Sie sind auf Seite 1von 79

Estudo dos coeficientes de transferência de calor no

processo de evaporação de amoníaco com uma pequena


quantidade de água num permutador de placas

Igor Filipe Louro Duarte Ventura

Dissertação para a obtenção de Grau de Mestre em

Engenharia Física Tecnológica

Júri

Presidente: João Seixas


Orientador: Luís Filipe Mendes
Vogal: António Manuel Mortal

Outubro 2010
Agradecimentos

Queria desde já deixar o meu sincero agradecimento ao meu orientador Prof. Filipe Mendes pela hipó-
tese que me foi dada de participar no seu projecto e de desenvolver este trabalho sobre a sua orientação.
Queria ainda agradecer por toda a dedicação, apoio e, acima de tudo, pela paciência mostrada ao longo
da realização deste trabalho.
Gostaria ainda de agradecer ao Tiago Osório por toda a ajuda facultada tanto na compreensão do
funcionamento protótipo como na análise dos resultados obtidos neste trabalho.
Quero salientar também os contributos dos meus colegas de laboratório Filipe Marques, Gisela Mendes
e João Cardoso durante o tempo dispendido no laboratório
Uma especial palavra de agradecimento aos meus pais, sem o contributo dos quais não poderia ter
efectuado este estudo.
E por fim, gostaria de deixar também um agradecimento à Ana Cardoso por todo o apoio dado que
acabou por ser fundamental para o findar desta tese.

i
ii
Resumo

Neste trabalho são estudados experimentalmente os coeficientes de transferência de calor de uma mis-
tura de amoníaco e água com uma elevada concentração de amoníaco no interior de um permutador de
placas compacto vertical. Este estudo foi efectuado no evaporador de um protótipo de uma máquina
de refrigeração por absorção no Laboratório de Sistemas de Arrefecimento Solar (LSAS). As placas que
constituem o evaporador têm uma corrugação do tipo herringbone e um ângulo de chevron de 25º. Os
dados experimentais para a realização deste trabalho foram medidos durante as experiências de caracteri-
zação do protótipo. No evaporador, o aquecimento do fluido frigorigénico é efectuado por um circuito de
água. Ambos os fluidos circulam em contra-corrente. Durante as experiências no protótipo variaram-se
algumas grandezas importantes para o estudo da transferência de calor tais como o fluxo mássico (0,90
a 3,09 kg m−2 s−1 ), o fluxo de calor (616,6 a 2962 W/m2 ), a pressão interna (3,75 a 6,54 bar) e a con-
centração da mistura (0,93 a 9,99). Os coeficientes de transferência de calor obtidos experimentalmente
foram correlacionados de acordo com algumas correlações propostas na literatura e observou-se que tais
correlações não se adequam aos nossos dados. Uma correcção a essas correlações foi proposta baseado no
facto da concentração de amoníaco na mistura influenciar os perfís de temperatura no interior do permu-
tador os quais influenciam o cálculo dos coeficientes de transferência de calor. Mais dados experimentais
eram necessários para uma análise mais detalhada da influência das condições externas nos coeficientes
de transferência de calor.

Palavras-chave: Evaporação; Permutador de placas; Coeficientes de transferência de calor;


Correlação; Absorção; Amoníaco-água; Experiências

iii
iv
Abstract

Evaporation heat transfer coefficients of the mixture ammonia-water with a high ammonia concentra-
tion in a vertical plate heat exchanger (PHE) are investigated experimentally in this study. The study is
performed in the evaporator of an absorption refrigeration machine prototype at LSAS. The evaporator
is a brazed PHE with herringbone corrugated plate type and a chevron angle of 25º. During experiments
to characterize the prototype, data on the evaporator was collected for this study. In the evaporator, the
refrigerant is cooled with water and both fluids circule in counterflow. The experimental parameters in
this work include the refrigerant mass flux with a range from 0,90 to 3,09 kg m−2 s−1 heat flux from 616.6
to 2962 W/m2 , pressure from 3.75 to 6.54 bar and ammonia concentration from 0.93 to 0.99. Correlations
proposed on literature for heat transfer coefficients for evaporation in PHEs doesn’t fit to our data. A
correction for those correlations were proposed based on the fact that the ammonia concentration of the
mixture influences the temperature profile of mixture inside the PHE which influences the calculation of
heat transfer coefficients. More data points were needed to study the influence of external conditions on
the heat transfer of ammonia-water.

Keywords: Evaporation; Plate heat exchanger; Heat transfer coefficient; Correlation; Absorp-
tion; Ammonia-Water; Experiment

v
vi
Conteúdo

1 Introdução 1
1.1 Motivação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.2 Evaporador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.3 Estado do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.4 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

2 Transferência de calor em permutadores de placas compactos 7


2.1 Geometria dos permutadores de placas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.2 Transferência de calor em permutadores de placas líquido-líquido . . . . . . . . . . . . . . 9
2.2.1 Correlação de Kumar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.2.2 Correlação de Thonon . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.2.3 Correlação de Wanniarachchi et al . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.3 Transferência de calor durante a evaporação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.3.1 Tipos de ebulição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.3.1.1 Pool boiling . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.3.1.2 Ebulição forçada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
2.3.1.3 Evaporação de uma camada fina de líquido . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.4 Transferência de calor durante em permutadores de placas compactos durante a evaporação 15
2.4.1 Correlações propostas para os coeficientes de transferência de calor em permutado-
res de placas durante a evaporação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

3 Descrição da montagem experimental e equipamento de medida 21


3.1 Descrição do protótipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
3.2 Evaporador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
3.3 Equipamento de medida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
3.3.1 Sondas de temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
3.3.2 Sensores de pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
3.3.3 Caudalímetros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
3.3.3.1 Caudalímetro para a água . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
3.3.3.2 Caudalímetros da solução e cálculo do caudal do fluido frigorigénico . . . 25

4 Determinação dos coeficientes de transferência de calor do fluido frigorigénico 27

5 Análise e discussão de resultados 31


5.1 Limites de medição dos dados experimentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
5.2 Cálculo de incertezas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
5.3 Comparação das correlações usadas na evaporação de líquidos em permutadores de placas 33
5.3.1 Correlação proposta por Hsieh . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

vii
5.3.2 Correlação proposta por Yan e Lin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
5.3.3 Correlação proposta por Han e Kim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
5.3.4 Correlação proposta por Donowski . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
5.3.5 Conclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
5.4 Correcção às correlações propostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
5.4.1 Correlações modificadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
5.4.1.1 Conclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
5.4.2 Teste às novas correlações propostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
5.5 Correlações para o coeficiente de transferência de calor do fluido frigorigénico apenas para
os dados experimentais relativos à refinação do vapor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
5.6 Conclusões gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

6 Conclusões 51

A Programa de cálculo dos coeficientes de transferência de calor do fluido fluido frigo-


rigénico 57

viii
Lista de Figuras

2.1.1 Esquemático do funcionamento interno de um permutador de placas, in [21] . . . . . . . . 8


2.1.2 Esquema do interior de um permutador de placas e visualização dos parâmetros que os
caracterizam, in [1] . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.3.1 Curva tipica da ebulição da água à pressão atmosférica: fluxo de calor na superfície de
aquecimento, q �� , em função do excesso de temperatura ∆Te , in [23]. . . . . . . . . . . . . 12
2.3.2 Diferentes regimes de fluxo de um fluido em ebulição no interior de um tubo, in [23] . . . 14
2.4.1 Comparação da correlação proposta por Yan e Lin para os coeficientes de transferência
de calor da evaporação do líquido R-134a com os seus pontos experimentais obtidos no
estudo, in [4]. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
2.4.2 Comparação entre a correlação obtida para os coeficientes de transferência de calor do
líquido R-410a proposta por Hsieh e os seus respectivos dados experimentais, in [6] . . . . 18
2.4.3 Comparação do valor experimental do número de Nulsset com a correlação proposta por
Han para os coeficientes de transferência de calor dos fluido frigorigénicos R22 e R-410a,
in [8]. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

3.1.1 Esquemático do protótipo da máquina de refrigeração por absorção utilizado no decorrer


das experiências. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
3.2.1 Fotografia de uma placa que constitui o permutador de placas compacto utilizado como
evaporador no protótipo da máquina de refrigeração por absorção. . . . . . . . . . . . . . 24

4.0.1 Perfil de temperaturas dentro de um permutador de calor consuante a circulação dos fluidos
se faz por contra corrente ou corrente paralela, in www.engineeringtoolbox.com. . . . . . 28

5.3.1 Comparação entre os coeficientes de transferência de calor obtidos experimentalmente e a


correlação de Hsieh obtida com base nos nossos dados experimentais . . . . . . . . . . . . 34
5.3.2 Comparação entre os coeficientes de transferência de calor medidos experimentalmente e
a correlação 5.3.5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
5.3.3 Correlação proposta por Han e Kim adaptada aos dados experimentais obtidos no de correr
das experiências com o protótipo da máquina de refrigeração por absorção. . . . . . . . . 36
5.3.4 Comparação entre os coeficientes de transferência de calor experimentais do fluido frigori-
génico com a correlação 5.3.7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
5.4.1 Influência da concentração de amoníaco no perfil de temperatura do fluido fluido frigori-
génico no interior do permutador de placas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
5.4.2 Comparação entre os coeficientes de transferência de calor do fluido frigorigénico medidos
experimentalmente e as correlações corrigidas obtidas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
5.4.3 Comparação entre a correlação de Hsieh corrigida e os coeficientes de transferência de calor
medidos experimentalmente com as respectivas barras de erro. . . . . . . . . . . . . . . . 41

ix
5.4.4 Influência da libertação do expoente do número de Prandtl na correlação dos coeficientes
de transferência de calor do fluido frigorigénico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
µm
5.4.5 Influência da libertação do expoente do factor µw na correlação dos coeficientes de trans-
ferência de calor do fluido frigorigénico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
µm
5.4.6 Influência da libertação dos expoentes do P r e do µw na correlação dos coeficientes de
transferência de calor do fluido frigorigénico. δ% = 11%. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
5.4.7 Influência da adição do factor correctivo x às correlações em que os expoentes do P r e
g

µm
do µw estão livres. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
µm
5.4.8 Variação do factor µw e do P r em função da concentração da mistura amoníaco-água. . . 45
5.4.9 Relação entre as correcções às correlações propostas e o valor da diferença de temperatura
média logarítmica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
5.5.1 Histograma da distribuição da concentração de amoníaco na mistura dos dados experimen-
tais referentes ao uso do processo de refinação do vapor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
5.5.2 Comparação entre os coeficientes de transferência de calor do fluido frigorigénico medidos
experimentalmente e as correlações obtidas utilizando os dados experimentais relativos à
refinação do vapor gerado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

x
Lista de Tabelas

2.2.1 Parâmetros adimensionais utilizados nas correlações dos coeficientes de transferência de


calor da água em permutadores de placas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.2.2 Conjunto dos parâmetros obtidos por Kumar que correlacionam os coeficientes de transfe-
rência de calor da água para diferentes geometrias dos permutadores e diferentes números
de Reynods . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.2.3 Constantes da correlação de Thonon para os coeficientes de transferência de calor da água
para diferentes ângulos de chevron . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.4.1 Parâmetros adimensionais utilizados nas correlações dos coeficientes de transferência de
calor durante a evaporação de um fluido num permutadores de placas . . . . . . . . . . . 16

3.2.1 Sumário das caracteristicas geométricas do permutador de placas utilizado como evaporador 22

5.1.1 Valores mínimos e máximos das medições e cálculos efectuados do lado da água no evapo-
rador nas três diferentes séries de medidas experimentais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
5.1.2 Valores mínimos e máximos das medições e cálculos efectuados do lado do fluido frigorigé-
nico nas três diferentes séries de medidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
5.2.1 Sumário das incertezas das grandezas medidas durante as experiências com o protótipo. . 32
5.4.1 Sumário dos resultados obtidos para os parâmetros das correlações propostas na literatura
e para as novas correlações corrigidas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
5.5.1 Sumário dos resultados obtidos para os parâmetros das correlações para os coeficientes de
transferência de calor do fluido frigorigenico com e sem correcção para os dados experi-
mentais relativos à refinação do vapor gerado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

xi
xii
Nomenclatura

A Área [m2 ]

Ax Área de cada canal do permutador [m2 ]

b Distância média entre placas [m]

Bo Número de boiling

cp Calor específico [J kg −1 K −1 )]

Co Número de convecção

COP Coeficiente de performance

D Diâmetro [mm]

De Diâmetro hidráulico equivalente [m]

Dh Diâmetro hidráulico [m]

e Espessura da placa [m]

ECB Factor de aumento da ebulição convenctiva devido à superfície das placas

EN B Factor de aumento da ebulição nucleada devido à superfície das placas

Ff l Parâmetro dependente do fluído

F rlo Número de Froude com todo o fluido considerado como líquido

G Fluxo mássico [kg m−2 s−1 ]

g Aceleração da gravidade [m s−2 ]

Geq Fluxo mássico equivalente [kg m−2 s−1 ]

h Coeficiente de transferência de calor [W m−2 K −1 ]

ilg Entalpia de vaporização [J kg −1 ]

k Condutividade térmica [W K −1 m−1 ]

L Comprimento da placa [m]

P Pressão [bar]

p Distorção da corrugação [m]

xiii
Px Perímetro do canal num permutador de placas [m]

q �� Fluxo de calor por unidade de área [W m−2 ]

Qu Qualidade do vapor

R Resistência térmica

Re Número de Reynolds

T Temperatura [K]

U Coeficiente de transferência de calor global [W m−2 K −1 ]

v Velocidade do fluído [m s−1 ]

w Largura da placa [m]

x concentração de amoníaco na mistura

X Fracção mássica de vapor

ṁ caudal [kg s−1 ]

Q̇ Fluxo de calor [W ]

Símbolos Gregos

β Ângulo de chevron [º]

χ Número de Lockhart-Martinelli

∆Te Diferença de temperatura entre a superfície de aquecimento do líquido e a temperatura de satu-


ração do mesmo [K]

∆Tm Diferenca de temperatura média [K]

∆Tln Diferença de temperatura média logaritmica [K]

δ% Desvio médio relativo

λ Distância entre corrugações [m]

µ Viscosidade [kg m−1 s−1 ]

Φ Factor de alargamento da área do permutador

ρ Densidade [kg m−3 ]

σ Desvio padrão

Sub-índice

a água

ent Entrada

f Fluído frigorigénico

xiv
g Gás

l Líquido

m médio

p pobre

per permutador

r rica

s superfície

sai Saída

sat Estado de saturação

tf Transição de fase

v vapor

w Parede

xv
xvi
Capítulo 1

Introdução

1.1 Motivação
Perante um cenário em que o ser humano começa a ganhar consciência que é necessário tomar medidas
que previnam o desgaste ambiental da Terra, a utilização de equipamentos com recurso a fontes renováveis
e não prejudiciais ao meio ambiente são cada vez mais uma opção a ter em conta.
É nesta realidade que as máquinas de absorção a energia solar térmica podem desempenhar um
papel importante, pois representam uma alternativa aos equipamentos de refrigeração convencionais e
que representam uma boa fatia do consumo de energia eléctrica em todo o planeta. É então de grande
importância, o estudo e desenvolvimento destas máquinas por forma a poderem ser uma opção viável no
mercado. A sua viabilidade no mercado possibilitaria uma redução nas emissões de gases nefastos para
o meio ambiente, aspecto este que está nos planos dos países mais desenvolvidos a curto prazo.
O trabalho aqui desenvolvido enquadra-se no âmbito do desenvolvimento de um protótipo de uma
máquina de absorção de pequena potência que se encontra no Laboratório de Sistemas de Arrefecimento
Solar (LSAS). Este foi desenhado para funcionar a energia solar com uma potência de refrigeração de
5kW e com um COP nominal de 0,56, sendo o fluido de trabalho da máquina uma mistura de amoníaco
e água.
Em particular, este estudo visa analisar a performance de uma componente específica do protótipo, o
evaporador, cujo papel tem grande importância no desempenho global da máquina.

1.2 Evaporador
O evaporador é um dos vários permutadores de calor que constituem o protótipo. Este encontra-se
na zona de baixa pressão e recebe o fluido frigorigénico proveniente do condensador, estando este último
numa zona da máquina que funciona a alta pressão. Entre o condensador e o evaporador encontra-se uma
válvula que reduz a pressão do fluido frigorigénico à entrada do evaporador. Esta diminuição de pressão
provoca uma diminuição na temperatura do fluido frigorigénico, de tal forma que este passa a encontra-se
mais frio que a temperatura do meio que se pretende arrefecer. O evaporador tem então como objectivo
proporcionar a troca de calor entre o fluido frigorigénico e o meio que se pretende arrefecer.
O fluido frigorigénico ao receber o calor proveniente do meio exterior a baixa pressão entra em ebulição,
e daí vem o nome pelo qual se identifica este permutador de calor.
O conhecimento dos processos de transferência de calor entre os fluidos que o atravessam permitem-
nos elaborar a concepção de um permutador que se adeqúe às necessidades da máquina por forma a
torna-la mais eficiente.

1
1.3 Estado do conhecimento
Existem vários tipos de permutadores de calor, os quais têm vindo a ser estudados e testados nas
mais diversas áreas ao longo de vários anos. Os permutadores utilizados no protótipo, entre os quais
se encontra o evaporador, são permutadores de placas compactos. As grandes vantagens deste tipo de
permutadores são a sua compacidade e acessibilidade das superfícies de transferência de calor quando
comparada com os permutadores de tubos.
Os permutadores de placas não são um conceito ou tecnologia nova. Foram patenteados pela primeira
vez em 1880 por uma empresa alemã, Langem e Hundhassen [1]. Começaram a ser bastante usados
no início da década de 30 principalmente na industria leiteira, devido a requisitos de higiene, mas foram
também usados na industria alimentar, química e farmacêutica [2]. O seu uso destinava-se à transferência
de calor entre fluidos em fase líquida.
Mais recentemente, os desenvolvimentos tanto no design como na integridade mecânica e aspectos
de vedação permitiram o uso destes permutadores em condições de maior pressão e temperatura. Estas
características possibilitaram o seu uso em processos de transferências de calor de fluidos em mudança de
fase, em particular como condensadores e evaporadores em máquinas de refrigeração e bombas de calor.
Na literatura encontram-se bastantes estudos desenvolvidos em permutadores de placas. No entanto
a maioria destes estão focados na transferência de calor de fluidos sem mudança de fase, mais concreta-
mente de líquido para líquido. Nas últimas duas décadas começaram a surgir vários estudos referentes à
transferência de calor de fluidos em mudança de fase nos permutadores de placas.
Seguem-se alguns trabalhos que considero relevantes nesta área:

Em 1999, Y.Y. Yan e T.F. Lin publicaram dois trabalhos relativos ao estudo da transferência de calor
e perda de pressão na condensação e evaporação do fluido frigorigénico R-134a num permutador de placas
[3, 4]. Nestes trabalhos foram estudados os efeitos da qualidade média do vapor, fluxo mássico, fluxo
de calor e pressão tanto na evaporação como na condensação do fluido frigorigénico R-134a. Baseados
nos seus dados experimentais, foram ainda propostas pelos autores correlações para os coeficientes de
transferência de calor e factor de fricção da substância R-134a em ambos os estudos.

