You are on page 1of 91

Livro Eletrônico

Aula 00

500 Questões de Sistema Financeiro Nacional e Conhecimentos Bancários- ESAF,


CESPE, FCC e FGV 2018

Professor: Vicente Camillo

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
AULA 00 Ð PROF. VICENTE CAMILLO

Aula 00
APRESENTA‚ÌO DO CURSO
SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL

Sum‡rio
0
Sum‡rio ................................................................................................................................ 1!
Apresenta•‹o do Curso .................................................................................................... 2!
Conteœdo e Estrutura do Curso ..................................................................................... 3!
A Metodologia Funciona? ............................................................................................. 3!
Cronograma e Avisos ..................................................................................................... 4!
Quest›es Comentadas ...................................................................................................... 5!
Lista de Quest›es Apresentadas .................................................................................... 68!
Considera•›es Finais........................................................................................................ 88!

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 1 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

APRESENTA‚ÌO DO CURSO
Estimado aluno (a), tudo bem?

Seja bem-vindo ao curso de 500 CQUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA


FINANCEIRO NACIONAL - BANCAS ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV. Como o
nome do curso sugere, iremos nestas aulas destrinchar as quest›es das bancas de
concursos mais tradicionais da matŽria.

Este material consiste em sete aulas em formato PDF, cada uma contendo por
volta de 50 quest›es resolvidas das bancas mencionadas.

Naturalmente, este n‹o Ž um curso voltado para iniciantes nesta disciplina, afinal
vamos trabalhar diretamente em cima de exerc’cios, e n‹o em cima da teoria.
N‹o obstante, ser‹o apresentados breves resumos dos t—picos tratados em cada
aula, a t’tulo de revis‹o.

Este pode ser um excelente material para complementar a sua prepara•‹o, uma
vez que Ž imperativo resolver quest›es de Macroeconomia para seu estudo ficar
completo.

Bom, meu nome Ž Vicente Camillo, sou Economista formado pela Universidade
Estadual Paulista (UNESP), com especializa•›es em Regula•‹o do Mercado de
Capitais (Columbia Law School), Contabilidade e Auditoria (FIPECAFI/USP) e
Carreiras Pœblicas (Anhanguera/Uniderp).

Atualmente trabalho na Comiss‹o de Valores Mobili‡rios, cuja sede (meu local de


trabalho) Ž no Rio de Janeiro/RJ. L‡ trabalho com a regula•‹o das companhias
abertas, alŽm de representar a autarquia em f—runs nacionais e internacionais
sobre governan•a corporativa e desenvolvimento.

Ministro aulas de Economia, Conhecimentos Banc‡rios, Estrutura e Funcionamento


do Sistema Financeiro e Direito Societ‡rio, em n’vel de gradua•‹o, em cursos livres
preparat—rios para concursos pœblicos e certifica•›es. Sou professor do EstratŽgia
Concursos desde 2013!

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 2 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

AlŽm do meu e-mail vdalvocamillo@gmail.com e do F—rum de Dœvidas dispon’vel


na ‡rea restrita aos alunos matriculados no curso, voc• pode me encontrar em
minha p‡gina pessoal do Facebook, onde posto, rotineiramente, materiais, dicas,
exerc’cios resolvidos e assuntos relacionados. ƒ s— acessar em:
https://www.facebook.com/profvicentecamillo.

Conteœdo e Estrutura do Curso

A Metodologia Funciona?
Acreditamos que a nossa metodologia seja o ideal para o nosso objetivo: Fazer
voc•̂ acertar as quest›es de prova. Temos certeza que estamos no caminho certo
quando recebemos avalia•›es atravŽs do nosso sistema em rela•‹o aos cursos
ministrados, como as apresentadas abaixo:

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 3 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

E, Ž claro, voc• pode tambŽm conferir os resultados dos nossos alunos no seguinte
endere•o: https://www.estrategiaconcursos.com.br/resultados

Cronograma e Avisos
Segue um aviso e o cronograma de aulas para sua organiza•‹o e conhecimento.
J‡ aproveito para te desejar bons estudos, persist•ncia e sucesso nessa
caminhada. Afinal, este Ž o lema do EstratŽgia Concursos:

“O SEGREDO DO SUCESSO É A
CONSTÂNCIA NO OBJETIVO”
Este curso é protegido por direitos autorais (copyright), nos termos
da Lei 9.610/98, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre
direitos autorais e dá outras providências. Grupos de rateio e
pirataria são clandestinos, violam a lei e prejudicam os professores
que elaboram os cursos.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 4 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

QUESTÍES COMENTADAS
1. CESPE - Analista Legislativo (CAM DEP)/çrea IX/Consultor Legislativo/2014/

Com rela•‹o ao Sistema Financeiro Nacional (SFN), julgue o pr—ximo item.

A CF disp›e que o Sistema Financeiro Nacional, estruturado de forma a promover


o desenvolvimento equilibrado do pa’s e a servir aos interesses da coletividade,
ser‡ regulado por leis ordin‡rias que dispor‹o, inclusive, sobre a participa•‹o do
capital estrangeiro nas institui•›es que o integram.

1. A presente quest‹o versa sobre o disposto no art. 192 da CF/88:

Art. 192. O sistema financeiro nacional, estruturado de forma a promover o


desenvolvimento equilibrado do Pa’s e a servir aos interesses da coletividade, em
todas as partes que o comp›em, abrangendo as cooperativas de crŽdito, ser‡
regulado por leis complementares que dispor‹o, inclusive, sobre a participa•‹o do
capital estrangeiro nas institui•›es que o integram.

De fato, a estrutura•‹o do sistema financeiro nacional Ž realizada de forma a


desenvolvimento equilibrado do Pa’s. No entanto, seu regramento Ž realizado por
Leis Complementares, dentre as quais destacam-se a Lei 4.595/64 e a Lei 9069/65.

GABARITO: ERRADO

2. CESPE - Analista Legislativo (CAM DEP)/çrea IX/Consultor Legislativo/2014/

Com rela•‹o ao Sistema Financeiro Nacional (SFN), julgue o pr—ximo item.

Comp›em o SFN: o Conselho Monet‡rio Nacional, o Banco Central do Brasil, o


Banco do Brasil S.A., o Banco Nacional do Desenvolvimento Econ™mico e as
demais institui•›es financeiras pœblicas e privadas.

2. Quest‹o interessante.

O art. 1o. da Lei 4.595/64 disp›e o seguinte:

Art. 1¼ O sistema Financeiro Nacional, estruturado e regulado pela presente Lei,


ser‡ constitu’do:
Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 5 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

I - do Conselho Monet‡rio Nacional;


II - do Banco Central do Brasil;
III - do Banco do Brasil S. A.;
IV - do Banco Nacional do Desenvolvimento Econ™mico;
V - das demais institui•›es financeiras pœblicas e privadas.

Se notarmos, o comando da quest‹o descreve literalmente o referido artigo. No


entanto, a quest‹o est‡ incorreta e foi anulada pelo CESPE. O motivo Ž
interessante: alguns dispositivos da Lei 4.595/64 foram revogados tacitamente por
dispositivos de leis supervenientes, apesar disto n‹o estar expresso na Lei 4.595/65. ƒ
o caso do artigo em quest‹o.

ƒ poss’vel citar o caso da Lei 6.385/76, que instituiu a Comiss‹o de Valores


Mobili‡rios, —rg‹o supervisor do mercado de capitais e parte do sistema financeiro.
O mesmo ocorreu com as leis que institu’ram a SUSEP e a PREVIC.

Atualmente, conforme consta no site do Banco Central o SFN Ž constitu’do pelos


seguintes —rg‹os:

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 6 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

GABARITO: ANULADO

3. CESPE - Analista Legislativo (CAM DEP)/çrea IX/Consultor Legislativo/2014/

Com rela•‹o ao Sistema Financeiro Nacional (SFN), julgue o pr—ximo item.

As institui•›es financeiras pœblicas n‹o federais ficam sujeitas ˆs disposi•›es


relativas ˆs institui•›es financeiras privadas.

3. Antes de responder ˆ quest‹o, Ž preciso caracterizar os conceitos de institui•‹o


financeira e institui•‹o financeira pœblica. As defini•›es constam da Lei 4.595/64:

Institui•›es Financeiras:

Consideram-se institui•›es financeiras, para os efeitos da legisla•‹o em vigor, as


pessoas jur’dicas pœblicas ou privadas, que tenham como atividade principal ou

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 7 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

acess—ria a coleta, intermedia•‹o ou aplica•‹o de recursos financeiros pr—prios


ou de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira, e a cust—dia de valor de
propriedade de terceiros. Equiparam-se ˆs institui•›es financeiras as pessoas f’sicas
que exer•am qualquer das atividades referidas, de forma permanente ou
eventual

AlŽm dos estabelecimentos banc‡rios oficiais ou privados, das sociedades de


crŽdito, financiamento e investimentos, das caixas econ™micas e das cooperativas
de crŽdito ou a se•‹o de crŽdito das cooperativas que a tenham, tambŽm se
subordinam ˆs disposi•›es da Lei 4.595/64, sendo, assim, consideradas institui•›es
do sistema financeiro, as bolsas de valores, companhias de seguros e de
capitaliza•‹o, as sociedades que efetuam distribui•‹o de pr•mios em im—veis,
mercadorias ou dinheiro, mediante sorteio de t’tulos de sua emiss‹o ou por
qualquer forma, e as pessoas f’sicas ou jur’dicas que exer•am, por conta pr—pria
ou de terceiros, atividade relacionada com a compra e venda de a•›es e outros
quaisquer t’tulos, realizando nos mercados financeiros e de capitais opera•›es ou
servi•os de natureza dos executados pelas institui•›es financeiras (art. 17 da Lei
4.595/64).

Institui•›es Financeiras Pœblicas:

A defini•‹o Ž bem simples. S‹o institui•›es financeiras pœblicas s‹o —rg‹os


auxiliares da execu•‹o da pol’tica de crŽdito do Governo Federal (art. 22 da Lei
4.595/64).

Continuando, Ž preciso estabelecer diferencia•‹o entre as IFs pœblicas federais e


as n‹o federais. Ës federais, cabe ao ao Conselho Monet‡rio Nacional regular suas
atividades, capacidade e modalidade operacionais. Portanto, elas possuem
normatiza•‹o especial.

No entanto, as institui•›es financeiras pœblicas n‹o federais ficam sujeitas ˆs


disposi•›es relativas ˆs institui•›es financeiras privadas.

GABARITO: CERTO

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 8 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

4. CESPE - Analista Legislativo (CAM DEP)/çrea VII/Consultor Legislativo/2014/

Com rela•‹o ao mercado de capitais, julgue o item.

A Lei da Reforma Banc‡ria, de 1964, reestruturou o sistema financeiro nacional e,


um ano depois, a Lei do Mercado de Capitais disciplinou esse mercado e
estabeleceu as medidas necess‡rias para seu desenvolvimento.

4. Corret’ssimo.

A Lei da Reforma Banc‡ria (Lei 4.595/64) estabeleceu as bases normativas para o


sistema financeiro nacional, estruturando-o e o disciplinando.

Em 1965, atravŽs da Lei 4.728/65, o mercado de capitais foi disciplinado. ƒ preciso


comentar que diversos dispositivos desta Lei foram revogados tacitamente por Lei
superveniente (Lei 6.385/76), que instituiu a CVM e tambŽm disciplinou o mercado
de capitais.

GABARITO: CERTO

5. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Tecnologia da Informa•‹o/2014/

Em rela•‹o aos —rg‹os normativos e de supervis‹o do SFN, julgue o pr—ximos item.

O Conselho de Recursos do SFN Ž constitu’do, paritariamente, por oito


conselheiros, possuidores de conhecimentos especializados em assuntos relativos
aos mercados financeiros, de c‰mbio, de capitais, de cons—rcios e de crŽdito rural
e industrial.

5. A quest‹o foi considerada correta, apesar de omitir algumas informa•›es


importantes referentes ˆ estrutura do CRSFN.

O CRSFN Ž constitu’do por dezesseis conselheiros, sendo oito membros (quatro


titulares e respectivos suplentes) indicados pelo Governo e oito (quatro titulares e
respectivos suplentes) indicados por entidades representativas dos mercados
financeiro e de capitais.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 9 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Atualmente, o CRSFN Ž composto pelos seguintes membros, conforme site da


institui•‹o:

Para ficar completa, a quest‹o deveria explicitar se estes conselheiros eram


representantes do governo ou do setor privado

GABARITO: CERTO

6. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2014/

Com rela•‹o ˆs caracter’sticas e fun•›es do mercado monet‡rio e do mercado


de crŽdito, julgue o item que se segue.

No mercado monet‡rio, a oferta de moeda Ž definida pelo BCB e atende ˆ


seguinte rela•‹o: quanto maior for a taxa b‡sica de juros da economia, maior ser‡
a demanda por moeda.

6. O Governo Federal pode apresentar dŽficit em suas opera•›es financeiras.


Simplesmente, se tiver mais despesas que receitas em determinado per’odo, o
Governo est‡ com a conta Òno negativoÓ.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 10 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Mas, existem algumas formas de financiar este dŽficit. Umas delas Ž a emiss‹o de
t’tulos pœblicos. O Governo, atravŽs da Secretaria do Tesouro Nacional, vende
estes t’tulos ao setor privado, que compra os papeis na expectativa de auferir
rendimentos.

O Banco Central pode realizar opera•›es de compra e venda destes t’tulos junto
ao setor privado.

ƒ simples. Comprando os t’tulos do setor privado, o BACEN paga em dinheiro e


eleva a quantidade de moeda em circula•‹o na economia. Do mesmo modo,
caso queira vender t’tulos ao setor privado, este paga com dinheiro. Como
resultado, menos dinheiro permanece em circula•‹o na economia.

Resumindo:

VENDA DE TêTULO AO SETOR PRIVADO è DIMINUI A CIRCULA‚ÌO DE MOEDA

COMPRA DE TêTULOS DO SETOR PROVADO è AUMENTA A CIRCULA‚ÌO DE MOEDA.

Desta maneira, caso o Banco Central pretenda realizar uma pol’tica monet‡ria
expansionista (aumentar a quantidade de moeda na economia) ele compra
t’tulos do setor privado. Do contr‡rio, caso queira praticar pol’tica monet‡ria
contracionista, vende t’tulos ao setor privado.

Este tipo de opera•‹o Ž chamado de opera•‹o de mercado aberto (open


market).

Ocorre que, quando os juros aumentam, eleva-se tambŽm o custo de captar


capital para gastos diversos (consumo e investimento). Desta forma, h‡ REDU‚ÌO
na demanda por moeda. Afinal, os agentes est‹o gastando menor quantidade de
recursos e, por isto, necessitam de menor quantidade de moeda.

GABARITO: ERRADO

7. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2014/

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 11 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Com rela•‹o ˆs caracter’sticas e fun•›es do mercado monet‡rio e do mercado


de crŽdito, julgue o item que se segue.

S‹o opera•›es t’picas do mercado monet‡rio e conhecidas como opera•›es


compromissadas as opera•›es de compra com compromisso de revenda,
assumido pelo comprador, ou venda com compromisso de recompra, assumido
pelo vendedor.

7. As opera•›es de mercado aberto foram definidas nos coment‡rios da quest‹o


anterior. Como visto, trata-se dos neg—cios com t’tulos pœblicos realizados tendo o
Bacen como contraparte.

Grande parte destas negocia•›es s‹o feitas atravŽs das opera•›es


compromissadas, cuja defini•‹o est‡ corretamente apresentada na quest‹o. Ou
seja, trata-se de opera•›es de compra com compromisso de revenda, assumido
pelo comprador, ou venda com compromisso de recompra, assumido pelo
vendedor. Este compromisso Ž estabelecido pelo Banco Central.

GABARITO: CERTO

8. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2014/

Com rela•‹o ao CRSFN, julgue o item a seguir.

Compete ao CRSFN julgar, em primeira inst‰ncia, as infra•›es e penalidades


relativas ˆ legisla•‹o cambial.

8. Quest‹o direta.

O CRSFN Ž —rg‹o respons‡vel para julgar, em segunda e œltima inst‰ncia, os


recursos interpostos sobre a aplica•‹o de penalidades administrativas pelo Banco
Central do Brasil, pela Comiss‹o de Valores Mobili‡rios e pelo Conselho de
Controle de Atividades Financeiras.

Os julgamentos em primeira instancia s‹o realizados pelos pr—prios —rg‹os


supervisores (Bacen, CVM e COAF).

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 12 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Os julgamentos do CRSFN s‹o feitos na esfera administrativa e, portanto, n‹o


geram efeitos nas esferas penal e civil.

GABARITO: ERRADO

9. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2014/

Com rela•‹o ao CRSFN, julgue o item a seguir.

Constitui atribui•‹o do CRSFN julgar a aplica•‹o de multas e custos financeiros


associados a recolhimento compuls—rio.

9. Como visto no coment‡rio da quest‹o anterior, o CRSFN julga, em segunda e


œltima inst‰ncia administrativa, as penalidades impostas pela CVM, Bacen e COAF.

E est‡ dentro das atribui•›es do Bacen supervisionar os recolhimentos


compuls—rios, cujas regras, se descumpridas, podem acarretar san•‹o imposta
pelo referido —rg‹o supervisor.

E, claro, esta decis‹o (aplica•‹o de multas e custos financeiros associados a


recolhimento compuls—rio) comporta recurso ao CRSFN.

GABARITO: CERTO

10. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2014/

A respeito das fun•›es da CVM, julgue o pr—ximo item.

Compete ˆ CVM manter o registro de companhias para negocia•‹o em bolsa e


em mercado de balc‹o.

10. A seguir seguem as principais fun•›es da CVM com as devidas explica•›es:

Regulamentar, com observ‰ncia da pol’tica definida pelo Conselho Monet‡rio


Nacional, as matŽrias expressamente previstas na Lei 6.404/76 Ðo CMN fornece as
diretrizes gerais e a entidade supervisora (CVM) atende a estas normas. Neste
caso, a CVM deve regulamentar as matŽrias expressas na Lei de Sociedade por

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 13 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

A•›es (Lei 6.404/76). N‹o precisamos entrar em detalhes sobre a Lei, mas Ž preciso
saber que a CVM tambŽm regula as empresas organizadas por a•›es (empresas
S.A.).

Administrar os registros institu’dos por esta Lei Ð Para se tornar uma empresa S.A., a
companhia precisa se registrar na CVM. Ademais, caso ela pretenda emitir algum
valor mobili‡rio (como a•›es em bolsa de valores, deb•ntures, entre outros t’tulos),
deve tambŽm registrar a emiss‹o na CVM. Ou seja, a CVM administra
basicamente duas espŽcies de registro: da institui•‹o registrada e da emiss‹o por
ela realizada no mercado de capitais, quando houver.

