Sie sind auf Seite 1von 357

1

Introdução: os efeitos multidimensionais da forma urbana


Efeitos da Arquitetura Os impactos da urbanização
contemporânea no Brasil
2
Efeitos da Arquitetura
3

Introdução: os efeitos multidimensionais da forma urbana


Efeitos da Arquitetura Organizadores
Os impactos da urbanização
contemporânea no Brasil Vinicius M. Netto
Renato T. de Saboya
Júlio Celso Vargas
Thereza Carvalho

2ª edição

Brasília, 2019
4

Publicado por
Efeitos da Arquitetura

Conselho Editorial
Almir Reis (Universidade Federal de Santa Catarina)
Claudia Loureiro (Universidade Federal de Pernambuco)
Décio Rigatti (Universidade Federal do Rio Grande do Sul)
Edja Trigueiro (Universidade Federal do Rio Grande do Norte)
Frederico de Holanda (Universidade de Brasília, Presidente)
Gabriela de Souza Tenorio (Universidade de Brasília)
John Peponis (Georgia Tech College of Architecture)
José Júlio Ferreira Lima (Universidade Federal do Pará)
Luiz Amorim (Universidade Federal de Pernambuco)
Margarita Green (Pontificia Universidad Católica de Chile)
Ruth Verde Zein (Universidade Presbiteriana Mackenzie)
Teresa Valsassina Heitor (Universidade Técnica de Lisboa)

Copirraite © 2017
Vinicius de Moraes Netto
Thereza Christina Couto Carvalho
Renato Tibiriçá de Saboya
Júlio Celso Borello Vargas

Capa e projeto gráfico: Cecília Jucá de Hollanda


Imagem da capa: Thereza Carvalho

Recurso eletrônico

Direitos para esta edição:


Frederico Rosa Borges de Holanda
Cond. Vivendas Colorado, Mod. J, Casa 1
73105-907 Brasília DF– Brasil
Tel: (0xx61) 34859824
Página da internet: http://www.fredericodeholanda.com.br
Endereço eletrônico: fredholanda44@gmail.com

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser armazenada ou repro-
duzida por qualquer meio sem a autorização por escrito de Frederico Rosa Borges de Holanda.
5

Introdução: os efeitos multidimensionais da forma urbana


... supor a existência de algo ainda desconhecido
como forma de dar conta do visível,
e partir em busca desse ‘algo’ com os recursos
da ciência.

Renato Mezan
O Tronco e os Ramos, p. 482
6
Efeitos da Arquitetura
7

Introdução: os efeitos multidimensionais da forma urbana


Sumário

Introdução
Os efeitos multidimensionais da forma urbana
Vinicius M. Netto, Renato T. de Saboya, Júlio Celso Vargas e Thereza Carvalho, 9

Parte I
Arquitetura, forma urbana e dinâmicas sociais
1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas
/Vinicius M. Netto, 25
2. Fatores morfológicos da vitalidade urbana: uma investigação sobre
a arquitetura e seus efeitos /Renato T. de Saboya, 51
3. Forma urbana e transporte a pé: mobilidade, caminhabilidade, vitalidade...
/Júlio Celso Vargas, 71

Parte II
Polis e esfera pública: as condições urbanas da política do cotidiano
4. Utopia no cotidiano: espaço público, desejo e fruição na formação da cidade
/Thereza Carvalho, 93
5. Lugares públicos: atravessamentos entre espaços livres e edificados,
públicos e privados /Eugenio Queiroga, 115

Parte III
Forma urbana e segurança pública
6. Perfis espaciais urbanos para avaliaçãode lugares vulneráveis ao crime
/Circe Monteiro e Rafaella Cavalcanti, 137
7. Arquitetura, espaço urbano e criminalidade: efeitos de visibilidade na distri-
buição de ocorrência de crimes /Mariana Vivan e Renato T. de Saboya, 163
8

Parte IV
Efeitos da Arquitetura

Pobreza urbana: os efeitos da segregação e das novas soluções habitacionais


8. Em busca dos mecanismos relacionais nas redes sociais de indivíduos
pobres /Eduardo Marques, 185
9. Impactos de complexos habitacionais do PMCMV: mobilidade,
diversidade do entorno e vida social /Vinicius M. Netto,
Roberto Paschoalino, Mirella Furtado, Julia Cantarino, Saulo Macedo
e Maria Clara Moreira, 199
10. Nova política e velhos desafios: problematizações sobre a implementação
do Programa Minha Casa Minha Vida na Região Metropolitana
do Rio de Janeiro /Adauto Lucio Cardoso e Samuel Thomas Jaenisch, 219

Part e V
Cidade e Ambiente
11. Habitação de interesse social: relações entre o tipo arquitetônico
dos empreendimentos e impactos ambientais /Andrea Parisi Kern,
Eduardo Reuter Schneck, Maurício Mancio, Marco Aurélio González,
Marlova Kulakowski e Michele Ferreira Dias, 239
12. Impactos da produção da forma urbana sobre o meio ambiente
/Rita de Cássia Montezuma, 259

Parte VI
As responsabilidades da esfera normativa
13. O mundo das miudezas: Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico
de Brasília /Frederico de Holanda, 279
14. Por um Projeto de Cidade: perspectivas na esfera normativa
/Tiago Holzmann da Silva, 295

Notas, 307
Referências, 324
Currículo dos autores, 349
9

Introdução: os efeitos multidimensionais da forma urbana


Introdução:
Os efeitos Vinicius M. Netto
Renato T. de Saboya
multidimensionais Júlio Celso Vargas
da forma urbana Thereza Carvalho

Livros importam? Um livro pode contribuir para mudar a realidade? No caso dos
impactos da urbanização sobre questões sociais, ambientais, políticas e econômicas,
a resposta precisa ser “sim”. Um livro que aponte com clareza e bem amparado em-
piricamente o que está acontecendo nas cidades brasileiras precisa fazer diferença ao
divulgar ideias e evidências e assim tocar “corações e mentes”. Pode alimentar colegas
em ensino e pesquisa e os profissionais envolvidos na decisão e produção urbana.
Uma compreensão quem sabe tomada “aos corações” como motivação a uma respon-
sabilidade com os atos de construir. Um livro cujas ideias façam sentido e façam pro-
vocações poderia contaminar práticas e as regras do jogo normativo. Um livro assim
teria um papel de intensificar atenções e atuações. Buscamos aqui esse livro.
Mesmo em um momento marcado por questões urbanas de enorme visibi-
lidade, como os movimentos de reapropriação política dos espaços públicos e
as reformas urbanas decorrentes dos megaeventos, nossas cidades seguem sen-
do transformadas em seu tecido “de fundo” – o tecido da arquitetura comum,
que constitui nossos bairros. Estamos presenciando, mudos, uma transforma-
ção silenciosa do cotidiano urbano. Há claramente um modelo arquitetônico fi-
xado como unidade absoluta da forma urbana. Esse modelo tem trazido sinais
de aprofundamento da segregação e da racionalização do espaço de modo mais
penetrante que a onda de racionalização anterior, modernista, sintetizada em
uma visão mecanicista da vida urbana.1 Vemos hoje a penetração de uma lógi-
ca antiurbana – na forma de (i) interfaces controladas entre espaço construído
e aberto, público e privado, via definição de (ii) tipos arquitetônicos que se
afastam do espaço e da vida públicos, replicados em áreas urbanas inteiras;
10

uma lógica de segregação ao nível do lote, em edificações que amparam (iii)


Efeitos da Arquitetura

atividades focadas em públicos tipificados – mais que funcionalmente, social-


mente – e separados dos demais.
Essa forma de construir cidade tem sido permitida e mesmo fixada sem a devi-
da reflexão por regramentos urbanos. A ironia e a tremenda eficiência dessa lógica,
como discutiremos neste livro, sob diversos pontos de vista, é que ela não é definida
apenas de “cima para baixo” por instâncias de poder institucionalizado. Ela emerge
de “baixo para cima”, das atuações de produtores e consumidores de espaço, em
um jogo que expressa tanto uma racionalidade estratégica quanto irracionalidades
ligadas ao medo e à rejeição de alteridades, à vontade de diferenciação e à busca
de satisfação a certos estilos de vida. Sinais desse processo de substituição da forma
urbana se acumulam e hoje se tornam cada vez mais aparentes.
Ainda assim, os impactos desses padrões urbanos seguem em geral subestimados
no Brasil – por governos, por grande parte da mídia, pelos profissionais atuando no
mercado e mesmo no ensino.2 Veremos neste livro que a reprodução desses padrões
de urbanização tem fraturado a urbanidade,3 enquanto define a paisagem da cidade
brasileira.
Este livro tem origem em uma rede de pesquisadores engajados no tema,
e em um encontro realizado pelo Programa de Pós-Graduação em Arquitetu-
ra e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense em outubro de 2013,
o Simpósio Efeitos da Arquitetura: Impactos da Urbanização Contemporânea no
Brasil. Os ensaios aqui reunidos buscam mostrar as implicações que se mani-
festam hoje em nossas cidades e ambientes. Há, entre seus autores, uma ex-
pectativa em comum: a de que suas abordagens distintas contribuam na apro-
ximação entre os atores com o papel de desenvolver conhecimento e aqueles
com o papel de produzir a forma urbana, de definir normas e de simplesmente
viver a cidade e dela usufruir. Em um contexto de carência de debates am-
plamente públicos sobre a cidade, e onde argumentos críticos são frequen-
temente descartados como “subjetivos”, meras opiniões, reuniremos aqui
abordagens sistemáticas e interpretações rigorosas aos impactos da urbanização
no Brasil.

A fragmentação e padronização da paisagem urbana

Os modelos arquitetônicos e de urbanização que se replicam pelo país têm deixa-


do marcas visíveis na forma de uma padronização da paisagem urbana, como alertará
Rita Montezuma em seu capítulo sobre os processos de transformação do tecido de
11

nossas cidades. De fato, temos presenciado mudanças em nossos contextos fortes o bastante

Introdução: os efeitos multidimensionais da forma urbana


para alterar o modo como usamos o espaço e vivemos a partir dele – incluindo formas de
construir que fragmentam espacialidades, dificultam a apropriação pedestre do espaço
público, induzem a dependência veicular; modos de urbanização que frequentemente
ignoram o contexto biofísico, com altos custos ambientais e sociais. Esses processos de
urbanização e sua tipologia têm ocorrido literalmente em escala nacional, de Belém e
Natal a Porto Alegre, em cidades de diferentes portes (Figura 1).
É portanto um problema de amplitude nacional: apesar de os efeitos da arqui-
tetura merecerem atenção em qualquer contexto, temos visto no país como um
todo a acelerada substituição e produção de tecidos urbanos a partir dessa con-
figuração de edifícios isolados, que se desconectam de seus entornos e do espaço
público. Sabemos que, se a cidade forma qualquer espécie de tecido, é esse tecido

(a)

(b)
12
Efeitos da Arquitetura

(c)
Figura1. Padrões de urbanização recentes no Brasil: Rio de Janeiro (a), Natal (b) e Campo
Grande (c). (Fonte: Google Street View; Renato Saboya.)

construído que constitui e estimula a vida urbana, iniciando pela presença das pes-
soas no espaço público. Historicamente, mantivemos esse tecido contínuo na forma
de quarteirões e bairros relativamente compactos, capazes de oferecer as atividades
em que nos envolvemos próximas entre si – um suporte para a vida social e micro-
econômica mesmo fora dos centros urbanos. Mas nas últimas décadas, o padrão
imobiliário mudou. Como coloca Gehl, pela primeira vez na história da humani-
dade cidades não são construídas como conglomerações de espaços urbanos, mas
como edificações individuais. Enquanto as cidades do passado foram construídas
pelo acréscimo de novas edificações justapostas ao longo de espaços públicos, as novas
áreas urbanas são com frequência agrupamentos de edifícios isolados entre estaciona-
mentos.4 Esses edifícios isolados não constroem tecido – e falham em dar suporte ao
pedestre e à apropriação do espaço público.
Entendemos que as consequências da fragmentação e homogeneização da paisa-
gem urbana identificada pelos autores deste livro não são acidentais: são demandas
tanto sob o ponto de vista da produção quanto da demanda por edificação. No pri-
meiro caso, vemos a tendência de produção informada por técnicas de marke-
ting que geralmente operam em torno de tipificações de perfis de consumidores
e seus anseios mais frequentes, colhidos a partir de pesquisas com nichos pré-
-categorizados de acordo com classe, renda e estilo de vida. No segundo caso,
essas preferências por espaço expressam o que Richard Sennet chama de “ten-
dências de isolamento na política das identidades”5 que vemos em motivações
inconscientes, como as escolhas amparadas no medo, insegurança e status; e
13

também em motivações conscientes, quando atores evocam abertamente suas

Introdução: os efeitos multidimensionais da forma urbana


razões, como a preferência por um tipo de vizinhança ou estilo de vida. Pro-
dução e demanda expressam forças complementares, reproduzidas estrategi-
camente pelos atores urbanos em suas diferentes posições e pontos de vista.
Não poderemos descrever nesta Introdução esse processo complexo, mas
podemos apontar suas manifestações urbanas. Vemos uma microrracionalização
que se enraíza espacialmente, moldando os elementos fundamentais da forma
urbana brasileira – o edifício, o lote, o quarteirão.6
A microrracionalização se estende à independência prática e funcional dessas
edificações em relação a seus entornos. Apesar de não necessariamente constitu-
írem zoneamentos rígidos, esses edifícios orientados exclusivamente para fun-
ções e públicos específicos parecem produzir fluxos de movimento desligados dos
fluxos mais diversos das pessoas no espaço urbano. Essa relativa independência
espacial e funcional da edificação em relação ao espaço público leva facilmente
a formas profundas de segregação. Ao desestruturar espacialmente as motiva-
ções ao uso pedestre desses entornos rarefeitos e monofuncionalizados, temos
um espaço homogeneizante, livre da mistura complexa de identidades distintas.
Temos um espaço eficiente na restrição do contato entre os diferentes.7 Mesmo com
a crítica sistemática de Jacobs, Lefebvre e Sennett desde os anos 1960 e 1970,
vemos no Brasil formas mais microscópicas e sofisticadas de racionalização e con-
trole, emergentes das visões parciais de produtores e consumidores de espaço.8
Mas não podemos dizer que esses padrões edificados controlados funcional-
mente via táticas espaciais e tecnológicas como o uso de afastamentos, grades, mu-
ros e câmeras de vigilância consistem num “espaço produzido contra a sociedade”.
Eles são produzidos inicialmente de acordo com a visão de produtores especializa-
dos do espaço, pautados por certos critérios. Esses critérios são geralmente focados
em riscos de investimento. Levam à concepção de “produtos arquitetônicos” que
atinjam uma demanda certa – nesse caso, a demanda por segurança, por estilos de
vida voltados ao privado, e ao controle da interação aos socialmente similares.
Veremos neste livro que a forma urbana tem sido moldada por uma lógica au-
torreferente, que pauta a ação do produtor e do consumidor de arquitetura sem aten-
ção a suas implicações quanto ao contexto social, urbano e ambiental mais amplo.
Essa lógica de produção da forma urbana segue em geral confortável em ignorar seus
impactos na continuidade da cidade e seu meio biofísico. Entretanto, os princípios
autorreferentes nessa escala de dominância não são suficientes para pautar uma dinâ-
mica urbana complexa. Eles não respondem a questões mais amplas, como aquelas
de teor social (como a relação entre espaço, diversidade e urbanidade) e ambiental (os
14

impactos de padrões sobre o território), e mesmo a questões mais pragmáticas como


Efeitos da Arquitetura

o desempenho da forma urbana, iniciando pelos custos impostos pela forma sobre a
microeconomia, a demanda de energia, a infraestrutura, o consumo de recursos, ou
sobre a saúde e a segurança públicas.9 A produção da forma urbana parece prisioneira
de uma circularidade da lógica da padronização. O resultado é o afastamento entre
produção privada e preocupação pública com esses processos. Temos a conquista da
cidade por uma lógica homogeneizante que se distancia da diversidade de atores e ex-
pressões contextuais.
Um dos principais desafios que temos é o de reconhecer a cadeia de desdobra-
mentos dessa lógica. Infelizmente, as implicações negativas desses padrões só se tor-
nam visíveis quando acumuladas, como na forma de áreas esvaziadas de pedestres,
monofuncionalizadas, socialmente homogêneas, sem caminhabilidade. Mesmo
reconhecendo esses problemas, nossa cultura perde de vista suas causas. Perdemos
a trilha de efeitos da forma urbana porque não costumamos pensar que a forma
possa ter implicações de ordem social e ambiental. Algo que capítulos neste livro
apontam é que devemos estar certos de uma coisa: uma vez construída, a forma de
ocupação do território terá efeitos – efeitos silenciosamente ativos e sentidos por dé-
cadas, quer os reconheçamos ou não. E aqui nos deparamos com um dos problemas
basilares em todo esse processo: a escassez de conhecimentos sobre as consequências
urbanas, sociais e ambientais desses padrões.

O status da pesquisa urbana no Brasil

É preciso iluminar com teoria.


Fred Holanda10

O campo de estudos das relações entre cidade, sociedade e ambiente é jovem.


Essa juventude parece refletir o status da disciplina a ele associada, arquitetura e
urbanismo. Como uma extensão de dificuldades epistemológicas, a área parece
marcada por uma espécie de ansiedade normativa da intervenção, certa impaciên-
cia com o cuidado e o tempo necessários para entender os fenômenos em jogo.
Há uma relação ainda problemática entre prática e pesquisa. A dicotomia fica
aparente no entendimento do planejamento e do projeto como campos livres das
“abstrações” da teoria, bem como nas impressões de isolamento da teoria em rela-
ção às urgências da prática e de pouca aplicabilidade do saber científico. Mesmo
que essas impressões possam revelar uma demanda por teorias capazes de respon-
15

der a desafios empíricos, elas também implicam desqualificação do saber. Temos

Introdução: os efeitos multidimensionais da forma urbana


um afastamento entre prática (de planejamento e de projeto) e conhecimento;
entre instituições de produção e decisão e a academia como ator de produção de
conhecimento.11
Nesse cenário difícil, vemos também “contramovimentos”, como a recepção
crescente à ideia de “efeitos” da forma urbana. A ideia de efeitos de coisas sobre
outras é comum em outras disciplinas, mas apenas recentemente vem sendo ex-
plorada com mais força em nosso campo no Brasil – iniciando por estudos dos
impactos sociais e ambientais da edificação, antes limitados ao estético e perceptivo.
Em tempos de receios pós-modernos com a ideia da causalidade e ênfases no papel
da complexidade e da contingência, vemos movimentos de pesquisa procurando
reconhecer as implicações da materialidade que nos escaparam no passado. O que
estamos buscando agora, no debate brasileiro, é olhar para aspectos fundamentais
das cidades de modo a reconhecer essas relações elusivas como vivas.
Portanto, o objetivo mais importante deste livro é reafirmar a existência
dos “efeitos da arquitetura” e da forma urbana, e consolidar este campo de pes-
quisa no país, na forma de um conceito finalmente bem estabelecido enquanto es-
trutura teórica e empírica. Desejamos também instalar o problema como parte
do senso comum de arquitetos, urbanistas, planejadores, geógrafos, profissionais
envolvidos na produção imobiliária e das pessoas de modo geral. Esse esforço in-
cluiu a produção de um documentário, “Arquitetura e o Ballet da Rua”, com mi-
lhares de visualizações e lançado em todo o país, como meio de trazer a discussão e
achados de pesquisa a um público mais amplo.12 Desejamos estimular a atenção à
arquitetura e à forma urbana como parte do modo como vivemos. Entendemos que
essa é a força das ênfases e dos nomes: quando coisas e relações ganham nomes, elas
passam a existir conscientemente em nossas visões e práticas. Uma das aspirações des-
te livro é a de contribuir para tornar esse termo e esse tema mais comuns no ensino e
no ofício da arquitetura, do urbanismo, da geografia e das demais disciplinas ligadas
à questão urbana.
Daí o papel destes ensaios focados em elementos distintos dessa trama de rela-
ções urbano-sociais-ambientais. Entre as coisas que aproximam seus autores estão
os fios dessa trama: sinais de que o espaço urbano importa para os modos como vi-
vemos e para o nosso meio. Vivemos constantemente essas relações. Nesse espírito,
os estudos aqui reunidos não buscam trazer conclusões definitivas, mas afirmar a
urgência por mais pesquisa sistemática. Ainda temos com frequência no Brasil pes-
quisas amparadas em suposições e premissas assumidas mas não inteiramente exa-
minadas, ao invés de proposições colocadas de modo a serem investigadas e checadas
16

empiricamente. Vemos com frequência explicações baseadas em paradigmas que


Efeitos da Arquitetura

antecipam inteiramente as respostas, em uma espécie de confirmação ex ante: as res-


postas encontradas não fogem às premissas definidas a priori pelo paradigma adota-
do. Ainda vemos com frequência proposições que não estão abertas ao próprio erro,
e terminam por levar a conclusões tidas como definitivas. Trabalhos assim trazem
limitações quanto ao que o esforço da pesquisa significa enquanto investigação aber-
ta aos fenômenos em questão e às surpresas que possam estar neles contidas.
Entendemos que o exercício da pesquisa tende a oferecer uma compreensão
mais rica de um fenômeno em questão quando ela busca colher traços de implicações
e relações amplas, irrestritas. Paradigmas e procedimentos que não permitem essa
abertura total ao problema de pesquisa e suas possíveis surpresas, e que contêm em
si a fórmula do resultado final, correm o risco de não reconhecerem aspectos novos
que possam estar ativos no problema. Por mais que seu teor faça sentido, poderão ser
acusados justamente de pré-determinados e fechados às complexidades do fenômeno
em questão. Naturalmente, a pesquisa deve servir de suporte à crítica – como muitos
dos trabalhos neste livro mostrarão. Mas entendemos que a crítica a partir da pesqui-
sa aberta aos aspectos que vierem a emergir tenderá a ser mais contundente no de-
bate e útil para a mudança da prática. Portanto, se quisermos ir além das conclusões
apriorísticas e circulares, precisamos aprofundar nossas análises. Precisamos “manter
a mente aberta” em relação a nossas impressões e hipóteses, inclusive para seu erro.13
Um dos interesses neste livro é trazer trabalhos que busquem interpretar as relações
que constituem o fenômeno em pesquisas sistemáticas abertas a sua complexidade.
O status de campo de pesquisa jovem também parece se mostrar na divisão
ainda vista por alguns como aparentemente irreconciliável entre abordagens qua-
litativas e quantitativas, entre outras tensões insuficientemente discutidas. A partir
da rejeição da revolução quantitativa na geografia, nos anos 1970, o uso de recursos
quantitativos para entender a natureza e lugar do espaço na ontologia de relações
à nossa volta foi fortemente questionado também nos estudos urbanos. Essa re-
jeição hoje tornada a priori por parte dos pesquisadores no Brasil parece decorrer
de temores de uma redução do simbólico e do experiencial ao meramente físico, e a
uma rejeição de tudo o que não é visível e mensurável como sendo inexistente ou
irrelevante por parte de abordagens que se valem de recursos quantitativos. Esses
temores são frequentemente justificados: abordagens positivistas tendem de fato
a incorrer nessas reduções. Entretanto, também entendemos haver uma limitação
nessa rejeição apriorística.
Tais impressões são baseadas na dificuldade em reconhecer aspectos que, por
sua natureza, não podem ser capturados completamente pela linguagem verbal.
17

Sabemos que a linguagem verbal é poderosa quando se trata de definir significa-

Introdução: os efeitos multidimensionais da forma urbana


dos, tais como as qualidades de algo. Mas o léxico de palavras disponíveis para
tratar de problemas onde as intensidades importam é surpreendentemente limita-
do: termos como “muito” ou “pouco” são vagos e em pequeno número. Há ainda
uma dificuldade natural da linguagem verbal, inerentemente linear, em capturar a
complexidade de relações que frequentemente estão em jogo em fenômenos urba-
nos e são fundamentais para que possamos entendê-los. Relações que constituem
e envolvem fenômenos podem se realizar simultaneamente em muitas direções e
temporalidades. Essas relações podem formar tramas impossíveis de serem traduzi-
das na linearidade absoluta da palavra e do texto, devido à natureza sequencial da
fala e da escrita.
O problema é que as propriedades do urbano, do social e do ecossistêmico
apresentam com frequência questões de intensidade e de relações complexas (espa-
cialmente, temporalmente, contextualmente etc.). Por isso, precisamos de outras
linguagens, que emergiram historicamente justamente para que possamos operar
cognitivamente para além das bordas do verbal. É importante entender que es-
sas outras linguagens são tão humanas quanto a verbal. Sua rejeição é resultado
da aparente crença em uma capacidade ilimitada da linguagem verbal em capturar
e traduzir fenômenos. Entretanto, essa crença é tão reificante quanto as formas de
uso absolutizantes das abordagens quantitativas. É preciso evitar a reificação de
qualquer forma de linguagem – verbal, gráfica ou numérica – e evitar o erro de
subestimar uma linguagem pelo suposto privilégio epistemológico de outra. Pre-
cisamos lidar com as complementaridades entre elas – e superar de vez a dicotomia
entre o qualitativo e o quantitativo – se desejamos entender um fenômeno complexo
como o urbano e sua teia de implicações.14

A importância da busca por evidências como suporte à crítica

Entre análises empíricas e interpretações rigorosas, os ensaios neste livro bus-


cam discutir – por diferentes vias – o que está acontecendo em nossas cidades no
Brasil. Naturalmente, ao falarmos de um livro também interessado em reunir evi-
dências dos efeitos da forma urbana em diferentes planos e escalas, estamos tocando
questões controversas. Eugênio Queiroga, em nosso debate durante o simpósio,
apontou para o problema da impossibilidade de sempre encontrarmos evidências
para problemas que podem escapar das possibilidades de captura empírica – como
a dimensão simbólica, política ou ética. Ele está certo. Trata-se de um debate longo,
sobre o qual não poderemos fazer mais do que tentar estimular neste momento.
18

Uma primeira questão envolveria a definição do que é “empiricamente verificável”.


Efeitos da Arquitetura

Uma segunda questão é se uma asserção que não possa ser verificada empiricamente
deixaria de ter relevância. Estaríamos afirmando a verificação como critério último
para a definição do que é ou não é conhecimento válido, ignorando o aviso do
epistemólogo Peter Winch de que “para empiricistas, todas as afirmações sobre a
realidade devem ser empíricas ou elas são infundadas”?15
Certamente esta não é nossa posição. Fenômenos urbanos e ambientais en-
volvem dimensões além da observação, e que podem de fato impossibilitar o con-
fronto empírico e a verificação. Ao mesmo tempo, reconhecemos a possibilidade
de que, como sugere Bruno Latour, quando atores e entidades atuam e processos
se desdobram, mesmo elusivos em si, eles deixam traços16 – traços que podem ser
encontrados e traduzidos através de linguagens (verbal, gráfica ou matemática).
Entendemos que uma asserção não perde significado, se puder indicar condições
relevantes para entendermos a existência daquilo que evoca.17 A ênfase na neces-
sidade de estudos empíricos sistemáticos não significa suspender a necessidade de
abordagens interpretativas.
Este livro traz um balanço entre abordagens ancoradas em estudos empíricos
e abordagens interpretativas, críticas e propositivas, como veremos em alguns dos
capítulos focados em políticas e no planejamento do espaço urbano. Entretanto,
dificilmente poderíamos ignorar que conhecimentos acerca da realidade se sedi-
mentam ao se confrontarem com o desafio da demonstração empírica. Ao serem
derivados do empírico, eles também poderão amparar novos estudos com mais
segurança, permitindo que se possa apoiar conhecimento sobre conhecimen-
to. Poderão ainda amparar com mais segurança proposições sobre o problema.
A mera suposição a respeito de um problema de outro modo passível de investigação
empírica perde a chance de chegar a uma construção mais consistente e confiável.
Alguns cuidados epistemológicos poderiam nos levar a romper com certas fra-
gilidades teóricas e metodológicas de parte da produção em pesquisa em nosso
contexto. A aspiração deste livro inicia com essa urgência de aproximarmos análises
empíricas e abordagens críticas, de modo a oferecermos diagnósticos mais precisos
dos problemas que enfrentamos hoje em nossas cidades.

As contribuições

Este livro reune interpretações e evidências das relações entre forma e dinâmica urba-
nas e ambientais, construídas a partir de diferentes abordagens e epistemologias, reunin-
do resultados de pesquisa, ensaios críticos e posicionamentos teóricos. Os capítulos são
19

expansões das comunicações que ocorreram durante as trocas que lhes deram origem,

Introdução: os efeitos multidimensionais da forma urbana


tendo sido revisados de acordo com a leitura dos organizadores do livro e do comitê
científico da editora. Eles são brevemente introduzidos abaixo, em torno de alguns eixos
temáticos. Essa estrutura se refere a dimensões dos efeitos de padrões de urbanização,
além de resgatar os eixos do próprio simpósio que deu origem ao livro.

Arquitetura, forma urbana e dinâmicas sociais. A primeira parte do livro traz


ensaios que tratam o espaço urbano como condição de apropriação e vida social, fa-
zendo uso de análises capazes de diferenciar as influências de fatores da configuração
espacial sobre dinâmicas sociais, focadas no momento da reprodução. É importante
destacar que não se trata de ignorar as forças sociais que dão origem a essas configura-
ções, que naturalmente constituem o problema e precisam ser fortemente discutidas.
Trata-se de suspender metodologicamente essa dimensão de modo a focar “no outro
lado da moeda”, os impactos da configuração, e identificá-los com precisão no espaço
de um capítulo. Netto explora as consequências silenciosas de escolhas arquitetôni-
cas, demostrando em estudo empírico no Rio de Janeiro a seriedade dos efeitos que
coisas aparentemente independentes como edifícios passam a ter quando agregados
em complexos na forma de bairros ou cidades – em “A cidade como resultado”. Em
“Fatores morfológicos da vitalidade urbana: uma investigação sobre a arquitetura e
seus efeitos”, Saboya e colegas investigam a hipótese da relação entre uma diluição
da forma urbana a partir de um tipo arquitetônico hoje predominante na produção
urbana e a diluição da apropriação do espaço, buscando evidências dos impactos dos
padrões de urbanização sobre a vitalidade de áreas em Florianópolis. Explorando essas
questões em “Forma urbana e transporte a pé: mobilidade, caminhabilidade, vitali-
dade...”, Vargas confronta abordagens urbanas e abordagens oriundas dos estudos do
transporte ao discutir a vitalidade como efeito da forma urbana, a partir de estudos
empíricos em Porto Alegre.

Polis e esfera pública: as condições urbanas da política do cotidiano.


A segunda parte do livro reúne análises interpretativas da relação entre espaços
construídos e livres, privados e públicos onde a esfera pública constantemente se
constitui. Em “Utopia no cotidiano: espaço público, desejo e fruição na formação
da cidade”, Thereza Carvalho discute as ricas relações entre vitalidade, identidade e
as condições da indiferença – e seu oposto, o reconhecimento do outro – no espaço
como constitutivo da esfera pública, explorando lugares em Lisboa, Portugal, e em
cidades no Brasil. Eugenio Queiroga oferece uma estrutura conceitual e um con-
junto de leituras de situações concretas para entendermos as relações entre espaços
20

livres, espaço público e esfera pública, enquanto trata da importância dos “Lugares
Efeitos da Arquitetura

públicos: atravessamentos entre espaços livres e edificados, públicos e privados”


como aspectos da esfera pública política e a da esfera pública geral.

Forma urbana e segurança pública. Nesta seção, o livro traz pesquisas so-
bre as implicações da forma urbana e as condições da segurança urbana inves-
tigadas por meio de análises quantitativas. Naturalmente, tratar o problema da
oportunidade do crime não é suficiente diante das condições de produção da
violência e criminalidade, fortemente ancoradas na pobreza e desigualdade.
Contudo, a dimensão da reprodução da violência tem importância por tratar
da condição espacial da materialização das oportunidades do crime, um proble-
ma no qual a arquitetura e a constituição do espaço urbano se tornam ativas.
É nessa dimensão que esses dois trabalhos focam, no esforço de idenficar fatores
associados à maior insegurança. Circe Monteiro e Rafaella Cavalcanti nos trazem
análises inovadoras da “Dinâmica socioespacial, morfologia e segurança nas ativi-
dades noturnas em Recife” para acentuar a importância da pesquisa das condições
contextuais da segurança no espaço público. Mariana Vivan e Renato Saboya explo-
ram as condições das interfaces arquitetônicas e do espaço público em “Arquitetura,
espaço urbano e criminalidade: efeitos da visibilidade na distribuição da ocorrência
de crimes” em Florianópolis. Ambos os trabalhos problematizam generalizações
existentes e mostram a complexidade de fatores espaciais que podem estar ora ati-
vos, ora inativos, dependendo de sua condição relacional ou contextual.

Pobreza urbana: os efeitos da segregação e das novas soluções habitacio-


nais. A quarta seção do livro explora as relações entre segregação, diferenças de
renda e seus impactos sobre populações. Eduardo Marques aproxima dois cam-
pos de pesquisa – o da segregação espacial e o da análise de redes sociais presenciais
na investigação da sociabilidade – no capítulo “Em busca dos mecanismos rela-
cionais nas redes sociais de indivíduos pobres,” de modo a identificar a segrega-
ção espacial e da composição das redes sociais pessoais como parte das múltiplas
causalidades na reprodução da pobreza urbana, com estudos em São Paulo e
Salvador. Vinicius Netto et al. estudam os efeitos da localização urbana e da con-
figuração de complexos do Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) sobre
a sociabilidade e o comportamento espacial de moradores no Rio de Janeiro, em
“Impactos de complexos habitacionais do PMCMV: Mobilidade, diversidade do
entorno e vida social”. Finalmente, Adauto Cardoso e Samuel Jaenisch fazem
uma reflexão ampla sobre a inserção política e econômica do PMCMV e os des-
21

dobramentos de suas soluções habitacionais em “Nova política e velhos desafios:

Introdução: os efeitos multidimensionais da forma urbana


problematizações sobre a implementação do Programa Minha Casa Minha Vida
na Região Metropolitana do Rio de Janeiro”.

Cidade e ambiente. Esta parte traz as implicações ecossistêmicas da forma e


da dinâmica urbanas, das externalidades ambientais negativas da expansão urbana
sobre tecidos bióticos ao desempenho da edificação quanto ao consumo de mate-
riais e seus impactos ambientais. Andrea Kern et alii nos mostram em “Habitação
de interesse social: relações entre o tipo arquitetônico dos empreendimentos e im-
pactos ambientais” que as implicações ecossistêmicas se iniciam já no processo da
construção, ao focarem nos diferentes desempenhos de edifícios quanto ao consumo
de materiais, energia e emissões de CO2. Rita Montezuma faz uma densa leitura
das implicações ecossistêmicas da urbanização, identificadas empiricamente, em
“Impactos da produção da forma urbana sobre o meio ambiente”.

As responsabilidades da esfera normativa. A seção final do livro discute a


fixação de padrões urbanísticos e arquitetônicos marcados pela ausência de atenção
às consequências desses padrões sobre as dinâmicas cotidianas da cidade. Frederico
de Holanda faz um apanhado de observações empíricas em “O mundo das miu-
dezas: plano de preservação do conjunto urbanístico de Brasília”, apontando as
relações entre políticas urbanas, aspectos da forma e vida social na Capital Federal.
Finalmente, Thiago Holzmann explora os problemas de uma legislação pautada em
uma visão pouco sistêmica da arquitetura e do urbanismo, a atuação do profissional
nesse contexto, e as alterações normativas necessárias para a atenção aos efeitos so-
ciais e ambientais da cidade, em “Prospectos nas esferas normativa e profissional”.

***
Este livro ainda marca alguns fatos. Foi baseado em um evento que celebrou
os dez anos do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da UFF,
apoiado na figura dos coordenadores José Pessôa e Fernanda Furtado, na secretaria do
Programa e no trabalho de Angela Carvalho, bem como pela Pró-Reitoria de Pesqui-
sa. O evento foi viabilizado pelo time de organização – Mirella Furtado, Julia Can-
tarino, Maria Clara Moreira, Taiana Millward e Maíra Pinheiro. Agradecemos ainda
aos participantes que se tornaram autores deste livro, por terem tomado o tempo de
empenharem-se em um debate sobre temas que nos aproximam e por terem aguarda-
do pacientemente a conversão dos seus trabalhos no objeto do livro. O simpósio foi
imaginado entre Vinicius M. Netto, Renato Saboya e Julio Vargas. Na UFF, encon-
22

tramos suporte em Thereza Carvalho, no Departamento de Urbanismo. Contamos


Efeitos da Arquitetura

ainda com o apoio do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU-RJ) na gestão do


Presidente Sydnei Menezes, e da Fundação Konrad-Adenauer, nas figuras de Diretor
Felix Dane e da Coordenadora de Projetos Kathrin Keller. A todos os envolvidos e a
nosso editor Frederico de Holanda, nosso imenso agradecimento.

***
Este é o livro que oferecemos. Podemos agora retornar à pergunta inicial: livros
importam? Um livro pode contribuir para mudar a realidade? Se “agir significa que
algo muda no mundo”, como diz Jürgen Habermas, e se o agir tem qualquer cone-
xão com a ideia e com a palavra, não há nada como o livro. O esforço na produção
de um livro é um esforço para ampliar nossos efeitos no mundo.
I PARTE
Arquitetura,
forma urbana
e dinâmicas sociais
23

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


Efeitos da Arquitetura
24
25

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


1
A cidade como resultado:
consequências de escolhas
arquitetônicas Vinicius M. Netto

Introdução

Economistas estão familiarizados com sistemas que levam a resultados


agregados os quais o indivíduo não intenciona nem deseja estar ciente,
resultados às vezes sem qualquer elemento reconhecível ao nível do indivíduo.
Thomas C. Schelling1

Novos fios estão sendo tecidos todo o tempo, tornando mudanças contínuas e
suaves. Mas do ponto de vista de seus efeitos sobre a forma, a mudança só se
torna significativa no momento em que uma falha ou má formação atinge uma
importância crítica – no mometo em que é reconhecida, e as pessoas sentem
que a forma tem algo errado.
Christopher Alexander2

Talvez o maior desafio a enfrentar no planejamento urbano no Brasil não


envolva os problemas que vemos como claramente decorrentes de condições
ou decisões sobre a produção espacial (como a fragilidade da infraestrutura ou
a produção habitacional segregada), preocupantes o bastante. Meu principal
argumento neste texto é que uma das grandes dificuldades para “mudar a ci-
dade”, lembrando o título do livro de Marcelo Lopes de Souza, pode estar, na
verdade, em problemas menos visíveis: as consequências não necessariamen-
te intencionadas de ações cotidianas – consequências que ocorrem silencio-
samente, e que não imaginamos existirem ou importarem. Em outras palavras,
consequências da produção do espaço sobre sua apropriação que desconhecemos.
Argumentarei que esses efeitos acumulados gerarão problemas realmente sistêmi-
26

cos, patologias que afetarão a cidade como um todo, em sua continuidade e em suas
Efeitos da Arquitetura

repercussões sobre outros sistemas, como o ambiental e o social.


Trarei uma série de exemplos dessas consequências não intencionadas. Para
isso, farei uso dos insights de um economista pouco ortodoxo, Thomas Schelling,
sobre como decisões e ações individuais podem levar a resultados de larga escala
não intencionados e indesejados. Veremos que a cidade é repleta de cadeias de
implicações silenciosas com os mesmos contornos dos fenômenos coletivos exami-
nados por Schelling. Por exemplo, quando alguém escolhe morar em um edifício
murado, buscando conforto e segurança, não deseja necessariamente gerar um pa-
drão de áreas segregadas na cidade ou prejuízos à urbanidade de seus espaços públi-
cos, mas é o que acaba implicando. Ao escolher viver em um edifício isolado, com
pátios generosos, não deseja conscientemente reduzir a presença de oportunidades
de encontrar comércios em seu bairro, mas é a isso o que esse tipo de arquitetura
leva, por motivos que são reconhecíveis. Os muros que escolhe para se proteger
não deveriam aumentar o risco de crimes nas ruas do entorno, mas é o que muros
podem fazer, ao desestimularem a presença de pedestres.3
Essas escolhas podem estar contribuindo para dificultar o uso do seu próprio
bairro, induzindo-o a usar o veículo. Quando alguém pega seu veículo para ir ao
lugar de consumo ou trabalho, não deseja enfrentar um engarrafamento, mas está
contribuindo para ele; finalmente, não quer gerar emissões de gases que, acumula-
das no tempo e na escala planetária dessa motorização, contribuirão para o aqueci-
mento global – mas é o que está fazendo.
Este texto não foca nos efeitos intencionais de ações e decisões tomadas
por atores urbanos. Sobre esses, há uma crítica ampla em produção há décadas.
O que este texto se dispõe a mostrar são efeitos de outra ordem: os efeitos silen-
ciosos das ações que atores produzem – em um grau ou em outro – sem perceber como
essas ações se combinam para gerar consequências problemáticas para coletividades e
contextos. Por estes efeitos serem silenciosos, cumulativos no tempo e capazes de
se enraizar nos espaços urbano e ambiental, precisamos de um esforço consciente
para trazê-los à tona. É o que pretendo fazer aqui. Meu argumento percorrerá os
seguintes passos:

1. Visitarei Schelling e suas ideias e exemplos de consequências coletiva não-


-intencionais de escolhas individuais intencionais.
2. Examinarei mais de perto uma das implicações mais sentidas e menos deba-
tidas na vida urbana brasileira: as consequências da fixação de um modelo de
arquitetura para a cidade e a vida na cidade.
27

3. Veremos as razões e os valores que pautam as decisões por esse modelo

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


de arquitetura e pela produção do que Rita Montezuma chama fragmen-
tação da paisagem4 – assim como suas implicações na forma de patologias
urbanas.
4. Finalmente, tendo em vista a gravidade desses achados, discutirei a necessi-
dade da aproximação entre esferas técnico-científica, normativa e econômi-
ca, bem como o uso da pesquisa visando a qualificação do debate da relação
entre arquitetura, o funcionamento de nossas cidades e a legislação urbana
no país – via um entendimento mais sistemático dos efeitos urbanos da
arquitetura.

Consequências não-intencionais de escolhas individuais

Minha conjectura é que o jogo entre escolhas individuais [...]


forma um sistema complexo cujos resultados coletivos podem não ter relação próxima
com a intenção individual.5

A ideia de que ações e preferências individuais podem gerar resulta-


dos coletivos não-intencionais foi uma contribuição do genial economista
Thomas Schelling – que o levou a um prêmio Nobel em 2005. A abordagem
de Schelling foi pioneira ao reconhecer a emergência de padrões amplos dis-
tintos daquilo que as interações em si encerram. Schelling dizia no final dos
anos 1960 que fenômenos coletivos como a segregação urbana podem acon-
tecer mesmo que as pessoas não os desejem. Ele demonstrou matematicamente
que se residentes em uma cidade, por exemplo, só desejassem um terço de seus
vizinhos como similares a eles (digamos, professores desejando que um terço
de seus vizinhos também sejam professores), terminariam gerando um padrão
de localização residencial segregado. O único modo de esse sistema urbano teó-
rico atender a um desejo como o de um terço de vizinhos similares entre si se-
ria gerar uma cidade de áreas homogêneas socialmente, portanto socialmente
e espacialmente segregadas.

As situações nas quais o comportamento ou as escolhas das pessoas dependem do


comportamento oudas escolhas de outras são aqueles que geralmente não admitem
um simples processo de soma ou extrapolação ao agregado. Para fazer essa conexão,
geralmente precisamos olhar para o sistema de interação entre indivíduos e seu
ambiente.6
28

Em outras palavras, Schelling está ciente que atores não têm necessariamente
Efeitos da Arquitetura

as mesmas intenções. Teorias da racionalidade da ação ou das escolhas costumam


propor como “comportamento intencional” (purposive behavior) a noção de que as
pessoas perseguem objetivos das mesmas maneiras – digamos, buscando minimizar
esforços ou maximizar conforto. Mas Schelling coloca que nossos propósitos tam-
bém se relacionam aos de outras pessoas e seu comportamento, e podem ser limi-
tados por tal ambiente coletivo. Nosso comportamento seria portanto contingente
– ele depende do que outros atores fazem e de condições circunstanciais – coisas
que instalam incertezas nos processos que vivemos.

Pode ou não ocorrer a você que sou parte do seu problema assim como você é do meu;
que minha reação ao contexto é parte do contexto; ou que a quantidade ou número
[de reações] às quais estou estou respondendo é a soma das reações de outras pessoas
reagindo como eu... As pessoas reagem à totalidade da qual fazem parte.7

Schelling está preocupado em entender como os comportamentos de indivíduos


distintos podem levar a padrões não desejados coletivamente, e aos modos como res-
pondemos e influenciamos os comportamentos dos outros: “As pessoas respondem a
um ambiente que consiste de outras pessoas respondendo ao seu ambiente, que por sua
vez consiste de pessoas respondendo a um ambiente formado por suas próprias respos-
tas”.8 A definição de “motivos” inclui portanto uma dimensão social: atores não defi-
nem seus motivos de modo isolado, sem influência de outros atores, conscientemente
ou não. Atores tampouco conhecem toda a extensão das implicações de seus atos e decisões.
Tendemos a acreditar que estamos lidando com decisões conscientes, dentro dos
limites de nossa informação sobre nosso ambiente. Esse entendimento das limita-
ções de visão e contingências nas quais atores estão imersos sem perceberem – por
estarem imersos em seu contexto, sem a visão do todo, sem uma God’s eye view que
nos é impossível – permite a Schelling reconhecer que padrões coletivos podem
acontecer em direções simplesmente não previstas e não desejadas. Exatamente por
isso, esses padrões devem ser observados:

[T]odo o resultado agregado é que precisa ser avaliado, não apenas o que cada pessoa
faz dentro dos limites de seu próprio ambiente. [A] questão mais interessante é [...]
se algum arranjo diferente [...] poderia servir melhor aos propósitos de muitos,
ou da maioria, ou de todos. [...] O quão bem cada [pessoa] se adapta ao seu ambien-
te social não é a mesma coisa que o quão satisfatório é o ambiente social que elas
coletivamente produzem.9
29

A visão proposta por Schelling deve ser capaz de relativizar padrões que emer-

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


gem coletivamente e atentar aos benefícios trazidos ao sistema como um todo.
Esse cuidado faz sentido porque muitas visões e teorias têm naturalizado essas
emergências, entendendo-as como a priori situações necessariamente ótimas para
um sistema (digamos, social, econômico ou urbano). A ideia de que padrões
emergentes são naturalmente razoáveis é encontrada, por exemplo, em teorias
da auto-organização ou da “mão invisível”. O que Schelling nos mostra é que
nada garante que um processo auto-organizado venha necessariamente a levar
ao melhor cenário ou a cenários sequer adequados ao conjunto, em função das
contingências que afetam as interações dos atores, e suas implicações. É a atenção
especial a essas implicações que diferencia Schelling de outros teóricos da auto-
-organização.
Para tornar este ponto claro, Schelling propõe exercícios: imaginar outros ce-
nários, contrafatuais. Esses cenários permitem, por exemplo, fazermos avaliações
comparativas, olhar para diferenças de ganhos e perdas coletivos que poderão apa-
recer entre cenários. Ele entende como necessário reconhecermos as implicações de
larga escala, o que elas têm a ver com as intenções dos agentes, e o que elas geram
para a continuidade do sistema (urbano ou social) como um todo. “E às vezes os
resultados são surpreendentes”. Schelling nos alerta para evitar “pular em conclu-
sões sobre as intenções individuais a partir da observação de agregados, ou saltar a
conclusões sobre o comportamento de agregados a partir do que alguém sabe ou
pode especular sobre intenções individuais”.10
Devemos entender consequências não-intencionadas como aquelas livres de
uma agenda ou de iniciativas do planejamento – são consequências não necessaria-
mente intencionadas, e às vezes decorrentes de intenções opostas. Vejamos o que a
lição de Schelling sobre as implicações sistêmicas de atos individuais pode nos dizer
sobre processos urbanos.

Fenômenos urbanos do tipo Schelling

Falar sobre consequências de ações e decisões pode soar vago, abstrato – algo
que não necessariamente acontece ou que pode simplesmente desaparecer no tem-
po. Mas uma série de fenômenos que se desenrolam silenciosamente têm efeitos
fortes o bastante para perturbarem seus ambientes – sociais, materiais e ecológicos.
Um dos temas que tornaram as ideias de Schelling um marco nas ciências sociais
foi sua abordagem à segregação. Ele demonstrou matematicamente que mesmo
sistemas sociais nos quais a segregação não é organizada ou planejada top-down,
30

sistemas onde as pessoas prefiram não se segregar, podem caminhar facilmente em


Efeitos da Arquitetura

direção à segregação. Há uma espacialidade bastante elementar nesse modelo de


segregação, baseado em proximidade e vizinhança. Por exemplo, seu modelo sugere
que em uma cidade onde os moradores tivessem a preferência por viver em uma
vizinhança com 50% de moradores do mesmo grupo social, 80% das suas áreas
terminariam absolutamente homogêneas socialmente. Mesmo que as pessoas não
desejem a segregação, o único modo de acomodar seus desejos locacionais, em
interação com os das outras pessoas, termina gerando segregação. A segregação
territorial se mostra como uma consequência mais que proporcional a um desejo indi-
vidual de viver próximo aos socialmente similares. Note que essas observações não
têm o objetivo de naturalizar a segregação, mas apontar algo sutil, de grande força:
há dinâmicas geradas por nossas interações que podem levar a consequências muito
maiores e mais sérias do que esperamos – conscientemente ou não.
Se desejamos realmente entender o que é segregação e autossegregação, preci-
samos prestar atenção a essas dinâmicas coletivas e motivos inconscientes. Quando
temos um contexto como o brasileiro, onde somados a essas dinâmicas de satisfação
individual e consequência coletiva há ainda um forte sentimento de diferenciação
social, temos um potencial explosivo para a segregação territorial. Temos motiva-
ções muito mais fortes que aquelas que Schelling denunciou, como o medo da
violência, a necessidade do status ou o puro preconceito de raça e classe (fortes
exatamente porque silenciosos).
Em um contexto assim, a segregação entra em uma dinâmica similar ao que
outro economista brilhante, Gunnar Myrdal, chamava de “causação circular e acu-
mulativa”.11 O resultado é uma cidade fortemente fragmentada espacialmente e
socialmente. O espaço territorial se torna uma forma de restringir os contatos entre
os socialmente diferentes.12 E quanto maiores forem as forças segregadoras, mais
evidentes, vulgares e violentos serão os recursos e dispositivos espaciais (como bair-
ros murados) e técnicos (como câmeras, seguranças privadas etc.) para efetivá-las.
A cidade brasileira oferece muitos outros exemplos.13 Naturalmente, consequ-
ências não-intencionadas de larga escala devem ser vistas em um cenário dinâmico,
como movimentos que eventualmente podem mitigar parte dos danos anteriores.
Vias engarrafadas levam pessoas a escolher outros caminhos, o que pode gerar en-
garrafamentos em novas vias, ou levar a uma distribuição melhor do tráfego, se
a malha assim permitir, ou poderia levar as pessoas a usar mais a bicicleta, se elas
se sentissem devidamente amparadas para tanto. A busca por um produto pode
levar a alta de seu preço, que pode em algum limiar levar as pessoas a deixarem de
comprá-lo, forçando os preços para baixo. Esses movimentos e contramovimentos
31

– que certamente poderão ir em muitas direções – são ecos reais da chamada auto-

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


-organização.
Preços são convenções sociais e, como tantos fenômenos na economia, são
coisas mais voláteis. Mas há fenômenos cuja materialidade enrijece e limita esses
movimentos: quando baixos salários levam à autoprodução de casas e a emergên-
cia progressiva de áreas precárias, essas áreas muito provavelmente não desapa-
recerão se as famílias tiverem aumentos em suas rendas e a autoprodução cessar.
Uma estrutura viária fragmentada poderá permanecer por séculos impactando
o movimento pedestre e veicular. Um padrão espacial segregado não se tornará
facilmente heterogêneo socialmente. Diferente da economia, a cidade oferece
muitos processos do tipo Schelling que não serão facilmente sujeitos a mudanças
ou refluxos. A materialidade na qual tomam forma os força a permanecer, causan-
do impactos durante todo o tempo de sua permanência. Exatamente por isso,
demandam grande atenção e cuidado. Atos de produção na cidade demandam
responsabilidade com seu futuro.
Gostaria de adicionar a estes um problema que vinha sendo surpreendentemen-
te subestimado no debate urbanístico nacional.13 Analisemos um padrão emergente
em nossas cidades moldado a partir das decisões e ações individuais na escolha da
arquitetura que ampara estilos de vida, e que tem a cidade brasileira contemporâ-
nea como resultado.

Vida no espaço público: os impactos das edificações

Historicamente, cidades mantiveram um tecido contínuo de edifícios e quar-


teirões capaz de oferecer atividades cotidianas de modo relativamente próximo en-
tre si – um modo eficiente de estimular a vida social e microeconômica de nossos
bairros e ruas, mesmo fora das centralidades urbanas. A arquitetura multifamiliar
tem um peso importante nas cidades, sobretudo de médio e grande porte. No Rio
de Janeiro, ela corresponde a 37,62% dos tipos de domicílio (com 54,56% para
casa e 6,78% para casa em vila/condomínio). Em Florianópolis, essa proporção é
de 37,77% e em Porto Alegre, 46,66%.14 Ao adicionarmos a arquitetura multi-
pavimentos produzida para atividades comerciais, essa consideração ganhará mais
peso. Se o axioma da economia urbana estabelecendo a relação entre localização e
densidade é correto – e tudo indica que é15 – a edificação multifamiliar responde a
demandas em uma microeconomia e a potenciais de intensificação em redes sociais
urbanas. A arquitetura expressa essas forças, e moldará substancialmente a forma
das cidades.
32

Mas em décadas recentes, os standards da produção imobiliária no Brasil muda-


Efeitos da Arquitetura

ram: o tipo multiandares tradicionalmente preferido, justaposto às edificações lin-


deiras, em torno do canal do espaço público, foi substituído por um “tipo isolado”
de arquitetura: o edifício desconectado daqueles vizinhos e do próprio espaço pú-
blico, definido por afastamentos frontal e lateral – construído não como complexos
adjacentes mas distribuições aleatórias cercadas por estacionamentos, jardins, muros
e grades (Figura 1.1).16 Para compensar os espaços livres a sua volta, esta tipologia é
associada ao verticalismo. Ela se transformou no item dominante na produção de ci-
dades no Brasil. As décadas de replicação deixaram suas marcas na paisagem urbana
brasileira: fragmentação e verticalização, queda no uso do espaço público e recolhi-
mento de atividades microeconômicas aos shoppings e malls parecem sinais associa-
dos. Trarei aqui uma breve síntese dos resultados do estudo conduzido na cidade do
Rio de Janeiro, com convergências com os resultados dos estudos nas outras duas ca-
pitais brasileiras. A investigação das relações entre a forma arquitetônica e padrões de
movimento pedestre e localização de atividades precisa, antes de mais nada, passar
por um conhecimento do contexto em questão.

Figura 1.1. A substituição de um modelo: o tipo contínuo (esquerda, em Ipanema) e o tipo


isolado (direita, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro) e suas características. Fonte: Arquitetura e o
Ballet da Rua, documentário (Netto et al., 2015)

Desempenhos dos tipos arquitetônicos para pedestres


Analisamos 24 áreas na cidade do Rio de Janeiro,17 levantamos 250 segmentos
de rua e cerca de 3.800 edifícios nesses segmentos em três conjuntos de amostra
de diferentes acessibilidades (alta, média e baixa) medida topologicamente – isto é,
considerada como uma hierarquia das ruas que mais encurtam caminhos para todas
as demais ruas no Rio de Janeiro (Figura 3). Em Florianópolis, observamos 169
segmentos de rua e 1.036 edifícios, e em Porto Alegre analisamos 330 segmentos
e cerda de 4.000 edificações.18 Atentamos ainda para as densidades populacionais
nessas áreas. Fizemos observações sistemáticas da movimentação pedestre em cada
uma das ruas das três cidades durante um dia de semana, com contagens durante
33

intervalos de dois minutos e trinta segundos, em cinco rodadas nos 250 segmentos

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


de rua das 9h às 19h. Analisamos as distribuições de atividades e elementos da for-
ma arquitetônica, compondo, no total, cerca de dez fatores sociais e econômicos e
quarenta fatores espaciais.
Vejamos o quanto a distribuição dos tipos nas áreas analisadas coincide com
a presença de grupos e pessoas estáticas no espaço público e atividades nos térreos
dos edifícios. Lembrando que correlações estatísticas baseadas no coeficiente de
Pearson variam entre zero e -1 ou +1 (correlação perfeita negativa ou positiva),
encontramos indícios de diferenças de desempenho. As correlações são estatisti-
camente significativas, e seus valores e sinais são consistentes entre si e corrobo-
ram nossas hipóteses (Tabela 1.1):

Tabela 1.1. Tipos arquitetônicos e pedestres: correlações de Pearson (p<0,01).


(Fonte: Netto, Saboya e Vargas, pesquisa CNPq.)

O que ocorre com o movimento pedestre quando há proporções distintas dos


tipos nas ruas? As ruas onde o tipo contínuo está presente em mais de 50% dos lotes
tendem a ter mais que o dobro da média de pedestres que o tipo isolado (tabela 1.2).

Tabela 1.2. Comparação entre médias de pedestres em segmentos de rua com predominância
> 50% dos tipos contínuo e isolado, e a razão entre médias. (Fonte: Netto, Saboya e Vargas,
pesquisa CNPq.)

Ainda que outros fatores possam explicar os comportamentos – os chamados


confounding factors (outras características associadas à morfologia do tipo) – vere-
mos que as relações capturadas abaixo são bastantes eloquentes. Trata-se de um
pacote de qualidades que define os tipos arquitetônicos e sua capacidade de com-
portarem-se de modo menos ou mais convergente com a presença de pedestres e
atividades microeconômicas. A consistência desses resultados – encontrados nas
34

três cidades analisadas – é intrigante, dada sua significância estatística. O número


Efeitos da Arquitetura

absoluto de pedestre presentes em ruas onde o tipo contínuo é dominante sugere


seu desempenho superior para efeitos urbanos (Figura 1.2)

Figura 1.2. Pedestres em trechos de rua com presença do tipo contínuo < 50% (cinza claro) e
> 50% (cinza escuro) dos lotes no Rio de Janeiro, Florianópolis e Porto Alegre respectivamente
(box plot).19 (Fonte: Netto, Saboya e Vargas, pesquisa CNPq.)

O papel das fachadas para o pedestre


Nossas hipóteses preveem um papel para a relação entre continuidade de fa-
chadas dos quarteirões e o que ocorre no espaço público, bem como nos seus tér-
reos: a continuidade encurta distâncias, reduz a fricção do movimento e portanto
atrai mais o pedestre. A continuidade de fachadas é medida como a razão entre
a soma das fachadas e a soma dos afastamentos laterais entre fachadas nas faces
dos quarteirões examinados. A análise mostra esses comportamentos em relação
ao grau de predominância, com mais de 50% da face do quarteirão (Tabela 1.3).

Tabela 1.3. Comparação entre médias de pedestres em segmentos de rua com índice de conti-
nuidade acima ou abaixo de 50% e a razão entre ambos, no Rio como um todo, e em áreas de
diferentes acessibilidades. (Fonte: Netto, Saboya e Vargas, pesquisa CNPq.)

Em geral, áreas de baixa acessibilidade (com maior convergência entre padrões


urbanos exceto acessibilidade) apresentam coincidências mais fortes entre aspectos da
configuração arquitetônica e fatores sociais e microeconômicos. Quando quebramos
os índices de continuidade das fachadas em distintos intervalos de predominância,
vemos comportamentos mais específicos, sobretudo uma explosão na média pedestre
quando atingimos um índice acima de 90% da face do quarteirão. Quanto maior é o
índice de continuidade, maior é a movimentação de pedestres (Tabela 1.4. e gráfico
correspondente).
35

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


Tabela 1.4. Continuidade das fachadas e pedestres: médias de pedestres em segmentos de rua
com diferentes índices de continuidade das suas fachadas (esquerda) e sua representação gráfica
(box plot). (Fonte: Netto, Saboya e Vargas, pesquisa CNPq.)

Olhando agora as correlações de Pearson, vemos que a distância entre edifícios


tem correlações negativas com pedestres e atividades públicas (afastamento lateral).
O mesmo ocorre com a distância entre fachada e rua (afastamento frontal –
Tabela 1.5.)

Tabela 1.5. Correlações de Pearson (p<0,01). (Fonte: Netto, Saboya e Vargas, pesquisa CNPq.)
36

Embora confounding factors possam estar ativos, a relação entre afastamento


Efeitos da Arquitetura

lateral e movimento pedestre traz indícios interessantes sobre a tensão entre espaço
construído e movimento pedestre (Tabela 1.6; veja Netto, 2016). Convertendo
números das contagens iniciais de pedestres de dois minutos e trinta segundos para
pedestres por minuto, a análise das distâncias médias entre edifícios mostra que o
movimento de pedestres diminui à medida que a distância aumenta, a partir de
cerca de quinze pedestres por minuto em situações com distâncias médias menores
do que 2,5m, a cerca de três pedestres para distâncias entre 15-20m.
A mesma tendência também pode ser observada para o afastamento frontal
(Tabelas 1.6 e gráfico correspondente). Observamos uma redução na circulação de
pedestres com o aumento das distâncias entre edifício e da rua: de 11,5 pedestres
que se deslocam por minuto em quarteirões com distâncias médias entre edifícios
menores que 1m para 2,3 pedestres para distâncias superiores a 5m. Essa tendência
se intensifica em áreas de baixa acessibilidade (Tabela 1.7).

Tabela 1.6. Afastamento frontal e média de pedestres em 250 segmentos


de rua (p<0,001).
(Fonte: Netto, Saboya e Vargas, pesquisa CNPq.)
37

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


Tabela 1.7. Afastamento frontal e média de pedestres em áreas de baixa
acessibilidade (p<0,001).
(Fonte: Netto, Saboya e Vargas, pesquisa CNPq.)

Expressão arquitetônica de uma microeconomia local

A microeconomia é expressa no nível local como uma interação de fornece-


dores e consumidores finais mediada pela arquitetura. Mas só pode fazê-lo se cer-
tas condições arquitetônicas estiverem presentes: morfologias capazes de dar fácil
acesso às pessoas no cotidiano. Nosso estudo representou a microeconomia local
por categorias básicas de atividade urbana que envolvem o consumo final (ou seja,
residencial, comercial, de serviços ou institucional), tanto ao nível dos térreos das
edificações e nos pisos superiores. Medimos a diversidade através da entropia de
C. E. Shannon, considerando o número de categorias diferentes envolvidas e o quão
uniformemente as entidades (ou seja, os edifícios e seus usos) são distribuídos entre
elas. O índice de diversidade aumenta quando o número de categorias e uniformi-
dade aumenta. 21 Áreas urbanas em que as categorias estão presentes em proporções
similares contêm um índice de diversidade mais alto. Encontramos correlações ne-
gativas entre o tipo isolado e a presença de comércios e serviços. A diversidade de
38

atividades nos térreos também parece cair: o tipo isolado tem correlações positivas
Efeitos da Arquitetura

com térreos residenciais. Essas tendências ficam mais expressivas em áreas de baixa
acessibilidade (Tabela 1.8). Outros itens mais frequentemente associados ao tipo
isolado também se mostram pouco coincidentes com a presença de atividades co-
merciais nos térreos, como muros (correlações de -0,569 com comércios e -0,458
com diversidade).

Tabela 1.8. Correlações de Pearson entre atividades e tipos em diferentes condições de acessibi-
lidade (p<0,001). (Fonte: Netto, Saboya e Vargas, pesquisa CNPq.)

Nosso estudo também mostra o que está acontecendo historicamente com a


fixação do tipo isolado: correlações mostram queda de diversidade de atividades
em térreos no tempo (-0,267) e aumento da presença de muros (0,374), assim
como aumento da diversidade tipológica (0,182). Contrariando a hipótese de Ja-
cobs, a diversidade tipológica, com crescente presença de novos edifícios (no nosso
caso, o tipo isolado), tem contribuído para reduzir a diversidade da microecono-
mia materializada nas ruas.22 Isso não implica dizer que a microeconomia esteja
“menor” – mas que ela está reduzindo sua manifestação no tecido dos bairros
para se concentrar em outros lugares, provavelmente shoppings.23 Naturalmente,
o percentual de lotes com comércio tende a ser pequeno (no Rio, 7,56% dos lotes
têm atividades fora da domiciliar, agropecuária, ensino e saúde). Esse percentual
se distribui por uma rede de ruas com grande capilaridade urbana, com papel
central na vida de bairros.24
Mas o problema principal aqui é romper a convergência entre padrões de aces-
sibilidade e localização comercial, ao impedir que o potencial comercial de uma rua
se materialize em função da escolha arquitetônica. É exatamente isso que estamos
vendo na cidade brasileira, com implicações. A redução da presença de comércios
no tecido da rua em direção a uma concentração pontual também sugere tendência
de aumento das distâncias e da dependência veicular das famílias no seu consumo
cotidiano. Finalmente, o alto percentual de ruas residenciais também tenderia a ser
mais atraente ao pedestre se qualquer potencial para densificação em edifícios mul-
tipavimentos não se materializasse via o tipo isolado, usualmente acompanhado de
térreos residenciais, muros ou cercas.
39

Completando essas análises, vejamos a questão das densidades em si. Imagine-

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


mos um cenário com a adição de conjuntos formados por torres em uma área ante-
riormente vazia. Obviamente, esse conjunto aumentará a densidade e possivelmente
ofertas de atividades na área. Mas isso não estabelece por si um desempenho urbano
apropriado, sobretudo se comparado a outros cenários arquitetônicos, como eviden-
ciado em nosso estudo. A densidade é um fator central para o movimento pedestre
e presença e diversidade comercial – mas em condições similares de densidade (e
acessibilidade), a tipologia faz diferença. O tipo contínuo tem correlações positivas com a
densidade (ao contrário do tipo isolado), convergindo com a demonstração de Martin
e March sobre o desempenho superior de quarteirões compactos versus quarteirões de
volumes isolados para absorver densidade com menores alturas.25
Estes achados mostram ainda que a força do contexto sobre propriedades materiais
não pode nem ser ignorada nem assumida a priori, como é frequentemente o caso.
Não podemos rejeitar nenhum desses vetores. Nossa pesquisa empírica se estendeu em
três capitais brasileiras, com convergências substantivas (em geral, os diferentes tipos
têm correlações altas com o movimento pedestre, positivamente ou negativamente,
sobretudo em áreas de baixa acessibilidade) e interessantes diferenças de intensidade
quanto ao papel da alta acessibilidade frente ao papel da arquitetura. Naturalmente,
estudos abrangendo três capitais não oferecem força de generalização – mas permitem
antecipar que, por um lado, a universalidade das influências da arquitetura enfrenta
variações locais, mesmo que certas características arquitetônicas se repitam em di-
ferentes contextos. Por outro, o contexto não se mostrou completamente determinante
sobre esta matéria-prima do social (a copresença dos atores no espaço público) e a
força motriz do urbano (na forma da movimentação e atividades microeconômicas),
como uma posição relativista rezaria. Nesse sentido, o peso do contexto – incluindo
aspectos materiais e simbólicos – também requer demonstração empírica. Na verda-
de, isso torna o problema ainda mais interessante. Devemos estender esse raciocínio
e incluir o contingencial, aquilo que depende das circunstâncias e do comportamento
de outros atores – o incerto. E devemos enfrentar o desafio de entender quais são as
causalidades ativas e o peso das imprevisibilidades em jogo.
Nossos resultados corroboram a hipótese de que a vitalidade urbana passa pela
forma arquitetônica. Sabíamos que espaço e a forma importam, mas nossas pesqui-
sas vêm reconhecendo que a tipologia arquitetônica é parte-chave da relação, ao se
mostrar profundamente associada ao uso do espaço urbano. Copresença e a micro-
economia materializada ao longo dos canais de acessibilidade, uma convergência
aparentemente cíclica, significa potencial de contato informal em espaços públicos,
aumentando a probabilidade de trocas e satisfação local de demandas, e intensifi-
40

cando a materialização local de redes de interação. A copresença é condição mate-


Efeitos da Arquitetura

rial para que formas de interação material e comunicacional se desdobrem, como


demonstra Allen.26 E aqui, a arquitetura isolada mostra-se com pior desempenho,
com possíveis implicações em cadeia, em escalas maiores.

A fixação de um modelo arquitetônico e suas consequências

Seriam essas implicações intencionadas pelos produtores de espa-


ço? Haveria uma agenda em torno de uma arquitetura “contra a socie-
dade” ou contra o ambiente? Quero crer que dificilmente produtores do
espaço teriam um plano deliberado para eliminar pedestres das ruas ou co-
mércios dos bairros, induzir à dependência geral do veículo, ou contri-
buir para consequências negativas das emissões. Entretanto, há intenções
sobre o edifício (como a autossegregação) e sobre o desenho da legislação
como meio de garantir essa arquitetura que levará a esses efeitos. Vejamos
mais sobre essas implicações. Como a arquitetura isolada se tornou pre
dominante na produção imobiliária, dando origem a um padrão de urbanização?
Localizo a origem desse processo em duas lógicas que convergiram com grande
sinergia: a da produção imobiliária e a do mercado imobiliário.27

Lógica da produção imobiliária

Alguns dos critérios que pautam escolhas arquitetônicas sob o ponto de vista
dos produtores têm sido:

• Verticalização: reprodução da planta com a multiplicação de andares, redu-


zindo custos da construção a cada andar enquanto se maximizam valores
de venda (apartamentos mais elevados são mais caros) – uma fórmula de
grande vantagem ao construtor.
• Padronização de tamanhos, materiais e equipamentos para assegurar redução
de custos via ganhos de escala na produção.
• Replicação de projetos similares em lotes com dimensionamento suficiente
– soluções genéricas que independem do contexto; na verdade, o modelo
molda contextos via operações de remembramento. Quando permitido pelo
lote, projetos replicados em série geram redução progressiva nos valores de
projeto (ex: 100% do valor de projeto é cobrado no primeiro edifício, 75%
no segundo, 25% para todos os demais edifícios do conjunto).
41

• Imposição de aspectos de implantação de conjuntos, com distâncias entre edifícios

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


determinadas pela mobilidade de gruas e outras facilidades de construção.28

Naturalmente, uma arquitetura amparada em um conjunto de critérios nesses


moldes, fixados no objeto e não em suas implicações urbanas, dificilmente geraria
conjuntos apropriados em diferentes aspectos de desempenho e de paisagem.

Lógica do consumo imobiliário

Há valores que pautam os atores envolvidos no “fornecimento e no consumo


final” do espaço arquitetônico e que servem como vetores de padronização, agora
definida por interesses de mercado:

• Sensação de medo e busca por segurança: o medo pode ser explorado como
recurso de inovação de produto e geração de demanda, induzindo a obso-
lescência de tipologias que não dispõem dos elementos de configuração do
edifício isolado, cercado e desconectado do restante do quarteirão. Ainda, a
exploração do medo é falaciosa: o mesmo edifício isolado que supostamente
protege o morador internamente contribui para esvaziar ruas em seu pró-
prio entorno, tornando moradores mais suscetíveis a situações de crime no
espaço público. Dados empíricos confirmam essa impressão em contexto
brasileiro.29
• Busca por status e facilidades exclusivas, na geração de “pacotes” atraentes para
estilos de vida baseados em novidades constantes (como os espaços gourmet,
webspaces etc.) acessadas exclusivamente pelos socialmente similares, um
componente segregador eticamente questionável.
• Tipificação dos gostos, obtidas por entrevistas em pessoas de públicos-alvo
pré-definidos. A padronização dos gostos e dos estilos arquitetônicos é tida
pelos produtores como fator-chave de minimização de riscos do investimen-
to. Gostos são influenciados entre atores e pela própria publicidade. Valores
e preferências giram em torno da demonização da densidade, do espaço públi-
co e da mistura de grupos sociais.
• Busca pela proximidade aos socialmente similares, lembrando que esta prefe-
rência não implica rejeição de outras socialidades, necessariamente.
42

Temos aqui a outra ponta, a dos consumidores, também sujeita a reações em


Efeitos da Arquitetura

cadeia. Como Schelling nos mostra, decisões (de consumo) afetam novas decisões, o que
pode ganhar força de indução de padrões arquitetônicos e urbanos.
Há uma harmonização bem construída entre um tipo de arquitetura baseada
na verticalização, padronização e replicação que beneficiam a lógica da produção, e
a produção de estilos de vida baseados em desconexão com o público e na criação
de demanda. Entretanto, esse formidável alinhamento é alheio a suas consequên-
cias em outros subsistemas urbanos, como a apropriação pedestre da cidade e as
redes locais de troca microeconômica. A única forma de justificar critérios de pro-
dução baseados exclusivamente na redução de custos na construção e de riscos na
venda como guias da forma arquitetônica seria afirmar tais critérios como capazes
de gerar bom desempenho do edifício em qualquer outro aspecto. Mas seria otimis-
ta demais esperar que fatores capazes de oferecer o melhor desempenho econômico
na construção e vendabilidade30 se replicariam naturalmente em outras dimensões,
mais sistêmicas, de desempenho. Meu ponto, ecoando Schelling, é que não há mo-
tivos para esperar essa fantástica coincidência: essas dimensões operam com fatores
distintos, e sua convergência dependeria de desempenhos de fatores e variáveis que
sequer são compartilhados entre elas. A forma urbana resultante da acumulação de
soluções economicamente eficientes ao nível individual do edifício muito provavelmente
não levará ao melhor desempenho urbano. O procedimento praticado hoje no nosso
mercado simplesmente deixa variáveis demais de fora.
Este problema lembra o que Alexander apontou sobre a tendência à categoriza-
ção analítica, uma forma de raciocínio que isola componentes e estabelece hierar-
quias que desconectam planos de interações que compõem um fenômeno entre si e
de seu contexto.31 Uma vez que essas conexões estejam perdidas, a atuação ou pro-
dução focada em apenas uma categoria pode levar a efeitos não percebidos em mui-
tas outras categorias ou subsistemas, como Schelling demonstra incansavelmente.
O ruído entre as condições não sistêmicas na construção e as condições sistêmicas
das quais cada edifício se torna parte quando ocupado pode seguir ressoando por
todo o tempo de vida útil do edifício – a não ser que ele venha a ser modificado e
reacomodado dentro das necessidades materiais do jogo da interatividade urbana.
Fiquemos certos, no entanto, que este modelo de arquitetura e urbanização
não consiste de um “espaço contra a sociedade”. Ele expressa códigos da conver-
gência entre vantagens de construção e de venda para campos de atores especia-
lizados e autocentrados, e estilos de vida reproduzidos entre atores em situação
de demanda e de busca por vantagens individuais provenientes da microssegre-
gação, tidas por eles como positivas. O fato de novos consumidores terem pre-
43

ferência por esta arquitetura não significa que ela tenha melhor desempenho.

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


Pode simplesmente indicar que atende interesses e condições de contexto,
como a ausência de oferta de variedade tipológica, o desconhecimento das im-
plicações da arquitetura por parte dos consumidores (implicações desconheci-
das inclusive para arquitetos e planejadores) e a associação apologética entre ar-
quitetura e estilos de vida segregados, amparados no status do veículo privado.
A questão-chave é entender que esses códigos levam a tendências urbanas que trans-
bordam em outras dimensões e cadeias causais que não podem mais ser ignoradas.

