Sie sind auf Seite 1von 48

Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.

Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Edição Porto • Ano XXIX • n.º 10.330 • 1,20€ • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • Director: David Dinis Adjuntos: Diogo Queiroz de Andrade, Tiago Luz Pedro, Vítor Costa Directora de Arte: Sónia Matos

O regresso de
Missão: Impossível
Tom Cruise fez
o melhor filme de
acção de sempre?
Cultura, 24/25

Há 21 mil crianças dos seis aos dez


anos que estão fora do 1.º ciclo
Taxa de escolarização nestas idades está no nível mais baixo dos últimos 17 anos. Dados oficiais mostram
que nunca houve tantas crianças de seis anos a ficar retidas em jardins-de-infância Sociedade, 6/7
ENRIC VIVES-RUBIO

Altice ultrapassa
Estado e mantém
SIRESP nas mãos Celeste Rodrigues
de privados (1923-2018)
Governo tinha objectivo de
ficar com 54% da empresa.
Calor chega em força e deixa
A fadista que foi
país em alerta máximo p5 e 10 muito mais do que
a irmã de Amália Marcelo veta
Ricardo p2/3 lei que dava
Paes Mamede
“Sou economista
preferência
social-democrata a inquilinos
radical” na compra
Verão
V da casa
Presidente devolve diploma
do Bloco de Esquerda à AR
com dois recados. Consulta
do processo Robles mostra
que câmara levou mais
de um ano a responder
a queixa de vizinho p4/5

Empresa Doentes em fim


falida recebeu de vida podem
subsídios pedir sedação e
durante um ano recusar comida
Caso com empresa Nova lei enumera direitos
Celticerâmica gera litígio que já existem e reforça-
de 1,4 milhões de euros -os. Última palavra caberá
entre EDP e regulador p14/15 sempre aos médicos p8/9ISNN-0872-1556

e9c4e111-40e3-4f97-b777-305db1ff2211
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

2 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

DESTAQUE
CELESTE RODRIGUES (1923-2018)

A fadista que foi bem mais


do que a irmã de Amália
Irmã mais nova de Amália Rodrigues, iniciou a sua carreira, sempre autónoma, há
73 anos. Tinha 95 anos e nos últimos tempos tornara-se uma das preferências de
Madonna. “Não preciso de nenhuma fama, gosto de cantar”, dizia. E fê-lo até ao fim
“que tocava muito bem”, lembrava o Fado das queixas. Apesar da longa lebrou 73 anos de carreira e 95 de
Obituário na mesma entrevista: “A pobreza: carreira, nunca deixou de se sentir vida, numa demonstração de ímpar
Nuno Pacheco nem dávamos por isso. A minha mãe tímida em cima do palco (“Fecho os longevidade entre as vozes do fado.
e Lucinda Canelas ia ao campo buscar qualquer coisa
para fazer uma refeição, espargos,
olhos e pronto. Não quero luz na ca-
ra”). E nem a confessa admiração de
Jorge Fernando, um dos fadistas que
cantou com ela nessa noite, recorda-

F
oi o neto, Diogo Varela Silva, míscaros. Aquela fome, fome, fome, Madonna na sua nova fase lisboeta a deste modo: “Sempre me fascinou
quem primeiro anunciou a nunca passámos. Podíamos não ter (a cantora norte-americana fez ques- nela a inteligência, a verdade, a lu-
morte da fadista Celeste os bifes, essas coisas de que as pes- tão de tê-la consigo em Nova Iorque cidez, o canto, a vontade de viver.
Rodrigues, ontem, aos 95 soas precisam também. Mas não dá- na passagem de ano) lhe tirava os Com 95 anos, tinha uma agenda de
anos: “É com um enorme peso vamos por essa necessidade.” pés do chão: “Parece que estou a concertos e já queria repetir para o
no coração que vos dou a no- A voz da mãe era, dizia, a mais fazer propaganda de mim própria ano o concerto do Tivoli. Foi con-
tícia da partida da minha Celestinha, bonita que ouviu na vida. Mas foi e eu não gosto disso, nunca preci- vidada e íamos repeti-lo em Paris.”
da nossa Celeste. Hoje deixou uma vi- obscurecida pela sombra da irmã sei disso, não preciso de nenhuma Essa actividade, diz Jorge Fernando,
da plena do que quis e sonhou, amou que se fez fadista, sem ressentimen- fama, eu gosto de cantar e é isso é uma grande lição: “Para mim e pa-
muito e foi amada, mas, acima de to algum: “Nunca se meteu na mi- que quero, cantar. Ela foi simpáti- ra todas as gerações. Resta realçar
tudo, foi a pedra basilar da nossa fa- nha carreira artística, felizmente. ca em gostar da minha voz e é só que ela teve a vida que quis, foi feliz
mília, da minha mãe, da minha tia, Se não, eu tinha desistido. Canto à isso”, respondia em Maio ao Diário como quis, não teve grandes males
dos meus irmãos, sobrinhos e filhos, minha maneira, canto as minhas de Notícias, nas vésperas de um dos a assolarem-lhe a porta. Deixa-nos
somos todos orgulhosamente fruto cantiguinhas. Como eu sinto. Nun- seu últimos concertos, no Teatro Ti- saudades a todos.”
do ser humano extraordinário que ela ca a imitei. Tentei fugir à maneira de voli BBVA, em Lisboa. Nessa noite Hélder Moutinho, outro dos fadis-
foi”, escreveu Diogo Varela Silva na ela cantar (...). Há tantos alfaiates. de 11 de Maio Celeste Rodrigues ce- tas que estiveram no Tivoli naquela
rede social Facebook, remetendo pa- Eu não tinha de ser como ela.” noite, tem de Celeste as melhores
ra mais tarde informações adicionais. memórias: “A Celeste é provavel-
Nascida a 14 de Março de 1923, no Lucidez e vontade de viver mente a pessoa da geração mais
Fundão, de onde saiu para Lisboa Casada, aos 30 anos, com o actor antiga que mais apoiou e incenti-
com apenas cinco anos, a irmã de Varela Silva, com ele abriu uma casa vou a nova geração em relação ao
Amália Rodrigues iniciou a carreira de fados, A Viela, que viria a fechar fado. Não havia ninguém da nova
há 73 anos, ao aceitar o convite feito
pelo empresário José Miguel (1908-
ao fim de quatro anos, ingressando
então Celeste Rodrigues no elenco A Celeste era uma geração que não a tratasse por avó
e a acarinhasse. Era a pessoa mais
1972), detentor de vários teatros e
casas de fado, entre os quais o Café
da casa de fados de Argentina San-
tos, A Parreirinha de Alfama. Nos
bíblia do fado, que querida da velha geração, ela e o
Joel Pina [histórico viola de fado e
Casablanca. Mas foi a cantar canções
tradicionais da Beira, ensinadas pe-
anos 1950, e já conhecida a nível in-
ternacional, actuou em diversos paí-
cantava de uma professor, com 98 anos, no activo],
que ainda está cá connosco. Vai-nos
la mãe, e os fados ouvidos na rua ses: Espanha, Brasil, Estados Unidos forma muito interior, fazer muita falta.”
“aos ceguinhos”, como contava em
2014 numa entrevista ao PÚBLICO,
e no continente africano. Gravou,
ao longo da sua carreira, cerca de muito dela. Uma Rui Vieira Nery, musicólogo e es-
tudioso do fado, corrobora esta opi-
que começou por ganhar uma voz
que ficaria para sempre associa-
60 discos, o mais recente dos quais
Fado Celeste, em 2007. Colaborou, noite com ela era nião: “Ela funcionava um bocadinho
como uma matriarca respeitada pela
da à linhagem do fado castiço. Da
infância pobre que viveu na Beira
com entusiasmo, em vários projec-
tos musicais, do fado à pop.
uma lição de vida tribo do fado, porque era uma pes-
soa carinhosa e sábia. Era uma voz
Baixa retinha sobretudo a força da Do seu repertório constam, en- Bruno de Almeida que os jovens fadistas ouviam com
mãe e a presença musical do pai, tre outros temas, A lenda das algas e Cineasta respeito.” E o seu mérito acabou por
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 3

Celeste Rodrigues fotografada Madonna, que via nela


no Museu do Fado, em 2014.
À direita, com a irmã, Amália,
“uma lenda viva”, tem
em Madrid, em 1943; numa
fotografia da mesma época mas
no Instagram uma foto
não datada; e, em baixo, numa
foto com dedicatória escrita
das duas abraçadas:
ao fadista Manuel de Almeida “RIP Celeste Rodrigues”
(1922-1995) e datada de 1958
ENRIC VIVES-RUBIO FOTOS MUSEU DO FADO
ser reconhecido nos últimos anos, ra fantástica” e singular, original.
diz. “Ela era uma mulher com uma “Era, definitivamente, pelo menos
personalidade artística muito forte, tão única como ela [Amália].”
uma capacidade dramática muito
intensa, que teve a ‘infelicidade’ de Ninguém como ela
ser irmã da Amália e de isso ter des- O cineasta Bruno de Almeida, que
viado a atenção do público, durante nos 90 anos da fadista lhe fez uma
muitos anos, do talento especial e homenagem em vídeo em que ela
próprio que ela tinha. No fundo, foi aparece a cantar rodeada de talen-
já nos últimos 20 anos, depois da tos do fado que a têm como referên-
morte da Amália, que as pessoas de cia — uns consagrados mas muitos
repente olharam para a Celeste co- mais novos do que ela —, garante que
mo uma personalidade autónoma, não há ninguém comparável a Celes-
sem a sombra do nome e da fama da te Rodrigues. A voz, a maneira como
irmã. E ganhou, no fim da vida, um cantava (de cabeça para trás, muito
reconhecimento que tardava.” direita), o reportório que escolhia,
mas sobretudo a sua personalidade,
Um comeback no palco que a levou a lidar de “forma muito
O encenador Ricardo Pais, que se inteligente” com o facto de ser irmã
lembra bem de ouvir Celeste Ro- de Amália, asseguraram-lhe uma
drigues ao vivo na década de 60 na “carreira muito própria, bonita”.
Parreirinha de Alfama, dirigiu-a já Conta o realizador que era impos-
nesses últimos 20 anos de vida em sível jantar com Celeste Rodrigues
Cabelo Branco É Saudade, espectá- sem a ouvir cantar — “Começava a
culo que se estreou no Teatro Na- bater na mesa, com aquela cadência
cional de São João, no Porto, em das canções da Beira Baixa que ela
2005. “O seu timbre era comple- gostava de cantar” — e a contar his-
tamente diferente, claro, mas uma tórias sobre as gentes do fado ou so-
coisa mantinha-se até hoje — uma bre como nos anos 40 e 50 compra-
espantosa técnica no uso da voz”, va poemas avulso aos autores que
garante o encenador. Uma técnica a andavam pelos cafés do Chiado para
que recorreu ao longo da vida para poder interpretar temas diferentes
ir ultrapassando as fragilidades que dos outros. “A Celeste era uma bíblia
a idade lhe impunha. do fado, que cantava de uma forma
“O Cabelo Branco É Saudade foi o muito interior, muito dela.”
seu comeback e, para parte do públi- A fadista integrou o elenco do
co, a parte mais jovem, foi até uma seu último filme, Cabaret Maxime
revelação”, acrescenta, recordan- ( já nos anos 90 entrara em Xavier,
do a recepção especialmente ca- de Manuel Mozos) e, sem esforço,
rinhosa que a fadista teve nalguns diz o cineasta, fez com que todo o
palcos da digressão internacional elenco se apaixonasse por ela. “Uma
do espectáculo, em Paris, Nápoles noite com a Celeste era uma lição de
ou Frankfurt. “Era uma pessoa ex- vida. Durante a rodagem chegámos
traordinária, culta, que pintava e ti- a jantar às cinco da manhã, porque
nha uma grande facilidade com as ela tinha a energia de uma mulher
línguas. Era óptimo trabalhar com com 20 anos. Era muito particular.”
ela, um prazer.” Durante a prepa- E, para ilustrar o que diz, pergunta
ração de Cabelo Branco É Saudade, quem senão ela é que aos 90 anos
que teve direcção musical de Diogo deixa de fumar três maços por dia
Clemente, a única coisa a que Ce- porque finalmente decidiu acatar os
leste Rodrigues resistiu foi a cantar conselhos do médico. “Aos 94/95 a
Meu corpo, um tema com letra de Celeste era capaz de se meter sozi-
José Carlos Ary dos Santos e música nha num táxi de madrugada para ir
de Fernando Tordo, composto para cantar ao Luso, de onde saía depois
Beatriz da Conceição. “Não queria para acabar na Mesa de Frades. Que
cantá-lo, porque dizia que era de- outra pessoa faz isto?”
masiado erótico para alguém com a O velório será hoje, a partir das
idade dela, mas acabou por cantar. 19h00 no Pátio da Galé (entrada pela
Convenci-a num elevador, mas para Praça do Comércio) e o funeral sairá
isso até tive de cantar uma parte do amanhã, sexta-feira, às 14h30, para
fado”, conta. Para o encenador, Ce- o Cemitério dos Prazeres.
leste sempre soube lidar com o facto
de ser irmã de Amália Rodrigues e nuno.pacheco@publico.pt
acabou por construir “uma carrei- lcanelas@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

4 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

POLÍTICA
Marcelo veta lei do direito
de preferência dos inquilinos
Presidente pede ao Parlamento que “clarifique” a ausência de critérios de avaliação para o exercício daquele
direito e o facto de a redacção actual permitir que a preferência seja utilizada para “fins empresariais”
NUNO FERREIRA SANTOS

Presidência
Maria Lopes
e Leonete Botelho
O Presidente da República vetou
ontem a lei que permitia o exercício
do direito de preferência pelos ar-
rendatários quando estão em causa
imóveis sem propriedade horizon-
tal e grandes negócios imobiliários,
como o da Fidelidade. A decisão foi
tomada no mesmo dia em que che-
gou a Belém um pacote de diplomas
aprovado na maratona de votações
de 18 de Julho.
Na nota publicada no site da Presi-
dência, o veto e consequente devo-
lução do diploma à Assembleia da
República é justificado com “a falta
de indicação de critérios de avaliação
para o exercício do direito de pre-
ferência, que existia em versão an-
terior do diploma”. Marcelo Rebelo
de Sousa refere-se à alteração que
o diploma sofreu na negociação do
texto final, em que o inquilino passa
a poder exercer o seu direito, mesmo
antes de estar constituída a proprie-
dade horizontal. Na versão anterior,
quem queria exercer direito de pre-
ferência primeiro pedia a divisão do
bem, constituía a propriedade hori-
zontal e apurava-se o valor do imóvel
para poder exercer o direito.
O Presidente invoca ainda outra
razão: “O facto de, tal como se en-
contra redigida, a preferência poder Chefe de Estado vetou um diploma e promulgou sete, incluindo o que cria a Comissão Independente para a Descentralização
ser invocada não apenas pelos inqui-
linos para defenderem o seu direito lização preventiva da constitucionali- e PS, que vai fazer o estudo das fun- vável consagração política e legal”, actualização do abono e da prestação
à habitação, mas também por inqui- dade ao Tribunal Constitucional. ções do Estado aos níveis regional, o Presidente assinou-o. suplementar de invalidez.
linos com actividades de outra natu- Mais uma vez, Marcelo opta pelo metropolitano e intermunicipal e de- Na sequência das polémicas sobre Outras leis promulgadas foram a
reza, nomeadamente empresarial.” veto político e por indicar ao Parla- terminar os “níveis de descentraliza- a entrada ou não da Santa Casa da que reconhece a possibilidade de os
Ou seja, a lei abria portas ao direito mento claramente quais as suas ob- ção”, os recursos e os meios. Misericórdia de Lisboa no capital cônjuges renunciarem à condição de
de preferência aos arrendatários jecções, dando uma segunda oportu- Com origem no Governo, o Presi- do Montepio, o CDS conseguiu fazer herdeiro um do outro através de con-
de estabelecimentos comerciais ou nidade para corrigir a lei ou mesmo dente promulgou a lei que estabelece aprovar no Parlamento um projecto venção pré-casamento (proposta pelo
industriais, quando a grande argu- confirmá-la na íntegra, por maioria medidas de promoção da igualdade de lei que consagra que a mesa da PS); o regime jurídico do ciberespaço,
mentação na aprovação da lei era o qualificada. Não seria o caso desta, remuneratória entre mulheres e ho- Santa Casa só pode realizar “investi- que transpõe medidas de uma directi-
direito à habitação. que foi aprovada com os votos contra mens no caso de trabalho igual ou mentos estratégicos e estruturantes” va europeia destinadas a garantir um
O chefe de Estado pede ao Parla- do PSD e do CDS. de igual valor. No entanto, Marcelo mediante autorização da tutela, ou elevado nível comum de segurança
mento que faça “a competente clarifi- adverte que poderão existir “pro- seja, do Estado — e que o Presidente das redes e da informação em toda a
cação” destes dois aspectos jurídicos. Da igualdade à Santa Casa blemas de aplicação” decorrentes também promulga agora. Dos cen- UE; e um novo regime das instalações
Em nenhum momento Marcelo invo- Por outro lado, o Presidente da Repú- da “complexidade administrativa” tristas é agora também promulgado eléctricas particulares, um diploma
ca as questões do ataque ao direito blica decidiu dar luz verde a outros que será emitir um parecer sobre a por Marcelo o regime excepcional de técnico decorrente de uma proposta
constitucional de propriedade — argu- sete diplomas vindos do Parlamento. existência de discriminação remune- indexação das prestações sociais dos do PCP que chamou um decreto do
mento invocado pelos proprietários Mas ainda não à descentralização. ratória em razão do sexo. Apesar de deficientes das Forças Armadas, em Governo ao Parlamento.
e que levantou dúvidas aos serviços Promulgou apenas o decreto que antever dificuldades na aplicação da que o indexante dos apoios sociais
jurídicos da Presidência — que por si cria a Comissão Independente para a lei, “atendendo à essencial razão de (IAS) é majorado em 35% para servir maria.lopes@publico.pt
só conduziriam a um pedido de fisca- Descentralização, proposta por PSD ser do diploma, merecedora de lou- de referencial para a fixação, cálculo e leonete.botelho@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 5

POLÍTICA

Estado fica com Só no fim da obra de Robles


apenas dois dos sete
administradores é que a Câmara de Lisboa
da SIRESP, SA respondeu à queixa de vizinho
DANIEL ROCHA
da SIRESP, o Estado ia passar a in-
Rede de emergência dicar dois membros do conselho de Urbanismo
Mariana Oliveira administração, um dos quais o pre- João Pedro Pincha
sidente. Não referiram, no entanto,
Governo falha controlo da que o órgão tem sete membros nem Proprietário alegou que
que a presidência é exercida rotati-
empresa, da qual Altice prédio nas traseiras perdia
vamente entre accionistas.
ficará com 52%. Negócios só A Altice confirmou, em comunica- salubridade e que um troço
se concluem para a semana do, que se tornou sócia maioritária da Muralha Fernandina
da SIRESP, SA através do exercício do podia estar em risco
O Estado vai ficar com apenas dois direito de preferência, mas garante
dos sete administradores da SIRESP, que “em nada se opõe à entrada do Já as obras no prédio de Ricardo
SA, a rede nacional de comunicações Estado no capital desta sociedade Robles e da irmã em Alfama tinham
de emergência que registou falhas anónima”. Sublinha que “manterá começado quando um vizinho se
graves de funcionamento tanto uma posição de total equilíbrio e co- queixou à câmara de que a amplia-
na tragédia de Pedrógão Grande co- operação com o Estado português”, ção aprovada lhe iria tirar luz natural
mo nos fogos de Outubro. que vê como “parceiro”. e poderia danificar o troço de Mu-
Tudo indica que o Estado falhou Apesar de falhar o controlo maiori- ralha Fernandina que ali existe. A
o objectivo de controlar maioritaria- tário da SIRESP, SA, o Governo garan- autarquia demorou mais de um ano Áreas dos fogos já existentes mantiveram-se entre 27 e 38m2
mente a SIRESP, SA, já que, apesar te que a empresa entrará “numa no- a responder e, quando o fez, já as
de ter tentado comprar três partici- va fase, em que o Estado passará a ter obras estavam no fim. o processo mais recente que existe
pações que correspondiam a 54% da uma posição relevante na definição O projecto de reabilitação do pré-
As áreas dos fogos na câmara sobre as Alcaçarias é de
sociedade, só terá conseguido uma da estratégia da empresa”. E que tal dio passou sem sobressaltos pelos já existentes 1946 e que, nessa data, o prédio está
delas, uma parcela de 33%. vai permitir “o reforço da segurança serviços de Urbanismo e foi aprova- quase todo ocupado por escritórios.
O Estado assume a posição da Ga- dos cidadãos e da eficácia do sistema do no prazo relativamente curto de
mantiveram-se “Considerando que o RGEU (…) re-
lilei (33%) — a antiga Sociedade Lusa de comunicações de emergência”. oito meses, em 2015. A reclamação entre os 27 e 38 fere concretamente ‘as janelas dos
de Negócios, que era dona do BPN —, Quem ficou com muitas dúvidas do vizinho chegou à câmara em Ju- compartimentos de habitação’, e
mas não consegue comprar as parti- sobre este desfecho foi o PSD, que, lho de 2016 e a resposta seguiu em
metros quadrados. dado que as janelas em causa não
cipações da Esegur, que detinha 12%, avança o deputado Duarte Marques, Setembro de 2017. As áreas dos servem compartimentos de habita-
e da Datacomp, 9,55%. Isto porque a vai exigir explicações sobre o caso. Esses são os últimos documentos ção, mas sim de escritórios, à situ-
Altice Portugal, ex-Portugal Telecom, “O Governo não pode passar a vida que constam do processo urbanís-
apartamentos ação em apreço não é aplicável esta
exerceu o direito de preferência re- a anunciar coisas que depois não tico sobre o imóvel da Rua Terreiro do piso novo, disposição legal”, conclui-se.
lativamente a esses dois negócios, o cumpre sem dar explicações”, afir- do Trigo, que o PÚBLICO consultou. Apesar de a câmara não dar razão
que lhe permitiu passar de uma par- ma. “É preciso perceber como é que A reclamação foi apresentada pelo
que resultou da ao dono das Alcaçarias em nenhuma
ticipação de 30,55% para o estatuto o Governo anuncia que vai adquirir proprietário do prédio nas traseiras ampliação do das suas alegações, também admite
de sócia maioritária, com 52%. 54% da SIRESP, SA e depois é a Alti- do de Robles, chamado Alcaçarias do que não sabia da existência do sa-
Formalmente, diz o administrador ce que passa a ser sócia maioritária. Mosteiro, por ter sido propriedade
prédio, variam guão até a reclamação aparecer.
da Datacomp, António Santos, ao PÚ- Será que se tratou de um anúncio à do Mosteiro de Alcobaça. entre os 40 e os 45 O processo de obras no prédio dos
BLICO, estes negócios só estarão fe- toa, sem preparação?”, questiona o O vizinho queixa-se de que a am- Robles entrou na câmara em Março
chados amanhã. Até lá, “qualquer um social-democrata. pliação de um piso, conseguida com
metros quadrados de 2015. Na memória descritiva lê-se
dos accionistas ainda pode exercer a transformação de um sótão em que “a ampliação visa rentabilizar o
o direito de preferência”, sublinha o meoliveira@publico.pt mansarda, tapa directamente cinco Mais de um ano depois, a autar- investimento”. Aí também se diz que
gestor. António Santos explica que, a janelas, roubando-lhe vista para a quia responde. Uma equipa de fis- “as habitações apresentam interio-
confirmarem-se todos os negócios, o rua e luz solar. São ainda afectadas calização foi ao local e não detectou res com compartimentos de áreas
Estado ficará com dois dos sete admi- seis janelas nos pisos inferiores e “quaisquer incumprimentos” face inferiores a nove metros quadrados,
nistradores da SIRESP, a Altice com um saguão que separa os dois pré- ao aprovado. Por outro lado, como na sua maioria”. Por isso, explica-se,
quatro e a Motorola com um. “Para dios, que recebem ainda menos o vizinho desconfiava de que não “destinando-se os fogos ao mercado
qualquer decisão são necessários cin- luz. Além disso, o edifício amplia- tinha havido trabalho arqueológico de arrendamento, procurou-se opti-
co votos”, completa. Além de poder do passa a ter um telhado de duas prévio à obra, a câmara mandou um mizar as áreas de estar recorrendo
exercer o direito de preferência, a águas, uma virada ao Terreiro do email à Direcção-Geral do Patrimó- a kitchenettes para não criar mais
Motorola, com quase 15% da empre- Trigo e outra virada ao saguão das nio Cultural (DGPC) para confirmar. uma divisão”. As áreas dos fogos já
sa, também poderá decidir até ama- Alcaçarias. Alega o dono deste edi- De lá veio a resposta que sim, hou- existentes mantêm-se inalteradas
nhã vender a sua participação nas fício que, assim, passa a cair mais ve acompanhamento antes e no de- entre os 27 e os 38 metros quadra-
mesmas condições que os restantes água da chuva no saguão, constru- correr das obras, como o PÚBLICO dos, as dos novos oscilam entre os
negócios. ído por cima da Muralha Fernandi- constatou no processo da DGPC. 40 e os 45.
O ministro da Administração Inter- na. “Poderá condenar o saguão das Na resposta da Direcção Munici- Aprovado pela DGPC em Abril de
na, Eduardo Cabrita, tinha assumido, Alcaçarias a transformar-se num pal do Urbanismo não se faz menção 2015 e pelo vereador do Urbanismo,
no final de Outubro, a intenção do poço de água, profundo e escuro à queda de água no saguão. Quanto Manuel Salgado, em Junho, o pro-
Estado de assegurar o controlo de que impeça o seu acesso por vários à perda de luz, a autarquia não dá cesso teve aprovação final em No-
54% do capital da empresa. períodos durante o ano e condene razão ao vizinho, sustentando-se vembro. O alvará de obra foi emitido
Ontem, num comunicado con- as paredes do piso térreo das Al- num artigo do Regulamento Geral em Janeiro de 2016 e os trabalhos no
junto, o Ministério das Finanças e o caçarias a infiltrações indesejadas das Edificações Urbanas (RGEU) — o local iniciaram-se pouco depois.
Ministério da Administração Interna A SIRESP, SA assegura a rede de que prejudicarão a estrutura de to- mesmo que o queixoso invocara pa-
informaram que, com 33% do capital comunicações de emergência do o edifício”, escreve o vizinho. ra contestar a ampliação. Diz-se que joao.pincha@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

6 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

SOCIEDADE
Há 21 mil crianças que deviam
estar no 1.º ciclo mas não estão
Alunos matriculados Inscritos em idade normal Docentes
Há cada vez mais crianças que aos seis Por sexo e nível de ensino, Taxa real de escolarização* (%) por tipo de contrato
em milhares de alunos Em escolas públicas (milhares)
anos ainda permanecem na educação 2000/01 2016/17
Rapazes Raparigas Contratados Quadro
pré-escolar, muitas vezes por não terem Educação pré-escolar
EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 74,8
vagas nas escolas do 1.º ciclo 2000/01
90,8
2000/01 2016/17
119,7 1.º ciclo
deviam ter entrado no 1.º ciclo seis 115,9 100 EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR
Educação anos depois, corresponderam a 45% 95,3
0,5 0,8
Clara Viana do total de nados-vivos. 2016/17
130,9
2.º ciclo
A psicóloga Isabel Duarte, que 87
Em teoria, as crianças portuguesas conhece a situação no terreno, aler- 123,1 87,2 6,7 7,2
entre os 6 e os 10 anos de idade de- ta que várias destas crianças ficam 3.º ciclo
viam estar todas no 1.º ciclo de esco- no pré-escolar não porque não te- ENSINO BÁSICO
86,8 1.º CICLO
laridade, mas em 2016/2017, último nham níveis de desenvolvimento 2000/01 87,7
ano com dados publicados, existiam para prosseguir, mas sim por não 630,8 2,7 4,7
Secundário
cerca de 21 mil que não figuravam existirem vagas nas escolas do 1.º 592,4 62,5
nos registos deste nível de ensino. Es- ciclo. Isto acontece sobretudo nos 77,6
ta realidade, retratada pela Direcção- grandes centros urbanos e apenas 2016/17
519 * Taxa real de escolarização é a relação 31,2 19,7
Geral de Estatísticas da Educação e no ensino público.
percentual entre o número de alunos
Ciência (DGEEC), fez baixar a taxa Existe assim, frisa, uma “pressão” 481 matriculados e a população residente
real de escolarização (relação entre do próprio sistema para que as crian- com a mesma idade
ENSINO SECUNDÁRIO 2.º CICLO
alunos matriculados e o total da po- ças se mantenham por mais um ano
pulação residente com idade para no pré-escolar. “É uma violência pa- 2000/01 5,8 3,3
TOTAL
estar inscrita) para o seu valor mais ra a criança quando tem condições 194,9
baixo em 17 anos: 95%. para progredir”, afirma, lembrando 218,9
1872,5 1653,7
Onde estão então estes alunos em também o “desespero” com que os 16
2016/17 24,5
falta? Mostram também os dados da pais vivem esta situação. 2000/01 2016/17
203,2
DGEEC que metade continuava na A descida da taxa de escolarização,
educação pré-escolar. Mais exacta- que acontece em todos níveis de en- 196,5
3.º CICLO E SECUNDÁRIO
mente, em 2016/2017, 9912 crianças sino, pode também ficar a dever-se
16,5 13,7
inscritas em jardins-de-infância ti- aos “fluxos migratórios”, adianta o
Educadores de infância
nham já 6 anos, que é a idade normal ex-presidente do Conselho Nacio-
Com menos de 30 anos e com 50 ou mais anos (%)
de entrada no 1.º ciclo. Nunca tantas nal de Educação, David Justino. Nos
tinham estado nesta situação. últimos 17 anos, esta só ficou abai- 2000/01 2016/17
Em resposta ao PÚBLICO, o Mi- xo dos 100% no 1.º ciclo a partir de
Educação 1.º ciclo 2.º ciclo 3.º ciclo 49,4
nistério da Educação (ME) aponta 2013/2014, estava-se então em plena 57,2
também esta realidade como uma crise económica e com um registo da pré-escolar e secundário
das razões que poderão justificar a maior emigração em décadas. Segun-
quebra na taxa real de escolarização do as projecções feitas pelo Instituto
48,8 49,6 TOTAL EM PERCENTAGEM
no 1.º ciclo, que, em circunstâncias Nacional de Estatística (INE), entre 45,2
normais, deveria estar nos 100% co- 2011 e 2013 “perderam-se” pelo me-
35,6 17,5% 19,5%
mo aconteceu, aliás, entre 2000 e nos sete mil crianças entre os 6 e os
2012. 10 anos na população residente em 24,5
“Não há indícios de que correspon- Portugal. 20,8 20,4
17 15,7 15
de a situações de abandono escolar, Sendo a escolaridade obrigatória 14
até porque estas são sinalizadas e até aos 18 anos, como explicar tam- 7,6
3,6 1,1 1,1
acompanhadas pelas escolas”, frisa bém que as taxas reais de escolari- 0,8
o ME. Que acrescenta o seguinte: zação de todos os outros ciclos de Menos 50 ou Menos 50 ou Menos 50 ou Menos 50 ou
para ajudar a explicar aquela taxa escolaridade continuem longe de de 30 mais de 30 mais de 30 mais de 30 mais 2000/01 2016/17
“deve ter-se em conta a situação atingir os 100%? No 2.º ciclo estava PÚBLICO
dos ‘alunos condicionais’ ou seja, nos 87,2%, no 3.º ciclo era de 87,7% e Fonte: DGEEC

aqueles que completam os 6 anos no secundário nos 77,6%, sendo este


entre 15 de Setembro e 31 de Dezem- o único caso em que se registou um to de “forma contínua” das taxas de ram em verdadeiros travões aos per- rência o número total de indivíduos
bro podem integrar o 1.º ciclo, mas aumento significativo por compara- escolarização no secundário. Para cursos escolares. Como os exames residentes em Portugal que estão
também podem ficar um ano mais ção a 2000/2001. Susana Martins, este é um dos “avan- no final de todos os ciclos do ensino na idade “normal” de frequência
no pré-escolar, a consolidar as suas A investigadora do ISCTE Susana ços muito positivos” registados na básico (agora parcialmente abolidos), dos vários ciclos de escolaridade.
aprendizagens, tendo em conta o seu Martins frisa que esta última evolu- evolução da escolarização. que elevaram a aplicação antecipada Por isso, explica a investigadora do
perfil de desenvolvimento”. ção decorre do alargamento da esco- Mas também existem recuos. “A da reprovação.” ISCTE, estas descem quando exis-
O número de crianças nascidas na- laridade obrigatória, que começou a par de políticas como o alargamento E contribuíram por isso para a te um “desfasamento etário entre
queles meses tem vindo a aumentar. ser aplicado a partir de 2012/2013, e da escolaridade obrigatória, imple- redução das taxas reais de escola- o número de crianças com idade
Em 2010, quando nasceram os que que teve como reflexo o crescimen- mentaram-se outras que se traduzi- rização já que estas têm como refe- para a frequência de um determi-
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 7

A emigração pode
ajudar a explicar
a descida das
taxas reais de
escolarização

nado ciclo e a sua frequência real”.


