Sie sind auf Seite 1von 16

Desvios posturais região da cabeça e pescoço

A coluna cervical está dividida em duas porões anatômica e funcionalmente diferentes:

Cervical superior • Occipício • C! • C2
Cervical superior
• Occipício
• C!
• C2

Cervical inferior

Vai desde a face inferior do áxis até a face superior da primeira vértebra dorsal,

Vai desde a face inferior do áxis até a face superior da primeira vértebra dorsal, se

diferenciando da cervical superior por ter todas as vértebras do mesmo tipo.

superior da primeira vértebra dorsal, se diferenciando da cervical superior por ter todas as vértebras do
cervical superior por ter todas as vértebras do mesmo tipo. Movimentos da cervical alta • Flexão

Movimentos da cervical alta

Flexão / extensão

 

Rotação

 

Inclinação

 

Movimentos mixtos

 

Extensão - Rotação - Inclinação

Flexão - Inclinação - Rotação

 

Obs.: os corpos vertebrais rodam sempre pro lado da convexidade.

Dores na região de cervical alta

As dores crânio-faciais tem sua origem em processos mecânicos ou degenerativos da

As dores crânio-faciais tem sua origem em processos mecânicos ou degenerativos da

cervical alta ( Occipital, C1,C2,C3).

As dores crânio-faciais tem sua origem em processos mecânicos ou degenerativos da cervical alta ( Occipital,

Locais em que podem ocorrer

Região occipital

 

Temporal

 

Parietal

 

Frontal

Irradiação para zonas supraorbitárias, maxilar

Cervical baixa

Movimentos da cervical baixa

Flexão

 

Extensão

 

Inclinação lateral com rotação (acontecem juntos)

A flexão aumenta a possibilidade de realização de inclinação lateral. A extensão aumenta

A flexão aumenta a possibilidade de realização de inclinação lateral. A extensão aumenta

a rotação.

A flexão aumenta a possibilidade de realização de inclinação lateral. A extensão aumenta a rotação.

Amplitudes de movimento

Posição anatomica

Amplitude : de 2 a 25 graus

de movimento Posição anatomica Amplitude : de 2 a 25 graus Inclinação lateral Amplitude de movimento:

Inclinação lateral

Amplitude de movimento: 45 graus.

Inclinação lateral Amplitude de movimento: 45 graus. Dica importante : no caso da inclinação lateral avaliar
Dica importante : no caso da inclinação lateral avaliar também os músculos dos olhos a

Dica importante : no caso da inclinação lateral avaliar também os músculos dos olhos a

procura de encurtamentos musculares.

: no caso da inclinação lateral avaliar também os músculos dos olhos a procura de encurtamentos

Flexão cervical

Amplitude de movimento: 50 graus.

Flexão cervical Amplitude de movimento: 50 graus. Extensão cervical Amplitude de movimento: 75 graus.

Extensão cervical

Amplitude de movimento: 75 graus.

Flexão cervical Amplitude de movimento: 50 graus. Extensão cervical Amplitude de movimento: 75 graus.

Rotação cervical

Amplitude de movimento: 90 graus.

Rotação cervical Amplitude de movimento: 90 graus. Retração Protração

Retração

Rotação cervical Amplitude de movimento: 90 graus. Retração Protração

Protração

Rotação cervical Amplitude de movimento: 90 graus. Retração Protração

Músculos responsáveis:

ECOM

Longo da cabeça

Reto da cabeça e do pescoço

Escalenos anteriores

Ecom

da cabeça e do pescoço • Escalenos anteriores Ecom Flexão cervical Origem Inserção Inervação

Flexão cervical

pescoço • Escalenos anteriores Ecom Flexão cervical Origem Inserção Inervação
pescoço • Escalenos anteriores Ecom Flexão cervical Origem Inserção Inervação
Origem
Origem
Inserção
Inserção

Inervação

Vascularização

Função
Função

Cabeça esternal: manúbrio do esterno

Cabeça esternal: manúbrio do esterno Cabeça clavicular: porção média da clavícula
Cabeça clavicular: porção média da clavícula

Cabeça clavicular: porção média da clavícula

Processo mastóide do osso temporal e na linha nucal superior

Processo mastóide do osso temporal e na linha nucal superior

do osso occipital.

