Sie sind auf Seite 1von 49

03 – MISSÃO INTEGRAL

CENTRO BATISTA DE EDUCAÇÃO SERVIÇO E PESQUISA

INTRODUÇÃO
A história do cristianismo mostra que Jesus veio ao mundo e lidou com todo tipo de pessoa, cumpriu
sua missão e, sempre demonstrou, ensinando de maneira prática, o verdadeiro sentido de amar.

Antes de ascender, deixou ordens expressas para a igreja porque o povo vivia em trevas e esta era (e
ainda é) a luz. A igreja é a referência de Deus na terra (Steuernagel, 1992:84) “Jesus nos oferece o
modelo perfeito de serviço e envia sua igreja ao mundo para que esta seja uma igreja serva. Ele
expressou o seu amor em serviço, e este é o caminho da Igreja”.

Ao analisar o procedimento da Igreja de Jesus, percebe-se que em pleno século XXI ela está longe
do seu propósito inicial. Conforme o texto de I Jo 3:16-18 a ordem dada é amar não só de palavra,
nem de boca, mas em ação e em verdade. Em virtude do afastamento de seu real intento, a huma-
nidade tem sofrido e tem sentido as consequências. Jesus enxergava as necessidades reais das pes-
soas e cabe aos seus representantes fazê-lo também.

O que se pretende é confrontar a realidade com textos bíblicos, demonstrando que a responsabili-
dade da igreja não é apenas no âmbito espiritual, mas também social. Como exemplo, Cristo e os
apóstolos se revelaram sensíveis a todas as necessidades do homem. Portanto, o discípulo é instru-
mento de Deus para transformar a sociedade.

A igreja é a instituição responsável pela estruturação espiritual da família. Ela foi gradativamente per-
dendo seu foco, e o poder começou a ser mais importante que o amor. A salvação em Cristo é
individual, no entanto, a vida cristã é comunitária. Pode-se perceber isso em todo o ministério de
Jesus Cristo. Ele sempre ressaltava algo a respeito da unidade do Corpo, da diversidade e mutualidade
dos membros.

A família é a primeira instituição de Deus e é dela que a igreja é formada. O que se vê hoje é uma
perda desses valores e a dissolução da mesma (Convenção Batista Brasileira; Os desafios sociais da
sociedade de hoje; in Silvia Regina Jorge Kivitz) “O grupo familiar vai sofrendo toda deterioração que
o contexto maior vai lhe impondo. A família que era vista como uma unidade agora é esfacelada...”.

Com a perda da identidade familiar, a igreja sofre o prejuízo de ter seus valores essenciais dilapidados
e isso começa a gerar crises das mais variadas formas, ou seja, não se tem mais a referência da Célula
Máter da sociedade.

“A nossa realidade não poderia ser mais dramática. A palavra crise norteia nossas relações: crise eco-
nômica; social e política; crise de credibilidade; crise religiosa; onde se bate em qualquer porta em
busca de qualquer solução neste país do carnaval e da religião; crise familiar; onde a desintegração

Página 3 de 50
da família cria um vazio existencial na vida do jovem. Crise moral; onde o aborto começa a constar
da agenda de círculos cada vez mais expressivos. Qual a palavra da igreja? O que temos a dizer? Este
é o desafio. Esta é a tarefa! ” (STEUERNAGEL, 1992:157)

O texto de I Timóteo 2:4 aponta que Deus deseja que todos cheguem ao pleno conhecimento da
verdade. Em contrapartida, Jo 1:12 mostra que os que foram feitos filhos de Deus são aqueles que
creram em seu nome e o receberam. Isto vem confirmar que a salvação é individual e intransferível.

Para que o cristão demonstre o fruto da ação divina em sua vida, é necessário que ele saia de seu
individualismo, pois: “A missão da igreja requer que se continue transformando o mundo para fins
eternos, através dos meios de adoração comunitária, do testemunho fiel dos crentes, do cultivo do
companheirismo fraternal, do sofrimento redentor nas tribulações, mas sempre constantes na oração.
A ação pastoral da igreja requer que se siga edificando o corpo de Cristo, iluminando o caminho das
congregações ao identificar os campos de batalha por meio da proclamação da Palavra” (op. cit. p. 225)

Apesar de as igrejas viverem superlotadas como nunca em sua história, não se vê cumplicidade entre
seus membros. Pesquisas constatam uma constante busca da satisfação própria. O amor ao próximo
se manifesta principalmente quando há interesses. Unidade e mutualidade vão além do assistencia-
lismo, elas precisam existir em amor, essa é a questão fundamental.

Sem dúvida, a sociedade se tornou esse caos por falta de amor entre os seres humanos e isto pode
acontecer mesmo dentro da igreja. O ministério de Cristo foi fundamentado no amor, Ele enxergava
aqueles que estavam marginalizados pela sociedade e transformava suas vidas, o que hoje não tem
acontecido.

Vamos percorrer caminhos que apontarão para a base bíblica desta Missão deixada pelo Senhor, o
Mandato Cultural que mostra desde o princípio em que Deus deixou ao ser humano a responsabili-
dade de se viver em sociedade, Buscar conhecer o que é Comissão cultural, os fundamentos da Mis-
são Integral, descobrir o que é a Missão Integral, sua base bíblica e os desafios da sua implementação
na igreja local, percorrer as barreiras que provocam a uma mudança, além de olhar com novo olhar
o significado de Missões e as sugestões de atividades para se ter uma igreja plena .

Página 4 de 50
CAPÍTULO 1 – MISSÃO INTEGRAL, SUA ORIGEM.

Missão integral foi constituída com profundidade. vocês jejuam e oram para a iniquidade, vocês es-
Já no Antigo como no Novo Testamento a Bíblia tão oprimindo os pobres, e seus próprios operá-
prescreve que a igreja atenda à pessoa como um rios, e o jejum que eu quero, é que vocês cortem
todo. Isso quer dizer que é necessário ministrar as ligaduras da impiedade, é que ajam com jus-
tanto as carências físicas como as espirituais, no tiça em relação aos desamparados”. Veja tam-
que implica o meio que se vive, pois estão intrin- bém Isaías 1.17; 10.1,2.
secamente relacionadas, ainda que estejam se-
paradas em suas funções. Ezequiel 16.49 afirma que o pecado de Sodoma,
além do orgulho, da vaidade e da imoralidade
A missão integral da Igreja é ampla. era que aquela cidade, sendo rica e abastada,
Razão disso mesmo é que nosso objetivo agora nunca atendeu ao pobre e ao necessitado. Se
será mostrar, à luz da Bíblia, apenas alguns dos olharmos na legislação do povo de Deus no An-
aspectos da missão integral, isto é, aqueles que tigo Testamento, veremos que o objetivo de toda
estão diretamente relacionados à pessoa do in- a legislação era que não houvesse miserável e in-
divíduo ou, mais especificamente, aos pobres justiçado no meio do povo de Israel. A missão da
deste mundo e o meio em que está inserido. A igreja, está vinculada à missão que outrora foi
bíblia é muito clara quando apresenta Deus dada a Israel: ser luz para as nações.
como aquele que cuida dos pobres. Além do
mais, Ele ordena que os povos e os governantes Deveria haver teocracia e não hierarquia hu-
se preocupem em cuidar dos necessitados. mana. Não deveria haver escravidão entre os ju-
deus (embora houvesse permissão de escravizar
Se adentrarmos as páginas do Antigo Testa- os não judeus). Não deveria haver pobres entre
mento notaremos que existe uma clara opção os judeus. Havia uma série de disposições de não
preferencial de Deus pelos pobres e oprimidos. haver pobres. Todos deveriam ter acesso à terra.
Isso não significa que Deus faça acepção de pes-
soas ou de classe social. De maneira nenhuma! A terra era o patrimônio indispensável.
Mas com certeza Ele olha de um jeito especial
para aqueles que não têm vez, que não têm voz. E não se imaginava a possibilidade de haver uma
família sem-terra. E temos, em Lv 25, o Ano do
Só no Antigo Testamento temos 300 referências Jubileu como um meio de propiciar o conserto
sobre causas, realidade e consequências da po- da posse de sua terra que por uma calamidade
breza. São vinte e cinco palavras hebraicas para tivesse sido perdida.
falar do oprimido, humilhado, desesperado, do
que clama por justiça, do fraco, desamparado, O prejuízo não podia ser permanente. Era para
destituído, carente, pobre, viúva, órfão, estran- ser uma nação onde reina a justiça e a verdade.
geiro. Em Isaías 58.3-8, quando o povo de Deus Os reis tinham a obrigação de reinar em nome
pergunta: “Por que é que nós oramos e jejuamos de Deus, mas no final do livro dos Reis vemos
e tu não nos respondes? ”, Deus diz: “É porque que o povo de Israel viveu um caos.

Página 5 de 50
CAPÍTULO 1 – MISSÃO INTEGRAL, SUA ORIGEM

. Em 1 Samuel, cap 8. 1-10 acontece o surgimento Estabelecer a justiça. Entretanto, os governantes


da monarquia. Mostra a transição da teocracia abusam do poder.
para a monarquia. O resultado é funesto, pois re- Is 5.8 – fala contra o acúmulo de riqueza, casas e
jeitaram a Deus como Rei. Corrupção, pretensão mais casas, campos e mais campos e não deixam
de poder e dinheiro. Corrupção e abuso de po- lugar para ninguém mais. Apossaram-se de tudo.
der desde os filhos de Samuel. Justiça pervertida.
Is 5.23 – Não só os reis cometem injustiça. Há ju-
Sobre os perigos ízes injustos. A impunidade estava instituída. Su-
borno acontecia. Negavam os direitos aos inde-
Deus os aconselhou, mas não quis estabelecer fesos e aos fracos que não tinham como pagar
sua vontade pela força. Concentração de rique-
zas, concentração de poder, surgimento da Os que detêm o poder têm também a responsa-
corte, principia um sistema de classes e se insti- bilidade de estabelecer justiça.
tucionaliza a iniquidade e a injustiça reina. É
nesse contexto de monarquia que aparecem os Os profetas denunciam o pecado social em todas
profetas. as áreas da vida e camadas sociais. Is 10.1-2 – O
Poder Legislativo que dita leis que protegem os
Os profetas se conseguiram imaginar a restaura- poderosos e fazem tantas leis opressivas.
ção dos propósitos de Deus. Eles faziam uma
análise social que era destinada, especialmente, Hoje, estão abolindo leis que protegiam os tra-
aos líderes do povo. Exemplo em Isaías, Cap. balhadores. Aumento dos salários dos poderosos
1.17, “Aprendei a fazer o bem; atendei à justiça, em detrimento do salário dos trabalhadores co-
repreendei ao opressor; defendei o direito do ór- muns.
fão, pleiteai a causa das viúvas”. O profeta falou
contra a liderança corrompida. Falou em favor Ainda que um líder tenha boas intenções, de
dos fracos aqui representados pelas viúvas, ór- certa forma ele fica de mãos atadas por um con-
fãos e estrangeiros. Os que não possuem ma- gresso que legisla a serviço das grandes corpo-
neira de defender-se. rações.

Os que são objeto de injustiça. Os reis tinham o São fatos que ocorrem de maneira abusiva se nós
dever de procurar a justiça, especialmente, em voltarmos o olhar para as recomendações da pa-
relação aos fracos que não tem ninguém por sua lavra de Deus.
defesa.
Faz-se necessário conhecer onde e quando nas-
Esta precisa ser a responsabilidade central de ceu a Missão Integral e adentrar, para isso, no
qualquer governo. Mandato Cultural.

Página 6 de 50
CAPÍTULO 1 – MISSÃ0 INTEGRAL, SUA ORIGEM.

Is 5.23 – Não só os reis cometem injustiça. Há ju- vem da própria vontade de Deus em relação ao
ízes injustos. homem e isto para sua sobrevivência. A missão
não foi dada em primeiro lugar a uma comuni-
A impunidade estava instituída. dade particularizada, por exemplo, a igreja. O
Suborno acontecia. Negavam os direitos aos in- primeiro ator dessa missão foi o homem e a mu-
defesos e os fracos que não têm como pagar. É lher desde a sua criação e de todas as coisas.
Preciso que nos conscientizemos que o AT tem
uma preocupação com a justiça de Deus. Visto Agora, o homem que vive em sociedade, não so-
que Deus ama e demanda a justiça. Urge a cor- mente participando duma igreja cristã, deve estar
reção do que está mal. envolvido nessa missão integral.

Os que detêm o poder têm também a responsa- Essa ordem não é uma ordem exclusivamente
bilidade de estabelecer justiça. Os profetas de- com matizes religiosas. É uma ordem de cunho
nunciam o pecado social em todas as áreas da social, de comunidade e, especialmente, de pre-
vida e camadas sociais. Is 10.1-2 – O Poder Legis- servação. Essa missão total teve seu início nos
lativo que dita leis que protegem os poderosos e primórdios do relacionamento do homem com
fazem tantas leis opressivas. Deus. É conhecido como MANDATO CULTURAL.

Hoje, estão abolindo leis que protegiam Após a introdução do pecado, cabe ao ser hu-
os trabalhadores. mano para continuar criando meios de cumpri-
mento do trabalho original de preservação da
Aumento dos salários dos poderosos em detri- criação e da raça humana.
mento do salário dos trabalhadores comuns.
Ainda que um líder tenha boas intenções, de As questões éticas deveriam passar também por
certa forma ele fica de mãos atadas por um con- uma ‘questão nevrálgica’ da missão da igreja e
gresso que legisla a serviço das grandes corpo- este á o – mandato cultural.
rações.
Normalmente, são usados como base desse
São fatos que ocorrem de maneira abusiva se nós mandato, os textos de Gênesis: 1.26-28.
voltarmos o olhar para as recomendações da pa-
lavra de Deus. Faz-se necessário conhecer onde Entendemos que o ‘imaginado por Deus’ ou o
e quando nasceu a Missão Integral e adentrar, ‘ideal do seu reino’; se encontra nos dois primei-
para isso, no Mandato Cultural. ros capítulos do Gênesis.

Quando se fala que a igreja deve cumprir a sua Quem deseja conhecer o que é Reino de Deus,
missão integral é necessário que se entenda, missão integral, vida de qualidade, basta analisar
como vimos acima, que a origem dessa missão o texto dos dois primeiros capítulos de Gênesis.

Página 7 de 50
CAPÍTULO 2 – MISSÃ0 INTEGRAL E O MANDATO CULTURAL

toda a natureza. Não é só o político que tem


mandato. Todos os seres humanos têm um man-
dato cultural dado por Deus. Deus não cria um
mundo acabado, mas providencia todo o mate-
rial necessário e dá ao homem, um ser criador, a
responsabilidade e o privilégio de desenvolver as
potencialidades do mundo criado.

Ao homem é oferecida uma vida plena e dinâ-


mica, com possibilidades para explorar e com
projetos para realizar. O desenvolvimento cultu-
MANDATO CULTURAL ¹ ral em todos os sentidos, desde a técnica até a
Colaborando com a criação Gênesis 1: 26-28 cultura erudita, passando pela elaboração de ins-
(1) DAMIÃO, Paulo. Uma perspectiva cristã da ecologia. Disponível tituições sociais e políticas, é a vontade de Deus
em: http://missao.info/2007/10/16/uma-perspectiva-crista-da-ecolo-
gia/#more-140
para com o homem (Não, é claro, na forma como
tem sido feito, que reflete também a presença do
26 E disse Deus: Façamos o homem à nossa ima- pecado). Por isso, o cristão, como todos os ho-
gem, conforme a nossa semelhança; e domine mens, deve envolver-se, de acordo com a sua
sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, vocação, nos estudos, na ciência, na política, na
e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo economia, nos esportes... (Paul Freston. Neemias: um pro-
o réptil que se move sobre a terra. 27 E criou fissional a serviço do Reino. P.97).

Deus o homem à sua imagem: à imagem de


Deus o criou; homem e mulher os criou. 28 E O homem, então, é como um marceneiro que
Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e Deus fez e colocou numa gigantesca oficina já
multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e do- repleta de matéria-prima e ferramentas, e a
minai sobre os peixes do mar. quem

Definição Deus disse: “Com esses materiais, crie coisas! ”


Somos chamados a ser colaboradores de Deus
Entende-se como mandato cultural, a primeira na criação do mundo. Certamente, nas formas de
ordem dada por Deus, à raça humana, logo após convivência humana, ainda há muita coisa para
o ato da criação. se criar. (Paul Freston. Neemias: um profissional a serviço do Reino.
p.98).
Ainda no Éden e bem antes da queda, o ser hu-
mano, homem e mulher, criados por Deus, foram
C. René Padilha, teólogo latino-americano, assim
envolvidos pelo Criador em algumas tarefas e
define o mandato cultural: O homem é a imagem
funções, especialmente, a de estabelecer regras
de Deus, porque o representa e está investido de
para sua sobrevivência no relacionamento pes-
sua autoridade.
soal, interpessoal, com as demais criaturas e com

Página 8 de 50
CAPÍTULO 2 – MISSÃ0 INTEGRAL E O MANDATO CULTURAL

O Deus, ao qual racionais, morais, sociais e espirituais que tornam


o homem se pa- possível nosso conhecimento d’Ele), e exercemos
rece é aquele domínio sobre a terra e suas criaturas. De fato, o
que cria o uni- caráter único do domínio sobre a terra se deve
verso e os seres ao caráter único da nossa relação com Deus.
viventes por
meio de sua pa- 2. Esse domínio é corporativo.
lavra, mas, ime-
diatamente, faz Ao exercer o domínio recebido de Deus, não se
uma imagem Figura Figura:Fonte:http://tecnologianaeducacao- cria os processos da natureza, senão que se co-
ana.blogspot.com.br/2009/09/de-maos-dadas-
de si próprio carlos-drummond-de.html opera com eles. Nesse sentido é um senhor, de
e o coloca no acordo com o propósito de Deus e seu mandato.
mundo como seu representante. É o Criador que Porém, também, é um filho em sua dependência
implanta no Homem sua própria criatividade e última da providência paterna de Deus, que é
faz dele seu legítimo representante, confiando- quem lhe dá a luz do sol, a chuva e estações fru-
lhe a mordomia de sua criação. Ao Homem, tíferas do ano.
como sua imagem, seu representante,
Deus dá faculdade de reproduzir-se e confia a 3. Esse domínio é delegado e, portanto, respon-
mordomia do mundo. A tarefa humana funda- sável.
mental é o governo da realidade criada, em re-
presentação a Deus e sob sua autoridade. O domínio que exercemos sobre a terra, não nos
pertence por direito, senão, somente, por favor.
Esse é o Mandato Cultural, em cujo cumprimento A terra nos “pertence” não porque a criamos nem
o ser humano manifesta, efetivamente, que é porque somos seus proprietários, senão, porque
Imago Dei. O Homem completo, como ser so- seu Criador no-la tem confiado para dela cuidar.
mático e espiritual, assemelha-se a Deus porque
a ele foi confiada a mordomia da criação. Nisso Timóteo Carriker, missionário e missiólogo no
se radica a base da responsabilidade humana no Brasil, assim definem o mandato cultural:
uso e cuidado dos recursos naturais, bem como,
no desenvolvimento científico e tecnológico. A imagem de Deus imputada no homem, a de
“reinar” ou “dominar”, que é constatada em Gê-
Para J. Stott, teólogo anglicano e britânico, o nesis 1.26, é elaborada logo depois nos versículos
Mandato Cultural se estabelece em três afirma- 27 e 28. O versículo 27 esclarece que essa tarefa
ções legítimas: pertence ao homem no sentido genérico, isto é,
ao homem e à mulher.
1. Deus deu ao homem domínio sobre a terra.
Assim, pois, desde o princípio, os seres humanos Somente os dois juntos realizam a prime ira or-
foram dotados de uma dupla unicidade: têm a denança de Deus, e nenhum dos dois sós, é ca-
imagem de Deus (que compreende qualidades paz de realizá-la (CARRIKER, 1992, p.23).

