Sie sind auf Seite 1von 11

Leny A.

Bomfim Trad

recorrentes na

d
o

E2

nuclear, com incremente


e suas Mii tiçÔ. s

As práticas domésticas de saúde refletem também dimensões

especializada, apresentam-se, como contraponto empírico,


0-9

1 (ti
cri
o
(ti
LI
AFain ília

ti
ti
o
ti
o
rio
LI

A discussão em torno das


LI
(ti
LI
ti
E
LI

o
LI

'o
o
médias e populares.

1-

- o
LI

- - - LI
no contexto

" o
cri -
LI"

oti
E o
LI
LI
cri O
--
o

cri cri
"ti 1---LI
0,cri
lcri
LI"

o
cri
E o
LI LI"
LI LI
O debate em torno das transform

LI LI
cri o
LI lcri
LI
> (ti
çn cri
LI cri
ti
Se antes o

LI cri
M LI

ti
LI LIP
<LI.13 cri
1-4
LI
(ti
LI LI LI
LI
ti
1-4
çn
1-4
«
'LI rio
t
r tiLI
E LILI

1 o
(ti

LI
Z44
-
A Fam ília e suas

FAm ÍLIA: OBJ ETO TRANSD 11 PL 1NAR

Roudincsco ( 2003), com base em Lévi-Strauss, distingue duas

"
Cl

ct

Ç
C1

cd
cd
cd
cd
cd

lcd
'cd

1-4
C)
O

1-1

0
bO

bO cd

cd
Cfl

leu
bO cd

LI

co
O
O

= _J
0
1-4
cc
das alianças e realça o fato de que cada família provém sempre da união (e
consequente recomposição) de duas outras famílias. No primeiro caso,
O mesmo Lévi-Strauss (2003) foifundamental para realçar o caráter
utiliza-se com mais frequência a palavra "família"; no outro, "parentesco".

imO
-;
Em seu sentido mais genérico, o termo família designa um grupo
)

2.
social que compreende,


1,1 0 leu
cá-
sociaim

CE

ct
cn

2.
-

•;
implicando necessariamente a coabitação (Aug é, 2003). Em termos amplos
4-
pode significar um conjunto de pessoas ligadas entre si pelo casamento e a
cn
uma raça, uma dinastia, uma casa etc.
(Roudinesco, 2003).
-

cd

4I

cd
Ci)

E
cc
Ci)

cc

41)

4?
411
IU -

Ci)

lct
41)4?

çn E
cd
cd
-
1

1-
cd

cd

o EE
E

LI

o E•E
cd

LI
4-0
- -

'
1
4
cd

leu

4.?

Cl)
O

evento eminentemente privado que não ultrapassava os domínios da casa


"

0 O 1CØ 1
c
•-

cc
4)

çn
8

4
41)
-1-0

o 4-

N
cc

0 Co

cd

to
0OO

inicialmente nos países católicos (como consequência do concílio de Trento),


cd
O

LI
cc

lu
l O
8.1

cd
-4

cd
4?
'8)

4)

V)

8.
E

8.?

cd
cc<

E
0

Cd
Ci)
•çát <cc

2.
a

E E - - a

Situando o debate no tema da universalidade da família, Lévi-Strauss


( 1979: 95) afirmou:
5) famílias reconstituídas depois do divórcio; 6) várias pessoas vivendo
juntas, sem laços legais, mas com forte compromisso mútuo.
Conforme salienta Auge (2003), independente da classificação
adotada para família, esta deve ser claramente distinguida de 'grupo
doméstico' (household ou domestic group), definido como uma unidade de
residência, de produção e de consumo. Ou seja, ao contrário da família,
i 0 são os critérios de parentesco ou das alianças matrimoniais que definem
do Ocidente, trata-se da consumação de uma longa evolução do século
rece ter existido
delo dominante
da época moderna (Roudinesco, 2003). in iidades familiares.
Auge interroga sobre a pertinência de se adotar a expressão "família Raramente o grupo doméstico forma uma unidade homogênea.
biológica", partindo do princípio de que família é um fato social e não
biológico. Ele salienta que muitos autores preferem falar de família conjugal