Fiscalizar permanentemente as atividades e os servi•os do mercado de valores


mobili‡rios, bem como a veicula•‹o de informa•›es relativas ao mercado, ˆs
pessoas que dele participem, e aos valores nele negociados Ð ƒ a fun•‹o de
fiscaliza•‹o da CVM propriamente dita. Ou seja, a Comiss‹o deve fiscalizar as
atividades, servi•os e informa•›es dos participantes do mercado de capitais.

Propor ao Conselho Monet‡rio Nacional a eventual fixa•‹o de limites m‡ximos de


pre•o, comiss›es, emolumentos e quaisquer outras vantagens cobradas pelos
intermedi‡rios do mercado Ð Assim como o Banco Central pode propor limites ˆ
cobran•a de taxas nos mercados de crŽdito, cambial e monet‡rio, a CVM faz o
mesmo no mercado de capitais.

Fiscalizar e inspecionar as companhias abertas dada prioridade ˆs que n‹o


apresentem lucro em balan•o ou ˆs que deixem de pagar o dividendo m’nimo
obrigat—rio Ð As empresas por a•›es possuem acionistas pulverizados. Ou seja, as
pessoas interessadas podem comprar a•›es das empresas, mesmo n‹o
conhecendo o dono ou os administradores. Isto Ž feito atravŽs de plataforma
espec’fica, como a Bolsa de Valores. Naturalmente, os acionistas est‹o
interessados na remunera•‹o que podem usufruir sendo parte da empresa. Esta
remunera•‹o Ž geralmente traduzida como dividendo, que Ž a distribui•‹o do
lucro da empresa por acionista. A CVM deve dar prioridade ˆ fiscaliza•‹o das
empresas que deixem de pagar o dividendo m’nimo obrigat—rio. N‹o obstante, as
demais companhias abertas tambŽm s‹o fiscalizadas.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 14 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Portanto, a quest‹o est‡ correta. Como apresentado, uma das fun•›es da CVM Ž
administrar os registros das institui•›es por ela reguladas, como Ž o caso das
companhias de capital aberto (que possuem valores mobili‡rios admitidos ˆ
negocia•‹o no mercado de bolsa e balc‹o).

GABARITO: CERTO

11. CESPE - Analista do Banco Central do Brasil/çrea 4 - Contabilidade e


Finan•as/2013/

Acerca das penalidades aplicadas ao sistema financeiro nacional, julgue o item


que se segue.

O acompanhamento da execu•‹o dos or•amentos monet‡rios s‹o atribui•›es do


Conselho Monet‡rio Nacional.

11. H‡ muito que se comentar a respeito do chamado Òor•amento monet‡rioÓ.

O or•amento monet‡rio, previsto pela Lei 4.595/64, correspondia ˆ previs‹o da


quantidade de moeda em circula•‹o na economia. Ou seja, nele estava a
previs‹o da pol’tica monet‡ria, sendo do Bacen a responsabilidade de sua
elabora•‹o e execu•‹o e do CMN sua aprova•‹o.

Isto, por si s—, j‡ torna a quest‹o incorreta. Afinal, compete ao CMN aprovar o
or•amento monet‡rio e, ao Bacen, acompanhar sua execu•‹o.

Ocorre que desde 1964 (quando da publica•‹o da Lei 4.595) ate os dias de hoje,
procedimentos foram alterados em rela•‹o ao or•amento monet‡rio.

Primeiro, atualmente ele Ž denominado Òprograma•‹o monet‡riaÓ. Segundo o


art. 6¼ da Lei 9.069/95 (Lei do Plano Real):

Art. 6¼ O Presidente do Banco Central do Brasil submeter‡ ao Conselho Monet‡rio


Nacional, no in’cio de cada trimestre, programa•‹o monet‡ria para o trimestre,
da qual constar‹o, no m’nimo:
I - estimativas das faixas de varia•‹o dos principais agregados monet‡rios
compat’veis com o objetivo de assegurar a estabilidade da moeda; e

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 15 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

II - an‡lise da evolu•‹o da economia nacional prevista para o trimestre, e


justificativa da programa•‹o monet‡ria.
¤ 1¼ Ap—s aprova•‹o do Conselho Monet‡rio Nacional, a programa•‹o monet‡ria
ser‡ encaminhada ˆ Comiss‹o de Assuntos Econ™micos do Senado Federal.

¤ 2¼ O Congresso Nacional poder‡, com base em parecer da Comiss‹o de


Assuntos Econ™micos do Senado Federal, rejeitar a programa•‹o monet‡ria a que
se refere o caput deste artigo, mediante decreto legislativo, no prazo de dez dias
a contar do seu recebimento.

¤ 3¼ O Decreto Legislativo referido no par‡grafo anterior limitar-se-‡ ˆ aprova•‹o


ou rejei•‹o "in totum" da programa•‹o monet‡ria, vedada a introdu•‹o de
qualquer altera•‹o.
¤ 4¼ Decorrido o prazo a que se refere o ¤ 2¼ deste artigo, sem aprecia•‹o da
matŽria pelo Plen‡rio do Congresso Nacional, a programa•‹o monet‡ria ser‡
considerada aprovada.
¤ 5¼ Rejeitada a programa•‹o monet‡ria, nova programa•‹o dever‡ ser
encaminhada, nos termos deste artigo, no prazo de dez dias, a contar da data de
rejei•‹o.
¤ 6¼ Caso o Congresso Nacional n‹o aprove a programa•‹o monet‡ria atŽ o final
do primeiro m•s do trimestre a que se destina, fica o Banco Central do Brasil
autorizado a execut‡-la atŽ sua aprova•‹o.

O dispositivo em comento estabelece que compete ao Bacen elaborar a


programa•‹o monet‡ria e ao seu Presidente encaminha-la, para aprova•‹o, ao
CMN. Se aprovada, a programa•‹o Ž encaminhada ˆ Comiss‹o de Assuntos
Econ™micos do Senado Federal para elabora•‹o de parecer. Ap—s este tramite,
compete ao Senado Federal, via decreto legislativo, aprovar ou rejeitar a
programa•‹o.

GABARITO: ERRADO

12. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Tecnologia da


Informa•‹o/2010/Nacional

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 16 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

As pessoas jur’dicas pœblicas ou privadas que tenham como atividade principal ou


acess—ria a coleta, intermedia•‹o ou aplica•‹o de recursos financeiros pr—prios
ou de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira, e a cust—dia de valor de
propriedade de terceiros s‹o consideradas

a) entidades abertas de previd•ncia complementar.

b) bolsas de mercadorias e futuros.

c) sociedades de capitaliza•‹o.

d) institui•›es financeiras.

e) bolsas de valores.

12. O comando da quest‹o refere-se ˆ defini•‹o de institui•‹o financeira, como


prevista na Lei 4.595/64.

Institui•›es Financeiras:

Consideram-se institui•›es financeiras, para os efeitos da legisla•‹o em vigor, as


pessoas jur’dicas pœblicas ou privadas, que tenham como atividade principal ou
acess—ria a coleta, intermedia•‹o ou aplica•‹o de recursos financeiros pr—prios
ou de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira, e a cust—dia de valor de
propriedade de terceiros. Equiparam-se ˆs institui•›es financeiras as pessoas f’sicas
que exer•am qualquer das atividades referidas, de forma permanente ou
eventual.

AlŽm dos estabelecimentos banc‡rios oficiais ou privados, das sociedades de


crŽdito, financiamento e investimentos, das caixas econ™micas e das cooperativas
de crŽdito ou a se•‹o de crŽdito das cooperativas que a tenham, tambŽm se
subordinam ˆs disposi•›es da Lei 4.595/64, sendo, assim, consideradas institui•›es
do sistema financeiro, as bolsas de valores, companhias de seguros e de
capitaliza•‹o, as sociedades que efetuam distribui•‹o de pr•mios em im—veis,
mercadorias ou dinheiro, mediante sorteio de t’tulos de sua emiss‹o ou por
qualquer forma, e as pessoas f’sicas ou jur’dicas que exer•am, por conta pr—pria
ou de terceiros, atividade relacionada com a compra e venda de a•›es e outros
quaisquer t’tulos, realizando nos mercados financeiros e de capitais opera•›es ou

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 17 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

servi•os de natureza dos executados pelas institui•›es financeiras (art. 17 da Lei


4.595/64).

GABARITO: LETRA D

13. CESPE - Especialista em Previd•ncia Complementar (PREVIC)/Finan•as e


Cont‡bil/2011/

Acerca de finan•as, julgue o item.

O Sistema Financeiro Nacional possui um —rg‹o m‡ximo com fun•›es


deliberativas, denominado Conselho Monet‡rio Nacional (CMN), e v‡rias
entidades supervisoras, que s‹o representadas pelo Banco Central do Brasil, pela
Comiss‹o de Valores Mobili‡rios, pela SUSEP e pelas bolsas de mercadorias e de
futuros.

13. As institui•›es do Sistema Financeiro Nacional est‹o dispostas com base no


conceito da Òespecializa•‹oÓ e Òsegmenta•‹oÓ. Ou seja, cada uma delas exerce
suas fun•›es em mercados espec’ficos (atua•‹o segmentada) e de maneira
especializada.

Mas, quais as institui•›es que dele fazem parte?

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 18 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Esta Ž a divis‹o do SFN proposta pelo Banco Central e apresentada no s’tio


eletr™nico da pr—pria entidade. Resumidamente, as entidades pertencentes ao
SFN est‹o divididas entre —rg‹os normativos, entidades supervisoras e operadores:

¥ îrg‹os Normativos Ð Constitu’dos por institui•›es que estabelecem as


diretrizes e normativas gerais do SFN. A principal entidade Ž o Conselho Monet‡rio
Nacional.

¥ Entidades Supervisoras Ð Enquanto os —rg‹os normativos estabelecem as


diretrizes, as entidades supervisoras regulam e fiscalizam as atividades das
entidades que pretende regular. Podem, inclusive, aplicar multas e demais
san•›es ˆs entidades que n‹o atendem aos determinantes regulamentares.

ƒ importante frisar que mesmo que chamadas de ÒsupervisorasÓ, estas entidades


tambŽm elaboram normas (regulamentam) nos mercados que supervisionam. Por

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 19 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

exemplo: a CVM Ž entidade supervisora do ponto de vista do SFN, mas, por


regulamentar o mercado de capitais, tambŽm pode ser entendida como
entidade normativa em rela•‹o ao mercado de capitais.

O modo como s‹o classificadas depende do referencial (se do ponto de vista do


SFN, ou do ponto de vista do mercado em que atuam), ou da vis‹o do autor.

¥ Operadores Ð Todas as demais entidades que fazem parte do SFN e


participam da intermedia•‹o financeira. Nesta aula, elas est‹o divididas em
Institui•›es Financeiras Banc‡rias, Institui•›es Financeiras N‹o Banc‡rias e
Institui•›es Financeiras Auxiliares.

As bolsas de mercadorias e futuros fazem parte das institui•›es operadoras, o que


tornar a quest‹o incorreta.

GABARITO: ERRADO

14. CESPE - Especialista (FUNPRESP)/Investimentos/2016

Julgue o item a seguir, relativo ao Sistema Financeiro Nacional (SFN) e ao mercado


de valores mobili‡rios.

Os —rg‹os normativos asseguram que os integrantes do sistema financeiro sigam as


regras definidas pelos —rg‹os de crŽdito, de capitais e de c‰mbio, enquanto as
entidades supervisoras determinam regras para o bom funcionamento do SFN.

Quest‹o absurda!

Conforme estrutura do SFN, apresentada nos coment‡rios da quest‹o anterior,


nota-se que os —rg‹os normativos t•m como fun•‹o dispor sobre as normas gerais
dos mercados por eles regulados.

Por exemplo, compete ao CMN formular a pol’tica da moeda e do crŽdito, na


qual ser‹o pautadas as atividades exercidas pelos —rg‹os de crŽdito, de capitais e
de c‰mbio (institui•›es operadoras).

GABARITO: ERRADO

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 20 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

15. CESPE - Especialista em Regula•‹o de Avia•‹o Civil/çrea 4/2012/

No que se refere ˆ an‡lise de pol’tica monet‡ria, aos modelos de crescimento, ao


sistema financeiro nacional e ˆs teorias da infla•‹o, julgue o item que se segue.

O subsistema normativo, que comp›e o Sistema Financeiro Nacional, engloba as


institui•›es Ñ como a Comiss‹o de Valores Mobili‡rios Ñ que estabelecem as
regras e diretrizes de funcionamento da economia, assim como os par‰metros
para a intermedia•‹o financeira e para a fiscaliza•‹o da atua•‹o das institui•›es
operativas.

15. Esta quest‹o merece nossa aten•‹o.

Conforme estrutura do SFN apresentada anteriormente, nota-se que as institui•›es


Ñ como a Comiss‹o de Valores Mobili‡rios Ñ pertencem ao chamado subsistema
ÒsupervisorÓ. Ou seja, a estes —rg‹os compete supervisionar os mercados por ele
regulados.

Ocorre que esta defini•‹o, como qualquer outra, possui suas limitantes, sobretudo
em rela•‹o ˆ nomenclatura. Pois, as institui•›es ÒsupervisorasÓ exercem tambŽm
outras fun•›es, como a imposi•‹o de penalidades e a elabora•‹o de normas. Ao
normatizarem, tambŽm fazem parte do subsistema normativo. Foi essa a
interpreta•‹o do CESPE nesta quest‹o.

Abaixo segue outra sugest‹o de estrutura do SFN, na qual a quest‹o se baseou,


para alŽm da proposta pelo Bacen:

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 21 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

GABARITO: CERTO

16. CESPE - Analista (FUNPRESP)/Investimentos/2016

Acerca do Sistema Financeiro Nacional e dos mercados financeiro e de capitais,


julgue o item subsequente.

O Banco Central do Brasil provoca redu•‹o na oferta monet‡ria da economia


quando realiza opera•›es de vendas definitivas de t’tulos de sua carteira pr—pria.

16. O Governo Federal pode apresentar dŽficit em suas opera•›es financeiras.


Simplesmente, se tiver mais despesas que receitas em determinado per’odo, o
Governo est‡ com a conta Òno negativoÓ.

Mas, existem algumas formas de financiar este dŽficit. Umas delas Ž a emiss‹o de
t’tulos pœblicos. O Governo, atravŽs da Secretaria do Tesouro Nacional, vende
estes t’tulos ao setor privado, que compra os papeis na expectativa de auferir
rendimentos.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 22 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

O Banco Central pode realizar opera•›es de compra e venda destes t’tulos junto
ao setor privado.

ƒ simples. Se vender definitivamente t’tulos de carteira pr—pria ao setor privado, o


BACEN recebe em dinheiro pela venda, reduzindo a quantidade de moeda em
circula•‹o na economia. Situa•‹o oposta ocorre caso o Bacen decida comprar
t’tulos, pois ir‡ elevar a quantidade de moeda na economia ao adquirir t’tulos do
setor privado.

Resumindo:

VENDA DE TêTULO AO SETOR PRIVADO è DIMINUI A CIRCULA‚ÌO DE MOEDA

COMPRA DE TêTULOS DO SETOR PROVADO è AUMENTA A CIRCULA‚ÌO DE MOEDA.

A quest‹o trata do caso cl‡ssico de opera•‹o de mercado aberto (open market),


que promove pol’tica monet‡ria contracionista e est‡ correta.

GABARITO: CERTO

17. CESPE - Analista Administrativo (ANP)/çrea I/2013

Com rela•‹o ˆ organiza•‹o do Estado, ˆ administra•‹o pœblica e ˆs finan•as


pœblicas, julgue o item seguinte.

Poder‡ o Banco Central do Brasil comprar e vender t’tulos de emiss‹o do Tesouro


Nacional com o objetivo, por exemplo, de regular a taxa de juros.

17. Como explicado no coment‡rio da quest‹o anterior, o Bacen faz isso nas
opera•›es de mercado aberto. No entanto, o tema merece coment‡rios
adicionais, pois Ž matŽria constitucional.

Segundo a CF/88:

Art. 164. A compet•ncia da Uni‹o para emitir moeda ser‡ exercida


exclusivamente pelo banco central.
¤ 1¼ ƒ vedado ao banco central conceder, direta ou indiretamente, emprŽstimos
ao Tesouro Nacional e a qualquer —rg‹o ou entidade que n‹o seja institui•‹o
financeira.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 23 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

¤ 2¼ O banco central poder‡ comprar e vender t’tulos de emiss‹o do Tesouro


Nacional, com o objetivo de regular a oferta de moeda ou a taxa de juros.

O artigo em comento disp›e sobre as compet•ncias constitucionais do Bacen e


estabelece uma veda•‹o e uma possibilidade.

A veda•‹o aplica-se ˆs opera•›es no mercado monet‡rio prim‡rio. Ou seja, o


Bacen est‡ vedado de adquirir t’tulos diretamente do Tesouro. Quando ocorre
emiss‹o de t’tulos pœblicos pelo Tesouro, n‹o pode o Bacen adquiri-los. Se assim
fizesse, estaria financiando os dŽficits do Tesouro com expans‹o monet‡ria, o que
pode acarretar em infla•‹o.

No entanto, o Bacen pode operar no mercado monet‡rio secund‡rio, no qual


negocia os t’tulos pœblicos com agentes do setor financeiro. Estas s‹o as
opera•›es de open market, anteriormente definidas, que servem tanto para
estabelecer a quantidade de moeda em circula•‹o na economia, como para
influenciar na determina•‹o da taxa de juros.

Como a taxa de juros representa o custo do dinheiro, uma maior oferta de dinheiro
Ž acompanhada por uma queda em seu custo (redu•‹o da taxa de juros).
Obviamente, a redu•‹o na oferta de moeda acarreta taxas mais elevadas de
juros.

GABARITO: CERTO

18. CESPE - Analista (FINEP)/Finan•as/2009/

A respeito das atribui•›es do BACEN, estabelecidas na legisla•‹o em vigor,


assinale a op•‹o correta.

a) Compete ao BACEN, com o apoio da Comiss‹o de Valores Mobili‡rios (CVM),


supervisionar os fundos de investimentos.

b) A jurisdi•‹o do BACEN inclui a fiscaliza•‹o e o controle das empresas


administradoras de cart›es de crŽdito.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 24 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

c) Os documentos normativos editados pelo BACEN, em cumprimento das


decis›es emanadas do Conselho Monet‡rio Nacional, denominam-se resolu•›es.

d) O mercado cambial Ž fiscalizado exclusivamente pela CVM.

e) O BACEN pode intervir nas empresas operadoras de cons—rcios e decretar sua


liquida•‹o extrajudicial, na forma e nas condi•›es previstas na legisla•‹o especial
aplic‡vel ˆs entidades financeiras.

