Sie sind auf Seite 1von 9

LEI COMPLEMENTAR Nº 17, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1997.

ALTERA DISPOSITIVOS DA LEI Nº


1.466, DE 26 DE OUTUBRO DE 1973 E
DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

ANDRÉ PUCCINELLI - PREFEITO MUNICIPAL DE CAMPO


GRANDE-MS:
Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte
Lei:

Art. 1º - O inciso III, do artigo 145, da Lei nº 1.466, de 26 de outubro de


1973, alterado pelo artigo 1º da Lei nº 2.786, de 27 de dezembro de 1.990, passa a vigorar
com a seguinte redação:

“Art.145 - .......
III - os templos de qualquer culto;”

Art. 2º - O inciso I, do artigo 2º, da Lei nº 2.786, de 27 de dezembro de


1990, alterado pelo caput do artigo 3º, da Lei nº 2.950, de 22 de janeiro de 1993, passa a
vigorar com a seguinte redação:

“Art. 2º - São isentos do imposto predial e territorial urbano :


I - O imóvel que se constitua em única propriedade do contribuinte,
utilizado exclusivamente como sua residência e cujo valor venal não ultrapasse a 10.000
(dez mil) UFIR.”

Art. 3º - O inciso I, do artigo 192, da Lei nº 1466, de 26 de outubro de


1973, passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 192 - São isentos do pagamento da taxa de serviços urbanos:


I - O imóvel que se constitua em única propriedade do contribuinte,
utilizado exclusivamente como sua residência e cujo valor venal não ultrapasse a 10.000
(dez mil) UFIR. “

Art. 4º - O contribuinte, que obtiver o reconhecimento da isenção do


imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana e da taxa de limpeza urbana para
um exercício terá direito a concessão do beneficio para os demais exercícios, respeitadas as
disposições legais.

§ 1º - O contribuinte de que trata o caput deste artigo, deverá comunicar


à Prefeitura Municipal, no prazo de 30 (trinta) dias, a ocorrência de qualquer fato que cesse
ou altere as condições que ocasionaram o reconhecimento da isenção.
§ 2º - A autoridade administrativa verificando que o imóvel não mais
preenche as condições para receber o beneficio fiscal e na ausência da comunicação
prevista no parágrafo anterior, deverá lançar o imposto devido desde a data em que as
condições legais deixaram de ser atendidas.

Art. 5º - O artigo 151, da Lei nº 1466, de 26 de outubro de 1973, passa a


vigorar com a seguinte redação:

“Art. 151 - O lançamento do imposto sobre a propriedade predial e


territorial urbana poderá ser feito em conjunto com os demais tributos, tomando-se por base
as informações do cadastro imobiliário.

Parágrafo único - Os tributos de que trata o caput deste artigo serão


lançados em Unidade Fiscal de Referência - UFIR, tomando-se por base, para efeito de
conversão, o valor da UFIR do mês do respectivo lançamento e, para fins de quitação,
reconvertida em moeda corrente pelo valor da UFIR vigente na data do pagamento.”

Art. 6º - O artigo 219, da Lei nº 1466, de 26 de outubro de 1973, passa a


vigorar com a seguinte redação:

“Art. 219 - São solidariamente responsáveis pelo pagamento da taxa de


licença para publicidade e observância das disposições desta Seção, todas as pessoas físicas
ou jurídicas que, direta ou indiretamente, a publicidade venha a beneficiar, desde que a
tenha autorizado.”

Art. 7º - O § 4º, do artigo 223, da Lei nº 1466, de 26 de outubro de 1973,


passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 223 - ....


§ 4º - As licenças anuais serão válidas para o exercício em que forem
concedidas, desprezados os trimestres já decorridos, desde que o sujeito passivo apresente
ao fisco, documentos comprobatórios da data correta da afixação da publicidade. “

Art. 8º - Ficam acrescentados os incisos V, VI, VII e VIII ao artigo 224,


da Lei nº 1466, de 26 de outubro de 1973:

“Art. 224 - ....


V - as placas indicativas de oferta de emprego afixadas no
estabelecimento do empregador, desde que sem legenda, dístico ou desenho de valor
publicitário;
VI - as placas de profissionais liberais, autônomos ou assemelhados, até
0,30 m², quando colocadas nos respectivos estabelecimentos e contiverem, tão somente, o
nome , profissão e o número da inscrição profissional;
VII - painéis ou tabuletas exigidos e conforme as indicações e as
dimensões recomendadas por legislação própria, afixadas no local da obra e durante a sua
execução;
VIII - os nomes, siglas, dísticos, logotipos e breves mensagens
publicitárias identificativas de empresas que, nas condições legais, se responsabilizem,
gratuitamente, pela colocação e manutenção nas vias e logradouros públicos, de cestos de
lixo, plantio e proteção de árvores, ou ainda pela conservação, sem ônus para o Município,
de parques, praças e jardins.”

