Sie sind auf Seite 1von 298

PERSONAGENS DO ANTIGO TESTAMENTO

Abede-Nego... 663 Bila.. ..698 Gade.......................................763


Abel............... 664 Bildade................................... 698 Geazi......................................764
Abias.............. 666 Boaz........................................699 Gedalias................................. 764
Abiatar........... 664 Caim....................................... 699 Gesém....................................765
Abigail........... 665 Calebe.................................... 700 Gideão....................................765
Abimeleque (1) 666 Cam........................................ 771 Golias..................................... 766
Abimeleque (2). 667 Canaã...................................... 701 Gomer....................................767
Abisai............. 668 Ciro........................................ 702 Habacuque............................. 767
Abiú............... 665 Coate...................................... 847 Hamã......................................771
Abner............. 668 Corá........................................848 Hamor....................................772
Abraão........... 669 Cosbi.......................................701 Hananias................................ 773
Absalão.......... 675 Dalila.......................................731 Hanum................................... 774
Acã................ 677 Daniel.....................................702 Hazael.................................... 774
Acabe............. 679 Dario(l).................................. 711 Hemã..................................... 775
Acaz............... 682 Dario (2).................................. 712 Hilquias.................................. 778
Acazias (1)...... 683 Davi........................................713 Hirão(l)................................. 779
Acazias (2)...... 683 Débora................................... 730 Hirão (2)................................. 779
Adão.............. 677 Diná........................................ 731 Hobabe.................................. 780
Adonias.......... 678 Doegue...................................732 Hofni......................................780
Agar............... 768 Efraim (1)................................ 747 Hulda..................................... 783
Ageu.............. 769 Efraim (2)................................ 747 Hur.........................................783
Aías................ 683 Eglom.....................................732 Husai......................................783
Aimeleque...... 684 Elá .........................................733 Isaías...................................... 787
Aitofel............ 684 Elcana.....................................746 Isaque.................................... 784
Amasa............ 685 Eldade.................................... 733 Isbosete.................................. 791
Amazias......... 685 Eleazar.................................... 733 Ismael (1)................................ 791
Amnom.......... 686 Eli .........................................734 Ismael (2)................................ 792
Amom........... 687 Eliabe..................................... 735 Itamar.................................... 792
Amós............. 687 Eliaquim (1)............................. 735 Jabim..................................... 793
Ana................ 773 Eliaquim (2) (Veja Jeoaquim)... 736 Jacó....................................... 793
Aoliabe........... 685 Elias....................................... 737 Jael........................................ 798
Arão............... 661 Eliézer (1)................................ 736 Jafé........................................799
Artaxerxes...... 689 Eliézer (2)................................ 737 Jedutum.................................799
Asa................ 689 Elifaz (1)................................... 741 Jefté....................................... 808
Asafe............. 690 Elifaz (2)...................................741 Jeoacaz..................................800
Assuero.......... 681 Eliseu...................................... 742 Jeoaquim............................... 802
Atalia............. 691 Eliú......................................... 737 Jeoás..................................... 800
Baasa............. 691 Enoque................................... 746 Jeorão.................................... 833
Balaão............ 692 Er .........................................747 Jeremias................................ 809
Balaque.......... 693 Esaú....................................... 748 Jeroboão(l)........................... 819
Baraque......... 693 Esdras..................................... 761 Jeroboão(2)........................... 820
Baruque......... 694 Ester.......................................749 Jessé.......................................821
Barzilai........... 694 Eúde.......................................732 Jetro.......................................821
Bate-Seba....... 695 Eva.........................................752 Jeú (1)....................................806
Belsazar.......... 695 Ezequias................................. 775 Jeú (2).................................... 807
Benaia............ 696 Ezequiel..................................752 Jezabel...................................822
Benjamim...... 697 Fineias (1)............................... 896 Jó ........................................ 825
Bezalel...................................697 Fineias (2)............................... 897 Joabe.................................... 822

659
Joacaz.................................. 800 Moisés....................................864 Salum................................... 919
Joanã................................... 830 Naamã....................................877 Sambalate............................. 908
Joaquim................................801 Naás....................................... 880 Samuel................................. 905
Joás (1)................................. 823 Nabal..................................... 878 Sangar.................................. 919
Joás (2)................................. 824 Nabote................................... 879 Sansão.................................. 904
Joel (1).................................. 828 Nabucodonosor...................... 884 Sara...................................... 909
Joel (2).................................. 829 Nadabe(l).............................. 880 Sargão II................................ 910
Joiada...................................802 Nadabe (2).............................. 880 Saul...................................... 910
Jonadabe..............................830 Natã (1)................................... 883 Seba..................................... 919
Jonas.................................... 830 Natã (2)................................... 883 Sebna....................................920
JônatasO)............................. 832 Naum...................................... 881 Sem......................................921
Jônatas (2)............................. 833 Nebuzaradã............................ 886 Semaías(l)............................ 921
Joquebede............................828 Neemias..................................887 Semaías (2)............................ 921
Jorão (1)................................ 803 Ninrode...................................890 Senaqueribe.......................... 916
Jorão (2) (Veja Jeorão)............. 804 Noé.........................................891 Seom.....................................923
Josafá............................ ....... 804 Noemi..................................... 882 Seraías (1)............................. 917
José............. ................. ....... 834 Obadias (1)..............................892 Seraías (2)............................. 917
Josias....................................844 Obadias (2)..............................892 Sete...................................... 917
Josué (1)................................ 839 Obede-Edom........................... 893 Sifrá...................................... 922
Josué (2)................................844 Ogue...................................... 893 Simeão................................. 923
Jotão.................. .................846 Onã........................................ 894 Simei....................................922
Judá...... .............................. 846 Onri.........................................894 Siquém................................. 920
Labão................................... 848 Ooliab (Veja Aoliabe).................894 Sísera....................................924
Lameque(l)..........................849 Oseias (1).................................780 Sofonias................................941
Lameque(2)..........................850 Oseias (2)................................. 782 Tamar (1)............................... 930
Leia......................................850 Otniel......................................894 Tamar (2)............................... 931
Levi...................................... 850 Pasur.......................................895 Tera...................................... 931
Ló .......................................851 Peca........................................ 895 Tiglate-Pileser III.................... 931
M ada................................... 852 Pecaías....................................896 Tobias...................................932
Maer-Salal-Hás-Baz................ 852 Penina.....................................896 Urias(l).................................932
Malaquias.............................853 Personagens do Antigo Urias (2).................................933
Manassés(l)......................... 854 Testamento cujos nomes Uzias.....................................933
Manassés (2)......................... 855 não são mencionados........946 Vasti......................................934
Manoá.................................. 855 Potifar..................................... 897 Xerxes (Veja Assuero)..............935
Mardoqueu...........................863 Puá..........................................898 Zacarias (1)............................935
Medade................................856 Quedorlaomer.......................... 701 Zacarias (2)............................935
Mefibosete............................857 Quetura...................................847 Zacarias (3)............................935
Melquisedeque..................... 856 Raabe...................................... 899 Zadoque............................... 939
Menaém............................... 857 Rabsaqué................................ 898 Zedequias............................. 940
Mesa.....................................857 Raquel.....................................898 Zeres.................................... 942
Mesaque............................... 858 Rebeca.................................... 900 Ziba......................................943
Metusalém............................859 Rispa....................................... 903 Zilpa..................................... 944
Mica......................................859 Roboão.................................... 901 Zinri (1)..................................944
Micaías................................. 861 Rúben......................................902 Zinri (2)..................................945
Mical..................................... 861 Rute.........................................903 Zípora................................... 945
Midiã.................................... 862 Sadraque................................. 918 Zofar..................................... 945
Miqueias............................... 859 SalmaneserV............................919 Zorobabel............................. 943
Miriã..................................... 862 Salomão.................................. 924

660
661

ARÃO a. Acompanhou Moisés até o monte


Sinai (Êx 19.24; 24.1)
S u m á r io c r o n o l ó g ic o b. Viu a glória de Deus no monte Sinai
I. Missão. (Êx 24.9-11)
A. Servir a Moisés. B. Servir a Deus.
1. Arão foi porta-voz de Moisés no Egi­ 1. A consagração de Arão.
to. a. Foi o primeiro sumo sacerdote or­
a. Foi escolhido por Deus (Êx 4.16). denado em Israel (Lv 8.1-36).
b. Recebeu o chamado aos 83 anos de b. Foi lavado com água, vestido de
idade (Êx 7.6,7). trajes sacerdotais, ungido com
c. Acompanhou Moisés até o Egito azeite, espargido com sangue de
(Êx 4.27,28). animal (Êx 29.1-21; 40.12,13).
d. Foi ao encontro dos israelitas escra­ c. Iniciou o mistério sacerdotal (Lv 9).
vizados (Êx 4.29). 2. As responsabilidades de Arão.
e. Foi até Faraó (Êx 5.1). a. Recebeu a missão de interceder por
f. Foi acusado pelos israelitas de co­ Israel (Êx 28.29-38).
locar nas mãos de Faraó a espada b. Foi nomeado para supervisar o ta­
para matá-los (Êx 5.20,21). bernáculo (Nm 18.5-9).
g. Lançou a vara ao chão diante de c. Foi encarregado de queimar o in­
Faraó, e esta tornou-se em serpente censo no altar a cada manhã e tar­
(Êx 7.10). de, e colocar em ordem as lâmpa­
h. Viu sua serpente tragar as serpentes das (Êx 30.7,8).
dos encantadores de Faraó (Êx d. Foi encarregado de uma vez ao ano
7.12). fazer a expiação em favor de Israel
i. Levantou a vara e feriu a água do (Êx 30.10).
Nilo, e esta tornou-se em sangue e. Recebeu as instruções para oferecer
(Êx 7.20). um novilho no Dia da Expiação
j. Ergueu a vara sobre os rios e fez rãs (Lv 16.11-14,18,19,27,28).
subir deles (Êx 8.6). f. Recebeu as instruções de como se­
k. Levantou a vara e feriu o pó da lecionar o bode expiatório para o
terra, e surgiram piolhos (Êx 8. Dia da Expiação (Lv 16.8,9,15,18,
17). 19,27,28).
2. Arão serviu de apoio para Moisés em g. Recebeu as instruções sobre as ofer­
Refidim. Ele e Hur mantiveram ergui­ tas a serem queimadas, sobre os
das as mãos de Moisés enquanto inter­ manjares a serem oferecidos, sobre a
cedia por Josué na batalha contra os expiação do pecado, da culpa, e das
amalequitas (Êx 17.12). transgressões (Lv 6.9-30; 7.1-27).
3. Arão presenciou o acontecimento com h. Era responsável por identificar os
Moisés no monte Sinai. leprosos (Lv 13.1-45).
G u ia de W illm in gto n pa r a a B íblia MÉTODO TEOLÓGICO

i.
A tribo de Arão não tinha direito de A. A equidade de Arão como sumo sacerdote
terra em Canaã. A tribo deveria re­ foi defendida por Moisés durante a rebe­
ceber dízimos das demais (Nm lião de Coré (Nm 16.9-11).
18.30-32). B. A equidade de Arão como sumo sacerdote
j. Em parceria com Moisés, foi res­ foi reconhecida por Deus após a rebelião
ponsável pelo recenseamento no de Coré ao fazer a vara florescer de modo
monte Sinai (Nm 1.1-19). sobrenatural (Nm 17.1-9).
II. O pecado de Arão. V. O sucessor de Arão.
A. Contra o povo de Deus - construiu um A. O cargo de liderança de Arão foi repassa­
ídolo. do para seu filho Eleazar no monte Hor
1. Cedeu ao pedido do povo israelita e (Nm 20.23-28).
construiu um bezerro de ouro enquan­ B. Incredulidade e rebelião impediram que ele
to Moisés estava no monte Sinai (Êx entrasse em Canaã (Nm 20.12,24).
32.1-5). C. Faleceu e foi sepultado no monte Hor (Nm
2. Justificou sua atitude diante de Moisés 20.27,28).
com argum entos lamentáveis (Êx D. Israel pranteou a morte de Arão por 30
32.22-24). dias (Nm 20.29).
3. Foi salvo da morte pela mão de Deus E. Arão tinha 123 anos de idade quando des­
por meio da oração de Moisés (Dt ceu à sepultura (Num 33.39).
9.20).
B. Contra o profeta do Senhor - criticou seu S u m á r io t e o l ó g ic o
irmão. I. O nome de Arão foi mencionado num contra­
1. A causa da crítica. Arão e Miriã, tam­ to especial espiritual assinado por aqueles que
bém irmã de Moisés, criticaram M oi­ amavam a Deus nos dias de Neemias (Ne
sés por dois motivos (Nm 12.1,2). 10.38).
a. Por causa da esposa de Moisés (Nm II. Arão é citado várias vezes em Salmos.
12.1). A. Quando Deus usou Arão e Moisés para
b. Por causa da liderança de Moisés guiar Israel (Sl 77.20).
(Nm 12.2). B. Como Deus ouvia as orações de Arão (Sl
2. As conseqüências das críticas (Nm 99.6).
12.4-15). C. Como Deus realizou sinais e prodígios por
a. Miriã e Arão foram repreendidos intermédio de A rão e M oisés (Sl
por Deus (Nm 12.5-8). 105.26,27).
b. Miriã (a causadora de tudo) foi pu­ D. Como Israel se rebelou contra Arão e M oi­
nida pelo Senhor com lepra (Nm sés (Sl 106.16).
12 . 10 ). E. Como Deus se agrada da união de Seu po­
c. Arão confessou o pecado e suplicou vo, comparando-a ao óleo precioso sobre
a Moisés que pedisse a Deus que a cabeça de Arão, o qual desce sobre a bar­
curasse Miriã (Nm 12.11-15). ba e orla das vestes (Sl 133.2).
III. As grandes tristezas de Arão. III. O profeta Miqueias mencionou Arão ao lem­
A. A morte dos seus dois filhos. brar o povo de Israel sobre a fidelidade de Deus
Nadabe e Abiú foram mortos por Deus no passado (Mq 6.4).
por oferecer fogo estranho no altar. Deus IV. Estêvão mencionou Arão quando esteve diante
deu ordem a Arão para não lamentar a do Sinédrio pouco antes de seu martírio (At
morte dos jovens apóstatas (Lv 10.1-7). 7.40).
B. Os outros dois filhos de Arão. V. Foi mencionado em Hebreus.
Depois de um mal-entendido, Arão jus­ A. O sacerdócio de Arão é comparado ao de
tificou as atitudes de Itamar e Eleazar dian­ Cristo (Hb 5.4,5).
te de Moisés (Lv 10.16-20). B. O sacerdócio de Arão é comparado ao de
IV. A vara de Arão. Melquisedeque (Hb 7.11).
662
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

Dados 3. Abede-Nego, juntamente com os três


Pai: Anrão (Nm 26.59). amigos, decidiu não se contaminar
Mãe: Joquebede (Nm 26.59). com a comida e vinho servidos na casa
Esposa: Eliseba (Êx 6.23). do rei. Ele atendeu ao pedido de Daniel
Filhos: Nadabe, Abiú, Eleazar, Itamar (Êx 6.23; de permanecerem com uma alimenta­
Nm 3.2-4). ção diferente da oferecida (Dn 1.8-14).
Irmão: Moisés (Nm 26.59). B. A recompensa de Abede-Nego.
Irmã: Miriã (Nm 26.59). 1. Deus honrou a decisão de Abede-Nego
Ancestral importante: Levi (Nm 26.59). e concedeu-lhe conhecimento e inteli­
Descendentes importantes: Esdras (Ed 7.5), Z a­ gência para dominar toda a literatura
carias e Isabel (Lc 1.5). e ciência que lhes foram ensinadas na
Citado pela primeira vez na Bíblia: Êxodo 4.14. escola de Nabucodonosor (Dn 1.17).
Citado pela última vez: Hebreus 9.4. 2. Após três anos de treinamento, Abede-
Significado do nome: “ Iluminado” . -Nego foi achado pelo rei dez vezes
Mencionado: 339 vezes. mais douto em toda matéria de sabe­
Livros da Bíblia que citam Arão: 16 livros (Êxo­ doria e conhecimento do que todos os
do, Levítico, Números, Deuteronômio, J osué, magos e astrólogos que haviam no rei­
Juizes, 1 Samuel, 1 Crônicas, 2 Crônicas, Es­ no (Dn 1.18-20).
dras, Neemias, Salmos, Marcos, Lucas, Atos II. Abede-Nego e a frustração do rei (Dn 2.1-19).
e Hebreus). A. Nabucodonosor não conseguiu entender
Cargo: o primeiro sumo sacerdote de Israel (Êx um sonho que tivera (Dn 2.1-3).
28.1). B. Nabucodonosor ameaçou matar todos os
Lugar onde nasceu: Egito (Nm 26.59). sábios, caso não o fizessem saber o sonho
Lugar de falecimento: monte Hor (Nm 20.27,28). e interpretá-lo (Dn 2.5).
Idade que tinha quando morreu: 123 anos (Nm C. Abede-Nego juntou-se a Daniel e seus ami­
33.39). gos para buscar de Deus a revelação e sig­
Detalhes importantes sobre a vida de Arão: foi o nificado do sonho de Nabucodonosor (Dn
irmão mais velho de Moisés e o primeiro su­ 2.17-19).
mo sacerdote de Israel (Êx 28.1; Nm 26.59). D. Deus respondeu a eles naquela mesma noi­
te (Dn 2.19).
E. Abede-Nego, Sadraque e Mesaque foram
ABEDE-NEGO promovidos no reino a pedido de Daniel
(Dn 2.49).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o III. Abede-Nego e a fornalha do rei (Dn 3.1-30).
I. Abede-Nego e a comida do rei (Dn 1.1-20). A. A determinação de Abede-Nego.
A. A determinação de Abede-Nego. 1. Abede-Nego, juntamente com Sadraque
1. Foi um dos quatro jovens judeus cujo e Mesaque, recusou-se a curvar-se para
nome foi citado entre aqueles que fo­ adorar uma estátua de ouro que Nabu­
ram levados de Judá para Babilônia codonosor havia construído (Dn 3.12).
por ordem do rei Nabucodonosor em 2. Após rejeitarem a última chance que o
606 a.C. (Dn 1.1-7). rei lhes tinha dado, os três jovens he­
2. Também foi chamado de Azarias (Dn breus foram atados e lançados dentro
1.7). da fornalha ardente (Dn 3.15-21).
O nome de seus três amigos eram: B. A recompensa.
a. Daniel, também chamado de Bel- 1. O próprio Cristo j untou-se aos três ser­
tessazar (Dn 1.7). vos fiéis no fogo, protegendo-os de to­
b. Hananias, também chamado de Sa- do o mal (Dn 3.24,25).
draque (Dn 1.7). 2. Os três homens saíram da fornalha
c. Misael, também chamado de Mesa- sem nem mesmo cheiro de fogo sobre
que (Dn 1.7). eles (Dn 3.26,27).

663
G u ia de W illm in g t o n pa r a a B íblia MÉTODO TEOLÓGICO

3. Abede-Nego recebeu outra promoção Dados


do rei Nabucodonosor e prosperou so­ Pai: Adão (Gn 4.2).
bremaneira (Dn 3.30). Mãe: Eva (Gn 4.2).
Irmãos: Caim e Sete (Gn 4.1,25; veja Gn 5.4).
D ados Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 4.2.
Citado pela primeira vez na Bíblia: Daniel 1.7 (o Citado pela última vez: 1 João 3.12.
nome judaico era Azarias). Significado do nome: “Transitório” .
Citado pela última vez: Daniel 3.30. Mencionado: 12 vezes.
Significado do nome: “ Servo de Nego” . Livros da Bíblia que citam Abel: cinco livros (Gê­
Mencionado: 20 vezes. nesis, Mateus, Lucas, Hebreus e 1 João).
Livro da Bíblia que cita Abede-Nego: um livro Cargo: pastor (Gn 4.2).
(Daniel). Lugar onde nasceu: fora do jardim do Éden (Gn
Cargo: líder político (Dn 3.30). 3.23—4.2).
Lugar onde nasceu: Judá (Dn 1.1-6). Lugar onde faleceu: campo fora do jardim do
Lugar onde faleceu: Babilônia. Éden (Gn 4.8).
Detalhe importante sobre a vida de Abede-Nego: Com o foi morto: foi assassinado pelo irmão
foi preservado dentro da fornalha ardente pe­ Caim (Gn 4.8).
lo próprio Cristo (Dn 3.23-25). Detalhe importante sobre a vida de Abel: foi o
primeiro mártir da história da humanidade.

ABEL
Ia b ia t a r
S u m á r io c r o n o l ó g ic o
I. Ofereceu um sacrifício a Deus. S u m á r io c r o n o l ó g ic o
A. Apresentou ao Senhor os primogênitos das I. As responsabilidades de Abiatar durante o rei­
suas ovelhas (Gn 4.4). nado de Davi.
B. O sacrifício de Abel foi aceito por Deus A. Serviu ao rei Davi durante o reinado de
(Gn 4.4). Saul.
II. Tornou-se um sacrifício para Deus. 1. Foi o único que escapou do massacre
Abel foi assassinado pelo irmão Caim, que dos sacerdotes comandado por Saul
teve ciúmes quando soube que sua oferta do em Nobe (1 Sm 22.18-20).
fruto da terra tinha sido rejeitada por Deus (Gn 2. Trouxe o éfode a Davi em duas ocasi­
4.5-8). ões.
a. N a cidade de Queila (1 Sm 23.6,9).
S u m á r io t e o l ó g ic o b. N a cidade de Ziclague (1 Sm
I. Cristo citou o martírio de Abel ao condenar os 30.1,7).
terríveis fariseus (Mt 23.35). B. Ajudou o rei Davi durante a rebelião de
II. N o livro de Hebreus, a fé que Abel possuía é Absalão.
mencionada, pois trouxe diante de Deus o sa­ 1. Carregou a arca da aliança para Davi
crifício apropriado, exemplo para nós ainda durante a rebelião (2 Sm 15.24-29).
hoje (Hb 11.4). 2. Convenceu os anciões de Judá a rece­
III. N o livro de Hebreus, o sangue de Cristo é com­ ber Davi após a rebelião (2 Sm 19.11).
parado ao sangue de Abel (Hb 12.24). II. As obras de Abiatar durante o reinado de Salo­
A O sangue de Abel clama por vingança (Gn mão.
4.10). A. Apoiou Adonias, meio-irmão de Salomão,
B. O sangue de Cristo clama por perdão (Mt a executar um golpe que havia tramado,
26.28). sem sucesso, contra o rei (1 Rs 1.7,19,25).
IV. João escreveu que Satanás instigou Caim a ma­ B. Por ter sido fiel ao rei Davi, Salomão resol­
tar Abel, pois fora tomado por ciúme (1 Jo veu não matá-lo, mas removeu-o do cargo
3.12). de sumo sacerdote (1 Rs 2.26,27).
664
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

S u m á r io t e o l ó g ic o Citada na Bíblia pela primeira vez: 1 Samuel


I. Jesus mencionou algo que ocorreu quando 25.3.
Abiatar era sumo sacerdote para defender seu Citada pela última vez: 1 Crônicas 3.1.
direito de colher espigas no sábado (Mc 2.25). Significado do nome: “ Fonte de prazer” .
II. Jesus lembrou os fariseus do dia em que Davi Mencionada: 14 vezes.
tivera fome e recebera alimento do sacerdote Livros da Bíblia que citam Abigail: três livros (1
(Mc 2.26). Samuel, 2 Samuel e 1 Crônicas).
Detalhes importantes sobre a vida de Abigail: foi
D ados a terceira esposa de Davi (na versão NVI da
Pai: Aimeleque (1 Sm 22.20). Bíblia Sagrada, está registrado, em 1 Samuel
Filho: Jônatas (2 Sm 15.27,36). 25.43, que Abigail foi a terceira esposa de Da­
Ancestral importante: Arão (Êx 6.23; 1 Sm 22.20; vi. N a versão KJV, essa informação está am­
1 Cr 24.3). bígua).
Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Samuel 22.20.
Citado pela última vez: Marcos 2.26.
Significado do nome: “ Pai de muitos” . [ABIÚ]
Mencionado: 31 vezes.
Livros da Bíblia que citam Abiatar: cinco livros S u m á r io c r o n o l ó g ic o
(1 Samuel, 2 Samuel, 1 Reis, 1 Crônicas e I. Abiú viu a glória de Deus.
Marcos). A. Foi escolhido pelo próprio Deus para ser
Cargo: sumo sacerdote (1 Cr 15.11). sacerdote (Êx 28.1).
Detalhe importante sobre a vida de Abiatar: foi sa­ B. Acompanhou Moisés, Arão (o pai), Nada-
cerdote no tempo de Zadoque (1 Cr 15.11). be (o irmão), e os 70 anciãos israelitas na
subida ao monte Sinai (Êx 24.1).
C. Viu a majestade de Deus (Êx 24.10).
[a b i g a i l ] II. Desdenhou da glória de Deus: Abiú e Nadabe
foram mortos por Deus (Lv 10.1-11).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o A. Como foi morto: caiu fogo do céu e consu­
I. Abigail como esposa de Nabal. miu-o (Lv 10.2).
A. Foi uma mulher muito inteligente e formo­ B. A razão pela qual foi morto: o contexto em
sa (1 Sm 25.3). Levítico 10.9 sugere que Abiú, provavel­
B. Convenceu Davi a não matar seu marido mente, estava bêbado quando ofereceu
insano (1 Sm 25.23-31). “ fogo estranho perante o Senhor” (Lv
C. Davi concordou e elogiou-a pela coragem 10.1 ).
(1 Sm 25.32,33). C. Lição sobre a morte de Abiú: serviu para
II. A vida de Abigail como esposa de Davi. ilustrar a santidade de Deus (Lv 10.3,10).
A. Após a morte de Nabal, Abigail tornou-se D. A morte de Abiú é relembrada duas vezes
a terceira esposa de Davi (1 Sm 25.40-42). mais adiante (Nm 3.4; 26.61).
B. Abigail foi levada como refém por curto
período pelos amalequitas da cidade de Zi- Dados
clague (1 Sm 30.1-5). Pai: Arão (Êx 6.23).
C. Porém, muito depressa, foi resgatada por Mãe: Eliseba (Êx 6.23).
Davi (1 Sm 30.18). Irmãos: Nadabe, Eleazar e Itamar (Êx 6.23).
D. Mais adiante, mudou-se para Hebrom com Citado pela primeira vez na Bíblia: Êxodo 6.23.
Davi (2 Sm 2.2). Citado pela última vez: 1 Crônicas 24.2.
Significado do nome: “ Ele é meu pai” .
D ados Mencionado: 12 vezes.
Esposos: Nabal e Davi (1 Sm 25.3; 25.40-42). Livros da Bíblia que citam Abiú: quatro livros
Filho: Quileabe, também chamado de Daniel (2 (Êxodo, Levítico, Números e 1 Crônicas).
Sm 3.3; 1 Cr 3.1). Cargo: sacerdote (Êx 28.1).

665
G u ia de W illivungton para a B íblia r MÉTODO TEOLÓGICO

Lugar onde faleceu: tabernáculo em Cades-Barneia estava cercado por soldados que
Como foi morto: foi morto por Deus (Lv 10.2). Jeroboão, astutamente, já havia
Detalhe importante sobre a vida de Abiú: ofere posicionado (2 Cr 13.13).
ceu a Deus fogo pagão diante do tabernáculo 2. A salvação recebida durante a batalha.
(Lv 10.1). a. Quando Abias percebeu que estava
cercado, clamou ao Senhor, e Judá
foi resgatado das mãos de Jero­
ABIAS boão (1 Rs 13.14-16).
(Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 178 b. Quinhentos mil homens do exérci­
to de Jeroboão foram mortos pelos
S u m á r io c r o n o l ó g ic o soldados de Abias (1 Rs 13.17).
I. Contexto. c. Após a batalha, Abias fortaleceu-
A. Foi o segundo rei de Judá. -se; Jeroboão, porém, não recupe­
B. Foi líder durante três anos (1 Rs 15.2). rou o seu poder (1 Rs 13.20,21).
C. Também foi chamado de Abião (2 Cr
13.1). Dados
D. Foi um rei perverso (1 Rs 15.3). Pai: Roboão (1 Rs 14.31).
E. Abias estava muito bem preparado para Mãe: Maaca (1 Rs 15.2).
ser rei, pois havia servido como chefe e lí­ Filho: Asa (1 Rs 15.8).
der em Israel (2 Cr 11.22). Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Reis 14.31.
F. Teve 14 esposas, 22 filhos e 16 filhas (2 Cr Citado pela última vez: Mateus 1.7.
13.21). Significado do nome: “ Pai da luz” .
II. As batalhas de Abias. Mencionado: 20 vezes.
A. Abias lutou constantemente com Jeroboão, Livros da Bíblia que citam: três livros (1 Reis, 2
rei do reino do norte de Israel (1 Rs 15.7). Crônicas, Mateus).
B. Certa vez, Abias atacou Jeroboão com 400 Cargo: rei de Judá (1 Rs 15.1).
mil homens. Contudo, Jeroboão contra- Lugar onde nasceu: provavelmente em Jerusalém.
-atacou com 800 mil homens (2 Cr 13.3). Detalhe importante da vida de Abias: foi poupado
1. Somente instantes antes da batalha, de uma terrível derrota no campo de batalha
Abias anunciou o ataque aos inimigos contra o reino do norte de Israel, seu inimigo
(2 Cr 13.4-12). Jeroboão I, pois clamou ao Senhor (2 Cr 13).
a. O conteúdo do discurso.
(1) Relembrou que Deus tinha da­
do para sempre todas as 12 tri­ ÍÃBIM EIEQUE(I)
bos do reino de Israel ao seu bi­
savô Davi (2 Cr 13.5). S u m á r io c r o n o l ó g ic o
(2) Acusou Jeroboão de rebelião I. Abimeleque e Abraão.
contra o reino de Davi e Deus A. O disfarce elaborado por Abraão.
(2 Cr 13.6-9). 1. Abraão mentiu para Abimeleque, di­
(3) Descreveu o holocausto diário zendo que Sara era sua irmã (Gn 20.2).
de adoração ao Senhor que 2. Abimeleque decidiu casar-se com Sara
praticavam e salientou que o (Gn 20.2).
reino do norte não realizava tal 3. Deus advertiu-o em sonho para não se
prática no belo templo de Jeru­ casar com ela (Gn 20.3-7).
salém (2 Cr 13.10,11). 4. Abimeleque devolveu Sara a Abraão,
(4) Advertiu-os de que a luta contra repreendeu-o e também lhe trouxe pre­
eles não teria êxito (2 Cr 13.12). sentes (Gn 20.8-16).
b. As conseqüências do discurso. 5. Deus então voltou a abrir o ventre de
Enquanto Abias pronunciava o todas as mulheres, retirando a maldi­
longo discurso, ele não sabia que ção sobre elas (Gn 20.17,18).
666
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

B. O acordo com Abraão. 2. Porém, o filho mais novo de Gideão,


A seguir, Abimeleque assinou um acor­ Jotão, conseguiu escapar (Jz 9.5).
do de paz com Abraão em Berseba (Gn 3. Abimeleque foi então oficialmente “ co­
21.22-32). roado” rei sobre todo Israel pelos cida­
II. Abimeleque e Isaque. dãos de Siquém e Bete-Milo (Jz 9.6).
A. O disfarce elaborado por Isaque. C. O escárnio.
1. Isaque (assim como o pai) mentiu para Foi repreendido e ridicularizado por Jo ­
Abimeleque, dizendo que Rebeca era tão, no topo do monte Gerizim com a fá­
sua irmã (Gn 26.7). bula do espinheiro que virou rei (Jz 9.7-
2. Abimeleque descobriu a verdade num 2 0 ).
momento constrangedor para Isaque II. Momentos finais do reinado sangrento de Abi­
(Gn 26.8). meleque.
3. Abimeleque orientou o povo a não A. As dificuldades de Abimeleque.
causar danos a Isaque ou Rebeca (Gn 1. Depois de três anos, Deus usou um es­
26.11). pírito maligno para causar dissensão
B. O acordo com Isaque. entre Abimeleque e os cidadãos de Si­
1. Então, Abimeleque pediu a Isaque pa­ quém para vingar o derramamento de
ra sair de Gerar (Gn 26.16,17). sangue dos 70 meios-irmãos (Jz 9.23-
2. Depois disso, Isaque continuou pros­ 25).
perando, e Abimeleque fez um acordo 2. Abimeleque, então, sofreu conspiração
com ele (Gn 26.26-31). por parte de um cidadão de Siquém in­
satisfeito, chamado Gaal (Jz 9.26-38).
D ados 3. Gaal conduziu um exército de Siquém
Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis contra Abimeleque (Jz 9.39).
20 .2 . 4. Abimeleque, porém, venceu a batalha,
Citado pela última vez: Gênesis 26.26. dominou a cidade e assassinou todos
Significado do nome: “Pai do rei” . os moradores (Jz 9.40-49).
Mencionado: 24 vezes. 5. Depois ocupou Tebes, outra cidade que
Livro da Bíblia que cita Abimeleque (1): um livro havia se rebelado contra ele (Jz 9.50).
(Gênesis). B. A morte de Abimeleque.
Cargo: rei de Gerar (Gn 20.2). 1. Alguns habitantes de Tebes refugia­
Detalhe importante sobre a vida de Abimeleque (1): ram-se dentro de uma torre forte da ci­
tentou casar-se com Sara (Gn 20.2-6). dade (Jz 9.51).
2. Abimeleque cercou a torre a fim de in­
cendiá-la (Jz 9.52).
|ABIMELEQUE (2) j 3. Uma mulher lá de cima da torre jogou-
-lhe uma pedra de moinho na cabeça e
S u m á r io c r o n o l ó g ic o rachou-lhe o crânio (Jz 9.53).
I. Primeiro momento do reinado sangrento de 4. Abimeleque ordenou ao seu escudeiro
Abimeleque. que o matasse para que não falassem
A. A declaração. que uma mulher lhe havia tirado a vi­
1. Abimeleque declarou-se rei em Siquém da (Jz 9.54).
(Jz 9.1-3). 5. Os seguidores de Abimeleque rapida­
2. Os cidadãos de Siquém ofereceram-lhe mente dispersaram-se, e o reinado do
dinheiro, do qual usou para contratar rei do espinheiro chegou ao fim (Jz
desocupados e vadios (Jz 9.4). 9.55-57).
B. As mortes.
1. Foi até Ofra, na casa de Gideão, seu S u m á r io t e o l ó g ic o
pai, e tentou assassinar todos os 70 Joabe citou Abimeleque num relatório que
meios-irmãos em uma rocha (Jz 9.5). enviara a Davi sobre a batalha (2 Sm 11.20,21).
667
G u ia de W illm in g to n pa r a a B íblia {= MÉTODO TEOLÓGICO

D ados Dados
Pai: Gideão (Jz 8.31). Mãe: Zeruia (2 Sm 2.18).
Irmãos: Abimeleque teve 71 meios-irmãos. O Irmãos: Joabe e Asael (2 Sm 2.18).
único que tem o nome citado na Bíblia é Jo- Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Samuel 26.6.
tão (Jz 9.5). Citado pela última vez: 1 Crônicas 19.15.
Nota: em Juizes 8.30,31 e 9.5, subentende-se que Significado do nome: “ Fonte de riquezas” .
havia 70 meios-irmãos, dos quais 69 foram Mencionado: 24 vezes.
assassinados. Veja também “ Gideão” . Livros da Bíblia que citam Abisai: três livros (1
Citado pela primeira vez na Bíblia: Juizes 8.31. Samuel, 2 Samuel e 1 Crônicas).
Citado pela última vez: 2 Samuel 11.21. Cargo: líder militar (1 Cr 18.12; 19.15).
Significado do nome: “ Pai do rei” . Detalhe importante sobre a vida de Abisai: foi um
Mencionado: 40 vezes. dos 30 guerreiros mais valentes de Davi (2 Sm
Livros da Bíblia que citam Abimeleque (2): dois 23.18).
livros (Juizes e 2 Samuel).
Cargos: criminoso; rei aspirante.
Lugar onde nasceu: Siquém (Jz 8.31). jABNER
Lugar onde faleceu: base de uma torre na cidade
deTebes (Jz 9.50-54). S u m á r io c r o n o l ó g ic o
Como foi morto: teve o crânio esmagado por I. Abner e Saul.
uma pedra (Jz 9.53). A. Abner era parente de Saul, pois era filho do
Detalhe importante sobre a vida de Abimeleque (2): tio de Saul (1 Sm 14.50).
assassinou seus irmãos (Jz 9.5; veja a obser­ B. Tornou-se o comandante do exército de
vação acima). Saul (1 Sm 14.50).
C. Apresentou Davi a Saul após este ter mata­
do Golias (1 Sm 17.55-57).
1ABISAI D. Assentava-se à mesa com o rei Saul, ao seu
lado (1 Sm 20.25).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o E. Foi repreendido por Davi por ter dormido
I. Serviu Davi durante o reinado de Saul. em serviço, e assim permitido que a lança
Acompanhou Davi até o acampamento de e o jarro de água do rei Saul fossem leva­
Saul quando aquele levou consigo a lança e o dos (1 Sm 26.14-16).
jarro de água do rei (1 Sm 26.6-12). II. Abner e Isbosete.
II. Serviu a Davi, durante seu reinado. A. Abner indicou Isbosete para ser rei de Isra­
A. Tornou-se general-chefe de todo exército el após a morte de Saul (2 Sm 2.8,9).
de Davi (2 Sm 23.18). B. Sugeriu uma batalha sangrenta próxima ao
B. Mais adiante, ajudou Joabe a matar Abner poço de Gibeão, colocando 12 guerreiros de
(general do exército de Saul) por ter mata­ Davi contra 12 de seu exército e assim cau­
do seu irmão mais novo Asael (2 Sm 3.30). sando a morte dos 24 (2 Sm 2.12-16).
C. Por duas vezes, Davi recusou o pedido de C. Depois disso, seus homens foram derrota­
Abisai para matar Simei (parente de Saul) dos numa batalha por Joabe, capitão do
que havia amaldiçoado o rei durante a re­ exército de Davi (2 Sm 2.17).
belião de Absalão (2 Sm 16.5,9-11; 19.21- D. Foi perseguido por Asael, irmão mais novo
23). de Joabe, e obrigado a matá-lo (2 Sm 2.18-
D. Ajudou o irmão Joabe a extirpar a rebelião 23).
de Seba logo após a revolta de Absalão (2 E. Convenceu Joabe, por um tempo, a não
Sm 20.6,10). guerrear contra ele, argumentando que se­
E. Certa vez, salvou Davi de um gigante filis- ria desnecessário (2 Sm 2.26-28).
teu chamado Isbi-Benobe (2 Sm 21.15-17). F. Foi acusado por Isbosete de haver se deita­
F. Assassinou 300 soldados inimigos numa do com Rispa, antiga concubina de Saul.
batalha (2 Sm 23.18). Abner, muito enfurecido, negou o fato e
668
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

jurou entregar o reino nas mãos de Davi (2 C. Quando Deus apareceu a Abraão, ele con­
Sm 3.6-11). verteu-se (At 7.2).
III. Abner e Davi. II. O chamado de Abraão.
A. Abner enviou mensageiros de paz ao acam­ Deus ordenou-o deixar a Mesopotâmia e se­
pamento de Davi (2 Sm 3.12). guir para uma nova terra que lhe mostraria (Gn
B. Depois disso, encorajou os anciãos de Israel 12.1; At 7.3).
a aceitarem Davi como rei (2 Sm 3.17,18). III. A missão de Abraão.
C. Foi ao encontro de Davi e jurou dar-lhe to­ Aos 75 anos de idade, Abraão (Sara aos 65)
do apoio (2 Sm 3.19-21). recebeu de Deus a aliança abraâmica, com sete
IV. Abner e Joabe. promessas (Gn 12.2,3).
A. Abner foi assassinado por Joabe (2 Sm A. Far-te-ei uma grande nação (Gn 12.2).
3.22-27). B. Abençoar-te-ei (Gn 12.2).
1. Para vingar-se da morte de Asael (2 Sm C. Engrandecerei o teu nome (Gn 12.2).
3.30). D. Serás uma bênção (Gn 12.2).
2. Também para exterminar um possível E. Abençoarei os que te abençoarem (Gn
rival. 12.3).
B. O rei Davi lamentou pela morte de Abner F. Amaldiçoarei os que te amaldiçoarem (Gn
(2 Sm 3.31-39). 12.3).
C. Depois de certo tempo, encarregou Salo­ G. Em ti serão benditas todas as famílias da
mão de punir Joabe por ter matado Abner terra (Gn 12.3).
(1 Rs 2.5,6). IV. A complacência de Abraão.
A. Ele deveria deixar toda a parentela, mas
Dados permitiu que seu pai, Tera, e o sobrinho,
Pai: Ner (1 Sm 14.50). Ló, o acompanhassem (Gn 11.31,32; At
Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Samuel 7.4).
14.50. B. Abraão e seu pai habitaram em Harã por
Citado pela última vez: 1 Crônicas 27.21. um tempo (Gn 11.31).
Significado do nome: “Pai da luz” . C. Após a morte de seu pai, Abraão foi para
Mencionado: 61 vezes. Canaã (At 7.4).
Livros da Bíblia que citam Abner: quatro livros V. Canaã, sua terra (Gn 12.5-9).
(1 Samuel, 2 Samuel, 1 Reis e 1 Crônicas). A. Abraão em Siquém (Gn 12.5-7).
Cargo: comandante do exército (1 Sm 14.50). 1. N a jornada pela terra de Canaã, esta­
Lugar onde faleceu: próximo à entrada principal beleceu acampamento ao lado da pla­
de Hebrom (2 Sm 3.27). nície de Moriá.
Como foi morto: foi assassinado por Joabe (2 Sm 2. Deus apareceu para Abraão em Moriá
3.27). e prometeu dar-lhe aquela terra, a ele e
Detalhe importante sobre a vida de Abner: foi o à sua descendência.
comandante do exército de Saul (1 Sm 14.50). 3. Abraão ergueu o primeiro altar ao Se­
nhor registrado na Bíblia, e ali, adorou
a Deus.
ABRAÃO] B. Abraão em Betei (Gn 12.7,8).
(Veja também O estágio do patriarcado, vol. 1, p. 22) 1. Acampou entre Betei e Ai.
2. Ergueu o segundo altar e clamou ao Se­
S u m á r io c r o n o l ó g ic o nhor.
I. A conversão de Abraão. C. Abraão em Hebrom ou Berseba (Gn 12.9).
A. Nasceu e cresceu em Ur dos caldeus, cida­ Subtende-se que se estabeleceu em um
de localizada na Mesopotâmia (Gn 11.27- desses dois locais, na região sul de Canaã.
29; At 7.2-4). VI. A carnalidade de Abraão.
B. Antes de Abraão se converter, era adorador Houve duas ocasiões, na Bíblia, em que
de ídolos (Js 24.2). Abraão mentiu sobre sua esposa Sara.
669
G u ia de W illm in g to n para a B íblia MÉTODO TEOLÓGICO

A. A decepção de Abraão no Egito (Gn 12.10- 1. Logo depois que retornou ao Egito,
2 0 ). Abraão estabeleceu-se em Betei e tor­
1. Durante a fome em Canaã, Abraão dei­ nou-se um homem muito próspero.
xou aquela terra e mudou-se para o 2. Houve contenda entre os pastores de
Egito. Ló (sobrinho de Abraão) e de Abraão
2. Convenceu Sara a fingir que era sua ir­ a respeito dos direitos sobre as pasta­
mã, pois temia que Faraó o matasse pa­ gens.
ra casar-se com ela. B. O acordo (Gn 13.8-13).
3. Para surpresa de Abraão, Faraó resol­ 1. Buscando manter a paz entre eles,
veu casar-se com Sara. Abraão, graciosamente, permitiu que
4. Deus, no entanto, amaldiçoou a casa Ló escolhesse primeiro a terra que gos­
de Faraó pela proposta que havia feito. taria de tomar posse.
5. Após tomar conhecimento da verdade, 2. O jovem néscio escolheu a terra próxi­
o rei egípcio repreendeu a Abraão seve­ ma a Sodoma, uma cidade cheia de in­
ramente por tê-lo enganado sobre Sara credulidade e perversidade.
e ordenou que os dois retornassem a C. A confirmação da promessa (Gn 13.14-
Canaã. 17).
B. A decepção de Abraão em Filístia (Gn Após se separarem, Deus apareceu a
20.1-18). Abraão e reafirmou a promessa que havia
1. Alguns anos depois, durante outra feito sobre a terra e a sua descendência.
grande fome, Abraão deixa Canaã 1. A confirmação da promessa em rela­
mais uma vez, dessa vez seguindo em ção à terra.
direção a Filístia. Deus prometeu dar a Abraão e à sua
2. Pela segunda vez, por sentir medo, descendência toda a terra que ele podia
Abraão mentiu, dizendo que Sara era ver.
sua irmã. 2. A confirmação da promessa em rela­
3. Abimeleque, rei de Filístia, decidiu ca- ção à descendência.
sar-se com Sara. Deus prometeu a Abraão que sua
4. Nesse momento, Deus entrou em cena. descendência seria tão numerosa quan­
a. Deus amaldiçoou a casa de Abime­ to o pó da terra.
leque. D. Os altares.
b. Deus advertiu-o para não se casar Abraão construiu dois altares enquanto
com Sara. viveu.
c. Deus advertiu-o para não causar 1. O altar de Betei (Gn 13.3,4).
nenhum dano a Abraão. 2. O altar de Hebrom (Gn 13.18).
5. Ao ser repreendido por Abimeleque, VIII. A coragem de Abraão.
por tê-lo enganado, Abraão apresen­ A. O vilão.
tou duas defesas: O rei mesopotâmio Quedorlaomer ata­
a. Confessou que havia mentido por cou e destruiu a cidade de Sodoma,levan­
medo. do cativos consigo muitos habitantes da­
b. Defendeu-se dizendo ser Sara sua quela cidade (Gn 14.1-11).
meia-irmã, pois tinham o mesmo B. A vítima.
pai, porém mães diferentes. Entre os cativos, estava Ló, sobrinho de
6. Abimeleque, então, foi generoso e pre­ Abraão (Gn 14.12).
senteou-os com abundância. C. A vitória.
7. Abraão intercedeu em favor de Abime­ Após receber essa notícia, Abraão ata­
leque, e Deus abriu o ventre estéril das cou e destruiu todo o exército de Quedor­
mulheres da casa desse rei. laomer com 318 homens e, assim, libertou
VII. A condescendência. Ló (Gn 14.13-16).
A. A discussão (Gn 13.1-7). IX. A ceia.
670
“ P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

No caminho de volta para casa após a gran­ b. Seguindo a orientação de Deus,


de vitória, Abraão encontrou-se com dois reis. Abraão sacrificou uma bezerra,
A. Bera, o rei de Sodoma, perverso e ateu (Gn uma cabra e um carneiro, partiu-os
14.17,21-24). pelo meio e colocou cada parte de­
1. Bera, como recompensa pela libertação les em frente da outra. Abraão tam­
dos reféns, chegou a oferecer os bens bém sacrificou uma rolinha e uma
que foram saqueados por Quedorlao- pomba.
mer na guerra. c. Deus, então, fez cair sobre Abraão
2. Abraão recusou a oferta, pois não que­ um sono profundo.
ria ficar conhecido como o patriarca de d. Quando o sol se pôs e escureceu, o
Deus que se enriqueceu à custa de um próprio Deus - em forma de forno
monarca imoral de Sodoma. de fumaça e com uma tocha de fo­
B. Melquisedeque, rei de Salém e sacerdote go - passou por aquelas metades,
do Deus altíssimo (Gn 14.18-20). demonstrando a imutabilidade da­
1. A bênção que Abraão recebeu de Mel­ quela aliança.
quisedeque. 4. A profecia acompanhada ao plano de
O rei de Salém, temente a Deus (a Deus.
primeira citação na Bíblia sobre Jeru­ Deus deu a Abraão uma profecia
salém), compartilhou pão e vinho com com seis detalhes:
Abraão e abençoou-o (Gn 14.19,20). a. A descendência de Abraão seria es­
2. A generosidade de Abraão remetida a trangeira em terra estranha.
Melquisedeque (Gn 14.20). b. Ali seria escravizada e maltratada
X. A aliança. por 400 anos.
A. O plano imprudente de Abraão (Gn 15.1-3). c. A nação que a maltratou e escravi­
1. Deus aparece mais uma vez a Abraão, zou seria punida por Deus.
o patriarca, reafirmando que era seu d. Os descendentes de Abraão seriam
escudo e grandíssimo galardão. libertos, levando consigo grandes
2. Neste encontro, Abraão propôs um riquezas.
plano para Deus. e. Na quarta geração, os descendentes
a. Ele ainda não tinha filhos. retornariam para Canaã.
b. Sugeriu que adotasse um servo cha­ f. Abraão não presenciaria nenhuma
mado Eliézer, e que este fosse o her­ dessas promessas, mas viveria em
deiro da promessa. paz e morreria avançado de dias.
B. O plano soberano e sábio de Deus (Gn XI. A falha de Abraão.
15.4-21). A. O motivo da falha (Gn 16.1,2).
1. As características dos planos de Deus. 1. A esposa de Abraão havia perdido to­
Deus, de imediato, rejeitou o plano das as esperanças de poder ter filhos.
de Abraão, em favor de Seu próprio 2. Sara insistiu para que o marido se ca­
plano divino. sasse com Agar, sua serva (Gn 16.2).
a. Um filho gerado da carne de B. O resultado da falha (Gn 16.3-16).
Abraão seria o herdeiro. 1. Abraão recebeu Agar como esposa,
b. A descendência de Abraão seria tão que logo engravidou.
numerosa quanto as estrelas no céu. 2. Agar, porém, começou a menosprezar
c. Abraão e sua semente herdariam a Sara.
terra de Canaã. 3. Num ataque de raiva, Sara expulsou a
2. A reação de Abraão diante do plano de mulher grávida para o deserto.
Deus (Gn 15.6). 4. O anjo do Senhor apareceu para Agar e
3. A ratificação do plano de Deus. instruiu-a a voltar e submeter-se a Sara.
a. Deus selou a promessa que fez a 5. Agar obedeceu e deu à luz Ismael, o
Abraão com pacto de sangue. primogênito de Abraão.
671
G u ia de W illm in g t o n pa r a a B íb lia } MÉTODO TEOLÓGICO

6. O ancião tinha 86 anos de idade quan­ Abraão correram em direção à ci­


do Ismael nasceu. dade para realizar os preparativos
XII. As circunstâncias. finais para a destruição daquele
Quando Abraão tinha 99 anos, Deus apare­ local.
ceu e reafirmou a aliança abraâmica, dessa vez 2. A intercessão de Abraão por Sodoma.
dando mais detalhes sobre a aliança. Abraão Abraão começou a interceder por
agiu de acordo (Gn 17.1-27). Sodoma, pois sabia que seu sobrinho
A. O sinal da aliança (Gn 17.10,11). morava lá e dialogou com Deus:
B. O despenseiro da aliança. a. A cidade seria poupada se fossem
1. Abraão. encontradas 50 pessoas justas ne­
Deus mudou o nome de Abrão, que la? A resposta foi sim.
significa “ pai exaltado” para Abraão, b. Seria poupada se fossem 45? Mais
“pai de uma multidão” (Gn 17.5,6). uma vez, a resposta foi sim.
2. Sara. c. E se houvessem 40 pessoas? Sim.
Deus mudou o nome de Sarai, que d. E se houvessem 30 pessoas? Sim.
significa “ contenciosa” , para Sara, e. E se houvessem 20 pessoas? Sim.
“ princesa” (Gn 17.15,16). f. E se apenas 10 pudessem ser encon­
3. Ismael. tradas? Sim (Gn 18.33).
Apesar de Ismael não fazer parte da XIV. A celebração de Abraão.
aliança, sem dúvida recebera as bên­ A. O banquete (Gn 21.1-8).
çãos resultantes dela (Gn 17.20). 1. Como Deus havia prometido, Abraão
4. Isaque. teve um filho com Sara.
Pela primeira vez, Deus revelou dois 2. Abraão deu-lhe o nome de Isaque e cir-
detalhes sobre o tão esperado herdeiro. cuncidou-o no oitavo dia.
a. Qual seria o nome dele: Isaque (Gn 3. Quando a criança nasceu, Abraão ti­
17.19). nha 100 anos, e Sara, 90.
b. Quando nasceria (Gn 17.21). 4. No dia em que Isaque foi desmamado,
XIII. A compaixão. Abraão deu uma grande festa para ce­
O Senhor e os dois anjos apareceram a lebrar a ocasião.
Abraão “ nos carvalhais” de Manre com duas B. A zombaria.
notícias, uma boa e outra má. Uma situação causou grande sofrimen­
A. Boa notícia (Gn 18.1-15). to ao patriarca. Naquele mesmo dia festi­
1. A reafirmação. vo, Sara viu Ismael, filho de Agar, zomban­
M ais uma vez, assim como havia do e ridicularizando Isaque (Gn 21.9).
feito anteriormente (Gn 17.21), Deus C. A fúria.
lembrou a Abraão e a Sara sobre o Sara, enfurecida, ordenou que o marido
nascimento do filho da promessa (Gn expulsasse Agar (Gn 21.10).
18.10). D. A despedida.
2. A relutância. Deus instruiu Abraão a atender ao pe­
Depois de escutar de dentro da ten­ dido de Sara, garantindo ao patriarca, re­
da as palavras que Deus tinha dito a lutante, que Agar e Ismael teriam as neces­
Abraão, a reação de Sara não foi nada sidades supridas de modo sobrenatural
positiva (Gn 18.12). (G n 2 1 .11-13).
3. A repreensão (Gn 18.13-15). E. A provisão.
B. A má notícia (Gn 18.16-33). Agar recebeu provisão divina no deser­
1. O julgamento de Deus sobre Sodoma. to, e Deus cumpriu a promessa que havia
a. Abrão foi informado que Deus des­ feito a respeito de Ismael (Gn 21.14-21).
truiria Sodoma, uma cidade iníqua. XV. O contrato.
b. Naquele mesmo momento, os anjos A. Um exemplo de contrato divino dado a
que haviam se encontrado com Abraão em Gênesis 15.1-21.
672
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

B. Um exemplo de contrato humano feito Isaque perguntou sobre o cordeiro a


por Abraão: quando o rei filisteu Abime­ Abraão (Gn 22.7).
leque percebeu que a mão de Deus estava 2. Sem dúvida, Abraão deu a resposta
sobre Abraão, propôs-lhe um acordo (Gn com o coração partido (Gn 22.8).
21.22-34). 3. Quando chegaram ao topo, e Isaque
1. O problema em questão (Gn 21.25). soube a verdade, sem resistir, deixou-se
2. Os detalhes em questão. ser amarrado no altar (Gn 22.9).
a. Abimeleque disse não ter conheci­ C. A provisão divina (Gn 22.10-14).
mento do fato (Gn 21.26). XVII. A cova.
b. Abraão deu a ele sete cordeiras pa­ A. As lágrimas de Abraão (Gn 23.1,2).
ra servirem de testemunho a respei­ B. A transição de Abraão.
to do poço (Gn 21.30). 1. O lugar que comprou.
c. Os dois concordaram em agir em Abraão comprou de Efrom, o hitita,
bondade entre si e com os descen­ uma caverna chamada Macpela, pró­
dentes. xima de Hebrom, onde sepultou Sara
3. O lugar em questão. (Gn 23.3-16).
O acordo foi feito em Berseba, que 2. O valor que pagou.
significa “ o poço dos juramentos” (Gn Abraão deu a Efrom 400 ciclos de
21.31). prata pela caverna (Gn 23.16).
XVI. O calvário de Abraão (Gn 22.1-19). 3. O propósito estabelecido.
A. A tristeza de Abraão (Gn 22.1-5). O campo e a caverna passaram a ser
1. A ordem. o túmulo da família (Gn 23.17-20).
Abraão foi testado por Deus quan­ XVIII. A ordem de Abraão (Gn 24.1-9).
do pediu que oferecesse Isaque como A. O problema em questão.
sacrifício no monte Moriá. Abraão não queria que Isaque se casas­
2. A obediência. se com uma das mulheres pagãs cananeias
Demonstrando profunda obediên­ (Gn 24.3).
cia, Abraão preparou-se para obedecer B. A parte envolvida.
à ordem divina. Abraão pediu ao servo fiel (provavel­
3. A provação. mente Eliézer) para ajudá-lo (Gn 24.1-
a. Levando consigo dois servos e Isa­ 4).
que, seguiu em direção ao monte C. O plano em questão (Gn 24.5-9).
Moriá. 1. Eliézer deveria ir até Naor, noroeste da
b. Quando chegou aos pés do monte, Mesopotâmia, onde alguns parentes de
pediu que os servos os aguardas­ Abraão viviam.
sem até que retornassem lá de ci­ 2. Dali, ele escolheria uma noiva para Isa­
ma. que.
4. O otimismo. 3. De maneira alguma, Eliézer deveria ti­
a. Apesar de sua dor, Abraão mostrou rar Isaque de Canaã.
grande fé em suas palavras finais D. A promessa em questão (Gn 24.2,9).
aos servos (Gn 22.5). XIX.Quetura (Gn 25.1-6).
b. Por essas palavras, os servos enten­ A. A última esposa de Abraão (Gn 25.1).
deram que ambos, ele e seu filho, B. Os últimos filhos (Gn 25.2).
iriam voltar da montanha. C. Ultimo acampamento.
c. O livro de Hebreus explica o moti­ Abraão presenteou os filhos e enviou-os
vo do otimismo do patriarca (Hb para longe de Isaque, para quem deu tudo
11.17,19). que possuía (Gn 25.5,6).
B. A submissão de Isaque (Gn 22.6-9). XX. A cidade de Abraão.
1. Durante a subida, sem ainda ter perce­ A. A vida terrena chega ao fim (Gn 25.7,8).
bido que ele é quem seria sacrificado, B. A vida eterna começa (Hb 11.10).
673
G u ia de W illm in gtq n pa r a a B íblia {= MÉTODO TEOLÓGICO

S u m á r io t e o l ó g ic o e perante a face de Pilatos negastes,


I. Os títulos de Abraão. tendo ele determinado que fosse solto
A. Foi chamado de “ amigo de Deus” (2 Cr (At 3.13).
20.7; Is 41.8; Tg 2.23). 2. Vós sois os filhos dos profetas e do con­
B. E reconhecido como o “pai da nação isra­ certo que Deus fez com nossos pais, di­
elita” (SI 47.9; 105.6; Is 41.8; 51.2). zendo a Abraão: N a tua descendência
C. A habitação dos que descansaram no Se­ serão benditas todas as famílias da ter­
nhor antes da cruz recebeu o nome do p a­ ra (At 3.25).
triarca, conhecida como “ seio de A braão” D. Estêvão referiu-se a Abraão cinco vezes ao
(Lc 16.22). N a habitação, Abraão con­ apresentar-se em defesa diante do sumo sa­
versa com um homem rico que tinha des­ cerdote judeu (At 7.2,8,16,17,32). Estêvão
cido à sepultura sem salvação (Lc 16.24- destacou o seguinte:
31). 1. A glória de Deus tinha aparecido a
1. O homem, atormentado com chamas Abraão na Mesopotâmia.
de fogo, pediu a Abraão que lhe conce­ 2. Deus deu-lhe o selo da circuncisão.
desse alívio. 3. Abraão tinha comprado a caverna de
2. Abraão respondeu não ser possível. Macpela para servir-lhe de sepultura.
3. O homem, então, pediu que enviasse 4. Deus havia prometido a Abraão que
Lázaro, um pobre mendigo que havia um dia libertaria o povo dos aguilhões
falecido no Senhor, de volta à terra dos do Egito.
viventes para que testemunhasse para 5. Deus invocou o nome de Abraão quan­
os cinco irmãos perdidos. do chamou a Moisés.
4. Mais uma vez, Abraão recusa e diz que E. Paulo também citou Abraão.
já haviam tido muitas oportunidades 1. Durante seu segundo sermão registra­
para ouvir os profetas. do na Bíblia (At 13.26).
5. Se aqueles irmãos não tinham dado 2. Para ilustrar quatro grandes verdades.
ouvidos aos profetas, não dariam ou­ a. O significado e a necessidade de
vidos a alguém que ressurgisse dos justificação (Rm 4.1-3,11,12,16;
mortos. Gl 3.16-18).
II. O exemplo de Abraão. b. A verdadeira identidade da semen­
A. Foi mencionado por João Batista para re­ te de Abraão, a saber, judeus e gen­
preender os incrédulos fariseus e saduceus tios salvos, e não somente os ju­
(Mt 3.7-9). deus (Rm 4 .1 1 ,1 2 ,1 6 ; Gl 3.6-
B. Jesus citou Abraão várias vezes. 9,14,29).
1. Quando distinguiu a semente espiritu­ c. A soberania de Deus (Rm 9.6-9).
al e física de Abraão (Mt 8.11,12; Lc d. A sabedoria de Deus (Rm 11.1).
13.28,29; Jo 8.39). F. O próprio Deus, em três situações diferen­
2. Para provar que Deus é Deus dos vivos tes, lembrou a muitos de que era o Deus de
e não dos mortos (Mt 22.32). Abraão.
3. Para fazer um contraste entre Ele e 1. Lembrou a Isaque (Gn 26.24).
Abraão (Jo 8.58). 2. Lembrou a Jacó (Gn 28.13).
4. Para testemunhar que Abraão desfru­ 3. Lembrou a Moisés (Êx 3.6).
tou das bênçãos do Cristo antes mes­ G. Pelo menos 10 pessoas mencionaram
mo de Ele vir ao mundo (Jo 8.56). Abraão nas orações ou admoestações.
C. Pedro mencionou Abraão duas vezes no 1. Jacó (Gn 32.9-12).
sermão junto à porta de Jerusalém, chama­ 2. Moisés (Êx 32.13).
da Formosa. 3. Davi (1 Cr 16.15).
1. O Deus de Abraão, e de Isaque, e de Ja ­ 4. Elias (1 Rs 18.36).
có, o Deus de nossos pais, glorificou a 5. Josafá (2 Cr 29.7).
seu Filho Jesus, a quem vós entregastes 6. Ezequias (2 Cr 30.6).
674
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

7. Os levitas nos dias de Neemias (Ne Dados


9.7). Pai: Tera (Gn 11.26).
8. Miqueias (Mq 7.20). Esposas: Sara, Agar e Quetura (Gn 11.29; 16.3;
9. Maria (Lc 1.55). 25.1).
10. Zacarias (Lc 1.73). Filhos: de Agar - Ismael (Gn 16.15,16); de Sara -
III. A missão. Isaque (Gn 21.2,3); de Quetura - Zinrã, Joc-
A. Deus sempre poupou e livrou Israel devido sã, Medã, Midiã, Isbaque e Suá (Gn 25.2).
à aliança que fizera com Abraão. Os livra­ Irmãos: Naor e Harã (Gn 11.26).
mentos: Irmã: Sara era sua meia-irmã (Gn 20.12).
1. Durante o cativeiro no Egito (Êx 2. Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis
24). 11.26.
2. Durante a saída (Sl 105.42). Citado pela última vez: 1 Pedro 3.6.
3. Durante o reinado de Jeoacaz (2 Rs Significado do nome: “ Pai de uma multidão” .
13.22-25). Mencionado: 307 vezes (61 como “Abrão” ).
B. Pelo menos 18 acontecimentos da vida de Livros da Bíblia que citam Abraão: 27 livros
Abraão são citados no Novo Testamento. (Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deute-
1. Quando ainda habitava na Mesopotâ- ronômio, Josué, 1 Reis, 2 Reis, 1 Crônicas,
mia (At 7.2). 2 Crônicas, Neemias, Salmos, Isaías, Jere­
2. A crença de Abraão (At 7.2; Rm 4.3; mias, Ezequiel, Miqueias, Mateus, Marcos,
Gl 3.6; Tg 2.23). Lucas, João, Atos, Romanos, 2 Coríntios,
3. Quando recebeu a aliança abraâmica Gálatas, Hebreus, Tiago e 1 Pedro).
(Lc 1.73; At 3.25; Hb 6.13,14). Cargo: patriarca.
4. O chamado para Canaã (Hb 11.8). Lugar onde nasceu: Ur dos caldeus (Gn 11.31).
5. A estada em H arã (At 7.4). Lugar onde faleceu: próximo a Hebrom, em Ca­
6. A vida nômade que levou em Canaã naã (Gn 23.19; 25.9).
(Hb 11.9). Idade que tinha quando morreu: 175 anos (Gn
7. A vitória sobre Quedorlaomer (Hb 25.7).
7.1). Detalhes importantes sobre a vida de Abraão: foi
8. O encontro com Melquisedeque (Hb o pai da nação israelita e o maior exemplo de
7.1). fé já existente (Gn 12.1-3; 1 Cr 1.34; 2.1,2;
9. A fé de Abraão e de Sara nas promes­ Hb 11.8-10).
sas de Deus sobre o nascimento de Isa­
que (Rm 4.18-21; Hb 11.11).
10. A circuncisão de Abraão (At 7.8; Rm ABSALÃO
4.11).
11. A esposa Agar e o nascimento de Isma­ S u m á r io c r o n o l ó g ic o
el (Gl 4.22-24). I. A vingança de Absalão.
12. O encontro com Deus pouco antes do A. Assassinou o meio-irmão Amnom por ter
nascimento de Isaque (Rm 9.9). estuprado sua irmã, Tamar (2 Sm 13.28,
13. Quando circuncisou Isaque (At 7.8). 29).
14. Quando ofereceu Isaque como sacrifí­ B. Depois disso, fugiu para a Gesur e, lá,
cio (Hb 11.17; Tg 2.21). permaneceu por três anos (2 Sm 13.37,
15. Creu que, se preciso fosse, Deus ressus­ 38).
citaria Isaque (Hb 11.19). C. Passados três anos, Joabe enganou Davi e
16. A esposa submissa de Abraão, Sara (1 trouxe de volta Absalão para Israel (2 Sm
Pe 3.6). 14.1-23).
17. Quando comprou o túmulo para Sara D. Somente depois de dois anos, o rei Davi
(At 7.16). concordou em receber o filho Absalão (2
18. Abraão pôde prever a cidade celestial Sm 14.24,28-33).
(Hb 11.10). II. A revolta de Absalão.
675
G u ia de W illm in g to n para a Bíb lia [ MÉTODO TEOLÓGICO

A. Características de Absalão. 7. O exército de Absalão foi totalmente


1. Absalão era perfeito em formosura (2 destruído durante a batalha no bosque
Sm 14.25). de Efraim, e 20 mil homens caíram der­
2. Os cabelos de Absalão cresciam rapi­ rotados (2 Sm 18.6,7).
damente e eram muito pesados (2 Sm 8. Enquanto fugia da guerra montado
14.26). numa mula ligeira, a cabeça de Absa­
B. A astúcia de Absalão. lão ficou fincada num galho grosso de
1. Absalão buscou edificar-se a si mesmo um carvalho, e ele ficou ali pendurado
desfilando com um carro, cavalos e 50 no alto (2 Sm 18.9).
homens escoltando-o à frente dele (2 9. Joabe encontrou-o e traspassou-lhe o
Sm 15.1). coração com três dardos. Então, dez
2. Absalão resolveu ficar na entrada prin­ homens de Joabe certificaram-se de
cipal de Jerusalém para falar com as que A bsalão estava morto (2 Sm
pessoas e ouvi-las sobre as necessida­ 18.14,15).
des, assim conquistando o coração de 10. O corpo de Absalão foi lançado numa
todos (2 Sm 15.2-6). grande cova no bosque e coberto por
3. Quatro anos mais tarde, os planos de um grande amontoado de pedras (2 Sm
Absalão começaram a concretizar-se 18.17).
quando recebeu a permissão de Davi 11. Absalão não foi sepultado no pilar que
para visitar Hebrom com a desculpa de havia preparado para si no vale do rei
cumprir um voto (2 Sm 15.7-9). em Jerusalém (2 Sm 18.18).
C. Seu chamado às armas. 12. Davi lamentou a morte de Absalão (2
1. Quando chegou a Hebrom, ordenou Sm 18.33).
que alguns trompetistas e mensageiros
anunciassem ser ele o novo rei em Isra­ D ados
el (2 Sm 15.10,11). Pai: Davi (2 Sm 3.3).
2. Neste momento, o conselheiro de Da­ Mãe: M aaca (2 Sm 3.3).
vi, Aitofel, apoiou Absalão (2 Sm Filhos: três filhos desconhecidos (2 Sm 14.27).
15.12). Filha: Tamar (2 Sm 14.27).
3. Absalão forçou Davi a sair de Jerusa­ Irmãos: são citados 18 meios-irmãos de Absalão
lém e então tomou posse da cidade (2 (1 Cr 3.1-8). Os três mais importantes foram
Sm 15.13-37). Davi escreveu o Salmo Amnom, Adonias e Salom ão (2 Sm 3.2-
3 a respeito do acontecido. 4;12.24).
4. Absalão deitou-se com as concubinas Irmã: Tamar (2 Sm 13.1).
de Davi, seu pai (2 Sm 16.22). Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Samuel 3.3.
5. Absalão recebeu conselho sábio e tolo Citado pela última vez: Salmo 3 (na introdu­
quanto ao ataque a Davi. ção).
a. O conselho sábio foi dado por Ai­ Significado do nome: “ O pai da paz” .
tofel “Ataque-o imediatamente!” Mencionado: 109 vezes.
(2 Sm 17.1-4). Livros da Bíblia que citam Absalão: cinco livros
b. O conselho tolo foi dado pelo espia (2 Samuel, 1 Reis, 1 Crônicas, 2 Crônicas e
de Davi, Husai, “ N ão vamos ata­ Salmos).
car agora” . Davi, então, teve tem­ Lugar onde nasceu: Hebrom (2 Sm 3.2,3).
po para preparar-se contra o inimi­ Lugar onde faleceu: no bosque de Efraim (2 Sm
go (2 Sm 17.5-14). 18.6,14).
6. Absalão deu ouvidos a Husai, escolheu Como foi morto: foi apunhalado até a morte por
a Amasa para liderar seu exército e de­ Joabe (2 Sm 18.14).
dicou, inutilmente, bastante tempo Detalhe importante sobre a vida de Absalão: ten­
preparando-se para o ataque (2 Sm tou roubar o trono de Davi, seu pai (2 Sm
17.25). 15— 18).
676
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

ac* 2. Foi encarregado de trabalhar e cuidar


do Éden (Gn 2.15).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o 3. Foi dado a ele o domínio sobre todas
I. O contexto em que praticou a iniqüidade. as criaturas (Gn 1.26,28).
A. Apesar de ter sido expressamente proibido, 4. Foi ordenado a multiplicar-se (Gn 1.28).
Acã roubou uma boa capa babilônica, 200 5. Deu nome a todos os animais (Gn
ciclos de prata, e uma cunha de ouro pe­ 2.19,20).
sando 50 ciclos dos despojos de Jericó (Js 6. Foi a fonte de criação de Eva (Gn 2.21).
6.18,19; 7.20,21). 7. Podia comer de qualquer árvore, exce­
B. Acã enterrou os itens em sua tenda (Js 7.21). to uma (Gn 1.29; 2.16,17).
II. As conseqüências do pecado de Acã. 8. Foi proibido de comer da árvore da ci­
A. O pecado de Acã causou a derrota de Isra­ ência do bem e do mal (Gn 2.17).
el (Js 7.4-13). C. A desobediência de Adão.
B. O pecado de Acã levou-o à morte. Ele desobedeceu a Deus e comeu da ár­
1. Foi descoberto por intervenção divina, vore proibida (Gn 3.6).
numa busca minuciosa nas 12 tribos D. O desespero de Adão.
(Js 7.14-19). 1. Adão percebeu que estava nu e tentou
2. Acã, então, foi apedrejado até a morte esconder-se de Deus com folhas de fi­
(Js 7.25). gueira (Gn 3.7).
2. Foi julgado por Deus (Gn 3.17-19).
D ados a. A maldição foi lançada na terra.
Pai: Carmi (Js 7.1). b. Do suor do rosto e com dores, cui­
Citado pela primeira vez na Bíblia: Josué 7.1. daria da terra.
Citado pela última vez: 1 Crônicas 2.7. c. N o final, retornaria à terra.
Significado do nome: “ Problema” . E. O livramento de Adão.
Mencionado: sete vezes. 1. Recebeu a promessa de um futuro Sal­
Livros da Bíblia que citam Acã: dois livros (Josué vador (Gn 3.15).
e 1 Crônicas). 2. Adão recebeu o perdão e foi vestido
Lugar onde faleceu: vale de Acor, próximo a Teri- com pele de animais pelo próprio Deus
có (Js 7.26). (Gn 3.21).
Como foi morto: foi apedrejado (Js 7.25). 3. Adão chamou sua esposa de Eva, “ a
Detalhe importante sobre a vida de Acã: o peca­ mãe de todos viventes” .
do de Acã causou a derrota de Israel na bata­ F. A saída.
lha (Js 7.11,12). Adão foi expulso do Éden, para que não
comesse da árvore da vida e vivesse para
sempre no pecado (Gn 3.22,23).
AD&Oi II. Fora do jardim do Éden.
(Veja também O estágio da criação, vol. 1, p. 12) A. Tornou-se pai de mais um filho, Sete, além
de inúmeros outros filhos e filhas dos quais
S u m á r io c r o n o l ó g ic o não sabemos o nome (Gn 4.25; 5.4).
I. Dentro do jardim do Éden. B. Adão tinha 130 anos quando Sete nasceu
A. Como foi projetado. (Gn 5.3).
1. Foi criado diretamente pelas mãos de C. Adão viveu 930 anos (Gn 5.5).
Deus (Gn 1.27).
2. Foi criado à imagem de Deus (Gn S u m á r io t e o l ó g ic o
1.26,27). I. Jó garantiu a Deus que não estava tentando es­
3. Foi formado do pó da terra (Gn 2.7). conder o pecado como Adão havia feito (Jó
B. As obrigações de Adão. 31.33).
1. Foi colocado no Éden por Deus (Gn II. Lucas traçou a genealogia de Cristo até chegar
2.8-14). a Adão (Lc 3.38).
677
G uia de W illm in gto n para a B íblia MÉTODO TEOLÓGICO

III. Paulo fez um contraste entre a pessoa e as obras ADONIAS


de Adão e a pessoa e as obras de Cristo (Rm
5.12-21; 1 Co 15.20-23,45-50). S u m á r io c r o n o l ó g ic o
A. Adão foi formado do pó da terra e possuía I. A tentativa pública de Adonias para tomar o
um corpo natural e corruptível. trono de Salomão.
B. Cristo desceu do céu com um corpo incor­ A. As características de Adonias.
ruptível e sobrenatural. 1. Foi um homem muito formoso (1 Rs
C. Por intermédio de Adão, a morte e o peca­ 1 .6 ).
do foram introduzidos no mundo, pois de­ 2. Assim como o meio-irmão Absalão,
sobedecera a Deus. A condenação foi re­ nunca fora disciplinado por Davi, o pai
passada para toda humanidade. (1 Rs 1.6).
D. Por intermédio de Cristo, a justiça e a vida B. A astúcia de Adonias.
foram introduzidas no mundo, pois obede­ 1. Provocou uma rebelião contra seu
ceu a Deus. Bênçãos seguiram a todos que meio-irmão Salomão quando Davi es­
creram em Cristo. tava no leito de morte (1 Rs 1.5).
E. Permanecer em Adão é morrer. 2. Tinha apoio de Joabe, o comandante
F. Permanecer em Cristo é viver. do exército de Davi, e Abiatar, um dos
IV. Paulo mencionou Adão para explicar por que dois sumo sacerdotes (1 Rs 1.7).
o homem foi colocado como cabeça da mulher C. A tristeza de Adonias.
(1 Tm 2.12-14). 1. O rei Davi, no leito de morte, tomou ci­
A. Motivo cronológico. ência da rebelião por intermédio de Ba-
Adão foi criado antes de Eva. te-Seba, mãe de Salomão, e N atã, o
B. Motivo teológico. profeta (1 Rs 1.18-27).
Adão não foi enganado quando pecou, 2. Davi reagiu de forma rápida e ordenou
como foi Eva. que Salomão fosse declarado rei publi­
camente (1 Rs 1.28-40).
D ados 3. Quando Adonias soube, ficou aterrori­
Esposa: Eva (Gn 2.21). zado e buscou refúgio no templo (1 Rs
Filhos: Caim, Abel, Sete e outros filhos dos quais 1.50).
não sabemos o nome (Gn 4.1,2,25; 5.4). 4. Foi poupado por Salomão desde que se
Filhas: muitas, porém não sabemos os nomes (Gn mostrasse confiável (1 Rs 1.51-53).
II. A tentativa secreta de roubar o trono de Salo­
. 5’4)-
Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 2.19. mão (1 Rs 2.13-25).
Citado pela última vez: Judas 1.14. A. O plano.
Significado do nome Adão: “ Da terra, p ó ” . Adonias pediu que Bate-Seba obtivesse
Mencionado: 30 vezes. permissão do rei Salomão para casar-se
Livros da Bíblia que citam Adão: nove livros com Abisague, a última concubina de D a­
(Gênesis, Deuteronôm io, 1 Crônicas, Jó , vi.
Lucas, Romanos, 1 Coríntios, 1 Timóteo e B. A punição.
Judas). Quando ouviu o pedido, Salomão orde­
Cargo: cuidador do solo (Gn 3.17-19,23). nou que Adonias fosse morto.
Lugar onde nasceu: dentro do jardim do Éden
(Gn 2.7,8). D ados
Lugar onde faleceu: fora do jardim do Éden (Gn Pai: Davi (2 Sm 3.4).
3.23,24). Mãe: Hagite (2 Sm 3.4).
Idade que tinha quando morreu: 930 anos (Gn Irmãos: 18 meios-irmãos (1 Cr 3.1-8). Os três
5.5). mais importantes foram Absalão, Amnom e
Detalhe importante sobre a vida de Adão: foi o Salomão (2 Sm 3.2-4; 12.24).
primeiro ser humano do mundo (Gn 1.27; Citado pala primeira vez na Bíblia: 2 Samuel 3.3.
2.7). Citado pela última vez: 2 Crônicas 11.21.
678
P erso n ag en s do A n t i g o T est a m en t o

Significado do nome: “Jeová é meu Senhor” . III. Os contemporâneos.


