Sie sind auf Seite 1von 109

INSTAMESTRE

ESTRATÉGIAS PARA VENCER NO INSTAGRAM


O Instagram é uma das redes sociais mais populares do Mundo. Milhões de
usuários estão interagindo e literalmente batalhando pela atenção de seus
seguidores.
Muitos prometem soluções milagrosas e alguns tentam, sem sucesso,
conseguir mais curtidas e compartilhamentos; mas a cada dia tem menos
interação por parte de seus seguidores.
Identificando essa demanda, esse livro busca fornecer estratégias a todo tipo
de usuário, com métodos para conseguir se sobressair nessa rede social tão
disputada, criando um perfil de sucesso com excelentes níveis de
engajamento.
Para isso, serão apresentadas diversas estratégias neste livro, abordando
exemplos reais e experiências do Autor trabalhando na plataforma nos
últimos três anos.
As estratégias abordadas ao longo das próximas páginas são utilizadas de
diversas formas pelos mais diferentes usuários e são reconhecidas como as
melhores praticas a serem utilizadas na rede.
Uma boa estratégia está acima de qualquer empresa ou agência que possa
realizar o trabalho por você. E está é a oportunidade de conhecer excelentes
exemplos.
Estratégias que batem qualquer ferramenta, todas às vezes, todo o tempo.
E para conhecê-las, convido você a um estudo detalhado e que irá lhe causar
grande transformação.
Seja muito bem-vindo(a)!
O PODER ESTÁ EM SUAS MÃOS

Vivemos uma Era de transformações, impulsionadas especialmente pela


Internet e pelo uso dos smartphones. Mais do que computadores de bolso, os
smartphones mudaram de forma significativa a maneira como fazemos
negócios e também como nos relacionamos.
Hoje é difícil se imaginar sem WhatsApp para conversar com amigos e
familiares; sem um aplicativo de carona para ir até determinado lugar; ter de
ir ao banco para verificar o extrato ou fazer uma movimentação bancária; ou
até mesmo ter que ligar para pedir comida.
Graças à revolução dos aplicativos podemos fazer múltiplas tarefas de forma
simultânea ou até automatizada. Sem contar o tempo que estamos
economizando graças às suas praticidades.
Esse mundo moderno trazido pelas recentes inovações tem nos alçado a
novas maneiras de fazer negócios e de nos relacionarmos; sendo as redes
sociais o novo ponto de encontro das pessoas.
Atualmente não faz mais sentido falarmos em mundo digital e mundo físico,
já que estamos vivendo a amálgama dos dois. Precisamos entender o
momento que estamos vivendo e o poder que está ao alcance de nossas mãos
através graças ao smartphone.
Como o título sugere, os smartphones são o meio pelo qual temos acesso a
um poder quase ilimitado, sendo as minas de ouro do presente. Saber usar
esse poder pode determinar quem vence e quem perde nesse mundo
globalizado e informatizado.
Por conta disso, vamos trabalhar desde o período em que estamos vivendo até
os seus reflexos na maneira em que interagimos, para podermos entender o
por que o Instagram é uma das redes mais quentes do momento; e como
utilizá-la para gerar receita para sua empresa ou reconhecimento para sua
marca pessoal.
O INSTAGRAM

O Instagram é uma das redes sociais mais badaladas do momento. Ao todo,


ela conta com mais de 700 milhões de usuários em todo o mundo. Somente
no Brasil, segundo maior público da plataforma, são ao todo mais de 50
milhões de usuários.[1]
Ao todo a plataforma tem mais de 100 milhões de posts por dia, com mais de
4,2 bilhões de curtidas diariamente. [2]
Os usuários são em maioria mulheres (53%), e a base de usuários é composta
praticamente por pessoas com menos de 35 anos de idade (90%). Sendo que,
do total de usuários, 59% são pessoas entre 18 e 29 anos.[3]
No ano de 2017, 70,7% das empresas já marcavam presença na plataforma. E
80% dos usuários seguiam pelo menos uma delas.
Atualmente, 32% de todos os usuários da Internet estão no Instagram.
Inicialmente criada para ser uma plataforma bem diferente, o primeiro nome
da plataforma era Burbn, em homenagem à bebida favorita de seu fundador,
Kevin Systrom.
Em seus primórdios, no ano de 2010, o objetivo era criar um aplicativo em
que as pessoas fossem capazes de compartilhar suas respectivas localizações,
tal como o Foursquare, ganhando pontuações por conta dos ‘’check-ins’’.
Entretanto, o aplicativo foi considerado complicado demais pelos usuários,
que apenas utilizavam o app para compartilhar fotos entre si; postando no
mural da plataforma.
Cientes do fato, o fundador juntamente com o brasileiro Mike Krieger,
decidiram alterar os rumos do aplicativo e torna-lo uma rede exclusiva para
compartilhamento de fotos; alterando também o seu nome para Instagram. [4]
A partir dali decidiram criar os famosos filtros para as fotos, que tornaram a
plataforma ainda mais famosa. [5]
Inicialmente, o aplicativo que estava disponível apenas para celulares da
Apple.
Em Dezembro daquele ano, o Instagram já havia alcançado 1 milhão de
usuários, em apenas 3 meses de mercado.
Em Dezembro de 2011 foi considerado o Aplicativo do ano para Iphones; e já
possuía 15 milhões de usuários na ocasião.
Em 2012, o então presidente americano Barack Obama aderiu à plataforma.
Ainda naquele mesmo ano de 2012, o aplicativo enfim chegava aos celulares
Android, alcançando 30 milhões de usuários.
Em franca expansão naquele ano, a empresa acabou vendida para o Facebook
por cerca de 1 bilhão de dólares.[6]
Em 2014, a plataforma já estava avaliada em 35 bilhões de dólares.[7]
Posteriormente, o Instagram também possibilitou o compartilhamento de
vídeos curtos pela plataforma.
O sucesso dos vídeos e a necessidade de uma resposta ao sucesso do
concorrente Snapchat, fizeram com que a plataforma ganhasse uma nova
função, usada para compartilhar vídeos rápidos entre os usuários; podendo
estes ser público ou específicos para um ou mais usuários somente.
Os vídeos compartilhados através da função ficam salvos na plataforma
durante 24 horas. Além disso, também é possível realizar uma transmissão ao
vivo para os seguidores do perfil, no formato Live.
Recentemente, o Instagram vem testando a função Shopping que irá permitir
a realização de compras e vendas diretamente pela plataforma, inclusive com
seu próprio sistema de pagamento.[8]
A plataforma está em constante mudança, e provavelmente novas funções
foram acrescentadas desde o momento em que esta introdução foi escrita até
o momento em que esse conteúdo está sendo lido.
Porém, o importante é entender que independente das funções, as estratégias
necessárias para alcançar o sucesso na rede continuam sendo exatamente as
mesmas.
POR QUE O INSTAGRAM BATE AS OUTRAS MÍDIAS?

Um dos principais pontos que fazem do Instagram uma rede incrível é o seu
alto nível de engajamento entre os usuários.
Seja por meio de curtidas, comentários ou reposts, a taxa de engajamento da
plataforma é cerca de 7 vezes superior ao Facebook e 70 vezes maior do que
o Twitter. (Ainda que o algoritmo da plataforma faça com que esse alcance
vá diminuindo de acordo com o número de seguidores).
O Instagram é uma das redes mais fáceis de usar; basta postar fotos e sair
curtindo. O que remove a barreira de entrada para a maioria dos usuários.
Possibilitando, inclusive, uma alta adesão de usuários idosos, principalmente
no Brasil.
Não é necessário postar nenhum conteúdo para poder aproveitar a plataforma.
Basta visualizar o que os outros usuários estão postando. Por conta disso, o
crescimento da plataforma, principalmente entre os mais velhos é uma
tendência.
No ano de 2016 o Instagram cresceu cerca de 23% enquanto outras
plataformas como o Facebook cresceram somente 1.8%; enquanto o Twitter,
perdeu usuários.
Outro fator importante é o fato de que ao contrário das outras duas mídias, o
Instagram é quase 99% mobile; ou seja, predominantemente acessado por
meio do smartphone.
Essa característica faz com que a sua taxa de uso seja ainda maior, já que a
experiência não é prejudicada pelo tamanho diminuto da tela; principalmente,
pois seu foco está praticamente todo ligado à visualização de imagens (e
agora também de vídeos), e não em textos; como é boa parte do conteúdo das
outras plataformas. Apesar dos textos terem importância fundamental na
comunicação de um perfil para com o seus seguidores.
Entendida a força do Instagram, vamos pontuar o momento em que vivemos,
e o porquê saber disso é tão importante na nossa caminhada.
ENTENDENDO O PERÍODO EM QUE ESTAMOS VIVENDO
IDEIAS NOVAS, ERAS NOVAS

A história do mundo conta com diversos momentos que pautaram o seu


desenrolar e definiram aquilo que se entende como Mundo e Realidade.
Não é necessário ter grande conhecimento ou formação acadêmica para
reconhecer as transformações da vida humana e da própria maneira como o
ser humano se relaciona. Não só como ele se relaciona consigo mesmo, mas
também com a natureza e com o mundo.
A história humana sempre foi pautada pela maneira como ele se relacionou
com aquilo que está a sua volta, moldado pelas suas necessidades.
A descoberta do fogo, o uso de pedras lascadas para usos gerais, a criação das
primeiras ferramentas, a construção de abrigos e posteriormente a construção
e desenvolvimento de cidades. Todas as ideias simbolizam as constantes
evoluções do ser humano.
Nesse contexto, a cada nova descoberta o ser humano foi adaptando a suas
necessidades anteriores, descobrindo novas necessidades que até então
desconhecia ou sequer imaginava.
Surgindo assim progressivamente as ideias de Economia, Mercado, Estados,
Governos, entre outras.
Cada momento civilizacional e industrial do ser humano ganhou um nome e
suas características são bem definidas.
Dentre esses momentos, alguns momentos específicos pautaram aquilo que
entendemos hoje como sociedade e consolidaram aquilo que chamamos de
mundo moderno.
Momentos estes pautaram a Era Moderna e a maneira como entendemos a
civilização e o modelo econômico vigente, tais como:
A Primeira Revolução Industrial, em que o advento da máquina a vapor deu
origem a substituição da manufatura pelo produto industrial, auxiliando e
substituindo o ser humano na produção.
A Segunda Revolução Industrial que permitiu a produção em escala,
tornando a fabricação de objetos mais rápida e mais barata.
E a Terceira Revolução Industrial, em que se tem a integração de ciência e
produção, sendo também chamada de revolução tecnocientífica
informacional; em que a economia se pauta, principalmente, no que se
entende por ‘’informação’’.
Graças à terceira revolução, possibilitou-se o fenômeno conhecido como
Globalização, caracterizado pela integração de todos os povos do globo,
realizando interações econômicas, sociais e políticas. Tornando possível o
pleno e contínuo contato entre povos de diferentes regiões geográficas;
reduzindo as barreiras geográficas a milionésimos de segundo de transmissão
de informações entre um dispositivo e outro, somente por estarem conectados
a internet.
Nesse esteio, o ser humano presenciou o movimento em que as relações
comuns que compunham o chamado ‘’Mundo Físico’’ se entrelaçarem com o
chamado ‘’Mundo Digital’’. Adotando assim novos paradigmas e hábitos.
Desse modo, convencionou-se o uso dos nomes Físico e Digital, para
designar o mundo real, e respectivamente, o mundo da Internet, onde se
encontravam os sites, as plataformas, os jogos e outros mimos.
Entretanto, rapidamente, com a evolução dos aparelhos eletrônicos e a
democratização da banda larga entre as pessoas, o chamado mundo digital
ficou mais próximo da realidade do ser humano; tornando o chamado mundo
digital uma forma de escape do mundo real.
O ápice da ideia de real e digital foi alcançado no início do século, na ideia
simbolizada pela plataforma Second Life, na qual literalmente as pessoas
viviam outra vida, por meio de personagens digitais que se relacionavam
entre si.
Personagens estes que nada mais eram do que as pessoas relacionando entre
si; realizando atitudes triviais para um ser humano, porém em um ambiente
digital. Durante o ápice da plataforma até realizar operações bancárias era
possível.
Um dos pontos altos dessa época estava no fato de ser possível ter o benefício
do anonimato; e para muitos, também, a possibilidade de viver outra vida; a
vida real, e a vida digital. Assumindo assim pseudônimos ou até mesmo
personalidades diferentes.
Entretanto, com o advento dos smartphones, surgiram os célebres aplicativos,
e junto com eles as páginas e sites que eram visitados até então somente
através do computador, passaram a estar ao alcance de um simples toque, em
um pequeno aparelho; a qualquer hora e em qualquer lugar. E assim, estas
páginas e aplicativos começaram a invadir o cotidiano de todas as pessoas.
O telefone celular que até então servia simplesmente para fazer chamadas e
mandar mensagens de texto; agora alcançava o status de computador,
permitindo não só a interação entre as pessoas, mas também a integração
entre os mundos físico e digital.
De tal forma que, a partir do momento, em que o chamado mundo digital
poderia ser acessado por uma pessoa, diretamente de seu celular, bastando
tirá-lo do seu bolso; este mundo estaria em todos os lugares; tal como o ser
humano.
Consubstanciando em uma amálgama de tecnologia e vida humana, em que
se perdeu o começo daquilo que se conhecia como Mundo Digital, bem como
aquilo que se atribuía como seu fim; naquilo que se chamava de Mundo Real.
Resultando na quebra da barreira entre o real e o digital. Se tornando partes
do mesmo mundo.
Se as revoluções industriais proporcionaram a mudança na maneira como as
pessoas viviam, comercializavam e produziram efeitos diretos na maneira
como as pessoas se relacionavam; o mesmo pode-se dizer das mudanças
trazidas nos períodos que precederam a existência do mundo digital e
posteriormente com a chegada do mundo digital (ilustrada pela bolha das
pontocom)[9] e, mais recentemente da presente era que estamos vivendo; que
provavelmente será superada pelas futuras inteligências artificiais e a
chamada Internet das Coisas.
Nesse sentido, até poucos anos fazia sentido dizer que estávamos vivendo em
uma Era Digital, em que a Internet se mostrava como o futuro e que havia a
expectativa e dúvida de como ela pautaria nossas vidas. Porém, hoje podemos
afirmar que essa fase foi superada, e que já estamos vivendo a chamada Era
Pós-Digital.
O célebre publicitário Walter Longo bem define o termo, o explicando com
perfeição em sua excelente obra ‘’Marketing e Comunicação na Era Pós-
Digital’’; leitura essencial para quem quer entender melhor o período que
estamos vivendo:[10]
‘’Mas, afinal o que é era pós-digital? É exatamente a
realidade em que vivemos hoje, na qual a presença da
tecnologia digital é tão ampla e tão onipresente que,
na maior parte do tempo, nem notamos que ela está lá.
Só percebemos sua existência quanto falta.’’
A partir dessa definição, podemos fazer um exercício rápido e pensar em o
quanto sentimos falta da tecnologia quando não temos acesso a ela. E fazer
uma reflexão:
Você se imaginaria vivendo sem WhatsApp?
Você lembra como era pegar um táxi antes dos aplicativos de mobilidade?
Graças à era pós-digital, hoje você pode chamar um meio de transporte para
te buscar onde você estiver, bastando apenas a conexão a internet.
Possibilitando não só pedir um transporte, como também escolher entre um
serviço prestado por um particular ligado ao serviço público (táxi) ou por um
particular autônomo e independente (aplicativos de carona).
Podendo escolher, por exemplo, entre um carro com mais assentos (Uber
Van/ Uber XL); um carro de luxo (Uber Black); ou um transporte mais barato
e comum (Uber X). Ou quem sabe até um helicóptero?
Digamos que você acabou de sair do trabalho no horário de pico e quer saber
o caminho mais rápido para ir para casa? O Waze faz isso para você.
Você deseja falar com seu amigo que está de intercâmbio? Simples. Você
pode vê-lo e conversar com ele através de uma ligação pelo WhatsApp. E
sem pagar nada por isso.
Exemplos não faltam.
A partir dessa ideia, podemos começar a entender as transformações causadas
e como sua empresa ou seu pequeno negócio podem sobreviver na Era Pós-
Digital.
Posto isto, vamos passar a análise dos elementos que compõem o momento
atual e como se preparar para enfrenta-lo, executando um plano de ação o
quanto antes.
UMA ECONOMIA TOTALMENTE NOVA E QUE POUCOS
ENTENDEM

Entendendo primeiramente o momento em que vivemos, a partir da ideia de


Era Pós-Digital, precisamos entender como as dinâmicas da Economia
mudaram, e o porquê entender tudo isso é essencial para o seu negócio.
Primeiramente, vamos falar um pouco sobre Economia em si.
A etimologia da palavra Economia está ligada a palavra grega ‘’ οικονομία ‘’.
Que pode ser entendida como a junção de ‘’ο ἶ κος,’’ traduzida para ‘’oikos’’
que quer dizer casa; com a palavra ‘’ νόμος’’ , traduzida para ‘’nomos,’’ que
quer dizer costume ou lei, ou também 'gerir’’, ‘’administrar’’. Sendo
traduzido como ‘’regras da casa’’ ou ‘’administração doméstica’’.
A partir desse conceito, não é exagero relacionar a ideia de economia com a
vigência de costumes e comportamentos.
Matriz comum e orientadora da economia moderna, o Capitalismo nada mais
é do que a relação mercadológica que as pessoas estabelecem na medida em
que alguém está vendendo algo que outra pessoa quer comprar. Num ciclo
que se alimenta infinitamente.
Aceitando ou não, essa é a realidade. Um eterno ciclo de oferta e demanda.
Nesse cenário, aparece o Empreendedorismo, que nada mais é do que a
solução de problemas. (Vale lembrar que não necessariamente o
empreendedorismo está ligado ao capitalismo. Mas, a recíproca não é
verdadeira, pois não há de fato o capitalismo sem o empreendedorismo. Já
que o papel do empreendedorismo, em sua acepção clássica, nada mais é do
que a prática comercial.)
E se problemas estão sendo resolvidos, há sempre alguém que precisa dessa
solução e por ela irá pagar.
Se uma sociedade tem determinados comportamentos, ela irá adquirir
produtos e serviços que estejam em consonância com suas necessidades. E
essas necessidades surgem também em virtude de seus comportamentos. Não
estando limitadas somente as necessidades básicas do ser humano; que a
muito já foram atendidas, principalmente depois da primeira revolução
industrial.
Sob essa ótica, podemos considerar que a mudança de comportamentos
experimentada pelo ser humano nos últimos anos, ao ingressar na chamada
Era Pós-Digital é literalmente uma revolução.
Tal como, mais uma vez citando Walter Longo:[11]
‘’A revolução não acontece quando a sociedade adota
novas ferramentas, e sim quando adota novos
comportamentos.’’
Estes novos comportamentos podem ser identificados desde a forma como
você toma decisões; seja para se alimentar ou até na escolha do caminho que
você irá seguidor com o seu carro para chegar ao trabalho.
Inegavelmente, nesse contexto, as mídias sociais e aplicativos estão
transformando a maneira como escolhemos produtos, serviços, viagens e até
nossas atividades.
Quer saber se um produto é bom?
Veja as avaliações no site da Amazon antes de comprá-lo.
Existe uma infinidade de produtos que podem ser consultados lá. Mesmo que
você decida comprar em outro lugar.
Quer saber se um restaurante é bom?
Veja as fotos e comentários dos usuários no Trip Advisor.
Quer saber como é a vizinhança do seu hotel em determinada cidade?
Faça uma pesquisa no Google Maps usando o endereço do hotel e veja as
fotos do Google Street View para ter uma ideia do entorno.
Quer saber qual praia visitar na Tailândia?
Verifique as fotos das pessoas que fizeram check-in no Instagram e marcaram
determinada praia como localização. Você pode até ficar com inveja.
Exemplos não faltam.
Nesse cenário, a forma como as decisões acontecem vem se tornando
completamente diferentes do que era até poucos anos atrás.
E consequentemente, a maneira como consumimos também teve grande
impacto.
Seja da forma como escolhemos nossa comida. Seja da forma como
escolhemos nossos momentos de lazer.
Um grande exemplo é mudança na forma como assistimos a um filme em
casa.
Provavelmente, se você tem mais de 15 anos de idade, provavelmente já foi a
uma locadora de filmes, alugar um DVD específico e perdeu a viagem porque
ele estava alugado.
Ou então, ficou quase uma hora decidindo qual filme levar, simplesmente
avaliando a capa dos DVD que estavam nas estantes.
Quem teve a oportunidade de ir a uma extinta BlockBuster, sabe como era
escolher um filme em meio a milhares de títulos.
E sabe também como esse relato parece coisa de um passado longínquo; mas
que foi realidade até uma década atrás.
Porém, a chegada de empresas de streaming como a Netflix ou o NetNow,
essa realidade foi completamente transformada, não havendo mais a
necessidade de alugar ou comprar um DVD para assistir a um determinado
filme. Muito menos a necessidade de ter que sair de casa para tanto.
Apenas se você assim quiser.
Aliada a comodidade, toda essa inovação está acessível mediante a assinatura
de um pacote de TV a cabo (Net Now), ou até mesmo de uma assinatura
mensal recorrente com um valor extremamente módico (Netflix).
Esses modelos reunidos acabaram destruindo o mercado de aluguel de filmes;
ocasionando inclusive a recente falência da BlockBuster, que era até uma
década atrás, a maior cadeia de locadoras do mundo. Com faturamento de
bilhões de dólares todos os anos.
Curiosamente, a própria BlockBuster teve a oportunidade de comprar a
Netflix há cerca de 10 anos, por um valor ínfimo diante do faturamento da
antiga gigante da locação de filmes. E não o fez, pois acreditava que a
pequena empresa não era um motivo de preocupação para a gigante do
mercado de filmes.
Porém, não foi apenas o mercado de aluguel de filmes que foi extremamente
afetado recentemente.
Até pouco tempo, para assistir um conteúdo televiso era necessário pagar um
pacote de TV por assinatura para fugir das opções dadas pelos canais de TV
aberta; que se limitavam basicamente aos noticiários, ao futebol, as novelas e
aos programas de auditório.
Hoje, basta ir ao YouTube para assistir a qualquer tipo de conteúdo, quando
quiser e de onde quiser.
Nele é possível encontrar conteúdo educativo, humorístico, futebolístico ou
do jeito que você preferir. Seja no celular, no computador ou conectando por
meio de uma SmarTV. E de forma completamente gratuita.
Deseja saber curiosidades relacionadas à Física e Química?
Conheça o canal Manual do Mundo.
Deseja encontrar informações sobre Churrasco?
Conheça o canal Barbecue em Casa.
Deseja informações sobre Empreendedorismo?
Conheça o canal Passo a Passo Empreendedor.
Diante disso, a forma como se consome conteúdo em vídeo mudou bastante,
e enquanto até pouco tempo o gasto de tempo e energia era tolerável (se
deslocar a uma locadora, gastar gasolina, transporte) e o pagamento era uma
obrigação (pagar pelo aluguel unitário de um filme); até mesmo na pirataria.
Hoje, os conceitos se misturam.
O que era antes era pago, hoje pode ser usufruído de forma gratuita
(YouTube, Facebook) ou mediante preços razoáveis, que representam valores
ínfimos para serem consumidos (Netflix)( mais barato que um ingresso de
um filme em uma rede média de cinemas).
Isto é, aquilo que é trivial, comum, pode ser adquirido de forma praticamente
gratuita, e aquilo que é extraordinário: seja pela comodidade e quantidade
(Netflix) ou por um conteúdo único e de alto valor agregado (MasterClass,
Eduzz, Hotmart) será pago.
Mas se, e somente se, for extraordinário.
Nesse esteio, surgem os produtos que apresentam esse traço marcante.
Criando um cenário econômico em que não basta apenas ser um produto
capaz de atender a uma demanda; tem de ser um produto que ofereça muito
valor ao cliente; que lhe proporcione uma transformação real e intensa.
Nesse cenário, surge a comparação de preço e valor.
Não basta simplesmente ter um preço, é necessário entregar um valor. E o
Valor entregado tem de ser muito maior que o preço cobrado. Dezenas de
vezes maior.
Consolidando a nova fórmula de crescimento e sucesso: entregar dez vezes
mais valor do que o preço que você cobra.
Logo, é preciso entender que estamos vivendo uma época em que temos
abundância de praticamente tudo.
Abundância de conteúdo, de conhecimento, de recursos e equipamentos.
Nesse sentido, não basta mais simplesmente ofertamos ao mundo apenas
alguma coisa, produto ou serviço. É necessário entregar 10x mais do que o
simples. É preciso entregar algo extraordinário.
Veja os exemplos dos diversos aplicativos, redes sociais e serviços que estão
de graça na Internet. São tantos que nem é necessário citar exemplos.
Eles oferecem tanto para as pessoas que elas ficam mal acostumadas e muito
mais exigentes.
Sendo assim, é preciso entender, antes de qualquer coisa, que a competição
pela atenção dos consumidores está cada vez maior; assim como o grau de
exigência.
Portanto, não basta mais simplesmente produzir, é preciso produzir algo com
muito valor. E cada detalhe conta.
Posto isto, é preciso assimilar que a regra econômica mudou, e que vivemos
uma nova era, não somente econômica, como já ressaltado, mas também
social e antropológica, determinando novos parâmetros para todo o tipo de
relação entre pessoas.
E entender isso é vital para aplicar as estratégias que aqui serão mostradas.
ENTENDENDO AS REGRAS DO JOGO