Página 9 de 50
CAPÍTULO 2 – MISSÃ0 INTEGRAL E O MANDATO CULTURAL

O que se deduz então, é que o ser humano, Exercer responsavelmente o mandato cultural
desde a origem da sua criação, tem responsabi- significa também cuidar adequadamente da na-
lidade diante daquilo que o rodeia. A ordem é tureza.
“reinar”, “dominar” e originalmente ambas ideias
trazem o conceito de domínio para “preservar” Os frutos dessa atitude é que grande parte dos
para si mesmo. problemas no mundo, tais como fome, escassez
de água, poluição generalizada, alta demanda
Noutras palavras, Deus criou o ser humano e lhe por moradia, todas essas questões seriam ame-
deu o “poder da autopreservação” mediante o nizadas. Essa é a responsabilidade do cristão, as-
uso da criação. A negligência do mandato cultu- sumindo-a, ele se torna relevante.
ral tem trazido a quebra de harmonia em todos
os contextos da terra. Como foi dito anteriormente, os capítulos um e
dois do livro de Gênesis, mostram o “mundo ori-
Quando se fala sobre mandato cultural, missão ginal de Deus”. Diversos aspectos do mandato
integral, deve ser entendido como sendo a cami- cultural podem ser observados nesses dois capí-
nhada da restauração de todas as coisas, tendo tulos. Não são somente os textos de Gênesis:
como modelo o relato da criação. A negligência 1:26-28 que devem ser enxergados como o man-
à ordem dada por Deus tem trazido consequên- dato cultural. Mas ao mesmo tempo, deve ser
cias negativas para a criação. entendido que o restante do capítulo é um des-
dobramento dessa ordem. O estudante da Bíblia
Tem se permitido: pode observar que a história bíblica começa com
a criação num estado original. Não há proble-
 Que a terra seja entregue nas mãos dos mas, a natureza é preservada, os relacionamen-
que não tem nenhum temor a Deus, tos sociais, interpessoais e com a natureza são vi-
venciados livremente. O cuidado e manutenção
 Nenhum respeito ao próximo, e da criação são perfeitos.

 Nenhum cuidado com a nossa casa, que Também o fim da história bíblica, que é apresen-
é o planeta e a sua maravilhosa natureza. tada pelas Sagradas Escrituras, termina numa cri-
ação. Ela termina numa “nova criação”. É nova,
Essa negligência abriu um grande espaço para os pois o pecado relatado em Gênesis 3 apresenta
movimentos ecológicos, que na verdade deveria a queda do ser humano.
ser uma luta daqueles que se confessam segui- Essa queda, ou teologicamente chamado de “pe-
dores do ensino da Palavra de Deus. O mandato cado original”, trouxe suas consequências produ-
cultural também nos aponta o caminho da exce- zindo, assim, uma quebra de relacionamentos e
lência. Fazer da melhor forma o que se faz, exige preservação do ser humano com seu próximo,
domínio daquela ciência, e não o fazer de forma consigo mesmo e com a natureza, e com o pró-
negligente, pois essa não é uma atitude que Deus prio Deus, trouxe então problemas sociais, psico-
espera de quem serve. lógicos, ecológicos

Página 10 de 50
CAPÍTULO 2 – MISSÃ0 INTEGRAL E O MANDATO CULTURAL

e religiosos. Assim, houve uma destruição inte- que começa com a criação e termina com a nova
gral. criação. A criação, este mundo e essa história,
não só estabelece o palco da atuação de Deus
Agora a história bíblica mostra que aquilo que foi entre o seu povo e todos os povos da terra, mas
degenerado por causa do pecado precisa ser forma uma moldura para todo o relato.
restaurado, para que o ser humano volte a seu
“status” do princípio. Não é pano de fundo de outro enredo “princi-
pal”, e sim, origem e propósitos finais. Esse é um
Assim, então, a caminhada bíblica após o capítulo hiato temporal no qual o ser humano precisa re-
3, que relata a queda do ser humano e o ingresso ver seus valores à luz do propósito original da
do pecado na vida da sociedade, é o relato do criação. No terceiro milênio, mais que nunca, o
ser humano e da sua responsabilidade, “restaurar povo de Deus precisa ponderar a sua “missão” de
todas as coisas”. modo tão abrangente que abraça a criação toda.
Tal “tarefa” precede e segue a sua tarefa evange-
Desafio impossível de ser alcançado solitaria- lística como a incumbência de todo ser humano.
mente e sem o auxílio divino.
A criação relatada nos textos de Gênesis mostra
Dessa forma, encontraremos nos relatos bíblicos um ser humano integral. A missão da igreja não
sagrados a insistente orientação de Deus para o se limita a “resgatar almas”, mas a missão tam-
homem nessa restauração. É uma caminhada de bém inclui a redenção integral do ser humano.
restauração do “ideal de Deus”
Antes de termos uma missão como povo de
É assim que, entendo eu, deve ser compreendida Deus, temos uma incumbência como “gente” e
a revelação de Deus para a humanidade. O hiato por isso a igreja pode e deve procurar se juntar
que vai da “antiga criação para essa nova cria- a todos os esforços humanos que procuram o
ção” é a proposta de Deus de restaurar o ser hu- bem-estar ambiental.
mano, a sua criação, na sua totalidade.
Ecológica.
Dessa forma, a revelação divina será uma revela-
ção para restauração. E deve ser enxergada de Nos relatos da criação no Livro de Gênesis apren-
forma integral. Essa é a missão. demos que o destino e o bem-estar da criação
estão entrelaçados com o destino humano.
ALGUNS ASPECTOS DESSA MISSÃO INTEGRAL:
Descrevem o papel do ser humano, fêmea e ma-
A CRIAÇÃO: cho juntos, como ligados ao cuidado e à ordena-
ção proativa de todas as outras criaturas (capítulo
Toda reflexão da Bíblia como Palavra de Deus 1), que para isso, ele próprio deve conhecer (no-
precisa dar conta da organização canônica geral meando) minuciosamente (capítulo 2).

Página 11 de 50
CAPÍTULO 2 – MISSÃ0 INTEGRAL E O MANDATO CULTURAL

Ser povo de Deus é ser agente da redenção da e mulher. Entretanto, a incumbência de se relaci-
criação. Este é o mundo que o profeta Isaías es- onar com o seu próximo, de maneira alguma se
pera (capítulo 11) e que o Livro de Apocalipse esgota no casamento.
anuncia.
Mesmo a visão paradisíaca da linguagem apoca-
Um mundo onde a justiça e a equidade final- líptica funcionava não para dispensar o povo de
mente se estabelecerão, o lobo e o cordeiro ca- Deus da sua responsabilidade e engajamento no
minharão juntos, e o leopardo e o cabrito dormi- aqui e no agora em favor dum lugar e tempo re-
rão no mesmo leito. Um espaço e um tempo motos.
onde o mal e o dano deixam de existir e, final-
mente, o conhecimento da glória do Senhor en- Ao invés disso, servia de inspiração e paradigma
cherá a terra como as águas cobrem o mar. para sua missão dentro da história e no mundo
Nossa história e do nosso mundo. presente. Mas a missão “social” abrange toda a
organização dos grupos humanos, nas suas múl-
Tudo isso significa que a esperança da igreja não tiplas dimensões econômicas, políticas e cultu-
é uma esperança ultramundana e extra- histórica. rais.

Uma missiologia que leva a sério o papel, acima Logo o desenvolvimento da “cultura” como meio
de tudo, criador de Deus, que age dentro da his- de expressar o relacionamento entre os seres hu-
tória humana, compreenderá o seu destino tam- manos faz parte da “missão ecológica”.
bém dentro da história e dentro do mundo que
Deus criou e que está criando. Algumas questões QUESTÃO ÉTICA.
importantes:
Boa parte de Gênesis 3-11 fala do fracasso hu-
QUESTÃO SOCIAL mano em relação à incumbência dada por Deus,
da mesma forma que boa parte do Antigo Tes-
Nos relatos da criação, parte importante da “mis- tamento focaliza o fracasso do povo de Deus em
são ecológica” da humanidade, de cuidar da cri- relação ao seu papel diante de Deus e diante do
ação, é uma incumbência “social”. Isto é, cabe ao mundo.
ser humano não só cuidar da criação, mas tam-
bém se relacionar bem com o seu próximo. Aliás, em Gênesis 3-11, o fracasso humano au-
menta e se intensifica cada vez mais. Essa obser-
A sua relação mais íntima entre homem e mulher vação dá muita sobriedade à reflexão a respeito
e a criação de famílias são o auge desse relacio- duma missão “integral”.
namento e se destacam nos relatos da criação. É preciso computar o fracasso humano e o fra-
Tanto que o relacionamento da igreja com Deus casso do povo de Deus quando se constrói uma
e com Cristo frequentemente recorre para a lin- noção de missão dos dois.
guagem da relação comprometida entre homem

Página 12 de 50
CAPÍTULO 2 – MISSÃ0 INTEGRAL E O MANDATO CULTURAL

Desde o princípio, a missão se revela ultima- E tal preocupação precisa ser ressaltada em toda
mente “de Deus”. As exortações dirigidas para o a atividade do povo de Deus no mundo.
povo de Deus explicitamente em boa parte do
Antigo Testamento (os Profetas Anteriores e Pos- QUESTÃO CULTURAL
teriores) e também do Novo Testamento (as
Epístolas) e implicitamente no restante da Bíblia
nos empurram sempre para uma autocrítica.

Com o fracasso humano surge uma necessi-


dade de reparo e restauração.

O Deus que age na história e no mundo é o Deus


que resgata e que restaura. Com a queda já
surge uma promessa, mesmo, a princípio, enig-
mática, de restauração (Gênesis 3.15).

Ao longo das Escrituras, essa promessa de endi-


reitar um mundo e uma humanidade caídos e
aviltados é ação divina, mas também envolve a
participação humana (Gênesis 12.3).

Assim, nasce a missão salvadora de Deus e even-


tualmente a missão evangelística. Essa situação Figura:Fonte:http://meioambiente.culturamix.com/natu-
reza/como-preservar-a-natureza
de malignidade, dum mundo declarado “bom”,
“muito bom” e abençoado por Deus (Gênesis 1.4, As informações já oferecidas acima nos dão uma
10, 12, 18, 21, 25, 28, 31; 2.3) gera, portanto, a ne- clara visão que o ser humano precisa se envolver
cessidade de retificação. na preservação da criação. Isso inclui não so-
mente os aspectos da natureza. Também deve
Desde o princípio é fundamental à fé bíblica a ser observado o trabalho cultural no serviço ao
preocupação pela ética, pela justiça e pelo endi- ser humano e as suas expressões de vida.
reita mento deste mundo em todos os aspectos.
Por isso que a missão integral se realiza no tripé
Isso faz com que as expressões religiosas institu- da vida: homem-cultura-natureza
cionais dessa fé — o judaísmo, o cristianismo e o
islamismo — sejam únicas entre todas as religi- A ordem de Deus é “ter domínio sobre todas as
ões mundiais pela sua preocupação essencial- coisas”. Por isso que o mundo cultural, que é uma
mente ética. criação humana, deve ter o objetivo, nas suas di-
versas expressões, de trabalhar em benefício da
qualidade de vida do ser humano.

Página 13 de 50
CAPÍTULO 2 – MISSÃ0 INTEGRAL E O MANDATO CULTURAL

Mas o que é cultura? dar”, “a cultura consiste na totalidade dos produ-


Com relação à procura de uma definição de “cul- tos do homem”, já é próprio da ‘natureza do ho-
tura”, lançamos mão do livro de Richard Niebuhr, mem’ produzir um mundo.”. E este mundo deve
Cristo e Cultura, onde o autor pretende dar uma ser construído por todos e para benefício de to-
tipologia das éticas sociais do cristianismo, par- dos e não somente de alguns. Diante do mundo
tindo da definição de Malinowski, Niebuhr define: produzido pelo homem, por muito tempo a
igreja cristã olhou essa produção como sendo
(...) cultura é aquele processo total da atividade a “maligna”.
que, ora o nome de cultura, ora o nome de civi-
lização, é aplicado em linguagem comum. Assim, geraram-
se algumas pos-
Cultura é o ambiente artificial e secundário’ que turas em relação
o homem sobrepõe ao natural. Ela abrange a lin- à cultura, que po-
guagem, hábitos, ideias, crenças, costumes, or- dem ser descritas
ganização social, artefatos herdados, processos como:
técnicos e valores. Na busca de uma melhor
compreensão do conceito de cultura, Niebuhr
ainda indica algumas das características ou as es- Figura Fonte: http://www.missaogospel.com.br/noticias/vem-ai-
o-sexto-congresso-brasileiro-de-missoes-em-goias.html
sências ou essência da cultura, que vale a pena
levar em consideração: 1. Cristo Contra a Cultura: Essa posição exige uma
• Cultura é social, pois ela provém da vida social. definição de escolha entre Cristo e Cultura,

•É realização humana, pois é fruto de esforço hu- 2. Cristo da Cultura: há o reconhecimento de um


manos que são destinados a um fim, ou a deter- acordo fundamental entre Cristo e Cultura.
minados fins, mostrando assim, que o mundo do
homem é um mundo de valores (por exemplo, o 3. Cristo sobre a Cultura: Cristo é o cumprimento
ideal de beleza deve ser concretizado estetica- das aspirações culturais e o restaurador das ins-
mente de uma tela ou nas formas de um poema) tituições da verdadeira sociedade.
e é • também pluralista, visto que os valores são
numerosos. 4. Cristo e a Cultura em Paradoxo: A dualidade e
a inescapável autoridade, tanto de Cristo como
Para Paul Tillich, Cultura é “a auto criatividade da da cultura, são reconhecidas, mas as aposições
vida sob dimensão do espírito”, já que “a cultura entre elas também são aceitas. A solução é pós-
cria algo novo além da realidade encontrada. histórica.

“Por isso, Peter Berger chama-a de “segunda na- 5. Cristo, o Transformador da Cultura: A natureza
tureza”, visto que esta é “produto da própria ati- é decaída e pervertida e essa perversão é vista e
vidade humana” e, por isso, “predestinada a mu

Página 14 de 50
CAPÍTULO 3 – MISSÃ0 INTEGRAL E A COMISSÃO CULTURAL

transmitida através da cultura. Cristo é compre- - Quando se fala em “comissão”, pois, tem-se
endido, como o conservador do homem na sua que estamos a falar de um relacionamento entre
cultura e sociedade. É a solução conversionista. Deus e os homens, uma relação vertical (isto é,
“de cima para baixo”), visto que Deus é o Senhor,
Concluindo, deve ser entendido que existe um ou seja, o dono de todas as coisas que existem,
mandato. Esse mandato é antigo. Ele vem dos eis que é delas o Criador (Sl 24:1).
primórdios da criação. O homem foi orientado
por Deus, na sua preservação e manutenção de - Quando Deus criou os céus e a terra, diz-nos a
vida antes do pecado. Mas isso não significa que Bíblia Sagrada, também criou o homem, ser cri-
devemos produzir um mundo de caos em termos ado de forma singular, diferente das demais. En-
ecológico, social e religioso. quanto os demais seres terrenos foram criados
pelo poder da Palavra, em relação ao homem, o
A própria história bíblica, conhecida como histó- Senhor fez de modo diverso, tendo, Ele próprio,
ria da salvação, mostra Deus em contínuas alian- formado o homem do pó da terra e soprado em
ças e orientações para que o homem tenha uma suas narinas dando-lhe o fôlego de vida (Gn 2:7).
vida de qualidade. Deus, na sua graça, não aban-
donou o mundo, embora o ser humano aban- - Esta diferença na criação do homem justifica-se
done o mundo e o seu criador. Ele abandona o pelo fato de que Deus, também, em relação ao
mundo porque não o cuida e abandona o seu homem, tinha uma tarefa diversa, distinta da dos
criador porque não segue as orientações que Ele demais seres criados sobre a face da Terra. Ao
deixou para a preservação da espécie. vermos a decisão divina para criar o homem, en-
tendemos esta distinção.
O QUE É COMISSÃO CULTURAL?

