Sie sind auf Seite 1von 28

CONTABILIDADE

Aula 0 – Apresentação
A definição de contabilidade: Contabilidade é a ciência que estuda a prática as
funções de orientação, de controle e de registro dos atos e fatos de uma administração
econômica.
A principal Finalidade da contabilidade é fornecer informações aos seus usuários.
A técnica contábil que reúne todos os documentos que contenham fatos
contábeis, lançando-os nos livros contábeis respectivos, que darão suporte para a
elaboração e publicação dos demonstrativos contábeis. Essa técnica é chamada de
escrituração.

Objeto de Estudo da Contabilidade


O objeto de estudo da contabilidade é o patrimônio. Por patrimônio, entenda o
conjunto de bens, direitos e obrigações da entidade.
Base legal para Estudo da Contabilidade
A base de estudo da contabilidade está na Lei 6.404/76 – Lei das Sociedades por
Ações.

O que é uma sociedade?


Quando criamos uma sociedade empresária para a exploração de um negócio,
estamos dando origem a uma pessoa Jurídica distinta da pessoa dos sócios. Essa pessoa
jurídica é quem será sujeito de bens, direitos e não os sócios.
Na contabilidade, a distinção da pessoa jurídica da pessoa dos sócios é chamada
autonomia da pessoa jurídica.
Para construir uma sociedade empresária os sócios precisam entregar uma
quantia inicial de recursos para que essa entidade comece a “Ter uma vida própria”. Não
há geração espontânea de patrimônio na entidade.
A contabilidade é utilizada por órgãos do governo, associações, fundações etc.
Por isso, devemos utilizar a expressão entidade e não sociedade.

Começando a Entender as Contas


Criação da empresa ALFA LTDA. O contrato social prevê que os sócios Gabriel e
Luciano entregaram $100.000 cada e o sócio “X” entrega $50.000. Todo valor será
entregue em dinheiro.
O capital social será um recurso que provém da entidade. Com isso, capital social
é uma origem de recursos.
Portanto, o dinheiro que os sócios entregaram para a sociedade compõe uma
conta chamada Capital Social. Essa origem terá algum tipo de aplicação, seja em bem,
seja em direito. Neste caso, como foi em dinheiro, irá para a conta Caixa. Ficando no
numerário da empresa.
O conjunto de contas que a empresa se utiliza é chamada de Plano de Contas.

Razonete
Cada componente patrimonial (caixa, estoque) recebe o nome de conta. Então,
todas as vezes que falarmos em movimentação de contas estamos falando de Razonete.

Conta X

Débito Crédito

O total dos débitos deverá ser igual ao total dos créditos. Entrou dinheiro no
Capital Social e entrou dinheiro no Caixa.
Origem capital próprio Aplicação (Bem)

Capital Social Caixa

250.000 (1) (1) 250.000

Conta O que são? Exemplo Aumenta Diminui


Ativo Bens e direitos Caixa Débito Crédito
Passivo Obrigações Fornecedores Crédito Débito
Patrimônio Líquido Capital Próprio Capital Social Crédito Débito
Receitas “Ganhos” Venda de Mercadoria Crédito
Despesa “Perda” Desp. de salário Débito

Está saindo dinheiro do caixa e entrando dinheiro no banco.

Caixa Banco

(1) 250.000 250.000 (2) (2) 250.000


Compra de Mercadoria a prazo, no valor de $30.000. O pagamento se dará
somente em 30 dias.

Estoque Fornecedor

(3) 30.000 30.000 (3)

O total dos lançamentos a débito e a crédito se equivalem. Na contabilidade,


recebe o nome de Método da Partidas Dobradas.
Novo lançamento: pagamento antecipado de metade do valor ao fornecedor, no
valor de $15.000

Caixa Fornecedor

(1) 250.000 15.000 (4) (4) 15.000 30.000 (3)

Introdução aos elementos do patrimoniais


Depois da escrituração, os temos de elaborar as demonstrações contábeis. A
principal demonstração contábil é o Balanço Patrimonial. Ele (BP) evidência a situação
patrimonial e financeira da entidade.
O balanço patrimonial é dividido em ativo, passivo e patrimônio líquido.
Ativo Passivo

Origem
Aplicação
Patrimônio Líquido
Origem

 Ativo: Aplicação de recursos


 Passivo e PL: Origem de recursos

Ativo Passivo

Caixa - Fornecedores -
Bancos 235.000
Estoques 30.000 PL

Capital Social 250.000

Total Ativo 265.000 Total Passivo + PL 265.000

O total do Ativo é sempre igual ao total do Passivo + Patrimônio Líquido (Equação


Fundamental da Contabilidade  A = P + PL)
Objeto e campo da atuação da contabilidade
O objeto é o patrimônio das entidades.
O patrimônio é o conjunto de bens, direitos e obrigações de uma entidade.
A contabilidade se aplica às Aziendas. Por aziendas deve ser entendido como o
patrimônio de uma pessoa que é gerido de maneira organizada.
Existem três tipos de Aziendas:
1) Aziendas Econômicas: As empresas, que visão o lucro
2) Aziendas Econômico-social. As associações, que o lucro líquido é destinado a
outros fins que não a remuneração do capital empregado.
3) Aziendas Sociais: Não possuem escopo lucrativo – União, Estados e Municípios.

