Sie sind auf Seite 1von 2

Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco

Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais


Pastor Presidente: Aílton José Alves
Av. Cruz Cabugá, 29 - Santo Amaro - Recife-PE / CEP. 50.040.000 Fone: 3084.1524 / 3084.1543

LIÇÃO 01 – O QUE É A MORDOMIA CRISTÃ - 3º TRIMESTRE DE 2019


(Lc 12.42-48)
INTRODUÇÃO
Neste terceiro trimestre de 2019, estudaremos o tema: “Tempo, Bens e Talentos – Sendo mordomo fiel e
prudente com as coisas que Deus tem nos dado”. Nesta primeira lição, definiremos o termo mordomo e também
mordomia cristã; destacaremos que Deus é dono de tudo, mas que confiou ao homens o domínio da terra e de todos os bens
que lhe concedeu; pontuaremos que a doutrina da mordomia está presente em toda a Bíblia; e, por fim, concluiremos
destacando a importância desta doutrina para a nossa vida.

I – DEFINIÇÕES DE MORDOMO E MORDOMIA

1.1 Definição secular e exegética de mordomo. O dicionário diz que mordomo “é um indivíduo encarregado de
administrar, em residência alheia, as tarefas domésticas cotidianas, distribuindo-as entre os demais empregados”
(HOUAISS, 2001, p. 1960). A palavra grega mais comum, frequentemente no NT, é “oikonomos” (TENNEY, 2008, p.
377). O “oikonomos” denotava primariamente “o administrador de uma casa ou propriedade”, formado de oikos ,
“casa”, e nemo , “arranjar, organizar” (VINE, 2002, p. 800). Essa palavra é mais traduzida como despenseiro. A ideia de
despenseiro aparece somente no Novo Testamento, quando o original grego usa a palavra oikonomos, que significa:
“gerente da casa” (Lc 12.42; 16.1,3,8; Rm 16.23; 1 Co 4.1,2; Gl 4.2; Tt 1.7; 1 Pd 4.10); ou quando usa a palavra
epitropos, que quer dizer: “encarregado”, que aparece por três vezes (Mt 20.8; Lc 8.3; Gl 4.2).

1.2 Definição teológica de mordomia cristã. É a doutrina bíblica que ensina “a utilização responsável dos recursos que o
Senhor colocou-nos à disposição” (ANDRADE, 2006, p. 270). Mordomia quer dizer “todo o serviço que realizamos para
Deus e todo comportamento que apresentamos como cristãos diante de Deus e dos homens” (RENOVATO, 2019, p. 11).
Esta é uma doutrina presente em toda a Bíblia Sagrada desde o livro de Gênesis (Gn 1.28) até o Apocalipse (Ap 11.18).

II – DEUS É O DONO DE TUDO


Tudo que há veio a existência por meio de Deus (Gn 1.1; Is 42.5; Jr 10.12; At 17.24). Tudo existe para a glória do
Seu nome: “Digno és, ó Senhor, nosso Deus de receberes glória, e honra, e poder, porque tu criaste todas as coisas, e
por tua vontade são e foram criadas” (Ap 4.11). Deus tem direito como Criador sobre toda a criação: “Porque dele e por
ele, e para ele, são todas as coisas” (Rm 11.36). Na tabela abaixo destacaremos que Deus é dono de tudo que Ele criou:

COMO CRIADOR DEUS É DONO REFERÊNCIAS


Da terra e dos céus (Lv 25.23; Sl 24.1; Jr 10.12)
Da vida: humana, animal e vegetal (Sl 50.10; At 17.28; Cl 1.16; Jo 1.3)
Do ser humano (Gn 1.27; Ez 18.4)
Do ouro e da prata (Ag 2.9)
De tudo (1 Cr 29.13-14; Rm 11.36)

