Sie sind auf Seite 1von 57

Apostila de Dinâmicas

Paróquia Santo Agostinho


1. Dinâmica do cego
2. Dinâmica da arvore da vida
3. Dinâmica da confiança
4. Dinâmica de perguntas sem respostas
5. Dinâmica da cruz
6. Dinâmica: homem x mulher
7. Dinâmica do eu te amo
8. Dinâmica do barbante:
9. Dinâmica do caminho:
10. Dinâmica sobre os dez mandamentos:
11. Dinâmica do copo com água:
12. Dinâmica de montar Deus:
13. Dinâmica da oração:
14. Dinâmica do aviãozinho:
15. Dinâmica – E agora, o que faremos
16. Dinâmica O Tribunal- o julgamento da Igreja Católica
17. Dinâmica do barbante 2:
18. Dinâmica das cadeiras:
19. Dinâmica do Casulo:
20. Dinâmica do nascimento:
Dinâmicas – sobre bíblia
21. Frases em quebra-cabeça
22. Dominó bíblico
23. Figuras - símbolos
24. Desenhos simbólicos
25. Caça objetos
26. Memorização de versículos.
VARIAÇÕES
27. Jogo do Eco
28. Com Bola
29. Esconde - esconde
30. Com fantoches
31. Seu mestre mandou...
32. Casas numeradas
33. Apague uma palavra
34. Variação - apagar letras
35. Bingo de Jesus
36. Perguntas e respostas:
37. Desvende o enigma!
38. Mímica
39. Perguntas
40. Versículo embaralhado
41. Colhendo sementes
42. Perguntas e respostas
43. Adivinhe quem é
44. Abc...
45. Bombardeio de perguntas
46. Personagens célebres
47. Evangelho em pedaços
48. O cego Bartimeu
49. Caminhando entre obstáculos.
50. Autódromo
51. Jogo da velha
52. Seu Noé posso ir?
53. Chamada bíblica
54. Corrente de personagens
55. Quem sou eu?
56. Qual a ligação?
57. Pescaria
58. Jogo da flor
59. Mão no sino
60. Tomé, onde está a tua fé?
61. A troca de um segredo
62. Círculo fechado
63. Rótulo
64. Garrafas de graça
65. Caminhando entre obstáculos
66. Desejar ao próximo o que deseja a si mesmo
67. Virtudes e defeitos
68. Jesus, o sacramento do encontro
69. Painel significativo
70. Fábrica de perguntas
71. Trabalhar o texto:
72. Dinâmica da parábola
73. Viver a palavra de deus
74. Luz do mundo
75. Luz versus medo
76. União faz a força
77. O 13º discípulo
78. Benditas sejam estas mãos
79. Bênção das mãos (Diann Neue)
80. Abra o olho meu irmão.
81. Nome e significado
82. Amar ao próximo.
83. Seguindo o chefe
84. Ilha deserta –
85. Transporte sem mãos –
86. Caixa de segredos –
87. Jogo das virtudes –
88. Descobrindo a quem pertence
89. Dinâmica do coração
90. Marcas do que eu sou
91. Desatando os nós
92. Nem o meu, nem o seu, o nosso
DINÂMICAS PARA EVANGELIZAÇÃO

1. Dinâmica do cego

Formam-se duplas de crismandos, um irá vendar os olhos do outro de forma que ele
na enxergue nada. Enquanto isso, os catequistas formarão um caminho cheio de
obstáculos. Caberá ao que tampou os olhos, guiar o “cego” pelo caminho, até
concluí-lo.

2. Dinâmica da arvore da vida

Duas arvores devem ser colocadas no meio da turma. Cada crismando, receberá
papel (2 pedaços) e caneta, escrever em um as coisas boas de sua comunidade e
por na arvore bonita, e escrever o que há de ruim e colocar na arvore feia, e
comentar a respeito.

3. Dinâmica da confiança

Um crismando terá os olhos vendados, e subirá em uma cadeira. Responderá


algumas perguntas e será orientado a cair para traz sem saber o que lá tem, (alguns
catequistas o segurarão).

4. Dinâmica de perguntas sem respostas

Os crismandos formam grupos, e a cada grupo é dado uma serie de perguntas sem
respostas. Em seguida, cada grupo receberá outras respostas sem sentido, e
tentaram responder as perguntas com as possíveis respostas.

5. Dinâmica da cruz
Uma grande cruz é posta no centro da turma, aos crismandos, são dados 5
sugestões das coisas mais importantes da vida dele, e ele terá de colocar em
ordem, em cada canto da cruz, a nível de sua importância.

6. Dinâmica: homem x mulher

Homens e mulheres, separados em dois grupos, o foco, é um lado defender o outro


lado.

7. Dinâmica do eu te amo

É idêntica a dança das cadeiras, uma pessoa fica em pé, e escolhe e outra e fala
que a ama, e explica o motivo, quando for respondido, todos devem trocar de lugar.

8. Dinâmica do barbante:

Faz uma roda, com um algumas pessoas ao centro, quem está em volta, fala um
problema que o deixa de fora da busca por Jesus e joga o barbante para outra
pessoa, até se formar uma teia que prende quem está ao centro, que depois
deverão sair dela.

9. Dinâmica do caminho:

Uma pessoa tem os olhos vendados, e precisa passar por um caminho cheio de
obstáculos e com muito barulho tentar escutar quem a guia.

10. Dinâmica sobre os dez mandamentos:

Divide-se a turma em grupos e cada um reflete sobre um mandamento como ele


leva a felicidade.

11. Dinâmica do copo com água:

Esponja, comprimido e frasco de perfume- qual a reação deles na água que


simboliza o amor

12. Dinâmica de montar Deus:


Separe as turmas em grupos e lhes entregue uma passagem, eles precisaram
identificar qual órgão do corpo é mencionado e montar uma figura.

13. Dinâmica da oração:

Todos oram muito rápido ou de forma desordenada e depois se pergunta o que


estavam mais preocupados, em orar ou em terminar logo?

14. Dinâmica do aviãozinho:

Uma folha de papel será dada a todos, com a habilidade, os catequistas lhe
ensinarão a montar um avião que se tornará uma cruz. E ao mesmo tempo, os
restos formarão a palavra lixo.

15. Dinâmica – E agora, o que faremos

Ainda com o louvor em andamento, os catequistas vão se retirando e se


escondendo, até que o ultimo faça isso e os crismandos fiquem sozinhos por um
tempo e reajam de várias formas.

16. Dinâmica O Tribunal- o julgamento da Igreja Católica

Dois grupos serão separados, e montados um júri, com advogados, juiz


testemunhas. A dinâmica será o julgamento da Igreja, com acusação e defesa
atuando.

17. Dinâmica do barbante 2:

Cortar pedaços de barbante e pedir para que os grupos formem figuras com eles – a
dinâmica tem por objetivo mostrar como a Igreja precisa ser formada por pessoas
unidas.

18. Dinâmica das cadeiras:


Escolhe-se 4 pessoas para, que formarão um circulo sentadas em uma cadeira, em
seguidas, cada uma deita no coloca da outra e as cadeiras são retiras, se uma
pessoa cair ou se mexer, as outras também farão o mesmo. – foco da dinâmica,
mostrar como estamos unidos.

19. Dinâmica do Casulo:

Um catequista será colocado dentro de um casulo para simular a dificuldade de


nascer – isso serve para chamar a atenção e não pensarem apenas no nascimento.

20. Dinâmica do nascimento:

Uma grande fila de pessoas deitado no chão será formada. Uma pessoa terá de
passar por debaixo de todas.

Dinâmicas – sobre bíblia

21. Frases em quebra-cabeça

A) Bíblia, história de um povo vivida e escrita em mutirão.

B) Bíblia é a história de um povo que encontrou Deus e como Deus conduziu o seu
povo.

C) A Bíblia é uma espécie de Biblioteca. Contém 73 livros diferentes.

D) A Bíblia está em função da vida.

E) O fio condutor da Bíblia é a Aliança: pacto de amor entre Deus e seu povo.

F) A Bíblia é a palavra que nos faz olhar a realidade, escutar o clamor do povo, arder
o coração para amar a Deus e ao próximo.

(A) - Escrever as frases em faixas e transformá-las em um quebra-cabeça.

- Dar a cada grupo um envelope com o quebra-cabeça.


- Fazer o grupo montar a frase, discuti-la e apresentá-la a todos os participantes.

(B) - Usar uma frase única, por exemplo, a 1ª colocada acima.

- Escrever várias vezes a mesma frase.

- Ao recortá-la em pedaços, estes devem ser misturados, pelo menos um pedaço, e


colocados em um envelope.

- Cada grupo tenta montar o quebra-cabeça, mas vai encontrar dificuldade. Estas
serão solucionadas quando o grupo perceber que parte de sua frase está com outro
grupo.

- A discussão precisa estar voltada ao que diz a frase e às dificuldades encontradas


na montagem.

22. Dominó bíblico


Peça principal: Bíblia. Outras: Novo Testamento, Antigo Testamento, Aliança, 46
livros, 27 livros, 73 livros, Biblioteca, povo, Deus, comunicação, Palavra de Deus,
versículo, capítulo, Gênesis, apocalipse, Evangelhos, Palestina, Jesus, juízes,
profetas, parábolas...

- Distribuir as palavras, uma ou duas por pessoa.

- Possibilitar que cada pessoa forme uma frase com a Palavra recebida
relacionando-a com a Bíblia.

- Após, motivar para juntar as palavras recebidas formando frases assim: A Bíblia é
a comunicação de Deus para com seu povo.

- Estas frases serão repetidas ou escritas em um papelógrafo ou quadro.

- Colocar no chão a palavra BÍBLIA e convidar o grupo a formar um dominó. Uma


palavra precisa estar relacionada a outra e dizer o porquê.
Ex.: O que tem a ver Deus com Bíblia? Aliança com Deus? Antigo Testamento com
Aliança?

23. Figuras - símbolos


- Distribuir figuras ou desenhos e através deles cada participante responderá: O que
é a Bíblia? Posso compará-la...

Ex.: A Bíblia é o sal que dá sabor e sentido à vida.