Processo mastóide do osso temporal e na linha nucal superior do osso occipital.
Nervo acessório (nervo craniano XI) e ramos diretos do plexo

Nervo acessório (nervo craniano XI) e ramos diretos do plexo

cervical (C1-C2)

Nervo acessório (nervo craniano XI) e ramos diretos do plexo cervical (C1-C2)
Artéria occipital, artéria tireóidea superior (ramos da artéria

Artéria occipital, artéria tireóidea superior (ramos da artéria

carótida externa)

Artéria occipital, artéria tireóidea superior (ramos da artéria carótida externa)

Contração unilateral: Flexão lateral da cabeça, rotação da

 

cabeça para o lado oposto

 

Contração bilateral: elevação da cabeça, flexão do pescoço

em direção ao tórax

 

Outros: auxiliar na inspiração.

 

Longo da cabeça

Longo da cabeça Origem   Inserção   Inervação Ramos ventral do 2ª ao 6º nervos espinhais

Origem

 

Inserção

 

Inervação

Ramos ventral do 2ª ao 6º nervos espinhais cervicais

Vascularização

 

Função

Flexão do pescoço e estabilização cervical

Posição para avaliação

As principais visões para realização da avaliação postural são:

Anterior

para realização da avaliação postural são: Anterior Lateral direita e esquerda Posterior Podemos usar o

Lateral direita e esquerda

postural são: Anterior Lateral direita e esquerda Posterior Podemos usar o cimetógrafo ou coloca-lo na foto.

Posterior

postural são: Anterior Lateral direita e esquerda Posterior Podemos usar o cimetógrafo ou coloca-lo na foto.

Podemos usar o cimetógrafo ou coloca-lo na foto. Ë de estrema importância a utilização de uma base com marcação ( triângulo 35 graus) para que se possa colocar o avaliado na mesma posição nas avaliações seguintes. Caso não se use corremos o rico de que os pés fiquem em posições diferentes na reavaliação, dificultando a comparação no caso de um trabalho voltado para postura.

em posições diferentes na reavaliação, dificultando a comparação no caso de um trabalho voltado para postura.
em posições diferentes na reavaliação, dificultando a comparação no caso de um trabalho voltado para postura.
em posições diferentes na reavaliação, dificultando a comparação no caso de um trabalho voltado para postura.

O fio de prumo, ou linha central deve ser colocada , na posição anterior e posterior na ponta do triângulo.

Dica : para saber se os pés devem ficar mais próximos da ponta do triângulo ou mais distante, levamos em conta a distancia dos joelhos, onde estes devem ter um espaço de aproximadamente dois centímetros entre eles. Isso é importante nos casos de geno valgo, varo ou diferença de membros inferiores.

Para fotografar devemos sempre manter a mesma distância e altura, dependendo do equipamento , podemos tomar a distancia de 3m do avaliado e como base podemos ter uma media entre o processo xifoide e o umbigo, ou medir a altura de 1m.

Outro ponto importante é anotar os desvios com e sem o cimetógrafo para verificar possíveis mudanças , mas devemos levar em conta na hora de comparar, a visão com cimetógrafo ou sem ele mas com a base.

Na postura ideal o fio de prumo passa:

Avaliação estática visão frontal

Na visão frontal a postura normal equivale a que o mento e glabela coincidem com

Na visão frontal a postura normal equivale a que o mento e glabela coincidem com a linha

média ou fio de prumo que divide o corpo em duas metades, direita e esquerda.

o mento e glabela coincidem com a linha média ou fio de prumo que divide o
que divide o corpo em duas metades, direita e esquerda. Desvios encontrados; • Inclinação lateral  

Desvios encontrados;

Inclinação lateral

 

Rotação

 

Inclinação lateral + rotação pro mesmo lado

 

Inclinação lateral + rotação para o lado oposto

inclinação lateral

Na inclinação lateral a glabela se desloca para direita ou para esquerda, quando o desvio

Na inclinação lateral a glabela se desloca para direita ou para esquerda, quando o desvio

for difícil de se determinar , devemos avaliar na visão posterior.

para direita ou para esquerda, quando o desvio for difícil de se determinar , devemos avaliar
de se determinar , devemos avaliar na visão posterior. Na visão posterior para confirmarmos o desvio
de se determinar , devemos avaliar na visão posterior. Na visão posterior para confirmarmos o desvio
Na visão posterior para confirmarmos o desvio lateral devemos ter como base os

Na visão posterior para confirmarmos o desvio lateral devemos ter como base os

processos mastóideos do osso temporal.

Na visão posterior para confirmarmos o desvio lateral devemos ter como base os processos mastóideos do

Como avaliar:

Avaliador : de pé detrás do avaliado

 

Avaliado: de pé olhando para frente

Procedimento: o avaliador coloca os dois polegares nos processos mastóideos do osso

 

temporal e verifica a posição dos mesmos, um em relação ao outro.