O ME confirma o impacto dos
chumbos neste retrato da escola- Educadores de infância entre os mais velhos da classe docente.
ridade em Portugal. E aponta um
exemplo : no secundário, a taxa de Quase metade tem 50 ou mais anos
escolarização “é bastante superior”
aos 17 anos do que aos 15 e aos 16 e
isto acontece porque nestas últimas
idades, “muitos dos alunos ainda es- prof ), é o envelhecimento da classe to da Carreira Docente têm direito a de 30 mil professores nas escolas do
tão a completar o básico, por terem Clara Viana docente que está na base da existên- uma redução de duas a oito horas na que em 2000/2001. O número total
ficado retidos em algum ano de es- cia de 12 mil professores do quadro chamada “componente lectiva”. Por de docentes passou de 145.098 para
colaridade”. Quase metade dos educadores de com baixas médicas prolongadas, isso, estes tempos têm de ser assegu- 115.218.
A somar a tudo isto existirá tam- infância que estão no activo tem que têm de ser substituídos por ou- rados por outros professores. Num A principal redução deu-se entre
bém um problema com as variáveis 50 anos de idade ou mais, o que tros a contrato. O que tem levado nos estudo que fez para o Conselho Na- os professores do quadro, cujo nú-
que são levadas em conta para o faz deles o segundo grupo mais en- últimos dois anos a um aumento do cional da Educação, a investigadora mero desceu, em 17 anos, de 119.663
cálculo do próprio indicador. Mais velhecido da classe docente. Este é número de professores. Isabel Flores lembrou também que para 92.344. Este último valor deverá
concretamente com as estimativas um dos retratos apresentados pela Como quase metade dos do qua- nos próximos 15 anos deverão refor- subir já no próximo ano para cerca
da população residente por grupos Direcção-Geral da Educação e Ciên- dro tem 50 anos ou mais anos, isto mar-se cerca de 30 mil professores. de cem mil, dada a entrada na carrei-
etários elaboradas pelo INE que, na cia (DGEEC) na sua publicação anual significa que dão menos de 22 horas Os últimos dados divulgados pela ra de mais sete mil docentes (cerca
opinião de David Justino, “continu- Educação em Números, recentemente de aulas por semana, que é o tempo DGEEC dão conta ainda de que no de 3500 em 2017/2018 e outros tantos
am a ser muito más e estão sobres- divulgada. normal, já que nos termos do Estatu- ano passado existiam menos cerca em 2018/2019).
timadas”. O envelhecimento da classe do-
PUBLICIDADE
O INE contrapõe, afirmando que cente em Portugal, que em média é
no cálculo daquelas estimativas “uti-
liza fontes estatísticas oficiais de qua-
maior do que o registado nos outros
países da Organização para a Coope- 1% faz toda a diferença.
lidade comprovada e metodologias ração e Desenvolvimento Económico Ajudamos a equipar as Unidades Neonatais dos Hospitais desde 2006.
Com 1% das suas compras nas lojas Chicco, nos meses de Agosto e Setembro,
de cálculo robustas que são de utili- (OCDE), tem sido apontado por inves- chegaremos ao Hospital de S. João no Porto.
zação generalizada pelos restantes tigadores e sindicatos como um dos Junte-se a nós e faça a diferença!
institutos de estatísticas”. principais problemas da educação.
Os dados da DGEEC mostram que a
Menos raparigas percentagem de educadores de in-
O que os novos dados da DGEEC mos- fância com 50 ou mais anos de idade
tram também é que a quebra acen- passou de 7,6% em 2000/2001 para
tuada do número de alunos ocorrida 48,8% em 2016/2017. É o maior au-
entre 2000/2001 e 2016/2017 se deve mento registado neste período, mas
sobretudo à diminuição da presen- em todos os ciclos de escolaridade o
ça das raparigas. Dos 218.769 alunos peso daquele grupo etário teve um
perdidos neste período de tempo, crescimento significativo: no 1.º ciclo
126.598 são do sexo feminino. Havia, passou de 20,8% para 35,6%; no 2.º
em 2017, mais de um milhão e 600 ciclo de 24,5% para 49,6% (é este o
mil alunos no ensino não superior. grupo mais velho); e no 3.º ciclo e
Os dados do abandono escolar secundário, que é mais numeroso,
precoce dão conta que este é mui- subiu de 15% para 45,2%.
to maior entre os rapazes. E os do No conjunto dos docentes do ensi-
desempenho escolar mostram que no não superior a proporção dos que
elas têm mais sucesso do que eles. têm 50 ou mais anos de idade passou
Porquê, então, esta diminuição acen- de 18,3% para 45%, enquanto em sen-
tuada no número de alunos do sexo tido inverso o peso dos professores
feminino? Por essas mesmas razões, com menos de 30 anos desceu de
adianta a investigadora Susana Mar- 17% para 1,65%. No 3.º ciclo e secun-
tins e também o ME. Ou seja, as rapa- dário, só 0,8% estão neste grupo.
rigas estão menos tempo na escola Esta é uma situação que tem um
porque têm mais sucesso e, por isso, forte impacto nas escolas e no orça-
progridem mais depressa. Já os rapa- mento para a educação. O presidente
zes “continuam a apresentar níveis da Associação Nacional de Dirigentes
de retenção maiores e, considerando Escolares, Manuel Pereira, já alertou
a redução nos níveis de abandono, para o alargamento do fosso geracio-
tendem a passar mais anos na escola, nal entre professores e alunos, o que
mitigando assim o efeito da quebra pode colocar novos obstáculos à re-
demográfica”, que também é maior, lação na sala de aula. “A diferença
à nascença, no sexo feminino do que etária entre alunos e docentes é cada
no masculino. vez maior, e isso não é bom”, disse. Para nós é 1%,
Por outro lado, segundo a Fede- para um bebé pode
cviana@publico.pt ração Nacional de Professores (Fen- ser tudo.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

8 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

SOCIEDADE

Doentes terminais podem pedir


sedação mas médicos é que decidem
Nova lei enumera direitos que já existem
e reforça-os. Prevista aceitação de
sedação paliativa, para doentes com
semanas ou dias de vida e “sofrimento
não controlado”, e recusa de alimentação
Este diploma “junta uma série de
Saúde normas e leis que já existem, reforça
Alexandra Campos e facilita a aplicação desses direitos”,
sintetiza a presidente da Comissão
Os doentes em fim de vida e com Nacional dos Cuidados Paliativos,
“sofrimento não controlado” têm o Edna Gonçalves, que enfatiza tam-
direito de receber sedação paliativa e bém a questão da contenção física,
de recusar alimentos, mas a decisão a qual deve ser evitada ou praticada
final cabe sempre aos médicos. E só durante o mínimo de tempo possí-
em casos excepcionais é que deve ser vel.
possível amarrá-los à cama (a cha- “Esta lei vem agrupar coisas dis-
mada “contenção física”). Em fase persas e reforçar direitos que não es-
terminal, com dias ou semanas de tão garantidos em Portugal. É uma
vida, os doentes e os seus familiares chamada de atenção para a socieda-
devem ter acesso a informação sobre de civil e para os profissionais de saú-
os diferentes cenários clínicos e os de, até porque há muito más práticas
tratamentos disponíveis. em fim de vida por esse país fora. A
São direitos que já existem mas obstinação terapêutica continua a
que agora estão expressos numa acontecer”, acentua Galriça Neto.
só lei, que foi publicada há duas se- De igual forma, acrescenta, “há
manas, depois de ter sido aprovada por aí muita sedação mal feita, há
em Maio pelo CDS-PP e pelo PSD, médicos que põem doentes a dormir
na Assembleia da República, com a sem saberem o que estão a fazer”,
abstenção das restantes bancadas, quando este é um direito que assiste
numa altura em que o debate sobre aos doentes, ainda que em situações
a despenalização da eutanásia (que específicas. Esta é uma prática usa-
foi chumbada) estava ao rubro. da em cerca de 10% dos casos, pres-
Intitulada “Direitos das pessoas em crita sobretudo para garantir que os
contexto de doença avançada e em pacientes não serão deixados numa
fim de vida”, a lei agora publicada situação de “sofrimento intolerável
no Diário da República e já em vigor e angústia atroz”. Mas com regras, O acesso à sedação paliativa em
passou despercebida, lamenta Isa-
bel Galriça Neto, médica e deputada
de acordo com a boa prática clíni-
ca, enfatiza. “Não é dizer ‘eu quero
Lançado novo estudo sobre o fim de vida Portugal é muito mais limitado do
que sucede em França, onde o Par-
do CDS-PP, co-autora do diploma e ser sedado’, mas sim ‘eu não quero e as decisões dos clínicos lamento aprovou em 2015 o recurso

M
uma das personalidades que mais se estar num sofrimento intolerável’”, à sedação profunda. Ali, um doente
empenharam na luta contra a legali- explicita, asseverando que tal não ais de uma década despenalização da eutanásia. No em fim de vida pode pedir a seda-
zação da eutanásia. implica provocar a morte das pes- depois de ter feito um estudo que em 2006 foi o tema ção, que é administrada em casa ou
Para a deputada que dirige a Uni- soas. Quanto ao direito à recusa ali- estudo sobre as decisões da tese de mestrado em Bioética no hospital, enquanto em Portugal
dade de Cuidados Paliativos do Hos- mentar, esse também está previsto em situações de fim do especialista, concluía-se a decisão cabe sempre à equipa mé-
pital da Luz (privado), a relevância nos últimos dias de vida. de vida dos oncologistas, o que 39% dos 450 oncologistas dica.
deste diploma não se cinge ao facto director do serviço de cuidados que responderam defendiam a Frisando que “ainda há muito más
de ser “uma compilação e densifica- 22 mil testamentos vitais paliativos do IPO do Porto, legalização da eutanásia, mas práticas em fim de vida por esse pa-
ção” dos direitos das pessoas em fim Em Portugal, as pessoas que fazem Ferraz Gonçalves, volta a fazer apenas 24% admitiam, caso ís fora”, a deputada critica também
de vida, mas sobretudo à circunstân- testamento vital já podem deixar um inquérito idêntico, mas esta prática fosse legalizada, de forma enfática a prática sistemá-
cia de chamar a atenção para o direi- esta vontade expressa, desde que que agora é dirigido a todos os estar disponíveis para tica de contenção física que persis-
to ao recurso à sedação paliativa (fár- o objectivo seja o de aliviar o sofri- especialistas. colaborar. Ferraz Gonçalves te nalguns hospitais. “Se for a uma
macos para aliviar sintomas e reduzir mento, mas, apesar do aumento A Ordem dos Médicos propôs agora à OM a realização urgência sem avisar, vai ver doentes
o nível de consciência) no caso dos assinalável desde que se começou (OM), que disponibiliza no seu deste estudo num âmbito amarrados pelos punhos e pés. Não
doentes com doença avançada, incu- a falar na legalização da eutanásia, site este inquérito, pede aos muito mais alargado do que há razões que justifiquem isto”, diz
rável e irreversível, com prognóstico o número de documentos ainda é profissionais que colaborem, o anteriormente levado a médica, lembrando que existe a al-
vital estimado de seis a 12 meses e em pouco significativo (no final de Julho lembrando o aumento de a cabo, incluindo todos os ternativa da contenção química, que
sofrimento intolerável. Galriça Neto havia 22.082 testamentos vitais, 7610 atenção dada a este assunto na médicos inscritos que desejem passa por administrar fármacos em
destaca igualmente as regras estritas registados por homens e 14.472 por sequência do debate sobre a participar. A.C. doses adequadas.
para a “amarração” dos doentes. mulheres). Na lei também está previsto um
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 9

SOCIEDADE

A lei explicita
que as pessoas
em fim de
vida têm o
direito de
receber
cuidados
paliativos
através do SNS
RUI GAUDÊNCIO

Equipas de apoio espiritual recebem um milhão de euros/ano

Num país como Portugal, onde, ape- Mas os planos da fundação para domiciliário da rede pública — que prémios “La Caixa”/BPI serão alarga-
sar dos avanços recentes, a cobertura Portugal são bem mais abrangen- são menos de três dezenas. O pro- dos a organizações não governamen-
de cuidados paliativos continua a ser tes. O objectivo é ir aumentando o grama contempla ainda o apoio à tais que trabalhem nesta área.
muito insuficiente, a Fundação Ban- número de equipas, com uma for- qualificação profissional de médi- A presidente da Comissão Nacio-
cária “La Caixa” (dona do CaixaBank te monitorização da sua evolução e cos nesta área (dez bolsas), a rede de nal de Cuidados Paliativos já admitiu
e do BPI) vai financiar com cerca de sempre apostando na formação dos três centros de referência e espaços que será “quase impossível” atingir
um milhão de euros por ano dez seus profissionais, acentua Bárbara “La Caixa” em ambiente hospitalar. a meta para este ano — 52 equipas
equipas de “apoio psicossocial e es- Gomes. As dez equipas que agora ar- Estes serão espaços partilhados mas domiciliárias, uma por cada agrupa-
piritual” a pessoas com doença avan- rancam chegarão a cerca de quatro onde os doentes e os seus familiares mento de centros de saúde. Porém,
çada ou em fim de vida. Os primeiros mil pessoas, estima-se. podem ter privacidade. Estão ainda nos hospitais, a situação está a me-
dez projectos já foram seleccionados Ao mesmo tempo, serão lançados previstos projectos experimentais lhorar. Esta semana foi inaugurada
em concurso público, arrancam este concursos para apoiar associações de um ano mais circunscritos e de- a Unidade de Cuidados Paliativos do
ano, e, se os resultados corresponde- de doentes, de profissionais e de dicados a grupos vulneráveis, como Hospital São João (Porto) com 12 ca-
rem às expectativas, manter-se-ão no voluntários e também para ajudar à pessoas com demência ou com doen- mas para doentes mais complexos.
terreno até 2023, explica Bárbara Go- multiplicação das equipas de apoio ças neurológicas, crianças, idosos. Os Alexandra Campos
mes, consultora científica do Huma-
PUBLICIDADE
niza — Programa de Atenção Integral
a Pessoas com Doenças Avançadas.
Com psicólogos e assistentes so-
ciais, estas equipas assentam num
modelo de intervenção inspirado
numa experiência espanhola já com
nove anos e vão reforçar aquelas que
já existem na rede pública, tanto as
que funcionam nos hospitais como
as que vão a casa das pessoas (equi-
pas domiciliárias). O objectivo é “me-
lhorar os aspectos emocionais (an-
siedade, tristeza, falta de sentido de
vida)” dos doentes e seus familiares,
e, além de estar prevista a integração
de voluntários, também poderão in-
cluir padres.
A ideia é reforçar a componente de
conjunto de direitos dos familiares apoio psicossocial e espiritual que,
ou cuidadores dos doentes terminais por vezes, é negligenciada em detri-
em casa, nomeadamente o direito a mento dos cuidados físicos, porque
receber formação adequada e apoio as equipas domiciliárias que existem
estruturado, proporcionados pelo em Portugal, além de insuficientes,
Estado, e os profissionais de saúde têm na maior parte dos casos psicó-
devem requerer o direito ao seu des- logos e assistentes sociais a trabalhar
canso sempre que tal se justifique. a tempo reduzido, explica.
Também os médicos de família têm a Dois dos projectos selecciona-
obrigação de sinalizar todos os casos dos pela Fundação “La Caixa” (de
de doentes que não tenham acesso que é curador Artur Santos Silva) fo-
a apoio. ram apresentados por instituições do
Mas isso não será pedir demais nu- sector social — a Santa Casa da Mise-
ma altura em que os cuidados palia- ricórdia do Porto e o Instituto São
tivos continuam a ser muito insufi- João de Deus (Lisboa). Foram ainda
cientes em Portugal? “A sociedade seleccionados projectos da Unidade
civil tem de começar a debater este Local de Saúde do Baixo Alentejo,
tema tabu”, desafia a médica. A lei do IPO de Coimbra, do Centro Hos-
explicita que as pessoas em fim de vi- pitalar Universitário do Algarve, do
da têm o direito de receber cuidados Centro Hospitalar de Lisboa Norte
paliativos através do SNS, incluindo e das unidades locais de saúde da
apoio espiritual e religioso. Guarda e do Nordeste. A Madeira e
os Açores têm igualmente uma equi-
acampos@publico.pt pa deste género.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

10 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

SOCIEDADE

Prevê-se risco extremo de incêndio


no Algarve para os próximos dias
Há 23% de probabilidade de ocorrer um grande incêndio na região. Perigo estender-se-á a todo o país.
Governo decreta Situação de Alerta. Funcionários públicos que são bombeiros têm dispensa
RUI GAUDÊNCIO

Quase todo o distrito de Faro ma dos reacendimentos e dos fogos


Calor estará em alerta máximo que passam de um dia para o outro.”
Rita Marques Costa Previsão para amanhã
Sem formação de orvalho durante a
noite, “as oportunidades [de com-
O risco de incêndio no território al- bate a potenciais incêndios] vão ser
Moderado Alto Muito alto
garvio estará, a partir de hoje, em va- mais limitadas”.
lores considerados excepcionais. As Extremo Excepcional Uma vez que as condições mete-
condições meteorológicas previstas orológicas “vão evoluir de sul para
Santarém
para os próximos dias — temperatu- norte, o Algarve vai ser o primeiro a
ras altas, baixa humidade relativa e ser atingido”. Por isso, nos próximos
Lisboa
vento — são, em parte, responsáveis dias, o quadro de risco elevado de
pelo aumento do risco de incêndio. incêndio deve estender-se ao resto
Setúbal Évora
A juntar à meteorologia, o facto de do país. Quais as zonas mais vulne-
ter chovido “bastante menos” a sul ráveis? “Todo o interior e progressi-
e “não haver cicatrizes de grandes vamente quase todo o país.”
fogos” (o último aconteceu em Tavira Beja
em 2012) nos últimos anos comple- Medidas excepcionais
tam este cenário preocupante, expli- Ontem, o ministro da Administração
ca ao PÚBLICO Paulo Fernandes, res- Interna assinou o despacho que de-
ponsável pelo Laboratório de Fogos termina a Declaração da Situação de
Florestais da Universidade de Trás- Alerta para o período compreendido
os-Montes e Alto Douro (UTAD). Faro entre hoje e segunda-feira, “para a
Quanto ao tipo de fogo, pode vir globalidade do território continen-
a ser “mais rápido e intenso”, por Risco máximo: o Algarve vai ser o primeiro a ser atingido Fonte: adaptado de Cease Fire PÚBLICO tal”, algo que está previsto na Lei de
causa da secura e da temperatura ele- Bases de Protecção Civil. São várias
vada. O que também não vem ajudar as medidas de carácter excepcional.
é a instabilidade atmosférica, que po-
de originar “aquele tipo de fogo mais
Última onda de calor provocou quase 1700 mortos Por exemplo, a “elevação do grau de
prontidão e resposta operacional por
poderoso em altitude e que faz com parte da GNR e da PSP, com reforço
que seja mais imprevisível e difícil Há registos de quatro ondas de calor em Portugal desde 1981 de meios para operações de vigilân-

C
de dominar”. cia, fiscalização, patrulhamentos
As projecções mais recentes co- om o calor a chegar, à onda de calor calcularam- a zona. “A questão é que tivemos dissuasores de comportamentos e
locam o FWI (sigla para fire weather aparecem os alertas se comparando o número até agora um Verão atípico, de apoio geral às operações de pro-
index, ou índice de risco de incên- sobre o impacto das altas de óbitos observados no com temperaturas amenas e as tecção e socorro que possam vir a ser
dio) do distrito de Faro acima de 63 temperaturas na saúde período identificado com o pessoas ainda não fizeram a sua desencadeadas, considerando-se pa-
— valor a partir do qual se entra na pública. Afinal, quantas pessoas número de óbitos esperados adaptação.” ra o efeito autorizada a interrupção
categoria de risco máximo. Para al- morreram em Portugal devido para esse período. Segundo a No total, 11 distritos do país da licença de férias e/ou suspensão
guns locais, em alguns períodos, as ao calor extremo? De acordo Organização Mundial de Saúde, estão em alerta vermelho. O de folgas e períodos de descanso”.
previsões apontam para valores de com um relatório do Instituto uma onda de calor acontece IPMA lembra que os valores Mais: não será possível usar fogo
FWI acima de 100. Nacional Dr. Ricardo Jorge, quando há períodos de seis dias da temperatura mínima serão de artifício e está vedado “o acesso,
A probabilidade de ocorrência houve quatro ondas de calor: consecutivos com temperaturas também muito elevados. circulação e permanência no interior
de um grande incêndio é de 23%, em 1981, 1991, 2003 e 2013. máximas diárias superiores a 5ºC “Esta situação meteorológica dos espaços florestais previamente
explica Paulo Fernandes. Para che- As estimativas de excesso de ao valor médio diário para essa é comparável à de Agosto de definidos nos Planos Municipais de
gar a este número, os especialistas mortalidade foram de 1900 época do ano. 2003”, diz, em comunicado, ano Defesa da Floresta Contra Incêndios,
do Laboratório de Fogos Florestais óbitos em 1981, de 1000 em O Instituto Português do Mar em que se registou uma máxima bem como nos caminhos florestais,
calcularam os dias, nos últimos anos, 1991, de 1953 em 2003 e de e da Atmosfera (IPMA) situa de 47,3°, na Amareleja, a 1 de caminhos rurais e outras vias que os
em que o FWI foi superior a 63 e, 1684 em 2013. no Alentejo as previsões de Agosto. atravessem”. Dispensados do servi-
ao mesmo tempo, se verificou um Depois disso, ocorreram temperaturas mais altas para É a partir do terceiro dia ço público estão os trabalhadores da
incêndio que dizimou mais de 100 pequenos picos, mas nenhum os próximos dias, podendo seguido que o calor extremo Administração Pública que desempe-
hectares. Resultado: em cada quatro que fosse considerado “uma chegar aos 46º em Évora. começa a ter consequências nhem cumulativamente as funções
dias com um valor acima de 63 há um onda de calor”, afirma Baltazar Filomena Araújo, directora do na saúde, afirma Mário Durval, de bombeiro voluntário bem como
grande incêndio. Nunes, investigador no Departamento de Saúde Pública delegado saúde pública da ARS “os trabalhadores do privado que
Dados do IPMA sobre o risco de departamento de epidemiologia da Administração Regional de Lisboa. O facto de o Verão desempenhem cumulativamente
incêndio mostram que praticamente do Instituto Dr. Ricardo Jorge, de Saúde (ARS) do Alentejo, ter sido até aqui ameno pode as funções de bombeiro voluntário,
todo o distrito de Faro estará hoje em que gere o Ícaro, o instrumento irá reforçar os meios e alargar ter algum impacto? “Os nossos nos distritos para os quais tenha sido
alerta máximo. A baixa humidade do de observação do impacto do consultas como prevenção. corpos são feitos à imagem da Declarado o Estado de Alerta Espe-
ar que se vai registar nos próximos calor na saúde. Os excessos Não é que as temperaturas natureza, têm alguma memória cial de Nível Vermelho”.
dias é particularmente preocupante. de mortalidade associados estimadas sejam anormais para das estações”, responde. J.G.H.
“Em Portugal, temos muito o proble- rita.costa@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 11

SOCIEDADE
DANIEL ROCHA

CDS quer Casais podem aceder


explicações a novos embriões mesmo
sobre plano que tenham outros
para o mar criopreservados
bloqueados, porque têm embriões
Ambiente PMA criopreservados com recurso a gâ-
Abel Coentrão Ana Maia metas [óvulos ou esperma] doados
e ficaram impedidos de os usar por
Centristas pedem para Conselho de procriação não conseguirem contactar com os
dadores ou por estes não consen-
ouvir no Parlamento várias assistida explica que
tirem o fim do anonimato”, expli-
entidades sobre o Plano de Entidade reguladora avisa que “não se pode limitar a pôr carimbos” medida é transitória ca ao PÚBLICO Carla Rodrigues.
Ordenamento do Espaço e pretende atenuar o “Não podiam usar os embriões que
Marítimo
O CDS-PP pretende ouvir na Comis-
ERC chumba impacto do chumbo do TC
O Conselho Nacional de Procriação
tinham e não podiam ter novos, com
a agravante de poderem entretanto
atingir o limite de idade [para fazer
são de Agricultura e do Mar da Assem-
bleia da República a Direcção-Geral
dos Recursos Naturais, Segurança e
trocas na chefia da Medicamente Assistida (CNPMA)
emitiu uma deliberação que permite
aos casais e mulheres ter acesso a
os tratamentos].”
Estes casais poderão agora aceder
a novos embriões usando material
Serviços Marítimos, responsável pela
elaboração do Plano de Situação do
Ordenamento do Espaço Marítimo
Informação da RTP novos embriões, mesmo que ainda
tenham alguns criopreservados. A
medida é transitória e pretende dar
doado por pessoas que autorizam a
sua identificação.
A deliberação de Junho, acrescen-
(PSOEM), cuja consulta pública ter- resposta aos casos em que os dado- ta Carla Rodrigues, “é transitória e
minou na terça-feira, sob uma chuva res não estão contactáveis ou não excepcional”, já que é apenas para
de críticas de organismos do ambien- de Informação da rádio. Na altura, a autorizam a quebra do anonimato, casais ou mulheres nesta situação e
te, como o PÚBLICO noticiou. Comunicação social administração da RTP não tinha pa- impedindo que os embriões que já enquanto não houver nova legisla-
Perante o parecer extremamen- Maria Lopes recer do conselho de redacção (CR), existem a partir de material doado ção que clarifique as regras a apli-
te negativo do Conselho Nacional nem conseguiu fundamentar junto possam ser usados pelos casais. car às doações feitas antes do fim
do Ambiente e do Desenvolvimen- Administração não da ERC a sua decisão de afastar o Em Abril, o Tribunal Constitucio- do anonimato. É a “pequena ajuda
to Sustentável (CNADS) ao PSOEM, jornalista — só o fez numa segunda nal (TC) chumbou várias normas da que o CNPMA pode dar” para ate-
justificou as alterações.
documento essencial para regular tentativa. lei da procriação medicamente as- nuar os efeitos do acórdão do TC
os usos privativos do espaço maríti- Conselho de redacção da As deliberações sobre os dois casos sistida, incluindo a que garantia o que têm originado vários pedidos
mo, e que já deveria estar pronto, os RTP também ainda não se agora recusados são quase idênticas. anonimato de dadores de óvulos, de informação por parte dos centros
centristas decidiram também pedir entendeu para dar parecer Para o caso de Hugo Gilberto, que esperma e embriões. Os dadores de tratamento.
que seja ouvido este órgão consul- passaria de adjunto a subdirector, a passam têm agora de concordar Mas para muitos outros o impasse
tivo, presidido pelo cientista Filipe A Entidade Reguladora para a Co- administração argumentou “gene- com a sua identificação. mantém-se. “Todas outras situações
Duarte Santos. municação Social decidiu “não dar ricamente [com] uma ‘reorganiza- Antes do chumbo, “havia uma estão paradas por causa desta altera-
Querem ainda que sejam ainda parecer favorável” às destituições do ção estrutural’”, um conceito que norma criada pelo conselho com ção de paradigma. Actualmente os
chamados a Agência Portuguesa do jornalista Hugo Gilberto do cargo de o regulador considera “demasiado o objectivo de evitar a criação de centros de tratamento têm o dobro
Ambiente e o Instituto de Conserva- director adjunto de Informação da aberto e não densificado” e que não embriões excedentários”, começa do trabalho a contactar dadores,
ção da Natureza, cujos pareceres fo- RTP e de Victor Alves da função de fundamenta a destituição de funções por explicar a presidente do CNP- alguns não autorizam a quebra do
ram negativos, bem como a Entidade subdirector da RTP e RDP Açores, do jornalista responsável pela redac- MA. “Dizia que enquanto o casal ti- anonimato e não se pode importar
Nacional para o Mercado de Combus- porque a administração não as justi- ção do Porto e pelo Desporto. Essa vesse embriões criopreservados não gâmetas de Espanha, onde o anoni-
tíveis, que considerou que os interes- ficou. Tal decisão impede que sejam falha impede que a ERC se pronuncie poderia ter mais embriões. Mas com mato está garantido. Há centenas de
ses do sector não estão salvaguarda- analisadas as outras mudanças que o sobre a nomeação para adjunto de a publicação do acórdão do TC mui- casais afectados. Daí, a urgência de a
dos na versão actual do plano. director de Informação, Paulo Denti- João Fernando Ramos. tos casais ficaram completamente Assembleia da República legislar.”
A deputada Patrícia Fonseca mos- nho, queria fazer, designadamente a Argumentação igual é dada para O conselho apresentou algumas
trou-se preocupada com os atrasos nomeação de João Fernando Ramos a recusa de parecer favorável à des- propostas: que não haja retroacti-
no processo de aprovação do PSO- para director adjunto. tituição de Victor Alves de subdirec- vidade na aplicação do fim do ano-
EM. Sem este instrumento, as licen- A responsabilidade está agora, por- tor de Meios e Conteúdos da RTP e nimato e que só a pessoa nascida da
ças de utilização dos espaços e recur- tanto, do lado da RTP, assinalou o vi- RDP-Açores. E a ERC lembra que o doação deve ter acesso à informa-
sos marítimos estão a ser dadas nu- ce-presidente da ERC ao PÚBLICO. “A seu parecer se destina a garantir que ção e depois da maioridade. Carla
ma lógica de “quem chega primeiro ERC não pode avalizar destituições as destituições ou exonerações no Rodrigues espera que algum grupo
tem vantagem”, não se acautelando sem fundamentação e não é uma operador público não sejam feitas de parlamentar avance rapidamente
os potenciais conflitos entre usos tra- entidade que se possa limitar a pôr forma discricionária e que as nomea- com uma proposta legislativa “para
dicionais e novas formas de explora- carimbos”, realçou Mário Mesquita. ções sejam de pessoas que actuam de que, o mais tardar, no início de 2019
ção deste espaço nacional, alerta a Por outro lado, “a RTP não pode tirar forma “isenta, livre e idónea”. esta lei veja a luz do dia”.
parlamentar, que, em Janeiro, diz, já pessoas dos cargos sem fundamentar Mesmo sem parecer da ERC, que O CNPMA emitiu ainda outra de-
tinha interpelado a ministra do Mar, essa decisão. E tem de a fundamen- é “prévio e vinculativo”, já há nova liberação excepcional: permite que
“ressalvando a extrema urgência da tar perante os próprios e perante a ficha técnica no ar desde 25 de Julho. casais cuja idade limite para trata-
conclusão e publicação” do plano. ERC — algo que não fez”, argumenta, O parecer do CR da RTP não é vin- mentos tenha sido alcançada pos-
O documento não reúne consenso apesar das responsabilidades acresci- culativo, mas é obrigatório. O pedi- sam fazer mais uma transferência de
entre organismos da administração das decorrentes do serviço público. do de parecer da administração só embriões, caso ainda tenham mate-
central. E merece reparos de várias Esta é a segunda vez em três anos chegou ao CR há uma semana e não rial criopreservado. Isto, se do trata-
outras entidades, como a Associação que a ERC chumba mudanças pro- há consenso neste órgão sobre os mento anterior não tiver resultado o
Sistema Terrestre Sustentável. postas pelo presidente Gonçalo nomes em causa. nascimento de um bebé vivo.
Reis: a primeira foi a saída de Faus- Norma que evitava embriões
abel.coentrao@publico.pt to Coutinho, em 2015, de director maria.lopes@publico.pt excedentários fica suspensa ana.maia@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

12 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

LOCAL
Moreira critica Estado por estar a
pedir nove milhões por um prédio
Em causa está o edifício do antigo Asilo da Mendicidade, nas Fontainhas, pertencente à Segurança Social
e que a câmara considera que tem potencial para servir para habitação social
go Asilo da Mendicidade, um prédio Estado está a privatizar. Sim, porque stock de habitação municipal, tendo
Porto grande, localizado junto à Ponte do mais cedo ou mais tarde vão per-
“Estamos a tentar em conta a existência de casas vazias
Abel Coentrão Infante, nas Fontainhas, que pode- guntar o porquê de a câmara estar municipalizar naquele bairro operário.
ria ser reconvertido para “habita- a discutir para ali um licenciamento Esta foi uma das raras vezes em
A Assembleia Municipal do Porto ção social para estudantes ou para de um hotel, por exemplo. Mas não
quando o Estado que a Câmara do Porto teve sucesso
confirmou na noite de segunda- idosos”, notou. A Câmara do Porto podemos passar ao Estado um che- está a privatizar. no exercício do direito de preferên-
feira, por unanimidade, a compra, contactou o dono, o Ministério da que desse valor e acredito que todos cia. Mas da mesma forma que, ga-
pelo município, a um privado, do Segurança Social, tendo a secreta- os partidos compreenderão isso”,
Depois vão rantiu, não compraria o Bairro da
Bairro da Tapada, sob aplauso dos ria de Estado indicado ao gabinete argumentou Rui Moreira. perguntar porque Tapada se, em vez de um milhão,
moradores que temiam perder as do Urbanismo da autarquia que esta Já o Bairro da Tapada, também lo- os proprietário pedissem por ele o
casas. Mas no debate sobre habita- poderia exercer o direito de prefe- calizado nas Fontainhas, vai ser com-
estamos a discutir dobro para não pactuar com a espe-
ção e sobre a fragilidade do exer- rência na compra do imóvel, posto prado pela câmara por um milhão para ali um culação imobiliária, Moreira mos-
cício do direito de preferência por à venda por nove milhões e 60 mil de euros, num exercício do direito trou-se defraudado com a atitude
parte dos municípios, o autarca Rui euros. de preferência que permite manter a
licenciamento de do Estado em relação ao asilo. “Nós
Moreira revelou que o Estado exigiu “O ministério perguntou ao mu- “função social do edificado e os con- um hotel. Mas não também somos Estado”, vincou,
à autarquia nove milhões de euros nicípio se queria comprar por no- tratos de arrendamento existentes”, durante uma intervenção em que
por um outro edifício devoluto, com ve milhões. Acham normal? Acham que abrangem 38 famílias. O negó-
podemos passar ao criticou o facto de a administração
potencial para habitação. que o Porto pode exercer um direito cio ainda está dependente do visto Estado um cheque central ter deixado há anos de inves-
Moreira explicou que o município de preferência neste valor? Estamos do Tribunal de Contas, mas, se for tir em habitação social, deixando os
soube da intenção de venda do anti- nós a tentar municipalizar quando o por diante, vai permitir aumentar o
de nove milhões” municípios sozinhos nessa área.
PAULO PIMENTA
A transferência de competências
entre a administração central e os
municípios foi, aliás, um dos temas
fortes desta sessão da assembleia
municipal em que os deputados fo-
ram chamados a votar uma moção
defendendo a “desvinculação” da
Câmara do Porto das decisões to-
madas pela Associação Nacional
de Municípios Portugueses. A pro-
posta foi aprovada, mas mereceu
o voto contra do PS e do PSD, os
dois partidos que, a nível nacional,
foram responsáveis pelo acordo de
descentralização, caucionado pela
ANMP mas fortemente criticado por
autarquias, entre elas as do Porto
e de Gaia, liderada pelo socialista
Eduardo Vítor Rodrigues.
Rui Moreira elogiou a frontalida-
de do homólogo da margem sul do
Douro e líder da Área Metropolitana
do Porto, organização que se junta-
ra à congénere de Lisboa e estava a
negociar um acordo com o Governo,
sabotado, segundo o independente,
pela ANMP. Que classificou como
um feudo dos partidos do bloco cen-
tral, recusando-se, por isso, a acatar
as suas decisões. Apesar de o PS e
o PSD considerarem que o acordo
alcançado deixa muita margem para
progressão, o independente recu-
sa as propostas em cima da mesa e
o carácter obrigatório, a partir de
2021. “Queremos ter o direito a nun-
ca querer aquilo”, insistiu.

O Bairro da Tapada, nas Fontainhas, vai ser comprado pelo município do Porto acoentrao@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 13

LOCAL
JOÃO GUILHERME

Gondomar aprova obras


no edifício da câmara
e envolvente no valor
de 3,9 milhões
prevê a ampliação do edifício actual
Urbanismo de forma albergar serviços que se en-
contram dispersos, nomeadamente
O anteprojecto prevê a urbanismo e planeamento que estão
em locais cujos prédios a câmara tem
ampliação do edifício
o objectivo de pôr à venda.
actual de forma a albergar O custo desta obra está estimado
serviços que se encontram em 3,9 milhões de euros e será feita
dispersos uma candidatura a fundos comuni-
tários, prevendo a autarquia vir a ter
A zona envolvente dos Paços do Con- comparticipação de 50% da verba
celho de Gondomar vai ser requali- global.
ficada tendo o projecto, que inclui O projecto também inclui a criação
estacionamento e alargamento do de dois pisos de estacionamento sub-
actual edifício, um custo superior a terrâneo para servir serviços camará-
3,9 milhões de euros, indicou ontem rios, bem como a população.
o presidente da autarquia. Em declaração de voto remetida
A associação diz que outras organizações congéneres funcionam nos mesmos moldes O anteprojecto de reformulação à Lusa, a coligação PSD/CDS-PP,
dos Paços do Concelho de Gondo- que votou favoravelmente, mos-

Associação de Amigos do mar, distrito do Porto, foi aprovado


por maioria em sessão camarária,
colhendo os votos favoráveis do PS,
trou reservas sobre este projecto,
tendo alertado para “a necessidade
de verificar a viabilidade financeira

Conservatório de Coimbra movimento independente da candi-


datura de Valentim Loureiro e coli-
gação PSD/CDS-PP, enquanto a CDU
das contas públicas da câmara de
Gondomar”, bem como o “correcto
enquadramento financeiro”.

fecha portas ao fim de sete anos se absteve.