- A Bíblia é como fogo que ilumina, abrasa, dá calor, purifica e transforma a vida.

- A Bíblia é como uma bicicleta: a roda da frente é a realidade da vida, a Bíblia é a


roda de trás que move a nossa fé.

Todos precisam estar em sintonia com as duas para caminhar na vida e continuar a
história da salvação e assim construir a felicidade.

24. Desenhos simbólicos

Usar cartões com desenhos simbólicos para uma maior compreensão do que é a
Bíblia.

Ex.: lâmpada, água, pão, mapa, álbum de fotografias, martelo, mel, presente, chuva,
coco, fogo, semente,...

REPRESENTAR PERSONAGEM

Representar personagens que compõem o povo de Deus e sua história: Abraão e


Sara (Gn 12, 1-9), Moisés (Ex 3, 1-10), Josué (Js 1, 1-9), Débora (Jz 4, 1-10), Davi
(1Sm 16, 1-13), Jeremias (Jr 1, 4-19), Amós (Am 3, 3-12), João Batista (Lc 3, 1-
20), Maria (Lc 1, 39-56), Jesus (Lc 24, 13-35), Paulo (At 9, 20-30).
25. Caça objetos
Material: Bíblia, chave bíblica, apito, placar para anotar pontos
Selecione objetos fáceis de encontrar no local onde será realizada a gincana e
usando uma chave bíblica, escolha um versículo onde aquele objeto aparece:

Gênesis 11. 3: (TIJOLO) / Juizes 19. 5 (PÃO) / Lucas 14. 34 (SAL) / Provérbios 6. 6
(FORMIGA) / Mateus 16. 19 (CHAVE) / Jó 6. 6 (OVO) / I Timóteo. 6. 10 (DINHEIRO)
/ Atos 1. 5 (ÁGUA) / Ester 8. 2 (ANEL) / Mateus 3. 4 (CINTO) / Gênesis 1. 1
(TERRA) / Hebreus 12. 15 (RAIZ) / Gênesis 14. 23 (SANDÁLIA) / Neemias 2. 3
(FOGO)

Divida a turma em times. Faça uma fila com cada time, assim, somente o primeiro da
fila irá procurar o objeto, até que todos tenham chance de participar. Leia o versículo
dando ênfase à palavra/objeto a ser procurado. Ganha pontos para o seu time o
primeiro que retornar com o objeto pedido; você pode dar pontos também para os
demais que conseguirem o objeto até um determinado tempo. Use um apito para
avisar que o objeto já foi achado ou que o tempo terminou.

26. Memorização de versículos.

Explique o significado do versículo.

Certifique-se de que os catequizandos entendem o significado de todas as


palavras, principalmente as difíceis, para evitar que memorizem coisas que não
entendam ou desenvolvam conceitos errados.

Ajude-os a procurar o versículo em suas próprias Bíblias.

Ajude-os a fazerem associações de imagens ao versículo, se ele permite isso.


(que imagem vem a sua cabeça ao falar a palavra "Nike"? É a marca bem conhecida
ou um de seus produtos; isto acontece porque a empresa associou o seu
emblema...). Associações com imagens, ajudam a Palavra de Deus a permanecer
nos corações dos catequizandos).

Mescle o verso com todos os aspectos da história/lição/encontro.


Prepare-se como catequista: Saiba o verso que você vai ensinar de memória.
E o coloque em local bem visível a todos na sala (quadro de giz, cartaz, etc..)

Parabenize através de palavras ou prêmios. Psicólogos nos lembram que


memorização acontece com maior eficiência se algum tipo de recompensa é dado
ao catequizando - seja cumprimentos, certificados, troféus, prêmios...

Descubra o que motiva cada um a aprender a Palavra de Deus. Para umas,


basta desafiá-las a guardar a Palavra de Deus em seu coração; para outras é
necessário algum tipo de recompensa palpável.

Para guardar a referência, diga o nome do livro, capítulo e verso antes e


depois do verso em si.

Para todas as idades a chave para a memorização é a repetição. Torne-a


divertida! Seja criativo! Versos estudados apenas uma vez são facilmente
esquecidos. Revisões ajudam a guardar o que aprenderam e a tornar o verso parte
de suas vidas.

Seja seletivo: é preferível aprender uns poucos versos e sabê-los do que


tentar memorizar muitos versos e não consegui-lo bem.

Não despreze, não menospreze ou contribua para uma sensação de fracasso


naqueles que aprendem mais devagar.

Mande o verso para casa, de alguma forma impressa/escrita. Se possível algo que a
criança mesma tenha feito. Seja criativo! A chave para ensinar a decorar versículos
na catequese está nas palavras

VARIAÇÕES

27. Jogo do Eco


O catequista diz o verso; a turma toda ecoa.
O catequista então deve dizer alguma característica, por exemplo: olhos azuis, os
meninos, as meninas, cabelos castanhos - assim ao dizer o verso, somente Os
catequizandos que têm a característica mencionada devem ecoar o versículo.

28. Com Bola


Forme um círculo com os catequizandos e deixe que joguem uma bola entre si; ao
comando do catequista, devem parar o jogo e aquela que estiver com a bola deve
dizer o versículo (pode-se estipular que a criança que está de cada lado da que tem
a bola deve dizer o verso também).

29. Esconde - esconde


Escreva cada palavra do verso em um pedaço de papel ou outro objeto. Divida a
turma em 2 grupos. Um grupo esconde as palavras e o outro deve encontrá-las e
arrumar o versículo. Para dificultar você pode acrescentar algumas peças com
palavras que não fazem parte do versículo daquele dia.

30. Com fantoches


Um fantoche deve dizer o verso com alguns erros e perguntar Os catequizandos
"Acertei?". Os catequizandos o corrigem e dizem o verso correto; o fantoche tenta
novamente e erra em outro trecho; sendo novamente corrigido. Repita algumas
vezes, mas pare antes que Os catequizandos enjoem da brincadeira.

31. Seu mestre mandou...

Seu mestre mandou: falar o versículo enquanto pula; falar o versículo segurando a
ponta do nariz; com a mão no joelho; fazendo caretas; etc..
32. Casas numeradas
Desenhe com giz, uma "casa" no chão para cada criança; numere de 1 a 6, mesmo
que os números se repitam. Toque uma música e enquanto isso os catequizandos
devem passear ou dançar. Ao parar cada criança deve ocupar uma casa (não pode
ter mais de uma criança em cada casa). Peça a uma delas que jogue um dado (você
pode fazer um bem grande com uma caixa de papelão ou pedaço de espuma firme)
e Os catequizandos que estiverem na casa com o mesmo número do sorteado
devem falar o versículo.

33. Apague uma palavra


Escreva o versículo todo no quadro. Leia com os catequizandos o versículo todo.
Apague uma palavra, leia novamente, apague outra palavra, e assim
sucessivamente até apagar tudo.

Você pode pedir que venham ao quadro para apagar ou apagar mais de uma
palavra de cada vez de acordo com a dificuldade do verso.

34. Variação - apagar letras


Escreva o versículo todo no quadro. Leia o versículo todo. Peça que escolham uma
letra e apague-a de todas as palavras onde ela aparece. Pode ser mais fácil para
crianças pequenas, que embora ainda não estejam alfabetizadas, já reconhecem
algumas letras soltas.

35. Bingo de Jesus

Material: papel, canetas, grãos de feijão ou milho.


Faça diversas cartelas de Bingo com papel e caneta: cada cartela deve ter 5
respostas, procure misturar bem, não fazendo 2 cartelas iguais.

Escreva as perguntas em tiras de papel, coloque-as num saco, e vá


sorteando uma a uma.

Leia cada pergunta em voz alta. Quem encontrar a resposta em suas cartelas
deve marcar, colocando um grão de milho sobre a resposta.

A criança que primeiro marcar as 5 respostas deve gritar "Bingo de Jesus".

Confira também em voz alta as perguntas e respostas, para ver se a criança


marcou as respostas corretas e também para que as demais confiram suas próprias
cartelas. Dê um prêmio (presentinho, cartão, bala, etc..) Ao vencedor. Você pode
continuar sem que desmarquem as cartelas, até ter o segundo e terceiro colocados.

36. Perguntas e respostas:

Pecado é... Desobediência a Deus

Nome do pai adotivo de Jesus... José

Cidade onde Jesus nasceu... Belém

Quando pecamos ofendemos a ...Deus

Nome da Mãe de Jesus... Maria

Principal coisa que Jesus ensinou... Amar a Deus a ao próximo

Desenho que simboliza o amor de Deus... Cruz

Anjo que avisou Maria do nascimento de Jesus... Gabriel

Pessoas que vieram do Oriente para visitar Jesus... Reis Magos

Pessoa que Deus prometeu enviar ao mundo... Jesus Cristo

Saudação do anjo à Maria... Salve cheia de graça!


Quantos anos Jesus tinha quando ficou no Templo... 12 anos

Jesus é o .... Do mundo. Salvador

Nome do Pai de Maria... Joaquim

Cidade onde Jesus morou na infância... Nazaré da Galiléia

Deus está sempre pronto para nos... Perdoar

Nome da Mãe de Maria... Ana

Mãe de João Batista... Isabel

O que Jesus é de Deus... Filho

Resposta de Maria a Deus... Eis aqui a serva do Senhor!

Pai de João Batista... Zacarias

Qual o grau de parentesco entre Isabel e Maria... Primas

Ser profeta é... Evangelizar

Jesus nasceu numa... Manjedoura

Quem batizou Jesus... João Batista

O Espírito Santo desceu sobre Jesus na forma de... Pomba

Onde João Batista batizava o povo... Rio Jordão

Diz a Bíblia que Jesus crescia em... Sabedoria e graça

O que Jesus tem para cada um de nós... A salvação

37. Desvende o enigma!

Cada grupo recebe uma folha com uma frase incompleta e as pistas. O grupo que
primeiro completar a tarefa corretamente, ganha os pontos. Os demais grupos que
completarem a tarefa corretamente, num tempo máximo pré-estabelecido, podem
ganhar metade dos pontos que vale esta tarefa.

(Depende a tradução/versão de sua Bíblia. A Bíblia usada ao compor as pistas


abaixo, foi a Tradução de Ferreira Almeida Revista e Corrigida).

