. Que tipo de caminho seria esse no qual viver e seguir adiante?
“Eu quero habitar em seus pensamentos”, Deus disse. “Façam de seus pensamentos
um santuário no qual eu possa habitar.”
Não tenho de fazer algo errado para sentir uma convicção intensa do meu pecado e me
arrepender. Posso perder a comunhão com Deus, perder a sensação clara de Sua
presença e perder a bênção da vitória espiritual pensando errado.
Tenho descoberto que Deus não habitará em pensamentos maldosos e poluídos. Ele
não habitará em pensamentos lascivos e gananciosos. Ele não habitará em pensamentos
orgulhosos e egoístas.
Deus quer que façamos um santuário de nossos pensamentos no qual Ele possa
habitar. Ele valoriza nossos pensamentos puros e amorosos, nossos pensamentos
mansos, benevolentes e generosos. Esses são pensamentos como os Seus.
Na medida em que Deus habitar em seus pensamentos, você estará adorando, e Deus
estará aceitando a Sua adoração. Ele estará exalando o incenso de sua intenção
elevada, mesmo quando os cuidados da vida forem intensos e você estiver apurado com
atividades.
Se Deus sabe que a sua intenção é adorá-lo como cada parte do seu ser, Ele prometeu
cooperar com você. Com Ele estão o amor e a graça, as promessas e a expiação, a
ajuda constante e a presença do Espírito Santo.
Ao seu lado estão a determinação, a busca, a entrega e a convicção. Seu coração se
torna uma câmara, um santuário, um relicário no qual pode haver comunhão contínua e
ininterrupta. A sua adoração subirá até Deus momento após momento.
Dois dos maiores sermões de Spurgeon foram sobre “Deus no Silêncio” e “Deus na
tempestade”. O coração que conhece a Deus pode encontrá-lo em qualquer lugar.
Concordo plenamente com Spurgeon quando ele afirma que uma pessoa cheia do
Espírito, uma pessoa que se encontrou com Deus em um encontro vivo, pode conhecer a
alegria de adorá-lo, quer nos silêncios ou nas tempestades da vida. Não há barganha.
Sabemos o que Deus quer que sejamos. E Ele quer que sejamos adoradores!
ADORAÇÃO:
A Joia Perdida Na Igreja Evangélica

ADORAÇÃO ACEITÁVEL

ADORAÇÃO:
O Emprego Normal De Seres Morais
1961, A. W. Tozer falou aos pastores da Associated Gospel Churches of Canada.
E mEssas três mensagens sobre adoração foram então editadas por Tozer para a
publicação da organização, The Advance. Em 1965, elas foram reimpressas como uma
série em The Alliance Witness (agora Alliance Life), a revista que Tozer editou de 1950
até sua morte, em 1963. A série tem sido editada como livreto em várias línguas desde
então.
Nós oferecemos o livreto aqui, em sua versão integral, como um adendo a O que
aconteceu com a Adoração?, ambos revelando as firmes convicções de Tozer sobre
adoração que são tão apropriadas ainda hoje.
“Somos salvos para adorar a Deus. Tudo o que Cristo fez por nós no passado e tudo o
que está fazendo agora cumprem esse propósito.” (De O que aconteceu com a
Adoração?)
Adoração:
A Joia Perdida Na
Igreja Evangélica

N osfamosa
Salmos, você ouve um chamado contínuo à adoração. Eles respondem àquela
pergunta feita a nós pelos presbiterianos: “Qual é o fim supremo e principal
do homem?”. A resposta a essa pergunta é sobre o que quero falar agora, dizendo a
você que fomos criados e, após a Queda, redimidos, para que fôssemos adoradores de
Deus.
Deus nunca age sem um propósito, nunca. As pessoas agem sem propósito. Sinto que
boa parte do que fazemos na Igreja hoje é sem propósito. O intelecto é um atributo
divino. Deus tem intelecto e isso significa que Ele pensa; e assim Deus nunca faz nada
sem um propósito inteligente. Nada neste mundo é sem significado.
Deus criou o universo com um propósito, e não há absolutamente nada inútil; nenhuma
parte sobressalente; tudo se encaixa em tudo. Deus fez as coisas assim. A ciência, por
sua vez, lida com a relação das coisas e seu efeito umas sobre as outras. Mas as
pessoas simples, as que preferem crer a saber, que preferem adorar a descobrir, têm
uma visão mais descomplicada e bela do mundo. Elas dizem que no princípio Deus
criou os céus e a terra, e que Deus fez todas as coisas e as colocou em seu lugar dando-
lhes significado e propósito, e uma tarefa para realizar em relação a todas as outras
coisas que Ele também fez.
Contudo, Deus viu que o mundo não estava completo, e – como diz o poema, esse
grande Deus que colocou as estrelas no céu, fez o Sol e sustenta todo o universo em
Suas mãos – então esse grande Deus parou à margem do rio, tomou um pedaço de barro
e, como uma mãe que se curva sobre seu bebê, trabalhou nesse barro até que ele se
tornasse um homem e soprou nele o fôlego da vida e ele se tornou uma alma vivente.
Amém! Amém! É o que eu creio. Não pensamos nisso de maneira física, mas cremos
que Deus em Sua inteligência criou o universo com um propósito inteligente por trás
dele.
E quando eu digo isso, sabemos muito bem que algumas filosofias sustentam o
contrário. Mas não prestamos atenção a elas. Começamos com um dogmatismo
educado. Eu uso a palavra dogmatismo porque quero ser dogmático quanto ao que
estou dizendo. No entanto, uso a palavra educado porque não quero me tornar um
dogmático ofensivo. Quero ser educadamente dogmático. Acredito no que estou
dizendo. Creio nisso completamente. Creio nisso com tanta ênfase que dirijo a minha
vida por isso. O que creio tem sido a razão pela qual tenho vivido e o Senhor tardar em
vir, para eu que eu possa morrer confiante.