Patologias urbanas como reações em cadeia


A cidade é formada por um sistema discreto de peças edificadas de tipos distin-
tos. Podemos ver a urbanização como um processo estocástico, quando o desequilí-
brio na preferência dos atores leva a mais desequilíbrio, até chegar à predominância
de um padrão – um processo que o economista W. Brian Arthur chama path de-
pendence.32 O padrão resultante da concentração de escolhas da forma é a própria
cidade. Alguns dos processos resultantes são bastante visíveis.

• Fragmentação da paisagem urbana. Uma tendência bastante visível, ainda que


geralmente ignorada exatamente por sua onipresença. Imensamente poderosa,
a lógica autorreferente da produção e venda leva à moldagem (i) das práticas
dos arquitetos, que absorvem e replicam preceitos de racionalização não sis-
têmica, inconscientes da extensão de implicações negativas; (ii) da legislação
urbana; e (iii) da própria cidade. Mesmo que não consista apenas de ações in-
dividuais desconcertadas, a paisagem fragmentada reflete a lógica predominan-
temente pulverizada dos atores, centrada na individualidade das suas decisões
e ações, desconectadas e despreocupadas com suas consequências sistêmicas
quando materializadas. A paisagem urbana brasileira é o espelho (Figura 1.3).
• Patologias urbanas. Lembrando Csikszentmihalyi, as consequências não intencio-
nadas de escolhas costumam se revelar somente adiante, quando essas escolhas já
estão fixadas e nos resignamos à ideia de que estão aqui para ficar.33 Entretanto,
elas definem cidades como emaranhados de implicações, incluindo seu funcio-
namento aquém do possível e desejável. Essa queda só é percebida se elaborarmos
outros cenários, contrafatuais, e fizermos comparações com o cenário real. Do
contrário, ela permanecerá invisível e ignorada. As implicações dos objetos con-
cebidos isoladamente, como se contextos e a inserção sistêmica não importassem,
tornam-se forças causais, impactando até mesmo e cossistemas, como mostram
Montezuma et al. (2014)34.
44
Efeitos da Arquitetura

Figura 1.3. A cidade é o espelho: resultados acumulados de uma lógica fixada no objeto (Natal,
acima, e São Paulo, abaixo). (Fonte: Canindé Soares.)

Conclusões: rompendo com lógicas autorreferentes

As associações de atores em relações materiais mostram que temos de estar


atentos a visões que se eximam de avaliar os resultados coletivos de ações individu-
ais. Costumo pensar que há duas palavras contra a ideia de que a auto-organização
leva inevitavelmente a padrões de ótimo desempenho em qualquer momento e sob
múltiplos pontos de vista: Thomas-Schelling.

[A]rgumentarei que não há pressuposição de que o comportamento baseado em au-


tointeresses (self-serving behavior) dos indivíduos levaria geralmente a resultados satis-
fatórios coletivamente. [...]
Ninguém pode clamar que um sistema atinge resultados ótimos. [...] As coisas não
funcionam de modo ótimo por uma única razão: não há razão pela qual elas deve-
45

riam. Não há mecanismo que afine as respostas individuais a algum tipo de ganho

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


coletivo.35

As consequências dos processos urbanos que descrevi poderiam sugerir que have-
ria uma decisão consciente dos produtores do espaço urbano em gerar tais impactos
e patologias sistêmicas, como se esses produtores tivessem, juntos, um plano antiur-
banidade. O que procurei mostrar neste texto é algo bem mais sutil do que isso: as
consequências negativas podem surgir mesmo sem qualquer plano conspiratório. O
resultado geral não precisa ser especificamente desenhado por um grupo de atores –
ele pode vir em decorrência de racionalidades focadas em ações, objetos e retornos in-
dividuais. Isso torna o problema muito mais difícil de lidar, uma vez que esses atores
não estão conscientes ou preocupados com as implicações cadeia abaixo. Um “plano”
pode ser enfrentado, contraposto e substituído por novas ações. Mas é difícil conven-
cer alguém de que sua ação individual, agregada a outras similares, tem consequências
problemáticas no decorrer do tempo e em outras escalas.
Ainda, não acredito que a solução possa vir de um único ator com suposta ciência
do problema, como o Estado ou um governo local. As decisões desse ator também ten-
dem a estar presas em autorreferência e lógica parcial. Em termos práticos, nenhum ator
tem condição material de reverter externalidades produzidas pelas ações dos demais.
A mudança demanda mais do que a ruptura top-down: demanda mudança nas ações
individuais e a ruptura com o foco no objeto arquitetônico isoladamente (Figura 1.4).

Figura 1.4. Rompendo com o foco exclusivo no edifício. (Ilustração preparada por Vinicius M.
Netto e Caio Cacholas.)
46

Mas como quebrar um padrão que emerge da racionalidade parcial característica


Efeitos da Arquitetura

dos atores especializados na produção do espaço? É possível modificar comportamen-


tos, por exemplo, via esferas técnica e normativa? Essas questões envolvem a disputa
entre campos sociais engajados na produção e apropriação do espaço. Vejamos o pri-
meiro cenário de disputas: aquele entre diferentes atores especializados ou em diferentes
papéis, os campos dos construtores, dos arquitetos e urbanistas, e do público usuário da
arquitetura. “Quase por definição, os membros de um campo se dedicam a avançar sua
hegemonia sobre outros domínios, sem muita preocupação com o restante da cultura.
[...] Munidos de carte blanche, cada campo naturalmente tenta controlar tantos recursos
da sociedade quanto possível”.36 Csikszentmihalyi alerta que campos sociais tendem a
resistir às tentativas de outros campos em avaliar suas contribuições sob o ponto de vista
do bem comum, em contraste com seus critérios internos.
Campos sociais especializados frequentemente clamam autonomia e prerroga-
tiva sobre práticas, baseados na legitimidade assumida em seus discursos técnicos,
evocando ainda noções como a liberdade de expressão, liberdade científica ou aca-
dêmica, a integridade do campo etc. Estamos todos presos nessa lógica e nessas
tendências de autodefesa e afirmação. A esfera pública tende a ser o território onde
esses campos confrontam-se, problematizando mutuamente suas práticas; dispu-
tando, definindo e redefinindo mutuamente limites de atuação e decisão.
O problema é quando há desbalanços: quando um campo se descola dos demais
e passa a orientar quase exclusivamente o processo no qual atua. Vemos que hoje a
decisão sobre a forma da cidade migrou quase exclusivamente para os construto-
res – um campo de racionalidade que tende a subjugar, no território do debate
técnico, os discursos dos demais atores, como arquitetos e urbanistas, pautados
por valores estéticos da boa forma, critérios de urbanidade como a vitalidade do
espaço público e outros itens dificilmente objetiváveis. Há diferenças de poder
entre os papéis dos construtores, que movem a priori o processo de produção
(financeira) da cidade, e dos que projetam e planejam a posteriori as intervenções.
Mas além dessas diferenças, a derrota dos planejadores e arquitetos é uma derrota
também técnica, porque o julgamento é pautado na objetividade absoluta do
mensurável.
Reconhecendo que essa forma de julgamento é uma dimensão forte da nossa
cultura desde os sinais vistos por Max Weber no final do século XIX e que não
mostra sinais de enfraquecimento, o campo dos arquitetos e planejadores seguirá sendo
derrotado enquanto não se munir de argumentos igualmente objetiváveis – por exem-
plo, dimensionando exatamente os problemas das decisões emanando de um único
campo social, como o dos construtores.36
47

Esses conflitos podem ser entendidos pelo que o sociólogo Niklas Luhmann

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


chama autopoiesis, os processos pelos quais sistemas produzem suas próprias estru-
turas.37 Seguindo Talcott Parsons, Luhmann vê criações históricas como o sistema
legal e o sistema econômico como subsistemas especializados, formas de auto-ob-
servação e reprodução societal. Subsistemas observam-se entre si – e trazem limites
mútuos a suas ações. Campos que atuam apenas autorreferencialmente podem cau-
sar danos a outros campos e ao desempenho do sistema como um todo. Somente o
confronto público com outros campos pode trazer mais balanço nas interações: não
a vigilância top-down de uma agência centralizada, que enrijeceria uma sociedade
ou cidade (como podemos derivar da visão topológica de Alexander em “Uma cida-
de não é uma árvore”), mas agências interagindo em mais igualdade de diálogo, aptas
a problematizar os critérios de cada campo e engajarem-se na produção de critérios
mais amplos e capazes de reconhecer outros interesses e a cidade como um todo.
Não somente as lógicas verticais top-down e bottom-up que hoje parecem cap-
turar o pensamento urbanístico, mas o monitoramento horizontal, os confrontos
comunicativos, as definições negociadas entre campos. Isso implica campos atuan-
do como limites entre si, em embates públicos capazes de superar a autorreferen-
cialidade de cada um. Entendo que esse jogo é uma expressão saudável da auto-
-organização. A auto-organização não deve ser reduzida a uma nova versão da “mão
invisível” sobre a atuação pulverizada dos atores: teoricamente, ela oferece espaço
para a emergência de agências atuando em relação às demais.
Não há razões para não vermos a organização de subsistemas de planejamento tam-
bém como parte desse processo autopoiético: subsistemas que emergem historicamen-
te e se especializam para monitorar e tratar equilíbrios e desequilíbrios que induzem
perdas para a maioria ou para o sistema como um todo. Agências bem capacitadas de
planejamento poderiam fazer essas operações a partir de comparativos entre cenários
fatuais e contrafatuais. Naturalmente, construir esses cenários demanda conhecimento
técnico e científico. Ainda, agências de planejamento se expressam na forma de regras
institucionalizadas, como os planos diretores, em tese relacionadas a condicionamen-
tos da ação de construtores do espaço e voltadas a mitigação de ruídos e consequências
negativas da produção e funcionamento urbanos. Mas para tanto, é preciso ter um
conhecimento capaz de antecipar e prevenir esses ruídos, efeitos e problemas.
Aqui vemos a necessidade de outro campo especializado, voltado para a geração
de conhecimentos e instrumentos capazes de fazer a leitura mais precisa de cená-
rios reais, e de dar suporte à elaboração dos cenários contrafatuais para estabelecer
comparativos e guiar decisões. Falo dos atores envolvidos na pesquisa reunidos na
academia e agências – e seu potencial de alimentar práticas de monitoramento ur-
48

bano e o desenho dos critérios formais na produção espacial. Critérios desenhados


Efeitos da Arquitetura

pela reunião de atores das esferas técnica-científica e da esfera normativa estariam em


princípio mais livres da fixação dos produtores no objeto e em ganhos imediatos.
Esse processo deveria ainda ser alimentado por mais atores: os usuários do espaço
urbano, trazendo informações colhidas heuristicamente em seus contextos. Esse re-
conhecimento das agências urbanas em sua diversidade tenderia a levar ao aumento
do número de variáveis a pautar normas e decisões de produção – variáveis capazes
de representar mais atores e interações em uma cidade.
Essa descrição sugere a importância da comunicação entre atores e entre cam-
pos da prática, de modo a permitir a apreensão das cadeias de implicação da
produção urbana e do fato de que os efeitos da arquitetura não se encerram no
edifício nem serão encontrados nas planilhas de custos da construção. Critérios
mais amplos e próximos da complexidade real das interações das quais edifícios
farão parte, quer as enxerguemos ou não, surgirão mais facilmente a partir de
considerações dialógicas, capazes de reconhecer mais aspectos da relação edifício-
-cidade – tendo talvez como horizonte a reversão bottom-up do processo atual
de fragmentação e queda da diversidade e desempenho urbanos. Sugere ainda a
necessidade urgente da reforma da legislação urbana no país, de modo a reconhe-
cer o problema dos efeitos negativos (intencionais e não intencionais) do padrão
arquitetônico hoje onipresente.
A arquitetura não constrói só nossa habitação – ela constrói um sistema: um
sistema urbano. O edifício não serve só as pessoas que vivem nele – o edifício
serve também a cidade. Isso é contraintuitivo – e é fundamental. É uma expressão
do quanto entidades individuais importam, quando fazem parte de conjuntos.
Enquanto o mercado de produção imobiliária não perceber que fixou um tipo
de arquitetura com desempenho e impactos urbanos ruins, suas consequências
seguirão causando mazelas diariamente, na forma da dependência do veículo,
ruas mais inseguras, rarefação da vida pública e de microeconomias locais. Esses
efeitos não desaparecerão se fecharmos os olhos ou ignorarmos sua existência.
Precisamos de algo radical: a quebra de um padrão de arquitetura e a introdução de
um novo – o retorno ao padrão de arquitetura que nos deu historicamente cidades
vivas e saudáveis.
49

Agradecimentos

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


Aos colegas Júlio Vargas e Renato Saboya; aos colaboradores Maíra Pinheiro, Renato
Remiro e Julia Cantarino, e in situ, Hetecliphe Neto, Nathalia Gonçalves, Luisa Seixas,
Paula Moreira, Taiana Milward, Thiago da Costa e Samuel Jachetti; Carolina Cavalcante,
pelo trabalho estatístico; Romulo Krafta, pela crítica à versão anterior deste texto; e Hen-
rique Lorea, pelo apoio quanto a dados. Esta pesquisa teve apoio financeiro do CNPq.
Uma versão deste texto é parte do livro Cidade e Movimento: Mobilidades e Interações no
Desenvolvimento Urbano. Agradeço aos organizadores R. Balbim, C. Krause e C. Linke pela
permissão de uso do texto.
Efeitos da Arquitetura
50
51

2. Fatores morfológicos da vitalidade urbana


2
Fatores morfológicos da
vitalidade urbana:
uma investigação sobre
arquitetura e seus efeitos Renato T. de Saboya
Júlio Celso Vargas
Vinicius M. Netto

Introdução

A crescente tendência de introversão da vida urbana – em grande parte an-


corada em preocupações relacionadas à segurança –, combinada com a ênfase
essencialmente quantitativa dos parâmetros constantes nos zoneamentos de uso e
ocupação do solo, têm resultado na adoção cada vez mais proliferada de tipos ar-
quitetônicos caracterizados por edificações distanciadas da rua, com baixa quan-
tidade de acessos diretos a ela, grandes afastamentos laterais e frontais e alta ocor-
rência de fachadas com baixa permeabilidade visual ou mesmo totalmente cegas.
Entretanto, desde pelo menos a década de 1960, com o trabalho de Jane Jacobs,
há um crescente acúmulo de argumentos segundo os quais tais características da
forma arquitetônica produziriam impactos negativos sobre as possibilidades de
interação social oferecidas pelos arranjos espaciais.1 Os argumentos desses autores
implicam que formas arquitetônicos mais contínuas no quarteirão, com fachadas
mais porosas/permeáveis e mais próximas da rua, incentivariam a vitalidade mi-
croeconômica local e a apropriação dos espaços públicos.
Neste trabalho abordamos o conceito de vitalidade urbana, entendida como2:
socialidade, representada pelo movimento de pedestres, copresença e potencial de
interação nos espaços públicos; vida microeconômica, representada pela presença
de atividades não-residenciais nos edifícios; e segurança, caracterizada pela baixa
ocorrência de crimes, pela sensação de estar seguro em um espaço público e pela
baixa frequência de comportamentos antissociais. Mais especificamente, este estu-
do concentra-se nos dois primeiros componentes da vitalidade.3
52

Conjuntamente, essa literatura propõe que padrões de vitalidade estão associados


Efeitos da Arquitetura

(influenciam e são influenciados) a outros padrões urbanos, tais como a configuração


do sistema viário, as densidades populacionais e construtivas, o perfil socioeconômi-
co e cultural e a infraestrutura de circulação e mobilidade, entre outros. Entretanto,
neste trabalho delimitamos o problema de pesquisa no sentido de investigar, especifi-
camente, a relação entre as características tipológicas das edificações e fatores de vitalidade
dos espaços públicos diretamente conectados a eles. A Figura 2.1 mostra um mesmo
volume construído em duas posições diferentes em relação à rua e ilustra a pergunta
de pesquisa: a forma da edificação, sua posição no lote e a relação que estabelece com
a rua podem influenciar os níveis de vitalidade dos espaços públicos?

Figura 2.1. Mesmo volume construído em diferentes posições dentro do lote e com diferentes
relações com a rua desencadeariam efeitos diferenciados sobre a vitalidade da rua?
(Fonte: Saboya et al., 2015.)

Apesar de amplamente aceitos na literatura do desenho urbano, esses “fatores


morfológicos de vitalidade” são, em larga medida, trabalhados apenas ao nível da
lógica interna das argumentações, sem apoio em evidências empíricas sistemáticas
e controle de variáveis extrínsecas, e concentram-se mais em oferecer prescrições
normativas4 do que em gerar conhecimento confiável sobre suas suposições e hipó-
teses. Estudos com maior rigor metodológico – mais raros – falharam em encontrar
suporte empírico.5 Este trabalho visa contribuir para preencher essa lacuna.

Hipóteses de pesquisa
• Em função do problema definido acima, apresentamos a seguinte hipótese
geral:
• Presença de edificações do tipo isolado ou torre está negativamente cor-
53

relacionada à vitalidade, enquanto que presença de edificações do tipo

2. Fatores morfológicos da vitalidade urbana


compacto ou contínuo está positivamente correlacionada à vitalidade dos
espaços urbanos.

Mais especificamente, interessa-nos entender quais características, dentre aque-


las que caracterizam um tipo, possuem influência sobre a vitalidade, e com qual
nível de intensidade. Por isso, são propostas também uma série de hipóteses especí-
ficas a serem testadas pelo estudo empírico:

• Recuos frontais estão negativamente correlacionados com a vitalidade dos


espaços urbanos.
• A continuidade das fachadas, entendida como a proporção entre o tamanho
da fachada e o tamanho da testada do lote, está positivamente correlaciona-
da com a vitalidade.
• A permeabilidade entre público e privado ao nível térreo está positivamente
correlacionada com a vitalidade.
• A permeabilidade visual entre o interior da edificação e os espaços públicos
está positivamente correlacionada com a vitalidade.

Forma urbana e vitalidade

Estudos sobre a forma urbana e suas supostas implicações na intensidade e


modo de apropriação dos espaços públicos são numerosos e diversos em suas abor-
dagens. Com relação à vitalidade urbana, uma miríade de aspectos morfológicos
têm sido apontados como capazes de promovê-la, conforme será visto a seguir.

Fatores morfológicos da vitalidade


Em linhas gerais, podemos classificar os fatores morfológicos que supostamente
promoveriam a vitalidade urbana em quatro grandes categorias.
A densidade de pessoas e atividades é a primeira delas e a mais básica: quanto
maior a quantidades de pessoas, atividades e área construída, maior tende a ser a
quantidade de pessoas utilizando e interagindo nas ruas, 6 desde que outros fatores
mantenham-se similares. Essa relação, portanto, deve ser levada em conta em um
estudo empírico, de forma a prevenir eventuais distorções provenientes de compa-
rações entre espaços com densidades muito distintas.
O segundo conjunto de variáveis lida com as características de localização,
proximidades e distâncias a serem percorridas, dizendo respeito basicamente às pos-
54

sibilidades de relacionamento entre as partes que compõem um sistema urbano.


Efeitos da Arquitetura

Ele pode ser agrupado sob o título de “acessibilidade”, cuja definição é a proxi-
midade de uma pessoa ou lugar em relação a todas as outras pessoas ou lugares.7
Na área de transportes, a acessibilidade intraurbana está normalmente asso-
ciada a escalas agregadas de atividades e a impedância espacial é medida como
distância, tempo e/ou custo monetário para os indivíduos se moverem entre
os lugares. Já no âmbito dos estudos configuracionais urbanos a discussão está
fortemente centrada no nível da estrutura física. Aqui a acessibilidade é funda-
mentalmente uma medida topológica estática atribuída aos lugares enquanto
nós de uma rede. Um campo particular dos estudos configuracionais urbanos
que faz uso de medidas topológicas de acessibilidade é a Sintaxe Espacial.8
A sintaxe propõe seu próprio sistema de representação no qual ruas são traduzi-
das em redes de linhas como forma de discretização da estrutura urbana e apre-
senta a medida de ‘integração’, obtida a partir da profundidade média de uma
linha para todas as outras. Profundidade nada mais é do que o número de mu-
danças de direção necessárias para ir de uma linha a outra. Uma segunda medi-
da configuracional potencialmente útil em nosso estudo baseia-se na noção de
centralidade, segundo a qual as linhas mais centrais são aquelas que fazem parte
com mais frequência dos caminhos mínimos entre outros pares de espaços.9
Na Sintaxe Espacial essa medida é chamada de Escolha.
Com relação a essas medidas, a tese é que a configuração da malha define um qua-
dro “virtual” de acessibilidades – quase sempre coerente com a real hierarquia da malha
urbana (linhas mais integradas globalmente correspondem às vias principais de uma
cidade) – indicando o potencial de utilização efetiva pelo tráfego e levando à possibi-
lidade de correlacionar medidas topológicas com os volumes de tráfego de pedestres
e veículos. Hillier e Iida10, por exemplo, desdobraram os estudos com movimento de
pedestres e forma da malha viária, encontrando altas correlações entre movimento de
pedestres e ambas as medidas topológicas – integração e escolha – com diversos raios
de análise. Por isso, adotaremos a abordagem configuracional como uma forma de
verificar o ruído da acessibilidade nos efeitos das características arquitetônicas.
Ainda dentro da acessibilidade, mas em uma perspectiva mais arquitetônica,
um conjunto de autores identificaram que portas se abrindo para a rua diminuem
as distâncias entre espaço interior e exterior e estimulam seu uso por conta da
proximidade que estabelecem entre esses domínios.11 O mesmo princípio pode ser
estendido aos afastamentos laterais entre as edificações, que reduzem a proporção
da quantidade de metros lineares de fachada em relação ao comprimento total do
quarteirão e desperdiça o potencial que a interface entre os lotes privados e a rua
55

possui em termos de estímulo ao movimento de pessoas, ao mesmo tempo em que

2. Fatores morfológicos da vitalidade urbana


aumenta as distâncias a serem percorridas e diminui a densidade de atrativos.12
A terceira categoria refere-se aos aspectos de percepção espacial relativos à cog-
nição sobre oportunidades de interação, especialmente através de conexões visuais.
Podemos identificar três maneiras pelas quais a visibilidade pode ajudar a promo-
ver a apropriação dos espaços públicos. A primeira delas, levantada por Jacobs13,
diz respeito à segurança. O conceito de “olhos da rua” descreve a combinação de
fachadas visualmente permeáveis, próximas à rua e com moradores que se preocu-
pam com o que acontece na sua vizinhança, e funciona no sentido de promover
uma maior sensação de segurança para quem caminha ou desenvolve outro tipo de
atividade nas ruas. A segunda maneira é através da possibilidade de algum tipo de
interação concreta entre espaço edificado e aberto, mesmo que à distância.14 A ter-
ceira maneira funciona através do reforço da consciência de que o espaço está “logo
ali”, com todos os seus atrativos. “Linhas de visão são importantes. Se as pessoas
não veem um espaço, elas não o usarão.”15
Por último, a quarta categoria diz respeito à qualidade e quantidade disponível
da infraestrutura de apoio às atividades relacionadas à vitalidade urbana. Isso inclui
– mas não se limita a – calçadas com dimensão e tratamento adequados, espaços de
estar, iluminação, mobiliário urbano, sombras, etc. Esses aspectos infraestruturais
exercem papel importante na medida em que possibilitam e incentivam a perma-
nência nesses espaços por períodos de tempo mais longos, através do oferecimento
de condições mais confortáveis de permanência.16 Neste estudo, essa categoria não
será incluída no levantamento, conforme descrito mais abaixo; a intenção é avaliar
a influência das variáveis de interesse mesmo considerando as variações na disponi-
bilidade desse tipo de infraestrutura.

Tipos arquitetônicos
Dentre a diversidade de aspectos morfológicos com potencial influência sobre
a vitalidade urbana, este estudo está interessado naqueles relativos às características
tipológicas das edificações. O conceito de tipo adotado alinha-se com o definido
por Gregotti, na segunda acepção do conceito (delineado em “b” abaixo):

Num sentido bem genérico, podemos definir o tipo: a) como modelo de onde extrair
cópias e esquemas de comportamento (enquanto resume os traços característicos de
um grupo de fenômenos); b) como um conjunto de traços característicos, cuja desco-
berta, num fenômeno determinado, nos permite sua classificação.17
56

Entendemos “tipo”, portanto, como um conjunto de características funda-


Efeitos da Arquitetura

mentais de um grupo de elementos, que nos permite diferenciá-los e classificá-


-los para propósitos específicos. Os tipos 1 e 3 (Quadro 2.1) são entendidos
como “constructos” representando situações extremas que, entretanto, nos per-
mitem reduzir a complexidade da realidade de uma maneira que faça sentido
teórico e ao mesmo tempo permita a operacionalização do teste das hipóteses.

Tipo1
(isolado/torres).
Afastamento laterais
e frontais.
Presença frequente
de grades ou muros.
Menos relação visual
com a rua.
Menor número
de portas voltadas
para a rua.

Tipo3 (compacto
/contínuo):
Sem afastamentos laterais
e frontais.
Ausência frequente
de grades ou muros.
Maior relação visual
com a rua.
Maior número de portas
voltadas para a rua.
Quadro 2.1. Características do tipo isolado/torre e compacto/contínuo.
(Fonte: Autores)

Entre esses extremos há combinações intermediárias que também serão levadas


em consideração na análise desagregada dessas características e suas intensidades.
Entretanto, há uma que julgamos qualitativamente diferente e, por esse motivo,
merece uma classificação própria. O tipo 2 – híbrido caracteriza-se por uma base
colada nas divisas frontais e laterais do terreno, e uma torre isolada sobreposta a
essa base mais ampla. Em Florianópolis esse modelo vem se tornando cada vez mais
comum, por explorar ao máximo os limites permitidos pelo Plano Diretor.18
57

Método

2. Fatores morfológicos da vitalidade urbana


Conforme discutido anteriormente, a configuração do sistema viário e a distribui-
ção das densidades arquitetônicas são provavelmente os aspectos com maior influência
sobre o movimento de pedestres em uma área e, ao mesmo tempo, alguns dos mais
difíceis de controlar em uma análise quantitativa. Assim, áreas com tipologias seme-
lhantes poderiam gerar vitalidades diferentes no uso do espaço público como resultado
apenas da diferença de sua posição na malha (mais ou menos acessível em relação ao
resto do sistema urbano), e não necessariamente por causa das características específi-
cas locais. Em outras palavras, áreas com características tipológicas idênticas – aspecto
essencialmente local – poderiam possuir níveis de vitalidade diferentes em função da
sua posição mais ou menos central / acessível / integrada em relação ao resto da cida-
de – aspecto global. Isso dificulta a obtenção de conclusões válidas sobre o papel dos
tipos, que são aspectos mais localizados, sobre a vitalidade urbana. Entretanto, este
trabalho considera como hipótese geral que a tipologia pode exercer influência sobre a
vitalidade dos espaços, somando-se à influência da densidade e acessibilidade, mas de
forma relativamente independente destas. Para testar essa hipótese, é preciso diferenciar
e controlar essas influências, conforme será explicado a seguir.

Seleção da amostra
Para testar nossas hipóteses, desenvolvemos uma metodologia para selecionar a
amostra baseados em níveis similares de acessibilidades, de modo a permitir atribuir
diferenças de vitalidade às variações na morfologia arquitetônica com maior seguran-
ça.19 Tendo optado pela abordagem configuracional para definir e capturar a aces-
sibilidade, conforme exposto acima, a principal decisão concentrou-se na medida
a ser adotada (Integração ou Escolha). Apesar de Hillier e Iida20 encontrarem boas
correlações para ambas as medidas, para a Integração as melhores correlações foram
encontradas para diferentes raios de análise21, o que só foi possível determinar a pos-
teriori. Por isso, optamos pela Escolha que, além disso, pareceu mais adequada a uma
malha altamente segregada como a de Florianópolis, que apresenta grandes diferenças
entre ruas muito próximas entre si, por conta das severas descontinuidades do tecido.
Dessa forma, nossa análise reconheceu 20 faixas de acessibilidade, das quais fo-
ram selecionadas a Faixa 4 (acessibilidade baixa), 11 (média) e 16 (alta). Seguindo a
mesma lógica, os setores do Censo do IBGE de 2012 foram divididos em três grandes
classes de densidade (baixa, média e alta). Dessa forma, todas as linhas axiais contidas
nas três faixas selecionadas estavam contempladas em uma das três faixas de densida-
de, totalizando nove combinações de acessibilidade + densidade.
58

Definição das variáveis consideradas no estudo


Efeitos da Arquitetura

O Quadro 2.2. abaixo lista as variáveis consideradas neste estudo.

Aspectos Variáveis

Tipologia Arquitetônica Tipo 1 Isolado


)classes nominais( Tipo 2 Híbrido
Tipo 3 Contínuo
Permeabilidade das edificações )Densidade de portas (portas/m
Densidade de janelas até 4º pavto (jan. /m)22

)Densidade de janelas total (jan. /m

)Densidade de aberturas (portas+janelas/m


Relação da Edificação com o Lote Afastamento Frontal médio
Largura média do lote
Largura média da fachada

Afastamento lateral médio

Índice médio de continuidade de fachadas


Fechamento dos lotes Aberto
Grade
Parcelamento do Solo
Tamanho médio dos lotes (m2)

Tamanho médio das testadas

Comprimento do trecho

Variáveis de controle

Densidades Construída média (área edific. / área do lote)


Populacional - IBGE (hab/ha)

Número de economias

Número médio de pavimentos


Acessibilidade Integração R3, RR (R55) e Rn
Escolha R3, RR (R55) e Rn
Atividade Microeconômica )%( Usos residenciais no trecho
Usos comerciais no trecho

Usos de serviço no trecho

Usos institucionais no trecho

Usos de bares e restaurantes no trecho

(Continua)
59

2. Fatores morfológicos da vitalidade urbana


Usos de hotelaria e congêneres no trecho

Porcentagem de outros usos no trecho

Índice de diversidade do uso do solo


Atividade de Pedestres Movimento de Pedestres (médio no segmento)
Pessoas paradas

Quadro 2.2. Lista das variáveis consideradas na pesquisa. (Fonte: Autores)

O índice de diversidade adotado seguiu a fórmula de Gini-Simpson,23 segundo


a qual:

Onde:
p = porcentagem do uso i;
S = quantidade total de categorias de uso.

Resultados

No total, foram levantados 169 trechos, distribuídos conforme a Tabela 2.1. As


médias das principais características levantadas estão na Tabela 2.2.

Tabela 2.1. Distribuição da amostra final levantada, dividida por faixas de acessibilidade e
densidade. (Fonte: Autores)
60
Efeitos da Arquitetura

Tabela 2.2. Médias das principais variáveis levantadas, por faixa de acessibilidade.
(Fonte: Autores)

Os resultados mostrados aqui concentram-se na relação com o Movimento


de Pedestres (MP) como principal variável dependente. Devido às baixas corre-
lações encontradas para a Faixa 11, devido ao menor tamanho da amostra aliada
a grande variância dos dados, discutimos com maior ênfase os resultados para as
faixas 4 e 16.

Tipos arquitetônicos
Com relação à classificação nominal dos tipos (tabela 2.3), todos os resultados
das duas situações exemplares (tipo 1 e tipo 3) apresentaram sinais coerentes com
os previstos pelas hipóteses, ou seja, tipo 1 com correlação negativa e tipo 3 com
correlação positiva com movimento de pedestres. Entretanto, o nível de confiança
apresentou variações importantes, com apenas 4 das 6 combinações possíveis pos-
suindo nível de significância de 95%.

Tabela 2.3. Correlações dos tipos com o movimento de pedestres (* nível de confiança de no
mínimo 95%). (Fonte: Autores)
61

A faixa 4 foi a que apresentou maior confiança para os três tipos, com correla-

2. Fatores morfológicos da vitalidade urbana


ção -0,66 para o tipo 1 isolado-torre, 0,45 para o tipo 2 híbrido e 0,58 para o tipo
3 compacto-contínuo. Ambos os tipos extremos mostram fortes correlações com o
movimento de pedestres nessa faixa, negativa para o tipo 1 isolado e positiva para
o tipo 3 compacto / contínuo. Chama a atenção também a alta correlação positiva
do tipo 2 híbrido. Isso provavelmente deve-se ao fato de os edifícios híbridos nessa
faixa de acessibilidade representarem edifícios verticais, em sua maioria com 8 an-
dares ou mais, o que contribui para aumentar a densidade desses trechos.
Com relação ao desmembramento dos parâmetros tipológicos em variáveis in-
dependentes e análise de sua correlação com o movimento de pedestres, a Tabela
2.4 mostra os resultados obtidos.

Tabela 2.4. Correlações dos parâmetros tipológicos com o movimento de pedestres (* nível de
confiança de no mínimo 95%). (Fonte: Autores)

Os afastamentos frontais mostraram correlações moderadas com o movimento


de pedestres, tanto os frontais quanto os laterais. A faixa de baixa acessibilidade foi
a única que obteve resultado significativo (r=-0,33, p<0,05), provavelmente porque
o MP passa a depender mais da influência dos fatores arquitetônicos. Já para os
afastamentos laterais, apesar de os sinais das correlações serem quase todos negati-
vos, portanto compatíveis com as hipóteses, os resultados não foram significativos
estatisticamente. Portanto, os tamanhos absolutos médios dos afastamentos laterais
não foram, nesse contexto, importantes para o MP.
Com relação à fachada, o mesmo vale para o seu tamanho absoluto médio, que
obteve nível de confiança apenas para a Faixa 16. Entretanto, o grau de continuida-
de das fachadas mostrou-se relevante tanto na Faixa 4 quanto na Faixa 16 (r=0,30
62

e 0,29, respectivamente), com sinais positivos que confirmam a hipótese. Isso quer
Efeitos da Arquitetura

dizer que, apesar de o tamanho dos afastamentos em si não ter se mostrado rele-
vante para o movimento de pedestres, a proporção entre a fachada e o tamanho da
testada do lote é relevante. Portanto, trechos com maior continuidade das fachadas,
isto é, maior proporção de bordas edificadas em relação aos vazios intersticiais das edifi-
cações, tendem a ter maior vitalidade.

Densidade
As correlações obtidas com a densidade, via de regra, também confirmaram
as premissas adotadas quanto ao seu papel na vitalidade urbana. Tanto na faixa 4
quanto na faixa 16, praticamente todas as variáveis mostraram alta correlação com
MP, com exceção do número de economias para a Faixa 4 (r=0,24) e da área do
pavimento tipo para a Faixa 4 (r=0,16) (tabela 2.5).

Tabela 2.5. Correlações das densidades com o movimento de pedestres. (* nível de confiança de
no mínimo 95%). (Fonte: Autores)

Uso do solo
Os usos do solo mostraram comportamentos diferenciados nas diferentes fai-
xas de acessibilidade (tabela 2.6). Dois aspectos, entretanto, apresentaram com-
portamento semelhante em todas elas: o primeiro é a alta correlação negativa
entre usos residenciais e MP. Quanto maior a proporção de usos residenciais em
um trecho, menor a quantidade de movimento de pedestres. O segundo aspec-
to é a alta correlação positiva entre diversidade de usos e MP: em todas as faixas
houve confiança estatística. Na faixa 16 a correlação é bastante alta, chegando
a 0,68. Os dados, portanto, corroboram uma das hipóteses básicas de Jacobs
(2000), segundo a qual a mistura de usos é um dos componentes principais de
áreas urbanas “bem-sucedidas”. Cabe notar, entretanto, que os dados sugerem
haver uma diferença na intensidade da influência desse fator na vitalidade, pelo
menos quando esta é entendida como movimento de pedestres, sendo que em
63

faixas de maior acessibilidade esse efeito parece ser maior do que em faixas de

2. Fatores morfológicos da vitalidade urbana


baixa acessibilidade – o que faz sentido sob a luz de teorias da economia urbana
desde Alonso.24
Nesse sentido, na Faixa 4 o que parece importar mais são os usos não-residen-
ciais, que apresentaram correlações de moderadas a altas com MP. Os usos comer-
ciais (r=0,23) e de serviços (r=0,33) apresentaram correlações moderadas; já os usos
institucionais apresentaram alta correlação com movimento de pedestres (r=0,73),
um fenômeno que talvez possa ser explicado pelos fluxos gerados por escolas e
equipamentos comunitários de saúde.

Tabela 2.6. Correlações dos usos do solo com o movimento de pedestres (*nível de confiança
de no mínimo 95%). (Fonte: Autores)

Acessibilidade configuracional
A análise da correlação de variáveis descritivas da acessibilidade proporcionada
pela configuração do sistema viário (Tabela 2.7) foi feita com o intuito de moni-
torar sua possível influência sobre o movimento de pedestres, uma vez que não é o
interesse principal deste estudo e seus efeitos sobre MP são múltiplos e atuam sob
diferentes escalas e raios de abrangência, o que os torna difíceis de serem perfeita-
mente controlados em um estudo empírico.

Tabela 2.7. Correlações de medidas sintáticas com o movimento de pedestres (*nível de confian-
ça de no mínimo 95%). (Fonte: Autores)
64

Este aspecto revelou-se de interpretação mais difícil, tendo em vista a grande


Efeitos da Arquitetura

variabilidade dos índices de correlação, incluindo aí sinais positivos e negativos.


Isso pode ser explicado, em parte:

• pela diferença nas amplitudes de valores máximo e mínimo de cada faixa


de acessibilidade configuracional: na faixa 4, essa diferença foi pequena,
enquanto que na faixa 16, de alta acessibilidade, a variação entre os va-
lores de Integração e Escolha foi maior. Isso sugere que nesta última a
influência da acessibilidade não tenha sido tão bem neutralizada quanto
na primeira;
• pelo uso de duas medidas topológicas de naturezas diferentes (integração
e escolha), que descrevem a acessibilidade da malha por meios diferentes,
conforme explicado anteriormente;
• pelo fato do método de seleção da amostra ser baseado em apenas uma
dessas duas medidas, o que faz com que o agrupamento de trechos em
níveis de acessibilidade faça sentido sob um método de medição, mas não
necessariamente sob o outro.

Uma primeira observação geral, diretamente relacionada a esses dois últimos


fatores, é que a única medida que mostrou correlações com sinal positivo em
todas as faixas foi a Escolha R55 (apesar de na Faixa 4 não haver significância
estatística). Isso deve-se provavelmente ao fato de a divisão em níveis de acessi-
bilidade ter sido feita justamente através dessa medida. Uma análise dos índices
de correlação mostra que quatro deles apresentam sinais negativos para as me-
didas de integração, sendo dois com alto nível de confiança, enquanto que para
as medidas de escolha são apenas três índices com sinais negativos, todos eles
sem significância estatística. Isso reforça a possibilidade de que essas diferenças
devam-se à natureza da medida adotada para a seleção da amostra e divisão de
níveis de acessibilidade.
A faixa 16 foi a que obteve maiores correlações com medidas configuracio-
nais. Isso pode ser explicado pelo fato de a Faixa 16, de alta acessibilidade topo-
lógica, possuir a maior variação de acessibilidade em relação à variação total do
sistema viário (4,06%). Em outras palavras, isso permitiu uma variação mais sig-
nificativa dos valores das medidas sintáticas dentro da faixa, gerando diferenças
que passam a se parecer mais com a variação da movimentação pedestre, levando
à emergência de correlações mais altas. Seguindo a mesma lógica, os trechos de
baixa acessibilidade possuem correlações mais frágeis com MP. Isso é explicado
65

pelo fato de essa faixa de acessibilidade possuir a menor amplitude em relação à

2. Fatores morfológicos da vitalidade urbana


amplitude total dos valores de escolha R55 do sistema (apenas 0,193%), man-
tendo os valores de Escolha R55 praticamente constantes. Portanto, as variações
de MP não são explicadas por essa medida sobretudo nas áreas de baixa acessi-
bilidade examinadas, o que indica relativo sucesso no controle da variável, como
era o objetivo da metodologia adotada. Variações na movimentação pedestre não
poderiam ser explicadas pela variação de acessibilidade.

Reconhecendo os impactos da tipologia sobre a vitalidade urbana

Discussão sobre a validade dos resultados

Variáveis de controle
A primeira preocupação em relação à validade dos resultados diz respeito à
acessibilidade proporcionada pela configuração do sistema viário que, conforme
vimos, pode influenciar na distribuição do movimento de pedestres e, portanto,
prejudicar a aferição das relações entre este e os tipos arquitetônicos. Parte da refle-
xão sobre esse aspecto foi feita na seção que discutiu as correlações entre movimen-
to de pedestre e medidas configuracionais: pelo fato de a Faixa 4 apresentar uma
amplitude muito pequena (0,193%) quando comparada com as demais faixas, e
pelas baixas correlações encontradas, acreditamos que essa faixa foi a que obteve um
controle mais efetivo da influência da acessibilidade sobre o MP.
A Faixa 16, por outro lado, foi a que apresentou maior amplitude (4,058%)
em relação à amplitude total dos valores de Escolha R55 do sistema, o que nos
leva a colocar dúvidas sobre a eficácia do controle da variável acessibilidade
para essa faixa. Entretanto, há dois aspectos que merecem ser destacados para a
Faixa 16:

• Os valores de correlação das medidas sintáticas foram quase todos (com


exceção da Integração R55) menores do que o encontrado na literatura, in-
dicando que houve sim uma certa neutralização da influência dessa variável
sobre o MP. Se considerarmos mais especificamente a medida de Escolha
R55 (utilizada para dividir as faixas), verificamos que o índice de correlação
encontrado (r=0,32) é relativamente baixo, especialmente se comparado às
correlações encontradas em outros estudos.25
• Ainda que as correlações entre acessibilidade e MP possam ser consideradas
significativas, é importante notar que são menores que as encontradas entre
66

diversas variáveis independentes e MP, tais como a porcentagem de tipo


Efeitos da Arquitetura

contínuo, densidade de janelas, densidade de portas, ausência de muros e


grades e diversidade de usos. Portanto, mesmo que o fator acessibilidade
esteja atuando nos dados levantados (isto é, não tenha sido completamente
neutralizado – o que de resto seria praticamente impossível, dado que di-
mensões da acessibilidade se farão sentir, por exemplo, nas ruas do entorno
das ruas da amostra), podemos concluir que os parâmetros tipológicos tam-
bém podem estar exercendo influência própria.

Reflexão semelhante pode ser feita sobre as densidades e sua possível influência nas
correlações obtidas com outras variáveis (Tabela 2.5). Pelo fato de haver relação direta
entre densidade (populacional ou construída) e densidade de aberturas, a relação entre
esta última e o MP poderia acontecer não como o mostrado na Figura 2.2a, como pre-
visto pela hipótese, mas como a Figura 2.2b, na qual teríamos uma variável extrínseca
atuando como causa das duas variáveis, que não necessariamente possuiriam relação
entre si.

Figura 2.2. a) relação causal hipotética entre densidade de aberturas e MP; (b) relação assimé-
trica entre densidade de aberturas e MP, causada por variável extrínseca. (Fonte: Autores)

Entretanto, o mesmo argumento utilizado para a Faixa 16 de acessibilidade


vale para o efeito da densidade nessa faixa: comparando os valores de correlação
obtidos, vemos que, no mínimo, a densidade de aberturas funciona como uma po-
tencializadora dos efeitos da densidade, uma vez que seus índices são todos maiores
que os índices dos diversos indicadores de densidade e, portanto, não são apenas
um “subproduto” desta. Portanto, apesar de a densidade ser um aspecto importante
para explicar o movimento de pedestres, mesmo em áreas com densidades semelhantes
uma maior densidade de aberturas tende a aumentar as oportunidades e as razões para
interação entre espaços edificados e abertos, e assim incentivar o movimento de pedestres.
Por outro lado, para a Faixa 4 os efeitos da densidade são muito mais altos
que os da densidade de aberturas, tendo em vista que estes últimos mostraram-se
insignificantes estatisticamente. Aparentemente, em áreas de baixa acessibilidade o
número de aberturas não influencia significativamente na quantidade de pedestres
67

que por ali circulam, ao menos para Florianópolis. Esse é um dado que contrasta

2. Fatores morfológicos da vitalidade urbana


fortemente com nosso estudo no Rio de Janeiro (veja o capítulo anterior neste
livro).

Interação entre variáveis dependentes e independentes


O segundo aspecto a ser considerado na verificação da validade dos resultados
diz respeito à direção das relações causais que estão sendo investigadas. As hipóteses
possuíam um caráter claramente unidirecional, no sentido de que características
associadas aos diferentes tipos arquitetônicos exerceriam influência sobre a vitalida-
de dos espaços públicos. A possibilidade de haver relação causal no sentido inverso
não foi aprofundada no nosso estudo. Entretanto, é possível que ela exista: nunca é
demais lembrar que correlação não significa necessariamente causalidade e, mesmo
que exista causalidade, ela pode ser (a) unidirecional, em qualquer dos dois senti-
dos; e (b) interativa, de forma que as variáveis se influenciem mutuamente. Portan-
to, qual das relações mostradas na Figura 2.3. pode ser considerada a mais correta?

Figura 2.3. (a) Tipos arquitetônicos como variável independente; (b) Movimento de pedestres
como variável independente; (c) Tipos arquitetônicos e movimento de pedestres como variáveis
interativas. (Fonte: Autores)

A Figura 2.3a representa a hipótese adotada neste trabalho. A Figura 2.3b re-
presenta uma inversão na direção da causalidade, segundo a qual o tipo 3 apareceria
em conformidade com o movimento de pedestres; pelas correlações encontradas,
esse tipo apareceria em maior proporção em áreas com maior movimento de pedes-
tres (correlação positiva). Isso poderia acontecer porque, tendo em vista que o tipo
3 maximiza a superfície de contato com o espaço público, ele emergiria “natural-
mente” nas áreas mais movimentadas como forma de abrigar atividades comerciais
e de serviços que buscam aproveitar-se do fluxo de pedestres.
A Figura 2.3c mostra uma relação interativa entre as duas variáveis, que são ao
mesmo tempo causa e efeito uma da outra. Nesse ponto, parece ser a explicação
mais acurada, uma vez que existem argumentos teóricos coerentes para explicar
tanto uma quanto outra direção de causalidade. Para auxiliar a identificar a dire-
68

ção de causalidade poderiam ser invocadas a precedência no tempo e dificuldade


Efeitos da Arquitetura

de alteração. Entretanto, nenhum dos critérios parece adequado para auxiliar a


desvendar direções de causalidades neste caso, uma vez que sistemas urbanos são
caracterizados por interações baseadas em recorrências ao longo do tempo.
Portanto, perdem-se tanto o conceito de precedência no tempo, uma vez que
os fatores se sucedem mutuamente, como a dificuldade de alteração, uma vez que
reconhecidamente o movimento de pedestres possui a capacidade de influenciar
aspectos muito mais concretos e de difícil alteração do que ele.26 Sendo assim, se
considerarmos a recursividade da dinâmica urbana, seria possível uma sequência
do tipo: maior MP > mais tipo 3 > maior MP > mais tipo 3 > ... Entretanto, se
isso for correto, então poderíamos esperar maior proporção de tipo 3 nas faixas
de maior acessibilidade, uma vez que estas correspondem a maior movimento de
pedestres.27 Entretanto, essa hipótese (maior proporção de tipo contínuo na faixa
de alta acessibilidade) não se confirma quando analisamos a quantidade média
desse tipo nas três faixas, conforme pode ser visto na Tabela 2.2. Uma análise
de variância (anova) mostra que não há diferenças estatisticamente significativas
entre a proporção do tipo contínuo em cada uma das faixas de acessibilidade
(p=0.773), o que indica que há uma certa independência entre tipos arquite-
tônicos e níveis de acessibilidade. Em outras palavras, não encontramos maior
quantidade de um determinado tipo arquitetônico nos níveis de acessibilidade
considerados. Portanto, os resultados para Florianópolis indicam que a variação
na quantidade de movimento de pedestres não pode explicar a proporção de
tipo contínuo. Assim, temos razões para rejeitar as hipóteses da Figura 2.3b e da
Figura 2.3c e somos levados a aceitar a hipótese da Figura 2.3a de que a relação
entre tipos arquitetônicos e movimento de pedestres é predominantemente uni-
direcional, sendo a primeira a variável independente e a segunda, a dependente.

Sobre as hipóteses da pesquisa


Retomando as hipóteses, vejamos quais podem ser consideradas corroboradas e
quais foram falsificadas pelos dados.
Presença de edificações do tipo 1 – isolado ou torre está negativamente correlaciona-
do à vitalidade, enquanto que presença de edificações do tipo 3 – compacto ou contínuo
está positivamente correlacionado à vitalidade dos espaços urbanos.
Essa hipótese, testada pela utilização da classificação nominal dos tipos arqui-
tetônicos, foi corroborada apenas na Faixa 4, de baixa acessibilidade (Tabela 2.3).
Tanto na Faixa 11 como na 16 os resultados foram inconclusivos, em função das amos-
tras oferecerem um nível de confiança acima do mínimo de 95% e apesar de possuírem
69

os sinais da correlação no sentido previsto pela hipótese. Entretanto, vale chamar a

2. Fatores morfológicos da vitalidade urbana


atenção para o fato de que, na Faixa 16, praticamente todos os parâmetros constitutivos
do Tipo 3 apresentaram alta correlação com o MP, conforme será visto a seguir.
Recuos frontais estão negativamente correlacionados com a vitalidade dos es-
paços urbanos. Mais uma vez, apenas na Faixa 4 essa hipótese foi corroborada. Nas
demais faixas, os valores de correlação, apesar de possuírem o sinal negativo previs-
to na hipótese, não foram estatisticamente significativos (Tabela 2.4).
A continuidade das fachadas, entendida como a proporção entre o tamanho da facha-
da e o tamanho da testada do lote, está positivamente correlacionada com a vitalidade.
Das hipóteses relacionadas às características da edificação em si, esse as-
pecto foi o que apresentou maior consistência em corroborar a hipótese. Tanto
para a Faixa 4 quanto para a Faixa 16 as correlações obtidas foram significativas
(Tabela 2.4).
A permeabilidade entre público e privado ao nível térreo, ou seja, a possibilidade
de entrar e sair da edificação diretamente a partir do espaço público, está positivamente
correlacionada com a vitalidade.
Esse aspecto mostrou comportamentos diferentes nas faixas de baixa e alta acessibi-
lidade. Enquanto na Faixa 4 a correlação foi próxima de zero (Tabela 2.4), na Faixa 16
obteve o valor de +0,83 (p<0,05). Ao contrário das aberturas visuais (janelas), discutidas a
seguir, a densidade de portas não apresenta correlação direta com a densidade. Portanto, a
interpretação dos resultados é direta, sem os mesmos riscos de distorção introduzidos por
esta última. Nesse sentido, a densidade de portas parece importar mais em áreas com alta
acessibilidade, possivelmente para aproveitar e viabilizar o potencial para usos comerciais.
A permeabilidade visual entre o interior da edificação e os espaços públicos, estão
positivamente correlacionados com a vitalidade.
Assim como a densidade de portas, esse aspecto mostrou comportamentos di-
ferentes nas faixas de baixa e alta acessibilidade. Enquanto na Faixa 4 as correlações
foram próximas de zero (Tabela 2.4), na Faixa 16 foram bastante altas, em torno
de +0,90 (p<0,05). Os riscos da interpretação desses números foram explorados no
item “Variáveis de controle”, e as conclusões indicam que:

• para a Faixa 4, a correlação entre densidade de aberturas e MP não é signi-


ficativa. Esse resultado difere dos achados no Rio de Janeiro, para a mesma
faixa de acessibilidade, aproximadamente;
• para a Faixa 16, a densidade de aberturas atua como um complemento ou
amplificador dos efeitos da densidade populacional, uma vez que os valores
de correlação da primeira com MP são mais altos do que os da segunda.
70

Conclusões
Efeitos da Arquitetura

Os resultados alcançados nesta pesquisa reforçam os argumentos, já presentes na


literatura, de que é urgente uma revisão dos instrumentos de planejamento que tra-
tam de orientar e controlar o uso e a ocupação urbanos. Nossos planos diretores e zo-
neamentos têm, via de regra, incentivado justamente aquelas tipologias mais nocivas
à vitalidade dos espaços públicos. O estudo empírico mostrou que os tipos compactos
e contínuos estão mais associados à vitalidade urbana do que tipos isolados – estes
mostraram correlações sistematicamente negativas com o movimento pedestre. Mais
importante do que isso, mostrou que há indícios de uma relação causal entre tipos e
vitalidade urbana. Esse argumento, apesar de não ser novo, carecia de comprovação
empírica sólida e, talvez por esse motivo, é muito superficialmente tratado em discus-
sões sobre mecanismos para a orientação da forma edificada, ao menos no Brasil28.
Obviamente, isso não significa que devemos súbita e acriticamente adotar legis-
lações que impeçam a adoção de tipos isolados e prescrevam a obrigatoriedade de
tipos compactos e contínuos – tampouco isso seria realista. Entendemos que essa é
uma questão complexa, que envolve outras variáveis que não foram contempladas
neste estudo e por isso deve ser objeto de discussão aberta e cuidadosa, com partici-
pação de todos os setores da sociedade interessados no tema. Entretanto, o que foi
revelado nesta pesquisa significa que o debate vem sendo feito de forma incompleta
e superficial, e merece ser revisto sob pena de continuarmos a reproduzir modelos
que desvitalizam e esvaziam nossas cidades, com consequências como a concentração
das ocorrências de crime nessas áreas (ver Vivan e Saboya, neste livro), a alienação de
grupos sociais e a rarefação das trocas sociais no espaço público.

Agradecimentos

Os autores agradecem aos alunos e professores da graduação e pós-graduação


envolvidos no levantamento de campo em Florianópolis: Prof. Dra. Alina Santiago,
Ana Paula Fogaça, Beatriz Menegon, Camila Zabot, Débora Bohrer, Eduarda Garcia,
Gabriel Pedrotti, Larissa Souza, Lucas Souza, Marcelo Monteiro, Márcia Escoterga-
nha, Mariana Vivan, Nathália Braga, Renato Niero, Vanessa Casarin e Virgínia de
Luca. Agradecemos também ao CNPq (Edital Ciência Sociais Aplicadas) pelo auxílio
financeiro que viabilizou a execução deste trabalho.
71

3. Forma urbana e transporte a pé


3
Forma urbana
e transporte a pé:
mobilidade,
caminhabilidade,
vitalidade... Júlio Celso Vargas

Introdução

Hoje em dia, caminhar é importante (e está na moda)...


Este modo de transporte, o mais simples e primário de todos, durante muito
tempo foi relegado à condição de “primo pobre” dos modais, pois caminhar era
apenas uma necessidade de quem não tinha outra opção. Porém, recentemente, ele
passou a receber atenção da academia, dos governos e do mercado em função dos
benefícios associados às caminhadas, especialmente a melhora da saúde da popu-
lação urbana e do seu potencial de “limpeza” do ambiente urbano. Contrastadas
com os crescentes impactos negativos do transporte motorizado, essas qualidades
têm levado a uma busca pelo incremento do modo a pé em todo o mundo e a um
melhor entendimento do fenômeno “caminhar na cidade”.
Os efeitos nocivos dos congestionamentos para o ambiente e a economia
já se encontram bem dimensionados,1 como é o caso do tamanho da participação
dos transportes no volume total de gases de efeito estufa produzido. A queima
de combustível pelos veículos responde por aproximadamente 20% dessas emis-
sões, que não são apenas responsáveis por alterações climáticas, mas também
por danos diretos à saúde humana, pois produzem cerca de um quarto das cha-
madas partículas finas inaláveis responsáveis por câncer de pulmão e doenças
cardiovasculares. Estudos recentes reafirmam que a concentração destes
poluentes no ar está fortemete associda ao risco de morte, independentemente de
fumo ou obesidade. Cada aumento de 10 µg/m3 na concentração desse tipo de
partícula no ar das cidades pesquisadas elevou a mortalidade entre 4% e 8% por
essas causas.2
72

Ironicamente, as preocupações de cem anos atrás com a insalubridade dos cen-


Efeitos da Arquitetura

tros urbanos que levaram à idealização das “cidades-jardim” e à criação dos subúr-
bios residenciais induziram um estilo de vida altamente sedentário, dependente do
automóvel e distante dos ideais de sanidade que a vida próxima ao campo deveria
trazer. O problema da obesidade crônica, por exemplo, pode ser em grande parte
creditado à falta de atividades físicas e à má alimentação, ambas relacionadas aos
padrões de urbanização esparsos e rarefeitos das cidades, especialmente as norte-
-americanas. Lá existem de 160 a 180 automóveis para cada grupo de 100 habi-
tantes (nas áreas suburbanas mais ricas, excluindo Nova Iorque) e cerca de 65% da
superfície das áreas urbanas é dedicada aos automóveis (estradas, ruas, garagens).
Ao mesmo tempo, as taxas de obesidade, diabetes e hipertensão nos Estados Uni-
dos são três vezes maiores do que as da Holanda, Dinamarca e Suécia e duas vezes
as da Alemanha.3
Na Europa a densidade de habitação e empregos encontrada em uma amostra
de cidades é, em média, três vezes maior do que em uma amostra de cidades ameri-
canas e o nível de “transporte ativo” diário é cerca de cinco vezes maior do que nos
Estados Unidos. Enquanto apenas 9,4%.dos americanos fazem suas viagens a pé ou
de bicicleta, na Europa, este número é de 33%.
Dados como esses permitem concluir que moradores de comunidades mais
“multi-modais” se exercitam mais e são menos propensos a ter excesso de peso do
que os residentes das comunidades “orientadas para automóveis4 e, portanto, é
possível generalizá-los e aceitar que existem relações de influência entre o ambien-
te construído e o chamado “comportamento de viagens”. Mais especificamente,
é possível afirmar que existem efeitos do ambiente físico sobre o quão ativas as
pessoas são. Após algumas décadas de pesquisa, pode-se dizer, de forma geral, que o
ambiente físico “explica” em torno de 10% dos comportamentos.5
É verdade que existe certo ceticismo quanto à possibilidade de a forma urbana
afetar o comportamento das pessoas. O esforço para diminuir as viagens motorizadas
individuais e aumentar as viagens ativas via modificações no ambiente construído
precisa, antes de tudo, comprovar causalidade e dimensionar seu real impacto na
prática. Eventuais “reformas urbanas” ou redirecionamento de estratégias de plane-
jamento precisam produzir resultados claramente superiores em comparação com
outras medidas de diminuição da demanda motorizada. Políticas administrativas
e de gerenciamento do sistema de transporte tais como as taxas de congestionamen-
to, pedágios urbanos e restrições de ingresso em áreas centrais são impopulares,
mas podem criar menos resistência do que alterações em regras de uso e ocupação
do solo urbano. Medidas que envolvam inovações culturais e tecnológicas podem
73

auxiliar a “limpar” a cidade e as pessoas, como é o caso do compartilhamento de

3. Forma urbana e transporte a pé


carros, a carona solidária, as bicicletas públicas, os pequenos veículos elétricos etc.
De modo mais radical podem-se cobrar maiores impostos sobre os combustíveis e
os automóveis (o que já é feito na Europa, comparativamente aos EUA) e também
restringir sua publicidade.
No Brasil o discurso da “mobilidade sustentável” associado ao transporte ativo
e aos ambientes “caminháveis” ainda é incipiente, restrito a setores da vanguarda,
à academia e a ativistas. Ele ainda não chegou às esferas do governo e do grande
capital, nos quais uma onda rodoviarista baseada em princípios de desenvolvimen-
to econômico e territorial de meados do século XX parece imperar. O estímulo
à fabricação e aquisição de automóveis como estratégia de crescimento nacional
acontece simultaneamente a um rápido e pesado aporte de investimentos na cons-
trução civil. O momento de extremo aquecimento experimentado pela economia
brasileira nos últimos dez anos deveria, em tese, chamar a atenção para as inevitá-
veis deseconomias que advêm da adoção de padrões de urbanização que segregam
e demandam transporte motorizado individual.
O Brasil vem adotando, com atraso, um modelo norte-americano que, à parte
a crise imobiliária do início do século XXI, possui certa coerência estrutural, pois é
lastreado na abundância de petróleo, nos investimentos governamentais constantes
em rodovias e em uma classe média consumidora sólida. Enquanto isso, nossa cópia
deformada é aplicada a uma cidade preexistente muito diferente da matriz, que abriga
uma população também distinta, em um novo momento histórico. A recente tendên-
cia brasileira ao sprawl, apoiada no discurso deletério da “fuga” do centro, sobrepõe-se
a uma cidade baseada no antigo modelo de urbanização compacta, a qual, de algu-
ma maneira, ainda funciona. Esse novo padrão de dispersão sustentado por valores
abstratos de “tranquilidade” e “exclusividade” convence populações de alta e de baixa
renda, pois tanto os condomínios de luxo quanto os conjuntos populares do “Minha
Casa, Minha Vida” costumam adotar localizações distantes e configurações segregadas,
induzindo viagens motorizadas e inviabilizando esforços em prol da caminhabilidade.
Assim, quando pensamos em uma “cidade caminhável” ou em um “bairro cami-
nhável”, a imagem de referência não é do Brasil nem mesmo dos EUA, talvez, no
máximo, seja a de algum centro antigo ou downtown desses países. O mais provável,
porém, é que o cenário da rua com amplas calçadas cheias de gente, bicicletas, pou-
cos carros, edificações compactas e baixas arranjadas de forma densa e contínua,
com atividades comerciais em seus térreos, corresponda a alguma cidade europeia.
É a imagem de uma área animada e viva, onde o conceito de walkability confunde-
-se com o de livability; onde a caminhabilidade se funde com a vitalidade urbana.
74

Vitalidade urbana ou “urbanidade”? Esse é um bom debate, talvez funda-


Efeitos da Arquitetura

mental para este livro... Particularmente entendo que vitalidade é diferente


de urbanidade, pois a vitalidade é basicamente a animação urbana dada pela
presença de pessoas no espaço, ou seja, é um conceito fundamentalmente quan-
titativo, uma medida. Enquanto isso, a urbanidade parece ser uma qualidade
mais elaborada que envolve julgamento a respeito do tipo de relação entre as
pessoas e seu enquadramento em algum padrão de conduta no (e com o) espa-
ço. De forma simples: a urbanidade é uma vitalidade refinada ou, ao contrário,
a vitalidade é a urbanidade bruta... Em meu projeto de pesquisa com Vinicius
Netto e Renato Saboya – “Desempenho urbano e morfologia arquitetônica:
Relações entre predominância tipológica e a vitalidade social e microeconômica
em cidades brasileiras” – definimos Vitalidade Urbana como uma metacategoria
que engloba as qualidades da vida microeconômica e da socialidade nos espaços
urbanos, sendo essa última basicamente a intensidade de trocas sociais e de comu-
nicações no espaço dependente da copresença. A variável principal que adotamos
para representar a vitalidade foi o volume de pedestres6.
Então caminhabilidade é igual a vitalidade? Essa é a pergunta que orienta a
discussão que proponho aqui, buscando, sem muita pretensão, esclarecer ambos
os conceitos, apontando suas diferenças e pontos em comum: como o ambiente
construído se relaciona com os padrões de viagem? Como o casco físico exerce
influência sobre os fluxos, especialmente aqueles constituídos por deslocamentos
a pé? É possível estimular os transportes ativos tornando o ambiente urbano mais
favorável a eles? Pode a “cidade caminhável” revogar finalmente os paradigmas da
mobilidade motorizada hoje vigentes?
O texto inicialmente revisa o conhecimento sobre as relações entre forma
urbana e comportamento, trazendo o estado-da-arte na área dos Transportes,
discutindo o conceito de Caminhabilidade e apresentando alguns resultados de
pesquisas locais. A seguir, ilumino o conceito de Vitalidade Urbana e apresento
os resultados do projeto de pesquisa relativo às relações entre tipologias arquitetô-
nicas e a vitalidade social e microeconômica das cidades Brasileiras. Por fim, pro-
ponho uma aproximação entre as duas abordagens, em uma tentativa de articular
as ciências e seus métodos, em busca de uma convergência que possa contribuir
para a agenda urbana do século XXI.
75

Relações entre forma urbana e comportamento

3. Forma urbana e transporte a pé


Ambiente construído e comportamento de viagens
A área dos transportes entende fundamentalmente a “dinâmica social” como
a movimentação causada pela necessidade de realizar atividades. Essas interações
entre origens e destinos são, portanto, um meio (e não um fim) e produzem o tráfe-
go, que pode ser entendido como um conjunto de viagens. Essas viagens agregadas
fazem emergir padrões relativos aos motivos, à duração, aos modos utilizados, aos
percursos utilizados etc. Essas características do conjunto de viagens produzem, por
fim, um meta-padrão que se chama comportamento de viagens.
Este comportamento coletivo e, de alguma maneira, condicionado pelo am-
biente social e econômico dos indivíduos, imersos em ambientes físicos cujas carac-
terísticas relevantes são genericamente capturadas pelo conceito de estrutura urba-
na. Para entender a relação entre a estrutura urbana e o comportamento de viagens
utilizam-se métodos típicos da área, notadamente modelos estatísticos. Na década de
1990 e início dos anos 2000, o foco era a relação entre o ambiente construído e o
uso do automóvel, cujo comportamento é expresso basicamente através da medida
de distância viajada (VMT – vehicle miles traveled – milhas viajadas de automóvel).
Pesquisas paradigmáticas sobre essa relação buscaram generalizar os resultados de
inúmeros estudos, apontando que ela existe, mas é relativamente fraca. Um au-
mento de 10% na densidade e na acessibilidade viária, por exemplo, foi associado a
uma redução de 0,5% em viagens de carro, e um aumento de 10% na diversidade
de usos foi associado a uma diminuição de 0,3% no número de viagens de carro e
a uma redução de 0,5% em VMT.7
Já em relação aos modos não motorizados, a pesquisa específica passou a se
desenvolver mais amplamente nos últimos anos (década de 2010) e a métrica
mais comum para capturar seu comportamento é o número de viagens a pé re-
alizadas por pessoa (ou domicílio).8 Esse número é muitas vezes tratado como
uma frequência e sua probabilidade de ocorrência são estudados sob a ótica da
chamada “escolha modal”, buscando entender o que pode determinar a mu-
dança de modo do automóvel para o a pé. A influência do ambiente construído
sobre a escolha modal é modelada através de indicadores que representam as
características agregadas de densidade, usos do solo, distribuição de amenida-
des comerciais e serviços, configuração viária e topografia da cidade, zona ou
bairro9. Esse tipo de caminhabilidade – enquadrada como “estudo de demanda”
– enfoca, portanto, a qualidade do espaço urbano como geradora potencial de
movimento pedestre.
76

Estudos sistemáticos realizados em Porto Alegre pelo GP “Caminhabilidade


Efeitos da Arquitetura

em Cidades Brasileiras” do LASTRAN/UFRGS10 têm buscado entender como


as características de uma região influenciam essa opção por caminhar. Em 2009
foram entrevistados moradores e usuários das duas regiões de Porto Alegre que
apresentam os maiores e menores percentuais de viagens a pé da cidade: Centro/
Cidade Baixa e Petrópolis/Bela Vista, com 50% e 10% respectivamente, confor-
me os dados da EDOM de 200411. Os resultados mostraram que o alto número
de deslocamentos a pé na Região Centro/Cidade Baixa se deve à diversidade de
uso do solo e à dificuldade de utilizar modos alternativos. Em contraposição, o
número reduzido de viagens a pé na Região Petrópolis/Bela Vista se deve não
somente à escassez de comércios e serviços na vizinhança próxima, mas à prefe-
rência por comércios e serviços mais afastados, à realização de viagens em cadeia e à
disponibilidade de automóvel no domicílio.12
Pesquisas subsequentes mostraram que bairros que possuem uso do solo misto,
padrão viário em forma de grelha e comércios/serviços próximos à residência estimu-
lam as viagens a pé com motivos recreacionais e para compras, enquanto a oferta
de estacionamento gratuito e a disponibilidade de transporte coletivo desestimulam
a probabilidade de caminhar. Por outro lado, algumas variáveis socioeconômi-
cas mostraram-se fortes preditoras das viagens motorizadas por motivo estudo
ou trabalho: alta renda, associada a maior número de automóveis no domicílio.13
As condições econômicas, atitudes e hábitos dos indivíduos e famílias introdu-
zem, portanto, um empecilho para aos argumentos a favor da ligação causal entre
a constituição física da cidade e a escolha modal, pois distorcem as possíveis asso-
ciações diretas de causa e efeito entre elas.
Não entrarei detidamente na discussão sobre o determinismo da forma, ou o
determinismo arquitetônico; este é um tema já “gasto” por muitos autores de diversas
áreas da ciência urbana14. Existe certa resistência em aceitar os “efeitos da forma”,
pois o senso comum tende a ver a forma como “efeito”, ou seja, a arquitetura seria a
consequência de processos sociais e não sua causa. É relativamente simples lidar com
esse aparente paradoxo através da separação das camadas temporais envolvidas, ex-
pressa na frase atribuída a Winston Churchill e citada por Jan Gehl: “Primeiro nós
moldamos nossas estruturas, depois elas nos moldam”15. Enquanto as estruturas
mais profundas da cidade – traçado viário, parcelamento do solo e estoques cons-
truídos – são efetivamente produto das forças lentas de acumulação econômica
relativamente estáveis, as atividades e os fluxos são fenômenos mais rápidos e mutá-
veis, sujeitos não só a esses vetores de fundo mas também a uma influência imediata
das próprias condições físicas do casco urbano.
77

A própria teoria da Sintaxe Espacial, tão cara a muitos que se ocupam dos

3. Forma urbana e transporte a pé


estudos de vitalidade urbana (e, atualmente, de caminhabilidade), considera es-
paço e sociedade entidades inerentemente correspondentes, e o entendimento de
uma, segundo sua teoria, é perfeitamente possível através da análise aprofundada da
outra.16
Anne Moudon fala em “coadaptação” entre forma urbana e comportamento
humano e utiliza um exemplo simples: algumas pessoas poderiam colocar uma
cama king size em um quarto pequeno, mas a maioria não o faria, procurando um
quarto maior ou uma cama menor.17
Pessoalmente, vou adotar uma abordagem pragmática, reduzindo o problema
aos possíveis efeitos da forma sobre comportamentos humanos específicos – andar a pé
ou utilizar alguns lugares da cidade e outros não. Vou me manter mais próximo à
ciência dos transportes e seus conceitos, tal como o de self-selection – “autoescolha”
– para dar conta das atitudes individuais que dificultam a compreensão de eventu-
ais relações causais entre forma urbana e comportamento de viagens. Autoescolha
significa tecnicamente a distorção de amostras estatísticas através da inclusão de-
liberada de um indivíduo em uma amostra (grupo). Pois autoescolha neste caso
significa a predisposição de indivíduos com propensão a caminhar de escolher vizi-
nhanças caminháveis como local de moradia... Ou, dito de outra maneira: as pes-
soas com orientação à caminhada preferem morar em lugares adequados para tal.
Um exemplo de autoescolha relacionada a traços socioeconômicos pode ser o
de uma família de baixa renda sem automóvel que decide morar em algum bairro
com boa oferta de transporte público e, assim, todos os seus membros passam a
usá-lo com frequência. Nesse caso não é a qualidade do transporte que faz com
que a família pretensamente abra mão do automóvel, mas sim suas restrições eco-
nômicas que têm influência real e direta na opção de usar o ônibus (metrô, trem
etc.). Por outro lado, se alguém com um estilo de vida “motorizado” termina por
residir em um bairro caminhável (talvez em função de incentivos fiscais ou por falta
de oferta residencial em locais de sua preferência), seu comportamento de viagem
provavelmente não vai ser coerente com os demais moradores que deliberadamente
escolheram viver ali.18 Pesquisas norte-americanas – não por acaso financiados por
órgãos de prevenção à obesidade e ao sedentarismo em um programa chamado
Active Living Research – indicam que o aumento da oferta de espaços “orientados
à caminhada” somente aumentará o número de viagens ativas se direcionar sua
ocupação por indivíduos predispostos a elas, ou seja, se permitir a autoescolha.19
A aplicação do conceito de autoescolha se dá através da incorporação aos mo-
delos de análise de variáveis socioeconômicas e atitudinais, articulando-o com as
78

variáveis do ambiente urbano. Como visto nos trabalhos do Lastran, a renda, a


Efeitos da Arquitetura

disponibilidade de automóveis e os hábitos de consumo dos viajantes foram incorpo-


rados, revelando-se tão ou mais importantes para a decisão de caminhar do que as
características do bairro.
Pois aqui é necessário discutir um pouco mais o tema das “escolhas”. A mode-
lagem tradicional de transportes assume que praticamente todos os padrões de des-
locamento e o próprio funcionamento do sistema urbano têm origem nas decisões
racionais dos indivíduos, famílias e firmas. Essas decisões – escolhas – se referem a
processos de longo ou curto prazo em seus ciclos de vida e podem ter caráter não
espacial (propriedade de automóvel, a realização [ou não] da viagem, o horário
da viagem e o modo) ou espacial (a localização – onde morar, onde trabalhar – o
destino – para onde ir – e o caminho – por onde ir). O comportamento humano
refletido nessas escolhas é tratado basicamente através dos chamados modelos de
escolha discreta, cujo fundamento teórico é baseado no princípio de utilidade da mi-
croeconomia clássica e sua extensão, a maximização da utilidade.20 Em termos com-
portamentais, esses modelos assumem a racionalidade dos indivíduos no sentido de
que, quando fazem escolhas, estes levam em consideração um conjunto de fatores
influentes e chegam a uma decisão racional através da combinação das utilidades
associadas a cada fator de acordo com alguma regra que maximize sua utilidade.
As escolhas locacionais – onde morar ou trabalhar – e, consequentemente, as
escolhas modais – como se locomover – são processos que se enquadram bem neste
framework da teoria da utilidade. Porém, a validade desses pressupostos para as es-
colhas espaciais de curto prazo tem sido objeto de muito debate: enquanto alguns
acreditam que os indivíduos são perfeitamente racionais e maximizadores de uti-
lidade, essa abordagem seria pouco apropriada para entender (e simular) decisões
de curto prazo em ambientes complexos nos quais os agentes podem simplificar as
decisões através de “atalhos” mentais e heurísticas. É intuitivamente irreal assumir
que os caminhantes têm a habilidade de considerar todos os fatores influentes,
realizar cálculos da utilidade de cada alternativa de caminho a percorrer ou fazer
planos racionais para todo o seu roteiro de caminhada...21
Na tentativa de incorporar um pouco da “irracionalidade” humana, surgiram
então os modelos de utilidade aleatória. Eles assumem algumas regras determinís-
ticas – os elementos que influenciam concretamente a escolha, como a distância,
por exemplo – enquanto a incerteza é computada através de variáveis aleatórias que
representam utilidades desconhecidas. Eles têm uma natureza compensatória, dado
que a alternativa escolhida pode ser pior do que as demais em um determinado
aspecto, mas ainda assim possuir uma utilidade geral superior do que as demais,
79

compensando a deficiência com melhor desempenho nos outros critérios.22 Este

3. Forma urbana e transporte a pé


seria o caso, por exemplo, de um trecho de rua mais longo, porém mais seguro ou
agradável, talvez em função da sua morfologia – sem muros, com lojas etc. Assim,
o trecho menos “útil” relativamente ao atributo “distância” pode ser o escolhido em
função do seu melhor “pacote” de atributos de forma urbana.
De qualquer maneira, é certo que a caminhabilidade, na escala do bairro, já foi
incorporada como qualidade ambiental e até mesmo capturada como atributo de
valorização imobiliária. Em um mundo urbano esgarçado e congestionado, a boa e
velha vizinhança com o mercadinho na esquina e “ônibus na porta de casa” é ago-
ra cotada em ferramentas digitais como Walkscore (www.walkscore.com). O bairro
Cidade Baixa em Porto Alegre, por exemplo, recebe 93 pontos de um máximo de
100 e é avaliado como a Walker’s Paradise devido à sua ampla oferta de restaurantes,
cafés, mercados, parques, escolas e entretenimento noturno, tornando-se produto
premium para o mercado. Em contraste, o bairro Bela Vista, recebe apenas 77 pon-
tos na mesma plataforma.
Como a demonstrar a irracionalidade do mercado brasileiro, a corrida pela
volta aos bairros “tradicionais” traz consigo arquiteturas incoerentes com o discurso
da caminhabilidade. Torres isoladas, cercadas, com muitas vagas de garagem e sem
atividade comercial no térreo são o padrão estimulado pelos planos diretores para
essa “volta ao centro”. É uma contradição que revela o quanto o público “compra”
as qualidades do bairro caminhável enquanto escolha locacional, mas não está dis-
posto a fazer a necessária mudança de escolha modal que implica abrir mão de seu
estilo de vida motorizado e de muitos dos seus hábitos de consumo.
Mas existe outra maneira de avaliar o quanto um ambiente é caminhável, mais
específica do que essa medida geral de atratividade do bairro. É aquela que avalia
a infraestrutura de circulação em termos da qualidade das calçadas, travessias, in-
teração com veículos e continuidade dos trajetos. Aqui a walkability encontra seu
símile bikeability – a medida que avalia a adequação do sistema viário para a circu-
lação de bicicletas – numa abordagem muito próxima da engenharia de tráfego, in-
corporando questões psicomotoras e de acessibilidade universal. Portanto, existem
duas caminhabilidades: uma macro (Tipo 1) e uma micro (Tipo 2).
Para o planejamento do acesso a estações de transporte, assim como a escolas,
estádios, hospitais e outros atratores urbanos, por exemplo, é preciso entender o com-
portamento das pessoas que já estão utilizando o modo a pé, ou seja, que já fizeram a
escolha modal favorável ao modo ativo de viagem. No entorno desses equipamen-
tos, bem como em projetos vinculados a estratégias de Desenvolvimento Urbano
Orientado ao Transporte Público – TOD, Transit Oriented Development – deve haver
80

preocupação com os chamados “viajantes cativos”, aqueles que fazem a mesma ca-
Efeitos da Arquitetura

minhada frequentemente. Para eles, a alcançabilidade dos equipamentos depende


fundamentalmente da qualidade do entorno enquanto suporte para rotas de acesso, e
a sua relação de satisfação com essas service areas23 pode ser representada por algumas
dimensões perceptivas: segurança, acessibilidade, atratividade, conforto e conveniência.24
Essas dimensões são construtos mentais determinadas por diversos fatores, incluin-
do a distância, as características individuais dos caminhantes, a forma urbana e os
dispositivos de segurança viária. Nos estudos e projetos da área existe fundamental-
mente preocupação com a segurança viária e não há menção específica à forma dos
edifícios, apenas a um genérico desenho urbano que, em alguns casos, é o padrão
configuracional das vias. Em outros são prescritas diretrizes como a “orientação sem
recuo dos edifícios em relação à rua” e “prioridade para usos comerciais e mistos”25
o que, de alguma maneira, é um estímulo às arquiteturas compactas e contínuas,
voltando a aproximar a caminhabilidade Tipo 2 do Tipo 1. Mas na maior parte dos
casos, essa caminhabilidade Tipo 2 se refere fundamentalmente ao “envoltório” do
pedestre, o ambiente de circulação que suporta a caminhada e que extrapola a sim-
ples massa edificada agregada: é o que se pode chamar de “textura” ou “acabamen-
to” urbano: as calçadas e seu pavimento, os dispositivos físicos de traffic calming, a
vegetação, o paisagismo, arte pública, iluminação, elementos de proteção ao clima
e o mobiliário urbano.
Em um recente estudo exploratório não publicado – “Fatores que afetam a
escolha de rotas em caminhadas de acesso ao transporte público” – realizado com
o objetivo de identificar fatores influentes sobre as decisões espaciais de viajantes a
pé, o objeto foram as caminhadas de acesso e regresso a estações de transporte em
Porto Alegre, investigando os critérios utilizados por caminhantes para escolher o
caminho entre a origem e o destino. Foi uma tentativa de extrair e sistematizar este
tipo de informação de base, praticamente inexistente em nossa literatura, com foco
nas características detalhadas da morfologia urbana.
O trabalho confirmou a hipótese trivial de que as pessoas preferem o “caminho
mínimo” – menor distância ou menor tempo de caminhada. Mas emergiram dois
grandes “metafatores” subjetivos constituídos por atributos da estrutura urbana, am-
bos relacionados à segurança pessoal do caminhante: o primeiro pode ser chamado de
“segurança da caminhada” e contempla o aspecto físico-motor da jornada e a relação
com o tráfego de veículos, se aproxima da caminhabilidade Tipo 2. Já o segundo – a
“segurança contra o crime” – está relacionado basicamente à animação dos espaços e
a consequente sensação de segurança garantida pela presença de atividades comerciais
e de pessoas, aproximando-se da caminhabilidade Tipo 1.
81