-“Comissão” é o “ato ou efeito de cometer, de


encarregar, de incumbir”. “Comissão”, portanto,
é uma incumbência, uma carga, uma responsa-
bilidade que se dá a alguém, uma tarefa que se
determina a alguém.

- Quando falamos, pois, em “comissão”, desde


logo percebemos que estamos a falar de uma re-
lação em que alguém, por ter condição superior,
Figura Fonte: http://www.deepthroaters.webcam/gallery/tema-da-
ordena a outrem que faça algo, que assume al- campanha-nesta-semana

guma responsabilidade, que venha a executar al-


- Ao resolver criar o homem, Deus determinou
guma tarefa.
que o homem fosse o “dominador” de toda a cri-
ação terrena, que, por ter a imagem e seme-
Tem-se, pois, nitidamente, uma relação “de cima
lhança de Deus, estivesse sobre toda a criação
para baixo”

Página 15 de 50
CAPÍTULO 3 – MISSÃ0 INTEGRAL E A COMISSÃO CULTURAL

terrena, como um “mordomo” do Senhor de to- precisamente para que, através deste gesto, o
das as coisas sobre a face da Terra (Gn 1:26-28). homem tivesse consciência de duas verdades, a
saber: a de que era superior aos demais seres
- Deus, então, deu ao homem a tarefa de domi- terrenos (o ato de “dar o nome” reflete esta su-
nar sobre a criação terrena, de ser “mordomo” perioridade, esta autoridade) e a de que havia
do Senhor sobre a Terra, tanto que, ao formar o sido criado com inteligência, tendo, pois, criativi-
jardim no Éden onde pôs o homem, deu-lhe a dade, ou seja, a capacidade de criar coisas a fim
tarefa de cuidar daquele jardim, de lavrá-lo e de executar a tarefa que lhe havia sido dada, co-
guardá-lo (Gn 2:15). metida pelo Senhor.

É esta tarefa de cuidar da criação terrena, de do- - Esta “criação humana”, ou seja, esta série de
minar sobre os demais seres da Terra, de ser o comportamentos, condutas e modos de viver
“mordomo” de Deus sobre a face do planeta que surgidos a partir da inteligência humana, criações
se denomina de “comissão cultural”. estas que têm por finalidade precisamente o
cumprimento da tarefa deixada pelo Senhor ao
- “Comissão” bem sabemos por que, já que se homem de dominar sobre a criação terrena é o
trata de uma tarefa, de uma incumbência, de que compõe a “cultura”.
uma responsabilidade que Deus deu ao homem,
mas por que “cultural”? - Por isso, a tarefa deixada por Deus ao homem
para lavrar e guardar o jardim do Éden é uma
- Cultura, como ensinam os antropólogos (a An- “comissão cultural”, pois se trata de uma tarefa,
tropologia) é a ciência que estuda o homem na de uma incumbência que o homem deveria cum-
sua totalidade, ou seja, o homem e a suas obras, prir a partir do exercício da sua inteligência, da-
tendo como conceito fundamental o de “cultura”. quele diferencial que Deus deu ao homem preci-
samente para cumprir aquilo que Deus lhe deter-
Assim, a cultura é um conjunto de ideias, abstra- minava fazer.
ções e comportamento que os homens têm
numa determinada sociedade. É, portanto, uma “comissão cultural”, uma tarefa
que deveria ser cumprida a partir da “cultura”, ou
- Ao determinar que o homem cuidasse da cria- seja, de todas as condutas, comportamentos e
ção terrena, tanto lavrando como guardando o atitudes que o homem empreenderia para exe-
que havia criado no jardim do Éden, o Senhor cutar a tarefa que lhe havia sido cometida por
deu ao homem condições para que, dentro da Deus de “lavrar e guardar” a Terra.
inteligência com que havia dotado, tomasse ini-
ciativas que o permitisse executar a tarefa dei-
xada por Deus a ele.

Não foi por outro motivo que o Senhor mandou


que Adão desse nome aos animais (Gn 2:19,20),

Página 16 de 50
CAPÍTULO 4 – A MISSÃ0 INTEGRAL DA IGREJA

A MISSÃO INTEGRAL DA IGREJA Quando se coloca o pobre e o rico lado a lado,


em se tratando de benefícios a serem recebidos,
a. A realidade da missão integral da Igreja o primeiro sempre sai perdendo. É preciso sim
Em contrapartida ao mito da teologia de missão que os pobres desse mundo recebam um trata-
integral da Igreja, destaquemos dois fatores que mento preferencial porque foi assim que Deus os
em nossa opinião, expressam bem a realidade tratou na Bíblia, como veremos mais adiante.
dessa missão. a. A missão da Igreja é holística e Esta dimensão envolve o impacto que o ministé-
diaconal rio reconciliador da igreja exerce sobre o mundo,
o seu grau de participação na vida, conflitos, te-
Por mais óbvia que pareça esta afirmação, sabe- mores e esperanças da sociedade e a medida em
mos que a ortopraxia da missão integral não é que seu serviço ajuda a aliviar a dor humana e a
tão óbvia como deveria ser. Não é fácil inculcar transformar as condições sociais que têm conde-
na cabeça do nosso povo que o envolvimento da nado milhões de homens, mulheres e crianças à
Igreja deve ser total. Não só no que se refere ao pobreza.
indivíduo, mas também à criação de Deus em ge-
ral. Onde está, por exemplo, a consciência eco- Sem esta dimensão a igreja perde sua autentici-
lógica da Igreja? dade e credibilidade, pois somente na medida
em que conseguir dar visibilidade e concretici-
dade à sua vocação de amor e serviço ela pode
esperar ser ouvida e respeitada.

b.A missão da Igreja é bíblica

Quando dizemos que a missão integral da Igreja


Figura: Fonte: https://fernandoheise.wordpress.com/2012/10/08/o-evange- é bíblica, significa que ela (a missão integral da
lho-todo-para-o-homem-todo-pelo-mundo-todo/
Igreja) não é uma filosofia cega ou um modismo
passageiro. A missão da Igreja não é filosofia e

Além disso, a Igreja como sal da terra e luz do muito menos modismo. É uma verdade bíblica
que precisa ser resgatada e praticada em sua to-
mundo deve fazer a diferença nos vários setores
talidade. A Bíblia não existe para o deleite de
da sociedade, principalmente no socorro aos
nossa mente carnal. A integralidade da Igreja é
menos favorecidos. A injustiça social, verdadeira
bíblica e se baseia na missão integral de Deus. A
afronta contra a imagem e semelhança de Deus,
missão integral da Igreja é ampla, assim como é
tem solapado nosso país e a Igreja muitas vezes
ampla a missão integral de Deus, visto que a di-
tem se afastado como se nada tivesse com isso.
mensão dessa missão é vertical e horizontal. O
compromisso da Igreja com Deus (vertical) re-
É verdade que a Igreja não é uma instituição po-
sulta nela um compromisso com a criação em
lítico-partidária que deva defender qualquer
geral e com o ser humano em particular (hori-
bandeira política. É mais que isso. Ela é uma ins-
tituição divina suprapartidária. zontal).

Página 17 de 50
CAPÍTULO 4 – A MISSÃ0 INTEGRAL DA IGREJA

a. A missão integral na Bíblia Em Isaías 58.3-8, quando o povo de Deus per-


b. A missão integral tem raízes bíblicas profun- gunta: "Por que é que nós oramos e jejuamos e
das. tu não nos respondes?", Deus diz: "É porque vo-
cês jejuam e oram para a iniquidade, vocês estão
Tanto no Antigo como no Novo Testamento a oprimindo os pobres, e seus próprios operários,
Bíblia ordena à igreja que ministre à pessoa como e o jejum que eu quero, é que vocês cortem as
um todo. Isto quer dizer que se deve atender ligaduras da impiedade, é que ajam com justiça
tanto às necessidades físicas como às espirituais, em relação aos desamparados". (Is 1.17; 10.1,2).
que estão inseparavelmente relacionadas, ainda
que sejam separadas em termos funcionais. Ezequiel 16.49 afirma que o pecado de Sodoma,
além do orgulho, da vaidade e da imoralidade
No capítulo anterior mencionamos que a missão era que aquela cidade, sendo rica e abastada,
integral da Igreja é ampla. Isso é verdade. Por nunca atendeu o pobre e o necessitado. Se
isso mesmo nosso objetivo agora será tratar, à olharmos na legislação do povo de Deus no Ve-
luz da Bíblia, apenas de um dos aspectos da mis- lho Testamento, veremos que o objetivo de toda
são integral, isto é, aquele que está diretamente a legislação era que não houvesse miseráveis e
relacionado à pessoa do indivíduo ou, mais es- injustiçados no meio do povo de Israel.
pecificamente, aos pobres deste mundo.
B.NO NOVO TESTAMENTO
Segue abaixo uma abordagem resumida sobre o
assunto. Jesus Cristo é a revelação máxima da missão in-
tegral de Deus no mundo. No início de seu mi-
A.NO ANTIGO TESTAMENTO nistério terreno o Senhor Jesus deixou bem clara
a sua missão quando declarou: "O Espírito do Se-
Se folhearmos as páginas do Antigo Testamento nhor está sobre mim, pelo que me ungiu para
veremos que existe uma clara opção preferencial evangelizar os pobres; enviou-me para procla-
de Deus pelos pobres e oprimidos. Isto não sig- mar libertação aos cativos e restauração da vista
nifica que Deus faça acepção de pessoas ou de aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos,
classe social. De modo algum! Mas com certeza e apregoar o ano aceitável do Senhor" (Lc
Ele olha de maneira especial para aqueles que 4.18,19).
não têm vez, que não têm voz.
Só no AT nós temos 300 referências sobre cau- Em Mateus 4.23 lemos também: "Percorria Jesus
sas, realidade e consequências da pobreza. Vinte toda a Galileia, ensinando nas sinagogas, pre-
e cinco palavras hebraicas para falar do opri- gando o evangelho do reino e curando toda
mido, do humilhado, do desesperado, do que sorte de doenças e enfermidades entre o povo".
clama por justiça, do fraco, do desamparado, do E ainda em Mateus (cap. 25) notamos que além
destituído, do carente, o pobre, a viúva, o órfão, da questão do se "fazer igualmente a Cristo", a
o estrangeiro. nossa atitude para com os desfavorecidos deste

Página 18 de 49
CAPÍTULO 4 – A MISSÃ0 INTEGRAL DA IGREJA

mundo será um critério importante de julga- judaicas. Sua aproximação do homem exige a
mento no Juízo Final. atitude de conversão. O seu reino tem um es-
copo universal até cósmico. Os marginalizados,
Os apóstolos deram continuidade ao tema da mulheres, samaritanos, e gentios recebem a mi-
missão integral de Jesus em seus ministérios. (At sericórdia de Deus. Deus tem um plano salvífico
5, 6). Em Jerusalém as três colunas do colégio que alcança tanto judeu quanto gentio, e Ele vai
apostólico (Pedro, Tiago e João) recomendaram cumpri-lo. A confiança no cumprimento do seu
a Paulo e a Barnabé que não se esquecessem dos plano dá a igreja motivação para perseverar até
pobres, "o que também me esforcei por fazer", o fim.
diz o apóstolo em Gálatas 2.10.
O Deus da Bíblia é o Deus que age na história.
Não é principalmente apresentado como um
conceito ou ideia, uma doutrina que podemos
elaborar. Ele é, acima de tudo, pessoal e age nos
eventos e experiências concretas das nossas vi-
das. Deus não se restringe a uma dimensão mís-
tica da nossa vida.

Atua através do êxodo, do dilúvio e do cativeiro


Figura https://www.martureo.com.br/missao-integral-e-a-
no Velho Testamento, todos eventos históricos
grande-comissao/
até "seculares".

Várias igrejas foram orientadas por cartas a agi-


Ele atua através da vida humana do seu filho Je-
rem com a mesma visão de integralidade bíblica
sus, através da sua morte e ressurreição, eventos
dos apóstolos. Destacamos, dentre outras, as
bem visíveis que fazem parte da nossa história.
igrejas de Corinto (II Co 8 e 9), da Galácia (Gl 6.2-
10) e das doze tribos da dispersão (Tg 2. 1-7,14-
É na nossa história humana que Deus se revela e
26; 5.1-6).
o faz com movimento para frente. Percebemos,
através da história, a sua conclusão. Assim, a
C. A MISSÃO INTEGRAL NA TEOLOGIA CON-
perspectiva cristã da história é essencialmente
TEMPORÂNEA
escatológica.

No Antigo Testamento Javé é o Deus soberano


A humanidade está indo na direção do cumpri-
sobre toda a sua criação.
mento, julgamento e salvação, e este movimento
entrou na sua fase final com a ressurreição de
Esta imagem de Deus está no coração do Novo
Cristo. Hoje é o dia da salvação. Porque há um
Testamento também. Um Deus soberano e mise-
mundo, uma igreja e um evangelho, a missão
ricordioso é o ator último das parábolas de Jesus.
cristã não pode ser outra coisa que missão reali
É este Deus salvador que alcança além das leis

Página 19 de 50
CAPÍTULO 5 – A MISSÃ0 INTEGRAL E OS SEUS DESAFIOS

zada em colaboração mútua. Chegou o mo- Jesus Cristo como Senhor da totalidade da vida,
mento de encontrar maneiras de reduzir a dis- à universalidade da igreja e à interdependência
tância entre as igrejas no Ocidente e no Terceiro dos seres humanos no mundo.
Mundo.
OS DESAFIOS E IMPLICAÇÕES DA MISSÃO IN-
TEGRAL DA IGREJA

Desafios da missão integral da Igreja

Os desafios que agora mencionaremos tratam da


igreja brasileira em solo brasileiro. Dividimo-nos
em duas partes distintas, isto é, os desafios sociais
e os desafios eclesiais.

Figura: Fonte: http://www.missaoaguaviva.com.br/o-que-e-mis- A. OS DESAFIOS SOCIAIS DA IGREJA


soes/

Já há experiências úteis que estão sendo levadas Não são poucos e nem pequenos os problemas
a cabo com este propósito, mas é necessário fa- sociais brasileiros. A igreja evangélica brasileira
zer muito mais para desenvolver modelos de so- tem desafios enormes nesta área. Porém, de iní-
lidariedade acima das barreiras políticas, econô- cio é preciso que encaremos com seriedade e
micas, sociais e culturais, e para estimular a cola- maturidade o dilema de até onde podemos e de-
boração mútua entre as igrejas. vemos nos envolver nestes desafios. Que a igreja
evangélica brasileira não deve se esquivar de sua
O desafio que a igreja encara no campo de de- missão integral, é o nosso comum acordo com a
senvolvimento hoje é fundamentalmente o desa- declaração de Lausanne:
fio de um desenvolvimento humano, no contexto
da justiça. Fazem falta modelos de missão plena- Embora a reconciliação com o homem não seja
mente adaptados a uma situação marcada por reconciliação com Deus, nem a ação social evan-
uma distância abismal entre ricos e pobres. gelização, nem a libertação política salvação, afir-
mamos que evangelização e o envolvimento só-
Os modelos de missão baseados na riqueza do cio-político são ambos parte do nosso dever cris-
Ocidente solidarizam-se com esta situação de in- tão. Há muita confusão sobre a natureza da con-
justiça e condenam as igrejas do mundo pobre a frontação e da violência.
uma permanente dependência. No final das con-
tas, portanto, são contraproducentes para a mis- Confrontação é simplesmente a atividade entre
são. O desafio tanto para os cristãos no Ocidente seres humanos na qual eles discordam, e devido
como para os cristãos nos países subdesenvolvi- a esta discordância, estão desafiando uns aos ou-
dos é criar modelos de missão centrados num es- tros.
tilo de vida profético, modelos que apontem para

Página 20 de 50
CAPÍTULO 5 – A MISSÃ0 INTEGRAL E OS SEUS DESAFIOS

A palavra significa literalmente "testa-a-testa" - B. OS DESAFIOS ECLESIAIS DA IGREJA


isto é, as testas colocadas fisicamente uma con- Certamente um dos maiores desafios da igreja
tra-a-outra. É um encontro face a face, direto, brasileira na atualidade é vencer seus próprios
procurando o fim da resolução. desafios.

Por outro lado, violência é o exercício da força Tentarei explicar esta minha tese. Os desafios so-
física, a fim de ganhar uma disputa. Enquanto a ciais da igreja brasileira não são combatidos e
confrontação é verbal, a violência é física. De uma vencidos como deveriam porque falta vontade
forma mais profunda, essas palavras não são si- eclesiástica por parte da mesma.
nônimas, e sim antônimas, pois, em sua própria
natureza, um ato de violência é a indicação de Ou porque a liderança não se empenha, ou por-
que a confrontação falhou. que os liderados não se envolvem na obra.

A confrontação boa e eficaz nunca deve levar à O certo é:


violência, mas à resolução do problema. É nesse
espírito de verdadeira confrontação que a Igreja Se não chegarmos a um consenso; se não juntar-
deve encarar seus desafios sociais, com propos- mos forças, jamais sairemos do lugar comum.
tas terapêuticas para uma sociedade enferma. Continuaremos marcando passo, salgando a nós
mesmos e iluminando nossos umbigos.
Portanto, empenhemo-nos pela dignidade do
povo brasileiro. Reivindiquemos, pois, os seus e Uma lição é preciso aprender com a igreja de Je-
os nossos direitos: Saúde, segurança, educação, rusalém. A igreja de Jerusalém estava consciente
trabalho e salário digno. de sua missão no mundo. Era uma igreja unida
em seus propósitos e se amava de verdade. In-
E até onde podemos e devemos ir nesta questão ternamente ela estava pegando fogo, desejosa
toda? Até onde os direitos sejam verdadeira- de pregar o evangelho, em obediência ao man-
mente assegurados, o amor ao próximo eviden- dado de Cristo.
ciado, a moral dignificada, o evangelho e o bom
testemunho não sejam prejudicados e, sobre- Porém, externamente os desafios eram huma-
tudo, o nome de Jesus seja glorificado. namente insuperáveis.