para enfatizar elementos-chave nas relações de parentesco no modelo

Esse autor descreve a fa Ao concluir este tópico, recomenda-se cautela ao proclamar o fim
fam ily ou extended conjugal family) como resultado do casamento plural,
quer dizer, da poligenia ou da poliandria. Na família composta, as relações
entre este homem e as suas coesposas e as relações entre estas são regidas cado simbólico que lhe foi atribuído, convertendo-a

resulta da extensão, no tempo e por intermédio de laços de casamento, das


AINC IDÊNC IA DA CLASSE NOSPADRÕESRELAC IONAIS
(linear), a família extensa pode coincidir com o grupo formado pelos OU NA CONSTRUÇÃODA IND IV IDUAL IDADE
membros de um segmento de linhagem (uma linha de filiação ou uma 1 )11; 11,t e ( 1995) chama atenção para o fato de que a maior parte das
linhagem mínima), os seus cônjuges e os seus filhos. Em uma sociedade senso comum relativas àfamília no mundo ocidental
de filiação indiferenciada (cognática), ela corresponde, idealmente, ao grupo it iderno rcicrc-sc às suas características dentro do universo das camadas
formado por um casal e as famílias conjugais de todos os seus descendentes.
Na taxonomia proposta por Kaslov (2001), são incorporadas novas
modalidades:
I )0( 1C1u ser birraciais ou multiculturais;
L
A Fa m í lia e suas

1997; Bruschini
cr
cd

cd

cd
o

bO
No universo das classes populares, a ideologia individualista perde
diante dos interesses coletivos
valorização, nessas famílias, de especificidades de gênero ou geração etc.
nos estudos de Gilberto Velho ( 1994), realizados com camadas médias do Ao analisarem características associadas com estrutura e

r
Cd

Cd
ÇJ
=

i)
Lynch e Tiedje ( 1991) observam que entre as famílias pobres a

socializar e cuidar dos filhos e ao


Encontramos, como recorda Duarte ( 1995), na fundação da família

triupo necessário para que a família possa vivenciar todos os estágios que
nriicterizam o ciclo de vida familiar.

<Li
Li
Li

(D
V)

Cd
Cd
ri)

Li

cd
V)
o

"o
o
00
1

1
cd
cd

Cd
Cd

cd
Li

E
M
ri)

E
Li
Li
V)

Li
o

o
04

I)hMervada nas últimas décadas, teria


C)
ri)

ri)

ii11( )sscxualismo (Heilborn, 1995). As formas de sociabilidade entre

Li
C)

C)
conveniente, considerar transformações
r
1-4

Cd
M

Li

cd
cd

Li
"o

ri)

ri)
E
i)

i
O-

e na passagem para

1 ii nodo nas diferentes camadas sociais, tendendo a ocorrer com maior

como salienta Foucault Rev isitando estudos emblemáticos da produção fem inista,
i ii o, i t ra mos nostrabalhos de Rose Marie Muraro, realizados na década ( Ir
Li

O-

seinscreve
1
o

u
A Fam ília e suas


•E
ct

rr
cri
çj

dO
-
cd
(1)

çn

çn
-'O

O
w

ct

Cd

1-4

cd
o

cd

co
'moderna' torna-se

o-
cd

cd

—o

çn
receptáculo de uma lógica afetiva cujo modelo se impõe entre o finaldo


1
O

cd
cd cd

Cd

çn
cd

lcd
cd
Fundada no amor romântico, ela sanciona a

o
M('l I 1O XVIII e meados do


--
Ct

o
• E2

4-j
•_

-O


cd —
d lO cd

lcd

cd

E
6-

çn
> —

-
<

'

O
r

çn
cd cd


cd»
cd

(t


ct Wcd

cn

ct
Ecd

-cd

O—cd
E

lcd

L
- c/
cd
E (•)

E
_

lcd
cd

«cn

Eo

cd
cd "O
o

L)-cd

o
o
(1Wencargo do Estado.

