Sie sind auf Seite 1von 4

Carta Encíclica Mortalium Animus - S.S.

Pio XI

Carta Encíclica Mortalium Animus, de autoria de S.S. Pio XI, tece algumas admoestações em relação ao período de efervecência social e
ideológica que engendra na sociedadade um verdadeiro caos no que tange à religiosidade e a coesão dos cristãos. Os pancristãos são abordados
nesta encíclica, demonstrando os mecanismos em que os mesmos urgem e contaminam a sociedade.

A carta, ao final, apresenta um belo pedido para que os filhos errantes voltem à casa do Pai. Sem dúvidas um exemplo para nossa atualidade,
demonstrando como deve realmente ser a unidade dos Cristãos: não por via do ecumenismo, mas por via do reconhecimento da soberania da
Cátedra de Pedro. Devem os infiéis e hereges voltar-se para o suave julgo de Cristo!

***
CARTA ENCÍCLICA
MORTALIUM ANIMUS

Aos Patriarcas,
Primazes,
Arcebispos,
Bispos e Outros Ordinários Locais,
em paz e comunhão com a Sé Apostólica.

Sobre os meios de realizar a verdadeira unidade da religião

VENERÁVEIS IRMÃOS, SAUDAÇÃO E BENÇÃO APOSTÓLICA

Talvez as almas nunca tenham sentido uma tal necessidade desta fraternidade que, devido à comunidade de origem e à identidade de natureza,
nos une tão estreitamente uns aos outros; nunca tanto como em nossos dias se viu nelas o esforço de afirmá-la, para a colocar ao serviço do bem
público e da sociedade.

De fato, as nações não gozam ainda plenamente os frutos da paz; fermentos antigos ou novos de discórdia causam aqui e lá revoluções ou lutas
internas; entretanto, os numerosos litígios que põem em jogo a paz e a prosperidade dos povos não encontrarão solução senão pela união e a ação
concordante daqueles que, no governo dos Estados, estejam encarregados de dirigir a política e favorecer o progresso.

Eis porque - ninguém pensando mais em contestar a unidade do gênero humano - compreende-se facilmente que, levado por este sentimento de
fraternidade universal, a maioria do gênero humano suspira pela união cada vez mais íntima de todos os povos.

É algo semelhante que alguns se esforçam para introduzir na ordem estabelecida por Nosso Senhor Jesus Cristo para a Nova Lei. Sabendo
perfeitamente que é extremamente raro encontrar homens absolutamente desprovidos de senso religioso, eles nutrem a esperança de que se
poderia facilmente conduzir os povos, apesar de suas dissidências religiosas, a se unirem na profissão de certas doutrinas admitidas como um
fundamento comum de vida espiritual.

Em conseqüência, eles têm congressos, reuniões, conferências freqüentadas por um número bem considerável de auditores; convidam para as
discussões todos os homens indistintamente, os infiéis de toda categoria, os fiéis, e até aqueles que têm a infelicidade de serem separados de
Cristo, ou que negam asperamente e obstinadamente a divindade de sua natureza e de sua missão.

1
Esforços semelhantes não têm qualquer direito à aprovação dos católicos, pois se baseiam nessa opinião errada de que todas as religiões são mais
ou menos boas e louváveis, neste sentido de que elas revelam e traduzem todas igualmente - embora de uma maneira diferente - o sentimento
natural e inato que nos leva a Deus e nos inclina com respeito diante de seu poder.

Além de se perderem em pleno erro, os participantes dessa opinião repelem com o mesmo golpe a religião verdadeira; eles falsificam sua noção
e se dirigem pouco a pouco para o naturalismo e o ateísmo. É perfeitamente evidente que se trata de abandonar inteiramente a religião
divinamente revelada e se unir aos partidários e propagandistas de tais doutrinas.