Finalidade da contabilidade e usuários das demonstrações


A finalidade principal da ciência contábil é fornecer a seus usuários informações
sobre a situação patrimonial e financeira da sociedade.
Os usuários das demonstrações contábeis podem ser externos e internos.
 Usuários internos:
o Empregados
 Usuários externos:
o Investidores
o Credores por empréstimo
o Fornecedores
o Clientes
o Governo e suas agências
o Público

CPC-00 informa que muitos investidores, credores por empréstimo e outros


credores existentes em potencial, não podem requerer que as entidades que reportam
as informações prestem a ele diretamente as informações de que necessitam, devendo
desse modo confiar nos relatório contábeis-financeiros de proposito geral, para grande
parte da informação contábil financeira que buscam.
Consequentemente, eles são usuários primários para quem relatório contábil -
financeiros de propósito geral são direcionados.

Funções da contabilidade
A contabilidade tem sua essência, basicamente, me duas funções:
a. Função Administrativa: Controle do patrimônio
b. Função Econômica: Apuração de lucro ou prejuízo do exercício. Tal apuração é
feita na demonstração do resultado do exercício.
Patrimônio  Componentes patrimoniais (Ativo, Passivo e PL)
Comparação entre Ativo, Passivo, Receita e Despesa

 Ativo: bens e direitos da empresa. Compra de máquina para usar na produção.


 Passivo: Obrigações da empresa. Aquilo que ela tem de pagar.
 Receitas: Ganhar dinheiro. Produtos que são vendidos.
 Despesas: Gastos que a empresa incorre para ganhar as receitas – pagamento
de funcionários, despesas de aluguel etc.
 Patrimônio bruto ou patrimônio total: Total de Ativo
 Patrimônio líquido: Ativo – Passivo

Bens
É tudo que pode ser objeto de direito.
Os bens podem ser divididos em bens corpóreos e bens incorpóreos (ativo
intangível).
Bens tangíveis: Caixa, terreno, veículos.
Bens intangíveis: Patentes, software, marcas.
Os bens podem receber as seguintes classificações:
 Bem numerário: são as disponibilidades, que é o dinheiro prontamente para uso.
Ex. Caixa, bancos.
 Bens de venda: mercadorias e produtos destinados à venda. Ex. Estoque de
mercadoria, estoque de produto acabado.
 Bens de uso: bens usados nas atividades da empresa. São os ativos imobilizados.
Ex. Imóveis, veículos
 Bens de renda: bens para gerar renda. Ficam no investimento. Ex. Imóveis para
alugar, obras de arte.

Direitos
São aquelas quantias que nossa entidade tem de receber ou a recuperar em
negócios jurídicos celebrados com terceiros. Ex. Adiantamento feito a um
fornecedor (integram ao grupo de Ativos).

Obrigações
São valores que a empresa deve a terceiros. Ex. Salários a pagar, financiamentos
a pagar (Compõem o grupo do passivo).

Técnicas contábeis
São quatro as técnicas utilizadas na contabilidade. 1. Escrituração; 2. Elaboração
das demonstrações contábeis; 3. Auditoria; 4. Análise das demonstrações contábeis.
1. Escrituração: Todos os eventos devem ser contabilizados. Então, no período de
competência, colheremos todos os documentos necessários e lançaremos nos
respectivos livros contábeis. A técnica utilizada para o registro dos fatos
contábeis é chamada de escrituração. Art. 177 da lei 6.404/76 – A escrituração
será mantida em registros permanentes, com obediência aos preceitos da
legislação comercial e desta lei e aos princípios da contabilidade geralmente
aceitos, devendo observar métodos e critérios contábeis uniformes no tempo e
registrar as mutações patrimoniais segundo o regime de competência.
2. Elaboração das demonstrações contábeis: Art. 175 – O exercício social terá
duração de 1 ano e a data do término será fixada no estatuto.
Parágrafo único. Na constituição da companhia e nos casos de alteração estatutária
o exercício social poderá ter duração diversa.
Ao término do exercício, as sociedades têm de publicar o que chamamos de
demonstrações financeiras.
Segundo a Lei 6.404/76, art. 176 – Ao final de cada exercício social, a diretoria
fará elaborar, com base na escrituração mercantil da companhia, as seguintes
demonstrações financeiras, que deverão exprimir com clareza a situação do patrimônio
da companhia e as mutações ocorridas no exercício.
I. Balanço patrimonial
II. Demonstração do lucro ou prejuízo acumulado
III. Demonstração do resultado do exercício
IV. Demonstração do fluxo de caixa
V. Se companhia aberta, demonstração do valor adicionado.
CPC-26 informa a lista também a lista da “demonstração das mutações do
patrimônio líquido” (PMPL) e a “demonstração dos resultados abrangentes”.
3. Auditoria: Lei 6.404/76, art. 176, §3º - As demonstrações financeiras das
companhias abertas observarão, ainda, as normas expedidas pela CVM e serão
obrigatoriamente submetidas a auditoria por auditores independentes nela
registados.
4. Análise das demonstrações contábeis: Depois que as demonstrações foram
publicadas e aditadas, os seus usuários têm interesses nas informações nelas
contidas. Tudo isso é feito através da técnica contábil chamada de análise das
demonstrações contábeis ou análise de balanços.

