Sie sind auf Seite 1von 2

aeronavais ao longo da costa Norte-Nordeste brasileira.

A mais importante delas ficava no


município de Parnamirim, vizinho à capital Natal, no estado do Rio Grande do Norte. Esta base,
chamada de "Trampolim da Vitória", foi de especial importância para o esforço de guerra
aliado antes do desembarque de tropas Anglo-Americanas no Norte da África, em novembro
de 1942 na Operação Tocha.

A partir da estabilização da frente italiana em fins de 1943 e do enfraquecimento da campanha


submarina alemã, as bases americanas em solo brasileiro foram sendo progressivamente
desativadas ao longo de 1944-45, embora na da ilha de Fernando de Noronha os americanos
tenham permanecido até 1960.[3]

Entrada na guerra

Apesar de meses dos torpedeamento de navios mercantes brasileiros, é apenas após o povo ir
as ruas exigir a declaração de guerra à Alemanha nazista e à Itália fascista, que, o Governo
Brasileiro, por meio do decreto Nº 10.358, de 31 de agosto de 1942[8], reconhece o estado de
guerra entre o Brasil e as potências do Eixo em agosto de 1942. Sendo na época, um país com
uma população majoritariamente analfabeta, vivendo no campo, com uma economia com foco
principal voltado para exportação de commodities, uma política internacional
tradicionalmente isolacionista com eventuais alinhamentos automáticos contra
"perturbadores da ordem e do comércio internacionais", sem uma infra-estrutura industrial-
médico-educacional que pudesse servir de sustentação material e humana ao esforço de
guerra que aquele conflito exigia[1], o Brasil não apenas se viu impedido de seguir uma linha
de ação autônoma no conflito como encontrou dificuldades em assumir mesmo um modesto
papel[2].

Soldados da Força Expedicionária Brasileira (FEB) sendo saudados por moradores de


Massarosa, na Itália, no final de setembro de 1944.

A Força Expedicionária Brasileira por ex. teve sua formação inicialmente protelada por um ano
após a declaração de guerra. Por fim, seu envio para a frente de batalha foi iniciado somente
em julho de 1944, quase 2 anos após a declaração. Tendo sido enviados cerca de 25 000
homens, de um total inicial previsto de 100 000.Mesmo com problemas na preparação e no
envio, já na Itália, treinada e equipada pelos americanos, a FEB cumpriu as principais missões
que lhe foram atribuídas pelo comando aliado.

Roteiro da FEB na Campanha da Itália. Arquivo Nacional.

No entanto, a participação do Brasil na guerra e a forma como a mesma se desenrolou


contribuíram decisivamente para o fim do regime do Estado Novo, como já sinalizava o
Manifesto dos Mineiros em 1943.
Assim, embora mais vigorosa que a participação na Primeira Guerra Mundial, considerando o
jogo político e diplomático travado entre americanos e alemães pelo apoio brasileiro e os
números da real contribuição tática e estratégica que o país proporcionou comparados aos de
outros países aliados (a FEB, por exemplo, era apenas uma entre 20 divisões aliadas na Itália,
tendo atuado num setor, embora relativamente importante, secundário na frente italiana,
num momento em que esta mesma frente se tinha tornado de menor importância para ambos
os lados); a modesta participação brasileira na Segunda Guerra pode no geral ser equiparada à
do Japão na Primeira Guerra Mundial. Se de um lado, em termos numéricos e táticos, os
brasileiros tiveram no segundo conflito mundial uma participação maior na causa aliada que os
japoneses três décadas antes, por outro lado os nipônicos, entre as décadas de 1920 e 1930,
souberam capitalizar melhor política e estrategicamente a nível internacional sua participação
no conflito de 1914-18.

Força Aérea

Ficheiro:Brazil at War (1943).ogv

Vídeo produzido pelos Estados Unidos em 1943 sobre a participação do Brasil na guerra

Ficheiro:Gracias Amigos (1944).ogv

Vídeo de 1944 sobre a participação dos países latino-americanos na guerra.

Festejo pelo fim da guerra na Rua São Bento, em São Paulo

Teve grande destaque o apoio oferecido pelo Brasil aos aliados, através do 1º Grupo de
Aviação de Caça criado em 18 de dezembro de 1943. Após um período de treinamento em
Aguadulce, no Panamá, voando o Curtiss P-40 Warhawk, onde participaram da campanha de
defesa do Canal do Panamá, os pilotos brasileiros, todos voluntários, seguiram para Suffolk,
onde foram apresentados ao P-47 Thunderbolt. Após a adaptação ao Republic P-47
"Thunderbolt" o grupo, que ficou conhecido como Senta a Pua! é enviado ao norte da Itália.[9]

O início das operações deu-se em 31 de outubro de 1944, no aeródromo de Tarquínia, depois


mudou-se para Pisa, mais perto da linha de ação, onde o Grupo permaneceu até o fim da
guerra, ficando subordinado ao 350th Fighter Group da USAAF, onde recebeu o codinome
Jambock.[9]

Em 10 de fevereiro de 1945, uma esquadrilha do 1º G.Av.Ca. voltando de uma missão,


descobriu uma grande concentração de caminhões, destruindo 80 deles e 3 edifícios. Em 20 de
fevereiro o Grupo à FEB na conquista de Monte Castelo. Em 21 de março, mais uma vitória, no
ataque a uma oficina de conserto de ferrovia, no Vale do Pó: um impacto direto destruiu
quatro edifícios e no voo de regresso destruíram 3 Savoia-Marchetti SM.79, no Campo de
Galarate.[9]