O governo tem (e como tem!) suas culpas e res- Pilatos, Herodes e muita gente se levantaram
ponsabilidades, mas não podemos ficar indife- contra a Igreja de Deus. Então a Igreja orou:
rentes ao que ocorre em nossa volta, simples- "agora, Senhor, olha para as suas ameaças e con-
mente criticando por criticar o governo. cede aos teus servos que anunciem com toda a
intrepidez a tua palavra, enquanto estendes as
Pesa (e como pesa!) sobre o povo de Deus tam- mãos para fazer curas, sinais e prodígios por in-
bém a responsabilidade pelo bem-estar social do termédio do nome do teu santo Servo Jesus" (At
nosso país. 4.29,30).

Página 21 de 50
CAPÍTULO 6 – A MISSÃ0 INTEGRAL DA IGREJA E SUAS IMPLICAÇÕES

E Deus atendeu ao clamor de sua Igreja (At 4.31). Aquelas igrejas que um dia receberam orienta-
Atendeu porque a Igreja deixou de lado seus ção missionária, se não forem constantemente
próprios interesses para servir ao mundo. Hoje, o lembradas daquele compromisso, rapidamente
que muito se vê, à nível de igreja local, é a própria minguarão. E como revitalizar uma igreja que co-
igreja criando obstáculos para não fazer a obra meçou com tanto entusiasmo por missões e de
do Senhor. Externamente desfruta-se de uma li- repente esfriou?
berdade religiosa como nunca se viu, mas inter-
namente muito de nossas igrejas estão enfermas, Em primeiro lugar é preciso conscientizar a igreja
quando na verdade eram elas que deveriam es- de sua missão no mundo. Em segundo lugar é
tar curando! preciso conscientizá-la de que ela está no mundo
para servir o mundo integralmente.
A seguir daremos duas sugestões práticas para
que esse quadro sombrio possa se reverter. Se a igreja chegou a se empolgar com missão al-
gum dia, é sinal que ela tem potencial para fazer,
IMPLICAÇÕES DA MISSÃO INTEGRAL DA IGREJA com a graça de Deus, o que fez antes. Sermões
e estudos bíblicos missionários, filmes específicos
As implicações que aqui abordaremos não dei- como As Primícias, Etal e Atrás do Sol, além do
xam de ser verdadeiros desafios para a igreja auxílio de uma boa agência ou junta missionária,
brasileira, porém, entendemos que estes desafios com certeza produzirão novo alento.
são implicações naturais para uma igreja que
queira verdadeiramente cumprir sua missão inte- Geralmente a frieza por missões acontece por
gral. causa da rotina. Uma vez que o mal foi detectado
é necessário que seja combatido com atividades
a. A revisão de estruturas não-funcionais variadas. O mais importante é que a igreja seja
cientificada de que sua missão no mundo é inte-
O que muito tem contribuído para um mau de- gral. Evangelizar não é simplesmente distribuir
sempenho da Igreja em sua missão integral é a folhetos como alguns pensam, mas sim, atender
falta de estruturas que funcionem. Estruturas en- o indivíduo na totalidade de suas necessidades.
rijecidas pelo tradicionalismo matam ou impe-
dem a visão de uma igreja. Por isso mesmo, a Igreja nunca deveria deixar se
A quebra de paradigmas é uma das coisas fun- levar pela prática do paternalismo e assistencia-
damentais para que a estrutura de uma igreja se lismo paliativos, porém, deveria partir sempre
torne funcional. Às vezes é preciso muita cora- para uma ação so-
gem para mudar certos parâmetros que já não cial transformadora,
funcionam mais. À primeira vista parece fácil mu- do indivíduo e da
dar aquilo que se tornou obsoleto, mas não é tão sociedade, para a
simples assim. honra e glória de
Deus Pai.
b. A reafirmação do compromisso missionário

Página 22 de 50
CAPÍTULO 6 – A MISSÃ0 INTEGRAL DA IGREJA E SUAS IMPLICAÇÕES

Cada igreja deve refletir sobre sua motivação em seus membros para obedecerem a Cristo, nas di-
praticar evangelismo e ação social, e todas as ati- ferentes áreas da vida cívica, nas quais estes são
vidades nestas direções devem estar debaixo do chamados.
serviço a Deus em primeiro lugar.
A ‘missão integral’ tem a ver com esta questão
A missão integral da Igreja é basicamente evan- básica de integridade da vida da igreja, a consis-
gelização e ação social. Dizemos " basicamente" tência entre o que a igreja é e o que ela pro-
porque a missão integral da Igreja é na verdade clama. Com este entendimento, o que torna um
universal. Abrange vários aspectos. Evangelizar é político ‘evangélico’ verdadeiramente ‘evangé-
a sua qualidade primordial. A Igreja que troca a lico’ não é o fato de que ele adiciona a pregação
evangelização por qualquer outra responsabili- do evangelho nas suas atividades políticas diá-
dade social está fora de propósito e, portanto, rias, para fazer esta mais ‘holística’; mas na ver-
descaracterizada como igreja de Jesus Cristo. dade, que a sua perspectiva e interesses estejam
profundamente formados pela visão e valores
A missão integral flui de um Evangelho integral e que surgem do Evangelho (por exemplo, defen-
de um povo integrado. Há um grande perigo de dendo o mais vulnerável – que seja uma criança
transformarmos a missão da igreja em um con- ainda não nascida, o deficiente mental, minorias
junto de ‘projetos’ e ‘programas’ especiais, se a culturais ou os grupos tribais tiranizados, traba-
chamarmos de ‘evangelismo’ ou de ‘ação socio- lhando pela reconciliação étnica, e assim por di-
política’, e, então, procurar por maneiras de inte- ante).
grá-los metodologicamente. Em vez disso, a mis-
são da igreja está localizada na fidelidade e na Também precisamos nos lembrar daquilo que foi
suficiência do seu testemunho em Cristo. tão óbvio para a igreja do primeiro século, mas
esquecido na nossa era movida a técnicas. A mis-
Nosso negócio principal não é nem nos apoderar são é uma iniciativa divina e não uma empresa
dos sistemas do mundo nem de maximizar os humana.
membros da igreja em números.
Que Deus nos ajude a cumprir a missão da Igreja
Ademais, precisamos nos lembrar de que a ma- na sua integralidade com a ajuda do Espírito
neira principal com que a igreja age sobre o Santo e em nome de Jesus, amém!
mundo é através das ações de seus membros no
seu trabalho e relacionamentos diários com pes- O SIGNIFICADO DE MISSÕES²
2 - Armazém de Ideias, Disponível em:
soas de outras convicções.
http://www.armazemdeideias.net/missoes/missoes_nacionais/mis-
soes_nacionais_missoes_urbanas.html Acesso em 03 jan 2013.

Uma congregação com projetos imensos de


bem-estar social ou muitas equipes de ‘implan- “Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Es-
tação de igrejas’ pode ser bem menos eficaz em pírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto
uma sociedade secular do que as congregações em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria
que não têm nada dessas coisas, mas treinam os e até aos confins da terra. ” Atos 1:8
Página 23 de 50
CAPÍTULO 7- A MISSÃO INTEGRAL DA IGREJA E A EVANGELIZAÇÃO

Este texto de Atos 1:8 trata de missões urbanas capacitá-los para o testemunho “tanto em Jeru-
(Jerusalém), missões nacionais (Judéia e Samaria) salém, como em toda a Judéia e Samaria e até
e missões estrangeiras ou transculturais (até aos aos confins da terra”.
confins da terra).
A análise dos mapas geográficos da época nos
O vocábulo “missões” não é bíblico, vem do latim leva a concluir que o Senhor estava ordenando a
“missio” = enviando. Houve tempo em que “mis- Igreja que testemunhasse d´Ele em sua própria
sões” era entendida como tudo o que tinha a ver cidade (Jerusalém), por todo o país (Palestina -
com o trabalho da igreja realizado em outros pa- Judéia e Samaria) e por todas as nações ao redor
íses. Isto foi mudando, e hoje, entendemos MIS- do mundo (mundo mediterrâneo - África, Ásia e
SÕES (no plural) como a tarefa da Igreja; e MIS- Europa).
SÃO (no singular) como o nome das agências
missionárias e atividades que tem a ver com a A Igreja Apostólica representava todas as Igrejas
implementação desta tarefa. que viriam a ser plantadas. Desta forma, a ordem
dada pelo Senhor Jesus em Mateus 28:19-20
A melhor tradução para o texto da Grande Co- combinada com a afirmativa de Atos 1:8 é tam-
missão de Mateus 28:19-20 é: “Indo, fazei discí- bém para nós.
pulos...”.
Cada Igreja tem a missão de evangelizar as pes-
Missões urbanas é, portanto, a ação de evange- soas ao seu redor, localizadas na sua própria ci-
lização da igreja na sua própria cidade, no tem- dade, bem como o desafio de plantar novas igre-
plo e de casa-em-casa, como vemos em Atos jas no seu próprio país e nas demais nações ao
5:42 “E todos os dias, no templo e de casa em redor do mundo.
casa, não cessavam de ensinar e de pregar Jesus, A atividade missionária da Igreja deve principiar
o Cristo. ”, e pelas ruas da cidade “Entrementes, sempre pelas ruas da sua própria cidade. E isto é
os que foram dispersos iam por toda parte pre- evangelização urbana, ou urbangelização. A pa-
gando a palavra” – Atos 8:4. Missões urbanas é a lavra de Cristo à Igreja não é uma opção e nem
Igreja “enviando” seus membros, é a Igreja “indo”
deve ser objeto de discussão. É uma ordem! O
em cumprimento à grande comissão.
servo deve obedecer a ordem do seu Senhor.

A GRANDE COMISSÃO

“Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Es-


pírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto
em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria
e até aos confins da terra. ” Atos 1:8. Este texto é
uma variação ou extensão da Grande Comissão
(Mateus 28:19-20). O Espírito Santo seria dado à
Igreja para revestir os crentes de poder a fim de Figura Fonte: http://www.aibamevap.com.br/?p=2368

Página 24 de 50
CAPÍTULO 7- A MISSÃO INTEGRAL DA IGREJA E A EVANGELIZAÇÃO

Figura : fonte: https://projetoamigos.wordpress.com/2014/10/18/missoes-urbanas-o-preparo/

A Igreja Apostólica foi obediente à ordem dada lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos.
pelo Senhor Jesus. Iniciou os seus trabalhos jus- ” - Atos 2:46-47.
tamente fazendo “missões urbanas”, ou seja,
evangelizando a cidade de Jerusalém. Houve “Muitos, porém, dos que ouviram a palavra a
grande e estrondoso crescimento. Os relatos es- aceitaram, subindo o número de homens a quase
tão especialmente nos capítulos 01 a 07 do Livro cinco mil. ” - Atos 4:4
de Atos dos Apóstolos.
“Tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam
Veja, por exemplo, os seguintes textos: reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo
“Então, voltaram para Jerusalém...”; “Quando ali e, com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus.
entraram, subiram para o cenáculo...”; “Todos es- ” - Atos 4:31.
tes perseveravam unânimes em oração...” - Atos
1:1-3 partes. “E todos os dias, no templo e de casa em casa,
não cessavam de ensinar e de pregar Jesus, o
“Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam to- Cristo. ”, e pelas ruas da cidade “Entrementes, os
dos reunidos no mesmo lugar...”; “afluiu a multi- que foram dispersos iam por toda parte pre-
dão, que se possuiu de perplexidade...”; “Então, gando a palavra” - Atos 5:42 e 8:4.
se levantou Pedro, com os onze; e, erguendo a
voz, advertiu-os nestes termos: Varões judeus e MISSÕES URBANAS PLANO DE DEUS PARA A
todos os habitantes de Jerusalém...”; “Com mui- IGREJA DO SÉCULO XXI
tas outras palavras deu testemunho e exortava-
os, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa. A Igreja Apostólica era a célula mater. Ela repre-
Então, os que lhe aceitaram a palavra foram ba- sentava toda as Igrejas que viriam a ser planta-
tizados, havendo um acréscimo naquele dia de das. Desta forma, o comissionamento feito pelo
quase três mil pessoas. ” - Atos 2:1, 6,14, 40,41. Senhor Jesus em Mateus 28:19-20 e Atos 1:8 é
também para nós. A igreja recebeu um mandato
“Diariamente perseveravam unânimes no tem- divino e deve cumpri-lo para não ser achada em
plo, partiam pão de casa em casa e tomavam as falta. Evangelizar não é uma alternativa ou opção
suas refeições com alegria e singeleza de cora- para a igreja. É uma ordem dada pelo Senhor da
ção, louvando a Deus e contando com a simpatia Igreja.
de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-

Página 25 de 50
CAPÍTULO 7- A MISSÃO INTEGRAL DA IGREJA E A EVANGELIZAÇÃO

O cristão é servo de Cristo. Ao servo não cabe Ouvi em um noticiário de TV a informação de


outra alternativa senão a de obedecer a ordem que a população do mundo já atingiu a cifra de
do seu Senhor. 7 bilhões. Do Livro “Manual de Crescimento da
Nós somos responsáveis pelas almas perdidas ao Igreja”, do Dr. Juan Carlos Miranda, extraio os se-
nosso redor, até que lhes falemos do amor de guintes dados: - Calcula-se que 75% vivam em
Cristo. Um dia todos seremos chamados para países em desenvolvimento, contra 25% em paí-
prestar contas do que fizemos e do que deixa- ses já desenvolvidos (nações chamadas do pri-
mos de fazer. Que justificativa iremos apresentar meiro mundo).
por não termos falado de Cristo? A responsabili-
dade é coletiva, mas também é individual. Con- Acredita-se que nas nações em desenvolvimento
forme vimos anteriormente, há três áreas ou ní- 45% da população estará vivendo em áreas ur-
veis para o desenvolvimento da ação missionária banas, ao passo que nos países desenvolvidos o
da igreja. “Missões Urbanas”, “Missões Nacionais” percentual sobe para 80%. O supercrescimento
e “Missões Estrangeiras (ou transculturais) ”. populacional nos grandes centros urbanos re-
sulta em uma série de problemas, como por
Há muitas igrejas envolvidas com missões trans- exemplo desemprego, e, consequentemente, au-
culturais e/ou nacionais, que possuem Departa- mento da violência, criminalidade, etc. O go-
mento de Missões super-estruturado e funcio- verno, os organismos e organizações sociais te-
nando maravilhosamente bem, porém com atu- rão um papel muito importante a desempenhar
ação zero na área de missões urbanas. Não fa- neste e no próximo século. Megacidades, entre-
zem evangelismo externo ao redor da igreja, e tanto, são terreno fértil para a pregação do Evan-
tampouco dispõem de estratégias ou programa gelho. E, neste novo milênio, a atuação mais im-
de missões urbanas. Vivem isoladas da comuni- portante há que ser a da Igreja. O Evangelho
dade ao redor e enclausuradas. O índice de cres- produz salvação, cura e libertação.
cimento destas igrejas normalmente é insignifi-
cante, em muitos casos negativo. Só o poder de Deus pode mudar o indivíduo e
“Missões urbanas” é prioridade número um para fazer dele nova criatura, de tal sorte que o que
a igreja, segundo a ordem do Senhor (“e sereis matava, não mata mais, o que roubava não
minhas testemunhas, tanto em Jerusalém...”). É o rouba mais, etc. É chegada a hora! Há muito tra-
grande desafio para a igreja neste final de século balho, o qual não pode esperar. A Igreja precisa
XX e início do século XXI. trabalhar e já! Porque já estamos vivendo a
MISSÕES URBANAS - A FERRAMENTA PARA A época das megacidades.
GRANDE COLHEITA
Hoje já se fala em Grande Rio, Grande São Paulo,
“... a um povo que não se chamava do meu nome etc. Como diz o pastor Ezequiel Teixeira, do Pro-
eu disse: eis-me aqui, eis-me aqui. Estendi as mi- jeto Vida Nova de Irajá, a cidade está de cabeça
nhas mãos todo dia a um povo rebelde, que para baixo, precisamos virá-la de cabeça para
anda por caminho que não é bom, seguindo os cima, com o poder do Evangelho de Cristo Jesus.
seus próprios pensamentos” - Isaías 65:1-2.

