Sie sind auf Seite 1von 92

VISTORIAS E PERÍCIAS

DE ENGENHARIA
AJP / ARNO
APLICAÇÕES DAS VISTORIAS E
PERÍCIAS DE ENGENHARIA

PROCESSOS JUDICIAIS

PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

PARTICULARES
AJP / ARNO
ƒ COMPRA OU LOCAÇÃO DE UM IMÓVEL
ƒ RECEBIMENTO DE OBRAS OU DE IMÓVEIS NOVOS
ƒ INÍCIO DE UMA GESTÃO ADMINISTRATIVA
ƒ FINAL DE UMA GESTÃO ADMINISTRATIVA
ƒ ORIENTAÇÃO AO PLANEJAMENTO DE MANUTENÇÃO
ƒ ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS
ƒ VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA E DO DESEMPENHO DE SERVIÇOS
ƒ VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DE CONTRATOS
ƒ VERIFICAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DA EDIFICAÇÃO
ƒ VISTORIA PRÉVIA DE VIZINHANÇA
ƒ INSTALAÇÃO DE UM CONDOMÍNIO
AJP / ARNO
ƒ INSTALAÇÃO DE UM CONDOMÍNIO
ƒ CÁLCULO DE TRIBUTOS IMOBILIÁRIOS: IPTU, ITBI
ƒ QUESTIONAMENTO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONCESSIONÁRIAS
ƒ ESTUDOS DE IMPACTO DE VIZINHANÇA
ƒ ESTUDOS DE IMPACTO AMBIENTAL
ƒ PARECERES PRÉVIOS, LAUDOS PERICIAIS, PARECERES ASSISTENTES
ƒ AVALIAÇÕES (FUSÃO DE EMPRESAS; DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADES;
REAVALIAÇÃO DE ATIVOS; PARTILHAS; ALIENAÇÃO; GARANTIAS;
DAÇÃO EM PAGAMENTO; VENDA E LOCAÇÃO; SEGURO)
ƒ DANOS FÍSICOS, VÍCIOS DA CONSTRUÇÃO
ƒ MEDIAÇÃO DE CONTRATOS DE OBRAS
ƒ EXISTÊNCIA LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA
AJP / ARNO
LEGISLAÇÃO (BÁSICA) PERTINENTE

CÓDIGOS DE OBRAS
NORMAS TÉCNICAS
CÓDIGO CIVIL
CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR
CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL
LEI 8.666/93
LEI 4.591/64, CONDOMÍNIO E INCORPORAÇÕES
AJP / ARNO
ABNT NBR-13.752/96
PERÍCIAS DE ENGENHARIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

FIXA DIRETRIZES BÁSICAS (GERAIS),


CONCEITOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS
RELATIVOS ÀS PERÍCIAS DE ENGENHARIA

DEVE SER UTILIZADA EM


TODAS AS MANIFESTAÇÕES ESCRITAS
DE TRABALHOS PERICIAIS DE ENGENHARIA
NA CONSTRUÇÃO CIVIL
AJP / ARNO
ABNT NBR-9.452
VISTORIAS DE PONTES E VIADUTOS DE CONCRETO

FIXA CONDIÇÕES PARA


REALIZAÇÃO DE VISTORIAS DE
PONTES E VIADUTOS E PARA
APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DAS VISTORIAS
AJP / ARNO
ESTÁDIOS DE FUTEBOL

DECRETO Nº 6.795/2009

REGULAMENTA O ART. 23 DA LEI Nº 10.671/2003,


QUE DISPÕE SOBRE O CONTROLE DAS CONDIÇÕES
DE SEGURANÇA DOS ESTÁDIOS DESPORTIVOS

MIN. ESPORTES PORTARIA Nº 290, DE 27/10/2015

ESTABELECE OS REQUISITOS MÍNIMOS A SEREM


CONTEMPLADOS NOS LAUDOS TÉCNICOS
PREVISTOS NO DECRETO Nº 6.795/2009
ƒ SEGURANÇA
ƒ VISTORIA DE ENGENHARIA, ACESSIBILIDADE E CONFORTO
ƒ PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO E PÂNICO
ƒ CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE
ƒ ESTABILIDADE ESTRUTURAL (> 40.000 LUGARES)
AJP / ARNO
LEI Nº 12.334, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