O
O
-

g•••
cd

çn

cd
O

cd

lcd
E
O

luOcdc(

cd
\IdO
(Muraro, 1983). rrvi Ior izada, era passível frequentemente rompida, dividida,


M--4

o
cd

1-4

4-4
Abr i uma "dialética da

o'
u-

1-4 "
cd

--4 c,
ct
5

cd
u

cd

cd
E

Ç-)
o
'-Id
o
dO
O r
<cd
cd

<u
--4
cn
Cd U
o •-

cdcdu

cd
it Iii wsco, 2003). Finalmente, a partir dos anos 60, impõe-se a família

O
" 1•14
1-4

1-4
o

4-
O

çn
•- O

--4
çn
baseada em uma união, com
ti'i nn (ctnporânea' ou 'pós-moderna'

cd
V

çr
cd

1-4
ce

1-
lO

cd

cd

çn

cd
C

1-4
4-4

cti
cd cd
de dois indivíduos que buscam relações íntimas ou

E O
<çn
de camadas populares.

Novos PAPÉI SERELAÇÕESDEGÊNERO


A 1 i,ji je t ória histórica da f ilha descrita evidencia as

«t
u

LI
O

Cd
çn
u

lO
•4
t s ile Fi iiçõcs sociais e relações de gênero de uma geração a outra. No

1-4 •
ct

" çn

1- E cd

cd

cd
":
u<o

cd
o E-

o •- •i
cd"ti o

cd'u
Ow

-
u

ri; • ct

u u

Cd
cd
"

u-
cd

u cd' o u (tj

cd
çn

E
04 ;j

lcd
Ou

"Cd

u O

lO

O lcd tti
Cd

cd
cd0

E
CD

conhecimento em consequência da

1-
u

cd

cd
cd

cd
u

çn

cd
dos m eios de comunicação de massa; 4) a quebra

<

•—

cd

Cd

Cd
cd
lO

"rulcd"



Ou

oC

E
o
1-
cd

u-'-4
cd cd

cd
• E

cd
•-
"ti ci Go E

Ç4-4
a»E

u-
cd

<

1-
-

cd

cd

çn
cd

cd

E
ulcd 0
dO
•çn

800 O-
- -r

IINr I IMO Mt ) l)I( '


O O-
ct c,
ORC o o o%1;
o
4- C/ .c
\M
o
) L
o o -

_
o;
'-

-
N. o
.—
CO
Çi •
c
\C Ctj
a

0O Çj- tc • -

O4-
v~ ç~ cj ._4- cI
cC rJj
O C L

-4 ~i P- 1 <U O c,O
o c
r,
o (.»
00 ) o o
Cd
cn
-i• o
cd o
cdo cdUO , 1cd o
)
(ti •Cd
cd cd' O cd
çn V) Ilt 4-jcnU U ;.Z,4 ;.U4 .0 M., w
cd .- (flcd O
(ti 00 O ç- oo
00
(ti L»Ocd
U o
cd
> .
cd
O
.
(ti
.cd
M
-
O

O cd
(ti o.0 i cd
e.
\ - (ti

o c Cd ~-4
O cd O • •
m cá-
çn •

1 4-j
cd E- ~j co m 0 O c (. CO O ç o
cd CD
L) U4
o—
,
P-J N - r
ç — -
co

_ Zé = = =
= > = =

O ti 000 u O -
muitos os indícios de

çn
cd cd
dgoE cdOO
cdcd -ti

cd 00 d cd
- (ti - -
cd O
vi
cd O
>O-'
cd _

OO'cdcd.(ti (ti E—cd


cdcd
cd çti cd >0 rcd bO
feminina conduziram a

cd
Cti
cd
)
O cd I.
EE E
cd
çncd .•-----—>
cn o (tiEEcdu -
O "-.( Ç4 0 ti O o
(ti çti w O CU rO
1 cd E -° z
cd 'J
0 O• O--
o- cd
E cd cd -'- E E
cd cd .
a-°o cd cd E
00 0

o--
U cd
bücd E-
in 'O . cd cd
O -g cd
cd cd o O
• cd .(ti
-tcd -
4- -i o .
cdO2 EE
0 cd Oc
cd
ti cd -
O
M- 4
( bo u
cd -
__J
-
'-
E ° cd ct
z ° cd --
rti cd d ti cdO
cd
E > )
E ° cd cd u o (ti•
E 4-À ià