A frase a ser encontrada é: "A luz deve resplandecer, o sal não pode ser insosso,
não devemos pertencer ao mundo, mas estar no mundo para mostrar o grande amor
de Deus aos cativos".

Apresente a frase assim:

"_____ _____ _____ _____ , o _____ não pode ser _____ , _____ devemos _____
ao _____ , _____ _____ no _____ , _____ _____ o _____ _____ de _____ aos
_____ . "

Pistas:

(estão na mesma ordem das palavras da frase; para complicar, você pode ainda
mudar a ordem).

 Artigo definido feminino.


 Que tinham os filhos de Israel em suas habitações (êxodo 10).
 Se alguém manda, o outro _________ obedecer (o verbo que entra aqui é o
mesmo que cabe na frase...)
 Em II Coríntios 4,6 um verbo se repete por duas vezes. Passe este verbo para o
infinitivo.
 Hipertensos não podem comer o composto químico que resulta da ação entre um
ácido sobre uma base.
 Sinônimo de insípido.
 Monossílabo encontrado depois do ponto e vírgula do versículo de Naum 3.1
 Símbolo matemático que relaciona elementos com conjunto, no modo infinitivo.
 Que é de Deus, juntamente com sua plenitude descida nos salmos 50.
 No salmo 15, qual é a 59ª palavra? (palavras com hífen contam como uma só).
 I Coríntios 10.12, Tiago 5.9 e Apocalipse 3.20 tem um verbo em comum.
Coloque-o no infinitivo.
 Deus amou algo de tal maneira... Mas em Tiago 4.4 ele pede para não ter
amizade ao que ele amou, porque o Reino de Deus não pertence ao que ele
amou, como está no livro de João 18.36.
 Em Josué 18.21-28 é citada uma cidade de Benjamim, que tirando o acento
(mudando a sílaba tônica) forma a palavra que estamos procurando. Obs. Existe
um local no Brasil com o mesmo nome da cidade de Benjamim.
 As ações que Deus fez em comum nos versículos Deuteronômio 34.1 e
Apocalipse 22.1 no modo infinitivo.
 Em Mateus 15. 21-28 Jesus usa um adjetivo para qualificar a fé de uma mulher.
Que adjetivo é esse?
 Segundo I João 4.16, Deus é ___?
 Quem é este ser? Infinito, supremo, criador e conservador do universo... Nosso
Pai..

38. Mímica

Determine quantos pontos esta tarefa irá valer.

Cada grupo escolhe um dramatizador e um versículo, sem deixar que os grupos


adversários escutem.

O dramatizador através de mímicas e gestos (ou o grupo todo, através de cenas


mudas) apresenta o versículo escolhido.

Ganha ponto o grupo que adivinhar primeiro o versículo que o outro grupo
apresentar.

Determine antes o tempo disponível para cada grupo apresentar seu versículo.
Os dramatizadores devem ser mudados a cada rodada para que mais
catequizandos possam participar.

Outra sugestão é utilizar músicas e corinhos (refrões) conhecidos do grupo, e


colocar seus títulos num papel.

Vocês podem determinar antecipadamente se o grupo tentará dramatizar uma parte


da música, só com gestos, para que os demais adivinhem, ou se tentarão cantarolar
(sem cantar a letra) ou assoviar a música para que os demais adivinhem

39. Perguntas

Determine as regras previamente. Pode ou não consultar Bíblias e livros?

· Opção 1: Dê a cada grupo uma folha numerada, com espaço para cada pergunta.
Leia cada pergunta em voz alta e dê um pequeno tempo para responderem; passe
para a pergunta seguinte. Ao final cada grupo escreve o seu nome na folha e passa
para outro grupo, que fará a correção. Leia novamente cada pergunta e dê as
respostas para que eles corrijam.

· Opção 2: Peça a cada grupo para eleger um representante. Dê a cada


representante um papel com uma pergunta. Deixe-os voltar ao grupo para
responder. Só serão contabilizadas respostas escritas no papel. Convide os
representantes a dizerem a resposta, marque pontos para todos que acertarem. Dê
um novo papel com a pergunta seguinte.

· Opção 3: Providencie uma campainha (ou balões de gás para estourarem) para
cada grupo. Leia a pergunta em voz alta, o grupo que primeiro tocar a campainha
pode responder e ganha os pontos se acertar. Se errar a pergunta passa para o
outro grupo valendo menos pontos.

· Opção 4: Através de sorteio determine o grupo que começa primeiro. As perguntas


são feitas alternadamente entre os grupos. Se acertar ganha os pontos, se errar,
passa-se para o grupo seguinte com outra pergunta. Procure ordenar as perguntas
com mesmo grau de dificuldade.
Antigo testamento
 No 1º relato da Criação do Mundo, que dia Deus criou os animais? (quinto -
Gênesis 1: 21-23)
 No 2º relato da Criação do Mundo, não diz que Adão e Eva não deveriam comer
uma maçã. Que fruta não deveriam comer e comeram? (Do conhecimento do
Bem e do Mal - Gênesis. 2: 16-17)
 Nome do homem mais velho da Bíblia? (Matusalém - Gênesis 5:27)
 Quem construiu uma arca? (Noé - Gênesis 7: 13-16)
 Qual o primeiro pássaro solto após o dilúvio? (Corvo - Gênesis 8: 7-8)
 Quem libertou o povo hebreu da escravidão no Egito? (Moisés - Êxodo 3: 10-13)
 Quem foi o sucessor de Moisés escolhido por Deus? (Josué - Josué 1: 1-2)
 Um homem famoso por sua grande força? (Sansão - Juizes, 15: 14-15)
 Qual era a atividade de Davi antes de ser ungido rei de Israel? (Pastor de
ovelhas - I Sm. 16:11)
 Pequeno Davi que matou o gigante Golias se tornou um grande rei. Qual o nome
do seu filho, também um rei? (Salomão - I Reis 1:13)
 Em que livro da Bíblia narra que um ferro saiu de um rio flutuando? (II Reis 6:6)
 Qual a mulher na Bíblia que criou asa e não voou? (Maaca, mãe de ASA, rei de
- I Reis 15:9 e 10)
 Onde é encontrada na Bíblia a palavra "bairro"? (II Reis 22)
 Onde foi escrita a maior parte do Antigo e também do Novo Testamento?
(Palestina)
 Como se chama o conjunto dos 5 primeiros livros da Bíblia? (Pentateuco ou
Livros de Moisés)
 Qual o menor livro do Antigo Testamento? (Obadias)
 Livros da Bíblia com nome de mulher (Rute e Ester).

Novo testamento
 Nomes dos pais de Jesus. (José e Maria - Mateus 1: 18-19)
 Nome dos 12 apóstolos - dê 1 ponto por nome correto e mais 5 pontos para cada
grupo que acertar todos os nomes. (Simão Pedro, André, Tiago, João, Filipe,
Bartolomeu, Tomé, Mateus, Tiago, Judas Tadeu, Simão, Judas Iscariotes -
Mateus 10: 2-4)
 Quem batizou Cristo e onde? (João Batista e o Espiríto Santo na forma de
uma pomba / Rio Jordão - Mateus 3: 13)
 Cidade onde Jesus morreu? (Jerusalém - Mateus 21)
 Quantos discípulos de Jesus eram pescadores? (quatro - Marcos 1: 16-20)
 Quem traiu a Jesus? (Judas - Marcos 14: 43-44)
 Quem negou a Jesus 3 vezes? (Pedro - Marcos 14: 66-72)
 Qual a "Cidade de Davi"? (Belém - Lucas 2:4)
 Nome do Jardim onde Jesus fez sua última oração? (Getsêmani - Lucas 22: 39-
46)
 Quem enviou os sacerdotes e levitas a Jerusalém para saber de João Batista?
(Judeus - João 1.9)
 Que João Batista respondeu? (Eu sou a voz que chama no deserto - João
1.23)
 Qual o primeiro milagre de Jesus? (João 2: 1-12)
 Complete a frase de Jesus: "Eu sou o caminho, a verdade, ...." (.. E a vida,
ninguém vem ao Pai senão por mim" - João 14: 6)
 Discípulo que duvidou da ressurreição de Jesus (Tomé - João 21 24-25)
 Quem primeiro viu Jesus depois da sua ressurreição? (Maria Madalena - João
20:18)
 Qual o discípulo que andou sobre as águas com Jesus? (Pedro)
 Qual o livro histórico do Novo Testamento? (Atos)
 Em que livro fala de um homem que foi arrebatado ao terceiro céu? (II Coríntios
12:2)
 Qual o apóstolo escreveu o maior número de cartas / epístolas? (Paulo - 13 no
total)
 Livro da Bíblia com o menor número de versículos. (II João)
 Qual o último livro da Bíblia? (Apocalipse)
 Em que parte da Bíblia encontramos histórias de Jesus e acontecimentos após a
sua morte e ressurreição? (Novo Testamento)


40. Versículo embaralhado
Escolha um versículo da Bíblia, quanto mais "desconhecido" mais difícil a tarefa.
Escreva este versículo numa folha em branco e recorte as palavras (procure fazer
cortes retos e iguais para que o desenho). Coloque as palavras misturadas num
envelope e dê um a cada grupo para que montem o versículo. Decida se irá permitir
aos grupos consultar a Bíblia. O grupo que acabar primeiro ganhará (10 pontos).

Ex.: "Alegra-te, mancebo, na tua mocidade e recreie-se o teu coração nos dias da
tua mocidade e anda pelos caminhos do teu coração... Sabe, porém, que por todas
estas coisas te trará Deus a juízo." (Eclesiastes 11:9) .

41. Colhendo sementes

Introdução: "Se a palavra de Deus é a semente, que podemos fazer para conseguir
uma colheita rápida de sementes."

Todos os grupos recebem uma mesma palavra ou expressão. A corrida é para ver
quantos versículos com a palavra dada, o grupo pode achar e escrever numa lista. O
versículo precisa ser todo escrito, com a respectiva referência. Estabeleça o tempo
antes de iniciar o jogo. (5 ou 10 minutos). Você pode dar pontos apenas para o
grupo que conseguir mais versículos ou dar 1 ponto por versículo encontrado, para
cada um dos grupos.