ESTABELECE A POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA


DE BARRAGENS DESTINADAS À ACUMULAÇÃO DE ÁGUA

CRIA O SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES


SOBRE SEGURANÇA DE BARRAGENS

ESTABELECE A OBRIGATORIEDADE DE INSPEÇÕES DE


SEGURANÇA, COM ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS
AJP / ARNO
PROJETO DE NORMA Nº 02:140.02-001
INSPEÇÃO PREDIAL -
PROCEDIMENTOS E TERMINOLOGIA

OBJETIVA FIXAR DIRETRIZES, CONCEITOS,


TERMINOLOGIA, CONVENÇÕES, NOTAÇÕES,
CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS RELATIVOS
À INSPEÇÃO PREDIAL
AJP / ARNO
LEGISLAÇÕES ESPECÍFICAS

ESTADO DO RIO DE JANEIRO


LEI ESTADUAL Nº 6.400/2013
INSTITUI A AUTOVISTORIA DAS EDIFICAÇÕES

LEI ESTADUAL Nº 6.890/2014


INSTITUI A INSPEÇÃO QUINQUENAL NAS INSTALAÇÕES DE GÁS DAS
UNIDADES RESIDENCIAIS E COMERCIAIS

NITERÓI, RJ
LEI MUNICIPAL Nº 2.963/2012
DETERMINA A REALIZAÇÃO PERIÓDICA DE INSPEÇÕES EM EDIFICAÇÕES

RIO DE JANEIRO, RJ
LEI COMPLEMENTAR Nº 126/2013
INSTITUI A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE VISTORIAS
NAS EDIFICAÇÕES

DECRETO MUNICIPAL Nº 37426/2013


REGULAMENTA A LEI COMPLEMENTAR Nº 126/2013
AJP / ARNO
PROJETOS DE LEI EM ANDAMENTO

SENADO FEDERAL
PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 491/2011
DETERMINA A REALIZAÇÃO PERIÓDICA DE
INSPEÇÕES EM EDIFICAÇÕES E CRIA O
LAUDO DE INSPEÇÃO TÉCNICA DE EDIFICAÇÃO (LITE)

CÂMARA FEDERAL
PROJETO DE LEI Nº 1232/2007
PROCEDIMENTOS
AJP / ARNO
INÍCIO Nomeação do Perito /
Contratação do Profissional

ENTRE ESSES 2 EVENTOS

FIM Entrega do Laudo


AJP / ARNO
PLANEJAMENTO DO TRABALHO

COLETA DE DADOS / INFORMAÇÕES

SUBSÍDIOS PARA ANÁLISES E


ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS
AJP / ARNO
TODA INVESTIGAÇÃO TEM TRÊS FASES PRINCIPAIS:

- COLETA DE DADOS

- ORGANIZAÇÃO, TRATAMENTO E INTERPRETAÇÃO


DOS DADOS

- FORMULAÇÃO DAS CONCLUSÕES


AJP / ARNO
COLETA DE DADOS

ATO DE PESQUISAR, PROCURAR INFORMAÇÕES


E JUNTAR DOCUMENTOS E PROVAS SOBRE
UM DETERMINADO FATO OU
CONJUNTO DE FATOS CORRELACIONADOS,
AGRUPANDO-OS DE FORMA A FACILITAR
ANÁLISES POSTERIORES
AJP / ARNO
A COLETA DE DADOS PODE SER FEITA POR:

