Sie sind auf Seite 1von 148

Treinamento Técnico AGLeaders

Colheitadeira Axial Flow – Série 230


Mecânica básica, regulagens e ajustes

TREINAMENTO OPERACIONAL PARA CLIENTES - SERVIÇOS CASE IH


Apresentação Pessoal
• Nome:

• Função:

• Tempo de atuação:

2
Regras de convivência e
segurança
REGRAS DE CONVIVÊNCIA
Pontos Importantes

PARTICIPE EFETIVAMENTE:
Contribua, opine, acrescente experiências.

INVISTA NO TREINAMENTO:
Deixe tablet e notebook desligados.
Deixe celular no silencioso e use apenas nos intervalos.

DÊ ATENÇÃO ESPECIAL AOS HORÁRIOS:


Pontualidade: horário de 8h às 17h.
Tolerância de 15min.
Coffee: 10:00 – 10:15 e 15:00 – 15:15
REGRAS DE CONVIVÊNCIA
Pontos Importantes

LIMPEZA E ORGANIZAÇÃO
Mantenha componentes, ferramentas, sala, barracão
e maquinas limpas e organizadas após seu uso.

FUMODROMO
Só fume nos ambientes permitidos e deposite as
bitucas nos coletores.
RESPEITO
Temos diferentes públicos em nosso ambiente de
treinamento e todos merecem respeito.
REGRAS DE CONVIVÊNCIA
Pontos Importantes

Localızação Banheıros

Localızação Coffee

Localização Almoço
REGRAS DE SEGURANÇA
Pontos Importantes

E.P.I’s:
É de uso obrigatório sempre que o local ou atividade exigirem;
Invista em sua segurança e na de seus colegas, use EPI;

TRABALHE COM SEGURANÇA:


Durante as atividades práticas utilize em áreas ruidosas protetor
auricular, oculos de proteção , botas de segurança e luvas

PRÁTICAS:
Em atividades práticas siga rigorosamente as recomendações do
instrutor
REGRAS DE SEGURANÇA
Pontos Importantes

PRÁTIQUE SEGURANÇA
Antes de ligar a máquina buzine duas vezes e espere até que as pessoas
se afastem para ligar a máquina. Aguarde 1 min em marcha lenta após a
partida e antes de desligar o motor para lubrificar o turbo. Ao trafegar
com a máquina, fique atento e de preferência ao pedestre e a outros
veículos.
TRABALHOS DE RISCO
Implemento acoplado no equipamento, ao levantar e abaixar e
trabalhar, redobre a atenção;

DÊ A PREFERÊNCIA
Ao trafegar com a máquina, fique atento e de preferencia ao pedestre e a
outros veículos.
De atenção especial ao comprimento e largura total da máquina. Isso
inclui, plataforma, tubo de descarga, barra de pulverização, eixo e contra
peso entre outros.
Manual do Operador

• Conhecendo o manual do operador. Localizar cada uma das informações


abaixo.

➢ Informações Gerais
➢ Informações de Segurança
➢ Instrumentos/ Controles
➢ Instruções de Operação
➢ Operação de Campo
➢ Operações de transporte
➢ Operações de trabalho
➢ Manutenções
➢ Detecção e solução de problemas
➢ Especificações
➢ Elétrica
➢ Hidráulica

9
Segurança

10
Segurança
11
Principais pontos

Acesse à Cabine do modo Prestar muita atenção nos Use o cinto de segurança
correto, sempre de frente para adesivos de segurança, cada
a máquina um é associado a uma
situação de risco
Segurança
12
Principais pontos

Trava de segurança da Extintor posicionado na Acionar a buzina como um


plataforma escada de acesso à cabine alarme ao ligar a máquina

Ao descer da máquina sempre Sensor de presença no assento do


Manual do Operador na bolsa
retire a chave do contato operador – alimentador é desligado
atrás do banco
em 7 segundos após levantar-se
Segurança
13
Principais Pontos

Alarme Sonoro Da Ré

Sensor na escada traseira – quando


abaixada desativa o sem fim do tanque
graneleiro e o separador
Segurança
14
Principais Pontos - Plataforma

2
Identificação dos Componentes • Plataforma de Corte

Plataforma de Corte

Disponíveis no modelos:
▪2010 Rígida: versão arrozeira 20 e 25 pés
▪3020 Flexível: 20, 25, 30 e 35 pés
▪3162 Draper: 30, 35, 40 e 45 pés

15
Identificação do equipamento
16
Localização das plaquetas
Identificação do equipamento
17
Chassis
Identificação do equipamento
18
Chassis

JHFY8120CBJB00085
▪1) JHF: Código da planta de fabricação
▪2) Y: Código do tipo da máquina ( Y para colheitadeira / Z para trator )
▪3) 8120: Modelo do equipamento
▪4) C: Código de verificação da fábrica
▪5) B : Ano de fabricação do equipamento ( A=2010 ; B=2011 ; C=2012 ; .....)
▪6) JB00085: Código de série de fábrica.
Plataforma
19 3020

Braço de Suspensão

Bloco de Torção A barra de corte pode ser transformada


TerraFlex em qualquer momento ao se fixarem
os braços de suspensão com apenas
um pino de bloqueio
Plataforma
20 3020

▪ Ajuste da pressão sobre o solo;