Uma falsa aparência do bem pode mais facilmente, quando se trata de favorecer a união de todos os cristãos, arrastar algumas almas. Não é justo
- tem-se o hábito de dizer - não é mesmo um dever para todos aqueles que invoquem o nome de Cristo de evitar as acusações recíprocas e de se
unir enfim, periodicamente, pelos laços de uma mútua caridade? Ousaria alguém afirmar que ama Cristo, se não procura com todas suas forcas
realizar o voto de Cristo, ele mesmo pedindo a seu Pai que seus discípulos fossem um (João XVII,21)?

E Cristo não desejou ainda que seus discípulos fossem marcados e assim distintos do resto dos homens pelo sinal do amor mútuo: "É assim que
todos reconhecerão que sois meus discípulos se amais uns aos outros (João, XIII, 35)". Agrade a Deus - acrescentemos - que todos os cristãos
sejam "um"; pois, deste modo, eles rejeitariam com uma eficácia muito maior este veneno da impiedade que, se insinuando e difundindo cada
dia mais, prepara a ruína do Evangelho.

Tais são, entre outras do mesmo gênero, as razões que fazem valer os pancristãos, como são chamados. Não é, além do mais, que tais homens
sejam poucos e raros; ao contrário, eles formaram organizações completas e fundaram por todos os lugares associações que dirigem quase
sempre acatólicos, malgrado suas divergências pessoais em matéria de verdades de fé.

O empreendimento prossegue além disso tão ativamente que adquiriu o favor de múltiplos meios, captando mesmo a benevolência de numerosos
católicos, atraídos pela esperança de realizar uma união conforme, parece, aos votos de nossa Mãe a santa Igreja, a qual, em todos os tempos,
nada desejou tanto como chamar e reconduzir a si os filhos extraviados. Porém, pela sedução do pensamento e pela carícia de palavras se
introduz um erro incontestavelmente dos mais graves e capazes de arruinar de alto a baixo os fundamentos da fé católica.

A consciência de nossa responsabilidade apostólica nos impede permitir que erros perniciosos venham se espalhar pelo rebanho do Senhor.
Assim também, Veneráveis Irmãos, apelamos ao vosso zelo para evitar um tamanho mal. Com efeito, estamos persuadidos de que, por vossos
escritos e por vossa palavra, cada um poderá facilmente fazer com que seus fiéis entendam e compreendam os princípios e as razões que vamos
expor; os católicos daí aproveitarão uma regra de pensamento e de conduta para as obras visando reunir novamente, do modo que for, em um só
corpo, todos aqueles que tomam para si o nome de cristãos.

Deus, Autor de todas as coisas, nos criou para O conhecer e O servir; princípio de nossa existência, ele tem um direito absoluto de nos ve-Lo
servir. Deus teria podido impor ao homem, como regra, apenas a lei natural que havia gravado no coração ao criá-lo, e em seguida regular os
desenvolvimentos por sua Providência ordinária; entretanto, ele julgou preferível de acrescentar preceitos a serem observados, e, ao longo das
idades, isto é desde a origem do mundo até a vinda da pregação de Jesus Cristo, ele mesmo instruiu os homens sobre os deveres que se
impunham a todos os seres racionais em relação ao seu Criador: "Após ter, por muitas vezes e em diversos assuntos, falado outrora a nossos pais
pelos Profetas, Deus, nos tempos mais recentes, nos falou pelo Filho." (Heb. I, 1 seq.)

Disso resulta que não existe verdadeira religião fora daquela que repousa sobre a Revelação divina; esta Revelação, iniciada na origem do
mundo, prosseguida sob a Lei antiga, o próprio Jesus Cristo a rematou na Lei nova. Mas, desde que Deus falou - o que atesta a história -, é
evidente que o homem tem a obrigação absoluta de crer em Deus quando ele fala e de lhe obedecer integralmente quando ele comanda. A fim de
que justamente nós trabalhássemos, ao mesmo tempo, pela glória de Deus e pela nossa própria salvação, o Filho único de Deus constituiu sobre
a terra sua Igreja. Ora, aqueles que se dizem cristãos não podem deixar de acreditar, pensamos Nós, que uma Igreja única foi fundada por Cristo;
mas se Nós lhe perguntamos em seguida qual ela deva ser, segundo a vontade de seu Fundador, esta Igreja, eles não se entendem mais. Muitos
dentre eles, por exemplo, negam que a Igreja de Cristo deva ser uma sociedade visível, apresentando-se sob a forma de um corpo único de fiéis,
e fazendo todos profissão de uma só e mesma doutrina sob um magistério e um governo únicos; ao contrário, a Igreja visível não é outra coisa,
no sentido deles, senão uma federação de diferentes comunidades cristãs, apegadas a doutrinas diferentes, algumas vezes mesmo contraditórias.