OBSERVAÇÕES

ENTREVISTAS

BUSCA OU SOLICITAÇÃO DE DOCUMENTOS


AJP / ARNO
A COLETA DE DADOS DEVE PROPICIAR QUE

TODOS OS FATORES QUE CONTRIBUIRAM

PARA A OCORRÊNCIA SEJAM EVIDENCIADOS


AJP / ARNO
COLETA DE DADOS

ƒ CONHECIMENTO DA QUESTÃO
HISTÓRICO (ENVOLVIDOS, TESTEMUNHAS)
HISTÓRICO DOCUMENTAL EXISTENTE

ƒ SOLICITAÇÃO DE DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

ƒ REALIZAÇÃO DE VISTORIA(S) AO LOCAL


AJP / ARNO
DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA

 PROJETOS
 ESCRITURA
 ATAS
 CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO
 REGULAMENTO / REGIMENTO INTERNO
 MEMORIAL DE INCORPORAÇÃO
 MEMORIAL DESCRITIVO
 MANUAIS DE USO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO
 CONTRATOS
 CORRESPONDÊNCIA ENTRE AS PARTES
 DIÁRIO DE OBRAS
 LIVRO DE OCORRÊNCIAS
 LICENÇAS
AJP / ARNO
VISTORIA

ƒ PLANEJAMENTO
- RELAÇÃO DOS DADOS A SEREM COLETADOS
- ELABORAÇÃO DE ROTEIROS, LISTAS, PLANILHAS
OU FORMULÁRIOS
- DEFINIÇÃO DE TESTES, EXAMES OU ENSAIOS

ƒ VISTORIA PROPRIAMENTE DITA


- OBSERVAÇÕES
- LEVANTAMENTOS
- PRODUÇÃO DE REGISTROS (FOTOS, CROQUIS)
- REALIZAÇÃO DOS TESTES, EXAMES OU ENSAIOS
AJP / ARNO
VISTORIAS (OBSERVAÇÃO)

NAS VISTORIAS DEVEM SER OBTIDOS


DADOS E INFORMAÇÕES QUE POSSIBILITEM

ƒ CARACTERIZAR A REGIÃO

ƒ CARACTERIZAR O OBJETO VISTORIADO

ƒ CARACTERIZAR, CLASSIFICAR E QUANTIFICAR


A OCORRÊNCIA E OS DANOS PRODUZIDOS
ESTABELECER PRIORIDADES

DADOS QUE PODEM SER PERDIDOS

LOCAIS QUE SERÃO ALTERADOS OU


QUE NÃO PODERÃO SER VISTORIADOS NOVAMENTE

DADOS DE PESSOAS QUE PRESTARAM INFORMAÇÕES


(NOME, IDENTIDADE, TELEFONE OU ENDEREÇO)

FORMULAR HIPÓTESES E BUSCAR EVIDÊNCIAS


CAPAZES DE CONFIRMÁ-LAS OU DE AFASTÁ-LAS

AJP / ARNO
AJP / ARNO
A COLETA DE DADOS ENVOLVE

- INFORMAÇÕES SOBRE LOCAIS E ELEMENTOS

- INFORMAÇÕES SOBRE ACONTECIMENTOS

DESCRIÇÃO

NARRAÇÃO
AJP / ARNO
FERRAMENTAS AUXILIARES

ƒ MAPAS

ƒ ROTEIROS

ƒ PLANTAS

ƒ PLANILHAS
AJP / ARNO
ESCOLA PONTO
DE
ÔNIBUS

RUA

RIO

OCUPAÇÃO ENCOSTA
IRREGULAR
AJP / ARNO
TELHADO

16º PAV.

15º PAV.

14º PAV.

13º PAV.

12º PAV.

11º PAV.

10º PAV.

9º PAV.

8º PAV.

7º PAV.

6º PAV.

5º PAV.

4º PAV.

3º PAV.

2º PAV.

1º PAV.