Essas pessoas simples de quem falei creem que Deus criou as coisas com um
propósito. Ele criou as flores, por exemplo, para serem belas; criou os passarinhos
para cantar; criou as árvores para dar fruto e animais para servirem de alimento e de
vestimenta para a humanidade. E ao dizer isso, essas pessoas confirmam o que as
Santas Escrituras, Moisés, os profetas, os apóstolos e santos disseram desde o início do
mundo. Deus fez o homem para um propósito e esse propósito é dado pelo catecismo; a
resposta é “para glorificar a Deus e gozá-lo para sempre”. Deus nos fez para sermos
adoradores. Esse foi o propósito de Deus ao trazer-nos ao mundo.
Acredito que há um argumento sólido por trás de tudo isso. Creio que Ele criou o
homem sem necessidade externa. Acredito que foi uma necessidade interna. Deus,
sendo o Deus que era e que é, e sendo infinitamente perfeito, infinitamente belo,
infinitamente glorioso, infinitamente admirável e infinitamente amoroso, a partir de Sua
própria necessidade interior decidiu ter alguma criatura que fosse capaz de admirá-lo,
amá-lo e conhecê-lo. Deus então fez o homem à Sua imagem; à Sua imagem e
semelhança o criou; e o fez o mais próximo de ser como Ele mesmo quanto fosse
possível para a criatura ser como o Criador. A coisa mais parecida com Deus no
universo é a alma do homem.
A razão pela qual Deus fez o homem à Sua imagem foi para que ele pudesse apreciar,
admirar e adorar a Deus; e para que Deus não fosse um retrato, por assim dizer,
pendurado em uma galeria sem ninguém para olhá-lo. Não fosse uma flor que ninguém
pudesse cheirar. Não fosse uma estrela que ninguém pudesse ver. Deus fez alguém para
cheirar aquela flor, o lírio dos vales. Ele quis alguém para ver essa imagem gloriosa.
Ele quis alguém para ver a estrela, e assim nos criou e, ao nos criar, nos fez para adorá-
lo.
Vou dar a você uma definição da palavra adoração como irei usá-la. Você não
encontrará esta definição em nenhum lugar porque eu a criei. Depois de o dicionário
ter-lhe dado o melhor que pôde, então um bom pensador deve criar sua própria
definição. Se você não a der, não será entendido; se definir demais, não será escutado,
porque não há nada tão entediante quanto um pregador que se levanta e lhe dá uma aula
sobre o dicionário; mas se você não der uma definição suficiente, as pessoas não
saberão o que você quer dizer. Você estará falando sobre uma coisa e a sua plateia
estará ouvindo outra, e você talvez não queira dizer a mesma coisa que eles estão
ouvindo.
Eu quero definir adoração, e é aqui onde quero ser dogmático. Adoração significa
“sentir no coração”; primeiro é isso, sentir no coração. Pertenço àquele segmento da
Igreja de Cristo na terra que não tem medo da palavra “sentimento”. Nós passamos por
um longo período de profundo congelamento na virada do século 20, quando as pessoas
falavam sobre “fé nua”. É como se quisessem nos pendurar feito uma pele de guaxinim,
secando na porta. E então disseram: “Não acredite em sentimento, irmão; nós não
acreditamos. O único homem que se deixou levar por ele se desviou; ele foi Isaque, que
sentiu os braços de Jacó e pensou que eram de Esaú.” Mas eles esqueceram a mulher
que sentiu em seu corpo que estava curada! Lembre-se disso! Uma pessoa que
meramente vive a formalidade, mas não sente nada, não está adorando.
Adoração também quer dizer “expressar de forma apropriada” o que você sente.
Agora, expressão apropriada não quer dizer que sempre nos expressaremos da mesma
maneira o tempo todo. E não quer dizer que você sempre expressará a sua adoração da
mesma maneira. Mas quer dizer que ela será comunicada de algum modo.
E o que será comunicado? “Um sentimento de humilhação, porém agradável, de
admiração e de encantamento.” É agradável adorar a Deus, mas é também algo
humilhante; e o homem que não foi humilhado na presença de Deus nunca será um
adorador de Deus. Ele talvez seja um membro de igreja que mantém as regras e
obedece a disciplina, que dá dízimo, vai a conferências, mas nunca será um adorador, a
menos que seja profundamente humilhado. “Um sentimento de humilhação, porém
agradável, de admiração e de encantamento.” Há um encantamento em relação a Deus
que se perdeu por completo em nossos dias; há cada vez menos um sentimento de
admiração na Igreja de Cristo da atualidade.
Eu gosto de algo que fazem muito no Canadá, e que provavelmente começou de forma
simples. Quem quer que o tenha criado, teve uma boa ideia. Depois da bênção, as
pessoas se assentam e adoram um minuto. Isso é muito bom. Tenho certeza de que para
muitos isso se tornou uma formalidade. Mas quando é verdadeiro, é algo bom. Observei
que alguns ocasionalmente entram, curvam suas cabeças e adoram antes do culto
começar. E há aquela admiração e aquele encantamento. Se não há nenhum temor de
Deus em nosso coração, não pode haver nenhuma adoração a Deus.
