Sie sind auf Seite 1von 2

1) O que você entende por competência ambiental?

O que compreenderia esta


competência?
Competência ambiental pode ser entendida como a atribuição de funções
conferidas juridicamente a determinado nível governamental (União, Estados,
Distrito Federal e Municípios), objetivando o cumprimento do dever em defender
e preservar o meio ambiente, em relação à fauna, flora, preservação de florestas e
combate à poluição. Essa competência compreende a natureza e sua extensão.
Quanto à primeira pode ser de ordem executivas, administrativas ou legislativas.
Quanto à segunda, podem ser de ordem exclusivas, privativas, comuns,
concorrentes ou suplementares, dependendo a quem cabe o seu exercício.

2) O que significa competência horizontal e vertical?


Competência horizontal pode ser entendida como a divisão radical entre
os entes federativos, de forma a atribuir a cada um deles uma área própria. Já a
competência vertical pode ser definida como a divisão de uma mesma matéria em
vários níveis diferentes, entre vários entes federativos.

3) O que é competência material?


Competência material ou administrativa: é o dever-poder de pôr em prática
os comandos e as prerrogativas previstos nas normas constitucionais e
infraconstitucionais, através de um conjunto de ações concretas destinadas à
satisfação do interesse público, ex.: políticas públicas.
(https://ntm.jusbrasil.com.br/artigos/495130395/diferenca-entre-competencia-
material-e-legislativa)

4) Em que casos a competência material é da União? (Constituição Federal)


O artigo 21, em seus incisos IX, XVIII, XIX, XX e XXIII determinou
exclusivamente à União elaborar e executar planos nacionais e regionais de
ordenação do território e de desenvolvimento econômico e social; planejar e
promover a defesa permanente contra as calamidades públicas, especialmente as
secas e as inundações; instituir sistema nacional de gerenciamento de recursos
hídricos e definir critérios de outorga de direitos de seu uso; instituir diretrizes
para o desenvolvimento urbano, inclusive habitação, saneamento básico e
transportes urbanos; e explorar os serviços e instalações nucleares de qualquer
natureza e exercer o monopólio estatal sobre a pesquisa, a lavra, o enriquecimento
e reprocessamento, a industrialização e o comércio de minérios nucleares e seus
derivados. São matérias eminentemente de caráter federal.
(https://examedaoab.com/dicas-de-direito/competencia-em-materia-ambiental/)

5) E dos Estados?
A Constituição não enumera as competências executivas exclusivas dos Estados,
somente as dos Municípios e da União. A competência que lhe sobra é a
remanescente, ou seja, aquelas que não foram designadas para outro ente público.
Assim sendo, toda matéria que não for de competência federal ou municipal será,
de forma residual, competência estadual. A Constituição ainda dispõe aos Estados
o poder de explorar diretamente, através de concessão, os serviços de gás
canalizado e instituir regiões metropolitanas, aglomerações urbanas e
microrregiões, constituídas por agrupamento de Municípios limítrofes, para
integrar a organização, o planejamento e a execução de funções públicas de
interesse comum (Constituição da República, art. 25, §§ 2º e 3º.).
6) E dos Municípios?
A competência material relativa aos Municípios, prevista no artigo 30,
inciso VIII e IX de promover, no que couber, adequado ordenamento territorial,
mediante planejamento e controle do uso, do parcelamento e da ocupação do solo
urbano e promover a proteção do patrimônio histórico-cultural local, observada a
legislação e a ação fiscalizadora federal e estadual.
7) Qual a distinção entre competência comum e concorrente?
A competência comum é uma competência administrativa (material
e não legislativa) e todos os entes federativos exercem-na em condições de
igualdade, sem nenhuma relação de subordinação; a atuação de um não exclui a
dos outros.
A competência concorrente trata-se de uma competência legislativa, não
envolvendo municípios. É também denominada sistema de repartição vertical.
(https://www.aprovaconcursos.com.br/noticias/2015/09/06/dicas-reparticao-de-
competencias-cf88/)
8) Se um determinado ente estatal deixa de legislar, outro poderá fazê-lo? Como?
9) Em termos ambientais, como se aplica o princípio da subsidiariedade?
A subsidiariedade é um princípio que pode funcionar como instrumento de
repartição de atribuições e competências no interior de um Estado. Tratar-se de
um princípio estrutural não escrito que informaria o constituinte quando da
atribuição de competências aos entes maiores e menores que compõem a
federação
10) Enumere as competências legislativas privativa em legislar da União, dos estados
e dos municípios? (Constituição Federal)
11) Em caso de conflitos entre leis especiais e gerais, como resolver?