Nosso Senhor Jesus Cristo, entretanto, instituiu sua Igreja como uma sociedade perfeita, tendo por sua própria natureza caracteres exteriores e
perceptíveis aos nossos sentidos, tendo por meta procurar no futuro a salvação do gênero humano, sob a direção de um único chefe (Mat. XVI,
18seq; Luc. XXII, 32; João XXI, 15-17), pelo ensinamento e pela pregação (Marc. XVI, 15), pela administração dos sacramentos, fontes da
graça celeste (João III, 5; VI,48-49; XX, 22 seq.; cf. Mat. XVIII, 18; etc.); é por isso que ele a comparou a um reino (Mat. XIII), a uma casa (Cf.
Mat. XVI, 18), a um aprisco (João X, 16), a um rebanho (João, XXI, 15-17). Após a morte de seu Fundador e dos primeiros Apóstolos
encarregados de a propagar, esta Igreja tão admiravelmente constituída não podia seguramente nem perecer nem desaparecer, pois ela havia
recebido o mandato de conduzir, sem distinção do tempo e do lugar, todos os homens à salvação eterna: "Ide pois e ensinai em todas as nações"
(Mat. XXIII, 19). No cumprimento perpétuo desta missão, poderia a Igreja desanimar ou malograr, enquanto o próprio Cristo lhe concede sua
assistência contínua, em virtude desta promessa solene: "Eis que estou convosco até a consumação dos séculos"? (Mat. XXVIII, 20).

Portanto é necessário que não somente a Igreja de Cristo exista hoje e em todos os tempos, mas ainda que ela permaneça idêntica àquela dos
tempos apostólicos, senão seria preciso dizer - o que é inadmissível - ou que Nosso Senhor Jesus Cristo não pode realizar seu desígnio, ou que
Ele se enganou ao afirmar que as portas do inferno não prevaleceriam jamais contra ela. (Mat. XVI, 18)

Eis o momento de expor e de refutar um erro que está na base de toda esta questão e de onde procedem a atividade e os múltiplos esforços dos
acatólicos para confederar, como Nós dissemos, as igrejas cristãs. Os autores deste projeto tomaram de fato o hábito de citar a cada passo esta
palavra devida a Cristo: "Que todos sejam um... Não haverá senão um só redil e um só pastor" (João XVII, 21; X, 16), como se, segundo a
opinião deles, a oração e a promessa de Jesus Cristo estivessem permanecido até agora como letra morta. Eles sustentam, com efeito, que a
unidade de fé e de governo - que é o caráter da única e verdadeira Igreja - até agora quase jamais existiu e que ela não existe mais hoje: que se
pode, dizendo a verdade, a desejar e a realizar algumas vezes por um comum acordo das vontades, mas que todavia é preciso considerá-la como
uma espécie de utopia. Eles acrescentam que a Igreja em si, por sua natureza, está dividida, ou seja, constituída de numerosas igrejas ou
comunidades particulares, ainda divididas, tendo alguns pontos comuns de doutrina, mas diferindo umas das outras para todo o resto; cada
Igreja, segundo eles, goza os mesmos direitos, e seria demasiado se, da época apostólica aos primeiros Concílios ecumênicos, a Igreja fosse una
2
e única. É preciso então, concluem eles, esquecer e desviar as controvérsias, mesmo as mais antigas, e as divergências de doutrina, que ainda
continuam a dividí-los hoje, e, com as outras verdades doutrinárias, propor e estabelecer uma certa regra de fé comum; nesta profissão de fé,
muito mais do que eles acreditariam, eles se sentirão verdadeiros irmãos; depois, as diversas igrejas ou comunidades, uma vez unidas numa sorte
de federação universal, se tornará possível lutar energicamente e vitoriosamente contra os progressos da impiedade.

