Sie sind auf Seite 1von 10

Quilombo: patrimônio histórico e cultural

Henrique Antunes Cunha Junior*

Resumo: O conceito de quilombos e a percepção política e social sobre estas


populações negras denominadas de quilombos variou através dos tempos, mas
teve um considerável papel político para o movimento negro no Brasil. Os
estudos e as publicações de livros sobre quilombos são significativos, sendo
que podemos citar as contribuições de Clovis Moura como um marco
importante e histórico nesta área de conhecimento. Este artigo apresenta a
importância dada ao conceito de quilombo em diferentes momentos da história
brasileira e as variações de percepção sobre o significado das comunidades de
quilombos para os movimentos negros. São apresentadas também, os meios os
quais estas organizações impulsionam a sociedade nesta discussão. Quilombo é
um termo associado aos estudos sobre comunidades negras rurais e suas
identidades. O conceito de quilombos na atualidade cita uma formulação
guiada pelos conceitos de patrimônios materiais e imateriais, sendo definido e
reconhecido com base na cultura quilombola. Neste artigo são revistos
marcadores desta transformação conceitual.
Palavras-chave: Quilombos, identidade, patrimônio histórico, patrimônio
cultural.
Abstract: The concept of quilombos (Brazilian word for maroon) and the
socio-political perception about these Black communities entitled quilombos
has varied throughout time, but it plays a considerably important political role
in the Black Movement in Brazil. The amount of studies and books published
about quilombos are significant and the contributions made by Clovis Moura
can be considered an important historical turning point in this field. This article
presents the importance given to the concept of quilombo in different moments
of the Brazilian history as well as the variations of the perception about the
meaning of the quilombo communities for the black movements. The article
also presents the means through which these organizations have led the society
to this discussion. Quilombo is a term associated to the studies about rural
black communities and their identities. The concept of quilombos nowadays is
guided by the concepts of tangible and intangible cultural heritage, being
defined and acknowledge based on the quilombola culture. In this article
markers of this conceptual transformation are revisited.
Key words: maroon, maroon society identity, cultural heritage.

*
HENRIQUE ANTUNES CUNHA JUNIOR é Professor Titular da Universidade Federal do
Ceará. Membro do Instituto de Pesquisa da Afrodescendencia – IPAD.

158
1. Inscrições da população negra As tradicionais avaliações e referências
na história do Brasil sobre a existência dos quilombos
durante o escravismo criminoso foram
Os quilombos ganharam um estatuto feitas pela sociedade escravista.
novo na historia política brasileira com Segundo esta concepção tradicionalista,
o seu reconhecimento como estes eram citados como lugares de
Comunidades de Remanescentes de perigo, taxados de refúgio de negros e
Quilombos na Constituição de 1988. negras criminosos, fugitivos, imorais e
Trata-se de uns dos temas de grande vadios. Os movimentos negros desde o
relevância na história nacional devido a início da fase do trabalho livre, ou seja,
vários fatores. Entretanto, durante muito desde a abolição do escravismo
tempo este tema foi tratado como criminoso como instituição legal, já
assunto de pouca importância para a tratava o quilombismo como fato
historiografia brasileira e estudos afins. heróico, mostrando a resistência negra
Na ocasião de serem estudados, os na luta contra o sistema de injustiça
quilombos eram tratados sob a ótica dos social. Grupos como o Centro Cívico
negros que fugiam para o mato durante Palmares, em São Paulo de 1908 -1926,
o escravismo criminoso não se já aprestavam esta homenagem a