Aula 1 – Método das Partidas Dobradas. Lançamentos Contábeis – Contas


Situação líquida e equação fundamental do patrimônio
A empresa KLS tem as seguintes contas registradas em sua contabilidade:
Contas:
- Caixa 100
- Duplicatas a receber 200
- Estoques 50
- Fornecedores 60
- Empréstimos a pagar 40

Classificando temos a seguinte situação.


 Bens: Caixa e estoque – 100 + 50
 Direitos: Duplicatas a receber – 200
 Obrigações: Fornecedores e Empréstimos a pagar – 60 + 40

Ativo Passivo

Caixa 100 Fornecedores 60


Estoques 30.000 50 Empréstimos a pagar 40
Dup. a receber 200 PL

Situação líquida* 250

Total Ativo 350 Total Passivo + PL 350

 Situação Líquida é o capital dos sócios ao iniciarem uma atividade empresária.

Equação fundamental da contabilidade: Ativo = Passivo + SL (PL)


Termos importantes
 Ativo: Bens e direitos
 Passivo: Obrigações
 Patrimônio Líquido: Capital Próprio dos sócios
 Aplicação de recursos: Ativo
 Origem de recursos: Passivo e Patrimônio Líquido
 Capital Próprio: Patrimônio Líquido
 Capital de Terceiros: Passivo
 Capital Aplicado: Ativo

Tipos de situação líquida existente


1. Ativo maior do que passivo:

Ativo Passivo

Bens 1000 Obrigações 500

Direitos 1000
PL

Situação líquida 1500

Total Ativo 2000 Total Passivo + PL 2000

É uma situação confortável para a empresa.


Ativo > Passivo exigível
Situação líquida > Zero
2. Ativo menor do que passivo
Ativo Passivo

Bens 1000 Obrigações 2500


Direitos 1000

PL

Situação líquida (500)

Total Ativo 2000 Total Passivo + PL 2000

Temos a chamada situação líquida negativa. Essa parte do Passivo para o qual
não temos recursos suficientes para pagar é denominado passivo a descoberto.
Ativo < Passivo
Patrimônio Líquido < Zero
3. Ativo igual ao passivo
O ativo é igual ao passivo exigível, não havendo sobra para os proprietários no
caso de dissolução da empresa, isto é, não existe capital próprio, ou seja, todos os
recursos serão utilizados para pagar às dívidas.

Ativo Passivo

Bens 1000 Obrigações 1500


Direitos 1000
PL

Situação líquida 500

Total Ativo 2000 Total Passivo + PL 2000

Ativo = Passivo
Patrimônio líquido = Zero
4. Ativo igual à situação líquida
É o caso da constituição da entidade

Ativo Passivo

Bens 1000

PL

Situação líquida 1000

Total Ativo 1000 Total Passivo + PL 1000

Ativo = Patrimônio líquido


Passivo = Zero
 Ativo pode ser: Maior ou igual a Zero. O ativo jamais pode ser negativo
 Passivo pode ser: Maior ou igual a Zero. O passivo jamais pode ser negativo
 Patrimônio líquido: Pode ser positivo, negativo ou nulo

Consta - Constas patrimoniais e de Resultados


As contas são dadas aos componentes patrimoniais (bens, direitos e obrigações).
As contas podem ser patrimoniais e de resultados.
 Contas Patrimoniais: São as que representam os Ativos, os Passivos e o
Patrimônio Líquido.
 Contas de Resultado: São as contas de Receitas e Despesas. Servem para saber
se a empresa apresentou lucro ou prejuízo.

Função e estrutura das contas – Razontes e Contas


A ITG.2000, que trata da escrituração contábil, assim define. 6. A escrituração
em forma contábil de que trata o item 5 deve conter, no mínimo:
a) Data do registro contábil, ou seja, a data em que o fato contábil ocorreu
b) Conta devedora
c) Conta credora
d) Histórico que representa a essência econômica da transação ou o código de
histórico padronizado, neste caso baseado em tabela auxiliar inclusa no livro
próprio
e) Valor do registro contábil
f) Informação que permita identificar, de forma unívoca, todos os registros que
integram um mesmo lançamento contábil
Além disso, as contas podem ser vistas por dois aspectos: Qualitativo e Quantitativo.
Segundo o aspecto qualitativo, devemos olhar para o que a conta representa. Ex.
a conta caixa, em seu aspecto qualitativo, representa os numerários que temos
guardados. Já pelo aspecto quantitativo representa o quanto temos guardado, o
valor propriamente dito.

Aprofundando: Principais contas utilizadas (Aspectos iniciais)


Conta O que é?