Para entender como o Instagram funciona é importante entender as regras da


plataforma. Só é possível entender o jogo quando se conhece de fato as
regras.
O guru do Marketing, Gary Vaynerchuck faz uma analogia interessante em
relação às redes sociais: são verdadeiros ringues de disputa por atenção dos
usuários. E desferir os golpes certeiros dentro delas é essencial para vencer
essa batalha.[12]
E no caso do Instagram, ele está corretíssimo.
Afinal, trata-se de uma rede de imensa disputa de atenção entre todo tipo de
foto, e alguns vídeos, em que é necessário atrair a atenção de seu alvo em
frações de segundo. Sob pena de perder a chance de mostrar algo para seu
público.
Nesse sentido, um conteúdo tem de se preocupar não apenas em cumprir o
seu papel/objetivo, isto é, mostrar algo ou eventualmente convencer alguém a
respeito de algo; mas também em conseguir atrair a atenção das pessoas da
forma mais eficiente possível.
Dessa forma, existem comportamentos e usos dentro da plataforma que vem
se consolidando praticamente como as regras do jogo quando o assunto é
Instagram. E não entendê-los significa estar fora do jogo.
Primeiramente, temos que entender que a plataforma vem se tornando cada
vez mais exigente no quesito engajamento/visibilidade das publicações. Isto
é, não mais basta manter o perfil atualizado, é necessário também manter o
seu público engajado e ativo em relação ao seu conteúdo; caso contrário, a
plataforma irá te penalizar através de seu algoritmo.
A exemplo do que ocorre no Facebook, que é dono da plataforma, o
Instagram vem sofrendo cada vez mais uma diminuição no alcance
orgânico[13] das postagens, fazendo com que um conteúdo não seja distribuído
mais para a totalidade de seguidores de um perfil.
Mais de 95 milhões de fotos são compartilhadas no Instagram diariamente,
mas devido ao algoritmo, 70% dos posts do Instagram não são vistos pela
maioria dos seguidores de um perfil.
Como é sabido, como ocorre em quase todas as outras plataformas, o
Instagram trabalha com um algoritmo que irá distribuir o conteúdo de acordo
com determinados critérios de acordo com o engajamento de cada usuário.
Esses algoritmos trabalham no sentido de filtrar boa parte do conteúdo que é
postado, seja por falta de afinidade do usuário para o conteúdo que é postado
por determinado usuário; ou pela frequência de postagens de um perfil. (Sim,
o Instagram sabe quem é o amigo que você vê mais fotos e o que você só
aceitou para não fazer desfeita).
Possibilitando que o mural de fotos (feed) não fique extremamente cansativo
ou entediante para usuário. Fazendo com que o usuário permaneça mais
tempo na plataforma. (O principal objetivo da empresa é que você gaste cada
vez mais tempo navegando na plataforma).
Sendo assim, somente os perfis que você mais acessa é que estarão
disponíveis regularmente no topo das fotos da página principal. Sendo
distribuídos também de acordo com a relevância e engajamento que tiveram
perante outros usuários.
O Instagram ainda está confuso em relação ao fato de distribuir o conteúdo de
forma cronológica (mostrando as fotos de acordo com o horário em que
foram postadas), como fazia inicialmente; ou se vai manter o ranqueamento
das fotos de acordo com o engajamento/impressões como tem feito
(mostrando as fotos com mais curtidas nos primeiros lugares da página
principal); ou ainda, se vai adotar uma estratégia mista.[14]
Outro ponto que justifica o trabalho do algoritmo, além de tornar a
experiência do usuário teoricamente mais agradável, é coibir o crescimento
de marcas e empresas de forma orgânica, fazendo com que elas tenham que
pagar o espaço publicitário para a plataforma; para que assim consigam
atingir o número máximo de possíveis clientes.
Nesse sentido, o algoritmo atende tanto a uma suposta demanda dos usuários,
como também uma demanda administrativa para tornar a plataforma
lucrativa. Já que, até o momento, não há relatório que atesta que a plataforma
tenha se tornado lucrativa; pois até aonde é sabido, a plataforma nunca havia
conseguido ser lucrativa.[15]
Pouco se é conhecido acerca do algoritmo do Instagram, entretanto
empiricamente foi possível descobrir algumas táticas que funcionam e que
serão descritas ao longo desse livro.
Nesse sentido, é preciso ir ao básico e explicar como funciona o alcance de
uma postagem na plataforma. Que se dá de acordo com dois tipos de alcance:
O alcance orgânico, que utiliza os recursos da própria plataforma para ser
distribuído, alcançando os seguidores de maneira natural, sem ser
impulsionada por vias pagas; e que é distribuída de acordo com o
envolvimento e engajamento dos usuários. Aumentando de acordo com o
número de impressões, curtidas, compartilhamentos e comentários.
E o alcance patrocinado, em que a distribuição de uma postagem é feita de
acordo com o pagamento de uma quantia que irá variar de acordo com o
número de pessoas alcançadas. Constituindo o objetivo da sub-plataforma
Instagram Ads.
Estima-se que inicialmente um conteúdo seja distribuído organicamente para
apenas 2% dos seguidores. Ou seja, se um perfil possui 10 mil seguidores,
incialmente somente 200 usuários irão receber o conteúdo postado por ele.
De acordo com as impressões, curtidas e comentários desses primeiros
usuários acerca da publicação, outros usuários terão acesso ao conteúdo. De
forma sucessiva, progressiva e provavelmente geométrica.
À medida que as postagens são realizadas, o algoritmo do Instagram irá
distribuir o conteúdo para aqueles usuários que normalmente interagem com
usualmente com as suas postagens e, caso estes primeiros venham a curtir,
posteriormente o conteúdo será distribuído para os usuários menos engajados.
Nesse sentido, conhecer essa regra é importantíssimo para sobreviver na
plataforma. Independentemente de quanto dinheiro você possa investir em
anúncios patrocinados.
Isto, pois, antes de qualquer coisa, o conteúdo é o rei.
E se o conteúdo for ruim, ou de pouco engajamento, a plataforma irá lhe
penalizar frequentemente. Seja por seu algoritmo, seja por conta dos próprios
usuários. Forçando uma contínua e progressiva estratégia de patrocínio das
postagens; o que irá custar muito dinheiro.
Nesse cenário, primeiro devemos entender que a regra do jogo é essa. E
infelizmente não há nada que os usuários possam fazer para muda-la. (A não
ser abandonar a plataforma, o que parece pouco provável).
Assim determinamos a primeira regra absoluta do Instagram: saber que o
algoritmo existe e que ele está pronto para penalizar aqueles que não
entenderem minimamente como ele funciona.
Logo, entender que não gerar engajamento com seu público é caminhar para
um precipício, é a primeira coisa que devemos saber sobre a plataforma.
Conhecida a primeira regra do jogo, vamos entender a segunda e, talvez a
mais importante regra de todos.
O conteúdo é o Rei.
Nesse sentido, além de conhecer a forma como o algoritmo atua, devemos
entender que o conteúdo é o principal ativo de qualquer perfil.
Mais do que ter um orçamento para investir em anúncios ou qualquer outra
coisa.
Sem um bom conteúdo, todo o resto é irrelevante.
Logo, é preciso conhecer algumas estratégias para criar um conteúdo
memorável e que façam com que você crie uma audiência engajada, que
sejam além de seguidores, fãs do seu trabalho. Incluindo segredos que vão
desde a escolha da foto ou vídeo, até mesmo a escolha das melhores palavras
para a legenda e para as hashtags.
Ao longo do livro serão apresentadas algumas estratégias específicas que irão
auxiliar na construção de um perfil de sucesso.
Entretanto, antes de colocar as mãos na massa, alguns princípios precisam ser
conhecidos.
O primeiro deles: O Instagram é uma rede marcada por um conteúdo artístico
e não, comercial.
Nesse sentido, o que faz sentido na publicidade tradicional, ou até mesmo em
um anúncio de revista ou outra rede social, não tem o mesmo sentido do que
na plataforma.
Por quê?
Primeiramente, porque o espaço é diminuto.
Enquanto nas mídias tradicionais há um espaço geometricamente maior, o
que faz com que a postagem seja mais bem vista e ‘’scaneada’’; o espaço de
uma postagem no Instagram está restrito ao tamanho da tela do celular.
Outro motivo que dificulta é o fato do formato da rede permitir a constante
rolagem do feed[16] de postagens.
Ou seja, a foto mostrada deverá cativar a atenção do usuário em milésimos de
segundo; ou o usuário simplesmente rola a barra para baixo e não vê mais a
postagem.
Sendo assim, a postagem tem de ser muito bem pensada e planejada para ser
vista da melhor maneira possível, gerando o engajamento que a plataforma
pede.
Nesse cenário, não basta apenas que a postagem seja interessante, ela deve
também despertar sentimentos no usuário de modo que ele venha a interagir
com o conteúdo imediatamente.
Logo, a criação do conteúdo deve não somente ser de alta qualidade; ela deve
ser pensada para ser de fácil assimilação e entendimento, de forma a deixar
bem clara a mensagem que deseja expressar; independente de qual seja.
Desse modo, devemos saber que nessa rede ‘’menos é mais’’ e o quanto
menos o usuário precisar ‘’procurar’’ nas minucias de seu conteúdo, melhor.
O conteúdo deve ser claro, específico e direto. E qualquer excesso pode
deixar a mensagem dúbia ou confusa.
Além disso, os detalhes são cruciais. E os maiores segredos estão neles.
O célebre coach Tony Robbins ensina que a diferença entre aquilo que é
muito bom para aquilo que é fantástico é uma questão de meros detalhes. E
são os detalhes que diferenciam os melhores profissionais;
Ele exemplifica que os melhores cirurgiões plásticos do mundo se destacam
pela forma como conseguem trabalhar os milímetros de um paciente; e que o
segredo de um fantástico profissional de golf, como Tiger Woods, está
simplesmente em acertar a tacada em um milímetro a mais para um lado da
bolinha, de acordo com o curso do campo[17].
Essa regra também se aplica ao caso do Instagram.
O segredo está na forma como os detalhes são encarados, e alguns milímetros
podem tornar um conteúdo ainda mais épico.
Outros pontos extremamente importantes que um usuário precisa saber para
manter o seu perfil com altas taxas de interação estão ligados à maneira como
a plataforma deve ser usada.
Primeiramente, é preciso entender que não basta estar no Instagram, (ter um
perfil relativamente ativo) é absolutamente necessário se fazer presente.
Não basta apenas marcar presença, tem de se estar efetivamente presente.
E o que quer dizer isso?
Não basta apenas postar os conteúdos e esperar que os demais usuários
mantenham a interação com a postagem de forma automática e imediata.
Ou simplesmente repostar o mesmo conteúdo de outras mídias no Instagram
e acreditar que o trabalho está feito. Não. Não mesmo.
Um traço marcante é o fato do Instagram ser uma rede onde existe alto
engajamento dos usuários, e também uma rede em que o alto engajamento é
essencial e vital; pois caso contrário, o algoritmo gentilmente irá limitar o
alcance de sua postagem pouco a pouco, até você ser irrelevante perante o seu
público.
Nesse sentido, é preciso antes de qualquer coisa entender especificamente o
que é engajamento?
A palavra tão em alta hoje no mundo digital se tornou mais que uma palavra,
sendo um conceito.
E esse conceito está ligado não somente ao fato de que é necessário postar
conteúdos interessantes e que emocionem sua audiência; vai mais além.
As pessoas querem interagir.
Gostam de curtir, compartilhar, comentar e serem respondidas.
Adoram que seus comentários sejam curtidos pelo dono do perfil; e muitas
vezes querem manter uma interação mais detalhada com a marca ou com a
pessoa responsável pelo perfil em questão.
Seja para desenvolver uma conversa, ou simplesmente para sentirem que
fazem parte do perfil; de alguma forma.
Logo, a palavra engajamento vai além de promover a interação do usuário ou
de deixa-lo emocionado com seu conteúdo.
O intuito é deixa-lo fazer parte do seu perfil. É deixa-lo colaborar com a
construção da sua reputação!
Lembre-se, ‘’compartilhar’’ e ”colaborar” são as chaves da nova economia.
E fazer com que seus seguidores se sintam parte de seu negócio/vida social é
essencial em um momento em que as pessoas procuram mais do que Ter;
procuram também o Ser.
Querem fazer parte. Pertencer.
Nesse sentido, postar conteúdos de forma aleatória e não interagir
diretamente com a sua audiência pode significar cair no esquecimento.
Sendo essencial marcar a efetiva presença na rede. Tanto na própria rede,
como também para com os seus seguidores.
A maioria dos perfis se esquece desse ponto importante, e é esse um dos
principais diferenciais!
Por conta desse simples detalhes, diversos pequenos negócios estando
brigando com gigantes do comércio. E pessoas comuns tem se tornado
celebridades da web; desbancando o interesse por famosos da TV, Cinema e
Rádio.
Logo, engajamento não é apenas deixar os seguidores emocionados ou fazer
com que eles curtam, comentem e compartilhem o seu conteúdo; é também
agir de forma recíproca, criando um ambiente de constante interação entre
quem cria o conteúdo e quem recebe, bem como entre aqueles que recebem; e
posteriormente, com os outros que virão receber o seu conteúdo.
Assim, entendidas as regras de um jogo onde não basta apenas lidar com os
usuários, sendo também essencial saber como o algoritmo pode te penalizar;
é bom relembrar que o conteúdo é o Rei e que os detalhes são o segredo.
Nesse caminho vamos discutir os outros elementos que podem fazer o seu
Instagram um sucesso. E que representam o mapa para o sucesso.
ESCOLHENDO UMA TEMÁTICA

Agora que já entendemos as regras do jogo, precisamos entender como jogar


o jogo.
Muito provavelmente o seu Instagram tem um tema bem definido. Mesmo
que seu objetivo seja criar um perfil para divulgar a sua imagem pessoal, o
seu estilo de vida, ou a sua rotina; existem determinadas pessoas que vão se
interessar por aquilo que você postar; e saber exatamente quem são elas é
essencial nesse jogo.
Nesse sentido, é preciso deixar a temática do seu perfil muito bem esclarecida
para todos aqueles que irão visitar o seu perfil e conhecer o conteúdo.
Com raras exceções, dificilmente existe um perfil famoso que não tenha em
essência um tema bem-definido.
Por exemplo, a influenciadora Gabriela Pugliesi, conquistou seu público
basicamente demonstrando a sua rotina de vida saudável, com exercícios e
alimentação adequada.
Posteriormente, os usuários também passaram a interagir com ela buscando
mais detalhes sobre sua vida pessoal. E recentemente, pelo fato dela ter se
tornado uma pessoa pública, suas postagens ganharam outros temas, como o
relacionamento dela com o marido, entre outras.
No momento deste relato, a influenciadora tem mais de 3,8 milhões de
seguidores.[18]
Outro exemplo é Caio Novais, conhecido como Brogui, que inicialmente
começou seu trabalho em um blog homônimo e mais especificamente em seu
canal no Youtube, ‘’Ana Maria Brogui’’[19]; em que ele fazia receitas famosas
e veio a se tornar uma referência quando o assunto é culinária.
Hoje, além de ser um youtuber famoso, com milhões de seguidores, ele tem
uma base de fãs engajados em seu perfil pessoal; aonde ele compartilha sua
rotina com seus seguidores.[20]
Em ambos os exemplos, as personalidades se desenvolveram tendo uma
temática bem definida: Fitness Life Style e Culinária, respectivamente.
Sendo assim, é importantíssimo determinar, antes de qualquer coisa qual é o
tema de seu perfil.
Essa informação deve ser extremamente clara para seu público. Usuários em
dúvida podem até gostar da maioria do seu conteúdo, mas podem não te
seguir por não acreditarem que aquele conteúdo que eles gostaram será
continuamente produzido/postado; uma vez que seu perfil também postou
várias outras coisas alheias que não possuem relação direta com a essência do
perfil.
Portanto, clareza é essencial. Sempre.
Deixe bem claro qual é o seu tema.
Logo, concluímos um ponto extremamente importante. A necessidade de ser
específico.
Isto é, o seu perfil deverá demonstrar de forma clara e específica o que ele é e
o que ele pretende.
Lembre-se: Quem quer falar sobre tudo, acaba não sobre falando nada.
E é a partir dessa máxima que você deve construir a sua temática.
Afinal, qual é a temática do seu perfil?
Vida saudável? Culinária? Moda? Lazer?
Definir precisamente qual é o seu tema é vital não só para atrair a sua
audiência, como também para orientar o tipo de conteúdo que você irá postar.
Mantendo duas chaves de um perfil de sucesso que são a consistência e a
coerência.
Os perfis de sucesso são coerentes com o tema que se propõem a abordar,
publicando somente aquilo que está diretamente relacionado com seu tema, e
que estão relacionados com os seus demais conteúdos; sendo também
consistentes, publicando sempre um conteúdo que mantem as características
das demais postagens. Mantendo uma identidade visual que os faz únicos e
originais.
Existem várias formas de criar um conteúdo consistente e coerente; nem
mesmo que seja o fato da mesma pessoa estar presente em todas as
postagens.
Outro ponto aliado ao ser consistente está no fato de estar sempre postando
com a mesma frequência e constância, mantendo os seguidores atentos e
engajados com seu conteúdo.
E um perfil consistente e coerente deve se ater ao nicho que se pretende
atender.
Sendo importante definir principalmente o que é nicho. Conforme faremos no
próximo capítulo.
ENTENDENDO OS NICHOS