Mencionado: 24 vezes. A. Acabe e Elias.
Livros da Bíblia que citam Adonias: quatro livros 1. O encontro no palácio.
(2 Samuel, 1 Reis, 1 Crônicas, 2 Crônicas). Elias disse a Acabe que Deus des­
Lugar onde nasceu: Hebrom (2 Sm 3.2,4). truiria o rei perverso e pecador e envia­
Lugar onde faleceu: Jerusalém (1 Rs 2.13-25). ria uma terrível fome sobre a terra.
Como foi morto: foi assassinado por ordem do N o Novo Testamento, Tiago escre­
rei Salomão (1 Rs 2.25). ve que a fome durou três anos e meio
Detalhe importante sobre a vida de Adonias: ten­ (1 Rs 17.1; Tg 5.17).
tou roubar o trono de Salomão, seu meio-ir- 2. O encontro no monte (1 Rs 18.20—
mão (1 Rs 1.5-53). 19.2).
a. Ao fim da fome, os homens reuni­
ram-se mais uma vez no monte
ACABE Carmelo. Acabe tentou acusar
(Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 170) Elias pelo sofrimento de Israel. O
profeta reverteu a acusação, lem­
S u m á r io c r o n o l ó g ic o brando que o sofrimento foi causa­
I. Os feitos de Acabe. do como conseqüência da perversi­
A. Pediu para M oabe pagar tributo (2 Rs dade do rei (1 Rs 18.17,18).
3.4,5). b. Elias desafiou Acabe para convocar
B. Jericó foi reconstruída nos dias de Acabe os dois grandes grupos de falsos
(1 Rs 16.34). profetas para uma competição (1
C. Adonias construiu um palácio em Samaria Rs 18.19).
todo revestido de marfim por dentro (1 Rs (1) Os 450 profetas de Baal.
22.39). (2) Os 400 profetas “ dos arvore­
D. Derrotou os Sírios em duas situações (1 Rs dos” (Aserá).
20.13-21,29,30). c. Quando ganhou a competição,
E. Foi o sétimo rei da região norte de Israel. Elias disse a Acabe que a seca che­
F. Acabe reinou por 22 anos (1 Rs 16.29). garia ao fim e choveria (1 Rs
II. A apostasia. 18.41).
A. Acabe foi o rei mais perverso da região d. Acabe contou a Jezabel que Elias
norte de Israel até então (1 Rs 16.30,33; havia exterminado todos os profe­
21.35). tas. Jezabel, então, jurou vingança
B. Casou-se com a formosa, porém, perversa (1 Rs 19.1,2).
Jezabel, mulher fenícia e fanática adorado­ 3. O encontro numa vinha (1 Rs 21.15-
ra de Baal (1 Rs 16.31). 23,27-29).
C. Não demorou muito para que Acabe tam­ a. Elias condenou Acabe por ter ma­
bém começasse a adorar o falso deus (1 Rs tado Nabote, o dono da vinha que
16.31). desejara tomar posse.
D. Acabe ergueu um altar para Baal em Sama­ b. A profecia contra Acabe tinha dois
ria (1 Rs 16.32). pontos principais:
E. A filha de Acabe foi Atalia, que mais tarde (1) Os cães lamberiam o sangue de
se tornou a rainha mais sangrenta e brutal Acabe no mesmo lugar onde
de toda a Bíblia (2 Rs 8.18,26; 11.1-3). Nabote foi assassinado.
F. A fim de puni-lo por tudo que havia feito, (2) A esposa de Acabe, Jezabel, se­
Deus ordenou a Jeú que destruísse toda di­ ria devorada por cães selvagens
nastia de Acabe, inclusive os 70 filhos (2 Rs de Jezreel.
9.6-10; 10.1). c. Após ter ouvido a profecia, o rei
G. A iniqüidade de Acabe foi citada anos de­ passou a agir como arrependido,
pois pelo profeta Miqueias (Mq 6.16). mas não por muito tempo.
679
G uia de W illm in g to n para a Bíbüa \ m é t o d o t e o l ó g ic o

B. Acabe e Ben-Hadade. D. Acabe e Josafá (1 Rs 22.2-27).


1. A vexação (1 Rs 20.1-12). 1. A recomendação de Acabe.
a. A capital da cidade de Acabe, Sa­ a. Acabe convenceu a Josafá, rei de
maria, ficou rodeada de sírios, vin­ Judá, a aliar-se ao seu exército con­
dos por parte de Ben-Hadade e tra Síria.
seus aliados. b. N a verdade, Deus permitiu que o
b. Acabe entregou o primeiro pedido demônio da mentira enganasse a
do inimigo, do qual pedira o ouro, Acabe a respeito de entrar na guer­
a prata e o melhor das mulheres e ra, pois o Senhor sabia que Acabe
filhos do rei. morreria.
c. Porém, uma guerra teve início 2. A confirmação.
quando Acabe recusou-se a aten­ Os falsos profetas do rei, orienta­
der ao segundo pedido, a saber, as dos por Zedequias, garantiram a Aca­
riquezas de toda cidade. be e a Josafá que teriam vitória sobre
2. As vitórias (1 Rs 20.13-21,28-30). a Síria.
a. Com apenas um pequeno exército 3. A relutância de Acabe.
de sete mil homens, Acabe atacou e a. Josafá, no entanto, buscou mais
derrotou Ben-Hadade. confirmações.
b. Passado um ano, Ben-Hadade ata­ b. Acabe, relutante, mandou buscar
cou a Acabe, mas mais uma vez foi M icaías, um profeta genuíno de
derrotado e perdeu 127 mil guer­ Deus a quem havia aprisionado.
reiros. c. Micaías chegou e profetizou a der­
c. Um profeta disse a Acabe que Deus rota e a morte de Acabe na batalha.
permitiu que ganhasse as duas 4. A fúria de Acabe.
guerras para provar que o Deus de O rei furioso mandou Micaías de
Israel não era somente Senhor dos volta para a prisão com uma dieta de
montes, como Ben-Hadade tinha pão e água.
dito. E. Acabe e um soldado sírio (1 Rs 22.30-37).
3. A violação (1 Rs 20.31-43). 1. O rei entrou na batalha, disfarçado de
a. Acabe foi condenado por um pro­ soldado comum.
feta por ter poupado a vida de Ben- 2. Um soldado sírio atirou a esmo com
-Hadade após tê-lo derrotado nu­ seu arco e acertou Acabe, causando-lhe
ma guerra. ferida mortal.
b. Após ouvir a sentença de morte que 3. Logo em seguida, o exército de Acabe
o profeta proferiu contra ele, Aca­ perdeu a batalha, e o rei moribundo foi
be retornou ao palácio de Samaria levado até seu lar, onde faleceu.
muito deprimido. 4. Os cães lamberam o sangue de Acabe
C. Acabe e Nabote (1 Rs 21.1-14). que ficou espalhado no carro de com­
1. O pedido de Nabote. bate, próximo a Samaria, como Elias
Acabe tentou negociar a vinha loca­ havia profetizado.
lizada próxima ao palácio com o pró­
prio dono, Nabote. Dados
2. Nabote recusou-se a vendê-la (1 Rs Pai: Onri (1 Rs 16.28).
21.3). Esposa: Jezabel (1 Rs 16.31).
3. A represália contra Nabote. Filhos: Acazias e Jorão (1 Rs 22.51; 2 Rs 3.1).
Jezabel, quando soube da recusa de Filha: Atalia (2 Rs 8.18,26).
Nabote, tramou matá-lo, acusando-o Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Reis 16.28.
injustamente de blasfêmia e traição. Citado pela última vez: Miqueias 6.16.
Como resultado, Nabote, dono da vi­ Significado do nome: “ Irmão de meu pai” .
nha, foi apedrejado até a morte. Mencionado: 90 vezes.
680
P erso n ag en s do A n t ig o T e st a m en t o

Livros da Bíblia que citam Acabe: quatro livros 3. Logo após o casamento, Mardoqueu,
(1 Reis, 2 Reis, 2 Crônicas, Miqueias). primo de Ester que a criara como filha,
Cargo: rei da região norte de Israel (1 Rs 16.29). descobriu e reportou uma cilada con­
Lugar onde faleceu: num campo de batalha (1 Rs tra a vida do rei. Os supostos assassi­
22.34,35). nos foram imediatamente presos e en­
Como foi morto: foi atingido por um arqueiro (1 forcados.
Rs 22.34). III. Cena três: um ninho de iniquidades (Et 3.1-15).
Detalhe importante sobre Acabe: permitiu que Assuero foi convencido por Hamã, o mais
sua esposa Jezabel o tornasse um dos piores novo primeiro-ministro, a assinar uma lei para
reis de Israel (1 Rs 16.31-33). que todos os judeus do reino fossem destruídos.
IV. Cena quatro: a sala do trono (Et 4.1—5.14).
Quando ouviu sobre a cilada, Ester arriscou
[a s s u e r o a vida ao entrar na sala do trono sem avisar. A
pedido de Ester, o rei aceitou comparecer ao
S u m á r io c r o n o l ó g ic o banquete que ela mesma prepararia somente
I. Cena um: realeza divorciada. para ele e Hamã.
A. A rejeição de Vasti (Et 1.1—2.1). V. Cena cinco: o quarto real (Et 6.1-14).
1. Assuero foi um rei persa que reinou so­ A. O soberano rei e a insônia.
bre 127 províncias, desde a cidade de 1. Durante a noite, o rei pediu que lessem
Susã, até a índia e Alto Nilo. o livro do registro das crônicas para
2. Fez de Vasti sua rainha. ele, na esperança de que a leitura lhe
3. N o terceiro ano de seu reinado, o rei causasse sono.
ofereceu uma festa de 180 dias para os 2. M as, ouviu nos relatos que M ardo­
nobres e oficiais do reino. queu lhe havia salvado a vida e resol­
4. A festa foi seguida de sete dias de ban­ veu recompensá-lo.
quete. B. O primeiro-ministro cruel.
5. N o sétimo dia do banquete, quando já 1. Hamã chegou ao palácio, com a espe­
estava bêbado, Assuero pediu que Vas­ rança de receber permissão para enfor­
ti desfilasse diante dos convidados. car Mardoqueu.
6. Vasti negou o pedido. 2. Ironicamente, Hamã foi obrigado a
B. A rejeição de Vasti. preparar um desfile de honra a M ardo­
1. O rei ficou enfurecido, e, seguindo o queu.
conselho dos oficiais embriagados, di- VI. Cena seis: a sala do banquete (Et 7.1— 10.3).
vorciou-se dela. A. O motivo do banquete.
2. Após retomar a sobriedade, arrepen­ 1. Ester revelou a Assuero a cilada de
deu-se da decisão precipitada que to­ Hamã para matar a ela e seus com pa­
mara, mas, de acordo com a lei persa, triotas.
o pedido não podia ser anulado. 2. Hamã não sabia que Ester também era
II. Cena dois: um casamento (Et 2.2-23). judia e implorou por misericórdia.
A. A procura. 3. O rei, no entanto, presumiu que ele
A fim de acalmar o rei, foi feita uma soubesse e ordenou que fosse enforca­
busca em todo o reino para encontrar a no­ do na forca que havia preparado para
va rainha. Mardoqueu.
B. A estrela. B. Os resultados após o banquete.
1. Uma linda jovem judia virgem, Ester, 1. Assuero deu a Ester a casa de Hamã, e
que significa “ estrela” , venceu o con­ o anel que tinha dado a esse traidor foi
curso de beleza e passou a ser a nova presenteado a Mardoqueu.
rainha. 2. Ester, então, implorou para que seu
2. Ester, porém, não revelou sua naciona­ povo fosse salvo do holocausto vin­
lidade judaica de imediato. douro.
681
G u ia de W illm in g t o n para a B íb u a S- MÉTODO TEOLÓGICO

3. Apesar de não ter o poder para reincidir 3. N a verdade, Acaz recebeu a proposta
o decreto original, Assuero emitiu outro, de escolher qualquer sinal para que
dando aos judeus o direito de defesa. Deus provasse que salvaria Jerusalém.
4. Os judeus venceram os inimigos. 4. O rei tolo e sem fé recusou-se a colocar
5. A pedido de Ester, os dez filhos de Ha- Deus à prova.
mã foram enforcados. B. A gloriosa revelação.
6. Assuero promoveu Mardoqueu a pri­ Deus, então, deu um sinal profético,
meiro-ministro do reino. diante de Acaz, mas não para seu próprio
benefício, e sim para toda casa de Israel, de
Dados que um dia cumpriria o propósito divino
Pai: Dário. de livrar Jerusalém para sempre de todos
Esposas: Vasti e Ester (Et 1.9; 2.15-18). os inimigos (Is 7.14).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Esdras 4.6 III. Acaz e os inimigos.
(Xerxes em algumas traduções). A. O exército sírio.
Citado pela última vez: Ester 10.3. O exército sírio aprisionou muitos de
Significado do nome: “ Poderoso, olho do ho­ Jerusalém, levando-os para Damasco (2 Cr
mem” . 28.5).
Mencionado: 30 vezes. B. O exército israelita do norte.
Livros da Bíblia que citam Assuero: três livros 1. Peca, rei do norte de Israel, atacou
(Esdras, Ester e Daniel). Acaz e matou 120 mil soldados judeus,
Cargo: rei do império medo-persa (Et 1.1-3). inclusive M aaseias, seu filho (2 Cr
Como foi morto: foi assassinado. 28.6,7).
Detalhe importante sobre Assuero: casou-se com 2. Peca levou 200 mil mulheres e crianças
Ester (Et 2.15-18). cativas e uma grande quantidade de
despojos para Samaria (2 Cr 28.8).
3. Porém, Obede, um profeta de Deus,
lACAZI convenceu Peca a devolver todos os
(Veja também O estágio do reino no caos, vol. l,p . 185) cativos e as riquezas de Judá que seu
exército havia tom ado (2 Cr 28.9-
S u m á rio c r o n o l ó g i c o 15).
I. Acaz, o homem. IV. Acaz e Tiglate-Pileser (às vezes, chamado de
A. Começou a reinar aos 20 anos de idade (2 Tilgate-Pilneser).
Rs 16.2). A. Acaz pediu a Tiglate-Pileser, o rei da Assí­
B. Foi o décimo segundo líder de Judá. ria, para ajudá-lo contra os edomitas e fi­
C. Governou Judá por 16 anos (2 Rs 16.2). listeus (2 Cr 28.16-20).
D. Foi um rei perverso. B. Também buscou ajuda de um monarca pa­
1. Oferecia sacrifícios e incensos para ído­ gão contra Síria e o norte de Israel, subor­
los nos lugares altos, debaixo de toda nando-o com ouro e prata tirados do tem­
árvore frondosa, em todos os outeiros plo (2 Rs 16.7,8).
de Jerusalém (2 Rs 16.4; 2 Cr 28.24). C. Após Tiglate-Pileser ter destruído os sírios,
2. Sacrificou até mesmo seu próprio filho Acaz encontrou-se com ele em Damasco.
no fogo (2 Rs 16.3). Quando esteve lá, viu um altar pagão e
II. Acaz e Isaías (Is 7.1-14). agradou-se (2 Rs 16.9,10).
A. A dolorosa rejeição. D. Pediu que fosse feita uma cópia do altar
1. Acaz foi atacado pela Síria e pelo norte pagão e colocado no templo de Jerusalém,
de Israel. no lugar do altar de cobre (2 Rs 16.11-
2. O rei, aterrorizado, recebeu a confir­ 16).
mação, por intermédio de Isaías, de E. Acaz também rearranjou os utensílios do
que Deus não destruiria Jerusalém na­ templo em honra ao rei da Assíria (2 Rs
queles dias. 16.17,18).
682
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

F.
Por fim, removeu todos os utensílios do |ACAZIAS (2)1
templo e fechou as portas (2 Cr 28.24; (Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 173)
29.19).
G. Nessa época, construiu também um reló­ S u m á r io c r o n o l ó g ic o
gio de sol especial (Is 38.8). I. Acazias e Atalia.
V. Acaz e Deus (2 Cr 28.22,23). A. A mãe de Acazias foi Atalia, filha de Acabe
e Jezabel (2 Rs 8.26; 11.1; 2 Cr 22.1,3).
D ados B. Também era chamado de Jeoacaz (2 Cr
Pai: Jotão (2 Rs 15.38; 2 Cr 27.9). 21.17) e Azarias (2 Cr 22.6).
Filho: Ezequias (2 Rs 16.20). C. Tinha 22 anos de idade quando começou
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 15. a governar (2 Rs 8.26).
38. D. Foi proclamado rei depois de os árabes te­
Citado pela última vez: Mateus 1.9. rem assassinado seus irmãos mais velhos (2
Significado do nome: “ Ele segura” . Cr 22.1).
Mencionado: 41 vezes. E. Governou por apenas um ano (2 Rs 8.26).
Livros da Bíblia que citam Acaz: sete livros (2 F. Foi um rei perverso (2 Cr 22.4).
Reis, 1 Crônicas, 2 Crônicas, Isaías, Oseias, G. Jeoseba, irmã de Acazias, mais tarde, es­
Miqueias e Mateus). condeu o filho pequeno do rei, Joás, da ma­
Cargo: rei de Judá (2 Rs 16.1). tança sanguinária ordenada por Atalia (2
Detalhe importante sobre a vida de Acaz: foi a pri­ Rs 11.2,3).
meira pessoa que ouviu a profecia sobre uma II. Acazias e Jeú.
virgem que daria à luz um filho (Is 7.11-14). Foi morto por Jeú quando visitou o rei de Is­
rael na cidade de Jezreel (2 Rs 8.28,29; 9.27-29).

ACAZIAS (1) D ados


(Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 181) Pai: Jeorão (2 Rs 8.24; Jorão em algumas tradu­
ções).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o Mãe: Atalia (2 Rs 8.26; 11.1; 2 Cr 22.3).
I. A apostasia de Acazias (1 Rs 22.10,51-53). Esposa: Zíbia (2 Cr 24.1).
A. Acazias foi o oitavo líder do norte de Israel. Irmã: Jeoseba (2 Rs 11.2).
B. Governou por dois anos. Filho: Joás (2 Cr 22.11).
C. Era filho de Acabe e Jezabel. Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 8.24.
D. Abandonou o Deus verdadeiro (1 Rs Citado pela última vez: 2 Crônicas 22.11.
22.52,53). Significado do nome: “Jeová possui” .
II. O acidente (2 Rs 1.2). Mencionado: 26 vezes.
III. O anjo (2 Rs 1.3-17). Livros da Bíblia que citam Acazias (2): três livros
A. O motivo da fúria de Acazias. (2 Reis, 1 Crônicas e 2 Crônicas).
Acazias ficou furioso com Elias, o pro­ Cargo: sexto rei de Judá (2 Rs 8.24).
feta, por tê-lo censurado por ter buscado a Lugar onde faleceu: Megido (2 Rs 9.27).
Baal e não a Deus para curá-lo. Como foi morto: foi morto por ordem de Jeú (2
B. Uma explosão de raiva. Rs 9.27).
1. O rei enviou 150 soldados, em três gru­ Detalhe importante sobre Acazias (2): seguiu os
pos de 50, para prender Elias. passos da mãe, a perversa Atalia (2 Cr 22.3).
2. Elias, de imediato, pediu que caísse fo­
go do céu, destruindo os dois primeiros
grupos. 1a I a sí
3. O capitão do terceiro grupo suplicou e
recebeu misericórdia de Elias. S u m á r io c r o n o l ó g ic o
C. O resultado da explosão de raiva (2 Rs I. Profetizou a divisão do reino.
1.15-17). A. Foi o profeta silonita (1 Rs 11.29).
683
G u ia d e W il l m in g t o n p a r a a B íb lia r MÉTODO TEOLÓGICO

B. Aías rasgou a roupa em 12 pedaços e deu C. De todos os 85 sacerdotes de Nobe que fo­
10 para Jeroboão I e explicou que Deus lhe ram perseguidos e assassinados, somente
daria 10 das 12 tribos de Israel para gover­ Abiatar, filho de Aimeleque escapou (1 Sm
nar (1 Rs 11.29-36). 22.20-23).
C. Aías, então, prometeu a Jeroboão que D. Davi, provavelmente, escreveu o Salmo 52
Deus estabeleceria sua dinastia se o futuro por causa de Aimeleque (veja a introdução
rei o obedecesse, mas ele não o obedeceu (1 do SI 52).
Rs 11.37-39).
II. Profetizou a morte de um filho. D ados
Aías, mais adiante, disse à esposa de Jero­ Ancestral importante: Itamar, o filho mais novo
boão que seu filho doente morreria por causa de Arão (Êx 6.23; 1 Cr 24.3).
da maldade do rei (1 Rs 14.1-18). Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Samuel
III. Profetizou o fim de uma dinastia. 21 .1.
Profetizou que a família e descendentes de Citado pela última vez: Salmo 52 (na introdu­
Jeroboão seriam lançados fora da linhagem do ção).
trono (1 Rs 14.10,11; 15.29,30). Significado do nome: “ Irmão do rei” .
Mencionado: 16 vezes.
D ados Livros da Bíblia que citam Aimeleque: quatro (1
Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Reis 11.29. Samuel, 2 Samuel, 1 Crônicas e Salmos).
Citado pela última vez: 2 Crônicas 10.15. Cargo: sumo sacerdote.
Significado do nome: “ Deus é irmão” . Como foi morto: foi executado por Doegue, o edo-
Mencionado: 12 vezes. mita, por ordem do rei Saul (1 Sm 22.16-19).
Livros da Bíblia que citam Aías: dois livros (1 Detalhe importante sobre Aimeleque: ofereceu
Reis e 2 Crônicas). ajuda a Davi (1 Sm 21.6-9).
Cargo: profeta (1 Rs 11.29).
Detalhe importante sobre Aías: profetizou a di­
visão das 12 tribos de Israel (1 Rs 11.29- AITOFEL
32).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o
I. A traição de Aitofel.
[a im e l e q u e A. Natural da cidade de Gilo, das terras altas
de Judá (2 Sm 15.12).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o B. Pode ter sido avô de Bate-Seba (2 Sm 11.3;
I.Foi enganado por Davi. 23.34).
A. Aimeleque era o sumo sacerdote que habi­ C. Um dos 30 melhores homens de Davi era
tava em Nobe na época em que Saul pro­ Eliã, filho de Aitofel (2 Sm 23.34).
curava matar Davi (1 Sm 21.1). D. Serviu a Davi como conselheiro por um
B. Davi mentiu para Aimeleque quando fugia tempo (2 Sm 15.12; 1 Cr 27.33).
de Saul, dizendo que estava numa missão E. Aitofel traiu Davi e apoiou Absalão na re­
secreta para o rei (1 Sm 21.2). belião (2 Sm 15.12,31).
C. Aimeleque, então, providenciou alimento II. O fim amargo de Aitofel.
e uma espada para Davi (1 Sm 21.2-9). A. Davi pediu a Deus que os conselhos de Ai­
II. Foi destruído por Saul. tofel parecessem loucura a Absalão (2 Sm
A. A bondade de Aimeleque para com Davi 15.31).
foi vista e reportada por Doegue, o mais B. Aitofel deu um conselho muito sábio para
poderoso dos pastores do rei Saul (1 Sm Absalão, mas o jovem rebelde recusou-se a
21.7; 22.9,10). ouvi-lo (2 Sm 17.1-4,14).
B. Saul ordenou que o sumo sacerdote fosse C. Quando percebeu que seu conselho havia
executado por ter ajudado Davi (1 Sm sido rejeitado, Aitofel voltou para casa e
22.11-19). enforcou-se (2 Sm 17.23).
684
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

D ados AMASA1
Filho: Eliã (2 Sm 23.34).
Descendente importante: Bate-Seba (2 Sm 11.3; S u m á r io c r o n o l ó g ic o
23.34). I. Absalão nomeia Amasa.
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Samuel Amasa foi sobrinho de Davi. Foi nomeado
15.12. por Absalão para comandar o exército durante
Citado pela última vez: 1 Crônicas 27.34. a rebelião contra Davi (2 Sm 17.25; 1 Cr
Significado do nome: “ Irmão tolo” . 2.16,17).
Mencionado: 20 vezes. II. O acordo de Amasa com Davi.
Livros da Bíblia que citam Aitofel: dois livros (2 Após a morte de Absalão, Amasa concor­
Samuel e 1 Crônicas). dou em ajudar Davi a restabelecer o trono (2
Cargo: conselheiro (2 Sm 16.23). Sm 19.11-15; 20.4).
Lugar onde faleceu: na cidade de Gilo (2 Sm III. Assassinado por Joabe.
15.12; 17.23). A. Amasa foi assassinado por Joabe, coman­
Como foi morto: enforcou-se (2 Sm 17.23). dante do exército do rei Davi, por represen­
Detalhe importante sobre Aitofel: traiu Davi e tar uma ameaça ao seu cargo (2 Sm 20.9,10).
apoiou Absalão (2 Sm 15.12). B. Davi condenou tal assassinato até o dia de
sua morte (1 Rs 2.5).

(a o l ia b e Dados
Pai: Jéter (1 Rs 2.5).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o Mãe: Abigail (1 Cr 2.17).
I. A nomeação. Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Samuel
Foi nomeado por Deus para servir Bezalel 17.25.
como principal assistente na construção do ta­ Citado pela última vez: 1 Crônicas 2.17.
bernáculo (Êx 31.2,6). Significado do nome: “Aquele que carrega o far­
II. Os talentos de Aoliabe. do” .
A. Foi um mestre talentoso, mostrava aos ou­ Mencionado: 15 vezes.
tros como trabalhar com o material do ta­ Livros da Bíblia que citam Amasa: três livros (2
bernáculo (Êx 35.34,35; 36.1,2). Samuel, 1 Reis, 1 Crônicas).
B. As habilidades especiais de Aoliabe eram Cargo: comandante do exército (2 Sm 17.25).
como artesão e projetista, bordador em li­ Lugar onde faleceu: próximo à grande rocha de
nho fino e de fios de tecidos azul, púrpura Gibeão (2 Sm 20.8-10).
e carmesim (Êx 38.23). Como foi morto: Joabe o assassinou (2 Sm 20.8-

10)\
D ados Detalhe importante sobre a vida de Amasa: foi co­
Pai: Aisamaque (Êx 31.6). mandante do exército de Absalão (2 Sm 17.25).
C itado pela prim eira vez na Bíblia: Êxodo
31.6.
Citado pela última vez: Êxodo 38.23. AMAZIAS
Significado do nome: “ Pai da minha tenda” . (Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 183)
Mencionado: cinco vezes.
Livro da Bíblia que cita Aoliabe: um livro (Êxo­ S u m á r io c r o n o l ó g ic o
do). I. As obras de Amazias.
Cargo: artesão e mestre (Êxodo 38.23). A. Começou a reinar aos 25 anos (2 Rs 14.2;
Detalhe importante sobre Aoliabe: serviu como o 2 Cr 25.1). Foi o nono líder de Judá.
principal assistente de Bezalel, responsável B. Governou Judá por 29 anos (2 Rs 14.2; 2
pela construção do tabernáculo e tudo rela­ Cr 25.1).
cionado a isso, inclusive da arca da aliança C. N o início, fez o que agradava ao Senhor (2
(Êx 31.1-6). Rs 14.3; 15.3).
685
G u ia de W illm in g t o n para a B ( blia MÉTODO TEOLÓGICO

D. Quando se tornou rei, assassinou os ofi­ Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Rs 12.21.
ciais que haviam matado seu pai, Joás (2 Citado pela última vez: 2 Crônicas 26.4.
Rs 14.5). Significado do nome: “Deus tem a força” .
E. N ão matou os filhos dos assassinos, devido Mencionado: 35 vezes.
à lei mosaica (2 Rs 14.6). Livros da Bíblia que citam Amazias: três livros (2
F. Reorganizou a população e aumentou o Reis, 1 Crônicas e 2 Crônicas).
exército para 300 mil homens (2 Cr 25.5). Cargo: rei de Judá (2 Rs 14.1).
II. A razão das guerras. Lugar onde faleceu: em Laquis (2 Cr 25.27).
A. Contra Edom. Como foi morto: foi assassinado pelos próprios
Amazias derrotou 20 mil edomitas no oficiais (2 Cr 25.27).
vale do sal (2 Rs 14.7; 2 Cr 25.11,12). Detalhe importante sobre a vida de Amazias: foi
B. Contra o reino norte de Israel. ridicularizado e chamado de espinheiro do
1. A chacota. Líbano (2 Rs 14.9).
a. Desafiou a Jeoás, rei do reino do
norte de Israel, a guerrear contra
ele (2 Rs 14.8). AMNOM
b. Jeoás ridicularizou Amazias, cha-
mando-o de espinheiro do Líbano S u m á r io c r o n o l ó g ic o
(2 Rs 14.9). I. O estupro da meia-irmã, Tamar.
2. A derrota. A. Amnom foi o filho mais velho de Davi (2
Amazias continuou com o desafio, Sm 3.2).
e iniciou-se uma guerra. Foi derrotado, B. Perseguiu, cheio de desejo, Tamar, irmã de
parte do muro de Jerusalém foi derru­ pai e mãe de Absalão (2 Sm 13.1).
bada, e todo ouro, prata e utensílios do C. Amnom fingiu que estava doente, assim,
tabernáculo foram levados por Jeoás atraiu Tamar em seus aposentos para cui­
(2 Rs 14.11-14). dar dele e foi quando a violentou (2 Sm
III. A perversidade de Amazias. 13.2-14).
A. Certa ocasião, contratou 100 mil soldados D. O desejo doentio de Amnom rapidamente
do reino norte de Israel (2 Cr 25.6). se transformou em ódio, e recusou-se casar
B. Foi repreendido por um profeta por ter com a jovem, acabando de vez com a hon­
contratado soldados (2 Cr 25.7-9). ra da irmã (2 Sm 13.15-19).
C. Dispensou, com muita relutância, os 100 E. Tamar viveu com Absalão, solitária e des­
mil soldados contratados (2 Cr 25.10). truída (2 Sm 13.20).
D. Mais tarde, descobriu que os soldados ti­ F. Davi irou-se, mas não fez nada a respeito
nham matado e saqueado várias cidades de (2 Sm 13.21).
Judá quando retornavam para casa (2 Cr II. A retaliação por seu meio-irmão.
25.13). Depois de dois anos planejando a vingança,
E. Numa outra ocasião, receoso de que hou­ Absalão pede para matar Amnom (2 Sm 13.22-
vesse ofendido os deuses edomitas, Ama­ 29).
zias trouxe os ídolos para Jerusalém e ado-
rou-os (2 Cr 25.14). D ados
F. Mais uma vez, foi repreendido por um pro­ Pai: Davi (2 Sm 3.2).
feta (2 Cr 25.15,16). Mãe: Ainoã (2 Sm 3.2).
G. Amazias foi morto pelos seus próprios ofi­ Irmãos: 18 irmãos com os nomes registrados na
ciais em Laquis (2 Cr 25.27). Bíblia (1 Cr 3.1-8). Os três irmãos mais im­
portantes foram Absalão, Adonias e Salomão
D ados (2 Sm 3.2-4; 12.24).
Pai: Joás (2 Rs 12.20,21). Irmã: meia-irmã chamada Tamar (2 Sm 13.1).
Mãe: Jeoadã (2 Rs 14.1,2). Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Samuel
Filho: Azarias (2 Rs 15.1). 3.2.
686
P erso n ag en s do A n t ig o T e st a m en t o

Citado pela última vez: 1 Crônicas 3.1. Como foi morto: foi assassinado pelos seus pró­
O significado do nome: “ Tutelagem, educação” . prios servos (2 Rs 21.23).
Mencionado: 27 vezes. Detalhe importante sobre a vida de Amom: repe­
Livros bíblicos que citam Amnom: dois livros (2 tiu o pecado de seu pai Manassés (2 Rs 21.21).
Samuel e 1 Crônicas).
Lugar onde nasceu: Hebrom (2 Sm 3.2).
Lugar onde faleceu: em um banquete oferecido
por Absalão (2 Sm 13.22-29).
Como foi morto: foi morto pelos servos de Absa­ S u m á r io c r o n o l ó g ic o
lão (2 Sm 13.29). I. As tristes novidades.
Detalhe importante da vida de Amnom: estuprou A maior parte do livro de Amós é uma bru­
Tamar, sua meia-irmã (2 Sm 13.10-14). ta demonstração do julgamento de Deus sobre
o pecado (Am 1.1— 9.10).
A. A denúncia de oito reinos (Am 1—6).
AMOM 1. Os reinos pagãos (Am 1.1—2.3).
(Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 192) a. A identidade deles:
(1) Síria - capital, Damasco (Am
S u m á r io c r o n o l ó g ic o Í;3).
I. Aapostasia. (2) Filístia - capital, Gaza (Am 1.6).
A. Foi o décimo quinto líder de Judá. (3) Fenícia-capital,Tiro (Am 1.9).
B. Governou por dois anos (2 Rs 21.19). (4) Edom - capitais, Temã e Bozra
C. Tinha 22 anos quando se tornou rei (2 Rs (Am 1.12).
21.19). (5) Amom - capital, R abá (Am
D. Foi um rei muito perverso (2 Rs 21.20). 1.14).
E. Adorou a ídolos e rejeitou a Deus (2 Rs (6) Moabe - capital, Queriote (Am
21 .21 ). 2 .2 ).
F.
Assim como seu pai Manassés, Amom ofe­ b. Entre suas iniquidades:
receu sacrifícios a todos os ídolos; mas, di­ (1) Crueldade bárbara (Am 1.13).
ferente do pai, não se arrependeu (2 Cr (2) Escravidão (Am 1.6).
33.22,23). (3) Traição (Am 1.9).
II. O assassinato. (4) Derramamento de sangue (Am
Os servos de Amom conspiraram contra ele, 1.11 ).
e mataram o rei em sua casa (2 Rs 21.23). (5) Profanação dos mortos (Am
2 .1 ).
Dados 2. Os reinos hebreus - Judá e o reino nor­
Pai: Manassés (2 Rs 21.18). te de Israel (Am 2.4— 6.14).
Mãe: Mesulemete (2 Rs 21.19). a. Entre suas perversões contra Deus:
Esposa: Jedida (2 Rs 22.1). (1) Rejeição à Sua lei (Am 2.4).
Filho: Josias (2 Rs 21.24). (2) Idolatria (Am 2.8).
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 21. (3) Desprezo total aos pobres (Am
18. 2 .6 ).
Citado pela última vez: Mateus 1.10. (4) Materialismo (Am 2.6).
Significado do nome: “Trabalhador” . (5) Imoralidade banalizada (Am
Mencionado: 16 vezes. 2.7).
Livros da Bíblia que citam Amom: seis livros (2 (6) Forçar nazireus a quebrarem
Reis, 1 Crônicas, 2 Crônicas, Jeremias, Sofo- seus votos (Am 2.12).
nias e Mateus). (7) Proibir profetas e profecias
Cargo: rei de Judá (2 Rs 21.19). (Am 2.12).
Lugar onde faleceu: no palácio em Jerusalém (2 (8) Hipocrisia total em sua religião
Rs 21.23). formal e vazia (Am 2.4).
687
j G u ia de W illm in g t o n pa r a a B íb lia f MÉTODO TEOLÓGICO

(9) Suborno e corrupção da justiça C. Israel retornará à terra, para nunca mais
(Am 2.6). partir.
(10)Embriaguez (Am 2.8).
b. A punição que receberam de Deus. S u m á r io t e o l ó g ic o
(1) Suas principais cidades (Jerusa­ I. A identidade de Amós.
lém, Betei, Samaria, Gilgal) se­ A. Amós não era um profeta que recebeu um
riam queimadas com fogo. chamado, nem o filho de profeta (Am 7.14).
(2) Seus exércitos seriam comple­ B. Ele era, em vez disso, um pastor e coletor
tamente derrotados, sofrendo de frutos do sicômoro (Am 1.1; 7.14,15).
uma taxa de mortalidade de C. Ele ministrou durante o reinado de Uzias,
90%). rei de Judá e Jeroboão II, rei do reino nor­
(3) Suas terras seriam ocupadas te de Israel.
por soldados inimigos. D. Ele começou seu ministério dois anos antes
(4) Seu povo seria levado em cati­ de um grande terremoto que ocorreu em
veiro estrangeiro. Israel (Am 1.1,2). Esse terremoto foi tão
B. A anunciação das cinco visões (Am 7—9). severo que Zacarias o mencionou 250
1. A visão da praga de gafanhotos. anos depois (Zc 14.5).
Deus mostrou a Amós a terrível in­ II. A influência de Amós.
vasão de insetos que cairia sobre a Is­ A. Na época do ministério de Amós, Israel,
rael pecadora. Diante da oração do sob o poderoso rei Jeroboão II, estava no
profeta pedindo misericórdia, entre­ ápice do sucesso (2 Rs 14.25). M as, junta­
tanto, a praga não ocorreu (Am 7.1-3). mente com a prosperidade da nação, veio
2. A visão do grande fogo. a perversão religiosa.
Assim como no caso dos gafanho­ B. Tiago citou Amós para apoiar a decisão do
tos, Deus atendeu a oração de Amós e concilio de Jerusalém de não exigir que
cancelou este julgamento também (Am gentios crentes fossem circuncidados (Am
7.4-6). 9.11,12; At 15.15-17).
3. A visão do prumo. C. Amós enfrentou e condenou Amazias, o sa­
Amós viu o Senhor sobre um muro cerdote, em Betei (Am 7.10-17).
(provavelmente, a Lei de Moisés) que 1. O motivo duplo para esse julgamento.
foi construído de acordo com o prumo, a. Amazias difamou Amós diante do
medindo Israel com um prumo em rei Jeroboão II, chamando-o de
mãos (Am 7.7-9). traidor.
4. A visão do cesto de frutos maduros. b. Amazias ameaçou Amós pessoal­
Foi mostrado a Amós um cesto de mente, exigindo que ele fosse em­
frutos de verão, e Deus disse-lhe que ele bora do país.
representava Israel, maduro suficiente 2. O resultado quádruplo desse julga­
para receber o julgamento (Am 8.1-14). mento.
5. A visão do Senhor no altar. Amós profetizou que quatro coisas
O profeta viu Deus sobre o altar co­ terríveis aconteceriam ao perverso sa­
mo um juiz, dando a sentença sobre Is­ cerdote.
rael (Am 9.1-10). a. Sua esposa se tornaria prostituta na
II. As notícias gloriosas. cidade.
Um novo dia amanheceria, substituindo a b. Seus filhos e filhas seriam mortos.
ruína com bênção, o pecado com a justiça, e a c. Sua terra seria dividida.
tristeza do homem com a glória de Deus (Am d. Ele morreria em uma terra pagã.
9.11-15).
A. O ceifador seria derrotado pelo lavrador, e D ados
o plantador pelo que pisava as uvas. Citado pela primeira vez na Bíblia: Amós 1.1.
B. Vinho novo descerá das montanhas. Citado pela última vez: Amós 8.2.
688
P erso n a g en s do A n t i g o T est a m en t o

Significado do nome: “Aquele que carrega o fardo” . batos de vinho e 100 batos de azei­
Mencionado: sete vezes. te e quanto sal precisasse (Ed 7.22).
Livro da Bíblia que cita Amós: um livro (Amós). b. Eles foram proibidos de taxar
Cargos: pastor, coletor de frutos do sicômoro, quaisquer judeus trabalhando na
profeta (Am 7.14,15). área do templo (Ed 7.24).
Lugar onde nasceu: a cidade de Tecoa (Am 1.1). III.Artaxerxes e Neemias, o construtor do muro.
Detalhe importante sobre a vida de Amós: ele foi A. O emprego de Neemias sob o rei.
o “ Billy Sunday” dos profetas do Antigo Tes­ Ele serviu como copeiro real de Arta­
tamento. xerxes (Ne 1.11).
B. O incentivo de Neemias pelo rei.
Artaxerxes atendeu às exigências de
ARTAXERXES Neemias (Ne 2.1-9).
1. Que tivesse permissão de ir a Judá re­
S u m á r io c r o n o l ó g ic o construir os muros em volta de Jerusa­
I. Artaxerxes era o rei da Pérsia nos dias de Es­ lém (Ne 2.5).
dras e Neemias que se tornou amigo de ambos. 2. Que o rei escrevesse cartas a seus ofi­
Seu pai era Assuero, do livro de Ester. ciais persas no oeste do rio Eufrates pa­
II. Artaxerxes e Esdras, o escriba. ra garantir uma passagem segura para
A. Ele usou sua autoridade para ajudar Es­ Neemias (Ne 2.7).
dras (Ed 7.12-26). 3. Que o administrador da floresta do rei
1. O rei ofereceu auxílio oficial na prepa­ fosse instruído a fornecer a Neemias o
ração de Esdras para sua longa viagem material de construção para o seu pro­
da Pérsia para Jerusalém. jeto (Ne 2.8).
2. Ele instruiu o escriba a levar uma cópia
da Palavra de Deus e enviar um relató­ D ados
rio sobre o progresso religioso que es­ Pai: Xerxes I (também chamado de Assuero).
tava sendo feito no local. Citado pela primeira vez na Bíblia: Esdras 7.1.
3. Ele autorizou Esdras: Significado do nome: “ Bravo guerreiro” .
a. A tomar as ofertas do templo dos Mencionado: nove vezes.
judeus de Judá (Ed 7.16). Livros da Bíblia que citam Artaxerxes: dois livros
b. A solicitar qualquer dinheiro extra (Esdras, Neemias).
do tesouro real (Ed 7.20). Cargo: rei da Pérsia (Ed 7.1).
c. A escolher e nomear os próprios ju­ Detalhe importante sobre a vida de Artaxerxes:
izes e oficiais (Ed 7.25). ele apoiou Esdras e Neemias quando retorna­
d. A ensinar a Palavra de Deus para vam para Jerusalém (Ed 7.13-28; Ne 2.1-8).
judeus e pagãos (Ed 7.25).
4. Por fim, ele prometeu a Esdras que
qualquer um que quebrasse a lei de ASA
Deus ou a do rei seria morto (Ed 7.26). (Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 178)
B. Ele usou suas posses para ajudar Esdras
(Ed 7.12-26). S u m á rio c r o n o l ó g i c o
1. O rei presenteou Esdras pessoalmente I. Os primeiros anos - Asa, o justo.
com uma grande oferta de prata e ou­ A. O líder militar.
ro (Ed 7.15). 1. Asa reinou por 41 anos (1 Rs 15.9,10).
2. Ele, então, instruiu seus oficiais persas Ele foi o terceiro rei de Judá.
do oeste do rio Eufrates conforme o se­ 2. Ele construiu cidades fortes em Judá (2
guinte: Cr 14.6,7).
a. Eles deveriam dar a Esdras tudo de 3. Ele tinha um exército de 300 mil ho­
que ele precisasse, 100 talentos de mens de Judá, equipados com grandes
prata, 100 coros de trigo, e 100 escudos e lanças (2 Cr 14.8).
689
G u ia de W illm in gto n pa r a a B íb u a t MÉTODO TEOLÓGICO

4. Ele também alistou 280 mil homens de D ados


Benjamim com escudos pequenos e ar­ Pai: Abias (1 Rs 15.8; 1 Cr 3.10).
cos (2 Cr 14.8). Filho: Josafá (1 Cr 3.10).
B. O líder espiritual. Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Reis 15.8.
1. Seu zelo com o Senhor. Citado pela última vez: Mateus 1.8.
a. Ele expulsou do país os prostitutos Significado do nome: “ Médico” .
do templo (1 Rs 15.11). Mencionado: 58 vezes.
b. Ele livrou-se dos ídolos que seus an­ Livros da Bíblia que citam Asa: cinco livros (1
cestrais fizeram (1 Rs 15.12). Reis, 1 Crônicas, 2 Crônicas, Jeremias, M a­
c. Ele até depôs sua mãe, a rainha Ma- teus).
aca, por causa de sua idolatria (1 Cargo: rei de Judá (1 Rs 15.9).
Rs 15.13). Como foi morto: morreu de uma doença no pé (2
d. Ele consertou o altar do Senhor (2 Cr 16.12,13).
Cr 15.8). Detalhe importante sobre a vida de Asa: ele foi o
2. Seu clamor ao Senhor. primeiro rei justo de Judá (1 Rs 15.11-14).
a. Certa ocasião, ele foi ameaçado por
um grande exército etíope liderado
por Zerá, que comandava 300 car­ ASAFE
ros (2 Cr 14.9).
b. Completamente desamparado, ele S u m á r io c r o n o l ó g ic o
clamou a Deus (2 Cr 14.11). I. Sua nomeação
c. Deus respondeu ã oração de Asa e A. Por Davi.
feriu os etíopes, gerando muitos es­ 1. Ele era o chefe dos músicos levitas es­
pólios de guerra para o exército ju­ colhidos por Davi para supervisionar
deu (2 Cr 14.12-15). os cultos de cânticos no tabernáculo (1
d. Asa encorajou e alertou o profeta Cr 6.39; 16.4,5; Ne 12.46).
Azarias a continuar servindo a 2. Ele era um dos músicos que os Levitas
Deus (2 Cr 15.1-8). escolheram a comando de Davi para
e. Ele reuniu seu povo em Jerusalém participar da chegada da arca em Jeru­
para oferecer adoração e sacrifí­ salém (1 Cr 15.16,17).
cios a Deus. Nessa época, o povo B. Por Salomão.
firmou um concerto de servir ao Salomão escolheu-o juntamente com
Senhor (2 Cr 15.9-15). muitos outros para supervisionar o culto
II. Os últimos anos - Asa, o ímpio. de cânticos no templo (2 Cr 5.12).
A. Ele desobedeceu aos preceitos de Deus. II. Seus associados.
Ele lutou contra Baasa, rei do reino nor­ Ele trabalhou juntamente com Hemã, Etã e
te de Israel e depois fez um acordo com a Jedutum (1 Cr 15.19; 16.5; 2 Cr 5.12).
Síria, pedindo ajuda contra a Baasa. Essas III. Suas atividades.
duas ações eram proibidas pela Palavra de A. Ele soou címbalos de bronze (1 Cr 15.19).
Deus (1 Rs 15.16-22). B. Ele ministrou diante da arca, orando e dan­
B. Ele ignorou o profeta de Deus. do graças a Deus (1 Cr 16.4,5).
1. Asa foi repreendido por isso, pelo pro­ C. Ele liderou um coral de 288 músicos (1 Cr
feta Hanani (2 Cr 16.7-9). 25.7).
2. O rei, furioso, então, ordenou a prisão D. Ele aj udou a conduzir um culto musical es­
de Hanani e começou a oprimir brutal­ pecial na dedicação do templo de Salomão,
mente o seu povo (2 Cr 16.10). com 120 profetas soando as trombetas (2
C. Ele negou o poder de Deus. Cr 5.12-14).
Asa sofreu muito com uma doença em IV. Seus feitos.
seus pés nos últimos dois anos de sua vida, A. Ele é ancestral do profeta Jaaziel, que tran-
mas recusou a ajuda de Deus (2 Cr 16.12-14). quilizou o rei Josafá (2 Cr 20.14).
690
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

B. Ele tinha o dom da profecia (1 Cr 25.1,2; D ados


2 Cr 29.30). Pai: Acabe (2 Cr 21.6).
C. Ele pode ter sido o compositor da música Mãe: Jezabel.
do Salmo 105, um dos maiores salmos de Esposo: Jeorão (2 Cr 21.6; 22.2).
louvor de Davi (1 Cr 16.7-36). Filho: Acazias (2 Rs 8.26).
D. Ele escreveu pessoalmente 12 salmos: Sal­ Citada pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 8.26.
mos 5 0 ,7 3 — 83 (2 Cr 29.30). Citada pela última vez: 2 Crônicas 24.7.
Significado do nome: “Deus é forte” .
D ados Mencionada: 15 vezes.
Descendente importante: Jaaziel, que profetizou Livros da Bíblia que citam Atalia: dois livros (2
vitória para o rei Josafá (2 Cr 20.14). Reis, 2 Crônicas).
Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Crônicas Cargo: rainha de Judá (2 Rs 11.1-3).
6.39. Lugar onde faleceu: fora do palácio de Jerusalém
Citado pela última vez: Salmo 83 (na introdução). (2 Rs 11.3-16).
Significado do nome: “ Coletor, colhedor” . Como foi morta: ela foi morta à espada sob o co­
Mencionado: 38 vezes. mando do sumo sacerdote de Judá (2 Rs
Livros da Bíblia que citam Asafe: cinco livros (1 11.15).
Crônicas, 2 Crônicas, Esdras, Neemias, Sal­ Detalhe importante sobre a vida de Atalia: ela
mos). tentou eliminar toda a semente real de Davi
Cargo: músico (1 Cr 16.5). (2 Rs 11.1-3).
Detalhe importante sobre a vide de Asafe: ele es­
creveu 12 salmos (SI 50,73-83).
jBAASAI
(Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 169)
ATALIA
(Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 181) S u m á rio c r o n o l ó g i c o
I. As perversões de Baasa.
S u m á r io c r o n o l ó g ic o A. Ele governou por 24 anos e era um rei ma­
I. Seu reinado sem Deus. ligno (1 Rs 15.33,34). Ele foi o terceiro rei
A. Ela foi uma rainha blasfema. do reino norte de Israel.
Ela permitiu que seus filhos pagãos sa­ B. Ele fortificou um posto militar de fronteira
queassem o templo de Deus e oferecessem contra Asa para impedir que saíssem ou
seus objetos sagrados a Baal (2 Cr 24.7). entrassem no território de Judá (1 Rs
B. Ela foi uma rainha brutal. 15.16,17).
1. Atalia tornou-se rainha de Judá após a C. Ele, finalmente, foi derrotado por uma
morte de seu filho, Acazias (2 Rs 11.1). aliança entre Asa e a Síria (1 Rs 15.18-21).
2. Ela imediatamente iniciou um m assa­ D. Ele assassinou Nadabe, o segundo rei do
cre de sangue contra a linha real de Da­ reino norte, e depois matou toda a família
vi, matando todos os descendentes do real (1 Rs 15.27,29).
sexo masculino, exceto um bebê cha­ II. As profecias contra Baasa.
mado Joás (2 Rs 11.1,2; 2 Cr 22.10,11). A. Ele foi repreendido pelo profeta Jeú, que
C. Ela foi a sétima governante de Judá. avisou Baasa que a sua casa sofreria a mes­
II. Sua remoção. ma destruição que ele trouxe sobre a famí­
A. Após um reinado de seis anos, ela foi mor­ lia de Nadabe (1 Rs 16.1-5).
ta por um guarda do palácio da Judeia, e B. Isso se cumpriu nos dias de Zinri (1 Rs
Joás tornou-se rei (2 Rs 11.3-16). 16.11-13).
B. O plano foi conduzido pelo sumo sacerdo­
te Joiada e sua esposa, Jeoseba, o casal que D ados
havia escondido o jovem Joás (2 Rs 11.2,4; Pai: Aías (1 Rs 15.27).
2 Cr 22.11). Filho: Elá (1 Rs 16.6).
691
G u ia de W illm in g to n para a B íblia m é t o d o t e o l ó g ic o

Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Reis 15.16. c. Balaão reconheceu o seu pecado,
Citado pela última vez: Jeremias 41.9. mas recebeu ordens de Deus para
Significado do nome: “ Ousadia” . continuar a viagem até M oabe
Mencionado: 28 vezes. (Nm 22.34,35).
Livros da Bíblia que citam Baasa: quatro livros (1 II. O profeta frustrado.
Reis, 2 Reis, 2 Crônicas, Jeremias). A. As ocasiões.
Cargo: rei do reino norte de Israel (1 Rs 15.33). Ao encontrar Balaque, o falso profeta
Detalhe importante sobre a vida de Baasa: ele for­ de Petor tentou pronunciar uma maldição
tificou um posto militar na fronteira contra o divina sobre Israel em seis ocasiões distintas
rei Asa (1 Rs 15.17-21). (Nm 22.39—24.25; Dt 23.4,5; M q 6.5).
Todas as vezes, entretanto, quando ele
abria a boca para dizer coisas ruins contra
iBALAÜO Israel, Deus enchia-a de bênçãos (Nm
22.39—24.25; Js 24.9,10; Nm 13.2).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o 1. A primeira bênção (Nm 23.7-10).
I. O profeta tolo. 2. A segunda bênção (Nm 23.18-24).
A. O alerta de Deus. 3. A terceira bênção (Nm 24.3-9).
1. Balaão era um profeta midianita. 4. A quarta bênção (Nm 24.15-19).
2. Ele morava em Petor, uma cidade da 5. A quinta bênção (Nm 24.20).
Mesopotámia (Nm 22.5). 6. A sexta bênção (Nm 24.21-24).
3. Balaque, rei de M oabe, ofereceu-lhe B. A visão geral.
propina para que amaldiçoasse Israel Pelo menos, seis profecias importantes
(Nm 22.4-8). foram proferidas por Balaão durante essas
4. Ele recusou a primeira propina após inúteis tentativas de amaldiçoar Israel.
ser alertado por Deus a não receber o 1. A indiferença de Israel (Nm 23.9).
dinheiro de Balaque (Nm 22.9-13). 2. O aumento da população de Israel
5. Entretanto, após a segunda tentativa (Nm 23.10).
de suborno, o Senhor permitiu que ele 3. A fidelidade e poder de Deus benefi­
acompanhasse os mensageiros de Bala­ ciando Israel (Nm 23.19-24).
que até Moabe (Nm 22.14-20). 4. As vitórias de Israel (Nm 24.8,9).
B. A ira de Deus. 5. A vinda do M essias de Israel (Nm
1. Um anjo invisível. 24.17-19).
a. A caminho do seu destino, ele inci­ 6. A derrota dos inimigos de Israel (Nm
tou a ira de Deus e quase foi morto 24.20-24).
pelo anjo do Senhor, que ficou no III. O profeta perverso.
caminho com uma espada em Incapaz de amaldiçoá-los, Balaão tentou,
mãos (Nm 22.21-28). com certo sucesso, corrompê-los, incentivando
b. A princípio, apenas a sua jumenta relações sexuais entre homens israelitas e mu­
viu o anjo e foi golpeada por Ba­ lheres moabitas (Nm 25.1-3; 31.16).
laão quando o assustado animal IV. O profeta caído.
empacou no caminho (Nm 22.22- Balaão foi finalmente morto pelo exército
27). israelita que avançava (Nm 31.8).
2. Um animal incomum.
a. O Senhor abriu a boca da jumenta, S u m á r io t e o l ó g ic o
e ela protestou diante do brutal tra­ I. A condição espiritual de Balaão.
tamento que recebeu de Balaão Josué disse que Balaão praticava adivinha­
(Nm 22.28-30). ção, ou seja, o oculto (Js 13.22).
b. Por fim, Balaão viu o anjo e foi se­ II. O exemplo espiritual de Balaão.
veramente repreendido por ele Três autores do Novo Testamento citaram
(Nm 22.31-33). Balaão.
692
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

A. Pedro falou do caminho de Balaão (2 Pe B. A segunda tentativa.


2.15). Ele vendeu seu dom pelo maior lance. 1. O comunicado de Balaão (Nm 23.24).
B. Judas falou do erro de Balaão (Jd 1.11 2. A ira de Balaque (Nm 23.25).
ARA). Balaão concluiu erroneamente que C. A terceira tentativa.
Deus poderia ser forçado a condenar Isra­ 1. O comunicado de Balaão (Nm 24.5).
el por causa dos pecados da nação. 2. A ira de Balaque (Nm 24.10).
C. Jo ã o falou da doutrina de Balaão (Ap
2.14). Basicamente, ela refere-se ao fato de S u m á r io t e o l ó g ic o
que se você não pode condenar seu inimi­ I. Josué mencionou Balaque durante seu discurso
go, corrompa-o. de despedida a Israel (Js 24.9).
II. Jefté alertou um rei amonita inimigo a não ata­
D ados car Israel, lembrando-o do que Deus fez a Ba­
Pai: Beor (Nm 22.5). laque (Jz 11.25).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Números 22.5. III. Miqueias lembrou a pecaminosa Israel da fide­
Citado pela última vez: Apocalipse 2.14. lidade que Deus teve ao lidar com Balaque an­
Significado do nome: “Peregrino” ou “ senhor do teriormente (Mq 6.3).
povo” .
Mencionado: 61 vezes. Dados
Livros da Bíblia que citam Balaão: oito livros Pai: Zipor (Nm 22.2).
(Números, Deuteronômio, Josué, Neemias, Citado pela primeira vez na Bíblia: Números
Miqueias, 2 Pedro, Judas, Apocalipse). 22.2 .
Cargos: profeta e apaziguador (Nm 22—24; Js Citado pela última vez: Miqueias 6.5.
13.22). Significado do nome: “Vazio, nulo, destruidor” .
Lugar onde nasceu: Petor (Nm 22.5). Mencionado: 42 vezes.
Lugar onde faleceu: ele foi morto à espada pelos Livros da Bíblia que citam Balaque: quatro livros
israelitas (Js 13.22). (Números, Josué, Juizes, Miqueias).
Detalhe importante sobre a vida de Balaão: ele Cargo: rei de Moabe (Nm 22.4).
tentou amaldiçoar Israel (Nm 23—24). Detalhe importante sobre a vida de Balaque: ele
contratou Balaão para amaldiçoar a nação de
Israel (Nm 22.5,6).
BALAQUE

S u m á r io c r o n o l ó g ic o BARAQUE
I. Sua propina.
Balaque, rei de Moabe, enviou mensageiros S u m á r io c r o n o l ó g ic o
em duas ocasiões a fim de subornar o profeta I. O comando para Baraque.
Balaão para amaldiçoar Israel durante a mar­ A. Baraque era da tribo de Naftali e vivia na
cha do Êxodo (Nm 22.1-21). cidade de Quedes (Jz 4.6).
A. Sua primeira tentativa falhou (Nm 22.7,13). B. Ele recebeu ordens de Débora, uma profe­
B. Sua segunda tentativa teve sucesso (Nm tiza israelita, de juntar um exército de dez
22.15,21). mil soldados das tribos de Naftali e Zebu-
II. Sua amargura. lom e derrotar os cananeus, que oprimiram
Cada vez com mais frustração, Balaque ob­ Israel por 20 anos (Jz 4.3,6).
servou Balaão tentar, em vão, amaldiçoar Isra­ II. A preocupação de Baraque.
el. Todas as vezes que o profeta abria a boca A. Ele concordou, mas apenas com a condi­
para maldizer a Israel, Deus, de forma sobrena­ ção de que Débora o acompanhasse (Jz
tural, o fazia abençoá-la. 4.8).
A. A primeira tentativa. B. Ela aceitou, mas alertou-o de que o crédito
1. O comunicado de Balaão (Nm 23.8). da vitória não seria dele, mas de uma mu­
2. A ira de Balaque (Nm 23.11). lher (Jz 4.9).
693
G u ia de W illm in gto n para a B íb lia MÉTODO TEOLÓGICO

III. O encargo de Baraque. C. Ele, então, recebeu ordens de colocar a no­


A. Ele juntou suas dez mil tropas no monte ta em um vaso de barro (Jr 32.14).
Tabor (Jz 4.12). II. A transmissão.
B. Sísera, o líder militar cananeu, juntou seu Sob o comando de Jeremias, Baruque escre­
exército juntamente com os 900 carros de veu as palavras do rolo de profecia original de
fogo que comandava (Jz 4.13). Jeremias em um pergaminho e leu-o publica­
C. Sob o comando de Débora, as tropas de mente no templo (Jr 36.5-8).
Baraque desceram o monte e derrotaram o III. A tribulação.
inimigo completamente (Jz 4.14,15). A. Esse rolo original depois foi queimado pe­
D. O inimigo foi varrido pelo rio Quisom (Jz lo perverso rei Jeoaquim (Jr 36.22,23,27).
5.21). B. Baruque ficou muito desanimado, mas foi
E. Mais tarde, foi indicado que anjos ajuda­ consolado pelo Senhor (Jr 45.1-5).
ram a dar a vitória a Baraque (Jz 5.20). C. Ele foi acusado falsamente de traição por
F. Sísera, que fugiu, foi morto depois por uma judeus ímpios (Jr 43.3).
mulher chamada Jael, que então recebeu D. Juntamente com Jeremias, ele foi forçado
crédito pela vitória, assim como Débora pelos próprios compatriotas a deixar Judá
profetizou (Jz 4.16-22; 5.24-27). e a viver no Egito (Jr 43.4-7).
IV. A celebração de Baraque.
A. Baraque e Débora então compuseram e D ados
cantaram um cântico de vitória (Jz 5.1). Pai: Nerias (Jr 32.12).
B. Essa vitória trouxe paz a terra pelos próxi­ Citado pela primeira vez: Jeremias 32.12.
mos 40 anos (Jz 5.31). Citado pela última vez: Jeremias 45.2.
C. Baraque é mencionado no capítulo da Significado do nome: “Abençoado” .
“ Galeria da fé” do Novo Testamento (Hb Citado: 23 vezes.
11.32). Livro da Bíblia que cita Baruque: um livro (Jere­
mias).
D ados Cargo: escriba (Jr 36.4,32).
Pai: Abinoão (Jz 4.6). Detalhe importante sobre a vida de Baruque: ele
Citado pela primeira vez na Bíblia: Juizes 4.6. escreveu as profecias de Jeremias (Jr 36.4,
Citado pela última vez na Bíblia: Hebreus 11.32. 32).
Significado do nome: “ Trovão” .
Mencionado: 14 vezes.
Livros da Bíblia que citam Baraque: dois livros BARZILAI
(Juizes, Hebreus).
Cargo: líder militar (Jz 4.1-16). S u m á r io c r o n o l ó g ic o
Detalhe importante sobre a vida de Baraque: ele I. A gentileza que fez a Davi.
derrotou os cananeus no pé do monte Tabor A. Este homem de Gileade levou roupas de
(Jz 4.14-16). cama, vasilhames, artigos de cerâmica, tri­
go, cevada, farinha, grãos torrados, favas,
lentilhas, mel, coalhada, ovelhas e queijo
BARUQUE | para Davi durante a revolta de Absalão (2
Sm 17.27-29).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o B. N a época, ele tinha idade avançada, por
I. A transação. volta de 80 anos, e era muito rico (2 Sm
A. Ele foi o escriba de Jerem ias (Jr 19.32).
32.12,13,16; 36.4). II. A gentileza que recebeu de Davi.
B. Ele preparou a nota de aquisição de uma A. Ele negou o gracioso convite de Davi de
porção de terra que Jeremias comprou de juntar-se ao rei em Jerusalém após a revol­
seu primo Hananel na época em que esta­ ta, alegando ter idade avançada (2 Sm
va preso (Jr 32.8-16). 19.31-37).
694
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

B. Quando partiram, Davi expressou grande seu filho, Salomão. Bate-Seba é uma das
gratidão a Barzilai (2 Sm 19.38,39). quatro mulheres citadas na genealogia do
C. Davi, em seu leito de morte, instruiu Salo­ Novo Testamento que leva a Cristo (Mt
mão a demonstrar muita bondade aos fi­ 1 .6 ).
lhos de Barzilai (1 Rs 2.7).
D. Uma mulher descendente de Barzilai e seu Dados
esposo (que também se chamava Barzilai) Pai: Eliã (2 Sm 11.3).
são listados dentre os que retornaram a Esposos: Urias e Davi (2 Sm 11.3,27).
Jerusalém após o decreto de Ciro (Ed Filhos: cinco filhos, um deles não tem o nome
2.61). mencionado (2 Sm 11.27; 12.18). Os outros
quatro têm o nome citado: Salomão, Natã,
D ados Samua e Sobabe (2 Sm 12.24; 1 Cr 3.5).
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Samuel Ancestral importante: seu avô era Aitofel (2 Sm
17.27. 11.3; 23.34).
Citado pela última vez: Neemias 7.63. Citada pela primeira vez na Bíblia: 2 Samuel 11.3.
Significado do nome: “ Forte, ferro” . Citada pela última vez: Mateus 1.6 (esposa de
Mencionado: nove vezes. Urias).
Livros da Bíblia que citam Barzilai: quatro livros Significado do nome: “ Filha de um juramento” .
(2 Samuel, 1 Reis, Esdras, Neemias). Mencionada: 12 vezes.
Detalhe importante sobre a vida de Barzilai: ele Livros da Bíblia que citam Bate-Seba: quatro li­
levou suprimentos para Davi durante a rebe­ vros (2 Samuel, 1 Reis, Salmos, Mateus).
lião de Absalão (2 Sm 17.27-29). Detalhe importante sobre a vida de Bate-Seba: ela
foi a mãe de Salomão (2 Sm 12.24).