Art. 9º - O “caput” artigo 225, da Lei nº 1466, de 26 de outubro de 1973,


passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 225 - A publicidade efetuada sem licença sujeitará o infrator a multa


de 300 ( trezentas) UFIR, independentemente da taxa devida.”

TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO

Art. 10 - A Taxa de Fiscalização de Localização e Funcionamento


tem como fato gerador o exercício regular do Poder de Polícia, exercido pelo Poder
Público Municipal, de vigilância e fiscalização visando o cumprimento da legislação
municipal disciplinadora do uso e ocupação do solo urbano, da higiene, da segurança,
da ordem ou tranqüilidade pública, a que deve se submeter qualquer pessoa, física ou
jurídica, em razão da localização, instalação e funcionamento de estabelecimento no
Município.

§ 1- Considera-se estabelecimento para efeito deste artigo, o local


onde pessoas, físicas ou jurídicas, exerçam quaisquer atividades de modo permanente
ou temporário, incluindo-se dentre elas as de comércio, industria, agropecuária, de
prestação de serviços em geral e, ainda, as exercidas por entidades, sociedades ou
associações civis, desportivas, religiosas ou decorrentes de profissão, arte ou ofício.

§ 2º - É irrelevante para a caracterização de estabelecimento as


denominações de sede, filial, agência, sucursal, escritório de representação, contato ou
quaisquer outras que venham a ser utilizadas.

§ 3- A existência do estabelecimento é indicado pela conjunção,


parcial ou total, dos seguintes elementos:

I - manutenção de pessoal, material, mercadoria, máquinas,


instrumentos e equipamentos;
II - estrutura organizacional ou administrativa;
III - inscrição nos órgãos previdenciários;
IV - indicação como domicílio fiscal para efeito de outros tributos;
V - permanência ou ânimo de permanecer no local, para a exploração
econômica da atividade, exteriorizada através de placas na fachada, da indicação do
endereço em impressos, formulários ou correspondência, contrato de locação do imóvel,
propaganda ou publicidade, ou em contas de telefone, de fornecimento de energia
elétrica ou água.
§ 4- São também considerados estabelecimentos:

I - os locais onde forem exercidas as atividades de diversões públicas


de natureza itinerante;
II - a residência de pessoa física, quando nela for exercida qualquer
atividade econômica.

Art. 11 - Para efeitos desta taxa considerar-se-ão estabelecimentos


distintos:

I - os que, embora no mesmo local, ainda que com atividade idêntica,


pertençam a diferentes pessoas físicas ou jurídicas;
II - os que, embora com idêntico ramo de atividade, estejam em locais
distintos, ainda que no mesmo imóvel, desde que não tenha comunicação interna;
III - aquele que, embora no mesmo local, exerça atividades
diferentes.

Art. 12 - O sujeito passivo da taxa de fiscalização de localização e


funcionamento é a pessoa física ou jurídica que exerça atividade comercial, industrial,
produtora, prestadora de serviços no Município.

Parágrafo Único - Incide também a taxa que trata a taxa deste artigo,
sobre a sociedade ou associação civil, desportiva, religiosa ou decorrente de profissão,
arte ou ofício, que se estabeleçam no Município.

Art. 13 - São solidariamente responsáveis pelo pagamento da taxa:

I - o proprietário do imóvel onde sejam instalados ou montados


equipamentos ou utensílios usados na exploração de serviços de bailes, shows e
diversões públicas e o locador desses equipamentos;
II - o promotor de feiras, exposições, eventos e congêneres;
III - o proprietário, o locador ou o cedente de espaço em bem imóvel,
com relação às barracas, “stands” ou assemelhados;

Art. 14 - A taxa de fiscalização de localização e funcionamento será


calculada conforme a Tabela A, constante do anexo I, da presente Lei.

Art. 15 - A incidência e o pagamento da taxa de fiscalização de


localização e funcionamento independe:

I - do cumprimento de quaisquer exigências legais, regulamentares ou


administrativas;
II - de licença, autorização, permissão ou concessão, outorgadas pela
União, Estado, Município ou qualquer Órgão a eles vinculados;
III - de estabelecimento fixo ou de exclusividade, no local onde é
exercida a atividade;
IV - da finalidade ou do resultado econômico da atividade, ou da
exploração dos locais;
V - do efetivo funcionamento da atividade ou da efetiva utilização dos
locais;
VI - do caráter permanente, eventual ou transitório da atividade.