42. Perguntas e respostas

Dois pedaços de papel e um lápis são dados a cada um, que deverá escrever uma
pergunta bíblica em um dos pedaços de papel, colocando a resposta correta em
outro. As perguntas são colocadas numa cesta, e as resposta, noutra, sendo
redistribuído, depois, a cada participante um papel de cada cesta. Alguém começa
lendo a pergunta recebida, e a pessoa que tem a resposta certa deverá levantar-se
e lê-la dentro de trinta segundos. Se não o fizer, qualquer que saiba poderá
responder, e quem tiver o papel com a resposta pagará uma prenda. O jogo
continua, fazendo a nova pergunta sempre quem tiver a resposta anterior.
43. Adivinhe quem é
Você deverá escolher personagens Bíblicos e tentar fazer com que os participantes,
descubram quem ele é, somente representando suas características ou fatos
relacionados a eles, através do uso de mímica (não vale escrever nada, nem falar).
Quem souber, vai acumulando pontos.

Exemplos: Noé (arca), Jonas (baleia), Davi(Golias), Daniel(Leões), Salomão


(templo), Elias (carro de fogo), Gideão (porção de lã), Sansão (cabelos compridos),
Josué (trombetas), José (túnica de várias cores), Judas...

44. Abc...

Formam-se dois ou mais grupos. Um dos Grupos inicia a brincadeira dizendo um


verso que comece com a letra A, O outro da direita, diz logo a seguir, um versículo
que comece com a letra B, e assim por diante. Se algum grupo não puder dizer um
verso que inicie com a letra que lhe cabe, o próximo poderá dizê-lo, ganhando assim
o ponto. Quem marcar menos pontos, paga prenda.

45. Bombardeio de perguntas


Divida o auditório em grupos contendo o mesmo número de pessoas e distribua-os
pelos diferentes cantos da sala, cada grupo escolhe um representante. Os membros
do grupo se reúnem e escolhem algum objeto ou o nome de um personagem
encontrado na Bíblia, que deverá ser adivinhado pelos outros. Cada representante
vai, então, para um grupo diferente. Quando o representante de outro grupo chega
no círculo, todos os membros do mesmo lhe dirigem perguntas, às quais só podem
responder <sim> ou <não>, <não sei>. O grupo que descobrir o objeto ou o
personagem escolhido bate palmas ruidosamente. Podem ser escolhidos novo
representantes e o jogo recomeça.
46. Personagens célebres
Escrever o nome de personagens bíblicos com número compatível ao de
participantes, sem conhecimento dos mesmos. Fixar nas costas de cada um. Todos
passearão pelo ambiente e através de mímicas procurarão fazer com que cada
participante identifique o personagem que está afixado em suas costas. Quem
suspeitar de qual seja o seu personagem falará ao catequista, se estiver certo ele
se sentará, caso contrário, voltará a andar e procurar mais dicas.

47. Evangelho em pedaços

Objetivo: Estimular a procura e análise de passagens da Bíblia.

Quantidade de Participantes: 10 a 15 pessoas

Material: Papéis com pequenos trechos da Bíblia (partes de passagens) com


indicação do livro, capítulo e versículos.

Tempo Estimado: 30 minutos

Desenvolvimento: Cada integrante recebe um trecho da Bíblia e procura


compreendê-lo. Para melhorar a compreensão do trecho, deve consultar a
passagem completa na Bíblia. Em seguida, os integrantes devem ler o seu trecho e
comentá-lo para o grupo. Ao final, é aberto o debato sobre os trechos selecionados
e as mensagens por eles transmitidas.

48. O cego Bartimeu

O animador lê o seguinte texto Mc 10, 46-52 Em seguida, confecciona seis corações


de cartolina. Na seqüência, escreve uma frase em cada um:
1. Jesus, filho de Davi, tende piedade de mim!

2. Repreenderam e mandaram que ficasse quieto.

3. O cego jogou o manto fora, deu um pulo e foi com Jesus.

4. Coragem, levante-se, porque Jesus está chamando você.

5. O cego começou a ver de novo e seguiu Jesus pelo caminho.

6. Jesus perguntou: O que você quer que eu faça por você?

Orientação: Cortar os corações formando um quebra-cabeças (3 ou 4 partes).

Formar grupos. Cada grupo monta um quebra-cabeças (coração).

Ao formar a frase, o grupo deverá conversar sobre seu significado. Escolher de


forma criativa uma forma de apresentar a frase aos demais.

49. Caminhando entre obstáculos.

Material necessário: garrafas, latas, cadeiras ou qualquer outro objeto que sirva de
obstáculo, e lenços que sirvam como vendas para os olhos.

Desenvolvimento: Os obstáculos devem ser distribuídos pela sala. As pessoas


devem caminhar lentamente entre os obstáculos sem a venda, com a finalidade de
gravar o local em que eles se encontram.

As pessoas deverão colocar as vendas nos olhos de forma que não consigam ver e
permanecer paradas até que lhes seja dado um sinal para iniciar a caminhada. O
professor com auxilio de uma ou duas pessoas, imediatamente e sem barulho,
tirarão todos os obstáculos da sala.

O professor insistirá em que o grupo tenha bastante cuidado, em seguida pedirá


para que caminhem mais rápido. Após um tempo o professor pedirá para que todos
tirem as vendas, observando que não existem mais obstáculos.
Compartilhar: Discutir sobre as dificuldades e obstáculos que encontramos no
mundo, ressaltando porém que não devemos temer, pois quem está com Cristo tem
auxílio para vencer. I Co. 10:12-13.

50. Autódromo

O catequista prepara perguntas sobre o tema do encontro e divide a sala em dois


grupos. Desenhará na lousa ou fará em cartolina o autódromo (como no modelo), o
catequista poderá ter para cada equipe um carrinho miniatura que passará de casa
em casa grudado por fita adesiva, ou, simplesmente marcará um X nas casas
andadas. A pergunta será feita para os dois grupos ao mesmo tempo e cada um,
depois de discutir a resposta entre si, escreverá em um pedaço de papel. A um sinal,
os dois grupos levantam a resposta. O grupo que acertar anda uma casa. Ganha o
grupo que chegar primeiro à última casa.

SAÍDA AUTÓDROMO CHEGAD


A

GRUPO
A

GRUPO
B

51. Jogo da velha


Elabore uma quantidade grande de perguntas referentes ao tema do encontro do
dia. O jogo poderá ser repetido com novas perguntas. Risque no quadro-negro a
base do jogo: É sorteado quem vai iniciar o jogo.

Cada grupo terá uma marca (X, 0, número, letra, etc.)

A resposta certa dará o direito de colocar a sua marca no lugar de sua escolha.

O grupo que conseguir completar uma horizontal, vertical ou diagonal, ganha o jogo.

Caso um grupo não saiba a resposta, passa a vez para o outro.

Variação:

As perguntas são colocadas em cada um dos quadrados no quadro-negro ou


cartolina grande. Tem que ficar visíveis à distância. Podem ser várias cartelas que
ficarão cobertas até o início do jogo. O grupo sorteado irá indicar a pergunta que
deverá ser respondida pelo adversário. Caso erre ou não saiba respondê-la, vai
permitir que o grupo “perguntador” anote a sua marca acima da pergunta.
Acertando é o grupo “respondedor” que marca. Naturalmente, deve haver uma
preocupação para que o grupo contrário não “feche” o jogo, indicando as perguntas
mais difíceis. De qualquer forma, o grupo que faz a pergunta deverá saber a
resposta. Errando o outro, ele terá que respondê-la para poder marcar os pontos,
caso contrário, passará a vez.

52. Seu Noé posso ir?


Material: Máscaras ou cartões com nomes de bichos, uma para cada criança.
Antes da brincadeira distribua os cartões ou máscaras. Cada criança será então o
animal que está descrito no seu cartão. Cada criança só poderá andar quando o Noé
chamar o nome do bicho e deverá imitar o passo do bicho.

Uma das crianças (ou um adulto) é escolhida para ser o Noé e fica num lado da
sala. Todas as outras crianças ficaram no outro lado da sala, de frente para o Noé.

As crianças então perguntam: "Seu Noé posso ir? Quantos passos?"

O Noé responde, por exemplo: "5 passos de coelho".

Assim, as crianças com máscara/cartão de coelho devem dar 5 pulinhos para frente.

E assim sucessivamente: as crianças perguntando e o Noé dando as instruções:


tantos passos de tal bicho.

Combinamos que se o Noé dissesse "5 passos de bicharada" todas as crianças


andariam, cada qual imitando o seu próprio bicho.

A sugestão é que atrás do Noé haja uma porta ou local que represente a arca e as
crianças, à medida que vão chegando perto do Noé são encaminhas para dentro
deste local. Após a brincadeira (todas as crianças dentro da "arca") pode-se contar a
história do dilúvio ou fazer alguma atividade relacionada.

Lembre-se de pedir ao Noé que distribua bem os passos, para que não fiquem
crianças muito atrás. E também que ele não se empolgue e diga de uma vez só
todos os passos necessários para atravessar a sala.

53. Chamada bíblica


A equipe é dividida em times. O catequista cita uma letra do alfabeto e os grupos
têm 50 segundos para escrever o maior número possível de nomes próprios que
comecem com aquela letra. Isso deve se repetir várias vezes e no final ganha o time
que alistou o maior número de nomes.

54. Corrente de personagens

O grupo deve sentar em círculo. Uma pessoa dá início a atividade mencionando o


nome de um personagem bíblico. Quem está ao seu lado deve citar o nome de outro
personagem que comece com a última letra do primeiro, mas não pode repetir um
nome que já tenha sido falado anteriormente. Quem não souber vai saindo da
brincadeira, até ficar o que será o vencedor. Exemplo de uma corrente: Davi-Isabel-
Labão-Obede-Esdras-Samuel-Lameque-Ester...

55. Quem sou eu?

Dividir a equipe em dois grupos. Cada grupo, um de cada vez, escolhe um


personagem e diz ao outro grupo: “Estou pensando em alguém cujo nome começa
com _ _ _”. O grupo adversário fará perguntas que só poderão ser respondidas com
“sim” ou “não”. Será anotado quantas perguntas foram necessárias até o grupo
descobrir o personagem. Ganha o grupo que descobrir com menor número de
perguntas.