Ui ru -.Ç:1 -
w u ME E cd Q (ti O -

O
Ocd - cd>O z ti
L) ed
N
CU cd cd EE o
cdEEO
(ti

00 O O
OOr-I 0 çn cti r.ti Ou 0 cd
m edida, nestes fatores a dificuldade em superar as expectativas construídas

r Iiii Ius an teriores (Dejo & Trad, 2005), concordamos com a crít ica (te q ue
Diferentes autores sinalizam o fenômeno da centralidade da mulher
GÊN ERO E CU IDADOEM SAÚDE
sociedade brasileira convivem, atualmente, modelos distintos de

Fi nhora sejam muitos os dados empíricos que corroborem essa tese,


MLI IÇCr

cio homem na vida doméstica ou no cuidado dos filhos


SL1L S
A Fam í lia e

i k am'm dc no lar (Menéndez, 1992).


i

cri çti
O
(titcri - _io
(ti
. O o cri
cri O

m u idado em saúde.
Çá-
cri (ti ÇJ —
( <o
(44
(ti O'O
o u cri cri
cri (ti
cri bO O cri

ocE
u O

1 cri r- u c cr u cri (. cri O -:


O (ti E cri
, cri O'ri'C
O Eu E
oE"u o u» (ti (ti bO u O
ocri -, criou o

- (ti (ti > cri (ti


((ti cri
u
u cri -
-

"ri (ti EEE O 'r


cd u—'( uuriEu<
"ri ubcri
cri
E cri cri
(ti'u
(ti cri
-

cri
-- - u cri--

O cti (ticri (ti


uEuocri u u
- (ti O O"ri E
u cri o
u
ui
o


cri u

(ti (ti Ou
--
cri
-
cri
Z cri
(ti cri u
Nri u
(ti
u--
cri

(ti
_ r
cri cri
(ti cri o
F UI cri Çã.( U
cri --
<u
O"
u
E cri1a

(ti O (ti u —
u
(ti
ucri
u O
(ti 4 -j o

u ri criO u
cri
u "ri cri criN cri
E u ° cri-, o E'-o - o cri

00 u • o cri o o

° b uri u o - O O , O E
° I 4 - cri u
o u
_ , E cri cri -
o

Eicri" u0u ,0 u
lcri-
(44 1 (ti cri u
u

cri
cri u ri O
u "
cri "ri cri E u
'-ti
u cri '
u u-u u u cri"ri O
bO (ti O"ri
o Eu (ti
bO <u (ti 00
cri u < u D
bOLO
cri E u o cri
"riu cri u o u E E «ri
tiOcricri
40-4 v~ çi
u
~j u
cri
u"ri ri E »S
( Fuiler, 2000).

E2 °
ti • ri, E' b E °E- ub u"
O ti
cri u u> bO
«ucriu u u ri O cri u
«ri ti 1
cri cri
u u
EE o u E (ti 'cri lO "ri
O E
u u E u
u u ti cri
u
4-j n cri CD
° u o
O
E u ucri.,- cri cri .E
u cri u oc (ti criC u
cri o -'
u ,0criuO
- CD 4-J crio u»ri
O u 4-j E
u--— u
- EE
'-4
cri
cri cri
E
O
( ti cri cri u cti
u E u cri'ri
u"ri o
u cri
u
u E"ri
E 00
u u'ri 4-j cri cri > o rri_
cd

a representante

( 1999), em estudo
Ocd LI

Na esfera da saúde, os a ntecedentes históricos do protagonismo


O 1

do mesmo estrato social,


(ti 1-4 -. -
LI LI cd O <LI
• - -
cd cd LI -1-3 LI -
cd
cd cd cd <LI •_ '"-"
(:i
LI LI .
çn
çi
-1- 1- 'LI LI LI >
o LI LI >
LI 4-a
co LI LI 0<LI
cd cd O-4j
LI (ti > O cd c
LI
cn
AFam ília e swis

riO
LI cd
LI •
E
LI
LI
çn çn
LI lO LI cd 1- LI-
LI Çtj
LI O" LI LI-
Çj - cd cd LI dO
cd cd O rfl cd cd 1-4 LI

ava o papelda mãe como legí


o • O -ri cd E0 M.4
O• LI
.

