Sie sind auf Seite 1von 9

DANIEL NASH O HOMEM QUE VIU 100.

000 PESSOAS SE
CONVERTEREM A CRISTO

Daniel Nash pastoreou uma pequena igreja presbiteriana


norte do Estado de Nova York por seis anos, e viajou como
um evangelista itinerante por mais sete anos, até sua
morte. Tanto quanto sabemos, ele nunca ministrou fora da
região de Nova York.
Sua lápide em um cemitério é negligenciada ao longo de uma estrada de terra
atrás de um celeiro. Sua igreja não existe mais, sua localização é marcada por
um marco histórico em um campo de milho; o edifício está desaparecido, sua
madeira foi usada em uma fábrica de rações quatro milhas abaixo da
estrada. Nenhum livro conta a história de sua vida, nem fotos ou diários podem
ser encontrados, seus descendentes não podem ser localizados, e suas mensagens
estão esquecidos.
No entanto, este homem viu avivamento duas vezes em seu pastorado, e em
seguida foi uma figura chave em um dos maiores avivamentos na história dos
Estados Unidos. Em muitos aspectos, ele foi para os EUA que Praying Hyde (John
Hide) foi para a Índia. Ele é conhecido quase exclusivamente pelo seu ministério e
oração poderosa e triunfante.

O grande evangelista, Charles


Finney, deixou seu ministério
itinerante para o pastorado dentro
de três ou quatro meses após a
morte deste homem. Finney não
contava com sua teologia,
mensagens, estilo, lógica, ou
métodos para salvar almas. Ele
dependia da fervorosa oração de
Nash e seus amigos intercessores e do trabalho maravilhoso do Espírito Santo para
trazer grande convicção de pecado sobre sua audiência, e conversões profundas e
duradouras. Isso pode muito bem explicar por que 80 por cento daqueles
convertidos em suas reuniões tenham resistido ao teste do tempo.
Anos mais tarde Moody seguiu um padrão semelhante, mas sem tal guerreiro de
oração. Ele viu talvez 50 por cento dos seus convertidos permanecerem. Hoje, Billy
Graham, um conhecido evangelista (bem financiado e altamente organizado)
afirmou recentemente que ele ficaria muito satisfeito se 20 por cento dos seus
convertidos fossem genuinamente convertidos. Neste dia de apostasia com muitas
decisões, mas poucas conversões verdadeiras, com muitos programas, mas pouca
oração, com muita organização, mas poucas lágrimas seria sábio aprender as lições
do passado com este príncipe da oração chamado Daniel Nash.

Durante o seu primeiro ano de pastorado nesta igreja Daniel batizou


pelo menos 70 pessoas. Com o tempo porém a congregação optou por
trocá-lo por um pastor mais jovem e ele com 46 anos viu o fim de seu
ministério pastoral Durante este final de seu pastoreio e o ministério
que se seguiu, houve um segundo movimento de avivamento (1822-
1823), onde mais de 200 foram convertidos. Isso ocorreu em um
município de apenas 308 casas com uma população de
aproximadamente 2.000 pessoas! Imagine como que Deus abençoou
um pastor rejeitado com esse avivamento, e que apesar disso a igreja
não tomou nenhuma medida para chamá-lo de volta! Através de tudo
isso Deus estava quebrando e preparando o coração de seu filho para
tirá-lo do ministério público da pregação e colocá-lo no ministério
privado da oração.

Essa rejeição por aqueles que amavam e havia cuidado por muitos anos fez o seu
trabalho de esmagamento de seu ego, e por um ano todo ele ficou tão danificado
espiritualmente que qualquer esperança humana de um ministério de oração parecia
impossível. Neste momento Charles Finney estava a ser examinado por uma licença
para pregar, e ele tem seu primeiro encontro com Daniel Nash como se segue:
"Nesta reunião do presbitério vi pela
primeira vez Rev. Daniel Nash, que é
geralmente conhecido como" Pai
Nash. Ele era um membro do presbitério.
Uma grande congregação se reuniu para
ouvir o meu exame. Entrei em um pouco
tarde, e vi um homem de pé no púlpit o
falando ao povo, como eu supunha. Ele
olhou para mim, eu o observei, quando
entrei; Assim que cheguei ao meu banco,
observei que ele estava orando Fiquei
surpreso ao vê-lo olhando por toda a
casa, como se estivesse conversando com as pessoas;., enquanto na verdade ele estava
orando”
Após esta reunião Nash foi atingido com um caso grave de olhos
inflamados. Durante várias semanas, ele teve que ser mantido em um quarto escuro
onde ele não podia ler nem escrever. “Durante este tempo”, ele entregou-se quase
inteiramente à oração Ele teve então um maravilhoso repotenciamento de toda a sua
experiência cristã; E logo que ele foi capaz de ver, que Deus o estava chamando
para trabalhar pelas almas. "

[Seus trabalhos não assumiram a forma de evangelismo pessoal ou de pregação


evangelística. Em vez disso, começou um dos maiores ministérios de oração
evangelística registrados na história. Este antigo pregador rejeitado e quebrado
deu-se a um trabalho que viria a influenciar a vida de centenas de milhares de
pessoas.]
Certa vez Daniel Nash falou:
"Quando o Sr. Finney e eu começamos nosso ministério, não tínhamos intenção de ir
pregar aos crentes. Nossa maior ambição era ir para onde não havia nem ministro ou
pregador e tentar resgatar a ovelha perdida, com a qual ninguém se importava.”