TERREO
JARDIM PISCINA
PISCINA
SUBSOLO 1
ESTACIONAMENTO

SUBSOLO 2
ESTACIONAMENTO
I

AJP / ARNO
AJP / ARNO
DATA: ____/____/____
EDIFICAÇÃO: ______________________________________
PAVIMENTO: _______________________________________
SALA: ____________________________________________

DESCOLAMENTO FISSURA 45º


PISO CERÂMICO

VIDRO QUEBRADO
INFILTRAÇÃO
MANCHAS

DEFORMAÇÃO PEÇAS
PISO ELEVADO

DESCOLAMENTO
REVESTIMENTO
CERÂMICO
AJP / ARNO
AS CONVENÇÕES ESQUERDA E DIREITA, TÊM COMO REFERÊNCIA
UM OBSERVADOR NO INTERIOR DA EDIFICAÇÃO, VOLTADO PARA
O LOGRADOURO
PLANILHAS

AJP / ARNO
AJP / ARNO
AJP / ARNO
AJP / ARNO
ƒ ANÁLISE DO MATERIAL COLETADO

ƒ ORGANIZAÇÃO DO MATERIAL COLETADO

ƒ SELEÇÃO DO MATERIAL A SER UTILIZADO

ƒ ANÁLISE DAS OCORRÊNCIAS

ƒ DIAGNÓSTICO
LAUDOS
AJP / ARNO
LAUDOS

ƒ PARECER PRÉVIO

ƒ LAUDO PERICIAL

ƒ PARECER DOS ASSISTENTES TÉCNICOS

- CONCORDANTE

- DISCORDANTE
AJP / ARNO
ESTRUTURA DO LAUDO

ƒ OBJETIVO

ƒ OBJETO - LOCALIZAÇÃO
- DESCRIÇÃO

ƒ DESCRIÇÃO DOS DANOS OU QUESTIONAMENTOS


OU AVALIAÇÃO DO IMÓVEL, CONFORME OBJETIVO

ƒ ORÇAMENTOS, QUANDO NECESSÁRIO

ƒ SOLUÇÕES E PROPOSTAS, SE FOR O CASO

ƒ CONCLUSÕES OU CONSIDERAÇÕES FINAIS


OS RESULTADOS DO TRABALHO PERICIAL
DEPENDERÃO DE:

ƒ QUANTIDADE, QUALIDADE E CONFIABILIDADE


DOS DADOS OBTIDOS PELO PROFISSIONAL

ƒ ABRANGÊNCIA DAS PESQUISAS

ƒ QUALIDADE DAS ANÁLISES

ƒ PRAZO DISPONÍVEL
AJP / ARNO
DE ACORDO COM A NORMA,
DEVERÃO CONSTAR DO LAUDO PERICIAL:

ƒ INDICAÇÃO DO CONTRATANTE
ƒ LOCALIZAÇÃO DO OBJETO DO LAUDO
ƒ DESCRIÇÃO DO OBJETIVO DO TRABALHO
ƒ RELATÓRIO DESCRITIVO DOS BENS (CARACTERIZAÇÃO)
ƒ DATA(S) DA(S) VISTORIA(S)
ƒ RELAÇÃO DE ACOMPANHANTES
(EQUIPE TÉCNICA, ASSISTENTES, PROPRIETÁRIOS, ETC.,)
ƒ DESCRIÇÃO DOS DANOS OBSERVADOS
AJP / ARNO
DE ACORDO COM A NORMA,
DEVERÃO CONSTAR DO LAUDO PERICIAL:

ƒ FOTOGRAFIAS, PARA MELHOR ENTENDIMENTO


ƒ PLANTAS OU CROQUIS, PARA MELHOR ENTENDIMENTO
ƒ MEMÓRIA DE CÁLCULO, SE FOR O CASO
ƒ RESULTADOS DE ENSAIOS E TESTES, SE FOR O CASO
ƒ DOCUMENTOS ACESSÓRIOS,
SE NECESSÁRIOS AO ENTENDIMENTO DA QUESTÃO
ƒ CONCLUSÕES E/OU
RECOMENDAÇÕES DE PROVIDÊNCIAS
ƒ IDENTIFICAÇÃO DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL
EXEMPLOS APRESENTAÇÃO
(caracterização, mapeamento danos, ilustrações, planilhas, gráficos)
caracterização

