Sie sind auf Seite 1von 37

DISCIPLINA 6

ESTRUTURAÇÃO DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO


EDUCACIONAL ESPECIALIZADO:LEGISLAÇÃO,
ORGANIZAÇÃO, ESTRUTURA, FORMAS DE
ATENDIMENTO E APOIO

PROFESSORA FORMADORA: DÉBORA JACKS


Atendimento Educacional
Especializado
Decreto 6571/2008
1º_ Considera-se Atendimento Educacional
Especializado o conjunto de atividades, recursos
de acessibilidade e pedagógicos organizados
institucionalmente, prestado de forma
complementar ou suplementar à formação dos
alunos no ensino regular.
AEE
Tem como função identificar, elaborar e organizar recursos
pedagógicos e de acessibilidade que eliminem as barreiras para
a plena participação dos alunos, considerando suas necessidades
específicas.

O ensino oferecido no Atendimento Educacional Especializado é


necessariamente diferente do ensino escolar e não pode
caracterizar-se como um espaço de reforço escolar ou
complementação das atividades escolares.
AEE
A organização do Atendimento Educacional
Especializado considera as especificidades de
cada aluno. Alunos com uma mesma
deficiência poderão necessitar de
atendimentos diferenciados.
Onde é realizado?
É realizado prioritariamente na Sala de Recursos
da própria escola ou em outra escola de ensino
regular , no turno inverso ao da escolarização,
podendo ser realizado, também, em Centro de
Atendimento Educacional Especializado público
ou privado sem fins lucrativos, conveniado com
a Secretaria de Educação.
O que é uma sala de Recursos
Multifuncional?
São espaços físicos localizados nas escolas ou Centros
onde se realiza o Atendimento Educacional
Especializado - AEE.

As SRMF possuem mobiliário, materiais didáticos e


pedagógicos, recursos de acessibilidade e
equipamentos específicos para o atendimento dos
alunos que são público alvo da Educação Especial e que
necessitam do AEE no contra turno escolar.
Implantação das salas de Recursos
O Ministério da Educação por meio da Secretaria de Educação
Especial, criou o programa de implantação de Salas de Recursos
Multifuncionais, instituído pela portaria nº 13 de 24 de abril de
2007. O programa tem como finalidade a implantação das salas
e visa apoiar as redes públicas de ensino na organização e oferta
do AEE. O que diferencia a sala do tipo 1 da sala do tipo 2 são os
recursos. A sala de tipo 2 possui recursos para baixa visão e
cegueira.
A organização e a administração deste espaço
são de responsabilidade da gestão escolar e do
professor que atua no Atendimento Educacional
Especializado.
Formação do professor de AEE
Para atuar no AEE, o professor deve ter
formação inicial que o habilite para o exercício
da docência e formação específica na Educação
Especial, inicial ou continuada.
Público alvo do AEE
Alunos com deficiência: aqueles que têm
impedimentos de longo prazo de natureza física,
intelectual, mental ou sensorial, os quais, em interação
com diversas barreiras, podem obstruir sua
participação plena e efetiva na sociedade em igualdade
de condições com as demais pessoas.
Público Alvo do AEE
Alunos com transtornos globais de desenvolvimento:
aqueles que apresentam um quadro de alteração no
desenvolvimento neuropsicomotor, comprometimento nas
relações sociais, na comunicação ou esteriotipias motoras.
Incluem-se nessa definição alunos com autisrmo clássico,
síndrome de Asperger, síndrome de Rett, transtorno
desintegrativo da infância (psicoses) e transtornos
invasivos sem outra especificação.

 Em que pese ser esta a apresentação na legislação, evidencia-se que, a


partir do DSM 5 esta classificação foi alterada, passando a ser
denominada como Transtorno do Espectro Autista.
Alunos com altas habilidades / superdotação: aqueles
que apresentam um potencial elevado e grande
envolvimento com as áreas do conhecimento humano,
isoladas ou combinadas: intelectual, liderança,
psicomotora, artes e criatividade.
O AEE para pessoas com deficiência é realizado mediante a atuação dos
profissionais com conhecimentos específicos no ensino de:

-LIBRAS, língua portuguesa na modalidade escrita, como


segunda língua de pessoas com surdez.

-Sistema Braille, sorobã, orientação e mobilidade, utilização de


recursos ópticos e não ópticos.

-Atividades de vida autônoma.

-Tecnologia Assistiva.
-Desenvolvimento de processos mentais.

-Adequação e produção de materiais didáticos, pedagógicos e


outros.