II – O HOMEM COMO MORDOMO DO QUE DEUS LHE CONFIOU


Ao criar o homem, o Senhor lhe deu uma elevada posição diante de toda a criação (Gn 1.28; Sl 8.6). Segundo
Berkof (2000, p. 174) “o homem é descrito como alguém que está no ápice de todas as ordens criadas. Foi coroado como
rei da criação inferior e recebeu domínio sobre todas as criaturas inferiores. Como tal, foi seu dever e privilégio tornar toda
natureza e todos os seres criados, que foram colocados sob seu governo, subservientes à sua vontade ao seu propósito, para
que ele e todos os seus gloriosos domínios magnificassem o onipotente Criador e Senhor do universo”. A Adão Deus
conferiu o domínio da terra e dos animais “enchei a terra, sujeitai-a; e dominai” (Gn 1.28). O salmista assevera isso
também: “Os céus são os céus do SENHOR; mas a terra a deu aos filhos dos homens” (Sl 115.16). Ao primeiro homem
também são dadas as seguintes tarefas: (a) cuidar da terra (Gn 2.5); (b) nomear os animais (Gn 2.19,20); e, (c) gerar filhos
(Gn 1.22). O ensino da mordomia de tudo o que Deus concedeu ao homem está presente em toda a Escritura, notemos:

1.1 No Antigo Testamento. O ato de apresentar o melhor dos animais, por Abel (Gn 4.4), ou as primícias da terra, por
Caim (Gn 4.3), são o exercício da mordomia dos bens materiais recebidos da parte de Deus. Ao povo de Israel, Deus
ensinou a mordomia de diversas áreas da vida, por meio das leis que Ele criou. Notemos:
a) Mordomia da família (Êx 21.15,17; Nm 27.6-7; 30.3-5; 6-15; Dt 21.18-21);
b) Mordomia da terra (Lv 25.2; 26.34,35);
c) Mordomia dos bens (Êx 22.9; Lv 25.23; 28-30; 23.22);
d) Mordomia em relação ao próximo (Lv 19.9,10; Dt 24.19-22; 23.24,25)
e) Mordomia dos dízimos (Lv 27.30-34; Nm 18.21-32; Dt 12.1-14; 14.22-29; Ml 3.10);
f) Mordomia das finanças (Dt 15.1-11; 23.19,20, 24.6,10-13,17,18);
g) Mordomia nas relações interpessoais (Êx 21.20,26,27; Lv 19.33,34; 25.10,47-54; Dt 15.12-18).

1.2 No Novo Testamento. Os ensinamentos de Cristo são repletos da mordomia e ganham um destaque ainda maior. Jesus
ensinou que o homem deverá prestar contas diante de Deus por tudo que fizer por meio do corpo (Mt 5.21; 7.2; 12.36).
Quando ensinou sobre o Reino de Deus e a importância da fidelidade, usou a administração dos bens como ilustração na
“parábola dos talentos” (Mt 25.14-30); “das minas” (Lc 19.12-27); do “mordomo infiel” (Lc 16.1-13). Paulo falou que
os obreiros são despenseiros dos mistérios de Cristo (1 Co 4.1); e como tais deviam ser achados fieis (1 Co 4.2). E, também
acrescentou que cada crente é um membro colocado no Corpo de Cristo para exercer uma atividade da qual prestará contas
(1 Co 12.11,12; 2 Co 5.10). O apóstolo Pedro orientou aos crentes, quanto aos dons que receberam dizendo: “cada um
administre aos outros o dom como o recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus” (1 Pd 4.10). O NT
ensina sobre a:
 Mordomia do corpo, alma e Espírito (1 Co 6.10; 1 Ts 4.3-5; 5.23);
 Mordomia do tempo (Ef 5.16);
 Mordomia da família (Ef 5.22-25; 6.1-4; Tt 2.2-6);
 Mordomia do trabalho (Ef 4.28; 6.5-9; Tt 2.9; 1 Pd 2.18);
 Mordomia dos dons (Rm 12.12; 1 Co 12.4-6; 1 Pd 4.10);
 Mordomia dos dízimos e ofertas (Mt 23.23; 2 Co 9.6-12);
 Mordomia das finanças (Rm 13.8);
 Mordomia das obras de misericórdia (At 20.35; Tg 2.15-17; 1 Jo 3.17,18).
 Mordomia em relação ao próximo (Mc 12.31; Rm 13.9);