Em declarações à Lusa, o presiden-
te da Câmara de Gondomar, Marco
“O projecto é uma oportunidade
para a revitalização do comércio,
melhoria das condições de trânsito
Martins, explicou que o actual edifí- e, apesar de uma menção positiva
cio da câmara se encontra numa área aos serviços técnicos que desenha-
ciação, Luísa Saraiva, fala em “dois “estão a ser analisadas” as questões de reabilitação urbana e que os objec- ram o projecto, consideramos que os
Música pesos e duas medidas”. A responsá- levantadas sobre “o alegado funcio- tivos desta obra passam por aprovei- valores envolvidos devem revistos.
Camilo Soldado vel diz não compreender o critério, namento de outras associações nou- tar fundos comunitários, criar mais Não obstante, teme-se estarem a ser
uma vez que as associações de ami- tros conservatórios”. fluidez e reduzir custos albergando criadas expectativas aos munícipes
Direcção cessante fala em gos dos conservatórios de Lisboa e Luísa Saraiva explica que, dadas serviços actualmente dispersos. que possam não ser cumpridas pe-
Porto estão numa situação semelhan- as circunstâncias, a equipa que es- “Também pretendemos requali- lo facto de o actual executivo estar
dois pesos e duas medidas.
te. Aliás, a própria A2C2 diz que “não tava na direcção dos amigos do ficar o chamado ‘Lugar de Quintã’, a criar despesa com iniciativas me-
Ministério da Educação diz ousou desafiar o cânone”, pelo que, conservatório “entendeu que não que tem edificado muito degradado. nos prioritárias”, descreve a nota do
que está a analisar outros quando se constituiu, em 2011, “ba- havia condições para continuar”. A ideia é que este projecto seja uma PSD/CDS-PP.
casos seou-se nos modelos então existentes Isto apesar de terem encontrado âncora para reabilitar esta zona en- Já a CDU, que se absteve, criticou
e em vigor” nas duas congéneres. um espaço alternativo, caso na úl- volvente ao município”, disse Marco o facto de a proposta prever “a redu-
A Associação de Amigos do Conser- A associação procurou um esclare- tima assembleia geral aparecessem Martins, que acredita que a obra co- ção das áreas verdes da Praça Manuel
vatório de Coimbra (A2C2) já tinha cimento por parte do Ministério da candidatos aos corpos gerentes que mece dentro de um ano. Guedes”. E pediu um debate alarga-
suspendido a sua actividade em Ou- Educação, mencionando, para além se disponibilizassem a prosseguir o O anteprojecto discutido ontem do sobre o projecto.
tubro de 2017, mas agora confirma-se dos exemplos de Lisboa e Porto, “o projecto. Tal não aconteceu e, a 12 FERNANDO VELUDO/NFACTOS
o seu encerramento definitivo. Na facto de existirem associações de di- de Julho, a mesma assembleia deci-
base da decisão está uma inspecção reito privado com sede social nou- diu suspender em definitivo a acti-
da tutela, que concluiu que a A2C2 tros organismos do Estado”, como é vidade, sendo que os materiais da
não teria enquadramento legal para o caso de associações de amigos de A2C2 revertem para o conservatório.
funcionar naqueles moldes, faz saber museus ou ligas de amigos de hospi- Os sócios decidiram também que a
a associação em comunicado. tais. A resposta, que chegou em Feve- receita disponível, proveniente dos
Na sequência da acção da Inspec- reiro deste ano, refere a nota AC2C2, concertos, de mecenato e dos apoios
ção-Geral da Educação e Ciência, que “remeteu-se a uma análise estrita e do município, seria canalizada para
teve origem “em denúncias anóni- estreita do regime jurídico aplicável a compra de instrumentos musicais
mas”, a direcção do Conservatório ao CMC para justificar a falta de en- para a escola.
de Música de Coimbra (CMC) infor- quadramento legal”, embora “nada A A2C2 nasceu em 2011 “para dar
mou a A2C2 que não poderia con- dizendo” acerca da “situação das uma ajuda à escola e para ajudar a
tinuar a ter sede na própria escola. outras associações referidas como dinamizar o auditório”, explica Lu-
Os estatutos teriam igualmente de exemplo de procedimento”. ísa Saraiva. Ao longo dos sete anos,
ser alterados para que membros da Contactado pelo PÚBLICO, o Mi- a A2C2 programou 13 temporadas,
direcção da escola não fossem tam- nistério da Educação confirma que com 134 eventos e 24.484 especta-
bém membros dos órgãos sociais da a direcção da escola de Coimbra “no- dores.
A2C2 por inerência. tificou” a A2C2 das “desconformida-
Ao PÚBLICO, a presidente da asso- des encontradas” e adianta ainda que camilo.soldado@publico.pt A câmara irá candidatar-se a fundos comunitários
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

14 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

ECONOMIA
O caso da empresa que faliu
e continuou a receber subsídios
A Celticerâmica recebeu ilegalmente
tarifas de co-geração, até que a DGEG
lhe revogou a licença. A ERSE diz que
os consumidores foram penalizados
e cortou 1,4 milhões aos proveitos da EDP
sada através das facturas da luz, em
Energia moldes definidos pela ERSE, pela di-
Ana Brito ferença entre o valor pago aos produ-
tores de renováveis e co-geração e o
Nascido da má gestão, da desones- valor da revenda (porque as tarifas
tidade e de falhas de fiscalização do subsidiadas são superiores ao preço
Estado, há mais um caso que opõe de mercado). Estes montantes são su-
a EDP e a Entidade Reguladora dos jeitos a ajustamentos tendo em conta
Serviços Energéticos (ERSE) a fazer as previsões de custos incluídas nas
caminho em tribunal. tarifas e os custos reais incorridos
Em causa estão 1,449 milhões de pela empresa.
euros que a ERSE abateu aos provei- Durante anos, a EDP comprou a
tos que o grupo liderado por António produção à Celticerâmica, mas no
Mexia esperava retirar das tarifas da final de Outubro de 2014 a DGEG
luz deste ano, por entender que os remeteu-lhe a cópia de uma carta
consumidores já tinham suportado enviada a esta co-geradora revelan-
um encargo indevido. do a intenção de lhe revogar as duas
A EDP Serviço Universal (EDP SU) licenças de produção. Isto por se ter
está a tentar anular a decisão da ER- detectado, numa fiscalização às ins-
SE através de uma acção que entrou talações, em Setembro, “a ausência
em Março no Tribunal Administra- de processo produtivo/industrial”.
tivo de Círculo de Lisboa, mas esta Não só o processo produtivo “havia
história está longe de ter regulador e sido desmantelado” como se consta-
regulado como únicos protagonistas. tou que “o centro electroprodutor de
Nela destacam-se a Celticerâmica, co-geração se encontrava a funcionar
uma empresa falida e em processo de sem aproveitamento térmico”, o que
liquidação, que durante pelo menos configurava “uma ilegalidade”, visto
um ano recebeu tarifas subsidiadas que o aproveitamento térmico para o
por electricidade produzida ilegal- processo fabril é condição para que
mente, e a Direcção-Geral de Energia a electricidade seja considerada de
e Geologia (DGEG), responsável pela co-geração.
sua fiscalização. “Ou seja, a DGEG teve conhecimen-
“Somente em Setembro de 2014 a to de que, desde pelo menos o final
DGEG detectou que a Celticerâmica do 4.º trimestre de 2013, a Celticerâ-
se encontrava em situação irregular, mica havia cessado a sua actividade,
apesar de esta situação já se verifi- tendo mantido em funcionamento
car desde finais de 2013 e inícios de as instalações sem aproveitamento facturas até Abril (que foram devolvi- ticerâmica para devolver os 2,167 mi- de 2016 escreveu à ERSE a relatar
2014”, relata a EDP no processo que térmico, limitando-se a produzir das sem pagamento). Segundo uma lhões de euros (valor com IVA) recebi- o caso, para que a entidade “par-
o PÚBLICO consultou. energia eléctrica”, nota a EDP. base de dados empresarial consulta- dos entre Janeiro e Dezembro de 2014. ticipasse no processo de decisão e
Além de se dedicar ao fabrico e Porém, enquanto a Celticerâmi- da pelo PÚBLICO, a Celticerâmica é Perante a falta de resposta, a DGEG estratégia” a adoptar. Com a cer-
comércio de telhas, a empresa de ca foi titular de licenças válidas, a maioritariamente detida por Carlos comunicou à EDP que procedesse “à teza de ter agido sempre “em prol
Vale do Grou (Águeda) produzia EDP SU “continuou a cumprir a sua Alberto dos Santos Almeida, que tem cobrança dos montantes”. A EDP fê- dos interesses gerais subjacentes ao
electricidade com licenças de co- obrigação legal de pagar a energia 69% do capital e figura como director lo em Dezembro, e voltou a insistir Sistema Eléctrico Nacional [SEN]”
geração, uma das formas de geração eléctrica, não podendo agir de forma de marketing e comercial. António em Janeiro de 2016, mas sem êxito: e de que a situação verificada não
que beneficia de tarifas subsidiadas diferente”, refere a empresa. A DGEG Maria Lopes Martins, que tem 10% a Celticerâmica nunca respondeu às era sua responsabilidade, por não
(a chamada “produção em regime revogou as licenças em Dezembro da empresa, surge como director de cartas. “Não havendo disposição le- ter “qualquer competência ou pos-
especial”, ou PRE) e que combina e informou a EDP em Fevereiro de operações. Gonçalo Ramalho de Me- gal e regulamentar específica para sibilidade de licenciamento ou fisca-
num mesmo processo produção de 2015. O PÚBLICO questionou a Secre- lo aparece como presidente e Paulo ressarcimento das quantias despen- lização da actividade dos co-gerado-
energia eléctrica e energia térmica taria de Estado da Energia, que tutela Gonçalves Ferreira e Paulo Domingos didas apesar de pedidas à Celticerâ- res, a qual está cometida à DGEG”,
(esta aproveitada para o processo a DGEG, mas não foi possível obter Rocha como administradores. mica, nada mais resta do que pedir a EDP recordava que “tinha o dever
industrial). esclarecimentos sobre este tema. aquilo que foi recebido indevida- jurídico” de comprar a electricida-
A EDP SU tem a obrigação legal No início de 2015, a EDP cessou Cartas sem resposta mente”, reconheceria entretanto a de à Celticerâmica até que recebes-
de comprar toda a PRE, que depois a compra da electricidade, apesar De nada serviu que, em Agosto de direcção-geral. se “instruções diversas da DGEG”.
coloca em mercado, sendo compen- de a Celticerâmica ainda ter emitido 2015, a DGEG tenha notificado a Cel- A EDP conta que em Dezembro A empresa dava ainda nota da sua
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 15

Não foi possível


encontrar os gerentes
da empresa
Orlando Apoliano Carvalho
Administrador de insolvência

SÉRGIO AZENHA DANIEL ROCHA


caram sem resposta, e que a visita
às instalações comprovou que estas
estavam “vazias e vandalizadas”,
sem matérias-primas ou material já
acabado, nem quaisquer veículos
ou equipamentos que pudessem ser
usados para pagamentos. O relatório
refere ainda que o fisco reclama à
Celticerâmica créditos (alguns des-
de 2014) relativos a IVA, IRS, IRC e
IUC de várias viaturas, bem como
taxas de portagem dessas viaturas.
Também a Segurança Social recla-
ma quotizações relativas a Junho de
2016 e Fevereiro de 2017, além de
haver vários fornecedores com fac-
turas por pagar, como a Iberdrola e
a Meo, entre outros.

Dois anos sem avisar


Na contestação às acusações da EDP
A ERSE diz que a aquisição licenciada. Diz a empresa que a actu- (enviada ao tribunal em Abril), a re-
de energia à Celticerâmica ação do regulador é ilegal porque a guladora da energia nota que a sua
foi efectuada num quadro lei não prevê ajustamentos às tarifas proposta tarifária para 2018 até te-
de ilegalidade que “não nos casos de fraude dos produtores ve o voto favorável da EDP em sede
é compatível” com o em regime especial de co-geradores de conselho tarifário da ERSE. Além
reconhecimento de custos a devidamente licenciados. disso, frisa que “a aquisição da PRE
pagar pelos consumidores [à Celticerâmica em 2014] foi efec-
Instalações vazias tuada num reconhecido quadro de
A EDP, que se constituiu como A EDP constituiu-se como credo- desconformidade” legal e que isso
credora na insolvência que ra no processo de insolvência da “não é compatível com o reconhe-
corre no tribunal, diz que tinha o Celticerâmica (iniciado em Março cimento de sobrecustos nas tarifas
“dever jurídico” de continuar a de 2017), embora garanta que agiu de electricidade”.
comprar electricidade “em nome do SEN”, e na tentativa A entidade também destaca que
de “salvaguardar os interesses dos não está em causa o equilíbrio eco-
consumidores”, “nunca invocando nómico-financeiro da EDP SU, cujos
um interesse próprio”. activos são remunerados através das
Se no relatório do administrador tarifas “em termos que excedem a
de insolvência (anexado ao proces- mera recepção dos custos suporta-
“Somente em so) este defende que a insolvência da dos” (a taxa de remuneração de 2018
Setembro de Celticerâmica deve “ser qualificada é de 5,75%).
como culposa”, também a EDP pede Salientando que a EDP “conheceu
2014 a Direcção- que sejam “afectados por essa quali- os factos quase dois anos antes de
Geral de Energia ficação culposa” os administradores informar a ERSE”, a entidade lembra
que desde Março de 2014 exerceram que a empresa ainda tem pendente
e Geologia funções na empresa e “diligencia- uma acção contra a Celticerâmica e
disponibilidade para iniciar uma ac- “o diferencial de custo com a aquisi- detectou que a ram” para que desaparecessem to- que por isso não pode, em simultâ-
ção contra a Celticerâmica, desde ção de energia eléctrica à Celticerâ- dos os bens que poderiam ser usa- neo, procurar compensações por via
que com a “confirmação por parte mica em 2014 face ao valor estimado
Celticerâmica se dos para pagar dívidas. dos consumidores. Embora a EDP
da ERSE” de que haveria “reconhe- de venda” desta energia nesse ano encontrava em Contactado pelo PÚBLICO, o admi- considere que as duas acções não são
cimento integral dos respectivos “foi indevidamente suportado pelos nistrador da insolvência da Celtice- incompatíveis, a ERSE sustenta que
custos e de todos os seus efeitos nos consumidores”.
situação irregular, râmica, Orlando Apoliano Carvalho, a questão do valor em dívida “não se
proveitos permitidos”. Na volta do correio, a de 20 Junho apesar de esta adiantou que o processo, ainda em coloca de momento”.
Porém, na resposta enviada em de 2017, a EDP “manifestou logo o fase de liquidação, deverá estar en- Só na circunstância de vir a ser
Maio, a entidade liderada por Cris- seu desacordo” perante a intenção
situação já se cerrado até ao final do ano, mas con- confirmada a insuficiência da mas-
tina Portugal respondeu que a EDP da ERSE, dizendo não aceitar supor- verificar desde firmou que não há património para sa insolvente poderá ser efectuada
teria “todo o interesse” e legitimida- tar eventuais prejuízos causados ao ressarcir os credores. Além disso, até uma análise ao equilíbrio económi-
de para agir judicialmente contra a SEN pela Celticerâmica.
finais de 2013 e à data “não foi possível encontrar os co-financeiro da EDP SU, nota a regu-
Celticerâmica, mas deixou claro que Na acção, a EDP SU acusa precisa- inícios de 2014”, gerentes da empresa”, que poderiam ladora, rejeitando, no entanto, que
o valor de 1,449 milhões seria des- mente a ERSE de estar a transferir- vir a ser condenados solidariamente se possa concluir que “no momento
contado aos proveitos permitidos lhe, “sem qualquer base legal”, os
diz a EDP na acção a indemnizar os credores. presente” esse equilíbrio esteja a ser
da actividade de compra e venda de prejuízos do SEN, pondo em causa em tribunal contra No seu relatório, Orlando Apo- posto em causa.
energia eléctrica à PRE em 2018. o equilíbrio económico-financeiro liano Carvalho refere que todas as
Isto porque, no entender da ERSE, de uma actividade para a qual está
a ERSE cartas dirigidas à Celticerâmica fi- ana.brito@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

16 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

ECONOMIA

Seca na Europa leva trigo ao preço


mais elevado dos últimos três anos
As colheitas de cereais da Alemanha e da Suécia já têm previsões e não são boas. A seca deverá levar entre
20% e 40% da produção de trigo. Os mercados internacionais já estão a antecipar redução da oferta
DANIEL ROCHA
de chuva e de humidade com altas
Agricultura temperaturas vividas desde Junho
Isabel Aveiro deverá reduzir a produção de trigo
em 40%, para o intervalo entre 1,7 e
O valor de referência para o trigo de 1,9 milhões de toneladas este ano.
moagem, com entrega em Dezem- Se as previsões de Mikael Jeppsson
bro, atingiu ontem o preço mais ele- — director-geral da divisão de cere-
vado dos últimos três anos e meio, ais da cooperativa agrícola sueca
alcançando 208,5 euros por tonelada Lantmännen — se verificarem, aquele
na Euronext Paris. O Commerzbank, país, tradicionalmente exportador
que elevou a sua estimativa de pre- de trigo, poderá transformar-se em
ço-alvo para 205 euros por tonelada, importador.
não acredita contudo numa escalada Num contexto mundial, a oferta de
de preços do cereal nos mercados trigo é dominada pela Rússia, pelos
internacionais. EUA e pela Austrália, no pódio dos
“Estamos cépticos acerca da capa- exportadores. A Ucrânia, França, Ar-
cidade de o preço do trigo aumentar gentina, Alemanha e Roménia, por
significativamente no médio prazo”, esta ordem, são os restantes cinco
além de um período de “dias ou mes- maiores contribuintes para as expor-
mo semanas”, avançou o banco nu- tações mundiais — que ascenderam
ma nota de investimento. Porquê? a 173 milhões de toneladas em 2017,
“A maioria das notícias más [sobre a segundo o FT.
oferta do cereal] já deverá estar actu-
almente reflectida no preço.” Mil milhões de apoio
O alerta já vinha nas páginas do As preocupações com a escassez e o
Financial Times (FT) na segunda-fei- encarecimento do trigo têm efeitos
ra: o preço do trigo, como matéria- directos na alimentação (em produ-
prima agrícola cotada nos mercados tos-base como pão e massas), indi-
internacionais, está de volta à curva Produção mundial de trigo deverá cair para mínimos do quinquénio: 721 milhões de toneladas rectos via rações animais, mas afecta
ascendente. Segundo o jornal britâ- também os biocombustíveis.
nico, a produção de trigo para moa- Na Suécia, o Governo avançou
gem na Europa deverá recuar para
um volume inferior a 130 milhões de
Dependência de Portugal do exterior é quase total já que irá orçamentar cerca de 1,2
milhões de coroas suecas (cerca de
toneladas, o que, a concretizar-se, é o 116,86 mil euros ao câmbio actual)
nível mais baixo desde 2012. E, para O trigo é um dos cereais com menor grau de aprovisionamento do país para financiar medidas de apoio

D
o resto do mundo, a estimativa do aos agricultores atingidos pela seca.
Conselho Internacional de Cereais esde Fevereiro já era sabido 6%, com 5% para o trigo duro recuou “apenas” 14 pontos Aquilo a que a ministra das Finan-
(IGC — International Grains Council) que Portugal atingira, no (sobretudo usado em massas, percentuais desde 1989. ças sueca, Magdalena Andersson,
é agora de 721 milhões de toneladas arranque da campanha mas também em alguns pães Tomando os últimos dados do chamou esta semana “pacote na-
para a campanha de 2018/2019, o mí- cerealífica de Inverno, regionais) e 6,1% no trigo mole INE, para recursos disponíveis cional de crise para os agricultores
nimo do quinquénio. a área cultivada mais baixa (farinha para pão mais branco e de 1,55 milhões de toneladas de suecos”, de acordo com a Reuters,
Só na Alemanha — segundo maior dos últimos cem anos. Mas pastelaria em geral). Compara, trigo (somando uma “produção visa sobretudo subsidiar primeiro os
produtor europeu e um dos sete convém pormenorizar o grau por exemplo, com um grau de utilizável” de 90 mil toneladas a encargos com a alimentação animal
maiores exportadores do mundo —, de dependência externa entre aprovisionamento português importações de 1,82 milhões de e só depois a perda de rendimento
avançou o FT citando a consultora grãos. As últimas Estatísticas de 25,9% para o milho, 38,1% toneladas e descontando 363 dos produtores agrícolas.
Stratégie Grains, a próxima colheita Agrícolas, referentes a 2017, para o centeio e 82,5% para a mil toneladas de exportações), Na Alemanha, o movimento é se-
deverá cair para 20 milhões tonela- emitidas pelo Instituto Nacional aveia. Na Estratégia Nacional o país consumiu 1,51 milhões de melhante, mas mais cauteloso por
das de trigo, o nível mais baixo dos de Estatística (INE), situam para a Promoção da Produção toneladas do cereal-base do pão. parte do executivo. Face ao pedido
últimos 15 anos. Ontem, a Reuters a campanha de 2016/2017 de Cereais, apresentada pela Não foram todos para a mesa, — de mil milhões de euros — feito
avançou uma versão mais pessimista, (iniciada em Julho e terminada tutela em Maio, recordava-se contudo, já que as rações para pelas associações de agricultores co-
da associação de produtores alemães em Junho do ano seguinte) com que o grau de aprovisionamento, animais utilizaram 22% do trigo mo forma de apoio para enfrentar
DBV: os agricultores só conseguirão um grau de aprovisionamento em 1989, era de 60% para o total disponível. Por comparação, o a diminuição previsível da próxima
colher 18 milhões de toneladas de total de cereais de 20,5%. É “o dos cereais e de 49% no caso milho teve uma produção de colheita cerealífera, Berlim espera
trigo nesta campanha, um corte de valor mais baixo das últimas do trigo. No caso do milho — 711 mil toneladas no país, que para ver. Especificamente, espera
um quarto (25%) do obtido em 2017. quatro campanhas”, afirma o responsável ao largo de Alqueva importou mais 2,19 milhões de para ler o próximo diagnóstico de
A totalidade dos cereais deverá sofrer gabinete oficial de estatística. pelo abandono do trigo por toneladas. Mas, neste caso, 83% previsões agrícolas deste mês. com
uma quebra de produção de 20% na O trigo, contudo, é o que tem aquela cultura, mais rentável do milho disponível foi para agências
Alemanha, acredita a DBV. a taxa mais baixa — total de —, o grau de aprovisionamento alimentação animal.
Na Suécia, a combinação de falta isabel.aveiro@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 17

ECONOMIA

Breves O Santander tem 1300 créditos à habitação, nos


quais terá de deduzir juros negativos, informou
q
o presidente do banco, Vieira Monteiro

Electricidade Aviação
Produção renovável Ferroviários Marcada greve para 3 de Outubro Ryanair anunciou
abastece 38% do “consequências”
NFACTOS\RICARDO CASTELO

consumo em Julho para quem fez greve


A produção renovável A presidente do Sindicato
abasteceu 38% do consumo Nacional do Pessoal de Voo
nacional, mais saldo da Aviação Civil (SNPVAC),
exportador, em Julho, segundo Luciana Passo, criticou ontem
a REN. Entre Janeiro e Julho, a as “consequências” referidas
produção renovável abasteceu pela Ryanair para quem
57% do consumo, dos quais faltou ao trabalho a 25 e 26
27% de energia hidroeléctrica, de Julho, dias da greve. Numa
23% de eólica, 5% de biomassa carta aos trabalhadores, a
e 1,5% de fotovoltaica. Já a não empresa referiu que não serão
renovável abasteceu 43% do pagos vários componentes
consumo, entre gás natural do salário, incluindo bónus
(25%) e carvão (18%). de produtividade, e que as
ausências são “levadas em
conta, tal como outros factores
Agricultura relevantes de desempenho em
Governo abre avaliações para oportunidades
de promoções e de
concursos para transferências”. Referindo que
jovens agricultores estas cartas dizem respeito
a dias de greve, a dirigente
O Governo abriu dois concursos sindical informou que foram
no valor de 43 milhões de euros entregues à Autoridade para as
dirigido a jovens agricultores, Condições do Trabalho.
visando rejuvenescer o sector
agrícola e contribuir para
a dinamização económica,
demográfica e social do espaço
rural em áreas atingidas por
incêndios. Refira-se que 60%
dos agricultores portugueses
têm mais de 65 anos, de acordo
com dados divulgados pela
secretaria de Estado.

Banca Contas públicas


Sindicato propõe Dívida pública
actualização alivia de máximo
salarial de 1,4% histórico
O Sindicato Nacional dos A dívida pública, calculada de
Quadros e Técnicos Bancários acordo com a definição utilizada
(SNQTB) anunciou ontem no procedimento por défice
que propôs à Associação excessivo, caiu em Junho para
Portuguesa de Bancos (APB) os 246,7 mil milhões de euros,
uma actualização salarial de divulgou o Banco de Portugal
1,4% para os trabalhadores (BdP). De acordo com os dados
do sector. A proposta do publicados pela entidade
SNQTB assenta em 1,4% de liderada por Carlos Costa, a
actualização salarial sobre o A Federação dos Sindicatos dos contra a falta de investimento e em todo o país e num contexto dívida reduziu-se em 3,6 mil
nível (que se repercute também Transportes e Comunicações redução de efectivos no sector em que o Governo alega estar a milhões de euros relativamente
nas isenções), 3,5% de aumento (Fectrans) agendou ontem ferroviário. Essa decisão surge investir no sector, em especial ao final de Maio, mês em que
do subsídio de almoço e 3,55% uma greve, a realizar no dia numa altura em que a CP tem em contratações de pessoal e atingiu um máximo histórico de
de aumento nas diuturnidades. 3 de Outubro, como protesto vindo a reduzir a oferta na rede aluguer de comboios. 250,3 mil milhões de euros.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

18 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

MUNDO
Violência no Zimbabwe depois de
divulgação da vitória da ZANU-PF
Três mortos confirmados pela polícia. Partido no poder conseguiu vitória expressiva nas legislativas.
Oposição, de Nelson Chamisa, questiona resultados e fala em fraude eleitoral
a um hotel em Harare onde foram As primeiras eleições no Zimba- a divisões no seio da oposição após
África anunciadas as actualizações dos re- bwe após o afastamento do líder his-
O triunfo do a morte do seu antigo líder Morgan
João Ruela Ribeiro sultados. Noutras zonas da capital, tórico Robert Mugabe, ao fim de 37 partido que Tsvangirai, em Fevereiro.
onde a oposição recolhe mais apoio, anos no poder, parecem mostrar que As eleições na segunda-feira,
A vitória da União Africana Nacio- grupos de pessoas bloquearam ruas a ZANU-PF vai manter a sua posição
era de Mugabe com uma taxa de participação de
nal do Zimbabwe-Frente Patriótica e queimaram pneus. dominante. O partido garantiu uma foi alicerçado 70%, decorreram de forma pacífica
(ZANU-PF, no poder) nas eleições A polícia utilizou canhões de água maioria de dois terços no Parlamen- e, de acordo com os observadores
legislativas ficou marcada por vio- e gás lacrimogéneo para dispersar to, suficiente para fazer alterações
em vitórias regionais, não foram relatados indí-
lentos confrontos nas ruas da capital as multidões de pessoas que atira- constitucionais. O Zimbabwe tenta esmagadoras cios de irregularidades ou fraude.
entre apoiantes da oposição e a po- vam pedras, mas o Exército acabou recuperar credibilidade internacio- Porém, houve críticas quanto à co-
lícia e o Exército, durante os quais por intervir. O Presidente interino nal depois de anos em que os abusos
nas zonas rurais, bertura das eleições por parte dos
pelo menos três pessoas morreram. e candidato da ZANU-PF, Emmer- cometidos pelo regime de Mugabe bastiões do antigo órgãos de comunicação estatais e à
Com os resultados das presidenciais son Mnangagwa, pediu “paciência tornaram o país alvo de sanções e conduta da Comissão Eleitoral, que
ainda por divulgar, é incerto como e maturidade” e apelou ao fim das isolamento.
movimento de tem demorado na divulgação dos
irá reagir a oposição ao regime nos “declarações provocatórias”. O mi- O triunfo da ZANU foi alicerçado guerrilha resultados, sublinhou a equipa de
próximos dias. nistro da Justiça, Ziyambi Ziyambi, em vitórias esmagadoras nas zonas observadores da União Europeia —
Cerca de cem pessoas afectas justificou o recurso ao Exército co- rurais, tipicamente bastiões do an- que não monitorizava eleições no
ao Movimento para a Mudança mo forma de “assegurar que a lei e tigo movimento de guerrilha. Os país desde 2002. Ainda assim, os
Democrática (MDC), da oposição, a ordem são mantidas” e não para analistas também notam que o mau observadores europeus concluíram
concentraram-se ontem em frente intimidar a população. desempenho do MDC se ficou a dever que “o clima político melhorou”,
SIPHIWE SIBEKO/REUTERS
alertando, contudo, para “um de-
sequilíbrio das condições e para a
falta de confiança”.
A data-limite para que os resulta-
dos das presidenciais sejam conheci-
dos é sábado. Apesar de as votações
para o Parlamento e para o Presiden-
te serem separadas, a maioria dos
analistas considera que a tendência
deverá ser semelhante. Se nenhum
dos candidatos obtiver mais de 50%
dos votos, terá de haver uma segun-
da volta, a 8 de Setembro.
O líder do MDC e candidato pre-
sidencial, Nelson Chamisa, disse
que a divulgação dos resultados das
legislativas antes das presidenciais
serve os interesses da ZANU. “Tem o
objectivo de preparar mentalmente
o Zimbabwe para aceitar resultados
presidenciais falsos”, escreveu Cha-
misa no Twitter. “Nós ganhámos o
voto popular e iremos defendê-lo”,
garantiu.
A oposição tem desferido várias
críticas contra a Comissão Eleito-
ral, que acusa de estar a favorecer o
partido no poder. Há receio de que
uma eventual recusa por parte do
MDC em aceitar os resultados possa
levar a confrontos. Na mente de to-
dos paira o fantasma das eleições de
2008, marcadas por vários episódios
violentos contra elementos da opo-
sição. Na altura, Mugabe assegurou
a reeleição apenas à segunda volta,
contra Tsvangirai.

Exército foi chamado para dispersar multidões de partidários da oposição, que ocuparam algumas ruas em Harare joao.ruela@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 19

MUNDO

Duas coroas e um globo


pertencentes à família real sueca
perte
foram roubados de uma catedral
por u
um grupo de ladrões que fugiu
a bordo
bor de um barco a motor

Breves
Estados Unidos
Trave investigação Dinamarca Manifestação contra lei que proíbe o véu islâmico
sobre a Rússia, pede
ANDREW KELLY/REUTERS

Trump a Sessions
Donald Trump pediu ao seu
attorney general (equivalente
a ministro da Justiça), Jeff
Sessions, que ponha fim
à investigação de Robert
Mueller sobre as suspeitas de
interferência da Rússia nas
eleições de 2016. Os advogados
de Trump esclareceram que se
trata de uma opinião e não de
uma ordem.

Televisão
Hillary Clinton junta-se
a Spielberg em filme
sobre suffragettes
Hillary Clinton está a trabalhar
com Steven Spielberg para
adaptar à televisão um livro
de Elaine Weiss sobre a luta
das mulheres (suffragettes)
pelo direito ao voto. Clinton
anunciou o projecto no Twitter Centenas de dinamarquesas, juntaram-se em Copenhaga o rosto. Acusam o Governo de que não nos vergamos a uma
e a revista Hollywood Reporter algumas de niqab (lenço para protestar contra a entrada violar o direito das mulheres lei que discrimina uma minoria
avançou que a ex-candidata muçulmano), outras de burqa, em vigor da nova lei que de vestirem o que quiserem. religiosa”, disse à Reuters
presidencial será co-produtora. que as cobria por completo, proíbe o uso do véu que cubra “Temos de mostrar ao Governo Sabina, de 21 anos, de niqab.

Diplomacia Grécia Reino Unido Canadá


EUA impõem sanções Familiares de duas Corbyn pede desculpa Duas mulheres
à Turquia por causa vítimas de incêndios por organizar evento presas por proporem
de pastor detido processam Estado polémico sobre Israel “dia de tiro ao índio”
O Departamento do Tesouro Os familiares de uma mulher e de Jeremy Corbyn, líder dos Duas mulheres foram presas
dos EUA vai impor sanções a um homem mortos nos incêndios trabalhistas britânicos, pediu e acusadas por ameaças e
dois dirigentes turcos por causa da semana passada na região desculpa por ter causado incitamento público ao ódio
de um pastor norte-americano de Atenas decidiram processar “preocupação e ansiedade” ao depois de proporem um “dia
que foi detido na Turquia por o Estado grego, os bombeiros e ser o anfitrião de um evento em de disparar contra um índio”.
suspeita de espionagem. a polícia. Os seus corpos foram 2010 em que um convidado As mulheres, de 32 e 25 anos,
O pastor evangélico Craig encontrados a 400 metros de comparou a política do Estado de falaram da ideia num debate
Brunson foi detido em casa. Os familiares dizem que em Israel à Alemanha nazi. O Labour numa página no Facebook
Dezembro de 2016 e encontra- nenhuma altura houve indicação é acusado de ter deixado singrar sobre uma onda de vandalismo
se em prisão domiciliária. de rotas de fuga seguras. o anti-semitismo no partido. na localidade de Flin Flon.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

20 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

MUNDO

Como a impressão de

armas 3D se tornou uma guerra


sem fim nos EUA
Um juiz de Seattle bloqueou temporariamente a distribuição de um manual
de instruções para fabricar armas através de uma impressora 3D,
que o Departamento de Estado americano havia autorizado na semana passada.
Mas a batalha jurídica, que dura há anos, não vai ficar por aqui
dias, registaram-se mais de 400 mil ção legal das instruções para este no Japão que estava curioso sobre
Manuel Louro downloads. tipo de armas levantou uma série como o fazer”.
A então Administração Obama ar- de preocupações. Na segunda-feira os procuradores

H
á anos que Cody gumentou que o descarregamento de oito estados americanos apresen-
Wilson, anarquista destes manuais na Internet constituía “Fantasmas” taram um processo contra o Governo
e acérrimo defensor uma exportação não autorizada de por causa do acordo com Wilson.
dos direitos de posse tecnologia militar, o que viola a lei fe- Em primeiro lugar, devido à facilida- Depois de uma audiência de uma
de armas, trava uma deral conhecida como International de de produção. Em segundo, está hora, o juiz Robert Lasnik, de Seattle,
batalha legal para Traffic in Arms Regulations (ITAR), o facto de estas armas serem inde- decidiu bloquear temporariamente
poder distribuir códi- ordenando o fim da disseminação tectáveis pelas autoridades, por não a publicação das instruções a nível
gos, ficheiros e instru- desta informação. terem qualquer número de série. nacional.
ções para a produção Wilson processou o Governo, ini- Além disso, por serem de plástico “Há impressoras 3D em universi- rados, pelo que agendou uma nova
caseira de armas atra- ciando uma batalha legal que se pro- (polímeros), não são identificáveis dades públicas e espaços públicos e audiência para dia 10 de Agosto. Até
vés de impressão 3D. Agora, depois longa até agora. na maioria dos detectores de metais. há probabilidade de existirem danos lá, a publicação das informações fica
de Wilson ter recebido luz verde do Na sexta-feira, o Departamento Isto faz com que sejam apelidadas potencialmente irreparáveis”, justi- proibida.
Departamento de Estado norte-ame- de Estado surpreendeu toda a gen- de “armas-fantasmas”. ficou Lasnik, contrariando um dos “A lei é clara”, reagiu Wilson. “Os
ricano, um juiz de Seattle suspendeu te e chegou a acordo com o dono da Para além dos argumentos jurídi- principais argumentos da Defense queixosos simplesmente não têm le-
a publicação das instruções. Mas o Defense Distributed, autorizando a cos apresentados em tribunal, a De- Distributed. gitimidade para contestar o acordo.
processo está longe de encerrado. distribuição online do manual. Acor- fense Distributed argumenta que a Juridicamente, Wilson sustenta- Não se pode reabrir um assunto que
A batalha pela distribuição das dou, inclusivamente, o pagamento produção de armas não se generali- se na Primeira Emenda da Constitui- está federalmente fechado. E eu con-
instruções online começou em de 40.000 dólares (mais de 34.000 zaria, pois a maioria das pessoas não ção norte-americana que assegura sidero o assunto fechado”.
2013 quando Wilson, fundador da euros) de compensação pelas des- tem a capacidade financeira para ad- a liberdade de expressão. Ou seja, A ordem judicial não foi a tempo
organização Defense Distributed, pesas legais. quirir uma impressora 3D. argumenta que o que está em causa de evitar que entre sexta-feira e do-
conseguiu produzir pela primeira A distribuição ficava autorizada “Nunca vi nenhum crime ser co- é o direito a propagar informação, e mingo fossem descarregados mais de
vez uma pistola através de uma im- a partir de dia 1 de Agosto, ontem. metido com estas armas”, afirmou não armas propriamente ditas. mil ficheiros com guias e códigos pa-
pressora 3D. Porém, o caso conheceu outro volte- Wilson em entrevista à BBC. “Pelo Lasnik concorda que existem “as- ra produção de armas de plástico.
Publicou as instruções num site face na segunda-feira. que sei, só uma pessoa foi detida por suntos sérios relativos à Primeira O facto de a aquisição destas armas
de partilha de ficheiros e, em pouco A perspectiva de uma distribui- causa destas armas e foi um senhor Emenda” que devem ser conside- de plástico não necessitar de uma ve-
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 21

MUNDO
DR DR

DR

Cody Wislon com um dos tipos mente desde que, em 2013, anunciou
de arma que se podem imprimir que tinha conseguido fabricar uma
com as instruções da sua arma letal através de uma impres-
empresa, em máquinas como sora 3D.
a de cima; ao lado, modelos da Nesse ano, lançando também um
primeira pistola impressa em 3D site onde publicaria as instruções de
fabrico de armas caseiras, Wilson di-
vulgou um vídeo onde declarava o
ilegais há 30 anos”, disse Chris Cox, início de uma nova era no controlo
director executivo da NRA, em comu- de armas nos EUA. “A era das armas
nicado citado pela Reuters. descarregáveis [da Internet] começa
Os manuais distribuídos pela De- formalmente”, como ainda hoje se lê
fense Distributed permitem criar no site da Defense Distributed.
uma gama de armas que vai desde Auto-intitulando-se cripto-anar-
a chamada Liberator (uma pequena quista, anarquista do mercado livre
rificação de antecedentes divide até ção: “Estou a olhar para [o tema de] pistola de plástico e que foi a primei- e activista pelos direitos à posse de
os defensores da posse de armas. as armas de plástico 3D que se ven- ra alguma vez criada pela empresa), armas, foi classificado, logo em 2012,
“Este pode ser uma dos primeiros dem ao público. Já falei com a NRA uma arma do estilo AR-15 (versão pela revista Wired como uma das 15
assuntos que crie uma divisão entre (Associação Nacional de Armas), não semiautomática da M-16, usada na pessoas mais perigosas do mundo.
dois grupos muito vocais no apoio a parece fazer muito sentido!”. maioria dos homicídios em massa Três anos depois, em 2015, a mes-

Há impressoras 3D Trump”, disse ao The New York Times


Timothy D. Lutton, professor de Di-
Hogan Digley, porta-voz da Casa
Branca, disse também que é ilegal
nos EUA), ou uma pistola completa
do tipo Beretta M9 (arma secundá-
ma publicação incluiu-o na lista das
cinco pessoas mais perigosas da In-
em universidades reito na Universidade da Georgia. “Os
entusiastas das armas são geralmente
“possuir ou produzir uma arma in-
teiramente de plástico, de qualquer
ria oficial das Forças Armadas norte-
americanas). Ao todo, a organização
ternet.
Depois de anos de batalha jurídica
e espaços públicos a favor de alguma forma de verifica-
ção de antecedentes, da lei e da or-
tipo, incluindo as feitas numa im-
pressora 3D”, referindo-se a uma
tem instruções para criar nove mo-
delos de armas.
e de consecutivas derrotas, Wilson
não dá quaisquer indicações de pre-
e pode haver danos dem — não querem um salvo-condu- lei dos anos 80 que proíbe armas tender desistir. O The Washington Post

irreparáveis to para que todos possam ter armas,


ao contrário dos libertários”.
totalmente de plástico e que sejam
indetectáveis.
O cripto-anarquista diz mesmo, num editorial, que “as
armas imprimidas a 3D põem a car-
O Presidente Donald Trump recor- “Independentemente do que uma Wilson nasceu em 1988, no estado nificina à distância de um clique”.
Robert Lasnik reu ao Twitter terça-feira para criticar pessoa possa publicar na Internet, as do Arkansas, e desde cedo se tornou
Juiz a decisão da sua própria Administra- armas de plástico indetectáveis são uma figura controversa. Especial- manuel.louro@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

22 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

CIÊNCIA

Medalhas
Fields 2018
O escaldante
Verão da
matemática
Um iraniano naturalizado britânico, um australiano de origem indiana,
um italiano e um alemão — são os premiados deste ano, acabados de
conhecer, com a Medalha Fields. Se os dois últimos eram apostas seguras,
os dois primeiros apanharam quase todos de surpresa

Jorge Buescu,
mais prestigiado reconhecimento a
que um matemático pode aspirar na
indelevelmente cada congresso. No
ICM de 1924, o matemático canadia-
ano em que é atribuído o prémio.
Esta regra acaba por ser indirecta- O anglo-iraniano
no Rio de Janeiro vida: as Medalhas Fields, entregues
ontem no Rio de Janeiro.
no John C. Fields propôs a criação
de um prémio consistindo numa me-
mente discriminatória para com as
mulheres; a exigência simultânea de
Caucher Birkar foi
em Agosto que, de quatro As Medalhas Fields são com fre- dalha (muito semelhante à medalha juventude e de realizações excepcio- a grande surpresa.