56. Qual a ligação?

A turma é dividida em grupos. O catequista fará um desenho na lousa, levará


objetos ou figuras e o grupo tentará descobrir a qual história aquele objeto se
relaciona. Exemplo: Leão-Daniel, Túnica-José, Peixe grande-Jonas, Porco-Filho
Pródigo, etc.
57. Pescaria

Confeccionar varas de pescar: cabo de vassoura ou vara, barbante, clipe para ser o
anzol e “peixes” de papel, contendo no verso perguntas relacionadas aos estudos
bíblicos feitos. Prenda um clipe em cada peixe para facilitar a pesca e encaixe-os
numa bandeja de areia. Cada grupo deverá pescar um peixe, mas para poder ficar
com ele precisa responder corretamente a pergunta que consta em seu verso.
Vence o grupo que conseguir juntar o maior número de peixes.

58. Jogo da flor

Confeccionar uma flor com dez pétalas (mais ou menos), essas pétalas deverão ser
separadas umas das outras com um círculo no meio para ser o miolo. No verso de
cada pétala haverá um número de 1 a 10 e esse verso poderá ser feito de papel
camurça para que se prenda ao flanelógrafo. O grupo será dividido em duas equipes
e a cada uma será feita uma pergunta da lição dada, caso a equipe acerte, ela
escolherá uma das pétalas e verificará quantos pontos obteve. No final se somarão
os pontos para constatar a equipe vencedora.

59. Mão no sino

Formar duas equipes e dispô-las em filas, sendo que os primeiros participantes de


cada equipe fique de frente um para o outro. No meio dos dois primeiros da fila
colocar uma mesinha com um sino. O catequista fará uma pergunta referente a
algum assunto bíblico já estudado e o que tocar primeiro o sino responderá a
pergunta. Se acertar, ganhará um ponto para a equipe, se errar, perderá um ponto..
No final se somarão os pontos para verificar a equipe vencedora, esses pontos
poderão ser anotados na lousa pelo catequista.

60. Tomé, onde está a tua fé?


Todo mundo já deve ter brincado de Detetive; nesta brincadeira temos como
personagem o assassino, o detetive e as vítimas.
Na brincadeira Tomé onde está a tua fé? Teremos novos personagens: Jesus, Tomé
e os apóstolos.

Escreva sobre um papel "Jesus", sobre outro "Tomé" e tantos "Apóstolos" quantos
necessários para completar o número de crianças. Dobre os papeis e sorteie.
As crianças se colocam num círculo e Jesus deve discretamente piscar com um olho
para qualquer das crianças, enquanto Tomé tenta descobrir qual criança é Jesus.

Jesus é sinal de vida nova, quando ele piscar, se a criança for um apóstolo deverá
dizer:
- Jesus está presente e vivo no meio de nós!

Tomé não acredita que Jesus esteve presente no meio dos apóstolos porque não o
vê, procura descobrir onde está Jesus.
Quando Tomé descobrir, ou pensar que descobriu, este indicará a pessoa dizendo:
- Mestre, é você mesmo!

Caso a criança que Tomé indicou seja um dos apóstolos, estão, quem estiver
representando Jesus, manifesta-se dizendo:
- Tomé, onde está a sua fé???

61. A troca de um segredo

Material necessário: pedaços de papel e lápis.

Desenvolvimento: os participantes deverão descrever, na papeleta, uma


dificuldade que sentem no relacionamento e que não gostariam de expor oralmente;

A papeleta deve ser dobrada de forma idêntica, e uma vez recolhida, misturará e
distribuirá para cada participante, que assumirá o problema que está na papeleta
como se fosse ele mesmo o autor, esforçando-se por compreendê-lo.
Cada qual, por sua vez, lerá em voz alta o problema que estiver na papeleta, usando
a 1ª pessoa “eu” e fazendo as adaptações necessárias, dando a solução ao
problema apresentado.

Compartilhar: a importância de levarmos a cargas uns dos outros e ajudarmos o


nosso próximo.

62. Círculo fechado

Desenvolvimento: O catequista pede a duas ou três pessoas que saiam da sala por
alguns instantes. Com o grupo que fica combinará que eles formarão um círculo
apertado com os braços entrelaçados e não deixarão de forma nenhuma os
componentes que estão fora da sala entrar no círculo. Com os componentes que
estão fora o catequista combinará que eles devem entrar e fazer parte do grupo.
Depois de algum tempo de tentativa será interessante discutir com o grupo como se
sentiram não deixando ou não conseguindo entrar no grupo.

Compartilhar: Muitas vezes formamos verdadeiras “panelas” e não deixamos outras


pessoas entrar e se sentir bem no nosso meio. Como temos agido com as pessoas
novas na igreja?

63. Rótulo

Material necessário: Etiquetas adesivas e pincel atômico

Desenvolvimento: divida a sala em vários grupos (com 5 a 6 integrantes), prenda


na testa de cada integrante do grupo uma etiqueta com uma das consignas: sábio,
ignorante, líder, bobo, mentiroso, bondoso, etc. Proponha um tema a ser discutido
nos grupos, essa discussão, no entanto, será realizada de acordo com a consigna
que cada pessoa levará na testa.

Compartilhar: Muitas vezes rotulamos as pessoas e não damos valor ao que ela
realmente é. Jesus nos ensinou a olharmos o interior e não o exterior das pessoas.
64. Garrafas de graça

Material necessário: Uma garrafa de refrigerante vazia.

Desenvolvimento - Todos sentados em círculo. O catequista coloca a garrafa


deitada no chão no centro da sala e a faz girar rapidamente, quando ela parar estará
apontando para alguém e dará uma palavra de encorajamento ou estímulo à essa
pessoa. A pessoa indicada pela garrafa terá então a tarefa de girá-la e falar palavras
de encorajamento para quem ela apontar e assim sucessivamente.

Compartilhar: as boas palavras edificam (1 Pe 4:10,11; Ef 4:29,30; Pv 12:25).

65. Caminhando entre obstáculos

Material necessário: garrafas, latas, cadeiras ou qualquer outro objeto que sirva de
obstáculo, e lenços que sirvam como vendas para os olhos.

Desenvolvimento: Os obstáculos devem ser distribuídos pela sala. As pessoas


devem caminhar lentamente entre os obstáculos sem a venda, com a finalidade de
gravar o local em que eles se encontram. As pessoas deverão colocar as vendas
nos olhos de forma que não consigam ver e permanecer paradas até que lhes seja
dado um sinal para iniciar a caminhada. O catequista com auxilio de uma ou duas
pessoas, imediatamente e sem barulho, tirarão todos os obstáculos da sala. O
catequista insistirá em que o grupo tenha bastante cuidado, em seguida pedirá para
que caminhem mais rápido. Após um tempo o catequista pedirá para que todos tirem
as vendas, observando que não existem mais obstáculos.

Compartilhar: Discutir sobre as dificuldades e obstáculos que encontramos no


mundo, ressaltando porém que não devemos temer, pois quem está com Cristo tem
auxílio para vencer. I Co. 10:12-13.
66. Desejar ao próximo o que deseja a si mesmo

Material necessário: lápis e papel

Desenvolvimento: O catequista formará um círculo e distribuirá para os membros


do grupo lápis e papel. Pedirá para cada um para escrever algum tipo de atividade
que gostaria que o colega sentado à esquerda realizasse. Depois disso pedirá a
cada um que leia o que escreveu e desempenhe a tarefa que havia sugerido ao seu
colega.

Compartilhar: Mostrar na prática que não devemos desejar ao próximo aquilo que
não queremos para nós mesmos. Mateus 7:12.

67. Virtudes e defeitos

Material necessário – Lápis e papel

Desenvolvimento - O catequista pedirá a cada participante que forme par com


alguém ( havendo número ímpar, uma dupla se transformará em trio ). Em seguida
distribuirá uma folha de papel a cada participante que deverá escrever duas coisas
de que não goste em si mesmo, iniciando com a expressão “Eu sou...”. Ao concluir,
compartilhará com o parceiro. Na mesma folha, deverá escrever 10 coisas que
aprecie em si mesmo, iniciando com a expressão: “Eu sou...”. Na maioria das vezes
as pessoas sentem dificuldade de reconhecer suas qualidades, por isso o parceiro
pode ajudar essa pessoa sugerindo várias qualidades e virtudes que acha que o
outro possui. Ao concluir compartilhará com o parceiro

Compartilhar – Todos somos dotados de qualidades e defeitos, quando nos


conhecemos bem podemos trabalhar com as nossas limitações e deixar que o
Espírito Santo tenha mais liberdade em nossas vidas. Reconhecer as nossas
qualidades não deve servir para a nossa soberba, mas sim, para louvor a Deus.
68. Jesus, o sacramento do encontro

Por sua vida, gestos, e ações, Jesus apresenta-se como o sacramento vivo de Deus
em unidade com todos os homens e mulheres.

1 - Leitura de um dos texto em grupo: Mc 8, 22-26; Mc 7, 31-37; Mc 6, 34-39; Jo 8,


1-11; Mc 5, 21-43;

Mt 14, 25-32.

2 - Completar o esquema:

• Tipo de encontro

• Personagens

• Gestos de Jesus

• Palavras de Jesus

• Exigências de Jesus

• Coisas que Jesus usa

• Respostas dos tocados e curados por Jesus.


O QUE JESUS FAZ?
CONHECENDO
O que faz Cristo com suas mãos?
JESUS
CRISTO A quem toca?

Com quem se relaciona?

A que obras dá mais importância?

Para pesquisar:

Mt 4,23-25 Mt 20,26-28 Mt 6,1-4 Mc 2,15-


17

Mt 6,24 Jo 13,1-16 Mt 8,1-4 Jo 10,1-18

Mt 9,18-31 Mt 19, 13-15


O QUE JESUS SENTE? ONDE JESUS ANDA?
Que caminhos percorrem os pés de
O que está no coração de Cristo?
Jesus?
Que sentimentos vive e tem?
Que lugares visita?
A quem ama?
Que esforços realiza?
O que valoriza e aprecia?
Que metas se propõe?
Por que se alegra?