“Encantamento e amor transbordante”, na presença desse antigo Mistério, dessa
indescritível Majestade que os filósofos chamam de Mysterium Tremendum, mas que
nós chamamos de Pai nosso que está no céu. Essa é a minha definição de adoração, e é
isso que vou querer dizer daqui em diante, que devemos sentir algo em nosso coração
que não tínhamos antes de nos convertermos; que vamos expressá-lo de algum modo, e
ele será um sentimento humilhante, porém agradável de admiração e de encantamento e
de amor transbordante na Presença do mais antigo dos Mistérios.
Algo terrível tem acontecido conosco, irmãos, quando nos vemos capazes de explicar
a fé cristã. Tenho muito medo do racionalismo evangélico como tenho do liberalismo;
ambos estão seguindo na mesma direção. Nos Estados Unidos agora tem uma nova
escola de pensamento que atende por vários nomes; é chamada de novo
evangelicalismo, mas é neorracionalismo. O racionalismo evangélico que tenta explicar
tudo tira o mistério da vida e da adoração. Quando você tirou o mistério da vida, tirou
Deus, pois embora possamos entendê-lo em certa medida, nunca poderemos entendê-lo
plenamente. Sempre deverá haver aquele encanto em nosso espírito, que diz “Ah,
Senhor Deus, Tu sabes!”, que permanece em silêncio e sem fôlego, ou se ajoelha na
presença daquele terrível Assombro, daquele Mistério, daquela Majestade
indescritível, diante de quem os profetas costumavam cair, e diante de quem Pedro e
João e os outros discípulos caíram como mortos, diante de quem Isaías recuou e
clamou: “Eu sou um homem de lábios impuros”.
Fomos feitos para adorar, mas as Escrituras nos dizem algo mais. Elas nos dizem que
o homem caiu e não manteve sua condição inicial; que ele perdeu a glória original de
Deus e fracassou em cumprir o propósito criativo, de modo que não está adorando
agora do modo como Deus deseja que adore. Tudo o mais cumpre seu propósito; as
flores ainda têm perfume, os lírios ainda são belos e as abelhas ainda buscam pelo
néctar entre as flores, os passarinhos ainda cantam com seu coro de mil vozes em um
dia de verão, e o Sol, a Lua e as estrelas todos giram em torno de si, fazendo a vontade
de Deus.
E do que podemos apreender das Escrituras, nós acreditamos que os serafins e os
querubins, os principados e as potestades ainda estão cumprindo seu propósito,
adorando a Deus que os criou e soprou neles o fôlego da vida. Somente o homem fica
amuado em sua caverna.
Somente o homem, com toda a sua inteligência brilhante, com todos os seus recursos
impressionantes, indescritíveis e maravilhosos, ainda está recluso em sua caverna. Ele
fica em silêncio ou se abre a boca é para contar vantagem, ameaçar e amaldiçoar; ou dá
uma risada nervosa, sem refletir, ou fica refém do seu humor, ou entoa canções sem
alegria.
O homem foi feito para adorar a Deus. Deus deu ao homem uma harpa e disse: “Aqui
sobre todas as criaturas que eu fiz e criei, eu lhe dei a maior das harpas. Coloquei mais
cordas em seu instrumento e lhe dei uma amplitude maior do que dei a qualquer outra
criatura. Você pode Me adorar de um modo que nenhuma outra criatura pode.” E quando
pecou, o homem tomou aquele instrumento e o jogou na lama, e ali ele ficou por
séculos, enferrujado, quebrado e sem cordas; e o homem, em vez de tocar uma harpa
como os anjos e de buscar adorar a Deus em todas as suas atividades, é egocêntrico, se
volta para si mesmo e fica amuado, xinga, ri e canta, mas tudo isso sem alegria e sem
adoração.
E o Deus Todo-Poderoso enviou Seu Filho Jesus Cristo ao mundo com um propósito.
E qual foi esse propósito? Ouvir a muitos evangelistas nestes dias é achar que Ele veio
para nos fazer desistir do tabaco; que Cristo veio ao mundo para escaparmos do
inferno; que Ele enviou Seu Filho ao mundo para que, quando enfim ficarmos velhos e
cansados, possamos ter algum lugar para ir. Todas essas coisas são verdade. Jesus
Cristo nos salva dos maus hábitos, nos redime do inferno e nos prepara um lugar no
céu; mas esse não é o propósito supremo da redenção.
O propósito de Deus ao enviar Seu Filho para morrer, ressuscitar e viver e estar à
direita de Deus Pai foi o de que Ele pudesse restaurar a joia perdida, a pérola da
adoração; que pudéssemos retornar e aprender a fazer de novo aquilo que fomos
criados para fazer em primeiro lugar, adorar o Senhor na beleza da santidade, gastar
tempo em admiração e contemplação a Deus, sentindo e expressando essa adoração, e
deixando que ela faça parte do nosso trabalho, e fazermos tudo como um ato de
adoração ao Deus Todo-Poderoso por meio de Seu Filho Jesus Cristo. Eu digo que a
maior das tragédias do mundo hoje é que Deus fez o homem à Sua imagem, que o fez
para adorá-lo, e fez com que ele tocasse a harpa da adoração diante de Sua face dia e
noite, mas ele se esqueceu de Deus e livrou-se da harpa. E ela continua sem voz, a seus
pés.
