Sie sind auf Seite 1von 10

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL NO DIREITO COMPARADO

Conceitos importantes
Closed Shop:
Union Shop:
Agency Shop:
Agency Fees:

AMÉRICA
ARGENTINA
Mais de três mil sindicatos
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Sistema de Pluralidade Sindical, mas observando-se o critério da representatividade,
concedendo-se à entidade sindical mais representativa a personería gremial, que pode
ser superada por outra entidade.
As normas coletivas têm eficácia erga omnes
Taxa de Filiação: 30,4%
Financiamento/Custeio: É vedada a ingerência do Estado. Não há contribuição sindical
compulsória estabelecida em lei. Porém, além das contribuições pagas pelos filiados,
conforme definido em estatuto, as entidades sindicais podem ser financiadas por uma
contribuição de solidariedade estipulada em negociação coletiva, a ser descontada de
todos os trabalhadores abrangidos. Os empregadores atuam como agentes de desconto.
O sindicato também cobra e administra a cuota por Obra Social, deduzida dos salários
de todos os trabalhadores do ramo, estejam ou não filiados ao sindicato, podendo todos
os trabalhadores da categoria gozarem dos serviços prestados com referido recurso.

PERU
Signatário das Convenções 87 e 98 da OIT
Os sindicatos necessitam do registro perante a autoridade do trabalho, podendo se
organizarem por empresa, por atividade, por grêmio (trabalhadores de diversas
empresas que desempenham a mesma profissão) ou por profissões diversas. Essa
organização poderá ocorrer no âmbito local, regional ou nacional. A representatividade
para a negociação coletiva se apura quando o sindicato conta com a maioria absoluta de
trabalhadores filiados compreendidos dentro de seu âmbito, podendo então negociar
também em nome dos não filiados.
Taxa de Filiação: 1,8% (segundo OIT o percentual seria 6,7%)
Há vedação legal às cláusulas closed shop e open shop
Financiamento/Custeio: a lei prevê três modalidades de contribuições, cuotas paga pelos
filiados e contribuições obrigatórias, nos termos definidos em estatuto, além das
contribuições voluntárias pagas por associados ou terceiros. Se autorizado pelo
empregado, as cuotas sindicales legales, ordinárias e extraordinárias, poderão ser
descontadas pelo empregador quando solicitadas pelo sindicato.
Apesar da possibilidade da extensão da negociação coletiva a não associados, as
contribuições obrigatórias atingem tão somente trabalhadores associados, pois esses se
vinculam aos estatutos das entidades sindicais. Aos trabalhadores não associados as
contribuições são somente as voluntárias.

CHILE
11.653 Sindicatos
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Sistema da Pluralidade Sindical, ganhando o direto de representar os trabalhadores se
conseguir a filiação da maioria dos trabalhadores do seu âmbito de representação. Tem
que haver o registro no Ministério do Trabalho para adquirir a personalidade jurídica.
Taxa de Filiação: 8,8%
Taxa de cobertura das negociações coletivas: 10,3 (2006)
O efeito da norma coletiva não é erga omnes, restringe-se aos trabalhadores filiados. É
possível constar no acordo coletivo a sua extensão geral ou parcial a todos ou parte dos
trabalhadores não associados, devendo haver a anuência prévia e por escrito dos
trabalhadores.
Financiamento/Custeio: contribuição assistencial (agency shop) como compensação ao
sindicato pela extensão do acordo coletivo aos trabalhadores não associados, cujo
desconto em folha (check off) é obrigatório. Para serem abrangidos pela negociação
coletiva os não associados terão de pagar a contribuição estabelecida no acordo
coletivo.