Capital Aplicado Ativo Total


Capital a realizar ou
Parcela do capital que não foi integralizado. Os sócios prometerão, mas ainda não entregaram
capital a integralizar
Valor previsto no estatuto para que possamos aumentar o capital sem necessidade de alterar o
Capital Autorizado
estatuto. Esse valor não é contabilizado
Capital de Giro ou
É o ativo circulante, é o tipo de ativo que se espera converter em dinheiro no curto prazo (12 meses)
Capital Circulante
Capital Circulante
É o ativo circulante, ou seja, bens e direitos de curto prazo, menos as dívidas de curto prazo (Ativo
Próprio ou Capital de
circulante menos Passivo Circulante)
Giro Próprio
Capital de Terceiros ou
É passivo exigível (empréstimos, contas a pagar etc.)
Capital Alheio
Capital Próprio Patrimônio Líquido
É aquilo que foi entregue (integralizado) pelos sócios. É a diferença entre o que foi subscrito (o que
Capital Realizado ou
prometeram entregar) e o que falta integralizar. Capital realizado é igual subscrito menos capital
Capital Integralizado
integralizar
Capital Social ou Capital É o capital social fixado no estatuto ou contrato social. Também pode ser conhecido por capital nominal
Subscrito ou capital declarado
Capital Total a
Ativo Total
Disposição da Empresa

As principais contas utilizadas

Ativo
Conta Descrição

Caixa Dinheiro em poder da empresa

Banco Conta corrente

Clientes Conta a receber de clientes

Duplicatas a receber Valores a receber de vendas realizadas

Contas a receber Outras contas a receber

Mercadorias Estoque de mercadorias para a venda

Máquinas Bem pertencentes à empresa

Veículos Bens pertencentes à empresa

Imóveis Bens pertencentes à empresa

Móveis Bem pertencentes à empresa

Passivo
Conta Descrição

Fornecedores Valores a pagar para fornecedores

Duplicatas a pagar Valores a pagar de compras realizadas

Contas a pagar Outros valores a pagar

Impostos a recolher Impostos (IR, ICMS, etc) a recolher

Empréstimos Empréstimos a pagar

Patrimônio Líquido
Conta Descrição

Capital Social Capital integralizado pelos sócios

Reserva de lucro Reserva legal, de Contingência, estatutária etc.


Reserva de Capital Ágio na emissão de ações

Contas de resultados Receitas e Despesas

 Todas as contas de reserva pertencem ao Patrimônio Líquido.


 As contas de resultado também pertencem ao Patrimônio Líquido.

Contas de Resultados
 Receitas
o Receita de vendas
o Receita financeira
o Receita de aluguel
o Receita de comissão
o Receita de serviço
 Custos
o Custo da mercadoria vendida
o Custo do produto vendido
o Custo do serviço prestado
 Despesas
o Despesas administrativas
o Salários e ordenados
o Depreciação
o Despesas de Frete
o Despesas de Aluguel

Teoria das contas


São três as teorias.
1. Teoria Personalista: As contas são fictamente como pessoas. Temos três tipos de
pessoas – a) Proprietários, b) Correspondentes e c) Agentes Consignatários.
Essa é a versão mais jurídica da contabilidade.
a) Proprietário: Os proprietários são responsáveis pelas contas do patrimônio
líquido e pelas receitas e despesas.
b) Correspondentes: São as pessoas que representam as contas de direitos (ativo)
e obrigações (passivo). Pessoas que a entidade mantém esse tipo de relações
jurídica. Tal como clientes e fornecedores.
c) Consignatários: Pessoas em que a entidade confia e guarda os bens (ativo).
2. Teoria Materialista: É uma visão mais econômica do que vem a ser as contas.
Elas são vistas como entradas e saídas de valor.
a) Contas integrais: São os ativos e passivos exigíveis (obrigações).
b) Contas diferenciais: São o patrimônio líquido, receitas e despesas.
3. Teoria Patrimonialista: É a utilizada pela contabilidade e as contas são divididas
em:
a) Contas Patrimoniais: São as contas do Passivo, Ativo e Patrimônio Líquido.
b) Contas de resultados: São as receitas e despesas.

Atos e fatos contábeis


O patrimônio societário sofre constante movimento e podemos dividir em fatos
e atos contábeis.
a) Atos contábeis são acontecimentos que ocorrem na entidade e não provoca
alteração patrimoniais. Conforme Lei 6.404/76, art. 176 (...) §4º - As
demonstrações são complementadas por notas explicativas e outros quadros
analíticos ou demonstrações contábeis necessárias para esclarecimento da
situação patrimonial e dos resultados do exercício.
b) Os fatos contábeis, por sua vez, são os acontecimentos que provocam variações
no patrimônio da entidade. Eles podem ser divididos em três tipos: 1)
Permutativo; 2) Modificativo; 3) Misto.

Métodos das partidas dobradas


O nível de detalhamento da escrituração contábil deve ser proporcional a
complexidade da operação da entidade e dos requisitos de informação a ela aplicável e,
exceto nos casos em que a autoridade reguladora assim o requeira, não sendo
necessariamente observado um padrão pré-definido.
A escrituração contábil deve ser executada:
a) Em idioma e em moeda corrente nacional;
b) Em forma contábil;
c) Em ordem cronológica de dia, mês e ano;
d) Com ausência de espaço em branco, entrelinhas, borrões, rasuras ou emendas;
e) Com base em documentos de origem externa ou interna ou, na sua falta, em
elementos que comprovam ou evidenciam fatos contábeis.