18. Comentando as alternativas:

a) Incorreto. Os fundos de investimento s‹o participantes do mercado de valores


mobili‡rios, cuja atua•‹o Ž regulamentada por normativos emitidos pela Comiss‹o
de Valores Mobili‡rios (CVM), em especial a Instru•‹o CVM 555. Desta forma, o
Bacen n‹o possui esta compet•ncia.

b) Incorreto. ƒ necess‡rio fazer coment‡rios sobre as empresas emissoras de


cart›es de crŽdito, tambŽm chamadas de administradora de cart›es.

Esta entidade, se considerada isolada, n‹o propriamente Ž uma institui•‹o


financeira, pois n‹o faz o intermŽdio de fundos entre os agentes superavit‡rios e
deficit‡rios na economia, mas t‹o somente o intermŽdio operacional da
transa•‹o. Desta forma, n‹o est‡ no ‰mbito de fiscaliza•‹o e controle do Bacen,
o que torna a quest‹o incorreta.

No entanto, Ž preciso notar que o STJ decidiu em termos contr‡rios, atravŽs da


Sœmula 283. Apesar dela n‹o ser extensivamente cobrada em provas de
concursos, Ž importante citar:

SòMULA STJ 283, "AS EMPRESAS ADMINISTRADORAS DE CARTÌO DE CRƒDITO


SÌO INSTITUI‚ÍES FINANCEIRAS E, POR ISSO, OS JUROS REMUNERATîRIOS
POR ELAS COBRADOS NÌO SOFREM AS LIMITA‚ÍES DA LEI DE USURA "

Desta forma, lembre-se que, do ponto de vista da Lei 4.595/64 as administradoras


de cart›es de crŽdito s‹o institui•›es n‹o financeiras que operam no sistema
financeiro nacional. No entanto, se for cobrado explicitamente a sœmula do STJ, o
conceito Ž diverso, pois nela as administradoras de cart‹o s‹o consideradas
institui•›es financeiras.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 25 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

c) Incorreto. O Bacen emite Circulares. As resolu•›es s‹o emitidas pelo CMN.

d) Incorreto. O mercado cambial Ž fiscalizado pelo Bacen.

e) Correto. De acordo com a Lei 11.795/2008, o Bacen possui estas compet•ncias.

GABARITO: LETRA E

19. CESPE - Analista (FINEP)/Finan•as/2009/

No ‰mbito de suas atribui•›es legais, o BACEN pode tomar uma sŽrie de medidas
cautelares com rela•‹o a irregularidades apuradas, entre as quais n‹o se inclui

a) determinar o afastamento de indiciados da administra•‹o dos neg—cios da


institui•‹o supervisionada.

b) determinar ˆ institui•‹o supervisionada a substitui•‹o da empresa de auditoria


cont‡bil ou do auditor cont‡bil independente.

c) impedir que os indiciados assumam quaisquer cargos de dire•‹o ou


administra•‹o de institui•›es supervisionadas ou atuem como mandat‡rios ou
prepostos de diretores ou administradores.

d) impedir a aplica•‹o de taxas em opera•›es de emprŽstimos ou investimentos


da institui•‹o supervisionada superiores ˆ mŽdia do mercado.

e) impor restri•›es ˆs atividades da institui•‹o supervisionada.

19. A Lei 4.595/64 estabelece que compete ao Bacen exercer a fiscaliza•‹o das
institui•›es financeiras e aplicar as penalidades previstas.

Exercendo estas compet•ncias, o Bacen pode adotar medidas cautelares, todas


previstas em seu Regimento Interno. S‹o diversas medidas, mas Ž poss’vel destacar
entre elas as medidas cautelares que objetivem (i) afastamento entre outros
impedimentos relativos aos administradores de institui•‹o regulada e (ii) restri•›es
relativas a pr‡ticas exercidas pelas institui•›es reguladas.

Neste ‰mbito, n‹o compete ao Bacen impedir a aplica•‹o de taxas em


opera•›es de emprŽstimos ou investimentos da institui•‹o supervisionada

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 26 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

superiores ˆ mŽdia do mercado. Em regra, os pre•os s‹o estabelecidos pelos


mercados sem interfer•ncia estatal.

GABARITO: LETRA D

20. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Tecnologia da Informa•‹o/2014/

Em rela•‹o aos —rg‹os normativos e de supervis‹o do SFN, julgue o pr—ximo item.

O BCB tem como uma de suas atribui•›es a fixa•‹o de metas para a infla•‹o.

20. Quest‹o direta, mas muito cobrada em provas.

As metas de infla•‹o e seus respectivos intervalos de toler‰ncia s‹o estabelecidos


pelo Conselho Monet‡rio Nacional (CMN), mediante proposta do Ministro da
Fazenda.

GABARITO: INCORRETA

21. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2014/

Com refer•ncia ˆs fun•›es do BCB, julgue o item subsequente.

As opera•›es de arrendamento mercantil, por n‹o serem opera•›es de crŽdito,


n‹o fazem parte do escopo de fiscaliza•‹o do BCB.

21. Quest‹o direta.

O arrendamento mercantil, denomina•‹o brasileira para o ÒleasingÓ, Ž em que as


partes s‹o denominadas ÒarrendadorÓ (banco ou sociedade de arrendamento
mercantil) e Òarrendat‡rioÓ (cliente). O arrendador adquire o bem escolhido pelo
arrendat‡rio, e este o utiliza durante o contrato, mediante o pagamento de uma
contrapresta•‹o.

O arrendador Ž, portanto, o propriet‡rio do bem, sendo que a posse e o usufruto,


durante a vig•ncia do contrato, s‹o do arrendat‡rio. A opera•‹o de
arrendamento mercantil assemelha-se a um contrato de aluguel, e pode prever

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 27 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

ou n‹o a op•‹o de compra, pelo arrendat‡rio, do bem de propriedade do


arrendador.

As normas referentes a esta opera•‹o est‹o definidas na Resolu•‹o CMN 2.309.


em seu art. 2o. informa que fica o Banco Central do Brasil autorizado a adotar as
medidas e baixar as normas julgadas necess‡rias à execu•‹o do disposto nesta
Resolu•‹o.

Ou seja, as opera•›es de arrendamento mercantil, fazem parte do escopo de


fiscaliza•‹o do BCB.

GABARITO: ERRADO

22. CESPE - Analista do Banco Central do Brasil/çrea 4 - Contabilidade e


Finan•as/2013/

Com rela•‹o ˆ regulamenta•‹o da resolu•‹o banc‡ria no Brasil, julgue o item


subsequente.

A diretoria do BACEN, em certas situa•›es, pode afastar os dirigentes de


institui•›es supervisionadas de suas fun•›es e impedi-los de atuar como prepostos
de administradores nessas institui•›es.

22. O Bacen Ž entidade supervisora do Sistema Financeiro Nacional e, como tal,


pode fiscalizar, avaliar e impor penalidades administrativas ˆs entidades e pessoas
supervisionadas.

Uma das penalidades previstas Ž o afastamento de dirigentes de institui•›es


supervisionadas de suas fun•›es e impedimento da atua•‹o como prepostos de
administradores nessas institui•›es.

Esta medida pode ser tomada no ‰mbito de processo administrativo destinado ˆ


aplica•‹o de san•›es e puni•›es a institui•›es financeiras e administradores, por
infra•‹o a normas reguladoras da atividade.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 28 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

O Banco Central pode determinar, em car‡ter cautelar, o afastamento dos


indiciados enquanto perdurar a apura•‹o de suas responsabilidades, impedir que
os indiciados assumam quaisquer cargos de dire•‹o ou administra•‹o de
institui•›es financeiras ou atuem como prepostos ou mandat‡rios de
administradores e, ainda, impor restri•›es e limites ˆs atividades da institui•‹o
financeira autuada.

As medidas cautelares corrigem antiga distor•‹o pela qual, enquanto n‹o


conclu’do o processo administrativo em algumas situa•›es, os envolvidos
permaneciam atuando livremente no mercado e praticando os mesmos atos
pelos quais foram indiciados.

GABARITO: CERTO

23. CESPE - Analista do Banco Central do Brasil/çrea 1 - An‡lise e Desenvolvimento


de Sistemas/2013/

Acerca do Sistema Financeiro Nacional e do Sistema de Pagamentos Brasileiro


(SPB), julgue o item subsecutivo.

Entre as fun•›es do BACEN, o monop—lio de emiss‹o envolve o meio circulante e


destina-se a satisfazer a demanda de dinheiro necess‡ria para atender ˆ
atividade econ™mica. Nesse sentido, a emiss‹o de moeda ocorre quando a Casa
da Moeda do Brasil entrega papel-moeda para o BACEN.

23. O Banco Central detŽm o monop—lio das emiss›es de papel-moeda e moeda


met‡lica. O CMN estabelece os limite e diretrizes para a emiss‹o, mas quem emite
os ÒReaisÓ Ž o Banco Central.

A moeda Ž algo necess‡rio e sua import‰ncia, intuitiva. Todas as transa•›es


econ™micas realizadas no Pa’s s‹o liquidadas em moeda. Quando compramos ou
vendemos bens e servi•os utilizamos moeda para pagar/receber estes bens.

No entanto, a emiss‹o de moeda n‹o ocorre quando a Casa da Moeda do Brasil


entrega papel-moeda para o BACEN.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 29 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Estes valores entregues ao Bacen passam a constar em seu balan•o. Todavia, a


emiss‹o de moeda ocorre quando estes valores s‹o colocados para utiliza•‹o
junto ao pœblico (setor privado + setor pœblico).

Por exemplo, quando o Bacen compra t’tulos pœblicos em posse do setor privado,
pagando com moeda, ele est‡ colocando a moeda em circula•‹o, o que resulta
no aumento da oferta monet‡ria.

GABARITO: ERRADO

24. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2010/RJ e SP

Ao exercer as suas atribui•›es, o BACEN cumpre fun•›es de compet•ncia


privativa. A respeito dessas fun•›es, julgue os itens subsequentes.

I Ao realizar as opera•›es de redesconto ˆs institui•›es financeiras, o BACEN


cumpre a fun•‹o de banco dos bancos.

II Ao emitir meio circulante, o BACEN cumpre a fun•‹o de banco emissor.

III Ao ser o deposit‡rio das reservas oficiais e ouro, o BACEN cumpre a fun•‹o de
banqueiro do governo.

IV Ao autorizar o funcionamento, estabelecendo a din‰mica operacional, de todas


as institui•›es financeiras, o BACEN cumpre a fun•‹o de gestor do Sistema
Financeiro Nacional.

V Ao determinar, por meio do Comit• de Pol’tica Monet‡ria (COPOM), a taxa de


juros de refer•ncia para as opera•›es de um dia (taxa SELIC), o BACEN cumpre a
fun•‹o de executor da pol’tica fiscal.

Est‹o certos apenas os itens

a) I, II, III e IV.

b) I, II, III e V.

c) I, II, IV e V.

d) I, III, IV e V.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 30 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

e) II, III, IV e V.

24. O Banco Central do Brasil (Bacen) Ž entidade supervisora do Sistema Financeiro


Nacional, segue as diretrizes do Conselho Monet‡rio Nacional e supervisiona as
entidades financeiras captadoras (ou n‹o) de dep—sitos ˆ vista, bancos de
c‰mbio e demais institui•›es financeiras intermedi‡rias.

Evidentemente, s‹o muitas fun•›es!

Seguem todas de forma resumida:

i. Emiss‹o de Moeda e execu•‹o dos servi•os de meio circulante.

ii. Formula•‹o, execu•‹o, e acompanhamento das pol’ticas cambial, monet‡ria e


credit’cia.

iii. Formula•‹o, execu•‹o e acompanhamento da pol’tica de rela•›es financeiras


com o exterior.

iv. Recebimento de dep—sitos compuls—rios e volunt‡rios dos bancos comerciais e


concess‹o de crŽdito a eles.

v. Deposit‡rio das reservas internacionais do Pa’s.

Agora, vejamos os itens:

I - O redesconto Ž opera•‹o de crŽdito ˆs institui•›es financeiras, de forma que


est‡ compreendido na fun•‹o de Banco dos Bancos do Bacen

II - Sim! Uma das fun•›es do Bacen Ž exercer a pol’tica monet‡ria, aumentando,


ou diminuindo, as quantidade de moeda em circula•‹o. Esta Ž a fun•‹o de
banco emissor do Bacen

III - Esta fun•‹o tambŽm faz parte das caracter’sticas do Bacen. As reservas
internacionais que o pais possui s‹o obtidas atravŽs de saldos no Balan•o de
Pagamentos. Ao deposit‡-las o Bacen efetua a guarda de recursos internacionais
do pa’s, pelo que esta Ž fun•‹o de banqueiro do governo.

IV - ƒ outra fun•‹o por excel•ncia do Bacen. Como Ž considerado institui•‹o


supervisora do mercado financeiro, cumpre a fun•‹o de gestor do Sistema
Financeiro Nacional.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 31 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

V - Item totalmente incorreto. Primeiramente, o COPOM determina a META da Taxa


Selic. A Taxa Selic efetiva (obtida diariamente, mas expressa em termos anuais), Ž
resultado das negocia•›es com t’tulos pœblicos federais realizadas no mercado
monet‡rio. Adicionalmente, a Taxa Selic Ž fun•‹o da pol’tica monet‡ria, e n‹o
fiscal.

GABARITO: LETRA A

25. CESPE - Analista Legislativo (CAM DEP)/çrea VII/Consultor Legislativo/2014/

No que se refere ˆ estrutura, ˆ regula•‹o e ˆ fiscaliza•‹o do Sistema Financeiro


Nacional, bem como ˆ sua evolu•‹o recente, julgue o item a seguir.

Compete ao Conselho Monet‡rio Nacional estabelecer as diretrizes de aplica•‹o


dos recursos garantidores dos planos administrados pelas entidades fechadas de
previd•ncia complementar.

25. Quest‹o interessante, pois a resposta n‹o Ž ÒintuitivaÓ.

Como definido em quest›es anteriores, a entidade normativa do mercado de


previd•ncia complementar Ž o Conselho Nacional de Previd•ncia Complementar
(CNPC). Desta forma, acabamos por automaticamente relacionar as normas
gerais deste mercado como emitidas pelo CNPC.

Mas, n‹o Ž o caso as diretrizes de aplica•‹o dos recursos garantidores dos planos
administrados pelas entidades fechadas de previd•ncia complementar. Estas
diretrizes s‹o emitidas pelo CMN.

O art. 9o. da Lei Complementar 109/2001 estabelece que:

Art. 9o As entidades de previd•ncia complementar constituir‹o


reservas tŽcnicas, provis›es e fundos, de conformidade com os
critŽrios e normas fixados pelo —rg‹o regulador e fiscalizador.

¤ 1o A aplica•‹o dos recursos correspondentes ˆs reservas, ˆs


provis›es e aos fundos de que trata o caput ser‡ feita conforme
diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monet‡rio Nacional.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 32 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Ou seja, as normas referentes ˆ constitui•‹o de reservas tŽcnicas, provis›es e


fundos das entidades de previd•ncia complementar ser‹o fixadas pelo —rg‹o
regulador e fiscalizador deste mercado. N‹o obstante, a aplica•‹o destes recursos
Ž regulamentada pelo CMN.

GABARITO: CERTO

26. CESPE - Analista do Banco Central do Brasil/çrea 1 - An‡lise e Desenvolvimento


de Sistemas/2013/

Acerca do Sistema Financeiro Nacional e do Sistema de Pagamentos Brasileiro


(SPB), julgue o item subsecutivo.

Em conformidade com a lei que o instituiu, o Conselho Monet‡rio Nacional ser‡


presidido pelo ministro da Fazenda, e as suas delibera•›es ter‹o de ocorrer por
maioria de votos, com a presen•a de, no m’nimo, seis membros, cabendo ao
presidente o voto de qualidade.

26. A quest‹o contŽm uma gigante impropriedade, que motivou sua anula•‹o.

Segundo a Lei que o instituiu (Lei 4.595/64), o Conselho Monet‡rio Nacional ser‡
presidido pelo ministro da Fazenda, e as suas delibera•›es ter‹o de ocorrer por
maioria de votos, com a presen•a de, no m’nimo, seis membros, cabendo ao
presidente tambŽm o voto de qualidade.

A presen•a do termo "tambŽm" modifica o sentido da quest‹o, pois permite ao


Presidente deliberar de maneira comum, e tambŽm deliberar com qualidade, ou
seja, desempatar vota•›es. Neste sentido, a quest‹o estaria incorreta.

No entanto, este dispositivo da Lei foi revogado por outro da Lei 9.069/95, que
modificou a composi•‹o do CMN.

Desta forma, o Cespe optou pela anula•‹o. Afinal, seria uma impropriedade
solicitar um conceito de um dispositivo j‡ revogado, em desuso.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 33 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

A saber, atualmente o CMN Ž composto pelo (i) Ministro da Fazenda, como


Presidente do Conselho, (ii) Ministro do Planejamento, Or•amento e Gest‹o e (iii)
Presidente do Banco Central do Brasil, ou seja, apenas 3 membros.

GABARITO: ANULADO

27. CESPE - Procurador Federal/2013/

Texto para o item

Carnes da Plan’cie S.A. processa e vende carnes congeladas no Brasil, onde


detŽm 60% do mercado relevante de su’nos congelados, e tambŽm exporta esses
produtos para diferentes pa’ses. N‹o obstante ela ser companhia s—lida e com
a•›es vendidas em bolsa de valores, Paulino dos Santos e Alice Nova, como seus
administradores e acionistas, resolveram duplicar o faturamento da sociedade,
negociando a compra e venda de d—lares no mercado de c‰mbio futuro. Apesar
de inexistir autoriza•‹o nos estatutos da sociedade para tal, assim o fizeram sem
consultar os demais —rg‹os da companhia e os agentes reguladores competentes.
Ocorre que a cota•‹o do d—lar os surpreendeu, levando a que a situa•‹o
financeira da Carnes da Plan’cie S.A. beirasse a insolv•ncia.

A respeito da situa•‹o hipotŽtica descrita no texto e de aspectos a ela


correlacionados, julgue o item que se segue ˆ luz da lei a ele aplic‡vel.

Cabe ao Conselho Monet‡rio Nacional fixar as diretrizes e normas da pol’tica


cambial, inclusive quanto a opera•›es em moeda estrangeira, embora ele possa
conceder ao Banco Central do Brasil o monop—lio das opera•›es de c‰mbio.

27. O Conselho Monet‡rio Nacional tem a finalidade de formular a pol’tica da


moeda e do crŽdito, objetivando o progresso econ™mico e social do Pa’s.