IBÂTE-SEBA
BELSAZAR
S u m á r io c r o n o l ó g ic o
I. Bate-Seba e Davi. S u m á r io c r o n o l ó g ic o
A. Sua má ação com Davi. I. O baile organizado por Belsazar.
1. Ela era uma mulher muito bela (2 Sm A. O quem da questão.
11.2 ). 1. Belsazar, provavelmente, era neto de
2. Ela dormiu com Davi e engravidou de­ Nabucodonosor.
le (2 Sm 11.4,5). 2. Ele foi o último rei do Império Neoba-
B. Seu casamento com Davi. bilônico.
Após a morte de Urias, seu esposo, no B. O quê da questão.
campo de batalha, morto por Davi, ela tor­ O rei preparou um grande banquete es­
nou-se esposa de Davi (2 Sm 11.27). tatal com bebida para mil de seus princi­
II. Bate-Seba e Salomão. pais oficiais (Dn 5.1).
A. Buscando o apoio para Salomão. C. O porquê da questão.
Ela informou Davi, que estava morren­ Exatamente, nesta época, a Babilônia
do, sobre a tentativa de seu filho mais ve­ estava cercada por seu inimigo, a Pérsia.
lho, Adonias, de roubar o reino de Salo­ Portanto, o banquete, provavelmente, foi
mão (1 Rs 1.11-21). dado por dois motivos:
B. Buscando o apoio de Salomão. 1. Para dar mais coragem a seus oficiais.
Ela depois foi enganada por Adonias, 2. Para demonstrar desprezo pelos seus
que a fez perguntar a Salomão se ele (Ado­ inimigos.
nias) podia casar-se com Abisague, a últi­ II. O descaramento demonstrado por Belsazar.
ma concubina de Davi (1 Rs 2.13-21). Ele ordenou que os cálices de ouro e prata
C. A tradição judaica diz que ele compôs e re­ tomados por seu avô, Nabucodonosor, do tem­
citou Provérbios 31 como admoestação a plo de Jerusalém fossem levados ao banquete,
695
G u ia de W illm in gto n para a B íb lia MÉTODO TEOLÓGICO

para que o rei bebesse vinho com eles e adoras­ Livro da Bíblia que cita Belsazar: um livro (Daniel).
se os deuses babilônicos (Dn 5.2-4). Lugar onde faleceu: no palácio da Babilônia.
III. A parede acima de Belsazar. Como foi morto: ele foi morto por ordem de D a­
De repente, ele viu os dedos da mão de um rio.
homem escrevendo uma mensagem misteriosa Detalhe importante sobre a vida de Belsazar: ele
na parede acima de sua mesa (Dn 5.5,6). recebeu uma mensagem escrita de Deus em
IV. O chamado de Belsazar. uma parede durante um banquete (Dn 5.5,
A. Belsazar e os sábios. 22-28).
O rei, apavorado, rapidamente pediu a
ajuda de seus astrólogos e adivinhos, mas
eles não foram capazes de interpretar os BENAIA
escritos (Dn 5.7-9).
B. Belsazar e a rainha. S u m á r io c r o n o l ó g ic o
Por indicação da rainha (provavelmen­ I. O fiel escudeiro de Davi.
te, a sua mãe), ele pediu que chamassem o A. Ele era considerado um dos quatro melho­
profeta Daniel (Dn 5.10-12). res guerreiros do exército de Davi (2 Sm
C. Belsazar e Daniel (Dn 5.13-29). 23.22,23).
O rei ofereceu para Daniel o cargo de B. Ele derrotou um grande egípcio apenas
terceiro governante do reino se ele fosse ca­ com uma clava, enquanto seu inimigo es­
paz de interpretar o escrito. Daniel logo tava empunhando uma lança. O egípcio ti­
entregou uma mensagem de duas partes: nha aproximadamente 2,2 m de altura (2
1. A respeito do pecado de Belsazar. Sm 23.21; 1 Cr 11.23).
a. Seu pecado de orgulho (Dn C. Ele também derrotou dois dos melhores
5.18,20,22). soldados de Moabe (2 Sm 23.20).
b. Seu pecado de perversão (Dn 5. D. Certa ocasião, ele desceu em uma cova, em
23). um dia de neve, e matou um leão (2 Sm
2. A respeito da sentença de Belsazar. 23.20).
Recusando a oferta de tornar-se ter­ II. O fiel escudeiro de Salomão.
ceiro governante do reino, Daniel in­ A. Protegendo Salomão de seus inimigos.
terpretou o escrito para Belsazar. Essa 1. Ele ficou ao lado de Salomão durante
era uma mensagem de Deus ao rei (Dn a tentativa de revolta liderada por
5.24-28). , Adonias (1 Rs 1.8).
a. M EN E: Contou Deus o teu reino e 2. Ele ajudou o profeta N atã e o sumo sa­
o acabou (Dn 5.26). cerdote Zadoque a coroar Salomão
b. T EQ U EL: Pesado foste na balança oficialmente como rei de Israel (1 Rs
e foste achado em falta (Dn 5.27). 1.32-40).
c. PERES: Dividido foi o teu reino e B. Livrando Salomão de seus inimigos.
deu-se aos medos e aos persas (Dn Benaia executou três inimigos de Salo­
5.28). mão.
V. A queda de Belsazar. 1. Adonias (1 Rs 2.24,25).
N a mesma noite, os medos e persas toma­ 2. Joabe (1 Rs 2.33,34).
ram a cidade e mataram Belsazar. Dario, o me­ 3. Sim ei(l Rs 2.44-46).
do, aos 62 anos, tornou-se o novo rei (Dn
5.30,31). Dados
Pai: Joiada (2 Sm 8.18).
D ados Filho: Amizabade (1 Cr 27.6).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Daniel 5.1. Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Samuel
Citado pela última vez: Daniel 8.1. 8.18.
Significado do nome: “ O líder do senhor” . Citado pela última vez: 1 Crônicas 27.6.
Mencionado: oito vezes. Significado do nome: “ Deus é inteligente” .
696
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

Mencionado: 24 vezes. 2. Depois de terem sido levados de volta


Livros da Bíblia que citam Benaia: três livros (2 ao Egito, Judá negociou com José, ofe-
Samuel, 1 Reis, 1 Crônicas). recendo-se como escravo para que
Cargo: líder militar (2 Sm 8.18). Benjamim fosse liberto (Gn 44.13-34).
Detalhe importante sobre a vida de Benaia: ele foi C. Sua garantia no Egito.
um bravo comandante nos exércitos de Davi 1. Incapaz de conter-se por mais tempo,
e de Salomão (2 Sm 8.18; 1 Rs 2.35; 4.4). José revelou sua identidade e enviou-os
de volta para Canaã a fim de que bus­
cassem o seu pai (Gn 45.1-21).
í BENJAMIM 2. Benjamim recebeu mais prata e roupas
de presente de José do que seus irmãos
S u m á r io c r o n o l ó g ic o (Gn 45.22).
I. Crescendo em Canaã.
A. Ele era o filho mais jovem de Jacó e o úni­ D ados
co nascido em Canaã (Gn 46.19). Pai: Jacó (Gn 46.19).
B. Sua mãe, Raquel, morreu quando dava à Mãe: Raquel (Gn 35.16-19; 46.19).
luz a ele próximo da cidade de Belém (Gn Filhos: Belá, Bequer, Asbel, Gera, Naam ã, Eí, Rôs,
35.16-18). Mupim, Hupim e Arde (Gn 46.21).
1. Ela o chamou de Benoni que significa Irmãos: de sangue: José (Gn 35.24); meios-irmãos:
“ filho do meu sofrimento” (Gn 35.18). Rúbem, Simeão, Levi, Judá, Issacar, Zebulom,
2. Jacó, entretanto, deu-lhe o nome de Gade, Aser, Dã e Naftali (Gn 35.23,25,26).
Benjamim, que significa “ filho de mi­ Irmã: meia-irmã: Diná (Gn 30.21).
nha destra” (Gn 35.18). Descendentes importantes: Saul, do Antigo Testa­
C. O único irmão de sangue puro de Benja­ mento e Saulo, do Novo Testamento (1 Sm
mim foi José (Gn 30.22-24; 46.19). 9.1,2; Fp 3.5).
D. Ele tinha 10 meios-irmãos (Gn 35.23-26). Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 35.18.
II. Descendo para o Egito. Citado pela última vez: 1 Crônicas 7.6.
A. Sua chegada ao Egito. Significado do nome: “ Filho da minha destra” .
1. Ele não acompanhou seus meios-ir­ Mencionado: 21 vezes.
mãos durante a primeira viagem ao Egi­ Livros da Bíblia que citam Benjamim: quatro li­
to para comprar comida (Gn 42.3,4). vros (Gênesis, Êxodo, Deuteronômio, 1 Crô­
2. Entretanto, José, que havia se tornado nicas).
primeiro ministro do Egito (mas não Lugar onde nasceu: próximo de Belém (Gn
foi reconhecido pelos dez irmãos), exi­ 35.16-19).
giu que Benjamim fosse trazido a ele na Detalhe importante sobre a vida de Benjamim:
próxima viagem (Gn 42.18-20). ele era o mais novo dos 12 filhos de Jacó (Gn
3. Jacó, relutante, por fim, permitiu que 42.13).
Benjamim fosse (Gn 43.11-14).
4. José cumprimentou seus irmãos, pre­
parou um banquete para eles e deu a BEZALEL
Benjamim uma porção de comida cin­
co vezes maior do que a que deu ao ou­ S u m á r io c r o n o l ó g ic o
tros (Gn 43.15-34). I. Sua unção.
B. Sua prisão no Egito. A. Ele era da tribo de Judá (Êx 31.2).
1. Após deixarem Canaã, carregados de B. Ele era cheio do Espírito de Deus (Êx 31.3).
alimento, os irmãos foram parados no II. Suas habilidades.
caminho e acusados de roubar o cálice A. Deus deu-lhe habilidades e conhecimento em
de prata especial de José. Sem que sou­ todos os campos de construção (Êx 31.3).
bessem, José secretamente escondeu-o B. Ele também era um professor talentoso (Êx
na sacola de Benjamim (Gn 44.1-12). 35.34).
697
Guia de W illm in g to n para a BIblia \ MÉTODO TEOLÓGICO

III. Seu associado. O conselho de Bildade era simples: “Ar­


O ajudante de Bezalel era Aoliabe, da tribo rependa-se de seu pecado secreto!” (Jó
de Dã (Êx 31.6). 8.5,6).
IV. Suas proezas. III. Seu castigo.
A. Ele criou as estruturas de ouro, prata e A. Bildade, depois, foi repreendido por Deus
bronze e cortou a pedra e a madeira, itens por sua opinião grosseira e mentirosa so­
utilizados na construção do tabernáculo bre Jó (Jó 42.7).
(Êx 31.4,5; 35.30-33). B. Então, foi-lhe exigido, juntamente com
B. Ele construiu pessoalmente a arca do con­ seus dois amigos, que oferecesse sete tou­
certo e o altar de bronze (Êx 37.1-9; 2 Cr ros e sete carneiros como oferta de holo­
1.5). causto pelo pecado de difam ação (Jó
42.8,9).
D ados
Pai: Uri (Êx31.2). D ados
Ancestral importante: Calebe foi seu bisavô (1 Cr Ancestral importante: ele era descendente de
2.18-20). A braão pela linhagem de Quetura (Gn
Citado pela primeira vez na Bíblia: Êxodo 31.2. 25.2).
Citado pela última vez: 2 Crônicas 1.5. Citado pela primeira vez na Bíblia: Jó 2.11.
Significado do nome: “Deus é proteção” . Citado pela última vez: Jó 42.9.
Mencionado: oito vezes. Significado do nome: “ Filho da discórdia” .
Livros da Bíblia que citam Bezalel: três livros Mencionado: cinco vezes.
(Êxodo, 1 Crônicas, 2 Crônicas). Livro da Bíblia que cita Bildade: um livro (Jó).
Cargo: habilidoso obreiro com materiais de cons­ Detalhe importante sobre a vida de Bildade: ele
trução (Êx 31.3-5). era um dos três “ am igos” de Jó cujo consolo
Detalhe importante sobre a vida de Bezalel: au­ transformou-se em crítica (Jó 2.11; 6.24-
xiliado por Aoliabe, ele supervisionou a 27).
construção do tabernáculo e tudo que ele
continha, incluindo a arca do concerto (Êx
31.6). [BÍLÃ

S u m á r io c r o n o l ó g ic o
BILDADE I. Sua maternidade por Jacó.
A. Ela era a jovem serva dada por Labão a sua
S u m á r io c r o n o l ó g ic o filha Raquel após o casamento de Raquel
I. Sua preocupação (Jó 2.11-13). com Jacó (Gn 29.28,29).
II. Sua crítica (Jó 8,18,25). B. A estéril Raquel, então, presenteou-a a J a ­
N ão demorou muito para que a com pai­ có para fins de procriação (Gn 30.1-4).
xão de Bildade, diante do sofrimento de Jó, C. Bila deu à luz a dois filhos, Dan e Naftali
se transformasse em hostilidade e críticas in­ (Gn 30.5-8; 35.25).
justas. Bildade estava errado em duas ques­ D. M ais tarde, Bila tornou-se avó de cinco ne­
tões. tos, um filho de Dã e quatro filhos de N af­
A. Sua conclusão estava errada. tali (Gn 46.23,24).
Assim como seus dois amigos, Elifaz e II. Sua má ação com Rúben.
Zofar, Bildade concluiu que Jó estava so ­ Ela teve um caso sexual ilícito com Rúben,
frendo por causa de algum pecado terrí­ primogênito de Jacó, cuja mãe era Leia (Gn
vel que não havia sido confessado (Jó 35.22).
8 .2 0 ).
Nota: Bildade baseou sua conclusão na Dados
tradição (veja Jó 8.8-10). Esposo: Jacó (Gn 30.1-4).
B. Seu conselho era errado. Filhos: Dã e Naftali (Gn 30.5-8; 35.25).
698
“ P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

Citada pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 29.29. Mãe: Raabe (Mt 1.5).
Citada pela última vez: 1 Crônicas 7.13. Esposa: Rute (Rt 4.13).
Significado do nome: “ Tenro” . Filho: Obede (Rt 4.13,17).
Mencionada: dez vezes. Ancestral importante: Abraão (Mt 1.2,5).
Livros da Bíblia que citam Bila: dois livros (Gê­ Descendentes importantes: Davi, José, Maria e
nesis, 1 Crônicas). Jesus (Rt 4.22; M t 1.16).
Detalhe importante sobre a vida de Bila: ela teve Citado pela primeira vez na Bíblia: Rute 2.1.
dois filhos com Jacó (Gn 35.25). Citado pela última vez: Lucas 3.32.
Significado do nome: “Agilidade, força” .
Mencionado: 26 vezes.
[BOAZj Livros da Bíblia que citam Boaz: quatro livros
(Rute, 1 Crônicas, Mateus, Lucas).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o Cargo: rico fazendeiro (Rt 2.1,3).
I. Seus encontros com Rute. Lugar onde nasceu: provavelmente, em Belém.
A. Em um campo de trigo. Detalhe importante sobre a vida de Boaz: ele ca-
1. Boaz era parente próximo de Elimele- sou-se com Rute e tornou-se ancestral de Je­
que, que era o esposo da viúva Noemi sus pela linhagem de Davi (Rt 4.13,21,22; Mt
(Rt 2.1). 1.5-16).
2. Ele era um solteiro rico da tribo de Ju ­
dá (Rt 2.1).
3. Ele encontrou Rute em um campo que CAIM
possuía próximo a Belém (Rt 2.4-8).
4. Ele elogiou-a pelo tratamento gentil S u m á r io c r o n o l ó g ic o
que teve com a sua sogra, Noemi (Rt I. O apóstata.
2.5-13). A. Ele apresentou alguns frutos da terra como
5. Ele instruiu seus colhedores a facilitar oferta a Deus, uma oferta que não foi acei­
para ela o padejo dos grãos de seu cam­ tável (Gn 4.3-5).
po (Rt 2.15,16). B. Furioso, ele rejeitou o gracioso convite de
6. Ele ofereceu esse serviço para Rute du­ Deus de oferecer uma oferta de sangue, as­
rante toda a época de colheita (Rt 2.23). sim como seu irmão Abel havia feito, o que
B. Próximo a uma eira. seria aceito (Gn 4.5-7).
1. Agindo de acordo com as instruções de II. O assassino.
Noemi, Rute pediu Boaz em casamen­ A. O crime.
to (Rt 3.1-11). 1. Ele assassinou seu irmão Abel no cam­
2. Boaz estava mais que disposto, mas po (Gn 4.8).
disse para Rute que a permissão deve­ 2. Ele, então, mentiu para Deus sobre o
ria ser dada por um parente ainda mais que fez (Gn 4.9).
próximo a Elimeleque do que ele (Rt B. A maldição.
3.12—4.6). 1. Deus proferiu uma maldição especial
II. Seu casamento com Rute. de julgamento sobre Caim (Gn 4.10-
A. Depois que Boaz recebeu essa permissão, o 12 ).
contrato de casamento foi ratificado pela 2. Ele seria, entretanto, protegido por
troca de sapatos (Rt 4.7-12). Deus do linchamento por uma marca
B. Por meio de Rute, Boaz teve um filho cha­ especial - talvez, até que o governo hu­
mado Obede (Rt 4.13-17). mano pudesse ser estabelecido (Gn
C. Ele, então, tornou-se o bisavô do rei Davi 4.13-15).
(Rt 4.18-22). III. O arquiteto. -
A. Ele deixou a presença de Deus e morou na
D ados terra de Node, que significa “ vagando” , a
Pai: Salmom (Rt 4.21). leste do Éden (Gn 4.16).
699
G u ia de W illm in gto n para a B íblia r MÉTODO TEOLÓGICO

B. Ele casou-se com uma de suas irmãs (im­ 1. Juntamente com Josué, ele deu um re­
plícito em Gênesis 5.4) e teve um filho cha­ lato positivo ao retornar, encorajando
mado Enoque (Gn 4.17). Israel a entrar na terra, ao contrário do
C. Ele construiu a primeira cidade da terra e relato negativo entregue pelos dez es­
deu-lhe o nome de seu filho: Enoque (Gn piões (Nm 13.30; 14.6-9).
4.17). 2. As Escrituras referem-se a este ato de
fé em seis ocasiões específicas (Nm
S u m á r io t e o l ó g ic o 14.24,30,38; 26.65; 32.12; Dt 1.36).
I. O livro de Hebreus contrasta a descrença e a 3. Por causa de seu testemunho, o Senhor
desobediência de Caim com a fé e a obediência garantiu a Calebe e a seus descenden­
de seu irmão Abel (Hb 11.4). tes uma herança especial em Canaã
II. Jo ão deu-nos a fonte e o motivo que fizeram (Nm 14.24).
com que Caim matasse Abel (1 Jo 3.12). II. Sua fidelidade, recompensada aos 85 anos.
A. A fonte - O próprio Satanás. A. Aos 85 anos, ele deu um dos maiores teste­
B. O motivo - Inveja. munhos das Escrituras acerca do poder de
III. Judas citou Caim, usando-o para ilustrar as Deus (Js 14.6-12).
obras de um apóstata (Jd 1.11). B. Ele recebeu Hebrom, a terra de enormes
guerreiros conhecidos como Anaquins, co­
Dados mo herança. O antigo guerreiro pronta­
Pai: Adão (Gn 4.1). mente os expulsou e ocupou a terra (Js
Mãe: Eva (Gn 4.1). 14.12; 15.13-15).
Esposa: nome não mencionado (Gn 4.17).
Filho: Enoque (Gn 4.17). D ados
Irmãos: Abel e Sete são os nomes mencionados Pai: Jefoné (Nm 13.6).
(Gn 4.2,25; veja Gn 5.4). Esposas: Efá e M aaca (1 Cr 2.46,48).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 4.1. Nota: os livros The New Interpretefs Dic-
Citado pela última vez: Judas 1.11. tionary o f the Bible e The Dake Annotated
Significado do nome: “Aquisição” . Reference Bible diferenciam o Calebe que se
Mencionado: 19 vezes. casou com essas duas concubinas e o que está
Livros da Bíblia que citam Caim: quatro livros sendo estudado aqui. Eles diferenciam o C a­
(Gênesis, Hebreus, 1 João, Judas). lebe de 1 Crônicas 2.18-19,46,48 e o de 1
Cargos: fazendeiro, construtor de cidade (Gn Crônicas 4.15.
4.3,17). Filhos: Messa, Iru, Elá e Naã (1 Cr 2.42; 4.15; ve­
Lugar onde nasceu: fora do jardim do Éden (Gn ja nota acima).
3.23—4.1). Filha: Acsa (Js 15.16).
Detalhe importante sobre a vida de Caim: ele foi Irmão: Jerameel (1 Cr 2.42; veja nota).
o primeiro a nascer na terra (Gn 4.1). Descendente importante: Nabal (1 Sm 25.3).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Números
13.6.
CALEBE Citado pela última vez: 1 Crônicas 6.56.
Significado do nome: “ Ousado, impetuoso” ou
S u m á r io c r o n o l ó g ic o “cão” .
I. Sua fidelidade, revelada aos 40 anos. Mencionado: 32 vezes.
A. Sua viagem. Livros da Bíblia que citam Calebe: seis livros
1. Calebe foi um dos 12 homens enviados (Números, Deuteronômio, Josué, Juizes, 1 Sa­
por Moisés para espionar a terra de muel, 1 Crônicas).
Canaã (Nm 13.1,2,6). Cargo: soldado (Js 14.6-14).
2. Ele era da tribo de Judá (Nm 13.6; Detalhe importante sobre a vida de Calebe: ele foi
34.19). um parceiro fiel de Josué contra o relato ne­
B. Seu testemunho. gativo dos dez espiões (Nm 14.6-9).
700
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

ICANÀff 1. Com uma aliança de outros três reis da


M esopotâmia, Quedorlaomer derro­
S u m á r io c r o n o l ó g ic o tou os rebeldes e depois levou muitas
I. Seu pecado contra Noé. pessoas como escravos (Gn 14.5-11).
Ele envolveu-se em um pecado (de natureza 2. Um dos cativos foi Ló, sobrinho de
não totalmente clara) juntamente com seu pai Abraão, que morava na cidade de Go­
Cam contra seu avô Noé, quando este estava morra na época (Gn 14.12).
bêbado (Gn 9.20-24). II. O eliminado.
II. Sua sentença por Noé. Ao saber disso, Abraão atacou Quedorlao­
A. O quê da maldição. mer com 318 servos treinados e derrotou-o a
Seus descendentes se tornariam servos norte do mar da Galileia (Gn 14.13-16).
dos descendentes de Sem e Jafé (Gn 9.25-
27). D ados
B. O quem da questão incluiria o seguinte: C itado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis
1. Os hititas, jebuseus e amorreus (Gn 14.1.
10.15-19; 1 Cr 1.8,13-16). Citado pela última vez: Gênesis 14.17.
2. Os cidadãos de Sodoma e Gomorra Significado do nome: “Feixe” .
(Gn 10.19). Mencionado: cinco vezes.
Livro da Bíblia que cita Quedorlaomer: um livro
Dados (Gênesis).
Pai: Cam (Gn 9.18). Cargo: rei de Elão (Gn 14.1).
Filhos: Sidom e Hete (Gn 10.15). Descendentes Detalhe importante sobre a vida de Quedorlao­
cujos nomes não são mencionados (Gn mer: ele capturou Ló, mas foi derrotado por
10.16-19). Abraão (Gn 14.1-17).
Irmãos: Cuxe, Mizraim e Pute (Gn 10.6; 1 Cr
1.8 ).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 9. [COSBÍl
18.
Citado pela última vez: 1 Crônicas 1.13. S u m á r io c r o n o l ó g ic o
Significado do nome: “ Baixo, plano” . I. Sua perversão.
Mencionado: nove vezes. A. Ela era filha de Zur, um oficial chefe de Mi-
Livros da Bíblia que citam Canaã: dois livros (Gê­ diã (Nm 25.15).
nesis, 1 Crônicas). B. Cosbi era culpada de imoralidade com
Detalhe importante sobre a vida de Canaã: ele foi Zinri, um israelita (Nm 25.6,14,15).
amaldiçoado pelo avô Noé (Gn 9.25-27). II. Sua punição.
A. Ela e Zinri foram mortos com uma lança,
por Fineias, sumo sacerdote de Israel (Nm
QUEDORLAOMER j 25.7).
B. Este ato de julgamento deu fim a uma ter­
S u m á r io c r o n o l ó g ic o rível praga divina que veio sobre Israel, de­
I. O vencedor. vido aos pecados de idolatria e de imorali­
A. Sua campanha. dade (Nm 25.8).
1. Ele era rei de Elam, localizada na anti­
ga Mesopotâmia, que instigou a pri­ Dados
meira guerra registrada na Bíblia (Gn Pai: Zur (Nm 25.15).
14.5). Citada pela primeira vez na Bíblia: Números
2. Cinco reis cananitas que ele derrotou 25.15.
anteriormente revoltaram-se contra ele Citada pela última vez: Números 25.18.
subitamente (Gn 14.1-4). Significado do seu nome: “ Fértil” .
B. Seus cativos. Mencionada: duas vezes.
701
G u ia de W illm in gto n pa r a a B íblia M ÉT O D O T EO L Ó G IC O

Livro da Bíblia que cita Cosbi: um livro (Núme­ 4. Por fim, ele escolheu um líder político
ros). chamado Zorobabel (também conhe­
Lugar onde faleceu: na tenda do seu amante (Nm cido como Sesbazar) a guiar o rema­
25.6-8). nescente na viagem de volta (Ed 2.2;
Como foi morta: ela foi morta com uma lança 3.8; 4.2; 5.2,14).
(Nm 25.7,8).
Detalhe importante sobre a vida de Cosbi: ela era D ados
culpada de imoralidade com um israelita e Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Crônicas
ajudou a trazer uma praga sobre Israel (Nm 36.22.
25.8,18). Citado pela última vez: Daniel 10.1.
Significado do nome: “ Sol, trono” .
Mencionado: 22 vezes.
[CÍRÒ] Livros da Bíblia que citam Ciro: quatro livros (2
Crônicas, Esdras, Isaías, Daniel).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o Cargo: rei da Pérsia (2 Cr 36.22).
I. Ciro e Isaías: a profecia. Detalhe importante sobre a vida de Ciro: ele fez
A. Ciro foi o fundador do Império Persa. o decreto de retorno que permitiu que os ju­
B. Em uma incrível profecia dada 200 anos deus voltassem para reconstruir Jerusalém (2
antes do nascimento de Ciro, o profeta Isa­ Cr 36.22,23).
ías escreveu:
1. Que ele se chamaria Ciro (Is 44.28).
2. Que ele conquistaria muitas terras (Is D A N IE L
45.1).
3. Que ele abriria as portas da Babilônia S u m á r io c r o n o l ó g ic o
e tomaria a cidade (Is 45.1). I. Uma dieta divina.
4. Que ele faria um decreto permitindo A. A resolução de Daniel (Dn 1.1-8).
que os judeus retornassem para recons­ 1. Daniel e seus três amigos, Sadraque,
truir Jerusalém e o templo (Is 45.1). Mesaque e Abede-Nego, juntamente
II. Ciro, Daniel e Esdras: o cumprimento. com jovens hebreus, foram selecionados
A. Ciro e o livro de Daniel. por Nabucodonosor para prepararem-
Daniel, que viveu na época do reinado -se para uma vida de serviço político.
de Ciro (também chamado de Dario), des­ 2. Ele determinou que não se contaminaria
creve-nos a esperançosa noite em que Ciro com os manjares do rei, provavelmente
tomou a cidade da Babilônia (Dn 5.1-31; porque era proibido na Lei de Moisés e
6.28; 10.1). poderiam ter sido sacrificados aos ídolos.
B. Ciro e o livro de Esdras. B. Sua recomendação (Dn 1.9-14).
Esdras oferece-nos as palavras exatas Ele propôs um teste, sugerindo uma die­
que constavam no decreto de Ciro (Ed ta de dez dias, consistindo de apenas vege­
1.1-4). tais e água. Ao final deste breve período,
1. O autor de 2 Crônicas também nos dá seu superintendente podia comparar D a­
o mesmo decreto (2 Cr 36.22,23). niel e seus amigos com os que comeram a
2. Ciro permitiu que o remanescente, que rica comida do rei. As condições deste teste
retornava, levasse de volta os vasos sa­ foram permitidas.
grados que Nabucodonosor havia to­ C. Suas recompensas (Dn 1.15-20).
mado do templo de Salomão em Jeru­ 1. Na mão de Deus.
salém (Ed 1.7-11; 5.13-15). a. Eles ficaram muitas vezes mais for­
3. Ele também ordenou que o povo de tes ao final do teste de dez dias.
Sidom e de Tiro ajudasse os judeus a b. Eles ficaram dez vezes mais inteli­
reconstruir o segundo templo (Ed gentes no final do treinamento de
3.7). três anos.
702
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

2. N a mão de Nabucodonosor. e será formada por dez nações. Isso


Daniel foi selecionado para uma está implícito, pois as grandes pro­
carreira política. fecias sobre a quarta potência não
II. Uma estátua e uma pedra. foram cumpridas na história da
A. A frustração dos babilônios (Dn 2.1-13). Roma Antiga,
1. Nabucodonosor teve um terrível pesa­ c. Nos dias da última potência mun­
delo e chamou todo o seu gabinete pa­ dial, o Deus do céu irá despedaçar
ra relatar e interpretar seu sonho. todos os reinos terrenos com a Sua
2. Incapazes de fazer isso, todos foram pedra (o Senhor Jesus Cristo) e fir­
condenados à morte. mar um reino eterno (Dn 2.44,45).
B. A revelação de Deus (Dn 2.14-30). D. A adoração de Nabucodonosor (Dn 2.46-
Deus revelou o sonho de Nabucodono­ 49).
sor a Daniel (que, aparentemente, não es­ 1. O rei curvou-se diante de Daniel e or­
tava presente quando o rei fez a solicitação denou que seu povo oferecesse sacrifí­
pela primeira vez). cios e queimasse incenso suave diante
C. A interpretação de Daniel. dele (Dn 2.46).
1. Uma cronologia do sonho - o que o rei 2. Ele reconheceu o Deus de Daniel como
viu? (Dn 2.31-35). Deus dos deuses (Dn 2.47).
a. Ele viu uma grande e imponente es­ 3. Ele elevou Daniel ao mais alto cargo da
tátua de um homem. Babilônia, o de chefe magistrado na
Era feita de diversos materiais. corte do rei (Dn 2.48).
(1) A cabeça era de ouro. 4. Daniel, então, nomeou Sadraque, Me-
(2) O peito e os braços eram de saque e Abede-Nego a altos ofícios (Dn
prata. 2.49).
(3) Sua barriga e suas coxas eram III. Uma fornalha de fogo.
de bronze. A. O comando do rei (Dn 3.1-7).
(4) Suas pernas eram de ferro, e seus 1. Nabucodonosor construiu uma está­
pés, parte ferro e parte barro. tua de 27 metros de altura e 2,7 metros
b. Essa estátua foi, então, completa­ de largura. Ela foi feita sobre a planície
mente pulverizada em partes míni­ de Dura, próximo da Babilônia.
mas por uma pedra especial, que 2. No dia da dedicação, após um dado si­
foi cortada sobrenaturalmente de nal musical, todos os seus oficiais deve­
uma montanha e, em seguida, caiu riam curvar-se e adorar a imagem. Não
sobre ela. fazê-lo resultaria em uma morte de fo­
c. A rocha, então, cresceu até encher go (Dn 3.6).
toda a terra (Dn 2.30-35). 3. Os oficiais acataram a exigência do rei.
2. Uma teologia do sonho - O que tudo B. A resistência dos hebreus (Dn 3.8-23).
isso significa? (Dn 2.36-45). 1. Os zelosos babilônios informaram N a­
a. A estátua representava quatro po­ bucodonosor que Sadraque, Mesaque
tências mundiais gentias: e Abede-Nego recusaram-se a curvar-se.
(1) A cabeça de ouro era a Babilô­ 2. Nabuconodosor deu-lhes outra chan­
nia. ce.
(2) O peito e braços de prata eram 3. Quando recusaram pela segunda vez,
a Pérsia. eles foram amarrados e lançados em
(3) A barriga e coxas de bronze uma fornalha de fogo, aquecida sete
eram a Grécia. vezes mais que o normal.
(4) As pernas de ferro e o pé de fer­ C. O homem do Senhor (Dn 3.24-30).
ro e barro eram Roma. 1. Ao verificar o interior da fornalha, o
b. A última potência gentia (Roma) rei, maravilhado, viu uma quarta pes­
será revivida durante a tribulação soa.
703
1G uia de W illmington para a B íblia f MÉTODO TEOLÓGICO

2. Os três amigos então saíram da forna­ (3) Essa doença terminaria apenas
lha sem nenhum dano, nem mesmo quando ele percebesse que os
cheiro de fumaça, sobre eles. poderes da natureza são orde­
3. Nabucodonosor fez um decreto, orde­ nados por Deus.
nando pena de morte a qualquer um (4) Daniel, então, implorou ao or­
que blasfemasse contra o Deus de Israel. gulhoso monarca, desfaze os
IV. Uma árvore abalada. teus pecados (Dn 4.27), mas foi
A. A árvore - Nabuconodosor corrompido tudo em vão.
pela vaidade (Dn 4.1-27). B. A árvore - Nabucodonosor corrigido por
1. Nabucodonosor relatou outro sonho meio da insanidade (Dn 4.28-37).
que teve a Daniel (Dn 4.8-18). 1. O orgulho de Nabucodonosor (Dn
a. Ele viu uma enorme e folhosa árvo­ 4.28-30).
re aumentando em tamanho até al­ Doze meses após o sonho, quando
cançar os céus e ser vista por todos. o rei estava passeando no topo do pa­
Os animais selvagens e pássaros ti­ lácio real na Babilônia, ele fez um dis­
nham sombra e abrigo em seus ga­ curso orgulhoso (Dn 4.30).
lhos cheios de folhas, e todo o 2. A punição de Nabucodonosor (Dn
mundo alimentava-se com a sua 4.31-33).
generosa fonte de frutos (Dn 4.10- a. Enquanto o rei ainda proferia suas
12 ). orgulhosas palavras, o julgamento
b. De repente, uma figura celestial de Deus caiu do céu, e ele foi tirado
apareceu e ordenou que a árvore do palácio (Dn 4.31).
fosse cortada, e seus frutos, espa­ b. Os tristes resultados de sua vaidade
lhados. Apenas o toco deveria ser (Dn 4.33).
deixado, preso com uma corrente 3. O louvor de Nabucodonosor (Dn
de ferro e bronze. Essa árvore der­ 4.34-37). Ao ser restaurado, seu orgu­
rubada representava um homem lho transformou-se em adoração.
que receberia a mente de um ani­ V. Uma mão celestial.
mal e permaneceria neste triste es­ A. O baile (Dn 5.1).
tado por sete anos (Dn 4.13-16). O rei Belsazar organizou um grande
c. Tudo isso aconteceria para que to­ jantar com bebidas e convidou seus mil
do o mundo soubesse que o Altíssi­ melhores oficiais a participarem.
m o tem dom ínio sobre os reinos B. O descaramento (Dn 5.2-4).
dos homens; e os dá a quem quer e Ele ordenou que os cálices de ouro e
até a o mais baix o dos hom ens prata tomados por seu avô, Nabucodono­
constitui sobre eles (Dn 4.17). sor, do templo de Jerusalém, fossem leva­
2. Daniel revelou o sonho a Nabucodo­ dos ao banquete, para que o rei bebesse vi­
nosor (Dn 4.19-27). nho com eles e adorasse os deuses babilô-
a. A interpretação foi tão amedronta- nicos (Dn 5.2-4).
dora que Daniel fez uma hora de C. A parede (Dn 5.5,6).
silêncio, chocado (Dn 4.19). De repente, ele viu os dedos da mão de
b. Ele, então, revelou os detalhes: um homem escrevendo uma mensagem
(1) A árvore de fato era um ho­ misteriosa na parede acima de sua mesa.
mem, e este homem era Nabu­ D. O chamado (Dn 5.7-29).
codonosor. 1. O rei, apavorado, pediu ajuda a seus
(2) O rei iria sofrer um período de astrólogos, mas eles não foram capazes
sete anos de insanidade, por de ajudá-lo.
causa de seu orgulho. Durante 2. Por sugestão da rainha, ele mandou
este tempo, ele agiria e pensaria chamar Daniel, oferecendo ao grande
como um animal selvagem. profeta o cargo de terceiro governante

704
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

do reino se fosse capaz de interpretar a a. Ele manteve sua janela aberta.


mensagem. b. Ele continuou orando três vezes ao
3. Daniel recusou a oferta, mas interpre­ dia.
tou a mensagem mesmo assim. c. Ele ajoelhava-se.
a. MENE: Contou Deus o teu reino e d. Ele ficava de frente para Jerusalém.
o acabou (Dn 5.26). 2. Os conspiradores sem coração.
b. TEQUEL: Pesado foste na balança Esses implacáveis caçadores, que
e foste achado em falta (Dn 5.27). montaram sua armadilha, agora viam
c. PERES: Dividido foi o teu reino e a presa dentro dela e alegremente fo­
deu-se aos m edos e aos persas (Dn ram até Dario para dar o golpe de mi­
5.28). sericórdia. Dario percebeu que fora en­
E. A queda (Dn 5.30,31). ganado e desesperadamente buscou
Belsazar foi morto naquela mesma noi­ uma brecha na imutável lei dos medos
te, e a cidade foi governada por um medo e persas, mas foi tudo em vão (Dn
de 62 anos, chamado Dario. 6.11-15). Daniel foi preso e jogado em
VI. Os leões e o coração de leão. uma cova cheia de leões famintos e de-
A. Um plano maligno (Dn 6.1-9). voradores de homens.
1. A organização. 3. O potentado insone.
Dario, o medo, imediatamente bus­ a. Após fechar a cova com o selo do
cou reorganizar e consolidar esse fan­ próprio anel, Dario retornou e teve
tástico novo reino chamado Babilônia uma noite triste e em claro no pa­
agora que estava no poder. Ele dividiu lácio real (Dn 6.17,18).
o reino em 129 províncias, cada uma b. Na manhã seguinte, ele foi apressa­
com um príncipe. Estes príncipes pres­ damente para a cova, ordenando
tavam contas a três presidentes, sendo que a tampa fosse tirada e clamou
Daniel um deles. Daniel, agora com angustiado (Dn 6.20).
mais de 80 anos, ainda era abençoado C. Um banimento celestial.
com tantas habilidades e capacidades 1. A resposta de Daniel.
que Dario pensava em elevá-lo acima Da escuridão da cova da condena­
dos outros dois presidentes (Dn 6.1-3). ção, veio uma voz alegre e clara (Dn
2. A orquestração. 6 . 21 , 22 ).
a. Isso irritou tanto os outros dois 2. A reação de Dario.
presidentes e os príncipes que eles A reação do rei diante disso tudo foi
planejaram matar Daniel (Dn 6.4). dupla; ele ficou feliz e irado.
b. Incapazes de ver a menor falha em a. Ele alegrou-se com a salvação de
sua vida secular, eles determinaram Daniel e fez um decreto declaran­
prendê-lo em sua vida religiosa do que todos os cidadãos do seu
(Dn 6.5). reino temessem o todo-poderoso
c. Dario foi enganado, assinando um Deus judeu de Daniel (Dn 6.23,25-
decreto de 30 dias, que dizia que 27).
todas as orações durante este perí­ b. Ele vingou-se prontamente daque­
odo deveriam ser direcionadas ao les que o enganaram, em primeiro
próprio rei (Dn 6.6-9). lugar, e ordenou que fossem joga­
B. Um homem que se ajoelha (Dn 6.10-20). dos, juntamente com suas famílias,
1. O profeta sem medo. na mesma cova. Seus corpos foram
Daniel soube disso e, sem duvidar, imediatamente despedaçados pelos
imediatamente percebeu esta desajeita­ leões (Dn 6.24).
da tentativa de prendê-lo. Mas o anti­ VII. Reinos sem Deus e o reino de Deus.
go guerreiro continuou adorando a A. Nabucodonosor, o leão babilônico (Dn
Deus como de costume (Dn 6.10). 7.1-4).
705
[G uia d e W illmington para a B íblia l MÉTODO TEOLÓGICO

1. Daniel teve uma visão de uma grande 6. Ele irá fatigar os santos de Deus: Israel
tempestade em um poderoso oceano (Dn 7.25).
com quatro ventos soprando de todas 7. Ele tentará mudar estações e leis (Dn
as direções e quatro bestas emergindo 7.25).
da água. 8. Ele irá blasfemar contra Deus (Dn
2. A primeira besta simbolizava Nabuco­ 7.25).
donosor e a Babilônia. 9. Ele será derrotado na vinda de Cristo,
a. Era como um leão. e seu corpo será dado às chamas do in­
b. Tinha asas de águia. ferno (Dn 7.11).
c. Essas asas eram arrancadas (veja E. Jesus Cristo, o Rei dos reis (Dn 7.13,14).
Dn 4.33 e 5.31). 1. Ele virá nas nuvens para reclamar a he­
B. Ciro, o urso persa (Dn 7.5). rança terrena que lhe é de direito (Dn
1. Esse urso ergueu-se de um lado, prova­ 7.13).
velmente referindo-se à parte persa, 2. Ele receberá seu trono universal e eter­
que é mais forte, na aliança dupla dos no de seu Pai, o ancião de dias (Dn
medos e os persas. 7.9,13,14).
2. Ele tinha três costelas na boca, uma re­ VIII. Os chifres dos pagãos.
ferência à Babilônia, ao Egito e à Lídia, A. O carneiro de duas cabeças.
três nações que a Pérsia acabara de A Pérsia, representada conforme o
conquistar. exemplo de Dario III (Dn 8.1-4; veja tam­
3. Ele iria devorar muita carne. O rei per­ bém 8.20).
sa Xerxes liderou uma força de mais de 1. Nessa visão, Daniel viu-se na fortaleza
um milhão e meio de homens e 300 na­ de Susã, uma cidade que fica a aproxi­
vios somente na Grécia. madamente 370 km a leste da Babilô­
C. Alexandre, o leopardo grego (Gn 7.6). nia e 193 km a norte do Golfo Pérsico
1. Essa criatura era como um leopardo, (Dn 8.2).
mas tinha quatro asas. Alexandre via­ 2. Ele viu um carneiro vitorioso vindo do
java mais rápido e conquistava mais leste, indo rumo ao oeste, norte e sul.
terra que qualquer outro homem que Isso representava as conquistas persas
se tem registro na história. (Dn 8.3,4).
2. Ela tinha quatro cabeças. Após sua B. O bode de um chifre só.
morte final, aos 32 anos, seu reino caiu A Grécia, representada por Alexandre,
para quatro de seus generais. o Grande (Dn 8.5-8,21).
D. O monstro romano e o pequeno chifre (Dn 1. Daniel, então, viu um bode do leste que
7.7-28). perseguia o carneiro, esmagava-o con­
1. Esse monstro retirou-se para sua cova tra o chão e despedaçava-o pisotean­
em 476 a.C., por um tempo, para hi­ do-o.
bernar. 2. Daniel, então, viu esse poderoso chifre
2. Ele seria acordado na forma de dez na­ quebrar subitamente e seu poder ser di­
ções durante a tribulação, pelo peque­ vidido em quatro partes. Alexandre
no chifre, que é ninguém mais que o morreu na Babilônia durante uma orgia
anticristo. regada a bebidas alcoólicas aos 32 anos,
3. O anticristo derrotará três desses dez rei­ em 323 a.C. Assim, seu reino, foi dividi­
nos (chifres) e subirá ao poder (Dn 7.8). do entre seus quatro principais generais.
4. Ele terá um governo universal durante C. Dois reis de chifres pequenos.
os últimos três anos e meio da tribula­ A Síria e o Império Romano revivido
ção (Dn 7.25). representados por Antíoco Epífanes e o an­
5. Ele derramará sangue sobre esta terra ticristo (Dn 8.9-27). O arcanjo Gabriel in­
de uma forma sem precedentes (Dn terpretou tudo isso para Daniel. Essa é a
7.7,19). primeira menção a ele na Bíblia (Dn 8.16).
706
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

1. O pequeno chifre histórico - Antíoco época, Davi tinha aproximadamente


Epífanes. 85 anos de idade. Ele estava lendo o li­
a. Ele era sírio. vro de Jeremias (provavelmente tor­
b. Ele subiu ao trono em 175 a.C e go­ nando-se o guardião oficial de diversos
vernou até 164 a.C. livros do Antigo Testamento após a
c. Ele era completamente antissemita. destruição do templo) e foi lembrado
Ele atacou Jerusalém, assassinando de que Deus havia determinado que Je­
mais de 40 mil em três dias e ven­ rusalém ficaria desolada por 70 anos
dendo um número igual para a (veja Jr 25.11; 29.10).
brutal escravidão. Considera-se 2. Clamando pela misericórdia de Deus.
que ele iniciou suas ações malignas Ele, então, iniciou uma intensa e
em 6 de setembro de 171 a.C. e en­ prolongada oração a Deus, sobre seus
cerrou-as em 25 de dezembro de pecados pessoais e os pecados nacio­
165 a.C. Isso explicaria os dois mil nais de Israel, que causaram o seu cati­
e 300 dias de Daniel 8.14. veiro em primeiro lugar. Sua oração foi
d. Daniel ficou doente ao ter essa ter­ acompanhada de jejum, roupas de saco
rível visão profética (Dn 8.27). e cinzas (Dn 9.1-3).
2. O pequeno chifre profético - o anticristo. a. Ele relembrou Deus de Seus concer­
O futuro inimigo de Israel fará tudo tos (Dn 9.4).
que seu precursor fez e muito mais. As b. Ele contrastou a graça de Deus e a
seguintes comparações podem ser fei­ Sua bondade com a imoralidade e
tas entre os dois: idolatria de Israel (Dn 9.5-11).
a. Ambos farão muitas conquistas (1) A imoralidade e idolatria de Is­
(Dn 8.9; Ap 13.4). rael (Dn 9.5,11).
b. Ambos irão engrandecer-se (Dn (2) A graça e bondade de Deus (Dn
8.11; Ap 13.15). 9.7,9).
c. Ambos serão mestres do engano c. Ele mencionou os rei de Judá (Dn
(Dn 8.25; 2 Ts 2.10). 9.8).
d. Ambos oferecerão um programa de Dois deles foram levados ao ca­
falsa paz (Dn 8.25; 1 Ts 5.2,3). tiveiro babilônico juntamente com
e. Ambos odiarão e perseguirão Israel o povo judeu.
(Dn 8.25; Ap 12.13). d. Ele concordou plenamente que Judá
f. Ambos profanarão o templo (Dn recebeu justamente o que merecia e
8.11; Mt 24.15). que Deus estava falando sério quan­
g. Ambos serão fortalecidos por Sata­ do os alertou sobre a desobediência
nás (Dn 8.24; Ap 13.2). e a punição (Dn 9.12-14). Ele termi­
h. Ambos serão ativos no Oriente Mé­ nou sua oração jogando-se junta­
dio por aproximadamente sete mente com o seu povo diante da in­
anos (Dn 8.14; 9.27). finita graça de Deus (Dn 9.18).
i. Ambos falarão contra o Senhor B. Gabriel - a profecia de um anjo (Dn 9.20-
Deus (Dn 8.25). 27).
j. Ambos serão completamente des­ Mesmo quando Daniel estava orando,
truídos por Deus (Dn 8.25; Ap Deus enviou o arcanjo Gabriel para minis­
19.19,20). trar a ele e explicar a mais importante, a
IX. O segredo das 70 semanas. mais incrível e a mais profunda profecia de
A. Daniel - a oração de um profeta (Dn 9.1-19). toda a Palavra de Deus!
1. Lendo a mensagem de Deus. Devemos considerar essa profecia fazen­
Esse é um dos maiores capítulos de do e respondendo a seis perguntas-chave:
toda a Bíblia. Ele tem um tema duplo, 1. A quem se refere essa profecia? Ela re-
o de oração e o de profecia. Nesta fere-se a Israel, teu povo (Dn 9.24).
707
i G uia de W illmington para a B íbu a )= MÉTODO TEOLÓGICO

2. O que quer dizer com o termo Setenta se­ a. As seis principais realizações das 70
m anas? A expressão hebraica refere-se semanas:
a 70 períodos de sete anos, ou seja, um (1) Dar um fim em todas as trans­
total de 490 anos. gressões e pecados humanos,
3. Quando o período de 70 semanas de­ especialmente os da nação de
veria começar? Ele deve começar com Israel.
o comando da reconstrução dos muros (2) Reconciliar pela iniqüidade.
de Jerusalém (Dn 9.25). (3) Vindicar por meio do cumpri­
4. Quais são os períodos de tempo distin­ mento todos os verdadeiros
tos mencionados na profecia das 70 se­ profetas e suas profecias.
manas e o que deveria acontecer em ca­ (4) Provar a incapacidade do dia­
da período? bo de governar justamente este
a. Primeiro período - Um período de mundo.
sete semanas (49 anos), de 445 a.C. (5) Destruí-lo juntamente com seu
a 396 a.C. principal encarregado, o anti­
Um evento importante desta cristo.
época foi a construção das estradas (6) Introduzir o milênio.
e muros de Jerusalém mesmo em b. Os três principais períodos de tem­
tempos angustiosos (Dn 9.25). po das 70 semanas (490 anos):
b. Segundo período - Um período de (1) Primeiro período - 49 anos, ou
62 semanas (434 anos), de 396 a.C. sete semanas, de 445 a.C. a 396
a 30 d.C. a.C.
No final deste segundo período, (2) Segundo período - 434 anos,
o Messias deverá ser crucificado ou 62 semanas, de 396 a.C. a
(não se somam 434 anos, e o mes­ 32 d.C.
mo período mencionado abaixo ci­ (3) Um período de pausa - que já
ta anos diferentes que também não está durando 20 séculos.
formam essa somatória). (4) Terceiro período - sete anos,
c. Terceiro período - Um período de ou uma semana, do arrebata-
uma semana (sete anos) do arreba- mento ao milênio.
tamento ao milênio. c. As duas pessoas principais das 70
5. As 70 semanas passam continuamente? semanas:
Ou seja, há algum hiato em algum lugar (1) M essias-o Senhor Jesus Cristo.
no meio desses 490 anos, ou eles con­ (2) [O] príncipe, que há de vir (Dn
tinuam sem pausa até se completarem? 9.26) - o anticristo.
A teologia dispensacionalista ensi­ X. O conflito acima das nuvens.
na que essas “semanas” não correm A. Um homem que lamenta (Dn 10.1-4).
continuamente, mas que houve um Daniel separou um período de três se­
hiato ou parênteses de quase dois mil manas para ficar sozinho com Deus. Neste
anos entre a sexagésima nona e a sep­ período, ele deixou de alimentar-se, de be­
tuagésima semana. Esse período é co­ ber vinho e de ungir-se.
nhecido como Era da Igreja. B. Um anjo servil (Dn 10.5-21).
6. A Bíblia dá quaisquer outros exemplos 1. Sua descrição (Dn 10.5-9).
de hiatos de tempo em programas divi­ a. Daniel, imediatamente, ficou páli­
nos? do e enfraqueceu de medo diante
Sim. Há pelo menos três ocorrências desta impressionante visão.
de hiatos de muitos séculos em um úni­ b. Os homens que estavam com Da­
co e curto parágrafo (Is 9.6,7; 61.1,2; niel também estavam aterrorizados,
Zc 9.9,10). Aqui, temos uma última embora não tivessem presenciado a
breve visão geral das 70 semanas: mesma visão que Daniel (Dn 10.7).
708
P erso n a g en s do A n t i g o T est a m en t o

2. Sua declaração (Dn 10.10-19). seu meio-irmão; Alexandre II, seu filho
a. Ele foi impedido pelo príncipe da legítimo; e Hércules, seu filho ilegíti­
Pérsia (Dn 10.13). Quem era este mo, foram assassinados. Os quatro ge­
príncipe? nerais de Alexandre dominaram.
(1) O príncipe era poderoso. B. Antíoco Epífanes (Dn 11.21-35).
Ele bloqueou sozinho um 1. Ele era o filho mais novo de Antíoco, o
dos anjos mais poderosos do Grande, e é imediatamente classificado
mundo por 21 dias. como alguém maligno (ou desprezível)
(2) O príncipe era perverso. pela Palavra de Deus (Dn 11.21).
Ele resistiu ao mensageiro 2. Ele recebeu o apelido de Epímanes, que
enviado por Deus. Portanto, significa “louco”, dos que o conheciam
ele deve ter sido um demônio bem.
de alto nível escolhido por Sa­ 3. Ele era enganador e fingia ser um Robin
tanás para a Pérsia com a mis­ Hood do segundo século a.C. (1 Maca-
são de controlar as atividades beus 3.29-31, [livro apócrifo]).
demoníacas neste reino. 4. Antíoco esperava capturar o Egito,
b. Ele foi auxiliado pelo arcanjo Mi­ mas foi impedido completamente pelos
guel (Dn 10.13). Este é outro ar­ poderosos romanos (Dn 11.30).
canjo mencionado na Bíblia. Este 5. Ele descarregou sua fúria insana na ci­
anjo então consolou, encorajou, dade de Jerusalém (Dn 11.28-35).
fortaleceu e instruiu Daniel acerca C. Anticristo (Dn 11.36-45).
do fim dos tempos. 1. Ele fará tudo de acordo com a própria
3. Sua determinação (Dn 10.20,21). vontade egoísta (Dn 11.36).
Quando voltou para Deus, o anjo 2. Ele irá engrandecer-se e difamar Deus
estava ciente de que ele novamente se­ (Dn 11.36).
ria enfrentado, não só pelo demônio A palavra hebraica traduzida como
persa, mas também pelo demônio da coisas incríveis nesse versículo significa
Grécia. Aparentemente, Satanás estava literalmente “incrível, inacreditável”.
buscando mais apoio enviando para a O anticristo irá bradar blasfêmias ina­
batalha o seu futuro escolhido para o creditáveis contra Deus - insultos que
Império Grego. Mas, o anjo era con­ mais ninguém seria capaz de imaginar,
fiante, pois sabia que poderia contar ou ousaria dizer se soubesse.
novamente com a ajuda de Miguel. 3. Ele terá permissão de Deus para pros­
XI. Uma cronologia dos reis malignos. perar (receberá poder total) durante a
A. Alexandre, o Grande (Dn 11.1-20), in­ tribulação (Dn 11.36).
cluindo seus predecessores e sucessores. 4. Ele não terá consideração pelos deuses
1. Quatro reis persas governariam após de seus pais (Dn 11.37).
Ciro (que estava no poder quando Da­ 5. Ele não terá desejo por (ou das) mulhe­
niel escreveu esse documento), e o res (Dn 11.37).
quarto seria o mais rico de todos. Isso 6. Seu deus será o deus das fortalezas (Dn
aconteceu (Dn 11.2). 11.38).
2. Depois disso, um poderoso rei gover­ O anticristo irá gastar todos os seus
naria (Dn 11.3). Esse era Alexandre, o recursos em programas militares.
Grande (336-323 a.C.). 7. Nos últimos dias da tribulação, ele se­
3. Esse rei morreria subitamente no seu rá atacado pelo rei do sul (Egito) e pe­
ápice. Seu reino não seria dado à sua lo rei do norte (Gogue, provavelmente
posteridade, mas dividido por estran­ a Rússia) (Dn 11.40).
geiros em quatro seções (Dn 11.4). 8. Após a derrota da Rússia, o anticristo
Foi isso o que aconteceu. Pouco de­ irá ocupar a Palestina. Edom e Moabe
pois da morte de Alexandre, Filipe, não serão ocupadas por ele (Dn 11.41).
709
G uia de W illmington para a B íblia MÉTODO TEOLÓGICO

9. Ao estabelecer controle na Palestina, o (Dn 12.6). Aparentemente, nenhum dos


anticristo irá marchar até o Egito e dois anjos ouviu os detalhes da visão
controlará aquela terra (Dn 11.42,43). das 70 semanas em 9.24-27.0 podero­
10. Quando estiver no Egito, ele ouvirá ru­ so anjo informou-lhes que a duração
mores alarmantes do leste e do norte dessa terrível metade final da tribulação
(Dn 11.44). A natureza exata destes ru­ durará tempo suficiente para que o or­
mores é incerta. gulho e o poder dos judeus fossem que­
11. Ele rapidamente retornará e, em gran­ brados, ou três anos e meio (Dn 12.7).
de fúria, destruirá a muitos (Dn 11.44). 2. Os 1290 dias (Dn 12.11).
Aqui, novamente, a identidade dos que Esse período refere-se ao mesmo pe­
são destruídos não pode ser afirmada ríodo mencionado acima, mas inclui
dogmaticamente. mais 30 dias. Embora não possamos
12. Ele, aparentemente, lidará bem com a ser dogmáticos, parece razoável con­
ameaça e estabelecerá seu quartel gene­ cluir que um mês adicional será neces­
ral mundial no monte Sião. Ele ficará sário aqui para cumprir o julgamento
lá até sua destruição total pelo Rei dos de ovelhas e bodes mencionados em
reis no final da tribulação (Dn 11.45). Mateus 25.31-46.
XII. Condições finais. 3. Os 1335 dias (Dn 12.12).
A. O ministério de Miguel (Dn 12.1). Aqui, novamente um período de
1. Miguel é o anjo da guarda de Israel. tempo é acrescentado: 45 dias. Qual
2. Ele irá ajudar a libertar Israel no pior será a necessidade destes 45 dias? Pode
período da história humana desde a ser o tempo necessário para estabelecer
criação do mundo. o maquinário para seguir com o Reino
B. As duas ressurreições (Dn 12.2,3). de Cristo.
1. A ressurreição para a vida eterna. E. As quatro conclusões finais.
Isso ocorrerá no início do milênio e 1. O poderoso anjo estendeu as duas
incluirá todos os santos do Antigo Tes­ mãos para o céu enquanto atestava a
tamento e os que foram martirizados veracidade de tudo isso (Dn 12.7).
na tribulação (veja Jó 19.25,26; SI 2. Muitos serão libertos (salvos) durante
49.15; Is 25.8; 26.19; Os 13.14; Hb a tribulação (Dn 12.1). Isso inclui ju­
11.35; Ap 20.4,6). A recompensa para deus e gentios (Ap 7.1-17).
todos os justos ganhadores de almas é 3. Os perversos, entretanto, continuarão
mencionada em Daniel 12.3. em seus caminhos maus (Dn 12.10; Ap
2. A ressurreição para a vergonha e des­ 9.20,21; 11.9,10).
prezo eterno. 4. Daniel deveria, cuidadosamente, pre­
Isso irá ocorrer após o milênio e in­ servar seus escritos (Dn 12.4), mas to­
cluirá todos os não salvos que já vive­ do o significado deles não lhe seria re­
ram (Ap 20.5). Nosso Senhor resume es­ velado até aquele glorioso dia em que
sas duas ressurreições em João 5.28,29. ele ficará ao lado dos justos esperando
C. As duas profecias dos últimos dias (Dn seu lote de herança (Dn 12.9,13).
12.4).
1. Um aumento de conhecimento. S u m á r io t e o l ó g ic o
2. Um aumento de velocidade. I. O exemplo de Daniel.
D. Os três períodos de tempo (Dn 12.5-13). Ele foi citado juntamente com Noé e Jó, por
1. Daniel viu mais dois anjos que estavam Ezequiel, a fim de ilustrar duas virtudes divinas.
ouvindo a essa conferência privada de A. A virtude de justiça (Ez 14.14,20).
profecia conduzida pelo poderoso anjo B. A virtude da sabedoria (Ez 28.3).
ao velho político. Um dos dois, subita­ II. O contexto social de Daniel.
mente, perguntou quanto tempo este A. Daniel nasceu em Israel, na tribo de Judá,
terrível período de tribulação duraria em uma família real (Dn 1.3).
710
P erso n ag en s do A n t i g o T est a m en t o

B. Ele foi levado, por Nabucodonosor, para a Livros da Bíblia que citam Daniel: quatro livros
Babilônia durante o primeiro cerco a Jeru­ (Ezequiel, Daniel, Mateus, Marcos).
salém em 606 a.C. (Dn 1.1,2). Cargos: líder político e profeta (Dn 2.48,49;
C. Ele foi descrito como belo, sem defeitos fí­ 5.10-12).
sicos, inteligente, bem informado e com Lugar onde nasceu: Judá (Dn 1.1-6).
grande potencial de aprendizado (Dn 1.4). Lugar onde faleceu: Babilônia.
D. Ele tinha o dom divino da profecia e de in­ Detalhe importante sobre a vida de Daniel: ele ser­
terpretação de sonhos (Dn 2.29; 4.20). viu como primeiro-ministro na Babilônia sob
III. Quando estava em cativeiro, sem o menor Nabucodonosor e Dario (Dn 2.48; 6.1-3).
comprometimento, ele serviu fielmente na ad­
ministração de três reis.
A. Nabucodonosor (Dn 1— 4). DARIO (1)
B. Belsazar (Dn 5; 7; 8).
C. Dario (Dn 6; 9— 12). S u m á r io c r o n o l ó g ic o
IV. Ele foi ministrado pessoalmente pelos dois ar­ I. Dario e o rei Belsazar.
canjos do céu. A. Dario era conhecido como Dario, o medo
A. Gabriel (Dn 8.16,17; 9.21). (Dn 5.31).
B. Miguel (Dn 10.13; 12.1). B. Ele era o general de Ciro, o Grande, que
V. Cristo, antes da encarnação, apareceu a Daniel conquistou a Babilônia e matou Belsazar
em duas ocasiões. (Dn 5.30).
A. Na cova dos leões (Dn 6.22). C. Ele, provavelmente, é o homem referido
B. Ao lado do rio Tigre (Dn 10.4-9,16,17). como Gubaru nos relatos persas.
VI. A abominação desoladora. D. Dario foi fortalecido por um anjo de Deus
Jesus referiu-se à abominação desoladora his­ durante o primeiro ano do seu reinado (Dn
tórica conforme citada por Daniel e associou-a 11. 1).
com um evento profético(D nll.31;M t24.15). II. Dario e o profeta Daniel.
A. A abominação da desolação (Dn 11.31). A. Um plano maligno (Dn 6.1-9).
1. O ator envolvido - Antíoco Epífanes, 1. A organização.
um rei sírio que odiava judeus. Dario, o medo, imediatamente co­
2. A ação envolvida. meçou a reorganizar e consolidar esse
Ele profanou o Santo dos Santos fantástico novo reinado chamado Babi­
do segundo templo sacrificando um lônia, que agora governava. Ele dividiu
porco. o reino em 129 províncias, cada uma
B. A abom inação desoladora profética (2 Ts com um príncipe. Esses príncipes res­
2.4; Ap 13.6,14-18). pondiam a três presidentes, sendo Da­
1. O ator envolvido - o anticristo. niel um deles. Daniel, agora com mais
2. A ação envolvida. de 80 anos, ainda era abençoado com
Ele irá poluir o Santo dos Santos no habilidades e capacidade, de modo que
templo da tribulação colocando nele Dario considerava elevá-lo acima dos
uma estátua de si mesmo. outros dois presidentes (Dn 6.1-3).
VII. O livro de Daniel. 2. A orquestração.
A característica incomum do livro de Daniel a. Isso enfureceu ambos os presiden­
é que ele escreveu a porção central (Dn 2.4— tes e os príncipes, que planejaram
7.28) em aramaico. matar Daniel (Dn 6.4).
b. Incapazes de ver a menor falha nes­
D ados ta vida secular, eles determinaram
Citado pela primeira vez na Bíblia: Ezequiel 14.14. prendê-lo em sua vida religiosa
Citado pela última vez: Marcos 13.14. (Dn 6.5).
Significado do nome: “Deus é juiz”. c. Dario foi enganado, assinando um
Mencionado: 87 vezes. decreto de 30 dias, que dizia que
711
1G uia de W illmingtqn para a B íblia r MÉTODO TEOLÓGICO

todas as orações durante este perí­ juntamente com suas famílias, na


odo deveriam ser direcionadas ao mesma cova. Seus corpos foram
próprio rei (Dn 6.6-9). imediatamente despedaçados pelos
B. Um homem que se ajoelha (Dn 6.10-20). leões (Dn 6.24).
1. O profeta sem medo.
Daniel soube disso e, sem duvidar, D ados
imediatamente percebeu essa desajei­ Citado pela primeira vez na Bíblia: Daniel 5.31.
tada tentativa de prendê-lo. Mas, o an­ Citado pela última vez: Daniel 11.1.
tigo guerreiro continuou adorando a Significado do nome: “O que preserva o bem”.
Deus como de costume (Dn 6.10). Mencionado: oito vezes.
a. Ele manteve sua janela aberta. Livro da Bíblia que cita Dario (1): um livro (Daniel).
b. Ele continuou orando três vezes ao Cargo: rei do império medo-persa (Dn 6.12).
dia. Detalhe importante sobre a vida de Dario (1): ele
c. Ele ajoelhava-se. foi enganado, jogando Daniel na cova dos le­
d. Ele ficava de frente para Jerusalém. ões (Dn 6.14-16).
2. Os conspiradores sem coração.
Esses implacáveis caçadores, que
montaram sua armadilha, agora viam a D A R I O (2)
presa dentro dela e alegremente foram
até Dario para dar o golpe de misericór­ S u m á r io c r o n o l ó g ic o
dia. Dario percebeu que fora enganado I. O pedido.
e desesperadamente buscou uma brecha A. Ele também era conhecido como Dario, o
na imutável lei dos medos e persas, mas Grande.
foi tudo em vão (Dn 6.11-15). Daniel foi B. Ele dominou o decadente Império Persa
preso e jogado em uma cova cheia de le­ após o suicídio do rei Cambises.
ões famintos e devoradores de homens. C. Dario recebeu uma carta de um de seus ofi­
3. O potentado insone. ciais, chamado Tatenai, sobre uma situa­
a. Após fechar a cova com o selo do ção na cidade de Jerusalém (Ed 5.3-17).
próprio anel, Dario retomou e teve 1. A investigação feita por Tatenai.
uma noite triste e em claro no pa­ Ele disse ao rei que havia abordado os
lácio real (Dn 6.17,18). judeus em Jerusalém que estavam cons­
b. Na manhã seguinte, ele foi apressa­ truindo um templo e exigiu saber: Quem
damente para a cova, ordenando vos deu ordem para edificardes esta casa
que a tampa fosse tirada e clamou e restaurardes este m urof (Ed 5.3).
angustiado (Dn 6.20). 2. A resposta recebida por Tatenai.
C. Um banimento celestial. Os judeus responderam dizendo
1. A resposta de Daniel. que receberam a permissão oficial do
Da escuridão da cova da condenação, próprio Ciro, o Grande, para construir
veio uma voz alegre e clara (Dn 6.21,22). o seu templo (Ed 5.11-13).
2. A reação de Dario. 3. O pedido feito por Tatenai.
A reação do rei diante disso tudo foi Diante da situação, Tatenai sugeriu
dupla; ele ficou feliz e irado. a Dario que ele autorizasse uma busca
a. Ele alegrou-se com a salvação de nos arquivos reais para determinar a
Daniel e fez um decreto declarando validade dessa alegação.
que todos os cidadãos do seu reino II. A pesquisa.
temessem este todo-poderoso Deus O rei ordenou essa investigação e descobriu
(Dn 6.23,25-27). o decreto oficial feito por Ciro (Ed 6.1-5).
b. Ele vingou-se prontamente daqueles III. A resolução.
que o enganaram, em primeiro lu­ Dario, então, despachou uma letra a seus
gar, e ordenou que fossem jogados, oficiais na Terra Santa (Ed 6.6-12).
712
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

A. A sabedoria do rei. de Jessé, seria a escolha de Deus (1


Percebendo que o próprio Deus havia Sm 16.6).
incentivado o decreto original de Ciro, Da- c. A correção (1 Sm 16.7).
rio instruiu seus oficiais não só a auxiliar 2. A escolha do filho mais novo de Jessé
na construção do templo, mas a pagar por (1 Sm 16.10-13).
ela por meio de impostos locais. C. O cantor (1 Sm 16.14-23; 17.15).
B. O alerta do rei. 1. O problema (1 Sm 16.14).
Qualquer um que desobedecesse a esse 2. A apresentação.
comando perderia a casa e a cabeça. O a. Por sugestão de seus servos, Saul
templo foi concluído durante o sexto ano pediu que Davi fosse convidado
de seu reinado (Ed 6.15). para tocar sua harpa no palácio
real.
D ados b. Quando Davi tocou, o espírito ma­
Citado pela primeira vez na Bíblia: Esdras 4.5. ligno saiu de Saul.
Citado pela última vez: Zacarias 7.1. c. Nesta época, Davi também serviu
Significado do nome: “O que preserva o bem”. como carregador de armadura de
Mencionado: 16 vezes. Saul.
Livros da Bíblia que citam Dario (2): três livros d. Ele, então, ia e voltava do palácio
(Esdras, Ageu, Zacarias). para o pasto, servindo como can­
Cargo: rei da Pérsia (Ed 4.5). tor e pastor.
Detalhe importante sobre a vida de Dario (2): ele D. O soldado (1 Sm 17.1-58).
ordenou que a obra no templo de Jerusalém, 1. A crítica (Davi e Eliabe).
que foi interrompida, prosseguisse (Ed 6.1- a. Seguindo a instrução de seu pai,
12 ). Jessé, Davi levou mantimentos pa­
ra seus três irmãos, que estavam no
exército de Saul lutando contra os
(DAVI j filisteus (1 Sm 17.13,17).
(Veja também O estágio do reino em união, vol. 1, b. Ao chegar no local de batalha, Da­
p. 122) vi viu um gigante filisteu chamado
Golias (1 Sm 17.23).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o c. Por 40 dias, esse guerreiro gigante
I. Os anos iniciais. (de quase 3 metros de altura) desa­
A. O pastor. fiou Israel e a Deus (1 Sm 17.6).
1. Sua provisão para as ovelhas (1 Sm d. Nesta época, ele exigiu que Saul en­
16.11; 17.15; 2 Sm 7.8; SI 78.70,71). viasse um soldado para lutar com
2. Sua proteção às ovelhas (1 Sm 17.24- ele, concordando que todo o exér­
36). cito do lado que fosse derrotado se
B. O escolhido (1 Sm 16.1-13). renderia (1 Sm 17.8-10).
1. A rejeição dos filhos mais velhos de e. O exército israelita, entretanto, fi­
Jessé. cou apavorado com tal proposta (1
a. O comando. Sm 17.11,24).
Sob o comando de Deus, o pro­ f. Davi perguntou-se em voz alta por­
feta Samuel visitou o lar de Jessé em que o desafio deste gigante pagão
Belém para ungir um de seus filhos não havia sido aceito (1 Sm 17.26).
como o próximo rei de Israel. Ele g. Eliabe, irmão mais velho de Davi,
substituiria Saul, que fora rejeitado. repreendeu-o por suas ousadas
b. A confusão. afirmações.
Impressionado com a sua apa­ (1) A repreensão (1 Sm 17.28).
rência, Samuel erroneamente con­ (2) A resposta (1 Sm 17.29).
cluiu que Eliabe, o filho mais velho 2. A preocupação (Davi e Saul).
713
G u ia de W illmington para a B íblia r MÉTODO TEOLÓGICO

a. Davi encontrou-se com Saul e ofe­ c. Com a cabeça de Golias na mão,


receu-se para lutar contra Golias (1 Davi ficou diante de Saul (1 Sm
Sm 17.32). 17.57).
(1) A objeção de Saul. IL Os anos frustrantes.
“Você é apenas um garoto; A. O procurado.
e Golias é uma máquina de ma­ 1. A perseguição de Saul.
tar, experiente e profissional.” a. O contexto.
(2) A resposta de Davi. (1) Após a batalha, Saul ordenou
(a) “No passado, protegi as que Davi vivesse com ele na
ovelhas de meu pai de um corte do rei (1 Sm 18.2).
leão e de um urso.” (2) Independente do que foi ordena­
(b) “Quando qualquer um dos do que fizesse, Davi o fez tão
dois animais se voltou con­ bem que Saul logo lhe deu um al­
tra mim, eu matei-o.” to cargo no exército (1 Sm 18.5).
(c) “O mesmo Deus que me li­ b. O motivo.
vrou desses animais irá li­ Saul logo se voltou contra Davi,
vrar-me deste.” incitado por dois fatores (1 Sm
b. Saul, então, colocou em Davi a pró­ 18.6-10,12).
pria armadura real e o capacete de (1) Um cântico de vitória.
bronze (1 Sm 17.38). As mulheres de Israel escre­
c. Davi, entretanto, decidiu não usar veram um cântico para cele­
esse equipamento estranho e que brar a vitória de Davi e Israel
não fora testado (1 Sm 17.39). contra os filisteus (1 Sm 18.8).
d. Em vez disso, após escolher cinco (2) Um espírito maligno.
pedras lisas do ribeiro, ele marchou Dessa vez, o demônio que
para encontrar o gigante com a sua Davi havia expulsado de Saul,
funda (1 Sm 17.40). com sua música (1 Sm
3. O desprezo (Davi e Golias). 16.14,23), agora voltava para
a. Davi foi rejeitado e amaldiçoado atormentar Saul (1 Sm 18.10).
por Golias, que jurou dar a sua car­ c. As tentativas.
ne aos pássaros do ar e às feras do Em diversas ocasiões, o perver­
campo (1 Sm 17.41-44). so rei tentou matar Davi, mas fa­
b. Sua resposta para o hostil guerreiro lhou todas as vezes.
foi concisa e confiante (1 Sm 17.45- (1) Em pelo menos três ocasiões,
47). Saul tentou matar Davi jogan­
(1) Ele iria contra Golias pelo po­ do uma lança contra ele (1 Sm
der de Deus. 18.10,11; 19.9,19).
(2) Ele mataria o gigante, cortaria (2) Ele ofereceu sua filha caçula,
sua cabeça e daria a sua carne Mical, em casamento a Davi (1
aos pássaros e bestas. Sm 18.25). Para surpresa e ira
(3) Com isso, todos os homens sa­ de Saul, Davi presenteou-o com
beriam que a batalha era do Se­ o prepúcio de 200 filisteus,
nhor. qualificando-se para tornar-se
4. A conquista (Davi e Deus). o genro do rei (1 Sm 18.27).
a. Davi matou Golias atingindo o guer­ (3) Saul enviou soldados para ma­
reiro na testa com uma pedra lança­ tar Davi em sua própria casa,
da com a sua funda (1 Sml7.48-50). mas Mical salvou o esposo
b. Ele, então, cortou a cabeça do filis- descendo-o pela janela de um
teu com a espada do gigante (1 Sm quarto (1 Sm 19.11-17).
17.51). d. A bênção.
714
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

Durante todas essas provações (6) Na manhã seguinte, conforme


a mão de Deus permaneceu sobre o acordo, Davi foi alertado por
Davi, fazendo com que a sua fama Jônatas (1 Sm 20.35-41).
aumentasse. (7) Ambos reafirmaram a lealdade
(1) Em casa (1 Sm 18.14,16). que tinham um ao outro (1 Sm
(2) No campo de batalha (1 Sm 20.42).
19.8). (8) Nesta época, Davi visitou a ci­
e. A amizade. dade de Ramá e contou para o
(1) O grande amor e amizade entre profeta Samuel tudo o que Saul
Davi e Jônatas (filho de Saul; lhe fez (1 Sm 19.18).
começou quando Davi matou 2. Fugindo de Saul.
Golias (1 Sm 18.1,3,4). a. Davi em Nobe (1 Sm 21.1-9).
(2) Davi foi alertado por Jônatas Ele fugiu para Nobe, onde se lo­
sobre as intenções assassinas calizava o tabernáculo e mentiu
de seu pai (1 Sm 19.1-3). para Aimeleque, o sumo sacerdote.
(3) Após advertir Saul quanto ao (1) A falsidade de Davi.
seu ódio por Davi, Jônatas per­ (a) De que ele estava em uma
suadiu o pai a declarar trégua missão secreta para o rei
(1 Sm 19.4-7). Saul.
(4) Davi encontrou-se secretamen­ (b) De que era, então, a missão
te com Jônatas (1 Sm 20.1-23). de Aimeleque fornecer-lhe
(a) Jônatas concluiu (com sin­ alimento e armas.
ceridade, mas erroneamen­ (2) A fidelidade de Aimeleque.
te) que seu pai finalmente O velho sacerdote deu pão e
desistiu de seus planos de a espada de Golias a Davi, que
matar Davi. estava enrolada em um pano
(b) Temendo o pior, Davi foi atrás do éfode.
tranqüilizado por Jônatas, b. Davi em Gate (1 Sm 21.10-15).
que propôs um teste para (1) Após deixar Nobe, Davi foi até
revelar as verdadeiras mo­ Gate, uma cidade na Filístia e
tivações de Saul. antigo lar de Golias.
(c) Ele iria ausentar-se do fes­ (2) Davi foi reconhecido imediata­
tival da lua nova no palácio mente pelos servos de Aquis,
real. rei de Gate.
(d) Se Saul demonstrasse raiva (3) Davi, entretanto, conseguiu
por sua ausência, isso signi­ fingir insanidade diante do
ficaria que ele ainda plane­ rei, e deixaram-lhe sair da ci­
java matá-lo. dade.
(e) Após o banquete, Jônatas c. Davi em Adulão.
iria dizer para Davi qual (1) Após deixar Gate, Davi estabe­
era a situação verdadeira. leceu uma base temporária em
(5) Ao saber da ausência de Davi uma caverna chamada Adulão,
na mesa de banquete, Saul fi­ localizada próxima de uma ci­
cou furioso (1 Sm 20.24-34). dade cananita na metade do
(a) Ele amaldiçoou o próprio caminho entre Laquis e Jerusa­
filho, Jônatas, por tornar-se lém (1 Sm 22.1).
amigo de Davi. (2) Nesta cidade, ele foi acompa­
(b) Ele, na verdade, tentou nhado de seus irmãos e da casa
matar Jônatas com uma de seu pai, e também muitos
lança. outros, que estavam sofrendo,
715
G uia de W illmington para a B íblia {= MÉTODO TEOLÓGICO

devendo dinheiro ou insatisfei­ (2) Ele, mais uma vez, encontrou-


tos. Seus seguidores agora so­ -se brevemente com Jônatas (1
mavam por volta de 400 pesso­ Sm 23.16-18).
as (1 Sm 22.1,2). (3) Essa seria a última reunião des­
(3) Esses seguidores eram homens ses grandes amigos.
das tribos de Benjamim e de Ju­ h. Davi em Carmelo (1 Sm 25.1-44).
dá, que fizeram um juramento Após a morte de Samuel, Davi
a Davi, percebendo que ele era encontrou e casou-se com Abigail,
o escolhido de Deus (1 Cr a viúva de um rico, mas estúpido
12.16-18). pastor chamado Nabal.
d. Davi em Moabe (1 Sm 22.3-5). (1) Nabal recusou e ridicularizou
(1) Davi pediu e recebeu permis­ o modesto pedido de Davi,
são do rei de Moabe para alo­ que queria um pouco de co­
jar seu pai e sua mãe na cidade. mida.
(2) Ele, então, recebeu ordens do (2) Davi, irritado, preparou-se pa­
Senhor, por intermédio do pro­ ra batalhar contra Nabal.
feta Gade, de retornar a Judá. (3) Sabendo disso, Abigail foi en­
e. Davi na floresta de Herete (1 Sm contrar-se com Davi com uma
22.5-23). grande oferta de comida.
(1) Lá, ele soube por Abiatar (filho (4) A ira de Davi dissipou-se, e ele
do sumo sacerdote Aimeleque) poupou a vida de Nabal.
as terríveis notícias de um mas­ (5) Algum tempo depois, Nabal,
sacre na cidade de Nobe. bêbado, foi morto por Deus.
(2) Saul havia executado o sumo (6) Davi, então, mandou buscar
sacerdote e mais 85 sacerdotes Abigail; e ela tornou-se a sua
por tornarem-se amigos de esposa.
Davi. (7) Saul deu a Davi a sua primeira
(3) O rei assassino, então, matou esposa, Mical, para outro ho­
toda a cidade à espada. mem.
f. Davi em Queila (1 Sm 23.1-13). 3. A bondade de Saul.
(1) Sob o comando de Deus, Davi Em duas ocasiões diferentes, Davi
derrotou os filisteus, que esta­ poupou a vida de seu inimigo mortal,
vam roubando arados da cida­ Saul.
de israelita de Queila. a. O episódio em uma caverna (1 Sm
(2) Ao descobrir o paradeiro de 24.1-22).
Davi, Saul enviou um exército (1) O impedimento (1 Sm 24.1 -7).
à Queila. (a) Davi estabeleceu sua base
(3) Deus alertou Davi para fugir em uma caverna próxima
de Queila, pois seus instáveis ao mar Morto, no deserto
cidadãos planejavam entregá- de En-Gedi.
-lo a Saul. (b) Ao descobrir que Davi es­
g. Davi no deserto de Zife (1 Sm tava nesta área, Saul levou
23.14-18). um exército de três mil es­
(1) Nesta época, seu exército tinha colhidos para capturá-lo.
600 homens. Esses 600 ho­ (c) Sem prestar atenção, Saul
mens eram altamente habilido­ entrou na caverna de Davi
sos, capazes de atirar flechas e para fazer usas necessida­
lançar pedras tanto com a mão des.
direita como com a esquerda (1 (d) Davi recusou a atender ao
Cr 12.1-7). pedido de seus homens de

716
P erso n ag en s do A n t i g o T e s t a m en t o

matar Saul, mas secreta­ (2) Davi e Abner - o desprezo en­


mente cortou um pedaço volvido (1 Sm 26.13-16).
do manto do rei. (a) De um monte próximo,
(e) Depois disso, entretanto, o Davi bradou e revelou a
coração de Davi doeu, pois sua presença.
mostrou desrespeito ao rei. (b) Ele, então, demonstrou
(2) A reprimenda (1 Sm 24.8-15). desprezo pelo general de
(a) Depois que Saul saiu da ca­ Saul, Abner, que havia dor­
verna, Davi chamou-o. mido durante todo o acon­
(b) Ele mostrou como seria fá­ tecimento (1 Sm 26.15,16).
cil ter assassinado o rei, (3) Da vi e Saul - a confissão envol­
apresentando para Saul o vida (1 Sm 26.17-25).
pedaço que cortou do seu (a) Saul tentou restabelecer
manto. sua amizade com Davi (1
(c) Ele, então, exigiu saber por Sm 26.17,18,21).
que Saul estava tentando (b) Davi, sabiamente, decidiu
matá-lo, pois era inocente seguir o seu caminho com
de qualquer má ação ou re­ seus homens.
belião. B. Davi, o desviado (1 Sm27.1—28.2;29.1—
(3) O remorso (1 Sm 24.16-22). 30.31; 2 Sm 1.1-27).
(a) Saul reconheceu a justiça de 1. Sua retrocessão (1 Sm 27.1).
Davi em não matá-lo, mes­ a. Então, em um momento de desen-
mo sendo capaz de fazê-lo. corajamento, Davi e seus 600 ho­
(b) Ele disse que sabia que Da­ mens, por temerem Saul, deixaram
vi logo seria rei de Israel. Judá e estabeleceram-se na cidade
(c) Saul pediu e recebeu de Da­ filisteia de Ziclague, dada a Davi
vi a promessa de que ele pelo rei Aquis. Ele viveria por 16
não eliminaria seus descen­ anos nesta cidade (1 Sm 27.1-7).
dentes ou apagaria seu no­ b. Nesta época, Davi saiu e atacou
me quando se tornasse rei. muitas cidades cananitas, mas en­
b. O episódio em um monte (1 Sm ganou Aquis, fazendo-o acreditar
26.1-25). que eram acampamentos israelitas
(1) Davi e Abisai - a coragem en­ (1 Sm 27.8-12).
volvida (1 Sm 26.1-12). c. Após um tempo, o rei Aquis prepa­
(a) Saul novamente liderou um rou-se para batalhar com Israel e
exército de três mil tropas pediu que Davi e seus homens aju­
selecionadas contra Davi, dassem no ataque (1 Sm 28.1,2).
esperando capturá-lo na d. Pouco antes da batalha, entretanto,
região sudeste do deserto os comandantes militares filisteus,
judeu. diante do protesto de Aquis, recu-
(b) Vendo primeiro o rei, Davi saram-se a permitir que Davi se jun­
e Abisai secretamente en­ tasse ao ataque, temendo que fos­
traram no seu campo certa sem traídos por ele (1 Sm 29.1-11).
noite e tiraram do monar­ 2. Sua bravura (1 Sm 30.1-31).
ca, que dormia, seu jarro de a. Ao retornar a Ziclague, Davi desco­
água e a sua lança. briu que os amalequitas haviam
(c) Novamente, Davi recusou- atacado e queimado a cidade e le­
-se a matar Saul. vado como escravos todas as espo­
(d) Deus fez com que o exército sas e as famílias de Davi e de seus
dormisse profundamente. homens.
717
G uia de W illmington para a B íblia MÉTODO TEOLÓGICO

b. Os homens de Davi, por algum mo­ (a) Ele ordenou que as novas
tivo não registrado, culpou-o por da morte deles não fossem
sua desgraça e ameaçaram apedre­ espalhadas, para que os ini­
já-lo (1 Sm 30.6). migos de Deus não se ale­
c. Deus comandou Davi a perseguir grassem.
os amalequitas, garantindo a Seu (b) Ele pediu o julgamento di­
servo a vitória total. vino de seca e plantações
d. O Senhor manteve Sua promessa, e arruinadas sobre o monte
Davi derrotou completamente o Gilboa, onde Saul caiu.
inimigo (1 Sm 30.9-20). c. Ele ofereceu o mais alto louvor por
(1) Um escravo capturado concor­ Saul e Jônatas, dizendo:
dou em guiar Davi até o local (1) Eles eram a glória de Israel.
do acampamento amalequita. (2) Eles foram amados e graciosos
(2) Encontrando-os bebendo água em vida.
e comemorando a destruição de (3) Eles não partiram na morte.
Ziclague, Davi caiu sobre eles, (4) Eles eram mais ágeis que águias
matando a todos, exceto alguns e mais fortes que leões.
jovens que estavam montados d. Ele ordenou que toda a Israel se
em camelos e que fugiram. juntasse a ele no lamento por suas
(3) Ele, então, recuperou tudo que mortes, dizendo que:
o inimigo tomou, incluindo to­ (1) Saul seria lembrado como o
dos os reféns. que atendeu às necessidades fí­
e. Por algum motivo, 200 dos 600 sol­ sicas de Israel.
dados de Davi estavam cansados (2) Jônatas seria lembrado como o
demais para lutar e ficaram encar­ amigo mais próximo e querido
regados dos mantimentos, enquan­ de Davi.
to os 400 que sobraram foram à III. Os melhores anos.
batalha (1 Sm 30.21). A. Davi, o soberano, em Hebrom, sua primei­
f. Após a vitória, os 400 soldados não ra capital.
queriam dividir os espólios de 1. O rei ungido de uma tribo.
guerra com os 200 homens. a. Sob o comando de Deus, Davi saiu
g. Davi, entretanto, anulou esse pro­ de Ziclague na morte de Saul e mu­
testo (1 Sm 30.23-25). dou-se para a cidade de Hebrom (2
h. Depois, Davi enviou um pouco da Sm 2.1-3).
pilhagem da guerra para seus ami­ b. Os homens de Judá vieram a He­
gos, que eram anciões em Judá (1 brom e ungiram Davi como rei.
Sm 30.26-31). c. Ele reinaria sobre essa tribo por se­
3. Seu luto (2 Sm 1.1-27). te anos e meio (2 Sm 2.4,11).
a. O motivo desse luto. d. Ele elogiou os homens de Jabes-Gi-
Quando estava em Ziclague, leade por recuperar o corpo de
Davi descobriu que Saul e Jônatas Saul, que os filisteus prenderam em
haviam sido mortos na batalha um muro. O corpo recebeu, então,
contra os filisteus. um enterro decente (compare 1 Sm
b. A reação a esse luto. 31.8-13 a 2 Sm 2.4-7).
(1) Davi ordenou a execução de e. Davi fez um acordo com Abner, an­
um amalequita que alegou ter tigo comandante militar de Saul (2
assassinado pessoalmente Saul, Sm 3.12-21).
que estava ferido mortalmente. (1) Abner prometeu levar as dez
(2) Ele, então, compôs e fez um la­ tribos restantes ao controle de
mento para Saul e Jônatas. Davi.