Ele foi fundamental para o avivamento que se seguiu


no ministério de Finney. Todos nós podemos olhar
para a vida de Daniel Nash e ver um exemplo de
como a oração é importante para ver o reino de Deus
revelado. A partir de "Daniel Nash: "Quando Finney
ia dirigir uma reunião, Father Nash (Pai Nash) ia
silenciosamente para a cidade e procurava fazer com
que duas ou três pessoas de lá entrassem em um pacto
de oração com ele. Às vezes ele tinha com ele um
homem de oração semelhante a ele, Abel Clary. Juntos, eles começavam a orar
fervorosamente para que Deus se movesse naquela comunidade.

Esta equipe evangelística operava na base da oração e a intercessão prévia era o


essencial para a preparação de uma área para o evangelismo. Muitas vezes levaria
3 ou 4 semanas de oração para obter a área pronta. Quando Deus os enviava a
algum lugar, Pai Nash se dirigia silenciosamente para a cidade e procurava fazer
com que duas ou três pessoas entrassem com ele em um pacto de oração. Às vezes
ele levava com ele seu companheiro de oração, Abel Clary. Juntos, eles
começariam a orar fervorosamente para que Deus se movesse na comunidade.
Um registro disso é contado por Leonard Ravenhill:
"Eu conheci uma velha senhora que me contou uma história sobre Charles Finney que me
desafiou ao longo dos anos. Finney foi para Bolton para pregar, mas antes que ele começar, dois
homens bateram na porta de sua humilde casa de campo, querendo hospedagem. A pobre mulher
olhou espantada, pois ela não tinha acomodações extras. Finalmente, por cerca de vinte e cinco
centavos por semana, os dois homens, ninguém menos do que pai Nash e Clary, alugaram um
porão escuro e úmido para o período das reuniões Finney (pelo menos duas semanas), e durante
todo este período, esses parceiros de oração lutavam contra as forças das trevas".

Outro registro diz: "Em certa ocasião, quando cheguei à cidade


para começar uma campanha evangelística uma senhora entrou em
contato comigo. Ela disse: 'Irmão Finney, você conhece um tal Pai
Nash? Ele e outros dois homens foram na minha casa e pediram um
aposento por uns dias e eu arrumei para eles por saber que eram da
igreja, mas nos últimos três dias, eles não comeram nem um pedaço
de pão. Abri a porta e espreitou para ver o que eles estavam
fazendo e só pude ouvi-los gemendo, eu fiquei preocupada. A
aflição estava em seus rostos. Eles têm estado dessa maneira por três
dias, prostrado no chão e gemendo. Eu pensei que algo terrível
tivesse acontecido com eles. Eu fiquei com medo de falar com eles e
não sabia o que fazer. Irmão Finney, Você poderia por favor vir
perguntar a eles o que aconteceu? ' "" Não, não é necessário, "Finney respondeu. "Eles só têm um
espírito de intercessão e súplicas sobre eles. '"

Em uma carta de Nash encontramos


Esta passagem:
"A obra de Deus avança no poder, mas em alguns
lugares encontra terrível oposição. Sr. Finney e eu
ambos temos sido freqüentemente perturbados em
nossas reuniões religiosas. Às vezes, os opositores
fazer um barulho na entrada da igreja, às vezes
eles se reúnem em volta da casa jogando pedra e
dando tiros com pistola. Temos visto se cumprir
aquela palavra de que o mundo nos odeia em todo o
tempo”.
Os inimigos do avivamento têm tentado falar mal do trabalho destes
dois heróis da fé. Eles temem e odeiam a oração de Nash tanto como
a pregação de Finney.
O avivamento mais conhecido desse período na história americana foi o que ocorreu em
Rochester, Nova York. Mais de 100.000 foram consideradas como tendo sido profundamente
convertidos durante essas reuniões. Nash e Clary uniram-se em fervorosa oração e em agonia
de alma. Orações que podem parecer estranhas aos nossos olhos hoje. Hoje, nossas orações
suaves realizam tão pouco, porque talvez elas nos custem tão pouco, não trazem dor e nem
agonia para a alma.
Finney escreveu:
“conheci pessoas que oravam até que eles ficavam todos molhados de suor, no clima
mais frio no Inverno. Tenho conhecido pessoas que ficam horas na presença de Deus
orando como se fosse uma verdadeira guerra, até suas forças se esgotarem e as suas
mentes se exaurirem. Tais orações prevalecem com Deus. Esta agonia em oração era o
segredo dos dias de Jonathan Edwards, nos avivamentos que então tiveram lugar ".
Em Rochester, NY, nos intercessores havia uma preocupação com os pecadores que estão
perdidos e isso trazia grande estresse para as suas mentes e almas. Eles gemiam sob essa carga,
eles arriscavam a saúde e abriam mão do conforto porque criam que a batalha primeira
precisava ser ganha nos céus. Deus honrou seus fardos e enviou o avivamento. Privadamente
eles oraram e Deus respondeu publicamente. "Praticamente todo mundo na cidade foi
convertido. O único teatro da cidade foi convertido em um estábulo, o único circo em uma
fábrica de sabão e vela, e os bares e tabernas foram fechados."