Em 2000, V. D. Danowski e S. G. Kandlikar realizaram um trabalho tendo em vista a melhoria na


metodologia para prever os coeficientes de transferência de calor do refrigerante R-134a durante a sua
evaporação num permutador de placas [5]. Os autores deste estudo usaram o mesmo permutador de
placas que Yan e Lin com o objectivo de melhorar as correlações do fluido frigorigénico tanto em fase
simples bem como em mudança de fase. Como resultado, foi proposta uma correlação mais precisa para
os coeficientes de transferência de calor na evaporação do fluido frigorigénico R134a num permutador de
placas.

Em 2001, Y. Y. Hsieh e T. F. Lin estudaram a transferência de calor e perda de pressão da evaporação


do fluido frigorigénico R-410a em saturação num permutador de placas vertical [6]. Também neste
trabalho foram examinados os efeitos do fluxo mássico do fluido frigorigénico, a pressão do sistema e
o fluxo de calor nos coeficientes de transferência de calor do líquido R-410a saturado durante a sua
evaporação e na perda de pressão friccional. Por fim, foram também propostas correlações empíricas
para prever os coeficientes de transferência de calor e factor de fricção baseadas nos dados experimentais
obtidos no decorrer da experiência.

Estes últimos dois autores em conjunto com J.L. Chiang estudaram ainda a transferência de calor do
fluido frigorigénico R-134a em estado de sub-arrefecimento durante a sua evaporação num permutador

2
de placas [7]. Os efeitos do fluxo de calor, do fluxo mássico de fluido frigorigénico, pressão do sistema
e condições de entrada da parte da água foram analisados nos coeficientes de transferência de calor.
Foram ainda analisadas as características das bolhas associadas à evaporação do fluido frigorigénico bem
e propostas correlações para os coeficientes de transferência de calor e o diametro das bolhas formadas
na ebulição do fluido frigorigénico em termos dos números de boiling, Froude, Reynolds e Jacob.

Em 2003, D. H. Han, K. J. Lee e Y. H. Kim efectuaram um conjunto de experiências sobre a eva-


poração dos fluido frigorigénicos R-410a e R22 em permutadores de placas com diferentes configurações
geométricas [8]. Os estudos envolveram a análise da transferência de calor e perda de pressão das subs-
tâncias referidas durante a sua evaporação em permutadores de placas com diferentes ângulos de chevron.
Os resultados experimentais tiveram em conta a variação de algumas grandezas como foram o caso do
fluxo mássico dos fluido frigorigénicos, temperatura de evaporação, qualidade do vapor e fluxo de calor.
Foram ainda propostas correlações empíricas para os coeficientes de transferência de calor e para o factor
de fricção do fluido frigorigénico R-134a que englobam como parâmetro o ângulo de chevron.

Em 2004, G.A. Longo e A. Gasparella publicaram um trabalho experimental relativo aos coeficientes
de transferência de calor durante a evaporação e condensação do fluido frigorigénico R22 num permutador
de placas [9]. Neste estudo foram investigados os efeitos da ondulação das paredes do permutador e o
efeito do aumento da rugosidade das mesmas quando comparadas com paredes lisas. Foram propostas
correlações semi-empíricas para os coeficientes de transferência de calor do fluido frigorigénico tanto na
evaporação como na condensação.

Em 2006, D. Sterner e B. Suden testaram experimentalmente a evaporação de amoníaco em permuta-


dores de placas [10]. A experiência foi conduzida num grande equipamento experimental de refrigeração
e foram usados vários tipos de permutadores de placas para o efeito. A evaporação do fluido frigorigénico
foi efectuada num permutador vertical e com o caudal no sentido ascendente. Três correlações para os
coeficientes de transferência de calor foram propostas para os diferentes permutadores de calor.

Em 2007, G.A. Longo e A. Gasparella realizaram um estudo tendo em vista o transferência de calor e
perda de pressão do fluido frigorigénico R-134a durante a sua vaporização num pequeno permutador de
placas [11]. O trabalho visou o estudo dos coeficientes de transferência de calor e perda de pressão medidos
experimentalmente em função do fluxo de calor, caudal mássico do fluido frigorigénico, temperatura de
saturação e das condições exteriores. Os dados experimentais foram comparados com duas correlações
bem conhecidas para os coeficientes de transferência de calor durante ebulição nucleada em recintos
fechados e foi ainda proposta uma correlação para a perda de pressão friccional.

Em 2007, E. Djordjevic e S. Kabelac apresentaram resultados experimentais da transferência de calor


na evaporação do fluido frigorigénico amoníaco e R134a num permutador de placas [12]. Este trabalho
tem a particularidade de revelar medições experimentais obtidas ao longo de todo o permutador sendo
possível uma avaliação quasi-local dos coeficientes de transferência de calor dos fluido frigorigénicos.
Este trabalho permitiu ainda elaborar uma discussão à cerca da distribuição das duas fases do fluido
frigorigénico no permutador bem como da forma como a evaporação é feita num canal do permutador de
placas. Os coeficientes de transferência de calor foram estudados tendo em conta os efeitos da qualidade
do vapor, fluxo mássico e fluxo de calor.

Em 2010, H. Arima e J.H. Kim publicaram um estudo no qual foram medidos localmente os coeficientes
de transferência de amoníaco puro durante a sua evaporação num permutador de placas [13]. O objectivo

3
era elucidar e caracterizar o comportamento do amoníaco num permutador deste tipo. A qualidade do
vapor, pressão de saturação, caudal de amoníaco e fluxo de calor médio foram as variáveis que foram
analisadas no estudo dos coeficientes de transferência de calor da substância. Foi ainda proposta uma
correlação para os coeficientes de transferência de calor locais usando o parâmetro de Lockhart-Martinelli.

Em 2006, Francisco Táboas Touceda desenvolveu uma tese de doutoramento na qual estudou o pro-
cesso de ebulição forçada de uma mistura de amoníaco-água em permutadores de placas [14]. Essa tese,
enquadra-se no desenvolvimento de uma máquina de refrigeração por absorção que funciona usando uma
mistura de amoníaco e água capaz de funcionar a energia solar térmica. O estudo do processo de ebulição
foi efectuado no gerador da máquina de absorção. Os resultados foram analisados de acordo com as
variáveis que se pretendiam estudar, tais como o fluxo mássico da mistura, qualidade do vapor, fluxo de
calor e pressão do sistema. Nesta tese, também se aplicaram-se algumas correlações já conhecidas para os
coeficientes de transferência de calor aos dados experimentais obtidos, sendo que nenhuma das que fora
usada obteve resultados consideráveis. Foram ainda propostas três correlações para os dados obtidos,
mudando alguns dos parâmetros das anteriores correlações, mas os resultados não foram satisfatórios
principalmente para os dados que aparentemente se encontravam na zona de ebulição nucleada. Por fim,
foi ainda proposta uma nova correlação que considera duas zonas de ebulição em função da velocidade
do líquido e do vapor por forma a melhorar a predição dos coeficientes de transferência de calor na zona
de ebulição nucleada. Mais tarde, em 2010, foi publicado um artigo referente a esta tese [15].
Apesar de este trabalho estar inserido também no desenvolvimento de uma máquina de refrigeração
por absorção com uma mistura amoníaco e água como fluido de trabalho, o facto de o permutador em
estudo ser o gerador da máquina e a gama de concentrações de amoníaco utilizada ser diferente distingue
este trabalho daquele que se pretende realizar neste estudo.

1.4 Objectivos
Este trabalho está incorporado no estudo de um protótipo de uma máquina de refrigeração por
absorção e visa o estudo da transferência de calor no permutador de calor que funciona como evaporador.
O objectivo do estudo envolve a determinação dos coeficientes de transferência de calor da mistura
amoníaco-água durante a sua evaporação num permutador de placas compacto e a obtenção de uma
correlação para a previsão dos mesmos a partir das suas propriedades termodinâmicas. A obtenção de
uma correlação para os coeficientes de transferência de calor da mistura tem muita importância caso se
queira mais tarde projectar um novo evaporador que se adapte melhor às características do protótipo.
Neste trabalho tem-se ainda como objectivo o estudo da influência de diferentes concentrações de
amoníaco da mistura nos seus coeficientes de transferência de calor.

Esta tese está dividida em seis capítulos.


O primeiro destes, no qual estão inseridos os objectivos do trabalho, destina-se ao enquadramento do
estudo efectuado e ao grau de conhecimento existente na área do mesmo.
O segundo capítulo trata de introduzir alguma teoria sobre os permutadores de placas e alguns dos
conhecimentos adquiridos sobre a transferência de calor em permutadores de placas, tanto nos processos
de transferência de calor de líquido para líquido como na mudança de fase, em particular da evaporação.
No capítulo 3 descreve-se o protótipo utilizado no estudo da transferência de calor da mistura de amo-
níaco e água num permutador de placas. Nesta descrição referem-se quais as características do permutador
de placas utilizado na experiência e o equipamento de medida utilizado nas medições das grandezas físicas
importantes para o cálculo dos coeficientes de transferência de calor do fluido frigorigénico.

4
O capítulo 4 destina-se à descrição do cálculo dos coeficientes de transferência de calor do fluido
frigorigénico no evaporador tendo em conta as grandezas físicas medidas durante as experiências.
No quinto capítulo são apresentados e analisados os resultados experimentais e a sua comparação
com as correlações propostas na literatura para os coeficientes de transferência de calor em permutadores
de placas durante a evaporação de um fluido. É também proposta neste capítulo uma correcção às
correlações encontradas na literatura.
Por fim, no capítulo 6 faz-se um resumo dos resultados obtidos e do que poderia ser melhorado na
experiência para a obtenção de melhores resultados que permitiriam um estudo mais aprofundado dos
efeitos de certas grandezas físicas na transferência de calor durante evaporação do fluido frigorigénico.

5
6
Capítulo 2

Transferência de calor em
permutadores de placas compactos

O uso de permutadores de placas em máquinas de absorção tem bastantes benefícios. São de destacar
os maiores coeficientes de transferência de calor que se conseguem alcançar usando esta tecnologia, e a
nível de manuseamento são mais leves e pequenos que os permutadores convencionais. Para além disto,
são ainda mais baratos, permitindo assim baixar o custo de uma máquina deste tipo e mesmo diminuir
o espaço que esta ocupa. Estes são aspectos fundamentais na construção de um protótipo cujo objectivo
é mais tarde vir a ser comercializado.
Neste capítulo apresentam-se algumas características físicas e hidrodinâmicas dos permutadores de
placas compactos. São ainda apresentadas algumas correlações bem conhecidas para os coeficientes de
transferência de calor da água sem mudança de fase em permutadores de placas compactos.
É feita uma analise a alguns dos diferentes processos de evaporação bem como a apresentação de
algumas correlações recentemente propostas para os coeficientes de transferência de calor durante a
evaporação em permutadores de placas.

2.1 Geometria dos permutadores de placas


Os permutadores de placas são constituídos por um conjunto de finas placas de metal com geometria
rectangular. Estas placas visam separar os dois fluidos que permutam calor entre sim. Uma outra
característica das placas é o padrão de corrugações que estas apresentam. As corrugações destas têm
como objectivo promover uma circulação mais turbulenta dos fluidos e ainda aumentar a área efectiva
para a troca de calor.
No permutador, as placas são montadas de forma a que fiquem encostadas e vedadas entre sim de
modo a formarem um sistema de canais por onde circulam os fluidos. Esse sistema de canais é organizado
de tal forma que o fluido quente e frio circulem em canais alternados. A passagem dos fluidos entre cada
canal é efectuado através de orifícios que se encontram nos cantos de cada placa. Esses orifícios permitem
a distribuição dos fluidos ao longo dos canais que constituem o permutador.
A Figura 2.1.1 representa a montagem de um permutador de placas e identifica os diferentes canais
formados pelas placas do permutador.
Alguns dos parâmetros que caracterizam um permutador de placas são:

Ângulo de chevron (β) corresponde ao ângulo que as corrugações da placa fazem com a horizontal.
O valor desse ângulo costuma variar entre os 22º e os 65º e tem influência directa na eficiência
térmica e perda de pressão por fricção do permutador.

7
! !
!
!
!
!
N*)#$!+0,,&+)10,.!/0#!)(&#204!
2&)&#.!$#&!.02&)12&.!95$+&'!
$)!)(&!:$+@!+0<&#=!
N,'!+($,,&5.!
%3!

4&0,,'8$ 6801'9! 8(&! 91&+&! ! 0/!


+0##3-$)&'! .(&&)! 2&)$5! 2$@1,-!
39!)(&!(&$)!)#$,./&#!.3#/$+&=!
!
4&0,,'89!8(&!.9$+&!:&)6&&,!)60!
+($,,&5!95$)&.=!
!
P0)&7!
!
!

Q,&! +($,,&5! +$,! :&! 2$'&! 0/!


&E3$5!0#!'1//&#&,)!+($,,&5!95$)&.=!
!
!

K&/#1-&#$,)

>$)&#

O$.)!+($,,&5!
95$)&!

"$+@!+0<&#!!95$)&! R03,)1,-
0#!9#&..3#&!95$)&! :05).!

M03#!#&/#1-&#$,)!?1,)&#,$5B!+($,,&5.! L0#)!(05&
.3##03,'&'!:;!/1<&!6$)&#!?&*)&#,$5B
+($,,&5.=! M1#.)!+($,,&5!95$)&

:*+#$3#$;<68-('($=*'>$-.$0$)*,+8'$?*/@ F&$5!95$)&A!,0)!+0##3-$)&'
?2*1$A/0B'($$6801'$&'01$'<?&0,+'/$*,$
1&'$'=06-/01-/$?-,.*+2/01*-,#! M#0,)!+0<&#!95$)&!

"#$%&'$(')*+,$-.$/'./*+'/01*-,$2,*1)#$ • 8(&! 5$.)! $,'! )(&! /1#.)! +($,,&5! $#&! $56$;.! 51E31'! +($,4
,&5.A! 1=&=!&$+(!#&/#1-&#$,)!+($,,&5!1.!$56$;.!.3##03,'&'!
Figura 2.1.1: Esquemático do funcionamento interno de um permutador de placas, in [21]

$
:;!51E31'!+($,,&5.!1,!&<$90#$)0#!0#!+0,'&,.&#!'3)1&.=!
"#$%&'! (&$)! &*+($,-&#.! /0#! #&/#1-&#$)10,! $#&! ! 2$,3/$+4
)3#&'!$++0#'1,-!)0!)(&!/055061,-!.)$,'$#'7! !
! 3#$4-56-,',1$(',-5*,01*-,)#!
• 8(&! /1#.)! +($,,&5! 95$)&! 1.! .&$5&'! :;! &1)(&#! $! .&$51,-!! !
Factor de alargamento (φ) 0#!de:;!uma
95$)&! 61)(! #&1,/0#+&2&,).! placa
$! .&$51,-! de $!um F&&!)(&!/1-3#&!G!$:0<&!/0#!,$2&.!0/!)(&!'&.1-,!1)&2.=!
95$)&! $,'! permutador é o rácio do perímetro! da corrugação
/#0,)! +0<&#=! >$)&#! '#09.! 0#! 6$)&#! <$903#! +$,,0)! )(&,! !
com a sua
&,)&#!projecção.
)(&! .9$+&! /0#2&'! :;! )(&! +0##3-$)10,.! 0/! )(&! /1#.)! !
+($,,&5!95$)&!$,'!)(&!/5$)!.3#/$+&!0/!)(&!+0<&#!95$)&!$,'! !#$7','/08$(010#!
+$3.&! /#&&%1,-! $,'! +0##0.10,! '$2$-&.=! ?8($,@.! )0! )(&! !
Distância entre corrugações (λ) corresponde à distância
/05'&'!'06,!&'-&.A!)(&!.9$+&!$)!)(&!:$+@!+0<&#!95$)&!1.! entre as curvaturas sucessivas que formam
H12&,.10,.A!6&1-().A!9#&..3#&!I!)&29&#$)3#&!5121).A!)&.).A!
&//&+)1<&5;!.&$5&'!0//!:;!)(&!5$.)!+($,,&5!95$)&=B! 1,.9&+)10,.A! +0,,&+)10,! );9&.A! &)+=! +$,! :&! /03,'! 1,! $94
as placas corrugadas.
! 9&,'1*!C4"4J=! ! K&/#1-&#$)10,! (&$)! &*+($,-&#.! ($<&! )0!
• C55! +0,,&+)10,.! $#&! 0/! .)$1,5&..! .)&&5=! 8(&! +0,,&+)10,.! .)$,'!#&5$)1<&5;!20'&#$)&!)&29&#$)3#&.!:3)!(1-(!9#&..3#&!
$#&!/1*&'!:;!&*9$,.10,!1,)0!)(&!+0<&#!95$)&!A!.&$5&'!$,'! $,'! )(3.! )(&;! '1//&#! .02&6($)! /#02! ,0,! #&/#1-&#$)10,!
.)#&,-)(! D01,)&'! :;! )(&! :#$%1,-! 2$)&#1$5=! 8(1.! 1,+#&$.&.!
Distância média entre placas
)(&!$5506$:5&!/0#+&.!$,'!)0#E3&.=!!
(b) é definida como o intervalo de comprimento médio disponível para
3,1).=!

!
a circulação do fluido:

b=p−e (2.1.1)

onde p é a distorção da corrugação e e a espessura da placa.

