Sie sind auf Seite 1von 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

ARQUIVOLOGIA
INTRODUÇÃO À ARQUIVOLOGIA
PROFESSORA: ADALSON DE OLIVEIRA NASCIMENTO

Nome: Vanessa Yuri Miura

Camargo (2015) trabalha com as instituições que exercem a custódia de documentos


suas semelhanças e divergências. Se considerarmos como definição que as instituições são
centros de difusão do saber, como espaços culturais de formação ou ainda como núcleos de
coleta, preservação e transmissão de nosso patrimônio cultural elas apresentam grandes
similaridades, tendo como missão comum de tornar acessível a informação. Em todas elas há
meios institucionais que permite descrever fatos e dar a eles significados. Se coloca-los na área
de cultura é possível perceber que eles convergem para um único fim, onde podem e devem
utilizar equipamentos comuns.

A autora apresenta ainda que com os avanços tecnológicos surgem a tendência de cada
vez mais as bibliotecas, museus e arquivos passaram a dissolver as barreiras existentes entre
eles. Além disso, Camargo considerou importante salientar que mesmo os cursos de ensino
superior nessas três aéreas estarem divididos, a base estrutural de cada um foi construída em
cima das outras.

Mesmo com essas similaridades, apresentou também as divergências. As entidades


apresentam funções especificas divergentes umas das outras. As bibliotecas e os museus,
possuem maior visibilidade, pois suas funções são voltadas para os campos educacionais,
científicos, técnicos e culturais, propiciando entretenimento e lazer. Diferente dos arquivos,
como ferramentas administrativas produzidas por instituições, sua função social surge quando
passam a ser considerados patrimônio histórico.

Com relação ao acervos, os arquivos são acumulados de acordo com atividade exercida
por sua produtora e seu processo de avaliação resultará em seu recolhimento ou transferência
na sua confecção não há a preocupação com eventual valor histórico, mas sim com seu caráter
probatório. As bibliotecas e os museus formam o acervo por coleções pré-selecionadas em
consonância com perfil do usuário e/ou linha temática, de acordo com sua política de aquisição
através de compra, doação, permuta, de fontes múltiplas. A exceção são as bibliotecas que
detém depósito legal. As bibliotecas constituem-se de impressos, manuscritos, audiovisuais com
exemplares múltiplos (exceto quando possuem obras raras). Já os museus constituem-se de
objetos bi/tridimensionais com exemplar único ou múltiplo.

Outra divergência apontada é que os arquivos exigem tratamento distinto, pois


precisam preservar seus vínculos originários que conferem autenticidade ao documento,
exigindo conhecimento do contexto o qual foi criado. Por abrigarem documentos do gênero
textual, as bibliotecas e os arquivos possuem técnicas de registro, formatos e suportes
relacionados à escrita. Já os museus possuem particularidades em seu acervo, que muitas vezes
são desprovidos de linguagem assumindo condição de documento quando submetidos a
rigoroso processo de atribuição de sentido. Possuem técnicas de registro, formatos e suportes
diversos. Diante das similaridades e diferenças não se esgota a descrição de Centros de Memória
como um misto de arquivos, bibliotecas e museus, há de se verificar se suas funcionalidades
constituem realmente um espaço institucional novo.