Do ponto de vista específico da morfologia arquitetônica, pouco foi detectado

3. Forma urbana e transporte a pé


no estudo. Em caminhadas repetitivas com motivo fixo e tempo rígido, as particu-
laridades da forma construída não se revelaram explicitamente. Porém, é possível
assumir que, em geral, a presença de pessoas, fator gerador de segurança contra o
crime, esteve associada à existência de atividades comerciais e esta a um arranjo
arquitetônico predominantemente contínuo e permeável.
Para avançar neste entendimento e, ao mesmo tempo, ampliar o conhecimento
sobre esse aspecto que permeia o debate da caminhabilidade e do uso das ruas de
modo geral – a “segurança” – desenvolvi outro estudo qualitativo (não publicado)
com pedestres e suas percepções ao caminhar. Voltarei a ele mais adiante, após dis-
cutir com um pouco mais de profundidade esse tema específico das rotas.
A rota – ou o caminho “por onde vão os pedestres” – é assunto ainda pouco ex-
plorado pela área da caminhabilidade. Dadas as condições globais “consagradas” para
o aumento das viagens a pé em uma área - alta densidade, padrão viário integrado
e mistura de usos terciários às residências – qual é a distribuição das caminhadas no
interior desta área? Uma rua com prédios alinhados de forma compacta e com lojas
no térreo é um lugar que atrai o pedestre, tanto como destino quanto como caminho
a percorrer. Por outro lado, uma avenida com edificações residenciais distantes da rua
cercadas por muros altos configura um ambiente com poucos destinos e, provavel-
mente, hostil à caminhada. Ambas podem estar presentes no mesmo bairro, conside-
rado genericamente como caminhável do Tipo 1. E, se ambas também apresentarem
calçadas largas, tráfego controlado e tratamento paisagístico que as enquadrem como
caminháveis do Tipo 2, restará apenas a diferença tipológica entre elas... Como cap-
turar essa distinção, explícita, porém quase invisível para as medidas tradicionais de
caminhabilidade? Do ponto de vista do efeito da forma sobre as decisões dos indiví-
duos – que, ao fim e ao cabo, vão se refletir em maior ou menor presença de pedestres
– o entendimento dos processos de escolha de rotas pode ser fundamental.
O estado-da-prática em termos de modelos e ferramentas de simulação de es-
colha de rota é ainda bastante convencional, pois a escolha dos pedestres supos-
tamente funciona de forma semelhante à dos modos motorizados: um motorista
escolhe seu trajeto em função dos “custos” que a sequência de trechos e intersecções
lhe impõem, buscando minimizá-los. Ou, aplicando diretamente a teoria da utili-
dade, ele busca maximizar a utilidade representada pelo percurso de menor custo.
Para um veículo, o custo (“atrito” ou “impedância”) pode ser, além do tempo ou
distância, o gasto com combustível, os pedágios, o desgaste do veículo etc. Para os
pedestres existe um custo universal que é a distância e, a partir daí, assume-se que
eles sempre escolhem o menor caminho.
82

Mas há evidências fortes da influência de outros fatores para compor o custo de


Efeitos da Arquitetura

uma viagem a pé, critérios particulares que fazem alguns pedestres (grupos ou ca-
tegorias de pedestres) optar por outro caminho que não o mais curto.26 A “retidão”
(directness, straightness) da rota é um deles, e se refere à sua complexidade em termos
de mudanças de direção. Outros fatores são número de travessias, níveis de poluição
e barulho e proteção ao clima. A chamada “qualidade cênica” do ambiente, que pode
de algum modo contemplar a arquitetura, é considerada muito importante para ca-
minhadas a lazer, mas com papel limitado ou nulo em viagens a trabalho.27 Às vezes
o “melhor caminho” pode ser influenciado por percepções como a beleza, seguran-
ça ou o conforto do ambiente.28 Ou seja, uma mistura de percepções, sensações e
fatores objetivos (com nenhum atributo eminentemente arquitetônico até aqui)...
A percepção de segurança, por exemplo, aparece em alguns modelos de escolha
de rota lado a lado com variáveis do próprio tráfego de pedestres como a densidade
de ocupação das calçadas. Além de pouco elegante, essa mistura – trazida da aborda-
gem rodoviária LOS (Level of Service / Nível de Serviço) – carrega uma contradição:
se é verdade que a presença de pessoas é um indicador de vitalidade urbana e, con-
sequentemente, fator positivo para a sensação de segurança, então a alta ocupação
das calçadas não pode ser tratada diretamente como “congestionamento”, ou seja,
como um custo a ser minimizado.
Meu segundo estudo visando fundamentar futuros modelos de escolha de rota
– “Explorando as viagens a pé: estrutura urbana e sensação de segurança” – teve,
portanto, dois objetivos principais: i) compreender o impacto da dimensão “se-
gurança” (contra o crime) para a realização de viagens a pé e ii) identificar e hie-
rarquizar elementos da morfologia arquitetônica que influenciam na sensação de
segurança. (De alguma maneira era preciso “enxergar” a arquitetura!) Os resultados
obtidos através de entrevistas e técnicas de “preferência declarada” indicaram que a
segurança pessoal é importante, porém não preponderante para a decisão de “por
onde ir”. Ela foi considerada mais relevante que a segurança viária, mas não supe-
rou o “esforço de viagem” representado pelo menor distância/tempo, a declividade
do terreno e, para os caminhantes regulares, a qualidade das calçadas.
Novamente a sensação de segurança ao caminhar apareceu profundamente
vinculada à “animação” dos espaços ou, como queremos, a indicadores de vitalidade
urbana: presença de pessoas e de alguma quantidade de movimento veicular, corro-
borando as teses de “vigilância natural” e “olhos da rua”.29 Outros fatores também
influenciaram a sensação de segurança, e aqui finalmente apareceu a morfologia ar-
quitetônica, representada por atributos simples como fechamento do lote, recuos, den-
sidade construída e permeabilidade, ou pelas relações entre a fachada edificada e a rua.
83

O fechamento do lote foi associado negativamente com a segurança quando

3. Forma urbana e transporte a pé


do tipo muro ou grade e positivamente quando do tipo “nenhum”. As tipologias
contínuas, sem recuos, foram associadas positivamente com a segurança, enquanto
prédios recuados e isolados da rua foram associados negativamente. A “alta densi-
dade” (representada pela altura dos edifícios) foi majoritariamente associada com a
segurança, mas houve citações negativas quando os edifícios altos apareceram com-
binados com tipologia “isolada”, ou seja, prédios altos alinhados em um conjunto
contínuo são vistos com menos desconfiança do que torres separadas entre si.
A segurança teve mais relevância para os indivíduos não caminhantes contu-
mazes do que para os caminhantes regulares. Isso indica que essa preocupação pa-
rece ser superestimada por aqueles que não realizam caminhadas regularmente.
O motivo pode estar na generalização da sensação de insegurança nas ruas brasilei-
ras, provavelmente maior do que a insegurança real, já que, ao menos neste estu-
do, não houve sequer uma citação de fatores relacionados ao aparato de segurança
propriamente dito. A presença de policiais, viaturas ou dispositivos de vigilância
não aparece entre os fatores espontaneamente citados. Enquanto os indivíduos
motorizados tenderam a ser mais “abstratos”, recorrendo a avaliações genéricas e
informações indiretas a respeito dos atributos dos lugares – noticiário, relatos e boa-
tos – quem caminha regularmente é mais “morfológico”, conferindo importância
central para os elementos concretos da sua experiência de caminhar e percebendo
com nitidez os detalhes da forma arquitetônica.

Morfologia arquitetônica e movimento pedestre


Encerrada – por enquanto – a aventura pelo mundo dos transportes e os mode-
los de escolha de rota, retorno agora aos estudos realizados com Netto e Saboya no
âmbito do projeto de pesquisa “Desempenho urbano e morfologia arquitetônica:
Relações entre predominância tipológica e a vitalidade social e microeconômica em
cidades brasileiras”. Aqui temos explicitamente a busca pelos “efeitos da arquitetu-
ra”, com um olhar específico à realidade brasileira e atenção ao que parece ser um
urgente problema local: a rarefação progressiva de partes do tecido urbano causado
pela crescente produção de tipologias arquitetônicas distantes da rua, cercadas por
muros e impermeáveis a atividades públicas. É uma espécie de “micro-sprawl”, um
espalhamento das formas e um aumento das distâncias na escala dos lotes e dos
edifícios, no âmbito intraurbano.
Há um viés “militante” em nossa agenda, como fica explícito na introdução
do artigo “Tipologias Edilícias e Vitalidade Urbana: um estudo de caso em Floria-
84

nópolis/SC” onde dizemos que a “...adoção cada vez mais proliferada de tipos arqui-
Efeitos da Arquitetura

tetônicos caracterizados por edificações isoladas no lote, com baixa permeabilidade


de acessos diretos à rua no nível térreo, grandes afastamentos laterais e frontais e
alta ocorrência de fachadas com baixa permeabilidade visual ou mesmo totalmente
cegas voltadas para os espaços públicos (...) envolvem: a) desestímulos ao desloca-
mento de pedestres e à apropriação dos espaços públicos adjacentes às edificações;
b) maiores taxas de motorização, com especial destaque para o automóvel; c) dimi-
nuição das densidades urbanas acompanhada do aumento das distâncias internas e
dos custos de deslocamento e infraestrutura; d) diluição da vida microeconômica
local; e e) aumento da violência urbana. Por outro lado, existe uma corrente que
sustenta que tipologias mais contínuas, permeáveis e mais próximas da rua teriam
o efeito oposto, incentivando a vitalidade microeconômica local, a apropriação dos
espaços públicos, a disposição de trocar o automóvel por meios de locomoção não
motorizados e até mesmo uma maior interação social.”30
Em nossos trabalhos em Florianópolis, Rio de janeiro e Porto Alegre partimos
da hipótese de que sim, a forma arquitetônica impacta a vitalidade – representada
pelo movimento de pedestres – e adotamos um tom crítico quanto ao tipo de ar-
quitetura mais ou menos adequada para gerar vitalidade.
Relato a seguir, de forma breve, os procedimentos e resultados da pesquisa
empírica realizada em Porto Alegre, seguindo a metodologia geral do projeto31 co-
letivo, especificamente a coleta e análise de dados da área da Rua José do Patrocínio,
que é parte do bairro Cidade Baixa, próximo ao Centro Histórico da cidade. Nessa
região, bastante antiga e consolidada em seus estoques construídos,32 o espalha-
mento das atividades comerciais (ao menos nos térreos) é quase total e existe a pre-
dominância do tipo edilício “B” (contínuo e permeável), com pequenos focos de
renovação tipológica seguindo o padrão do mercado imobiliário contemporâneo: o
tipo “A” (torre isolada e impermeável).
A primeira análise realizada foi buscar a correlação estatística entre os volumes
de MP (movimento pedestre) e as medidas agregadas da forma urbana (densidade
e acessibilidade das áreas) de modo a alinhar a investigação com os estudos de
caminhabilidade “Tipo 1”. Considerando a hipótese de mínima variação da aces-
sibilidade entre as áreas (mesmos valores de integração global) as grandezas de MP
correspondem aproximadamente à hierarquia de densidades brutas, ou seja, quanto
mais densidade na área, mais pedestres.
A seguir, os dados coletados receberam um tratamento estatístico ampliado, em
busca de relações específicas entre características da arquitetura e atividade pedes-
tre. Para a categoria dos usos, a área mostrou uma presença de atividades nos térreos
85

que atesta a grande mistura entre residências, comércio, serviços e “outros”. Exis-

3. Forma urbana e transporte a pé


tem muitos trechos (cerca de 25% do total) com nenhuma atividade residencial
no térreo. Por outro lado, o uso residencial dominou diversos trechos, indicando
que, mesmo em uma zona central como essa, existem ruas puramente residenciais,
mas não existem ruas totalmente comerciais. De qualquer maneira, a média geral
do índice de diversidade de atividades (que varia entre zero e um) foi superior a
0,7, confirmando o caráter de área com alta miscigenação de atividades nos térreos.
Para os pavimentos superiores, houve mudança neste quadro, com maior equilíbrio
entre atividades residenciais e as outras.
Com relação aos tipos arquitetônicos, a principal medida utilizada foi um índice
que indica, também em uma escala de zero a um, a proporção da presença de cada
um dos três tipos (“contínuo”, “isolado” e “híbrido”) em cada trecho. Os resultados
mostraram claramente o quão “na divisa” é construída a área, com cerca de 50%
dos trechos sendo totalmente ocupados com o tipo contínuo. Isso pode ser explica-
do em grande parte pelo fato de ela ser uma “velha” (a mais antiga das três em estu-
do), nas franjas do casco histórico da cidade. Também foi possível especular sobre
a idade da área simplesmente a partir das dimensões de lote, cujo padrão na área é
pequeno, e da média de altura das edificações, também baixa. Já o tipo “isolado”
teve baixa ocorrência, mas apresentou em alguns poucos trechos o valor máximo
(um, ou 100%), enquanto o tipo “híbrido” (base+torre) não passou de 50%. A
diversidade tipológica, calculada com a mesma lógica matemática da diversidade
de usos, é, portanto, pequena.
A continuidade do casco construído é dada pelo predomínio de pequenos afas-
tamentos e pelo alto índice de continuidade, que nada mais é do que o quociente
entre a largura do edifício e a largura do lote, variando entre zero e um. O valor
máximo “um” se repetiu 23 vezes, apontando para uma expressiva quantidade de
trechos (cerca de 20%) onde todas as edificações estão coladas umas as outras.
Com relação às densidades arquitetônicas, existem em média 12 economias por
lote, o que não faz a área exatamente muito densa. Também o índice de aproveita-
mento (que relaciona a área total construída da edificação com a área do terreno)
não é muito alto – aproximadamente 2,0, o que é coerente com o caráter de área
antiga e compacta, mas com relativamente pouca altura.
A permeabilidade dos edifícios em relação à rua, tanto do ponto de vista visu-
al quanto de acessibilidade, foi medida através de índices de densidade linear de
aberturas (o número médio de portas e janelas a cada metro do trecho) e médias
simples de número de portas e janelas por trecho. Existe cerca de uma porta a cada
cinco metros. Enquanto isso, as janelas “baixas” (até o quarto pavimento) têm um
86

índice próximo a 0,8 por metro linear e, considerando as janelas como um todo,
Efeitos da Arquitetura

quase precisamente uma janela por metro. Assim, a permeabilidade total é de 1,27
aberturas por metro. O número de vezes em que se repetiu o valor zero – indicando
quantos trechos são completamente “cegos” – foi baixo, caracterizando a área como
bastante “porosa”. Já o “índice garagem” – que significa o quanto os edifícios que
as têm predominam nos trechos – teve resultados abaixo de 0,1, coerente com o pa-
drão de prédios antigos e estreitos construídos antes da disseminação do automóvel,
sobre uma estrutura fundiária inadequada para a guarda de veículos. Repetiram-se
muitos trechos com valor “zero” (nenhum edifício com garagem) e o máximo ficou
abaixo dos 50%, o que é, ao menos em tese, positivo para a vitalidade.
O aprofundamento destes achados passou obrigatoriamente pela identificação
das correlações estatísticas entre todas as variáveis, através de uma matriz de correla-
ção. Ela permite, para além da simples identificação de associações como as já vistas,
a detecção do fenômeno da multicolinearidade em um banco de dados, ou seja, a
presença de diversas medidas diretamente relacionadas entre si. Isso influencia as
decisões relativas aos métodos estatísticos que podem e foram adotadas nas etapas
seguintes do trabalho, especificamente as regressões lineares múltiplas que serão apre-
sentadas adiante.
A matriz de correlação permitiu concluir que a área apresenta, grosso modo,
o comportamento esperado para as relações morfologia x “socialidade”: usos resi-
denciais, tipos isolados, afastamentos, garagens e falta de aberturas para a rua es-
tão negativamente correlacionados com MP, enquanto os usos comerciais, os tipos
compactos, a continuidade e a permeabilidade correlacionam positivamente com o
movimento pedestre. Foi pouco animador concluir que as relações específicas entre
o MP e os tipos arquitetônicos, especialmente o tipo “contínuo” não foram muito
fortes. Já os indivíduos estáticos (PE) apresentaram uma única correlação signifi-
cativa com os tipos arquitetônicos: a positiva com o Tipo C (híbrido). Isso pode
indicar uma adaptação de alguns dos novos produtos imobiliários para a inserção
em zonas antigas e compactas como essa, com mais atenção para o uso do térreo e
a permeabilidade.
Para investigar de forma conjunta a relação das variáveis morfológicas com a ati-
vidade pedestre, para além das correlações simples, a pesquisa utilizou técnicas de mo-
delagem por regressão, que consistem em interpretar ou prever uma ou mais variáveis
dependentes (resposta) por meio de uma ou de um conjunto de variáveis indepen-
dentes (preditoras). Esse é um dos caminhos quantitativos mais comuns em ciência e
tecnologia, onde a tradicional regressão linear múltipla (MLR) é bastante utilizada, e se
apoia na técnica matemática dos mínimos quadrados ordinários (OLS) que consiste em
87

construir um modelo que visa minimizar a soma dos quadrados dos resíduos (“erros”)

3. Forma urbana e transporte a pé


entre os dados coletados e estimados para definir os coeficientes da equação33.
O extrato final desses modelos mostra que a variação de comércio e serviços nos
térreos, a permeabilidade total (portas e janelas), o afastamento lateral e a integração
R3 (acessibilidade sintática local) respondem em conjunto por cerca de 41% da va-
riação do MP (ou seja, R2 = 0,41). Este resultado foi obtido com controle rigoroso
dos “p-valores” (significância estatística a 95%), da inflação de variância (VIF) e
da distribuição dos resíduos como recomenda a boa técnica. O modelo final com
apenas uma variável de ordem tipológica pode ser interpretado como reflexo das ca-
racterísticas da área: grande homogeneidade construtiva e uniformidade nas carac-
terísticas arquitetônicas, bem como na distribuição do MP. De qualquer maneira, a
presença do atributo “afastamento lateral” – com o sinal negativo indicando que, à
medida que ele diminui, aumenta a presença de pedestres – é um indício de acerto
nas hipóteses da pesquisa.
Em resumo, a interpretação dos seus resultados mostra, em ordem de grandeza,
as variáveis com coeficientes positivos:

• Comércio e serviços no térreo;


• Comércio e serviços nos pavimentos superiores;
• Densidade de portas;
• Densidade de economias (unidades comerciais e/ou residenciais).

E, com coeficientes negativos:

• Uso residencial no térreo;


• Índice de garagens.

Apesar de não apresentar maiores indícios da relevância das características emi-


nentemente tipológicas – os recuos – os resultados são bastante intuitivos e coe-
rentes com as hipóteses gerais da pesquisa: uso comercial, densidade arquitetônica e
permeabilidade dos edifícios são fatores de aumento da atividade pedestre, enquanto
uso residencial (no térreo) e presença de garagens são fatores de diminuição dessa
atividade.
88

Conclusões: uma aproximação


Efeitos da Arquitetura

A Vitalidade Urbana é uma característica “holística”, um todo urbano que des-


creve tanto o ambiente físico quanto as manifestações sociais que ali se desenrolam.
Uma área ou cidade com alta vitalidade apresenta tanto as condições – acessibilida-
de, densidade, usos ou em resumo, a estrutura urbana – quanto os sinais de ani-
mação e “sucesso” da dinâmica urbana: fluxos, uso e apropriação dos espaços por
pessoas de diversos tipos e estratos sociais. Ela contém as causas e os efeitos simul-
taneamente, sendo esses últimos detectados através de indicadores que, em nosso
projeto de pesquisa, foram chamados genericamente de “socialidade”. As relações
de causa e efeito entre forma arquitetônica e socialidade ficaram bem estabelecidas,
restando ainda especificar mais precisamente quais e em que medida esses efeitos
são diretamente causados pelas tipologias arquitetônicas.
Já a caminhabilidade é um conceito menos pretensioso, mais prático e opera-
cional: são as condições mais ou menos favoráveis do ambiente para caminhar, cujo
indicador é basicamente o volume de tráfego pedestre ou a proporção de caminha-
das no total de viagens. Propus neste artigo que existem duas caminhabilidades: a
agregada (Tipo 1), que trata das características “do bairro” que geram demanda, ou
seja, “botam gente na rua”, de uma forma pouco precisa em termos espaciais. E a
Caminhabilidade Tipo 2 (desagregada), que se refere às características das calçadas e
da paisagem dos trechos que distribuem essa demanda, ou seja, que “espalham gente
pelas ruas”, espacializando precisamente os volumes de pedestres no interior da área.
Portanto, com um pouco de coragem, podemos dizer que a Vitalidade “con-
tém” a Caminhabilidade Tipo 1, cujos volumes de pedestres agregados podem tal-
vez ser igualados ao nosso indicador de Sociabilidade: um somatório simples de
todas as pessoas na rua, tanto pedestres em movimento quanto estáticos e grupos
interagindo. Enquanto isso, a Caminhabilidade Tipo 2 “detalha” o ambiente de cir-
culação, contemplando as particularidades da tipologia arquitetônica. Neste caso, a
distribuição dos fluxos de pedestre em viagem no espaço talvez possa ser capturada
pelo nosso subindicador “MP” – pedestres em movimento.
A compreensão rigorosa desses conceitos e seu desdobramento na prática urba-
nística podem auxiliar na busca pela superação da crise da mobilidade das cidades,
especialmente no Brasil e, ao mesmo tempo, qualificar a experiência social nos es-
paços públicos. Para melhorar os ambientes urbanos, eliminando as deseconomias
e promovendo saúde e coesão social, não basta adotar novas tecnologias e políticas
inovadoras de transporte, mas também e, fundamentalmente, é preciso reorganizar
o espaço das cidades e modificar radicalmente seus paradigmas de urbanização em
89

favor dos modos ativos de deslocamento e da apropriação dos espaços públicos.

3. Forma urbana e transporte a pé


Este favorecimento significa não apenas ampliar a possibilidade de realizar viagens
a pé através da adoção do modelo de cidade compacta, densa, bem conectada e
miscigenada, mas também prover conforto, segurança e aprazibilidade às atividades
sociais e econômicas que se desenvolvem nas ruas.
Efeitos da Arquitetura
90
91

2. Fatores morfológicos da vitalidade urbana


PARTE II Polis e esfera pública:
as condições
urbanas da política
do cotidiano
Efeitos da Arquitetura
92
93

4. Utopia no cotidiano
4
Utopia no cotidiano:
espaço público,
desejo e fruição
na formação da cidade Thereza Carvalho

O texto que se segue trata de processos de configuração urbana à luz de dois


paradigmas – a cidade ideal e a cidade real. A cidade ideal, enquanto modelo espacial
de referência, gerou, ao longo dos últimos dois mil e quinhentos anos, uma grande
sequência de propostas, algumas materializadas, ora criticadas ora ratificadas. Começa
com Platão, desde então passando por vários outros defensores da idéia, incluindo Tho-
mas Morus, com sua Utopia, e chegando ao modernismo no século XX. Da mesma for-
ma, os defensores da cidade real realçaram a diversidade e a troca entre diferentes como
inerentes à Polis, constituindo estímulo à evolução humana. A multiplicidade de pers-
pectivas assim delineadas tem em Aristóteles o formulador do modelo original e chega,
até a atualidade, com destaque para a geógrafa Doreen Massey, gerando, igualmente,
variadas propostas, perspectivas analíticas, contestações e rebatimentos territoriais.
Ambos os paradigmas, enquanto modeladores de cidades, marcam profun-
damente os processos de configuração urbana tanto nas tipologias arquitetônicas,
quanto nos elementos urbanos articuladores, quanto nas nossas relações pessoais e
cotidianas com esses espaços. Entenda-se por relações pessoais as nossas práticas de
ocupação e uso do solo, de produção de trechos da cidade, de consumo dos espaços
assim configurados, na apropriação dos espaços públicos da cidade.
A idéia é iluminar as repercussões espaciais que ambas disparam, as quais co-
nosco se entrelaçam no cotidiano de nossas vidas.

O espaço público, o público e o poder público:


ideais de cidade e utopias no cotidiano

O tema do espaço público remete ao debate sobre o papel do poder público na


gestão e na regulação dos usos e de apropriações da cidade consideradas aceitáveis
94

ou não, desejáveis ou não. O tema da responsabilidade pública sobre o território


Efeitos da Arquitetura

é permeado de diferentes concepções do que seja ideal de cidade boa para se viver,
portanto, do que seja interesse público para uma dada coletividade, em um dado
tempo. Reconhecer a sociedade como multicultural, nas histórias e perspectivas
que distinguem os vários coletivos que a compõem, alimenta, potencialmente, no-
vas visões de futuro para a cidade.
A percepção dessas múltiplas perspectivas – materializadas em distintas práti-
cas e formas de apropriação espacial, em diferentes tempos sedimentados, inter-
-relacionados em diferentes dimensões e escalas – favorece o reconhecimento de
distintos processos de configuração urbana. A esses múltiplos processos correspon-
dem diferentes visões sobre beleza, prazer e fruição que espaços públicos de variadas
naturezas, com distintas qualidades, em certas condições, podem oferecer.
Dessa condição de análise emergem outras possibilidades de leitura espacial,
diferentes dos conteúdos estático, inerte, fechado e de representação com os quais
aquela forma urbana é frequentemente associada. Apropriar à leitura espacial, e à
sua representação, os conteúdos vivido, relacional, múltiplo, heterogêneo, constitui
o desafio. Seus resultados, na medida em que consigam gerar evidências dos bene-
fícios de se reconhecer e aceitar o “outro” nas suas diferenças, podem repercutir
positivamente sobre a geração de novas políticas públicas, não reducionistas, não
homogeneizantes, não banalizadoras. O propósito libertador justifica o esforço.
A interação da cidade com seus habitantes construiu ao longo do tempo um
patrimônio de múltiplas facetas historicamente associado à noção de identidade,
de paisagem, de imagem de cidade e, portanto, de pertencimento. Nessas circuns-
tâncias, a degradação ambiental visível na paisagem urbana de tantas cidades é per-
cebida, também, como imagem e identidade, desqualificadoras, ampliando as desi-
gualdades já existentes, impactando tanto a qualidade quanto a quantidade, ou seja
a expectativa de vida e de bem estar dos cidadãos, ao mesmo tempo que penaliza,
significativamente mais, os mais pobres, os mais frágeis e os mais desinformados.
As dificuldades em garantir ao público o efetivo acesso aos atributos que distin-
guem, historicamente, a cidade como objeto de desejo transformam a expectativa
de fruição em frustração. Essa transmutação é potencialmente geradora de reações
de intensidades variadas e crescentes, se nada for feito para alterar esse cenário.
As manifestações sociais recentes, fruto de grandes mobilizações em várias cidades
brasileiras, ilustram este ponto.
Tecidas essas considerações iniciais, percebe-se a “utopia” no cotidiano refleti-
da nas nossas respectivas formas, individuais e coletivas, de nos apropriarmos da
cidade, do espaço público, na busca da felicidade. Essas apropriações rebatem-se
95

nas práticas socioespaciais que criamos para essas finalidades, agregam significados

4. Utopia no cotidiano
que, somados, nos revelam enquanto público, nas nossas diferenças e afinidades,
constroem diferentes ideais de cidade, ao longo do caminho das felicidades possíveis.

Cidade e utopia: forma, função, desejo e fruição

O princípio da utopia consiste em circunscrever um lugar que não existe em nenhuma


outra parte: trata-se de delimitar e modular um espaço no qual e com o qual uma comu-
nidade vai viver segundo regras novas... trata-se de fato de uma ruptura com o mundo
circundante, de um desligamento espacial.1

A definição de utopia do filósofo francês poderia aplicar-se à boa parte das trans-
formações urbanas que compõem a paisagem de tantas cidades, nas últimas décadas
– ainda que vulgarizada pela reprodução em série de um mesmo modelo espacial.
A utopia da “nova maneira de morar” na cidade e, ao mesmo tempo, fora dela sob
a forma de condomínios fechados, circunscritos, espacialmente desligados do
“mundo circundante”, deste estão “protegidos” por barreiras físicas e por “regras
novas” de uso. Sob regulação privada e, portanto, estranhas ao âmbito público do
qual pertencem, nesses casos, como paisagem, oferecem como privilégio identitário
e fator de atração a ruptura, o afastamento, o temor ao “outro”, mal percebido e
pior imaginado.
Esse desligamento espacial leva ao rompimento da relação essencial com o tempo que
sem chão nem território vira fluxo contínuo, sem espacialidade, anônimo, invisível na
paisagem. Paquot atribui o divórcio do “casal fetiche” da filosofia grega – espaço e tempo
– à pressão do progresso tecnológico e formula a pergunta que uma vez percebida não se
quer mais calada: “como tomar o pulso de um território que não se percorre mais a pé?”2
O caminhar define a velocidade do percurso no espaço e no tempo compatível com
a nossa percepção. Como compreender seus significados, a sua dinâmica de uso, as
possibilidades de fruição, o seu potencial de atração, as possibilidades de encontro
para a descoberta do outro – e de si no outro – onde não mais se caminha?
Gregory Claeys, cientista político inglês que escreveu e organizou inúmeros li-
vros sobre o tema, incluindo The Utopia Reader (1999), The Cambridge Companion
to Utopian Literature (2010), e Utopia: a história de uma ideia (2013), considera,
diferente de Paquot, um desafio “fornecer uma definição utilizável de utopia”3. Para
enfrentá-lo, propõe estreitar a extensão do uso do termo “utopia” e assim preservar
a sua aplicabilidade. Com este propósito, elege alguns atributos associando os temas
da felicidade e da utopia. Destaca: “um sistema de leis mais coletivista”, “maneiras
96

e consentimentos mútuos possibilitam uma comunidade muito mais feliz e bem


Efeitos da Arquitetura

ordenada”, “elementos de sociabilidade são também elementos constitutivos da fe-


licidade individual”, “as pessoas ficam felizes por integrarem uma vizinhança, por
pertencerem ao público, assim como por serem (terem a possibilidade de escolha)
separadas dele”. O autor toma a igualdade como dogma social central, definidor dos
propósitos utópicos e realça o papel da utopia – “reforçar o senso de coletividade e
oferecer segurança em um mundo incerto” e, assim fazendo, alinha-se com a propos-
ta da isonomia, fundamento original na criação da Polis grega.4
O reconhecimento da busca da felicidade como sentido da vida enquanto ne-
cessidade humana, quando não se impõe como evidência – que não mais se percebe
como alegria e objeto de prazer e fruição – passaria despercebido e desperdiçado. A
indiferença resultante nos diz respeito – não ao outro, mas a nós mesmos e a tudo
que nos importa.
A indiferença como condição de vida é pobre, banal e banalizadora – mata o
que vê por não reconhecer diferenças. Como tendência, a banalização destrói da
paisagem o que nos distingue, do território o que nos representa, e destrói as pos-
sibilidades de prazer e fruição que o cultivo dessas diferenças ainda nos traz onde e
quando àquela resistimos. E que distintas consequências a submissão e a resistência
à indiferença trazem às nossas cidades no presente? E que futuro anunciam?

Espaço, cidade e representação


O conceito de espaço é, para muitos, abstrato, sem conteúdo e sempre unifor-
me. A codificação euclidiana, tratando do espaço como forma mental, fenômeno
físico e lógica abstrata, teria exaurido o tema. Outras contribuições ao entendimen-
to do espaço pensaram outras geometrias, relacionais, que serviram ao avanço da
ciência com Einstein e outros que lhe seguiram. No entanto, a geometria euclidiana
perdurou como forma de linguagem espacial de representação do espaço físico talvez
porque, segundo Barda, “o espaço físico que as pessoas conhecem não é sensivel-
mente diferente daquele estruturado em termos euclidianos”.5
Para alguns teóricos da Arquitetura Modernista (Giedion, Le Corbusier, Nor-
berg-Schultz, Gropius),6 o espaço é concreto, estático, inerte, sem simultaneidades
nem contradições. Tem limites claramente definidos – interno e externo, abertura
e fechamento, ocupação e paisagem, figura e fundo. A homogeneidade garante
conforto (menos esforço de adaptar-se a mudanças?) assim como a premissa, em
Barda, da suposta equivalência entre espaço e representações.
Esse conforto, no entanto, gera graves distorções. Aceitar o retrato e o objeto
retratado como iguais e de mesma natureza, a linguagem e o descrito como único
97

conteúdo possível, é negar heranças e negligenciar importante aspecto do presen-

4. Utopia no cotidiano
te – múltiplos agentes fazem uso da mesma linguagem e lhe agregam distintos
valores e conteúdos correspondentes às suas histórias, às suas visões de mundo.
Obliterar a percepção da multiplicidade e da simultaneidade reforça as dominân-
cias, ajuda a encobrir as relações de poder embutidas naquela suposta identida-
de. Doreen Massey diz que resistir requer reconhecer o espaço como o produto
de inter-relações, como a esfera da possibilidade da multiplicidade, esta enten-
dida como a pluralidade contemporânea. A multiplicidade e o espaço são, por-
tanto, co-constitutivos. A cidade é, assim, produto em andamento de inter-rela-
ções, embutidas em práticas socioeconômicas que se materializam espacialmente
em diferentes escalas, sempre em processo de construção. É, com Massey, “espa-
ço de resultados imprevisíveis e de ligações ausentes” mas em formação, sempre
presentes.7

Polis e utopia
Para o filósofo Pierre Ansay e o sociólogo René Schoonbrodt, a cidade é vista
como o berço da filosofia, do pensar a si próprio nas suas relações com o outro,
com o Estado, com o espaço e com o mundo circundante.8 A cidade politicamente
produzida é, ao mesmo tempo, nesta categoria, frágil desde a sua criação na medida
em que é dependente de acordos “vivos”, praticados na vida cotidiana. A cidade,
enquanto arranjo espacial, e o pacto social entendido como domínio público, se
rebatem um no outro e exigem a alimentação permanente da nossa atenção, expe-
riência e reflexão.
Vários filósofos pensaram a cidade. Para Hannah Arendt, é a memória orga-
nizada da guerra de Tróia que permite a criação de um verdadeiro espaço político
público, a cidade – é pacto e é espaço físico – a Polis enquanto arranjo espacial
concreto. De novo o tempo da memória em um dado espaço, tempos herdados
vividos no espaço onde aqueles múltiplos grupos, culturalmente definidos pelas
suas diferenças, se reinventavam.
Na origem, na cidade, a igualdade e a liberdade eram quase idênticas. Arendt
explica o conceito de liberdade que emerge da Cidade-Estado Grega a partir do
pacto-polis.9 Como organização política, a cidade-pacto garantia aos cidadãos o
direito de viver fora da relação hierárquica de autoridade governante-governado. A
cidade era, então, o local da isonomia e não da democracia. A palavra democracia
expressa outro conceito que a cidade não refletia, outra relação de poder – a domi-
nação da maioria. Igualdade, isonomia e liberdade constituíam atributos exclusivos
da cidade, na sua origem, filhas de um pacto que somente a cidade materializava.
98

A partir dessa herança genética,10 Arendt ratifica – a Polis é o espaço do re-


Efeitos da Arquitetura

conhecimento mútuo. A cidade seria, assim, o espaço e o tempo da convenção,


do acordo que garante a isonomia e, nessa condição, a demonstração de uma
outra racionalidade possível, totalmente distinta da herança tribal e das relações
hierárquicas de privilégio por direito de nascença. Aristóteles afirma o papel ci-
vilizatório da Polis, da forma e dos meios de convívio que ela proporciona e, em
cujo âmbito (a esfera pública), se dá a evolução do sentimento de justiça e dos
valores éticos. Aristóteles enfatiza ainda a diversidade e as modalidades organi-
zacionais do viver em comunidade (formas de governo) que a preserve e, nessa
condição, opôs-se frontalmente a Platão, que temia as diferenças como potencial-
mente geradoras de violência e de mudanças. Platão privilegiava a unidade sobre
a divisão, a ordem hegemônica e “pura” sobre a opinião, que associava sempre à
ambições egoístas – pensar exigia se distanciar das opiniões e da diversidade que
representam, para atingir a objetividade essencial, imutável, guia e regra de todo
o pensamento e de toda a ação. Platão formula uma utopia de cidade, de econo-
mia e de governo totalitário, elitista e segregador. Para Aristóteles, “segui-lo seria
a ruína da cidade”.
Alguns séculos mais tarde, outra dupla de filósofos, Agostinho de Hippone e
Tomás de Aquino, retomam e reproduzem as duas visões dicotômicas de cidade: a
utopia platônica da “ordem acima de todos” e a contra-utopia aristotélica de “todos
valem a pena”. Propõem duas linhas igualmente opostas de pensamento sobre cida-
de, sociedade e estado e, até certo ponto, fazem a ponte para os tempos modernos
ocidentais, onde, e quando, a mesma discussão se repete e é explicitada nos textos
de Arendt. Essa, por sua vez, inspira Jane Jacobs na sua crítica ao totalitarismo
embutido na utopia modernista e na arquitetura e no urbanismo que lhe materia-
lizaram os princípios de ordem hegemônica.
Se uma linha do tempo fosse feita sobre o tema das utopias, o século XVI,
com o Renascimento, apareceria reforçando a credibilidade da Utopia como
artifício para repensar o seu espaço e o seu tempo. Naquele contexto, a arte
antecipava-se à arquitetura e modelava “a cidade ideal” na pintura de uma praça
de proporções fartas e harmoniosas, atributos de beleza utópicos, considerado
o seu contexto de geração – uma morfologia bem distinta da cidade medieval
(Figura 4.1).
99

4. Utopia no cotidiano
.
Figura 4.1. Espaços da ‘cidade ideal’ na Renascença. (Fonte: Wikimedia Commons,
Walters Art Museum em Baltimore.)

Diferentes versões da cidade ideal foram feitas e atribuídas a diferentes artis-


tas da época. Vale destacar a significativa diferença percebida nos elementos que
compõem duas dessas representações de espaços públicos. Ambos apresentam pré-
dios de arquitetura requintada e monumental ladeando a praça, mas só um mostra
pessoas na tela, caminhando. Embora singela – a presença do público no espaço
público – essa diferença faz toda a diferença, considerados os antecedentes genéticos
aqui mencionados.
T. Sieber identificou alguns pressupostos que apoiam as duas visões dicotô-
micas.11 Considerou a praça um bom indicador de “aspectos fundamentais da
qualidade da vida urbana e do caráter da cidade”, e abordou a questão do espaço
público a partir das diferenças entre as tradições antropológicas norte-americana,
na qual foi formado, e as do sul da Europa. No primeiro caso, as rejeições e
preconceitos contra o público e a favor do privado parecem constituir tendência
nacional. No segundo caso, na urbanização mediterrânea, a tendência que pre-
domina é ver os espaços públicos de forma positiva, como lugares de interação e
sociabilidade desejáveis.
Ao mapear o preconceito contra espaços públicos subjacente à visão norte-
-americana e, portanto, às análises urbanas e aos projetos arquitetônicos e urbanís-
ticos ali produzidos e em produção, divulgados mundialmente, Sieber ilumina um
aspecto importante da frequentemente citada projeção ideológica da “fase terminal
100

da cidade”. É o fim para os mesmos, ou seja, para aqueles que desde o século XIX,
Efeitos da Arquitetura

com a industrialização, a aceleração crescente da urbanização e os estragos am-


bientais, urbanos e humanos que a caracterizaram, cercaram a própria afluência
separando-a da cidade onde essas riquezas foram geradas, por barreiras físicas, seja
de muros, grades ou “cinturões verdes”. Para esses, a cidade, o público, o espaço
público, já foram condenados há muito tempo.

Forma, memória e imaginário na configuração da cidade e da vitali-


dade: Rio de Janeiro, São Paulo e Taguatinga

Narciso acha feio tudo o que não é espelho.


Caetano Veloso

São recorrentes as versões da história contemporânea que relegam outros pro-


cessos em andamento, que também fazem história, ao esquecimento. Privilegian-
do uma visão hegemônica, desconsideram a existência de uma multiplicidade de
outros “agentes” – portanto, de suas heranças, perspectivas, potencial criativo, que
também tecem, simultaneamente, suas vidas no espaço da cidade (Massey, 2006).
O reconhecimento da multiplicidade e da simultaneidade desses vários agentes,
tempos e espaços, entretecidos na configuração da cidade é fundamental para a
formulação de políticas públicas que prestigiem os patrimônios que os distinguem.
A valorização dos percursos de preferência, das centralidades de diferentes hierar-
quias – preservando fluxos e práticas que materializam essas coletividades no espaço
– alimenta e preserva a diversidade que atrai o olhar e favorece a agregação de usos,
de escalas de naturezas variadas, de espaço, de tempo e de negócios, e consolidação
de diferentes padrões espaciais de ocupação.
Aqui, cabe explicitar o que se quer dizer com aquelas diferentes escalas citadas,
todas interrelacionadas. Tanto as lojas de confecção grandes e pequenas, as redes de
supermercado e farmácia, quanto o armarinho, o chaveiro e o sapateiro, são todos
igualmente imprescindíveis para a vitalidade urbana local, para a manutenção da
vida cotidiana. Esses usos e suas formas de apropriação espacial se inserem mais
facilmente em espaços onde a morfologia é diversificada, tanto nas tipologias das
edificações e larguras de vias quanto nos tempos sedimentados nos parâmetros de
ocupação que refletem e, por relação de consequência, no reconhecimento e valori-
zação que recebem. A Figura 4.2 mostra margens da Praça Largo do Machado, no
Rio de Janeiro, com diferentes apropriações socioespaciais de permanência, e suas
101

relações com os usos dos pavimentos térreos dos prédios situados nas ruas que lhe

4. Utopia no cotidiano
fazem moldura.

Figura 4.2.
Largo do Machado,
Rio de Janeiro.
(Fonte: Frederico
de Holanda.)

Assim, também se beneficiam dessa diversidade as lojas de grife, as butiques


temáticas ou as excepcionalidades requintadíssimas. Entenda-se excepcionalidade
aqui como atributo físico, morfológico, social, econômico ou ambiental que dis-
tingue um determinado trecho urbano. A arquitetura notável de um prédio, igreja
ou escola, por exemplo, ilustraria o conceito. A valorização do conjunto se dá na
integração com diversidade ao contrário da proposta de shoppings, homogeneizante
e indiferente aos patrimônios da cidade em que se inserem.
A vitalidade é aqui entendida como, ao mesmo tempo, produto e indutora da
ação das forças de atração e agregação, e possibilidades de consolidação e valorização,
que o espaço público e a esfera pública, em diferentes circunstâncias, estimulam,
permitem, toleram ou rejeitam. Reitera-se a afinidade do conceito de vitalidade com
102

o espaço e a forma urbana enquanto esfera de possibilidades de multiplicidades/plu-


Efeitos da Arquitetura

ralidade onde coexistem distintas trajetórias, em permanente inter-relação.


Portanto, para efeito da abordagem aqui adotada, o espaço não é um repositó-
rio de identidades herdadas, já constituídas e legitimadas pela narrativa dominante,
não é um palimpsesto de camadas ordenadas, mas sim o seu canteiro de obras.
A transição entre diferentes escalas – físicas, temporais e sociais, envolvendo
diferentes portes de atividades e negócios – é outro importante atributo da rique-
za morfológica de determinados tecidos urbanos. Entenda-se escala de negócios
como definida pela concentração de capital, independente do tamanho físico.
A Av. Paulista, em São Paulo, é um bom exemplo de iniciativas cumulativas de
diferentes indivíduos e coletividades que se somam para a boa qualidade da mor-
fologia e da vitalidade urbana do conjunto (Figura 4.3). Os pavimentos térreos
dos prédios das margens da Paulista foram apropriados para comércios e serviços,
de diferentes naturezas, com variados níveis de organização e de concentração de
informações e de capital. Oferecem produtos e serviços, entre caixas eletrônicos,
comércio, espaços públicos, galerias de arte e museus – enfim: do requintado a
custo zero, como o Itaú Cultural, ao MASP, com descontos variados, ao varejo
dirigido a diferentes nichos do mercado a preços correspondentes. E o conjunto
serve à cidade e ao público, nas formas e funções que revelam.

Figura 4.3. Av. Paulista, na cidade de São Paulo. (Fonte: Frederico de Holanda.)
103

No entanto, na mesma cidade, e não muito longe da Avenida Paulista, a

4. Utopia no cotidiano
Avenida Berrini mostra desenho urbano e padrões espaciais de ocupação das
margens do eixo bem distintos. Indiferente ao espaço onde se insere e a todos
que nele transitam. A Av. Berrini só trata dos propósitos para os quais foi pro-
jetada, originalmente, isto é, no passado. Refratária a mudanças, essa avenida
rejeita, portanto, outras perspectivas de futuro que as pressões no presente sina-
lizariam. Grades e guaritas recusam relação com pedestres e anulam o potencial
de atração e agregação do novo, do imprevisto, de novas ligações não plane-
jadas, que distinguem e alimentam o outro eixo aqui citado, a Av. Paulista,
até hoje.
Políticas públicas de desenvolvimento urbano, em muitos casos, incorrem no
mesmo erro – consideram o espaço homogêneo, inerte, abstrato e, enfim, irrele-
vante. Excluí-lo do processo de planejamento e da concepção da política denuncia
a indiferença às diferenças que fazem parte da riqueza do território ao qual supos-
tamente se destinam. Então a que e a quem servem?
O espaço entendido como dinamicamente sedimentado, ou seja, apropriado e
interagindo com diferentes usos manifestos em diferentes práticas materiais de va-
riados grupos de indivíduos culturalmente distintos, quando adequadamente lidas,
na sua multiplicidade, proporciona outras perspectivas de desenvolvimento mais
facilmente apreendidas e difundidas. Os espaços e equipamentos públicos benefi-
ciados pelo “Corredor Cultural”, programa municipal de valorização do centro do
Rio de Janeiro na sua diversidade morfológica, social, econômica e cultural, ilustram o
argumento. As repercussões são inclusivas e visíveis, na atualidade.
Por outro lado, em Brasília, DF, a intenção de espelhar um futuro desejado
definiu uma admirada vitrine para os bem nutridos, bem empregados, bem rela-
cionados e empurrou para fora do cenário visível e das possibilidades de vida que
oferecia aqueles que ainda não tinham atingido o mencionado “estágio de desen-
volvimento”. O preconceito consolidou a exclusão e o oportunismo fez o restante.
Cabe reconhecer o papel peculiar de atributos de natureza institucional em
contextos de formação de centralidades e eixos estruturadores em espaços não
planejados. Taguatinga, cidade satélite de Brasília, ilustra este aspecto. A permis-
são para variados padrões de uso e ocupação em oposição à rigidez das normas de
ocupação do Plano Piloto foi o atributo da cidade-satélite de Taguatinga que mais
atraiu a instalação de empresas e negócios em seu perímetro, transformando-a de
cidade-satélite em cidade-mercado. O famoso relógio de Taguatinga, artefato
que distinguiu esta cidade satélite, foi reconhecido como ícone e, junto com a
“Praça do relógio”, servem até hoje de importantes atratores para a ocupação
104

multiuso e prestigiosa nas ruas que lhe definem o


Efeitos da Arquitetura

perímetro (Figura 4.4).


Seguiu o destino traçado pela sua genética de
origem, enquanto cidade-satélite extraída “a fór-
ceps” de um programa de governo que não lhe con-
templava. Livre de normas e condicionantes de uso
que caracterizavam a ocupação da capital federal,
redefiniu sua sina, para ela tudo convergiu, em tor-
no dela tem se agrupado grande número de pessoas,
iniciativas e intenções. Seus habitantes moldaram,
nas interações com o território, novas identidades
cuja coerência e racionalidade têm, na sobrevivên-
cia, o seu mote. Não refletem, necessariamente, uma
visão coletiva de futuro, mas certamente garantiram
algum futuro para aquele coletivo de pessoas.​ Figura 4.4. A “praça do relógio”
Essa singularidade regulatória, da leniência, é em Taguatinga. (Fonte: Autora)
muitas vezes atribuída, exclusivamente, a processos
de formação de ‘assentamentos espontâneos’, da condição regulatória de ilegalida-
de, da precariedade ambiental e urbana, enfim, de desserviço à cidade. No entanto,
pesquisa realizada posteriormente em Lisboa, 2008-2009, em tecidos urbanos de
formação medieval, revelou aspectos muito semelhantes dessa questão, nos propó-
sitos, nas formas de ocupação, no reconhecimento mútuo, com maior variação nos
ritmos de mudança.

O perceptível e o simbólico: categorias analíticas adotadas


no estudo de caso de Lisboa

O conjunto de categorias analíticas aqui aplicado emerge, como método de


leitura, de sucessivas avaliações de desempenho ao longo de três décadas de um
grande número de edificações projetadas, todas originalmente monofuncionais. A
dinâmica de transformação desses largos trechos urbanos, constatada em trabalhos
de campo realizados para diferentes propósitos, mostrou mudanças de usos, com
outras funcionalidades, nos pavimentos térreos. Sob certas condições, essas mudan-
ças atraíram e agregaram mais atividades similares ou diferentes e complementares,
e consolidaram-se. A observação dessa dinâmica permitiu a identificação de etapas
e de forças de configuração. Trechos urbanos produzidos integralmente por deci-
sões individuais e coletivas acumuladas no tempo foram igualmente analisados.
105

A aplicação do método em tecido urbano medieval europeu permitiu o seu

4. Utopia no cotidiano
“teste de resistência”. Lisboa pareceu, portanto, apresentar as condições poten-
ciais para confirmar essa expectativa. Permitiu também o desdobramento das
categorias analíticas. Longos períodos de tempo emboçados na arquitetura da
cidade mostraram não alterar a natureza das etapas e nem das forças constatadas
anteriormente.

Preliminares
Entre os espaços públicos e os usos e usuários percebidos estabelecem-se pa-
drões socioespaciais e relações funcionais. Esses padrões e relações acumulados no
tempo, em cmadas, sedimentam-se de maneira dinâmica. Não são passivamente
sobrepostos, mas sim interagem, velhos usos, seus antigos padrões socioespaciais,
com novos usos, sedimentam-se, dinamicamente. Essas relações são aqui entendi-
das como complementares entre si e correspondem a distintas funcionalidades do
espaço, e de seus atributos. Definem seis dimensões qualitativas, a saber: morfo-
lógica, institucional, econômica, social e cultural, da natureza (geomorfológica) e
de acessibilidade. O princípio da complementaridade entre essas funcionalidades
manifesta-se, espacialmente, na dinâmica urbana, nas redes de relações funcionais
que se formam “entretecendo” espaços públicos e as vidas dos habitantes da cidade
que desses fazem uso. Essas relações e padrões espaciais podem refletir uma ou mais
das dimensões citadas, manifestas em camadas de tempos distintos.
A teia de relações de interação e troca emerge de tensões disparadas por alguma
singularidade cujo potencial de atração, em qualquer das dimensões anteriormen-
te mencionadas, é reconhecido. A percepção dessa singularidade atrativa induz à
formação de novos padrões relacionais espaciais na morfologia da cidade em quatro
fases distintas que se sucedem, ciclicamente, disparadas por quatro forças de confi-
guração. Essas forças e fases de configuração são a atração, a agregação, a consolida-
ção e a valorização identitária.

Propósitos
Dois propósitos orientaram este estudo de caso. O primeiro foi, a partir de ob-
servações, referências explicativas e relatos sobre a morfogênese do lugar entendido
como repositório de uma enorme quantidade de atributos, identificar e analisar
as relações funcionais que estes estabelecem entre si e com a cidade. O segundo
propósito foi identificar, igualmente, fases do processo de sedimentação dos espa-
ços e distintos padrões espaciais persistentes. Pode-se considerar que o processo de
sedimentação dos tecidos urbanos confere aos espaços públicos atributos que os
106

distinguem e caracterizam, assim como, também, contribui para que estes resistam
Efeitos da Arquitetura

a situações desqualificadoras. Estes atributos reportam-se à relação entre as suas


qualidades formais, simbólicas e também à relação do espaço com o tecido onde
se inserem.
Os rebatimentos das interrelações observadas no território apresentaram dis-
tintos padrões espaciais associados à singularidade. Atração do olhar, agregação de
usos, consolidação das formas de ocupação e valorização do conjunto resultante –
quando essa rede de espaços se mostrou prestigiada em seu conjunto; banalização,
segregação, fragmentação e desvalorização quando este não foi o caso.

Resultados do trabalho de campo


O papel articulador que espaços públicos parecem exercer,12 na formação de cen-
tralidades em trecho selecionado em Lisboa, mostrou diferentes ritmos de mudança e
apontou a multiplicidade e a simultaneidade de agentes. Essas mudanças sedimentaram e
ainda tecem relações distintas de tempo e espaço, com diferentes usos e usuári4os, no eixo
de seiscentos anos selecionado para este capítulo. Eixos estruturadores, praças e largos que
pontuam os percursos escolhidos foram analisados, incluindo espaços planejados recen-
temente e, também, remanescentes de procedimentos de configuração urbana de outros
tempos. Trechos tirados do diário de campo ilustram, como veremos abaixo, algumas das
mudanças e dos ritmos distintos analisados.
O percurso escolhido liga o Largo do Rato ao Cais do Sodré. O método de
leitura adotado no trabalho de análise morfológica focou a dinâmica de mudanças
na configuração urbana do trecho selecionado. Os resultados ilustram a força de
atração agregadora que o referido eixo tem exercido desde a sua configuração inicial,
no século XIV, enquanto estrada que margeava a muralha de defesa da cidade de
Lisboa. As múltiplas apropriações das margens daquele trecho da estrutura urba-
na da cidade, cumulativas na dimensão espaço-tempo, por sua vez, ilustram as
forças de consolidação e valorização que o reconhecimento mútuo sustenta e favorece.
A figura 4.5 ilustra algumas das sucessivas formas de ocupação que marcaram o seu
percurso desde o século XIV.
O referido eixo, originalmente, constituía o caminho que ligava um dos poucos
trechos planos da região, singularidade geomorfológica onde um poço abastecia
como fonte de água um convento e sua quinta, ao cais onde navios aportavam com
suas mercadorias e comércio, constituindo este fato uma singularidade também em
termos econômicos e geopolíticos. Essas singularidades juntas alimentavam o cami-
nho, reforçando-o como percurso estruturador.13 Seu traçado margeava a muralha
de defesa da cidade e para ele se abriam portas de acesso à cidade protegida, onde se
107

pagavam impostos ao rei sobre qualquer comércio realizado. Na área externa logo

4. Utopia no cotidiano
junto às portas, impostos não eram, contudo, cobrados. Essas áreas delimitadas pelo
vazio dos portões da cidade beneficiavam-se dos fluxos de pessoas que acessavam a
cidade murada. Os espaços naquele percurso, contemplados por essa singularidade
de origem, foram mantidos como espaços públicos importantes e consolidaram-se,
ao longo dos seiscentos anos, em praças de comércio variado nos padrões espaciais
de usos das suas margens, com equipamentos públicos importantes. Reforçam a
atração do Largo do Rato o prédio dos Correios, a Policlínica, cafés de esplanada e
ouros comércios, assim como as dimensões alargadas da caixa da rua que contorna
o largo que antes abrigou o poço de água, e que na atualidade permite aos ônibus e,
anteriormente, aos bondes, fazerem a volta para retornarem ao cais. O espaço para
o giro de um veículo motorizado pode parecer trivial à primeira vista, mas não é no
caso de Lisboa, dada a topografia muito acidentada da cidade.

1. Largo do Rato
2. Rua da Escola Politécnica
3. Largo de São Mamede
4. Jardim do Príncipe Real
5. Rua D. Pedro V
6. Mirador de Alcântara
7. Rua entre o Mirador e São Roque
8. Igreja de São Roque
9a. Largo do Carmo
9. Passeio Largo
10. Praça Camões e Largo das Duas Igrejas
11. Largo do Eça
12. Rua do Alecrim
13. Praça do Duque de Terceira
e Cais do Sodré

Figura 4.5. Largo do Rato ao Cais do Sodré, na cidade de Lisboa, Portugal.


(Fonte: Thereza Carvalho e Aline Santos.)
108

Descendo até o rio Tejo, as praças que marcam o percurso mais parecem
Efeitos da Arquitetura

janelas da rua no sentido de que se constituem em áreas de renovação e frequen-


temente de contemplação, em alguns casos reforçada pela feição geomorfológica
que as distingue. A valorização desses espaços, aqui entendida como imagem po-
sitiva socialmente reconhecida como prestigiosa, parece acontecer em função da
maior ou menor nobreza das práticas materializadas cumulativamente ao longo
daquele caminho. A nobreza é anunciada pelo requinte dos serviços e produ-
tos que ainda são oferecidos, nas mesmas edificações, seja o jardim vizinho ao
convento, e ao Instituto do Vinho do Porto, a preciosa biblioteca da Escola de
Engenharia, as lojas de tapetes orientais, e outros bons produtos, tudo ainda vivo
na economia do bairro e da cidade. A força de atração do eixo tem, portanto,
a forma e o volume da Cerca14 como matriz e as funções econômicas e práticas
sociais a essas associadas como nutriz. Alimentam pela raiz genética e irrigam
com fluxos de pessoas, mercadorias e recursos. Não por acaso os prédios públicos
situam-se à margem esquerda (descendo para o rio) apoiados na memória – e na
massa física – da Cerca.

Diferentes situações, semelhanças na lógica espacial

Processo de configuração semelhante, enquanto lógica espacial de arti-


culação, foi observado nas transformações de tecidos urbanos planejados e,
também, na configuração morfológica de assentamentos dita espontânea. No
primeiro caso, ilustram o argumento as transformações cumulativas nas formas
de apropriação espacial praticadas na cidade-satélite de Taguatinga, vizinha à
Brasília, DF, já citada neste capítulo.15 Também consistentes com a mesma ló-
gica espacial são as transformações urbanas praticadas no conjunto habitacional
de interesse social Cidade Alta, em Cordovil, Rio de Janeiro. No segundo caso,
os assentamentos de Rio das Pedras e Rocinha ilustram o processo de configu-
ração morfológica espontânea, que neste caso quer dizer praticada por múltiplos
indivíduos, cumulativamente.16 A Figura 4.6 mostra as mudanças no traçado dos
acessos e nas formas de apropriação dos pavimentos térreos do conjunto habi-
tacional Cidade Alta, redefinindo o eixo principal de acesso a partir de fatores
atratores não considerados originalmente no projeto. Os dois fatores atratores
consistiam no único trecho plano da gleba ao fim da borda esquerda do projeto,
em um extremo do percurso e no outro a parada de ônibus na Av. Brasil, mais
próxima ao conjunto habitacional. O terreno plano foi apropriado para o jogo
de futebol, atraindo jogadores e observadores, agregando um boteco (barzinho)
109

4. Utopia no cotidiano

Figura 4.6. Cidade Alta, Rio de Janeiro: mudanças no traçado dos acessos (do centro para a
borda inferior), mudanças nas formas de apropriação e usos do solo dos pavimentos térreos ao
longo do novo eixo. (Fonte: Autora)

e uma igreja. A tensão entre esses dois pontos alimentou o percurso com fluxo
de pedestres inusitado para aquela localização, agregando novos usos. Vinte e
duas lojas de comércio instalaram-se nos pavimentos térreos dos vários prédios
ao longo do caminho, transformando-o em eixo mais relevante durante os pri-
110

meiros sete anos de vida do conjunto Cidade Alta. A Praça da Associação no


Efeitos da Arquitetura

aglomerado de Rio das Pedras, também no Rio de Janeiro, mostra-se um fator


de atração para a diversidade de usos que marcam o seu perímetro.
Ao longo da evolução desses aglomerados populacionais, distintos usos e for-
mas de apropriação geraram distintos padrões espaciais, os quais foram sucessiva-
mente revisados e aperfeiçoados. Os casos aqui citados são consistentes com três
dos mandamentos que Frederico de Holanda formula, os de número quatro, cinco
e sete: “(4) entender a arquitetura como possibilidades e restrições; (5) ler na ar-
quitetura igualdades e desigualdades sociais e, finalmente, (7) cuidar da ordem sem
descuidar da desordem”.17
As percepções dos conteúdos associados ao espaço público, consideradas as
forças predominantes de configuração permanente observadas nos vários locais até
aqui comentados, apontam para distintas dinâmicas espaciais. Expansão, contração,
recriação, seja por decisão de projeto, seja pela permissão conformada a novos usos
não regulamentados, sem alteração de perímetro, foram algumas das tendências
observadas.
Os diferentes significados ou interpretações atribuídos a alguns desses espaços
e suas tendências convergem para distintas projeções de desejos, ideais de cidades,
seja do observador, do promotor, do autor, do financiador – enfim, de um ou mais
dentre os vários ‘atores’ que a taxionomia do planejamento designa, relacionados
direta ou indiretamente com o seu processo de produção, criação e gestão. Todos
em conjunto contribuem para ‘conformar’ (vale dizer, também, constranger) as
nossas projeções de cidade, objeto de desejos – independentes da realidade que
efetivamente vivenciamos em nosso cotidiano.
As representações ‘oficiais’ ou hegemônicas do espaço físico, uma vez “domes-
ticado”, transformam-se em modelos de referência para a sua reprodução para fins
turísticos. Originalmente objetos de atração ao prazer da descoberta, do “novo”
portanto diverso, passam a se constituir produtos replicáveis a partir de modelos
espaciais que possam ser ‘usufruídos sem conflitos’.
Por outro lado, a mudança de escala parece constituir fator importante que distin-
gue a atual abordagem do Poder Público. A visibilidade das intervenções de grandes
proporções, afetas aos espaços públicos, sinaliza ao público o “brilho” pretendido.
Essa linha de atuação, que se caracteriza por seu maior porte físico e financeiro, des-
considera a natureza complementar da rede de espaços públicos e das inter-relações
simbólicas que estabelecem com o nosso imaginário, funcionais com outros pontos da
cidade e, quando assim se lhes permite ser e fazer, com as nossas escolhas cotidianas.
O almejado prestígio e brilho que as novas e monumentais intervenções urbanas
111

parecem almejar, visível a longa distância, até mundial, atende a novos propósitos,

4. Utopia no cotidiano
bem distintos da imagem e da identidade do espaço público afetado, e do seu públi-
co original. Repercute sobre os valores culturalmente definidos ou atribuídos pelo
“mercado” e empresta um “novo visual” que tem como cliente um novo observador
– o olhar estrangeiro. A pretensão desse olhar estrangeiro para os espaços públicos
transformados provoca efeitos conflitantes na comunicação/ orientação/ interpreta-
ção para nós, público. Atrai a projeção, por sobreposição, de diferentes culturas e,
portanto, de diferentes códigos referenciais de leitura, ou mapas mentais, ao mesmo
tempo que fragmenta as relações que anteriormente existiam.

Conclusões preliminares de um trabalho em andamento:


condicionantes e recomendações para o futuro do passado
no presente

a. A modernização de um dado espaço público pode matar a vitalidade que


abriga e a centralidade que conquistou. A vitalidade é configurada a partir de
forças de atração e agregação que certas funções e atributos físicos que marcam
o território exercem. Essas forças e funções precisam ser consideradas, enquan-
to formadoras de território, como patrimônio do local. A omissão tem custo.
b. As relações de atração e agregação exercidas por aquele espaço que, ao mesmo
tempo, apoiam e resultam em vitalidade, definem certo grau de centralidade.
Uma vez alteradas nas suas causalidades, aquelas forças e a vitalidade resultante
se perdem. Projetos de modernização de conteúdo predominantemente estéti-
co/ arquitetônico frequentemente omitem as demais dimensões que um dado
espaço público representa e apresenta. Mudanças no contexto de origem, ou
seja, nos vetores que configuraram um dado território e que teriam gerado as
mencionadas forças de polarização e agregação, têm rebatimentos territoriais
impactantes penalizando as construções sociais que ali se materializaram, as-
sim como, também, os recursos públicos investidos na dita “modernização”.
c. A mencionada vitalidade, causa e consequência da centralidade, é, tam-
bém, observada como decorrente da maior ou menor singularidade atrativa
das funções que suas margens abrigam, comparadas às demais funções que
regiões adjacentes apresentam.
d. O próprio conceito de espaço público depende da noção de poder público
que o governo municipal aplica (que compromissos considera seus) e que
as suas intervenções no território refletem, a começar pelo ordenamento
territorial. O propósito da coerência territorial entendida como a conver-
112

gência das várias políticas públicas no território, testadas quanto à compa-


Efeitos da Arquitetura

tibilidade e consistência, apresenta-se nessas circunstâncias como caminho


para a redução dos desperdícios decorrentes dessas sucessivas moderniza-
ções que parecem frequentemente extinguir, mais do que renovar, usos e
significados consolidados.
e. A apropriação desses espaços para outros usos, inclusive moradia por gru-
pos de excluídos, aparece como “solução espontânea”, constituindo mais
uma forma de reconfiguração, , ainda que desqualificada pelo restante da
sociedade. Essas outras apropriações, contudo, não parecem diminuir com
a insistência do Poder Público em investir recursos na recuperação ou mo-
dernização física pontual desses espaços. Essas intervenções, quando negli-
genciam o conjunto das relações que ‘teciam a trama’ do espaço público
com os usos e atividades desenvolvidas nas margens que um dia o defini-
ram, desconsideram a vitalidade que o distinguiu e, ao mesmo tempo, o
patamar de atração que um dia tiveram na cidade. Desconsideram, tam-
bém, o papel que cada praça exerce como fatores atratores na configuração
de uma rede de percursos na cidade.
f. O espaço público, enquanto espaço singular, tem, na liberdade de escolha e
na gratuidade do acesso, suas duas principais condições de atração e agrega-
ção. Sua existência, uma vez atendidas essas condições, responderia a neces-
sidades humanas básicas de espaços de convívio e de usos variados, para livre
expressão criativa, para valorização e reconhecimento da identidade coletiva
positiva e prestigiosa. Essa hierarquização das necessidades humanas, formu-
lada por Maslow em 1954, foi resgatada na década de 90 em diferentes con-
textos como diretriz para o desenvolvimento urbano sustentável e, portanto,
como fundamentação para variados projetos de “regeneração urbana”.18 A
sobrevivência da praça, do espaço reconhecidamente público e do papel do
poder público na sua gestão é, portanto, questão de valor estratégico.
g. Os impactos negativos de mudanças nos espaços públicos, locais de con-
vívio, não são avaliados. Não são considerados em grande parte devido à
predominância do enfoque paisagístico e do pressuposto modernizante,
ambos responsáveis pela redução do escopo das intervenções e eliminação
da possibilidade de conflitos. Os propósitos da recuperação do “verde” e da
oferta de equipamentos de recreação explicam, mas não justificam a abor-
dagem pontual da ação do Poder Público.
h. A presença do poder público pode ser excessiva em certos casos, assim
113

como a presença excessiva de áreas privadas ou privatizadas. No primeiro

4. Utopia no cotidiano
caso, pode indicar a possibilidade de dependência econômica do Estado,
exclusão do “mercado”, falta de escolha, todas opções estigmatizantes. No
segundo caso, o excesso de áreas privadas ou privatizadas pode indicar a
fragilidade do poder de atuação do Estado naquele território.
i. Constituem atributos importantes a serem considerados os tamanhos de
lote, quarteirões, calçadas e ruas, e os usos ali estabelecidos por uma po-
pulação que sofre, aparentemente, perdas mais do que ganhos de opor-
tunidades de contatos, de mercado, de empregos, de convivência e de
identidade, com algumas dessas “modernizações”. Perdas em muitos casos
irreparáveis.

A vitalidade urbana é, assim, ao mesmo tempo, causa e efeito na formação de


diferentes níveis de centralidade. A centralidade é sinalizada pela diversidade de
funções que abrigam, os serviços que oferecem e pela identidade que conquistam
por essas características que, em certas circunstâncias, são marcadas positivamente
pelo prestígio reconhecido. Singularidades em algum momento atraíram a fruição
e o desejo de observadores, o convívio social espontâneo assim como, também, em
sequência, o comércio que atraiu mais convívio, que agregou mais atividades, que
atraiu a cultura, que atraiu mais convívio, em distintas camadas de tempo, consoli-
daram-se em uma centralidade emergente. O termo singularidade é adotado, neste
capítulo, para designar o que é relativo a um único, e que não é vulgar, é especial,
diferente, raro, notável.
O nível de vitalidade que, para efeito deste artigo, entende-se como decorrente
da capacidade atrativa e agregadora de um espaço, mostrou-se resultante dos atributos
anteriormente mencionados neste capítulo. Dentre esses certamente estão incluídos a
acessibilidade que um certo desenho urbano possibilita aqui compreendendo a trama
viária, o tamanho dos lotes em volta, e o tipo e a escala de funções que eles possibilitam e
agregam, assim como a mobilidade que a disponibilidade de transporte público permite.
O parcelamento do solo ao longo ou em volta do espaço público, seja rua ou praça, mais
particularmente o tamanho do lote, impactam diretamente o potencial de usos que se
verificarão ao longo das suas margens.
Outros atributos que tratam da qualidade plástica dos espaços públicos,
e das suas margens, reforçam o potencial de atração agregadora de mútiplas fun-
-cionalidades e conteúdos simbólicos conquistados. Juntamente com os demais
atributos citados ao longo deste capítulo, alimentam as etapas de consolida-
114

ção e valorização que se sucedem à cada nova agregação, reforçando as pers


Efeitos da Arquitetura

perspectivas de futuro dos espaços públicos e dos processos de configuração


morfológica que, até hoje, tem lhes garantido vitalidade relevante em nossas
cidades.
115

5. Lugares públicos
5
Lugares públicos:
atravessamentos
entre espaços livres
e edificados, públicos
e privados Eugenio Queiroga

Introdução

A partir da crise capitalista no centro do sistema, deflagrada em 2008, retoma-


-se com força a discussão sobre esfera pública e seus espaços de manifestação. Parece
que se deixou para trás, finalmente, os apologistas do “fim da história” ou os pessi-
mistas do “fim do homem público”.
Neste capítulo discorre-se conceitualmente sobre relações e distinções entre
esfera pública, espaços públicos e espaços livres, permitindo propor uma catego-
ria de interpretação da urbanização contemporânea: o lugar público. Em seguida,
com base em amplos estudos sobre sistemas de espaços livres – SEL – em capitais
e em algumas cidades médias brasileiras, realizados pela Rede Nacional de Pesquisa
QUAPÁ-SEL, coordenada pelo Lab QUAPÁ da FAU-USP,1 discute-se a presença e
importância dos lugares públicos em formas urbanas tradicionais – da escala da rua
aos bairros e áreas centrais, bem como a existência de tais lugares mesmo diante da
urbanização fragmentada, nas áreas de urbanização espraiada de baixas densidades,
nos espaços da nova verticalização e nas periferias metropolitanas.
Tomando-se estudos de casos de importantes cidades brasileiras, tem-se claro
que a esfera pública e os espaços onde ela ocorre vêm se alterando fortemente
desde a reestruturação produtiva iniciada nos anos 1970, da redemocratização do
País (anos 1980) e da diminuição sensível da ainda enorme desigualdade social
verificada no Brasil a partir de 2003. Os impactos negativos na esfera pública da
urbanização fragmentada contemporânea brasileira não impõem ao porvir uma
trajetória de inexorável declínio da esfera pública e ascensão da esfera privada, o
futuro (felizmente) não está determinado.
116

Relações e distinções entre esfera pública, espaços públicos


Efeitos da Arquitetura

e espaços livres

Segundo Arendt2 à esfera pública correspondem as ações políticas da vida pú-


blica. Em esforço de historicização da categoria arendtiana para o período moder-
no, Habermas (1984, p. 69) afirma que:

[...] o tema da esfera pública moderna em comparação com a antiga, deslocou-se das
tarefas propriamente políticas de uma comunidade de cidadãos agindo em conjunto
(jurisdição no plano interno, autoafirmação perante o plano externo) para as tarefas
mais propriamente civis de uma sociedade que debate publicamente (para garantir a
troca de mercadorias). A tarefa política da esfera pública burguesa é a regulamentação
da sociedade civil. [...]