Área do canal (Ax ) é definida como

Ax = b w (2.1.2)

Diâmetro hidráulico (Dh ) de cada canal é definido por:

Ax
Dh = 4 (2.1.3)
Px
onde Px é o perímetro dos canais formado pelas placas e é calculado a partir da seguinte expressão

8
Downloaded By: [B-on Consortium - 2007] At: 13:12 18 April 2008

Figure 5 Plate parameters.

PLATE GEOMETRY therefore:


Figura 2.1.2: Esquema do interior de um permutador de placas e visualização dos parâmetros que os
caracterizam, in [1]
Different geometric parameters of a PHE are defined de = 2b/φ
as follows (see Figure 5):

1. Chevron Angle
SINGLE-PHASE HEAT TRANSFER
Usually termed β and varies between 22◦ –65◦ .
This angle also defines the thermal hydraulic = 2 (b AND
Pxsoft- + φ w) PRESSURE DROP (2.1.4)
ness (low thermal efficiency and pressure drop) and
Due to the proprietary nature of the plate heat ex-
no entanto,
hardness
b� (high e assim
wthermal efficiency and pressure drop).
changer business, there is a lack of design information
2. Enlargement Factor
in the open literature. The correlations presented in this
This factor φ is the ratio of the developed length
brief survey are specific in nature as it relates to a specific
to the protracted length. Px = 2geometry,
φw (2.1.5)
fluid, and experimental range of operation.
3. Mean Flow Channel Gap
There are over thirty correlations that could be con-
This is defined as the actual gap available for the flow.
desta forma o diâmetro hidráulico pode ser escritosidered comopractical, starting with Troupe et al. [3] The
b = p−t latest correlations were published by Muley and Man-
glik
b [4]. Nearly all of them are in the form of a power-
4. Channel Flow Area
Dh = 2law curve fit, with some of the latest correlations us- (2.1.6)
This is the actual flow area defined as: ingφ a leading coefficient and exponent as a function
A x = bw of chevron angle. The augmented heat transfer perfor-
No decorrer dos cálculos deste trabalho usa-se em vez mancedoofdiâmetro
a PHE is duehidráulico, a aproximação
to several enhancement mech- proposta
por Shah5. eChannel Equivalent Diameter
Wanniarachchi [22]para o diâmetro hidráulico anismsequivalente
presumed to be a direct consequence of plate
Defined as: surface characteristics. They include disruption and re-
attachment of boundary layers, vortex flows, swirl flows,
de = 4A x /P
De = and
2 b secondary circulations. Important correlations are (2.1.7)
where P = 2(b + φw) = 2φw. Since b # w, tabulated in Table 1, each correlation geometry and plate
8 heat transfer engineering vol. 24 no. 5 2003

Na Figura 2.1.2 encontram-se ilustrados os parâmetros atráz referidos.

2.2 Transferência de calor em permutadores de placas líquido-


líquido
A transferência de calor entre fluidos sem mudança de estado em permutadores de placas está bem
estudada e pode-se mesmo dizer que se encontra bem caracterizada. Na literatura encontram-se alguns

9
estudos sobre este assunto e várias correlações para diversos tipos de permutadores e diferentes fluidos.
No entanto, uma vez que as características geométricas dos permutadores podem variar bastante assim
como nem todos os fluidos estão contemplados na literatura, não existe uma teoria capaz de prever os
processos de transferência de calor de uma forma geral neste tipo de permutadores. A isto acrescenta
ainda o facto de muita informação sobre os permutadores de placas não ser publicada devido à natureza
do negócio dos permutadores de placas compactos.
Zahid H. Ayub tem um trabalho publicado em 2003, no qual foi efectuada uma pesquisa literária sobre
vários resultados relativos à transferência de calor e perda de pressão em permutadores de calor de placas
[1]. Neste trabalho são apresentadas várias correlações relativas ao processo de transferência de calor da
água em permutadores de placas de diferentes características geométricas e com diferentes condições de
entrada da água.
Para introduzir algumas das correlações relevantes nesta revisão bibiliográfica será necessário a intro-
dução de alguns parâmetros adimensionais que constam das mesmas tais como são os casos do número de
Reynolds, Prandtl e Nulsset. A Tabela 2.2.1 inclui a definição de tais parâmetros bem como a importância
de cada um dos parâmetros [24].

Parâmetro Definição Observação Área de uso

Número de ρ v de Convecção forçada e


Re = Inércia / Viscosidade
Reynolds µ similaridade dinâmica

Número de µ cp
Pr = Dissipação / Condução Convecção natural e forçada
Prandtl k

Coeficiente de
Número de h de Transferência de calor
Nu = transferência de calor
Nulsset k convectiva
convectivo adimensional

Tabela 2.2.1: Parâmetros adimensionais utilizados nas correlações dos coeficientes de transferência de
calor da água em permutadores de placas

Seguem-se então algumas correlações bem conhecidas na literatura para os coeficientes de transferência
de calor da água em permutadores de calor.

2.2.1 Correlação de Kumar


Kumar elaborou uma correlação para os coeficientes de transferênica de calor da água em permutadores
de placas com diferentes ângulos de chevron e diferentes caudais de água. O factor de alargamento
dos permutadores utilizados foi de φ = 1, 17. Estas correlações são habitualmente utilizadas para um
cálculo aproximado dos coeficientes de transferência de calor da água em permutadores com características
semelhantes às dos permutadores utilizados na sua experiência.
A correlação proposta por Kumar pode ser escrita na forma
� �0,17
m 0,33 µm
N u = C1 Re P r (2.2.1)
µw
onde C1 e m são os parâmetros livres da correlação.

10
Para diferentes ângulos de chevron e diferentes caudais de água foram obtidos os parâmetros indicados
na Tabela 2.2.2.

β (º) Re C1 m
≤ 30 ≤ 10 0,718 0,349
> 10 0,348 0,663
< 10 0,718 0,349
45 10 - 100 0,400 0,598
> 100 0,300 0,663
< 20 0,562 0,326
60 20 - 400 0,306 0,529
> 400 0,108 0,703

Tabela 2.2.2: Conjunto dos parâmetros obtidos por Kumar que correlacionam os coeficientes de transfe-
rência de calor da água para diferentes geometrias dos permutadores e diferentes números de Reynods

2.2.2 Correlação de Thonon


A correlação proposta por Thonon para os coeficientes de transferência de calor da água são válidas
para 50 ≤ Re ≤ 15000:

1
N u = C1 Rem P r 3 (2.2.2)

onde os parâmetros C1 e m se encontram na Tabela 2.2.3 para diferentes ângulos de chevron

β (º) C1 m
75 0,100 0,1000
60 0,2267 0,2267
45 0,2998 0,2998
30 0,2946 0,2946

Tabela 2.2.3: Constantes da correlação de Thonon para os coeficientes de transferência de calor da água
para diferentes ângulos de chevron

2.2.3 Correlação de Wanniarachchi et al


Wanniarachchi propôs uma correlação para os coeficientes de transferência de calor da água em função
da configuração geométrica dos permutadores de placas compactos:
� �0,17
� �1 1 µm
N u = N u3l + N u3t 3 P r 3 (2.2.3)
µw
onde

N ul = 3, 65β −0,455 φ0,661 Re0,339 (2.2.4)

N ut = 12.6β −1,142 φ1−m Rem (2.2.5)

e ainda

m = 0, 646 + 0, 0011β (2.2.6)

11
Esta correlação é valida para permutadores com corrugações do tipo herringbone e para números de
Reynolds compreendidos entre 1 ≤ Re ≤ 10000.

2.3 Transferência de calor durante a evaporação


2.3.1 Tipos de ebulição
O processo de ebulição de um líquido pode-se manifestar-se de diversas formas. Dessas formas três
serão aqui evidenciadas:

2.3.1.1 Pool boiling

A evaporação denomina-se de “pool boiling” quando a ebulição ocorre ao gerar-se vapor a partir de
uma superfície aquecida na qual está assente uma coluna do líquido que evapora. A circulação do líquido
deve-se apenas à convecção natural e à subida de bolhas formadas na superfície de aquecimento, não
sendo induzida qualquer circulação do fluido de forma mecânica.
Nestas condições foram identificados, pela primeira vez por Nukiyama [23], diferentes regimes de
ebulição. Este observou que a diferença entre a temperatura da superfície que aquece o líquido (Ts ) e a
temperatura de saturação (Tsat ) à qual o mesmo se encontrava produziam diferentes regimes de ebulição.

∆Te = Ts − Tsat (2.3.1)

A Figura 2.3.1 identifica os diferentes regimes que podem ser atingidos durante a ebulição.

Figura 2.3.1: Curva tipica da ebulição da água à pressão atmosférica: fluxo de calor na superfície de
aquecimento, q �� , em função do excesso de temperatura ∆Te , in [23].

12
No contexto deste trabalho, os regimes que importam são: a ebulição com convecção natural e a
ebulição nucleada.

Convecção natural acontece quando a o valor de ∆Te é menor que ∆Te, A (ver Figura 2.3.1). Neste
regime ainda pode existir eventualmente a ocorrência de bolhas, no entanto a circulação do fluido é
determinada essencialmente a partir dos efeitos de convecção natural. O coeficiente de transferência
de calor varia com ∆Te com uma potência de 1/4 ou 1/3 consoante o movimento do líquido é laminar
ou turbulento, respectivamente. Nestes casos, uma vez que a transferência de calor processa-se
apenas por convecção do líquido pode-se correlacionar os coeficientes de transferência de calor de
forma aproximada com uma expressão semelhante à que é utilizada na transferência de calor líquido
para líquido (correlação Dittus-Boelter [24]).
1
N u = a Reb P r 3 (2.3.2)

Ebulição nucleada acontece quando o valor de ∆Te é mais elevado. Neste regime, as bolhas formadas na
superfície de aquecimento do líquido provoca alguma separação entre esta e o líquido. A ocorrência
destas bolhas provoca uma mistura do líquido junto da superfície que consequentemente aumenta
o coeficiente de transferência de calor. Contudo, neste regime podem ser identificadas duas formas
de transferência de calor. Para valores de ∆Te mais baixos a geração de bolhas ainda não é
suficientemente numerosa e portanto a circulação do líquido deve-se essencialmente à convecção
natural. Desta forma a maior parte da transferência de calor acontece na superfície de aquecimento.
À medida que ∆Te vai aumentado, um maior número de bolhas é gerado de tal forma que o contacto
entre a superfície e o líquido fica bastante restrito, sendo a transferência de calor efectuada de forma
mais rápida através da ascensão das bolhas geradas. Neste regime atinge-se o valor máximo do
coeficiente de transferência de calor, graficamente indicado como ponto P na Figura 2.3.1.

2.3.1.2 Ebulição forçada

A ebulição forçada acontece quando se tem uma mistura de várias substâncias no estado líquido e se
pretende evaporar a substância mais volátil. Neste tipo de ebulição, a circulação da mistura faz-se ao
longo de canais (podendo esta ser efectuada por exemplo num tubo ou placa vertical). A circulação da
mistura é habitualmente efectuada através de ajudas mecânicas [24].
Durante a ebulição, ambas as fases circulam em conjunto existindo fortes interacções entre elas,
sendo este tipo de ebulição caracterizada pelas rápidas mudanças do líquido para o vapor no sentido
do movimento do fluído. Este tipo de ebulição é aquele que acontece no gerador de uma máquina de
absorção.
Esta ebulição está associada à formação de bolhas na superfície de aquecimento do líquido. O cres-
cimento e separação das bolhas é bastante influenciado pelo movimento do fluido e pelas características
hidrodinâmicas do local onde o fluido circula.
A Figura 2.3.2 representa as várias fases da ebulição no interior de um tubo sujeito a um fluxo de
calor constante. A primeira fase corresponde ao estado subarrefecido do fluido e a uma transferência de
calor apenas convectiva e que pode ser descrita por equações do tipo 2.3.2. À medida que se sobe no tubo
pode-se observar um novo regime correspondente ao início da vaporização do fluido junto das paredes do
tubo numa região onde o líquido se encontra subarrefecido.
A partir de certo momento, todo o líquido se encontra em estado de saturação e existem bolhas ao
longo de todo o tubo. A essa região chama-se de saturated flow boiling region e podem-se distinguir
diferentes fases dependentes da disposição do líquido e do vapor ao longo do tubo. Numa primeira
fase as existem pequenas bolhas de vapor misturadas com o líquido. À medida que se sobe no tubo as
bolhas vão-se fundindo. A partir de determinado ponto, o vapor já ocupa tanto espaço que flui pelo tubo

13
Figura 2.3.2: Diferentes regimes de fluxo de um fluido em ebulição no interior de um tubo, in [23]

rapidamente na zona interna do mesmo ficando o líquido a fluir junto das paredes do tubo. Por fim,
quando todo o fluido é quase vapor, o restante líquido flui a grande velocidade como pequenas gotículas
ao longo do tubo.
Ao longo do tubo a fracção mássica de vapor X aumenta criando uma grande diferença de densidade
entre a fase líquida e a fase de vapor. Esta diferença provoca um aumento da velocidade média do fluido.
Os coeficientes de transferência de calor locais do fluido dentro do tubo variam com as alterações da
fracção mássica de vapor e da velocidade média do fluido ao longo do tubo. Desta forma, na fase inicial
da ebulição do fluido saturado o coeficiente de transferência de calor aumenta quando em comparação
com o coeficiente de transferência de calor nas fase que a antecede (convecção forçada do líquido) mas
à medida que X aumenta o coeficiente de transferência de calor pode aumentar ou diminuir consoante
o fluido e o material de que é feito o tubo onde este circula. Por fim, o menor valor dos coeficientes de
transferência de calor locais do fluido obtêm-se na fase em que todo o fluido se encontra na fase gasosa
(convecção forçada do vapor).

2.3.1.3 Evaporação de uma camada fina de líquido

A evaporação de um filme fino de líquido é um tipo de evaporação que ocorre quando este circula
sobre uma superfície aquecida, como pode ser o caso de uma placa vertical ou dentro de um tubo vertical
[24]. Em muitas situações, este tipo de evaporação ocorre directamente na superfície do filme de líquido
sem que haja a geração de bolhas. No entanto, em casos em que o fluxo de calor é grande o processo de
evaporação presente é a ebulição nucleada.
De destacar que este é o tipo de evaporação que acontece durante a evaporação do fluido frigorigénico
no evaporador da máquina de absorção em estudo.

14
2.4 Transferência de calor durante em permutadores de placas
compactos durante a evaporação
A utilização de permutadores de placas em máquinas de refrigeração e bombas de calor permite que
o número de dados disponíveis à cerca da evaporação de fluidos neste tipo de permutadores seja cada vez
maior e consequentemente começa-se a tentar compreender o processo de evaporação de fluidos nestes
permutadores.
Nos dias que correm, não existe nenhuma teoria que seja consensual para a evaporação em permuta-
dores de placas pelo que os autores de diversos trabalhos na área apresentam formas de correlacionar os
dados diferentes uns dos outros. Neste trabalho, pretende-se comparar os nossos dados experimentais com
algumas das correlações propostas na evaporação em permutadores de placas. Por esse motivo analisar-
se-à algumas das correlações propostas para os coeficientes de transferência de calor em permutadores de
calor compactos durante a evaporação de um fluido.

2.4.1 Correlações propostas para os coeficientes de transferência de calor em


permutadores de placas durante a evaporação
Como foi referido em 1.3, nos últimos anos foram propostas algumas correlações com o objectivo de
prever os coeficientes de transferência de calor de alguns fluidos durante a sua evaporação num permutador
de placas tendo em base os dados experimentais obtidos para o efeito.
Kandlikar e B. Thakur, em 1982, realizaram um estudo no qual tinham o objectivo de estabelecer
novas correlações para a previsão dos coeficientes de transferência de calor da água e alguns fluidos
orgânicos durante a sua evaporação ao longo de tubos verticais e horizontais [16]. Para a evaporação de
fluidos em tubos verticais propuseram uma correlação que é expressa como a soma dos termos convectivo
e de ebulição nucleada:

htf C C
= C1 CoC2 (25 F rlo ) 5 + C3 BoC4 (25 F rlo ) 6 (2.4.1)
hl
onde Co, Bo e F rlo são o número de convecção, o número de Boiling e o número de Froude com todo
o fluido considerado líquido, respectivamente e encontram-se definidos na Tabela 2.4.1,
Qu é a qualidade do vapor, ρg a densidade do gás, ρl a densidade do líquido, G o fluxo mássico, ilg o
entalpia de vaporização, g a aceleração da gravidade e D o diâmetro interno do tubo.
Os parâmetros C1,...,6 são as constantes da correlação proposta.
Mais tarde, em 1990, o mesmo Kandlikar refinou as correlações que tinha obtido no anterior trabalho
tendo em conta um maior número de dados experimentais [17].
Por fim, Kandlikar em 1991, extendeu o seu trabalho anterior a tubos com superfície aumentada e pela
primeira vez foi proposta uma correlação para um evaporador de placas compacto [25]. As correlações
obtidas para estes permutadores distinguem os processos de transferência de calor junto das placas do
permutador e no meio de cada canal. As correlações propostas foram semelhantes às que foram obtidas
nos trabalhos anteriores [16, 17]. Como se partiu das correlações obtidas de líquido para líquido, o autor
adicionou termos relativos ao aumento da superfície de transferência de calor existente nestes tipos de
permutadores de calor.
Y.Y. Yan e T.F. Lin ao estudarem a transferência de calor durante a evaporação do fluido frigorigénico
R-134a num permutador de placas propuseram a seguinte correlação para os coeficientes de transferência
de calor:
� � �0,5 �
1 ρl
N u = 1, 926 P r 3 Bo0,3
eq Re
0,5
(1 − Qum ) + Qum (2.4.2)
ρg

15
Parâmetro Definição Observação Área de uso

� �0,8 � �0,5
Número de 1 − Qu ρg Parâmetro de
Co = Evaporação
convecção Qu ρl Martinelli modificado

Número de q �� Fluxo de calor


Bo = Evaporação
boiling G ilg adimensional

Comportamento do
Número de G2
F rlo = 2 Inercia / Gravidade fluido e da superfície
Froude ρl g D de contacto

Tabela 2.4.1: Parâmetros adimensionais utilizados nas correlações dos coeficientes de transferência de
calor durante a evaporação de um fluido num permutadores de placas

onde Boeq é o número de boiling equivalente. O cálculo deste é feito a partir do fluxo mássico
equivalente, proposto pela primeira vez por Akers [18]. O fluxo mássico equivalente é então definido
como
� � �0,5 �
ρl
Geq = G (1 − Qum ) + Qum (2.4.3)
ρg

A correlação proposta por estes dois autores identifica-se com o termo da ebulição nucleada da cor-
relação proposta por proposta por Kandlikar para tubos verticais. O uso do fluxo mássico equivalente é
usado no sentido de corrigir o efeito da circulação do fluido em duas fases numa expressão usualmente
proposta na transferência de calor de líquido-líquido. Esta correlação apresenta um desvio médio relativo
de 8,3%.
A Figura 2.4.1 ilustra a comparação da correlação obtida com os dados experimentais obtidos no
estudo da transferência de calor da evaporação do fluido frigorigénico R-134a num permutador de placas
compacto.
Em 2000, D.Donowski e S. Kandlikar verificaram que existiam algumas discrepâncias na correlação
proposta por Yan e Lin para os coeficientes de transferência de calor do líquido R-134a durante a sua eva-
poração num permutador de placas vertical. Perante tais discrepâncias, eles usaram o mesmo permutador
que fora usado por Yan e Lin e propuseram umas novas correlações melhoradas tanto para os coeficientes
de transferência de calor da água sem mudança de fase como para a evaporação do fluido frigorigénico
R-134a. As correlações por eles propostas são do mesmo tipo de correlações propostas anteriormente por
Kandlikar para a evaporação em tubos verticais. Aquela que melhores resultados obteve foi

� �
hf = 1, 055 1, 056 Co−0,4 + 1, 02 Bo0,9 Qu−0,12 h0,98
l (2.4.4)

com um desvio máximo relativo de 16%.