AJP / ARNO
Caracterização da Área
Usos e Atividades: usos e atividades
comercial recreação
clube diagnóstico e avaliação da
residencial estacionamento
paisagem urbana e ambiental
serviço público
misto posto gasolina do canal do jardim de alah, e
instituição suas interferências com a
praça Conjunto lagoa rodrigo de freitas
Pequena Cruzada construção
abandonada
caracterização

AJP / ARNO
Caracterização da Área
gabaritos
Morfologia
•até 2 pavimentos
diagnóstico e avaliação da
•entre 3 e 5 pavimentos paisagem urbana e ambiental
do canal do jardim de alah, e
• acima de 5 pavimentos
suas interferências com a
lagoa rodrigo de freitas
caracterização

Caracterização da Área
problemas identificados
diagnóstico e avaliação da
paisagem urbana e ambiental
AJP / ARNO

do canal do jardim de alah, e


suas interferências com a
lagoa rodrigo de freitas
AJP / ARNO
mapeamento danos
INDICAÇÃO LOCAIS FOTOS

FOTO 16
FOTO 15 FOTO 07
FOTO 08
FOTO 09 FOTO 06
FOTO 14 FOTO 05

FOTO 20 FOTO 10

FOTO 17
FOTO 19 FOTO 04

FOTO 11

FOTO 18 FOTO 12

FOTO 03

FOTO 13
FOTO 02

FOTO 01

AJP / ARNO
AJP / ARNO
LOCAIS E OBJETO FOTOS
AJP / ARNO
planilha

AJP / ARNO
COMPARAÇÃO SERVIÇOS CONTRATADOS x SERVIÇOS EXECUTADOS
CLIENTE: Felipe
ENDEREÇO: Rua ......... .... ...
OBJETO: reforma de apartamento, contratada com a empreiteira ..........., com prazo de entrega em 31/08/02
AJP / ARNO
planilha

AJP / ARNO
gráfico

AJP / ARNO
gráfico

AJP / ARNO
AJP / ARNO
LINHA DE TEMPO

OBRA AV. ATLÂNTICA

11/03 30/04 26/06 12/08


27/01 18/02 PARALIZAÇÃO 15/05
LIBERAÇÃO SOLICITAÇÃO COMUNICAÇÃO
CONTRATO INÍCIO OBRA CONDOMÍNIO P/ REINÍCIO REINÍCIO OBRA MODIFICAÇÕES RESCISÃO
CONTINUAÇÃO
OBRAS COM
OUTRO PROFISSIONAL

JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO

23 DIAS 65 DIAS 89 DIAS


AJP / ARNO
ILUSTRAÇÃO MODIFICAÇÃO EXECUTADA
RECOMENDAÇÕES
AJP / ARNO
REPRODUÇÃO DE TRABALHOS, FOTOGRAFIAS
OU MATERIAIS DE TERCEIROS,
DEVE CONTER A CITAÇÃO DA FONTE

Sala de estar, dez/2007 Sala de estar, out/2007


fotografia apó
após incêndio. fotografia cedida pela Arq.
Arq. Inês.
AJP / ARNO
DEVEM SER INFORMADAS AS FONTES DE CONSULTA
DOS DADOS EXTRAÍDOS DE PESQUISAS,
DE LITERATURA TÉCNICA ESPECÍFICA E DE LEGISLAÇÕES

A título ilustrativo, esclarecemos que o consumo de água


está relacionado às características da atividade
(comercial, residencial, industrial, etc.), aos usos
específicos, ao número de ocupantes, à localização
geográfica e às condições sócio-econômicas.

