Sie sind auf Seite 1von 8

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – 00/2019 – FÍSICA 2 EXPERIMENTAL PARA QUÍMICA –

TURMA A

Relatório do Experimento 5 – Circuitos Alimentados com


corrente Alternada

18/01/2019

Igor Santos Duarte Costa – 16/0008450


Rayane da Silva Cardoso – 14/0160451
Sthéfany Thays G. S. de Oliveira – 15/0021984
Wendel Araújo Pereira – 15/0048505

1) INTRODUÇÃO

O uso de corrente alternada sob a corrente contínua fora bastante


discutido na história por Edson e Westinghouse, sendo a ca utilizada
praticamente em todos os dispositivos modernos nos dias atuais [1]. Uma fonte
de tensão senoidal pode ser descrita matematicamente por:

𝝊𝝊 = 𝑽𝑽 𝒄𝒄𝒄𝒄𝒄𝒄(𝝎𝝎𝝎𝝎) (1)

𝒊𝒊 = 𝑰𝑰 𝒄𝒄𝒄𝒄𝒄𝒄(𝝎𝝎𝝎𝝎) (2)

Em que 𝜐𝜐 é a ddp instantânea, V a ddp máxima, i a corrente instantânea,


I a corrente máxima, 𝜔𝜔 a frequência angular e t o tempo. Assim, é possível
determinar o comportamento de dispositivos comuns para cc em ca:

Resistor:

𝝊𝝊𝒓𝒓 = 𝒊𝒊𝒊𝒊 = 𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰(𝝎𝝎𝝎𝝎) (3)

(i e 𝝊𝝊𝒓𝒓 estão em fase)

Capacitor:

𝒅𝒅𝒅𝒅
𝒊𝒊 = = 𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰(𝝎𝝎𝝎𝝎) (4)
𝒅𝒅𝒅𝒅

𝑰𝑰
𝒒𝒒 = 𝒔𝒔𝒔𝒔𝒔𝒔(𝝎𝝎𝝎𝝎) (5)
𝝎𝝎

𝑰𝑰
𝒒𝒒𝒒𝒒 = 𝝊𝝊𝒄𝒄 = 𝒔𝒔𝒔𝒔𝒔𝒔(𝝎𝝎𝝎𝝎) (6)
𝝎𝝎𝝎𝝎
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – 00/2019 – FÍSICA 2 EXPERIMENTAL PARA QUÍMICA –
TURMA A

( 𝝊𝝊𝒄𝒄 está defasada 90º de i)

Indutor:

𝒅𝒅𝒅𝒅 𝒅𝒅
𝝊𝝊𝑰𝑰 = 𝑳𝑳 = 𝑳𝑳 𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰(𝝎𝝎𝝎𝝎) = −𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰𝑰(𝝎𝝎𝝎𝝎) (7)
𝒅𝒅𝒅𝒅 𝒅𝒅𝒅𝒅

( 𝝊𝝊𝑰𝑰 está adiantada 90º de i)

Pode-se escrever uma equação geral para todos os componentes:

𝝊𝝊 = 𝑽𝑽𝑽𝑽𝑽𝑽𝑽𝑽(𝝎𝝎𝝎𝝎 + 𝝓𝝓) (8)

Em que 𝝓𝝓 é chamado de ângulo de fase [1].

Para o cálculo da propagação de erros foram utilizadas as seguintes


equações:

• Soma:

𝒄𝒄 = (𝒂𝒂 ± ∆𝒂𝒂) + (𝒃𝒃 ± ∆𝒃𝒃)

𝒄𝒄 = 𝒂𝒂 + 𝒃𝒃

∆𝒄𝒄 = ∆𝒂𝒂 + ∆𝒃𝒃

• Subtração:

𝒄𝒄 = (𝒂𝒂 ± ∆𝒂𝒂) − (𝒃𝒃 ± ∆𝒃𝒃)

𝒄𝒄 = 𝒂𝒂 − 𝒃𝒃

∆𝒄𝒄 = �∆𝒂𝒂𝟐𝟐 + ∆𝒃𝒃𝟐𝟐

• Multiplicação:

𝒄𝒄 = (𝒂𝒂 ± ∆𝒂𝒂) . (𝒃𝒃 ± ∆𝒃𝒃)