Uma outra correlação que estes autores propuseram foi:

� � 0,003
hf = 2, 312 Co−0,3 ECB + 667, 3 Bo2,8 Ff l EN B (1 − Qu) hl (2.4.5)

16
1'' A
;
o ;

o •

X=0.092 ± '. 9
O
AX=0.13 - ffl
o A
10000
9
A d
0 -
0*
':
'-
R-134a
» present data
':
111
- proposed correlation, =1.926 Re eq
0.6 0.8 1.0
2
5 6 7 8 9
1000 10000
re drop with mean vapor quality
2
s and Pm = 0.8 MPa Re,,

Fig. 12 Comparison of the proposed correlation for the evaporation


coefficient can Figura heat transfer
2.4.1: Comparação
be correlated dacoefficient
correlaçãowith the present
proposta data e Lin para os coeficientes de transferência de
por Yan
calor da evaporação do líquido R-134a com os seus pontos experimentais obtidos no estudo, in [4].

926 Re0( late our data with an average deviation of 8.3 percent. For
onde da correlação aos dados
convenience experimentaisEq.
in application, se (obtêm ECB
3 3 ) can 0, 512 eexpressed
be =further EN B = 0, 338 os quais corres-
ponde aos factores de aumento do termo convectivo e nucleado em permutadores de placas, respectiva-
000 < Re K | < 10,000
mente. F(f3l 3é )um parâmetro dependente do fluido, o qual Kandlikar (1991) sugere ser igual a 1 para todos
Nu,. = 1.926 Pr," 3 Bo"; 3 R e 0 5 (1 -X ) + X„\^
os fluidos
ely, the equivalent quando a superfície de transferência de calor mé aço-inoxidável.
Reynolds
equivalent mass flux Y. is
Y. used
Hsieh e T.-F. Lin, em 2002, no estudo dos coeficientes de transferência de calor do fluido frigori-
by Akers ( 1 9 5 8 ) ,
génico R-410a durante a sua evaporação numforpermutador 2000 < de placas
Re el| vertical propuseram
< 10,000. (36) uma correlação
_ ql que corresponde apenas ao termo
Similarly, baseddaonebulição nucleada
the present data da
thecorrelação sugerida
friction factor canpor Kandlikar para a
Bo cu = (34)
evaporação em tubos verticais: as
be correlated
for f,„ Re 0 ' 5 = 6.947
Re cq < 6,000 � X l O�' - R e J
109
(37)
hf, tf, sat = hf,0 l5 88 Bo0,5 (2.4.6)
Pi for Re eq a 6,000 f„, R e = 3 1 . 2 1 - Re™ 4557 . ( 3 8 )
+ X„ (35)
onde o coeficiente de transferência de calor do fluido frigorigénico no estado líquido foi determinado
This correlation again can well represent our data with a devia-
a partir de uma tion
correlação empírica
of seven obtida
percent (Fig.na1 3transferência
) . It should debe calor de líquido
pointed out thatpara líquido do fluido
ation can satisfactorily corre-
frigorigénico R-410a
� � � �0,14
kl 0,78 1 µm
hf, l = 0, 2092 Re Pr 3 (2.4.7)
De
present data µw
5 09
µm 6 . 9 4 7 x l 0 ' Re c q -" , Re c(| < 6000
onde o factor µw é uma correcção devida à diferença de velocidades que o líquido tem junto da parede
do permutador e no centro dos canais.
A comparação entre os dados experimentais e a correlação proposta por Hsieh pode ser observada na
Figura 2.4.2.

D.H. Han, K.J. Lee


(2 e ioo s-
Esta correlação apresenta um desvio médio de 16,8% aos dados experimentais obtidos.
Y.H. Kim, em 2003, estudaram a evaporação do líquido R-410a em permutadores

17

R-134a ry^w*
;56< (< V-!5-154/8 49 1&2 9!5?154/-" E!2887!2 0!4E ,51& 1&2 5+E4820 &2-1 N7G 94! A-!5478 8@812+
=3> :# W6#+$ 8<

;56< %< S4+E-!584/ 49 1&2 E!4E4820 ?4!!2"-154/ ,51& 1&2 E!282/1 0-1- 94!T =-> 1&2 &2-1 1!-/892!
Figura 2.4.2: Comparação entre a correlação obtida para os coeficientes de transferência de calor do
líquido R-410a proposta por
! Hsieh
" e os seus respectivos "dados experimentais, in [6]
#").
"" !+ 5/ ,&5?&
!
!!!" ! #"$#%$ $% &'
#"'( )#*
"$.#
#&
de placas com diferentes características !,-""
geométricas e propuseram uma correlação para os coeficientes de
# %
transferência de calor adicionando à mesma um parâmetro relativo ao ângulo de chevron: + ! +$") $ .+ # % .+
-/0 1&2 345"5/6 /7+32! 58 2J

* N u = Ge1 ReGe 2
Bo0,3
eq P r
0,4
(2.4.8)
() ! " eq "$:#
+,96
onde Ge1 e Ge2 são parâmetros de ajuste dependentes da configuração geométrica doM2!2 +2J 58e
permutador -/ 2J75A-"2/
definidos como
;56<%=-> 5/05?-128 1&-1 1&58 ?4!!2"-154/ ?-/ 8-1589-?14!5"@ 49 1&2 KH.)#F +-88 N7GI
?4!!2"-12 47! 0-1- ,51& -/ �-A2!-62 �−0,04102A5-154/
�π 49 )B<(C<
�−2,83
8-17!-120 ?4/05154/< F8
p
Ge =
D&2 +2-87!20 9!5?154/-"2, 81 E!2887!2 0!4E − β 2GE2!5+2/1-"
(2.4.9) 0-1- -!2 ?4
2 58 ?4!!2"-120 5/
1
De
12!+8 49 1&2 9!5?154/ 9-?14!< F??4!05/6 14 47! 2GE2!H
� �−0,082 � �0,61
5+2/1-" 0-1-I 1&2 ?4!!2"-154/
Ge2 = 0, 746
94!
p 1&2 9!5?154/
π
−β
9-?14! -1E 58 (2.4.10)
E!4E4820 -8 D e 2 !" #$%&'()*%+ ,-./,01
Para além desta correlação se adaptar a diferentes tipos de permutadores, pode-se observar que a
$)"$:
- ! B) ###$%
expressão utilizada
1E !
para correlacionar
2J "$B# OGE2!5+2/1-"
os dados experimentais é semelhante à expressão utilizada por Yan +2-87!
1&2 também
e Lin. No entanto esta expressão, ao contrário do que fora proposto por Yan e Lin, ajusta E!282/1o 8170@ 14 5/A
,&2!2 $% 2J 58 1&2 2J75A-"2/1 K2@/4"08 /7+32!
expoente número de Reynolds equivalente aos dados experimentais.
-/0 58
5/6 &2-1 1!-/892! ?&-!-?1
02L/20 -8
A Figura 2.4.3 apresenta graficamente a comparação entre os resultados experimentais .)#F
e a correlação
5/ 1&2 A2!15?-" PMO
proposta por Han. +2J #& 345"5/6 &2-1 1!-/892! ?4
$%2J ! "$'#
!" 0!4E ,2!2 2G-+5/20 5/

18
D.-H. Han et al. / Applied Thermal Engineering 23 (2003) 1209–1225 1223

f ¼ Ge3 ReGe
Eq
4
ð17Þ
"$5:27 #
pco p
! $$3:03
Ge3 ¼ 64; 710 $b ð18Þ
Dh 2
"$0:62 #
pco p
! $$0:47
Ge4 ¼ $1:314 $b ð19Þ
Dh 2

160
R22 & R410A
140 G c = 13 ~ 34 kg/m 2 s
25%
Evaporation Temp. = 5, 10, 15 o C
120 Heat Flux = 2.5, 5.5, 8.5 kW/m 2
Vapor Quality = 0.15 ~ 0.95
Nu - Correlation

100 Chevron angles = 20, 35, 45 o


-25%
80

60

40

20

0
0 20 40 60 80 100 120 140 160

Nu - Experiments
10
R22 & R410A
Figura 2.4.3: Comparação do valor experimental 2 do número de Nulsset
15% com a correlação proposta por
G c = 13 ~ 34 kg/m s
Han para os coeficientes de transferência de calor dos fluido frigorigénicos R22 e R-410a, in [8].
8 Evaporation Temp. = 5, 10, 15 C
2
Heat Flux = 2.5, 5.5, 8.5 kW/m
Vapor Quality = 0.15 ~ 0.95
f - Correlation

Chevron angles = 20, 35, 45


6
-15%

0
0 2 4 6 8 10
f - Experiments
Fig. 10. Comparison between suggested correlations and experimental data for Nu and f .

19
20
Capítulo 3

Descrição da montagem experimental e


equipamento de medida

O estudo da transferência de calor no evaporador do protótipo de uma máquina de absorção reali-


zado neste trabalho enquadra-se no funcionamento geral da mesma. Quer isto dizer que os resultados
experimentais utilizados não foram dedicados a este estudo, mas sim no contexto do estudo geral do fun-
cionamento do protótipo com condições em torno do ponto nominal para o qual a máquina foi concebida.
Deste modo, a medição das unidades de grandeza necessárias para a caracterização da transferência de
calor no evaporador não foram controladas completamente, estando algumas delas dependentes do modo
de operação do protótipo.

3.1 Descrição do protótipo


O protótipo utilizado no estudo trata-se de uma máquina de refrigeração de estágio único que funciona
com uma mistura de amoníaco e água. O protótipo foi construído para ter uma potência de refrigeração de
5kW e um COP nominal de 0, 56. Os componentes de transferência de calor que constituem a máquina
são permutadores de placas compactos, sendo que os principais permutadores (gerador, condensador,
evaporador e absorvedor) trocam calor com circuitos de água. Em particular, o permutador em que este
trabalho se baseia, o evaporador, encontra-se montado na vertical.
A água utilizada para o arrefecimento da mistura amoníaco-água no condensador e absorvedor é
arrefecida a ar com uma temperatura ambiente.
A água que aquece a mistura de amoníaco-água no gerador é aquecida com uma caldeira a tempera-
turas semelhantes às que são atingidas usando um painel solar.
A água utilizada na transferência de calor no evaporador é de igual forma controlada através de uma
caldeira.
Existem ainda mais dois permutadores internos para recuperação de calor, o permutador da solução
e o permutador de pré-arrefecimento. Estes são componentes comuns neste tipo de máquinas e cujo
objectivo passa por aumentar a eficiência interna do protótipo. De referir ainda que o gerador está ligado
a um vaso de separação, no qual se dá a separação do circuito do vapor e da solução pobre em amoníaco
e que a circulação da solução rica entre o absorvedor e o gerador é efectuado com recurso a uma bomba
de circulação. No decorrer das experiências com o protótipo, foi ainda estudado o processo de refinação
do vapor gerado no gerador. Para isso foram utilizados três diferentes modos de tratar o vapor gerado
durante o decorrer da experiência. Na primeira fase não se utilizou nenhum método de refinação, sendo
o todo o vapor gerado imediatamente conduzido até à entrada do condensador.

21
Numa segunda fase, instalou-se uma coluna de pulverização na qual a solução rica em amoníaco era
pulverizada e entrava em contacto com o vapor gerado enquanto este ascendia pela coluna em contra
corrente com a solução rica.
Por fim, instalou-se uma coluna de enchimento, a qual continha no seu interior selas de cerâmica
Novalox distribuídas de forma aleatória. Também neste caso, o vapor e a solução rica entravam em
contacto circulando em sentidos opostos proporcionando desta forma a transferência de calor e massa
entre o vapor e a solução líquida e a respectiva refinação do vapor.
A Figura 3.1.1 representa o esquema da montagem experimental do protótipo utilizado nas experiên-
cias.
No decorrer das experiências com o protótipo várias condições de funcionamento da máquina foram
testadas. As temperaturas de entrada e os caudais das águas no gerador, absorvedor, condensador e
evaporador eram controlados externamente. Os controle dos caudais das soluções rica e pobre e do fluido
frigorigénico eram efectuados através de duas válvulas de expansão e da bomba de circulação.
Para além da variação destas condições, a quantidade da mistura água-amoníaco não foram sempre
as mesmas no interior da máquina.
Todo o protótipo se encontrava termicamente isolado.

3.2 Evaporador
O evaporador utilizado no protótipo trata-se de um permutador de placas de aço inoxidável soldado
com uma liga de níquel, modelo NB-26-18H, fabricado pela Alfa Laval. Este permutador é constituído
por 18 placas com uma área efectiva total de 0, 0025m2 . Cada placa tem uma espessura de 0,4mm. As
placas têm corrugações tipo herringbone com um ângulo de chevron de 25º. As 18 placas formam 17
canais, sendo destes 9 destinados à circulação da água e os restantes 8 à circulação do fluido frigorigénico.
A distância entre cada placa é de 2mm. A Figura 3.2.1 ilustra uma placa constituinte do permutador
utilizado.
A Tabela 3.2.1 inclui um sumário das características geométricas do permutador.
Como foi referido em 3.1, o caudal e a temperatura de entrada dá água no evaporador é controlada
externamente.
Relativamente ao fluido frigorigénico, a temperatura de entrada e a concentração do fluido frigorigénico
dependiam do restante funcionamento do protótipo, não sendo por isso completamente controláveis.
O caudal de fluido frigorigénico era controlado através de uma válvula de expansão, mas o seu con-
trole influenciava o restante funcionamento da máquina, não sendo por isso considerado um parâmetro

Parâmetro geométrico Valor


Comprimento da placa, L (mm) 310
Largura da placa, w (mm) 110
Área efectica da placa, Aper (m2 ) 0,0025
Espessura da placa, e (mm) 0,4
Tipo de corrugação Herringbone
Ângulo de chevron, β (º) 25
Distância entre corrugações, λ (mm) 8
Distância entre placas, b (mm) 2
Número de placas 18
Número de canais do lado do fluido frigorigénico 8
Número de canais do lado da água 9

Tabela 3.2.1: Sumário das caracteristicas geométricas do permutador de placas utilizado como evaporador

22
ESQUEMA DO PROTÓTIPO
T19 T23
T2
T4

Condensador

Evaporador
T18 VL
T17
Pd T3
T1 T2
Coluna de
refinação

T20 T24
T22

Vaso de pressão
condensador

Pre-Cooler
T15

T16 P Visor
Pd
Pa T2
T2
T5 T9 T21
Vaso de separação
Líquido/Vapor
Gerador

Visor

T10
T8

T6
Absorvedor

T14

C T7

T11
P Pd
T2
F
C
Vaso de pressão

Pb
circuito da solução

T2
absorvedor
Permutador do

VL VEM
Visor

VL

F T12

T13
Bomba de circulação

C – Caudalímetro VEM – Válvula electromagnética


F – Filtro VL – Válvula de laminagem

Figura
Figura Disposição bidimensional
3.1.1:1 –Esquemático dos da
do protótipo componentes
máquina do deprotótipo, com localização
refrigeração das sondas
por absorção de no decorrer
utilizado
das experiências. temperatura e de pressão

23
Figura 3.2.1: Fotografia de uma placa que constitui o permutador de placas compacto utilizado como
evaporador no protótipo da máquina de refrigeração por absorção.

controlável. Da mesma forma, a pressão do lado do fluido frigorigénico era dependente das condições
globais de funcionamento da máquina.
A circulação da água e do fluido frigorigénico fez-se em contra-corrente.

3.3 Equipamento de medida


No decorrer das experiências do protótipo, quatro unidades de grandeza foram medidas em diversos
locais da máquina de modo a poder caracterizar o funcionamento da mesma: pressão, caudais, tempera-
turas e concentração de amoníaco na mistura. Para tal foram utilizadas sondas de temperatura, pressão
e caudalímetros para os circuitos de água e para os circuitos da solução rica e pobre.
Todos os demais parâmetros necessários para a caracterização das condições de trabalho da máquina
de refrigeração e do próprio evaporador foram calculados a partir das grandezas medidas com recurso às
propriedades termodinâmicas da mistura amoníaco-água. Para tal utilizou-se o programa Engineering
Equation Solver (EES) com uma rotina que determina as propriedades termodinâmicas da mistura a
partir do conhecimento três grandezas medidas. Esta rotina utiliza correlações que se encontram em [29].
As demais propriedades termodinâmicas da água e da mistura que não são contempladas na rotina
utilizada no EES foram calculadas através de interpolações1 utilizadas na Tese de Doutoramento de L.
1 As interpolações utilizadas encontram-se no Anexo A ao logo do código utilizado no EES para o cálculo dos coeficientes

24
Filipe Mendes [26].

3.3.1 Sondas de temperatura


As temperaturas de entrada e saída do fluido frigorigénico e da água no evaporador foram medidas
com através de quatro sondas de temperatura colocados nas entradas e saídas do permutador.
As sondas de temperatura utilizadas foram termo-resistências de platina (PT100) com ligação a 4 fios.
A sua calibração foi efectuada de forma individual e o erro absoluto máximo que podem obter é de 0.1K.
As restantes sondas de temperatura utilizadas no protótipo são semelhantes às que foram utilizadas
no evaporador.