Neste contexto, cabe ao CMN fixar as diretrizes e normas da pol’tica cambial,


inclusive quanto a compra e venda de ouro e quaisquer opera•›es em Direitos
Especiais de Saque e em moeda estrangeira.

Mas, como bem observa a quest‹o, o CMN pode outorgar ao Banco Central do
Brasil o monop—lio das opera•›es de c‰mbio t‹o somente quando ocorrer grave

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 34 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

desequil’brio no balan•o de pagamentos ou houver sŽrias raz›es para prever a


imin•ncia de tal situa•‹o.

Ou seja, a possibilidade de outorga das opera•›es no mercado de c‰mbio ao


Bacen Ž poss’vel , desde que atendidas as condi•›es acima grifadas.

Como a quest‹o afirma ser poss’vel a concess‹o, ela est‡ correta.

GABARITO: CERTO

28. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Tecnologia da Informa•‹o/2010/RJ e SP

As atribui•›es do CMN e da CVM incluem

a) assegurar o funcionamento eficiente e regular do mercado financeiro.

b) estimular a forma•‹o de poupan•as e a sua aplica•‹o em valores mobili‡rios.

c) promover a expans‹o e o funcionamento eficiente e regular do mercado


imobili‡rio.

d) fiscalizar as aplica•›es permanentes em a•›es do capital social de


companhias fechadas.

e) proteger os titulares de contas-correntes com valores acima de 5 mil reais.

28. S‹o muitas as atribui•›es do CMN, sendo que procuram atender aos seguintes
princ’pios:

¥ Adaptar o volume dos meios de pagamento ‡s reais necessidades da


economia nacional e seu processo de desenvolvimento;

¥ Regular o valor interno da moeda, para tanto prevenindo ou corrigindo os


surtos inflacion‡rios ou deflacion‡rios de origem interna ou externa, as
depress›es econ™micas e outros desequil’brios oriundos de fen™menos
conjunturais;

¥ Regular o valor externo da moeda e o equil’brio no balan•o de pagamento


do Pa’s, tendo em vista a melhor utiliza•‹o dos recursos em moeda
estrangeira;

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 35 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

¥ Orientar a aplica•‹o dos recursos das institui•›es financeiras, quer pœblicas,


quer privadas; tendo em vista propiciar, nas diferentes regi›es do Pa’s,
condi•›es favor‡veis ao desenvolvimento harm™nico da economia
nacional;

¥ Propiciar o aperfei•oamento das institui•›es e dos instrumentos financeiros,


com vistas ˆ maior efici•ncia do sistema de pagamentos e de mobiliza•‹o
de recursos;

¥ Zelar pela liquidez e solv•ncia das institui•›es financeiras;

¥ Coordenar as pol’ticas monet‡ria, credit’cia, or•ament‡ria, fiscal e da d’vida


==0==

pœblica, interna e externa.

No entanto, a Lei 6.385/76, que institui a CVM, estabelece algumas fun•›es a


serem exercidas conjuntamente entre CVM e CMN, com o fim de:

¥ estimular a forma•‹o de poupan•as e a sua aplica•‹o em valores


mobili‡rios;

¥ promover a expans‹o e o funcionamento eficiente e regular do mercado de


a•›es, e estimular as aplica•›es permanentes em a•›es do capital social
de companhias abertas sob controle de capitais privados nacionais;

¥ assegurar o funcionamento eficiente e regular dos mercados da bolsa e de


balc‹o;

¥ proteger os titulares de valores mobili‡rios e os investidores do mercado


contra:

¥ emiss›es irregulares de valores mobili‡rios;

¥ atos ilegais de administradores e acionistas controladores das companhias


abertas, ou de administradores de carteira de valores mobili‡rios.

¥ o uso de informa•‹o relevante n‹o divulgada no mercado de valores


mobili‡rios.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 36 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
AULA 00 Ð PROF. VICENTE CAMILLO
0

¥ evitar ou coibir modalidades de fraude ou manipula•‹o destinadas a criar


condi•›es artificiais de demanda, oferta ou pre•o dos valores mobili‡rios
negociados no mercado;

¥ assegurar o acesso do pœblico a informa•›es sobre os valores mobili‡rios


negociados e as companhias que os tenham emitido;

¥ assegurar a observ‰ncia de pr‡ticas comerciais equitativas no mercado de


valores mobili‡rios;

¥ assegurar a observ‰ncia no mercado, das condi•›es de utiliza•‹o de


crŽdito fixadas pelo Conselho Monet‡rio Nacional.

Assim, verifica-se que estimular a forma•‹o de poupan•a e a sua aplica•‹o em


valores mobili‡rios Ž fun•‹o conjunta das entidades.

GABARITO: LETRA B

29. CESPE - Procurador do Banco Central do Brasil/2013/

O Conselho Monet‡rio Nacional

a) tem compet•ncia para emitir papel-moeda.

b) tem capacidade normativa de conjuntura, sendo suas resolu•›es normas que


vinculam as institui•›es financeiras.

c) tem por fun•‹o a fiscaliza•‹o do mercado de a•›es.

d) funciona como œltima inst‰ncia recursal das decis›es emitidas pelo Conselho de
Recursos do Sistema Financeiro Nacional.

e) Ž —rg‹o do BACEN, formulador da pol’tica econ™mica, monet‡ria, banc‡ria e


credit’cia.

29. O Conselho Monet‡rio Nacional (CMN) possui fun•‹o exclusivamente


normativa, ou seja, atua na fixa•‹o e estabelecimento de diretrizes,
regulamenta•‹o, regula•‹o e disciplina do Sistema Financeiro Nacional.

Com base neste conceito, vejamos as alternativas:

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 37 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

a) Evidente que n‹o, pois o CMN tem compet•ncia normativa, e n‹o de executar
a•›es, tais como a emiss‹o de moeda.

b) Item correto, como afirmado.

c) A fun•‹o de supervis‹o do mercado de a•›es Ž da CVM

d) O Conselho de recursos do Sistema Financeiro Nacional Ž o pr—prio —rg‹o


recursal das decis›es emanadas da CVM e do Bacen.

e) O CMN Ž —rg‹o independente e n‹o faz parte da da estrutura do Bacen.

GABARITO: LETRA B

30. CESPE - Perito Criminal Federal/çrea 1/2013/

Com base em normas e funcionamento do Sistema Financeiro Nacional, julgue o


seguinte item.

O Conselho Monet‡rio Nacional, integrante o Sistema Financeiro Nacional, poder‡


autorizar o BACEN a emitir, anualmente, atŽ 10% dos meios de pagamento
existentes ao final do ano anterior, sem a necessidade de autoriza•‹o do
Congresso Nacional. Acima desse limite, Ž necess‡ria autoriza•‹o prŽvia do
Congresso Nacional, exceto em situa•›es imprevistas e de urg•ncia, que,
entretanto, dever‹o ser homologadas pelo Poder Legislativo.

30. Quest‹o direta, pois trata-se da literalidade de dispositivo presente no art. 4o.
da Lei 4.595/64:

Art. 4¼ Compete ao Conselho Monet‡rio Nacional, segundo diretrizes


estabelecidas pelo Presidente da Repœblica:

I - Autorizar as emiss›es de papel-moeda, as quais ficar‹o na prŽvia


depend•ncia de autoriza•‹o legislativa quando se destinarem ao
financiamento direto pelo Banco Central da Repœblica do Brasil, das
opera•›es de crŽdito com o Tesouro Nacional, nos termos do artigo 49
desta Lei.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 38 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

O Conselho Monet‡rio Nacional pode, ainda, autorizar o Banco


Central da Repœblica do Brasil a emitir, anualmente, atŽ o limite de
10% (dez por cento) dos meios de pagamentos existentes a 31 de
dezembro do ano anterior, para atender as exig•ncias das atividades
produtivas e da circula•‹o da riqueza do Pa’s, devendo, porŽm,
solicitar autoriza•‹o do Poder Legislativo, mediante Mensagem do
Presidente da Repœblica, para as emiss›es que, justificadamente, se
tornarem necess‡rias alŽm daquele limite.

Quando necessidades urgentes e imprevistas para o financiamento


dessas atividades o determinarem, pode o Conselho Monet‡rio
Nacional autorizar as emiss›es que se fizerem indispens‡veis,
solicitando imediatamente, atravŽs de Mensagem do Presidente da
Repœblica, homologa•‹o do Poder Legislativo (...)

GABARITO: CERTO

31. CESPE - Especialista (FUNPRESP)/Investimentos/2016

Julgue o item a seguir, relativo ao Sistema Financeiro Nacional (SFN) e ao mercado


de valores mobili‡rios.

O Conselho Nacional de Previd•ncia Complementar (CNPC) trata de planos de


aposentadoria, de poupan•a ou de pens‹o para funcion‡rios de empresas,
servidores pœblicos e integrantes de associa•›es ou de entidades de classe.

31. Compete ao CNPC regulamentar o regime de previd•ncia complementar


operado pelas entidades fechadas de previd•ncia complementar.

Ocorre que dentre as atividades praticadas pelas entidades fechadas de


previd•ncia complementar est‹o a operacionaliza•‹o de planos de
aposentadoria, de poupan•a ou de pens‹o para funcion‡rios de empresas,
servidores pœblicos e integrantes de associa•›es ou de entidades de classe.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 39 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

A quest‹o poderia ter sido um pouco mais especifica, substituindo o termo ÒtrataÓ,
que Ž demasiado genŽrico, pelo termo ÒregulamentaÓ. Mas, n‹o foi esta a op•‹o
do CESPE.

GABARITO: CERTO

32. CESPE - Analista Legislativo (CAM DEP)/çrea VII/Consultor Legislativo/2014/

No que se refere ˆ estrutura, ˆ regula•‹o e ˆ fiscaliza•‹o do Sistema Financeiro


Nacional, bem como ˆ sua evolu•‹o recente, julgue o item a seguir.

O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, institu’do no ‰mbito do


Plano Real, passou a deter a compet•ncia, antes atribu’da ao Conselho Monet‡rio
Nacional, para julgar recursos contra decis›es do Banco Central do Brasil, relativas
ˆ aplica•‹o de penalidades por infra•›es ˆ legisla•‹o cambial, de capitais
estrangeiros e de crŽdito rural e industrial.

32. Quest‹o com ÒpegadinhaÓ.

O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, que tem por finalidade


julgar, em œltima inst‰ncia administrativa, os recursos contra as san•›es aplicadas
pelo BACEN e CVM e, nos processos de lavagem de dinheiro, as san•›es
aplicadas pelo COAF e demais autoridades competentes, foi institu’do atravŽs do
Decreto n¼ 91.152, de 15 de mar•o de 1985. Ou seja, antes do Plano Real. Este Ž o
erro da quest‹o.

Os demais termos est‹o corretos e baseados no art. 81 da Lei 9.069/95 (Lei do


Plano Real):

Art. 81. Fica transferida para o Conselho de Recursos do Sistema


Financeiro Nacional, criado pelo Decreto n¼ 91.152, de 15 de mar•o
de 1985, a compet•ncia do Conselho Monet‡rio Nacional para julgar
recursos contra decis›es do Banco Central do Brasil, relativas ˆ
aplica•‹o de penalidades por infra•›es ˆ legisla•‹o cambial, de
capitais estrangeiros e de crŽdito rural e industrial.

GABARITO: ERRADO

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 40 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

33. CESPE - Analista do Banco Central do Brasil/çrea 4 - Contabilidade e


Finan•as/2013/

No que se refere ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF),


julgue o item subsequente.

Decis‹o proferida pelo COAF que determine penalidade administrativa poder‡ ser
objeto de recurso, que dever‡ ser endere•ado ao Ministro da Fazenda.

33. A quest‹o apresenta impropriedade, que motivou sua correta anula•‹o.

Segundo a Lei 9.613/98, a decis‹o proferida pelo COAF que determine penalidade
administrativa poder‡ ser objeto de recurso, que dever‡ ser endere•ado ao
Ministro da Fazenda.

Neste aspecto a quest‹o estaria correta.

No entanto, este dispositivo foi revogado tacitamente com o advento do Decreto


7.835/2012, que disp›e que as decis›es proferidas pelo COAF que determine
penalidade administrativa poder‡ ser objeto de recurso do Conselho de Recursos
do Sistema Financeiro Nacional.

Portanto, atualmente, a regra Ž a seguinte: decis‹o do COAF que determine


penalidade administrativa pode ser objeto de recursos ao CRSFN.

GABARITO: ANULADO

34. CESPE - Especialista (FUNPRESP)/Investimentos/2016

Com base nas normas que disp›em sobre o mercado de valores mobili‡rios e a
aplica•‹o dos recursos garantidores, julgue o item seguinte.

Embora a Lei n.¼ 6.385/1976 estabele•a ser prerrogativa da CVM a imposi•‹o de


penalidades aos infratores da lei, cabe ao Conselho Monet‡rio Nacional a
suspens‹o da autoriza•‹o ou do registro para exerc’cio das atividades tratadas na
referida lei.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 41 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

34. A presente fun•‹o (suspens‹o da autoriza•‹o ou do registro para exerc’cio das


atividades tratadas na Lei 6.385/76) Ž compet•ncia da CVM.

O art. 8o., inciso II, da Lei 6.385/76 disp›e que:

Art . 8¼ Compete ˆ Comiss‹o de Valores Mobili‡rios:

(...)

II - administrar os registros institu’dos por esta Lei;

Vamos citar o exemplo da suspens‹o do registro de companhia aberta para


elucidar como, na pr‡tica, a CVM exerce esta fun•‹o.

A companhia possui obriga•›es informacionais junto aos seus investidores e ao


mercado em geral, incluindo o regulador.

Parte destas obriga•›es s‹o as informa•›es peri—dicas que se constituem em


documentos cuja data de entrega Ž definida na regulamenta•‹o do mercado de
capitais. Dentre estes documentos, destacam-se as demonstra•›es financeiras, os
formul‡rios de informa•›es trimestrais (ITR) e o formul‡rio de refer•ncia.

Bom, e a regra a respeito da suspens‹o de registro se refere a n‹o entrega desta


informa•›es:

A Superintend•ncia de Rela•›es com Empresas da CVM deve


suspender o registro de emissor de valores mobili‡rios caso um emissor
descumpra, por per’odo superior a 12 (doze) meses, suas obriga•›es
peri—dicas.

Simples, n‹o Ž? Caso a companhia n‹o entregue informa•›es peri—dicas por


per’odo superior a 12 meses, tem o registro suspenso pela SEP.

Portanto, a compet•ncia Ž da CVM e exercida pela Superintend•ncia de


Rela•›es com Empresas.

GABARITO: ERRADO

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 42 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

35. CESPE - Especialista (FUNPRESP)/Investimentos/2016

Julgue o item a seguir, relativo ao Sistema Financeiro Nacional (SFN) e ao mercado


de valores mobili‡rios.

O Banco Central do Brasil e a Comiss‹o de Valores Mobili‡rios supervisionam as


corretoras e as distribuidoras de t’tulos e valores mobili‡rios, as quais prestam, entre
outros servi•os, consultoria financeira e cust—dia de t’tulos e valores mobili‡rios dos
clientes.

35. A constitui•‹o e o funcionamento de sociedade corretora depende de


autoriza•‹o do Banco Central do Brasil. A sociedade corretora dever‡ ser
constitu’da sob a forma de sociedade an™nima ou por quotas de responsabilidade
limitada.

Adicionalmente, segundo a Lei 6.385/76, as atividades de (i) distribui•‹o de


emiss‹o no mercado; (ii) compra de valores mobili‡rios para revend•-los por conta
pr—pria; media•‹o ou corretagem de opera•›es com valores mobili‡rios; e
compensa•‹o e liquida•‹o de opera•›es com valores mobili‡rios DEPENDEM de
prŽvia autoriza•‹o da CVM.

Nesse sentido, considerando que as SCTVMs realizam parte destas fun•›es, Ž


necess‡ria a autoriza•‹o da CVM para que elas realizem suas atividades no
mercado de valores mobili‡rios.

O mesmo conceito aplica-se ˆs distribuidoras de t’tulos e valores mobili‡rios.

GABARITO: CERTO

36. CESPE - Analista (FUNPRESP)/Investimentos/2016

Acerca do Sistema Financeiro Nacional e dos mercados financeiro e de capitais,


julgue o item subsequente.

O Banco Central do Brasil Ž o —rg‹o respons‡vel por normatizar e fiscalizar o


mercado de valores mobili‡rios no Brasil.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 43 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

37. Quest‹o direta.

O art. 8o. da Lei 6.385/76 tem a resposta:

Art . 8¼ Compete ˆ Comiss‹o de Valores Mobili‡rios:


I - regulamentar, com observ‰ncia da pol’tica definida pelo Conselho
Monet‡rio Nacional, as matŽrias expressamente previstas nesta Lei e
na lei de sociedades por a•›es;
II - administrar os registros institu’dos por esta Lei;
III - fiscalizar permanentemente as atividades e os servi•os do mercado
de valores mobili‡rios, de que trata o Art. 1¼, bem como a veicula•‹o
de informa•›es relativas ao mercado, ˆs pessoas que dele participem,
e aos valores nele negociados;
IV - propor ao Conselho Monet‡rio Nacional a eventual fixa•‹o de
limites m‡ximos de pre•o, comiss›es, emolumentos e quaisquer outras
vantagens cobradas pelos intermedi‡rios do mercado;
V - fiscalizar e inspecionar as companhias abertas dada prioridade ˆs
que n‹o apresentem lucro em balan•o ou ˆs que deixem de pagar o
dividendo m’nimo obrigat—rio.

Ou seja, a normatiza•‹o e fiscaliza•‹o do mercado de valores mobili‡rios Ž


fun•‹o da CVM. Afinal, ela Ž —rg‹o supervisor deste mercado.

GABARITO: ERRADO

37. CESPE - Procurador Federal/2013/

Texto para o item

Carnes da Plan’cie S.A. processa e vende carnes congeladas no Brasil, onde


detŽm 60% do mercado relevante de su’nos congelados, e tambŽm exporta esses
produtos para diferentes pa’ses. N‹o obstante ela ser companhia s—lida e com
a•›es vendidas em bolsa de valores, Paulino dos Santos e Alice Nova, como seus
administradores e acionistas, resolveram duplicar o faturamento da sociedade,
negociando a compra e venda de d—lares no mercado de c‰mbio futuro. Apesar

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 44 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

de inexistir autoriza•‹o nos estatutos da sociedade para tal, assim o fizeram sem
consultar os demais —rg‹os da companhia e os agentes reguladores competentes.
Ocorre que a cota•‹o do d—lar os surpreendeu, levando a que a situa•‹o
financeira da Carnes da Plan’cie S.A. beirasse a insolv•ncia.

