Sie sind auf Seite 1von 2

SISS, Ahyas.

Afro-brasileiros, cotas e ação afirmativa:


razões históricas.
Quartet; PENESB, 2003.
Sabrina Plá *

Ahyas Siss é graduado em Ciências Sociais documental dos atos do governo em suas três
pela UERJ, mestre em Sociologia pelo Instituto esferas, Executivo, Legislativo e Judiciário.
Universitário de Pesquisas do RJ/IUPERJ, e doutor
O segundo capítulo, As relações raciais, a
em Educação pela UFF. Atualmente é professor
educação e as demandas por cidadania dos afro-
adjunto da Universidade Federal Rural do Rio de
brasileiros: do pós-abolição ao “pra frente, Brasil”,
Janeiro, vice-diretor do Instituto Multidisciplinar,
evidencia que a educação pública, gratuita e
campus de Nova Iguaçu, professor do Programa
universal não era uma prioridade do Império.
de Pós-Graduação - Mestrado em Educação da
Mesmo após o período de transição do Império
UFMT. Atua na área de Pesquisa Movimentos
para República, com a criação de uma nova Carta
Sociais, Política e Educação Popular, com a
Magna assegurando os direitos e deveres dos
temática de pesquisa centrada em Políticas
cidadãos, a educação dos negros (principalmente)
Afirmativas para a População Negra / Negro e
continuou sem qualquer avanço significativo. A
Ensino Superior. Organizou outros dois livros,
chamada Velha República, principalmente em São
sendo eles, Escolas do Imperador em 2005 e
Paulo, favorecendo a entrada de imigrantes
População Negra e Educação Escolar em 2006,
brancos no Brasil, não possibilitou ao segmento
além de muitos outros trabalhos publicados.
populacional afro-brasileiro enfrentar as péssimas
O livro, Afro-brasileiros, cotas e ação condições de vida oriundas de sua submissão ao
afirmativa: razões históricas é resultado de sua regime de trabalho escravo por mais de 350 anos.
tese de doutorado, defendida em 2001 na UFF, Deste modo foi provocada uma migração interna
em Niterói. A obra consta de sete capítulos e dos negros para centros industriais, em busca de
discute a educação do negro na sociedade mais educação e melhores condições de vida.
brasileira, pautando-se em informações e
Ainda o autor coloca que a cor branca era tida
questões históricas que servem como ponto de
como um fator positivo para ascensão social e a
partida para a discussão sobre as políticas de
cor negra era percebida como negativa. Neste
ação afirmativa e as cotas para negros.
momento, acreditava-se que a mistura dos negros
Na Introdução, o autor salienta que a exclusão com os imigrantes brancos, reverteria a
do processo educativo dos negros é histórica, a desproporção entre brancos e negros criando um
princípio não sendo legalmente expressa, mas novo fenótipo. Trata-se da “ideologia do
constituindo-se por meio de subordinação frente branqueamento” pela qual a marca da
ao grupo racial branco. Também evidencia há descendência negra é vista como uma
brutal desigualdade dos afro-brasileiros em desvantagem que é preciso esconder, ou um fator
questões socioeconômicas, e a sua luta por meio que indica quem é passível de ser discriminado.
de movimentos sociais intensifica-se por volta dos Dessa situação é que emana um quadro em que
anos 70, na crise do regime militar brasileiro, os mestiços de brancos e negros acabam sendo
visando minimizar aquelas desigualdades. discriminados como se fossem totalmente negros,
e pelo qual os mestiços começam a se reivindicar
A análise histórica de como o Estado vêm se
como pertencentes à raça negra, como estratégia
relacionando com as desigualdades raciais
de defesa e afirmação.
brasileiras perpassa o livro, com especial atenção
nas medidas políticas elaboradas para extinguir Siss destaca o expressivo papel
essas disparidades, tendo como pano de fundo a desempenhado, nos anos 50, pelo Teatro
cidadania em seu pleno exercício. Para tal, o autor Experimental do Negro (TEN) com o objetivo de
utiliza-se de três procedimentos: a revisão teórica, resgatar a cultura e os valores afro-brasileiros,
conceitual e histórica das lutas e ações coletivas violentamente negados, e seu papel central na
emancipatórias dos afro-brasileiros, entrevistas definição de objetivos e ação reivindicatória sobre
com dirigentes do Movimento Negro no Rio de o Estado, o que atribuiria um novo perfil ao
Janeiro e com intelectuais brancos e negros movimento negro. Pode-se afirmar que o TEN e
ligados a educação, e por fim e análise os congressos nacionais promovidos por suas