Art. 16 - A taxa será lançada anualmente considerando-se ocorrido o


fato gerador:

I - na data do início da atividade, relativamente ao primeiro ano do


exercício desta;
II - em 1 de janeiro de cada exercício, nos anos subsequentes ao
início da atividade.

Art. 17 - A concessão da licença para funcionamento inicial para


estabelecimento será efetivada mediante prévio pagamento da taxa, conforme dispuser o
regulamento.

§ 1- Qualquer pessoa, física ou jurídica, que queira se estabelecer no


Município, deverá requerer licença para o funcionamento de seu estabelecimento antes
de iniciar suas atividades.

§ 2- A licença será concedida mediante expedição de alvará, que


deverá ser afixado em local visível, de fácil acesso à fiscalização e mantido em bom
estado de conservação.
§ 3- O alvará será substituído sempre que ocorrer qualquer alteração
nos dados apresentados pelo contribuinte no ato da inscrição do estabelecimento.

§ 4- Os fatos ou circunstâncias que impliquem na emissão de novo


alvará deverão ser comunicadas à Prefeitura até 15 (quinze) dias após a sua ocorrência.

§ 5- O alvará de funcionamento será renovado anualmente, nas


formas e condições estabelecidas em Regulamento.

Art. 18 - O alvará de funcionamento poderá ser cassado, a qualquer


tempo e determinado o fechamento do estabelecimento pela autoridade competente,
sempre que o exercício da atividade violar a legislação vigente.

Art. 19 - Ficam isentas do pagamento da Taxa de Fiscalização de


Localização e Funcionamento:

I- os profissionais autônomos:

Ajudante Despachante
Antenista
Artesão
Ascensorista
Atendente de Enfermagem
Auxiliar
Barbeiro
Bordadeiras
Carregador
Costureira
Cozinheiro
Empalhador
Encanador
Estagiário Solicitador
Funileiro
Garçon
Graniteiro
Guardador de Veículos
Jardineiro
Lavadeira
Lustrador/Envernizador/Encerador
Manicure
Mensageiro
Músico
Pedreiro
Sapateiro
Servente Zelador
Silheteiro
Dedetizador
Engraxate
Entregador
Guarda Noturno
Limpador de Fossa
Raspador Tacos
Carroceiro
Confeiteiro
Estivador e os de atividades afins ou correlatas.

II - as entidades sindicais de Campo Grande;

III - os Órgãos da Administração Direta da União, dos Estados e dos


Municípios, assim como as suas fundações e autarquias.

Art. 20 - As infrações às normas relativas à taxa de fiscalização de


localização e funcionamento, ficam sujeitas às seguintes penalidades:

I - interdição, no caso de estar o estabelecimento funcionando em


desacordo com as disposições legais que lhe forem pertinentes, sem prejuízo das multas
cabíveis;
II - multa r:
a - 150 (cem e cinqüenta) UFIR’s por falta de pagamento da taxa;
b - 300 (trezentas) UFIR’s por não cumprimento da portaria de
interdição;
c - 150 ( cento e cinqüenta) UFIR’s por não manter no
estabelecimento o alvará de funcionamento, de acordo com o critérios definidos no § 2º,
do art. 17, desta Lei (Nova redação dada pela Lei Complementar n. 326, de 23 de julho
de 2018).

Art. 21 - As tabelas 5, 7 e 8 da Lei nº 1466, de 26 de outubro de 1973,


passam a ter as redações constantes do Anexo II, desta Lei.

Art. 22 - Ficam remitidos os débitos de qualquer natureza, existentes


até a data da publicação desta Lei, inscritos ou não em Dívida Ativa, cujos valores sejam
iguais ou inferiores a 10 (dez) UFIR’s.

Art. 23 – O valor de restituição do IPTU, devidamente apurado na


forma prevista nos artigos 54 a 59 da Lei nº 1.466, de 26 de outubro de 1973, poderá ser
ressarcido ao contribuinte credor através de desconto na conta do lançamento do IPTU do
exercício seguinte.

Art. 24 - Esta Lei Complementar entra em vigor na data de sua


publicação revogando-se as disposições em contrário, em especial o art. 71, da Lei nº
1466/73, e o § 2º do art. 2º, da Lei nº 2.786, de 27/12/90; o art. 2º, da Lei nº 2.372, de
23/12/86; e incisos I e II, do art. 3º, da Lei nº 2.786, de 27/12/90.