718
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

(2) Ao pedido de Davi, Abner fez (b) Issacar: é dito que eles são
com que Mical, a primeira es­ destros na ciência do tempo,
posa do rei, voltasse para ele. para saber o que Israel de­
f. Mais tarde, Davi estava furioso ao veria fazer (1 Cr 12.32).
descobrir que Abmer foi assassina­ (c) Zebulom: é dito que são
do por Joabe, o comandante mili­ homens de coração cons­
tar do rei, que, sem dúvidas, via tante (1 Cr 12.33).
Abner como um rival em potencial c. Davi tinha 37 anos e meio na época
(2 Sm 3.22-38). (2 Sm 5.4,5).
g. Seis dos muitos filhos de Davi nas­ d. Esses eventos marcavam a terceira
ceram durante seu reinado em He­ e última unção de Davi.
brom (2 Sm 3.2-5); três deles lhe B. Davi, o soberano, em Jerusalém, sua última
causariam muita tristeza depois. capital.
(1) Amnom estupraria a própria 1. A cidade de Deus.
meia-irmã, Tamar. Davi capturou Jerusalém e fez dela
(2) Absalão mataria Amnom por sua base permanente (2 Sm 5.6-12; 1
causa disso e depois lideraria Cr 11.4-9; 14.1,2).
uma revolta contra Davi. a. Os jebuseus, defensores pagãos de
(3) Adonias tentaria roubar o tro­ Jerusalém, ridicularizaram o plano
no de Salomão, mesmo quando de Davi de tomar a cidade.
Davi estava em seu leito de b. Davi prometeu que o primeiro sol­
morte. dado israelita a entrar na cidade se
2. O rei ungido das 12 tribos. tornaria o seu líder militar.
a. Davi foi presenteado com a cabeça c. Joabe, sobrinho de Davi, fez isso e
de Isbosete (2 Sm 4.1-12). obteve a posição de comandante
(1) Isbosete era o filho de Saul que do exército.
Abner declarou rei das 11 tri­ d. Ao tomar a cidade, Davi começou
bos de Israel após a morte de a expandi-la.
seu pai. e. Ele, então, contratou Hirão, rei de
(2) Davi, entretanto, ordenou a Tiro, para construir-lhe uma casa.
morte de dois militares que o 2. A arca de Deus (2 Sm 6.1-23; 1 Cr
assassinaram. 13.1-14; 15.1-29; 16.1-3).
b. Davi foi ungido em Hebrom por to­ a. A jornada da arca, parte um.
das as 12 tribos de Israel (2 Sm 5.1- (1) O transporte.
3; 1 Cr 11.1-3; 12.8-15,23-40). (a) Com o convite do rei, 30
(1) Eles reconheceram que até mil representantes de toda
quando Saul era rei, na verda­ Israel acompanharam-no
de, foi Davi quem lhes deu ins­ até a cidade de Quiriate-Je-
piração e guiou-os até a vitória. arim (também chamada de
(2) Um total de 336.100 soldados Baalá de Judá), onde a arca
de todas as 12 tribos celebra­ do concerto estava, na casa
ram esse grande evento por três de Abinadabe (2 Sm 6.1-4;
dias. 1 Cr 13.1-7).
(3) Tropas das três tribos são enfa­ (b) Ela foi colocada em um no­
tizadas pelo relato sagrado: vo carro, levada pelos dois
(a) Gade: é dito que são varões filhos de Abinadabe, Uzá e
valentes, treinados para a Aiô (2 Sm 6.3,4; 1 Cr 13.7).
guerra com a força de leões (c) Davi e uma multidão de
e a agilidade de corças (1 adoradores ficaram diante
Cr 12.8). do carro, adorando a Deus
719
G uia de W illmington para a B íblia r MÉTODO TEOLÓGICO

com cânticos e instrumen­ (a) Ao voltar para casa para


tos musicais (2 Sm 6.5; 1 abençoar sua família, Davi
Cr 13.8). recebeu um duro golpe.
(2) A tragédia. (b) Sua esposa, Mical, ridicula­
(a) Ocorreu um desastre quan­ rizou-o e repreendeu-o por
do a negligente forma com demonstrar tanto zelo e
que Uzá manuseou a arca adoração a Deus.
trouxe um julgamento de (c) Como resultado disso, Da­
morte da parte de Deus (2 vi e Mical deixaram de vi­
Sm 6.6,7; 1 Cr 13.9,10). ver juntos como marido e
(b) Com medo de continuar a mulher.
viagem, Davi deixou a arca 3. O concerto de Deus (2 Sm 7.1-17; 1 Cr
na casa de um homem cha­ 17.1-15).
mado Obede-Edom, onde a. O pedido de Davi - construir uma
ficou por três meses (2 Sm casa para Deus.
6.8-12; 1 Cr 13.11-14). (1) Depois de derrotar todos os
(3) A transferência. seus inimigos, Davi sugeriu
Percebendo que seu proble­ construir um templo para abri­
ma resultou da forma como a gar a arca do concerto (1 Cr
arca estava sendo transporta­ 17.1).
da, Davi descartou o carro e (2) O profeta Natã encorajou Da­
transferiu a arca para 762 sa­ vi a fazer isso (2 Sm 7.3; 1 Cr
cerdotes levíticos, ordenando 17.2).
que a carregassem nos ombros, (3) Entretanto, naquela mesma
assim como Deus havia orde­ noite, Deus revelou a Natã em
nado a Moisés (1 Cr 15.1-15). uma visão que não era Sua
b. A jornada da arca, parte dois. vontade que Davi construísse o
(1) A celebração. templo porque ele derramou
(a) Davi começou a parte final muito sangue na guerra (2 Sm
da viagem, oferecendo ani­ 7.4-7; 1 Cr 17.3-6; 22.8,9).
mais em sacrifício a Deus b. A resposta de Deus-construir uma
(2 Sm 6.13). casa para Davi.
(b) Em meio a gritos de alegria, (1) Ao contrário, Deus construiria
cânticos e instrumentos mu­ uma casa (dinastia) para Davi
sicais, Davi, os levitas e a (2 Sm 7.11; 1 Cr 17.25).
congregação que os acom­ (2) Esse “concerto de casa” (co­
panhava entraram na cidade nhecido como o concerto daví-
de Jerusalém com a arca (2 dico) tinha três promessas fun­
Sm 6.15; 1 Cr 15.16,25-28). damentais ligadas a ele (2 Sm
(c) O próprio Davi dançou 7.8-17; 1 Cr 17.7-15).
diante da arca com todas as (a) Deus tornaria grande o no­
forças (2 Sm 6.14). me de Davi.
(d) A arca, então, foi colocada (b) Seu filho, Salomão, o suce­
dentro do tabernáculo (2 deria e construiria o templo.
Sm 6.17; 1 Cr 16.1). (c) O reino de Davi seria esta­
(e) Davi, então, deu aos sacer­ belecido para sempre.
dotes uma tarefa muito im­ 4. A adoração a Deus.
portante (1 Cr 16.4). Nesta época de sua vida, Davi ado­
(2) A crítica (2 Sm 6.16,20-23; 1 rou a Deus oferecendo três orações de
Cr 15.29). agradecimento.

720
P erso n a g en s do A n t ig o T e s t a m en t o

a. Agradecendo e adorando a Deus [4] Ele foi, então, coman­


por Sua presença. dado por Deus a atacar
(1) Isso era relacionado à arca do e derrotar os filisteus, e
concerto, onde habitava a gló­ o fez.
ria de Deus (1 Cr 16.7-36). (b) Segunda campanha (2 Sm
(2) As palavras nesse hino de ado­ 5.22-25; 1 Cr 14.13-17).
ração seriam, mais tarde, inclu­ [1] Davi foi instruído por
ídas em Salmos 96,105 e 106. Deus a cercar os filis­
b. Agradecendo e adorando a Deus teus que atacavam, po­
por Sua promessa. sicionando seus ho­
Isso era relacionado às caracte­ mens em amoreiras.
rísticas da aliança davídica (2 Sm [2] Quando ele ouvisse um
7.18-29; 1 Cr 17.16-27). som como o de tropas
c. Agradecendo e adorando a Deus marchando vindo do
por Seu poder. topo das árvores, ele de­
Isso era relacionado às grandes veria atacar, pois seria o
vitórias militares que Deus deu a sinal de vitória de Deus.
Davi (2 Sm 22.1-51). Boa parte (c) Terceira campanha (2 Sm
desse material é repetido depois no 21.15-17).
Salmo 18. [1] Nessa batalha, um gi­
As bênçãos de Deus. gante filisteu chamado
Conforme foi notado anteriormen­ Isbi-Benobe atacou
te, Deus fortaleceu Davi para derrotar Davi com uma podero­
seus vários inimigos. sa espada, o que apa­
a. Suas conquistas militares. rentemente desencora­
(1) Contra os filisteus. jou o rei.
Davi conduziu seis campa­ [2] Mas, um dos guerreiros
nhas militares bem-sucedidas de Davi, Abisai, entrou
contra os filisteus. em cena e matou o filis­
(a) Primeira campanha (2 Sm teu.
5.17-21; 23.13-17; 1 Cr [3] Após escapar por pou­
11.15-19; 14.8-12). co, os soldados de Davi
[1] Nessa ocasião, Davi impediram-no de ex­
expressou sua vontade por sua vida em bata­
de tomar água do poço lha, para que seu ama­
de Belém, que estava do e insubstituível rei
ocupado pelos filis­ não fosse tirado deles.
teus. (d) Quarta campanha (2 Sm
[2] Arriscando a própria 21.18; 1 Cr 20.4).
vida, três dos podero­ Nessa batalha, outro gi­
sos de Davi invadiram gante filisteu conhecido co­
a área dos inimigos e mo Safe ou Sipai foi morto.
tomaram um Container (e) Quinta campanha (2 Sm
de água. 21.19; 1 Cr 20.5).
[3] Sem vontade de beber Lami, irmão do gigante
dessa água, obtida de filisteu Golias, foi morto
maneira tão negligente por um soldado israelita de
e perigosa, Davi derra­ Belém, chamado Elanã.
mou-a como oferta a (f) Sexta campanha (2 Sm
Deus. 21.20-22; 1 Cr 20.6-8).
721
G uia de W illmington para a BIblia j= MÉTODO TEOLÓGICO

[1] Essa útima batalha concluindo que foram


ocorreu na cidade filis- enviados para espiar
teia de Gate. sua terra.
[2] Um parente de Davi [3] A barba e roupas dos
chamado Jônatas ma­ embaixadores foram
tou um gigante espe­ retalhadas por Hanum.
cialmente forte e blas­ [4] Mais tarde, perceben­
femo que tinha seis de­ do que suas ações tolas
dos em cada mão e pé. incitaram a ira de Davi,
(2) Contra os moabitas (2 Sm 8.2; Hanum contratou um
1 Cr 18.2). exército Sírio para aju-
(a) Davi devastou a terra de dá-lo a atacar Israel.
Moabe. [5] A aliança foi, entretan­
(b) Ele dividiu suas vítimas, fa- to, completamente der­
zendo-as deitar lado a lado rotada por Israel sob o
em fileiras. comando de Joabe, so­
(c) Dois terços de cada fileira brinho de Davi.
foram executados, e o ter­ (b) Segunda campanha (2 Sm
ço restante tornou-se seu 12.26-31; 1 Cr 20.1-3).
servo. [1] Davi capturou Rabá, a
(3) Contra os arameus (2 Sm capital de Amom.
8.3,4; 1 Cr 18.3,4). [2] Grandes quantidades
(a) Ele destruiu as forças do rei de despojos foram le­
Hadadezer em batalha no vados para Jerusalém, e
rio Eufrates. Davi tomou a coroa do
(b) Davi capturou 1700 cava- rei de Rabá - cujo peso
larias e 20 mil infantarias. era de um talento de
(c) Ele, então, aleijou todos os ouro, e havia nela p e­
cavalos puxadores de car­ dras preciosas - e colo-
ros, exceto 100 deles. cou-a na própria cabe­
(4) Contra os edomitas (2 Sm ça.
8.13,14; 1 Cr 18.12,13). [3] Ele, então, escravizou o
(a) Ele destruiu 18 mil edomi­ povo da cidade.
tas no vale do Sal. (6) Contra os sírios.
(b) Ele, então, colocou guarni­ (a) Primeira campanha (2 Sm
ções por toda Edom e for­ 8.5-8; 1 Cr 18.5-8).
çou toda a nação a pagar [1] Ele matou 22 mil sírios
tributos a Israel. de Damasco.
(5) Contra os amonitas. [2] Ele, então, estabeleceu
(a) Primeira campanha (2 Sm diversas guarnições mi­
10.1-14; 1 Cr 19.1-15). litares em Damasco e
[1] Ao saber da morte de exigiu impostos do seu
seu amigo, Naás, rei de povo.
Amom, Davi enviou (b) Segunda campanha (2 Sm
embaixadores para con­ 10.15-19; 1 Cr 19.16-19).
solar seu filho Hanum. b. Seus campeões militares.
[2] Hanum, entretanto, Após considerar as conquistas
rejeitou e ridicularizou militares de Davi, temos aqui uma
os mensageiros, tola­ lista de seus poderosos.
mente e falsamente, (1) Elanã.

722
P erso n ag en s do A n t ig o T e st a m en t o

Ele matou Lami, o irmão gi­ (3) Ao encontrá-los, eles são acei­
gante de Golias (2 Sm 21.19; 1 tos e amados e convidados pa­
Cr 20.5). ra comer nas riquezas de Sua
(2) Jasobeão. graça (Ef 1.6,7,18).
Ele matou 300 tropas inimi­ IV. Os anos terríveis.
gas (1 Cr 11.11). A. Davi, o pecador (2 Sm 11.1-27).
(3) Adino. 1. Seu pecado de adultério (2 Sm 11.1-5).
Ele matou 800 tropas inimi­ a. Em vez de liderar as suas tropas,
gas (2 Sm 23.8). que, na época, estavam lutando
(4) Eleazar. contra os amonitas, Davi estava sa-
Ele feriu o inimigo até sua tisfazendo-se em Jerusalém.
mão ficar presa à espada (2 Sm b. Certa noite, sem conseguir dormir,
23.9,10; 1 Cr 11.12). ele foi fazer uma caminhada no to­
(5) Sama. po do palácio.
Ele ficou em um campo de c. Olhando para a cidade, ele viu uma
cevada e matou muitos filisteus bela mulher tomando o seu banho
(2Sm 23.11,12;l Cr 11.13,14). da noite.
(6) Abisai. d. Ao descobrir que seu nome era Ba-
Ele matou 300 tropas inimi­ te-Seba, Davi mandou buscá-la,
gas e salvou a vida de Davi ma­ mesmo sabendo que ela era casada
tando um enorme guerreiro fi- com Urias, um de seus soldados.
listeu (2 Sm 2 1 .1 5 -1 7 ; e. Davi deitou-se com ela e logo des­
23.18,19; 1 Cr 11.20,21). cobriu que ela estava grávida.
(7) Benaia. 2. Seu pecado de engano (2 Sm 11.6-13).
Ele matou um leão em uma a. Davi tirou Urias das linhas de fren­
cova na neve. E também, arma­ te para casa, esperando que ele
do apenas com um cajado, ma­ dormisse com a sua esposa e con­
tou um enorme egípico, de 2,2 cluísse depois que o filho que esta­
m, com a enorme lança de seu va para nascer fosse dele.
inimigo (2 Sm 23.20-23; 1 Cr b. Mas Urias recusou-se (talvez por
11.22-25). perceber a verdade) a cooperar
6. Um exemplo divino (2 Sm 9.1-13). com o plano enganoso do rei.
a. Após proteger o trono, Davi bus­ c. Quando Davi lhe perguntou por­
cou um descendente de Saul para que ele não dormiu com Bate-Seba,
fazer-lhe bem (2 Sm 9.1). Urias respondeu em palavras que
b. Ele descobriu por Ziba, antigo ser­ talvez tenham sido um duro golpe
vo de Saul, que Jônatas tinha um fi­ para o rei (2 Sm 11.11).
lho aleijado vivendo em Israel cha­ 3. Seu pecado de assassinato (2 Sm 11.14-
mado Mefibosete. 27).
c. Ao encontrá-lo, Davi prometeu usar a. Percebendo que Urias não podia ser
de beneficência com ele (2 Sm 9.7). comprometido, Davi enviou-o de
d. Davi, então, comandou os 15 filhos volta à guerra com uma carta sela­
e 20 servos de Ziba a cuidarem de da, instruindo Joabe, comandante
Mefibosete. militar de Israel, a fazer com que
e. Agindo dessa forma, Davi tornou-se ele fosse morto em batalha.
um belo exemplo do Pai celestial. b. Davi logo recebeu a mensagem de
(1) O Pai celestial procura ter bon­ que Urias foi morto em batalha.
dade com os pobres, perdidos e c. Davi acabou casando-se com Bate-
aleijados pecadores. -Seba, e seu filho, um menino, nas­
(2) Ele faz isso por Jesus. ceu.

723
G uia de W illmington para a B ibu a r MÉTODO TEOLÓGICO

B. Davi, o sofredor (2 Sm 11.27). b. A chegada do segundo filho de Ba-


1. A repreensão do profeta. te-Seba (2 Sm 12.24).
Davi foi duramente repreendido pe­ 2. Incesto (2 Sm 13.1-21).
lo profeta Natã por seus terríveis peca­ a. Amnom enganou sua meia-irmã
dos de adultério, engano e assassinato Tamar.
(2 Sm 12.1-9). (1) Amnom, filho de Davi e meio-
a. A ilustração. -irmão de Tamar, filha de Davi,
Natã contou uma história de ardia de luxúria por ela.
como um rico fazendeiro, com (2) Agindo de acordo com o con­
muitos rebanhos, tomou de um fa­ selho de seu astucioso amigo,
zendeiro pobre o seu único cordeiro Amnom fingiu estar doente e
de estimação e serviu-o em um pediu para Davi que Tamar
banquete. fosse enviada para cuidar dele.
b. A indignação. b. Amnom violou sua meia-irmã Ta­
Davi, furioso, jurou que o rico se­ mar.
ria forçado a devolver quatro vezes (1) Quando estavam sozinhos,
mais o que tomou do pobre fazen­ Amnom estuprou Tamar.
deiro e, então, dar a própria vida. (2) Ele, então, agregou a seu terrí­
c. A identificação (2 Sm 12.7,9). vel crime recusando casar-se
2. O castigo do Senhor (2 Sm 12.10-12,14). com ela.
3. A confissão do rei (SI 51.1-4; veja tam­ (3) Em vez disso, ele literalmente
bém SI 32.5). ordenou que fosse jogada para
C. Davi, o submisso. fora de seu quarto.
A primeira reação de Davi à parábola (4) Davi ficou furioso ao saber dis­
de Natã foi a exigência de que o culpado so, mas não puniu Amnom.
primeiro pagasse o quádruplo ao fazendei­ 3. Assassinato (2 Sm 13.22-39).
ro pobre e depois fosse morto. Aparente­ a. Após planejar por dois anos, Absa­
mente, Deus deu a Davi a própria sentença lão, filho de Davi e irmão pleno de
do rei. Embora não fosse morrer, Davi pa­ Tamar, planejou e executou a mor­
garia o quádruplo por seu pegado contra te de seu meio-irmão, Amnom.
Urias. O monarca, de coração partido, b. Absalão, então, fugiu para a terra
agora humildemente se submetia à mão de Gesur, onde ficou por três anos.
castigadora do Senhor. c. Novamente, Davi parecia incapaz
1. Doença e morte (2 Sm 12.15-25). de agir e não fez nada além de la­
a. A partida do primeiro filho de Bate- mentar a perda de um filho e a au­
-Seba. sência de outro.
(1) Aluta de Davi (2 Sm 12.15,16). 4. Rebelião (2 Sm 14—20).
(2) O testemunho de Davi. Ao sa­ a. A reconciliação (2 Sm 14.1-33).
ber, por seu servo, que seu filho (1) Uma mãe, enviada por Joabe,
morreu, o rei respondeu: enganou Davi, fazendo-o tra­
Vivendo ainda a criança, je- zer Absalão do exílio.
juei e chorei, porqu e dizia: (2) Ela buscava obter o favor do
Quem sabe se o SENHOR se rei, fingindo ter dois filhos, ten­
compadecerá de mim, e viva a do um assassinado o outro.
criança? Porém, agora que é (3) Davi garantiu-lhe que, ao re­
morta, por que jejuaria eu ago­ tornar, o filho rebelde não seria
ra? Poderei eu fazê-la mais vol­ punido.
tar.■Eu irei a ela, porém ela não (4) A mulher, então, imediatamen­
voltará para mim. te aplicou a lição da parábola a
2 Samuel 12.22,23 Davi.
724
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

(5) Absalão teve permissão para (b) A preocupação do rei pelo


voltar; mas, por dois longos filho (2 Sm 18.5).
anos, seu pai recusou-se a vê-lo. (2) As mortes resultantes da bata­
(6) Por fim, depois que Absalão lha.
queimou o campo de cevada de (a) Os homens de Davi mata­
Joabe para chamar atenção, ram 20 mil soldados de Ab­
Davi concordou em encontrar salão.
o filho. (b) Um número maior que este
(7) O rei e Absalão reconcilia­ morreu de fome, exposição
ram-se. e exaustão por terem sido
A revolta (2 Sm 15.1-12). espalhados na desolada e
(1) Os políticos liderando a revol­ hostil região rural de Efraim.
ta (2 Sm 15.1-6). g. A represália (2 Sm 18.9-18).
(2) O local da revolta. Apesar do plano de Davi envol­
Após um período de quatro vendo o filho, Joabe encontrou Ab­
anos de preparação, Absalão salão preso pelo cabelo nos ramos de
foi à cidade de Hebrom, soou uma grande árvore e matou-o cra­
uma trombeta e declarou a re­ vando três adagas no seu coração.
volta contra o pai. h. As represálias (2 Sm 18.19— 19.7).
A recuada (2 Sm 15.13-17). (1) A angústia de Davi (2 Sm 18.33).
A resolução. (2) A ira de Joabe (2 Sm 19.5-7).
Em uma das pontas da cidade, i. O retorno (2 Sm 19.8—20.26).
Davi subitamente percebeu que seu (1) O rei na margem leste do Jor­
amigo estrangeiro, Itai, que estava dão (2 Sm 19.8-43).
visitando Jerusalém da cidade filis- (a) Davi e Zadoque.
teia de Gate, estava acompanhan­ Os sacerdotes Zadoque
do o rei juntamente com 600 guer­ e Abiatar foram enviados
reiros geteus que o serviam (2 Sm aos anciãos e Judá para que
15.18-22). gerassem interesse na volta
(1) O conselho de Davi (2 Sm do rei. Parecia que todas as
15.19,20). tribos, exceto a dele mes­
(2) A resposta de Itai (2 Sm 15.21). mo, queriam que isso acon­
O insultado. tecesse.
(1) Simei, membro da família de (b) Davi e Amasa.
Saul, encontrou Davi e lançou Davi escolheu seu sobri­
maldições e pedras contra o rei. nho, Amasa, para substi­
(2) Abisai, soldado de Davi, pediu tuir Joabe como coman­
permissão para matar Simei dante militar. Amasa, en­
por seus insultos. tão, convenceu os anciãos
(a) O pedido (2 Sm 16.9). de Judá a pedirem pelo re­
(b) Anegação(2Sml6.11,12). torno de Davi.
A derrota (2 Sm 18.1-8). (c) Davi e Simei.
As experientes tropas de Davi Davi poupou a vida de
encontraram os soldados sem ex­ Simei, que agora havia en­
periência de Absalão no campo de contrado e implorava per­
batalha no bosque de Efraim. dão.
(1) A preocupação antes da bata­ (d) Davi e Mefibosete.
lha. O filho coxo de Jônatas
(a) A preocupação do povo explicou para Davi que Zi-
pelo rei (2 Sm 18.2,3). ba o difamou, acusando-o

725
G uia de W illmington para a B íblia
MÉTODO TEOLÓGICO

falsamente de traição. Da­ a. Ocorreu uma fome que durou três


vi, aparentemente, sem anos, e Davi passou muito tempo
conseguir decidir em quem em oração por isso.
acreditar, dividiu a proprie­ b. Por fim, Deus disse-lhe que a fome
dade de Mefibosete igual­ era um julgamento sobre Israel por
mente, dando metade ao causa dos seus pecados do passado
coxo e metade a Ziba. cometidos contra os gibeonitas.
(e) Davi e Barzilai. c. Em Josué 9, Israel fez um concerto
Davi solicitou que este com este povo pagão de que não
gileadita de 80 anos, que seriam prejudicados, mas Saul e
era seu amigo, viesse a Je­ sua família mataram muitos deles.
rusalém viver no palácio 2. Ele resolveu o problema.
do rei. Mas, o antigo ami­ a. Davi negociou com os líderes gibe­
go, respeitosamente, recu­ onitas, e eles determinaram que a
sou, alegando estar em ida­ justiça poderia ser feita apenas per­
de avançada. mitindo que eles executassem sete
(f) Davi e os homens de Judá. filhos de Saul, todos participantes
O rei encontrou-se com do massacre gibeonita.
membros da própria tribo, b. Isso foi feito, e a praga foi interrom­
que o acompanharam na pida.
travessia do rio Jordão. c. A vida de Mefibosete foi, entretan­
(2) O rei em Jerusalém. to, poupada.
Depois de muito tempo, d. Mais tarde, Davi ordenou um en­
Davi voltou para casa. Mas terro decente para dois desses fi­
mais dois eventos violentos lhos, ao descobrir que a mãe deles
aconteceriam antes de pre­ velou seus corpos durante toda a
valecerem condições de paz. época da colheita, espantando os
(a) O assassinato de Amasa. abutres e os animais selvagens.
Joabe, brutal e sorratei­ B. Davi, o estatístico (2 Sm 24; 1 Cr 21).
ramente, assassinou Amasa 1. O projeto.
com um punhal, eliminan­ Davi ordenou que Joabe, seu co­
do um futuro rival (2 Sm mandante militar, conduzisse um censo
20.4-10). na nação para saber qual era a popula­
(b) O descontentamento de ção de Israel.
Seba. 2. O protesto.
Um benjamita chamado a. Joabe protestou contra o projeto,
Seba organizou uma breve mas Davi insistiu que fosse execu­
revolta contra Davi. Primei­ tado.
ro, todas as tribos, exceto a b. Ao final de nove meses e 20 dias,
de Judá, seguiram-no, de­ Joabe deu os números a Davi (2 Sm
sertando o rei. Mas, a revol­ 24.8).
ta durou pouco, pois Joabe 3. A percepção.
prendeu Seba na cidade de Logo, Davi percebeu que o censo foi
Abel. Ele, então, exigiu, e foi (por algum motivo não registrado) al­
atendido, que seus cidadãos tamente desagradável para Deus.
lhe dessem a cabeça de Seba 4. O pedido (2 Sm 24.10).
(2 Sm 20.1-3,14-22). 5. A punição.
V. Os anos finais. Deus permitiu que Davi escolhesse
A. Davi, o político (2 Sm 21.1-14). uma das três punições possíveis,
1. Ele inquiriu um problema. a. Um período de fome.
726
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

b. Noventa dias de retirada diante de 24 mil obreiros; 6 mil para a função de


seus inimigos. oficiais e juizes; 4 mil guardas do tem­
c. Uma pestilência de três dias. plo.
6. A praga. 5. A música envolvida.
Davi escolheu a terceira punição (2 a. Havia 4 mil cantores e músicos (1
Sm 24.14,15). Cr 23.5).
7. O perdão (2 Sm 24.16). b. Além deles, Davi depois escolheu
8. A aquisição. 288 mestres em música (1 Cr
a. Davi recebeu ordens de construir 25.7,8).
um altar no local em que a praga 6. Os sacerdotes envolvidos.
acabou. Davi pôde ver o anjo. Na época, Davi dividiu o sacerdó­
b. Davi construiu o altar, mas não antes cio em 24 divisões (1 Cr 23.6; 24.1-3;
de comprar o arado de Araúna (tam­ comparar 1 Cr 24.10 com Lc 1.5).
bém chamado de Omã), o jebuseu. 7. O exército envolvido.
c. Foi neste local que Abraão ofereceu Davi tinha um exército de 288 mil
Isaque (Gn 22.2), e onde o templo homens, consistindo de 12 divisões de
de Salomão seria construído mais 24 mil guerreiros (1 Cr 27.1-15).
tarde (2 Cr 3.1). 8. As plantas envolvidas.
d. Deus aceitou a oferta de Davi en­ Davi deu a Salomão as plantas do
viando fogo do céu para consumir templo que Deus lhe deu (1 Cr 28.11,
o sacrifício (1 Cr 21.26). 12,19).
C. Davi, o patrocinador (1 Cr 22—29). 9. O desafio envolvido (dado por Davi).
1. O contexto envolvido. a. Os que receberam o desafio.
Davi tinha agora quase 70 anos. (1) Salomão (1 Cr 22.11-13; 28.9,
Quando tinha apenas 37 anos, ele estava 10 , 2 0 ).
determinado a construir um templo pa­ (2) Os estrangeiros residentes em
ra Deus, mas foi proibido (1 Cr 22.7-10). Israel (1 Cr 22.2).
2. O propósito envolvido. (3) Os líderes religiosos, militares,
Era providenciar um lar para a arca políticos e financeiros de Israel
de Deus (1 Cr 22.19) e aos outros va­ (1 Cr 22.17-19; 28.1-8).
sos de um tabernáculo temporário, que b. Os resultados do desafio (1 Cr
era localizado em Gibeão (1 Cr 21.29). 29.6-9,20,21).
O tabernáculo original de Moisés foi (1) Quanto aos príncipes de Israel
montado em Siló (Js 18.1; 19.51; Jz (1 Cr 29.6).
18.31; 1 Sm 1.9; 3.3), mas foi destruí­ (2) Quanto ao povo de Israel (1 Cr
do juntamente com a cidade de Siló pe­ 29.9).
los filisteus (veja SI 78.60; Jr 7.12,14; 10. A oração envolvida (1 Cr 29.10-19).
26.6) em 1 Samuel 4. a. A descrição que Davi fez de Deus (1
3. O custo envolvido (1 Cr 22.14,16). Cr 29.10-16).
a. Foram necessários 100 mil talentos b. O que Davi desejava de Deus (1 Cr
de ouro e 1 milhão de talentos de 29.19).
prata, mais incontáveis toneladas D. Davi, o moribundo.
de bronze, ferro e madeira para 1. Sua obra final.
construir o templo. Seria o equiva­ a. A insurreição de Adonias.
lente a bilhões de dólares. Em seu leito de morte, Davi foi
b. Davi contribuiu com milhões para visitado por Bate-Seba e o profeta
o projeto (1 Cr 29.3-5). Natã, que informaram o rei sobre
4. Os trabalhadores envolvidos. a rebelião liderada por Adonias
Davi escolheu 38 mil levitas para a (seu filho mais velho) contra Salo­
construção do templo (1 Cr 23.3-5): mão (1 Rs 1.15-27).

727
j Guia pe W illm ington para a BIbua \ MÉTODO TEOLÓGICO

b. A instrução de Davi. g. Salmos 57, 142 - escritos quando


O rei, moribundo, rapidamente ele estava vivendo na caverna de
instruiu o sumo sacerdote Zadoque Adulão (1 Sm 22).
e o profeta Natã a fazer o seguinte h. Salmo 54 - escrito depois de ser tra­
(1 Rs 1.32-40): ído pelos habitantes de Zife (1 Sm
(1) Colocar Salomão na mula pes­ 23).
soal do rei. i. Salmo 18 - escrito depois que Saul
(2) Ungir Salomão (por Zadoque). desistiu de tentar matá-lo (1 Sm
(3) Coroar Salomão publicamen­ 26.21).
te em meio ao soar de trombe- j . Salmos 1 9 ,1 0 1 - escritos para cele­
tas. brar a captura de Jerusalém (2 Sm
(4) Fazer com que Salomão caval­ 5).
gue até o palácio e se assente k. Salmos 15, 24, 68, 132 - escritos
no trono de Davi. quando a arca do concerto foi leva­
2. Suas palavras finais. da à Jerusalém (2 Sm 6).
a. Sobre o seu Salvador (2 Sm 23.1-7). 1. Salmo 89 - escrito após receber a
b. A seu filho (1 Rs 2.1-9). aliança davídica (2 Sm 7).
E. Davi, o escriba (em relação aos salmos que m. Salmo 60 - escrito para celebrar a
Davi escreveu). vitória de Joabe contra os edomitas
1. O número de salmos. (2 Sm 8).
Davi escreveu pelo menos 75 dos n. Salmo 21 - escrito depois que seu
150 salmos. reinado foi estabelecido (2 Sm 8).
a. Deles, 73 são atribuídos a ele no o. Salmos 32, 51 - escritos acerca de
Antigo Testamento. São eles: 3—9; seu pecado de adultério e assassi­
11—32; 34—41; 51—65; 68— 70; nato.
86; 101; 103; 108— 110; 122; 124; (1) Salmo 32 descreve a terrível
131; 133; 138— 145. culpa que ele sentiu antes de
b. Dois salmos são atribuídos a ele no confessar-se (2 Sm 11).
Novo Testamento. São eles: (2) Salmo 51 descreve a oração
(1) Salmo 2 (At 4.25). que ele ofereceu durante sua
(2) Salmo 95 (Hb 4.7). confissão (2 Sm 12).
2. A natureza de seus salmos. p. Salmos 3 ,4 ,3 5 ,4 1 - escrito duran­
O contexto histórico de alguns sal­ te sua fuga da rebelião de Absalão
mos de Davi são os seguintes: (2 Sm 15— 18).
a. Salmo 8 - escrito após sua vitória q. Salmo 30 - escrito no final de uma
sobre Golias (1 Sm 17). praga divina causada por um censo
b. Salmo 11 - escrito enquanto ele que ele fez (2 Sm 24).
ainda morava na corte de Saul (1 r. Salmo 72 - escrito como oração
Sm 18). por seu filho, Salomão (1 Cr 29).
c. Salmo 59 - escrito depois que sua
esposa Mical salvou-o de Saul (1 S u m á r io t e o l ó g ic o
Sm 19). I. Davi e Deus.
d. Salmos 63, 143 - escritos quando A. A avaliação de Davi feita por Deus.
ele fugia de Saul (1 Sm 19—31). 1. Ele foi o que andou nos caminhos de
e. Salmos 3 4 ,5 6 - escritos quando fu­ Deus, obedecendo a Seus estatutos e
gia de Aquis, o rei filisteu de Gate comandos divinos (1 Rs 3.14; 11.38).
(1 Sm 21). 2. Ele era um homem de integridade e de
f. Salmo 52 - escrito ao descobrir o retidão (1 Rs 9.4; 14.8; 15.5).
massacre dos sacerdotes de Nobe 3. Ele era um homem segundo o coração
pelo cruel rei Doegue (1 Sm 22). de Deus (1 Sm 13.14; At 13.22).
728
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

B. As promessas de Deus para Davi. de convencer os perversos fariseus da pró­


1. Que ele receberia um reino eterno (2 pria deidade (Mt 22.41-45).
Sm 7.16). C. Cristo foi referido como o filho de Davi du­
2. Que Jerusalém seria a capital desse rei­ rante Seu ministério na terra e antes da
no (1 Rs 11.36; 15.4). morte:
3. Que o Messias da casa de Davi um dia 1. Por Mateus (Mt 1.1).
reinaria sobre o reino eterno (Is 9.6,7; 2. Por dois cegos (Mt 9.27).
16.5; Jr 23.5; 33.15-17). 3. Por uma multidão quando curou um
4. Que Davi serviria como vice-regente endemoninhado cego e mudo (Mt
sob o Messias durante o milênio (Jr 12.23).
30.9; Ez 34.24; 37.24,25; Os 3.5). 4. Por uma mãe cananeia (Mt 15.22).
II. Davi e Israel. 5. Por dois cegos em Jericó (Mt 20.30,
Israel e Judá foram salvas frequentemente 31).
de seus inimigos por Deus, graças a Davi. Isso 6. Pela multidão na entrada triunfal em
aconteceu durante o reinado de: Jerusalém (Mt 21.9,15).
A. Salomão (1 Rs 11.12). 7. Pelos fariseus (Mt 22.41,42).
B. Jorão (2 Rs 8.19). 8. Pelo Bartimeu (Mc 10.46-48).
C. Ezequias (2 Rs 19.34; 20.6). 9. Por Paulo (Rm 1.3; 2 Tm 2.8).
D. Josafá (2 Cr 17.3). 10. Por um dos anciãos do céu (Ap 5.5).
III. Davi e os reis de Israel. 11. Pelo próprio Jesus (Ap 22.16).
Davi tornou-se o padrão e um exemplo pa­ VIII. Davi e Pedro.
ra os reis de Israel. Deus usou-o para medir e Pedro referiu-se a estes salmos proféticos de
avaliar os seguintes monarcas: Davi que falavam de pelo menos quatro even­
A. Salomão (1 Rs 3.14; 11.4,6). tos futuros importantes da vida de Cristo.
B. Jeroboão (1 Rs 14.8). A. A traição - Salmos 41, 6 9 ,1 0 9 (At 1.16-
C. Abias (1 Rs 15.3). 2 0 ).

D. Asa (1 Rs 15.11). B. A ressurreição - Salmo 16 (At 2.25-29).


E. Acaz (2 Rs 16.2). C. A ascensão - Salmo 110 (At 2.34,35).
F. Ezequias (2 Rs 18.3). D. Seu reino no milênio - Salmo 2 (At
G. Josias (2 Rs 22.2). 4.25,26).
IV. Davi e as cidades de Israel. IX. Davi e Paulo.
Duas das cidades mais importantes do país A. Paulo disse que Cristo era da semente de
eram conhecidas como “cidade de Davi”. Davi (At 13.23; Rm 1.3; 2 Tm 2.8).
A. Belém (Lc 2.4,11). B. Ele refere-se à escolha de Davi por Deus
B. Jerusalém (1 Rs 2.10; 2 Cr 12.16; 14.1; (At 13.22).
16.14; 21.1,20; 24.16,25; 27.9). C. Ele refere-se ao Salmo 16 de Davi, que pro­
V. Davi e Gabriel. fetizava a ressurreição de Cristo (At 13.35-
O anjo do Senhor referiu-se a Davi na anun­ 37).
ciação a Maria sobre o nascimento de Cristo D. Ele usou Davi para ilustrar como Deus sal­
(Lc 1.29-33). va as pessoas por meio da graça, não por
VI. Davi e Zacarias. obras (Rm 4.6-8).
O antigo sacerdote referiu-se a Davi duran­ E. Ele mencionou Davi para explicar a ce­
te a sua profecia sobre seu filho pequeno, João gueira espiritual atual de Israel. De acordo
Batista (Lc 1.69). com a profecia de Davi (SI 69.22), esta ce­
VIL Davi e Jesus. gueira era um julgamento imposto por
A. Jesus referiu-se a um evento na vida de Da­ Deus por causa do pecado de Israel (Rm
vi para defender Seus discípulos, que fo­ 11 .8- 10 ).
ram criticados por colher espigas no sába­ X. Davi e Estêvão.
do (Mt 12.3,4; Mc 2.25,26). Estêvão referiu-se a Davi durante sua defesa
B. Ele mencionou Davi durante suas tentativas diante do Sinédrio (At 7.45).

729
G uia d e W illm ington para a B Ibu a — --- — — MÉTODO TEOLÓGICO

XI. Davi e Tiago. Idade que tinha quando morreu: 70 (2 Sm 5.4,5).


Tiago referiu-se a Davi durante o concilio de Detalhe importante sobre a vida de Davi: ele foi
Jerusalém (At 15.16). um dos maiores reis de Israel e autor de pelo
XII. Davi e o livro de Hebreus. menos metade dos Salmos.
A. O autor citou o Salmo 95 de Davi, usando-
-o como exemplo de alerta quanto à des­
crença (Hb 4.7-11). DÉBORA
1. O exemplo histórico dado por Davi. (Veja também O estágio dos juizes, vol. 1, p. 104)
Foi o pecado da descrença que man­
teve a geração de Moisés fora da Terra S u m á r io c r o n o l ó g ic o
Prometida. I. Sua corte
2. O alerta dos dias atuais. A. Ela foi uma profetiza do tempo dos juizes
E o pecado da descrença que nos (Jz 4.4).
manterá fora da terra prometida, ou B. Ela foi mãe (Jz 5.7).
seja, a perfeita vontade de Deus. C. Ela era da tribo de Efraim (Jz 4.5) ou da de
B. O autor referiu-se a Davi como um mode­ Issacar (Jz 5.15).
lo de fé (Hb 11.32). D. Débora habitava debaixo da palmeira de
Débora, entre as cidades de Ramá e Betei,
D ados nas montanhas de Efraim (Jz 4.5).
Pai: Jessé (Rt 4.17,21). II. Seu comando.
Esposas: Mical, Ainoã, Abigail, Maaca, Hagite, A. A revelação.
Abital, Eglá e Bate-Seba (1 Sm 18.27; 2 Sm Ela instruiu um soldado chamado Bara-
3.2-5; 11.27; 1 Cr 3.1-8). que, dizendo-lhe que Deus queria que ele
Filhos: Amnom, Quileabe (também chamado Da­ mobilizasse um exército de dez mil homens
niel), Absalão, Adonias, Sefatias, Itreão, Sa- das tribos de Naftali e Zebulom, no monte
mua, Sobabe, Natã, Salomão, Ibar, Elisua, Eli- Tabor, e derrotasse os opressores cananeus
felete, Nogá, Nefegue, Jafia, Elisama, Eliada e (Jz 4.6,7).
Elifelete (2 Sm 3.2-5; 5.13-16; 1 Cr 3.1-8; B. A relutância.
14.3-5). 1. Baraque recusou-se a fazer isso, a não
Irmãos: Eliabe, Abinadabe, Samá, Natanael, Ra- ser que Débora o acompanhasse (Jz
dai e Ozém (1 Sm 17.12,13; 1 Cr 2.13-15); e 4.8).
outro cujo o nome não é mencionado. 2. Ela concordou, mas alertou-o de que o
Irmãs: Zeruia e Abigail (1 Cr 2.16). crédito pela vitória não seria dele, mas
Citado pela primeira vez na Bíblia: Rute 4.17, de uma mulher (Jz 4.9).
Citado pela última vez: Apocalipse 22.16. III. A sua celebração.
Significado do nome: “Amado”. A. Com a ordem de Débora, o exército de Ba­
Mencionado: 1118 vezes. raque avançou contra os cananeus e derro­
Livros da Bíblia que citam Davi: 28 livros (Ru­ tou-os completamente (Jz 4.14-17).
te, 1 Samuel, 2 Samuel, 1 Reis, 2 Reis, 1 Crô­ B. Após a batalha, ela e Baraque compuse­
nicas, 2 Crônicas, Esdras, Neemias, Salmos, ram e cantaram um cântico de vitória (Iz
Provérbios, Eclesiastes, Cântico dos Cânti­ 5.1-31).
cos, Isaías, Jeremias, Ezequiel, Oseias, Amós,
Zacarias, Mateus, Marcos, Lucas, João, D ados
Atos, Romanos, 2 Timóteo, Hebreus, Apo­ Esposo: Lapidote (Jz 4.4).
calipse). Citada pela primeira vez na Bíblia: Juizes 4.4.
Cargos: pastor, soldado, rei de Judá, rei de todo Citada pela última vez: Juizes 5.15.
o Israel (1 Sm 16.11; 18.5; 2 Sm 2.1-7; 5.1- Significado do nome: “Abelha, vespa”.
5). Mencionada: nove vezes.
Lugar onde nasceu: Belém (Rt; 1 Sm 16.1). Livro da Bíblia que cita Débora: um livro (Jui­
Lugar onde faleceu: Jerusalém (1 Rs 2.10,11). zes).
730
P erso n ag en s do A n t i g o T e st a m en t o

Cargos: profetiza, juíza (Jz 4.4). [õín S]


Detalhe importante sobre a vida de Débora: ela
auxiliou Baraque a derrotar os inimigos de Is­ S u m á r io c r o n o l ó g ic o
rael (Jz 4.8,9). I. A sedução.
A. Diná foi a única filha de Jacó de que se
tem registro. Sua mãe foi Leia (Gn 30.
DALILA 2 1 ).
B. Ela foi seduzida por um pagão chamado
S u m á r io c r o n o l ó g ic o Siquém, filho de Hamor, um rei heveu (Gn
I. Dalila e os filisteus — o suborno. 34.2).
A. Ela, provavelmente, era uma prostituta fi­ II. O massacre.
listeia. A. Enganando os siquemitas.
B. Ela morava no vale de Soreque (Jz 16.4). 1. Percebendo que seu filho amava Diná,
C. Ela foi contratada pelos filisteus para des­ Hamor propôs uma aliança de casa­
cobrir a fonte da grande força de Sansão mento a Jacó e seus filhos (Gn 34.3-
(Jz 16.5). 12 ).
II. Dalila e Sansão — a traição. 2. Os enganadores filhos de Jacó fingiram
A. O teste. concordar com o casamento e outros
1. Sansão amava Dalila (Jz 16.4). possíveis casamentos futuros entre os
2. Ela não conseguiu, após três tentati­ dois povos, mas apenas se os pagãos
vas, arrancar a resposta dele (Jz 16.6- concordassem em circuncidar-se (Gn
14). 34.13-24).
B. As lágrimas. B. Destruindo os siquemitas.
Ela, então, exigiu a resposta certa, acu­ 1. Entretanto, após três dias, quando os
sando Sansão de ter amor por ela, caso ele siquemitas estavam incapacitados por
se recusasse (Jz 16.15). causa da dor e do inchaço, dois dos ir­
C. A traição. mãos de Diná, Simeão e Levi, atacaram
1. Ela descobriu que a força de Sansão es­ a cidade e mataram todos os homens
tava em seu cabelo, o qual nunca havia (Gn 34.25-29).
sido cortado (Jz 16.17). 2. Então, Diná foi levada de volta para a
2. Fazendo-o dormir em seu colo, ela cha­ casa de Jacó (Gn 34.26).
mou um homem para cortar sete ca­
chos do cabelo dele (Jz 16.19). D ados
3. Dalila, então, acordou-o e viu os filis­ Pai: Jacó (Gn 30.19-21).
teus dominarem o inofensivo ex-for- Mãe: Leia (Gn 30.19-21).
te, arrancarem seus olhos e levarem- Irmãos: Rúben, Simeão, Levi, Judá, Issacar e Ze-
-no para a cidade de Gaza (Jz 16.20, bulom (Gn 29.31-35; 30.17-20); meios-ir-
21 ). mãos: Dã, José, Benjamim, Naftali, Gade e
Aser (1 Cr 2.2).
D ados Citada pela primeira vez na Bíblia: Gênesis
Citada pela primeira vez na Bíblia: Juizes 16.4. 30.21.
Citada pela última vez: Juizes 16.18. Citada pela última vez: Gênesis 46.15.
Significado do nome: “Que está padecendo”. Significado do nome: “Julgada, vingada”.
Mencionada: seis vezes. Mencionada: oito vezes.
Livro da Bíblia que cita Dalila: um livro (Jui­ Livro da Bíblia que cita Diná: um livro (Gêne­
zes). sis).
Cargo: provavelmente, prostituição. Detalhe importante sobre a vida de Diná: ela foi
Detalhe importante sobre a vida de Dalila: ela seduzida pelo filho de um chefe pagão, preci­
traiu Sansão, entregando-o aos filisteus (Jz pitando o massacre de uma cidade que fora
16.5,18). realizado por seus dois irmãos (Gn 34).
731
i G uia de W illmington para a B íblia r MÉTODO TEOLÓGICO

DOEGUE II. Seu assassinato.


Ele foi morto por Eúde, um juiz canhoto da
S u m á r io c r o n o l ó g ic o tribo de Benjamim, que usava uma adaga de
I. Difamando o sacerdote de Deus. 45cm (Jz 3.16-26).
A. Doegue era um edomita, chefe dos pasto­
res do rei Saul (1 Sm 21.7; 22.9). D ados
B. Ele traiu o sumo sacerdote Aimeleque Citado pela primeira vez na Bíblia: Juizes 3.12.
diante de Saul, fazendo com que o zeloso Citado pela última vez: Juizes 3.17.
rei concluísse que o homem de Deus havia Significado do nome: “Círculo”.
se vendido para Davi (1 Sm 22.9,10). Mencionado: quatro vezes.
II. Massacrando o povo de Deus. Livro da Bíblia que cita Eglom: um livro (Jui­
A. Sob o comando de Saul, o brutal e sádico zes).
Doegue matou à espada: Cargo: rei de Moabe (Jz 3.12).
1. O sumo sacerdote Aimeleque (1 Sm Lugar onde faleceu: em seu salão de verão, em Je­
22.18). ricó (Jz 3.13,20).
2. Oitenta e cinco sacerdotes (1 Sm Como foi morto: ele foi esfaqueado até a morte
22.18). por Eúde (Jz 3.21).
3. Homens, mulheres, crianças, bebês e Detalhe importante sobre a vida de Eglom: ele
animais que viviam na cidade de Nobe, era um rei moabita que oprimia Israel (Jz
onde morava Aimeleque (1 Sm 22.19). 3.12-14).
B. Davi compôs o Salmo 52 ao saber desse
terrível massacre.
[êOdêI
D ados (Veja também O estágio dos juizes, vol. 1, p. 104)
Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Samuel
21.7. S u m á r io c r o n o l ó g ic o
Citado pela última vez: Salmo 52 (na introdução). I. Sua adaga de morte.
Significado do nome: “Temente”. A. Eúde foi o segundo juiz de Israel (Jz 3.
Mencionado: seis vezes. 15).
Livros da Bíblia que citam Doegue: dois livros (1 B. Ele foi um guerreiro canhoto da tribo de
Samuel, Salmos). Benjamim (Jz 3.15).
Cargo: pastor (1 Sm 21.7). C. Ele executou Eglom, um rei moabita que
Detalhe importante sobre a vida de Doegue: ele oprimiu Israel por 18 anos (Jz 3.16-26).
matou 85 sacerdotes por ordem do rei Saul (1 D. A arma de Eúde era uma adaga de 45cm
Sm 22.18). (Jz 3.16).
II. Sua trombeta de vitória.
A. Ele soou a trombeta, juntou um exército de
| EGLOM | homens e derrotou os moabitas, matando
dez mil de suas tropas (Jz 3.27-29).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o B. Sua vitória gerou um período sem guerras
I. Suas atividades. de 80 anos, nessa parte da Terra Prometida
A. Ele foi um rei moabita que oprimiu Israel (Jz 3.30).
nos dias dos juizes (Jz 3.12).
B. Deus permitiu que ele fizesse isso por 18 D ados
anos, a fim de punir Israel por seus pecados Pai: Gera (Jz 3.15).
(Jz 3.12-14). Citado pela primeira vez na Bíblia: Juizes 3.15.
C. Ele aliou-se aos amonitas e amalequitas (Jz Citado pela última vez: Juizes 4.1.
3.13). Significado do nome: “Forte”.
D. Ele fez de Jericó sua cidade capital (Jz Mencionado: oito vezes.
3.13). Livro da Bíblia que cita Eúde: um livro (Juizes).

732
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

Detalhe importante sobre a vida de Eúde: ele as­ II. Eldade e Moisés.
sassinou Eglom e trouxe paz à terra de Israel A. O pedido de Moisés acerca de Eldade (Nm
(Jz 3.21-30). 11.28).
B. A resposta de Moisés acerca de Eldade
(Nm 11.29).
[131
(Veja O estágio d o reino no caos, vol. 1, p. 169) D ados
Citado pela primeira vez na Bíblia: Números
S u m á r io c r o n o l ó g ic o 11.26.
I. Elá, o rei apóstata. Citado pela última vez: Números 11.27.
A. Ele foi o quarto rei do reino norte de Is­ Significado do nome: “Deus é amigo”.
rael. Mencionado: duas vezes.
B. Ele governou por dois anos (1 Rs 16.8). Livro da Bíblia que cita Eldade: um livro (Núme­
C. Ele foi um rei perverso, assim como o pai, ros).
Baasa (1 Rs 16.13). Cargo: ancião de Israel (Nm 11.26).
II. Elá, o rei assassinado. Detalhe importante sobre a vida de Eldade: ele foi
A. Ele foi vítima de um plano de Zinri, um de um dos 70 anciãos israelitas que receberam o
seus oficiais do exército que comandava ministério do Espírito Santo (Nm 11.25,26).
metade de seus carros (1 Rs 16.9).
B. Zinri matou Elá, quando este estava em­
briagado, na capital da cidade de Tirza (1 i ELEAZAR 1
Rs 16.9,10).
C. Zinri, então, matou todos os parentes de S u m á r io c r o n o l ó g ic o
Elá (1 Rs 16.12). I. Eleazar e Moisés.
A. Sua relação a Moisés.
D ados 1. Ele foi o terceiro filho de Arão (Êx
Pai: Baasa (1 Rs 16.6). 6.23; Nm 3.2).
Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Reis 16.6. 2. Ele foi o segundo sumo sacerdote de Is­
Citado pela última vez: 1 Reis 16.14. rael (Nm 20.25-28; Dt 10.6).
Significado do nome: “Carvalho”. 3. Ele foi sobrinho de Moisés (Êx 28.1).
Mencionado: quatro vezes. 4. Por causa de um desentendimento, ele
Livro da Bíblia que cita Elá: um livro (1 Reis). incitou a ira de Moisés, até que seu pai,
Cargo: rei do reino norte de Israel (1 Rs 6.8). Arão, esclarecesse a situação (Lv
Lugar onde faleceu: na casa de um oficial em Tir­ 10.16-20).
za (1 Rs 6.9). B. Suas funções atribuídas por Moisés.
Como foi morto: ele foi morto por Zinri, coman­ 1. Ele serviu como líder levítico que cui­
dante da metade de seus carros (1 Rs 6.9,10). dava do tabernáculo (Nm 3.32; 4.16).
Detalhe importante sobre a vida de Elá: ele foi o 2. Ele foi o responsável, juntamente com
quarto rei do reino norte de Israel. Moisés, pelo segundo censo de Israel
(Nm 26.1-3,63).
3. Ele ajudou na comissão de Josué quan­
ELDADE do sucedeu Moisés (Nm 27.18-23).
4. Ele auxiliou Moisés a dividir, entre as
S u m á r io c r o n o l ó g ic o tribos, os imensos espólios de guerra
I. Eldade e Medade após a vitória contra os midianitas
Esses homens, os únicos cujos nomes são (Nm 31).
mencionados, estavam entre os 70 anciãos is­ II. Eleazar e Josué.
raelitas sobre os quais descansou o Espírito de A. Ele ajudou Josué a atribuir as porções de
Deus, fazendo com que profetizassem (Nm terra para cada tribo depois que Israel en­
11.24-27). trou em Canaã (Nm 34.17; Js 14.1; 19.51).
733
G uia d e W illmington para a B íblia MÉTODO TEOLÓGICO

B. Ele foi enterrado na cidade de Gibeá (Is 4. Eli orou para que Deus desse a Ana
24.33). mais filhos ainda. Seu pedido foi aten­
dido, pois ela teve três filhos e duas fi­
D ados lhas depois (1 Sm 2.20,21).
Pai: Arão (Êx 6.23; Nm 3.2). II. Eli e seus filhos.
Mãe: Eliseba (Êx 6.23). Ele tinha dois filhos perversos chamados
Filho: Fineias (Êx 6.25; Nm 25.7). Hofni e Fineias (1 Sm 1.3).
Irmãos: Nadabe, Abiú e Itamar (Êx 6.23). A. A natureza de sua perversidade.
Descendente importante: Esdras (Ed 7.1-5). 1. Eles não tinham consideração por
Citado pela primeira vez na Bíblia: Êxodo 6.23. Deus (1 Sm 2.12).
Citado pela última vez: Esdras 7.5. 2. Eles tomaram à força e para si mesmos
Significado do nome: “Deus auxilia”. parte dos sacrifícios oferecidos pelo
Mencionado: 69 vezes. povo de Israel (1 Sm 2.13-16).
Livros da Bíblia que citam Eleazar: oito livros 3. Eles, na verdade, cometeram adultério
(Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, com algumas das mulheres que ser­
Josué, Juizes, 1 Crônicas, Esdras). viam na entrada do tabernáculo (1 Sm
Cargo: sumo sacerdote (Nm 20.22-29). 2 . 22 ).
Lugar onde morreu: na cidade de Gibeá (Js B. O motivo que os levou à perversidade.
24.33). 1. Até certo ponto, Deus culpou Eli, pois
Detalhe importante sobre a vida de Eleazar: ele ele não disciplinou seus filhos adequa­
foi o segundo sumo sacerdote de Israel (Nm damente (1 Sm 3.13).
20.22-29). 2. A disciplina que ele administrou era
fraca e completamente ineficaz (1 Sm
2.22-25).
ELI 3. Em essência, Eli colocou seus filhos
(Veja também O estágio dos juizes, vol. 1, p. 116) diante do Senhor (1 Sm 2.29).
C. As conseqüências de sua perversidade.
S u m á r io c r o n o l ó g ic o 1. Por causa de sua completa falha como
I. Eli e Ana. pai, Eli recebeu notícias terríveis de um
A. Sua repreensão. profeta de Deus (1 Sm 2.27-36).
1. Eli ministrou na cidade de Siló, onde o a. Todos os seus descendentes morre­
tabernáculo estava localizado (Ts 18.1; riam no ápice da vida.
1 Sm 1.3). b. Antes da morte, suas ações afligi­
2. Certa ocasião, Eli repreendeu Ana no riam o seu coração e encheriam os
templo, quando ela orava em silêncio, seus olhos de lágrimas.
apenas mexendo os lábios (1 Sm 1.9- c. Seus dois filhos, Hofni e Fineias,
14). morreriam no mesmo dia.
B. Sua garantia. 2. Aproximadamente 150 anos após a
1. Ao perceber que ela não estava embria­ morte de Eli, Salomão removeu um de
gada (como havia concluído primeiro), seus descendentes, chamado Abiatar,
Eli assegurou Ana de que suas orações do sacerdócio (1 Rs 2.27).
por um filho seriam respondidas (1 Sm III. Eli e Samuel.
1.15-18). A. Quando era um jovem sendo criado no ta­
2. Com o tempo, Ana teve um filho e bernáculo, Samuel, certa noite, confundiu
deu-lhe o nome de Samuel (1 Sm 1.19, a voz de Deus com a de Eli em três ocasiões
2 0 ). (1 Sm 3.1-8).
3. Depois que seu filho foi desmamado, B. Percebendo a fonte da voz, Eli instruiu Sa­
Ana levou-o para Eli, a fim de que ele muel exatamente como ele deveria respon­
fosse criado no tabernáculo (1 Sm der ao chamado de Deus, e assim Samuel o
1.21-28; 2.11). fez (1 Sm 3.9,10).
734
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

C. Na manhã seguinte, Eli, de maneira apres­ A. Ele era o filho mais velho de Jessé (1 Sm
sada, pediu que Samuel relatasse a mensa­ 17.13).
gem de Deus. Infelizmente, o ancião desco­ B. Ele também era chamado de Eliú (1 Cr
briu que era sobre a sua falha como pai (1 27.18).
Sm 3.11-18). C. Ele era alto e belo (1 Sm 16.6,7).
IV. Eli e a arca de Deus. D. Samuel, a princípio, concluiu erroneamen­
A. A ansiedade. te que Eliabe seria sucessor do rei Saul (1
Eli sentou-se em sua cadeira ao lado da Sm 16.6,7).
estrada em Siló, esperando novidades so­ 1. A confusão do profeta (1 Sm 16.6).
bre a batalha entre Israel e os filisteus (1 2. A correção do Senhor (1 Sm 16.7).
Sm 4.13). II. Eliabe e Davi na batalha.
B. A agonia (1 Sm 4.12-18). A. Eliabe alistou-se no exército de Saul duran­
1. Logo, um homem que corria apareceu te a luta do rei contra os filisteus (1 Sm
e fez o trágico relato. 17.13).
a. Israel perdeu a batalha. B. Ele ficou furioso com Davi quando seu ir­
b. Os dois filhos de Eli, Hofni e Fi- mão mais novo queria saber por que per­
neias, estavam mortos. mitiram que Golias difamasse Deus e Isra­
c. A arca do concerto foi capturada el (1 Sm 17.26-29).
pelos filisteus.
2. Ao saber disso, Eli caiu de costas da ca­ D ados
deira, morrendo instantaneamente ao Pai: Jessé (1 Sm 17.13).
quebrar o pescoço. Filha: Abiail (2 Cr 11.18).
3. Ele tinha 9 8 anos e havia liderado Isra­ Irmãos: Abinadabe, Samá, Natã, Natanael, Ra-
el por 40 anos. dai, Ozém e Davi (1 Sm 17.12,13; 1 Cr 2.13-
15).
D ados Irmãs: Zeruia e Abigail (1 Cr 2.16).
Filhos: Hofni e Fineias (1 Sm 1.3). Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Samuel
Ancestrais importantes: Arão e Itamar. 16.6.
Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Samuel 1.3. Citado pela última vez: 2 Crônicas 11.18.
Citado pela última vez: 1 Reis 2.27. Significado do nome: “Deus é pai”.
Significado do nome: “Deus é altíssimo”. Mencionado: seis vezes.
Mencionado: 33 vezes. Livros da Bíblia que citam Eliabe: três livros (1
Livros da Bíblia que citam Eli: dois livros (1 Sa­ Samuel, 1 Crônicas, 2 Crônicas).
muel, 1 Reis). Detalhe importante sobre a vida de Eliabe: ele cri­
Cargo: sumo sacerdote (1 Sm 1.9). ticou seu irmão mais novo, Davi (1 Sm
Local onde faleceu: próximo à porta principal de 17.28).
Siló (1 Sm 4.12,18).
Idade que tinha quando morreu: 98 (1 Sm 4.15).
Como foi morto: ele morreu ao quebrar o pesco­ ELIAQUIM(I)
ço em uma queda (1 Sm 4.18).
Detalhe importante sobre a vida de Eli: ele foi o S u m á r io c r o n o l ó g ic o
sumo sacerdote quando Samuel nasceu e I. Seu relato ao rei de Judá.
quando a arca do concerto foi capturada (1 A. Ele era o administrador do palácio sob o rei­
Sm 1.17-20; 4.12-18). nado de Ezequias, rei de Judá (2 Rs 18.18).
B. Ele substituiu o desonesto administrador
anterior, Sebna (Is 22.15-20).
ELIABE C. Ele liderou uma delegação que tentou
(sem sucesso) obter paz quando Jerusalém
S u m á r io c r o n o l ó g ic o foi cercada pelo exército assírio (2 Rs
I. Eliabe e Samuel em Belém. 18.26).
735
Guia deW ilim ington para a Bibiia \ MÉTODO TEOLÓGICO

D. Ele, então, teve de reportar a Ezequias que (Gn 15.4).


o inimigo ridicularizou sua oferta de paz (2 II. O envio de um servo.
Rs 18.37). Embora o nome não tenha sido menciona­
E. Logo, ele foi enviado por Ezequias para in­ do, considera-se que Eliézer foi o servo enviado
formar o profeta Isaías sobre a iminente in­ por Abraão em uma missão especial em Gêne­
vasão dos assírios (2 Rs 19.1,2). sis 24.
II. O reconforto que obteve do Rei dos reis. A. O motivo dessa missão.
A. Reconforto para o presente (2 Rs 19.6,7). Não querendo que Isaque se casasse
B. Reconforto para o futuro (Is 22.21-23). com uma jovem cananeia pagã, Abraão en­
1. Que ele se tornaria um pai espiritual viou Eliézer à terra de seus ancestrais, a fim
para o povo de Judá. de que trouxesse uma esposa para seu filho
2. Que Deus colocaria, em seus ombros, (Gn 24.1-4).
a chave da casa de Davi. B. O resultado dessa missão.
3. Que Deus manteria aberto o que 1. Eliézer levou dez camelos e partiu da
Eliaquim abriu e fechado o que ele fe­ cidade de Naor, na Mesopotâmia (Gn
chou. 24.10).
4. Que ele seria fixado como um prego 2. Fora da cidade, próximo a um poço,
em local firme. ele orou, pedindo a Deus um sinal es­
5. Que ele seria honrado. pecífico para que pudesse reconhecer a
jovem que se tornaria esposa de Isaque
D ados (Gn 24.11-14).
Pai: Hilquias (2 Rs 18.18). 3. O sinal solicitado tinha duas partes
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 18.18. (Gn 24.14).
Citado pela última vez: Isaías 37.2. a. Que a jovem oferecesse água para
Significado do nome: “Deus estabelece”. ele beber.
Mencionado: nove vezes. b. Que a jovem oferecesse água para
Livros da Bíblia que citam Eliaquim (1): dois li­ seus camelos beberem.
vros (2 Reis, Isaías). 4. Mesmo antes de terminar a oração, Re-
Cargo: administrador do palácio (2 Rs 18.18). beca chegou ao poço com um jarro nos
Detalhe importante sobre a vida de Eliaquim (1): ombros (Gn 24.15).
ele foi o último oficial do palácio de Ezequias, 5. Rebeca cumpriu os dois sinais (Gn
quando Jerusalém foi salva pelo anjo da mor­ 24.16-21).
te (Is 36— 37). 6 . Concluindo que ela era, de fato, a esco­
lha de Deus, ele deu-lhe as joias de ou­
ro e explicou a natureza de sua missão
ELIAQUIM (2) (Veja Jeoaquim) | (Gn 24.22-27).
7. No dia seguinte ao da oferta de Eliézer,
Rebeca concordou em ir com ele e tor-
ELIÉZER (1) nar-se esposa de Isaque (Gn 24.57,58).
8. Eles partiram imediatamente. Ao che­
S u m á r io c r o n o l ó g ic o garem a Canaã, Isaque e Rebeca casa-
I. A busca por um filho. __________________ ra m - g p ( G n 9 4 £ 1 - £ 7 )______________________

A. Eliézer era o mordomo de Abraão (Gn D ados


15.2; 24.66). Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 15.2.
B. Ele pode ter nascido em Damasco (Gn Citado pela última vez: Gênesis 24.66 (o servo).
15.2). Significado do nome: “Deus é auxiliador”.
C. Abraão pediu permissão para adotar Eli­ Mencionado: 13 vezes.
ézer e cuidar dele como o herdeiro prome­ Livro da Bíblia que cita Eliézer (1): um livro (Gê­
tido (Gn 15.3). nesis).
D. Deus prometeu que esse não seria o caso Cargo: mordomo de Abraão (Gn 15.2).
736
P erso n ag en s do A n t i g o T est a m en t o

Detalhe importante sobre a vida de Eliézer (1): B. Por seus três amigos, por terem condenado
por ordem de Abraão, ele trouxe Rebeca pa­ Jó sem serem capazes de refutá-lo.
ra Isaque (Gn 24). III. A arrogância de Eliú.
A. Ele presumiu que ensinaria sabedoria a Jó
(Jó 33.33).
[EUÉZERl2)l B. Ele concluiu que Jó tinha pouca sabedoria
(Jó 34.35; 35.16).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o C. Na verdade, ele quase alegou que suas pa­
I. Ele foi o segundo filho de Moisés e Zípora (Êx lavras eram infalíveis (Jó 36.4).
18.4). D. Ele chegou a anunciar que ele era a pessoa
II. Assim como seu irmão mais velho, Gérson, Eli­ que Jó buscava, a qual ficaria entre o pa­
ézer, aparentemente, nasceu e foi criado no de­ triarca sofredor e Deus (Jo 33.6).
serto do Sinai (Êx 18.3,4). IV. A conclusão de Eliú.
III. Eliézer, depois, teve muitos netos por intermé­ Ele, assim como os outros primeiros três
dio de seu único filho, Reabias (1 Cr 23.17). amigos, concluiu que Jó estava sendo punido
por seus pecados (Jó 36.17,21).
D ados V. A análise de Eliú.
Pai: Moisés (Êx 18.2-4). Apesar de sua pouca idade e imaturidade,
Mãe: Zípora (Êx 18.2-4). Eliú demonstrou um conhecimento teológico
Filho: Reabias (1 Cr 23.17). da onipotência de Deus (Jó 37.1-24).
Irmão: Gérson (Êx 2.22).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Êxodo 18.4. D ados
Citado pela última vez: 1 Crônicas 26.25. Pai: Baraquel (Jó 32.2).
Significado do nome: “Deus auxilia”. Citado pela primeira vez na Bíblia: Jó 32.2.
Mencionado: cinco vezes. Citado pela última vez: Jó 36.1.
Livros da Bíblia que citam Eliézer (2): dois livros Significado do nome: “O próprio Deus”.
(Êxodo, 1 Crônicas). Mencionado: sete vezes.
Detalhe importante sobre a vida de Eliézer (2): ele Livro da Bíblia que cita Eliú: um livro (Jó).
foi o segundo filho de Moisés (Êx 18.2-4). Detalhe importante sobre a vida de Eliú: ele foi um
jovem que tentou aconselhar Jó (Jó 32.6-10).