Folga de navalhas

Plataforma de Corte

Folga da navalha: 1mm

21
Ângulo da barra de corte

22
Acionamentos 3020

Plataforma de Corte

▪ Ajuste da posição do sem fim de 2


5
alimentação.
1
3

1. Tensionador da corrente
2. Pino olhal
3. Parafusos fixação do sem fim
4. Parafusos fixação do sem fim
5. Ajuste da altura
5
6. Ajuste da posição horizontal
7. Ajuste dos dedos retráteis 6
4

23
Molinete

Plataforma de Corte

24
Sem fim 3020

Ajustes do sem fim


A

Raspadores
5 +/-2mm

10 +/- 2mm 13 +/- 2mm

25
Dedos retráteis

• Dedos retráteis por toda a extensão da plataforma, posicionados à 180º


entre si, os quais auxiliam na alimentação da plataforma;
• Os dedos do sem fim, possuem um anel de borracha (patenteado) que visa
garantir a permanência do dedo mesmo se este quebrar;

26
Acionamentos

Molinete
Min : O rpm
Max. : 60 rpm
Caixa de Navalhas:
650 rpm

Standard:
58 Dentes -149 rpm
Opção:
64 Dentes -135rpm

Embreagem: 800Nm

15 Dentes PTO : 575 rpm

27
Caixa de navalhas

Vareta de Nivel

Caixa de navalhas

Dreno de óleo
Furo com Ranhura “D”
Torque do Parafuso
143Nm
Loctide ES50.77 Suporte da caixa

Calços de Ajustes “C”


Navalha

Torque dos parafusos


A B C fixadores 248Nm

28
Potenciomentros

Ajustes da Tensão dos Potenciômetros


▪ Faixa de tensão dos
potenciômetros: 0,5 a 4,5 V
▪ A diferença mínima necessária
para o correto funcionamento
do AHHC (Controle automático
de altura de corte) é de 2v

29
Plataforma 3162

Plataforma 3162 TerraFlex 30' 35' 40' 45'


Largura de corte (m) 9,1 10,7 12,2 13,7
Largura total (m) 9,2 10,8 12,3 13,8

30
Plataforma 3162

Plataforma de corte

• Este acionamento é realizado por 2 cilindros que variam o ângulo de ataque


entre 8º e 15º;
• Ajuste feito de dentro da cabine

31
Plataforma 3162

Plataforma de corte

✓ Ajuste da folga da barra


de navalhas

o Mínimo 1mm
o Máximo 2mm

32
Plataforma 2162

Plataforma de Corte

RPM das navalhas

3,5 voltas

RPM da esteiras transportadoras

3,5 voltas

Obs. Ajustar rotação das navalhas e esteiras conforme necessidade de colheita

33
3
4

4 – Visão geral
MOVIMENTAÇÃO,
ARMAZENAMENTO E
DESCARGA DE GRÃOS MOTOR

CABINE

PROCESSAMENTO
ALIMENTADOR
DE PALHA

SISTEMA
HIDRÁULICO E
PROPULSÃO

LIMPEZA
PLATAFORMA
TRILHA E
SEPARAÇÃO
Ajuste de Ângulo

Ajustado de acordo com:


 Tipo de plataforma
 Tamanho do pneu
 Condições da lavoura

35
3
6

Ajuste da tensão da esteira transportadora

 Procure obedecer uma distancia de no mínimo 3mm da barra da esteira e fundo do alimentador;
 Mantenha uma distancia máxima entre a face do alimentador e a barra da esteira de 38mm.
 Ajuste o batente limitador do tambor da esteira conforme produto colhido posição 1 2 3 4
Ajuste dos raspadores

 Ajuste em 0,5 a 1,5 mm entre a ponta do dente da engrenagem e o raspador

Obs. Cuidado para não


apresentar interferencias

37
Deslizadores

Verifique os deslizadores das correntes da esteira

 Toda corrente possui uma especificação de desgaste fornecido pelo fabricante


 Para verificar o desgaste deve-se medir o maior número de articulações possíveis
 O valor deve ser maior que 3% da medida da esteira nova

38
Conjunto roda dentada

Ponto de lubrificação 100 horas

39
Novo adaptador da plataforma
• Novo Case IH com 10° de inclinação (5° + 5°).

▪ Duplo cilindro de acionamento da máscara

40
Conector de reconhecimento da plataforma
Conexão de Sensores
Modelo de Plataforma A B E F
Milho Alimentação Sinal Sem conexão Negativo do
do Sensor Sensor
Grãos Alimentação Sem Signal Negativo do
do Sensor conexão Sensor
Draper Alimentação Sinal Sensor Sem conexão
do Sensor Ground
Pick-up Negativo do Sem Signal Alimentação do
Sensor conexão Sensor
Plataforma Negativo do Sinal Sem conexão Alimentação do
“programável” Sensor Sensor

-1 Associação de voltagem com a plataforma


Modelo de Plaaforma Voltagem Sensor
Sinal curto > = 5volts, aberto pró negativo > 4.72
A
Milho > 3.72 to 4.72
B
R-20 Grãos > 2.93 to 3.72
C
R-20 Draper > 2.02 to 2.93
D
Pick-up > 1.22 to 2.02
E
Programável > 0.30 to 1.22
F
“Sem” plataforma, Sinal do sensor abero ou
scorrente, or sinal curto para o negativo 0.00 to 0.30

41
Comado hidráulico

1. Linha principal de
alimentação da Válvula
2. Linha de sinal para a
PFC
3. Retorno principal ao filtro.
4. Corpo da válvula do
alimentador
5. Pressão regulada vinda
da válvula do freio de
estacionamento
6. Cilindro da flutuação