Sem adoração seguimos miseráveis; é por isso que temos todas as tribulações que
temos. Você se pergunta por que jovens agem como autênticos idiotas. Alguns têm muita
energia e não sabem o que fazer com ela, e assim saem e agem como tolos; e é por isso
que gângsteres, comunistas e pecadores de todos os tipos fazem o que fazem. Eles são
dotados pelo Deus Todo-Poderoso de inteligência brilhante e de uma quantidade
enorme de energia, e porque não sabem o que fazer com ela, fazem o que é errado. É
por isso que não tenho raiva das pessoas quando as vejo chegarem ao fundo do poço,
porque sei que caíram de sua condição inicial com os filhos de Adão e todos nós
juntos. Elas não foram redimidas e, portanto, têm energia que não sabem como usar; têm
capacidade que não sabem como explorar. Têm habilidades e não sabem como
aproveitá-las, e assim se aventuram, e a polícia tem de deter jovens de dezesseis anos e
colocá-los na prisão. Se eles tivessem sido ensinados que vieram ao mundo primeiro
para adorar a Deus e para desfrutar Dele para sempre, e quando caíram Jesus Cristo
veio redimi-los para torná-los adoradores, eles poderiam, por intermédio do Espírito
Santo e pelo lavar do sangue, tornar-se santos adoradores, e as coisas seriam muito
diferentes.
Porém nem todos os jovens têm cometido loucuras. Posso lhe mostrar muitos deles, às
centenas e chegando aos milhares que com toda a sua exuberância têm voltado seus
olhos para Jesus e olhado para o Seu rosto maravilhoso; eles têm sido redimidos e
sabem por que foram criados. O que Platão não sabia e Pitágoras não sabia e
Aristóteles não sabia e Julian Huxley não sabe, por que foram criados, esses jovens de
coração simples sabem. Sabem por que vieram a este mundo.
É por isso que creio na vida mais profunda. Creio que quanto mais longe seguimos
com Deus, mais perto do coração de Cristo chegamos, e mais como Cristo nos
tornamos; e quanto mais nos tornamos como Cristo, mais como Deus nos tornaremos; e
quanto mais nos tornarmos como Ele, e mais perto estivermos Dele, mais perfeita será a
nossa adoração.
Penso que Deus me deu um pouco do espírito de um cruzado medieval e estou nesta
cruzada com todos os meus recursos, para que cristãos de todas as denominações e
tendências de pensamento teológico possam ser restaurados novamente ao seu
propósito original. Estamos aqui para sermos adoradores primeiro e somente depois
obreiros. Recebemos um convertido e imediatamente o transformamos em obreiro.
Deus nunca quis que fosse assim. Deus deseja que um convertido aprenda a ser um
adorador, e depois disso ele poderá aprender a ser um obreiro. Jesus disse: “Vão pelo
mundo todo e preguem o evangelho” (Marcos 16.15). Pedro quis ir imediatamente, mas
Cristo disse: “Não saiam de Jerusalém ainda, mas esperem pela promessa do Pai”
(veja Atos 1.4). Poder para servir! Sim, mas isso é apenas metade; talvez apenas um
décimo. Os outros noventa por cento significam que o Espírito Santo pode restaurar em
nós o espírito da adoração. A partir de almas extasiadas, admiradas, adoradoras, então,
Deus faz Sua obra. A obra feita por um adorador terá eternidade em si.
Adoração Aceitável
D eus quer que nós O adoremos. Ele não precisa de nós, pois é Deus autossuficiente,
e não precisa de nada nem de ninguém, mas Ele nos deseja. Quando Adão pecou,
não foi ele quem disse: “Deus, onde Tu estás?”. Foi Deus quem perguntou: “Adão, onde
você está?” (veja Gênesis 3.9).
Paulo, escrevendo aos tessalonicenses, referiu-se ao tempo quando Cristo virá para
ser glorificado nos santos e admirado por todos os que acreditam que Ele deseja ser
glorificado (veja 2Tessalonicenses 1.10). Esses são alguns textos além daquele que eu
li nos Salmos. Entretanto, mais convincente que qualquer texto é o significado pleno e a
força das Escrituras. Toda a essência da Bíblia ensina que Deus quer que nós O
adoremos.
E há razões boas, sólidas, teológicas e filosóficas para isso. Embora Deus deseje que
nós O adoremos, não podemos adorá-lo da maneira que quisermos. Aquele que nos fez
para adorá-lo decretou agora que nós O adoraremos. Ele aceita apenas a adoração que
Ele mesmo decretou que fosse oferecida.
Quero falar de alguns tipos de adoração que Deus estabeleceu. Não adianta tentar ser
simpático com relação a isso. O reino de Deus sofreu um grande prejuízo com
guerreiros, homens que lutavam em vez de orar; mas o reino de Deus também tem
sofrido grande dano com homens que preferem ser simpáticos a serem corretos. Creio
que Deus deseja que sejamos corretos, embora deseje também que sejamos corretos
amorosamente. A primeira adoração falsa é a de Caim, que adora sem expiação. Esse
tipo de adoração baseia-se em três erros básicos. Um é o erro que supõe que Deus seja
diferente do que Ele é. Aquele que busca adorar a um Deus que ele não conhece vai
adorar sem ter sido purificado primeiro pelas brasas do altar. Esse tipo de adoração, no
entanto, não será aceito por Deus.
O segundo erro é o daquele homem que supõe ter uma relação com Deus que ele não
tem. O homem que adora sem Cristo, sem o sangue do Cordeiro, sem o perdão e sem a
purificação está se achando muito capaz. Está confundindo erro com verdade, e o
resultado disso é tragédia espiritual.
O terceiro erro é de tornar o pecado menos sério do que ele é. Os psicólogos,
psiquiatras e sociólogos e esse grupo de esquerdistas que têm surgido nos últimos anos
têm ignorado o erro do pecado. Para adorarmos a Deus de maneira aceitável, devemos
ser libertos do pecado. A adoração de Caim é aquela adoração que é fruto de um
coração que não foi regenerado.