realçando a importância revolucionária denominada “tróia negra”
e a forma permanente de confronto com (DOMINGUES, 2007). Os jornais e o
o regime de imposição do trabalho teatro negro deste período
escravizado. Nas abordagens anteriores mencionavam os quilombos como
eram citados apenas como rebeldias exemplos da não aceitação do
individuais e desprovidos de potencial escravismo pela população negra,
transformador. Destituía-se uma desmontando o discurso que afirmava a
avaliação sistemática quanto à passividade e a aceitação relativa pelos
frequência de quilombos, a sua africanos quanto à condição de
existência em todos os estados do Brasil escravizados. Da década de 1970 em
e em todas os períodos da história diante os movimentos negros
nacional posterior a 1500. Além disso, sistematicamente passaram a
não existia a preocupação de estudar os reverenciar e aprofundar o estudo da
quilombos como uma instituição de epopéia dos quilombos, principalmente,
base africana transportada para as o quilombo dos Palmares, existente por
Américas e existentes ao longo da quase um século na região de Alagoas,
história dos países do Caribe e do entre 1630 e 1695. Muitas peças de
Continente americano. Destacamos que teatro e textos foram realizadas com a
na maioria das regiões das Américas temática de quilombos (CUNHA
onde existiu o sistema de produção JUNIOR, 1992) e com o avanço de
escravista criminoso, formaram-se estudos nesta área de conhecimento, as
organizações quilombolas. Outra entidades dos movimentos negros
dimensão que não era atribuída aos existentes no Brasil, elegeram o dia 20
quilombos era sobre sua importância de novembro como data nacional da
econômica e populacional como sistema consciência negra devido ao assassinato
de contestação ao escravismo de Zumbi, considerado herói do
criminoso. Os quilombos foram a quilombo dos Palmares nesta data, que
realização de formas sociais e passa a fazer parte do calendário oficial
econômicas alternativas à sociedade do da nação. Cabe lembrar também que o
escravismo criminoso. Teatro Experimental do Negro – TEN –

159
Rio de Janeiro (convém lembrar que muitos casos, por populações oriundas
houve também o TEN – São Paulo, de quilombos. Esta hipótese da história
junto a Associação Cultural do Negro- foi muito contestada na década de 1970
1950 -1968) no período de 1948 – 1951 nos debates de movimentos negros e os
teve um jornal de nome Quilombo, historiadores das universidades
promovido pelos intelectuais Guerreiro brasileiras. Entretanto, esta hipótese se
Ramos, Sebastião Rodrigues Alves, J. confirma na atualidade com o
Juliano e Abdias do Nascimento. reconhecimento de quilombos urbanos
em Porto alegre (COSTA, 2009 e
É provável que Edson Carneiro
CORREA 2010); Rio de Janeiro (MAIA
(antropólogo negro baiano), tenha sido
2010 e TELLES, 2009) e Salvador
o primeiro estudioso sistemático da
(AURELIANO, 2006). Infelizmente
história do quilombo dos Palmares a
foram perdidas as anotações e registros
escrever sobre o assunto em 1947. . “O
materiais produzidos por Beatriz
quilombo dos Palmares”: 1630 – 1695
Nascimento, como também, os textos de
(CARNEIRO, 1947). Sendo reeditado
suas reflexões. Entretanto, suas posturas
em 1956 e 1958.
sobre os quilombos nos chegam através
Outro material importante e pouco de depoimentos da historia oral
conhecido que passou despercebido do repassados por militantes do movimento
grande público foi o livro “Reino de negro que assistiram as conferências e
Palmares” escrito por M. Freitas e debates nesse período, entre os quais eu
publicado em 1954 pela biblioteca do presto aqui meu depoimento sobre a
Exército Brasileiro (FREITAS, 1954). importância desta pesquisadora no
reconhecimento da relevância dos
Dentre os pensadores e militantes quilombos para a história nacional e
negros nos estudos e intervenções sobre para o pensamento dos movimentos
a importância de quilombos merecem negros.