ELIU
ELIAS
S u m á r io c r o n o l ó g ic o (Veja também O estágio do reino no caos, vol. l,p . 198)
I. A abstinência de Eliú.
A. Ele era o mais jovem dos quatro amigos de S u m á r io c r o n o l ó g ic o
Jó, filho de Baraquel, da família de Rão (Jó I. Elias e Acabe.
32.2). A. O profeta confrontado pelo perverso rei.
B. Ele era da terra de Buz (Jó 32.2; Jr 25.23). 1. Elias era um profeta da cidade de Tis-
C. Seus discursos são encontrados em Jó 32— be, em Gileade, a terra a leste do rio
37. Jordão (1 Rs 17.1).
D. Ele esperou por um tempo para falar, devi­ 2. Ele alertou Acabe sobre uma seca imi­
do à sua pouca idade (Jó 32.6). nente que viria de Deus, como punição
E. Ele, finalmente, achou que deveria falar ou pelos pecados do rei e do reino norte de
explodir de dentro para fora (Jó 32.18-20). Israel (1 Rs 17.1; Tg 5.17,18).
II. A raiva de Eliú. B. O profeta desafiou o perverso rei.
Ele demonstrou raiva por Jó, assim como 1. Depois que a seca chegou a três anos de
por seus três amigos (Jó 32.2,3). duração, Deus enviou Elias de volta a
A. Por Jó, porque ele tentou justificar a si mes­ Acabe com notícias de que as chuvas
mo em vez de Deus. voltariam em breve (1 Rs 18.1).
737
G uia d e W illm ington para a B I bu a MÉTODO TEOLÓGICO

2. Ele, então, fez um desafio a Acabe (1 Rs a. O pedido.


18.19). Ela deveria dar-lhe a refeição.
3. O propósito dessa reunião seria deter­ b. A garantia.
minar o verdadeiro Deus. Nem a viúva nem seu filho te­
C. O profeta condenou o perverso rei (1 Rs riam fome de novo, pois o profeta
21.17-24). prometeu que haveria uma fonte
1. O local envolvido. sobrenatural de farinha e óleo em
A reunião aconteceu na vinha de seus recipientes até que as planta­
Nabote, onde um justo israelita havia ções crescessem de novo ao final da
sido morto pelo perverso rei, para este seca.
obter sua propriedade. c. Os resultados.
2. A punição envolvida. Ela obedeceu e viu que tudo
A condenação foi tripla. aconteceu exatamente como pro­
a. Os cães selvagens de Jezreel lambe­ meteu Elias.
riam o sangue de Acabe do lado de B. Ressuscitando o filho de forma sobrenatu­
fora da cidade, assim como lambe­ ral (1 Rs 17.17-24).
ram o de Nabote (veja 1 Rs Elias ressuscitou o filho da viúva, que
22.37,38 para o cumprimento). morrera de doença.
b. Depois, os cães selvagens de Jezreel 1. A consternação.
comeriam a carne de Jezabel, a es­ Primeiro, ela achou que Elias havia
posa de Acabe, que era conhecida sido enviado por Deus para puni-la por
por sua perversidade (veja 2 Rs algum pecado do passado.
9.35,36 para o cumprimento). 2. A confiança.
c. Toda a família de Acabe acabaria Elias restaurou o menino morto, es-
tendo mortes terríveis (veja 2 Rs tendendo-se sobre o corpo três vezes e
10.6-11 para o cumprimento). chamando a Deus.
II. Elias e os corvos 3. A conclusão.
Deus supriu as necessidades de Elias por A viúva, agradecida, reconheceu
meio de uma fonte improvável (1 Rs 17.2-7). que ele era, de fato, um profeta envia­
A. Depois que Elias alertou Acabe pela pri­ do por Deus.
meira vez sobre a seca iminente, Deus man­ IV. Elias e Obadias.
dou que ele se escondesse próximo ao ri­ A. O comando de Elias (1 Rs 18.2-15).
beiro de Querite, em sua entrada leste no 1. Próximo ao fim da seca de três anos e
rio Jordão. meio, Elias encontrou um crente secre­
B. Ele foi alimentado por corvos, que lhe tra­ to chamado Obadias.
ziam pão e carne todas as manhãs e noites. 2. Obadias era responsável pela casa de
C. Depois de um tempo, entretanto, o ribeiro Acabe.
secou. 3. Obadias já havia escondido de Jezabel
III. Elias e uma viúva. 100 profetas de Deus em duas cavernas.
A. Alimentando a sua família de forma sobre­ 4. Elias ordenou que esse tímido oficial
natural (1 Rs 17.8-16). marcasse uma reunião entre o profeta
1. Após a seca do ribeiro, Elias recebeu a e o rei.
ordem de partir e viver na vila de Sa- B. A preocupação de Obadias (1 Rs 18.10-
repta. 12,15).
2. Lá, ele encontrou uma desesperada e 1. Obadias estava com medo de fazer is­
pobre viúva que estava preparando so, temendo que Deus movesse Elias
uma refeição escassa para seu filho para outro lugar depois que a reunião
com o alimento que lhe restava. fosse arranjada.
3. Elias a cumprimentou com um pedido 2. Entretanto, o profeta persuadiu-o a fa­
e uma garantia. zer tal coisa.
738
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

V. Elias e o povo de Israel. 1. Ao saber que Jezabel ameaçava matá-


Depois de desafiar Acabe e os sacerdotes de -lo por destruir seus sacerdotes, Elias
Baal com um teste no monte Carmelo, Elias fugiu para salvar sua vida.
juntou o povo de Israel e o repreendeu (1 Rs 2. Depois de chegar em Berseba, ele dei­
18.21). xou seu servo e andou sozinho pelo de­
VI. Elias e os sacerdotes de Baal. serto de Sinai.
A. A proposta (1 Rs 18.22-25). 3. Ao final de um dia de viagem, ele sen­
1. Elias propôs um teste aos sacerdotes tou-se embaixo de uma árvore e foi mi­
pagãos para determinar o Deus verda­ nistrado por um anjo que lhe deu co­
deiro. mida e água.
2. Dois touros seriam colocados em dois B. O profeta em um monte (1 Rs 18.8-12).
altares, um dedicado a Baal e o outro 1. Ele ouviu as palavras de Deus.
ao Deus Jeová. a. Foi perguntado a Elias o motivo de
3. Seria pedido, então, que o verdadeiro ele estar ali.
Deus respondesse enviando fogo do b. Sua vacilante resposta foi tripla.
céu. (1) Porque toda Israel abandonou
B. O problema (1 Rs 18.26-29). a Deus.
1. Os sacerdotes de Baal logo tiveram di­ (2) Porque somente ele era verda­
ficuldades. deiro para com o Senhor.
2. Elias permitiu que fossem primeiro. (3) Porque os inimigos de Deus es­
3. Da manhã até o meio-dia, eles dança­ tavam tentando matá-lo.
ram em volta do altar, clamando por 2. Ele viu as obras de Deus.
Baal. a. De repente, uma poderosa ventania
4. Elias ridicularizou suas inúteis tentati­ atingiu a montanha, mas o Senhor
vas. não estava no vento.
5. Do meio-dia até a noite, eles intensifi­ b. Depois, houve um grande terremo­
caram seus esforços, delirando e cor- to, mas o Senhor não estava nele.
tando-se com facas e espadas, mas foi c. Por fim, um grande fogo subiu,
tudo em vão. mas, novamente, o Senhor não es­
C. A preparação (1 Rs 18.30-35). tava ali.
1. Quando chegou a sua vez, Elias cha­ d. Entretanto, depois de todas essas
mou o povo à sua volta. poderosas maravilhas, veio, ao seu
2. Ele, primeiro, reconstruiu o altar de coração, uma voz mansa. Deus es­
Deus usando 12 pedras, representando tava nela.
as doze tribos de Israel. C. O profeta em uma caverna (1 Rs 19.13-18).
3. Ele, então, cavou uma trincheira de um 1. Deus comissionou Elias.
metro de largura em volta do altar e a O profeta deveria fazer três coisas.
encheu com 12 barris de água. a. Ele deveria ungir Hazael como rei
D. A oração (1 Rs 18.36,37). da Síria.
Ele pediu a Deus que ouvisse a sua ora­ b. Ele deveria ungir Jeú como rei do
ção e a atendesse, para que este povo co­ reino norte de Israel.
nheça q ue tu, Senhor , és D eus e q ue tu fi­ c. Ele deveria ungir Eliseu como seu
zeste tornar o seu coração para trás (1 Rs sucessor.
18.37). 2. Deus fez uma garantia a Elias.
E. A purificação (1 Rs 18.38). a. Novamente, Elias queixou-se para
F. A adoração (1 Rs 18.39). Deus dizendo que ele era o último
G. A expurgação (1 Rs 18.40). crente verdadeiro existente.
VII. Elias e Deus. b. Deus respondeu garantindo a Elias
A. O profeta embaixo da árvore (1 Rs 19.1- que isso não era verdade (1 Rs
7). 19.18).
739
Guia de W illm ington para a Bíblia \ MÉTODO TEOLÓGICO

VIII. Elias e Acazias. b. Ele encontrou Eliseu lavrando um


Elias anunciou a pena de morte de Deus pa­ campo com 12 parelhas de bois.
ra Acazias, o oitavo rei do reino norte de Israel c. Após hesitar um pouco, Eliseu acei­
(2 Rs 1.1-17). tou o chamado, matou e sacrificou
A. As circunstâncias que levaram a essa pro­ dois de seus bois a Deus e seguiu
fecia de julgamento. Elias.
1. Acazias sofreu uma queda e ficou de­ 2. Elias começou sua obra como profeta
sesperadamente ferido. (1 Rs 19.21).
2. Ele buscou o ídolo pagão Baal para ob­ B. Seu encontro final (2 Rs 2.1-11).
ter ajuda, em vez de Deus. 1. A realização.
3. Essa ação causou a profecia de morte Deus revelou a Elias que ele, logo, se­
de Elias. ria levado ao céu por um redemoinho.
B. A confirmação após essa profecia de julga­ 2. A rota.
mento. a. Elias começou sua última jornada
1. Ao saber disso, Acazias enviou 150 sol­ terrena, acompanhado de Eliseu.
dados em três companhias separadas b. Começando em Gilgal, os dois ho­
de 50 para prender o profeta. mens viajaram por Betei e Jericó, a
2. Elias chamou fogo dos céus, que con­ caminho do rio Jordão.
sumiu os primeiros dois grupos. 3. O rio Jordão (2 Rs 2.8).
3. O capitão da terceira companhia, en­ 4. O pedido (2 Rs 2.9).
tretanto, implorou e recebeu misericór­ a. A proposta de Elias.
dia de Elias, que o poupou e também a Pede-me o que queres que te fa­
seus homens. ça, antes que seja tom ado de ti.
4. Elias, então, visitou Acazias pessoal­ b. A resposta de Eliseu.
mente e confirmou a mensagem de Peço-te que haja porção dobra­
morte. da de teu espírito sobre mim.
5. Logo, o perverso rei morreu. 5. O requerimento (2 Rs 2.10).
IX. Elias e Jorão. 6 . A transladação (2 Rs 2.11).
Antes de sua transladação, Elias enviou uma
mensagem escrita a Jorão (também chamado S u m á r io t e o l ó g ic o
dejeorão) (2 C r2 1 .12-19). I. Malaquias e Elias.
A. O conteúdo da mensagem. Malaquias profetizou que Elias voltaria e mi­
1. Acerca da família de Jorão (2 Cr nistraria nos dias da grande tribulação (Ml 4.5).
21.14). II. Gabriel e Elias.
2. Acerca do próprio Jorão (2 Cr 21.15). O anjo Gabriel disse a Zacarias, pai de João
B. O motivo da mensagem. Batista, que o seu filho que estava para nascer,
Tudo isso cairia sobre Jorão, porque o um dia, ministraria no espírito e no poder de
perverso rei fez corrom per a Ju dá e aos Elias (Lc 1.17).
m oradores de Jerusalém, segundo a cor­ III. João Batista e Elias.
rupção da casa de Acabe, e também matas- Os fariseus perguntaram a João se ele era
te teus irmãos, da casa de teu pai, melhores Elias (Jo 1.21).
do que tu (2 Cr 21.13). IV. Jesus e Elias.
X. Elias e Eliseu. A. Jesus comparou João Batista a Elias em pe­
A. Seu primeiro encontro (1 Rs 19.19-21). lo menos duas ocasiões (Mt 11.14; 17.11).
1. Eliseu parou de trabalhar como lavra­ B. Nos dias do ministério terreno de Cristo,
dor. algumas pessoas, erroneamente, acredita­
a. Enquanto Elias estava na caverna vam que ele era uma reencarnação de Elias
do monte Horebe, Deus instruiu-o (Mt 16.14; Mc 6.15; 8.28; Lc 9.8).
a encontrar Eliseu e ungi-lo como C. Jesus referiu-se ao relato histórico de Elias e
seu sucessor (1 Rs 19.16). à viúva de Sarepta para ilustrar a descrença
740
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

que Ele encontrou em Nazaré durante o ELIFAZ (1)


Seu sermão na sinagoga (Lc 4.26).
D. Elias e Moisés apareceram com Cristo no S u m á r io c r o n o l ó g ic o
monte da Transfiguração para discutir Sua I. O nascimento do seu filho.
iminente crucificação em Jerusalém (Lc Um de seus sete filhos, Amaleque, posterior­
9.30,31). mente, teria mais notoriedade (Gn 36.10-
V. O apóstolo João e Elias. 12,15,16).
Certa ocasião, o apóstolo João e seu irmão, II. A amargura trazida por seu filho.
Tiago, perguntaram a Jesus se eles podiam in­ A. Amaleque fundou os amalequitas, um po­
vocar fogo do céu e destruir os inimigos de vo especialmente forte e hostil que sempre
Deus, assim como fez Elias (Lc 9.54). trazia problemas a Israel.
VI. A multidão no Calvário e Elias. 1. Moisés e Josué lutaram contra eles no
Quando Cristo estava na cruz, a perversa pé do monte Sinai (Êx 17.8-16; Dt
multidão que observava pensou, erroneamente, 25.17,18).
que Ele estava chamando Elias (Mt 27.46,47). 2. Eúde lutou contra eles no tempo dos
VII. Paulo e Elias. juizes (Jz 3.13-15,26-30).
O apóstolo referiu-se a Elias para ilustrar o 3. O grande pecado de Saul foi poupar
fato de que Deus sempre tem Seu remanescen­ Agague, o rei dos amalequitas, assim
te escolhido na terra (Rm 11.2-5). como os espólios de guerra (1 Sm 15.3-
VIII. O livro de Hebreus e Elias. 23; 28.18,19).
Aqui, o autor poderia estar referindo-se a B. Os amalequitas são mencionados pelo sal-
Elias quando escreveu: As mulheres receberam, mista em sua lista de inimigos de Deus (SI
pela ressurreição, os seus mortos (Hb 11.35). 83.1-7).
IX. Tiago e Elias.
Tiago mencionou Elias para demonstrar o D ados
poder da oração (Tg 5.17,18). Pai: Esaú (Gn 36.4).
A. Mostrando que ele era um homem, assim Mãe: Ada (Gn 36.4).
como nós. Esposa: Timna (36.12); e uma esposa cujo nome
B. Que ele orou incessantemente para que não é mencionado, mas que é mãe de todos os
não chovesse. seus filhos, exceto Amaleque.
C. Que não choveu por três anos e meio. Filhos: Amaleque, Temã, Omar, Zefi, Gaetã, Que-
D. Que ele, então, orou por chuva, resultando naz e Timna (1 Cr 1.36).
em um temporal. Irmãos: Reuel, Jeús, Jalão e Corá (1 Cr 1.35).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 36.4.
D ados Citado pela última vez: 1 Crônicas 1.36.
Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Reis 17.1. Significado do nome: “Deus é provedor”.
Citado pela última vez: Tiago 5.17. Mencionado: nove vezes.
Significado do nome: “O próprio Deus”. Livros da Bíblia que citam Elifaz (1): dois livros
Mencionado: 95 vezes. (Gênesis, 1 Crônicas).
Livros da Bíblia que citam Elias: dez livros (1 Detalhe importante sobre a vida de Elifaz (1): ele
Reis, 2 Reis, 2 Crônicas, Malaquias, Mateus, foi o fundador dos amalequitas.
Marcos, Lucas, João, Romanos, Tiago).
Cargo: profeta (1 Rs 19.14).
Lugar onde nasceu: leste do rio Jordão. fEUFÃZ(2)i
Lugar onde faleceu: não passou pela morte (2 Rs
2 . 11, 12). S u m á r io c r o n o l ó g ic o
Detalhes importantes sobre a vida de Elias: ele I. A preocupação de Elifaz (Jó 2.11-13).
derrotou seus inimigos no monte Carmelo e, II. A crítica de Elifaz.
depois, foi transladado aos céus, sem passar Não demorou muito para que a compaixão
pela morte (1 Rs 18.16-45; 2 Rs 2.1-18). de Elifaz, quando viu o sofrimento de Jó, fosse
741
G uia de W illmington para a B íblia -.— ..
- .... - MÉTODO TEOLÓGICO

transformada em críticas hostis e mentirosas Deus revelou a Elias que, em breve,


Elifaz estava errado em duas questões (Jó Ele o levaria para o céu por meio de um
4— 5,15,22). redemoinho.
A. Sua conclusão estava errada. Assim como 2. A rota.
seus dois amigos, Bildade e Zofar, Elifaz a. Elias iniciou sua última jornada ter­
concluiu que Jó estava sofrendo por causa rena, acompanhado de Eliseu.
de algum terrível pecado não confessado b. Começando em Gilgal, os dois ho­
(Jó 4.7.8; 15.6). mens viajaram por Betei e Jericó, a
Nota: Elifaz baseou sua conclusão em caminho do rio Jordão.
experiência pessoal (veja Jó 4.8,12-16; 3. O rio Jordão (2 Rs 2.8).
5.3,27; 15.17). 4. O pedido (2 Rs 2.9).
B. Seu conselho estava errado. O conselho de a. A proposta de Elias.
Elifaz era simples — arrependa-se de seu Pede-me o que queres que te fa­
pecado secreto (Jó 22.23). ça, antes que seja tom ado de ti.
III. O castigo de Elifaz. b. A resposta de Eliseu.
A. Elifaz foi repreendido por Deus em segui­ Peço-te que haja porção dobra­
da, por causa de sua grosseira e mentirosa da de teu espírito sobre mim.
opinião sobre Jó (Jó 42.7). 5. O requerimento (2 Rs 2.10).
B. Então, foi exigido que ele, juntamente com 6. A transladação (2 Rs 2.11).
seus dois amigos, oferecessem sete touros e II. O fiel embaixador de Deus.
sete carneiros como oferta de holocausto Seu ministério sobrenatural: além de Moi­
por causa do pecado de difamação (Jó sés, Eliseu, provavelmente, realizou mais mila­
42.8,9). gres do que qualquer outra pessoa do Antigo
Testamento: aproximadamente 21 ao todo.
D ados A. Seus milagres pessoais.
Citado pela primeira vez na Bíblia: Jó 2.11. 1. Realizados para si mesmo.
Citado pela última vez: Jó 42.9. a. Separar o rio Jordão (2 Rs 2.13-18).
Significado do nome: “Deus é provedor”. (1) Após a transladação de Elias,
Mencionado: seis vezes. Eliseu colocou Deus à prova.
Livro da Bíblia que cita Elifaz (2): um livro (Jó). (2) Ele bateu no rio Jordão com a
Detalhe importante sobre a vida de Elifaz (2): ele capa que Elias deixou para trás
foi um dos três “amigos” de Jó, cujo “consolo” e clamou: Onde está o Senhor,
transformou-se em crítica (Jó 5.5-7). Deus de Elias? (2 Rs 2.14).
(3) Imediatamente, as águas divi­
diram-se, e Eliseu andou em
(ELISEU | terra seca.
(Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 202) (4) Ele, por fim, convenceu os jo­
vens (e, provavelmente, imatu­
S u m á r io c r o n o l ó g ic o ros) profetas em treinamento
I. Fiel assistente de Elias — um ministério de ser­ de que Elias foi, de fato, levado
vidão. aos céus.
A. Seu primeiro encontro — em um campo. b. Punir desordeiros.
1. A mensagem. Ele invocou o julgamento de
Quando Elias estava no monte Ho­ Deus sobre alguns jovens arruacei­
rebe, Deus falou com ele acerca de Eli­ ros de Betei que estavam insultan­
seu (1 Rs 19.16). do-o e ameaçando-o (2 Rs 2.23-25).
2. O manto (1 Rs 19.19-21). (1) As ofensas.
B. Seu encontro final — à beira de um rio (2 Eles ridicularizaram a sua
Rs 2.1-11). calvície e desafiaram-no a “su­
1. A realização. bir’'’, uma possível referência
742
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

sarcástica à transladação de (1) Eliseu aprovou uma obra de


Elias. expansão para aumentar seu
(2) O julgamento. programa de treinamento para
Duas ursas saíram da flores­ os profetas de Jericó.
ta e despedaçaram 42 dos jo­ (2) Ao cortar árvores para o proje­
vens. to, um de seus estudantes, aci­
2. Realizados para seus estudantes. dentalmente, jogou uma cabe­
a. Purificando água. ça de machado emprestada no
Ele purificou águas poluídas pa­ rio Jordão.
ra os jovens profetas de Jericó que (3) Eliseu jogou um galho e fez o
estavam em treinamento, jogando ferro flutuar.
sal na fonte (2 Rs 2.19-22). 3. Realizado para um apoiador.
b. Criando óleo para a viúva de um Ele ressuscitou o filho morto de
profeta que passava necessidades uma mulher sunamita (2 Rs 4.8-37).
(2 Rs 4.1-7). a. Essa mulher e seu esposo haviam se
(1) Eliseu descobriu que os credo­ tornado amigos de Eliseu, ofere­
res dessa viúva estavam indo cendo-lhe um quarto que não esta­
tomar seus dois filhos como es­ vam usando.
cravos. b. Ele retribuiu o favor profetizando
(2) Ele ordenou que ela emprestas­ que Deus tocaria o seu ventre infér­
se todos os recipientes vazios til e lhe daria um filho no ano se­
que pudesse de seus vizinhos e guinte, e assim Deus fez.
colocasse neles a quantidade de c. Alguns anos depois, a criança ficou
óleo que tivesse. doente e morreu.
(3) Ela fez isso, e o óleo continuou d. A mulher, em luto, encontrou Eli­
fluindo até que a última jarra seu e seu servo, Geazi, ao pé do
se enchesse, permitindo, as­ monte Carmelo e contou-lhes as
sim, que ela pagasse seus cre­ terríveis notícias.
dores. e. Eliseu foi ao quarto do jovem, orou
c. Purificando um caldo (2 Rs 4.38-41). e estendeu-se sobre o cadáver.
(1) Um jovem de Gilgal adicio­ f. Em pouco tempo, o jovem reco­
nou, sem saber, parras veneno­ brou a temperatura. Após espirrar
sas a um caldo que estava pre­ sete vezes, ele abriu os olhos.
parando para seus colegas de 4. Realizado para um servo.
estudo. Certa manhã, Eliseu e seu servo (tal­
(2) Depois que os homens prova­ vez, Geazi) foram cercados completa­
ram do caldo, eles perceberam mente por tropas inimigas (2 Rs 6.14-
que era veneno. 17).
(3) Eliseu, então, jogou um pouco a. O pavor do servo (2 Rs 6.14-17).
de farinha na panela, o que fez b. O testemunho do profeta (2 Rs
com que o caldo ficasse ade­ 6.16,17).
quado para o consumo. 5. Realizado para um soldado.
d. Alimentando 100 homens. Eliseu curou Naamã, um coman­
Eliseu multiplicou, de forma so­ dante militar da Síria, de lepra (2 Rs
brenatural, 20 pães de cevada para 5.1-19).
fornecer alimento suficiente para a. Naamã, o soldado que busca.
100 homens famintos na cidade de Ele soube do poder sobrenatu­
Gilgal (2 Rs 4.42-44). ral de Elias por meio de uma serva
e. Recuperando uma cabeça de ma­ israelita que trabalhou em sua casa
chado (2 Rs 6.1-7). (2 Rs 5.2,3). Agindo conforme o
743
Guia de W illm ington para a Bíblia [ MÉTODO TEOLÓGICO

seu testemunho, ele visitou o rei Jo ­ (1) Josafá, rei de Judá, e Jorão, rei
rão (filho mais novo de Acabe) em do reino norte de Israel, junta­
Jerusalém, pedindo para ser cura­ ram-se em uma aliança militar
do da lepra (2 Rs 5.4-6). Esse ímpio contra os moabitas (2 Rs
e impotente rei não era capaz de 3.6,7).
oferecer ajuda alguma e ficou mui­ (2) Após uma marcha desprepara­
to aliviado quando Eliseu concor­ da de sete dias, a aliança encon-
dou em encontrar-se com Naamã trou-se no deserto sem água (2
(2 Rs 5.7,8). Rs 3.8-10).
b. Naamã, o soldado que se ira. (3) Josafá buscou o conselho de
Ao chegar à casa de Eliseu, Na­ Deus e descobriu que o grande
amã foi orientado por um servo do profeta Eliseu esteve viajando
profeta a lavar-se sete vezes no rio com os exércitos sem ser nota­
Jordão para ser curado (2 Rs do (2 Rs 3.11,12).
5.9,10). (4) Eliseu concordou em ajudar os
(1) A ira de Naamã. soldados que estavam com se­
Ele esperava que Eliseu fa­ de, mas apenas por Josafá (2
lasse com ele pessoalmente e, de Rs 3.13,14).
modo dramático, curasse-o. Ele (5) O profeta, então, forneceu, de
queixou-se, dizendo que, se o forma sobrenatural, água para
processo de lavagem fosse real­ todos beberem (2 Rs 3.15-20).
mente necessário, os rios de Da­ Eliseu realizou esse milagre or­
masco seriam muito mais lim­ denando que cavassem poços,
pos que o Jordão (2 Rs 5.11,12). que, logo, foram cheios de água
(2) O conselho para Naamã. pelo Senhor.
Seus servos deram ao seu b. O engano dos soldados moabitas.
mestre um excelente conselho No dia seguinte, Deus fez com
(2 Rs 5.13). que os olhos dos inimigos os enga­
c. Naamã, o soldado que foi salvo. nassem quando olharam para os po­
(1) Sua salvação física. ços cheios de água (2 Rs 3.21-27).
Naamã obedeceu a Eliseu, 2. Revelando os planos de guerra das tro­
lavou-se sete vezes e foi curado pas inimigas (2 Rs 6.8-12).
total e instantaneamente (2 Rs 3. Cegando as tropas inimigas (2 Rs 6.18-
5.14). 23).
(2) Sua salvação espiritual. a. O poder envolvido.
Ele colocou-se diante de Eli­ Eliseu, de forma sobrenatural,
seu e reconheceu que o Deus de cegou temporariamente alguns sol­
Israel era o único Deus verda­ dados sírios que foram despacha­
deiro. Ele ofereceu um presente dos para prendê-lo.
a Eliseu, que foi recusado pelo b. A compaixão envolvida.
profeta. Ele jurou nunca mais Depois de levá-los a Samaria,
oferecer sacrifício a nenhum Eliseu restaurou a sua visão e recu­
Deus, exceto ao verdadeiro. Ele sou o pedido do rei do reino norte
até levou duas mulas carrega­ de matá-los.
das de terra de Israel, que se­ C. Seus milagres proféticos:
riam conduzidas com ele até Eliseu profetizou corretamente o se­
Damasco (2 Rs 5.15-17). guinte:
B. Seus milagres patrióticos. 1. O julgamento de lepra sobre o seu ser­
1. Enganando as tropas inimigas. vo, Geazi (2 Rs 5.20-27).
a. O desespero dos soldados israelitas. a. Geazi, o avarento.
744
P erso n a g en s do A n t ig o T e s t a m en t o

Geazi irritou-se com Eliseu por país, porque Deus estava enviando
recusar o dinheiro oferecido por uma fome de sete anos para Israel (2 Rs
Naamã após curá-lo da lepra (2 Rs 8 . 1 , 2 ).
5.20). 5. A morte de Ben-Hadade, rei da Síria.
b. Geazi, o mentiroso. Eliseu viu o futuro de Ben-Hadade,
Geazi disse a Naamã que Eliseu rei da Síria, e seu administrador chefe,
mudara de ideia e, no entanto, que­ Hazael (2 Rs 8.7-15).
ria dinheiro pela cura. a. Profecias acerca de Ben-Hadade.
c. Geazi, o leproso. (1) Que ele se recuperaria de uma
Ao retornar, Geazi foi duramen­ doença muito grave.
te repreendido por Eliseu (2 Rs (2) Que ele, mesmo assim, morreria.
5.27). Essa estranha profecia foi
2. A salvação de Samaria (2 Rs 6.24— cumprida de maneira literal,
7.20). pois o rei realmente se recupe­
a. A agonia da cidade. rou da doença, mas foi assassi­
Samaria foi completamente cer­ nado por Hazael.
cada pelos sírios, que causaram b. Profecias acerca de Hazael.
uma grande fome na cidade (2 Rs (1) Que ele sucederia Ben-Hadade
6.24-29). como rei.
(1) Uma cabeça de jumento era (2) Que ele trataria Israel de forma
vendida por 80 peças de prata, terrível.
e a quarta parte de um cabo de 6. As três vitórias de Israel contra a Síria.
esterco de pomba, por cinco Eliseu foi visitado em seu leito de
peças de prata. morte por Joás, rei de Israel (2 Rs
(2) As mulheres estavam até cozi­ 13.14-19).
nhando e comendo os próprios a. Por ordem do profeta, pediram que
filhos. o rei atingisse o chão com algumas
b. A ira do rei (2 Rs 6.30,21). flechas.
(1) O rei culpou Eliseu pelo proble­ b. Joás fez isso três vezes e parou.
ma de Samaria, pois o profeta c. Eliseu irritou-se, dizendo que o rei
havia se recusado, anteriormen­ deveria repetir a ação cinco ou seis
te, a permitir que alguns solda­ vezes, pois cada flechada lhe garan­
dos cegos fossem mortos. tiria uma vitória futura sobre o ini­
(2) O rei, então, ameaçou matar migo de Israel, Síria.
Eliseu. 7. O ministério vingativo do rei Jeú.
c. A garantia do profeta. Eliseu profetizou o seguinte acerca
Eliseu profetizou que, em 24 de Jeú, ao ungi-lo como o novo rei do
horas, o alimento em Samaria seria reino norte de Israel (2 Rs 9.6-10):
tão abundante que, aproximada­ a. Que ele destruiria a família de Acabe.
mente, dois galões de farinha ou b. Que ele vingaria a morte dos profe­
quatro de cevada poderiam ser tas de Deus que foram mortos por
comprados por um siclo (2 Rs 7.1). Jezabel.
3. A morte do assistente do rei. c. Que os cães comeriam Jezabel na
Eliseu profetizou que esse homem, cidade de Jezreel, e ninguém a en­
que ridicularizou as suas palavras, cer­ terraria.
tamente veria o alimento, mas não co­ D. Seu milagre póstumo (2 Rs 13.20,21).
meria dele (2 Rs 7.1,2,18-20).
4. Uma fome de sete anos. D ados
Ele aconselhou a mulher sunamita, Pai: Safate (1 Rs 19.16).
cujo filho ele ressuscitou, a mudar de Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Reis 19.16.

745
G uia de W illmingtqn para a B íbu a r MÉTODO TEOLÓGICO

Citado pela última vez: Lucas 4.27. Ancestral importante: Levi (1 Cr 6.16,26).
Significado do nome: “Deus é salvador”. Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Samuel 1.1.
Mencionado: 58 vezes. Citado pela última vez: 1 Crônicas 6.34.
Livros da Bíblia que citam Eliseu: três livros (1 Significado do nome: “Deus possui”.
Reis, 2 Reis, Lucas). Mencionado: dez vezes.
Cargo: profeta (1 Rs 19.16). Livros da Bíblia que citam Elcana: dois livros (1
Detalhes importantes sobre a vida de Eliseu: ele Samuel, 1 Crônicas).
foi o sucessor de Elias que partiu o Jordão e Detalhe importante sobre a vida de Elcana: ele foi
curou a lepra de Naamã (2 Rs 2.9-14; 5,1- o pai de Samuel (1 Sm 1.19,20).
27).

ENOQUE
j ELCANA | (Veja também O estágio d a criação, vol. 1, p. 16)

S u m á r io c r o n o l ó g ic o S u m á r io c r o n o l ó g ic o
I. Elcana e Deus. I. Seu relacionamento com Deus.
A. Ele era descendente de Levi pela linhagem A. Enoque, o peregrino.
de Coate (1 Cr 6.16,21-27). 1. Ele tinha grande fé (Hb 11.5).
B. Ele viveu em Ramá, uma cidade localiza­ 2. Ele andou com Deus (Gn 5.22).
da nas montanhas de Efraim (1 Sm 1.1; 3. Ele agradava a Deus (Hb 11.5).
2 . 11 ). 4. Ele foi incluído na genealogia de Cris­
C. Ele fielmente viajou todos os anos com to­ to (Lc 3.37).
da a família até o tabernáculo de Siló, para B. Enoque, o pai.
sacrificar e adorar a Deus (1 Sm 1.3,21). Seu primeiro filho, Metusalém, viveu
II. Elcana e Ana. 969 anos, a maior idade já registrada na
A. Ele amava-a mais do que a sua outra espo­ história (Gn 5.21,27).
sa, Penina (1 Sm 1.5). C. Enoque, o pregador (Jd 1.14,15).
B. Ele dava-lhe presentes (1 Sm 1.5). 1. Ele foi o primeiro pregador registrado
C. Ele tentou consolá-la. na história humana.
Ana estava angustiada por não ser ca­ 2. Ele alertou os ímpios ensinadores,
paz de ter filhos (1 Sm 1.8). presentes até mesmo em seu tempo,
D. Quando Deus abençoou o ventre de Ana, sobre o julgamento vindouro (compare
Elcana a encorajou a dedicar Samuel ao Se­ 2 Pe 2.1-5).
nhor (1 Sm 1.23). 3. Ele profetizou o retorno do Senhor a
III. Elcana e Eli. esta terra.
A. Eli abençoou Elcana, orando para que II. Sua transladação por Deus.
Deus desse a ele e a Ana mais filhos para Ele foi tirado da terra aos 365 anos, sem
substituir Samuel, que estava sendo criado morrer (Gn 5.23,24; Hb 11.5).
no tabernáculo (1 Sm 2.20).
B. Deus respondeu essa oração, pois, em se­ D ados
guida, Elcana teve mais filhos e duas filhas Pai: Jarede (Gn 5.18).
com Ana (1 Sm 2.21). Filho: Metusalém (Gn 5.21).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 5.
D ados 18.
Esposas: Ana e Penina (1 Sm 1.2). Citado pela última vez: Judas 1.14.
Filhos: Samuel (1 Sm 1.19,20; 1 Cr 6.25) e mais Significado do nome: “Ensinador”.
três, cujos nomes não são citados (1 Sm 2. Mencionado: nove vezes.
. 21)' Livros da Bíblia que citam Enoque: cinco livros
Filhas: duas, cujos nomes não são mencionados (Gênesis, 1 Crônicas, Lucas, Hebreus, Ju ­
(1 Sm 2.21). das).
746
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

Lugar onde faleceu: ele não passou pela morte III. Ele, então, deu o nome de Berias ao terceiro fi­
(Gn 5.24). lho, que significa “infortúnio” (1 Cr 7.23).
Idade que tinha quando morreu: 365 anos, quan­ IV. Sua filha Seerá construiu, depois, a cidade de
do Deus o levou sem que passasse pela morte Bete-Horom (1 Cr 7.24).
(Gn 5.23,24).
Detalhe importante sobre a vida de Enoque: ele D ados
foi a primeira das duas pessoas registradas Filhos: Eser, Eleade e Berias (1 Cr 7.22,23).
nas Escrituras a deixar a terra sem morrer Filha: Seerá (1 Cr 7.24).
(Gn 5.24; 2 Rs 2.11,12). Descendentes importantes: Josué (1 Cr 7.27).
Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Crônicas
7.20.
EFRAIM (1) Citado pela última vez: 1 Crônicas 7.22.
Significado do nome: “Duplamente fértil”.
S u m á r io c r o n o l ó g ic o Mencionado: duas vezes.
I. Ele e seu irmão mais velho, Manassés, foram Livro da Bíblia que cita Efraim (2): um livro (1
levados ao seu avô, Jacó, que estava morren­ Crônicas).
do, no Egito, para serem abençoados (Gn
48.1).
II. O velho patriarca adotou-os como filhos (Gn
48.5).
III. Para surpresa e desprazer de José, Jacó deu a s u m á r io c r o n o l ó g ic o
Efraim, o irmão mais novo, a maior bênção I. Sua esposa.
(Gn 48.12-20). A. O pai de Er, Judá, selecionou, pessoalmen­
IV. Jacó profetizou que a tribo de Efraim, que seria te, uma mulher chamada Tamar para ca-
fundada mais tarde, tornar-se-ia maior do que a sar-se com seu filho (Gn 38.6).
que seria fundada por Manassés (Gn 48.19). B. Tamar, depois, seria incluída na genealogia
de Cristo (Mt 1.3).
D ados II. Sua perversidade (Gn 38.7).
Pai: José (Gn 41.50,52; 46.20). Er foi morto por Deus, por causa de um ato
Mãe: Asenate (Gn 41.50,52). de perversidade não registrado.
Irmão: Manassés (Gn 41.51).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 41. D ados
52. Pai: Judá (Gn 38.2,3).
Citado pela última vez: Números 34.24. Mãe: Sua (Gn 38.2,3; chamada de “filha de Suá”
Significado do nome: “Duplamente fértil”. em algumas traduções).
Mencionado: 20 vezes. Esposa: Tamar (Gn 38.6).
Livros da Bíblia que citam Efraim (1): dois livros Irmãos: Onã e Selá (Gn 38.4,5).
(Gênesis, Números). Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis
Detalhe importante sobre a vida de Efraim (1): ele 38.3.
foi o segundo filho de José (Gn 41.52). Citado pela última vez: 1 Crônicas 2.3.
Significado do nome: “Sentinela”.
Citado: oito vezes.
EFRAIM (2) Livros da Bíblia que citam Er: três livros (Gêne­
sis, Números, 1 Crônicas).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o Como foi morto: ele foi morto por Deus (Gn
I. Dois filhos de Efraim, Eser e Eleade, foram as­ 38.7).
sassinados pelos filisteus de Gate, em uma dis­ Detalhe importante sobre a vida de Er: ele foi um
puta por gado (1 Cr 7.21). filho perverso de Judá, e sua morte ajudou a
II. Efraim ficou em luto por eles durante muitos trazer um relacionamento ilegítimo entre Ju­
dias (1 Cr 7.22). dá e Tamar (Gn 38.6-26).
747
G uia de W illmington para a B íblia }= MÉTODO TEOLÓGICO

isà íí 3. Esses casamentos foram uma fonte de


tristeza para Isaque e Rebeca (Gn
S u m á r io c r o n o l ó g ic o 26.35.27,46).
I. Os seus primeiros anos de vida. 4. Percebendo que suas esposas pagãs en­
A. Esaú, o caçador. tristeceram seus pais, Esaú casou-se
1. Rejeitando o direito de nascença. com uma descendente de Abraão cha­
a. Ele tornou-se um exímio caçador, mada Maalate, a filha de Ismael (Gn
um homem do campo (Gn 25.27). 28.6-9).
b. Ele era o filho preferido de seu pai, II. Os últimos anos de sua vida.
Isaque (Gn 25.28). A. Encontrando seu irmão Jacó.
c. Ao voltar de uma viagem de caça, o 1. Jacó partiu depois de sua trapaça (Gn
faminto Esaú vendeu seu direito de 28.1-5).
primogenitura ao irmão por um 2. Então, 20 anos depois, eles encontra-
prato de guisado vermelho (Gn ram-se novamente.
25.20-34). B. Perdoando seu irmão Jacó.
d. Ele, então, ganhou o apelido de 1. Jacó ficou horrorizado ao saber que
Edom, que significa “vermelho” Esaú estava indo ao seu encontro com
(Gn 25.30). 400 homens (Gn 32.6; 33.1).
e. Ele fez isso porque desprezava sua 2. A reunião, entretanto, foi agradável
primogenitura (Gn 25.34; Hb (Gn 33.4-11).
12.16,17). a. Esaú correu para encontrar Jacó,
2. Desejando e abençoando. beijou-o e chorou.
a. Anos depois, Isaque (que, erronea­ b. Esaú ofereceu a devolução da gene­
mente, pensou estar morrendo) pe­ rosa oferta de animais que Jacó en­
diu que Esaú matasse e preparasse viou antes da reunião para agradar
uma refeição usando uma caça. o irmão.
Depois disso, Isaque prometeu dar c. Esaú sugeriu que ele e Jacó viajas­
a Esaú a bênção patriarcal (Gn sem juntos, mas a oferta foi educa­
27.1-4). damente recusada.
b. Rebeca ouviu essa conversa e enga­ 3. O encontro final dos irmãos aconteceu
nou seu esposo, que estava quase no funeral de Isaque (Gn 35.29).
cego, fazendo-o dar a Jacó, seu fi­
lho preferido, a bênção (Gn 27.5- S u m á r io t e o l ó g ic o
29). I. Um dos cinco filhos de Esaú, Elifaz, teve Ama-
c. Ao saber dessa mentira, Esaú cla­ leque com Timna (Gn 36.12; 1 Cr 1.35).
mou com lágrimas amargas, exi­ II. Amaleque foi o fundador dos amalequitas, um
gindo que Isaque lhe desse a bên­ povo especialmente brutal e hostil que trouxe
ção mesmo assim (Gn 27.30- problemas constantes à Israel.
36,38). A. Josué lutou com eles no Sinai (Êx 17.8; Dt
d. Incapaz de fazer isso, Isaque, triste­ 25.17).
mente, profetizou uma vida difícil B. Eúde lutou com eles em Jericó (Jz 3.13).
e violenta para Esaú (Gn 27.39,40). C. O rei Saul foi rejeitado por Deus por recu-
e. Esaú, então, jurou vingança, amea­ sar-se a matar Agague, rei dos amalequitas
çando matar Jacó (Gn 27.41). (1 Sm 15.3-20; 28.18,19).
B. Esaú, o esposo. III. Esaú também foi o fundador dos edomitas (Gn
1. Ele casou-se com duas jovens hititas, 36.43).
Judite e Basemate, quando tinha 40 IV. Doegue, um cruel assassino que depois massa­
anos (Gn 26.34). crou 85 sacerdotes por ordem de Saul, era edo-
2. Ele, depois, casou-se com cananeias mita (1 Sm 22.18).
(Gn 36.2). V. O rei Herodes, o Grande, era da parte edomita.
748
P erso n a g en s do A n t ig o T e s t a m en t o

VI. Deus atribuiu aos edomitas a região monta­ 2. Ele relatou o acontecido à rainha Ester,
nhosa do monte Seir (Js 24.4). que, por sua vez, informou ao rei. Am­
VII. Todo o livro de Obadias condena os edomitas bos os guardas foram executados, e is­
por sua traição contra os israelitas, seus parentes. so foi vagamente registrado no livro da
VIII. Deus disse que odiava esse tipo de ação (Ml 1.3). história do reinado do rei Assuero.
IX. Paulo usou a escolha de Jacó em lugar de Esaú II. As mentiras de Hamã.
como exemplo da soberania de Deus (Rm A. Servidão infernal (Et 3).
9.10-13). 1. Logo depois de Ester tornar-se rainha,
X. O livro de Hebreus relata quatro coisas sobre Assuero escolheu, como primeiro mi­
Esaú (Hb 12.16,17). nistro, um perverso político chamado
A. Que ele era sexualmente imoral. Hamã, um indisposto servo do próprio
B. Que ele era ímpio. Satanás (Et 3.1).
C. Que ele desprezava sua primogenitura. 2. O arrogante Hamã, em seguida, desco­
D. Que ele buscou receber com lágrimas, mas briu que Mardoqueu recusava-se a ajo­
sem sucesso, a bênção patriarcal. elhar-se diante dele, como havia sido
mandado (Et 3.2-4).
D ados 3. Hamã criou um plano para eliminar
Pai: Isaque (Gn 25.21-25). não somente Mardoqueu, mas todos
Mãe: Rebeca (Gn 25.21-25). os outros judeus que viviam no Impé­
Esposas: Judite e Basemate (Gn 26.34); Maalate rio Persa. Ele abordou o rei com as se­
(Gn 28.6-9). guintes “recomendações”:
Filhos: Elifaz, Reuel, leús, Talão e Corá (Gn a. Que havia um povo cujas leis são
36.4,5; 1 Cr 1.35). diferentes das leis de todos os po­
Irmão: Jacó (Gn 25.26). vos e que não cumpre as leis do rei;
Descendente importante: Doegue (Gn 36.43; 1 pelo que não convém ao rei deixá-
Sm 22.18). -lo ficar (Et 3.8). Isso, é claro, era
Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 25.25. uma grande mentira.
Citado pela última vez: Hebreus 12.16. b. Que ele, Hamã, ficaria feliz em con­
Significado do nome: “Cabeludo”. tribuir com a soma de dez mil ta­
Mencionado: 76 vezes. lentos de prata para o tesouro real,
Livros da Bíblia que citam Esaú: seis livros (Gê­ a fim de cobrir os custos desse ex­
nesis, Josué, 1 Crônicas, Malaquias, Roma­ purgo (Et 3.9). Ele, então, planejou
nos, Hebreus). abater os judeus como gado.
Cargo: pastor. c. O negligente e impiedoso rei concor­
Detalhe importante sobre a vida de Esaú: ele foi dou com isso, sem ao menos exami­
irmão de Jacó e pai dos edomitas (Gn 25.26; nar a identidade desse povo, para
36.43). verificar se era culpado (Et 3.10,11).
d. Cavaleiros reais foram enviados
para anunciar esse edito de execu­
ESTER ção, que decretava que todos os ju­
deus seriam mortos no dia 28 de fe­
S u m á r io c r o n o l ó g ic o vereiro do ano seguinte, 473 a.C
I. A ascensão de Ester. (Et 3.12-15).
A. A rejeição de Vasti (Et 1.2-21). B. Coragem (Et 4—5).
B. A escolha de Ester (Et 2.1-20). 1. Conforme vista em Mardoqueu (Et
C. A detecção de Mardoqueu (Et 2.19-23). 4.1-14).
1. Mardoqueu, primo de Ester, tornou-se a. Ao saber do decreto de morte, Mar­
um oficial do palácio. Ele ouviu um doqueu, imediatamente, identifi­
plano de dois guardas da porta, que cou-se com o seu povo e entrou em
pretendiam assassinar Assuero. luto profundo (Et 4.1-3).
749
G uia de W illmington para a B íblia } MÉTODO TEOLÓGICO

b. Não sabendo da nova lei, Ester sou­ g. Eles, tolamente, sugeriram a Hamã
be do sofrimento do primo e inqui­ que construísse uma forca e enfor­
riu acerca do motivo por detrás casse Mardoqueu no dia seguinte
disso (Et 4.4-6). (Et 5.14).
c. Mardoqueu a informou e a aconse­ III. O preço da fé.
lhou a visitar o rei imediatamente(Et A. A execução de uma besta — Hamã (Et
4.7-9). 6— 8 ).
d. Ester ressaltou para ele que ela não 1. Cena um — o quarto do rei (Et 6).
havia sido convocada ao pátio in­ a. O rei sem dormir.
terior de Assuero há 30 dias e en­ (1) Assuero teve um caso de insô­
trar lá, sem ser convidada, muito nia real e ordenou a leitura de
provavelmente traria morte instan­ alguns registros históricos, es­
tânea. perando que o material maçan-
e. Mardoqueu respondeu com o que te o fizesse dormir (Et 6.1).
provavelmente é a afirmação-cha- (2) O leitor, por “sorte”, começou
ve de todo o livro (Et 4.13,14). a ler a parte que relatava como
2. Conforme visto em Ester (Et 4.15— Mardoqueu salvou a vida do
5.14). rei ao expor um plano de assas­
a. Ester, imediatamente, ordenou um sinato (Et 6.2).
jejum de três dias entre os judeus e (3) Então, disse o rei: Que honra
determinou que iria ter com o rei, e g alardão se deu p o r isso a
ainda que não é segundo a lei; e, M ardoqu eu ? E os jovens do
perecendo, pereço (Et 4.16). rei, seus servos, disseram :
b. Três dias depois, Ester entrou no Coisa nenhuma se lhe fez (Et
pátio interno sem ser convidada. 6.3).
Para seu alívio, ela foi bem rece­ (4) Nesse exato momento, Hamã
bida, e o rei ofereceu-lhe a con­ chegou ao palácio de Assuero,
cessão de qualquer pedido (Et buscando a permissão do rei
5.1-3). para enforcar Mardoqueu. O
c. Ester pediu somente que o rei e Ha­ rei, ainda pretendendo recom­
mã participassem de um banquete pensar Mardoqueu (nem As­
particular com ela, e o rei concor­ suero, nem Hamã, obviamen­
dou prontamente (Et 5.4,5). te, sabiam o que o outro esta­
d. A rainha não revelou seu pedido vam pensando), usou Hamã
durante o primeiro banquete, mas, como amplificador e questio­
simplesmente, pediu que o rei e nou: Que se fará ao hom em de
Hamã participassem de um ban­ cuja honra o rei se agrada? (Et
quete que ela estava preparando 6 . 6 ).
para o dia seguinte. Assuero con­ b. O descarado Hamã.
cordou de imediato (Et 5.6-8). O arrogante e egoísta Hamã, lo­
e. Depois de participar do primeiro go, achou que Assuero estava fa­
banquete, o vaidoso Hamã ficou lando dele e descaradamente suge­
inflado de orgulho. Mas, quando riu o seguinte:
viu Mardoqueu ao lado da porta (1) Que o homem fosse honrado e
do palácio, ainda recusando-se a vestido com as vestes reais do
curvar-se, ele ficou furioso (Et próprio rei.
5.9,10). (2) Que ele fosse colocado no ca­
f. Ele relatou sua alegria e frustração valo particular de Assuero.
a Zeres, sua esposa, e aos amigos (3) Que ele pudesse usar a coroa
em casa (Et 5.11-13). do rei.
750
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

(4) Que o mais notável príncipe do da forca que Hamã construiu


rei liderasse esse herói, monta­ para Mardoqueu, o rei, furio­
do a cavalo, pelas estradas da so, ordenou que Hamã fosse
cidade, bradando seus louvores enforcado naquela mesma noi­
para todos ouvirem (Et 6.7-9). te. A ordem foi cumprida ime­
c. O rei, logo, concordou com tudo is­ diatamente (Et 7.9,10).
so e então ordenou que o perverso (4) Após a execução de Hamã, As­
primeiro-ministro realizasse tudo suero deu as propriedades de
isso por Mardoqueu (Et 6.10). Ha- Hamã à Ester e nomeou Mar­
mã, completamente confuso, teve doqueu como seu novo primei­
dificuldades em obedecer ao co­ ro-ministro (Et 8.1,2).
mando de Assuero e, depois, foi pa­ (5) Ester e Mardoqueu imploraram
ra casa totalmente humilhado. que o rei revertesse a ordem de
Mesmo lá, ele não recebeu consolo Hamã, mas a lei dos medos e
(Et 6.13). persas, quando feita, era imutá­
d. Enquanto eles ainda falavam, ele vel. Nem mesmo Assuero pode­
recebeu o convite para participar ria mudá-la. Ele, então, fez o
do segundo banquete de Ester melhor possível e ordenou que
(6.14). os judeus se defendessem. Có­
2. Cena dois — o salão do banquete do pias desse novo decreto foram
rei (Et 7). enviadas, em nome do rei, às
a. A traição descoberta (Et 7.1-6). 127 províncias (Et 8.3-14).
(1) Ester alertou o rei de que havia B. A instituição de uma festa — Purim (Et
um plano encaminhado para 9— 10).
assassiná-la juntamente com 1. Os judeus prepararam-se e foram ca­
todo o seu povo. O rei, cheio de pazes de massacrar seus inimigos (Et
espanto e, depois, de raiva, per­ 9.1-19).
guntou: Quem é esse? E onde 2. Mardoqueu e Ester, então, instituíram
está esse cujo coração o insti­ uma nova festa memorial chamada
gou a fazer assim?(Et 7.5). Purim, para comemorar, anualmente, a
(2) Ester apontou para Hamã e fa­ grande salvação a partir de Hamã (Et
lou: O hom em , o opressor e o 9.20-32).
inimigo é este mau H amã (Et 3. Mardoqueu tornou-se um grande e
7.6). justo político, respeitado por judeus e
b. O jogo virou (Et 7.7— 8.17). gentios devido às suas habilidades e
(1) Assuero, incapaz de falar por ações (Et 10).
causa de sua raiva, foi ao jar­
dim do palácio por um mo­ S u m á r io t e o l ó g ic o
mento (Et 7.7). I. Ester, também chamada Hadassa, era da tribo
(2) Cheio de medo, o covarde Ha­ de Benjamim (Et 2.5-7).
mã implorou que Ester interce­ II. Ela era muito bela (Et 2.7).
desse junto ao rei por ele. Por III. Ela foi criada na cidade de Susã, na Pérsia, por
estar muito temeroso, ele, aci­ seu primo Mardoqueu (Et 2.5-7).
dentalmente, caiu no leito em IV. Ela venceu um concurso de beleza na Pérsia e
que Ester estava deitada (Et tornou-se a rainha do rei Assuero (Et 2.2-4,8-
7.8). Í7).
(3) Nesse momento, Assuero vol­ V. Entretanto, na época, ela não se revelou judia
tou e viu o que ele interpretou (Et 2.10,20).
como uma tentativa de estupro VI. Ester foi o segundo dos dois livros bíblicos com
por parte de Hamã. Ao saber o nome de uma mulher. O outro é Rute.
751
G uia de W illmington para a B(bu a = = = = ^^ MÉTODO TEOLÓGICO

A. Rute é a história de uma moabita que se ca­ 2. Ela seria governada pelo esposo (Gn
sou com um judeu. 3.16).
B. Ester é a história de uma judia que se casou III. Suas concepções por Adão.
com um gentio. A. Caim (Gn 4.1).
A afirmação de Eva: Alcancei d o SE­
D ados NHOR um varão.
Pai: Abiail (Et 2.15). B. Abel (Gn 4.2).
Esposo: Assuero (Et 2.17). C. Sete (Gn 4.25).
Citada pela primeira vez na Bíblia: Ester 2.7. A afirmação de Eva: Deus m e deu outra
Citada pela última vez: Ester 9.32. sem ente em lugar de A bel; porquanto
Significado do nome: “O planeta Vênus” (estrela). Caim o matou.
Mencionada: 55 vezes.
Livro da Bíblia que cita Ester: um livro (Ester). S u m á r io t e o l ó g ic o
Cargo: rainha do Império Medo-Persa (Et 1.1-3; I. Jesus referiu-se a Adão e Eva em seus comentá­
2.17). rios sobre a santidade do casamento (Mt 19.4).
Lugar onde nasceu: Susã. II. Paulo referiu-se a Eva em duas ocasiões.
Detalhe importante sobre a vida de Ester: ela sal­ A. Ele alertou os crentes de Corinto de que
vou o seu povo de uma tentativa de holocaus­ eles estavam correndo perigo de serem en­
to (Et 7.3-6; 8.3-8). ganados pelos artifícios astutos da serpen­
te, assim como Eva (2 Co 11.3).
B. Ele explicou a lógica divina para colocar
EVA o homem acima da mulher (1 Tm 2.13,
14).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o
I. Sua criação por Deus. D ados
A. Ela foi criada (assim como Adão) à ima­ Esposo: Adão (Gn 2.23-25).
gem de Deus (Gn 1.27). Filhos: Caim, Abel, Sete e outros, cujos nomes
B. Ela foi tirada da costela de Adão (Gn 2.22). não são mencionados (Gn 4.1,2,25; 5.4).
C. Ela era casada com Adão (Gn 2.24,25). Filhas: muitas, cujos nomes não são mencionados
D. Ela recebeu seu nome de Adão (Gn 3.20). (Gn 5.4).
II. Sua corrupção por Satanás. Citada pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 3.20.
A. O motivo do seu pecado. Citada pela última vez: 1 Timóteo 2.13.
1. A falsidade. Significado do nome: “Vida, fonte de vida”.
Satanás encorajou Eva a desobede­ Mencionada: quatro vezes.
cer a Deus e a comer da árvore do co­ Livros da Bíblia que citam Eva: três livros (Gêne­
nhecimento do bem e do mal, prome­ sis, 2 Coríntios, 1 Timóteo).
tendo que ela não morreria (Gn 3.5). Lugar onde nasceu: dentro do jardim do Éden
2. A fascinação. (Gn 2.15,21,22).
Eva viu que a árvore era boa para Detalhes importantes sobre a vida de Eva: ela foi
comer, agradável aos olhos e uma ár­ a primeira mulher da história e o primeiro hu­
vore desejável para dar entendimento mano a cair em tentação (Gn 2.22; 1 Tm
(Gn 3.6). 2.14).
3. A queda (Gn 3.6).
B. A reação a seu pecado.
1. Ela tentou cobrir sua nudez (Gn 3.7). j EZEQUIEL
2. Ela tentou esconder-se de Deus (Gn
3.8). S u m á r io c r o n o l ó g ic o
3. Ela tentou culpar a serpente (Gn 3.13). I. A santificação do homem de Deus - Ezequiel.
C. Os resultados do seu pecado. A. Ezequiel teve uma visão de seres viventes
1. Ela sofreria dor ao dar a luz (Gn 3.16). (Ez 1.1-28).
752
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

Essas criaturas foram identificadas de­ Neste tempo final, o último rei de
pois como querubins (veja Ez 10.20). Judá, Zedequias, foi levado, os muros
1. Cada querubim tinha quatro faces. de Jerusalém foram destruídos e o tem­
a. A face da frente era a de um ho­ plo e a cidade foram queimados (2 Rs
mem. 25.1-7). Os eventos registrados em
b. A face da direita era de leão. Ezequiel 4— 24 aconteceram entre a
c. A face na esquerda era de boi. segunda e a terceira fase. Aparente­
d. A face de trás era de uma águia. mente, existiam falsos profetas, em Je­
2. Cada um tinha dois pares de asas. rusalém e na Babilônia, que descarada­
a. Um par saía do meio das costas. mente garantiam aos judeus que Deus
b. O outro par era usado para cobrir não ousaria destruir a própria cidade,
o corpo. mesmo já tendo sofrido dois terríveis
3. Eles tinham pernas de homem, mas cercos. Mas, Ezequiel sabia que era o
cascos como de gado, que brilhavam contrário e tentou, por meio de pará­
como latão polido. bolas simbólicas, atos dramáticos e
4. Eles tinham quatro mãos humanas, mensagens, alertar a todos de que a ci­
uma embaixo de cada asa. dade santa iria, de fato, sofrer desola­
5. Eles, aparentemente, viajavam em gru­ ção e destruição.
pos de quatro e podiam mover-se na B. Os 13 atos simbólicos de Ezequiel.
velocidade da luz. 1. Desenhar um mapa de Jerusalém com
6. Uma roda giratória, brilhando como campos inimigos à sua volta.
pedras preciosas e com olhos em seu Ele desenhou um mapa de Jerusa­
dorso, ficava ao lado de cada criatura. lém em um grande tijolo de argila,
B. Ezequiel ouviu a voz do Deus vivo (Ez mostrando os cercos sendo construí­
2—3; 33). dos em volta da cidade. Ele, então,
1. Ele deveria tornar-se uma sentinela de acrescentou mais detalhes, retratando
Deus (Ez 2.1-3; 3.17-21; veja também os campos inimigos em volta e a loca­
Ez 18; 24). lização dos aríetes. Por fim, colocou
2. Ele deveria alimentar-se da Palavra de uma assadeira de ferro entre o mapa e
Deus (Ez 3.1-3). si mesmo. Isso servia para indicar o im­
3. Ele foi ungido pelo Espírito de Deus penetrável muro do exército babilôni-
(Ez 3.12,14). co e para mostrar que era impossível
4. Ele recebeu permissão de ver a glória escapar (Ez 4.1-3).
de Deus (Ez 3.23). 2. Deitar algumas horas por dia durante
5. Ele, entretanto, ficou incapaz de falar 390 dias no seu lado esquerdo.
por Deus, pois Ele emudeceu-o (Ez Ele deitou em seu lado esquerdo al­
3.26; 24.27; 33.21,22). gumas horas por dia durante 390 dias,
II. A desolação da cidade de Deus - Jerusalém. para simbolizar a iniqüidade do reino
A. Houve três fases distintas no cativeiro na do norte. Cada dia representava um
Babilônia e no cerco de Jerusalém. ano (Ez 4.4,5).
1. Em 605 a.C. 3. Deitar algumas horas por dia durante
Nesta época, Daniel e outros indiví­ 40 dias no seu lado direito.
duos de berço nobre foram levados (2 Ele, então, deitou-se no seu lado di­
Cr 36.6,7; Dn 1.3,4). reito por algumas horas por dia duran­
2. Em 597 a.C. te 40 dias, para representar a iniqüida­
Durante esta fase, o rei Joaquim e de de Judá, o reino do sul. Novamente,
Ezequiel, juntamente com muitos ou­ cada dia representava um ano (Ez 4.6).
tros, foram levados à Babilônia (2 Rs 4. Preparando uma refeição escassa com
24.10-16). grãos sortidos, cozidos sobre esterco
3. Em 586 a.C. de vaca.
753
G u ia de W illm ington para a B íblia m é t o d o t e o l ó g ic o

Ele fez pão com grãos sortidos, que Ele desenhou um mapa do Oriente
cozinhou sobre esterco de vaca seco e Médio e traçou duas rotas para o rei da
queimado. Isso serviria para indicar a Babilônia seguir. Uma levava para Je­
escassez de comida em Terusalém (Ez rusalém, e o outro para Rabá dos amo­
4.9-17). nitas. Ambas as cidades rebelaram-se
5. Raspar o cabelo e a barba. contra Nabucodonosor em 593 a.C..
Ele raspou a cabeça e a barba com Ezequiel retratou o rei na encruzilha­
uma faca afiada e, então, dividiu o ca­ da. Que cidade seria destruída primei­
belo em três partes iguais (Ez 5.1-4). ramente? A triste resposta é dada ime­
a. Um terço foi queimado. diatamente (Ez 21.18-22).
b. Um terço foi cortado à espada. 12. Ferver uma panela de água até secar.
c. Um terço, ele espalhou ao vento. Ele encheu um pote de água ferven-
d. Tudo isso servia para indicar o que te com as melhores carnes e cozinhou
estava reservado para Judá e para até toda carne se soltar dos ossos. Ele,
Jerusalém: um terço de seus habi­ então, jogou tudo fora e deixou a pa­
tantes morreria em um incêndio no nela secar para eliminar a escória e a
cerco a Jerusalém; um terço do po­ ferrugem (Ez 24.1-14). Aqui, natural­
vo cairia à espada; e o terço restan­ mente, o simbolismo é claro. O julga­
te seria espalhado ao vento. mento de fogo de Deus consumiria
6. Pisotear o chão e bater palmas. completamente os ricos e nobres de Je­
Ele deveria pisotear o chão e bater rusalém. Todos os seus moradores se­
palmas para chamar a atenção dos ju­ riam lançados para fora da terra, para
deus (Ez 6.11). que a cidade santa pudesse ser limpa de
7. Cavar uma entrada no muro da cida­ sua escória e ferrugem moral.
de. 13. Não chorar no funeral da própria mu­
Ele preparou sua bagagem e dei­ lher.
xou-a do lado de fora de sua casa. En­ Ele foi proibido de expressar qual­
tão, de noite, ele cavou um buraco de quer sofrimento externamente pela sú­
fuga no muro da cidade. Quando pas­ bita morte de sua amada esposa (Ez
sava por ele carregando a bagagem, ele 24.15-18). Deus ordenou que ele não
também cobria o rosto. Isso servia pa­ lamentasse a morte de sua esposa para
ra simbolizar vividamente o seguinte enfatizar que ele, o Senhor, não chora­
(Ez 12.1-16): ria a morte de Jerusalém. E especial­
a. A bagagem mal preparada repre­ mente importante observar que ela
sentava os exilados apressadamen­ morreu no mesmo dia em que Nabuco­
te partindo de suas casas. donosor iniciou seu terceiro e último
b. O buraco no muro simbolizada o ataque contra Jerusalém (Ez 24.2).
desespero deles para sair da conde­ C. As 12 mensagens de julgamento de Eze­
nada cidade de Jerusalém. quiel: livro de Ezequiel 6.1-14; 7.1-27;
c. O rosto coberto representava Ze- 13.1-23; 14.1-12; 14.13-23; 18.1-32;
dequias, o último rei de Judá, que 20.1-44; 20.45-49; 21.1-7; 22.1-16; 22.17-
foi cegado por Nabucodonosor 22; 22.23-31. Um breve sumário dos prin­
por causa de sua rebelião e levado cipais pontos de Ezequiel nesses sermões:
cativo à Babilônia (2 Rs 25.1-7). 1. Deus sempre se conteve em Sua ira di­
8. Tremer enquanto se alimentava (Ez vina apesar da desobediência descara­
12.17-20). da de Israel (Ez 20.7-10,13,21,22).
9. Chorar em público (Ez 21.1-7). 2. Deus não ficou feliz em julgar Seu po­
10. Brandir uma espada (Ez 21.9-17). vo, mesmo nesse estágio desesperado,
11. Desenhar um mapa do Oriente Médio e novamente pediu o arrependimento
com duas rotas. de Judá (Ez 18.31,32).
754
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

3. Judá não ouviu, e sua hora de destrui­ capítulos de Êxodo (veja espe­
ção havia chegado (Ez 7.6,12; 12.26- cialmente Êx 1.13,14; 2.23;
28). 3.7).
4. Judá, então, seria destruída, não por (2) Deus, graciosamente, adotou es­
causa do pecado de seus pais, mas pela ta menina maltratada e, quan­
própria vil perversidade (Ez 18.1- do ela ficou mais velha, Ele en­
4,20). trou em um ritual sagrado de
a. Seus profetas eram perversos (Ez 13. casamento com ela, e esta se
1-16; 22.25,28). tornou legalmente a sua esposa
b. Seus príncipes eram perversos (Ez eleita (Ez 16.6-8).
22.6,27). (3) Isso tudo, é claro, aconteceu no
c. Seus sacerdotes eram perversos monte Sinai, quando Deus rati­
(Ez 22.26). ficou Seu concerto com Israel
d. Suas mulheres eram perversas (Ez (veja Êx 19.5; comparar Ez
13.17-23). 16.9 com Êx 19.14).
5. Mesmo a presença de homens santos (4) Após o casamento, Deus vestiu-
como Noé, Daniel e Jó não pouparia a -a com as roupas mais belas,
cidade de Jerusalém (Ez 14.14,20). adornou-a com as joias mais
6. Seus exércitos ficariam completamente caras e deu-lhe o alimento mais
incapazes de defendê-la (Ez 7.14). fino existente para a Sua ama­
7. Sua riqueza não seria suficiente para da (Ez 16.10-14).
comprar nem mais um minuto de liber­ (5) Isso aconteceu na história de Is­
dade (Ez 7.19). rael durante o reinado de Davi
8. A cidade santa de Deus agora se tornou e o de Salomão (veja 2 Sm
a prostituta de Satanás. 8.11; 1 Rs 3.13; 10.4-7).
9. Deus, então, traria sobre Jerusalém as b. O desprezo de Israel por Deus.
piores nações e povos para ocupar su­ (1) Essa pequena que havia sido ór­
as terras e lares (Ez 7.24). fã logo desdenhou todo o Seu
10. As cidades de Judá seriam queimadas, amor e Sua fidelidade, e tor-
seus ídolos, esmagados, e seu templo, nou-se uma prostituta de rua
destruído (Ez 5.11; 6.4,6; 7.24; 24.21). (Ez 16.15-34).
11. Quatro grandes punições cairiam so­ (2) Essa ação intolerável não pode­
bre seus cidadãos: guerra, fome, feras ria deixar de ser punida, pois o
selvagens e pragas (Ez 14.21). amado Esposo também era o
12. Um remanescente, entretanto, sobrevi­ reto Juiz. Ele iria, entretanto,
veria para testemunhar a santidade de entregá-la para seus próprios
Deus e Seu ódio ao pecado (Ez 6.8-10; amantes assassinos para ser
12.16; 14.22,23). abusada e punida (Ez 16.36-
D. As seis parábolas de Ezequiel. 41).
1. A videira sem frutos (Ez 15.1-8). (3) Sua perversidade na época ha­
2. A jovem adotada que se tornou prosti­ via ultrapassado até a de sua ir­
tuta (Ez 16.1-63). mã mais velha (Samaria, capi­
a. A preocupação de Deus com Israel. tal do reino do norte) e de sua
(1) Deus encontrou, em um campo, irmã mais nova (Sodoma; veja
um bebê, uma menina abando­ Ez 16.46-51).
nada e desprezada, que estava (4) Depois de castigá-la, Deus no­
morrendo. Seu nome era Israel vamente a restauraria para si
(Ez 16.1-5). Esta é uma refe­ mesmo por causa do Seu amor
rência à escravidão de Israel por ela e Sua promessa a
para os egípcios nos primeiros Abraão (Ez 16.53,60,63).
755
G uia de W illm ington para a B íblia f MÉTODO TEOLÓGICO

3. As duas águias. 6. As duas irmãs prostitutas (Ez 23.1-49).


Os eventos mencionados nesta pa­ a. Seu pecado.
rábola narram as questões internacio­ Duas irmãs começaram sua tris­
nais de Judá, Babilônia e Egito entre te história de prostituição pratican­
597 a 588 a.C.. As figuras envolvidas do imoralidades com os Egípcios
são Joaquim, Zedequias e Nabucodo­ (Ez 23.1-3).
nosor (Ez 17.1-21; para o registro da b. Seu simbolismo.
história desse período, veja 2 Rs 24.8- O nome dessas jovens eram Oolá
20; 2 Cr 36.9-13; Jr 37; 5.1-11). e Oolibá, e elas são identificadas co­
4. O tenro renovo (Ez 17.22-24). mo Samaria e Jerusalém (Ez 23.4).
a. O crescimento do renovo. (1) A palavra O olá significa “sua
O próprio Deus afirmou que tenda” e pode ser uma referên­
um dia plantaria o melhor e mais cia ao fato de que Deus nunca
tenro renovo de todos no mais alto aprovou a falsa religião de Sa­
monte de Israel (Ez 17.22). Este re­ maria (capital do reino do nor­
novo cresceria até se transformar te) que foi instituída pelo pri­
em uma árvore nobre, abençoando meiro rei, Jeroboão (veja 1 Rs
todos que se aproximassem dela 12.25-33). Portanto, “sua ten­
por causa de seus frutos e de sua da” significa que ela tinha a
sombra (Ez 17.23). própria religião, que não in­
b. A glória do renovo. cluía Deus.
Por meio de tudo isso, todo o (2) A palavra O olibá significa “mi­
mundo conheceria o plano e o po­ nha tenda nela”, indicando tal­
der de Deus (Ez 17.24). Estes versí­ vez que a presença de Deus ain­
culos, sem dúvida, introduzem uma da habitava no templo de Jeru­
profecia messiânica (veja Is 2.2-4; salém apesar do pecado de Ju­
Mq 4.1 -4). O tenro renovo é o Mes­ dá. Está escrito aqui que ambas
sias (veja Is 11.1; 53.2; Jr 23.5,6; as jovens tornaram-se prostitu­
33.15; Zc 6.12; Ap 22.16), e o alto tas por causa da imoralidade
monte é o monte Sião (veja Sl 2.6). egípcia. Isso pode ser uma refe­
5. A mãe leoa e seus filhotes (Ez 19.1-9). rência ao fato de que ambas as
a. Uma mãe leoa e seus filhotes. Um cidades estavam marcadas pe­
de seus filhos cresceu e aprendeu a las estruturas religiosas e polí­
devorar homens. Por causa disso, ticas do Egito. Oolá, então, ini­
ele foi preso e levado ao Egito (Ez ciou relações ilícitas com a As­
19.1-4). síria (Ez 23.5). Isso aconteceu
b. Outro filhote fez a mesma coisa. Ele sob o rei do reino do norte de
também foi capturado e levado pa­ Israel, Menaém, que se aliou
ra a Babilônia (Ez 19.5-9). com a Assíria (veja 2 Rs 15.13-
c. Alguns acreditam que a mãe leoa 20). Oolibá fez a mesma coisa
citada é Hamutal, esposa de Josias com a Babilônia (Ez 23.11). O
e mãe de três reis da Judeia. O pri­ rei Ezequias tratou os represen­
meiro filho era Joacaz (2 Rs 23.31- tantes babilônicos como se fos­
34), que foi levado para uma pri­ sem deuses (veja 2 Rs 20.12-
são no Egito pelo faraó Neco. O 19; 2 Cr 32.31).
outro era Zedequias (filho mais no­ c. Sua sentença.
vo de Hamutal). Ele foi o último rei Deus, portanto, determinou que
de Judá e foi levado por Nabuco­ a brutalidade de seus respectivos
donosor para a Babilônia (2 Rs amantes se voltaria contra ambas
24.18—25.7). as irmãs (Ez 23.9,22,24).