É usualmente adotado, para imóveis comerciais


destinados a escritórios, a taxa de ocupação de 1 pessoa
para cada 6 ou 7 m2 de área, e o consumo diário de 50 a
80 litros por pessoa por dia.

Referências bibliográ
bibliográficas para estimativas de consumo:
1. DZ-
DZ-0215. FEEMA.
2. BOTELHO, Manoel Henrique Campos e RIBEIRO JR., Geraldo de Andrade. Andrade. Instalaç
Instalações hidrá
hidráulicas
prediais feitas para durar.
durar. São Paulo, ProEditores,
ProEditores, 1998.
3. CREDER, Helio. Instalaç
Instalações Hidrá
Hidráulicas e Sanitá
Sanitárias.
rias. Rio de Janeiro, Ao Livro Té
Técnico, 1972.
4. MACINTYRE, Archibald Joseph. Instalaç
Instalações Hidrá
Hidráulicas.
ulicas. Rio de Janeiro, Guanabara Dois, 1982.
5. TOMAZ, Plí
Plínio. Previsão de Consumo de Água.
gua. São Paulo, Navegar, 2000.
AJP / ARNO
A VISTORIA E AS OBSERVAÇÕES E OS REGISTROS
DESTA SE REFEREM A DATA(S) ESPECÍFICA(S),
QUE DEVERÁ(ÃO) ESTAR INDICADAS NO TRABALHO

3.0 - Das vistorias, de seus registros e das considerações.

As vistorias foram realizadas nos dias 07, 13 e 23.08, 15 e 28.09.2014.

OU

As vistorias foram realizadas no período de 07.08 a 28.09.2014.


AJP / ARNO
INFORMAR EVENTUAIS
LIMITAÇÕES E CONDICIONANTES
À REALIZAÇÃO DOS TRABALHOS, TAIS COMO:

ƒ IMPEDIMENTO À VISTORIA (NEGATIVA)


ƒ FALTA DE EQUIPAMENTOS / FERRAMENTAS
ƒ FALTA DE ILUMINAÇÃO
ƒ AUSÊNCIA DE TESTEMUNHAS
ƒ AMBIENTES TRANCADOS
ƒ LOCAIS ISOLADOS / LACRADOS
ƒ LOCAIS COM OBSTÁCULOS AO ACESSO
ƒ LOCAIS ALTERADOS
AJP / ARNO
AS ANOMALIAS REGISTRADAS QUE NÃO POSSUAM
QUALQUER TIPO DE RELAÇÃO ENTRE SI,
DEVEM SER APRESENTADAS, NO LAUDO, INDIVIDUALMENTE,
PARA QUE NÃO HAJA CONFUSÃO DE EFEITOS, CAUSAS E
GRAUS DE IMPORTÂNCIA E URGÊNCIA DE INTERVENÇÃO

SE, POR EXEMPLO, REGISTRAMOS EM UM MESMO AMBIENTE


DESCASCAMENTOS DE PINTURA E FISSURAS INCLINADAS,
CUJAS ORIGENS SEJAM INDEPENDENTES,
OS REGISTROS FOTOGRÁFICOS DEVEM SER APRESENTADOS
SEPARADAMENTE
AJP / ARNO
A IDENTIFICAÇÃO E A DESCRIÇÃO DOS
DIVERSOS ASPECTOS E ELEMENTOS ENVOLVIDOS
DEPENDEM DA RELEVÂNCIA DESTES
NO CONTEXTO DA QUESTÃO EM ESTUDO

INFORMAÇÕES IRRELEVANTES E
EXPLICAÇÕES INÚTEIS DEVEM SER DESCARTADAS

AS QUESTÕES DEVEM SER APRESENTADAS,


PREFERENCIALMENTE, EM ORDEM DE IMPORTÂNCIA,
DA MAIOR PARA A MENOR
AJP / ARNO
MEMÓRIAS, LEMBRANÇAS, DECLARAÇÕES E OPINIÕES
DE TERCEIROS DEVEM SER USADAS COM CAUTELA