Eis aí, Veneráveis Irmãos, o que todos repetem. Nisso, entretanto, declaram e concedem que o protestantismo rejeitou algo inconsideradamente
certos dogmas ou certas práticas do culto exterior, todavia consolantes e úteis, enquanto a Igreja romana as guarda ainda. A bem dizer, eles se
apressam de acrescentar que esta Igreja mesma se desviou e que ela corrompeu a religião primitiva, acrescentando um certo número de doutrinas
menos estrangeiras que contrárias ao Evangelho e as impondo à fé dos fiéis; eles citam, entre elas, em primeiro lugar, a primazia de jurisdição
atribuída a Pedro e aos seus sucessores na sé romana. Neste número, alguns, verdadeiramente pouco numerosos, consentem em conceder ao
Pontífice romano seja uma primazia de honra, seja um certo poder de jurisdição ou de autoridade; todavia, esta primazia não seria de direito
divino, mas resultaria em uma certa maneira de consentimento dos fiéis; outros vão mesmo até desejar que seus congressos, que se pode
qualificar de adornados, sejam presididos pelo Soberano Pontífice em pessoa. Entretanto, se se encontra bom número desses acatólicos pregando
de boca aberta uma comunhão fraterna em Jesus Cristo, nenhum dentre eles sonha submeter-se ao Vigário de Jesus Cristo quando ele ensina, ou
a lhe obedecer quando ele comanda. Todavia, eles afirmam que tratarão de boa vontade com a Igreja romana, mas sobre um mesmo solo, de
igual a igual; na realidade, se eles o fizessem, sem dúvida alguma não concluiriam o pacto eventual que com o pensamento de não se obrigar a
renunciar às opiniões que precisamente os mantêm, ainda hoje, em seus erros e em seus procedimentos habituais, fora do único redil de Cristo.

Nessas condições, é evidente que a Sé Apostólica não pode, sob pretexto algum, participar dos congressos deles; e os católicos não têm, a preço
algum, o direito de os favorecer por seu sufrágio ou sua ação; fazendo isto, eles atribuiriam autoridade a uma religião falsa, inteiramente estranha
à única Igreja de Cristo. Podemos Nós tolerar - o que seria o cúmulo da iniqüidade - que a verdade, sobretudo a verdade revelada, seja assim
posta em discussão? Especificamente, com efeito, trata-se de defender a verdade revelada. Visto que é para todas as nações, para as instruir na fé
evangélica, Jesus Cristo enviou seus Apóstolos; e por receio do menor erro da parte deles, ele quis que o Espírito Santo lhes ensinasse antes toda
a verdade (João XIV,13), seria admissível que, na Igreja tendo o próprio Deus como chefe e guardião, esta doutrina dos Apóstolos haja
completamente desaparecido ou sofrido alguma modificação profunda? Além disso, se o Evangelho conforme a declaração explícita de Nosso
Redentor, se refere não somente aos tempos apostólicos, mas também a todas as épocas, como admitir que o objeto da fé se tenha tornado, com o
tempo, de tal modo obscuro, de tal modo incerto que as opiniões mesmo contraditórias possam ser hoje toleradas?