𝒄𝒄 = 𝒂𝒂 . 𝒃𝒃

∆𝒄𝒄 = �(𝒂𝒂. ∆𝒃𝒃)𝟐𝟐 + (𝒃𝒃∆𝒂𝒂)𝟐𝟐

• Div:

(𝒂𝒂 ± ∆𝒂𝒂)
𝒄𝒄 =
(𝒃𝒃 ± ∆𝒃𝒃)
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – 00/2019 – FÍSICA 2 EXPERIMENTAL PARA QUÍMICA –
TURMA A

𝒂𝒂
𝒄𝒄 =
𝒃𝒃

∆𝒂𝒂 𝟐𝟐 𝒂𝒂∆𝒃𝒃
∆𝒄𝒄 = �( ) + ( 𝟐𝟐 )𝟐𝟐
𝒃𝒃 𝒃𝒃

2) OBJETIVOS

Visualizar o comportamento de um circuito alimentado por corrente


alternada, através da análise de diferença de fase entre os componentes.

3) MATERIAIS

- 1 gerador de sinal;

- 1 osciloscópio;

- 1 multímetro;

- 1 capacitor, C = 0,507 μF;

- 1 resistor, R = 0,097 kΩ ;

- 1 indutor de 0,343 mH;

- 1 Protoboard;

4) PROCEDIMENTOS

Sabendo que um sinal de corrente está sempre em fase com o sinal de


tensão num circuito puramente resistivo, a corrente da malha pode ser obtida
através da medida do valor de tensão nos terminais do resistor (a ser medida no
osciloscópio) dividido pelo valor da resistência. Utilizaremos deste artifício em
todas as etapas.

4.1 Circuito RC

- Montamos na protoboard um circuito conforme a figura 1. Em seguida


alimentamos esse circuito com uma tensão de aproximadamente 10 Vp-p e onda
senoidal de 10kHz;

-Medimos a tensão fornecida pela fonte e obtivemos a frequência e amplitude


observando a forma da onda;
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – 00/2019 – FÍSICA 2 EXPERIMENTAL PARA QUÍMICA –
TURMA A

- Utilizamos o canal 1 do osciloscópio para medir a queda de tensão entre os


terminais dos resistores e seu respectivo período;

- Utilizamos o canal 2 para medir a queda de tensão do capacitor e seu respectivo


período.

Figura 1: Circuito RC

4.2 Circuito RL

- Montamos o circuito RL da Figura 2. Em seguida alimentamos esse circuito


com uma tensão de aproximadamente 10 Vp-p e onda senoidal de 10kHz,
utilizando um resistor de 0,097 kΩ e um indutor de 0,343 mH;

- Utilizamos o canal 1 do osciloscópio para medir a queda de tensão entre os


terminais dos resistores e seu respectivo período.

- Utilizamos o canal 2 para medir a queda de tensão nos terminais do indutor e


seu respectivo período.

Figura 2: Circuito RL

4.3 Circuito RLC


UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – 00/2019 – FÍSICA 2 EXPERIMENTAL PARA QUÍMICA –
TURMA A

- Montamos o circuito RLC da Figura 3. Em seguida alimentamos esse circuito


com uma tensão de aproximadamente 10 Vpp e onda senoidal de 10kHz,
utilizando um resistor de 0,097 kΩ e um indutor de 0,343 mH e um capacitor de
0,507 μF;

- Utilizamos o canal 1 do osciloscópio para medir a queda de tensão entre os


terminais dos resistores e seu respectivo período;

- Utilizamos o canal 2 para medir a queda de tensão nos terminais do indutor e


seu respectivo período, em seguida, utilizamos este canal para medir a queda
de tensão nos terminais do capacitor e seu respectivo período.

Figura 3: Circuito RLC

5) DADOS

Os dados referentes a cada etapa do experimento estão dispostos nas


tabelas e suas correspondentes imagens.

5.1 Circuito RC

Tensão Período Frequência Tensão – Vpp


Componente
� ± ∆V�V
�V (T± ∆T) s (𝒇𝒇 ± ∆f) kHz � ± ∆V� V
�V
Fonte - - 10,070 ± 0,001 9,5 ± 0,1
Resistor 5,5 ± 0,4 0,10 ± 0,01 - -
Capacitor 0,030 ± 0,006 0,10 ± 0,01 - -
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – 00/2019 – FÍSICA 2 EXPERIMENTAL PARA QUÍMICA –
TURMA A

Figura 4: Gráfico correspondente ao circuito RC no osciloscópio.