Página 26 de 50
CAPÍTULO 8- A MISSÃO INTEGRAL DA IGREJA E ORAÇÃO

estava para destruir as cidades de Sodoma e Go-


morra (Gênesis 18: 22-33);

Moisés clamou e Deus mudou os seus desígnios


para com o povo, retirando o mal que dissera
Figura- Fohttps://prandrelda.wordpress.com/o-ministerio-da-interces-
havia de fazer (Êxodo 32:11-14); no dia seguinte,
sao/nte:
novamente Moisés intercedeu com profundi-

“Busquei entre eles um homem que tapasse o dade de alma: “Agora, pois perdoa-lhes o pe-

muro e se colocasse na brecha perante mim, a cado; ou, se não, risca-me, peço-te, do livro que

favor desta terra, para que eu não a destruísse; escreveste. ” (Êxodo 32: 30-25).

mas a ninguém achei. ” - Ezequiel 22:30


O salmo 106:23 testifica sobre o resultado destas

“Antes de tudo, pois exorto que se use a prática intercessões de Moisés dizendo: “Tê-los-ia exter-

de súplicas, orações, intercessões, ações de gra- minado, como dissera, se Moisés, seu escolhido,

ças, em favor de todos os homens...” - I Tm 2:1 não se houvesse interposto, impedindo que sua
cólera os destruísse. ”

Há três ministérios para os quais fomos chama-


dos: Adoração, Intercessão e Testemunho. O maior exemplo, contudo, é o do Senhor Jesus
que “pelos transgressores intercedeu” (Is 53:12 -

A maioria de nós tem praticado o primeiro, gra- Mc 15:28 - Lc 22:37). Intercedeu por Pedro (Lc

ças a Deus, algumas igrejas adoram e testemu- 22:31,32). Pelos seus escolhidos, na oração sacer-

nham. Há falta, contudo, de genuína intercessão. dotal (João 17). Jesus gastou apenas três anos e
meio no exercício do seu ministério público entre

Interceder significa literalmente “interpor-se”,


“colocar-se entre”. É se colocar entre Satanás e a
sua força de destruição e aquele a quem ele quer
destruir, e livrar o oprimido. É colocar-se entre
Deus e alguém que carece do favor divino, e cla-
mar por libertação. É se pôr na brecha do muro Figura –Fonte: http://www.quadrangular.org/ieq1regiao/intercessao/
em prol daqueles pelos quais Cristo derramou o os homens, e já há quase dois mil anos “está à
seu preciosíssimo sangue, e clamar para que a direita de Deus” a interceder por nós (Rm 8:34) e
graça de Deus os alcance... “pode salvar totalmente os que por ele se che-
gam a Deus, vivendo sempre para interceder por
Interceder é gastar horas a sós na presença de eles. ” (Hb 7:25). Antes do Pentecostes, houve in-
Deus em fervente oração, em prol de alguém ou cessante oração no Cenáculo. A oração no
de alguma causa. Intercessão é o parto de alma Monte precedeu aos Dez Mandamentos. A inter-
espiritual que traz à luz filhos espirituais. Há na cessão de Estevão resultou na conversão de
Bíblia registros de intercessões maravilhosas,
como por exemplo a de Abrão quando o Senhor
Página 27 de 50
Saulo de Tarso, que veio a ser o grande Apóstolo
Paulo (Atos 6:57-60).
CAPÍTULO 8- A MISSÃO INTEGRAL DA IGREJA E ORAÇÃO

A intercessão precede a salvação. concílio da Igreja Metodista estava para tomar a


decisão de fechar o campo missionário de Filey,
É Getsêmani antes do Calvário! Antes da sua uma vez que vários pregadores já haviam sido
morte na cruz, o Senhor Jesus agonizou em in- enviados e não estavam alcançando resultados.
tercessão por nós no jardim do Getsêmani, e fo- Joãozinho comovido pediu mais uma chance
mos salvos. para aquele povo.
O concílio decidiu atender. Como não havia ne-
Em Isaías 59:16 já estava previsto que o Senhor nhum obreiro disposto a ir, Joãozinho se apre-
não acharia quem o ajudasse a interceder, assim, sentou e foi! Nas primeiras pregações nada ocor-
Jesus lutou sozinho em parto de alma para gerar reu... Joãozinho então se embrenhou na mata e,
filhos espirituais. É o que está escrito em Isaías em agonia de alma, orava, mais ou menos assim:
66:8 “pois Sião, antes que lhe viessem as dores, “Não podes fazer de mim um palhaço! Eu disse
deu à luz seus filhos”. aos crentes lá em Bridlington que tu vivificarias a
Ana agonizou em oração pedindo um filho, e, tua obra, e agora é preciso que assim o faças. De
mesmo sendo ela uma mulher estéril, o milagre outro modo nunca mais terei coragem de lhes
ocorreu, e o filho lhe foi dado por Deus (I Sm 1:9- mostrar o rosto... então o que dirá o povo sobre
18). a oração e a fé...”. Depois clamou: “Filey está con-
quistada! Filey está conquistada! E saiu cantando
David Brainerd, jovem missionário enviado para e clamando pelas ruas: “Voltai-vos para o Senhor
pregar no terrível oeste americano, para os san- e buscai a salvação”. Milhares se converteram. -
guinários índios peles-vermelhas, morreu com Transcrito do Livro: Paixão Pelas Almas, de Oswald J. Smith.
apenas trinta e três anos de idade, tuberculoso,
dentro de uma cisterna onde procurava se es- John Hyde, conhecido como “O Homem que
conder da friagem, clamando: “Dá-me almas, se- Orava”, foi missionário na Índia. Inicialmente nas
não eu morro”. Após a sua morte ocorreu um fe- suas intercessões pedia a Deus que lhe desse a
nômeno: - milhares de índios se converteram por conversão de uma alma por dia. Deus ouviu e
toda parte! atendeu a sua oração. Passou, então, a solicitar
duas almas por dia. Deus lhas deu. Aumentou o
Suzana Wesley, mesmo sendo mãe de dezenove número para quatro! Milhares se converteram na
filhos, orava cerca de uma hora por dia. Dois dos Índia. Na sua biografia “O Homem Que Orava”, é
seus filhos juntos ganharam milhares de almas registrado que John Hyde orava com tamanha
para Cristo. São eles João Wesley, o Pregador, e intensidade de alma, que certa feita, um seu
Carlos Wesley, o Poeta e Compositor, autor de companheiro de oração não suportou permane-
mais de 1500 hinos! cer ao seu lado, porque um calor muito forte en-
cheu todo o aposento...
João Oxtoby, orava com tal fervor que passou a
ser conhecido como “Joãozinho da oração”. O

Página 28 de 50
No texto de Ezequiel 22:30 o Senhor diz que não continua sendo sentida em muitas igrejas.
achou intercessores, que se pusessem na brecha Quando há intercessões, almas se convertem.
do muro e clamassem pelo povo. Esta falta ainda

CAPÍTULO 8- A MISSÃO INTEGRAL DA IGREJA E ORAÇÃO

Há registros históricos de que “diversos membros


da congregação de Jônatas Edwards haviam pas- “Promulgai um santo jejum, convocai uma as-
sado a noite inteira em oração, antes dele haver sembleia solene, congregai os anciãos, todos os
pregado o seu memorável sermão: “Os pecado- moradores desta terra, para a Casa do Senhor,
res nas Mãos de Um Deus Irado”. vosso Deus, e clamai ao Senhor. ” Joel 1:14
“Mas esta casta não se expele senão por meio de
O Espírito Santo se derramou em catadupas tão oração e jejum” - Mt 17: 21 Jejuar é uma das mais
poderosas, e Deus se manifestou de tal maneira, claras recomendações bíblicas. No Velho Testa-
em santidade e majestade, durante a pregação mento temos inúmeras narrativas quanto à pra-
daquele sermão, que os anciãos lançaram os tica do jejum associado à oração. Algumas vezes
braços em redor das colunas do templo cla- como demonstração de arrependimento; outras,
mando: ´Senhor, salva-nos, que estamos caindo objetivando a graça divina, para fins de livra-
no inferno! ´” - transcrito do Livro: Paixão Pelas Almas, mento, vitória, etc.
de Oswald J. Smith.

O jejum de Daniel e os seus companheiros não


Se não tem havido conversões na igreja, e, con-
decorreu de problemas, foi com o propósito de
sequentemente, crescimento, é certo que o povo
fidelidade e consagração a Deus. “Resolveu Da-
desta igreja não sente paixão pelas almas perdi-
niel, firmemente, não se contaminar com as finas
das, e, provavelmente, não há intercessão fervo-
iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia;
rosa pela conversão de pecadores.
” Dn 1:8.

A base para o crescimento da igreja está na ora-


Há pessoas hoje que são contra o jejum, enten-
ção de intercessão. Aprouve a Deus estabelecer
dendo tratar-se de uma prática do Velho Testa-
assim. Se queremos contemplar conversões pre-
mento, não aplicável a este tempo presente da
cisamos semear na comunidade profundo amor
graça. Vejamos, então, no Novo Testamento qual
pelas almas perdidas, e insistir neste mister até
foi o parecer do Senhor Jesus acerca do jejum: -
que, voluntariamente, comecemos a ver nas reu-
niões de oração da igreja lágrimas sendo vertidas
Em Mateus 17:14-21 há o registro de que um pai
por amor às almas perdidas.
veio a Jesus solicitar que seu filho fosse liberto de
Não há fórmula, método, ou estratégia eficaz
um demônio que o atormentava, e declarou que
para a conversão de pecadores, se não houver
o levara aos discípulos e estes não puderam ex-
intercessão. A igreja precisa entrar em parto de
pulsá-lo. Os próprios discípulos do Senhor per-
alma para gerar filhos espirituais.
guntaram em particular ao Mestre: “Por que mo-
tivo não pudemos nós expulsá-lo? Por causa da
J E J U M- Arma Poderosa a Ser Utilizada
pequenez da vossa fé..., Mas esta casta não se

Página 4 de 50
expele senão por meio de oração e jejum”. O Em Mateus 9:14-15 lemos: “Vieram, depois os dis-
texto é suficientemente claro, o Senhor está re- cípulos de João e lhe perguntaram: Por que jeju
comendando a oração e o jejum. amos nós, e os fariseus [muitas vezes], e teus dis-
cípulos não jejuam?
CAPÍTULO 8- A MISSÃO INTEGRAL DA IGREJA E ORAÇÃO

“Respondeu-lhes Jesus: podem acaso estar tristes Esta reunião contribuiria em muito na mobiliza-
os convidados para o casamento, enquanto o ção da igreja para as diversas frentes de “missões
noivo está com eles? Dias virão, contudo, em que urbanas”. Preferencialmente estas reuniões se-
lhes será tirado o noivo, e nesses dias hão de je- riam lideradas pelo Ministério de Intercessão da
juar. ” igreja.
COMO ENVOLVER TODA A IGREJA EM MISSÕES URBANAS

O trabalho de evangelização coloca a Igreja em


confronto direto contra as hostes do mal. Vidas
amarradas, oprimidas e escravizadas pelo diabo
serão alcançadas com a pregação do evangelho
e o testemunho dos irmãos. Só com muita ora-
ção e jejum é que a Igreja terá o discernimento
das astutas ciladas preparadas pelo inimigo, e
poder para desfazê-las e livrar os cativos. Figura Fonte: http://lucianopaeslandim.blogspot.com.br/2012/01/minha-
cidade-minha-missao.html

Há tipos e formas de jejum diferenciados. Jejum “...de quem todo o corpo, bem ajustado e con-
parcial e jejum total. Coletivo ou individual. solidado pelo auxílio de toda junta, segundo a
justa cooperação de cada parte, efetua o seu
Cada igreja deve escolher a forma que julgar próprio aumento para a edificação de si mesmo
mais adequada. Sugerimos, todavia, que, em em amor. ” - Efésios 4:16
sendo a motivação ou causa para o jejum a prá-
tica de “missões urbanas”, a igreja poderia ser Se a igreja não foi doutrinada e nem treinada
convocada para manhãs de jejum e orações no para o trabalho de “missões urbanas”, as prega-
templo em prol da conversão de almas, e para ções, dias especiais de missões, ofertório especial
louvor e adoração ao Senhor. Nestas reuniões para missões, testemunhos, etc. não surtirão os
abordar-se-iam temas relacionados a “missões efeitos esperados, que é conseguir colocar a
urbanas”, e os irmãos contariam experiências vi- igreja na rua para a pregação do evangelho. Na
vidas no trabalho de “missões urbanas”. hora a igreja poderá até se quebrantar e aparen-
tar disposição para o trabalho, mas, com o passar
A reunião poderia se encerrar com um almoço do tempo o ânimo se esfriará e tudo voltará às
ou lanche de confraternização, ocasião em que o mesmas. Por quê?
jejum seria entregue e o nome do Senhor lou-
vado. Primeiro não se deve esperar que todos na igreja
exerçam as mesmas funções. “E ele mesmo con-
cedeu uns para apóstolos, outros para profetas,
Página 29 de 50
outros para evangelistas e outros para pastores e Com muita oração e discernimento é preciso que
mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos san- a liderança procure identificar qual o ministério
tos para o desempenho do seu serviço, para edi- ou dom especial que o Espírito Santo está dando
ficação do corpo de Cristo...” Efésios 4:11-12.

CAPÍTULO 8- A MISSÃO INTEGRAL DA IGREJA E ORAÇÃO

a cada um e procurar alocar os membros da


igreja em atividades inerentes às suas vocações. Em terceiro lugar, uma vez treinados é preciso
lançá-los ao trabalho. “Como pregarão, se não
Segundo, uma vez alocados vocacionalmente, é forem enviados?” Rm 10:15. Só que, desta forma,
preciso dar treinamento aos membros por área a igreja trabalhará organizada, com pessoal qua-
de ação. Os que demonstram vocação para a lificado e treinado por áreas específicas de ativi-
pregação receberiam a ministração de um Curso dades, e com estratégias.
Prático Para Pregadores Leigos. Não haverá mais necessidade de exortações pú-
blicas à igreja,
Os que têm aptidão para o ensino seriam envia- ou cobranças
dos para cursos especiais de Treinamento para pela omissão.
Professores e Líderes de Escola Dominical. Periodica-
mente o pas-
Um outro grupo seria treinado para Trabalho Es- tor se reunirá
pecial de Panfletagem. Os músicos orientados com o líder de
sobre Atividades Musicais em Trabalhos de Evan- cada área para
gelização. avaliar o trabalho, corrigir rumos, estabelecer no-
vas estratégias, etc.
Os Conselheiros receberiam treinamento para
Práticas de Aconselhamento no Trato Com o As cobranças serão feitas à parte ao líder ou
Novo Convertido. Os vocacionados para Inter- grupo de uma área específica, sempre em forma
cessão, sobre “Oração de Intercessão”, “Paixão de desafios. Para a igreja, ao invés de exortações,
Pelas Almas Perdidas”, etc. serão apresentados resultados. Por este meca-
nismo a igreja funcionará como corpo, unida e
A equipe mobilizada para utilização do Correio, coesa.
treinamento sobre “Como Utilizar Bem o Cadas-
tro de Novos Decididos”. Aos do Telemarketing Os irmãos se alegrarão e exultarão com os re-
técnicas sobre “O Que Falar Pelo Telefone”. sultados. Em pouco tempo a igreja fará o que
não fez em anos! “A união faz a força”!
O pessoal da área de Grupos Familiares, sobre
“Como Deve Funcionar os Grupos Familiares. Na Dar-se-á aos irmãos liberdade para trocarem de
área de discipulado, “Como Fazer Discípulos”. Os ministérios, se, no decorrer dos trabalhos se per-
Diáconos e pessoal da Ação Social, cursos sobre ceberem vocacionados para uma outra área.
“Estratégias para Ação Social”, etc.

Página 30 de 50
Ninguém vai criticar o irmão, ele será bem-vindo
no novo ministério. Todos saberão que “...um só A ORGANIZAÇÃO DA IGREJA EM MINISTÉRIOS
e o mesmo Espírito realiza todas estas coisas, dis- “...Ora, os dons são diversos, mas o Espírito é o
tribuindo-as, como lhe apraz, a cada um, indivi- mesmo. E também há diversidade nos serviços,
dualmente. ” (I Cor 12:11). mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade nas
CAPÍTULO 9- MISSÃO INTEGRAL E ESTRATÉGIAS PARA EVANGELIZAÇÃO

realizações, mas o mesmo Deus é quem opera - de Plantação de Igrejas , etc.


tudo em todos. ” - I Cor 12:4-6 A alocação dos membros por áreas de vocação
poderá ser feita utilizando-se vários critérios.
Algumas igrejas têm as chamadas Sociedades In- Pode-se usar uma ficha onde o membro da
ternas ou Domésticas, tais como: União de Jo- igreja assinalará com os números “1”, “2” e “3”, os
vens, de Adolescentes, de Crianças, de Homens, ministérios em que gostaria de trabalhar, estabe-
de Senhoras, Junta Diaconal ou de Ecônomos, lecendo, assim, a sua ordem de prioridades.
Escola Dominical, Grupos Corais, Ministério de
Louvor, etc. O ideal é que cada membro tenha um ministério
específico. Será inevitável, porém, que alguns
Outras não têm esta mesma estrutura, funcio- participem simultaneamente de mais de um mi-
nando apenas com os serviços de culto. Seja nistério. Deve haver flexibilidade para que os
como for, a qualificação dos membros por áreas membros tenham liberdade de escolha e traba-
de vocação, que chamaríamos de “ministérios” é lhem motivados, sem constrangimentos.
perfeitamente aplicável e ajustável ao organo-
grama da igreja, sem prejuízo para as entidades Cada ministério deverá ter líder e vice-líder, no-
já em funcionamento. meados ou eleitos na primeira reunião do grupo.
O pastor deverá se reunir periodicamente com
Para um bom desempenho em “missões urba- os líderes e com os grupos, para avaliação de re-
nas”, recomendaríamos, dentre outros, os se- sultados, correção de rumos e estabelecimento
guintes ministérios: de estratégias. Os líderes de ministérios também
- de Diaconia e Ação Social deverão agendar reuniões periódicas com os
- de Louvor seus liderados para mantê-los motivados, passar
- de Evangelização novas informações, orientar e distribuir tarefas.
- de Aconselhamento
-de Visitação e Assistência aos Novos Converti- Este modelo de organização interna da igreja
dos permitirá que o novo convertido se integre me-
- de Comunicação lhor à vida comunitária e encontre logo a sua
- de Grupos Familiares ou Celulares área específica de trabalho. O trabalho é a me-
- de Discipulado (individual) lhor proteína espiritual para o crescimento do
- de Intercessão neófito. É a melhor terapia para aqueles que que-
- de Telemarketing rem se libertar dos vícios e da escravidão do pe-
- de Integração de Sós (Solteiros, Viúvos, Desqui- cado.
tados)

Página 31 de 50
Há um ditado popular muito conhecido de todos A Necessidade de Diversidade de Estratégias
nós que diz: “mente ociosa é oficina de Satanás”. “Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de
ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos,