-Para os alunos com altas habilidades o AEE oferece programas


de enriquecimento curricular, desenvolvimento de processos
mentais e outros.
O atendimento é obrigatório?
A oferta do Atendimento Educacional
Especializado é obrigatória, porém a família
tem a liberdade de optar se deseja que seu
filho(a) receba o atendimento . Desta forma é
importante que a família entenda a importância
deste suporte para que o aluno consiga superar
as dificuldades e possíveis obstáculos que
venham a surgir no contexto escolar.
Atribuições do professor de AEE
- Identificar, elaborar, produzir e organizar
serviços, recursos pedagógicos, de
acessibilidade e estratégias considerando as
necessidades específicas do aluno público alvo
da Educação Especial;

- Elaborar e executar o plano de AEE, avaliando a


funcionalidade e a aplicabilidade dos recursos
pedagógicos e de acessibilidade;
- Organizar o tipo e o número de atendimentos aos alunos na
sala de recursos;
- Acompanhar a funcionalidade e a aplicabilidade dos recursos
pedagógicos e de acessibilidade na sala de aula comum do
ensino regular, bem como em outros ambientes da escola;
- Estabelecer parcerias com as áreas intersetoriais na
elaboração de estratégias e na disponibilização de recursos de
acessibilidade;
- Orientar professores e famílias sobre os recursos pedagógicos
e de acessibilidade utilizados pelo aluno;

- Ensinar a usar recursos de tecnologia assistiva, tais como: as


tecnologias da informação e comunicação, comunicação
alternativa e aumentativa, informática acessível, o sorobã, os
recursos ópticos e não ópticos, os softwares específicos, os
códigos e linguagem, as atividades de orientação e mobilidade,
de forma a ampliar habilidades funcionais dos alunos,
promovendo autonomia, atividade e participação;
-Estabelecer articulação com os professores da sala de aula
comum, visando a disponibilização dos serviços, dos recursos
pedagógicos, de acessibilidade e das estratégias que promovem
a participação dos alunos nas atividades escolares;

-Promover atividades e espaços de participação da família e a


interface com os serviços setoriais da saúde, da assistência
social, entre outros.
AEE – Educação Inclusiva
O AEE na educação inclusiva visa promover o acesso e a
qualidade do ensino para os alunos, é transversal, inicia na
educação infantil e segue no ensino fundamental, médio e
superior.

Leva em consideração o contexto onde os alunos estão


inseridos. O AEE está presente como serviço da Educação
Especial na Educação Indígena, do campo e quilombola e nos
projetos pedagógicos constituídos com base nas diferenças
socioculturais desses grupos.
Financiamento
 O Decreto 6.571 de 17 de setembro de 2008, que dispõe sobre o
atendimento educacional especializado, regulamenta o parágrafo único
do art. 60 da Lei nº 9394/1996, destinando recursos do Fundo Nacional de
Desenvolvimento da Educação Básica - FUNDEB ao Atendimento
Educacional Especializado.
 Serão contabilizados duplamente no âmbito do FUNDEB, de acordo com o
Decreto 6571/08, os alunos matriculados em classes comuns de ensino
regular público que tiverem matrícula concomitante no AEE.
 A partir de 2010, com base no censo escolar de 2009. Isso vai possibilitar o
investimento na formação continuada de professores, na implantação de
salas de recursos multifuncionais e na adequação do espaço físico dessas
salas e aquisição de equipamentos e recursos.
Para receber o duplo financiamento, o aluno não poderá ser
matriculado somente no AEE.

Os sistemas de ensino devem matricular alunos


com deficiência, transtornos globais do
desenvolvimento e os com altas
habilidades/superdotação na escola comum do
ensino regular e ofertar o Atendimento
Educacional Especializado – AEE, promovendo
as condições para o acesso a uma educação de
qualidade na classe comum.
Atendimento Educacional
Especializado na Educação Infantil
O AEE na Educação Infantil expressa-se por meio
de serviços de intervenção precoce que
objetivam otimizar o processo de
desenvolvimento e aprendizagem em interface
com os serviços de saúde e Assistência Social.
Sala de Recursos Intervenção Precoce