É
em quatro anos, os me- quência referidas como “o Nobel da Nobel, mas com a efígie de... Arqui- nais não é a mais compatível com o
lhores de todo o mundo Matemática” — o que não deixa de medes) e num prémio monetário. relógio biológico feminino. De facto, É uma figura
têm encontro marcado
para a consagração dos
ser curioso, pois de facto ocupam
um espaço deixado vazio por Alfred
As primeiras Medalhas Fields foram
atribuídas em 1936. Os matemáticos
em 60 medalhas Fields já atribuí-
das, só uma o foi a uma mulher. Em inspiradora: curdo
seus primus inter pares. É
nessa altura que o mun-
Nobel. Este, ao estabelecer prémios
para vários ramos fundamentais do
tinham finalmente o seu Nobel.
As Medalhas Fields seguem um
2014, a iraniana Maryam Mirzakhani
conseguiu finalmente quebrar esta do Norte do Irão,
do, após suster a respi-
ração em expectativa,
saber humano, excluiu a matemática
— intencionalmente, dizem as más-
conjunto de regras próprias, a
mais notória das quais é terem um
barreira; infelizmente, quando re-
cebeu a Medalha Fields já estava a
cresceu numa
fica a saber quem são os
heróis que, recebendo as medalhas
línguas, pois a sua mulher teria tido
um tórrido e recorrente caso amo-
limite de idade. O seu criador que-
ria que, ao contrário dos Prémios
travar outra dura e bem feminina
batalha: o cancro da mama, de que
família pobre numa
de ouro, atingem a glória e a imor- roso com o maior matemático sueco Nobel, as Medalhas Fields fossem viria a morrer em 2017. região fustigada
talidade, vendo os seus nomes pa-
ra sempre invocados com respeito
da altura, Gösta Mittag-Leffler.
Tendo os matemáticos criado um
prémios de juventude, funcionando
simultaneamente como reconheci-
O limite de idade é uma regra tão
controversa, e tem causado tanto pela guerra Irão-
e admiração. O que será que arre-
bata paixões desta maneira? Jogos
congresso mundial no século XIX
para se encontrarem e trocarem
mento de talento excepcional e
de estímulo para trabalho futuro.
mal-estar com a cada vez mais actu-
al questão da igualdade de oportuni-
-Iraque dos anos
Olímpicos? Campeonatos de futebol?
Não! Trata-se, por improvável que
ideias (o 1.º Congresso Internacional
de Matemáticos, ou ICM, realizou-se
Nesse sentido, o regulamento de-
termina que só são elegíveis candi-
dades para os sexos, que nos últimos
dois anos a própria IMU (União In-
1980. Foi refugiado
possa parecer, de matemática. E o
prémio em questão é o maior e o
em 1897), sentia-se que faltava algo —
um evento culminante, que marcasse
datos que não tenham completado
40 anos antes de 1 de Janeiro do
ternacional dos Matemáticos, res-
ponsável pelo ICM e pelas Medalhas
de guerra
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 23

VOLKER LANNERT/UNIVERSIDADE DE BONA ETH ZURIQUE/GIAN MARCO CASTELBERG


cado que enfrenta é o de a mulher,
também matemática, trabalhar em
Durham (Inglaterra) e ele em Zuri-
que (Suíça). Com tal declaração no
acto de receber a Medalha Fields, é
de prever que esta situação não du-
re muito: Figalli está no mercado de
transferências!
Ashkay Venkatesh é australiano
e estuda teoria de números. Pas-
sou pelas melhores universidades
do mundo, incluindo o Instituto de
Estudos Avançados de Princeton, e
é hoje professor em Stanford. Foi
premiado pela sua síntese da teo-
ria analítica de números, dinâmica
homogénea, topologia e teoria das
representações, que resolveu pro-
blemas em áreas como a equidistri-
buição de objectos aritméticos.
O anglo-iraniano Caucher Birkar
foi a grande surpresa. É uma figu-
ra inspiradora: curdo do Norte do
Irão, cresceu no seio de uma família
ROD SEARCEY DR pobre numa região fustigada pela
Em cima, o guerra Irão-Iraque dos anos 1980.
alemão Peter Foi refugiado de guerra e o irmão
Scholze (à mais velho ensinou-lhe matemática
esquerda) por entre os escombros. Acabou por
e o italiano entrar na Universidade de Teerão
Alessio Figalli; e a partir daí o céu foi o limite: é
em baixo, o hoje catedrático em Cambridge. A
australiano sua área matemática é a geometria
Ashkay algébrica; as suas construções ino-
Venkatesh (à vadoras permitiram resolver várias
esquerda) conjecturas há muito em aberto re-
e o anglo- lacionadas com variedades de Fano
-iraniano e modelos mínimos.
Caucher Esta participação na Assembleia
Birkar Geral da IMU e no ICM teve para Por-
tugal motivos de particular satisfa-
ção. A representação na IMU dá-se
em cinco grupos, proporcionalmen-
te à sua relevância para a matemá-
tica mundial. Portugal integrava
até Julho de 2018 o Grupo 2, tendo
apresentado a forte candidatura ao
Grupo 3, que foi aprovada por acla-
mação da Assembleia Geral. É muito
gratificante verificar que os grandes
e consistentes progressos que a ma-
Fields) a colocou em discussão. No O ponto alto do ICM é a sessão os maiores matemáticos do mundo nente. Mas tem estado, quase sozi- temática tem a todos os níveis feito
entanto, acabou por decidir mantê- de abertura — momento sempre de descrevem aos seus colegas a excep- nho, a revolucionar áreas inteiras da em Portugal, ao contrário de algu-
la — pelo menos para já. grande solenidade e enorme presen- cionalidade dos trabalhos dos laure- matemática. Motivado por questões mas afirmações em contrário, obtém
O nome dos laureados com as ça mediática. É aí que são, perante ados. A partir daí, estes tornam-se de teoria de números criou objectos forte reconhecimento internacional
Medalhas Fields é um segredo uma audiência de muitos milhares celebridades à escala planetária, matemáticos a que chamou espa- ao mais elevado nível.
muito bem guardado. A IMU tem de pessoas, revelados os nomes dos e não necessariamente no restrito ços perfectóides com os quais está a A matemática de elevadíssimo ní-
uma comissão que discute os po- premiados, sendo as medalhas en- mundo da matemática. O exuberan- “transformar a geometria algébrica vel continuará a ser figura de cartaz
tenciais candidatos, analisando os tregues numa cerimónia coreogra- te francês Cédric Villani, Medalha aritmética sobre corpos p-ádicos, no Rio de Janeiro até 9 de Agosto,
seus curricula e trabalhos, durante fada ao mais ínfimo pormenor na Fields em 2010, é hoje deputado da com aplicações a representações de data em que o ICM termina. E já se
dois anos. No entanto, tudo isto é véspera. Este ano, no Rio de Janeiro, República. Galois e ao desenvolvimento de no- pensa no próximo. O local do ICM
tão confidencial que nem os nomes a preparação foi ensombrada por Vamos aos vencedores das me- vas teorias de cohomologia”. Traba- 2022, duramente disputado entre
dos membros da comissão se sabe um grave incidente: o pavilhão onde dalhas de 2018. E se a diversidade lha em Bona, onde aos 24 anos foi o França e Rússia durante dois anos,
até depois da atribuição pública das iria decorrer a cerimónia, no com- de género não podia ser menor — professor catedrático mais jovem da está decidido: será São Petersburgo.
medalhas. Os próprios premiados, plexo do Riocentro, sofreu um gra- são quatro homens —, a diversida- história da universidade alemã. Há quase uma harmonia cósmica
que sabem do prémio meses antes, ve incêndio provocado pela queda de cultural não podia ser maior: um O italiano Alessio Figalli, discípulo por trás desta vitória russa sobre os
são sujeitos a uma regra de silên- de um balão. Felizmente não houve iraniano naturalizado britânico, um de Cédric Villani, trabalha em teoria franceses, um mês depois de a Fran-
cio absoluto: nem à sua mulher ou vítimas, e tudo foi transferido para australiano de origem indiana, um do transporte óptimo com aplicações ça ser campeã mundial de futebol...
marido podem dizer palavra. A es- outro pavilhão em tempo recorde. italiano e um alemão. E se os dois úl- a equações diferenciais parciais, ge- na Rússia.
peculação e a expectativa entre os O primeiro dia do ICM é integral- timos eram apostas seguras, os dois ometria métrica e probabilidade. O
matemáticos sobre os nomes dos mente dedicado aos premiados. primeiros apanharam quase todos seu trabalho tem implicações para a Matemático da Faculdade
premiados vão crescendo à medida Depois da entrega das medalhas e de surpresa. física e geometria, como para evolu- de Ciências da Universidade
que se aproxima o ICM; há mesmo de uma conferência de imprensa O alemão Peter Scholze tem uma ção de nuvens ou a meteorologia. Na de Lisboa e presidente da
blogues dedicados ao tema e bolsas conjunta, a tarde é preenchida com cara de criança, com cabelos lisos sua curta apresentação, disse que o Sociedade Portuguesa de
de apostas. laudationes, conferências em que e compridos e um sorriso perma- problema matemático mais compli- Matemática
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

24 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

CULTURA
A missão de Tom Cruise é matar-se
para nosso entretenimento
Fallout, o novo Missão: Impossível, estreia-
-se hoje em Portugal. Vem antecedido de
uma onda de elogios: é o melhor filme de
acção, o melhor franchise? É Tom Cruise
e é um sucesso, mesmo com controvérsia
novo e de potencialmente rentável
Cinema na sua carreira como actor e sobre-
Joana Amaral Cardoso tudo que se lançava como produtor.
No início dos anos 1990, Cruise pro-
Tom Cruise pendurado no Grand pôs à Paramount Missão: Impossível
Canyon, Tom Cruise a subir o Burj e a Paramount aceitou.
Khalifa, Tom Cruise a correr pelo A sua filiação é Bond, mas tam-
bem do planeta. Ou será Ethan Hunt bém é Bourne, Jason Bourne, per-
a fazer tudo isso? O sexto filme da sonagem-epicentro dos cinco filmes
série Missão: Impossível, Fallout, es- em torno desse novo agente secreto
treia-se hoje em Portugal depois de que em 2002 veio fazer companhia
semanas de elogios internacionais a Ethan Hunt, o protagonista de Mis-
que empolgaram um outro regres- são: Impossível, na cultura pop. A sua
so — o de Tom Cruise. Mesmo sendo vizinhança é hoje composta por fil-
este o ano de Black Panther ou Vin- mes Marvel, pelo regresso da sa-
gadores: Guerra do Infinito, Fallout ga Star Wars, pelo universo Harry
já foi considerado o melhor block- Potter e por fenómenos como Fast
buster e o melhor filme de acção de and Furious. Nos últimos dias, com o
2018 e Missão: Impossível o melhor filme já estreado nos EUA e em mui-
franchise da actualidade. tos mercados internacionais, há um
Recapitulemos os títulos dos úl- espírito de consagração no ar. Mes-
timos dias. “Tom Cruise e Christo- mo na presença de toda esta com-
pher McQuarrie conseguem um dos panhia, dominante no terreno de
melhores filmes de acção alguma Hollywood, defende-se que é o me-
vez feitos”, escreveu a crítica do lhor blockbuster e o melhor franchi-
IndieWire. “Missão: Impossível — se da actualidade porque é simples e
Fallout é o melhor filme de acção divertido, porque é realista e porque
do ano”, garantiu a Vanity Fair. “Por é Tom Cruise. E isso é tão valioso
que é que Missão: Impossível é o me- quando “já não há muitas estrelas de
lhor franchise de blockbusters nes- acção puras em Hollywood”, como
te momento”, propôs-se explicar o diagnosticou o crítico do USA Today
The Washington Post. “Como é que Brian Truitt, na CNN.
Missão: Impossível se tornou no fran- Ao contrário dos filmes Marvel,
chise mais fiável de Hollywood?”, por exemplo, os filmes Missão: Im-
repetiu o The Guardian. “Missão: Im- possível são independentes e “sim-
possível — Fallout é o filme perfeito plesmente divertidos”. São “uma
para o nosso Verão de irrealidade”, máquina de entretenimento por ex-
recomenda o Vulture. celência”, como postula a crítica do
Fallout é o sexto filme Missão: The New York Times Manohla Dargis.
Impossível, depois da estreia com E se “o primeiro Missão: Impossível
Brian De Palma em 1996. Em duas foi produzido nos primeiros anos crítica da carreira de Cruise. O agre- e No Limite do Amanhã. Este é o
décadas, passou a ser sinónimo de dos efeitos digitais, quando eram
Mesmo sendo este gador Rotten Tomatoes dá ao filme seu terceiro Missão: Impossível: é o
Tom Cruise, o actor que o prota- crescentes mas não dominantes”, o ano de Black uma avaliação praticamente impos- único a ter assinado mais do que
goniza e que fez do título, e de si
próprio, uma marca. A fórmula é
recorda Scott Tobias no The Wa-
shington Post, os filmes posteriores
Panther, Fallout já sível, 8,4 em dez, um consenso raro
que, claro, foca as muitas sequên-
um filme do franchise (os seus an-
tecessores foram De Palma, John
conhecida — “Your mission, should mantiveram-se na acção real e conti- foi considerado cias de acção de um filme febril e Woo, J.J. Abrams e Brad Bird — Mc-
you choose to accept it”; “This mes- nuaram a poupar nos efeitos visuais, não propriamente a construção da Quarrie trabalhou no guião do filme
sage will self-destruct in five seconds” o que tem “um impacto visceral que
o melhor personagem ou o trabalho de câma- de Bird, Missão: Impossível — Opera-
—, tal e qual a dos filmes de James os uns e os zeros não conseguem blockbuster e o ra autoral. ção Fantasma).
Bond. Originalmente uma série de imitar”. O realizador, Christopher Mc- Desta vez queria fazer um filme
TV, assimilou entretanto a tradição Missão: Impossível — Fallout é já a
melhor filme de Quarrie, recebeu um Óscar pelo sobre a personagem, “um filme
dos filmes de acção e de espiona- segunda melhor estreia da carreira acção de 2018 argumento de Os Suspeitos do Cos- mais emotivo”. Acabou por fazer
gem; deve-o a ter tido um jovem de Tom Cruise nas bilheteiras dos tume, e já tinha trabalhado com uma série de set pieces de acção.
espectador que procurava algo de EUA. E é também a melhor estreia Cruise em Valquíria, Jack Reacher O trabalho num filme Missão: Im-
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 25

Tom Cruise não é só a estrela do


franchise Missão: Impossível,
é também, enquanto antigo fã
e produtor, o responsável pela
sua chegada ao cinema

Como é hábito, o actor, de


56 anos, fez os seus próprios
números arriscados, sem
duplos — e partiu um tornozelo
DAVID JAMES PARAMOUNT PICTURES
protege-se muito da imprensa, é
mais inacessível. Ao contrário de
McQuarrie, que deu milhentas en-
trevistas durante a promoção, não
conversou muito com os jornalistas.
O escrutínio da sua vida e da sua
carreira tem-se sobretudo centrado
na pertença à cientologia, organi-
zação religiosa cujos métodos per-
secutórios e rígidos, aliados a uma
alegada exploração laboral, têm
sido criticados por ex-membros e
visados em documentários. Neste
regresso de grande visibilidade ao
cinema, o tema dos seus problemas
de imagem, desde os saltos no sofá
de Oprah à cientologia, passando
pelo fim dos casamentos com Nico-
le Kidman e Katie Holmes, não faz
parte da narrativa mediática. A im-
Missão: Impossível é o território permeabilidade do actor é notória,
Cruise, do “Tom Cruise hiper-huma- ao ponto de o Daily Beast questio-
no”, descreve Dargis, de um actor nar por que é ninguém anda a falar
cuja fama é tanto de controlador da relação de Cruise com a cientolo-
como de trabalhador incansável, gia, da qual é figura de proa.
[Há] um aspecto que faz os seus próprios números Numa altura em que a relação da
arriscados, que dispensa os duplos, obra com o artista e os seus com-
estranho e quase que parte tornozelos para fazer uma portamentos pessoais, políticos ou
religioso destas cena de Fallout. O realizador é Mc- criminais está em constante debate,
Quarrie, e não tanto Spielberg ou McQuarrie admite: “Tom não vem
exibições de Kubrick ou Cameron Crowe, o que sem a sua quota-parte de controvér-
quase-sacrifício, lhe dá mais do que margem cria- sia e isso é uma parte destes filmes.”
tiva, dá-lhe co-autoria. McQuarrie O realizador acredita que as pessoas
que tornam admite que já percebeu que não é acabam por reconhecer o bom tra-
Cruise — que quase um cineasta, um autor, e que a sua balho do actor e esquecer um pouco
abordagem é pôr-se à disposição as controvérsias — o trabalho árduo
morreu (outra vez) dos estúdios: “Como é que posso como redenção pública. Ou, como
por nós — numa ajudar-vos a fazer o vosso filme?”. escreve Tim Grierson na revista on-
Defende a sua estrela, contribuin- line Mel: “Ele emana tanto esforço
espécie de mártir do para o mito Cruise no que toca em nome de me entreter. Ele sofre
Manohla Dargis à sua ética laboral incansável. Não para meu prazer. E, de uma estranha
Crítica do The New York Times trabalha “para o seu ego”: “Não, ele forma, equiparo isso a uma espécie
está-se mesmo a matar para o vosso de penitência da parte dele.”
entretenimento. Adora sentar-se no No mesmo espírito, a crítica do
público e ver o filme com ele. Vai a The New York Times vê “um aspecto
todos os visionamentos de teste, e lê estranho e quase religioso destas
todos os cartões [de comentário dos exibições de quase-sacrifício, que
espectadores dessas sessões] — tudo tornam Cruise — que quase morreu
o que dizem sobre o Tom Cruise ele (outra vez) por nós — numa espécie
já leu”, disse ao The Ringer. Mas se de mártir”. Essa expiação transmi-
possível “começa sempre com um a agarrar mais um Verão é talvez o apostar no seu estatuto de estrela de “a sua fisicalidade é crucial para o te-se também aos críticos, analisa
‘sabes o que podíamos fazer?’ ou seu rosto: Tom Cruise. “É, acima de acção e não em ser uma estrela “sé- sucesso da série Missão: Impossível, Richard Brody na New Yorker, algo
‘uma coisa que sempre quis fazer...’ tudo, um monumento a Tom Crui- ria”. Como assinala Amy Nicholson [e] crucial para a sua própria excita- perplexo com a avaliação hiperbó-
e isso leva a uma conversa”, conta se — ou melhor, o monumento de no The Guardian, no final dos anos ção”, como confirma Manohla Dar- lica feita a Fallout. Tanta cena de ac-
McQuarrie numa entrevista a Se- Cruise a si mesmo, dado que ele é a 1980 Cruise recusou Top Gun 2 pa- gis, as suas actuações tão focadas ção perigosa, tanta corrida, “para os
an Fennessey, do site The Ringer. única força motriz da série desde o ra fazer A Cor do Dinheiro. Mas um no físico “são difíceis de classificar críticos, evoca uma era de heroísmo
O interlocutor nessas conversas é início”, lembra Scott Tobias. Nascido a 4 de Julho, um Magnolia no sentido habitual, porque entrou artístico que remonta aos números
sempre Cruise. “Tom é extrema- Missão: Impossível é dos pou- ou um Eyes Wide Shut depois, Crui- numa fase da sua carreira em que de Buster Keaton e Harold Lloyd”,
mente exigente, é um verdadeiro cos franchises que têm uma estrela se é sobretudo um Ethan Hunt (e ‘actuar’ parece quase algo tangen- nota, acrescentando que só viu em
perfeccionista”, diz o realizador. e não uma marca ou uma persona- um muito menos rentável Jack Re- cial”, apontava já em 2015 Christo- Fallout um filme “inerte” e que por
gem no centro, e o seu universo é o acher). O seu próximo projecto é, pher Orr na revista Atlantic. isso não distingue Tom Cruise de
Monumento a Tom Cruise de um actor de 56 anos, três vezes aliás, Top Gun: Maverick, a sequela Cruise é uma estrela da Lista A um qualquer herói digital.
Além da simplicidade, o outro fac- nomeado para o Óscar e nunca vi- que recusou quando perseguia o e da lista à antiga — não participa
tor que ajudou Missão: Impossível torioso, que a certa altura decidiu prestígio de actor dramático. pessoalmente nas redes sociais, joana.cardoso@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

26 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

CULTURA

A exuberância do Barroco numa


ópera portuguesa de marionetas
Para o recente espectáculo Guerras do Alecrim e Manjerona foi usada uma nova edição crítica
de Márcio Páscoa, tendo Marcos Magalhães e Carlos Antunes feito a adaptação da música à dramaturgia
DR
longas passagens sem suporte mu-
Crítica de música sical e de decorar uma alucinante
sucessão de trocadilhos e jogos de
Guerras do Alecrim e Manjerona palavras, mas souberam tirar partido
com êxito do poder retórico da lin-
guagem. Contracenaram com acto-
mmmmm res, cujos papéis não exigiam o canto
De António José da Silva (texto) e
a solo, com a excepção de Luísa Cruz
António Teixeira (música). Carlos
(D. Nize). A sua projecção e técnica
Antunes (encenação), Marcos
vocais ficaram aquém dos cantores
Magalhães (direcção musical), Os
mais experientes, mas compensaram
Músicos do Tejo, S. A. Marionetas,
na interpretação teatral e estabelece-
cantores, actores e marionetistas.
ram o contraste com a personagem
Oeiras, Pátio do Palácio do Marquês
da irmã (D. Cloris), identificada pelo
de Pombal. 29 de Junho, às 21h.
canto mais lírico e ágil da soprano
Joana Seara, por vezes com alusões
Apesar de a “ópera joco-séria”, Guer- irónicas à ópera séria italiana.
ras do Alecrim e Manjerona, com tex- No enredo, as duas jovens vivem
to de António José da Silva “O Judeu” com o velho tio Lancerote (o baixo
(1705-1739) e música de António Tei- Tiago Mota, com um timbre e atitu-
xeira (1707-1774), constituir uma das de bem adequados ao papel), que
obras centrais da história da música as quer casar à força com o seu so-
e do teatro em Portugal, há mais de brinho Tibúrcio, personificado pelo
uma década que esta se encontrava actor António Machado, que deu voz
ausente das programações culturais. à sua habitual veia cómica, tal como
Uma nova proposta, co-produção do Carla Vasconcelos (cozinheira Fagun-
Festival Cistermúsica e da Artemrede, des). Mas D. Nize e D. Cloris preferem
foi apresentada no fim-de-semana em os seus pretendentes D. Fuas (o tenor
Alcobaça e em Oeiras, estando pre- André Lacerda, numa prestação ple-
vistas novas récitas em Outubro em ra — a ária Você quer casar e o dueto Com formação na área da música, na de graça) e D. Gil Vaz, na voz po-
Pombal, Tomar, Palmela e Abrantes.
Estão previstas É amor uma inocência — e uma sinfo- da arquitectura e da encenação, Car- derosa do tenor Marco Alves dos San-
A orquestra barroca Os Músicos do novas récitas de nia de abertura de Florian Gassman los Antunes soube dialogar de forma tos, a quem se devem algumas das
Tejo, dirigida por Marcos Magalhães, (L’Amore Artigiano), bem como o 4.º inteligente com o espírito da época e mais belas intervenções cantadas.
e o encenador Carlos Antunes, em
Guerras do Alecrim andamento de uma Sinfonia de Fran- com os seus códigos musicais e tea- Os principais motores da acção
colaboração com a companhia S. A. e Manjerona cisco António de Almeida. O resulta- trais, sem pretensões historicistas. são porém a criada Sevadilha, pa-
Marionetas — Teatro e Bonecos e com do contribui para uma estrutura mais Por seu turno, Marcos Magalhães pel que a soprano Susana Gaspar
um conjunto de actores e cantores de
em Outubro equilibrada. Além de árias e duetos e Os Músicos do Tejo, com um sólido interiorizou de forma exemplar e a
alto nível, vieram assim devolver ao em Pombal, (sendo frequentes as árias da capo e percurso na recuperação de óperas quem cabem intervenções musicais
público a exuberante teatralidade e os minuetos cantados), destacam-se do século XVIII, contribuíram com tão divertidas como o dueto da capa
a surpreendente riqueza retórica do
Tomar, Palmela os números de conjunto e o recitativo uma prestação plena de vivacidade e e do capote com Lancerote (Tiago
texto e da música desta obra, repre- e Abrantes acompanhado perto do final, bem energia rítmica e com efeitos sonoros Mota) e, principalmente, o criado
sentada pela primeira vez em 1737 como a menção ao saltério numa das adicionais em função da acção, uma Semicúpio, numa prestação ines-
no Teatro do Bairro Alto. Face ao do- árias (evocado pelo bandolim nesta prática comum no barroco. quecível do baixo João Fernandes.
mínio da ópera italiana, este era um produção). As personagens das Guerras ba- Dotado de grande astúcia, Semicúpio
dos raros espaços lisboetas onde se O pátio do palácio do Marquês seiam-se em arquétipos como cria- é a figura-chave das Guerras. Entre
cantava em português. Tratava-se de alguns deles patrocinados por mem- de Pombal, em Oeiras, é um espa- dos, figuras da baixa nobreza com as outras intervenções dignas de nota,
um teatro de bonifrates, cujo reper- bros da alta aristocracia romana. ço adequado a esta obra e funciona suas aspirações a riqueza e estatuto, conta com duas árias hilariantes: a
tório combinava tradições ibéricas A partitura das Guerras subsiste bem acusticamente, mas a ausência médicos e juízes, que são objecto de ária dos espirros e a ária em latim “Si
e italianas. apenas numa versão tardia incom- das condições técnicas de um teatro engenhosa sátira. Cada uma delas é in medicinis te visitamus”, quando
A música deve-se a um dos mais pleta, na biblioteca do Paço Ducal levou a algumas soluções de compro- confiada a um actor ou cantor e a faz de falso médico.
notáveis compositores portugueses: de Vila Viçosa, exigindo um traba- misso em relação ao desenho de luz, uma marioneta, concebida pela equi- Apesar das mais de três horas de
António Teixeira, que estudou em lho de reconstrução. Para o recente ainda que o resultado tenha sido con- pa da S. A. Marionetas, liderada por duração e do atraso no início, a qua-
Roma entre 1716 e 1728 com o patro- espectáculo foi usada uma nova edi- vincente. Estruturas cénicas e adere- José Manuel Valbom Gil. Estes ima- lidade do espectáculo fez esquecer
cínio de D. João V. Além da música ção crítica de Márcio Páscoa, tendo ços leves (como a caixa, a capoeira, ginativos bonecos, quase em tama- o passar do tempo. Seria desejável
sacra e das serenatas, oratórias e Marcos Magalhães e Carlos Antunes a janela, as escadas ou os vasos de nho humano, têm figurinos alusivos à apostar numa futura gravação e num
óperas que se faziam nesta cidade, feito a adaptação da música à dra- alecrim e manjerona...) e recursos classe social e retratam traços físicos programa de sala que divulgasse tam-
é provável que se tivesse familiariza- maturgia. como os alçapões no palco servem dos intérpretes. bém a crescente investigação em tor-
do com a tradição das “comédias” Nesse processo foram incorpora- de forma eficaz a acção, que se vai Dada a quantidade de texto falado, no desta obra e do seu contexto.
musicais para teatros de marionetas, das mais duas peças vocais de Teixei- sucedendo de forma vertiginosa. os cantores tiveram de representar Cristina Fernandes
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto 2018 • 27

Rua Júlio Dinis, n.º 270,


Bloco A, 3.º Piso
4050-318 Porto
Tel. 22 615 10 00
lojaporto@publico.pt
De seg a sex das 09H às 18H
CLASSIFICADOS

AdRA - Águas da Região de Aveiro, S.A. AdRA - Águas da Região de Aveiro, S.A.

CONCURSO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO


Abastecimento de Água em Silva Escura (PAA 002) - Bouças - Sever Renovação de Infraestruturas de Abastecimento de Água e

CONHEÇA do Vouga
Disponível através de www.vorltalgov.pt
Saneamento - Pavimentações em EN
Disponível através de www.vorltalgov.pt
AS NOSSAS
COLECÇÕES DE MÚSICA

Designação do contrato: “ Designação do contrato:

Objeto do contrato: Objeto do contrato:

Data limite de entrega de propostas: 14 Data limite de entrega de propostas: 14

Para mais informações consulte www.vortalgov.pt ou ligue 234 910 200 Para mais informações consulte www.vortalgov.pt ou ligue 234 910 200

BANCO PORTUGUÊS DE GESTÃO, S.A.


Sede Social: Rua do Salitre, n.º 165 a 167, em Lisboa
BANCO PORTUGUÊS DE GESTÃO, S.A.
Capital Social: €53.651.913,02.
NIPC e de Matrícula na C. R. Comercial de Lisboa 504655361 Sede: Rua do Salitre, 165 a 167, 1250-198 Lisboa, Portugal
CONVOCATÓRIA NIPC e de Matrícula na C. R. Comercial de Lisboa 504655361
Assembleia Geral Extraordinária Capital Social: € 53.651.913,02
Nos termos da lei e dos estatutos, é por este meio convocada a Assembleia Geral
desta sociedade para reunir extraordinariamente no dia 05 de Setembro de 2018, Lisboa, 31 de Julho de 2018
pelas 12h00m, ou, em segunda convocatória, no mesmo dia, pelas 13h00m, no
Museu do Oriente, Avenida Brasília, doca de Alcântara Norte, 1350-362 Lisboa,
por a sede social não permitir a realização da reunião em condições satisfatórias,
a fim de deliberar sobre a seguinte ordem de trabalhos:
ANÚNCIO
ORDEM DE TRABALHOS
Nos termos e para os efeitos do disposto nos números um
Ponto único: Eleição de Novo Membro do Conselho de Administração para o
mandato em curso, correspondente ao período de dois mil e dezasseis a dois mil e dois do artigo 110.º do Regime Geral das Instituições de
e dezanove;
Crédito e Sociedades Financeiras, vem o Banco Português
De acordo com o artigo décimo primeiro dos Estatutos, a Assembleia Geral é
composta por todos os acionistas detentores de pelo menos cem ações, e consi- de Gestão, S.A. publicar a relação dos acionistas detentores
dera-se validamente constituída se, em primeira convocação, estiverem presen-
tes ou representados acionistas representando pelo menos cinquenta e um por
de participações que excedem, nesta data, dois por cento do
cento do capital social e, em segunda convocação, qualquer percentagem, cor- seu capital social, como segue:
respondendo a cada cem ações um voto. Os acionistas com direito de voto pode-
rão fazer-se representar por qualquer outro acionista com igual direito por meio
de carta dirigida ao Vice-Presidente da Mesa, a quem incumbe apreciar e decidir NÚMERO DE % DE CAPITAL
da sua autenticidade, da qual conste a identificação da assembleia e dos assuntos NOME
para que o mandato é conferido, podendo os acionistas que sejam pessoas cole- AÇÕES SOCIAL
tivas fazer-se representar por qualquer pessoa devidamente credenciada.
Lisboa, 31 de julho de 2018
Fundação Oriente 12.466.408 84,19
loja.publico.pt O Presidente da Mesa da Assembleia Geral,
INFO: 210 111 010 Vitalino Canas STDP - Sociedade Transnacional de
791.368 5,34
Desenvolvimento de Participações, SGPS, S.A.

EMPREGO
Banco Português de Gestão, S.A.

É ALTURA DE MUDAR DE EMPREGO?