O conjunto de contas existentes dentro de uma entidade é denominado plano


de contas. Por Plano de Contas define-se como todas as contas existentes dentro de
uma entidade para uniformizar os registros contábeis.
Temos ainda o sistema de contas que tem a ver com a finalidade das contas em
si. Serve mais para compreender melhor o patrimônio.
Método das partidas dobras considera que todo e qualquer item que ingresse no
patrimônio, há um lugar de onde ela é proveniente, ou seja, não há geração
espontânea de patrimônio.
O método das partidas dobradas é conhecido como método veneziano.

Contas Lançadas a débito e a crédito

Conta Caixa

Débito Crédito

 Contas do Ativo e contas de despesas têm natureza devedora


 Conta do Passivo, contas do PL e contas de receitas têm natureza credora.
Conclusão! Com base no método das partidas dobras:
1) A soma dos débitos é sempre igual à soma dos créditos;
2) Um ou mais débitos numa ou mais contas devem corresponder a um ou mais
créditos de valor equivalente em uma ou mais contas.
3) O total de ativo será sempre igual à soma do passivo exigível com o patrimônio
líquido.

Lançamentos contábeis
1) A Constituição da sociedade KLS mediante $100.000 totalmente integralizado
em espécie.

Capital Social (PL) Caixa (A)

100.000 (1) (1) 100.000

Débito – Caixa 100.000


Crédito – Patrimônio Líquido 100.000

2) Compra de veículo por $10.000 à vista.

Capital Social (PL) Caixa (A) Veículo (A)

100.000 (1) (1) 100.000 10.000 (2) (2) 10.000

Débito – Veículo 10.000


Crédito – Caixa 10.000

3) Compra de mercadorias por $50.000 a prazo.

Capital Social (PL) Caixa (A) Veículo (A)

100.000 (1) (1) 100.000 10.000 (2) (2) 10.000

Estoque (A) Fornecedores (P)

(3) 50.000 50.000 (3)

Débito – Estoques 50.000


Crédito – Fornecedores 50.000

4) Pagamento de metade da dívida com o fornecedor.

Capital Social (PL) Caixa (A) Veículo (A)

100.000 (1) (1) 100.000 10.000 (2) (2) 10.000

25.000 (4)

Mercadorias (A) Fornecedores (P)

(3) 50.000 (4) 25.000 50.000 (3)

Débito – Fornecedor 25.000


Crédito – Caixa 25.000
5) Entrada de outro sócio com capital social de $30.000, integralizado com terreno.

Capital Social (PL) Caixa (A) Veículo (A)

100.000 (1) (1) 100.000 10.000 (2) (2) 10.000


30.000 (5) 25.000 (4)

Mercadorias (A) Fornecedores (P) Terreno (A)

(3) 50.000 (4) 25.000 50.000 (3) (5) 30.000

Débito – Terreno 30.000


Crédito – Capital Social 30.000

Contas retificadoras
Contas retificadoras diminuem o valor do respectivo grupo. Elas diminuem
alguma outra conta, seja porque registram desgaste, uso, diminuição de algum direito
ou porque a lei assim manda.

Balanço Patrimonial
Ativo Imobilizado
Veículos 100.000
(-) depreciação acumulada (30.000)
Valor contábil 70.000

Se uma conta do ativo aumenta a débito e diminui a crédito, então a conta


retificadora é o contrário. Ela aumenta a crédito e diminui a débito.

Elementos essenciais de um lançamento


1) Local (pode ser suprimido, considerando ser feito no local do estabelecimento)
e data;
2) Conta debitada;
3) Conta creditada;
4) Histórico;
5) Valor
Exemplo. Compra de mercadoria à vista no valor de $100
D – Mercadoria 100
C – Caixa 100 OU

Mercadoria
a Caixa 100
A preposição “A” indica conta creditada.
Admite-se o uso de códigos e/ou abreviaturas nos históricos dos lançamentos,
desde que permanentes e uniformes. Devem contar o significado do código e/ou
abreviaturas no Livro Diário ou em registros especiais revestidos das formalidades
extrínsecas daquele.

Explicando como fazer Lançamentos


Quando aparecer a palavra “diversos”, existe mais de uma conta creditada ou
debitada. Podemos ter:

 1 Lançamento a débito e 1 lançamento a crédito.


Estoque D – Estoque 100
a Caixa 100 C – Caixa 100

 1 Lançamento a débito e 2 lançamentos a crédito.


Estoque
a Diversos D – Estoque 100
a Caixa 60 C – Caixa 60
a Fornecedores 40 100 C – Fornecedores 40

 2 Lançamentos a débito e 1 lançamento a crédito. (Empresa realiza uma venda, e


recebe parte à vista e parte a prazo).
Diversos
a Receita de vendas D – Caixa 150
Caixa 150 C – Clientes 250
Clientes 250 400 C – Receita de vendas 400
 2 Lançamentos a débito e 2 Lançamentos a crédito. (Empresa realiza à venda de
veículo).
Diversos
a Diversos
Caixa 29.000 D – Caixa 29.000
Depreciação acumulada 18.500 47.500 D – Depreciação Acumulada 18.500
a Veículos 35.000 C – Veículo 35.000
a Ganho de Capital 12.500 47.500 C – Ganho de capital 12.500

