Sie sind auf Seite 1von 1

A TEORIA DO DUPLO ESTATUTO é a possibilidade de que uma norma

de Tratado de Direitos Humanos seja incorporada no ordenamento jurídico brasileiro


com status supralegal ou com status de emenda constitucional.
Terão status equivalente às emendas constitucionais, os Tratados de
Direitos Humanos aprovados pelo rito qualificado previsto na Constituição Federal de
1988: aprovadas em Cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por três
quintos dos votos dos respectivos membros. Terão status supralegal, por sua vez, as
normas que forem incorporadas pelo rito comum.
A incorporação dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos ao
nosso ordenamento jurídico traz duas repercussões importantes.
A primeira é a inclusão de novos direitos fundamentais correlacionados
aos já elencados na Constituição. De fato, o rol de direitos fundamentais previstos no
art. 5º da CF/88 não é taxativo, pelo contrário, o próprio art. 5º, §2º dispões que “os
direitos e garantias expressos nesta Constituição não excluem outros decorrentes do
regime e dos princípios por ela adotados, ou tratados internacionais em que a República
Federativa do Brasil seja parte”. Essa é uma consequência positiva, já que permite
acrescentar novos direitos ao rol já previsto. Como exemplo dessa primeira repercussão
podemos citar a concessão de refúgio e de asilo político no Brasil decorrente da
Organização Internacional para Refugiados
A segunda repercussão que a incorporação dos Tratados Internacionais
de Direitos Humanos ao nosso ordenamento jurídico é sobre a interpretação desse
ordenamento de acordo com o que preceitua tais tratados. Um grande exemplo dessa
repercussão foi o fim da prisão do depositário infiel por uma decisão do STF que baseou-
se na tese de que os tratados internacionais sobre direitos humanos ratificados pelo
Brasil, como é o caso da Convença Americana de Direitos Humanos que proíbe prisão
por dívida, tem o condão de paralisar a eficácia jurídica de toda e qualquer disciplina
normativa infraconstitucional com ela conflitante.
Podemos considerar, portanto, que a Teoria do Duplo Estatuto consiste
em uma importante fonte de interpretação para o Poder Judiciário para dar eficácia aos
tratados internacionais de direitos humanos. Sem essa possibilidade, tais tratados
ficariam sem efeito, não aumentaria o rol de direitos, nem auxiliaria coibir injustiças como
era o caso da prisão do depositário infiel. Sendo assim, o STF, por meio dessa decisão
paradigmática, fez a interpretação conforme a Constituição, respeitando seus comandos
e dando a máxima eficácia aos seus princípios e valores.