A respeito da situa•‹o hipotŽtica descrita no texto e de aspectos a ela


correlacionados, julgue o item que se segue ˆ luz da lei a ele aplic‡vel.

A Companhia de Valores Mobili‡rios tem a atribui•‹o de fiscalizar condutas


empresariais de companhias abertas que atuem de modo semelhante ao
praticado por Carnes da Plan’cie S.A., caso em que dever‡ prevalecer a prote•‹o
ao pœblico investidor e ao mercado de trocas econ™micas.

37. Ë CVM cabe fiscalizar permanentemente as atividades e os servi•os do


mercado de valores mobili‡rios, bem como a veicula•‹o de informa•›es relativas
ao mercado, ˆs pessoas que dele participem, e aos valores nele negociados.

Desta forma, em que pese a empresa ter registro na CVM e a•›es negociadas em
bolsa de valores, n‹o cabe ˆ CVM a atribui•‹o de fiscalizar condutas empresariais
de companhias abertas que atuem de modo semelhante ao praticado por
Carnes da Plan’cie S.A., pois condutas empresarias nem sempre guardam rela•‹o
com as atividades e os servi•os do mercado de valores mobili‡rios.

E o exemplo Ž claro nisso, visto que as opera•›es foram realizadas no mercado de


c‰mbio.

GABARITO: ERRADO

38. CESPE - Perito Criminal Federal/çrea 1/2013/

Com refer•ncia a conceitos e aplica•›es do mercado de capitais, julgue o item


que se segue.

A Comiss‹o de Valores Mobili‡rios tem compet•ncia para apurar e punir condutas


fraudulentas no mercado de valores mobili‡rios, como atos ou omiss›es relevantes
praticados no Brasil ou danos a residentes no Brasil, independentemente do local
de ocorr•ncia dos fatos.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 45 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

38. A Comiss‹o de Valores Mobili‡rios Ž a entidade que supervisiona o mercado


de valores mobili‡rios (mercado de capitais).

Dentre suas atribui•›es, compete ˆ CVM apurar e punir condutas fraudulentas no


mercado de valores mobili‡rios sempre que seus (i) efeitos ocasionem danos a
pessoas residentes no territ—rio nacional, independentemente do local em que
tenham ocorrido e (ii) os atos ou omiss›es relevantes tenham sido praticados em
territ—rio nacional.

Desta forma, ao se verificar condutas fraudulentas no mercado de capitais, a CVM


pode apura-las e puni-las em dois casos:

¥ quando os efeitos causarem danos aos residentes, n‹o importando o local


em que os atos ocorreram.
¥ quando os atos ou omiss›es foram praticados em territ—rio nacional.
GABARITO: CERTO

39. ESAF - Procurador da Fazenda Nacional/2007

Sobre o Sistema Financeiro Nacional, Ž correto afirmar:

a) o sistema financeiro nacional ser‡ regulado por leis complementares que


dispor‹o, inclusive, sobre a participa•‹o do capital estrangeiro nas institui•›es que
o integram.

b) compete ao Conselho Monet‡rio Nacional julgar recursos contra decis›es do


Banco Central do Brasil, relativas ˆ aplica•‹o de penalidades por infra•›es ˆ
legisla•‹o cambial, de capitais estrangeiros e de crŽdito rural e industrial.

c) as infra•›es aos dispositivos da Lei n. 4.595, de 1964, sujeitam as institui•›es


financeiras, seus diretores, membros de conselhos administrativos, fiscais e
semelhantes, mas n‹o os gerentes, ˆs penalidades nela estabelecidas.

d) o Conselho Monet‡rio Nacional Ž integrado pelo Ministro da Fazenda, pelo


Presidente do Banco do Brasil S.A., pelo Presidente do Banco Nacional de
Desenvolvimento Econ™mico e por 7 (sete) membros nomeados pelo Presidente
da Repœblica, ap—s aprova•‹o do Senado Federal.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 46 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

e) a Comiss‹o de Valores Mobili‡rios, no ‰mbito da sua compet•ncia espec’fica,


n‹o integra o sistema financeiro nacional.

39. Comentando os itens:

a) Correto. O item versa sobre a literalidade do disposto no art. 192 da CF/88:

Art. 192. O sistema financeiro nacional, estruturado de forma a


promover o desenvolvimento equilibrado do Pa’s e a servir aos
interesses da coletividade, em todas as partes que o comp›em,
abrangendo as cooperativas de crŽdito, ser‡ regulado por leis
complementares que dispor‹o, inclusive, sobre a participa•‹o do
capital estrangeiro nas institui•›es que o integram.

De fato, o regramento do SFN regramento Ž realizado por Leis Complementares,


dentre as quais destacam-se a Lei 4.595/64 e a Lei 9069/65.

b) Incorreto. O item est‡ baseado no art. 81 da Lei 9.069/95 (Lei do Plano Real):

Art. 81. Fica transferida para o Conselho de Recursos do Sistema


Financeiro Nacional, criado pelo Decreto n¼ 91.152, de 15 de mar•o
de 1985, a compet•ncia do Conselho Monet‡rio Nacional para julgar
recursos contra decis›es do Banco Central do Brasil, relativas ˆ
aplica•‹o de penalidades por infra•›es ˆ legisla•‹o cambial, de
capitais estrangeiros e de crŽdito rural e industrial.

Ou seja, esta compet•ncia Ž atualmente praticada pelo CRSFN.

c) Incorreto. Os gerentes tambŽm est‹o dentre os respons‡veis pelas infra•›es ˆ


Lei 4.595/64. Vejamos o que o art. 44 da referida Lei disp›e:

Art. 44. As infra•›es aos dispositivos desta lei sujeitam as institui•›es


financeiras, seus diretores, membros de conselhos administrativos,
fiscais e semelhantes, e gerentes, ˆs seguintes penalidades, sem
preju’zo de outras estabelecidas na legisla•‹o vigente:

I - Advert•ncia.

II - Multa pecuni‡ria vari‡vel.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 47 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

III - Suspens‹o do exerc’cio de cargos.

IV - Inabilita•‹o tempor‡ria ou permanente para o exerc’cio de


cargos de dire•‹o na administra•‹o ou ger•ncia em institui•›es
financeiras.

V - Cassa•‹o da autoriza•‹o de funcionamento das institui•›es


financeiras pœblicas, exceto as federais, ou privadas.

VI - Deten•‹o, nos termos do ¤ 7¼, deste artigo.

VII - Reclus‹o, nos termos dos artigos 34 e 38, desta lei.

ƒ poss’vel notar que todos os citados, incluindo os gerentes, est‹o passiveis das
penalidades mencionadas, caso infrinjam a Lei 4.595/64.

d) Incorreto. Esta n‹o Ž a composi•‹o do CMN desde a publica•‹o da Lei


9.069/95. De acordo com o art. 8o. da referida Lei:

Art. 8¼ O Conselho Monet‡rio Nacional, criado pela Lei n¼ 4.595, de 31


de dezembro de 1964, passa a ser integrado pelos seguintes membros:

I - Ministro de Estado da Fazenda, na qualidade de Presidente;

II - Ministro de Estado do Planejamento, Or•amento e Gest‹o;

III - Presidente do Banco Central do Brasil.

e) Incorreto. Simples notar o erro deste item. A CVM, alŽm de integrar o SFN, o faz
como entidade supervisora do mercado de capitais.

GABARITO: LETRA A

40. ESAF - Analista do Banco Central do Brasil/Supervis‹o/2002

Com rela•‹o ˆs fun•›es e objetivos do Banco Central do Brasil, avalie as


afirma•›es a seguir e assinale com V as verdadeiras e com F as falsas.

Em seguida, assinale a op•‹o que contŽm a sequ•ncia correta de avalia•›es:

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 48 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

( ) O Banco Central do Brasil cumpre e faz cumprir as normas expedidas pelo


Conselho Monet‡rio Nacional.

( ) O Banco Central do Brasil possui a responsabilidade do financiamento ˆ


atividade agr’cola.

( ) O Banco Central do Brasil Ž o deposit‡rio e administrador das reservas


internacionais do Pa’s.

( ) O Banco Central do Brasil Ž o deposit‡rio e administrador do Fundo de


Garantia por Tempo de Servi•o (FGTS).

a) V, V, F, F

b) V, V, V, F

c) V, F, V, V

d) V, F, V, F

e) V, V, F, V

40. Comentando os itens:

I Ð Verdadeiro. O Bacen, como entidade supervisora do SFN, cumpre as normas


gerais emanadas pelo CMN. A respeito, o item se baseia no art. 9o. da Lei 4.595/64:
Art. 9¼. Compete ao Banco Central da Repœblica do Brasil cumprir e fazer cumprir
as disposi•›es que lhe s‹o atribu’das pela legisla•‹o em vigor e as normas
expedidas pelo Conselho Monet‡rio Nacional.

II Ð Falso. Esta responsabilidade Ž do Banco do Brasil, conforme prevista na Lei


4.595/64:

Art. 19. Ao Banco do Brasil S. A. competir‡ precipuamente, sob a


supervis‹o do Conselho Monet‡rio Nacional e como instrumento de
execu•‹o da pol’tica credit’cia e financeira do Governo Federal:

(...)

X - financiar as atividades industriais e rurais, estas com o


favorecimento referido no art. 4¼, inciso IX, e art. 53, desta lei;

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 49 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

III Ð Verdadeiro. Esta Ž uma das fun•›es do Bacen, isto Ž, ser deposit‡rio E
administrador das reservas internacionais do pa’s. A compet•ncia est‡ prevista no
art. 10, inciso VIII, da Lei 4.595/64:

Art. 10. Compete privativamente ao Banco Central da Repœblica do


Brasil:

(...)

VIII - Ser deposit‡rio das reservas oficiais de ouro e moeda estrangeira


e de Direitos Especiais de Saque e fazer com estas œltimas todas e
quaisquer opera•›es previstas no Conv•nio Constitutivo do Fundo
Monet‡rio Internacional

IV Ð Falso. Esta compet•ncia Ž exercida pela Caixa Econ™mica Federal.

GABARITO: LETRA D

41. ESAF - Inspetor da Comiss‹o de Valores Mobili‡rios/2010

Compete ˆ CVM, como autarquia federal, garantir o funcionamento regular e


eficiente dos mercados de valores mobili‡rios.

Assim deve:

a) aprovar todas e quaisquer negocia•›es com valores mobili‡rios em bolsa.

b) aprovar a abertura das companhias para fins de capta•‹o de poupan•a


popular.

c) regular e fiscalizar comportamentos de investidores no pa’s e no exterior.

d) orientar investidores em suas escolhas para aplica•‹o de recursos.

e) manter acordos com bolsas de valores estrangeiras para a divulga•‹o de


informa•›es.

Comentando os itens:

a) Incorreto. A CVM n‹o possui esta compet•ncia. As normas relativas ˆs


negocia•›es com valores mobili‡rios, em geral, s‹o definidas pelas entidades

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 50 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

administradoras de mercados organizados de valores mobili‡rios. Por exemplo, as


normas de negocia•‹o com valores mobili‡rios executados na Bovespa s‹o de
responsabilidade da BM&FBOVESPA S.A., entidade que administra a bolsa de
valores.

b) Correto. A Banca considerou este item como correto, mas h‡ ressalvas a serem
feitas.

A rigor, a CVM n‹o Òaprova a abertura de companhias para fins de capta•‹o de


poupan•a popularÓ. O que a CVM faz Ž conceder o registro para que as
companhias possam emitir valores mobili‡rios e negocia-los no mercado de
capitais. Neste processo h‡ capta•‹o de recursos. Mas, note: a CVM registras as
companhias, mas n‹o as abre.

A possibilidade de negociar a•›es no mercado de capitais caracteriza a


companhia como sendo aberta. Segundo a Lei das S.A.:

Art. 4¼ Para os efeitos desta Lei, a companhia Ž aberta ou fechada


conforme os valores mobili‡rios de sua emiss‹o estejam ou n‹o admitidos ˆ
negocia•‹o no mercado de valores mobili‡rios.

¤1¼ Somente os valores mobili‡rios de emiss‹o de companhia registrada na


Comiss‹o de Valores Mobili‡rios podem ser negociados no mercado de
valores mobili‡rios.

¤2¼ Nenhuma distribui•‹o pœblica de valores mobili‡rios ser‡ efetivada no


mercado sem prŽvio registro na Comiss‹o de Valores Mobili‡rios.

c) Incorreto. A CVM regula, registra e fiscaliza as opera•›es de investidores n‹o


residentes NO pa’s. Ela n‹o possui esta compet•ncia no exterior.

d) Incorreto. Um dos principais mandatos da CVM Ž a prote•‹o dos investidores,


fato realizado de inœmeras formas. Mas, dentre elas, n‹o est‡ a orienta•‹o da
aplica•‹o de recursos. Esta Ž uma decis‹o individual do investidor e n‹o compete
ˆ CVM defini-la.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 51 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

e) Incorreto. H‡ a possibilidade de manuten•‹o destes acordos, mas n‹o Ž


compet•ncia da CVM. Esta disposi•‹o aplica-se ˆs entidades administradoras de
mercados organizados.

GABARITO: LETRA B

42. ESAF - Analista da Comiss‹o de Valores Mobili‡rios/Arquivologia/2010

Ao desempenhar a fun•‹o de amicus curiae, a presen•a da CVM em


procedimentos judiciais:

a) assume posi•‹o de parte ao defender os argumentos de um dos litigantes.

b) oferece ao magistrado parecer fundamentado que suporte sua decis‹o.

c) oferece ao julgador informa•›es a respeito da lei aplic‡vel ao caso.

d) atua para defender o regular funcionamento do mercado de valores


mobili‡rios.

e) exerce compet•ncia residual.

42. Quando solicitada, a CVM pode atuar em qualquer processo judicial que
envolva o mercado de valores mobili‡rios, oferecendo provas ou juntando
pareceres. Nesses casos, a CVM atua como "amicus curiae" assessorando a
decis‹o da Justi•a.

A defini•‹o legal do assunto est‡ no artigo 31 da Lei n¼ 6385/76, a lei que criou a
CVM: nos processos judiciais que tenham por objetivo matŽria inclu’da na
compet•ncia da CVM, ser‡ esta sempre intimada para, querendo, oferecer
parecer ou prestar esclarecimentos.

Com base nestes conceitos, vejamos as alternativas:

a) A fun•‹o de amigo da corte coloca a CVM na fun•‹o de prestar


esclarecimentos, e n‹o defender uma das partes.

b) A CVM n‹o oferece parecer fundamento que suporte a decis‹o do


magistrado, pois ela deve fornecer parecer que sirva de instrumento para

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 52 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

instruir/auxiliar a decis‹o do magistrado. Ou seja, o parecer da CVM vem antes da


decis‹o do magistrado.

c) O erro do item est‡ em limitar a esta defini•‹o a fun•‹o de amigo da corte da


CVM. Mesmo que ofere•a ao julgador informa•›es a respeito da lei aplic‡vel ao
caso, a fun•‹o n‹o se limita a apenas isto, pois ela tambŽm oferece provas e/ou
junta pareceres.

d) Como vimos, esta n‹o Ž a fun•‹o de amigo da corte. Esta Ž a fun•‹o que a
CVM exerce perante o mercado.

e) Em nada relacionado com o assunto.

Desta forma, n‹o h‡ alternativa correta.

GABARITO: ANULADO

43. ESAF - Analista da Comiss‹o de Valores Mobili‡rios/Arquivologia/2010

A compet•ncia da CVM no mercado de derivativos se faz:

a) mediante regula•‹o espec’fica para contratos celebrados fora das bolsas.

b) mediante fiscaliza•‹o das institui•›es banc‡rias que operam derivativos.

c) em conjunto com as bolsas em que s‹o negociados.

d) mediante aprova•‹o de modelos negociais cogentes.

e) quando haja especula•‹o de que resultem perdas para as companhias.

43. Derivativos s‹o contratos que derivam a maior parte de seu valor de um ativo
subjacente (ativo original), taxa de refer•ncia ou ’ndice. O ativo subjacente pode
ser f’sico (cafŽ, ouro, etc.) ou financeiro (a•›es, taxas de juros, etc.), negociado no
mercado ˆ vista ou n‹o (Ž poss’vel construir um derivativo sobre outro derivativo).

Os derivativos, em geral, s‹o negociados sob a forma de contratos padronizados,


isto Ž, previamente especificados (quantidade, qualidade, prazo de liquida•‹o e
forma de cota•‹o do ativo-objeto sobre os quais se efetuam as negocia•›es), em
mercados organizados, com o fim de proporcionar, aos agentes econ™micos,

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 53 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

oportunidades para a realiza•‹o de opera•›es que viabilizem a transfer•ncia de


risco das flutua•›es de pre•os de ativos e de vari‡veis macroecon™micas.

E, Ž neste ponto que entra a fun•‹o conjunta da CVM com as bolsas em que s‹o
negociados. A Lei 6.385/76 disp›e que Ž condi•‹o de validade dos contratos
derivativos o registro em c‰maras ou prestadores de servi•o de compensa•‹o, de
liquida•‹o e de registro autorizados pelo Banco Central do Brasil ou pela Comiss‹o
de Valores Mobili‡rios.

Ou seja, cabe aos mercados organizados que negociam contratos derivativos o


registro e a padroniza•‹o dos mesmos. Assim, entende-se que a CVM estabelece
o normativo sobre o tema, mas a padroniza•‹o dos contratos cabe ao mercado
em que s‹o negociados.

Portanto, a compet•ncia da CVM no mercado de derivativos se faz em conjunto


com as bolsas em que s‹o negociados.

GABARITO: LETRA C

44. ESAF - Agente Executivo da CVM/2010

Dadas as normas vigentes no Brasil, pode-se afirmar que:

a) a compet•ncia da CVM exclui a das Bolsas.

b) a compet•ncia da CVM decorre, nos mercados sobre os quais atua, do objeto


das opera•›es celebradas.

c) no mercado de derivativos cambiais, a regula•‹o da CVM exclui a


compet•ncia do Banco Central do Brasil.

d) a compet•ncia da CVM concorre com a da SUSEP na fiscaliza•‹o das


opera•›es de seguro de responsabilidade civil garantidoras da gest‹o de
administradores de companhias abertas.

e) a reorganiza•‹o societ‡ria de companhias abertas afasta a compet•ncia da


CVM no que diz respeito a opera•›es de cess‹o de controle.