E então há a adoração samaritana. Trata-se de uma adoração herética no sentido
correto da palavra herético. Heresia é escolher o que você quer acreditar e rejeitar, ou
ao menos ignorar, o resto. Foi o que fizeram os samaritanos. Eles adoravam a Jeová,
mas não adoravam em Jerusalém; adoravam em Samaria. A história dos samaritanos
mostra que havia alguns judeus entre eles e que eles possuíam teologia judaica. Mas
eles a misturaram com teologia pagã, e isso não virou nem uma coisa nem outra, e sim
uma junção profana de ambas. Isso é adoração samaritana, e nosso Senhor disse:
“Vocês, samaritanos, adoram o que não conhecem” (João 4.22).
E há também a adoração à natureza. A adoração do homem natural, somente em nível
poético e filosófico. Uma apreciação pela poesia da religião. Um prazer em contemplar
o sublime. Quando eu era um jovem estudante e não tinha muito discernimento, estudei,
mais ou menos por diversão, uma doutrina ultrapassada e hoje repudiada, chamada
frenologia, que afirmava que a forma de sua cabeça lhe diz quem você é.
Há certos galos em sua cabeça que revelam sua personalidade. Se você tem um galo
logo acima de sua testa, ele é o galo da sublimidade. Você ama o sublime. Assim são os
poetas; eles gostam de olhar para as árvores e escrever sonetos. Há, no entanto, uma
boa dose de religião e de suposta adoração que não é elevada. Trata-se simplesmente
de apreciação pela natureza. As pessoas podem confundir o sentimento arrebatador que
têm, na presença de árvores e rios, com adoração. Ralph Waldo Emerson disse que por
vezes, em noite enluarada, atravessando um campo depois da chuva, cheirando o
frescor do chão e vendo nuvens tendo a lua passeando entre elas, se alegrou a ponto de
temer. No entanto, Emerson não foi um homem regenerado. Nunca afirmou ser.
Quero adverti-lo sobre a religião que não é mais que amor, música e poesia. Sou fã
de boa música. Penso que a nona sinfonia de Beethoven se constitui na maior obra
musical jamais composta por um ser mortal. No entanto, entendo que estou escutando
música. Não estou necessariamente adorando a Deus. Há uma diferença entre belos
sons maravilhosamente organizados e adoração. Adoração é outra coisa.
Estou muito preocupado em que percebamos que a adoração de que estou falando tem
uma definição teológica precisa, e que por isso é preciso haver verdade nela, e que ela
esteja circunscrita aos limites da verdade eterna ou então que seja rejeitada.
“Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em
verdade” (João 4.24). Somente o Espírito Santo pode capacitar um homem caído a
adorar a Deus de maneira aceitável. Até onde eu sei, somente o Espírito Santo pode
orar de modo aceitável; somente o Espírito Santo pode fazer alguma coisa aceitável.
Meu irmão, não sei qual a sua posição sobre os dons espirituais, mas creio que todos os
dons do Espírito não somente deveriam estar como têm estado presentes em Sua Igreja
através dos séculos. Os dons do Espírito à Igreja são os instrumentos através dos quais
o Espírito Santo trabalha, e Ele não pode atuar por intermédio de Sua Igreja sem que
esses instrumentos estejam presentes. Você não pode explicar Agostinho, Crisóstomo,
Lutero, Charnock, Wesley e Finney sem dizer que foram homens dotados pelo Espírito
Santo.
Creio que o Espírito Santo distribui Seus dons individualmente à Igreja conforme a
Sua vontade, que eles estão na Igreja e têm estado o tempo todo. Caso contrário, ela
teria morrido no dia em que todos os seus primeiros membros morreram. A Igreja tem
sido mantida pelo Espírito Santo, de modo que só podemos adorar no Espírito, só
podemos orar no Espírito, só podemos pregar efetivamente no Espírito e o que fazemos
deve ser feito pelo poder do Espírito. Creio que os dons estão no corpo de Cristo e os
que adoram a Deus devem adorá-lo no Espírito.
Mas também devemos adorá-lo em verdade. E o adorador deve se submeter à
verdade. Não posso adorar a Deus de maneira aceitável a menos que tenha aceitado o
que Deus disse sobre cinco coisas. Antes de minha adoração ser aceita, devo aceitar o
que Deus tem dito sobre Ele mesmo. Nunca devemos editar Deus. Nunca devemos pedir
desculpar por Deus. Nenhum homem tem direito de subir no púlpito e tentar suavizar ou
acrescentar qualquer coisa que Deus tenha dito sobre Si mesmo. Há aquela passagem
em que Deus endurece o coração de faraó. Livros têm sido escritos para explicá-la,
mas eu não a explicarei. Deixarei que fale por si. Se não a entendo, deixarei que se
expresse. Creio no que Deus diz sobre Si mesmo.
Para adorar corretamente, então, eu devo crer no que Deus diz sobre Seu Filho – não
no que algum filósofo ou teólogo diz sobre o Filho de Deus. Eu devo crer no que Deus
diz sobre Seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor. E então devo crer no que Deus diz
sobre mim. Devo crer em todas as coisas ruins que Ele diz sobre mim e também devo
crer em todas as coisas boas que Ele diz que fará por mim. Devo crer que sou tão ruim
quando Deus diz que eu sou, e devo crer que a Sua graça é tão grande quanto Ele diz
que ela é.
E então devo crer em qualquer coisa que Deus diga sobre o pecado. Eis outro ponto
onde psicólogos e psiquiatras têm nos causado grande dano. Eles têm falado no pecado
com eufemismo. Chamam-no de complexo de culpa. Creio que o nosso problema hoje é
que temos escutado os elogios desses filhos de Adão e temos tido medo de ver alguém
colocar-se de joelhos e ficar realmente assustado.