Além de estabelecer uma temática, que pode ser entendida também como
mercado, os usuários que tem construído perfis de sucesso tem se mantido
atentos a outro ponto ainda mais específico: a definição de nichos de
mercado.
Afinal, o que são nichos?
Um nicho de mercado, de um modo geral, nada mais é do que um sub-
mercado onde uma pequena parcela dos clientes e consumidores de um
mercado maior provavelmente não está sendo atendida pelos fabricantes
principais de um determinado produto ou serviço.[21]
Para nosso exemplo, as palavras clientes e consumidores podem ser também
entendidas como usuários; que nada mais são do que consumidores do seu
conteúdo.
Um exemplo de mercado é o de Alimentação e Nutrição com diversos
segmentos e diferentes focos.
Diversas empresas oferecem dezenas e mais dezenas de cursos, receitas e
dicas; constituindo uma enorme gama de produtos e serviços.
Dentro deste mercado existem diversos nichos que representam a
segmentação específica dentro dele.
Um exemplo de segmentação de nicho de mercado dentro do exemplo citado
seria: “Receitas e Dicas para pessoas intolerantes ao Glúten“.
Este seria um segmento bem específico do mercado e claramente
identificável, que provavelmente muitas das maiores empresas e livros de
receita não atendem.
Nesse sentido, o nicho seria pessoas com intolerância ao glúten (celíacos) que
querem encontrar receitas e dicas no Instagram.
Logo, o conteúdo produzido deverá ser todo orientado para atender as
demandas desse nicho específico.
Sendo assim, a probabilidade de encontrar um público de alto engajamento é
ainda maior.
Mesmo que este público seja de poucas pessoas.
Lembre-se: no Instagram qualidade é melhor do que quantidade.
Mais valem 1000 seguidores engajados, dispostos a consumir efetivamente o
seu conteúdo do que 10.000 seguidores que apenas visualizam os seus posts.
A riqueza está nos nichos de mercado.
Imagine quantas pessoas estão dispostas a pagar um pouco mais para
consumir um conteúdo que está disponível somente em poucos canais?
Mesmo que esse ‘’pagamento’’ seja na forma de curtidas ou
compartilhamentos.
É diante da escassez que aparecem pessoas dispostas a pagar ainda mais para
ter a propriedade.
Um exemplo tradicional disso são os carros da Ferrari.
Esses carros não representam apenas potência ou estilo de vida esportivo.
Eles também representam exclusividade, dado ao fato de que existem poucos
modelos da marca italiana no mundo.
E essa exclusividade é o elemento específico que atende um nicho muito
restrito de pessoas suficientemente endinheiradas dispostas a pagar milhões
por um carro.
Surgindo um produto com posicionamento premium capaz de atender a
demanda deste nicho: os carros da Ferrari.
E é também dentro dessa especificidade que está a grande riqueza do
Instagram.
E saber quem você deve atender já é um passo enorme!
E mais do que nunca, a ideia de Nicho esteve tão em alta, principalmente por
conta de um fenômeno recente chamado Cauda Longa; que vamos estudar no
próximo capítulo.
ENTENDENDO A CAUDA LONGA

A Internet possibilita a todos nós termos o acesso a diversas modalidades de


conteúdo, de diferentes assuntos e vertentes. Tudo isso bastando a nos apenas
uma simples busca para termos acesso a tudo aquilo que desejamos ver.
No Instagram o cenário não é diferente.
Nele é possível encontrar quase todo tipo de conteúdo, desde que esteja de
acordo com as regras da plataforma. (excluindo, por exemplo, a pornografia
e o gore).
Por conta dessa infinidade de conteúdo disponível na plataforma, tornou-se
possível encontrar algo bastante específico sobre quase qualquer tema.
Permitindo encontrar conteúdos extremamente específicos, como por
exemplo: quadrinhos antigos, fotos de guitarristas famosos, fotos de ceviches
peruanos feitos com salmão e polvo, etc.
Da possibilidade de se encontrar ‘’tudo sobre tudo’’ na web, surgiu o que
hoje é popularmente conhecido como Cauda Longa. Expressão cunhada pelo
escritor Chris Andersen, no livro de mesmo nome.
Segundo o autor, existem produtos que são extremamente populares e
encontram picos de demanda, os chamados Hits, caracterizados por serem
produtos genéricos, que atendem a um grande número de clientes; como
livros best-sellers que estão na moda, como, por exemplo ‘’A cabana’’, ‘’50
tons de cinza’’; ou cantores como um dia foram os Backstreet Boys.
E uma infinidade de produtos com menor demanda, mas que continuam
sendo vendidos indefinidamente. Caracterizados pela especificidade de suas
características, bem como de seus clientes.
Estes produtos específicos se tornam muito mais lucrativos do que os
produtos hits ao longo prazo, dado a existência de consumidores ávidos para
encontrar produtos extremamente específicos.
Criando um verdadeiro contraste, e que é verificado somente após minucioso
levantamento. Afinal de contas intuitivamente temos a impressão de que
apenas os Hits é que vendem muito. Quando na verdade, há espaço para todo
tipo de produto.
Enquanto o varejo tradicional se pautava, em teoria, a partir da Curva de
Pareto: teoria desenvolvida pelo economista Vilfredo Pareto, que considera
que 80% dos resultados são gerados por apenas 20% dos produtos; se
concentrando apenas nos hits; a Cauda Longa considera que a verdadeira
riqueza está nos produtos específicos, e não nos genéricos. E que a infinidade
de produtos é/será responsável pela maior parte do faturamento do comércio
mundial.
Considerando que os recentes avanços da Internet possibilitam baixar os
custos de distribuição e armazenamento, as empresas que aplicam esta
estratégia com sucesso são capazes de obter uma quantidade significativa de
lucro vendendo produtos incomuns para várias pessoas; ao invés de limitar o
catálogo a poucos produtos populares que vendem em grande quantidade
(hits).
A partir dessa premissa, constatou-se que com a Internet foi possível conectar
consumidores com interesses bastante específicos, dispostos a comprar
produtos extremamente específicos.
Delimitando um diferencial essencial na força de empresas como a Amazon,
que começou como uma livraria online que vendia e distribuía livros
extremamente específicos que eram considerados desprezíveis para a maioria
das livrarias da época. Trabalhando não só com os livros populares, com
demanda genérica e expressiva, mas também com livros específicos com
demanda diminuta; mas que tinham preços e margens interessantes.
Nesse contexto, a melhoria dos buscadores, como o Google, possibilita
encontrar produtos extremamente específicos em lojas extremamente
específicas, atendendo fatias consideráveis de mercado; onde estão clientes
dispostos a comprar e que até o advento da Internet não encontravam esses
produtos com facilidade.
Possibilitando assim com que pequenas lojas possam atender a esta demanda
até então reprimida, representando competição até então inviável perante
grandes varejistas.
Ainda neste esteio, a Internet possibilita que uma pequena loja de fundo de
quintal consiga vender produtos para clientes que estão a milhares de
quilômetros de distância, da mesma forma que grandes varejistas também
podem.
Nesse sentido, o fato ser possível encontrar qualquer coisa em uma
plataforma colaborativa como o Instagram reforça o alcance de pessoas que
vendem produtos extremamente específicos.
Demonstrando também a possibilidade e importância de atuar em todo tipo
de nicho, por mais específico que seja. Podendo ser encontrado na plataforma
por diferentes usuários, de diferentes países.
Utilizando todo tipo de recurso, inclusive as hashtags específicas. (Mais
sobre esse ponto será trabalhado no final do livro).
Fazendo com que a ideia da Cauda Longa seja cada vez mais verdadeira e
praticada na rede. Possibilitando a venda de literalmente qualquer produto ou
serviço; por mais específico que ele seja.
Entendida essa possibilidade, vamos aprender como definir e como trabalhar
com o público-alvo de seu Instagram.
DEFININDO O PÚBLICO – ALVO

Além da temática, outro ponto essencial para o seu perfil é saber exatamente
e especificamente para quem você está falando.
Resultando no segundo fator de construção do perfil, o ‘’para quem?’’.
Se ao definir a temática definimos o ‘’o que’’ do seu perfil, é necessário
também definir o público que vai constituir a sua audiência. O ‘’para
quem?’’.
Chegando a outra máxima que é essencial para um perfil de sucesso.
Quem quer falar com todo mundo, não fala com ninguém.
E a partir dessa máxima que vamos trabalhar os conceitos de público-alvo e
persona.
O que é público-alvo?
O público-alvo é a definição social, econômica e demográfica de quem vai
consumir o seu produto.
Dentre as informações gerais ligadas ao público-alvo temos informações
como:
-Estado civil;
-Formação acadêmica;
-Sexo;
-Hábitos de compra;
-Idade;
-Profissão;
-Localização;
Para realizar o estudo do mercado que vamos atender é essencial definir o
público-alvo, que é o primeiro passo para o desenvolvimento do público
ideal.[22]
Exemplos de público-alvo:
-Homens, de 30 a 40 anos, que gostam de cortar o cabelo de acordo com as
tendências do momento; que tenham curso superior completo e renda acima
de 10 salários mínimos. Moradores da cidade de São Paulo.
- Mulheres, de 50 a 60 anos, com curso superior completo; renda acima de 5
mil reais por mês. Moradoras da cidade de Belo Horizonte; procuram roupas
sóbrias e de tamanho plus-size.
A partir dos exemplos percebemos a forma como devemos nos orientar na
definição do público-alvo:
-Seu conteúdo/produto se destina a empresas ou pessoas físicas?
-Em qual localidade estão as pessoas a quem sua solução se destina? Cidade,
Estado, País?
-Qual o sexo que você pretende atender? Masculino? Feminino? Ambos?
-Qual é a idade dos seus consumidores? Qual a faixa de idade?
-Qual é a renda mensal?
-Qual é a formação?
-Qual é o estado civil?
-Com qual frequência consome o produto?
Esses elementos irão ajudar a formatar o público-alvo.
Definido o público-alvo, vamos a um conceito mais específico e que será
usado para orientar ainda melhor nossa busca. A Persona.
O que é persona?
Também chamadas de buyers persona, é uma das formas mais fáceis de
encontrar o público ideal para seu conteúdo.
Segundo define o site Marketing de Conteúdo:
Persona ou buyer persona é um perfil semifictício do
cliente ideal de uma empresa. O objetivo é que sua
empresa compreenda melhor quem é o cliente e do que
ele precisa, possibilitando estratégias de marketing
mais acertadas.
A partir da persona é possível descobrir detalhes que possibilitam uma maior
conexão entre o produtor de conteúdo e quem irá efetivamente consumi-lo.
Possibilitando uma segmentação mais precisa do usuário alvo.
Para estabelecer a persona de seu perfil vamos precisar criar alguns
elementos:
-Um nome fictício, para facilitar a conexão;
-Uma breve história sobre o dia a dia da persona;
-Profissão;
-Hábitos de compra;
-Estilo de vida;
-Quais são as redes sociais favoritas?
-Quais são seus hobbies?
-Quais são seus valores?
- Quais as dores relacionadas ao seu produto/conteúdo?
- Quais as dúvidas essa pessoa pode vir a ter?
- Quais são suas ambições/objetivos ao consumir seu conteúdo?.
Utilizando as perguntas propostas nesse exercício será mais prático e fácil
criar os conteúdos que você irá interagir com seu público. Sendo possível
determinar:
-Quais assuntos abordar;
-Qual os formatos de conteúdo ideais;
- Quais são as palavras-chave que os usuários buscam;
Exemplos de persona:
Isabela tem 25 anos, é formada em arquitetura. Tem uma renda familiar
acima de 10 salários mínimos. Gosta de cachorros e de comprar roupas na
Internet. Tem um orçamento mensal para fazer compras e manter o guarda-
roupas atualizado. Está sempre atenta as novidades, e segue as blogueiras de
moda como Tássia Naves e Lala Rudge. Mora em Belo Horizonte e gosta de
roupas confortáveis.
Flávio tem 49 anos e gosta de ler e ver vídeos sobre desenvolvimento
pessoal. Mora em Belo Horizonte, tem MBA em Administração e recebe mais
de 10 salários mínimos por mês. Gosta de ver vídeo-aulas do professor
Marcos Trombetta e assiste aos conteúdos postados pelo coach Paulo Vieira.
Gosta de investir mensalmente em cursos e livros de preparação para
conseguir uma promoção no emprego.
Enquanto o público-alvo é mais amplo e auxilia uma visão mais corporativa,
a ideia de estabelecer uma persona específica para seu negócio ajuda a ver e
programar o conteúdo com os olhos do consumidor e não com os olhos
somente de quem produz o conteúdo. Nesse sentido, a produção de conteúdo
se torna mais humanizada e conectada.
Entretanto, é importante ressaltar que a definição da persona não é aleatória.
E apesar de usar dados fictícios, é preciso se basear em dados que sejam
condizentes com a realidade das pessoas que você deseja alcançar.
Para conseguir esses dados um pouco de pesquisa pode ser necessário, usar,
por exemplo, o site do IBGE[23] para consulta acerca do poder aquisitivo e das
localidades dos possíveis clientes. (é possível descobrir quais são os bairros
com maior poder econômico); ou até mesmo o Facebook, que possui uma
ferramenta que oferece dados aproximados, com base nas preferências de
cada usuário.
Outra metodologia vitoriosa é pesquisar as páginas relacionadas ao suposto
público que você acredita que vai atender, sendo uma excelente forma de
descobrir quem e como são os possíveis usuários que irão compor a sua
audiência.
É interessante fazer e refazer esse exercício, utilizando uma folha de cartolina
grande e post-its.
Assim você pode colar e descolar as informações que for encontrando;
definindo com maior precisão quem são; o que fazem; e onde estão as
pessoas que podem compor a sua audiência.
Definido o tema e o público de seu perfil, vamos por as mãos na massa e
começar a criar um perfil.
TIPOS DE PERFIL

Antes de falarmos sobre a criação do perfil, é preciso definir quais são os


tipos de perfil que estão presentes na plataforma. Sendo distribuído em três
categorias: Pessoal, Negócios e Temáticos.
Os perfis pessoais são os perfis mais comuns e clássicos. Isto é, são os perfis
das próprias pessoas.
Nestes perfis elas irão publicar fotos de acordo com seus interesses e que
sejam relacionados com sua vida pessoal. Fotos com amigos, fotos em
viagens, festas, restaurantes, etc.
Em casos de influenciadores digitais ou de celebridades, é usual que esses
perfis estejam ligados também a promoções de produtos ou até mesmo da
reprodução de um estilo de vida ‘’criado’’ estrategicamente para atender aos
seguidores da melhor forma.
Afinal, o perfil é também uma forma de uma pessoa divulgar o seu trabalho.
Seja ele artístico, empresarial, ou de outra natureza. Desde que seja
relacionado à sua imagem pessoal.
Já os perfis de negócio são ligados às marcas, empresas ou movimentos que
tenham uma natureza organizacional, lucrativa ou não.
Nesses perfis encontramos marcas que usam muito bem a plataforma como a
Reserva, Nike, e as demais empresas. Esses perfis são caracterizados por não
estarem ligados diretamente a uma pessoa; usando o seu espaço para
divulgação de seu produto, serviço ou causa.
O Instagram permite inclusive que as empresas tenham acesso à plataforma
Instagram Business, que possibilita o uso de postagens patrocinadas, o acesso
a gráficos de usabilidade e tráfego, entre outras especificidades.
Essa modalidade de perfil irá experimentar as maiores inovações na
plataforma, que pretende se tornar também uma plataforma para a
realização de compra e venda, bem como de intermédio de pagamento de
serviços e produtos.
Por último, os perfis temáticos são aqueles que têm um tema específico e que
dirigem a uma audiência específica; mas que não se apresentam como
empresas.
São perfis que apresentam conteúdo de diversas fontes ou de uma fonte
específica, mas que não seja relacionada a uma marca ou pessoa específica.
Essas páginas abordam nichos bem definidos, podendo ser encontradas em
milhares de diferentes ramos: perfis relacionados a pets, perfis com conteúdo
motivacional, religioso, ou ainda dicas de alimentação e saúde.
Essas páginas podem ou não ter intuito lucrativo, mas esse intuito não é
diretamente demonstrado, como no caso dos perfis de negócio.
Todas essas páginas irão coexistir no mesmo espaço da plataforma, não
havendo grande diferenciação na forma como elas se apresentam aos demais
usuários.
Uma especificidade em relação aos perfis está no fato de que, atualmente, os
perfis com mais de 10 mil seguidores serão habilitados para poderem colocar
links diretamente nas postagens feitas no Instagram Stories. O que auxilia a
promoção de links externos ao Instagram, tais como o seu próprio site, canal
no Youtube ou blog.
Mas afinal, qual perfil criar?
Esta resposta será de acordo com a sua necessidade.
Defina um tema para o seu perfil e veja qual se adequa mais a sua
necessidade.
Se você quiser promover sua marca pessoal seguem alguns exemplos:
Se você for um esportista que pratica skate: faça um perfil pessoa divulgando
sua rotina; mostre seus equipamentos; mostre os lugares aonde você anda
com seu skate; fale sobre as lojas que tem bons produtos para a prática da
atividade; demonstre o seu estilo de vida que gira em torno do skate; suas
roupas, tatuagens; vídeos que você gosta, etc.
Se você for um médico, mostre a sua rotina. Fotos do seu consultório, fotos
suas com seus pacientes. Fotos de resultados de antes e depois das consultas.
Dicas de alimentação, exercício, etc. Tudo que for relacionado ao seu
trabalho é bem- vindo.
Agora, se o seu objetivo é criar uma página para pessoas que tem intolerância
ao glúten (celíacos), pode optar por um perfil temático. Nesse perfil você
poderá postar receitas e dicas de alimentação, locais para comprar produtos
que não contenham glúten; dicas de alimentos que podem substituir as
farinhas com glúten, etc. Ou ainda, você pode ainda citar profissionais e
outros perfis que fazem um trabalho semelhante. Nesse tema, em específico,
o doutor Juliano Pimentel faz um trabalho admirável, com diversas dicas para
celíacos; sendo ele mesmo um deles.
Em caso de escolher criar um perfil para promover sua empresa, é
interessante colocar todo tipo de conteúdo relacionado a ela; não estando
apenas limitado a colocar fotos dos produtos. Crie postagens que mostrem o
seu espaço, os seus colaboradores e seus clientes. Crie empatia com a sua
empresa. Lembre-se que por trás de todo CNPJ tem diversas pessoas físicas.
Mostre o lado humano da sua empresa.
Além dos tipos de perfis citados, que compõem estratégias individualizadas é
interessante ressaltar que também existem estratégias de usuários que usam
simultaneamente os três tipos de perfil, usando um perfil para cada
especificidade.
Uma conta pessoal relacionada à promoção de sua imagem pessoal, um perfil
da empresa em que atuam e um perfil temático para trabalhar o nicho de
mercado em que atuam.
Essa também é uma opção vencedora; porém exige um esforço considerável
do usuário, que terá que produzir três vezes mais conteúdo. Outro desafio é se
conectar com mais pessoas, já que é normal que cada seguidor queria
interagir com um dos tipos de perfil. (A minoria dos seguidores é que irá
seguir os três simultaneamente) (Entretanto, a estratégia pode ser uma forma
de atingir diferentes tipos de usuário).
Não há limites para a plataforma. Tal como um e-mail, ela pode ser usada de
diferentes formas. Inclusive, sendo possível vincular vários perfis à sua conta
original.
Entendido os tipos de perfil e como funcionam as regras da plataforma,
vamos passar ao momento de ação e trabalhar ponto a ponto as características
de um Instagram de sucesso.
MÃOS À OBRA
CRIANDO O NOME PERFEITO