Fórmulas de lançamentos
Os lançamentos podem ser de:
1º Fórmula: 1 conta a débito e 1 conta a crédito. (Compra de Mercadoria à vista).
D – Mercadoria 100
C – Caixa 100

Caixa Mercadoria

100 100

2º Fórmula: 1 conta a débito e 2 ou mais contas a crédito. (Compra de mercadoria,


metade à vista, metade a prazo).
D – Mercadoria 100 Mercadoria 100
C – Caixa 50 a Diversos
C – Fornecedores 50 Caixa 50
Fornecedores 50

Fornecedores Caixa Mercadoria

50 50 100

3º Fórmula: 2 ou mais contas a débito e 1 conta a crédito. (Realização de prestação de


serviço, recebida metade à vista e metade em 30 dias).
D – Caixa 100
D – Clientes 100
C – Receitas de prestação de serviço 200
Caixa Clientes Receita Pres. De Serviço

100 100 200

4º Fórmula: 2 ou mais contas a débito e 2 ou mais contas a crédito. (Compra de canetas,


no valor de $100, sendo metade à vista e metade a prazo, a ser utilizada metade como
estoque de materiais de consumo e metade como mercadoria para revenda).
D – Mercadoria de consumo 50
D – Mercadoria para revenda 50
C – Caixa 50
C – Fornecedores 50
Conta

Lançamentos Débito Crédito

1º Fórmula 1 1

2º Fórmula 1 2 2 ou mais

3º Fórmula 2 1

4º Fórmula 2 2 2 ou mais

Tipos de fatos contábeis


Os fatos contábeis são divididos em 3 grupos (Modificativo – Permutativo –
Misto).
1) Permutativo
a. Permuta entre elementos do ativo
b. Permuta entre elementos do passivo
c. Permuta entre elementos do ativo e passivo
d. Permuta entre elementos do PL
2) Modificativo
a. Modificativo aumentativo
b. Modificativo diminutivo
3) Misto
a. Misto aumentativo
b. Misto diminutivo

Fatos permutativos ou qualitativos


Os fatos permutativos alteram o patrimônio em aspectos qualitativos. Trocar
dinheiro por mercadorias, isso não altera o valor total do patrimônio líquido e contas de
resultados.
Fatos modificativos ou quantitativos
Os fatos modificativos têm o condão de alterar para mais ou para menos o
patrimônio líquido.
Os fatos modificativos envolvem também contas de resultados (receitas e
despesas). Assim, o fato modificativo provoca aumento ou redução do ativo ou passivo
e, concomitantemente, haverá modificação na situação líquida. Necessariamente
haverá uma conta de receitas ou despesas.
1) Modificativo aumentativo: Provoca aumento da situação líquida mediante
aumento do ativo ou diminuição do passivo.
OBS.: Diversas bancas consideram que a integralização de capital social é fato
modificativo aumentativo. Todavia, o CESPE diverge neste ponto, considerando o fato
como permutativo.
2) Modificativo diminutivo: Tem o condão de diminuir a situação líquida da
empresa. Essa redução se dá, geralmente, pelo aumento do passivo ou pela
redução do ativo.

Fato misto
O fato misto envolve, ao mesmo tempo, um fato permutativo e um fato
modificativo. Acarreta, portanto, alteração no ativo e PL, no passivo e PL ou no ativo,
passivo e PL.
1) Fato misto aumentativo: É quando o fato misto tem o condão de aumentar a
situação líquida patrimonial.
2) Fato misto diminutivo: Diminui a situação líquida patrimonial.

Retificação de lançamentos contábeis


Ratificação de lançamentos é um processo técnico de correção de registro
realizado com erro na escrituração contábil da entidade e pode ser feito por meio de:
a) Estorno (anulação total);
b) Transferência (transposição para conta correta);
c) Complementação (posterior, aumento ou diminuição)
Em qualquer situação das formas citadas acima, o histórico do lançamento deve
precisar de motivo de retificação, a data a localização do lançamento d origem.

Estorno
O estorno consiste em lançamento inverso àquele feito erroneamente,
anulando-o totalmente.

Transferência
Transferência é aquele que promove a regularização da conta indevidamente
debitada ou creditada, por meio da transposição do registro para a conta adequada.

Complementação
Complementação é aquele que vem posteriormente completar, aumentando ou
reduzindo o valor anteriormente registrado. É conhecido por estorno parcial.
Os lançamentos realizados fora da época devida devem consignar, nos seus
históricos, as datas efetivas das ocorrências e a razão do registro espontâneo.

Ressalva
Ressalva ocorre quando antes mesmo do encerramento do lançamento,
percebemos a incorreção, corrigindo o próprio histórico. A correção se dá com a
utilização de palavras tais como: “digo”, “ou melhor”, “em tempo”.