A onda de maior amplitude representa a queda de tensão entre os


terminais do resistor (canal 1), enquanto a de menor amplitude representa a
queda de tensão entre os terminais do capacitor (canal 2), sendo que cada canal
estava em uma escala de medida.

5.2 Circuito RL

Tensão Período Frequência Tensão – Vpp


Componente
� ± ∆V�V
�V (T± ∆T) s (𝒇𝒇 ± ∆f) kHz � ± ∆V� V
�V
Fonte - - 10,059 ± 0,001 9,4 ± 0,1
Resistor 5,5 ± 0,4 0,10 ± 0,01 - -
Indutor 0,05 ± 0,02 0,10 ± 0,01 - -

Figura 5: Gráfico correspondente ao circuito RL no osciloscópio.

A onda de maior amplitude representa a queda de tensão entre os


terminais do resistor (canal 1), enquanto a de menor amplitude representa a
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – 00/2019 – FÍSICA 2 EXPERIMENTAL PARA QUÍMICA –
TURMA A

queda de tensão entre os terminais do indutor (canal 2), sendo que cada canal
estava em uma escala de medida.

5.3 Circuito RLC

Tensão Período Frequência Tensão – Vpp


Componente
� ± ∆V�V
�V (T± ∆T) s (𝒇𝒇 ± ∆f) kHz � ± ∆V� V
�V
Fonte - - 10,063 ± 0,001 9,4 ± 0,1
Resistor 5,5 ± 0,4 0,10 ± 0,01 - -
Capacitor 0,075 ± 0,006 0,10 ± 0,01 - -
Indutor 0,05 ± 0,02 0,10 ± 0,01 - -

No osciloscópio obtivemos um perfil com uma onda de maior amplitude


representando a queda de tensão entre os terminais do resistor (canal 1),
seguida de uma de amplitude intermediária representando a queda de tensão
entre os terminais do indutor e outra onda de menor amplitude que representa a
queda de tensão entre os terminais do capacitor. As duas últimas não foram
obtidas simultaneamente.

6) ANÁLISE DE DADOS

A corrente na malha é igual em todas as etapas e calculamos ela conforme os


dados do primeiro procedimento.

6.1 Circuito RC

Calculando a reatância capacitiva:

1 𝑉𝑉𝑉𝑉 ∗ 𝑅𝑅 0,030 ∗ 0,097 ∗ 1000


𝑋𝑋𝑋𝑋 = = = = 0,529𝛺𝛺
𝝎𝝎𝝎𝝎 𝑉𝑉𝑉𝑉 5,5

Erro propagado:

𝐸𝐸𝐸𝐸𝐸𝐸𝐸𝐸 = 0,001

6.2 Circuito RL

Calculando a reatância indutiva:


UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – 00/2019 – FÍSICA 2 EXPERIMENTAL PARA QUÍMICA –
TURMA A

𝑉𝑉𝑉𝑉 ∗ 𝑅𝑅 0,05 ∗ 0,097 ∗ 1000


𝑋𝑋𝐿𝐿 = 𝝎𝝎𝝎𝝎 = = = 0,882𝛺𝛺
𝑉𝑉𝑉𝑉 5,5

𝐸𝐸𝐸𝐸𝐸𝐸𝐸𝐸 = 0,003

6.3 Circuito RLC

Calculando a impedância:

𝑍𝑍 = �𝑅𝑅2 + (𝑋𝑋𝐿𝐿 − 𝑋𝑋𝑋𝑋)2 = 97𝛺𝛺

Calculando o ângulo de fase:

𝝎𝝎𝝎𝝎 𝑋𝑋𝐿𝐿 − 𝑋𝑋𝑋𝑋


tan(𝜙𝜙) = = = 0,0036
𝑅𝑅 𝑅𝑅

𝜙𝜙 =0,207

7) CONCLUSÃO

A partir deste experimento pudemos analisar três características de um


circuito RC, RL ou RCL: A Reatância Capacitiva, a Reatância Indutiva e
Impedância. Assim, utilizando as funcionalidades do osciloscópio pudemos
medir as quedas de tensões em cada um dos componentes da malha e também
calcular as correntes que as percorriam. Por fim, utilizando as imagens
projetadas no visor do osciloscópio verificamos as diferenças de fase entre as
curvas senoidais.

8) REFERÊNCIAS

[1] Young& Freedman, Física 3, Pearson 12ª edição, 2009