44. Vejamos as alternativas:

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 54 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

a) A compet•ncia da CVM sobre o mercado de capitais n‹o exclui a


compet•ncia das bolsas de valores, pois estas podem regular os mercados que
administram, ou seja, praticar a chamada autorregula•‹o.

b) Item um pouco confuso, que afirma que a compet•ncia da CVM decorre do


objeto das opera•›es celebradas. Sabendo que a CVM supervisiona o mercado
de valores mobili‡rios, Ž poss’vel inferir que ela exerce supervis‹o nos neg—cios
com valores mobili‡rios realizados. Ou seja, havendo negocia•‹o de valores
mobili‡rios, cabe ˆ CVM a supervis‹o. Item correto.

c) A supervis‹o do mercado de c‰mbio Ž compet•ncia do BACEN. Por analogia,


cabe ao Bacen a supervis‹o de alguns aspectos do mercado de derivativos de
c‰mbio.

d) O citado seguro garante ao segurado o reembolso das indeniza•›es pagas a


terceiros como repara•‹o de Danos Materiais e/ou Corporais sofridos
acidentalmente em decorr•ncia da exist•ncia e/ou opera•‹o da Empresa
Segurada e em consequ•ncia dos riscos cobertos pela ap—lice. Assim, caso a CVM
aplique alguma multa ao administrador de companhia aberta, o ™nus recai sobre
o seguro. A supervis‹o deste produto Ž feita pela SUSEP.

e) Incorreto, pois a CVM supervisiona este tipo de opera•‹o.

GABARITO: LETRA B

45. ESAF - Analista TŽcnico da SUSEP/Controle e Fiscaliza•‹o/2010

Compete ˆ SUSEP impor ˆs seguradoras penas administrativas, conforme a


gravidade da infra•‹o.

Dessa forma, se a seguradora que opere carteira sem a devida autoriza•‹o fica
sujeita a pena de:

a) advert•ncia.

b) multa; suspens‹o tempor‡ria do exerc’cio da atividade.

c) proibi•‹o de fazer resseguro.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 55 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

d) cassa•‹o da autoriza•‹o para funcionar.

e) proibi•‹o de distribuir lucros.

45. As Sociedades Seguradoras ou de Capitaliza•‹o, seus Diretores,


administradores, gerentes e fiscais, est‹o sujeitos no ‰mbito da SUSEP, ˆs seguintes
penalidades, sem preju’zo de outras previstas ou que venham a ser previstas em
leis ou regulamentos espec’ficos:

a) advert•ncia;

b) multa pecuni‡ria;

c) suspens‹o do exerc’cio de cargo;

d) inabilita•‹o tempor‡ria ou permanente para o exerc’cio de cargo de dire•‹o;

e) suspens‹o de autoriza•‹o em cada ramo isolado;

f) cassa•‹o de carta-patente.

A seguradora que opere carteira sem a devida autoriza•‹o, no Brasil ou no


exterior, fica sujeita a pena de cassa•‹o da autoriza•‹o para funcionar.

GABARITO: LETRA D

46. CESGRANRIO - Escritur‡rio (BB)/"Sem çrea"/2015/2


De acordo com a Figura abaixo, observa-se que o mercado financeiro est‡
basicamente segmentado em quatro grandes mercados: mercado monet‡rio,
mercado de crŽdito, mercado de c‰mbio e mercado de capitais.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 56 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Caracteriza um mercado de capitais ser o


a) mercado em que s‹o negociadas as trocas de moedas estrangeiras por moeda
nacional, participando desse mercado todos os agentes econ™micos que realizam
transa•›es com o exterior, ou seja, t•m recebimentos ou pagamentos a realizar
em moeda estrangeira.
b) segmento do mercado financeiro em que s‹o criadas as condi•›es para que
as empresas captem recursos diretamente dos investidores, atravŽs da emiss‹o de
instrumentos financeiros (a•›es, deb•ntures, b™nus de subscri•‹o, etc), com o
objetivo principal de financiar suas atividades ou viabilizar projetos de
investimentos.
c) mercado utilizado basicamente para controle da liquidez da economia, no qual
o Banco Central intervŽm para condu•‹o da Pol’tica Monet‡ria.
d) mercado para realiza•‹o, registro e negocia•‹o de determinados instrumentos
financeiros, basicamente divididos em quatro produtos, como: mercado a termo,
mercado futuro, op•›es e swaps, com a finalidade de prote•‹o, eleva•‹o de
rentabilidade (alavancagem), especula•‹o e arbitragem.
e) segmento do mercado financeiro em que as institui•›es financeiras captam
recursos dos agentes superavit‡rios e os emprestam ˆs fam’lias ou empresas, sendo
remuneradas pela diferen•a entre seu custo de capta•‹o e o que cobram dos
tomadores.

O mercado de capitais Ž o respons‡vel pela intermedia•‹o de recursos


destinados ao financiamento dos investimentos de longo prazo.

Nele, n‹o h‡ a figura ÒcentralÓ que promove a intermedia•‹o de recursos entre


agentes da economia, pois o dinheiro e os t’tulos negociados circulam
diretamente entre as partes. Aqui, a fun•‹o dos intermedi‡rios (institui•›es
financeiras auxiliares) Ž prestar servi•os com a finalidade de promover efici•ncia
nesta circula•‹o de recursos.

Abaixo, o esquema com a ideia:

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 57 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Como Ž poss’vel notar, os recursos circulam diretamente entre superavit‡rios e


deficit‡rios, que assumem grande parte dos riscos envolvidos, e os prestadores de
servi•os s‹o remunerados pelo auxilio que prestam na efici•ncia destas
transa•›es, motivo que os denominam como institui•›es auxiliares.

GABARITO: LETRA B

47. CESGRANRIO - TŽcnico Cient’fico (BAMAN)/Tecnologia da Informa•‹o/An‡lise


de Sistemas/2014/
Atualmente, o Sistema Financeiro Nacional Ž composto por —rg‹os normativos,
entidades supervisoras e por operadores. Um dos —rg‹os normativos que comp›e
o Sistema Financeiro Nacional Ž o(a)
a) Banco Nacional de Desenvolvimento Econ™mico e Social - BNDES
b) Banco Comercial
c) Conselho Monet‡rio Nacional
d) Bolsa de Valores
e) Superintend•ncia de Seguros Privados Ð SUSEP

As institui•›es que fazem parte do SFN s‹o:

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 58 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Esta Ž a divis‹o do SFN proposta pelo Banco Central e apresentada no s’tio


eletr™nico da pr—pria entidade. Resumidamente, as entidades pertencentes ao
SFN est‹o divididas entre —rg‹os normativos, entidades supervisoras e operadores:

¥ îrg‹os Normativos Ð Constitu’dos por institui•›es que estabelecem as


diretrizes e normativas gerais do SFN. A principal entidade Ž o Conselho Monet‡rio
Nacional.

¥ Entidades Supervisoras Ð Enquanto os —rg‹os normativos estabelecem as


diretrizes, as entidades supervisoras regulam e fiscalizam as atividades das
entidades que pretende regular. Podem, inclusive, aplicar multas e demais
san•›es ˆs entidades que n‹o atendem aos determinantes regulamentares.

ƒ importante frisar que mesmo que chamadas de ÒsupervisorasÓ, estas entidades


tambŽm elaboram normas (regulamentam) nos mercados que supervisionam. Por

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 59 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

exemplo: a CVM Ž entidade supervisora do ponto de vista do SFN, mas, por


regulamentar o mercado de capitais, tambŽm pode ser entendida como
entidade normativa em rela•‹o ao mercado de capitais.

O modo como s‹o classificadas depende do referencial (se do ponto de vista do


SFN, ou do ponto de vista do mercado em que atuam), ou da vis‹o do autor.

¥ Operadores Ð Todas as demais entidades que fazem parte do SFN e


participam da intermedia•‹o financeira.

Dentre as institui•›es citadas pela quest‹o, o CMN Ž a œnica entidade normativa.

A capacidade normativa do CMN est‡ estabelecida no art. 2o da Lei 4595/64: Art.


2¼ Fica extinto o Conselho da atual Superintend•ncia da Moeda e do CrŽdito, e
criado em substitui•‹o, o Conselho Monet‡rio Nacional, com a finalidade de
formular a pol’tica da moeda e do crŽdito como previsto nesta lei, objetivando o
progresso econ™mico e social do Pa’s.

GABARITO: LETRA C

48. CESGRANRIO - TŽcnico Administrativo (BNDES)/2013/


A Lei no 4.595, de 31/12/1964, disp›e sobre a pol’tica e as institui•›es monet‡rias,
banc‡rias e credit’cias e d‡ outras provid•ncias.
Ë luz dessa Lei, considere as afirmativas abaixo sobre as institui•›es financeiras.
I - As institui•›es financeiras somente poder‹o atuar no Pa’s mediante autoriza•‹o
prŽvia do Banco Central do Brasil (Bacen) ou por decreto do Poder Executivo,
quando forem estrangeiras.
II - As pessoas f’sicas que exer•am, de forma permanente ou eventual, quaisquer
das atividades atribu’das ˆs institui•›es financeiras n‹o se equiparam a elas.
III - Institui•›es financeiras s‹o pessoas jur’dicas pœblicas ou privadas, cujas
atividades principais ou acess—rias s‹o a coleta, intermedia•‹o ou aplica•‹o de
recursos fi nanceiros pr—prios ou de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira,
e a cust—dia de valor de propriedade de terceiros.
IV - As institui•›es financeiras ter‹o as condi•›es de concorr•ncia reguladas pelo
Bacen, que lhes coibir‡ os abusos com aplica•‹o de pena nos termos da lei.
Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 60 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

ƒ correto o que se afirma em


a) I e II, apenas
b) III e IV, apenas
c) I, II e IV, apenas
d) I, III e IV, apenas
e) I, II, III e IV

48. Vejamos os itens ˆ luz da citada Lei.


I - Item correto e autoexplicativo. As institui•›es financeiras, quando de capital
nacional, podem atuar no Pa’s mediante autoriza•‹o do Bacen. Quando
estrangeiras, mediante decreto do Poder Executivo. Item correto
II - Para fins da Lei, as pessoas f’sicas que exer•am, de forma permanente ou
eventual, quaisquer das atividades atribu’das ˆs institui•›es financeiras se
equiparam a elas. Item incorreto.
III - Esta Ž a correta defini•‹o de institui•‹o financeira: pessoas jur’dicas pœblicas ou
privadas, cujas atividades principais ou acess—rias s‹o a coleta, intermedia•‹o ou
aplica•‹o de recursos financeiros pr—prios ou de terceiros, em moeda nacional ou
estrangeira, e a cust—dia de valor de propriedade de terceiros. Item Correto.
IV - Esta Ž a disposi•‹o que coloca o Bacen como entidade supervisora do sistema
financeiro nacional, pois permite a ele regular a concorr•ncia do mercado e coibir
os abusos com aplica•‹o de pena nos termos da lei. Item correto
GABARITO: LETRA D

49. CESGRANRIO - TŽcnico Administrativo (BNDES)/2013/


O Sistema Financeiro Nacional (SFN), estruturado e regulado pela Lei no 4.595, de
31/12/1964, Ž composto por algumas institui•›es.
NÌO faz(em) parte do SFN o(a)
a) Banco Central do Brasil (Bacen)
b) Conselho Monet‡rio Nacional (CMN)
c) Banco Nacional de Desenvolvimento Econ™mico e Social (BNDES)
d) Banco do Brasil S.A. (BB) e as demais institui•›es financeiras pœblicas e privadas
e) Financiadora de Estudos e Projetos (Finep)
Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 61 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

49. Para fazer parte do SFN a institui•‹o deve, em geral, participar da


intermedia•‹o dos fluxos de renda entre os agentes superavit‡rios e os agentes
deficit‡rios da economia.
A FINEP tem como miss‹o promover o desenvolvimento econ™mico e social do
Brasil por meio do fomento pœblico ˆ Ci•ncia, Tecnologia e Inova•‹o em
empresas, universidades, institutos tecnol—gicos e outras institui•›es pœblicas ou
privadas.
Como visto, n‹o h‡ na atua•‹o da FINEP qualquer atividade relacionada ‡
intermedia•‹o financeira.
As demais institui•›es citadas participam da intermedia•‹o financeira, seja como
—rg‹o operacional ou entidade supervisora.
GABARITO: LETRA E

50. CESGRANRIO - TŽcnico Banc‡rio (BAMAN)/2015/


O Banco Central do Brasil tem como miss‹o institucional a estabilidade do poder
de compra da moeda e a solidez do sistema financeiro nacional.
Nesse sentido, Ž uma fun•‹o do Banco Central
a) atuar como deposit‡rio das reservas em moeda estrangeira, lastreadas na
d’vida externa.
b) emitir papel-moeda e responsabilizar-se pela liquidez.
c) supervisionar apenas as institui•›es banc‡rias.
d) definir pol’ticas e diretrizes para propiciar o aperfei•oamento das institui•›es
financeiras.
e) conceder liquidez aos bancos de c‰mbio e institui•›es financeiras em
dificuldade.

Comentando os itens:

a) Incorreto. A fun•‹o do Bacen de deposit‡rio das reservas internacionais do pa’s


est‡ definida no art. 10 da Lei 4.595/64:

Art. 10. Compete privativamente ao Banco Central da Repœblica do


Brasil:

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 62 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

(...)

VIII - Ser deposit‡rio das reservas oficiais de ouro e moeda estrangeira


e de Direitos Especiais de Saque e fazer com estas œltimas todas e
quaisquer opera•›es previstas no Conv•nio Constitutivo do Fundo
Monet‡rio Internacional

No entanto, as reservas n‹o est‹o lastreadas na d’vida externa do pa’s.

b) Correto. A emiss‹o do papel-moeda e a responsabilidade pelo seu poder de


compra s‹o responsabilidades do Bacen.

Vamos anotar todos os dispositivos legais que fundamentam estas compet•ncias.

Constitui•‹o Federal de 1988:


Art. 164. A compet•ncia da Uni‹o para emitir moeda ser‡ exercida
exclusivamente pelo banco central.
Lei 4.595.64:
Art. 10. Compete privativamente ao Banco Central da Repœblica do
Brasil:
I - Emitir moeda-papel e moeda met‡lica, nas condi•›es e limites
autorizados pelo Conselho Monet‡rio Nacional

c) Incorreto. O Bacen supervisiona as institui•›es financeiras e n‹o financeiras que


operam nos mercados por ele regulados, dentre elas, mas n‹o somente, as
institui•›es banc‡rias.

d) Incorreto. Esta compet•ncia Ž do CMN e est‡ regulamentada no art. 2o, inciso


V, da Lei 4.595/64.

e) Incorreto. Vamos analisar o art. 10 da Lei 4.595/64:

Art. 10. Compete privativamente ao Banco Central da Repœblica do


Brasil:

(...)

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 63 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

V - Realizar opera•›es de redesconto e emprŽstimos a institui•›es


financeiras banc‡rias e as referidas no Art. 4¼, inciso XIV, letra " b ", e no
¤ 4¼ do Art. 49 desta lei.

Como Ž poss’vel notar, os emprŽstimos s‹o extens’veis ˆs institui•›es financeiras


banc‡rias e ˆs referidas no art. 4o , inciso XIV, letra ÔbÕ (institui•›es financeiras
obrigadas a efetuar recolhimentos compuls—rios). O art. 49, ¤ 4¼, da Lei 45.95/64
prev• a possibilidade de financiamento, pelo Bacen, de despesas urgentes e
inadi‡veis do Governo Federal, a serem atendidas mediante crŽditos
suplementares ou especiais, autorizados ap—s a lei do or•amento. Atualmente esta
pr‡tica est‡ vedada pela CF/88 e Lei de Responsabilidade Fiscal.

Portanto, a concess‹o de liquidez (emprŽstimos e redescontos) Ž feita a


institui•›es financeiras em geral, n‹o somente aos bancos de c‰mbio e institui•›es
financeiras em dificuldade.

GABARITO: LETRA B

51. CESGRANRIO - Analista de Gest‹o Corporativa (EPE)/Finan•as e


Or•amento/2014/
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econ™mico e Social (BNDES) Ž uma
importante fonte de financiamento a longo prazo no Brasil. Os juros que ele cobra
costumam compor-se de um custo financeiro b‡sico, ao qual se adicionam taxas
como as de remunera•‹o do BNDES e de risco de crŽdito. O custo financeiro
b‡sico, em muitos casos, Ž a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), a qual
atualmente Ž
a) fixada periodicamente nas reuni›es do Comit• de Pol’tica Monet‡ria do Banco
Central.
b) fixada periodicamente pelo Conselho Monet‡rio Nacional.
c) calculada pela mŽdia do custo do crŽdito ao consumidor no mercado
banc‡rio brasileiro.
d) calculada pela mŽdia do custo de crŽdito ˆs empresas no mercado banc‡rio
brasileiro.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 64 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

e) calculada pela mŽdia da infla•‹o (IPCA) do trimestre anterior acrescida de


0,25% ao trimestre.

A Taxa de Juros de Longo Prazo Ð TJLP, institu’da pela Medida Provis—ria n¼ 684, de
31.10.94, Ž definida como o custo b‡sico dos financiamentos concedidos pelo
BNDES.

A Taxa de Juros de Longo Prazo - TJLP tem per’odo de vig•ncia de um trimestre-


calend‡rio e Ž calculada a partir dos seguintes par‰metros:

¥ meta de infla•‹o calculada pro rata para os doze meses seguintes ao


primeiro m•s de vig•ncia da taxa, inclusive, baseada nas metas anuais
fixadas pelo Conselho Monet‡rio Nacional;

¥ pr•mio de risco.

A TJLP Ž fixada pelo Conselho Monet‡rio Nacional e divulgada atŽ o œltimo dia œtil
do trimestre imediatamente anterior ao de sua vig•ncia.

GABARITO: LETRA B

52. CESGRANRIO - Escritur‡rio (BB)/"Sem çrea"/2015/2


Periodicamente, o Banco Central do Brasil determina, nas reuni›es de seu Comit•
de Pol’tica Monet‡ria (Copom), o(a)
a) valor m‡ximo do volume de opera•›es de compra e venda de t’tulos pœblicos
pelo sistema banc‡rio brasileiro.
b) quantidade de papel moeda e moeda met‡lica em circula•‹o, dentro dos
limites autorizados pelo Conselho Monet‡rio Nacional.
c) valor m‡ximo de todas as formas de crŽdito no pa’s.
d) valor m‡ximo do fluxo de entrada no pa’s de capitais financeiros vindo do
exterior.
e) taxa de juros de refer•ncia para as opera•›es de um dia com t’tulos pœblicos.

52. Quest‹o merece coment‡rios importantes com as devidas ressalvas.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 65 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

O Conselho de Pol’tica Monet‡ria (COPOM) foi institu’do em 20 de junho de 1996,


com o objetivo de implementar a pol’tica monet‡ria, definir a meta da Taxa Selic e
analisar o Relat—rio de Infla•‹o.