URUGUAI
Signatário das Convenções 87 e 98 da OIT
Unidade Sindical dentro de um sistema da Pluralidade Sindical. Se no âmbito da
empresa não há sindicato, a lei outorga à entidade de grau superior mais representativa o
direito de representar os trabalhadores.
Taxa de Filiação: 30%
Negociações coletivas: podem ocorrer por setor de atividade, empresa, estabelecimento
ou qualquer outro nível.
Financiamento/Custeio: permite o desconto em folha da contribuição devida ao
sindicato pelos trabalhadores associados, desde que devidamente autorizado.
ESTADOS UNIDOS
Não é signatário das Convenções 87 e 98 da OIT
Apesar da Pluralidade Sindical, apenas o sindicato eleito pelos trabalhadores pode
negociar perante o empregador (sindicato exclusivo). O quórum exigido é de no mínimo
50% + 1 dos trabalhadores da empresa. Em caso de disputa entre sindicatos a agência
National Labor Relations Board executa procedimento administrativo, no qual os
trabalhadores votam e escolhem o sindicato que irá representa-los.
Taxa de Filiação: 10,8%
Predominância das Negociações: por empresa
Financiamento/Custeio: setor privado- contribuição assistencial (agency shop) dos
trabalhadores não filiados (free riders) abrangidos pela negociação coletiva. Em
algumas categorias permite-se o direito de oposição (ação judicial), fundado na
liberdade de expressão (free speech) da 1ª Emenda, caso o sindicato utiliza a
contribuição para atividades políticas. Setor público – superando um precedente com
mais de 40 anos a Suprema Corte mudou o entendimento (overruling) firmado no caso
Abood. Se deu em 2018 no caso Janus v American Federation of State, County and
Municipal Employees, Coundil 31. Por 5x4 foi decidido que a agency fee viola a
liberdade de expressão do servidor público, pois seria obrigado a financiar atividade
política desenvolvida pelo sindicato. Logo, o desconto da contribuição assistencial
(agency shop) depende de prévio consentimento do servidor.

CANADÁ
776 Sindicato
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Taxa de Filiação: 31,8%
Financiamento/Custeio: o Código do Trabalho prevê a possibilidade do desconto pelo
empregador da contribuição devida pelo trabalhador ao sindicato, inclusive dos não
associados (cláusula compulsory check-off)

EUROPA
ALEMANHA
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Sistema da Unicidade Sindical
Taxa de Filiação: 18%
Taxa de coberta das negociações coletivas: 62%
O efeito da norma coletiva é erga omnes
Predominância das Negociações: por setor ou região do país
Financiamento/Custeio: Não há lei sobre contribuição sindical, sendo a matéria regulada
no estatuto de cada entidade. A contribuição é feita pelos trabalhadores filiados. Não há
contribuição compulsória para não associados e nem financiamento público. As
entidades sindicais também são proprietárias de companhias de seguros, bancos e outros
negócios.

ÁUSTRIA
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Sistema da Pluralidade Sindical, porém há, de fato, unidade sindical
Austrian Trade Union Federation (ÖGB) é a única organização que representa os
interesses dos trabalhadores com base na adesão voluntária. Desde sua função em 1945
teve 16 sindicatos filiados, sendo que, desde 2009, tem apenas 07 sindicatos filiados em
razão da fusão entre alguns deles, os quais cobrem todos os ramos da economia.
A negociação coletiva predomina no nível setorial, com a Câmara econômica austríaca,
representando os empregadores e negociando com os sindicatos.
Taxa de Filiação: 28% (caiu de 54% em 1985 para 28% em 2015)
Taxa de cobertura das negociações coletivas: 95%/98%
Predominância das Negociações: por setor
O efeito da norma coletiva é erga omnes
Financiamento/Custeio: desconto em folha de pagamento depende de prévia autorização
do trabalhador

ESPANHA
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Sistema da Pluralidade Sindical, observando-se o sindicato mais representativo e
aquisição de personalidade jurídica após depósito dos estatutos no órgão competente
para fins de publicidade.
Taxa de Filiação: 19%
Taxa de coberta das negociações coletivas: 70%
O efeito da norma coletiva é erga omnes
Predominância das Negociações: ocorrem nos níveis nacional, setorial e empresarial. O
governo tem poder para estender os efeitos da negociação coletiva.
Financiamento/Custeio: a lei assegura a possibilidade do desconto em folha da “cuota
sindical” dos associados. O desconto referido vincula o empregador, sem prejuízo da
prévia e expressa concordância do trabalhador. As normas coletivas também podem
prever modalidade de contribuição a ser descontada de todos os trabalhadores
abrangidos, denominada canon econômico, para compensar os custos da negociação
coletiva. Porém, o trabalhador poderá se opor ao desconto na forma e prazos fixados no
acordo coletivo.