Na contemporaneidade, a visão habermasiana sobre a esfera pública se amplia.


A consideração do cotidiano, desde a Teoria da Ação Comunicativa,3 possibilita in-
ferir relações entre as esferas do cotidiano e a esfera pública. Em trabalhos do século
XXI Habermas4 apresenta importante distinção entre dois tipos de esfera pública:
uma esfera pública de caráter geral, denominada pelo filósofo de “espaço público”
e uma esfera pública de caráter mais estrito, denominada “esfera pública política”,
ou “espaço público político”.
Evitando confundir conceitos de esfera pública com os de espaço público, tão
fundamentais para as áreas de Urbanismo, Paisagismo e Planejamento Urbano,
propõe-se aqui considerar:

• esfera pública política ou estrita; segundo a visão habermasiana, é o


domínio do debate público (político, filosófico, científico e artístico);
• esfera pública geral, como toda a vida em público, de maneira ampla,
incluindo as manifestações em espaços de acesso e visibilidade públicos,
sejam eles propriedades públicas ou privadas, inclusive considerando
as apropriações públicas de meios virtuais para o estabelecimento da
comunicação pública.5 A esfera pública geral não se opõe à esfera pública
política; pode-se dizer que quanto mais intensa e diversa é a esfera pública
geral, mais se potencializa a esfera pública política;
• espaço público, todos os espaços de propriedade pública, desde os desti-
nados ao uso comum do povo, próprios à esfera pública, até as proprieda-
117

des públicas inadequadas para tal, casos de diversos bens de uso especial

5. Lugares públicos
(creches, penitenciárias, hospitais, reservas biológicas, estações ecológicas
etc.) e de uso dominical.

Quanto aos espaços livres, adota-se a definição de Miranda Magnoli,6 ou seja,


considera-se espaço livre todo espaço livre de edificação (na escala do tecido urba-
no), ou livre de urbanização (na escala regional). São espaços livres tanto as ruas
quanto os campos e as florestas, os quintais e as praças, rios e mares, entre tantos
outros.
Desta maneira não se deve limitar a discussão dos sistemas de espaços livres aos
sistemas de áreas verdes, aos parques e jardins. Pode-se afirmar que toda cidade pos-
sui um sistema de espaços livres, o que não significa dizer que tal sistema é mais ou
menos adequado à esfera pública, ou à mobilidade urbana, ou que seu desempenho
ambiental contribui para a drenagem, ou a mitigação de impactos. Desse modo,
o sistema viário, o sistema de áreas verdes, o sistema de espaços de convívio e lazer
público e o sistema de áreas de conservação ambiental são apenas subsistemas do
SEL, que inclui também o conjunto de espaços livres em propriedades privadas.
As categorias acima se relacionam de várias maneiras; considerá-las sinônimas
diminui a compreensão da dialética espacial e a possibilidade de agir propositiva-
mente sobre sistemas de espaços correlacionados (públicos, de interesse público, li-
vres, de interesse ambiental etc.). O sistema conceitual proposto permite contribuir
para interpretações e proposições mais amplas, não limitadas a propostas setoriais e
parcelares, tais como as que só veem o sistema viário pelo viés dos transportes, não
reconhecendo as ruas como espaço de convívio público, ou os sistemas de áreas de
conservação ambiental que limitam fortemente a apropriação humana das Áreas de
Preservação Permanente (APPs) urbanas etc.
As ações da esfera de vida pública não se limitam aos espaços de propriedade
pública. Espaços públicos – livres ou edificados – podem apresentar interesse públi-
co sem necessariamente se prestarem à vida pública (creches, pré-escolas, Reservas
Biológicas etc.). Espaços de propriedade privada podem, eventualmente, apresentar
apropriações públicas, no âmbito da esfera pública geral, tais como botequins, sho-
pping centres, terrenos vazios apropriados informalmente para campos de futebol,
entre outros, ou ainda apresentar interesse público não diretamente ligados à esfera
pública, como as Reservas Particulares de Proteção Natural – RPPNs.
Propõe-se, portanto, um sistema teórico-conceitual sobre relações entre espa-
ços e dimensões públicas, permitindo uma aproximação mais adequada à realidade
concreta, reconhecendo o temporário, o híbrido, como ensinou Milton Santos7, e a
118

complexidade, como enfatiza Morin8. Evita-se a rigidez classificatória – biunívoca,


Efeitos da Arquitetura

sem se abrir mão do rigor teórico-conceitual.

Lugar público: uma categoria de interpretação da urbanização con-


temporânea

Segundo Milton Santos9 o lugar é funcionalização do mundo, é subespaço


onde o tempo empiricizado entra como condição de possibilidade e o sistema de
objetos preexistentes – materialidade e forma espacial – se apresenta como condi-
ção de oportunidade. O lugar não tem existência própria, é apenas abstração se
considerado fora do espaço total.
O lugar é o subespaço da copresença e do acontecer solidário, não em sentido
ético ou emocional, mas enquanto dimensão espacial da cotidianidade; trata-se da
solidariedade necessária para a realização de tarefas comuns, ainda que o projeto
dos diferentes agentes seja distinto.10 Milton Santos11 classificou o “acontecer soli-
dário” em homólogo, complementar e hierárquico. Na escala local, o acontecer so-
lidário homólogo ou complementar é o do cotidiano compartido mediante regras
formuladas no lugar (horizontalidade), permitindo a generalização da informação.
Por outro lado, o acontecer solidário hierarquizado estabelece um cotidiano impos-
to de fora (verticalidade), comandado por informação privilegiada. Dessa maneira,
as diferentes formas de solidariedade estabelecem a dialética no e do lugar. O terri-
tório se constitui simultaneamente por lugares contínuos (horizontalidades) e por
lugares em rede (verticalidades). São os mesmos lugares que formam redes (espaços
de alguns) e o espaço banal, de todos.
O lugar é, portanto, um híbrido, singularidade e totalidade que contém e é
contido pelo global. No lugar – um cotidiano compartido entre as mais diversas
pessoas, firmas e instituições – cooperação e conflito são a base da vida em comum.
Porque cada qual exerce uma ação própria, a vida social se individualiza; e porque a
contiguidade é criadora de comunhão, a política se territorializa, com o confronto
entre organização e espontaneidade. O lugar é o quadro de uma referência prag-
mática ao mundo, do qual lhe vêm solicitações e ordens precisas de ações condi-
cionadas, mas é também o teatro insubstituível das paixões humanas, responsáveis,
através da ação comunicativa, pelas mais diversas manifestações da espontaneidade
e da criatividade (Santos, 1996, p. 258).
Se a cidade se produz entre a estabilidade de fixos e a dinâmica dos fluxos, o
lugar, segundo Ferrara “[...] corresponde ao eixo dos fluxos e supõe, portanto, uma
instabilidade que prevê cisões e imprevistos que indiciam o jeito de ser de uma
119

cidade e do cotidiano que escreve a história dos instáveis sentidos dos lugares”

5. Lugares públicos
(2003, p. 125).
Considera-se “lugar público” todo aquele em que se estabelece a esfera públi-
ca – geral ou estrita, independentemente de se tratar de propriedade(s) pública(s)
ou privada(s). O lugar público se estabelece com frequência combinando es-
paços tanto de propriedade privada quanto pública.12 O lugar público permite
compreender relações entre espaços e vida pública onde e quando ela ocorre,
não se limitando à questão jurídica da propriedade. Com essa proposição evita-
se a polissemia referente à expressão “espaço público”, podendo-se “reduzir”
este último, para efeitos da prática urbanística, paisagística e do planejamento
urbano, ao espaço de propriedade pública. Permitem-se proposições sobre as
práticas espaciais da esfera pública e sua complexidade temporal sem prejuízo
para o ordenamento jurídico que requer delimitações e definições de caráter ope-
racional. Um espaço pode se prestar diacronicamente à esfera pública ou privada,
ou comportar situações híbridas – da vida privada e pública – sem que isso im-
plique o direito da propriedade.
Inúmeras propriedades públicas podem não se constituir em lugares públicos
conforme conceituado acima. Uma usina nuclear ou um aterro sanitário, por exem-
plo, podem ser propriedades públicas, mas não se constituem em espaços da esfera
de vida pública, portanto, não são lugares públicos.
Todo lugar público é, ainda que episodicamente, subespaço da esfera pública,
mas nem todas as ações da esfera pública se manifestam nos lugares públicos. A
internet é meio não espacial que se presta tanto à esfera pública quanto à privada.
Outras ações da esfera pública podem se realizar em redes mais complexas, envol-
vendo meios virtuais e reais não contíguos, tais como as manifestações de junho de
2013 realizadas em mais de uma centena de cidades brasileiras.
É o sistema de ações de caráter público que confere ao lugar sua denotação enquanto
lugar público. As ações na esfera pública podem superar obstáculos, sejam de natureza
físico-material, jurídico-social ou cultural-ideológica. O desempenho da forma urbana
para tais ações não pode ser entendido como elemento determinante, mas tem-se claro
que as qualidades morfométricas, estéticas e ambientais dos sistemas de objetos apre-
sentam relações com o sistema de ações, facilitando ou dificultando a vida pública.
Se o lugar é o espaço da copresença, o lugar público se constitui enquanto
espacialidade da esfera pública em situação copresencial. Se o lugar é espaço da
resistência às ordens globais, os lugares públicos são, por sua potencialidade política
e visibilidade/publicidade, os subespaços em que tais resistências mais claramente
se manifestam.
120

Ao discutir relações e distinções entre espaço público e espaço coletivo, M.


Efeitos da Arquitetura

Solà-Morales considera o espaço público como propriedade administrativa e apre-


senta o espaço coletivo como local misto, ou mesmo privado, mas cuja importância
é ser apropriado livre e coletivamente.

[...] a cidade é precisamente o lugar onde o particular pode ser – e amiúde é – social:
tanto ou mais que o público, a boa cidade é aquela em que os edifícios particulares –
sobretudo os bons edifícios – têm valores sociais que os extrapolam, e nisso, está seu
modo de ser urbanos. Os palacetes do Passeio de Gracia ou as lojas da Calle Fernando
foram feitos urbanos além de sua privacidade imobiliária – como são as fachadas dos
bulevares de Paris e as entradas dos grandes arranha-céus nova-iorquinos. (Solà-Mora-
les, 2001, p. 106)

Sem dúvida, tais espaços coletivos se incluem no conceito de lugar público aqui
proposto. Opta-se, no entanto, pela não adoção da terminologia solà-moralesiana
a fim de reforçar a dimensão pública do espaço e sua relação com a esfera pública.

Formas urbanas tradicionais e lugares públicos

No período atual da urbanização, a maior parte dos tecidos das cidades e metró-
poles brasileiras ainda é constituída pela estrutura tradicional de ruas, quadras e lotes,
por mais que se estabeleça o avanço dos grandes empreendimentos de acesso restrito –
loteamentos fechados, condomínios fechados, centros empresariais etc. Os logradouros
públicos e seu entorno, bem como os bairros e áreas centrais por eles formados, ainda se
constituem nos lugares públicos mais frequentes das cidades brasileiras.

Logradouros públicos
Ruas, praças, largos e avenidas constituem a estrutura fundamental dos tecidos
urbanos tradicionais. Logradouros públicos são bens de uso comum do povo. In-
teressa discorrer sobre eles enquanto espaços complexos, mistos, híbridos, quando
se encontram em forte relação com o espaço lindeiro, constituindo – logradouro e
entorno – um lugar público.
Os principais fatores urbanísticos que potencializam logradouro e entorno
como lugar público são:

• a multifuncionalidade, que, como Jane Jacobs13 pioneiramente demons-


trou na década de 1960, permite maior número de pessoas com diferen-
121

tes interesses circulando pelas ruas, tornando-as mais seguras e ricas em

5. Lugares públicos
(com)vivências;
• o número de acessos diretos entre o logradouro e os edifícios lindeiros, que,
como a teoria da sintaxe espacial já sugeriu,14 é elemento potencial da in-
teração pública. De pouco adianta uma grande quadra apresentar múltiplas
funções (habitação, comércio e serviços) se houver poucos acessos diretos das
ruas a ela;
• as relações morfológicas capazes de criar sensação de aproximação e envol-
vimento entre o espaço livre público e os espaços edificados. Evidentemente
tais relações são engendradas histórica e culturalmente, mas incluem compo-
nentes físicos objetivos que podem dificultar, concretamente, a sensação de
proximidade, tais como a presença de muros altos, ou mesmo uma Área de
Preservação Permanente (APP) densamente florestada.

Tais fatores se correlacionam e podem se associar a aspectos de natureza históri-


co-cultural capazes de criar símbolos de centralidade, pertencimento e identidade.
Sem dúvida, será mais forte o lugar público capaz de melhor acolher para o con-
vívio a heterogeneidade de grupos sociais (ser público) sem perder sua identidade
(ser lugar).
Os subespaços costumeiramente que melhor simbolizam as cidades são lugares
públicos, sejam as praças da Igreja Matriz em inúmeras pequenas e médias cidades
brasileiras, sejam as praças tidas como “marco zero” em grandes cidades, sejam as
praças cívicas em capitais de médio ou grande porte, sejam grandes avenidas em
áreas centrais ou de “centros expandidos” de capitais ou grandes cidades, ou mes-
mo praias urbanas, com seus calçadões, avenidas beira-mar e edifícios lindeiros.
Isolar qualquer dos espaços livres públicos citados acima dos edifícios lindeiros
e das funções que eles abrigam é exercício de abstração que apenas empobrece a
leitura de tais espaços. A riqueza das interações entre as ações que se estabelecem
nos espaços livres e edificados, públicos e privados deixa claro tratar-se de fronteiras
e não de limites entre eles. Como fronteiras, são espaços de troca, mais do que espa-
ços de separação. São esses atributos que tornam os lugares públicos mais diversos,
ricos e complexos.
Os lugares públicos de maior expressão simbólica são os preferidos para as ma-
nifestações políticas em sentido estrito, bem como para as grandes comemorações,
sejam elas festas religiosas, de passagem de ano, conquistas eleitorais ou de campe-
onatos de futebol.
122

Tome-se, por exemplo, as avenidas Paulista e Rio Branco em São Paulo e Rio
Efeitos da Arquitetura

de Janeiro, respectivamente, e, por outro lado, o Eixo Monumental e a Av. Joaquim


Teotônio Segurado, em Brasília e Palmas. Todos importantes espaços funcionais e
simbólicos, originados de projetos urbanísticos claros; porém, mesmo guardadas as
escalas das referidas capitais, observa-se uma riqueza de apropriações públicas mui-
to maior nos casos paulistano e carioca, que brasiliense e palmense. Em boa parte,
isso decorre da maior diversidade funcional das edificações do entorno imediato e
da maior densidade e proximidade entre edifícios e os passeios públicos (morfolo-
gia urbana tradicional versus moderna).

Bairros excepcionais e banais


O logradouro e entorno como lugar de convívio público se realiza em qualquer
escala urbana – vizinhança, bairro, cidade e metrópole, em diferentes momentos,
do cotidiano ao evento público de maior proporção. Há vários bairros que, por
série de circunstâncias, reúnem estabelecimentos comerciais que estimulam o con-
vívio público. São lugares de produção cultural; valorizam-se, transformam-se e
põem em risco as produções originais e o cotidiano que as engendraram.
Alguns exemplos: a Ilha das Caieiras em Vitória, com suas desfiadeiras de siri e
culinária digna de tombamento nacional; os morros de samba – da Mangueira no
Rio de Janeiro, ao Morro da Cruz em Florianópolis; a Vila Madalena em São Pau-
lo, com seus cortiços quase invisíveis, prédios luxuosos, escola de samba, brechós,
restaurantes de todos os tipos; o elegante bairro Savassi em Belo Horizonte, com
seus apartamentos de alto padrão, botecos e movimentos musicais; as ladeiras do
Pelourinho em Salvador ou em Olinda (Figura 5.1), onde a dinâmica do turismo
expulsa moradores pobres, mas a cultura dialeticamente resiste e se transforma. São
lugares densos, multifuncionais, plurais, de trocas comunicacionais, onde o con-
vívio público envolve formas tradicionais de sistemas de espaços livres e conjuntos
edificados, de propriedades públicas e privadas (de acesso público).
Mesmo bairros comuns de residências unifamiliares, onde as pessoas se encon-
tram ocasionalmente em ruas e praças, podem ser considerados como lugar públi-
co. Ali, idosos, bebês e babás passeiam pela manhã, trabalhadores se encontram ao
final do dia em bares, em academias ou para simples caminhadas pelas ruas, jovens
jogam bola no asfalto ou nas praças. Evidentemente tais bairros, incontáveis no
país, não se prestam apenas para a realização da esfera pública geral, são espaços
por excelência da vida privada, mas a difusa vida pública cotidiana que neles se
estabelece pode propiciar relações de afetividade pública, identidade coletiva e per-
tencimento importantes para seus moradores.
123

5. Lugares públicos
Figura 5.1. Olinda: patrimônio histórico mundial, uma paisagem (pública) do cotidiano.
(Fonte: Autor, 2011.)

Áreas centrais
Muito já se debateu e se propôs sobre a necessidade de reabilitação dos centros
históricos desde o VIII CIAM, em 1951. Os perigos da gentrificação e da musei-
ficação, a ociosidade noturna da infraestrutura instalada, a insegurança das áreas
monofuncionais, a perda de competitividade diante de áreas mais novas são te-
mas amplamente discutidos. O assunto não se esgota, pois os desafios persistem.
O centro é lugar público por natureza, espaço de convivência cotidiana
dos diferentes, todos (em tese) têm o direito de ali estar, são espaços de alta
acessibilidade.
Independentemente do porte das cidades, seus centros costumam ser os lugares
públicos de maior importância. Os centros das cidades apresentam grande, se não a
maior, complexidade urbana. Há forte interação entre passeios e atividades comer-
ciais que vão além dos limites dos lotes. A vida pública envolve estabelecimentos
comerciais (bares, restaurantes, padarias, livrarias, cinemas) e institucionais (igrejas,
teatros, bibliotecas, museus e centros culturais). As áreas centrais não são apenas
espaços de trabalho e consumo, mas de encontro, trocas comunicacionais, manifes-
tações culturais e políticas, lugares de festas, de protestos e conflitos.
124

Na urbanização contemporânea brasileira, em cidades médias e grandes,


Efeitos da Arquitetura

centros vêm sofrendo concorrência de shopping centres e outras formas frag-


mentadas e excludentes de atividades terciárias. Não se trata de declínio inexo-
rável dos centros: alguns se popularizaram, estando ainda mais vivos do que no
período em que eram o espaço predileto das elites (Figura 5.2). Esses centros,
com seus novos frequentadores e novas práticas espaciais, requerem políticas e
projetos urbanos mais flexíveis e participativos, evitando ações de ordenamen-
to espacial preconcebidas segundo padrões estéticos exógenos pouco atentos
à realidade dos lugares públicos brasileiros. Com o aumento da população de
renda médio-baixa no país, é desejável oportunizar lugares públicos capazes
de contribuir para que tais estratos sociais não sejam apenas novos consumi-
dores, mas protagonizem transformações qualitativas no avanço da cidadania
brasileira.

Figura 5.2. Uma rua do SAARA, centro popular no Rio de Janeiro com mais de 1200
estabelecimentos comercias. (Fonte: Autor, 2011.)
125

Urbanização fragmentada: espraiamentos,

5. Lugares públicos
verticalizações e periferias

Na contemporaneidade a fragmentação urbana associada ao espraiamento so-


bre o território é fenômeno presente em áreas de forte dinâmica econômica nas
mais diversas cidades e sociedades: de Xangai a Nova Jersey, de Santiago a Glas-
gow. Em cada formação socioespacial, esses processos assumem escalas, impactos e
especificidades próprias. Mais de um quarto do território da União Europeia está
diretamente afetado por usos urbanos do solo.15 No Brasil, a urbanização dispersa
e fragmentada não foi ainda mensurada no seu todo.
Na escala intraurbana, a urbanização brasileira se realiza de maneira complexa,
sobrepondo processos “tradicionais” com ações que ampliam a fragmentação do es-
paço urbano com consequências para a esfera pública, como loteamentos fechados,
condomínios horizontais residenciais, industriais, centros empresarias e espaços de
múltiplas funções com fortes restrições de acessos.
No país, além da urbanização espraiada, há outros processos de fragmentação
dos tecidos urbanos que também são discutidos neste tópico:

• a verticalização em condomínios de vários edifícios, isolados do entorno;


• a produção fragmentada de tecidos periféricos, pela iniciativa estatal,
privada ou popular.

As formas de urbanização fragmentada impactam a esfera pública, reprimindo


sua manifestação em espaços outrora de livre acesso. Novos lugares, no entanto, se
prestam para a vida pública e há que compreendê-los para qualificar novas áreas
urbanas para a esfera pública.

Espraiamento formal e esgarçamento de relações sociais


Com a consolidação do modelo de circulação – urbana e regional – baseado no
transporte sobre pneus, propiciou-se expansão desmedida. Novos empreendimen-
tos – públicos ou privados – deixaram glebas intersticiais de caráter especulativo.
Várias cidades médias e grandes apresentaram, nas décadas de 1970 e 1980, dimi-
nuição de suas densidades intraurbanas, a despeito dos expressivos incrementos po-
pulacionais. Favoreceu-se o capital imobiliário, onerando o Estado e as populações
que dependem de transporte público.
A proliferação de condomínios – verticais e horizontais (Figura 5.3) – e lotea-
mentos fechados na década de 1990 e em diante levou esse padrão a todas as gran-
126

des metrópoles brasileiras, a capitais e a inúmeras cidades interioranas, sobretudo


Efeitos da Arquitetura

nas áreas de economia mais dinâmica. Os impactos dessas novas formas urbanas
são muitos, aumentando:
• os deslocamentos cotidianos em tempo e distância;
• os custos de instalação de redes de infraestrutura urbana e interurbana;
• a emissão de carbono com o aumento da circulação de automóveis;
• a valorização da vida privada, enclausurada, em detrimento da vida públi-
ca cotidiana, com empobrecimento da sociabilidade entre classes sociais
distintas.

Figura 5.3. Alphaville Campinas, entre tantos outros, contribuindo para desvalorizar a vida
pública cotidiana. (Fonte: Autor, 2008.)

Na urbanização contemporânea brasileira, cresceu de maneira acentuada a exis-


tência de domicílios de uso ocasional. Ocuparam-se extensas faixas do litoral brasi-
leiro para a instalação de segundas residências de uso sazonal (Figura 5.4). Não raro
há municípios com mais de cem mil domicílios que permanecem fechados a maior
parte do ano. Além das casas de praia, são milhares as casas de campo, mas esse
processo é mais difuso e seu impacto na paisagem é menos perceptível. São ranchos
127

à beira de igarapés, chácaras de final de semana, sítios, condomínios em regiões ser-

5. Lugares públicos
ranas etc. Envolvem o deslocamento de milhões de automóveis para praia e campo
a cada feriado prolongado, levando temporariamente consigo parte da vida pública
geral. Esse fenômeno pendular não é exclusivo dos moradores das maiores metró-
poles: nalgumas cidades menores é frequente entre os moradores de maior renda a
posse de segunda residência a poucos minutos de distância da residência principal.

Figura 5.4. Bertioga, litoral paulista, extensas áreas desmatadas e urbanizadas para uso apenas
sazonal. (Fonte: Ulisses Sardão, 2007.)

Desde a primeira década do século XXI proliferam empreendimentos fecha-


dos destinados a usos não residenciais: condomínios industriais e de logística,
shopping centers, parques temáticos, centros empresariais, campi universitários e
de desenvolvimento tecnológico. Alguns deles, bem como os empreendimentos
residenciais fechados, não se vinculam mais a esta ou àquela cidade, a esta ou
àquela metrópole, mas a regiões urbanas mais amplas, consolidando uma ur-
banização difusa e fragmentada. Nesse contexto de aumento das distâncias de
deslocamento cotidiano os espaços públicos mais representativos não estão mais
na escala de vizinhança: a avenida virou estrada; a praça, rotatória.
128

Novos espaços dão conta de novas práticas de sociabilidade, nem sempre em


Efeitos da Arquitetura

propriedades públicas. São, por vezes, bastante improvisados. Uma barraca de


cachorro-quente ou tacacá junto a um posto de gasolina pode virar ponto de en-
contro e convívio na escala do cotidiano, em seguida, uma banca de jornais, outra
de flores, uma franquia de fast-food. Surge uma pequena centralidade, sem projeto
urbanístico ou paisagístico, mas, ainda assim, lugar público do cotidiano.
Por outro lado, há espaços planejados, centros de compra de todas as escalas. Aos
finais de semana, multidões não vão apenas a grandes shoppings (Figura 5.5) consumir,
mas passear, encontrar amigos, namorar, conviver em pequenos grupos diante do mo-
vimento, mostrar-se ao público. Reproduz-se, de certa maneira, atividades típicas de
áreas centrais. Os que recebem público mais heterogêneo são novos lugares públicos,
abrigando maior diversidade social do que inúmeras praças em bairros residenciais;
são espaços mais controlados, porém não são poucas as ações que transcendem a
ordem prevista e imposta.

Figura 5.5. Vista de imenso shopping center em Campinas, a implantação segue o padrão verificado
em empreendimentos análogos no mundo inteiro. Deseja-se o consumidor, mas acolhe-se, com
controle e limite, parte da vida pública contemporânea. (Fonte: Acervo QUAPÁ, 2008.)

Não se trata de glorificar os novos espaços comerciais de apropriação coletiva,


mas também não se deve simplesmente rotulá-los como templos de consumo e
129

alienação. Lugares diversificados são mais complexos do que aparentam. É neces-

5. Lugares públicos
sário pesquisá-los melhor, importa saber para onde vai o público, já que o sentido
gregário da espécie humana persiste apesar das ideologias e apologias à vida priva-
da, apesar e com as novas tecnologias telemáticas produzidas para a acumulação
capitalista.

A verticalização como fragmentação


Na década de 1970, no período inicial da urbanização contemporânea brasi-
leira, o município de São Paulo aprovou leis de zoneamento que limitaram forte-
mente o aproveitamento dos terrenos. Para a maior parte da cidade, estabeleceu-se
coeficientes de aproveitamento (CAs) iguais ou inferiores a 2 e, em poucas áreas, tal
coeficiente chegou a 4. Instituíram-se recuos estabelecendo como padrão o edifício
isolado.
Deu-se impulso a uma tipologia urbanística híbrida: a quadra tradicional subdivi-
dida em lotes e estes ocupados por torres isoladas (Figura 5.6), seguindo pressuposto do
modernismo que “garantia” insolação e ventilação. Paulatinamente, em diversas cidades
brasileiras, a torre isolada foi se afastando da rua. Os espaços livres privados, resultantes
de taxas de ocupação iguais ou inferiores a cinquenta por cento, começaram a receber
programas de lazer cada vez mais fragmentados: playgrounds, praça do fogo, deck molha-
do, espaço zen, espaço pet, uma raia semiolímpica para oitenta apartamentos, minipista
de Cooper, miniquadra poliesportiva e outras miniaturas que encantam o consumidor
à primeira vista.
A associação de várias torres num único lote, formando amplo condomínio
vertical, teve sua origem na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, no final dos anos 1960
e início dos anos 1970. De lá para cá, vários empreendimentos do gênero vêm sen-
do produzidos nas grandes cidades brasileiras. Em São Paulo, neste século, tomou
impulso a produção de condomínios-clube, empreendimentos na escala de uma
quadra urbana ou maior, com várias torres e áreas livres em comum, muros altos
e somente uma entrada social. Garante-se a segurança intraquadra e contribui-se
para deixar as ruas do entorno perigosas, sem “olhos” para a rua, como diria Jane
Jacobs16. Simulacros de pseudoautonomia em relação à cidade: enfraquece-se a vida
pública cotidiana, é mais seguro – e tedioso – divertir-se no condomínio que ca-
minhar pelo bairro.
Novos padrões de verticalização da urbanização brasileira vêm, em certa me-
dida, afastando seus moradores das ruas, diminuindo a vida pública na escala de
vizinhança. Em outras escalas isso nem sempre ocorre, vide o crescente uso de par-
130

ques públicos em cidades de todos os portes, o uso de praias urbanas, bem como a
Efeitos da Arquitetura

criação e fortalecimento de diversos centros de bairros.

Figura 5.6. Edifícios residenciais e suas áreas de lazer na Vila Andrade, São Paulo. Isolamento
em relação ao entorno público. (Fonte: Fabio Gonçalves, 2012.)

Periferia como fragmentação


A urbanização contemporânea brasileira viu sair do campo dezenas de milhões
de habitantes. A população brasileira urbana passou de 52,1 milhões em 1970 para
160,9 milhões em 2010. No mesmo período, os habitantes do campo passaram de
41,1 milhões para apenas 29,8 milhões17. Da ditadura militar ao período neoliberal
brasileiro (1964-2002), foram quatro décadas de agravamento das desigualdades
sociais. Nesse período, os recursos privados e públicos voltaram-se fundamental-
mente para o fortalecimento da acumulação capitalista. Tudo isso contribuiu para
o aumento do déficit habitacional e para a criação de um quadro alarmante de
dezenas de milhões de brasileiros habitando de forma precária, sobretudo nas me-
trópoles.
Embora haja boas experiências de produção de habitação de interesse social em
várias cidades brasileiras, a produção contemporânea promovida pelo Estado é, com
muito maior frequência, a do conjunto habitacional periférico, monótono e pouco
integrado aos tecidos urbanos da cidade tradicional. Estereótipo empobrecido do
131

padrão urbanístico moderno, os conjuntos habitacionais de edifícios multifamiliares

5. Lugares públicos
possuem espaços livres em menor quantidade e qualidade que seus precursores mo-
dernos. Boa parte dos espaços livres se reduz a espaços para automóveis – circulação
e estacionamento – e taludes gramados mal mantidos. Outro padrão recorrente nos
conjuntos habitacionais é a tipologia unifamiliar, formada por pequenos lotes e casas,
geminadas duas a duas, em quadras longas, ruas estreitas, desenhadas para o automó-
vel e não para o cotidiano habitacional, repetindo-se em inúmeras cidades brasileiras
de todos os portes, em todos os climas e regiões do país.

Figura 5.7. Vista de um conjunto habitacional em Rio Branco, pouco se avançou desde a
ditadura militar na qualidade da produção de habitações de interesse social.
(Fonte: Autor, 2011.)

Esse modelo – prédios isolados ou casas geminadas construídos em periferias


distantes (Figura 5.7) – disseminado durante a ditadura militar, perdura como
principal padrão promovido pelo Estado até o presente. Ao menos até 2013, se-
guem essas morfologias medíocres a maioria dos grandes empreendimentos apro-
vados no país pelo Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV), ou, no estado
de São Paulo, a maior parte da produção da Companhia de Desenvolvimento Ha-
132

bitacional e Urbano. Em pleno século XXI, as principais ações na área da habitação


Efeitos da Arquitetura

de interesse social reproduzem padrões morfológicos já exaustivamente criticados.


A opção por condomínios fechados para a maioria dos grandes empreendimentos
do PMCMV agrava ainda mais o quadro atual, revelando completo descaso para
questões elementares de urbanidade e de vida pública.
A condição periférica não se estabelece geometricamente a partir do(s) centro(s),
mas pelo diferencial de oportunidades e serviços urbanos a alcance das populações.
A urbanização contemporânea brasileira vem provocando o adensamento das áreas
periféricas em várias situações metropolitanas. São esses os casos das regiões metro-
politanas de Salvador, Grande Vitória, Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro
e Baixada Santista, onde favelas e loteamentos de periferia apresentam construções
justapostas de dois ou mais pavimentos, chegando não raro a mais de quatro pavi-
mentos e em algumas situações a mais de oito pavimentos. Ocupa-se demasiada-
mente o terreno em prejuízo das condições de salubridade; muitos cômodos não
possuem ventilação ou iluminação naturais (Figura 5.8).

Figura 5.8. Periferias cada vez mais densas - Salvador. (Fonte: Mariana Yovanovich, 2010.)

O resultado é a criação de espaços edificados compactos, justapostos e sobre-


postos, calçadas estreitas impedem melhor arborização e poucos são os espaços li-
vres de uso público tratados para este fim, já que áreas destinadas por lei se prestam,
133

muitas vezes, a ocupações e favelas. A ilegalidade na produção e na apropriação do

5. Lugares públicos
espaço periférico não está à margem do sistema; pelo contrário, o torna viável a
baixos salários.
A exiguidade de espaços livres não significa diminuição da esfera de vida
pública. As ruas da periferia são mais cheias de gente do que de automóveis,
sobretudo aos finais de semana. Campinhos de futebol, descendentes reduzidos
dos antigos campos de várzea, acontecem onde é possível, nas brechas, topos de
morro, em pequenos terraplenos. Pequenos botecos saltam para fora, com mesas
de bilhar, samba, pagode, carimbó. Inúmeras casas de culto trazem movimento
noturno nos dias de semana. Festas familiares sobre lajes são abertas a (quase) to-
dos. Festas maiores – bailes funk, festas hip hop, ensaios de escolas de samba, apre-
sentações de bandas e blocos – também ocupam espaços públicos. Coletivos de
arte e grupos culturais se organizam, promovem saraus literários, performances,
cinema, bibliotecas em garagens, grafitagem, dança. Na periferia, a arte é pública.
A ausência de espaços mais adequados, tanto para a esfera de vida pública quanto
privada, bem como a insuficiência de políticas públicas no provimento de espaços
de maior qualidade, não impedem o fortalecimento cultural da população, mas
constitui quadro que agrava contradições e conflitos.

Conclusão

Na contemporaneidade urbana brasileira, não faltam ideologias e ações con-


trárias à cidade enquanto espaço de convivência e sistema de lugares públicos. São
inúmeras as ações urbanísticas, paisagísticas e arquitetônicas que privilegiam a vida
privada, a fragmentação, o isolamento, a valorização da “natureza”, alienando e
segregando classes sociais.
Por outro lado, há discursos e práticas que vão ao encontro do fortalecimen-
to da ideia de cidade enquanto locus da vida pública: iniciativas que podem ser
denominadas como próprias de um paisagismo e urbanismo críticos, em que a
participação popular é levada a sério, produzindo-se não apenas trocas de saberes,
mas conhecimento novo, onde as dimensões públicas do espaço são valorizadas.
Encontram-se pontualmente em favelas, periferias, bairros operários ou de maior
renda: Ilha das Caieiras em Vitória, Campolim em Sorocaba, Brasilândia em São
Paulo, Rocinha no Rio de Janeiro, Região do Campo Grande em Campinas, vilas
nos morros de Belo Horizonte ou de Porto Alegre etc.
Não há ilusão quanto à disparidade entre as áreas muito maiores dos novos
empreendimentos excludentes perante a escala das ações inclusivas realizadas no
134

país. É necessário, porém, atentar para todos os processos, não apenas os hegemô-
Efeitos da Arquitetura

nicos, levando em conta as qualidades e não só as quantidades; as contradições dos


investimentos bilionários; as resistências periféricas, não apenas o que brilha na
mídia e no mercado oficial. A beleza pode ser outra, não a dos empreendimentos
monumentais, mas dos lugares públicos do cotidiano.
O novo patamar a que chegou a sociedade brasileira impõe metas mais ambi-
ciosas, não basta zerar o déficit habitacional apenas de maneira quantitativa, nem
erradicar o analfabetismo mantendo baixa a qualidade escolar. É necessário que a
cidade potencialize a cidadania, que haja espaços de expressão pública, de produ-
ção cultural para todos. Há muito a ser feito, incluindo qualificar os espaços para
a esfera pública (do cotidiano às manifestações de maior escala), das calçadas e
ciclovias aos parques e praças, aos novos espaços de encontro público, estejam onde
estiverem – lugares públicos.
III PARTE
Forma urbana
e segurança pública
135

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


EFEITOS
Efeitos DA Arquitetura
da ARQUITETURA
136
137

6. Perfis espaciais urbanos


6
Perfis espaciais
urbanos para avaliação
de lugares
vulneráveis ao crime Circe Monteiro
Rafaella Cavalcanti

Este estudo responde ao apelo crescente dos habitantes para tornar seguros os luga-
res em que vivem. O foco da análise é a relação entre cidade e criminalidade buscando
verificar como qualidades espaciais e arquitetônicas presentes em diferentes ruas, qua-
dras e bairros explicam a emergência de assaltos nesses espaços públicos. O estudo foi
desenvolvido na cidade do Recife, capital de Pernambuco, um estado no nordeste do
Brasil que até recentemente experimentava altas taxas de criminalidade urbana,1 e que
exemplifica como a procura por segurança levou à transformação dos espaços públicos
da cidade em espaços hostis e vulneráveis.
Recife, assim como as cidades que cresceram e se transformaram em períodos mais
recentes, reflete mais claramente a cultura do medo; a paranoia da segurança que trans-
forma casas, ruas, praças levando inclusive ao comprometimento da qualidade da vida
urbana. Embora as causas e condicionantes do crime sejam complexas, seu efeito direto
é claro: o medo. O medo urbano é sentido por todos, a sensação é de que qualquer
pessoa pode ser alvo de um assalto em qualquer lugar. A primeira reação na procura de
proteção é de se fechar no espaço privado, buscar o refúgio nos carros blindados com
ar condicionado e só frequentar lugares públicos controlados como os shopping centers.
Sente-se a hostilidade do espaço ao andar nas ruas do bairro de Boa Viagem, por exem-
plo – cercadas por muros altos, espaços desertos, que inibem o andar a pé.

Como tornar as cidades mais seguras?

Planejadores urbanos e arquitetos são desafiados em suas atividades profissio-


nais a projetar espaços com morfologias e tipologias que impliquem maior segu-
138

rança. Esses profissionais tratam da conformação do espaço construído ou tecem


EFEITOS DA ARQUITETURA

diretrizes e leis que determinam diferentes configurações urbanas. No entanto,


observa-se que as diretrizes urbanas, em sua maioria, são inspiradas em teorias e
evidências internacionais, produzidas em outros contextos e muitas vezes, até em
outros períodos da história. Consequentemente, os esforços em promover espaços
seguros se ressentem da falta de conhecimento do fenômeno da criminalidade lo-
cal, ou seja, em saber como os criminosos agem baseados no conhecimento dos
hábitos, ritmos, tempos, movimentos da cidade e de como as características dos
espaços facilitam ou dificultam as ações criminosas. Considera-se, assim, imperati-
vo reunir evidências sobre a criminalidade em diversas culturas e condições sociais
antes de estabelecer relações gerais de espacialidade.
No Recife, poucos habitantes compreendem que as pretensas medidas de segu-
rança adotadas individualmente, como os muros altos e fechados, portarias fortifi-
cadas e câmeras de segurança, consolidam de forma cumulativa um espaço urbano
de pouca vitalidade e sem vigilância natural. A vigilância natural é aquela exercida
pelos moradores e transeuntes no dia a dia do bairro, sendo que na sua ausência
torna-se necessário recrutar um policiamento coercitivo. Essa autoproteção do es-
paço privado produz uma contradição, pois o que se observa é a intensificação da
vulnerabilidade do espaço público. Logo, essa chamada “arquitetura do medo”2
tem ocasionado um problema social ainda mais sério; a anomia social ocasionada
pela diminuição da sociabilidade face a face e da fricção social, que dificulta a co-
nexão de comunidades.
O presente trabalho propõe explorar as relações entre morfologia e tipologias
do espaço urbano e os padrões de criminalidade no contexto cultural e espacial do
Recife, que por sua vez já é uma realidade moldada pelo medo do crime. Como re-
corte espacial foi escolhido o bairro de Boa Viagem, situado no litoral da cidade do
Recife, por ser um bairro de classe média e com atrativos turísticos, com expressiva
presença de criminalidade.
O método de pesquisa escolhido explora a contribuição dos perfis espaciais
urbanos para analisar de forma integrada a influência de diferentes qualidades do
espaço urbano em uma maior emergência de assaltos na rua. Para isto foi necessá-
rio estabelecer em um primeiro momento uma análise quantitativa verificando a
relação entre a acessibilidade e o movimento nas ruas do bairro com o fenômeno
da criminalidade, para em seguida proceder a uma segunda análise qualitativa dos
perfis espaciais em quadras selecionadas do bairro.
139

Boa Viagem: a morfologia do crime

6. Perfis espaciais urbanos


O presente estudo teve como objeto de análise o crime de roubo a transeuntes,
por causar nas pessoas um sentimento de medo e de insegurança ao transitarem
pelos espaços públicos. O roubo, neste caso, é definido como uma infração em que
o transgressor se utiliza da força ou da ameaça com uma arma branca ou de fogo.
Este estudo mapeou a correta localização dos crimes, o que foi dificultado por-
que muitos boletins de ocorrência apresentavam dados imprecisos, devido ao inci-
piente processo de informatização da coleta de dados sobre o crime.3 Dessa forma,
só foi possível utilizar 25% (1.301) das ocorrências de crimes de rua cometidos no
período de 2010 a 2012 em Boa Viagem. Destes 1.301 casos, 34% foram georrefe-
renciados de forma aproximada, através de pontos de referência.
Fazendo uma comparação da amostra selecionada com o total de ocorrências, foi
possível perceber que importantes informações, como padrões de ocorrência quanto
aos dias da semana e período do dia, permaneceram constantes, o que garantiu a
representatividade da amostra (Gráfico 6.1).

Gráfico 6.1. Comparação do número total de crimes a transeuntes (assaltos) fornecidos pela
Secretaria de Defesa Social de Pernambuco no período de 2010 a 2012 no bairro de Boa Viagem
com a amostra trabalhada. (Fonte: Autoras.)
140
EFEITOS DA ARQUITETURA

Gráfico 6.2. Comparativo do número de ocorrências de roubo a transeunte da amostra e


do total de ocorrências - por faixas de horário do dia – entre os anos de 2012 – 2010 em Boa
Viagem. (Fonte: Autoras.)

Além disso, conforme ilustra o Gráfico 6.2, verificou-se que o final da tarde (17–
19h), noite (20–22h) e meio dia (11–13h) foram os períodos do dia que mais tiveram
ocorrência de crime, o que estaria atrelado ao intenso fluxo de pessoas nesses horários.
A Figura 6.1 localiza os casos de assalto no bairro, ficando clara a dificuldade de uma
compreensão visual da distribuição dos crimes no espaço, pois a imagem sugere crimes
distribuídos por todo o bairro. Então, como compreender o padrão espacial de distri-
buição dos crimes de roubo a transeunte? Haveria uma relação entre a configuração
espacial do bairro com a localização dos roubos? Como eles estão distribuídos nas ruas
do bairro, de forma concentrada ou dispersa? Esta seção apresenta um processo siste-
mático de análises entre a acessibilidade das vias e o crime no espaço público.
Inicialmente foi considerado como elemento de análise a rua, ou linha axial
onde ocorreu o crime, o que permitiu trabalhar com um número maior de
ocorrências, devido ao grande número de informações de crimes associado à
rua de ocorrência, não ao local. Em seguida, em uma segunda análise utilizando
segmentos de rua (trechos entre esquinas), foi inserido o endereço completo do
local do crime, o que resultou na diminuição da amostra, mas proporcionou
uma leitura mais detalhada da real localização espacial do crime no segmento
urbano.
141

6. Perfis espaciais urbanos

Figura 6.1. Distribuição das ocorrências de roubo a transeunte em Boa Viagem no período de
2010 a 2012. (Fonte: Autoras.)

Com base no segmento urbano, as medidas de integração4 local (r3) produzidas


pela Sintaxe Espacial permitiram destacar as principais rotas de movimento através
do bairro e de movimento “interno” ao bairro. Em seguida, foram feitas correlações
estatísticas entre os valores de acessibilidade dos segmentos com a quantidade de
142

ocorrências de roubo a transeunte em cada segmento. O resultado da análise de


EFEITOS DA ARQUITETURA

integração mostra que as vias principais do bairro apresentam os maiores valores de


integração local (r3) (Figura 6.2). Constatou-se, também, que onde a integração lo-
cal é maior se localiza também grande parte do comércio e serviço, com exceção da
avenida lindeira à praia, que é predominantemente residencial (Av. Boa Viagem).
Dentre os percursos mais integrados localmente estão as grandes avenidas paralelas
à praia e uma via transversal.

Figura 6.2. Integração global (a) e local por segmento (b). (Fonte: autoras.)

As rotas longas do bairro refletem acuradamente a estrutura de movimento


local refletindo a experiência no local. A análise de integração global possibilitou
identificar as rotas mais longas, que interligam o bairro com o centro da cidade,
realizadas através de veículos motorizados; e a análise de integração local ressaltou
o movimento entre lugares identificando rotas com o apelo mais local e que podem
facilmente ser percorridas por carro como a pé. Como a análise de acessibilidade do
segmento contribuiu para descrever o centro de integração do bairro, foram ques-
tionadas como rotas poderiam explicar a localização das infrações. Então, estariam
os crimes acontecendo nas rotas menos ou mais integradas? Para melhor visualizar
o padrão de distribuição dos crimes foi contabilizada, escalonada e espacializada a
quantidade de crimes por segmento urbano, como ilustra a Figura 6.3.
143

6. Perfis espaciais urbanos

Figura 6.3. Distribuição das ocorrências de roubo a transeunte por segmento. (Fonte: Autoras.)

Descrevendo o padrão espacial dos roubos em Boa Viagem


Associando as Figura 6.2 e Figura 6.3 é possível identificar:

• A existência de segmentos tanto com muitos crimes quanto com poucos


crimes em locais com alto e baixo valor de integração;
144

• Aproximadamente 63% dos segmentos não apresentaram ocorrência de


EFEITOS DA ARQUITETURA

roubo, 25% dos segmentos apresentaram de 1 a 2 crimes e 9% deles de


3 a 5 crimes;
• Um pouco mais de 2,5% dos segmentos apresentaram de 6 a 15 ocor-
rências e concomitantemente exibiram variações dos valores de integração
local e global, ou seja, alguns segmentos com alto e outros com baixo valor
de integração;
• As principais vias de acesso ao bairro na direção norte–sul, e na direção
leste–oeste apresentaram em quase todos os segmentos no mínimo de 1 a
2 ocorrências de roubo a transeunte.

Explorando Morfologia e criminalidade

Como diferentes componentes do espaço poderiam contribuir para a ocorrên-


cia de crimes urbanos? Como compreender os padrões de concentração e dispersão
de crimes muitas vezes presentes em vias com o mesmo valor de integração? Estas
questões estimularam vários estudos, principalmente os desenvolvidos por Sahbaz
e Hillier, e por Monteiro e Puttini no contexto local.5 Para Hillier, a sintaxe é um
instrumento adequado para investigação de padrões de criminalidade urbana, por
diversas razões: é uma proxy para o potencial de movimento e pode ser utilizado
como uma alternativa para investigar o provável efeito do movimento no crime;
permite investigar não só as diferenças espaciais entre as áreas, como também os
micropadrões de diferenças dentro delas a partir do mesmo sistema de medidas;
além disso, permite correlacionar qualidades do espaço com o comportamento de
outras variáveis sociais ou econômicas.6
A descrição das qualidades de acessibilidade abre a possibilidade para a utili-
zação de inúmeras análises estatísticas, visando aferir a significância da relação de
medidas sintáticas com uma série de fenômenos sociais. Neste caso se optou por
explorar a contribuição de diversos procedimentos de análise, buscando os que
melhor se adaptariam ao fenômeno do crime.

Análise de Regressão Binomial Negativa:


integração global, local, comprimento do segmento e crime
Foram desenvolvidos diferentes modelos estatísticos com o intuito de encon-
trar o modelo que melhor se ajustasse à natureza dos dados, ou seja, que fosse
capaz de explicar a correlação entre os valores de acessibilidade, comprimento dos
segmentos e os crimes de rua com mais precisão. Para analisar estatisticamente a
145

relação entre os valores de integração do segmento e quantidade de ocorrências

6. Perfis espaciais urbanos


foi realizada a análise de Regressão Binomial Negativa (Tabela 6.1). Este modelo
estatístico foi o que melhor se ajustou à natureza dos dados de roubo a transeun-
te devido à grande quantidade de casos nulos na amostra (grande quantidade de
segmentos não apresentou ocorrências de crime). A princípio outros modelos es-
tatísticos (Regressão Linear Simples e Poisson) foram testados anteriormente e não
demonstraram bondade de ajuste.

Tabela 6.1. Estimativas de coeficientes da Regressão Binomial Negativa com Integração Global
Local e comprimento do segmento. (Fonte: Autoras.)

O modelo de Regressão Binomial Negativa aplicado às ocorrências de roubo


a transeunte apresentou um excelente ajuste aos dados (chisq.p.value:1). Também
apresentou AIC=3435,4, melhor do que o calculado no modelo de regressão de
Poisson, AIC=4071,8.7
Como a variável de integração global (rn) do segmento não foi significativa
quando analisada concomitantemente com variável a integração local (r3), por te-
rem uma alta correlação, foi executado análise apenas com a variável de integração
local (Tabela 6.2). Destaca-se que a utilização da variável global também resultou
um AIC (3445.1) melhor que a análise de Poisson; contudo, os valores locais apre-
sentaram um melhor resultado.

Tabela 6.2. Estimativas de coeficientes da Regressão Binomial Negativa com Integração Local e
comprimento do segmento. (Fonte: Autoras.)
146

Logo o modelo proposto foi:


EFEITOS DA ARQUITETURA

Com o modelo ajustado, o total de ocorrências por segmento dado o compri-


mento do segmento e a integração local (r3), fica ajustado por:

Resultado das análises quantitativas significantes: quanto maior a integração


local e o comprimento do segmento, maior o número de crimes no segmento.
Assim, fixadas as demais variáveis e havendo uma variação no comprimento do
segmento em 100 metros, o aumento médio esperado para o total de ocorrências
por segmento será dado por 2,88 crimes por segmento:

segmento será dado por 2,88 crimes por segmento:

E havendo uma variação na integração local do segmento em 924.881, fixadas


as demais variáveis, o aumento esperado para o total de ocorrências por segmento
será dado por 2,80 crimes por segmento:

O que se pode aferir através das análises na micro escala, no segmento de rua?
As análises de Regressão Binomial Negativa apontaram a significância do compri-
mento e da integração local do segmento como fatores que explicam ocorrências
criminais no bairro.
O que podemos inferir de tais resultados é que o movimento local, portan-
to motivado pelas atividades existentes no bairro, explica melhor a incidência
147

dos assaltos em espaços públicos. O comprimento das quadras também se asso-

6. Perfis espaciais urbanos


cia à presença de maior número de crimes. Tal resultado, mais do que indicar
uma relação de quantidade (ou seja, maior extensão da rua implicando maior
número de crimes), pode sugerir uma condição de campo ou linha de visão.
Em quadras longas, as pessoas podem ter seu comportamento observado e se-
rem seguidas mais facilmente, o que para a lógica do criminoso pode ser uma
qualidade positiva.

A análise qualitativa do perfil espacial

A ideia de construir perfis nasce da necessidade de reunir uma série de ele-


mentos capazes de caracterizar um objeto ou fenômeno. Os perfis espaciais
objetivam trabalhar esse conjunto de elementos concretos do espaço, como
sequências ou padrões que sistematicamente podem ser correlacionadas com
um determinado fenômeno urbano. O uso de estatísticas multidimensionais
permite a aplicação destes perfis como itens a serem correlacionados com uma
série de outras variáveis, produzindo análises que são expressas em projeções
tridimensionais capazes de identificar regiões de similaridade entre todos os ele-
mentos e dar suporte a teorias explicativas.8 Da mesma maneira que o método
da Sintaxe Espacial, este tipo de análise também revela a estrutura inerente aos
dados ao invés de focalizar a relação causal isolada de uma variável com outra.
Os elementos do perfil espacial são determinados de acordo com o fenômeno
a ser analisado. Cada elemento deve qualificar uma qualidade segundo uma
intensidade geralmente em uma escala Likert.9 É importante também que a di-
reção de intensidade mantenha uma lógica em relação ao fenômeno; ou seja, o
número maior deve estar relacionado positivamente, pelo menos teoricamente,
à diminuição de crimes.
As teorias sobre espaço e crime indicam como importantes no estudo de crimes
no meio urbano: a diversidade de uso do solo, a densidade, a constituição e o tipo
de interface entre o público e o privado. Outros elementos podem considerados,
como o campo visual, a presença de elementos de atração ou repulsão. Os estudos
locais sobre criminalidade produziram evidências corroborando a ideia de que a
acessibilidade e a diversidade de uso do solo estão atreladas ao maior ou menor
risco de crimes no espaço urbano.10 Então vejamos a justificativa para inserir estes
elementos:
148

(a) Diversidade de uso do solo


EFEITOS DA ARQUITETURA

Para avaliar o uso do solo do lote urbano foram estabelecidas 6 categorias: resi-
dencial (casa ou edifício residencial), mista (residência e comércio, residência e ser-
viços, comércio e serviço etc.), serviço (laboratório, clínica etc.), comércio (padaria,
lojas, supermercados etc.), institucional (igrejas, escolas, edifícios governamentais
etc.) e ambiência (parques, praças, praia etc.). Categorizado o tipo de uso dos lotes,
o desafio se tornou medir a diversidade de uso do solo do segmento. Logo, as infor-
mações dos tipos de uso foram compiladas para o segmento, através de uma série
de critérios, de maneira a representar a diversidade de uso de cada um deles numa
escala de 1 a 5. O valor 1 correspondeu ao segmento com nenhuma diversidade
de uso, com um único tipo de atividade, e capaz de gerar movimento de pessoas
em determinados períodos do dia e ausência de movimento em outros períodos.
Por exemplo, para um segmento com todos os lotes residenciais seria atribuído o
valor 1, uma vez que todos os lotes possuem o mesmo uso e tendem a gerar mais
movimento em horários específicos; assim como, se fossem apenas comerciais, ou
de serviços. Já o segmento com pontuação 5 na diversidade de uso correspondeu
a no mínimo a presença de quatro desses seis tipos de usos do solo estabelecidos,
sendo um deles residencial.

(b) Interface urbana


A interface urbana é definida com lado do lote correspondente ao segmento
urbano, ou seja, se um lote é tangenciado por duas vias, ele possui duas faces; e é
classificada em 5 tipos: fechada, parcialmente fechada, cambiante, transparente e
aberta (Tabela 6.3).
A classificação do tipo de interface foi embasada no percentual de interfaces
fechadas e parcialmente fechadas dos lotes do segmento urbano, por exemplo: um
segmento com 100 metros de comprimento, por 200 metros de faces (lado direito
e esquerdo do segmento) e apresentando 200 metros de interface fechada e par-
cialmente fechada seria classificado, na escala de 1 a 5, como 1. Já se o segmento
apresentasse 10 metros de interface fechada e 10 metros de parcialmente fechada
seria classificado como 5, pois o valor obtido com esta relação seria igual a 20%.
Esses 20% estariam relacionados à presença no segmento de mais interfaces abertas,
transparentes e cambiantes, o que permitiria a comunicação visual entre a rua e os
lotes. Com base nesta lógica foram criadas as regras a seguir:
149

6. Perfis espaciais urbanos


Tabela 6.3. Regras para a classificação da interface urbana do segmento. (Fonte: Autoras.)

(c) Constituição
A constituição é definida como a quantidade de ligações existentes entre os lotes e rua
que permite a passagem das pessoas entre esses espaços. Para aferir o quão constituído era
um segmento urbano foram consideradas a quantidade de ligações existentes nos lotes e
sua relação com o comprimento do segmento urbano. Em seguida, para classificar densi-
dade de constituição de cada segmento em relação aos demais, foram estabelecidas classes
de 1 a 5, como base no contexto local da cidade do Recife e do bairro de Boa Viagem; ou
seja, um lote no Recife teria em média 2 entradas (pedestre e veículo) e 15m de comprimento,
resultando em 1 entrada a cada 7,5m. Então, para um segmento com 100 metros, sendo
200 metros de faces (lado direito e esquerdo do segmento) o número de constituições seria
em torno de 27. Portanto, para um segmento típico do bairro, espera-se ter aproximada-
mente 27 entradas.

(d) Densidade
Para valorar a densidade populacional por segmento de rua, foram utilizados os
dados de densidade demográfica por setor censitário do censo de 2010, ou seja, o
número de habitantes por quilômetro quadrado. Em seguida, os valores censitários
foram divididos em 5 classes e cada segmento foi classificado em uma delas. Como
um segmento de rua poderia estar contido em um ou dois setores censitários, foi
adotado como critério o maior valor para o segmento.
Outras características importantes no contexto local também foram avaliadas, no
caso o status social dos moradores, a presença de atratores e a qualidade da ilumina-
ção, mas não foram utilizadas neste estudo. Em relação à qualidade da iluminação,
150

a sua forma de quantificação é complexa e a percepção da qualidade da iluminação


EFEITOS DA ARQUITETURA

segundo pesquisa realizada é de que todo o bairro de Boa Viagem sofre com a má
iluminação.11 O status social não foi considerado, pois o presente estudo se deteve em
analisar os componentes físicos do ambiente. Entretanto, considera-se que um dos
potenciais da utilização dos perfis espaciais seria a construção de sequências contendo
elementos de várias naturezas – espaciais, sociais, econômicas ou simbólicas.

Determinação amostral
Para determinar uma amostra de ruas para análise, é necessário responder a al-
gumas argumentações lógicas suscitadas pelos resultados já obtidos nas análises ante-
riores. Afinal, estamos nos propondo a desenvolver uma aproximação sucessiva para
compreender a relação entre espaço e crime. Por que existem locais com mais roubos
a transeunte e outros com menos roubos e com valores similares de integração local e
global? Como outras características espaciais estariam contribuindo juntamente com
a acessibilidade para levar a maior concentração ou dispersão do fenômeno no bairro?
Para responder essas perguntas, foram selecionados, com base nos resultados da
análise de Regressão Binomial Negativa e no modelo de seleção de pares desenvolvido
por Moniruzzaman e Paez,12 pares de casos de segmentos com valores aproximados
de integração local (r3) e de comprimento de segmento, porém com muita ou pouca/
nenhuma ocorrência de crimes. Neste caso, a subestimação estaria associada a fatores
que promovem maior segurança, enquanto a sobre-estimação estaria associada a fato-
res que favorecem a vulnerabilidade. Para identificar os pares de segmentos urbanos
sub e sobre estimados, foi utilizado um filtro espacial que também considerou a sua
localização no bairro. Como resultado, foram identificados um conjunto de 124 seg-
mentos, e em 76 desses segmentos foi aplicado o método do perfil espacial, os quais
correspoderam aos 38 pares de segmentos selecionados.

Análises qualitativas multidimensionais


– Análise da Estrutura Menor (Smallest Structure Analysis)
Para análise dos perfis espaciais, foi utilizado o método de multiescalonamen-
to.13 O escalonamento múltiplo é uma perspectiva estrutural de medida nas ciên-
cias sociais e comportamentais. Estende a noção de escalonamento de Guttman
para maiores dimensões, mas com aderência ao princípio base de que “medidas
para um determinado conteúdo que são escaladas e a teoria sobre este conteúdo
são mutuamente concomitantes”. Ou seja, nenhuma metodologia pode assumir
a ignorância do domínio substantivo do estudo, mas o conhecimento desses do-
mínios pode ser esclarecido pela interação entre ideia e dados, conceituação e
151

observações empíricas.14

6. Perfis espaciais urbanos


Neste trabalho, foram escolhidos os quatro componentes já descritos para
compor os perfis espaciais, representando ordinalmente uma qualidade do espaço
(diversidade de uso, densidade, interface e constituição). A Tabela 6.4 mostra a
variação de perfis de diversos segmentos, com valor de sua variação (a) diversida-
de de uso do solo, (b) interface, (c) constituição e (d) densidade atribuídos em uma
escala de 1 a 5. Os valores maiores seguem uma direção comum: a construção de
vitalidade urbana e portanto a noção de maior segurança. A Figura 6.4 apresenta
a construção um segmento de rua com o perfil 1135 para as qualidades descritas
(a), (b), (c) e (d).

Tabela 6.4. Exemplos de segmentos selecionados para estruturação dos Perfis Espaciais.
(Fonte: Autoras.)
152
EFEITOS DA ARQUITETURA

Figura 6.4. Perfil espacial de um segmento de rua de Boa Viagem. (Fonte: Autoras.)

Teoricamente, segue-se a presunção de que uma maior diversidade de ativi-


dades também determinaria maior variedade de pessoas e diversidade de horas de
movimento; maior densidade estaria relacionada à presença de maior número de
153

pessoas, portanto de maior vigilância. Os outros dois atributos teoricamente se-

6. Perfis espaciais urbanos


guiriam a mesma direção, onde espaços com a interface mais aberta favoreceriam
maior contato visual e vigilância, e a constituição facilitaria uma maior permea-
bilidade e dinamismo entre o espaço público e o espaço privado.
A análise escalonar desenvolve um primeiro escalonamento quantitativo
ordenando os perfis segundo seus scores, ou soma. Em seguida os mesmos são
escalonados segundo uma distribuição qualitativa, ou seja, embora 3 perfis no
quadro tenham a mesma soma (14), dois deles (segmento 46 e 57) apresentam
valores iguais nos elementos (a) e (d), mas divergem no valor dos elementos (b)
e (c). Estes perfis entram como variáveis nas análises multidimensionais que
apresentam uma projeção mostrando a relação de contiguidade entre todos os
76 perfis analisados e também projeções mostrando os valores dos elementos
representados por cada item. O espaço da projeção é regionalizado segundo os
valores do conteúdo de cada perfil, e para cada componente analisado é alo-
cada uma região no espaço. Os diagramas a seguir apresentam uma projeção
de pontos no espaço euclidiano, onde cada ponto representa um dos 76 perfis
espaciais. Considerando a disposição quantitativa e qualitativa, vemos que to-
dos os pontos se distribuem uniformemente no espaço, não havendo predileção
para qualquer um dos eixos.
A primeira medida no sentido de reconhecer o padrão desses perfis foi a de
identificar na projeção os segmentos urbanos que apresentaram altos números de
crimes, que totalizaram 10 casos, e os segmentos que apresentaram ausência de cri-
mes. Cada componente analisado apresentou uma projeção que mostra a variação
do seu valor escalonar, entre 1 e 5, conforme apresentado nos quatro diagramas a
seguir. Nas projeções, identificamos também os componentes do perfil referentes
aos segmentos urbanos: os pontos pretos são os segmentos de ruas com maior nú-
mero de ocorrências (entre 6 e 15), os pontos cinza são os que apresentam médias
ocorrências (entre 2 e 5) e pontos vazados são os segmentos com poucas ocorrências
de roubo a transeunte (entre 0 a 2).
154
EFEITOS DA ARQUITETURA

Figura 6.5. Projeções POSA: (a) diversidade de uso do solo, (b) interface, (c) constituição e (d)
densidade. Os círculos pretos indicam os segmentos com maior número de crimes e os cinza e
vazados com menores incidências. (Fonte: Autoras.)

Resultados

As projeções de cada componente do perfil espacial foram divididas por quatro


linhas, em posições distintas, representando as cinco partições ou regiões com itens com
maior ou menor valor. A Figura 6.5 mostra quatro projeções da estrutura de similari-
dade dos segmentos urbanos relativos aos seus elementos de perfil: diversidade, inter-
face, constituição e densidade. Os pontos pretos são os segmentos urbanos com maior
número de crimes. As partições localizadas próximas do lado direito (Diversidade,
Interface e Constituição) e na parte superior do diagrama (Densidade) apresentaram
os valores mais altos (4 e 5) e que corresponderam a uma maior diversidade de uso do
solo, a presença de interfaces mais abertas e um maior número de constituições e uma
maior densidade populacional. Já as partições localizadas próximas do lado esquerdo e
155

na parte inferior dos diagramas apresentam predominantemente os valores escalonares

6. Perfis espaciais urbanos


mais baixos (1 e 2). Com base no diagrama geral apresentado na Figura 6.6 e na iden-
-tificação dos 10 perfis com maior número de crimes, verifica-se que:

• sete perfis dos dez com maior quantidade de crimes foram localizados nas
partições com muita diversidade de uso, enquanto que os outros três casos
estão em locais com nenhuma diversidade (áreas do bairro predominan-
temente residenciais);
• seis perfis com mais crimes estão situados na região de alta densidade po-
pulacional, com valor 5, e 3 perfis em locais com baixa densidade, o que
aponta a influência de outros componentes potencializando ou modulan-
do a influência da densidade;
• seis dos dez perfis com mais crimes possuem interface aberta, com valores
4 e 5, e 4 perfis apresentaram interfaces fechadas, com valores 1 e 2 (outros
pontos com nenhuma ocorrência foram localizados em sua maioria em áreas
fechadas);
• seis dos dez pontos com mais crimes apresentaram uma alta constituição,
com valores 4 e 5, e três apresentam uma quantidade de constituição regular
(valor 3) e apenas 1 foi pouco constituído.

Figura 6.6. Relação escalonar entre os 4 componentes do Perfil Espacial. (Fonte: Autoras.)
156

Quando analisados os quatro componentes conjuntamente, foi detectado que


EFEITOS DA ARQUITETURA

os perfis espaciais com pouca diversidade de uso do solo, baixa densidade, pouco
constituídos e com interface fechada não apresentam grande ocorrência de crimes.
Esta descrição remete a lugares que mesmo com alto valor de integração são es-
paços sem atrativos, que juntamente com a pouca permeabilidade visual e baixa
densidade induzem a um baixo movimento local de pessoas, o que na intenção de
criminalidade significa a presença de poucas vítimas.
A análise conjunta da Figura 6.6 também mostra que os segmentos de ruas
com uma maior quantidade de crimes apresentam muita diversidade de uso do
solo, alta constituição, interface aberta e estão localizados em regiões tanto com
alta como baixa densidade. A Figura 6.6 indica as regiões com segmentos de alta
vulnerabilidade A e B. As áreas de baixa densidade representam, em alguns ca-
sos, regiões de comércio e serviços, com poucas residências e com intensa movi-
mentação de pessoas durante o dia e com baixa movimentação durante a noite.
No bairro de Boa Viagem, essas áreas comerciais e de serviços que se encontram,
em sua maioria, situadas em vias bastante integradas, possuem grande número
de usuários flutuantes que não habitam o local, apresentam muitas constitui-
ções, janelas, vitrines e grandes portas, que permitem fluxo grande de pessoas
principalmente nos horários de pico e consequentemente pouco controle, pois
o fluxo é formado de pessoas não residentes e portanto funcionando como vigi-
lantes naturais. Diferentemente do que foi mencionado, em que fluxos altos de
pessoas estariam associados a maior vigilância, neste caso, o resultado se mostra
contrário, o que leva a apontar que outros aspectos, além da acessibilidade e
demais componentes físicos abordados poderiam contribuir no incentivo da
criminalidade, como, por exemplo, os aspectos sociais.
A projeção mostra ainda a presença de um perfil julgado como estranho (ou-
tlier), ou seja, um segmento com roubos muito além do apresentado pelos outros
perfis. A análise do perfil espacial desse segmento ajuda a esclarecer quais condições
estariam ocorrendo para explicar esse comportamento extremo. Esta é uma rua
integrada localmente e se caracteriza por estar próxima a escolas e à entrada do
shopping center Recife. Neste caso, equipamentos de atração potencializam o movi-
mento de pessoas em um segmento sem diversidade, pouco constituído e de baixa
densidade, produzindo um espaço de vulnerabilidade.
157

Discussão

6. Perfis espaciais urbanos


Com base nas questões levantadas por Hillier e Sahbaz sobre o papel de ele-
mentos espaciais na ocorrência de crime, este trabalho se propôs a investigar o
conjunto de elementos que estariam relacionados a maior ou menor quantidade
de crimes em determinadas partes do bairro de Boa Viagem. As perguntas isoladas
seriam: a densidade favorece ou dificulta a ocorrência dos assaltos? A diversidade de
uso favorece ou não? Ruas com muita constituição ou pouca constituição favore-
cem ou impedem a ocorrência de crimes? Locais abertos favorecem ou impedem os
eventos de assalto no bairro? Os níveis de diversidade de uso do solo contribuiriam
ou não para a concentração de assaltos em determinados locais?
De acordo com Hillier e Sahbaz e também Monteiro,15 essas variáveis precisam
ser compreendidas em conjunto, pois elas juntas formam o ambiente, determinam
situações e constroem o que pode ser chamado de ambiência urbana. Do mesmo
modo, compreender a correlação de cada uma das variáveis com o crime de forma
isolada forneceria uma visão parcial e fracionada do problema, que dificilmente cap-
ta a complexidade de um espaço urbano real. A metodologia de descrição de perfis
espaciais permitiu identificar segmentos urbanos que correspondem a lugares com
muito e pouco assalto. Os resultados sugerem que, no Recife, as quadras que apre-
sentam alta diversidade de uso e pouca densidade residencial possuem maior nú-
mero de crimes do que as que apresentam pouca diversidade e alta densidade. Com
base nos resultados através da análise do perfil espacial tem-se evidência de que:

(1) Segmentos com muito crimes são aqueles compostos por alta diversidade de
uso do solo, alta constituição e que teriam maior número de interfaces aber-
tas. Esses segmentos representam quadras comerciais que abrigam uma grande
quantidade de pessoas desconhecidas, com base no seu valor de acessibilida-
de (integração) e nos atrativos contidos nesses espaços, geralmente comércio e
serviços.
O resultado corrobora o papel da alta integração e sua correlação positiva com
assaltos em Boa Viagem. As ruas mais integradas abrigam maior diversidade de
uso do solo, por estimular a instalação de atratores no local devido à presença de
movimento natural16. Além disso, a existência de comércio e serviço promove
também uma maior quantidade de ligações entre os estabelecimentos e a rua,
assim como interfaces mais abertas para facilitar a aproximação das pessoas a
esses locais.
158

Os dados mostram também que em Boa Viagem as quadras com maior


EFEITOS DA ARQUITETURA

número de crimes possuem maior diversidade de uso do solo e que siste-


maticamente apresentam uma menor densidade de moradores. Boa Viagem
possui muito poucos edifícios de uso misto, uma tipologia não bem suce-
dida na cidade. Os ambientes comerciais com alta diversidade de uso do
solo são locais de caráter pouco residencial, possuem uma grande variação
no movimento de pessoas em diferentes períodos do dia, multidões de es-
tranhos que não se reconhecem como moradores do bairro. As quadras de
comércio e serviço são abertas durante o dia e durante a noite se tornam
fechadas, o movimento local morre rápido. É nessa transição que todas as
caraterísticas espaciais teoricamente potenciais para a segurança se trans-
mutam, o que era aberto fecha, o que era constituído se fecha, a diversidade
se anula e o movimento morre. De acordo com os dados de crime, são nos
momentos desta transição que os crimes acontecem, conforme mostrado
anteriormente no Gráfico 6.2.
O resultados corroboram as evidências de Hillier e Sahbaz de que a alta acessi-
bilidade, atrelada à ausência de residências, tende a diminuir o efeito de copre-
sença, facilitando a ação dos criminosos. Assim, as ruas mais integradas com
movimento de passagem tenderiam a ser mais perigosas, o que sucede em al-
guns trechos mais integrados de Boa Viagem. Mas são as vias de movimento
local que consistentemente apresentam mais assaltos.

(2) A elevada presença de constituições nos perfis espaciais com muito crime, muita
diversidade e pouca densidade, associada ao câmbio de interface (ora é aberta e ora
é fechada) reduz a importância do número de constituições como elemento que
dificulta a criminalidade. Essa variação de movimento entre o dia e a noite influen-
cia o padrão de movimento no local, anulando o papel de imprevisibilidade. Tal
imprevisibilidade representa a possibilidade de pessoas estarem entrando ou sain-
do pelos acessos as edificações (as constituições), o que geraria vigilância nas ruas.
No caso analisado, o grande número de aberturas em áreas comerciais proporciona
menor controle dos espaços, o que poderia favorecer a ação dos criminosos.

(3) Os dados também revelam que alguns segmentos com pouca diversidade de
uso, fechados e com alta densidade de moradores apresentam pouca ocorrência
de assalto. Seriam então estas quadras com maior controle as mais seguras do
bairro, conforme proposto por Newman e defensores do Espaço Defensável?17
Os resultados não são conclusivos à medida que segmentos semelhantes, fe-
159

chados e com controle, foram relacionados também com grande ocorrência de

6. Perfis espaciais urbanos


crimes, apesar de serem poucos esses segmentos.

O bairro de Boa Viagem apresenta ruas predominantemente residenciais que


tendem a ser mais fechadas e com poucas aberturas, produto da busca de maior
proteção e controle. Tal fato se intensificou nas últimas décadas, haja vista as cres-
centes taxas de criminalidade e emergência do sentimento de insegurança que acar-
retou o isolamento das edificações e a perda de vitalidade dos espaços públicos.
Neste caso, a ausência de criminalidade se deve à ausência de vítimas, pois essas
ruas são espaços tão hostis que poucos se aventuram a andar por elas sem medidas
de proteção.
Ao analisar as qualidades do espaço urbano tentando compreender lógicas es-
paciais dos padrões de criminalidade, é possível perceber o que motiva o comporta-
mento dos assaltantes de atuar armados em lugares com a presença de movimento
e muitas pessoas. Torna-se necessário informar a situação da segurança pública nas
cidades brasileiras. O alto grau de impunidade, assim como a crença na ineficiência
do sistema repressivo, tornam o ato criminoso de assalto uma atividade de poucos
riscos para o assaltante. Assim, da mesma maneira que um pescador procura pescar
em locais onde há mais peixes, e peixes grandes, o assaltante procura locais para
escolher suas vítimas onde elas são mais numerosas ou identificadas por suas pro-
priedades ou atividades (como a saída de bancos e lojas).
De acordo com Jacobs,18 a diversidade de uso do solo e a estreita relação
entre espaço público e privado são características espaciais que promoveriam o
movimento e portanto a vigilância natural que tornariam lugares seguros. A cida-
de é resultante da sociedade que a ocupa e a vida nas nossas cidades atualmente
diferem da situação descrita por Jacobs na década de 1960. A copresença de
estranhos, sem identificação com o outro ou com o lugar, em uma sociedade de
impunidade, favorece a ação de criminosos e sua não detecção. A observação e
os resultados dos perfis espaciais sugerem que haveria outras condições pouco
estudadas na literatura tais como, condições de status social no espaço urbano,
reconhecidos pelo luxo da arquitetura, tipologias de prédios e lojas e que atraem
usuários diferenciados. Quais aspectos explicam o zoneamento social de uma
praia? e em outros espaços públicos e que devem ser explorados em estudos futu-
ros? No caso de Boa Viagem, o luxo percebido adiciona um valor importante nos
espaços urbanos do bairro. Notável também ao estudar locais e temporalidades
dos assaltos é verificar que muitos acontecem em pontos de ônibus e telefones
públicos. Esses equipamentos, que por sua natureza aglutinam pessoas, parecem
160

estar localizados nos locais mais inseguros das ruas, em locais cegos, fechados e
EFEITOS DA ARQUITETURA

sem proximidade com interfaces abertas.