Um dos pontos principais para um perfil de sucesso é a escolha de um nome


adequado para o perfil.
Esse nome será em essência a forma como você será conhecido, com
raríssimas exceções.
Ainda que o perfil seja para a promoção de uma imagem pessoal, é
importante ficar atento a este capítulo, pois algumas inspirações valiosas
podem estar aqui. E serão determinantes para o sucesso de seu perfil.
Em uma rede aonde cada segundo de atenção é disputado por todos os
usuários, é extremamente importante fazer de cada detalhe um show à parte;
ou se assim não for possível, é imprescindível tornar cada momento
memorável.
Por conta disso, é necessário prender pelo menos o mínimo de atenção do
usuário no momento em que ele se deparar com o seu perfil. E o nome é um
dos primeiríssimos contatos que ele terá com o seu perfil.
Nesse sentido, existem algumas estratégias para a criação de um nome
perfeito para o seu perfil.
Antes de aplicar qualquer estratégia, é necessário saber que o nome do seu
perfil é a forma como as pessoas irão conhecer o seu trabalho, e também
como você será conhecido na plataforma.
Sendo assim, a escolha do nome do perfil é um ponto delicado, e que merece
a atenção na sua criação; que deve levar em conta alguns fatores:
O nome deverá ser de fácil pronúncia e grafia, visando facilitar não somente a
digitação dos usuários para procurarem o seu conteúdo na plataforma, mas
também, pois é a forma como as pessoas podem divulga-lo no boca-a-boca.
Não apenas por conta disso, o fato dos usuários conseguirem ler o seu nome
da forma mais fácil possível é uma maneira de aproveitar ao máximo o pouco
tempo que você tem em contato com possíveis novo seguidores; isto porque
no momento em que o usuário toma conhecimento do seu nome de usuário,
ele terá poucos milésimos de segundo para assimilar o que você é, e o que
você faz; e o nome pode ajudar e muito nesse processo.
Lembre-se: o segredo está nos detalhes.
Além disso, é importante evitar nomes muito longos. Simplicidade é tudo. E
nomes extremamente longos podem causar estranheza ou até mesmo
confundir os demais usuários. Concisão é tudo. Use apenas as palavras
necessárias.
Usar nomes ligados a um dos sexos, feminino ou masculino, pode gerar
limitação do público alvo. Que eventualmente associará o conteúdo a um
nicho específico de acordo com o sexo/gênero.
Se o seu público for especificamente definido, como, por exemplo, mulheres
de determinada idade; o uso da variação de acordo com o sexo/gênero é
importante e valiosa.
Caso contrário, pode ser um fator que limite o seu negócio.
Entretanto, esta não é uma regra absoluta. Conhecer a sua audiência de
acordo com as dicas descritas anteriormente irão lhe ajudar a definir essa
resposta.
Outro ponto importante é o uso de jargões e termos relacionados ao tema
proposto pelo seu perfil.
Esse ponto é um pouco controvertido entre os especialistas e também entre
alguns usuários que possuem diversos perfis.
Usar palavras que estejam diretamente relacionadas ao seu nicho por teoria
podem ajudar a fazer com que as pessoas encontrem o seu perfil. E isso é um
ponto extremamente positivo.
Particularmente, acredito que esse seja um ponto valioso, e, inclusive, uso em
meus perfis.
Há quem diga que é importante se diferenciar dos demais, evitando promover
perfis semelhantes; que provavelmente também usarão esses termos nos
respectivos nomes.
Entretanto, mantenho a opinião de que usar palavras relacionadas ao seu tema
é uma forma inteligente de consolidar um nome memorável, tornando mais
fácil a assimilação para os demais usuários. Demonstrando diretamente quem
você é.
Exemplos disso são as composições de nomes ligados a respectivos nichos,
como, por exemplo, para pizzarias, colocar o nome ‘’pizzaria’’ junto ao nome
do perfil pode trazer benefícios (no caso de perfis de negócio).
No caso de perfis temáticos é ainda mais indicado, pois pode ser responsável
por trazer fãs engajados para o seu perfil. Exemplo: páginas de
emagrecimento com nomes como ‘’emagreça rápido’’, ‘’emagreça com
saúde’’, entre outros que envolvam palavras chave de um determinado nicho.
São nomes que definem exatamente o tema abordado no perfil.
No caso de perfis pessoais é importante colocar no nome algo que possa ser
descritivo e também possa remeter a ideia de autoridade no assunto.
Essa estratégia é muito bem vinda para usuários que sejam profissionais da
saúde ou advogados, que usam prenome ‘’doutor/dr’’ no nome de usuário.
Ou, por exemplo, Nutricionista e o nome: ‘’nutricionista Leticia’’.
Essas são estratégias comuns, mas que tem bons resultados e segmentam
muito bem o público alvo.
Lembre-se sempre de usar palavras que tenham relevância para seu
nicho.
Trabalhar os ensinamentos anteriores é de vital importância!
Outro ponto importante é manter a sinergia do perfil do Instagram com os
perfis de outras mídias sociais como Twitter e Facebook.
Isso auxiliará a manter a integração entre as plataformas e facilitará a atração
de seguidores de outras mídias para que eles também se tornem seus
seguidores no Instagram.
Logo, usar o mesmo nome, ou muito semelhante, em todas as mídias pode
trazer um resultado excelente para seu perfil.
Sendo uma forma excelente de manter engajados os seguidores que você já
tem nas demais redes; provendo mais conteúdo para um fã que já vai
‘’conhecer’’ o seu perfil do Instagram de uma maneira mais engajada do que
um seguidor totalmente novo; pois ele estará mais ‘’quente’’ e disposto a
interagir com seu conteúdo.
Essa integração também é extremamente válida e importante para quem
deseja promover tráfego para seu site ou blog.
Usar o mesmo nome de perfil que o do domínio da página respectiva é uma
excelente forma de gerar tráfego e fãs para as duas frentes: tanto para o
site/blog quanto para o perfil.
Exemplos: o site www.segredosdaaudiencia.com.br e o perfil homônimo
‘’segredosdaaudiencia’’ (bom conteúdo, por sinal).
Ou também o blog Viver de Blog, que tem o endereço
www.viverdeblog.com.br e o perfil ‘’viverdeblog’’ no Instagram.
Essas são algumas estratégias para criar um nome ideal para seu perfil.
Para auxiliar nesse exercício criativo, você também pode contar com uma
aplicação do Google para saber quais são as palavras mais buscadas que tem
uma relação com seu nicho de mercado: O Key Word Planer.
Para isso, basta digitar palavras relacionadas ao seu nicho no planejador de
palavras-chave do Google AdSense.(link no rodapé) e procurar quais
palavras foram mais procuradas pelos usuários relacionadas ao tema que você
atua, bem como quais parecem mais adequadas para o nome do seu perfil. [24]
Esse exercício vai te ajudar inclusive a encontrar palavras fortes para usar em
seus conteúdos e nas suas hashtags e legendas.
Lembre-se, todos os exercícios recomendados estão ligados entre si e
fornecem uma metodologia valiosa para a implementação de todas as
estratégias descritas nesse livro.
Definido o nome do perfil, vamos trabalhar outro ponto essencial: o logo de
seu perfil.
ESCOLHENDO O LOGO PERFEITO

A escolha do Logo é outro ponto essencial para cativar imediatamente os


seus possíveis seguidores.
A Logo nada mais é do que aquela pequena imagem circular que aparece ao
lado do nome de seu perfil.
Juntamente com o nome, ela é o primeiro contato que um usuário tem com o
seu perfil; e isso pode significar o despertar do interesse do usuário, ou a
perda de uma oportunidade.
Nesse sentido, a escolha do Logo ideal é também uma etapa que merece total
atenção de um usuário.
Para isso, existem algumas estratégias para criar um logo memorável, que
fará despertar o interesse imediato dos demais usuários.
Primeiramente, o logo deverá ser original, pois ele será sua identidade na
rede, e uma das primeiras formas com as quais as pessoas irão tomar contato
com o seu perfil.
Sendo assim, sempre que elas visualizarem o seu logo, elas deverão
imediatamente reconhecer o seu perfil. Sem espaço para nenhum tipo de
dúvida.
A dúvida pode gerar o desprezo ou o descaso com o seu conteúdo.
Lembre-se, o esforço é contínuo para ganhar. Foque sempre no longo
prazo.
Além disso, ele deve ser criativo e capaz de causar uma impressão imediata
em seu público. Sendo importante sair um pouco do trivial, se possível.
Para isso, a escolha do logo é um ponto que reforça a ideia de que o
Instagram é uma plataforma em que o elemento artístico tem de ser levado a
sério.
Não, não é necessário ser um artista para criar o logo ideal para o seu perfil.
Porém, é importante seguir essas estratégias para planejar a sua identidade na
rede.
Na produção do logo mantenha sempre a coerência com a temática abordada.
Conforme já trabalhamos, as escolhas da temática e do nicho são
extremamente importantes ao longo de toda a construção de um Instagram de
sucesso.
A escolha de uma imagem para o logo deverá ser intimamente ligada com a
forma como você deseja ser reconhecido na rede.
Além dos motivos já descritos, o logo será a sua identidade e uma das formas
pelas quais os usuários irão reconhecer o seu trabalho durante o uso da
plataforma. E fazer com que eles te reconhecem todas as vezes é
importantíssimo para a sua consolidação como um perfil memorável.
A escolha da logo deverá ser fiel ao tema proposto ou estar diretamente
relaciona ao nome escolhido.
Estampando uma imagem de acordo com o conteúdo de seu perfil; ou então
que esteja de acordo com o nome escolhido, que provavelmente também será
relacionado à temática escolhida.
Nesse cenário, algumas estratégias como, por exemplo, o uso de palavras
chave na imagem ou então as iniciais do seu nome do perfil podem ser ótimas
portas de entrada para o seu perfil.
Caso não tenha uma inspiração ou a criatividade para fazer o logo, espiar os
demais perfis relacionados ao seu tema pode ser uma fonte interessante de
inspiração. Assim você irá notar os padrões usados no seu nicho.
Não há motivo para se envergonhar, pois é absolutamente normal seguir o
padrão de um seguimento. Várias empresas fazem isso o tempo todo.
O ponto principal é que você irá se destacar pela qualidade do conteúdo que
você entrega. E é a sua audiência que será a juíza desse eterno combate pela
atenção.
Por último, mas não menos importante, um fator essencial também para o seu
logo é garantir que ele seja uma imagem de alta qualidade.
Imagens borradas, feitas de qualquer forma, e com pouca produção, podem
dar a impressão para seus seguidores de que seu trabalho é amador ou
descompromissado.
Evite usar o Microsoft Paint para criar imagens, bem como o uso de imagens
prontas do Google; principalmente aquelas que tem com frases. Isso
demonstra amadorismo.
Se o seu perfil for um perfil de natureza pessoal, usar fotos de alta qualidade
é obrigatório. Além de melhorar a sua imagem, também irá agregar valor ao
seu trabalho.
Não é necessário ser uma foto profissional, mas deve ser tirada com uma boa
câmera, e em um ângulo que possibilite ver o seu rosto com naturalidade e
exatidão.
Lembre-se que cada detalhe conta.
Colocar uma foto embaçada ou que não permita ao usuário reconhecer você é
um prejuízo constante para o seu perfil. E literalmente afasta novos
seguidores.
Usar fotos com caretas ou poses famosas pode ser uma estratégia interessante
dependendo do seu nicho de atuação.
No ramo de negócios, muitos prestadores de serviço colocam fotos à lá Steve
Jobs; imitando a famosa pose do empreendedor; com os dedos sobre o
queixo.
Não há problema nenhum disso.
Desde que não sejam todos que estejam fazendo isso. Procure ser original,
mesmo quando você está imitando alguém. Tente sempre ser único, para
sempre ser reconhecido.
Originalidade sempre; mesmo que seja pegando emprestada uma boa dose de
inspiração de outro lugar.
Pablo Picasso dizia: ’’ Bons artistas copiam, Grandes artistas roubam.’’
Apesar de não ser o mais adequado, usar elementos que já existem para
produzir um novo elemento inédito e original é uma estratégia interessante e
muito usada mundo a fora.
O comediante e professor de Criatividade Murilo Gun tem uma expressão
perfeita para o caso.[25]
Ele acredita que a junção de elementos que já existem para criar um novo é
um fenômeno batizado por ele de Combinatividade.
Usar um elemento X em junção/combinação com um elemento Y para criar
um elemento Z.
Para ele, nessa temática, Steve Jobs teria criado o Ipad, que nada mais é do
que a junção do antigo PalmTop com a tela touchscreen.
Ambas as tecnologias já existiam, já eram bem conhecidas, mas somente Jobs
foi capaz de combina-las; criando um elemento novo e original. E que foi
copiado amplamente depois disso.
O professor sintetiza essa ideia:
“Portanto, acredito que a palavra “criatividade” não
é boa. Porque subentende que criatividade é apenas
criar coisas do zero. Mas criativamente na maioria das
vezes é a combinação de ideias já existentes.
Criatividade deveria se chamar Combinatividade.” [26]
Sendo assim, não é tão difícil criar algo novo e original, não é mesmo?
Ao final desses ensinamentos, se você ainda acreditar que não consegue fazer
um logo ideal para o seu perfil, existem plataformas que oferecem artistas
prontos para te ajudar, e que cobram um valor bastante acessível para isso.
Muitas vezes em torno de 5 dólares, ou menos. Como, por exemplo,
Workana[27], WeDoLogos[28] ou Fivver. [29]
Através dessas plataformas é possível contratar um profissional freelancer
para criar o logo da forma como você deseja, em um prazo bem rápido e a um
preço bastante acessível.
Finalizando assim, mais um ponto essencial na criação de seu perfil de
sucesso.
CRIANDO UMA BIO/ DESCRIÇÃO PERFEITA

Decidido o nome e o logo do seu perfil, outro elemento importantíssimo na


criação de um perfil de sucesso é uma boa descrição, também conhecida
como Bio.
A Bio é uma das formas de apresentação que você tem perante os possíveis
novos seguidores, e é um dos momentos em que você precisa ser certeiro
para mostrar exatamente o que você oferece e quem é você/sua marca.
A descrição comporta somente 150 caracteres, o que não é muita coisa.
Porém, apesar do espaço por si só ser diminuto, não é preciso preencher todo
o espaço. O fazendo somente se for necessário.
A chave de uma descrição perfeita é alcançar o equilíbrio entre a concisão e a
precisão.
Para isso, é necessário criar um texto que seja direto e capaz de mostrar
especificamente as suas características; respondendo e quebrando objeções de
um possível novo seguidor.
Para isso, o seu perfil deverá constar algumas informações sobre:
- o nicho de mercado que você atua (saúde, marketing, artes);
- o seu nome ou o nome de sua marca (às vezes até os dois, se for importante)
-informações relacionadas àquilo que você produz; tanto a sua obra que será
retratada nas postagens, como também o tipo de conteúdo que você produz.
(Por exemplo: motivação, casos de sucesso, pinturas, dicas de leitura, entre
outros).
Essas informações deverão ser escritas de maneira que possa facilitar a leitura
do usuário, que irá literalmente ‘’scanear’’ aquele conteúdo em frações de
segundo. E dificilmente lê-lo com a devida atenção.
Utilizar espaçamento entre uma descrição e outra pode facilitar a leitura.
Quantidade não é essencial.
Coloque apenas aquelas palavras-chave que possam conectar o seu perfil com
o usuário, e somente isso.
Colocar informações em excesso pode gerar confusão na mente do leitor, ou
até mesmo causar uma má impressão.
Concisão é a chave. Somente descreva o que é necessário.
Preze tanto pela organização, quanto pela eficácia. Use informações que
sejam simples e diretas.
Para auxiliar na organização, utilize alguns símbolos e carinhas que podem
ser baixadas em aplicativos específicos, adicionando ao seu teclado os
famosos emojis (carinhas felizes, setas, símbolos, ilustrações).
Além de úteis, os emojis tem um apelo visual incrível e ajudam a gerar mais
engajamento. Deixando seu conteúdo com mais cores, tornando-o mais
chamativo e harmonioso. Usar emojis pode aumentar em até 50% o seu nível
de engajamento, segundo informações de diversas fontes relevantes.
Mas, é importante, mais uma vez frisar, que não se pode exagerar.
Use apenas a quantidade necessária para manter sua descrição simples e
objetiva.
Evite poluição visual; pois ela também pode demonstrar desleixo ou
desespero.
Mostre que você dedicou tempo e estudo na construção de sua descrição.
Capriche nas palavras, e utilize a linguagem de acordo com a sua audiência.
Se for o caso, aproveite para colocar seu endereço, telefone de contato, e-mail
(no caso da conta business) e também o seu website ou blog.
Se o link de seu site ou blog for muito extenso, use encurtadores de links para
deixar o link mais conciso. Links menores geram melhor assimilação e
inspiram mais confiança nos usuários.
Para isso, existem vários programas eficientes que fazem isso de forma
simples, fácil e gratuita. Entre eles, o Bit.ly.[30]
Dessa forma simples, é bem fácil e prático criar a Bio perfeita, capaz de
facilitar a interação com seus possíveis seguidores, gerando ainda mais valor
para o seu perfil.
FAZENDO O SEU BENCHMARKING

Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não


precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se
conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória
ganha sofrerá também uma derrota. Se você não
conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas
as batalhas... Sun Tzu

Depois de ter criado o seu logo, a bio e o nome do perfil, outro ponto
importante é saber as águas em que você está navegado; conhecer as pessoas
que atuam no seu seguimento/tema.
Esse exercício é extremamente importante, e é praticamente a mesma
estratégia realizada por grandes empresas: o benchmarking.
Mas afinal, o que é benchmarking?
Benchmarking vem da palavra de origem inglesa ‘benchmark’, que significa
‘referência’. E está diretamente ligada a análise criteriosa das melhores
práticas usadas por empresas do mesmo setor que o seu.[31]
Nessa prática, você irá analisar todos os players que atuam em seu
mercado/nicho, sejam eles empresas, influenciadores digitais, pessoas
comuns, artistas, prestadores de serviço, etc.
Para isso, você deverá recorrer ao exercício feito nos capítulos anteriores de
estudo da persona. Analisando quais perfis essa persona costuma interagir e
por que.
A partir dessa análise, você poderá especificar quais são as referências do
ramo aonde você pretende atuar, e a partir delas poderá entender exatamente
quem são os principais criadores de conteúdo e quais os conteúdos tem um
maior engajamento e resposta dos seguidores.
Com esses dados em mãos, você terá uma maior facilidade para produzir o
seu conteúdo. Tendo pleno entendimento de como o seu público-alvo se
comporta e quais são os caminhos para atrair a atenção deles.
É importante deixar claro que não necessariamente o caminho é copiar o que
os outros estão fazendo; ainda que essa seja uma alternativa muito usada por
diversas empresas mundo a fora.
A questão é estabelecer referências para entender o mercado e poder entender
de forma clara aquilo que o seu alvo consome, o que ele gosta de consumir
com maior ou menos frequência; assim como sendo possível planejar aquilo
que ele pode vir a curtir.
Abrindo um terreno extremamente fértil para você poder criar conteúdo
inédito, exclusivo e original.
Essa tática é amplamente utilizada tanto por empresas em todo mundo, como
aqui mesmo no Brasil.
Abílio Diniz, um dos maiores nomes do varejo nacional, assumiu no livro
homônimo escrito pela escritora Cristiane Corrêa, que monitorava as
operações internacionais do Carrefour e Wal-Mart, para replicar em suas
lojas da rede Pão de Açúcar.
Outro caso semelhante, foi relatado também pela mesma escritora, no livro
‘’Sonho Grande’’, em que Jorge Paulo Lemann, homem mais rico do Brasil,
também se baseava nas ações de Jack Welch, da GE, e do Banco Goldman
Sachs para gerir suas empresas.[32]
Coincidentemente, certa vez um senhor foi pego medindo a altura entre as
prateleiras das gôndolas de uma unidade das Lojas Americanas, de
propriedade do Grupo de Jorge Paulo Lemann.
Esse senhor foi retirado da loja por um segurança. O senhor era ninguém
menos que Sam Walton, dono e fundador do Wal-Mart, uma das pessoas
mais ricas da história moderna.
O empresário achou interessante a forma como a gôndola brasileira era
disposta e pensava em replicar em suas lojas mundo a fora.
Essa história também é contada no livro ‘’Sonho Grande’’.[33]
Aplicando ao nosso caso, vamos a um exemplo disso:
Imaginemos que você definiu sua audiência no nicho de DIY – Do It
Yourself – Faça você mesmo.
Mais especificamente no caso de pessoas que gostam de fazer móveis a partir
da reciclagem e reutilização de materiais.
Após uma pesquisa você notou que são comuns os usos de materiais como
plásticos de garrafa PET, madeiras de demolição, entre outros.
Mas e se além desses materiais já citados você pudesse oferecer conteúdo que
aborde outros materiais que não estão sendo mostrados em outras páginas?
Ou então técnicas de pintura e colagem que não foram abordadas por outros
players?
Esse é apenas um exemplo, mas já é possível perceber que sempre existirão
lacunas, que podem ser preenchidas com conhecimento que você já possui,
ou que conseguiu através de pesquisa.
Outra dica e que pode ser muito útil para quem domina a língua inglesa, é
ficar atento aos usuários dos EUA, Inglaterra e Austrália; pois muitas vezes
eles já postaram um conteúdo que pode ser extremamente relevante para a
sua audiência, mas que ainda não foi disponibilizado em língua portuguesa.
Criar conteúdos relacionados aos respectivos temas em nossa língua pode
trazer bons frutos e atingirem um campo que até então foi muito pouco
explorado, ou que ainda é um oceano azul todo à sua disposição. É uma
alternativa e que é largamente utilizada.
Somente a título de exemplo, muitas músicas da Jovem Guarda foram feitas
usando como base músicas desses países, alterando parte da letra traduzida
para que soassem melhor em nossa língua.
É uma prática comum e que é amplamente utilizada. E é mais uma excelente
estratégia para vencer nas redes sociais.
‘’Absorva o que é útil, descarte o que não é, acrescente
o que for exclusivamente seu.’’ Bruce Lee
COMO CRIAR CONTEÚDOS DE ALTA QUALIDADE