LI
cd I
LI D O
çn LI d cd-d O
-
• 'Cd-
o -
1-4

cd LI cd. LI
o (ti O LI LI °'cd
(ti cd
lcd o cd dO<LI O —
•- cd LI LI "ri (ti - cd
o o E — 1 t.ti (ti LI
LI LI LI cd (ti LI
• cd lcd
cd
o ti - lcd
cd LI LI cd--- E 1- LI cd
LI
O 0OticdLI c - _
Olcd LII
O cd - LI
cd lcd (ti
o
LI cd - LI- 1-4
cd
cd LIlcd -ti -
cd
CA

vulnerabilidade.
bO1- cd LI=
-rA -4 cd 1- <0cdL
çn

:bO
LI co
a
cd 1 Oç
O (tI oO u--
IM
j
- - - 2
LI
de buscarem

LI 1-4 (1
_ o çn
Q lc V1 O (44
'LI Ç 1-O —

o
lcd —
cd O cd LI
LI
LI LI
'-'
- -- ---
-
O -= =

- -.--

------- —<
o

-'4,

O cd
que aponta os

t( )C( )Ifl() Lil ili


multifatorial deste

das profissões de cuidado


cd 1-
LI 1
LI -1-
LI .

1- cd cd 1-4 1-4 1- cd cd LI-


- O cd cd E-

u

LI
-
LI3

(ti
cd
u
-4
LI
LI 1-4 cd LI a
(ti 00 -
cd O
-d -ri -
ld4 -~ cd
(ti
o
1- Vã (ti
:
(ti ri IMçj-

(1 1afl
'O LI LI cd LI LI o
LI l lo. -
-- LI- LI
o o LI
de se adotar o cuidado como

lO o E
LI
E cd
LI o'
LI LI
ri
LI-LI LI LI 1-4
cd O <cd EE LI
1-4 LI
• cd LI (ti
LIO
-1-3 (ti
- (ti , O cd -"ri
LI LI lcd cd
dO O cd cd -
'cd cd cdçn .E
I
o cd0 -ri cd cd -cd
cn
LI cd çn riO LI1-4
LI LI
-1-3
LI LI Eri
LI

cd 1- LI
a •
ÇJ
cd
-
LI O
I_- cd
LI LI LI
Ç14 4-À o çn
-
cd LI (ti -ri O
Medrado, 2000; Lewis & Dessen, 1999).

LI
ULI LI LI"cd LI
cd cd O
Outras teorias defendem uma

(ti LI O
LI O E LI lO
LI- cd (ti-•
E lcd LI
LI-d
cd
reLI 4-3

cd
cd cd cd N ' crI
< cd
cd LI cdO cd-'- -- (ti
1- ri LI
LI E
-1-3 LI LI O cd 4-
cd cd O cd
considerar

N cd , - LI 1 O — lcd -1-a LI LI
- 1- LI-
(ti cd
O cd cd 1- LI
E 00
-ri dO cd
çn LI
çn O LI
cdricdE
M 4-14 ;;- "ri cd (ti O cd -LI (ti
cdLI
inferioridade das

LI cd cd cd cd
(ti cd dO LI
o LI ri
suave e abnegada.

LI EE LI "ri.(ti
(tI -E riE
cd
LI
LI LI
- _ cd O
LI cd dO O r cd LI O LI LI LI cd dO-- u
1- cd cd cd (ti (ti LI cd
-4Eo
COI flO

çn LI LI LI -
tt 1-4 lcd - -I- ri - "0
Ecdcd - O çl LI
cd LI- ce
LI (ti o
cd l
(ti zi
LI LI
co
bem

ce LI
dOcd (ti
E E cd cd
-ri -ri LI LI
(1-
-- LI LI
CONSIDERAÇõES F INAIS

diz respeito às
Oliveira e Bastos (2000), ao pesquisarem práticas de cuida dos
C Q Ct o 'cd
o 4-
Q CT 0L _'u o
E 8 cd c/
- o0
"d c cd
0 cd C
cd o
EEE 4-j 4- r •-
cdE cd E -•E5 E
cd o 4-j - J cd 4-j
cd
bEo o cd cdO cd cd
A Fa m í lia