Considerações finais

Com base na dinâmica espacial de Boa Viagem, buscou-se relacionar os crimes


de roubo a transeunte (assaltos) que ocorreram no Bairro com as qualidades de suas
ruas. Percebeu-se num primeiro momento que eles se concentravam nas vias mais
integradas, as quais consequentemente abrigavam um conjunto de atividades capa-
zes de atrair pessoas para aqueles locais. Tal resultado foi semelhante ao encontrado
por Iannicelli, num estudo também desenvolvido em Boa Viagem.19 Entretanto,
visto que não eram todos os locais integrados que apresentavam muitos crimes,
buscou-se analisar que outros componentes do espaço urbano poderiam estar con-
tribuindo para concentração de crimes em locais específicos. Então, ao fazer uma
análise mais detalhada da questão espaço e crime em uma escala menor de análise,
ou seja, no segmento de quadra, pôde-se perceber que a distribuição dos assaltos
dava-se em locais com ambiências espaciais específicas.
Em vários segmentos de Boa Viagem, alguns componentes do perfil espacial
tiveram comportamentos diferentes em relação a outros segmentos com semelhan-
te número de assaltos. Em síntese, foram identificadas ocorrências de muitos cri-
mes em segmentos de rua com alta diversidade do uso do solo, juntamente com
alta acessibilidade, baixa densidade de residentes e alta permeabilidade na interface
entre lote e rua. Também foram identificados segmentos com muitos crimes que
apresentavam pouca diversidade de uso, alta densidade de residentes e pouca de
permeabilidade (fechamento e pouca constituição) na interface entre o espaço pú-
blico e o privado.
Com base nesses resultados, torna-se difícil defender a existência de um só
padrão espacial que seja específico para os crimes de assaltos ocorridos no bairro
de Boa Viagem. O que se pode dizer é que relações entre diferentes elementos
que compõem o espaço urbano podem estar contribuindo cumulativamente para
a ocorrência de crimes nesses locais, seja através da ausência de permeabilidade
visual, somada à ausência de pessoas no local; ou à intensa presença de anônimos,
juntamente com a alta acessibilidade de ruas que oferecem diversidade de usos e
usuários que dificultam o reconhecimento dos criminosos nessas regiões.
Portanto, os resultados da relação entre espaço e crime remetem à teoria de
criminalidade ambiental chamada de teoria de atividades rotineiras (routine activity
theory)20, que considera a ação criminal como o modo como as pessoas fazem es-
161

colhas no espaço e no tempo – portanto, a análise de crimes deve estar claramente

6. Perfis espaciais urbanos


inserida ao contexto do lugar onde são cometidos.
Os resultados obtidos sugerem também questionar os manuais de prevenção da
criminalidade através do desenho urbano que dão receitas gerais de como construir
lugares seguros na ausência da compreensão de aspectos culturais, sociais e espaciais
e principalmente temporais do fenômeno da criminalidade local. Em síntese, os
resultados permitem questionar a ideia de um modelo geral de espaço seguro, ou
soluções e diretrizes certas e erradas, melhores ou piores mas sim estimular o estudo
de intervenções mais adequadas para a realidade de cada ambiência urbana.
Por fim, a metodologia de descrição de perfis espaciais urbanos se mostra bas-
tante útil para compreender a complexidade das condições urbanas e tecer teorias
sobre seus efeitos em fenômenos sociais urbanos, como a criminalidade. Visan-
do ampliar a exploração dos efeitos das arquitetura e do urbano na criminalidade
sugere-se incorporar outras qualidades na composição de perfis urbanos para me-
lhor representar a ambiência dos lugares. Além dos elementos espaciais descritos na
literatura e explorados neste estudo, existem outros elementos sociais, econômicos
ou simbólicos que atuam na construção das qualidades e que influenciam o modo
como percebemos e vivemos a imensa variedade de lugares na cidade.
EFEITOS da
Efeitos DA Arquitetura
ARQUITETURA
162
163

7. Arquitetura, espaço urbano e criminalidade


7
Arquitetura,
espaço urbano e
criminalidade:
efeitos da visibilidade
na distribuição da
ocorrência de crimes Mariana Vivan
Renato T. de Saboya

Introdução

Entre os estudos que tratam da relação entre espaço e ocorrência de crimes,1


um tema recorrente é o da visibilidade entre a edificação e o espaço público, ou
seja, a possibilidade de contato visual direto entre pessoas situadas no interior das
edificações e aquelas utilizando o espaço público, notadamente as calçadas. Esse
contato acontece principalmente através das janelas e, eventualmente, através das
portas, mas depende de outros fatores para se concretizar: o tipo de interface dos
espaços públicos e privados, a existência de barreiras visuais de outras naturezas (em
especial a vegetação) e o tamanho dos afastamentos frontais. Seguindo essa linha
de argumentação, há vários estudos que defendem que um maior nível de conexão
visual pode auxiliar a controlar situações de perigo e comportamentos indesejados.2
Apesar disso, os tipos arquitetônicos predominantes no tecido urbano têm se
modificado nas últimas décadas justamente na direção oposta a uma maior visibili-
dade das edificações, sendo crescentemente caracterizados por distanciamento pú-
blico x privado, muros cegos, garagens na parte frontal do térreo e fachadas cegas.
Essas modificações são, em parte, impulsionadas pela proliferação de condomínios
fechados horizontais e verticais,3 mas não se limitam a eles: é cada vez mais comum
a adoção de muros fechados em lotes convencionais inseridos no tecido urbano.
Diante desse quadro, este trabalho investiga a distribuição da ocorrência de cri-
mes em Florianópolis e sua possível relação com fatores de visibilidade entre edifi-
164

cação e espaço público: quantidade e densidade linear de janelas, portas-janelas e


EFEITOS DA ARQUITETURA

portas, tipo de interface (muro, grade ou lote aberto), existência ou não de vegetação
e presença de lotes vazios, usos do solo. Para isso, descreve através de levantamento de
campo as caraterísticas dos locais em que ocorreram crimes, utilizando uma amostra
das ocorrências de 2010 e considerando apenas os crimes contra o patrimônio que
estão mais diretamente relacionados à maior ou menor oportunidade proporcionada
pelo ambiente físico urbano: roubos e furtos a propriedades, pedestres e veículos, e
violação de domicílio. Em seguida, compara essas características com um grupo de
controle, para verificar se há diferenças significativas no que diz respeito à visibilidade
entre os locais de ocorrência de crimes e outros espaços da cidade.

Quadro teórico-conceitual, breve revisão de literatura


e hipóteses de pesquisa

O trabalho pioneiro na relação entre o espaço construído e a ocorrência de


crimes é o de Jane Jacobs.4 Ainda na década de 1960 ela apontou algumas variá-
veis que exerceriam influência sobre a segurança dos espaços públicos, destacando-
-se entre elas a vigilância informal dos moradores e pedestres, ou “olhos da rua”.
Essa vigilância seria informal porque são os próprios moradores e demais usuários
que, consciente ou inconscientemente, zelam pelo que acontece nesses espaços e,
caso necessário, intervêm para coibir um comportamento considerado antissocial,
agressivo ou inapropriado. Para que essa rede de controle informal se concretize,
entretanto, é necessário que as edificações a viabilizem: “os edifícios de uma rua
preparada para receber estranhos e garantir a segurança tanto deles quanto dos
moradores devem estar voltados para a rua. Eles não podem estar com os fundos ou
um lado morto para a rua e deixá-la cega”.5
Oscar Newman, por outro lado, argumenta que espaços utilizados por muitas
pessoas criam o anonimato de que os infratores precisam para acesso às suas víti-
mas6 e, por isso, que os espaços de acesso à edificação devem estar situados junto
à rua e atender a um número reduzido de unidades habitacionais. Segundo ele,
isso possibilita que os moradores controlem as áreas ao redor de suas casas (áreas
externas, ruas e corredores), e haja uma apropriação por parte destes com relação
aos espaços públicos, no sentido de florescer uma vigilância mais intensa e eficaz.
A importância da visibilidade nesse contexto é clara: “A vegetação não deve ser
posicionada de forma a bloquear visualmente as janelas e portas das unidades
residenciais em relação à rua ou aos caminhos levando das ruas às entradas das
unidades.”7
165

Perkins et al.8 encontraram influência da largura das vias, segundo os autores

7. Arquitetura, espaço urbano e criminalidade


pelo fato de vias mais estreitas proporcionarem maior visibilidade. Brantingham e
Brantingham9 reforçam a importância dos hábitos e padrões de comportamento
não diretamente relacionados ao crime, mas que podem moldar oportunidades
para a sua prática. Assim, criminosos em potencial circulam em busca de alvos com
recompensas motivadoras aliados a situações de baixo risco, e para isso tendem a
utilizar caminhos e lugares usualmente percorridos em suas atividades cotidianas.
Vigilância potencial ou real tenderia a interferir na decisão do criminoso, aumen-
tando sua percepção de risco.10
Hillier11 analisou tanto padrões globais configuracionais quanto características
locais e concluiu que padrões de ruas mais tradicionais e abertos, caracterizados por
integração à malha e portas e janelas voltadas para a rua, potencializadas por uma
linearidade que permita intervisibilidade entre as aberturas, tendem a ser mais se-
guros que aqueles frequentemente adotados em conjuntos habitacionais de matizes
modernistas, caracterizados por estrutura “em árvore” e com espaços profundos e
segregados.
Reis et al.12 estudaram a sensação de segurança em conjuntos habitacionais e
identificaram que esta é positivamente influenciada pela proximidade de portas e
janelas. Bondaruk13 chegou a resultados semelhantes através de método diferente:
realizando entrevistas com infratores para entender como escolhiam seus alvos, o
autor constatou que 36% dos entrevistados escolhem o local com o menor trânsito
de pessoas e 22% locais com obstáculos que dificultem a visão de testemunhas. A
maioria dos infratores entrevistados (71%) declarou preferir muros, por entende-
rem que eles ocultam suas ações, além de serem mais facilmente transpostos do que
as grades.14 Como fatores que facilitam o delito, 21% afirmaram a proximidade de
terrenos baldios.
Van Nes e López15 encontraram, em um estudo de caso na Holanda, correla-
ções significantes com o risco de arrombamentos em residências para quatro vari-
áveis espaciais: quanto maior a profundidade topológica do segmento de rua em
relação às vias principais (uma característica de baixa acessibilidade e segregação
espacial), maiores as chances de arrombamento; por outro lado, quanto menores as
medidas de densidade de portas voltadas diretamente para a rua, integração local16
do segmento de rua e nível de intervisibilidade das janelas das edificações,17 menor
a chance de arrombamentos.
Nesses estudos, a questão da visibilidade entre espaço público e edificações
foi abordada de várias maneiras: Van Nes e López18 consideraram a visibilidade
mútua entre as janelas; Reis et al.19 investigaram a proximidade de janelas das
166

diferentes localizações nas áreas abertas de conjuntos residenciais e seus efeitos


EFEITOS DA ARQUITETURA

sobre a sensação de segurança nesses espaços; Bondaruk20 concentrou-se nos pro-


cessos decisórios dos criminosos ao escolher seus alvos, no que diz respeito às
características do ambiente construído; Hillier21 considerou a visibilidade como
a combinação de portas voltadas para a rua e linearidade dos segmentos, sem
entretanto quantificá-los; Jacobs22 manteve-se ao nível das observações não siste-
máticas, sem utilizar amostras representativas e análises estatísticas; e Perkins et
al.23 associaram a visibilidade à largura da rua e ativeram-se apenas ao pavimento
térreo, sem detalhar como tal variável foi operacionalizada. Além disso, uma par-
te dos autores sobre o tema tem se concentrado em conjuntos habitacionais,24 e
não sobre o tecido urbano mais convencional, característico das cidades brasilei-
ras, enquanto que outros buscam explicar a sensação de segurança em oposição à
real ocorrência de crimes.
Por esses motivos, o presente estudo trabalha na escala das microcaracterísticas
morfológicas das edificações e sua relação com o espaço público, representando as
condições de visibilidade através de medidas diretas tais como a densidade linear
de aberturas (descrita mais adiante) e o nível de opacidade das interfaces dos lotes,
investigando a relação dessas características com a ocorrência de crimes (e não com
a percepção de segurança).

Síntese do quadro teórico conceitual e definição das hipóteses de pesquisa


A visibilidade entre edificação e espaço público sugere que o fato de existir uma
possibilidade de comunicação visual momentânea entre espaços público e privado
pode introduzir no eventual criminoso a incerteza quanto à possibilidade de ser
flagrado e ver frustradas suas intenções, seja através de intervenção direta ou de
pedido de auxílio a outras pessoas ou à polícia.
O mesmo acontece com as portas: mesmo que sejam opacas, a possibilidade de
que sejam repentinamente atravessadas por alguém vindo de dentro da edificação
pode contribuir, hipoteticamente, para inibir comportamentos antissociais. Além
disso, as portas demarcam áreas com maior fluxo de pessoas e, portanto, com maior
probabilidade de proporcionarem vigilância natural.
Janelas e portas são, por conseguinte, elementos potencialmente importantes
em uma explicação do papel da arquitetura na oportunidade e ocorrência de cri-
mes. Entretanto, para que possam exercer seu potencial, é fundamental que não
haja bloqueios visuais que impeçam a visibilidade potencialmente proporcionada
por elas, tais como muros e vegetação alta e densa. Sendo assim, a hipótese geral
desta pesquisa pode ser descrita da seguinte maneira:
167

• A ocorrência de crimes está associada a locais com menor visibilidade entre

7. Arquitetura, espaço urbano e criminalidade


edificação e espaço público.

Essa hipótese geral pode ser desmembrada em hipóteses mais específicas:

• A ocorrência de crimes está associada a locais com menor densidade de aber-


turas (portas e janelas);
• A ocorrência de crimes está associada a locais com maior proporção de inter-
faces de baixa visibilidade (muros e/ou barreiras vegetais densas);
• A ocorrência de crimes está associada a locais com maiores afastamentos
frontais médios;
• A ocorrência de crimes está associada a locais com maior proporção de lotes
vazios.

Método

Se as hipóteses levantadas acima forem verdadeiras, é de se esperar que, em


média, os locais em que ocorreram os tipos de crimes considerados neste estu-
do possuam menor visibilidade do que a média do restante da cidade. Por esse
motivo, a metodologia adotada consistiu em comparar as características de visi-
bilidade de uma amostra de locais nos quais ocorreram crimes com as mesmas
características em um grupo de controle, para determinar se havia diferenças
estatisticamente significativas. Mais especificamente, a metodologia percorreu as
seguintes etapas:

1. Definição de uma amostra aleatória simples, representativa dos locais em


que ocorreram crimes em Florianópolis no ano de 2010;
2. Levantamento das características tipológicas das edificações e lotes no entor-
no imediato dos locais das ocorrências selecionados para a amostra, incluin-
do recuos, tipo de interface e quantidade de portas e janelas, bem como dos
demais aspectos considerados potencialmente relevantes (descritos a seguir);
3. Definição de um grupo de controle através de uma amostra aleatória (con-
forme critérios explicados adiante);
4. Levantamento das características tipológicas das edificações e lotes no entorno
imediato dos locais selecionados para o grupo de controle, incluindo as mes-
mas variáveis que aquelas levantadas para a amostra de ocorrência de crimes;
168

5. Comparação entre as características da amostra e do grupo de controle, com


EFEITOS DA ARQUITETURA

testes estatísticos para verificar a existência de diferenças significativas entre


elas e avaliar a confiabilidade dos resultados.

Definição dos tipos de crimes tratados no estudo


A amostra de crimes restringiu-se a determinados tipos de ocorrências registra-
das pelo Centro de Operação da Polícia Militar (COPOM), no ano de 2010, de
forma a limitá-las àqueles crimes cuja maior ou menor oportunidade para aconte-
cer dependem mais diretamente das características espaciais dos locais em que são
perpetrados. Por conseguinte, foram levantados os locais de ocorrência de crimes que:

a) possuem uma natureza de oportunidade, no sentido de não serem premeditados


nem dependerem de circunstâncias específicas entre o criminoso e a vítima;
b) estão mais fortemente ligados ao espaço público e à vida urbana, bem como
à relação destes com os espaços edificados privados.

Dessa forma, foram incluídos assalto, roubo,25 furto e violação de domicílio.


No Quadro 7.1 estão listados e conceituados os tipos de crimes selecionados, de
acordo com o Código Penal Brasileiro,26 o dicionário de Língua Portuguesa27 e a
classificação da Polícia Militar de Santa Catarina. É importante destacar que os
boletins de ocorrência policiais não seguem à risca a terminologia do Código
Penal Brasileiro e não possuem necessariamente uma padronização confiável no
registro das ocorrências.

Quadro 7.1. Tipos de crimes considerados na amostra de ocorrências. (Fontes: Autores.)

Os locais em que ocorreram os seguintes tipos de crimes foram incluídos na


amostra:
169

• Furto a estabelecimento comercial;

7. Arquitetura, espaço urbano e criminalidade


• Furto a residência;
• Furto consumado;
• Furto tentado;
• Roubo consumado;
• Roubo ou assalto a estabelecimento;
• Roubo ou assalto a residência;
• Roubo ou assalto contra a pessoa;
• Violação de domicílio.

Os horários das ocorrências também foram incluídos; entretanto, optou-se neste


trabalho por considerá-los e discuti-los em conjunto. O principal motivo para essa
decisão é o entendimento de que a cadeia explicativa que conecta a maior visibilidade
à menor ocorrência de crimes é a mesma, seja de dia ou à noite, envolvendo a possibi-
lidade de flagrante e intervenção por parte de um morador ou usuário das edificações
sobre um delito que esteja acontecendo na rua ou na interface desta com os espaços
privados. Tanto de dia quanto à noite, vale a hipótese de que maior conexão visual
aumentaria a percepção sobre os prováveis riscos envolvidos em uma determinada
situação.30 O segundo motivo é ampliar a capacidade de generalização dos resultados
verificando se as variáveis independentes possuem influência sobre a ocorrência de
crimes considerando todos os horários do dia.

Operacionalização das variáveis levantadas

Quadro 7.2. Síntese das variáveis incluídas no levantamento. (Fonte: Autores.)


170

As variáveis incluídas no estudo estão descritas no Quadro 7.2.


EFEITOS DA ARQUITETURA

As conexões visuais, representadas pelas janelas, e as conexões funcionais, representa-


das pelas portas e portas-janelas (estas últimas entendidas como portas que possuem
transparência ou podem ser abertas em sua parte superior, funcionando como jane-
las), foram analisadas isoladamente e em conjunto. Neste último caso, foi utilizado o
termo “aberturas” para representar tanto janelas quanto portas e portas-janelas. Para
a quantificação das aberturas foi calculada a densidade linear, isto é, a quantidade de
aberturas dividida pelo comprimentos do trecho levantado. O mesmo mecanismo
aplica-se à densidade de janelas, portas e portas-janelas separadamente.
A interface dos lotes, que contempla a linha divisória entre o espaço público e
o privado, descreveu o nível de bloqueio visual causado pela conjunção dos fato-
res muro, grade e vegetação. Foram consideradas três categorias de visibilidade da
interface resultantes da combinação desses dois fatores (Figura 7.1): interface com
alta visibilidade (IAV), que são locais sem muro, ou com cercas ou grades perme-
áveis ou ainda sem vegetação, ou com vegetação que não bloqueie a visibilidade;
interface com média visibilidade (IMV), nas quais as divisórias do espaço público
com o privado contêm a combinação de muros e grades permeáveis visualmente
ou com vegetações de média densidade; e interface com baixa ou nula visibilidade
(IBV), nas quais há muros altos ou cercas vivas com vegetação densa.

Figura 7.1. Exemplos de: a) Interface com alta visibilidade (IAV); b) Interface com média
visibilidade (IMV); c) Interface com baixa ou nula visibilidade (IBV). (Fonte: Autores.)

O recuo frontal foi medido em metros, com o objetivo de identificar se recuos


maiores poderiam influenciar negativamente na visibilidade. Sobre a situação em
relação ao lote, foram consideradas quatro categorias: lote em uso (LU), lote com
edificação abandonada (LEA), lote sem edificação (LSE) e lote com construção
em andamento (LCA). As áreas livres, por não apresentarem edificações, foram
consideradas neste estudo como lote sem edificação. Essa variável é relevante
porque contribui para aumentar ou diminuir a quantidade de olhos voltados
para rua.
171

Com relação aos usos do solo, as edificações foram classificadas segundo usos

7. Arquitetura, espaço urbano e criminalidade


comerciais, residenciais, institucionais, mistos e outros. A diversidade de usos é
considerada por Jacobs (2000) como benéfica para a segurança e, por isso, foi in-
cluída no estudo através da fórmula de Gini-Simpson:32

Onde D é o índice de diversidade; p representa as porcentagens de indivíduos ou obje-


tos em cada categoria; N é o número de categorias; e ∑ p² é o somatório das porcentagens
ao quadrado de todas as categorias de indivíduos ou objetos.

Plano de amostragem
Para representar os locais de ocorrência de crimes, foi definida uma amostra
aleatória estratificada pelas regiões do município. Em função do total de crimes
ocorridos no ano de 2010 na cidade de Florianópolis33 (5.225 crimes, consideran-
do apenas os tipos de crimes elencados para o estudo), foi definida uma quantida-
de preliminar de 141 locais de ocorrências a serem levantados. Esses locais foram
determinados por meio do acesso ao boletim de ocorrência completo, pois apenas
assim foi possível determinar o endereço contendo nome do logradouro e número
da edificação. Entretanto, o processamento dos resultados indicou que foi atingida
saturação da amostra com um total de 94 crimes, ou seja, novos acréscimos ao
conjunto de ocorrências da amostra não traziam novas informações ao estudo. Por-
tanto, foi possível manter esse número como o tamanho final adotado sem perder
a confiabilidade inicial.34
Além dos locais dos crimes, foram levantados 47 pontos para grupo de con-
trole.35 A definição dos pontos para esse grupo buscou representar as característi-
cas gerais da cidade (no que diz respeito, especificamente, às variáveis de interesse
para o estudo) e, ao mesmo tempo, evidenciar possíveis diferenças entre essas
características e aquelas do grupo de locais de crimes, sem no entanto correr o
risco de incluir áreas completamente distintas e sem nenhuma relação com o
entorno ou a área de atuação do criminoso. Por isso, o seguinte procedimento
foi utilizado: em um Sistema de Informações Geográficas (SIG), foi gerada uma
camada do tipo raster36 cujas células representavam as distâncias a partir de cada
um dos locais de ocorrência de crimes do levantamento. A partir desse mapa,
foram selecionados locais que estavam nas sobreposições dos raios de distâncias
entre locais de ocorrência de crimes, conforme pode ser visto no esquema da
172

Figura 7.2. Assim, os pontos do controle foram localizados na vizinhança dos


EFEITOS DA ARQUITETURA

crimes incluídos na amostra, buscando áreas aproximadamente equidistantes


aos locais das ocorrências.

Figura 7.2. Esquema explicativo do processo de determinação dos locais do grupo de controle.
(Fonte: Autores.)

No total, foram levantados 1044 lotes no entorno dos 94 locais em que acon-
teceram crimes (amostra) e 524 lotes para os 47 locais selecionados para grupo de
controle. Na etapa de levantamento em campo foram levantadas as edificações do
entorno imediato do ponto em que os crimes ocorreram (Figura 7.3).
173

7. Arquitetura, espaço urbano e criminalidade


Figura 7.3. Exemplo de abrangência do entorno incluído em cada levantamento de ocorrência
de crime. (Fonte: Autores.)


Limitações do estudo
Na metodologia adotada, os diferentes tipos de crimes foram examinados de
forma agregada e, portanto, é possível que o estudo não capte algumas sutilezas
quanto à forma como o ambiente construído pode influenciar suas ocorrências.
Entretanto, a questão da visibilidade parece ser um aspecto fundamental para
a execução de qualquer desses crimes, pela possibilidade de detecção e toma-
da de ações para impedi-lo e, assim, estaria teoricamente menos sujeita a essas
variações.

Resultados da pesquisa empírica

Os resultados obtidos estão apresentados em duas seções: a primeira consi-


dera a amostra completa, enquanto que a segunda apresenta apenas os trechos
com predominância residencial, tanto na amostra quanto no grupo de controle.
174

A Tabela 7.1 indica os principais resultados para ambos os casos, mostrando a


EFEITOS DA ARQUITETURA

média da amostra, a média do grupo de controle e os p-valores calculados para


determinar se há diferença estatística significativa entre uma e outra ao nível de
95% (realçados em negrito quando atendem a esse nível de confiança) em um
teste t de student.

Tabela 7.1. Principais resultados da comparação entre a amostra e o grupo de controle. “Amostra
completa” refere-se aos 94 pontos incluídos na amostra; “Amostra predom. resid.” Refere-se
apenas ao conjunto de locais de crimes com mais de 70% de usos residenciais. P-valores menores
que 0,05 estão em negrito. (Fonte: Autores.)

Amostra completa da ocorrência de crimes


Contrariando as hipóteses mais aceitas na literatura, o grupo de controle apresentou
menor visibilidade na interface entre público e privado do que a amostra de ocorrência
de crimes. Como é possível perceber pelo Gráfico 7.1, a amostra de crimes apresenta in-
cidência ligeiramente menor de interfaces de baixa visibilidade (IBV) do que o grupo de
controle (13,58% para a primeira e 14,94% para este último). A diferença, entretanto,
é pequena a ponto de não possuir significância estatística (p=0,28). Com relação à in-
terface de alta visibilidade (IAV), há uma diferença mais expressiva em favor da amostra
de ocorrência de crimes, que possui um valor maior (54,33%) que o grupo de controle
(47,55%), com nível de confiança igual a 94%. Esse resultado pode ser considerado
surpreendente uma vez que, em função dos argumentos levantados no referencial te-
órico, esperava-se que os locais em que os crimes aconteceram possuíssem visibilidade
menor que o grupo de controle. Ao contrário, eles apresentaram maior porcentagem de
lotes sem muros, ou com combinações de grades e vegetação que permitem total
visibilidade.
175

7. Arquitetura, espaço urbano e criminalidade


Gráfico 7.1. Comparação entre as características da interface do lote para a amostra completa e
o grupo de controle. (Fonte: Autores.)

O mesmo comportamento foi verificado no que diz respeito à permeabilidade vi-


sual e funcional da edificação (Gráfico 7.2). Nas medidas de densidade linear de per-
meabilidade visual e funcional, os locais de ocorrência de crimes apresentaram maiores
valores do que o grupo de controle, assim como na medida de densidade linear total
de aberturas. Isso significa que, em média, os locais em que ocorreram crimes apresen-
taram maior quantidade de janelas, portas-janelas e portas do que o grupo de controle
por metro linear do trecho, o que também contraria o que a literatura tem apontado.

Gráfico 7.2. Comparação entre as médias de densidades de aberturas para a amostra completa
e o grupo de controle (PJ = Portas janelas; Densidade de aberturas inclui janelas, portas-janelas
e portas). (Fonte: Autores.)
176

Quanto à diversidade de usos do solo, os resultados mostram valores próximos


EFEITOS DA ARQUITETURA

tanto para a amostra de crimes (0,40) quanto para o grupo de controle (0,38), sem dife-
rença estatística significativa (p=0,23) entre as médias (Gráfico 7.3). Ao contrário, por-
tanto, do que Jacobs37 defendia, este estudo não corrobora a hipótese de que diversidade
de usos seria um promotor de segurança. É importante ter em mente, entretanto, que
existe a possibilidade de que o fator densidade esteja introduzindo uma distorção nesses
resultados, uma vez que áreas com maior diversidade de usos tendem a ser também mais
densas, e portanto apresentar mais “alvos” aos infratores. Esse aspecto é discutido com
mais detalhes nas considerações finais.

Gráfico 7.3. Predominância e diversidade de usos do solo para a amostra completa e o grupo de
controle. (Fonte: Autores.)

Com relação aos afastamentos frontais, não houve diferença significativa: en-
quanto a amostra obteve valor médio igual a 3,47m, o grupo de controle obteve
3,75m. Por outro lado, as áreas de ocorrências de crimes apresentaram maiores
quantidades de lotes vazios (LV), com 12,54%, comparado com o grupo de contro-
le, que apresentou 9,31%, com resultado marginalmente significante (p=0,07) para
a diferença entre os valores. Com esses dados, conclui-se que a presença de terrenos
sem edificações e terrenos com edificações abandonadas podem proporcionar áreas
inseguras, especialmente pela diminuição dos “olhos da rua” e pela geração de mais
interfaces de penetração nos lotes-alvo, pelas laterais ou pelos fundos.
Ainda com relação aos usos do solo, cabe destacar a grande diferença entre as
porcentagens de usos comerciais entre os grupos. Enquanto no grupo de controle
177

essa porcentagem foi de apenas 16,99%, na amostra de crimes ela chegou a 32,78%

7. Arquitetura, espaço urbano e criminalidade


(p<0,001). Portanto, coerentemente com os resultados obtidos para o índice de di-
versidade (e contrariando uma parte da literatura), usos comerciais mostraram-se as-
sociados à maior ocorrência de crimes. Esse fato levantou uma dúvida sobre a possibi-
lidade de que os índices de visibilidade na amostra estivessem distorcidos (para cima)
pela maior proporção de usos comerciais, que costumam apresentar maior relação – e
portanto maior densidade de aberturas – da edificação com a rua.
Sendo assim, foi realizado um novo procedimento de comparação entre as carac-
terísticas da amostra e do grupo de controle levando em consideração apenas os tre-
chos com predominância residencial. Tal estratégia teve a finalidade de controlar a
variável uso do solo, mantendo-a relativamente constante e permitindo, assim, uma
comparação mais cuidadosa entre os aspectos morfológicos associados à visibilidade.

Trechos com predominância residencial do grupo de controle


comparados com o levantamento da amostra de ocorrência de crimes
Para essa segunda análise, foram levados em consideração apenas os trechos que
apresentavam mais de 70% de usos residenciais, tanto para a amostra de ocorrência
de crimes (29 trechos) quanto para o grupo de controle (30 trechos). Nessa compa-
ração alguns resultados se invertem: o grupo de controle apresenta maiores valores
de interface de alta visibilidade (IAV), com 41,8%, enquanto que na amostra esse
índice foi de 32,1% (p<0,05), conforme mostra o Gráfico 7.4.

Gráfico 7.4. Comparação entre as características da interface do lote para a amostra predomi-
nantemente residencial e o grupo de controle. (Fonte: Autores.)
178

Da mesma forma, os locais de ocorrência de crimes apresentaram maior porcenta-


EFEITOS DA ARQUITETURA

gem de interfaces de baixa visibilidade (IBV), corroborando a hipótese de que locais


com maior bloqueio visual entre a edificação e a rua estão associados a maior risco
de ocorrência de crimes (independentemente da quantidade de aberturas efetivamente
existentes).
A média de densidade das aberturas seguiu a mesma lógica (Gráfico 7.5), sendo
que o grupo de controle com predominância residencial apresentou maior densi-
dade média de janelas (0,27 janela/m) enquanto que a amostra apresentou 0,20
janela/m, ainda que com confiança estatística apenas ao nível dos 90%. A diferença
entre as médias da densidade de aberturas considerando janelas e portas-janelas
mostrou o mesmo comportamento, com confiança estatística ligeiramente maior
(p=0,055): 0,34 janela/m para o grupo de controle e 0,25 janela/m para a amos-
tra. Por outro lado, quando considerada a densidade de portas, o resultado não
se alterou em relação à amostra completa: a amostra de locais de crime mostrou
média significativamente maior que o grupo de controle (0,063 para a primeira e
0,046 para este último, com p<0,05). Para o total de aberturas, incluindo janelas,
portas-janelas e portas, a diferença das médias pode ser considerada marginalmente
significativa (p<0,1), com a amostra apresentando menor densidade que o grupo de
controle. Esses resultados sugerem que maior quantidade de janelas reforça a maior
visibilidade da interface, proporcionando boa conexão visual entre os espaços; em
contrapartida, densidade de portas parece não exercer influência significativa.

Gráfico 7.5. Comparação entre as médias das densidades de aberturas para a amostra predomi-
nantemente residencial e o grupo de controle. (Fonte: Autores.)
179

Com relação aos afastamentos frontais, não houve diferença significativa, assim

7. Arquitetura, espaço urbano e criminalidade


como no teste com a amostra completa: enquanto a amostra predominantemente
residencial obteve valor médio igual a 3,95m, o grupo de controle obteve 3,67m.
Interessante notar, entretanto, que houve uma inversão das diferenças no sentido
previsto pela hipótese: no primeiro caso o recuo médio da amostra completa foi
menor do que do grupo de controle; para a amostra residencial isso se inverteu,
ficando o grupo de controle com recuos médios ligeiramente menores. A diferen-
ça obteve significância estatística acima de 0,05, mas não totalmente desprezível
(p=0,105).
A porcentagem de lotes vazios (LV) no grupo de controle (6,65%) foi menor
que na amostra (12,79%), o que reforça a noção (intuitivamente aceita) de que os
crimes em áreas residenciais ocorrem com maior frequência quando existe a proxi-
midade de áreas vazias. Esse resultado reforça também o que foi encontrado para a
amostra completa. Por outro lado, a diversidade de usos foi praticamente a mesma
em ambos os grupos, portanto sem diferença significativa.

Considerações Finais

Os resultados obtidos neste estudo corroboram a hipótese de que relações de vi-


sibilidade entre os espaços edificados e os espaços públicos apresentam correlações
positivas com a distribuição da ocorrência de crimes, e trazem novos entendimen-
tos sobre essas relações, bem como indícios da influência de outros aspectos que
parecem especialmente significativos, apesar de serem pouco abordados nos estudos
mais consagrados sobre o tema.
Em Florianópolis foi observada grande visibilidade nos locais em que ocorre-
ram crimes, tanto no que diz respeito à interface dos lotes quanto à densidade de
aberturas. Tal constatação, por contrariar a lógica presente na literatura, desenca-
deou uma análise mais cuidadosa e detalhada das características dos locais de ocor-
rência de crimes, representados na amostra. Assim, percebeu-se que a composição
de usos do solo, inicialmente considerada independente das noções de visibilidade,
desempenhava papel mais importante do que se supunha: a amostra apresentou
proporções de uso comercial significativamente maiores que o grupo de controle,
o que sugere que o tipo de uso urbano pode ter efeitos mais determinantes para a
distribuição das ocorrências de crimes do que a existência ou não de visibilidade
entre o interior e o exterior.
Há pelo menos duas possíveis explicações para isso. A primeira refere-se à
presença de estranhos, que é potencialmente ampliada pela presença de usos co-
180

merciais. A segunda é a presença de mercadorias e dinheiro vivo nesses estabeleci-


EFEITOS DA ARQUITETURA

mentos, que atuam como atratores para os criminosos e ampliam a percepção de


possíveis ganhos a serem auferidos com o crime.
Não se trata, obviamente, de defender a adoção de zonas exclusivamente resi-
denciais, ou de atribuir aos usos comerciais e de serviços a culpa pela ocorrência
dos tipos de crimes considerados neste estudo. Entretanto, a partir dos resultados
alcançados é possível concluir que há fatores relacionados à distribuição de usos do
solo que ainda não foram suficientemente explorados e que precisam ser aprofun-
dados. Ante essas limitações à interpretação dos resultados obtidos, a variável uso
do solo foi controlada para que uma resposta mais rigorosa pudesse ser alcançada:
em condições similares com relação ao uso do solo, áreas com maior visibilidade
apresentam menor ocorrência de crimes?
O estudo mostrou que sim. Quando foram comparadas exclusivamente áreas
com predominância residencial tanto na amostra quanto no grupo de controle,
ficou evidente que os espaços urbanos em que ocorreram crimes possuíam menor
visibilidade entre interior e exterior em comparação com o grupo de controle. Essa
menor visibilidade, nesse caso, manteve-se consistente no que diz respeito a três
medidas diferentes: tipo de interface entre o lote e a rua (muros e grades, com e sem
vegetação), densidade linear média de janelas (ainda que com confiança estatística
ligeiramente menor) e presença de lotes sem uso. Todas as três medidas confirma-
ram as hipóteses levantadas.
Por outro lado, aspectos como a densidade de portas, recuos frontais e diversi-
dade de usos não apresentaram significância estatística ao nível de 95% nas diferen-
ças entre as médias da amostra e do grupo de controle.
Cabe, aqui, fazer algumas observações sobre a validade dessas conclusões.
Vale lembrar, por exemplo, que áreas com predominância de usos comerciais
tendem a ser mais densas e a possuir maior movimento de pessoas e veículos,
o que significaria maior número de “alvos” para os criminosos. Isso, por con-
seguinte, poderia ser um fator atuando como variável espúria com respeito à
relação entre a visibilidade e a ocorrência de crimes. Entretanto, um exame das
médias de densidade populacional em ambos os grupos, considerando a amos-
tra completa, mostrou que o grupo de controle apresentou densidades maiores
(83,05 hab/ha) do que a amostra de crimes (48,65 hab/ha). Portanto, o risco de
que um maior número de alvos no grupo de locais de crime pudesse estar distor-
cendo a interpretação dos resultados não encontra amparo nos dados coletados,
tendo em vista que foi encontrado um maior número de alvos justamente no
grupo de controle.
181

No entanto, há que se destacar que a densidade populacional medida pelo

7. Arquitetura, espaço urbano e criminalidade


IBGE não captura a densidade de usos não residenciais, tais como comércios e
serviços, o que pode influenciar na quantidade de alvos sob o ponto de vista dos
crimes a estabelecimentos comerciais. Por isso, levando em conta que a quantidade
de usos não residenciais foi controlada na segunda parte da análise, ficam confirma-
das as conclusões do artigo, no sentido de que a validade da análise com a amostra
completa ficou prejudicada, por um lado, enquanto que, por outro, foi reforçada a
validade das conclusões da análise com a amostra predominantemente residencial.
A mesma observação pode ser feita com relação ao movimento de pedestres
nesses locais. Maior quantidade de pedestres poderia significar maior quantidade
alvos para roubos a pessoas. Infelizmente, não foi possível realizar contagens de
pedestres nos trechos levantados, por questões de viabilidade operacional. Entre-
tanto, é possível utilizar duas variáveis como proxies da quantidade de pedestres:
densidade populacional e acessibilidade. A primeira mostrou, em outro estudo,38
correlações com o movimento de pedestres em Florianópolis da ordem de 0,70 e,
como comentado acima, mostrou que a média foi maior no grupo de controle; a
segunda foi operacionalizada através da medida sintática da Integração Global,39
e não mostrou diferença entre os grupos (0,39 para o grupo de locais de crimes e
0,38 para o grupo de controle).
Portanto, em nenhum dos dois casos (densidade e movimento de pedestres) a
diferença foi considerada significativa ao nível de confiança de 95%. Isso significa
que não é possível afirmar que havia maior quantidade de pedestres em nenhum
dos dois grupos, o que por sua vez sugere que esse fator não esteja distorcendo a
interpretação dos resultados.
Essas conclusões indicam que há muito a ser discutido e aperfeiçoado no que
diz respeito aos instrumentos que regulam o uso e ocupação do solo, visto que,
conforme já citado, são numerosos os casos de legislações que incentivam tipos ar-
quitetônicos que estão diretamente relacionados a uma maior ocorrência de crimes,
tais como criação de fachadas cegas (pela acomodação de pavimentos-garagem, por
exemplo) e a implementação de condomínios fechados que criam longas superfícies
muradas voltadas para a cidade. É urgente, portanto, uma revisão desses instru-
mentos na direção de dispositivos mais sensíveis a aspectos relevantes da forma
arquitetônica e menos baseados em aspectos exclusivamente quantitativos.
Além disso, este estudo mostra que a proliferação de terrenos não edificados
pode trazer sérias consequências no que diz respeito às condições de segurança.
Essa constatação deve ser somada às duras críticas que essas áreas vazias recebem
por conta dos prejuízos que trazem para o desempenho da função social da cidade.
182

Esta pesquisa mostra com clareza que áreas vazias estão também fortemente asso-
Efeitos da Arquitetura

ciadas às ocorrências de crimes, mesmo considerando o efeito dos usos comerciais


na amostra completa.
Esses aspectos da relação entre forma edificada e segurança precisam ser incor-
porados às discussões públicas sobre os instrumentos de orientação e regulação da
forma urbana, bem como cotejados com outros objetivos técnicos e comunitários
e, na medida em que sejam considerados pertinentes, incorporados em planos di-
retores democráticos e tecnicamente embasados, uma vez que zelar pela segurança
dos cidadãos também é uma das funções sociais da cidade.

Agradecimentos

Gostaríamos de agradecer a todas as pessoas que contribuíram direta ou indi-


retamente no desenvolvimento desta pesquisa, em especial ao Prof. José Fletes, do
Departamento de Estatística da UFSC, pela orientação no desenho do experimen-
to, e à Capes, pela bolsa de Mestrado da primeira autora. Agradecemos também
aos revisores, que muito contribuíram para o aprimoramento deste texto até sua
forma final.
183

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


PARTE IV Pobreza urbana:
os efeitos da segregação
e das novas soluções
habitacionais
Efeitos da Arquitetura
184
185

8. Em busca dos mecanismos relacionados nas redes sociais de indivíduos pobres


8
Em busca
dos mecanismos
relacionais nas
redes sociais de
indivíduos pobres Eduardo Marques

Introdução

Este capítulo1 aproxima dois campos de pesquisa – o da segregação espacial e o


da análise de redes sociais – como modo de ampliar o entendimento de seus pesos
na reprodução da pobreza em ambientes urbanos. A literatura sobre pobreza tem
destacado crescentemente a importância dos padrões de sociabilidade e das redes
sociais na compreensão das condições urbanas de vida. Esses temas já eram centrais
nas clássicas formulações de Wilson acerca dos efeitos relacionais da concentração
da pobreza, assim como na versão de capital social de Bourdieu.2 Mais recente-
mente, esses elementos têm sido focalizados a partir da consideração da intencio-
nalidade para a compreensão do capital social (Lin), mas também em estudos que
consideram a não intencionalidade na formação dos vínculos e na interação social.3
Em todos os casos, os vínculos sociais e as redes são considerados centrais para a
redução do isolamento produzido pela segregação urbana.
O capítulo baseia-se em uma pesquisa que focaliza essa questão – o papel das
redes sociais e da sociabilidade nas condições de pobreza, considerando diferentes
situações de habitação e de segregação.4 Combinei diversos métodos, incluindo
técnicas qualitativas e quantitativas,5 para estudar os padrões relacionais de 362
indivíduos em situação de pobreza e de 30 indivíduos pertencentes à classe média
em São Paulo e Salvador. Esses indivíduos (209 em São Paulo e 153 em Salvador)
vivem em 12 localidades (7 em São Paulo e 5 em Salvador) diversas em termos
habitacionais e de segregação (Figura 8.1). Em cada cidade, analisei os padrões de
sociabilidade dos indivíduos usando análise de redes e, em uma etapa qualitati-
186

va posterior, realizei 40 entrevistas em profundidade. Os resultados sugerem uma


Efeitos da Arquitetura

ampla variabilidade das redes, embora as redes de indivíduos em situação de pobreza


tendam a ser menores, mais locais e menos variadas do que as da classe média. Apesar
da constante mudança, essas redes conformam estruturas de médio alcance que me-
deiam o acesso dos indivíduos a bens e serviços materiais e não materiais, através de di-
ferentes tipos de trocas sociais. As redes são mobilizadas diferentemente pelos indivíduos
dependendo da situação, embora determinados perfis relacionais e de sociabilidade
estejam sistematicamente associados à pobreza, sugerindo um substancial papel das
redes na sua reprodução.

Figura 8.1. Locais de estudo: São Paulo e Salvador. (Fonte: elaboração própria a partir de
cartografias do Centro de Estudos da Metrópole e dados do IBGE.)

Mas, por que as redes variam entre os grupos sociais e no interior destes? Este
capítulo dedica-se a desvelar os mecanismos relacionais que ajudam a explicar tanto
a formação como a mobilização das redes sociais na vida cotidiana dos indivíduos.
Isso é importante, pois temos aprendido muito sobre a importância das redes, mas
ainda sabemos pouco sobre os seus efeitos. O foco nos mecanismos busca desvelar as
regularidades sociais que se escondem por detrás das redes e explicam suas diferentes
características e efeitos.
O artigo está dividido em três seções, além desta introdução. Na primeira se-
ção, realizo uma breve revisão da literatura sobre o tema. Na segunda seção, apre-
sento os mecanismos, exemplificando-os com situações encontradas no campo du-
rante a parte qualitativa da pesquisa. Ao final, a última seção sintetiza os principais
achados.
187

Redes, sociabilidade e mecanismos sociais

8. Em busca dos mecanismos relacionados nas redes sociais de indivíduos pobres


Pesquisas recentes utilizando análise de redes melhoraram substancialmen-
te nosso conhecimento sobre as diferentes configurações de vínculos presentes
em vários países,6 em cenários rurais e urbanos,7 e em arranjos institucionais.8
Também aprendemos sobre as relações entre atributos individuais e de redes, seu
papel conjunto no apoio social e sobre os processos que levam à formação das
redes.9 As redes também trouxeram novas interpretações acerca do significado
contemporâneo da comunidade levando em conta as tecnologias de comunicação
e outras mudanças demográficas e econômicas recentes, mas também conside-
rando a influência das tecnologias literalmente “modernas”, como o automó-
vel.10
Por outro lado, uma literatura substantiva tem discutido o papel da sociabili-
dade nas condições sociais e no acesso ao bem-estar. Temos aprendido que a con-
centração espacial da pobreza mina as condições de vida, dificulta a mobilidade social
e reduz o sentimento de pertencimento dos indivíduos às coletividades.11 Isso ocorre
porque a segregação reduz o acesso a bens e serviços, mas também porque a segre-
gação restringe os contatos entre grupos sociais.12 Em termos gerais, os padrões de
sociabilidade não apenas tendem a ser homofílicos, como tendem a envolver trade-
-offs entre localização e homofilia.13
No entanto, para compreender mais plenamente a contribuição das redes às con-
dições sociais não podemos considerá-las aprioristicamente, simplesmente buscando
pelos vínculos que criam pontes entre esferas sociais, classificando-os normativa-
mente e considerando que os indivíduos constroem suas redes intencionalmen-
te. Isso levaria a interpretações instrumentais e estáticas dos padrões relacionais que
perdem de vista que as mesmas conexões são usadas diferentemente por pessoas
e grupos sociais diversos, ou até pelas mesmas pessoas em diferentes situações. A
ambivalência é intrínseca às relações sociais e os estudos devem abrir espaço para
esse aspecto em suas explicações e narrativas. Além disso, os vínculos (sua presença,
força e conteúdo) estão em contínua mudança, e uma grande proporção deles tem sido
criada sem qualquer intenção. Como são constantemente recriados pelos indivíduos,
tampouco podem ser entendidos como meras dimensões ambientais dos contextos
sociais (como na maior parte da literatura sobre efeitos de vizinhança). Finalmente,
é central entendermos como as redes são mobilizadas cotidianamente em diversas
situações.
Dois últimos pontos devem ser enfatizados antes da apresentação da pesquisa.
Primeiro, analiso redes pessoais, e não redes de comunidade ou redes individuais
188

egocentradas. Por redes pessoais designo as redes totais dos indivíduos considerando sua
EFEITOS DA ARQUITETURA

sociabilidade como o tópico ou tema a partir do qual as entrevistas são baseadas.


Essas redes não se limitam às redes egocentradas dos indivíduos (ou egonets) como
em muitos estudos no campo, que levam em conta apenas os contatos primários
dos indivíduos e suas conexões entre si.14 A Figura 8.2 apresenta uma das redes pes-
quisadas, apenas a título de ilustração. Os diferentes símbolos expressam diferentes
esferas onde ocorre a sociabilidade.

Figura 8.2. Caso 75, São Paulo. Legenda: Ego = diamante preto; família = círculos pretos;
vizinhança = quadrados; trabalho = triângulos para baixo; amizade = triângulos para cima.
(Fonte: elaboração própria baseada na coleta de dados empíricos.)

Finalmente, em termos de causalidade, considero que tanto as redes quanto


as condições sociais (inclusive a pobreza) são construídas (e reconstruídas) conti-
nuamente ao longo das trajetórias de vida dos indivíduos, levando a certas con-
figurações relacionais. A associação entre redes e atributos sociais, por conseguinte,
não nos permite falar de causas diretas, embora sua influência mútua e dinâmica,
ao longo do tempo, deva ser concebida como de múltipla causalidade. A ênfase
nos mecanismos causais nos permite considerar amplamente estas causalidades
múltiplas e, ao mesmo tempo, ir além da descrição dos atributos e das trajetórias
temporais dos indivíduos.
189

Mecanismos relacionais

8. Em busca dos mecanismos relacionados nas redes sociais de indivíduos pobres


A informação obtida através das entrevistas tornou clara a existência de regula-
ridades causais associadas à mobilização da sociabilidade na resolução de assuntos
do cotidiano, assim como no desenvolvimento de estratégias pelos indivíduos. Não
se trata de regularidades das redes ou de elementos individuais, mas, sobretudo de
mecanismos causais no sentido de Tilly, que têm impacto sobre as redes e sua dis-
ponibilidade no momento em que os indivíduos precisam resolver seus problemas
cotidianos.15 As regularidades observadas sugerem a existência de mecanismos que:

1. influenciam a formação das redes e da sociabilidade individual ao


mesmo tempo em que elas
2. impactam a ação social e medeiam o acesso a oportunidades.

A distinção é meramente analítica e, na prática, ambas as dinâmicas ocorrem


concomitantemente e de forma associada ao longo do curso de vida do indivíduo.
Na maior parte do tempo, a cumulatividade por detrás desses mecanismos acaba de
algum modo por desencadear círculos viciosos que levam à reprodução persistente
das desigualdades.16 Ao longo deste trabalho, discutirei os elementos envolvidos na
transformação das redes ao longo do tempo, assim como os mecanismos relacionais que
impactam as condições de vida urbana e a pobreza em particular.

Mudança na rede
As redes estudadas durante a fase quantitativa da pesquisa representam estru-
turas relacionais estáticas. Isto se deve em parte ao foco do estudo, mas também ao
fato de que as redes foram mapeadas de forma transversal, e não longitudinal (em
mais de um momento no tempo). No entanto, os dados qualitativos lançaram luz
nas mudanças que ocorreram nas redes desde nossos primeiros encontros, aproxi-
madamente um ano antes da segunda entrevista. Sem a expectativa de realizar uma
investigação detalhada das transformações da rede, esta seção sistematiza o que se
aprendeu sobre essas mudanças.
As mudanças na rede podem ser de natureza mais localizada e conjuntural, ou
mais estrutural, associadas com ciclos de vida ou com os tipos de ambiente rela-
cional aos quais os indivíduos têm acesso. Estas mudanças podem tanto criar (ou
destruir) relações quanto alterar o ambiente no qual ocorrem, contribuindo para
a mudança dos conteúdos desses vínculos. Como resultado, não só os tamanhos e
190

as estruturas das redes podem mudar como também os tipos de vínculo e as práticas
EFEITOS DA ARQUITETURA

de sociabilidade podem ser transformadas, com importantes consequências para as


trocas sociais.
O processo mais geral de mudança da rede é o ciclo de vida dos indivíduos.17 Em
termos gerais, durante a infância, o indivíduo tem uma rede relativamente pequena
baseada em vínculos primários, começando pela família e ampliando-se à vizinhan-
ça e aos amigos da família. Durante a adolescência as redes se expandem bastante,
especialmente nos ambientes escolar e na vizinhança, com um grande influxo de
novos vínculos adquiridos por meio da própria rede. A saída do ambiente escolar
e a entrada no mundo do trabalho alteram as redes substancialmente, tornando-as
mais heterofílicas.
Outros eventos importantes também alteram as redes, como a migração, mu-
danças de endereço, casamentos, separações e nascimento de filhos. À medida que
os indivíduos envelhecem, suas redes tendem a diminuir, em parte pela chegada da
aposentadoria e saída do mundo do trabalho, mas também pela redução da mo-
bilidade física e a redução de atividades.18 Consequentemente, as redes tornam-se
menores e mais concentradas na família, na vizinhança e nos amigos. É interessante
notar que padrões similares foram observados em redes egocentradas obtidas em
survey realizado no Rio de Janeiro e em São Paulo.19
Além disso, outros processos localizados também têm impacto. Seis tipos bási-
cos de construção e transformação das redes foram identificados. O primeiro e mais
óbvio está associado à morte de um contato, o que pode ter efeitos devastadores no
acesso do indivíduo a bens e serviços, dependendo dos contatos viabilizados através
deste nó. Em um dos casos de Salvador, a morte de uma madrinha cuja posição
social era mais privilegiada quase desconectou o indivíduo de suas principais fontes
de dinheiro e apoio social, já que ela era sua única conexão com o resto de sua fa-
mília, que desaprovava seu modo de vida.
É importante enfatizar que, exceto pela morte, a saída de um nó de uma rede
também pode representar apenas o que chamamos de latência – na qual os contatos
não são citados durante a entrevista, mas efetivamente não saíram da rede. A capa-
cidade de os nós permanecerem em latência depende de uma combinação entre o
tipo e a intensidade dos vínculos. Esses vínculos podem vir a ser novamente mobi-
lizados, especialmente no caso dos vínculos de família e dos amigos mais chegados.
Em segundo lugar, as redes são severamente modificadas pelos deslocamentos
geográficos ocasionados por mudança de endereço, especialmente entre os pobres. De-
pendendo da distância física a ser percorrida, isso pode afetar até mesmo os víncu-
los mais íntimos e fortes. No caso de nosso estudo, muitos de nossos entrevistados
191

perderam (ou ganharam) algo entre 5% e 10% dos números de nós de suas redes em um

8. Em busca dos mecanismos relacionados nas redes sociais de indivíduos pobres


único ano em razão das idas e vindas desses contatos mais superficiais, especialmen-
te dentro da vizinhança.
Processos migratórios estão envolvidos nessa dinâmica e causam profundas al-
terações nos arranjos relacionais, mas mudanças intraurbanas operam na mesma di-
reção. No caso das cidades estudadas, a migração, mesmo que apenas intraurbana,
mostrou ter uma influência mais forte em São Paulo, já que mudanças de residência
tendem a ser menos frequentes em Salvador. Esse tipo de mudança afeta os pobres
muito mais intensamente do que aos membros da classe média, dada a maior de-
pendência do espaço físico para tecer suas relações e a maior dificuldade para assumir
os custos de manutenção desses vínculos, como veremos mais adiante.
Um terceiro mecanismo de mudança recorrente diz respeito a um crescimento da
heterofilia entre os indivíduos presentes na relação, normalmente decorrente de uma
melhora ou piora das condições de vida de um deles, gerando maior distância social
entre indivíduos que antes viviam próximos. Em muitos casos, pudemos detectar
um distanciamento entre o ego e um determinado alter (uma pessoa com quem foi
estabelecido um contato) dentro do que Bourdieu caracteriza como espaço social.20
Isso normalmente aconteceu devido a uma mudança na condição social ou a uma pe-
quena mudança geográfica para espaço com condição social diferente. Nesta última
situação, o contato de um ego pode mudar para outra parte da mesma favela, a uma
distância geográfica mínima, mas uma área que tem uma composição social relativa-
mente mais rica ou mais pobre, dificultando a manutenção do contato.
O efeito aqui não está relacionado à mobilidade social do indivíduo em ques-
tão, mas ao estigma ou à distinção social associada a certas localizações, o que reflete
positivamente ou negativamente sobre o indivíduo, aumentando assim a heterofilia
(mesmo se as pessoas em questão continuam a partilhar as mesmas características)
e dificultando a manutenção dos contatos anteriores – um afastamento decorrente
do embaraço criado pelo estigma, particularmente um estigma territorial no caso
das mudanças de residência. A presença de estigmas territoriais no sentido usado
por Wacquant21 tem, portanto, um considerável efeito sobre criação e a manuten-
ção de vínculos.
Em quarto lugar, contatos podem sair ou entrar nas redes por conflitos ou de-
sentendimentos. Conflitos, entretanto, não sempre levam à ruptura, mesmo quan-
do são muito sérios, podendo levar contatos para latência, como já descrito. Foram
encontrados casos de indivíduos que haviam passado por sérios conflitos com o
ego, mas dado o tipo e a intensidade do vínculo envolvido (família ou amigos
chegados, por exemplo), retornaram para a rede ou acabaram propiciando apoio
192

crucial em tempos de crise. Para um jovem de uma favela paulistana, “as coisas
EFEITOS DA ARQUITETURA

acabam voltando para o seu lugar. O tempo cura as feridas.”


Também foram encontradas alterações causadas por mudanças em ambien-
tes organizacionais ou relacionais. Em muitos casos, frequentar novos ambientes
e abandonar os antigos cria ou afasta oportunidades de contato. Além disso, as
redes são influenciadas pelas características das organizações onde ocorrem práticas
comuns, em especial no que diz respeito à frequência e à geração de interação com
maiores ou menores graus de competição ou cooperação.22 Este é o caso, por exemplo,
da mudança de classes na escola, mudanças de emprego, ou da frequência a um
novo templo religioso. Mudanças desse tipo também podem levar à latência das
relações anteriores, que poderão ser reativadas mais tarde.
Um sexto motor de mudança não está associado à estrutura das redes, mas ao
conteúdo dos vínculos sociais que ligam os nós entre si. O conteúdo das relações está
em constante e intenso processo de transformação. Não se trata de ruptura ou de
construção de vínculos, mas, sobretudo de mudanças dos tipos de vínculo. Em ter-
mos gerais, esta dinâmica está associada com o processo de construção da confiança e
da intimidade, de forma similar às dinâmicas discutidas por Blokland.23 Os abusos
da confiança ou o esfriamento das relações têm impacto sobre os tipos de apoio que
os indivíduos podem esperar receber de suas redes. Do mesmo modo, a provisão de
certos tipos de ajuda pode criar confiança, cumplicidade e intimidade e elevar cer-
tas relações a outro patamar. Um exemplo é quando um conhecido ajuda alguém
em um momento crucial, assim como em uma crise pessoal aguda. A confiança e
a intimidade recém-adquiridas ajudarão a transformar o tipo de vínculo existente,
conformando um dos mecanismos que discutiremos a seguir.

Mecanismos de diferenciação das redes pessoais


São múltiplos os mecanismos e não seria possível cobrir neste capítulo a riqueza
encontrada no material da pesquisa, sendo o leitor remetido para estudos anterio-
res, para o conjunto da análise.24 Discuto aqui apenas os principais mecanismos
encontrados, iniciando por dois mecanismos muito importantes na diferenciação
entre as redes de indivíduos que vivem em situação de pobreza e as de indivíduos de
classe média, assim como entre indivíduos em diferentes intensidades de pobreza.
Vale, entretanto, uma nota de precaução: não acredito em um determinismo dos
mecanismos. Todos eles aumentam a probabilidade de ocorrência de certos eventos e,
em alguns casos, o fazem de maneira dependente da trajetória.25 Mas o que ocorre
efetivamente é fortemente influenciado pelas escolhas dos indivíduos e por outros
processos acima de seu controle.
193

Quando os indivíduos pobres e de classe média são jovens, até a adolescência,

8. Em busca dos mecanismos relacionados nas redes sociais de indivíduos pobres


não há uma diferença substantiva entre suas redes. Isso indica que é a partir desse
momento que os mecanismos começam a operar intensamente. Eu me refiro aqui
aos efeitos diferenciados da sociabilidade na vida escolar e na socialização para o
mundo do trabalho, e, especialmente, da existência de uma transição para redes
profissionais no caso da classe média.
Em geral, a transição para a idade adulta é marcada por mudanças nos vínculos,
antes baseados em laços primários com homofilia local, e que transformararam-se em
conexões menos locais e mais variadas, formadas dentro de ambientes institucio-
nais. A escola é um dos locais dessa transição de relações mais homofílicas para mais
heterofílicas. A estrutura escolar em si reflete essa dimensão, à medida que a escola
secundária tende a ser muito menos homofílica (e menos local geograficamente)
do que a escola primária. Como tal, ao longo do processo de amadurecimento,
as pessoas gradualmente desenvolvem os atributos do mundo adulto ao mesmo
tempo em que adquirem os padrões relacionais que o acompanham. Para a classe
média, isso ocorre de modo gradual em longas trajetórias educacionais. No caso dos
pobres, o mundo dos estudos não ocupa importância semelhante, pois suas carrei-
ras educacionais são mais breves e se sobrepõem a eventos de uma vida adulta que
começa mais cedo, como a entrada precoce no mercado de trabalho, o casamento
ou mesmo a gravidez na adolescência.
No entanto, parece que o verdadeiro problema reside na presença muito mais
rara de ambientes universitários e de outros espaços de preparação relacional gra-
dual para o mundo profissional na socialização ligada ao trabalho dos mais pobres.
É no campus universitário que a classe média inicia a formação de grandes tramos
profissionais em suas redes pessoais, dada a lenta transição para o mercado de traba-
lhos especializados. Indivíduos em situação de pobreza, mesmo quando completam
o nível médio, ainda enfrentam considerável descontinuidade relacional quando se
inserem no mercado de trabalho, uma vez que seus colegas de escola se dispersarão
em um espectro muito mais amplo de ocupações. A socialização para o mundo
do trabalho, neste caso, ocorre na prática (e normalmente nas atividades que o
indivíduo consegue encontrar, e não por escolha) sem a (prolongada) mediação de
um ambiente universitário onde as relações possam ser forjadas. Nada poderia ser mais
distante da busca por trabalho de Granovetter26 – indivíduos de classe média com
ensino superior que buscam empregos de alta qualificação em mercados de trabalho
especializados.
Cursos técnicos profissionalizantes podem ter efeitos similares para os pou-
cos indivíduos que conseguem frequentá-los, mas o resultado é certamente menos
194

intenso devido à curta extensão do curso e à natureza periférica das profissões de


EFEITOS DA ARQUITETURA

tais cursos em seus respectivos campos. Na verdade, existem diferenças categoriais


nos campos profissionais delimitadas pela fronteira do nível universitário, como
aquelas entre médicos/dentistas/enfermeiros, de um lado, e auxiliares e técnicos de
enfermagem, de outro. Este tipo de fronteira entre trabalho manual e não manual
produz e reproduz desigualdades persistentes no sentido descrito por Tilly. Uma
das dimensões reprodutivas dessas desigualdades na vida cotidiana reside nas ope-
rações das redes (construídas nas diferentes trajetórias de socialização profissional)
dentro de cada um desses campos profissionais.
Porém, outro mecanismo de grande escala se sobrepõe a este, diferenciando
ao longo do tempo as redes de indivíduos em condições de pobreza das redes de
indivíduos de classe média. É o que chamo de economia dos vínculos, que diz res-
peito aos custos econômicos, emocionais e temporais e aos esforços pessoais envolvidos
na criação e, particularmente, na manutenção dos vínculos: manter contato, realizar
visitas, fazer coisas juntos etc. Para indivíduos pobres é muito mais difícil arcar
com esses custos, o que gera limitações na construção e na manutenção dos vín-
culos. Como resultado, grandes porções das redes de pessoas em situação de pobreza
são periodicamente abandonadas, caindo em um período de latência e, depois de
algum tempo, morrendo. Em casos mais extremos, relações podem acabar sendo
totalmente esquecidas. Esse mecanismo opera constante e regularmente, levando
à perda de parte da estrutura relacional do indivíduo e empobrecendo gradualmente o
espectro de sociabilidade ali contido. Enquanto esse mecanismo afeta potencialmente
todas as redes, ele tende a atingir mais intensamente os migrantes pobres. A migração
(inclusive a migração intraurbana) produz custos adicionais para a manutenção
dos vínculos, mas enquanto os migrantes pobres perdem uma porcentagem subs-
tancial de suas redes através do processo migratório, os migrantes de classe média
conseguem manter melhor sua rede original local viva e ativa, pois dispõem dos
recursos financeiros e do tempo livre para manter vivos vínculos distantes espa-
cialmente.
O efeito agregado desses mecanismos é o de que as redes de classe média são
maiores e mais ricas em termos de sociabilidade e representam uma sobreposição
de redes de vários esferas e períodos da vida. As redes de pessoas pobres, por outro
lado, são menores, menos variadas e geralmente mais novas, já que a cumulativida-
de ao longo do tempo é menor e um número muito mais expressivo de contatos e
esferas de sociabilidade são descartados com regularidade.
Um segundo conjunto de mecanismos diferencia as redes dos pobres interna-
mente. Um mecanismo importante que também impacta as oportunidades dos
195

indivíduos diz respeito a uma associação entre confiança e homofilia. Os indivíduos

8. Em busca dos mecanismos relacionados nas redes sociais de indivíduos pobres


tendem a confiar em seus afins, e as formas mais custosas ou crônicas de ajuda são ge-
ralmente dadas por aqueles em quem confiamos. Nas palavras de um entrevistado:
“para mim, confiança é quando alguém tem os mesmos costumes que você, gosta
das mesmas coisas, tem a mesma fibra, frequenta os mesmos lugares que você e tem
os mesmos gostos”. Assim, é muito mais provável que confiemos em pessoas que
partilham nossas crenças, comportamentos e práticas.
A importância da homofilia cresce ainda mais nas relações baseadas em algum
grau de intimidade, assim como no apoio emocional e nas confidências. Exemplos
como esses foram abundantes, incluindo jovens que fazem confidências a amigos
de grupos de afinidade, homossexuais a homossexuais, evangélicos a evangélicos,
e assim por diante. Essa seletividade parece estar ligada ao fato de que, como os
assuntos são frequentemente de natureza pessoal, envolvem julgamentos morais
mediados pela homofilia de comportamentos e ideias, gerando intimidade na relação.
Adicionalmente, essa homofilia potencializa a partilha de linguagens e repertórios,
tornando mais fácil compreender as questões discutidas.
Este mecanismo tende a criar círculos viciosos na provisão de tipos de ajuda
mais custosas e baseadas em confiança para os que são mais chegados.27 Isto porque
incentiva e cristaliza vínculos com pessoas semelhantes ao ego (por exemplo, de
mesma origem migratória, religião ou comportamento pessoal), reduzindo a circu-
lação de repertórios e informação, mesmo entre os pobres. O resultado para os mais
pobres entre os pobres é, uma vez mais, o acúmulo de desvantagens e o reforço do
isolamento. É razoável imaginar que este fenômeno também ocorra entre membros
da classe média, mas nesse caso ele leva à monopolização de oportunidades no sen-
tido de Tilly, tanto entre grupos como entre indivíduos. Com relação aos pobres,
dado o acesso restrito a oportunidades, tal fenômeno contribui para o “aprisio-
namento” em situações de baixo acesso a ajudas, bens e serviços, contribuindo à
reprodução das desigualdades.
Independentemente das oportunidades relacionais disponíveis para os indiví-
duos, a dinâmica do apoio social no cotidiano abordada anteriormente pode me-
lhorar ou piorar a situação das ajudas potencialmente disponíveis à medida que
essas ajudas podem mudar os tipos de vínculo envolvidos na relação, como já men-
cionei. Oferecer ajuda pode aumentar os níveis de confiança ou intimidade em
uma relação, transformando conhecidos que “dão uma mão” de vez em quando
em amigos com quem se pode contar para ajudas mais constantes e custosas. Um
exemplo de uma situação que pode criar este tipo de mudança é a provisão de
ajuda em uma época de crise. Um caso relatado por uma mulher com dois filhos
196

vivendo em um cortiço exemplifica a situação. Sua vizinha, recém-chegada e sem


EFEITOS DA ARQUITETURA

conexões no cortiço, tinha três crianças pequenas e ninguém que pudesse cuidar
delas quando saia ao trabalho. Como deixava as crianças trancadas no cômodo todo
o dia, outro vizinho chamou o Conselho Tutelar e a polícia chegou para investigar.
A entrevistada retirou as crianças do quarto por uma janela, escondeu-as da polícia
e contou que a denúncia havia sido falsa. Desde aquele dia, a entrevistada e a mãe
das crianças tornaram-se muito amigas, ajudando-se reciprocamente. Um elemento
adicional interessante é que a entrevistada apresentou, como motivação da ajuda,
também ser mãe e trabalhadora (homofilia).
Contrariamente, outras mudanças podem ter um impacto negativo levando à
deterioração da relação entre indivíduos, dissipando o estoque de contatos que pode-
riam potencialmente proporcionar ajuda custosa e constante. Como no caso dos me-
canismos anteriores, uma vez mais vemos a produção e reprodução de desigualdades
persistentes no sentido delineado por Tilly, reforçando situações sociais de maneira
circular, especialmente quando os mecanismos operam em conjunto.
Outra questão diz respeito às diferenciações entre os pobres, que começam
na inserção relacional inicial do migrante (e do jovem não-migrante) no mercado
de trabalho e no mundo de oportunidades em geral, com efeitos duradouros so-
bre suas vidas. De um lado, os pobres migrantes dependem da disponibilidade de
vínculos em seu lugar de chegada, especialmente daqueles providos pelas pessoas
que encorajaram ou facilitaram a mudança, familiares ou outros contatos. Seus pri-
meiros trabalhos são geralmente obtidos através desses vínculos, que também vão
influenciar o tipo de atividades obtidas, já que sua socialização tende a ocorrer “no
trabalho”. Por isso, as oportunidades que se abrem ao migrante são amplamente
derivadas de suas relações com indivíduos já presentes em seu lugar (ou lugares)
de chegada, criando certa dependência de trajetória em termos de especialização
ocupacional e atrelando o futuro (ocupacional) às primeiras oportunidades encon-
tradas.28 O interessante é que estas são amplamente acidentais, pois embora os
migrantes tenham alguma ideia da situação social e ocupacional dos indivíduos
que o receberão, não têm controle sobre as condições locais em termos espaciais e
relacionais.
As entrevistas da pesquisa mostraram casos de indivíduos que se depararam
logo no início com ricas estruturas relacionais que lhes possibilitaram obter ocupa-
ções de boa qualidade. Nesses casos, a lógica dos “laços fracos” de Granovetter não
se aplica, já que para o recém-chegado, ou para os indivíduos à procura do primeiro
emprego, a informação sobre trabalho fornecida pelos vínculos fortes é estratégica
para a obtenção de uma vaga de trabalho decente. Indivíduos menos afortunados,
197

entretanto, conseguem trabalhos totalmente não qualificados e de baixa renda, e

8. Em busca dos mecanismos relacionados nas redes sociais de indivíduos pobres


são forçados a entrar em futuros circuitos de emprego de baixa qualidade.
Algo similar ocorre com não migrantes à busca de seu primeiro emprego, um
efeito mais evidente em Salvador do que em São Paulo, devido ao menor número
de migrantes e ao maior tempo de residência nas vizinhanças no caso de Salvador.
Dada a descontinuidade relacional na trajetória educacional do indivíduo menciona-
da anteriormente, a primeira vaga de trabalho da pessoa pobre é frequentemente o
resultado de oportunidades relacionais proporcionadas por indivíduos com quem
o ego mantém algum vínculo, que nesta fase da vida será mais provavelmente um
membro da família ou vizinho. Do mesmo modo, nesse contexto, aquelas primei-
ras atividades profissionais tenderão a ser derivadas da rede de um terceiro, perma-
necendo fora do controle do indivíduo. Os casos de Salvador sugerem que aqueles
que obtêm seus primeiros empregos através de conexões estabelecidas dentro de
organizações – que podem ser empresas, mas também associações políticas ou mes-
mo templos religiosos (o efeito advém do tipo de ambiente, muito mais do que dos
temas e atividades presentes) – tendem a ter uma melhor iniciação profissional.
Nesse caso, a entrada no mercado de trabalho recebe o efeito da menor homofilia
presente nas organizações.
Essa questão também está relacionada aos atributos do indivíduo, por meio
da homofilia, visto que migrantes com melhores condições tendem a ser trazidos
por meio de redes de indivíduos com condições boas semelhantes. Essas pessoas
também tendem a viver em áreas menos segregadas e a estarem conectadas a pes-
soas melhor estabelecidas e inseridas profissionalmente. O efeito é produzido pela
formação de monopólios de oportunidades para poucos, privilegiando indivíduos do
mesmo grupo, como identificado por Kaztman.29 No entanto, esta dinâmica in-
corpora uma parcela significativa de acaso, especialmente para os migrantes, e não
é de modo algum determinística, embora tenda a gerar desigualdades persistentes e
significativas similares àquelas descritas por Tilly.

Considerações finais

Alguns mecanismos diferenciam as redes dos pobres e as da classe média, en-


quanto outros produzem heterogeneidade entre os pobres, bem como influenciam
a reprodução das desigualdades. Esses mecanismos envolvem diferentes dinâmicas
de acesso ao aprendizado, especialmente no nível universitário; formas de fazer face
aos custos de produzir e manter vínculos; a iniciação profissional; a transformação
dos tipos de vínculo; as dimensões espaciais da migração dentro da cidade; e combi-
198

nações entre tipos de sociabilidade e segregação. Vários mecanismos apresentam


Efeitos da Arquitetura

um funcionamento circular e cumulativo, reproduzindo situações de pobreza entre


os indivíduos. Outros mecanismos criam oportunidades ou viabilizam estratégias
que facilitam escapar desses círculos viciosos, como no caso da grande variabilidade
da sociabilidade entre certos indivíduos ou a contínua transformação dos tipos de
vínculos.
Entretanto, ao menos para alguns desses indivíduos, trajetórias cumulativas
podem gradualmente restringir a disponibilidade de opções de escolha. Nos casos
mais extremos, estas trajetórias podem gerar acúmulos de destituições que alimen-
tam um sentido de desesperação e fatalismo, acentuando os efeitos anteriores.
199

9. Impactos de complexos Habitacionais do PMCMV


9
Impactos de complexos
habitacionais do
PMCMV: mobilidade,
diversidade do entorno
e vida social Vinicius M. Netto
Roberto Paschoalino
Mirella Furtado
Julia Cantarino
Saulo Macedo
Maria Clara Moreira

Introdução: críticas a soluções habitacionais


e uma proposta de análise

Críticas às soluções habitacionais produzidas dentro do Programa Minha Casa


Minha Vida (PMCMV) vêm se acumulando. Localizações distantes dos polos de
emprego, impondo perdas consideráveis de tempo no acesso ao trabalho e na pro-
dutividade e condição de geração de renda dos moradores; entornos rarefeitos, in-
capazes de oferecer suporte à vida dos moradores e impondo mais perdas de tempo;
implantações que reproduzem a lógica dos condomínios de classes média e alta,
encerrados em muros, ignorando os impactos negativos dessas extensas áreas mura-
das para a população de seus entornos e para a própria população moradora, como
sobre a segurança no espaço público, perdida em nome da suposta segurança in-
terna no condomínio;1 tipologias arquitetônicas subdimensionadas e nada flexíveis
em suas plantas internas aparecem entre as mais frequentes.
As críticas parecem fazer sentido mesmo considerando o alto grau de satisfação
da população residente nesses complexos.2 Na verdade, pesquisas de satisfação po-
dem sofrer importantes ruídos, esquecidos em interpretações apressadas. Primeiro,
200

há o contraste entre a condição de vida na moradia precária anterior e a nova mo-


EFEITOS DA ARQUITETURA

radia, que naturalmente induz a uma sensação (legítima) de melhora de qualidade


de vida. Essa sensação de melhora geral, entretanto, termina fixada em função de
outra questão importante e ignorada. Temos dificuldade de estabelecer cenários al-
ternativos de moradia e de condições espaciais para nossas vidas; temos dificuldade
de pensar sobre o espaço à nossa volta, salvo em situações de incômodo (digamos,
quando um espaço nos desorienta ou torna inseguros), devido à escassez de concei-
tos espaciais no nosso vocabulário cotidiano.3 Em outras palavras, tendemos a não
elaborar outros cenários possíveis, de modo a compará-los com aquele que vivemos
– e, se o fazemos, tendemos a não evocar o papel do espaço e suas qualidades dese-
jáveis. Portanto, o contraste entre uma nova situação habitacional e a anterior não
é suficiente para estabelecer a qualidade da nova situação. A satisfação com a nova
moradia, capturada em entrevistas, não pode ser tida como um parâmetro único
para avaliarmos o grau de adequação das soluções habitacionais do PMCMV.
Neste capítulo, desejamos oferecer uma metodologia para capturar as impli-
cações da nova moradia em complexos habitacionais produzidos pelo PMCMV
na vida de seus moradores e para a cidade. Nossa intenção é gerar uma forma de
análise rigorosa do desempenho dos complexos a partir de um número expressivo
de casos. Traremos aqui alguns resultados da pesquisa de impactos de complexos
habitacionais sobre as rotinas de seus moradores e suas redes sociais presenciais, o
grau de suporte oferecido a eles, e impactos dos complexos sobre seu entorno. Esta
pesquisa fez parte de um projeto mais amplo, que incluiu o exame do desempenho
ambiental e econômico da tipologia arquitetônica na fase da construção.4 Nossa
abordagem visa oferecer meios para evitar os efeitos problemáticos da localização,
entorno, implantação e tipologia dos complexos de habitação de interesse social
(CHIS) sobre seus moradores, seu entorno e sua relação com a cidade. Nosso ob-
jetivo é chegar a um conjunto de indicadores úteis na análise e antecipação de
impactos prováveis da implantação dos complexos, incluindo aspectos ambientais
e de habitabilidade. Neste capítulo, exploraremos os seguintes itens:

1. Mobilidade e comportamento espacial. Faremos uma análise da mobilidade


de moradores em relação a seus modos de transporte e seu acesso a opor-
tunidades de trabalho, consumo, serviços e condição de proximidade aos
membros de seu círculo social. Essa análise servirá para conhecermos os
graus diferentes de mobilidade de moradores em diferentes faixas de renda
do PMCMV – diferenças que deveriam importar na decisão da localização
dos CHIS;
201

2. Sociabilidade. Faremos uma análise da composição das redes de relaciona-

9. Impactos de complexos Habitacionais do PMCMV


mentos dos moradores de diferentes faixas de renda e das mudanças nessas
redes após a mudança para a nova habitação. Veremos o chamado grau de
localismo, a dependência dos moradores em relação à proximidade e à vizi-
nhança para estabelecer essas redes pessoais. Faremos ainda uma análise das
esferas de sociabilidade, as situações que geram oportunidades de relaciona-
mento pessoal, útil para conhecermos o quanto a nova habitação impac-
tou os moradores em sua condição de manter suas redes sociais, incluindo
aquelas ligadas à moradia anterior. Os achados dessas análises permitirão
verificar o grau de importância de situar a nova habitação menos ou mais
próxima da anterior para diferentes faixas de renda do PMCMV.
3. Suporte do entorno aos moradores dos CHIS. Faremos uma análise do grau de
diversidade de atividades do entorno e do suporte das suas edificações para
a microeconomia local. Essa análise será útil para avaliar a qualidade das
áreas que recebem (ou são candidatas a receber) os CHIS.