Descritas as estratégias estruturais de um perfil de sucesso, agora vamos


passar para a parte da essência de um perfil: o conteúdo.
Como ressaltamos anteriormente, ainda que todos os demais elementos não
sejam preenchidos e as estratégias aplicadas; existe um elemento que
determina o sucesso de um perfil: o Conteúdo.
E como nos já frisamos, o Conteúdo é o Rei.
Mas, por que o Conteúdo é o Rei?
Simples. Por que é o elemento mais importante em qualquer perfil. E é por
conta disso que ele merece atenção mais do que especial.
Ainda que um perfil seja feito sem dar a devida atenção para todos os
elementos descritos até aqui, é possível alcançar o sucesso só por conta dele.
Entretanto, torna-se muito mais difícil criar um conteúdo relevante sem saber
exatamente aquilo que a sua audiência gosta. E é por conta disso que
trabalhamos bastante os elementos descritos até aqui.
E são eles que vão proporcionar um perfil épico e memorável em todos os
sentidos.
Tal como é bem mais difícil criar conteúdo sem fazer os exercícios
anteriores; todo o esforço nos passos anteriores é de pouco valor se não
soubermos trabalhar o conteúdo. E é por conta disso que trabalharemos os
próximos capítulos.
Como já trabalhamos anteriormente, podemos definir bastante quais são os
conteúdos que os seguidores gostam e qual é a maneira de entrega-lo.
Sendo assim, vamos entender alguns tipos de conteúdo que você pode utilizar
e como abordá-los:
- Motivacionais: Conteúdos de natureza motivacional são uma das melhores
estratégias para aquecer a audiência e deixar os seguidores dispostos a
interagir com o seu perfil.
Nessa categoria podemos citar histórias de superação, frases de inspiração,
imagens relacionadas a filmes inspiradores (exemplo: À procura da
felicidade[34]), pessoas de que nos inspiram (Nick Vujicic), atletas de sucesso
(Michael Jordan, Cristiano Ronaldo, Ronaldo Fenômeno) ou elementos da
cultura pop que estão relacionadas à empoderamento e energia. (Mulher
Maravilha)
Nesse campo são extremamente bem-vindas citações, imagens e vídeos de
motivação.
Sendo necessário usá-los de forma coerente com o seu conteúdo. Caso
contrário, podem até causar boa impressão perante sua audiência, mas desviar
o foco do seu propósito, alternado a forma como os seguidores encaram o seu
perfil.[35]
Comparativos: Posts que demonstram comparação de produtos,
ingredientes, processos, etc.
Esse tipo de conteúdo tem boa aceitação entre os usuários, e é uma estratégia
comum principalmente no nicho de emagrecimento.
Consiste basicamente em usar imagens ou vídeos de dois produtos e
compará-los. Sendo também indicado o uso de infográficos para salientar as
características comparadas. (Um excelente aplicativo para a criação de
infográficos é o Infogram.)[36]
Essa estratégia também é famosa por usar um sub-tipo de conteúdo, que são
os chamados ‘’Antes e Depois’’, em que a postagem compara as
transformações causadas por determinado método perante uma pessoa ou
objetivo. Exemplo: Uma postagem subdividida mostrando uma pessoa antes
e depois de uma dieta; demonstrando o resultado da metodologia propagada.
Interativas: Essas postagens são focadas na interação imediata dos usuários.
Consiste basicamente em oferecer comandos ou inferências para a tomada de
uma ação pelo usuário.
Essas postagens, bem como legendas que chamam a atenção do usuário e
requisitam uma ação como compartilhar, curtir e/ou comentar são chamadas
de Chamadas para Ação ou call to action.
Nesse tipo de postagem, você irá proferir algum comando para sua audiência
que pode ser desde uma Pergunta, tal como, por exemplo: ‘’Quem são as
pessoas mais influentes na culinária brasileira para você?’’;
Ou então chamadas mais simples como, por exemplo: ‘’Marque aqui aquele
seu amigo que gosta vai te pagar uma batata frita.’’ Estratégia muito usada
por restaurantes, por exemplo.
Consolidando comandos que podem ser usados nas postagens e que tem
resultados bastante positivos.
As postagens interativas também podem ser usadas com o intuito
comparativo, num misto das duas categorias. Por exemplo, com a postagem
de dois elementos e o comando para a audiência decidir: qual o melhor? Ou
qual o certo e qual o errado?
Temáticas: Postagens que estão diretamente relacionadas com algum tema
que seja específico e determinado, ou que digam respeito a algum assunto ou
data imediata.
Nessa categoria temos os posts que aproveitam os temas que estão em alta,
como determinada época do ano (Páscoa, Natal, Dia dos Namorados), ou
determinado tema que está em alta (Vingadores, La casa de Papel) ou ainda
algum tema que constitua a febre do momento, também conhecido como
hype ou buzz.
Outras aplicações também são relacionadas à celebração de datas
comemorativas como as tradicionais já citadas, ou até mesmo aquelas mais
específicas e que sejam diretamente relacionadas ao tema que você aborda,
como, por exemplo: Dia do Cozinheiro, Dia Internacional do Hambúrguer ou
Dia do Arquiteto. (Consultar um calendário online é interessante para
descobrir essas datas específicas).
Desenvolvimento (Passo-a-Passo): Esse tipo de postagem pode ser realizado
através de uma postagem única (uma postagem) ou através de uma postagem
múltipla (várias postagens simultâneas), e demonstram o passo-a-passo de
algo específico. Sendo muito utilizado tanto em postagens com tema
culinário (receitas) como em nichos ligados a exercícios físicos (musculação,
yoga), como também em perfis ligados a artesanato, artes e DIY.
Humorísticas: Postagens que utilizem do humor para emocionar a audiência.
Piadas, vídeos engraçados, imagens cômicas, memes, entre outros. Esse é um
campo um pouco controvertido e que merece cuidado e atenção, pois pode
provocar reações mistas em sua audiência. Entretanto, quando bem colocadas
e relacionadas ao público-alvo podem ter resultados excelentes; que
compensam o risco.
Vídeos com legendas: O uso dos vídeos no feed de notícias já é um recurso
conhecido, mas formatar vídeos que tenham legendas bem destacadas (muitas
vezes emoldurando o vídeo) é uma alternativa interessante, principalmente
por conta da maioria dos usuários não poder utilizar o recurso do áudio do
celular a todo o momento. Sendo também um recurso interessante para
prender ainda mais a atenção de seus seguidores.
Sendo importante também considerar que apesar das pessoas gostarem dos
vídeos, muitas das vezes o seu usuário estará em algum lugar em que utilizar
o áudio pode ser proibido, incômodo ou inconveniente para outras pessoas.
Fazendo com que as legendas proporcionem uma maior adesão, considerando
todas as possíveis situações de seus seguidores.
Curiosidades: Usar conteúdos que possuem curiosidades e ou situações
inusitadas também é uma estratégia muito interessante e que dá resultados
excelentes, mantendo a audiência engajada, curiosa e querendo mais
postagens. Um exemplo de perfil que trabalha muito bem esse tipo de
conteúdo é o perfil do Você Sabia Futebol, que tem mais de 700 mil
seguidores no momento deste relato.[37]
Sorteios: Por último, mas não menos importante, os sorteios são uma forma
de interagir com sua audiência e mantê-la engajada e aquecida. A partir da
promoção do sorteio de um determinado produto, serviço ou benefício, os
seguidores tendem a participar ativamente de sua postagem, bem como
indicar amigos para seguir seu perfil e participar do sorteio.
Esses tipos são apenas alguns dos possíveis tipos de conteúdo, já que novos
tipos são criados frequentemente; entretanto, os tipos citados são os mais
utilizados e tem sua eficácia comprovada.
Entretanto, na criação desses conteúdos devemos nos lembrar da regra
fundamental: alta qualidade.
Qualquer que seja o conteúdo escolhido é ideal utilizar conteúdos que tenham
uma alta qualidade e definição de imagem e, eventualmente de
efeitos/escritos. Isto, pois, como já frisamos o Instagram é uma rede artística
em sua essência, e todos os detalhes são extremamente importantes.
Portanto, usar qualquer tipo de imagem ou vídeo pode não ser o melhor
caminho na maioria das vezes. Sendo assim, usar fotos de bancos de imagem
de buscadores como o Google não é uma boa ideia.
Entretanto, existem sites que oferecem gratuitamente imagens de alta
qualidade para você usar em suas fotos e montagens, como o Pixabay.[38]
Existem também aplicativos e aplicações que podem auxiliar bastante a
produção do conteúdo, tais como Word Swag, para acrescentar textos nas
fotografias, e outros um pouco mais elaborados como Phonto, Adobe Post e
Canva; disponíveis nos principais sistemas operacionais.
A maioria dessas aplicações é gratuita, e você pode criar imagens e
montagens fantásticas em poucos minutos. Produzindo conteúdo original e
exclusivo.
Colocar o seu logo ou alguma referência ao seu nome em suas fotos é uma
maneira interessante de criar uma identidade, bem como proteger o seu
conteúdo para eventuais cópias e compartilhamentos.
Além de criar posts memoráveis e de alta qualidade com as ferramentas já
mencionadas, outro ponto deve estar sempre em mente: a constância.
Não basta postar bons conteúdos, esses conteúdos tem de ser postados de
forma frequente e constante, pois só assim é possível criar uma boa base de
seguidores!
Por conta disso, é necessário postar sempre conteúdos que estejam alinhados
ao tema da página (coerentes), de forma ordenada (constante) e com uma
periodicidade e regularidade entre uma postagem e outra (frequência).
Não há uma regra acerca do tempo necessário entre uma postagem e outra,
porém há indícios de que um intervalo mínimo de quatro horas entre uma
postagem e outra seja o suficiente para que a audiência possa assimilar
melhor o conteúdo postado.
Lembre-se mais uma vez que quantidade não é qualidade. E que o foco
principal é na qualidade. Então, evite sufocar a sua audiência com dezenas
de conteúdos postados diariamente.
Entretanto, isso não quer dizer que você deve fazer o mínimo de postagens.
Encontre o equilíbrio de acordo com a resposta de sua audiência. Somente ela
será capaz de lhe dar essa resposta.
Então fique atento ao número de curtidas e comentários em cada uma de suas
postagens, pois lá estarão alguns indícios acerca da periodicidade de seu
conteúdo.
Além disso, fique atento à linguagem com a qual você vai se expressar na
plataforma. Visto que é necessário determinar não só o público-alvo, mas
entender perfeitamente qual é o tipo de linguagem que eles usam.
Se for um conteúdo jurídico, usar gírias e expressões coloquiais pode trazer
uma conotação negativa ao conteúdo. Tal como usar uma linguagem sóbria
em um conteúdo humorístico pode acabar confundindo ou desfocando a
atenção de sua audiência.
Existe também uma metodologia para produzir conteúdo pensando nos
usuários, os separando em quatro categorias.
Essa metodologia é descrita com riqueza pelo Professor de Marketing
Olímpio Araújo Júnior.[39]
Segundo o especialista, existem basicamente quatro tipos de consumidor:
O Catalisador: Esse tipo de consumidor não se atenta aos detalhes, e sim a
essência do conteúdo.
Ele entende que existem conteúdos que possuem mais valor do que outros. E
costumeiramente atribui valor a produtos que tenham maior valor agregado e
que sejam conhecidos pelo preço elevado.
Esse tipo de consumidor gosta de enxergar um produto pela maneira com que
ele é visto pelo mundo. E atribui sua valoração pessoal de acordo com os
parâmetros convencionados pela sociedade.
Admirando tudo aquilo que parece bom e que para ele é algo que lhe
auxiliará a ter algum benefício que é valorizado pela sociedade.
O Controlador: é aquele consumidor que acredita que sempre tem que
ganhar algo de quem produz.
Seja um desconto, uma dica para reduzir custos, um benefício, ou algo que dê
a ele a sensação de estar sempre ganhando algo.
Esse consumidor é ávido por conteúdos que lhe proporcionem um ganho
imediato, seja pequeno ou grande. O importante para ele é sempre ganhar
algo novo, seja um conhecimento, um desconto ou um brinde.
O Analítico: é o consumidor que procura os detalhes de um conteúdo, e
gosta de se ater a informações específicas.
Esse tipo de consumidor gosta de ler as indicações, as contraindicações; as
formas de uso de um produto; bem como gosta de saber todas as estatísticas;
e todo aquele tipo de dado relacionado ao conteúdo.
Ele gosta de ter todas as informações a respeito de um produto ou conteúdo,
para posteriormente estabelecer alguma relação com quem o produz. No caso,
a compra do produto. ou a ‘’compra’’ da imagem daquele perfil: seguindo-o.
E o último é o Apoiador: É aquele que gosta daquilo que beneficia as outras
pessoas.
Seja alguma coisa que torna o mundo melhor, como, por exemplo, comprar
produtos orgânicos; ou reciclados.
Sejam atitudes que melhoram a vida das pessoas, da comunidades ou dos
espaços. Admirando projetos sociais, produtos ecologicamente adequados ou
iniciativas que melhorem a vida das pessoas.
Conhecendo esses quatro tipos de consumidor, a produção de conteúdo se
torna mais fácil, com detalhes que possam ser mais bem assimilado por cada
um deles.
Sendo necessário fazer também um exercício antes da postagem dos
conteúdos. Avaliando o impacto perante cada um dos tipos de consumidor, e
em qual ponto é possível aproveitar melhor para satisfazer cada um deles.
Utilizando esse conjunto de elementos é possível impactar toda a sua
audiência com um conteúdo memorável.
E aliada as técnicas mencionadas nesse capítulo é plenamente possível criar
um conteúdo verdadeiramente memorável.
TRABALHANDO O COMBUSTÍVEL DO SUCESSO: O
MARKETING DE CONTEÚDO

Um dos principais erros de empresas e prestadores de serviço é acreditar que


uma mídia social deve ser utilizada única e exclusivamente para demonstrar o
seu produto.
Cada vez mais os usuários tem dedicado menos atenção aos anúncios e às
postagens que contém apenas uma propaganda; ou que apenas mostram um
produto, com o intuito de fazê-las comprarem.
Esse fenômeno acontece principalmente porque esse não é o intuito principal
da plataforma. E a maioria das pessoas que querem vender algo não está
percebendo isso.
O Instagram é uma plataforma destinada à interação entre usuários através
das fotos e vídeos. Sendo assim, apesar das fotos e vídeos serem o meio pela
qual elas venham a interagir, isso não significa que qualquer conteúdo valha,
e nem que usar a mesma estratégia insistentemente seja suficiente para
manter uma audiência interessada e engajada.
Corrobora com essa ideia, o fato que foi pontuado nos capítulos anteriores: o
foco da plataforma é a interação e o engajamento. E apenas postar produtos
não é suficiente para manter a sua audiência engajada.
Primeiramente, por um motivo muito simples: as pessoas adoram comprar,
mas odeiam vendedores.
Infelizmente, essa é uma máxima que pauta o comportamento de
consumidores em todo o mundo.
E, especialmente em nosso país, ser um vendedor é algo visto com
preconceito e desconfiança. Visto que, para a maioria das pessoas, a ideia de
que alguém está tentando vender alguma coisa para você está diretamente
ligada à ideia de que esse alguém quer o seu dinheiro, a qualquer custo; e
nada mais.
Nesse sentido, torna-se vital entender uma estratégia que é o combustível
necessário para o sucesso de um perfil: o Marketing de Conteúdo.
Essa estratégia é muito usada por diversas marcas mundo a fora, e algumas
vezes nos sequer percebemos que ele está entre nós. Ou se o fazemos,
acabamos por endossar a marca, ao invés de evita-la.
Trata-se de uma estratégia valiosa tanto para todo tipo de perfil, ainda que
seja ideal para perfis de negócio.
Mas, afinal, o que é o famigerado Marketing de Conteúdo?
O Marketing de Conteúdo nada mais é do que uma estratégia para promover
a sua marca, seja ela pessoal, empresarial ou temática, através de conteúdos
que sejam valiosos e relevantes para a sua audiência.
O objetivo desse conteúdo é gerar muito mais do que seguidores, é gerar
verdadeiros fãs e apologista de sua marca.
Grosso modo, basicamente está relacionado com gerar conteúdo que faça
com que as pessoas possam assimilar a sua marca não apenas como alguém
que quer vender algo para elas: seja vender um produto com valor monetário
ou até mesmo a imagem pessoal.
Trata-se de além de promover a sua marca, ajudar e educar o seu consumidor
para aderir a sua marca. Não apenas para despertar o senso de necessidade em
relação ao seu produto ou serviço; a ideia é despertar sentimentos!
Sentimentos que vão além do desejo de comprar. Sentimentos que estão
ligados à ideia de pertencer, de colaborar, de fazer parte e de se sentir grato
por aquilo que você oferece para a sua audiência.
O objetivo aqui é oferecer conteúdo, dicas e ensinamentos que façam com
que a pessoa enxergue aquilo que você está vendendo como algo com tanto
valor que merece ser adquirido.
E que o preço cobrado, seja ele a interação constante com seu perfil ou de
fato a venda de um produto, seja muito pouco em comparação com tudo
aquilo que você já ofereceu.
Nesse sentido, como pontuamos no começo dessa obra, é oferecer uma
quantidade tão grande de valor, de forma que o usuário sinta que não pode
perder nada que você poste.
Seguindo a regra da nova economia, também citada anteriormente:
Oferecendo dez vezes mais valor do que aquilo que você cobra.
Oferecendo tanto conhecimento e tanta informação que as pessoas se sintam
empoderadas de alguma forma por conta de tudo aquilo que você está dando
para elas.
Despertando, intuitivamente e inconscientemente, o desejo de promover o seu
conteúdo: seja curtindo, comentando, compartilhando em seu próprio perfil
ou chamando familiares e amigos para conhecer o seu trabalho.
Sendo importante voltar na máxima de que as pessoas adoram comprar, mas
odeiam saber que alguém está vendendo algo para elas.
Nesse sentido, o foco é oferecer valor e despertar sentimentos em seus
seguidores, de forma frequente, consistente e contínua.
Tony Robbins, o maior coach do mundo, em uma de suas palestras definiu o
verdadeiro mantra que qualquer pessoa que quer promover alguma coisa deve
saber: as pessoas não compram coisas, compram sentimentos![40]
E é o seu trabalho despertar esses sentimentos através do Instagram.
Mesmo que seja somente despertar um sorriso através de um conteúdo
engraçado ou inspirar sua audiência por meio de um conteúdo motivacional.
Mas, afinal, como posso praticar o Marketing de Conteúdo em meu perfil?
Vamos recorrer a alguns exemplos.
O que se entende pelo termo Marketing de Conteúdo remonta a ideia inicial
utilizada pela fabricante de tratores John Deere.
Tudo começou no ano de 1895, quando o filho do fundador da empresa,
Charles Deere, percebeu que os seus possíveis clientes eram pequenos
fazendeiros e agricultores, e que estes eventualmente poderiam necessitar
comprar um trator.[41]
Entretanto, ele também percebeu que muitos não sabiam da necessidade de
ter um trator; ou simplesmente ainda não tinham a real necessidade de
adquirir uma máquina dessas.
Nesse sentido, ele entendeu que seria necessário educar os seus consumidores
para que eles assimilarem a necessidade de ter um trator.
Só que para terem um trator, eles também necessitariam de ter fazendas mais
estruturadas, com um nível de produção melhor e mais elevado.
Atento a essa necessidade, a empresa, então conhecida como Deere &
Company, criou e passou a distribuir uma revista chamada The Furrow – A
jornal for the american farmer. (O Sulco – Um diário para o fazendeiro
americano)
Essa revista, ao contrário de outras que existiam desde a época, como, por
exemplo, o famoso catálogo da Sears, não queria vender produtos; e sim
educar os agricultores americanos para que eles pudessem entender sobre as
novas tecnologias relativas à agricultura, e também como eles poderiam se
tornar melhores profissionais naquela atividade.
Para tanto, a empresa contratou jornalistas e redatores profissionais para
produzirem um conteúdo que fosse útil e relevante para os possíveis
consumidores da empresa: os fazendeiros americanos.
Desde então, já se passaram mais de 120 anos, e a revista é um sucesso até
hoje. Sendo entregue para milhões de fazendeiros em todo o mundo, em 12
línguas diferentes e em 40 países. Parte do conteúdo pode ser encontrada no
site da própria revista.[42]
Além de um sucesso, a revista também alavancou as vendas da empresa, e é
um dos pilares de sucesso da fabricante de tratores até hoje.
Outro célebre caso é o do famoso Guia Michelin, que hoje é uma das maiores
referências quando o assunto é Gastronomia, em todo o mundo.
Em 1900, a fabricante de pneus Michelin percebeu que precisava estimular os
seus consumidores a andarem mais com seus carros para que viessem a
precisar comprar novos pneus.
Para isso, criaram uma revista que tinha conteúdos ligados a cuidados com os
veículos e também com dicas de restaurantes e lugares para hospedagem.
Outros conteúdos acessórios também eram abordados, e havia um espaço
dedicado ao endereço de revendedores de pneu Michelin e postos de
abastecimento.
O primeiro guia tinha mais de 400 páginas, e era inicialmente distribuído
gratuitamente. E assim o foi até o ano de 1920, quando passou a ser cobrado,
devido ao seu imenso valor agregado, como devido a grande procura pelo
conteúdo.
O guia existe até hoje, cobrindo 23 países, em três continentes. E é uma das
listas mais nobres do mundo da Gastronomia moderna.
O ranking de restaurantes do guia é um dos mais badalados do mundo, e aos
poucos restaurantes que apresentarem uma experiência gastronômica épica é
concedida uma honraria: a Estrela Michelin.
A honraria pode ser concedida até três vezes por restaurante, mas somente
em raros casos extraordinários. O ranking hoje é uma das métricas para
eleger os melhores restaurantes do mundo.
Vários chefs renomados mundo a fora já foram agraciados com a honraria,
entre eles o escocês Gordon Ramsay, o francês-brasileiro Claude Troisgros, e
alguns chefs brasileiros como Alex Atala, Felipe Bronze, Helena Rizzo, entre
outros.
Exemplos recentes conquistaram a Internet, como o caso da fabricante de
liquidificadores Blendtec.
A empresa, que vende um liquidificador poderoso e feito com materiais
muito resistentes, foi posicionada em um mercado premium nos Estados
Unidos; cobrando um preço bem mais elevado do que a maioria de seus
concorrentes.
Com o intuito de promover o produto e demonstrar a sua qualidade e
potência, de modo não só a justificar o preço, mas também com o intuito de
atrair novos consumidores com um conteúdo que não fosse um anúncio de
vendas; a empresa deu início a uma série de vídeos chamada ‘’Will it
blend?’’. (algo como, isso vai liquidificar?).
Na série de vídeos, a empresa causou grande rebuliço nas redes sociais,
usando materiais pouco comuns como produtos a serem liquidificados.
Desde Iphones até tablets, entre outros objetos caríssimos, já foram usados
pela empresa; sendo reduzidos a pó pela força das lâminas do liquidificador.
A iniciativa teve enorme sucesso, e conquistou fãs de todo mundo.
Promovendo a marca internacionalmente, e pavimentando o sucesso do
produto.
Os vídeos da série são publicados no Youtube com certa frequência, e o canal
da empresa tem mais de 800 mil seguidores atualmente, contando com
milhões de visualizações.[43]
Esses exemplos demonstram como iniciativas simples geram enorme retorno
para as marcas e constituem um pouco daquilo que se entende por Marketing
de Conteúdo.
Mas afinal, como aplicar essa estratégia em um perfil de Instagram?
Primeiramente, voltamos ao exercício feito na construção de nossa persona.
A partir dele poderemos entender quais são as necessidades, as preferências e
os hábitos dos nossos seguidores-alvo.
Com esses dados em mãos, é possível ter uma ideia das possíveis temas para
serem abordados em conteúdos que possam engajar e entreter sua audiência.
Usar outras mídias de forma conjunta é uma estratégia interessante, criando
engajamento em duas frentes. Por exemplo, postar vídeos no Youtube e um
resumo do vídeo, tal como um trailer, no Instagram.
Essa estratégia é chamada de Crossmidia, quando se utiliza simultaneamente
duas mídias ou também Transmidia, quando você promove o conteúdo de
uma rede social em outra.
Nesse conteúdo você pode promover, por exemplo, uma breve aula sobre
como combinar o seu produto com produtos que você já tem em sua causa.
Esse tipo de ação é muito usada na área de Moda Feminina; como, por
exemplo, demonstrar como usar uma blusa branca de seda(vendida por você)
com várias outras peças do guarda-roupa de qualquer mulher, criando
diferentes looks para diferentes ocasiões. E o porquê essa é uma peça
coringa; aumentando o valor percebido em relação à peça.
Desse modo, você entrega tanto dicas de moda, como promove o seu produto,
de uma forma bastante discreta e coerente com os valores da nova economia.
Outra ação interessante tem sido feita pela Brahma para promover a linha de
cervejas especiais Brahma Extra.
Com o intuito de promover os diferentes sabores do rótulo de cervejas
premium da marca, a empresa fez uma série de vídeos aonde são
demonstradas diversas receitas que podem ser feitas usando a cerveja, tanto
no preparo dos pratos, como também para acompanha-los; naquilo que é
conhecido como harmonização da bebida com a comida.
Essa promoção foi bem aceita e os vídeos tiveram bons números de
visualizações.[44]
Essa estratégia pode ser facilmente adaptada para o Instagram.
Por exemplo: Se o seu intuito for promover vinhos, colocar receitas e
alimentos que combinam com determinado rótulo é uma forma muito
relevante.
Outros conteúdos interessantes estão ligados à demonstração de como
consumir o vinho; como conservá-lo; ou até mesmo qual safra é melhor e por
que.
Outro recurso muito valioso para a construção de um conteúdo que promova
sua marca de uma forma eficiente e natural é contar histórias. O famoso
storytelling.
Quase todo mundo gosta de histórias. Contar histórias, além de ser uma arte,
é um elemento extremamente apreciado nas redes sociais.
Mas qual história contar?
As opções são múltiplas.
Usando o exemplo do vinho é interessante contar a origem do vinho. Contar
o processo de produção de cada um dos vinhos.
Detalhar e demonstrar como é o plantio da uva nas vinícolas.
Contar a história de cada vinícola. As vinícolas chilenas têm histórias que
remetem até mesmo à independência do país, como a vinícola Santa Rita, por
exemplo.
Essa mesma estratégia pode ser usada para outros ramos.
Promover a venda de bonecos de super-heróis que estão muito em alta,
através da documentação da história de cada um e seus detalhes; contando a
origem, as aparições e os filmes; é uma forma de manter a audiência engajada
e criar um desejo ainda maior pelos produtos.
Além de ser um entretenimento por si só, que será capaz de gerar muitas
curtidas e comentários em cada postagem.
Sendo um recurso também facilmente aplicável para contar a história do seu
produto. Quem são as pessoas que o fazem? Como elas fazem? Por que elas
fazem?
Tudo isso é uma forma de contar histórias genuínas, verdadeiras e que tem
alma.
Histórias que aparecem pessoas tem resultado ainda melhor. Considerando,
inclusive, que as postagens com rostos e pessoas reais costumam ter um
engajamento até 50% maior do que aquelas que não têm.
Lembre-se: pessoas gostam de pessoas. E elas fazem isso de forma
inconsciente.
Outra estratégia muito interessante é criar situações que fujam do trivial do
seu negócio, mas que possam representar a criação de interesse por parte de
seus seguidores e auxiliem a criar um burburinho em torno do seu nome ou
do nome da sua marca.
A Red Bull é uma empresa que faz isso muito bem. Divulgando sua marca
em eventos que não necessariamente estão diretamente ligados com a sua
atividade: venda de energético. Mas que reforçam o conceito de lifestyle da
marca. Aventura, esportes e lazer.
Por conta disso a empresa promove diversos tipos de eventos, desde festas até
corridas de descida de montanha com carros de rolimã customizados.
A empresa possui até times de futebol com seu nome, Red Bull Salzburg da
Áustria e Red Bull Leipzig da Alemanha. E também a equipe de Fórmula 1
Red Bull Racing, conhecida como RBR.
Por último, mas não menos importante, uma estratégia que pode auxiliar na
criação de conteúdos épicos é promover a interação dos seguidores de forma
que eles participem e colaborem com a produção de seu conteúdo.
De forma que o seu perfil contenha postagens que sejam originalmente
produzidas por seus seguidores; seja frequentando o seu estabelecimento, ou
usando o seu serviço ou produto.
Essa além de ser uma forma de aumentar o fluxo de produção de conteúdo,
alcançando novas fontes de criação, também é uma maneira de fazer com que
seus seguidores se sintam parte do seu ‘’mundo’’. Despertando um
sentimento de pertencimento em seus fãs, criando uma espécie de
comunidade.
A empresa de câmeras de aventura GoPro costuma usar esse artifício,
incentivando os usuários de suas câmeras a postarem vídeos feitos com o
equipamento de esportes radicais e aventuras mundo a fora. Sendo um dos
pilares do sucesso da marca.
Essa estratégia pode levar ao engajamento de novos usuários, principalmente
se vierem acompanhadas de hashtags, códigos de roupa ou outras formas que
identifiquem o movimento.
No caso da GoPro, a forma como as câmeras filmam é uma maneira que
automaticamente identifica os usuários, devido ao enquadramento que os
vídeos feitos com esse tipo de equipamento possuem.
Recentemente, aqui no Brasil, um movimento interessante e semelhante foi
criado pela página e pelo perfil do Geração de Valor nas redes sociais, em
que os usuários postam conteúdo com a hashtag que identifica os usuários
que fazem parte da ‘’comunidade’’ do movimento. #souGV.
Nesse sentido, promover essa colaboração e essa sensação de comunidade é
além de valiosa, uma forma quase sem custos de manter o seu conteúdo
atualizado, relevante e capaz de engajar multidões.
Todas essas estratégias apresentadas aqui podem e devem ser usadas
simultaneamente. Não havendo uma ordem ou sequência para cada uma
delas.
A escolha é toda sua.
Mas é importante pautar suas ações de acordo com o seu tema e o seu
público-alvo. Sendo necessário também realizar o devido planejamento antes
de realiza-las. Porém, não se pode deixa-las para trás.
Essa é uma maneira excelente e barata de manter sua marca no topo e que
poucos estão explorando!
Portanto, não deixe essa oportunidade passar!
O SEU CONTEÚDO ESTÁ SENDO COPIADO? QUE BOM!