NÃO TOMAR COMO FATOS AS ALEGAÇÕES DAS PARTES,


SE NÃO PUDER COMPROVÁ-LAS

O ENVOLVIMENTO EMOCIONAL COM A QUESTÃO


INTERFERE NA CONFIABILIDADE DA INFORMAÇÃO
RAZÃO X EMOÇÃO
AJP / ARNO
NÃO RECONSTITUIR FATOS POR DEDUÇÃO,
NA BASE DO "SÓ PODE TER SIDO ASSIM"

NÍQUEL NÁUSEA – FERNANDO GONSALES


AJP / ARNO
SIGLAS E ABREVIATURAS DEVEM SER IDENTIFICADAS
EM SUA PRIMEIRA APARIÇÃO NO TEXTO,
NÃO HAVENDO NECESSIDADE DE SE REPETIR
A IDENTIFICAÇÃO TODAS AS VEZES QUE
FOREM UTILIZADAS

INEA, Instituto Estadual do Ambiente

RioSMU, Secretaria Municipal de Urbanismo da Cidade


do Rio de Janeiro

CBMERJ, Corpo de Bombeiros Militar do Estado do


Rio de Janeiro
AJP / ARNO
LETRAS MIÚDAS TORNAM A LEITURA CANSATIVA

É RECOMENDÁVEL A UTILIZAÇÃO DE

UM TIPO DE FÁCIL COMPREENSÃO,

SEM DESENHOS OU REBuSCAMENTO


A REFERÊNCIA PARA O LIMITE INFERIOR

DO CORPO DO TEXTO DEVE SER EQUIVALENTE

AO CORPO 11, DO TIPO TIMES NEW ROMAN

LEGIBILIDADE
AJP / ARNO
CUIDADO COM A POLUIÇÃO VISUAL

EVITAR MISTURAS DE TIPOS E TAMANHOS DE FONTES

MUDAR TIPO SOMENTE SE QUISER DESTACAR TRECHOS,

CITAÇÕES OU DECLARAÇÕES DE TERCEIROS,

OU SE QUISER REDUZIR A IMPORTÂNCIA DE UM

DETERMINADO TRECHO

ACERTAR ESQUADROS DE FOTOS DIMENSIONAR E

POSICIONAR FOTOGRAFIAS
AJP / ARNO
TERMOS TÉCNICOS E NOMENCLATURAS ESPECÍFICAS,
QUE NÃO SEJAM DE USO CORRENTE, DEVEM ESTAR
ACOMPANHADOS DE ESCLARECIMENTOS SUFICIENTES
E ADEQUADOS AO SEU PERFEITO ENTENDIMENTO

PARA EVITAR EQUÍVOCOS NA UTILIZAÇÃO


DE TERMOS TÉCNICOS E NOMENCLATURAS ESPECÍFICAS,
RECORRER A DICIONÁRIOS TÉCNICOS
AJP / ARNO
QUANDO UTILIZADOS EQUIPAMENTOS ESPECÍFICOS

OU REALIZADOS ENSAIOS E TESTES,

DEVEM ESTAR ESCLARECIDOS, NO LAUDO,

O OBJETIVO DA UTILIZAÇÃO DESTES,

OS PROCEDIMENTOS ADOTADOS E

OS RESULTADOS ESPERADOS E OBTIDOS

RELACIONAR, NO FINAL DO LAUDO,

TODA A DOCUMENTAÇÃO ANEXADA


AJP / ARNO
O LAUDO DEVE SER CONVINCENTE E ATRATIVO,
TRANSMITIR CREDIBILIDADE E
POSSUIR UMA SEQÜÊNCIA LÓGICA

O BOM TEXTO FLUI NATURALMENTE,


E FAZ COM QUE O LEITOR CONTINUE A LEITURA

UM TEXTO QUE EXIGE LEITURA PAUSADA E


MUITA ATENÇÃO PARA SER COMPREENDIDO
RARAMENTE ATINGE O OBJETIVO
REGISTROS FOTOGRÁFICOS
AJP / ARNO
CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - CPC
CAPÍTULO XII - DAS PROVAS