 

Resultado: caso o polegar direito esteja mais alto que o esquerdo, a inclinação será para

esquerda. Caso o polegar esquerdo esteja mais elevado, a inclinação será para direita.

 

Obs.: o normal será encontrar os dois polegares na mesma altura

elevado, a inclinação será para direita.   Obs.: o normal será encontrar os dois polegares na

Músculos responsáveis pela inclinação lateral

1.

ECOM

 

2.

Escalenos posterior e médio

 

3.

Longo do pescoço e da cabeça

4.

Reto lateral da cabeça

 
e da cabeça 4. Reto lateral da cabeça   ECOM Escaleno posterior. Escaleno. Médio Longo do
e da cabeça 4. Reto lateral da cabeça   ECOM Escaleno posterior. Escaleno. Médio Longo do
e da cabeça 4. Reto lateral da cabeça   ECOM Escaleno posterior. Escaleno. Médio Longo do

ECOM

Escaleno posterior.

Escaleno. Médio

  ECOM Escaleno posterior. Escaleno. Médio Longo do pescoço Longo da cabeça Reto lateral da
  ECOM Escaleno posterior. Escaleno. Médio Longo do pescoço Longo da cabeça Reto lateral da
  ECOM Escaleno posterior. Escaleno. Médio Longo do pescoço Longo da cabeça Reto lateral da

Longo do pescoço

Longo da cabeça

Reto lateral da cabeça

Dica : geralmente quando encontramos uma inclinação lateral podemos verificar o

 

esternocleidomastóideo mais evidente do lado da inclinação e os escalenos mais visíveis

( diminuição da fossa supraclavicular do lado da inclinação)

 

"Na inclinação lateral todos os músculos contraem unilateralmente para o mesmo lado. "

Na avaliação ativa a inclinação da cabeça para lateral é menor pro lado contralateral ao

Na avaliação ativa a inclinação da cabeça para lateral é menor pro lado contralateral ao

da inclinação.

Na avaliação ativa a inclinação da cabeça para lateral é menor pro lado contralateral ao da

Rotação

Na rotação a glabela e o mento se deslocam juntas para o lado, pode vir

Na rotação a glabela e o mento se deslocam juntas para o lado, pode vir junto com flexão

cervical, extensão e ou inclinação cervical.

e o mento se deslocam juntas para o lado, pode vir junto com flexão cervical, extensão
flexão cervical, extensão e ou inclinação cervical. Na visão posterior para confirmarmos a rotação devemos
flexão cervical, extensão e ou inclinação cervical. Na visão posterior para confirmarmos a rotação devemos
Na visão posterior para confirmarmos a rotação devemos ter como base os processos

Na visão posterior para confirmarmos a rotação devemos ter como base os processos

mastóideos do osso temporal.

Na visão posterior para confirmarmos a rotação devemos ter como base os processos mastóideos do osso

Como avaliar:

Avaliador : de pé detrás do avaliado

 

Avaliado: de pé olhando para frente

Procedimento: o avaliador coloca os dois polegares nos processos mastóideos do osso

temporal e verifica a posição dos mesmos, um em relação ao outro.

 

Resultado: caso o polegar direito esteja mais a frente que o esquerdo, a rotação será

 

para esquerda. Caso o polegar esquerdo esteja mais a frente, a rotação será para direita.

Obs.: o normal será encontrar os dois polegares na mesma linha horizontal

Músculos responsáveis pela rotação

1.

ECOM (rotação contralateral)

 

2.

Esplénio

 

3.

Semiespinhal (rotação contralateral)

 

4.

Reto posterior maior da cabeça (rotação mesmo lado)

 

5.

Obliquo inferior da cabeça (rotação para o mesmo lado)

Obliquo inferior da cabeça (rotação para o mesmo lado) Esplendo Semiespinhal Reto posterior maior da cabeça
Obliquo inferior da cabeça (rotação para o mesmo lado) Esplendo Semiespinhal Reto posterior maior da cabeça

Esplendo

Semiespinhal

(rotação para o mesmo lado) Esplendo Semiespinhal Reto posterior maior da cabeça Obliquo inferior da
(rotação para o mesmo lado) Esplendo Semiespinhal Reto posterior maior da cabeça Obliquo inferior da

Reto posterior maior da cabeça

Obliquo inferior da cabeça

Inclinação lateral com rotação

A inclinação lateral com rotação pode ocorrer :

Inclinação com rotação para o mesmo lado

Inclinação com rotação para o outro lado

 

Avaliação estática visão Lateral

Desvios encontrados

Projeção anterior da cabeça

Flexão da cabeça

 

Extensão da cabeça

 

Hiperlordose cervical

Retificação cervical