FRANÇA
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Desde 2008, para representar os trabalhadores é a analisada a representatividade,
devendo os sindicatos alcançar 10% dos votos no âmbito das empresas, 8% dos votos
no âmbito da indústria e 8% dos votos no âmbito nacional. No total, são 5 (cinco)
grandes confederações nacionais.
Taxa de Filiação: 7,9%
Taxa de cobertura das negociações coletivas: 98%
Predominância das Negociações: por setor nacionalmente e regionalmente
Financiamento/Custeio: contribuição de associados e, desde janeiro de 2015, foi
instituída a contribuição para o diálogo social, no percentual de 0,016% da folha de
pagamento, recolhida pelos empregadores. Essa contribuição patronal constitui o Fundo
para o Financiamento do Diálogo Social, criado por lei em 2014. O Fundo é
administrado por organizações de empregadores e pelos sindicatos, que integram a
Associação de Gestão do Fundo Paritário Nacional, criada em março de 2015.

REINO UNIDO
Signatário das Convenções 87 e 98 da OIT
Há apenas uma confederação, a Trade Unions Congress (TUC). Os sindicatos se
organizam por empresa e por profissão, além de sindicatos que são resultados de fusões,
que representam trabalhadores de empresas e profissões diversas.
Taxa de Filiação: 26%
Taxa de coberta das negociações coletivas: 29%
Financiamento/Custeio: ao se filiar ao sindicato, o trabalhador se sujeita à cobrança da
contribuição estabelecida no estatuto, cujo valor pode variar de acordo com a
remuneração ou com a variedade de serviços oferecidos pelo sindicato, tais como:
assistência jurídica, auxílio funeral, desconto em hotéis, seguro de acidente, seguro
maternidade, seguro adoção, dentre outros. O desconto em folha necessita de
autorização prévia e escrita do trabalhador.
DINAMARCA
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Sistema da Pluralidade Sindical
Taxa de Filiação: 67%
Taxa de coberta das negociações coletivas: 80%
As normas coletivas abrangem trabalhadores filiados e não filiados
Predominância das Negociações: por setor
Financiamento/Custeio: A principal fonte de custeio são as taxas de associação. Não há
financiamento público ou de qualquer outro órgão.
Pagamento diferente para mulheres: As mulheres não recebem o mesmo salário para o
mesmo cargo que os homens. Desse modo, as mulheres devem pagar apenas 50% da
taxa de filiação.

Sistema “Ghent”
The Danish Confederation of Trade Unions - LO foi fundada em 3 de Janeiro de 1898
A committee of representatives of 21 members was elected at the meeting, as well as an
executive committee of 5 members, including 2 representatives from the Social
Democratic Union. Painter Jens Jensen (1859-1928), primeiro presidente who was
chairperson of the painters of Copenhagen in 1883, who had also been present at the
Gothenburg conference in 1886, and was involved in drafting the co-operation in
Copenhagen in the same year, said these words in his opening speech: “The Labour
Movement is not an artificial plant, but a natural product of modern society (...) We are
here thanks to the Law of Development (...) We have 25 years of fight and experience
behind us, and every cog in our wheel has learnt to evaluate their own strengths through
autonomy, and with the confederation of unions and local organisations we have
developed the feelings of solidarity and dedication, and the spirit of self-sacrifice (...).
This army we are creating must be strong and firm, as it shall conquer a world, and it
must be democratic, as it shall develop people.” http://fiu-ligestilling.dk/wp-
content/uploads/The-Danish-Trade-Union-Movemen.NET_.pdf

O Movimento Trabalhista não é uma planta artificial, mas um produto natural da sociedade
moderna (...) Estamos aqui graças à Lei do Desenvolvimento (...) Temos 25 anos de luta e
experiência por trás de nós, e cada engrenagem em nossa roda aprendeu a avaliar suas
próprias forças por meio da autonomia e, com a confederação de sindicatos e organizações
locais, desenvolvemos os sentimentos de solidariedade e dedicação e o espírito de auto-
sacrifício (...). Este exército que estamos criando deve ser forte e firme, pois conquistará um
mundo, e deve ser democrático, já que desenvolverá pessoas