enorme destaque a pesquisadora Beatriz
do Nascimento. Esta percorreu o país à Do ponto de vista histórico em pensar
procura de dados sobre quilombos e os quilombos como núcleos
elaborou diversas hipóteses sobre a revolucionários, o marco mais
história dessas comunidades e sua importante para considerarmos
relevância para a história do Brasil. quilombos na historiografia nacional foi
Devido ao avanço das suas pesquisas o registro do sociólogo e jornalista
para época, esta foi muito combatida em Clovis Moura (1959) em seu livro
1973 e 1974 na Universidade de São “Rebeliões na senzala - Quilombos,
Paulo, onde tencionava produzir uma Insurreições e Guerrilhas”. Clovis
dissertação de mestrado sobre o assunto. Moura militava nos partidos de
Em função dos embates acadêmicos, esquerda brasileira e sua referência de
além de desistir do mestrado, foi taxada quilombos como importância histórica
de desequilibrada mental. Mesmo com o confrontava com a opinião de Caio
insucesso acadêmico, Beatriz do Prado Junior. Para Caio Prado a
Nascimento recebe o reconhecimento população africana e afrodescendente
intelectual dos movimentos negros e não tinham importância na história
nos deixa um grande legado de respeito brasileira, a não ser a braçal. Caio Prado
e interesse pelos quilombos. Beatriz era um dos intelectuais mais respeitados
dizia que áreas urbanas de cidades na época e considerado o fundador dos
brasileiras ocupadas por populações estudos de história econômica no Brasil.
negras faveladas foram iniciadas, em A polêmica causada pelo lançamento do
160
livro de Clóvis Moura produziu uma O assunto de pesquisa e história sobre
ampla revisão sobre as posturas quanto quilombos ganhou corpo sistemático a
às inscrições da população negra na partir dos trabalhos do Historiador
história nacional. Este livro tornou-se Flávio Gomes, que em 1993 apresentou
um clássico na formação do que era a dissertação de mestrado com o título
denominado como consciência negra de Histórias de Quilombolas:
dos militantes dos movimentos negros, Mocambos e Comunidades de Senzalas
conforme CUNHA Junior (2003) e no Rio de Janeiro XIX (GOMES, 1993).
PEREIRA (2000). A importância do Os textos de Flávio Gomes tiveram
livro de Clovis Moura sobre Quilombos sempre grande penetração nos
foi reconhecida pelo próprio Partido movimentos negros devido ao conteúdo
Comunista do Brasil e explicitada em de suas palestras e participações em
1995, durante o tricentenário de Zumbi mesas de seminários tanto acadêmicos
dos Palmares, por este Partido com a como os encontros, debates, seminários
edição de um texto curto, mas realizados pelas entidades dos
significativo do próprio Clóvis Moura movimentos negros.
denominado de “A república de
Palmares e o seu significado sócio- No campo da Antropologia, Maria de
político” (MOURA, 1995). Lourdes Bandeira foi uma das
pesquisadoras que fez história com os
A consolidação do quilombo como estudos realizados de forma pioneira e
referência histórica veio com o livro de independente sobre a identidade étnica
Décio de Freitas, “Palmares, a Guerra das comunidades negras rurais tendo
dos Escravos, publicado em 1971 como base a geografia. A identidade
(FREITAS, 1971). Freitas foi exilado dos grupos negros adquirem um
durante a ditadura militar e aproveitou enfoque de territorialidade, que
esse período para realização de configurou uma situação de autoridade
pesquisas em arquivos históricos no e que demarca uma especificidade. As
exterior. A peça teatral de João relações sociais passam a ser
Francesco Guarnieri e Augusto Boal, consideradas com o recorte racial, a
Arena conta Zumbi, trouxe através do base territorial como determinante é
Teatro de Arena a importância para o marcada pelo uso da terra. São
grande público sobre os quilombos. considerados os modos de produção e
Dentro dos movimentos negros, a peça sistemas de trocas, relações sociais e
teatral escrita e dirigida pelos militantes políticas com as comunidades vizinhas
do teatro Evolução de Campinas, de TC e as formas de sociabilidade internas, as
(Antonio Carlos) e Lumumba (CUNHA festas e expressões culturais bem como
JUNIOR, 1992), transmitiu para as a memória social. Em suma, Maria de
platéias negras o significado dos feitos Lourdes Bandeira reúne e conecta todos
dos quilombos na peça teatral Sinfonia os fatores que nos parecem hoje
Negra. Da mesma forma em Porto determinantes na compreensão das
Alegre, o Grupo Palmares, através da comunidades de quilombos e no estudo
arte e da literatura, deu significado pioneiro da territorialidade negra de
público expressivo à importância dos Vila Bela em Mato Grosso
quilombos e, até mesmo o cinema (BANDEIRA, 1988).
