Sie sind auf Seite 1von 7

VANTAGENS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO.

DO TRANSPORTE DE

NAVEGAÇÃO

DE CABOTAGEM SOBRE

O

Gerisa Menezes de Araújo, FATEC Carapicuíba, mgerisa@yahoo.com.br Mainara da Silva Rego, FATEC Carapicuíba, silva.mainara@yahoo.com.br Isabel Santana dos Santos, FATEC Carapicuíba, bebelzinhaga@yahoo.com.br Walter Aloísio Santana, FATEC Carapicuíba, wballoo@hotmail.com

Área Temática: Transporte e Movimentação de Cargas

RESUMO A responsabilidade que o setor de transporte possui em relação ao crescimento e desenvolvimento do país é substancial. As modalidades de transporte devem ser utilizadas de maneira adequada, o rodoviário em distâncias curtas, e a navegação por cabotagem em longas distâncias, após isso, deve haver uma integração entre as duas modalidades, para que os produtos cheguem até seus consumidores. O declino em relação a investimentos que vem de longa data, afeta direto no desempenho das empresas, na qual, os custos em transporte absorvem boa parte do faturamento, com isso a produção, a empregabilidade, as vendas e os lucros diminuem. Fatores importantes como prazo, custo, segurança, tamanho da carga, têm peso na escolha do tipo de transporte utilizado para a locomoção das cargas. Por meio de revisão bibliográfica, o foco principal deste trabalho é comparar as vantagens da modalidade cabotagem em relação a modalidade rodoviária. Iremos mostrar os principais fatos históricos que levaram o país a escolher as rodovias, como seu principal meio de transporte de carga. Diversos fatores, tais como: econômicos, sociais e ambientais, justificam a iniciativa para este trabalho. Com essas informações pode-se demonstrar que a matriz de transporte deve ser modificada.

Palavras chave: Navegação, Cabotagem, Transporte, Rodoviário.

ABSTRACT The responsibility of the transport sector has over the growth and development of the country is substantial. Modes of transportation must be used properly, the road over short distances, and coastal navigation over long distances, after this there must be an integration between the two modalities, to get products to its consumers. The downhill in relation to investments that has long, straight affects the performance of companies in which the transportation costs absorb much of the revenue, with this production, employability, sales and profits decrease. Important factors such as time, cost, security, load size, weigh when choosing the type of transport used for transportation of cargoes. Through literature review, the main focus of this paper is to compare the benefits of sport in relation to coastal road mode. We will show the main historical events that led the country to choose the road, as their primary means of cargo transportation. Several factors such as economic, social and environmental initiative to justify this work. With this information it can be shown that the transport matrix must be modified.

KEYWORDS: Navigation, Coastal, Transport, Road

1

INTRODUÇÃO

Sem as modalidades 1 de transportes existentes, a vida do ser humano seria muito difícil.

A necessidade de locomoção das pessoas, juntamente com a necessidade de se

transportar produtos básicos de uma região para outra, tornou o uso desses modais indispensáveis para o desenvolvimento de qualquer nação. Com o governo de Juscelino Kubitschek 2 os “50 anos em 5”, priorizou o crescimento

econômico em processo de aceleração no país, a mudança da capital para Brasília, a

construção de grandes rodovias e a vinda das indústrias automobilísticas para o Brasil, fez que com que grandes aplicações fossem realizadas nesse setor, e assim, deu-se preferência ao transporte rodoviário.

A tabela abaixo apresenta o percentual do PIB (Produto interno Bruto) para investimento

em infra-estrutura do transporte no geral, identifica-se nesse caso que os investimentos são baixos e devem ser melhorados.

Tabela 1. Porcentagem do PIB investido em infra-estrutura

1970/1980

1981/1990

1991/2000

2004

2010

1,2%

0,6%

0,3%

0,1%

0,37%

Fonte: Adaptado Dinit (2010)

A responsabilidade que o setor de transporte possui em relação ao crescimento e

desenvolvimento do país é enorme, a falta de investimentos que vem de longa data e

ainda permanece na atualidade conforme tabela acima afeta direto no desempenho das empresas, na qual, os custos em transporte absorvem boa parte do faturamento, com isso

a produção, a empregabilidade, as vendas e os lucros caem. Fatores importantes como

prazo de entrega, custo, segurança, tamanho da carga, têm peso na escolha do tipo de transporte utilizado para a locomoção das cargas. Segundo Ballou (2001), o transporte é um componente fundamental para o sistema logístico, e é o seu principal custo. As taxas de linhas de transporte são baseadas em distância e volume de embarque. O artigo foi elaborado com o objetivo de expor a viabilidade de um modo de transporte

que tem estado em desuso para isso foi feita uma análise comparativa da viabilidade da navegação de cabotagem 3 contrapondo o transporte rodoviário.