HOLANDA
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Taxa de Filiação: 20%
Taxa de coberta das negociações coletivas: 81%
Os acordos vinculam apenas os trabalhadores associados, mas os empregadores são
obrigados a estender os termos do acordo firmado com o sindicato aos não associados.
O governo também pode editar atos normativos para estender os acordos para todos os
trabalhadores de determinado setor da indústria, desde que a negociação já abranja ao
menos 55% dos trabalhadores.
Financiamento/Custeio: mensalidade sindical pagas pelos associados, que varia de 1,50
a 18 euros, podendo ser deduzida do imposto de renda devido pelo empregado.

ITÁLIA
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Sistema da Pluralidade Sindical
Taxa de Filiação: 35% (metade aposentados). Entre 1981 e 2017, os trabalhadores ativos
passam de 64% para 36%; já a sindicalização entre os aposentados passa de 20,2% para
43,9%; há decréscimo entre os empregados do setor público, nesse período, de 15,7%
para 12,3%, enquanto os trabalhadores estrangeiros do setor privado passam de 0,8%
em 1991 para 7,4% em 2017.
Taxa de cobertura das negociações coletivas: 85%
Predominância das Negociações: nível nacional e por empresa, com participação do
conselho de fábrica.
Efeito erga omnes das negociações coletivas,
As cláusulas closep shop e union shop são vedadas.
Financiamento/Custeio: Não há previsão legal quanto ao valor e forma de desconto. A
mensalidade sindical é paga pelos associados, sendo que o desconto em folha deve ser
autorizado individualmente pelo trabalhador, como forma de cessão de crédito, salvo de
previsto em norma coletiva a obrigação de o empregador descontar em folha de
pagamento.

ASIA
JAPÃO
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Pluralidade Sindical
Taxa de Filiação: 17,1%
Taxa de coberta das negociações coletivas: 11,8%
Eficácia das normas coletivas limitada aos associados
Predominância das Negociações: por empresa
Financiamento/Custeio: contribuição mensal de associados (de 1,5% a 2% do salário ou
de 2% a 3% se o sindicato pertence a uma Confederação), sendo que o desconto em
folha da contribuição é possível desde que previsto em acordo coletivo

CORÉIA DO SUL
Não é signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
A partir de 1995 passou a adotar o sistema da pluralidade sindical
Taxa de Filiação: 10,3%
Predominância das Negociações: por empresa
Financiamento/Custeio: os trabalhadores pagam mensalmente entre 1 e 2% do salário
para o sindicato, sendo que em torno de 10% do valor é revertido para a federação.

ÁFRICA
ÁFRICA DO SUL
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Efeito erga omnes da norma coletiva: sim, quando a maioria dos trabalhadores da
empresa sejam associados.
Sistema da Unicidade Sindical
Taxa de Filiação: 27%
Financiamento/Custeio: permite a inserção na negociação coletiva das cláusulas agency
shop1 e closed shop2.

ANGOLA
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Lei n.º 21-D/92 de 28 de Agosto - Lei Sindical

1
Sindicato e empregador ou organização de empregador poderão inserir no acordo coletivo a dedução
de uma contribuição (agency fee) dos salários dos trabalhadores identificados no acordo, ainda que não
filiados ao sindicato, desde que abrangidos pela negociação.
2
A lei autoriza a inserção no acordo da cláusula closed shop, estipulando que todos os trabalhadores
abrangidos pela negociação coletiva terão que se filiar ao sindicato, sendo permitida a demissão do
trabalhador que se recuse a filiar.
Sistema da Pluralidade Sindical, sendo considerado sindicato de base mais
representativo, o que conseguir representar pelo menos 30% dos trabalhadores dos
ramos e setores da atividade econômica ou profissional. Adquire personalidade jurídica
com o registro do estatuto no Ministério da Justiça
Predominância das Negociações: por empresa
Financiamento/Custeio: a cobrança das contribuições sindicais deve ser regulada na
negociação coletiva entre sindicato e empregadores ou associação de empregadores,
sendo vedada a cláusula closed shop3, inclusive com tipificação como contravenção
penal, passível de multa.
Os bens do sindicado são impenhoráveis sem o seu prévio acordo. Beneficiam-se de
isenções fiscais, nos termos de lei específica.
OCEANIA
AUSTRÁLIA
Signatária das Convenções 87 e 98 da OIT
Taxa de Filiação: desde 1976 está em declínio, tendo caído de 51% para 14%.
Taxa de coberta das negociações coletivas: 62%
Predominância das Negociações: por empresa
Financiamento/Custeio: as contribuições são pagas pelos trabalhadores filiados, que
variam em torno de 10 dólares por semana. A cláusula closed shop foi proibida na
década de 1990, sendo adotada a cláusula agency shop, como estratégia de
financiamento dos sindicatos diante da redução do número de associados e da existência
dos free riders. Porém, o Parlamento Australiano, aprovou uma lei que proibiu a
inserção da agency shop em acordos coletivos.