O que o entristece?
Para pesquisar:

Mt 7,13-14 Lc 6,12-16 Mt 8,18-22


Para pesquisar:
Lc 10,29-37 Mt 9,35-38 Lc 24,13-15
Mt 6,19-21 Lc 6,27-38 Mt 6,24 Lc 15,1-
Mt 16,24-26 Jo 10,1-15 Mt 18,12-14
32 Mt 6,25-34 Jo 19,31-37 Mt 11,28-30
Jo 20,26-29 Mt 22,34-40
O QUE JESUS PENSA O QUE JESUS FALA?
Quais as preocupações de Jesus?
Quais são as palavras que mais
Que pensa? pronunciou?

Com que sonha? De que fala?

A que dá valor? Com quem dialoga?

Por que faz as coisas? O que ensina e prega?

Que denuncia?

Para pesquisar:

Mt 5,3-12 Mc 15,16-20 Mt 6,1-34 Para pesquisar:

Lc 12,22-32 Mt 7,7-11 Jo 19,30 Mt Mt 4,17 Mt 16,24-26 Mt 4,23 Mc 1,14-20


13,44-46 Mt 18,1-4 Mt 5,3-12 Lc 11,1-4

Mt 7,1-5 Lc 11,42-44 Mt 11,25-30 Lc


15,1-32 Lc 10,1-18

69. Painel significativo


Material necessário – Papel pardo ou manilha, revistas, tesouras, colas e
canetinhas coloridas.

Desenvolvimento – Essa dinâmica é para ser usada após um curso, uma palestra
ou uma aula. A classe se disporá em círculo e cada participante receberá uma
revista onde procurará uma figura ou qualquer outra coisa que expresse um
encontro que tenha tirado para sua vida da palestra ou aula dada. Cada um terá a
oportunidade de falar sobre o seu recorte que colará no papel pardo ou manilha
escrevendo uma palavra significativa ao lado.
Compartilhar – Repensar em grupo sobre a mensagem ouvida e compartilhar os
ensinamentos é de grande utilidade para o crescimento cristão.

70. Fábrica de perguntas


Objetivo: dinamização da leitura bíblica.
Destinatários: catequizandos de todas as idades.
Desenvolvimento:

1. Selecionar, com a ajuda dos participantes, um texto bíblico considerado de


difícil compreensão.
2. Formar equipe de três ou quatro pessoas. Cada equipe deverá ler o texto e
formular pelo menos cinco questões a respeito dele, começadas com:
 Quem...?
 Como...?
 Por quê...?
 Quando...?
 Onde...?
3. À equipe que conseguir formular o maior número de questões originais (isto é,
que não forem repetidas por outros grupos), será prometido um prêmio
surpresa.
4. Cada equipe entrega sua lista de questões.
5. O animador vai anotando as questões no quadro e, por fim, faz a apuração.
6. A equipe vencedora receberá, então, o "prêmio surpresa": terá o privilégio de
responder objetivamente a todas as questões dos demais grupos!
7. As questões que a equipe vencedora não conseguir responder poderão ser
respondidas por qualquer participante.
8. Por fim, todos recebem um prêmio pela participação (uma bala ou fruta, por
exemplo).

Avaliação
 A dinâmica ajudou o grupo a compreender melhor o texto bíblico? Por quê?
 Como utilizar a "pedagogia das perguntas" na leitura bíblica pessoal e diária?

71. Trabalhar o texto:

Escolher um texto bíblico.

- Leitura do texto em grupo;

- Alguém conta com suas próprias palavras o texto;

- Dar um título ao texto;

- Destacar as atitudes mais importantes do personagem;

- Um participante assume o papel do personagem e o grupo faz uma entrevista, a


partir do texto;

- Todos os personagens são apresentados por ordem e cada grupo cria e escreve
uma frase para caracterizá-lo.

Usar um pequeno texto que fala o que é a Bíblia.

- Cada participante dirá ou escreverá: - O que conheço da Bíblia?

- Em grupo, juntam as idéias de cada um, escrevem um pequeno texto e lêem ao


grande grupo.

- Todos recebem um texto elaborado, como o abaixo, e, após a leitura, fazem um


complemento ao que foi feito em grupo.

A Bíblia é livro inspirado por Deus. É fruto da inspiração de Deus e do esforço


humano. Nasceu da vontade do povo de ser fiel ao Deus Javé, Deus único e
libertador (Dt 6, 20-25).
Ela é uma espécie de biblioteca, contém 73 livros diferentes.

Dividida em Antiga Aliança e Nova Aliança, a Bíblia é uma história de


libertação que inspira até hoje a luta do povo para se livrar das estruturas de morte.

A Bíblia e a Vida caminham juntas. Ela ajuda a iluminar os fatos, os


acontecimentos e nos faz entender melhor os sinais de Deus em nossa vida, que
nos cria e nos liberta continuamente.

A Bíblia, podemos dizer, surgiu da terra e da vida do povo. Primeiro foi vivida,
depois foi contada, de geração em geração. Só mais tarde foi escrita, num longo
mutirão que durou muito tempo e com a contribuição de muita gente.

Apresentar o texto elaborado com as dinâmicas abaixo.

A) Leitura do texto.

B) Desenhar o texto em forma de quadrinhos (1.º grupo).

C) Ilustrar o texto com gravuras (2.º grupo).

D) Criar uma oração sobre a Bíblia, inspirando-se no texto (3.º grupo).

E) Entrevistar a Bíblia como se fosse uma personagem (4.º grupo).

F) Criar um canto utilizando as palavras principais do texto (5.º grupo).

G) Escrever uma mensagem inspirada no texto em cartões e distribuí-los a cada


participante (6.º grupo).

H) Preparar um grupo para falar num programa de rádio, sobre o tema Bíblia (7.º
grupo).

72. Dinâmica da parábola – mt 18, 23-35

Divisão da turma em grupos com as seguintes tarefas:


GRUPO 1 – Leitura do texto. Um dos participantes do grupo conta depois, em
plenário, a parábola. A catequista observa a fidelidade à mensagem. Caso esta
atividade seja dada num curso de formação de catequistas, deve-se observar
também a maneira de narrar e a comunicação da(o) catequista com os
catequizandos.

GRUPO 2 – Encenação da parábola.

GRUPO 3 - Leitura do texto. Analisar as atitudes das diversas personagens. Qual a


mensagem?

GRUPO 4 - Leitura do texto. Procurar algum fato semelhante, hoje, e encená-lo.

GRUPO 5 - Ilustração da mensagem com gravuras.

GRUPO 6 – Desenhar uma história em quadrinhos com legendas.

GRUPO 7 - Composição de uma oração, ligada à mensagem da parábola, para ser


rezada com a turma toda. Pode ainda ser escolhido um canto com a mensagem da
parábola. Esta pequena celebração encerra o trabalho todo.

73. Viver a palavra de Deus


Duração: 10min.

Material: uma tigela ou copo com água, um giz, uma pedra e uma esponja.

Esta dinâmica trata-se dos participantes perceberem a importância de viver e


transmitir a palavra de Deus aos outros.

Desenvolvimento: Coloque a tigela de água em local visível e vá mergulhando um


a um os objetos e promovendo debate, sobre a reação de cada peça à água e
comparando com a forma das pessoas vivenciarem a Palavra de Deus. Também
pode tomar algum texto Biblíco que fale sobre evangelização, entrega e mudança de
vida; não vou citar nenhum porque a dinâmica vem ao encontro da realidade que o
dirigente e de cada grupo.
1. Água: fonte que restaura e purificação e que gera vida.

Simboliza aqui a Palavra e o agir de Deus na sua vida.

2. Giz: feito de cal e que absorve para si toda água.

Simboliza pessoas que recebem a Palavra de Deus mas ficam só prá si, deixando
de anunciar e testemunhá-la;

3. Pedra: material rústico que não deixa que nada penetre dentro de si.

Pessoas que se fecham e não deixam que a Palavra de Deus as transforme e molde
suas vidas como vaso nas mãos do oleiro;

4. Esponja: depois de molhada absolve uma certa quantidade de água, assim


que apertá-a ela transmite o que tem de mais precioso dentro de si que é a
água que purifica e restaura.

É a pessoa que absorve, escuta a Palavra de Deus, e deixa que transforme e


modifique sua vida; tornando também testemunha fiel do Reino de Deus.

74. Luz do mundo

Duração: 20 min

Material: uma vela para cada participante, ambiente escuro (ideal se for feito a noite
ou em sala que possa ter as janelas fechadas), fósforo ou isqueiro, pedaços de
papel, lápis ou caneta., durex ou barbante

Sentados em circulo, sugerir que fechem os olhos e façam uma oração silenciosa,
por alguns minutos; enquanto isso apague as luzes do ambiente.

Comentar sobre a escuridão do ambiente, se é confortável ficar assim sentado no


escuro, o que eles fazem quando acaba a luz.

O coordenador acende uma vela e lê o texto de Mateus 5. 14-16


Perguntas: O que quer dizer este texto? Adianta eu acender esta vela e colocá-la
atrás de mim? (coloque a vela acesa atrás de você) Melhora se eu colocar a vela a
minha frente e mais para o alto? (mostre a vela) E se cada um de nós tivesse uma
vela, ficaria mais claro?

O coordenador levanta e dá a cada participante uma vela, mas não acende. Ficou
mais claro? Não, por que? O que falta?

Cristo disse que ele era a luz do mundo, de que luz ele está falando? Ele quer
iluminar os cantos escuros do mundo, como? Através de sua Palavra, de seu amor,
de sua morte na cruz.

O coordenador sugere que cada um acenda a vela do seu vizinho dizendo algo
sobre Cristo e ele começa colocando a chama de sua vela na do vizinho do lado
(atenção com os cabelos e com pingar cera derretida sobre as pernas), dizendo algo
como: “Cristo te ama”, cada participante deve fazer o mesmo, com o vizinho ao lado,
falando uma frase diferente.

Agora ficou mais claro o nosso ambiente, claro com a luz de Cristo. E o que Cristo
diz desta luz, ela deve ficar escondida? O que nós devemos fazer com esta luz?