Alguns de vocês, sem dúvida, têm lido sobre Peter Cartright1, o grande pregador
metodista que viveu no século passado. Bem, Peter foi um pregador e tanto, alguém sem
muito estudo, mas que Deus abençoou grandemente. Certa vez ele foi a uma conferência
para pregar. A organização estava a cargo de um jovem seminarista e, é claro, Peter não
tinha tempo para esses meninos. Quando Peter fez o apelo, muitos vieram, incluindo-se
um famoso madeireiro, um homem enorme, musculoso, de braços compridos. Ele se
aproximou, ajoelhou-se ao chão e começou a orar.
Ele era um pecador e confessou seus pecados a Deus em voz alta, o que fez o jovem
seminarista morrer de medo, correr até ele e dizer: “Recomponha-se, irmão,
recomponha-se.” Peter Cartright o puxou de lado, deu um tapinha nas costas do
madeireiro e disse: “Continue orando, irmão, não há compostura no inferno, que é para
onde você está indo.” Finalmente o homem provou da bondade divina e do poder da
cruz, e a graça de Deus o alcançou e o salvou. Ele se colocou de pé num salto com um
uivo de prazer, olhou ao redor procurando alguém para abraçar e a primeira pessoa que
encontrou foi o seminarista. Ele se agarrou com o rapaz e saiu dançando e gritando a
plenos pulmões. O jovem ficou extremamente constrangido, mas o constrangimento foi
por uma boa causa.
É possível ter experiência religiosa sem Jesus Cristo. E não é somente possível ter
experiência religiosa sem Jesus Cristo como também haver adoração sem Jesus Cristo.
Ou seja, é possível ao homem falar com Deus ou ouvir a Sua voz. Veja o exemplo de
Caim. Ele teve uma experiência religiosa, mas Deus não o aceitou. Olhe para Balaão,
filho de Beor. Ele teve uma experiência espiritual e, no entanto, Deus não se agradou
dele. Em uma antiga igreja católica no México, eu vi uma velha senhora de rosto pálido
chegar e se ajoelhar diante de uma imagem da Virgem. Com suas mãos unidas, seus
olhos abertos, e o rosto com expressão de adoração, ela teve uma experiência religiosa
na presença da Virgem Maria. Em uma igreja nos Estados Unidos, eu vi uma imagem
enorme da Virgem, maior do que qualquer pessoa; seus pés descalços se estendiam para
que seus adoradores pudessem beijá-los e seu grande dedo, de um dos pés, estava
desgastado pelos lábios dos que vinham adorá-la.
Sim, é possível adorar, e não ser aceito pelo Deus Todo-Poderoso. Irmão, não tenho
certeza se aqueles pagãos na antiguidade, que acreditavam nos deuses do Olimpo, que
chamavam Deus de Thor ou de Zeus, estavam tendo algum tipo de experiência; mas eles
morreram e pereceram. Não se trata de uma experiência que nos salve. O sangue do
Senhor Jesus Cristo nos salva. A adoração não é simplesmente ter um sentimento
reverente em relação à extensão do tempo e à breve duração da nossa vida sobre a
terra, a vastidão dos céus e a pequenez do nosso corpo. Isso pode ser belo, mas não é
adoração. Adorar de modo aceitável, eu repito, é nascer de novo pelo Espírito de Deus
por meio da fé no Senhor Jesus Cristo e ter o Espírito Santo de Cristo a nos ensinar e
nos capacitar a adorar.
A Vós, ó Deus, louvamos e por Senhor nosso Vos confessamos.
A Vós, ó Eterno Pai, reverencia e adora toda a Terra.
A Vós, todos os Anjos, a Vós, os Céus e todas as Potestades;
A Vós, os Querubins e Serafins com incessantes vozes proclamam:
Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus dos Exércitos!
Os Céus e a Terra estão cheios da vossa glória e majestade.

A Vós, o glorioso coro dos Apóstolos,


A Vós, a respeitável assembleia dos Profetas,
A Vós, o brilhante exército dos mártires engrandece com louvores!
A Vós, Eterno Pai, Deus de imensa majestade,

Ao Vosso verdadeiro e único Filho, digno objeto das nossas adorações,


Do mesmo modo ao Espírito Santo, nosso Consolador e advogado.

Assim diz o Te Deum2.

1 N. T. Peter Carright (1785-1872) foi um avivalista, missionário metodista e político norte-americano, contemporâneo
de Abraham Lincoln, que lutou pela abolição da escravatura nos Estados Unidos.
2 N. T. O Te Deum é um hino cristão usado na liturgia católica e também nas práticas litúrgicas de outras igrejas
cristãs, incluindo-se o Livro de Oração comum da Igreja Anglicana.
Adoração:
A Atividade Normal De Seres Morais
P orcrucificado?
que Cristo veio? Por que Ele foi concebido? Por que nasceu? Por que foi
Por que ressuscitou? Por que Ele está agora à direita do Pai?
A resposta a todas estas perguntas é: “A fim de que Ele possa transformar rebeldes
em adoradores; a fim de que Ele possa restaurar-nos ao lugar da adoração que
conhecemos quando fomos criados.”
Porque fomos criados para adorar, a adoração é a atividade normal de seres morais.
Trata-se de uma atividade normal, não algo imposto ou acrescentado. É como escutar
um concerto ou admirar flores. É algo que é construído dentro da natureza humana.