Analisaremos esses aspectos de impacto dos complexos habitacionais. Mas an-


tes de detalhá-los, vejamos o contexto em questão: a cidade do Rio de Janeiro.

Contexto e o problema de pesquisa


Analisamos inicialmente o status da produção de complexos habitacionais no
país e a concentração por empresa executora das construções. Do total de comple-
xos contratados no município do Rio de Janeiro até fevereiro de 2013 (um total
de 274 CHIS), período de início da pesquisa, apenas 6% estavam completos. O
dado nos levou a um conjunto de casos para estudo limitado a 63 CHIS. A li-
mitação de um projeto com duração de 18 meses e quatro bolsistas de pesquisa
impossibilitava uma amostragem estatisticamente suficiente. Nossa alternativa foi
a montagem dos estudos de caso de acordo com um critério de representatividade
capaz de confrontar diferentes tipos de arquitetura, de implantação, de localização
e de perfis de renda. A seleção de CHIS levou em consideração uma amostragem
estratificada proporcional, dentro de certos limites quanto ao número de unidades
habitacionais, blocos e distância dos CHIS em relação ao Centro. Vejamos essa fase
preparatória de seleção de casos mais em detalhe:

1. Distribuição por região. Naturalmente, a localização se coloca como um


fator de potencial influência nos impactos dos complexos habitacionais.
Os CHIS produzidos pelo PMCMV estão fortemente distribuídos nas duas
202

principais frentes de expansão urbana carioca, nas zonas norte e oeste da ci-
EFEITOS DA ARQUITETURA

dade. Dividimos nossa amostra inicialmente em 6 complexos em cada zona.5


Adiante, essa proporção foi alterada em função da disponibilidade de CHIS
confirmados in loco como habitados. Mesmo assim, mantivemos a possibi-
lidade do confronto entre casos nesses dois contextos típicos (Figura 9.1).
2. Cota tipológica arquitetônica. Examinando os complexos habitacionais, mon-
tamos uma taxonomia de casos – das torres com a usual planta H ao edifício
em forma de fita alongada. O tipo “fita” predomina no Rio, respondendo por
70% dos casos, a maior parte dos quais pertencente ao subtipo “fita simples”
(Gráfico 9.1). O tipo “edifício isolado” corresponde a pouco menos de um
terço dos CHIS, tendo predomínio da planta H. Os CHIS com tipo H estão
quase todos localizados na zona oeste da cidade, com apenas um caso na zona
norte. Há apenas um caso de CHIS no Rio que não pertence a esses dois tipos.
3. Faixa de renda a que o complexo habitacional é destinado. Utilizamos as defi-
nições de renda do próprio PMCMV em 2014: R$ 1.600 (faixa 1), até R$
3.275 (faixa 2) e acima de R$ 3.275 (em tese, até R$ 5 mil) (faixa 3). Dife-
renças de renda podem implicar diferentes mobilidades, comportamentos
espaciais e sociais, entre outros fatores.6
4. Número de unidades habitacionais. Considerando os diferentes portes dos
CHIS, variando de poucas dezenas a centenas de unidades (apartamen-
tos), via de regra, consideramos apenas aqueles que se encontrassem en-
tre o primeiro e o terceiro quartil do histograma (Gráfico 9.2, esquerda),
desprezando-se assim os 25% do extremo superior (os maiores complexos)
e os 25% do extremo inferior (os menores), de modo a termos mais simi-
laridade para fins de comparação.
5. Número de blocos de edifícios em um mesmo complexo. Analogamente, consi-
deramos CHIS contendo entre 3 e 22 blocos.
6. Distância ao Centro. Utilizamos inicialmente o critério de tempo de deslo-
camento por ônibus ao CBD (Central Business District, o principal polo de
empregos da cidade do Rio de Janeiro) como proxy da distância (Gráfico 9.2,
centro). Poderíamos também ter usado a distância métrica, já que ambas pos-
suem taxa de correlação alta (Gráfico 9.2, direita). O marco zero do CBD foi
considerado o cruzamento entre Av. Presidente Vargas e Av. Rio Branco, as
duas ruas de maior acessibilidade no centro. Cerca de 50% dos CHIS estavam
localizados em áreas entre 40 e 90 minutos do CBD.7 Por força de contin-
gências empíricas, esses tempos foram gradativamente piorando ao longo da
203

pesquisa, e este critério inicial terminou sendo apenas parcialmente atendido.

9. Impactos de complexos Habitacionais do PMCMV


A Figura 9.2 reúne os casos selecionados, suas características e localização.

Figura 9.1 – CHIS identificados e aqueles selecionados para estudo (pontos claros, numerados).
(Fonte: Autores / Google Earth.)

Gráfico 9.1. Distribuição da tipologia e subtipologia. (Fonte: Autores.)

Gráfico 9.2. Histogramas das frequências de casos e os quartis de filtragem e seleção dos CHIS
para estudo: unidades habitacionais, tempo de deslocamento e regressão entre tempo e distância
dos CHIS ao CBD. (Fonte: Autores / Google Maps.)
204
EFEITOS DA ARQUITETURA

Figura 9.2 (a, b). As dez áreas analisadas, contendo doze complexos residenciais.
(Fonte: Google Earth, Streetview.)
205

9. Impactos de complexos Habitacionais do PMCMV


206

Comportamentos espaciais e mobilidade dos moradores


EFEITOS DA ARQUITETURA

Analisamos os impactos da localização dos CHIS sobre a mobilidade e o com-


portamento espacial dos moradores via coleta de seus dados socioeconômicos, da-
dos sobre seus lugares de trabalho, lazer, serviços médicos e consumo, a loca-
lização dos membros das redes pessoais de amigos, e seus percursos, com 276
questionários completados nos doze CHIS selecionados em dez bairros (margem
de erro 5,6%).
A análise do comportamento espacial foi feita em um subgrupo de 249 mo-
radores que ofereceram informações sobre seus deslocamentos, e se vale do en-
tendimento da cidade como uma rede espacial de ruas e lugares de atividade.8
As atividades possuem papéis bem definidos nessas rotinas (como as ações de
trabalho e consumo diário). O percurso dos moradores pode envolver movimento
pedestre, transporte coletivo ou veículos particulares. Em princípio, o meio de
transporte utilizado pode ter influência sobre as possibilidades de apropriação
do espaço tão grande quanto a rede de ruas que articula os lugares de atividade.
Interpretamos a apropriação do espaço como relacionada ao número de lugares
e de atividades na cidade que uma pessoa acessa, bem como os espaços públicos
pelos quais ela passa. Essas redes espacializadas de apropriação são traços de nos-
sa presença efetiva no espaço.9 Se cartografássemos esses caminhos, poderíamos
ter uma boa ideia de como os moradores dos CHIS espacializam suas ações, e o
quanto a localização da moradia e padrões de apropriação do espaço moldam suas
ações na cidade. Ainda: a análise da localização das moradias atual e anterior; da
localização dos indivíduos que compõem as redes de relacionamentos pessoais
dos atores (definidos em relação de amizade); da composição em si dessas redes,
nos permitiria avaliar o efeito da nova localização sobre essa composição, como
veremos no item a seguir.
Colhemos as localizações das atividades e percursos realizados na cidade no
dia anterior ao da entrevista, além de lugares de consumo e serviços médico e
educacional. Essa informação foi então espacializada de modo a incluir os tempos
de deslocamento, o modo de transporte utilizado, as distâncias percorridas, as lo-
calizações do trabalho, amigos e outras atividades. Analisamos os trajetos a partir
dos doze CHIS como lugares de origem dos trajetos, em relação a 2.229 lugares
de destino mapeados em suas rotinas, dos quais 219 são lugares de trabalho,
859 lugares de consumo cotidiano, 737 lugares de diversão, 414 lugares usados
para serviços médicos, 249 lugares das moradias anteriores, e finalmente 1.245
localizações de amigos, dos quais 568 são amizades recentes (formadas a partir
207

9. Impactos de complexos Habitacionais do PMCMV

Figura 9.3. Mapeamento dos comportamentos espaciais dos moradores de 12 CHIS no Rio
de Janeiro, distintos por (a) faixa de renda (faixa 1: <R1.600$; faixa 2: <R3.275$; faixa 3:
>R3.275$) e (b) por modal de transporte. (Fonte: Autores / Google Earth.)

da nova moradia). Esse mapeamento permite reconhecer traços da complexidade


dos trajetos e mobilidades cotidianas: os padrões de apropriação do espaço dos
moradores (Figura 9.3).
Uma série de informações foi derivada desse mapeamento: a influência da loca-
lização do CHIS nas distâncias percorridas até trabalho, serviços e amigos, o grau de
dependência veicular, e o grau de dependência de viagens para além do entorno ime-
208

diato dos CHIS para cumprir atividades e encontrar facilidades. Confirmamos que
EFEITOS DA ARQUITETURA

fatores como localização da moradia e renda influenciam o comportamento espacial e


a mobilidade dos moradores. O exame das distâncias medianas percorridas pelos mo-
radores aponta que os CHIS localizados na Zona Oeste da cidade tendem a induzir
distâncias significativamente maiores, oferecendo piores condições de acessibilidade
a quase todos os lugares analisados – centro, trabalho, comércios, serviços (exceção
para serviços de saúde) e amigos. Os dados indicam que os moradores desses CHIS
na Zona Oeste também estão mais distantes de suas moradias anteriores (Tabela 9.1).

Tabela 9.1. Distâncias (em km) percorridas pelos moradores (medianas) – dados para 249 atores.
(Fonte: Autores.)

Há ainda a questão polêmica do quanto as faixas de renda do PMCMV se rela-


cionam com a localização dos complexos habitacionais. A impressão generalizada é
a de uma segregação maior das moradias da menor faixa de renda. Confrontamos os
mesmos percursos com as medianas das rendas familiares colhidas nas entrevistas e
então distribuídas conforme as faixas de renda 1, 2 e 3 do PMCMV (Tabela 9.2).

Tabela 9.2. Distâncias (em Km) percorridas pelos moradores das três faixas de renda do
PMCMV (medianas) – dados para 249 atores. (Fonte: Autores.)
209

Dos 249 moradores considerados, 100 estão na faixa 1, 61 na faixa 2 e 118

9. Impactos de complexos Habitacionais do PMCMV


atores na faixa 3. Onze atores não quiseram informar a renda.

Os dados apontam diferenças substanciais de alcance espacial para moradores de


renda distinta. Diferenças pontuais à parte, vejamos as tendências notadas:

1. Moradores de menor renda (faixa 1) tendem a morar mais distantes do


centro. Entretanto, tendem a morar mais próximos do seu trabalho, o que
sugere dinâmicas mais complexas da relação entre localização da residência
e busca de oportunidades de trabalho em graus de especialização associados
a rendas baixas.
2. As distâncias percorridas pelos moradores da faixa 3 tendem a ser maiores, sobre-
tudo com o veículo privado, o que confirma para a população dos CHIS a
mesma tendência de comportamento de maior mobilidade observada em va-
riações maiores de renda vistas em pesquisas anteriores.10 O dado não impli-
ca que moradores de maior renda estão em localizações necessariamente mais
distantes, mas que eles se movem com mais amplitude pelo espaço urbano.
3. Quanto menor a renda, maior tende a ser a distância em relação à moradia
anterior, incluindo remanejamento. O item tende a causar grande impacto
para efeito de mobilidade e capital social.
4. A faixa 3, que tem mais posse do veículo privado, é a que mais se beneficia da
relocação para a nova moradia em termos de proximidade à moradia anterior.
5. As amizades dos moradores de faixa 1 também tendem a morar substancial-
mente mais próximos ao morador, como veremos no item sobre capital social.
6. Amigos recentes localizam-se sobretudo dentro do novo complexo habita-
cional para as três faixas de renda.
7. Deslocamentos pedestres apresentam extensões similares para as três faixas
da renda.
8. Moradores de maior renda (faixa 3) tendem a escolher seus lugares de aten-
dimento médico independentes da proximidade à moradia, condizente
com sua maior renda e mobilidade.

Mobilidade e renda
As análises podem ganhar mais eloquência se explorarmos as correlações en-
tre renda, mobilidade e distância entre CHIS e CBD (o centro como polo de
empregos e serviços) estatisticamente. Correlações de Pearson são instrumentos
210

úteis para encontrarmos o quanto as variações na incidência de uma variável


EFEITOS DA ARQUITETURA

correspondem à variação da incidência de outra variável. Quando essa variação


é perfeitamente igual entre ambas, a correlação é 1. Quando são perfeitamente
inversas, -1. A correlação entre renda e mobilidade dos moradores (soma dos deslo-
camentos feitos pelo morador) para todas as faixas de renda, nos doze CHIS foi
considerável: 0,49 com alto grau de significância estatística (p<0,01).11
A correlação entre faixa de renda e distância entre 215 CHIS aprovados ou em
processo de aprovação na Prefeitura do Rio de Janeiro (IPP) ao Centro foi de -0,247
(p<0,01), indicando baixo papel da renda na localização dos CHIS próximos ou
não do centro – mas ainda assim, existente.
Vejamos agora as implicações dessas diferenças de localização, renda, mobili-
dade e comportamento espacial dos moradores sobre o modo como constituem
suas redes de contatos presenciais, itens importantes para efeito de oportunidades,
capital social e, em última instância, renda.

Impactos da nova moradia sobre a vida social dos moradores

Itens de comportamento espacial incidirão diretamente sobre as condições que


o morador tem de construir e manter sua rede de relações pessoais. Essas relações
formam o que a sociologia define desde os anos 1950 como “rede social”.12 Há na
literatura um entendimento estabelecido de que a complexidade da rede social –
em termos de número de membros e sua diversidade – tem a ver com o chamado
“capital social”. O capital social pode ser definido como os recursos acumulados
por meio de relacionamentos,13 ou como a soma dos recursos, reais ou potenciais,
que revertem para um ator ou grupo em virtude de possuir uma rede estável de
relacionamentos de conhecimento mútuo e reconhecimento.14
Não avaliaremos capital social per se neste trabalho, dado que a propriedade en-
volve camadas também simbólicas, mas lidaremos com uma proxy bastante objeti-
va: o tamanho e a diversidade das redes sociais pessoais. A situação social de origem
dos atores que compõem uma rede social é definida na literatura como “esfera de
sociabilidade”. Em tese, quanto maior o número de relacionamentos e a diversida-
de das suas esferas, maior é o potencial para oportunidades e suporte mútuo entre
atores.15 Redes e capital sociais são construções de cada ator e tomam esforço e
tempo. No caso de atores de menor renda, pesquisas no Brasil encontraram forte
papel da localização residencial e da proximidade entre atores na composição das
redes sociais pessoais.16 Atores de menor renda dependem mais do entorno para
gerar suas redes – e, por extensão, seu capital social.
211

A hipótese que naturalmente se apresenta é a de que a mudança para os CHIS

9. Impactos de complexos Habitacionais do PMCMV


do PMCMV tenha impacto sobre as redes pessoais dos moradores. Isso seria de se espe-
rar em atores de qualquer perfil de renda – mas, como Marques mostra neste livro,
no caso de faixas menores, os impactos tendem a ser mais fortes, porque relações
de vizinhança constituem larga parte das suas redes. Ao se mudar, os atores podem
se ver parcialmente destituídos de suas redes, com dificuldade para manter relações
anteriores, agora mais distantes, dado que atores de renda menor podem tender a
ter menor mobilidade. Nossa amostragem neste item incluiu 276 entrevistados.
Vejamos alguns aspectos do problema:

1. O grau de localismo dos moradores. A análise da localização das atividades


e dos membros da rede pessoal de cada morador pode revelar o grau de
dependência da proximidade para o estabelecimento de relacionamentos
sociais. O objetivo é estudar o esforço envolvido em manter redes sociais e
os impactos na mudança para a vida social do morador. O próximo item
nos permitirá examinar o localismo com mais precisão.
2. A composição das esferas de sociabilidade dos moradores e seu grau de homofi-
lia. O papel das esferas de sociabilidade variando em função da renda fica
mais claro ao destacarmos as esferas entre si. Os perfis de sociabilidade de
moradores com níveis de renda distintos têm diferenças marcantes quanto
às esferas de sociabilidade envolvidas na formação de suas redes pessoais,
dando mostras de seu grau de localismo (dependência da proximidade)
e homofilia (grau de homogeneidade da rede social). No momento das
entrevistas, capturamos a presença dominante das relações de vizinhança,
tanto na moradia anterior (acima de 30% das atuais amizades) quanto no
CHIS (acima de 20% das amizades) para os moradores de menor renda.
Essa presença cai gradualmente à medida em que a renda aumenta, evi-
denciando o localismo como dependente da renda do morador. Trabalho e
amigos se tornam meios mais importantes à medida que a renda aumenta,
enquanto os estudos têm papel mais variável nessa amostragem. O Gráfico
9.3 mostra as proporções das esferas de sociabilidade para diferentes ren-
das. A presença de amizades constituídas em função do trabalho e estudo
também tende a aumentar com a renda. Essas são categorias que permitem
reduzir o grau de homofilia ou semelhança entre atores, dado que levam a
um aumento de diversidade nas esferas de sociabilidade e oportunidades de
contato com pessoas de campos e classes sociais distintos dos de origem do
212

morador. Ao medirmos o grau de diversidade nas esferas de sociabilidade


EFEITOS DA ARQUITETURA

via medida de entropia da informação de Shannon17 (fórmula no item a


seguir), atestamos que moradores da faixa 1 do MCMV tendem a ter di-
versidade de 0,78; faixa 2 de 0,84; e faixa 3, diversidade de 0,86.
3. A influência da nova localização residencial nas redes pessoais. Observamos
indícios do grau de esforço do morador para manter sua rede pessoal até o
momento da nova moradia e o impacto do remanejamento e da nova loca-
lização sobre essas redes. A análise mostra uma forte diferença nas estruturas
das redes de moradores de rendas distintas. Os impactos da nova localização
residencial no CHIS se fazem sentir na adição substancial de novos amigos
(Gráfico 9.3), com impactos maiores sobre moradores de menor renda.

Gráfico 9.3. Composição da rede social presencial: proporção das esferas de sociabilidade
de acordo com a renda per capita de 276 entrevistados em 12 complexos habitacionais.
(Fonte: Autores.)

O que as alterações implicam sobre a vida social do morador de CHIS? Uma


explicação razoável é a de que há queda de contatos com amigos da localização
anterior, induzida pela nova distância e pelo grau de mobilidade, que varia em
função da renda. Moradores de renda mais alta poderão sofrer menos essa rup-
tura do “tecido” que estrutura sua rede social. Temos inicialmente uma queda
no número de membros a partir da mudança residencial, com impactos sobre
oportunidades de atividades e apoio cotidiano. No entanto, adiante no tempo,
temos um aumento da rede social com adição de novos membros em função da
nova localização, com possível aumento de capital social. Nossos dados apon-
tam uma renovação da rede social dos moradores, com a presença crescente de
amigos sobretudo dentro dos CHIS. A nova localização já se faz sentir nas suas
redes sociais presenciais.
213

Suporte aos moradores: a diversidade do entorno

9. Impactos de complexos Habitacionais do PMCMV


Desenvolvemos também uma metodologia para avaliar precisamente o quanto os
moradores podem encontrar no entorno da nova moradia em termos de atividades
que atendam a suas necessidades. Para tanto, definimos uma medida de diversidade
microeconômica do entorno como suporte aos moradores. Essa medida opera a partir
do levantamento de usos do solo em um raio de 5 minutos de caminhada a partir da
entrada do complexo (460m – Figura 9.4).

Figura 9.4. Exemplo de entorno analisado (raio de 460m) para cada complexo habitacional,
com os portões numerados onde a contagem de pedestres foi realizada. (Fonte: Autores.)

Classificamos as atividades de entorno de duas formas: quatro categorias clássicas


sob o ponto de vista de planejamento urbano (residencial, serviços, comércios, usos
institucionais) e em um leque mais detalhado, de acordo com a Classificação Nacio-
nal das Atividades Econômicas (CNAE), com atividades agregadas em 24 categorias
com sentido sob o ponto de vista da microeconomia urbana. Similarmente ao grau
de diversidade nas redes sociais, o grau de diversidade das atividades de entorno foi
analisado fazendo uso da medida de entropia da informação de Shannon: quanto
menor a diversidade, mais próximo de 0; quanto maior a diversidade, mais próximo
de 1. A diversidade é considerada como o número de atividades levantadas (usos do
solo ao nível do lote)18 em relação com o número total de categorias de atividade.
214
EFEITOS DA ARQUITETURA

Onde:

Ei = índice de entropia no setor i


pji = parcela da área construída ocupada pela atividade j no setor i
ou proporção de unidades com o atividade j
k = número de categorias de atividades consideradas (usos do solo)
ln = logaritmo natural

Analisamos o grau de diversidade em dez áreas de entorno dos doze CHIS e


avaliamos seu grau de diversidade em um estudo comparativo, observando ainda
dados de distância e tempo de percurso ao centro, e densidade de acordo com Cen-
so do IBGE de 2010. O índice de diversidade é uma aproximação do quanto cada
CHIS se beneficia potencialmente do entorno. Ele revela a proporcionalidade entre
tipos de atividade em uma área. É difícil apontar precisamente qual seria o limiar da
“boa diversidade”, aquela que define o bairro como um bom suporte aos moradores
em termos de oferta de serviços. Olhando para os índices avaliados, diversidades
abaixo de 0,40 para 24 atividades e abaixo de 0,60 para quatro atividades mostram
baixa oferta de diversidade.
Um parâmetro empírico pode ajudar nesse sentido. Incluímos o índice de di-
versidade em quatro categorias, menos sensível, mas que permite a comparação
com bairros com ótimo grau de diversidade, como Copacabana (Divers=0,82) e
Ipanema (0,71) colhidos em pesquisa anterior19 (Tabela 9.3). Grande parte dos
bairros onde os CHIS estão inseridos tem baixa diversidade. Os melhores estão na
zona norte da cidade, mais próxima ao CBD. A consequência dos baixos índices de
diversidade (alguns próximos de zero) é a dificuldade prática dos moradores em te-
rem menos oferta de tipos de atividades, dependendo de deslocamentos para além
de raios caminháveis em 5 minutos.
215

9. Impactos de complexos Habitacionais do PMCMV


Tabela 9.3. Relações entre distância CHIS-CBD (centro), diversidade e densidade.
Os melhores indicadores de diversidade estão destacados. (Fonte: Autores.)

Clássicos em economia urbana apontam para a relação entre fatores de dis-


tância entre moradia e CBD e densidade populacional como condição para a di-
versidade. Nossos dados empíricos confirmam o axioma como ativo na distância
entre localização dos CHIS em relação ao principal polo de empregos do Rio e o
quanto isso se rebate na densidade e na diversidade do entorno. Calculamos estatis-
ticamente as correlações entre os fatores. Encontramos fortíssima correspondência
inversa entre distância e densidade: quanto maior a distância ao centro, menor a
densidade (-0.85 | p<0,01). Temos correlação fortemente positiva entre diversidade
e densidade considerando tanto 4 categorias de atividade (0,76 | p<0,01) quanto
24 categorias (0,60 | p<0,05) e negativa entre diversidade e distância (-0,75 para
quatro categorias, -0,71 para 24 categorias | p<0,01) (Tabela 9.4). Os números di-
zem muito: a distância ao centro de empregos leva a uma forte queda de oportunidades
de serviços e comércios aos moradores. Distância e localização importam para oferecer
diversidade de atividades locais aos moradores.

)a(
216
EFEITOS DA ARQUITETURA

(b) Tabela 9.4. Correlações entre distâncias, diversidade e densidade (a), e matriz de P-valores (b)
(Fonte: Autores.)

O Gráfico 9.4 mostra a relação de forma mais evidente, plotando a diversidade


dos doze complexos habitacionais em relação à distância ao CBD. A diversidade
varia sensivelmente, sobretudo a partir de 16km do CBD, caindo de uma tendên-
cia de 0,50-0,40 para 0,30-0,20, considerando 24 categorias de atividades nos raios
de 460m dos CHIS.

Gráfico 9.4. Diversidade (eixo Y) e distância CHIS-CBD (eixo X). A diversidade avaliada em
24 categorias (linha vermelha) é mais sensível à real diversidade do entorno. (Fonte: Autores.)

Impactos de complexos habitacionais do PMCMV:


considerações finais

Podemos traçar as seguintes conclusões quanto a fatores de desempenho dos


complexos:
1. A suposição generalizada entre estudiosos de que faixas de renda menor
(notadamente a faixa 1) é mais segregada espacialmente ou distante do
217

polo de empregos no PMCMV é válida para 215 casos de CHIS examina-

9. Impactos de complexos Habitacionais do PMCMV


dos no Rio de Janeiro, mas com baixa correlação.
2. Os principais fatores de construção de relações sociais dos moradores dos
doze CHIS examinados em pormenor na pesquisa se assentam na proxi-
midade e mobilidade, em função da renda. Quanto maior a renda, menor
a importância da proximidade entre moradias na construção das redes so-
ciais; maior a importância do trabalho; menor a homofilia (mais diversas
são as formas de construir laços, incluindo estudo, trabalho e outras esferas
de sociabilidade). A correlação entre renda e mobilidade é positiva.
3. O grau de homofilia varia com a mobilidade. Encontramos diferenças de
alcance espacial para moradores de rendas distintas, confirmando a mesma
tendência observada em variações maiores de renda encontradas em pes-
quisas anteriores.20 Moradores com rendas mais altas e, portanto, maior
mobilidade, tendem a produzir relacionamentos menos locais, em escalas
espaciais mais amplas, sobretudo com atores que compartilham seu grau de
mobilidade, aumentando as chances de contato entre suas redes pessoais. A
capacidade de movimento e de acesso social permite que esses moradores
se envolvam em um número maior de atividades, cada um desses locais
constituindo pontos de encontro e, potencialmente, de novos vínculos.
4. Os mais pobres têm dificuldades em lidar com os custos de criar e manter
redes sociais presenciais à distância. Há indícios de queda de contato com
membros da rede social na localização anterior – e evidências de adições e
ganhos nas redes sociais com a nova localização, com efeitos sobre capital
social ainda a serem estimados, de modo a incluir o papel do tempo e fre-
quência de contato.
5. A diversidade de atividades de entorno analisada via estudo comparativo
em zonas distintas trouxe evidências da relação entre fatores de distância e
densidade populacional como condições para a diversidade e suporte aos mora-
dores. Temos casos de grande rarefação do entorno, trazendo severas difi-
culdades aos moradores em suas rotinas.

Qual é a utilidade desses achados para efeito de análise da qualidade dos com-
plexos do PMCMV e das decisões sobre sua localização? Vejamos:

1. A análise de mobilidade lidou com os comportamentos espaciais dos mora-


dores em cada faixa de renda e confirma a dificuldade maior dos moradores
218

de menor renda. Essa confirmação deve ter repercussão na decisão sobre a


Efeitos da Arquitetura

localização dos CHIS destinados. Ela sugere a real necessidade do critério


da proximidade a polos de emprego e serviços na localização residencial,
sobretudo para esta faixa.
2. A análise da sociabilidade mostra as diferentes composições das redes so-
ciais como indícios do quanto moradores são dependentes da vizinhança
(localismo) em função de sua renda, de sua dificuldade maior em manter
as relações à distância e de efeitos das mudanças para a nova habitação.
Este item também sugere a adição de critério da proximidade à moradia
anterior na decisão sobre localização dos complexos habitacionais.
3. O indicador de diversidade urbana é útil para avaliar a qualidade das áreas
para efeito de oportunidades de serviços e suporte ao morador. Ele deve ser
usado na fase de projeto, antes da tomada de decisão da implantação dos
complexos, em estudos comparativos entre áreas candidatas a receber os
complexos habitacionais do PMCMV.

Os achados demandam mais trabalho para aproximá-los de instrumentos de


avaliação com condição de oferecer subsídios para decisões de projeto e para a
avaliação por parte dos órgãos de financiamento e aprovação. Outros fatores que
examinamos, mas não incluímos neste texto, foram:

4. O desempenho interno de complexos habitacionais, em uma análise da apro-


priação pedestre dos moradores para fins de socialização e a influência da
configuração do EHIS;
5. Os impactos dos complexos sobre a vitalidade do entorno, em uma avaliação
do grau de integração com bairro. Estes itens, assim como o detalhamento
daqueles introduzidos acima, serão explorados em outras publicações.

Agradecimentos

Este trabalho sintetiza um panorama inicial de resultados de pesquisa realizada


pelo edital MCTI/CNPq/MCIDADES Nº 11/2012, em um projeto conjunto Uni-
sinos-UFF, sob coordenação de Andrea Kern. Taiana Millward, Thais Telles e Juliana
Viana atuaram como bolsistas durante parte da pesquisa. Agradecemos a todos os en-
volvidos, incluindo os moradores dos complexos visitados; e aos revisores do capítulo,
por sua contribuição para a clareza do texto e da abordagem.
219

10. Nova política e velhos desafios


10
Nova política e
velhos desafios:
problematizações sobre
a implementação
do Programa Minha
Casa Minha Vida na
Região Metropolitana
do Rio de Janeiro Adauto Lucio Cardoso
Samuel Thomas Jaenisch

Um novo programa para velhas questões?

Logo após o seu lançamento pelo Governo Federal, o Programa Minha Casa
Minha Vida (MCMV) já suscitava um intenso debate sobre suas dimensões políti-
cas, sociais, urbanísticas, econômicas ou construtivas. 1 Algo certamente motivado
pela dimensão do programa, que atingiu em janeiro de 2014 a marca de 3.277.847
unidades contratadas em todo o país (com aproximadamente 47% delas já entre-
gues aos moradores),2 mas também pela sua importância no âmbito do projeto po-
lítico iniciado em 2002 com a chegada do Partido dos Trabalhadores à presidência
da República, além de sua capacidade para potencializar discussões sobre questões
clássicas e temas emergentes das áreas do conhecimento que se dedicam aos estudos
urbanos.
Questões amplamente discutidas pela literatura nas décadas de 1970 e 1980
– como a renda da terra, relações centro/periferia, segregação socioespacial ou a for-
mação de guetos – são recolocadas frente aos padrões de localização e implantação
dos empreendimentos já identificados em estudos preliminares realizados por todo
o país.3 Consideradas as variações inerentes às particularidades locais, tem sido uma
constante nos grandes centros urbanos a periferização da produção voltada para o
220

programa (na qual quanto menor a faixa de renda, maior a distância em relação
EFEITOS DA ARQUITETURA

às áreas mais dinâmicas da cidade) e a concentração de empreendimentos para as


faixas de menor renda em áreas da cidade de urbanização rarefeita ou incipiente. O
elemento evidencia uma persistência na hierarquização dos espaços na cidade e de
diferenças significativas nas possibilidades de acesso àquilo que a cidade pode ofere-
cer, além de problematizações em torno da mobilidade urbana, do acesso adequado
a serviços públicos ou provisão de infraestrutura básica.
Mesmo questões contemporâneas como a realização de grandes eventos espor-
tivos ou os processos de financeirização do setor imobiliário podem ser postas em
relação com o MCMV. Estaria sendo o programa um instrumento para viabilizar
os reassentamentos impostos pelas obras das cidades envolvidas com a realização
recente da Copa do Mundo de Futebol de 2014 e na preparação da cidade do
Rio de Janeiro para os Jogos Olímpicos de Verão 2016?4 No caso do Rio de Janei-
ro, pesquisas recentes já vêm identificando a instalação de famílias que passaram
por processos de remoção forçada – em função da construção de obras viárias ou
grandes equipamentos públicos – em empreendimentos do MCMV. Processos na
maioria das vezes conflituosos5 e que instrumentalizam a política a serviço de um
projeto de cidade no qual habitação de interesse social está longe de ser prioridade.
Não menos pertinente é a dimensão política do MCMV. Explicitamente pen-
sado enquanto estratégia de inspiração neokeynesiana para mitigar os efeitos da cri-
se econômica mundial de 2008, o programa transcende a questão habitacional e
insere-se num projeto político mais amplo, que tem na indústria da construção
civil elemento chave para dinamização da economia e o consumo enquanto prin-
cipal mecanismo de inclusão social. Uma concepção de política habitacional que
compreendia a moradia enquanto um direito social (resultado de um longo pro-
cesso de luta política ao longo das décadas de 1980 e 1990) passa a ser interpelada
por outras concepções que tendem a colocá-la enquanto um produto, um bem de
consumo, ou um investimento financeiro.
Disputa que assinala uma série de conexões com as forças em jogo no debate
político nacional pós-redemocratização. O MCMV, em grande medida, enfraquece
um ciclo progressista de propostas de política habitacional/urbana decorrente das
mobilizações políticas pré-Constituinte (particularmente pelo Fórum Nacional de
Reforma Urbana) e de experiências locais bem sucedidas como o Orçamento Par-
ticipativo na cidade de Porto Alegre. A consolidação dos debates em torno da Re-
forma Urbana e do Direito à Cidade através da criação do Ministério das Cidades
durante o primeiro mandato do Presidente Lula – e sua materialização em políticas
como o Programa Crédito Solidário (2004),6 o Sistema Nacional de Habitação de
221

Interesse Social (2005) ou o Plano Nacional de Habitação (2009)7 – rapidamente

10. Nova política e velhos desafios


se esvaiu com a criação do programa em 2009.
O modelo adotado pelo MCMV coloca a iniciativa privada como agente pro-
motor da política, deslocando os interesses envolvidos na produção habitacional
para âmbitos nos quais questões de caráter qualitativo associadas à dimensão social
da moradia, são subordinadas a questões econômicas, no sentido do impacto quan-
titativo do programa e através das estratégias empresariais que buscam ampliar ao
máximo a taxa de lucro e a produtividade. No desenho institucional adotado pelo
programa, quem decide onde o empreendimento será construído, a faixa de renda
dos beneficiários e as características construtivas dos imóveis são as empresas in-
corporadoras, restando às administrações municipais (ou mesmo à sociedade civil)
um papel coadjuvante nesse processo.8 Importante ressaltar que a relação política/
negócio se potencializa à medida que o MCMV avança. O volume inédito de in-
vestimento público realizado em habitação para uma parcela da população que
historicamente nunca conseguiu ter acesso ao mercado formal de imóveis garante
às incorporadoras uma demanda cativa para sua produção, e para as administrações
a força política (e eleitoral) de estar supostamente combatendo as carências habita-
cionais existentes.
O cenário também levanta questionamentos sobre qual vem sendo o papel do
programa na reestruturação dos mercados imobiliários locais e nacional.9 O volu-
me de recursos injetados dinamizou a produção de novas unidades habitacionais e
criou – a partir do modelo de subsídio oferecido pelo programa – um novo nicho
de mercado em potencial, especialmente entre as faixas mais pobres da população.
Processo no qual despontaram incorporadoras que passaram a atuar exclusivamen-
te produzindo para o programa (a exemplo da EMCCAMP); ocorreram fusões,
joint-ventures e a nacionalização de empresas de atuação regional que já produziam
localmente para o segmento popular (como a construtora Tenda e a MRV); além da
migração de grandes empreiteiras para o segmento habitacional (caso da OAS e da
Oderbrecht). Dinâmicas que não podem ser desconectadas do processo de abertura
de capital das empresas do setor ocorrida em 2005 e de fortalecimento do sistema
financeiro nacional.
Esses elementos apontam para a necessidade de manter uma postura crítica
(ou no mínimo vigilante) em relação ao MCMV e à forma como ele vem sendo
implementado. No entanto, é também impossível negar que, pela primeira vez na
história dos programas habitacionais do país, as famílias com rendimentos men-
sais abaixo de três salários mínimos estão sendo contempladas em larga escala.
Além disso, estudos recentes10 identificaram que parte significativa das famílias
222

que conseguiram acessar voluntariamente o programa11 estão satisfeitas com a


EFEITOS DA ARQUITETURA

nova condição de moradia, apesar de reconhecerem a baixa qualidade construtiva


dos empreendimentos e uma série de dificuldades inerentes à mudança para o
novo endereço.
Cabe ressaltar que o MCMV cria proprietários: ele possibilita o acesso
à propriedade privada (ou à “casa própria”) a uma parcela da população que
historicamente teve poucas possibilidades de acessar o mercado formal, sempre
conviveu com a insegurança de perder sua residência, e não raras vezes teve
seus locais de moradia marcados por carências e estigmatizações de diversas
naturezas. O programa é legitimado por parte significativa do seu público alvo
que o concebe enquanto uma possibilidade tangível de melhorar objetivamente
suas condições de moradia. Algo presente em famílias que usam o MCMV para
escapar de áreas de risco, de regiões com altos níveis de violência urbana, ou de
situações de coabitação; além daquelas interessadas em obter uma garantia legal
definitiva da posse do imóvel, ou mesmo seduzidas pelo desejo de consumir
um “produto” imobiliário diferenciado, materializado pela tipologia condomí-
nio fechado amplamente adotada pelas incorporadoras que produzem para o
programa.
A adesão ao MCMV é um elemento que deve ser considerado. Ela indica que
um número significativo de famílias segue em busca de soluções para a sua con-
dição habitacional e ainda depende de incentivos estatais para efetivá-las, seja de
forma direta (através de sorteios ou inscrições nos órgãos municipais responsáveis)
ou indireta (através da obtenção de subsídios para compra dos imóveis junto às
construtoras ou no mercado). Mas se por um lado o programa vem atendendo aos
interesses individuais daqueles que buscam um imóvel residencial, ele ainda não
conseguiu se efetivar enquanto uma política habitacional plena.
A dimensão social da moradia segue subordinada à sua dimensão política/
econômica, e muitas questões que estiveram presentes em outros grandes pro-
gramas habitacionais do passado – e que já foram amplamente problematizadas
pela literatura – voltam a ser repetidas pelo MCMV. É o caso, por exemplo, da
construção de conjuntos de grande escala e baixa qualidade arquitetônica/urba-
nística, da implantação dos empreendimentos na periferia metropolitana, ou de
processos violentos de reassentamento que descontextualizam as famílias atingidas.
Este texto não pretende resolver todas estas questões, apesar de estar permeado
por todas elas. Nosso objetivo central é problematizar algumas dinâmicas que vêm
marcando a implantação do MCMV na Região Metropolitana do Rio de Janeiro,
particularmente aquelas referentes à inserção urbana dos empreendimentos contra-
223

tados. Quais as consequências deste modelo de política que apostou na centralida-

10. Nova política e velhos desafios


de do setor empresarial como agente promotor, num contexto de baixa capacidade
regulatória por parte do poder público e um controle social praticamente nulo?
O volume de unidades habitacionais produzido pelo programa – e o consequente
número em potencial de famílias que poderão ser deslocadas – certamente trará
impactos sobre a configuração do espaço metropolitano. Algumas considerações
sobre isso serão aqui apresentadas.

Sobre a dimensão quantitativa do Programa Minha Casa


Minha Vida na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Dentre as quinze principais regiões metropolitanas do país, a Região Metro-


politana do Rio de Janeiro (RMRJ) foi a segunda que mais contratou empreendi-
mentos pelo Programa Minha Casa Minha Vida, ficando atrás apenas da Região
Metropolitana de São Paulo. Até dezembro de 2012 tinham sido contratados 378
empreendimentos que contabilizavam um total de 99.715 novas unidades habi-
tacionais previstas,12 volume que se distribui heterogeneamente pelos diferentes
municípios que compõem o aglomerado metropolitano.
O município do Rio de Janeiro concentrou 56,90% de todas as unidades
contratadas, seguido pelos municípios da Baixada Fluminense13 que juntos res-
ponderam por 22,76% da produção, depois pelo eixo Niterói/São Gonçalo com
7,65%, estando os restantes 12,69% distribuídos por outros oito municípios da
Região Metropolitana. Apenas nos municípios de Guapimirim e Paracambi não
houve produção para o programa.14 Tomando como base a média de moradores
por domicílio calculada pelo Censo Demográfico 2010 do IBGE, é possível prever
que o MCMV poderá gerar um deslocamento em potencial de aproximadamente
303.277 pessoas na Região Metropolitana do Rio.
A partir de uma análise quantitativa do volume de unidades contratadas
em cada município e sua evolução ao longo do Programa, foram identificados
três eixos de expansão que apresentam dinâmicas socioterritoriais distintas: 1)
o município do Rio de Janeiro; 2) os municípios da periferia metropolitana
consolidada; 3) os municípios da periferia metropolitana distante (Tabela 10.1
e Figura 10.1).
224
EFEITOS DA ARQUITETURA

Tabela 10.1. Impacto do Programa Minha Casa Minha Vida no total de domicílios dos
municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. (Fonte: Ministério das Cidades;
Censo Demográfico IBGE 2010. Elaboração: Observatório das Metrópoles.)

O primeiro desses três eixos corresponde ao município que mais contratou uni-
dades nas duas fases do programa, que teve a sua produção mais distribuída pelas
três faixas de renda, além de ter sido o único em todo o Estado do Rio de Janeiro
que dispôs de um empreendimento contratado pelo Programa Minha Casa Minha
Vida Entidades. Cabe destacar também que o município do Rio de Janeiro (de for-
ma semelhante ao município de São Paulo) tem a particularidade de possuir uma
periferia “interna”, ou seja, de apresentar um território mais extenso cujo processo
de urbanização se deu de forma concentrada nas áreas litorâneas, expandindo-se em
direção às zonas Norte e Oeste onde se concentraram populações de baixa renda.
Do total de unidades contratadas nesse município, 48,25% foram destinadas
para a Faixa 1, 16,33% para a Faixa 2 e 35,41% para a Faixa 3, sendo que a distri-
buição dos empreendimentos apresentou algumas particularidades (Figura 10.2).
Praticamente metade das unidades contratadas no município (55,43%) está loca-
lizada nos bairros da Zona Oeste (AP-5) da cidade.15 A região é polarizada pelo
225

bairro de Campo Grande – importante subcentralidade do município – que deverá

10. Nova política e velhos desafios


receber um total de 8.719 novas unidades habitacionais, embora essa área envolva
também os bairros de Santa Cruz, Cosmos, Paciência, Senador Camará, Guarati-
ba, Inhoaíba, Santíssimo, Realengo, Bangu, Pedra de Guaratiba, Jardim Sulacap
e Senador Vasconcelos. Ressalta-se que 62,31% das unidades nessa região foram
destinadas para a Faixa 1 e 37,69% para as Faixas 2 e 3.

Figura 10.1. Representação dos três eixos de expansão do Programa Minha Casa Minha Vida
na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. (Fonte: Observatório das Metrópoles.)

A Zona Norte (AP-3) da cidade e a região da Baixada de Jacarepaguá (AP-4) recebe-


ram respectivamente 25,83% e 13,18%% do total da produção do município. Ambas
se caracterizaram por receber majoritariamente empreendimentos voltados para as faixas
de renda mais alta: a primeira com 70,51% das suas unidades destinadas para as Faixas
02 e 03, e a segunda com 70,95% da sua produção voltada exclusivamente para a Faixa
3. No restante da cidade, a produção foi muito pequena. A região da Grande Tijuca/
Zona Sul (AP-2) recebeu apenas 1 empreendimento de 47 unidades para a Faixa 2 no
bairro de Vila Isabel. Já a Região Central (AP-1) recebeu apenas seis empreendimentos
que representam somente 3,45% do total da produção do programa no município: dois
226

deles voltados para a Faixa 3 (localizados nos bairros de Benfica e Estácio) e os outros
EFEITOS DA ARQUITETURA

quatro destinados a famílias enquadradas na Faixa 1 (dois na Favela da Mangueira e dois


no terreno do antigo presídio da Rua Frei Caneca, junto à área central da cidade) que só
foram possíveis em função de investimentos políticos direcionados para viabilizar a sua
construção nessa região.

Figura 10.2. Distribuição dos empreendimentos contratados pelo Programa Minha Casa Minha
Vida até dezembro de 2012 no Município do Rio de Janeiro por faixa de renda do beneficiário.
(Fonte: Observatório das Metrópoles.)

O segundo eixo de expansão corresponde à grande concentração de unidades


contratadas nos municípios de urbanização consolidada da periferia metropolitana,
particularmente Belford Roxo, Duque de Caxias, Nova Iguaçu e São Gonçalo. Os
três primeiros fazem partes da Baixada Fluminense, região que historicamente se
constituiu enquanto área periférica conurbada, integrada e complementar ao cen-
tro metropolitano. Ela se consolidou ao longo da segunda metade do século XX
enquanto espaço residencial para famílias de baixa renda, marcada pela baixa oferta
de oportunidades de trabalho que exigia deslocamentos diários dos seus moradores
para a cidade do Rio e Janeiro. Teve seu processo de urbanização baseado na proli-
227

feração de loteamentos (regulares e irregulares) com baixa densidade habitacional

10. Nova política e velhos desafios


e pouco controle ou planejamento por parte das administrações municipais, além
de oferta precária de infraestrutura e risco de ocorrência de alagamentos devido às
características geomorfológicas da região.
Durante a década de 1980, esse cenário começou a se alterar a partir de trans-
formações nos padrões históricos de alocação de investimentos públicos, que rever-
teram em melhorias objetivas nos padrões de qualidade de vida da região, acom-
panhadas por uma relativa complexificação econômica e produtiva. O município
de Nova Iguaçu passou a desempenhar o papel de importante subcentralidade me-
tropolitana, intensificando e diversificando a oferta de comércio, serviços e postos
de trabalho. Já o município de Duque de Caxias apresenta como característica
uma forte presença da indústria petroquímica, resultando em um dos maiores PIBs
municipais do Estado. De maneira geral, pode-se dizer que toda a Baixada Flumi-
nense tem passado por processos de diferenciação social nos quais emergiram e se
consolidaram diferentes setores das camadas médias ao lado das classes populares
que continuam presentes nesse território. Processo que, consequentemente, levou à
constituição de novos espaços e novas dinâmicas territoriais.
No município de Belford Roxo, 75,58% das unidades contratadas foram desti-
nadas para famílias enquadradas na Faixa 1 do MCMV e 24,42% para famílias da
Faixa 2 e Faixa 3. Já nos municípios de Nova Iguaçu e Duque de Caxias, a produção
foi menos concentrada, com 66,33% do total de unidades contratadas destinadas
para a Faixa 1 e 33,66% destinadas para Faixa 2 e Faixa 3. Desempenho semelhante
foi apresentado pelo município de São Gonçalo com 63,16% da produção destina-
da a famílias enquadradas na Faixa 1 e 36,84% para famílias da Faixa 2 e Faixa 3.
A grande quantidade de unidades produzidas nos municípios citados está sendo
considerada enquanto resultado de uma continuidade no histórico de atuação de al-
gumas empresas incorporadoras que já produziam naquelas regiões, fosse com apoio
de financiamentos públicos em programas habitacionais estatais anteriores (particu-
larmente para o Programa de Arrendamento Residencial), fosse operando através de
recursos próprios ou com financiamentos tipo Carta de Crédito. O MCMV teria
dado novo fôlego à produção devido ao grande volume de recursos disponíveis e sido
favorecido por um possível contexto econômico e político/institucional preexistente.
Por outro lado, o volume considerável de unidades produzidas para as Faixas 2 e Faixa
3 nos municípios de São Gonçalo, Duque de Caxias e Nova Iguaçu parece evidenciar
a consolidação de uma classe média e um correspondente mercado imobiliário que
passa a ser aquecido pelo MCMV. Importante ressaltar que na segunda fase do pro-
grama, o número de unidades contratadas aumentou 250% em Belford Roxo, 116%
228

em Duque de Caxias, 264% em Mesquita, 39% em Nova Iguaçu, 19% em São


EFEITOS DA ARQUITETURA

João do Meriti e 159% em São Gonçalo, indicando que a Baixada Fluminense (com
exceção de Nilópolis e São João de Meriti ) e o município de São Gonçalo seguiram
apresentando condições favoráveis para a implantação do programa.
O terceiro eixo de expansão corresponde aos municípios da periferia metropo-
litana, que tiveram um crescimento significativo no número de contratações para o
MCMV na segunda fase do programa. Foi o caso particularmente dos municípios
de Itaboraí, Itaguaí, Japeri, Magé, Maricá e Tanguá (Tabela 10.2).

Tabela 10.2 – Distribuição das unidades contratadas em cada fase do Programa Minha Casa
Minha Vida pelos municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. (Fonte: Ministério
das Cidades. Elaboração: Observatório das Metrópoles.)

Durante a primeira fase do Programa, a cidade do Rio de Janeiro concentrou


ampla maioria das unidades contratadas, estando o restante distribuído basicamen-
te pelos municípios de Belford Roxo, Nova Iguaçu, Duque de Caxias, Queimados
e São Gonçalo. Mas a partir da segunda fase, a produção passou por um processo
de desconcentração (com perda de participação do município do Rio de Janeiro
em valores relativos e absolutos) que reforçou o protagonismo dos municípios da
229

Baixada Fluminense e do eixo Niterói/São Gonçalo, mas também se expandindo

10. Nova política e velhos desafios


para os municípios de Itaboraí, Itaguaí, Japeri, Magé, Maricá e Tanguá. Municípios
menores em termos de população, distantes das áreas mais dinâmicas da RMRJ,
de economia restrita, com capacidade administrativa limitada, sendo, inclusive,
alguns de emancipação recente, e muitos não conurbados com os demais. A única
exceção que merece ser destacada é o caso do município de Queimados, que desde a
primeira fase do programa vem recebendo conjuntos de grande porte, além de ser o
município no qual o número de domicílios criados pelo MCMV terá o maior peso
relativo ao número total de domicílios preexistentes. Ressalte-se que a produção
nesses municípios é em sua maioria destinada para a Faixa 1.

Inserção urbana e variações por faixa de renda

A consolidação desses três eixos de expansão identificados no item anterior


envolveu também algumas variações na inserção urbana dos empreendimentos em
função da faixa de renda dos beneficiários. Em geral, é possível apontar para um
movimento que tende a direcionar a implantação dos empreendimentos voltados
à Faixa 1 para áreas mais próximas dos limites da área urbanizada da metrópole
e mais carentes em termos infraestrutura, acesso a serviços públicos e opções de
transporte. Isso foi verificado no caso da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro,
na qual os empreendimentos tendem a ser implantados na periferia ou em áreas de
expansão, principalmente nas dos bairros de Campo Grande e Santa Cruz.
O mesmo pode ser dito para os empreendimentos dessa faixa localizados nos
municípios da Baixada Fluminense (que se encontram relativamente mais longe
da área central de Nova Iguaçu – principal centralidade da região – do que os em-
preendimentos das Faixas 2 e 3), assim como para os empreendimentos da região
de Niterói/São Gonçalo que, em geral, seguem o eixo da Rodovia Niterói-Manilha
(BR-101), distanciando-se do centro do município de Niterói. No caso de mu-
nicípios como Queimados, Japeri ou Seropédica, essa periferização torna-se mais
evidente em função da própria inserção periférica desses municípios nas dinâmicas
metropolitanas.
Essas diferenças de localização por faixa de renda indicam que duas dinâmi-
cas diferentes estão atravessando a implantação do programa. A primeira delas
diz respeito aos empreendimentos da Faixa 1. Na primeira fase do programa,
47,27% de toda a produção voltada para essa faixa na Região Metropolitana do
Rio de Janeiro estava concentrada na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro,
com outras áreas de concentração menores, dispersas por outros pontos da área
230
metropolitana. Na segunda fase do programa, a produção para a Faixa 1 passa por
EFEITOS DA ARQUITETURA

uma significativa desconcentração fazendo surgir outras áreas de polarização: Bel-


ford Roxo (que recebeu 19,22% do total da Faixa 1 de toda a RMRJ), São Gon-
çalo (que recebeu 12,31% do total da Faixa 1 de toda a RMRJ), além da inserção
nos municípios da periferia distante do aglomerado metropolitano (Figura 10.3).

Figura 10.3. Distribuição dos empreendimentos contratados na Região Metropolitana do


Rio de Janeiro por faixa de renda, com destaque para as áreas de concentração da Faixa 1.
(Fonte: Observatório das Metrópoles.)

O movimento sugere uma maior facilidade das incorporadoras em criar novas


frentes de expansão para a Faixa 1, independentemente dos padrões de urbanização
existentes ou mesmo da oferta de infraestrutura ou serviços públicos, algo que não
deve ser dissociado da atuação limitada das administrações municipais na definição
de parâmetros para regular a implantação dos empreendimentos contratados. Po-
rém, esse movimento guarda também uma relação direta com a forma de distribui-
ção das unidades produzidas para a Faixa 1. No desenho institucional do programa,
o empreendimento é construído e vendido integralmente para a Caixa Econômica
Federal que o repassa aos beneficiários selecionados a partir de critérios definidos
pelas administrações municipais.
231

Dessa forma, a incorporadora produz com garantia da demanda, não pre-

10. Nova política e velhos desafios


cisando arcar com custos de comercialização e divulgação, além de geralmente
se beneficiar com a doação de terrenos, flexibilização das leis urbanísticas ou
redução na tributação oferecida pelas administrações municipais. Essas facili-
dades podem ser uma explicação possível para a migração de grandes emprei-
teiras como a Odebrecht e a OAS para o MCMV. Elas possuem um histórico
institucional de atuação em grandes obras públicas e dominam técnicas cons-
trutivas e de organização do canteiro de obras que facilitam a estandardização
da produção. Além disso, elas não precisam dominar as dinâmicas do mercado
imobiliário local nem investir em elementos que agreguem qualidade estética/
arquitetônica/construtiva aos empreendimentos. Essa hipótese pode ser esten-
dida para as construtoras que se especializaram em produzir para a Faixa 1,
como é o caso da Construtora EMCCAMP S/A, detentora do maior número
de unidades contratadas para o programa na Região Metropolitana (11,7% do
total) (Figura 10.3).
A implantação dos empreendimentos voltados para a Faixa 2 e a Faixa 3 vem
apresentando uma dinâmica diferente. Ao comparar a localização dos empreen-
dimentos contratados na primeira fase do programa com os empreendimentos
contratados na segunda, não houve a formação de novas frentes de expansão ou
concentração, apenas a consolidação das já existentes. Na Fase 1, foi possível iden-
tificar quatro áreas de concentração de unidades voltadas para essas faixas: a Zona
Oeste da cidade do Rio de Janeiro, a região de Jacarepaguá, a Zona Norte da cidade
do Rio de Janeiro e o eixo São Gonçalo/Niterói. Na Fase 2 essas quatro áreas per-
manecem os principais focos de concentração das Faixas 2 e 3, destacando a Zona
Norte carioca, que recebeu 32,81% das unidades contratadas, tornando-se assim o
principal polo de concentração.
Outra característica é a inserção dos empreendimentos voltados para a Faixa
2 e Faixa 3 em áreas de urbanização mais consolidada, algo que também pode ser
relacionado com a forma de distribuição das unidades habitacionais produzidas para
essas faixas. Aqui, as incorporadoras produzem os empreendimentos e precisam
vendê-los no mercado imobiliário local para possíveis interessados que os adquirem
através de financiamentos via FGTS e ainda podem receber subsídios parciais que
variam de acordo com a renda da família. Isso torna a produção para a Faixa 2 e
Faixa 3 relativamente mais dependente da demanda do que a produção para a Faixa
1, levando as incorporadoras a apostar em melhores localizações dentro da cidade
(Figura 10.4).
232
EFEITOS DA ARQUITETURA

Figura 10.4. Distribuição dos empreendimentos contratados na Região Metropolitana


do Rio de Janeiro por faixa de renda, com destaque para as áreas de concentração das Faixas 2
e 3. (Fonte: Observatório das Metrópoles.)

Tamanho dos empreendimentos e contiguidade

Outro elemento a ser problematizado diz respeito às variações no tamanho dos


empreendimentos por faixa de renda dos beneficiários. A discussão se justifica tendo
em vista que a literatura internacional apresenta uma forte crítica às experiências de
produção de habitação de interesse social de corte modernista realizada na segunda
metade do século XX, marcada pela presença de grandes conjuntos, voltados exclusi-
vamente para a função habitacional e especificamente para a população de baixa renda.
A Tabela 10.3 indica que na RMRJ o tamanho médio dos empreendimentos
voltados para a Faixa 1 tende a ser maior que o da Faixa 2 e Faixa 3, ressaltando que
na segunda fase do programa essa diferença ficou ainda mais acentuada. Isso fica
mais evidente ao avaliarmos a distribuição dos empreendimentos contratados pelo
MCMV na RMRJ por faixas de tamanho (Tabela 10.4).
233

10. Nova política e velhos desafios


Tabela 10.3. Média de unidades por empreendimento em cada fase do Programa Minha Casa
Minha Vida na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. (Fonte: Ministério das Cidades.)

Os dados apresentados na Tabela 10.4 indicam que a produção de grandes


empreendimentos está voltada principalmente para a Faixa 1 tendo crescido na
segunda fase do programa, ressaltando que aproximadamente metade das unidades
contratadas para a Faixa 1 estão localizadas em empreendimentos com mais de 400
unidades habitacionais.

Tabela 10.4. Distribuição das unidades produzidas para cada faixa de renda por tamanho do
empreendimento. (Fonte: Observatório das Metrópoles.)

A questão do tamanho novamente pode ser associada aos processos de estandar-


dização e da produção em massa de unidades habitacionais: com o valor máximo da
unidade habitacional predeterminado pela Caixa Econômica Federal, as incorpora-
doras apostam no volume produzido para aumentar seus ganhos. Mas é importante
também problematizar a localização destes empreendimentos de grande porte. Den-
tre o total de unidades produzidas para a Faixa 1 e inseridas em empreendimentos
com mais de 400 unidades habitacionais, cerca de 37% delas estão localizadas no
limite urbanizado da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Em seguida temos
23,42% nos municípios de Belford Roxo e São João do Meriti, e 17% nos municí-
pios de Queimados, Japeri, Magé e Tanguá. Todas essas áreas são periféricas ou de
expansão urbana da RMRJ. A dinâmica pode ser também associada ao protagonis-
mo dado às empresas construtoras e incorporadoras no desenho institucional do
234

programa. A responsável pela produção é a iniciativa privada, que faz uso de uma sé-
EFEITOS DA ARQUITETURA

rie de estratégias para reduzir o custo e viabilizar a produção dentro do valor máximo
por unidade habitacional estabelecido pelas normativas do programa. E uma forma
de fazer isso é buscando grandes áreas de terra a um preço baixo em áreas periféricas
ou de urbanização ainda restrita. A dinâmica só é revertida com ações diretas do
poder público para liberar terrenos para construção de novos empreendimentos em
áreas melhor inseridas nas dinâmicas urbanas. No caso da cidade do Rio de Janeiro
cabe citar como exemplo o empreendimento Bairro Carioca, construído para Faixa
1 com 2.240 unidades habitacionais em antigo terreno da empresa Light em uma
área de urbanização consolidada. Mas esse tipo de intervenção segue sendo exceção
na Região Metropolitana do Rio de Janeiro (Figura 10.5).

Figura 10.5. Distribuição dos empreendimentos classificados com mais de 400 unidades
habitacionais sobre a área urbanizada da Região Metropolitana do Rio de Janeiro.
(Fonte: Observatório das Metrópoles.)

Considerações Finais

Logo após os primeiros anúncios do MCMV pelo Governo Federal, vários


analistas indicavam os riscos e as possíveis consequências do desenho institucional
235

adotado pela nova política. Naquele momento as projeções alertavam para inefici-

10. Nova política e velhos desafios


ência do programa para evitar um padrão periférico de localização da moradia vol-
tada para a população de baixa renda, a quase nula articulação com outras políticas
urbanas ou com estratégias eficientes de acesso a terras urbanas em áreas centrais,
e o desincentivo a inovações habitacionais que escapassem da oferta de unidades
novas.16 As metas quantitativas a serem atingidas pelo programa levariam a uma
limitação e padronização das alternativas habitacionais,17 e a centralidade dada à
iniciativa privada não iria favorecer o desenvolvimento institucional das instâncias
municipais ou estaduais responsáveis pela política habitacional.18
As questões levantadas neste artigo corroboram, a partir do caso da RMRJ, boa
parte dessas previsões. As dinâmicas que vêm sendo apresentadas na implantação
do MCMV na RMRJ seguem promovendo a hierarquização do espaço metropo-
litano, criando novas frentes de expansão para as famílias de baixa renda ao invés
de favorecer sua inserção nas áreas mais dinâmicas e que favorecem seu desenvolvi-
mento socioeconômico.
Os dados apresentados ao longo deste artigo não esgotam a discussão e fo-
ram aqui utilizados para delimitar algumas tendências sobre a implementação do
MCMV na RMRJ. Mas é possível apontar que até o momento o programa não
vem desempenhando seu papel de política habitacional no seu sentido amplo e
nem incentivando inovações que possam ampliar qualitativamente as possibilida-
des de garantir acesso a uma moradia digna.
Efeitos da Arquitetura
236
V PARTE
Cidade e Ambiente
237

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


EFEITOS
Efeitos DA
da ARQUITETURA
Arquitetura
238
239

11. Habitação de interesse social


11
Habitação
de interesse social:
relações entre o tipo
arquitetônico
dos empreendimentos e
impactos ambientais Andrea Parisi Kern
Eduardo Reuter Schneck
Maurício Mancio
Marco Aurélio González
Marlova Kulakowski
Michele Ferreira Dias

Introdução

O panorama do crescimento da indústria da construção civil está inserido


em um cenário associado a impactos ambientais, escassez de recursos naturais
e superpopulação urbana: pela primeira vez na história, a maioria da população
mundial está vivendo em cidades. Porém, aproximadamente um bilhão de pesso-
as vivem em assentamentos informais, e a projeção para 2030 é que o dobro de
pessoas se encontre nessa condição. 1 A falta de habitação digna é um problema
mundial, tão antigo quanto complexo. A oferta de habitação para as pessoas
menos favorecidas é um grande desafio, em termos quantitativos, tendo em vista
a escala desse segmento, e em termos qualitativos, considerando a precariedade
de infraestrutura e outros aspectos inerentes à habitação, geralmente ausentes
na habitação informal. No Brasil, desde 2003, o aumento da oferta de unidades
habitacionais, especialmente de interesse social, fomentado por programas de
subsídio e financiamento imobiliário do governo federal, contribuiu para o rede-
senho do mercado imobiliário. A habitação de interesse social tem sido um dos
240

segmentos com maior responsabilidade pelo crescimento da indústria da constru-


EFEITOS DA ARQUITETURA

ção civil nos últimos anos.2


Considerando o grande estoque que está sendo formando no país, a eficiência
desses empreendimentos é de extrema importância, desde a otimização no uso dos
recursos até o desempenho na etapa de uso, do ponto de vista do governo, que atua
como investidor, e da parte dos usuários, considerando a importância da moradia
na vida das pessoas.
Entretanto, a produção habitacional brasileira, especialmente em termos de
empreendimentos de habitação de interesse social (EHIS), tem sido alvo de críti-
cas 3 e a equação entre o grande investimento que tem sido realizado e a qualidade
do produto entregue está em xeque. Estudos realizados mostram uma repetição
de soluções de projeto adotadas sem considerar características e vocações do local,
requisitos dos usuários e condições passivas de conforto, entre outros. Em especial
nesse segmento, o limite de custo é um grande desafio a ser enfrentado por proje-
tistas e construtores, sendo muitas vezes utilizado como principal argumento aos
resultados obtidos.
O expressivo volume de obras acaba por resultar em impactos ambientais de
grande significância, considerando que os empreendimentos da construção civil
são um dos maiores causadores de impactos ao meio ambiente.4 Cerca de 40%
da energia consumida no mundo abastece a indústria da construção civil, com
destaque para o segmento residencial, por consumir energia equivalente aos setores
comercial e público juntos, em todas as fontes de energia.5 Ainda, a indústria con-
some grande parte dos recursos naturais em seu processo produtivo: cerca de 50%
do total dos recursos naturais explorados no planeta é consumido pela construção,6
e a produção de materiais e componentes de construção emite quase a metade do
CO2 lançado na atmosfera.7
Outro fator a ser considerado é o alto desperdício de materiais com o qual a
indústria opera. Estudos indicam que a taxa de desperdício na construção é cerca de
20%, ao passo que em outras indústrias, de 10% em média.8 Estima-se que entre
metade e três quartos dos materiais extraídos da natureza retornam como resíduos
em um período de um ano.9
Resumidamente, alguns dos principais impactos ambientais associados às edi-
ficações são: emissões de gases do efeito estufa, especialmente na produção de ma-
teriais; consumo de energia nas edificações, desde a produção dos materiais até sua
desconstrução; consumo de recursos naturais não renováveis; geração de resíduos
sólidos. A desmaterialização da construção, através da redução da massa de mate-
riais utilizada, diminuindo também outros impactos ambientais, pode ser entendi-
241

da como um dos principais desafios ambientais do setor. Exige um grande esforço

11. Habitação de interesse social


de inovação: fazer mais e melhor com menos.
Nesse contexto, as decisões de projeto, definição do produto e a especificação
de materiais e componentes, assim como a otimização ou não da execução, afetam
diretamente o consumo de recursos naturais e de energia, e o efeito global no seu
entorno. Dentre essas decisões, este capítulo discute relações entre o tipo arquite-
tônico de empreendimentos habitacionais de interesse social e impactos ambientais
e econômicos.
Os tipos arquitetônicos podem ser entendidos por sua configuração geométrica
(forma), que, por exemplo, podem apresentar disposições lineares (barra, barra em
curva), centralizadas (seção circular, quadrada, em H) entre outras, ou também
por seu esquema estrutural.10 O impacto da solução arquitetônica tem sido inves-
tigado por pesquisadores com diferentes abordagens. Por exemplo, a influência do
custo de produção devido às características geométricas dos edifícios, a influência
da forma dos edifícios com a produção de resíduos durante a fase de execução, o
consumo de energia e emissão de CO2. O ponto central destas relações está no
consumo de materiais necessários para a execução dos edifícios devido ao tipo ar-
quitetônico definido no projeto. Este capítulo apresenta resultados de investigação
realizada pelos autores mediante um projeto de pesquisa feito no âmbito da Cha-
mada 11/2012, lançada em edital pelos ministérios da Ciência Tecnologia e Inova-
ção (MCTI) e das Cidades (MCIDADES), juntamente com o Conselho Nacional
de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) para projetos voltados ao
monitoramento, à avaliação e ao aprimoramento do Programa Minha Casa, Minha
Vida (PMCMV) e do eixo de Urbanização de Assentamentos Precários do Progra-
ma de Aceleração do Crescimento (PAC-Urbanização de Assentamentos Precários).

O tipo arquitetônico e a relação com o custo

O conhecimento do custo é fundamental para estudos de viabilidade de cons-


trução de determinado projeto. As etapas iniciais do processo de projeto são o mo-
mento no qual as estimativas de custo se fazem mais necessárias. Essas estimativas
são ferramentas que fundamentam tomadas de decisões em momentos em que se
buscam valores aproximados, diferente dos métodos de orçamento tradicionais,
que exigem alto grau de detalhamento e especificações que, muitas vezes, não estão
disponíveis nas etapas iniciais.
Uma grande dificuldade em se estimar custos deve-se à característica interdis-
ciplinar dos impactos dos empreendimentos, posto que definições feitas no projeto
242

arquitetônico interferem em uma série de outros elementos, com pesos diferencia-


EFEITOS DA ARQUITETURA

dos no custo do final da edificação, e condicionam o comportamento e o desempe-


nho de todo o edifício, tanto funcional como economicamente. Porém, é na etapa
de concepção e projeto que se tem maior poder de intervenção na redução do seu
custo total, a um baixo custo de investimento. Nessa etapa, reduções de custo são
possíveis, não somente por meio da especificação de materiais de menor custo e
redução de áreas, mas também a partir de um projeto arquitetônico que colabore
para a maximização da eficácia na fase de execução: forma, repetitividade, modula-
ção e simplificação de detalhes e acabamentos, entre outros.
Todavia, a desconsideração das variáveis no custo total de uma edificação, ao se
deparar com limitações financeiras, muitas vezes conduz a economias em todos os
itens possíveis de uma obra. Essas atitudes podem mais significativamente reduzir a
qualidade do empreendimento do que reduzir custos, afetando negativamente a re-
lação qualidade-custo. Quando o custo é fator determinante no processo, como no
caso dos EHIS, torna-se indispensável uma avaliação para a definição das soluções,
especialmente as relacionadas aos componentes de um edifício.
Um empreendimento pode ser caracterizado morfologicamente por elementos
construtivos e infraestrutura de serviços presentes para sua construção, relacionados
com as principais características geométricas da edificação. Assim, os direcionadores
para estimativa de custo de empreendimentos imobiliários estão intimamente relacio-
nados aos elementos funcionais. Além dos elementos funcionais, pode-se caracterizar
o edifício através de relações entre as variáveis que representem a morfologia do em-
preendimento. Dentre os parâmetros utilizados em trabalhos desta área, um dos mais
conhecidos é o Índice de Compacidade (IC), definido na década de 1970 pelo Buil-
ding Performance Research Unit da universidade escocesa de Strathclyde.11 Consiste na
relação percentual entre o perímetro de um círculo com a mesma área de criação e o
perímetro das paredes exteriores, calculado de acordo com a Equação 11.1:

Onde:
Ic = índice de compacidade;
Ap = área de superfície do projeto;
Pp = perímetro das paredes exteriores do projeto.
243

Mais tarde, foi proposta uma revisão deste índice, com a incorporação do nú-

11. Habitação de interesse social


mero de arestas e perímetros curvos de fachadas, em função do maior custo de
execução destes, passando à denominação atual de Índice Econômico de Compaci-
dade (IeC), conforme Equação 11.2:

Onde:
IeC = índice econômico de compacidade;
Ap = área de superfície do projeto;
Pep = perímetro econômico do projeto.

Por incorporar arestas e curvas, o perímetro econômico do projeto (Pep) é cal-


culado pela Equação 11.3:

Onde:
Ppr = perímetro das paredes exteriores retas;
Ppc = perímetro das paredes exteriores curvas;
nA = número de arestas da fachada.

As relações geométricas e os custos de produção dos projetos vêm sendo estu-


dados por diversos autores com o intuito de desenvolver parâmetros para definições
que auxiliem decisões na fase de planejamento e projeto dos empreendimentos.
Segundo vários deles, como principal resultado dos estudos realizados, quanto mais
simples a forma do prédio, menor o consumo de materiais, e consequentemente
menor o custo do empreendimento.12
Uma explicação para a diminuição do consumo de materiais é o fato de que
nos planos verticais, principalmente fachadas, é empregada maior quantidade
de materiais (estrutura, revestimento, instalações). Em termos de custos, planos
verticais, planos horizontais e instalações representam cerca de 45%, 25% e 25%
do custo total de um projeto, respectivamente.13 O custo dos planos verticais de-
pende basicamente dos materiais, componentes e sistemas construtivos adotados
na construção, que podem aumentar o custo do metro quadrado da parede; do
tamanho médio dos ambientes, o que determina a quantidade média das paredes
244

por metro quadrado construído; e da forma dos compartimentos e do edifício,


EFEITOS DA ARQUITETURA

ou seja, do grau de compacidade, que influi decisivamente no perímetro externo


da edificação.
A relação entre perímetro e área (compacidade) é um dos fatores de geometria
fundamentais para a tipificação dos edifícios, e determinante no custo das unidades
habitacionais, consequentemente. Essa relação resulta em uma “lei de formação dos
ambientes”, cujas paredes assumem o fator principal da economia e funcionalidade
dos espaços construídos.14 Assim, quanto menor é a relação perímetro/área, menor é o
seu custo, uma vez que os planos verticais são reduzidos. Portanto, uma vez que quase
metade do custo de produção do espaço construído é originada pelos planos verticais, a
economia destes será fundamental para a economia do edifício como um todo. Assim,
reduzir áreas com a justificativa simplista de minimizar custos, além de não ser uma
solução essencialmente eficaz, pode prejudicar o uso do imóvel pelos usuários.15
De maneira geral, a falta de embasamento teórico sobre as relações entre a
configuração arquitetônica de uma edificação e seu custo final pode induzir à uti-
lização de soluções arquitetônicas mais comumente encontradas no mercado, não
necessariamente mais econômicas. Por exemplo, na comparação com edificações
de diversos tipos arquitetônicos, analisando itens como circulações, paredes e pe-
rímetros de fachadas, o tipo arquitetônico H, amplamente utilizado em EHIS,
apresenta incremento de custos.16 O tipo arquitetônico H origina-se de uma so-
lução arquitetônica que permite a entrada de iluminação e ventilação naturais em
apartamentos localizados em edifícios geminados, geralmente construídos nos ali-
nhamentos, e limitando as condições de conforto ambiental desses imóveis. No
entanto, a utilização desse partido volumétrico em implantações isoladas acaba por
ser uma solução de grande consumo de materiais, distante do papel original para o
qual fora desenvolvido.17

Resultados obtidos
A relação entre o tipo arquitetônico H de um EHIS foi investigada pelos autores
deste capítulo através da comparação da quantidade de materiais e respectivos custos
de três projetos com tipos arquitetônicos diferentes. Um deles consiste no projeto de
um edifício com tipo H, denominado Projeto-Base, cujos documentos (projetos e orça-
mento) foram disponibilizados por uma empresa construtora. Os outros dois projetos,
denominados Projeto A e Projeto B, são fictícios, resultantes de uma simulação do
Projeto-Base, na qual os autores alteraram o tipo do edifício, mantendo as áreas e pro-
gramas das unidades habitacionais, sistema construtivo e materiais empregados, com o
objetivo de isolar a variável tipo arquitetônico, representada pelo índice econômico de
245

compacidade.18 Os índices econômicos de cada projeto resultaram em 49,4% (Projeto-

11. Habitação de interesse social


-Base), 72,1% (Projeto A) e 62,8% (Projeto B), apresentados na Figura 11.1.

