Sie sind auf Seite 1von 3

Centro Candeia da Anunciação

HISTÓRIAS QUE O PAJÉ CONTOU

Por Ed Pellizzari

Aqui apresento algumas histórias e ditos do magnífico Pajé João (Seu João da Casa
Nova), também conhecido como o ‘Pajé Branco do Sertão’, fundador da Linha do
Jurá ou da Candeia, uma tradição de Pajelança Cabocla.

O CACHIMBO DO PAJÉ

Pajé João não tirava o cachimbo da boca. Por que, pajé? Todo mundo perguntava.

- Moisés não largava o bastão, Salomão não tirava a coroa, João Batista sempre
vestia pele de camelo e o Senhor Jesus não cortava o cabelo. Este é o mistério. Cada
qual com seu costume e cada costume com seu segredo!

A CURA DE TODOS OS MALES

O Pajé João caminhava pela floresta e avistou uma magnífica árvore. Ela tinha uma
grande fenda e dentro dela estava uma mulher acocorada.

Quando a mulher percebeu a chegada do pajé, ela emitiu um estranho som: xssss,
xssss! João imediatamente parou e perguntou:

- Quem é você?

“Sou Aquela que Cura Todos os Males. Escondo-me na floresta longe dos homens e
quero permanecer sozinha.”

O Pajé João argumentou:

- Minha mãe! Você deveria andar livremente entre os homens, caminhar pelas
cidades, vilas e aldeias. Por que fica aqui escondida? Isto parece contra a vontade
de Deus!

1
A misteriosa mulher colocou seu rosto entre as pernas e com uma voz rouca e triste
disse:

- “Passei de casa em casa, bati em cada porta. Estive em todas as aldeias e em cada
pedaço de vila. Ninguém se aproximou de mim, não recebi abrigo ou alimento. Fui
uma sombra ao redor dos vivos e nem os mortos me reconheceram.”

Surpreendido, o velho pajé perguntou:

- Impossível. Que forma tinha você?

A mulher da árvore elevou a voz majestosamente e falou:

- “A de um sonho.”

A MÃE DAS TRÊS PALAVRAS

Certa vez Mestre João viajou até a Tribo da Lua, um mundo invisível onde residem as
pajoas (pajé mulher) de grande saber. Lá ele encontrou a "Mãe das Três Palavras",
uma anciã de aspecto muito terno e sábio.

A Mãe aproximou-se de Mestre João e disse:

- “Pajé, o mundo está de cabeça para baixo. As palavras que saem da boca dos
homens são vomitadas. Os pensamentos parecem cocares de serpentes. A alma
deles é vazia e magra. Quando o tempo desta gente se esgotar e o fim chegar (o Fim
do Mundo), o que você fará?”

Mãezinha, disse Mestre João, neste dia não estarei mais lá no mundo. Já terei
cumprido minha missão. Mas aqueles que me seguirem, guardando a candeia no
coração e orando por seu irmão, terão a alma engordada e repleta de luz. O Pai os
transformará em sementes que renascerão nas flores da nova terra. Flores de um
mundo melhor que o nosso!

A FORÇA ESPIRITUAL

O compadre Atahualpa de Aquino foi o primeiro a compilar os ditos e mensagens do


Pajé João. Certa vez, depois de uma caminhada pela mata, Aquino perguntou:

- Mestre João, de onde vem a força espiritual?

Falou o Mestre:

- “A força espiritual vem de dentro, sabe? Lá no coração da alma mora um bicho


muito grande. Grande e cabeludo! Ele vive dentro da gente e a gente vive dentro
dele... Duelamos com ele, brigamos o tempo todo. Perdemos tempo com isso e

2
gastamos a vida. Temos que montar na fera. Nós não matamos o dragão. Apenas
montamos. Então descobrimos que o bicho era a gente e a gente era o bicho.”

A VIDA ESPIRITUAL

Em que consiste a vida espiritual?

O Pajé João disse:

- “Viver entre dois mundos, morrer para um e nascer em três. Um é o Mundo da


Escuridão, dois são os Mundos dos Ancestrais e três são os Mundos Espirituais.”

ANTES DO MUNDO

Certa noite o Pajé João disse:

- “Cada palavra da Bíblia foi criada antes do mundo. Tudo o que existe já existiu
antes. Você, eu, nós todos somos repetições! Já viemos, fomos e agora estamos.

Se você lê a Palavra de Deus com esta certeza na mente, com minha promessa vai
aprender muito. Mas não é comigo não! É com o Dom. Quem é o Dom? É ‘Aquele’
que estava aqui antes de existir a noite e o dia.”

A FILHA DOS ESPÍRITOS

Uma noite, durante uma Candeia (sessão espiritual de cura), um discípulo do Pajé
João adormeceu profundamente. Ele sonhou que foi levado para um mundo
distante, mais colorido e brilhante. Lá ele conheceu muitos espíritos e encontrou
uma linda mulher chamada Brisa da Lua.

Brisa da Lua ofereceu casamento ao discípulo, mas ele recusou. Ele já era casado no
Mundo dos Homens e tinha cinco filhos. O espírito então sugeriu que ele se tornasse
seu amante. O discípulo também recusou a oferta, pois amava profundamente sua
mulher.

Brisa da Lua fez um último pedido:

- “Então permita que eu me torne sua filha!”

O discípulo deu sua permissão e um ano depois nasceu uma formosa menina. Ela foi
chamada de Maria Bárbara em homenagem à santa dos ventos (Santa Bárbara) e ao
espírito do sonho.

Maria Bárbara tornou-se uma grande curandeira e formou sua própria família de
discípulos. Sua beleza era impactante e espectral. Ela parecia uma fada encarnada
entre os mortais. Os ensinamentos de Maria Bárbara foram recolhidos por seus
afilhados e transmitidos dentro da tradição da Pajelança do Jurá.
3