Sie sind auf Seite 1von 6

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s

E g a s M o n i z - 1 5 1 0 1 4

F i c h a d e Av a l i a ç ã o Fo r m a t i v a Avaliação
_________________
LÍNGUA PORTUGUESA
A Professora
Aluno: ____________________________________________________ _________________
O Enc. de Educação
Ano: 8.º Turma: ____ Nº.
_____/ 12/ 2011 ___________________
___

Grupo I – Interpretação e compreensão textuais

1. Assinala com X, nas colunas respetivas, as afirmações verdadeiras (V) e as


afirmações falsas (F), de acordo com o texto.

Afirmações V F

Os primeiros bancos alimentares do mundo surgiram na Europa.

Em 2006, havia mais de dez bancos alimentares em Portugal.

As campanhas de recolha de alimentos nas grandes superfícies


comerciais realizam-se uma vez por ano.

Há empresas que oferecem os seus excedentes de produção ao


Banco Alimentar contra a Fome.

A separação dos alimentos recolhidos nas superfícies comerciais é


feita por pessoas que se oferecem para essa tarefa.

Na campanha de novembro de 2006, foram recolhidos menos


alimentos do que em novembro de 2005.

2. Completa a frase abaixo, assinalando com X a alternativa correta.


No texto, a expressão “pôr um prato na mesa de quem mais precisa” (linha 17) significa

dar louça a quem não tem onde comer.


distribuir dinheiro aos pobres e aos sem-abrigo.
fornecer alimentos aos mais necessitados.
pôr a mesa a quem não tem o hábito de o fazer .

3. Imagina um slogan, constituído por uma ou mais frases, para o cartaz de divulgação da
próxima campanha de recolha de alimentos, que irá decorrer nos dias 1 e 2 de dezembro.
Tem de ser um slogan original e sugestivo, capaz de despertar nas pessoas a vontade de
ajudar os que mais precisam. Escreve-o no espaço abaixo.

3
CAMPANHA DE RECOLHA DE ALIMENTOS
1 e 2 de dezembro
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________

TEXTO B
Lê atentamente o texto e responde, de forma completa e bem estruturada, aos itens que se
seguem.

1. A narrativa de Sophia de Mello Breyner Andresen inspira-se num conto tradicional.


1.1. Seleciona, pelo menos, uma semelhança e uma diferença entre o conto tradicional
e a narrativa de Sophia.

2. Atenta no primeiro parágrafo do texto.


2.1. Identifica o elemento descrito.
2.2. Retira do texto os vocábulos que reenviam para a personificação do elemento
descrito.
2.3. Faz-se uma aproximação do elemento descrito a uma rapariga.
2.3.1. Transcreve do texto a passagem que melhor ilustra a afirmação feita em 2.3.

4. Atenta, agora, na descrição do espaço interior e exterior, no segundo parágrafo.


4.1. Transcreve os vocábulos ou as expressões que transmitem sensações visuais e
auditivas.

5. Indica os vários espaços onde decorre a ação narrada neste excerto.


5.1. Espaço Físico.
5.2. Espaço Social.

6. A certa altura a narração é interrompida para ficarmos a conhecer factos passados.


6.1. Como se denomina esse recurso narrativo?
6.2. Que ficamos a saber sobre a personagem nessa parte do texto?

7. Recorda o que aprendeste sobre os modos de apresentação da narrativa.


7.1. Retira do texto um exemplo de cada um desses modos, identificando-os.
7.2. Indica os tempos verbais aí presentes e explica o seu emprego.

8. Identifica as figuras de estilo presentes nas expressões:


8.1. “O lago parece um espelho.”______________________________________________
8.2. “…o sapato ficou sozinho no centro da sala, esfarrapado e miserável sobre o chão
polido.”__________________________________________________________________

Grupo II – Conhecimento Explícito da Língua

2
1. As palavras abaixo foram distribuídas pelos grupos A; B; C e D, segundo o seu
processo de formação. A cada grupo corresponde um processo diferente.
GRUPO A GRUPO B GRUPO C GRUPO D
corrimão noitada inculto choro
embora fatalidade compor baile

Integra nos grupos A, B, C e D, cada uma das palavras seguintes, de acordo com o respetivo
processo de formação.
Escreve a letra do grupo a que cada palavra corresponde.
madressilva perda infeliz
humilhação terrivelmente desespero

2. Classifica a oração sublinhada nas frases seguintes.


2.1. “Se um dia escolheres um caminho diferente, vem viver comigo.”
__________________________________________________________________
2.2. Estavam dançando no meio da sala, quando o sapato esquerdo escorregou do pé de
Lúcia.
__________________________________________________________________________

3. Lê os seguintes vocábulos e agrupa-os de acordo com a classe/subclasse de


palavras abaixo indicadas.

ninguém certo não mas aqueles muito enquanto

a) Determinantes / pronomes demonstrativos: ________________________________


b) Conjunções: ________________________________
c) Determinantes / pronomes indefinidos: _______________________________
d) Advérbios: ________________________________

4. Indica a função sintática de cada um dos elementos sublinhados nas seguintes


frases.
4.1. Tens dezoito anos, Lúcia. _________________
4.2. Lúcia continuava infeliz na casa do seu pai. _________________
4.3. “A noite poisou a sua mão fresca sobre a sua cara afogueada.” ___________

5. Reescreve na forma passiva a seguinte frase.


5.1. A filha da dona da casa tinha apresentado Lúcia às amigas.
__________________________________________________________________________________

6. Escreve, para cada alínea, a forma do verbo apresentado entre parênteses, de


acordo com o tempo e o modo indicados.