Todo vislumbre do céu mostra seus habitantes em adoração. Em Ezequiel 1.1-5, as
criaturas que saíam do fogo estavam adorando a Deus; em Isaías 6.1-6, vemos o Senhor
assentado num trono alto e exaltado, e ouvimos as criaturas dizendo “Santo, Santo,
Santo é o Senhor dos exércitos”; em Apocalipse 4.8-11, Deus abre o céu e nós
enxergamos seus habitantes ali adorando a Deus Pai; e em 5.6-14, nós os vemos
adorando a Deus Filho.
A adoração é um imperativo moral. Em Lucas 19.37-40, uma multidão de discípulos
estava adorando ao Senhor enquanto Ele passava, e alguns os repreenderam. O Senhor
disse: “Eu digo a vocês, se eles se calarem, as pedras clamarão.”
A adoração é a joia perdida no evangelicalismo moderno. Nós somos organizados;
nós trabalhamos; nós temos nossas agendas. Temos quase tudo. Mas há uma coisa que
as Igrejas, mesmo as evangélicas, não têm: a habilidade de adorar. Não estamos
cultivando a arte da adoração. Ela é a pedra reluzente que a Igreja moderna perdeu, e
creio que devemos procurar por ela até encontrá-la.
Acho que eu deveria falar um pouco mais sobre o que é a adoração e como seria se
ela estivesse presente na Igreja. Bem, ela é uma atitude, uma condição mental, um ato
sustentado, sujeito a níveis de perfeição e de intensidade. Tão logo o Pai envia o
Espírito de Seu Filho ao nosso coração, nós dizemos “Abba” e adoramos. Isso é uma
coisa. Outra coisa bem diferente é sermos adoradores no sentido pleno da palavra no
Novo Testamento, e à altura de nossas possibilidades.
E eu digo que a adoração está sujeita a níveis de perfeição e de intensidade. Há os
que adoram a Deus a ponto de entrar em êxtase. Certa vez vi um homem ajoelhar-se em
frente ao altar, tomando a Ceia. De repente, ele começou a dar uma risada santa e
abraçou a si mesmo, com medo de explodir de alegria na presença do Deus Todo-
Poderoso. Algumas vezes vi pessoas arrebatadas, em êxtase de adoração, sendo
carregadas e também ouvi alguns novos convertidos de coração puro dizendo “Abba
Pai”. Portanto, a adoração é capaz de ir do mais simples até o mais intenso e sublime.
Quais são os fatores que você encontrará presentes na adoração? Deixe-me mencionar
alguns deles. Primeiro, há confiança ilimitada. Você não pode adorar um Ser em quem
não confia. A confiança é necessária para se ter respeito, e o respeito é necessário para
se adorar. A adoração cresce ou diminui completamente em qualquer Igreja dependendo
da atitude que tomamos para com Deus, se O vemos grande ou pequeno. Muitos de nós
veem Deus muito pequeno. Davi disse: “Proclamem a grandeza do Senhor comigo”
(Salmo 34.3), e “proclamar a grandeza” não significa tornar Deus grande. Você não
pode alterar o tamanho Dele, mas pode enxergá-lo grande.
A adoração, eu digo, cresce ou diminui juntamente com o nosso conceito de Deus; é
por isso que eu não creio nessas pessoas pseudoconvertidas que chamam Deus de
“Cara lá de Cima”. Não acho que elas adorem porque seu conceito de Deus é indigno
de Deus e indigno delas. E se há uma doença terrível na Igreja de Cristo, essa doença é
não enxergarmos Deus tão grande como Ele é. Estamos familiarizados demais com Ele.
Comunhão com Deus é uma coisa; familiaridade com Ele é outra completamente
diferente. Não gosto (e isso pode ferir alguns de seus sentimentos, mas eles vão sarar)
de ouvir Deus sendo chamado de “você”, pois devo chamar Deus de “Tu”. Sei que a
palavra tu é antiga, mas também sei que há algumas coisas preciosas demais para serem
discretamente rejeitadas, por isso penso que quando falamos com Deus devemos usar
pronomes respeitosos.
Também acho que não deveríamos falar muito de Jesus apenas como Jesus. Penso que
devemos lembrar quem Ele é. “Ele é o teu Senhor; adora somente a Ele.” E embora Ele
desça ao ponto mais baixo de nossa necessidade e torne-se acessível a nós ternamente
como uma mãe se torna acessível a seus filhos, ainda assim não se esqueça de que,
quando João O viu, aquele mesmo João que havia se reclinado sobre o Seu peito, caiu a
Seus pés como morto.
Eu já ouvi todos os tipos de pregadores. Ouvi os ignorantes que contavam vantagem;
ouvi os maçantes e secos; ouvi os eloquentes; mas os que mais me ajudaram foram os
que ficaram boquiabertos na presença do Deus sobre quem falavam. Eles talvez tenham
tido senso de humor, talvez tenham sido joviais, mas quando falavam de Deus, sua voz
se revestia de um tom totalmente diferente; era algo mais, algo maravilhoso. Creio que
devemos ter novamente o antigo conceito bíblico do Deus que é terrível e faz com que
os homens coloquem o rosto em terra e clamem “Santo, Santo, Santo, Senhor Deus
Todo-Poderoso”. Isso faria mais pela Igreja do que qualquer outra coisa.