Um problema recorrente que acontece no Instagram é o surgimento de cópias


ou de conteúdos extremamente semelhantes ao que é produzido por um
usuário.
Em alguns casos, existem usuários que simples repostam o conteúdo de outra
página, retirando ou não citando os devidos créditos do conteúdo original.
Infelizmente, é uma prática usual e que incomoda os produtores de conteúdo.
Entretanto, se o seu conteúdo está sendo copiado ou roubado por outros
players é um sinal extremamente positivo. Por quê?
É um sinal de que o seu conteúdo é poderoso e capaz de engajar várias
pessoas. Até mesmo aquelas que te copiam ou roubam.
E isso estabelece o seu perfil como referência criativa. O que é algo
extremamente positivo, pois consolida a sua marca como autoridade e
referência no tema trabalhado.
Nesse sentido, caso ocorra alguma dessas atitudes, o ideal é levar na boa, mas
sendo importante trabalhar cada conteúdo para que ele tenha a sua identidade,
o seu padrão e a sua ‘’assinatura’’.
Por conta disso, é importante mais uma vez reforçar a importância de se criar
um padrão em cada uma de suas postagens, e de preferência também, colocar
o logo ou algum elemento que identifique o seu conteúdo em qualquer
situação. Evitando larápios e definindo o seu conteúdo como referência e
sinônimo de originalidade.
Nesse sentido, aproveite cada detalhe de cada postagem e aproveite cada
limão que a vida ( a rede) lhe entregar.

A IMPORTÂNCIA DAS PARCERIAS


Como já pontuamos diversas vezes, um dos fatores da nova economia é o
fator colaborativo e compartilhar o seu conteúdo é uma forma importante de
crescer na rede.
Existe um provérbio africano que ilustra bem essa ideia:
"Se quer ir rápido, vá sozinho. Se quer ir longe, vá em
grupo."
É vital se dedicar a construir o melhor conteúdo possível, bem como tentar se
estabelecer como referência dentro do nicho que você deseja atuar.
Entretanto, tentar fazer isso sozinho requer muito tempo e às vezes recursos
que vão além das possibilidades imediatas de um usuário ou de uma empresa.
Nesse sentido uma estratégia extremamente valiosa para conseguir alcançar
um número ainda maior de usuários é estabelecer parcerias com outros
usuários que atuem no mesmo nicho que o seu, ou que tenham um trabalho
relacionado ao seu nicho.
Essa ideia consiste basicamente em abordar esses usuários com os perfis
citados para compartilharem o seu conteúdo, de forma que você também
compartilhe também o deles.
Ou ainda existe a possibilidade de você contratar a postagem de outra pessoa,
seja mediante pagamento em dinheiro ou mediante outras formas de
pagamento.
Os perfis para parceira podem ser tanto menores ou maiores em número de
seguidores. O importante é que sejam relacionados e possam atrair usuários
que ainda não conhecem o seu perfil.
Por essa estratégia, os dois perfis podem sair ganhando. Seja pela simples
divulgação do conteúdo, que por ventura ocorrerá em dois canais
simultaneamente, para duas audiências semelhantes (e que podem ou não ter
intercessões entre si). Ou pelo recebimento de um pagamento, em troca da
promoção da mídia. Em que os dois ganham algo.
Nessas duas modalidades, o alcance da postagem alcança um nível bem
maior e o fato de atuar em duas frentes constitui uma forma valiosa e criativa
de aumentar o número de seguidores.
A ideia de estabelecer parceiras propriamente ditas pode parar estranha, mas
já ajudou no crescimento de diversos perfis. E pode ajudar o seu também.
Dentro dessa ideia de parceria, surge também a ideia da contratação de
influenciadores digitais.
Quem são os influenciadores digitais?
São pessoas que possuem uma audiência diretamente ligada com o seu
público-alvo, e que são percebidas por essa audiência como pessoas de
referência; como autoridades em determinado assunto.
Não há um número exato para determinar quando uma pessoa é considerada
uma influenciadora; já que uma influenciadora com uma audiência
relativamente pequena, mas muito engajada e específica, pode significar uma
grande oportunidade para uma pequena empresa ou um pequeno negócio.
Nesse sentido, basta que a pessoa exerça uma influência comportamental
perante sua audiência para considera-la uma influenciadora digital.
Claro que celebridades, modelos, artistas, jogadores de futebol, profissionais
de determinada área possuem um poder de influência muito maior; porém, os
influenciadores digitais que estão no Instagram tem um poder bastante
relevante e podem auxiliar no alcance de uma audiência engajada e disposta a
interagir com o seu conteúdo.
Uma influenciadora com influência em uma cidade pequena, por exemplo,
conhecida como influenciadora local, pode gerar um retorno excelente para
uma pequena loja de roupas desta cidade.
O mesmo pode acontecer em escala regional ou nacional. Existindo
influenciadoras com níveis de alcance e influências proporcionais à escala
que se quer atingir uma audiência.
Ou seja, usando influenciadores locais para ações locais, regionais para ações
regionais e nacionais para ações nacionais.
Esses influenciadores podem ou não cobrar em dinheiro pela postagem.
Podendo fazê-la simplesmente por se sentirem honradas pelo reconhecimento
de outro perfil; ou pelo fato de receberem algum benefício em troca da
promoção, como, por exemplo, um desconto, alguma experiência oferecida
pelo parceiro que o contrata; ou um produto do ‘’anunciante’’.
Algumas marcas de bebidas famosas costumam mandar kits com latinhas da
bebida e alguns apetrechos relacionados com a marca para alguns
influenciadores.
Existem vários que compartilham os produtos da empresa pelo simples fato
de terem recebido esses kits. Sem pedir nada mais em troca da postagem.
Na outra modalidade, a postagem é realizada mediante pagamento em
dinheiro, estando condicionados de acordo com o número de postagens a
serem realizadas. Ou outras regras que podem ser decididas entre as partes.
Entretanto, há uma razão biológica interessante ao usar influenciadores para
promover o seu perfil.
Não apenas pelo fato de serem conhecidos pela audiência que você deseja
atingir, existem elementos que estão ligados à condição humana e que fazem
com que os possíveis seguidores venham a dar ainda mais valor para a
postagem feita por influenciador. E esses elementos são chamados de gatilhos
mentais.
O que são os gatilhos mentais?
Gatilhos mentais são nada mais do que uma característica evolutiva do
cérebro humano, em que emoções são despertadas de acordo com
determinadas situações em que vivemos e/ou que somos acostumados a
conviver.
Esses gatilhos mentais são disparados em nosso cérebro através das emoções
que sentimos quando somos submetidos a determina situação que represente
um determinado fator. E essas emoções são responsáveis por tomarmos
decisões de forma inconsciente. Fazendo com que venhamos a atribuir um
valor a determina coisa ou situação em virtude desses elementos.
Esses gatilhos são amplamente descritos e estudados pelo doutor Robert
Cialdini, especialista em persuasão.[45]
No caso dos influenciadores digitais dois destes gatilhos são usados na
persuasão de seu possível seguidor:
O primeiro deles é o da Familiaridade.
Nós seres humanos temos a tendência, por natureza, de confiar nas pessoas
que nos conhecemos, que nos são familiares. Por essa razão, o endosso de
uma marca ou produto será muito melhor avaliado e assimilado se for feito
por alguém que já conhecemos bem.
Um influenciador digital é alguém que é bem conhecido por sua audiência, e
por essa razão ele é capaz de influenciar os usuários que a compõem.
Nesse sentido, no momento em que um influenciador recomendar ou
promover o seu produto ou a sua marca, os seguidores terão mais conforto e
menos preconceito em relação ao seu perfil do que teriam se o conhecessem
de outra forma, ou de maneira espontânea na própria plataforma.
Outro gatilho importante é o da Autoridade.
Quando recebemos um comando ou uma sugestão costumamos receber com
certa dúvida ou receio.
Porém, quando esse comando ou sugestão é feito por alguém que entende de
determinado assunto a ponto de ser considerada uma autoridade; não há o que
discutir, já é um indicador de qualidade e confiabilidade.
Nesse contexto, tendemos a confiar mais naquilo que é indicado por uma
autoridade.
Por exemplo, se compramos uma dieta feita por um conhecido ou por um
médico famoso, como o Dr. Barakat, qual dos dois iremos atribuir maior grau
de confiabilidade? Provavelmente para quem é autoridade no assunto.
E quando o assunto é emagrecimento, o Doutor Mohamed Barakat é um dos
maiores especialistas.
Portanto, quando alguém é autoridade em um assunto nos dificilmente iremos
discutir ou duvidar.
Quando recorremos a um influenciador, essa pessoa pode ser respeitada por
sua audiência devido ao conhecimento que possui e/ou por conta do valor que
entrega para sua audiência. Como, por exemplo, um chef de cozinha pode
promover.
E é por conta da audiência ver esta pessoa como autoridade é que elas vão
atribuir um maior grau de confiabilidade e valor para aquilo que elas venham
a indicar ou promover.
Por conta desses dois elementos, usar um influenciador digital é uma
estratégia excelente e que pode representar um turbilhão de crescimento em
seu perfil.
E estabelecer parcerias é um fator essencial para obter um crescimento ainda
maior e mais rápido!

TRANSFORMANDO SEUS SEGUIDORES EM UMA COMUNIDADE

Aproveitando o fato de que pontuamos o que são e como funcionam os


gatilhos mentais, é importante citar mais um deles e que pode ser de imensa
valia para transformar o seu perfil em um ponto de alto engajamento.
O gatilho mental da Comunidade.
Tal como agimos pautados por nossas emoções nos casos demonstrados,
tendemos também a realizar ações pelo simples fato de gostarmos de fazer
parte de um grupo; de uma comunidade.
Seja de uma torcida de time de futebol, seja de um grupo de amigos, seja de
uma tribo de skate; todos nós gostamos de fazer parte de um grupo e de sentir
essa sensação de pertencimento.
Por conta disso, tornar o seu perfil um ponto de encontro que tenha tamanho
engajamento que seja capaz de proporcionar a sensação nos usuários de
pertencerem a uma comunidade, é um dos elementos que devem ser buscados
a todo custo.
Nesse sentido, é importantíssimo trabalhar a sua audiência para que ela se
sinta acolhida e influente no seu trabalho.
Não basta apenas responder e agradecer os comentários. É preciso criar meios
que façam elas se sentirem parte do seu conceito; da sua ideia; da sua causa.
Alguns perfis conseguem realizar esse papel de uma forma formidável, como
o Geração de Valor e a marca de roupas Reserva.
Porém, o caso mais célebre em que uma marca tornou-se algo maior do que
uma fabricante ou um negócio é a marca de motocicletas Harley-Davidson.
Famosa pelas motocicletas que aparecem em diversos filmes e ações
promocionais. A marca se tornou uma das mais lucrativas do mundo não
apenas por venderem motocicletas; mas por venderem estilo de vida.
E é o estilo de vida que é comprado pelas pessoas que compra uma Harley.
A motocicleta pode não ser a melhor ou a mais potente, mas ela faz com o
consumidor se sinta parte de um movimento, incorporando um novo estilo de
vida; ligado aos ideais de liberdade, ao estilo do filme Easy Rider.
Por conta disso a marca também vende diversos acessórios de vestuário,
souvernirs e itens de decoração; que compõem todo o contexto.
Todos esses elementos convergem na construção de uma comunidade, que as
pessoas querem fazer parte.
Essa comunidade é conhecida mundialmente como HOG. Harley Owners
Group, que quer dizer Grupo dos donos de Harleys.
E seus membros são chamados de Hogs; que pode também ser traduzido
como porcos.
Esse movimento é explicado pela forma inconsciente que nosso cérebro nos
direciona, no sentido de sempre querermos fazer parte de um movimento, de
uma comunidade, de uma causa.
Nesse sentido, trabalhar para criar um engajamento tão poderoso ao ponto de
criar uma causa e dar aos seus seguidores essa sensação de pertencimento
deve ser um ideal a ser perseguido diariamente em um perfil no Instagram.
Não somente materializado pela busca da produção do conteúdo perfeito, que
seja capaz de engajar o seu público, é necessário dar espaço e criar formas de
proporcionar a sua audiência a possibilidade de fazerem parte de seu negócio,
de sua causa.
Por conta disso, manter uma interação frequente é fundamental. Mas, mais
que isso, é necessário criar meios para manter essa chama acessa.
Surgindo estratégias como o uso de hashtags específicas, como de grupos de
desenvolvimento, como exemplo os capitaneados pelo comediante Murilo
Gun, Hard Work Papai (#hardworkpapai) ou pelo ex-jogador de poker
Gabriel Goffi, High Stakes Lifestyle (#highstakeslifestyle). Que não ficam
restritas as hashtags mas simbolizam ideias e causas que os mensageiros
propõem a suas audiências para que esse engajamento seja feito de forma
natural e orgânica.
Outro movimento importante, já citado, é o exemplo do Geração de Valor, na
hashtag Sou GV. Que simboliza a ideia de ser um participante do movimento.
Dessa forma, é importante planejar estratégias e reconhecer os sinais que a
sua audiência irão lhe dar para construir algo que seja maior do que a sua
própria marca e que vão segmentar um crescimento que será endossado por
diversos outros usuários; não somente por você.
Para estabelecer essas estratégias é interessante ficar atento aos sinais que a
audiência lhe der, bem como recorrer constantemente ao exercício de criação
da persona; de modo a ter as informações necessárias para saber quais são as
preferências e quais são os hábitos de seus seguidores.
Não é necessário aparato ou muitos instrumentos para criar uma comunidade,
basta criar conteúdos que gerem o sentimento de pertencimento em seus
usuários. E saber exatamente quem eles são e como eles se comportam é
essencial.
COMO CRIAR LEGENDAS MEMORÁVEIS