nacional se ocupou com dois filmes de
Ilka Boaventura Leite, a partir de 1991,
grande importância sobre o quilombo
tornou-se uma das principais referências
dos Palmares.
para a discussão das identidades e
161
cidadania das comunidades negras diversos grupos ou sub-grupos dentro
rurais e bairros urbanos (LEITE, 1991). da sociedade. Os conceitos têm a
Sediada na Universidade Federal de especialidade e temporalidade das
Santa Catarina do Núcleo de Estudo culturas em geral e das culturas
sobre Identidade e relações interétnicas científicas em particular. Dado a este
(NUER) realiza um numero conjunto sempre mutável de fatores e de
considerável de estudos e contribui interesses, os conceitos científicos são
decisivamente para as metodologias, parte das lutas sociais e estão inseridos
enfoques teóricos e empíricos, sobre os em fase da validade de um determinado
laudos de reconhecimento das paradigma científico. A dinâmica social
comunidades de quilombos (LEITE, e os processos de transformações
1996). existentes nestas substituições de
paradigmas científicos impõem a
A nossa consciência da grandeza revisão, atualização e a modificação dos
numérica e das densidades de conceitos e formas de pensar de um
comunidades de quilombos nas diversas grupo de cientistas. Como mostra a
regiões do Brasil foi produzida pelos história da ciência, todas as trocas de
estudos geográficos de Rafael Sanzio paradigmas são revoluções
Araujo dos Anjos (ANJOS, 2005), (KUHN,1994) onde os membros do
(ANJOS 2011). grupo cientifico se repartem e se
Portanto, devido à persistência dos dilaceram face aos interesses em jogo.
movimentos negros e da mobilização de Tanto os movimentos negros como os
setores da vida intelectual nacional, os grupos de pesquisadores negros tem se
quilombos saem do anonimato. O que debatido com mudanças de paradigmas
se tratava apenas como território de e de concepções conceituais cada vez
negros fugitivos, transforma-se em mais necessárias e mais importantes no
símbolos da luta da população negra por enfrentamento das lutas sociais e das
justiça social. O quilombo, na lutas nas esferas de poder em relação à
atualidade, poderia ser definido como população negra. As pesquisas no
estudo do patrimônio histórico e âmbito das relações raciais que eram
cultural nacional. Neste sentido é que consideradas como universais e
trabalharemos neste artigo revendo esta eurocêntricas, estão passando para uma
história recente das abordagens sobre esfera de especificidade de base
comunidades de remanescentes de africana, ou de referências de
quilombos. hibridismos culturais sob a ótica de
2. Identidades quilombolas e inteculturalidade. A aparente posição
patrimônio histórico e cultural dominante e hegemônica das expressões
científicas eurocêntricas, estão
Os conceitos científicos são produzidos lentamente sendo revistas para o âmbito
para facilitar a interpretação de dos conceitos e interpretações
problemas enfrentados pela sociedade, pluriculturais. De pesquisadores quase
sendo que estes podem ser relativos aos unicamente eurodescendentes para
bens materiais e imateriais observados pesquisadores afrodescendentes em
pela humanidade. Os conceitos são número cada vez maior em termos
inferências dos valores e credos dos quantitativos e qualitativos. Neste
produtores da ciência; concebidos e sentido, os conceitos de raça fenotípica
validados dentro de grupos científicos ou social e de construção dos racismos
constituídos por participantes dos tem passado por freqüentes revisões e
162
questionamentos. Opções conceituais presentes na discussão conceitual de
têm empreendido a ponte entre a quilombos como patrimônio histórico
manutenção da especificidade das ou de patrimônio cultural.
