Sie sind auf Seite 1von 3

Comunidade Cristão O Redentor

Cabo Frio, 21 de agosto de 2019


Traduzido do livro de estudos “The message of Romans – 2003” de Timothy Keller
Romanos 8:19-27

Vivendo como filhos de Deus


Criação, Liberdade e Glória

5. v.19-22. O que nos é dito sobre a natureza aqui? Como isso guia os cristãos em uma
abordagem única à natureza?

Primeiro, nos é dito que a natureza, a ordem criada, compartilhou de alguma forma a Queda
da raça humana. v.20 - “a criação foi sujeita à frustração, não por sua própria escolha, mas pela
vontade daquele que a sujeitou…” Quais são as marcas dessa condição de “queda”?

A. Frustração (v.20) A natureza não é o que deveria ser ou o que foi criado para ser. Esta
palavra "frustração" é a mesma palavra traduzida por "vaidade" na versão grega de Eclesiastes.
Isso significa que a natureza está alienada. Ela é alienada de nós (porque originalmente
tínhamos a intenção de viver em harmonia como diretores da natureza); está alienada de si
mesmo. Não é tão bonita e grande como deveria ser.

B. Decadência. (v.21 - “em cativeiro para decair”). A natureza está agora presa em um ciclo
contínuo de morte e decomposição. É maravilhoso ver como a qualidade de vida da natureza
busca continuamente se restabelecer, trazendo vida nova à morte (por exemplo, as flores
crescem do fertilizante de organismos mortos). Mas todo o universo está se deteriorando e
desfalescendo, perdendo mais energia do que pode gerar. Agora, tudo morre e se desgasta - a
natureza é agora uma assassina.

C. Dor (v.22 - “toda a criação tem gemido como nas dores do parto”). Literalmente e
metaforicamente, a frustração e a decadência da natureza são acompanhadas de dor e
sofrimento. É um fato da natureza agora. Há dor implacável que vem do primeiro ao último -
como a vida nasce (parto) e como a vida é perdida (morte) há dor e miséria.

Em segundo lugar, nos é dito que a ordem física criada será redimida junto com a espiritual. Há
uma vinda gloriosa que será tão incrivelmente poderosa que, quando cair sobre nós, envolverá
toda a ordem criada e a glorificará junto conosco. Nós vamos "trazer a natureza conosco". V.19
diz que a criação espera ansiosamente para que os filhos de Deus sejam revelados. Por quê?
Porque a própria criação será libertada de sua escravidão a decadência e levada para a gloriosa
liberdade dos filhos de Deus. Em outras palavras, as três marcas da criação em sua condição
atual serão invertidas. A) EM VEZ DE FRUSTRAÇÃO, HAVERÁ CUMPRIMENTO. (Quando
consideramos a majestade e a grandeza dos oceanos e das montanhas e dos vales e da floresta
agora, cabe à mente imaginar como será o mundo quando ela não estiver mais "frustrado",
mas for "livre para ser ele mesmo!" B) EM VEZ DE DECADÊNCIA, HAVERÁ FORÇA E NOVIDADE.
Atualmente, a cada momento, as coisas ficam mais velhas, desbotadas, mais fracas, mais
incoerentes. Mas nos novos céus e na nova terra as coisas ficam mais novas, mais belas, mais
fortes, mais coerentes - cada momento para sempre. C) EM VEZ DE DOR, HAVERÁ ALEGRIA.
Visto desta maneira, diz Paulo, até a dor do tempo presente é realmente como as dores do
parto (v.22). Eles não são sem sentido - o mundo está dando à luz uma nova versão de si
mesmo (cf. Mt 24: 8).
O que isso significa para um cristão? Os cristãos têm uma atitude bastante singular em relação
à natureza e ao mundo material. A) ALGUMAS PESSOAS VÊEM O MUNDO MATERIAL COMO
INERENTEMENTE MAU EM SI MESMO. Tal visão é uma forma de ascetismo. (Muitos cristãos
têm essa visão). Portanto, é considerado espiritual evitar os prazeres físicos e se retirar do
mundo. Nesta visão, arte e construção de cultura são denegridas. B) OUTRAS PESSOAS VEEM
O MUNDO MATERIAL COMO TUDO O QUE EXISTE. Tal visão é materialismo. Nessa visão, a
pessoa vive para “conforto da criatura”, prazer físico e beleza. A arte e a construção de cultura
são virtualmente adoradas. Essa visão não tem como criticar a natureza ou o mundo.