O problema constatado no artigo é a falta de investimentos pelo setor público durante

anos, conforme mostra a Tabela 1, e a nova realidade do país já na década de 1990, que fez com que se chegasse à conclusão que o principal meio de transporte de cargas utilizado atualmente não é tão eficaz.

A justificativa para escolha deste tema é o evidente desequilíbrio da matriz de transporte,

principal problema a ser combatido nessa esfera. Os modos devem ser utilizados de maneira correta, o rodoviário deve ser utilizado em distâncias curtas, e a navegação por

1 Modalidades: Refere-se aos meios de transporte existentes: aéreo, aquaviário, ferroviário, dutoviário e rodoviário. LAROUSSE. Ed. Grande Enciclopédia: Cultural. Co-edição Plural e Editora Gráfica. São Paulo:

Folha de S. Paulo, 1998. 4030 p.vol. 16. Edição Exclusiva para assinantes da Folha de S. Paulo ou O Globo. 2 Juscelino Kubitschek: Presidente do Brasil entre os anos de 1956 e 1961. PEDRO, Antonio. História do Brasil. Ed: FTD. 1987. 222 p.

Navegação de Cabotagem: é a navegação mercante, ao longo da costa e especialmente entre portos do mesmo país, por oposição a navegação de longo curso. LAROUSSE. (Ed). Grande Enciclopédia: Cultural. Co-edição Plural e Editora Gráfica. São Paulo: Folha de S. Paulo, 1998. 1017 p.vol. 5. Edição Exclusiva para assinantes da Folha de S. Paulo ou O Globo.

3

cabotagem em longas distâncias, após isso, deve haver uma integração entre as duas modalidades, para que os produtos cheguem até seus consumidores finais. Segundo pesquisa realizada pela CNT 4 e o Coppead 5 em relação ao transporte de cargas no país, para a eficiência do transporte é necessário acoplar diversos aspectos, que estão relacionados tanto no fator econômico quanto no fator social.

A figura abaixo ilustra os principais portos Brasileiros que operam no transporte de cabotagem.

portos Brasileiros que operam no transporte de cabotagem. Figura 1: Linhas de Cabotagem Existentes Fonte: ANTAQ

Figura 1: Linhas de Cabotagem Existentes Fonte: ANTAQ Agência Nacional de Transporte Aquaviário, 2003.

2 REVISÃO E LITERATURA

CNT/COPPEAD (2002) elaboraram uma pesquisa para expor os problemas e exemplificar soluções para os modos que fazem o transporte de carga no país. CRUZ (2007) expressa em sua dissertação de mestrado, todo o processo histórico que levou o Brasil ao chamado “rodoviárismo”, além disso, faz uma análise no setor de cabotagem, mostrando a viabilidade e a competição nos dois modos. FIGUEIREDO; AMARAL (2008) manifesta em seu artigo, a importância do transporte nas operações logísticas, provaram através do estudo de caso Aracruz Celulose, que a navegação de cabotagem trás inúmeros benefícios, principalmente em relação meio ambiente e a custos para as empresas. LACERDA (2004) apresentou em seu artigo, a evolução da cabotagem nos últimos anos e apresentou uma discussão em relação à regulação e a política industrial para esse setor,

4 CNT: Confederação Nacional dos Transportes 5 COPPEAD: Instituto de Pesquisa e Pós Graduação em Administração de Empresas da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

a defesa nesse trabalho é a de que grandes avanços podem ser obtidos de maneira

bastante rápida, desde que haja uma desburocratização no setor. ONO (2001) Nos aponta em sua tese que há um grande potencial de crescimento pra Cabotagem que será aproveitado quando todos os integrantes da cadeia logística trabalharem em sincronia, com isso a matriz de transporte brasileira devera apresentar mudanças gradativas gerando maior competitividade no setor e redução de custos para o cliente final.