BRASIL
16.491 organizações de representação dos interesses econômicos e profissionais, sendo
5.251 de empregadores e 11.240 de empregados. Os sindicatos de trabalhadores são
10.817 (TEM)
Signatário da Convenção 98 da OIT e não signatário da Convenção 87
Taxa de Filiação (IBGE): 2015 (19,5%) e em 2017 (14,4%.)
Unicidade Sindical
Predominância das Negociações: por empresa, (Em 2014, de 50 mil instrumentos
normativos registrados no sistema mediador do MTE, 80,3% eram acordos coletivos)

3
A lei autoriza a inserção no acordo da cláusula closed shop, estipulando que todos os trabalhadores
abrangidos pela negociação coletiva terão que se filiar ao sindicato, sendo permitida a demissão do
trabalhador que se recuse a filiar.
Financiamento/Custeio: contribuição sindical de toda a categoria, mediante autorização
individual, prévia, expressa e por escrito dos trabalhadores (MP 873). Podem ser
exigidas dos sindicalizados a contribuição confederativa, as mensalidades associativas e
as demais previstas no estatuto ou normas coletivas.

Bibliografia
BUBBICO, David. O SINDICALISMO ITALIANO ENTRE CRISE DE
REPRESENTATIVIDADE E MUDANÇAS DAS RELAÇÕES INDUSTRIAIS. Lua
Nova, São Paulo, 104: 287-315, 2018.
GALVÃO, Andreia VARELA, Paula. Sindicalismo e direitos. Revista Politeia: História
e Sociedade Vitória da Conquista v. 11 n. 1 p. 241-257 jan.-jun. 2011.
GILFILLAN, Geoff; MCGANN, Chris. Trends in union membership in Australia,
2018. Disponível em:
https://www.aph.gov.au/About_Parliament/Parliamentary_Departments/Parliame
ntary_Library/pubs/rp/rp1819/UnionMembership acesso em 13.04.2019
IPEA. Mercado de trabalho: conjuntura e análise/Instituto de Pesquisa Econômica
Aplicada; Ministério do Trabalho e Previdência Social.- v. 22, n. 61, outubro/2016,
Brasília: IPEA: MTPS, 2016.
JULIANI, Marcos Lima. LA PROTECCIÓN DE LA ACTIVIDAD SINDICAL EN LA
LEY 17.940. Tese de Mestrado, Universidade de Montevideo.
NETO, Alberto Emiliano de Oliveira. Contribuições sindicais: modalidades de
financiamento sindical e o princípio da liberdade sindical: de acordo com a Lei
13.467/2017, LTR, 2019.
SONG, Ho Keun. Labour unions in the Republic of Korea: Challenge and choice,
1999. Disponível em: https://library.fes.de/pdf-files/gurn/00164.pdf acesso em
13.04.2019
TACHIBANAKI, Toshiaki e NODA, Tomohiko. The Economic Effects of Trade
Unions in Japan, MACMILLAN PRESS LTD, 2000.
WOLTHER, Anette. The Danish Trade Union Movement, Equality and Diversity,
Publisher: FIU-Equality, 2015.
ZAHN, Rebecca. New Labour Laws in Old Member States: Trade Union Responses
to European Enlargement.