Figura 11.1 – Projeto-Base, Projeto A e Projeto B. (Fonte: Autores.)

As áreas das unidades habitacionais nos três projetos são de 43m². Nos três
projetos, foi considerada execução em alvenaria estrutural chapiscadas, emboçadas
e pintadas com tinta acrílica, lajes em concreto armado, piso cerâmico em todos os
ambientes, portas de madeira e janelas metálicas com vidro incolor e revestimen-
to cerâmico na área do boxe de banheiros até a altura de 1,50m. Os orçamentos
dos Projetos A e B foram realizados a partir do levantamento das quantidades de
materiais necessários para a realização de ambos e comparados ao orçamento do
Projeto-Base, e relacionados com o Índice de Compacidade de cada um (Gráfico
11.1). A análise de custos limita-se aos custos diretos de materiais e mão-de-obra,
tendo como base as composições de custo do orçamento do Projeto-Base fornecido
pela empresa construtora. Não foram investigados custos relativos a terreno, proje-
tos, despesas indiretas, entre outros, por se tratarem de condições em comum para
os projetos.
246
EFEITOS DA ARQUITETURA

Gráfico 11.1. Relação Custo (%) e IeC (%). (Fonte: Autores.)

Pelo Gráfico 11.1 é possível observar uma diferença de cerca 7% entre o Pro-
jeto-Base, cujo tipo arquitetônico em H confere um IeC de 49,2% e o Projeto A,
cujo tipo arquitetônico em barra confere IeC de 72,1%. Essa diminuição de custos
se dá devido à otimização dos planos verticais e consequente redução do consumo
de materiais.

O tipo arquitetônico e a relação com consumo de energia


e emissão de CO2

Materiais locais, com reduzido consumo de energia de produção e baixo im-


pacto ambiental, eram utilizados tradicionalmente pelo setor da construção. Atual-
mente, materiais globais como cimento, alumínio, concreto e PVC são amplamen-
te utilizados, aumentando os custos de energia e impactos ao meio ambiente.19 A
complexidade de materiais e processos envolvidos na construção de edifícios torna
a avaliação do impacto ambiental uma árdua tarefa. A energia incorporada (EI) é
uma das medidas mais importantes para verificar o impacto ambiental de materiais,
uma vez que o uso de fontes não renováveis colabora diretamente para a degradação
do meio ambiente. Consiste no montante energético utilizado para a produção de
determinado produto. No cômputo, inclui-se desde as etapas de extração, sua dis-
tribuição no mercado, até sua destinação final.
Uma análise energética resgata o total de energia gasto para a produção de
um produto ou serviço. Essa estimativa é denominada Requisito Total de Energia
(RTE), expresso em MJ/kg. São expressões de energia primária, de fontes renová-
247

veis e não renováveis. Nesse cálculo, são consideradas também as conversões de

11. Habitação de interesse social


energia primária para secundária. Na prática, um mesmo produto tem requisitos
variados dependendo do processo e local de fabricação, tornando a análise energé-
tica um processo complexo.20
A energia embutida total de uma edificação é dividida em: energia incorporada
inicial (insumos diretos e indiretos utilizados para erguer o edifício, incluindo o
transporte dos materiais até o canteiro de obras); energia operacional (energia neces-
sária durante a vida útil, seja para cocção, utilização de equipamentos, climatização
etc); energia incorporada de manutenção (reparos, reformas etc); e energia de descons-
trução (considera o total de insumos diretos para demolição ou desmontagem de
uma edificação, incluindo o transporte dos resíduos).
A análise da EI em materiais de construção é de fundamental importância para
determinar a energia total na edificação. Os valores são normalmente disponibiliza-
dos em MJ/kg e MJ/m³ de material produzido, ou de MJ/m² quando se comparam
elementos construtivos como tipos de alvenarias, pisos ou coberturas. No Brasil,
ainda verificam-se lacunas em bases de dados específicas, devido à extensão e com-
plexidade dessa análise. Em estudo realizado por pesquisadores brasileiros sobre um
projeto de EHIS,21 foi concluído que mais da metade da EI do empreendimento
corresponde à construção de paredes, especialmente externas, e em segundo lugar,
para a manutenção.
Na fase de ocupação de prédios, também há estudos publicados que investigam
tipos arquitetônicos entre outras variáveis ​​em termos de projetos e fachada, no
caso de edifícios residenciais.22 A conclusão é de que existe uma forte correlação
entre o tipo arquitetônico, superfície externa do prédio e volume do edifício com
o consumo de energia.23 As análises energéticas fornecem resultados para discussão
e dados para tomadas de decisão, dentre eles os relacionados à emissão de CO2,
um dos indicadores de sustentabilidade mais difundidos atualmente: o acúmulo de
gases do efeito estufa é considerado uma das principais causas das mudanças climáticas
mundiais. Estima-se que as fontes fósseis não renováveis representam 70% dos re-
quisitos energéticos de origem de combustíveis fósseis não renováveis.24 Além dos
gases liberados pelas queimadas, uma quarta parte é proveniente da construção e
operação das edificações, seja do consumo energético ou do processo de fabricação
dos materiais. Somente a indústria de cimento do tipo Portland lança cerca de 6%
de todas as emissões de CO2.
A abordagem com foco na análise energética e suas influências na construção
civil apresenta outra característica da construção que é o uso maciço de energia,
majoritariamente de fontes não renováveis com claras implicações sociais, econô-
248

micas e ambientais.25 A partir dos estudos publicados nesses temas, é possível con-
EFEITOS DA ARQUITETURA

cluir que a escolha dos materiais, definida pelo projeto, em termos qualitativos e
também pela quantidade envolvida na produção da obra, tem influência direta na
quantidade de energia incorporada e nas emissões de CO2 embutido nos materiais
de um edifício.

Resultados obtidos
Em continuação à análise da relação entre tipo arquitetônico e custo, os mes-
mos projetos foram investigados em termos de energia incorporada e emissões de
CO2. Foi realizado um levantamento da quantidade de energia embutida no pro-
cesso de fabricação e transporte dos materiais até o canteiro de obras, e emissão
de CO2 gerado pela queima de combustíveis para geração de energia e oriunda de
reações químicas dos processos de fabricação do cimento e cal. Para tanto foram
considerados dados publicados em pesquisas nacionais e em informações do pro-
jeto, orçamento e memorial descritivo do Projeto-Base, fornecidas pela empresa
construtora.26
A Tabela 11.1 mostra os valores totais de EI e emissões de CO2 referentes aos
materiais necessários para a execução dos três projetos, e o Gráfico 11.2 ilustra as
relações entre o IeC dos projetos estudados e a quantidade de energia incorporada
e emissão de CO2, considerando os materiais para execução.

Tabela 11.1. Totais de Energia Incorporada e emissões de CO2. (Fonte: Autores.)


249

11. Habitação de interesse social


Gráfico 11.2. (a) Energia Incorporada (MJ/m²) X IeC (%); (b) Emissão de CO2 (kgCO2/m²) X
IeC (%). (Fonte: Autores.)

A diferença entre a EI do Projeto-Base (5.722.201,07 MJ) e do Projeto-propos-


to A (5.337.492,29 MJ) foi de 384.708,78 MJ, o que representa uma redução de
cerca de 7% em benefício da alternativa do tipo arquitetônico em barra. O resul-
tado pode ser justificado pela diminuição de materiais necessários para a execução
dos projetos arquitetônicos, especialmente em itens como alvenarias e pinturas.
Para facilitar a compreensão da dimensão desse montante, converteu-se a diferença
de EI em energia elétrica, uma vez que ambas são unidades de medição de energia.
Assim, 384.708,78 MJ equivalem a 106.863,55 kWh.
Considerando um consumo médio de 100 kWh/mês – limite da faixa inter-
mediária de desconto da Tarifa Social de Energia Elétrica proposto27 pelo Gover-
no Federal – tem-se uma economia gerada suficiente para atender as necessidades
250

energéticas de uma unidade habitacional por cerca de 90 anos (considerando-se o


EFEITOS DA ARQUITETURA

consumo anual do imóvel de 1.200 kWh/ano). Analisando-se o empreendimento


de forma global, pode-se também estimar que a economia de energia obtida para a
produção do Projeto A ante o Projeto-Base seria suficiente para suprir as necessida-
des energéticas de 20 unidades (um edifício residencial) por 4,5 anos.
Com a redução do consumo de materiais em função da otimização do projeto
(especialmente pela redução dos planos verticais), verifica-se as maiores diferenças
de EI nos materiais que compõem esses itens, com blocos cerâmicos, argamassa e
pintura. Ainda, destaca-se o cálculo das distâncias de cada material até o canteiro
de obras. Com a variação da quantidade de materiais entre um projeto e outro, esse
item acaba também sendo influenciado diretamente.
A diminuição da emissão de CO2 nos projetos propostos é similar à redução da
EI obtida anteriormente. Comparando-se o total de CO2 emitido pelo Projeto-Base
(454.333,41 kg) com o total emitido pelo Projeto A (420.254,10 kg), obtém-se uma
redução de 34.079,31 kg (ou 34,08 ton de CO2), o que representa cerca de 8%.
Por volta de 55% das emissões de CO2 dos projetos estudados são advindas
de apenas três materiais: aço, ferro e cerâmica vermelha. Contando-se as emissões
relativas ao cimento e ao seu processo de produção, somam cerca de 12% das
emissões de CO2. Além disso, como os projetos analisados possuem a mesma área
construída (1.020m²), podem-se relacionar as emissões de cada um por m². Desse
modo, tem-se que o Projeto-Base emite cerca de 445,43 kg CO2/m², enquanto que
o Projeto A fica em 412,01 kg CO2/m². Ou seja, para uma mesma área total cons-
truída, pode-se viabilizar alternativas com maiores ou menores emissões de CO2
para a atmosfera, confirmando assim o pressuposto da relação com o IeC.
A diferença entre os projetos, de cerca de 8% em favor do Projeto A, mostra-se
significativa no momento em que se trata da emissão de gases de efeito estufa. Consi-
derando a diferença de 34,08 ton de CO2, ela é similar ao consumo mensal de 265 kg
de gás GLP (gás liquefeito de petróleo) durante o período de um ano. Sob outro ponto
de vista, levando-se em conta um veículo de passeio que roda mensalmente 500km,
em relação ao montante economizado pelo Projeto A, seria possível rodar durante 6,5
anos com o veículo, nas condições descritas.28 Considerando-se um consumo médio de
100 kWh/mês – limite da faixa intermediária de desconto da Tarifa Social de Energia
Elétrica29 por unidade habitacional – um edifício com 20 apartamentos consome 2000
kWh/mês. A economia de CO2 entre os projetos equivale às emissões relativas a 13 anos
de consumo de energia elétrica – ou ao poder compensador de 40 árvores.30
A curva similar dos gráficos de EI e CO2 indica uma relação entre os dois que-
sitos, em função da redução dos mesmos materiais de construção entre os projetos
251

e também por ser a análise das emissões de CO2 baseada no montante total de

11. Habitação de interesse social


energia consumida para a produção das edificações.

O tipo arquitetônico e a relação com a geração de resíduos

A melhoria no padrão de vida, mudanças nos hábitos de consumo e o cresci-


mento demográfico natural das últimas duas décadas fizeram com que a quantidade
de geração de resíduos tenha crescido significativamente. Atualmente, lidar com os
resíduos gerados pela população se tornou uma das maiores dificuldades ambientais
enfrentadas por muitos países.31 A grande massa de materiais utilizada na constru-
ção civil, agravada pelo elevado índice de perdas nos canteiros, torna a indústria
da construção uma grande geradora de resíduos. No final da década de 1990, com
um nível de atividade de construção significativamente menor do que o atual, a
quantidade típica de resíduos gerados pelo setor foi estimada em 500kg/hab.ano. 32
A partir deste dado e considerando a população em torno de 200 milhões de pesso-
as, calcula-se uma quantidade anual de 450 milhões de toneladas no país.
O resíduo da construção civil (RCC), também denominado resíduo de cons-
trução e demolição (RCD),33 representa mais da metade do total dos resíduos sóli-
dos urbanos, e equivalem, em massa, ao dobro da quantidade dos resíduos sólidos
domiciliares.34 A disposição final destes resíduos é uma tarefa difícil, devido à hete-
rogeneidade na composição, aos custos com transporte e disponibilidade de áreas
que atendam aos requisitos ambientais.
A prevenção e a redução na geração de RCD é um ponto importante a ser
estudado durante o planejamento e a produção dos edifícios. A antecipação por
parte das empresas no intuito de alcançar uma gestão ótima dos resíduos é uma
estratégia importante de melhoria dos seus processos de produção e consequente
redução na geração de resíduos. Encontram-se na bibliografia resultados promis-
sores de políticas de gestão de RCD adotadas em diferentes países, em termos de
minimização da geração e reciclagem. No Japão, a quantidade de RCD gerada
reduziu-se de 99 milhões de toneladas para 77 milhões de toneladas num período
de dez anos; na Bélgica, Holanda e Dinamarca o percentual de RCD reciclado
encontra-se na faixa de 80 a 90%, em Israel, 20%. Na Espanha, cerca de 10%
do RCD gerado é reciclado.35 No Brasil, apenas 5% do RCD é reciclado ou reu-
tilizado.36 No entanto, em 2008, um levantamento considerando todas as usinas
brasileiras em funcionamento e em fase de instalação atuando com capacidade
total estimou que a reciclagem de RCD seria de apenas 3,6% da estimativa total
de geração.37
252

Uma importante iniciativa regulamentadora de gestão de RCD consiste na Re-


EFEITOS DA ARQUITETURA

solução no 307 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), publicada


em 5 de julho de 2002.38 A resolução tem como premissas a não geração, a minimi-
zação e a reciclagem de resíduos; a gestão integrada dos resíduos da construção civil
deve proporcionar benefícios de ordem social, econômica e ambiental. De acordo
com este documento, o construtor passa a ser responsável pela implantação de pro-
jetos de gerenciamento de resíduos da construção civil nos seus empreendimentos.
Os gestores municipais e empresas construtoras passam a ter como obrigação a
adaptação de seus processos, visando a garantir a destinação ambientalmente corre-
ta dos resíduos de construção civil.
Para evitar ou reduzir a geração de resíduos é preciso atuar na origem, que
pode ter diferentes causas e ocorrer desde a etapa de desenvolvimento do produto
(projeto) até a fase de execução da obra. Embora os resíduos só apareçam ao início
da construção, estes já começam a ocorrer nas decisões tomadas durante a fase de
concepção e projeto, considerada uma das fontes de resíduos de construção mais
importantes.39 A maior parte dos esforços tem sido voltada à gestão dos resíduos no
canteiro, enquanto um investimento limitado é dedicado à prevenção da geração
de resíduos de construção em pontos importantes como a cadeia de gestão, etapas
de projeto, aquisição e encargos.
A grande variabilidade de incidência de perdas encontrada em diferentes can-
teiros de obras indica que o sistema de gerenciamento empregado pelas empresas
tem relação direta com sua ocorrência. Muitas delas podem ser evitadas a partir
de medidas gerenciais de baixo investimento, principalmente nas fases de projeto
e produção.40 Dentre atitudes durante a etapa de produção do edifício, o recebi-
mento, a estocagem e o transporte de materiais de forma adequada podem atenuar
as principais fontes de perdas.41 Quanto a medidas de projeto, cita-se a redução
no consumo de materiais através da elaboração de projetos com estruturas sim-
ples, proporcionando menos cortes do que em um projeto complexo, com diversos
recortes.42

Resultados obtidos
Os autores deste capítulo investigaram a influência do tipo arquitetônico e sistema
de produção na quantidade de resíduos gerada durante a fase de produção de edifícios re-
sidenciais verticais. O principal objetivo do estudo foi desenvolver um modelo estatístico
a ser usado para estimar a geração de resíduos. Num total, obtiveram-se dados de geração
de RCD de dezoito obras, de dez empresas construtoras que atuam em Porto Alegre e
cidades na região metropolitana. Os critérios avaliados nas obras em amostragem es-
253

tavam relacionados a dois grandes grupos citados frequentemente na literatura como

11. Habitação de interesse social


responsáveis pela geração de RCD: o processo de projeto e o sistema de produção praticado.
A quantidade de resíduos gerada no modelo a ser proposto é a variável depen-
dente e foi informada pela empresa através do registro do número de caçambas
contratadas no período da obra, desconsiderando-se resíduos provenientes de esca-
vações e terraplanagem. A Figura 11.2 mostra a planta do pavimento tipo das obras
estudadas, a área total de construção do edifício (m²) e a quantidade de resíduo
gerada na produção (m³).
As variáveis independentes foram estabelecidas com base em hipóteses lançadas
pelos pesquisadores e a partir da bibliografia consultada. As variáveis relacionadas
ao projeto arquitetônico das obras estudadas são quantitativas, descritas a seguir.

1. Área total construída e área do pavimento tipo: obtidas através da informa-


ção disponibilizada na planilha de áreas do projeto arquitetônico.
2. A relação entre o número de pavimentos tipo e o número total de pavimen-
tos do prédio (tipo/total).
3. Densidade de paredes internas no pavimento tipo (m/m²): o comprimento
de paredes internas (apenas paredes em alvenaria) incluindo os pilares, divi-
dido pela área do pavimento tipo.
4. Índice econômico de compacidade (IeC): relação entre as paredes externas
que envolvem o edifício e sua superfície. Devido à sua maior participação
no total de pavimentos do edifício, e maior possibilidade de influenciar no
contexto geral da edificação, o pavimento tipo foi selecionado como referên-
cia no cálculo do Iec e da densidade de paredes internas.
5. As variáveis relacionadas ao sistema de produção são qualitativas e neces-
sitaram ser convertidas em valores numéricos antes de serem processadas
estatisticamente:
6. Sistema produtivo (1 a 3): a pontuação dessa variável seguiu os seguintes
critérios: 1 (sistema artesanal): obras com estrutura em concreto armado
moldado no local, alvenaria de vedação sem paginação, alvenaria de divisão
interna em tijolos, corte e dobra do aço realizado no canteiro, produção
de argamassa no canteiro e poucos equipamentos de transporte na obra;
2 (sistema artesanal com paginação de alvenaria): obras com estrutura em
concreto armado moldado no local, alvenaria de vedação sem paginação,
alvenaria de divisão interna em tijolos, corte e dobra do aço industrializa-
do, emprego de argamassa industrializada, utilização de alguns componen-
254
EFEITOS DA ARQUITETURA

Figura 11.2. Pavimentos-tipo das obras estudadas. (Fonte: Autores.)


255

tes pré-fabricados e alguns equipamentos de transporte na obra; 3 (sistema

11. Habitação de interesse social


construtivo com práticas industrializadas): obras com estrutura em concreto
armado moldado no local, alvenaria de vedação com projeto de paginação,
alvenaria de divisão interna no sistema Drywall, corte e dobra do aço in-
dustrializado, emprego de argamassa industrializada, utilização de compo-
nentes pré-fabricados, ampla aplicação de equipamentos de transporte na
obra e emprego da filosofia da construção enxuta, especialmente ao que diz
respeito de abastecimento otimizado de materiais nos postos de trabalho
(ferramentas de gestão como “kanban” e “just in time”).
7. Organização no canteiro (escala de 1 a 5): a variável engloba diversos aspec-
tos do canteiro, como limpeza, preocupação com segurança, ferramentas de
gestão da qualidade (5S). A pontuação foi estabelecida a partir da percepção
dos pesquisadores e a partir das visitas a canteiros de obras das empresas
estudadas (foi considerada a média obtida entre as opiniões de dois obser-
vadores participantes da pesquisa). Foi considerado 1 para canteiros com
falhas de organização e 5 para os canteiros mais organizados.
8. Reciclagem de resíduos no canteiro (sim ou não): essa variável foi incluída no
estudo após constatação de que algumas das empresas participantes reaprovei-
tam os resíduos Classe A em um percentual estimado entre 10% e 15% do to-
tal de RCD, e sua aplicação na maioria dos casos, se deu para fins de reaterro.

A tabela 11.2 mostra as variáveis de projeto e produção das dezoito obras.


A avaliação do conjunto de dados se deu através de gráficos de dispersão dos
dados, do diagrama de caixa (boxplot) e testes estatísticos de Kolmogorov-Smirnov
e Shapiro-Wilk para a verificação da normalidade dos dados que compõem a vari-
ável dependente (Y). Em um segundo momento, as variáveis coletadas que apre-
sentaram influência sobre a variável dependente (Y) foram utilizadas na análise de
regressão. Foram analisados os coeficientes de determinação (R²) e de correlação
(r), a análise de variância (F) e teste das variáveis explicativas (t). Com base nos
resultados obtidos nas análises estatísticas realizadas, foi constatado que a variável
densidade de paredes internas se mostrou a menos influente na geração de RCD
dentre as variáveis de projeto estudadas. Isto provavelmente se deve ao aperfeiçoa-
mento da execução das alvenarias. Também a correlação desta variável se mostrou
elevada com a variável sistema produtivo, o que indica que esta característica pode-
ria já estar sendo contemplada no sistema produtivo. Ainda relativo a variáveis de
projeto, a área do pavimento tipo não foi significativa para o modelo e apresentou
256

correlação expressiva com a variável área total. Da mesma forma, o fato implica que
EFEITOS DA ARQUITETURA

a área do pavimento estaria contemplada na variável área total.

Tabela 11.2. Variáveis de projeto e produção. (Fonte: Autores.)

A variável organização do canteiro, apesar de não ter demonstrado correlações


altas com outras variáveis (indicativo de que ela poderia explicar algo exclusivamen-
te), não passou nos testes t das variáveis independentes, sendo então excluída da
análise. É possível que a escala trabalhada não fosse a ideal para esta variável.
O modelo empírico definido obteve coeficiente de correlação (R²) de
0,724, considerado um valor satisfatório. Seu coeficiente de correlação ajusta-
do (R² ajustado) atingiu 0,69, o que significa que o modelo adotado é capaz de
predizer aproximadamente 70% dos fatores envolvidos na geração de resíduos
em edificações verticais residenciais. O motivo pelo qual o modelo não é capaz
de explicar valores próximos da totalidade dos resíduos gerados se deve à eleva-
da variabilidade das construções, onde fatores como o clima, arranjo físico do
canteiro, entre outras características peculiares do setor conferem instabilidade
à produção e dificulta a elaboração de previsões. As variáveis que demonstraram
maior influência sobre a geração de resíduos na tipologia em estudo, da maior
257

para a menor foram: o percentual de participação dos pavimentos tipo sobre

11. Habitação de interesse social


o total de pavimentos do edifício (tipo/total), reaproveitamento de resíduos
no canteiro, índice econômico de compacidade, sistema produtivo e área total
construída. Variáveis de projeto, além da área, mostraram-se muito influentes
na geração de resíduos: quanto mais repetição (representada pelo número de
pavimentos tipo) e maior compacidade, menor a geração de resíduo. Também
questões relativas ao sistema construtivo mostraram-se influentes, como a pre-
sença ou não de racionalização e organização do canteiro. É importante ressal-
tar a influência conjunta das variáveis, o que significa que a geração de resíduos
não pode ser analisada a partir de uma variável isolada.

Considerações Finais

Os resultados apresentados neste capítulo mostram que questões de fundamen-


tal importância, tanto econômica quanto ambiental, são influenciadas por decisões
de projeto, investigadas através da compacidade do tipo arquitetônico.
O menor consumo de materiais devido à otimização dos planos verticais con-
fere redução de custos sem redução de área, configuração extremamente oportuna à
habitação de interesse social, tendo em vista o alto déficit habitacional e a limitação
financeira desse segmento.
Numa análise mais ampla, esse menor consumo de materiais proporciona tam-
bém ganhos energéticos, redução da emissão de CO2, e menor quantidade de re-
síduos gerada. Trata, portanto, dos problemas ambientais amplamente discutidos
atualmente, como o colapso da matriz energética, escassez de recursos naturais,
aquecimento global e resíduos sólidos.
EFEITOS
Efeitos DA
da ARQUITETURA
Arquitetura
258
259

12. Impactos da produção da forma urbana sobre o meio ambiente


12
Impactos da produção
da forma urbana sobre
o meio ambiente Rita de Cássia Montezuma

Introdução

O município do Rio de Janeiro é a capital do estado de mesmo nome e é a


segunda maior metrópole brasileira. Porém, diferentemente das demais metrópo-
les, sofreu um esvaziamento político-administrativo iniciado a partir da década de
1940 com perda política para São Paulo (capital do estado de São Paulo, maior
metrópole brasileira atualmente), se agravando em 1960, quando perde para Bra-
sília seu status de capital federal. Segundo o Observatório das Metrópoles, o efeito
negativo de ambas as mudanças trouxe grandes implicações para a economia flumi-
nense, notadamente com a perda da capacidade competitiva da indústria e da atra-
tividade para a localização de sedes de empresas, privadas e estatais, principalmente
no que diz respeito ao sistema financeiro (sedes de bancos) que se desloca para a
cidade de São Paulo.
Utilizando como pano de fundo o enfraquecimento da economia, nos últimos
anos os governos Federal, Estadual e Municipal se alinharam politicamente pro-
movendo várias mudanças econômicas, parte delas baseadas na utilização da sede
metropolitana como cenário para a atração de grandes eventos culturais (Rock in
Rio) e esportivos (Jogos Pan Americanos, Copa do Mundo de Futebol em 2014,
Olimpíadas Mundiais em 2016). Nesse discurso, destacamos três grandes moti-
vações: 1) o Rio de Janeiro cenário/vitrine – onde destaca-se sua beleza natural
marcada por praias, florestas e montanhas; 2) a hospitalidade/receptividade de sua
população – os cariocas (outro símbolo da cidade) – como argumento na promoção
de atividades turísticas, assim como no turismo de negócios que resulta em outra
representação e 3) a cidade-negócio – portas abertas ao capital, sobretudo externo,
favorecendo a instalação de indústrias e também palco dos megaeventos.
260

O conflito existente entre a paisagem símbolo, composta pelo trinômio flo-


EFEITOS DA ARQUITETURA

resta-montanha-praia versus expansão urbana versus desenvolvimento econômico


se contrapõe ao discurso pretensamente ecológico da sustentabilidade associado
ao discurso do desenvolvimento econômico. A partir dessa contradição surgiu a
investigação que resulta neste capítulo, onde se pretende analisar as consequências
ambientais de um processo de urbanização que não contempla adequadamente as
fragilidades e potencialidades intrínsecas ao suporte geobiofísico onde esta se ma-
terializa. Neste sentido, os impactos da produção da forma urbana serão discutidos
tendo como base resultados de diversas pesquisas que demonstram a fragilização
crescente dos ecossistemas nativos frente à expansão imobiliária, aumentando a
vulnerabilização dos ambientes edificados, ao mesmo tempo em que promove a
segregação espacial no município do Rio de Janeiro.
A partir desse contexto percebemos que um conjunto de mudanças vem se estabe-
lecendo no município e grande parte dele foi legitimado pelo seu recém votado Plano
Diretor do Município – 2010 – (no qual a beleza cênica passou a ser um patrimônio
imaterial) e também por vários projetos de reestruturação urbana, promovendo profun-
das alterações na cidade, notadamente nas zonas central, oeste e norte, dando forte im-
pulso à indústria imobiliária. Nesse processo, áreas anteriormente relegadas ao segundo
plano pelo capital imobiliário durante décadas vêm sendo utilizadas para a expansão ur-
bana e para a instalação de novos equipamentos industriais, turísticos e de negócios, de
acordo com suas condições cênicas ou potencial construtivo. Como exemplo, citamos:

a) Zona Oeste – porção leste-meridional (Área de Planejamento – AP4): mais


próxima da área mais valorizada, em termos imobilários, do município
(Zona Sul), para onde estão sendo direcionados a expansão residencial, ho-
teleira e de equipamentos para megaeventos;
b) Zona Oeste – face oeste (AP5): maior concentração de população de baixa
renda, que vem sendo a localização preferencial de novas indústrias, depó-
sitos e retroportos;
c) Zona Central e Portuária (AP1) – por décadas sofrendo esvaziamento, a
partir da década de 1980 vivencia projetos de “revitalização”, reestruturada
para o setor turístico local e negócios.

Este trabalho direciona o foco para a Zona Oeste, na sua face leste-meridional (AP4),
por se tratar da principal área de expansão urbana do município, principalmente a partir
da década de 1970, quando deixa de ser zona rural e é integrada ao sítio urbano. É uma
compilação de resultados de pesquisas que vêm sendo conduzidas no âmbito de atuação
261

do grupo de pesquisa/CNPq NIPP (Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas de Paisagens),

12. Impactos da produção da forma urbana sobre o meio ambiente


sediado no GGE/UFF, vinculado ao projeto Das florestas urbanas às planícies costeiras:
uma abordagem geoecológica sobre os sistemas ambientais urbanos,2 além dos projetos “Mu-
danças climáticas e as novas formas de ocupação urbana: estudos comparativos de tipos
de ocupação e indicadores socioambientais em situações de vulnerabilidade e risco das
regiões metropolitanas de Rio de Janeiro e Campinas”3 e “Metropolização e transfor-
mações no espaço e na paisagem do Estado do Rio de Janeiro” (finalizado em 2011).

Baixada de Jacarepaguá: características físicas e ocupação urbana

A área de estudo situa-se em uma planície litorânea na Zona Oeste do municí-


pio do Rio de Janeiro, entre os paralelos 22°55’00”S e 23º05’00”S e os meridianos
43°18’30”W e 43°32’301”W, possuindo uma extensão total de 400 km2. Ao norte
é delimitada por rochas do embasamento cristalino que formam os maciços da Ti-
juca (1.021 m) e da Pedra Branca (1.024 m) e ao sul, por uma planície holocênica
de aproximadamente 7.000 anos formada por sucessivos processos de transgressão e
regressão marinha,5 que resultaram em mosaico ecossistêmico (Figura 12.1) formado
por restingas, brejos, matas de baixada, manguezais, lagos e lagunas.6

Figura 12.1. Mapa de uso e cobertura da superfície na Baixada de Jacarepaguá com os limites
dos setores do último Plano de Estruturação Urbana (PEU) das Vargens/2009, Rio de Janeiro/
RJ-Brasil. (Fonte: Natasha Fernandes Muniz – NIPP/UFF.)
262

A distribuição espacial dos ecossistemas nativos da Baixada de Jacarepaguá foi


EFEITOS DA ARQUITETURA

um dos condicionadores da dinâmica de ocupação no local, cujo plano inicial para


a urbanização em 1969 teve no arquiteto Lucio Costa o seu principal mentor. A
ocupação foi conduzida pela continuação do eixo litorâneo, pela Barra da Tijuca,
vindo da zona sul, expandindo a ação do vetor residencial mais valorizado da ci-
dade. Um segundo eixo, mais antigo, dirigiu-se a Jacarepaguá. O eixo de expansão
proposto por Lucio Costa definiu uma morfologia urbana que priorizou a preser-
vação de parte dos ecossistemas e o transporte individual, dando impulso a uma
produção espacial claramente segregada.
Os ecossistemas da Baixada associados à vegetação de encosta no domínio
montanhoso desempenham funções ambientais fundamentais, como a amenização
da temperatura, filtragem da poluição, ciclagem de nutrientes, regulação de ele-
mentos climáticos locais como umidade e chuvas, abastecimento de reservatórios
de água, além de regularem o equilíbrio hidroerosivo através do armazenamento e
redistribuição de água e sedimentos.
Na sua condição original, o armazenamento de água e sedimentos atenua o as-
soreamento neste mosaico ecossistêmico, mesmo naquelas áreas onde os solos estão
sujeitos à saturação hídrica durante praticamente todo o tempo, contribuindo para
a manutenção da permeabilidade do substrato. Permite ainda que as águas das chu-
vas alimentem gradativamente o lençol freático, cujo nível garante a manutenção
dos corpos hídricos da região, enquanto que os solos arenosos da restinga evitam os
problemas de erosão causada pelo vento.
Na Baixada de Jacarepaguá, a ocorrência de enchentes é um processo natural e
fundamental para a dinâmica de fluxos de matéria e energia que constrói e modela
a paisagem. Entretanto, desde a década de 1970, quando toda a área do município
passou a ser considerada área territorial urbana, um grande impulso imobiliário se deu
sobre a área, tornando-a a principal área de expansão urbana do município. A região
administrativa da Barra da Tijuca passou de 5.779 residentes em 1970 para 174.353
em 2000, numa variação de 2.917% em apenas 30 anos, possibilitando uma forte con-
centração da ação do mercado imobiliário na área, respondendo em 2004 por 69,3%
das unidades lançadas em empreendimentos imobiliários efetuados em toda a cidade.7
As principais áreas de ocupação limitaram-se às áreas de solos mais consolidados nas
zonas entre os maciços, onde predominam os depósitos continentais (Jacarepaguá) e
na orla, sobre os depósitos arenosos das restingas interna e externa (Barra da Tijuca).
Estendendo-se o crescimento urbano até o ano de 2010, verifica-se um aumento de
127% em Jacarepaguá contra 5.111% na Barra da Tijuca (Tabela 12.1).
263

12. Impactos da produção da forma urbana sobre o meio ambiente


Tabela 12.1. Variação populacional na Área de Planejamento 4 entre os anos de 2010-2000.
(Fonte: IPP.)

Em um primeiro momento, as áreas úmidas (wetlands) que ocupam a parte


central da grande bacia hidrográfica da Baixada de Jacarepaguá restringiram parte
do avanço da ocupação urbana (Figura 12.1 e Tabela 12.1). Posteriormente, as
zonas dos banhados nas grandes várzeas foram sendo drenadas e aterradas para
dar lugar a loteamentos regulares e irregulares, gerando um mosaico de ocupação
socioeconômica muito diversificada.
Até aproximadamente 1930, as áreas úmidas da Baixada de Jacarepaguá, co-
nhecidas como Campos de Sernambetiba,8 eram utilizadas para o cultivo de hortas
com espécies anuais (hortaliças) que, com o início dos projetos de drenagem, fo-
ram dando lugar a poucas habitações.9 De um modo geral, as áreas úmidas e mais
carentes de infraestrutura eram ocupadas por favelas ou por residências de classe
média baixa. Atualmente, a pressão por novas áreas tem levado à construção de
condomínios fechados, que objetivam ser autossuficientes em serviços e destinam-
-se às classes A e B, bem como aos equipamentos para os megaeventos, como a Vila
do Pan-Americano e a Vila dos Atletas (visando às Olimpíadas de 2016).
Devido à pressão dessa demanda, em 2009 as áreas úmidas da Baixada de Ja-
carepaguá passaram a ser regidas por uma nova legislação com vistas ao incentivo e
legalização da ocupação urbana, denominado inicialmente de Projeto de Estruturação
Urbana e posteriormente de Plano de Estruturação Urbana das Vargens (doravante
PEU Vargens). Este PEU provocou grande polêmica por ter sido votado em um pro-
cedimento irregular antecipadamente à votação do Plano Diretor de Desenvolvimento
Urbano Sustentável do Município em 201010 e por propor parâmetros urbanísticos
que promoveriam profundas transformações espaciais na área, em parte fortalecendo
ainda mais a ação do mercado imobiliário. Contrariando leis federais de preservação
de margens e ecossistemas de banhados e corpos hídricos em geral, o PEU Vargens
ignorou as peculiaridades geoecossistêmicas da Baixada de Jacarepaguá, reduzindo
264

índices de permeabilidade e aumentando o potencial construtivo em toda a sua exten-


EFEITOS DA ARQUITETURA

são, entre outras alterações.


Como pode ser observado na Tabela 12.2, entre 1984 e 1999 a estimativa de
perdas de áreas úmidas no município, típicas da região, aponta uma redução em
quase 10 km2. Mais da metade desta localiza-se na área atualmente equivalente à
ação do PEU Vargens. A atual expansão urbana com bases nesses novos parâmetros
nos leva a prognosticar uma redução ainda maior para um período equivalente.

Tabela 12.2. Evolução da ocupação das áreas úmidas no município e na Baixada de Jacarepaguá
na área correspondente aos novos parâmetros de expansão urbana da Zona Oeste - PEU
Vargens/2009, Rio de Janeiro/RJ-Brasil. (Fonte: Instituto Pereira Passos.)

Dados do Instituto Pereira Passos (IPP)11 indicam uma alternância na taxa mé-
dia geométrica de crescimento populacional para os bairros da Área de Planejamen-
to 4 entre os anos 1980-1991/1991-2000. Segundo o IPP, no decênio 1980-1991
os bairros do Itanhangá, Barra da Tijuca e Recreio apresentaram as maiores taxas
de crescimento (4,7 a 9,5% anuais), enquanto que na década subsequente essa taxa
cai para 1,8% a 4,8% na Barra da Tijuca, a mesma taxa de Vargem Grande. Em
contrapartida, bairros onde esse crescimento era negativo na década anterior, como
Camorim e Vargem Pequena (ainda em processo de consolidação do seu tecido
urbano) passaram a partir de 1991-2000 a uma taxa mais elevada, de 9,6 a 20,7%,
a mesma taxa do Recreio dos Bandeirantes (praticamente consolidado).
Na última década, as taxas de crescimento imediatamente abaixo a estas na
AP4 foram as dos bairros de Jacarepaguá, Anil, Gardênia Azul e Curicica, variando
de 4,7 a 9,5%, seguidos por Vargem Grande e Barra da Tijuca, com 1,8 e 4,6%.
Interessante notar que os bairros de maior taxa em 1991-2000 hoje concentram
a maior parte da localização dos empreendimentos imobiliários e equipamentos
esportivos associados aos eventos da Copa do Mundo de Futebol de 2014 e Olim-
píadas de 2016.
265

Vale dizer que os bairros vizinhos são afetados pelo conjunto de mudanças,

12. Impactos da produção da forma urbana sobre o meio ambiente


passando a se desenvolver a reboque desse processo, cujos impactos discutiremos
mais adiante. A resultante do conjunto de crescimento espacialmente diferenciado
(Figura 12.2) reside na concentração regional de impactos relativos à construção,
que variam entre exposição de materiais de construção à atmosfera circundante e
até a reflexos na mobilidade.

Figura 12.2. Conjunto de emprendimentos associado ao Parque Olímpico em Jacarepaguá


(acima) com material estocado para utilização nas construções (abaixo).
(Fonte: Autora, 2013.)

O boom imobiliário iniciado nas décadas passadas apresenta-se diferenciado


na planície e nas encostas. No domínio geomorfológico da planície costeira, esse
266

processo vem promovendo o surgimento de condomínios residenciais fechados,


EFEITOS DA ARQUITETURA

conhecidos como condomínios-bairros, em padrão arquitetônico de até dois an-


dares. Em estudo recente, Tângari e colegas verificaram que a maior parte das vias
de acesso está associada aos condomínios fechados,12 com reflexo direto na baixa
acessibilidade, favorecendo o aumento da segregação espacial entre novos e antigos
moradores. É notória a substituição de antigas vilas de pescadores, favelas e outras
ocupações de baixa renda, que se implantaram na ocasião da criação do bairro da
Barra da Tijuca, para dar lugar aos novos empreendimentos residenciais e aos equi-
pamentos esportivos dos megaeventos de 2014 e 2016. Neste caso, o exemplo mais
conhecido é o da Vila Autódromo.
No domínio das encostas, no maciço costeiro da Pedra Branca, tradicional-
mente ocupadas por plantadores de bananas, a expansão urbana tem a legislação
ambiental como limite norte. Esse limite corresponde à zona fronteiriça da unidade
de conservação da maior floresta urbana do município, com parte dela localizada
no Parque Estadual da Pedra Branca, com 13.500 ha, precisamente entre as cotas
60 e 100 m ao nível do mar, denominado setor H (Figura 12.1), para o qual o PEU
Vargens propõe a ocupação a partir de lotes unifamiliares de 5.000 m2, com taxa de
permeabilidade de 60% e taxa de ocupação de 20%.
Entretanto, a base territorial sobre a qual a produção social se materializa é em
parte condicionada pelos principais constritores do processo de expansão urbana.
Esses elementos constituintes da paisagem são fundamentais não apenas às dinâ-
micas distributivas populacionais, mas também aos demais fluxos que integram os
grupamentos humanos à sua realidade intrínseca local; ou seja, os maciços costeiros
e a planície de alagamento, cuja dinâmica hidrológica é presente na natureza geo-
biofísica e na social, numa relação interatuante, fortemente determinada por sua
localização geográfica.

Funções Ecossistêmicas e Conflitos Socioambientais

A dinâmica de massas de ar é o principal fator determinante da dinâmica plu-


viométrica no Maciço da Pedra Branca.13 O efeito orográfico se apresenta como
um fator decisivo na ocorrência da precipitação local. Os maciços da Pedra Branca,
da Tijuca e do Gericinó-Medanha recebem os máximos pluviométricos de toda a
cidade.14 A Baixada de Jacarepaguá, dada sua localização geográfica, se caracteriza
pela propensão a elevados valores pluviométricos. O efeito orográfico15 associado
à proximidade de fonte de umidade e de sais, que figuram como um dos princi-
pais formadores dos núcleos de condensação da água na atmosfera, são de extrema
267

relevância quando as condições naturais e formas de ocupação são analisadas em

12. Impactos da produção da forma urbana sobre o meio ambiente


conjunto, podendo ocasionar resultantes distintas para cada área.
O estudo realizado por Togashi10 a partir da análise de uma série temporal
de uma década de dados pluviométricos da estação meteorológica da GEORIO,
localizada no Riocentro, destaca um aumento das chuvas no decorrer da década
de 2001-2010, apontando para a expansão do período de chuvas e acréscimo no
volume ao final do verão e início do outono (Gráfico 12.1). Os eventos chuvosos de
grandes magnitudes, com intensidades diárias acima de 50 mm.dia-¹, apresentaram
tendência de crescimento para os meses de dezembro, janeiro, março e abril, cola-
borando para o acréscimo da intensidade dos seus eventos no decorrer da década
analisada no estudo. No período de um ano, entre 04/11/2009 e 04/11/2010, a
sub-bacia do rio Caçambe, afluente do rio Camorim, apresentou o total pluvio-
métrico de 2.357 mm, um valor muito acima da média da zona oeste do Rio de
Janeiro, que apresenta valores entre 1.000 e 1.200 mm anuais. A mesma área de
análise no Riocentro apresentou um valor acima da média observada na década,
com 1.390 mm anuais. Embora a precipitação anual do Caçambe e do Rio Cen-
tro tenham apresentado elevado grau de similaridade no período de 04/11/09 a
04/11/10, a diferença nas alturas pluviométricas foi atribuídas à altitude e ao relevo.

Gráfico 12.1. Variação da pluviosidade na Estação Meteorológica do Riocentro/GEORIO,


na década de 2010-2001. (Fonte: Togashi, 2011.)

O papel de barreira geográfica exercido pelo maciço da Pedra Branca é confir-


mado nos resultados obtidos por Bastos,16 o qual foi comprovado pela média de
chuva no Rio Centro e em Bangu (bairro ao norte do maciço). O Rio Centro pos-
sui uma média de 1.400 mm.ano-1 e Bangu possui uma média de 1.109 mm.ano-1.
268

As variações locais na amplitude da Zona Oeste (AP4 e AP5) sugerem respostas do


EFEITOS DA ARQUITETURA

fator relevo, que faz com que haja uma diferença na variação quantitativa entre as
duas estações trabalhadas (Gráfico 12.2). As duas estações mostraram tendências de
aumento das chuvas a partir de 2003. Os anos de 2001 e 2002 foram os anos mais
secos e o ano de 2010, o mais chuvoso. É possível perceber que, através da análise
da variabilidade mensal, as estações não apresentam um padrão semelhante de distri-
buição das chuvas, apesar de terem os meses mais chuvosos e mais secos em comum.

Gráfico 12.2. Distribuição da precipitação nos bairros de Jacarepaguá/RioCentro e Bangu, no


período de 2010-2001. (Fonte: Bastos, 2011.)

Apesar do quadro aparentemente assustador em função dos riscos relacionados


ao aumento das chuvas, as florestas secundárias majoritariamente presentes na ver-
tente meridional do maciço da Pedra Branca parecem oferecer algum controle hidro-
lógico das chuvas. De acordo com Togashi,10 a capacidade de interceptação (I) dessas
florestas tende a ser maior em dosséis mais densos (Gráfico 12.3). Em contrapartida,
o fluxo de atravessamento decresceu conforme o gradiente mata secundária inicial
(SI) – borda – floresta secundária avançada (SA). Além disso, a cobertura vegetal de SA
apresentou maior eficiência na interceptação de diferentes intensidades de chuva (em
torno de 25% de um total de 2.537 mm no período de 2009/2010). Nesse aspecto, o
monitoramento da serrapilheira,17 que nosso grupo de pesquisa vem realizando para
verificar a funcionalidade florestal há 10 anos, demonstra que além da capacidade
269

regenerativa dessa floresta ser alta, mesmo após os vários usos pretéritos (roças, car-

12. Impactos da produção da forma urbana sobre o meio ambiente


voarias, pastagem, extração de lenha), a serrapilheira também pode ser considerada
um indicador da potencialidade ecológica no que tange à garantia da funcionalidade
ecossistêmica – notadamente, o armazenamento de água.
Se tomarmos como base o período de monitoramento da produção de serrapilheira
e precipitação pluviométrica, verificamos que a floresta mantém uma capacidade de
automanutenção.18 A produção média de serrapilheira em diferentes domínios topo-
gráficos é de 35.198,14 kg.ha-1.ano-1 e de 41.112, 52 kg.ha-1.ano-1 no fundo de vale e
divisor de drenagem, respectivamente.19 A referida produção está contribuindo para
uma sustentabilidade ecológica que resulta em uma cobertura de serrapilheira sobre o
piso florestal e, por ser renovada em períodos inferiores a um ano, fornece fertilidade ao
solo, possibilitando uma maior infiltração, além de uma estocagem de água potencial
em torno de 158% a 600% do seu peso seco.20

Gráfico 12.3. Precipitação incidente (P) e fluxo de atravessamento (At) médios, segundo
tipologias vegetacionais no Caçambe (para cada coleta: n Borda = 6, n SI = 6 e n SA = 12).
(Fonte: Autora.)

Nesse contexto, a serrapilheira estocada sobre o solo possui a capacidade de


reduzir a energia cinética das gotas de chuva durante a precipitação interna – isto é,
a quantidade de chuva que ultrapassa a copa das árvores. A água da chuva absorvida
e armazenada nas camadas da serrapilheira é liberada gradativamente para o ecossis-
tema.21 A partir desse processo, os impactos sobre o solo, como por exemplo a com-
pactação, o escoamento superficial e a perda de nutrientes pela lixiviação, tendem
a ser menos intensos. Dentro dessa questão, Montezuma et al.22 corroboram essa
leitura ao relatar que a umidade na serapilheira permite um microclima (umidade e
temperatura) favorável à manutenção e germinação das sementes, responsável pela
recomposição florestal.
270

A umidade na serrapilheira também regula as condições físicas do calor


EFEITOS DA ARQUITETURA

tendo como resultante um tamponamento da temperatura, favorecendo a ati-


vidade da fauna edáfica (macro e microrganismos) no ecossistema mesmo dian-
te de um déficit pluviométrico. Considerando que o estoque de serrapilheira
médio é de 8.337,19 kg -1.ha-1.ano-1 para as áreas situadas no fundo de vale e de
9.671,62 kg -1.ha-1.ano-1 para o divisor de drenagem, estima-se que a estoca-
gem total de água dessas florestas pode ser superior.
Destarte, a resultante sistêmica desse processo, exemplificada na capacidade
de armazenamento de água na bacia do rio Caçambe, aponta para uma esti-
mativa de armazenamento de aproximadamente 140 mm.ha-1.ano-1 em apenas
795 ha de vegetação medianamente preservada somente na microbacia do rio
Caçambe,23 mesmo tendo uma cobertura florestal bem diferenciada quanto aos
estágios sucessionais.24Mas, se por um lado o histórico de uso da floresta con-
feriu-lhe uma condição de floresta secundária ainda capaz de garantir funções
ecológicas tão importantes, sobretudo a uma metrópole que usufrui direta e
indiretamente dessas funções sob a forma de serviços ambientais, o futuro me-
rece atenção. Dados de análise da chuva que atinge o maciço da Pedra Branca e
que atravessa as copas das árvores apontam contaminação de metais-traço como
chumbo (17,3 e 7,9 g.ha-1.ano-1 na chuva e fluxo de atravessamento, respecti-
vamente), zinco (798,1 e 119,6 g.ha-1ano-1 na chuva e fluxo de atravessamen-
to), manganês (211,6 e 198,1 g.ha-1ano-1 na chuva e fluxo de atravessamento)
dentre outros25 e de cálcio em quantidades superior ao esperado (razão Ca/Mg
= 6,778 no Caçambe e 0,196 no oceano), o qual tem como principais fontes o
cimento e as emissões de veículos automotores.10
De acordo com Teixeira e colaboradores,26 nas matas do Pedra Branca regis-
trou-se no período de novembro de 2005 a outubro de 2006 uma elevada captação
de mercúrio atmosférico pelas folhas (167 ng.g-1 em abril/2005 e 334 ng.g-1 em
outubro/2006), com valores crescentes entre dezembro e abril. Segundo os autores,
os valores mais baixos encontrados na área do Camorim (167 ng.g-1 em janeiro)
foram superiores àqueles encontrados em áreas temperadas e na Amazônia, prova-
velmente devido à diversidade de espécies, o que os fizeram prognosticar que em
futuro próximo o bioma Mata Atlântica poderá ter seu solo “naturalmente enrique-
cido” por mercúrio, como os solos amazônicos.
Entretanto, embora o contexto geobiofísico e a paisagem resultante desse con-
junto de processos ainda apontem para uma sustentabilidade ecológica eficaz, a
tendência de transformação que vem se configurando na área sugere um prognós-
tico negativo, onde o mosaico florestal tende a ser retraído pela expansão e adensa-
271

mento de formas de ocupação urbana que alteram as taxas de impermeabilidade,

12. Impactos da produção da forma urbana sobre o meio ambiente


infiltração e estocagem de água, além de grande probabilidade de ocorrência de
efeitos de bordas. Parte dessa tendência é corroborada pelos resultados prelimina-
res desse projeto, os quais demonstram que a “última” fronteira de ocupação formal
regulamentada pela atual legislação urbana, PEU Vargens, traz em si uma negligên-
cia no que se refere aos serviços ecossistêmicos observados na área.

Gráfico 12.4. Variação das médias horárias de temperatura (acima) e umidade relativa
do ar (abaixo) no período de inverno no maciço da Pedra Branca, Rio de Janeiro/RJ.
(Fonte: Montezuma et al., 2014.)
272

Uma análise comparativa entre formas de uso do solo edificadas e vegetadas,


EFEITOS DA ARQUITETURA

utilizando parâmetros microclimáticos (a 2 m do solo), demonstrou que mudança


nas formas de uso do solo alteram a temperatura e umidade local, podendo pro-
pagar seus efeitos na vizinhança florestal de forma a reduzir a floresta pelas bordas.
O valor mais elevado de temperatura e mais reduzido de umidade foi registrado
na residência unifamiliar situada na borda da floresta, enquanto que nas áreas de
plantio de banana e floresta foram observados comportamentos opostos. Note-se
que, no caso em tela, a área correspondente à residência estava fora dos parâmetros
estabelecidos pelo PEU Vargens no setor H, apresentando-se com permeabilidade
superior a 60% e taxa de ocupação inferior a 20% do terreno, além de predomínio
de cobertura vegetal arbóreo-arbustiva no entorno (Gráfico 12.4).
Ante o exposto, acreditamos que a médio prazo a franja de ocupação urbana
promoverá o deslocamento de algumas populações, notadamente de plantadores
de banana, para outras encostas igualmente vulneráveis. A valorização de áreas ver-
des, sobretudo em ambientes urbanos, tende a fomentar ainda mais a contradição
na produção das paisagens urbanas, onde o mosaico ecossistêmico dará lugar ao
mosaico social, com perdas significativas de funções ecológicas em uma condição
crescente de risco socioambiental, sobretudo promovendo a ocupação diferencial
do solo de acordo com a valorização do mercado, destinando áreas mais frágeis e de
menor valor aos grupos mais frágeis, política ou economicamente.
Portanto, destacamos que a atual proposta de urbanização do PEU Vargens pa-
rece implicar uma insustentabilidade social e ecológica ao negligenciar a capacidade
de suporte e as condições ambientais das áreas de implantação, notadamente no
setor H,27 dado que “embora a lei determine uma ocupação unifamiliar, de densi-
dade de 7 hab.ha-1, com lotes de 5.000 m², a localização limítrofe a uma unidade
de conservação (Parque Estadual da Pedra Branca) já em cota elevada (100 m) gera
alteração na zona de borda, conhecidos como efeitos de borda”.28 Estudos recentes
mostraram, em caráter preliminar, que se todo o potencial construtivo garantido
pela lei do PEU for atingido no setor H, fazendo uso da outorga onerosa do direito
de construir, isto é, a construção para além da metragem permitida pela legislação
municipal de zoneamento e uso do solo urbano mediante a contrapartida financei-
ra, o potencial construtivo poderá atingir 235 ha da área total desse setor, que é de
881 ha. Este potencial equivale a quase 27 % do setor, apresentando como número
máximo 1.173 unidades unifamiliares e uma projeção total de população de 4.105,
considerando 3,5 pessoas por domicílio.29
Partindo desses dados, levanta-se a discussão com relação à incerteza no que
se refere à exposição da referida área aos projetos a serem implantados no local,
273

que além de desatinos com os requisitos jurídicos, não se adequam às dinâmicas

12. Impactos da produção da forma urbana sobre o meio ambiente


ambientais e sociais observadas. As comunidades que subsistem nessa área desde
um período anterior à instalação do Parque Estadual da Pedra Branca (cuja criação
data de 1974) se encontram ameaçadas pela elevada especulação imobiliária na
área. Dados recentes obtidos com a produção a partir da imagem de alta resolu-
ção Ikonos de maio de 2010, para a classificação das formas de uso e cobertura,
correspondente ao setor H do PEU Vargens e à microbacia da Zona dos Canais,
indicaram que o setor H apresenta um percentual de 90% para área de vegetação e
1,5% de área coberta por bananais. Apesar de esse setor estar entre a cota mínima
de 25m e a máxima 100m, extrapolamos a classificação até o limite do divisor de
drenagem da microbacia para melhor visualização da área. Esse limite foi adotado
para demonstrar o percentual existente de área vegetada e de área sobre a influência
dos bananais, assim como a distribuição desses tipos de coberturas por toda área
da microbacia.
Comparativamente aos estudos que fazem um prognóstico com relação ao
avanço da ocupação no setor H22 mediante a lei 104/09, levantamos a hipótese de
que, muito embora se trate de um solo manejado para diferentes práticas de cul-
tivo, onde se destaca o cultivo da banana, as resultantes ecológicas originadas de
tais práticas, quando observadas pela ótica dos serviços ecossistêmicos, sugerem
maiores benefícios quando comparados com os modelos dos empreendimentos
previstos. As formas urbanas adotadas neste caso em geral utilizam parte do solo
coberto por vegetação graminóide ou jardins, quando não fazem uso de pavi-
mentação tipo piso-grama, a título de atender ao percentual de permeabilidade
estabelecido em lei. Entretanto, as espécies empregadas são na maioria das vezes
exóticas e também invasoras, que penetram na área da floresta sem no entanto
apresentarem os mesmos benefícios ambientais e sociais das roças e dos bananais,
tampouco da floresta.
Com a implementação do PEU Vargens, acredita-se que os 90% de área ve-
getal presente nesse segmento do maciço tenderá a diminuir, devido ao aumento
de construções previstas para esse setor e potencialmente afetar a distribuição dos
bananais na área. Através de observações empíricas ao longo das visitas à área feitas
pelo grupo de pesquisa, foi possível perceber que os bananais ainda são um meio
de subsistência e de renda para a população local de Vargem Grande – cumprindo,
portanto, uma função social. O plano de estruturação urbana pode não só diminuir
uma grande parcela da vegetação como também transformar a vida dos moradores,
cuja maioria tem ali seu meio de vida e tradições de uso da terra transmitidas há
gerações. A condição de baixa renda os impossibilita de adquirir áreas equivalentes
274

onde possam manter-se como agricultores familiares nas proximidades. Vale ressal-
EFEITOS DA ARQUITETURA

tar que a presença de uma unidade de conservação em meio urbano agrega valor às
moradias, elevando o preço do solo e atraindo novos moradores para quem a flo-
resta tem outros significados: não representa seu sustento, história – não é sagrada.
Milton Santos, ao discutir sobre os efeitos da globalização na conformação e
produção espacial, destaca que há uma “universalização do modelo de utilização de
recursos por meio de uma universalização relacional das técnicas”:

[Uma] universalização dos gostos, do consumo, bem como a ‘universalização da


cultura e dos modelos de vida social, universalização de uma racionalidade a serviço
do capital, erigida em moralidade igualmente universalizada, universalidade de uma
ideologia mercantil concebida do exterior, universalização do espaço, universaliza-
ção da sociedade tornada mundial e do homem ameaçado por uma alienação total.
(Santos, 2012, p. 18.)

O modo de produção que vem sendo implantado na Área de Planejamento 4,


ao ignorar a variabilidade espacial intrínseca do local, produz impactos socioam-
bientais que exemplificam a materialização desses efeitos apontados por Santos, em
duas categorias. A primeira é concernente à homogeneização da paisagem. A segun-
da, decorrente da primeira, é a inadequabilidade na adoção de modelos que inter-
ferem nas dinâmicas próprias de cada fração e elementos da paisagem, tornando-a
equalizada internamente, a despeito de um substrato biogeofísico heterogêneo, que
dá suporte a territorialidades igualmente distintas.

Conclusão

Diante de um cenário de conflito socioambiental, analisamos neste capítulo


as dinâmicas ambientais e motivações humanas que regem a transformação da
paisagem na área do Rio de Janeiro. A partir de aproximações balizadas por
evidências científicas, procuramos salientar que as formas de ocupação urba-
na previstas pela legislação não contemplam as características territoriais, tam-
pouco as condições socioambientais existentes. As formas previstas refletem
uma aproximação aos interesses do mercado imobiliário e um distanciamento
no que tange ao planejamento urbano adequado, negligenciando dinâmicas
de subsistência com reduzido impacto ambiental, além de expor a população
que habita a área a uma incerteza no que se refere aos seus futuros territórios e
práticas espaciais.
275

Em síntese, listamos algumas considerações sobre os possíveis impactos que as

12. Impactos da produção da forma urbana sobre o meio ambiente


transformações urbanas, volumosas em proporção, concentradas em áreas específi-
cas e em curto intervalo de tempo, podem promover.30 São elas:

1. Os ecossistemas vêm sendo “consumidos” como mercadoria. Há tanto um


consumo integral dos remanescentes de ecossistemas e, portanto, consumo
de grande parte dos recursos naturais, quanto da energia neles contida e
notadamente de suas funções ecológicas.
2. Possibilidade de um volume não desprezível de resíduos líquidos, sólidos
e gasosos gerados e distribuídos na atmosfera, hidrosfera, solos e biosfera
(incluindo a antroposfera).
3. Os materiais utilizados na construção civil impactam de alguma manei-
ra o meio.31 O processo acelerado de empreendimentos imobiliários no
entorno dos maciços costeiros da Pedra Branca, em especial, e da Tijuca
funcionam como áreas-fonte de vários poluentes, como mercúrio, cálcio,
carbono, chumbo etc., expostos ao contato direto em circulação atmosfé-
rica e em diferentes camadas da superfície e do solo.
4. Assim como dos ecossistemas, há o “consumo” da paisagem, originando
padrões homogêneos de formas, incluindo a arquitetônica, e elementos
naturais, reduzindo a biodiversidade e importantes funções ecológicas, so-
ciais e paisagísticas.
5. A ocupação adensada no entorno de rios, lagos, lagunas e florestas promo-
ve a redução dos fluxos entre ecossistemas e destes com as partes edificadas
do território, tornando-os mais isolados e mais fragilizados. Essa condição
se reverte negativamente sobre a autossustentabilidade dos ecossistemas,
fazendo com que sua viabilidade só seja possível com investimentos em
manejo e gestão.
6. Por fim, identificamos uma permuta: nesse quadro se materializa a condi-
ção da cidade como barreira geográfica aos fluxos que retroalimentam os
ecossistemas e que garantem sua manutenção e autorregulação. Esse efeito
repercute sobre a população urbana sob a forma de catástrofes associadas às
chuvas intensas, deslizamentos, inundações e enchentes, poluição atmosfé-
rica, ilhas de calor e doenças associadas.
Efeitos da Arquitetura
276
VI PARTE
da esfera normativa
As responsabilidades
277

1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas


Efeitos da Arquitetura
278
279

13. O mundo das miudezas


13
O mundo
das miudezas:
Plano de Preservação do
Conjunto Urbanístico
de Brasília Frederico de Holanda

Introdução

A minuta do Projeto de Lei Complementar do Plano de Preservação do Con-


junto Urbanístico de Brasília (PLC 78/2013, doravante PPCUB)1 foi aprovada pelo
Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (CONPLAN).
A seguir foi encaminhado à Câmara Legislativa do Distrito Federal e, depois de
muita polêmica com setores da Sociedade Civil, foi retirada de lá pelo executivo
(finais de 2014). Encontra-se no limbo. O documento de 247 artigos trata da área
tombada de Brasília como Patrimônio Cultural da Humanidade, pela UNESCO. A
proposta inclui considerações sobre as “áreas de entorno”, que supostamente tam-
bém devem ser controladas por interferirem na paisagem da área tombada.
Entre uma versão e outra do plano, a prolixidade só aumenta. A área tombada
é dividida agora em treze “áreas de preservação” (APs), subdivididas em um sem-
-número de “unidades de preservação” (UPs). O plano só adiciona combustível ao
labirinto interminável de “NGB’s” (“normas de uso e gabarito”), quase uma para
cada terreno da cidade. O PPCUB seria a oportunidade para reordenar o caos jurí-
dico e fazer da legislação urbanística algo mais claro, que concebesse os documentos
legais como instrumentos para a consecução de uma melhor paisagem urbana e
para a resolução dos problemas estruturais da cidade, pelo menos os relacionados à
configuração da urbe.
Mais uma oportunidade perdida, como tantas outras na história da Capital
Federal do Brasil. De pouco ou nada serviu o conhecimento produzido ao longo
de décadas, que aponta os problemas metropolitanos. Decerto eles extrapolam o
280

âmbito da área tombada. Mas, no mínimo, seu equacionamento também passa por
EFEITOS DA ARQUITETURA

transformações nela. Não há espaço aqui para a análise das diretrizes de todas as
áreas de preservação, menos ainda de todas as unidades de preservação ou das áreas
do entorno. A título de exemplo, alguns pontos ilustram as diretrizes do PPCUB e
revelam como elas desconsideram problemas identificados em várias oportunidades
e por vários autores.2
E o mais lamentável: o intenso debate sobre o plano ocorrido ao longo de 2013
entre o Poder Executivo e a Sociedade Civil não poderia ter sido mais ideológico, no
mau sentido (ou, melhor, no sentido rigoroso) do termo: fundado em aparências,
ignorando o conhecimento sistemático produzido sobre a cidade; eivado de valores
inconfessos e de doutrinas que se gostaria de ter visto há muito enterradas; paroquial,
porque não enxerga as medidas propostas no contexto da cidade como sistema, mas
como intervenções a supostamente resolverem problemas pontuais.
Está aqui em pauta um documento – um produto – e como ele se apresenta
publicamente, não a capacidade ou os valores de colegas técnicos do governo local
que participaram de sua elaboração, por quem nutro afeto e respeito (imagino as
restrições em que se movem). Um plano urbano nunca é apenas um documento
técnico, é também um documento político. Este não foge à regra. Ele faz escolhas,
afirma valores, nega outros, reproduz certos interesses sociais, contradiz outros,
tudo a refletir as forças sociais da circunstância. Infelizmente, reproduz a política
arrogante e elitista que preside as ações urbanísticas no DF.3
Retomo alguns pontos que ilustram as diretrizes do PPCUB, mas, principal-
mente, pontos em relação aos quais a reação da Sociedade Civil ilustra a ideologia
dominante em Brasília quanto aos aspectos de preservação ou desenvolvimento da
configuração da cidade.

Áreas do entorno

Brasília é uma “cidade tricéfala” (Figura 13.1).4 Há o centro funcional, em torno


do qual estão 47,72% dos empregos do DF,5 localizado no entorno imediato do
cruzamento dos dois eixos estruturais do Plano Piloto – o Eixo Monumental e o
Eixo Rodoviário. Mas ele não está no ponto mais acessível6 da metrópole – o centro
morfológico, ponto médio da via mais acessível – localizado a cerca de 6 km a oeste
do centro funcional, na Estrada Parque Indústria e Abastecimento (EPIA). E há um
terceiro: o centro demográfico, que não coincide com o primeiro nem com o segun-
do: é o ponto da metrópole que minimiza a distância média para todos os morado-
res, calculada a partir dos centroides dos setores censitários do IBGE e considerada
281

a sua respectiva população. A separação das três centralidades em locais distintos

13. O mundo das miudezas


não é regra em outras cidades brasileiras, por exemplo, São Paulo, onde os três estão
no centro histórico, a poucas centenas de metros uns dos outros.7 Em Brasília, a
separação onera a população, particularmente a de baixa renda, que dispõe de um
arremedo de transporte coletivo – caro, ineficiente, sucateado.

Figura 13.1. Eixos viários da parte central do município de Brasília, e as três centralidades,
calculadas em função da Área Metropolitana de Brasília. (Fonte: Laboratório de Configuração
Arquitetônica – Config.Arq.)

O desenvolvimento de qualquer cidade faz deslocar as centralidades. Fenôme-


no universal, o mero crescimento da cidade implica novos centros, embora o centro
histórico raramente perca sua proeminência – no caso brasileiro, assim foi com o
Rio de Janeiro, São Paulo, Recife.8 À medida que distâncias crescem, novos centros
criam oportunidades de emprego e serviços mais próximos às residências.
O centro funcional de Brasília – ou a parte que pode ser denominada de Centro
da Sociedade Civil, constituída pelos setores hoteleiros, bancários, hospitalares etc.
– está saturado. Urge definir novas áreas onde novas centralidades podem florescer.
Foi assim com La Défense (a 8 km do Louvre, culminando a perspectiva do Eixo
dos Champs Élysées, Paris), com Paseo de la Castellana (a 5 km do centro histórico
de Madrid), e com tantas outras cidades no mundo.
Uma excelente oportunidade para desenvolver-se uma nova centralidade de
Brasília está nas AE 02, AE 06A e AE 06B, também situadas ao longo da EPIA (Fi-
282

gura 13.2). (Ao longo de vários semestres, a área foi tema de projetos de urbanismo
EFEITOS DA ARQUITETURA

dos estudantes de graduação da FAU-UnB, sob nossa orientação, com interessantes


resultados). O PPCUB propõe aqui um novo bairro. Nada pormenorizada, sabe-se,
contudo, que a proposta do Executivo retoma os piores problemas do urbanismo
moderno: há um “setor de trabalho” isolado das habitações; o “setor habitacional”
seria mais um bairro socialmente homogêneo, como é da tradição no DF (nesse
caso, para a classe média).

Figura 13.2. Áreas do entorno do perímetro tombado, definidas pelo PPCUB. (Fonte: <www.
sedhab.df.gov.br/>. Elaboração: Autor.)
283

Por outro lado, a reação crítica não está preocupada com estes problemas, mas

13. O mundo das miudezas


com o fato de uma nova zona urbana vir eventualmente a agravar os problemas de
tráfego na região. No tipo de reação, uso de solo e mobilidade não são ambas pen-
sadas como variáveis da equação; não se cogita que uma nova centralidade exige a
contrapartida de novos padrões de mobilidade, mormente em Brasília, onde cedo
ou tarde os padrões atuais baseados no carro terão que ser revistos (já o estão sendo,
embora muito timidamente, pois a cidade está seriamente travada); não se cogita
que urge utilizar áreas ainda não ocupadas do entorno do Plano Piloto, para mino-
rar os efeitos perversos de uma das cidades mais dispersas do mundo.9
A reação da Sociedade Civil, em bloco, contra a área de expansão, esconde algo
mais, não apenas questões de mobilidade: mascara a ideologia da apartação, pela
qual um cordon sanitaire deve continuar a isolar, tanto quanto possível, o coração
metropolitano – o Plano Piloto projetado por Lucio Costa – do resto da urbe.
Dentre as considerações sobre as expansões, não se comenta sobre alturas edi-
ficadas em função de critérios claros de visibilidade do conjunto tombado, cujo
sítio tem a forma aproximada de uma calota (área clara no centro da Figura 13.2).
Na AE06B, na mesma figura, nada construído com menos de 100 m de altura será
visto das asas residenciais ou do trecho principal do Eixo Monumental, a leste da

Figura 13.3. La Défense (Paris). (Fonte: Autor.)


284

Torre de TV. Sequer teremos um contraponto similar ao de La Défense, onde o


EFEITOS DA ARQUITETURA

problema não é a altura dos espigões (visíveis de Paris inteira), mas o mau espaço
público que eles definem (Figura 13.3). No caso da nova possível centralidade de
Brasília, como noutros casos relativos à expansão da cidade, os cones de visibilidade
não são considerados com o mínimo rigor necessário.

Figura 13.4. Unidades de Preservação (UPs) da Área de Preservação 1 (AP1).


(Fonte: www.sedhab.df.gov.br/)

Eixo monumental

O Eixo Monumental é o mais forte elemento macroestruturador de Brasília,


a unidade morfológica responsável pelo emblemático caráter simbólico da cidade.
Mede quase 9 km da extremidade leste da Praça dos Três Poderes até a Estação Ro-
doferroviária, na ponta oeste (considerando o prolongamento até a borda lacustre,
são mais 3 km). No PPCUB ele é a AP 1, dividido em seis UPs (Figura 13.4). À
exceção da Praça do Buriti, sede do governo local, todas as UPs são áreas “conso-
lidadas, vedados novos parcelamentos”. Entretanto, ao mesmo tempo, admite-se:
1) a complementação da Esplanada dos Ministérios por edifícios para atividades
de apoio, segundo proposta original de Lucio Costa, nunca implementada, o que
implica novo parcelamento (é positiva a recomendação de concurso público para
285

tal);10 2) no último tramo, a oeste, que vai da Praça do Buriti à Estação Rodoferro-

13. O mundo das miudezas


viária (AP1, UP6), admite-se a complementação com atividades institucionais, de
comércio varejista relacionado a artigos “culturais, recreativos e desportivos”, e de
prestação de serviços, proposta também retirada do projeto de lei (não se explicam
as razões de serem apenas esses os usos).
Chama a atenção o fato de o perímetro das unidades morfológicas (no caso, as
UPs) coincidir com o eixo das vias limítrofes (à exceção da Praça do Buriti, UP5).
Como na boa cartilha moderna, não se considera os espaços por onde passamos e
que percebemos, de fato, como unidades morfológicas que deviam ser objeto de
atenção; afinal, pela cartilha, vias obedecem à função exclusiva de circular, não de
permanência ou usufruto do lugar.
Considerar vias como simples ferramentas de circulação motorizada reflete-se,
novamente, na desconsideração para com as construções lindeiras. A configuração
do Eixo Monumental, necessariamente diferençada por tramos, deveria ter estado
presente, mormente numa cidade que prima, em muitos aspectos, por uma ordem
espacial-volumétrica clara. Não: hoje a ocupação das bordas é aleatória e não há, no
PPCUB, discussão sobre isso. Nas laterais do Eixo Monumental há de tudo: pré-
dios de 65 m de altura nos setores hoteleiros (ao longo das bordas da UP3); vazios
de estacionamentos de grandes equipamentos, como os do Estádio Nacional Mané
Garrincha ou do Ginásio Nielson Nelson (ao longo da UP4); os palácios da Praça
do Buriti; as residências unifamiliares do Setor Militar Urbano e do bairro Cruzeiro
Velho (ao longo da UP6) etc. A cada demanda surgida, a definição dos tipos edilí-
cios é ad hoc e arbitrária: não está relacionada à configuração da unidade maior que
deveria estruturar (algo que se dá, tão bem, na Esplanada dos Ministérios).
Nas áreas “consolidadas”, mas com muitos espaços vazios, admitia-se, na pro-
posta do governo, lotes “de no mínimo 10.000 m2 e no máximo 20.000 m2”, mas
não há nada sobre critérios para sua quantidade, localização e configuração. É par-
ticularmente o caso da área retangular gramada central entrevias de 2.500 m de
extensão por 170 m de largura onde existe apenas a Catedral Militar Rainha da Paz
(último tramo a oeste, UP6). Mantendo-se o caráter predominante de parque me-
diante lotes isolados, baixos índices de aproveitamento, taxas de ocupação e alturas,
o espaço deveria ser pontuado por edifícios ímpares. Seriam fortalecidas referências
imagéticas locais, aumentando a informação visual e consequente orientabilidade
ao longo do elemento macroestruturador Eixo Monumental. As descontinuidades
atuais não têm qualidades funcionais, expressivas ou ecológicas, ao contrário, fun-
cionam como rupturas indesejadas no tecido urbano. No entanto, sua ocupação foi
vista, por setores da Sociedade Civil, como refletindo interesses inconfessáveis em
286

prol da privatização de terras públicas. Não: ocupar criteriosamente parte desses


EFEITOS DA ARQUITETURA

espaços com equipamentos de interesse público implicaria mais gente a usufruir


espaços de centralidade privilegiada. Ideologia, novamente.