INSCREVA-SE EM EM PARCERIA COM
CONHEÇA AS NOSSAS COLECÇÕES
EMPREGO.PUBLICO.PT MAIS INFO: 210 111 010
DE BANDA DESENHADA EM LOJA.PUBLICO.PT
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

28 • Público Classificados • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

Aviso n.º 10428/2018

Torna-se público que, por autorização obtida por despacho do Presidente


do Conselho de Administração de 14 de setembro de 2017, na sequência de
Propriedade de Norte Vida - Associação para a Promoção da Saúde deliberação da Assembleia Intermunicipal em sessão de 11 de setembro de
2017, se encontra aberto, pelo prazo de 10 (dez) dias úteis a contar da data

CONHEÇA A NOSSA
1. Seleciona Formadores (m/f) em regime de prestação de serviços, para lecionar nas seguintes de publicitação do aviso no Diário da República, procedimento concursal
comum para o preenchimento de 1 (um) posto de trabalho na carreira de
CONHEÇA
SELECÇÃOADENOSSA
áreas:
Assistente Técnico, previsto e não ocupado no mapa de pessoal da LIPOR,
Área Sociocultural Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, na
Ref. 1 - Português / Língua Portuguesa modalidade de contrato de trabalho em funções públicas por tempo inde-
terminado.
SELECÇÃO
PRODUTOSDE
LIFE&STYLE
Ref. 2 - Tecnologias de Informação e Comunicação
Ref. 3 - Educação Física
O conteúdo do posto de trabalho a preencher identifica-se, funcionalmente,
pelo conjunto de atribuições e competências previstas em 2 áreas funcionais
PRODUTOS LIFE&STYLE
Ref.4 - Cidadania e Mundo Atual autónoma e respetivas subáreas, de acordo com o constante do Mapa de
Ref.5 - Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Pessoal da LIPOR consultável em www.lipor.pt, na seguinte referência:
a) Ref.ª A – 1 posto de trabalho da carreira de Assistente Técnico, a ocupar
Área Científica no âmbito das subáreas integrantes da área de Suporte à Atividade;
Ref. 6 - Psicologia Caraterização do posto de trabalho:
Ref. 7 - Física e Química
a) O descritivo funcional das funções de Assistente Técnico compreende
Ref. 8 - Biologia funções de natureza executiva, de aplicação de métodos e processos, com
base em diretivas bem definidas e instruções gerais, de grau médio de
Área Tecnológica e Prática
complexidade, nas áreas de atuação comuns e instrumentais e nos vários
Ref.9 – Área de Expressões (Corporal Dramática e Musical) domínios de atuação dos órgãos e serviços;
Ref.10 – Comunidade e Intervenção Social b) Atividade a desenvolver/cumprir: as genericamente constantes do Mapa
Ref.11 – Animação Sociocultural de Pessoal da LIPOR, por referência às áreas e subáreas funcionais respeti-
vas, nos termos mencionados no presente aviso.
Ref.12 - Psicopatologia Geral
Ref.13 – Formação em Contexto de Trabalho Nível habilitacional exigível: a titularidade do 12.º ano de escolaridade ou de EDIFÍCIO CENTRO
curso que lhe seja equiparado.
Ref.14 - Saúde
O aviso de abertura encontra-se publicado na sua versão integral no Diário
DIOGO CÃO COMERCIAL
Ref.15 – Gestão e Organização dos Serviços e Cuidados de Saúde da República, 2.ª série, n.º147, de 01 de agosto de 2018 e publicitado na
DOCA DE ALCÂNTARA
NORTE, LISBOA
COLOMBO
Ref.16 - Comunicação e Relações Interpessoais Bolsa de Emprego Público (www.bep.gov.pt) e na página eletrónica da LI- AVENIDA DAS ÍNDIAS
(JUNTO AO (PISO 0, JUNTO
Ref.17 – Higiene Segurança e Cuidados Gerais POR (www.lipor.pt). MUSEU DO ORIENTE) À PRAÇA CENTRAL)
Ref.18 – Acompanhamento e Animação da Pessoa Idosa HORÁRIO: HORÁRIO:
Baguim do Monte, 01 de agosto de 2018 2.ª – 6.ª FEIRA: 9H – 19H
Ref.19– Prestação de Cuidados à Pessoa Idosa no Domicílio 2.ª FEIRA – DOMINGO:
Ref.20 – Educação Moral e Religiosa SÁBADO: 11H – 17H 10H – 24H
O Presidente do Conselho da Administração
Perfil – Aires Henrique do Couto Pereira MAIS INFORMAÇÕES: loja.publico.pt | 210 111 010
Formação académica adequada para a área a que se candidata
Experiência Pedagógica
Experiência de formação em Escolas Profissionais
Experiência na área dos cuidados sociais e de saúde
2. Seleciona Técnico Superior da área de gestão em regime de contrato de trabalho a termo certo
Fundada em 1988 pelo Professor Doutor Carlos Garcia, a Associação Portuguesa de Familiares e Amigos de Doentes de
Ref.21 – Técnico Superior da área de gestão.
Alzheimer - Alzheimer Portugal é uma Instituição Particular de Solidariedade Social. É a única organização em Portugal,
Perfil –
de âmbito nacional, especificamente constituída para promover a qualidade de vida das pessoas com demência e dos seus
Licenciatura em gestão
familiares e cuidadores. Tem cerca de dez mil associados em todo o país.
Experiência profissional
Oferece Informação sobre a doença, Formação para cuidadores formais e informais, Apoio domiciliário, Apoio Social e
Psicológico e Consultas Médicas da Especialidade.
O local de trabalho é na morada abaixo indicada, sendo a remuneração devida em conformidade
Como membro da Alzheimer Europe, a Alzheimer Portugal participa ativamente no movimento mundial e europeu sobre as
com o C.C.T. para o sector do ensino privado e cooperativo.
demências, procurando reunir e divulgar os conhecimentos mais recentes sobre a Doença de Alzheimer, promovendo o seu
Os candidatos devem enviar o seu Curriculum vitae detalhado até às 17 horas do dia 3 de agosto, estudo, a investigação das suas causas, efeitos, profilaxia e tratamentos.
acompanhado de carta de motivação e indicação da Ref., apenas se corresponder ao perfil acima
Contactos
descrito para o E-mail:eptpporto@mail.telepac.pt Sede: Av. de Ceuta Norte, Lote 15, Piso 3, Quinta do Loureiro, 1300-125 Lisboa - Tel.: 21 361 04 60/8 - E-mail: geral@alzheimerportugal.org
Centro de Dia Prof. Dr. Carlos Garcia: Av. de Ceuta Norte, Lote 1, Loja 1 e 2 - Quinta do Loureiro, 1350-410 Lisboa - Tel.: 21 360 93 00
Lar, Centro de Dia e Apoio Domiciliário «Casa do Alecrim»: Rua Joaquim Miguel Serra Moura, n.º 256 - Alapraia, 2765-029 Estoril
Tel. 214 525 145 - E-mail: casadoalecrim@alzheimerportugal.org
Delegação Norte: Centro de Dia “Memória de Mim” - Rua do Farol Nascente, n.º 47A R/C, 4455-301 Lavra - Tel. 229 260 912 | 226 066 863 - E-mail: geral.norte@alzheimerportugal.org
Delegação Centro: Urb. Casal Galego - Rua Raul Testa Fortunato n.º 17, 3100-523 Pombal Tel. 236 219 469 - E-mail: geral.centro@alzheimerportugal.org
Delegação da Madeira: Avenida do Colégio Militar, Complexo Habitacional da Nazaré, Cave do Bloco 21 - Sala E, 9000-135 FUNCHAL
Tel. 291 772 021 - E-mail: geral.madeira@alzheimerportugal.org
Núcleo do Ribatejo: R. Dom Gonçalo da Silveira n.º 31-A, 2080-114 Almeirim - Tel. 24 300 00 87 - E-mail: geral.ribatejo@alzheimerportugal.org
Núcleo de Aveiro: Santa Casa da Misericórdia de Aveiro - Complexo Social da Quinta da Moita - Oliveirinha, 3810 Aveiro - Tel. 23 494 04 80 - E-mail: geral.aveiro@alzheimeportugal.org

CONHEÇA AS NOSSAS
COLECÇÕES DE
FILMES & SÉRIES
EDIFÍCIO CENTRO
DIOGO CÃO COMERCIAL
DOCA DE ALCÂNTARA
NORTE, LISBOA
COLOMBO
AVENIDA DAS ÍNDIAS
(JUNTO AO (PISO 0, JUNTO
MUSEU DO ORIENTE) À PRAÇA CENTRAL)
HORÁRIO: HORÁRIO:
2.ª – 6.ª FEIRA: 9H – 19H 2.ª FEIRA – DOMINGO:
SÁBADO: 11H – 17H 10H – 24H

MAIS INFORMAÇÕES: loja.publico.pt | 210 111 010


Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 29

FICAR

CINEMA Os mais vistos da TV


Terça-feira, 31
RTP1 9,8%
% SÉRIE
Colateral
Hollywood, 21h30 A Herdeira II
% Aud. Share
TVI 14,6 31,1
RTP2 2,1 Linha de Separação
RTP2, 0h20
Um duelo nocturno travado a Paixão II SIC 11,5 24,7 SIC 16,3 Em reposição, uma mini-
alta velocidade entre Tom Cruise -série alemã inspirada em
TVI
Jogo Duplo TVI 9,4 26,0
e Jamie Foxx e orquestrado por
Michael Mann. Numa reviravolta
Televisão Jornal das 8 TVI 9,3 23,2 20,2 acontecimentos verídicos, que
tiveram lugar durante o período
Cabo
Vidas Opostas SIC 8,5 23,8
inédita, Cruise é o mau da fita e
lazer@publico.pt
FONTE: CAEM
38,4 entre 1945 e 1961. Em Tannbach,
tem uma noite para assassinar uma pequena aldeia na fronteira
cinco testemunhas-chave de um entre a Baviera e a Turíngia,
processo contra narcotraficantes. RTP 1 Linha da Sedução 3.25 A Encarnação 22.15 Hawai Força Especial 1.48 C.S.I. várias pessoas lutam pela
Para isso, sequestra um táxi e 6.30 Bom Dia Portugal 10.00 Há Volta do Mal 4.55 Arranha-Céus (2015) Miami 3.18 APB 4.50 Investigação sobrevivência. A propriedade
respectivo taxista. Nomeado 13.00 Jornal da Tarde 14.00 Há Volta Criminal: Los Angeles da família Von Striesow serve
em 2005 para dois óscares 15.00 80.ª Volta a Portugal Bicicleta de abrigo a refugiados e, à
(Montagem e Actor Secundário 18.00 Portugal em Directo 18.51 FOX MOVIES medida que as forças aliadas
— Jamie Foxx, que venceria, no Factura da Sorte 19.09 O Preço Certo 10.14 007 - Contra Goldfinger 12.00 O FOX LIFE avançam, são exibidas bandeiras
mesmo ano, o de melhor actor 19.59 Telejornal 21.00 Brainstorm Lutador da Rua 13.29 El Mariachi 15.03 13.34 Anatomia de Grey 14.21 The brancas em sinal de rendição.
por Ray). 21.52 Notícias do Meu País 22.52 007 - Operação Relâmpago 17.08 007 Other Wife 15.55 Locked In 17.27 Killer Mas um grupo nazi esconde-se
Madre Paula 23.50 O Capital 1.54 - Só Se Vive Duas Vezes 19.00 007 - Photo 19.01 Ossos 20.40 Anatomia de na floresta. Até que as tropas
A Família Miniver The Daily Show: Global Edition 2.24 Ao Serviço de Sua Majestade 21.15 O Grey 22.20 Rainha do Sul 23.10 Vis a russas chegam para reivindicar a
TVC2, 22h Brainstorm 3.10 As Novas Viagens Regresso da Múmia 23.19 Catch.44 Vis 0.11 Garage Sale Mystery: Murder ocupação de Tannbach.
A guerra a partir do ponto de vista Philosophicas 3.43 Televendas Tiro Certeiro 0.48 Red 2 - Ainda Mais by Text 1.51 No Limite 3.33 Anatomia
dos civis, através do drama vivido Perigosos 2.28 Dá & Leva 4.32 Estigma de Grey 5.00 Ossos
por uma família, que representa DOCUMENTÁRIOS
todas as famílias inglesas. RTP 2
A resistência estóica sob os 6.32 Repórter África - 2ª Edição 7.00 CANAL HOLLYWOOD DISNEY Mayday, Desastres Aéreos:
bombardeamentos, a participação Espaço Zig Zag 12.18 Encontra-me 10.20 Uma Vida Nova (2012) 12.10 15.20 Acampamento Kikiwaka 15.44 Casos Especiais - Erro Crasso
do marido nos socorros às tropas em Paris 12.45 Olhar de Nise 14.16 Entrevista 13.40 Libertem Willy 15.35 A Raven Voltou 16.08 Lab Rats 16.31 NGC, 22h10
encurraladas em Dunkerke, Nikolaj e Julie 15.01 A Fé dos Homens Batalha do Pacífico 17.50 Supremacia Mickey Mouse - Edição Especial 17.17 Em todos os voos, os passageiros
o noivado do filho e a trágica 15.33 Bem-vindo 16.27 Ásia Revelada 19.45 Matar ou Morrer (2014) 21.30 Hotel Transilvânia: A Série 17.40 colocam as suas vidas nas mãos
morte da sua noiva, que o leva 16.52 Zig Zag 20.58 Encontra-me em Colateral 23.35 O Defensor (2004) Phineas e Ferb 18.28 Star Contra as do piloto cujos erros podem
a alistar-se na RAF... Em 1943, Paris 21.30 Jornal 2 22.13 Salamandra 1.10 Quarto 13 3.00 Misery - O Capítulo Forças do Mal 19.14 Entrelaçados: destruir um avião. Em 1972, o voo
foi galardoado com seis óscares, 23.01 Isto é Arte 23.51 Girls 0.20 Linha Final 4.45 Vidas Roubadas A Série 19.37 Patoaventuras 20.00 BEA 548, que saiu de Heathrow
Melhor Filme, Actriz (Greer de Separação 1.54 Campeonatos Miraculous - As Aventuras de Ladybug com Bruxelas como destino,
Garson) e Realizador (William da Europa 2018 - Ciclismo em Pista 20.46 Acampamento Kikiwaka 21.08 A despenhou-se pouco após ter
Wyler) incluídos. Curiosidade: (Resumo do Dia) 2.25 Universidade AXN Irmã do Meio 21.55 K.C. Agente Secreta levantado voo do aeroporto
o então primeiro-ministro Aberta 2.46 SMS - Ser Mais Sabedor 13.23 Investigação Criminal 15.03 22.42 Mickey Mouse - Edição Especial londrino. Todos os ocupantes
britânico, Winston Churchill, terá 3.16 Euronews 5.01 Bem-vindos a Chappie 17.15 Mentes Criminosas 22.54 Miraculous - As Aventuras de do Hawker-Siddeley Trident
afirmado que o filme fez mais pela Beirais 5.49 Os Nossos Dias 18.55 Chicago Fire 21.25 Alice Nevers Ladybug morreram: 112 passageiros e
resistência ao conflito do que uma 22.30 Candice Renoir 23.26 Missão seis membros da tripulação.
esquadrilha de bombardeiros. Impossível II 1.38 Thor: O Mundo A investigação acabaria por
SIC das Trevas 3.35 Candice Renoir 4.31 DISCOVERY revelar uma trágica combinação
O Fantástico Homem-Aranha 6.00 Edição da Manhã 9.15 Dr. Saúde Chicago Fire 5.12 Investigação Criminal 17.05 Super Barcos 18.00 A Minha de factores humanos ligados ao
TVC4, 23h 10.00 Queridas Manhãs 13.00 Família Vive No Alasca 20.00 piloto que, de acordo com os
Peter Parker (Andrew Garfield) Primeiro Jornal 14.45 Mar Salgado Curiosidades da Terra 21.00 Tuning dados apurados, estaria a sofrer
é um adolescente inteligente, 16.35 Coração de Ouro 18.15 Dr. Saúde AXN BLACK Urbano 22.55 Esse Carro Será Meu um enfarte do miocárdio.
mas introvertido, que iniciou há 19.15 Linha Aberta 19.57 Jornal da Noite 13.41 Casanova 15.26 Diários do 0.40 Tuning Urbano 2.15 Hubble:
pouco uma relação com Gwen 21.45 Paixão 23.00 Vidas Opostas Vampiro 16.58 Kalifornia 18.52 Viúva... Explorar o Universo 3.00 Os Terror
Stacy (Emma Stone), uma colega 0.00 O Outro Lado do Paraíso 0.30 Mas Não Muito 20.36 Quatro Amigas Caçadores de Mitos 4.30 Caçadores Odisseia, 23h30
de turma que, ao contrário de si, Passadeira Vermelha 2.00 Cartaz e um Casamento 22.00 A Casa de Leilões 5.00 Leilões Sem Limites O jornalista canadiano de origens
é alegre e popular. Desde muito Cultural 2.45 Poderosas 3.00 Volante Assombrada 23.31 Willow - Na Terra paquistanesas Suroosh Alvi
cedo a viver em Nova Iorque, da Magia 1.34 Os Filhos da Meia-Noite prossegue a sua investigação
com os tios May e Ben (Sally Field 3.51 O Motel 5.12 iZombie HISTÓRIA ao movimento jihadista global.
e Martin Sheen), Peter cresceu TVI 17.08 Alienígenas 18.32 O Universo: Hoje, visita o Paquistão, onde o
sob o estigma do abandono dos 6.30 Diário da Manhã 10.10 Você na TV! Enigmas Ancestrais 20.43 O Preço Exército está a apagar os valores
seus pais, que sente nunca ter 13.00 Jornal da Uma 14.35 Sedução AXN WHITE da História 1.27 Caça Tesouros 2.53 morais à medida que adopta
sido suficientemente explicado. 15.32 Espírito Indomável 16.30 A Tarde 13.06 O Mentalista 13.52 Stardust - O Relíquias Perdidas 4.15 Restauradores tácticas brutais para combater o
Certo dia descobre uma mala é Sua 19.11 Apanha Se Puderes 19.58 Mistério da Estrela Cadente 15.55 grupo terrorista mais conhecido
misteriosa que pertenceu Jornal das 8 21.42 A Herdeira 22.53 Amigos Coloridos 17.47 O Mentalista do país, o Tehrik-i-Taliban
ao progenitor. Decidido a Jogo Duplo 0.00 O Amor É Um Sonho 19.19 A Teoria do Big Bang 21.24 ODISSEIA Pakistan.
descobrir tudo o que se possa 1.15 Autores 2.15 Os Americanos 3.15 Enquanto Dormias 23.10 Ex-Mulher 17.22 Clima Extremo Viral 18.05 O
relacionar com o passado da Anjo Meu 3.45 Filha do Mar Procura-se 1.02 Os Passageiros do Tigre Milagroso 18.50 Hospital Para Biografia de D. Manuel
sua família, o jovem procura o Tempo 3.14 Crossing Lines 4.53 A Animais 19.38 Estações Selvagens nos Gonçalves Cerejeira, cardeal-
Dr. Curt Connors (Rhys Ifans) Teoria do Big Bang Everglades 20.23 The American West -patriarca de Lisboa
que terá sido parceiro do pai TVC1 21.07 Resgate na Praia 21.52 Mortos de RTP Memória, 0h04
no laboratório Oscorp. Porém, 9.00 Planeta dos Macacos: A Guerra Tanto Rir! 22.38 Catástrofe, Contagem A vida e a obra de Manuel
essa viagem ao passado terá o 11.20 Logan 13.40 Renegados 15.30 FOX Decrescente 23.30 Terror 0.13 Odiarás Gonçalves Cerejeira (1888-1977),
seu preço: o perigoso confronto John Wick 2 17.35 Alien: Covenant 13.24 C.S.I. Miami 14.10 Hawai Força o Teu Vizinho 1.00 1000 Formas de cardeal-patriarca de Lisboa, com
com Lagarto, o terrível alter-ego 19.40 Ghost in the Shell - Agente Especial 15.47 Investigação Criminal: Morrer 1.42 Weediquette 2.29 F*ck, destaque para a dinamização da
de Connors, e a descoberta de do Futuro 21.30 xXx: O Regresso de Los Angeles 17.14 C.S.I. Miami That’s Delicious 3.42 Resgate na Praia Igreja em Portugal, as missões
segredos que mais valiam ter Xander Cage 23.20 Collide - A Alta 18.51 Hawai Força Especial 20.30 4.26 Clima Extremo Viral 5.10 Re- de paz em África e a relação da
ficado na sombra. Velocidade 1.05 Acorda, Leviatã 1.35 A Investigação Criminal: Los Angeles Inventores 5.58 A Ponte de Penang congregação portuguesa com
Roma.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

30 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

SAIR
We Go Again 14h20, 16h40, 19h, 21h20, 21h50, 13h40, 16h30, 19h20, 21h50, 00h35;
00h10; The Equalizer 2 - A Vingança 18h50, Cães à Solta M6. 10h50, 13h30, 15h40,
CINEMAS 21h20, 23h45; Titã 21h50, 00h15; Coexistir
Não É Fácil M14. 13h40, 17h40, 19h40, 21h40,
18h10 (V.Port./2D); I Kill Giants - Eu Mato
Gigantes 20h30, 23h20; Mamma Mia! Here
23h50; Missão: Impossível - Fallout M12. We Go Again 13h20, 15h50, 18h40, 21h20,
Porto 12h40, 14h20, 15h, 15h30, 17h40, 19h40, 21h, 23h50; The Equalizer 2 - A Vingança 21h40,
Cinemas Nos Alameda Shop e Spot 21h40, 21h30, 23h50, 24h (2D), 18h, 18h30 00h20; Titã 14h20, 16h40, 22h, 00h25;
R. dos Campeões Europeus, 28-198. T. 16996 (D); Hotel Transylvania 3: Umas Férias Coexistir Não É Fácil M14. 13h50, 16h10,
A Sombra da Verdade M12. 13h40, 16h30,
22h; Ocean’s 8 13h20, 16h10, 18h50, 21h25,
00h15; The Incredibles 2: Os Super-
Monstruosas 13h10, 15h20, 16h40, 17h30
(V.Port./2D), 19h40 (V.Port./3D); Linhas de
Sangue M16. 18h30, 21h10, 23h55; Gotti - Um
Em estreia
lazer@publico.pt
18h30, 21h30, 24h; Missão: Impossível -
Fallout M12. 12h50, 14h10, 16h, 17h30, 19h10,
20h50, 22h20, 00h15; Hotel Transylvania
Heróis 14h, 16h50, 19h45 (V.Port./2D); Verdadeiro Padrinho Americano 21h40, 24h; 3: Umas Férias Monstruosas 11h, 13h,
Mamma Mia! Here We Go Again 13h, 15h40, A Gaivota 14h; Deep: Aventura no Fundo do 14h, 15h30, 16h20, 18h, 18h50, 21h, 23h30
18h30, 21h15, 24h; Coexistir Não É Fácil M14. Mar M6. 14h50 (V.Port./2D); Blindspotting - À (V.Port./2D); Linhas de Sangue M16. 21h10,
13h10, 15h30, 18h, 21h30, 23h50; Missão: Queima-Roupa 21h50, 00h05; A Pequena 00h10; Gotti - Um Verdadeiro Padrinho
Impossível - Fallout M12. 13h45, 17h30, Sereia M6. 13h, 15h10, 17h20, 19h30 Missão: Impossível - Fallout mero número de circo e que Americano 19h; Blindspotting - À Queima-
21h10, 23h55; Hotel Transylvania 3: Umas (V.Port./2D) De Christopher McQuarrie. Com traz consigo um segredo e uma Roupa 22h30, 00h40; A Pequena Sereia M6.
Férias Monstruosas 13h30, 16h, 18h35, Rebecca Ferguson, Tom Cruise, maldição. 10h40, 13h10, 15h10, 17h20, 20h (V.Port./2D)
21h05, 23h45 (V.Port./2D); A Gaivota 19h10
Trindade
Coimbra Vanessa Kirby. EUA. 2018. 147m.
R. Dr. Ricardo Jorge. T. 223162425 Cinemas Nos Alma Shopping Coimbra Thriller, Acção. M12. A Sombra da Verdade Guarda
Elis M12. 14h30; A Ciambra M12. 18h30, C. C. Dolce Vita. T. 16996 Quando uma missão corre mal De Per Fly. Com Theo James, Cineplace - Guarda
20h; Não Te Preocupes, Não Irá Longe a A Sombra da Verdade M12. 13h40, 16h40, e três unidades de plutónio Ben Kingsley, Jacqueline Bisset, C.C. Vivaci. T. 271212140
Pé 16h30, 22h; Happy End 14h20, 16h15, 19h15, 21h50, 00h25; Ocean’s 8 15h30, The Incredibles 2: Os Super-Heróis 16h30,
desaparecem, a credibilidade de Rachel Wilson. EUA/CAN/DIN.
18h10, 22h 21h, 00h05; The Incredibles 2: Os Super- 19h10 (V.Port./2D); Arranha-Céus M12.
Heróis 14h30, 17h30 (V.Port./2D), 20h40, Ethan Hunt é posta em causa. 2018. 108m. Drama, Thriller. 21h50; Mamma Mia! Here We Go
Aveiro 23h40 (V.Orig./2D); Cães à Solta M6. 14h15, À revelia da CIA, e em contra- M12. Again 14h40, 17h, 19h20, 21h40; The
16h50, 19h10 (V.Port./2D); I Kill Giants - Eu relógio, decide completar a Michael coordena o programa Equalizer 2 - A Vingança 21h30; Missão:
Cinemas Nos Glicínias Mato Gigantes 18h10; Mamma Mia! Here Impossível - Fallout M12. 12h40, 15h30,
missão por conta própria, antes “Petróleo por Alimentos“,
C. C. Glicínias - Aradas . T. 16996 We Go Again 13h20, 16h, 18h40, 21h20, 21h30 (2D), 18h30 (3D); Hotel Transylvania
The Incredibles 2: Os Super-Heróis 13h10, 24h; The Equalizer 2 - A Vingança 14h, 17h, que haja uma catástrofe mundial. que permite ao Iraque 3: Umas Férias Monstruosas 14h20
16h, 18h50 (V.Port./2D); Arranha-Céus M12. 20h20, 23h30; Coexistir Não É Fácil M14. exportar petróleo em troca de (V.Port./2D); Deep: Aventura no Fundo do
13h20, 15h50, 21h50, 00h30; Mamma Mia! 14h10, 16h30, 19h, 21h40, 00h15; Missão: Coexistir Não É Fácil mantimentos e medicamentos. Mar M6. 12h45 (V.Port./2D)
Here We Go Again 13h, 14h40, 18h30, 21h20, Impossível - Fallout M12. 13h50, 20h30, De Fabrice Éboué. Com Um dia, percebe que foram
24h; The Equalizer 2 - A Vingança 21h10, 23h50 (2D), 17h10 (3D); Hotel Transylvania
00h15; Coexistir Não É Fácil M14. 14h30, 3: Umas Férias Monstruosas 13h30, Ramzy Bedia, Fabrice Eboué, desviados milhões de dólares. Guimarães
16h40, 19h10, 21h30, 23h50 ; Missão: 16h10, 18h50, 21h30 (V.Port./2D); Linhas de Guillaume de Tonquédec. FRA. Mas, ao querer denunciar os Castello Lopes - Espaço Guimarães
Impossível - Fallout M12. 14h20, 17h40, Sangue M16. 14h20, 21h10 (Versão A), 17h40, 2017. 90m. Comédia. M14. culpados, coloca em risco não R. 25 de Abril, 1 - Silvares. T. 253539390
21h, 22h, 00h20; Hotel Transylvania 3: 00h10 (Versão B); A Gaivota 22h, 00h30; Nicolas Lejuene, um apenas a sua carreira como The Incredibles 2: Os Super-Heróis 13h,
Umas Férias Monstruosas 14h, 16h30, Blindspotting - À Queima-Roupa 00h35 15h30, 18h (V.Port./2D); Arranha-
19h20, 21h40, 00h10 (V.Port./2D); Linhas de Cinemas Nos Fórum Coimbra
malsucedido produtor musical, também a própria vida. Céus M12. 21h10; Mamma Mia! Here We
Sangue M16. 18h40; A Pequena Sereia M6. Fórum Coimbra. T. 16996 inventa uma nova banda Go Again 13h20, 16h, 18h30, 21h20; The
14h40, 16h50, 19h (V.Port./2D) Mundo Jurássico: Reino Caído M12. 21h10, formada por um padre, um Cães à Solta Equalizer 2 - A Vingança 21h40; Coexistir
00h20; The Incredibles 2: Os Super- rabi e um imã, todos eles De Raja Gosnell. Com Alan Não É Fácil M14. 13h30, 15h40, 17h30, 19h30,
Heróis 13h50, 17h10 (V.Port./2D); Arranha- 21h50; Missão: Impossível - Fallout M12. 13h,
Barcelos Céus M12. 21h50, 00h30; Mamma Mia!
problemáticos. Cumming (Voz), Natasha
15h50, 18h40, 21h30; Hotel Transylvania 3:
Cinemax - Barcelos Here We Go Again 13h40, 16h20, 19h, 21h40, Lyonne, Will Arnett, Stanley Umas Férias Monstruosas 13h, 15h10, 17h20,
Campo 25 de Abril. T. 253826571 00h25; The Equalizer 2 - A Vingança 14h20, A Ciambra Tucci (Voz). GB/EUA. 2018. 19h20 (V.Port./2D)
Missão: Impossível - Fallout M12. 15h30, 21h, 24h; Titã 21h20, 23h50; Missão: De Jonas Carpignano. Com 92m. Comédia. M6. Castello Lopes - Guimarães Shopping
21h35 Impossível - Fallout M12. 14h10, 17h30, Lugar das Lameiras. T. 253520170
Pio Amato, Koudous Seihon, Max, um cão polícia, e Frank, um
20h50, 00h10; Hotel Transylvania 3: Umas Prece ao Nascer do Dia 21h20; The
Férias Monstruosas 14h, 16h30, 19h10 Damiano Amato. EUA/SUE/ agente do FBI, têm de infiltrar- Incredibles 2: Os Super-Heróis 13h10, 15h50,
Braga (V.Port./2D); Gotti - Um Verdadeiro Padrinho BRA/ITA/ALE/FRA. 2017. 118m. se numa exposição canina em 18h30, 21h10 (V.Port./2D); Arranha-Céus M12.
Cinemas Nos Braga Parque Americano 17h20; A Pequena Sereia M6. Drama. M12. Las Vegas para desmantelar uma 21h15; I Kill Giants - Eu Mato Gigantes 13h30,
R. dos Congregados, S. Victor. T. 16996 13h30, 16h10, 18h50 (V.Port./2D) Pio, um adolescente de 14 anos, rede de tráfico de animais. 16h, 18h50; Mamma Mia! Here We Go
The Incredibles 2: Os Super-Heróis 11h10, Again 13h15, 15h55, 18h40, 21h30; Missão:
14h30, 17h40 (V.Port./2D); Arranha- vive uma vida de crime entre Impossível - Fallout M12. 12h50, 15h45,
Céus M12. 12h40, 15h30, 18h20,
Covilhã marginais. Quando o seu irmão Cinema Francês - Os Grandes 18h45, 21h40; Hotel Transylvania 3: Umas
21h20, 00h05; I Kill Giants - Eu Mato Cineplace - Serra Shopping mais velho desaparece, tem de Mestres 1930 - 1960 Férias Monstruosas 13h, 15h10, 17h20,
Gigantes 19h10; Mamma Mia! Here We Go Avenida Europa, Lt 7 - Loja A102. aprender a sobreviver sozinho e Depois das retrospectivas 19h30, 21h35; A Pequena Sereia M6. 13h20,
Again 12h50, 15h40, 18h30, 21h30, 00h20; The Incredibles 2: Os Super-Heróis 16h, 15h20, 17h10, 19h15 (V.Port./2D)
The Equalizer 2 - A Vingança 13h10, 16h10, 18h40 (V.Port./2D); Arranha-Céus M12.
tornar-se o homem que tentou de cinema japonês e cinema
21h50, 00h45; Titã 22h, 00h30; Coexistir 21h50; Mamma Mia! Here We Go provar ser. russo, é o francês que se vai
Não É Fácil M14. 14h20, 16h40, 19h, 21h40, Again 14h40, 17h, 19h20, 21h40; The falar no Nimas durante o Verão.
Maia
00h15; Missão: Impossível - Fallout M12. Equalizer 2 - A Vingança 21h20; Missão: A Pequena Sereia Prolongando-se até Outubro, a Cinemas Nos MaiaShopping
13h, 14h, 16h30, 20h, 21h, 23h30, 00h30 Impossível - Fallout M12. 12h40,, 15h30, MaiaShopping, Lugar de Ardegaes. T. 16996
(2D), 17h30 (3D); Hotel Transylvania 3: Umas 21h30 (2D), 18h30 (3D); Hotel Transylvania
De Blake Harris. Com Gina distribuidora Leopardo Filmes
The Incredibles 2: Os Super-Heróis 14h10,
Férias Monstruosas 11h, 13h30, 16h, 18h35, 3: Umas Férias Monstruosas 13h10, 15h20, Gershon, Poppy Drayton, apresenta uma retrospectiva 17h30 (V.Port./2D); Arranha-Céus M12.
21h10 (V.Port./2D); Linhas de Sangue M16. 17h30, 19h40 (V.Port./2D); Deep: Aventura Shirley MacLaine, William intitulada Cinema Francês 1930- 13h30, 16h10, 18h50, 21h40; Mamma Mia!
20h50, 24h; Blindspotting - À Queima- no Fundo do Mar M6. 14h (V.Port./2D) Moseley. EUA. 2018. 94m. 1960 - Os Grandes Mestres (Os Here We Go Again 13h10, 15h50, 18h40,
Roupa 23h50; A Pequena Sereia M6. 11h20, 21h30; Missão: Impossível - Fallout M12. 14h,
Aventura, Fantasia. M6. Padrinhos da “Nouvelle Vague“),
13h40, 16h20, 18h40 (V.Port./2D) 17h20, 20h50; Hotel Transylvania 3: Umas
Cinemax - BragaShopping
Figueira da Foz Um repórter descobre que composta por 16 filmes de dez Férias Monstruosas 13h20, 16h, 18h45, 21h25
Av. Central 33. T. 253208010 Cinemas Nos Foz Plaza uma sereia não é apenas um cineastas. (V.Port./2D); Linhas de Sangue M16. 21h
Mamma Mia! Here We Go Again 15h, C. C. Foz Plaza, R. Condados. T. 16996 Orient Cineplace - Mira Maia Shopping
21h50; The Equalizer 2 - A Vingança 15h, The Incredibles 2: Os Super-Heróis 15h, Missão:
M Mira Maia Shopping, Estrada Real nº 95 -
21h45; Missão: Impossível - Fallout M12. 17h50 (V.Port./2D); Arranha-Céus M12. Impos
Impossível - Lugar das Guardeiras. T. 229419241
15h, 21h35; Linhas de Sangue M16. 21h30; 21h35, 00h10; Mamma Mia! Here We Go The Incredibles 2: Os Super-Heróis 13h20,
Deep: Aventura no Fundo do Mar M6. 15h Again 15h20, 18h10, 21h10, 00h35; Coexistir
F
Fallout 16h, 18h40 (V.Port./2D); Arranha-
(V.Port./2D) Não É Fácil M14. 15h30, 18h30, 21h20, 23h40; Céus M12. 21h50; Mamma Mia! Here We
Cineplace - Braga Missão: Impossível - Fallout M12. 15h10, Go Again 14h40, 17h, 19h20, 21h40; The
C. C. Nova Arcada, Av. De Lamas nº 100. 18h20, 21h30, 23h50; Hotel Transylvania 3: Equalizer 2 - A Vingança 21h20; Missão:
Asas Pelos Ares M6. 12h50 (V.Port./2D); Umas Férias Monstruosas 15h35, 18h, 21h Impossível - Fallout M12. 12h40, 15h30,
Príncipe Bué Encantado M6. 14h50 (V.Port./2D); Linhas de Sangue M16. 23h30 18h30, 21h30; Hotel Transylvania 3: Umas
(V.Port./2D); Príncipe Bué Encantado M6. Férias Monstruosas 13h10, 15h20, 17h30,
15h40; Mundo Jurássico: Reino Caído M12. 19h40 (V.Port./2D); Deep: Aventura no Fundo
13h30, 16h10; A Sombra da Verdade M12.
Gondomar do Mar M6. 12h40 (V.Port./2D)
16h50, 19h10, 21h30, 23h50; The Incredibles Cinemas Nos Parque Nascente
2: Os Super-Heróis 13h50, 16h30 (V.Port./2D), Praceta Parque Nascente, nº 35. T. 16996
19h10 (V.Orig./2D); Arranha-Céus M12. 14h30, A Sombra da Verdade M12. 14h30, 17h,
Matosinhos
19h, 21h20, 23h30; Cães à Solta M6. 13h50, 19h30, 22h10, 00h30; The Incredibles 2: Cinemas NOS Marshopping
15h50, 17h50, 19h50 (V.Port./2D); I Kill Giants Os Super-Heróis 10h30, 12h40, 15h20, IKEA Matosinhos, Av. Óscar Lopes. T. 16996
- Eu Mato Gigantes 16h10; Mamma Mia! Here 18h20 (V.Port./2D); Arranha-Céus M12. The Incredibles 2: Os Super-Heróis 10h30,
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 31