CAPÍTULO 9- MISSÃO INTEGRAL E ESTRATÉGIAS PARA EVANGELIZAÇÃO

com o fim de, por todos os modos, salvar alguns. Apóstolo Paulo. Ser criativos hoje, como o Após-
” - I Coríntios 9:22 tolo o foi no passado. Precisamos estudar bem a
população ao redor da igreja, e, na sabedoria do
O mundo é dinâmico, e não estático. Tudo muda Espírito Santo, escolher os métodos, estabelecer
a cada dia, e as pessoas são obrigadas a se en- as estratégias, lembrando sempre que a oração
quadrar às mudanças para sobreviverem. precede a ação.
Cadastro de Visitantes, Novos-Decididos e Inte-
E o que vemos na igreja? Entra ano, sai ano, e se ressados
repetem os métodos evangelísticos das gerações
passadas. O que fazem as igrejas locais, a nível “...sai pelos caminhos e atalhos e obriga a todos
de evangelização urbana? Eventuais cultos ao ar- a entrar, para que fique cheia a minha casa. ” - “-
livre, com meia-dúzia de irmãos; distribuição de Lucas 14:23
alguns folhetos, por parte de uns poucos; alguns
cultos nos lares; e as tradicionais séries-de-con- A geração do Cadastro
ferências, que já estão caindo em desuso.
A igreja deve mandar imprimir muitas fichas para
É muito pouco, ou quase nada em se tratando de novos decididos e interessados. A partir daí, em
evangelização urbana. todas as reuniões no templo, nas casas, ao ar-
livre, etc., equipes de irmãos bem treinados e ori-
A repetição de métodos e fórmulas desgastadas entados colherão os nomes de novos decididos,
do passado, muitas vezes sem oração e preparo interessados e visitantes.
suficientes, não produz grandes resultados, e não
motiva a membresia da igreja. Os membros da igreja também poderão utilizar
estas fichas para indicar pessoas do seu relacio-
Nestes tempos modernos, de megacidades, em namento para serem evangelizadas e lembradas
que as famílias vivem a maior parte do tempo en- pelos Ministérios de Comunicação e Visitação da
casteladas em suas fortalezas, e os transeuntes Igreja. O Ministério de Comunicação da Igreja
estão super-apressados; ninguém para para dar cuidará de registrar os dados das fichas no com-
atenção a ninguém, com medo de assalto. putador, em um programa próprio que permita
vários tipos de listagens, como por exemplo: por
Como atingir a população ao redor da igreja? idade, por sexo, por situação (decidido, interes-
Como conseguir entrar nas casas para o teste- sado ou indicado), por área de localização, por
munho e ministração aos perdidos? Precisamos religião, por data do primeiro contato, etc.
da mesma ousadia, entusiasmo e sabedoria do

Página 32 de 50
Intercessão Junto a Deus reuniões de intercessão do ministério e da igreja.
Na medida do possível, deve-se distribuir os no-
Semanalmente o Ministério de Comunicação for- mes pelos irmãos intercessores, a fim de que se
necerá listagens novas e/ou atualizadas para o ore um por um, nome por nome.
ministério de Intercessão, para fins de oração nas
CAPÍTULO 9- MISSÃO INTEGRAL E ESTRATÉGIAS PARA EVANGELIZAÇÃO

Não se deve deixar de orar por nenhum, e espe- feito com aquela pessoa. Inclusive deverão ser
cialmente pelos seus pedidos de orações indica- registradas as visitas feitas.
dos nas fichas.
A igreja deverá promover eventos especiais ao
Envio de Cartas e Literaturas Pelo Correio longo do ano com objetivos evangelísticos e, em
todos eles, o Ministério de Comunicação da
O Ministério de Comunicação trabalhará perma- igreja se utilizará do cadastro para enviar convi-
nentemente com o cadastro enviando cartas e li- tes especiais pelo correio. Ótimas oportunidades
teraturas como seguem: - que devem ser aproveitadas para contatos e
convites ao pessoal do cadastro, são: - aniversá-
- Aos que visitaram a igreja e/ou alguma outra rio da igreja; natal e fim-de-ano; e aniversário da
reunião ao ar-livre ou nas casas, na semana se- própria pessoa.
guinte à data da ficha, enviará uma carta agrade-
cendo pela visita e informando que estarão Visitação
orando por ele; poderá enviar junto algum tipo
de literatura levando em conta a procedência re-
ligiosa;

- mensalmente, ou pelo menos de dois em dois


meses, enviará uma outra correspondência infor-
mando que “você não foi esquecido por nós, te-
mos nos lembrado de você e orado a Deus por
sua vida em nossas reuniões - aproveitando o
ensejo, queremos convidá-lo a retornar a uma
das nossas reuniões para que possamos orar jun-
Figura Fonte: http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao10-im-visi-
tos e louvar a Deus pelas bênçãos sobre a sua tacao-amissaoconsoladoradaigreja.htm

vida...” - será enviado outro tipo de literatura, di-


Dois meses após terem sido enviadas duas ou
ferente da anterior.
três correspondências, pelo menos, uma listagem
será fornecida pelo Ministério de Comunicação
Estas providências, de envio de cartas e literatu-
ao Ministério de Visitação, para fins de visita. Os
ras devem ser anotadas e digitadas no computa-
irmãos do Ministério de Visitação, nos dias pró-
dor, para que as próximas listagens saiam atuali-
prios, reservados para o seu trabalho, depois de
zadas e se saiba qual o trabalho que está sendo

Página 33 de 50
orarem pedindo a bênção de Deus, sairão para simpatia pela igreja, que não os esquece e se
as visitas. preocupa com os seus problemas.

Quando se fizerem anunciar, serão bem-vindos, Os visitadores não devem ir dispersivos pelo ca-
primeiro porque o Espírito Santo já terá prepa- minho, em todo o tempo precisam estar atentos,
rado os seus corações, e também porque os vigiando e orando, porque estarão em confronto
evangelizados já passaram a nutrir uma certa
CAPÍTULO 9- MISSÃO INTEGRAL E ESTRATÉGIAS PARA EVANGELIZAÇÃO

direto contra as potestades malignas que atuam Esta engrenagem funcionando bem, ao longo de
nas regiões celestes. um ano, cada pessoa do cadastro terá recebido
de três a cinco correspondências, pelo menos, e
Precisam estar suficientemente treinados sobre recebido duas ou três visitas.
como deve ser a visita, tempo ideal de duração,
tipos de leitura que deverá fazer, etc. É impres- Os visitadores deverão recomendar aos visitados
cindível que orem pela pessoa objeto da visita e as
pela casa em geral, e que façam apelo para uma
decisão por Cristo.

Na despedida oferecerão um novo folheto e


convidarão a todos para a próxima reunião. Os
detalhes principais da visita deverão ser anotados
tais como: data, nome dos visitadores, receptivi-
dade, material oferecido, pedido de oração, etc.
reuniões do Grupo Familiar mais próximo, bem
como passarão para os líderes de grupos famili-
Estes dados voltarão para o pessoal da comuni-
ares da área, os nomes e endereços das pessoas
cação para serem lançados no computador, para
visitadas que demonstraram grande interesse em
fins de orientação da próxima visita que deverá
conhecer mais do evangelho, para a devida inte-
ocorrer mais ou menos um ou dois meses após
gração.
a primeira.

Muitas dessas pessoas trabalhadas via correio,


através de visitas e pelos Grupos Familiares, antes
de um ano já estarão devidamente integradas à
vida da igreja.

Figura Fonte: http://nazarenoriopreto.com.br/portfolio/visitas/

Página 34 de 50
CAPÍTULO 9- MISSÃO INTEGRAL E ESTRATÉGIAS PARA EVANGELIZAÇÃO

A MELHOR ESTRATÉGIA portas das suas casas, e o milagre da multiplica-


ção acontecerá na igreja. Haverá um processo de
“E todos os dias, no templo e de casa em casa, crescimento que não terá mais fim. O método é
não cessavam de ensinar e de pregar Jesus, o infalível, imbatível. É bíblico.
Cristo. ” - Atos 5:42
Vamos agora fazer modestas projeções estatísti-
Como já vimos anteriormente, é muito difícil a cas, você se surpreenderá!
penetração da igreja nos lares de estranhos para Por exemplo, trabalhemos com os dados de uma
a pregação do evangelho. O milagre, porém, igreja de 200 membros. Se os grupos se reunirem
pode acontecer, e, de repente, poderão se abrir no mesmo dia, em um só dia haverá 40 cultos!
dezenas de casas e centenas de caminhos novos
e livres para o acesso da igreja. Se cada grupo contar com a presença de quatro
outros irmãos da igreja, 200 irmãos estarão par-
E acontecerá de maneira suave, tranquila, sem ticipando destes cultos. Se pelo menos 03 visitan-
alardes, sem a necessidade de muito marketing, tes não evangélicos comparecerem à reunião do
e com custo quase zero para a igreja. Rapida- grupo, semanalmente 120 pessoas estarão sendo
mente, as muralhas que separam a igreja do evangelizadas.
povo ao redor cairão por terra, a igreja sairá das
quatro paredes e em pouco tempo estará fa- As perspectivas de crescimento são imensuráveis,
zendo missões urbanas. porque cada pessoa que se converte traz outras
consigo. Está escrito: “Crê no Senhor Jesus e se-
É a estratégia dos Grupos Familiares. rás salvo, tu e a tua casa” - Atos 16:31!

Se apenas 20% dos membros da igreja se dispu- Os líderes de grupos serão devidamente orienta-
serem a pagar o preço, o plano estará viabili- dos, treinados e verão que a liderança das reuni-
zado. ões é a coisa mais fácil do mundo! Em pouco
tempo outros membros do grupo se habilitarão
Para uma igreja de 150 membros, o rol seria divi- à direção.
dido em 30 grupos de 5 membros, o que corres-
ponde a 20% do rol. Para uma igreja de 200, 40 Alguns grupos crescerão rapidamente, e, ao atin-
grupos. E, assim sucessivamente. Basta que um girem o número de dez participantes, poderão
quinto dos membros da igreja resolvam abrir as ser desdobrados em dois, dando origem a um
novo grupo.

Página 35 de 50
Tem muita gente simpática à ideia de grupos fa-
Para facilitar a comunicação e visando o bom miliares, que não apoiam por não possuir o dom
funcionamento desta estratégia, poderão ser for- de pregar. Não é preciso!
mados capítulos ou distritos por áreas geográfi-
cas, de oito ou dez grupos cada, sob a supervisão Qualquer pessoa alfabetizada estará habilitada a
de um líder distrital. dirigir um grupo.

CAPÍTULO 9- MISSÃO INTEGRAL E ESTRATÉGIAS PARA EVANGELIZAÇÃO

As lições serão sempre distribuídas antecipada- casa (Lucas 9:1-6). Posteriormente, enviou outros
mente, com tempo suficiente para o estudo indi- 70 discípulos também de casa-em-casa (Lucas
vidual. Na reunião do grupo, o líder fará apenas 10:1-10), os quais regressaram “possuídos de ale-
os comentários conclusivos (que poderão ser li- gria, dizendo: Senhor, os próprios demônios se
dos), dará as respostas (para dissipação de dúvi- nos submetem pelo teu nome! ” - Lc 10:17.
das) que terá recebido do líder distrital, e coor-
denará a reunião, cujo programa poderá ser: - Qual o propósito do Senhor Jesus ao enviá-los?
um ou dois cânticos; leitura dos comentários O prosseguimento da obra e a expansão do seu
conclusivos da lição; fornecimento de respostas; reino por todo o mundo.
breves opiniões dos presentes; recolhimento de A igreja apostólica se expandiu rapidamente pre-
pedidos de orações; orações intercessórias; e a gando o evangelho publicamente e de casa-em-
distribuição da lição seguinte. casa. “Partiam o pão de casa-em-casa...” Atos
2:46; “de casa-em-casa não cessavam de ensi-
Para atrair os vizinhos há muitas formas, além, é nar...” Atos 5:42; “publicamente e também de
claro, do convite direto. Uma boa ideia é criar um casa-em-casa. ” -Atos 20:20.
formulário de Pedido de Oração, distribuir aos vi-
zinhos para que preencham com os seus pedi- Por dois anos Paulo pregava o evangelho dentro
dos. Meia hora antes da reunião, alguém passa da sua própria casa - Atos 28:30-31; a igreja na
para recolher os pedidos e aproveita para convi- casa de Lídia (Atos 16:40); a igreja na casa de Pris-
dar a pessoa para a reunião, a fim de conhecer cila e Áquila (Romanos 16:3-5); a igreja na casa
aqueles que estão orando por sua vida. de Filemon (Filemon 2).

Periodicamente os líderes poderão promover Sobre grupos familiares, vale a pena ler o Livro
festas, passeios e outras atividades entre os “Grupos Familiares e o Crescimento da Igreja”, de
membros e participantes dos grupos da sua área Paul Yonggi Cho, publicado pela Editora VIDA, o
de jurisdição, para propiciar maior comunhão. qual narra em detalhes como se deu a plantação
e o crescimento da Igreja Central do Evangelho
O MÉTODO DE GRUPOS FAMILIARES Pleno em Seul, na Coréia. Esta igreja em 1961 ti-
É BÍBLICO. nha apenas 600 membros; após a implantação
dos grupos familiares disparou a crescer, e não
O Senhor Jesus treinou os seus discípulos, deu as mais parou. Em 1992, na 10a edição do livro, que
orientações necessárias, e os enviou de casa-em-

Página 36 de 50
serviu para a minha consulta, esta igreja já ultra- do mundo, e também a metodista estão situadas
passava a soma de 150.000 membros. na Coréia do Sul.
Nas folhas 84 a 86 do seu livro, o Pastor Paul
O Pastor Paul Yonggi Cho fez escola. Outras Yonggi Cho conta que certa feita foi ministrar no
igrejas da Coréia adotaram o método e também Japão sobre o crescimento da igreja e os japone-
dispararam a crescer. A Coréia do Sul é hoje um ses ficaram céticos quanto a esta possibilidade
país com maioria evangélica, e possui as maiores para aquele país. Paul, mesmo
igrejas do mundo. A maior igreja presbiteriana
CAPÍTULO 9- MISSÃO INTEGRAL E ESTRATÉGIAS PARA EVANGELIZAÇÃO

sabendo do alto grau de rejeição dos japoneses deres distritais perceberão isto, que determina-
pelos coreanos, escolheu uma senhora bem trei- dos locais se mostram mais férteis, e poderá de-
nada da sua igreja e a enviou ao Japão com o cidir pela fixação das reuniões do grupo nesses
desafio de plantar uma igreja e atingir 200 mem- locais.
bros no primeiro ano, e fazê-la crescer para 1.000
membros. Já no primeiro ano, esta missionária Os líderes devem, contudo, perguntar sempre se
ultrapassou o alvo chegando a 250 membros. alguém oferece a sua residência para hospedar a
Para o ano seguinte seu alvo já era 500 mem- próxima reunião. Muitos visitantes solicitarão
bros! reuniões, e isto será ótimo, porque sempre que a
reunião ocorrer em local diferente estarão au-
Nestes tempos de metrópoles, não há método mentadas as chances de se alcançar outras pes-
melhor para missões urbanas do que o sistema soas, vizinhos e familiares do hospedeiro.
de grupos familiares. Ao redor da casa de cada
membro da igreja há dezenas de famílias fecha- ESTRATÉGIAS PARA TRABALHOS DE RUA
das nas suas fortalezas que nunca atenderiam a “Gritou, pois, o povo, e os sacerdotes tocaram as
um estranho. Contudo, você que é vizinho tem trombetas. Tendo ouvido o povo o sonido da
acesso a essas pessoas. Se insistir no convite elas trombeta e levantado grande grito, ruíram as
irão à reunião do seu Grupo Familiar. muralhas, e o povo subiu à cidade, cada qual em
frente de si, e a tomaram. ” Js 6:20
Uma forma de facilitar a aceitação do convite por
parte dos convidados é servir um chá após as “Entrementes, os que foram dispersos iam por
reuniões. Neste caso, as pessoas seriam convida- toda parte pregando a palavra. ” - Atos 8:4
das para um “chá” seguido de breve momento
de meditação. É uma estratégia boa. Funciona Embora tenhamos ciência dos grandes obstácu-
bem. A decisão de servir ou não o chá, ficará a los e barreiras para a prática de missões urbanas
critério de cada grupo, consoante entendimento em megacidades, ainda há muita coisa que pode
prévio com o líder distrital ser feita, e por isso, sem hesitar, devemos lançar
mãos ao arado.
Os grupos familiares poderão ser fixos ou mó-
veis. Com o desenvolvimento do programa, os lí- O MAPEAMENTO DA CIDADE

Página 37 de 50
É preciso dispor de um mapa da área onde se O Guia Rex e as Listas Telefônicas também con-
concentrará a ação evangelística da igreja para têm mapas. Deverão ser providenciados três
que o trabalho se desenvolva de forma organi- exemplares ou cópias. Uma será colocada em
zada e com controle das ações. Mapas munici- moldura e pendura na sala do ministério de in-
pais e estaduais são vendidos em bancas de jor- tercessão, para fins de oração. As demais cópias
nais e em algumas livrarias e papelarias. serão úteis em outros trabalhos, conforme vere-
mos mais adiante.

CAPÍTULO 9- MISSÃO INTEGRAL E ESTRATÉGIAS PARA EVANGELIZAÇÃO

A CONQUISTA DA CIDADE PELA FÉ O Ministério de Intercessão deverá orar perma-


No reino espiritual antes de qualquer iniciativa nentemente pela conversão de almas, decli-
humana, precisamos derramar a alma em oração nando rua por rua nas orações, e reivindicar a ci-
e buscar no Senhor a direção. Quando o Espírito dade para Deus. “Pede-me, e eu te darei as na-
Santo coloca em nossos corações uma palavra ções por herança...” Sl 2:8. Mas também deverá
de vitória é hora de tomar posse da bênção pela ter dias próprios para sair e orar externamente
fé, e partir firme, determinado, para a conquista. em cada rua da cidade.