Em todos esses artigos, teses e pesquisas foram identificadas a necessidade de uma matriz de transporte balanceada, para que o Brasil possa se tornar mais competitivo no mercado mundial. Durante esta pesquisa verificou-se em teses e monografias, que a navegação de cabotagem foi substituída pelo modo rodoviário apesar de ser mais viável. Em diversos artigos nota-se que a cabotagem volta a ser opção do transporte de cargas dentro do pais; inclusive recebendo do governo federal novos investimentos. Utilizou-se como referencial teórico, a pesquisa que a CNT fez em conjunto com o Coppead no ano de 2002. Diversos conceitos e idéias foram retirados dessa pesquisa, um perfeito diagnóstico, no qual foram expostos os problemas dos modos existentes e apresentadas variadas hipóteses para as soluções. A CNT é uma entidade de grau superior, sem fins lucrativos, que contempla federações, sindicatos nacionais e associações vinculadas ao setor de transporte. O COPPEAD é o instituto de pós- graduação e pesquisa em Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A seriedade e a tradição da UFRJ, aliadas a um corpo docente qualificado, fazem desta escola de negócios uma referência acadêmica nacional e internacional. As duas instituições elaboram uma excelente pesquisa referente ao transporte de cargas no país. Aqui se adapta as informações para retratar o problema com base na cabotagem e no transporte rodoviário.

3 ASPECTOS METODOLOGICOS

A metodologia utilizada no artigo contem duas etapas, a teórica e a prática.

Teórica: buscou-se informar, de forma direta, a diferença vantajosa que existe entre

o transporte de cabotagem e o rodoviário através de tabela, texto desenvolvido com base em pesquisas a livros, sítios da web, jornais e revistas.

Prática: consiste em uma entrevista composta de questões abertas e voltadas diretamente ao tema com um profissional que atua na área e que conhece a fundo

o potencial da cabotagem, portanto, apoiado em uma experiência que tem dado certo.

4 VANTAGENS DA CABOTAGEM SOBRE O TRANSPORTE RODOVIÁRIO.

Por que não utilizar a navegação de cabotagem, já que o Brasil possui uma das maiores costas litorâneas do mundo e os portos ficam próximos as capitais, segundo Lacerda (2004), por exemplo: Porto de Santos a 60 km da capital São Paulo e o Porto de Itajaí a 100 km de Porto Alegre e Florianópolis, o que facilita na distribuição das cargas, se esta fosse à prioridade. Segundo Fachinello; Aslog (2001) apud Nascimento (2005), o

transporte rodoviário seria indicado para distâncias até 500 km nesse caso empregados de forma correta para a entrega nos portos. Os autores citados acima deixam claro em suas teses que o transporte marítimo é mais interessante para o país que o transporte rodoviário. Em relação a aspectos economicos, diversos fatores, tais como, segurança da carga e menor risco de avarias chamam a atenção para o transporte de cabotagem, pois os custos para seguro de carga rodoviária e gerenciamento de riscos são altos, além disso, para enfrentar os roubos de cargas as empresas deixam capital investido em estoques,

porém mesmo com essa precaução, o atraso na entrega pode ocorrer, deixando em muitos casos o cliente insatisfeito. Voltando-se para os aspectos ambiental, social e também economico, percebe-se que o consumo de combustivel na cabotagem é muito menor, consequentemente tem se menos gases tóxicos emitidos e a poluição nas grandes cidades terá um decrescimo, além do desafogamento das estradas, com menos recursos liberados para conservação das mesmas. Em relação ao aspecto segurança o modo rodoviário deixa muito a desejar, as condições nas estradas são péssimas, claro que devido à grande demanda de caminhões e carretas com cargas demasiadamente pesadas, que deveriam ser transportadas via navegação de cabotagem e como efeito “dominó” um problema gera outro. Os acidentes nas estradas consomem uma fatia muito grande do orçamento, onde a maior parte dos leitos de hospitais é ocupada por acidentados no trânsito. O Brasil ocupa elevada posição no ranking morte nas estradas, isso naturalmente afeta a imagem do país no exterior e investimentos deixam de ser feitos no país. Segue abaixo um quadro comparando não só as vantagens, mas também as desvantagens de cada modalidade.

Transporte de Cabotagem

Transporte Rodoviário

Vantagens

Desvantagens

Vantagens

Desvantagens

Maior eficiência

Distância dos centros de produção e consumidor final

Entrega na porta do comprador

Eficiência energética baixa

energética

Vida útil da infra- estrutura

Maior exigência na embalagem

Maior freqüência/

Custo alto com manutenção de rodovias

disponibilidade de

frota

Capacidade de

Necessidade de investimento em infra- estrutura logística

   

concentração de

Capacidade de cargas é limitada

cargas

Grande área de cobertura

Menor consumo

Custo do combustível a nível internacional

Baixo investimento para operador logístico

Elevado consumo de combustível

de combustível

Menos emissão

Baixa freqüência das embarcações

Manuseio de

Grande volume de emissão de poluentes

de poluentes

pequenos lotes

   

Custos de

 

Custo

operacional baixo

Processo de transporte ainda muito burocrático

embalagem

Custo operacional

alto

pequenos

Redução do

     

número de

acidentes nas

estradas

Causador de

acidentes nas

estradas

Menor custo de mão-de-obra

   

Grande risco de roubo de carga

Quadro 1. Principais vantagens e desvantagens das duas modalidades.