SAIR
13h05, 15h50, 18h40 (V.Port./2D); Arranha-
Céus M12. 13h, 15h30, 20h50, 23h30;
I Kill Giants - Eu Mato Gigantes 18h10; AS ESTRELAS Jorge
Mourinha
Luís M.
Oliveira
Vasco
Câmara
ARTE FARMÁCIAS
Mamma Mia! Here We Go Again 13h20,
16h, 18h30, 21h20, 00h15; The Equalizer
DO PÚBLICO Porto Porto - Serviço Permanente
Ramos - Pç. do Exército Libertador, 97 - Tel.
2 - A Vingança 13h10, 16h10, 18h50, 21h40, 228314935 Padrão - R. de Santo Ildefonso, 342 - Tel.
00h30; Coexistir Não É Fácil M14. 12h20, Cadeia e Tribunal da Relação do Porto 225390006
14h40, 17h, 19h30, 22h, 00h35; Missão: Campo Mártires da Pátria - Edifício da Cadeia Vila Nova de Gaia - Serviço Permanente
Impossível - Fallout M12. 12h30, 15h40, 19h, Amar Pablo, Odiar Escobar – mmmmm mmmmm da Relação. T. 222076310
Campolinho - Av. de António Coelho Moreira
(Valadares) - Tel. 227110123 Do Outeiro (Pedroso) -
22h20; Hotel Transylvania 3: Umas Férias A Ciambra mmmmm mmmmm mmmmm Júlio Resende: Arte e Justiça - A Relação Rua Do Outeiro, 406 - Tel. 227836078 Das Devesas
Matosinhos - Serviço Permanente
Monstruosas 10h40, 12h40, 15h, 17h30, com a Cidade De Júlio Resende. De 30/5 a José Morais - Praceta de António Sérgio, 319 (Cruz
20h, 22h30, 00h45 (V.Port./2D); Linhas À Distância mmmmm mmmmm mmmmm 31/8. 2ª a Sáb das 09h às 17h. Pintura. de Pau) - Tel. 229375367
de Sangue M16. 21h30, 00h25; Missão: Casa do Infante Viseu - Serviço Permanente
Impossível - Fallout M12. Sala IMAX ? 14h10,
A Gaivota mmmmm – – Rua da Alfândega, 10. T. 222060400
Silva de Oliveira (Bairro de Gumirães-Viseu) - Rua de
S. Pedro, 7 - Tel. 232440525
17h40, 21h10, 00h20 Happy End mmmmm mmmmm mmmmm Infante D. Henrique e os Novos Mundos De Coimbra - Serviço Permanente
Vilaça - R. de Ferreira Borges, 132 - Tel. 239822043
Cinemas Nos NorteShopping Julião Sarmento, Pedro Tudela, João
NorteShopping, R. Sara Afonso. T. 16996 Linhas de Sangue – A – Onofre, Albuquerque Mendes. A partir de
Fórum - Av. José B. Andrade e Silva, Q. do Vale
Gemil, Forum Coimbra Loja 043 - Tel. 239800610
The Incredibles 2: Os Super-Heróis 10h40, 1/4. 3ª a Dom das 09h30 às 13h e das 14h Braga - Serviço Permanente
13h, 16h, 18h50 (V.Port./2D); Arranha-
O Meu Amigo Pete – mmmmm mmmmm às 17h30 (Últimas entradas às 12h30 e 17h). Martins (São José de São Lázaro) - Av. Central, 20/22
- Tel. 253267371
Céus M12. 18h10, 21h30, 00h20; Mamma Missão: Impossível- Fallout mmmmm mmmmm – Documental, Instalação, Outros.
Mia! Here We Go Again 12h50, 15h20, Casa-Museu Guerra Junqueiro Outras Localidades - Serviço Permanente
18h, 21h20, 00h10; The Equalizer 2 - A A Mulher do Padeiro – mmmmm – Rua de Dom Hugo, 32. T. 222003689
Águeda - Amaral Aguiar da Beira - Dornelas ,
Portugal Albergaria-a-Velha - Martins Ferreira
Vingança 18h20, 21h10, 23h50; Titã 23h40; Günter Grass: Encontros De Günter Grass. Alfandega da Fé - Graça Alijó - de Favaios (Favaios)
Nico, 1988 mmmmm – mmmmm , Espirito Santo Ldª (Sanfins do Douro), das Tílias
Coexistir Não É Fácil M14. 13h30, 16h20, De 2/3 a 23/9. 3ª a Dom das 10h às 17h30.
(Vilar de Maçada) Almeida - Cunha , Moderna (Vilar
18h45, 21h40, 24h; Missão: Impossível - Na Praia de Chesil mmmmm mmmmm – Desenho, Escultura. Formoso) Amarante - Da Ponte Amares - Pinheiro
Fallout M12. 12h20, 13h40, 15h30, 17h, 19h, Centro Português de Fotografia - Cadeia da Manso Anadia - Central (Ancas/Paredes do Bairro)
21h, 22h30, 00h30; Hotel Transylvania No Coração da Escuridão mmmmm mmmmm mmmmm Relação do Porto Arcos de Valdevez - Fátima Arganil - Moderna
Armamar - Batista Ramalho Arouca - Gomes de
3: Umas Férias Monstruosas 10h30, a Mau mmmmm Medíocre mmmmm Razoável mmmmm Bom mmmmm Muito Bom mmmmm Excelente Campo Mártires da Pátria. T. 222076310 Pinho Aveiro - Alagoas Baião - Barbosa (Campelo) ,
13h10, 13h50, 15h40, 16h10, 18h40, 21h15 Frida Kahlo - As Suas Fotografias De 6/7 Rocha Barros (Eiriz) Barcelos - De Arcozelo Boticas
- S. Cristovão Bragança - Bem Saúde Cabeceiras
(V.Port./2D); Linhas de Sangue M16. 21h50, a 4/11. 2ª a 6ª das 10h às 18h. Sáb, Dom e de Basto - Barros Caminha - Beirão Rendeiro ,
00h35; A Pequena Sereia M6. 10h50, 13h20, Vila Nova de Gaia Vila Real feriados das 15h às 19h. 3ª a 6ª das 10h às 18h Brito (Vila Praia de Âncora) Cantanhede - Central
Carrazeda de Ansiães - Veiga Carregal do Sal -
15h50 (V.Port./2D) (a partir de Setembro). Fotografia.
Moderna , Ramos (Cabanas de Viriato) Castelo de
Cinemas Nos GaiaShopping Cinemas Nos Nosso Shopping Culturgest Paiva - Adriano Moreira , Pinho Lopes (Oliveira do
Av. Descobrimentos, 549. T. 16996 C. C. Dolce Vita Douro, Lj. 244 Avenida dos Aliados, 104 - Edifício da CGD. T. Arda), Marques Lopes (Santa Maria de Sardoura)
Paços de Ferreira The Incredibles 2: Os Super-Heróis 10h35, - Alameda Grasse. T. 16996 222098116 Castro Daire - Da Misericórdia , Matias Pereira
(Mões), Costa (Parada de Ester) Celorico da Beira -
Cinemas Nos Ferrara Plaza 12h40, 15h40, 18h40 (V.Port./2D); Cães à Táxi 5 23h20; The Incredibles 2: Os Super- João Penalva De João Penalva. De 7/7 a 23/9. Barreiros Celorico de Basto - Neves Ferreira Chaves
Ferrara Plaza. T. 16996 Solta M6. 13h30, 16h (V.Port./2D); Mamma Heróis 13h30, 16h30, 19h30 (V.Port./2D); 4ª a Dom das 12h30 às 18h. Instalação. - Mariz Cinfães - Vieira Marques Condeixa-a-Nova -
Ferreira Espinho - Mais (Anta) Esposende - Monteiro
The Incredibles 2: Os Super-Heróis 15h20, Mia! Here We Go Again 12h35, 15h20, Arranha-Céus M12. 13h40, 16h10, 18h40, Edifício da Alfândega do Porto Estarreja - Sousa Fafe - Moura Felgueiras - Estela
18h20 (V.Port./2D); Arranha-Céus M12. 18h30, 21h30, 00h20; The Equalizer 2 - A 21h40, 00h25; Mamma Mia! Here We Go Rua Nova da Alfândega - Centro de Figueira da Foz - Goes Pinheiro Figueira de Castelo
15h30, 18h, 21h50; Mamma Mia! Here We Vingança 17h30, 20h40, 23h40 ; Missão: Again 13h20, 16h, 18h30, 21h30, 00h10; Congressos e Exposições. T. 223403000 Rodrigo - Moderna Fornos de Algodres - Central
Freixo de Espada à Cinta - Guerra Góis - da Serra
Go Again 13h10, 15h40, 18h30, 21h40; The Impossível - Fallout M12. Sala 4DX - 13h50, The Equalizer 2 - A Vingança 20h, 22h50; Extinção - O Fim ou o Início? De 28/5 a 8/10. (Alvares) , Coroa, Frota Carvalho (Vila Nova do
Equalizer 2 - A Vingança 21h30; Missão: 17h10, 20h35, 23h55 ; Hotel Transylvania Coexistir Não É Fácil M14. 13h40, 15h50, 2ª a 6ª das 10h às 18h. Sáb, Dom e feriados Ceira) Gondomar - Castro (S. Cosme) Gouveia -
Impossível - Fallout M12. 15h, 18h10, 3: Umas Férias Monstruosas 13h20, 15h50, 18h20, 21h10, 23h30; Missão: Impossível das 10h às 19h. Ciência, História. Patrício , Central (Melo - Gouveia), Albuquerque
(Moimenta da Serra), Pedroso (Vila Nova de Tazem)
21h20; Hotel Transylvania 3: Umas Férias 18h20, 20h50, 23h30 (V.Port./2D); Linhas - Fallout M12. 13h50, 17h10, 21h, 00h20; Faculdade de Arquitectura da Guarda - Tavares (Trinta) Guimarães - Henrique
Monstruosas 13h20, 16h, 18h40, 21h10 de Sangue M16. 21h10, 00h15 ; Gotti - Um Hotel Transylvania 3: Umas Férias Universidade do Porto Gomes (Oliveira do Castelo) Ílhavo - Senos Lamego
- Lemos Lousã - Fonseca Lousada - Fonseca
(V.Port./2D) Verdadeiro Padrinho Americano 18h25 ; Monstruosas 13h10, 15h40, 18h10, 20h50 R. Golgota, Via Panorâmica - 215. T. Macedo de Cavaleiros - Moderna Maia - Germunde
Blindspotting - À Queima-Roupa 21h40, (V.Port./2D); Linhas de Sangue M16. 22h30; 226057100 Mangualde - Albuquerque , Beirão (Chãs de Tavares)
00h05 ; A Pequena Sereia M6. 12h55, A Pequena Sereia M6. 14h30, 16h50 Neighbourhood: Where Álvaro Meets Manteigas - Ascensão Marco de Canavezes -
Penafiel 15h10 (V.Port./2D); Coexistir Não É (V.Port./2D) Aldo De Álvaro Siza. De 19/6 a 17/9. 2ª a Sáb
Cabanelas (Fornos) Mealhada - Miranda, Suc.
Meda - Pereira Melgaço - Gonçalves (Castro
Cinemax - Penafiel Fácil M14. 13h40, 16h10, 18h50, 21h20, das 10h às 19h (Galeria de Exposições). Laboreiro) , Durães, Vale do Mouro Mesão Frio -
Ed. Parque do Sameiro. T. 255214900 23h50; Missão: Impossível - Fallout M12. Arquitectura. Correia Mira - Roldão Miranda do Corvo - Antunes
The Incredibles 2: Os Super-Heróis 19h30 12h50, 14h20, 16h20, 17h40, 19h50, 21h05,
Viseu Museu de Serralves
, Borges (Semide - Miranda do Corvo) Miranda do
Douro - Miranda (Mirando do Douro) Mirandela
(V.Port./2D); Mamma Mia! Here We Go 23h20, 00h25 Cinemas Nos Fórum Viseu Rua Dom João de Castro, 210. T. 226156500 - Bragança Mogadouro - Magalhães Moimenta
da Beira - Moderna , César (Leomil) Monção - São
Again 14h40, 22h; The Equalizer 2 - A UCI Arrábida Fórum Viseu. T. 16996 A Colecção Sonnabend. Meio Século de Pedro Mondim de Basto - Seara Lemos Montalegre
Vingança 17h10; Missão: Impossível Arrábida Shopping. Mundo Jurássico: Reino Caído M12. 21h; Arte Europeia e Americana (Part 2) De 11/5 - Caldas Montemor-o-Velho - Abel Brandão
- Fallout M12. 14h40, 17h40, 21h30; Prece ao Nascer do Dia 22h05, 00h45; The Incredibles 2: Os Super-Heróis 14h15, a 23/9. 2ª a 6ª das 10h às 19h. Sáb, Dom e Mortágua - Baptista Melo (Vale de Açor) Murça -
Nossa Senhora de Fátima Murtosa - Portugal Nelas
Hotel Transylvania 3: Umas Férias Deadpool 2 M12. 00h35; Mundo Jurássico: 17h10, 21h20 (V.Port./2D); Cães à Solta M6. feriados das 10h às 20h. Outros. E Depois, - Da Misericórdia (Santar) Oliveira de Azemeis
Monstruosas 15h, 17h15, 21h50 (V.Port./2D); Reino Caído M12. 13h30, 16h15, 19h10; 13h20, 15h50, 18h40 (V.Port./2D); Mamma a História De Kersten Geers, David Van - Falcão Oliveira de Frades - Pessoa Oliveira do
Semana Sim, Semana Não 19h30; Deep: Hereditário M18. 00h30; A Sombra Mia! Here We Go Again 13h30, 16h10, Severen e Go Hasegawa. De 28/6 a 15/10. 2ª a Bairro - Sanal Oliveira do Hospital - Figueira Dinis
Ovar - Carmindo Lamy Paços de Ferreira - Da Mata
Aventura no Fundo do Mar M6. 13h da Verdade M12. 13h30, 16h05, 18h40, 18h55, 21h40; Coexistir Não É Fácil M14. Sáb das 10h às 18h (Biblioteca). Arquitectura. Real Pampilhosa da Serra - do Zêzere (Dornelas
(V.Port./2D) 21h20, 24h; Ocean’s 8 13h40, 16h15, 13h40, 16h, 18h20, 21h30; Missão: do Zêzere) , Central Paredes - Confiança , Central
de Rebordosa (Rebordosa) Paredes de Coura -
18h50, 21h40, 00h20; The Incredibles Impossível - Fallout M12. 14h30, 17h45,
2: Os Super-Heróis 13h30, 16h15, 19h, 21h20; Hotel Transylvania 3: Umas Férias
Braga Ribeiro Penacova - Penacova Penafiel - Confiança
São João da Madeira 21h45 (V.Port./2D); Sicario: Guerra de Monstruosas 14h, 16h30, 19h10, 21h50 GNRation
Penalva do Castelo - Claro Penedono - Rua Penela
- Penela Peso da Régua - Ponte Pinhel - Santos , Da
Misericórdia (Alverca da Beira), Moderna (Pínzio)
Cineplace - São João da Madeira Cartéis 24h; Jogo da Apanhada M12. (V.Port./2D) Praça Conde de Agrolongo - Campo da Ponte da Barca - Saúde Ponte de Lima - De São João
São João da Madeira. 21h30, 00h10; Amar Pablo, Odiar Cinemas Nos Palácio do Gelo Vinha, antigo Quartel da GNR. T. 253142200 Póvoa de Lanhoso - Milénio Póvoa de Varzim - Praia
A Sombra da Verdade M12. 19h10, 21h30; Escobar M16. 13h35, 16h15, 19h, 21h50, Palácio do Gelo, Est. Nelas, Scale Travels: All The Way Down De Resende - Nova de Resende (Lugar do Paço) Ribeira
de Pena - De Cerva (Cerva) , Borges de Figueiredo
The Incredibles 2: Os Super-Heróis 13h20, 00h35; Arranha-Céus M12. 13h50, 16h35, Qt. Alagoa. T. 16996 Matthew Biederman. De 13/7 a 6/10. 2ª a Sabrosa - Vieira Barata , Fraga (São Martinho de
16h, 18h40 (V.Port./2D); Arranha- 19h05, 21h40, 00h20; Cães à Solta M6. The Incredibles 2: Os Super-Heróis 14h, 6ª das 09h30 às 18h. Sáb das 10h às 18h Anta) Sabugal - Central , Aldeia Velha (Aldeia Velha),
Céus M12. 21h50; Mamma Mia! Here We 14h15, 16h30, 16h25 (V.Port./2D); I Kill Giants 17h15 (V.Port./2D); Arranha-Céus M12. (excepto Sábs de Agosto). Instalação. VV De Higiene (Souto) Santa Comba Dão - Vasco da Gama
, Sales Mano (S.João de Areias) Santa Maria da Feira
Go Again 14h40, 17h, 19h20, 21h40; The - Eu Mato Gigantes 13h50, 16h20, 18h55; 13h40, 16h15, 18h50, 21h40, 00h30; João Martinho Moura. De 21/7 a 13/10. 2ª - Sousa Santa Marta de Penaguião - Santa Eulália
Equalizer 2 - A Vingança 21h20; Missão: Mamma Mia! Here We Go Again 13h30, Mamma Mia! Here We Go Again 13h, a 6ª das 09h30 às 18h. Sáb das 10h às 18h (Cumieira) , Douro (Santa Marta Penaguião) Santo
Tirso - Salutar São João da Madeira - Central São
Impossível - Fallout M12. 12h40, 15h30, 16h05, 18h45, 21h20, 24h; Mamma Mia! 15h40, 18h20, 21h20, 24h; The Equalizer (excepto Sábs de Agosto). Instalação. Pedro do Sul - Elvira Coelho Sátão - Santo André
21h30 (2D), 18h30 (3D); Hotel Transylvania Here We Go Again 21h50, 00h30; The 2 - A Vingança 21h30, 00h25; Missão: (Lamas) , Andrade Seia - Melo , Popular (Loriga),
3: Umas Férias Monstruosas 13h10, 15h20, Equalizer 2 - A Vingança 13h35, 16h15, Impossível - Fallout M12. 13h30, Paranhense (Paranhos da Beira), Neves Rodrigues
17h30, 19h40 (V.Port./2D); Deep: Aventura 19h, 21h50, 00h40; Titã 13h45, 16h25, 20h50, 00h05 (2D), 17h (3D);
Figueira da Foz (Pinhanços), do Alva (Sandomil), De São Romão
(São Romão) Sernancelhe - Confiança , Mota (Vila
no Fundo do Mar M6. 12h40 (V.Port./2D); 18h55, 21h35, 00h10; Coexistir Não É Hotel Transylvania 3: Umas Férias Centro de Artes e Espectáculos da Ponte) Sever do Vouga - Martins Soure - Ygeia
A Pequena Sereia M6. 12h50, 14h50, 17h Fácil M14. 13h45, 16h, 18h15, 21h30, 00h10; Monstruosas 13h20, 15h50, 18h30, 21h, R. Abade Pedro. T. 233407200 Tábua - Simões Ferreira Tabuaço - Confiança
Tarouca - Augusta (Salzedas) , Moderna Terras de
(V.Port./2D) Missão: Impossível - Fallout M12. 14h, 23h30 (V.Port./2D); Linhas de Sangue M16. O Luar da Montanha. Suavemente Ilumina. Bouro - Alvim Barroso (Covas) Tondela - Moura
15h, 17h15, 21h15, 22h, 00h20 (2D), 18h15 21h10, 00h10; A Pequena Sereia M6. 13h10, O Ladrão de Flores De Rui Matos. De 22/6 a Torre de Moncorvo - Avenida Trancoso - Macedo
de Crespo , Pereira (Vila Franca das Naves) Trofa -
(3D); Hotel Transylvania 3: Umas Férias 15h20, 17h30 (V.Port./2D) 30/9. 2ª a 6ª das 09h às 23h (6ª até às 24h).
Viana do Castelo Monstruosas 13h50, 16h20, 19h, 21h20 Sáb das 10h às 00h. Dom e feriados das 10h
Barreto Vagos - Tavares Vale de Cambra - Oliveira
da Silva Valença - Central Valongo - Formiga
Cineplace - Viana do Castelo (V.Port./2D), 16h25 (V.Port./3D); Linhas de às 19h. Escultura. (Ermesinde) Valpaços - Paula Viana do Castelo -
Moderna Vieira do Minho - Freitas Vila do Conde
Orient Cineplace . T. 258100260
The Incredibles 2: Os Super-Heróis 13h20,
Sangue M16. 13h40, 16h20, 19h05, 21h55,
00h40; Gotti - Um Verdadeiro Padrinho TEATRO - Central (Caxinas) Vila Flor - Vaz Vila Nova de
Cerveira - Cerqueira, Suc. , Correia de Sampaio Vila
Nova de Famalicão - Barbosa Vila Nova de Foz Côa
16h, 18h40 (V.Port./2D); Arranha-
Céus M12. 21h50; Mamma Mia! Here We
Go Again 14h40, 17h, 19h20, 21h40; The
Americano 14h05, 16h40, 19h, 21h50,
00h25; A Gaivota 13h40, 16h10, 18h40,
21h25, 00h05; Deep: Aventura no Fundo do
Figueira da Foz MÚSICA - Barreira Vila Nova de Paiva - Galénica Vila Nova
de Poiares - Martins Pedro (S.Miguel de Poiares)
, Santo André Vila Pouca de Aguiar - Figueiredo
Vila Real - Chaves Ferreira Vila Verde - Medeiros
Equalizer 2 - A Vingança 21h20; Missão: Mar M6. 14h10 (V.Port./2D); Blindspotting - Figueira da Foz
Impossível - Fallout M12. 12h40, 15h30, À Queima-Roupa 21h35, 00h15; A Pequena Figueira da Foz.
Porto Vimioso - Liberal , Ferreira (Argozelo) Vinhais -
Afonso , de Rebordelo (Rebordelo) Vizela - Ferreira
21h30 (2D), 18h30 (3D); Hotel Transylvania Sereia M6. 14h, 16h25, 18h45 (V.Port./2D); Lucy Live Dia 2/8 às 22h30. Na Garagem Casa da Música (Caldas de Vizela) Vouzela - da Torre (Alcofra) , Ana
Rodrigues Castro (Campia), Teixeira Vagos - Viva
3: Umas Férias Monstruosas 13h10, 15h20, The Incredibles 2: Os Super-Heróis 18h50, Auto Peninsular (Citemor - 40.º Festival de Av. da Boavista, 604/610. T. 220120220 Vouzela - Vieira
17h30, 19h40 (V.Port./2D) 21h40 (V.Orig./2D) Montemor-o-Velho) Mano a Mano Dia 2/8 às 22h.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

32 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

DESPORTO
Benfica falha exame de aferição
com derrota frente ao Lyon
Eusébio Cup teve muito Vlachodimos, três remates ao poste e uma recuperação incompleta,
que deixa em aberto o balanço ideal mesmo à porta da Liga dos Campeões
FILIPE FARINHA/EPA

Benfica 2
Pizzi 59’, Marcelo (p.b.) 64’

Lyon 3
Marcelo 41’, Traoré 45’, Terrier 83’

Jogo no Est. do Algarve, em Faro/Loulé

Assistência 17510 espectadores

Benfica Vlachodimos, André Almeida,


Rúben Dias (Conti, 46’), Jardel (Lema,
88’), Grimaldo (Yuri, 88’), Fejsa (Alfa
Semedo, 71’), Pizzi (Jonas, 71’), Gedson
(Samaris, 88’), Salvio (Rafa, 71’), Cervi
(Zivkovic, 46’) e Ferreyra (Castillo, 46’).
Treinador Rui Vitória

Lyon Gorgelin, Mendy, Morel, Marcelo,


Tete (Dubois, 68’), Tousart, Ndombele
(Diop, 68’), Aouar (Cornet, 75’; Pereira,
90’), Memphis a 24’(Ferri, 75’), Traoré
(Rafael, 89’) e Mariano (Terrier, 68’).
Treinador Bruno Genésio

Árbitro Hélder Malheiro

Positivo/Negativo

Vlachodimos
Depois da exibição
com a Juventus, voltou
a desempenhar papel
crucial, em especial na
primeira parte, evitando
em três ocasiões que os
franceses se adiantassem.
Acabou por sofrer dois
golos perto do intervalo,
mas sem hipóteses de
contrariar o ataque do O jovem Gedson foi aposta de Rui Vitória no “onze” inicial do Benfica
Lyon.
forte ao vice-campeão português, Lyon a cinco minutos do intervalo,
Pizzi Crónica de jogo antes do primeiro grande exame
Frente ao Lyon, com Marcelo (40’) e Traoré (45’) a
Apesar do azar aos postes, Augusto Bernardino para a Liga dos Campeões, frente o Benfica oscilou punirem a ineficácia da formação
devolveu a esperança aos turcos do Fenerbahçe, agendado portuguesa.
ao Benfica com um golo O Benfica perdeu ontem por 2-3, para dia 7 de Agosto, na Luz.
demasiado entre Com Jonas no banco e Ferreyra
que permitiu encetar uma frente ao Lyon, em partida referente O Benfica ainda conseguiu anu- o nível pretendido discreto, a ceder, inclusive, o lugar
recuperação um pouco à à Eusébio Cup, disputada no Estádio lar uma desvantagem de dois golos, a Castillo na segunda parte, o Ben-
semelhança da conseguida do Algarve, naquele que foi o últi- como tinha feito com o Borussia
e o indesejável fica tentava reentrar na discussão
frente aos alemães do mo jogo antes do arranque oficial da Dortmund, mas Terrier (83’) sen- do jogo. Mas o poste direito voltava
Borussia Dortmund. época, encerrando simultaneamen- tenciou a favor dos franceses, que a negar o golo a Pizzi (46’), que se
te a participação dos encarnados na se apresentaram sem Anthony Lo- primeiro por Salvio (27’) e depois redimiu pouco depois (59’), con-
Ferreyra International Champions Cup. pes e Fekir. por André Almeida (38’). cluindo um lance de Salvio. Um au-
O argentino assinou um Apesar do golo de Pizzi (59’) e da E notou-se a menor pressão no Ao mesmo tempo, o Benfica ti- togolo de Marcelo (64’) renovava a
remate por cima da barra gentileza de Marcelo (64’ p.b.), as jogo dos franceses, que foram mi- nha em Vlachodimos um esteio esperança benfiquista, que desde
em 45 minutos sem grande “águias” acabaram por chumbar nando a confiança benfiquista que importante, com o guarda-redes 2012 não conquista a Eusébio Cup,
expressão. Cedeu o lugar na prova de aferição, num teste uma arrancada de Gedson tinha alemão a travar todas as investidas mas a entrada em cena de Terrier
a Castillo e viu Jonas ser exigente, sob temperaturas eleva- animado logo aos 8’. Apesar de não de Mariano (17’), N’Dombélé (36’) revelou-se terrível para um Benfica
muito aplaudido quando das, encerrando a pré-época com a conseguirem subjugar os franceses, e Depay (38’) e a assumir-se como a oscilar demasiado entre o nível
entrou para os últimos 15 única derrota nos particulares dis- os encarnados surgiam sempre com figura das “águias” na primeira par- pretendido e o indesejável.
minutos. putados... Precisamente quando Rui perigo junto da área de Gorgelin, te. Vlachodimos seria, contudo, im-
Vitória pretendia tomar um pulso como atestam os remates ao poste: potente para evitar os dois golos do augusto.bernardino@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 33

DESPORTO

Ricciardi, o “candidato Pedido de AG


indeferido
da experiência” contra por Marta
Breves “aventureiros e amadores” Soares
JOÃO RELVAS/LUSA

Futebol Sporting Sporting


Rosetti no lugar de Marco Vaza
Presidente da MAG
Collina no Comité de O banqueiro apresentou diz que o pedido feito por
Arbitragem da UEFA alguns nomes e algumas um grupo de sócios
A UEFA confirmou ontem que ideias no lançamento “não respeitava os
o italiano Roberto Rosetti da sua candidatura à estatutos” do clube
vai ser o novo presidente do presidência do Sporting
seu Comité de Arbitragem, O presidente da Mesa da Assem-
substituindo o compatriota José Maria Ricciardi já era um nome bleia Geral (MAG) do Sporting,
Pierluigi Collina, que invocou conhecido na extensa lista de candi- Jaime Marta Soares, disse ontem à
razões pessoais para deixar datos à presidência do Sporting nas agência Lusa ter indeferido o pedido
o cargo. A UEFA destaca os eleições de 8 de Setembro e, ontem, de realização de uma reunião mag-
avanços obtidos no mandato o banqueiro divulgou alguns nomes na extraordinária, apresentado na
de Collina, como o lançamento e ideias na apresentação que decor- semana passada por um grupo de
do Centro de Excelência reu ao ar livre no Centro Cultural associados.
Arbitral (CORE) e a criação de Belém. José Eduardo é o seu ho- “Indeferi o pedido de realização de
de programas de supervisão mem forte para o futebol, Miguel uma Assembleia Geral extraordinária
e desenvolvimento para os Frasquilho, antigo deputado, é o porque este não respeitava os estatu-
árbitros. Rosetti coordenou candidato para presidente da Mesa José Eduardo (à esquerda) é o homem forte de Ricciardi para o futebol tos”, disse Jaime Marta Soares.
no Mundial da Rússia a da Assembleia Geral, enquanto Luís A Assembleia Geral Extraordinária
implementação do VAR. Borges Rodrigues lidera a lista para nizado que pode estar mais bem solicitada por um grupo de sócios ti-
o Conselho Fiscal, sendo que a sua
lista integra ainda Zeferino Boal,
Renan Ribeiro organizado”, disse José Eduardo.
Antes de Ricciardi, foi Fernando
nha como objectivo permitir que fos-
sem validadas todas as candidaturas
Futebol
que também chegou a ser candida- contratado Tavares Pereira, outro candidato às eleições do clube, marcadas para
Manchester United

R
to assumido nestas eleições. a anunciado, a apresentar o seu 8 de Setembro.
enan Ribeiro, guarda-redes
empresta Joel “Depois de analisar as candidatu-
ras, e com todo o respeito por elas, brasileiro que representou
programa eleitoral, garantindo que
lidera uma lista independente. “A
As assinaturas para a convocação
da reunião magna extraordinária
Pereira ao V. Setúbal não existia nenhuma que nos desse o Estoril-Praia na última minha candidatura vem de fora foram entregues a Jaime Marta So-
garantias absolutas de saber gerir temporada, vai jogar no para dentro. É isso que distingue a ares em 27 de Julho, dois dias após
O guarda-redes português uma realidade empresarial com Sporting por empréstimo do minha candidatura das restantes. o presidente da MAG se ter recusa-
Joel Pereira, do Manchester milhares de funcionários e atletas. clube “canarinho”. A notícia foi Na minha vida sempre fui uma pes- do a recebê-las, alegando questões
United, será o grande reforço Tínhamos de avançar”, revelou o ontem avançada pelo jornal soa independente e pouco ligada a processuais.
do Vitória de Setúbal para a banqueiro, apontando para a sua “Record”, que deu conta de certos lobbies”, disse o empresário O Sporting está a ser liderado por
temporada 2018-19. O jogador experiência como gestor como uma opção de compra no final de 61 anos, revelando ainda que, uma comissão de gestão, que subs-
será emprestado ao clube um dos principais trunfos da sua da época de um milhão de caso ganhe as eleições, não quer tituiu o Conselho Diretivo, presidido
sadino durante uma época. candidatura em relação às outras euros. Formado nas escolas vencimento como presidente do por Bruno de Carvalho, destituído
Esta não é a primeira vez que o já anunciadas: “A situação finan- do Atlético Mineiro, Renan, de Conselho Diretivo do clube. em AG extraordinária realizada em
United empresta Joel Pereira a ceira e económica não está para 28 anos, passou boa parte da Durante a apresentação em Lis- 23 de Junho.
um clube português, tendo-o aventureiros e amadores. Ficámos sua carreira profissional no São boa, Tavares Pereira revelou que Nove associados do clube já ma-
feito também na época 2016- perplexos com a forma ligeira co- Paulo, antes de se mudar para já foi convidado “por duas vezes” nifestaram intenção de concorrer
17, na altura ao Belenenses. mo os outros candidatos encaram o Estoril na segunda metade da para presidir aos destinos do Spor- ao ato eleitoral, agendado para 8 de
esta questão. Temos experiência e época passada. A contratação ting, e avançou que José Peseiro, Setembro, mas até à data apenas Fre-
capacidade nesta vertente, é uma ainda não oficializada de Renan trazido pela Comissão de Gestão do derico Varandas, antigo diretor clíni-
Futebol situação difícil e que tem de ser aumenta para quatro o número clube, será o seu treinador. “Que- co, formalizou a candidatura, cujo
Sp. Braga fecha bem gerida.”
O banqueiro diz que avança “sem
de guarda-redes às ordens
de José Peseiro, para além do
remos ganhar e apostar em quem
lá está, o treinador é José Peseiro”,
prazo de entrega de listas termina
em 8 de Agosto.
preparação com telhados de vidro” relacionados italiano Viviano, do francês assumiu Tavares Pereira, que apre- Desde de que o presidente da MAG
goleada ao Newcastle com a falência do Banco Espírito
Santo e diz que a sua credibilidade
Salin e do jovem português
Maximiano.
sentou Vitalino Canas, deputado do
PS, como o seu candidato à presi-
convocou eleições apresentaram-se
como candidatos, além Frederico Va-
O Braga fechou ontem a pré- na área financeira vai ajudar o Spor- dência da MAG. randas, Bruno de Carvalho, Carlos
época da melhor forma ao ting a “recuperar a confiança dos O candidato manifestou ainda dis- Vieira, Dias Ferreira, João Benedito,
golear o Newcastle por 4-0. mercados de capitais. Se for elei- futebol na lista de Ricciardi, desde ponibilidade para ouvir os restantes José Maria Ricciardi, Fernando Tava-
Ricardo Horta (52’), João to, Ricciardi garante que o clube irá as camadas jovens até ao futebol oito candidatos às eleições de 8 de res Pereira, Pedro Madeira Rodrigues
Novais (77’), Fransérgio (85’) e manter o controlo da SAD “leoni- profissional. Para o antigo jogador Setembro, mas recusou a ideia de es- e Zeferino Boal.
Dyego Sousa (90’) marcaram na”. “Como sei que é o desejo da dos “leões”, esta decisão de avan- tabelecer alianças. “Vamos sozinhos Bruno de Carvalho e Carlos Vieira,
os golos. “A competição maioria dos adeptos, dei a minha çar foi um “parto difícil”. “Tenho até ao fim”, referiu o empresário, presidente e vice-presidente eleitos
interna é extremamente forte garantia pessoal que se formos elei- uma vida tão boa e agora perdi a que quer revitalizar a Academia de em Março de 2017, foram suspensos
e os jogadores estão todos tos e durante o nosso mandato, a cabeça. Sirvo o sporting desde os Alcochete e manter a aposta forte preventivamente de toda a activida-
prontos para jogar”, disse Abel SAD será sempre maioritariamente 14 anos. Vou tentar ajudar o futebol nas modalidades. com Lusa de no clube por uma Comissão de
Ferreira, treinador bracarense. detida pelo Sporting”, reforçou. do Sporting a ser melhor. Prometo Fiscalização nomeada pela Mesa da
José Eduardo é o homem-forte do serenidade. Temos um clube orga- mvaza@publico.pt Assembleia Geral. Lusa
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

34 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

DESPORTO
MANUEL FERNANDO ARAÚJO/EPA

Sport TV não
baixa preços
por causa da
Eleven Sports Breves
Televisão Ténis
Três portugueses
Nuno Ferreira Pires diz que
Liga Europa pode ter maior
avançam para os
valor do que a Champions “quartos” em Liberec
porque terá mais equipas Pedro Sousa, João
portuguesas Domingues e Gonçalo
Oliveira qualificaram-se
O presidente executivo da Sport TV, para os quartos-de-final do
Nuno Ferreira Pires, considerou, em Svijany Open 2018, torneio
entrevista à Lusa, que a “concorrên- do Challenger Tour que
cia saudável” é boa para o sector em decorre em Liberec, na Rep.
Portugal e dá “as boas-vindas” à Ele- Checa. Sousa, 151.º no ranking
ven Sports em Portugal. Questionado mundial, derrotou o checo
sobre a entrada de um novo concor- Zsombor Piros (397.º), por
rente no mercado — a Eleven Sports O Rio Ave precisa de anular uma desvantagem de 1-0 para seguir em frente na Liga Europa 6-1, 3-6 e 7-6 (7/5), embora
— que tem os direitos de transmissão tenha tido de recuperar de
da Champions (Liga dos Campeões) e
da Liga Espanhola, o gestor disse que
“concorrência saudável é sempre boa
Rio Ave tem “todas 1-4 no set decisivo. Se o
tenista mais cotado do quadro
vencer o próximo encontro,
para qualquer sector”.
“É um fenómeno ao qual” a Sport
TV estará atenta, garante Ferreira
as condições” para então teremos um finalista
luso, já que irá defrontar um
compatriota na meia-final:
Pires. “Não estou preocupado, es-
tou saudavelmente preocupado.
Não me parece do que vimos até
continuar na Liga Europa Domingues (260.º), vencedor
do checo Safranek (238.º), por
6-4, 6-0, ou Oliveira (266.º),
agora que seja uma preocupação que eliminou o peruano Varillas
de grande monta para a Sport TV. (331.º), por 6-1, 6-4. P.K.
A Sport TV continua a estar muito a única diferença do jogo de hoje em uma ou outra coisa, como temos
tranquila com a sua oferta, temos 55 Futebol relação ao da semana passada é que sempre de melhorar, estamos muito
Xadrez
mil horas de programação ao longo Diogo Magalhães a sua equipa está a perder na elimi- mais perto de passar esta eliminató-
do ano”, comentou o gestor.
Questionado sobre o facto de a
natória e que a desvantagem pode
jogar a favor da equipa polaca em
ria”, apontou o jogador.
O treinador do Jagiellonia disse
Mamediarov
José Gomes quer “entrar
Sport TV não ter a Champions, o
para vencer” na segunda parâmetros como “o ataque rápido, que o Rio ave não fica mais fraco supera Carlsen no
presidente executivo disse: “Não
temos a Champions, mas temos mão da eliminatória frente
a procura do contra ataque, o juntar
a equipa, o fechar linhas”.
sem Diego Lopes, que saiu lesionado
aos dez minutos da primeira mão,
magistral de Biel
mais uma vez por opção uma coi- ao Jagiellonia Bialystok, O treinador dos vilacondenses mas antes que será na mesma “uma Shaktiar Mamediarov foi o
sa que nos parece que este ano vai após derrota na Polónia quer entrar para vencer, mas deixou equipa muito poderosa”. Ireneusz grande vencedor do magistral
ter um valor muito, muito maior, cautelas. “Entrar para vencer não Mamrot admitiu que o seu adver- de Biel, Suíça, deixando
que é a Liga Europa. O que quero O Rio Ave tem 90 minutos para ten- quer dizer que não tenhamos de ser sário tem “jogadores muito fortes e o segundo classificado, o
dizer com isto é que existe garan- tar mudar a sua sorte e continuar equilibrados e de estar permanente- tecnicistas” e que a sua equipa viaja campeão mundial Magnus
tidamente mais equipas portugue- com esperanças de chegar à fase mente a contar que saiam ataques ao Estádio dos Arcos “com a finali- Carlsen, a 1,5 pontos de
sas a disputarem a Liga Europa do de grupos da Liga Europa. O clube rápidos por parte do adversário, que dade de passar de eliminatória”. distância. O número três
que equipas portuguesas que even- de Vila do Conde recebe os polacos eles são fortes nisso. Temos de ter Esta eliminatória da Liga Europa mundial realizou uma das
tualmente possam vir a disputar a do Jagiellonia Bialystok na segunda os mesmos cuidados que tivemos serve como lançamento de uma épo- melhores performances da
Champions”, prosseguiu. mão da segunda pré-eliminatória de e conseguir, em termos ofensivos, ca em que José Gomes quer promo- sua carreira, terminando
Questionado sobre a possibilidade acesso à prova europeia. No jogo an- marcar, que foi aquilo que faltou no ver a “beleza do futebol” tal como invicto, com cinco vitórias
de haver uma redução dos preços de terior, na Polónia, os vilacondenses jogo anterior”, delineou. o Rio Ave tem feito em temporadas e outros tantos empates
subscrição dos serviços da Sport TV, perderam pela margem mínima (1-0) Nélson Monte foi a voz do plan- anteriores. “Aquilo a que nos vamos nas dez rondas da prova. O
tendo em conta que não tem a oferta e é essa desvantagem que terão de tel, que já sabe “a maneira como propor, em primeiro lugar, é pro- jogo decisivo decorreu na
da Champions, Nuno Ferreira Pires superar hoje (20h, SPTV1) frente aos o Jagiellonia joga”. “Sabemos on- porcionar a todos que vêm ao nosso penúltima ronda, quando o
afastou o cenário. “Quando tenho seus adeptos. de temos de melhorar para levar a estádio e que vão ver os nossos jogos azerbaijano enfrentou Carlsen,
70% do meu parque de subscritores Depois de ter tido a sensação equipa do Jagiellonia de vencida. um bom jogo, um jogo positivo, um que estava obrigado a ganhar
que actualmente paga o valor mais de que foi feito “um bom jogo” na Foi sobre isso que trabalhámos des- jogo que de alguma forma promova para recuperar a desvantagem
alto de subscrição [os valores mais Polónia, José Gomes afirmou em de que saímos da Polónia”, referiu a beleza do futebol”, expressou o pontual que tinha. A terceira
altos de subscrição são os clientes conferência de imprensa que o Rio o central. técnico. “Depois temos os objecti- posição foi partilhada pelo
que vêem em alta definição, em vá- Ave tem “todas as condições para Na Polónia, o Rio Ave sofreu o úni- vos na tabela classificativa, de que já francês Lagrave e o russo
rios dispositivos] (...), isso significa dar a volta ao jogo” e deixou uma co golo da partida no início, mas de- falámos na altura da apresentação”, Svidler, com 5,5 pontos,
que os clientes de facto estão em garantia: “Vamos entrar amanhã pois criou várias oportunidades pa- continuou o treinador, reconhecen- seguindo-se o checo Navara
média tranquilos com aquilo que para vencer para continuar na pro- ra empatar. “Penso que se fizermos do que a “fasquia está alta”. (4 pontos) e o jovem suíço
a Sport TV hoje tem como oferta”, va, que é o que vai acontecer.” O um jogo muito próximo daquilo que Georgiadis (1,5 pontos). J.G.
considerou. técnico português considerou que fizemos lá na Polónia, melhorando diogo.magalhaes@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 35