A criação das legendas dos seus conteúdos é um ponto que também exige
certo cuidado e uma técnica de forma que seja aproveitado ao máximo o
tempo dispendido pelo usuário para lê-la, bem como o curto espaço
disponível.
Esse espaço também segue a alma da plataforma, em que menos é mais. E
que a qualidade deve ser priorizada em relação ao conteúdo.
Nesse sentido, é importante trabalhar os elementos que irão compor o texto
da legenda de um conteúdo, com o intuito de chamar a atenção dos usuários,
mantê-los interessados pelo que ali está escrito e que o façam emocionar de
tal forma que o texto se transforme em uma arma poderosa de criação de
engajamento.
Partindo desse objetivo, vamos aplicar uma técnica muito famosa, que é a
redação publicitária, também conhecida como Copywriting.[46]
A Copywriting é constituída por até seis elementos básicos. São eles:
-Imediatismo/urgência;
-Conexão;
-Especificidade;
-Transformação;
-Chamada para ação (call-to-action);
-Exclusividade.
O primeiro elemento é a urgência, e é importante entender bem esse
elemento, pois é ele que será responsável por cativar a sua audiência para
permanecer lendo o seu conteúdo escrito na legenda.
Dessa forma, o intuito é usar palavras que despertem a curiosidade ou que
agucem o usuário de tal forma que ele sinta que vale a pena ler aquele
conteúdo. Seja por sentir surpreso, impactado, curioso ou assustado com as
primeiras linhas do seu texto.
Nesse momento palavras como ‘’descubra’’, ‘’agora’’, ‘’hoje’’, ‘’o segredo’’,
‘’a verdade’’, ‘’ninguém nunca contou’’; são alguns exemplos de palavras
que nos despertam automaticamente um sentido de urgência; um alerta.
Essas palavras quando combinada tem efeitos poderosos, e podem causar
uma forte impressão no usuário:
‘’Descubra hoje qual é o segredo que ninguém nunca contou sobre o tema
X’’.
Essa é uma frase que pode gerar um alerta em seu usuário de forma que ele
prossiga para as outras partes do texto.
O segundo elemento é a conexão. E a conexão é a capacidade de usar
palavras que gerem proximidade entre o texto e o leitor. Criando uma ligação
emocional com o texto.
Palavras como ‘’Você’’, ‘’pessoas comuns’’, ‘’passo a passo’’, ‘’começando
do zero’’; fazem com que o leitor se veja na situação e tome o escrito como
pessoal. Podendo causar um impacto emocional relevante em seu leitor.
‘’Descubra passo a passo como pessoas comuns como você podem fazer tal
atividade começando do zero’’.
Já o terceiro elemento, é a especificidade. Nesse ponto é importante atribuir
elementos que deixem de forma bem clara e específica as transformações e
características do conteúdo que você está promovendo. Números e Horários
são elementos que criam essa especificidade.
Esses elementos deixam explicita sua intenção e promovem um embasamento
ao seu texto, deixando ele mais crível e tangível ao usuário.
‘’Veja 12 ideias interessantes de decoração para o quarto de seu bebê’’.
O quarto fator é a transformação. Nesse elemento é necessário você deixar
bem claro e explícito o benefício e as transformações que o usuário pode ter
ao fazer algo que será sugerido posteriormente durante o texto.
Por exemplo: ‘’Descubra em uma palestra de 1 hora como pessoas comuns
perderam até 15 quilos com apenas 30 minutos de exercícios diários durante
2 meses.’’
O quinto elemento está diretamente relacionado à sugestão de um comando
para o usuário. É o momento em que você irá sugerir uma ação para o
usuário.
E essa atitude é a chamada para ação, conhecida também como call to
action. Esse momento, já mencionado no caso de criação de conteúdos para
postagens, é uma forma de persuadir o usuário a interagir com seu conteúdo.
Usos comuns de chamadas para ação são expressões como: ‘’Clique agora’,
‘’compartilhe com seus amigos’’; ‘’cadastre-se no site’’; entre outros.
Ainda que esses comandos pareçam óbvios, é uma oportunidade para
despertar no usuário o senso de ação; que o estimula a executar aquela ação
naquele determinado momento.
Caso essa chamada esteja ausente, o usuário pode se esquecer ou
simplesmente não assimilar a necessidade da tomada desta ação.
Lembre-se que a internet é um palco de tomada de decisões imediatas, ainda
mais no Instagram; e dar uma forcinha para que isso aconteça é sempre bem-
vindo.
O último elemento é a Exclusividade. Nesse elemento, é a hora de colocar a
cereja no bolo. É o último elemento persuasivo que irá compor o seu texto e
sua última oportunidade de agregar valor para seu leitor.
É nesse momento que você deverá reforçar as qualidades do texto,
adicionando elementos que tornem a legenda exclusiva, única e memorável.
Como, por exemplo, ressaltar as características da postagem ou da proposta
que você esteja fazendo para o leitor. Seja enfático e utilize elementos e
palavras como ‘’segredos’’, ‘’aprenda com os especialistas’’; ou ainda utilize
de nomes que sejam autoridades no seu nicho. Tudo isso irá concluir de
forma épica a sua legenda.
Conhecidos esses elementos, você deve sempre se ater novamente ao estudo
da sua persona e de seu público-alvo, adaptando a linguagem de acordo com
a sua audiência e com o conteúdo abordado.
Usar emojis tem um efeito excelente e podem aumentar o engajamento.
Existem relatos de aumento de até 50% de interação com o texto pelo simples
fato de terem sido adicionados emojis.
Utilize os emojis com sabedoria, e procure usar apenas aqueles que estejam
diretamente relacionados com o texto e com o seu tema.
Qualidade acima de Quantidade sempre. Tanto na edição do texto, quando no
uso dos emojis e posteriormente das hashtags.
Mencionar outros perfis e pessoas também é uma forma de tornar a legenda
ainda mais poderosa.
Essas menções podem estar tanto ligadas a influenciadores, quando para os
seguidores mais ativos de seu perfil. Sendo uma estratégia importante para
aumentar ainda mais o engajamento e a interação.
Concluindo assim, a criação de legendas matadoras para as suas postagens,
que estão embasadas em técnicas utilizadas e aprovadas pelos especialistas de
Marketing.

AS HASHTAGS

Por último, mas não menos importante, está outro elemento essencial na
criação de um perfil de sucesso: o uso das hashtags.
As hashtags são a cereja do bolo em um conteúdo épico, e quando usadas
sabiamente podem ser aumentar significativamente o alcance de um
conteúdo, além de proporcionar um aumento do engajamento entre os fãs.
Isto, por que as hashtags são elementos usados inicialmente para agrupar
conteúdos que possuem uma correlação entre si. Destacando um tema ou
assunto específico.
Dentre as mais utilizadas estão as relacionadas a amor (#love), seguir
(#follow) e adorável (#cute). Sendo que as mais populares entre os usuários
de todo o mundo são: #love,#instagood, #tbt, #photooftheday e #cute.[47]
Algumas estão diretamente relacionadas a eventos regulares, como a #tbt, que
quer dizer ‘’throw back Thursday’’, que é usada sempre às quintas-feiras em
conteúdos em que há fotos e eventos do passado, remetendo a lembranças e a
sentimentos que geram saudade.
As hashtags podem ser usadas tanto na postagem dos conteúdos, quanto nos
comentários. Representando principalmente as palavras-chave que irão ajudar
como que os demais usuários encontrem o seu conteúdo.
Nesse sentido, essas ferramentas têm são extremamente úteis por dois
motivos essenciais.
O primeiro é gerar interação entre os seguidores, como no caso do uso da
hashtag #tbt, em que as expressões são usadas para identificar um tipo de
conteúdo, destacando-o, ou então para expressar algum tipo de sentimento ou
advertência que pode chamar a atenção dos seus seguidores, ou orientá-los.
Existem diversos exemplos do uso dessas expressões para dialogar com a
audiência.
Através delas é possível criar um movimento que identifique as pessoas que o
fazem, criando uma relação de comunidade e pertencimento entre os seus
seguidores. Exemplos disso são as já citadas hashtags #sougv,
#hardworkpapai e #highstakeslifestyle, que identificam movimentos
começados pelos perfis Geração de Valor (Flávio Augusto da Silva), do
comediante Murilo Gun e do ex-jogador de poker Gabriel Goffi,
respectivamente.
Expressões que representem grupos também são bastante usadas, como os
lutadores de jiu-jitsu que utilizam a hashtag #oss, que está relacionada a
atividade; sendo usada exclusivamente pelos praticantes do esporte.
Cada movimento tem suas especificidades e características, mas todos
conseguiram um alto índice de postagem e engajamento de seus seguidores
que postam diariamente conteúdos com as hashtags mencionadas.
Outro exemplo, é o uso de hashtags que façam um diálogo com o conteúdo
postado, seja para complementá-lo ou para esclarecer o intuito da postagem.
Como, no caso das postagens de desabafo acompanhadas da hashtag
#prontofalei; ou da hashtag #ironic, usada para ressaltar que a publicação foi
usada de forma irônica.
Existem casos também em que as hashtags são usadas para identificar
lugares, com o uso do jogo da velha acompanhado do nome do local; muito
usada principalmente para restaurantes, bares, boates e eventos.
O uso delas para datas comemorativas é também um artifício extremamente
recorrente e que regista ótimos níveis de engajamento.
E, por fim, mais um exemplo interessante são aqueles usados para reproduzir
hábitos de postagens dos próprios seguidores do Instagram, como a já citada
#tbt, para relembrar bons momentos, bem como a #lookoftheday, que quer
dizer look do dia; muito usada por blogueiras, modelos e celebridades; em
sua maioria mulheres.
Outra razão essencial pela qual é extremamente interessante o uso das
hashtags é para ajudar o seu conteúdo a ser encontrado por outros usuários da
plataforma.
Isto, pois, as hashtags são uma forma de marcar e nichar o conteúdo postado.
Sendo possível localizar conteúdos que utilizaram a mesma hashtag através
do mecanismo de busca da própria plataforma; através da aba Explorar, que é
representada por uma lupa, estando na parte inferior do display inicial da
plataforma.
Para auxiliar o seu conteúdo a ser encontrado é importante colocar as
hashtags que estão diretamente relacionadas com o tema do seu perfil, bem
como com o conteúdo postado.
Se o conteúdo for, por exemplo, relacionado com a postagem de um prato de
comida, é interessante colocar hashtags que estejam relacionadas com o tema
como #cooking, #comida, #chef.
Sendo interessante colocar hashtags que estejam relacionadas
especificamente com o que foi postado. Por exemplo, se o conteúdo for uma
comida chinesa é interessante colocar qual ela foi, bem como o tipo. Podendo
ser usadas as hashtags: #comidachinesa, #yakisoba, #rapossai.
Quanto mais específico, melhor.
Outra estratégia interessante é utilizar hashtags que simbolizem uma
característica da postagem, aumentando o valor percebido da postagem,
quase exagerando nas colocações.
Um exemplo positivo dessa estratégia, aliada ao contexto já usado nos outros
exemplos é a hashtag #foodporn; que quer dizer pornografia culinária. Muito
usada para elevar o valor da postagem, ressaltando as qualidades da comida
postada, bem como para fazer parte do ‘’grupo’’ de postagens que usaram a
mesma hashtag.
Sendo importante fazer um pequeno planejamento das expressões que serão
usadas nas hashtags.
É importante escolher elementos que sejam diretos e que valorizem o seu
conteúdo. Seja aumentando o valor percebido ou possibilitando o conteúdo a
ser encontrado de maneira mais eficiente na busca da plataforma.
Seguindo mais uma vez a máxima da plataforma, é sempre bom relembrar
que menos é mais; e que quantidade não significa qualidade.
Muito antes pelo contrário, utilizar muitas hashtags pode acabar poluindo sua
postagem e roubando a atenção da legenda utilizada no conteúdo. E como
ressaltamos anteriormente, o uso das legendas é extremamente importante. E
roubar a atenção do seu usuário com as hashtags, ou poluir o visual do seu
texto, pode significar perder todo o trabalho dedicado à legenda.
Há um consenso de que o número de hashtags utilizada deve ser de no
máximo 5 expressões. Mas há também bons resultados utilizando entre 1 e 3
expressões somente, mantendo a clareza, a limpeza e tornando as expressões
usadas ainda mais eficazes.
Entretanto, não é uma regra absoluta. E existem casos em que é necessário e
interessante utilizar mais do que cinco expressões.
Caso seja necessário utilizar muitas hashtags, uma estratégia interessante é
utilizá-las nos comentários da postagem. Fazendo com que o seu conteúdo
seja encontrado, sem afetar a coesão e organização das legendas dos
conteúdos.
Outro ponto que reforça a importância de usar hashtags bastante específicas é
por conta do fenômeno que já abordamos nessa obra, a Cauda Longa.
E por que a Cauda Longa é tão importante nas hashtags?
Conforme discorremos, as hashtags são uma forma de seu conteúdo ser
encontrado através do mecanismo de busca. Sendo assim, utilizar hashtags
que contenham expressões bastante específicas irá auxiliar o seu conteúdo a
ser encontrado pela plataforma.
E como já trabalhamos, graças ao fenômeno da Cauda Longa é possível dizer
que quase qualquer tipo de conteúdo é desejado pelos usuários da plataforma,
e utilizar hashtags que contenham expressões muito específicas pode ser
extremamente importante para que o seu conteúdo seja encontrado e o seu
perfil consiga conquistar mais seguidores.
Nesse sentido, existirá sempre uma demanda de usuários faminta por
conteúdo relacionado a temas extremamente específicos, e utilizar essa
estratégia pode representar um salto de engajamento em seus conteúdos.
Pois como já comentamos, a riqueza está nos nichos. E saber possibilitar a
interação dessa demanda com o seu conteúdo é uma das chaves para o
sucesso e a conquista de usuários extremamente engajados (lembre-se mais
uma vez que quantidade não é qualidade).
Essa estratégia tem sido usada com bastante eficácia principalmente por lojas
e empresas de comércio eletrônico que postam hashtags que estão
diretamente relacionadas com demandas bastante específicas de seus clientes;
que essas empresas são capazes de atender.
Por exemplo, empresas que vendem roupas para noivas e vendem vestidos de
noiva, tamanho plus-size, com decote e fenda.
Para esse tipo de produto seria interessante criar uma hashtag para cada
característica específica, ou então para representar o tipo de produto. Tais
como: #vestidodenoivaplussize, #plussize, #noivaplussize,
#vestidoplussizecomdecote, ou #fenda.
Todas essas expressões irão tornar o seu conteúdo extremamente nichado, e
possibilitar com que usuários que procuram esse tipo bastante específico de
produto possam encontrar seu conteúdo. Atraindo uma audiência qualificada
e interessada em consumir seu conteúdo ou produto.
Nesse sentido, as hashtags são a cereja do bolo dos conteúdos do Instagram,
sendo necessário usá-las com prudência e planejamento, para que tornem o
seu perfil um sucesso ainda maior.
E usar os exemplos mencionados como referência para a criação dos seus
conteúdos é um caminho bastante interessante para começar a produzir
hashtags memoráveis e que sejam capazes de enriquecer ainda mais o seu
conteúdo.
A IMPORTANCIA DE TER SEGUIDORES REAIS.

Como já mencionados muitas vezes, a máxima no Instagram é: Qualidade é


mais importante do que Quantidade.
Essa regra vale para absolutamente todas as ferramentas e possibilidades do
Instagram.
Seja no número de fotos postadas no mesmo dia. Seja na quantidade de
escritos. Seja na quantidade de Hashtags.
É sempre importante priorizar a qualidade acima de tudo. E principalmente
acima da quantidade.
E em relação ao número de seguidores a regra continua absoluta. Não
importa o número de seguidores. O importante é conseguir seguidores
engajados e que estarão curtindo e comentando suas publicações.
Sendo assim, não importa a quantidade de seguidores, e sim a qualidade
deles.
Os motivos para essa máxima ser eficaz em relação aos seguidores são
diversos.
Primeiramente, pois como já trabalhamos diversas vezes, o grande foco de
um perfil de sucesso é conquistar a atenção de sua audiência, fazendo com
que ela venha a curtir, comentar e compartilhar o seu conteúdo. Criando
assim um forte engajamento que irá fazer com que o seu conteúdo se torne
um conteúdo verdadeiramente de sucesso.
E é esse engajamento que irá se converter em seu objetivo na plataforma.
Seja divulgar sua marca pessoal, seja aumentar o número de clientes de sua
empresa, vender produtos ou dar maior visibilidade ao seu movimento social.
As opções são ilimitadas. Mas manter os seguidores engajados é
absolutamente essencial.
Nesse sentido, o objetivo principal em relação aos seguidores deve ser
conquistar uma base de seguidores que estejam dispostos a curtir, comentar e
compartilhar o seu conteúdo. Fazendo com que o processo de compra de seu
produto, imagem ou ideia seja algo natural.
Deste modo, é importante ter seguidores que sejam efetivamente ativos, e
isso não quer dizer ter muitos seguidores. Quer dizer ter os seguidores certos.
Por conta disso, ter 500 seguidores certos é melhor do que ter um total de
2000 seguidores que poucos ou alguns estão dispostos a de fato interagir com
seu conteúdo.
Entender esse processo é fundamental. Já que na média dos casos, os perfis
com um número elevado de seguidores (mais de 20 mil seguidores) acabam
registrando apenas 2% de engajamento.
Isto é, dos 20 mil seguidores, apenas 400 curtem uma postagem; e somente
alguns poucos comentam e compartilham.
Logo, é melhor ter um número menor de seguidores, porém composto de
seguidores certos, que estarão dispostos a interagir verdadeiramente com seu
conteúdo; possibilitando um percentual de engajamento muito maior.
Além de encontrar os seguidores certos pelo motivo mencionado ser
importante, tomando por conta o fator engajamento, outro ponto relevante
deve ser considerado: o algoritmo do Instagram.
Como já mencionados, o algoritmo infelizmente só distribui inicialmente o
seu conteúdo quando postado para um número bastante reduzido de
seguidores. Estando em algo entre 1 e 7% do total de seus seguidores;
dependendo do número de seguidores.(normalmente, perfis maiores
inicialmente tem um alcance bem menor).
Por conta disso, ter seguidores verdadeiramente engajados possibilitará que o
seu conteúdo seja distribuído de maneira ainda maior; pois a cada curtida e
comentário o algoritmo irá distribuir o seu conteúdo para mais pessoas.
Nesse sentido, saber disso é essencial para poder alcançar um número
próximo da totalidade de seus usuários. E somente será possível alcançar
estando amparado por seguidores certos, e não necessariamente por muitos
seguidores; já que muitas vezes o número de seguidores é elevado, mas o
nível de engajamento dessa grande audiência é baixo.
Sendo assim, crescer o número de seguidores a todo custo não é uma
estratégia muito eficaz. Pois, não adianta nada ter muito seguidores que não
interagem de fato com seu conteúdo.
Por esse motivo não é recomendado recorrer a ferramentas que prometam
conseguir milhares de seguidores.
Comprar um serviço desse tipo ou comprar seguidores não é uma estratégia
interessante, principalmente, pois não há a garantia de que esses seguidores
são de fato reais. Além de poder gerar sanções por parte da plataforma, como
bloqueios ou até a perda da conta.
E ter seguidores falsos significa não ter o engajamento adequado para a
plataforma.
Ainda que em alguns casos esses seguidores falsos consigam comentar e
curtidas algumas fotos, eles representam uma perda total de mensuração
acerca da taxa de engajamento de seus conteúdos.
Isto, pois, se você tiver 6000 seguidores, sendo muitos desses seguidores
falsos, não há como saber se ter 300 curtidas representa um nível alto ou
baixo de engajamento. Já que os seguidores falsos muitas vezes, quando
curtem, curtem qualquer conteúdo, independente da qualidade.
Logo, não será possível saber se as curtidas foram feitas por seguidores reais
ou não. Sendo difícil saber se o conteúdo está chegando adequadamente para
seus seguidores. Tanto no sentido da efetiva entrega do conteúdo, por conta
do algoritmo; como também por conta de não ser possível mensurar a
qualidade do conteúdo. Impedindo uma curadoria mais detalhada acerca da
qualidade do seu conteúdo.
Sem o auxílio de seguidores reais e engajados é quase impossível saber se o
seu conteúdo está sendo verdadeiramente bem recebido pela sua audiência ou
não. E isso pode significar um resultado negativo em longo prazo.
Portanto, é importante focar em ter os seguidores certos e não em ter muitos
seguidores. Tendo os seguidores certos, o crescimento será inevitável; e
somente assim os seus objetivos na plataforma serão atendidos
verdadeiramente.
O CAPITAL DO FUTURO DA REDE: OS VÍDEOS