CAMPO GRANDE - MS,


ANDRE PUCCINELLI
Prefeito Municipal

Publicado no “DIÁRIO OFICIAL” do


Estado de Mato Grosso do Sul
n. 4.683, de 30 de dezembro de 1997.
ANEXO I

TABELA A

TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO

ÁREA CENTRAL - UFIC DEMAIS ÁREAS - UFIC


PRIMEIRO EXERCÍCIO 1.0 1.0
DEMAIS EXERCÍCIOS 6.0 3.0

ANEXO II
TABELA 5

ITEM LICENÇA PARA APROVAÇÃO E EXECUÇÃO DE OBRAS, ALÍQUOTAS


INSTALAÇÕES E URBANIZAÇÃO DE ÁREAS UFIR
PARTICULARES
01 Solicitação de formalização de abertura de processo 5.0
1.1 Aprovação de projeto de empreendimento (modelo simplificado até 0.14 (p/m2)
70 m²)
1.2 Aprovação de projeto de empreendimento (modelo simplificado 0.22 (p/m2)
acima de 70 m²)
1.3 Aprovação de projeto de empreendimento (modelo normal) 0.25 (p/m2)
1.4 Aprovação de acréscimo de edificação(modelo normal ou 0.25 (p/m2)
simplicado)
1.5 Aprovação de remembramento, desmembramento e desdobro 0.02 (p/m2)
1.6 Aprovação de loteamento 0.01 (p/m2)
1.7 Regularização de edificação (modelo normal ou simplificado) 0.45 (p/m2)
02 Expedição de alvará para construção 8.00
03 Expedição da Carta de Habite-se 0.15 (p/m2)
04 Cancelamento de projeto de empreendimento 8.00
05 Abertura de inscrição imobiliária para gleba 8.00
06 Averbação de escritura (por unidade) 5.50

Nota : As taxas previstas nesta tabela serão recolhidas no ato do protocolo na Prefeitura do
requerimento correspondente ou, a critério da administração, na entrega do serviço
solicitado.
TABELA 7

ITEM LICENÇA PARA OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ALÍQUOTAS EM “UFIR” POR M2


VIAS E LOGRADOUROS PÚBLICOS
TRIMESTRE SEMESTRE ANO FIXA
01 Caminhão, ônibus, camioneta, kombi, vans, táxi, 0.25 0.50 0.75
mototáxi, motociclo (motores explosão)
02 Barracas de feiras (p/m²)
-Eventual 2.0
-Permanente 4.0 8.0 16.0
-Periodicas (uma vez por semana) 2.0 4.0 6.0
03 Bancas de revistas (p/m²) 8.0 16.0 32.0
04 Expedição, do cartão do feirante e mercadista 8.0
05 Permissão de uso de banca e de box do mercado 6.0 12.0 24.0
municipal (p/m²)
06 Expedição de alvará de feirante e mercadista - 1ª e 2ª 8.0
via
07 Transferência de titularidade e mudança de atividade 8.0
08 Poste de rede elétrica ou outros (por unidade) 0.75
09 Rede de alta tensão (por metro linear) 0,25
NOTA – Esta taxa é recolhida por antecipação, com exceção do ítem 01 que será na época da lacração.
Os recolhimentos deverão ser feitos obedecendo o que se segue:
I - no caso de ser “por semestre”
a) 1º semestre, até 10 de janeiro
b) 2º semestre, até 10 de julho
II - no caso de ser “por ano”, durante o mês de janeiro;
III - por semana, antes do início da atividade;
IV - no caso do item 02 poderá o feirante optar pelo parcelamento mensal, sem acréscimo.

TABELA 8

ITEM EXPEDIENTE ALÍQUOTAS/UFIR


01 Desarquivamento de Processos 5.0
02 Certidão diversas 8.0
03 Vistoria urbana 11.00
04 Vistoria rural 16.50
05 Expedição de Licença de veículos de divulgação até 8.00
(por unidade)
06 Expedição de Extrato de Dados Cadastrais 6.0
07 Cópia heliográfica (p/m²) 7.15
08 Xerográfica especial (p/metro linear) 13.20
09 Fotocópia comum 0.22

NOTA – Esta taxa é recolhida no ato de sua solicitação à Prefeitura. São isentos desta Taxa:
I - Atestado de pobreza, certidões para fins eleitorais, de alistamento militar,
os pertinentes a atos ligados à vida funcional e financeira dos servidores da Prefeitura e os
referentes à defesa e recursos de autos de infração lavrados;
II - os requerimentos ou papéis entrados na Prefeitura, a respeito de atos e
formalidades sobre os quais já tenha sido paga a taxa, devidamente comprovada pela
juntada da Guia ou recibo.