Deixar um momento de reflexão e oração; acender as luzes da sala e apagar as


velas. Pedir que falem sobre o que pensaram e sugerir uma atividade para levar a
luz de Cristo para outros:
Escrever num pedaço de papel o versiculo ou a frase que lhe foi dita ao acender a
vela. Atar o papel à vela, com durex ou barbante (de forma que possa ler o escrito);
presentear esta vela aos pais ou a um amigo.

75. Luz versus medo


Material: uma vela para cada participante, fósforo ou isqueiro e 2 bexigas (bola
inflável). Encha as duas bexigas e deixe escondidas; você vai precisar de um
ajudante para estourá-las no momento combinado, sem que os outros saibam. A
sala precisa estar completamente escura. Conduza os participantes a fazerem
silêncio e diminuirem a agitação. Quando a sala estiver quieta, o ajudante estoura a
bexiga. Acenda uma vela, mostre a causa do barulho e pergunte quem se assustou
e porque. Direcione a conversa para o valor da luz, pois quando estamos nas trevas
até mesmo uma coisa simples como uma bexiga estourando nos assusta. Compare
com Jesus ser a luz da nossa vida. Chame a atenção dos participantes para a
iluminação; quem está em destaque, quem está no escuro, se todos podem ver uns
aos outros bem. Converse se no mundo é assim; como as pessoas vêem a
presença de cada um dos participantes; como o falar sobre Jesus e a salvação é
como ter uma vela acessa. Comece a falar sobre a importância de haver mais luzes
acesas (Jesus). Dê a cada um uma vela e a acenda com a sua; fale de como
espalhar o Evangelho. Assim que a sala estiver toda iluminada, estoure a outra
bexiga. Converse sobre a diferença no susto - maior ou menor que enquanto estava
escuro, e o quanto a luz de Jesus nos afasta e nos ajuda a lidar com medo e sustos
da vida. Encerre com uma música relacionada ao tema.

76. União faz a força - eclesiastes 4. 9-12.

Material: fios finos de barbante ou de lã (pedaços de mais ou menos 30cm) ou


palitos de churrasquinho.
Distribuir entre os participantes os fios de barbante, pedir que cada um analise a
aparência, utilidade e propósito daquele pedaço de barbante, (cerca de 2 minutos,
para não ficar cansativo).

Pedir que eles arrebentem e observem como foi fácil.

Depois, pedir que cada um ofereça o maior pedaço que lhe sobrou para formar um
feixe de barbantes e pedir a alguns voluntários que tentem arrebentar este feixe.

Observem como fica mais difícil se a medida que o feixe fica grosso. Para concluir
leia o texto bíblico e discutam sobre a relação com a dinâmica e o grupo.

77. O 13º discípulo

Material: Cartolina, espelhos (ou papel alumínio ou folha metalizada que reflita
imagem), cola.

Faça um cartão para cada criança, dobrando um pedaço de cartolina e colando


dentro o espelho. Do lado de fora escreva: Quem é o 13o discípulo?

Mostre os cartões, sem abrir. Diga às crianças que terão a semana toda para tentar
responder à pergunta e que no próximo encontro receberão o cartão com a
resposta.

Prepare e distribua uma lista de tarefas a fazer que poderão ajudá-las a encontrar a
resposta:

- procurar na Bíblia;
- memorizar o nome dos 12 discípulos de Jesus;

- conversar e entrevistar adultos, pastores, etc..

No encontro seguinte ouvir os relatos e entregar os cartões. Depois que as crianças


o abrirem conversar sobre as reações ao ver sua imagem refletida, como e porque
cada um é o 13o discípulo, etc..

Escrever o texto de João 15.14 nos cartões.

As crianças podem então preparar um outro cartão para presentear ou preparar


convites ou mensagens para distribuir a amigos.

78. Benditas sejam estas mãos

1. Iniciar com canto de louvor.

2. Leitura Bíblica: Marcos 8. 22-25

3. Reflexão:

"Se os olhos são o espelho do corpo, as mãos são o espelho da alma" (Zélia
Duncan)

Jesus usou o toque das mãos para curar. Portanto, não precisamos ter receio em
bendizer, abençoar e tocar as pessoas concretamente (ao invés de uma "imposição
aérea" das mãos), proclamando as poderosas palavras da graça de Deus.

4. Bênção:

Convide as pessoas para que formem 2 círculos, um interno e outro externo (uma
pessoa de frente para a outra, de mãos dadas). A pessoa que coordena lê a primeira
frase e as outras repetem. Depois, as pessoas do círculo externo andam um passo a
direita (para ficarem de frente para outra pessoa e formar um novo par, de mãos
dadas). A pessoa que coordena lê então a segunda frase, as demais repetem e
trocam de lugar; assim sucessivamente até a 12a frase.

79. Bênção das mãos (Diann Neue)

Convite: Olhemos nossas mãos, descubramos o seu poder e sua ternura, e


bendigamos as nossas mãos.

Benditos sejam os trabalhos de nossas mãos

Benditas sejam estas mãos que tocaram a vida

Benditas sejam estas mãos que criaram coisas belas

Benditas sejam estas mãos que contiveram a dor

Benditas sejam estas mãos que abraçaram com paixão

Benditas sejam estas mãos que plantaram novas sementes

Benditas sejam estas mãos que cerraram seus punhos com indignação
Benditas sejam estas mãos que levantaram colheitas

Benditas sejam estas mãos que se endureceram com o tempo

Benditas sejam estas mãos que se enrugaram e se feriram trabalhando pela justiça

Benditas sejam estas mãos que se deram e foram recebidas

Benditas sejam estas mãos que sustentaram as promessas do futuro

Benditos sejam os trabalhos de nossas mãos


5. Encerrar com um Canto

80. Abra o olho meu irmão.

Material: Dois panos para fechar os olhos e dois chinelos ou porretes feitos com
jornais enrolados em forma de cassetete.

Descrição: Dois voluntários devem ter os rostos cobertos e devem receber um


chinelo ou porrete. Depois devem iniciar uma briga de cegos, para ver quem acerta
mais o outro no escuro. O restante do grupo apenas assiste.

Assim que inicia a "briga", o coordenador faz sinal para o grupo não dizer nada e
desamarra a venda dos olhos de um dos voluntários e deixa a briga continuar.
Depois de tempo suficiente para que os resultados das duas situações sejam bem
observados, o coordenador retira a venda do outro voluntário e encerra a
experiência, abrindo um debate sobre o que se presenciou no contexto da sociedade
atual.

A reação dos participantes pode ser muito variada. Por isso, é conveniente refletir
algumas posturas como: indiferença x indignação; aplaudir o agressor x posicionar-
se para defender o indefeso; lavar as mãos x envolver-se e solidarizar-se com o
oprimido, etc.

Alguns questionamentos podem ajudar, primeiro perguntar aos voluntários como se


sentiram e o por quê. Depois dar a palavra aos demais participantes. Qual foi a
postura do grupo? Para quem torceram? O que isso tem a ver com nossa realidade?
Quais as cegueiras que enfrentamos hoje? O que significa ter os olhos vendados?
Quem estabelece as regras do jogo da vida social, política e econômica hoje? Como
podemos contribuir para tirar as vendas dos olhos daqueles que não enxergam?
Sugestões de textos: Marcos 10, 46-52; Lucas 10 25 a 37 ou Lucas 24, 13-34.

81. Nome e significado


Consiga com antecedência um livro de Nomes e seus significados (em algumas
bancas de jornal são vendidos livros de "3000 nomes para o seu bebê" por
exemplo).

Pesquise os nomes de todas as crianças do seu grupo, e os significados.

Prepare fichas, na forma de quebra cabeça - uma parte é o nome, a outra é o


significado.

Distribua duas partes para cada criança: pode ser o nome dela mesma, ou outro
nome, e sempre com o significado desencontrado.

Diga às crianças que andem pelo salão, procurando encontrar pares corretos de
nome e significado, montando cada quebra-cabeça numa mesa ou no chão, a
medida que encontram os pares; até que todos os nomes tenham sido montados.

Cada criança deve então pegar o seu próprio nome com o significado correto e
depois, um a um, lêem em voz alta o seu nome e o significado para os demais.

Você pode então promover uma conversa com elas:

Quem se surpreendeu com o significado do seu nome? Porque?

Quem passou a gostar mais do seu nome depois de saber o que significa?

Por que nosso nome é importante para nós?

Será que Deus sabe o nosso nome?

O que quer dizer o texto de Isaías "Chamei-te pelo teu nome, tu és meu!" e o que
isso tem de importante na nossa vida?

Quais eram os nomes de Jesus (Emmanuel, Cristo, Nazareno, etc..) - pesquisar na


Bíblia os seus significados, etc..
82. Amar ao próximo.

Duração: 30 min.

Material: papel, lapis.

Divida a turma em grupos ou times opostos.

Sugira preparar uma gincana ou concurso, em que cada grupo vai pensar em 5
perguntas e 1 tarefa para o outro grupo executar.

Deixe cerca de 15 minutos, para que cada grupo prepare as perguntas e tarefas
para o outro grupo.

Após este tempo, veja se todos terminaram e diga que na verdade, as tarefas e
perguntas serão executadas pelo mesmo grupo que as preparou.

Observe as reações. Peça que formem um círculo e proponha que conversem


sobre:

Se você soubesse que o seu próprio grupo responderia às perguntas, as teria feito
mais fáceis?

E a tarefa? Vocês dedicaram tempo a escolher a mais difícil de realizar?

Como isso se parece ou difere do mandamento de Jesus? "Amarás ao teu próximo


como a ti mesmo".

Como nos comportamos no nosso dia a dia? Queremos que os outros executem as
tarefas difíceis ou procuramos ajudá-los?

Encerre com uma oração.


Se houver tempo, cumpram as tarefas sugeridas, não numa forma competitiva, mas
todos os grupos se ajudando.