42
Comando Hidráulico

1. Válvula de Diagnóstico de Sinal da


Flutuação
2. Solenóide da Flutuação
3. Solenóide do molinete para AFT
4. Solenóide Descida do molinete
5. Pórtico de Alimentação Principal
para o corpo da Válvula
6. Válvula movimento molinete
7. Pórtico de Sinal para Bomba PFC
8. Válvula Alivio motor do para a
frente
9. Haste Secundaria movimento do
molinete para trás
10. Solenóide para Subir molinete
11. Pressão Regulada Alimentação
do Motor do molinete

43
Comado hidráulico

12. Solenóide Subir molinete


13. Diagnóstico do Piloto
14. Pórtico da Válvula de Alivio,
flutuação (não usado)
15. Piloto Diagnóstico, flutuação
(fim da haste)
16. Corpo de galerias
17. Piloto Diagnóstico
18. Pórtico da flutuação.
19. Pórtico da Válvula de Alivio,
flutuação (fim haste)
20. Pórtico de Diagnóstico,
flutuação (fim haste)
21. Pórtico da flutuação.

44
4
5

Acionamento Power Plus CVT


TRANSMISSÃO DA CVT

COMPONENTES

A – CVT
B – Transmissão
C – Suportes
D – Caixa de Transferência ao
alimentador e Plataforma

E – Caixa 90 graus ao Sem Fim


e Caixa de Navalhas
A

E
46
4
7

Verificações de nível e manutenções

 Caixa de acionamento do alimentador  Caixa de acionamento da plataforma

2.8 l
Óleo Hy-tran 1209 2,9 L
600 horas
4
8

Desgaste das pás do sem fim

 Faça a verificação do desgaste nas


revisões pós safra
 Faça a troca das barras sempre
aos pares
4
9

Rotor AFX

A. Área de Transição
B. Área de Trilha
C. Área de Separação

1. Sem fim propulsor


2. Gengiva
3. Barra raspadora
4. Aceleradores de material

Rotor Standard (Large Tube)


Comprimento: 2642 mm (104”)
Diâmetro Total: 762 mm (30”)
Diâmetro do Tubo: 635 mm (25”)
Peso: 442 kg
Total de gengivas: 74
Guia de Configuração AFX
Colheitadeira AFX 7230 / 8230 / 9230

Obs. As indicações de RPM ou configurações variam de regiões e condições da cultura


5
1

Configuração de rotor

Configuração de fábrica: 64 barras raspadoras lisas (estreitas) + 8 dentadas + kit de


campo standard. Detalhe: todas as barras são de 2,25 polegadas de altura.
Kit Opcional: 8 barras de debulha lisas, 24 barras de debulha dentadas, 14 barras
separadoras retas
5
2

Côncavos

 Côncavos de arames finos: Espaçamento de 9,4 mm entre fios


 Côncavos de arames grossos: Espaçamento de 19 mm mm entre fios
 Côncavo de barra redonda: Com 16 mm entre barras
 Furos Oblongos: Tamanho do furo de 50x25mm totalizando 35% da área aberta
 Grade de separação
5
3

Côncavos

 São intercambiáveis, podem ser usados


tanto na seção de trilha quanto na
separação
 São marcados por sua posição, lado
direito e esquerdo;
 Lado esquerdo marcado com um L em (2)
= 55.24 cm
 Lado direito marcado com um R em (2) =
57.15 cm
 Deve ser medido na posição (1)
5
4

Vanes
Versatilidade para maior produtividade
Aletas ajustáveis

▪ Gaiola em Cromo com o dobro da vida útil


▪ Regulam o número de voltas do material em torno
do rotor
4 voltas
▪ Acelera ou desacelera o material suavemente
▪ Otimiza a debulha do material
▪ Gaiola perfurada

7/9/11

8230 e 9230 - Gaiola Extreme


7230 - Gaiola AFX sem
com manivela de ajuste das
manivela de ajuste das Vanes
Vanes
82 e 9230 Extreme
Gaiola - Vanes

VANES COM AJUSTE VANES COM AJUSTE LENTA:


ACELERADA: INDIVIDUAL SIMULTÂNEO PARTE DE BAIXO
PARTE DE BAIXO SAEM DE FÁBRICA SAEM DE FÁBRICA NA PARA TRÁS
PARA FRENTE NA POSIÇÃO FRONTAL POSIÇÃO INTERMEDIÁRIA

FIGURA DO ESQUEMA AO LADO


DIREITO DETALHA AS POSIÇÕES QUE
PODE SER DEFINIDAS
ROTACIONANDO A HASTE:
“F” - SIGNIFICAACELERADA
“M”- SIGNIFICA INTERMEDIÁRIA
FRONTAL “S” - SIGNIFICA LENTA
TRASEIRA “VS”- SIGNIFICA SUPER LENTA

36
5
7

Rotor Extreme

Rotor Extreme Gengiva Extreme

Ø 24”

Ø 30”
3”

Configuração de fábrica: 20 barras raspadoras estreitas (12 na região


de trilha + 8 na região de separação) + 8 barras raspadoras largas
(trilha) + 12 barras raspadoras dentadas (separação) + kit de campo
(12 barras raspadoras estreitas + 8 barras rapadoras dentadas + 12
módulos + 12 barras rapadoras largas (trilha). Detalhe: todas as barras
são de 3 polegadas de altura e com ângulo de 28º.
5
8