Os setores centrais

Nas áreas centrais mais densas do Plano Piloto proliferam rupturas e caminhos
a serem percorridos pelos pedestres em longos trechos desprovidos de atividades –
caminhos em meio ao nada. Mais até que em projetos do período clássico do urba-
nismo moderno (consideremos assim os anos 1960), projetos mais recentes (p. ex.
o Setor Comercial Norte, Figura 13.5) fazem proliferar espaços definidos por pa-
redes cegas ou edifícios-ilhas em esquemas introvertidos: as atividades abrem para
o interior e esvaziam o âmbito público de transições entre o fechado e o aberto.
Preocupações morfológicas quanto ao espaço para a vida pública estão ausentes do
PPCUB. Não há índices urbanísticos, há índices edilícios: o Art. 63 lista cinco deles,
todos relativos ao espaço da divisa do lote para dentro. Preocupações quanto à con-
figuração do espaço público aberto simplesmente inexistem (exceto recomendações
genéricas quanto ao seu mobiliário, arborização etc.); nada impede a proliferação,
noutras áreas, das soluções perversas já detectadas. É de temer um eventual projeto
de reformulação da parte dos setores hoteleiros onde estão hoje prédios de apenas
dois pavimentos – cedo ou tarde isso acontecerá, pois nada justifica essa ocupação
numa área tão central; as mais altas densidades contribuirão para maior vitalidade
da área central da cidade. Mas, como antes, não se trata simplesmente de aumentar
alturas e índices de aproveitamento, como é a exclusiva preocupação hoje, mas de
configurar o âmbito público.
Em todas as áreas da metrópole isso se verifica, mas é mais grave nos setores
centrais de Brasília. Em vez de dar o exemplo para o resto da cidade, o centro
funcional maximiza a perversidade. O recuo ante o modernismo clássico chega ao
ponto de propostas de Lucio Costa, constantes do Relatório do Plano Piloto (1957),
serem ignoradas. Por exemplo, nunca foi executado o edifício, explicitado naquele
documento, entre os Setores de Diversões, norte e sul. No local, um imenso bura-
co (Figura 13.6). No PPCUB, nem uma palavra sobre ele. Pelo contrário, é “área
consolidada, vedados novos parcelamentos urbanos”. Como em outros casos, um
“urbanismo de adições” seria altamente recomendável, para referir provocativa ideia
de Rodrigo Perez de Arce, quando faz a crítica dos “desertos” modernos. Aqui, não
seria nem isso, mas um “urbanismo de completações”...
287

13. O mundo das miudezas


Figura 13.5. Setor Comercial Norte, Brasília. (Fonte: Autor.)

Figura 13.6. Vazio imprevisto pelo projeto, entre o Setor de Diversões Sul e seu simétrico
norte. (Fonte: Autor.)
288

A Avenida W-3
EFEITOS DA ARQUITETURA

Há debates em Brasília que se prolongam há décadas. É o caso da Av. W-3, uma


vez o centro vital da cidade e hoje em processo de deterioração (Figura 13.7).11 É
uma avenida que não deveria existir pelo projeto original. A via é separada das mais
conhecidas superquadras residenciais de seis pavimentos (a leste) pela fileira das
quadras “500”, onde estaria originalmente o comércio grossista; a oeste da via, esta-
riam pomares. Isso mudou no desenvolvimento inicial do plano: o comércio gros-
sista deu lugar ao varejo e serviços diversos, e, os pomares, a residências. O “homem
comum” de Certeau,12 que reinventa continuamente a cidade, não demorou a se
fazer presente: muitas casas passaram a abrigar pensões populares, sedes de sindica-
tos, cartomantes etc. A reação das classes média e burguesas vizinhas, que ocupam
o interior das quadras, e não os edifícios lindeiros à avenida, não demorou.13

Figura 13.7. Av. W3-: localização no Plano Piloto de Brasília. (Fonte: Autor.)

Todavia, não há exemplos em outras cidades de importantes “avenidas man-


cas”: comércio e serviços de um lado só. Exceções vão por conta de existirem, num
dos lados, um espaço excepcional, como uma praia (Copacabana, Rio de Janeiro)
ou um grande parque (ao longo de Princes Street, Edimburgo). A centralidade e
o fluxo intenso de pessoas e veículos atraem naturalmente o uso misto para estas
avenidas – em ambos os lados! Não seria o primeiro erro a se constatar no projeto
de Brasília.
Alguns moradores arguem quanto a incômodos provocados pelos serviços. To-
davia, há que diferençar entre código urbanístico e código de posturas. O primeiro re-
gula a forma e o uso das edificações. O segundo regula comportamentos desejáveis
de urbanidade – regras do bem viver em coletividade. Se há problemas de ruídos,
prostituição, tráfico de drogas etc. em qualquer lugar da cidade, na faixa lindeira
289

da Av. W-3 ou nas residências internas das quadras, cabe ao poder público coibi-

13. O mundo das miudezas


-los. Não são problemas urbanísticos, são casos de polícia. Há que coibir os abusos.
Repito: abusos – nada a ver com o uso saudável do lugar mediante pequenos co-
mércios e serviços que não têm guarida noutros lugares do Plano Piloto e que, não
por acaso, localizaram-se na Av. W-3.
A existência de serviços em edifícios em áreas residenciais não é necessariamen-
te problemática, em Brasília ou em qualquer outra cidade. Ademais, a discussão
corrente é eivada de “faz de contas”. Por exemplo, faz de conta que não existem es-
critórios de profissionais liberais em residências no interior das quadras “700”. Não
se argumenta contra isso – nem se deveria. Eles não incomodam ninguém. Mas
argumenta-se contra os serviços populares na faixa lindeira à avenida, exatamente
por esta razão: porque são populares, não correspondem às faixas de renda mais altas
predominantes no interior das quadras “700” residenciais.
O PPCUB ratifica a situação existente, proibindo os serviços populares, do-
brando-se à exigência dos moradores das classes média e burguesa da vizinhança.
A ex-nova avenida faria do lugar, e da cidade onde a avenida se insere, um canto
melhor para morar, não pior. Inclusive, fazer da Av. W-3 um lugar mais vivo em ur-
banidade não desvalorizaria os imóveis, pelo contrário: a demanda por espaços para
pequenos comércios e serviços valorizaria os imóveis. É assim em qualquer parte do
mundo. Os atuais proprietários só ganhariam com isso. Poderiam negociar a atual
casa com um apartamento no novo edifício que a substituiria. Inúmeras cidades
brasileiras – e outras – são testemunhas do processo.14 O urbanismo moderno fez
muitos pensarem que há um só tipo de desejo de morar na cidade. No caso de Bra-
sília, pelo projeto, esse desejo único corresponderia às superquadras ou às mansões
do lago. Desde o princípio isso se revelou uma falácia. Há muitos tipos de desejos
de morar e muitas formas de morar inseriram-se na cidade como fissuras urbanas15
– muito saudáveis, por sinal. Deixar a cidade assim se transformar é abrigar a diver-
sidade, gêmea siamesa da urbanidade. Algo ausente do PPCUB.

O “labirinto do deserto”

As AP 07 e AP 08 compreendem as áreas de baixa ocupação a leste das asas


residenciais do Plano Piloto. São áreas de muito baixa ocupação, onde proliferam
resquícios de um dos dois “labirintos” típicos do urbanismo moderno – o “labirinto
do deserto”,16 onde predomina “o longe”: grandes descontinuidades morfológicas,
com poucos ou nenhum estímulo visual na escala menor, prejudicando legibilidade
e orientabilidade urbanas. É quase inacreditável que a vista da Figura 13.8 tenha
290

sido tomada de um ponto de enorme centralidade da metrópole, imediatamente


EFEITOS DA ARQUITETURA

ao norte da Esplanada dos Ministérios. Ao sul do Eixo Monumental o problema se


repete: há inúmeros trechos de “terra de ninguém” entre as quadras das embaixa-
das. Aqui, uma ocupação de baixa densidade, com reformulação do sistema viário
labiríntico atual, seria condizente com a “escala bucólica” (como normalmente a
área é referida).

Figura 13.8. O “labirinto do deserto”, imediatamente ao norte da Esplanada dos Ministérios.


(Fonte: Autor.)

O exemplo fascinante da Vila Planalto sugere um modo de ocupação dos gran-


des vazios.17 Situada a 1.500 m da Praça dos Três Poderes, remanescente de um
acampamento de obras, ela passou a ser um microcosmo da cidade como um todo.
A variedade edilícia-urbana rima com uma estratificação social similar à da me-
trópole onde se insere – exemplo paradigmático de bairro democrático, quanto à
composição dos poderes aquisitivos (Figuras 13.9 e 13.10). No PPCUB, é positiva
a limitação da altura das edificações a 8,50 m e a proibição de remembramentos e
desmembramentos. Mas é negativa a permissão para subsolos, que implicaria au-
mento indesejável dos índices de aproveitamento e valorização dos imóveis. Os limi-
tes impostos à expansão da forma edilícia-urbana são responsáveis – ainda que não
os únicos – pela manutenção da estratificação social da Vila nas cinco décadas de
sua história. Infelizmente, o monitoramento das limitações deixa a desejar – casas
chegam a três pavimentos ou foram transformadas em edifícios para “kit studios”.
291

13. O mundo das miudezas


Figura 13.9. Raro remanescente (quase) original do acampamento da Vila Planalto. (Fonte:
Autor.)

Figura 13.10. Curiosa construção recente na Vila Planalto. (Fonte: Autor.)

A ampliação da Vila, um dia aventada por Lucio Costa, é explicitamente proi-


bida. A expansão ocuparia bom trecho do “labirinto do deserto” – os grandes vazios
da AP7, UP5. Estes são considerados, de novo, “área consolidada, vedados novos
parcelamentos de solo”, uma área desprovida de edificações e de parcelamento, no
coração da metrópole, de cerca de 2 km2. A ocupação da área, com edificações de
baixa altura e generosos espaços livres verdes (contudo públicos) seria compatível
com a “escala bucólica” – que o digam as embaixadas, o Campus Darcy Ribeiro da
Universidade de Brasília, os clubes etc. Isso minoraria as baixas densidades no co-
ração da metrópole, em área provida de sofisticada (e ociosa) infraestrutura urbana.
Se sobra “labirinto do deserto” na escala bucólica, os espaços livres e públicos
na margem do lago deveriam ser mais amplos. O ponto está relacionado a um pe-
cado original do projeto. Lucio Costa admitia a privatização da orla, embora não
292

tanto quanto aconteceu: “apenas os clubes esportivos, os restaurantes, os lugares de


EFEITOS DA ARQUITETURA

recreio, os balneários e núcleos de pesca poderão chegar à beira d’água”.18 Admitir


privatização das margens contrasta com a tradição brasileira de se manterem públi-
cas as áreas lindeiras a corpos d’água (rios, lagos, mar).19 Criou-se precedente que
fez da exceção a regra. Além de clubes e restaurantes, surgiram centros de conven-
ções, conjuntos de cinema “multiplex” com praças de alimentação, academias de
ginástica e apartamentos de luxo cada vez menos disfarçados de hotéis (a imprensa
tem dado inúmeros exemplos de clubes substituídos por condomínios fechados).
O PPCUB propõe a desprivatização da orla, mas prevê apenas a norma legal de
reserva de trinta metros. Ao contrário, e variando em função do trecho, a faixa
pública deveria ser muito mais generosa. Ainda há bons trechos a (re)conquistar
para o cidadão comum.

À guisa de conclusão: o mundo das miudezas... incompleto

O PPCUB é o mundo das miudezas; contudo, mesmo nelas, incompleto. Além


da falta de equacionamento de problemas no nível macro da metrópole (desejáveis
e factíveis), o documento carece de atenção para com o âmbito local. A literatura
acumula sugestões de indicadores para o espaço digno da boa vida pública, particu-
larmente nas áreas centrais das cidades. Desde os pioneiros Kevin Lynch e Jane Ja-
cobs – para não falar em Camillo Sitte – têm contribuído Christopher Alexander et
al., Bill Hillier e Julienne Hanson, Alan Jacobs e Donald Appleyard, o movimento
Project for Public Spaces, Andrés Duany e o Congress for the new urbanism, Jan Gehl
e muitos outros.20 Exemplificam-se preocupações dos autores, ausentes no PPCUB:
a quantidade e a forma do espaço livre ante o espaço total das áreas (espaço livre em
demasia só é ocupado em circunstâncias excepcionais, não no dia a dia da cidade);
o tamanho médio das unidades de espaço aberto, particularmente a largura das
ruas, mirando um espaço adequado interfachadas, para a boa visibilidade e reco-
nhecimento do outro; a variedade, complementaridade e distribuição temporal das
atividades, relacionadas a um espaço urbano vital; a ocorrência de habitação nas
zonas centrais, em distribuição adequada de tipos edilícios variados e em densidade
que proporcione a concentração de pessoas; o microdesenho do espaço para aten-
der as questões de mobilidade, prioridade ao pedestre, ciclistas, transporte público
etc. (a predominância do carro é generalizada na cidade, ocupando uma parcela
espantosa – e crescente – dos espaços livres); o tamanho pequeno dos quarteirões,
facilitando a permeabilidade interpartes da cidade nas suas áreas centrais; o tama-
nho das parcelas relacionadas ao espaço público, favorecendo a maior quantidade
293

de estabelecimentos por metro linear de extensão de rua; as “constituições” dos

13. O mundo das miudezas


lugares – frequentes transições diretas entre dentro e fora, mas também numerosas
janelas (os “olhos da rua”) – evitando-se uma das mais perversas doenças do urba-
nismo moderno: as longas empenas cegas etc.
O PPCUB reproduz a visão moderna clássica da cidade: os objetos de atenção
são os setores da cidade. As normas nunca dizem respeito aos espaços entre as massas
edificadas – concentram-se nos índices dentro das parcelas. As regras estão relacio-
nadas às “unidades de preservação” cujos limites são vias arteriais importantes que,
entretanto, não são objeto de atenção enquanto definidas pelas massas edificadas
lindeiras – ou então se chega ao aparente paradoxo de definir uma via, ela própria
como unidade de preservação, independentemente do que está ao redor (caso da
manutenção da configuração perversa do “Eixão da Morte”, adequado apelido po-
pular do Eixo Rodoviário, o outro elemento-chave estruturador da cidade, junto
com o Eixo Monumental).21 Decerto, a normativa mantém as alturas edificadas
condizentes com as “escalas” da cidade – maiores no centro, mais baixas nas asas
residenciais etc. É pouco. Em todas as áreas problemas morfológicos continuarão a
rondar a cidade como fantasmas insepultos.
O PPCUB é a tradução exemplar, na letra da lei, da hegemonia do urba-
nismo moderno, contestado em tantos lugares do planeta pelo dano causado
aos espaços para a vida pública. Em Brasília ele continua a reinar soberano.
Acredita-se que a manutenção das qualidades essenciais da cidade depende da
reprodução ortodoxa dos princípios modernos. Pelo contrário: as qualidades
essenciais de Brasília não se relacionam à cartilha moderna. Elas decorrem
de atributos que fazem a excelência das cidades desde sempre, ainda que, no
caso de Brasília, limitem-se principalmente a dimensões expressivas: uma forte
identidade, uma legibilidade interpartes clara (à la Lynch), uma beleza ímpar,
uma configuração que cumpriu à excelência os requisitos de cidade-símbolo
da nacionalidade. Os problemas, sim: a cidade-para-todas-as-classes, realizada
mediante um tipo edilício ideal e universal, revelou-se um mito (superquadras
não são acessíveis a baixos poderes aquisitivos); fortes barreiras físicas impõem
pesados ônus para os pedestres; padrões de mobilidade são compatíveis com o
veículo privado, não com o transporte público; bioclimaticamente, a cidade
é confortável no interior dos setores (ou superquadras), muito desconfortável
fora deles (ou entre eles).
Brasília não foi tombada por razões “históricas”, não por ser “original”, não
por representar à maravilha certo movimento arquitetônico ou certa época. De-
certo razões contingenciais aparecem nos textos de sua declaração como Patrimônio
294

Cultural da Humanidade. Mas será isso que subjaz ao tombamento, ou esse é um


EFEITOS DA ARQUITETURA

discurso ideológico cego às qualidades essenciais da cidade? Pensar assim não seria
“degradar a apreciação estética a uma apreciação histórica”?22 Não seria ignorar
qualidades essenciais que fazem o deleite da apreciação de sítios sublimes,23 desde
sempre – Teotihuacán, Washington, Paris, o Taj Mahal?... Sim: Brasília vale porque
Lucio Costa não está entre os primeiros a fazer algo, mas porque está entre os me-
lhores; não porque faz o novo, mas porque faz o que não envelhece.24
Resolver os problemas pendentes é libertar a cidade das (perversas) circunstân-
cias nas quais ela foi gerada.
Ainda não foi dessa vez.
295

14. Por um Projeto de Cidade


14
Por um Projeto
de Cidade:
perspectivas na esfera
normativa1 Tiago Holzmann da Silva

A reconstrução do planejamento frente à cultura do improviso

Os temas urbanos foram contemplados de forma inédita na legislação brasileira


a partir da promulgação da Constituição Federal de 1988. Após certo descaso dos
poderes públicos com o planejamento das cidades e o urbanismo na década de
1990, assistimos a grandes avanços na legislação e nas políticas públicas a partir da
aprovação do Estatuto das Cidades em 2001. O Estatuto consolidou um conjunto
de princípios, diretrizes e instrumentos de ação para a democratização da cidade,
em atendimento aos artigos 182 e 183 da Constituição Federal, e foi um resultado
positivo para décadas de lutas dos profissionais atuantes nas cidades, entre estes os
arquitetos, e os movimentos sociais urbanos em geral.
A criação do Ministério das Cidades, em 2003, no primeiro governo Lula, tam-
bém foi um importante avanço na atenção da administração pública para os temas
urbanos, pois reuniu diversos órgãos e ações do governo federal sob um mesmo
ministério buscando integrar as políticas urbanas. O Ministério das Cidades gerou
frutos positivos no esforço de reconstrução de um sistema de planejamento integra-
do. Prova disto foram os incentivos dados para a elaboração dos Planos Diretores
Participativos pelos municípios de todo o Brasil. Foi o início de um esforço do
governo federal com objetivo de reorganizar-se em todas as esferas administrativas,
que teve sequência com a aprovação da Política Nacional de Habitação (dez./2004)
e a consequente elaboração dos Planos Estaduais e Municipais de Habitação de
interesse Social, além de um conjunto de outros planos setoriais – Meio Ambien-
te, Saneamento e, mais recentemente, dos planos de Mobilidade coroados com a
aprovação da Política Nacional de Mobilidade Urbana, no início de 2012. Todas as
296

iniciativas reconheceram o profissional arquiteto e urbanista como um protagonista


EFEITOS DA ARQUITETURA

na elaboração dessas políticas e no trato desses temas, liderando tecnicamente a


elaboração dos planos diretores e dos planos setoriais.
Por outro lado, os profissionais da arquitetura e urbanismo também viram
avançar o reconhecimento de sua atuação com a aprovação da Política Nacio-
nal de Cultura, em dezembro de 2010, que, pela primeira vez no Brasil – e de
forma muito tardia – reconheceu a arquitetura como uma das áreas da cultura
nacional. Até então, a arquitetura como campo de ação artística e intelectual
somente era reconhecida através da ação dos arquitetos e urbanistas na área
do patrimônio e das políticas de preservação de sítios e edificações de interesse
artístico, histórico e cultural. Com a aprovação da Política Nacional de Cultu-
ra, a ação contemporânea e atual do arquiteto e urbanista passa a também ser
reconhecida como uma área da cultura, assim como as demais manifestações
artísticas tradicionais – dança, música, literatura etc. – e populares – artesanato,
circo, moda etc.
Entretanto, a intenção de reconstrução do sistema de planejamento e de reco-
nhecimento da profissão do arquiteto e urbanista confronta-se com práticas socio-
econômicas e culturais atrasadas, e também com incoerências e descontinuidades
políticas da administração pública em suas diversas esferas. Por exemplo, o mesmo
Governo Federal que, através de alguns órgãos, estimula o planejamento, através
de outros órgãos construiu políticas de governo “fora do planejamento”, como o
Programa Minha Casa Minha Vida, o maior caso dessa incoerência e mesmo da
disputa de modelos de desenvolvimento que, por razões que não serão analisadas
aqui, enfrentaram-se e seguem se enfrentando dentro da administração federal.
Este tema já foi abordado em outro artigo, mais específico sobre a questão habi-
tacional, mas que contém uma análise que reproduzimos devido à pertinência em
relação a esta discussão:

Entretanto, é notável que estas salutares iniciativas de organização jurídica e de


construção de políticas de longo prazo, como o PLHIS, enfrentam uma cultura de
imediatismo, de casuísmo e de não-planejamento, desregrada e pouco transparente
e, de maneira ainda mais grave na provisão habitacional, marcada pelo populismo
eleitoral. Aliada a essa “cultura da urgência”, as estruturas de gestão da administração
pública são ultrapassadas e ineficientes, os conselhos municipais pouco representati-
vos e ativos, os fundos municipais são criados sem fontes de recurso ou diretrizes de
aplicação claras e os instrumentos urbanísticos para gestão da terra são frequentemen-
te meras formalidades jurídicas. Os administradores e técnicos municipais encon-
297

tram-se desprovidos (ou desinteressados) da visão de longo prazo e da continuidade

14. Por um Projeto de Cidade


de políticas públicas e, em geral, muito despreparados para a relação direta junto à
sociedade, entendendo a participação popular e a cogestão como entraves na execução
das suas ações imediatas.
A citada qualidade conceitual da política habitacional idealizada e implementada
nacionalmente pelo Governo Federal nos últimos anos, e cuja vanguarda são os
PLHIS [Planos Locais de Habitação de Interesse Social], ainda depende, para sua
consolidação enquanto modelo de gestão prevalente, de saltos qualitativos importan-
tes em todos os níveis da administração pública para que produzam seus efeitos junto
à sociedade. Por outro lado, e de maneira paradoxal, nota-se que no mesmo momen-
to histórico em que o Governo Federal incentiva a consolidação do planejamento
nacional do desenvolvimento urbano e habitação, desenvolve o maior programa
habitacional da história do país (em termos de volume de recursos ao menos) sem que
este atente, sequer em suas idealizadas diretrizes, ao planejamento das cidades e aos
próprios Planos de Habitação. Assim mesmo, acreditamos que se deve seguir trilhan-
do o caminho do planejamento de longo prazo (...).2

Podemos ainda citar um conjunto grande das obras do Programa de Aceleração


do Crescimento (PAC) do Governo Federal, que não atende ao planejamento dos
estados e municípios, assim como grande parte das conhecidas obras da Copa –
muitas delas ainda inacabadas e contratadas de forma questionável através do Re-
gime Diferenciado de Contratações (RDC),3 que abre mão do projeto completo e
dificulta a fiscalização da execução no interesse público. Estes exemplos confirmam
a conclusão de que, neste momento, as iniciativas imediatistas e “fora do planeja-
mento” estão prosperando, enquanto a política de reconstrução do planejamento
está colocada em segundo plano pela administração pública.
Neste sentido, é extremamente pertinente a discussão sobre planejamento e so-
bre seus efeitos sobre a construção das cidades com o objetivo de estabelecer agen-
das positivas. A discussão a seguir busca, a partir da conjuntura descrita, apresentar
os efeitos sociais, econômicos e ambientais da forma urbana e seus prospectos na
esfera normativa. Para tanto, estabelecemos três perspectivas de análise: a perspecti-
va normativa Urbanística, que apresenta a partir da legislação e das normas técnicas
incidentes sobre a construção da cidade; a perspectiva Político Administrativa, que
trata das normas e leis que regem a gestão e os contratos públicos; e a perspectiva
Cultural, sobre a qual não há um conjunto de normas claras, mas a interpretação
de que a compreensão da arquitetura como cultura poderá levar à compreensão e
efetivo atendimento das demais normas.
298

Esfera Normativa: Perspectiva Urbanística


EFEITOS DA ARQUITETURA

A construção das edificações nas cidades é regida por um conjunto de normas


relativamente claras e rigorosas. Os planos diretores de desenvolvimento urbano
determinam regimes urbanísticos com usos e atividades, volumetrias e índices
construtivos, além de alguns outros instrumentos, que são os responsáveis por de-
terminar a forma de construção da cidade. Os códigos de obras e outras normativas
complementam este conjunto de regras que regem a construção de novas edifica-
ções nas cidades. Mesmo que esse conjunto de regras esteja submetido a constantes
alterações ou distorções, por motivos diversos, podemos afirmar que existem regras
claras para a construção nas cidades brasileiras.
Entretanto, estas normas de construção das edificações não levam em conside-
ração a construção da cidade e sim apenas da edificação no lote. Ou seja, atendem
prioritariamente a interesses dos proprietários dos lotes e, poucas vezes, ao conjun-
to dos cidadãos. Soma-se a isto o desequilíbrio existente entre a decisão técnica e
a decisão política, tendo em vista que prefeitos, vereadores, secretários municipais
e outros agentes políticos tem um protagonismo e um poder de influência muito
superior aos agentes técnicos – arquitetos e urbanistas, engenheiros, sociólogos,
ambientalistas etc. – do que resultam distorções variadas, sendo a mais comum
a alteração destas regras para atender a interesses específicos. Ou seja, o plano di-
retor e as normativas incidentes na construção das cidades brasileiras raramente
desenham a cidade ou propõe uma ideia de conjunto para ela. Geralmente apenas
determinam zoneamentos de usos e volumetrias para as edificações, sem clareza de
qual será o resultado para o conjunto da cidade ou qual projeto de cidade está por
trás deste conjunto de regras.
Outro conjunto de normas e regras que incidem sobre a produção de edificações
e espaços públicos são as NBRs, denominação que a Associação Brasileira de Nor-
mas Técnicas (ABNT), órgão responsável pela normalização técnica no Brasil, dá ao
conjunto de normas técnicas que regem diversas atividades profissionais. Estas nor-
mas são desenvolvidas pela ABNT através de câmaras temáticas e grupos de trabalho
que reúnem representantes das administrações, empresas, universidades e técnicos
especialistas e, após publicadas, tem caráter nacional e força de lei. As NBRs comple-
mentam, portanto, o conjunto de normas e regras que incidem sobre a produção do
espaço urbano e edificado das cidades brasileiras, contrastando com os planos dire-
tores no seu caráter nacional e na sua baixa influência sobre questões políticas locais.
O Estatuto da Cidade, Lei Federal 10.257/2001, regulamenta a política urbana
no Brasil e dá princípios e instrumentos para o desenvolvimento urbano e plane-
299

jamento das cidades, consolidando uma série de instrumentos urbanísticos regidos

14. Por um Projeto de Cidade


pelos planos diretores, com o objetivo de garantir a função social da propriedade
urbana, promover a regularização fundiária e combater a especulação imobiliária.
Alguns desses instrumentos também caracterizam normas e regras de intervenção
física de ocupação dos espaços urbanos na construção das cidades, mas coincidem
em não propor um modelo ou um projeto específico de cidade. Ou seja, igualmen-
te não desenham a cidade.
Os planos setoriais – habitação, saneamento, mobilidade e outros – desenvol-
vidos pelos estados e municípios com variados estímulos e exigências do Governo
Federal são planos complementares ao plano diretor (no caso dos municípios) e
têm como objetivo detalhar um plano de ação específico com vistas à implantação
das ações previstas nestes planos setoriais e à obtenção de recursos.
Sob a perspectiva da normativa urbanística, podemos concluir que as diversas
regras e normas urbanísticas citadas têm uma grande influência sobre os efeitos
sociais, econômicos e ambientais da forma urbana, mesmo que estes sejam con-
sequência de outros fatores que não o da implantação de um projeto de cidade
coerente e integrado.

Esfera Normativa: Perspectiva Político-Administrativa

A construção da cidade e das edificações, por parte do poder público, está


regida pela legislação de contratações públicas – fundamentalmente, a Lei Federal
8.666/1993. Esta legislação, e outras complementares a ela, determinam as nor-
mas gerais sobre compras, licitações e contratos administrativos referentes a obras
e serviços no âmbito dos poderes públicos. A utilização desta legislação consolidou
a prática da contratação de serviços de arquitetura e engenharia através das moda-
lidades que privilegiam os menores preços oferecidos em detrimento de critérios
de qualidade dos prestadores de serviços técnicos. Esta prática de contratação pelo
menor preço resulta, geralmente, em produtos de qualidade inferior, como projetos
incompletos, obras mal projetadas e executadas, além de dificuldades de fiscalização
pelos órgãos de controle, entre outros problemas.
A legislação também oferece outras modalidades tão ou mais danosas quando
aplicadas à prestação de serviços técnicos como projetos de arquitetura e urbanis-
mo. Uma delas é o pregão, um “leilão ao contrário” cujo vencedor da licitação será
o profissional ou empresa que oferecer cobrar menos pelo seu trabalho. Outra mo-
dalidade é a contratação de profissionais de “notório saber”, um instrumento ainda
existente na nossa legislação que remonta a um passado remoto no qual não havia
300

uma quantidade de profissionais de qualidade para atender ao poder público,


EFEITOS DA ARQUITETURA

algo totalmente superado nos dias de hoje.


Entretanto, esta mesma legislação (8666/1993) determina em seu artigo 13
que “os contratos para a prestação de serviços técnicos profissionais especializa-
dos deverão, preferencialmente, ser celebrados mediante a realização de concurso
público”. O artigo 22 define que o concurso é “a modalidade de licitação entre
quaisquer interessados para escolha de trabalho técnico, científico ou artístico,
mediante a instituição de prêmios ou remuneração aos vencedores, conforme
critérios constantes de edital (...)”. O critério da qualidade, e não o menor preço,
é o mais importante na escolha do vencedor de uma licitação na modalidade de
concurso. O edital define as condições do contrato, os valores, as exigências sobre
o objeto e as propostas apresentadas são julgadas por um juri técnico, de forma
sigilosa, sem acesso aos autores das propostas até que estas sejam julgadas e clas-
sificadas. E a proposta vencedora e contratada é a que melhor soluciona aquele
problema específico determinado no edital.
O concurso público de projetos4 é a modalidade mais indicada para qualifi-
car as obras públicas: é confiável, transparente, respeita cronogramas e incentiva
a concorrência através da qualidade das soluções, permitindo a contratação de
projetos completos, detalhados e orçados. Entretanto, não é muito utilizada no
Brasil – entre outros motivos, porque a legislação não obriga, apenas indica que
deva ser “preferencialmente” a modalidade adotada.
Recentemente foi aprovado e está em utilização, em algumas condições es-
pecíficas, o mencionado Regime Diferenciado de Contratação – o RDC – que
permite que as licitações de obras sejam realizadas sem um projeto completo, o
que aprofunda os problemas citados inicialmente. Por esta modalidade, a empre-
sa construtora vencedora da licitação será também a responsável pela elaboração
dos projetos executivos de arquitetura, engenharia e complementares. Esta práti-
ca, além de desqualificar os projetos e as obras, que serão pautados pelo interesse
da empresa construtora e não da administração ou da sociedade, praticamente
elimina a possibilidade de fiscalização sobre a qualidade dos produtos e obras
entregues, e configuram uma ampliação das possibilidades de obras atrasadas e
inacabadas, malfeitos e corrupção.
No âmbito privado, a elaboração de projetos e obras realizados por empreen-
dedores responde, basicamente, a duas lógicas. A primeira é a do empreendimento
familiar ou realizado por empreendedores de pequena escala, que adotam a auto-
construção sem assessoria técnica adequada na construção e, geralmente, dispen-
sam a fase de projeto e concepção da obra. A segunda é a lógica dos grandes em-
301

preendimentos do mercado imobiliário, que parte da busca de espaços e terrenos nos

14. Por um Projeto de Cidade


quais implantar projetos padronizados e produtos preconcebidos, frequentemente
em bairros já valorizados promovendo a substituição de edificações baixas por torres
residenciais ou de escritórios. Em ambos os casos, a construção desses empreendi-
mentos atende apenas aos interesses de seus proprietários, pequenos ou grandes, à
revelia de um projeto de cidade ou de um desenho de conjunto para a rua ou o bairro.
Sob a perspectiva da Normativa Político-Administrativa, podemos concluir
que os efeitos sociais, econômicos e ambientais da forma urbana estão diretamente
relacionados ao projeto de arquitetura e urbanismo e, principalmente, à falta deste.
O desprezo pelo planejamento e pelo projeto como a verdadeira origem de uma
boa solução, adequada e econômica, é endêmico em nossa sociedade, no âmbito
público e no privado. A legislação não exige critérios de qualidade e flexibiliza as
licitações de obra que podem ser realizadas com projetos incompletos e, até mes-
mo, sem projeto. Tampouco valoriza e prioriza, conforme a lei indica, os critérios
de qualidade que os concursos públicos de projeto oferecem. Apenas uma efetiva
inflexão de nossa sociedade na direção da valorização do projeto, da adoção de cri-
térios de qualidade para a seleção de projetos via concursos públicos e da execução
dos projetos completos antes da contratação das obras poderá dar início à melhoria
na forma das cidades brasileiras.

Esfera Normativa: Perspectiva Cultural

A arquitetura, no Brasil, salvo remotas exceções, não é considerada pela so-


ciedade como uma manifestação cultural. O ato arquitetônico de projetar e cons-
truir os espaços e edificações é entendido, cotidianamente, como mera construção.
Arquitetura não é uma manifestação cultural de nossa sociedade, é apenas uma
atividade comercial quando se configura em metros quadrados à venda, ou quan-
do se resume decorativamente em comércio de materiais, móveis e revestimentos.
Por outro lado, o patrimônio edificado é cultura. As edificações históricas têm um
razoável reconhecimento social como bem cultural e como fruto da manifestação
artística de uma determinada época. A constatação, entretanto, pode levar a um
questionamento: quando será construído o patrimônio, que será valorizado no fu-
turo, se hoje a qualidade não é um critério e a arquitetura não é valorizada como
manifestação cultural?
A falta de protagonismo cultural da arquitetura está sendo enfrentada por al-
guns agentes e a perspectiva a médio prazo parece ser positiva. Um exemplo foi a
aprovação mencionada, em dezembro de 2010, da Política Nacional de Cultura
302

que, pela primeira vez, formalizou institucionalmente a arquitetura como uma das
EFEITOS DA ARQUITETURA

áreas da cultura brasileira. A arquitetura é uma das dezessete áreas setoriais que
contemplam o patrimônio cultural, o que abre amplas possibilidades de desenvol-
vimento da arquitetura contemporânea nacional como acesso a fundos públicos,
relações da arquitetura com a economia da cultura, planejamento urbano, turismo,
ambientes e equipamentos culturais, territórios criativos e a arquitetura como parte
da cultura brasileira apresentada no exterior.
A criação do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), autarquia pú-
blica responsável pela regulamentação e fiscalização da profissão do arquiteto e
urbanista, também pode ser considerada um avanço na perspectiva da compreen-
são da arquitetura como manifestação cultural. O CAU é resultado de uma de-
manda histórica das entidades dos arquitetos brasileiros que representam o corpo
intelectual, erudito e engajado da profissão. A ação do CAU, juntamente com as
entidades, poderá render bons frutos a médio e longo prazos, na sensibilização
da sociedade para o fazer do arquiteto e sobre a importância da qualificação da
arquitetura brasileira.
Sob a Normativa da Perspectiva Cultural, percebemos alguns avanços nas es-
feras institucionais, mas ainda enfrentamos um grande rebaixamento da discussão
sobre a cidade e a arquitetura na sociedade em geral. A ignorância, ou melhor, as
diferentes formas que os diversos agentes entendem a arquitetura ainda estão muito
distantes do entendimento que a arquitetura possa ser uma manifestação cultural a
serviço da qualificação dos espaços da cidade e da forma de viver na cidade.

A construção de uma alternativa por um Projeto de Cidade

O Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento do Rio Grande do Sul, con-


cluiu em setembro de 2012, o documento “Por um PROJETO DE CIDADE”,5
no qual são elencados dez pontos fundamentais para as administrações construírem
um Projeto de Cidade, apresentando a síntese da visão do IAB e dos arquitetos e
urbanistas sobre a cidade e os temas urbanos. O documento foi elaborado pela Co-
missão Cidades do IAB/RS a partir da atualização dos textos históricos da entidade
sobre os temas da arquitetura e urbanismo e suas relações com a cidade. O Instituto
optou por construir um documento diferente da tradição da entidade, adotando
um formato que prioriza a simplicidade para facilitar o diálogo com a sociedade,
com uma linguagem direta e didática, apresentando pontos temáticos e elencando
princípios gerais para cada um dos temas.
303

14. Por um Projeto de Cidade

Figura 14.1. Imagem de um panfleto de divulgação do documento “por um Projeto de Cidade”,


elaborado para ampla distribuição em atividades do IAB RS e em eventos de discussão sobre os
temas da cidade e da arquitetura e urbanismo. (Fonte: IAB/RS.)

Os “10 pontos por um Projeto de Cidade” (Figura 14.1) têm sido trabalhados
pelo IAB/RS como uma ponte com outros agentes – sociais, profissionais e insti-
tucionais – buscando estabelecer agendas conjuntas e servindo de texto base para a
304

discussão e elaboração de propostas para a transformação da realidade e o enfren-


EFEITOS DA ARQUITETURA

tamento dos impactos negativos da urbanização contemporânea. As perspectivas


de análise realizadas anteriormente são, majoritariamente, resultados e conclusões
destas discussões coletivas.

Agenda e agentes em duas frentes de ação

Os arquitetos e urbanistas têm duas frentes de ação distintas nas quais atuar
para influir nos efeitos da arquitetura. Uma frente é interna à profissão e que
deve tratar da qualificação da atuação do arquiteto para a valorização da sua
formação e do seu trabalho. Entre outras ações, há a necessidade de ampliar a
formalização da atuação do arquiteto através da organização empresarial (pessoa
jurídica) e do empreendedorismo, a adoção efetiva da tabela de honorários, o
salário mínimo profissional. Também é importante a qualificação do ensino e da
formação de competências através da educação continuada e das especializações
para atuação no mercado de trabalho, além do incentivo à pesquisa e à produ-
ção de conhecimento que possa reverter em melhorias para a profissão e para
a sociedade.
A outra frente de ação é externa à profissão, estabelecendo relações com outros
agentes e com a sociedade, buscando fazer avançar o entendimento sobre arquite-
tura e a sua correspondente formalização na qualificação normativa, nos âmbitos
da legislação urbanística, político-administrativa e cultural. A agenda externa exige
um envolvimento dos profissionais arquitetos, e suas entidades e instituições, na
atuação política diária para enfrentar a máxima de que “se o arquiteto não fizer
política, os políticos seguirão fazendo arquitetura”. No Brasil, os arquitetos (e a
arquitetura) ainda são coadjuvantes na lógica econômica urbana e nas esferas de
decisão políticas e administrativas.
A atuação dos arquitetos nessa frente de ação é externa à profissão e também
precisa de qualificação dos conteúdos defendidos pelos arquitetos. Como citou o
professor Frederico de Holanda durante uma das palestras do Simpósio Efeitos da
Arquitetura, precisamos “iluminar com a teoria” para poder explicar o fenômeno,
criticá-lo e transformá-lo. A atuação política necessita de ciência, de conhecimento
científico que comprove ou refute as teorias com argumentos quantitativos ou qua-
litativos, que também possam ser utilizados como ferramentas de convencimento
da sociedade a respeito dos reais efeitos da arquitetura sobre a cidade e sobre a vida
das pessoas.
305

Conclusão: a necessidade urgente do Projeto

14. Por um Projeto de Cidade


O Simpósio Efeitos da Arquitetura teve o objetivo explícito de buscar conclu-
sões para o estudo dos efeitos da forma arquitetônica e urbana. Todas as possíveis
conclusões apresentadas neste artigo são, antes de conclusões definitivas, provoca-
ções à continuidade do debate. Em nosso entendimento, entretanto, há três fatores
essenciais para que possamos fazer avançar o estudo dos efeitos da forma arquitetô-
nica e urbana, sob a perspectiva da esfera normativa: 1) a cidade precisa de regras
e normas urbanísticas claras, que sejam do conhecimento e compreensão da socie-
dade e que esta mesma sociedade tenha poder de influir na sua manutenção e qua-
lificação, resolvendo seus conflitos em ambientes que permitam a diversidade e a
transparência para a mediação do poder público de forma democrática, na direção
de um projeto de cidade coerente e integrado; 2) a cidade precisa de planejamento,
projeto, desenho de qualidade, e este resultado somente será atingido através de
contratos que garantam a seleção por critérios de qualidade, de projetos completos
antes da execução de obras e de instrumentos claros de fiscalização e auditoria dos
processos; e 3) que a arquitetura avance, no entendimento da sociedade, como uma
manifestação cultural a serviço da qualificação dos espaços da cidade e da forma de
viver na cidade.
EFEITOS DA ARQUITETURA
306
307

Notas
Notas

Introdução: Os efeitos multidimensionais da forma urbana


1
Veja Netto (2014).
2
Exceções a essa tendência são o Concurso Nacional Ensaios Urbanos, organizado recentemente
pela prefeitura de São Paulo, e desenvolvimentos recentes do Plano Diretor daquela cidade.
3
Veja leituras recentes dos impactos desses processos sobre a urbanidade em Aguiar e Netto (2012).
4
Gehl (2010).
5
Sennett (2016).
6
Veja as descrições de Weber (1958, 1978) e Lefebvre (1991); veja ainda Netto (2014) e o do-
cumentário “Arquitetura e o Ballet da Rua”, de Netto et al. (2015).
7
Usamos aqui a definição de segregação de Freeman (1978) como “restrição da interação” e contatos.
8
Fazemos uso desses termos reconhecendo o caráter problemático de definições de papeis.
9
Além dos capítulos deste livro, veja Rode et al. (2014) sobre a relação entre forma urbana e energia;
Bettencourt (20131) sobre escala da cidade e interatividade, infraestrutura, puluição e crime; e
Glaeser (2010) e Gordon e Ikeda (2011) sobre forma urbana e economia; compare essas leituras
com Echenique et al. (2012) sobre aforma urbana e sustentabilidade.
10
Em palestra no Simpósio Efeitos da Arquitetura (UFF, 7 de Outubro de 2013).
11
Veja Netto (2014), capítulo “A (re)conquista da cidade”.
12
Netto et al. (2015). O documentário foi lançado em nove capitais brasileiras, no Ciclo Nacional de
Palestras “Cidades do Amanhã” (filme e evento patrocinados via edital de Apoio Cultural do CAU/
RJ e UFF).
13
Lembrando a conhecida frase de Darwin, “I have steadily endeavoured to keep my mind free so as to
give up any hypothesis, however much beloved (and I cannot resist forming one on every subject), as
soon as facts are shown to be opposed to it” (Darwin, 2009:102).
14
Este argumento foi introduzido em Netto (2014) e Netto (2016).
15
Winch (1990:16).
16
Latour (2005:150).
17
Derivado de Galvão em Branquinho et al. (2006:602-4).

Parte I. Arquitetura, forma urbana e dinâmicas sociais


1. A cidade como resultado: consequências de escolhas arquitetônicas
1
Schelling (1969:488).
2
Alexander (1964:44).
3
Veja Vivan e Saboya (2012)
308
4
Veja Montezuma et al. (2014).
EFEITOS DA ARQUITETURA

5
Schelling (1969:488).
6
Schelling (1978:14).
7
Schelling1978:78).
8
Schelling (1978:19).
9
Schelling (1978:14).
10
Myrdal (1957).
11
Netto (2014).
12
Veja Netto e Saboya (2013).
13
Veja itens do debate em publicações (Netto, 2016; Saboya et al., 2015; Vivan e Saboya, 2012; Net-
to et al., 2012); eventos como o Simpósio Efeitos da Arquitetura e o Ciclo Nacional de Palestras
Cidades do Amanhã; e o documentário “Arquitetura e o Ballet da Rua” (Netto et al., 2015).
14
No Rio de Janeiro, 90.61% dos endereços urbanos é domiciliar; em Florianópolis, 90,79%; em
Porto Alegre, 91.14%. Fonte: Censo Demográfico 2010: CNEFE - Cadastro Nacional de Endere-
ços para Fins Estatísticos.
15
Há farta demonstração desse princípio, desde Alonso (1964). Nossa própria pesquisa encontrou
evidências dessa relação.
16
Veja Gehl (2010); Jacobs (1961).
17
Utilizamos setores censitários como unidade e um algoritmo de sorteio. Efeitos sociais da arquite-
tura como potenciais de interação podem se manifestar em diferentes espaços, como subúrbios e
áreas rurais. Focamos, entretanto, em áreas urbanas com a presença (não exclusiva) de tipologias
arquitetônicas multi-familiares, de modo a evitar morfologias radicalmente diferentes. Em função
de diferenças nas formas de sociabilidade e no modo como o espaço público ampara essas formas,
não incluímos assentamentos precários entre as áreas levantadas.
18
Veja Saboya et al. (2015; também neste livro); veja Vargas, em capítulo neste livro.
19
A divisão de percentuais se baseia na agregação de números de segmentos com sentido como distri-
buição e reconhecimento de padrões. O box plot é um gráfico apto a evidenciar a dimensionalidade
dos dados, ou sua dispersão. A linha dentro das caixas é a mediana, a intensidade de valores que inclui
50% das observações. A linha horizontal inferior na caixa mostra o limite do primeiro quartil (25%
das observações). A linha horizontal superior mostra o terceiro quartil (75% das observações). Quan-
to mais compacta for a altura das caixas, mais concentradas e similares são as intensidades observadas.
Os pontos sobre as caixas são discrepantes, i.e. observações muito diferentes das demais.
20
Nas áreas de alta cessibilidade, não foi encontrado nenhum segmento com Índice de Continuidade
<50%.
21
Diversidade = - ∑i Pi In (Pi) onde P é a proporção de entidades pertencendo aos i tipos de ativida-
de no estudo (derivado de Shannon, 1948).
22
Nossos achados encontram semelhanças com os de Gordon e Ikeda (2011) sobre impactos positi-
vos das densidades horizontalizadas (as “densidades Jacobs”).
23
Essa tendência se alinha aquela detectada por Carmona (2014) entre outros, sobre a fragilização da
rua de uso misto em cidades inglesas.
24
Veja Hillier (2012); Carmona (2014).
309
25
Martin e March (1972).

Notas
26
Gordon e Ikeda (2011); cf. Bettencourt (2013); Allen (1977; 2007).
27
Na produção de espaço urbano, esses dois momentos costumam ser reunidos em um único termo,
o ‘mercado’. Entretanto, argumento que seria útil distinguir a esfera da produção e da esfera da
disponibilização dos produtos ao consumo final – de modo a termos clareza sobre as lógicas espe-
cíficas em cada um desses momentos da produção-consumo.
28
Este último item foi sugerido por Andrea Kern, em comunicação pessoal. Veja ainda Netto (2014)
e Netto e Saboya (2013).
29
Veja Vivian e Saboya (2012; neste livro).
30
O desempenho na vendabilidade não se repete necessariamente em termos de custos de cons-
trução. Kern et al. (2014) mostram que a tipologia isolada na usual planta H tende a ter menor
economicidade que tipos mais compactos.
31
Alexander (1964; 1966).
32
Arthur (1994).
33
Csikszentmihalyi (1997: 319)
34
Montezuma et al. (2014); veja o capítulo de Montezuma neste livro.
35
Schelling (1978: 25; 32).
36
Csikszentmihalyi (2013:322-3).
37
Weber (1978).
38
Luhmann (1995) explora o conceito de autopoiesis original dos biólogos Humberto Maturana e
Francisco Varella.

2. Fatores morfológicos da vitalidade urbana:


uma investigação sobre a arquitetura e seus efeitos

1
Além de Jacobs (2000), ver, por exemplo, Gehl (2011 [1971]), Alexander et al. (1977) e Bentley
et al. (1985).
2
Netto et al. (2012a).
3
Para um estudo do aspecto da segurança e sua relação com os tipos edilícios, ver Vivan e Saboya,
neste livro.
4
Ver, por exemplo, alguns dos trabalhos clássicos da área, tais como Jacobs (2000 [1961]), Gehl
(2011 [1971]), Alexander et al.
5
Weicher (1973); Schmidt (1977).
6
Whyte (2001).
7
Batty (2009).
8
Hillier e Hanson (1984).
9
Hillier et al. (1987); Krafta (1994).
10
Hillier e Iida (1995).
11
Newman (1996); Bentley et al. (1985).
12
Gehl (2011); Holanda (2002); Netto (2006).
310
13
Jacobs (2000).
EFEITOS DA ARQUITETURA

14
Alexander et al. (1977); Gehl (2011).
15
Whyte (2001, p. 58) – tradução nossa.
16
Gehl (2011); Whyte (2001); Mehta (2009).
17
Gregotti (1975, P. 147-148).
18
Uma vez que o PD estabelece taxas de ocupação diferentes para a base e a torre.
19
Para mais detalhes sobre a metodologia, ver Netto et al. (2012b).
20
Hillier e Iida (2005).
21
Medidas sintáticas como Integração e Escolha podem ser obtidas considerando raios globais (isto é, a
posição de um espaço em relação a todos os outros do sistema) ou locais (que consideram a posição
relativa apenas aos espaços localizados dentro de um determinado raio a partir do espaço analisado).
22
Essa diferenciação busca levar em consideração e testar o argumento de Alexander et al. (1977)
segundo o qual até esse limite de altura é possível haver interação entre pessoas dentro da edificação
e nas calçadas.
23
Jost (2006).
24
Alonso (1964).
25
Hillier e Iida (2005).
26
Basta pensar no próprio uso do solo, que apesar de ser de difícil modificação se comparado com o
padrão de movimento de pedestres, é fortemente influenciado por este. Veja Netto et al. (2012a)
27
Uma análise de variância (anova) mostrou que existem diferenças estatisticamente signi ficativas entre
as faixas de acessibilidade, pelo menos se considerarmos as Faixas 4 e 16.
28
Em outros países os instrumentos são mais sensíveis a esses efeitos, bastando verificar os form-based
codes americanos e outros zoneamentos europeus (Carmona, 2006), que se preocupam de forma
mais cuidadosa com as características tipológicas das edificações.

3. Forma urbana e transporte a pé: mobilidade, caminhabilidade,


vitalidade...

1
Boarnet e Crane (2001).
2
Straif et al. (2013).
3
McCann e Ewing (2003).
4
Frank et al. (2006).
5
Handy (2005).
6
Para definições mais precisas e mais profundidade no debate, recomendo o livro intitulado “Urba-
nidades” e a obra de Frederico de Holanda, autor de um dos capítulos desse livro.
7
Ewing e Cervero (2001; 2010).
8
Leck (2006).
9
Krambeck e Shah (2006).
10
Grupo de Pesquisa formado por Helena Cybis, PhD; Ana Margarita Larranaga, Dr.; Orlando Strambri,
311

Dr. (USP); Júlio Celso Vargas, Me. e pós-graduandos do curso de Engenharia de Transportes da UFRGS.

Notas
11
EDOM Porto Alegre (2004).
12
Larrañaga, Cybis e Ten Caten (2009).
13
Larranaga, Cybis e Ribeiro (2010).
14
Ver, por exemplo, Hillier et al. (1987).
15
Gehl (2011).
16
Hillier e Hanson (1984); Hillier et al. (1987).
17
Moudon (2013).
18
Cao, Mokhtarian e Handy (2009).
19
Hany, Cao e Mokhtarian (2009).
20
Domencich e McFadden (1975).
21
Bovy (2009).
22
Fiorenzo-Catalano (2007).
23
Levinson (2012).
24
Schlossberg et al. (2007).
25
Ewing (2000).
26
Golledge (1997); Miranda-Moreno e Fernandes (2011).
27
Park e Kang (2011).
28
Czogalla e Herrmann (2011).
29
Jacobs (1961).
30
Saboya, Netto e Vargas (2015).
31
A metodologia dos estudos está descrita em detalhe em Netto, Vargas e Saboya (2012).
32
O relatório completo dos estudos de Porto Alegre está disponível em http://urbanismo.arq.br/
metropolis/2012/10/24/tipologia-e-vitalidade-relatorio-de-porto-alegre/
33
Hair Jr. et al. (2005).

Parte II. Polis e esfera pública: As condições urbanas da política do cotidiano


4. Utopia no cotidiano: espaço público, desejo e fruição na formação
da cidade

1
Paquot (1999).
2
Paquot (1999, p.12).
3
Claeys,(2013, p.12).
4
Paquot (1999, p.7).
5
Barda (2009, p.31).
6
Giedion (1946); Le Corbusier (1957); Norberg-Schultz (1988); Gropius (1935).
7
Massey (2009, p.32).
312
8
Ansay e Schoonbrodt (1989).
EFEITOS DA ARQUITETURA

9
Arendt (1983, p.257).
10
Uso a expressão ‘genética’ no sentido original do termo, relacionado à ‘criação’, onde determinados
“genes” definem uma ou mais matrizes de origem, como em um DNA.
11
Sieber (2008).
12
Em certas circunstâncias, onde e quando o poder público ainda se faz presente como planejador,
regulador e fiscal dos padrões de uso e ocupação do território, na condição de praticar princípios e
propósitos que reflitam a diversidade da sociedade e não apenas os interesses econômicos de maior
escala (Carvalho, 2008).
13
Bacon (1983).
14
Cerca é o nome dado à muralha de defesa da cidade de Lisboa construída no século XIV.
15
Carvalho (2010).
16
Carvalho (1985), Carvalho e Maia (2006) e Carvalho (1981), respectivamente.
17
Holanda (2013, p.113, 137 e 183).
18
Maslow (1943). Alex (2008); Frey (1999); Goodey (1986) Bentley et al.(1985).? ? ? ? ?

5. Lugares públicos: atravessamentos entre espaços livres e edificados,


públicos e privados
1
Cf. resultados de projeto temático de pesquisa coordenado pelo Lab QUAPÁ da FAUUSP, publi-
cados, por exemplo, em Campos et al. (2012).
2
Arendt (1991).
3
Habermas (1987).
4
Cf. Habermas (2006).
5
Vale insistir na distinção entre comunicação e informação. Comunicação é pôr em comum, per-
mitindo o estabelecimento da razão comunicativa, visando ao entendimento mútuo entre sujeitos,
pressupondo-se o diálogo e não apenas uma relação do tipo emissor-receptor (informação).
6
Magnoli (1982).
7
Santos (1996).
8
Morin (2008).
9
Santos (1996).
10
Santos (2005).
11
Santos (1994).
12
Cf. Queiroga (2012).
13
Jacobs (2000).
14
Cf. Hillier e Hanson (1984).
15
European Environment Agency (2006).
16
Jacobs (2000).
17
IBGE (2011).
313

Parte III. Forma urbana e segurança pública

Notas
6. Perfis espaciais urbanos para a avaliação de lugares vulneráveis ao crime

1
Em 2007 a taxa era de 91,2 pessoas mortas a cada mil habitantes segundo o registro oficial do
DATASUS; com o programa Pacto pela Vida, houve entre janeiro de 2007 e dezembro de 2013,
uma redução de criminalidade de 60% na cidade do Recife (SDS, 2014) chegando a uma taxa de
28 a cada mil habitantes
2
Ellin (1997).
3
Os dados utilizados neste trabalho foram cedidos pelo Setor de Estatística da Secretaria de Defesa
Social de Pernambuco – SDS, a quem agradecemos a imensa colaboração na compilação dos da-
dos.
4
A integração é uma medida de acessibilidade de um sistema. Essa medida pode considerar a aces-
sibilidade de uma escala global (Rn) ou local (R3) ou raio 3. Este raio permite captar a estrutura
de acessibilidade do bairro.
5
Hillier (2007); Hillier e Sahbaz (2008), e Monteiro e Puttini (2009).
6
Hillier (2004); Hillier e Sahbaz (2008).
7
O teste de Qui-quadrado (chisq.p.value) avalia a relação entre o resultado encontrado e a distribui-
ção esperada para um fenômeno, apontando se os valores observados têm sentido sob o ponto de
vista do modelo. O Akaike Information Criterion (AIC) é uma medida da qualidade do modelo em
relação a outros modelos, ante o conjunto de dados.
8
Monteiro (2010).
9
Escala psicométrica aplicada em questionários e pesquisas de opinião, definida a partir do nível de
concordância dos entrevistados em relação a uma afirmação.
10
Monteiro e Puttini (2009); Monteiro e Cavalcanti (2012).
11
Monteiro (2013).
12
Moniruzzaman e Paez (2012).
13
Guttman (1971).
14
Shye (1985, p. 6).
15
Hillier e Sahbaz (2008), e também Monteiro (2010).
16
Hillier et al. (1993).
17
Newman (1972).
18
Jacobs (1961).
19
Iannicelli (2008).
20
Cohen e Felson (1979).

7. Arquitetura, espaço urbano e criminalidade:


efeitos da visibilidade na distribuição da ocorrência de crimes
1
Jacobs, 2000; Brantingham e Brantingham (1993); Newman (1996); Hillier (2004); Van Nes e
López (2010).
314
2
Jacobs (2000); Brantingham e Brantingham (1993); Perkins et al. (1993); Newman (1996); Bon-
EFEITOS DA ARQUITETURA

daruk (2007); Reis et al. (2005); Van Nes e López (2010).


3
Caldeira (2000); Holanda (2003).
4
Perkins et al. (1993); Crowe (2000); Souza e Compans (2009).
5
Jacobs (2000, p.36).
6
Newman (1996).
7
Newman (1996, p.117).
8
Perkins et al (1993).
9
Brantingham e Brantingham (1993).
10
Brantingham e Brantingham (1993).
11
Hillier (2004).
12
Reis et al (2005).
13
Bondaruk (2007).
14
Bondaruk (2007).
15
Van Nes e López (2010).
16
Integração local é uma medida sintática (Hillier; Hanson, 1984) que descreve o quanto um espaço
está próximo, em termos de quantidade de mudanças de direção, de todos os outros espaços dentro
de um determinado limite de passos topológicos.
17
Entendida como o grau de visibilidade mútua das janelas das edificações de um segmento (Van Nes;
López, 2010).
18
Van Nes e López (2010).
19
Reis et al. (2005).
20
Bondaruk (2007).
21
Hillier (2004).
22
Jacobs (2000).
23
Perkins et al. (1993).
24
Perkins et al (1993).
25
Apesar de assalto e roubo serem considerados, a rigor, a mesma coisa, havia essa diferenciação na
classificação feita pela Polícia Militar e, portanto, ambos foram igualmente incluídos na amostra.
26
Código Penal (1940).
27
Ferreira (2010).
28
Ferreira (2010).
29
Código Penal (1940).
30
Este argumento não é necessariamente válido para áreas exclusivamente comerciais, nas quais à
noite os possíveis efeitos da presença de permeabilidade visual poderiam ser neutralizados pela
convicção de que não há ninguém nas edificações. Essas áreas, entretanto, representaram apenas
10% dos pontos analisados.
31
Foram consideradas apenas as aberturas voltadas para a rua, ou seja, aquelas localizadas em facha-
das frontais (ainda que recuadas) e (aproximadamente) paralelas à testada do lote.
315
32
Jost (2006).

Notas
33
COPOM (2010),
34
Os autores agradecem ao importante auxílio do Professor José Fletes, do Departamento de Esta-
tística da UFSC, na definição da amostra e do grupo de controle e em outros aspectos essenciais
para a concepção e operacionalização da pesquisa empírica e análise dos resultados.
35
Grupo de Controle é um conjunto de elementos da amostra que será utilizado para proporcionar
um padrão em relação ao qual comparar o grupo de estudo principal. Num estudo de eficácia de uma
nova droga, por exemplo, o grupo de controle poderia ser aquele que toma o placebo ou que é tratado
com o medicamente mais tradicional existente. Neste estudo, o grupo de interesse é composto pelos
locais de ocorrência de crimes, enquanto que o grupo de controle é composto por locais selecionados
aleatoriamente nas proximidades, os quais podem ou não ter sido alvo de crimes. Corresponde, em
suma, a uma tentativa de representar o comportamento médio das características estudadas na cidade
como um todo, considerando os limites operacionais e de disponibilidade de dados dentro dos quais
o estudo foi desenvolvido.
36
Dados raster são aqueles estruturados segundo uma malha de células, normalmente de tamanho
uniforme e definido pelo usuário, sendo que cada célula possui um valor numérico que pode
representar diversos aspectos do espaço e território. Neste caso, cada célula representava a distância
em metros do ponto de ocorrência de crime mais próximo, dentre aqueles selecionados para a
amostra.
37
Jacobs (2000).
38
Saboya et al., neste livro.
39
Saboya et al., neste livro.

Parte IV. Pobreza urbana: os efeitos da segregação e das novas


soluções habitacionais
8. Em busca dos mecanismos relacionais nas redes sociais
de indivíduos pobres

Este capítulo é uma versão revisada de trabalho preparado originalmente para a 1ª reunião do
1

grupo “Urban Outcasts” realizada na Universidade de Edimburgo, Escócia, em 2010.


Wilson (1987); Bourdieu (1986; 2007 [1993]).
2

Lin (1999); Briggs (2001); Small (2009).


3

Marques (2010; 2012; 2009). A pesquisa teve duas fases, a primeira em 2007, em São Paulo, e
4

a segunda em 2009, em Salvador. A equipe incluiu, além de mim, Renata Bichir, Encarnación
Moya, Miranda Zoppi e Graziela Castello. Agradeço a todas pelo engajamento no campo e por
seus insights analíticos. Um agradecimento especial a Encarnación Moya, que verteu este texto para
o português.
A análise de redes sociais é um método de análise de padrões relacionais que tenta formalizar
5

padrões de vínculos entre entidades. Os vínculos podem representar qualquer tipo de relação
ou transação, material ou imaterial (amizade, casamentos, conversas, empréstimos de objetos ou
dinheiro, propriedade etc.), e as entidades podem corresponder a quaisquer unidades sociais capazes
de estabelecer e manter relações, sejam individuais ou coletivas (pessoas, empresas, organizações,
316

famílias etc.). Por esses vínculos podem transitar diversas dimensões materiais e imateriais como
EFEITOS DA ARQUITETURA

afeto, informação, recursos econômicos, apoio emocional ou político etc. Redes são, portanto,
padrões complexos de vínculos caracterizados por estruturas e dinâmicas próprias. Basicamente,
a partir de uma ferramenta de coleta de dados que nos fornece nomes ligados a nomes, obtemos
informações sobre os padrões de vínculo presentes em certa situação social. Essas informações dão
origem a matrizes de conectividade ou de pertencimento que, processadas em softwares específicos,
geram representações gráficas (como a figura 2 contida neste capítulo) e medidas quantitativas que
permitem comparar redes e analisar os seus efeitos sobre outros processos. No caso do estudo da
pobreza, por exemplo, levantando muitas redes e depois as comparando, podemos nos perguntar:
será que o tipo e as características das redes dos indivíduos influenciam a probabilidade de estes se
encontrarem desempregados, ou terem empregos de maior estabilidade?
6
Fischer and Shavit (1995); Grossetti (2007); Bidart (2009); Fischer (2011).
7
Beggs (1996)
8
Small (2009); Doreian and Conti (2012).
9
McPherson et al. (2006); Uehara (1990); Grossetti (2005; 2009) e Degenne (2009), respectiva-
mente.
10
Wellman (2007); Wellman (2001) e Fischer (2011); Freeman (2001), respectivamente.
11
Wilson (1987); Jargowsky (1997); Mustered et al. (2006).
12
Wilson (1987).
13
McPherson at al. (2001). A homofilia especifica a existência de conexões entre pessoas com um
mesmo atributo. Assim, a rede de um mesmo indivíduo pode ser caracterizada por sua homofilia
de gênero (proporção das relações em que as pessoas envolvidas em cada relação são do mesmo
gênero), local de moradia, classe social etc. Pode ser medida vínculo a vínculo ou dizer respeito a
medidas quantitativas para o conjunto da rede. Ver McPherson et al. (2001).
14
No caso desta pesquisa foram levantadas e analisadas redes pessoais correspondentes ao conjun-
to dos vínculos da sociabilidade dos indivíduos. Essas diferem de redes egocentradas, que dizem
respeito apenas à pessoa de referência (chamada tecnicamente de ego), seus contatos diretos (cha-
mados de alters) e os vínculos entre estes. As redes deste artigo incluem vínculos localizados a mais
de um passo de distância do ego, representando o contexto relacional de forma mais ampla do que
a consideração simples das redes egocentradas.
15
Tilly (2005). Para uma discussão sobre mecanismos em explicações, ver Marques (2007).
16
Tilly (2005).
17
Bidart e Lavenu (2005).
18
Bidart e Lavenu (2005).
19
Marques e Bichir (2011).
20
Bourdieu (2007).
21
Wacquant (2008).
22
Small (2009).
23
Blokland (2003).
24
Marques (2010; 2012; 2015).
25
Dependência da trajetória ou path dependence é um tipo de processo com forte caráter inercial.
317

Essa inércia é normalmente provocada pela presença de mecanismos de retornos crescentes (como

Notas
na teoria da economia da inovação de Brian Arthur), que aumentam a probabilidade de conti-
nuidade e tornam cada vez mais difíceis futuros alternativos, à medida que o tempo passa. Para
maiores detalhes, ver Pierson (2004).
26
Granovetter (1972).
27
Assunto amplamente explorado em Marques (2010).
28
Pierson (2005). Um efeito similar ocorre com os contatos dos indivíduos de classe alta e média,
mas o que para estes gera monopólio de oportunidade, para os mais pobres gera bloqueio às opor-
tunidades, no sentido dado aos termos por Tilly (2005).
29
Kaztman (1999).

9. Impactos de complexos habitacionais do PMCMV:


mobilidade, diversidade do entorno e vida social

Veja o capítulo de Vivan e Saboya neste livro.


1

MCidades et al (2014).
2

Harvey (1973); Hillier e Hanson (1984).


3

A pesquisa foi desenvolvida por uma rede de pesquisadores da Unisinos e UFF, sob coordenação de
4

Andrea Kern. Veja o capítulo de Kern et al. neste livro.


Campo Grande, Santa Cruz, e Grande Bangu compõem a zona oeste.Apesar de tradicionalmente
5

associado à zona oeste, Jacarepaguá possui características de densidade e valor do solo que o apro-
ximam mais da zona norte.
Holanda (2000); Marques (2010; 2012); Netto (2014); Netto et al. (2015).
6

Conforme análise topológica em Netto et al. (2012). Dados de tempo: Pereira e Schwanen (2013).
7

Krüger (1979); Hillier e Hanson (1984); Krafta (1994); Holanda (2002).


8

Netto e Krafta (1999); Netto et al. (2015).


9

10
Holanda (2000) e Netto et al. (2015).
11
O teste de significância estatística (o “valor p” de cada correlação) examina a probabilidade de um
resultado observado se repetir ou surgir por mera coincidência. Valores p iguais ou maiores que
0.05 tem maior probabilidade de serem mera coincidência, segundo o parâmetro convencional-
mente adotado de 95% de confiança.
12
Wasserman (1994).
13
Coleman (1988).
14
Bourdieu e Wacquant (1992).
15
Veja Marques (2010; 2015; neste livro).
16
Holanda (2000), Marques (2010), Netto et al. (2015).
17
Shannon (1948).
18
No caso de usos do solo distintos no mesmo lote (o caso de edificações ‘mistas’), o lote pontua em
mais de uma categoria.
19
Netto et al. (2012).
318
20
Holanda (2000), Marques (2010; 2012), Netto (2014); Netto et al. (2015).
EFEITOS DA ARQUITETURA

10. Nova política e velhos desafios: problematizações sobre


a implementação do Programa Minha Casa Minha Vida
na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

1
Este texto apresenta os resultados do projeto de pesquisa “Avaliação do Programa Minha Casa Mi-
nha Vida na Região Metropolitana do Rio de Janeiro: impactos urbanos e sociais” (Edital MCTI/
CNPq/MCidades nº 11/2012), desenvolvido entre 2012 e 2014 pela equipe do Observatório das
Metrópoles – Núcleo Rio de Janeiro. Uma primeira versão deste texto foi publicada na Revista
Eletrônica E-Metropolis (número 18, ano 5, setembro de 2014).
2
Conforme dados divulgados pelo Ministério das Cidades (MCidades, 2014)
3
Ver, por exemplo, as coletâneas recentemente publicadas: “O Programa Minha Casa Minha Vida
e seus efeitos territoriais” (Cardoso, 2013) e “Minha casa... E a cidade? Avaliação do Programa
Minha Casa Minha Vida em seis estados brasileiros” (Santo Amore; Shimbo; Rufino, 2015).
4
Sobre o caso específico da cidade do Rio de Janeiro ver Santos e Junior (2012); Faulhaber e Nacif
(2013).
5
Cardoso et al. (2012) e Cardoso, Araujo e Jaenisch (2013).
6
Sobre o Programa Crédito Solidário ver Silva (2009).
7
Bonduki (2009).
8
Cardoso e Aragão (2013).
9
Para análises destes processos de financeirização e reestruturação do setor imobiliário no Brasil ver
Botelho (2007), Cardoso e Aragão (2011), Shimbo (2011), Rufino (2013), Royer (2009) e Fix
(2011).
10
Cardoso, Araujo e Jaenisch (2013) e Cardoso, Jaenisch e Araujo (2013).
11
É o caso das famílias que adquiriram o seu imóvel por iniciativa própria através dos feirões da Caixa
ou de outros canais de compra que possibilitavam o acesso aos benefícios do MCMV. Não é caso
das famílias que acessaram o programa de forma involuntária, decorrente de reassentamentos ou
remoções.
12
Os dados sobre a produção para o MCMV utilizados neste artigo foram extraídos de banco de
dados fornecido pela Secretaria Nacional de Habitação do Ministério das Cidades em função do
Edital MCTI/CNPq/MCidades nº 11/2012, e dizem respeito aos empreendimentos contratados
desde o início do programa em 2009 até dezembro de 2012
13
Situada ao norte do município do Rio de Janeiro, sendo considerados como parte deste núcleo
os municípios de Nova Iguaçu, Duque de Caxias, Belford Roxo, Nilópolis, São João do Meriti e
Mesquita.
14
A Região Metropolitana do Rio de Janeiro é aqui considerada como composta pelos municípios
de Belford Roxo, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Itaguaí, Japeri, Magé, Maricá, Mes-
quita, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Paracambi, Queimados, Rio de Janeiro, São Gonçalo, São
João do Meriti, Seropédica e Tanguá. Desde dezembro de 2013, os municípios de Cachoeiras de
319

Macacu e Rio Bonito foram integrados à Região Metropolitana, mas estão sendo desconsiderados

Notas
nesta análise, pois a pesquisa já estava em andamento quando ocorreu tal inclusão. Cabe ressaltar
também que alguns dados de fontes secundárias que serão aqui apresentados (a exemplo dos dados
do IBGE) consideram igualmente como parte da Região Metropolitana o município de Mangara-
tiba, excluído do grupo em julho de 2012.
15
Na divisão territorial oficial adotada pela Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro a cidade é dividi-
da em cinco Áreas de Planejamento (AP).
16
Rolnik e Nakano (2009) e Maricato (2009).
17
Bonduki (2009).
18
Fix e Arantes (2009).

Parte V. Cidade e ambiente


11. Habitação de interesse social: relações entre o tipo arquitetônico
dos empreendimentos e impactos ambientais

1
Smith (2007).
2
Cordeiro Filho (2008).
3
Lima et al. (2011).
4
Vilhena (2007); Agopyan e John (2011).
5
Ministério das Ciddes/ Ministério de Minas e Energia (2005).
6
John (2000); Kangas (2003).
7
Nelms et al. (2005).
8
Medina (2006); Tavares (2006); Lobo et al. (2010).
9
John e Prado (2010).
10
Martí Arís (1993); Rossi (1995); Sherwood (1983).
11
Rosso (1978).
12
Mascaró (2010); Zima e Plebankiewicz (2012).
13
Mascaró (2010).
14
Mascaró (2010).
15
Guerra et al. (2009).
16
Siqueira (2008).
17
Sherwood (1983).
18
Schneck (2013).
19
Bribián et al. (2009).
20
Tavares (2006)
21
Sposto e Paulsen (2012).
22
Pacheco et al. (2012).
23
Além disso, a altura do edifício, a composição de fachada (relação janela/parede), transmitância
térmica e absortância do telhado, o coeficiente de sombreamento de vidros, cor da fachada, ocu-
320

pação, densidade de energia elétrica (iluminação e equipamentos elétricos) e condições climáticas


EFEITOS DA ARQUITETURA

locais são variáveis consideradas – veja Signos et al. (2001).


24
Ministério de Minas e Energia. Balanço Energético Nacional. Disponível em: <http://www.mme.
gov.br/mme>. Acesso em 11 de Setembro de 2011.
25
Fay (1999).
26
Schneck (2013).
27
Lei n. 12.212, de 20 de janeiro de 2010, que dispõe sobre a Tarifa Social de Energia Elétrica. Bra-
sília, Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 2010
28
Lacerda et al. (2009).
29
Câmara dos Deputados (2010).
30
Lacerda et al. (2009).
31
Téo e Loosemore (2001).
32
Pinto (1999).
33
Os resíduos da construção civil (RCC), assim definidos pela Resolução 307/2002 do CONAMA,
são habitualmente denominados pela bibliografia por RCD (resíduos de construção e demolição)
e constituem-se dos resíduos provenientes de construções, reformas, reparos e demolições de obras
de construção civil.
34
Pinto e González (2005).
35
Katz e Baum (2010).
36
Capello (2006).
37
Miranda et al. (2009).
38
CONAMA. Resolução nº 307 de 05 de julho de 2002. Ministério do Meio Ambiente.
39
Osmani et al. (2008).
40
Formoso et al. (2002).
41
Agopyan et al. (2003).
42
Dias (2013).
43
Kern et al (2015).

12. Impactos da produção da forma urbana sobre o meio ambiente

1
Observatório das Metrópoles, 2005.
2
Financiado pela agência de fomento do governo de estado FAPERJ (Fundação de Amparo à Pes-
quisa do Estado do Rio de Janeiro) através dos Editais E26 102.984/2012 – bolsa Jovem Cientista
de Nosso Estado.
3
Edital FAPERJ n.º 23/2010: Programa FAPERJ-FAPESP “Mudanças Climáticas Globais – 2010”
Convênio FAPESP-FAPERJ.
4
Edital FAPERJ Emergentes, APQ1- Processo E-26/110.320/2010.
5
Costa Maia et al. (1984).
6
Montezuma e Oliveira (2010).
321
7
Veja http://www.rio.rj.gov.br/ (acessado em Julho de 2015).

Notas
8
Sernambetiba é o coletivo de sernambi, concha, seruru-nambi, mexilhão que tem a forma de
orelha. Na verdade trata-se de um topônimo de origem tupi que caracteriza a natureza alagada e
alagável do terreno, fonte abundante de alimentos das tribos litorâneas.
9
Galvão (1957).
10
Name et al. (2011).
11
Oliveira/IPP (2008).
12
Tângari, Isidoro e Montezuma (2014).
13
Togashi (2011).
14
Dereczynski et al. (2009); Coelho Netto (2007).
15
Em áreas de relevo elevado, como nas montanhas e serras, o resfriamento do ar provoca a conden-
sação das nuvens, acarretando a precipitação da água na forma de chuvas.
16
Bastos (2011).
17
Composta por matéria morta, de origem animal e vegetal, que em geral é depositada no solo onde
é decomposta e transformada ao longo de uma cadeia de organismos responsável pela ciclagem de
nutrientes nos ecossistemas.
18
Maranhão-Sousa (2011); Togashi (2011)
19
Montezuma (2012).
20
Santos (2009); Maranhão-Sousa et al. (2009).
21
Vallejo (1982); Miranda (1992).
22
Montezuma et al. (2005).
23
Togashi et al. (2012).
24
Cintra (2011).
25
Montezuma e Oliveira (2010).
26
Teixeira et al. (2012).
27
Setor localizado entre as cotas 100m e 25m, situada entre o Rio Camorim e a Estrada do Pontal.
28
Montezuma et al. (2010).
29
Name (2010).
30
Montezuma et al. (2014).
31
Kern et al., neste livro.

Parte VI. As responsabilidades da esfera normativa


13. O mundo das miudezas: Plano de Preservação do Conjunto
Urbanístico de Brasília

1
Disponível em: http://www.sedhab.df.gov.br/images/ppcub/Atualizacao_2013/minuta%20PLC%20
PPCUB_21ago13.pdf. Acesso em: 6 abr. 2014. Esta é a terceira versão, atualizada, deste ensaio.
A primeira apareceu em Holanda (2012); a segunda, em “City or parish: dilemmas in contemporary
Brasilia, Brazil”, ensaio apresentado ao 21st International Seminar on Urban Form, mas não publicado.
2
Volumes da Coleção Brasília, organizada por Aldo Paviani, desde o título inaugural publicado em
322

1985; de minha lavra, ver Holanda (2002; 2010; 2011a; 2011b).


EFEITOS DA ARQUITETURA

3
Como, p. ex., em Holanda (2011c).<