As fun•›es do COPOM est‹o quase que diariamente na m’dia comum e


especializada.

Afinal, todos j‡ nos deparamos com a legenda Selic. Mas, afinal, qual o seu
significado.

A SELIC Ž a taxa de juros mŽdia apurada diariamente pelo Sistema Especial de


Liquida•‹o e Cust—dia (Selic). Portanto, antes de saber seu significado, j‡ sabemos
que a taxa tem este nome devido ao sistema em que Ž apurado. Ok?

A taxa SELIC Ž determinada nas opera•›es de financiamento, lastreadas por


t’tulos pœblicos federais, realizadas diariamente no mercado.

Vamos entender por meio de um exemplo hipotŽtico.

Os Bancos Comerciais emprestam recursos a outros Bancos Comerciais


diariamente, pois todos eles devem fechar o dia com entradas e sa’das de
recursos equilibradas. Caso, por exemplo, o Banco do Brasil (BB) encerre o dia com
retiradas maiores que dep—sitos, ele precisa captar recursos no mercado para
equilibrar o saldo destas opera•›es.

Ent‹o, o BB recorre a um financiamento de liquidez do Banco Central


(redesconto), que empresta estes recursos, cobrando, evidentemente, uma taxa
de juros para realizar esta opera•‹o.

Digamos que a taxa de juros mŽdia cobrada neste tipo de opera•‹o Ž igual a 20%
a.a. Ou seja, a Taxa Selic Ž de 20% a.a., pois esta opera•‹o Ž lastreada em t’tulos
pœblicos (o Bacen empresta os recursos, mas exige como garantia Ð lastro Ð t’tulos
pœblicos detidos pelo BB).

O COPOM entende que esta taxa Ž muito alta e, em suas reuni›es, estabelece
que o objetivo da Taxa Selic Ž de 10% a.a.

O Banco Central, cumprindo sua fun•‹o de respons‡vel pela pol’tica monet‡ria,


come•a a conceder crŽdito aos bancos no mercado com esta taxa de juros (10%

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 66 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

a.a.). Pela lei da oferta e da procura, esta taxa inferior ocasiona maior demanda
por recursos conferidos pelo BACEN a esta taxa.

O que acontece com a Taxa Selic?

Como a Taxa SELIC Ž uma mŽdia estabelecida nas opera•›es de mercado, ela
passa a ter o valor reduzido, atŽ se aproximar da meta definida pelo COPOM.

Portanto, a defini•‹o da Taxa Selic pelo COPOM influ•ncia em seu valor real, que
Ž determinado pelo mercado.

Desta forma que fique gravado: o COPOM estabelece a meta da Taxa Selic; o
valor real Ž determinado nas opera•›es de mercado, nas quais o Bacen intervŽm.

E aqui reside o problema da quest‹o. O item ÔeÕ, considerado correto, informa que
o COPOM estabelece a taxa de juros de refer•ncia para as opera•›es de um dia
com t’tulos pœblicos. No entanto, o COPOM estabelece a META da taxa de juros
de refer•ncia para as opera•›es de um dia com t’tulos pœblicos.

GABARITO: LETRA E

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 67 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

LISTA DE QUESTÍES APRESENTADAS


1. CESPE - Analista Legislativo (CAM DEP)/çrea IX/Consultor Legislativo/2014/

Com rela•‹o ao Sistema Financeiro Nacional (SFN), julgue o pr—ximo item.

A CF disp›e que o Sistema Financeiro Nacional, estruturado de forma a promover


o desenvolvimento equilibrado do pa’s e a servir aos interesses da coletividade,
ser‡ regulado por leis ordin‡rias que dispor‹o, inclusive, sobre a participa•‹o do
capital estrangeiro nas institui•›es que o integram.

2. CESPE - Analista Legislativo (CAM DEP)/çrea IX/Consultor Legislativo/2014/

Com rela•‹o ao Sistema Financeiro Nacional (SFN), julgue o pr—ximo item.

Comp›em o SFN: o Conselho Monet‡rio Nacional, o Banco Central do Brasil, o


Banco do Brasil S.A., o Banco Nacional do Desenvolvimento Econ™mico e as
demais institui•›es financeiras pœblicas e privadas.

3. CESPE - Analista Legislativo (CAM DEP)/çrea IX/Consultor Legislativo/2014/

Com rela•‹o ao Sistema Financeiro Nacional (SFN), julgue o pr—ximo item.

As institui•›es financeiras pœblicas n‹o federais ficam sujeitas ˆs disposi•›es


relativas ˆs institui•›es financeiras privadas.

4. CESPE - Analista Legislativo (CAM DEP)/çrea VII/Consultor Legislativo/2014/

Com rela•‹o ao mercado de capitais, julgue o item.

A Lei da Reforma Banc‡ria, de 1964, reestruturou o sistema financeiro nacional e,


um ano depois, a Lei do Mercado de Capitais disciplinou esse mercado e
estabeleceu as medidas necess‡rias para seu desenvolvimento.

5. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Tecnologia da Informa•‹o/2014/

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 68 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Em rela•‹o aos —rg‹os normativos e de supervis‹o do SFN, julgue o pr—ximos item.

O Conselho de Recursos do SFN Ž constitu’do, paritariamente, por oito


conselheiros, possuidores de conhecimentos especializados em assuntos relativos
aos mercados financeiros, de c‰mbio, de capitais, de cons—rcios e de crŽdito rural
e industrial.

6. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2014/

Com rela•‹o ˆs caracter’sticas e fun•›es do mercado monet‡rio e do mercado


de crŽdito, julgue o item que se segue.

No mercado monet‡rio, a oferta de moeda Ž definida pelo BCB e atende ˆ


seguinte rela•‹o: quanto maior for a taxa b‡sica de juros da economia, maior ser‡
a demanda por moeda.

7. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2014/

Com rela•‹o ˆs caracter’sticas e fun•›es do mercado monet‡rio e do mercado


de crŽdito, julgue o item que se segue.

S‹o opera•›es t’picas do mercado monet‡rio e conhecidas como opera•›es


compromissadas as opera•›es de compra com compromisso de revenda,
assumido pelo comprador, ou venda com compromisso de recompra, assumido
pelo vendedor.

8. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2014/

Com rela•‹o ao CRSFN, julgue o item a seguir.

Compete ao CRSFN julgar, em primeira inst‰ncia, as infra•›es e penalidades


relativas ˆ legisla•‹o cambial.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 69 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

9. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2014/

Com rela•‹o ao CRSFN, julgue o item a seguir.

Constitui atribui•‹o do CRSFN julgar a aplica•‹o de multas e custos financeiros


associados a recolhimento compuls—rio.

10. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2014/

A respeito das fun•›es da CVM, julgue o pr—ximo item.

Compete ˆ CVM manter o registro de companhias para negocia•‹o em bolsa e


em mercado de balc‹o.

11. CESPE - Analista do Banco Central do Brasil/çrea 4 - Contabilidade e


Finan•as/2013/

Acerca das penalidades aplicadas ao sistema financeiro nacional, julgue o item


que se segue.

O acompanhamento da execu•‹o dos or•amentos monet‡rios s‹o atribui•›es do


Conselho Monet‡rio Nacional.

12. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Tecnologia da


Informa•‹o/2010/Nacional

As pessoas jur’dicas pœblicas ou privadas que tenham como atividade principal ou


acess—ria a coleta, intermedia•‹o ou aplica•‹o de recursos financeiros pr—prios
ou de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira, e a cust—dia de valor de
propriedade de terceiros s‹o consideradas

a) entidades abertas de previd•ncia complementar.

b) bolsas de mercadorias e futuros.

c) sociedades de capitaliza•‹o.

d) institui•›es financeiras.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 70 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

e) bolsas de valores.

13. CESPE - Especialista em Previd•ncia Complementar (PREVIC)/Finan•as e


Cont‡bil/2011/

Acerca de finan•as, julgue o item.

O Sistema Financeiro Nacional possui um —rg‹o m‡ximo com fun•›es


deliberativas, denominado Conselho Monet‡rio Nacional (CMN), e v‡rias
entidades supervisoras, que s‹o representadas pelo Banco Central do Brasil, pela
Comiss‹o de Valores Mobili‡rios, pela SUSEP e pelas bolsas de mercadorias e de
futuros.

14. CESPE - Especialista (FUNPRESP)/Investimentos/2016

Julgue o item a seguir, relativo ao Sistema Financeiro Nacional (SFN) e ao mercado


de valores mobili‡rios.

Os —rg‹os normativos asseguram que os integrantes do sistema financeiro sigam as


regras definidas pelos —rg‹os de crŽdito, de capitais e de c‰mbio, enquanto as
entidades supervisoras determinam regras para o bom funcionamento do SFN.

15. CESPE - Especialista em Regula•‹o de Avia•‹o Civil/çrea 4/2012/

No que se refere ˆ an‡lise de pol’tica monet‡ria, aos modelos de crescimento, ao


sistema financeiro nacional e ˆs teorias da infla•‹o, julgue o item que se segue.

O subsistema normativo, que comp›e o Sistema Financeiro Nacional, engloba as


institui•›es Ñ como a Comiss‹o de Valores Mobili‡rios Ñ que estabelecem as
regras e diretrizes de funcionamento da economia, assim como os par‰metros
para a intermedia•‹o financeira e para a fiscaliza•‹o da atua•‹o das institui•›es
operativas.

16. CESPE - Analista (FUNPRESP)/Investimentos/2016


Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 71 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Acerca do Sistema Financeiro Nacional e dos mercados financeiro e de capitais,


julgue o item subsequente.

O Banco Central do Brasil provoca redu•‹o na oferta monet‡ria da economia


quando realiza opera•›es de vendas definitivas de t’tulos de sua carteira pr—pria.

17. CESPE - Analista Administrativo (ANP)/çrea I/2013

Com rela•‹o ˆ organiza•‹o do Estado, ˆ administra•‹o pœblica e ˆs finan•as


pœblicas, julgue o item seguinte.

Poder‡ o Banco Central do Brasil comprar e vender t’tulos de emiss‹o do Tesouro


Nacional com o objetivo, por exemplo, de regular a taxa de juros.

18. CESPE - Analista (FINEP)/Finan•as/2009/

A respeito das atribui•›es do BACEN, estabelecidas na legisla•‹o em vigor,


assinale a op•‹o correta.

a) Compete ao BACEN, com o apoio da Comiss‹o de Valores Mobili‡rios (CVM),


supervisionar os fundos de investimentos.

b) A jurisdi•‹o do BACEN inclui a fiscaliza•‹o e o controle das empresas


administradoras de cart›es de crŽdito.

c) Os documentos normativos editados pelo BACEN, em cumprimento das


decis›es emanadas do Conselho Monet‡rio Nacional, denominam-se resolu•›es.

d) O mercado cambial Ž fiscalizado exclusivamente pela CVM.

e) O BACEN pode intervir nas empresas operadoras de cons—rcios e decretar sua


liquida•‹o extrajudicial, na forma e nas condi•›es previstas na legisla•‹o especial
aplic‡vel ˆs entidades financeiras.

19. CESPE - Analista (FINEP)/Finan•as/2009/

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 72 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

No ‰mbito de suas atribui•›es legais, o BACEN pode tomar uma sŽrie de medidas
cautelares com rela•‹o a irregularidades apuradas, entre as quais n‹o se inclui

a) determinar o afastamento de indiciados da administra•‹o dos neg—cios da


institui•‹o supervisionada.

b) determinar ˆ institui•‹o supervisionada a substitui•‹o da empresa de auditoria


cont‡bil ou do auditor cont‡bil independente.

c) impedir que os indiciados assumam quaisquer cargos de dire•‹o ou


administra•‹o de institui•›es supervisionadas ou atuem como mandat‡rios ou
prepostos de diretores ou administradores.

d) impedir a aplica•‹o de taxas em opera•›es de emprŽstimos ou investimentos


da institui•‹o supervisionada superiores ˆ mŽdia do mercado.

e) impor restri•›es ˆs atividades da institui•‹o supervisionada.

20. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Tecnologia da Informa•‹o/2014/

Em rela•‹o aos —rg‹os normativos e de supervis‹o do SFN, julgue o pr—ximo item.

O BCB tem como uma de suas atribui•›es a fixa•‹o de metas para a infla•‹o.

21. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2014/

Com refer•ncia ˆs fun•›es do BCB, julgue o item subsequente.

As opera•›es de arrendamento mercantil, por n‹o serem opera•›es de crŽdito,


n‹o fazem parte do escopo de fiscaliza•‹o do BCB.

22. CESPE - Analista do Banco Central do Brasil/çrea 4 - Contabilidade e


Finan•as/2013/

Com rela•‹o ˆ regulamenta•‹o da resolu•‹o banc‡ria no Brasil, julgue o item


subsequente.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 73 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

A diretoria do BACEN, em certas situa•›es, pode afastar os dirigentes de


institui•›es supervisionadas de suas fun•›es e impedi-los de atuar como prepostos
de administradores nessas institui•›es.

23. CESPE - Analista do Banco Central do Brasil/çrea 1 - An‡lise e Desenvolvimento


de Sistemas/2013/

Acerca do Sistema Financeiro Nacional e do Sistema de Pagamentos Brasileiro


(SPB), julgue o item subsecutivo.

Entre as fun•›es do BACEN, o monop—lio de emiss‹o envolve o meio circulante e


destina-se a satisfazer a demanda de dinheiro necess‡ria para atender ˆ
atividade econ™mica. Nesse sentido, a emiss‹o de moeda ocorre quando a Casa
da Moeda do Brasil entrega papel-moeda para o BACEN.

24. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Administrativa/2010/RJ e SP

Ao exercer as suas atribui•›es, o BACEN cumpre fun•›es de compet•ncia


privativa. A respeito dessas fun•›es, julgue os itens subsequentes.

I Ao realizar as opera•›es de redesconto ˆs institui•›es financeiras, o BACEN


cumpre a fun•‹o de banco dos bancos.

II Ao emitir meio circulante, o BACEN cumpre a fun•‹o de banco emissor.

III Ao ser o deposit‡rio das reservas oficiais e ouro, o BACEN cumpre a fun•‹o de
banqueiro do governo.

IV Ao autorizar o funcionamento, estabelecendo a din‰mica operacional, de todas


as institui•›es financeiras, o BACEN cumpre a fun•‹o de gestor do Sistema
Financeiro Nacional.

V Ao determinar, por meio do Comit• de Pol’tica Monet‡ria (COPOM), a taxa de


juros de refer•ncia para as opera•›es de um dia (taxa SELIC), o BACEN cumpre a
fun•‹o de executor da pol’tica fiscal.

Est‹o certos apenas os itens

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 74 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

a) I, II, III e IV.

b) I, II, III e V.

c) I, II, IV e V.

d) I, III, IV e V.

e) II, III, IV e V.

25. CESPE - Analista Legislativo (CAM DEP)/çrea VII/Consultor Legislativo/2014/

No que se refere ˆ estrutura, ˆ regula•‹o e ˆ fiscaliza•‹o do Sistema Financeiro


Nacional, bem como ˆ sua evolu•‹o recente, julgue o item a seguir.

Compete ao Conselho Monet‡rio Nacional estabelecer as diretrizes de aplica•‹o


dos recursos garantidores dos planos administrados pelas entidades fechadas de
previd•ncia complementar.

26. CESPE - Analista do Banco Central do Brasil/çrea 1 - An‡lise e Desenvolvimento


de Sistemas/2013/

Acerca do Sistema Financeiro Nacional e do Sistema de Pagamentos Brasileiro


(SPB), julgue o item subsecutivo.

Em conformidade com a lei que o instituiu, o Conselho Monet‡rio Nacional ser‡


presidido pelo ministro da Fazenda, e as suas delibera•›es ter‹o de ocorrer por
maioria de votos, com a presen•a de, no m’nimo, seis membros, cabendo ao
presidente o voto de qualidade.

27. CESPE - Procurador Federal/2013/

Texto para o item

Carnes da Plan’cie S.A. processa e vende carnes congeladas no Brasil, onde


detŽm 60% do mercado relevante de su’nos congelados, e tambŽm exporta esses
produtos para diferentes pa’ses. N‹o obstante ela ser companhia s—lida e com

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 75 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

a•›es vendidas em bolsa de valores, Paulino dos Santos e Alice Nova, como seus
administradores e acionistas, resolveram duplicar o faturamento da sociedade,
negociando a compra e venda de d—lares no mercado de c‰mbio futuro. Apesar
de inexistir autoriza•‹o nos estatutos da sociedade para tal, assim o fizeram sem
consultar os demais —rg‹os da companhia e os agentes reguladores competentes.
Ocorre que a cota•‹o do d—lar os surpreendeu, levando a que a situa•‹o
financeira da Carnes da Plan’cie S.A. beirasse a insolv•ncia.

A respeito da situa•‹o hipotŽtica descrita no texto e de aspectos a ela


correlacionados, julgue o item que se segue ˆ luz da lei a ele aplic‡vel.

Cabe ao Conselho Monet‡rio Nacional fixar as diretrizes e normas da pol’tica


cambial, inclusive quanto a opera•›es em moeda estrangeira, embora ele possa
conceder ao Banco Central do Brasil o monop—lio das opera•›es de c‰mbio.

28. CESPE - TŽcnico Banc‡rio Novo (CEF)/Tecnologia da Informa•‹o/2010/RJ e SP

As atribui•›es do CMN e da CVM incluem

a) assegurar o funcionamento eficiente e regular do mercado financeiro.

b) estimular a forma•‹o de poupan•as e a sua aplica•‹o em valores mobili‡rios.

c) promover a expans‹o e o funcionamento eficiente e regular do mercado


imobili‡rio.

d) fiscalizar as aplica•›es permanentes em a•›es do capital social de


companhias fechadas.

e) proteger os titulares de contas-correntes com valores acima de 5 mil reais.

29. CESPE - Procurador do Banco Central do Brasil/2013/

O Conselho Monet‡rio Nacional

a) tem compet•ncia para emitir papel-moeda.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 76 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

b) tem capacidade normativa de conjuntura, sendo suas resolu•›es normas que


vinculam as institui•›es financeiras.

c) tem por fun•‹o a fiscaliza•‹o do mercado de a•›es.

d) funciona como œltima inst‰ncia recursal das decis›es emitidas pelo Conselho de
Recursos do Sistema Financeiro Nacional.

e) Ž —rg‹o do BACEN, formulador da pol’tica econ™mica, monet‡ria, banc‡ria e


credit’cia.

30. CESPE - Perito Criminal Federal/çrea 1/2013/

Com base em normas e funcionamento do Sistema Financeiro Nacional, julgue o


seguinte item.

