Sie sind auf Seite 1von 4
CURSO INTENSIVO II

CURSO INTENSIVO II

CURSO INTENSIVO II PROF. EDUARDO SABBAG TESTES SOBRE A MATÉRIA. AULA 1/2 (HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA + FATO GERADOR)

TESTE 1: (CESPE 2006.1) Hipótese de incidência tributária não se confunde com fato gerador da obrigação tributária. A primeira corresponde à previsão legal e abstrata da situação que implica a incidência da norma tributária, já o segundo é a concretização da hipótese de incidência no mundo dos fatos e dá origem à obrigação tributária. CORRETO

TESTE 2: (ESAF. GESTOR FAZENDÁRIO/MG 2005) A obrigação tributária nasce com o lançamento. INCORRETO

TESTE 3: (ESAF. GESTOR FAZENDÁRIO/MG 2005) Segundo o Código Tributário Nacional, a renda obtida com a prática do crime de contrabando não pode ser tributada. INCORRETO

TESTE 4: (ESAF. GESTOR FAZENDÁRIO/MG 2005) A hipótese de incidência é o fato da vida que gera, diante do que dispõe a lei tributária, o dever de pagar o tributo. INCORRETO

TESTE 5: (AGU 2002 - CESPE) Sendo o Direito uma realidade abstrata, não pode ter por objeto coisas concretas. Assim, o dinheiro, como as coisas em geral, jamais pode ser objeto do Direito. Nenhuma coisa concreta pode ser objeto do Direito, das normas jurídicas, das obrigações jurídicas (porque o Direito e suas realidades são abstratos). O objeto das normas jurídicas é o comportamento humano. Assim, o objeto da obrigação tributária é o comportamento do sujeito passivo.” (Geraldo Ataliba. Hipótese de incidência tributária. 5. a ed. São Paulo: Malheiros, 1992, p. 30 (com adaptações).

1. Como a obrigação tributária constitui o núcleo de uma peculiar relação jurídica, é necessário, para que essa

relação seja juridicamente válida, que o sujeito passivo possua capacidade jurídica, consoante a lei civil.

INCORRETO

2. Nos negócios jurídicos sujeitos a condição resolutória, a obrigação tributária pode surgir no momento da

celebração do negócio, se isso for definido por lei como o fato gerador da obrigação, sendo desimportante, para

efeitos tributários, que o implemento da condição resolva o ato. CORRETO

CURSO INTENSIVO II

CURSO INTENSIVO II

TESTE 6: (Vunesp, para a Outorga de Delegações de Notas e de Registros do Estado de São Paulo (5° Concurso/ Provimento TJ/SP), em 24-08-2009: “O nascimento da obrigação tributária dá-se com a ocorrência do fato gerador previsto em lei”. CORRETO

TESTE 7: [Cespe/UnB, para o cargo de Promotor de Justiça Substituto de Roraima (VII Concurso), em 07-06-2008]: “Uma criança recém-nascida já tem capacidade tributária para ser devedora de IPTU”. CORRETO

TESTE 8: [FCC, para os cargos de Analista Superior II (Advogado) da Infraero, em junho de 2009, e Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo, em agosto de 2009] “Salvo disposição de lei em contrário, considera-se ocorrido o fato gerador e existentes seus efeitos, tratando-se de situação de fato, desde o momento em que se verifiquem as circunstâncias materiais necessárias a que produza os efeitos que normalmente lhe são próprios”. CORRETO

TESTE 9: [FCC, para o cargo Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo, em agosto de 2009] “A respeito das regras

definidoras sobre o fato gerador, segundo o CTN, é possível afirmar que, tratando-se de situação jurídica, considera-se ocorrido

o fato gerador e existentes os seus efeitos desde o momento em que se confirmem as circunstâncias materiais necessárias a que produza os efeitos que normalmente lhe são próprios”. INCORRETO

TESTE 10: (CESPE, Analista Administrativo e Financeiro Formação 1 / Ciências Contábeis da SEGER/ES, em 01-02-2009) Quando Vespasiano, no século I, começou a cobrar taxas sobre o uso dos mictórios de Roma, seu filho Tito o criticou em razão da origem do dinheiro nojento. Vespasiano pediu que ele cheirasse uma moeda e lhe disse: Pecunia non olet. O dinheiro não tem cheiro. [Internet:<jrv237.blogspot.com> (com adaptações)].

A partir do texto acima, julgue os itens a seguir, que versam acerca do fato gerador.

- O texto acima traduz a regra contida no Código Tributário Nacional (CTN) de que a definição legal do fato

gerador é interpretada abstraindo-se a validade jurídica dos atos efetivamente praticados pelos contribuintes, responsáveis, ou terceiros, bem como a natureza do seu objeto ou dos seus efeitos.