3.3.2 Sensores de pressão


Na máquina encontravam-se instalados 3 sensores de pressão, onde dois deles destinavam-se à medição
da pressão baixa e pressão alta durante o funcionamento do protótipo.
O sensor de pressão alta estava colocado no vaso de separação do gerador. Este tem um erro absoluto
máximo de 0.125 bar para o máximo de pressão atingido durante as experiências.
Na zona de pressão baixa, onde se encontra o evaporador, o sensor encontrava-se depois da saída do
absorvedor, tendo um erro máximo absoluto de 0, 05 bar dadas as condições de pressão baixa atingidas
no decorrer das experiências.
Existe ainda um sensor de pressão diferencial entre a entrada do evaporador e o ponto de medida da
pressão baixa. A soma da pressão baixa com o valor medido pelo sensor de pressão diferencial corresponde
ao valor de pressão à entrada do evaporador.

3.3.3 Caudalímetros
3.3.3.1 Caudalímetro para a água

O caudal da água que circula no evaporador foi medido com um caudalímetro de turbina, modelo 420S
da marca Hydrometer. O fabricante garante uma precisão de leitura do caudal com um desvio inferior a
1%.

3.3.3.2 Caudalímetros da solução e cálculo do caudal do fluido frigorigénico

Os caudais da solução rica e pobre foram medidas com caudalímetros electromagnéticos da marca
Isomag. Estes têm um erro relativo máximo associado de 0,4%.
A partir do conhecimento do dos caudais da solução rica e pobre, bem como do cálculo das concen-
trações2 da solução rica, solução pobre e fluido frigorigénico é possível determinar o caudal do fluido
frigorigénico a partir dos balanços de massa total e massa de amoníaco:

xr − xp
ṁv = ṁp (3.3.1)
xv − xr

ṁr = ṁp + ṁv (3.3.2)

onde ṁr , ṁp e ṁv são os caudais de solução rica, solução pobre e fluido frigorigénico, respectivamente
e xr , xp , xv as concentrações da solução rica. solução pobre e fluido frigorigénico, respectivamente.

de transferência de calor do fluido frigorigénico.


2 O cálculo das concentrações da solução pobre, solução rica e fluido frigorigénico são efectuadas através da rotina de

cálculo das propriedades termodinâmicas da mistura amoníaco-água no EES em pontos onde se sabe que a mistura se
encontra em estado saturado e dos quais são conhecidas a pressão e a temperatura.

25
26
Capítulo 4

Determinação dos coeficientes de


transferência de calor do fluido
frigorigénico

O coeficiente de transferência de calor global é um parâmetro muito importante na análise de um


permutador de calor. Este coeficiente é definido em termos da resistência à transferência de calor entre
os dois fluidos:

1
UA = (4.0.1)
R
onde U é o coeficiente de transferência de calor global, A a área onde se processa a troca de calor
entre fluidos e R a resistência térmica total.
A resistência térmica total à transmissão de calor entre 2 fluidos que circulam num permutador de
placas pode ser decomposto nas seguintes resistências térmicas:

R = Ra + Rf + Rplaca + Rs (4.0.2)

onde Ra , Rf , Rplaca são as resistências térmicas à transmissão de calor por parte da água, fluido
frigorigénico e placa do permutador, e Rs a resistência térmica devido à sujidade presente nas paredes do
permutador. Este último termo é usualmente desprezado visto contribuir muito pouco para a resistência
térmica total tendo em conta o valor das restantes resistências.
Desta forma a resistência térmica total pode ser descrita como:

1 1 e
R= + + (4.0.3)
A ha A hf Ak

onde se despreza a resistência térmica da sujidade e onde ha e hf são os coeficientes de transferência


de calor da água e do fluido frigorigénico, respectivamente.
O coeficiente de transferência de calor global é então escrito como

1 1 1 e
= + + (4.0.4)
U ha hf k

Por outro lado, o coeficiente de transferência de calor global pode ser determinado experimentalmente
através da expressão:

27
Figura 4.0.1: Perfil de temperaturas dentro de um permutador de calor consuante a circulação dos fluidos
se faz por contra corrente ou corrente paralela, in www.engineeringtoolbox.com.

Q̇ = A U ∆Tm (4.0.5)

onde Q̇ é o fluxo de calor trocado entre os dois fluidos, A a área de troca de calor e ∆Tm a diferença
de temperatura média entre o lado da água e o lado do fluido frigorigénico.
Para a determinação da diferença de temperatura média entre os dois líquidos usou-se o método da
diferença de temperatura média logarítmica [27]:

�Tent − �Tsai
∆Tln = � � (4.0.6)
ln �T ent
�Tsai

com

�Tent = Ta, ent − Tf, sai (4.0.7)

�Tsai = Ta, sai − Tf, ent (4.0.8)

onde Ta, ent e Tf, ent são as temperaturas de entrada da água e do fluido frigorigénico no permu-
tador e Ta, sai e Tf, sai são as temperaturas de saída da água e do fluido frigorigénico do permutador,
respectivamente (ver Figura 4.0.1).
Este método assume que o calor específico dos líquidos que circulam no permutador é constante.
No nosso caso, uma vez que um dos fluidos se encontra em ebulição, o calor específico do fluido
frigorigénico varia ao longo do permutador. No entanto, em 2005, J. Claesson efectuou um estudo com
o intuito de corrigir o modelo da diferença temperatura média logarítmica num permutador de placas
compacto durante a evaporação de um líquido, assumindo que a transferência de calor era regida pelo
processo de ebulição nucleada [19].

28
Embora nesse estudo, J. Claesson tenha introduzido um factor de correcção ao modelo da Diferença
de temperaturas média logarítmica, os seus resultados revelaram que este modelo é uma aproximação
suficientemente boa para se usar no cálculo dos coeficientes de transferência de calor de uma substância
em ebulição nucleada em permutadores de placas.
Assumindo então que o modelo da diferença de temperatura média logarítmica se adequa ao caso em
estudo e partindo do conhecimento das caudais da água e fluido frigorigénico, tal como das temperaturas
de entrada e saída da água e do fluido frigorigénico no permutador é possível realizar o cálculo do valor
coeficiente de transferência de calor global da seguinte forma:

Q˙m
U= (4.0.9)
Aper ∆Tlm

onde Q̇m é o fluxo de calor trocado entre a água e o fluido frigorigénico, o qual pode ser determinado
a partir da diferença de temperatura da água à entrada e saída do permutador através da expressão

Q̇a = ṁa cp (Ta, ent − Ta, sai ) (4.0.10)

onde ṁa é o caudal de água que circula no permutador.


Da determinação experimental do coeficiente de transferência de calor global é possível determinar o
coeficiente de transferência de calor do fluido frigorigénico:

1 1 1 e
= − − (4.0.11)
hf U ha k
Para este cálculo é necessário o conhecimento do coeficiente de transferência de calor da água.
Os coeficientes de transferência de calor da água utilizados para o cálculo do coeficiente de transferência
de calor do fluido frigorigénico foram calculados a partir da correlação obtida por Kumar e descrita em
2.2.1.
O uso desta correlação para o calculo dos coeficientes de transferência de calor deveu-se à impossi-
bilidade de montar um sistema que permitisse a circulação da água em ambos os canais do permutador
bem como a medição dos seus caudais e temperaturas de entrada e saída.
Na presença de estes dados seria possível, a partir do método gráfico modificado de Wilson, estabelecer
uma correlação para os coeficientes de transferência de calor da água no permutador utilizado como
evaporador [28].
As propriedades termodinâmicas da água necessárias para o cálculo dos coeficientes de transmissão
de calor foram determinadas através do EES. Para o cálculo dessas propriedades foi utilizado o valor da
temperatura média da água no interior do permutador.

29
30
Capítulo 5

Análise e discussão de resultados

Neste capítulo serão apresentados os resultados experimentais que foram obtidos durante as experiên-
cias com o protótipo. Esses resultados serão ainda utilizados para comparar os coeficientes de transferência
de calor do fluido frigorigénico experimentais com correlações propostas para este tipo de transferência
de calor.
Novas correlações serão propostas com base nos dados medidos durante as experiências com o protó-
tipo.

5.1 Limites de medição dos dados experimentais


No decorrer das experiências com o protótipo foram obtidos um conjunto de medidas experimentais,
dos quais 150 pontos de funcionamento da máquina foram utilizados para a análise da transferência de
calor no evaporador. Esses dados experimentais foram obtidos em três diferentes séries de medições, onde
66 correspondem ao funcionamento da máquina sem refinação do vapor gerado, 42 relativos à experiência
com o uso da coluna de refinação aerossol e os restantes 42 com a coluna de enchimento.
Cada ponto de funcionamento da máquina corresponde à média dos valores medidos durante o fun-
cionamento da mesma em condições estáveis de 15 minutos. Cada ponto de funcionamento corresponde
à medida de cerca de 90 pontos experimentais. Cada ponto experimental corresponde ao varrimento de
todas as sondas presentes no protótipo, o qual levava 10 segundos a ser concluído devido ao número de
sondas incorporadas no protótipo e ao sistema de aquisição de dados utilizado.
As Tabelas 5.1.1 e 5.1.2 indicam os limites mínimos e máximos de alguns parâmetros importantes
para o estudo do funcionamento do evaporador durante as 3 séries de medições do lado da água e do lado
do fluido frigorigénico, respectivamente. Da análise dessas tabelas verifica-se que nas séries de medidas
com refinação o espectro de concentrações de amoníaco é muito mais limitado, sendo os seus valores mais
próximos da unidade como seria de esperar.

5.2 Cálculo de incertezas


Os erros obtidos no cálculo dos coeficientes de transferência de calor foram calculados com base no
programa Engeneering Equation Solver (EES). O cálculo dos erros por parte do EES é efectuado através
da expressão

� � δy �2
Erro = Erro2xi (5.2.1)
δxi

31
Sem refinação Coluna aerosol Coluna de enchimento
Medida Mínimo Máximo Mínimo Máximo Mínimo Máximo
Ta, ent (ºC) 8,3 17,9 8,4 20,3 9,6 21,1
Ta, sai (ºC) 6,2 16,7 6,9 19,0 8,8 19,6
ṁa (l/s) 0,09 0,58 0,23 0,51 0,27 0,50
Rea 174,4 1128,0 363,6 1075,0 476,1 1046,0
Q̇a (W/m2 ) 616,6 2962 1255 2960 1159 2761

Tabela 5.1.1: Valores mínimos e máximos das medições e cálculos efectuados do lado da água no evapo-
rador nas três diferentes séries de medidas experimentais.

Medida Sem refinação Coluna aerosol Coluna de enchimento


Mínimo Máximo Mínimo Máximo Mínimo Máximo
Tf, ent (ºC) -2,3 13,7 -1,9 9,8 -0,1 12,3
Tf, sai (ºC) 3,0 17,3 1,0 18,0 2,4 14,5
x 0,93 0,98 0,98 0,99 0,98 0,99
P (bar) 3,75 6,51 3,91 6,04 4,32 6,54
ṁv (g s−1 ) 1,44 4,95 1,54 3,55 1,51 3,75
Ref 19,5 73,4 22,5 65,3 22,9 70,0

Tabela 5.1.2: Valores mínimos e máximos das medições e cálculos efectuados do lado do fluido frigorigénico
nas três diferentes séries de medidas

onde se assume que as variáveis medidas são aleatóreas e não correlacionáveis.


A Tabela 5.2.1 apresenta um sumário das incertezas das grandezas medidas durante as experiências
com o protótipo.

Grandeza Erro absoluto Erro Relativo


Temperatura 0,1K -
Pressão 0,05 bar -
Caudais da solução rica e pobre - 0,4%
Caudal de água - 1%
Concentração de amoníaco 0,005 -

Tabela 5.2.1: Sumário das incertezas das grandezas medidas durante as experiências com o protótipo.

Desta forma foi calculado o erro de dos coeficientes de transferência de calor do fluido fluido frigori-
génico.
Para a análise e comparação entre as correlações propostas para os coeficientes de transferência de
calor do fluido frigorigénico serão calculados o desvio padrão e o desvio médio relativo.
O desvio padrão é calculado a partir da expressão

� 2
(yexp − yteo )
σ= (5.2.2)
N −m
onde yexp e yteo são os valores obtidos experimentalmente e os valores obtidos a partir da correlação,
respectivamente, N o número de pontos experimentais e m o número de parâmetros livres na correlação.
O desvio médio relativo calculou-se a partir da expressão

� �� yexp −yteo ��
� yteo �
δ% = (5.2.3)
N

32
5.3 Comparação das correlações usadas na evaporação de líqui-
dos em permutadores de placas

Nos últimos anos várias correlações para o coeficiente de transferência de calor durante a evaporação
de determinados fluidos em permutadores de placas compactos têm sido propostas. Estas têm uma
grande importância tanto para a compreensão dos processos físicos que ocorrem durante a evaporação
de um fluido no interior de um permutador de placas bem como assume um carácter fundamental no
dimensionamento do próprio permutador. Tudo isto são factores importantes para o aumento da eficiência
de uma máquina de absorção.
Na literatura existe pouca informação relativamente a correlações para os coeficientes de transferência
de calor para uma mistura de água-amoníaco durante a sua evaporação num permutador compacto de
placas, motivo pelo qual se irá adaptar as correlações já propostas neste tipo de transferência de calor e
adapta-las aos nossos dados.
Todos os cálculos efectuados na determinação dos parâmetros necessários para as correlações seguin-
tes foram efectuados tendo em conta os valores médios de temperatura no interior do evaporador com
excepção para a viscosidade1 , para a qual se utilizou o valor à entrada do evaporador.

5.3.1 Correlação proposta por Hsieh

Hsieh, no estudo dos coeficientes de transferência de calor do liquido R-410A correlacionou os valores
medidos experimentalmente através da correlação empírica do tipo

� �0,14
k 1 µm
hf = a Reb P r 3 Boc (5.3.1)
De µw

onde a, b e c são as constantes correlacionáveis da expressão.


Esta expressão corresponde à correlação de Dittus-Boelter para a transferência de calor entre fluidos
no estado líquido com a adição de dois parâmetros, o número de Boiling e o factor correctivo introduzido
por Sieder e Tate [23] que visa ter em conta a diferença de velocidades que o líquido tem junto às paredes
do permutador e a velocidade do mesmo no meio do canal e que é expresso como

� �0,14
µm
(5.3.2)
µw

Ao correlacionar os nossos dados com uma correlação deste tipo obtiveram-se para os parâmetros
livres os seguintes valores:


 a= 0, 607


b= 0, 765



c = 0, 091

Esta correlação obteve um desvio padrão de 385 W m−2 K e um desvio médio relativo de 35%.
A Figura 5.3.1 representa graficamente a comparação entre a correlação obtida e os pontos experi-
mentais. Esta apresenta também as barras de erro dos valores dos coeficientes de transferência de calor
medidos experimentalmente.

1A explicação do uso da viscosidade do fluido frigorigénico à entrada do evaporador é efectuada mais adiante

33
Pr 3 Boc � Μm �0,14 Pr 3 Boc � Μm �0,14
1
k
1
Μ k Μ
h f � a Reb De
h f � a Reb De
w w

3000 3000

+30% +30%
2500 2500

a � 0,607; b � 0,765; c � 0,091

a � 0,607; b � 0,765; c � 0,0906


2000 2000

h f Calculado
h f Calculado

-30%
-30%

1500 1500

1000 1000

500 500

0 0
0 500 1000 1500 2000 2500 3000 0 500 1000 1500 2000 2500 3000

h f experimental h f experimental
(a) sem barras de erro experimental (b) com barras de erro experimental

Figura 5.3.1: Comparação entre os coeficientes de transferência de calor obtidos experimentalmente e a


correlação de Hsieh obtida com base nos nossos dados experimentais

5.3.2 Correlação proposta por Yan e Lin

Yan e Lin, no estudo da transferência de calor na evaporação do líquido R-134a correlacionaram os


seus dados experimentais com uma correlação tipo:

� � �0,5 �
k b 1
c ρl
hf = a Re P r 3 Boeq (1 − Qum ) + Qum (5.3.3)
De ρg

onde a, b e c são as constantes correlacionáveis da expressão.


Por uma questão de facilidade de leitura façamos

� �0,5
ρl
G∗ = (1 − Qum ) + Qum (5.3.4)
ρg

Esta correlação, comparativamente à que fora utilizada por Hsieh, não usa o factor correctivo 5.3.2.
Para além disso, utiliza o número de Reynolds e Boiling equivalente, embora o factor correctivo do fluxo
mássico do número de Reynolds seja deixado de fora dos parâmetros livres que ajustam a equação aos
dados experimentais.
Ao correlacionar os coeficientes de transferência de calor do fluido frigorigénico calculados com base
nos dados experimentais obtidos no decorrer dos testes do protótipo com a expressão 5.3.3 obteve-se a
correlação

k 1
hf = 0, 0024 Re1,072 P r 3 Bo−0,23
eq G∗ (5.3.5)
De

Esta correlação tem um desvio padrão de 333 W m−2 K e um desvio médio relativo de 28%.
A Figura 5.3.2 ilustra a comparação entre os dados experimentais e a correlação obtida.

34
1
h f � a Reb k
De
Pr 3 Boceq G�

3000

+30%

2500

a � 0,00236; b � 1,072; c � �0,233


2000

h f Calculado
- 30%

1500

1000

500

0
0 500 1000 1500 2000 2500 3000

h f experimental

Figura 5.3.2: Comparação entre os coeficientes de transferência de calor medidos experimentalmente e a


correlação 5.3.5

5.3.3 Correlação proposta por Han e Kim


Han e Kim, na sua correlação para os coeficientes de transferência de calor para o fluido frigorigénico
R-410a durante a sua evaporação num permutador de placas deixaram que o número de Reynolds equi-
valente fosse também sujeito a um parâmetro livre. A expressão que usaram para correlacionar os dados
experimentais teve em conta a geometria de diferentes permutadores.
Uma vez que no nosso caso, apenas um permutador é utilizado podemos expressar que a equação
proposta por estes autores assume a forma

k 1
hf = a Rebeq P r 3 Boceq (5.3.6)
De
Ao correlacionar os nossos dados experimentais com a expressão 5.3.6 obtiveram-se os parâmetros


 a= 0, 00398


b= 0, 94



c = −0, 24

Esta correlação apresenta um desvio padrão de 333 W m−2 K e um desvio médio relativo de 28%.
A Figura 5.3.3 apresenta a comparação entre os valores do coeficiente de transferência de calor do
fluido frigorigénico correlacionados e os valores experimentais.