cd-
cd cd cd
o Ocd --
E
EE"o O cd cd
ç O cd
b
CIcd
o
C O O. O cr cd O
cd çJ»_2
(fl cd o
E o-
-L
Cd L
cd -- O cd-- j
O cd

consenso assinalado no
o cd -
cd
cd o çj
cd•f )- •
cd cd o (-) ci cd cd
o 1 L)
O o cd d cd
Eo cd cd O
;-
O Ç44
ÇJj
b o M-1 - O O
cd cd
L
E E CD
E
o
cd
o
--
°
o. cd O cd O Cl
cd O Cd o

- o CIJ E " cd
cd JE O cdVS Cd

o H
-
o o-- cd O cd -;--
-
-'-a u - -

- : cd -
cd - ->

Cd Cd cd
- - -
-
- ç
-

lia
O
- -

I, .

O cd O Ç

Ao contrário das famílias extensas, constatou-se, entre as nucleares,


O

envolviam decisões sobre os filhos. Provavelmente, a distância física


cd o cd cd o d 000 cd C-5 cd
cr
O-J
O
çà- cd
cd O.cd

j co cd d O E -

o E
cd
o
C-»
Cd
8C cdO cdO cd cj
° Eo E
Cd cd cd
•- cd E O E cd cd cd
O cd O" cd4- J
E- c -U-
O cd
cd
E O
E do
cd N cd
O cd-- ccd
(l-
cdç - cd o
ç cd c EE
cd
-

o
\cd C/
çr

o
J
E ~ .
o
o E E cj

4ã > .,..4 r, P.0 rd


- O J cd cd cd. cd

- cd cd
este fato.

ICO C)
- booEcdcd
dos filhos pequenos.

O 4-J CtJ cd
E O
(c )I l lri hliía para

0Cd - r()
00 O
( O o d-
cd cd---O cd
cd O
z
r

Q C/ cd
U
En
cd O-
- cdO cd
çj
4-0
--J U0cdcdOcd
1
CD
E.

ou-mesmo no interior de cada um destes segmentos, os perfis são múltiplos 2000. v. IV.
e heterogêneos. Tais características evidenciam, de modo paradoxal, tanto
a importância estratégica de se incorporar gênero e classe social no estude Educ, Cortez, 2003.
de família, como a extrema dificuldade de tal empreitada.
IRUSCHINI, C. Teoria crítica da família. In:
Os desafios família impõe,
modelos teóricos ou no nos incitam a defender
Cortez, 1 993.
perspectivas flexíveis nas e conceituações desta categoria.

Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2000.


Brasil, considera-se especialmente opor o adotar estratégias que integrem
CARVALHO I. M. M. & EIDA, P H. Fam ília e
olhares disciplinares diversos, a exemplo da história, demografia, sociologia,
antropologia e psicologia. Esta posição se apoia na compreensão de que a em Perspectiva, 17(2): 109-122, 2003.

Livro Pleno, 2001.

-d
E-

Cadernos de Saúde P ública, 21: 1.865-1.8741 2005.

z
Montenegro (2003) destaca, neste grupo, Kathryn Boe.

PIIWK, A. & WAGNER, A. A m er como a principal provedora do sustento


REFERÊNCIAS
econômico familiar. Psicologia em Estudo, 8: 31-38, 2003. (número especial).
3. ed. São Paulo:
z

In: RIBEIRO I.

M. Os Domínios do Parentesco.
BASTOS, A. C enquanto contexto ica do Poder. Rio de
lic
desenvolvimento humano: imp ações para a investigação em saúde.
cd

P(1LiIR, N. (Org.)
Ciência & Saúde Coletiva, 1(3): 106-115 / ' 1998. P111 MIR, R. II. Fam ílias de baixa renda e fias com formação profissional:
BENINA, C. R. S. & GOMES, W. B. Relatos de mães sobre transformações da
omparação estrutura e do processo de ciclo de vida. In:
4
1 M( ;oI,DRICK, M. (Orgs.)As Mudanças no Ciclo de V ida Fa