Figura 1 – Foto da sala do atendimento da intervenção precoce


Sala de Recursos Intervenção Precoce

Figura 2 – – Foto da sala do atendimento da intervenção precoce


Sala de Recursos Intervenção Precoce

Figura 3 – – Foto da sala do atendimento da intervenção precoce


As salas não possuem um tamanho padrão, são
organizadas de acordo com o espaço que as
escolas dispõem, em algumas escolas são
utilizadas salas já existentes, em outras são
construídas salas novas. A organização fica a
critério dos gestores juntamente com o
professor de AEE.
Estruturação das SRM Ensino
Fundamental, médio, EJA e Superior
As salas de recursos serão organizadas de acordo com
as necessidades específicas apresentadas pelo público
alvo atendido, com recursos pedagógicos e de
acessibilidade, tendo a finalidade de promover o
aprendizado do aluno nas áreas em que apresenta
maiores dificuldades, sempre possibilitando ao aluno
estratégias e metodologias que o auxiliem na
construção do seu conhecimento.
Sala de Recursos Multifuncional AEE

Figura 4 – – Foto da Sala de Recursos Multifuncional


Sala de Recursos Multifuncional AEE

Figura 5 – – Foto da Sala de Recursos Multifuncional


É importante salientar que o trabalho deverá ser
realizado de forma articulada com o professor
da sala de aula comum, construindo redes de
apoio na escola e fora dela. A participação da
família é fundamental.
AEE no Ensino Superior
As Universidades estão se organizando e implantando o AEE no
ensino superior.
Na UFPel o setor responsável pelo AEE é o NAI(Núcleo de
Acessibilidade e Inclusão). Os alunos com deficiência
pertencentes a universidade passam pela avaliação das
educadoras especializadas, onde são organizados recursos e
suportes necessários para o processo inclusivo. São estruturadas
estratégias e metodologias, é elaborado o plano de AEE e o
documento orientador para os coordenadores de curso, onde
estão as estratégias que deverão ser utilizadas com o aluno.
Tecnologia Assistiva no AEE
Cabe ao professor de AEE, sempre que necessário, ensinar aos
alunos a utilização dos recursos de Tecnologia Assistiva (TA). As
Tecnologias Assistivas “são recursos desenvolvidos e
disponibilizados às pessoas com deficiência e que visam a
ampliar suas habilidades no desempenho das funções
pretendidas” (BERSCH; PELOSI, 2007, p. 8). São recursos que
visam à autonomia e à independência funcional dos alunos.
O professor de AEE deve centrar sua atenção nos aspectos que
poderão potencializar a aprendizagem do aluno com deficiência,
ficando atento aos obstáculos que surgirem durante o processo.
Desta forma ressalto a importância de selecionar recursos
pertinentes as especificidades apresentadas por cada aluno,
bem como estratégias adequadas, produzindo materiais quando
necessário, atuando de forma articulada com os demais
profissionais que atendem o aluno. Buscar a participação da
família, principal parceira no trabalho desenvolvido, orientando,
estabelecendo parceria, em uma relação de confiança.
Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, 1988.

______. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em:
<www.planalto.gov.br/legislação>. Acesso em: 03. mai. 2010.

______. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Secretaria de Educação Especial -
MEC/SEESP, 2008. Disponível em: <www.mec.gov.br/seesp>. Acesso em: 03. mai. 2010.

Decreto nº6253, de 13 de novembro de 2007.Dispõe sobre o fundo de manutenção e desenvolvimento da educação


Básica e da valorização dos profissionais da Educação – FUNDEB, regulamenta alei nº 11.494, de 20 de junho de 2007, e dá
outras providências.

______. Decreto 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre o atendimento educacional especializado, regulamenta o
parágrafo único do Art. 60 da Lei Nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e acrescenta dispositivo ao Decreto Nº. 6.253, de 13
de novembro de 2007. Secretaria de Educação Especial - MEC/SEESP, 2008. Disponível em: <www.mec.gov.br/seesp>.
Acesso em: 03. mai. 2010.

______. Decreto Legislativo nº 186, 24 de dezembro de 2008. Aprova o texto da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com
Deficiência e de seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova Iorque, em 30 de março de 2007. Diário Oficial da União,
Brasília, 2008.

______. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com
Deficiência - ONU. Diário Oficial da União, Brasília, 2009.

Portaria nº13 de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a criação do programa de Implantação de Salas de
Recursos.Publicado em 26 de abril de 2007.

______. Resolução Nº. 4, de 2 de outubro de 2009. Institui as Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional
Especializado na Educação Básica, na modalidade Educação Especial. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação
Básica. Disponível em: <portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf>. Acesso em: 03. mai. 2010.
E-mail: aeeufpel2017@gmail.com
Endereço: Rua xxxxxxx de xxxxxxxxxxx
Telefone: 53 xxx