Insubsistência x Superveniências
A superveniência ativa é fato inesperados que acontecem e aumentam o
patrimônio da entidade gerando receitas. Em contabilidade, tudo o que tiver o nome
XX + Ativos é considerado receita.
Os Exemplos clássicos são o nascimento de rebanho ou o recebimento de uma
herança.
Superveniência passiva é fato que diminuem a situação líquida patrimonial da
empresa. Ex. Julgamento desfavorável em processo judicial.
Insubsistência ativa e insubsistência do passivo são fatos que deixam de existir,
gerando receitas para a empresa. Ex. Perdão de uma dívida.
Insubsistência passiva ou insubsistência do ativo são fatos que deixam de existir,
qualquer que seja o motivo, causando uma diminuição do PL, pela geração de
despesas. São, portanto, ativos que deixam de existir.

Livros contábeis e fiscais


Os registros dos fatos contábeis denominam-se escrituração. A escrituração é
encontrada nos livros contábeis e fiscais.

Livro diário
O livro diário é regulado pelo código civil. Ele é um livro que contém o registro
de todo e cada lançamento em ordem cronológica. É obrigatório para quase que
totalidade das empresas (ressalva-se o pequeno empresário previsto na LC
123/2006).
No diário serão lançados, com individuação, clareza e caracterização do
documento respectivo, dia a dia, por escrita direta ou reprodução as operações
relativas ao exercício da empresa. Admite-se a escrituração resumida do diário, com
totais que não excedam o período de 30 dias relativamente a conta.
Serão lançados no diário o balanço patrimonial e o de resultado econômico,
devendo ambos ser assinado por Técnico em Ciências Contábeis legalmente
habilitado e pelo empresário ou sociedade empresária.
O livro diário possui algumas formalidades:
 Extrínsecas (Finalidade dificultar adulteração)
o Deve ser encadernado
o As folhas devem ser numeradas
o Deve ser autenticado pela Junta Comercial do Estado (Empresa
Mercantil) ou pelo Registro Civil de Pessoa Jurídica (Empresa Civil).
o Deve haver termo de abertura e termo de encerramento
 Intrínsecas (Finalidade: resguardar a fidedignidade dos fatos ocorridos em
relação aos fatos regitrados0
o Seguir ordem cronológica
o Não deve haver rasura, borrões, sinais, linhas em branco, entrelinhas,
folha em branco etc.
o A escrituração deve ser feita em língua e moeda nacional.

Livro razão
O livro Razão é facultativo. Segundo o IR, os contribuintes sujeitos à apuração do
lucro real devem escriturar o livro razão.

Livro caixa
Registra a entrada e saída de numerário. Os registros devem ser efetuados em
ordem cronológica e, por isso, deve ser utilizado como auxiliar do livro diário.
No diário é obrigatório para contribuintes que estejam no regime simplificado
previsto na LC 123/2006.

Livro obrigatórios para as Sociedades Anônimas


Além dos livros obrigatórios para qualquer entidade. As S.A. precisam ter:
I. O livro de Registro de Ações Nominativas;
II. O livro de transferência de Ações Nominativas;
III. O livro de Registro de Partes Beneficiárias Nominativas e o de Transferência de
Partes Beneficiárias Nominativas;
IV. O livro de Atas da Assembleia Geral;
V. O livro de Presença dos Acionistas;
VI. O livro de Atos de Reuniões de Diretoria;
VII. O livro de Atos e Pareceres do Concelho Fiscal.

Balanço de verificação
É um livro auxiliar em que são relacionadas todas as contas, sejam elas
patrimoniais ou de resultados. É baseado no método das partidas dobradas.
Através do balancete de verificação separamos as contas de saldo devedor das
de saldo credor. Ele serve apenas para o correto apontamento do método das partidas
dobradas.
Todas as informações para a confecção do balancete de verificação são extraídas
do livro razão.
Os elementos mínimos que devem constar no balancete são:
a) Identificação da Entidade;
b) Data a que se refere;
c) Abrangência;
d) Identificação das contas e respectivos grupos;
e) Saldo das contas, indicando se devedor ou credor;
f) Soma dos saldos credores e devedores.
O balancete se destina a fins externos, deve conter o nome e assinatura do
Contabilista responsável, bem como o número do CRC.
Se o balancete se destinar a fins internos o nome do Contabilista pode ser
omitido.

Aula 2 – Principais Lançamentos Contábeis


Lançamentos contábeis básicos
Os resultados obtidos com vendas de produtos, os ganhos obtidos com aluguéis,
juros, variação monetária etc. São chamadas de receitas.
Em contrapartida, despesas de salários, custo da mercadoria vendida, despesas
com juros, despesas com aluguéis etc. São chamados de despesas.