Configuração de rotor Extreme


Configurações do novo rotor Extreme

20 8
12

▪ Rotação do Rotor
• Soja seca e Sorgo: 750 RPM
• Soja talo verde: 850 RPM
▪ Côncavo
• Soja seca: Barra redonda ou Arame
grosso
• Soja Talo Verde: Barra redonda
• Sorgo: Arame Grosso
▪ Grade
• Soja seca, Soja talo verde e Sorgo:
Barra quadrada
▪ Vanes
12 Gengivas • Soja seca, Soja talo verde e Sorgo:
20 Gengivas 8 Gengivas estreitas Frontal / Intermediaria
estreitas lisas largas lisas
dentadas

Obs. As indicações de RPM ou configurações variam de regiões e condições da cultura


Configurações do novo rotor Extreme

12 8 8
▪ Rotação do Rotor
12
• Milho +24%: 400 RPM
• Milho -24%: 370 RPM
• Trigo: 1000 RPM
▪ Côncavo
• Milho +24%: Barra redonda
• Milho -24%: Barra redonda ou Arame
grosso
• Trigo: Arame Fino
▪ Grade
• Milho +24% e Milho -24%: Barra
quadrada
• Trigo: Barra quadrada ou Furo

12 Gengivas 8 Gengivas 8 Gengivas oblongo

estreitas lisas largas lisas


estreitas ▪ Vanes
dentadas • Milho +24%: Traseira / Super Lenta
• Milho -24%: Traseira / Lenta ou Super
Lenta
12 Barras raspadoras • Trigo: Frontal / Intermediaria
modular

Obs. As indicações de RPM ou configurações variam de regiões e condições da cultura


Configurações do novo rotor Extreme

32 8

▪ Rotação do Rotor
• Feijão Preto e Carioca: 260 RPM
• Feijão Caupí: 300 RPM
▪ Côncavo
• Feijão Preto, Carioca e Caupí: Barra
redonda
▪ Grade
• Feijão Preto, Carioca e Caupí: Barra
quadrada
▪ Vanes
• Feijão Preto e Carioca: Frontal /
Intermediaria
• Feijão Caupí: Frontal / Intermediaria
ou acelerada
32 Gengivas 8 Gengivas
estreitas lisas largas lisas

Obs. As indicações de RPM ou configurações variam de regiões e condições da cultura


Maior capacidade de configurações

Côncavo Grades

▪ Barra Redonda
▪ Indicado para grãos graúdos ▪ Barra Quadrada
▪ Culturas mais sensíveis, ▪ Separação dos grãos
graúdos
como feijão e sementes
▪ Aumentando o rendimento
▪ Menos atrito de limpeza

▪ Arame Fino
▪ Indicado para todos o grãos ▪ Furo oblongo
finos ▪ Separação de grãos finos
▪ Impede que cachos e
vagens caiam no bandejão ▪ Impede que o excesso de
sujeira peneira
▪ Impede obstruções das
peneiras

▪ Arame Grosso
▪ Côncavos e grades em
duas peças com o
▪ Grãos graúdos
envolvimento de 180 graus
▪ Maioria das condições de
colheita do rotor
6
3

Ajuste do côncavo

Procedimento de ajuste do côncavo:


Seguinte procedimento deve ser feito cada vez que mudanças sejam
feitas em relação aos côncavos, moldura H ou gengivas:
 Nivelamento do côncavo
Os côncavos devem permanecer absolutamente nivelados em
relação ao rotor
 Ajuste do ponto de debulha
Os côncavos devem ser deslocados à esquerda ou à direita em
relação ao rotor para permitir uma melhor distribuição de material no
sistema de limpeza, assim como mante-los bem posicionados em
relação à linha axial do rotor ou seja paralelos
 Parafusos batentes
Estes devem ser ajustados de tal forma que não permita que o rotor
golpeie os côncavos
 Calibração do côncavo
Uma vez feitos os ajustes mecânicos, deverá entrar em calibrações
e calibrar o côncavo
6
4

Ajuste do paralelismo

 Verifique a folga (A) na parte dianteira do primeiro côncavo e na parte traseira do


segundo côncavo do lado esquerdo
 Certifique-se de que a tolerância de 1 mm entre as medidas.
6
5

Ponto de debulha

 O ponto de compressão deve ser obtido na seção central dos côncavos

IMPORTANTE: No côncavo de arames, meça a folga (B) na terceira barra ou na


quarta barra no côncavo de barra redonda.
6
6

Ajuste da abertura mínima

 A abertura mínima deve ser de 6mm


6
7

Caixa de acionamento do rotor e manutenções

1. Caixa de acionamento do rotor


2. Vareta de verificação de nível
3. Cardã de acionamento
4. Sensor de RPM do rotor
5. Alavanca de Câmbio
6. Acoplamento com Rotor

7.Primeira Marcha
8.Segunda Marcha
9.Terceira Marcha
10.Garfo de mudanças
11.Cano de rolagem
12.Cames de mudança

Capacidade de óleo
Caixa de câmbio: 7.0 l Use óleo CASE AKCELA HY-
600 horas TRAN® ULTRA. 1209
Mudança de velocidade na caixa do rotor

OPÇÕES DE FAIXAS DE ROTAÇÃO

Rotor com 3 Faixas de Rotação


(ajuste manual):

• 1 - Baixa 220 a 450 RPM


• 2 - Média 420 a 780 RPM
• 3 - Alta 730 a 1180 RPM
• N - Neutro

•Obs. Sempre que for trocar de


faixa de rotação com o rotor
totalmente parado, com motor
desligado.