Se fosse assim, precisaria então sustentar e que a descida do Espírito Santo sobre os Apóstolos, e que a presença perpétua deste mesmo Espírito
na Igreja e que a pregação do próprio Jesus Cristo perderam, desde muitos séculos, toda sua eficácia, toda sua beneficência - afirmação
evidentemente blasfematória. Porém há mais: o Filho único de Deus, de uma parte, tem dirigido seus enviados para ensinar todas as nações e, de
outra parte, imposto a todos os homens a obrigação de crer nas "testemunhas preordenadas por Deus" (Atos X, 41). Este comando, ele o
sancionou por esta palavra: "Aquele que crê e será batizado será salvo; mas aquele que não crê será condenado" (Marc. XVI, 16). Ora, este duplo
preceito de Cristo - o de ensinar e o de crer, em vista da possessão da salvação eterna - não pode se observar e mesmo se compreender se a Igreja
não expõe integralmente e publicamente a doutrina evangélica e se, nesta exposição, ela não estiver abrigada de todo perigo de erro. Também
são eles ainda extraviados aqueles que crêem na existência, em qualquer parte da terra, do depósito da verdade, mas que é preciso em sua
pesquisa uma tal soma de trabalho, de estudos e de discussões tão longas que para a descobrir e nela penetrar, a vida do homem aí sofreria a
pena. Daí esta conclusão que Deus infinitamente bom se fez entender pelos Profetas e seu Filho único para tornar sua revelação assimilável só
por um pequeno número de homens de uma idade bem avançada, e de modo algum para dar uma doutrina de fé e um código de moral capazes de
dirigir os homens durante todo o curso de sua vida mortal.

Estes pancristãos, por outro lado, que procuram federar as igrejas, parecem perseguir o muito nobre desígnio de desenvolver a caridade entre to-
dos os cristãos; mas como imaginar que este crescimento da caridade se faça às custas da fé? ninguém ignora certamente que o próprio São João,
o Apóstolo da Caridade, aquele que, em seu Evangelho, descobre, de algum modo, os segredos do Sagrado Coração de Jesus, aquele que não
cessava de lembrar aos seus fiéis o preceito novo "Amai-vos uns aos outros", proibia de um modo absoluto toda relação com aqueles que não
professavam a doutrina de Cristo inteira e pura: "Se alguém vem a vós e não traz esta doutrina, não o recebais em vossa casa e nem sequer o
saudeis" (II João 10). Assim pois, já que a caridade tem por fundamento uma fé sincera e íntegra, a unidade da fé deve ser, em seqüência, o laço
primordial unindo os discípulos de Cristo.

Como, então, conceber a possibilidade de um pacto cristão, cujos aderentes, mesmo nas questões de fé, teriam o direito de conservar suas manei-
ras de ver e de pensar, mesmo que elas estivessem em contradição com as opiniões dos outros? Por que fórmula, Nós vos perguntamos, homens
de opiniões contraditórias poderiam se reunir numa mesma e única federação cristã? E, por exemplo, alguns afirmam que a Tradição sagrada é a
fonte autêntica da Revelação, enquanto outros o negam. Alguns pensam que a hierarquia eclesiástica é, pela vontade divina, formada por bispos,
padres e ministros, outros afirmam que ela foi introduzida pouco a pouco segundo as circunstâncias das épocas. Alguns adoram a Santíssima
Eucaristia, graças a esta maravilhosa transformação do pão e do vinho que se chama a transsubstanciação, Cristo realmente presente; outros,
porém, declaram que o corpo de Cristo não se encontra presente senão pela fé ou por algum indício e pela virtude do Sacramento. Aqueles
reconhecem à Eucaristia ao mesmo tempo a natureza de sacrifício tão bem como de sacramento, estes não; vêem aí senão uma lembrança ou
uma comemoração da última Ceia. Alguns julgam que é bom e útil crer que os Santos, e em particular a Virgem Mãe, reinam com Cristo e é pre-
ciso os invocar, rezar para eles e rodear suas imagens de nossa veneração, outros pretendem que este culto é ilegítimo, porque contrário à honra
devida a Jesus Cristo, "único medianeiro entre Deus e os homens".(Cf. I Tim. II, 5)

Em presença destas profundas divergências de opinião, Nós não percebemos mais a unidade da Igreja, quando esta unidade não pode resultar se-
não de uma única regra de fé e de uma mesma crença de todos os cristãos. Pelo contrário, sabemos muito bem que se tende por aí à negligência
da religião, ou seja ao "indiferentismo" e àquilo que se denomina modernismo. Os infelizes que infectam estes erros sustentam que a verdade
dogmática não é absoluta, mas relativa, ou seja, que ela deve se adaptar às exigências variáveis dos tempos e dos lugares, e às diversas
necessidades das almas, pois ela não está contida em uma revelação imutável, mas deve, por sua natureza, se acomodar à vida dos homens.