5.3.4 Correlação proposta por Donowski


A correlação proposta por Donowski para a evaporação de um líquido em permutadores de placas
compactos também entra em conta com um termo relativo à transferência de calor através de processos
convectivos, para além do termo de ebulição nucleada utilizado nas correlações anteriores.
Desta forma, correlacionou-se também os dados experimentais à expressão tipo proposta por Donowski

k 1
hf = Reb P r 3 (a Boc + d Coe ) Quf (5.3.7)
De

35
1
k
h f � a Rebeq De
Pr 3 Boceq

3000

+30%

2500

a � 0,00398; b � 0,942; c � �0,244


2000

h f Calculado
-30%

1500

1000

500

0
0 500 1000 1500 2000 2500 3000

h f experimental

Figura 5.3.3: Correlação proposta por Han e Kim adaptada aos dados experimentais obtidos no de correr
das experiências com o protótipo da máquina de refrigeração por absorção.

para a qual se obtiveram os parâmetros livres




 a= 0, 930





 b= 0, 771




c = 0, 034

 d= −0, 726





 e= 0, 930




f = −0, 258

Esta correlação tem um desvio padrão de 343 W m−2 K e um desvio médio relativo de 29%
A Figura 5.3.4 compara os pontos experimentais aos pontos correlacionados pela expressão 5.3.7.

5.3.5 Conclusões
As correlações aqui propostas para os coeficientes de transferência de calor de uma mistura de
amoníaco-água durante a sua evaporação não se ajustam bem o suficiente aos nossos dados experimentais.
Das correlações obtidas o melhor ajuste teve um desvio médio relativo de 28%. As correlações 5.3.5, 5.3.6
e 5.3.7 têm resultados relativamente semelhantes no que diz respeito ao desvio padrão e desvio médio
relativo.
A Tabela 5.4.1 apresenta um sumário dos resultados obtidos nas quatro correlações testadas.
Graficamente é possível observar que em todas as correlações propostas, a comparação entre os coefi-
cientes medidos experimentalmente e os coeficientes calculados não corresponde a uma boa aproximação
da realidade, existindo uma dispersão considerável entre ambos os casos em qualquer uma das correlações.
A utilização do fluxo mássico equivalente nas correlações parece melhorar os seus resultados, sendo
que este se trata de uma correcção ao fluxo mássico usual por se tratar de um fluido em mudança de fase.
Da correlação 5.3.7 pode-se verificar que o parâmetro d que corresponde ao factor multiplicativo do
termo de convecção é negativo. A interpretação deste valor pode ser efectuada no contexto de que a
evaporação da mistura de amoníaco e água é regida maioritariamente por processos de ebulição nucleada,

36
Pr 3 �a Boc� d Coe�Qu f
1
k
hf � De
Reb

a � 0,726; b � 0,771; c � 0,0345; d � �0,726; e � 0,192; f � �0,258


3000

+30%

2500

2000

h f Calculado
-30%

1500

1000

500

0
0 500 1000 1500 2000 2500 3000

h f experimental

Figura 5.3.4: Comparação entre os coeficientes de transferência de calor experimentais do fluido frigori-
génico com a correlação 5.3.7

uma vez que um valor de contribuição de transferência de calor convectiva negativo não tem qualquer
significado físico.
B. Thonon, em 1997, estudou a transição da ebulição nucleada para a ebulição convectiva em permuta-
dores de placas compactos [20]. Nesse estudo chegou à conclusão que era possível estabelecer um critério
para determinar se a ebulição é determinada por processos convectivos ou nucleados. Para tal definiu um
critério baseado na multiplicação do número de Boiling (Bo) e no número de Lockhart-Martinelli (χ).
O critério que estes autores definiram para o qual os coeficientes de transferência de calor dependem da
ebulição nucleada em permutadores de placas compactos é

Bo χ > 0, 15 × 10−3 (5.3.8)

onde o número de Lockhart-Martinelli é definido como


� �0,9 � �0,5 � �0,1
1 − Qu ρg µg
χ= (5.3.9)
Qu ρl µl
Ao utilizar o critério definido por Thonon aos nossos dados experimentais verifica-se que a grande
maioria dos dados experimentais se encontra na zona em que a ebulição do fluido frigorigénico é regida
por processos de ebulição nucleada. No entanto, alguns dos pontos experimentais encontram-se na zona
de ebulição convectiva, segundo este critério.
Fazendo uma análise da correlação 5.3.7 em relação às restantes, pode-se depreender que o termo de
ebulição nucleada é suficiente para tentar descrever a realidade dos coeficientes de transferência de calor
durante as experiências no protótipo.
É ainda possível verificar que os parâmetros livres de ajuste do peso do número de Boiling não se
adequam aos valores habitualmente encontrados neste tipo de correlações. O expoente livre do número
de Boiling chega mesmo a ser negativo em duas das correlações aumentando em demasia o peso deste no
cálculo dos coeficientes de transferência de calor do fluido frigorigénico.
O factor de correcção devido à diferença de velocidade do fluido frigorigénico nos vários pontos do
permutador (5.3.2) embora não tenha efectuado nenhuma melhoria significativa à correlação, tornou

37
os valores dos parâmetros livres mais próximos daqueles que usualmente são observados neste tipo de
correlações.
Relativamente aos erros experimentais dos coeficientes de transferência de calor que se podem observar
na Figura 5.3.1, verifica-se que estes assumem valores consideráveis, mas que se enquadram no tipo de
erros usualmente obtidos neste tipo de experiência.

5.4 Correcção às correlações propostas


Uma vez que as correlações inicialmente propostas não são capazes de prever razoavelmente o valor
dos coeficientes de transferência de calor do fluido frigorigénico durante o funcionamento do protótipo
tentou-se efectuar uma correcção ao que fora proposto anteriormente.
Uma das hipóteses para a discrepância das correlações com os valores experimentais pode estar rela-
cionado com o método de cálculo da diferença de temperatura média entre a água e o fluido frigorigénico.
Como já foi referido, o método utilizado na determinação do coeficiente de transferência de calor global
não é válido numa situação de mudança de fase, embora, segundo Claesson, este possa ser utilizado nestas
circunstâncias como uma boa aproximação .
Por outro lado, a variação da concentração da mistura de amoníaco e água durante as experiências com
o protótipo também influência o perfil de temperatura do fluido frigorigénico no interior do permutador,
onde para valores de concentração mais baixos é de esperar uma temperatura de saída mais elevada
que nos dados com valores de concentração mais elevados. A Figura 5.4.1 representa para as mesmas
condições de pressão e temperatura de entrada a variação do perfil de temperatura do fluido frigorigénico
ao longo do permutador assumindo que o fluxo de calor trocado é distribuído de igual forma por todo o
permutador.

Figura 5.4.1: Influência da concentração de amoníaco no perfil de temperatura do fluido fluido frigorigé-
nico no interior do permutador de placas.

Para além disto a influência da variação da concentração da mistura pode não estar devidamente

38
contabilizado nas correlações anteriores.
De notar que os estudos efectuados na determinação dos coeficientes de transferência de calor em
permutadores de placas compactos durante a evaporação envolvem fluidos puros, ou misturas sem vari-
ação da concentração no decorrer das experiências, pelo que este tipo de estudo difere daqueles que se
encontram na literatura.
Dado isto optou-se por tentar corrigir s correlações anteriores ao acrescentar a concentração da mistura
como factor de correcção. Este factor correctivo foi aplicado às quatro correlações apresentadas em 5.3.

5.4.1 Correlações modificadas


Às correlações referidas em 5.3 acrescentou-se o factor correctivo xg , onde g será um parâmetro de
ajuste do peso da concentração da mistura na correlação.
As correlações a ser ajustadas aos dados experimentais com o factor correctivo são expressas da
seguinte forma:
� �0,14
k 1 µm
hf = a Reb P r 3 Boc xg (5.4.1)
De µw

k 1
hf = a Reb P r 3 Boceq G∗ xg (5.4.2)
De

k 1
hf = a Rebeq P r 3 Boceq xg (5.4.3)
De

k 1
hf = Reb P r 3 (a Boc + d Coe ) Quf xg (5.4.4)
De
Estas expressões foram correlacionadas com os 150 pontos de dados experimentais obtidos durante as
experiências efectuadas no protótipo obtendo-se então para cada uma delas os parâmetros e desvios que
se encontram resumidos na Tabela 5.4.1.

Correlações Parâmetro σ δ%
a b c d e f g (W m−2 K)
Correlações propostas
Hsieh 0,607 0,765 0,091 - - - - 385 35%
Yan e Lin 0,0024 1,072 -0,23 - - - - 333 28%
Han e Kim 0,00398 0,94 -0,24 - - - - 333 28%
Donowski 0,930 0,771 0,034 -0,726 0,930 -0,258 - 343 29%
Correlações corrigidas
Equação 5.4.1 7,04 0,948 0,680 - - - -23,6 186 16%
Equação 5.4.2 1,02 1,05 0,563 - - - -22,3 187 17%
Equação 5.4.3 1,92 0,885 0,536 - - - -22,3 186 16%
Equação 5.4.4 73,8 0,960 1,09 0,018 0,028 -0,091 -23,0 185 15%

Tabela 5.4.1: Sumário dos resultados obtidos para os parâmetros das correlações propostas na literatura
e para as novas correlações corrigidas.

A Figura 5.4.2 apresenta a comparação entre os valores dos coeficientes de transferência de calor
medidos experimentalmente e as correlações corrigidas com o factor dependente da concentração da
mistura de amoníaco e água.
A Figura 5.4.3 representa ainda os erros experimentais dos coeficientes de transferência de calor na
correlação de Hsieh corrigida.

39
1 1
h f � a Reb k
De
Pr 3 Boceq G� xg h f � a Rebeq k
De
Pr 3 Boceq xg

3000 3000

a � 1,020; b � 1,051; c � 0,563; g � �22,341

a � 1,924; b � 0,885; c � 0,536; d � �22,304


+30%
2500 2500 +30%

2000 2000
h f calculado

h f calculado
-30% -30%

1500 1500

1000 1000

500 500

0 0
0 500 1000 1500 2000 2500 3000 0 500 1000 1500 2000 2500 3000

h f experimental h f experimental
(a) Yan e Lin (b) Han e Kim

Pr 3 Boc � Μm �0,14 xg Pr 3 �a Boc� d Coe�Qu f xg

a � 73,794; b � 0,959; c � 1,095; d � 0,0182; e � 0,0284; f � �0,0912; g � �23,008


1
k
h f � a Reb k
1
Μ hf � De
Reb
De w

3000
3000

+30%
+30%
a � 7,037; b � 0,948; c � 0,680; g � �23,617

2500
2500

2000
h f calculado

2000
h f calculado

-30% -30%
1500
1500

1000
1000

500
500

0
0 0 500 1000 1500 2000 2500 3000
0 500 1000 1500 2000 2500 3000

h f experimental h f experimental
(c) Hsieh (d) Donowski

Figura 5.4.2: Comparação entre os coeficientes de transferência de calor do fluido frigorigénico medidos
experimentalmente e as correlações corrigidas obtidas.

40
Pr 3 Boc � Μm �0,14 xg
1
k Μ
h f � a Reb De w

3000

+30%

a � 7,037; b � 0,948; c � 0,680; g � �23,617


2500

2000

h f calculado
-30%
1500

1000

500

0
0 500 1000 1500 2000 2500 3000

h f experimental

Figura 5.4.3: Comparação entre a correlação de Hsieh corrigida e os coeficientes de transferência de calor
medidos experimentalmente com as respectivas barras de erro.

5.4.1.1 Conclusões

O resultado do factor correctivo aplicado às correlações propostas na literatura teve um impacto


significativo nas mesmas tornando-as uma boa aproximação à realidade do evaporador no protótipo onde
se efectuaram as experiências.
Aquela que obteve o melhor resultado foi a correlação de Donowski corrigida (equação 5.4.4) obtendo
um desvio médio relativo de 15% em comparação com os coeficientes de transferência de calor experi-
mentais. No entanto, dado o número de parâmetros livres que foram ajustados nesta correlação, o seu
resultado quando comparado com as restantes não faz dela a melhor. Uma vez mais, verifica-se nesta
correlação que os coeficientes de transferência de calor são acima de tudo descritos pelo termo da ebulição
nucleada, pois os valores de parametrização do termo convectivo, d e e, são pequenos quando comparados
com os valores do termo nucleado, a e c.
As restantes três correlações obtêm resultados semelhantes. As correlações 5.4.2 e 5.4.3 têm a parti-
cularidade de obterem valores para os parâmetros livres parecidos com aqueles que são apresentados na
literatura neste tipo de correlações, com excepção do parâmetro de ajuste do peso da concentração.
Entre as correlações 5.4.1 e 5.4.3 observa-se que o parâmetros livres a é muito maior no primeiro caso.
Observa-se ainda que o valor do expoente do número de Boiling é maior também no primeiro caso. No
correlação 5.4.1 o peso do número de Boiling é diminuido no cálculo dos coeficientes de transferência de
calor sendo esse peso dado ao factor de ajuste a. O uso dos fluxos mássicos equivalentes diminui o peso do
factor de ajuste a e aumenta o peso do número de Boiling no cálculo dos coeficientes de transferência de
calor. Estes valores são os que se aproximam mais das correlações geralmente obtidas para a transferência
de calor neste tipo de permutadores.
Isto evidencia que o uso do fluxo mássico equivalente é uma boa correcção ao fluxo mássico que circula
no permutador no caso de um fluido em mudança de fase.
Da Figura 5.4.3 é possível verificar que embora os erros sejam grandes, na sua maioria as barras de
erro intersectam os valores obtidos através da correlação corrigida.

41
5.4.2 Teste às novas correlações propostas
Ao se adicionar a concentração da mistura amoníaco-água como factor correctivo às correlações dos
coeficientes de transferência de calor apresentadas na literatura para este tipo de transferência de calor
obteve-se uma melhoria dos resultados, mas é necessário verificar se este factor tem significado físico que
lhe permita corrigir as correlações ou se apenas se está a obter uma melhoria na correlação devido ao
facto de se acrescentar um novo parâmetro livre.
Os resultados obtidos pelas correlações 5.4.1, 5.4.2 e 5.4.3 em comparação com a correlação 5.4.4
ilustram que o acréscimo de mais variáveis não reproduziu uma grande melhoria nos resultados.
Para continuar os testes à correcção proposta utilizou-se a correlação 5.3.6 e acrescentou-se a esta
ainda o factor de correcção relativo à diferença de velocidades do fluido junto à parede do permutador e
no centro do mesmo:
� �0,14
k 1 µm
hf = a Rebeq P r 3 Boceq (5.4.5)
De µw
Durante estes testes, optou-se por experimentar deixar livres alguns parâmetros que �se encontram

fixos nestas correlações como foi os casos dos expoentes do número de Prandtl e do factor µµm
w
.
Libertando o expoente do número de Prandtl obteve-se uma correlação para os coeficientes de trans-
ferência de calor do fluido frigorigénico com um desvio médio relativo de 20% comparativamente aos 28%
de desvio quando este estava fixo. A Figura 5.4.4 ilustra a comparação entre os dados experimentais e as
correlações bem como os valores encontrados para os parâmetros livres da correlação.

Pr 3 Boceq � Μm �0,14 Prd Boceq � Μm �0,14


1
k Μ k Μ
h f � a Rebeq De
h f � a Rebeq De
w w

3000 3000

a � 0,0429; b � 0,965; c � 0,164; d � 2,833


2500 2500
a � 0,00380; b � 0,941; c � �0,248

2000 2000
h f calculado

h f calculado

1500 1500

1000 1000

500 500

0 0
0 500 1000 1500 2000 2500 3000 0 500 1000 1500 2000 2500 3000

h f experimental h f experimental
(a) δ% = 28% (b) δ% = 20%

Figura 5.4.4: Influência da libertação do expoente do número de Prandtl na correlação dos coeficientes
de transferência de calor do fluido frigorigénico.

Neste caso, a correlação melhorou bastante, mas a libertação do expoente de P r levou a que este
tivesse um valor incomum.
µm
De seguida fixou-se o expoente do P r e deixou-se o expoente do factor µw como parâmetro livre da
correlação. Também neste caso verificou-se que a correlação melhorou significativamente em relação à
µm
correlação em que se mantinha o expoente do factor µw fixo, sendo que o desvio médio relativo passou
de 28% para 18%. A Figura 5.4.5 representa a comparação entre estas duas correlações e os dados

42
experimentais. Pode-se observar que o novo parâmetro livre toma valores semelhantes aos que o factor
µm
correctivo da concentração da mistura tomou em 5.4.1. De notar que o valor numérico de µw é da mesma
ordem de grandeza que a concentração da mistura.

Pr 3 Boceq � Μm �0,14 Pr 3 Boceq � Μm �d


1 1
k Μ k Μ
h f � a Rebeq De
h f � a Rebeq De
w w

3000 3000

a � 11,819; b �1,0005; c � 0,605; d � �21,353


2500 2500

a � 0,00380; b � 0,941; c � �0,248


2000 2000
h f calculado

h f calculado
1500 1500

1000 1000

500 500

0 0
0 500 1000 1500 2000 2500 3000 0 500 1000 1500 2000 2500 3000

h f experimental h f experimental
(a) δ% = 28% (b) δ% = 18%

µm
Figura 5.4.5: Influência da libertação do expoente do factor µw na correlação dos coeficientes de trans-
ferência de calor do fluido frigorigénico.

µm
Ao se libertar tanto o expoente do P r como do µw obteve-se uma correlação com um desvio médio re-
lativo de 11%. A Figura 5.4.6 representa graficamente a comparação entre os coeficientes de transferência
de calor do fluido frigorigénico medidos experimentalmente e obtidos através da correlação
� �e
k µm
hf = a Rebeq P rc Bodeq (5.4.6)
De µw

É interessante notar que esta correlação acaba por melhorar bastante a previsão dos coeficientes de
transferência de calor para valores inferiores a 1000 W m−2 K.