Foi assim com Josué em relação à conquista de


Jericó. Com a certeza da vitória, dada pelo Se- Quando Josué estava para conquistar Jericó, ele
nhor, partiram com fé, ousadia e determinação e não ficou parado em casa esperando acontecer,
conquistaram a cidade. O bairro da igreja é a Je- pôs o povo na rua e marchou até ao local onde
ricó hodierna cujos muros precisam ser derriba- travou nova batalha espiritual e fisicamente con-
dos, e a cidade conquistada para o Senhor. A pa- quistou a cidade (Js 6).
lavra de vitória já nos foi dada.
Em relação à terra de Canaã, foi a mesma coisa.
Assis diz o Senhor: “Todo o lugar que pisar a Para possuírem a terra teriam que sair, ir até o
planta do vosso pé, vo-lo tenho dado, como eu local, lutar e expulsar os povos que lá habitavam,
prometi a Moisés. ” (Js 1:3); “Eu irei adiante de ti, o Senhor seria com eles e a vitória lhes seria dada
endireitarei os caminhos tortuosos, quebrarei as (Números Caps. 13 e 14).
portas de bronze e despedaçarei as trancas de
ferro; dar-te-ei os tesouros escondidos e as ri- Com Jeosafá, também foi assim. Ele creu, pôs o
quezas encobertas, para que saibas que eu sou exército na rua e avançou contra o inimigo. Deus
o Senhor, o Deus de Israel, que te chama pelo lhe deu vitória (II Crônicas Cap. 20) “Não temais,
teu nome” - Is 45:2-3; nem vos assusteis; amanhã, saí-lhes ao encontro,
porque o Senhor é convosco” (II Cr 20:17).
“Pede-me, e eu te darei as nações por herança
e as extremidades da terra por tua possessão. ” Deus quer dar vitória, o mínimo que a igreja pre-
Sl 2:8 cisa fazer é se preparar, ir para a rua, e lutar. Deus
não gosta de preguiçosos, e não abençoa gente

Página 38 de 50
acomodada. A igreja nada deve temer, pois as- John Dawson é diretor da JOCUM em Los Ange-
sim diz o Senhor: “Não temais, nem vos assusteis les. Neste livro ele narra muitas experiências em
por causa desta grande multidão, pois a peleja trabalhos de evangelização urbana, e estratégias
não é vossa, mas de Deus. ” - II Cr 20:15b. para conquista de cidades.

Quanto a esta estratégia, vale a pena ler o livro


“Reconquiste Sua Cidade Para Deus - estratégias
para derrubar as fortalezas espirituais do diabo”,
de John Dawson, publicação da Editora Betânia.
CAPÍTULO 9 - MISSÃO INTEGRAL E ESTRATÉGIAS PARA EVANGELIZAÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE CONVITES E FOLHETOS O dinheiro que se economizaria na aquisição de


Dispondo do mapa do bairro da igreja, o Minis- folhetos seria investido na impressão dos Bole-
tério de Evangelização fará um trabalho sistemá- tins.
tico de evangelização e divulgação da igreja, dis-
tribuindo convites para as programações da Ouvi uma história, de cuja fonte não me lembro,
igreja e porções bíblicas de casa-em-casa, depo- de um pastor que, orando pela conversão de al-
sitando o material na caixa coletora de corres- mas, creu que muitos vizinhos da igreja se con-
pondências, lançando no quintal, se o dia não es- verteriam e, futuramente, estariam fazendo parte
tiver chuvoso, ou por debaixo das portas. da igreja. Crendo assim, num ato de fé, resolveu
distribuir o Boletim Dominical de porta-em-porta
Em alguns prédios terá que ser solicitada a cola- pelas ruas ao redor da igreja. Deus honrou a fé
boração do porteiro para colocação do material desse pastor, muitos dos que receberam Boletins
nos escaninhos de cada apartamento. Todos se se converteram e foram acrescentados à sua
encontrarão na igreja, orarão, o Coordenador igreja. O trabalho de evangelização exige fé. Se
que estará com o mapa do bairro em mãos, for- crermos em resultados eles serão alcançados. A
necerá o material e enviará dois a dois, rua por igreja não pode esmorecer no trabalho. Deve
rua, assinalando no mapa as ruas que estarão persistir na semeadura. A colheita virá, no tempo
sendo alcançadas. certo de Deus.
Por este processo, o trabalho fica suave para to-
dos, e é feito rapidamente. Se a equipe for de 20 Missões urbanas não é tarefa apenas do pastor,
pessoas, e cada um distribuir 200 convites, serão ou de um pequeno grupo da igreja. Todos têm
distribuídos 4.000 convites por vez. Deverá ser que dar as mãos e trabalhar unidos, em ritmo de
anotada a data da cobertura de cada área para conferências, o ano todo. As orações e o esforço
se retornar periodicamente, preferencialmente evangelístico de todos trarão o crescimento para
com material novo. a igreja. “...assim será a palavra que sair da minha
boca: não voltará para mim vazia, mas fará o que
Uma boa tática é o pastor escrever pastorais me apraz e prosperará naquilo para que a desig-
evangelísticas para o Boletim Dominical da igreja, nei. ” - Isaías 55:11.
editar milhares de cópias dos Boletins, os quais
seriam distribuídos como folhetos evangelísticos. CULTOS AO AR-LIVRE E EVENTOS GOSPEL

Página 39 de 50
O Ministério de Evangelização, com a participa- Há que haver a necessária organização e preparo
ção especial do Ministério de Louvor, para mar- para o êxito destes eventos. O Ministério de In-
car bem a presença da igreja junto à população tercessão deve ser mobilizado para oração. Os
do bairro, promoverá, com frequência, eventos instrumentos e a aparelhagem de som deverão
musicais nos espaços públicos do bairro (praças, ser rigorosamente vistoriados antes, para se evi-
auditórios de colégios, teatros, restaurantes, etc.), tar os imprevistos de última hora.
com a participação do próprio Ministério de Lou-
vor, Corais, Bandas, Cantores e demais Conjuntos
da igreja.
CAPÍTULO 9- MISSÃO INTEGRAL E ESTRATÉGIAS PARA EVANGELIZAÇÃO

O Ministério de Evangelização deverá estar a soas em todo lugar e a qualquer momento. Pa-
postos, juntamente com o Ministério de Comuni- radoxalmente, a finalidade de relação passou a
cação munidos de folhetos, convites e as fichas ser um fator secundário.
para cadastramento dos interessados e novos- FACEBOOK, WHATSAPP, TWITTER, INSTAGRAM
decididos. Quanto mais eventos públicos pude- .... O advento das redes sociais e a popularização
rem ser realizados, melhor, e de preferência em da internet e de aparelhos como SMARTPHO-
locais diferenciados, para que se tenha a oportu- NES, TABLETS e NOTEBOOKS tem ajudado a
nidade de ampliar o cadastro de pessoas com as criar novos ambientes, novos círculos de amizade
quais se trabalhará posteriormente, através de e novas maneiras de se relacionar. Esses novos
orações, correio, visitas e telemarketing. ambientes também se configuram como campos
de missão, espaço de evangelização.
MÍDIAS SOCIAIS TELEPAZ ou DISQUEPAZ
A igreja adquirirá uma CPU de computador
Porque utilizar as mídias sociais? PORQUE É ALI adaptada para uso 24 horas com sistema conhe-
QUE AS PESSOAS ESTÃO! cido como Telepaz ou Disque paz, o qual funci-
Sabemos que o sucesso das redes sociais se deve ona com mensagens especiais que são trocadas
a um fator decisivo: elas facilitaram as relações de dois em dois dias, ou semanalmente, minis-
interpessoais. Foi no começo da primeira década trando a palavra de Deus e contendo divulgação
do terceiro milênio que a massificação das tec- das reuniões da igreja ao final.
nologias da comunicação e da informação se A Editora LUZ PARA O CAMINHO, da Igreja Pres-
globalizou. Em pouco mais de dez anos, aconte- biteriana (Tel. 0800-119-105 interurbanos gratuito
ceu uma verdadeira revolução, que não foi ape- - ou 241-2977 Campinas - Caixa Postal 130 - CEP
nas tecnológica, mas também antropológica. 13001-970 - Campinas - SP.) fornece este material
O homem de hoje pensa, vive e sente com a in- por um preço superacessível, incluindo manuten-
ternet. O digital não é uma simples extensão da ção do sistema e fornecimento de mensagens.
própria existência, mas uma parte integrante da O número do TELEPAZ será divulgado através do
vida, o que se reflete na “hiperconexão” de pes- Boletim Dominical, nos convites impressos, e pe-
los membros da igreja que receberão quantida-

Página 40 de 50
des de cartões impressos para especial distribui- Os “tele evangelistas” poderão também usar as
ção entre pessoas não evangélicas. Em toda cor- Listas Telefônicas para a formulação de convites
respondência para o pessoal do cadastro se di- ao povo residente ao redor da igreja. Deverá ha-
vulgará o número do TELEPAZ. ver o necessário registro destas ligações para o
As pessoas ligam, gostam e divulgam umas para devido controle.
as outras e o número vai se espalhando. O sis-
tema TELEPAZ é uma bênção na vida da igreja, é OUTRAS ESTRATÉGIAS PRÓPRIAS PARA
super-adequado para megacidades onde há METRÓPOLES
ampla utilização de telefone, e produz ótimos re- “Subirá diante deles o que abre caminho; eles
sultados. romperão, entrarão pela porta e sairão por ela; e
TELEMARKETING o seu Rei irá adiante deles; sim, o Senhor, à sua
frente. ” - Miquéias 2:13
CAPÍTULO 9- MISSÃO INTEGRAL E ESTRATÉGIAS PARA EVANGELIZAÇÃO

“...sai pelos caminhos e atalhos e obriga a todos Existem hoje várias sociedades ou ministérios que
a entrar, para que fique cheia a minha casa. ” - “- realizam eventos em restaurantes com fins evan-
Lucas 14:23 gelísticos. É escolhido um restaurante da cidade,
MARKETING negociado cardápio e preço, e feita a reserva. Em
A igreja deve usar ao máximo os meios de co- alguns restaurantes é necessário instalar som.
municação hoje disponíveis, tais como: - Rádio, Tudo tem que ser visto antes. O Ministério de
TV, Outdoor, Bus-Dor, Letreiros, Faixas, Folder, Louvor da igreja se encarregará da música. Um
Gravação de CD´s Musicais da Igreja, Eventos ou dois irmãos darão seus testemunhos do en-
Musicais, Congressos, e tudo o mais que for útil contro com Jesus e transformação de suas vidas.
para a divulgação e projeção da igreja no seio da Ao final far-se-á o apelo para entrega de vidas a
sociedade. É usar de todos os meios lícitos, e de Cristo e oração pelos presentes. Haverá literatura
todas as formas legais hoje disponíveis para al- para ser oferecida aos visitantes. Se a igreja tiver
cançar pessoas com a mensagem do evangelho. livraria, poderá instalar no local um stand de ven-
Os recursos financeiros virão automaticamente das dos seus produtos.
na hora em que a igreja aprender a dar passos CULTOS TEMÁTICOS
de fé. Deus dá a justa medida. O nosso Deus é o O Ministério de Evangelização deve programar
dono da prata e do ouro: “Minha é a prata, meu cultos especiais por ocasião de datas sugestivas,
é o ouro, diz o Senhor dos Exércitos” - Ageu 2:8. ou dirigidos a determinadas categorias profissio-
nais, ou segmentos da sociedade.
Com a chegada de novos membros, e a motiva- Por exemplo: culto especial de formatura, ao final
ção geral que tomará conta da igreja, recursos do ano, com o objetivo principal de trazer o
financeiros não serão empecilhos nunca, e não maior número possível de não-cristãos; anual-
haverá limites para o que se poderá fazer. “Em mente um ou dois “culto do bebê”, com o obje-
Deus faremos proezas...” - SL 108:13. tivo de levar o maior número possível de casais
não-evangélicos que tenham recém-nascidos;
ALMOÇOS E JANTARES no mês de maio, culto especial pela família; culto
de intercessão pelos desempregados; culto dos

Página 41 de 50
motoristas ou rodoviários, dirigido para motoris- em cidades grandes. Eles não são aproveitados,
tas profissionais de ônibus e táxis; culto das en- e muitas vezes até discriminados para determi-
fermeiras; culto dos médicos; e até mesmo o nados ofícios e cargos. e não costuma haver nas
culto dos crentes afastados, objetivando a reinte- igrejas atividades especiais para esta classe de
gração de crentes afastados de igrejas. Outros pessoas A igreja precisa criar um ministério para
temas poderão ser aproveitados, segundo a cri- a integração de sós. Este ministério promoverá
atividade de cada um. passeios, encontros, retiros, reuniões periódicas,
INTEGRAÇÃO DE SÓS edição de jornal, etc. visando a integração destes
(SOLTEIROS, VIÚVOS E DIVORCIADOS) - irmãos na comunidade, e com motivos evange-
lísticos, com convites especialmente dirigidos
Há um número de pessoas civilmente descom- para pessoas não-evangélicas civilmente des-
promissadas, é elevadíssimo em igrejas situadas compromissadas.

CAPÍTULO 10 - MISSÃO INTEGRAL, IGREJA E A AÇÃO SOCIAL

CRIANDO PONTES PARA A EVANGELIZAÇÃO


“...partiam pão de casa em casa e tomavam as A Palavra de Deus mesmo afirma: “Pois nunca
suas refeições com alegria e singeleza de cora- deixará de haver pobres na terra...” - Dt 15:11a. O
ção...” – Senhor Jesus afirmou: “... os pobres, sempre os
tendes convosco...” Mt 26:11a.

Contudo, a igreja não pode ficar indiferente à


fome e à miséria ao redor. A Palavra de Deus or-
dena a ação: “...eu te ordeno: livremente, abrirás
a mão para o teu irmão, para o necessitado, para
o pobre na terra. ” “Porventura, não é também

Atos 2:46; “Pois nenhum necessitado havia entre que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas

eles...” Atos 4:34; “...se distribuía a qualquer um à em casa os pobres desabrigados, e, se vires o nu,

medida que alguém tinha necessidade. ” - Atos o cubras, e não te escondas do teu semelhante?

4:35 ” - Is 58:7

Evangelização é a missão principal e prioritária O Apóstolo Paulo, orientando aos presbíteros da

da igreja, porém a ação social não pode ser Igreja de Éfeso, assim se expressou: “Tenho-vos

desprezada. mostrado em tudo que, trabalhando assim, é


mister socorrer os necessitados e recordar as pa-

A Igreja Apostólica evangelizava e fazia filantro- lavras do próprio Senhor Jesus: Mais bem-aven-

pia, simultaneamente. Sempre houve necessita- turado é dar que receber. ” - Atos 20:35

dos no mundo, fome e miséria. E nunca deixará


de existir por causa das desigualdades e injustiças Há igrejas que evangelizam muito, mas não fa-

sociais. zem obras sociais. Outras abraçam o ministério

Página 42 de 50
social extremadamente e se esquecem da evan- ser, mas é verdade que a Ação Social da igreja
gelização. cria “pontes” para a evangelização, ao colocar a
igreja em contato direto com a coletividade.
Qual seria o ponto de equilíbrio? Onde estaria o Ajuda a quebrar a barreira que separa a igreja da
divisor de águas? Pelo exame das Escrituras sou sociedade.
de opinião que o equilíbrio estaria na escala 70—
30 (70% de Ação Evangelística para 30% de Ação A maioria das igrejas dispõe de salas, cozinhas e
Social), podendo haver pequena variação para outras instalações que ficam ociosas nos dias se-
mais ou para menos. manais. Haverá grande benefício para a socie-
dade e para a igreja se estas instalações forem
Segundo o Pacto de Lausanne, em seu artigo no. abertas a projetos sociais e colocadas a serviço
5, ação social não é evangelização. Pode até não da coletividade.
CAPÍTULO 10 - MISSÃO INTEGRAL, IGREJA E A AÇÃO SOCIAL

Apresentamos, a seguir, algumas sugestões Na ministração, os textos das lições e ilustrações


para projetos sociais que poderão abrir cami- a serem aplicados em aula, preferencialmente se-
nhos para a pregação do evangelho: - rão extraídos da Bíblia.

Para cada curso haverá a entrega de Diplomas


aos formandos. Cada formando sempre convida
os seus familiares. A igreja cuidará bem da ela-
boração da programação, incluindo sempre um
momento de cânticos, dirigido pelo Ministério de
Louvor, mensagem bíblica e orações.

Ao final serão distribuídos convites para as reuni-


ões da igreja e porções bíblicas. E os irmãos do
Figura Fonte: http://www.pefle4.com.br/2016_07_06_archive.html?
Viés=clássico Ministério de Intercessão estarão a postos, em
uma mesa estrategicamente colocada com um
Criação de Escola
cartaz: “Deixe aqui o seu pedido de oração. ”
Aproveitará, é claro, para preencher a FICHA
A igreja deve aproveitar as suas instalações para
com os dados completos da pessoa para fins de
o funcionamento de escolas do primeiro e se-
cadastro!
gundo graus, cursos de alfabetização de adultos
e cursos profissionalizantes, como: informática
Sobre a alfabetização de adultos, a 8a. Igreja
(uso de softwares e montagem de hardware), cu-
Presbiteriana de Belo Horizonte (Rua Ita Mogi,
linária, corte e costura, idiomas, eletrônica, etc.
70, CEP 31.110-250 - Belo Horizonte, MG) coor-
Para estes cursos serão utilizadas pessoas prefe-
dena no Brasil um programa de alfabetização de
rencialmente da própria igreja, compromissadas
adultos com base na Bíblia. O material e o trei-
com Cristo e com a pregação do evangelho.
namento de Coordenadores e Professores é ofe-
recido gratuitamente, sendo ministrado em MG.

Página 43 de 50
Combate à Fome Bolsa de Empregos
A igreja procederá ao cadastramento de neces-
sitados na sua área de ação, e oferecerá diaria- A igreja abrirá espaço no Boletim Dominical para
mente café da manhã e almoço (ou sopão). Sem- a divulgação de ofertas de emprego, concursos
pre antes das refeições, haverá oração e minis- públicos, e anúncios de pessoas que se oferecem
tração da Palavra. para trabalhar.