III – A IMPORTÂNCIA DA DOUTRINA DA MORDOMIA CRISTÃ


Esta doutrina nos ensina pelos três coisas imprescindíveis a vida cristã. Notemos:

4.1 A consciência de que nada temos. Tudo é de Deus, nada possuímos (1 Cr 29.14; Jo 3.27; Tg 1.17). Jó tinha
consciência de que tudo o que tinha foi Deus quem lhe deu: “E disse: Nu saí do ventre de minha mãe e nu tornarei para
lá; o SENHOR o deu, e o SENHOR o tomou: bendito seja o nome do SENHOR” (Jó 1.21). Paulo tinha essa consciência
também por isso orientou ao jovem obreiro Timóteo que exortasse aos cristãos ricos dizendo: “porque nada trouxemos
para este mundo e manifesto é que nada podemos levar dele” (1 Tm 6.7).

4.2 A consciência de que precisamos ser sábios e fieis na administração do que nos foi confiado. Salomão assumiu o
reinado ainda muito jovem. Reconhecendo sua pouca experiência e a tamanha responsabilidade que recebeu de Deus,
rogou-lhe sabedoria (1 Rs 3.7-12). Paulo disse que o despenseiro precisa ser achado fiel: “além disso, requer-se nos
despenseiros que cada um se ache fiel” (1 Co 4.2). A expressão “requer” no grego é “zeteo” que significa: “exigir algo
de alguém”, evidenciando o que Deus exige de cada servo seu. Isto foi ensinado por Jesus (Mt 24.45; 25.21; Lc 19.17).

4.3 A consciência de que seremos julgados quanto a nossa mordomia. O Tribunal de Cristo será o dia da prestação de
conta da nossa vida; da nossa mordomia cristã, da nossa diaconia. Cada crente será julgado como servo de Deus, quanto à
sua fidelidade no serviço prestado a Deus (1Co 4.2-6; 2Co 5.10). Não será um julgamento de pecados do crente (Rm 8.1;
Jo 5.24), mas das obras do crente (Ap 22.12; 14.13). Todos os salvos serão julgados, e não apenas alguns (Rm 14.10; 2Co
5.10). No Arrebatamento, Jesus que conhece as nossas obras (Ap 2.2,9,13,19; 3.8,15), trará consigo o resultado, a
avaliação de nosso trabalho. Existem cinco critérios deste julgamento que envolvem: (a) a “lei da liberdade cristã” (Tg
2.12); (b) a qualidade do trabalho que fazemos para Deus (Mt 20.1-16); (c) o “material” empregado no trabalho feito para
Deus (1 Co 3.8,12-15); (d) a conduta do crente por meio do seu corpo (2 Co 5.10); e, (e) os motivos secretos do nosso
coração (1 Co 4.5; Rm 2.16) (GILBERTO, 2009, p. 376).

CONCLUSÃO
A doutrina da mordomia embora presente em toda a Bíblia será estuda neste trimestre sob a ótica cristã, destacando
principalmente os ensinamentos neotestamentários quanto a forma como o servo de Deus deve administrar sua vida,
tempo, família, recursos financeiros e demais coisas com humildade, sabedoria, fidelidade, pois um dia prestará constas a
Deus, de sua mordomia.

REFERÊNCIAS
 ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Dicionário Teológico. CPAD.
 CHAMPLIN, R. N. Dicionário de Bíblia, Teologia e Filosofia. HAGNOS.
 GILBERTO, Antonio, et al. Teologia Sistemática Pentecostal. CPAD.
 HOUAISS, Antônio. Dicionário da Língua Portuguesa. OBJETIVA.
 RENOVATO, Elinaldo. Tempo, Bens e Talentos. CPAD.
 STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.
 TENNEY, Merril C. Enciclopédia da Bíblia. CULTURA CRISTÃ.
 VINE, W.E, et al. Dicionário Vine. CPAD.