O Conselho Monet‡rio Nacional, integrante o Sistema Financeiro Nacional, poder‡


autorizar o BACEN a emitir, anualmente, atŽ 10% dos meios de pagamento
existentes ao final do ano anterior, sem a necessidade de autoriza•‹o do
Congresso Nacional. Acima desse limite, Ž necess‡ria autoriza•‹o prŽvia do
Congresso Nacional, exceto em situa•›es imprevistas e de urg•ncia, que,
entretanto, dever‹o ser homologadas pelo Poder Legislativo.

31. CESPE - Especialista (FUNPRESP)/Investimentos/2016

Julgue o item a seguir, relativo ao Sistema Financeiro Nacional (SFN) e ao mercado


de valores mobili‡rios.

O Conselho Nacional de Previd•ncia Complementar (CNPC) trata de planos de


aposentadoria, de poupan•a ou de pens‹o para funcion‡rios de empresas,
servidores pœblicos e integrantes de associa•›es ou de entidades de classe.

32. CESPE - Analista Legislativo (CAM DEP)/çrea VII/Consultor Legislativo/2014/

No que se refere ˆ estrutura, ˆ regula•‹o e ˆ fiscaliza•‹o do Sistema Financeiro


Nacional, bem como ˆ sua evolu•‹o recente, julgue o item a seguir.
Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 77 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, institu’do no ‰mbito do


Plano Real, passou a deter a compet•ncia, antes atribu’da ao Conselho Monet‡rio
Nacional, para julgar recursos contra decis›es do Banco Central do Brasil, relativas
ˆ aplica•‹o de penalidades por infra•›es ˆ legisla•‹o cambial, de capitais
estrangeiros e de crŽdito rural e industrial.

33. CESPE - Analista do Banco Central do Brasil/çrea 4 - Contabilidade e


Finan•as/2013/

No que se refere ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF),


julgue o item subsequente.

Decis‹o proferida pelo COAF que determine penalidade administrativa poder‡ ser
objeto de recurso, que dever‡ ser endere•ado ao Ministro da Fazenda.

34. CESPE - Especialista (FUNPRESP)/Investimentos/2016

Com base nas normas que disp›em sobre o mercado de valores mobili‡rios e a
aplica•‹o dos recursos garantidores, julgue o item seguinte.

Embora a Lei n.¼ 6.385/1976 estabele•a ser prerrogativa da CVM a imposi•‹o de


penalidades aos infratores da lei, cabe ao Conselho Monet‡rio Nacional a
suspens‹o da autoriza•‹o ou do registro para exerc’cio das atividades tratadas na
referida lei.

35. CESPE - Especialista (FUNPRESP)/Investimentos/2016

Julgue o item a seguir, relativo ao Sistema Financeiro Nacional (SFN) e ao mercado


de valores mobili‡rios.

O Banco Central do Brasil e a Comiss‹o de Valores Mobili‡rios supervisionam as


corretoras e as distribuidoras de t’tulos e valores mobili‡rios, as quais prestam, entre
outros servi•os, consultoria financeira e cust—dia de t’tulos e valores mobili‡rios dos
clientes.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 78 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

36. CESPE - Analista (FUNPRESP)/Investimentos/2016

Acerca do Sistema Financeiro Nacional e dos mercados financeiro e de capitais,


julgue o item subsequente.

O Banco Central do Brasil Ž o —rg‹o respons‡vel por normatizar e fiscalizar o


mercado de valores mobili‡rios no Brasil.

37. CESPE - Procurador Federal/2013/

Texto para o item

Carnes da Plan’cie S.A. processa e vende carnes congeladas no Brasil, onde


detŽm 60% do mercado relevante de su’nos congelados, e tambŽm exporta esses
produtos para diferentes pa’ses. N‹o obstante ela ser companhia s—lida e com
a•›es vendidas em bolsa de valores, Paulino dos Santos e Alice Nova, como seus
administradores e acionistas, resolveram duplicar o faturamento da sociedade,
negociando a compra e venda de d—lares no mercado de c‰mbio futuro. Apesar
de inexistir autoriza•‹o nos estatutos da sociedade para tal, assim o fizeram sem
consultar os demais —rg‹os da companhia e os agentes reguladores competentes.
Ocorre que a cota•‹o do d—lar os surpreendeu, levando a que a situa•‹o
financeira da Carnes da Plan’cie S.A. beirasse a insolv•ncia.

A respeito da situa•‹o hipotŽtica descrita no texto e de aspectos a ela


correlacionados, julgue o item que se segue ˆ luz da lei a ele aplic‡vel.

A Companhia de Valores Mobili‡rios tem a atribui•‹o de fiscalizar condutas


empresariais de companhias abertas que atuem de modo semelhante ao
praticado por Carnes da Plan’cie S.A., caso em que dever‡ prevalecer a prote•‹o
ao pœblico investidor e ao mercado de trocas econ™micas.

38. CESPE - Perito Criminal Federal/çrea 1/2013/

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 79 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Com refer•ncia a conceitos e aplica•›es do mercado de capitais, julgue o item


que se segue.

A Comiss‹o de Valores Mobili‡rios tem compet•ncia para apurar e punir condutas


fraudulentas no mercado de valores mobili‡rios, como atos ou omiss›es relevantes
praticados no Brasil ou danos a residentes no Brasil, independentemente do local
de ocorr•ncia dos fatos.

39. ESAF - Procurador da Fazenda Nacional/2007

Sobre o Sistema Financeiro Nacional, Ž correto afirmar:

a) o sistema financeiro nacional ser‡ regulado por leis complementares que


dispor‹o, inclusive, sobre a participa•‹o do capital estrangeiro nas institui•›es que
o integram.

b) compete ao Conselho Monet‡rio Nacional julgar recursos contra decis›es do


Banco Central do Brasil, relativas ˆ aplica•‹o de penalidades por infra•›es ˆ
legisla•‹o cambial, de capitais estrangeiros e de crŽdito rural e industrial.

c) as infra•›es aos dispositivos da Lei n. 4.595, de 1964, sujeitam as institui•›es


financeiras, seus diretores, membros de conselhos administrativos, fiscais e
semelhantes, mas n‹o os gerentes, ˆs penalidades nela estabelecidas.

d) o Conselho Monet‡rio Nacional Ž integrado pelo Ministro da Fazenda, pelo


Presidente do Banco do Brasil S.A., pelo Presidente do Banco Nacional de
Desenvolvimento Econ™mico e por 7 (sete) membros nomeados pelo Presidente
da Repœblica, ap—s aprova•‹o do Senado Federal.

e) a Comiss‹o de Valores Mobili‡rios, no ‰mbito da sua compet•ncia espec’fica,


n‹o integra o sistema financeiro nacional.

40. ESAF - Analista do Banco Central do Brasil/Supervis‹o/2002

Com rela•‹o ˆs fun•›es e objetivos do Banco Central do Brasil, avalie as


afirma•›es a seguir e assinale com V as verdadeiras e com F as falsas.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 80 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Em seguida, assinale a op•‹o que contŽm a sequ•ncia correta de avalia•›es:

( ) O Banco Central do Brasil cumpre e faz cumprir as normas expedidas pelo


Conselho Monet‡rio Nacional.

( ) O Banco Central do Brasil possui a responsabilidade do financiamento ˆ


atividade agr’cola.

( ) O Banco Central do Brasil Ž o deposit‡rio e administrador das reservas


internacionais do Pa’s.

( ) O Banco Central do Brasil Ž o deposit‡rio e administrador do Fundo de


Garantia por Tempo de Servi•o (FGTS).

a) V, V, F, F

b) V, V, V, F

c) V, F, V, V

d) V, F, V, F

e) V, V, F, V

41. ESAF - Inspetor da Comiss‹o de Valores Mobili‡rios/2010

Compete ˆ CVM, como autarquia federal, garantir o funcionamento regular e


eficiente dos mercados de valores mobili‡rios.

Assim deve:

a) aprovar todas e quaisquer negocia•›es com valores mobili‡rios em bolsa.

b) aprovar a abertura das companhias para fins de capta•‹o de poupan•a


popular.

c) regular e fiscalizar comportamentos de investidores no pa’s e no exterior.

d) orientar investidores em suas escolhas para aplica•‹o de recursos.

e) manter acordos com bolsas de valores estrangeiras para a divulga•‹o de


informa•›es.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 81 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

42. ESAF - Analista da Comiss‹o de Valores Mobili‡rios/Arquivologia/2010

Ao desempenhar a fun•‹o de amicus curiae, a presen•a da CVM em


procedimentos judiciais:

a) assume posi•‹o de parte ao defender os argumentos de um dos litigantes.

b) oferece ao magistrado parecer fundamentado que suporte sua decis‹o.

c) oferece ao julgador informa•›es a respeito da lei aplic‡vel ao caso.

d) atua para defender o regular funcionamento do mercado de valores


mobili‡rios.

e) exerce compet•ncia residual.

43. ESAF - Analista da Comiss‹o de Valores Mobili‡rios/Arquivologia/2010

A compet•ncia da CVM no mercado de derivativos se faz:

a) mediante regula•‹o espec’fica para contratos celebrados fora das bolsas.

b) mediante fiscaliza•‹o das institui•›es banc‡rias que operam derivativos.

c) em conjunto com as bolsas em que s‹o negociados.

d) mediante aprova•‹o de modelos negociais cogentes.

e) quando haja especula•‹o de que resultem perdas para as companhias.

44. ESAF - Agente Executivo da CVM/2010

Dadas as normas vigentes no Brasil, pode-se afirmar que:

a) a compet•ncia da CVM exclui a das Bolsas.

b) a compet•ncia da CVM decorre, nos mercados sobre os quais atua, do objeto


das opera•›es celebradas.

c) no mercado de derivativos cambiais, a regula•‹o da CVM exclui a


compet•ncia do Banco Central do Brasil.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 82 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

d) a compet•ncia da CVM concorre com a da SUSEP na fiscaliza•‹o das


opera•›es de seguro de responsabilidade civil garantidoras da gest‹o de
administradores de companhias abertas.

e) a reorganiza•‹o societ‡ria de companhias abertas afasta a compet•ncia da


CVM no que diz respeito a opera•›es de cess‹o de controle.

45. ESAF - Analista TŽcnico da SUSEP/Controle e Fiscaliza•‹o/2010

Compete ˆ SUSEP impor ˆs seguradoras penas administrativas, conforme a


gravidade da infra•‹o.

Dessa forma, se a seguradora que opere carteira sem a devida autoriza•‹o fica
sujeita a pena de:

a) advert•ncia.

b) multa; suspens‹o tempor‡ria do exerc’cio da atividade.

c) proibi•‹o de fazer resseguro.

d) cassa•‹o da autoriza•‹o para funcionar.

e) proibi•‹o de distribuir lucros.

46. CESGRANRIO - Escritur‡rio (BB)/"Sem çrea"/2015/2


De acordo com a Figura abaixo, observa-se que o mercado financeiro est‡
basicamente segmentado em quatro grandes mercados: mercado monet‡rio,
mercado de crŽdito, mercado de c‰mbio e mercado de capitais.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 83 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Caracteriza um mercado de capitais ser o


a) mercado em que s‹o negociadas as trocas de moedas estrangeiras por moeda
nacional, participando desse mercado todos os agentes econ™micos que realizam
transa•›es com o exterior, ou seja, t•m recebimentos ou pagamentos a realizar
em moeda estrangeira.
b) segmento do mercado financeiro em que s‹o criadas as condi•›es para que
as empresas captem recursos diretamente dos investidores, atravŽs da emiss‹o de
instrumentos financeiros (a•›es, deb•ntures, b™nus de subscri•‹o, etc), com o
objetivo principal de financiar suas atividades ou viabilizar projetos de
investimentos.
c) mercado utilizado basicamente para controle da liquidez da economia, no qual
o Banco Central intervŽm para condu•‹o da Pol’tica Monet‡ria.
d) mercado para realiza•‹o, registro e negocia•‹o de determinados instrumentos
financeiros, basicamente divididos em quatro produtos, como: mercado a termo,
mercado futuro, op•›es e swaps, com a finalidade de prote•‹o, eleva•‹o de
rentabilidade (alavancagem), especula•‹o e arbitragem.
e) segmento do mercado financeiro em que as institui•›es financeiras captam
recursos dos agentes superavit‡rios e os emprestam ˆs fam’lias ou empresas, sendo
remuneradas pela diferen•a entre seu custo de capta•‹o e o que cobram dos
tomadores.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 84 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

47. CESGRANRIO - TŽcnico Cient’fico (BAMAN)/Tecnologia da Informa•‹o/An‡lise


de Sistemas/2014/
Atualmente, o Sistema Financeiro Nacional Ž composto por —rg‹os normativos,
entidades supervisoras e por operadores. Um dos —rg‹os normativos que comp›e
o Sistema Financeiro Nacional Ž o(a)
a) Banco Nacional de Desenvolvimento Econ™mico e Social - BNDES
b) Banco Comercial
c) Conselho Monet‡rio Nacional
d) Bolsa de Valores
e) Superintend•ncia de Seguros Privados Ð SUSEP

48. CESGRANRIO - TŽcnico Administrativo (BNDES)/2013/


A Lei no 4.595, de 31/12/1964, disp›e sobre a pol’tica e as institui•›es monet‡rias,
banc‡rias e credit’cias e d‡ outras provid•ncias.
Ë luz dessa Lei, considere as afirmativas abaixo sobre as institui•›es financeiras.
I - As institui•›es financeiras somente poder‹o atuar no Pa’s mediante autoriza•‹o
prŽvia do Banco Central do Brasil (Bacen) ou por decreto do Poder Executivo,
quando forem estrangeiras.
II - As pessoas f’sicas que exer•am, de forma permanente ou eventual, quaisquer
das atividades atribu’das ˆs institui•›es financeiras n‹o se equiparam a elas.
III - Institui•›es financeiras s‹o pessoas jur’dicas pœblicas ou privadas, cujas
atividades principais ou acess—rias s‹o a coleta, intermedia•‹o ou aplica•‹o de
recursos fi nanceiros pr—prios ou de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira,
e a cust—dia de valor de propriedade de terceiros.
IV - As institui•›es financeiras ter‹o as condi•›es de concorr•ncia reguladas pelo
Bacen, que lhes coibir‡ os abusos com aplica•‹o de pena nos termos da lei.
ƒ correto o que se afirma em
a) I e II, apenas
b) III e IV, apenas
c) I, II e IV, apenas
d) I, III e IV, apenas

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 85 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

e) I, II, III e IV

49. CESGRANRIO - TŽcnico Administrativo (BNDES)/2013/


O Sistema Financeiro Nacional (SFN), estruturado e regulado pela Lei no 4.595, de
31/12/1964, Ž composto por algumas institui•›es.
NÌO faz(em) parte do SFN o(a)
a) Banco Central do Brasil (Bacen)
b) Conselho Monet‡rio Nacional (CMN)
c) Banco Nacional de Desenvolvimento Econ™mico e Social (BNDES)
d) Banco do Brasil S.A. (BB) e as demais institui•›es financeiras pœblicas e privadas
e) Financiadora de Estudos e Projetos (Finep)

50. CESGRANRIO - TŽcnico Banc‡rio (BAMAN)/2015/


O Banco Central do Brasil tem como miss‹o institucional a estabilidade do poder
de compra da moeda e a solidez do sistema financeiro nacional.
Nesse sentido, Ž uma fun•‹o do Banco Central
a) atuar como deposit‡rio das reservas em moeda estrangeira, lastreadas na
d’vida externa.
b) emitir papel-moeda e responsabilizar-se pela liquidez.
c) supervisionar apenas as institui•›es banc‡rias.
d) definir pol’ticas e diretrizes para propiciar o aperfei•oamento das institui•›es
financeiras.
e) conceder liquidez aos bancos de c‰mbio e institui•›es financeiras em
dificuldade.

51. CESGRANRIO - Analista de Gest‹o Corporativa (EPE)/Finan•as e


Or•amento/2014/
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econ™mico e Social (BNDES) Ž uma
importante fonte de financiamento a longo prazo no Brasil. Os juros que ele cobra
costumam compor-se de um custo financeiro b‡sico, ao qual se adicionam taxas

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 86 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

como as de remunera•‹o do BNDES e de risco de crŽdito. O custo financeiro


b‡sico, em muitos casos, Ž a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), a qual
atualmente Ž
a) fixada periodicamente nas reuni›es do Comit• de Pol’tica Monet‡ria do Banco
Central.
b) fixada periodicamente pelo Conselho Monet‡rio Nacional.
c) calculada pela mŽdia do custo do crŽdito ao consumidor no mercado
banc‡rio brasileiro.
d) calculada pela mŽdia do custo de crŽdito ˆs empresas no mercado banc‡rio
brasileiro.
e) calculada pela mŽdia da infla•‹o (IPCA) do trimestre anterior acrescida de
0,25% ao trimestre.

52. CESGRANRIO - Escritur‡rio (BB)/"Sem çrea"/2015/2


Periodicamente, o Banco Central do Brasil determina, nas reuni›es de seu Comit•
de Pol’tica Monet‡ria (Copom), o(a)
a) valor m‡ximo do volume de opera•›es de compra e venda de t’tulos pœblicos
pelo sistema banc‡rio brasileiro.
b) quantidade de papel moeda e moeda met‡lica em circula•‹o, dentro dos
limites autorizados pelo Conselho Monet‡rio Nacional.
c) valor m‡ximo de todas as formas de crŽdito no pa’s.
d) valor m‡ximo do fluxo de entrada no pa’s de capitais financeiros vindo do
exterior.

e) taxa de juros de refer•ncia para as opera•›es de um dia com t’tulos pœblicos.

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 87 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

CONSIDERA‚ÍES FINAIS
Finalizamos aqui a nossa aula demonstrativa. Espero que tenham gostado e
compreendido nossa proposta de curso.

Saiba que ao optar pelos EstratŽgia Concursos estar‡ fazendo a escolha certa. Isso
ser‡ percept’vel no decorrer do curso, a medida em que formos desenvolvendo os
assuntos.

Quaisquer dœvidas, sugest›es ou cr’ticas entrem em contato conosco. Estou


dispon’vel no f—rum no Curso, por e-mail ou pelo Facebook.

vdalvocamillo@gmail.com

https://www.facebook.com/profvicentecamillo/

Obrigado pela companhia.

Aguardo voc•s na pr—xima aula.

Bons estudos e atŽ l‡!

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 88 de 89

00000000000 - DEMO
500 QUESTÍES COMENTADAS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
ESAF, CESGRANRIO, CESPE, FCC E FGV
0 CAMILLO
AULA 00 Ð PROF. VICENTE

Prof. Vicente Camillo

Prof. Vicente Camillo www.estrategiaconcursos.com.br 89 de 89

00000000000 - DEMO