756
P erso n a g en s do A n t i g o T e s t a m en t o

E. A visão de Ezequiel estendida do templo a. Tiro tinha se alegrado com a queda


(Ez8— 11). de Judá (Ez26.2).
1. A partida de Judá da glória de Deus. b. A cidade foi totalmente corrompi­
a. Ezequiel foi arrebatado em uma vi­ da com o bruto materialismo (Ez
são da Babilônia para Jerusalém 27.4-25).
(Ez 8.1-3). 2. O príncipe de Tiro.
b. Ele viu 70 israelitas anciãos ado­ O governante no momento em que
rando imagens satânicas no templo Ezequiel escreveu foi Ithobaal II, ele ga­
(Ez 8.4-12). bava-se de ser tão forte como um deus
c. Ele viu algumas mulheres judias e mais sábio do que Daniel (Ez 28.2-5).
chorando pelo deus babilônico fal­ 3. A punição de Tiro.
so Tamuz (Ez 8.13-14). Talvez aqui, deva-se notar que Tiro
d. Ele viu 25 homens de costas para o era, na verdade, duas cidades, uma na
templo, de frente para o leste e ado­ costa cerca de 96 km a noroeste de Je­
rando o sol (Ez 8.15,16). rusalém, e outra ilha, a 0,8 km ao mar
e. Ele viu seis anjos com armas, um Mediterrâneo. No momento da profe­
deles tinha um tinteiro de escrivão, cia de Ezequiel, os tírios estavam em
que vinham a Jerusalém com o revolta aberta contra a Babilônia.
mandamento de Deus de matar to­ a. Várias nações estavam para chegar
dos, mas aqueles a quem o anjo contra Tiro como ondas do mar
com tinteiro marcasse seriam pou­ (Ez 26.3).
pados (Ez 9.1-11). b. Apesar da forte proteção aquosa de
2. A partida da glória de Deus de Judá. Tiro, Ezequiel previu que seus mu­
a. Ele viu a nuvem da glória sobre o ros seriam demolidos e que seu
propiciatório (Ez 9.3). próprio solo seria desfeito, fazen­
b. Ela estava sobre a porta do templo do-o tão vazio como uma rocha; e
(Ez 10.4). ambas as cidades se tornariam um
c. De lá, ela moveu-se para o portão lugar para estender as redes de pes­
leste (Ez 10.18,19). ca (Ez 26.3-5).
d. Finalmente, ela pairou sobre o c. A cidade nunca mais seria habitada
monte das Oliveiras, e Ezequiel foi (Ez 26.20,21). Tudo isso ocorreu
devolvido a sua casa (Ez 11.23,24). mais tarde, durante os dias de Ale­
III. A condenação dos inimigos de Deus. xandre, o Grande, exatamente co­
A. Amom. mo Ezequiel havia profetizado.
Seu pecado foi o regozijo diabólico exi­ 4. A força sinistra por trás de Tiro (Ez
bido sobre a destruição do templo de Jeru­ 28.11-19).
salém e a morte de cidadãos de Judá (Ez a. A identidade dessa força.
25.1-7). Já apontamos que em 28.2-5,
B. Moabe. Ezequiel descreve o orgulho de
Eles haviam degradado o Senhor, olhan­ Ithobaal II, que era rei de Tiro na
do para Ele como apenas mais um deus na­ época. Mas o profeta agora vai
cional e tribal (Ez 25.8-11). além da esfera terrestre e descreve-
C. Edom. -nos a criação e a queda de uma vil
Essa nação havia massacrado judeus in­ e maligna criatura angelical. Este
defesos durante a invasão da Babilônia (Ez terrível ser é o próprio Satanás, a
25.12-14; 35.1-15). força verdadeira por trás da per­
D. Filístia (Ez 25.15-17) - revanche e vingan­ versidade de Tiro.
ça. b. As características dessa força.
E. Tiro (Ez 26.1—28.19). Satanás, antes da queda, era a
1. O pecado de Tiro. soma total de sabedoria e beleza.
757
G uia de W illmington para a B íblia MÉTODO TEOLÓGICO

(1) Ele era o querubim ungido. A. Os muitos falsos pastores (Ez 34.1-10).
(2) Ele esteve no Éden. 1. Eles alimentavam a si mesmos em vez
(3) Ele cobriu-se de pedras preciosas. do rebanho (Ez 34.2,3).
(4) Ele era equipado de instrumen­ 2. Eles não cuidaram dos fracos nem dos
tos musicais. doentes, não atou ossos quebrados
(5) Ele caiu por causa do orgulho. nem buscou os feridos (Ez 34.4).
F. Sidom (Ez 28.20-24) - rebelião contra 3. As ovelhas, então, foram espalhadas,
Deus. por não terem pastor (Ez 34.5,6).
G. Egito (Ez 29.1—32.32). 4. Elas tornaram-se presas dos animais
1. Sua punição história (por Nabucodo- selvagens (Ez 34.5).
nosor). 5. Portanto, os pastores seriam punidos
a. O pecado do Egito, assim como o (Ez 34.7-9).
de muitas outras nações, era o or­ a. A posição deles como pastor seria
gulho (Ez 29.3,6). removida (Ez 34.10).
b. Ezequiel, portanto, anunciou a des­ b. Eles não seriam alimentados pelo
truição do Faraó, do povo e até dos Grande Pastor (Ez 34.9,10).
animais (Ez 29.8-12). c. Eles seriam julgados e destruídos
c. No capítulo 3 1 , o Egito é descrito (Ez 34.16).
como um poderoso cedro do Líba­ B. O verdadeiro Pastor (Ez 34.11-31).
no, acima de todas as outras árvo­ 1. Ele buscaria as ovelhas perdidas (Ez
res. Os pássaros descansavam em 34.11).
seus galhos, e os animais davam à 2. Ele as salvaria de seus inimigos (Ez
luz embaixo de sua sombra. Mas, 34.12).
logo a árvore foi corrompida pelo 3. Ele as juntaria dentre todas as nações
orgulho, e Deus ordenou que os le­ (Ez 34.13).
nhadores babilônicos a cortassem. 4. Ele as alimentaria nos montes de Israel
d. Ezequiel informa-nos que Nabuco- (Ez 34.14).
donosor conquistou o Egito por 5. Ele lhes daria descanso em pastos ver­
sua riqueza, com o objetivo de pa­ des (Ez 34.15).
gar seus soldados após o longo cer­ 6. Ele colocaria talas e ataduras em seus
co de Tiro (Ez 29.17-21). membros quebrados (Ez 34.16).
e. O Egito ficaria desolado por 40 7. Ele curaria as doentes (Ez 34.16).
anos (Ez 29.9,11). 8. Ele estabeleceria Davi como seu
f. Após o período de punição de 40 subpastor de confiança (Ez 34.23; veja
anos, o Egito seria restaurado até também Jr 30.9; Ez 37.24; Os 3.5).
certo ponto, mas seria para sempre 9. Ele faria um pacto eterno com eles (Ez
um reino menor (Ez 29.13-15). 34.25).
g. Israel nunca mais dependeria do 10. Ele garantiria a segurança deles e os co­
Egito (Ez 29.16). locaria em um paraíso perfeito (Ez
2. Sua punição futura (por Deus) (Ez 34.25-28).
30.1-19). V. A restauração da nação de Deus - Israel.
Embora o nome Nabucodonosor A. A necessidade dessa restauração.
apareça nesta passagem (Ez 30.10), Israel já havia sido tirada da Palestina
considera-se que o cumprimento final por causa do seu pecado (Ez 36.17-19).
dos julgamentos mencionados aqui irá B. Os motivos dessa restauração.
ocorrer durante a tribulação. De acor­ 1. Envergonhar as nações gentias que
do com Daniel (Ez 11.40-43), o Egito riram da tragédia de Israel (Ez 36.1-
será destruído durante a tribulação. 7).
IV. A apresentação do Pastor de Deus - Jesus 2. Exonerar o grande nome de Deus (Ez
Cristo. 36.20-23,32).
758
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

Estava sendo espalhado o rumor de 7. Ser justificado entre as nações (Ez 36.30).
que o Deus de Israel era incapaz (ou 8. Ter uma colheita farta (Ez
não queria) de proteger e purificar o 36.29,30,34,35).
próprio povo. 9. Repovoar as cidades de Israel, princi­
C. A visão dessa restauração (Ez 37.1-14). palmente Jerusalém (Ez 36.28).
1. Ezequiel foi comandado a profetizar 10. Ocupar a terra santa para sempre (Ez
sobre um vale cheio de ossos humanos 37.25; veja também Ez 11.16,17;
velhos e secos, espalhados por todo la­ 20.34; 28.25; 34.11-13).
do (Ez 37.1-6). VI. A demonstração da ira de Deus - Rússia.
2. De repente, houve um farfalhar de to­ A. A identidade dos invasores.
do o vale, e os ossos de cada corpo uni- Nos marcantes capítulos de Ezequiel 38
ram-se e conectaram-se entre si como e 39, o profeta descreve para nós uma in­
eram antes (Ez 37.7). vasão à Palestina por uma nação perversa
3. Depois disso, os músculos e a carne ao norte de Israel nos últimos dias (Ez
nasceram sobre os ossos, e a pele co- 38.2,3).
briu-os (Ez 37.8). B. Os aliados na invasão.
4. Mas o corpo completo não tinha fôle­ Seriam a Pérsia, Etiópia, Líbia, Gômer e
go. Ezequiel, então, foi ordenado a Togarma (Ez 38.5,6).
profetizar sobre eles para que recebes­ C. O motivo da invasão.
sem fôlego. Ele o fez (Ez 37.9-13). Subirei [...] a fim de tomar o despojo, e de
D. O símbolo dessa restauração (Ez 37.15-22). arrebatar a presa (Ez 38.11,12).
1. Ezequiel deveria gravar as seguintes D. A destruição dos invasores.
palavras em dois pedaços de madeira: A nação seria completamente derrotada
a. No primeiro pedaço de madeira: nos montes de Israel. Essa derrota esmaga­
Por Judá e pelos filhos de Israel, dora acontecerá após os seguintes eventos,
seus companheiros (Ez 37.16). causados pelo próprio Deus:
b. No segundo pedaço de madeira: 1. Um poderoso terremoto (Ez 38.19,20).
Por José, vara de Efraim, e por toda 2. Um motim entre as tropas (Ez 38.21).
a casa de Israel, seus companheiros 3. Uma praga entre as tropas (Ez 38.22).
(Ez 37.16). 4. Enchentes, saraiva, fogo e enxofre (Ez
2. Ele, então, deveria segurar os dois pe­ 38.22; 39.6).
daços de madeira na mesma mão, indi­ E. Os resultados da invasão.
cando que os dois reinos um dia seriam 1. Cinco sextos (83%) dos soldados se­
unidos novamente (Ez 37.17-22). rão destruídos (Ez 39.2).
E. Os resultados dessa restauração. 2. O primeiro banquete sinistro de Deus
1. Para tornar-se o povo de Deus nova­ começará (Ez 39.4,17-20). Um ban­
mente (Ez 36.28; 37.27). quete similar irá acontecer depois,
2. Para ser espargido com água pura (Ez após a Batalha do Armagedom (Mt
36.25,29,33). 24.28; Ap 19.17,18).
Isso era, obviamente, uma alusão ao 3. A ameaça da nação cessará para sem­
ritual mosaico de purificação (veja Nm pre.
19.17-19). 4. Serão necessários sete meses para en­
3. Possuir o ministério do Espírito Santo terrar os mortos (Ez 39.11-15).
que habita internamente (Ez 36.27; 5. Serão necessários sete anos para quei­
37.14). mar as armas de guerra (Ez 39.9,10).
4. Receber um novo coração e os desejos VII. A manifestação da glória de Deus - o templo.
certos (Ez 36.26). A. Suas dimensões (Ez 40— 42; 43.13-18).
5. Ter as bênçãos do novo templo (Ez B. Seu propósito.
37.26-28). 1. Oferecer uma habitação para a nuvem
6. Ser governado por Davi (Ez 37.24,25). de glória (Ez 43.1-6).
759
G uia p e W iilm in gto n para a B íblia r MÉTODO TEOLÓGICO

2. Oferecer um centro para o Rei de gló­ estará presente novamente. Há pelo menos
ria (Ez 43.7). quatro profecias do Antigo Testamento
C. Seu sacerdócio. que falam de sacrifícios animais no templo
Os filhos de Zadoque serão os sacerdo­ do milênio (Is 46.6,7; 60.7; Jr 33.18; Zc
tes (veja Ez 40.46; 43.19; 44.15; 48.11). 14.16-21). Mas qual a necessidade desses
Zadoque será o sumo sacerdote nos dias sacrifícios de sangue durante a era de ouro
do rei Davi. do milênio? Eles servirão de:
D. Seu príncipe. 1. Um lembrete para todos da necessida­
Na descrição do templo, Ezequiel refe­ de de nascer de novo.
re-se a um misterioso príncipe 17 vezes (Ez 2. Uma lição objetiva do preço da salvação.
45.7,8,17; 46.1-20). Independente de 3. Um exemplo da tristeza do pecado.
quem ele seja, ele terá um papel muito im­ 4. Uma ilustração da grandeza de Deus.
portante no templo, aparentemente tendo G. Seu rio (Ez 47.1-12).
um lugar intermediário entre o povo e o 1. A fonte do rio.
sacerdócio. Temos certeza de que ele não é Ele irá fluir por debaixo do templo
Cristo, pois prepara uma oferta de pecado (Ez 47.1).
para si mesmo (Ez 45.22), é casado e tem 2. O curso do rio.
filhos (Ez 46.16). Alguns estudiosos suge­ Ele irá fluir para o leste e depois pa­
rem que o príncipe é da semente do rei Da­ ra o sul por meio do deserto e do rio
vi e que ele foi para Davi o que o falso pro­ Jordão ao mar Morto, onde suas águas
feta será para o anticristo. doces irão purificar esse corpo de água
E. Suas características únicas. poluído e sem vida (Ez 47.1,7,9,12).
Muitos artigos e objetos presentes no 3. A força do rio.
tabernáculo de Moisés e nos templos de Primeiro, ele chegou nos tornozelos
Salomão e Herodes estarão ausentes do de Ezequiel, depois nos joelhos, depois
templo do milênio. na cintura e, finalmente, ele nadou em
1. Não haverá véu. suas profundezas desconhecidas (Ez
2. Não haverá mesa de pão. 47.3-5).
3. Não haverá candelabros. H. Sua nuvem de glória (Ez 43.1 -5).
4. Não haverá a arca do concerto. I. Sua cidade.
5. A porta oriental será fechada (Ez 44.2). 1. Jerusalém irá tornar-se o centro de
Foi sugerido que esta porta será fecha­ adoração do mundo e irá ocupar um
da pelos seguintes motivos: local elevado (Zc 14.10; veja também
a. E a porta pela qual o Senhor Jesus Is 2.2,3).
Cristo entra no templo. Como 2. A cidade terá 10 km de circunferência
marca de honra a um rei oriental, (Ez 48.35). Na época de Cristo, a cida­
ninguém poderia entrar pela mes­ de tinha aproximadamente 6.4 km.
ma porta que ele. Haverá 12 portões no muro da cidade.
b. Foi da porta oriental que a glória de Cada um terá o nome de uma das 12
Deus partiu pela última vez no An­ tribos de Israel.
tigo Testamento (Ez 10.18,19). Se­ 3. A cidade será chamada de Jeová-Sha-
lando a porta, Deus lembraria a to­ má, que significa O SENHOR Está Ali
dos que estavam dentro de que a (Ez 48.35).
sua glória nunca mais se separaria
de seu povo. S u m á r io t e o l ó g ic o
F. Seus sacrifícios. I. Ezequiel registrou que Deus falou com ele pes­
Como já vimos, muitas peças de mobí­ soalmente em pelo menos 90 ocasiões, mais do
lia do templo do Antigo Testamento não que qualquer outro autor da Bíblia.
estarão presentes no prédio do milênio. II. Em cada uma dessas ocasiões, Deus referiu-se
Entretanto, o altar de bronze de sacrifício a Ezequiel como “filho do homem”.
760
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

III. Ezequiel conhecia Daniel e mencionou-o em 2. A decisão.


duas ocasiões. Um remanescente dos judeus em ca­
A. Referindo-se à retidão de Daniel (Ez tiveiro, aproximadamente 42.360 (Ed
14.14,20). 2.64), respondeu ao decreto e iniciou a
B. Referindo-se à sabedoria de Daniel (Ez viagem para Jerusalém, levando com
28.3). eles 5.400 vasos de ouro e prata que
IV. Ezequiel tinha muito a dizer sobre a nuvem de Nabucodonosor havia levado do tem­
glória de Deus. plo. Eles também levaram: o Urim e o
A. Ele viu a sua retirada (Ez 10.18). Tumim (Ed 2.63); 7.337 servos (Ed
B. Ele viu o seu retorno (Ez 43.2). 2.65); 200 cantores (Ed 2.65); 736 ca­
V. Ezequiel pode ser comparado a Oseias. valos (Ed 2.66); 245 mulas (Ed 2.66);
A. Oseias retratou Israel como a esposa adúl­ 435 camelos (Ed 2.67); 6.720 jumen­
tera e mentirosa de Deus (Os 2.1—3.5). tos (Ed 2.67); 61 mil daricos de ouro,
B. Ezequiel retratou Israel como a filha ado­ que eqüivalem a aproximadamente
tada ingrata e imoral de Deus (Ez 16). 100 milhões de dólares (Ed 2.69); cin­
VI. Ezequiel 34 pode ser comparado a João 10. co mil arráteis de prata, que eqüivalem
Ambos os capítulos falam das características a aproximadamente 1,5 milhão de dó­
de falsos e verdadeiros pastores. lar (Ed 2.69); e 100 vestes sacerdotais
(Ed 2.69).
D ados 3. A dedicação.
Pai: Buzi (Ez 1.3). a. Ao chegar em Jerusalém, o altar foi
Esposa: seu nome não é mencionado (Ez 24.18). construído, e o sistema de sacrifí­
Citado pela primeira vez na Bíblia: Ezequiel 1.3. cios de Moisés liderado por Josué
Citado pela última vez: Ezequiel 24.24. foi reinstituído. Ele era neto do úl­
Significado do nome: “Deus é forte”. timo sumo sacerdote de Judá antes
Mencionado: 95 vezes (93 vezes como “filho do do cativeiro na Babilônia.
homem”). ( 1 ) 0 altar foi erigido no primeiro
Livro da Bíblia que cita Ezequiel: um livro (Eze­ dia do sétimo mês, que era o
quiel). início da Festa das Trombetas
Cargos: sacerdote e profeta (Ez 1.3; 2.3,4). (Ed 3.6).
Lugar onde nasceu: Judá. (2) A Festa dos Tabernáculos foi,
Lugar onde faleceu: Babilônia. então, celebrada, do dia 15 ao
Detalhe importante sobre a vida de Ezequiel: ele dia 22 do sétimo mês (Ed 3.4;
forneceu a descrição mais completa dos que­ veja também Lv 23.34-36).
rubins e do templo do milênio de toda a Bí­ b. Em junho de 535 a.C., uma cerimô­
blia (Ez 1.5-24; 41—44). nia incrível e incomum do templo
era celebrada (Ed 3.10-13).
(1) Algumas pessoas cantavam.
ESDRAS Essas eram as gerações mais
novas, nascidas em cativeiro,
S u m á r io c r o n o l ó g ic o que agora tinham um templo
I. Primeira viagem de volta. próprio pela primeira vez.
A. Zorobabel, conduzindo. (2) Algumas pessoas sofriam.
Isso aconteceu antes dos dias de Esdras Essas eram as gerações mais
e é um relato histórico (Ed 1— 6). antigas, nascidas em Jerusalém,
B. O rei, declarando. que viram o grande templo de
1. O decreto. Salomão e agora o compara­
Deus colocou um desejo no coração vam ao que estava sendo dedi­
de Ciro: o de fazer seu decreto de retor­ cado, que era muito menor.
no (Ed 1.2,3). C. O diabo, difamando.
761
G uia d e W illmington para a B íblia = MÉTODO TEOLÓGICO

Satanás tentou o seu melhor para evitar Portanto, a primeira parte do livro é histó­
que o templo fosse construído. rica (Ed 1— 6), e a parte final é biográfica
1. Ele tentou acomodação (Ed 4.1-3). (Ed 7— 10).
a. O pedido dos inimigos de Judá (Ed B. A cooperação do rei (Artaxerxes).
4.2). Ele ajudou grandemente neste segundo
b. A rejeição dos aliados de Judá. retorno, enviando uma carta oficial a três
Zorobabel, Josué e os anciãos grupos (Ed 7).
judeus recusaram esse pedido, sa­ 1. Para todos os judeus da Babilônia, en-
bendo que seus inimigos também corajando-os a retornar (Ed 7.11-20).
adoravam ídolos. 2. Para todos os oficiais da Pérsia que es­
2. Ele tentou intimidação (Ed 4.4). tavam no lado oeste do rio Eufrates a
3. Ele tentou acusação (Ed 4.5-24). fim de ajudarem no retorno (Ed 7.21-
a. Seus inimigos contrataram conse­ 24).
lheiros para frustrá-los. a. Eles deveriam contribuir com a ma­
b. Eles também escreveram cartas pa­ nutenção do templo (Ed 7.21-23).
ra difamá-los. b. Eles estavam proibidos de tributar
D. O Senhor, sustentando. sobre o templo (Ed 7.24).
Apesar disso, Deus estava trabalhando. 3. Para Esdras (Ed 7.25-28).
1. Ageu e Zacarias iniciaram seus minis­ C. A preparação para a viagem (Ed 8).
térios de consolo nessa época (Ed Esdras partiu em março de 457 a.C.
5.1,2). com aproximadamente cinco mil pessoas.
2. Depois que os inimigos de Judá inter­ Eles chegaram em agosto daquele ano, le­
romperam a obra do templo por um vando mais de 20 milhões de dólares com
tempo, ela continuou e foi concluída eles (8.24-31).
em 12 de março de 515 a.C. (Ed 6.15). 1. Um censo rápido, feito no caminho,
a. Os oficiais inimigos escreveram vários dias depois de partirem para Je­
uma carta para o rei Dário, exigin­ rusalém, revelou que nenhum levita
do que fizessem uma busca nos re­ havia se juntado ao grupo (Ed 8.15).
gistros persas para validar a alega­ 2. Uma delegação especial, enviada de
ção dos judeus de que o rei Ciro volta por Esdras, convenceu 40 levitas
havia emitido uma permissão ofi­ a partirem (Ed 8.16-20).
cial para que reconstruíssem o tem­ 3. Esdras declarou um jejum ao lado do
plo (Ed 5.3-17). rio Aava (Ed 8.21-23).
b. Uma busca foi feita, e o decreto foi D. A súplica do escriba (Ed 9).
descoberto (Ed 6.1-5). 1. Esdras logo descobriu que os judeus
c. Dário, então, enviou ordens não só que já estavam na cidade santa com­
para que a obra do templo conti­ prometeram seu testemunho pratican­
nuasse mas para que os oficiais do costumes pagãos e até mesmo ca-
persas do local ajudassem a finan­ sando-se com mulheres pagãs (Ed
ciá-la (Ed 6.6-12). 9.1,2).
d. O templo, depois de ser finalizado, 2. O grande professor das Escrituras ime­
foi dedicado (Ed 6.16). diatamente caiu em profundo lamento
e. A Páscoa foi observada em 14 de e derramou a alma para Deus diante
Abril de 515 a.C. (Ed 6.19). dessa trágica situação (Ed 9.3-15).
II. A segunda viagem de volta. a. Sua dor (Ed 9.3)
A. A liderança de Esdras. b. Sua oração.
Isso aconteceu na época de Esdras e é (1) Ele reconheceu os pecados pas­
um relato biográfico (Ed 7— 10). Há um sados de Israel (Ed 9.6,7).
período de 60 anos entre os capítulos 6 e (2) Ele reconheceu os pecados atu­
7 de Esdras. Na época, Esdras nasceu. ais de Israel (Ed 9.10-15).
762
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

(3) Ele reconheceu a graça contínua Citado pela primeira vez na Bíblia: Esdras 7.1.
de Deus (Ed 9.8,9). Citado pela última vez: Neemias 12.36.
E. A purificação do povo (Ed 10). Significado do nome: “Auxílio”.
1. Logo, a convicção do pecado estabele- Mencionado: 24 vezes.
ceu-se no coração dos líderes (Ed Livros da Bíblia que citam Esdras: dois livros (Es­
10 . 1 ). dras, Neemias).
2. Uma proclamação foi feita em toda Ju­ Cargos: profeta, sacerdote, escriba, doutor da Lei.
dá (Ed 10.3,7,9). Lugar onde nasceu: Pérsia.
a. A resolução. Lugar onde faleceu: Jerusalém.
Que os homens de Israel façam Detalhe importante sobre a vida de Esdras: ele li­
um concerto com Deus, concor­ derou o segundo (de três) retorno dos judeus
dando em separarem-se de todas as da Pérsia para Jerusalém.
esposas pagãs.
b. A resposta (Ed 10.9).
3. Ao ouvir o sermão de Esdras, os ho­ GADE
mens concordaram em separar-se de
suas esposas pagãs (Ed 10.10-12). S u m á r io c r o n o l ó g ic o
I. Sua revelação a Davi.
S u m á r io t e o l ó g ic o A. Antes de Davi tornar-se rei.
I. O ministério singular de Esdras. Ele aconselhou-o a deixar a caverna de
A. Esdras iniciou seu ministério na Pérsia, no Adulão, onde Davi estava morando, e re­
reinado do rei Artaxerxes (Ed 7.1). tornar à terra de Judá (1 Sm 22.5).
B. Ele era sacerdote (Ed 7.11; Nm 12.26). B. Depois que Davi tornou-se rei.
C. Esdras também era um mestre talentoso, 1. Ele disse a Davi que Deus permitiria
conhecedor da Lei de Moisés e totalmente que ele escolhesse um dos três tipos de
dedicado à proclamação da Palavra de punição após o pecado do rei de fazer
Deus (Ed 7.6,10). o censo do povo (2 Sm 24.11-14).
D. Esdras liderou o segundo dos três retornos 2. Após o cumprimento da punição de
dos judeus da Pérsia a Judá. Deus, Gade informou Davi que o Se­
II. A cooperativa do ministério de Esdras. nhor queria que o rei construísse um
A. Muitos anos depois, ele foi acompanhado altar no arado que pertencia a Araúna
do profeta Neemias (Ne 2.11). (também chamado de Ornã) o jebuseu
B. Em cima de uma alta plataforma de madei­ (2 Sm 24.16-19; 1 Cr 21.18,19).
ra em Jerusalém, Esdras leu a Palavra de II. Seu relato sobre Davi.
Deus ao povo reunido diante da porta da Juntamente com os profetas Samuel e Natã,
água de manhã até o meio dia (Ne 8.1-4). Gade depois registrou a vida e a época do rei
C. Ele, então, exortou o povo a alegrar-se ao Davi (1 Cr 29.29,30).
ouvir a Lei de Moisés e instruiu-os acerca
de como celebrar a Festa dos Tabernáculos D ados
(Ne 8.9,12-17). Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Samuel
D. Por um total de sete dias, Esdras continuou 22.5.
sua leitura pública das Escrituras (Nm 8.18). Citado pela última vez: 2 Crônicas 29.25.
E. Esdras, então, ajudou a liderar a celebra­ Significado do nome: “Vidente, sorte”.
ção musical após a construção do muro em Mencionado: 13 vezes.
volta de Jerusalém (Ne 12.27,36). Livros da Bíblia que citam Gade: quatro livros (1
Samuel, 2 Samuel, 1 Crônicas, 2 Crônicas).
D ados Cargo: profeta (1 Sm 22.5).
Pai: Seraías (Ed 7.1). Detalhe importante sobre a vida de Gade: ele mi­
Ancestrais importantes: Zadoque e Arão (Ed nistrou a Davi durante a praga do anjo da
7.1-5). morte (1 Cr 21).
763
G u ia de W illm in g to n para a B íb lia {= MÉTODO TEOLÓGICO

GE DALI AS [GEAZI

S u m á r io c r o n o l ó g ic o S u m á r io c r o n o l ó g ic o
I. Sua nomeação por Nabucodonosor. I. Geazi, o servo fiel.
A. Gedalias e Jeremias. A. Geazi sugeriu que Eliseu, seu senhor, pedis­
1. Gedalias era o neto de Safã, secretário se a Deus que abençoasse o ventre infértil
do rei Josias (2 Rs 25.22). de uma mulher de Suném, que teve grande
2. Ele foi escolhido pelo rei da Babilônia bondade com eles. Eliseu orou, e a mulher
Nabucodonosor, para ser governante teve um filho (2 Rs 4.8-17).
de Judá após a queda de Jerusalém (2 B. Com a morte do jovem, muito tempo de­
Rs 25.23). pois, Eliseu instruiu Geazi a tomar o caja­
3. Ele fez a sua base na cidade de Mispa do do profeta e a encostá-lo no cadáver da
(2 Rs 25.23; Jr 40.10). criança (2 Rs 4.29-31).
4. Nabucodonosor libertou o profeta Je­ C. Logo depois, Eliseu chegou à cena, ressus­
remias, que havia sido preso por sua citou o jovem e disse para Geazi trazer a
ousada pregação sobre pecado durante mãe para uma feliz reunião (2 Rs 4.32-36).
os últimos dias de Judá e confiou-o D. Geazi, depois, relatou esse milagre de Eliseu
Gedalias, que o protegeria (Jr 39.11- ao rei de Israel. Ao mesmo tempo, ele foi ca­
14; 40.5,6). paz de apoiar a mulher sunamita perante o
B. Gedalias e Joanã. rei. Como resultado, a terra que ela perdeu
1. Gedalias foi alertado por Joanã, um depois de mudar-se para a Filístia por sete
oficial do exército israelita, de que ou­ anos foi recuperada pelo rei (2 Rs 8.1-6).
tro soldado, chamado Ismael, foi con­ II. Geazi, o servo amedrontado.
tratado pelo rei amonita para assassi- A. O desespero.
ná-lo (Jr 40.13,14). A cidade de Geazi, Dotã, foi cercada
2. Gedalias, no entanto, recusou-se a por tropas inimigas enviadas pelo rei da Sí­
acreditar nesse relatório (Jr 40.14-16). ria para prendê-lo juntamente com Eliseu
II. Seu assassinato por Ismael. (2 Rs 6.13,14).
A. Gedalias foi morto por Ismael em um ban­ B. A declaração.
quete em Mispa (Jr 41.1,2). 1. Geazi.
B. Seu corpo, sem vida, foi, então, jogado em Ai! Meu senhor! Que farem os? (2
uma cisterna, que fora feita pelo rei judeu Rs 6.15).
Asa (Jr 41.9). 2. Eliseu.
N ão temas; porque mais são os que
D ados estão conosco do que os que estão com
Pai: Aicão (2 Rs 25.22). eles (2 Rs 6.16).
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 25.22. C. A demonstração.
Citado pela última vez: Jeremias 43.6. 1. O pedido (2 Rs 6.17).
Significado do nome: “Deus é grande”. 2. A revelação (2 Rs 6.17).
Mencionado: 27 vezes. III. Geazi, o servo infiel.
Livros da Bíblia que citam Gedalias: dois livros A. Ele ficou avarento e ganhou dinheiro sob um
(2 Reis, Jeremias). falso pretexto de Naamã, um soldado que
Cargo: governador de Judá (2 Rs 25.22). Eliseu havia curado de lepra (2 Rs 5.19-25).
Lugar onde faleceu: em um banquete em Mispa B. Por causa disso, ele foi punido sofrendo o
(Jr 41.1,2). mesmo tipo de lepra que Naamã tinha (2
Como foi morto: ele foi morto por Ismael e ou­ Rs 5.26,27).
tros dez homens (Jr 41.1,2).
Detalhe importante sobre a vida de Gedalias: ele Dados
foi nomeado governador por Nabucodonosor Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 4.12.
após a destruição de Jerusalém (2 Rs 25.22). Citado pela última vez: 2 Reis 8.5.
764
— P erso n a g en s do A n t i g o T e s t a m en t o

Significado do nome: “Negador, diminuidor”. C. O anjo encarregou-o de juntar um exército


Mencionado: 12 vezes. e derrotar os midianitas (Jz 6.13-16).
Livro da Bíblia que cita Geazi: um livro (2 Reis). II. Os altares.
Cargo: mordomo do profeta Eliseu (2 Rs 4.12). A. Construindo um altar para Deus.
Como foi morto: ele morreu de lepra (2 Rs 5.25- 1. Gideão ofereceu um sacrifício animal
27). diante do anjo, fazendo com que fogo
Detalhe importante sobre a vida de Geazi: ele foi sobrenatural o consumisse (Jz 6.17-23).
servo de Eliseu, e tentou enganá-lo aceitando 2. Ele, então, construiu um altar e cha-
secretamente um presente de Naamã (2 Rs mou-o de Jeová-Shalom, que significa
5.21-25). SENHOR É Paz (Jz 6.24).
B. A derrubada do altar de Baal.
1. Naquela noite, Deus instruiu-o a der­
Gisüvn rubar o altar pagão de seu pai para Ba­
al e substituí-lo por um altar para
S u m á r io c r o n o l ó g ic o Deus, e ele o fez (Jz 6.25-27).
I. A hostilidade de Gesém. 2. Por causa disso, Gideão recebeu o ape­
A. Ele era árabe. lido de Jerubaal que significa Baal con­
B. Ele era o terceiro membro de um trio pro­ tenda (Jz 6.32).
blemático dos dias de Neemias. Os outros III. A unção.
dois eram Sambalate e Tobias (Ne 2.19). O Espírito de Deus veio sobre Gideão, e ele
II. O assédio de Gesém. soou uma trombeta, convocando um exército
Ele tentou (sem sucesso), por meio de vários das tribos de Manassés, Aser, Zebulom e Naf-
métodos de assédio, impedir Neemias de re­ tali (Jz 6.33-35).
construir o muro em torno de Jerusalém. IV. A garantia.
A. Ridicularizando (Ne 2.19). Ainda precisando do encorajamento de
B. Assassinando (Ne 6.1,2). Deus, Gideão pediu e recebeu dois sinais espe­
C. Caluniando (Ne 6.6). cíficos, ambos relacionados com um novelo de
lã que ele planejava colocar na eira.
D ados A. Novelo molhado, chão seco.
Citado pela primeira vez na Bíblia: Neemias 2.19. Ele pediu que o novelo ficasse molhado
Citado pela última vez: Neemias 6.6. na manhã seguinte, enquanto o chão per­
Significado do nome: “Chuva”. manecesse seco (Jz 6.36-38).
Mencionado: três vezes. B. Novelo seco, chão molhado.
Livro da Bíblia que cita Gesém: um livro (Nee­ Ele, então, pediu que no dia seguinte o
mias). novelo estivesse seco e o chão à sua volta
Detalhe importante sobre a vida de Gesém: ele foi estivesse molhado (Jz 6.39,40).
um dos três desordeiros que se opuseram a V. O exército.
Neemias (Ne 2.19). A. Desejando que Gideão dependesse de Deus
em vez da força humana para vencer, Deus
ordenou que ele reduzisse seu exército (Jz
7.1,2).
(Veja também O estágio dos juizes, vol. 1, p. 106) B. Quase imediatamente, ele viu o tamanho
do seu exército cair (Jz 7.3-6):
S u m á r io c r o n o l ó g ic o 1. De 32 mil para 10 mil.
I. O anjo do Senhor. 2. De 10 mil para 300.
A. Gideão era da tribo de Manassés. C. A vitória foi-lhe garantida com esses 300
B. Um anjo de Deus apareceu para ele embai­ homens, apesar do fato de seu inimigo pos­
xo de um carvalho na cidade de Ofra, suir 135 mil tropas (Jz 7.7; 8.10).
quando ele malhava trigo no lagar, para es- VI. O ataque.
condê-lo dos midianitas (Jz 6.11,12). A. Eventos antes da batalha.

765
G uia de W illm ingto n para a B íblia m é t o d o t e o l ó g ic o

Novamente, Gideão foi encorajado, na Citado pela última vez: Hebreus 11.32.
véspera da batalha; desta vez, foi visitando Significado do nome: “Grande guerreiro, talha-
o campo inimigo e ouvindo uma conversa dor, lenhador”.
entre dois soldados midianitas sobre um Mencionado: 40 vezes.
sonho divino, no qual o seu nome era men­ Livros da Bíblia que citam Gideão: dois livros
cionado (Jz 7.8-15). (Juizes, Hebreus).
B. Eventos na batalha. Cargos: soldado, juiz (Jz 6.14; 8.28).
1. Gideão atacou o inimigo com seus 300 Lugar onde nasceu: Ofra (Jz 6.11,12; 8.27).
homens. Após um dado sinal, cada ho­ Detalhe importante sobre a vida de Gideão: ele
mem soou sua buzina e esmagou o cân­ derrotou um exército vastamente superior
taro que estava carregando, que revela­ com 300 homens (Jz 7.22; 8.10,12).
va uma tocha acesa, e gritaram: Espada
do SENHOR e de Gideão (Jz 7.16-20).
2. Os midianitas fugiram de medo (Jz GOLIAS
7.22).
3. E 120 mil inimigos foram mortos à es­ S u m á r io c r o n o l ó g ic o
pada (Jz 8.10). I. O contexto de Golias.
4. Quatro líderes midianitas foram cap­ A. Ele era um poderoso guerreiro filisteu da
turados e mortos no curso da batalha cidade de Gate (1 Sm 17.4).
(Jz 7.25; 8.12,21). B. Ele tinha aproximadamente 3 metros de al­
5. A vitória de Gideão resultou em um pe­ tura (1 Sm 17.4).
ríodo de paz na terra de 40 anos (Jz C. Ele usava um capacete de bronze na cabe­
8.28). ça (1 Sm 17.5).
6. Sua grande vitória foi referida em He­ D. Sua armadura de bronze pesava cinco mil
breus 11.32. siclos de bronze (1 Sm 17.5).
C. Eventos após a batalha. E. O cabo de sua lança era como o eixo do te­
Havia três aspectos negativos nessa glo­ celão, e sua ponta de ferro pesava seiscen-
riosa batalha. tos siclos de ferro (1 Sm 17.7).
1. A hostilidade da tribo de Efraim foi in­ II. A vangloria de Golias.
citada contra Gideão, acusando-o de A. Ele blasfemou contra Deus, desafiando e
não tê-los incluído na batalha (Jz 8.1-3). aterrorizando os exércitos de Israel de Saul
2. A punição foi imposta por Gideão so­ por 40 dias (1 Sm 17.11,16,24).
bre a cidade israelita de Sucote por ter- B. Ele exigiu que Israel enviasse seu campeão
-se recusado a alimentar suas tropas fa­ para enfrentá-lo na batalha (1 Sm 17.8-
mintas (Jz 8.4-8,13-17). 10 ).
3. Os irmãos de Gideão foram mortos pe­ C. Ele ficou furioso quando o jovem Davi
los midianitas (Jz 8.18-20). avançou para encontrá-lo (1 Sm 17.42).
VII. A apostasia. D. Ele amaldiçoou Davi por seus deuses e pro­
A. Após a batalha, Gideão recusou o convite meteu dar a sua carne aos pássaros e feras
dos homens de Israel de reinar sobre eles, (1 Sm 17.43,44).
mas exigiu que enviassem ouro para um III. A decapitação de Golias.
éfode (Jz 8.22-27). A. Ele foi morto por Davi, que lançou uma pe­
B. Esse pedido foi atendido rapidamente, mas dra e atingiu o gigante na testa (1 Sm 17.49).
com resultados trágicos (Jz 8.27). B. Davi, então, usou a própria espada de Go­
lias para lhe cortar a cabeça (1 Sm 17.50,51).
D ados

Pai: Joás (Jz 6.11). D ados


Filhos: 71, dois têm seus nomes mencionados: Irmão: Lami (1 Cr 20.5).
Abimeleque e Jotão (Jz 9.1,5). Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Samuel
Citado pela primeira vez na Bíblia: Juizes 6.11. 17.4.
766
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

Citado pela última vez: 1 Crônicas 20.5. Mencionada: três vezes.


Significado do nome: “Exilado, adivinho”. Livro da Bíblia que cita Gomer: um livro (Oseias).
Mencionado: seis vezes. Detalhe importante sobre a vida de Gomer: ela
Livros da Bíblia que citam Golias: três livros (1 era a esposa infiel do profeta Oseias, prosti­
Samuel, 2 Samuel, 1 Crônicas). tuta (Os 1.2,3; 3.1,2).
Cargo: soldado (1 Sm 17.4-10).
Lugar onde faleceu: em um campo de batalha (1
Sm 17.1-4,51). HABACUQUE
Como foi morto: ele foi morto por uma pedra da
funda de Davi (1 Sm 17.49-51). S u m á r io c r o n o l ó g ic o

Detalhe importante sobre a vida de Golias: ele é I. Armando a cena.


a pessoa mais alta de quem se tem registro nas Na época em que Habacuque foi escrito, os
Escrituras (1 Sm 17.4). babilônios, os novos mestres do Oriente Mé­
dio, já haviam ameaçado a pequena Judá a ex­
tinção. Mas, talvez fosse ainda pior o fato de as
GOMER condições espirituais estarem no menor nível já
registrado. Este é o contexto que dá origem às
S u m á r io c r o n o l ó g ic o dúvidas espirituais e clamores do livro de Ha­
I. Gomer e o pecado de prostituição. bacuque.
A. Ela era esposa do profeta Oseias (Os II. As dúvidas.
1.2,3). A. A pergunta dele - “Você irá punir nossa
B. Antes do casamento, Gomer era uma pros­ nação?”.
tituta comum (Os 1.2). O profeta sofria pela perversidade de
II. Gomer e o pecado de adultério. Judá.
A. A luxúria de Gomer. 1. A lei era ignorada (Hc 1.4).
1. Depois do casamento, ela logo voltou 2. A justiça estava pervertida (Hc 1.4).
aos seus caminhos perversos de antes 3. A justiça estava cercada de iniqüidade
(Os 2.2; 3.3). (Hc 1.4).
2. Ela abandonou Oseias por amantes B. A resposta de Deus - “Irei, por meio dos
mundanos (Os 2.5). inimigos de Judá”.
3. Ela acabou no mercado escravo. Isso se cumpriria durante a vida de Ha­
B. O amor de Oseias. bacuque (Hc 1.5). Deus estava suscitando
1. Apesar de sua infidelidade, Gomer ain­ uma nova força no cenário mundial, os cal-
da era amada por Oseias, assim como deus (Hc 1.6).
Israel era amada por Deus (Os 3.1). 1. Eles eram uma lei por si mesmos (Hc
2. Ele tentou argumentar com ela. Oseias
1 J)-
até pediu que seus filhos suplicassem à 2. Seus cavalos eram mais ágeis que leo­
mãe (Os 2.1,2). pardos e mais fortes que lobos (Hc
3. Ele tentou restringi-la (Os 2.6). 1 . 8 ).
4. Ele comprou-a do mercado escravo 3. Seus cavaleiros eram como águias fa­
(Os 3.2). mintas cercando a presa (Hc 1.8).
4. Eles tomavam cativos como areia (Hc
D ados 1.9).
Pai: Diblaim (Os 1.3). 5. Eles zombavam de reis (Hc 1.10).
Esposo: Oseias (Os 1.2). C. Sua pergunta - “Você também irá punir os
Filhos: Jezreel e Lo-Ami (Os 1.4-9). caldeus?”.
Filha: Lo-Ruama (Os 1.4-9). Habacuque não compreendeu porque
Citada pela primeira vez na Bíblia: Oseias 1.3. Deus permitiria que esta nação pagã punis­
Citada pela última vez: Oseias 3.2. se Seu próprio povo, ainda que sendo eles
Significado do nome: “Finalização, calor”. mesmos acusados abertamente de grandes
767
G uia de W illm ingtqn para a B íblia != MÉTODO TEOLÓGICO

pecados (Hc 1.12-17). Habacuque sabia 3. Suas ações (Hc 3.5,6,12).


que os caldeus iriam capturar seus cativos 4. Seu propósito (Hc 3.13).
hebreus como peixes. C. O coração do profeta foi alegrado (Hc 3.
D. A resposta de Deus - “Irei, por meio de 18).
meus sofrimentos!”. D. Os pés do profeta foram renovados (Hc
Habacuque subiu em sua torre de vigia 3.19).
para esperar a resposta de Deus. Em pouco
tempo, ela veio (Hc 2.1,2). S u m á r io t e o l ó g ic o
1. Deus disse a ele que os caldeus de fato I. A identidade de Habacuque.
seriam punidos, mas apenas no tempo A. Ele foi, aparentemente, um dos coristas le-
escolhido por Ele (Hc 2.3). víticos do templo.
2. A Babilônia seria julgada por seus mui­ B. Sua frase de encerramento: Para o cantor-
tos pecados (Hc 2.5-19). -mor sobre os meus instrumentos de músi­
a. Escravidão (Hc 2.5). ca, revela que o livro, na verdade, é um
b. Roubo (Hc 2.6,8). cântico (Hc 3.19).
c. Derramamento de sangue (Hc 2.8, C. Habacuque foi chamado de o “Tomé” do
10,12,17). Antigo Testamento.
d. Embriaguez (Hc 2.5,15). II. A insistência de Habacuque.
e. Idolatria (Hc 2.18,19). Sua grande declaração teológica, o justo, p e­
3. Até então, Habacuque deveria viver la sua fé, viverá (Hc 2.4) é repetida três vezes
pela fé (Hc 2.4). no Novo Testamento.
a. Deus ainda estava no controle de A. O texto de Romanos 1.17enfatiza“ojusto”.
toda a terra (Hc 2.20). B. O texto de Hebreus 10.38 enfatiza “pela fé”.
b. Deus, um dia, reinaria sobre toda a C. O texto de Gálatas 3.11 enfatiza “viverá”.
terra (Hc 2.14). III. As intenções de Habacuque.
c. O último testemunho revela que ele Em essência, Habacuque serviu mais como
aparentemente aprendeu a viver um sacerdote do que um profeta. Em vez de de­
pela fé (Hc 3.16). clarar a mensagem de Deus, ficando entre Deus
III. Os clamores. e o povo, ele clamou pela misericórdia de Deus,
A. A alma do profeta foi reavivada. Decidin­ ficando entre o povo e Deus.
do seguir o próprio conselho (o justo, pela
sua fé, viverá), Habacuque, com confiança D ados
de criança, buscou a Deus (Hc 3.2). Citado pela primeira vez na Bíblia: Habacuque 1.1.
B. Os olhos do profeta receberam coragem. Citado pela última vez: Habacuque 3.1.
Em Habacuque 3.3-16, ele viu uma incrí­ Significado do nome: “Abraço de amor”.
vel manifestação da majestosa glória de Mencionado: duas vezes.
Deus. Alguns estudiosos de hebraico acre­ Livro da Bíblia que cita Habacuque: um livro
ditam que todos os verbos encontrados em (Habacuque).
Habacuque 3.3-15 devem ser considera­ Cargos: profeta e músico (Hc 1.1; 3.1).
dos como uma descrição de eventos futu­ Detalhe importante sobre a vida de Habacuque:
ros. Se isso for real, Habacuque, na verda­ sua frase o justo, pela sua fé, viverá (Hc 2.4)
de, profetizou o futuro retorno de Cristo. é repetida três vezes no Novo Testamento
1. Sua agenda (Hc 3.3). (Rm 1.17; Gl 3.11; Hb 10.38).
a. Ele irá tocar o monte das Oliveiras
(Zc 14.4; At 1.10-12).
b. Ele, então, irá para Temã (um anti­
go acampamento em Edom), talvez
para resgatar os judeus escondidos S u m á r io c r o n o l ó g ic o
em Petra (Is 63.1; Ap 12.13-17). I. Agar e Sara.
2. Sua aparência (Hc 3.4). A. O casamento.
768
P erso n a g en s do A n t ig o T e s t a m en t o

1. Agar era a serva egípcia de Sara, espo­ D. Esse filho perseguiu o segundo filho de
sa de Abraão (Gn 16.1). Abraão, Isaque (G14.29).
2. Agar foi dada a Abraão por Sara, esta E. Seu filho não foi considerado herdeiro le­
que era infértil, para que pudesse ter o gítimo de Abraão (G14.30).
filho herdeiro prometido por meio de­ F. Agar representa o concerto do monte Sinai
la (Gn 16.1-3). quando teve um filho escravo (Israel tam­
B. A malícia. bém seria escravo por um tempo) (G1
Depois de engravidar, a atitude arro­ 4.24).
gante de Agar incitou a ira de Sara, que a G. Ela corresponde à Israel terrena (dos dias
expulsou para o deserto (Gn 16.4-6). de Paulo) devido à sua escravidão (Jerusa­
II. Agar e Cristo. lém foi ocupada pelos Romanos na época)
Ela foi encontrada pelo anjo do Senhor, um (G14.25).
título referindo-se a Cristo no Antigo Testa­ II. Paulo usou Sara como uma alegoria da graça.
mento (Gn 16.7). A. Ela era uma mulher livre (G14.22).
A. Ele auxiliou-a. B. Seu casamento com Abraão foi dirigido
B. Ele aconselhou-a (Gn 16.9). por Deus (G14.23).
C. Ele tranquilizou-a (Gn 16.10-12). C. Seu filho Isaque nasceu de forma sobrena­
1. Ele iria multiplicar grandemente a sua tural (G14.23).
semente. D. Esse filho foi perseguido por Ismael (G1
2. O filho que ela estava carregando era 4.29).
um menino, e ele se chamaria Ismael. E. Seu filho foi considerado herdeiro legítimo
3. Ismael seria selvagem - livre e bravio de Abraão (G14.30).
como um jumento selvagem. F. Sara representa o novo concerto, pois teve
4. Ele seria contra todos, e todos fariam o um filho livre (G14.24-26).
mesmo contra ele. G. Ela corresponde à Jerusalém celestial (G1
III. Agar e Abraão. 4.26).
A. Agar voltou e deu à luz a Ismael (Gn
16.15). D ados

B. Abraão tinha 86 anos quando Ismael nas­ Esposo: Abraão (Gn 16.1-3).
ceu (Gn 16.16). Filho: Ismael (Gn 16.15).
IV. Agar e Ismael. Citada pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 16.1.
A. Anos depois, Agar foi novamente dispen­ Citada pela última vez: Gálatas 4.25.
sada para o deserto, desta vez porque seu Significado do nome: “Vagando”.
filho zombou de Isaque, o herdeiro prome­ Mencionada: 14 vezes.
tido, no dia do seu desmame (Gn 21.8-10). Livros da Bíblia que citam Agar: dois livros (Gê­
B. Na ocasião, Deus instruiu Abraão a man­ nesis, Gálatas).
dar Agar e Ismael embora, prometendo Cargo: serva de Sara (Gn 16.1).
que iria cuidar deles (Gn 21.11-14). Detalhe importante sobre a vida de Agar: ela foi
C. Quando chegou a época de Ismael casar-se, a segunda “esposa” de Abraão e mãe de Isma­
Agar trouxe uma esposa para ele do Egito el (Gn 16.1-3,15).
(Gn 21.20,21).

S u m á r io t e o l ó g ic o AGEU
I. Paulo usou Agar como uma alegoria da Lei de
Moisés no livro de Gálatas. S u m á r io c r o n o l ó g ic o
A. Ela era uma serva (G14.22). I. Uma mensagem de agosto, direcionada às
B. Seu casamento com Abraão foi segundo a mãos do povo - Executem! (Ag 1.1-15).
carne (G14.23). A. O povo estava quase desistindo de construir
C. Seu filho Ismael nasceu de forma natural o seu templo. Após 15 anos, ele continuava
(G14.23). incompleto. A desculpa esfarrapada deles

769
|G uia pe W illm ington par a a BIb u a r - MÉTODO TEOLÓGICO

era: N ão veio ainda o tempo, o tem po em no passado, ela não era transferida
que a Casa do SENHOR deve ser edifica- automaticamente para eles na época
da (Ag 1.2). Por causa dessa negligência, atual. Mas, a falta de santidade deles
Deus não podia nem iria abençoá-los com estava afetando-os e também a seus fi­
prosperidade espiritual ou financeira (Ag lhos.
1.4-6). B. O fato da determinação de Deus.
B. O conselho de Deus para eles (Ag 1.8). Deus prometeu que, por terem decidido
C. Os ânimos de Zorobabel (o governante) e terminar o templo, Ele iria abençoá-los da­
de Josué (o sumo sacerdote) foram levan­ quele dia em diante, mesmo antes da estru­
tados pelo Senhor. Esse par divino, então, tura ser finalizada (Ag 2.18,19).
guiou o povo para concluir a construção C. O fato da grande tribulação.
do templo (Ag 1.14). Um dia, Deus destruiria todas as nações
II. Uma mensagem de outubro, direcionada ao co­ gentias que afligiram Israel durante os anos
ração do povo - Paciência! (Ag 2.1-9). (Ag 2.20-22; veja também Hb 12.26; Ap
Apesar do insignificante templo que acaba­ 16.18-20).
ram de construir (veja Ed 3.8-13), houve cho­ D. O fato da elevação de Zorobabel.
ro e também alegria na dedicação dele nos Alguns acreditam que Zorobabel será o
dias de Zorobabel, pois alguns veteranos lem- primeiro ministro de Deus durante o Milê­
braram-se das glórias do templo de Salomão. nio (Ag 2.23).
O novo era muito inferior àquele templo em
tamanho e em custo. Entretanto, Ageu tentou S u m á r io t e o l ó g ic o
encorajar até os idosos falando do magnifi- I. Ageu era contemporâneo do profeta Zacarias
cente templo do milênio que um dia seria (Ed 5.1).
construído (Ag 2.9). II. Ele reuniu os judeus remanescentes (juntamen­
III. Uma mensagem de dezembro, direcionado te com Zacarias, Zorobabel, o líder político e
aos líderes do povo - Ponderem! (Ag 2.10- Josué, o líder religioso) no retorno da Pérsia a
23). Jerusalém em 536 a.C. para reconstruir o tem­
Há quatro fatos que Ageu desejava que o plo (Ed 5.1,2; 6.14).
povo ponderasse. III. Ele foi a primeira voz profética a ser ouvida
A. O fato da contaminação de Judá (Ag 2.10- após o cativeiro da Babilônia.
17). IV. Seus escritos são os mais precisamente datados
1. Deus pediu que Judá respondesse a du­ de toda a Bíblia. A seguir, estão as datas que nos
as perguntas: foram dadas nas épocas em que ele entregou as
a. Se algum de vocês está realizando mensagens:
um sacrifício santo trajando suas A. Primeira mensagem - 29 de agosto de 520
vestes e, sem querer, tocar pão, vi­ a.C.
nho ou carne, também se tornará B. Segunda mensagem - 17 de outubro de
santo (Ag 2.12)? 520 a.C.
b. A resposta foi, é claro: “Não, a san­ C. Terceira e quarta mensagens - 18 de de­
tidade não passa para outras coisas zembro de 520 a.C.
assim”. V. Seu livro é o segundo mais curto do Antigo Tes­
c. Se alguém toca um morto e torna- tamento. Somente Obadias é mais curto.
-se assim, cerimonialmente impu­ VI. Em nenhum outro livro deste tamanho o fato
ro, e então encosta em alguma coi­ da revelação divina é citado tão frequentemen­
sa, ela fica contaminada (Ag te. A frase diz o SENHOR e equivalentes são
2.13)? encontradas 21 vezes.
d. Aqui a resposta foi sim. VII. Ageu pode ter sido um dos exilados que viu o
2. O argumento que Deus estava usando templo de Salomão antes de ter sido destruído
aqui é que, independente da santidade em 586 a.C.. Se for o caso, ele pode ter sido um
que a nação de Israel tivesse possuído profeta idoso (Ag 2.3).
770
P erso n a g en s do A n t ig o T e s t a m en t o

VIII.Ageu e Neemias podem ser comparados favo­ II. Sua (possível) imoralidade.
ravelmente. Ele pode ter-se envolvido com seu filho,
A. Ambos tinham um jugo divino para cons­ Canaã, em um pecado não mencionado contra
truir. Noé (Gn 9.24).
1. Ageu desejava reconstruir o templo
(Ag 1.8). D ados

2. Neemias desejava reconstruir o muro Pai: Noé (Gn 5.32).


em volta de Jerusalém (Ne 2.5,17, Filhos: Canaã, Cuxe, Mizraim e Pute (Gn 9.18,22;
18). 10.6; 1 Cr 1.8).
B. Ambos eram homens de ação. Irmãos: Sem e Jafé (Gn 5.32).
1. Em apenas 23 dias, depois de um atra­ Descendente importante: Ninrode (Gn 10.8-12).
so de 14 anos, Ageu liderou o povo na Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 5.32.
construção do templo em Jerusalém Citado pela última vez: 1 Crônicas 1.8.
(Ag 1.1,14,15). Significado do nome: “Queimado pelo sol, escuro,
2. Em apenas 52 dias, após um atraso de morno”.
90 anos, Neemias liderou o povo na Mencionado: 11 vezes.
construção dos muros em volta de Je­ Livros da Bíblia que citam Cam: dois livros (Gê­
rusalém (Ne 6.15). nesis, 1 Crônicas).
IX. Ageu nos dá um nome para Cristo que não é Detalhe importante sobre a vida de Cam: ele era
encontrado em nenhum outro lugar da Bíblia, um dos três filhos de Noé e pai de Canaã (Gn
chamando-o de D esejado de todas as nações 5.32; 9.18; veja nota sobre Jafé).
(Ag 2.7).
X. Em essência, o livro de Ageu é um conto de três
templos. HAMftl
A. O primeiro templo, construído por Salo­
mão (Ag 2.3). S u m á r io c r o n o l ó g ic o

B. O segundo templo, sendo construído por I. Hamã, o arrogante.


incentivo de Ageu (Ag 1.12,14). A. Ele era agagita, de descendência amalequi-
C. O terceiro templo, que será construído pe­ ta (Et 3.1).
lo próprio Cristo (Ag 2.6-9). B. Ele foi elevado à posição de primeiro mi­
nistro pelo rei persa Assuero, fazendo com
D ados que inflasse de orgulho (Et 3.1).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Esdras 5.1. II. Hamã, o cruel.
Citado pela última vez: Ageu 2.20. A. Ele incitou a primeira tentativa de holo­
Significado do nome: “Festivo”. causto da história ao descobrir que um ofi­
Mencionado: 11 vezes. cial menor judeu chamado Mardoqueu es­
Livros da Bíblia que citam Ageu: dois livros (Es­ tava recusando-se a curvar-se e a honrá-lo
dras, Ageu). quando ele passava (Et 3.2-6).
Cargo: profeta (Esdras 5.1; Ag 1.1). B. Ele começou mentindo sobre os judeus pa­
Detalhe importante sobre a vida de Ageu: ele li­ ra o rei, alegando que eram desleais, e acon­
derou o povo na construção do segundo tem­ selhou que fossem destruídos (Et 3.7,8).
plo (Ag 1.2-8). C. Ele até ofereceu pagar dez mil talentos de
prata para cobrir os custos deste banho de
sangue que sugeriu. Isso seria aproximada­
CAM mente 30 milhões de dólares na moeda
atual (Et 3.9).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o D. Para a surpresa e prazer de Hamã, o rei não
I. Sua identidade. só concordou com sua proposta, mas disse
A. Era um dos três filhos de Noé (Gn 5.32). que Hamã não precisava pagar nada para
B. Ele era o pai de Canaã (Gn 9.18,22). financiar o massacre (Et 3.10,11).
771
G uia pe W illmington para a B íblia r MÉTODO TEOLÓGICO

E. Depois de assinar a garantia de morte, os C. O rei, furioso, concluiu (incorretamente)


dois homens sentaram-se e relaxaram com que Hamã estava ciente da nacionalidade
uma bebida (Et 3.15). de Ester e ordenou a sua morte (Et 7.8,9).
III. Hamã, o honrado. D. Hamã, então, foi enforcado na mesma for­
A. Ele e o rei participaram de um banquete es­ ca que construiu para Mardoqueu (Et 7.10).
pecial organizado pela rainha Ester no dia
seguinte. Nenhum dos homens, nessa altu­ D ados
ra, sabia do propósito por trás das ações de Pai: Hamedata (Et 3.1).
Ester (Et 5.1-8). Esposa: Zeres (Et 5.14).
B. Apesar de ter o seu orgulho alimentado Filhos: dez filhos cujos nomes não são menciona­
por essas honras, Hamã encheu-se de raiva dos (Et 9.10).
ao ver Mardoqueu continuar recusando-se Citado pela primeira vez na Bíblia: Ester 3.1.
a ajoelhar quando ele se aproximava (Et Citado pela última vez: Ester 9.24.
5.9). Significado do nome: “Celebrado”.
C. Segundo o conselho da esposa, Zeres, Ha­ Mencionado: 52 vezes.
mã construiu uma forca de 22m, onde pla­ Livro da Bíblia que cita Hamã: um livro (Ester).
nejava enforcar Mardoqueu, pouco antes Cargo: príncipe associado sob o rei Assuero (Et
de participar do segundo banquete da rai­ 3.1).
nha (Et 5.10-14). Lugar onde faleceu: em uma forca na cidade de
IV. Hamã, o humilhado. Susã (Et 7.10).
A. A insônia (Et 6.1-3). Detalhe importante sobre a vida de Hamã: ele foi
1. Ao mesmo tempo em que Hamã estava responsável pela primeira tentativa de holo­
construindo a forca, o rei estava com causto da história (Et 3.8,9).
dificuldades para dormir.
2. Esperando resolver o seu problema,
Assuero pediu que o “registro congres- HAMOR
sional” persa fosse lido para ele.
3. Por “sorte”, entretanto, ele descobriu S u m á r io c r o n o l ó g ic o
que Mardoqueu havia salvado a sua vi­ I. O pedido de Hamor ao pai de Diná.
da. O rei decidiu recompensá-lo ime­ A. Hamor era um príncipe heveu que gover­
diatamente. nava a cidade de Siquém nos dias de Jacó
B. A ironia (Et 6.4-12). (Gn 34.2).
1. Nesse momento, Hamã chegava ao pa­ B. Jacó havia adquirido de Hamor, por 100
lácio real, buscando a permissão do rei peças de prata, um campo para armar sua
para enforcar Mardoqueu. tenda (Gn 33.19).
2. Em uma das viradas mais irônicas da C. O evento foi mencionado mais tarde por
história, Hamã não só falhou em rece­ Josué (Js 24.32) e Estêvão (At 7.16).
ber a permissão desejada, mas, na ver­ D. Seu filho, também chamado Siquém, sedu­
dade, acabou sendo forçado a honrar ziu Diná, filha de Jacó, e pediu que Hamor
Mardoqueu em uma parada de cele­ obtivesse a permissão do patriarca para ca­
bração. sar-se com ela (Gn 34.2-6,8-10).
V. Hamã, o enforcado. II. A retaliação contra Hamor pelos irmãos de Diná.
A. Ao chegar a casa após essa experiência hu­ A. Ele foi enganado por eles.
milhante, Hamã, derrotado, foi alertado Seus irmãos fingiram concordar, mas in­
por Zeres de que o plano contra Mardo­ sistiram que todos os homens de Siquém
queu e contra os judeus certamente causa­ fossem circuncidados primeiro (Gn 34.7,
ria a sua ruína (Et 6.13). 13-17).
B. Durante o segundo banquete, Ester revelou B. Ele foi destruído por eles (Gn 34.18-29).
sua origem judia ao rei e culpou Hamã pe­ 1. Hamor e seu povo concordaram, e to­
lo plano contra a sua vida (Et 7.1-7). dos os homens foram circuncidados.
772
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

2. Então, quando eles ficaram indefesos pescoço de Jeremias, que estava ali
por causa do inchaço físico, Simeão e por ordem de Deus para simbolizar o
Levi entraram em cena e massacra­ iminente cativeiro babilônico (Jr 27.2;
ram-nos como gado. 28.10).
3. A cidade de Hamor, Siquém, foi então II. O profeta condenado.
completamente saqueada. A. Deus alertou Hananias por meio de Jere­
mias que um jugo de ferro seria colocado
D ados no seu pescoço (Jr 28.12,13).
Filho: Siquém (Gn 34.2-6). B. Jeremias, então, profetizou que, por causa
Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 34.2. de todas as suas mentiras, esse falso profe­
Citado pela última vez: Juizes 9.28. ta morreria naquele mesmo ano, e isso
Significado do nome: “Grande asno”. aconteceu (Jr 28.15-17).
Mencionado: 11 vezes.
Livros da Bíblia que citam Hamor: três livros D ados

(Gênesis, Josué, Juizes). Pai: Azur (Jr 28.1).


Cargo: príncipe heveu (Gn 34.2). Citado pela primeira vez na Bíblia: Jeremias 28.1.
Lugar onde faleceu: na cidade de Siquém. Citado pela última vez: Jeremias 28.17.
Como foi morto: ele foi morto por Simeão e Levi Significado do nome: “Deus é gracioso”.
(Gn 34.25,26). Mencionado: nove vezes.
Detalhe importante sobre a vida de Hamor: seu Livro da Bíblia que cita Hananias: um livro (Je­
filho seduziu Diná, filha de Jacó (Gn 34.1-3). remias).
Cargo: falso profeta (Jr 28.15).
Lugar onde faleceu: Jerusalém.
|HANANIAS Como foi morto: ele morreu pela mão de Deus (Jr
28.16).
Detalhe importante sobre a vida de Hananias: ele
S u m á r io c r o n o l ó g ic o era um falso profeta que foi contra Jeremias
I. O profeta corrupto. (Jr 28.1-10).
A. Sua apostasia.
1. Ananias era um falso profeta do reina­
do de Zedequias, último rei de Judá (Jr : ANAj
28.1). (Veja também O estágio dos juizes, vol. 1, p. 115)
2. Ele profetizou falsamente que, em dois
anos, três eventos aconteceriam (Jr S u m á r io c r o n o l ó g ic o

28.2-4). I. Seu sofrimento.


a. Todos os objetos que Nabucodono­ A. Ana era uma das duas esposas de Elcana (1
sor levou do templo de Jerusalém Sm 1.1,2).
para a Babilônia seriam devolvidos. B. Por muitos anos, ela foi infértil e amargu­
b. Jeconias, um dos antigos reis da Ju­ rada (1 Sm 1.2,7).
deia que também fora levado à Ba­ C. Ela era muito amada por Elcana (1 Sm
bilônia, voltaria juntamente com 1.5).
os exilados. D. Entretanto, ela era ridicularizada por cau­
c. O império babilônico, em breve, sa de sua infertilidade por Penina, a outra
cairia. esposa, que tinha filhos (1 Sm 1.2,6,7).
B. Sua ira. II. Sua súplica.
1. Ele foi repreendido por Jeremias, o ver­ A. A repreensão.
dadeiro profeta do templo, por fazer 1. Ela visitou o tabernáculo de Siló, onde
essas falsas profecias (Jr 28.5-9). orou em silêncio, chorando e jurando
2. Em um ataque de raiva, Hananias que criaria qualquer filho que Deus lhe
quebrou o jugo que se encontrava no desse como nazireu (1 Sm 1.9-11).

773
G uia de W illmington para a B íblia r MÉTODO TEOLÓGICO

2. Eli, o sumo sacerdote, vendo-a orar, A. Quando Hanum se tornou rei de Amom
pensou que ela estava bêbada e repre­ após a morte do pai, Naás (um amigo próxi­
endeu-a (1 Sm 1.12-14). mo de Davi), Davi enviou embaixadores pa­
B. O reconforto. ra fazerem uma visita de cortesia (2 Sm 10.2).
Ao saber da situação real, Eli mandou B. Confundindo os enviados com espiões,
Ana para casa, dizendo-lhe: Vai em paz, e Hanum maltratou-os e ridicularizou-os (2
o Deus de Israel te conceda a tua petição Sm 10.3,4).
que lhepediste (1 Sm 1.15-18). 1. Ele raspou a barba deles.
III. Seu filho. 2. Ele cortou suas roupas na altura dos
A. Ana deu à luz a Samuel (1 Sm 1.19,20). lombos e enviou-os seminus para casa.
B. Ela, depois, daria à luz a mais três filhos e II. Sua derrota por Davi.
a duas filhas (1 Sm 2.21). A. Mais tarde, percebendo seu erro grosseiro,
IV. Seu sacrifício. Hanum contratou um exército mercenário
A. Ela ofereceu um sacrifício sem vida (1 Sm de 33 mil infantarias e 32 mil carros para
1.25). ajudá-lo a combater um ataque antecipado
B. Ela ofereceu um sacrifício vivo (1 Sm de Davi (2 Sm 10.6; 1 Cr 19.6,7).
1.27,28). B. Davi atacou e derrotou completamente
V. Seu cântico. Hanum e seus exércitos contratados (2 Sm
Após a dedicação, Ana, declamou uma bela 10.13-19).
ode de adoração que parece ser a base do cân­
tico de Maria em Lucas 1.46-55 (1 Sm 2.1-10). D ados
Nesta notável oração, Ana menciona alguns Pai: Naás (2 Sm 10.1,2).
atributos divinos. Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Samuel 10.1.
A. Sua santidade (1 Sm 2.2). Citado pela última vez: 1 Crônicas 19.6.
B. Sua onisciência (1 Sm 2.3). Significado do nome: “Gracioso”.
C. Sua onipotência (1 Sm 2.7). Mencionado: nove vezes.
D. Sua misericórdia (1 Sm 2.8). Livros da Bíblia que citam Hanum: dois livros (2
E. Sua fidelidade (1 Sm 2.9). Samuel, 1 Crônicas).
F. Sua justiça (1 Sm 2.10). Cargo: rei dos amonitas (2 Sm 10.1).
G. Seu Messias (1 Sm 2.10). Detalhe importante sobre a vida de Hanum: ele
tolamente insultou alguns embaixadores de
D ados Davi que o visitaram em paz (2 Sm 10.3,4).
Esposo: Elcana (1 Sm 1.2).
Filhos: Samuel (1 Sm 1.19,20); e mais três cujos
nomes não são mencionados (1 Sm 2.21). [HÃZÃEL]
Filhas: duas, cujos nomes não são mencionados
(1 Sm 2.21). S u m á r io c r o n o l ó g ic o
Citada pela primeira vez na Bíblia: 1 Samuel 1.2. I. Sua iniqüidade.
Citada pela última vez: 1 Samuel 2.21. A. Ele foi um oficial de alto escalão da corte
Significado do nome: “Graça”. de Ben-Hadade em Damasco (2 Rs 8.7-9).
Mencionada: 13 vezes. B. Deus instruiu o profeta Elias a ungir Haza-
Livro da Bíblia que cita Ana: um livro (1 Samuel). el como o próximo rei da Síria (1 Rs 19.15).
Detalhe importante sobre a vida de Ana: ela era C. Mesmo antes dele tornar-se rei, entretanto,
a bondosa mãe de Samuel (1 Sm 1). Eliseu (sucessor de Elias) profetizou com
lágrimas o sangrento reinado que Hazael
teria (2 Rs 8.7-12).
1HANUM 1. Ele iria assassinar seu mestre Ben-Ha­
dade para garantir o trono.
S u m á r io c r o n o l ó g ic o 2. Ele, então, causaria grandes danos ao
I. Seu desrespeito por Davi. povo de Deus.
774
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

a. Ateando fogo ao seus palácios for­ B. Seus dois associados eram Asafe e Jedutum
tificados. (1 Cr 6.39; 25.1).
b. Matando seus jovens à espada. II. O que ele fez.
c. Despedaçando suas crianças no A. Esses três músicos, vestidos de linho fino,
chão. tocavam címbalos e eram acompanhados
d. Abrindo mulheres grávidas ao de 120 sacerdotes tocando buzinas na de­
meio. dicação do templo de Salomão (2 Cr 5.12).
D. Hazael negou que faria todas essas coisas B. Hemã também liderava seus 14 filhos e três
horríveis, mas Eliseu estava certo (2 Rs filhas no culto musical do tabernáculo (1
8.13). Cr 25.4-6).
II. Sua guerra. C. Hemã depois escreveu o Salmo 88, que in­
A. Depois, ele lutou contra uma aliança do clui uma das mais desanimadas orações da
reino do norte e do sul de Israel em Ramo- Bíblia.
te-Gileade, e, aparentemente, derrotou-os
(2 Rs 8.28). D ados

B. Jorão, rei do reino do norte, foi ferido nes­ Pai: Joel (1 Cr 6.33).
ta batalha (2 Rs 8.29; 9.15). Ancestral importante: Samuel era seu avô (1 Cr
C. Por causa do pecado do Seu povo, Deus 6.33).
permitiu que Hazael perseguisse Israel (2 Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Crônicas
Rs 10.32). 6.33.
D. Certa ocasião, ele cercou Jerusalém, mas Citado pela última vez: Salmo 88.
foi comprado com impostos pagos por Jo- Significado do nome: “Fiel”.
ás, rei da Judeia (2 Rs 12.17,18). Mencionado: 13 vezes.
E. Em meio a esses acontecimentos, entretan­ Livros da Bíblia que citam Hemã: três livros (1
to, Israel vivenciou a graça de Deus (2 Rs Crônicas, 2 Crônicas, Salmos).
13.22-24). Cargo: músico levita (1 Cr 6.31).
F. Anos depois, o profeta Amós anunciou um Detalhe importante sobre a vida de Hemã: ele era
julgamento sobre a casa de Hazael (Am músico e autor do Salmo 88.
1.4).

D ados 1EZEQUIAS
Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Reis 19.15. (Veja também O estágio do reino no caos, vol. l,p . 187)
Citado pela última vez: Amós 1.4.
Significado do nome: “Deus vê”. S u m á r io c r o n o l ó g ic o

Mencionado: 22 vezes. I. O coração de Ezequias.