DESPORTO
Para
Rafael Reis é o primeiro
camisola amarela que
na Volta a Portugal
nada
lhe
NUNO VEIGA/LUSA

Ciclismo
Augusto Bernardino
Ciclista português da Caja

escape
Rural destronou César
Martingil, da Liberty,
mesmo no final do prólogo
de Setúbal
O palmelense Rafael Reis, da Caja
Rural, parte de amarelo na primei-
ra etapa da 80.ª edição da Volta a
Portugal em bicicleta, um privilégio
conquistado com a vitória no prólo-
go de Setúbal. Reis cumpriu os 1800
metros do contra-relógio individual
em 2m18,966s, num “crono” à me-
dida da potência dos sprinters, mas
que acabou por ficar marcado por Rafael Reis venceu o prólogo da Volta a Portugal 2018 De segunda-feira a domingo,
diversas quedas que retraíram os os jornalistas do Público
ciclistas. 1.ª etapa - Alcácer do Sal-Albufeira enviam-lhe, gratuitamente,
Rafael Reis destronou, mesmo no o melhor da actualidade
final, César Martingil (Liberty), que Altitude (m) MV Meta Volante PM Prémio Montanha e os trabalhos mais
durante hora e meia aguentou o re- 1800 aprofundados do jornal
gisto de 2m20,52s. Martingil apenas 1600 St.ª Margarida da Serra Odemira
havia sido ameaçado por Louis Ben- 29,4km 103,8km
1400
dixen (Team Coop), Daniel Mestre PM PM
(Efapel) e Domingos Gonçalves (Bo- 1200
avista), campeão nacional de estrada 1000 Portela
Grândola Sant. do Cacém de Messines
e de contra-relógio, que também não 800
20,6km 47km 98km 171,6km
conseguiram arrebatar a amarela. 600 MV MV PM MV
Apesar de muito curto, o prólogo 400
revelou-se bastante ingrato para os
200
primeiros ciclistas a entrarem em
competição, alguns dos quais foram 0
vítimas de quedas logo na segunda Km 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 110 120 130 140 150 160 170 180 190
curva, no início da Av. Luísa Todi: Alcácer do Sal Albufeira (191,8km)
caso de Gaspar Gonçalves (Liberty),
Fonte: Volta a Portugal PÚBLICO
um dos mais afectados.
A passadeira em paralelo “vidra-
do” e escorregadio, na curva entre presentes. E isso foi uma motivação tou Rafael Reis, em contraste com o
a Rua de Teotónio Banha e a ave- extra”, explicou, reconhecendo que abatido César Martingil.
nida, fez três vítimas num curto temeu uma queda. “Claro que foi “Fiz aquelas duas curvas no li-
período de tempo, ainda que sem arriscado. Mas para ganhar tinha mite... e perder o lugar mesmo no
consequências de maior para os de assumir riscos e, felizmente, não final, depois de ter estado tanto tem-
mais azarados. Este facto acabaria caí. Temos uma equipa combativa po sentado, na expectativa, custa
por colocar os restantes ciclistas nu- e entrámos com o pé direito”, exul- sempre. Mas estou no pódio e até
ma posição mais defensiva, tendo posso entrar na discussão da amare-
mesmo sido assumido por inúmeros la já na primeira etapa”, avisou. Conheça as nossas
CLASSIFICAÇÃO
newsletters em
corredores que não compensava ar- A Volta terá agora a primeira de
riscar uma queda comprometedora nove etapas em linha, numa ligação
para ganhar escassos segundos. PRÓLOGO entre Alcácer do Sal e Albufeira,
Quem não pensou dessa forma foi 1.º Rafael Reis (Caja Rural) 2m18s com os ciclistas a cobrirem a distân- publico.pt/newsletters
2.º César Martingil (Liberty) a 2s
Rafael Reis, que tinha idealizado a cia de 191,8km. A Volta regressa ao
3.º Louis Bendixen (Team Coop) a 3s
vitória neste prólogo, reconhecen- 4.º Daniel Mestre (Efapel) m.t. Algarve, após dez anos de ausência,
do que esse seria o grande objecti- 5.º Domingos Gonçalves (Boavista) a 4s para uma etapa com três metas-vo-
vo em termos pessoais para a Volta. 6.º Mário Gonzalez (Sporting) m.t. lantes (Grândola, Santiago do Cacém
7.º Olivier Pardini (Differdange) m.t.
“Quando soube que o prólogo seria e Portela de Messines) e três conta-
8.º João Matias (Feirense) m.t.
em Setúbal, tracei logo esta meta. 9.º Alexander Grigoryev (Sporting) a 5s
gens de 4.ª categoria (St.ª Margarida
Para mim, era um objectivo muito 10.º Ivan Centrone (Differdange) m.t. da Serra e duas em Odemira).
importante, por ser na minha ter- 11.º Riccardo Stacchiotti (Mstina) m.t.
ra, com todos os familiares e amigos 12.º Mario Vogt (Sapura) m.t. augusto.bernardino@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

36 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

ESPAÇO PÚBLICO
A situação está tensa no Zimbabwe, que No dia em que colocou o país em alerta
realizou as primeiras eleições após o máximo de risco de incêndio, o ministro da
afastamento de Robert Mugabe. A vitória Administração Interna recebeu a notícia
do ZANU-PF, o partido de Mugabe, nas legislativas, de que o Governo falhou o objectivo de garantir
trouxe a violência para as ruas, com a oposição o controlo da rede nacional de comunicações de
a falar em resultados falsos, que estendeu para emergência, o famigerado SIRESP, o mesmo que
as presidenciais. A julgar pelas legislativas, tudo falhou clamorosamente no último Verão, deixando
indica que será o Presidente interino e candidato da um país inteiro à mercê das chamas. E agora?
ZANU-PF a ganhar, mas a demora na divulgação dos Conseguirá o MAI que o Estado não fique refém dos
Emmerson Mnangagwa resultados já afecta a sua credibilidade interna. J.J.M. Eduardo Cabrita privados quando a casa voltar a arder? T.L.P.

O que aqui vos deixo


compromisso consigo.” Sem medo, ao seu lado.” assinaturas digitais, que tem bases
Hoje, dia em que formalmente Sendo este o meu último editorial sólidas para ficar. Com o DN a perder
acabo esta missão (eu, o Vítor Costa e no PÚBLICO, cabe-me dizer-lhe o leitores e a sair das bancas de segunda-
o Diogo Queiroz de Andrade, a quem que acredito que deixamos, ao fim feira a sábado, o PÚBLICO teve, nas
tanto terei de agradecer), cabe-me de 663 edições em que couberam primeiras três semanas deste novo
David Dinis vincar esse compromisso, que creio ter tantas coisas. Deixamos um jornal paradigma, um crescimento de 14% nas
Editorial provado verdadeiro e continuar muito reconciliado com a sua história e uma vendas da edição em papel, provando

E
actual: equipa recentrada na sua principal que recuperar leitores nunca é uma
sta direcção do PÚBLICO “Este jornal tem uma história ímpar, missão: contar o que ninguém sabia, missão impossível.
começou a 3 de Outubro de com uma missão de informar bem o seu pôr o dedo na ferida, questionar Em suma, caro leitor, acredito
2016. E eu lancei-me na aventura leitor, dar-lhe notícias, acrescentar- quem estava em silêncio, obrigar que lhe deixamos um jornal mais
celebrando “um compromisso” lhe contexto — o que implica fazer o país a discutir os seus desafios e indispensável, de referência. E também
consigo. Assinei-o no meu perguntas e procurar respostas, dar ao opções do passado, presente e futuro. muita amizade — cá dentro, aí fora.
primeiro editorial: tínhamos de leitor pistas para ler o país e o mundo. Deixamos também uma enorme O fim desta direcção pode ter sido
mudar, sim, mas sobretudo recuperar. Isto é hoje mais importante do que proximidade aos leitores — criando o abrupto, mas a missão foi um enorme
As notícias, a reflexão, a ambição, a nunca, porque o mundo em que vivemos Festival P, lançando aqui as newsletters prazer.
centralidade, os leitores. Nesse dia é cada vez mais complexo, cheio de personalizadas, abrindo a redacção Se me permitir, hoje despeço-me
1 eu traduzi o meu próprio desejo dilemas e de caminhos cruzados; aos assinantes, dialogando com assim. Desejando aos membros da
enquanto fiel leitor do PÚBLICO, porque no mundo em que vivemos eles. Deixamos ainda uma maior direcção futura o mesmo que cada um
sabendo que isso representava um já não há um problema de falta de personalidade digital, com um site deles me entregou a mim — um a um,
desafio ao statu quo da imprensa: informação, mas há um desafio de boa redesenhado (e bem recebido por na mesma medida (mais um abraço
“Os jornais, os meios de comunicação informação. Acreditamos que nós, o 85% da nossa comunidade), com ao Tiago). Desejando aos leitores do
social, têm passado muito tempo nos PÚBLICO, temos os melhores jornalistas podcasts à altura da marca, com PÚBLICO que mantenham o espírito
últimos anos a discutir o futuro do para o fazer, para o ajudar a pensar, a projectos vencedores de concursos crítico, a vontade de fazer parte, a
jornalismo — e muitas vezes a crise do discutir e a decidir. internacionais, da Google e do irreverência de quem só espera a
jornalismo. A reflexão será sempre O compromisso desta direcção do Parlamento Europeu, que ajudarão a verdade — na certeza de que estarei
bem-vinda, mas o futuro do jornalismo PÚBLICO é, por isso, servi-lo. O que nos financiar o jornal, a renovar os seus sempre entre eles. E desejando ao meu
passa sobretudo por dar-lhe a melhor dias de hoje significa ouvi-lo, chegar quadros e a fortalecer a sua marca. querido PÚBLICO que resista, que seja
informação hoje, a cada segundo, e mais perto de si, conversar. O mundo Deixamos até uma surpresa a sempre o melhor dos melhores, que
por dar-lhe a melhor edição em papel, novo deu-nos esse grande privilégio: contraciclo do mercado: um bom nos acrescente. Até já, até sempre.
a cada dia que passa. É essa a nossa falar com os leitores como nunca período a crescer em leitores fiéis,
principal missão, o nosso principal sonhámos ser possível. E ir mudando. na edição em papel e também em david.dinis@publico.pt

CARTAS AO DIRECTOR
Mais atrasos na FCT meados de Setembro. O atraso, funcionar de forma tão deficiente. que se paguem correctamente
dizem, é resultado do número João Bettencourt, Moscavide os impostos (que são muitos) e
Depois do atraso de sete meses elevado de candidaturas — onde é que ambas as partes estejam de
na divulgação dos resultados do que já ouvimos isto? — e, pasme- Ricardo Robles acordo e sejam compatíveis. Que
concurso de projectos de 2017, se, do fecho das instituições esse negócio seja praticado por um
eis que a Fundação para a Ciência para férias em Agosto. Perante O homem é ambicioso? Onde está destacado membro de uma facção
e Tecnologia nos brinda com a repetida incapacidade da FCT o problema? Ele até já foi candidato política que é contra a propriedade
novo atraso, agora na divulgação de cumprir os prazos que ela a Presidente da República. O cerne privada e contra os negócios, ainda
dos resultados do Concurso de própria se adjudica, não devem da questão pode estar na compra que sejam lícitos perante a lei, é
Estímulo ao Emprego Científico os cientistas estar preocupados? daquele prédio, por ter sido a que é inadmissível. Ainda para
individual, prometidos pelo A FCT, sendo a agência nacional quem foi, mas disso pouco se fala. mais quando o visado era vereador
ministro e pelo presidente da FCT de financiamento da ciência, Comprar por 10 e vender por 100 da CML. Guilherme da Conceição
para Julho e agora remetidos para é demasiado importante para ou por 1000 pode ser legal desde Duarte, Lisboa
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 37

Os artigos publicados nesta secção respeitam a norma ortográfica escolhida pelos autores

O sindicato fez chegar à Autoridade para Após o seu vereador Ricardo Robles se ter
as Condições de Trabalho uma carta demitido da CML na sequência da notícia que
reveladora dos métodos da Ryanair para revelou o seu envolvimento na compra de
pressionar os tripulantes de cabine da companhia um imóvel à Segurança Social por 347 mil euros que
aérea que faltaram nos dias de greve a não voltarem tentou depois vender por 5,7 milhões (após obras),
a fazê-lo. É todo um rol de desrespeito pelo direito num caso que afectou a credibilidade do BE, partido
à greve: a empresa refere que não serão pagos que faz da luta contra a especulação imobiliária
vários componentes do salário ou que essas faltas uma das suas principais batalhas, eis que o Bloco vê
serão levadas em conta aquando de promoções e Marcelo vetar a lei que dava o direito de preferência
Michael O’Leary transferências. J.J.M. Catarina Martins aos inquilinos. Catarina não tem descanso... J.J.M.

ESCRITO NA PEDRA
Quando se realiza o viver, pergunta-se: mas era só isto? E a
resposta é: não é só isto, é exactamente isto
Desgendrar
Clarice Lispector (1920-1977), escritora é giro
SEM COMENTÁRIOS VIETNAME
KHAM/REUTERS

N
Miguel Esteves Cardoso
Ainda ontem
a Universidade de Leipzig não
há professores — só professoras.
Não há arquitectos — só
arquitectas. Todas as profissões
são ditas no feminino.
É temporário — só para os
homens e as mulheres saberem
o estranho que é usar só um
género. Antes disso houve uma
primeira fase em que se usavam
sempre ambos os géneros: professoras e
professores.
No futuro adoptar-se-á apenas o neutro,
prescindindo da terminação feminina e,
claro está, de qualquer indicação do género.
É mais fácil para os alemães, porque têm
o neutro como destino. Para os portugueses
será mais difícil, porque regra geral as
designações colectivas são masculinas:
o sindicato dos professores é composto
maioritariamente por professoras.
Só para meter conversa proponho que
passemos a usar exclusivamente o género
feminino: as professoras, as cidadãs, as
empregadas, as pintoras. Numa fase inicial
explicita-se as pessoas (que são) professoras,
as pessoas cidadãs, as pessoas empregadas,
as pessoas pintoras.
EM PUBLICO.PT Para libertar o neutro, de modo a poder
usá-lo num futuro próximo, tem de se
masculinizar as palavras: os professoros
A Liberlândia “vai ser o país Uma biblioteca romana Uma mercearia de feltro têm uma selecção de futebol, as professoras
mais livre do mundo” descoberta no meio da cidade têm outra. Muitos pintoros de agora têm
barba.
Lucy Sparrow começou por ter uma loja Presidentes e agentes são palavras
Descontente com os impostos e o Foi construída no século II e tinha em Londres. Depois, aventurou-se em neutras, porque tanto se pode dizer “a
Governo, Vít Jedlicka decidiu criar o seu capacidade para albergar 20 mil Nova Iorque. Agora acaba de inaugurar presidente” como “a agente”. E para
próprio país: a Liberlândia. Três anos e pergaminhos. Será a biblioteca mais uma mercearia em Los Angeles, onde arranjar o neutro de empregados? Que tal as
meio milhão de pedidos de cidadania antiga da Alemanha e foi descoberta vende 31 mil produtos, todos produzidos empregadas, os empregados e neutralmente
depois, falou com o P3 sobre o futuro da no centro de Colónia, nas obras de por si, com recurso a um só ingrediente: empregades? Ou as cidadãs, os cidadãos e
nação “livre”. construção de uma igreja. feltro. neutralmente cidadães?
https://www.publico.pt/p3 https://www.publico.pt/culturaipsilon https://www.publico.pt/p3 Como só gradualmente passaríamos para
os neutros, temos tempo para combinar.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

38 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

ESPAÇO PÚBLICO

Do pós-milagre às políticas públicas

ENRIC VIVES-RUBIO

1.
Nuno Garoupa
Jano
Lendo o que se escreve sobre
Portugal na imprensa estrangeira,
somos evidentemente um país de
sucesso. Depois da saída limpa
(2014-2015) amplamente elogiada
por uns, tivemos o “major revival”
em 2017, na expressão recente do
New York Times. É verdade que os
êxitos da economia portuguesa
parecem depender ligeiramente
do pendor ideológico dos jornais. Uns
mais virados para a austeridade saudável,
que levou ao crescimento de 2015 (1,8%
então), outros mais apostados na quarta
via, que produziu o milagre de 2017 (com os
famosos 2,7%). Em todo o caso, as projeções
mais contidas das várias instituições
internacionais para 2018 e anos seguintes
não parecem estragar a narrativa a ninguém.
Como já tive oportunidade de comentar
nesta coluna, estas projeções apontam para
um crescimento medíocre e uma previsível
estagnação, que nos deixarão como um
dos países mais pobres da UE no final da
próxima década (enquanto medido pelo
rendimento nacional per capita). Conraria (L.A.C.), ele defende o atraso na na composição da população ativa não alguns insistem em propagandear. Significa
Uma possibilidade é acreditar que as educação (por comparação com os nossos acelerou a convergência real, pelo contrário, que certamente se avançou, ainda bem que
projeções estão erradas e que a economia parceiros comunitários, por exemplo) coincidiu com a longa estagnação. Que, se avançou, mas com 20 anos de atraso,
portuguesa vai surpreender com um como a explicação mais relevante. Como por sua vez, acontece com a nossa entrada pelo que o impacto desse avanço tardio
crescimento na casa dos 3%, depois de tive oportunidade posterior de esclarecer, no euro. Tudo isto não invalida a tese de nas políticas públicas será inevitavelmente
2020. Nada é completamente impossível. o que não me parece possível é que a taxa L.A.C. que a educação é uma restrição ativa, insuficiente por comparação com os nossos
Mas, sendo estatisticamente pouco
provável, manda a prudência desconfiar
A incapacidade de analfabetismo
em 1974 explique
mas ilustra a complexidade de fatores para
entender tão longo período de estagnação.
parceiros comunitários.
4. A incapacidade de dotar as políticas
desse otimismo. Consequentemente, o de dotar as a estagnação 3. No seu artigo, L.A.C. já cita outras públicas da qualidade necessária para
cenário mais expetável é outra década
de estagnação, com uma economia
políticas económica 50 anos
e cerca de 100 a
causas — justiça, por exemplo. Podemos
acrescentar (ausência de) regulação
a convergência real torna-se, pois, a
justificação estrutural para a nossa
anémica. Duas discussões emergem públicas da 150 mil milhões de de mercados, organização do Estado, estagnação. Nasce logicamente outro
naturalmente. Uma conjuntural, sobre qualidade euros depois. Dito burocracia, impostos, legislação. Todos debate — porque não somos capazes de
as responsabilidades partidárias e isto, é evidente eles, na minha opinião, apontam para um fazer isso quando outros fizeram? Aí volto
governamentais. Deixemos isso aos necessária para que continuamos problema mais geral — falta de qualidade à minha teoria das instituições extrativas e
atores políticos e às colunas de opinião a convergência a ter um sério das políticas públicas. Não quer isso dizer da democracia corporativa. A captura do
partidárias. Parece-me mais interessante,
mas certamente menos excitante para as
real é a défice na educação
e formação
que não haja melhorias pontuais ou que
o Estado tenha ignorado completamente
Estado por grupos de interesse induz um
desenho institucional fundamentalmente
eleições que se avizinham, a discussão justificação (as estatísticas o tema. Mas sejam quais for os progressos extrativo e pouco inclusivo, o que atrasa
estrutural. Se Portugal é uma economia
fundamentalmente estagnada entre 2000 e
estrutural disponibilizadas
pelo L.A.C. mostram
feitos na qualidade das políticas públicas,
eles foram insuficientes para promover
sistematicamente melhorias significativas
na qualidade das políticas públicas.
2030, que razões podem explicar isso? para a nossa isso mesmo), um crescimento sustentado. Por exemplo, Metaforicamente, o comboio chega sempre
2. Quando anteriormente nesta coluna estagnação que condiciona o atual Governo melhorou a produção atrasado à estação seguinte e nunca
falei da nossa longa estagnação, limitei-me a a economia. Mas legislativa ao introduzir a avaliação de recupera do tempo perdido. E os restantes
excluir aquilo que parecem ser argumentos também é verdade custos burocráticos e administrativos via países não esperam pelo nosso “catch up”.
para desresponsabilizar o regime — “A que a progressiva o tradicional modelo SCM (standard cost Politicamente, como já se vai notando, o
herança do fascismo versus a herança substituição dos model). E merece ser louvado por isso, “otimismo que faz bem a Portugal” dilui-se
do comunismo em termos de formação “analfabetos do porque levámos 20 anos (as primeiras pouco a pouco no “fez-se o que é possível”.
e educação, a periferia geográfica, as fascismo” pelos reflexões sobre o SCM datam de 1998) e
complexidades culturais e por aí fora.” Num “licenciados da ninguém o fez antes. Mas isso não é “impact Professor na George Mason University;
artigo posterior, assinado por Luís Aguiar- democracia” assessment” ou avaliação legislativa, como escreve quinzenalmente à quinta-feira
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 39

ESPAÇO PÚBLICO

Agora? Celebremos Interior: o coro


a vida de CR95 dos defuntos

O
DR
e que, nas restantes, reduziram 9%.

E
Nuno Pacheco Fontainhas Fernandes Este crescimento terá sido suportado
Em Público com recursos públicos e terá, muito
extinto Movimento pelo Interior provavelmente, provocado um excesso de
m Maio, celebrámos com ela o apresentou um documento capacidade nestas instituições de ensino
fado. Hoje, despedimo-nos de que integra um conjunto de superior. Por outro lado, nos argumentos
Celeste Rodrigues com uma visão medidas estruturais concretas, apresentados, não se considera a vantagem
mais clara do que foi a sua vida, e que algumas figuras da elite competitiva que, face à sua atrativa
desse Fado Celeste que sublimou portuguesa, incluindo políticos, localização geográfica, as instituições
os fados (e foram tantos) que ao têm vindo a contestar na das áreas metropolitanas acabam por
longo da vida cantou e gravou. comunicação social. Trata-se ter, pois podem compensar a redução de
Já aqui se escreveu que cantar, de uma reação esperada, pois estudantes de 1.º ciclo por estudantes de
na sua idade, era uma bênção, são medidas que envolvem a pós-graduação, ou aumentar o número de
uma bênção do fado que com ela realocação de recursos e vão muito além da estudantes internacionais.
ganhava uma sobriedade e um bom gosto narrativa de que “é preciso desenvolver o A serem válidos os fundamentos
dignos de nota. É certo que só depois da interior”, facto em que todos estão de acordo. apresentados pelas elites de “tiques
morte de Amália, sua irmã mais nova, ela Recorrendo a conceitos como “economias centralistas”, poder-se-ia extrapolar
assomou à ribalta, mas não é menos certo de escala”, “economias de aglomeração”, que toda a investigação e que todas as
que tudo isso era já intrínseco à sua carreira. “custos de transação” e inexistência de instituições do ensino superior poderiam
Reagindo à morte de Celeste, Rui Vieira Nery “falhas de mercado”, alguma da retórica estar concentradas nas grandes metrópoles
disse que “foi já nos últimos 20 anos, depois pretende esconder uma realidade clara que da União Europeia.
da morte da Amália, que as pessoas de está à vista de todos: 70% da população Obviamente, este
repente olharam para a Celeste como uma reside numa faixa costeira de 50 km e 45% seria um absurdo
personalidade autónoma, sem a sombra do concentra-se nas duas áreas metropolitanas. socialmente
nome e da fama da irmã. E ganhou, no fim para o PÚBLICO, Nas últimas cinco décadas a tendência inaceitável, e,
da vida, um reconhecimento que tardava.”
Isso é verdade, mas é curioso ver como,
em 2014, disse
Celeste: “Deixem-
registada é simplesmente assustadora! No
litoral, o aumento de população foi de 52%,
A política por isso, de todo
rejeitável.
muitos anos antes, essa “sombra” já era -me andar cá a enquanto no “interior” diminuiu 37%. pública tem Portugal deve
uma evidência. Leia-se isto: “[Celeste cantar as minhas Num exercício de benchmarking com como missão ver-se como parte
Rodrigues] não tem o lugar que merece, Como no cantiguinhas, países que apresentam níveis de crescimento
o bem-estar
integrante do espaço
única e simplesmente porque não quer, discreta. Por vezes e desenvolvimento económico elevado, europeu, como um
porque não acredita em si própria, porque célebre filme não se aguenta o não se encontra paralelismo com a situação colectivo e país equitativo, onde
se sente ofuscada pelo nome rutilante da sua de Capra, sucesso. E as pessoas vivida em Portugal. Sobre esta matéria, veja-
não apenas a política pública
irmã Amália.” Voz de um crítico? Não, pelo
contrário. Apenas a introdução a um texto
também sem mudam. E eu não
queria nada mudar.”
-se o caso da Irlanda, país que pôs em prática
uma estratégia nacional de desenvolvimento o conforto de
tem como missão
a provisão de bens
de uma revista de 36 páginas inteiramente Celeste o fado Não mudou. regional até 2040, visando um crescimento
alguns públicos e o bem-
dedicada a Celeste Rodrigues e publicada
há meio século, no dia 1 de Maio de 1967. A
seria outra Porque, dando
incessante alento às
mais equilibrado das suas principais regiões.
Nesta estratégia, a educação, o ensino
estar coletivo e não
apenas o conforto de
revista, intitulada Álbum da Canção (pode coisa novas gerações de superior e a ciência são fatores vitais na alguns. A estratégia
ser lida no blogue Curiosidades de Imprensa fadistas, manteve sustentação do crescimento económico passa por incentivar
e Afins), também serve de testemunho essa simplicidade e na construção de comunidades mais as universidades do
contrário: embora Celeste fosse “o mais altiva de quem nada fortes, promovendo-se, deste modo, um “arco do interior”,
antivedeta que possa imaginar-se”, já nessa deve mas muito desenvolvimento sustentável. Numa altura envolvendo-as na
altura tinha sido convidada para gravar sabe. Às vezes em que se apela aos fundos estruturais, e organização de um
na BBC de Londres e tinha sido filmada exagerando, como com as necessárias adaptações, não deveria programa estruturado de desenvolvimento e
por Ed Sullivan (em Lisboa!) para um fez na tal revista de 1967, ao dizer isto ao também Portugal adotar uma estratégia de de inovação com impacto potencial em áreas
dos seus célebres programas na televisão entrevistador: “Ao pé de Amália, eu não sou longo prazo, bem articulada com medidas científicas estratégicas. Caso contrário, estará
dos Estados Unidos. Não só isso. Por essa nada. Se eu tivesse realmente talento, todos de curto prazo, capazes de promoverem em causa a coesão do país e, certamente,
altura, já actuara no Brasil, na rádio e na me notariam, quanto mais não fosse para um país regionalmente mais equitativo, em um futuro mais competitivo e sustentável.
televisão. “Como se vê, a minha carreira comentarem: ‘Tem um certo talento’. Assim, coerência com o reclamado a nível europeu? Somente um comportamento pró-ativo e
é muito simples. Limitei-me a cantar o como não tenho qualquer réstia de génio, Basta olhar para o que sucedeu no caso do responsável de todos vai impedir que isso
fado, especialmente em casas típicas, e em limitam-se a dizer: ‘É a irmã da Amália’. E ensino superior. O governo reduziu 5% nas aconteça. Estando-se no campo das decisões
programas da rádio e da televisão”, dizia ela eu acho muito bem.” Mas a verdade é que vagas de acesso das instituições das áreas políticas, em termos de desenvolvimento
no longo texto da revista. Recusou convites Celeste tinha muitos talentos e isso será metropolitanas e, de imediato, se levantou o regional importa passar da narrativa política às
para o cinema e para o teatro (e se ela lembrado, justamente, por mais do que uma habitual “coro dos defuntos”. Diversas vozes medidas e ações concretas, assumindo o tema
gostava de ambos) porque não se sentia com geração de músicos e de públicos. Portugal, contestaram a medida, olhando apenas para do “interior” como um desígnio nacional.
coragem para enfrentar as câmaras ou pisar que tanto celebra o seu CR7 (Cristiano o local e descurando o país como um todo. Trata-se de uma questão de regime e de
esses outros palcos. No fado, sim, estava à Ronaldo) bem pode celebrar também a sua Entre os argumentos, esquece-se que sociedade, transversal a todos os partidos
vontade. “Canto porque gosto de cantar”, CR95 (Celeste Rodrigues, 95 anos) naquilo 54% dos estudantes do ensino superior políticos, que urge uma resposta. Quando
dizia, depois de afirmar: “Reconheço que lhe é devido. Porque, como no célebre se concentram nas áreas metropolitanas, se perspetiva um novo ciclo eleitoral,
que não dou a importância que devia dar filme de Capra, também sem ela o fado seria situação sem paralelo em qualquer dos europeu e nacional, é fundamental incluir
à minha carreira artística.” E foi nessa outra coisa. E bem mais pobre. outros países europeus. Não se refere, este tema na agenda política.
dualidade que sempre viveu, com o prazer igualmente, que no concurso nacional
da vida e deixando de lado o peso da fama. Jornalista. Escreve à quinta-feira de acesso dos últimos anos as vagas Reitor da Universidade de Trás-os-
Numa entrevista a Anabela Mota Ribeiro, nuno.pacheco@publico.pt aumentaram 31% nas áreas metropolitanas -Montes e Alto Douro
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

BARTOON LUÍS AFONSO

O RESPEITINHO NÃO É BONITO

Em defesa de Catarina Martins, a burguesa


MIGUEL MANSO
O negócio do Ricardo nada tem em nada contradiz o seu discurso
a ver com o negócio da Catarina. político; e quaisquer comparações
Limitam-se ambos a arrendarem entre apostar no turismo em
imóveis e a terem na carteira Lisboa com um prédio comprado
o cartão de militante do Bloco à Segurança Social ou investir em
de Esquerda. Catarina Martins palheiros devolutos no Sabugal são
João Miguel Tavares

T
transformou uma casa dos pais absolutamente descabidas.
do marido, mais uns palheiros Mais do que isso: deixem,
ambém não vale a pena abandonados na zona do Sabugal, por amor de Deus, Catarina
exagerar. Tanto foi o num pequeno negócio de turismo Martins ser burguesa à vontade.
entusiasmo em torno do rural. A empresa, na qual detém A extrema-esquerda só é perigosa
investimento imobiliário uma posição minoritária (apenas quando é revolucionária, e só
de Ricardo Robles, que de 4%), é gerida pelo marido e pelos é revolucionária quando nada
repente já há uma fila de sogros — o que até é bonito, e tem a perder. Um vereador que
gente a bater à porta dos negócios valoriza a importância da família acabou de investir um milhão de
familiares de Catarina Martins, com tradicional, para alegria do CDS- euros num prédio não quer uma
ar indignado. Objectivo: provar PP. Na notícia do jornal online revolução. Tal como não quer uma
que por trás de cada bloquista há Eco, ficamos a saber que “a coordenadora do Bloco com casas
um especulador clandestino, que coordenadora do BE fundou a a render na Beira Alta. A hipocrisia
utiliza o seu radicalismo pequeno- Logradouro Lda. com o marido do Bloco deve ser denunciada,
-burguês de fachada socialista para há quase dez anos e foi sócia- que decidiu embirrar com isto com certeza, mas deixem o partido
camuflar opíparos investimentos -gerente da empresa até final de tudo: com o negócio turístico de aburguesar-se, que só lhe faz
em alojamento local. Era giro que 2009, altura em que assumiu Catarina, com o facto de o Bloco bem. O PCP é mais coerente — só
assim fosse, mas nada indica que funções como deputada em regime não apreciar a União Europeia que também é mais perigoso.
assim é. Por isso, manda o rigor de exclusividade. Actualmente, mas ela andar a usufruir de fundos Preocupa-me mais Miguel Tiago,
e os bons modos não confundir
coisas, até para não dar razão
a empresa explora quatro
empreendimentos turísticos e uma
Deixem, por amor de Deus, europeus, com o ordenado que a
Logradouro Lda. supostamente
que deixou o Parlamento com
críticas à moderação do PCP, do
àqueles que acham que todo este unidade de alojamento local no Catarina ser burguesa paga aos seus colaboradores, e que Ricardo Robles. Os protestos
caso foi apenas uma manobra
conspirativa da direita, para pôr
concelho do Sabugal, distrito da
Guarda.” Tudo certo.
à vontade. A extrema- até com o mau gosto das colchas
das camas, segundo as fotos
esquerdistas do Bloco são parte da
coreografia do regime. Enquanto
em causa o brilhante trabalho A unidade de alojamento esquerda só é perigosa disponíveis no Airbnb. Pois bem: houver Sabugal, há democracia
do Bloco na luta contra aquela local é modesta (dois quartos quando é revolucionária, e tirando a opinião sobre as colchas liberal. Negoceia, Catarina,
palavra que agora toda a gente usa e duas camas), e parece que a das camas, eu discordo de tudo. negoceia.
e que me lembra sempre casas reconversão dos antigos palheiros só é revolucionária quando A senhora Catarina tem toda a
de repouso para a terceira idade: para turismo recebeu 137,3 mil nada tem a perder legitimidade para ter um pequeno Jornalista
gentrificação. euros ao abrigo do QREN. Há gente negócio familiar na província; isso jmtavares@outlook.com

Esta informação não dispensa a


consulta da lista oficial de prémios Totoloto 8 12 23 33 42 8 1.º Prémio
1.300.000€
Contribuinte n.º 502265094 | Depósito legal n.º 45458/91 | Registo ERC n.º 114410 | Conselho de Administração - Presidente: Ângelo Paupério Vogais: Cláudia Azevedo, Cristina Soares E-mail publico@publico.
pt Estatuto Editorial publico.pt/nos/estatuto-editorial Lisboa Edifício Diogo Cão, Doca de Alcântara Norte, 1350-352 Lisboa; Telef.:210111000 (PPCA); Fax: Dir. Empresa 210111015; Dir. Editorial 210111006; Redacção
210111008; Publicidade 210111013/210111014 Porto Rua Júlio Dinis, n.º270, Bloco A, 3.º, 4050-318 Porto; Telef: 226151000 (PPCA) / 226103214; Fax: Redacção 226151099 / 226102213; Publicidade, Distribuição
226151011 Madeira Telef.: 963388260 e/ou 291639102 Proprietário PÚBLICO, Comunicação Social, SA. Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia. Capital Social €2.050.000,00. Detentor
de 100% de capital: Sonaecom, SGPS, S.A. Impressão Unipress, Travessa de Anselmo Braancamp, 220, 4410-350 Arcozelo, Valadares; Telef.: 227537030; Lisgráfica - Impressão e Artes
Gráficas, SA, Estrada Consiglieri Pedroso, 90, Queluz de Baixo, 2730-053 Barcarena. Telf.: 214345400 Distribuição VASP – Distribuidora de Publicações, SA, Quinta do Grajal - Venda
Seca, 2739-511 Agualva Cacém, Telef.: 214 337 000 Fax : 214 337 009 e-mail: geral@vasp.pt Assinaturas 808200095 Tiragem média total de Julho 35.101 exemplares Membro da APCT

PUBLICIDADE

Gosta de CONTEÚDO DE QUALIDADE?