Os benefícios em relacionados são muitos, o suficiente para se entender que: Segurança da carga, menor risco com avarias, custo operacional e mão de obra baixa, chama a atenção para cabotagem, assim como redução do trânsito urbano, também possui maior eficiência energética, com menor consumo de combustível e menor emissão de poluentes

Visando complementar as teorias já mencionas no artigo dando enfoque ao tema proposto, foi realizada uma entrevista com um profissional da área de cabotagem, a fim de complementar as teorias ate aqui mencionadas, dando assim reforço ao tema proposto. Na avaliação do entrevistado Rodrigo Passos Gerente Comercial de Navegação na empresa Log-In Logística Intermodal, o Brasil apresenta excelente potencial para a cabotagem, em função dos quase oito mil quilômetros de costa litorânea, mas o modo é

aproveitado.

ainda

Segundo ele, as principais vantagens da cabotagem são: a redução do custo final da carga, menor índice de avarias tem se um maior controle de distribuição, uma potencial diminuição da poluição, o tirar caminhões da estrada, reforça também que a cabotagem apresenta vantagens ecológicas.

Conclui-se que, sob o ponto de vista do entrevistado, para buscar oportunidades de melhorias e ganhos de eficiência nos vários elos da cadeia de abastecimento, o desenvolvimento dos modos de transporte alternativos é peça fundamental. Garantir que os fabricantes façam chegar os produtos aos pontos-de-venda de modo mais ágil, no prazo previsto e com o menor custo a ser repassado aos preços pagos pelo consumidor, ainda é tarefa difícil para estas modalidades.

pouco

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O objetivo da pesquisa foi a partir da análise e estudo dos dados exporem a viabilidade do transporte de cabotagem em relação ao transporte rodoviário. Consideramos após os dados e informações apresentadas que o desequilíbrio da matriz de transporte é o grande vilão na atualidade e a forma de haver uma mudança, mesmo que em longo prazo é um maior investimento por parte do governo na matriz de transportes, e um maior balanceamento entre os valores investidos nas modalidades existentes. Somente com essas sucintas observações, pode-se dizer que há diversas vantagens sobre a navegação de cabotagem em relação ao transporte rodoviário, não só para as empresas, mas também para a sociedade como um todo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANTAQ Agência Nacional de Transporte Aquaviário. Disponível em www.antaq.gov.br Acesso em 12 de fev. 2012

BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: planejamento, organização e logística empresarial. Porto Alegre: Bookman, 2001.

CNT/COPPEAD. Transporte de cargas no Brasil: ameaças e oportunidades para o desenvolvimento do país diagnóstico e plano de ação. 2002.

CRUZ, Thania Regina Pantoja da Vera. Causas e conseqüências da limitação da cabotagem no transporte de carga pela costa brasileira: Uma avaliação hierárquica do trecho Manaus Santos. 2007. 145 f. Dissertação (Mestrado em Transportes) - Universidade de Brasília, Brasília.

DNIT- Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes. Disponível em www.dnit.gov.br. Acesso em 11 fev. 2012.

FACHINELLO, Arlei Luiz; NASCIMENTO, Sidnei Pereira. Cabotagem como alternativa para o transporte de carnes da região sul para o norte/nordeste brasileiro: um estudo de caso. In: XLIII CONGRESSO DA SOBER, 2005. Ribeirão Preto. Disponível em <http://www.sober.org.br/palestra/2/490.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2012.

FIGUEIREDO, Liana de Almeida; AMARAL, Camila Antunes. A melhoria do processo logístico de uma organização por meio da navegação de cabotagem: o caso aracruz celulose. In: ENCONTRO CAPIXABA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 2008. Santa

Catarina.

<http://

Disponível

em:

2012.

LACERDA, S. M. Navegação de cabotagem: regulação ou política industrial? BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 19, p. 49-66, 2004. Disponível em <http://www.bndes.gov.br/conhecimento/bnset/set1903.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2012.

ONO, Ricardo Terumichi.Estudo de viabilidade do transporte Marítimo de contêineres por cabotagem na costa brasileira - São Paulo.2001. 132p Dissertação (Mestrado) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia Naval e Oceânica.