Ao longo do livro citamos vários tipos de conteúdo e várias formas de


abordá-los. Entretanto, um movimento tem sido identificado na Internet em
todo o mundo e principalmente no Instagram: o aumento do consumo de
vídeos.
Desde a adição da função Stories, em que é possível compartilhar pequenos
vídeos e até fazer uma transmissão ao vivo; feita em resposta ao crescimento
da concorrente Snapchat; o Instagram tem atingindo uma demanda crescente
por conteúdos em vídeos.
Inicialmente sendo exclusivamente uma rede de fotos, o Instagram começou
a permitir o compartilhamento de vídeos curtos no próprio feed dos usuários,
e posteriormente em uma função a parte, o Stories.
Esse movimento permitiu a entrada de novos conteúdos, com um poder ainda
maior de engajamento; já que através deles é possível apreender a atenção
dos seguidores por mais tempo.
Turbinado principalmente pelo aumento da banda dos celulares,
principalmente com o desenvolvimento da tecnologia móvel 4G e a
quantidade cada vez maior de estabelecimentos que oferecem sinal Wi-Fi; o
compartilhamento de vídeos não para de crescer na plataforma e na rede
como um todo.
Entretanto, o uso de vídeos ainda é um campo pouco explorado e que vem se
constituindo como a nova tendência da web.
Para se ter ideia, dos mais de 800 milhões de usuários do Instagram, apenas
cerca de 350 milhões de usuários utilizam a modalidade Stories.
Nesse sentido, a maioria dos players de diferentes nichos ainda não está
explorando essa oportunidade, e é por conta disso que cabe a você utilizar
estratégias para dominar esse mercado.
Além disso, pouco se sabe acerca de como o algoritmo da plataforma tem
trabalhado em relação a função Stories; porém, se sabe empiricamente que o
alcance das postagens feitas na modalidade atingem mais pessoas do que as
postagens tradicionais. E isso reforça ainda mais a ideia de que os vídeos são
o capital do futuro.
Os vídeos têm encontrado cada vez mais adeptos, principalmente devido a
melhoria da qualidade das funções de filmagem das câmeras do celular, bem
como da qualidade dos microfones integrados aos aparelhos.
Por conta disso, fazer uso desse recurso tem se mostrado como a melhor
alternativa dentro da plataforma, no momento.
As estratégias de vídeos têm sido extremamente utilizadas pelos grandes
players do mercado de venda de produtos físicos como Amazon e Zappos.
Essas empresas apresentam vídeos em que é possível ver o produto e como
ele interage com pessoas; quebrando diversas objeções dos clientes e
respondendo diversas dúvidas acerca de cor, tamanho e material dos
produtos.
Outra estratégia interessante é usar esse recurso para demonstrar com uma
riqueza de detalhes muito maior um ambiente, espaço ou evento; sendo
possível aumentar consideravelmente o engajamento, principalmente para
restaurantes, bares e casas de shows.
É válido lembrar que essa estratégia não se limita apenas a modalidade
Stories, já que é possível postar vídeos na linha do tempo do perfil há
bastante tempo.
Entretanto, a modalidade permite utilizar o recurso dos vídeos com maior
liberdade e sem prejudicar a organização do perfil.
Apesar de que, utilizar vídeos no perfil também é muito bem-vindo.
O uso de vídeos para interagir com a sua audiência é algo mais do que
valioso nesse momento.
Exemplos não faltam e a utilidade dos vídeos é infinita para todo tipo de
temática ou nicho.
Produzir pequenos vídeos demonstrando os detalhes e todos os ângulos de
um produto é uma estratégia excelente para perfis de negócio que vendem
produtos físicos.
Vídeos que mostram a interação de clientes atribuem um valor ainda maior
para eventos e restaurantes.
Transmissões ao vivo permitem a interação de um perfil pessoal para com a
audiência, possibilitando fazer dinâmicas de perguntas e respostas com os
seguidores, aumentando a afinidade com sua audiência.
Para arquitetos, vídeos que mostram um trabalho podem gerar mais pessoas
interessadas no serviço. Sendo uma excelente oportunidade para demonstrar
soluções de espaço e estratégias criativas, como, por exemplo,
aproveitamento de espaços em imóveis pequenos.
As possibilidades são absolutamente infinitas. E o ganho também.
Outro ponto interessante em relação aos vídeos é que o engajamento e a
visualização deste tipo de conteúdo é muito maior durante o período noturno,
principalmente depois das 21 horas.
O motivo está ligado não só ao aumento do tempo livre dos usuários para ver
o conteúdo, como também em razão do fato de muitas vezes esses só terem
banda larga ilimitada ou ampla nestes horários específicos.
Diversos especialistas recomendam o uso expressivo dos vídeos como a
estratégia de marketing ideal para os próximos anos.
Um dos maiores endossantes dessa estratégia é o empreendedor mineiro
Gustavo Caetano, dono da Samba Tech; uma empresa de tecnologia voltada
principalmente para a divulgação de conteúdo produzido e distribuído em
formato de vídeo. A empresa tem clientes notáveis como a Rede Globo, Rede
Bandeirantes e Kroton Educação.
Gustavo foi considerado o Mark Zuckerberg brasileiro pela revista
internacional Bussiness Insider, referência em inovação e tecnologia, no ano
de 2015. A alcunha se deu por conta da capacidade de inovação e criatividade
presentes nas iniciativas do empreendedor mineiro.[48]
Em um estudo detalhado, o empresário citou alguns motivos pelos quais o
uso de vídeo é uma estratégia tão recomendada; entre eles estão:[49] (Usando
também dados colhidos em levantamento do site Viver de Blog)[50]
- 85% das organizações pretendiam produz mais conteúdos em formato
audiovisual do que nos anos anteriores.
-80% dos consumidores se lembram onde assistiram um vídeo online. -52%
dizem que os vídeos ajudam a tomar decisões de compras
-Vídeos que contenham depoimentos e relatos acerca de serviços e produtos
ajudam em até 6x o número de conversões.
-Vídeos no e-mail marketing podem aumentar as taxas de cliques em até
96%.
-Acessos à Internet por meio de smartphone e tablets já ultrapassaram os
acessos desktop nas redes sociais.
-Vídeos em páginas de negócios no Facebook, por exemplo, aumentam o
engajamento do usuário final em até 33%.
- Vídeos inseridos em sites aumentam o tráfego em até 55%.
-Aproximadamente 76% dos profissionais de marketing planejam utilizar
vídeos em campanhas de brand awareness.[51]
-Os consumidores assistem, em média, 13,2 milhões de anúncios em vídeo
por dia.
Analisando esses dados é impossível não notar a importância determinante
que os vídeos tem na Internet e na maneira em que as pessoas se relacionam e
celebram negócios na rede.
Posto isto, negligenciar essa estratégia é perder uma onda que está invadindo
todas as redes sociais; e especialmente o Instagram.
Logo, é vital estar preparado e começar o quanto antes a traçar planos para
também aderir a esse tipo de estratégia.
CONCLUSÃO

Após desvendar e trabalhar todas as estratégias para a criação de um


Instagram de sucesso é interessante lembrar que o trabalho é contínuo e
constante. E que não há ponto de chegada.
Lembre-se sempre de que não existe estabilidade, e que uma estratégia que é
vencedora em um determinado momento pode não ser em outro.
Para isso, é essencial entender que as estratégias aqui apresentadas fornecem
elementos para que o caminho seja alcançado; mas é vital saber que essas
estratégias por si só não são suficientes para alcançar os seus objetivos.
É preciso conhecer bem a sua audiência e ficar atento aos sinais dela. E fazer
os exercícios aqui propostos como a criação da persona e o desenvolvimento
do público-alvo irão lhe ajudar a manter um círculo virtuoso de sucesso.
Tenha sempre em mente as estratégias aqui indicadas, mas jamais se esqueça
de que quem manda é a sua audiência; e que o conteúdo aqui abordado
apenas fornece meios para lhe aproximar dela.
Nesse sentido, mantenha-se sempre vigilante e ativo para com os seus
seguidores. Estando sempre pronto para mudar se assim for necessário, mas
mantendo as bases aqui prescritas.
E jamais se esqueça de que o Instagram é uma rede aonde predomina a sua
habilidade artística na produção de conteúdo. E que cada milímetro, cada
detalhe tem muito valor.
E principalmente, que quantidade não é qualidade.
Foque sempre na qualidade. Faça sempre o seu melhor.
Cuide-se!
Um grande abraço,
Rodrigo.
BÔNUS

Agora que você já entende a caminhada, segue aqui uma lista valiosa de
aplicativos que irão te ajudar na sua jornada, sendo ferramentas para o
sucesso do seu perfil!
A maioria é gratuita e disponível para smartphones de sistemas operacionais
IOS e Android.

Aplicativos para geração e edição de fotos:


VSCO
Wordswag
Snapseed
Canva
Adobe Post
Face Tune
Photogrid

Aplicativos para Edição de Vídeos:


Quik
Magistro
Vidstich
Flipgram

Aplicativo para criação de GIFs:


Giphy
Aplicativo para a Edição de Vídeo GIFs:
Boomerang

Aplicativo para a criação de um mosaico de várias fotos no seu feed:


Instagrid

Aplicativos para automatizar seguidores: (todos pagos)


Bume
InstaEasy
SocialRocket

Aplicativos para agendamento de postagens:


Hootsuite (versão básica grátis e versão avançada paga)
Etus (pago, mas com teste grátis)

Aplicativos para compartilhamento de postagem de outros usuários:


Repost
Repost Stories (IOS)
Regrann
IBoard (IOS)

Aplicativo para criar conteúdos para o Stories:


Inshot
Adobe Spark
Aplicativos que automatizam a interação com usuários:
GrowSoci.al (Disponível no Desktop)(pago, com teste grátis)
Gerenciagram (Disponível no Desktop)(pago, com teste grátis)

REFERÊNCIAS

A GUERRA DO SEO. Infográfico do Instagram em 2017. Disponível em:


https://www.aguerradoseo.com.br/infografico-dados-do-instagram-em-2017/
CAMILA PORTO. Disponível em: www.camilaporto.com.br

CANAL TECH. Instagram começa a implementar recurso de pagamento nativo discretamente.


Disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/instagram-comeca-a-implementar-recurso-de-
pagamento-nativo-discretamente-113106/
CIALDINI, Robert. As Armas da Persuasão. Editora Sextante.
CORREA, Cristiane. Abílio. Determinado, ambicioso e polêmico. Editora Primeira Pessoa. Rio de
Janeiro. 2015.
CORREA, Cristiane. Sonho Grande. Editora Primeira Pessoa. Rio de Janeiro.2013.
ELLE. La cronología vuelve a Instagram. Disponível em: https://www.elle.com/es/living/ocio-
cultura/a19569025/instagram-cronologia/
EMPREENDEDOR DIGITAL. Nicho de Mercado: Definição, Segmentação e Exemplos. Disponível
em: https://www.empreendedor-digital.com/nicho-de-mercado
FIVERR. Disponível em: https://www.fiverr.com/
FOLHA DE SÃO PAULO. Com 50 milhões de usuários, Brasil é o segundo no ranking do Instagram.
Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/10/1931057-com-50-milhoes-de-usuarios-
brasil-e-segundo-no-ranking-do-instagram.shtml
G1 TECNOLOGIA. Entenda a curta história do Intagram, comprado pelo Facebook. Disponível em:
http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2012/04/entenda-curta-historia-do-instagram-comprado-pelo-
facebook.html
HYTRADE. Quando o marketing de conteúdo começou? Uma breve história de suas origens.
Disponível em: http://www.hytrade.com.br/quando-o-marketing-de-conteudo-comecou-uma-breve-
historia-de-suas-origens/
IBGE. Site oficial. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/
INFOGRAM. Disponível em: https://infogram.com/
INSTAGRAM – Você Sabia Futebol – Disponível em: https://www.instagram.com/vocesabiafutebol/
INSTAGRAM. Brogui. Disponível em: https://www.instagram.com/brogui/?hl=pt-br
INSTAGRAM. Gabriela Pugliesi. Disponível em: https://www.instagram.com/gabrielapugliesi/?hl=pt-
br
KEEP LEARNING SCHOOL. Disponível em: http://keeplearningschool.com/dicas/

LONGO. Walter. ’Marketing e Comunicação na Era Pós-Digital’’. Editora HSM. 2014.


MARKETING DE CONTEÚDO. Qual a diferença entre público-alvo e persona? Disponível em:
https://marketingdeconteudo.com/diferenca-publico-alvo-e-persona/
MCGILVERY, Jeremy. Instagram Secrets.
MOMENTO COACHING. Você sabe o que é combinatividade. Descubra. Disponível em:
https://momentocoaching.com/2016/09/20/voce-sabe-o-que-e-combinatividade-descubra/

PEGN. Site indica Gustavo Caetano como Mark Zuckerberg Brasileiro. Disponível em:
https://revistapegn.globo.com/Dia-a-dia/noticia/2015/06/site-indica-gustavo-caetano-como-mark-
zuckerberg-brasileiro.html
PORTAL ADMINISTRADORES. Qual a importância do vídeo mobile para sua estratégia de
marketing? Disponível em: http://www.administradores.com.br/noticias/marketing/qual-a-importancia-
do-video-mobile-para-sua-estrategia-de-marketing/115362/
REVISTA EXAME. Instagram vale 35 bilhões de dólares, segundo banco. Disponível em:
https://exame.abril.com.br/tecnologia/instagram-vale-35-bilhoes-de-dolares-segundo-banco/
SPROUT SOCIAL. 18 estatísticas do Instagram que todo marketeiro precisa conhecer em 2017.
Disponível em: https://sproutsocial.com/insights/estatisticas-do-instagram-para-marketeiros/
SUPER INTERESSANTE. As 5 hashtags mais usadas no Instagram. Disponível em:
https://super.abril.com.br/tecnologia/as-5-hashtags-mais-usadas-no-instagram/
THE ATLANTIC. Instagram was first called Burbn. Disponível em:
https://www.theatlantic.com/technology/archive/2014/07/instagram-used-to-be-called-brbn/373815/
THE FURROW. Site. Disponível em: https://www.johndeerefurrow.com/
VAYNERCHUCK,Gary. Nocaute. Como contar sua história no disputado ringue das redes sociais.
Editora HSM. 2016.
VIVER DE BLOG. Disponível em: www.viverdeblog.com.br
VIVER DE BLOG. Os segredos de Copywriting: como escrever com foco na conversão e otimizar suas
vendas. Disponível em: https://viverdeblog.com/copywriting/
WE DO LOGOS. Disponível em: https://www.wedologos.com.br/
WORKANA. Disponível em: https://www.workana.com
YOUTUBE. Blendtec. Will it Blend? Iphone 6 Plus. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?
v=lBUJcD6Ws6s
YOUTUBE. BRAHMA. Brahma Extra Weiss vai bem com Fish and Chips. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=lLuBaWPcViE
YOUTUBE. Canal Ana Maria Brogui. Disponível em: https://www.youtube.com/user/brogui
YOUTUBE. People Buy Feelings, Not Things | Tony Robbins Business Mastery. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=1iRUJv6knQk

YOUTUBE. Segredos da Audiência. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?


v=qEoQIX1H3xk
SOBRE O AUTOR

Rodrigo Teixeira Felicíssimo é natural de Belo Horizonte, Minas Gerais.


É formado em Direito pela Faculdade de Direito Milton Campos.
Atualmente se dedica a projetos na área do Comércio Digital e na criação de
Infoprodutos.
Também produziu alguns artigos informais e textos relacionados ao tema
Empreendedorismo.
É também autor dos livros: ‘’O homem que virou o jogo’’; ‘’Os Mitos que te
impedem de Empreender’’; ‘’Marketing Digital para Pequenas Empresas’ e ‘’
Porque a Escola Não nos Prepara para o Mundo Real. ’’

[1]
FOLHA DE SÃO PAULO. Com 50 milhões de usuários, Brasil é o segundo no ranking do
Instagram. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/10/1931057-com-50-milhoes-
de-usuarios-brasil-e-segundo-no-ranking-do-instagram.shtml
[2]
A GUERRA DO SEO. Infográfico do Instagram em 2017. Disponível em:
https://www.aguerradoseo.com.br/infografico-dados-do-instagram-em-2017/
[3]
SPROUT SOCIAL. 18 estatísticas do Instagram que todo marketeiro precisa conhecer em 2017.
Disponível em: https://sproutsocial.com/insights/estatisticas-do-instagram-para-marketeiros/
[4]
THE ATLANTIC. Instagram was first called Burbn. Disponível em:
https://www.theatlantic.com/technology/archive/2014/07/instagram-used-to-be-called-brbn/373815/
[5]
A história da plataforma pode ser conhecida com mais detalhes no Livro: ‘’ O clique de 1 bilhão de
dólares.’’ de Filip Vulicic, da editora Intrínseca.
[6]
G1 TECNOLOGIA. Entenda a curta história do Intagram, comprado pelo Facebook. Disponível em:
http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2012/04/entenda-curta-historia-do-instagram-comprado-pelo-
facebook.html
[7]
REVISTA EXAME. Instagram vale 35 bilhões de dólares, segundo banco. Disponível em:
https://exame.abril.com.br/tecnologia/instagram-vale-35-bilhoes-de-dolares-segundo-banco/
[8]
CANAL TECH. Instagram começa a implementar recurso de pagamento nativo discretamente.
Disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/instagram-comeca-a-implementar-recurso-de-
pagamento-nativo-discretamente-113106/
[9]
A bolha da Internet ou bolha das empresas ponto com foi uma bolha especulativa criada no final da
década de 1990, caracterizada por uma forte alta das ações das novas empresas de tecnologia da
informação e comunicação (TIC) baseadas na Internet. Essas empresas eram também chamadas "ponto
com" (ou "dot com"), devido ao domínio de topo ".com" constante do endereço de muitas delas na rede
mundial de computadores.

No auge da especulação, o índice da bolsa eletrônica de Nova Iorque, a Nasdaq, chegou a alcançar mais
de 5000 pontos, despencando pouco tempo depois. Considera-se que o auge da bolha tenha ocorrido em
10 de março de 2000. Ao longo de 2000, ela se esvaziou rapidamente, e, já no início de 2001, muitas
empresas "ponto com" já estavam em processo de venda, fusão, redução ou simplesmente quebraram e
desapareceram. (Fonte: Wikipédia) Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Bolha_da_Internet
[10]
LONGO. Walter. ’Marketing e Comunicação na Era Pós-Digital’’. Editora HSM. 2014.
[11]
LONGO. Walter. ’Marketing e Comunicação na Era Pós-Digital’’. Editora HSM. 2014.
[12]
VAYNERCHUCK, Gary. Nocaute. Como contar sua história no disputado ringue das redes sociais.
Editora HSM. 2016.
[13]
Alcance orgânico: aquele que é possibilitado utilizando os recursos gratuitos da própria plataforma.
Sem o uso de outras ferramentas ou por meio de pagamento (publicações patrocinadas).
[14]
ELLE. La cronología vuelve a Instagram. Disponível em: https://www.elle.com/es/living/ocio-
cultura/a19569025/instagram-cronologia/
[15]
PORTAL ADMINISTRADORES. Snapchat, Instagram, Youtube e WhatsApp: gigantes que não
dão lucro. Disponível em: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/grandes-empresas-
pequenos-rendimentos/104145/
[16]
Feed: Página inicial do Instagram, aonde estão disponíveis todas as fotos postadas pelos perfis que
você segue.
[17]
YOUTUBE. Tony Robbins – Você pode estar a poucos milímetros de seus sonhos! Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=QpFMWCTJ-y8
[18]
INSTAGRAM. Gabriela Pugliesi. Disponível em: https://www.instagram.com/gabrielapugliesi/?
hl=pt-br
[19]
YOUTUBE. Canal Ana Maria Brogui. Disponível em: https://www.youtube.com/user/brogui

[20]
INSTAGRAM. Brogui. Disponível em: https://www.instagram.com/brogui/?hl=pt-br
[21]
EMPREENDEDOR DIGITAL. Nicho de Mercado: Definição, Segmentação e Exemplos.
Disponível em: https://www.empreendedor-digital.com/nicho-de-mercado
[22]
MARKETING DE CONTEÚDO. Qual a diferença entre público-alvo e persona? Disponível em:
https://marketingdeconteudo.com/diferenca-publico-alvo-e-persona/
[23]
IBGE. Site oficial. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/
[24]
Planejador de Palavras-chave do Google: https://adwords.google.com/intl/pt-
BR_br/home/tools/keyword-planner/
[25]
KEEP LEARNING SCHOOL. Disponível em: http://keeplearningschool.com/dicas/
[26]
MOMENTO COACHING. Você sabe o que é combinatividade. Descubra. Disponível em:
https://momentocoaching.com/2016/09/20/voce-sabe-o-que-e-combinatividade-descubra/
[27]
WORKANA. Disponível em: https://www.workana.com
[28]
WE DO LOGOS. Disponível em: https://www.wedologos.com.br/

[29]
FIVERR. Disponível em: https://www.fiverr.com/
[30]
BIT.LY. Encurtador de links. Website. Disponível em: https://bitly.com/
[31]
MARKETING DE CONTEÚDO. Descubra o que é e qual a importância do Benchmarking no
Marketing Digital. Disponível em: https://marketingdeconteudo.com/benchmarking/
[32]
CORREA, Cristiane. Abílio. Determinado, ambicioso e polêmico. Editora Primeira Pessoa. Rio de
Janeiro. 2015.
[33]
CORREA, Cristiane. Sonho Grande. Editora Primeira Pessoa. Rio de Janeiro2013.
[34]
Filme ‘’ À Procura da Felicidade’’com Will Smith. ‘’The pursuit of Happyness’’. 2006.
[35]
YOUTUBE. Segredos da Audiência. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?
v=qEoQIX1H3xk
[36]
INFOGRAM. Disponível em: https://infogram.com/
[37]
INSTAGRAM – Você Sabia Futebol – Disponível em:
https://www.instagram.com/vocesabiafutebol/
[38]
PIXABAY. Disponível em: https://pixabay.com/pt/
[39]
YOUTUBE. Aumente até 400% seus resultados na Web!!. Olímpio Araújo Júnior. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=u6QDXjIu1Qc
[40]
YOUTUBE. People Buy Feelings, Not Things | Tony Robbins Business Mastery. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=1iRUJv6knQk
[41]
HYTRADE. Quando o marketing de conteúdo começou? Uma breve história de suas origens.
Disponível em: http://www.hytrade.com.br/quando-o-marketing-de-conteudo-comecou-uma-breve-
historia-de-suas-origens/
[42]
THE FURROW. Site. Disponível em: https://www.johndeerefurrow.com/
[43]
YOUTUBE. Blendtec. Will it Blend? Iphone 6 Plus. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=lBUJcD6Ws6s
[44]
YOUTUBE. BRAHMA. Brahma Extra Weiss vai bem com Fish and Chips. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=lLuBaWPcViE
[45]
CIALDINI, Robert. As Armas da Persuasão. Editora Sextante.
[46]
VIVER DE BLOG. Os segredos de Copywriting: como escrever com foco na conversão e otimizar
suas vendas. Disponível em: https://viverdeblog.com/copywriting/
[47]
SUPER INTERESSANTE. As 5 hashtags mais usadas no Instagram. Disponível em:
https://super.abril.com.br/tecnologia/as-5-hashtags-mais-usadas-no-instagram/
[48]
PEGN. Site indica Gustavo Caetano como Mark Zuckerberg Brasileiro. Disponível em:
https://revistapegn.globo.com/Dia-a-dia/noticia/2015/06/site-indica-gustavo-caetano-como-mark-
zuckerberg-brasileiro.html
[49]
PORTAL ADMINISTRADORES. Qual a importância do vídeo mobile para sua estratégia de
marketing? Disponível em: http://www.administradores.com.br/noticias/marketing/qual-a-importancia-
do-video-mobile-para-sua-estrategia-de-marketing/115362/
[50]
VIVER DE BLOG. Disponível em: www.viverdeblog.com.br
[51]
Brand Awareness. Expressão relacionada à consciência de marca. Isto é, a medida em que uma
marca é reconhecida por clientes potenciais; e como eles estão associando um determinado produto à
marca.