Os cristãos devem ver o mundo material como inerentemente bom, mas caído. É
inerentemente bom. É claro que não é "pecaminoso" (v.20 - "a criação foi submetida à
frustração, não por sua própria escolha ..."). Está presa na teia da nossa traição. E é claro que
nosso futuro é físico! Deus fez tanto o físico como o espiritual, e ele vai redimir ambos. Por
outro lado, a natureza está caída. Muitos pensadores modernos, querem ver a decadência e a
morte como completamente “naturais”, e muitas pesquisas científicas tentam definir o
“normal” como o “certo”. Os cristãos sabem que o mundo ainda não é o que Deus quer que
seja.

6. vv.18-23. a) O que Paulo diz que está reservado para nós como filhos de Deus? (Faça uma
lista.) B) Que garantia Paulo dá no tempo presente de que entraremos na glória?

a) O nosso próprio futuro pessoal é mencionado nos versículos 18-23. Nós teremos uma glória
sobre nós. v.19 - “a criação espera com ansiedade que os filhos de Deus sejam revelados ...”
(v.21) “a própria criação será libertada de seu cativeiro para a decadência e trazida para a
liberdade gloriosa dos filhos de Deus. ”O que é essa“ liberdade gloriosa ”que virá sobre nós
quando formos revelados como filhos de Deus?

1. A "redenção de nossos corpos" (v.23b) Nós não viveremos na eternidade como inteligências
desencarnadas. As aparições pós-ressurreição de Jesus nos mostram que ainda seremos nós
mesmos - ainda que diferentes. Nós seremos físicos, mas sem as limitações da decadência
pecaminosa. O corpo de Jesus foi capaz de passar por portas trancadas, mas ele foi capaz de
comer um peixe, e ele disse: “Eu não sou um fantasma” (Lucas 24: 36-42).

2. Os “filhos de Deus a serem revelados” (v.19) Não temos certeza do que isso significa! Mas
isso significa que nossa filiação será revelada publicamente e evidente. Isso provavelmente
significa que seremos finalmente “conformados à semelhança do Filho” (ver Rom.8: 29).
Seremos tão gloriosamente santos como Cristo e, portanto, tão maravilhosos quanto ele.

Nota: O versículo 23 diz que aguardamos a nossa “adoção” mesmo que v.15 diga que já somos
adotados. Como isso pode ser? Significa que somos legalmente adotados, mas nesse último
dia, quando tivermos a plenitude da semelhança familiar em nosso corpo e alma (porque o
pecado será erradicado), seremos “revelados” como filhos de Deus. Será uma celebração
formal e uma cura final. E esse dia também pode ser visto como o dia de nossa mais completa
“adoção”.

b) Dizem-nos que o Espírito de Deus é o “primeiro fruto”. Agora, os primeiros frutos de uma
colheita vindoura eram comidos para obter um “antegozo” do que estava por vir. Sabemos que
atualmente, o Espírito de Deus está nos tornando vivos internamente (8:11 - “seu espírito está
vivo por causa da justiça”). O Espírito está nos dando liberdade gradual e interna dos efeitos do
pecado e da morte em nossos espíritos. Mas se isso é apenas as “primícias”, isso significa que o
Espírito acabará por nos dar liberdade total e completa dos efeitos do pecado na morte em
nossos corpos e espíritos. Isso significa que seremos perfeitos - livres de qualquer defeito ou
fraqueza ou falha no corpo e na alma.

“Ele fará do mais fraco e imundo um deus ou uma deusa, uma criatura deslumbrante,
radiante e imortal, pulsando com tanta energia e alegria e sabedoria e amor como
não podemos imaginar agora, um brilhante espelho de aço inoxidável o que reflete
de volta a Deus perfeitamente (embora, é claro, em menor escala) Seu próprio poder
ilimitado, deleite e bondade. O processo será longo e, em parte, muito doloroso; mas
é para isso que estamos aqui. Nada menos. Ele quis dizer o que Ele disse.

- C.S.Lewis, Cristianismo Puro e Simples

7. vv.23-27. Como o Espírito ajuda na oração? Você já experimentou isso? Descreva.

O ministério geral do Espírito Santo em oração é muito negligenciado. No entanto, somos


claramente informados nas Escrituras que nosso acesso ao Pai não é somente através do Filho,
mas pelo Espírito (Efésios 2:18). A inspiração do Espírito Santo é tão necessária quanto a
mediação do Filho, se quisermos ter acesso ao Pai em oração ...

“Parece ser isso. Às vezes, quando os crentes não sabem orar em palavras, gemem
sem palavras ... 'nos encontramos em silêncio pela própria intensidade de nossos
anseios ...' Esses suspiros ou gemidos inexprimíveis não devem ser desprezados,
como se devêssemos coloque-os na linguagem. Pelo contrário, quando nós, portanto,
suspiramos com desejos inarticulados, é o Espírito Santo intercedendo em nosso
favor, provocando esses [profundos anseios]. “

John R. W. Stot

Verwandte Interessen