No que se refere aos dogmas de fé, existe ainda uma distinção absolutamente ilícita: aquela que se julgou bom introduzir entre os artigos chama-
dos "fundamentais e não fundamentais" da fé, alguns devendo ser admitidos por todos e outros podendo ser deixados ao livre assentimento dos
fiéis. Ora, a virtude sobrenatural da fé tem por objeto formal a autoridade de Deus revelante, autoridade que não sofre qualquer distinção desse
gênero. Eis porque todos os verdadeiros discípulos de Cristo crêem, por exemplo, no mistério da Augusta Trindade com a mesma fé que no
dogma da Imaculada Conceição, naquele da Encarnação de Nosso Senhor e naquele do magistério infalível do Romano Pontífice, no sentido,
bem entendido, como o definiu o Concílio ecumênico do Vaticano. E, por terem sido solenemente decretadas e sancionadas pela Igreja em

3
épocas diversas e mesmo bem recentes, essas verdades não são nem menos certas, nem menos dignas de fé não tivesse sido Deus que revelou
todas?

O magistério da Igreja, estabelecido nesta terra de acordo com o desígnio de Deus para guardar perpetuamente intacto o depósito das verdades
reveladas e assegurar o conhecimento delas aos homens, é exercido cada dia pelo Romano Pontífice e pelos bispos em comunhão com ele; mas
ele supõe ainda, todas as vezes que for necessário para se opor mais eficazmente aos erros e aos ataques dos heréticos, ou desenvolver com mais
claridade ou com detalhes certos pontos da doutrina sagrada, a fim de os fazer penetrar mais no espírito dos fiéis, a missão de proceder por
decretos às definições oportunas e solenes. Este costume do magistério extraordinário não introduz qualquer invenção nem acrescenta nada de
novo à soma das verdades contidas, ao menos implicitamente, na Revelação que Deus confiou em depósito à Igreja; mas ou bem ele proclama o
que até lá podia parecer obscuro a alguns espíritos, ou bem ele cria a obrigação da fé sobre um ponto que, anteriormente, podia ser para alguns o
objeto de alguma discussão.

Assim se compreende porque, Veneráveis Irmãos, esta Sé Apostólica jamais permitiu aos seus fiéis assistir aos Congressos dos acatólicos; a
união dos cristãos não pode ser procurada de outro modo que não seja favorecer o retorno dos dissidentes à única e verdadeira Igreja de Cristo,
que eles tiveram outrora a infelicidade de a abandonar. O retorno, Nós dizemos, à única e verdadeira Igreja de Cristo, como tal e bem visível a
todos os olhares, destinada enfim, pela vontade de seu Autor, a permanecer tal com Ele mesmo a instituiu para a salvação comum dos homens.
Pois, jamais ao longo dos séculos, a Esposa mística de Cristo foi profanada; ela não o será jamais segundo testemunha São Cipriano: "A Esposa
de Cristo não pode ser desonrada; ela é incorruptível e pura. Ela não conhece senão uma morada e, por sua casta reserva, conserva intacta a
santidade de um único lar". (De cath. Ecclesiae unitate, 6) O santo mártir se espantava ainda vivamente, em seu bom direito, que se pudesse
imaginar "que esta unidade, fruto da estabilidade divina, consolidada pelos sacramentos celestes, fosse exposta a se partir sob o choque de
vontades discordantes" (Ibid.). O corpo místico de Cristo, isto é a Igreja, é único (I Cor. XII, 12), homogêneo e perfeitamente articulado (Ephes.
IV, 15), à maneira de um corpo físico; é portanto ilógico e ridículo pretender que o corpo místico possa ser formado por membros espalhados,
isolados uns dos outros; em seqüência, qualquer um que não esteja unido, não pode ser um de seus membros, nem soldado à sua cabeça, que é o
Cristo. (Cf. Ephes. V, 30; I, 22)