Oswald J. Smith explica a importância de tais esforços em oração durante o


ministério de Finney:
"Ele sempre pregou com a expectativa de ver o Espírito
Santo derramado repente. Até que isso aconteceu pouco
ou nada foi realizado. Mas o momento em que o Espírito
caiu sobre o povo, Finney não tinha mais nada para
fazer, a não ser conduzir o povo para o Cordeiro de
Deus. Assim, ele viveu e operou durante anos em uma
atmosfera de renascimento ".
Recusamo-nos a aceitar que as manifestações sobrenaturais e
inexplicáveis que muitas vezes ocorrem nos avivamentos devem ser
combatidas. Não é surpreendente que nós não temos nenhum problema
com pessoas vestindo-se excentricamente, com esportistas fazendo
manobras radicais, com pessoas exagerando em seu trabalho, passando
dos limites na busca por sonhos materiais, mas quando Chega à área da
religião temos que ser super civilizados, ultra comportados e sempre andar
em limites pré–estabelecidos, senão seremos catalogados como
fanáticos e perturbadores?
Nós iríamos morrer pela liberdade nacional, defendendo o País em uma guerra, mas nunca arriscar a vida para o
progresso do Reino de Deus? É de se admirar que vemos tão pouco da grande obra de Deus! Por que alguém
passar a noite em oração gemendo e chorando pela igreja deveria ser uma coisa tão estranha ?

AS ESTRATÉGIAS DE DANIEL NASH

ORAÇÃO PARTICULAR
“Alguém perguntou a Finney que tipo de homem era este Pai Nash”. “Nós nunca o vemos, disseram eles.”
“Ele não entra em nenhuma das reuniões.”
"Finney respondeu:" Como qualquer pessoa que faz da oração o seu serviço, Pai Nash é uma pessoa muito
tranqüila. “Mostre-me uma pessoa que está sempre agitada e falando e eu vou lhe mostrar um cristão que nunca
faz muita oração. "
A maioria das orações que tem sido feita, tem sido em um lugar privado. Eles não procuram tanto o olho e o
ouvido dos homens, mas sim o ouvido de Deus. Eles procuram um canto onde estejam a sós com Deus. Nash
usou uma adega, um quarto em uma pensão, uma casa nas proximidades, ou um bosque de árvores onde
pudesse abrir o coração a Deus sozinho ou com alguns outros de carga e de coração semelhante. James A.
Stewart enfatiza este ponto, "Tal como no caso de" John (praying) Hyde "e Daniel Nash, os dois tinham uma
vida de isolamento do público cristão para o ministério de intercessão."
Fervor NA ORAÇÃO
Embora ele orasse em secreto, o fervor e a participação intensa do coração eram
itens constantes na oração. “Uma senhora da igreja tornou-se ciente de seus
gemidos enquanto orava. Seus inimigos afirmavam "que era impossível Nash orar
em segredo uma vez que, quando ele começava a orar, no quarto na floresta, ele
orava com tal veemência que ele podia ser ouvido qualquer um que passasse por
perto."
LISTA DE ORAÇÃO
Uma lista organizada e sistemática de pessoas e assuntos para orar é
uma ferramenta comum de guerreiros de oração eficazes. Preparação
de nosso caso, listando os nossos pedidos, e rigor na oração ajudam a
estabelecer um ministério significativo. Também nos ajuda a alegrar-
se em evidência escrita de respostas à oração.
Nash utilizado tal método:
"Nash teve notável poder na oração e tinha o hábito de fazer uma"
lista de pessoas por cuja conversão ele orou diariamente em segredo.
As respostas as suas orações às vezes parecia quase milagrosa, pois
ele não limitou o seu “list”para aqueles a quem ele achava que poderia
ser alcançado pelo avivamento, mas os casos mais obstinados e
improváveis foram feitos os temas de oração, com resultados que
foram verdadeiramente espantoso. "
Finney disse de Nash e sua lista de oração, "Orar com ele e ouvi-lo orar nas reuniões, descobri que seu dom de
oração foi maravilhoso e sua fé quase milagrosa." Nash iria orar por estes não apenas diariamente, mas para
algumas muitas vezes ao dia.