abordagens sobre populações negras e
os conceitos baseados na geografia, na O conceito de quilombo foi pensado no
história e na cultura, assim como nas campo da identidade cultural, do
condições sociais. Conceituar o termo território e da permanência histórica. O
negro implica em introduzir novas conceito de patrimônio cultural pode ser
referências no debate. Da mesma forma, pensando como de patrimônio material
o conceito de quilombo ultrapassou os e imaterial, mas ambos ligados á
limites de um conceito de importância produção da identidade e da
menor, de um fato sem relevância territorialidade (LARAIA, 2004).
social. Hoje, o conceito de quilombo Embora o pensamento nacional
remete a conceitos fortes e consistentes, predominante no campo de patrimônio
com implicações nos campos da cultural tenha trabalhado por muito
reforma agrária. da posse e uso de tempo com a idéia de monumentos e
terras. Tal conceito trabalha o campo com conceitos de patrimônio material
das identidades culturais e dos direitos a visando à preservação; essas idéias
elas referidos confrontando o campo da foram ampliadas e formataram uma
territorialidade e questões fundiárias, às proposta onde o conceito de patrimônio
áreas políticas de educação, cultura e cultural está fundamentado na
saúde. Esses conceitos têm implicações referência de processos culturais.
nas áreas do direito e das políticas Ressalta-se que a preocupação com a
públicas. As definições de quilombos, construção de um adequado conceito de
portanto, nos remetes a cultura, patrimônio incide na discussão entre a
identidade, territórios, propriedades, nação, a identidade e a territorialidade
bens econômicos, sociais, culturais e nacionais. Assim, então, identidade e
políticos. Habitação, saúde e educação territorialidade são dois requisitos
das comunidades de quilombos são fundamentais construídos para a
mutáveis em função das produções definição de referência cultural e esta,
conceituais. O conceito de quilombo por sua vez, para os conceitos
tem se libertado das definições focadas ampliados do que vem a ser os
no conceito de raça social e partido para patrimônios culturais materiais e
definições respaldadas pela origem da imateriais. A referência cultural tem
história escravista, trabalhando o forte vinculação com a relação de
conceito de negro no campo do pertencimento da “nossa identidade” e
pertencimento étnico e cultural. com a “nossa territorialidade”.

Na atualidade algumas definições Como um processo de realimentação


conceituais de comunidades de dinâmica do processo de conhecimento,
quilombos ou de remanescentes de o conceito de patrimônio cultural e do
quilombos são produzidas como registro deste patrimônio nos campos
repostas á necessidade da solução de material e imaterial como elementos
problemas estruturais, históricos, dinâmicos do processo cultural, foi
culturais e jurídicos dessas populações, decisivo na elaboração dos laudos de
articulado aos conceitos de patrimônio reconhecimento das comunidades de
cultural e de bens materiais e imateriais. quilombo. O reconhecimento da
Território, cultura, identidade e história comunidade de quilombo fica associado
são as categorias mais comumente de certa maneira ao registro do
163
patrimônio material e imaterial e a a uma mudança de mentalidade
compreensão da sua dinâmica na imprimida pelas mudanças da sociedade
produção da territorialidade e da e das novas análises feitas pelos
identidade das populações de movimentos negros. A tomada de
quilombos. consciência sobre a urbanização, a
industrialização e os limites de
3. Quilombos, Patrimônio oportunidades sociais levaram a uma
Cultural e Movimentos Negros nova postura do pensamento das
Os movimentos negros podem ser populações e dos movimentos negros.