Prd Boceq � Μm �e
k Μ
h f � a Rebeq De w
a � 8,160; b � 1,058; c � 0,719; d � 2,252; e � �16,028

3000

2500

2000
h f calculado

1500

1000

500

0
0 500 1000 1500 2000 2500 3000

h f experimental

µm
Figura 5.4.6: Influência da libertação dos expoentes do P r e do µw na correlação dos coeficientes de
transferência de calor do fluido frigorigénico. δ% = 11%.

43
Ao se introduzir nestas correlações o factor correctivo xg verifica-se que não há melhorias significativas
em relação às correlações que não o incorporavam (ver Figura 5.4.7). Isto significa que, por um lado,
o factor correctivo xg não ajusta apenas os pontos devido à adição de um parâmetro livre à correlação.
µm
Por outro lado, ao se libertar os expoentes do P r e do µw verifica-se que existe um fenómeno físico que
não está contemplado nas correlações habituais. Para além disso, a variação destes expoentes bem como
o factor correctivo xg parecem tentar corrigir o mesmo fenómeno.

Prd Boceq � Μm �0,14 xg Pr 3 Boceq � Μm �d xg


k Μ k
1
Μ
h f � a Rebeq De
h f � a Rebeq De
w w

a � 15,863; b � 0,918; c � 0,711; d � �10,507; g � �14.846


a � 2,320; b � 0,872; c � 0,546; d � 0,0962; g � �23,784
3000 3000

2500 2500

2000 2000
h f calculado

1500 h f calculado 1500

1000 1000

500 500

0 0
0 500 1000 1500 2000 2500 3000 0 500 1000 1500 2000 2500 3000

h f experimental h f experimental
(a) δ% = 16% (b) δ% = 13%

Prd Boceq � Μm �e xg
k Μ
h f � a Rebeq De w
a � 6,778; b � 1,111; c � 0,719; d � 2,895; e � �18,808; g � 6,156

3000

2500

2000
h f calculado

1500

1000

500

0
0 500 1000 1500 2000 2500 3000

h f experimental
(c) δ% = 11%

Figura 5.4.7: Influência da adição do factor correctivo xg às correlações em que os expoentes do P r e do


µm
µw estão livres.

Nas correlações habitualmente encontradas na literatura, o expoente do número de Prandtl costuma


variar entre 0,3 e 0,4. Essa variação serve para corrigir os valores da variação da viscosidade dos fluidos
com a temperatura dos mesmos. A correlação inicialmente proposta por Dittus-Boelter onde o expoente

44
de P r foi fixo foi obtida para a transferência de calor sem mudança de fase e consequentemente o calor
específico e a condutividade térmica pouco se alteravam. No caso que aqui se trata, o calor específico do
fluido frigorigénico está longe de ser constante. Este facto pode explicar o motivo da alteração tão brusca
do expoente do número de Prandtl quando este é deixado livre.
µm
Por fim, de notar que qualquer um destes dois parâmetros (P r e µw ) assumem uma forte dependência
da concentração do amoníaco na mistura, como pode ser evidenciado na Figura 5.4.8. Isto explica a
razão de estes dois parâmetros quando deixados livres agirem de forma semelhante ao factor correctivo
introduzido nas correlações xg , o que por sua vez pode indicar que estes factores quando deixados livres
tentam corrigir o efeito da concentração nos perfis de temperatuda do fluido frigorigénico no permutador
de calor.

1.8

1.7
1.08

1.6

1.06
Pr
Μm
Μw

1.5

1.4
1.04

1.3

1.02
1.2
0.94 0.95 0.96 0.97 0.98 0.99 0.94 0.95 0.96 0.97 0.98 0.99

x x
µm
(a) µw
(x) (b) P r (x)

µm
Figura 5.4.8: Variação do factor µw e do P r em função da concentração da mistura amoníaco-água.

µm
No caso específico do factor µw , existe uma forte relação entre o valor deste e o valor da diferença de
temperatura média logarítmica. Em parte, esta relação pode ser explicada pelo facto de se utilizarem as
temperaturas de entrada e saída do permutador no seu cálculo. Mas ao se comparar a relação que existe
entre a concentração de amoníaco e o ∆Tln verifica-se que tanto a concentração de amoníaco na mistura
como o factor µµm
w
apresentam relações semelhantes pelo que se pode concluir que ambos tentam corrigir
o efeito do ∆Tln na previsão dos coeficientes de transferência de calor. A Figura 5.4.9 apresenta a relação
existente entre os factores correctivos e o valor do ∆Tln .
De salientar que da observação da Figura 5.4.9 verifica-se que os coeficientes de transferência de
calor com as respectivas concentrações de amoníaco mais baixas são aquelas que têm um menor valor
de ∆Tln como fora inicialmente previsto. Dados os valores obtidos para o expoente do factor correctivo
xg , conclui-se que esta correção visa aumentar o valor dos coeficientes de transferência de calor do fluido
frigorigénico nos casos em que o método da diferença de temperatura média logarítmica está mais sujeito
a erros.
Uma outra evidência da influência do perfil de temperatura nas correlações é a utilização do valor da
viscosidade do fluido frigorigénico nos cálculos dos parâmetros utilizados nas correlações. Como já foi
referido, ao invés de se usar o valor das viscosidades média no interior do permutador, usou-se o seu valor
de entrada. O uso deste valor deveu-se ao facto de se observar que as correlações obtinham melhores
resultados quando era utilizado o valor da viscosidade à entrada do permutador em comparação com o
seu valor médio calculado a partir das temperaturas de entrada e saída. Isto indica que, possivelmente,
o perfil de temperaturas do fluido frigorigénico no permutador mantém-se constante ao longo do permu-
tador aumentando a sua temperatura na zona de saída do mesmo, e consequentemente o valor médio da
viscosidade do fluido frigorigénico real está mais próximo do seu valor de entrada.

45
µm
(a) Relação entre µw
e ∆Tln

(b) Relação entre x e ∆Tln

Figura 5.4.9: Relação entre as correcções às correlações propostas e o valor da diferença de temperatura
média logarítmica.

5.5 Correlações para o coeficiente de transferência de calor do


fluido frigorigénico apenas para os dados experimentais rela-
tivos à refinação do vapor
Uma vez que que numa máquina real o uso de processos de refinação do vapor gerado no gerador estão
sempre presentes apresenta-se de seguida os resultados para as correlações dos coeficientes de transferência
de calor do fluido frigorigénico utilizando apenas os dados experimentais relativos ao uso do processo de
refinação do vapor à saída do gerador.
A Figura 5.5.1 mostra a variação e distribuição dos valores da concentração de amoníaco na mistura.
Estes valores variam entre 0,98 e 0,99 pelo que a correcção considerada em 5.4 não deverá ter efeito signi-
ficativo. No entanto, serão apresentados os resultados das correlações para os coeficientes de transferência
de calor com e sem factor correctivo relativo à concentração de amoníaco.
A Tabela 5.5.1 apresenta os valores obtidos para os parâmetros livres de cada correlação e o desvio
padrão e o desvio médio relativo associado a cada uma delas.
A Figura 5.5.2 ilustra graficamente os resultados obtidos para as correlações tipo apresentadas em
5.3.
Da Tabela 5.5.1 verifica-se que os resultados para as correlações dos coeficientes de transferência de
calor obtidas a partir dos dados experimentais com maiores valores de concentração de amoníaco na
mistura são bons, obtendo-se um desvio médio relativo semelhante ao que fora alcançado nas correlações
dos coeficientes de transferência de calor alcançados em 5.4. Por outro lado verifica-se que o uso da
correcção nas correlações não proporciona quaisquer melhorias e afectando pouco os restantes parâmetros

46
N
30

25

20

15

10

0
0.9775 0.98 0.9825 0.985 0.9875 0.99
x

Figura 5.5.1: Histograma da distribuição da concentração de amoníaco na mistura dos dados experimen-
tais referentes ao uso do processo de refinação do vapor.

Correlações Parâmetro σ δ%
a b c d e f g (W m−2 K)
Correlações propostas
Hsieh 47,50 0,657 0,757 - - - - 132 16%
Yan e Lin 46,49 0,715 0,834 - - - - 134 16%
Han e Kim 16,91 0,701 0,638 - - - - 132 15%
Donowski 76,15 0,657 0,834 0,206 1,843 -0,008
Correlações corrigidas
Equação 5.4.1 36,79 0,691 0,754 - - - -7,31 132 16%
Equação 5.4.2 49,84 0,733 0,857 - - - -3,57 134 16%
Equação 5.4.3 23,22 0,719 0,704 - - - -8,36 132 15%
Equação 5.4.4 72,00 0,714 0,887 0,159 1,329 -0,0001 -11,38 132 15%

Tabela 5.5.1: Sumário dos resultados obtidos para os parâmetros das correlações para os coeficientes de
transferência de calor do fluido frigorigenico com e sem correcção para os dados experimentais relativos
à refinação do vapor gerado.

livres da correlação. Tal resultado era de esperar dado os altos valores de concentração de amoníaco
utilizados para estas correlações, pois a influência do perfil de temperaturas do fluido frigorigénico no
interior do evaporador varia menos.
De salientar que na obtenção destas correlações utilizaram-se 84 pontos experimentais o que é mani-
festamente pouco para este tipo de correlações. No sentido de obter uma correlação para os coeficientes
de transferência de calor da mistura amoníaco-água com o recurso à refinação do vapor gerado seria
necessário a obtenção de um maior número de dados experimentais.

5.6 Conclusões gerais


O uso das correlações para os coeficientes de transferência de calor de um fluido puro em evaporação
num permutador de placas encontradas na literatura não se adaptam a uma mistura de amoníaco-água
com diferentes concentrações de amoníaco. Quanto menor for o grau de purificação da mistura pior são
os resultados dessas mesmas correlações.
Ao aplicaram-se essas correlações a dados experimentais cuja concentração de amoníaco na mistura
era bastante elevado, os resultados obtidos foram bons, no entanto o número de pontos experimentais
utilizado na obtenção de tais correlações é reduzido pelo que a sua análise carece de um maior numero
de dados experimentais.
A aplicação de uma correcção às correlações propostas em 5.3 baseada no facto da concentração de
amoníaco na mistura ser variável ao longo das experiências com o protótipo obteve resultados bastante

47
positivos com desvios médios relativos na ordem dos 15% semelhantes aos que foram obtidos para as
correlações dos coeficientes de transferência de calor utilizando apenas os dados experimentais relativos
à refinação do vapor gerado.
De acordo com o número de parâmetros livres utilizados nas correlações e o valor obtido para estes
pode-se concluir que a correlação corrigida de Han e Kim é aquela que melhor caracteriza os coeficientes
de transferência de calor da mistura amoníaco-água durante a sua evaporação num permutador de placas
inserido num protótipo de uma máquina de refrigeração por absorção.
Por fim, de destacar que os objectivos do trabalho foram alcançados, tendo sido proposta uma correla-
ção para os coeficientes de transferência de calor da mistura de amoníaco-água durante a sua evaporação
num permutador de placas. Da obtenção destas correlações verificou-se também de que forma a concen-
tração de amoníaco na mistura altera os resultados e a razão dessa mesma alteração.
De salientar ainda que se pode considerar uma correlação para os coeficientes de transferência de calor
da mistura amoníaco-água durante a sua evaporação com um elevado teor de amoníaco.

48
Pr 3 Boc � Μm �0,14
1
Dh Μ Dh 1
h f � a Reb k w
h f � a Reb k
Pr 3 Boceq G�

1400 1400

1200 1200

a � 47,50; b � 0,657; c � 0,757

a � 46,49; b � 0,715; c � 0,834


1000 1000

h f Calculado
h f Calculado

800 800

600 600

400 400

200 200

0 0
0 200 400 600 800 1000 1200 1400 0 200 400 600 800 1000 1200 1400

h f experimental h f experimental
(a) Hsieh (b) Yan e Lin

Pr 3 �a Boc�d Coe�Qu f
1
1 Dh
h f � a Rebeq
Dh
Pr 3 Boceq hf � k
Reb
k

a � 76,15; b � 0,657; c � 0,834 d � 0,206; e � 1,843; ; f � �0,008


1400 1400

1200 1200
a � 16,91; b � 0,701; c � 0,638

1000 1000
h f Calculado
h f Calculado

800 800

600 600

400 400

200 200

0 0
0 200 400 600 800 1000 1200 1400 0 200 400 600 800 1000 1200 1400

h f experimental h f experimental
(c) Han e Kim (d) Donowski

Figura 5.5.2: Comparação entre os coeficientes de transferência de calor do fluido frigorigénico medidos
experimentalmente e as correlações obtidas utilizando os dados experimentais relativos à refinação do
vapor gerado.

49
50
Capítulo 6

Conclusões

A partir dos dados experimentais recolhidos durante as experiências com o protótipo de uma máquina
de refrigeração por absorção calcularam-se os coeficientes de transferência de calor. Estes ao serem
correlacionados com as correlações presentes na literatura obtiveram desvios médios relativos próximos
dos 30%. Verificou-se quer pelos desvios médios obtidos quer pela visualização gráfica, que os resultados
das correlações não descreviam correctamente o que fora medido experimentalmente.
Ao se adicionar um factor correctivo a estas correlações que depende da concentração da mistura
obtiveram-se resultados bastante melhores com desvios médios relativos de 16%. Isto significa que a
variação da concentração da mistura tem fenómenos físicos associados que alteram os coeficientes de
transferência de calor do fluido frigorigénico, não sendo estes fenómenos previstos pelas correlações en-
contradas na literatura.
O uso do modelo da diferença de temperatura média logarítmica pode estar relacionado com os maus
resultados obtidos pelas correlações encontradas na literatura, uma vez que o valor que se obtém por meio
deste método não entra em conta com o perfil de temperatura causado pela concentração da mistura. A
prova disto é o facto de as correlações obterem melhores resultados quando se considera que o valor médio
da viscosidade da mistura é igual ao valor de entrada da mesma no evaporador. Isto diz-nos que embora
haja variação de temperatura entre a entrada e saída do evaporador, o perfil desta não é uniforme ao
longo do permutador.
A correlação de Han e Kim com a correcção do parâmetro xg é aquela que melhor descreve a realidade
dos coeficientes de transferência de calor da mistura de amoníaco e água durante a sua evaporação
num permutador de placas, pois para além de obter um bom resultado, obtém também valores para os
parâmetros livres que se assemelham aos encontrados na literatura.
É também de salientar que verifica-se em todas as correlações corrigidas que o parâmetro livre as-
sociado ao factor correctivo (g) apresenta valores que pouco variam de correlação para correlação. Isto
prova também que a introdução do factor correctivo xg contém informação importante para a previsão
dos coeficientes de transferência de calor que não são previstas em nenhuma das correlações propostas
na literatura. Pode-se então supor que o factor correctivo proposto não necessita de um parâmetro de
ajuste livre para se adaptar aos resultados experimentais obtidos, sendo possível admitir um valor nú-
merico constante para g independente da correlação utilizada. No entanto, para confirmar a validade
deste argumento um maior número de pontos experimentais e um maior varrimento das concentrações
de amoníaco na mistura seriam necessários.
É importante ainda referir que a escolha do factor xg como factor correctivo em deterimento do µµm
w

deve-se ao facto da concentração ser um valor medido experimentalmente o qual não têm uma dependência
directa com os valores utilizados no cálculo do ∆Tln .
Para além disto, há que ter em conta que várias melhorias poderiam ser efectuadas para a caracteriza-

51
ção da transferência de calor no evaporador do protótipo. Desde logo, a obtenção de uma correlação para
os coeficientes de transferência de calor da água poderia melhorar significativamente o cálculo dos coefici-
entes de transferência de calor do fluido frigorigénico. O uso da correlação de Kumar trata-se apenas de
uma correlação genérica para o cálculo destes coeficientes, mas dadas as diferentes características entre
permutadores é sempre aconselhável a utilização de uma correlação feita para o próprio permutador.
O estudo da influência de algumas quantidades físicas mensuráveis no decorrer das experiências nos
coeficientes de transferência de calor não foi possível efectuar dado os escassos dados experimentais obtidos
e a variação das grandezas externas que entre eles existem. É bom relembrar que o estudo foi efectuado
no contexto do estudo do funcionamento de um protótipo de uma máquina de refrigeração por absorção,
e por esse motivo os dados utilizados para a realização deste estudo foram obtidos de forma a abranger
uma grande diversidade condições de funcionamento do protótipo. Para o estudo mais detalhado da
infuência de algumas grandezas físicas controladas externamente seria necessária a obtenção de pontos
experimentais onde apenas uma dessas grandezas variasse.
Por fim, como trabalho futuro seria interessante não só aprofundar o estudo dos coeficientes de trans-
ferência de calor do fluido frigorigénico através de uma mais extensa amostragem de pontos experimentais
bem como efectuar o mesmo tipo de estudo ao condensador do protótipo da máquina de refrigeração por
absorção. Com os resultados destas correlações seria também interessante um trabalho futuro relacio-
nado com o dimensionamento de um novo evaporador e condensador que se adeque ao protótipo testado
experimentalmente.

52
Bibliografia

[1] Zahid H. Ayub, 2003, “Plate Heat Exchanger Literature Survey and New Heat Transfer and Pressure
Drop Correlations for Refrigerant Evaporators”, Heat Transfer Engineering, Vol. 24, Nº 5, p. 3-16.

[2] J. Marriot, 1971, “Where and How to Use Plate Heat Exchangers”, Chemical Engineering, Vol. 78,
Nº 8, p. 127-134.

[3] Y.Y. Yan, H.C. Lio e T.F. Lin, 1999, “Condensation Heat Transfer and Pressure Drop of Refrigerant
R-134a in a Plate Heat Exchanger”, International Journal of Heat and Mass Transfer, Vol. 42, p.
993-1006.

[4] Y. Y. Yan e T. F. Lin, 1999, “Evaporation Heat Transfer and Pressure Drop of Refrigerant R-134a
in a Plate Heat Exchanger”, Transactions of the ASME, Vol. 121, p. 118-127.

[5] V.D. Donowski e S.G. Kandlikar, 2000, “Correlating Evaporation Heat Transfer Coefficient of Re-
frigerant R-134a in a Plate Heat Exchanger”, Engineering Foundation Conference on Pool and Flow
Boiling, Alasca.