CORRETO

- O fato gerador pode ser classificado como instantâneo, periódico ou continuado. Diz-se instantâneo quando a

realização do fato gerador se dá em um momento do tempo em razão de um ato singular. O fato gerador periódico (ou complexivo) é aquele que se representa por situação que se mantém no tempo e que é mensurada em cortes temporais, como os tributos incidentes sobre o patrimônio. Por último, o fato gerador continuado se realiza ao longo de um espaço de tempo, como o imposto sobre a renda. INCORRETO

TESTE 11 (CESPE/UNB, Procurador do Estado do Espirito Santo, em 27-04-2008): A doutrina designa fato gerador continuado aquele cuja realização ocorre ao longo de um espaço de tempo, como no caso do imposto sobre a renda e proventos de qualquer natureza. INCORRETO

CURSO INTENSIVO II

CURSO INTENSIVO II

TESTE 12 (ESAF, Agente de Fazenda da Secretaria Municipal de Fazenda do Rio de Janeiro, em 24-10-2010) Em relação ao fato gerador da obrigação tributária, julgue os itens abaixo:

fato gerador instantâneo é aquele que se realiza em um único ato ou contrato ou operação realizada que, uma vez realizada no mundo real, implica a realização de um fato gerador. Repete-se tantas vezes quantas essas situações materiais se repetirem no tempo. CORRETO

no fato gerador continuado, sua realização se dá de forma duradoura, podendo manter-se estável ao longo do tempo; nele, a matéria tributável tende a permanecer, existindo hoje e amanhã. CORRETO

fato gerador periódico é aquele cuja realização se põe ao longo de um espaço de tempo; não ocorre hoje ou amanhã, mas sim durante um longo período de tempo, ao término do qual se valorizam diversos fatos isolados que, somados, aperfeiçoam o fato gerador do tributo. CORRETO

TESTE 13 - SUJEITO ATIVO INDIRETO Note o item considerado CORRETO, em prova realizada pela FCC, para o cargo de Auditor do Tribunal de Contas do Estado de Alagoas (TCE/AL), em março de 2008: “Pode ser sujeito ativo o ente competente para instituir tributo, ou outra pessoa jurídica, em razão de delegação”.

TESTE 14 - SUJEITO PASSIVO DA OBRIGAÇÃO PRINCIPAL: PESSOA QUE PAGARÁ TRIBUTO E/OU MULTA Note o item considerado INCORRETO, em prova realizada pelo Cespe/UnB, para o cargo de Fiscal de Tributos Municipais de Rio Branco/AC, em 02-09-2007: “Considere que Tenório tenha sido compelido a efetuar o pagamento de multa por não ter entregado a declaração de imposto de renda no tempo devido. Nesse caso, Tenório não pode ser considerado sujeito passivo de obrigação tributária, pois penalidade pecuniária não é tributo”.

TESTE 15 - OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA PRINCIPAL (MULTA) Note o item considerado CORRETO, em prova realizada pelo Cespe/UnB, para o Exame de Ordem Nacional, em 19-08-2007: “A Nuporanga Indústria e Comércio de Alimentos Ltda. atua no ramo de venda de produtos alimentícios e, pela natureza de sua atividade, deve cumprir várias obrigações tributárias, tais como prestar declarações ao fisco, emitir nota fiscal, recolher o imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias (ICMS) e, eventualmente, pagar penalidades pecuniárias. A obrigação de empresas, como a Nuporonga, de pagar eventuais penalidades pecuniárias constitui obrigação tributária principal”.

TESTE 16 - OBRIGAÇÃO PRINCIPAL E OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA: INEXISTÊNCIA DE ACESSORIEDADE A propósito, o tema tem sido exaustivamente solicitado em provas, e, recentemente, a FCC, citando Roque Antonio Carrazza em teste de concurso (vide trecho a seguir), acatou a ideia de que a obrigação acessória pode existir sem que exista obrigação tributária principal, em virtude de isenção ou imunidade, por exemplo, e que deve vir sempre prevista em lei, com natureza jurídica de obrigação de fazer ou não fazer. (A assertiva foi considerada CORRETA, em prova realizada pela FCC, para o cargo de Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo, em agosto de 2009.)

CURSO INTENSIVO II

CURSO INTENSIVO II

A relação jurídica tributária refere-se não só à obrigação tributária ‘stricto sensu’, como ao plexo de deveres instrumentais,

(positivos ou negativos) que gravitam em torno do tributo, colimando facilitar a aplicação exata da norma jurídica que o previu.

Todos estes deveres, repita-se, não possuem, em si mesmos, cunho patrimonial.(CARRAZZA, Roque Antônio. Curso de direito constitucional tributário. 23. ed. São Paulo: Malheiros, 2007, pp. 331-332)

(

)

TESTE 17 - LINHA DO TEMPO Note o item considerado CORRETO, em prova realizada pela Vunesp, para a Outorga de Delegações de Notas e de Registros do Estado de São Paulo (5° Concurso/ Provimento TJ/SP), em 24-08-2009: “O nascimento da obrigação tributária dá-se com a ocorrência do fato gerador previsto em lei”.

TESTE 18 - (CESPE 2006.1) Assinale a opção incorreta, no que diz respeito à obrigação tributária.

(A) Suponha que João e Bento sejam coproprietários de determinada propriedade rural, sendo o primeiro dono de 10% do valor

do imóvel e o segundo, proprietário do restante. Assim, a União não poderá cobrar de João mais do que a décima parte do valor

devido em decorrência da incidência do ITR.

(B)

Havendo solidariedade tributária, a concessão de isenção objetiva exonera todos os devedores.

(C)

Hipótese de incidência tributária não se confunde com fato gerador da obrigação tributária. A primeira corresponde à

previsão legal e abstrata da situação que implica a incidência da norma tributária, já o segundo é a concretização da hipótese de

incidência no mundo dos fatos e dá origem à obrigação tributária. (D) Considere que André e Leonor são sócios de determinada sociedade em conta de participação. Nesse caso, os tributos devidos em razão do regular exercício da sociedade deverão ser cobrados de André e Leonor, pessoalmente, uma vez que a sociedade em conta de participação não possui capacidade tributária passiva.

Alternativa correta: A