descritos como movimentos sociais que Os pensamentos e ações que
dão expressão aos valores sociais da produziram as mudanças objetivas com
população negra e as suas relação aos movimentos anteriores
reivindicações sociais. A valorização da foram, pelo menos, quatro.
cultura de base africana existente no Uma primeira mudança ocorre quando
Brasil recebe o título de cultura negra e os movimentos negros pensam a
tem nos movimentos sociais negros a população negra como maioria histórica
procura da sua prática e afirmação e não mais como minorias. Desta
social. Os movimentos negros são percepção nascem as reivindicações de
realidades existentes antes da abolição inserção no censo demográfico dos
do escravismo criminoso no Brasil; quesitos cor da pele no item
sendo que dentro desta longa jornada de identificação da população.
existência, algumas mudanças
ocorreram ao longo do tempo, de O segundo fator de mudança está
localidade para localidade e de época relacionado com a compreensão da
para época no mesmo território, gleba história nacional. É pensada a
ou grupo. proposição de que a história nacional se
organiza de forma particular baseando-
O enfoque da história dos movimentos se na população negra como a grande
negros pode ser dado baseando-se numa protagonista na história de construção
visão histórica de base africana onde o deste país. Neste sentido, foi
conceito de ancestralidade é o fio fundamental a reflexão em torno dos
condutor da história da identidade e da quilombos e de pensar-se nos
territorialidade. Neste enfoque, as quilombos como uma alternativa
mudanças são esperadas dentro dos política ao sistema do escravismo
grupos geracionais. Assim, os criminoso. A partir dos anos de 1970 o
movimentos negros apresentam quilombo passou a ser um símbolo
descontinuidades que podemos chamar político da resistência da população
de períodos dos movimentos. O período negra ao escravismo criminoso e ao
de 1970 a 1995 poder considerado como capitalismo racista. As novas idéias
renovação conceitual, ou seja, de sobre os quilombos vindas com as
mudança de paradigma com relação à literaturas de Clovis Moura e seus
geração anterior. continuadores foram fundamentais na
mudança do eixo do pensamento
Esta mudança conceitual de paradigma
intelectual dos movimentos negros.
recebe na literatura sobre movimentos
negros o nome de Movimento de A terceira proposição importante está
Consciência Negra (PEREIRA, 2000). relacionada em ter o racismo antinegro
Cunha Junior (1992) caracterizou este como o fator de produção da situação
movimento denominando-o consciência social, econômica, política e cultural da
164
população negra. O racismo antinegro do pensamento negro da década de
foi enfocado como um fator estrutural 1970, nos enfoques sobre as histórias da
da produção da situação de vida da população negra no Brasil: a retomada
população negra. O racismo é pensado sobre a valorização da cultura de base
não mais apenas como um processo de africana e, principalmente, das reflexões
preconceitos ou de discriminações, mas sobre os Terreiros. O modo de pensar de
como uma força de dominação e Muniz Sodré (SODRÉ, 1988), sobre a
produção da normalização social de relação do Terreiro com a cidade instrui
apropriação dos bens materiais e o movimento que se realiza no âmbito
imateriais na sociedade brasileira. dos movimentos negros depois da
década de 1970. Mas, também, a forma
A quarta mudança foi relativa à que o espírito de resistência quilombola
compreensão da cultura negra e do se influi neste pensamento, possui
socialismo. A discussão sobre o interlocução com as razões do espírito
socialismo tem uma função inicial de de sociedade igualitária e de sociedade
pensar uma nova forma de organização revolucionária. Portanto, terreiros e
da sociedade que fosse fundada nos quilombos compuseram os elementos da
valores culturais de bases africanas. A elaboração de um novo paradigma do
valorização da cultura negra foi pensamento dos movimentos negros a
reforçada e enfatizada por ser uma partir dos anos de 1970. Ambos se
cultura de valores coletivos e valores inserem no âmbito dos patrimônios
comunitários. A discussão do culturais materiais e imateriais
socialismo nos movimentos negros se produtores de identidades e
passa pela reapropriação do Terreiro e territorialidades.