Livros da Bíblia que citam Hazael: quatro livros A. Ele foi o décimo terceiro governante de Ju­
(1 Reis, 2 Reis, 2 Crônicas, Amós). dá.
Cargo: rei da Síria (1 Rs 19.15). B. Ele governou por 29 anos (2 Rs 18.2).
Detalhe importante sobre a vida de Hazael: ele foi C. Ele tinha 25 anos quando começou a go­
o sangrento rei da Síria ungido por Eliseu (2 vernar (2 Rs 18.1,2).
Rs 8.7-15). D. Ele foi o melhor rei de Judá até a sua épo­
ca (2 Rs 18.3,5).
E. Ele também foi o rei mais rico até a época
ÍHEMÃ de Salomão (2 Cr 32.27-29).
II. As mãos de Ezequias.
S u m á r io c r o n o l ó g ic o A. Ele reparou o palácio (templo) de Deus.
I. Quem ele era. No primeiro mês de seu reinado, Eze­
A. Ele era neto de Samuel e um dos três prin­ quias abriu as portas do templo e reparou-
cipais músicos levitas da época de Davi (1 -o (2 Cr 29.3).
Cr 6.31,33). B. Ele reviveu o povo de Deus.
775
G u ia d e W il l m in g t o n p a r a a B íblia j-... .............. ....... MÉTODO TEOLÓGICO

1. A limpeza. 1. O discurso.
a. Ele removeu os altos pagãos, esma­ Ezequias reuniu os sacerdotes e os
gou as estátuas sagradas e cortou levitas no templo e discursou a eles (2
os bosques (2 Rs 18.4). Cr 29.4-11).
b. Ele quebrou em pedaços a serpente a. Ele desafiou-os a consagrarem-se a
de metal que Moisés fizera (veja Deus.
Nm 21), porque o povo a estava b. Ele lembrou-os das tribos do norte,
adorando (2 Rs 18.4). que estavam sofrendo com o cativei­
2. O desafio. ro da Assíria por causa do pecado.
a. Ele ordenou que o povo doasse c. Ele anunciou suas intenções de fa­
bens (primícias, vinho novo, óleo, zer um concerto especial com
mel, manadas e rebanhos etc.) ao Deus.
templo (2 Cr 31.4). 2. O canto.
b. Eles responderam de maneira tre­ Quando começaram as ofertas, ele
menda (2 Cr 31.4-10). encarregou os levitas do templo a can­
C. Ele reinstituiu a Páscoa de Deus, e um con­ tarem, acompanhados do som de cím-
vite especial foi enviado às tribos do reino balos, alaúdes e harpas (2 Cr 29.25-28).
do norte (2 Cr 30.1-27). 3. Os sacrifícios.
1. O pedido. a. Quando os sacerdotes se consagra­
a. Buscar o Deus de Abraão. ram juntamente com todo o tem­
b. O Deus de Abraão, então, voltará plo, Ezequias ordenou que sete
para você. touros, sete carneiros, sete bodes e
2. A resposta. sete cordeiros fossem oferecidos
a. Alguns ridicularizaram. como oferta de pecado por Judá (2
b. Alguns retornaram. Cr 29.18-24).
3. Os resultados. b. Ele, então, instruiu toda a assem-
a. Percebendo que algumas das tribos bleia que estava presente no culto
do norte, que participavam da Pás­ a trazer seus sacrifícios ao Senhor
coa, não tiveram oportunidade de (2 Cr 29.31).
purificarem-se externamente, Eze­ c. O povo, então, ofereceu os seguin­
quias orou para que Deus aceitasse tes animais (2 Cr 29.32,33): 70
sua sinceridade interior, e o Senhor bois, 100 carneiros, 200 cordeiros,
o fez, permitindo que eles comes­ 600 touros e três mil ovelhas e bo­
sem do alimento de Páscoa. des.
b. Na verdade, o rei estendeu a festa d. Por fim, o rei dividiu os sacerdotes
de sete dias por mais sete dias. e levitas em grupos para oferecer a
c. O seguinte número de animais foi Deus sacrifícios animais e de lou­
oferecido: vor (2 Cr 31.2).
(1) Mil bois e sete mil ovelhas dadas III. A cura de Ezequias.
por Ezequias para a reunião. A. Sua doença.
(2) Mil bois e dez mil ovelhas dadas 1. Ezequias ficou muito doente, e Isaías
pelos oficiais para a reunião. disse-lhe que ele iria morrer (2 Rs 20.1).
d. Ela foi a maior Páscoa desde os dias 2. Isso pode ter sido uma punição divina
de Davi. por causa de seu orgulho (2 Cr 32.25).
D. Ele liberou o poder de Deus. 3. O rei humilhou-se e arrependeu-se (2
1. Confiando na força de Deus, ele derro­ Cr 32.26).
tou os filisteus (2 Rs 18.8). B. Sua súplica.
2. Ele também se rebelou contra o rei da 1. O rei virou o rosto para a parede e
Assíria e recusou-se servi-lo (2 Rs 18.7). orou a Deus, lembrando-o de seu ser­
E. Ele reorganizou os sacerdotes de Deus. viço fiel no passado (2 Rs 20.2,3).
776
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

2. Deus, então, ordenou que Isaías infor­ 1. Um dia, os babilônios retornariam e le­
masse a Ezequias que sua oração havia variam todas as riquezas que Ezequias
sido respondida e que ele não morreria. lhes mostrou.
Na verdade, o Senhor acrescentaria 2. Alguns dos próprios descendentes do
mais 15 anos à vida do rei (2 Rs 20.4-6). rei seriam levados à Babilônia.
C. Seu sinal. D. A reação de Ezequias diante disso foi, de
Para provar a validade da profecia, fato, muito egoísta (2 Rs 20.19). Em outras
Deus ofereceu a Ezequias, por meio de Isa­ palavras, ele estava completamente despre­
ías, dois sinais (2 Rs 20.8-11). ocupado desde que essas coisas não acon-
1. O rei queria que a sombra avançasse tecessem durante o seu reinado.
dez passos no relógio solar ou... VI. O desamparo de Ezequias.
2. Queria que voltasse dez passos? A. O problema.
3. Ezequias escolheu a segunda opção, 1. Durante o quarto ano do seu reinado,
credo que seria o melhor sinal. En­ os assírios marcharam contra Samaria.
quanto ele observava, impressionado, Eles tomaram a cidade três anos de­
o milagre aconteceu. pois, findando assim o reino do norte
IV. Os hinos de Ezequias. (2 Rs 18.9-11).
A. No Cântico de Ezequias, rei de Judá, de 2. Sete anos depois do cativeiro das dez
quando adoeceu e sarou de sua enfermida­ tribos do norte, o rei assírio, Senaque-
de (Is 38.9), o rei analisou duas coisas. ribe, atacou Judá, capturando muitas
1. Seu desespero ao ouvir que iria morrer de suas cidades (2 Rs 18.13).
(Is 38.10-16). 3. Ciente do plano de Senaqueribe de des­
2. Sua dedicação ao saber que não mor­ truir Jerusalém também, Ezequias cons­
reria (Is 38.17-20). truiu um túnel por onde a água abaste­
B. Alguns estudiosos acreditam que esses cia a cidade (2 Rs 20.20; 2 Cr 32.2-5).
“cânticos” aos quais Ezequias se referiu 4. Ezequias, então, negligentemente, pe­
são, na verdade, 15 salmos que o rei acres­ diu que Senaqueribe perdoasse sua re­
centou ao cânone do Antigo Testamento. belião do passado e concordou em pa­
1. Dez desses salmos foram escritos por gar um grande tributo ao rei assírio, ti­
Ezequias, em memória aos dez passos rando todo ouro e prata do palácio re­
do relógio solar. Foram os Salmos 120, al e do templo (2 Rs 18.14-16).
12 1 ,1 2 3 ,1 2 5 ,1 2 6 ,1 2 8 ,1 2 9 ,1 3 0 ,1 3 2 5. Apesar disso, o exército assírio cercou
e 134. Jerusalém (2 Rs 18.17).
2. Ele pode, então, ter acrescentado mais 6. Na verdade, Senaqueribe enviou uma
cinco salmos de Davi e Salomão não carta pessoal para ameaçar Ezequias (2
publicados para atingir o total de 15, Rs 19.9-13).
em honra aos 15 anos que Deus acres­ B. A oração.
centou à sua vida. 1. Ezequias começou, bravamente, tentar
V. A precipitação de Ezequias. encorajar seu povo (2 Cr 32.6-8).
A. Ele recebeu alguns embaixadores do rei da 2. Entretanto, quando ele viu e ouviu as
Babilônia, que enviou um presente, pois terríveis ameaças do inimigo, ele arran­
soube da doença e da recuperação de Eze­ cou suas vestes, colocou roupas de sa­
quias (2 Rs 20.12). co e foi ao templo orar (2 Rs 19.1).
B. Ezequias, tolamente, mostrou a esses ho­ 3. Em sua oração, o rei fez um reconheci­
mens todo o ouro, a prata, as especiarias, mento e um pedido.
o óleo fino etc., que ele mantinha em seus a. Ele reconheceu:
armazéns (2 Rs 20.13). (1) A grandeza e unicidade de Deus
C. Ao saber disso, Isaías repreendeu dura­ (2 Rs 19.15).
mente o rei e profetizou o seguinte (2 Rs (2) As vitórias passadas dos assírios
20.14-18): (2 Rs 19.17,18).

777
G uia de W illmington para a BIblia r MÉTODO TEOLÓGICO

b. Ele pediu para Deus libertar Judá, Lugar onde faleceu: Jerusalém (2 Rs 20.21 —21.1).
para que todos os reinos soubes­ Detalhe importante sobre a vida de Ezequias: ele
sem quem é o verdadeiro Deus (2 era rei quando Deus salvou a cidade de Jeru­
Rs 19.19). salém enviando o anjo da morte aos assírios
4. Ezequias, então, enviou uma palavra a (2 Rs 19).
Isaías, encorajando-o a buscar a Deus
também (2 Rs 19.2-4).
VII. Com a ajuda de Ezequias. HILQUIAS
A. A resposta do Senhor.
Ezequias recebeu de Isaías uma mensa­ S u m á r io c r o n o l ó g ic o
gem muito encorajadora (2 Rs 19.20-34). I. Seus deveres.
1. Deus ouviu a oração do rei. A. Ele era o sumo sacerdote dos dias de Josias,
2. Deus estava irado com o orgulho dos rei de Judá (2 Rs 22.4).
assírios e com os insultos que fizeram a B. A ele foram confiados fundos especiais,
Ele e a Judá. juntados pelo povo para reparar o templo
3. Entretanto, Senaqueribe não teria per­ (2 Rs 22.4; 2 Cr 34.9).
missão de entrar em Jerusalém. II. Sua descoberta.
4. Nenhuma flecha de seus soldados cai­ A. Ele encontrou uma cópia da Lei de Moisés
ria dentro da cidade. quando estava reparando o templo (2 Rs
5. O inimigo não construiria uma rampa 22.8; 2 Cr 34.14).
contra o muro da cidade. B. Ele a deu para Safã, secretário de Josias,
6. Senaqueribe se retiraria tão rapida­ que, então, leu-o para o rei (2 Rs 22.8-10).
mente quanto chegou. C. A pedido de Josias, ele questionou a profe­
B. O anjo do Senhor. tiza Hulda quanto ao que Deus estava pla­
1. Naquela mesma noite, o anjo do Se­ nejando fazer com Judá por causa do pe­
nhor saiu e matou 185 mil soldados as­ cado do povo (2 Rs 22.12-14).
sírios (2 Rs 19.35). III. Sua dedicação.
2. O rei assírio, rapidamente, desarmou o A. A retirada do paganismo.
acampamento e retirou-se (2 Rs 1. Ele recebeu ordens de Josias para retirar
19.36). todos os ídolos do templo (2 Rs 23.4).
3. Pouco depois de chegar à sua capital, 2. Ele o fez, queimando-os fora de Jerusa­
Nínive, Senaqueribe foi morto por dois lém, no vale de Cedrom, e levando as
dos próprios filhos quando adorava no cinzas a Betei (2 Rs 23.4).
tempo do seu deus assírio, Nisroque (2 3. Ele, então, livrou-se dos sacerdotes pa­
Rs 19.37). gãos da cidade (2 Rs 23.5,6).
4. Ele também derrubou os alojamentos
D ados dos prostitutos cultuais (2 Rs 23.7).
Pai: Acaz (2 Rs 16.20). B. A restauração da Páscoa.
Mãe: Abi (2 Rs 18.2). Ele contribuiu grandemente (juntamen­
Esposa: Hefzibá (2 Rs 21.1). te com outros sacerdotes) para a grande
Filho: Manassés (2 Rs 21.1). Páscoa de Josias, dando 2.600 ofertas de
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 16.20. Páscoa e 300 bois (2 Cr 35.8).
Citado pela última vez: Mateus 1.10.
Significado do nome: “Força de Deus”. D ados
Mencionado: 124 vezes. Pai: Salum (1 Cr 6.13).
Livros da Bíblia que citam Ezequias: nove livros Filhos: Azarias e Gemarias (1 Cr 6.13; Jr 29.3).
(2 Reis, 1 Crônicas, 2 Crônicas, Provérbios, Ancestral importante: seu avô foi Zadoque (1 Cr
Isaías, Jeremias, Oseias, Miqueias, Mateus). 6 . 12 ).
Cargo: rei de Judá (2 Rs 18.1). Descendente importante: Esdras (Ed 7.1).
Lugar onde nasceu: Jerusalém. Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 22.4.
778
— P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

Citado pela última vez: Jeremias 29.3. C. A reclamação.


Significado do nome: “Deus é proteção”. Hirão estava decepcionado com essas
Mencionado: 20 vezes. cidades, chamando-as de Cabul, que signi­
Livros da Bíblia que citam Hilquias: cinco livros fica “inúteis”. Ele, aparentemente, devol-
(2 Reis, 1 Crônicas, 2 Crônicas, Esdras, Jere­ veu-as (1 Rs 9.11-13; 2 Cr 8.2).
mias). D. O comércio.
Cargo: sumo sacerdote (2 Rs 22.4). 1. Ele enviou seus experientes marinhei­
Detalhe importante sobre a vida de Hilquias: ele ros para servir na frota com os homens
foi o sumo sacerdote que encontrou uma có­ de Salomão no mar Vermelho (1 Rs
pia da Lei no templo durante o reinado de Jo- 9.26,27).
sias (2 Rs 22.8). 2. Os navios de Hirão trouxeram para
Salomão, de Ofir (um lugar da Arábia
Saudita), objetos preciosos e animais
HIRAon)! exóticos.
a. Os objetos - ouro, prata, marfim,
S u m á r io c r o n o l ó g ic o madeiras de almugue e várias pe­
I. Hirão e Davi. dras preciosas (1 Rs 10.11,12,22).
Ele era o rei de Tiro que ajudou Davi a cons­ b. Os animais - bugios e pavões (1 Rs
truir seu palácio oferecendo madeira de cedro, 10. 22 ).
carpinteiros e pedreiros (2 Sm 5.11; 1 Cr 14.1).
II. Hirão e Salomão. D ados

A. A construção. Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Samuel


1. O templo de Salomão. 5.11.
a. Ele foi comissionado por Salomão Citado pela última vez: 2 Crônicas 9.21.
a fornecer cedro do Líbano para Significado do nome: “Meu irmão é exaltado”.
ser usado na construção do templo Mencionado: 24 vezes.
(1 Rs 5.1-6). Livros da Bíblia que citam Hirão (1): quatro li­
b. Além disso, ele enviou pedreiros vros (2 Samuel, 1 Reis, 1 Crônicas, 2 Crôni­
treinados (1 Rs 5.18). cas).
c. Por fim, ele ofereceu o ouro, quatro Cargo: rei de Tiro (2 Sm 5.11).
toneladas e meia (1 Rs 9.11,14). Detalhe importante sobre a vida de Hirão (1): ele
d. Ele, então, enviou seu arquiteto- foi o rei de Tiro que ajudou Salomão a cons­
-chefe (um homem que também se truir o templo (1 Rs 5).
chamava Hirão, Hurã e Hirão-
-Abi) para supervisionar a constru­
ção do templo (1 Rs 7.13,14; 2 Cr :HlR|SO (2)j
2.13,14).
2. A casa de Salomão. S u m á r io c r o n o l ó g ic o

Hirão também ajudou a construir a I. Suas habilidades.


casa de Salomão, o que levou 13 anos; A. Ele também era chamado de Hurã e Hirão-
em contraste com o templo, que foi -Abi (2 Cr 2.13; 4.11).
concluído em seteanos(lRs7.1;9.10). B. Sua mãe era da tribo de Dã ou Naftali (1
B. A compensação. Rs 7.14; 2 Cr 2.14).
Por seu trabalho, Hirão recebeu o se­ C. Seu pai era de Tiro e artífice em bronze (1
guinte de Salomão: Rs 7.14).
1. Um pagamento anual (por sete anos) D. Hirão também era altamente habilidoso
de 20 mil coros de trigo e cevada e 20 em manusear bronze, ouro, prata, ferro,
mil coros de azeite batido (1 Rs 5.10- pedra, madeira, lã e linho fino, e também
12; 2 Cr 2.10). todos os tipos de obra de buril (1 Rs 7.14;
2. Vinte cidades da Galileia (1 Rs 9.11). 2 Cr 2.14).

779
G uia de W illmington par a a B íbu a r MÉTODO TEOLÓGICO

II. Sua missão. tabernáculo e, geralmente, ameaçavam


Hirão foi enviado pelo rei de Tiro (também o povo (1 Sm 2.12-17).
chamado Hirão) como arquiteto-chefe para su­ 2. Eles, de fato, cometeram adultério com
pervisionar a construção do templo (2 Cr 2.13; a mulher que foi ao tabernáculo (1 Sm
4.11-16). 2 . 22 ).
B. O motivo de sua corrupção.
D ados Nenhum dos filhos foi disciplinado ade­
Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Reis 7.13. quadamente por seu pai, Eli (1 Sm 2.23-25;
Citado pela última vez: 2 Crônicas 4.16. 3.13).
Significado do nome: “Meu irmão é exaltado”. II. Ele era o filho condenado de Eli.
Mencionado: sete vezes. A. A decisão.
Livros da Bíblia que citam Hirão (2): dois livros Por causa de tudo isso, Deus decidiu
(1 Reis, 2 Crônicas). matar os irmãos (1 Sm 2.25).
Cargo: artesão de metal (1 Rs 7.14). B. A declaração.
Detalhe importante sobre a vida de Hirão (2): ser­ Um profeta alertou que os dois filhos de
viu como o arquiteto-chefe do templo cons­ Eli morreriam no mesmo dia (1 Sm 2.34).
truído por Salomão. C. A derrota.
1. Em uma tentativa de animar as assusta­
das tropas israelitas, Hofni e Fineias car­
HOBABE regaram a arca do concerto para uma
batalha contra os filisteus (1 Sm 4.4).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o 2. Mesmo assim, os israelitas perderam a
I. Ele era um batedor midianita e cunhado de batalha, e ambos os filhos foram mortos.
Moisés (Êx 2.18; 3.1; Nm 10.29).
II. Moisés ordenou que Hobabe acompanhasse os D ados
israelitas até a Terra Prometida, mas ele recu­ Pai: Eli (1 Sm 1.3).
sou-se a deixar o seu lar no deserto do Sinai Irmão: Fineias (1 Sm 1.3).
(Nm 10.29-31). Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Samuel 1.3.
Citado pela última vez: 1 Samuel 4.17.
D ados Significado do nome: “Forte”.
Irmã: Zípora (Êx 2.21). Mencionado: sete vezes.
Citado pela primeira vez na Bíblia: Números Livro da Bíblia que cita Hofni: um livro (1 Sa­
10.29. muel).
Citado pela última vez: Números 10.29. Cargo: sacerdote (1 Sm 1.3).
Significado do nome: “Amado”. Lugar onde faleceu: em um campo de batalha
Mencionado: uma vez. próximo a Siló (1 Sm 4.10-12,17).
Livro da Bíblia que cita Hobabe: um livro (Nú­ Como foi morto: foi morto pelos filisteus (1 Sm
meros). 4.17).
Cargo: provavelmente um batedor profissional. Detalhe importante sobre a vida de Hofni: ele era
Detalhe importante sobre a vida de Hobabe: ele o filho mais velho e corrupto de Eli (1 Sm
era cunhado de Moisés (Nm 10.29). 2.12-17,22).

HOFNI OSEIAS (1)

S u m á r io c r o n o l ó g ic o S u m á r io c r o n o l ó g ic o
I. Hofni, filho de Eli, foi um sacerdote. I. O pecado do adultério — estudo do caso 1.
A. A natureza de sua corrupção. A. Os indivíduos.
1. Ele e o irmão, Fineias, foram desonestos 1. O esposo prejudicado — Oseias.
e ambiciosos ao lidar com as ofertas no 2. A esposa imoral — Gomer.
780
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

B. A avaliação. 1. O Esposo prejudicado — o próprio


Deus ordenou que o profeta Oseias se Deus.
casasse com uma prostituta chamada Go- 2. A Esposa imoral — Efraim (ou Israel).
mer, para que esse casório ilustrasse o ca­ B. A avaliação.
samento de Deus à infiel Israel (Os 1.1-3). 1. A Esposa de Deus é descrita.
1. Os filhos desse casamento. a. Israel era como uma vaca rebelde
O profeta adotou três filhos de Go- (Os 4.16).
mer. Cada um deles recebeu um nome b. Ela estava acesa pela luxúria, assim
(de acordo com as ordens de Deus) como o forno aceso pelo padeiro
que tinha um significado profético (Os 7.4). Deus disse que o coração
(Os 1.4-11). do povo emboscava-se com planos
a. O primeiro filho, um menino, foi malignos durante a noite e entrava
chamado de Jezreel, que significa em chamas na manhã seguinte.
“ser espalhado”. Isso fazia referên­ c. Misturou-se aos povos e tornou-se
cia a dois eventos futuros: inútil como o bolo que não fora vi­
(1) Ao abandono da dinastia de rado (Os 7.8).
um rei da parte sul de Israel, d. Era como uma pomba enganada,
chamado Jeú. fazendo um chamado para o Egito
(2) À invasão assíria, na época em e voando para a Assíria, a fim de
que o reino do norte foi com­ obter ajuda (Os 7.11).
pletamente espalhado. e. Era como um arco enganador, sem­
b. O segundo filho, uma menina, cha- pre errando o alvo, e este era a gló­
mou-se Lo-Ruama, que significa ria de Deus (Os 7.16).
“sem mais compaixão”, indicando f. Ficou entre as nações como coisa na
que o julgamento de Deus estava qual ninguém tinha prazer (Os 8.8)
próximo. g. Era como um jumento montês, que
c. O terceiro filho, um menino, foi anda sozinho (Os 8.9)
chamado de Lo-Ami, que significa h. Era como raiz seca (Os 9.16).
“não é o meu povo”. i. Era como uma vide vazia (Os 10.1).
2. A preocupação em relação a esse casa­ 2. A Noiva de Deus é denunciada.
mento. a. Por causa de sua ignorância (Os 4.6).
Oseias tentou, em vão, salvar seu b. Por causa de sua idolatria.
casamento. Gomer, uma prostituta an­ (1) Efraim orou para ídolos (Os
tes de casar-se, tornou-se uma adúltera 4.12).
após o seu casamento. Desesperado, (2) Ela sacrificou seus filhos aos
Oseias: ídolos (Os 4.13).
a. Impediu-a de ir aos comércios do (3) Ela uniu-se completamente aos
mundo. Ele, basicamente, tentou ídolos (Os 4.17).
mantê-la dentro de casa. Mas ela 3. A Noiva de Deus foi disciplinada (Os
encontrou uma maneira de voltar 8.7; veja também Os 10.13).
à vida antiga e logo se tornou a. Deus, então, retiraria Sua miseri­
uma escrava sexual. Oseias en­ córdia do meio dela (por certo tem­
tão: po) (Is 2.4).
b. Comprou-a dos comércios do mun­ b. Ela ficaria por muitos dias sem as
do. seguintes coisas (Os 3.4):
C. O final. (1) Rei.
Não nos dizem se o casamento foi salvo Em 721 a.C., Oseias, o últi­
no final ou não. mo rei de Israel, foi tirado do
II. O pecado do adultério — estudo do caso 2. trono; e, em 586 a.C., Zede-
A. Os indivíduos. quias, o último rei de Judá, foi

781
G uia de W illmington para a BIblia —• MÉTODO TEOLÓGICO

deposto. Alguns séculos de­ S u m á r io t e o l ó g ic o


pois, o único Rei verdadeiro de I. Oseias pode ter ministrado mais do que qual­
Israel foi rejeitado (Jo 19.15). quer outro profeta do Antigo ou do Novo Tes­
Portanto, essa situação trágica tamento.
permanecerá até que Ele venha II. Ele, sem dúvidas, compreendeu por que o co­
novamente (Ap 19.11-16). ração de Deus sofria diante da infidelidade de
(2) Príncipe. Israel por causa do próprio casamento trágico.
O próximo príncipe de Isra­ III. Ele referia-se constantemente ao rei do reino do
el relatado não ministrará até o norte de Israel como Efraim, pois foi a primei­
milênio (Ez 44.3). ra das dez tribos a desviar-se.
(3) Sacrifício. IV. Paulo citou Oseias para sustentar sua posição
Em 70 d.C., Tito destruiu o acerca da vindoura restauração de Israel (Os
templo, e todos os sacrifícios 2.23; Rm 9.25).
de animais cessaram. Durante
a tribulação, eles serão institu­ D ados
ídos novamente e então serão Pai: Beeri (Os 1.1).
outra vez interrompidos pelo Esposa: Gomer (Os 1.2,3).
anticristo (Dn 9.27). Filhos: Jezreel e Lo-Ami (Os 1.4,9).
(4) Estátua. Filha: Lo-Ruama (Os 1.6).
Isso significa, literalmente, Citado pela primeira vez na Bíblia: Romanos 9.25.
“as colunas” e pode ser uma re­ Significado do nome: “Salvação”.
ferência ao templo. Um templo Mencionado: quatro vezes.
será reconstruído durante a tri­ Livros da Bíblia que citam Oseias (1): dois livros
bulação (2 Ts 2; Ap 13), destru­ (Oseias, Romanos).
ído (Zc 14.2), e outro será Cargos: sacerdote e profeta.
construído durante o milênio Detalhe importante sobre a vida de Oseias (1):
(Ez 40.18). Deus ordenou que ele se casasse com uma
(5) Éfode. prostituta (Os 1.2).
Uma referência ao sumo sa­
cerdócio de Israel. O éfode era
uma vestimenta. O último su­ OSEIAS (2)
mo sacerdote de Israel plane­ (Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 177)
jou pessoalmente o assassinato
do próprio Messias da nação S u m á r io c r o n o l ó g ic o
(Mt 26.57-68; Jo 11.49-51). I. Oseias e Peca.
(6) Terafins. A. Oseias foi o décimo nono e último rei do
Geralmente, eram modelos sul de Israel.
ou imagens em formato huma­ B. Ele reinou por nove anos (2 Rs 17.1)
no (Gn 31.34). Não se sabe a C. Ele assassinou Peca (o décimo oitavo gover­
que Oseias se referia aqui. nante) para obter o seu trono (2 Rs 15.30).
c. Eles seriam levados como escravos D. Ele fez o que era mal aos olhos do Senhor ;
para a Assíria (Os 10.6). contudo, não com o os reis de Israel que f o ­
d. Eles seriam engolidos temporaria­ ram antes dele (2 Rs 17.2).
mente entre as nações (Os 8.8; II. Oseias e Salmaneser.
9.17). A. A rebelião contra Salmaneser.
C. O final. 1. No início de seu reinado, Oseias foi
1. O retorno da Noiva de Deus (Os 3.5; ameaçado pelo monarca assírio cha­
6 . 1 , 2 ). mado Salmaneser.
2. A restauração da Noiva de Deus (Os 2. Ele, primeiro, tentou agradá-lo com
13.10,14; 14.4-7). tributos e dinheiro (2 Reis 17.3).
782
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

B. A retaliação de Salmaneser. Citada pela última vez: 2 Crônicas 34.22.


1. Mais tarde, entretanto, Oseias uniu-se Significado do nome: “Doninha”.
ao Egito, planejando uma rebelião Mencionada: duas vezes.
contra Salmaneser (2 Rs 17.4). Livros da Bíblia que citam Hulda: dois livros (2
2. Ao tomar conhecimento disso, o rei as­ Reis, 2 Crônicas).
sírio lançou Oseias na prisão (2 Rs Cargo: profetiza (2 Rs 22.14).
17.4). Detalhe importante sobre a vida de Hulda: ela foi
3. Após um cerco que durou três anos, profetiza nos dias do rei Josias, avisando so­
Salmaneser conquistou a cidade capi­ bre a queda de Judá (2 Rs 22.14-20).
tal de Oseias, Samaria, e levou seus ha­
bitantes em cativeiro (2 Rs 17.5,6).
HURI
D ados

Pai: Elá (2 Rs 15.30). S u m á r io c r o n o l ó g ic o

Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 15.30. I. Sua associação com Moisés.
Citado pela última vez: 2 Reis 18.10. De acordo com a tradição judaica, Hur foi
Significado do nome: “Deus é auxílio”. esposo de Miriã e, portanto, cunhado de Moi­
Mencionado: sete vezes. sés.
Livro da Bíblia que cita Oseias (2): um livro (2 II. Sua assistência a Moisés.
Reis). Juntamente com Arão (irmão mais velho de
Cargo: rei do reino do norte de Israel. Moisés), Hur ajudou a erguer os braços de
Lugar onde faleceu: provavelmente Assíria (2 Moisés, garantindo, assim, a vitória dos israe­
Reis 18.11). litas durante a luta contra os amalequitas, no
Detalhe importante sobre a vida de Oseias (2): ele pé do monte Sinai (Êx 17.10-13).
foi o último rei do reino do norte de Israel (2 III. Sua missão recebida de Moisés.
Rs 18.11). Moisés colocou Arão e Hur na guarda do
campo israelita durante a grande sessão de 40
dias em que as leis foram passadas no monte
HULDA Sinai (Êx 24.14).

S u m á r io c r o n o l ó g ic o D ados

I. Sua profecia de sofrimento. Esposa: considera-se que seja Miriã, irmã de Moi­
A. Hulda ministrou nos dias do íntegro rei Jo­ sés (tradição judaica).
sias. Ela viveu no segundo distrito de Jeru­ Citado pela primeira vez na Bíblia: Êxodo 17.10.
salém (2 Rs 22.14). Citado pela última vez: Êxodo 24.14.
B. Josias enviou Hilquias, o sumo sacerdote, Significado do nome: “Livre, nobre”.
para obter o conselho de Hulda quando os Mencionado: três vezes.
trabalhadores descobriram uma cópia da Livro da Bíblia que cita Hur: um livro (Êxodo).
Lei de Moisés no templo (2 Rs 22.8-14). Detalhe importante sobre a vida de Hur: ele aju­
C. Ela avisou a Josias que Deus destruiria Ju­ dou a manter as mãos de Moisés levantadas
dá e Jerusalém devido ao seu pecado con­ durante uma batalha (Êx 17.12).
tínuo e sem arrependimento (2 Rs 22.15-
17).
II. Sua boa profecia. HUSAIj
Hulda assegurou Josias, entretanto, de que
ele seria poupado disso (2 Rs 22.18-20). S u m á r io c r o n o l ó g ic o

I. Husai e Davi.
D ados A. Alguém que apoiava Davi.
Esposo: Salum (2 Rs 22.14). 1. Husai era um arquita de uma aldeia a
Citada pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 22.14. oeste de Betei.
783
G u ia de W illm in g to n para a B íb lia \ MÉTODO TEOLÓGICO

2. Ele era amigo e conselheiro de Davi e Cargo: conselheiro de Davi (2 Sm 15.32-34).


acompanhou o rei quando este recuou Detalhe importante sobre a vida de Husai: ele era
de Jerusalém durante a fuga de Absa­ o conselheiro de confiança de Davi e de Salo­
lão (2 Sm 15.32). mão.
B. Um espião de Davi.
Ele foi enviado para Jerusalém por Da­
vi, que o mandou fingir que estava do lado ! ISAQUE
de Absalão, a fim de que o rei pudesse des­ (Veja também O estágio d o patriarcado,\o\. l,p .3 7 )
cobrir o que o jovem rebelde estava plane­
jando (2 Sm 15.33-37). S u m á r io c r o n o l ó g ic o
II. Husai e Absalão. I. Isaque e Abraão.
A. A sutileza. A. O nascimento sobrenatural de Isaque.
1. A princípio, Absalão ficou desconfiado 1. Isaque foi prometido a seus pais e, an­
quando Husai ofereceu ajuda, mas lo­ tes mesmo de nascer, recebeu o nome
go o aceitou como um valioso conse­ que o próprio Deus lhe deu (Gn
lheiro (2 Sm 16.15-20). 17.9,21).
2. Percebendo que os homens de Davi 2. Ele nasceu do ventre infértil de Sara,
precisavam de tempo para organizar que Deus tocou de maneira sobrenatu­
um contra-ataque, Husai aconselhou ral (Gn 18.10,11).
Absalão a mobilizar mais homens an­ 3. Abraão tinha 100 anos, e Sara tinha 90
tes de atacar e, então, sugeriu que o quando seu filho nasceu (Gn 17.17;
próprio jovem rebelde liderasse as tro­ 21.5).
pas na batalha (2 Sm 17.6-13). B. O espírito submisso de Isaque (Gn 22.1-
B. O sucesso. 11 ).
1. O tolo e arrogante Absalão concordou, 1. Isaque acompanhou Abraão até o
recusando, então, o conselho que havia monte Moriá, para tornar-se um sacri­
recebido de Aitofel, que corretamente fício conforme Deus havia ordenado.
o orientou a atacar de imediato (2 Sm 2. A princípio, ele não estava ciente de
17.1-4). que seria o sacrifício.
2. Husai, depois, contou ao sumo sacer­ 3. Portanto, perguntou a seu pai: Eis
dote Zadoque e ao seu associado Abia- aqui o fo g o e a lenha, mas onde está o
tar os planos de Absalão; diante disso, cord eiro para o h o lo ca u s to ? (Gn
Zadoque enviou seu filho, e Abiatar 22.7).
também enviou o seu, para que avisas­ 4. Ao ficar ciente disso, ele, voluntaria­
sem Davi (2 Sm 17.15-22). mente, permitiu que Abraão o amar­
III. Husai e Salomão. rasse ao altar (Gn 22.9).
Anos depois, o rei Salomão (filho de C. O cordeiro substituto para Isaque (Gn
Davi) escolheu Baaná, filho de Husai, co­ 22.12-14).
mo comissário dos 12 distritos tributários 1. Abraão viu um carneiro ali perto, pre­
em Israel (1 Rs 4.16). so pelos chifres em um arbusto.
2. Conforme o comando de Deus, Abraão
D ados ofereceu o cordeiro como substituto de
Filho: Baaná (1 Rs 4.16). Isaque.
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Samuel II. Isaque e Ismael.
15.32. A. Isaque foi ridicularizado por seu meio-ir-
Citado pela última vez: 1 Crônicas 27.33. mão, Ismael, no dia em que foi desmama-
Significado do seu nome: “Veloz”. do (Gn 21.8-11).
Mencionado: 14 vezes. B. Por causa disso, Abraão mandou Ismael e
Livros da Bíblia que citam Husai: três livros (2 sua mãe, Agar, irem embora (Gn 21.12-
Samuel, 1 Reis, 1 Crônicas). 14).
784
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

C. Isaque e Ismael se reencontrariam anos de­ 2. Deus, então, reafirmou a aliança abraâ-
pois, no enterro de seu pai, Abraão (Gn mica a ele, que consistia de semente,
25.9). terras e um Salvador.
III. Isaque e Rebeca. a. Semente.
A. Seu casamento com Rebeca. Deus faria sua semente multipli­
1. Isaque casou-se com Rebeca, que foi car-se com o as estrelas dos céus
escolhida e trazida para ele da cidade (Gn 26.4).
mesopotâmica de Naor, pelo servo de b. Terras.
Abraão (Gn 24.10,62-67). A terra de Canaã seria dada a
2. Ele tinha 40 anos na época (Gn 25.20). seus descendentes (Gn 26.3).
B. Sua oração por Rebeca. c. Um Salvador.
1. Deus respondeu à oração de Isaque por Um dia, em tua sem ente serão
sua esposa infértil, Rebeca, resultando benditas todas as nações da terra
no nascimento de gêmeos, Esaú e Jacó (Gn 26.4).
(Gn 25.21-26). B. A aparição em Berseba (Gn 26.23-25).
2. Isaque tinha 60 anos de idade na épo­ 1. Novamente, a aliança abraâmica foi
ca (Gn 25.26). confirmada a Isaque.
C. Sua mentira acerca de Rebeca. 2. Ele construiu um altar naquele lugar e
1. Em uma época de fome, Isaque mu­ adorou a Deus.
dou-se para a cidade filisteia de Gerar VI. Isaque e seus filhos.
(Gn 26.1). A. Esaú, o favorito de Isaque.
2. Temendo que os filisteus o matassem 1. Isaque e Rebeca lamentaram-se quan­
por casar-se com sua esposa, Isaque do Esaú se casou com duas mulheres
mentiu sobre Rebeca, dizendo ao rei fi- hititas pagãs (Gn 26.34,35).
listeu, Abimeleque, que ela era sua ir­ 2. Apesar disso, entretanto, Isaque consi­
mã (Gn 26.7). derava Esaú seu filho preferido (Gn
3. Sua mentira foi descoberta por meio de 25.28).
um vergonhoso incidente, e ele foi re­ 3. Um dia, temendo que sua vida estives­
preendido por Abimeleque (Gn 26.8- se no fim, Isaque pediu que chamassem
11 ). Esaú (Gn 27.1-4). Na verdade, ele vi­
IV. Isaque e os filisteus. veu por muitos anos ainda, chegando
A. Apesar de sua carnalidade, Isaque foi aben­ aos 180 anos (Gn 35.28).
çoado por Deus, tendo uma colheita 100 a. Ele pediu que seu filho apanhasse
vezes mais farta em um ano (Gn 26.12,13). uma caça e lhe preparasse um gui­
B. Isso causou inveja aos filisteus, que retalia­ sado.
ram enchendo os poços de Isaque com de­ b. Ele, então, prometeu dar a Esaú a
tritos (Gn 26.14,15). bênção patriarcal.
C. Por fim, a pedido de Abimeleque, Isaque B. Jacó, o preferido de Rebeca.
mudou-se para um local distante de Gerar 1. Rebeca, ao ouvir as palavras de Isaque,
e reabriu esses poços obstruídos (Gn rapidamente chamou Jacó, seu filho
26.16-22). preferido (Gn 25.28; 27.5,6).
D. Percebendo as bênçãos de Deus sobre Isa­ 2. Foram feitos planos rápidos para que
que, Abimeleque visitou-o e pediu que as­ Jacó enganasse Isaque, que tinha pro­
sinassem um tratado de paz, e assim fize­ blemas de visão (Gn 27.7-17).
ram (Gn 26.26-33). a. Jacó deveria assumir a identidade de
V. Isaque e Deus. Esaú, para que recebesse a bênção.
A. A aparição em Gerar (Gn 26.2-5). b. Rebeca, rapidamente, preparou a
1. Ele foi avisado para não ir ao Egito na comida que Isaque pediu a Esaú.
época da fome, assim como seu pai ha­ c. Ela, então, vestiu Jacó com as rou­
via feito uma vez. pas de Esaú, cobrindo suas mãos e
785
G uia d e W illm ington par a a B íblia != MÉTODO TEOLÓGICO

as partes lisas do seu pescoço com E. Ezequias (2 Cr 30.6).


pele de cabrito. III. Jesus e Isaque.
3. Com sucesso, Isaque foi enganado por A. Jesus referiu-se a Seu Pai como o Deus de
Jacó e deu-lhe a bênção patriarcal, que Abraão, de Isaque e de Jacó (Mt 22.32; Lc
profetizava o seguinte (Gn 27.18-29): 20.37).
a. Que Jacó se tornaria um homem B. Jesus profetizou que os gentios que cres-
próspero. sem um dia seriam companheiros de
b. Que os descendentes de Esaú servi­ Abraão, de Isaque e de Jacó (Mt 8.11).
riam aos descendentes de Jacó. IV. Pedro e Isaque: Pedro referiu-se a Deus como
c. Que outras nações serviriam aos o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó (At
descendentes de Jacó. 3.13).
d. Que Deus abençoaria aqueles que V. Estêvão e Isaque.
se aliassem a Jacó e amaldiçoaria A. Estêvão referiu-se a Deus como o Deus de
os que o amaldiçoassem. Abraão, de Isaque e de Jacó (At 7.32).
4. Isaque, chocado, descobriu depois, por B. Estêvão mencionou o nascimento e a cir­
intermédio de Esaú, que foi enganado cuncisão de Isaque (At 7.8).
por Jacó (Gn 27.30-36). VI. Paulo e Isaque.
5. A pedido de Esaú, Isaque pronunciou A. Paulo referiu-se a Isaque e seus dois filhos
uma bênção modificada sobre ele, pro­ ao ilustrar a soberania de Deus (Rm 9.7-
fetizando o seguinte (Gn 27.37-40): 15).
a. Que a vida de Esaú não seria entre­ B. Paulo referiu-se a Isaque e Ismael, usan­
gue aos luxos e à luxúria. do-os para contrastar lei e graça (G14.28-
b. Que ele viveria pela espada. 31).
c. Que, por um tempo, ele serviria a VII. Tiago e Isaque.
seu irmão, mas, depois, conseguiria Tiago referiu-se à oferta de Isaque no mon­
livrar-se dele. te Moriá (Tg 2.21).
6. Percebendo que Esaú planejava matar VIII. O livro de Hebreus e Isaque.
Jacó, Isaque fez o seguinte (Gn 28.1-5): A. Hebreus menciona a oferta de Isaque no
a. Pediu que chamasse Jacó e o aben­ monte Moriá (Hb 11.17).
çoou. B. Também se refere à fé que Isaque tinha ao
b. Ordenou que ele não se casasse abençoar Jacó e Esaú (Hb 11.20).
com uma mulher cananeia.
c. Disse-lhe para encontrar uma espo­ D ados
sa dentre as parentes de Rebeca, Pai: Abraão (Gn 21.3).
em Naor. Mãe: Sara (Gn 21.3).
d. Por fim, ele orou para que Jacó vol­ Esposa: Rebeca (Gn 24.67).
tasse um dia e tomasse posse da Filhos: Esaú e Jacó (Gn 25.24-26).
terra que lhe foi dada na aliança Irmãos: meios-irmãos: Ismael, Zinrã, Jocsã, Me-
abraâmica. dã, Midiã, Isbaque e Suá (Gn 16.16; 25.1,2).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 17.
S u m á r io t e o l ó g ic o 19.
I. Em pelo menos 25 ocasiões no Antigo Testa­ Citado pela última vez: Tiago 2.21.
mento, Deus identificou-se como o Deus de Significado do seu nome: “Risada”.
Abraão, de Isaque e de Jacó. Mencionado: 128 vezes.
II. Estes cinco indivíduos descreveram o Senhor Livros da Bíblia que citam Isaque: 21 livros (Gê­
como o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó: nesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronô­
A. Moisés (Dt 9.27). mio, Josué, 1 Reis, 2 Reis, 1 Crônicas, 2 Crô­
B. Elias (1 Rs 18.36). nicas, Salmos, Jeremias, Amós, Mateus, Mar­
C. Davi (1 Cr 16.16; 29.18). cos, Lucas, Atos dos Apóstolos, Romanos,
D. O salmista (SI 105.9,10). Gálatas, Hebreus, Tiago).
786
P erso n ag en s do A n t ig o T est a m en t o

Lugar onde faleceu: Manre, próximo de Hebrom 1. Sua mensagem.


(Gn 35.27-29). Um dia, uma virgem daria à luz um
Idade que tinha quando morreu: 180 (Gn 35.28). filho, cujo nome seria Emanuel.
Detalhe importante sobre a vida de Isaque: ele foi 2. Seu significado.
o filho prometido de Abraão e pai de Jacó (Gn Esse sinal serviria como prova da
17.19; 25.21-26). intenção de Deus de, um dia, livrar Je­
rusalém de todos os seus inimigos.
II. Isaías e o rei Ezequias.
ISAÍAS A. O cerco.
Isaías entregou três mensagens durante
a época em que Senaqueribe, o rei assírio,
S u m á r io c r o n o l ó g ic o e seus exércitos cercaram a cidade de Jeru­
I. Israel, o servo sem fé do Senhor (Is 1— 35). salém.
A. Isaías discutiu as falhas de Israel. 1. A mensagem de Isaías ao amedrontado
B. Isaías discutiu o futuro de Israel. rei judeu Ezequias (2 Rs 19.5-7; Is
II. Ezequias, o servo amedrontado de Deus (Is 37.5-7).
36— 39). a. O rei assírio receberia as más notí­
A. Jerusalém estava cercada por seus inimi­ cias de casa e retornaria para lá ra­
gos. pidamente.
B. Jerusalém foi salva de seus inimigos. b. Quando chegasse, ele seria morto.
III. Cristo, o servo fiel de Deus (Is 40—66). 2. A mensagem de Isaías para o povo de
Jerusalém (2 Rs 19.32-34).
S u m á r io d e t ó p ic o s a. O rei assírio não entraria na cida­
I. Isaías e o rei Acaz. de.
A. A primeira profecia de Isaías. b. Ele não construiria uma rampa nos
1. Reconforto enviado por Deus. seus muros, nem atiraria uma fle­
Isaías e seu filho Sear-Jasube foram cha contra a cidade.
enviados por Deus para tranqüilizar o c. Ele retornaria pela mesma estrada
amedrontado rei judeu Acaz (Is 7.1- em que veio.
12 ). d. Deus salvaria Jerusalém pessoal­
2. A necessidade desse reconforto. mente, por Seu próprio nome e pe­
A cidade de Jerusalém foi cercada lo de Davi.
por dois de seus inimigos. 3. A mensagem de Isaías a Senaqueribe,
3. O conteúdo desse reconforto. o rei assírio (2 Rs 19.20-28; Is 37.22-
a. Acaz deveria manter-se calmo e não 29).
temer. a. A única razão pela qual Senaqueri­
b. O próprio Deus, em breve, derrota­ be foi capaz de derrotar as muitas
ria os dois invasores. nações foi porque Deus permitiu
4. A reação a esse reconforto. que isso acontecesse.
a. O convite de Deus. b. Deus conhecia seus planos e as coi­
Deus convidou Acaz a testá-lo, sas malignas que Senaqueribe disse
pedindo um sinal nas mais baixas sobre Ele.
profundezas ou nas maiores alturas. c. Por causa da arrogância de Sena­
b. A descrença de Acaz. queribe contra Deus, Ele faria o se­
Ele até se recusou a testar a guinte:
Deus. (1) Colocaria um gancho em seu
B. A segunda profecia de Isaías. nariz.
Deus, então, entregou, por intermédio (2) Um freio em sua boca.
de Isaías, um sinal divino de si mesmo (Is (3) Levá-lo-ia pela mesma rua de
7.13,14). onde veio.
787
G uia de W illmington par a a B<b u a MÉTODO TEOLÓGICO

B. A salvação. Ezequias mostrou a um emissário


Isaías e Ezequias, então, clamaram a da Babilônia, que estava de visita, to­
Deus, e Ele enviou um anjo que destruiu das as suas vastas riquezas, seus tesou­
185 mil tropas assírias (2 Rs 19.35; 2 Cr ros de prata, ouro, joias, especiarias e
32.20,21). óleos finos.
C. A doença. 2. A conseqüência da ação do rei.
Isaías entregou algumas notícias terrí­ Isaías profetizou o seguinte:
veis e, depois, notícias tremendas ao angus­ a. Um dia, soldados da Babilônia vi­
tiado Ezequias. riam a Jerusalém e levariam todas
1. As notícias terríveis. as riquezas que Ezequias relevou.
a. A natureza dessas notícias. b. Seus filhos se tornariam escravos
Ezequias deveria colocar sua ca­ deles.
sa em ordem, pois Deus disse que III. Isaías e os serafins.
ele não se recuperaria, mas morre­ Isaías foi chamado para servir em tempo inte­
ria (Is 38.1). gral no ano em que o rei Uzias morreu (Is 6.1-13).
b. O motivo das notícias. A. Isaías e o céu de Deus.
Ezequias invocou o julgamento 1. Sua visão.
de Deus ao permitir que seu cora­ a. Ele viu o Senhor assentado em um
ção se tornasse orgulhoso e ingrato trono, com a Sua glória enchendo
(2 Cr 32.35). o templo.
2. As notícias tremendas. b. Ele viu os poderosos anjos de seis
a. A natureza dessas notícias (2 Rs asas, conhecidos como serafins.
20.4-6). c. Ele os ouviu dizerem uns para os
(1) Deus ouviu a oração do rei e outros: Santo, Santo, Santo é o S e­
viu suas lágrimas. nhor dos Exércitos; toda a terra
(2) Deus o levantaria e acrescenta­ está cheia da sua glória (Is 6.3).
ria 15 anos à sua vida. 2. Sua vexação.
b. O sinal que provava essas notícias. O profeta percebeu que era um ho­
Isaías ofereceu a Ezequias um mem impuro vivendo dentre um povo
de dois sinais para provar a valida­ impuro.
de da profecia (2 Rs 20.8-11). 3. Sua visitação.
(1) O rei queria que a sombra do Um dos serafins tocou a boca de Isa­
sol avançasse dez passos no re­ ías com brasa viva tirada do santo al­
lógio de Acaz? tar, assegurando que a sua culpa seria
(2) Ou queria que voltasse dez pas­ removida, e o seu pecado, expiado.
sos? B. Isaías e o Deus do céu.
(3) Ezequias escolheu o segundo, 1. Ouvindo a voz de Deus.
achando que seria um sinal me­ O profeta ouviu Deus dizer: A
lhor. Enquanto o rei observava, quem enviarei, e quem há de ir por
o milagre aconteceu. nóst (Is 6.8).
c. O método empregado para enfati­ 2. Obedecendo à voz de Deus.
zar essas notícias. Isaías respondeu: Eis-me aqui, en-
Isaías instruiu Ezequias a ferver via-me a mim (Is 6.8).
alguns figos secos, fazer uma pasta IV. Isaías e a queda de Lúcifer (Is 14.12-15).
com eles e aplicá-la ao corpo (2 Rs O profeta registra os cinco “-irei” mortais
20.7; Is 38.21). que fizeram com que Lúcifer se tornasse o dia­
D. A estupidez. bo. Esse anjo arrogante cobiçou o seguinte:
Isaías repreendeu Ezequias com severi­ A. O lugar de Deus — subirei ao céu.
dade (2 Rs 20.12-18; Is 39.1-7). B. A preeminência de Deus — acima das es­
1. A tolice da ação do rei. trelas de Deus, exaltarei o meu trono.
788
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

C. O plano de Deus — no monte da congre­ D. Ele descreveu o renascimento de Israel.


gação, m e assentarei, da banda dos lados 1. A dor envolvida (Is 66.7-9).
do Norte. 2. O tempo envolvido (Is 66.8).
D. A posição de Deus — subirei acim a das 3. A transformação envolvida (Is 26.19).
mais altas nuvens. E. Ele descreveu a restauração de Israel.
E. O poder de Deus — serei semelhante ao Al­ 1. A reunião pelo Senhor (Is 27.12;
tíssimo. 43.5,6).
V. Isaías e as nações gentias. 2. A glorificação do Senhor (Is 27.13).
A. Babilônia (Is 13— 14,21). VII. Isaías e a grandeza de Deus.
B. Assíria (Is 14.24-27). A. Ele escreveu os atributos intrínsecos de
C. Filístia (Is 14.28-32). Deus.
D. Moabe (Is 15— 16). 1. Sua glória (Is 42.8; 59.19).
E. Síria (Is 17). 2. Sua santidade (Is 6.1-3; 57.15).
F. Etiópia (Is 18). 3. Sua onisciência (Is 40.13,14).
G. Egito (Is 19—20). 4. Sua onipotência (Is 40.12,15-17).
Deus ordenou que Isaías tirasse sua tú­ 5. Sua eternidade (Is 57.15).
nica e andasse de pés descalços por três 6. Sua trindade (Is 48.16).
anos, para profetizar como a Assíria despi­ 7. Sua singularidade (Is 45.5,6; 46.9).
ria o Egito e a Etiópia de suas riquezas e B. Ele escreveu sobre os atributos comunica­
posses (Is 20.1-6). dos de Deus.
H. Edom (Is 21.11,12). 1. Sua justiça (Is 59.17).
I. Arábia (Is 21.13-17). 2. Sua graça (Is 30.19).
J. Tiro (Is 23). 3. Sua misericórdia (Is 14.1).
K. O mundo inteiro (Is 24—25). 4. Sua compaixão (Is 63.7-9).
VI. Isaías e a nação de Israel. 5. Sua ira (Is 30.27).
A. Ele descreveu o pecado de Israel. 6. Sua longanimidade (Is 1.18).
1. Ignorância deliberada (Is 1.3; 5.13). 7. Sua fidelidade (Is 25.1).
2. Hipocrisia (Is 1.14,15). 8. Seu amor (Is 49.14-16).
3. Liderança corrupta (Is 1.23; 9.16). 9. Sua salvação (Is 12.2-5; 25.8,9; 45.22).
4. Idolatria (Is 2.8). 10. Sua Palavra (Is 40.6-8; 55.10,11).
5. Puro materialismo (Is 2.7). VIII. Isaías e o Filho de Deus.
6. Mulheres ímpias (Is 3.16-26). A. Ele descreveu o Cordeiro.
7. Infertilidade (Is 5.1-7). 1. Sua encarnação (Is 7.14,15; 9.6).
8. Bebedice (Is 5.11; 28.7). 2. Sua humildade e juventude (Is 7.15;
9. Imoralidade (Is 5.20). 11.1,2; 53.2).
10. Humanismo (Is 5.21). 3. Seu relacionamento com o Pai (Is 42.1;
11. Alianças fora das Escrituras (Is 31.1). 40.4,5).
12. Rebelião (Is 30.9; 65.2). 4. Seu ministério específico para os gen­
13. Sacrifício infantil (Is 57.5). tios (Is 9.1,2).
14. Situação geral (Is 1.6; 59.1-3,7,8; 5. Seu gracioso ministério para todos (Is
64.6). 42.2,3).
B. Ele descreveu a punição de Israel. 6. Seus milagres (Is 35.5,6).
1. Derrota (Is 30.17). 7. Sua mensagem (Is 61.1,2).
2. Fechamento dos olhos (Is 29.10-12). 8. Seu sofrimento e Sua morte (Is 50.6;
3. Destruição (Is 3.8; 10.6). 52.14; 53.1-10).
C. Ele descreveu o arrependimento de Israel. B. Ele descreveu o Leão.
1. Ela se converterá de suas más ações (Is 1. Sua ressurreição (Is 53.10-12).
31.7). 2. Seu Reino milenar (Is 9.7; 32.1; 33.22).
2. Ela se converterá ao seu Messias (Is IX. Isaías e a grande tribulação.
64.8,9). A. Ele descreveu os últimos lamentos.

789
G uia de W illmington para a BIblia ^ MÉTODO TEOLÓGICO

1. Pragas divinas sobre o solo (Is 2.21; 1. A profecia descrita por Isaías (Is 42.1-4).
13.13; 24.1,6,20). 2. O cumprimento descrito por Mateus
2. Pragas divinas sobre o céu (Is 13.10; (Mt 12.18-21).
34.4). C. João escreveu o seguinte:
3. Pragas divinas sobre os pecadores (Is 1. Que os líderes judeus cumpriram a
2.19; 13.7,8; 34.1,2; 63.3). profecia de Isaías sobre a descrença
B. Ele descreveu a guerra final. que Cristo enfrentaria (Is 52.1; Jo
1. A vingança do Senhor (Isaías 26.20,21; 12.37,38).
34.1-4; 66.15,16,24). 2. Que Isaías viu a glória de Cristo e falou
2. A vitória do Senhor (Is 63.1-6). sobre Ele (Jo 12.41).
X. Isaías e o glorioso milênio. II. Isaías e Jesus.
A. As nações e o milênio. A. Jesus leu o pergaminho de Isaías durante o
1. Os judeus. Seu sermão em Nazaré e alegou ser o cum­
a. Seus cidadão serão purificados (Is primento das palavras do profeta acerca
4.4). do Messias.
b. A capital será exaltada (Is 26.1,2; 1. A profecia (Is 61.1,2).
52.1). 2. O cumprimento (Lucas 4.16-21).
2. Os gentios. B. Jesus mudou-se para Cafarnaum, uma ci­
a. As guerras cessarão (Is 2.4). dade da Galileia na região de Zebulom e
b. A adoração começará (Is 2.2,3; Naftali, a fim de que pudesse cumprir a
66.23). profecia entregue por Isaías.
B. Os necessitados no milênio. 1. A profecia (Is 9.1,2).
1. Os cegos verão (Is 29.18; 35.5). 2. O cumprimento (Mt 4.13-15).
2. Os surdos ouvirão (Is 29.18; 35.5). C. Jesus curou muitas pessoas para cumprir a
3. Os coxos andarão (Is 35.6). profecia de Isaías acerca do Messias (Is
C. A própria natureza no milênio. 53.4; Mt 8.16,17).
1. O interior. D. Jesus denunciou os fariseus em duas ocasi­
a. Os vales subirão (Is 40.4). ões, dizendo que eles cumpriram as profe­
b. As montanhas afundarão (Is 40.4). cias de Isaías sobre eles.
c. Os desertos florescerão (Is 35.1,6). 1. A primeira ocasião (Is 6.9,10; Mt
2. As criaturas. 13.14,15).
a. Harmonia perfeita entre o leão e o 2. A segunda ocasião (Is 29.13; Mt 15.7-
cordeiro (Is 11.6,7; 65.25). 9; Mc 7.6,7).
b. Harmonia perfeita entre o filho e a III. Isaías e Felipe.
basilisco (Is 11.8). A. A passagem.
O eunuco etíope estava lendo Isaías 53
S u m á r io t e o l ó g ic o quando Felipe o alcançou no deserto (Is
I. Isaías e os autores dos Evangelhos. 53.7,8; At 8.26-35).
A. Mateus e Lucas identificaram João batista B. O enigma (At 8.34).
como o mensageiro no Novo Testamento C. A proclamação (At 8.35).
profetizado por Isaías no Antigo Testa­ IV. Isaías e Paulo.
mento (compare Mt 3.1-3; Lc 3.2-6 com Is Paulo citou Isaías com frequência, apontan­
40.3-5). do:
1. A profecia descrita por Isaías (Is 40.3- A. Que uma Israel descrente cumpriu a profe­
5). cia de Isaías sobre ela (Is 6.9,10; 44.18; At
2. O cumprimento descrito por Mateus 28.25-27).
(Mt 3.1-3). B. Que Deus estendeu um longo e intenso
B. Mateus identificou Cristo como o servo es­ convite a Israel (Is 65.2; Rm 10.21).
colhido do Novo Testamento profetizado C. Que Israel tropeçaria em Cristo quando
por Isaías no Antigo Testamento. Ele aparecesse (Is 8.14; 28.16; Rm 9.33).
790
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

D. Que Deus reservaria para si, mesmo assim, II. Morto por dois soldados.
um remanescente em Israel (Is 10.22,23; Ao final de seu reinado de dois anos, Isbose-
Rm 9.27,28). te foi assassinado por dois de seus soldados (2
E. Que esse remanescente seria preservado Sm 4.5,6).
somente por causa da graça de Deus (Is
I.9 ; Rm 9.29). D ados

F. Que os gentios encontrariam Cristo (Is 9.6,7; Pai: Saul (2 Sm 2.8).


II,1,10; 52.15; 65.1; Rm 10.20; 15.12,21). Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Samuel 2.8.
Citado pela última vez: 2 Samuel 4.12.
D ados Significado do nome: “Homem de vergonha”.
Pai: Amós (Is 38.1). Mencionado: 11 vezes.
Esposa: uma profetiza (Is 8.3). Livro da Bíblia que cita Isbosete: um livro (2 Sa­
Filhos: Sear-Jasube e Maer-Salal-Hás-Baz (Is 7.3; muel).
8.1,3). Cargo: rei de toda Israel, exceto Judá (2 Sm 2.4,8,9).
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 19.2. Lugar onde faleceu: no próprio quarto (2 Sm 4.5-
Citado pela última vez: Romanos 15.12. 7)-
Significado do nome: “Salvação de Deus”. Como foi morto: ele foi morto por dois rebeldes
Mencionado: 53 vezes. (2 Sm 4.5,11).
Livros da Bíblia que citam Isaías: nove livros (2 Detalhe importante sobre a vida de Isbosete: foi
Reis, 2 Crônicas, Isaías, Mateus, Marcos, Lu­ sucessor de seu pai, Saul, como rei (2 Sm
cas, João, Atos dos Apóstolos, Romanos). 2.8,9).
Cargo: profeta (2 Rs 19.2).
Detalhe importante sobre a vida de Isaías: ele foi
o maior profeta do Antigo Testamento. ISMAEL (1)

S u m á r io c r o n o l ó g ic o

ISBOSETE I. As profecias acerca de Ismael.


A. Antes de seu nascimento.
S u m á r io c r o n o l ó g ic o 1. O nome de Ismael foi dado à sua mãe,
I. Coroado por um soldado. Agar, pelo Senhor, antes do seu nasci­
A. A unção. mento (Gn 16.11).
1. Ele foi um dos filhos de Saul que se tor­ 2. Deus também profetizou que ele vive­
nou rei das dez tribos por intermédio ria uma vida agitada, lutando com
de Abner, general de Saul, após a mor­ amigos e inimigos (Gn 16.12).
te de Saul (2 Sm 2.8). B. Após o seu nascimento.
2. Ele tinha 40 anos na época e reinou por 1. Deus prometeu a Abraão que abenço­
apenas dois anos (2 Sm 2.10). aria Ismael e o tornaria pai de 12 go­
B. A acusação. vernantes (Gn 17.20; 25.13-16).
1. Isbosete acusou Abner de dormir com 2. Ismael foi circuncidado por Abraão
Rispa, uma antiga concubina de seu quando tinha 13 anos (Gn 17.24-26).
pai, Saul (2 Sm 3.7). II. A provocação de Ismael.
2. Furioso, Abner ameaçou entregar o rei­ A. Mais tarde, Ismael causou a ira de Sara
no de Isbosete a Davi (2 Sm 3.8-11). quando zombou de Isaque no dia separado
C. O apaziguamento. para celebrar seu desmame (Gn 21.9,10).
Em uma tentativa de acalmar Abner e B. Sob o comando de Deus, Abraão expulsou
Davi, Isbosete enviou Mical, a filha mais Agar e Ismael do seu arraial (Gn 21.11-13).
nova de Saul e a primeira esposa de Davi, III. A provisão.
de volta a Davi. Durante a época difícil de A. Deus foi com Ismael enquanto ele crescia
Davi como fora da lei, ela foi dada em ca­ no deserto de Parã, onde se tornou flechei-
samento a outro homem (2 Sm 3.12-16). ro(Gn 21.20,21).
791
G u ia de W illm in g to n para a B(bua \ MÉTODO TEOLÓGICO

B. Mais tarde, ele casou-se com uma mulher grãos e incenso nas ruínas do templo. De­
egípcia (Gn 21.21). pois, ele jogou os cadáveres em uma cister­
C. Uma de suas filhas chamava-se Maalate. na (Jr 41.4-8).
Mais tarde, ela tornou-se a esposa de Esaú D. Ele levou muitos cativos.
(Gn 28.9; 36.3). 1. Ismael levou as pessoas que restavam
em Mispa (Jr 41.10).
D ados 2. Esses cativos, entretanto, foram resga­
Pai: Abraão (Gn 16.15). tados, depois, por um oficial do exérci­
Mãe: Agar (Gn 16.15). to de Judá chamado Joanã e suas tro­
Filhas: Maalate e Nebaiote (Gn 28.9); Basemate pas, que perseguiram Ismael até a terra
(Gn 36.3). de Amom (Jr 41.10-15).
Irmãos: meios-irmãos: Isaque, Zinrã, Jocsã, Me-
dã, Midiã, Isbaque e Suá (Gn 21.3; 25.2). D ados
Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 16.11. Pai: Netanias (2 Reis 25.23).
Citado pela última vez: 1 Crônicas 1.31. Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 25.23.
Significado do nome: “Deus está ouvindo”. Citado pela última vez: Jeremias 41.18.
Mencionado: 20 vezes. Significado do nome: “Deus está ouvindo”.
Livros da Bíblia que citam Ismael (1): dois livros Mencionado: 23 vezes.
(Gênesis, 1 Crônicas). Livros da Bíblia que citam Ismael (2): dois livros
Cargo: caçador (flecheiro? Gn 21.20). (2 Reis, Jeremias).
Idade que tinha quando morreu: 137 (Gn 25.17). Cargo: soldado rebelde (2 Rs 25.23-25).
Detalhe importante sobre a vida de Ismael (1): ele Detalhe importante sobre a vida de Ismael (2): ele
foi o primeiro filho de Abraão (Gn 16.15). foi um rebelde que matou o governante Ge­
dalias (2 Rs 25.25).

ISMAEL (2)1
j ITAMAR
S u m á r io c r o n o l ó g ic o

I. Seu histórico. S u m á r io c r o n o l ó g ic o
A. Ele tinha sangue real (2 Rs 25.25). I. Itamar e as ordens de Moisés.
B. Ele foi um dos oficiais do rei da Judeia (Jr A. A obra envolvida.
41.1). 1. Ele foi escolhido como sacerdote por
II. Seu derramamento de sangue. Deus (Êx 28.1).
A. Ele matou Gedalias. 2. Ele recebeu a responsabilidade sobre
1. Ele foi contratado por Baalis, o rei os materiais usados no tabernáculo
amonita, para fazer isso (Jr 40.14). (Êx 38.21).
2. Junto com dez homens, ele assassinou 3. Ele também era responsável pelo trans­
Gedalias, o homem nomeado por Na­ porte [dos objetos] do tabernáculo
bucodonosor para ser governador de (Nm 4.24-33).
Judá depois da destruição de Jerusalém B. O aviso envolvido.
(2 Rs 25.23,25). Ele foi avisado por Moisés quanto a
3. Ele assassinou Gedalias durante um uma falta de cuidado em observar a santi­
banquete dado pelo governante da ci­ dade de Deus após a morte de seus dois ir­
dade de Mispa (Jr 41.1,2). mãos, Nadabe e Abiú (Lv 10.6,7).
B. Ele matou os companheiros de Gedalias, II. Itamar e a ira de Moisés.
incluindo os convidados judeus no ban­ A. Ele causou a ira de Moisés quanto à forma
quete, assim como os soldados babilônios que lidava com uma oferta de pecado no
que lá estavam. santuário, até que Moisés percebeu que ele
C. Ele matou 70 (dos 80) homens que esta­ não tinha culpa nessa questão (Lv 10.16-
vam a caminho de oferecer um sacrifício de 2 0 ).