E então há a admiração, ou seja, a apreciação pela excelência divina. O homem é
mais qualificado para apreciar a Deus que qualquer outra criatura porque foi feito à Sua
imagem e é a única criatura que foi criada assim. Essa admiração por Deus cresce cada
vez mais até encher o coração de assombro e de prazer. “Em nossa reverência
estarrecida, confessamos Teu amor infinito”, diz um belo hino. “Em nossa reverência
estarrecida.” O Deus do evangelical moderno raramente deixa alguém estarrecido. Ele
consegue ficar dentro da instituição com êxito. Nunca descumpre as nossas leis. É um
Deus bem comportado, muito denominacional, feito um de nós, e nós pedimos a Ele que
nos ajude quando estamos atribulados e buscamos a Ele para que nos proteja quando
estamos dormindo. O Deus evangelical moderno não é um Deus por quem eu posso ter
muito respeito. Mas quando o Espírito Santo nos mostra Deus como Ele é, nós O
admiramos a ponto de nos assombrar e de ter alegria.
A fascinação é outro elemento na verdadeira adoração. É ser cheio de empolgação
moral, cativado, encantado e seduzido. Empolgado não com o quanto você está
crescendo ou com o tamanho da oferta. Não com quantas pessoas vieram à Igreja. Mas
seduzido com quem Deus é, estarrecido e encantado com a indizível altura, com a
magnitude e com o esplendor do Deus Todo-Poderoso.
Eu me lembro, quando jovem, de minha primeira visão terrível, maravilhosa e
cativante de Deus. Estava em West Virginia, na floresta, sentado sobre uma madeira
lendo as Escrituras com um velho evangelista irlandês chamado Robert J. Cunningham,
que há muito foi morar no céu. Eu me levantei e sai para orar. Havia lido uma das
passagens mais áridas das Escrituras, quando Israel sai do Egito e Deus lhes prepara
um acampamento em forma de losango, colocando Levi no meio, Rúben na frente e
Benjamim atrás. Era um espaço em forma geométrica com uma chama de fogo no meio
para iluminá-lo. De repente, me ocorreu: Deus é um geômetra; Ele é um artista! Quando
concebeu o acampamento, fez isso habilidosamente, desenhou-o em forma de losango, e
isso de repente se mostrou a mim como uma onda: como Deus é belo, artístico, poético
e musical, e eu O adorei ali, debaixo daquela árvore, sozinho. Depois disso comecei a
amar os hinos antigos, e os tenho amado desde então.
A seguir, vem a adoração, amar a Deus com todas as forças que temos. Amar a Deus
com temor, assombro, anseio e encanto. Ansiar por Deus com grande ardor, e amá-lo a
ponto desse amor ser ao mesmo tempo doloroso e prazeroso. Às vezes isso nos levará
ao silêncio total. Eu penso que algumas das maiores orações é aquela em que você não
diz uma única palavra ou não pede nada. E Deus responde, e Ele nos dá o que
desejamos. Isso é claro; ninguém pode negar isso, a menos que negue as Escrituras.
Mas esse é apenas um aspecto da oração, e não é sequer o mais importante. Às vezes
me dirijo a Deus e digo: “Deus, se Tu não responderes nenhuma outra oração até o fim
da minha vida, eu ainda Te adorarei enquanto viver e nos séculos futuros, por aquilo
que Tu já fizeste.” Ao fazer o que Ele fez por mim, já tenho uma dívida com Deus que
eu não conseguiria pagar nem se vivesse um milhão de milênios.
Nós nos dirigimos a Deus como um menino que enviamos ao supermercado com uma
lista longa. “Deus, me dê isso, isso e isso”, e nosso Deus gracioso frequentemente nos
dá o que desejamos. Mas eu acho que Deus está decepcionado porque fazemos Dele
nada mais que uma fonte daquilo que desejamos. Mesmo nosso Senhor Jesus é
apresentado quase sempre como “Alguém que suprirá a sua necessidade”. Isso está no
cerne do evangelismo moderno. Você tem necessidades e Jesus as suprirá. Ele é o
Supridor de Necessidades. Bem, Ele na verdade o é, mas é também infinitamente mais
que isso.
E quando os fatores mentais, emocionais e espirituais sobre os quais falei com você
estão presentes e, como admiti, em vários níveis de intensidade, na canção, no louvor,
na prece e na oração mental, você está adorando. Você sabe o que é oração mental?
Quero dizer: você sabe o que é orar continuamente? O velho Irmão Lawrence, que
escreveu A Prática da Presença de Deus, disse: “Se estou lavando louça, faço isso
para a glória de Deus e se apanho um graveto do chão, faço isso para a glória de Deus.
Estou em comunhão com Deus o tempo todo.” Ele disse ainda que “as regras me dizem
que eu tenho de separar um tempo para ficar só e orar, e agir, mas esses tempos não
diferem em nada de minha comunhão regular”. Ele havia aprendido a arte da comunhão
com Deus, contínua e ininterrupta.
Eu temo pelo pastor que é outro homem quando sobe no púlpito, diferente do anterior.
Reverendo, o senhor nunca deveria ter um pensamento, realizar uma ação ou ser
apanhado em alguma situação que não pudesse levar para o púlpito sem
constrangimento. O senhor nunca deveria ter de ser um homem diferente, mudar a voz
ou se revestir de solenidade quando sobe no púlpito. Deveria poder subir nele com o
mesmo espírito e o mesmo sentido de reverência que teve antes, enquanto conversava
com alguém sobre os assuntos comuns da vida. Moisés desceu da montanha para falar
com o povo. Ai da Igreja quando o pastor sobe no púlpito ou entra no púlpito! Ele deve
sempre descer do púlpito. Dizem que Wesley habitualmente ficava com Deus, mas
descia às vezes para falar com o povo. Conosco também deveria ser assim. Amém.
_
Este livro foi impresso em Setembro de 2014,
pela Sermograf para a Faz Chover Produções.
Composto nas tipologias Adobe Caslon Pro e GoudySansITC.
O papel do miolo é Offset 75 g/m2
e o da capa é Cartão Supremo 250 g/m2.

Related Interests