68
Maior durabilidade para as facas do picador

▪ Direcionador de palha
▪ Distribuição homogênea no picador
▪ Evita sobrecarga por má distribuição
▪ Reduz o desgaste prematuro e potencial desbalanceamento do
picador

Alavanca do lado
direito da máquina

69
7
0 9.1 – Picador
Funcionamento

1. Defletor de descarga do rotor


2. Rotor do picador
3. Sensor de rotação
4. Fundo do picador
5. Chapa das contra facas
6. Contra facas
Picador mais eficiente

▪ Novo picador com 40 facas


▪ Menor consumo de potência
▪ Novo perfil das contra facas
▪ Modulo com 4 contra facas
7
2

Ajuste de rotação

1. Acionamento do processador
2. Rolamento do picador
3. Eixo do picador
4. Polia de alta rotação
5. Colar de acoplamento
6. Polia de baixa rotação
7. Eixo do processador
7
3

Ajuste das contra-facas

 Ajuste da posição mínima das contra facas


 Ajuste do defletor

Nota: O defletor deve estar sempre recuado para a colheita de milho


7
4

Manutenções

 Limpeza diária dos detritos que se acumulam sobre o mancal do picador


 Lubrificação do rolamento
 Alteração da rotação de trabalho para lubrificação
7
5 9.2 – Espalhador
Ajustes

 Ajustes da largura do espalhamento


 Ajuste da bandeja de palha
 Ajuste dos garfos direcionadores

MY17
7
6

Componentes

Pré-peneira

Bandejão

Peneira Superior

Ventilador Peneira Inferior


Pré limpeza

Pré Peneira

Ajuste da pré peneira externo

77
7
8

Tipos de peneiras

Peneira Peterson 1.1/8” (28,6mm): Geralmente utilizados para grão


pequenos ou colheitas de pequeno volume e condições de baixa
qualidade. Proporciona uma MENOR vazão do produto.

Peneira 1.5/8” Clozs (41,3mm): Recomendada para a maioria das


culturas. Proporciona uma vazão MEDIANA de produto.

Peneira 1.5/8” Alta Vazão (41,3mm): Recomendada para milho e a


maioria de outras colheitas de sementes grandes. Proporciona ALTA
vazão de sementes pelas peneiras.
7
9

Bandejão e pré peneira


8
0

Conferência da folga da estrutura de nivelamento


8
1

Ventilador de limpeza

 Janela para a limpeza do ventilador


 O ar é direcionado para a pré peneira e
peneira inferior
 Verificar possíveis obstruções dos
canais do ventilador
8
2 8.1 – Processador
Particularidades

 Processador de retrilha Tri-SweepTM


 Não sobrecarrega o rotor
 Cada polia gira 10% mais rápido em cada
estágio
 Proteção do processador através de
embreagem de segurança

Diâmetro da
Eixo RPM
polia

Inferior 305 mm 550

Central 336 mm 458

Superior 254 mm 660


8
3

Manutenções

 Manutenção da caixa de acionamento


do processador
 Verificação do funcionamento do
sensor de retrilha
8
4 8.2 – Elevador de grãos limpos
Particularidades

Modelos anteriores

Recente Cantoneira

 Alteração do ângulo da chapa de fundo


 Janela de inspeção no pé do elevador
 Para situações adversas, possui kit reforçado
das pás do elevador
8
5

Ajuste da rotação e tensionamento da esteira transportadora do elevador


8
6

Embreagem de segurança

 Ajuste do alinhamento da polia


pelo calço (5)
 Embreagem de segurança

1. Correia de acionamento
2. Arruela de pressão
3. Embreagem de segurança
8
7 8.3 – Tanque graneleiro
Acionamento das caixas do sem - fim inclinado do tanque graneleiro

 Corrente de acionamento das caixas do sem fim do graneleiro


 Caixas de acionamento
8
8

Ajuste das aletas dos sem fins do tanque

 Especificações
 Ajuste das aletas dos sem fins do tanque
 Posição dos sem fins
8
9

Ajuste da rotação e tensionamento da esteira transportadora

Acionamento do sistema de descarga


Parafuso fusível
Manutenções periódicas
Acionamento do sistema de descarga
9
0 8.4 – Tubo de descarga
Extensão do tubo e manutenções

 Cotovelo do tubo de descarga


 Extensão do tubo de descarga
 Sincronismo do sem fim
 Ajuste da posição do tubo em relação ao berço

 MY 17
9
1 10.1 – Transmissão
Manutenções

 Transmissão com 4 marchas


 Fazer a limpeza frequentemente
MANUTENÇÃO
Para verificar se a marcha foi
selecionada, o número
da marcha no anel indicador, (1) deve
se alinhar com
a seta (2) no sensor de mudança de
marchas.
7. Para bloquear a marcha selecionada
manualmente,
desaperte o parafuso (3) e remova a
bucha, (4).
8. Instale o parafuso (3) (sem a bucha),
para bloquear
a marcha selecionada (parafuso (3)
precisa passar
através do furo no came do eixo
dentro da caixa de
engrenagens de tração).

NOTA: Se o parafuso não virar facilmente na caixa de engrenagens, mova a porca (1) (Figura 3) até
que o parafuso gire facilmente dentro da caixa de engrenagens

NOTA: Posicionar manualmente a transmissão numa marcha permitirá o deslocamento se o sensor de


posição de marcha estiver com defeito.
MANUTENÇÃO

Liberação manual do freio de estacionamento

Remova a proteção (1) e a tampa


de borracha (2).

5. Remova o contrapino (1) e aparafuse na


porca (2) até
que o pistão do freio de estacionamento esteja
completamente puxado para trás para liberar a
pressão no
disco do freio.