das práticas de Terreiro. Neste sentido,
também existiu uma corrida dos 4. Concluímos do exposto.
ativistas dos movimentos negros às O conceito de patrimônio material e
religiões de matrizes africanas. Os imaterial da forma como tem sido
pensamentos sobre cultura negra e sobre concebido pelos organismos
candomblé se fundem na discussão internacionais e pelo Ministério da
sobre as propostas de mudanças da Cultura, através do Setor de Referências
sociedade. Os candomblés de Inquises, Culturais do IPHAN, possui fortíssima
de Vodus, de Orixás, como as consistência, baseada na idéia de
Umbandas são depositários de processo cultural. Este fica
cosmovisões e de filosofias de base caracterizado pelas práticas culturais e
africana e se constituem como “lugares” pelos objetos pelo meio dos quais os
de organização religiosa, formando um grupos sociais se representam. Através
campo de manutenção da ideologia e destas práticas e objetos os grupos
organização social. São territórios da culturais elaboram a sua identidade e
ética, da moral social e das tradições da produzem a sua territorialidade. Este
população afrodescendente. Constituem conceito de patrimônio cultural é
um espaço de reflexão sobre o cotidiano importante para identificação das
da sociedade circundante. Umbandas, comunidades de quilombo, para seu
Candomblés e quilombos se aproximam estudo e, principalmente, para fins
como conceitos sobre a formação da jurídicos do seu reconhecimento nos
sociedades. processos de titulação.
Desta maneira, o pensamento sobre Os movimentos negros lutaram durante
quilombos foi determinante na mudança quase um século para reconhecimento
165
social da importância dos quilombos na base um patrimônio cultural comum e
história nacional. Estas lutas de especifico para cada comunidade ou
reconhecimento transformaram as para cada localidade.
comunidades de quilombo em símbolo
da resistência negra contra a dominação
escravista criminosa e, depois da Referências
abolição do escravismo, como marco ANJOS, Rafael Sanzio Araujo dos. Territórios
das lutas contra a dominação racista das comunidades remanescentes de antigos
eurocêntrica. Nestes processos de luta quilombos no Brasil. 3. Ed. Brasília: Editora
social e de reconhecimento histórico Mapas e Consultoria. 2005.
foram importantes as contribuições da _________________________. Territorialidade
pesquisa acadêmica e não acadêmica. quilombola. Foto e Mapas. Brasília: Editoria
Mapas e consultoria. 2011.
No presente, as comunidades de AURELIANO, Rodrigo Souza. Quilombos
quilombos estão inseridas na luta pela Urbanos. Identidade, territorialidade no Bairro
terra do povo brasileiro e nas lutas da Mata Escura na cidade de Salvador; Bahia.
contra o racismo anti-negro. O termo Seminário Estudantil de Produção Acadêmica.
Quilombo tornou-se uma instituição Vol. 10. No. 1. UNIFACS, 2006.
nacional na contemporaneidade. Os BANDEIRA, Maria de Lourdes. Território
conceitos de quilombos foram Negro em Espaço de Branco. São Paulo,
ampliados de comunidades rurais para Brasiliense, 1988.
urbanas. Transcenderam a materialidade CARNEIRO, Edson de Souza. O Quilombo dos
dos territórios físicos e se Palmares: 1630 -1695. São Paulo: editora
ressignificaram como territórios Brasiliense. 1947.
imaginários. Quilombo tornou-se um COSTA, Ângela Maria Faria de. Quilombos
conceito, uma forma de pensar um ideal Urbanos, segregação espacial e resistência em
de sociedade socialista fundada em Porto Alegre. Uma analise a partir do Quilombo
valores sociais dos povos africanos do Areal e da Família Silva.Florianópolis:
Revista Discente Expressão Geográfica. No. 5.
tradicionais. “Quilombo Hoje: Ano V, pagina 154. Maio de 2009.