Nesta única Igreja de Cristo, ninguém se encontra e ninguém habita sem reconhecer e aceitar, com obediência, a autoridade e o poder de Pedro e
de seus legítimos sucessores. Não obedeceram eles ao Bispo de Roma, Pastor soberano das almas, os ancestrais daqueles que hoje professam os
erros de Fócio e dos inovadores? Os filhos têm, hélas! desertado da casa paterna sem que por isto a casa se arrase, pois ela tinha o apoio da assis-
tência divina. Que eles voltem assim ao Pai comum; esquecendo os insultos proferidos anteriormente contra a Sé Apostólica, ele os acolherá
com toda a ternura. Se, como eles o repetem, não têm outro desejo senão o de se unir a nós e aos nossos porque não se empenham de vir a esta
Igreja "mãe e educadora de todos os fiéis de Cristo" (Conc. Lateran. IV, c.5)? Que eles escutem a voz de Lactancio escrevendo: "Sozinha... a
Igreja católica conserva o culto verdadeiro. Ela é a fonte da verdade; a morada da fé, o templo de Deus; quem aí não entra ou quem sai disto
perde toda sua esperança da vida e da salvação. Que ninguém se deixe levar pelas contestações obstinadas. É uma questão de vida e de salvação;
se não se vela aí de modo atencioso e prudente, é a perdição e a morte." (Divin. Instit. IV, 30, 11-12)

Em definitivo, é à Sé Apostólica fundada nesta cidade, consagrada pelo sangue dos Príncipes dos Apóstolos, Pedro e Paulo, é à esta Sé, Nós di-
zemos, "fundamento e gerador da Igreja católica" (S. Cypr., Ep. 48 ad Cornelium, 3), que devem retornar os filhos separados. Que eles aí
retornem, não com o pensamento e nem mesmo com a esperança que "a Igreja de Deus viva, coluna e sustentáculo da verdade" (I Tim. III, 15)
sacrificará a integridade da fé e sofrerá os seus erros, mas, bem ao contrário, com a intenção de se submeter ao seu magistério e ao seu governo.
Praza a Deus que este feliz acontecimento, que tantos de Nossos predecessores não puderam ver, Nós dele sejamos favorecidos, e que estes
filhos, dos quais lamentamos o afastamento em conseqüência a conflitos funestos, Nós podemos os acolher com um coração paterno; que Deus
Nosso Salvador, "cuja vontade é que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade" (I Tim. II, 4) se digne Nos ouvir
quando Nós o suplicamos com todas as nossas forcas de bem querer reconduzir à unidade da Igreja todas as almas errantes. Nesta questão não se
pode ser mais grave no apelo que Nós fazemos e Nós queremos que se recorra à intercessão da Bemaventurada Virgem Maria, Mãe da divina
graça, triunfadora de todas as heresias, auxiliadora dos cristãos, para que ela Nos obtenha de ver brilhar logo neste dia tão desejado em que todos
os homens ouvirão a voz de seu divino Filho "permanecendo fiéis à unidade do Espírito nos laços da paz". (Ephes. IV, 3)

Veneráveis Irmãos, vós sabeis agora como este voto nos é caro; Nós desejamos também que todos os nossos filhos o saibam: não somente
Nossos filhos católicos, mas ainda todos aqueles que vivem separados de Nós; para estes últimos, se eles imploram em uma humilde oração as
luzes celestes, sem nenhuma dúvida eles hão de reconhecer a única e verdadeira Igreja de Jesus Cristo e hão de vir por fim se unir a nós nos
laços de uma caridade perfeita. Confiando nesta esperança, e como penhor dos favores divinos, assim como testemunho de Nossa benevolência
paternal, Nós vos concedemos de todo coração a vós, Veneráveis Irmãos, ao vosso clero e aos vossos fiéis, a Bênção Apostólica.

Dada em Roma, ao pé de São Pedro, na festa da Epifania de Nosso Senhor Jesus Cristo, 6 de Janeiro de 1928, o sexto ano de Nosso Pontificado.

PIO XI, PAPA