Distribuir-se-á convites e folhetos a esse pessoal. Esta é uma contribuição social maravilhosa, visto
Haverá palestras, algumas extensivas aos familia- que os irmãos poderão ajudar-se mutuamente e
res. Ao invés de refeições diárias, a igreja poderá prestar um serviço social à comunidade.
optar por um programa de distribuição de cestas
básicas.
CAPÍTULO 10 - MISSÃO INTEGRAL, IGREJA E A AÇÃO SOCIAL

Creche
Atendimento a Dependentes Químicos

Na igreja deve funcionar um centro de triagem e


de aconselhamento a dependentes químicos. Há
milhares de vidas ao redor da igreja desgraçadas
pela dependência química ao álcool e as drogas
(maconha, LSD, crack, cocaína, cola, etc.). A igreja
não pode e não deve se omitir. Precisa fazer al-
guma coisa, urgentemente. Os especialistas afir-
mam, com toda razão, que não há cura para a
Figura Fonte: http://www.vermelho.org.br/noticia/261204-1 dependência química. Uma vez viciado, viciado
para sempre. O que querem dizer é que a pessoa
A creche se destinará ao amparo diurno de filhos
que um dia foi viciada jamais poderá voltar a fa-
de mães solteiras e mães pobres da comunidade
zer uso de álcool e qualquer outro tipo de drogas
que precisam ter onde deixar os seus filhos para
socialmente, sob pena de cair de novo na depen-
poderem trabalhar. Há alguns anos o Orfanato
dência, em grau sempre crescente e mais ele-
Presbiteriano, sediado em Jacarepaguá - RJ ofe-
vado que o anterior ao período de abstinência. A
recia às igrejas a oportunidade de convênio para
Igreja tem a solução. E a solução é Cristo.
instalação de creches, denominadas CAD - Cen-
Quando o dependente químico se encontra ver-
tro de Atendimento Diurno. Algumas igrejas
dadeiramente com Cristo, o poder de Deus o li-
presbiterianas firmaram o convênio e mantém a
berta completamente. O Senhor faz dele uma
Creche em funcionamento até a presente data.
nova criatura. Logo se ressocialização. Nesta área
Esta iniciativa abre um ótimo caminho de comu-
de atuação, a evangelização e a ação social ca-
nicação da igreja com a sociedade e ótimas pos-
minham juntas, inseparáveis. As duas coisas vão
sibilidades para evangelização.
se processando, simultaneamente.

Página 44 de 50
Anualmente há cursos de treinamento na Comu-
A família do dependente químico será também nidade Terapêutica S-8, em Niterói, com oportu-
alcançada, através das reuniões de aconselha- nidade para estágio.
mento psico-espiritual, uma vez que o vício do
dependente afeta, subjuga e escraviza a todos os Nos casos em que o psicoterapeuta da igreja
familiares. Nas sessões para ministração à família constatar a necessidade de internação, orientará
haverá também oportunidade para evangeliza- a família para o encaminhamento do depen-
ção. E, na medida em que o ex-dependente for dente a uma clínica evangélica especializada.
se integrando à igreja e dando provas concretas
de estar realmente curado, a família ficará tão fe- A igreja não pode prescindir deste magnífico tra-
liz que não hesitará em apoiá-lo. Logo, todos es- balho. Ela se mostra cumpridora do IDE se for, de
tarão na igreja. fato, uma igreja responsável.

CAPÍTULO 10 - MISSÃO INTEGRAL, IGREJA E A AÇÃO SOCIAL

BARREIRAS QUE DESAFIAM aos seus sonhos interioranos. Assustam-se; há


falta de emprego; passam a reunir-se nas perife-
1.O mundo globalizado que vive a contradição rias.
do global e do individual, implica em que se
usem ferramentas de ensino tanto na teologia, Ainda não se vive no estado do Mato Grasso do
como nas escolas, seminários e nas igrejas. Sul uma situação semelhante ao Sudeste ou Sul
do Brasil, mas não há dúvidas que caminhamos
Enquanto os líderes e executivos do mundo em- para ver a formação do “cinturão” como o das
presarial, de outras religiões e seitas, usam estra- grandes metrópoles, com suas vilas ou condomí-
tégias de alto nível, técnicas de aprendizado, me- nios fechados.
todologias de ensino, recursos midiáticos, infor-
matização, etc., pois sabem que treinamento e A cidade se enche de marginalizados do mundo
educação é a base de toda a expansão desejada rural e o mundo dos abastados então cria os seus
de qualquer instituição, nossas igrejas e escolas condomínios fechados, alienando-se a esta reali-
teológicas ainda permanecem no século XIX com dade. É preciso repensar a pregação, a teologia,
um currículo ultrapassado que não responde à o culto, a evangelização, o ensino e a forma de
pergunta do ser humano na pós modernidade: ser igreja neste novo contexto.
para que serve a fé cristã?

2.O mundo contemporâneo é cosmopolita.

Constatamos nos próprios jornais denominacio-


nais que algumas igrejas do interior do Brasil fe-
charam suas portas por falta de frequentadores.
Estes se mudaram para as grandes cidades. Che- É necessária uma teologia da cidade ou, clarifi-
gando às cidades estes não encontram respostas cando, uma teologia pastoral na e da cidade.
Página 45 de 50
Para muitos o inferno já está na cidade, no en- A sociedade se une em torno do bem comum.
tanto, a educação teológica precisa ensinar e Não há mais tempo para apologias, mas procu-
treinar seus alunos não somente para evitar o in- ram-se teólogos e pastores que saibam liderar e
ferno escatológico, mas também o “inferno das amar. O mundo contemporâneo exige dos” re-
cidades”. presentantes da teologia” que se envolvam numa
rede de pessoas, que busquem o bem comum
3.A globalização trouxe a necessidade de conhe- sem abrir mão dos valores centrais da fé cristã.
cer o outro, do diálogo, do relacionamento, da Não se pode apresentar a verdade sem antes
parceria, das tribos, das ONGS, dos movimentos conquistar o coração do outro. O mundo con-
pelos direitos dos diversos grupos sociais. A pós temporâneo não somente constrói a pergunta
modernidade trouxe o declínio dos apologistas. racional “isso é verdadeiro? ”, mas também de-
seja saber se isso “serve para o coração”, para o
mundo emocional
CAPÍTULO 10 - MISSÃO INTEGRAL, IGREJA E A AÇÃO SOCIAL

. Não é somente a razão, mas também a emoção. ministerial... Se essa visão ainda continuar, a for-
A teologia precisa responder à mente, ao cora- mação teológica que temos é para um mundo
ção e à práxis. A educação teológica deve ser de que já não existe. É uma formação anacrônica.
tal forma ampla que seja capaz de alcançar o ser
humano de forma integral: pensar, sentir e agir. Concluindo, para o preparo e formação de uma
liderança do século XXI é preciso descentralizar,
4.É necessário responder a uma pergunta crucial: desconstruir e orientar para que resultados sejam
alcançados e não ofertar atribuições denomina-
Que tipo de pastores, teólogos ou líderes das co- cionais.
munidades cristãs estão sendo preparados para Que nossos líderes sejam proativos e que mobi-
o mundo eclesial? Enxergamos realmente o sé- lizem a igreja de forma que seja culturalmente
culo XXI ou ainda estamos presos a um modelo relevante num mundo dinâmico e, em razão
pastoral do século XX trazido na implantação do disso, esta seja ágil nas mudanças. Assim, assisti-
protestantismo do século XIX, mas que para mui- remos a implementação de uma visão ampla do
tos ainda continua sendo o modelo: um pastor Reino de Deus e não a limitada ação da igreja
generalista, “mil e uma utilidades”, que tem como dentro de quatro paredes, exclusiva de um de-
prolongamento esposa e filhos que também são terminado grupo.
“funcionários” da igreja, porém sem receber sa-
lário. Sabe-se que a igreja é um organismo dinâmico
como o corpo físico que nasce, cresce se repro-
Um líder com uma visão de todas as atividades duz e morre. Estes ciclos são marcados por mu-
eclesiais, que soluciona todos os problemas, pois danças.
nele estão centradas todas as informações ne-
cessárias e que passou por uma escola teológica
que tem em sua ideologia perpetuar tal modelo

Página 46 de 50
Este é o desafio que se apresenta, e acredito que tem feito diversas religiões e instituições, que a
podemos começar esta mudança a partir do lu- têm como uma das colunas-mestras, movidas
gar em que estamos, precisamos nos perguntar: por interesses próprios.
estamos dispostos a mudar?
Quando a igreja exerce sua função, suprindo as
Para que essa mudança aconteça é necessário necessidades do ser humano, toda a comuni-
que a Igreja faça novos propósitos e seja, real- dade é beneficiada. A sociedade é constituída de
mente, uma igreja responsável. famílias, e quanto mais estruturada elas forem,
menos perversa ela será.
IGREJA RESPONSÁVEL
Quando a responsabilidade do povo de Deus é
Uma igreja responsável não é aquela que pratica negligenciada, abre-se a porta para que Satanás
a filantropia da forma que se pratica hoje, como implante seu reino nesse mundo.

CAPÍTULO 10 - MISSÃO INTEGRAL, IGREJA E A AÇÃO SOCIAL

Vale lembrar que o modelo de igreja responsável Em seu ministério pode-se observar que as se-
está baseado no livro de Atos, nos capítulos de 4 guintes ocorrências mostravam a prática social
a 6, que falam do esforço da Igreja Primitiva, da cristã. É possível observá-las em:
profundidade com que os crentes viviam em co-
operação, do amor contagiante, da responsabili- A ação urgente do bom samaritano (Lc 10.25-37),
dade e preocupação uns com os outros mesmo de Dorcas (At 9.36), de Cornélio (At 10.4) e tam-
em tempos difíceis e cheios de problemas. Eles bém os conselhos de Paulo (At 20.35). Em I Jo
dividiam tudo o que possuíam com aqueles que 3.17, o apóstolo fala claramente que se alguém
se encontravam em situação inferior a deles. tiver riquezas deste mundo e ver seus irmãos em
necessidades e não os ajudar, como estará neles
“Em outras palavras, a missão histórica de Jesus o amor de Deus?
somente pode ser entendida em conexão com o
Reino de Deus. Sua missão aqui e agora é a ma- Em meio à mesma comunidade cristã, existem al-
nifestação do Reino como uma realidade pre- guns com tantos recursos, sem se preocupar com
sente em sua própria pessoa e ação, em sua pre- o próximo, que passa por privações.
gação do Evangelho e em suas obras de justiça e
misericórdia” (STEUERNAGEL,1992, p. 120) “... sustentamos que uma evangelização que não
toma conhecimento dos problemas sociais e que
Mesmo antes do derramamento do Espírito não anuncia a salvação e a Soberania de Cristo
Santo, Jesus já dava exemplo de como deve fazer dentro do contexto do qual vive os que ouvem,
da assistência social uma prática de vida (Mt
é uma evangelização defeituosa que trai o ensino
14.13-21).
bíblico e não segue o modelo proposto por
Cristo” (op. Cit. p.20).

Página 47 de 50
Em determinadas circunstâncias, a ação social 6.10). Por outro lado, não se pode esquecer que
precedeu a evangelização e como exemplo é a responsabilidade social cristã é abrangente,
possível citar a cura do cego de nascença (Jo 9.1- deve alcançar a todos em toda e qualquer cir-
39) e também o caso da cura do paralítico de Ca- cunstância.
farnaum (Mc 2.1-12).
O objetivo da responsabilidade social cristã é a
Essas foram práticas de Jesus no contexto da restauração do homem e consequentemente a
Ação social, pois a vida de cada um deles foi manutenção da vida e dignidade do ser humano,
transformada. A igreja precisa ser um modelo al- restaurar a vida como um todo. Se ela precisa ser
ternativo de sociedade, caso contrário, o que restaurada no material, que se faça através da
será oferecido ao mundo é portar-se como ele Assistência.
se porta.
Se ela precisa de um preparo e capacitação, que
O apóstolo Paulo recomenda que se faça o bem se dê na Ação Social, pois esta é o reflexo do
a todos, principalmente aos domésticos da fé (Gl amor de Cristo presente na vida do salvo.

CONCLUSÃO

É possível concluir que a Igreja de Jesus ao longo do tempo tem se distanciado cada vez mais do
propósito que lhe foi estabelecido. A sua atuação na sociedade tem se mostrado cada vez mais dis-
creta, ínfima e seu dever é transformá-la. O mais interessante é que para suprir essa falha, a igreja se
valeu de artifícios medíocres.

Em vez de se engajar na obra e batalhar por essas vidas, o cristão cada vez mais tem acalmado sua
consciência realizando obras vãs e medidas paliativas.

Em vez de ensinar o indivíduo a ter objetivos e lutar por eles, fazendo com que olhem para suas vidas
por outro prisma, passando a ter perspectiva de melhoras, faz-se a distribuição de alimentos e remé-
dios, dentre outros.

As ordens do Senhor só serão cumpridas quando a igreja olhar para seu exemplo e de fato voltar a
cumpri-lo. Jesus Cristo conseguia estar com a multidão e transformar o modo de pensar de cada um
fazendo com que suas vidas nunca mais fossem as mesmas e esse é o objetivo da igreja. (Steuernagel.
p.60) “Jesus despiu-se de “status” e assumiu a condição de servo (Fl 2.7). É o que devemos fazer. Ele
nos fornece o modelo perfeito de como servir e envia sua igreja ao mundo para que ela seja uma
igreja de servidores. ”

Que Deus possa abençoar sua vida e fazer com que sua igreja seja despertada para tão sublime
responsabilidade: Cumprir a MISSÃO INTEGRAL.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Página 48 de 50
A Formação de Um Discípulo - Keith Phillips - Editora VIDA - 1994

AUTORES DIVERSOS, Revista Atualidades 2002. Estudos sobre capacitação do cristão, vidas que ins-
piram, temas polêmicos e uma igreja contextualizada. Rio de Janeiro: JUERP, 2001.

AUTORES DIVERSOS, Revista Atualidades 2003. Estudos sobre igrejas contextualizadas, administração
eclesiástica, profissionalização e família e os desafios dos novos tempos. Rio de Janeiro: JUERP, 2001.

AUTORES DIVERSOS, Revista Atualidades 2006. Estudos sobre o aperfeiçoamento dos santos no cul-
tivo da fidelidade, as grandes verdades da Bíblia, a ética cristã e o aperfeiçoamento dos santos na
pratica da celebração. Rio de Janeiro: JUERP, 2005.

AUTORES DIVERSOS, Revista Atualidades 98. Rio de Janeiro: JUERP, 1997.

Bíblia Sagrada - ARA Edição Letras Grandes - Sociedade Bíblica do Brasil

Bíblia Sagrada, Nova Versão Internacional. São Paulo: Editora Vida, 2000.

Bíblia Sagrada, Traduzida em Português por João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil,
2º. Edição. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.

Chega Junto - Assistência Pessoal na Dinâmica da Vida da Igreja - Mauro Israel Moreira

Crescendo na Comunhão - David E. Kornfield - Editora SEPAL - 1994

Editora: Soc. Religiosa Edições Vida Nova - 1991

FANINI, Nilson do Amaral... et alli, Missão da Igreja e Responsabilidade social. Rio de Janeiro: Ju-
erp/Conselho de Planejamento e Coordenação da CBB, 1988.

GIANASTÁCIO, Vanderlei, Uma Igreja que faz e acontece: responsabilidade social, cidadania e serviço
à luz do Novo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 2006.

Grupos Familiares e o Crescimento da Igreja - Paul Yonggi Cho - Editora VIDA - 1992 KIT do Evange-
lista - Rev. Alcides Martins Junior - IDE - Instituto de Difusão do Evangelho Telefax: 0 xx 61 - 2233376

Horizontal Editora - 1997

Igreja - Crescimento Integral - Caio Fábio Vinde Comunicações - 1995

Manual de Crescimento da Igreja - Dr. Juan Carlos Miranda

MELO NETO, Francisco de Paula de, Cesar Fróes, Empreendedorismo social: a transição para a soci-
edade sustentável. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002.

Multiplicando Discípulos - O Método Neotestamentário Para o Crescimento da Igreja Waylon B. Mo-


ore - Editora JUERP - 1983

NICHOLS, Robert Hastings, História da Igreja Cristã. 10ª. edição. São Paulo, Casa Editora Presbiteriana
S/C, 1997.
Página 49 de 50
O Clamor do Mundo - Oswald J. Smith - Editora Vida - 1994

O Discipulado Dinâmico - Gary W. Kuhne - Editora Betânia - 1981

O Discípulo - Juan Carlos Ortiz Editora Betânia - 1977

Paixão Pelas Almas - Oswald J. Smith - 1969

Plantar Igrejas Para a Grande Colheita - C. Peter Wagner Editora: Abba Press Editora e Divulgadora
Cultura Ltda. - 1993

Reconquiste Sua Cidade Para Deus - John Dawson - Editora Betânia - 1995

STEUERNAGEL, Valdir, A serviço do Reino – um compêndio sobre a missão integral da igreja. Belo
Horizonte: Missão Editora, 1992.

FONTES DE PESQUISA

http://www.webservos.com.br/gospel/estudos/estudos_show.asp?id=8319

http://www.armazemdeideias.net/missoes/missoes_nacionais/missoes_nacionais_missoes_urba-
nas.html

http://missao.info/2007/10/16/uma-perspectiva-crista-da-ecologia/#more-140

Por que a Missão Integral assusta tanto a igreja evangélica brasileira? (12:29 Min.)

https://www.youtube.com/watch?v=4jpXOSNvSsg

O que é Missão Integral? (15:38 Min.)

https://www.youtube.com/watch?v=APmRBD4u4nQ

Ed René Kivitz - Missão Integral (2010) (20:39 Min.)

https://www.youtube.com/watch?v=ojYHiHhKpTY

Missão Integral, O testemunho Integral da Igreja com Robinson Cavalcanti. (43:39 Min.)

https://www.youtube.com/watch?v=M84rfAK787Y

Outros livros para sua biblioteca:

- PADILLA, C. René - Missão Integral - O Reino de Deus e a Igreja – Editora Ultimato, 2014.

- PADILLA, C. René - O Que é Missão Integral? - Editora Ultimato, 2009

- SILVA, Nemuel Muniz - Uma Heresia Chamada Teologia da Missão Integral - A verdadeira intenção
da Teologia da Missão Integral – Editora Clube dos Autores, 2016

Página 50 de 50