Conheça as vantagens em
publico.pt/assinaturas

ASSINE O PÚBLICO DESDE 0,99€


No PÚBLICO trabalhamos diariamente para lhe entregar
jornalismo independente, informação relevante e análise
diversificada. Para continuarmos, precisamos de si. e apoie o jornalismo de qualidade.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

MIGUEL MANSO

Ricardo Paes Mamede


“A ideologia afecta sempre a forma
como olhamos o mundo”
P2 a 5
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

2 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

Entrevista

“Sou economista
social-democrata
radical”
Ricardo Paes Mamede A crise facilitou-lhe a vida no sentido
em que tornou menos complicado ser um economista
de esquerda. O rosto adolescente da luta contra a PGA explica
a economia como explica o amor pela bateria
Por Isabel Lucas

O
s aviões pas- fessor no ISCTE, especialista em rejeitam esse pressuposto. me enquanto social-democrata
sam, parecem áreas como a integração europeia, Dito isso, um economista de radical, o que significa que aceito
rasar o edifício ambiente, inovação e políticas eco- esquerda é... a economia de mercado, mas
onde Ricardo nómicas. Entre 2013 e 2017 publi- Não há uma forma de ser um também parto do pressuposto de
Paes Mamede cou três livros. A Crise, a Troika e as economista de esquerda, porque que a economia de mercado para
tem o seu gabi- Alternativas Urgentes, O Que Fazer não há uma única forma de ser funcionar de forma eficiente e justa
nete, uma sala com Este País e Economia como um economista e não há uma exige que seja fortemente impura —
virada a norte Desporto de Combate e há três anos única forma de ser de esquerda. ou seja, que na sociedade a lógica
num dia quente, onde há estantes que vai semanalmente à televisão Não consigo dizer o que é um de mercado não se imponha a
com livros e a reprodução do car- falar de economia. Aqui recorda economista de esquerda, mas todas as esferas da vida humana.
taz do filme Ladrões de Bicicletas, como um dia vagamente hesitou consigo dizer o que sou eu Quando começou a ter
de Vittorio de Sica. É o nome do em ser baterista. enquanto economista de esquerda. consciência política ou social?
blogue no qual escreve há dez O que é ser hoje um economista Defino-me como um economista Muito cedo. Eu passava a maior
anos. Chegou àquele grupo da blo- de esquerda? político institucionalista. Olho parte do tempo com a minha
gosfera uma semana depois da fun- Hoje é muito mais fácil do que já para a economia como um família materna e dentro dessa
dação e só então foi ver o filme que foi. sistema aberto influenciado família havia posições muito
sentiu perfeito para falar de eco- Porquê? em permanência por variáveis extremadas. Tenho uma memória
nomia fugindo a jargões. Colou-o Porque há dez anos, antes da institucionais, legais, políticas, ainda bastante clara do pós-25
à parede por isso e por se adequar crise internacional, ainda havia ambientais, tecnológicas e que de Abril e das discussões que
ao seu amor pela cultura italiana. um domínio absoluto daquilo assume que a única forma de se tinham e em que havia dois
Foi em Itália, aliás, que fez o douto- que habitualmente chamamos compreender devidamente tipos de pessoas: os fascistas,
ramento em Economia, cumprin- “doutrinas neoliberais”, a ideia as economias é levar em que eram todos os que não eram
do o objectivo de vida: dedicar-se de que uma economia funciona consideração estes vários factores. de esquerda, e os comunistas,
à academia. Natural de Coimbra, melhor quando todos os espaços Implica uma atitude de abertura que eram todos os que não eram
onde nasceu em 1974, cresceu em de troca e interacção social são em relação a outras ciências de direita. Havia tudo isso na
Odivelas e a vida naquele subúrbio deixados à lógica do mercado. sociais e grande consciência do minha família, os comunistas e os
moldou-lhe ideologia e carácter. A crise internacional veio, aspecto contingencial de qualquer fascistas. Eu, porque gostava de
Diz-se um social-democrata radical em larga medida, ajudar a pôr processo económico. Sou um toda esta gente — eram os meus
que começou pelo associativismo essa ideia em causa e facilitar economista de esquerda na medida avós, os meus tios, os meus pais —
académico e tornou-se figura públi- a vida aos economistas de em que tenho uma determinada sentia necessidade de perceber o
ca na luta contra a PGA. Hoje é pro- esquerda que, geralmente, visão de esquerda, posiciono- que era aquilo.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 3

FOTOS: MIGUEL MANSO

Houve uma adolescentes fazia-se muito dentro


de Odivelas, na altura nem cidade
era. Tinha limitações de oferta
o gradeamento, pôr portas nas
casas de banho, pintar as portas, a
sala de convívio, fazer murais que
opção no cultural, mas isso trazia vantagens,
como puxar mais pela criatividade
dessem outra dinâmica. Fomos
muito populares, no segundo ano

auge da de quem lá estava. Do ponto de


vista socioeconómico não era
propriamente um subúrbio de
de eleições nem tivemos oposição,
porque o nível de apoio era muito
elevado.
crise da classe média baixa, mas também
não era de classe média alta; era
E a música?
Também me envolvi numa banda,

zona euro de acima de tudo um subúrbio com


grande interclassismo. Uma coisa
que me surpreende nas escolas
A Tribo dos Pés Cagados, que
os pais conheciam apenas por
TPC. Era uma banda pop-rock de
criar pânico. de Lisboa é que tendem a estar
muito segmentadas do ponto de
garagem, que funcionava muito
bem como divertimento. Eu

É uma vista de classe social dos pais.


Em Odivelas isso não existia. Em
geral toda a gente ia parar à escola
tocava bateria. O meu ponto alto
foi num concerto lá em Odivelas,
em que fizemos a primeira parte
estratégia pública, onde andei, e tínhamos
uma diversidade de estratos socio-
de duas bandas que se tornaram
razoavelmente famosas, Os

utilizada económicos, mas também étnicos.


Isso marca muito a vida na espécie
de grande aldeia urbana que era
Sitiados, do João Aguardela, e
os Ex-Votos, liderados pelo ex-
vocalista dos Xutos & Pontapés
em vários Odivelas. Hoje é bastante mais
dormitório.
Zé Leonel. No fim do concerto os
tipos dos Ex-Votos convidaram-

momentos Falou em estímulo à


criatividade. O que é que se
fazia?
me para ser baterista deles. Eu
nessa altura já estava bastante
envolvido na vida associativa e a
da história Muita música. Havia muitas bandas
de garagem. E os jovens sentiam
preparar a minha entrada para a
universidade. Tive de tomar uma
necessidade de organizarem decisão entre ser músico de bandas
as suas coisas; havia muito malucas ou fazer a minha vida
associativismo local, algum académica e a minha actividade
dinamismo das associações de associativa.
estudantes. A partir do 9.º ano, Não hesitou?
com 14 anos, fiz a minha entrada Hesitei um bocadinho.
para a política activa, através das Não se arrepende?
associações de estudantes. Na Não. Nada.
altura havia uma disputa histórica E a bateria foi posta de parte?
na Escola Secundária de Odivelas Essencialmente sim. Às vezes
entre a JSD e a JCP e de repente tenho muita vontade de voltar
apareceu um grupo de gente a tocar e se tenho oportunidade
verdadeiramente ingénua. nalgum contexto toco; mas gostaria
Em que se incluía? de tocar bastante mais.
Como escolheu — se é que isso Sim. Foi no final dos anos 80, o Que música ouvia?
se escolhe — o seu lado? Greenpeace andava a fazer umas Em Odivelas havia muita gente
(Pausa) Não sei se é uma escolha, acções muito vistosas em defesa a ouvir música alternativa,
efectivamente. Tive sempre uma das baleias ou contra o nuclear, e independente. Costumava ouvir
preocupação muito grande em fizemos uma lista V, de verde, que muita música que passava nas
compreender os argumentos dos não tinha nada que ver com Os rádios piratas da altura; no final,
outros — algo que continua a faltar Verdes, mas com esta mensagem o que ficou foi uma música que
muito na sociedade portuguesa — ecológica. O nosso lema era “Pela está nas margens do mainstream.
e procurei sempre assegurar que ecologia” e surpreendentemente Dessa altura ficou-me muito Cure,
aquilo que eu defendia não tinha ganhámos as eleições contra os por exemplo, Tom Waits, Xutos
que ver com uma adesão cega a grandes falcões. & Pontapés e Mão Morta. E agora
um clube, mas era algo coerente Pela retórica ou pelo programa? continuo a ouvir bastante rock-
com os meus valores e princípios Em parte, foi sorte. A disputa entre pop e aprendi a ouvir mais música
fundamentais. Fui procurando eles era de tal forma acérrima que clássica. Às vezes até ópera, mas
posicionar-me de forma que me as pessoas fartaram-se e votaram não muito.
fizesse sentir confortável com nos tipos novos e simpáticos. Mas Resumindo, soube muito cedo o
esses valores. Sim, em parte é uma também porque fizemos uma que queria fazer na vida.
escolha. Somos produto das nossas campanha muito criativa. Ter uma profissão que me
circunstâncias, além do que somos E conseguiram mudanças? permitisse continuar a estudar
intrinsecamente. É uma escolha Muitas. Para nós, ecologia era ao longo da vida sempre foi um
parcial. começar por mudar o nosso desejo. A academia é uma das
Cresceu num subúrbio de quintal. Transformámos poucas alternativas para isso.
Lisboa, em Odivelas... profundamente a escola. Não Cresci num período em que
Sim, vivi em Odivelas entre os três havia zonas verdes, tinha um as crises estiveram bastante
e os 20 anos e Odivelas era muito mato horrível, com problemas de presentes. Entrei na pré-
diferente do que é. Para o bem e higiene, zonas frequentadas por adolescência durante o período
para o mal. Era um lugar muito toxicodependentes numa altura da crise de 1983-85, a segunda
mais longe de Lisboa, não tinha em que havia muitos problemas intervenção do FMI em Portugal.
metro, só se chegava a Lisboa pela de drogas pesadas. Quisemos É o período em que começo a
Calçada de Carriche e isso era um melhorar o ambiente da escola. dar mais atenção ao mundo à
inferno; a vida social dos jovens e Isso significou pôr relva, alterar volta, e era tudo de tal forma c
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

4 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

Entrevista

intenso, as situações de crise forma de encarar a selecção. Isso


real — na minha vida familiar e passa-se em 1992, o arranque
no bairro onde eu vivia... Isso da luta contra as propinas e
criou-me a necessidade de sentir a Lei 20/92 — nunca mais nos
o que se passava. As crises são esquecemos disto. Portanto,
sempre óptimas para levar os saio do secundário com uma
jovens a estudar economia e a participação muito intensa numa
economia surge-me muito devido luta e entro no ISEG quando há
àquele contexto, a percepção de outra luta a acontecer, e envolvi-
que a economia marca muito o me. Era inevitável. No dia em
funcionamento das sociedades que entrei na faculdade, estava a
como um todo. Não tenho uma envolver-me com um grupo que
visão estritamente determinista; era uma espécie de “geringonça”;
sei que a economia é influenciada opunha-se às propinas e à direcção
por outras dinâmicas, mas da Associação de Estudantes que
sempre senti que perceber bem era próxima do PSD que tendia a
as dinâmicas económicas era defender as propinas.
fundamental para compreender o Chega caloiro a uma
mundo à minha volta. Portugal vive universidade e no primeiro dia
na primeira década após o 25 de já anda nessas lutas?
Abril um período bastante instável Não deu para ter timidez, porque
do ponto de vista económico e eu tive alguma visibilidade
a noção de crise económica está pública na luta contra a PGA e
sempre mais ou menos presente. fui imediatamente sugado pelas
Depois há um período de grande dinâmicas políticas do ISEG.
expansão da economia, entre 1985 Como tem lidado com essa
e 1991 em que se conjugam uma imagem pública desde tão cedo?
série de estrelas. Bom... Não tenho ninguém
O período do cavaquismo. famoso na família e isso faz muita
Cavaco teve uma sorte enorme. Ele diferença. Nem no meu círculo
não é responsável por esse boom, de amizades quando tinha 16, 17
e a parte em que é responsável anos, ou seja, ninguém me ajudou
mais valia que não o fosse. É a preparar para o momento em
um momento verdadeiramente que ganho uma visibilidade pública
extraordinário na economia muito repentina. Chegaram a fazer
internacional, há uma quebra caricaturas em revistas da imagem
substancial do preço do petróleo, que eu tinha, com um rabo-de-
uma desvalorização forte do cavalo, como representante da luta
escudo face ao dólar, taxas de contra a PGA. De repente, andar
juro baixas e isso em simultâneo na rua e ser reconhecido. Foi um
com a entrada de Portugal na choque violento.
então CEE, que significa um O que lhe diziam?
afluxo enorme de investimento “Olha o bacano da PGA!” Essa participar em coisas públicas, válido, regular, em que era possível são inteligíveis e a obrigação de
directo estrangeiro ao país, de nunca mais esquecerei. Estava à evitava aparecer, ser porta-voz, dar ir à procura de grelhas de leitura qualquer economista que fale
fundos europeus de coesão, para espera de uns amigos. a cara. de uma realidade que ultrapassa a em público é evitar o jargão, as
não falar do facto de que em E porquê um choque? O que o fez mudar? maior parte das pessoas. E também referências académicas, de modo a
1983 e 1985 se esteve numa crise Foi o meu primeiro contacto com A crise. A certa altura, com o ajudou a desconstruir discursos que o conjunto das pessoas consiga
financeira profunda para haver o o efeito que os mass media têm conjunto de pessoas ligadas económicos mais standards e perceber o mundo.
ajustamento externo. Quando se nas relações sociais, perceber que aos Ladrões de Bicicletas também a ideia de que a economia Então, de outro modo, o que é
sai da crise, a tendência é para que uma pessoa um dia é uma coisa [blogue] comecei a sentir uma é uma coisa muito complexa na um bom economista?
haja crescimento. Cavaco Silva foi e no outro outra radicalmente certa responsabilidade social; qual os não economistas não se É alguém que conjuga boas
um sortudo dos diabos. Mas logo diferente, porque apareceu na percebemos que tínhamos alguma devem meter. Um economista de competências analíticas e boa
em 1991 volta a haver uma crise televisão. E foi péssimo... capacidade de passar mensagens que gosto muito, Ha-Joon Chang, capacidade de julgamento ético
profunda, marcante para a minha contra um estado de coisas com professor em Cambridge, diz que sobre as escolhas que se fazem;
formação — a crise do sistema A essência das pessoas o qual não concordamos. Nos a economia enquanto ciência é alguém que sabe que uma
monetário europeu. Eu já estava na últimos três anos passei a ter um 95% senso comum e cinco por boa decisão económica não é
faculdade e comecei a estar atento Podia haver deslumbramento. programa semanal na televisão, cento sofisticação matemática, estritamente técnica. São sempre
aos temas europeus em parte por Mas também houve essa tive de voltar a gerir uma coisa que muitas vezes nem sequer é decisões com implicações no
esta coincidência: os meus estudos consciência. A percepção de que que não geria desde os 18 anos: necessária. Sou capaz de não ir conjunto da sociedade.
de economia coincidiram com as isso ia contra os meus princípios a visibilidade pública. A verdade tão longe, mas ainda assim diria
grandes transformações na Europa demasiado rígidos, de que as é que não há assim tanta gente que os aspectos fundamentais do O todo em vez do detalhe
e o processo de integração de pessoas são uma coisa e não a interessar-se por economia e a funcionamento das economias são
Portugal na UE. mudam de um dia para o outro coisa mantém-se a um nível gerível. muito intuitivos. O meu avô, que Quais são as suas referências?
São anos de tensão no ensino só porque aparecem na televisão; É menos relevante do que ser “o tinha a quarta classe e raramente Já falei do Ha-Joon Chang como um
em Portugal. Envolve-se que a sociedade está toda louca, bacano da PGA”. lia jornais e acho que nunca leu teórico recente. E tendo a valorizar
activamente na luta contra a não percebe que há uma essência Até que ponto as redes sociais nenhum livro a não ser partes muito o trabalho de economistas
Prova Geral de Acesso (PGA). nas pessoas e é essa essência que ajudam a chegar a quem da Bíblia, tinha intuições sobre clássicos que escreveram mais
Sim, foi no último ano da PGA, deve reconhecer e não a imagem não domina a linguagem o funcionamento da economia sobre o sistema capitalista como
o ano em que vou entrar na pública; mas também foi o choque económica? enquanto microempresário um todo. Retiro um prazer
universidade. Fiz a última PGA. de perceber que eu me estava a Desse ponto de vista o blogue é um iletrado que muitos licenciados enorme da leitura de Adam Smith,
Correu-lhe bem? comportar de forma diferente, sucesso. Permitiu que as pessoas em Economia não têm. Ele não Karl Marx, John Stuart Mill, em
Muito bem! Tive uma óptima nota, “olha eu com a mania de que sou percebessem que era possível era nenhum génio. Era uma certo sentido também Thorstein
93%, contribuiu para a minha mais importante”. Vivi muito mal pensar economia sem ser pelos pessoa atenta a esses temas e Veblen, pai do institucionalismo
entrada na universidade, mas com isso, de tal forma que durante chavões do costume. Permitiu criar sentia necessidade de falar sobre americano, Karl Polanyi, John
nunca deixei de me opor àquela muitos anos recusei convites para um espaço reconhecido como eles. Os processos económicos Kenneth Galbraith; seguramente
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 5

Cavaco teve tensões estão por resolver e se


fazem sentir em vários pontos do
mundo a cada momento.
momentos da história. Houve
inclusive um livro muito famoso de
Naomi Klein, A Terapia de Choque,
Tenho necessidade de acrescentar
o radical ao social-democrata num
país em que temos um partido de
uma sorte Como é que a ideologia
influencia a interpretação dos
cuja ideia central é a de que em
momentos de crise alguns sectores
centro-direita que se afirma social-
democrata. Não consigo dizer que

enorme. Não indicadores económicos?


A ideologia afecta sempre a forma
como olhamos o mundo e não
das sociedades aproveitam para
tentar fazer passar medidas e
transformações na forma como a
sou social-democrata sem chamar
a atenção para o que considero
ser a realidade dos dias de hoje,
é responsável há ninguém isento desse tipo
de influência. A ideologia afecta
sociedade se organiza que jamais
passariam em circunstâncias
em termos políticos: quando
olho para o cenário europeu, os

por esse desde logo as perguntas que


fazemos; aquilo que me interessa
na interpretação do mundo é
normais. Aumentar a sensação
de choque, a sensação de crise,
de desespero, cria desorientação,
partidos que vejo a defender mais
acerrimamente o que considero
um projecto social-democrata
[tempo de] muito determinado pelos meus
valores e pelas minhas convicções.
cria medo e torna mais fácil fazer
passar medidas impopulares. Um
estão à esquerda do centro. Nem
os partidos socialistas na maior

boom, e a Mas também no tipo de


indicadores que valorizo, porque
os indicadores contêm doutrina
dos motivos do contraste entre o
que se passa hoje e o que se passava
há cinco anos é que deixámos de
parte dos países europeus hoje
defendem projectos sociais-
democratas; defendem projectos
parte em que em si. O PIB é um indicador que
tem muita doutrina. Se encaro
ter um governo que quer induzir
alterações na sociedade através de
essencialmente neoliberais,
isto, é projectos que partem do

é responsável o PIB como um indicador de


desenvolvimento, estou a dizer
que só é desenvolvimento aquilo
uma terapia de choque e passámos
a ter não apenas um governo,
mas também um presidente da
pressuposto de que a expansão da
lógica de mercado à generalidade
das relações sociais é o caminho
mais valia que tem uma tradução monetária
nas relações mercantis — que é
República muito mais apostados na
ideia — citando o professor Marcelo
certo para as sociedades. Isto para
mim é incompatível com a ideia de

que não isso que o PIB na verdade mede.


Ou seja, pelas perguntas, pelos
indicadores valorizados ou nas
— de descrispação. social-democracia.
E o modelo, é o Norte da
Europa?
A força da desigualdade
o fosse teorias que tendo a considerar
mais ou menos capazes de A crise acabou?
Para mim é, embora eu não
queira impor o meu modelo
explicar o mundo à minha volta, Depende do que definimos a ninguém. Numa sociedade
necessariamente a ideologia afecta como crise. A crise da zona democrática fazemos por disputar
a actividade científica. Não significa euro, enquanto crise político- socialmente visões de sociedade
que a actividade científica não institucional, não acabou. E não é e aquela pela qual eu luto é uma
possa ser rigorosa. E muito menos certo que vá melhorar. A UE está sociedade mais igualitária, com
significa que deva ser poupada à confrontada com um conjunto melhor distribuição de riqueza,
confrontação, ao contraditório. enorme de contradições que disponível para limitar em certa
Em 2013 publicou em co-autoria têm que ver com o modo como medida a liberdade de alguns
o livro A Crise, a Troika e as a união monetária foi criada. indivíduos para dar mais liberdade
Alternativas Urgentes (ed. Tinta A arquitectura institucional da ao conjunto da sociedade. Há
da China). Passaram cinco anos, zona euro é muito incompleta e quem ache que a liberdade é
a percepção que temos do país inconsistente, o que faz com que um valor que se sobrepõe a
Keynes. Escrevem numa altura académicos. mudou. esteja sistematicamente a criar tudo, mesmo que a liberdade
em que o que se esperava de um E o momento actual parece Há factores objectivos e factores problemas. Por um lado, tende individual signifique constranger
economista era a compreensão desafiar ou não se ajustar aos subjectivos que explicam isso. a agravar em certos momentos fortemente a liberdade de outros.
da sociedade como um todo modelos canónicos. Objectivamente, chegámos a um a desigualdade entre países e Sociedades mais desiguais criam
e do papel da economia e das É da natureza do capitalismo a ponto, no auge da crise, em que, regiões, não contendo depois, em maiores pressões no que respeita a
ideias económicas, e das receitas sua transformação permanente. em termos trimestrais, houve si mesma, instrumentos para evitar símbolos de status, e criam maior
económicas para as políticas A história do capitalismo é feita quase 18% de taxa de desemprego, este agravar das desigualdades. ansiedade em relação a isso. A
públicas, como sendo a sua grande de acelerações e desacelerações. além das centenas de milhares de Isso causa tensões políticas. E minha doutrina política e social, a
missão. Hoje a maior parte pensa Muito frequentemente estas pessoas que estavam a abandonar essa crise está por resolver. Se ideia da social-democracia nórdica
a níveis muito detalhados. A acelerações estão associadas o país e de centenas de milhares pensarmos apenas em termos de — que hoje já não é a mesma coisa
especialização tem esse problema. a períodos de grande de pessoas simplesmente a crise económica, é evidente que a que era nos anos 60 ou 70 —,
Há um livro que acho uma incompatibilidade entre as abandonar o mercado de trabalho crise económica acabou no sentido continua a ser uma referência.
metáfora magnífica para perceber capacidades tecnológicas e, como tal, não eram consideradas em que estamos a atingir todos Estamos a falar de política e
a ciência económica, O Jogo das produtivas, regras institucionais, desempregadas. A crise social que os anos níveis historicamente economia. Sente atracção pelo
Contas de Vidro, do Hermann as práticas institucionais houve em Portugal foi uma crise baixos de taxa de desemprego. exercício de poder?
Hesse. Conta a história de um vigentes. Muitas vezes vivemos real que afectou profundamente Não consigo dizer que estamos Olhando para o que sinto serem
mestre desse jogo mais ou menos em percepção de crise iminente a vida das pessoas e a vida das em crise num momento em os factores impulsionadores da
hermético ao qual se dedica uma durante anos, décadas a fio. famílias. Hoje, devido a um que temos o desemprego mais participação na vida pública, que
comunidade de génios. Jogavam Estamos num período de conjunto largo de circunstâncias, baixo dos últimos 16 anos. Mas muitas vezes são a fama, o poder
aquele jogo de manhã à noite, grande tensão, porque houve a economia melhorou, a situação continuamos a ter os problemas e o dinheiro, não me sinto atraído
demoravam muitos anos até se uma globalização económica no mercado de trabalho melhorou que sempre tivemos em Portugal, por nenhuma destas três coisas.
tornarem peritos. E há o momento e financeira. Ao mesmo tempo de forma muito significativa, os uma sociedade profundamente Como a maioria dos mortais
em que a personagem principal que se libertavam estas forças rendimentos também aumentaram desigual, na qual continua a haver terei a minha dose de vaidade, o
chega a mestre mágico do jogo das de mercado, não se criaram e a vida material das pessoas está muita pobreza, onde existem meu desejo de conforto material
contas de vidro e é colocado no mecanismos compensatórios para objectivamente melhor. Mas há carências a nível de habitação, e um desejo de conseguir fazer
mundo secular. Apercebe-se que lidar com todas as implicações também um lado subjectivo, que saúde e educação, e esses as coisas que quero e em que
a sua genialidade e a sua posição desta liberalização comercial tem que ver com a percepção problemas não desapareceram acredito, mas não sinto que
de topo naquela comunidade e financeira. Isso dá origem a que as pessoas têm da crise. A simplesmente porque a economia as minhas escolhas pessoais
lhe é absolutamente inútil para desigualdades, a alterações do minha leitura é que houve uma está numa fase boa. possam ser determinadas por
compreender o mundo complexo poder relativo, sempre fontes opção durante o auge da crise da O seu discurso foca-se nas qualquer um destes factores.
que é a vida real. Isto, infelizmente, de enorme conflito. É nisso que zona euro de criar pânico. É uma desigualdades e isso leva-nos Se a sua pergunta é se eu quero
é um retrato muito próximo de estamos a viver, num período de estratégia que tem sido utilizada à definição que faz de si: um ser ministro, não tenho desejo
como vivem muitos economistas enorme conflito, em que estas em vários países, em vários social-democrata radical. nenhum de ser ministro.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

6 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

Pessoas

Anna Wintour ficará Nicole Kidman


“indefinidamente” captura tarântula Por Catarina Lamelas Moura
na Vogue na piscina catarina.lamelas@publico.pt
A influente editora da revista A actriz Nicole Kidman partilhou nas
Vogue vai continuar o seu redes sociais o momento em que
trabalho “indefinidamente”, disse apanhou uma tarântula em casa e não a
a editora Condé Nast, refutando matou, optando por a libertar. No vídeo
os rumores de que, após 30 anos, ouvem-se os filhos da actriz a gritar de
Anna Wintour estivesse de saída. horror quando a aranha entra na piscina.

Quem manda na
capa de Setembro 28
anos
da Vogue é Beyoncé é o número de anos que separa
David Hasselhoff, conhecido pela
série Marés Vivas, e a sua recente
mulher, Hayley Roberts. Ele tem
66 anos, ela 38.

Mila Kunis
Beyoncé será, pela quarta vez, capa da fala do casamento
Vogue. Desta vez, da edição norte-americana
de Setembro. A editora Anna Wintour do marido
cedeu o controlo artístico à cantora de 36 Ashton Kutcher tinha 25 e
Demi Moore 41 anos quando se
anos, que escolheu o jovem fotógrafo Tyler
conheceram, mas viveram um
Mitchell para a missão. Pela primeira vez na casamento “real”, diz Mila Kunis,
história de 126 anos da Vogue a fotografia a actual companheira do actor.
de capa é feita por um profissional de Kutcher continua a conviver com
origem africana. Segundo o HuffPost, as filhas de Moore, acrescenta.
o acordo entre a publicação e Beyoncé
garante à cantora a liberdade de
tomar decisões relativamente à
capa, às fotografias dessa produção
e às legendas que as acompanham.
Com base em Brooklyn, Tyler Mitchell
começou a carreira a retratar a cultura
jovem, moda e música de Atlanta (cidade
onde nasceu) e Nova Iorque. Já trabalhou
com publicações como a Teen Vogue, i-D e Priyanka Chopra
a própria Vogue americana e para marcas
como Marc Jacobs, Givenchy e Nike. O
e Nick Jonas estão
perfil de Mitchell está longe daquele que a noivos?
Vogue costuma escolher para tratar as suas A actriz Priyanka Chopra, de 36
produções de capa, optando normalmente anos, e o cantor Nick Jonas, de 25
por nomes consagrados como Patrick anos, estarão noivos depois de
apenas dois meses de namoro.
Demarchelier, Annie Leibovitz e Steven
O casal celebrou o recente
Meisel. aniversário da actriz em Londres
onde se terão encontrado com
Meghan Markle.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018 • 7

Roteiro
lazer@publico.pt
Agenda
DIA

Sons do céu
e do inferno
Ikue Mori, figura seminal da Portimão
cena musical e artística de Nova Festival da Sardinha
Iorque desde o final da década Até 5 de Agosto
de 1970, é uma das convidadas
Póvoa de Varzim
de John Zorn no Jazz em Agosto
Festa do Mar
que lhe é inteiramente dedicado. De 2 a 5 de Agosto
Hoje, a artista japonesa
apresenta o seu projecto Vila de Rei
cinematográfico Bhima Swarga, Feira de Enchidos, Queijo e Mel
uma animação das pinturas Até 5 de Agosto
do tecto do templo de Kertha Gafanha da Nazaré
Gosa, em Bali. Uma “viagem Festival do Bacalhau
da alma do inferno até ao céu”, De 8 a 12 de Agosto
como é descrito, o filme é
apresentado esta tarde em duas Olhão
Festival do Marisco
versões musicadas. A primeira, De 10 a 15 de Agosto
com a banda sonora feita pela
própria Ikue Mori, a solo, nas Zambujeira do Mar
electrónicas. A segunda, com Meo Sudoeste
música composta e tocada De 7 a 11 de Agosto
por Matt Welch no saxofone e
Viana do Castelo
percussão, acompanhado pela Neopop
artista. A sessão decorre na Sala De 8 a 11 de Agosto
Polivalente do Museu Calouste
Gulbenkian, em Lisboa, começa Cem Soldos (Tomar)
Bons Sons
às 17h e a entrada é gratuita.
De 9 a 12 de Agosto

Guimarães
Festival L’Agosto
De 9 a 11 de Agosto

Vagos
Vagos Metal Fest
De 9 a 12 de Agosto

Moledo
Sonic Blast
Dias 10 e 11 de Agosto

Peso da Régua
Douro Rock
Dias 10 e 11 de Agosto

DIA NOITE Paredes de Coura


Vodafone Paredes de Coura
Experimentações plásticas O último ofertório De 15 a 18 de Agosto

Nova mostra antológica do artista descoberta pelo autor) e as Última data da digressão pai — que “cresceram em nós, de
plástico e poeta surrealista Mário colagens em que cruza imagens europeia de Caetano Veloso e nós”, como o próprio descreve
Cesariny, organizada a partir das e palavras de forma subversiva. seus filhos, Moreno, Zeca e Tom. — que se vão ouvir nesta noite,
peças pertencentes à colecção da A exposição, intitulada A Origem Espectáculo e disco concebidos mas também as de cada um
Fundação Cupertino de Miranda. das Pequenas Invenções, está em 1997 por Caetano Veloso, deles, como Clarão, de Tom, e
Pintura, desenho e outras obras patente na Casa dos Crivos, em a pensar na celebração dos Um passo à frente, de Moreno.
de carácter “experimental e Braga, de terça a sexta-feira, das 90 anos da sua mãe, Ofertório O concerto realiza-se no Coliseu
informalista”, dos quais se 10h às 13h e das 14h30 às 18h30. ganha agora outra dimensão ao dos Recreios, em Lisboa, começa
destacam os aquamotos (obras Aos sábados e domingos, das ser tocado com e para os seus às 22h, e os bilhetes custam
feitas com base numa técnica 14h30 às 18h. Entrada livre. filhos. Não são só as músicas do entre 20€ e 90€.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

8 • Público • Quinta-feira, 2 de Agosto de 2018

Jogos

CRUZADAS 10.330 TEMPO PARA HOJE


Horizontais: 1. Mulher nobre. Impedir o Verticais: 1. Oferece. Casaco curto de
acesso a. 2. Espécie de olmo ou choupo abas. 2. Pessoa extremamente delicada
da família das salicíneas. Pequena sela (fig.). Salto brusco. 3. Cevada germina-
rasa. 3. Frieza de ânimo. Goste muito. da, seca e preparada para fabricação da Viana do Bragança
4. Isolamento temporário. Aprovação cerveja. Indício. 4. Fruto da ameixeira. Castelo 20º 38º
(fig.). 5. Ficheiro incluído no correio Mamífero desdentado da América do 19º 37º
Braga
(Informática). Baixinho (Música). Sul. 5. Metal precioso de cor amarela.
6. Prefixo (duas vezes). Lapso Povoação. 6. Molibdénio (s.q.). Benéfico. 19º 41º Vila Real
temporário de memória. 7. Organização 7. Agência Espacial Europeia. Redução Porto 21º 39º
16º
Mundial de Saúde. Corda de reboque. de para. Elogio. 8. Preposição que desig-
19º 28º
Comissão Europeia. 8. Parcela. Símbolo na posse. Camareira. Décima sexta letra
do Pascal. 9. Tornar uno. Medida do alfabeto grego. 9. Máquina simples Viseu
itinerária chinesa (576 m). Neodímio formada por um corpo rígido, geralmen- 23º 39º Guarda
1,5-2m Aveiro
(s.q.). 10. Chefe. O sustento (fig.). te uma barra, que se apoia e pode girar 19º 36º
11. Embarcação de vela, semelhante à em torno de um ponto fixo designado 19º 36º Penhas
fragata, mas mais pequena. Africano. por fulcro. Presidente da República Douradas
(abrev.). 10. Pequeno canto épico. Coimbra 21º 32º
Partícula de negação. 11. Pequeno melão 19º 40º
arredondado. Passado. Castelo
Branco
Leiria 24º 42º
Depois do problema resolvido
encontre o provérbio nele inscrito 17º 40º
(6 palavras).
Santarém
Portalegre
Solução do problema anterior 20º 44º
Horizontais: 1. Apto. Castro. 2. Par. Colorir. 3. Origem. Lisa. 4. Rabi. EU. COD. 5. 26º 40º
Tragar. Cota. 6. Lar. MATO. 7. Natura. 8. Mastro. Trio. 9. ASAE. CEO. NL. 10. Pensa. Lisboa
Moeda. 11. Ara. Atenuar. 23º 42º
Verticais: 1. Aporte. Mapa. 2. Parar. Laser. 3. Tribal. Sana. 4. GIGANTES. 5. CE. Arar.
Aa. 6. COMER. TOC. 7. Al. Mu. Eme. 8. Sol. Cartoon. 9. Tricotar. Eu. 10. Risoto. Inda. 11. Setúbal
Orada. Folar. 20º 43º Évora
Título do Filme: Eu Mato Gigantes. 21º 46º
AMANHÃ

Beja
BRIDGE SUDOKU 17º Sines
21º 42º
21º 43º

Dador: Sul o Rei de espadas, que Este prendeu com Problema 1-1,5m
o Ás para jogar o Valete de copas que o
Vul: Todos 8434
declarante deixou correr. Oeste prendeu
o Valete com a sua Dama e virou o flanco Sagres
NORTE para espadas.
Dificuldade: Faro
22º 33º
♠ Q1053 O declarante prendeu com a Dama de es- Fácil 27º 35º
♥ 74 padas, veio à mão no Rei de paus e jogou 19º
♦ A10764 a Dama de ouros, que deixou correr para o
2-1m
♣ 94 Rei de Este. Em mão, Este sabia que se en-
caixasse o Valete de espadas iria oferecer Açores
OESTE ESTE uma vaza, por isso saiu de mão na Dama Corvo
de paus. O carteador fez o Às e apresen-
♠ 86 ♠ AJ97 tou o jogo: tinha feito uma espada, duas
Graciosa
Terceira
♥ Q9852 ♥ J106 copas, quatro ouros e dois paus. Solução do Flores
♦ 53 ♦ K9 problema 8432 21º 28º
S. Jorge 21º 26º
♣ 7532 ♣ QJ108 Considere o seguinte leilão:
23º 22º
Oeste Norte Este Sul Pico
1♠ 0,5-1m
SUL passo 2♠ X passo Faial
♠ K42 21º 26º
S. Miguel
♥ AK3 ? 0,5-1m
♦ QJ82 O que marca com a seguinte mão?
20º 26º
♣ AK6 23º
Ponta
Delgada
♠10762 ♥Q ♦KJ102 ♣J1092
Oeste Norte Este Sul 1m
2ST Resposta: O dobre de Este é de chama-
Madeira Sta Maria

Passo 3♣ (1) passo 3 S T da. Um tanto ou quanto semelhante ao


(2) dobre directo de uma abertura em uma Problema Porto Santo
Todos passam espada. Idêntico na distribuição, isto é,
promete comprimentos nos três naipes
8435 21º 26º
23º
Leilão: Equipas ou partida livre. (1) Puppet não falados, mas pode eventualmente ser Dificuldade:
Stayman (2) Nega ricos de quatro ou cin- feito com uma força ligeiramente inferior
co cartas àquela que prometeria com um dobre de Difícil Funchal
Carteio: Saída: 5♥. Aparece o 10 de co- 1-1,5m
uma abertura. 0,5-1m
23º 20º 25º
pas em Este. Qual o seu plano de jogo? A ideia fundamental por detrás deste tipo
Solução: Um mesmo leilão e uma mes- de leilões é a de evitar que os adversários
ma saída, porém nas duas mesas deste ganhem o leilão a um nível demasiado se-
encontro de equipas cada um dos decla- Sol Lua Quarto Minguante
guro. Queremos ganhar o leilão, ou, me-
rantes optou por uma via diferente. lhor ainda, empurrá-los para o nível de 3, Nascente 06h39
Na primeira mesa, o carteador decidiu dei- jogar partida será muito raro. O primeiro Solução do Poente 20h47 4 Ago. 19h18
xar fazer a primeira vaza. O adversário em objectivo é encontrar um fit, que não tem
Este, sabendo que não teria futuro no nai- problema 8433
de ser necessariamente no outro rico, ali-
pe de copas, resolveu mudar o flanco para
paus e atacou com a Dama de paus. O car-
ás o mais importante é detectar o primei-
ro fit possível.
Marés
teador fez o Rei e jogou uma espada para Com a mão de hoje, não sabemos em qual
a Dama. Em mão no Ás de espadas, Este Leixões Cascais Faro
dos menores haverá fit (pode até haver fit
insistiu com o Valete de paus para o Ás de em ambos se o parceiro tiver 4-4, mas por
Sul. De seguida, o carteador apresentou vezes ele irá ter um 4-3). Para garantir que Preia-mar 07h03 3,0 06h37 3,0 06h41 2,9
a Dama de ouros, que deixou correr pa- iremos encontrar um fit, damos ao parcei- 19h20 3,1 18h54 3,1 19h00 3,0
ra o Rei de Este, que encaixou ainda du- ro a possibilidade de ele escolher: marca-
as vazas a paus para derrotar o contrato. mos 2ST! Baixa-mar 13h03 1,0 12h35 1,2 12h27 1,0
Na outra mesa, vendo o perigo que pode-
ria haver com um ataque a paus, o carte- 01h32 1,0 01h05* 1,1 00h57* 1,0
ador optou por prender desde logo com João Fanha/Pedro Morbey
o Rei de copas. Na vaza seguinte jogou (bridgepublico@gmail.com) © Alastair Chisholm 2008 and www.indigopuzzles.com Fonte: www.AccuWeather.com *de amanhã

e9c4e111-40e3-4f97-b777-305db1ff2211