SEÇÃO X - DA PROVA PERICIAL

ART. 473. O LAUDO PERICIAL DEVERÁ CONTER

§3º PARA O DESEMPENHO DE SUA FUNÇÃO,


O PERITO E OS ASSISTENTES TÉCNICOS PODEM
VALER-SE DE TODOS OS MEIOS NECESSÁRIOS,
OUVINDO TESTEMUNHAS, OBTENDO INFORMAÇÕES,
SOLICITANDO DOCUMENTOS QUE ESTEJAM EM PODER
DE PARTE, DE TERCEIROS OU EM REPARTIÇÕES
PÚBLICAS, BEM COMO INSTRUIR O LAUDO COM
PLANILHAS, MAPAS, PLANTAS, DESENHOS,
FOTOGRAFIAS OU OUTROS ELEMENTOS NECESSÁRIOS
AO ESCLARECIMENTO DO OBJETO DA PERÍCIA
AJP / ARNO
FOTOGRAFIAS

SABER UTILIZAR A MÁQUINA

DEFINIR O OBJETO

DEFINIR A POSIÇÃO DA MÁQUINA

ENQUADRAR O OBJETO

TIRAR FOTOS DE VARIADOS PONTOS

PRODUZIR FOTOGRAFIAS GERAIS E DE DETALHES

CONFERIR A QUALIDADE DAS FOTOS


FOTOS IMPRESTÁVEIS
AJP / ARNO

FALTOU NITIDEZ
AJP / ARNO

EXCESSO LUZ SOLAR


AJP / ARNO
ALTERAÇÃO DE COR
AJP / ARNO
AJP / ARNO
FALHAS NAS LEGENDAS

AJP / ARNO
AJP / ARNO
FOTOGRAFIAS

PERTINÊNCIA NO CONTEXTO

FÁCIL IDENTIFICAÇÃO

LEGENDAS
FOTOS GERAL E DETALHE
AJP / ARNO
FOTOS GERAL E DETALHES
COM LEGENDA
AJP / ARNO

Nos medidores individuais de água foi adotada identificação de fixação frágil.


AJP / ARNO
As muretas de contorno do pavimento de uso comum possuem altura de 1,30 m, em desacordo
com o estabelecido no Regulamento de Construç
Construção de Edificaç
Edificações Residenciais Multifamiliares.
Multifamiliares.

Decreto Municipal nº 7.336/88 - Aprova o Regulamento de Construção de Edificações Residenciais Multifamiliares


2.3.6 - PAVIMENTO DE USO COMUM
2.3.6.2 - O pavimento de uso comum, salvo determinação do Regulamento de Zoneamento, poderá ser localizado
em qualquer nível a partir do térreo, sendo vedado em subsolo, observado o seguinte:

b) A área de recreação quando situada em pavimento elevado, deverá ter proteção com 1,80m de altura.
AJP / ARNO
PROVA DE DATA
AJP / ARNO
AJP / ARNO
“DNA” DAS FOTOS
AJP / ARNO
HONORÁRIOS
AJP / ARNO
Brooks, Ian. Seu cliente pode pagar mais. São Paulo: Editora Fundamento,
Fundamento, 2006.
AJP / ARNO
PARÂMETROS PARA CÁLCULO

TABELAS INSTITUIÇÕES
(IBAPEs, SENGE, IAB, ETC.)

ORÇAMENTO
(HORA TÉCNICA, MATERIAIS UTILIZADOS, DESPESAS,
DESLOCAMENTOS, DEPRECIAÇÃO EQUIPAMENTOS,
EQUIPE TÉCNICA, ANÁLISES, TESTES, ETC.)