3
6.1. Pretérito perfeito do indicativo
Lúcia (distinguir) alguns pares dançando pelas janelas entreabertas. ___________
6.2. Pretérito imperfeito do indicativo (simples)
Já naquela altura, com os seus 18 anos, (haver) na sala de baile imensa gente alegre.
_____________________
6.3. Presente do indicativo
Certos convidados (intervir) na defesa de Lúcia. _______________________
6.4. Futuro do indicativo
Lúcia acredita que as amigas da filha da dona (fazer) outra festa. _____________

Grupo III - Expressão escrita


Seleciona umas das opções apresentadas. (Escreve entre 80 e 110 palavras).

A. O desejo de poder, domínio e riqueza pode levar as pessoas a fazerem escolhas erradas.
Segundo a tua opinião, o que devem as pessoas fazer para não se deixarem “ cegar” pela
ambição.

B. “ Quando ao clarear do dia encontraram Lúcia morta na varanda, ninguém quis acreditar
no que via.”
Este conto tem um final trágico.
Inventa outro final para esta história.

________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________
TEXTO A

Lê com muita atenção a seguinte notícia de uma campanha de recolha de alimentos


realizada pelo Banco Alimentar contra a Fome, em novembro de 2006.

4
Banco Alimentar contra a Fome recolheu 1509 toneladas
de alimentos na última campanha

Texto B
Como uma rapariga descalça a noite caminhava leve e lenta sobre a relva do jardim.
Era uma jovem noite de Junho, a primeira noite de Junho. E debruçada sobre o tanque
redondo ela mirava extasiadamente o reflexo do seu rosto.
Do jardim via-se a casa, uma casa grande cor-de-rosa e antiga que, toda iluminada
nessa noite de festa, espalhava no jardim luzes, brilhos, risos, música e vozes. A luz
recortava o buxo dos canteiros e a música misturava-se com o baloiçar das árvores.
5
Pelas janelas abertas avistavam-se pares dançando e vestidos claros de raparigas,
vestidos que flutuavam entre os passos e os gestos. Vultos de namorados passavam entre as
cortinas e vinham apoiar-se no peitoril das janelas, inclinados sobre a noite. Às vezes um riso
mais agudo cortava, como um pequeno punhal, a água lisa dos tanques.
Vistas do jardim essas coisas pareciam feéricas e irreais. Delas subia, perante a alegria
serena da noite, urna alegria rápida e agitada, desgarrada e passageira, um pouco triste e
cruel.
Lúcia tinha dezoito anos e era este o seu primeiro baile. Tinha vindo com a tia que era sua
madrinha. (…)
Mas tinha de atravessar meia sala. No caminho passou em frente de um espelho e
olhou-se. Mais uma vez verificou quanto o seu vestido era feio. Era um vestido que lhe tinha
sido dado pela tia que era sua madrinha.
Oito dias antes, a madrinha tinha aparecido em casa de Lúcia.
- Lúcia - disse ela - de hoje a uma semana vens comigo a um baile.
- Mas não tenho vestido de baile - exclamou Lúcia.
- Eu tenho um meu que se pode arranjar para ti. Amanhã vem almoçar comigo. (…)
Lúcia achou o vestido muito feio e balbuciou com cuidado:
- Lilás fica-me mal.
- Na tua idade tudo fica bem - respondeu a madrinha. - Despe-te para a costureira ver como
se há de arranjar.
Lúcia despiu-se e enfiou rápida o vestido. (…)
A sua vida, entre o pai viúvo e arruinado, os dois irmãos, as velhas criadas faladoras, o
jardim inculto, cheio de musgos e ervas selvagens, não era uma vida triste mas uma vida
monótona e modesta. Às vezes, no colégio, algumas das suas amigas falavam de um mundo
de festas e divertimentos, um mundo onde tudo era fácil e todas as pessoas eram ricas.
Agora, aquele baile era para ela a porta aberta para esse outro mundo. Não podia perder o
convite, não podia deixar que a porta se fechasse. Com cautela, tentou insinuar na tia a ideia
de um outro vestido. Disse:
- Gosto muito do seu vestido. É lindo. Mas, a um primeiro baile, é costume ir com um vestido
branco. (…)
Lúcia procurou nessa mala e descobriu uns sapatos de salto alto que, embora um pouco
largos, lhe serviam.
Mas estavam fora de moda e em mau estado com o forro azul roto nas biqueiras e aqui
e além manchas de bolor.
Lúcia limpou-os o melhor que pôde mas pouco melhoraram.
- Como o vestido é comprido - calculou ela - não se veem os sapatos. (…)
Mas agora, ali, na sala de baile, escondida atrás de um grupo de pessoas e voltada para o
espelho murmurou:
- Era melhor não ter vindo.
O espelho era antigo e tinha um fundo embaciado, manchado e verde onde Lúcia se via
como uma afogada boiando numa água sinistra.
- Estou pálida - constatou - preciso de pôr mais rouge. (…)
Alguém passou ali perto e disse:
- Que bonita festa!
Lúcia olhou: era uma bonita festa. Luzes, música, flores. Mas eram os vestidos que
acima de tudo a deslumbravam. Nunca tinha imaginado que pudessem existir vestidos tão
maravilhosos. Vestidos estreitos e esguios, vestidos flutuantes que esvoaçam ao sabor dos
gestos, vestidos rodados como corolas brilhantes de enormes flores. Intensamente atenta,
Lúcia admirava-os, invejava-os, mirava cada pormenor, fixava a eficácia de cada feitio.

“História da Gata Borralheira” de Sophia de Mello Breyner Andresen


in História da Terra e do Mar (texto com supressões)