*
Licenciada em Pedagogia. Aluna do PPGE da UEPG. E-mail: sabrinapla@gmail.com.
86
lideranças significam uma mudança de paradigma O capítulo seis, Ação afirmativa no Brasil:
do movimento negro brasileiro, tanto em termos tensões, propostas e iniciativas, aborda a grande
de estratégias quanto de fundamentos e responsabilidade do Estado em elaborar
definições. mecanismos políticos de implementação da
equidade, de cidadania plena, que levem à
No terceiro capítulo, Afro-Brasileiros, educação
democratização da sociedade, no Brasil as
e os processos de construção de cidadania, o
políticas de ação afirmativas datam as últimas
autor discute a idéia de cidadania relacionada aos
décadas do século XX e quase sempre são
direitos e deveres dos cidadãos perante o Estado.
acompanhadas das organizações do Movimento
A fratura do conceito de cidadania encontra-se em
Negro. Aborda alguns exemplos de como a
parte no fato de que até 1988, os africanos e seus
imprensa se posiciona em relação à necessidade e
descendentes eram objetos de compra e venda.
possibilidade de se implementarem as políticas de
Somente após a abolição passam a ser
ação afirmativa no Brasil e traz algumas
considerados “cidadãos”, mas portadores e/ou
discussões no âmbito federal, estadual e
depositários de uma cidadania passiva ou de
municipal em relação as tais políticas. Finaliza
segunda classe, que favoreceu uma assimilação
dizendo que, quanto mais se caminha, menos se
prejudicada desse grupo racial a sociedade. Nesse
avança em termos de realizações.
sentido, o autor salienta uma análise feita por
Florestan Fernandes, que entende que o modo de O último capítulo, Relações raciais, academia e
produção escravista moldou o escravo, mas não cidadania dos afro-brasileiros, o autor aborda que
preparou o cidadão para o sistema de trabalho a partir da década de setenta a educação dos
livre, dificultando sua entrada no mercado de negros e mestiços tem um crescimento
trabalho. Contrariamente a este estudo, as teses significativo, entretanto ainda de forma lenta,
de Hasenbalg ressaltam a variável raça como limitada e com trajetórias acidentadas, quando
atributo ideologicamente constituído que opera comparado a grupo racial branco. Desta forma a
como um princípio racial classificatório. década de 1980 conhecerá uma importante
proposta educacional elaborada por intelectuais
Neste capítulo ainda, o autor demarca uma
de organizações do Movimento Negro, como a
das peculiaridades nacionais conformada na idéia
inclusão da Pedagogia interétnica, prestigiando os
de que entre a formalidade da lei e a sua efetiva
valores culturais dos grupos etnicamente
aplicação há uma grande distância; assim no
dominados, também vários campos de pesquisa
aprendizado do exercício da cidadania ativa, os
surgem relacionados a situação educacional dos
afro-brasileiros tentaram encurtar essa distância
negros no Brasil.
por meio de mobilizações coletivas, tais como atos
públicos e passeatas. O Estado, tanto nesses A tese de Siss defende que as políticas de ação
casos como em outros, por diversas vezes afirmativa racial, se aplicadas entre nós, se não
reprimiu os grupos negros tratando-os como eliminarem os elevados índices de desigualdades
agitadores impatriotas, constituindo a falsa sociais, pelo menos contribuirão para sua
democracia. significativa redução e que a garantia de que os
afro-brasileiros possam exercer seus direitos de
O capítulo quarto, Educação, cidadania e
forma efetiva, requer muito mais do que a
multiculturalismo, lembra-nos o autor sobre o
implementação de ações afirmativas, entretanto e
multiculturalismo percebido de diversas maneiras
certamente há que se passar por elas.
em sociedades diferentes, especificando casos
como dos Estados Unidos, Europa e Brasil, A obra vem auxiliar a todos aqueles que se
demonstrando a forma não linear como o interessam pelo assunto e debatem a
multiculturalismo é percebido. implementação das ações afirmativas no Brasil. A
relevância da pesquisa está sobretudo na
No capítulo cinco, Ação afirmativa: educando
capacidade de articular processos e fatos
para a construção de uma sociedade democrática,
históricos com os argumentos lógicos em favor da
Siss especifica as ações afirmativas como
implementação dessas ações, como forma de
importante mecanismo pedagógico de educação
superação do quadro de marginalização do negro,
dos diferentes grupos sociais para o respeito às
não apenas em favor desse grupo racial, mas de
diversidades. Exemplifica os diferentes motivos
toda a sociedade brasileira, na medida em que
que fizeram alguns países adotarem essas ações,
permite favorecer a instituição de uma
como Malásia, Índia, Ilhas Fidji entre outros.
democracia efetiva, não limitada pela ausência de
Evidencia que da mesma maneira que diferentes
direitos substantivos oriunda da trajetória de
são os objetivos de diversos países adotarem
nossa sociedade.
essas ações, diferentes e inúmeros também são
os motivos dos que se opõem à implementação
de tais políticas.