PERIGO
Lembrar que o freio de emergência não funcionará quando for desacionado manualmente. Verificar se as
rodas estão bloqueadas para impedir qualquer movimento. O descumprimento desses procedimentos resultará
em ferimentos graves ou morte.
9
4 10.2 – Redutor dianteiro
Manutenções

 Verificação do nível de óleo


 Manutenção periódica
 Armazenamento da maquina após
a safra
PTO

2900 RPM
2100 RPM
2030 RPM
Embreagem da
Descarga Bomba do
C8 2900 RPM
Rotor
Alimentador Transmissão
C7 Hidro
C2
Entrada do
Motor 2538 RPM
2388 RPM C1

CVT ao
Alimentador
C5 Bomba de
Engrenagens Bomba PFC
Tripla C9
C3 2538 RPM
2137 RPM

CVT ao Rotor Transmissão do


C6 Batedor / Picador
C4 2030 RPM
9
6 10.3 – PTO e sistema hidráulico
Manutenções

 Verificação diária da presença de vazamentos


 Limpeza de sujeira frequentemente
 Verificação dos níveis de óleo
 Limpeza do filtro tela sempre que substituir óleo da TDF
Acionamento

Transmissão – PTO
Motor Case Cursor 13

Caixa 90 Graus CVT do Rotor

Transmissão

Acoplamento do Rotor

97
Filtro e óleo hidráulico

 O óleo e os filtros hidráulicos devem ser trocados a cada 1200 h


 O filtro de retorno hidráulico deve ser substituído sempre que o óleo for
trocado

74
9
9 10.4 – Eixo traseiro
Ajustes

 Ajustes da bitola
 Ajuste da altura do eixo
 Ajuste da posição do cubo
1 – Informações gerais AF 230 Tier 2

7230 8230 9230


Motor 9 L Case IH Cursor 13 L Case IH Cursor 13 L Case IH Cursor
FPT FPT FPT
Potência 388 CV 455 CV 510 CV
Potência Máxima 448 CV 516 CV 570 CV
Rotor AFX AFX AFX
Diâmetro 762 mm ou 30’’ 762 mm ou 30’’ 762 mm ou 30’’
Comprimento 2623 mm ou 103,4’’ 2623 mm ou 103,4’’ 2623 mm ou 103,4’’
Peneira superior 1.5/8’’ 1.5/8’’ 1.5/8’’
Peneira inferior 1.1/8’’ 1.1/8’’ 1.1/8’’
Área de limpeza 7,17 m² 8,59 m² 8,59 m²
Tanque graneleiro 11.100 litros 12.300 litros 12.300 litros
Tubo de descarga 7,7 m 7,7 m 7,7 m
Velocidade de 113 l/s 113 l/s 113 l/s
descarga
Peso 14.950 kg 16.480 kg 16.480 kg
2
1
0
1
1 – Informações gerais AF 230 MY17 Tier 3

7230 8230 9230


Motor Cursor 10 FPT Cursor 13 FPT Cursor 13 FPT

Potência 426 CV 455 CV 503 CV


Potência Máxima 487 CV 516 CV 571 CV
Níveis de emissão MAR I / iEGR MAR I / SCR MAR I / SCR
Reserva de 61 CV 61 CV 68 CV
potência
Rotor AFX AFX AFX
Área de limpeza 8,59 m² 8,59 m² 8,59 m²
Tanque graneleiro 12.330 litros 14.440 litros 14.440 litros
Tubo de descarga 7,9 m 9,1 m 9,1 m
Velocidade de 114 l/s 141 l/s 159 l/s
descarga
Peso (com rodado 17.866 kg 18.914 kg 18.914 kg
duplo)
1
0
2
1 – Informações gerais AF 230 MY17 Tier 3 Extreme
7230 8230 9230
Motor Cursor 10 Cursor 13 Cursor 13
Potência 426 CV 455 CV 530 CV
Potência Máxima 487 CV 516 CV 584 CV
Reserva de 61 CV 61 CV 54 CV
potência
Níveis de emissão MAR I / iEGR MAR I / SCR MAR I / SCR
Arla 32 NA 156 litros 156 litros
Tanque de 1000 litros 1000 litros 1000 litros
combustível
Rotor AFX Extreme Extreme
Área de peneiras 6,51 m² / Total: 8,59 6,51 m² / Total: 8,59 6,51 m² / Total: 8,59
m² m² m²
Tanque graneleiro 12.330 litros 14.440 litros 14.440 litros
Tubo de descarga 7,9 m 9,1 m 9,1 m
Velocidade de 114 l/s 141 l/s 159 l/s
descarga
1
0
3
12 – Motor
Especificações

 Modelo de motor de acordo com o modelo de máquina


 Motor FPT
 Baixa emissão de poluentes
 Ampla faixa de utilização
Motor Mar-I/Tier 3 - soluções I-EGR e Light SCR

10
4
Óleo do motor e filtro

• Cursor 9 e 10 • Cursor 13

10
5
1
0
6
Filtro blow by manutenções

• Cursor 9 e 10 • Cursor 13
1
0
7
Filtro de combustível e filtro de ar

7230 82 e 9230

 Pré-filtro do combustível

 Filtro de ar
Tier 3 – Filtros ARLA

 Substituir com 1200


horas

 Substituir com 3600


horas ou 2 anos

84
1
0
9
12.1 – Trocadores de calor
Manutenções

1. Intercooler
2. Radiador do líquido de arrefecimento
3. Arrefecedor de óleo da PTO
4. Arrefecedor do óleo hidráulico
5. Condensador do A/C
14 – Pró 700