Lançamentos contábeis básicos


Constituição da sociedade
4 Sócios constituem a sociedade KLS, com capital social de R$100.000, sendo
R$25.000 para cada. Ainda não houve entrega dos recursos, apenas a subscrição do
capital.
D – Capital social a integralizar (retificadora do património líquido) R$100.000
C – Capital social (património líquido) R$100.000

Capital Social (PL) Capital Social a Integralizar (PL)


100.000 100.000
Demonstração contábil
Ativo Passivo

PL
Capital Social 100.000
Capital social a Integralizar (100.000)
Ativo total - Total Passivo + PL -

Integralização do capital social em dinheiro: 2 Sócios integralizam suas


respectivas partes, em dinheiro, no total de R$50.000, entregando o recurso.
D – Caixa (A) 50.000
C – Capital Social a Integralizar 50.000

Capital Social (PL) Capital Social a Integralizar (PL) Caixa (A)


100000 (1) (1) 100000 50000 (2) (2) 50000

Ativo Passivo
Caixa 50.000
PL
Capital Social 100.000
Capital social a Integralizar (50.000)
Ativo total 50.000 Total Passivo + PL 50.000

Aquisição de mercadoria à vista sem incidência de ICMS: Entidade comprou


mercadoria à vista, no valor de R$10.000.
D – Mercadoria (A) 10.000
C – Caixa (A) 10.000
Capital Social (PL) Capital Social a Integralizar (PL) Caixa
100000 (1) (1) 100000 50000 (2) (2) 50000 10.000 (3)

Mercadoria (A)
(3) 10.000

Ativo Passivo
Caixa 40.000
Mercadoria 10.000 PL
Capital Social 100.000
Capital social a Integralizar (50.000)
Ativo total 50.000 Total Passivo + PL 50.000
Aquisição de mercadoria a prazo, com fornecedor, no valor de R$20.000.
D – Mercadoria (A) 20.000
C – Fornecedor (P) 20.000
Capital Social (PL) Capital Social a Integralizar (PL) Caixa
100000 (1) (1) 100000 50000 (2) (2) 50000 10.000 (3)

Mercadoria (A) Fornecedor (P)


(3) 10.000 20.000 (4)
(4) 20.000

Ativo Passivo
Caixa 40.000 Fornecedor 20.000
Mercadoria 30.000 PL
Capital Social 100.000
Capital social a Integralizar (50.000)
Ativo total 70.000 Total Passivo + PL 70.000

Integralização do Capital Social com terreno e veículos: Os 2 sócios faltantes


integralizaram sua parte do capital social. Um deles com terreno no valor de R$25.000.
O outro com um veículo, no valor de R$30.000, transferindo R$5.000 de dívida de
financiamento para a sociedade.

Art. 7º da Lei 6.404/67 o capital social pode ser formado com contribuição em
dinheiro ou em qualquer espécie de bens suscetíveis de avaliação em dinheiro.

Lançamento:
Sócio que integralizou o terreno:
D – Terreno (ativo) 25.000
C – Capital Social a integralizar (PL) 25.000
Sócio que integralizou veículo:
D – Veículo (ativo) 35.000
C – Capital Social a integralizar (PL) 30.000
C – Financiamento a pagar (Passivo) 5.000
Capital Social (PL) Capital Social a integralizar (PL) Caixa (Ativo)
100000 (1) (1) 100000 50.000 (2) (2) 50.000 10.000 (3)
25.000 (5) 40.000
25.000 (5)
Mercadorias (ativo) Fornecedores (passivo) Terrenos (ativo)
(3) 10.000 20.000 (4) 25.000 (5)
(4) 20.000
Veículos (ativo) Financiamento a pagar (passivo)
30.000 (5) 5.000 (5)
Ativo Passivo

Caixa 40.000 Fornecedores 20.000


Mercadorias 30.000 Financiamento a pagar 5.000

Terreno 25.000 Patrimônio Líquido

Veículos 30.000 Capital Social 100.000


Total 125.000 Total (PL + Passivo) 125.000

Aquisição de mercadorias à vista com incidência de ICMS: Aquisição de


mercadoria à vista, por R$10.000,00, com incidência de ICMS de 15%. As mercadorias
são para revenda.

Valor de aquisição 10.000


Valor do ICMS a recuperar (15%) (1.500)
Valor das compras líquidas 8.500

O ICMS é um imposto por dentro. Isto significa dizer que quando o preço entre
comprador e vendedor é acordado, ele já inclui este tributo.
ICMS:
 Não cumulativo ou recuperável
 Imposto por dentro (Já está dentro do preço)
 ICMS a recuperar = conta do ativo
 ICMS a recolher = Conta do passivo

Lançamentos:
D – Mercadorias (ativo) 8.500
D – ICMS a recuperar (ativo) 1.500
C – Caixa (ativo) 10.000

Capital Social (PL) Capital a integralizar (PL) Caixa (Ativo)

100.000 (1) (1) 100.000 50.000 (2) (2) 50.000 100.000 (3)
25.000 (5) 10.000 (6)

25.000 (5)

Mercadoria (Ativo) Fornecedores (Passivo) Terrenos (Ativo)

(3) 10.000 20.000 (4) (5) 25.000


(4) 20.000

(6) 8.500

Veículos (Ativo) ICMS a recuperar (Ativo) Financ. A pagar (Passivo)

(5) 30.000 (6) 1.500 5.000 (5)

Demonstrações contábeis (Balanço Patrimonial):

Ativo Passivo

Caixa 30.000 Fornecedores 20.000

Mercadorias 38.500 Financiamento a pagar 5.000

Terrenos 25.000 Patrimônio Líquido

Veículos 30.000 Capital Social 100.000

ICMS a recuperar 1.500

Total Ativo 125.000 Total Passivo 125.000

Venda de Mercadorias à vista sem a Incidência de ICMS


Pag. 22.