[6] Y.Y. Hsieh e T.F. Lin, 2002, “Saturated flow boiling heat transfer and and pressure drop of refrigerant
R-410a in a vertical plate heat exchanger”, International Journal of Heat and Mass Transfer, Vol.
44, p. 1033-1044.

[7] Y.Y. Hsieh et al, “Subcooled flow boiling heat transfer of R-134a and the associated bubble charac-
teristics in a vertical plate heat exchanger”, International Journal of Heat and Mass Transfer, Vol.
45, p. 1791-1806.

[8] D.H. Han, K.J. Lee e Y.H. Kim, 2003, “Experiments on characteristics of evaporation of R410a in
brazed plate heat exchangers with different geometric configurations”, Applied Thermal Engineering,
Vol. 23, p. 1209–1225.

[9] G.A. Longo, A. Gasparella e R. Sartori, 2004, “Experimental heat transfer coefficient during refri-
gerant vaporisation and condensation inside herringbone-type plate heat exchangers with enhanced
surfaces”, International Journal of Heat and Mass Transfer, Vol. 47, p. 4124–4136.

[10] D. Sterner e B. Sundén, 2006, “Performance of plate heat exchangers for evaporation of ammonia”,
Heat Transfer Engineering, Vol. 27, p. 45–55.

[11] G.A. Longo e A. Gasparella, 2007, “Refrigerant R134a vaporisation heat transfer and pressure drop
inside a small brazed plate heat exchanger”, International Journal of Refrigeration, Vol. 30, p. 821-
830.

[12] E. Djordjevic e S. Kabelac, 2008, “Flow boiling of R134a and ammonia in a plate heat exchanger,
International Journal of Heat and Mass Transfer, Vol. 51, p. 6235-6242.

53
[13] H. Arima, J.H. Kim, A. Okamoto e Y. Ikegami, 2010, “Local boiling heat transfer characteristics of
ammonia in a vertical plate evaporator, International Journal of Refrigeration, Vol. 33, p. 359-370.

[14] Francisco Táboas Touceda, 2006, Dissertação da tese de Doutoramento “Estudio del proceso de ebul-
lición forzada de la mezcla amoiaco/agua en intercambiadores de placas para equipos de refrigeración
por absorción”, Universidad Rovira i Virgili, Tarragona.

[15] F. Táboas, M. Vallès e outros, 2010, “Flow boiling heat transfer of ammonia/water mixture in plate
heat exchanger”, International Journal of Refrigeration, Vol. 33, p. 695-705

[16] S.G. Kandlikar e B.K. Thakur, 1982, “A new correlation for heat transfer during flow boiling”,
Proceedings 16th Southeastern Seminar on Thermal Sciences, Miami.

[17] S.G. Kadlikar, 1990, “A General Correlation for Saturated Two-Phase Flow Boiling Heat Transfer
Inside Horizontal and Vertical Tubes”, Journal of Heat Transfer, Vol.112, p. 219-228.

[18] W.W. Akers, H.A. Deans e O.K. Crosser, 1958, “Condensation heat trasfer within horizontal tubes”,
Chemical Engineering Progress, Vol. 45, p. 89-90.

[19] J. Claesson, 2005, “Correction of logarithmic mean temperature difference in a compacted brazed
plate evaporator assuming heat flux governed flow boiling heat transfer”, International Journal of
Refrigeration, Vol.28, p. 573-578

[20] B. Thonon, A. Feldman, L. Margat e C. Marvillet, 1997, “Transition from nucleate boiling to convec-
tive boiling in compact heat exchangers”, International Journal of Refrigeration, Vol. 20, p.592-597.

[21] Brazed Heat Exchangers for Refrigeration, 2003, Catálogo de produtos da Alfa Laval.

[22] R.K. Shah e A.S. Wanniarachchi, 1992, “Plate heat exchanger design theory in industry heat ex-
changer”, Von Karman Institute for Fluid Dynamics, Bélgica.

[23] Incropera, Dewitt, Bergman e Lavine, 2007, “Fundamentals of Heat and Mass Transfer”, John Wiley
& Sons.

[24] W. Rohsenow, J. Hartnett, Y. Cho, 1998, “Handbook of Heat Transfer”, McGraw-Hill.

[25] S.G. Kandlikar, 1991, “A Model for Flow Boiling Heat Transfer in Augmented Rubes and Compact
Evaporators”, ASME Journal of Heat Transfer, Vol. 113, p. 966-972.

[26] L. Filipe Mendes, 2002, Dissertação da tese de doutoramento “Concepção e caracterização experi-
mental de uma máquina de absorção de pequena potência optimizada para funcionar com energia
solar”, Instituto Superior Técnico, Lisboa.

[27] M. Necati Özişik, 1985, “Heat Transfer A Basic Approach”, McGraw-Hill Internation Editions, p.
545-553.

[28] J.F. Seara, F.J. Uhía, J. Siers e A. Campo, 2005, “Experimental apparatus for measuring heat
transfer coefficients by the Wilson plot method”, European Journal of Physics, Vol. 26, p. N1-N11.

[29] O.M. Ibrahim, S.A. Klein, 1993, “Termodinamic Properties if Ammonia-water Mixtures”, ASHRAE
Transactions, Vol. 99, p. 1495-1502.

54
Outra bibliografia consultada

Tiago Osório, 2007, Modelo e simulação de uma máquina de absorção, Trabalho Final de Curso,
Instituto Superior Técnico, Lisboa.

S. Kakaç, 1991, “Boilers, Evaporators and Condensers”, Wiley Interscience.

K.E. Herold, R.Radarmacher e S. Klein, 2000, “Absortion Chilleres and Heat Pumps”, CRC Press.

J. Marriot, 1971, “Where and How to Use Plate Heat Exchangers”, Chemical Engineering, Vol. 78,
Nº 8, p. 127-134.

J.D. Usher, 1970, “Evaluating Plate Heat Exchangers”, Chemical Engineering, Vol. 77, Nº 7, p. 62-65.

Ernst. U. Schlünder, 1983, “Heat Exchanger Design Handbook”, Vol. 3, Hemisphere.

S. Kandlikar, 2006, “Heat transfer and fluid in minichannels and microchannels”, Elsevier.

T. Inoue, M. Monde e Y. Teruya, 2002, “Pool boiling heat transfer in binary mixtures of ammo-
nia/water”, International Journal of Heat and Mass Transfer, Vol. 45, p. 4409-4415.

A. Zacarías, R. Ventas, M. Venegas e A. Leuona, 2010, “Boiling hea transfer and pressure drop of
ammonia-lithium nitrate solution in a plate generator”, International Journal of Heat and Mass Transfer,
Vol. 53, p. 4768-4779.

J. Gut e J. Pinto, 2004, “Optimal configuration design for plate heat exchangers”, International Journal
of Heat and Mass Transfer, Vol. 47, p. 4833-4848.

J.R. García-Cascales, F. Vera-García, J.M. Corberán-Salvador e J. González-Marciá, 2007, “Assess-


ment of boiling and condensation heat transfer correlations in the modelling of plate heat exchangers”,
International Journal of Refrigeration, Vol. 30, p. 1029-1041.

F. Táboas, M. Vallès, M. Bourouis e A. Coronas, 2007, “Pool boiling of ammonia/water and its
pure components: Comparission of experimental data in the literature with the predictions of standard
correlations”, International Journal of Refrigeration, Vol. 30, p. 778-788.

Geydy Gutiérrez Urueta, 2009, Dissertação da Tese de Doutoramento “Thermo-Fluid Dynamic Eva-
luation of Components in Adiabatic Absorption Systems”, Universidad Carlos III de Madrid, Leganés.

P. Vlasogiannis, G. Karagiannis, P. Argyropoulos e V. Bontozoglou, 2002, “Air-water two-phase flow


and heat transfer in a plate heat exchanger”, International Journal of Multiphase Flow, Vol. 28, p.
757-772.
S. G. Kandlikar, 2004, “Heat transfer mechanisms during flow boiling in microchannels”, Transactions
of the ASME, Vol.126, p. 8-16

55
56
Apêndice A

Programa de cálculo dos coeficientes de


transferência de calor do fluido fluido
frigorigénico

"—————————- Definição de funçõess———————————–"


"—————- Funçãoo para o número de Reynolds—————–"
Function Re(G; D_h; Mu)
Re = G * D_h / Mu
end
"—————– Função para o número de Prandtl——————–"
Function Pr(Mu; cp; k)
Pr = Mu * cp / k
end
"—————– Função para o número de Nulset———————-"
Function Nu(h; D_h; k)
Nu= h * D_h / k
end
"—————-Função para o factor do Fluxo mássico equivalente—————-"
Function G_eq(T_in; T_out; P; x)
Call NH3H2O(123; T_in + 273,15; P; x: T1; P1; x1; h1; s1; u1; v1; Qu1)
Call NH3H2O(123; T_out + 273,15; P; x: T2; P2; x2; h2; s2; u2; v2; Qu2)
Call NH3H2O(128; T_in + 273,15; P; 0: T_l; P_l; x_l; h_l; s_l; u_l; v_l; Qu_l)
Call NH3H2O(128; T_in + 273,15; P; 1: T_g; P_g; x_g; h_g; s_g; u_g; v_g; Qu_g)
Qu_m = (Qu1 + Qu2) / 2
Rho_l = 1 / v_l
Rho_g = 1 / v_g
G_eq = 1- Qu_m + Qu_m * ( Rho_l / Rho_g)^(1/2)
end
"—————- Função para a viscosidade da H2O no estado líquido————-"
Function Mu_H2O(T)
Mu_H2O = 2,195E-4 + 1,51E-3 *exp(-T/31,6)
end
"—————- Função para a viscosidade da mistura NH3+H2O no estado líquido————-"

57
Function Mu_NH3H2O_l(T; x)
aux = 2000/(500+T)-4,41+0,925*x-1,743*x^2+0,0215*x^3
aux = 10^(10^aux)
Mu_NH3H2O_l = (aux -1)*10^(-3)
end
"—————– Função para a viscosidade do NH3 no estado gasoso——————-"
Function Mu_NH3_g(T)
Mu_NH3_g = 9,35E-6 + 6,231E-8 * T - 8,135E-10 *T^2 + 8,59E-12 *T^3 - 3,239E-14*T^4
end
"—————-Função para a condutividade da água no estado líquido———————–"
Function K_H2O_l(T)
T1=T+273,15
K_H2O_l = 0,57 + 1,91*10^(-3)*T1 - 8,90*10^(-6)*T1^2 + 9,36*10^(-9)*T1^3
end
"—————-Função para a condutividade do amoniaco no estado líquido—————–"
Function K_NH3_l(T)
T1=T+273,15
K_NH3_l = 1,1713 - 2,315*10^(-3)*T1
end
"—————-FunÁ„o para a condutividade da mistura NH3+H2O (l)————-"
Function K_NH3H2O_l(T_1; P_1; k_ammonia; k_agua)
Call NH3H2O(128; 273,15+T_1; P_1; 0: T; P; x_l; h; s; u; v; Qu)
K_NH3H2O_l= x_l*k_ammonia+(1-x_l)*k_agua
end
"——————-Função para a condutividade do permutador———————–"
Function k_placa(T1)
k_placa=k_(’Stainless_AISI316’; T1)
end
"—————– Calor especifico da água——————–"
Function cp_H2O(T1)
cp_H2O = (1,0017-0,000121*T1-0,00000309*(T1)^2)*(4,19935-0,000965*T1+0,0000114*(T1)^2)*1000
end
"—————- Calor especÌfico a pressão constante da mistura de NH3+H2O no estado liquido———
—–"
Function cp_NH3H2O(T; P;x)
Call NH3H2O(128; T+273,15; P; 0: T1; P1; x_l; h1; s1; u1; v1; Qu1)
Call NH3H2O(123; T+273,05; P; x_l: T2; P2; x2; h2; s2; u2; v2; Qu2)
cp_NH3H2O = ((h1-h2)/0,1)*1000
end
"—————– Função para o n˙mero de Boiling—————–"
Function Bo(q_wall; x;G)
Call NH3H2O(238; 1; x; 0: T1; P1; x1; h1; s1; u1; v1; Qu1)
Call NH3H2O(238; 1; x; 1: T2; P2; x2; h2; s2; u2; v2; Qu2)
i = (h2-h1)*10^(3)
Bo=q_wall/( i * G)
end
"—————– Função para o número de Convecção—————–"

58
Function Co(T_in; T_out; P; x )
Call NH3H2O(123; T_in + 273,15; P; x: T1; P1; x1; h1; s1; u1; v1; Qu1)
Call NH3H2O(123; T_out + 273,15; P; x: T2; P2; x2; h2; s2; u2; v2; Qu2)
Call NH3H2O(128; T_in + 273,15; P; 0: T_l; P_l; x_l; h_l; s_l; u_l; v_l; Qu_l)
Call NH3H2O(128; T_in + 273,15; P; 1: T_g; P_g; x_g; h_g; s_g; u_g; v_g; Qu_g)
Qu_m = (Qu1 + Qu2) / 2
Rho_l = 1 / v_l
Rho_v = 1 / v_g
Co = (Rho_v/Rho_l)^0,5*((1-Qu_m)/Qu_m)^0,8
end
"—————- Função para o parâmetro de Martinelli—————-"
Function Chi_tt(T_in; T_out; P; x; Mu_l; Mu_g)
Call NH3H2O(123; T_in + 273,15; P; x: T1; P1; x1; h1; s1; u1; v1; Qu1)
Call NH3H2O(123; T_out + 273,15; P; x: T2; P2; x2; h2; s2; u2; v2; Qu2)
Call NH3H2O(128; T_in + 273,15; P; 0: T_l; P_l; x_l; h_l; s_l; u_l; v_l; Qu_l)
Call NH3H2O(128; T_in + 273,15; P; 1: T_g; P_g; x_g; h_g; s_g; u_g; v_g; Qu_g)
Qu_m = (Qu1 + Qu2) / 2
Rho_l = 1 / v_l
Rho_g = 1 / v_g
Chi_tt=((1- Qu_m)/Qu_m)^0,9*(Rho_g/Rho_l)^0,5*(Mu_l/Mu_g)^0,1
end
"________________________________________________________"
{—————— Variáveis de input ——————–
m_a
T_a_in
T_a_out
T_f_in
T_f_out
Pb
Pd
x_v
m_v}
{—————Constantes—————-}
N_placas = 18
L_w = 0,1
L_h = 0,3
b = 2*10^(-3)
DELTAx = 4*10^(-4)
"———– Corpo do programa——–"
"———————– Cálculo de parâmetros relacionados com o permutador ————"
A_canal = L_w*b
D_h=2*b
A = 0,45
N_c_a = N_placas / 2
N_c_f = N_placas/ 2 - 1
"——————- Cálculo da potência retirada da água————————–"
Q_a = m_a*cp_H2O( T_a_media)*DELTAT_a

59
DELTAT_a= T_a_in - T_a_out
T_a_media = (T_a_in + T_a_out)/2
" ————– Cálculo do coeficiente de transferência de calor global ———–"
Q_a = U*A*DELTAT_ln
DELTAT_ln = ((T_a_in - T_f_out) - (T_a_out - T_f_in)) / ln((T_a_in - T_f_out) /(T_a_out
- T_f_in))
" ———–Cálculo do coeficiente de transferência de calor da água————"
Mu_a = Mu_H2O(T_a_media)
Mu_a_wall = Mu_H2O((T_a_media + T_f_medio)/2)
G_a = m_a / (A_canal*N_c_a)
k_a_l = K_H2O_l(T_a_media)
Re_a = Re(G_a; D_h; Mu_a)
Pr_a = Pr(Mu_a; cp_a; k_a_l)
cp_a = cp_H2O(T_a_media)
Nu_a = h_a * D_h / k_a_l
Nu_a = c_1*Re_a^c_2*Pr_a^c_3*c_4
"—————- CorrelaÁoes de Kumar —————-"
" Beta<=30 Re>10"
c_1=0,348
c_2 = 0,663
c_3=1/3
c_4 = (Mu_a/Mu_a_wall)^0,17
" ————–Cálculo do coeficiente de transferência de calor do fluido frigorigénico———"
1/U = 1/ h_f +1/ h_a + DELTAx / k_placa(T_a_media)
" ——————- Cálculo auxiliar para correlaçõess do coeficiente de transferência de calor do fluido
frigorigénico————————"
G_f = m_v / (A_canal*N_c_f)
Geq=G_eq(T_f_in; T_f_out; P_b+P_d; x_v)
G_f_eq = G_f *G_eq(T_f_in; T_f_out; P_b+P_d; x_v)
T_f_medio = (T_f_in + T_f_out) / 2
Mu_f = Mu_NH3H2O_l(T_f_in; x_v)
Mu_f_medio = Mu_NH3H2O_l(T_f_medio; x_v)
Mu_f_wall = Mu_NH3H2O_l((T_f_medio+T_a_media)/2; x_v)
k_ammonia_l = K_NH3_l(T_f_medio)
k_f = K_NH3H2O_l(T_f_medio; P_b+P_d; k_ammonia_l; k_a_l)
Re_f_eq = Re(G_f_eq; D_h; Mu_f)
Re_f = Re(G_f; D_h; Mu_f)
cp_f = cp_NH3H2O(T_f_medio; P_b+P_d; x_v)
Pr_f = Pr(Mu_f; cp_f; k_f)
Nulset_f = Nu(h_f; D_h; k_f)
q = Q_a/A
Bo_f_eq =Bo(q; x_v; G_f_eq)
Bo_f =Bo(q; x_v; G_f)
G_f_total = G_f * N_c_f
Mu_ammonia_g = Mu_NH3_g(T_f_medio)
Chi_tt_f = Chi_tt(T_f_in; T_f_out; P_b+P_d; x_v; Mu_f; Mu_ammonia_g)
Co_f = Co(T_f_in; T_f_out; P_b+P_d; x_v)

60
"——— Calculo do Qu_medio———-"
Call NH3H2O(123; 273,15+T_f_in; P_b+P_d; x_v: T1; P1; x1; h1; s1; u1; v1; Qu1)
Call NH3H2O(123; 273,15+T_f_out; P_b+P_d; x_v: T2; P2; x2; h2; s2; u2; v2; Qu2)
Qu_medio= (Qu2-Qu1)
Call NH3H2O(238; P_b+P_d; x_v; 0: Tsat; P3; x3; h3; s3; u3; v3; Qu3)
T_sub_arr = Tsat-T1

61