87
1
1
1
3 – Controles e instrumentos

B C
A – Botão de parada rápida
D E B – Movimentar o tubo de descarga para frente
I C – Fechar o tubo de descarga
H F D – Interruptor de acionamento da descarga do tanque graneleiro
M E – Retomada da plataforma
G
J F – Inclinação plataforma lateral direita
L
K G – Elevar a plataforma
H – Inclinação plataforma lateral esquerda
I – Abaixar a plataforma
J – Recuo do molinete
K – Elevar o molinete
L – Avanço do molinete
M – Abaixar o molinete
1
1
2
3 – Controles e instrumentos

O botão de mudança (1) localizado na parte posterior do MFH, quando usado com os botões na
parte da frente, permite a operação dos recursos secundários:
• Inclinação da plataforma para direita/esquerda + Mudança;
✓ Irá ajustar o Nudge (Solavanco) ou Edge Guidance Offset (Compensação de
orientação da borda) quando o sistema AFS AccuGuide estiver habilitado.
• Avanço/recuo do molinete + Mudança;
✓ Inclinação da plataforma de corte para frente/trás.
NOTA: A configuração de avanço/recuo da plataforma/faca deve ser ajustada como SIM
no Pro 700 para ativar essa função (Toolbox > Head 2> Header/knife Fore-Aft [Caixa de
ferramenta > Plataforma2> Avanço/recuo da plataforma/faca])
• Elevação/abaixamento do molinete + Mudança;
✓ Aumenta/diminui a pressão no solo em plataformas draper.
✓ Irá dobrar ou desdobrar uma plataforma de milho dobrável.
✓ Irá dobrar ou desdobrar rodas de transporte da plataforma. NOTA:
O alimentador deve estar desligado, com velocidade efetiva nula e
levantado, para dobrar/desdobrar as rodas de transporte do cortador.
• Retomada da plataforma + Mudança
✓ Coloca a plataforma no modo de cabeceira.
✓ Colheitadeiras equipadas com AccuGuide
• Um duplo clique no botão de mudança vai engatar o sistema AFS AccuGuide quando
estiver ativado.
1
1
3
3 – Controles e instrumentos
1
1
4
3 – Controles e instrumentos

1. Interruptor do separador
2. Interruptor do alimentador
3. Interruptor de seleção da velocidade automática do molinete
4. Controle do potenciômetro de velocidade do molinete
5. Interruptor automático/manual de acionamento da plataforma/do alimentador
6. Controle do potenciômetro da velocidade da plataforma
7. Interruptor de controle de velocidade do rotor
8. Interruptor de controle da posição do côncavo
9. Interruptor de controle de velocidade do ventilador de limpeza
10. Alavanca de controle do acelerador
11. Interruptor do balancim de controle da peneira superior
1
1
5
3 – Controles e instrumentos

12. Interruptor do balancim de controle da peneira inferior


13. Interruptor de controle de velocidade do espalhador de palha
14. Interruptor do eixo guia de potência
15. Eixo guia de duas velocidades de potência
16. Interruptor do freio de estacionamento
17. Controle de ajuste automático da altura da plataforma
18. Controle de ajuste fino automático da altura da plataforma
19. Interruptor do seletor da alavanca de mudança de marcha (1-2-N-3-4)
20. Interruptor do modo de campo/estrada – Segurança
21. Interruptor do eixo de potência auxiliar dianteiro das barras de corte verticais
(se equipado)
Calibrações

Apresentar todas as funções do


monitor Pro 700 e calibragens em parte
pratica na colheitadeira,

116
Geografia do Sistema Hidráulico
Filtro Hidráulico

2 - Descarga (retorno)
3 - Não usado
4 - Entrada
10 -Válvula By Pass
11 -Sensor de restrição
12 -Válvula verificadora de fluxo de retorno

Características principais
O filtro está posicionado no retorno do sistema.
O sensor (11) monitora restrições superiores a 2.76 bar (40 PSI), se isto ocorrer, fecha o
circuito e gera um alerta no display.
A válvula By Pass (10) , como proteção, abrirá com 3.45 bar (50 PSI), portanto o sensor
alertará o operador antes que a válvula atue.

118
BOMBA DE ENGRENAGENS TRIPLA

1.Saída para do Ventilador (bomba


traseira)
2. Saída para Tela Rotativa e Espalhador
(bomba central)
3. Saída de Pressão de Controle
(bomba dianteira) se alimenta desde
entrada 4
4. Alimentação da Caixa de transmissão
da TDF (bomba 3)
5. Alimentação do Depósito Hidráulico
(bombas 1 e 2)

119
LINHA HIDRÁULICA DE COMANDO DO VENTILADOR

1. Válvula de Controle
2. Motor Mando Ventilador. Transmissão do Ventilador

A seção externa da bomba de


engrenagens triple oferece
óleo exclusivamente ao
1-Válvula Controle (L.E.) circuito de transmissão do
2-Válvula Descarga ventilador de limpeza. O óleo
da bomba flui à válvula de
transmissão do ventilador, 1,
que está no lado direito da
colheitadeira. Se o mecanismo
da trilha está ligado, o
solenóide recebe energia e o
óleo flui pela válvula ao motor
do ventilador.
BOMBA E CIRCUITO
ESPALHADORES E TELA ROTATIVA