Literatura” trata-se de um grupo de
escritores negros existentes desde 1978 CORREA, Mario Roberto Weyne. Quilombo
urbano em Porto Alegre. Uma abordagem
com sede em São Paulo e que pública histórica d titulação do Quilombo da Família
anualmente os cadernos negros Silva (2003 – 2007). Porto Alegre: trabalho de
literatura. Constitui-se num exemplo conclusão de curso. UFRGS. Curso de Historia.
significativo da ressignificação do 2010.
conceito de quilombo, agora como ideal CUNHA JUNIOR, Henrique. Movimento de
de luta e de resistência política e consciência negra na década de 1970. Fortaleza:
intelectual de um grupo de escritores Revista Educação em Debate, ano 25. V.2 –
negro. numero 46 – 2003 - paginas 47 a 54.
_______________ Textos para o movimento
Este artigo apresentou pontos históricos negro. São Paulo: Edicon, 1992.
importantes nesse processo de
DOMINGOS, Petrônio. Movimento negro
reestruturação do conceito de quilombos brasileiro: alguns apontamentos históricos.
como parte de um patrimônio cultural Revista Tempo, 2007. PP. 100 – 123.
de grupos sociais de maioria afro
FREITAS, Decio. Palmares, A Guerra dos
descendente. As idéias de território Escravos. Porto Alegre: Ed. Movimento,1971.
cultural de solidariedade e identidades
culturais demarcam a existência de FREITAS, M. L. Reino Negro de Palmares. Rio
de Janeiro: Biblioteca do Exército. 1954.
comunidades de quilombos tendo como
166
GOMES, Flavio dos Santos. Historia de MOURA, Clovis. Rebeliões na Senzala
Quilombolas: Mocambos e comunidades de (quilombos, insurreição e guerrilhas). São
senzalas no Rio de Janeiro – Século XIX. Paulo: Edições Zumbi, 1959.
Dissertação de mestrado. IFCH – UNICAMP.
____________. A república do Palmares e seu
Campinas: 1993.
significado sócio-político. Publicação: Partido
KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções Comunista do Brasil. Uma homenagem do PC
cientifica. São Paulo: Perspectiva. (3ª. Edição), do B ao tricentenário de Zumbi dos Palmares.
1994. 1995. (apenas 20 paginas).
LARAIA, Roque de Barros. Patrimônio PEREIRA, Amauri Mendes. Cultura de
imaterial: conceito e implicações. IN: Consciência negra. Pensando a construção da
TEIXEIRA, J. ET Alli (org.). Patrimônio identidade nacional da democracia no Brasil.
Imaterial, Performance Cultural e (re) Dissertação de Mestrado. UERJ. Rio de Janeiro:
Tradicionalização. Brasília: UNB. 2004. 2000.
LEITE, Ilka Boaventura. Território Negro em SODRÉ, Muniz. O Terreiro e a Cidade. A forma
Área Rural e Urbana. Textos e debates. social negro. 1988.
Florianópolis, NUER/UFSC, ano 1, numero 2,
TELLES, Lehonna Marques Ferreira. O regime
1991.
de titularidades de terras quilombolas em áreas
_________________. (org.) Negros no Sul do urbanas: O quilombo de Sacopã. Rio de Janeiro:
Brasil: Invisibilidade e territorialidade. Departamento de Direito: PUC – Rio. Relatório
Florianópolis. Editora Letras Contemporâneas, interno. 2009. Disponível – 28/03/2011.
1996. http://WWW.puc-
io.br/pibic/retoria_resumo2009/relatório/dir/leh
MAIA, Patrícia Mendonça de Castro. Quilombo
onna.pdf
Sacopã: uma historia de resistência.
Florianópolis. V encontro Nacional da
ANPPAS, Outubro. 2010 (PDF).

167