792
P erso n ag en s do A n t i g o T est a m en t o

B. Um descendente de Itamar, chamado Da­ jJACÕi


niel, é mencionado como alguém que se (Veja também O estágio patriarcal, vol. 1, p. 40)
juntou a Esdras durante o retorno a Jeru­
salém (Ed 8.2). S u m á r io c r o n o l ó g ic o

I. Jacó, o gêmeo mais novo.


D ados A. Seu nascimento foi a resposta de Deus pa­
Pai: Arão (Êx 6.23). ra a oração de Isaque e Rebeca sobre filhos
Mãe: Eliseba (Êx 6.23). (Gn 25.21-23).
Irmãos: Nadabe, Abiú e Eleazar (Êx 6.23). 1. Deus disse-lhes que havia duas nações
Citado pela primeira vez na Bíblia: Êxodo 6.23. no ventre de Rebeca.
Citado pela última vez: Esdras 8.2. 2. Uma nação seria mais forte do que a
Significado do nome: “Ilha da palmeira”. outra.
Mencionado: 20 vezes. 3. O gêmeo mais velho serviria ao mais
Livros da Bíblia que citam Itamar: cinco livros novo.
(Êxodo, Levítico, Números, 1 Crônicas, Es­ B. Jacó era o gêmeo mais novo (Gn 25.24-26).
dras). C. Ele nasceu segurando o calcanhar de Esaú
Cargo: sacerdote (Êx 28.1). com a mão (Gn 25.26).
Detalhe importante sobre a vida de Itamar: ele II. Jacó, o irmão enganador.
era o filho mais novo de Arão (Êx 6.23). A. Em contraste com Esaú, que era um ho­
mem do campo e caçador, Jacó tornou-se
um homem silencioso, ficando dentro das
j a b ím ) tendas (Gn 25.27).
B. Jacó persuadiu seu faminto irmão Esaú,
S u m á r io c r o n o l ó g ic o que estava voltando de uma viagem de ca­
I. Sua opressão sobre Israel. ça, a vender o seu direito de primogenitura
A. Ele foi um rei cananeu, que reinou em Ha- por um pouco de pão e um guisado de len­
zor no tempo dos juizes (Jz 4.2). tilhas (Gn 25.29-34).
B. Sísera era o comandante do seu exército, que III. Jacó, o filho enganador.
se gabava de seus 900 carros de ferro (Jz 4.3). A. Ele foi persuadido por Rebeca a roubar a
C. Jabim oprimiu Israel por 20 anos (Jz 4.3). identidade de Esaú, a fim de que enganasse
II. Seu destronamento por Israel. e obtivesse de seu quase cego pai a bênção
A. O exército foi completamente destruído patriarcal (Gn 27.5-13).
por um exército israelita liderado por Ba­ B. Rebeca vestiu-o com as roupas de Esaú, co­
raque (Jz 4.15,16). brindo suas mãos e as partes lisas do pes­
B. Por fim, o próprio Jabim foi destruído (Jz coço com pele de cabrito (Gn 27.14-16).
4.24). C. Jacó conseguiu enganar Isaque e recebeu a
C. O salmista Asafe, mais tarde, fez uma refe­ seguinte bênção patriarcal (Gn 27.17-30):
rência a esse acontecimento (SI 83.9). 1. Ele se tornaria um homem próspero.
2. Os descendentes de Esaú serviriam aos
D ados seus descendentes.
Citado pela primeira vez na Bíblia: Juizes 4.2. 3. Outras nações o serviriam.
Citado pela última vez: Salmo 83.9. 4. Deus abençoaria aqueles que se tornas­
Significado do nome: “Inteligente”. sem seus amigos e amaldiçoaria os que
Mencionado: sete vezes. não o fizessem.
Livros da bíblia que citam Jabim: dois livros (Ju­ IV. O viajante sonhador.
izes, Salmos). A. A visão de Jacó.
Cargo: rei cananeu (Jz 4.2). 1. Ele viu os anjos do Senhor.
Detalhe importante sobre a vida de Jabim: ele en­ a. Ao perceber que Esaú planejava ma­
viou 900 carros contra Israel, mas foi comple­ tar Jacó, Isaque e Rebeca enviaram
tamente derrotado (Jz 4.13-16). Jacó para longe (Gn 27.41—28.5).
793
G u ia de W il lm in g t o n p a r a a B íblia j= MÉTODO TEOLÓGICO

(1) Eles avisaram-no para não se 3. Jacó, então, pediu a Labão que permi­
casar com uma mulher cana tisse que ele se casasse com Raquel,
neia. concordando em trabalhar durante se­
(2) Eles aconselharam-no a encon te anos por ela (Gn 29.15-21).
trar uma esposa na cidade de B. Seu trabalho por Raquel.
Naor, entre os parentes de Re 1. A diligência de Jacó (Gn 29.20).
beca. 2. A enganação de Labão.
b. Deus apareceu a Jacó no caminho a. Labão enganou Jacó na noite do
para Naor. casamento, substituindo Leia, a ir­
c. Em um sonho, ele viu uma escada­ mã mais velha de Raquel, por Ra­
ria apoiada na terra, e o seu topo quel (Gn 29.22,23).
alcançava o céu, e os anjos de Deus b. Jacó, furioso, confrontou Labão na
subiam e desciam por ela (Gn manhã seguinte (Gn 29.25).
28.10-12). c. Labão “explicou” que não era cos­
2. Ele viu o Senhor dos anjos (Gn 28.13- tume deles dar a filha mais nova em
15). casamento antes da mais velha (Gn
Nessa hora, Deus reafirmou para 29.26).
Jacó (assim como para Isaque anterior­ d. Ele, então, propôs o seguinte (Gn
mente) as bênçãos triplicadas do con­ 29.27):
certo abraâmico. (1) Que Jacó cumprisse a celebra­
a. A primeira bênção era relacionada ção nupcial de uma semana de
ao solo; ou seja, Deus daria a terra Raquel.
de Canaã aos descendentes de Jacó. (2) Que Labão, então, daria Ra­
b. A segunda bênção era relacionada quel a Jacó.
à semente; ou seja, Deus faria uma (3) Que Jacó, entretanto, concor­
grande nação a partir de Jacó. dasse em trabalhar por mais se­
c. A terceira bênção lidava com um te anos por Raquel.
Salvador; ou seja, algum dia, o e. Jacó concordou e continuou por
Messias viria para abençoar todas mais sete anos (Gn 29.28-30).
as nações. VI. Jacó, o pai de família que deu frutos.
B. O voto de Jacó (Gn 28.16-22). A. Jacó teve seus quatro primeiros filhos com
1. Ao acordar, Jacó tomou a pedra que Leia.
usou como travesseiro, colocou óleo 1. Rúben (Gn 29.32).
sobre ela e ofereceu-a como pilar a 2. Simeão (Gn 29.33).
Deus. 3. Levi (Gn 29.34).
2. Ele, então, nomeou o lugar de Betei, 4. Judá (Gn 29.35).
que significa “casa de Deus”. B. A infértil e desesperada Raquel presenteou
3. Ele prometeu que, se Deus o proteges­ sua serva Bila a Jacó, esperando que ela
se e o abençoasse, ele o serviria e devol­ fosse capaz de ter filhos para ela. Bila deu
veria um décimo de tudo que possuísse. à luz dois filhos, o quinto e o sexto de Jacó.
V. Jacó, o noivo apaixonado. 1. Dã (Gn 30.6).
A. Seu amor por Raquel. 2. Naftali (Gn 30.8).
1. Jacó chegou a Harã de Padã-Arã (Gn C. Leia fez o mesmo, dando sua serva Zilpa a
29.1-4). Jacó. Por intermédio dela, ele teve o sétimo
2. Ele conheceu Raquel, filha de Labão, e o oitavo filho.
irmão de sua mãe Rebeca (Gn 29.5-13). 1. Gade (Gn 30.11).
a. Ela chegou em um poço para dar 2. Aser (Gn 30.13).
água às ovelhas de seu pai. D. Leia, então, voltou a ter filhos e presenteou
b. Jacó rolou uma enorme pedra da Jacó com o nono e o décimo filho, além de
entrada do poço para ela. sua única filha.
794
P erso n ag en s do A n t ig o T e st a m en t o

1. Issacar (Gn 30.18). c. O confronto de Labão.


2. Zebulom (Gn 30.20). (1) Jacó foi repreendido por sua
3. Diná(Gn 30.21). partida brusca e foi acusado de
E. Depois de muito tempo, Raquel deu à luz roubar os ídolos da casa de La­
um filho, José (Gn 30.24). bão.
VII. Jacó, o empregado empreendedor. (2) Jacó negou e permitiu que La­
A. Jacó e Labão — a sugestão. bão fizesse uma busca no cam­
1. Jacó planejou ir embora para Canaã, po.
mas foi persuadido por Labão a conti­ (3) Labão não conseguiu encon­
nuar trabalhando para ele como pastor trá-los, pois Raquel escondeu-
(Gn 30.25-30). -os dentro da bolsa do seu ca­
2. Labão concordou em dar a Jacó todas melo e estava assentada sobre
as ovelhas, os cordeiros e as cabras sal­ ela.
picadas e malhadas para sua posse pes­ d. A explicação a Labão.
soal (Gn 30.31-42). Jacó disse que um dos princi­
3. O rebanho de Jacó multiplicou-se rapi­ pais motivos dele ter ido embora
damente, tornando-o um homem mui­ foi o fato de que Labão mudou seu
to rico (Gn 30.34). salário dez vezes durante os 20
B. Jacó e Labão — a separação (Gn 31.1-42). anos em que foi seu empregado.
1. Os motivos da separação. C. Jacó e Labão — o símbolo (Gn 31.43-55).
Depois de trabalhar para Labão por 1. A natureza dessa aliança.
20 anos, três fatores fizeram com que Sob a exigência de Labão, ele e Jacó
Jacó retornasse a Canaã (Gn 31.1-18): entraram em um acordo envolvendo os
a. Uma hostilidade crescente entre ele, seguintes pontos:
Labão e os filhos de Labão. a. Que Deus puniria Jacó se ele mal­
b. Uma revelação de Deus, instruindo tratasse as filhas de Labão.
Jacó a retornar para Canaã. b. Que nenhum dos dois cruzaria uma
c. O apoio de suas esposas, que o en­ fronteira designada para ferir o ou­
corajavam a voltar. tro.
2. A reunião que se seguiu após a separa­ 2. O símbolo dessa aliança.
ção (Gn 31.19-42). Ela consistia de montes de pedras.
a. A frustração de Labão. 3. O lugar da aliança.
(1) Labão descobriu que Jacó foi Era chamado de Mispa, que signifi­
embora três dias depois. cava “torre de vigia”.
(2) Após uma busca de sete dias, ele VIII. Jacó, o lutador determinado (Gn 32.1-32).
encontrou seu genro em Gilea- A. Sua comunhão com Deus.
de, a terra a leste do rio Jordão. 1. A preparação.
(3) Labão estava furioso com Jacó Após ser visitado pelos anjos de
por dois motivos: Deus, Jacó descobriu que seu irmão,
(a) Primeiro, porque seu genro Esaú, estava vindo a cavalo encontrá-
foi embora sem lhe avisar. -lo com 400 homens. Ele fez duas coi­
(b) Segundo, porque ele achou, sas imediatamente.
erroneamente, que Jacó ha­ a. Dividiu o campo.
via roubado os ídolos de Com grande medo, Jacó dividiu
sua casa. (Na verdade, Ra­ o campo em dois grupos, de forma
quel tomara-os sem o co­ que, se Esaú atacasse um grupo, o
nhecimento de Jacó.) outro poderia escapar.
b. A revelação a Labão. b. Ele entregou sua propina.
Deus apareceu a Labão em um Jacó instruiu seus servos a en­
sonho, advertindo-o a não ferir Jacó. contrarem Esaú e presentearem-no
795
G uia de W ilim in gton pa r a a B íblia r MÉTODO TEOLÓGICO

com o seguinte: 200 cabras, 20 bo­ 1. OabusodeDiná.


des, 200 ovelhas e 20 carneiros, 30 Sua filha foi violada sexualmente
camelas e seus filhotes, 40 vacas, por um pagão heveu chamado Siquém
10 touros, 20 jumentas e 10 jumen­ (Gn 34.1,2).
tos. 2. Assassinato da parte de Simeão e Levi
2. A súplica. (Gn 34.3-31).
a. Jacó falou a Deus e clamou que fos­ a. Esses dois irmãos enganaram os he-
se livrado de Esaú. veus, fazendo-os circuncidarem-se
b. Jacó lutou com Deus. como condição para futuros casa­
(1) O local. mentos entre eles e os israelitas.
Foi perto do vau de Jabo- b. No terceiro dia, quando os heveus
que, chamado, mais tarde, de estavam inchados e inutilizados,
Peniel por Jacó, que significa Simeão e Levi mataram-nos como
“ver Deus face a face”. animais selvagens.
(2) A persistência. 3. Adultério por parte de Rúben.
Jacó recusou-se a largar Rúben dormiu com Bila, uma das
Deus até que fosse abençoado. esposas de Jacó (Gn 35.22).
(3) O pronunciamento. 4. Fraude e traição por parte de seus dez
Deus mudou o nome de Ja ­ filhos.
có para Israel, que significa a. Os dez filhos e José (Gn 37.1-36).
“aquele que luta com Deus”. (1) Jacó fez uma túnica de cores vi­
(4) Aprova. brantes para seu filho preferi­
Deus tocou a ligadura da do, José.
bacia de Jacó, fazendo com que (2) Depois, ele, gentilmente, repre­
se tornasse manco. Ele nunca endeu seu filho preferido, en­
andou da mesma forma nova­ tretanto, por relatar dois deta­
mente depois dessa luta com o lhes improváveis de dois de
Senhor. seus sonhos nos quais Jacó, Ra­
B. Seu encontro com Esaú. quel e seus irmãos se curvariam
Para o grande alívio de Jacó, seu encon­ diante dele um dia.
tro com Esaú provou ser amigável (Gn (3) Jacó enviou José para verificar
33.1-16). se seus dez meios-irmãos, que
IX. Jacó, o patriarca obediente. estavam fora, cuidando das
A. A reunião exigida de Jacó. ovelhas do pai, estavam bem.
Deus ordenou que ele voltasse a Betei (4) Depois de encontrar seus
(Gn 35.1-15). meios-irmãos, José foi vendido
B. A nova dedicação de Jacó. como escravo por eles e levado
1. Ele ordenou que os membros de sua ca­ ao Egito.
sa abandonassem seus deuses estran­ (5) Jacó, então, foi enganado por
geiros, purificassem-se e mudassem su­ seus dez filhos, que o fizeram
as vestes. acreditar que José foi morto e
2. Ele construiu um altar em Betei e cha­ comido por um animal selva­
mou-o de El-Betel, que significa “o gem.
Deus da casa de Deus”. (6) Ele entrou em luto e não podia
C. A revelação a Jacó. consolar-se.
Deus, novamente, confirmou as pro­ b. Os dez filhos e Benjamim (Gn
messas do concerto abraâmico a Jacó. 42.1— 43.15).
X. Jacó, o homem de coração partido. (1) Jacó enviou seus dez filhos ao
A. Pela falha de seus filhos e o abuso de sua fi­ Egito durante uma fome, para
lha. comprarem comida.
796
P erso n ag en s do A n t ig o T e s t a m en t o

(2) Ele recusou-se, entretanto, a os dois filhos de José, Manassés e


permitir que seu filho mais no­ Efraim, a fim de abençoá-los.
vo, Benjamim, fosse junto, a 2. Ele, então, abençoou-os e profetizou
fim de que não sofresse mal. que Efraim (o neto mais novo) se torna­
(3) Ao retornarem, os dez irmãos ria maior que Manassés, o primogênito.
contaram a Jacó sobre o estra­ B. O profeta e seus 12 filhos (Gn 49.1-28).
nho administrador de alimento 1. A revelação de Jacó acerca deles.
que encontraram no Egito, sem O velho patriarca fez uma revisão
perceberem que esse poderoso história e uma profecia de suas vidas e
homem era José. das tribos que fundariam.
(4) Eles relataram como ele come­ a. Rúben.
çou acusando-os de serem espi­ Rúben foi repreendido por sua
ões, tomou Simeão como refém indisciplina e imoralidade e foi re­
e, então, exigiu que Benjamim baixado da posição de primogêni­
fosse levado com eles na próxi­ to de Jacó.
ma viagem, quando compra­ b. Simeão e Levi (Gn 49.5-7).
riam comida. Eles também foram repreendi­
(5) Jacó, primeiro, recusou-se a dos por sua ira incontrolável e por
ouvi-los, concluindo que tudo sua crueldade.
estava contra ele, pois perdeu c. Judá (Gn 49.8-12).
Simeão e José. (1) Seus irmãos o adorarão.
B. Pelo funeral de sua esposa, da ama de sua (2) Ele destruirá seus inimigos co­
esposa e de seu pai. mo um leão.
1. Rebeca, sua esposa (Gn 35.16-19). (3) Da sua tribo, o Messias (Siló)
a. Ela morreu dando à luz Benjamim. virá um dia.
b. Jacó enterrou-a na pequena cidade d. Zebulom (Gn 49.13).
de Belém ou próximo a ela. Seu povo habitará à beira do
2. Débora, a ama de sua esposa (Gn 35.8). mar e oferecerá porto para navios.
3. Isaque, seu pai (Gn 35.27-29). e. Issacar (Gn 49.14,15).
XI. Jacó, o pai alegre (Gn 45.25—47.10). Seu povo lavrará gentil e dili­
A. Jacó, maravilhado e alegre, descobriu que gentemente o solo.
seu amado filho José não só estava vivo, f. Dã(Gn 49.16-18).
mas que era o segundo no comando de to­ Sua tribo será conhecida por
da a terra do Egito. sua traição.
B. No caminho do Egito para encontrar José, g. Gade(Gn 49.19).
Jacó foi visitado por Deus, que apareceu (1) Ele será atacado por um bando
para ele em Berseba. de assaltantes.
C. Deus prometeu abençoar Jacó no Egito e, (2) Ele contra-atacará os calcanha­
um dia, levar seus descendentes de volta res deles.
para Canaã. h. Aser (Gn 49.20).
D. Jacó chegou ao Egito com o seu clã de 70 Seu povo produzirá fartura de
pessoas e reencontrou José com muita ale­ comida digna de reis.
gria e emoção. i. Naftali (Gn 49.21).
E. Jacó encontrou e abençoou o Faraó. Nessa Sua tribo será como uma cerva
época, o antigo patriarca tinha 130 anos. solta, produzindo lindos filhotes,
XII. Jacó, o profeta agonizante. j. José (Gn 49.22-26).
A. O profeta e seus dois netos (Gn 48.1-20). (1) Ele era como uma árvore frutí­
1. Depois de morar no Egito por 17 anos, fera diante de uma fonte, com
Jacó percebeu que sua vida estava che­ galhos que faziam sombra so­
gando ao fim e pediu que chamassem bre os muros, cobrindo-os.
797
jG uia d e W i l lm in g t o n p a r a a B íblia r MÉTODO TEOLÓGICO

(2) Embora tenha sofrido perse­ VII. Estêvão referiu-se a Jacó por seis vezes, duran­
guição, a poderosa rocha de Is­ te sua defesa antes do Sinédrio (At 7.8,12,14,15,
rael o protegerá e o abençoará 32,46).
abundantemente. A. O fato de que ele teve 12 filhos.
k. Benjamim (Gn 49.27). B. O fato de que ele enviou esses filhos ao Egi­
Ele era como o lobo selvagem to para obterem comida.
que despedaça, devorando seus ini­ C. O fato de que ele mesmo foi para o Egito
migos na manhã e dividindo os es­ depois.
pólios à noite. VIII. O livro de Hebreus fala da fé que Jacó tinha.
2. A morte de Jacó (Gn 49.29—50.13). A. Por viver uma vida simples em tendas en­
a. Ele desejou que, após a sua morte, quanto aguardava seu lar celestial (Hb
seu corpo fosse levado de volta pa­ 11.9).
ra Canaã e enterrado na cova de B. Por abençoar os dois filhos de José e predi­
Macpela, ao lado de Abraão, Isa- zer seu futuro (Hb 11.21).
que, Sara, Rebeca e Leia.
b. Aos 147 anos, Jacó morreu (Gn D ados
47.28). Pai: Isaque (Gn 25.21-26).
c. O seu processo de embalsamento Mãe: Rebeca (Gn 25.21-26).
levou 40 dias. Esposas: Leia, Raquel, Bila e Zilpa (Gn 29.23,28;
d. Após isso, veio um período de 70 30.4,9).
dias de luto nacional. Filhos: de Leia: Rúben, Simeão, Levi, Judá, Issa-
e. Ele foi levado, então, para Canaã car e Zebulom (Gn 29.32-35; 30.18-20); de
por seus 12 filhos. Raquel: José e Benjamim (Gn 30.22-24;
35.16-18); de Bila: Dã e Naftali (Gn 30.5-8);
S u m á r io t e o l ó g ic o de Zilpa: Gade e Aser (Gn 30.10,11,13).
I.Josué e Samuel referiram-se a Jacó durante seu Filha: Diná (Gn 30.21).
discurso final aos anciãos de Israel. Irmão: Esaú (Gn 25.25).
A. Josué (Js 24.4). Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis 25.26.
B. Samuel (1 Sm 12.8). Citado pela última vez: Hebreus 11.21.
II. Malaquias contrastou Jacó com Esaú para ilus­ Significado do nome: “Aquele que segue, suplan-
trar o amor de Deus por Israel (Ml 1.2,3). tador”.
III. Paulo contrastou Jacó com Esaú para provar a Mencionado: 252 vezes.
soberania de Deus (Rm 9.13). Livros da Bíblia que citam Jacó: 16 livros (Gêne­
IV. Mateus e Lucas incluíram o nome dele em suas sis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronô­
genealogias. mio, Josué, 1 Samuel, 2 Reis, Malaquias, Ma­
A. Mateus fez isso quando traçou a linhagem teus, Marcos, Lucas, João, Atos dos Apósto­
de Cristo por intermédio de Salomão, filho los, Romanos, Hebreus).
de Davi (Mt 1.2). Lugar onde faleceu: Egito (Gn 49.33—50.3).
B. Lucas fez isso quando traçou a linhagem Idade que tinha quanto morreu: 147 anos (Gn
de Cristo por intermédio de Natã, outro fi­ 47.28).
lho de Davi (Lc 3.34). Detalhe importante sobre a vida de Jacó: ele teve
V. Jesus referiu-se a Jacó em várias ocasiões. 12 filhos, que, mais tarde, fundaram as doze
A. Para enfatizar a salvação de todos os cren­ tribos de Israel (1 Cr 2— 8).
tes gentios (Mt 8.11).
B. Para acentuar o fato de que todos os cren­
tes que partiram agora são conscientes e JAEL
estão na presença de Deus (Mt 22.29-
32). S u m á r io c r o n o l ó g ic o
VI. A samaritana perguntou a Jesus se Ele era I. Jael e Sísera.
maior do que Jacó (Jo 4.12). A. Ela o auxiliou.
798
P erso n a g en s do A n t ig o T e s t a m en t o

1. Jael era esposa de Héber, o queneu. Os Irmãos: Sem e Cam (Gn 5.32; 1 Cr 1.4).
queneus eram um dos dez povos tribais Citado pela primeira vez na Bíblia: Gênesis
que viviam na Palestina no tempo dos 5.32.
juizes (Jz 4.17). Citado pela última vez: 1 Crônicas 1.5.
2. Ela convidou Sísera, o derrotado co­ Significado do nome: “Aumentado”.
mandante do exército cananeu, para a Mencionado: 11 vezes.
sua tenda na ocasião em que fugia de Livros da Bíblia que citam Jafé: dois livros (Gê­
Baraque (Jz 4.18). nesis, 1 Crônicas).
3. Depois de receber um pouco de leite Detalhe importante sobre a vida de Jafé: ele foi
dela, ele dormiu (Jz 4.19-21). o filho mais novo de Noé (Gn 5.32; 1 Cr
B. Ela o assassinou, cravando uma estaca da 1.4).
tenda em sua têmpora (Jz 4.21).
II. Jael e Baraque.
A. Depois disso, ela convidou o comandante jJEPUTUM
militar judeu, Baraque, para a sua tenda, a
fim de que visse o cadáver de Sísera (Jz 4.22). S u m á r io c r o n o l ó g ic o

B. Mais tarde, Débora e Baraque exaltaram- I. Sua nomeação.


-na por esse ato de bravura em seus cânti­ Ele foi um dos 288 músicos levitas (junta­
cos de adoração (Jz 5.24). mente com seus filhos) nomeados pelo rei Davi
(1 Cr 16.41,42; 25.7).
D ados II. Sua designação.
Esposo: Héber (Jz 4.17). A. Ele era, juntamente com outro músico cha­
Citada pela primeira vez na Bíblia: Juizes 4.17. mado Hemã, responsável por soar as trom-
Citada pela última vez: Juizes 5.24. betas e os címbalos e pela música dos ou­
Significado do nome: “Camurça”. tros instrumentos no tabernáculo em Gi­
Mencionada: seis vezes. beão (1 Cr 16.41,42).
Livro da Bíblia que cita Jael: um livro (Juizes). B. Ele ajudou a comandar a música na cele­
Cargo: dona de casa. bração que se seguiu após a conclusão do
Detalhe importante sobre a vida de Jael: ela as­ templo de Salomão (2 Cr 5.12).
sassinou Sísera, o inimigo de Israel (Jz 4.21). C. Ele tinha o dom da profecia (1 Cr 25.1), as­
sim como seis de seus filhos, que também
tocavam harpa (1 Cr 25.3).
JAFÉ D. Ele pode ter sido o compositor do louvor
nos Salmos 3 9 ,6 2 e 77.
S u m á r io c r o n o l ó g ic o

I. Jafé e o barco de seu pai. D ados

Ele foi um dos oito seres humanos que en­ Filho: Obede-Edom (1 Cr 16.38).
traram na arca de Noé e sobreviveram ao dilú­ Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Crônicas
vio universal (Gn 7.13). 9.16.
II. Jafé e o pecado de seu pai. Citado pela última vez: Salmo 77 (na introdu­
A. Ele ajudou o seu irmão Sem a cobrir a nu­ ção).
dez do seu pai, que estava bêbado (Gn Significado do nome: “Coral de louvor”.
9.23). Mencionado: 15 vezes.
B. Mais tarde, Noé profetizou que Deus es­ Livros da Bíblia que citam Jedutum: quatro li­
tenderia o território dos descendentes de vros (1 Crônicas, 2 Crônicas, Neemias, Sal­
Jafé e que ele viveria nas tendas de Sem (Gn mos).
9.27). Cargo: músico levita (1 Cr 16.41,42).
Detalhe importante sobre a vida de Jedutum: ele
D ados pode ter sido o compositor da música nos Sal­
Pai: Noé (Gn 5.32; 1 Cr 1.4). mos 3 9 ,6 2 e 77.
799
G uia de W illmingtqn para a B íblia }= MÉTODO TEOLÓGICO

[lO A C A Z ; E. Ele era um rei que não seguia Deus (2 Rs


(Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 175) 23.32).
II. Joacaz, o rei escravizado.
S u m á r io c r o n o l ó g ic o A. Ele foi acorrentado e carregado para o Egi­
I. O caráter do rei de Israel. to pelo Faraó-Neco (2 Rs 23.33,34).
A. Ele foi o décimo primeiro rei do reino do B. Jeremias profetizou corretamente que Joa­
norte de Israel. caz nunca retornaria a Judá, mas morreria
B. Ele reinou por 17 anos (2 Rs 13.1). no Egito (Jr 22.11,12).
C. Ele era, em maior parte, um rei perverso (2 C. Neco, então, estabeleceu como rei o irmão
Rs 13.2). de Joacaz, Jeoaquim (também chamado de
II. A compaixão do Rei dos reis. Eliaquim), em seu lugar (2 Rs 23.34).
A. Certa ocasião, Jeoacaz procurou a ajuda
de Deus em meio ã terrível opressão que Is­ D ados

rael estava sofrendo nas mãos dos sírios (2 Pai: Josias (2 Rs 23.30).
Rs 13.4). Mãe: Hamutal (2 Rs 23.31).
B. Seu exército foi reduzido a 50 cavaleiros, Irmãos: Joanã, Jeoaquim e Zedequias (1 Cr 3.
dez carros e dez mil homens de pé (2 Rs _ 15).
13.7). Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Rs 23.30.
C. Deus ouviu o seu clamor e o respondeu (2 Citado pela última vez: Jeremias 22.11.
Rs 13.23). Significado do nome: “Deus assegura”.
Mencionado: oito vezes.
D ados Livros da Bíblia que citam Joacaz: quatro livros
Pai: Jeú (2 Rs 10.35). (2 Reis, 1 Crônicas, 2 Crônicas, Jeremias).
Filho: Jeoás (2 Rs 13.10). Cargo: rei de Judá (2 Rs 23.31).
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 10.35. Lugar onde nasceu: Jerusalém.
Citado pela última vez: 2 Crônicas 25.25. Lugar onde faleceu: Egito (2 Rs 23.34).
Significado do nome: “Deus assegura”. Detalhe importante sobre a vida de Joacaz: ele era
Mencionado: 15 vezes. o filho mais novo de Josias (1 Cr 3.15).
Livros da Bíblia que citam Jeoacaz: dois livros (2
Reis, 2 Crônicas).
Cargo: rei do reino do norte de Israel (2 Rs 13.1). JE Q lS
Detalhe importante sobre a vida de Jeoacaz: ele (Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 175)
foi o filho de Jeú que, por causa do seu peca­
do e o do seu povo, viu Deus reduzir o exér­ S u m á r io c r o n o l ó g ic o

cito do reino do norte de Israel a 50 cavalei­ I. Jeoás e Ben-Hadade.


ros, dez carros e dez mil homens de pé (2 Rs A. Ele foi o décimo segundo rei do reino do
13.7). norte de Israel.
B. Ele reinou por 16 anos (2 Rs 13.10).
C. Ele era um rei maligno (2 Rs 13.11).
JOACAZ D. Ele reconquistou de Ben-Hadade e dos sí­
(Veja também O estágio do reino no caos, vol. l,p . 194) rios algumas cidades tomadas nos dias de
seu pai, Jeoacaz (2 Rs 13.25).
S u m á r io c r o n o l ó g ic o II. Jeoás e Amazias.
I. Joacaz, o rei maligno. A. Seu aviso para Amazias.
A. Ele foi o décimo sétimo rei de Judá. 1. Jeoás foi desafiado a batalhar contra
B. Ele reinou por três meses (2 Rs 23.31). Amazias, o rei de Judá (2 Rs 14.8).
C. Ele tinha 23 anos de idade quando come­ 2. Jeoás respondeu relatando a parábola
çou a reinar. de um cardo que está no Líbano (2 Rs
D. Ele também era chamado de Salum (1 Cr 14.9,10).
3.15; Jr 22.11). a. O conteúdo da parábola.
800
P erso n ag en s do A n t i g o T est a m en t o

Um cardo insignificante ousou F. Deus disse o seguinte sobre esse rei ímpio
sugerir a um imponente cedro no (Jr 22.24-30):
Líbano que sua filha seria dada em 1. Mesmo se ele fosse o selo do anel da
casamento ao filho do cardo. mão direita de Deus, ainda assim o Se­
b. A conclusão da parábola. nhor o removeria.
A maior tolice foi Amazias (o 2. Ele seria entregue àqueles a quem mais
cardo) desafiar Jeoás (o imponente temia, os babilônios.
cedro) para uma batalha. 3. Ele seria levado com sua mãe à Babilô­
B. Sua guerra contra Amazias (2 Rs 14.11- nia, para nunca mais voltar.
14). 4. Nenhum de seus descendentes prospe­
1. Percebendo que a sua parábola não foi raria ou se assentaria no trono de Da­
levada a sério, Jeoás atacou e derrotou vi.
Amazias. II. Joaquim e Nabucodonosor.
2. Ele capturou o próprio Amazias. A. Ele foi levado como prisioneiro à Babilônia
3. Ele derrubou quatrocentos côvados do pelo rei Nabucodonosor (2 Rs 24.15).
muro de Jerusalém. B. Sua mãe e suas esposas também foram le­
4. Ele confiscou o ouro, a prata e os arti­ vadas (2 Rs 24.15).
gos preciosos do templo. C. Mardoqueu foi levado com ele nessa épo­
5. Ele removeu os tesouros do palácio real. ca (Et 2.5,6).
6. Ele levou reféns e retornou a Samaria. III. Joaquim e Evil-Merodaque.
A. Depois de passar 37 anos na prisão da Ba­
D ados bilônia, Joaquim foi liberto por um novo
Pai: Jeoacaz (2 Rs 13.10). rei chamado Evil-Merodaque (2 Rs 25.27-
Filho: Jeroboão II (2 Rs 13.13). 30).
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 13.10. B. Evil-Merodaque falou gentilmente com Jo ­
Citado pela última vez: 2 Crônicas 25.17. aquim e deu-lhe um trono de honra.
Significado do nome: “Deus assegura”. C. Ele permitiu que Joaquim comesse à mesa
Mencionado: nove vezes. do rei.
Livros da Bíblia que citam Jeoás: dois livros (2 D. Ele deu-lhe um salário.
Reis, 2 Crônicas). IV. Joaquim e Ezequiel.
Cargo: rei do reino do norte de Israel (2 Rs 13.10). Foi durante o quinto ano do exílio de Joa­
Detalhe importante sobre a vida de Jeoás: ele ri­ quim que Deus deu a Ezequiel Suas profecias
dicularizou o rei da Judeia, Amazias, chaman­ (Ez 1.2,3).
do-o de rei cardo e derrotou-o completamen­
te na batalha (2 Cr 25.17-24). D ados
Pai: Jeoaquim (2 Rs 24.6).
Mãe: Neústa (2 Rs 24.8).
1JOAQUIM 1 Filhos: Assir, Sealtiel, Malquirão, Pedaías, Sena-
(Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. zar, Jecamias, Hosama, Nedabias (1 Cr
196) 3.17,18).
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 24.6.
S u m á r io c r o n o l ó g ic o Citado pela última vez: Mateus 1.12.
I. Joaquim e Deus. Significado do nome: “Deus estabelece”.
A. Ele foi o décimo nono governante de Judá. Mencionado: 23 vezes.
B. Ele reinou por três meses (2 Rs 24.8). Livros da Bíblia que citam Joaquim: sete livros (2
C. Ele começou a reinar com 18 anos (2 Rs Reis, 1 Crônicas, 2 Crônicas, Ester, Jeremias,
24.8). Ezequiel, Mateus).
D. Ele era um rei maligno (2 Rs 24.9). Cargo: rei de Judá (2 Rs 24.8).
E. Ele também era chamado de Jeconias e Co- Lugar onde nasceu: Jerusalém.
nias (1 Cr 3.16; Jr 22.24-30; Mt 1.11). Lugar onde faleceu: Babilônia (2 Rs 25.27-30).

801
G uia de W illmington par a a B íbu a r MÉTODO TEOLÓGICO

Detalhe importante sobre a vida de Joaquim: ele Cargo: sumo sacerdote (2 Rs 11).
foi avisado por Deus de que nenhum de seus Lugar onde faleceu: Jerusalém (2 Cr 24.15,16).
descendentes se assentaria no trono de Davi Detalhe importante sobre a vida de Joiada: ele es­
(Jr 22.24-30). condeu o bebê Joás da perversa rainha Atalia
(2 Rs 11).

JOIADA
iJEOAQUlM
S u m á r io c r o n o l ó g ic o
(Veja também O estágio d o reino no caos, vol. 1, p.
I. Joiada e Joás. 194)
A. A proteção de Joás.
1. Joiada era o sumo sacerdote durante o S u m á r io c r o n o l ó g ic o
reino sangrento da rainha Atalia (2 Cr I. O encargo de Jeoaquim.
22.11). A. Ele foi o décimo oitavo rei de Judá.
2. Ele e sua esposa esconderam o bebê Jo ­ B. Ele reinou por 11 anos (2 Rs 23.36).
ás, o único do sexo masculino que so­ C. Ele também era chamado de Eliaquim (2
breviveu ao expurgo da família real Rs 23.34; 2 Cr 36.4).
que fora realizado por Atalia (2 Cr D. Faraó-Neco encarregou-o dos assuntos de
22 . 10- 12 ). Judá no lugar de seu irmão, Joacaz, que foi
3. Seis anos depois, Joiada conseguiu pla­ deposto pelo monarca egípcio (2 Rs
nejar o destronamento e a morte da 23.34).
rainha (2 Rs 11.4-15). II. A conspiração de Jeoaquim.
B. O aperfeiçoamento de Joás. A. Depois que o rei babilônico Nabucodono­
Joiada, enquanto viveu, foi capaz de sor derrotou os egípcios, ele invadiu Judá.
manter o rei Joás no caminho certo (2 Rs Jeoaquim tornou-se seu vassalo por três
12. 2 ). anos (2 Rs 24.1).
II. Joiada e Judá. B. Jeoaquim, então, rebelou-se contra Nabu­
A. Revivendo o povo. codonosor, mas foi dominado rapidamente
1. Ele levou Judá a um avivamento nacio­ e preso com cadeias de bronze. O rei babi­
nal (2 Rs 11.17-20). lônico, primeiro, planejou levá-lo em cati­
2. O lugar de Baal foi derrubado. veiro, mas, por algum motivo desconheci­
3. O profeta de Baal foi derrotado. do, não o fez (2 Cr 36.6).
B. Consertando o templo. III. A crueldade de Jeoaquim.
1. Ele preparou um baú especial com um A. Ele trouxe o profeta Urias do Egito (para
buraco na tampa, a fim de juntar ofer­ onde havia fugido por medo do perverso
tas para o reparo do templo (2 Rs 12.9- rei) e assassinou-o à espada, por denunciar
12 ). o seu pecado (Jr 26.20-23).
2. Por causa de seu justo serviço, Joiada B. Ele derramou sangue inocente e oprimiu e
foi enterrado entre os reis de Jerusalém enganou o seu povo (2 Rs 24.4).
(2 Cr 24.16). IV. O desprezo de Jeoaquim.
A. Seu desprezo pelas ovelhas de Deus.
D ados
1. Ele era completamente materialista (Jr
Esposa: Jeosebate (2 Rs 11.2; 2 Cr 22.11). 22.13,14).
Filho: Zacarias (2 Cr 24.20). a. Ele construiu um grande palácio
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 11.4. para si, com amplos cenáculos e
Citado pela última vez: 2 Crônicas 24.25. grandes janelas.
Significado do nome: “Deus sabe”. b. Ele revestiu-o de cedro e decorou-o
Mencionado: 28 vezes. de vermelho.
Livros da Bíblia que citam Joiada: dois livros (2 c. Ele dedicou seu coração e seus olhos
Reis, 2 Crônicas). ao lucro desonesto (Jr 22.17).
802
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

B. Seu desprezo pelas Escrituras de Deus. Cargo: rei de Judá (2 Rs 23.36).


Jeoaquim queimou o rolo de Jeremias, Lugar onde nasceu: Jerusalém.
o profeta (Jr 36.21-32). Lugar onde faleceu: Jerusalém (Jr 22.18,19).
1. Jeudi, um oficial do palácio, leu o rolo Detalhe importante sobre a vida de Jeoaquim: ele
de Jeremias para o rei. queimou o rolo que Jeremias ditou a Baruque
2. Era inverno, e Jeoaquim estava senta­ (Jr 36.23,32).
do próximo a uma lareira.
3. Depois que Jeudi leu três ou quatro co­
lunas do rolo, Jeoaquim cortou-os com jo r Ao d)
uma faca e lançou-os ao fogo. (Veja também O estágio d o reino no caos, vol. 1, p.
4. Ele fez isso, apesar do pedido do oficial 174)
do palácio de não fazê-lo.
5. Ele, então, ordenou a prisão de Jere­ S u m á r io c r o n o l ó g ic o
mias e Baruque (escriba de Jeremias), I. Jorão e Eliseu.
mas Deus escondeu-os. A. Providência.
6. Deus ordenou que Jeremias reescreves- 1. Eliseu providenciou água para o seden­
se o rolo e acrescentasse a ele a profe­ to rei e seu povo (2 Rs 3.1-20).
cia do funeral sem luto de Jeoaquim e a. Jorão foi o nono rei do reino do
que ele não teria ninguém para assen- norte de Israel.
tar-se em seu trono. b. Ele reinou por 12 anos.
V. A condenação de Jeoaquim. c. Ele foi um rei maligno, mas não
A. Jeremias repreendeu Jeoaquim severamen­ tanto quanto Acabe.
te (Jr 22.15,16). d. Ele destruiu a imagem sagrada de
1. O profeta lembrou-o de que as rique­ Baal, construída por Acabe.
zas não faziam dele um rei. e. Entretanto, ele continuou adoran­
2. Ele também disse que o perverso rei do outros ídolos, assim como Jero­
que estava muito distante de seu justo boão, o primeiro rei do reino do
pai, Josias. norte de Israel.
a. Josias defendia os pobres. f. Certa ocasião, ele mobilizou um
b. Jeoaquim, entretanto, enganou-os. exército contra Moabe, que se re­
B. Jeremias, então, profetizou que, quando belou contra ele, persuadindo Josa­
Jeoaquim morresse, ninguém lamentaria; fá, rei de Judá, e o rei de Edom a
em vez disso, ele receberia a sepultura de juntarem-se a ele no ataque.
um jumento, seria arrastado e jogado pa­ g. Por causa de uma marcha sem pre­
ra fora das portas de Jerusalém (Jr 22.18, paração, seu exército logo ficou no
19). deserto escaldante, sem água.
h. O profeta Eliseu, que estava viajan­
D ados do com o exército sem ser notado,
Pai: Josias (1 Cr 3.15). concordou em providenciar água
Mãe: Zebida (2 Rs 23.36). de forma sobrenatural para todos,
Filho: Joaquim (2 Cr 36.8). mas apenas por causa do justo rei
Irmãos: Joanã, Zedequias e Joacaz (1 Cr 3.15). Josafá.
Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 2. Eliseu providenciou comida para o rei,
23.34. que estava morrendo de fome, e para o
Citado pela última vez: Daniel 1.2. seu povo (2 Rs 6.24— 7.20).
Significado do nome: “Deus estabelece”. a. Os sírios cercaram a cidade capital,
Mencionado: 41 vezes. Samaria, causando uma terrível fo­
Livros da Bíblia que citam Jeoaquim: cinco livros me dentro dela.
(2 Reis, 1 Crônicas, 2 Crônicas, Jeremias, Da­ b. A situação logo ficou desesperado-
niel). ra (2 Rs 6.25,28,29).
803
1G u ia de W illm in g t o n p a ra a BI bua j— .......... ....... ....... ........— MÉTODO TEOLÓGICO

(1) Uma cabeça de jumento era de que busca ocasião contra mim (2 Rs
vendida por 80 peças de prata. 5.7).
(2) A quarta parte de um cabo de C. A verificação do profeta (2 Rs 5.8).
esterco de pombas era vendida III. Jorão e Jeú (2 Rs 9.14,15,24-26).
por cinco peças de prata. A. Jorão foi ferido em uma batalha contra os
(3) Algumas mães chegaram a sírios e retornou para Jezreel para recupe­
ponto de comer os próprios fi­ rar-se de seus ferimentos.
lhos. B. Lá, ele foi morto por um oficial do exérci­
c. Jorão, erroneamente, culpou Eliseu to chamado Jeú.
por tudo isso e jurou matá-lo na­ C. O corpo sem vida de Jorão foi então jogan­
quele mesmo dia. do no campo que antes pertencera a Nabo­
d. Ignorando as ameaças do rei, Eli­ te, um justo fazendeiro que havia sido mor­
seu, calmamente, profetizou que, to por Acabe e Jezabel (os pais de Jorão),
em 24 horas, haveria abundância para que obtivessem a sua vinha.
de comida na cidade.
e. Na verdade, ele disse que uma me­ D ados
dida de farinha ou duas medidas de Pai: Acabe (2 Rs 3.1).
cevada seriam vendidas por um si­ Mãe: Jezabel (2 Rs 9.22).
clo, nos mercados de Samaria. Irmão: Acazias (1 Rs 22.52; 2 Rs 1.2,17).
f. Tudo aconteceu conforme o profe­ Citado pela primeira vez na Bíblia: 2 Reis 1.17.
ta prometeu. Citado pela última vez: 2 Crônicas 22.7.
B. Proteção (2 Rs 6.8-23). Significado do nome: “Deus está no alto”.
1. A revelação de Eliseu. Mencionado: sete vezes.
Em diversas ocasiões, durante a Livros da Bíblia que citam Jorão (1): dois livros
guerra entre a Síria e Israel, Eliseu re­ (2 Reis, 2 Crônicas).
velou (de forma sobrenatural) a Jorão Cargo: rei do reino do norte de Israel (2 Rs
os planos de batalha de seu inimigo, li- 3.1).
vrando-o de uma derrota. Lugar onde faleceu: na cidade de Jezreel (2 Rs
2. A recusa de Eliseu. 9.15,25,26).
a. Ao descobrir a fonte de seus proble­ Como foi morto: ele foi morto por Jeú (2 Rs
mas, os sírios tentaram prender Eli­ 9.24).
seu, mas foram cegados tempora­ Detalhe importante sobre a vida de Jorão (1): ele
riamente por Deus. era rei quando Naamã foi a Samaria a fim de
b. Eliseu, então, liderou os soldados ser curado da lepra (2 Rs 5.6,7).
cegos até Samaria, mas recusou a
sugestão de Jorão de matá-los.
II. Jorão e Naamã (2 Rs 5.1-8). J08ÍS0(2)(VejaJe0rã0)
A. A visita do capitão.
Um comandante militar sírio chama­
do Naamã visitou Jorão, desejando ser iJOSAÊftl
curado da lepra, pois disseram-lhe que (Veja também O estágio d o reino no caos, vol. 1, p.
havia alguém em Israel que era capaz de 180)
ajudá-lo.
B. A vexação do rei. S u m á r io c r o n o l ó g ic o
Ao ler a carta escrita pelo rei da Síria I. O glorioso aspecto do seu reino.
solicitando a cura, Jorão arrancou suas A. Josafá e a Palavra de Deus.
vestes e clamou: Sou eu Deus, para matar 1. O rei a proclamou.
e para vivificar, para que este envie a mim, a. Josafá foi o quarto rei de Judá.
para eu restaurar a um hom em da sua le­ b. Ele reinou por 25 anos (1 Rs 22.
pra? Pelo que deveras notai, peço-vos, e ve- 42).
804
P erso n a g en s do A n t ig o T e s t a m en t o

c. Ele foi, para todos os efeitos, um B. Josafá e suas obras para Deus.
bom rei (1 Rs 22.43). 1. O que o rei fez por Deus.
d. Ele instituiu um programa nacional a. Suas atividades religiosas.
para instruir a Palavra de Deus, en­ (1) Ele livrou a terra dos rapazes
viando ensinadores a todas as cida­ escandalosos (1 Rs 22.46).
de de Judá (2 Cr 17.7-9). (2) Ele não consultou a Baal (2 Cr
2. O rei a provou. 17.3).
a. Ele estava cercado por um vasto (3) Ele removeu os altos e os bos­
exército de inimigos, que consistia ques de Judá (2 Cr 17.6).
da aliança entre moabitas, amoni- b. Suas atividades legais.
tas e edomitas (2 Cr 20.1,2). (1) Ele escolheu juizes na terra, ad-
b. O amedrontado rei proclamou um moestando-os a julgarem cui­
jejum nacional e, nos átrios do dadosamente e a dependerem
templo, ofereceu uma das maiores de Deus para dar vereditos (2
orações de livramento das Escritu­ Cr 19.5-10).
ras (2 Cr 20.3-12). (2) Ele reconheceu a separação en­
(1) Ele referiu-se à eterna sobera­ tre a igreja e o estado (2 Cr
nia de Deus. 19.11)
(2) Ele revisou a fidelidade que (a) Escolhendo Amarias, o
Deus demonstrou anterior­ sumo sacerdote, para ad­
mente. ministrar assuntos religio­
(3) Ele relatou a presente necessi­ sos.
dade e dependência de Deus, (b) Escolhendo Zebadias para
concluindo com estas palavras: administrar assuntos le­
Ah! Deus nosso, porventura, gais.
não osjulgarás? Porque em nós c. Suas atividades militares.
não há força perante esta gran­ (1) Ele obedeceu ao comando an­
de m ultidão que vem contra terior de Deus que proibia que
nós, e não sabem os nós o que o reino do norte de Israel e Ju­
faremos; porém os nossos olhos dá lutasse um contra o outro (1
estão postos em ti (2 Cr 20.12). Rs 22.44).
c. O Espírito de Deus subitamente (2) Ele edificou fortalezas e cida­
caiu sobre Jaaziel, um levita, com des de munições em Judá (2 Cr
algumas palavras, de fato, recon­ 17.12).
fortantes (2 Cr 20.14-17). (3) Ele manteve um exército ativo
d. Grandemente encorajado, Josafá de 1.160.000 homens (2 Cr
preparou-se para a batalha esco­ 17.14-19).
lhendo o coral levita do templo 2. O que Deus fez pelo rei.
para liderar as tropas na batalha, a. Deus estabeleceu o seu reino (2 Cr
cantando um cântico de adoração 17.3-5).
ao Senhor (2 Cr 20.18-21). (1) Toda Judá trouxe-lhe presen­
e. O próprio Deus, conforme prome­ tes.
teu, interveio, e os soldados inimi­ (2) Ele teve grandes riquezas e
gos foram completamente derrota­ honra.
dos (2 Cr 20.22-24). b. Até seus inimigos trouxeram-lhe
f. Josafá, muito grato, ordenou, en­ presentes (2 Cr 17.10,11).
tão, um culto de adoração especial (1) Os filisteus deram-lhe prata.
ao Senhor, em um vale que chamou (2) Os árabes trouxeram-lhe reba­
de Beraca, que significa “adora­ nhos — 7.700 carneiros e
ção” (2 Cr 20.25,26). 7.700 bodes.
805
G uia de W illmington par a a B íblia MÉTODO TEOLÓGICO

II. Os aspectos graves do seu reino. 2. Após uma marcha perdida de sete dias
A. Seu compromisso com Acabe. e sem preparo, a aliança encontrou-se
1. O compromisso militar. no deserto sem água (2 Rs 3.8-10).
a. Josafá uniu-se a Acabe, perverso rei 3. Josafá procurou o conselho de Deus e
do reino do norte de Israel, em uma descobriu que o grande profeta Eliseu
aliança contra a Síria (1 Rs 22.1- estava viajando com os exércitos, sem
33). ser notado (2 Rs 3.11,12).
b. Até a batalha, entretanto, Josafá su­ 4. Eliseu concordou em ajudar os solda­
geriu que os dois reis buscassem o dos sedentos, mas apenas por Josafá (2
conselho do Senhor. Rs 3.13,14).
c. Os 400 falsos profetas que rece­ 4. O profeta, então, providenciou, de for­
biam salário de Acabe rapidamente ma sobrenatural, água para todos (2
“profetizaram” uma vitória contra Rs 3.15-20).
a Síria.
d. Ainda sem estar convencido, Josafá D ados
persuadiu Acabe a permitir que um Pai: Asa (1 Rs 15.24).
profeta especial chamado Micaías, Mãe: Azuba (1 Rs 22.42).
o qual foi mantido na prisão pelo Filhos: Jeorão, Azarias, Jeiel, Zacarias, Azariau,
perverso rei, falasse. Micael, e Sefatias (1 Rs 22.50; 2 Cr 21.2).
e. Esse profeta verdadeiro previu a Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Reis
derrota da aliança e a morte de 15.24.
Acabe. Citado pela última vez: Mateus 1.8.
f. Apesar disso, Josafá, tolamente, Significado do nome: “Deus é juiz”.
uniu-se a Acabe no ataque. Mencionado: 77 vezes.
g. Josafá quase foi morto na batalha Livros da Bíblia que citam Josafá: cinco livros (1
quando os flecheiros sírios, por um Reis, 2 Reis, 1 Crônicas, 2 Crônicas, Mateus).
momento, confundiram-no com Cargo: rei de Judá (1 Rs 22.41).
Acabe. Lugar onde nasceu: Jerusalém.
h. Apenas a intervenção de Deus o Detalhe importante sobre a vida de Josafá: ele
salvou (2 Cr 18.31). instituiu um programa nacional de ensino bí­
Depois, ele foi duramente repreen­ blico (2 Cr 17.7-9).
dido pelo profeta Jeú por tudo isso (2
Cr 19.1-3).
2. O compromisso matrimonial. JEÚ(1)
Josafá permitiu que um de seus fi­
lhos, João, se casasse com Atalia, a per­ S u m á r io c r o n o l ó g ic o
versa filha de Acabe e Jezabel (2 Rs I. Repreensão.
8.18). A. Jeú repreendeu Baasa.
B. Seus compromissos com Acazias. 1. Por fazer adivinhações.
1. Josafá e Acazias, um filho de Acabe, Ele reprimiu Baasa, o terceiro rei do
construiu uma frota de navios mercan­ reino do norte de Israel, por seu peca­
tes para ir a Ofir buscar ouro. Eles que­ do, e profetizou que aqueles que per­
braram em Eziom-Geber antes que pu­ tenciam à sua descendência morreriam
dessem içar as velas (1 Rs 22.48). na cidade, sendo comido pelos cães, e
2. O profeta Eliézer previu que Deus des­ no campo, pelas aves do céus (1 Rs
truiria seus navios (2 Cr 20.35-37). 16.2-4).
C. Seu compromisso com Jorão. 2. O cumprimento.
1. Josafá juntou-se a Jorão, outro filho de Após a morte de Baasa, seu filho
Acabe, em uma aliança contra os mo- Elá tornou-se rei. Após um reinado de
abitas (2 Rs 3.6,7). apenas dois anos, Zinri, um dos seus
806
P erso n a g en s do A n t i g o T est a m en t o

chefes de carro, matou o rei e todos os 2. Que os cães selvagens de Jezreel come­
seus descendentes, cumprindo, assim, a riam o cadáver de Jezabel.
profecia de Jeú (1 Rs 16.7-13). II. Jeú — seus assassinatos.
B. Jeú repreendeu Josafá. A. Jorão, o rei do reino do norte de Israel, com
Josafá foi repreendido por sua tola uma flecha (2 Rs 9.21-24).
aliança militar com o perverso Acabe, rei B. Acazias, o rei de Judá, com uma flecha (2
do reino do norte de Israel (2 Cr 19.1,2). Rs 9.27-29).
II. Registro. C. Jezabel, esposa de Acabe, ordenando que
Mais tarde, Jeú escreveu um livro sobre os ela fosse jogada de uma janela (2 Rs 9.30-
reis de Israel (2 Cr 20.34). 37).
D. Os 70 filhos de Acabe, ordenando que os
D ados cidadãos de sua cidade natal, Samaria, de­
Pai: Hanani (1 Rs 16.1). capitassem-nos (2 Rs 10.1-7).
Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Reis 16.1. E. Os parentes próximos de Acabe, à espada
Citado pela última vez: 2 Crônicas 20.34. (2 Rs 10.17).
Significado do nome: “Deus é ele”. F. Os 42 parentes de Acazias, rei de Judá, à
Mencionado: cinco vezes. espada (2 Rs 10.12-14).
Livros da Bíblia que citam Jeú (1): dois livros (1 G. Os sacerdotes de Baal, à espada (2 Rs
Reis, 2 Crônicas). 10.18-28).
Cargo: profeta (1 Rs 16.7). 1. Jeú atraiu esses sacerdotes a uma cons­
Detalhe importante sobre a vida de Jeú (1): ele trução com o pretexto de realizar um
anunciou o julgamento sobre Baasa e repre­ culto a Baal.
endeu Josafá (1 Rs 16.1-7; 2 Cr 19.1-3). 2. Sob o comando de Jeú, 80 de seus sol­
dados invadiram e mataram todos es­
ses ministros pagãos.
JEÚ (2) III. Jeú — sua garantia.
(Veja também O estágio do reino no caos, vol. 1, p. 174) A. Por sua fidelidade em livrar a terra da ado­
ração a Baal, Deus prometeu a Jeú que seus
S u m á r io c r o n o l ó g ic o descendentes sentariam no trono do reino
I. Jeú — sua unção. do norte de Israel na quarta geração (2 Rs
A. A pessoa envolvida. 10.30).
1. Jeú foi o decidido rei do reino do norte B. Isso se cumpriu em Zacarias, bisneto de
de Israel. Jeú e décimo quarto rei do reino do norte
2. Ele reinou por 28 anos (2 Rs 10.26) de Israel, que representava a quarta gera­
3. Ele era um notável condutor de carru­ ção (2 Rs 15.12).
agem (2 Rs 9.20). IV. Jeú — sua apostasia.
4. Seu oficial de carruagem era Bidcar (2 Ele não se afastou dos pecados de Jeroboão
Rs 9.25). I, isto é, a adoração dos bezerros de ouro em
5. Deus ordenou que Elias ungisse Jeú co­ Betei eD ã (2 Rs 10.29,31).
mo rei (1 Rs 19.16).
6. Por alguma razão, no entanto, Elias D ados

não fez isso, deixando a tarefa para seu Pai: Ninsi (1 Rs 19.16).
sucessor, Eliseu (2 Rs 9.1-3). Filho: Jeoacaz (2 Rs 10.35).
B. A profecia envolvida. Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Reis 19.16.
O servo de Eliseu, após receber o co­ Citado pela última vez: Oseias 1.4.
mando de seu mestre, realizou a unção e, Significado do nome: “Deus está aqui”.
com a revelação divina, profetizou o se­ Mencionado: 48 vezes.
guinte (2 Rs 9.4-10): Livros da Bíblia que citam Jeú (2): quatro livros
1. Que a casa de Acabe seria destruída (1 Reis, 2 Reis, 2 Crônicas, Oseias).
por Jeú. Cargo: rei do reino do norte de Israel (2 Rs 10.36).
807
| G uia de W illmington par a a B íblia r MÉTODO TEOLÓGICO

Detalhe importante sobre a vida de Jeú (2): ele or­ A. O Espírito Santo, agora, vinha sobre Jefté
denou a morte de Jezabel e de todos os sacer­ (Jz 11.29).
dotes de Baal (2 Rs 9.30-37; 10.18-28). B. Na véspera da batalha, ele fez um voto pre­
cipitado, prometendo que, se Deus lhe desse
a vitória ao retornar a Mispa, ele ofereceria
jJÉFfll em holocausto à primeira coisa que saísse
(Veja também O estágio dos juizes, vol. 1, p. 108) pela porta de sua casa (Jz 11.30,31).
III. Sua vitória.
S u m á r io c r o n o l ó g ic o Jefté derrotou o inimigo, devastando 20 ci­
I. Sua vocação. dades dele (Jz 11.32,33).
A. O desprezado. IV. Sua aflição.
1. Ele foi criado em Gileade, a terra a les­ A. A agonia.
te do rio Jordão (Jz 11.1). 1. Ao retornar, a primeira pessoa que o
2. Sua mãe era uma prostituta (Jz 11.1). recebeu foi sua única filha (Jz 11.34).
3. Ele foi expulso da sua casa pelos pró­ 2. Jefté, de coração partido, estava deter­
prios meios-irmãos, por causa da pros­ minado a cumprir sua promessa mes­
tituição de sua mãe (Jz 11.2). mo assim (Jz 11.35).
B. O soldado. B. O acordo.
1. Ele se estabeleceu na terra de Tobe (lo­ 1. A filha aceitou, mas pediu dois meses
calizada no nordeste da Síria), onde para lamentar sua virgindade (Jz
juntou um grupo de tropas mercená­ 11.36-38).
rias (Jz 11.3). 2. Após esse período, ela retornou, e Jefté
2. Os anciãos de Gileade, mais tarde, pro­ cumpriu o seu voto (Jz 11.39).
curaram a ajuda de Jefté quando sua C. O evento anual.
terra estava ameaçada pelos amonitas Esse evento instigou uma comemoração
(Jz 11.4,5). anual de quatro dias entre as jovens de Isra­
3. Jefté relutou no começo, mas, quando el, em memória da filha deJefté (Jz 11.39,40).
prometeram que ele seria o líder dos gi- V. Sua vingança.
leaditas, concordou em lutar contra os A. Após esses acontecimentos, Jefté foi repre­
amonitas (Jz 11.6-10). endido e ameaçado pelos invejosos ho­
4. Seu tratado com os anciãos foi ratifica­ mens de Efraim por não permitir que eles
do durante uma cerimônia em Mispa compartilhassem da glória da vitória sobre
(Jz 11.11). os amonitas (Jz 12.1).
5. Ao assumir comando, Jefté tentou en­ B. Jefté relembrou-os de que lhes pediu ajuda,
trar em acordo com o inimigo de for­ mas esta foi recusada (Jz 12.2,3).
mas pacíficas (Jz 11.12). C. Ele, então, atacou-os e matou 42 mil de su­
6. Os amonitas responderam alegando as tropas nos vaus do Jordão (Jz 12.4-6).
que Josué roubou a terra em questão D. Depois de liderar Israel por seis anos, ele
durante sua marcha para Canaã (Jz morreu (Jz 12.7).
11.13).
7. Jefté tentou mostrar para eles que, his­ S u m á r io t e o l ó g ic o
toricamente, esse não era o caso. Pelo I. Samuel usou Jefté como exemplo do poder de
contrário, Israel ocupou pacificamente livramento de Deus (1 Sm 12.11).
a terra nos últimos 300 anos, e esse es­ II. Hebreus refere-se à sua fé (Hb 11.32).
tabelecimento nunca foi disputado (Jz
11.14-27). D ados
8. Entretanto, os amonitas recusaram-se Mãe: uma prostituta de nome não informado (Jz
a ouvir, e Jefté preparou-se para atacar 11 . 1 ).
(Jz 11.28,29). Filha: uma virgem de nome não informado (Jz
II. Seu voto. 11.34,37).
808
P erso n a g en s do A n t ig o T e s t a m en t o

Citado pela primeira vez na Bíblia: Juizes 11.1. antes das outras árvores, a amen­
Citado pela última vez: Hebreus 11.32. doeira significava o cumprimento
Significado do nome: “Opositor”. iminente do julgamento proposto
Mencionado: 28 vezes. por Deus.
Livros da Bíblia que citam Jefté: três livros (Jui­ b. Ele viu uma panela a ferver, cuj a fa­
zes, 1 Samuel, Hebreus). ce estava para o norte. Isso simbo­
Cargo: soldado profissional (Jz 11.3-11). lizava a invasão da Babilônia (Jr
Detalhe importante sobre a vida de Jefté: ele fez 1.13).
um voto precipitado do qual se arrependeu c. Ele, então, viu dois cestos de figos
amargamente mais tarde (Jz 11.30-40). no templo. Um cesto tinha figos
frescos e bem maduros, mas o ou­
tro continha figos estragados (Jr
JEREMIAS 24.1-3). Deus explicou que os figos
frescos representavam os judeus
S u m á r io c r o n o l ó g ic o exilados na Babilônia (homens co­
I. A história pessoal de Jeremias. mo Daniel e Ezequiel), enquanto
A. Jeremias, o homem. que os frutos podres representa­
1. A escolha. vam Zedequias e seus oficiais cor­
a. Ele foi chamado para servir em ruptos (Jr 24.4-8).
tempo integral durante o reinado 3. O sinal.
de Josias (Jr 1.1-10). a. Jeremias recebeu a ordem de fazer
b. Ele nunca se casou (Jr 16.2). um jugo e prendê-lo ao pescoço
(1) Jeremias era filho de Hilquias, com tiras de couro (Jr 27.1,2).
um sacerdote que vivia em b. Ele deveria, então, enviar mensa­
Anatote, a aproximadamente gens aos reis de Edom, de Moabe,
cinco milhas a nordeste de Je­ de Amom, de Tiro e de Sidom por
rusalém, na terra de Benjamim intermédio de seus embaixadores
(Jr 1-1). em Jerusalém, alertando-os de que
(2) Ele recebeu seu chamado para Deus entregou suas nações para a
servir em tempo integral no tri­ Babilônia. Os que acatassem e
gésimo ano do justo rei Josias usassem o jugo da punição com
(Jr 1.2). verdadeiro arrependimento seriam
c. A princípio, Jeremias protestou poupados, mas os que se recusas­
contra esse chamado (da mesma sem seriam destruídos (Jr 27.3-11).
forma que Moisés; veja Êxodo c. Depois que Deus usou Nabucodo­
3— 4), usando a juventude como nosor para punir Judá e suas na­
desculpa (Jr 1.4-6). ções vizinhas, ele castigou a pró­
d. Entretanto, ele logo foi tranqüiliza­ pria Babilônia (Jr 27.7). Foi garan­
do por Deus (Jr 1.7-10). tido para Judá que, após o cativei­
(1) O testemunho de Deus estaria ro da Babilônia, ela seria trazida de
ao seu lado. volta para Jerusalém (Jr 27.22).
(2) As palavras de Deus estariam 4. A busca.
dentro dele. a. Ele recebeu um comando reminis-
2. Os símbolos. cente do filósofo grego Diógenes,
Quando iniciou seu ministério, que repetidamente vagou pelas ru­
Deus mostrou-lhe três coisas que deli­ as de Atenas tentando encontrar
neavam a natureza e a importância um homem honesto. Deus já havia
desse chamado. feito um arranjo similar com
a. Foi-lhe mostrada uma vara de Abraão a respeito de Sodoma (Gn
amendoeira (Jr 1.11). Por florescer 18.23-33; Jr 5.1).
809
G uia de W illm ington para a BIblia MÉTODO TEOLÓGICO

b. Jeremias admitiu que essa terrível selado em um vaso de barro e en­


situação existia entre os pobres e terrá-lo. Tudo isso servia para de­
os ignorantes, mas descobriu que monstrar que, um dia, as pessoas
não era capaz de achar homens teriam novamente propriedades
honestos entre os ricos e educados em Judá, e comprariam, e vende­
governantes de Judá. Mas eles tam­ riam (Jr 32.14,15).
bém rejeitaram Deus completa­ c. Jeremias foi consolado na prisão
mente (Jr 4.4,5). pela graciosa promessa de Deus
c. Após um proveitoso remado de 31 nessa época (Jr 33.3).
anos, Josias morreu. O profeta, d. Esses tremendos e emocionantes
choroso, participou de seu funeral acontecimentos estão listados nos
(2 Cr 34.1; 35.25). O último bom capítulos 30,31 e 33. Eles incluem
rei de Judá tinha ido embora, e, o seguinte:
agora, seria ladeira abaixo em (1) Apesar do iminente cativeiro
questões espirituais. da Babilônia, estava chegando
5. O acampamento. a época em que Deus curaria a
Jeremias visitou o acampamento ferida de Jerusalém e lhe daria
em que vivia a família recabita. paz e prosperidade (Jr 33.4-6)
a. Esses indivíduos pertenciam a uma (2) Ele ainda amava Israel com um
ordem religiosa fundada porJona- amor eterno (Jr 31.3).
dabe, filho de Recabe, durante o (3) Israel seria reunida na Palestina
reinado de Jeú (841— 814 a.C.). dos cantos mais remotos da ter­
Eles ajudaram na erradicação da ra (Jr 30.3,10,11; 31.8,9,12).
adoração a Baal em Israel. Evitan­ 7. Os sofrimentos.
do a vida na cidade, eles viviam co­ a. As fontes dos sofrimentos de Jere­
mo pastores, sem beber vinho. mias.
b. Jeremias recebeu a ordem de testá- (1) Sua família.
-los oferecendo-lhes vinho. Eles re­ (2) Sua cidade natal.
cusaram imediatamente (Jr 35.1-6). (3) O mundo religioso.
c. Jeremias, então, relatou esse valio­ (4) O mundo político.
so exemplo a Judá e contrastou a b. A natureza de seus sofrimentos.
obediência dos recabitas à desobe­ (1) Seus irmãos e sua família volta-
diência de Jerusalém (Jr 35.12-19). ram-se contra ele, planejando
6. A venda. matá-lo (Jr 12.6).
a. Quando esteve na prisão, Jeremias (2) Os homens de Anatote tenta­
recebeu a ordem de Deus para ram matá-lo (Jr 11.21-23).
comprar um campo de seu primo (3) Pasur, o sumo sacerdote do
Hananel. Isso serviria para ilustrar templo, ordenou que ele fosse
que, apesar do avanço do exército chicoteado e colocado no cepo
da Babilônia, ainda se comprarão (Jr 20.1-3).
casas, e campos, e vinhas nesta ter­ (4) Ele quase foi morto por uma
ra (Jr 32.15). multidão enfurecida de sacer­
b. A história por detrás disso: Deus dotes e profetas após uma de
disse a Jeremias que seu primo, Ha­ suas mensagens (Jr 26.7-9).
nanel, logo o visitaria e tentaria (a) Ele pregou um sermão na
vender ao profeta um terreno que porta do templo e quase foi
possuía em Anatote. Jeremias deve­ morto por uma multidão
ria comprá-lo por 17 siclos de pra­ enfurecida por profetizar
ta (Jr 32.6-12). Baruque, então, que o templo seria destruí­
deveria colocar o auto de compra do (Jr 26.6-9).
810
P erso n a g en s do A n t ig o T e s t a m en t o

(b) Ele foi defendido por al­ (a) No palácio, a pressão dos
guns dos sábios de Judá, oficiais religiosos que des­
que relembraram a multi­ prezavam Jeremias, por
dão de que a mensagem de fim, forçaram Zedequias a
Jeremias era como a do reenviar o profeta para um
profeta Miqueias (Jr 26.17- confinamento mais gros­
19; Mq 3.12). seiro.
(5) Ele foi ridicularizado por um (b) Dessa vez, ele foi descido
falso profeta chamado Hana- com cordas em uma cister­
nias (Jr28). na no átrio da guarda, on­
(a) Jeremias foi acusado de es­ de logo afundou em uma
tar mentindo por um falso grossa camada de lama no
profeta chamado Hananias, fundo (Jr 38.1-6).
que profetizou que o cati­ (c) Por fim, um amigo etíope,
veiro da Babilônia duraria Ebede-Meleque, persuadiu
apenas dois anos e os que já Zedequias a tirá-lo daquele
estavam no exílio (como o lugar horrível. Foi preciso
rei Joaquim, Daniel, Eze- 30 homens para tirá-lo da
quiel etc.) retornariam jun­ cisterna. Ele foi levado no­
tamente com todo o tesouro vamente à prisão do palá­
do templo que havia sido le­ cio (Jr 38.7-13).
vado (Jr 28.10,11). (d) Jeremias novamente profe­
(b) Para dramatizar sua acusa­ tizou a queda de Jerusalém
ção, Hananias quebrou o (Jr 38.14-17; veja também
jugo usado por Jeremias (Jr Jr 32.1-5). Ele ficaria na
28.10,11). prisão até que a cidade fos­
(6) Ele foi ameaçado pelo rei Jeoa- se tomada (Jr 38.28).
quim (Jr 36.26). (9) Seu manuscrito original foi
(7) Ele foi preso, açoitado e acusa­ queimado pelo perverso rei
do de traição (Jr 37.11-16). Jeoaquim (Jr 36.21-23).
(a) Jeremias tentou visitar a ter­ (a) Deus ordenou que Jeremias
ra de Benjamim para inspe­ mandasse seu escriba Baru-
cionar uma propriedade que escrever todas essas
que adquiriu (Jr 37.11,12). mensagens orais que rece­
(b) Entretanto, um guarda beu nos últimos 23 anos (Tr
chamado Jerias prendeu-o 36.1,2).
na porta da cidade e acu­ (b) Baruque fez isso e leu as pa­
sou-o de estar fugindo para lavras para as pessoas que
a Babilônia (Jr 37.13). estavam no templo (Jr
(c) Jeremias negou a acusação, 36.8). Ele, então, foi convi­
mas foi açoitado e jogado dado a lê-las para os ofi­
na prisão (Jr 37.14-16). ciais religiosos. Quando
(d) Ele foi enviado secretamente terminou, eles estavam
a Zedequias, o rei (Jr 37.17). muito amedrontados e de­
Zedequias colocou-o na pri­ cidiram que o rei Jeoaquim
são do palácio em vez de le- também deveria ouvi-las
vá-lo de volta à masmorra (Jr 36.14-16).
onde estava (Jr 37.21). (c) Um oficial chamado Jeudi
(8) Ele foi jogado em uma prisão então as leu para Jeoaquim
imunda e vazia (Jr 38.1-13). enquanto o taciturno rei
811
G uia de W illmington par a a B íblia r MÉTODO TEOLÓGICO

estava assentado diante de d. Zedequias.


sua lareira. Quando Jeudi O profeta sofreu muito no rei­
terminou de ler três ou nado de Zedequias, o último rei de
quatro colunas, Jeoaquim Judá.
pegou sua faca, cortou essa (1) Zedequias enviou uma palavra
parte do rolo e a jogou no a Jeremias pedindo suas ora­
fogo. Por fim, todo o rolo ções depois que Nabucodono-
foi destruído (Jr 36.21-23). sor declarou guerra a Judá (Jr
(d) Foi ordenado que Jeremias 21 . 1, 2 ).
reescrevesse as partes que (2) Jeremias enviou uma palavra
foram queimadas e acres­ de volta ao perverso rei, afir­
centasse uma boa quanti­ mando que suas orações eram
dade de material, incluindo inúteis nesse respeito, pois
algumas palavras aterrori- Deus usaria os babilônios para
zantes sobre Jeoaquim (Jr punir Jerusalém, e o próprio
36.30-32). Zedequias seria dado a Nabu-
(e) Depois que Jeoaquim quei­ codonosor (Jr 21.3-7).
mou o rolo, Baruque ficou (3) Jeremias disse a Zedequias que
desanimado. Ele provavel­ Jerusalém seria queimada e que
mente levou um ano para ele seria capturado e levado pa­
escrever o material. Deus ra a Babilônia (Jr 34.1-5).
então o alertou e o encora­ (4) Zedequias proclamou liberda­
jou por intermédio de Jere­ de para todos os escravos da ci­
mias (Jr 45.1-5). dade, mas os senhores volta­
(10)Ele passou por uma frustração ram atrás. Jeremias repreendeu
e uma depressão (Jr 20.7-9,14- esses ricos proprietários que
18). violaram a Lei Mosaica, que
(a) Jeremias ficou tão frustra­ exigia que todos os servos he­
do diante de sua incapaci­ breus fossem libertados após
dade de chamar Judá de servirem por seis anos (Jr 34.8-
volta para Deus que escre­ 16).
veu sobre isso (Jr 20.9; veja (5) Os exércitos egípcios do Faraó
também 1 Rs 19.3,4; Jn Hofra chegaram para ajudar
1.1-3; Co 9.16). Judá a lutar contra Nabucodo-
(b) Nessa época, ele fez uma nosor. Jeremias alertou Zede­
das orações mais tristes de quias de que a sua aliança polí­
toda a Bíblia (Jr 20.14-18). tica falharia, pois Nabucodo-
B. Jeremias, o ministro. nosor derrotaria os egípcios (Jr
1. Governantes sob os quais ministrou. 37.5-10). Zedequias, entretan­
a. Josias. to, recusou-se a aceitar o con­
Jeremias foi chamado por Deus selho de Jeremias (2 Cr 36.12).
durante o reinado de Josias, o últi­ e. Nabucodonosor.
mo bom rei de Judá. Jeremias foi tratado com respei­
b. Jeoaquim. to pelo grande conquistador babi-
Esse perverso rei queimou o ro­ lônico.
lo original da profecia de Jeremias. (1) Zedequias tentou escapar da
c. Joaquim. condenada cidade, mas foi cap­
Esse breve rei de 90 dias foi con­ turado próximo a Jericó e leva­
denado veementemente por Jere­ do de volta a Jerusalém. Lá, ele
mias (Jr 22.24-30). foi forçado a testemunhar a
812
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

execução dos próprios filhos e (1) Joanã pediu que Jeremias de­
então ser submetido à agonia terminasse a vontade de Deus
de ter os olhos arrancados (Jr para o ínfimo remanescente ju­
39.4-7; 52.6-11). deu em Jerusalém (Jr 42.1-6).
(2) Nabucodonosor instruiu seu (2) Depois de uma sessão de ora­
capitão da guarda, Nebuzara- ção de dez dias com Deus, foi
dã, a tratar Jeremias com gen­ dito a Jeremias que o Senhor
tileza (Jr 39.11,12). desejava que o remanescente
(3) Jeremias foi libertado da prisão permanecesse em Jerusalém e
e levado por Nebuzaradã a Ra- não fosse ao Egito, como al­
má. Lá, ofereceram ao profeta guns já planejavam fazer (Jr
a escolha de ir à Babilônia ou 46.7-22).
retornar a Jerusalém. Jeremias (3) Ao ouvirem esse relato desa­
escolheu retornar e foi coloca­ gradável, Joanã e outros líde­
do sob a proteção do novo go­ res acusaram Jeremias de es­
vernante judeu de Jerusalém, tar mentindo. Eles, então, de­
chamado Gedalias (Jr 39.14; sobedeceram à claramente re­
40.1-6). velada palavra de Deus por
f. Gedalias. irem ao Egito. Jeremias foi
Ele foi escolhido por Nabuco­ forçado a acompanhá-los (Jr
donosor para governar a decaden­ 43.1-7).
te cidade de Jerusalém. (4) Ao chegarem ao Egito, muitos
(1) Gedalias tentou instituir uma dos judeus retornaram a seus
moderada administração pós- antigos hábitos de idolatria.
-guerra na devastada cidade de Começaram a queimar incenso
Jerusalém (Jr 40.7-12). à Rainha dos Céus. Esse foi ou­
(2) Isso logo incitou a fúria de um tro nome para a deusa pagã
líder rebelde judeu chamado Is­ Ishtar, a deusa mesopotâmica
mael, que planejou assassinar do amor e da guerra (Jr 44.8-
Gedalias. O governante foi avi­ 10,15-19).
sado desse plano por um ho­ (5) Jeremias anunciou a pena de
mem chamado Joanã, mas re­ morte divina sobre todos os
cusou-se a levá-lo a sério (Jr que se recusassem a arrepen-
40.13-16). der-se e retornassem a Jerusa­
(3) Gedalias foi assassinado por Is­ lém (Jr 44.7-14,28).
mael juntamente com muitos (6) Para dramatizar essa amarga
outros oficiais judeus, peregri­ verdade, ele enterrou pedras
nos e alguns soldados babilôni- grandes nas frestas da entrada
cos. Os corpos de alguns deles do palácio do Faraó. Isso signi­
foram jogados em uma cisterna ficava que Nabucodonosor
vazia (Jr 41.1-9). ocuparia o Egito e estabelece­
(4) Joanã chegou à cena do massa­ ria o seu trono sobre essas pe­
cre e logo restaurou a ordem dras. Jeremias profetizou que
(Jr 41.11-16). ele então mataria muitos dos
g. Joanã. remanescentes judeus que se
Ele assumiu após o trágico as­ recusariam a retornar. Os ou­
sassinato de Gedalias e, mais tar­ tros morreriam de diversas
de, forçou Jeremias a acompa­ pragas ou seriam escravizados
nhar um remanescente judeu até (Jr 43.9-13).
o Egito. 2. Grupos aos quais ministrou.
813
G uia de W iu m in g t o n para a B íblia MÉTODO TEOLÓGICO

a. Jeremias alertou a maioria. Ele avi­ (f) Ela era como uma prostitu­
sou a maioria que ainda estava em ta que não tem vergonha
Judá quanto ao iminente cativeiro (Jr 3.3).
babilônico. (g) Ela adorou falsos deuses
(1) Ele rogou que Judá retornasse em todo outeiro e sob toda
para Deus (Jr 3.12-14; 26.1-7). árvore (Jr 3.6).
(a) Deus convidou Israel repe­ (h) Ela matou seus profetas co­
tidamente a retornar para mo um leão mata sua presa
Ele (Jr 2.9). (2.30).
(b) Ele receberia Israel mesmo (i) Ela era insolente como o
após sua imoralidade com bronze e cruel como o ferro
outros amantes (Jr 3.1). (Jr 6.28).
(2) Jeremias rogou que arassem a (j) Ela fez ídolos dentro do tem­
dureza do coração deles, para plo e adorou a Rainha pagã
que não fossem sufocados pe­ dos Céus (Jr 7.18,44.17).
los espinhos e sofressem com o (k) Ela chegou a sacrificar seus
fogo do furor de Deus (Jr 4.3,4). filhos pequenos como ofer­
(a) Eles ainda poderiam esca­ tas de holocausto a deuses
par do julgamento limpan­ falsos (Jr 7.31; 19.5).
do o coração e purificando (4) Ele alertou-os quanto ao terrí­
o pensamento (Jr 4.14). vel resultado de sua desobedi­
(b) Arrepender-se significava ência.
que eles poderiam perma­ (a) Grandes exércitos marcha­
necer na terra (Jr 7.3). Re­ riam rumo a Jerusalém (Jr
cusar significava ficar co­ 1.14,15).
berto pela escuridão (Jr (b) Nem a Assíria nem o Egito
13.16). seriam capazes de ajudar
(3) Sem temor, ele anunciou o jul­ Judá contra a Babilônia (Jr
gamento iminente nas mãos 2.18,36).
dos babilônios. Ele, então, ci­ (c) As pessoas fugiriam das ci­
tou os pecados de Judá, usan­ dades de Judá como quem
do metáforas e símiles com fre­ foge de um leão faminto (Jr
quência. 4.5-7).
(a) Judá abandonou a fonte de (d) Jerusalém seria cercada, as­
águas divinas (Jr 2.13). sim como caçadores aproxi-
(b) Construiu cisternas rotas mam-se de um animal selva­
que não conseguiam segu­ gem ferido (Jr 4.17; 6.3-5).
rar água (Jr 2.13). (e) Eles chorariam como uma
(c) A nação tornou-se uma ra­ mulher em trabalho de par­
ça de homens malignos, to (Jr 4.31; 6.24; 13.21).
simbolizados pela semente (f) As próprias árvores de Je­
fiel produzindo uma planta rusalém seriam cortadas e
degenerada (Jr 2.21). usadas contra seus muros,
(d) Nenhuma quantidade de como aríetes (Jr 6.6).
sabão ou salitre seria capaz (g) 0 templo seria destruído
de limpá-la (Jr 2.22). (Jr 7.14).
(e) Os governantes mancha­ (h) As tropas inimigas então se
ram suas vestes com o san­ moveriam entre o povo co­
gue dos inocentes e dos po­ mo serpentes venenosas (Jr
bres (Jr 2.34). 8.17).
814
P erso n a g en s do A n t ig o T est a m en t o

(i) Muitos morreriam pelos (a) Jeremias anunciou a sen­


seguintes métodos: espada tença de morte dada por
(Jr 15.3); doenças (Jr 21.9); Deus sobre dois desses pro­
fome (Jr 21.9). fetas, chamados Acabe e
(j) Alguns seriam espalhados Zedequias, por causa de
como o restolho pelo vento sua mensagem mentirosa e
do deserto (Jr 13.24). Ca­ de seu pecado de adultério
dáveres insepultos se acu­ (Jr 29.20-23).
mulariam nos vales fora de (b) Ele também alertou os exi­
Jerusalém e se tornariam lados a respeito de um ho­
comida para animais selva