1. Reservatório
2. Retorno da Válvula do Espalhador da
Válvula e do Motor da Tela Rotativa
3. Válvula Espalhadores
4.Alimentação da Válvula
5. Bomba dos Espalhadores
Bomba PFC
PRESSÃO E FLUXO CONTROLADOS

1. Ajuste da Haste de Alta Pressão 4. Linha de Sinal para o Compensador


2. Ajuste da Haste de Controle de Fluxo 5. Sensor de Temperatura
3. Retorno ao Tanque

122
COMANDO DA PLATAFORMA

1. Bomba PFC e Compensador


2. Filtro de Retorno
3. Válvula de subir Plataforma
4. Galerias e Válvula Principal
5. Alimentação Principal
6. Linha de sinal para a CCLS
VÁLVULA PRINCIPAL

1. Alimentação Válvula do alimentador


2. Da Bomba PFC
3. Sinal da válvula da direção
4. Alimentação para válvula de direção
5. Válvula da plataforma
6. Solenóide para Subir Plataforma
7. Solenóide para descer Plataforma
8. Alimentação da Pressão Regulada
9. Para os cilindros da plataforma
10. Retrair o Tubo de descarga
11. Válvula térmica de alivio
12. Pórtico ao tanque (retorno)
13. Pórtico de Teste de pressão
14. Pórtico de Teste Linha de Sinal
15. Corpo de galerias principais
16. Solenóide abrir tubo de descarga
VÁLVULA PRINCIPAL

17. Válvula de Prioridade


18. Válvula Sinal
19. Válvula verificação e Orifício de purgar
20. Solenóide do Acumulador
21. Sinal para Compensador
22. Abrir Tubo de descarga
23. Para Acumulador
24. Sensor Pressão da Flutuação
25. Solenóide Retrair tubo de descarga.
26. Válvula de ret. Sinal da plataforma
27. Válvula de ret. carga da plataforma
28. Haste Secundaria de baixar
29. Haste Secundária de Subir
ELETRICIDADE E DIAGNÓSTICO SÉRIE 130
Multímetro

27
ELÉTRICA E DIAGNÓSTICO SÉRIE 230
Rede CAN

Controller Area Network


ELÉTRICA E DIAGNÓSTICO SÉRIE 230
Rede CAN

12
ELÉTRICA E DIAGNÓSTICO SÉRIE 230
Rede CAN

12
ELÉTRICA E DIAGNÓSTICO SÉRIE 230
Organograma dos controladores – Rede CAN

Antena Terminador Sensor de


DGPS CAN #2 Fluxo de
grãos

Módulo do
Modulo do
PRO 700 motor e
Piloto CCM1 terminador
CAN #1
Conector CCM2
de
Diagnóstico
Módulo do
console CCM3
direito
Terminador (RHM)
CAN #2
Terminador CAN #1 CAN#1
Cabine Cabine
CAN#2
ELÉTRICA E DIAGNÓSTICO SÉRIE 230
Rede CAN – Terminadores
ELÉTRICA E DIAGNÓSTICO SÉRIE 230
Organograma dos controladores – Conectores/Controladores

PRO700

SISTEMA DE SENSOR
ORIENTAÇÃO DE FLUXO
DE BORDA

RHM CCM1 CCM2

ECM
CCM3
ELÉTRICA E DIAGNÓSTICO SÉRIE 230
Rede CAN– Diagnóstico Conectores/Controladores

Testes de comunicação da rede devem seguir 3 passos:

1. Teste do conector de diagnósticos (60Ὠ)


2. Teste dos terminadores da CAN
3. Teste dos controladores RHM, PRO700 e NAV
4. Teste dos controladores CCM e de monitoramento de produtividade.

Obs. Os procedimentos devem levar em consideração o tipo de ligação de


cada módulo.
ELÉTRICA E DIAGNÓSTICO SÉRIE 230
Fusível

Identificação:
Fusível convencional
Cor Corrente nominal

03 amp. Violeta

04 amp. Rosa

05 amp. Tangerina

7,5 amp. Marrom

10 amp. Vermelho
Maxi Fusível
15 amp. Azul

20 amp. Amarelo

25 amp. Cristal

30 amp. Verde

40 amp. Laranja

Sempre substituir por um fusível de mesma capacidade


ELÉTRICA E DIAGNÓSTICO SÉRIE 230
Fusíveis

Fusiveis

Power fusível Max fusível fusível

PF MF F

13
CABINE E CONTROLES

CENTRAL DE FUSIVEIS E RELÊS


ELÉTRICA E DIAGNÓSTICO SÉRIE 230
Bateria

Funções da Bateria:

1. Fornecer energia elétrica ao motor de


partida
2. Fornecer energia elétrica ao sistema de
ignição e injeção durante a partida do motor
3. Alimentar os componentes elétricos e
eletrônicos que podem ser acionados em
quanto o motor estiver desligado
4. Agir como estabilizador de tensão para o
sistema de carga
5. Providenciar energia quando a demanda
exceder a capacidade do sistema de carga
1
3
8
11 – Sistema elétrico
Cuidados e manutenções

 Desligar os cabos das baterias e


módulos para realizar soldas
 Ao realizar ponte auxiliar, sempre faça
na bateria traseira
 Caixa de fusíveis e reles
 Módulos controladores
 Chave geral
1
3
9
15 – Especificações MY17
1
4
0
1
4
1
1
4
2
16 – Manutenções MY17
1
4
3
1
4
4
1
4
5
17 – Lubrificação

14
6
14
7
Série 230

Segurança básica de transito pessoal


operação manutenção Serie 230

Obrigado AXIAL SÓ EXISTE UMA CASE IH.