Outra questão de listas de oração é conhecer a vontade de Deus a respeito de quem colocar na lista de
oração. Para ir pelas aparências é andar por vista e não pela fé. Para ser capaz de crer em Deus para a salvação
de uma pessoa requer algum direção de Deus a respeito de quem colocar na lista. Nash parecia especialmente
sensível nesta área, como ele iria colocar os nomes em sua lista de oração? Finney ao descrever Nash e sua lista
disse:
“A verdade da questão é que o Espírito conduz o homem a orar, e se Deus leva o homem a orar para um
indivíduo, a inferência é que o desígnio de Deus é que essa pessoa deve ser salva. Se somos movidos pelo
Espírito orar por alguém tem boa evidência para acreditar que Deus está preparado para abençoá-lo.”
ORANDO COM OS OUTROS
Como já foi mencionado anteriormente, Nash sempre procurava
amigos de intercessão para ajudar a transportar a carga pesada
do mundo espiritual que cada pessoa tem e que é compartilhada
pelo intercessor quando este ora por ela :"Um [deve] perseguir a
mil e dois dez mil." Os esforços de vários com um fardo para a
vitória aumenta muito o poder da oração.

FOCO NA ORAÇÃO
O foco na oração é essencial para quem ora. A mente e
o coração devem estar concentrados no
alvo. Orações dispersas é de pouco valor. Uma lista é
um ponto de partida nesta matéria, mas os itens na lista
devem ser focados em um por um, se quisermos esperar
resultados.

ORAÇÃO DA FÉ
Nash estava convencido de que temos uma responsabilidade para o destino das
almas. Ele sentiu que Deus confiou grandes ferramentas para nós, e o uso ou desuso
deles era um assunto sério para o qual teríamos que prestar contas a Deus. Seu
ministério de oração tinha isso como uma premissa básica. Eis aqui uma carta de
Daniel Nash, a qual pode conhecer um pouco da mente deste raro homem de fé:
"Desde que cheguei, estive pensando em oração -. Particularmente em orar para que
o Espírito Santo pudesse descer, não só na igreja, mas em uma cidade, um país e até
no mundo todo. No sábado, pus-me a fazer isso, e o diabo estava muito irritado
comigo. Agora estou convencido, que este é o meu dever e o privilégio e o dever de
todos os outros cristãos, para orar por tanto do Espírito Santo quanto o que nos foi
dado no dia de Pentecostes, e muito mais. Eu não sei por que não pode pedir cada
vez mais para que Deus mande o seu Espírito, porque creio que se pedimos com fé,
veremos a resposta completa.... Eu acho que nunca o fizeram, pedir livremente o
Espírito Santo para toda a humanidade . Meu corpo está com dor, mas estou feliz
em meu Deus .... Eu apenas estou começando a compreender o que Jesus quis dizer
quando disse: "Todas as coisas que pedirdes na oração, crendo, recebereis."
Para o nosso conhecimento estas são as últimas palavras
registradas de Daniel Nash. Observe a sua
humildade. Ouça sua carga. Considere o avivamento na
Fulton Street Revival de 1850, ponderem sobre o que Deus
fez na cidade de Rochester, onde mais de 100.000 pessoas
se converteram praticamente toda a população da cidade na
época.
Chegamos agora à cena de sua morte. Na pequena aldeia
de Vernon durante o inverno frio de um estado de Nova
York dezembro, quando as temperaturas muitas vezes
correr abaixo de zero, Daniel Nash continua esse
ministério da oração. Charles Finney nos fala de seus
últimos dias na terra:
"Disse-me um homem certa vez para mim: 'Oh, eu estou morrendo por falta de
força, meu corpo é esmagado, o mundo está acabando para mim, e como eu
posso continuar orando?
Eu, porém tenho conhecido um amigo, que embora esteja de cama,
absolutamente doente, com muita fraqueza e sob a pressão. E eu o tenho visto,
mesmo nestas condições precárias a fazer violência aos céus com as suas
orações. Devo dizer-lhe que quando ele estava para morrer, ainda orava mais e
mais!
Ele costumava levar o mapa do mundo ao seu quarto para olhar sobre os
diferentes países e orar por eles, até que expirou em seu quarto.
Ele literalmente morreu orando. Ele foi um escândalo para os ímpios, uma
aberração para os carnais e professores descrentes;.! Mas “ele era um dos
favoritos do Céu, e uma prevalecente príncipe de oração”.