83. Seguindo o chefe

Divida a turma em grupos de cinco, colocando-os sentados no chão. Cada grupo


terá como tarefa desenhar um barco utilizando uma folha de papel e um lápis, sendo
que cada jovem só poderá fazer uma ação de cada vez, passando em seguida o
lápis para outro participante (exemplo: faz um traço, para e a próxima ação é de
outro jovem). Os jovens terão também de obedecer as seguintes características
individuais: Jovem 1 - é cego e só tem o braço direito; Jovem 2 - é cego e só tem o
braço esquerdo; Jovem 3 - é cego e surdo; Jovem 4 - é cego e mudo; Jovem 5 - não
tem os braços. A tarefa de desenhar o barco deve ser feita em cinco minutos. Após,
o catequista deve debater as dificuldades encontradas, os desafios superados e as
formas de cooperação colocadas em prática.

84. Ilha deserta –

Os participantes formam uma roda, pondo-se de pé em círculos desenhados no


chão (são as ilhas) ou em cima de cadeiras ou bancos. Estes representam ilhas
desertas no meio do oceano. Informa-se os jogadores que o objetivo é disporem-se
segundo a ordem alfabética dos seus primeiros nomes, a partir de um ponto da roda.
No entanto a deslocação de uma ilha para a outra tem uma regra: aquele oceano
tem tubarões e outros animais marinhos perigosos, pelo que ninguém deve tocar no
chão.

85. Transporte sem mãos –

Os jogadores juntam-se aos pares. Cada par deve transportar ou passar a outro par
um mínimo de quatro objetos diferentes, mas sem utilizar as mãos (só ao princípio,
quando se pega no objeto). Podem-se utilizar objetos diversos, desde naturais como
frutas (laranjas, maçãs, etc.) até objetos manufaturados como arcos, blocos de
esponja, bolas, etc. As estratégias de transporte também são livres: caminhar dois a
dois com o objeto frente a frente; ombro com ombro; peito com peito; etc. Logo que
os objetos tenham sido passados, trocam-se os pares e continua-se o jogo. O jogo
pode realizar-se depois com grupos de mais elementos e também se podem
introduzir novas regras.

86. Caixa de segredos –

O catequista coloca uma caixa fechada, como uma urna com o seguinte cartaz na
frente: "Você acha certo... (escreve o assunto trabalhado)? (ou qualquer outra
pergunta dentro do assunto que deseja que seja desenvolvido) Dê sua opinião ou
faça uma pergunta e coloque na caixa junto com as perguntas elaboradas pelos
alunos ou participantes. Após todos escreverem, a urna é aberta e discute-se os
comentários e perguntas feitas. Local: silencioso Material: urna, papel, canetas.

87. Jogo das virtudes –


Com todos sentados em círculo, o catequista inicia uma introdução que deve fazer
os participantes refletirem sobre o velho hábito de falar mal e reparar sempre nos
defeitos dos outros, mesmo nos amigos e parentes: estamos sempre ressaltando o
mau-humor da esposa, a avareza do pai, o egoísmo da irmã, a preguiça da
namorada, a vaidade... em fim, quase sempre reparamos muito mais nos defeitos do
que nas qualidades. Por uma questão de hábito os defeitos aparecem muito mais
que as qualidades. Pois bem, nesse momento faremos um "exercício' para começar
a mudar esse velho hábito, pois iremos falar apenas de VIRTUDES, e nunca de
defeitos. Cada um recebe papel e caneta, onde anotará a principal virtude
("qualidade") que acha do companheiro sentado à sua direita, sem identificar a
pessoa, apenas colocará a "qualidade", por exemplo: "honestidade" e não "honesto"
/ "simpatia" e não "simpática" / "coragem" e não "corajosa", e assim por diante. Os
papéis serão dobrados, recolhidos e misturados. O catequista então começa a ler as
virtudes e os participantes tentarão identificar quem assume melhor aquelas
características. O mais votado recebe o papel e guarda até o final do jogo. Detalhe:
nessa hora aquele que escreveu não revela o que foi escrito. Quando todos os
papéis forem distribuídos cada um deve dizer como se sentiu, sendo identificado por
aquela característica: se concorda ou não que ela seja sua característica mais
marcante. Aí sim o companheiro do lado revela o que escreveu dele e justifica. Após
todos serem identificados, o catequista ressalta a importância de nos habituarmos a
enxergar as virtudes, aceitar defeitos e viver em harmonia com o mundo.

88. Descobrindo a quem pertence

Desenvolvimento:
1. O catequista divide o grupo em duas metades.

2. Uma metade do grupo dá ao catequista um objeto de uso pessoal. O catequista


mistura os objetos e os distribui pela outra metade, que sai à procura de seus donos.
Não é permitido falar.

3. Ao encontrar o dono do objeto recebido, forma-se par com ele.

Obs.: Esta atividade objetiva, também, estabelecer as relações no grupo. É divertida


e usa a curiosidade do grupo como detonadora de uma busca. Pode ser feita no
início de um grupo e repetida sempre que se deseja um clima mais descontraído.

89. Dinâmica do coração

Objetivo: conhecer o outro e dar-se a conhecer, abrindo espaço para que cada um
se apresente; buscando, com essa apresentação, maior intimidade entre os
elementos do grupo; partilhando sentimentos, ideais, realizações, desejos e
frustrações.

Ambiente: adequado para preservar a privacidade do grupo e permitir a


acomodação de todos os participantes.

Material: folhas de papel sulfite e canetas hidrocor ou giz-de-cera para todos os


participantes.

Desenvolvimento:

1) Entrega-se uma folha de papel sulfite a cada participante, que deverá desenhar
um coração grande e escrever seu nome fora do coração. O coração deverá ser
dividido em quatro partes.
2) Na primeira parte do coração, fazer um símbolo que relate um fato importante
realizado por sua família (o maior acontecimento). Na segunda parte, desenhar sua
maior realização pessoal. Na terceira parte, escrever a coisa mais importante que
você pretende realizar nos próximos dois anos. Na quarta parte do coração,
escrever, enfim, a maior decepção de sua vida.

3) Todos os participantes deverão pôr sua folha com o trabalho realizado no centro
do círculo, compartilhando os resultados. Caso sintam necessidade, poderão
comentar ou perguntar algo a respeito das respostas de seus colegas. A pessoa
abordada terá liberdade para responder ou não à questão levantada. Compartilhar
sentimentos e descobertas com o grupo.

90. Marcas do que eu sou

a) Pedir para o grupo fazer uma caminhada pela sala e ir imaginando como é a vida
em uma floresta. Como funciona a floresta. Que tipos de vida identificamos na
floresta.

b) Pedir para cada um imaginar como são os animais que vivem na floresta.

c) Motivar para que cada um(a) vá se concentrando em apenas um animal.


Imaginando suas características, a forma como ele vive na floresta, como reage ao
ataque do predador etc.

d) Pedir para que cada um pare por um instante vá incorporando o jeito do animal
que escolheu, procurando ser fiel na sua forma de caracterizá-lo.

e) O catequista deixou os participantes vivenciarem por um instante os animais


escolhidos. Em seguida diz que em toda floresta tem um predador, um caçador que
ataca ou persegue um determinado animal. Dizer para cada um assumir seu papel.
f) O catequista motiva para a simulação ainda de outras situações que acontecem
na floresta, como por exemplo: uma forte tempestade, uma grande seca, uma longa
noite, estimulando aos participantes para vivenciarem estas realidades.
g) Feito isso o catequista pede a cada participante para escreverem em seu caderno
os seguintes passos:

h) Descrever qual é a personalidade do animal escolhido que ele pessoalmente


escolheu e encarnou; destacando as reações, comportamento (o que é bom e o que
não é tão bom);

i) Pedir para fazerem uma comparação, tentando perceber as semelhanças da


personalidade do animal e com a sua personalidade.

j) Encontra-se por grupos para partilharem as descobertas feitas.

k) No plenário final o catequista amplia a reflexão sobre a personalidade humana


pontuando as diferenças, a interação nas relações e outros aspectos.

91. Desatando os nós

Objetivo: Desenvolver a solidariedade e a força da união de grupos. Várias cabeças


pensando sobre um mesmo problema fica mais fácil encontrar uma solução.

Desenvolvimento: É parecida com o Jogo da mãos.


O número de participantes é indiferente. O grupo se coloca na posição em círculo.
Neste momento o orientador pede que cada um observe bem o seu colega da direita
e o seu colega da esquerda. Ao sinal do orientador, começam a caminhar dentro do
círculo imaginário (já que desfizeram a formação em círculo para caminharem ) de
forma aleatória e sem direção.

Ao sinal do orientador parar de caminhar e permanecer no lugar.


Com os olhos e sem caminhar procurar o cologa da direita e o colega da esquerda.
Dar as mãos aos colegas da direita e da esquerda sem caminhar, podendo somente
abrir as pernas e/ou dar um passo caso o colega esteja muito distante.
Em seguida o orientador explica que eles deverão voltar a posição inicial em círculo
sem que soltem as mãos, nem fiquem de costas para o interior do círculo e nem com
os braços cruzados. Deverão voltar exatamente a posição inicial.
A princípio parece impossível realizarem a tarefa , mas aos poucos vão montando
estratégias e descobrindo maneiras todos juntos, de voltarem a posição inicial.

92. Nem o meu, nem o seu, o nosso

Finalidade: Propiciar um clima de descontração e integração entre os participantes


do grupo.

Material necessário: rádio e CDs de música

Descrição da dinâmica:

1. Grupo de pé, espalhado pela sala. Música.

2. Pedir que todos se movimentem pela sala de acordo com a música, explorando
os movimentos do corpo. Pôr música com ritmo cadenciado. Tempo.

3. Parar a música. Solicitar que formem dupla com a pessoa mais próxima e que,
de braços dados, continuem a se movimentar no mesmo ritmo, procurando um
passo comum, quando a música recomeçar.

4. Após um tempo, formar quartetos, e assim sucessivamente, até que todo o grupo
esteja se movimentando junto, no mesmo passo.

5. Pedir que se espalhem novamente pela sala, parando num lugar e fechando os
olhos.

6. Solicitar que respirem lentamente, até que se acalmem.

7. Abrir os olhos, sentar em círculo.

8.Plenário:- O que pôde perceber com esta atividade?


- Que dificuldades encontrou na realização da dinâmica?
- Como está se sentindo?